Você está na página 1de 7

FECHAMENTO ORTODÔNTICO DE ESPAÇOS:

ASPECTOS TÉCNICOS E BIOMECÂNICOS

Space closure in orthodonrics:


technical and biomechanical aspects

GuilhermeThiesen', Marcus Vinicius Neiva Nunes do Rego2 ENDEREÇO


PARACORRESPONDÊNCIA:

GuilhermeThiesen
'Graduado em OdontologiapelaUFSC. Mestre emOrtodontiae OrtopediaFacialpela Av.MadreBenvenuta.
no 1285,BairroSantaMônica
Pontificia Universidade Católica do Rio Grandedo Sul - PUCRS. CEP:88035- 000 FlorianópolisSC
'Mestre em Ortodontia e Ortopedia Facial pela Pontificia Universidade Católica do Rio Telefone:(48)3234-9333
Grande do Sul - PUCRS. ProfessordeOrtodontiada NOVAFAPI - Piaui. guithiesen@hotmail.com

RESUMO

O fechamento de espaçosem Ortodontia, em particular daquelesprovenientes das extraçõesdentírias, ainda hoje oferecedificuldades ao
profissional dessaárea,principalmente devido ao aumento do tempo de tratamento, desconforto por parte do paciente,buscada excelência
na finalização e estabilidade do tratamento. Vários mecanismos ortodônticos foram elaboradosao longo dos anos para o fechamento de
espaços.Essesmétodos apresentamvariaçõesreferentes às fontesde aplicaçãode forças,aos seusdesenhos e também aos meiosde controle
da ancoragem. Desta maneira, o presente trabalho visa elucidar alguns aspectos técnicos e biomecãnicos relacionados à mecânica de
fechamento de espaços, a fim de otimizar os resultados finais do tratamento ortodôntico.

Palavras-chave: Fechamento de espaço ortodôntico. Biomecânica. Ortodontia.

INTRODUÇÃO

Uma das aplicações mais comuns da utilização da mecânica de Segundo Burstone (1982), o fechamento otimizado dos espaçosé
fechamento de espaços seria nos casos em que é realizada a conseguido de diferentes maneiras, através da variação dos
~tração de/lementos dentários. Dentre os dentes mais sistemas de forças entre os segmentos anterior e posterior,
coFiiurrmnê selecionados para extração com finalidade devendo-seconsiderar:
ortodôntica, os pré-molares ocupam lugar de destaque (GOTTLlEB; - a possibilidade de fechamento de espaçosde modo diferenciado
NELSON;VOGELS,1986; GOTTLlEB;NELSON;VOGELS,1996; ONG; (a capacidade de retração anterior, protração posterior ou até
WOODS,2001; PROFFIT,
2002). Estrategicamentelocalizadosentre mesmodeambossimultaneamente deveser possível);
ossegmentosanterior e posterior,a extração dessesdentes permite - a cooperaçãopor parte do paciente (se a eficiência do método é
eliminar tanto a existência de apinhamentos (discrepância de dependenteda cooperaçãodo paciente. podemvir a ocorrer certas
modelo negativa) como também relaçõesinterincisais indesejáveis limitações quanto à obtenção desucessono tratamento);
(discrepância cefalométrica negativa). Assim, uma vez que tenha - o controle da inclinação axial;
sido tomada a decisãosobrea extração desseselementosdentários, - o controle dasrotaçõese da largura ou comprimento do arco;
deve-se planejar como proceder ao fechamento dos espaços - a resposta biológica ideal (isso inclui um movimento dentário
residuais que não forem utilizados para a correção do rápido com um mínimo de desconforto ao paciente, além de não
apinhamento. Além disso, deve ser enfatizado que o correto proy.ocardanos aos tecidos e favorecer uma mínima reabsorção
posicionamento dos dentes anteriores é, reconhecidamente, uma radicular);
característica essencialtanto paraestética, como para estabilidade - a facilidade deoperaçãodo mecanismoa seradotado.
e função oclusa!. Dessemodo, a retração dessesdentes durante o Com o objetivo de alcançar tais metas, o clínico deve utilizar um
fechamento de espaços representa uma etapa fundamental e dispositivo que aplique e libere um sistema de forças especifico
geralmente crítica dotratamento ortodôntico (GJESSING,
1992). para cada situação. Deve-se também levar em consideração o

