Você está na página 1de 147

Página

SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
838
Visto do Ajudante Geral

INSTRUÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL

Nº 25

PADRONIZAÇÃO DO REGISTRO DE EVENTOS


DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

MINAS GERAIS

2014
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
839
Visto do Ajudante Geral

GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS


ALBERTO PINTO COELHO

SECRETÁRIO DE ESTADO DE DEFESA SOCIAL


MARCO ANTÔNIO REBELO ROMANELLI

COMANDANTE-GERAL DO CORPO DE BOMBEIROS MILITA DE MINAS GERAIS


CEL BM IVAN GAMALIEL PINTO

CHEFE DO ESTADO-MAIOR E SUBCOMANDANTE-GERAL DO CBMMG


CEL BM EZEQUIEL SILVA

CHEFE DA SEGUNDA SEÇÃO DO ESTADO-MAIOR DO CBMMG


TEN-CEL BM ERLON DIAS DO NASCIMENTO BOTELHO

ELABORAÇÃO
1º TEN BM GUILHERME ALCÂNTARA GONÇALVES – CINDS/BM2
2º TEN BM RAFAELLA RÔMER TIMÓTEO GOMES – CINDS/BM2

APOIO TÉCNICO
KARINE VERSIEUX MAGALHÃES – FUNDEP/DCC-UFMG
WELLICE DOS SANTOS FRAGA – FUNDEP/DCC-UFMG
2º TEN BM DEYWES MOLLER B. FERREIRA – AT/SIDS

Solicita-se aos usuários desta Instrução a apresentação de sugestões que tenham por objetivo
aperfeiçoá-la ou que se destinem à supressão de eventuais incorreções.

As observações apresentadas, mencionando a página, o parágrafo e a linha do texto a que se


referem, devem conter comentários apropriados para seu entendimento ou sua justificação, com
envio para o endereço cindsbm@gmail.com

MINAS GERAIS
1ª EDIÇÃO
DEZ – 2014
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
840
Visto do Ajudante Geral

SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO ............................................................................................................................. 841
2. CONTEXTUALIZAÇÃO ............................................................................................................... 841
3. DIRETRIZ INTEGRADA DE AÇÕES E OPERAÇÕES DO SISTEMA DE DEFESA SOCIAL DE
MINAS GERAIS (DIAO) ...................................................................................................................... 843
3.1. Concepção e Finalidade ................................................................................................... 843
3.2. Conteúdo (estrutura Geral) .............................................................................................. 843
3.2.1. Emprego Operacional ............................................................................................... 843
3.2.2. Evento de Defesa Social ........................................................................................... 843
3.2.3. Ligação ....................................................................................................................... 844
3.2.4. Chamada .................................................................................................................... 844
3.2.5. Ocorrência .................................................................................................................. 844
3.2.6. Atividade .................................................................................................................... 844
3.2.7. REDS ........................................................................................................................... 844
3.2.8. Formulários de Registro de Eventos de Defesa Social ......................................... 844
3.3. Onde encontrar .................................................................................................................. 844
3.4. Naturezas ........................................................................................................................... 845
3.4.1. Classificação e Codificação das Naturezas ........................................................... 846
4. REGISTRO DE EVENTO DE DEFESA SOCIAL (REDS) ........................................................... 849
4.1. Tipos de Relatório ............................................................................................................. 850
4.1.1. Relatórios Operacionais ........................................................................................... 850
4.1.2. Relatório Administrativo ........................................................................................... 851
4.2. Utilização ............................................................................................................................ 851
4.3. Acesso ................................................................................................................................ 851
4.4. Fluxo ................................................................................................................................... 851
4.5. Etapas ................................................................................................................................. 852
4.5.1. Chamada .................................................................................................................... 852
4.5.2. Empenho de viatura .................................................................................................. 852
4.5.3. Atendimento da ocorrência / Realização da atividade .......................................... 852
4.5.4. Encerramento da ocorrência / atividade ................................................................. 852
4.5.5. Confecção do REDS e do RAT ................................................................................. 853
4.5.6. Recibo do REDS ........................................................................................................ 855
4.6. Exemplos ............................................................................................................................ 856
4.6.1. Empenho de Viatura Única ....................................................................................... 856
4.6.2. Empenho de Trem de Combate ............................................................................... 857
4.6.3. Esquematização do Fluxo do REDS ........................................................................ 858
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS......................................................................................................... 860
ANEXO I .......................................................................................................................................... 860
ANEXO II ......................................................................................................................................... 871
ANEXO III ........................................................................................................................................ 935
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
841
Visto do Ajudante Geral

1. INTRODUÇÃO

A presente Instrução Técnica Operacional (ITO) foi elaborada em função da necessidade de


padronizar e orientar a confecção dos Registros de Eventos de Defesa Social (REDS) realizados pelo
Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG).

Ademais, no segundo semestre de 2014 foi realizada uma revisão nas naturezas utilizadas pelo
CBMMG contidas na Diretriz Integrada de Ações de Defesa Social do Estado de Minas Gerais
(DIAO), bem como nos formulários específicos de bombeiros do REDS. As revisões objetivaram
simplificar o preenchimento dos relatórios e aumentar a qualidade dos dados.

O trabalho culminou nas modificações das naturezas, presentes nesta ITO, que foram aprovadas em
âmbito interno e pela Câmara Permanente da DIAO, bem como na alteração das telas dos
formulários de bombeiros do REDS, também aprovadas internamente pelo CBMMG, pelo Colegiado
Técnico Operativo (CTO) do Centro Integrado de Informações de Defesa Social (CINDS) e pela
Assessoria Técnica do Sistema Integrado de Defesa Social (AT/SIDS).

As alterações relativas à DIAO entrarão em vigor a partir do dia 02 de janeiro de 2015 e àquelas
referentes ao REDS serão implementadas em duas etapas, sendo a primeira ainda no dia 23 de
dezembro de 2014 e a segunda em 27 de janeiro de 2015. Portanto, esta é apenas a primeira edição
desta Instrução, que será atualizada à medida que as mudanças se operacionalizarem.

Mais propostas de melhorias serão realizadas ao longo de 2015 e nos próximos anos, a fim de atingir
cada vez mais a excelência na operacionalização da geração e qualidade dos dados.

Esta ITO está dividida em 05 (cinco) seções. Além desta introdução, na segunda seção é delineada a
contextualização quanto à origem, história e objetivo do REDS no Estado. Na terceira seção é
apresentada a DIAO, em sua concepção, objetivo e conteúdo, além de tratar da codificação,
utilização e finalidade das Naturezas de ocorrências. Na quarta seção são estabelecidas diretrizes
operacionais para os registros de eventos do CBMMG, com a explanação sobre cada tipo de relatório
existente e orientações de como e quando serão utilizados. Por fim, são apresentadas breves
considerações finais.

Já nos anexos são citadas, no Anexo I, as naturezas utilizadas pelo CBMMG com o respectivo
formulário que deve ser utilizado para registro. O Anexo II mostra as telas dos REDS com
detalhamento de cada um dos formulários e orientações acerca do seu correto preenchimento. Por
último, o Anexo III traz todas as naturezas utilizadas pelo CBMMG, especificando em qual situação
cada uma delas deve ser utilizada.

2. CONTEXTUALIZAÇÃO

O atual Relatório de Evento de Defesa Social (REDS) e sua utilização nas análises e estudos
estatísticos no âmbito do Estado de Minas Gerais e do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais
(CBMMG), remonta sua origem à Constituição do Estado de Minas Gerais que, em 1989, em seu art.
297, já previa a utilização conjunta dos sistemas de informação relativos aos órgãos e entidades
pertencentes à Segurança Pública da Administração Pública Estadual.

No intuito de cumprir o determinado no artigo supracitado da Constituição Estadual, nos anos de


2000 e 2001, por meio das leis estaduais 13.772/00 e 13.968/01, foi criado um banco de dados único
para a Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) e Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) e definida sua
utilização de forma integrada por esses órgãos. No mesmo período, por meio da Resolução BM n°
54, de 13 de dezembro de 2001, o Corpo de Bombeiros Militar aprovava a Diretriz Auxiliar de
Operações de Bombeiro Militar (DIAO - BM), deixando de adotar as instruções previstas na DIAO -
PM.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
842
Visto do Ajudante Geral

Em 2003, as leis delegadas n° 49/03 e n° 56/03 e o decreto estadual n° 43.295/03 definiram as


competências e estrutura da Secretaria de Estado de Defesa Social (SEDS). Dentre as competências
dessa Secretaria estavam a elaboração, execução e coordenação do Sistema Integrado de Defesa
Social (SIDS), em conjunto com a Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros Militar, Defensoria
Pública e entidades da sociedade civil organizada. Sendo que a Polícia Militar, a Polícia Civil e o
Corpo de Bombeiros Militar permaneceriam diretamente subordinados ao Governador de Estado e
integrariam a SEDS para fins operacionais.

O Sistema Integrado de Defesa Social (SIDS) foi, então, instituído no ano seguinte pelo Decreto
Estadual n° 43.778/04. O SIDS foi definido como um sistema modular e integrado que permite a
gestão das informações de ocorrências relacionadas à Defesa Social e composto, em sua estrutura
operacional pelo Centro Integrado de Atendimento e Despacho (CIAD) e pelo Centro Integrado de
Informações de Defesa Social (CINDS), ambos integrados pela PMMG, PCMG e CBMMG.

O Decreto 43.778/04 colocou como objetivo do SIDS, ainda, a criação de uma base de dados única e
integrada para lançamento dos registros referentes à defesa social no Estado, cujos lançamentos
seriam feitos no módulo do REDS, desenvolvido para essa finalidade. Em resumo, o REDS é um
módulo virtual para registros de ocorrências, em resposta à necessidade e determinação da
Constituição do Estado de Minas Gerais de uma base de dados única e integrada das ocorrências de
Segurança Pública. O processo, porém foi realizado em etapas e o Corpo de Bombeiros, que utilizava
um banco de dados próprio advindo dos anúncios operacionais das Unidades de Execução
Operacional (UEOp), preparou-se para a implementação do novo Sistema de registro e
armazenamento de dados.

Em 2005, a Resolução BM n° 175 alterou os formulários de registro operacional, em função da


criação do SIDS e da necessidade de inovar e objetivar os dados para possibilitar a obtenção
detalhada de dados estatísticos.

Em 2008, o CINDS teve sua estrutura organizacional estabelecida e data para início do
funcionamento no mesmo ano. Assim, o CINDS/BM iniciou seus trabalhos como responsável pela
produção de estatísticas no âmbito do CBMMG. O memorando 7003/08-EMBM ratificou essa
responsabilidade e padronizou o envio de dados dos atendimentos operacionais ao CINDS à época.

Ainda em 2008, iniciava-se a implementação do REDS no âmbito do CBMMG e até 2011 as


orientações com relação ao preenchimento de formulários e procedimentos operacionais, como nos
casos dos memorandos 3.007/08-COB e 3.001/11-COB, ainda eram voltadas para dois meios
disponíveis: o boletim de ocorrência físico e o REDS, virtual.

Apenas em 2012 a base de dados do REDS passou a ser utilizada como fonte de dados para as
pesquisas, quando o sistema foi disponibilizado para todas as frações do Corpo de Bombeiros Militar.
Paralelamente ao banco de dados do REDS, o CINDS utilizava os bancos de dados advindos das
UEOp.

A partir de 2015, a base de dados do REDS passa a ser a fonte única de fornecimento de dados
estatísticos para o CBMMG. Assim sendo, a obrigação das UEOp de envio periódico de planilhas
eletrônicas contendo dados operacionais ao CINDS encerra-se no ano de 2014.

Pensando na constante necessidade de aprimoramento dos dados e instrução da tropa com relação
ao correto preenchimento do REDS, criou-se esta Instrução Técnica Operacional (ITO). Seu objetivo
principal é instruir a tropa, dando-a os conhecimentos necessários para o correto preenchimento do
REDS, além de fomentar a percepção da sua importância e desenvolver o compromisso com a
qualidade dos dados estatísticos da Corporação.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
843
Visto do Ajudante Geral

3. DIRETRIZ INTEGRADA DE AÇÕES E OPERAÇÕES DO SISTEMA DE DEFESA SOCIAL


DE MINAS GERAIS (DIAO)

Para melhor compreender o fluxo e preenchimento correto do REDS, antes é necessário familiarizar-
se com a Diretriz Integrada de Ações e Operações do Sistema de Defesa Social (DIAO). A DIAO é o
documento que contém as naturezas de ocorrências, a explicação de quando utilizá-las e as ações a
serem executadas por cada órgão em cada uma delas. O extrato da nova DIAO, contendo apenas as
naturezas de ocorrência aplicadas ao CBMMG que vigerá a partir de 02 de janeiro de 2015, encontra-
se no Anexo I desta ITO.

Sendo a natureza a fonte primária e inicial para os diversos levantamentos, análises e estudos, é
fundamental conhecê-las e saber quando usá-las. Uma natureza mal escolhida pode alterar e
comprometer toda a interpretação dos dados de um registro e uma pesquisa.

3.1. Concepção e Finalidade

Em 2005, por orientação do Excelentíssimo Senhor Governador de Minas Gerais, a DIAO foi
elaborada a partir do trabalho integrado das forças de Segurança Pública do Estado (PMMG,
CBMMG e PCMG). Nela encontram-se as diversas naturezas atendidas pelos órgãos de segurança
pública, bem como o detalhamento do procedimento a ser adotado em cada situação.

Diante das possíveis mudanças de conceitos e surgimento de novas demandas, existe e se reúne de
modo periódico uma Comissão Permanente, com representantes de cada instituição envolvida, que
recebe as considerações e propostas para correção e adequação do texto da DIAO.

A finalidade da DIAO é estabelecer a padronização da metodologia de trabalho e o emprego da ação


operacional integrada entre as Polícias Estaduais, Corpo de Bombeiros Militar, Sistema Prisional ou
Subsecretaria de Administração Prisional (SUAPI) e Sistema Socioeducativo ou Subsecretaria de
Atendimento às Medidas Socioeducativas (SUASE), visando aumentar a capacidade de resposta,
com a otimização e o ordenamento de estratégias prévias que envolvam as mencionadas instituições,
além de disciplinar e harmonizar o emprego dos recursos disponíveis.

A DIAO é, ainda, um produto da elaboração e consolidação do Sistema Integrado Social (SIDS),


instituído em 2004 pelo Decreto Estadual n° 43.778/04.

3.2. Conteúdo (estrutura Geral)

Na DIAO encontram-se diversos conceitos e procedimentos operacionais relacionados a crimes,


contravenções penais, atos infracionais, infrações, prisão em flagrante e outros.

Conceitos do dia-a-dia operacional também estão presentes na DIAO e servirão como referência à
medida que serão utilizados nesta ITO, sendo os principais:

3.2.1. Emprego Operacional


É a disponibilização estratégica dos recursos humanos e logísticos da Polícia Militar, Polícia Civil ou
do Corpo de Bombeiros Militar no cumprimento de suas missões constitucionais.

3.2.2. Evento de Defesa Social


É todo fato policial, de trânsito urbano e rodoviário, de meio-ambiente, de bombeiros e outros afins,
que requer a intervenção dos Órgãos que compõem o Sistema de Defesa Social do Estado,
independentemente da origem, forma de comunicação ou documento inicial. Incluem-se, aqui, as
atividades desenvolvidas durante o serviço operacional.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
844
Visto do Ajudante Geral

3.2.3. Ligação
É a ligação telefônica direcionada para o Sistema de Atendimento de Emergência Policial ou de
Bombeiros Militar, por intermédio dos tridígitos de emergência (190, 193 ou 197), ou similar em caso
de indisponibilidade, que exija ou não intervenção do Estado.

3.2.4. Chamada
É todo registro de solicitação ao Sistema de Atendimento de Emergência Policial e/ou de Bombeiros
Militar, que exija a intervenção do Estado, mediante deslocamento de recursos operacionais.

3.2.5. Ocorrência
É todo fato que, de qualquer forma, afete ou possa afetar a ordem pública, exigindo a intervenção
Policial e/ou de Bombeiros Militar por meio de ações e/ou operações, compreendendo ocorrências
típicas e ocorrências policiais atípicas. A comunicação do fato pode ser por meio de ofício, por
solicitação de qualquer pessoa, ou em cumprimento a requisição de autoridade competente para este
ato.

3.2.6. Atividade
É a atuação ou participação Policial e/ou de Bombeiros Militar desencadeada, de ofício, solicitação
e/ou em cumprimento a determinação superior, em atividades desenvolvidas durante o serviço
operacional. Toda atividade de bombeiro militar, desde que devidamente descrita na DIAO, será
registrada em módulo específico do Sistema Integrado de Defesa Social (SIDS), com interface atual
no sistema REDS.

3.2.7. REDS
Módulo informatizado, desenvolvido para permitir o lançamento dos registros de fatos policiais (da
Polícia Militar e da Polícia Civil), de trânsito urbano e rodoviário, de meio-ambiente, de Bombeiros
Militar, de atividades desenvolvidas em serviço e outros afins, independentemente da origem, forma
de comunicação ou documento inicial. Objetiva constituir uma base de dados integrada, formada pela
totalidade de Eventos de Defesa Social do Estado de Minas Gerais. Os registros efetuados no
sistema REDS receberão numeração sequencial única e anual. O número do evento constituir-se-á
no identificador do fato, que permitirá o seu acompanhamento desde o Atendimento da Emergência
Policial ou de Bombeiro ou da Atividade Desenvolvida em Serviço, até a execução da pena, nos
casos em que houver a condenação.

3.2.8. Formulários de Registro de Eventos de Defesa Social


Chamados de relatórios no Sistema REDS. Cada natureza de ocorrência é registrada em um
diferente tipo de formulário, de acordo com sua especificidade, que demanda a adição de diferentes
dados complementares, ou pela ausência da necessidade da inserção de dados específicos. Para
cada natureza de Evento de Defesa Social existe apenas um tipo de formulário relacionado a ser
preenchido.

3.3. Onde encontrar

A DIAO encontra-se disponível na tela inicial do Sistema de Registro de Defesa Social – REDS, no
item de menu “Outros Sistemas” (Figura 01).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
845
Visto do Ajudante Geral

Figura 01: Onde encontrar a DIAO no sistema REDS (aba à esquerda – círculo elíptico).

3.4. Naturezas

Durante o preenchimento do REDS, a natureza da ocorrência será o primeiro campo a ser


preenchido, devido à sua importância para fins operacionais e estatísticos. A partir da natureza, o tipo
de relatório a ser preenchido será definido e é possível se ter uma ideia geral do tipo de atuação que
houve no teatro de operações, bem como dos dados específicos e complementares necessários para
o registro.

Assim, a codificação correta da ocorrência permitirá uma estatística confiável e, sobretudo, a análise
das ações e operações desenvolvidas pelo CBMMG. Dados confiáveis subsidiarão planejamentos do
emprego de recursos materiais e humanos a nível estratégico e tático-operacional, ao permitir uma
visão panorâmica da atuação bombeiro militar no Estado de Minas Gerais.

Para tanto, no ato da escolha da natureza (codificação) da ocorrência, o militar deve atentar-se para
que:

a) Exista coerência entre a natureza escolhida e o fato descrito no histórico do relatório;


b) A ocorrência principal tenha a codificação escolhida no início do preenchimento (no caso de
empenho de mais de uma viatura, serão atribuídas naturezas secundárias, relativas à
atuação específica de cada viatura, em campo próprio);
c) A codificação “Outras” somente deverá ser preenchida quando não houver codificação
específica e o campo para especificação nesses casos será de preenchimento obrigatório.
d) Não haverá duplicidade de classificação de natureza, uma vez que será confeccionado
apenas um REDS para cada ocorrência (exceto nos casos em que houver o empenho da
Unidade de Resgate, com condução de vítima).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
846
Visto do Ajudante Geral

3.4.1. Classificação e Codificação das Naturezas


Na DIAO, as naturezas para tipificação de ocorrências foram divididas em 03 (três) grandes
categorias, dentro das quais estão inseridos os grupos que, em sequência, são compostos por
classes, subclasses e finalmente as naturezas.

A codificação segue o padrão de números romanos para categorias, letras maiúsculas do alfabeto
latino para grupos e algarismos arábicos para classe, subclasse e natureza. A cada código completo,
atribui-se uma descrição da natureza.

3.4.1.1. Categorias: são as três categorias presentes na DIAO e os números romanos que as
identificam:

I – Ocorrências típicas de Polícia, do Sistema Prisional e Socioeducativo;


II – Ocorrências típicas de Bombeiro Militar;
III – Ações e Operações decorrentes do Sistema de Defesa Social – SIDS.

Dentre as três categorias disponíveis, o CBMMG utiliza apenas as naturezas inseridas na categoria II
e algumas da categoria III (observar o anexo I).

3.4.1.2. Grupos: são os grandes agrupamentos de naturezas em função na característica


primária do fato, ocorrência, atuação. São representados por letras maiúsculas do alfabeto latino,
sendo utilizados pelo CBMMG os grupos a seguir:

CATEGORIA II - OCORRÊNCIAS TÍPICAS DE BOMBEIROS MILITAR


O REFERENTE À EXPLOSÃO E INCÊNDIO
P REFERENTE À PREVENÇÃO E VISTORIA
R REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE DEFESA CIVIL
S REFERENTE À BUSCA E SALVAMENTO
V REFERENTE À ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR (APH)

CATEGORIA III - AÇÕES E OPERAÇÕES DECORRENTES DO SIDS


A AÇÕES DE DEFESA SOCIAL
Q REFERENTE À DEMONSTRAÇÕES, PALESTRAS E TREINAMENTOS
W ROTINAS ADMINISTRATIVAS
Y OPERAÇÕES DE DEFESA SOCIAL
X COORDENAÇÃO E CONTROLE OPERACIONAL E ADMINISTRATIVO

3.4.1.3. Classes: as classes são representadas pelos dois primeiros dígitos de algarismos
arábicos do código da natureza. Nas classes estão as naturezas que, dentro do seu grupo,
apresentam uma similaridade na causa do evento.

a) Classes dos Grupos da Categoria II:

GRUPO O
O 01.000 Explosão
O 02.000 Incêndio urbano
O 03.000 Perigo de explosão / incêndio
O 04.000 Incêndio florestal
GRUPO P
P 01.000 Vistorias de PSCIP
P 02.000 Vistorias operacionais diversas
P 03.000 Prevenção contra incêndios e acidentes (PCI / PCA)
GRUPO R
R 01.000 Ações de apoio à comunidade
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
847
Visto do Ajudante Geral

R 02.000 Contaminação com produtos perigosos


R 03.000 Danos causados por catástrofes naturais
GRUPO S
S 01.000 Salvamento aquático
S 02.000 Mergulho autônomo
S 03.000 Salvamento em altura
S 04.000 Salvamento terrestre típico
S 05.000 Salvamento terrestre - acidentes de trânsito com vítima
S 06.000 Salvamento terrestre – diversos
GRUPO V
V 01.000 APH – Clínico
V 02.000 APH - Trauma - acidentes de trânsito
V 03.000 APH - Trauma – diversos
V 04.000 Primeiro-atendimento em apoio ao SAMU / outros órgãos

b) Classes dos Grupos da Categoria III, utilizadas pelo CBMMG:

GRUPO A
A 03.000 Auto-extermínio (suicídio consumado)
A 18.000 Empenho de ambulância
A 20.000 Visita tranquilizadora / pós-sinistro
GRUPO Q
Q 01.000 Demonstrações profissionais
Q 02.000 Palestras / aulas
Q 03.000 Treinamentos
GRUPO Y
Y 04.000 Operações policiais de trânsito
Y 07.000 Operações policiais diversas
Y 30.000 Operações do corpo de bombeiros militar
Y 40.000 Operações aéreas

GRUPO W
W 01.000 Solicitante não encontrado
W 02.000 Endereço não localizado
W 03.000 Solicitante encontrado - providência dispensada
W 04.000 Nada constatado
W 07.000 Trote
W 10.000 Dispensada por duplicidade de empenho com outros órgãos
W 11.000 Dispensada pelo comandante das operações
W 99.000 Outros tipos de rotinas administrativas
GRUPO X
X 01.000 Supervisão
X 02.000 Fiscalização
X 03.000 Empenho administrativo
X 05.000 Coordenador das atividades de bombeiros militar da unidade
X 99.000 Outros tipos de ações de coordenação e controle

3.4.1.4. Subclasses: as subclasses são representadas pelo terceiro dígito de algarismo


arábico. São utilizadas nas classes de alguns grupos específicos, em função da necessidade de
maior detalhamento do mecanismo de ação gerador da ocorrência.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
848
Visto do Ajudante Geral

GRUPO S
CLASSE S 05.000 - SALVAMENTO TERRESTRE - ACIDENTES DE TRÂNSITO COM VÍTIMA
Subclasse Descrição da Subclasse
S 05.100 Choque (acidente) com objeto fixo (poste / muro / similares)
S 05.200 Capotamento / Tombamento
S 05.300 Colisão / Abalroamento
S 05.400 Acidentes de trânsito diversos
GRUPO V
CLASSE V 02.000 - APH - TRAUMA - ACIDENTES DE TRÂNSITO
Subclasse Descrição da Subclasse
V 02.100 Atropelamento
V 02.200 Choque (acidente) com objeto fixo (poste / muro / similares)
V 02.300 Capotamento / Tombamento
V 02.400 Colisão / Abalroamento
V 02.500 Acidentes de trânsito diversos

3.4.1.5. Código da Natureza: os dois últimos algarismos arábicos completam o código


referente à natureza. É a especificidade máxima da característica da ocorrência, fato, evento ou
atividade. O código da natureza é composto, então, pelo conjunto da letra (referente ao grupo) mais
os cinco algarismos subsequentes.

3.4.1.6. Descrição da Natureza: é a denominação do código da natureza. Descreve em sua


especificidade máxima da característica da ocorrência, fato, evento ou atividade.

3.4.1.7. Natureza: é a junção do código da natureza e da descrição dessa natureza (Figura


02).

Figura 02: Esquema de codificação e descrição da natureza da ocorrência.

Exemplos:

NATUREZA
CÓDIGO DESCRIÇÃO
O 02.009 Incêndio em local religioso / cultural / artístico
O 03.003 Vazamento de GLP / gás natural (cozinha)
O 04.008 Incêndio em área rural não protegida
P 01.001 Vistoria de fiscalização
P 02.007 Vistoria em risco de enchente / inundação / alagamento
P 03.004 Prevenção em evento esportivo
S 01.005 Princípio de afogamento em galeria
S 02.001 Afogamento em piscina
S 04.012 Busca e salvamento em local de difícil acesso
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
849
Visto do Ajudante Geral

S 05.202 Capotamento de caminhão / carreta


S 05.309 Colisão entre automóvel x caminhão / carreta
V 01.023 Vítima de síncope (desmaio)
V 02.102 Vítima de atropelamento por motocicleta
V 02.203 Vítima de choque de automóvel (carro / caminhonete)
V 03.006 Vítima de ataque de animais peçonhentos

OBS.: A lista completa de naturezas encontra-se no Anexo I desta ITO.

3.4.1.8. Exceção à regra: existem ocorrências em que a própria classe já é a especificidade


máxima do evento. Nesses casos, adotou-se por convenção, que o próprio código da classe será o
código da natureza.

Exemplos:

NATUREZA
CÓDIGO DESCRIÇÃO
A 03.000 Auto-extermínio (suicídio consumado)
A 20.000 Visita tranquilizadora / pós-sinistro
W 01.000 Solicitante não encontrado
W 04.000 Nada constatado
W 11.000 Dispensada pelo comandante das operações
X 02.000 Fiscalização
X 03.000 Empenho administrativo

4. REGISTRO DE EVENTO DE DEFESA SOCIAL (REDS)

O REDS é um módulo informatizado que foi desenvolvido a fim de substituir os boletins de ocorrência
físicos que eram anteriormente produzidos pelos Órgãos de Defesa Social do Estado e permitir a
criação de uma base de dados única e integrada para lançamento desses registros.

São considerados “Eventos de Defesa Social”, no caso específico do CBMMG para registro no SIDS
por meio do REDS, todo fato que exija a intervenção do Corpo de Bombeiros Militar, sejam
ocorrências, caracterizadas por serem fatos que perturbam a ordem pública, sejam atividades
desenvolvidas durante o serviço operacional. O REDS possibilita, então, a confecção de relatórios
operacionais e administrativos.

Para fins de operacionalidade dos registros e trabalhos estatísticos, as ocorrências serão registradas
nos relatórios operacionais e receberão um número sequencial de REDS típico. Já os relatórios
administrativos também serão alimentados nos bancos de dados para fins de controle,
armazenamento e produção de estatísticas, só que receberão um número sequencial de Registro de
Atividade (RAT).

Os relatórios operacionais e administrativos lançados no REDS, além de alimentarem os bancos de


dados, também são documentos oficiais para fins públicos e judiciais. A DIAO prevê, ainda, que os
relatórios produzidos pelo CBMMG servirão como notícia-crime, desde que contenham o mínimo de
informações necessárias, para posterior investigação policial.

Devido à sua característica oficial, cada REDS deve ser produzido com qualidade e responsabilidade,
sendo que todas as orientações contidas nesta ITO devem ser seguidas e cumpridas, a fim de bem
servir o cidadão, a Corporação e a Justiça, quando couber, além de resguardar a atuação do
bombeiro militar.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
850
Visto do Ajudante Geral

4.1. Tipos de Relatório

São utilizados pelo CBMMG, atualmente, 05 (cinco) relatórios operacionais para registro de
ocorrências e 01 (um) relatório administrativo para registro de atividades. Os diferentes relatórios
operacionais possuem formulários específicos, de acordo as características da natureza da
ocorrência.

Cada ocorrência ou atividade demanda a escolha de uma natureza específica, que exige o
preenchimento de um diferente tipo de relatório.

A lista completa de naturezas utilizadas pelo CBMMG, com o respectivo tipo de relatório que deve ser
preenchido, encontra-se no Anexo I desta ITO.

O Anexo II, por sua vez, mostra as telas dos REDS com detalhamento de cada um dos formulários e
orientações acerca do seu correto preenchimento.

4.1.1. Relatórios Operacionais


Doravante, os relatórios operacionais passam a receber as novas denominações que se seguem:

4.1.1.1. Relatório de Ocorrência Simplificado (ROS): o ROS é um formulário destinado às


ocorrências que não possuem formulário específico e que não demandam a inserção de informações
mais específicas. É um formulário simples, destinado à coleta de informações, em geral, de
ocorrências típicas de 2º Socorro e 2º Salvamento, ações de Defesa Civil (exceto Produtos
Perigosos), ações de prevenção, vistorias operacionais diversas, operações aéreas, treinamentos e
palestras, bem como algumas rotinas administrativas realizadas pelas guarnições ou militares das
Frações / Unidades Operacionais. As naturezas que exigem o preenchimento de ROS estão
presentes em todos os grupos utilizados pelo CBMMG e são especificadas no Anexo I.

4.1.1.2. Relatório de Explosão e Incêndio (REI): formulário destinado à coleta de


informações nos casos de intervenção de bombeiros em ocorrências relativas a incêndios e
explosões. O REI deve ser utilizado quando a natureza principal da ocorrência pertencer ao grupo “O
– Referente a Explosões e Incêndios”, com exceção de algumas naturezas que exigirão apenas o
preenchimento do ROS (ver o Anexo I). Existem quatro tipos diferentes de REI, cada um com
formulários específicos de acordo com o alvo do incêndio/explosão, sendo eles:

a) Relatório de Explosão e Incêndio em veículos;


b) Relatório de Explosão e Incêndio em edificações;
c) Relatório de Explosão e Incêndio em vegetação;
d) Relatório de Explosão e Incêndio – outros.

4.1.1.3. Relatório de Busca e Salvamento (RBS): formulário destinado à coleta de


informações nos casos de intervenção de bombeiros em ocorrências relativas a buscas e
salvamentos. O RBS deve utilizado quando a natureza principal da ocorrência pertencer ao grupo “S
– Referente a Busca e Salvamento” e às classes “R 02.000 – Contaminação com Produtos Perigosos”
e “A 03.000 – Auto-extermínio (suicídio consumado)”, com exceção de algumas naturezas que
exigirão apenas o preenchimento do ROS (ver o Anexo I). Existem três tipos diferentes de RBS, cada
um com formulários específicos de acordo com o alvo da busca/salvamento, sendo eles:

a) Relatório de Busca e Salvamento em Altura;


b) Relatório de Busca e salvamento Terrestre;
c) Relatório de Busca e Salvamento Aquático.

4.1.1.4. Relatório de Atendimento Pré-Hospitalar (RAPH): formulário destinado à coleta de


informações sobre os dados da ocorrência e lesões do paciente/vítima atendido(a) e transportado(a)
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
851
Visto do Ajudante Geral

pela guarnição de bombeiros nas ocorrências de atendimento pré-hospitalar (APH). O RAPH deve ser
utilizado um para cada Unidade de Resgate (UR) empenhada, lançando-se cada vítima em campo
próprio. As naturezas referentes à APH e que exigem o preenchimento do RAPH encontram-se no
grupo “V – Referente à Atendimento Pré-Hospitalar (APH)”, com exceção à classe “V 04.000 –
Primeiro Atendimento em apoio ao SAMU / outros órgãos” que exigirá apenas o preenchimento do
ROS (ver o Anexo I).

4.1.1.5. Relatório de Vistorias de PSCIP (RV): formulário destinado à coleta de informações


nos casos de intervenção de bombeiros em ocorrências de fiscalização e vistoria em edificações e
eventos. O RV deve ser utilizado quando a natureza pertencer à classe “P 01.000 – Vistorias de
PSCIP” e será preenchido pelos vistoriadores pertencentes ao Serviço de Segurança Contra Incêndio
e Pânico (SSCIP).

4.1.2. Relatório Administrativo

4.1.2.1. Relatório de Atividade (RAT): formulário destinado à coleta de informações das


atividades de bombeiros desenvolvidas durante o serviço operacional, relativas à participação em
demonstrações profissionais, operações do CBMMG (exceto as operações aéreas) e atividades de
Coordenação e Controle operacional e administrativo. O RAT deve ser utilizado quando a natureza
pertencer aos grupos “Q – Referente a Demonstrações, Palestras e Treinamentos”, “Y – Operações
de Defesa Social” e para todas as naturezas do grupo “X – Coordenação e Controle Operacional e
Administrativo”, conforme descrito no Anexo I.

4.2. Utilização

O Sistema REDS deverá ser utilizado para toda ocorrência atendida ou atividade desenvolvida pelo
CBMMG. Cada evento de defesa social possuirá um único número de REDS ou RAT correspondente,
podendo ter sequenciais quando couberem associações de registros, nos moldes especificados nesta
ITO.

4.3. Acesso

Para criação do perfil de acesso ao REDS, o usuário deve enviar uma mensagem contendo a
solicitação de perfil, nome completo e número do solicitante, ao endereço de e-mail:
suporte.atsids.cbm@sids.mg.gov.br. Será, então, enviada uma mensagem de resposta contendo
login e senha temporária da conta para acesso ao Sistema do REDS. A senha deverá ser modificada
no primeiro acesso.

A senha criada pelo usuário no processo de ativação de sua conta é pessoal e intransferível. Durante
o processo de ativação de conta, o sistema gera, ainda, uma CONTRA SENHA para o usuário,
composta por doze algarismos, devendo ser utilizada quando o usuário esquecer ou perder a sua
senha pessoal.

O perfil ou nível de acesso do usuário do CBMMG no REDS é definido pelo local e função,
cadastrados no Sistema de Recursos Humanos (SIRH) para o servidor. Em princípio, todos os
usuários que possuírem local/função cadastrada no SIRH terá o perfil de RELATOR de ocorrência. A
obtenção de outros perfis/níveis de acesso dependerá da função cadastrada.

Em caso de dúvidas, dificuldades ou problemas, o usuário deve solicitar orientação através do Help
Desk: 0800-2830-190.

4.4. Fluxo

Para compreensão do fluxo das informações relativas aos eventos de defesa social, deve-se ter em
mente que: as ocorrências ou atividades iniciam-se com o registro da chamada telefônica no CAD ou
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
852
Visto do Ajudante Geral

CADWeb pelo COBOM-CIAD, SOU ou SOF, encerrando-se com o recebimento do REDS pela
autoridade competente.

