Você está na página 1de 6

Trabalho de Conclusão de Curso – Engenharia Ambiental 2016/2 (FACTHUS)

ESTUDO DE CASO: GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NAS


AERONAVES E NO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO AEROPORTO DE UBERABA
(MG) - MÁRIO DE ALMEIDA FRANCO

Rosan Henrique Gomes Fuentes1; Fabiana de Araújo Lana2.


1
Graduando em Engenharia Ambiental, Faculdade de Talentos Humanos, Uberaba (MG), e-mail:
rosan_henrique@hotmail.com
2
Orientadora, Faculdade de Talentos Humanos, Uberaba (MG), e-mail: fabiana.lana@facthus.edu.br

RESUMO: Os problemas relacionados à gestão de resíduos sólidos no Brasil são frequentes em todos os setores, como é o
caso dos aeroportos que após o crescimento desse setor ocasionou um aumento no número de resíduos gerados nos
complexos aeroportuários em geral. O trabalho consistiu em uma avaliação do gerenciamento dos resíduos sólidos do
Aeroporto de Uberaba (MG) - Mário de Almeida Franco, tendo como propósito apresentar a situação atual da gestão de
resíduos sólidos gerados no terminal de passageiros e no interior das aeronaves. O estudo abrangeu um levantamento
documental, observação direta e caracterização de resíduos sólidos. A identificação das infraestruturas, dos procedimentos
e a entrevista não estruturada com os responsáveis foram realizadas no período de 20/05/2016 a 10/10/2016. Foram feitas
considerações de acordo com a legislação vigente dos processos de gerenciamento executados no momento da realização
deste artigo. A relevância deste estudo enfatiza a importância do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) em
aeroportos e sua correta e efetiva implantação, visando à melhoria contínua nos processos. A reciclagem de materiais gerados
no aeroporto é abordada como fator importante dentro da gestão dos resíduos sólidos, evidenciando neste estudo sua
importância, visto que os resíduos gerados no aeroporto apresentam grande potencial para reciclagem.

PALAVRAS CHAVE: aeroporto; coleta seletiva; controle de resíduos; legislação ambiental.

CASE STUDY: MANAGEMENT OF THE SOLID WASTES GENERATED IN THE AIRCRAFTS AND ON THE
PASSENGER TERMINAL OF THE AIRPORT IN UBERABA (MG) - MÁRIO DE ALMEIDA FRANCO

ABSTRACT: The issues related to the management of solid waste in Brazil are frequent in all sectors, as is the case of
airports that after the growth of this sector has caused an increase in the number of waste generated in the complexes at
airports in general. The work consisted in a diagnosis of the solids waste management from the Uberaba Airport - Mario of
Almeida Franco, with the purpose to present the current situation of the management of solid wastes generated in the
passenger terminal and inside the aircrafts. The study covered a documentary survey, direct observation and characterization
of solid wastes. The identification of the infrastructure, procedures and unstructured interview with those chief people were
held in the period from 05/20/2016 to 10/10/2016. Considerations were made in accordance with the current legislation of
management processes executed at the time of realization this article. The relevance of this study emphasizes the importance
of the Plan of Management of Solid Wastes in airports and its correct and effective implementation, aiming at continuous
improvement of the processes. The recycling of materials generated at the airport is addressed as an important factor in the
management of solid waste, showing in this study its importance, seen the waste generated at the airport have great potential
for recycling.

KEYWORDS: airport; selective collect; waste control; environmental legislation.

