Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO
PROF: PERCIVAL TAVARES DA SILVA

Victória Frizieiro

Resumo Filosofia na formação do educador

Niterói
2018
1

Não pode-se questionar a importância da filosofia na educação. A partir dessa


afirmação, conclui-se que para educar deve-se possuir uma diretriz advinda da filosofia.
Ao longo do texto, Saviani reflete sobre os problemas que podem vir a surgir no decorrer
de práticas educativas, sua relevância e papel.
O autor afirma que a filosofia tem início no que se dá o nome de problema e
sobre o que entende-se por isso, ou seja, disserta acerca dos diversos significados
existentes para um termo que já fora banalizado devido seu recorrente uso.
Quando atribui-se o sentido de sinônimo de questão, assume-se que o problema
seria qualquer indagação, por esta razão, isso não as insere necessariamente num viés
problemático. Tem-se como exemplo, exercícios de matemática escolares que, apesar
de apropriar-se desse vocábulo, não apresentam um problema real para os alunos,
pois, além de ser algo que não os causa frequente incomodo intelectual, também é uma
questão em que sabe-se previamente a resposta. Isto torna-se claro quando analisa-se
o professor. Todavia, quando Saviani disserta sobre o conhecimento preexistente dos
alunos de que o professor conhece a resposta e que se eles utilizarem procedimentos
anteriormente ensinados por ele, irão chegar ao conhecimento do resultado. Prova-se
então que esses problemas, não passam de questões.
No entanto, considerar que problema é o que não se tem conhecimento torna-se
errôneo, visto que o desconhecimento muitas vezes ocorre pela simples vontade de
não querer conhecer e, mesmo quando se quer e não consegue conhecer a resposta,
isso torna-se um mistério.
O mistério, por sua vez, não é equivalente a problema, porque é, com determi-
nada frequência, a elucidação dele.
Logo, percebe-se que a recorrência no uso da palavra problema, acarretou
a banalização do termo, isso ocorre devido ao equívoco da sociedade ao confundir
o problema propriamente dito, com a manifestação do problema. Por isso, é então
necessário readquirir a problematicidade no que diz respeito à palavra problema.
Por esse motivo, faz-se necessário o conhecimento sobre a verdadeira essência
de problema, que pode-se resumir em: necessidade. O que caracteriza um problema é
a necessidade de saber a resposta para o ele.
No entanto, a resposta que o homem encontra para os problemas que aparecem,
chama-se reflexão.
A definição mais prática para reflexão, é o repensar, uma vez que toda reflexão
é um pensamento, mas nem todo pensamento é uma reflexão. Ainda assim, para que
haja uma reflexão filosófica tem-se como necessário 3 premissas: ter uma reflexão
aprofundada; agir com rigor, ou seja, perante metodologias definidas; e analisar num
aspecto de conjunto com os outros aspectos relacionados a questão. Contudo, não
2

deve-se admitir a utilização de maneira isolada dos argumentos acima, pois essas
categorias não são autossuficientes e se sobrepõem na busca da caracterização da
reflexão filosófica.
Após definir-se o conceito de reflexão filosófica, torna-se simples concluir que a
expressão “filosofia da educação” é a reflexão filosófica sobre os problemas encontra-
dos na realidade educacional.
Portanto, a função da Filosofia da educação é disponibilizar aos que educam um
método reflexivo que os ajude a enfrentar os problemas educacionais, acompanhando
de modo crítico as atividades educacionais, tendo como objetivo uma ação pedagógica
mais coerente.
3

Referências Bibliográficas:
SAVIANI, Demerval. Revista D/doto. Filosofia na formação do educador. São Paulo:
PUC, janeiro de 1975.