Você está na página 1de 124

Título Original: Parsecs and Parables

© 1970 by Robert Silverberg

© Doubleday, 1970

Editora: Circulo do Livro

O Homem que Jamais Esquecia

Ele a viu na fila de um grande cinema de Los Angeles, na manhã de uma terça-fei-

ra ligeiramente nevoenta. Era delgada e pálida, de finos e compridos cabelos de tri- go, mal teria quinze anos, e estava só. Lembrava-se dela, naturalmente. Podia ser engano, mas, atravessando a rua, caminhou ao longo da fila até o lugar onde ela se encontrava.

- Alô! - disse.

Ela voltou-se, encarou-o impassível, passou rapidamente nos lábios a pontinha da língua

- Creio que

creio que não

- Sou Tom Niles - disse ele. - Pasadena, ano-novo de 1955. Sentou-se junto de mim no Estado de Ohio 20 versus Califórnia do Sul. Não se lembra?

- Num jogo de futebol? Mas eu raramente

isto é

sinto muito

eu

Alguém na fila avançou para ele com aspecto ameaçador. Niles sabia quando esta- va vencido. Sorriu desculpando-se e disse:

- Sinto muito, senhorita. Acho que me enganei. Confundi-a com alguém que co- nhecia, uma certa Miss Bete Torrance. Desculpe!

E afastou-se rapidamente. Não andou mais de dez pés, quando ouviu um pequeno

ofego e as palavras “Mas eu sou Bete Torrance!”

“Eu devia ter mais juízo aos vinte e oito anos”, pensou amargamente. “É que me esqueço do fato básico: de que, embora eu me lembre das pessoas, estas necessa- riamente não se lembram de mim ” Abatido, caminhou até a esquina, virou à direita, pôs-se a descer uma nova rua – rua cujas lojas lhe eram completamente estranhas, e que, por isso mesmo, nunca antes visitara. Sua mente, como boa máquina que era, estimulada pelo incidente da fila de cinema, vomitou, até alcançar o diapasão normal de atividade, um exército de lembranças tangenciais.

Ele, porém, continuou andando.

1º de janeiro de 1955, no Rose Bowl de Pasadena, Califórnia, número do assento, G126; dia quente, muito úmido, cheguei ao estádio às doze e três, horário padrão do Pacífico. Fui sozinho. A moça ao lado trazia um vestido azul de algodão e tênis bran- co, carregava uma fâmula do Califórnia do Sul. Falei com ela. Nome, Bete Torrance, aluna adiantada do Califórnia do Sul, curso especializado. Tinha companheiro para o jogo, mas o rapaz adoecera com sintomas de gripe no dia anterior e insistiu para que

ela fosse assistir à disputa futebolística mesmo sozinha. O assento ao lado dela, va- zio. Comprei-lhe um cachorro-quente, vinte cents (sem mostarda ).” Havia mais, muito mais. Porém Niles recalcou as lembranças. Havia entretanto o relatório virtualmente estenográfico da sua conversação durante todo aquele dia:

que ganhemos. Assisti ao último Rose Bowl que ganhamos, faz dois

(“

Espero

(“

Sim,

foi em 1953. Califórnia do Sul 7, Wisconsin 0

e duas vitórias completas

sobre Washington e Tennessee )

(“

Puxa,

conhece futebol a fundo! Costuma decorar o livro de scores? “)

O berro escarnecedor de Joe Merrit, o Sardento, naque-

le caloroso dia de abril de 1937: “Quem você pensa que é, Einstein?” E Buddy Call di- zendo acerbamente a 8 de novembro de 1939: “Aí vem Tommy Niles, a máquina hu- mana de somar. Agarrem-no!” Depois, a dor aguda de uma bola de neve acertando logo abaixo da sua clavícula esquerda - dor que ele podia evocar com a mesma facili- dade com que evocava quaisquer outras lembranças de dor que trazia consigo. Pis- cou e fechou repentinamente os olhos, como que golpeado pela gélida pelota, ali, numa rua de Los Angeles, numa manhã nevoenta de terça-feira Já não mais o chamavam de “máquina humana de somar”, mas de “gravador hu- mano”: os termos irônicos tinham de emparelhar-se com as décadas que passavam. Só o próprio Niles permaneceu inalterado. O Menino de Cérebro de Esponja virou Homem de Cérebro de Esponja, sempre condenado ao mesmo dom terrível.

E as antigas lembranças

Sua mente coalhada de dados lhe doía. Viu um minúsculo carro esporte estacionar no outro lado da rua, e pelo feitio, modelo, cor e número da licença, reconheceu-o como pertencente a Leslie F. Marshall, de vinte e seis anos, cabelos louros, olhos azuis, ator de televisão com as seguintes habilitações Estremecendo, Niles desligou o circuito e apagou os dados que se avolumavam. Estivera uma vez com Marshall, fazia seis meses, numa festa oferecida por um amigo comum - um amigo de outrora; Niles achava difícil continuar amigo de alguém por muito tempo. Conversara talvez dez minutos com o ator e acrescentara mais isso à sua bagagem mental. Era tempo de seguir adiante, pensou Niles. Residira dez meses em Los Angeles. O fardo de lembranças acumuladas se lhe tornara excessivamente pesado; cumprimen- tava um número demasiado de pessoas que já o haviam esquecido. “Ao diabo com o meu cociente, John. Tamanho normal, cinco pés e nove polegadas, cento e sessenta

e três libras; cabelos castanhos, olhos castanhos, nenhum traço fisionômico indevida- mente saliente, nenhuma cicatriz visível, exceto as de dentro”, pensou. Tencionava voltar para San Francisco, mas desistiu. Fazia apenas um ano que lá estivera; em Pa- sadena, fazia dois. Percebeu que chegara o dia de uma outra excursão para o leste “Para a frente e para trás na superfície da América, lá vai Thomas Richard Niles, o Holandês Voador, o Judeu Errante, o Espírito do Natal Passado, o Gravador ”

Humano

Sorriu para um jornaleiro que lhe vendera um exemplar do Examiner do

último dia 13, recebeu de volta o costumeiro olhar inexpressivo, e dirigiu-se para o

terminal de ônibus mais próximo.