13
Rev. Ortodon. Catarin.. Florianópolis. v.3. n.1, p. 13-19,jan./dez. 2006
comprimento da raiz e a quantidade de inserção periodontal, os STAGGERS;
GERMANE,1991).
quais irão influenciar o sistema de forças aplicado (BURSTONE, Além de ser difícil obter-se o movimento puro de corpo paradistal
1982; MANHARTSBERGER; MORTON; BURSTONE, 1989). com a mecânicade deslize,também podevir a ocorrer a rotação dos
Quando da utilização indevida de tais aparelhos, poderão advir elementos dentários quando estes são retraídos isoladamente.
complicações, como a perda da ancoragem, verticalização Como a aplicação da força não é feita através do centro de
excessiva dos incisivos, aumento da sobremordida, reabsorções resistência na direçãovestíbulo-lingual, um momento é necessário
radiculares que, além do aumento do tempo de tratamento, para contrapor a tendência de rotação. Estemomento anti-rotação
poderãotrazer danosirreversíveisaostecidos dentários de suporte é estabelecido pelo binário existente entre o fio, a amarração e o
(MENDES;BÁGGIO;BOLOGNESE, 1992). braquete. Devidoao risco de atrito, a amarração não podeser feita
com muita força. Entretanto, também não podeserfeita muito leve,
MECÂNICASPARAFECHAMENTO
DEESPAÇOS pois resultaria na rotação dental durante o movimento para distal
SegundoStaggerse Germane(1991),a mecânicadefechamento de (ZIEGLER;
INGERSVALL,1989). ~
espaços apresenta variação muito grande no que diz respeito à Dessa maneira, a mecânica de deslizamento carácteriza-se,
maneira como é executadae, sob a perspectiva biomecânica,pode principalmente, pela existência de certa quantidade de atrito entre
ser apresentada através de dois tipos distintos: mecânica com o fio e o braquete.A fricção impede o deslocamento do canino ao
atrito (fricção) ou mecânica de deslizamento; e mecânica sem longo do arco durante a sua retração com a técnica do arco
atrito (fricção) ou mecânicade fechamento comalças. contínuo. A fricção também constitui um fator a ser considerado,
Na mecânica com fricção, a força para promovero deslocamentoé quando seesperaum deslizamento do arco atravésdos braquetese
gerada por um elástico ou por uma mola helicoidal fechada ligada tubos dos dentes posteriores. As asperezas das superfícies do
ao dente (FIG. 1). Dessemodo, o dente apresenta uma tendência braquete e do fio, o efeito da saliva, a largura e angulação da
rotacional nos dois planos do espaço, pois o sistema de forças é canaleta do braquete,as interaçõesdassuperfíciesdos braquetese
fios, e o método de amarraçãosão fatores que interferem na força
de atrito entre o braquete e o fio ortodôntico (BEDNAR;
GRUENDMAN;SANDRIK,1991; FRANK;NIKOLAI, 1980; GARNER;
ALLAI; MOORE, 1986; MOORE; WATERS, 1983; TSELEPIS;
BROCKHu'RST;
WEST,1994). Do ponto de vista biomecânico, todos

Figura 1: Fechamento
esses fatores causam alto grau de imprevisibilidade na mecânica de
de espaços através deslizamento (GARNER;ALLAI;MOORE,1986; IRELAND;SHERRIFF;
da mecânica de deslize. McDONALD,1991).
A) Retração do canino
Para mover um dente ao longo do arco, é necessárioaplicar uma
com o emprego
de cadeia elastomérica. força de magnitude capaz de ultrapassar o atrito e, assim, iniciar o
B) Emprego de mola movimento dentário (FRANK;NIKOLAI,1980).A maior dificuldade
fechada de Ni- Ti.
está em avaliar o quão alta deve ser essa força,uma vez que se
torna praticamente impossível avaliar clinicamente o atrito
promovido em cada situação (KUSY; WHITLEY, 1997). Certa
atenção deve ser dada às diferentes configurações e combinações
possíveisentre os variados tipos de fios e braquetes encontrados
comercialmente(KUSY; WHITLEY; PREWITT, 1991). Sendoassim,as
aplicado em nível do braquete e não no centro de resistência do forças de atrito devem ser bem conhecidas, principalmente nas
dente. Durante a retração dentária isolada, um momento interações entre os diferentes materiais (TANNEet aI., 1991).Em
rotacional promove a rotação da face mesial do dente para relação aos fios ortodônticos disponíveisatualmente no mercado,
vestibular, e o outro causa a inclinação da coroa para distal. A os de aço inoxidável são os que apresentam os menores níveis de
tendência de inclinação da coroa para distal é controlada pela atrito, seguidos pelos fios de cromo-cobalto, níquel-titânio e beta-
interação fio-braquete, a qual propicia a formação de um momento titânio (KUSY;WHITLEY, 1997; KUSY;WHITLEY;PREWITT,1991;
de força capaz de promover movimento de corpo do dente. A TSELEPIS; BROCKHURST; WEST, 1994;VANZIN, 2002).
magnitude dessemomento dependeda secçãotransversal,forma e A fricçãovariatambém de acordo com a composição do braquete
material do fio ortodôntico, bem como das dimensõesda canaleta utilizado. Issoocorre em especial com os braquetes cerâmicos,os
do braquete.Quanto maior for o limite de elasticidade do fio, maior quais vêmsetornando cada vez mais popularesem virtude dassuas
será a força resultante da sua deflexão e maior será o momento excelentes propriedades estéticas. Porém, infelizmente, tais
produzido. Quanto mais larga for a canaleta do braquete, maior acessóriospromovem umpadrãode movimentaçãodentária menos
também seráo momento (MOORE;WATERS,1993; OLIVEIRA,1998; eficiente que os convencionais braquetes de aço, o que, segundo