OBS.: Não haverá recebimento no Sistema REDS do ROS e do RAT, que serão automaticamente
armazenados nos bancos de dados tão logo haja a conclusão do REDS pelo relator.

4.5. Etapas

O atendimento a um evento de defesa social é composto de etapas e, em cada uma delas, há


importantes ações a serem observadas. As ações referentes ao REDS e RAT serão descritas nesta
ITO e devem ser seguidas com atenção e responsabilidade, a fim de garantir a qualidade dos dados
registrados e do andamento do serviço. Já as ações referentes a procedimentos operacionais não
foram descritas nesta ITO e, para tanto, devem-se observar instruções, normas e ordens de serviço
próprias.

4.5.1. Chamada
A chamada será gerada através do CAD ou CADWeb quando houver solicitação ao Sistema de
Atendimento de Emergência de Bombeiros Militar (COBOM, SOU, SOF) que exija a intervenção do
CBMMG, mediante deslocamento de recursos operacionais e/ou administrativos.

A chamada será gerada observando-se a natureza mais adequada a cada caso específico.

Os atendimentos e deslocamentos por iniciativa para atendimento de ocorrências, execução de


atividades e cumprimentos de ordens de serviço serão precedidos de comunicação ao COBOM /
SOU / SOF, para criação da chamada.

O registro da chamada no Sistema de Atendimento de Emergência de Bombeiros Militar (COBOM,


SOU, SOF), cujo atendimento tenha sido considerado frustrado, será encerrado nas seguintes
naturezas específicas e não demandará a confecção do REDS:

NATUREZA
CÓDIGO DESCRIÇÃO
W 05.000 Duplicata de solicitações*
W 06.000 Teste
W 07.000 Trote*
W 08.000 Cancelada por indisponibilidade de meios (viatura / pessoal)
W 09.000 Cancelada por ordem do órgão de coordenação e controle
*Essas naturezas não demandarão a confecção do REDS quando tais situações forem identificadas pelo
órgão de coordenação e controle, isto é, quando não culminarem com o empenho efetivo de viatura. Se houver
empenho de GUBM, deve-se confeccionar o ROS.

4.5.2. Empenho de viatura


O empenho da viatura ocorre após o registro da chamada pelo Sistema de Atendimento de
Emergência através do sistema CAD ou CADWeb e possui conceituação e procedimentos
operacionais descritos na DIAO completa e em ITO própria.

4.5.3. Atendimento da ocorrência / Realização da atividade


Para a execução do atendimento a ocorrências e realização de atividades devem-se observar
instruções, normas e ordens de serviço próprias.

4.5.4. Encerramento da ocorrência / atividade


O encerramento da ocorrência ou atividade se dará por meio da comunicação com o Sistema de
Atendimento de Emergência que encerrará o empenho no sistema CAD ou CADWeb.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
853
Visto do Ajudante Geral

Ao encerrar a ocorrência / atividade, o operador do Sistema de Atendimento de Emergência vinculará


o REDS ou RAT ao número de bombeiro do militar mais antigo da GUBM, para confecção do registro
ou relatório.

4.5.5. Confecção do REDS e do RAT


Para melhor compreensão sobre as ações referentes ao REDS e RAT, observe os itens a seguir:

a) Todo evento de defesa social será registrado no módulo REDS, salvo motivo de ordem
técnica, situação que será constada no histórico do Boletim de Ocorrência físico (o modelo de
B.O. está previsto na Res. 175/05). Os registros manuais ou digitados deverão ser inseridos
pelo RELATOR, obrigatoriamente, tão logo se encerre o motivo que impediu o lançamento no
REDS.

b) Para cada ocorrência será gerada apenas (01) uma chamada e 01 (um) número de
ocorrência, sendo confeccionado apenas 01 (um) REDS, exceto nos casos descritos no item
“m”;

c) Para cada atividade será realizado apenas um RAT;

d) A confecção do ROS e do RAT é responsabilidade do militar mais antigo da guarnição


envolvida na ocorrência / atividade;

e) A partir da geração da chamada e realização do empenho da viatura, já se pode vincular o


REDS ou RAT ao militar mais antigo da guarnição;

f) A confecção do REI é responsabilidade do chefe da GUBM de 1° socorro que iniciou o


atendimento da ocorrência ou do CBU, caso este tenha realizado a coordenação direta do
atendimento. Deve-se observar, ainda, o descrito no item “n”;

g) A confecção do RBS é responsabilidade do chefe da GUBM de 1° salvamento que iniciou o


atendimento da ocorrência ou do CBU, caso este tenha realizado a coordenação direta do
atendimento. Deve-se observar, ainda, o descrito no item “n”;

h) A confecção do RV é responsabilidade do vistoriador mais antigo da GUBM do SSCIP;

i) A confecção do RAPH é responsabilidade do chefe da GUBM de Resgate (UR);

j) Em caso de recusa de atendimento, deve-se proceder conforme o item P 612 – Módulo 600
da ITO nº 23 (Protocolo de Atendimento Pré-Hospitalar), constando em campo próprio do
RAPH a recusa de atendimento, relacionando duas testemunhas em campo específico.

k) Nos casos em que houver o atendimento exclusivo da GUBM de Resgate e houver o


transporte de mais de uma vítima, mantém-se a regra do item “h”: todas as vítimas deverão
ser relatadas no mesmo REDS, em campo próprio.

l) Nos casos em que houver o deslocamento do trem de combate, sem o empenho de UR, será
gerado 01 (um) único número de ocorrência. A responsabilidade pela confecção do REDS
será do militar mais antigo da GUBM responsável pelo atendimento da natureza principal do
evento, aos moldes do descrito nos itens “e” e “f”.

m) Nos casos em que houver o deslocamento do trem de combate, com o empenho da UR,
serão gerados 02 (dois) números de ocorrência: um para a natureza principal e um para a UR
caso realize condução de vítima.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
854
Visto do Ajudante Geral

i) Havendo vítimas a serem conduzidas pela UR, ou nos casos de recusa de atendimento,
deverá ser observado o seguinte:

 Ao ser gerado o número de ocorrência para a UR, deverá ser atribuída à GUBM de
Resgate uma natureza de ocorrência pertencente ao grupo “V”, a mais adequada ao
caso específico;

 O chefe da GUBM de Resgate deverá relatar todas as vítimas conduzidas em um


mesmo REDS, ou a recusa de atendimento (se for o caso);

 O REDS da Unidade de Resgate deverá ser associado ao REDS principal.

ii) Não havendo vítimas a conduzir, não será gerado um número de ocorrência para a
UR, que será lançada apenas como apoio à viatura principal, devendo constar no
histórico do REDS a inexistência de vítimas.

n) Em todos os casos em que houver o empenho de mais de uma viatura, o responsável pela
confecção do REDS deverá lançar sua viatura como a principal e as demais viaturas como
apoio, sendo que a cada viatura será atribuída uma natureza secundária, em campo próprio,
de acordo com a ação desenvolvida no atendimento da ocorrência;

o) Nos casos em que o CBU não atuar na coordenação direta do atendimento, tendo realizado
apenas o acompanhamento dos trabalhos da guarnição no local, deverá ser atribuída ao CBU
uma das naturezas pertencente ao grupo “X – Coordenação e Controle Operacional e
Administrativo”;

p) Nos casos em que o empenho de GUBM no trem de combate for frustrado ou dispensado
pelo comandante de operações presente no local da ocorrência, será atribuída à viatura uma
natureza secundária do grupo “W – Rotinas Administrativas”, a mais adequada ao caso
específico.

q) Quando for identificado que a natureza da ocorrência diverge da natureza previamente


selecionada na chamada, ou pelo COBOM/SOU/SOF, é responsabilidade do chefe da GUBM
/ relator alterá-la de acordo com a natureza mais adequada ao caso;

r) Nos casos em que a ocorrência ou atividade for atendida durante o período normal do plantão
operacional, o REDS ou RAT deve ser confeccionado e encerrado durante o turno de
trabalho, com exceção às ocorrências atendidas durante / após o horário de passagem de
serviço, que serão registrados até às 23h59min do mesmo dia do término do plantão;

s) Nos casos em que a ocorrência ou atividade não for atendida por militares do plantão
operacional, seja em cumprimento de O.S., por efetivo da administração ou similar, o REDS
ou RAT deverá ser confeccionado e encerrado até às 23h59min do mesmo dia do
encerramento da ocorrência ou da atividade;

t) Nos casos em que a ocorrência ou atividade for atendida por vistoriadores do SSCIP, o
REDS ou RAT deverá ser confeccionado e encerrado até às 23h59min do mesmo dia do
encerramento da ocorrência ou da atividade;

u) Os REDS ou RAT relativos ao plantão operacional deverão ser destinados:

i. Aos respectivos Comandantes de Companhia Operacional, nas sedes de Batalhão,


Companhias destacadas e Pelotões descentralizados;

ii. Aos respectivos Comandantes de Pelotão, nos Pelotões destacados.


Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
855
Visto do Ajudante Geral

v) Os REDS ou RAT realizados em cumprimento de O.S., por efetivo da administração ou


similar deverão ser destinados:

i. Ao B/3 do Batalhão, no caso de Sedes de Batalhão e Pelotões Descentralizados, exceto


quando houver prescrição diversa contida na própria O.S.;

ii. Ao Comandante de Companhia ou Pelotão, nos casos de Companhias e Pelotões


destacados, exceto quando houver prescrição diversa contida na própria O.S.

w) Os Relatórios de Vistoria de PSCIP (RV) deverão ser destinados aos Comandantes da


Companhia de Prevenção, no caso da Sede de Batalhões, ou aos Comandantes de
Companhia e Pelotão destacados;

x) Nos casos em que se identificar a necessidade de envio do REDS para outros órgãos ou
anúncio ao Comando deverá ser confeccionado relatório circunstanciado, acompanhado de
cópia do REDS, com encaminhamento:

i. Ao respectivo Comandante de Companhia, no caso de Sede de Batalhão ou Pelotão


descentralizado;

ii. Ao Comandante da Companhia ou Pelotão destacado;

iii. Ao B/3 do Batalhão, no caso de ocorrência atendida ou atividade desenvolvida em


cumprimento de O.S., por efetivo da administração ou similar, exceto quando houver
prescrição diversa contida na própria O.S.;

iv. Ao Comandante da Companhia de Prevenção, nos casos de Sede de Batalhão, ou ao


Comandante da Companhia ou Pelotão destacados, quando se tratar de RV.

4.5.6. Recibo do REDS


Os ROS e os RAT terão recibo automático pelo Sistema, sendo armazenados nos bancos de dados
tão logo haja a conclusão do REDS pelo relator.

4.5.6.1. Para os demais REDS, a responsabilidade pelo recibo será:


a) Do Comandante da Companhia Operacional, nos casos de Sedes de Batalhões, Companhias
destacadas e Pelotões descentralizados, quando o REDS for relativo ao plantão operacional;

b) Do Comandante da Companhia destacada, quando o REDS for confeccionado: em


cumprimento de O.S., por efetivo da administração ou similar, exceto quando houver
prescrição diversa contida na própria O.S.; e quando se tratar de Relatórios de Vistoria de
PSCIP (RV);

c) Do B/3 do Batalhão, nos casos de Sedes de Batalhões e Pelotões descentralizados, quando


o REDS for confeccionado em cumprimento de O.S., por efetivo da administração ou similar,
exceto quando houver prescrição diversa contida na própria O.S.;

d) Do Comandante do Pelotão destacado, quando o REDS for confeccionado: pelo plantão


operacional; em cumprimento de O.S., por efetivo da administração ou similar, exceto quando
houver prescrição diversa contida na própria O.S.; e quando se tratar de Relatórios de
Vistoria de PSCIP (RV).
e) Do Comandante da Companhia de Prevenção, nos casos de Sedes de Batalhões, quando se
tratar de Relatórios de Vistoria de PSCIP (RV).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
856
Visto do Ajudante Geral

4.5.6.2. São obrigações do responsável pelo recibo dos REDS:


a) Ordenar ao relator do REDS que sejam realizadas correções e alterações nos REDS sempre
que for possível e necessário;

b) Observar o cumprimento das orientações contidas nesta ITO para fins de análise da
qualidade dos REDS;

c) Cumprir o prazo máximo de 10 (dez) dias para efetuar o recebimento no sistema, a contar da
data do encerramento do REDS pelo relator;

d) Encaminhar, a quem de direito, respeitando-se a cadeia de comando, uma cópia impressa do


REDS acompanhada de relatório circunstanciado, quando necessário.

4.5.6.3 Sobre a alteração de dados de ocorrência e/ou registro de dados


complementares, deve-se observar que:

a) Uma vez encerrado o registro de determinado fato no REDS, este não pode ser alterado. No
entanto, se detectado algum erro, pode-se realizar o lançamento de DADOS
COMPLEMENTARES, para correção de eventuais falhas, ou lançamento de informações
adicionais;

b) O militar que tiver permissão / perfil para lançamento de INFORMAÇÕES


COMPLEMENTARES poderá inserir informação complementar em todos os boletins de
ocorrências da sua Unidade ou Unidade Subordinada;

c) Efetuado o lançamento de informações complementares, o relator da ocorrência ou o militar


designado para tal lançamento deverá gerar e imprimir duas vias do formulário, assinar no
campo próprio e anexá-lo no boletim de ocorrência original. Concluído este procedimento, o
registro será, automaticamente, recebido no sistema.

d) Nos fatos em que o erro a ser corrigido se referir à Unidade de destino, deverá o militar
responsável pelo registro criar outro recibo, destinando a ocorrência à Unidade correta. Não
deve haver mais de um registro para o mesmo fato.

4.6. Exemplos

4.6.1. Empenho de Viatura Única


a) Quando a Natureza principal exige apenas a confecção de ROS: uma viatura de
salvamento é empenhada para uma ocorrência relativa a enxame de abelhas. A chamada
será gerada na natureza “S 06.005 – Captura de insetos”. Nesse caso, apesar da natureza
pertencer ao grupo S, Referente à Busca e Salvamento, será necessário apenas o
preenchimento do ROS, uma vez que as características da ocorrência não exigem dados
específicos. Assim, após o atendimento, o Chefe da GUBM de salvamento deve preencher o
ROS e destina-lo ao Comandante da Companhia a qual pertence, em caso de servir em Sede
de Batalhão ou Pelotão descentralizado, ou ao Comandante de Pelotão, se servir em Pelotão
destacado.

 No caso da Natureza ter sido gerada na chamada de forma incorreta:


supondo que, ao chegar ao local da ocorrência, o Chefe da GUBM observou a
necessidade de exterminar o enxame de abelhas pelo risco oferecido; nesse
caso, ao preencher o ROS, o RELATOR deve alterar a natureza inicial na qual a
chamada foi gerada para “S 06.006 – Extermínio de Insetos”.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
857
Visto do Ajudante Geral

b) Natureza Principal Referente à Explosão e Incêndio: uma viatura de socorro é empenhada


para uma ocorrência classificada na natureza “O 02.031 – Incêndio em maquinário agrícola”.
Após o atendimento, o Chefe da GUBM de socorro deve preencher o “REI/Outros” e destina-
lo ao Comandante da Companhia a qual pertence, em caso de servir em Sede de Batalhão
ou Pelotão descentralizado, ou ao Comandante de Pelotão, se servir em Pelotão destacado.

 Empenho frustrado detectado pela GUBM: supondo que, ao chegar ao local da


ocorrência, o incêndio já houvesse sido debelado pelos civis; nesse caso, o
RELATOR deve mudar a natureza inicial de empenho para a “W 03.000 –
Solicitante encontrado – providência dispensada” e confeccionar um ROS, e não
um REI.

c) Natureza Principal Referente à Busca e Salvamento: uma viatura de salvamento é


empenhada para uma ocorrência classificada na natureza “S 03.008 – Salvamento pessoa
presa em elevador”. Após o atendimento, o Chefe da GUBM de salvamento deve preencher o
“RBS/Altura” e destina-lo ao Comandante da Companhia a qual pertence, em caso de servir
em Sede de Batalhão ou Pelotão descentralizado, ou ao Comandante de Pelotão, se servir
em Pelotão destacado.

 É detectado óbito no local, de acordo com legislação vigente ou por


declaração médica: supondo que, ao chegar ao local da ocorrência, é detectado
o óbito da vítima, nos termos de P 613 – Módulo 600 da ITO nº 23 (Protocolo de
Atendimento Pré-Hospitalar), ou por médico da Unidade de Suporte Avançado
(USA) do SAMU (por exemplo); nesse caso, encerrada a ocorrência, o Chefe da
GUBM de salvamento deverá preencher o “RBS/Altura”, informando a situação do
óbito em campo próprio, quando do lançamento da vítima no item de
“Envolvidos”.
OBS.: O mesmo procedimento deve ser realizado para as viaturas de socorro em
empenho único e de resgate, para os casos de detecção de óbito no local.

d) Natureza Principal Referente à Atendimento Pré-Hospitalar: uma viatura de resgate é


empenhada para uma ocorrência classificada na natureza “V 01.003 – Vítima com crise
convulsiva”. Após o atendimento, o Chefe da GUBM de resgate deve preencher o RAPH e
destina-lo ao Comandante da Companhia a qual pertence, em caso de servir em Sede de
Batalhão ou Pelotão descentralizado, ou ao Comandante de Pelotão, se servir em Pelotão
destacado.

 Recusa de Atendimento: supondo que houve a recusa do atendimento pela


vítima, nos termos de P 612 – Módulo 600 da ITO nº 23 (Protocolo de
Atendimento Pré-Hospitalar); nesse caso, o RAPH deverá ser preenchido
normalmente pelo Chefe da GUBM, com lançamento da recusa em campo
próprio e arrolamento de 02 (duas) testemunhas que presenciaram a recusa.

4.6.2. Empenho de Trem de Combate


a) Sem apoio da Unidade de Resgate (UR): para uma ocorrência de busca e salvamento de
colisão entre automóveis sem vítimas, são empenhadas uma viatura de salvamento e uma
viatura de socorro. A viatura de salvamento será a viatura principal, esta receberá o número
de ocorrência e fará o REDS de busca e salvamento cuja natureza será “S 05.303 – Colisão
entre automóveis (carro, camioneta, caminhonete)”. A viatura de socorro não receberá
número de ocorrência e não confeccionará nenhum relatório. O Chefe da GUBM de
salvamento, ao preencher o REDS, lançará a viatura de socorro como viatura de apoio e
selecionará, por exemplo, a natureza secundária “P 03.001 – Perigo de Derrapagem”,
considerando que a GUBM de socorro atuou na limpeza da pista. Não havendo atuação da
viatura de apoio, deve-se lançar a viatura no REDS sem, entretanto, receber natureza
secundária.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
858
Visto do Ajudante Geral

b) Com apoio da Unidade de Resgate: para uma ocorrência de busca e salvamento de colisão
entre automóveis com vítimas, são empenhadas uma viatura de salvamento, uma viatura
socorro e uma Unidade de Resgate (UR). A viatura de salvamento será a viatura principal,
esta receberá o número de ocorrência e fará o REDS de busca e salvamento cuja natureza
será “S 05.303 – Colisão entre automóveis (carro, camioneta, caminhonete)”. A viatura de
socorro, mais uma vez, não receberá número de ocorrência e não confeccionará nenhum
relatório – a GUBM de socorro realizou a limpeza da pista. A UR realizou condução de vítima,
então receberá número de ocorrência próprio e confeccionará o RAPH com natureza “V
02.403 – Vítima de colisão entre automóveis (carro / caminhonete)” associado ao REDS
principal. O Chefe da GUBM de salvamento, ao preencher o REDS, lançará a viatura de
socorro e a UR como viaturas de apoio, atribuindo-lhes as naturezas “P 03.001 – Perigo de
Derrapagem” e “V 02.403 – Vítima de colisão entre automóveis (carro / caminhonete)”,
respectivamente. Já a UR, ao preencher o RAPH, não lançará viaturas de apoio.

 Não havendo atuação das viaturas de apoio, deve-se lançar as viaturas no REDS
sem, entretanto, receberem natureza secundária.
 Neste tipo de caso, havendo óbito da vítima no local, o Chefe da GUBM de
salvamento será responsável pelo registro deste envolvido e a UR, caso não
tenha realizado nenhuma outra condução, não receberá número de B.O.
 Havendo recusa do atendimento pela vítima, ainda no mesmo caso, o Chefe da
GUBM de salvamento será responsável pelo registro deste envolvido e a UR,
caso não tenha realizado nenhuma outra condução, não receberá número de
B.O.

4.6.3. Esquematização do Fluxo do REDS


Nesta seção, as etapas do fluxo do REDS descritas nesta ITO foram agrupadas e organizadas a fim
de facilitar a compreensão.

Etapa I: Pré – REDS

a) Registro

REDS RAT
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
859
Visto do Ajudante Geral

b) Atendimento

Etapa II – REDS

a) Registro em RAPH, REI, RBS ou RV

b) Registro em ROS ou RAT


Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
860
Visto do Ajudante Geral

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Após dez anos de implementação do Sistema Integrado de Defesa Social (SIDS), pode-se afirmar
que vários foram os progressos com relação ao registro das ocorrências e atividades operacionais no
Estado, denominados de “eventos de defesa social”. Nesse caminho, houve mudanças de conceitos,
paradigmas e ações operacionais.

Diante desses novos cenários, a Corporação vem em busca da adequação das referências
normativas e dos planejamentos tático-operacionais, tendo como objetivo principal a capacitação e
instrução a tropa, dando-a os conhecimentos necessários para o correto preenchimento do REDS e a
precisão na escolha das Naturezas previstas na nova DIAO do CBMMG.

O mais importante, sem dúvida, é o compromisso com a qualidade dos dados estatísticos da
Corporação. Para tanto, a entrada dos dados deve ser perfeita, o que depende diretamente do
empenho da tropa. A efetividade da estatística, entretanto, pode ser alcançada sem o esforço
exacerbado na confecção de relatórios eletrônicos extensos e prolixos, pouco práticos e complexos.

Daí as principais adequações presentes nesta ITO que, em resumo: garantem o maior detalhamento
das naturezas da DIAO, na busca da minimização da escolha de naturezas “Outras”; simplificação
dos formulários do REDS e adoção do RAT, com o objetivo de diminuir o tempo de preenchimento e
otimizar as informações necessárias à descrição da atuação BM nos eventos de defesa social e o
armazenamento dessas informações nos bancos de dados; exigência da confecção de apenas 01
(um) REDS por ocorrência e 01 (um) REDS por Unidade de Resgate, além de poupar a tropa de
registrar situações desnecessárias, o que garante a confiabilidade dos dados, evita a duplicidade de
informações e preserva os módulos de registros do SIDS para o fim a que foram estabelecidos; e a
extinção das planilhas eletrônicas confeccionadas pelas UEOp como anúncio ao CINDS de
ocorrências operacionais da Unidade, uma vez que a base de dados do REDS passa a ser a fonte
única de fornecimento de dados estatísticos para o CBMMG.

Portanto, vale reiterar que esta é apenas a primeira edição desta Instrução, que será atualizada à
medida que novas mudanças se operacionalizarem. Mais propostas de melhorias serão realizadas ao
longo de 2015 e nos próximos anos, a fim de atingir cada vez mais a excelência na operacionalização
da geração e qualidade dos dados.

ANEXO I
(RESUMO DA DIAO E OS TIPO DE RELATÓRIO / FORMULÁRIO DO REDS)

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO

O 00.000 REFERENTE À EXPLOSÃO E INCÊNDIO

O 01.000 EXPLOSÃO
REI / Edificação O 01.001 Explosão em residência (casa / apartamento)
REI / Edificação O 01.002 Explosão em edificação coletiva / hospedagem
REI / Edificação O 01.003 Explosão em edificação comercial
REI / Edificação O 01.004 Explosão em shopping center
REI / Edificação O 01.005 Explosão em agência bancária / repartição pública
REI / Edificação O 01.006 Explosão em escola / creche
REI / Edificação O 01.007 Explosão em quartéis / delegacias
REI / Edificação O 01.008 Explosão em unidades prisionais / socioeducativas
REI / Edificação O 01.009 Explosão em local religioso / cultural / artístico
REI / Edificação O 01.010 Explosão em estádio / centro esportivo e de recreação
REI / Edificação O 01.011 Explosão em hospital / clínica / laboratório
REI / Edificação O 01.012 Explosão em oficina / serviço automotivo / garagem
REI / Edificação O 01.013 Explosão em edificação industrial
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
861
Visto do Ajudante Geral

REI / Edificação O 01.014 Explosão em depósitos / pátio de contêiner


REI / Edificação O 01.015 Explosão em caldeira
REI / Edificação O 01.016 Explosão em cilindros / vasos de pressão
REI / Edificação O 01.017 Explosão em silos de armazenagem
REI / Edificação O 01.018 Explosão em local com explosivos
REI / Edificação O 01.019 Explosão em tanques / reservatórios de combustíveis
REI / Edificação O 01.020 Explosão em tubulações / canalizações de combustíveis / gás
REI / Edificação O 01.021 Explosão em local de abastecimento de combustível / gás
REI / Edificação O 01.022 Explosão em estação / terminal de passageiros / cargas
REI / Edificação O 01.023 Explosão em local de processamento de lixo
REI / Edificação O 01.024 Explosão em central de energia / comunicações
REI / Veículo O 01.025 Explosão em caminhão tanque
REI / Veículo O 01.026 Explosão em vagão tanque
REI / Veículo O 01.027 Explosão em veículo automotor (exceto tanque de carga)
REI / Veículo O 01.028 Explosão em veículo de transporte de valores
REI / Outros O 01.029 Explosão em vagão ferroviário (exceto tanque de carga)
REI / Outros O 01.030 Explosão em aeronave
REI / Outros O 01.031 Explosão em maquinário agrícola
REI / Outros O 01.032 Explosão em embarcações
REI / Outros O 01.999 Outros tipos de explosão

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO

O 02.000 INCÊNDIO URBANO


REI / Edificação O 02.001 Incêndio em residência (casa / apartamento)
REI / Edificação O 02.002 Incêndio em edificação coletiva / hospedagem
REI / Edificação O 02.003 Incêndio em edificação comercial
REI / Edificação O 02.004 Incêndio em shopping center
REI / Edificação O 02.005 Incêndio em agência bancária / repartição pública
REI / Edificação O 02.006 Incêndio em escola / creche
REI / Edificação O 02.007 Incêndio em quartéis / delegacias
REI / Edificação O 02.008 Incêndio em unidades prisionais / socioeducativas
REI / Edificação O 02.009 Incêndio em local religioso / cultural / artístico
REI / Edificação O 02.010 Incêndio em estádio / centro esportivo e de recreação
REI / Edificação O 02.011 Incêndio em hospital / clínica / laboratório
REI / Edificação O 02.012 Incêndio em oficina / serviço automotivo / garagem
REI / Edificação O 02.013 Incêndio em edificação industrial
REI / Edificação O 02.014 Incêndio em depósitos / pátio de contêiner
REI / Edificação O 02.015 Incêndio em caldeira
REI / Edificação O 02.016 Incêndio em cilindros / vasos de pressão
REI / Edificação O 02.017 Incêndio em silos de armazenagem
REI / Edificação O 02.018 Incêndio em local com explosivos
REI / Edificação O 02.019 Incêndio em tanques / reservatórios de combustíveis
REI / Edificação O 02.020 Incêndio em tubulações / canalizações de combustíveis / gás
REI / Edificação O 02.021 Incêndio em local de abastecimento de combustíveis / gás
REI / Edificação O 02.022 Incêndio em estação / terminal de passageiros / cargas
REI / Edificação O 02.023 Incêndio em local de processamento de lixo
REI / Edificação O 02.024 Incêndio em central de energia / comunicações
REI / Veículos O 02.025 Incêndio em caminhão tanque
REI / Veículos O 02.026 Incêndio em vagão tanque
REI / Veículos O 02.027 Incêndio em veículo automotor (exceto tanque de carga)
REI / Veículos O 02.028 Incêndio em veículo de transporte de valores
REI / Outros O 02.029 Incêndio em vagão ferroviário (exceto tanque de carga)
REI / Outros O 02.030 Incêndio em aeronave
REI / Outros O 02.031 Incêndio em maquinário agrícola
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
862
Visto do Ajudante Geral

REI / Outros O 02.032 Incêndio em embarcações


ROS O 02.033 Incêndio em amontoado de lixo
ROS O 02.034 Incêndio em caçamba de lixo / entulho
ROS O 02.035 Incêndio em amontoado de pneus
ROS O 02.036 Incêndio em amontoado de madeira
ROS O 02.037 Incêndio em via pública / manifestações
ROS O 02.038 Incêndio em rede elétrica / poste / curto-circuito
ROS O 02.039 Incêndio em tronco de árvore
REI / Outros O 02.999 Outros tipos de incêndio urbano

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO

O 03.000 PERIGO DE EXPLOSÃO / INCÊNDIO


ROS O 03.001 Perigo de explosão / incêndio em acidente de trânsito
ROS O 03.002 Superaquecimento de panela
ROS O 03.003 Vazamento de GLP / gás natural (cozinha)
ROS O 03.004 Vazamento de combustível em local de abastecimento / similar
ROS O 03.005 Vazamento de fluido em cilindros / vasos de pressão
ROS O 03.006 Vazamento de produto QBRN
ROS O 03.007 Ameaça de bomba
ROS O 03.999 Outros tipos de perigo de explosão / incêndio

O 04.000 INCÊNDIO FLORESTAL


REI / Florestal O 04.001 Incêndio em Unidade de Conservação (UC)
REI / Florestal O 04.002 Incêndio no entorno de Unidade de Conservação (UC)
REI / Florestal O 04.003 Incêndio em produção agrícola / pasto
REI / Florestal O 04.004 Incêndio em área de reflorestamento
REI / Florestal O 04.005 Incêndio em área rural pertencente a órgão público
REI / Florestal O 04.006 Incêndio em área rural pertencente a órgão privado
REI / Florestal O 04.007 Incêndio em propriedade rural particular
REI / Florestal O 04.008 Incêndio em área rural não protegida
REI / Florestal O 04.009 Incêndio em área urbana pertencente a órgão público
REI / Florestal O 04.010 Incêndio em área urbana pertencente a órgão privado
REI / Florestal O 04.011 Incêndio em área urbana não protegida
ROS O 04.012 Incêndio em lote vago (área urbana)

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
P 00.000 REFERENTE À PREVENÇÃO E VISTORIA
P 01.000 VISTORIAS DE PSCIP
RV P 01.001 Vistoria de fiscalização
RV P 01.002 Vistoria de liberação / Emissão de AVCB
RV P 01.003 Vistoria em eventos temporários
RV P 01.999 Outros tipos de vistorias de PSCIP
P 02.000 VISTORIAS OPERACIONAIS DIVERSAS
ROS P 02.001 Vistoria em hidrante
ROS P 02.002 Vistoria em risco de queda de árvore
ROS P 02.003 Vistoria em lote vago
ROS P 02.004 Vistoria em risco de desabamento / desmoronamento
ROS P 02.005 Vistoria em risco de deslizamento / soterramento
ROS P 02.006 Vistoria em risco de rompimento de barragens
ROS P 02.007 Vistoria em risco de enchente / inundação / alagamento
ROS P 02.008 Vistoria em passarelas / viadutos / pontes
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
863
Visto do Ajudante Geral

ROS P 02.009 Vistoria pós-sinistro


ROS P 02.010 Vistoria de verificação / orientação
ROS P 02.999 Outros tipos de vistorias operacionais diversas
P 03.000 PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIOS E ACIDENTES (PCI / PCA)
ROS P 03.001 Perigo de derrapagem
ROS P 03.002 Perigo de eletrocussão
ROS P 03.003 Prevenção aquática / operação veranico
ROS P 03.004 Prevenção em evento esportivo
ROS P 03.005 Prevenção em evento político / comício
ROS P 03.006 Prevenção em evento religioso
ROS P 03.007 Prevenção em órgão público
ROS P 03.008 Prevenção em eleições / votações
ROS P 03.009 Prevenção em ponto-base / feriados prolongados
ROS P 03.010 Prevenção em festa popular
ROS P 03.011 Prevenção em show
ROS P 03.012 Prevenção de artefato explosivo / fogos de artifício
ROS P 03.013 Prevenção em desfile
ROS P 03.014 Prevenção em pouso e decolagem de aeronave
ROS P 03.999 Outros tipos de PCI / PCA

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
R 00.000 REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE DEFESA CIVIL
R 01.000 AÇÕES DE APOIO À COMUNIDADE
ROS R 01.001 Abastecimento de água
ROS R 01.002 Distribuição de materiais
ROS R 01.003 Evacuação de áreas de risco
ROS R 01.999 Outros tipos de ações de apoio à comunidade
R 02.000 CONTAMINAÇÃO COM PRODUTOS PERIGOSOS
RBS / Terrestre R 02.001 Acidente com agente biológico / bacteriológico
RBS / Terrestre R 02.002 Acidente com agente infeccioso (resíduo hospitalar)
RBS / Terrestre R 02.003 Acidente com agente químico
RBS / Terrestre R 02.004 Acidente com agente radiológico
RBS / Terrestre R 02.005 Acidente com agente nuclear
RBS / Terrestre R 02.999 Outros tipos de contaminação
R 03.000 DANOS CAUSADOS POR CATÁSTROFES NATURAIS
ROS R 03.001 Abalos sísmicos (tremores de terra)
ROS R 03.002 Descargas atmosféricas (raios)
ROS R 03.003 Enchente / inundação / alagamento / enxurrada
ROS R 03.004 Vendaval / tempestade / granizo / ventania
ROS R 03.005 Escorregamentos / quedas de blocos / corridas de massa
ROS R 03.999 Outros tipos de danos causados por catástrofes naturais
ROS R 99.999 OUTROS TIPOS DE ATIVIDADES DE DEFESA CIVIL

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
S 00.000 REFERENTE À BUSCA E SALVAMENTO
S 01.000 SALVAMENTO AQUÁTICO
RBS / Aquático S 01.001 Princípio de afogamento em piscina
RBS / Aquático S 01.002 Princípio de afogamento em rio / riacho / córrego
RBS / Aquático S 01.003 Princípio de afogamento em lago / lagoa / represa
RBS / Aquático S 01.004 Princípio de afogamento em cachoeira
RBS / Aquático S 01.005 Princípio de afogamento em galeria
RBS / Aquático S 01.006 Salvamento de pessoa em inundação / alagamento / enxurrada
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
864
Visto do Ajudante Geral

RBS / Aquático S 01.007 Acidente náutico / aquático


RBS / Aquático S 01.099 Princípio de afogamento em outros locais
RBS / Aquático S 01.999 Outros tipos de salvamento aquático
S 02.000 MERGULHO AUTÔNOMO
RBS / Aquático S 02.001 Afogamento em piscina
RBS / Aquático S 02.002 Afogamento em rio / riacho / córrego
RBS / Aquático S 02.003 Afogamento em lago / lagoa / represa
RBS / Aquático S 02.004 Afogamento em cachoeira
RBS / Aquático S 02.005 Afogamento em galeria
RBS / Aquático S 02.006 Busca e resgate de cadáver submerso (exceto afogamento)
RBS / Aquático S 02.007 Busca de equipamentos / bens submersos
RBS / Aquático S 02.099 Afogamento em outros locais
RBS / Aquático S 02.999 Outros tipos de mergulho autônomo
S 03.000 SALVAMENTO EM ALTURA
RBS / Altura S 03.001 Salvamento em cisterna / poço / fossa
RBS / Altura S 03.002 Salvamento em galeria / esgoto
RBS / Altura S 03.003 Salvamento em casa
RBS / Altura S 03.004 Salvamento em prédios / edifícios
RBS / Altura S 03.005 Salvamento em passarelas / viadutos / pontes
RBS / Altura S 03.006 Salvamento em canteiros de obras / escavação / maquinários
RBS / Altura S 03.007 Salvamento em mineradoras
RBS / Altura S 03.008 Salvamento de pessoa presa em elevador
RBS / Altura S 03.009 Salvamento de pessoa prensada em elevador
RBS / Altura S 03.010 Salvamento em torres / antenas / postes
RBS / Altura S 03.011 Salvamento em gruta / caverna
RBS / Altura S 03.012 Salvamento em montanha / encosta
RBS / Altura S 03.013 Salvamento em teleférico
RBS / Altura S 03.014 Salvamento em parques de diversões
RBS / Altura S 03.015 Salvamento de suicida
RBS / Altura S 03.999 Outros tipos de salvamento em altura