INTRODUÇÃO séculos (FIGUEIREDO, 1995). A consequência inicial do


amplo desenvolvimento industrial foi à geração de resíduos
O gerenciamento dos resíduos sólidos no Brasil não sólidos em grande escala, oriundos dos processos industriais
é um problema recente. Atualmente, um grande número de e também dos novos padrões de consumo da população
cidades brasileiras não executa o gerenciamento dos (MAGERA, 2005).
resíduos sólidos como previsto nas legislações ambientais Como consequência dos novos costumes da
vigentes. A ineficiência da gestão dos resíduos sólidos sociedade após a modernização das indústrias, houve grande
acarreta graves e preocupantes impactos ambientais, como a dificuldade na gestão dos resíduos sólidos gerados pelos
contaminação do solo, ar e dos recursos hídricos, e ainda processos industriais (MAGERA, 2005). Além disso, o
leva a complicações na saúde pública (FERREIRA; ANJOS, avanço das cidades, a ampliação dos espaços urbanos e o
2001). aumento da população também influenciaram no excesso de
Os problemas ambientais relacionados aos resíduos resíduos sólidos impactando o meio ambiente (MUCELIN;
sólidos tiveram início na revolução industrial ocorrida no BELLINI, 2008).
século XVIII. Esta revolução se fortaleceu globalmente Atualmente, os problemas oriundos da geração de
sendo julgada por inúmeros pesquisadores como uma das resíduos sólidos no Brasil ocorrem em várias atividades
mudanças mais significativas e relevantes dos últimos realizadas. Isso acontece principalmente devido ao pouco

1
Trabalho de Conclusão de Curso – Engenharia Ambiental 2016/2 (FACTHUS)

conhecimento das questões ambientais por parte dos estabelece os procedimentos adequados para o
responsáveis (FADINE; FADINE, 2001). A precariedade de gerenciamento de resíduos sólidos em aeroportos: a Norma
conhecimentos das questões ambientais pode ser observada Brasileira Regulamentadora (NBR) 8843: Aeroportos -
quando, em décadas passadas, o governo e os órgãos Gerenciamento de Resíduos Sólidos, válida a partir de 30 de
responsáveis pela regulamentação e fiscalização não tinham agosto de 1996. De acordo com esta NBR, a geração de
parâmetros técnicos e legislações que regularizassem para resíduos sólidos ficou definida como a alteração de material
estabelecer planos a serem executados. utilizável em resíduo, sendo a segregação uma etapa
Com o progresso tecnológico da indústria fundamental para o reaproveitamento em outros processos
aeronáutica, a aviação civil no Brasil se desenvolveu produtivos (ABNT, 1996).
trazendo melhorias na mobilidade de pessoas. Este avanço Outra importante legislação que envolve também os
ocasionou um crescimento do turismo interno e externo e aeroportos é o Decreto nº 5.940, criado no ano de 2006. Esse
por consequência um aumento considerável no número de decreto estabeleceu a obrigação da segregação dos resíduos
voos e de companhias aéreas atuando nos aeroportos recicláveis gerados por órgãos e instituições de
nacionais (INFRAERO, 2016; IBGE, 2013). Os aeroportos administração pública federal, e a sua destinação às
brasileiros surgiram em um contexto propício para associações e cooperativas de catadores de materiais
mudanças nos meios de transportes, impulsionado pela recicláveis (BRASIL, 2006).
precariedade dos transportes e o aumento do turismo interno Além da legislação supracitada, a ANVISA
e externo. complementou a regulamentação sobre o assunto criando as
O início das operações dos aeroportos brasileiros Resoluções da Diretoria Colegiada (RDC) - N° 02 de 2002
com voos comerciais aconteceu na década de 30, com a e N°56 de 2008. Essas resoluções padronizaram os
concessão do governo para que empresas privadas pudessem procedimentos realizados pelos aeroportos do Brasil,
ter o direito de oferecer serviços de transporte aéreo. No relacionando os fatores de risco à saúde e sendo fundamental
começo das operações dos complexos aeroportuários, o para funcionamento do sistema (ANVISA, 2002; 2008). A
governo não se atentou em impor nenhuma legislação criação da lei 12.305 em 2 agosto de 2010, foi importante,
ambiental referente aos resíduos sólidos, originados nestes pois instituiu estratégias para os resíduos sólidos, em todos
locais. Essas questões começaram a ser abordadas em os setores do país (BRASIL, 2010).
normas e legislações somente após anos de funcionamento O objetivo deste trabalho foi avaliar os
das atividades abrangidas no ramo do transporte aéreo procedimentos de gerenciamento dos resíduos sólidos do
(MALAGUTTI, 2001). Aeroporto de Uberaba (MG) - Mário de Almeida Franco,
A falta de interesse dos responsáveis pelos diversos comparando com o estabelecido em legislações e normas
setores nas questões ambientais resultou na demora da vigentes analisando os resultados obtidos.
criação de leis e normas que ajustassem as condições de cada
área. Outro fator crucial para a deficiência na gestão MATERIAL E MÉTODOS
ambiental dos aeroportos no país foi à ineficácia ou a
inexistência de fiscalizações pelos órgãos responsáveis, o Segundo Yin (2001), o estudo de caso abrange uma
que ocasionou inúmeros danos ao meio ambiente, afetando avaliação intensa de um objeto de modo que possibilite o seu
um direito difuso previsto em constituição federal vasto e minucioso entendimento. Ainda, Prodanov e Freitas
(BRASIL, 1988). (2009), descrevem que as análises de caráter exploratório
O crescimento contínuo do setor de transporte aéreo visam fornecer máxima percepção do problema, tornando-o
gerou a necessidade de criação de um órgão para administrá- explícito ou construindo hipóteses sobre ele.
lo (PESSOA, 1989). Em 12 de dezembro de 1972, foi criada Sendo assim, o presente trabalho trata-se de um
a partir da lei nº 5.862 a Empresa Brasileira de Infraestrutura estudo de caso do gerenciamento dos resíduos gerados no
Aeroportuária (INFRAERO) (BRASIL, 1972). Aeroporto de Uberaba - Mário De Almeida Franco
As questões relacionadas aos resíduos sólidos fundamentado em legislações, decretos e normas vigentes
gerados nos aeroportos nacionais começaram a ser priorizando os critérios ambientais legais.
abordadas apenas no ano de 1993, com a criação da Dessa forma, primeiramente realizaram-se visitas
Resolução 005 do Conselho Nacional do Meio Ambiente técnicas ao aeroporto, para fins de identificação, em seguida
(CONAMA). A partir desta resolução configurou-se de entrevistas não estruturadas junto aos funcionários para
obrigatório o controle de resíduos sólidos originados nos conhecer os procedimentos executados pelos mesmos e
aeroportos, portos, terminais ferroviários e rodoviários registros fotográficos, ilustrando as condições atuais e
(CONAMA, 1993). infraestrutura existentes.
No entanto, mesmo com uma legislação vigente Conceitua-se entrevista não estruturada um diálogo
sobre o gerenciamento de resíduos em aeroportos, a Agência no qual é permitido ao entrevistador abordar diversos temas
Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) constatou o não e de acordo com a resposta pode alterar questões. O
cumprimento da mesma. Exigindo a apresentação de um entrevistado pode optar pelo diálogo para estabelecer sua
Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) resposta (LAVILLE; DIONE, 1999).
(GONÇALVES; MENUCCI, 2004).
Em 1996, a Associação Brasileira de Normas
Técnicas (ABNT) elaborou uma norma, ainda vigente, que