14
Rev. Ortodon. Catarin., Florianópolis, v.3, n.1, p. 13-19,jan./dez. 2006
Tanneet aI.(1991),podereduzir-se em até 50%. pela ativação da alça é gradualmente dissipada. Os dentes são
Uma grande vantagem da mecânica com fricção é tornar movimentados sem o deslizamento dos braquetes pelo arco, ou
desnecessáriaa utilização de arcos com configurações complexas, seja, na ausência de atrito, visto que não existe movimento do fio
fazendo com que a troca dos arcos seja mais rápida e facilitada. no interior dos acessórios (PLETCHER,1959; PROFFIT,2002;
Entretanto, qualquer sistemaque envolvafricção diminui a taxa de SIATKOWSKI,1997).
movimentaçâo dentária ao longo do arco, além de dificultar a Na mecânica sem fricção, o momento é determinado pela
determinação do sistema de forças empregado, uma vez que, configuração da alça e pela presençade dobrasde pré-ativação, as
clinicamente, a quantidade de atrito é desconhecida (STAGGERS; quais produzem uma força de momento ativa. Geralmente,quanto
GERMANE,1991). maior a quantidade defio gengivalmente ao braquete,maior seráa
Teoricamente, as desvantagens presentes na mecânica de proporção momento/força gerada,promovendoum maior controle
deslizamento podem ser superadasna mecânica semfricção, onde radicular durante o movimento. Porém,a altura da alça apresenta
os dentes são movimentados sem o deslocamento dos braquetes limitações inerentes às características anatômicas da cavidade
pelo arco. Nessecaso,a retração é realizadaatravésda confecçãoe bucal, pois alturas muito excessivas podem vir a provocar
uso de alças incorporadas aos fios como fonte de força, que traumatismos. Sendo assim, certos desenhosde alças devem ser
oferecem um movimento dentário mais controlado do que na preferencialmente utilizados quando for necessária maior
mecânica com fricção. Assim, sâo eliminados os problemas de proporção momento/força, por exemplo,a alça em T, umavez que
atrito e parada do movimento (OLIVEIRA, 1998; ZIEGLER; essa possui maior quantidade de fio na sua porção apical
INGERSVALL, 1989). (STAGGERS ; GERMANE,1991).
Existena Ortodontia umavasta gama de alças que, incorporadas a O desenho da alça não influencia somente a proporção
arcos contínuos ou segmentados, podem ser utilizadas para a momento/força, mas também a relação carga/deflexão, que
retraçâo dos dentes anteriores (FIG.2). A técnica do Arco de Canto consiste na taxa de alteração da magnitude de força aplicada ao
(Edgewise)preconiza a utilização de um arco contínuo com alças longo da ativação/desativação do dispositivo. Essaúltima também
pode ser alterada pela mudança da liga metálica utilizada na
confecção da alça.Assim,umaalça confeccionadade uma liga com
baixo módulo de elasticidade, como beta-titânio, terá uma relação

I . ,
Figura 2: Fechamento
carga/deflexão mais baixa do que uma alça com a mesma
configuração, confeccionada com aço inoxidável (SCHILLAI;
LEHMANN,1989).
I de espaçosatravés
do emprego É necessário um bom conhecimento de mecânica quando da
de alças ortodônticas utilização das alças de fechamento de espaço, uma vez que
(mecânica sem atrito).
pequenos erros podem resultar em grandes problemas durante a
Retração de caninos
através da técnica movimentação dentária. Além disso, mais habilidade manual e

I do arcosegmentado(A)
e retraçãodos
tempo de cadeira são necessáriosnessescasos,se comparadosà
mecânica de deslizamento, sendo ainda que tais alças podem,
incisivosatravés
da técnica ocasionalmente, provocar desconforto em alguns pacientes
(BRAUN;MARCOTTE, 1995; KUHLBERG; BURSTONE,1997).
Assim como na mecânica com fricção, as alças de fechamento
I do arcocontínuo(B).
também produzem um momento de rotação da face mesial do
dente para vestibular quando da retração de dentes
dispostas bilateralmente no arco retangular, o qual se estende do individualmente. Isso ocorre porque a força é aplicada na face
molar de um lado ao molar do outro lado (PROFFIT,2002). Atécnica vestibular, e não no centro de resistência. Essemomento pode ser
do arco segmentado, idealizada por Burstone (1962, 1966), minimizado através da realização de dobras anti-rotacionais no
enfatiza a importância do controle de forças, principalmente segmento de arco, ou também através do uso concomitante de
quanto à intensidade e a duração, para se alcançar os objetivos do forças elásticas aplicadas na face lingual do dente a ser
tratamento. A partir daí,o autor propôsuma mecânicaque consiste movimentado (STAGGERS;GERMANE,1991).
na,utilização de alças dispostas em arcos segmentados,a fim de A fim de compararosefeitos suscitadospelasmecânicascom e sem
proft:iovermagnitudes deforçasasmais contínuas possíveis. fricção, alguns estudos clínicos e laboratoriais foram realizados.
O uso'{!e alças ortodônticas apresenta uma vantagem bastante Rhee; Chun; Row (2001). ao utilizarem um simulador de
importarlte.. Como o mecanismo de fechamento de espaços é movimentos (typodont) controlado através de unidades
ativado manualmente, com o deslizamento da porçâo posterior do eletrotermodinâmicas, relataram que a mecânica com fricção
arco para distal e seu travamento nessaposição,a energia gerada apresentou melhoresresultados quanto ao controle rotacional dos