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
S 04.000 SALVAMENTO TERRESTRE TÍPICO
RBS / Terrestre S 04.001 Acidente aéreo
RBS / Terrestre S 04.002 Acidente ferroviário / metroviário
RBS / Terrestre S 04.003 Acidente com maquinário agrícola
RBS / Terrestre S 04.004 Desabamento / desmoronamento / colapso de estruturas
RBS / Terrestre S 04.005 Deslizamento / soterramento
RBS / Terrestre S 04.006 Rompimento de barragens
RBS / Terrestre S 04.007 Busca e salvamento de pessoa perdida / desaparecida
RBS / Terrestre S 04.008 Salvamento de pessoa ilhada
RBS / Terrestre S 04.009 Salvamento de pessoa presa em imóvel
RBS / Terrestre S 04.010 Salvamento de pessoa presa em máquina
RBS / Terrestre S 04.011 Salvamento de pessoa presa em grade / bueiro
RBS / Terrestre S 04.012 Busca e salvamento em local de difícil acesso
RBS / Terrestre S 04.013 Busca e resgate de cadáver em terra
RBS / Terrestre S 04.999 Outros tipos de salvamento terrestre típico

SALVAMENTO TERRESTRE - ACIDENTES DE TRÂNSITO COM


S 05.000
VÍTIMA
S 05.100 Choque (acidente) com objeto fixo (poste / muro / similares)
RBS / Terrestre S 05.101 Choque de bicicleta
RBS / Terrestre S 05.102 Choque de motocicleta
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
865
Visto do Ajudante Geral

RBS / Terrestre S 05.103 Choque de automóvel (carro, camioneta, caminhonete)


RBS / Terrestre S 05.104 Choque de caminhão / carreta
RBS / Terrestre S 05.105 Choque de ônibus / micro-ônibus
RBS / Terrestre S 05.199 Outros tipos de choque (acidente) no trânsito
S 05.200 Capotamento / Tombamento
RBS / Terrestre S 05.201 Capotamento de automóvel (carro, camioneta, caminhonete)
RBS / Terrestre S 05.202 Capotamento de caminhão / carreta
RBS / Terrestre S 05.203 Capotamento de ônibus / micro-ônibus
RBS / Terrestre S 05.299 Outros tipos de capotamento / tombamento no trânsito
S 05.300 Colisão / Abalroamento
RBS / Terrestre S 05.301 Colisão entre bicicletas
RBS / Terrestre S 05.302 Colisão entre motocicletas
RBS / Terrestre S 05.303 Colisão entre automóveis (carro, camioneta, caminhonete)
RBS / Terrestre S 05.304 Colisão entre caminhões / carretas
RBS / Terrestre S 05.305 Colisão entre ônibus / micro-ônibus
RBS / Terrestre S 05.306 Colisão entre motocicleta x bicicleta
RBS / Terrestre S 05.307 Colisão entre automóvel x bicicleta
RBS / Terrestre S 05.308 Colisão entre automóvel x motocicleta
RBS / Terrestre S 05.309 Colisão entre automóvel x caminhão / carreta
RBS / Terrestre S 05.310 Colisão entre automóvel x ônibus / micro-ônibus

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
RBS / Terrestre S 05.311 Colisão entre caminhão / carreta x bicicleta
RBS / Terrestre S 05.312 Colisão entre caminhão / carreta x motocicleta
RBS / Terrestre S 05.313 Colisão entre caminhão / carreta x ônibus / micro-ônibus
RBS / Terrestre S 05.314 Colisão entre ônibus / micro-ônibus x bicicleta
RBS / Terrestre S 05.315 Colisão entre ônibus / micro-ônibus x motocicleta
RBS / Terrestre S 05.316 Colisão entre múltiplos veículos / engavetamento
RBS / Terrestre S 05.317 Colisão entre veículo automotor rodoviário x trem / metrô
RBS / Terrestre S 05.399 Outros tipos de colisão / abalroamento no trânsito
S 05.400 Acidentes de trânsito diversos
RBS / Terrestre S 05.401 Atropelamento de bicicleta x animal
RBS / Terrestre S 05.402 Atropelamento de motocicleta x animal
RBS / Terrestre S 05.403 Atropelamento de automóvel x animal
RBS / Terrestre S 05.404 Atropelamento de caminhão / carreta x animal
RBS / Terrestre S 05.405 Atropelamento de ônibus / micro-ônibus x animal
RBS / Terrestre S 05.406 Acidente de trânsito com veículo de tração animal
RBS / Terrestre S 05.499 Outros tipos de acidentes de trânsito diversos
RBS / Terrestre S 05.999 Outros tipos de salvamentos terrestres no trânsito
S 06.000 SALVAMENTO TERRESTRE - DIVERSOS
RBS / Terrestre S 06.001 Salvamento de animal em risco / perigo
RBS / Terrestre S 06.002 Captura de animal silvestre perigoso / agressivo
RBS / Terrestre S 06.003 Captura de cão perigoso / agressivo
RBS / Terrestre S 06.004 Captura de outros animais domésticos perigosos / agressivos
ROS S 06.005 Captura de insetos
ROS S 06.006 Extermínio de insetos
ROS S 06.007 Corte / poda de árvore com risco iminente de queda
ROS S 06.008 Corte de árvore caída em via pública
ROS S 06.009 Corte / poda de árvore mediante Ordem de Serviço
RBS / Terrestre S 06.999 Outros tipos de salvamentos terrestres diversos
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
866
Visto do Ajudante Geral

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
V 00.000 REFERENTE À ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR (APH)
V 01.000 APH - CLÍNICO
RAPH V 01.001 Vítima de acidente vascular cerebral (AVC)
RAPH V 01.002 Vítima com cefaleia aguda / enxaqueca
RAPH V 01.003 Vítima com crise convulsiva
RAPH V 01.004 Vítima com crise diabética / hipoglicemia
RAPH V 01.005 Vítima com crise hipertensiva
RAPH V 01.006 Vítima com dificuldade de locomoção
RAPH V 01.007 Vítima com dispneia (falta de ar)
RAPH V 01.008 Vítima com dor abdominal (abdome agudo)
RAPH V 01.009 Vítima com dor na coluna vertebral (costas)
RAPH V 01.010 Vítima com dor precordial (peito)
RAPH V 01.011 Vítima com dor renal (cólica)
RAPH V 01.012 Vítima de efeitos colaterais da quimioterapia / radioterapia
RAPH V 01.013 Vítima de emergências psiquiátricas
RAPH V 01.014 Vítima de emergências relacionadas ao calor
RAPH V 01.015 Vítima com hemorragia
RAPH V 01.016 Vítima com hipotermia / congelamento
RAPH V 01.017 Vítima de intoxicação / envenenamento
RAPH V 01.018 Vítima de mal não definido (distúrbio)
RAPH V 01.019 Vítima com obstrução de vias aéreas por corpos estranhos
RAPH V 01.020 Vítima com parada cardiorrespiratória / infarto (IAM)
RAPH V 01.021 Vítima com parada respiratória
RAPH V 01.022 Vítima parturiente / emergências obstétricas
RAPH V 01.023 Vítima de síncope (desmaio)
RAPH V 01.024 Vítima de suicídio (tentativa) - APH clínico
RAPH V 01.025 Vítima de uso / abuso / dependência de drogas / álcool
RAPH V 01.026 Transporte inter-hospitalar
RAPH V 01.999 Outros tipos de APH clínico
V 02.000 APH - TRAUMA - ACIDENTES DE TRÂNSITO
V 02.100 Atropelamento
RAPH V 02.101 Vítima de atropelamento por bicicleta
RAPH V 02.102 Vítima de atropelamento por motocicleta
RAPH V 02.103 Vítima de atropelamento por automóvel (carro / caminhonete)
RAPH V 02.104 Vítima de atropelamento por caminhão / carreta
RAPH V 02.105 Vítima de atropelamento por ônibus / micro-ônibus
RAPH V 02.106 Vítima de atropelamento por veículo de tração animal
RAPH V 02.107 Vítima de atropelamento de bicicleta x animal

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
RAPH V 02.108 Vítima de atropelamento de motocicleta x animal
RAPH V 02.109 Vítima de atropelamento de automóvel x animal
RAPH V 02.110 Vítima de atropelamento de caminhão / carreta x animal
RAPH V 02.111 Vítima de atropelamento de ônibus / micro-ônibus x animal
RAPH V 02.112 Vítima de atropelamento por trem x metrô
RAPH V 02.199 Outros tipos de vítimas de atropelamento
V 02.200 Choque (acidente) com objeto fixo (poste / muro / similares)
RAPH V 02.201 Vítima de choque de bicicleta
RAPH V 02.202 Vítima de choque de motocicleta
RAPH V 02.203 Vítima de choque de automóvel (carro / caminhonete)
RAPH V 02.204 Vítima de choque de caminhão / carreta
RAPH V 02.205 Vítima de choque de ônibus / micro-ônibus
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
867
Visto do Ajudante Geral

RAPH V 02.299 Outros tipos de vítimas de choque (acidente) no trânsito


V 02.300 Capotamento / Tombamento
RAPH V 02.301 Vítima de capotamento de automóvel (carro / caminhonete)
RAPH V 02.302 Vítima de capotamento de caminhão / carreta
RAPH V 02.303 Vítima de capotamento de ônibus / micro-ônibus
RAPH V 02.399 Outros tipos de vítimas de capotamento no trânsito
V 02.400 Colisão / Abalroamento
RAPH V 02.401 Vítima de colisão entre bicicletas
RAPH V 02.402 Vítima de colisão entre motocicletas
RAPH V 02.403 Vítima de colisão entre automóveis (carro / caminhonete)
RAPH V 02.404 Vítima de colisão entre caminhões / carretas
RAPH V 02.405 Vítima de colisão entre ônibus / micro-ônibus
RAPH V 02.406 Vítima de colisão entre motocicleta x bicicleta
RAPH V 02.407 Vítima de colisão entre automóvel x bicicleta
RAPH V 02.408 Vítima de colisão entre automóvel x motocicleta
RAPH V 02.409 Vítima de colisão entre automóvel x caminhão / carreta
RAPH V 02.410 Vítima de colisão entre automóvel x ônibus / micro-ônibus
RAPH V 02.411 Vítima de colisão entre caminhão / carreta x bicicleta
RAPH V 02.412 Vítima de colisão entre caminhão / carreta x motocicleta
RAPH V 02.413 Vítima de colisão entre caminhão / carreta x ônibus
RAPH V 02.414 Vítima de colisão entre ônibus / micro-ônibus x bicicleta
RAPH V 02.415 Vítima de colisão entre ônibus / micro-ônibus x motocicleta
RAPH V 02.416 Vítima de colisão entre múltiplos veículos / engavetamento
RAPH V 02.417 Vítima de colisão entre veículo x trem / metrô
RAPH V 02.499 Outros tipos de vítimas de colisão no trânsito
V 02.500 Acidentes de trânsito diversos
RAPH V 02.501 Vítima de queda (ciclista)
RAPH V 02.502 Vítima de queda (motociclista)
RAPH V 02.503 Vítima de corte por cerol (ciclista)

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
RAPH V 02.504 Vítima de corte por cerol (motociclista)
RAPH V 02.505 Vítima de acidente com veículo de tração animal
RAPH V 02.599 Outros tipos de vítimas de acidentes de trânsito diversos
RAPH V 02.999 Outros tipos de APH de traumas em acidentes de trânsito
V 03.000 APH - TRAUMA - DIVERSOS
RAPH V 03.001 Vítima de acidente com maquinário agrícola
RAPH V 03.002 Vítima de acidente de mergulho
RAPH V 03.003 Vítima de agressão física com arma branca
RAPH V 03.004 Vítima de agressão física com arma de fogo
RAPH V 03.005 Vítima de agressão física sem uso de arma
RAPH V 03.006 Vítima de ataque de animais peçonhentos
RAPH V 03.007 Vítima de ataque de animais silvestres
RAPH V 03.008 Vítima de ataque de cão
RAPH V 03.009 Vítima de ataque de demais animais domésticos
RAPH V 03.010 Vítima de ataque de insetos
RAPH V 03.011 Vítima de corte por cerol (exceto ciclista / motociclista)
RAPH V 03.012 Vítima com dedo estrangulado por anel
RAPH V 03.013 Vítima de eletrocussão
RAPH V 03.014 Vítima de explosão
RAPH V 03.015 Vítima presa / prensada por elevador
RAPH V 03.016 Vítima presa / prensada por máquina
RAPH V 03.017 Vítima de princípio de afogamento
RAPH V 03.018 Vítima de queda da própria altura
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
868
Visto do Ajudante Geral

RAPH V 03.019 Vítima de queda de altura


RAPH V 03.020 Vítima de queimadura
RAPH V 03.021 Vítima de suicídio (tentativa) - APH trauma
RAPH V 03.022 Vítima de violência sexual
RAPH V 03.999 Outros tipos de APH de traumas diversos
V 04.000 PRIMEIRO-ATENDIMENTO EM APOIO AO SAMU / OUTROS ÓRGÃOS
ROS V 04.001 Primeiro-atendimento de bombeiro(s) militar(es) a pé
ROS V 04.002 Primeiro-atendimento de guarnição (viatura) administrativa
ROS V 04.003 Primeiro-atendimento da Moto-Resgate
ROS V 04.004 Primeiro-atendimento do Salvamento
ROS V 04.005 Primeiro-atendimento do Socorro
ROS V 04.006 Primeiro-atendimento do Comando de Área
ROS V 04.007 Primeiro-atendimento da Patrulha de Prevenção / Vistoria
ROS V 04.008 Primeiro-atendimento da Unidade de Resgate
ROS V 04.999 Outros tipos de viaturas operacionais em primeiro-atendimento

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
A 00.000 AÇÕES DE DEFESA SOCIAL
RBS A 03.000 AUTO-EXTERMÍNIO (SUICÍDIO CONSUMADO)
A 18.000 EMPENHO DE AMBULÂNCIA
ROS A 18.001 Empenho de ambulância do IPSM
ROS A 20.000 VISITA TRANQUILIZADORA / PÓS-SINISTRO

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
W 00.000 ROTINAS ADMINISTRATIVAS
ROS W 01.000 SOLICITANTE NÃO ENCONTRADO
ROS W 02.000 ENDEREÇO NÃO LOCALIZADO
ROS W 03.000 SOLICITANTE ENCONTRADO - PROVIDÊNCIA DISPENSADA
ROS W 04.000 NADA CONSTATADO
ROS W 05.000 DUPLICATA DE SOLICITAÇÕES
XXX W 06.000 TESTE
ROS W 07.000 TROTE
XXX W 08.000 CANCELADA POR INDISPONIBILIDADE DE MEIOS (VIATURA /
PESSOAL)
XXX W 09.000 CANCELADA POR ORDEM DO ÓRGÃO DE COORDENAÇÃO E
CONTROLE
ROS W 10.000 DISPENSADA POR DUPLICIDADE DE EMPENHO COM OUTROS
ÓRGÃOS
ROS W 11.000 DISPENSADA PELO COMANDANTE DAS OPERAÇÕES
ROS W 99.000 OUTROS TIPOS DE ROTINAS ADMINISTRATIVAS
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
869
Visto do Ajudante Geral

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
Q 00.000 REFERENTE À DEMONSTRAÇÕES, PALESTRAS E TREINAMENTOS
Q 01.000 DEMONSTRAÇÕES PROFISSIONAIS
RAT Q 01.001 Demonstração de combate a incêndio
RAT Q 01.003 Demonstração de salvamento aquático
RAT Q 01.004 Demonstração de salvamento em altura
RAT Q 01.005 Demonstração de salvamento terrestre
RAT Q 01.006 Demonstração de cães
RAT Q 01.010 Demonstração de operações aéreas
RAT Q 01.012 Demonstração de primeiros socorros
RAT Q 01.999 Outros tipos de demonstrações profissionais
Q 02.000 PALESTRAS / AULAS
ROS Q 02.007 Palestra de prevenção e combate a incêndio e pânico (PCIP)
ROS Q 02.008 Palestra de combate a incêndio
ROS Q 02.009 Palestra de primeiros socorros
ROS Q 02.010 Palestra de Defesa Civil
ROS Q 02.999 Outros tipos de palestras
Q 03.000 TREINAMENTOS
ROS Q 03.001 Treinamento de combate a incêndio
ROS Q 03.003 Treinamento de salvamento aquático
ROS Q 03.004 Treinamento de salvamento em altura
ROS Q 03.005 Treinamento de salvamento terrestre
ROS Q 03.006 Treinamento de formação de brigadas
ROS Q 03.009 Treinamento de atendimento em acidentes de massa
ROS Q 03.014 Treinamento aéreo
ROS Q 03.015 Treinamento de piloto de aeronave
ROS Q 03.016 Treinamento com tripulantes operacionais
ROS Q 03.017 Treinamento de primeiros socorros
ROS Q 03.999 Outros tipos de treinamento

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
Y 00.000 OPERAÇÕES DE DEFESA SOCIAL
Y 04.000 OPERAÇÕES POLICIAIS DE TRÂNSITO
RAT Y 04.012 Operação Lei Seca
Y 07.000 OPERAÇÕES POLICIAIS DIVERSAS
RAT Y 07.010 Operação Divisas Seguras
Y 30.000 OPERAÇÕES DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR
RAT Y 30.001 Operação simulada com empresas
RAT Y 30.002 Operação simulada do CBMMG
RAT Y 30.003 Operação Alerta Vermelho
RAT Y 30.004 Operação preventiva para redução de incêndios / acidentes
RAT Y 30.005 Apoio a órgãos federais
RAT Y 30.006 Apoio a órgãos estaduais
RAT Y 30.007 Apoio a órgãos municipais
RAT Y 30.008 Apoio a empresas / instituições privadas
RAT Y 30.999 Outros tipos de operações do Corpo de Bombeiros Militar
Y 40.000 OPERAÇÕES AÉREAS
ROS Y 40.002 Transporte aéreo de efetivo / tropa
ROS Y 40.003 Operação aérea em eventos públicos
ROS Y 40.007 Traslado aéreo de autoridade
ROS Y 40.008 Apoio aéreo a órgãos federais
ROS Y 40.009 Apoio aéreo a órgãos estaduais
ROS Y 40.010 Apoio aéreo a órgãos municipais
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
870
Visto do Ajudante Geral

ROS Y 40.011 Apoio aéreo a empresas / instituições privadas


ROS Y 40.012 Operação aérea para reconhecimento e coleta de dados
ROS Y 40.013 Resgate aeromédico
ROS Y 40.014 Evacuação aeromédica
ROS Y 40.015 Transporte aeromédico
ROS Y 40.016 Operação aérea para salvamento de pessoa
ROS Y 40.017 Operação aérea para salvamento aquático
ROS Y 40.018 Operação aérea para visita ou inspeção
ROS Y 40.019 Operação aérea para combate a incêndio em edificações
ROS Y 40.020 Operação aérea para combate a incêndio florestal
ROS Y 40.025 Monitoramento aéreo em enchentes
ROS Y 40.026 Monitoramento aéreo em desmoronamento / soterramento
ROS Y 40.027 Monitoramento aéreo em acidentes de massa (diversos tipos)
ROS Y 40.028 Monitoramento aéreo de mananciais

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
ROS Y 40.031 Levantamento aéreo de focos de incêndio florestal
ROS Y 40.032 Levantamento aéreo de áreas desmatadas
ROS Y 40.999 Outros tipos de operações aéreas

RELATÓRIO / NATUREZA
FORMULÁRIO CÓDIGO DESCRIÇÃO
X 00.000 COORDENAÇÃO E CONTROLE OPERACIONAL E ADMINISTRATIVO
RAT X 01.000 SUPERVISÃO
RAT X 02.000 FISCALIZAÇÃO
RAT X 03.000 EMPENHO ADMINISTRATIVO
RAT X 05.000 COORDENADOR DAS ATIVIDADES DE BOMBEIROS MILITAR DA
UNIDADE
RAT X 99.000 OUTROS TIPOS DE AÇÕES DE COORDENAÇÃO E CONTROLE
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
871
Visto do Ajudante Geral

ANEXO II
(TELAS DE PREENCHIMENTO DOS RELATÓRIOS DO REDS)
Neste anexo são apresentadas as telas de cada um dos relatórios utilizados para registros de
ocorrências no CBMMG. O ROS será o primeiro a ser apresentado por conter as telas comuns a
todos os relatórios. Em seguida, são mostradas as particularidades de cada um dos demais REDS e,
por fim, o RAT.

1. TELA INICIAL

A página inicial do perfil do usuário do REDS é composta por um menu de itens à esquerda da tela,
que permitem o acesso a buscas de relatórios, ao perfil do usuário, à DIAO e outros. Possui também
o cabeçalho de registro de eventos, onde é possível inserir dados iniciais para abrir um relatório de
registro (Figura 01).

Nesta página, também se encontram os registros associados à conta do militar. Normalmente o


cabeçalho para registro de ocorrências ou atividades não será utilizado, pois as ocorrências e
atividades geradas no sistema CAD ou CADWeb já são enviadas ao perfil do militar no momento em
que o evento de defesa social se encerra, com os dados iniciais já preenchidos.

Os registros de ocorrência associados ao perfil do militar se apresentam em sequência, ordenados do


mais recente ao mais antigo. A situação de cada registro é indicada por cores e são dispostas nessa
ordem:

a) Azul: “Ocorrências pendentes de REDS” – registros não iniciados (Figura 02);

b) Vermelho: “Registros de Evento em Aberto” – registros que foram iniciados, já possuem


número de REDS ou RAT, mas não foram fechados (Figura 03);

c) Amarelo: “Registros de Eventos Fechados Pendentes de Recibo” – para os registros que


foram fechados, porém ainda não foram recebidos (Figura 04);

d) Verde: para os “Registros de Eventos Encerrados e Recebidos” (Figura 05).

As “Ocorrências Pendentes de REDS” possuem um campo de preenchimento obrigatório para


seleção do relatório a ser preenchido e uma célula em que vem descrita a situação de associação da
ocorrência. Nos casos previstos nesta ITO que necessitam da associação do REDS, mas o sistema
CAD ou CADWeb não realizar a associação, o militar deverá teclar o botão “Associar” existente na
célula.

Caso seja necessário utilizar o cabeçalho para registro de ocorrência, deve-se primeiro escolher
dentre os 05 (cinco) relatórios operacionais disponíveis ou o RAT, de acordo com a natureza da
ocorrência ou atividade, conforme especificado no Anexo I. Ao selecionar o tipo de relatório, o militar
deverá preencher a data e hora do fato, selecionar o campo “Existe outro registro relacionado ao
fato?”, se for o caso de um REDS associado, e clicar em “Novo”.

Para a associação realizada pelo usuário, é aberta uma tela para busca do REDS ao qual o registro
será associado. Os dados necessários para a pesquisa são: os números de REDS ou B.O. do
registro ao qual se pretende associar. Caso o relator não possua esses dados, a pesquisa pode ser
feita por período ou data (Figura 06). Nesse último caso, aparecerão todos os registros realizados no
período ou data buscada, o que torna o trabalho mais difícil. Para o RAT não haverá associação.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
872
Visto do Ajudante Geral

Figura 01: Tela inicial do perfil para REDS.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS (espelho do módulo de registro).

Figura 02: Ocorrências pendentes de REDS.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS (espelho do módulo de registro).

Figura 03: Registros de eventos abertos.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
873
Visto do Ajudante Geral

Figura 04: Registros de eventos fechados pendentes de recibo.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS (espelho do módulo de registro).

Figura 05: Registros de eventos encerrados e recebidos.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS (espelho do módulo de registro).

Figura 06: Tela de Busca de REDS para associação de registro.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
874
Visto do Ajudante Geral

2. ORGANIZAÇÃO DAS TELAS DE REGISTRO

As telas de preenchimento do REDS se estruturam em itens de menu que ficam à esquerda da tela e
que seguem a lógica de preenchimento. Abas internas estão presentes a cada item de menu, ficam
na parte superior da tela do item e são sequenciais.

Ao iniciar o preenchimento, apenas o primeiro item – “Dados Gerais” – está visível e a primeira tela
para preenchimento é a aba interna “Atendimento” (Figura 07).

O número do REDS é gerado após a conclusão da tela de “Atendimento” e os demais itens de menu
ficam disponíveis após a conclusão do preenchimento de todas as telas de “Dados Gerais”.

Figura 07: Primeiro item de menu “Dados Gerais” e parte superior da tela de preenchimento “abas
internas” (a imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios não apresentarão a
terceira aba “Itens do Evento” e a atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAPH (espelho do módulo de registro).

3. RELATÓRIO OPERACIONAL SIMPLIFICADO – ROS

3.1. Dados Gerais

É o primeiro item de menu para preenchimento. É composto por duas abas internas:

 Atendimento;
 Local do Fato.

Destina-se à coleta dos dados que fornecerão a caracterização inicial dos fatos, tais como local, hora
e, principalmente, a natureza da ocorrência (Figura 08).

3.1.1. Dados Gerais – Atendimento

“Atendimento” é a primeira tela de preenchimento do REDS. Algumas orientações quanto ao seu


preenchimento:

a) Campo Data/Hora do Fato: normalmente esse campo já vem preenchido com os dados
inseridos no CAD ou CADWeb durante a criação da ocorrência, porém existe o botão “Alterar
Data/Hora do Fato”, caso necessário.

b) Botão “Alterar Tipo de Relatório”: permite que o relatório seja modificado caso necessário,
para se adequar à natureza da ocorrência, conforme Anexo I.

3.1.1.1. Unidade Responsável pelo Registro

a) Município: neste campo o relator deve escolher o município da Unidade responsável pelo
registro. Este campo é de preenchimento obrigatório.

OBS.: todo campo obrigatório é indicado por asterisco (*) vermelho.


Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
875
Visto do Ajudante Geral

b) Código – Nome da Unidade: neste campo o relator deverá selecionar a Unidade que está
sendo responsável pelo registro dentre uma lista de opções.

c) Número do B.O.: composto por três campos:

i. Código da Unidade: útil para fins estatísticos. Preenchido automaticamente a partir


do “Código – Nome da Unidade” selecionado no campo anterior;

ii. Ano: ano corrente do registro. Preenchido automaticamente quando a ocorrência é


gerada no sistema CAD ou CADWeb.

iii. Sequencial: sequencial único composto por 07 dígitos. Preenchido automaticamente


quando a ocorrência é gerada no sistema CAD ou CADWeb.

3.1.1.2. Comunicação da Ocorrência

a) Data e Hora da Comunicação da Ocorrência: normalmente estes campos são preenchidos


com os dados inseridos no CAD ou CADWeb durante a criação da ocorrência, porém podem ser
alterados. A hora da comunicação deve ser superior à hora do fato.

b) Como foi solicitado atendimento da ocorrência: dentre uma lista de opções, deve-se
escolher o meio pelo qual o atendimento à ocorrência foi motivado. Nesta lista existe a opção
“Outros” que, quando selecionada, é exibido um campo de preenchimento obrigatório para
especificação/discriminação do modo de solicitação.

c) Interceptação: campo de preenchimento facultativo, utilizado nas ocasiões em que será


lançada uma vítima no item “envolvidos”, que foi interceptada durante o atendimento. Nesses casos,
deverá ser selecionada a opção considerando-se para quem a vítima foi repassada.

3.1.1.3. Início do Atendimento no Local

Data e Hora do Início do Atendimento no Local: devem ser preenchidos com a hora em que a
GUBM chegou ao local do fato. A hora do início do atendimento no local deve ser superior à hora da
comunicação da ocorrência.

3.1.1.4. Natureza

a) Código da Ocorrência: campo em que será selecionada a natureza da ocorrência atendida.


Normalmente esse campo já vem preenchido pela informação lançada no CIAD, durante a criação da
ocorrência. Caso haja divergência entre a natureza preenchida na chamada e o fato/evento atendido,
o relator deve modificá-la, clicando no botão de “x” ao lado e selecionar nova natureza.

Ao encerrar o preenchimento correto da tela de “Atendimento”, deve-se clicar em “Salvar”.

Quando os dados forem salvos será gerado o número de REDS e aberta a segunda tela de
preenchimento.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
876
Visto do Ajudante Geral

OBSERVAÇÕES – CAMPO CÓDIGO DA OCORRÊNCIA

 Este campo é para a seleção da natureza principal do evento, conforme


descrito por esta ITO;
 Para cada tipo de relatório, são disponíveis apenas as naturezas que por ele
devem ser preenchidas. Caso a natureza buscada não esteja disponível,
deve-se conferir se o tipo de relatório selecionado para preenchimento está
correto;
 Em todas as classes e subclasses de naturezas, existe a opção de “Outras”
naturezas, para utilização no caso de a natureza da ocorrência atendida não
estar contemplada na lista de opções de naturezas correlatas. Nestas
situações, quando a opção “Outras” for selecionada, será exibido um campo
de preenchimento obrigatório para especificação/discriminação da natureza
do fato. É importante o correto preenchimento deste campo, para que a
informação não seja perdida, além de fomentar a atualização da DIAO a
partir de naturezas recorrentes, porém não descritas;
 Ao lado do campo “Código da Ocorrência”, existe o botão “DIAO”. Ao clicar
no botão, é aberta uma caixa de diálogo contendo a descrição longa da
natureza, especificando os casos em que ela deve ser utilizada. Este botão
deve ser utilizado sempre que houver dúvidas sobre qual natureza escolher
ou mesmo para confirmar se a seleção está correta.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
877
Visto do Ajudante Geral

Figura 08: Tela de preenchimento do REDS – “Atendimento”.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS (espelho do módulo de registro).

3.1.2. Dados Gerais – Local do Fato

“Local do Fato” é a segunda tela da aba “Dados Gerais” e destina-se ao registro do local do fato. Para
pesquisar e inserir o local do fato deve-se clicar no botão “Editar Dados” (Figura 09). Ao fazer isso,
uma tela de pesquisa será aberta para busca do endereço da ocorrência.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
878
Visto do Ajudante Geral

Figura 09: Local do Fato – Tela principal (a imagem é relativa à antiga estrutura do
REDS. Os novos relatórios não apresentarão a terceira aba “Itens do Evento” e a
atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o BOS (espelho do módulo de registro).

3.1.2.1. Local

Na tela de pesquisa do local do fato existem 03 (três) formas, dispostas em abas, de buscar o
endereço de atendimento (Figura 10), sendo que cada uma delas possui particularidades que devem
ser observadas:

a) Endereço: para a pesquisa por endereço, deve-se fornecer o logradouro do fato. Para a
pesquisa também pode ser inserido o número ou ser marcado o campo s/n (sem número). A
pesquisa por logradouro possui um sistema de “auto-complete” a partir do 3° caractere
digitado. Isso significa que: ao se digitar três caracteres, aparece uma lista dos possíveis
logradouros a partir da digitação. Nesta lista, deve-se clicar sobre o logradouro desejado e,
em seguida, em “Pesquisar”.

 Caso tenha sido também preenchido o campo “número” na pesquisa por endereço e
este seja um endereço válido, o mesmo aparecerá como opção de seleção. Basta
selecionar o endereço e clicar em “atualizar dados”;
 Caso o campo “número” não seja preenchido, aparecerá uma lista de todos os
endereços válidos naquele logradouro. Então, deve-se selecionar o endereço
correspondente ao fato e clicar em “atualizar dados”.

Após o preenchimento, deve-se clicar em “Atualizar Dados”. A caixa será fechada e os dados
devidamente preenchidos na tela principal.

b) Cruzamento: nesse caso, deve-se fornecer o nome dos dois logradouros que se cruzam no
local do fato. O critério de busca é como o de endereço, porém não haverá a necessidade de
fornecimento do número do local do fato. Após o preenchimento, deve-se clicar em “Atualizar
Dados”, a caixa será fechada e os dados devidamente preenchidos na tela principal.

c) Rodovia: essa busca sempre deve ser utilizada nos casos de ocorrências em rodovias
federais ou estaduais. A “auto-busca” das rodovias inicia-se no 2° caractere digitado, a fim de
evitar equívocos ou buscas frustradas em função da divergência de digitação. Ao se digitar
dois caracteres, aparecerá a lista de rodovias. Depois de selecionada a rodovia de interesse,
deve-se clicar em “pesquisar”.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
879
Visto do Ajudante Geral

 Caso tenha sido também preenchido o campo “número” ou “Km” na pesquisa por
rodovia e este seja um endereço válido, o mesmo aparecerá como opção de seleção.
Basta selecionar o endereço e clicar em “atualizar dados”;
 Caso o campo “número” ou “km” não seja preenchido, aparecerá uma lista de todos
os endereços válidos naquela rodovia. Então, deve-se selecionar o endereço
correspondente ao fato e clicar em “atualizar dados”.

Na seção “Local”, campos referentes ao endereço do fato deverão sempre ser preenchidos utilizando
o botão “Pesquisar Endereço / Cruzamento” com vistas ao preenchimento correto destes dados. A
digitação do endereço deverá ocorrer apenas quando o endereço não existir na base de dados do
sistema.

Após o preenchimento, deve-se clicar em “Atualizar Dados”, a caixa será fechada e os dados
devidamente preenchidos na tela principal.

Figura 10: Tela Pesquisa de Local – Endereço / Cruzamento / Rodovia.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
880
Visto do Ajudante Geral

OBSERVAÇÕES – PESQUISA DE LOCAL

 Para localizar o endereço o usuário observará o seguinte:


o Não digitar o tipo de logradouro (rua, av., praça, ...);
o Não utilizar nenhum tipo de acento ou caractere especial (ç, ã, º, ´, etc.);
o Quando desconhecer a grafia do logradouro, digitar apenas a parte
conhecida do nome. Ex: “João Ce” para buscar a Av. “João César de
Oliveira”;
o Não digitar a preposição quando o nome do logradouro iniciar com
preposição. Ex: “Bahia” e não rua “Da Bahia”;
o Quando o logradouro possuir número em seu nome, o número deve ser
escrito por extenso. Ex.: “Pedro Segundo” e não “Pedro II”:
 Somente se a busca utilizando a escrita por extenso for frustrada é
que se devem utilizar números ordinais ou romanos.
o A busca não faz distinção entre maiúsculas e minúsculas.
 Na seção “Local”, ainda existe o campo “Ponto de Referência”, que não
possui preenchimento obrigatório e “Tipo de Via”, que possui preenchimento
obrigatório e fica disponível após o preenchimento do local do fato.

3.1.2.2. Localização da Ocorrência

Nessa seção, o preenchimento dos campos é obrigatório e destina-se a levantar a informação acerca
do perímetro (urbano ou rural) do local da ocorrência e a pavimentação do mesmo (se pavimentado
ou não).

3.1.2.3. Unidade Responsável pela Área do Fato

Não necessariamente será a mesma Unidade Responsável pelo Registro. A unidade responsável
pela área é de acordo com a divisão territorial das responsabilidades das unidades de bombeiro
militar. Nos casos em que o endereço for válido, o campo será preenchido automaticamente. Nos
casos em que o endereço for inválido, cabe ao usuário informar a Unidade Responsável pelo
atendimento naquele endereço, clicando em “Selecionar Unidade”.

Encerrado o preenchimento correto da aba, deve-se clicar em “Salvar”. Caso haja algum erro de
preenchimento, aparecerá uma notificação na parte superior da tela.

Após o preenchimento das duas abas de Dados Gerais, os demais itens de menu ficam disponíveis à
esquerda da tela.

3.2. Envolvidos

Este item de menu destina-se à inserção e caracterização dos envolvidos na ocorrência. A tela inicial
não possui campos a serem preenchidos e, para inserir um envolvido, deve-se clicar no botão “+”,
presente à esquerda do cabeçalho azul da tela do item (Figura 11).
Ao clicar no botão “+”, abre-se a primeira aba interna para inserção dos dados relativos ao envolvido.
A cada lançamento concluído, com o preenchimento de todas as abas internas necessárias, volta-se
à tela inicial do item de menu.

O procedimento descrito deve ser realizado para cada envolvido na ocorrência, inclusive nos casos
de mais de uma vítima conduzida pela mesma Unidade de Resgate (UR), conforme descrito nesta
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
881
Visto do Ajudante Geral

ITO. Cada envolvido recebe um número sequencial. Na tela inicial do item ficam listados todos os
números de envolvido, constando o nome e o tipo de envolvimento de cada um.