2
Trabalho de Conclusão de Curso – Engenharia Ambiental 2016/2 (FACTHUS)

RESULTADOS E DISCUSSÃO em sacos pretos sem nenhum tipo de segregação. Após o


pouso, os resíduos são coletados pela empresa responsável
O Aeroporto Mário de Almeida Franco (Fig. 1), foco pela limpeza das aeronaves denominada Marcelo Augusto
deste estudo, situa-se na Avenida Nenê Sabino n° 2706, na Camargo Eireli – ME.
cidade de Uberaba, estado de Minas Gerais, nas coordenadas No terminal de passageiros, constituído pelo saguão,
geográficas 19°45'56.01" Sul 47°57'42.01” Oeste lanchonete e banheiros são gerados resíduos como latas de
(GOOGLE, 2016). alumínio, copos plásticos, restos de alimentos, embalagens
plásticas e papeis, como folhas para anotações, guardanapos
Figura 1 - Fachada do Aeroporto Mário de Almeida Franco. e papel higiênico. Com o intuito de facilitar o processo de
Entrada para o terminal de passageiros. segregação definiu-se no PGRS do aeroporto que o
acondicionamento dos resíduos não recicláveis seria
realizado em sacos plásticos de cor preta e os recicláveis na
cor azul (Fig. 3).

Figura 3 – Coletores do saguão principal com os sacos


plásticos de cores já estabelecidas no Plano de
Gerenciamento de Resíduos Sólidos. (A) coletor de resíduos
recicláveis com o saco plástico azul. (B) coletor de resíduos
não recicláveis com o saco plástico preto.

A B
Fonte: Os autores, 2016.

