Você está na página 1de 3

SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DO AGRESTE LTDA - SOESA

FACULDADE DE ENSINO REGIONAL ALTERNATIVA – FERA

Tainá Rocha dos Santos


Arapiraca, 07 de dezembro de 2016

RESENHA CRÍTICA SOBRE ÉTICA PROFISSIONAL

Tendo em vista as análises retratadas no material disponibilizado, esta resenha busca


salientar a relevância de preceitos éticos em qualquer fazer profissional, através da percepção
em torno ao conceito de ética, bem como do que vem a ser ética profissional; seguindo pela
explicitação da importância da imagem e identidade profissional; como o profissionalismo
espelha uma postura ética; e a relevância das relações intra e interpessoais. Conta também com
uma breve explicitação em torno a postura ética própria ao exercício profissional em Serviço
Social (tendo como base análises de Barroco (2010)), como demonstração da contribuição ética
à esta profissão em específico.

A ética, como um tipo de postura, que se refere a um modo de ser, pressupondo uma
liberdade de escolha, representa a formação de índole, de caráter quanto a ação humana. De
acordo ao material disponibilizado, a ética é a parte da filosofia que estuda a moral (enquanto
“costume” fruto do padrão cultural vigente), refletindo e questionando sobre as regras morais.
Em relação à ética profissional, é ressaltado que “[...] no momento em que o indivíduo completa
a formação em nível superior, este faz um juramento, o que significa sua adesão e
comprometimento com a categoria profissional onde formalmente ingressa” (MATERIAL,
[2016], p. 27); assim, é conformado o conjunto de regras estabelecidas ao exercício profissional.

Para tanto, se faz necessário criar e manter uma imagem e uma identidade profissionais,
quem vêm a ser relacionadas aos conceitos de dualidade (como resultado do processo
construído através das interações cumulativas) e de credibilidade (quando a construção de uma
boa imagem pessoal, atrelada à profissional, é conquistada através da consistência dos
resultados com a satisfação daqueles à que se presta determinada ação profissional). Com isso,
quanto melhor a imagem pessoal, melhores serão as conquistas, tanto em âmbito pessoal quanto
profissional.
Em relação a ética ligada ao profissionalismo, o material salienta a ética enquanto valor
que expressa e regula as ações humanas, em que “[...] os valores são o ponto de partida: é um
valor que se consubstancia em uma norma para instaurar um fato, para criar um hábito”
(MATERIAL, [2016], p. 33). Assim, a atuação profissional deve estar pautada num repertório
de valores acordados socialmente, que tenham como base os princípios fundadores que
ultrapassem a busca incansável por lucratividade ou por benefícios estritamente pessoais.

As relações intra e interpessoais também demarcam uma atuação baseada em princípios


éticos: é a partir da humanização no ambiente de trabalho que as relações interpessoais
demonstram o caráter elementar de contribuir na formação de relacionamento, dentro do
ambiente de trabalho. Assim, o relacionamento se expressa enquanto fator fundamental na vida
dos indivíduos, em que “[...]. Pessoalmente e profissionalmente, as pessoas que não conseguem
ou não estão preparadas para conviver com os semelhantes e administrar conflitos” encontram
mais dificuldades, quanto ao trato social (MATERIAL, [2016], p. 34).

Com isso, o material disponibilizado ressalta que a convivência humana é representada


pela natureza social do homem, em que a interação para com o próximo auxilia na formação e
no desenvolvimento da personalidade, dos costumes (salientando a natureza da ação humana).
Bem como os contatos sociais se fazem de extrema relevância, pois mantém a convivência em
sociedade, através de interações sociais, tendo como resultados a socialização, o efeito nos
hábitos e costumes, em relação ao indivíduo; e estabelece costumes e mudanças sociais, em
relação à grupos. Desse modo, as relações interpessoais são desenvolvidas através do processo
de interação humana.

O desenvolvimento da competência profissional demonstra a valorização da atuação e


participação do profissional em seu local de trabalho, e o relacionamento interpessoal
demonstra a aproximação das pessoas e a troca de informações através de meios significativos
e adequados. Assim, a participação em grupos engloba conhecimentos, informações, opiniões,
atitudes e experiências, que possibilita uma melhor atuação profissional daqueles ali envolvidos
– fornecendo diferenças tanto em âmbito pessoal quanto profissional.

A competência interpessoal também culmina em um exercício profissional mais


produtivo e eficaz, quando da atuação liderante e participativa, em que “A sinergia [...]
promoverá resultados que representarão muito mais do que a simples soma das competências
técnicas individuais”, como um resultado em conjunto da atuação grupal (MATERIAL, [2016],
p. 37). Com isso, a eficácia nas relações interpessoais perpassa três critérios: a percepção
apurada da situação interpessoal; a habilidade de resolver problemas interpessoais; e a soluções
de problemáticas, alcançadas em grupo, de maneira harmoniosa.

Diante disso posto, vale ressaltar que a ética, como um modo de ser prático-social,
objetiva-se a partir da participação consciente e racional do indivíduo, levando em conta as
consequências de seus para si e para os outros. Assim, o Serviço Social, como uma profissão
historicamente consolidada, tem fundamentos éticos e políticos, com determinações
estabelecidas por demandas da divisão social do trabalho e por respostas da categoria
profissional. De acordo com Barroco (2010), seus valores éticos e princípios políticos
perpassam a liberdade como valor ético central, a democracia, a equidade e a justiça social, o
pluralismo, e a não-discriminação.

Sendo assim, “[...] A ética se objetiva na intervenção profissional [...]; praticamente


através das ações que viabilizem a apropriação, por partir dos indivíduos, de suas capacidades
e potencialidades, de suas necessidades e direitos” (BARROCO, 2010, p. 230). A ética
profissional no Serviço Social se vincula ao ideário emancipatório, objetivando contribuir junto
aos movimentos e sujeitos sociais, em que seu projeto ético-político dispõe de valores éticos
capazes de referenciar o exercício profissional na melhor direção e na medida mais favorável.

Contudo, o estudo da ética profissional, independente da especificidade das profissões


e de seus respectivos códigos, possui o relevante papel de possibilitar que compreendamos
como se efetiva a regulamentação profissional pautada em determinadas regras e condutas, que
vêm a ter a ética como base.

REFERÊNCIA

MATERIAL disponibilizado pela FERA. Ética profissional – relações inter e intrapessoal.


FERA: [2016].

BARROCO, Maria Lúcia S. Ética: fundamentos sócio-históricos. 3. ed. São Paulo: Cortez,
2010.