Figura 11: Envolvidos – Tela inicial (a imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem
como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. O ROS
não possuirá o item de menu “Veículos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o BOS (espelho do módulo de registro).

Em geral, o item de menu “Envolvidos” é composto por duas abas internas: “Dados Gerais” e “Dados
Pessoais”.

A exceção ocorre no RAPH, em que outras abas são exibidas para descrições específicas
relacionadas ao envolvido, quando o tipo de envolvimento é “vítima”. Este caso será explicado nas
telas referentes especificamente a RAPH.

3.2.1. Envolvidos – Dados Gerais

A tela “Envolvidos – Dados Gerais” (Figura 12) destina-se ao levantamento primário de informações
sobre o envolvido, como o tipo de envolvimento, grau da lesão e se o envolvido é militar/agente de
segurança pública. Observe abaixo algumas orientações quanto ao preenchimento de cada item
desta tela.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
882
Visto do Ajudante Geral

Figura 12: Envolvidos – Dados Gerais (a imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem
como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. O ROS
não possuirá o item de menu “Veículos”. A Seção “Este Envolvido é Militar/Policial/Agente de Segurança
Pública” também apresentará nova estrutura. A opção “Pessoa Jurídica” constará apenas nos RV. A
atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o BOS (espelho do módulo de registro).

3.2.1.1. Pessoa

a) Tipo de Envolvimento: os tipos de envolvimento irão variar de acordo com o tipo de


relatório. Estarão disponíveis para todos os relatórios:

 Solicitante;
 Testemunha do fato/evento;
 Testemunhas da ação dos policiais/bombeiros;
 Outros – caso selecionado é exibido um campo de preenchimento obrigatório para
especificação/discriminação do tipo de envolvimento.

O tipo de envolvimento “Vítima” estará disponível apenas para os relatórios referentes aos
atendimentos do grupo “O – Referente à Explosão e Incêndio”, grupo “S – Referente à Busca e
Salvamento” e grupo “V – Referente à Atendimento Pré-Hospitalar (APH)”.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
883
Visto do Ajudante Geral

Tipos de envolvimento que estarão disponíveis apenas nos Relatórios de Prevenção e Vistoria de
PSCIP – RV:

 Notificado;
 Representante legal;
 Depositário fiel.

3.2.1.2. Relacionado à vítima

a) Grau da Lesão: este campo apenas ficará disponível quando o tipo de envolvimento for
“Vítima” e terá preenchimento obrigatório. Os graus da lesão disponíveis são:

 Sem lesões aparentes;


 Leve;
 Greve ou Inconsciente;
 Fatal.

b) Atendimento hospitalar: esta seção deverá ser utilizada apenas nas naturezas da classe “V
04.000 – Primeiro Atendimento em Apoio ao SAMU/Outros Órgãos”, que são as naturezas
em que haverá o lançamento de vítimas, porém será preenchido o ROS.

3.2.1.3. Este Envolvido é Militar/Policial/Agente da segurança pública?

Nesta Seção, se marcado “Sim”, os campos deverão ser preenchidos. Caso o envolvido pertença à
PMMG, PCMG ou CBMMG, a busca poderá ser realizada lançando-se o número de registro ou o
nome em campo próprio, selecionando-se o militar em seguida. Caso seja encontrado mais de um
resultado, será aberta uma tela de busca com a lista das opções possíveis, dentre as quais se deve
selecionar o envolvido de interesse.

OBSERVAÇÕES – GRAU DA LESÃO

 Para as naturezas pertencentes à classe “S 02.000 – Afogamento” e a


natureza “A 03.000 – Auto-extermínio (suicídio consumado)”, o grau de lesão do
envolvido somente poderá ser o “fatal”. Se não for o caso, a natureza escolhida
está incorreta;

 Para as naturezas pertencentes à classe “S 01.000 – Princípio de Afogamento”


e a natureza “V 01.022 – Vítima de suicídio (tentativa)”, o grau de lesão “fatal”
não deverá ser escolhido. Se não for o caso, a natureza escolhida está incorreta.

3.2.2. Envolvidos – Dados Pessoais

Tela destinada ao preenchimento dos dados específicos e de caracterização do envolvido, tais como
documentos de identificação, aspectos físicos e sociais e endereço (Figura 13). O correto
preenchimento desta aba é fundamental tanto para cunho estatístico como para utilização pública,
administrativa e/ou judicial, se forem os casos.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
884
Visto do Ajudante Geral

Figura 13: Envolvidos – Dados Pessoais – Tela principal.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS (espelho do módulo de registro).

3.2.2.1. Documento de Identificação

Se o envolvido tiver documento de identidade registrado no Estado de Minas Gerais, grande parte
dos campos desta seção e da seguinte serão automaticamente preenchidos. Para isso, deve-se clicar
em “Buscar Dados” e será aberta a janela de pesquisa do indivíduo (Figura 14).

Caso o envolvido não tenha RG em Minas Gerais ou não possua documentos de identificação e
meios de informar seu nome e da mãe completos, todos os dados devem ser inseridos manualmente.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
885
Visto do Ajudante Geral

Figura 14: Dados Pessoais – Pesquisa de indivíduo.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS (espelho do módulo de registro).

Na própria tela “Pesquisa de indivíduo” consta as orientações para a busca, que necessita do número
de RG do indivíduo ou do nome completo do indivíduo. Caso apareçam nomes homônimos, é
necessário inserir o nome da mãe do indivíduo.

Inseridos esses dados, deve-se clicar em “Pesquisar”. Os dados devem ser conferidos para se ter
certeza de que se trata do envolvido em questão e, em caso positivo, deve-se clicar em “atualizar
dados”.

OBSERVAÇÕES – PESQUISA DE INDIVÍDUO

 Dentre os dados do envolvido constarão mandado(s) de prisão, prontuários,


fugas e inquéritos. É importante estar atento a estes dados para informar à
Coordenação de Bombeiros ou CBU de plantão, quando fora da RMBH, para
acionamento de outros órgãos e/ou providências cabíveis.

3.2.2.2. Endereço

Para preenchimento do endereço do indivíduo, pode-se pesquisar utilizando os mesmos critérios e


orientações contidos na pesquisa de “Local do Fato”, clicando em “Pesquisar Endereço”, ou:

 Importar os dados do local do fato, caso sejam coincidentes. Deve-se clicar no


botão “Copiar Endereço do Fato”; ou
 Importar os dados de outro envolvido já registrado que possua o mesmo endereço
do que está em processo de registro. Deve-se clicar no botão no canto direito do
campo “Copiar endereço de”, selecionar o envolvido de interesse e clicar no botão
“Copiar Endereço do Envolvido”.

Os campos para telefones e e-mail devem ser preenchidos manualmente.


Encerrado o preenchimento correto da aba, deve-se clicar em “Salvar”. Caso haja algum erro de
preenchimento aparecerá uma notificação na parte superior da tela.

3.3 Recursos

Item de menu de preenchimento obrigatório, composto por apenas uma tela, destinado ao
lançamento dos recursos humanos e de viaturas empenhados no atendimento à ocorrência (Figura
15).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
886
Visto do Ajudante Geral

Figura 15: Recursos – Dados Gerais (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”. O
ROS não possuirá o item de menu “Veículos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para RBS (espelho do módulo de registro).

3.3.1 Viatura

a) Tipo de viatura: existem três possibilidades para o lançamento da viatura:

 Viatura Principal: haverá somente uma viatura lançada como principal e será aquela
à qual o responsável pelo registro pertence, conforme definido nesta ITO;
 Viatura de Apoio: será cada viatura BM que atuou em apoio à viatura principal;
 Outros órgãos: cada viatura de outros órgãos que atuou na ocorrência junto/em
apoio à GUBM.

b) Pesquisa de Viatura: a pesquisa da viatura é realizada pela placa, utilizando-se apenas


letras e números ou pelo seu prefixo, composto pelas duas letras que caracterizam o órgão
ao qual pertence e por 05 (cinco) dígitos exclusivos para cada viatura. Ao inserir um ou outro
dado, deve-se clicar em “Pesquisar Viatura” e os dados serão automaticamente atualizados
na tela.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
887
Visto do Ajudante Geral

c) Natureza Secundária: Para cada viatura de apoio será atribuída uma natureza secundária,
de acordo com a atuação específica desenvolvida pela GUBM desta. No caso de seleção de
alguma natureza do tipo “Outros”, as regras serão as mesmas adotadas para a “Natureza
Principal”.

3.3.2 Policial/Agente de Segurança

a) Selecionar militar/Policial: este botão deve ser utilizado para a busca por instituição e nome
do militar. Ao clicar nele, a tela de busca será aberta e, depois de preenchido os campos,
aparecerá uma lista de opções. O militar/policial de interesse deve ser selecionado e, em
seguida, clicar em “Atualizar Dados”.

b) Matrícula/NR: campo utilizado para inserção de militar/policial sem a necessidade da


abertura da tela de busca. Deve-se preencher o campo com o número de matrícula do
militar/policial e em seguida clicar no botão “Inserir”. Os militares serão listados abaixo da
tela.

Encerrado o preenchimento correto da aba, deve-se clicar em “Salvar”. Caso haja algum erro de
preenchimento aparecerá uma notificação na parte superior da tela.

OBSERVAÇÕES – RECURSOS

 A cada viatura lançada, serão também lançados os militares/policiais que a


tripulam;
 Os campos deverão ser preenchidos conforme prescrito a cada viatura
lançada;
 Nos casos de empenho de trem de combate, com o empenho da UR:
o A UR será lançada como viatura de apoio no REDS principal;
o No REDS da UR não será necessário o lançamento de viaturas de
apoio.

3.4 Destinatários/Recibos

A tela de inserção do item de menu Destinatários/Recibos tem funcionamento semelhante à de


“Envolvidos” (Figura 16). A cada destinatário, deve-se clicar no botão “+” e preencher os dados
necessários. Ao final de cada preenchimento, deve-se clicar em “Salvar” e, a na tela de inserção,
haverá uma lista com os principais dados de cada destinatário.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
888
Visto do Ajudante Geral

Figura 16: Destinatários/Recibos – Tela inicial (A imagem é relativa à antiga estrutura do


REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e
“Autos de Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando
um só no item de “Recursos”. O ROS não possuirá o item de menu “Veículos”. A atualização
estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o BOS (espelho do módulo de registro).

3.4.1 Destinatário

a) Órgão de Destino: na tela de preenchimento, o campo já estará previamente preenchido


com a opção “Corpo de Bombeiros Militar”, mas poderá ser modificado pelo relator, caso
necessário.

b) Município: deve-se selecionar o município à qual a unidade de destino pertence.

c) Unidade de Destino: a unidade de destino deve ser escolhida dentre a lista de opções,
conforme prescrito nesta ITO.

OBSERVAÇÕES – RECIBOS

 A tela atual de Destinatários / Recibos (Figura 17) sofrerá alterações, pois os


itens relacionados aos recibos não se aplicam à maioria das atividades de
bombeiro militar;
 Os itens “Gerar recibo impresso”, “Recibo da Autoridade” e “Itens
encaminhados para o Destino/Órgão” não são preenchidos;
 Itens repassados em ocorrência deverão constar no “Histórico”.

Encerrado o preenchimento correto da aba, deve-se clicar em “Salvar”. Caso haja algum erro de
preenchimento aparecerá uma notificação na parte superior da tela.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
889
Visto do Ajudante Geral

Figura 17: Destinatários/Recibos (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios
não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os
itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. O ROS não
possuirá o item de menu “Veículos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAPH (espelho do módulo de registro).

3.5 Histórico

Item de menu de preenchimento obrigatório destinado à descrição final da ocorrência (Figura 18),
contendo a atuação BM com fatos e itens de relevância.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
890
Visto do Ajudante Geral

3.5.1 Houve treinamento neste evento?: este campo é de preenchimento obrigatório e,


em caso de resposta “sim”, o campo “Quantidade de pessoas treinadas” deverá ser
preenchido.

Figura 18: Histórico (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios não
apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os itens
“Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. O ROS não possuirá o
item de menu “Veículos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o BOS (espelho do módulo de registro).

3.5.2 Histórico: é neste campo que a atuação BM e os fatos e itens de relevância serão
descritos. O histórico deve conter, no mínimo:

a) Descrição do que a GUBM constatou ao chegar ao local;


b) Relato das testemunhas, se houver, especificando o número correspondente à
testemunha, de acordo com o item de menu “Envolvidos”. Exemplo: “O envolvido 2
deste relatório informou que...”;

c) Descrição na atuação da(s) GUBM na ocorrência;


Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
891
Visto do Ajudante Geral

d) Relacionar itens e bens repassados/deixados na responsabilidade de outros órgãos


ou envolvidos, se houver. Nesse caso, deve-se relatar os dados do responsável do
órgão, com número de matrícula, viatura, unidade em que serve ou especificar o
envolvido de acordo com o seu número correspondente em “Envolvidos”;
e) Relacionar danos, se houver;

f) Se outra equipe ou órgão estiver atuando no local e não houver atuação da GUBM,
relacionar os dados daqueles atuantes;

g) Nos casos de Relatório de Vistoria de PSCIP (RV), será lançado no histórico as


notificações e informações dadas ao responsável pela edificação, conforme padrão
estipulado pela DAT.

3.5.3 Modo da ação criminosa: essa opção sofrerá alterações, pois os itens relacionados
ao modo de ação criminosa não se aplicam à maioria das atividades de bombeiro militar;

3.5.4 Incluir assinatura dos envolvidos: essa opção somente será preenchida se for
estritamente necessária.

3.5.5 Relator da ocorrência: é neste campo que se identifica o RELATOR. Há duas


formas de preenchê-lo:

 Selecionar Militar/Policial;
 Da equipe.

Ao clicar numa dessas opções, aparece uma janela aos moldes da tela de “Recursos”.

Encerrado o preenchimento correto da aba, deve-se clicar em “Salvar”. Caso haja algum erro de
preenchimento aparecerá uma notificação na parte superior da tela.

OBSERVAÇÕES – HISTÓRICO

 Durante o preenchimento do histórico, devem-se evitar afirmativas para as


quais o bombeiro militar não possua meios de comprova-las. Exemplos:

o Não utilizar a expressão “fez uso de bebida alcoólica” e sim:


“apresentava sinais de ter ingerido bebida alcoólica/embriaguez/hálito
etílico...”;
o Não utilizar a expressão “não houve danos à estrutura” e sim “não houve
danos aparentes à estrutura...”. Nesses casos, sugere-se o acionamento
da Defesa Civil para parecer técnico;
o Não utilizar a expressão “a rede elétrica não foi afetada” e sim “a rede
elétrica foi desligada e o responsável/proprietário/morador orientado a
contatar um eletricista para avaliação prévia dos danos e somente então
religar a rede elétrica...”;
o Outras situações similares.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
892
Visto do Ajudante Geral

3.6 Encerrar registro

Tela destinada a resumir os dados inseridos no relatório, alertar para questões que possam ter sido
esquecidas pelo relator e determinar correções imprescindíveis para o encerramento do registro
(Figura 19).

Figura 19: Encerrar registro.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o BOS (espelho do módulo de registro).

Quando as informações estiverem todas em conformidade, clica-se em “Encerrar”.

OBSERVAÇÕES – ENCERRAR REGISTRO

 O ROS e o RAT, quando encerrados pelo RELATOR, irão automaticamente


para o Armazém de Dados do SIDS na madrugada do dia seguinte, ou seja,
esses relatórios não carecem de recibo.
 Para o RAPH, RBS e REI, quando encerrados pelo RELATOR, o registro
permanecerá na tela inicial da conta do usuário, porém com o status de
“pendente de recibo” e poderá sofrer alterações no prazo de 10 dias ou até
ter o recebimento no sistema por parte da autoridade responsável.
 Com o recebimento do REDS pela autoridade responsável, o registro irá para
o Armazém de Dados do SIDS na madrugada do dia seguinte.

4. RELATÓRIO DE ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR (RAPH)

4.1 Veículos

A tela de inserção do item de menu “Veículos” não está presente no ROS, mas todos os demais
relatórios operacionais o contêm, inclusive o RAPH e, por isso, será apresentado separadamente
(Figura 20).
A tela “Veículos” tem funcionamento semelhante à de “Envolvidos” e “Destinatários/Recibos”. A cada
veículo envolvido, deve-se clicar no botão “+” e preencher os dados necessários.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
893
Visto do Ajudante Geral

Ao final de cada preenchimento, deve-se clicar em “Salvar” e, na tela de inserção, haverá uma lista
com os principais dados de cada veículo.

Figura 20: Veículos – Tela inicial (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem
como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. A
atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO)
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAPH (espelho do módulo de registro).

Na tela de preenchimento do item de menu “Veículos”, são dois os campos obrigatórios para
preenchimento, mais uma seção (Figura 21), como se vê abaixo:

a) Campo Tipo de Veículo: deve ser selecionado o tipo de veículo;

b) Campo Situação do Veículo: para fins de preenchimento do CBMMG, a opção selecionada


deve sempre ser “Liberado”;

c) Dados do veículo: deve-se clicar em “Pesquisar Veículo”. Uma tela para pesquisa será
aberta. Deve-se inserir a placa do veículo e, em seguida, clicar em “Pesquisar”. Os dados do
veículo devem ser conferidos com o observado na ocorrência e, se estiverem de acordo,
deve-se clicar em “atualizar dados”. Assim, os dados do veículo serão automaticamente
atualizados.

Encerrado o preenchimento correto da aba, deve-se clicar em “Salvar”. Caso haja algum erro de
preenchimento aparecerá uma notificação na parte superior da tela.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
894
Visto do Ajudante Geral

Figura 21: Veículos – Tela de preenchimento (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os
novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item
de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO)
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAPH (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
895
Visto do Ajudante Geral

4.1 RAPH – Envolvidos

O RAPH possui os mesmos itens de menu do ROS, acrescendo-se o item “Veículos”. O que difere o
RAPH dos demais relatórios é, basicamente, a disposição dos campos nas telas do item “Envolvidos”
comuns aos demais e as abas internas de preenchimento obrigatório que são disponibilizadas neste
item quando o tipo de envolvimento lançado é “vítima”. Neste caso, haverá 06 (seis) abas internas
para preenchimento (Dados Gerais, Dados Pessoais, Dados da Ocorrência, Dados de Lesões,
Procedimentos, e Materiais Utilizados).

4.1.1 Envolvidos – Dados Gerais

Os critérios de preenchimento da aba “Dados Gerais” são praticamente os mesmos especificados no


ROS (Figura 22). Deve-se observar apenas que a seção “Atendimento Hospitalar”, relacionada ao
tipo de envolvimento “vítima”, foi retirada desta tela, para lançamento posterior dos dados na aba
interna “Procedimentos”, no caso em que o envolvido for vítima.

4.1.2 Envolvidos – Dados Pessoais: possui os mesmos campos e critérios de preenchimento


descritos no ROS.

Figura 22: Envolvidos – Dados Gerais (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios
não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os itens
“Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. A Seção “Este Envolvido é
Militar/Policial/Agente de Segurança Pública” também apresentará nova estrutura. A opção “Pessoa Jurídica”
constará apenas nos RV. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO)
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAPH (espelho do módulo de registro).

4.1.3 Envolvidos – Dados da Ocorrência

A aba de “Dados da Ocorrência” (Figura 23) possui 02 (duas) seções maiores:


Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
896
Visto do Ajudante Geral

 Tipo da ocorrência: subdividida nas seções menores “Trauma” e “Clínico”, de


preenchimento obrigatório. Apenas uma das seções deve ser preenchida;
 Veículo.

Figura 23: Envolvidos – Dados da Ocorrência – Tipo de Envolvimento = “vítima” (A imagem é relativa à
antiga estrutura do REDS. A Seção “Acidente decorrente de Acidente de Trabalho” foi removida desta aba e
inserida na aba “Dados de Lesões”. Além disso, essa opção sofrerá alterações, pois os itens relacionados ao
tipo da ocorrência foram detalhados nas naturezas da nova DIAO. A atualização estará disponível na 2ª
edição desta ITO)
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAPH (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
897
Visto do Ajudante Geral

4.1.3.1 Tipo de Ocorrência – Trauma

Esta seção deverá ser preenchida obrigatoriamente quando a natureza da ocorrência pertencer às
classes “V 02.000 – APH - Trauma - Acidente de Trânsito” ou “V 03.000 – APH - Trauma - Diversos”.

Nela será selecionado como mecanismo do trauma apenas um dos itens relacionados. Caso o
trauma tenha sido causado por:

 Agressão por Animal: deverá ser selecionado, dentre a lista disponibilizada, o


animal agressor;
 Outros: deverá ser descrito no campo obrigatório o mecanismo causador do
trauma.

4.1.3.2 Tipo de Ocorrência – Clínico

Esta seção deverá ser preenchida obrigatoriamente quando a natureza da ocorrência pertencer à
classe “V 01.000 – APH - Clínico”.

Nela será selecionado o caso clínico atendido, com a seleção de apenas um dos itens relacionados.
Se o caso clínico não estiver relacionado, deverá ser marcado o item “Outros”, com especificação
obrigatória.

4.1.3.3 Veículo

Esta seção deve ser preenchida obrigatoriamente e apenas nos casos em que a natureza da
ocorrência pertencer à classe “V 02.000 – APH - Trauma - Acidente de Trânsito”. É composta por
quatro questões, mas não necessariamente todas serão respondidas. Aquelas que não se aplicarem
deverão ser deixadas em branco.

a) 1- Tipo de veículo envolvido: campo em que será selecionado o tipo de veículo envolvido
na ocorrência. Esta questão permite a seleção de mais de um veículo e a retirada da seleção
realizada ao segundo clique.

b) 2- Condição de segurança: campo em que será selecionada a condição de segurança em


que a vítima se encontrava.

 Air Bag Ativou: deve ser selecionada uma opção deste campo apenas
se a vítima se encontrava em veículo que possuía sistema de Air Bag;
 Usava Cinto: deve ser selecionada uma opção deste campo apenas se a
vítima se encontrava em veículo que possui cinto de segurança;
 Usava Capacete: deve ser selecionada uma opção deste campo apenas
se a vítima se encontrava em veículo em que é exigido o uso de
capacete.

c) 3- Localização da vítima: campo em que será selecionado o tipo de veículo envolvido na


ocorrência em que a vítima se encontrava. Neste caso existe a opção de pedestre ou não
observado.
d) 4- Posição no veículo: campo em que será selecionada a localização da vítima no veículo
em que se encontra, se for o caso.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
898
Visto do Ajudante Geral

OBSERVAÇÕES – TIPO DE OCORRÊNCIA

 O item selecionado em “Tipo de Ocorrência”, seja ele relacionado à


“Trauma” ou “Clínico”, deverá ser coerente com a natureza principal
selecionada para o registro;
 As caixas de seleção dos itens de “Trauma” e “Clínico” permitem
desmarcar a seleção ao segundo clique;

OBSERVAÇÕES – VEÍCULO

 A seleção dos veículos envolvidos no acidente deve ser coerente com a


natureza principal selecionada para o registro;
 As caixas de seleção das questões 2, 3 e 4, não permitem desmarcar a
seleção ao segundo clique, de modo que se deve atentar para não marcar
respostas que não se aplicam. Exemplo: se a vítima em questão
encontrava-se em automóvel de passeio, não se aplica, na questão 2,
responder se a vítima encontrava-se de capacete.
 As respostas das questões 2, 3 e 4 devem ter coerência entre si. Exemplo:
Se na questão 2 a condição de segurança preenchida for quanto ao uso
de capacete, na questão 3 o veículo deverá ser do tipo que exige uso do
capacete e na 4, a posição da vítima também deve ser relativa a este tipo
de veículo;
 A questão 1 deverá ser respondida em todas as situações em que couber
o preenchimento de “Veículos”;
 Caso a vítima seja pedestre, as questões 2 e 4 não devem ser
respondidas;
 Nas questões 1, 3 e 4, quando a situação não estiver dentre os itens
disponibilizados, o campo “Outros” terá preenchimento obrigatório.

4.1.4 Envolvidos – Dados de Lesões

Aba destinada a colher os dados de lesões e estado de consciência e fisiológico da vítima (Figura
24).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
899
Visto do Ajudante Geral

Figura 24: Envolvidos – Dados de Lesões – Tipo de Envolvimento = “vítima”.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAPH (espelho do módulo de registro).

4.1.4.1 Acidente decorrente de Acidente de Trabalho?

Esta seção é de preenchimento obrigatório e deve-se selecionar a resposta “sim” ou “não”. É


essencial a correta resposta para fins de direitos trabalhistas da vítima.

4.1.4.2 Principais lesões

Nesta seção são lançadas as lesões das vítimas e são fornecidas três opções:
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
900
Visto do Ajudante Geral

a) Sem lesões aparentes: caso este campo seja selecionado, os demais campos da seção são
bloqueados, pois é dispensado o seu preenchimento.
b) Politraumatizado: caso este campo seja selecionado, os demais campos da seção são
bloqueados, pois é dispensado o seu preenchimento.

c) Local da lesão: quadro com campos a serem selecionados de acordo com o local e tipo de
lesão. Neste quadro é possível incluir um novo tipo de lesão clicando em “Incluir Nova lesão”,
sendo inserida uma linha abaixo da tabela, com um campo na coluna “Tipo de Lesão” para
especificação da nova lesão.

4.1.4.3 Queimadura

Esta seção é destinada ao lançamento de dados relativos à queimadura. É informado o tipo de


queimadura, se as vias aéreas foram atingidas, a porcentagem do corpo queimado de acordo com os
desenhos esquemáticos presentes e, por último, há um campo para descrição do produto causador
da queimadura.

OBSEVAÇÕES – QUEIMADURA

 Os itens da seção “Queimadura” não são desmarcados ao segundo clique


e tornam o preenchimento dos demais campos obrigatórios. Caso seja
selecionado algum item desta seção equivocadamente, a tela deve ser
atualizada, sem salvar, para que os campos voltem a ficar em branco.

4.1.4.4 Escala de Glasgow (inicial)

Esta seção possui três itens de preenchimento obrigatório, relativos à mensuração da abertura ocular,
resposta verbal e motora da vítima, de acordo com a escala Glasgow apresentada no início do
atendimento. O campo “T. Coma” será preenchido automaticamente a partir da seleção realizada
nestes itens.

A seção possui, ainda, os campos de preenchimento facultativo “Pulso” e “Saturação de O2”, que
devem ser preenchidos sempre que houver os meios disponíveis para mensuração.

4.1.4.5 Trauma Score

Esta seção possui três itens de preenchimento obrigatório, relativos à mensuração da escala de
trauma da vítima. O terceiro item, relativo à escala de coma, e o campo “T. Trauma” será preenchido
automaticamente a partir da seleção realizada na seção “Escala de Glasgow” e nos dois primeiros
itens desta seção.

A seção possui, ainda, os campos de preenchimento facultativo “Frequência Respiratória” e “Pressão


Arterial”, que devem ser preenchidos sempre que houver os meios disponíveis para mensuração.

Preenchidos todos os dados corretamente, deve-se clicar em “Salvar” e a próxima aba para
preenchimento será aberta. Caso algum campo obrigatório não tenha sido preenchido, aparecerá
uma notificação na parte do superior da tela, para correção.

4.1.5 Envolvidos – Procedimentos

Aba destinada ao relato dos procedimentos realizados com a vítima (Figura 25).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
901
Visto do Ajudante Geral

Figura 25: Envolvidos – Procedimentos – Tipo de Envolvimento = “vítima”.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAPH (espelho do módulo de registro).

4.1.5.1 A vítima recusou atendimento?: no caso de recusa de atendimento pela vítima,


no temos previstos no item P 612 – Módulo 600 da ITO nº 23 (Protocolo de Atendimento
Pré-Hospitalar), deve-se marcar a opção “sim” e arrolar duas testemunhas da recusa.

4.1.5.2 Procedimentos Efetuados: deve-se marcar todos os itens que contêm os


procedimentos efetuados. Se algum procedimento efetuado não estiver listado, deve-se
selecionar “Outros” e descreve-lo.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
902
Visto do Ajudante Geral

4.1.5.3 Interceptação de Suporte Avançado: seção de preenchimento obrigatório. Caso


houver ocorrido a interceptação pela Unidade de Suporte Avançado (USA) do SAMU,
deve-se marcar “sim” e preencher o campo “USA” com o número da viatura.

4.1.5.4 Transporte Inter-Hospitalar: seção de preenchimento obrigatório em que se


deve marcar a opção “sim” ou “não”.

4.1.5.5 Destino da vítima: campo de preenchimento obrigatório em que se deve


selecionar uma das opções disponíveis. As seguintes opções necessitam de dados
complementares ao serem selecionadas:

a) Vítima repassada para: nesse campo, deverá ser selecionada a opção no canto
direito considerando-se para quem a vítima foi repassada;

b) Entregue no hospital: deve ser preenchida a data e hora que a vítima foi entregue
no hospital;

c) Óbito no local: deve-se preencher o nome do médico que constatou o óbito e seu
CRM, ou expor os motivos que levaram a GUBM a considerar a vítima como fatal,
observando-se o contido no item P 613 – Módulo 600 da ITO nº 23 (Protocolo de
Atendimento Pré-Hospitalar).

4.1.5.6 Unidade de saúde que recebeu o paciente: esta seção fica disponível e tem
preenchimento obrigatório em todos os campos quando, na seção anterior, é
selecionada a opção “Entregue no Hospital”.

OBSERVAÇÕES – DESTINO DA VÍTIMA

 Se no campo “Interceptação pelo Suporte Avançado” tiver sido marcada a


opção “sim”, na seção “Destino da vítima” deve ser marcada a opção
“Vítima repassada para” e selecionada a opção “SAMU (USA)”.
 Para os casos de óbito constatado no local pela GUBM ou
constatação de óbito no local por médico, o RAPH será preenchido
normalmente, com lançamento da situação no campo “Destino da
Vítima”.
 Nos casos de recusa de atendimento pela vítima, o relatório de
RAPH será preenchido normalmente, com seleção da opção “sim”
em “Vítima recusou o atendimento?”.

Preenchidos todos os dados corretamente, deve-se clicar em “Salvar” e a próxima aba para
preenchimento será aberta. Caso algum campo obrigatório não tenha sido preenchido, aparecerá
uma notificação na parte superior da tela, para correção.
4.1.6 Envolvidos – Materiais Utilizados

Nesta tela devem ser selecionados todos os materiais utilizados no atendimento da vítima,
preenchendo os campos de quantidade, quando houver (Figura 26).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
903
Visto do Ajudante Geral

Figura 26: Envolvidos – Materiais Utilizados – Tipo de Envolvimento = “vítima” (A imagem é relativa à
antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais
Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir,
formando um só no item de “Recursos”. A Seção “Este Envolvido é Militar/Policial/Agente de Segurança
Pública” também apresentará nova estrutura. A opção “Pessoa Jurídica” constará apenas nos RV. A
atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAPH (espelho do módulo de registro).

Ao finalizar o preenchimento, deve-se clicar em “Salvar” e a vítima será inserida na tela principal do
item de menu “Envolvidos”.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
904
Visto do Ajudante Geral

5. RELATÓRIO DE EXPLOSÃO E INCÊNDIO – REI

Como explicado no corpo desta ITO, existem 04 (quatro) tipos diferentes de REI:

 Relatório de Explosão e Incêndio em Edificação – REI/Edificação;


 Relatório de Explosão e Incêndio Florestal – REI/Florestal;
 Relatório de Explosão e Incêndio em Veículo – REI/Veículo;
 Relatório de Explosão e Incêndio Outros – REI/Outros.

As abas internas dos Relatórios de Explosão e Incêndio, salvo algumas exceções, são coincidentes,
variando em geral apenas os campos existentes em cada uma. Por este motivo, os tópicos estão
organizados por abas, onde as telas/campos de cada relatório que contém essas abas serão
apresentados.

Será feita uma explicação geral sobre o preenchimento de cada aba e, quando houver necessidade,
haverá observações na tela específica de determinado relatório.

5.1 REI – Características do Local

Os 04 (quatro) tipos de REI possuem essa aba (figuras 27 a 30), que se destina à caracterização
geral das condições do local no momento da chegada da GUBM à ocorrência.

As telas são compostas por seções de preenchimento obrigatório com listas de itens a serem
selecionados sobre cada condição ou característica tratada. Algumas seções permitem apenas
seleção de um único item, outras permitem seleção múltipla.

Figura 27: REI/Outros – Características do Local (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os
novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”,
bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. A
atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
905
Visto do Ajudante Geral

Figura 28: REI/Veículos – Características do Local (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS.
Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de
“Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).

Figura 29: REI/Florestal – Características do Local (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS.
Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de
“Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
906
Visto do Ajudante Geral

Figura 30: REI/Edificação – Características do Local (A imagem é relativa à antiga estrutura do


REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de
“Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).

5.2 REI – Características do Sinistro

Esta aba está presente apenas no REI/Edificação e no REI/Outros (figuras 31 e 32). A tela os e
campos de preenchimento são idênticos em ambos os relatórios e destinam-se à especificação da
classe de incêndio e a natureza do agente causador da explosão/incêndio.

Nesta aba há, também, a seção “Produtos Perigosos?”, de resposta obrigatória. Caso a resposta seja
“sim”, o militar deverá inserir os dados relativos ao produto nos campos que serão disponibilizados.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
907
Visto do Ajudante Geral

Figura 31: REI/Edificação – Características do Sinistro – sem escolher a opção “Produtos Perigosos?” (A
imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu:
“Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de
existir, formando um só no item de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO.).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).

Figura 32: REI/Outros – Características do Sinistro – opção “Produtos Perigosos? = sim” (A imagem é
relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais
Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando
um só no item de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
908
Visto do Ajudante Geral

5.3 REI – Meios de PCIP existentes

Esta tela está presente apenas nos REI/Florestal e REI/ Edificação (figuras 33 e 34). As telas são
distintas em cada um dos relatórios, mas destinam-se principalmente à informação dos meios de
sistemas de Prevenção Contra Incêndio e Pânico presentes no local do sinistro. Existem seções de
preenchimento obrigatório, em que o modo de preenchimento é através da seleção dos itens de PCIP
existentes, em que é permitida a seleção múltipla.

Figura 33: REI/Florestal – Meios de PCI Existentes (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os
itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. A atualização estará
disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).

O REI/Edificação exige algumas informações adicionais. Na seção relativa aos meios de PCIP, além
da seleção dos itens, deve-se informar se foram utilizados ou não e se estão em condições de uso.
Existem, ainda, as seções para seleção dos “Meios Retardantes do Fogo” e “Meios de Evacuação”
presentes, este último exige a informação se o meio existente foi utilizado.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
909
Visto do Ajudante Geral

Figura 34: REI/Edificação – Meios de PCI Existentes (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS.
Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”,
bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. A
atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
910
Visto do Ajudante Geral

5.4 REI – Ação BM

Os 04 (quatro) tipos de REI possuem essa aba (figuras 35 a 38). O que difere são as opções
disponíveis para seleção. A seção é de preenchimento obrigatório e permite seleção múltipla. É
destinada a informar as ações realizadas pela GUBM durante o atendimento da ocorrência referente
à Incêndio e Explosão.

Figura 35: REI/Florestal – Ação BM (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”,
bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”.
A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).

Figura 36: REI/Veículo – Ação BM (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”,
bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”.
A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
911
Visto do Ajudante Geral

Figura 37: REI/Outros – Ação BM (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”,
bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”.
A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).

Figura 38: REI/Edificação – Ação BM (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”,
bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”.
A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
912
Visto do Ajudante Geral

5.5 REI – Equipamentos e Ferramentas Utilizados

Esta aba está é comum a todos os tipos de REI e, também, a todos os tipos de RBS. Nela existe uma
seção única (Figura 39), de preenchimento obrigatório, contendo uma lista de ícones. Ao ser clicado,
cada ícone exibe uma janela com os materiais para serem selecionados referentes ao título. Os
materiais utilizados devem ser selecionados em cada lista de materiais exibida.

Referente à Explosão e Incêndio, especificamente, há dois ícones: um referente a incêndios em geral


e outro referente a incêndio florestal (Figura 40). Porém, deve-se atentar para os demais ícones que
podem conter materiais utilizados durante o atendimento da ocorrência:

 Equipamentos para Produtos Perigosos;


 Materiais para Sinalização;
 Roupa;
 Botas;
 Máscara;
 Luvas;
 Capacete;
 Equipamentos de apoio.