Com uma área total de 1.182.451,39 m², o aeroporto


possui uma pista de 1.759m de comprimento por 45m de
largura e um pátio com capacidade para 20 aeronaves de
pequeno porte que juntos totalizam uma área de 13.450,00
m². O terminal de passageiros possui uma área de 2.030,15
m², com capacidade para atender 1,7 milhões de passageiros
por ano, sendo realizados oito voos diários, operados pelas
companhias aéreas: Flyways Linhas Aéreas LTDA e Azul
Linhas Aéreas Brasileiras S.A. (Fig. 2) (INFRAERO, 2016).

Figura 2 - Localização aérea do Aeroporto de Uberaba


Mário de Almeida Franco. A área demarcada em vermelho
restringe o terreno total do aeroporto de Uberaba (MG).
Fonte: Os autores, 2016.

De acordo com a ABNT NBR 8.843/1996, os


resíduos sólidos devem ser acondicionados em coletores
revestidos internamente com sacos plásticos apropriados
(ABNT, 1996). No aeroporto em questão foi visto que os
sacos utilizados não estão sendo dispostos nos coletores de
acordo com as cores pré-definidas no PGRS (Fig. 4).
O item 3.4 da ABNT NBR 8.843/1996 determina que
a segregação, ou seja, a separação dos resíduos deve ser feita
no momento da geração (ABNT, 1996). Isso, conforme
citado anteriormente, não ocorre nas aeronaves, já o terminal
de passageiros dispõe de coletores seletivos facilitando a
Fonte: GOOGLE, 2016. segregação. Porém, a incorreta disposição dos sacos para
acondicionamento compromete a eficiência dos processos.
De acordo com as informações obtidas em entrevista Vale ressaltar que a segregação feita de forma incorreta
com o responsável pela coleta dos resíduos das aeronaves, ocasiona uma mistura dos materiais prejudicando o processo
durante os voos são servidos aos passageiros lanches e de reciclagem.
bebidas industrializadas, gerando resíduos como latas de A coleta dos resíduos gerados no terminal de
alumínio, copos de plástico, embalagens plásticas, restos de passageiros e a limpeza do local são realizadas pela empresa
alimentos e diferentes tipos de papeis, como guardanapos, Perphil Serviços - Perphil Serviços Especiais Eireli.
papel higiênico e revistas. Os resíduos são acondicionados
3
Trabalho de Conclusão de Curso – Engenharia Ambiental 2016/2 (FACTHUS)

Tanto os resíduos gerados nas aeronaves quanto os quilos diários (UBERABA, 2008). Nesse caso se faz
gerados no terminal de passageiros, após a coleta, são necessário a contratação de uma empresa especializada para
armazenados em um contêiner na área externa do aeroporto executar a destinação correta. Sendo assim, o município não
(Fig. 5). A capacidade desse contêiner não atende à tem responsabilidade alguma sobre estes procedimentos.
quantidade de resíduos gerados. O excesso acaba sendo Não é possível afirmar que o aeroporto se enquadra
disposto em solo ao ar livre, em desacordo ao item 3.9 da nesta classificação, visto que os resíduos gerados não são
NBR 8843, que determina o armazenamento dos resíduos pesados ou quantificados diariamente.
em instalações apropriadas (ABNT, 1996).
Figura 5 – Área externa do Aeroporto de Uberaba Mário De
Figura 4 – Coletores com os sacos plásticos do saguão e do Almeida Franco onde está localizado o contêiner para
banheiro. (A) coletor de resíduos recicláveis com o saco armazenamento temporário dos resíduos descartados. (A)
plástico azul. (B) coletor de resíduos oriundos do banheiro Imagem do contêiner dia 20/05/2016. (B) Imagem do
com o saco plástico azul. (C) coletor de resíduos não contêiner no dia 10/10/2016.
recicláveis com o saco plástico preto. (D) coletor de
resíduos recicláveis com o saco plástico preto.
A

A B

B
C D

Fonte: Os autores, 2016.