15
Rev. Ortodon. Catarin., Florianópolis, v.3, n.l, p. 13-19, jan./dez. 2006
elementos dentários e a manutenção das dimensões do arco. Já a de rotação criadonesse elemento dentário (KUSY;TUlLOCH,1986).
mecânica sem fricção apresentou maior efetividade no controle da A localização do centro de resistência de um corpo depende
angulação mésio-distal e no controle vertical dos dentes. somente da sua geometria e do seu mecanismo de suporte. Já a
Ziegler e Ingervall (1989) compararam, clinicamente, a mecânica localização do centro de rotação é dependente desses parâmetros
com e sem fricção, e observaram que os caninos retraídos com o uso citados e, também, das caract~sticas do sistema de forças
de alças apresentaram um deslocamento mais rápido e com menor aplicado neste corpo (NIKOLAr.1975).
inclinação dista Ido que aqueles retraídos com o uso de elásticos em Quando uma força for aplicada em qualquer ponto que não seja o
cadeia. Porém, a alça de retração não foi superior ao elástico em centro de resistência, além do movimento em direção à força
cadeia quanto ao controle da rotação do canino durante sua aplicada, haverá a criação de uma tendência de rotação ou
movimentação, embora essa diferença não tenha sido significativa. inclinação dentária. Dessemodo,a aplicação de uma força simples
Os autores concluíram que, de maneira geral, a mecânica de no braquete produzirá um movimento de inclinação descontrolada,
fechamento de espaços com o uso de alças apresenta melhores fazendo com que o centro de rotação fique numa posição
resultados do que a mecânica de deslizamento. Comentaram, ligeiramente apical em relação ao centro de resistência. Sabe-se
ainda, que a possível desvantagem da mecânica de fechamento que, durante a mecânica de fechamento dos espaços, não existe um
com alças (maior quantidade de rotação dentária) é superada pelo meio prático e direto de se aplicar uma força exatamente sobre o
fato da correção das rotações, após a retração, ser realizada de centro de resistência do dente e, com isso, produzirtranslação pura,
maneira mais rápida e fácil do que a verticalização de um dente sem inclinação. Para movimentar um dente em direção ao espaço
com inclinação dista!. da extração, uma força é aplicada no braquete para deslocá-Io
No entanto, Pletcher (1959) frisou que a escolha do método de nessa direção. Portanto, aplicando-se uma simples força horizontal
fechamento depende da preferência pessoal do operador e, sobre um braquete ocorrerá movimento de inclinação dentária que,
também, da particularidade de cada caso. Além disso, Staggers e para ser controlado, requer a incorporação de um momento
Germane (1981) alegaram que o ortodontista deve possuir certo (HOCEVAR,1981). O momento de uma força ou binário é uma
conhecimento tanto sobre a mecânica com fricção como sobre a medida do potencial rotacional. Matematicamente, o momento de
mecânica sem fricção, uma vez que existem indicações especificas uma força é igual ao produto da magnitude da força e o
para ambas e, assim, o profissional não deve estar limitado a apenas comprimen.to do braço de alavanca, que corresponde à menor
uma alternativa biomecânica. distância (perpendicular) da linha de aplicação da força ao centro
de rotação do corpo (NIKOLAI, 1975). Ao associar determinada
SISTEMAS DEFORÇAS
EMPREGADOS
PARAO FECHAMENTO
DE quantidade de momento à força, o centro de rotação se deslocará
ESPAÇOS
EMORTODONTIA para o ápice dentário e ocorrerá o movimento de inclinação
Dessemodo, os conceitos físicos que fundamentam a biomecânica controlada, ou seja, a coroa se inclinará na direção da força e o
ortodôntica de fechamento de espaços constituem a chave para a ápice permanecerá na mesma posição. Aumentando a quantidade
correta compreensão do funcionamento dos diversos dispositivos de momento e, conseqüentemente, a proporçãomomento/força,o
utilizados, bem como constituem um fator crítico para o centro de rotação se deslocará apicalmente para o infinito, o que
desenvolvimento de novas alternativas e configurações. Tais provocará o movimento de translação. Aumentando-se ainda mais
dispositivossão empregados para gerar um sistema de forças que essa proporção momento/força, o centro de rotação se deslocará
irá iniciar uma verdadeira cascata de reações biológicas e com isso em direção incisal, produzindo o movimento radicular. Persistindo o
movimentar os dentes. Embora muitas filosofias e modalidades de aumento dessa proporção, o movimento radicular será de grande
tratamento advoguem diferentes aparelhos, o sistema de forças amplitude, com a coroa se deslocando em direção oposta à da força
que esses produzem podem ser analisados através dos mesmos aplicada (LlNDAUER,2001; SMITH; BURSTONE,1984). Portanto,
componentes básicos: forças e momentos (HOCEVAR,1981; através da variação da proporção entre o momento e a força
LlNDAUER,2001; NANDA;DIAZ,1981). aplicada ao dente, o tipo de movimento dentário pode ser
Forças são vetores, apresentando, assim, tanto direção como modificado, desde a inclinação descontrolada, inclinação
magnitudes. Para '!10vimentaro dente de maneira previsível,a controlada, translação, até o movimento radicular. Buckle et ai.
força deve ser aplicada na direção desejada, com a magnitude (1987) salientaram que a realização deumtratamentoortodôntico
requerida e na posição correta. Alterações na direção, magnitude e otimizado é grandemente influenciada pela habilidade do
ponto de aplicação da força afetarão a qualidade do deslocamento profissionalem predizere controlar o movimentodentário, através
dental que irá ocorrer (LlNDAUER,2001). da aplicação de sistemas de forças adequados, tendo sempre em
Dentre as abordagens utilizadas para explicar o movimento dos mente a localização efetiva da resistência apresentada pelos
elementos dentários, o modelo do centro de rotação parece ser o tecidos de suporte em relação ao centro de resistência.
mais popular. Nesse modelo, o centro de resistência substitui o
centro de gravidadee o movimentoé descrito baseado num centro Nesse intuito, uma série de pesquisas têm sido realizadas no