Figura 39: REI/Veículo – exemplo de Equip. e Ferramentas utilizados (A imagem é relativa à antiga
estrutura do REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e
“Autos de Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no
item de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
913
Visto do Ajudante Geral

Figura 40: Exemplo de Equip. e Ferramentas utilizados – com os ícones


relativos à incêndio abertos e campos para seleção expostos.
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho
do módulo de registro).

5.6 REI – Dados Complementares

Esta aba é comum a todos os relatórios, porém existem diferenças nos campos existentes em cada
um, de acordo com o diferente tipo de incêndio e dados complementares necessários (figuras 41 a
44).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
914
Visto do Ajudante Geral

Figura 41: REI/Florestal – Dados Complementares (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os
novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem
como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. A atualização
estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).

OBSERVAÇÕES – DADOS COMPLEMENTARES – REI/FLORESTAL

 Nesta aba, a medida do campo “Total da Área Queimada (Aprox.)” deve


ser dada em hectares.
o 1 hectare (ha) = 10.000 m²;
o A medida em m² é dada pela multiplicação entre o comprimento e a
largura da área.
 Então, para calcular a área queimada aproximada em hectare, basta
analisar o comprimento e largura aproximados desta área, fazer a
multiplicação de um pelo outro e realizar a conversão, dividindo o valor
por 10.000.
 Exemplo: Fornecer em hectare a área queimada de comprimento
aproximado de 500 metros e largura aproximada de 100 metros:

500 X 100 = 50.000m², ou seja, 50.000/10.000 = 5 ha


Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
915
Visto do Ajudante Geral

Figura 42: REI/Veículo – Dados Complementares (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS.
Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item
de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).

Figura 43: REI/Outros – Dados Complementares (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS.
Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item
de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
916
Visto do Ajudante Geral

Figura 44: REI/Edificação – Dados Complementares (A imagem é relativa à antiga estrutura do


REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item
de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o Relatório de Incêndio (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
917
Visto do Ajudante Geral

6. RELATÓRIO DE BUSCA E SALVAMENTO – RBS

Como explicado no corpo desta ITO, existem 03 (três) tipos diferentes de RBS:

 Relatório de Busca e Salvamento em Altura – RBS/Altura;


 Relatório de Busca e Salvamento Terrestre – RBS/Terrestre;
 Relatório de Busca e Salvamento Aquático – RBS/Aquático.

As abas internas dos Relatórios de Busca e Salvamento são coincidentes, variando em geral apenas
os campos existentes em cada uma. Por este motivo, os tópicos estão organizados por abas, nos
quais as telas e campos de cada relatório são apresentados.

Será feita uma explicação geral sobre o preenchimento de cada aba e, quando houver necessidade,
haverá observações na tela específica do determinado relatório.

6.1. RBS – Características do Local

As telas para “Características do Local” no RBS/Altura e RBS/Aquático possuem as mesmas seções


(Figura 45). Porém, em “Local” e “Restrições de Visibilidade para Atuação”, as opções disponíveis
para seleção são distintas, pois são referentes a cada tipo de Busca e Salvamento. Já a tela do
RBS/Terrestre é singular (Figura 46).

Figura 45: RBS/Altura – Característica do Local (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS.
Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item
de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RBS (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
918
Visto do Ajudante Geral

A aba “Características do Local” destina-se à caracterização geral do local no momento da chegada e


atendimento à ocorrência. As telas são compostas por seções de preenchimento obrigatório no geral,
que contêm listas de itens a serem selecionados sobre cada condição ou característica tratada.
Algumas seções permitem apenas seleção de um único item, outras permitem a seleção múltipla.

Figura 46: RBS/Terrestre – Característica do Local (A imagem é relativa à antiga estrutura do


REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item
de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RBS (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
919
Visto do Ajudante Geral

6.2. RBS – Ação BM

Esta aba está presente nos 03 (três) tipos de RBS e contém a mesma seção única “Ação BM” (figuras
47 a 49). O que difere são as opções disponíveis para seleção, das ações características de cada tipo
de salvamento.

A seção é de preenchimento obrigatório, permite seleção múltipla e é destinada a informar as ações


realizadas pela GUBM durante o atendimento da ocorrência referente à Busca e Salvamento.

Figura 47: RBS/Terrestre – Ação BM (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”,
bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”.
A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RBS (espelho do módulo de registro).

Figura 48: RBS/Altura – Ação BM (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”,
bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”.
A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RBS (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
920
Visto do Ajudante Geral

Figura 49: RBS/Aquático – Ação BM (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos
relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”,
bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”.
A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RBS (espelho do módulo de registro).

6.3. RBS – Equipamentos e Ferramentas Utilizados

Esta aba é comum a todos os tipos de RBS e, também, a todos os tipos de REI. Nela existe uma
seção única (Figura 39), de preenchimento obrigatório, contendo uma lista de ícones. Ao ser clicado,
cada ícone exibe uma janela com os materiais para serem selecionados referentes ao título. Os
materiais utilizados devem ser selecionados em cada lista de materiais exibida.

Referente à Busca e Salvamento, especificamente, há três ícones: “Salvamento Terrestre” (Figura


50), “Salvamento em Altura” (Figura 51) e “Salvamento Aquático” (Figura 52). Porém, deve-se atentar
para os demais ícones que podem conter materiais utilizados durante o atendimento da ocorrência:

 Equipamentos para Produtos Perigosos;


 Materiais para Sinalização;
 Roupa;
 Botas;
 Máscara;
 Luvas;
 Capacete;
 Equipamentos de apoio.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
921
Visto do Ajudante Geral

Figura 50: RBS/Terrestre – Equip. e Ferramentas utilizados – com os ícones relativos


à salvamento terrestre abertos e campos para seleção expostos.
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RBS (espelho do módulo de registro).

Figura 51: RBS/Altura – Equip. e Ferramentas utilizados – com os ícones relativos à


salvamento terrestre abertos e campos para seleção expostos.
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RBS (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
922
Visto do Ajudante Geral

Figura 52: RBS/Aquático – Equip. e Ferramentas utilizados – com os ícones relativos à


salvamento terrestre abertos e campos para seleção expostos.
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RBS (espelho do módulo de registro).

6.4. RBS – Dados Complementares


Esta aba é comum a todos os tipos de RBS, porém existem diferenças nos campos existentes em
cada um (figuras 53 a 55), de acordo com o diferente tipo de busca e salvamento e dados
complementares necessários.

Figura 53: RBS/Altura – Dados Complementares (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS.
Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de
“Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RBS (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
923
Visto do Ajudante Geral

Figura 54: RBS/Aquático – Dados Complementares (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS.
Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de
“Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RBS (espelho do módulo de registro).

Figura 55: RBS/Terrestre – Dados Complementares (A imagem é relativa à antiga estrutura do


REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e
“Autos de Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando
um só no item de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RBS (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
924
Visto do Ajudante Geral

OBSERVAÇÕES – DADOS COMPLEMENTARES – RBS/TERRESTRE

 Com a reformulação da DIAO, as naturezas referentes a trânsito foram


detalhadas ao máximo quanto ao mecanismo do acidente, tanto nas
naturezas do grupo “S – Referente à Busca e Salvamento” quanto do
grupo “V – Referente à Atendimento Pré-Hospitalar”. Os dados referentes
às vítimas presas às ferragens, porém, não foram vislumbradas nas
naturezas, para fins de melhoria na qualidade dos dados. Assim, como a
GUBM de salvamento é responsável pela atuação em acidentes de
trânsito envolvendo vítimas presas às ferragens, existe no RBS/Terrestre
o campo “Vítima(s) presa(s) às ferragens?”, de preenchimento
obrigatório, em que deve ser marcada a opção “sim” ou “não”.

o A correta resposta a esta questão é fundamental para a


interpretação dos dados e conhecimento da atuação BM, inclusive
para fins de aquisição de recursos operacionais.

7. RELATÓRIO DE VISTORIA DE PSCIP – RV

Os relatórios de vistorias de PSCIP são utilizados, em geral, pelos vistoriadores do Serviço de


Segurança Contra Incêndio e Pânico (SSCIP) para o lançamento de ocorrências cujas naturezas
estão inseridas na classe “P 01.000 – Vistorias de PSCIP”.

São relatórios técnicos, bastante específicos, que demandam conhecimentos próprios da atividade de
Prevenção Contra Incêndio e Pânico. Nesse sentido, esses relatórios devem ser constantemente
atualizados na medida em que as normas e instruções são editadas.

7.1. RV – Prevenção e Vistoria

O ícone de menu exclusivo do RV é o “Prevenção e Vistoria”, composto por 4 (quatro) abas internas
de preenchimento obrigatório:

 Informações primárias;
 Itens de Irregularidades I;
 Itens de Irregularidades II;
 Itens de Irregularidades III.

7.1.1 RV – Prevenção e Vistoria – Informações Primárias

Nesta aba encontram-se os principais dados para caracterização da edificação (Figura 56), tais como:

a) Número do projeto: preenchimento facultativo;

b) Data da Concessão do AVCB: preenchimento facultativo;

c) Razão social: preenchimento facultativo;

d) Classificação quanto à altura: preenchimento facultativo;


Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
925
Visto do Ajudante Geral

e) Classificação quanto à ITO – 21: preenchimento facultativo;

f) Classificação de risco (por cor): preenchimento obrigatório, com as opções:

 Inexistente;
 Branca;
 Verde;
 Amarela;
 Vermelha.

OBSERVAÇÕES – CLASSIFICAÇÃO QUANTO À COR

 O preenchimento obrigatório do campo “classificação de risco (por cor)” é


importante para fins de coleta de dados para o Acordo de Resultados de
2ª Etapa pactuado pelo CBMMG com o Governo de Minas Gerais.

g) Ocupação/Divisão: preenchimento obrigatório, em que a ocupação/divisão deve ser


selecionada de acordo com a lista fornecida;

h) Número de pavimentos: preenchimento obrigatório;

i) Resultado da Ação de Vistoria: preenchimento obrigatório, com a seleção de apenas uma


das opções disponíveis e descrição no campo “Área Notificada (m²)”.

Figura 55: RV – Prevenção e Vistoria – Informações Primárias (A imagem é relativa à antiga estrutura
do REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de
Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de
“Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RV (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
926
Visto do Ajudante Geral

7.1.2 RV – Prevenção e Vistoria – Itens de Irregularidades I

Esta aba possui uma seção única, de preenchimento obrigatório, contendo uma lista de ícones
(Figura 56) que, ao serem clicados, exibem uma janela com as opções para seleção da situação em
que se encontra a edificação para aquele item.

Cada janela permite seleção múltipla e exibe, para cada opção, um campo para especificação
(facultativo) caso necessário (exemplo na Figura 57).

Todos os ícones devem ser preenchidos para que os dados sejam salvos corretamente. Após o
correto preenchimento dos dados, deve-se clicar em “Salvar” para aparecer a próxima aba a ser
preenchida.

Figura 56: RV – Prevenção e Vistoria – Itens de Irregularidades I – Ícones com as janelas ocultas (A
imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de
menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe”
deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª
edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RV (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
927
Visto do Ajudante Geral

Figura 57: RV – Prevenção e Vistoria – Itens de Irregularidades I – Ícone referente ao PSCIP com janela exibida
(A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu:
“Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir,
formando um só no item de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RV (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
928
Visto do Ajudante Geral

7.1.3 RV – Prevenção e Vistoria – Itens de Irregularidades II

Esta aba, assim como a anterior, possui uma seção única, de preenchimento obrigatório, contendo
uma lista de ícones (Figura 58) que, ao serem clicados, exibem uma janela com as opções para
seleção da situação em que se encontra a edificação para aquele item.

Cada janela permite seleção múltipla e exibe, para cada opção, um campo para especificação
(facultativo) caso necessário (exemplo na Figura 59).

Todos os ícones devem ser preenchidos para que os dados sejam salvos corretamente. Após o
correto preenchimento dos dados, deve-se clicar em “Salvar” para aparecer a próxima aba a ser
preenchida.

Figura 58: RV – Prevenção e Vistoria – Itens de Irregularidades II – Ícones com janela oculta (A imagem é
relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais
Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um
só no item de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RV (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
929
Visto do Ajudante Geral

Figura 59: RV – Prevenção e Vistoria – Itens de Irregularidades II – Ícone referente à


Comercialização, Distribuição e Utilização de Gás Natural com janela exibida (A imagem é relativa
à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios não apresentarão os itens de menu: “Materiais
Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os itens “Viaturas” e “Equipe” deixarão de
existir, formando um só no item de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª edição desta
ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RV (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
930
Visto do Ajudante Geral

7.1.4 RV – Prevenção e Vistoria – Itens de Irregularidades III

Esta aba possui duas seções. A primeira é parecida com as abas anteriores, de preenchimento
obrigatório, contendo uma lista de ícones (Figura 60) que, ao serem clicados, exibem uma janela com
as opções para seleção da situação em que se encontra a edificação para aquele item.
Cada janela permite seleção múltipla e exibe, para cada opção, um campo para especificação
(facultativo) caso necessário (exemplo na Figura 61). Todos os ícones devem ser preenchidos para
que os dados sejam salvos corretamente.

A segunda seção se refere aos “Itens de Irregularidades Não Previstos” (Figura 60), para descrição
de alguma irregularidade que por ventura não foi vislumbrada pelas opções das 03 (três) abas
próprias.

Para inserir uma irregularidade, basta escrevê-la em campo próprio e clicar em “Inserir” que ela será
adicionada à lista abaixo. Para excluir, seleciona-se alguma irregularidade já inserida e, em seguida,
clica-se no botão “Excluir”.

Figura 60: RV – Prevenção e Vistoria – Itens de Irregularidades III – Ícones com janela oculta + Itens de
Irregularidades Não Previstos (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios não
apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os itens “Viaturas”
e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. A atualização estará disponível na 2ª
edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RV (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
931
Visto do Ajudante Geral

Figura 61: RV – Prevenção e Vistoria – Itens de Irregularidades III – Ícone referente à Fogos de Artifício e
Pirotecnia com janela exibida (A imagem é relativa à antiga estrutura do REDS. Os novos relatórios não
apresentarão os itens de menu: “Materiais Repassados” e “Autos de Resistência”, bem como os itens
“Viaturas” e “Equipe” deixarão de existir, formando um só no item de “Recursos”. A atualização estará
disponível na 2ª edição desta ITO).
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RV (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
932
Visto do Ajudante Geral

8. RELATÓRIO DE ATIVIDADE – RAT

Destinado ao registro de atividades operacionais realizadas em serviço, o RAT possui estrutura muito
simples e seus itens de menu não possuem abas internas, porém a lógica de preenchimento é a
mesma dos demais relatórios.

8.1. RAT – Dados Gerais

É o primeiro item de menu do RAT. É de preenchimento obrigatório e destina-se à coleta dos dados
que fornecerão a caracterização inicial da atividade, tais como: local, hora de início e de término e,
principalmente, a natureza da atividade (Figura 62).

a) Campo Data/Hora do Início da Atividade: de preenchimento obrigatório, normalmente esse


campo já vem preenchido com os dados inseridos no CAD ou CADWeb durante a criação da
atividade, porém pode ser preenchido manualmente, caso necessário;

b) Campo Data/Hora do Término da Atividade: de preenchimento obrigatório, normalmente


esse campo já vem preenchido com os dados inseridos no CAD ou CADWeb quando é
anunciado o encerramento da atividade, porém pode ser preenchido manualmente, caso
necessário;

c) Município: de preenchimento obrigatório, neste campo deve ser selecionado o município ao


qual a unidade responsável pelo registro pertence.;

b) Unidade Responsável pelo Registro: de preenchimento obrigatório, neste campo o relator


deverá selecionar a Unidade que está sendo responsável pelo registro dentre uma lista de
opções. As unidades são descritas até o nível de Pelotão;

c) Natureza: campo em que será selecionada a natureza da ocorrência atendida. Normalmente


esse campo já vem preenchido pela informação lançada no CAD ou CADWeb, durante a
criação da atividade. Caso haja divergência entre a natureza preenchida pelo CAD ou
CADWeb e a atividade desenvolvida, o RELATOR deve modificá-la, clicando no botão “x” ao
lado e selecionando nova natureza;

d) Nome da Operação: de preenchimento facultativo, deve ser preenchido se houver;

e) Local do Fato: os modos e critérios de busca para a pesquisa de local serão os mesmos
descritos para o ROS e demais relatórios.

Figura 62: RAT – Dados Gerais.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAT (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
933
Visto do Ajudante Geral

Ao encerrar o preenchimento correto da tela de “Dados Gerais” deve-se clicar em “Salvar”. Assim que
os dados forem salvos será gerado o número de RAT e disponibilizados os demais itens de menu
para preenchimento (Figura 63).

Figura 63: RAT – Dados Gerais. Observe à esquerda os demais itens de menu disponibilizados após a
atualização, com sucesso, da aba.
Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAT (espelho do módulo de registro).

OBSERVAÇÕES – ITENS DE MENU – RAT

 O modelo de RAT é o mesmo para todos os órgãos que utilizam o REDS.


Assim, o item de menu „Produtividade”, apesar de ser visível, não se aplica
às atividades atualmente desenvolvidas pelo CBMMG.

8.2. RAT – Recursos

As regras e critérios para preenchimento deste item de menu são as mesmas descritas para o ROS.
Essa tela possui preenchimento obrigatório (Figura 64).

Figura 64: RAT – Recursos.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAT (espelho do módulo de registro).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
934
Visto do Ajudante Geral

8.3. RAT – Dados Finais

Este item de menu é composto apenas pelo “Histórico”, que deve ser preenchido levando-se em
consideração o aplicável e descrito para o ROS (Figura 65). Nele deve constar uma descrição sucinta
da atividade desenvolvida, constando n° de ofício, O.S. ou nome de autoridade responsável pela
ordem que originou a atividade.

Figura 65: RAT – Dados Finais.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAT (espelho do módulo de registro).

8.4. RAT – Encerrar

Tela destinada a resumir os dados inseridos no relatório, alertar para questões que possam ter sido
esquecidas pelo relator e determinar correções imprescindíveis para o encerramento do registro
(Figura 66).

Figura 66: RAT – Encerrar.


Fonte: Módulo de treinamento do REDS para o RAT (espelho do módulo de registro).

Quando as informações estiverem todas em conformidade, clica-se em “Encerrar”.


Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
935
Visto do Ajudante Geral

ANEXO III
(NATUREZAS DA DIAO E SUAS ESPECIFICAÇÕES)

O 00.000 REFERENTE À EXPLOSÃO E INCÊNDIO

O 01.000 EXPLOSÃO
Nesta classe enquadram-se os fatos que exigem a intervenção do Corpo de Bombeiros Militar
de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o
fogo oriundo de explosões, evitar novos vazamentos de gases e/ou outros fatores que facilitem novas
explosões ou a reignição do fogo. As explosões podem determinar o início de um incêndio ou
acontecem quando estes incêndios estão ocorrendo.

O 01.001 Explosão em residência (casa / apartamento)


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em edificações residenciais
unifamiliares – casas térreas, sobrados, condomínios horizontais, barracões, barracos ou
assemelhados destinados à moradia – e plurifamiliares – edifícios de apartamento em geral, apart-
hotéis e assemelhados com cozinha própria nos apartamentos – que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo;
controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis
vestígios/indícios de crimes.

O 01.002 Explosão em edificação coletiva / hospedagem


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em edificações coletivas –
pensionatos, internatos, alojamentos, mosteiros, conventos e assemelhados –, serviços de
hospedagem – hotéis, motéis, pensões, hospedarias, pousadas, albergues, casas de cômodos e
assemelhados – e locais onde pessoas requerem cuidados especiais por limitações físicas ou
mentais – asilos, orfanatos, abrigos geriátricos, reformatórios, locais para tratamento de dependentes
químicos e assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões;
proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.003 Explosão em edificação comercial


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em lojas em geral – armarinhos,
artigos de metal, louças, artigos hospitalares e outros –, lojas de departamentos, magazines, galerias
comerciais, mercados e supermercados em geral, assistências técnicas – lavanderias, reparação e
manutenção de aparelhos eletroeletrônicos e eletrodomésticos, chaveiros e outros –, locais para
refeição – restaurantes, lanchonetes, bares, cafés, refeitórios, cantinas e assemelhados – e salas
comerciais – escritórios em geral, pequenos empreendedores e profissionais liberais – que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de
extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e,
preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.004 Explosão em shopping center


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em edificações que se destinam a
abrigar centro de compras em geral, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões)
de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões;
proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.005 Explosão em agência bancária / repartição pública


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em agências bancárias (inclusive
caixas eletrônicos), casas de moeda e repartições públicas – edificações do Executivo, Legislativo e
Judiciário – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio,
com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de
possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
936
Visto do Ajudante Geral

O 01.006 Explosão em escola / creche


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em estabelecimentos de ensino em
geral – escolas de ensino básico, fundamental, médio e superior; cursos supletivos e pré-
universitários; escolas para portadores de necessidades especiais; escolas de artes, religiosas e de
línguas; centros de treinamento profissional; escolas de educação física, artes marciais, ginásticas e
esportes coletivos; e assemelhados – e em creches, escolas maternais e jardins-de-infância, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade
de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e,
preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.007 Explosão em quartéis / delegacias


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em aquartelamentos das Forças
Armadas, PM e CBM, bem como nas delegacias e edificações assemelhadas – postos policiais, pátio
do DETRAN, garagem de viaturas policiais, dentre outras – que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando
perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis
vestígios/indícios de crimes.

O 01.008 Explosão em unidades prisionais / socioeducativas


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em edificações do sistema prisional –
complexos penitenciários, penitenciárias, presídios, casas de albergados, centros de apoio e
Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC) – e unidades socioeducativas ao
adolescente autor de ato infracional – centros de internação provisória e centros socioeducativos de
internação, semiliberdade e meio aberto – que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de
novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de
crimes.

O 01.009 Explosão em local religioso / cultural / artístico


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em igrejas, capelas, sinagogas,
mesquitas, templos, teatros, auditórios, cinemas, boates, salões de baile, restaurantes dançantes,
casas de show, circos, feiras em geral, museus, bibliotecas e assemelhados, desde que sejam locais
com recepção de público, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões;
proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.010 Explosão em estádio / centro esportivo e de recreação


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em estádios, ginásios e piscinas com
arquibancadas, rodeios, autódromos, sambódromos, arenas em geral, pistas de patinação e locais de
recreação – jardins zoológicos, parques recreativos, clubes sociais, bilhares, boliches, casas de jogos
e assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a
incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a
vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.011 Explosão em hospital / clínica / laboratório


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em hospitais em geral, casas de
saúde, prontos-socorros, clínicas com internação, ambulatórios e postos de atendimento de urgência,
postos de saúde, clínicas médicas em geral, clínicas odontológicas e veterinárias, laboratórios de
análises clínicas, laboratórios químicos, fotográficos e assemelhados – que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo;
controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis
vestígios/indícios de crimes.

O 01.012 Explosão em oficina / serviço automotivo / garagem


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em oficinas de conserto de veículos,
borracharias, oficinas de veículos automotores de transporte de carga e de pessoas, máquinas
agrícolas e rodoviárias, retificadoras de motores, garagens de veículos automotores de transporte de
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
937
Visto do Ajudante Geral

carga e de pessoas que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a


incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a
vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.
O 01.013 Explosão em edificação industrial
Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em indústrias em geral – fábricas e
montadoras – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a
incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a
vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.014 Explosão em depósitos / pátio de contêiner


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em depósitos (locais de
armazenamento) de empresas comerciais / industriais em geral e pátios / terminais de contêineres
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a
finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis
vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.015 Explosão em caldeira


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em caldeiras de vapor que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de
extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e,
preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.016 Explosão em cilindros / vasos de pressão


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em cilindros transportáveis,
reservatórios portáteis de fluido comprimido e vasos de pressão em geral – equipamentos que
contêm fluidos (acetileno, hidrogênio, ar comprimido, vapor de água e outros fluidos inflamáveis,
combustíveis, tóxicos ou asfixiantes) sob pressão interna ou externa – que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo;
controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis
vestígios/indícios de crimes.

O 01.017 Explosão em silos de armazenagem


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em silos de armazenagem de produtos
agrícolas que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio,
com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de
possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.018 Explosão em local com explosivos


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em fábricas, comércios ou depósitos
de explosivos que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a
incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a
vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.019 Explosão em tanques / reservatórios de combustíveis


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em locais destinados à produção,
manipulação, armazenamento e distribuição de líquidos ou gases combustíveis e inflamáveis que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade
de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e,
preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.020 Explosão em tubulações / canalizações de combustíveis / gás


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em tubulações e canalizações em
sistemas (dutos) de transporte de combustíveis e gás que exijam a intervenção do CBMMG através
de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos
de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de
crimes.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
938
Visto do Ajudante Geral

O 01.021 Explosão em local de abastecimento de combustível / gás


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em postos de abastecimento de
combustível / gás natural veicular e serviços assemelhados que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando
perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis
vestígios/indícios de crimes.
O 01.022 Explosão em estação / terminal de passageiros / cargas
Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em estações e terminais de
passageiros em geral – rodoviárias, ferroviárias, metroviárias, aeroviárias, marítimas, lacustres –,
estações de transbordo em geral e assemelhados que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de
novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de
crimes.

O 01.023 Explosão em local de processamento de lixo


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em propriedades destinadas ao
armazenamento, processamento, tratamento e/ou reciclagem de lixo (resíduos sólidos) – lixo de
limpeza pública, doméstico, hospitalar, comercial, industrial, eletrônico e assemelhados – que exijam
a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de
extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e,
preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.024 Explosão em central de energia / comunicações


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em centrais de transmissão e
distribuição de energia, centrais telefônicas, centros de comunicação e de processamento de dados
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a
finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis
vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.025 Explosão em caminhão tanque


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em caminhões equipados com tanque
de carga para transporte de líquidos inflamáveis, seja por motivo de deslocamento em trânsito ou por
operação de abastecimento / transbordo, ou estacionado em galpão / pátio, que exijam a intervenção
do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo.
Existem diversos tipos de produtos que são transportados em tanques de carga e, para cada um
deles, existe uma classificação de risco e uma conduta prevista no manual de atendimento a
emergências com produtos perigosos.

O 01.026 Explosão em vagão tanque


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em vagões equipados com tanque de
carga para transporte de líquidos inflamáveis, seja por motivo de deslocamento em linha férrea ou por
operação de abastecimento / transbordo, ou estacionado em galpão / pátio / estação, que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de
extinguir o fogo. Existem diversos tipos de produtos que são transportados em tanques de carga e,
para cada um deles, existe uma classificação de risco e uma conduta prevista no manual de
atendimento a emergências com produtos perigosos.

O 01.027 Explosão em veículo automotor (exceto tanque de carga)


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em veículos automotores rodoviários –
motocicleta, automóvel (carro, camioneta, caminhonete), caminhão / carreta, ônibus / micro-ônibus –,
excluindo-se os casos envolvendo tanques de carga, que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de
novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de
crimes.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
939
Visto do Ajudante Geral

O 01.028 Explosão em veículo de transporte de valores


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em veículos de transporte de valores
de empresas especializadas ou do próprio estabelecimento financeiro, com presença de segurança
privada / vigilância ostensiva, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões;
proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.029 Explosão em vagão ferroviário (exceto tanque de carga)


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em vagões ferroviários, excluindo-se
os casos envolvendo tanques de carga, que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de
novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de
crimes.

O 01.030 Explosão em aeronave


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em aeronaves em geral – balões,
dirigíveis, aviões, helicópteros e planadores – que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de
novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de
crimes.

O 01.031 Explosão em maquinário agrícola


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em maquinários agrícolas em geral –
máquinas para o preparo do solo, semeadura, plantio, cultivo, desbaste, aplicação de defensivos,
colheita, processamento; tratores, máquinas especiais e assemelhados – que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo;
controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis vítimas; e, preservar possíveis
vestígios/indícios de crimes.

O 01.032 Explosão em embarcações


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em embarcações em geral – barcos,
lanchas, veleiros, escunas, pesqueiros, botes, motos aquáticas (jet-ski), canoas e assemelhados –
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a
finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de possíveis
vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes.

O 01.999 Outros tipos de explosão


Nesta natureza enquadram-se as explosões ocorridas em locais não abordados em outras
naturezas, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio,
com a finalidade de extinguir o fogo; controlando perigos de novas explosões; proteger a vida de
possíveis vítimas; e, preservar possíveis vestígios/indícios de crimes. Somente será registrado como
fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

O 02.000 INCÊNDIO URBANO


Nesta classe enquadram-se os fatos que exigem a intervenção do Corpo de Bombeiros Militar
de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de combate a incêndio tipicamente urbano, com a
finalidade de extinguir o fogo já deflagrado, preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova
ignição.

O 02.001 Incêndio em residência (casa / apartamento)


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em edificações residenciais
unifamiliares – casas térreas, sobrados, condomínios horizontais, barracões, barracos ou
assemelhados destinados à moradia – e plurifamiliares – edifícios de apartamento em geral, apart-
hotéis e assemelhados com cozinha própria nos apartamentos – que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo;
avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das
causas do incêndio e evitar nova ignição.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
940
Visto do Ajudante Geral

O 02.002 Incêndio em edificação coletiva / hospedagem


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em edificações coletivas – pensionatos,
internatos, alojamentos, mosteiros, conventos e assemelhados –, serviços de hospedagem – hotéis,
motéis, pensões, hospedarias, pousadas, albergues, casas de cômodos e assemelhados – e locais
onde pessoas requerem cuidados especiais por limitações físicas ou mentais – asilos, orfanatos,
abrigos geriátricos, reformatórios, locais para tratamento de dependentes químicos e assemelhados –
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a
finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis
vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.003 Incêndio em edificação comercial


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em lojas em geral – armarinhos, artigos
de metal, louças, artigos hospitalares e outros –, lojas de departamentos, magazines, galerias
comerciais, mercados e supermercados em geral, assistências técnicas – lavanderias, reparação e
manutenção de aparelhos eletroeletrônicos e eletrodomésticos, chaveiros e outros –, locais para
refeição – restaurantes, lanchonetes, bares, cafés, refeitórios, cantinas e assemelhados – e salas
comerciais – escritórios em geral, pequenos empreendedores e profissionais liberais – que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de
extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas;
preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.004 Incêndio em shopping center


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em edificações que se destinam a
abrigar centro de compras em geral, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões)
de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de
explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar
nova ignição.

O 02.005 Incêndio em agência bancária / repartição pública


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em agências bancárias (inclusive
caixas eletrônicos), casas de moeda e repartições públicas – edificações do Executivo, Legislativo e
Judiciário – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio,
com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de
possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.006 Incêndio em escola / creche


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em estabelecimentos de ensino em
geral – escolas de ensino básico, fundamental, médio e superior; cursos supletivos e pré-
universitários; escolas para portadores de necessidades especiais; escolas de artes, religiosas e de
línguas; centros de treinamento profissional; escolas de educação física, artes marciais, ginásticas e
esportes coletivos; e assemelhados – e em creches, escolas maternais e jardins-de-infância, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade
de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas;
preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.007 Incêndio em quartéis / delegacias


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em aquartelamentos das Forças
Armadas, PM e CBM, bem como nas delegacias e edificações assemelhadas – postos policiais, pátio
do DETRAN, garagem de viaturas policiais, dentre outras – que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar
indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das
causas do incêndio e evitar nova ignição.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
941
Visto do Ajudante Geral

O 02.008 Incêndio em unidades prisionais / socioeducativas


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em edificações do sistema prisional –
complexos penitenciários, penitenciárias, presídios, casas de albergados, centros de apoio e
Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC) – e unidades socioeducativas ao
adolescente autor de ato infracional – centros de internação provisória e centros socioeducativos de
internação, semiliberdade e meio aberto – que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de
perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e
evitar nova ignição.

O 02.009 Incêndio em local religioso / cultural / artístico


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em igrejas, capelas, sinagogas,
mesquitas, templos, teatros, auditórios, cinemas, boates, salões de baile, restaurantes dançantes,
casas de show, circos, feiras em geral, museus, bibliotecas e assemelhados, desde que sejam locais
com recepção de público, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão;
proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.
O 02.010 Incêndio em estádio / centro esportivo e de recreação
Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em estádios, ginásios e piscinas com
arquibancadas, rodeios, autódromos, sambódromos, arenas em geral, pistas de patinação e locais de
recreação – jardins zoológicos, parques recreativos, clubes sociais, bilhares, boliches, casas de jogos
e assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a
incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a
vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.011 Incêndio em hospital / clínica / laboratório


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em hospitais em geral, casas de saúde,
prontos-socorros, clínicas com internação, ambulatórios e postos de atendimento de urgência, postos
de saúde, clínicas médicas em geral, clínicas odontológicas e veterinárias, laboratórios de análises
clínicas, laboratórios químicos, fotográficos e assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar
indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das
causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.012 Incêndio em oficina / serviço automotivo / garagem


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em oficinas de conserto de veículos,
borracharias, oficinas de veículos automotores de transporte de carga e de pessoas, máquinas
agrícolas e rodoviárias, retificadoras de motores, garagens de veículos automotores de transporte de
carga e de pessoas que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a
incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a
vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.013 Incêndio em edificação industrial


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em indústrias em geral – fábricas e
montadoras – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a
incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a
vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.014 Incêndio em depósitos / pátio de contêiner


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em depósitos (locais de
armazenamento) de empresas comerciais / industriais em geral e pátios / terminais de contêineres
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a
finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis
vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
942
Visto do Ajudante Geral

O 02.015 Incêndio em caldeira


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em caldeiras de vapor que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de
extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas;
preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.016 Incêndio em cilindros / vasos de pressão


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em cilindros transportáveis,
reservatórios portáteis de fluido comprimido e vasos de pressão em geral – equipamentos que
contêm fluidos (acetileno, hidrogênio, ar comprimido, vapor de água e outros fluidos inflamáveis,
combustíveis, tóxicos ou asfixiantes) sob pressão interna ou externa – que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo;
avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das
causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.017 Incêndio em silos de armazenagem


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em silos de armazenagem de produtos
agrícolas que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio,
com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de
possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.018 Incêndio em local com explosivos


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em fábricas, comércios ou depósitos de
explosivos que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio,
com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de
possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.019 Incêndio em tanques / reservatórios de combustíveis


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em locais destinados à produção,
manipulação, armazenamento e distribuição de líquidos ou gases combustíveis e inflamáveis que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade
de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas;
preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.020 Incêndio em tubulações / canalizações de combustíveis / gás


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em tubulações e canalizações em
sistemas (dutos) de transporte de combustíveis e gás que exijam a intervenção do CBMMG através
de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de
perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e
evitar nova ignição.

O 02.021 Incêndio em local de abastecimento de combustível / gás


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em postos de abastecimento de
combustível / gás natural veicular e serviços assemelhados que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar
indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das
causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.022 Incêndio em estação / terminal de passageiros / cargas


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em estações e terminais de
passageiros em geral – rodoviárias, ferroviárias, metroviárias, aeroviárias, marítimas, lacustres –,
estações de transbordo em geral e assemelhados que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de
perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e
evitar nova ignição.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
943
Visto do Ajudante Geral

O 02.023 Incêndio em local de processamento de lixo


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em propriedades destinadas ao
armazenamento, processamento, tratamento e/ou reciclagem de lixo (resíduos sólidos) – lixo de
limpeza pública, doméstico, hospitalar, comercial, industrial, eletrônico e assemelhados – que exijam
a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de
extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas;
preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.024 Incêndio em central de energia / comunicações


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em centrais de transmissão e
distribuição de energia, centrais telefônicas, centros de comunicação e de processamento de dados
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a
finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis
vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.025 Incêndio em caminhão tanque


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em caminhões equipados com tanque
de carga para transporte de líquidos inflamáveis, seja por motivo de deslocamento em trânsito ou por
operação de abastecimento / transbordo, ou estacionado em galpão / pátio, que exijam a intervenção
do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo.
Existem diversos tipos de produtos que são transportados em tanques de carga e, para cada um
deles, existe uma classificação de risco e uma conduta prevista no manual de atendimento a
emergências com produtos perigosos.