O decreto nº 5.940 estabelece que os resíduos


Fonte: Os autores, 2016. recicláveis oriundos de órgãos públicos sejam enviados a
cooperativas de reciclagem (BRASIL, 2006). A
Após todos os procedimentos descritos, os resíduos INFRAERO é um órgão de administração pública e, sendo
sólidos gerados são coletados pela empresa Limpebras assim, se enquadra neste decreto. Apesar disso, atualmente
Engenharia Ambiental Ltda. e destinados ao aterro sanitário este procedimento não é executado.
do municipal de Uberaba (MG). A coleta ocorre três vezes Com o intuito de entender o real motivo pelo qual os
por semana, ou seja, na segunda-feira, quarta-feira e sexta- resíduos recicláveis não são destinados a Cooperativa de
feira. Todos os resíduos coletados no aeroporto são Recolhedores Autônomos de Resíduos Sólidos e Materiais
classificados segundo a ABNT NBR 8843/1996 como Recicláveis de Uberaba (MG) – COOPERU, fez-se
grupos D – resíduos sólidos comuns, os quais devem sempre necessário estabelecer contato com o representante da
que possível ser praticada a coleta seletiva (ABNT, 1996). mesma para obter informações mais detalhadas.
A legislação municipal Nº 10.697 define grandes Segundo informações obtidas, o mesmo relatou que
geradores de resíduos: os classificados como Classe 2, de em época pretérita realizava a coleta apenas dos resíduos
acordo com a ABNT NBR 10004, e geração maior que 200 recicláveis (papel, plástico, metal e vidro) gerados no
4
Trabalho de Conclusão de Curso – Engenharia Ambiental 2016/2 (FACTHUS)

aeroporto de Uberaba (MG). Porém, observou-se que a ANVISA - Agência Nacional De Vigilância Sanitária.
mistura de resíduos recicláveis e não recicláveis ocorria com Resolução RDC nº. 56 de 06 de agosto de 2008. Boas
certa frequência, sendo esse o motivo responsável pelo Práticas Sanitárias no Gerenciamento de Resíduos Sólidos
encerramento da parceria. nas áreas de Portos, Aeroportos, Passagens de Fronteiras e
Este fato pode estar diretamente relacionado à Recintos Alfandegados. Disponível em:
quantidade atual de resíduos sólidos armazenados no <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2008/res
aeroporto de Uberaba (MG), sobrecarregando o sistema, 0056_06_08_2008.html>. Acesso em: 11 jul. 2016.
como também evidencia a ineficiência dos procedimentos
BRASIL. Constituição da República Federativa do
executados atualmente.
Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Capítulo
VI, art. 225. Disponível em:
CONCLUSÃO
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constit
uicaocompilado.htm>. Acesso em: 15 ago. 2016.
É fato que a criação de legislações e normas
pertinentes às questões ambientais em aeroportos nacionais BRASIL. Decreto nº 5.940, 25 de outubro de 2006.
possibilitou ter um maior controle do setor nesse quesito. Separação dos resíduos recicláveis descartados pelos
Porém, a fiscalização e capacitação dos agentes envolvidos órgãos e entidades da administração pública federal.
são insuficientes para que os objetivos estabelecidos nas Disponível em:
legislações sejam concretizados. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-
O Aeroporto de Uberaba (MG) - Mario de Almeida 2006/2006/Decreto/D5940.htm>. Acesso em: 20 ago.
Franco tem um plano onde define estratégias para o 2016.
gerenciamento dos resíduos. Porém, na pratica esses
procedimentos não são executados de forma correta, como BRASIL. Lei nº 5.862, de 12 de dezembro de 1972.
Autoriza o Poder Executivo a constituir a empresa pública
por exemplo, na etapa de acondicionamento, que ocorre a
denominada Empresa Brasileira de Infra-Estrutura
troca de cores de sacos plásticos. Problemas como este
Aeroportuária - INFRAERO, e dá outras providências.
podem ser facilmente resolvidos através de programas
contínuos de capacitação dos funcionários. Disponível em:
O problema do armazenamento externo dos resíduos, <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/1970-
1979/L5862.htm>. Acesso em: 10 ago. 2016.
cuja capacidade do coletor não atende a demanda, poderia
ser solucionado através do aumento do tamanho do BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Política
contêiner ou até mesmo pelo aumento da frequência da Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em:
coleta. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-
Vale ressaltar que a maioria dos resíduos gerados são 2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 15 ago. 2016.
recicláveis. Assim, caso o aeroporto praticasse o
determinado no decreto nº 5.940, através de parcerias com CONAMA - CONSELHO NACIONAL DO MEIO
cooperativas, ocorreria uma redução drástica na quantidade AMBIENTE. Resolução n° 5. 1993. Gerenciamento de
de resíduos a serem encaminhados ao aterro sanitário. resíduos sólidos gerados nos portos, aeroportos, terminais
O estudo realizado no aeroporto de Uberaba (MG) ferroviários e rodoviários. Disponível em:
propiciou um entendimento da funcionalidade e execução <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res93/res0593.ht
do Plano de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos neste ml>. Acesso em: 09 de jul. 2016.
estabelecimento, identificando a necessidade de um FADINE, Pedro Sérgio; FADINE, Almerinda Antônia
diagnóstico mais detalhado da situação para fins de Barbosa. Lixo: desafios e compromissos. Cadernos
adequação dos procedimentos e, consequentemente, um Temáticos de Química Nova na Escola. 1. Edição
plano aplicável e eficiente. especial. Maio. P. 9-18, 2001.