16
Rev. Ortodon. Catarin., Florianópolis, v.3, n.1, p. 13-19,jan./dez. 2006
sentido de determinar a localização aproximada dos centros de resistência seria similar para os incisivos centrais e os caninos
resistência das unidades dentárias, bem como as características superiores.
necessáriasdos sistemas de forças para promover os diferentes Buckle et aI. (1987) procuraram identificar, através da técnica de
tipos de movimentos dentais (MELSEN;FOTlS;BURSTONE,1990). reflexão a laser,a localizaçãodos centros de resistênciadosdentes
Clinicamente, o ponto de aplicação da força sobre o elemento anteriores durante a sua retração, utilizando crânios secos de
dentário é o braquete e, quando se desejaum movimento dentário humanos. Avaliaram, separadamente,a retração dos seis dentes
de translação pura, a tendência de inclinação dentária, oriunda da ântero-superiores (caninos e incisivos), dos quatro incisivos
aplicação da força horizontal na coroa do dente, deve ser superiores e dos dois incisivos centrais superiores. Foi observado
neutralizada. Isso é obtido quando a proporção momento/força um deslocamentoapical crescente quanto à localizaçãodo centro
produzida no braquete for igual à distãncia existente entre esse de resistência das unidades dentárias de dois, quatro e seis
braquete e o centro de resistência do dente. (GJESSING,1994). elementos. Concluíram que uma pequena diferença na proporção
Sendoassim,quando a anatomia radicular ou a quantidade de osso momento/força é necessária para a translação das unidades
alveolar ao redordo dentefor modificada, como acontecenoscasos dentárias compostas pelos quatro incisivos e pelos dois incisivos
de pacientes com doença periodontal ou submetidos a centrais superiores durante a sua retração (aproximadamente
traumatismos dentários, o centro de resistênciairá deslocar-seao 10mm). Entretanto, para a retração em bloco dos seis dentes
longo do eixo dentário. Para que ocorra movimento dentário de anteriores, a proporção momento/força de uma alça de retração
corpo, um dente com raiz longa requer a aplicaçãode um momento deve ser calibrada para um valor ligeiramente maior
maior para contrapor a tendência de inclinação criada pela (aproximadamente 12,5mm), a fim de facilitar o movimento de
aplicação da força. Do mesmo modo, a perda horizontal de tecido translação destesegmento.
ósseo alveolar indica que uma maior proporção momento/força Segundo Nanda (1997), as forças e momentos geradas pelos
necessita ser aplicada na coroa dentária, a fim de que ocorra sistemas aplicados agem nos três planos do espaço (primeira,
movimento de maneira controlada e eficiente. Para os dentes segundae terceira ordens),porém,o aspectomais importante a ser
anteriores unirradiculares, o centro de resistência está localizado analisado é o sistema de forças em vista sagital (FIG. 3). Os
cerca de um terço à metade do comprimento rad!cul~r, medido componentesdessesistemadeforças sãoosseguintes:
apicalmente a partir da margem óssea.Paraos dentes posteriores,
este fica localizado aproximadamente de 0,3 a 0,4 da distância da
margemósseaao ápiceradicular (KUSY;TUlLOCH,1986).
Através do método não invasivo de holografia a laser, Burstone e
Pryputniewicz (1980) estudaram o deslocamento dos elementos
dentários. Foi determinado, experimentalmente, que a inclinação
do dente com centro de rotação no ápice (inclinação controlada)
requer a aplicação de uma proporçãomomento/força de 7,1mm.Já
para o movimento de translação, foi necessária uma proporção
momento/força de 9,9mm, e para a inclinação com centro de
rotação na margem incisal (movimento radicular), uma proporção
Figura 3: Componentes do sistema de forças produzido durante
momento/força de l1,4mm. Segundo esse estudo, o centro de
o fechamento ortodôntico de espaços.
resistênciado dente,avaliado de maneiratridimensional a partir de
um modelo de incisivo central superior, foi determinado como - momento alfa: é o momento que age nos dentes anteriores
estando localizado no longo eixo da raiz, mais precisamentea um (também denominadodetorque anterior);
terço do comprimento radicular medido apicalmente a partir da - momento beta: é o momento queage nosdentesposteriores;
crista ósseaalveolar.Assim,o centro deresistênciaexperimental foi - forças horizontais: são as forças mésio-distais que atuam nos
determinado como estando 9,9mm apicalmente ao braquete, no elementos dentários. As forças distais que agem nos dentes
caso de um incisivo central superior de tamanho médio com altura anteriores são sempre iguais às forças que agem nos dentes
normal da crista ósseaalveolar.Extrapolandoessesresultadospara posteriores;
um canino superior, também de tamanho médio, seu centro de - forças verticais: sãoforças intrusivas ou extrusivasque agem nas
resistência estaria localizado a 5,3mm da margem óssea. Isso unidadesdentárias. Geralmente resultam de momentos diferentes
significa que esseponto estaria localizado O,9mmapicalmente ao aplicados nas unidades alfa e beta. Quando o momento beta for
centro de resistência do incisivo central, o qual se encontra a 4,4 maior que o alfa, uma força intrusiva será aplicada nos dentes
mm da margem óssea. Porém, a presença de uma coroa clínica anteriores, enquanto uma força extrusiva seráaplicada nos dentes
ligeiramente mais curta e a colagem do braquete mais posteriores. Quando o momento alfa for maior que o momento
gengivalmente sugerem que a distância do braquete ao centro de beta, forças extrusivas agem nos dentes anteriores e forças