O 02.026 Incêndio em vagão tanque


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em vagões equipados com tanque de
carga para transporte de líquidos inflamáveis, seja por motivo de deslocamento em linha férrea ou por
operação de abastecimento / transbordo, ou estacionado em galpão / pátio / estação, que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de
extinguir o fogo. Existem diversos tipos de produtos que são transportados em tanques de carga e,
para cada um deles, existe uma classificação de risco e uma conduta prevista no manual de
atendimento a emergências com produtos perigosos.

O 02.027 Incêndio em veículo automotor (exceto tanque de carga)


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em veículos automotores rodoviários –
motocicleta, automóvel (carro, camioneta, caminhonete), caminhão / carreta, ônibus / micro-ônibus –,
excluindo-se os casos envolvendo tanques de carga, que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de
perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e
evitar nova ignição.

O 02.028 Incêndio em veículo de transporte de valores


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em veículos de transporte de valores de
empresas especializadas ou do próprio estabelecimento financeiro, com presença de segurança
privada / vigilância ostensiva, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão;
proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.029 Incêndio em vagão ferroviário (exceto tanque de carga)


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em vagões ferroviários, excluindo-se os
casos envolvendo tanques de carga, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões)
de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de
explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar
nova ignição.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
944
Visto do Ajudante Geral

O 02.030 Incêndio em aeronave


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em aeronaves em geral – balões,
dirigíveis, aviões, helicópteros e planadores – que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de
perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e
evitar nova ignição.

O 02.031 Incêndio em maquinário agrícola


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em maquinários agrícolas em geral –
máquinas para o preparo do solo, semeadura, plantio, cultivo, desbaste, aplicação de defensivos,
colheita, processamento; tratores, máquinas especiais e assemelhados – que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo;
avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar indícios das
causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.032 Incêndio em embarcações


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em embarcações em geral – barcos,
lanchas, veleiros, escunas, pesqueiros, botes, motos aquáticas (jet-ski), canoas e assemelhados –
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a
finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de possíveis
vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 02.033 Incêndio em amontoado de lixo


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em amontoados de lixo em geral –
bota-fora, local de descarte ilegal de lixo e entulho, sacos de lixo juntos e assemelhados –, excluindo-
se as propriedades destinadas ao processamento de lixo, que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar
indicadores de perigo de explosão e evitar nova ignição.

O 02.034 Incêndio em caçamba de lixo / entulho


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em caçambas de lixo e entulho que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade
de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão e evitar nova ignição.

O 02.035 Incêndio em amontoado de pneus


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em amontoados de pneus em geral –
bota-fora, local de descarte ilegal de pneus e assemelhados –, excluindo-se os depósitos e as
manifestações em via pública, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão e
evitar nova ignição.

O 02.036 Incêndio em amontoado de madeira


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em amontoados de madeira em geral –
bota-fora, local de descarte ilegal de madeira e assemelhados –, excluindo-se os depósitos e as
manifestações em via pública, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
combate a incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão e
evitar nova ignição.

O 02.037 Incêndio em via pública / manifestações


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em manifestações em via pública que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade
de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão e evitar nova ignição.

O 02.038 Incêndio em rede elétrica / poste / curto-circuito


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em fiações da rede pública e postes de
madeira que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com
a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão e evitar nova ignição.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
945
Visto do Ajudante Geral

O 02.039 Incêndio em tronco de árvore


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em troncos de árvore, excluindo-se os
incêndios florestais, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a
incêndio, com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão e evitar nova
ignição.

O 02.999 Outros tipos de incêndio urbano


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em locais não abordados em outras
naturezas, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio,
com a finalidade de extinguir o fogo; avaliar indicadores de perigo de explosão; proteger a vida de
possíveis vítimas; preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição. Somente será
registrado como fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

O 03.000 PERIGO DE EXPLOSÃO / INCÊNDIO


Nesta classe enquadram-se as ações e intervenções do Corpo de Bombeiros Militar de Minas
Gerais, através de guarnição(ões) de combate a incêndio ou guarnição(ões) especializada(s) de
salvamento, em situações em que há o perigo / risco de ocorrência de explosão e/ou incêndio, com a
finalidade de extinguir ou minimizar os perigos / riscos estabelecidos na cena do fato, resultantes de
diversas causas.

O 03.001 Perigo de explosão / incêndio em acidente de trânsito


Nesta natureza enquadram-se as situações em que haja o perigo / risco de ocorrência de
explosão / incêndio em acidentes de trânsito em geral – choque de veículo automotor com objeto fixo,
capotamento / tombamento de veículo, colisão / abalroamento entre veículos e assemelhados – que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade
de extinguir ou minimizar os perigos / riscos estabelecidos na cena do fato, evitando vazamentos de
gases / combustíveis que possam facilitar a ignição do fogo.

O 03.002 Superaquecimento de panela


Nesta natureza enquadram-se as situações em que haja o perigo / risco de ocorrência de
explosão / incêndio em cozinhas resultante do superaquecimento de panelas em geral, que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de
extinguir ou minimizar os perigos / riscos estabelecidos na cena do fato mediante a retirada do agente
ígneo incidente na panela.

O 03.003 Vazamento de GLP / gás natural (cozinha)


Nesta natureza enquadram-se as situações em que haja o perigo / risco de ocorrência de
explosão / incêndio em cozinhas resultante do vazamento de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) e Gás
Natural, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com
a finalidade de extinguir ou minimizar os perigos / riscos estabelecidos na cena do fato, evitando
novos vazamentos de gases que possam facilitar a ignição do fogo.

O 03.004 Vazamento de combustível em local de abastecimento / similar


Nesta natureza enquadram-se as situações em que haja o perigo / risco de ocorrência de
explosão / incêndio resultante do vazamento de combustíveis em geral em locais de produção,
manipulação, armazenamento, distribuição, abastecimento e assemelhados, que exijam a intervenção
do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir ou
minimizar os perigos / riscos estabelecidos na cena do fato, evitando novos vazamentos de
combustíveis que possam facilitar a ignição do fogo.

O 03.005 Vazamento de fluido em cilindros / vasos de pressão


Nesta natureza enquadram-se as situações em que haja o perigo / risco de ocorrência de
explosão / incêndio resultante do vazamento de fluido em cilindros transportáveis, reservatórios
portáteis de fluido comprimido e vasos de pressão em geral – equipamentos que contêm fluidos
(acetileno, hidrogênio, ar comprimido, vapor de água e outros fluidos inflamáveis, combustíveis,
tóxicos ou asfixiantes) sob pressão interna ou externa – que exijam a intervenção do CBMMG através
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
946
Visto do Ajudante Geral

de guarnição(ões) de combate a incêndio, com a finalidade de extinguir ou minimizar os perigos /


riscos estabelecidos na cena do fato, evitando novos vazamentos de fluidos que possam facilitar a
ignição do fogo.

O 03.006 Vazamento de produto QBRN


Nesta natureza enquadram-se as situações em que haja o perigo / risco de ocorrência de
explosão / incêndio resultante do vazamento de produto químico, biológico, radiológico e nuclear
(QBRN) que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio e/ou
guarnição(ões) especializada(s) de salvamento, com a finalidade de extinguir ou minimizar os perigos
/ riscos estabelecidos na cena do fato, evitando novos vazamentos de produtos QBRN que possam
facilitar a ignição do fogo.

O 03.007 Ameaça de bomba


Nesta natureza enquadram-se as situações em que haja o perigo / risco de ocorrência de
explosão / incêndio resultante da ameaça de bombas em geral – artefatos explosivos ou simulacros –
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio e/ou
guarnição(ões) especializada(s) de salvamento, com a finalidade de apoiar as guarnições / equipes
especializadas da Polícia Militar e/ou Polícia Civil na extinção ou minimização dos perigos / riscos
estabelecidos na cena do fato.

O 03.999 Outros tipos de perigo de explosão / incêndio


Nesta natureza enquadram-se as situações em que haja o perigo / risco de ocorrência de
explosão / incêndio em locais não abordados em outras naturezas, que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio e/ou guarnição(ões) especializada(s) de
salvamento, com a finalidade de extinguir ou minimizar os perigos / riscos estabelecidos na cena do
fato, resultantes de diversas causas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e
somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

O 04.000 INCÊNDIO FLORESTAL


Nesta classe enquadram-se os fatos que exigem a intervenção do Corpo de Bombeiros Militar
de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de combate a incêndio ou guarnição(ões) especializadas
de combate a incêndio florestal (GCIF), com a finalidade de extinguir o fogo sem controle nas
florestas e demais formas de vegetação, proteger a vida de possíveis vítimas, preservar o meio
ambiente, preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 04.001 Incêndio em Unidade de Conservação (UC)


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em Unidades de Conservação (UC)
legalmente instituídas pelo poder público federal, estadual ou municipal – estações ecológicas,
reservas biológicas, parques (nacionais, estaduais e municipais), monumentos naturais, refúgios da
vida silvestre, áreas de proteção ambiental, áreas de relevante interesse ecológico, florestas
protegidas, reservas extrativistas, reservas de fauna, reservas de desenvolvimento sustentável e
reservas particulares do patrimônio natural – que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de combate a incêndio ou guarnição(ões) especializadas de combate a incêndio
florestal (GCIF), com a finalidade de extinguir o fogo; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar o
meio ambiente, preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 04.002 Incêndio no entorno de Unidade de Conservação (UC)


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos no entorno de Unidades de
Conservação (UC), também conhecidas como zonas de amortecimento, que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio ou guarnição(ões) especializadas de
combate a incêndio florestal (GCIF), com a finalidade de extinguir o fogo; proteger a vida de possíveis
vítimas; preservar o meio ambiente, preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 04.003 Incêndio em produção agrícola / pasto


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em áreas vegetacionais destinadas à
agropecuária, sejam áreas de produção agrícola – cultivos de grãos, cereais e vegetais – ou de pasto
– vegetação utilizada para a alimentação do gado e, por extensão, o terreno onde o gado é deixado
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
947
Visto do Ajudante Geral

para se alimentar – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a


incêndio ou guarnição(ões) especializadas de combate a incêndio florestal (GCIF), com a finalidade
de extinguir o fogo; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar o meio ambiente, preservar
indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 04.004 Incêndio em área de reflorestamento


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em áreas vegetacionais destinadas à
produção industrial, madeireira, de papel e celulose, em terrenos que foram induzidos pelo homem a
terrenos florestais através da plantação ou semeadura, sejam em áreas de florestamento ou
reflorestamento, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a
incêndio ou guarnição(ões) especializadas de combate a incêndio florestal (GCIF), com a finalidade
de extinguir o fogo; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar o meio ambiente, preservar
indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 04.005 Incêndio em área rural pertencente a órgão público


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em áreas rurais pertencentes a órgãos
públicos em geral – poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União, Estado ou Município – que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio ou guarnição(ões)
especializadas de combate a incêndio florestal (GCIF), com a finalidade de extinguir o fogo; proteger
a vida de possíveis vítimas; preservar o meio ambiente, preservar indícios das causas do incêndio e
evitar nova ignição.

O 04.006 Incêndio em área rural pertencente a órgão privado


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em áreas rurais pertencentes a órgãos
privados em geral que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a
incêndio ou guarnição(ões) especializadas de combate a incêndio florestal (GCIF), com a finalidade
de extinguir o fogo; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar o meio ambiente, preservar
indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.
O 04.007 Incêndio em propriedade rural particular
Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em propriedades rurais em geral –
chácara, sítio, fazenda, rancho, estância, granja e assemelhados – que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio ou guarnição(ões) especializadas de
combate a incêndio florestal (GCIF), com a finalidade de extinguir o fogo; proteger a vida de possíveis
vítimas; preservar o meio ambiente, preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 04.008 Incêndio em área rural não protegida


Nesta natureza enquadram-se os incêndios ocorridos em áreas rurais não protegidas, sejam
terras sem dono ou terras devolutas – não incorporadas ao domínio privado e sem uso pelo poder
público – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio ou
guarnição(ões) especializadas de combate a incêndio florestal (GCIF), com a finalidade de extinguir o
fogo; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar o meio ambiente, preservar indícios das causas
do incêndio e evitar nova ignição.

O 04.009 Incêndio em área urbana pertencente a órgão público


Nesta natureza enquadram-se os incêndios florestais ocorridos em áreas urbanas
pertencentes a órgãos públicos em geral – poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União,
Estado ou Município – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a
incêndio ou guarnição(ões) especializadas de combate a incêndio florestal (GCIF), com a finalidade
de extinguir o fogo; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar o meio ambiente, preservar
indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 04.010 Incêndio em área urbana pertencente a órgão privado


Nesta natureza enquadram-se os incêndios florestais ocorridos em áreas urbanas
pertencentes a órgãos privados em geral que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de combate a incêndio ou guarnição(ões) especializadas de combate a incêndio
florestal (GCIF), com a finalidade de extinguir o fogo; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar o
meio ambiente, preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
948
Visto do Ajudante Geral

O 04.011 Incêndio em área urbana não protegida


Nesta natureza enquadram-se os incêndios florestais ocorridos em áreas urbanas não
protegidas, sejam terras sem dono ou terras devolutas – não incorporadas ao domínio privado e sem
uso pelo poder público – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate
a incêndio ou guarnição(ões) especializadas de combate a incêndio florestal (GCIF), com a finalidade
de extinguir o fogo; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar o meio ambiente, preservar
indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

O 04.012 Incêndio em lote vago (área urbana)


Nesta natureza enquadram-se os incêndios em lotes vagos – áreas urbanas de propriedade
particular não construídas – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
combate a incêndio ou guarnição(ões) especializadas de combate a incêndio florestal (GCIF), com a
finalidade de extinguir o fogo; proteger a vida de possíveis vítimas; preservar o meio ambiente,
preservar indícios das causas do incêndio e evitar nova ignição.

P 00.000 REFERENTE À PREVENÇÃO E VISTORIA

P 01.000 VISTORIAS DE PSCIP


Nesta classe enquadram-se as vistorias certificadoras do cumprimento das exigências das
medidas de proteção contra incêndio e pânico que fazem parte do processo de segurança contra
incêndio e pânico (PSCIP) e são realizadas pelos vistoriadores do Serviço de Segurança contra
Incêndio e Pânico, com a finalidade de fiscalizar, constatar e aprovar as condições dos sistemas e
meios preventivos nas edificações e áreas de risco, conforme normas e legislação vigentes adotadas
pelo CBMMG para evitar o sinistro ou limitar suas proporções, preservando vidas e bens ou
diminuindo as consequências adversas provenientes de situações anormais.

P 01.001 Vistoria de fiscalização


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pelo Serviço de Segurança contra
Incêndio e Pânico que visam fiscalizar as edificações e áreas de risco, no sentido de constatar a
existência e as condições dos sistemas ou meios de prevenção, conforme normas e legislação
vigentes adotadas pelo CBMMG.

P 01.002 Vistoria de liberação / emissão de AVCB


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pelo Serviço de Segurança contra
Incêndio e Pânico que visam verificar as medidas de proteção contra incêndio e pânico da edificação
/ área de risco, de acordo com PSCIP aprovado pelo CBMMG, conforme normas e legislação
vigentes adotadas pelo CBMMG, para fins de liberação / emissão de AVCB.

P 01.003 Vistoria em eventos temporários


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pelo Serviço de Segurança contra
Incêndio e Pânico que visam verificar as medidas de proteção contra incêndio e pânico em eventos
temporários, de acordo com PSCIP aprovado pelo CBMMG, conforme normas e legislação vigentes
adotadas pelo CBMMG.

P 01.999 Outros tipos de vistorias de PSCIP


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pelo Serviço de Segurança contra
Incêndio e Pânico ocorridas em locais não abordados em outras naturezas ou que não estejam
listadas dentre as finalidades das naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como
fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

P 02.000 VISTORIAS OPERACIONAIS DIVERSAS


Nesta classe enquadram-se as vistorias operacionais realizadas pelas guarnições de
combate a incêndio e de salvamento, bem como pelas patrulhas de prevenção e guarnições
operacionais compostas por militares em reforço operacional, com a finalidade de verificar as
condições de sistemas preventivos, de combate e situações operacionais de risco, para evitar o
sinistro ou limitar suas proporções, preservando vidas e bens ou diminuindo as consequências
adversas provenientes de situações anormais.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
949
Visto do Ajudante Geral

P 02.001 Vistoria em hidrante


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pela tropa operacional que visam
verificar o funcionamento, vazão / pressão, acesso e situações de hidrante público ou hidrante de
recalque de edificação, conforme normas vigentes adotadas pelo CBMMG.

P 02.002 Vistoria em risco de queda de árvore


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pela tropa operacional que visam
verificar a situação fitossanitária de árvore que esteja oferecendo risco iminente de queda sobre
residência, logradouros e outros. Este tipo de vistoria pode ser utilizado para orientar pessoas quanto
ao acionamento de órgãos de responsabilidade pela poda e supressão de árvores em área urbana.
P 02.003 Vistoria em lote vago
Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pela tropa operacional que visam
verificar a situação de vegetação e lixo em lotes vagos que esteja oferecendo risco iminente de dano
ao patrimônio público ou privado no caso de incêndio. Este tipo de vistoria pode ser utilizado para
orientar pessoas quanto ao acionamento de órgãos de responsabilidade pela vigilância sanitária, uso
e ocupação do solo.

P 02.004 Vistoria em risco de desabamento / desmoronamento


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pela tropa operacional que visam
verificar a situação de risco iminente de desabamento / desmoronamento de edificação, muro,
telhado, laje, marquise, estrutura metálica, arquibancada, andaime e outros, apresentando como
causas as mais diversas.

P 02.005 Vistoria em risco de deslizamento / soterramento


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pela tropa operacional que visam
verificar a situação de risco iminente de deslizamento / soterramento em razão de instabilidade do
solo durante ou após chuvas intensas ou na execução de serviços de engenharia / terraplanagem
sem as devidas cautelas, ameaçando soterrar pessoas e bens. Nesse caso, deve-se acionar para o
local engenheiro da Defesa Civil ou o responsável técnico pela obra.

P 02.006 Vistoria em risco de rompimento de barragens


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pela tropa operacional que visam
verificar a situação de risco iminente de rompimento de barragens construídas com o objetivo de
geração de energia elétrica, captação de água para abastecimento público, controle de cheias ou
navegação, apresentando como causas as mais diversas. Nesse caso, deve-se acionar para o local
engenheiro da Defesa Civil ou o responsável técnico pela obra.

P 02.007 Vistoria em risco de enchente / inundação / alagamento


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pela tropa operacional que visam
verificar a situação de risco iminente de enchente / inundação / alagamento em razão de chuvas
rápidas e fortes, chuvas intensas de longa duração e outros eventos climáticos, sobretudo em núcleos
habitacionais de baixa renda em terrenos marginais de cursos d‟água. Nesse caso, deve-se acionar
para o local engenheiro da Defesa Civil.

P 02.008 Vistoria em passarelas / viadutos / pontes


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pela tropa operacional que visam
verificar a situação de risco iminente de colapso estrutural de passarelas, viadutos, pontes e
assemelhados, apresentando como causas as mais diversas. Nesse caso, deve-se acionar para o
local engenheiro da Defesa Civil ou o responsável técnico pela obra.

P 02.009 Vistoria pós-sinistro


Nesta natureza enquadram-se as vistorias pós-sinistro realizadas pela tropa operacional que
visam verificar a qualidade do atendimento e/ou sugerir a adoção de procedimentos administrativos /
operacionais às autoridades competentes, a fim de minimizar o risco instalado e de evitar novo
sinistro.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
950
Visto do Ajudante Geral

P 02.010 Vistoria de verificação / orientação


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pela tropa operacional que visam
levantar riscos iminentes de sinistro, com o objetivo de orientar os responsáveis ou pessoas
envolvidas quanto a perigos à vida e ao patrimônio. Este tipo de vistoria pode ser utilizado para
orientar pessoas quanto à utilização das medidas de proteção contra incêndio e pânico, contudo não
faz parte do processo de segurança contra incêndio e pânico (PSCIP).

P 02.999 Outros tipos de vistorias operacionais diversas


Nesta natureza enquadram-se as vistorias realizadas pela tropa operacional ocorridas em
locais não abordados em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das
naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente
se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

P 03.000 PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIOS E ACIDENTES (PCI / PCA)


Nesta classe enquadram-se os empenhos preventivos realizados pelas guarnições de
combate a incêndio e de salvamento, unidades de resgate e guarnições operacionais compostas por
militares em reforço operacional, com a finalidade de prover segurança para a sociedade, evitando
sinistros, preservando vidas e bens ou diminuindo as consequências adversas provenientes de
situações anormais.

P 03.001 Perigo de derrapagem


Nesta natureza enquadram-se as situações em que haja o perigo / risco de derrapagem de
veículo automotor em pista de rolamento escorregadia, que exijam a intervenção do CBMMG através
de guarnição(ões) de combate a incêndio ou de salvamento, com a finalidade de extinguir ou
minimizar os perigos / riscos estabelecidos na cena do fato, por meio de uma ação preventiva de
limpeza, evitando acidentes.

P 03.002 Perigo de eletrocussão


Nesta natureza enquadram-se as situações em que haja o perigo / risco de eletrocussão de
pessoas, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de combate a incêndio ou
de salvamento, com a finalidade de extinguir ou minimizar os perigos / riscos estabelecidos na cena
do fato, por meio do isolamento / corte da energia, evitando acidentes.

P 03.003 Prevenção aquática / operação veranico


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em clubes e parques aquáticos, bem
como em balneários, rios, lagos, cachoeiras e assemelhados, onde a concentração de banhistas ou
populares exige a presença do CBMMG com o objetivo de se evitarem afogamentos e/ou acidentes.

P 03.004 Prevenção em evento esportivo


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em eventos esportivos com grande
concentração de público, que exijam a presença do CBMMG com o objetivo de se evitarem incêndios
e/ou acidentes.

P 03.005 Prevenção em evento político / comício


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em eventos políticos / comícios com
grande concentração de público, que exijam a presença do CBMMG com o objetivo de se evitarem
incêndios e/ou acidentes.

P 03.006 Prevenção em evento religioso


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em eventos religiosos com grande
concentração de público, que exijam a presença do CBMMG com o objetivo de se evitarem incêndios
e/ou acidentes.

P 03.007 Prevenção em órgão público


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em situações ou eventos que exijam a
presença do CBMMG em órgãos públicos, com o objetivo de se evitarem incêndios e/ou acidentes.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
951
Visto do Ajudante Geral

P 03.008 Prevenção em eleições / votações


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em eleições / votações com grande
concentração de público, que exijam a presença do CBMMG com o objetivo de se evitarem incêndios
e/ou acidentes.

P 03.009 Prevenção em ponto-base / feriados prolongados


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em ponto-base, quando as guarnições
BM ficam de prontidão fora do aquartelamento em locais definidos por planejamento operacional
específico. Os pontos-base podem ocorrer em rodovias, entroncamentos em área urbana ou em
locais de concentração de pessoas, em dias normais e principalmente em feriados prolongados, com
o objetivo de se evitarem incêndios e/ou acidentes e de diminuir o tempo-resposta de atendimento.

P 03.010 Prevenção em festa popular


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em festas populares com grande
concentração de público, que exijam a presença do CBMMG com o objetivo de se evitarem incêndios
e/ou acidentes.

P 03.011 Prevenção em show


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em shows com grande concentração de
público, que exijam a presença do CBMMG com o objetivo de se evitarem incêndios e/ou acidentes.

P 03.012 Prevenção de artefato explosivo / fogos de artifício


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em comemorações e demais situações
com grande concentração de público que utilizem artefatos explosivos / fogos de artifício, que exijam
a presença do CBMMG com o objetivo de se evitarem incêndios e/ou acidentes.

P 03.013 Prevenção em desfile


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em desfiles em geral – cívico-militares,
carnavalescos e assemelhados – com grande concentração de público, que exijam a presença do
CBMMG com o objetivo de se evitarem incêndios e/ou acidentes.

P 03.014 Prevenção em pouso e decolagem de aeronave


Nesta natureza enquadram-se as ações preventivas em situações de pouso e decolagem de
aeronaves, que exijam a presença do CBMMG com o objetivo de se evitarem incêndios e/ou explosão
resultante de causas as mais diversas.

P 03.999 Outros tipos de PCI / PCA


Nesta natureza enquadram-se os empenhos preventivos ocorridos em situações não
abordadas em outras naturezas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se,
não estiver elencado nas naturezas anteriores.

R 00.000 REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE DEFESA CIVIL

R 01.000 AÇÕES DE APOIO À COMUNIDADE


Nesta classe enquadram-se as ações e operações de apoio à comunidade realizadas pelos
Órgãos de Defesa Social, notadamente pelo Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG),
em atividades típicas de Defesa Civil.

R 01.001 Abastecimento de água


Nesta natureza enquadram-se as situações de necessidade causada pela falta de água por
motivos diversos – acidente em mananciais / redes distribuidoras, secas prolongadas e
assemelhados – que indiquem a necessidade de atuação das instituições policiais e/ou do CBMMG –
através de guarnição(ões) de combate a incêndio – para minimizar efeitos que possam trazer
intranquilidade social. Os locais beneficiados serão escolas, hospitais, quartéis, asilos, creches,
prédios públicos e similares, facilmente identificáveis, com a finalidade de minimizar as
consequências do(s) desastre(s).
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
952
Visto do Ajudante Geral

R 01.002 Distribuição de materiais


Nesta natureza enquadram-se as ações assistenciais, reabilitadoras e reconstrutivas,
destinadas a minimizar as consequências dos desastres através da distribuição de materiais diversos,
influenciando diretamente no restabelecimento da normalidade social. O empenho das viaturas será
regulado em ordem de serviço.

R 01.003 Evacuação de áreas de risco


Nesta natureza enquadram-se as ações e operações realizadas pelas instituições policiais
e/ou do CBMMG para a retirada e evacuação de pessoas expostas potencialmente a qualquer tipo de
risco que seja causado por contaminação ou fenômenos naturais em situação de desastre.

R 01.999 Outros tipos de ações de apoio à comunidade


Nesta natureza enquadram-se as ações e operações de apoio à comunidade realizadas pelos
Órgãos de Defesa Social em atividades típicas de Defesa Civil ocorridas em locais ou situações não
abordados em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das naturezas
anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não
estiver elencado nas naturezas anteriores.

R 02.000 CONTAMINAÇÃO COM PRODUTOS PERIGOSOS


Nesta classe enquadram-se as situações de risco provocadas por contaminação com
produtos perigosos, que exijam a intervenção do CBMMG, através de guarnição(ões) especializadas
de salvamento e de combate a incêndio, para realizar a contenção do produto, a redução da
contaminação e demais medidas pertinentes.

R 02.001 Acidente com agente biológico / bacteriológico


Nesta natureza enquadram-se as situações de risco provocadas por acidente envolvendo
substâncias biológicas ou bacteriológicas que caracterizam a contaminação da atmosfera ou cursos
d‟água, bem como reação biológica causando envenenamento ou intoxicação de pessoas e animais,
que exijam a intervenção do CBMMG, através de guarnição(ões) especializadas de salvamento e
combate a incêndio, para realizar a contenção do produto, a redução da contaminação e demais
medidas pertinentes.

R 02.002 Acidente com agente infeccioso (resíduo hospitalar)


Nesta natureza enquadram-se as situações de risco provocadas por acidente envolvendo
resíduos hospitalares ou laboratoriais que caracterizam a contaminação da atmosfera ou cursos
d‟água, bem como reação química com outras substâncias ou envenenamento ou intoxicação de
pessoas e animais, que exijam a intervenção do CBMMG, através de guarnição(ões) especializadas
de salvamento e combate a incêndio, para realizar a contenção do produto, a redução da
contaminação e demais medidas pertinentes.

R 02.003 Acidente com agente químico


Nesta natureza enquadram-se as situações de risco provocadas por acidente envolvendo
produtos químicos que caracterizam a contaminação da atmosfera ou cursos d‟água, bem como
reação química com outras substâncias causando danos à saúde bem como explosões e incêndios,
além de envenenamento ou intoxicação de pessoas e animais, que exijam a intervenção do CBMMG,
através de guarnição(ões) especializadas de salvamento e combate a incêndio, para realizar a
contenção do produto, a redução da contaminação e demais medidas pertinentes.

R 02.004 Acidente com agente radiológico


Nesta natureza enquadram-se as situações de risco provocadas por acidente envolvendo
produtos radiológicos ou objetos com contaminação radiológica que caracterizam a contaminação da
atmosfera ou cursos d‟água, bem como reação química com outras substâncias causando
envenenamento ou intoxicação de pessoas e animais, que exijam a intervenção do CBMMG, através
de guarnição(ões) especializadas de salvamento e combate a incêndio, para realizar a contenção do
produto, a redução da contaminação e demais medidas pertinentes.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
953
Visto do Ajudante Geral

R 02.005 Acidente com agente nuclear


Nesta natureza enquadram-se as situações de risco provocadas por acidente envolvendo
produtos nucleares ou objetos com contaminação nuclear que caracterizam a contaminação da
atmosfera ou cursos d‟água, bem como reação química com outras substâncias causando
envenenamento ou intoxicação de pessoas e animais, que exijam a intervenção do CBMMG, através
de guarnição(ões) especializadas de salvamento e combate a incêndio, para realizar a contenção do
produto, a redução da contaminação e demais medidas pertinentes.

R 02.999 Outros tipos de contaminação


Nesta natureza enquadram-se as situações de risco provocadas por contaminação
envolvendo produtos não abordados em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as
finalidades das naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza
se, e somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

R 03.000 DANOS CAUSADOS POR CATÁSTROFES NATURAIS


Nesta classe enquadram-se os fenômenos naturais que causam danos a uma localidade, que
exijam a intervenção do CBMMG, através de guarnição(ões) especializadas de salvamento e
combate a incêndio, para minimizar os danos resultantes do fenômeno.

R 03.001 Abalos sísmicos (tremores de terra)


Nesta natureza enquadram-se os fenômenos tectônicos repentinos, causadores de fortes
tremores de terra que resultam em danos ambientais e ao patrimônio público e privado, que exijam a
intervenção do CBMMG, através de guarnição(ões) de salvamento e combate a incêndio, para
minimizar os danos resultantes do fenômeno.

R 03.002 Descargas atmosféricas (raios)


Nesta natureza enquadram-se as descargas atmosféricas (raios), que resultam em danos
ambientais e ao patrimônio público e privado, exigindo a intervenção do CBMMG, através de
guarnição(ões) de salvamento e combate a incêndio, para minimizar os danos resultantes do
fenômeno. Ocorrências desta natureza podem acarretar situações específicas, previstas em outras
naturezas, que são geradas isoladamente.

R 03.003 Enchente / inundação / alagamento / enxurrada


Nesta natureza enquadram-se os fenômenos hidrometeorológicos em geral frequentemente
deflagrados por chuvas rápidas e fortes ou por chuvas intensas de longa duração – enchente,
inundação, alagamento, enxurrada, erosão marginal, solapamento e assemelhados – que resultam
em danos ambientais e ao patrimônio público e privado, que exijam a intervenção do CBMMG,
através de guarnição(ões) de salvamento e combate a incêndio, para minimizar os danos resultantes
do fenômeno.

R 03.004 Vendaval / tempestade / granizo / ventania


Nesta natureza enquadram-se os fenômenos meteorológicos em geral frequentemente
acompanhados de fortes ventos – vendaval, tempestade, granizo, ventania e assemelhados – que
resultam em danos ambientais e ao patrimônio público e privado, que exijam a intervenção do
CBMMG, através de guarnição(ões) de salvamento e combate a incêndio, para minimizar os danos
resultantes do fenômeno.

R 03.005 Escorregamentos / quedas de blocos / corridas de massa


Nesta natureza enquadram-se os movimentos rápidos de massa de solos, rocha ou detritos,
gerados pela ação da gravidade em terrenos inclinados, frequentemente deflagrados pela infiltração
da água, principalmente da chuva – escorregamentos (deslizamentos), quedas de blocos e corridas
de massa – que resultam em danos ambientais e ao patrimônio público e privado, que exijam a
intervenção do CBMMG, através de guarnição(ões) de salvamento e combate a incêndio, para
minimizar os danos resultantes do fenômeno.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
954
Visto do Ajudante Geral

R 03.999 Outros tipos de danos causados por catástrofes naturais


Nesta natureza enquadram-se os danos causados por catástrofes naturais não abordados em
outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das naturezas anteriormente
descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado
nas naturezas anteriores.

R 99.999 OUTROS TIPOS DE ATIVIDADES DE DEFESA CIVIL


Nesta natureza enquadram-se as demais atividades típicas de Defesa Civil não abordadas
em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das naturezas anteriormente
descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado
nas naturezas anteriores.

S 00.000 REFERENTE À BUSCA E SALVAMENTO

S 01.000 SALVAMENTO AQUÁTICO


Nesta classe enquadram-se os fatos que exigem a intervenção do Corpo de Bombeiros Militar
de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de salvamento e de militares escalados para atuação em
ambiente aquático, com a finalidade principal de salvar vidas de banhistas que estejam nas fases
iniciais do afogamento – angústia, pânico e submersão – por meio de técnicas específicas de
salvamento aquático, bem como em outras situações que demandem a atuação do CBMMG no
ambiente aquático.

S 01.001 Princípio de afogamento em piscina


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos aquáticos em piscinas em geral – clubes,
balneários, associações, áreas de lazer e assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de salvamento e de militares escalados para atuação em ambiente
aquático, com a finalidade de salvar vidas de banhistas que estejam nas fases iniciais do afogamento.

S 01.002 Princípio de afogamento em rio / riacho / córrego


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos aquáticos em cursos d‟água em geral – rios,
riachos, córregos, ribeiros, ribeirões e assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG através
de guarnição(ões) de salvamento e de militares escalados para atuação em ambiente aquático, com a
finalidade de salvar vidas de banhistas que estejam nas fases iniciais do afogamento.

S 01.003 Princípio de afogamento em lago / lagoa / represa


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos aquáticos em lagos, lagos e represas em geral
– barragens, açudes e assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de salvamento e de militares escalados para atuação em ambiente aquático, com a
finalidade de salvar vidas de banhistas que estejam nas fases iniciais do afogamento.

S 01.004 Princípio de afogamento em cachoeira


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos aquáticos em quedas d‟água em geral –
cachoeiras, cascatas, cataratas e assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de salvamento e de militares escalados para atuação em ambiente aquático, com a
finalidade de salvar vidas de banhistas que estejam nas fases iniciais do afogamento.

S 01.005 Princípio de afogamento em galeria


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos aquáticos em galerias de águas pluviais /
esgoto, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e de militares
escalados para atuação em ambiente aquático, com a finalidade de salvar vidas de pessoas
geralmente arrastadas pelas chuvas que estejam nas fases iniciais do afogamento.

S 01.006 Salvamento de pessoa em inundação / alagamento / enxurrada


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos aquáticos em locais atingidos por fenômenos
hidrometeorológicos em geral, frequentemente deflagrados por chuvas rápidas e fortes ou por chuvas
intensas de longa duração – inundação, alagamento, enxurrada e assemelhados – que exijam a
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
955
Visto do Ajudante Geral

intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com a finalidade de salvar vidas


de pessoas que estejam nas fases iniciais do afogamento.

S 01.007 Acidente náutico / aquático


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos aquáticos em acidentes náuticos / aquáticos,
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com a finalidade de
salvar vidas e bens.

S 01.099 Princípio de afogamento em outros locais


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos aquáticos em locais não abordados em outras
naturezas, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e de
militares escalados para atuação em ambiente aquático, com a finalidade de salvar vidas de
banhistas que estejam nas fases iniciais do afogamento.

S 01.999 Outros tipos de salvamento aquático


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos aquáticos em situações não abordadas em
outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das naturezas anteriormente
descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado
nas naturezas anteriores.

S 02.000 MERGULHO AUTÔNOMO


Nesta classe enquadram-se os fatos que exigem a intervenção do Corpo de Bombeiros Militar
de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de salvamento, com a finalidade de realizar buscas de
vítimas de afogamento e de corpos / bens submersos utilizando-se, principalmente, de equipamento
autônomo de respiração e de técnicas específicas de mergulho.