REFERÊNCIAS FERREIRA, João Alberto; ANJOS, Luiz Antônio.


Aspectos de saúde coletiva e ocupacional associados à
ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS gestão dos resíduos sólidos municipais. Cadernos de
TÉCNICAS. NBR 8.843: Resíduos sólidos de aeroportos – Saúde Pública, v. 17, n. 3, p. 689-696, maio/jun. 2001.
gerenciamento. Rio de Janeiro: ABNT, 1996. FIGUEIREDO, Paulo Jorge Moraes. A sociedade do lixo:
ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS os resíduos, a questão energética e a crise ambiental. 2.
TÉCNICAS. NBR 10004: resíduos sólidos – classificação. ed. Piracicaba: Unimep, 1995. 240 p.
Rio de Janeiro: ABNT, 2004. GONÇALVES, Lucely de Oliveira; MENUCCI, Daniel
ANVISA - Agência Nacional De Vigilância Sanitária. Lins. Gestão de Resíduos Sólidos nos Portos e
Resolução RDC nº 02 de 08 de janeiro de 2003. Confere Aeroportos Brasileiros – Estratégias e Desafios. Brasília,
o art.11 inciso IV do Regulamento da ANVISA aprovado DF. 2004.
pelo Decreto nº 3.029. Disponível em: GOOGLE. Google Maps. Version 2016. Aeroporto de
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2003/rdc Uberaba - Mário de Almeida Franco. Disponível em:
0002_08_01_2003.html>. Acesso em: 11 jul. 2016. <https://www.google.com.br/maps/@-19.7627526,-
5
Trabalho de Conclusão de Curso – Engenharia Ambiental 2016/2 (FACTHUS)

47.9657641,2278m/data=!3m1!1e3>. Acesso em: 24 mai.


2016.
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.
Ligações Aéreas 2010. Coordenação de Geografia. Rio de
Janeiro, 2013. 64 p.
INFRAERO - Empresa Brasileira de Infraestrutura
Aeroportuária. Estatística dos Aeroportos. 2016. Brasília.
Disponível em: <http://www.infraero.gov.br/index.
php/br/estatistica-dos-aeroportos.html>. Acesso em: 19
ago. 2016.
LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do
saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências
humanas. Belo Horizonte MG: Editora Artmed, 1999.
342-p.
MAGERA, Márcio Conceição. Os empresários do lixo:
um paradoxo da modernidade. 2. ed. Campinas, SP:
Editora Átomo, 2005.
MALAGUTTI, Antônio Osller. Evolução da Aviação
Civil, no Brasil. Brasília, DF. 2001.
MUCELIN, Carlos Alberto; BELLINI, Marta. Lixo e
impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano.
Sociedade & Natureza, v. 20, n. 1, p. 111-124, jun. 2008.
PESSOA, Lenildo Tabosa. História da Aviação
Comercial Brasileira. São Paulo: Editora Rios, 1989.
235p.
PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar
de. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e
técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed.
Novo Hamburgo: Feevale, 2009. 277 p.
UBERABA. Lei n.º 10.697, de 15 de dezembro de 2008.
Dispõe sobre a organização do Sistema de Limpeza Urbana
do Município de Uberaba e contém outras disposições.
Disponível em:
<http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/acervo/settrans/arqu
ivos/lei_10697.pdf> Acesso em: 15 out. 2016.
YIN, Robert. Estudo de caso: planejamento e métodos.
2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. 200 p.