17
. Ortodon. Catarin., Florianópolis, v.3, n.l, p. 13-19,jan./dez. 2006
---
/
intrusivas agirão nos dentes posteriores. A magnitude dessas forças
verticais é dependente da diferença existente entre os momentos Figura 5: Fechamento
de espaços em uma única etapa
alfa e beta e também da distância interbraquetes. Forças de maior
(retração em massa ou em bloco ),
magnitude são associadas com menores distâncias interbraquetes utilizando alça T de beta-titânio
(NANDA,1997). pela técnica do arco segmentado.
FECHAMENTO
DOS ESPAÇOS EM BLOCO OU EM DUAS ETAPAS
Outro aspecto importante a ser abordado é a maneira como são
fechados os espaços: em uma ou duas etapas. No fechamento dos caninos conjuntamente (NANDA, 1997).

espaços em duas etapas (FIG. 4), primeiro ocorre a retração dos Nos casos de apinhamentos severos na região anterior, com
incisivos mal alinhados ou girados, deve-se realizar a retração
prévia dos caninos, e só então a retração dos demais dentes
anteriores, a fim de propiciar maior controle da unidade de
ancoragem(FAULKNER et aI., 1989; PROFFIT,2002; SHIMIZU,
1995;TWEED,1966).
Por outro lado, nos casos de más oclusões com bom alinhamento
Figura 4: Fechamento
de espaços em duas
dental, e quando a ancoragem não for tão crítica, admite-se a
etapas através retração em massa, ou seja, simultânea de caninos e incisivos.
de mecânica de deslize. Nanda (1997) salienta que o fechamento de espaços em bloco pode
A) Retração prévia
dos caninos.
reduzir significativamente o tempo de tratamento. A retração
B) Retração isolada do canino poderia ser realizada apenas para aliviar o
dos incisivos. apinhamento da região anterior e, após um correto alinhamento
dos seis dentes anteriores,o fechamento em blococompletariaessa
etapa dotratamento de maneiramaisrápida.
Independéntemente do método utilizado, é de fundamental
importância para a obtenção de resultados ideais, no final do
tratamento, o controle preciso do movimentodentário durante o
caninos e, posteriormente, a retração dos incisivos. Já no fechamento de espaços, incluindo o controle da ancoragem, das
fechamento dos espaços em uma etapa (FIG.5), ocorre a retração forças verticais produzidas, da posição radicular e das rotações
em massa ou bloco dos seis dentes anteriores: incisivos e dentárias (KUHLBERG; BURSTONE, 1997).

CONCLUSÃO

Quando a exodontia de pré-molares está indicada para a correção utilizada. Isso irá não só reduzir o tempo de tratamento, mas
de uma determinada má oclusão, o plano de tratamento deve também evitar o aparecimento de efeitos colaterais indesejados.A
incluir a etapa do fechamento dos espaços residuais provenientes fim de se obter o máximode eficiênciaclínica,devemser aplicados
dessas extrações. O fechamento desses espaços requer o emprego os princípios da biofísica do movimento dental durante a
de forças e momentos aplicados nos segmentos anterior e posterior mecanoterapia de fechamento de espaços, favorecendo desta
do arco dentário. A fim de otimizar os resultados do tratamento, forma as respostas clinicas e histológicas induzidas pelos
deve ser elaborado um cuidadoso estudo sobre a mecânica a ser dispositivosutilizados.