S 02.001 Afogamento em piscina


Nesta natureza enquadram-se as buscas de vítima(s) de afogamento em piscinas em geral –
clubes, balneários, associações, áreas de lazer e assemelhados – que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, seja quando a vítima for encontrada em óbito no
meio aquático ou após esta ter sido retirada por meio de técnicas de mergulho livre ou salvamento
aquático e vier a óbito.

S 02.002 Afogamento em rio / riacho / córrego


Nesta natureza enquadram-se as buscas de vítima(s) de afogamento em cursos d‟água em
geral – rios, riachos, córregos, ribeiros, ribeirões e assemelhados – que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, seja quando a vítima for encontrada em óbito no
meio aquático ou após esta ter sido retirada por meio de técnicas de mergulho livre ou salvamento
aquático e vier a óbito.

S 02.003 Afogamento em lago / lagoa / represa


Nesta natureza enquadram-se as buscas de vítima(s) de afogamento em lagos, lagos e
represas em geral – barragens, açudes e assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de salvamento, seja quando a vítima for encontrada em óbito no meio
aquático ou após esta ter sido retirada por meio de técnicas de mergulho livre ou salvamento aquático
e vier a óbito.

S 02.004 Afogamento em cachoeira


Nesta natureza enquadram-se as buscas de vítima(s) de afogamento em quedas d‟água em
geral – cachoeiras, cascatas, cataratas e assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de salvamento, seja quando a vítima for encontrada em óbito no meio
aquático ou após esta ter sido retirada por meio de técnicas de mergulho livre ou salvamento aquático
e vier a óbito.

S 02.005 Afogamento em galeria


Nesta natureza enquadram-se as buscas de vítima(s) de afogamento em galerias de águas
pluviais / esgoto, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento,
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
956
Visto do Ajudante Geral

seja quando a vítima for encontrada em óbito no meio aquático ou após esta ter sido retirada por
meio de técnicas de mergulho livre ou salvamento aquático e vier a óbito.

S 02.006 Busca e resgate de cadáver submerso (exceto afogamento)


Nesta natureza enquadram-se as operações de busca e resgate de cadáver(es) submerso(s),
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, cuja causa provável
da morte não esteja relacionada ao afogamento, seja por amparo em relatos de testemunhas ou por
claras evidências de violência ou homicídio. Quando o cadáver for encontrado em terra, a guarnição
deverá registrar o evento mediante a escolha da natureza S 04.013 – Busca e resgate de cadáver em
terra.

S 02.007 Busca de equipamentos / bens submersos


Nesta natureza enquadram-se as buscas de equipamentos / bens submersos, que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, geralmente em operações de
apoio a outros órgãos.

S 02.099 Afogamento em outros locais


Nesta natureza enquadram-se as buscas de vítima(s) de afogamento em locais não
abordados em outras naturezas, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
salvamento, seja quando a vítima for encontrada em óbito no meio aquático ou após esta ter sido
retirada por meio de técnicas de mergulho livre ou salvamento aquático e vier a óbito.

S 02.999 Outros tipos de mergulho autônomo


Nesta natureza enquadram-se as buscas e operações de mergulho em situações não
abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das naturezas
anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não
estiver elencado nas naturezas anteriores.

S 03.000 SALVAMENTO EM ALTURA


Nesta classe enquadram-se os fatos que exigem a intervenção do Corpo de Bombeiros Militar
de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de salvamento, em locais com variação de elevação no
terreno, sendo necessário o emprego de técnicas e equipamentos específicos de resgate vertical.

S 03.001 Salvamento em cisterna / poço / fossa


Nesta natureza enquadram-se as operações em cisterna, poço, fossa e assemelhados, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e
equipamentos específicos de resgate vertical, com a finalidade de se realizar busca / salvamento de
bens ou pessoas que tenham caído nesses locais e estejam sem condição de saírem sozinhas.

S 03.002 Salvamento em galeria / esgoto


Nesta natureza enquadram-se as operações em galerias de águas pluviais / esgoto, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e
equipamentos específicos de resgate vertical, com a finalidade de se realizar busca / salvamento de
bens ou pessoas que tenham caído nesses locais e estejam sem condição de saírem sozinhas.

S 03.003 Salvamento em casa


Nesta natureza enquadram-se as operações em casas, que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e equipamentos específicos de
resgate vertical, com a finalidade de se realizar o salvamento de pessoas, geralmente em telhados,
sem condição de saírem sozinhas ou com enfermidades, moléstias ou lesões que comprometam seu
quadro de saúde.

S 03.004 Salvamento em prédios / edifícios


Nesta natureza enquadram-se as operações em prédios e edifícios em geral, que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e
equipamentos específicos de resgate vertical, com a finalidade de se realizar o salvamento de
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
957
Visto do Ajudante Geral

pessoas sem condição de saírem sozinhas ou com enfermidades, moléstias ou lesões que
comprometam seu quadro de saúde.

S 03.005 Salvamento em passarelas / viadutos / pontes


Nesta natureza enquadram-se as operações em passarelas, viadutos, pontes e
assemelhados, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e
emprego de técnicas e equipamentos específicos de resgate vertical, com a finalidade de se realizar o
salvamento de pessoas sem condição de saírem sozinhas ou com enfermidades, moléstias ou lesões
que comprometam seu quadro de saúde.

S 03.006 Salvamento em canteiros de obras / escavação / maquinários


Nesta natureza enquadram-se as operações em canteiros de obras, escavações e
maquinários de grande alcance / altura (guindastes / gruas e outros), que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e equipamentos
específicos de resgate vertical, com a finalidade de se realizar o salvamento de pessoas sem
condição de saírem sozinhas ou com enfermidades, moléstias ou lesões que comprometam seu
quadro de saúde.

S 03.007 Salvamento em mineradoras


Nesta natureza enquadram-se as operações em mineradoras em geral, que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e
equipamentos específicos de resgate vertical, com a finalidade de se realizar o salvamento de
pessoas sem condição de saírem sozinhas ou com enfermidades, moléstias ou lesões que
comprometam seu quadro de saúde.

S 03.008 Salvamento de pessoa presa em elevador


Nesta natureza enquadram-se as operações em elevador, que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com a finalidade de se realizar o salvamento de
pessoas que estejam presas, sem condição de saírem sozinhas ou com enfermidades, moléstias ou
lesões que comprometam seu quadro de saúde.

S 03.009 Salvamento de pessoa prensada em elevador


Nesta natureza enquadram-se as operações em elevador, que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com a finalidade de se realizar o salvamento de
pessoas que estejam prensadas, para posterior repasse à(s) guarnição(ões) de atendimento pré-
hospitalar.

S 03.010 Salvamento em torres / antenas / postes


Nesta natureza enquadram-se as operações em torres, antenas, postes e assemelhados, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e
equipamentos específicos de resgate vertical, com a finalidade de se realizar o salvamento de
pessoas sem condição de saírem sozinhas ou com enfermidades, moléstias ou lesões que
comprometam seu quadro de saúde.

S 03.011 Salvamento em gruta / caverna


Nesta natureza enquadram-se as operações em grutas e cavernas, que exijam a intervenção
do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e equipamentos
específicos de resgate vertical, com a finalidade de se realizar o salvamento de pessoas sem
condição de saírem sozinhas ou com enfermidades, moléstias ou lesões que comprometam seu
quadro de saúde.

S 03.012 Salvamento em montanha / encosta


Nesta natureza enquadram-se as operações em montanhas e encostas em geral – montes,
morros, colinas, serras e assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e equipamentos específicos de resgate vertical,
com a finalidade de se realizar o salvamento de pessoas sem condição de saírem sozinhas ou com
enfermidades, moléstias ou lesões que comprometam seu quadro de saúde.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
958
Visto do Ajudante Geral

S 03.013 Salvamento em teleférico


Nesta natureza enquadram-se as operações em teleféricos, que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e equipamentos
específicos de resgate vertical, com a finalidade de se realizar o salvamento de pessoas que estejam
presas, sem condição de saírem sozinhas ou com enfermidades, moléstias ou lesões que
comprometam seu quadro de saúde.

S 03.014 Salvamento em parques de diversões


Nesta natureza enquadram-se as operações em parques de diversões, que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e
equipamentos específicos de resgate vertical, com a finalidade de se realizar o salvamento de
pessoas que estejam presas em brinquedos ou em outras situações correlatas, sem condição de
saírem sozinhas ou com enfermidades, moléstias ou lesões que comprometam seu quadro de saúde.

S 03.015 Salvamento de suicida


Nesta natureza enquadram-se as operações diversas, que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de salvamento e emprego de técnicas e equipamentos específicos de
resgate vertical, com a finalidade de se realizar o salvamento de pessoas que estejam em tentativa de
suicídio.

S 03.999 Outros tipos de salvamento em altura


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos em altura realizados em situações não
abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das naturezas
anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não
estiver elencado nas naturezas anteriores.

S 04.000 SALVAMENTO TERRESTRE TÍPICO


Nesta classe enquadram-se os fatos em terra típicos, que exigem a intervenção do Corpo de
Bombeiros Militar de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de salvamento, sendo necessário o
emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 04.001 Acidente aéreo


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos terrestres em acidentes envolvendo aeronaves
em geral, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com a
finalidade de salvar vidas e bens. As causas mais comuns desses acidentes são panes diversas nas
aeronaves que culminam no seu choque com o solo.

S 04.002 Acidente ferroviário / metroviário


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos terrestres em acidentes envolvendo trens /
metrôs, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com a
finalidade de salvar vidas e bens. As causas mais comuns desses acidentes são a colisão entre trens/
metrôs e o descarrilamento de vagões.

S 04.003 Acidente com maquinário agrícola


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos terrestres em acidentes envolvendo
maquinários agrícolas em geral – máquinas para o preparo do solo, semeadura, plantio, cultivo,
desbaste, aplicação de defensivos, colheita, processamento; tratores, máquinas especiais e
assemelhados – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com
a finalidade de salvar vidas e bens.

S 04.004 Desabamento / desmoronamento / colapso de estruturas


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos terrestres em locais atingidos por
desabamentos, desmoronamentos e colapsos de estruturas em geral – edificação, muro, telhado,
laje, marquise, estrutura metálica, arquibancada, andaime e outros – com presença de bens e/ou
pessoas sob escombros, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
salvamento, com a finalidade de salvar vidas e bens.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
959
Visto do Ajudante Geral

S 04.005 Deslizamento / soterramento


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos terrestres em locais atingidos por
deslizamentos de solos, rocha ou detritos, com presença de bens e/ou pessoas soterradas, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com a finalidade de
salvar vidas e bens.

S 04.006 Rompimento de barragens


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos terrestres em locais atingidos por rompimento
de barragens, com presença de bens e/ou pessoas soterradas, que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de salvamento, com a finalidade de salvar vidas e bens.

S 04.007 Busca e salvamento de pessoa perdida / desaparecida


Nesta natureza enquadram-se as operações de busca / salvamento de pessoas perdidas /
desaparecidas, geralmente em áreas naturais utilizadas para ecoturismo / turismo de aventura, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, podendo ser necessário
o emprego de técnicas e equipamentos específicos tanto de salvamento terrestre quanto de
salvamento em altura.

S 04.008 Salvamento de pessoa ilhada


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos terrestres em locais atingidos por fenômenos
hidrometeorológicos em geral, frequentemente deflagrados por chuvas rápidas e fortes ou por chuvas
intensas de longa duração – inundação, alagamento, enxurrada e assemelhados – com presença de
pessoas ilhadas, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento.

S 04.009 Salvamento de pessoa presa em imóvel


Nesta natureza enquadram-se as operações em imóveis em geral, que exijam a intervenção
do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com a finalidade de se realizar o salvamento
de pessoas que estejam presas, sem condição de saírem sozinhas ou com enfermidades, moléstias
ou lesões que comprometam seu quadro de saúde.

S 04.010 Salvamento de pessoa presa em máquinas


Nesta natureza enquadram-se as operações em máquinas em geral, que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com a finalidade de se realizar o
salvamento de pessoas que estejam presas, sem condição de saírem sozinhas ou com enfermidades,
moléstias ou lesões que comprometam seu quadro de saúde.

S 04.011 Salvamento de pessoa presa em grade / bueiro


Nesta natureza enquadram-se as operações em grades, bueiros e assemelhados, que exijam
a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com a finalidade de se realizar o
salvamento de pessoas que estejam presas, sem condição de saírem sozinhas ou com enfermidades,
moléstias ou lesões que comprometam seu quadro de saúde.

S 04.012 Busca e salvamento em local de difícil acesso


Nesta natureza enquadram-se as operações de busca / salvamento de pessoas em local de
difícil acesso, geralmente em áreas naturais utilizadas para ecoturismo / turismo de aventura, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, podendo ser necessário
o emprego de técnicas e equipamentos específicos tanto de salvamento terrestre quanto de
salvamento em altura.

S 04.013 Busca e resgate de cadáver em terra


Nesta natureza enquadram-se as operações de busca e resgate de cadáver(es) em terra, que
esteja(m) em mata, local de difícil acesso ou nos casos em que foi necessária a ação de entrada
forçada para acesso ao corpo, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.
Quando o cadáver for encontrado em meio líquido, a guarnição deverá registrar o evento mediante a
escolha de uma natureza constante da Classe S 02.000 – MERGULHO AUTÔNOMO.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
960
Visto do Ajudante Geral

S 04.999 Outros tipos de salvamento terrestre típico


Nesta natureza enquadram-se os salvamentos terrestres típicos realizados em situações não
abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das naturezas
anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não
estiver elencado nas naturezas anteriores.

S 05.000 SALVAMENTO TERRESTRE – ACIDENTES DE TRÂNSITO COM VÍTIMA


Nesta classe enquadram-se os acidentes de trânsito com vítima que exigem a intervenção do
Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de salvamento, sendo
necessário o emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.100 Choque (acidente) com objeto fixo (poste / muro / similares)


Nesta subclasse enquadram-se os acidentes de trânsito com vítima que tenham como causa
o choque do veículo com um objeto fixo – poste, árvore, outros veículos estacionados ou parados,
placa de sinalização, semáforo, muro, barranco, mureta de proteção e assemelhados.

S 05.101 Choque de bicicleta


Nesta natureza enquadram-se os choques (acidentes) de bicicletas com um objeto fixo, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de
técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.102 Choque de motocicleta


Nesta natureza enquadram-se os choques (acidentes) de motocicletas com um objeto fixo,
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de
técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.103 Choque de automóvel (carro, camioneta, caminhonete)


Nesta natureza enquadram-se os choques (acidentes) de automóveis – carros, camionetas,
caminhonetes – com um objeto fixo, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões)
de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.104 Choque de caminhão / carreta


Nesta natureza enquadram-se os choques (acidentes) de caminhões / carretas com um
objeto fixo, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o
emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.105 Choque de ônibus / micro-ônibus


Nesta natureza enquadram-se os choques (acidentes) de ônibus / micro-ônibus com um
objeto fixo, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o
emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.199 Outros tipos de choque (acidente) no trânsito


Nesta natureza enquadram-se outros tipos de choques (acidentes) no trânsito em situações
não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das naturezas
anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não
estiver elencado nas naturezas anteriores.

S 05.200 Capotamento / tombamento


Nesta subclasse enquadram-se os acidentes de trânsito com vítima que tenham como causa
o capotamento – acidente em que o veículo gira em torno de si mesmo em qualquer sentido,
chegando a tocar o teto no solo, imobilizando-se em qualquer posição – ou o tombamento – acidente
em que o veículo tomba sobre uma de suas laterais, imobilizando-se.

S 05.201 Capotamento de automóvel (carro, camioneta, caminhonete)


Nesta natureza enquadram-se os capotamentos / tombamentos de automóveis – carros,
camionetas, caminhonetes – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
961
Visto do Ajudante Geral

S 05.202 Capotamento de caminhão / carreta


Nesta natureza enquadram-se os capotamentos / tombamentos de caminhões / carretas, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de
técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.203 Capotamento de ônibus / micro-ônibus


Nesta natureza enquadram-se os capotamentos / tombamentos de ônibus / micro-ônibus, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de
técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.299 Outros tipos de capotamento / tombamento no trânsito


Nesta natureza enquadram-se outros tipos de capotamento / tombamento no trânsito, em
situações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das
naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente
se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

S 05.300 Colisão / Abalroamento


Nesta subclasse enquadram-se os acidentes de trânsito com vítima que tenham como causa
a colisão – acidente em que há impacto entre dois veículos em movimento, de forma frontal ou
traseira – ou o abalroamento – acidente em que há impacto entre dois veículos em movimento, de
forma lateral (em ultrapassagens) ou transversal (nos cruzamentos).

S 05.301 Colisão entre bicicletas


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre bicicletas, que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e
equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.302 Colisão entre motocicletas


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre motocicletas, que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e
equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.303 Colisão entre automóveis (carro, camioneta, caminhonete)


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre automóveis – carros,
camionetas, caminhonetes – que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de
salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.304 Colisão entre caminhões / carretas


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre caminhões / carretas, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de
técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.305 Colisão entre ônibus / micro-ônibus


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre ônibus / micro-ônibus, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de
técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.306 Colisão entre motocicleta x bicicleta


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre motocicleta x bicicleta, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de
técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.307 Colisão entre automóvel x bicicleta


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre automóvel (carro,
camioneta, caminhonete) x bicicleta, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões)
de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
962
Visto do Ajudante Geral

S 05.308 Colisão entre automóvel x motocicleta


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre automóvel (carro,
camioneta, caminhonete) x motocicleta, que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de
salvamento terrestre.

S 05.309 Colisão entre automóvel x caminhão / carreta


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre automóvel (carro,
camioneta, caminhonete) x caminhão / carreta, que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de
salvamento terrestre.

S 05.310 Colisão entre automóvel x ônibus / micro-ônibus


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre automóvel (carro,
camioneta, caminhonete) x ônibus / micro-ônibus, que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de
salvamento terrestre.

S 05.311 Colisão entre caminhão / carreta x bicicleta


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre caminhão / carreta x
bicicleta, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o
emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.312 Colisão entre caminhão / carreta x motocicleta


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre caminhão / carreta x
motocicleta, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o
emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.313 Colisão entre caminhão / carreta x ônibus / micro-ônibus


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre caminhão / carreta x ônibus
/ micro-ônibus, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com
o emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.314 Colisão entre ônibus / micro-ônibus x bicicleta


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre ônibus / micro-ônibus x
bicicleta, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o
emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.315 Colisão entre ônibus / micro-ônibus x motocicleta


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre ônibus / micro-ônibus x
motocicleta, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o
emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.316 Colisão entre múltiplos veículos / engavetamento


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre múltiplos veículos /
engavetamento, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com
o emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.317 Colisão entre veículo automotor rodoviário x trem / metrô


Nesta natureza enquadram-se as colisões / abalroamentos entre veículo automotor rodoviário
x trem / metrô, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o
emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.399 Outros tipos de colisão / abalroamento no trânsito


Nesta natureza enquadram-se outros tipos de colisão / abalroamento no trânsito em situações
não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das naturezas
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
963
Visto do Ajudante Geral

anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não
estiver elencado nas naturezas anteriores.

S 05.400 Acidentes de trânsito diversos


Nesta subclasse enquadram-se os acidentes de trânsito com vítima em situações diversas,
com características diferentes das outras subclasses anteriormente descritas.

S 05.401 Atropelamento de bicicleta x animal


Nesta natureza enquadram-se os atropelamentos de bicicleta x animal, tendo como
consequência lesões no ciclista / garupeiro, que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de
salvamento terrestre.

S 05.402 Atropelamento de motocicleta x animal


Nesta natureza enquadram-se os atropelamentos de motocicleta x animal, tendo como
consequência lesões no motociclista / garupeiro, que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de
salvamento terrestre.

S 05.403 Atropelamento de automóvel x animal


Nesta natureza enquadram-se os atropelamentos de automóvel (carro, camioneta,
caminhonete) x animal tendo como consequência lesões no motorista / passageiro(s), que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e
equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.404 Atropelamento de caminhão / carreta x animal


Nesta natureza enquadram-se os atropelamentos de caminhão / carreta x animal tendo como
consequência lesões no motorista / passageiro(s), que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de
salvamento terrestre.

S 05.405 Atropelamento de ônibus / micro-ônibus x animal


Nesta natureza enquadram-se os atropelamentos de ônibus / micro-ônibus x animal tendo
como consequência lesões no motorista / passageiro(s), que exijam a intervenção do CBMMG
através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de
salvamento terrestre.

S 05.406 Acidente de trânsito com veículo de tração animal


Nesta natureza enquadram-se os acidente de trânsito com veículo de tração animal, que
exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de
técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 05.499 Outros tipos de acidentes de trânsito diversos


Nesta natureza enquadram-se outros tipos de acidentes de trânsito diversos em situações
não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das naturezas
anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não
estiver elencado nas naturezas anteriores.

S 05.999 Outros tipos de salvamentos terrestres no trânsito


Nesta natureza enquadram-se outros tipos de salvamentos terrestres no trânsito em
situações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das
naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente
se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
964
Visto do Ajudante Geral

S 06.000 SALVAMENTO TERRESTRE – DIVERSOS


Nesta classe enquadram-se os fatos em terra diversos, que exigem a intervenção do Corpo
de Bombeiros Militar de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de salvamento, sendo necessário o
emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 06.001 Salvamento de animal em risco / perigo


Nesta natureza enquadram-se as operações de salvamento de animais domésticos ou
silvestres em ambiente urbano ou rural em situações nas quais ficaram presos ou sem condições de
locomoção, que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o
emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 06.002 Captura de animal silvestre perigoso / agressivo


Nesta natureza enquadram-se as operações de captura de animais silvestres em ambiente
urbano ou rural com risco de ataque a pessoas ou outros animais, que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos
específicos de salvamento terrestre.

S 06.003 Captura de cão perigoso / agressivo


Nesta natureza enquadram-se as operações de captura de cães em ambiente urbano ou rural
com risco de ataque a pessoas ou outros animais, que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de
salvamento terrestre.

S 06.004 Captura de outros animais domésticos perigosos / agressivos


Nesta natureza enquadram-se as operações de captura de outros animais domésticos em
ambiente urbano ou rural com risco de ataque a pessoas ou outros animais, que exijam a intervenção
do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos
específicos de salvamento terrestre.

S 06.005 Captura de insetos


Nesta natureza enquadram-se as operações de captura de insetos em ambiente urbano ou
rural com risco potencial de ataque a pessoas ou outros animais, que exijam a intervenção do
CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos
específicos de salvamento terrestre. Nesses casos, pode-se solicitar o apoio de um apicultor
profissional para auxiliar a guarnição e transportar os insetos em compartimento apropriado.

S 06.006 Extermínio de insetos


Nesta natureza enquadram-se as operações de extermínio de insetos em ambiente urbano ou
rural com risco iminente de ataque a pessoas ou outros animais, em situações nas quais não é
possível a captura e que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento,
com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre. Ressalta-se que o
extermínio de insetos só poderá ser realizado em último caso, isto é, em estado de necessidade.

S 06.007 Corte / poda de árvore com risco iminente de queda


Nesta natureza enquadram-se as operações de corte / poda de árvore, ou galhos / troncos,
com risco iminente de queda sobre edificação, veículo ou pessoa, seja em via pública ou propriedade,
que exijam a intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de
técnicas e equipamentos específicos de salvamento terrestre.

S 06.008 Corte de árvore caída em via pública


Nesta natureza enquadram-se as operações de corte de árvore caída em via pública –
causando prejuízo ao trânsito, abastecimento de água e luz ou dano a patrimônio – que exijam a
intervenção do CBMMG através de guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e
equipamentos específicos de salvamento terrestre.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
965
Visto do Ajudante Geral

S 06.009 Corte / poda de árvore mediante Ordem de Serviço


Nesta natureza enquadram-se as operações de corte / poda de árvore em situações de risco
não iminente de queda – a pedido ou em apoio à comunidade, com observância das recomendações
contidas em normas internas vigentes – que exijam a intervenção do CBMMG através de
guarnição(ões) de salvamento, com o emprego de técnicas e equipamentos específicos de
salvamento terrestre, mediante Ordem de Serviço.

S 06.999 Outros tipos de salvamentos terrestres diversos


Nesta natureza enquadram-se outros tipos de salvamentos terrestres diversos em situações
não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das naturezas
anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não
estiver elencado nas naturezas anteriores.

V 00.000 REFERENTE À ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR (APH)

V 01.000 APH - CLÍNICO


Nesta classe enquadram-se os fatos que exigem a intervenção do Corpo de Bombeiros Militar
de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de atendimento pré-hospitalar (APH) que tripula(m) a(s)
Unidade(s) de Resgate (UR), com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) de incidentes clínicos. São profissionais não médicos, com treinamento em
Suporte Básico de Vida (SBV), com ações não invasivas, detentores de cursos específicos de APH.

V 01.001 Vítima de acidente vascular cerebral (AVC)


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de acidente
vascular cerebral (AVC), conhecido popularmente como “derrame”, com a finalidade principal de
prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.002 Vítima com cefaleia aguda / enxaqueca


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de cefaleia
aguda / enxaqueca, conhecida popularmente como “dor de cabeça” de aparecimento súbito e não
traumático, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s)
ao hospital pela UR.

V 01.003 Vítima com crise convulsiva


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de crises
convulsivas em geral – parciais e generalizadas –, sejam elas de evento único ou recorrentes
(pessoas diagnosticadas com epilepsia), com a finalidade principal de prestar os primeiros
atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.004 Vítima com crise diabética / hipoglicemia


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de crise
diabética / hipoglicemia (choque insulínico), com a finalidade principal de prestar os primeiros
atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.005 Vítima com crise hipertensiva


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de crise
hipertensiva, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s)
vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.006 Vítima com dificuldade de locomoção


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico geral de
dificuldade de locomoção, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.007 Vítima com dispneia (falta de ar)


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de dispneia
(falta de ar) e outras emergências respiratórias com previsão de evolução para parada respiratória na
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
966
Visto do Ajudante Geral

falta de suporte médico, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte
à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.008 Vítima com dor abdominal (abdome agudo)


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de dor
abdominal (abdome agudo), caracterizado por seu aparecimento súbito e não traumático, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 01.009 Vítima com dor na coluna vertebral (costas)


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de dor na
coluna vertebral, conhecida popularmente como “dor nas costas” de aparecimento súbito e não
traumático, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s)
ao hospital pela UR.

V 01.010 Vítima com dor precordial (peito)


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam quadro(s) clínico(s) típico(s)
de emergências cardiovasculares (angina, pericardite), também denominada de dor precordial e
conhecida popularmente como “dor no peito” de aparecimento súbito e não traumático, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 01.011 Vítima com dor renal (cólica)


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico geral de dor
renal (cólica), com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s)
vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.012 Vítima de efeitos colaterais da quimioterapia / radioterapia


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam quadro(s) clínico(s) típico(s)
de efeitos colaterais da quimioterapia / radioterapia, principalmente a mucosite oral (inflamações e
úlceras na parte interna da boca e da garganta), com a finalidade principal de prestar os primeiros
atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.013 Vítima de emergências psiquiátricas / comportamentais


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam quadro(s) clínico(s) típico(s)
de emergências psiquiátricas – seja por doenças mentais (mania, esquizofrenia) ou por doenças
físicas (hemorragia cerebral, tumores) – e comportamentais – ansiedade aguda, ataques de pânico,
delirium, psicoses agudas – com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.014 Vítima de emergências relacionadas ao calor


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam quadro(s) clínico(s) típico(s)
de emergências relacionadas ao calor – câimbras musculares pelo calor, desidratação, exaustão pelo
calor e/ou intermação – com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte
à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.015 Vítima com hemorragia


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de
hemorragia, caracterizado por seu aparecimento súbito e não traumático, com a finalidade principal
de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.016 Vítima com hipotermia / congelamento


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de
hipotermia primária – causada por condições ambientais adversas –, hipotermia secundária –
causada por condições fisiológicas adversas –, e congelamento – quando o membro afetado esfria a
menos de 2º C, causando destruição de células com aparecimento de bolhas e hematomas – com a
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
967
Visto do Ajudante Geral

finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 01.017 Vítima de intoxicação / envenenamento


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de
intoxicação / envenenamento, caracterizado pela ingestão, aspiração e introdução no organismo,
acidentalmente, de substâncias tóxicas de naturezas diversas, com a finalidade principal de prestar
os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.018 Vítima de mal não definido (distúrbio)


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam sinais e sintomas nos quais
a guarnição não consiga definir a causa do quadro clínico, porém a falta de suporte médico imediato
ofereça risco à vida da vítima, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.019 Vítima com obstrução de vias aéreas por corpos estranhos


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de
obstrução de vias aéreas por corpos estranhos (OVACE), também conhecido como “obstrução
respiratória”, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s)
vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.020 Vítima com parada cardiorrespiratória / infarto (IAM)


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de ausência
de batimentos cardíacos e movimentos respiratórios, tendo como principal causa o infarto agudo do
miocárdio (IAM), com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s)
vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.021 Vítima com parada respiratória


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de ausência
de movimentos respiratórios, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.022 Vítima parturiente / emergências obstétricas


Nesta natureza enquadra-se o APH de mulheres que apresentam o quadro clínico de
complicações relativas à gestação ou que estejam em trabalho de parto, com a finalidade principal de
prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.023 Vítima de síncope (desmaio)


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de síncope
(desmaio), caracterizado pela perda abrupta e transitória da consciência e do tônus postural (da
capacidade de ficar em pé), com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.024 Vítima de suicídio (tentativa) – APH clínico


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam o quadro clínico de tentativa
de suicídio, caracterizado pela ingestão, aspiração e introdução no organismo, propositalmente, de
substâncias tóxicas de naturezas diversas, com a finalidade principal de prestar os primeiros
atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 01.025 Vítima de uso / abuso / dependência de drogas / álcool


Nesta natureza enquadra-se o APH de pessoas que apresentam quadro(s) clínico(s) típico(s)
de uso / abuso / dependência de drogas / álcool, com a finalidade principal de prestar os primeiros
atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
968
Visto do Ajudante Geral

V 01.026 Transporte inter-hospitalar


Nesta natureza enquadra-se o transporte de vítima atendida pelo CBMMG, por outra UR,
entre hospitais, nos casos em que a guarnição da UR originariamente responsável pela vítima já
tenha se retirado do hospital. Para os casos em que, no momento da entrega da vítima no hospital,
ao se verificar a gravidade de suas lesões pelo médico, este entenda que a vítima deve ser
transferida para outro hospital que tenha suporte para o atendimento, a ocorrência deve ser
registrada considerando-se a natureza que melhor relate a condição da vítima.

V 01.999 Outros tipos de APH clínico


Nesta natureza enquadram-se os atendimentos pré-hospitalares de casos clínicos realizados
em situações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades
das naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e
somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

V 02.000 APH – TRAUMA – ACIDENTES DE TRÂNSITO


Nesta classe enquadram-se os fatos que exigem a intervenção do Corpo de Bombeiros Militar
de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de atendimento pré-hospitalar (APH) que tripula(m) a(s)
Unidade(s) de Resgate (UR), com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) de acidentes de trânsito. São profissionais não médicos, com treinamento em
Suporte Básico de Vida (SBV), com ações não invasivas, detentores de cursos específicos de APH.

V 02.100 Atropelamento
Nesta subclasse enquadram-se os acidentes de trânsito com vítima que tenham como causa
o atropelamento, seja no acidente em que pedestre sofre impacto com um veículo ou nos casos em
que o condutor e/ou garupeiro / passageiro de veículo sofre lesões em razão do impacto ao atropelar
um animal.

V 02.101 Vítima de atropelamento por bicicleta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de atropelamento por bicicleta, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 02.102 Vítima de atropelamento por motocicleta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de atropelamento por motocicleta, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 02.103 Vítima de atropelamento por automóvel (carro / caminhonete)


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de atropelamento por automóvel (carro /
camioneta / caminhonete), com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.104 Vítima de atropelamento por caminhão / carreta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de atropelamento por caminhão / carreta,
com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital
pela UR.

V 02.105 Vítima de atropelamento por ônibus / micro-ônibus


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de atropelamento por ônibus / micro-ônibus,
com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital
pela UR.

V 02.106 Vítima de atropelamento por veículo de tração animal


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de atropelamento por veículo de tração
animal, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao
hospital pela UR.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
969
Visto do Ajudante Geral

V 02.107 Vítima de atropelamento de bicicleta x animal


Nesta natureza enquadra-se o APH de condutor e/ou garupeiro de bicicleta, vítima(s) em
razão de atropelamento de animal, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.108 Vítima de atropelamento de motocicleta x animal


Nesta natureza enquadra-se o APH de condutor e/ou garupeiro de motocicleta, vítima(s) em
razão de atropelamento de animal, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.109 Vítima de atropelamento de automóvel x animal


Nesta natureza enquadra-se o APH de condutor e/ou passageiro(s) de automóvel (carro /
camioneta / caminhonete), vítima(s) em razão de atropelamento de animal, com a finalidade principal
de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.110 Vítima de atropelamento de caminhão / carreta x animal


Nesta natureza enquadra-se o APH de condutor e/ou passageiro de caminhão / carreta,
vítima(s) em razão de atropelamento de animal, com a finalidade principal de prestar os primeiros
atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.111 Vítima de atropelamento de ônibus / micro-ônibus x animal


Nesta natureza enquadra-se o APH de condutor e/ou passageiro de ônibus / micro-ônibus,
vítima(s) em razão de atropelamento de animal, com a finalidade principal de prestar os primeiros
atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.112 Vítima de atropelamento por trem x metrô


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de atropelamento por trem x metrô, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 02.199 Outros tipos de vítimas de atropelamento


Nesta natureza enquadram-se os atendimentos pré-hospitalares de atropelamentos
realizados em situações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as
finalidades das naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza
se, e somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

V 02.200 Choque (acidente) com objeto fixo (poste / muro / similares)


Nesta subclasse enquadram-se os acidentes de trânsito com vítima que tenham como causa
o choque do veículo com um objeto fixo – poste, árvore, outros veículos estacionados ou parados,
placa de sinalização, semáforo, muro, barranco, mureta de proteção e assemelhados.

V 02.201 Vítima de choque de bicicleta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de choque (acidente) de bicicleta com um
objeto fixo, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s)
ao hospital pela UR.

V 02.202 Vítima de choque de motocicleta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de choque (acidente) de motocicleta com um
objeto fixo, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s)
ao hospital pela UR.

V 02.203 Vítima de choque de automóvel (carro / caminhonete)


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de choque (acidente) de automóvel (carro /
camioneta / caminhonete) com um objeto fixo, com a finalidade principal de prestar os primeiros
atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
970
Visto do Ajudante Geral

V 02.204 Vítima de choque de caminhão / carreta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de choque (acidente) de caminhão / carreta
com um objeto fixo, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s)
vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.205 Vítima de choque de ônibus / micro-ônibus


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de choque (acidente) de ônibus / micro-
ônibus com um objeto fixo, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.299 Outros tipos de vítimas de choque (acidente) no trânsito


Nesta natureza enquadram-se os atendimentos pré-hospitalares de choques (acidentes)
realizados em situações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as
finalidades das naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza
se, e somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores. Vale ressaltar que no REDS existe
um campo específico a ser preenchido para os casos de vítimas presas às ferragens e, por isso, não
há natureza própria para esses casos.

V 02.300 Capotamento / Tombamento


Nesta subclasse enquadram-se os acidentes de trânsito com vítima que tenham como causa
o capotamento – acidente em que o veículo gira em torno de si mesmo em qualquer sentido,
chegando a tocar o teto no solo, imobilizando-se em qualquer posição – ou o tombamento – acidente
em que o veículo tomba sobre uma de suas laterais, imobilizando-se.

V 02.301 Vítima de capotamento de automóvel (carro / caminhonete)


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de capotamento / tombamento de automóvel
(carro / camioneta / caminhonete), com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.302 Vítima de capotamento de caminhão / carreta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de capotamento / tombamento de caminhão /
carreta, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao
hospital pela UR.

V 02.303 Vítima de capotamento de ônibus / micro-ônibus


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de capotamento / tombamento de ônibus /
micro-ônibus, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s)
vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.399 Outros tipos de vítimas de capotamento no trânsito


Nesta natureza enquadram-se os atendimentos pré-hospitalares de capotamentos /
tombamentos realizados em situações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam
listadas dentre as finalidades das naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como
fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores. Vale ressaltar
que no REDS existe um campo específico a ser preenchido para os casos de vítimas presas às
ferragens e, por isso, não há natureza própria para esses casos.

V 02.400 Colisão / Abalroamento


Nesta subclasse enquadram-se os acidentes de trânsito com vítima que tenham como causa
a colisão – acidente em que há impacto entre dois veículos em movimento, de forma frontal ou
traseira – ou o abalroamento – acidente em que há impacto entre dois veículos em movimento, de
forma lateral (em ultrapassagens) ou transversal (nos cruzamentos).

V 02.401 Vítima de colisão entre bicicletas


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre bicicletas,
com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital
pela UR.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
971
Visto do Ajudante Geral

V 02.402 Vítima de colisão entre motocicletas


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre motocicletas,
com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital
pela UR.

V 02.403 Vítima de colisão entre automóveis (carro / caminhonete)


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre automóveis
(carro / caminhonete), com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte
à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.404 Vítima de colisão entre caminhões / carretas


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre caminhões /
carretas, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao
hospital pela UR.

V 02.405 Vítima de colisão entre ônibus / micro-ônibus


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre ônibus /
micro-ônibus, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s)
vítima(s) ao hospital pela UR.
V 02.406 Vítima de colisão entre motocicleta x bicicleta
Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre motocicleta x
bicicleta, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao
hospital pela UR.

V 02.407 Vítima de colisão entre automóvel x bicicleta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre automóvel
(carro, camioneta, caminhonete) x bicicleta, com a finalidade principal de prestar os primeiros
atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.408 Vítima de colisão entre automóvel x motocicleta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre automóvel
(carro, camioneta, caminhonete) x motocicleta x bicicleta, com a finalidade principal de prestar os
primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.409 Vítima de colisão entre automóvel x caminhão / carreta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre automóvel
(carro, camioneta, caminhonete) x caminhão / carreta, com a finalidade principal de prestar os
primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.410 Vítima de colisão entre automóvel x ônibus / micro-ônibus


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre automóvel
(carro, camioneta, caminhonete) x ônibus / micro-ônibus, com a finalidade principal de prestar os
primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.411 Vítima de colisão entre caminhão / carreta x bicicleta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre caminhão /
carreta x bicicleta, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s)
vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.412 Vítima de colisão entre caminhão / carreta x motocicleta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre caminhão /
carreta x motocicleta, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte
à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
972
Visto do Ajudante Geral

V 02.413 Vítima de colisão entre caminhão / carreta x ônibus


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre caminhão /
carreta x ônibus, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s)
vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.414 Vítima de colisão entre ônibus / micro-ônibus x bicicleta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre ônibus /
micro-ônibus x bicicleta, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte
à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.415 Vítima de colisão entre ônibus / micro-ônibus x motocicleta


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre ônibus /
micro-ônibus x motocicleta, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.416 Vítima de colisão entre múltiplos veículos / engavetamento


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre múltiplos
veículos / engavetamento, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.417 Vítima de colisão entre veículo x trem / metrô


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de colisão / abalroamento entre veículo
automotor rodoviário x trem / metrô, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.499 Outros tipos de vítimas de colisão no trânsito


Nesta natureza enquadram-se os atendimentos pré-hospitalares de colisão / abalroamento no
trânsito em situações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as
finalidades das naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza
se, e somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores. Vale ressaltar que no REDS existe
um campo específico a ser preenchido para os casos de vítimas presas às ferragens e, por isso, não
há natureza própria para esses casos.

V 02.500 Acidentes de trânsito diversos


Nesta subclasse enquadram-se os acidentes de trânsito com vítima em situações diversas,
com características diferentes das outras subclasses anteriormente descritas.

V 02.501 Vítima de queda (ciclista)


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de queda da bicicleta, seja o ciclista ou o
garupeiro, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s)
ao hospital pela UR.

V 02.502 Vítima de queda (motociclista)


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de queda da motocicleta, seja o motociclista
ou o garupeiro, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s)
vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.503 Vítima de corte por cerol (ciclista)


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de corte por cerol em bicicleta, seja o ciclista
ou o garupeiro, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s)
vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.504 Vítima de corte por cerol (motociclista)


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de corte por cerol em motocicleta, seja o
motociclista ou o garupeiro, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
973
Visto do Ajudante Geral

V 02.505 Vítima de acidente com veículo de tração animal


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de acidente com veículo de tração animal,
excetuando-se os atropelamentos, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 02.599 Outros tipos de vítimas de acidentes de trânsito diversos


Nesta natureza enquadram-se os atendimentos pré-hospitalares em outros tipos de acidentes
de trânsito diversos, em situações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas
dentre as finalidades das naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato
desta natureza se, e somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores. Vale ressaltar que
no REDS existe um campo específico a ser preenchido para os casos de vítimas presas às ferragens
e, por isso, não há natureza própria para esses casos.
V 02.999 Outros tipos de APH de traumas em acidentes de trânsito
Nesta natureza enquadram-se os atendimentos pré-hospitalares de traumas em acidentes de
trânsito, em situações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as
finalidades das naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza
se, e somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores. Vale ressaltar que no REDS existe
um campo específico a ser preenchido para os casos de vítimas presas às ferragens e, por isso, não
há natureza própria para esses casos.

V 03.000 APH – TRAUMA – DIVERSOS


Nesta classe enquadram-se os fatos que exigem a intervenção do Corpo de Bombeiros Militar
de Minas Gerais, através de guarnição(ões) de atendimento pré-hospitalar (APH) que tripula(m) a(s)
Unidade(s) de Resgate (UR), com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) de acidentes traumáticos diversos dos acidentes de trânsito. São
profissionais não médicos, com treinamento em Suporte Básico de Vida (SBV), com ações não
invasivas, detentores de cursos específicos de APH.

V 03.001 Vítima de acidente com maquinário agrícola


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de acidente com maquinários agrícolas em
geral – máquinas para o preparo do solo, semeadura, plantio, cultivo, desbaste, aplicação de
defensivos, colheita, processamento; tratores, máquinas especiais e assemelhados – com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 03.002 Vítima de acidente de mergulho


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de acidentes de mergulho em geral – saltos
em águas rasas, efeitos diretos e indiretos da pressão e efeitos biofísicos – com a finalidade principal
de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 03.003 Vítima de agressão física com arma branca


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de agressão física com arma branca, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 03.004 Vítima de agressão física com arma de fogo


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de agressão física com arma de fogo, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 03.005 Vítima de agressão física sem uso de arma


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de agressão física sem uso de arma, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
974
Visto do Ajudante Geral

V 03.006 Vítima de ataque de animais peçonhentos


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de ataque de animais peçonhentos, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 03.007 Vítima de ataque de animais silvestres


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de ataque de animais silvestres, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 03.008 Vítima de ataque de cão


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de ataque de cães em geral, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.
V 03.009 Vítima de ataque de demais animais domésticos
Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de ataque de demais animais domésticos,
com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital
pela UR.

V 03.010 Vítima de ataque de insetos


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de ataque de insetos, com a finalidade
principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 03.011 Vítima de corte por cerol (exceto ciclista / motociclista)


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de corte por cerol, excetuando-se os
acidentes com ciclistas / motociclistas / garupeiros, com a finalidade principal de prestar os primeiros
atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 03.012 Vítima com dedo estrangulado por anel


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) com dedo estrangulado por anel, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 03.013 Vítima de eletrocussão


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de eletrocussões em geral, com a finalidade
principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 03.014 Vítima de explosão


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de explosões em geral, com a finalidade
principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 03.015 Vítima presa / prensada por elevador


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) presa / prensada por elevador, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 03.016 Vítima presa / prensada por máquina


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) presa / prensada por máquina, com a
finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela
UR.

V 03.017 Vítima de princípio de afogamento


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de princípio de afogamento, com a finalidade
principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
975
Visto do Ajudante Geral

V 03.018 Vítima de queda da própria altura


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de queda da própria altura, com a finalidade
principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 03.019 Vítima de queda de altura


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de queda de altura, com a finalidade principal
de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 03.020 Vítima de queimadura


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de queimaduras em geral – térmicas,
elétricas e químicas – com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte
à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 03.021 Vítima de suicídio (tentativa) – APH trauma


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de tentativa de suicídio, por meios
traumáticos os mais diversos, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos e
transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR. Somente será registrado como fato desta natureza se
houverem claras evidências sobre a tentativa de suicídio, caso contrário deverá ser registrado nas
demais naturezas anteriores, notadamente aquelas relacionadas a acidentes de trânsito e queda de
altura, o que couber.

V 03.022 Vítima de violência sexual


Nesta natureza enquadra-se o APH de vítima(s) de violência sexual, com a finalidade
principal de prestar os primeiros atendimentos e transporte à(s) vítima(s) ao hospital pela UR.

V 03.999 Outros tipos de APH de traumas diversos


Nesta natureza enquadram-se os atendimentos pré-hospitalares de traumas diversos, em
situações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das
naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente
se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

V 04.000 PRIMEIRO-ATENDIMENTO EM APOIO AO SAMU / OUTROS ÓRGÃOS


Nesta classe enquadram-se os fatos que exigem a intervenção do Corpo de Bombeiros Militar
de Minas Gerais, através de bombeiros militares a pé ou guarnição(ões) administrativas e
operacionais, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos à(s) vítima(s) que
necessitem de atendimento pré-hospitalar (APH), até a chegada de transporte adequado do SAMU
ou de outros órgãos. São profissionais não médicos, com treinamento em Suporte Básico de Vida
(SBV), com ações não invasivas, detentores de cursos específicos de APH.

V 04.001 Primeiro-atendimento de bombeiro(s) militar(es) a pé


Nesta natureza enquadram-se o APH de vítima(s) realizado por bombeiro(s) militar(es) a pé
ou após estacionar veículo particular, seja de serviço ou de folga, com a finalidade principal de prestar
os primeiros atendimentos até a chegada de transporte adequado do SAMU ou de outros órgãos.

V 04.002 Primeiro-atendimento de guarnição (viatura) administrativa


Nesta natureza enquadram-se o APH de vítima(s) realizado por guarnição (viatura)
administrativa, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos até a chegada de
transporte adequado do SAMU ou de outros órgãos.

V 04.003 Primeiro-atendimento da Moto-Resgate


Nesta natureza enquadram-se o APH de vítima(s) realizado por guarnição(ões) da Moto-
Resgate, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos até a chegada de transporte
adequado do SAMU ou de outros órgãos.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
976
Visto do Ajudante Geral

V 04.004 Primeiro-atendimento do Salvamento


Nesta natureza enquadram-se o APH de vítima(s) realizado por guarnição(ões) de
salvamento, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos até a chegada de
transporte adequado do SAMU ou de outros órgãos.

V 04.005 Primeiro-atendimento do Socorro


Nesta natureza enquadram-se o APH de vítima(s) realizado por guarnição(ões) de combate a
incêndio, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos até a chegada de transporte
adequado do SAMU ou de outros órgãos.

V 04.006 Primeiro-atendimento do Comando de Área


Nesta natureza enquadram-se o APH de vítima(s) realizado por guarnição(ões) do Comando
de Área – Comandantes, CBU, Chefe de Serviço – com a finalidade principal de prestar os primeiros
atendimentos até a chegada de transporte adequado do SAMU ou de outros órgãos.

V 04.007 Primeiro-atendimento da Patrulha de Prevenção / Vistoria


Nesta natureza enquadram-se o APH de vítima(s) realizado por guarnição(ões) da Patrulha
de Prevenção / Vistoria, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos até a
chegada de transporte adequado do SAMU ou de outros órgãos.

V 04.008 Primeiro-atendimento da Unidade de Resgate


Nesta natureza enquadram-se o APH de vítima(s) realizado por guarnição(ões) da Unidade
de Resgate, com a finalidade principal de prestar os primeiros atendimentos, SEM O TRANSPORTE,
até a chegada da Unidade de Suporte Avançado (USA) do SAMU ou recursos aeromédicos de outros
órgãos. Esta natureza será escolhida APENAS quando a GUBM da UR tiver pouquíssimas
informações sobre a(s) vítima(s).

V 04.999 Outros tipos de viaturas em primeiro-atendimento


Nesta natureza enquadram-se os primeiros atendimentos realizados por outros tipos de
viaturas operacionais, em situações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas
dentre as finalidades das naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato
desta natureza se, e somente se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

A 00.000 AÇÕES DE DEFESA SOCIAL

A 03.000 AUTO-EXTERMÍNIO (SUICÍDIO CONSUMADO)


Consiste em alguém tirar a própria vida.

A 18.000 EMPENHO DE AMBULÂNCIA

A 18.001 Empenho de ambulância do IPSM


Consiste no emprego e utilização de viatura, tipo ambulância, para transporte de seu
segurado e/ou dependentes inscritos, desde que não tenham como providenciá-lo com recursos
próprios ou mediante recomendação médica.

A 20.000 VISITA TRANQUILIZADORA / PÓS-SINISTRO


Consiste na atividade desenvolvida por policiais militares ou bombeiros militares, no
cumprimento da missão constitucional, através de contato pessoal com vítimas de delitos ou sinistros,
respectivamente, com a finalidade de conhecer os fatos, bem como tranquilizar o estado psicológico
da vítima, aumentar a sensação de segurança subjetiva e resgatar a confiabilidade nas Instituições
Policiais / Bombeiros Militar. Presta-se também para verificar a qualidade do atendimento, analisar a
vulnerabilidade do Sistema de Defesa Social e sugerir adoção de procedimentos operacionais /
administrativos às Autoridades competentes, a fim de minimizar a eclosão do delito ou do risco de
sinistro.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
977
Visto do Ajudante Geral

Q 00.000 REFERENTE À DEMONSTRAÇÕES, PALESTRAS E TREINAMENTOS

Q 01.000 DEMONSTRAÇÕES PROFISSIONAIS


Consiste na apresentação das atividades realizadas pela Polícia Militar, Corpo de Bombeiros
Militar e Polícia Civil, de forma isolada, conjunta ou com a participação de outros órgãos, de ofício ou
convite, destinada ao público interno e/ou externo. As demonstrações profissionais, quando
envolverem diversas instituições, serão planejadas previamente pelos respectivos níveis de
comandos. Enquadram-se nestas naturezas, a situação em que o policial militar, policial civil e/ou
bombeiro militar participa e/ou assiste demonstrações profissionais como ato de serviço.

Q 01.001 Demonstração de combate a incêndio


Enquadra-se nesta natureza a demonstração profissional relativa a combate a incêndio regida
por Ordem de Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar
responsável pela área de atuação no local onde será realizada.

Q 01.003 Demonstração de salvamento aquático


Enquadra-se nesta natureza a demonstração profissional relativa a salvamento aquático
regida por Ordem de Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar
responsável pela área de atuação no local onde será realizada.

Q 01.004 Demonstração de salvamento em altura


Enquadra-se nesta natureza a demonstração profissional relativa a salvamento em altura
regida por Ordem de Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar
responsável pela área de atuação no local onde será realizada.

Q 01.005 Demonstração de salvamento terrestre


Enquadra-se nesta natureza a demonstração profissional relativa a salvamento terrestre
regida por Ordem de Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar
responsável pela área de atuação no local onde será realizada.

Q 01.006 Demonstração de cães


Enquadra-se nesta natureza a demonstração profissional com cães.

Q 01.010 Demonstração de operações aéreas


Enquadra-se nesta natureza a demonstração profissional de operações aéreas.

Q 01.012 Demonstração de primeiros socorros


Consiste na demonstração realizada pelo CBMMG de técnicas de suporte básico de vida e
pronto-socorrismo, de ofício ou mediante solicitação de Órgãos públicos, privados e outros, podendo
ocorrer em conjunto com outras instituições regida por Ordem de Serviço assinada por Comandante
de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar responsável pela área de atuação no local onde será
realizada. Em geral tem o objetivo de aproximar a população das atividades de primeiros socorros.

Q 01.999 Outros tipos de demonstrações profissionais


Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado
nas naturezas anteriores.

Q 02.000 PALESTRAS / AULAS


Consiste na atividade de proferir palestras em eventos programados, que sejam relevantes
para a instituição. Será realizada de forma isolada, conjunta ou com a participação de outros Órgãos,
de ofício ou convite, sobre matérias, de cunho operacional ou administrativo, para público interno e/ou
externo, relativo à missão constitucional dos Órgãos envolvidos. As palestras, quando envolverem
diversas instituições, devem ser planejadas previamente pelos respectivos níveis de Comandos. Será
enquadrada nesta natureza a situação em que o policial militar, policial civil e/ou bombeiro militar
participa e/ou assiste palestra como ato de serviço.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
978
Visto do Ajudante Geral

Q 02.007 Palestra de prevenção e combate a incêndio e pânico (PCIP)


Enquadra-se nesta natureza a palestra ou aula relativa à prevenção e combate a incêndio e
pânico regida por Ordem de Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro
Militar responsável pela área de atuação no local onde será realizada.

Q 02.008 Palestra de combate a incêndio


Enquadra-se nesta natureza a palestra ou aula relativa a combate a incêndio regida por
Ordem de Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar
responsável pela área de atuação no local onde será realizada.

Q 02.009 Palestra de primeiros socorros


Enquadra-se nesta natureza a palestra ou aula relativa a primeiros socorros regida por Ordem
de Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar responsável pela
área de atuação no local onde será realizada.

Q 02.010 Palestra de Defesa Civil


Enquadra-se nesta natureza a palestra ou aula relativa à Defesa Civil regida por Ordem de
Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar responsável pela
área de atuação no local onde será realizada.

Q 02.999 Outros tipos de palestras


Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado
nas naturezas anteriores.

Q 03.000 TREINAMENTOS
É toda atividade de educação continuada, dirigida ao público interno e/ou externo, de forma
isolada, conjunta ou com a participação de outros Órgãos, de ofício ou convite, visando atualizar e
modificar comportamento, de modo a capacitá-lo ao exercício das atividades específicas. O
treinamento, quando envolver diversas instituições, será planejado previamente pelos respectivos
níveis de Comandos. Serão enquadradas nestas naturezas:
a) as atividades de treinamento que forem desenvolvidas fora da sede da Unidade;
b) a situação em que o policial militar, policial civil e/ou bombeiro militar participa e/ou assiste
treinamento como ato de serviço.

Q 03.001 Treinamento de combate a incêndio


Enquadra-se nesta natureza o treinamento relativo a combate a incêndio regido por Ordem de
Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar responsável pela
área de atuação no local onde será realizada.

Q 03.003 Treinamento de salvamento aquático


Enquadra-se nesta natureza o treinamento relativo a salvamento aquático regido por Ordem
de Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar responsável pela
área de atuação no local onde será realizada.
Q 03.004 Treinamento de salvamento em altura
Enquadra-se nesta natureza o treinamento relativo a salvamento em altura regido por Ordem
de Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar responsável pela
área de atuação no local onde será realizada.

Q 03.005 Treinamento de salvamento terrestre


Enquadra-se nesta natureza o treinamento relativo a salvamento terrestre regido por Ordem
de Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar responsável pela
área de atuação no local onde será realizada.

Q 03.006 Treinamento de formação de brigadas


Enquadra-se nesta natureza o treinamento de formação e reciclagem de Brigadas de
Incêndio regido por Ordem de Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade
Bombeiro Militar responsável pela área de atuação no local onde será realizada.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
979
Visto do Ajudante Geral

Q 03.009 Treinamento de atendimento em acidentes de massa


Enquadra-se nesta natureza o treinamento de atendimento em acidentes de massa.

Q 03.014 Treinamento aéreo


Enquadra-se nesta natureza o treinamento aéreo de policiais e de bombeiros militares.

Q 03.015 Treinamento de piloto de aeronave


Enquadra-se nesta natureza o treinamento de piloto de aeronave.

Q 03.016 Treinamento com tripulantes operacionais


Enquadra-se nesta natureza o treinamento de tripulantes operacionais de aeronaves.

Q 03.017 Treinamento de primeiros socorros


Enquadra-se nesta natureza o treinamento de primeiros socorros regido por Ordem de
Serviço assinada por Comandante de Unidade ou Subunidade Bombeiro Militar responsável pela
área de atuação no local onde será realizada.

Q 03.999 Outros tipos de treinamento


Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado
nas naturezas anteriores.

W 00.000 ROTINAS ADMINISTRATIVAS

W 01.000 SOLICITANTE NÃO ENCONTRADO


Enquadra-se nesta natureza, a situação em que o solicitante não foi encontrado pela
Guarnição / Equipe no local informado. Somente será adotado esse procedimento quando não for
possível localizar o solicitante ou o fato gerador da solicitação.

W 02.000 ENDEREÇO NÃO LOCALIZADO


Enquadra-se nesta natureza, a situação em que o endereço indicado pelo solicitante não foi
localizado pela Guarnição / Equipe. Somente será adotado esse procedimento quando não for
possível localizar o solicitante ou o fato gerador da solicitação.

W 03.000 SOLICITANTE ENCONTRADO – PROVIDÊNCIA DISPENSADA


Enquadra-se nesta natureza, a providência policial ou de bombeiro dispensada pelo
solicitante, cujo fato gerador não seja infração penal.

W 04.000 NADA CONSTATADO


Enquadra-se nesta natureza a situação em que a Guarnição / Equipe compareceu ao local da
chamada e não constatou o fato gerador da solicitação. Somente será adotado este procedimento
após entrevista com os envolvidos, solicitante e/ou pessoas presentes, averiguando indícios do fato,
tanto no local solicitado, como nas proximidades.

W 05.000 DUPLICATA DE SOLICITAÇÕES


Enquadra-se nesta natureza a situação em que duas ou mais pessoas, simultânea ou
alternadamente, solicitam providência policial ou de bombeiro militar para um mesmo evento e, por
motivos diversos, são geradas duas ou mais ocorrências.

W 06.000 TESTE
Enquadra-se nesta natureza, a situação em que haja necessidade de geração de ocorrência
fictícia, visando testar o sistema e/ou para efeito de demonstração.

W 07.000 TROTE
Enquadra-se nesta natureza a situação em que haja solicitação de intervenção policial ou de
bombeiro militar em um local, e, após constatação, verifica-se que não há fato gerador.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
980
Visto do Ajudante Geral

W 08.000 CANCELADA POR INDISPONIBILIDADE DE MEIOS (VIATURA / PESSOAL)


Enquadra-se nesta natureza a situação em que não haja esforço operacional (viatura /
pessoal) para atendimento da chamada.

W 09.000 CANCELADA POR ORDEM DO ÓRGÃO DE COORDENAÇÃO E CONTROLE


Enquadra-se nesta natureza a situação em que o órgão de coordenação e controle determina
o cancelamento de chamada ou atuação.

W 10.000 DISPENSADA POR DUPLICIDADE DE EMPENHO COM OUTROS ÓRGÃOS


Enquadra-se nesta natureza a situação em que duas ou mais guarnições / viaturas policiais
ou de bombeiro militar são empenhadas para um mesmo evento juntamente com outros órgãos e, por
isso, são dispensadas.

W 11.000 DISPENSADA PELO COMANDANTE DAS OPERAÇÕES


Enquadra-se nesta natureza a situação em que o comandante das operações dispensa a
atuação de uma guarnição / viatura, geralmente por excesso de recursos na cena do fato.

W 99.000 OUTROS TIPOS DE ROTINAS ADMINISTRATIVAS


Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado
nas naturezas anteriores.

X 00.000 COORDENAÇÃO E CONTROLE OPERACIONAL E ADMINISTRATIVO

COODERNAÇÃO: ato ou efeito de harmonizar as atividades da corporação, conjugando-se os


esforços necessários na realização dos seus objetivos e da missão constitucional, visando promover
a paz social.

CONTROLE: é o acompanhamento das atividades realizadas pela Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo
de Bombeiros militar, por parte das autoridades que exercem função de comando, chefia ou direção,
de forma a assegurar a constatação do recebimento de diretrizes, a compreensão e o cumprimento
das decisões do escalão superior pelo órgão considerado, ainda, identificar e corrigir desvios de seus
comandados / subordinados.

X 01.000 SUPERVISÃO
Enquadra-se nesta natureza a supervisão da atividade operacional, previamente programada
ou não, de ofício ou em cumprimento a determinação superior, sendo realizada pelos níveis de
comando da instituição, oportunidade em que serão inspecionados, especialmente, os aspectos
gerenciais e de execução da atividade-fim. Quando envolver diversas instituições, será planejada
previamente pelos respectivos níveis estratégicos de comandos, juntamente com a Secretaria de
Estado de Defesa Social.
Exerce a atividade de supervisão o Oficial ou delegado de Polícia que representa o comando
de sua respectiva instituição, até o nível de Unidade de Execução Operacional do PM/BM ou
equivalente da PC.

X 02.000 FISCALIZAÇÃO
Enquadra-se nesta natureza o acompanhamento operacional realizado pela instituição, dentro
das respectivas áreas circunscricionais e/ou integradas, quando será observado o correto
cumprimento das normas pertinentes a execução da atividade-fim, de acordo com asa competências
específicas.
A fiscalização será realizada por todos os níveis de Comando da PM/BM ou equivalente da
PC.

X 03.000 EMPENHO ADMINISTRATIVO


Enquadra-se neta natureza o empenho de viatura operacional nas atividades rotineiras
executadas pela instituição, que não tenham por objetivo o atendimento das demandas relacionadas
às atividades-fim.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
981
Visto do Ajudante Geral

X 05.000 COORDENADOR DAS ATIVIDADES DE BOMBEIROS MILITAR DA UNIDADE


Enquadra-se nesta natureza o empenho na coordenação das atividades de Bombeiro Militar
da Unidade/Fração, mediante escala de serviço previamente elaborada em todas as circunstâncias
previstas. Dentre as atribuições do CBU destacam-se às de coordenar os recursos disponíveis,
avaliar o seu emprego, adotar medidas corretivas e de orientação do efetivo sob seu comando. Não
enquadra nesta natureza o Comando de eventos ou atividade específicas.

X 99.000 OUTROS TIPOS DE AÇÕES DE COORDENAÇÃO E CONTROLE


Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado
nas naturezas anteriores.

Y 00.000 OPERAÇÕES DE DEFESA SOCIAL

Y 04.000 OPERAÇÕES POLICIAIS DE TRÂNSITO

Y 04.012 Operação Lei Seca


Execução da Operação Lei Seca, conforme diretrizes do Comando da Corporação.

Y 07.000 OPERAÇÕES POLICIAIS DIVERSAS

Y 07.010 Operação Divisas Seguras


Execução da Operação Divisas Seguras, conforme diretrizes do Comando da Corporação.

Y 30.000 OPERAÇÕES DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR


Consistem no desencadeamento de atividades do Corpo de Bombeiros Militar, através de
ações e operações preventivas e de apoio a outros órgãos.

Y 30.001 Operação simulada com empresas


Consiste no desencadeamento de operações simuladas entre o Corpo de Bombeiros Militar e
as empresas dos Planos de Auxílio Mútuo, na conclusão de cursos de capacitação de brigadas ou
mediante iniciativa de avaliação dos sistemas de prevenção, alerta e resposta de empresas que
possuem operação de risco e precisam revisar procedimentos de segurança regularmente, com o
objetivo de se evitarem sinistros, catástrofes e de se atualizar os conhecimentos das equipes.

Y 30.002 Operação simulada do CBMMG


Consiste no desencadeamento de operações simuladas das unidades e frações do Corpo de
Bombeiros Militar, em virtude do treinamento profissional anual, da conclusão de cursos de
capacitação e aperfeiçoamento, ou Corpo de Alunos, com o objetivo de avaliar o desempenho da
tropa e o aproveitamento dos diversos cursos.

Y 30.003 Operação Alerta Vermelho


Consiste no desencadeamento de operações preventivas realizadas em centros comerciais
e/ou industriais em virtude da Semana de Prevenção que antecipa o Dia Nacional do Bombeiro,
procurando orientar a população quanto aos meios preventivos existentes nas edificações e avaliação
de Brigadas de Incêndio, procurando garantir a proteção das pessoas e prevenção de incêndio. No
caso efetivo de uma vistoria de PSCIP, deve-se registrar também um REDS para cada
estabelecimento de fato vistoriado.

Y 30.004 Operação preventiva para redução de incêndios / acidentes


Consiste no desencadeamento de operações preventivas realizadas em comunidades em
geral, com a finalidade de alertar as pessoas sobre os riscos de acidentes, incêndio, pânico e outros,
sobretudo em períodos de maior índice de acidentes / incêndios.

Y 30.006 Apoio a órgãos estaduais


Consiste no emprego de guarnição(ões) para apoiar órgãos públicos estaduais no
cumprimento de suas atividades, bem como transportar seus servidores no exercício de suas
funções. Tais atividades serão desencadeadas mediante Ordem de Serviço.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
982
Visto do Ajudante Geral

Y 30.007 Apoio a órgãos municipais


Consiste no emprego de guarnição(ões) para apoiar órgãos públicos municipais no
cumprimento de suas atividades, bem como transportar seus servidores no exercício de suas
funções. Tais atividades serão desencadeadas mediante Ordem de Serviço.

Y 30.008 Apoio a empresas / instituições privadas


Consiste no emprego de guarnição(ões) para apoiar empresas, instituições privadas ou
organização não governamental em atividades de cunho social, bem como transportar seus
servidores no exercício de suas funções. Tais atividades serão desencadeadas mediante Ordem de
Serviço.

Y 30.999 Outros tipos de operações do Corpo de Bombeiros Militar


Nesta natureza enquadram-se as intervenções das guarnições do CBMMG nas diversas
operações não abordadas em outras naturezas ou que não estejam listadas dentre as finalidades das
naturezas anteriormente descritas. Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente
se, não estiver elencado nas naturezas anteriores.

Y 40.000 OPERAÇÕES AÉREAS

Y 40.002 Transporte aéreo de efetivo / tropa


Consiste no transporte aéreo de efetivo / tropa para ser empregado em missões e/ou
operações em locais de difícil acesso ou que exijam pronta resposta dos órgãos policiais e/ou de
bombeiro militar. Não se enquadra nesta natureza a utilização da aeronave em ações e operações.

Y 40.003 Operação aérea em eventos públicos


Consiste no emprego da aeronave em apoio à atuação dos órgãos policiais e de bombeiro
militar em eventos públicos diversos.

Y 40.007 Traslado aéreo de autoridade


Consiste no emprego da aeronave para transportar autoridades civis e/ou militares no
exercício das atividades inerentes ao cargo. Não se enquadra nesta natureza a escolta da autoridade
transportada.

Y 40.008 Apoio aéreo a órgãos federais


Consiste no emprego da aeronave para apoiar órgãos públicos federais no cumprimento de
suas atividades, bem como transportar seus servidores no exercício de suas funções. Não se
enquadra nesta natureza a cobertura policial.

Y 40.009 Apoio aéreo a órgãos estaduais


Consiste no emprego da aeronave para apoiar órgãos públicos estaduais no cumprimento de
suas atividades, bem como transportar seus servidores no exercício de suas funções. Não se
enquadra nesta natureza a cobertura policial.

Y 40.010 Apoio aéreo a órgãos municipais


Consiste no emprego da aeronave para apoiar órgãos públicos municipais no cumprimento de
suas atividades, bem como transportar seus servidores no exercício de suas funções. Não se
enquadra nesta natureza a cobertura policial.

Y 40.011 Apoio aéreo a empresas / instituições privadas


Consiste no emprego da aeronave para apoiar empresas, instituições privadas ou
organização não governamental em atividades de cunho social, bem como transportar seus
servidores no exercício de suas funções. Não se enquadra nesta natureza a cobertura policial.

Y 40.012 Operação aérea para reconhecimento e coleta de dados


Consiste no emprego da aeronave com objetivo de realizar reconhecimento de
situações/locais e coleta de dados inerentes à atividade de polícia e/ou de bombeiro militar para
subsidiar planejamento ou tomada de decisão.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
983
Visto do Ajudante Geral

Y 40.013 Resgate aeromédico


Consiste no emprego da aeronave para remoção de vítima do local de sinistro para o local de
atendimento médico. Não se enquadra nesta natureza a evacuação aeromédica, nem o transporte
aeromédico.

Y 40.014 Evacuação aeromédica


Consiste no emprego da aeronave para remoção de vítima, já estabilizada por equipe médica
especializada, do local de sinistro para a unidade hospitalar ou nas proximidades, quando aquele não
possuir local para pouso e decolagem. Não se enquadra nesta natureza o resgate aeromédico, nem o
transporte aeromédico.

Y 40.015 Transporte aeromédico


Consiste no emprego da aeronave para remoção de paciente de uma unidade hospitalar para
outra, desde que esteja acompanhado por profissional médico. Não se enquadra nesta natureza o
resgate aeromédico, nem a evacuação aeromédica.

Y 40.016 Operação aérea para salvamento de pessoa


Consiste no emprego da aeronave para resgatar pessoa que se encontra em local de difícil
acesso ou local de sinistro, em circunstâncias que não apresentem ferimentos.

Y 40.017 Operação aérea para salvamento aquático


Consiste no emprego da aeronave para resgate de vítima de princípio de afogamento e/ou
afogamento, do local do salvamento até o local do atendimento pré-hospitalar.

Y 40.018 Operação aérea para visita ou inspeção


Consiste no emprego da aeronave em apoio a autoridades civis e/ou militares, no exercício
das atividades inerentes ao cargo, quando da realização de visita ou inspeção.

Y 40.019 Operação aérea para combate a incêndio em edificações


Consiste no emprego da aeronave em ocorrências de combate a incêndio em edificações,
bem como em apoio aos demais órgãos envolvidos no sinistro.

Y 40.020 Operação aérea para combate a incêndio florestal


Consiste no emprego da aeronave em ocorrências de combate a incêndio florestal, bem como
em apoio aos demais órgãos envolvidos no sinistro.

Y 40.025 Monitoramento aéreo em enchentes


Consiste no emprego da aeronave em áreas atingidas pela enchente, objetivando a avaliação
de sua extensão, gravidade, localizar vítimas, proceder a levantamento de ações emergenciais, entre
outras, além de subsidiar as ações da Defesa Civil ou de outros órgãos envolvidos.

Y 40.026 Monitoramento aéreo em desmoronamento / soterramento


Consiste no emprego da aeronave para monitoramento de áreas acometidas por
desmoronamento ou soterramento, além de subsidiar ações da Defesa Civil ou de outros órgãos
envolvidos.

Y 40.027 Monitoramento aéreo em acidentes de massa (diversos tipos)


Consiste no emprego da aeronave para monitoramento em acidente de massa, objetivando a
avaliação de sua extensão, gravidade, localizar vítimas, levantamento de ações emergenciais, entre
outras, além de subsidiar as ações da Defesa Civil ou de outros Órgãos envolvidos. Não se enquadra
nesta natureza o monitoramento de trânsito urbano em acidentes de massa.

Y 40.028 Monitoramento aéreo de mananciais


Consiste no emprego da aeronave para monitoramento de mananciais, de forma a propiciar
sua devida manutenção e/ou exploração em consonância com a legislação vigente.
Página
SEPARATA BGBM Nº 52
DE 25 DE DEZEMBRO DE 2014
984
Visto do Ajudante Geral

Y 40.031 Levantamento aéreo de focos de incêndio florestal


Consiste no emprego da aeronave para sobrevoos destinados à localização, verificação da
intensidade e potencial ofensivo de focos de incêndio florestal.

Y 40.032 Levantamento aéreo de áreas desmatadas


Consiste no emprego da aeronave para sobrevoos destinados ao reconhecimento de áreas
desmatadas irregularmente.

Y 40.999 Outros tipos de operações aéreas


Somente será registrado como fato desta natureza se, e somente se, não estiver elencado
nas naturezas anteriores.

Esta Instrução entra em vigor no dia 02 de janeiro de 2014 e revoga as disposições em


contrário, notadamente aquelas que tratem sobre o preenchimento do REDS e do anúncio
operacional ao CINDS.

Quartel em Belo Horizonte, 23 de dezembro de 2014.

(a) EZEQUIEL SILVA, CORONEL BM


CHEFE DO ESTADO-MAIOR

EZEQUIEL SILVA – CEL BM


CHEFE DO ESTADO-MAIOR / SUBCOMANDANTE-GERAL

Confere com o Original,

MARCUS JOSÉ TIBÚRCIO LIMA – TEN CEL BM


AJUDANTE-GERAL

3º Sgt BM Bicalho
Boletinista

Você também pode gostar