ABSTRACT

Space closure in Orthodontics, in particular those created by tooth extractions, still nowadays implies in some difficulties to the
orthodontists, specially because of the prolonged treatment time, patient's discomfort, pursuit of excellence in finalization and
stability of treatment. Several orthodontic appliances were developed ali along the years for space closure. These options have a lot of
variations by the source of application offorces, their designs and also by the way they control anchorage. Therefore, this paper aim to
eIucidate some technical and biomechanical aspects related to space closure mechanics, in order to optimize the results obtained at the
end ofthe orthodontic treatment.

Keywords: Orthodontic space closure. Tooth extraction. Biomechanics

18
Rev. Ortodon. Catarin., Florianópolis, v.3, n.1, p. 13-19,jan./dez. 2006
REFERÊNCIAS
BEDNAR,J.R.; GRUENDMAN,G.W.; SANDRIK,J.L A comparative study of MANHARTSBERGER, C.;MORTON, J.Y.;BURSTONE, CJ. Spaceclosurein adults
frictional forcesbetween orthodontic bracketsand arch wires.Am. J. Orthod. usingthe segmentedarchtechnique.Angle Orthod.,Appleton,v.59, n.3, p.205-
Dentofacial Orthop.,SaintLouis,v. 100,n.6, p.513-522,Dec.1991. 210,Fali1989.

BRAUN,S.; MARCOTTE,; Rationaleof the segmentedapproachto orthodontic MELSEN,B.;FOTIS, V.;BURSTONE, CJ.Verticalforceconsiderationsin differential
treatment. Am. J. Orthod. Dentofacial Orthop.,Saint Louis,v. 108,n. 1,p. 1-81, spaceclosure.J. Clin. Orthod.,Boulder,v.24,n. 11,p.678-683,Nov.1990.
July 1995.
MENDES, A.M.;BÁGGIO,P.E.;BOLOGNESE, A.M. Fechamentodeespaços.Rev.da
BUCKLE, M.M.et ai. Locationofthe center of resistancefor anterior teeth during SBO,RiodeJaneiro,v.2, n. " p. "-19,Jan./Jun.1992.
retraction using the laser reflection technique. Am. J. Orthod. Dentofacial
Orthop.,SaintLouis,v.91,n.5,p.375-384,May 1987. MOORE,J.C.; WATERS,N.E. Factors affecting tooth movement in sliding
mechanics.Eur.J.Orthod.,Oxford,v. 15,n.3, p.235-250,Mar.1983.
BURSTONE, CJ. Thesegmentedarch approachto spaceclosure.Am. J. Orthod.
Dentofacial Orthop.,SaintLouis,v.82, n.5,p.361-378,Nov.1982. NANDA,R Biomechanicsin clinical orthodontics. Philadelphia:W.B.Saunders,
1997.
BURSTONE, CJ. Rationaleof the segmentedarch.Am. J. Orthod.,Saint Louis,v.
48, n. 11,p.805-822,Nov.1962. NANDA, R; DIAZ, MAl Orthodontic spaceclosure. Dent. Clin. North Am.,
Philadelphia,v.25, n. 1,p.95-107,Jan.1981.
BURSTONE, CJ. The mechanics of the segmented arch techniques. Angle
Orthod.,Appleton,v.36, n.2, p.99-120, Apr.1966. NIKOLAI,RJ.Onoptimal orthodontic forcetheory asappliedto canineretraction.
Am.J. Orthod.,SaintLouis,v.68, n.3, p.290-302,Sep.1975.
BURSTONE, CJ.; PRYPUTNIEWICZ,RJ. Holographicdetermination of centersof
rotation producedby orthodonticforces.
AmJ.Orthod.,SaintLouis, v.77,n.4,p. OLIVEIRA,EE.Avaliação da retração de caninos superiores.1998. Dissertação
396-409,Apr.1980. (Mestrado) Faculdadede Odontologia,UniversidadeFederaldo Riode Janeiro,
RiodeJaneiro,1998.
FAULKNER, M.G.et ai. A parametricstudyofthe force/momentsystemproduced
by T-Ioop retraction springs.J. Biomech.,Oxford,v. 22, n. 6/7, p. 637-647,July ONG,H.B.;WOODS,M.G.An occlusaland cephalometricanalysisof maxillary
1989. first andsecondpremolarextraction effects.Angle Orthod.,Chicago,v. 71,n. 2,
p.90-102,Apr.2001.
FRANK,CA; NIKOLAI,RJ.A comparativestudyof frictional resistancesbetween
orthodontic bracketand archwire.Am. J. Orthod.,Saint Louis,v. 78, n.6, p.593- PLETCHER, E.C.Simplified managementof spaceclosure.Am. J. Orthod., Saint
609,Dec.1980. Louis,v.45,n.4,p.278-286,Apr.1959.

GARNER, LD.;ALLAI,W.W.;MOORE,B.K.Acomparisonoffrictional forcesduring PROFFIT,W.R Ortodontia contemporânea. 3' ed. Rio de Janeiro: Guanabara
simulated canine retraction of continuous edgewisearch wire. Am. J. Orthod. Koogan,2002.
Dentofacial Orthop.,SaintLouis,v.90, n.3,p. 199-203,Sept.1986.
RHEE, J.; CHUN,Y.;ROW,J. A comparison between friction and frictionless
GJESSING,P.A universalretractionspring.J. Clin. Orthod., Boulder,v. 28, n.4,p. mechanicswith a new typodont simulation system.Am. J. Orthod. Dentofacial
222-242,Apr.1994. Ortop.,SaintLouis,v. 119,n.3, p.292-299,Mar.2001.

GJESSING,P. Controlled retraction of maxillary incisors. Am. J. Orthod. SCHILLAI,G.; LEHMANN,K.M. Untersuchung über die Beziehung zwischen
DentofacialOrthop.,SaintLouis,v. 101,n.2, p. 120-131,Feb.1992. . Aktivierungskraft und Auslenkungbei versciedenenZahnzugfedern.Fortschr.
Kieferorthop.,Berlin,v.50,n.3, p. 172-178,Mar.1989.
GOTTLlEB, E.L; NELSON,A.H.;VOGELS0.5. JCOstudy of orthodontic diagnosis
andtreatment procedures.PartI overallresults.J.Clin. Orthod.,Boulder,v.20,n. SHIMIZU,RH. Fechamento de espaçosapós exodontias de primeiros pré-
5, p.612-625,Nov.1986. molares. 1995. Dissertação (Mestrado) -
Faculdade de Odontologia,
UniversidadeEstadualPaulista,Araraquara,1995.
GOTTLlEB, E.L; NELSON,A.H.;VOGELS0.5. JCOstudy of orthodontic diagnosis
and treatment procedures.Part 11 resultsand trends.J. Clin. Orthod.,Boulder,v. SIATKOWSKI, R.E.Continuousarchwire closing loop design,optimization and
30, n. 5, p. 615-629, May 1996. verification. PartI.Am. J. Orthod. Dentofacial Ortop.,Saint Louis,v. 112,n.4, p.
393-402,Oct.1997.
HOCEVAR,RA Understanding, planning and managing tooth movement:
orthodontic force systemtheory.Am. J. Orthod.,Saint Louis,v. 80, n. 5, p. 457- SMITH,RJ.; BURSTONE, CJ. Mechanicsof tooth movement . Am.J.Orthod.
477, Nov.1981. Dentofacial Orthop.,SaintLouis,v.85, n.4,p.294-307,Apr.1984.

IRELAND,AJ.; SHERRIFF,M.; MCDONALD,F. Effect of bracket and wire STAGGERS,JA; GERMANE,N.Clinical considerationsin the use of retraction
compositionon frictional forces.Eur.J. Orthod.,Oxford,v. 13,n. 4, p.322-328, mechanics.J.Clin. Orthod.,Boulder,v.15,n. 8,p.565-569,June1991.
Aug.1991.
TANNE,K. et aI. Wire friction from ceramic bracketsduring simulated canine
KUHLBERG, A.; BURSTONE, CJ. T-Ioop position and anchoragecontrol. Am. J. retraction.Angle Orthod.,Appleton,v.61,n.4, p.285-290,July/Aug.1991.
Orthod. Dentofacial Orthop.,SaintLouis,v. 112,n. 1,p. 12-18,July 1997.
TSELEPIS,M.; BROCKHURST, P.; WEST,V.C.The dynamic frictional resistance
KUSY,R.P.;TULLOCH, J.EC.Analysisof moment/forceratios in the mechanicsof between orthodontic brackets and arch wires. Am. J. Orthod. Dentofacial
tooth movement.Am. J. Orthod. Dentofacial Orthop.,Saint Louis,v. 90, n. 2, p. Orthop.,SaintLouis,v. 106,n.2, p. 131-138,Aug. 1994.
127-131. Aug.1986.
C.H.Clinical Orthodontics - 3th ed.SaintLouis:Mosby, 1966.
TWEED,
KUSY,R.P.;WHITLEY, J.Q.Frictionbetweendifferent wire-bracketconfigurations
and materiais.Semin.Orthod.,Philadelphia,v.3, n.3,p. 166-177,Sept.1997. VANZIN,G.D. Comparação do coeficiente de atrito estático entre braquetes
(metálicos e estéticos) e fios ortodônticos (aço inoxidável e níquel-titânio).
KUSY,RP.;WHITLEY, J.Q.;PREWITT, MJ. Comparisonof the frictional coefficient 2002. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Odontologia, Pontificia
for selectedarchwire-bracketslot combinationsin the dry and wet states.Angle Universidade CatólicadoRioGrandedo Sul,PortoAlegre,2002.
Orthod.,Appleton,v.61,n.4, p.293-301,July/Aug.1991.
ZIEGLER,P.; INGERVALL,B. A clinical study of maxillary canine retraction with a
LlNDAUER,SJ. The basics of orthodontic mechanics. Semin. Orthod., retraction spring and with sliding mechanics.Am.J. Orthod.Dentofacial
Philadelphia,v.7,n.l, p. 2-15, Mar.2001. Orthop., Saint Louis, v.95, n. 2, p. 99-106, Feb. 1989.

19
Rev. Ortodon. Catarin., Florianópolis, v.3, n.l, p.13-19,jan./dez. 2006