Para Niles, a longa viagem começara a 11 de outubro de 1929, na pequena cidade de Lowry Bridge, Ohio. Era o terceiro de três filhos, nascido de pais aparentemente normais, Henry Niles (nascido em 1896), Mary Niles (nascida em 1899). Seus irmãos mais velhos não tinham revelado qualquer manifestação extraordinária; ao contrário de Tom, que revelara Tudo começou quando ele principiou a soletrar; uma vizinha, espiando do alpendre para dentro da casa dele, viu-o brincando e observou a Mary Niles:

- Veja como ele está crescendo! Nessa ocasião, Tom contava menos de um ano, e respondera, virtualmente, no mesmo tom de voz: “Veja como ele está crescendo!” Foi uma sensação, embora se tratasse de pura mímica, não de discurso.

Passou seus primeiros doze anos em Lowry Bridge, Ohio. Tempos depois cismava frequentemente em como fora capaz de ali permanecer tanto tempo. Entrou para a escola aos quatro anos, pois não havia como retê-lo; seus colegas de classe tinham cinco ou seis anos, eram vastamente superiores a ele em coordena-

ção física, vastamente inferiores em tudo o mais. De certo modo, Tom sabia ler, po- dia até mesmo escrever, embora seus músculos infantis logo se cansassem de segu-

rar a caneta. E podia

Lembrava-se de tudo. Lembrava-se das rixas de seus pais e repetia exatamente suas palavras a quem quisesse ouvir, até que seu pai lhe deu uma surra e ameaçou matá-lo se ele viesse a repeti-las. Também se lembrava disso. Lembrava-se das men-

tiras contadas por seu irmão e sua irmã, e se esforçava em repeti-las com exatidão. Finalmente, aprendeu a não fazer mais isso. Lembrava-se das coisas ditas por pes- soas, e até mesmo as corrigia quando mais tarde elas contrariavam as suas primeiras declarações. Lembrava tudo. Certa vez leu um manual, e absorveu-o todo. Quando o professor fazia uma per- gunta baseada na lição do dia, o braço magricela de Tommy Niles era o primeiro a se levantar, antes mesmo que os outros a tivessem ao menos assimilado. Passado al- gum tempo, o professor lhe explicou que ele não podia responder a todas as pergun- tas, tivesse ou não resposta para elas; havia na escola mais vinte alunos, os quais

lhe ensinaram isso fartamente

lembrar.

depois da aula.

Ganhou na Escola Dominical o Concurso de Memorização de Versículos Bíblicos. Barry Harman estudara muitas semanas esperando ganhar a luva de boxe que seu pai lhe prometera se tirasse o primeiro lugar; mas quando chegou a vez de Tommy Niles, assim começou ele: “No princípio Deus criou o céu e a terra”, continuando com “Estas são as origens do céu e da terra, quando foram criados: no dia em que o Se- nhor Deus fez a terra e o céu”, descambando para “Ora, a serpente era a mais astuta de todas as alimárias do campo que o Senhor Deus tinha feito”; era de presumir que tivesse recitado todo o Gênese, o Êxodo e o Livro de Josué, não tivesse o aturdido professor mandado que ele se calasse, declarando-o vencedor. Barry Harman não ganhou a luva; em vez disso, Tommy Niles ganhou um olho pre- to. Começava a perceber que era diferente dos outros. Levou tempo para descobrir que os outros estavam sempre a esquecer coisas, e que, em vez de admirá-lo por lembrá-las, ao contrário, odiavam-no. Era difícil para um menino de oito anos, embo- ra este fosse Tommy Niles, compreender por que o detestavam; mas ele o descobriu finalmente, de modo que começou a aprender como ocultar seu talento. No decorrer do nono e décimo anos, exercitou-se na normalidade, e foi quase bem sucedido; as surras de após as aulas cessaram, e ele conseguiu obter alguns “B” nos boletins, ao invés de renques de “A”. Crescia; aprendia a fingir Os vizinhos soltavam suspiros de alívio, agora que o terrível diabrete dos Niles já não mais fazia aquelas coisas malucas Mas por dentro ele era o mesmo de sempre, e percebia que em breve teria de sair de Lowry Bridge. Conhecia demais a todos e a cada um. Dez vezes por semana apanhava-os men- tindo; até mesmo Mr. Lawrence, o ministro, que certa vez rejeitou um convite dos Ni- les para uma função social, dizendo: “Na verdade tenho de aprontar meu sermão de domingo”, quando, havia apenas três dias, Tommy o ouvira dizer a Miss Emery, se- cretária da igreja, que ele experimentara um repentino estro de inspiração e escreve-

ra três sermões de uma assentada, de modo que agora teria tempo livre para o resto

do mês Como veem, até Mr. Lawrence mentia

E era o melhor dos homens. Quanto aos

outros Tommy esperou até completar doze anos. Era grande demais para a idade e pen- sou poder agir por si mesmo. Tomou vinte dólares de empréstimo da pseudo-secreta caixinha do fundo da prateleira da cozinha (fazia cinco anos que sua mãe mencionara sua existência e ele ouvira), e saiu às escondidas de casa, às três da madrugada. To - mou o trem de carga para Chillicothe e pôs-se a caminho.

Havia umas trinta pessoas no ônibus que deixou Los Angeles. Niles sentou-se sozi- nho na parte traseira, junto ao banco situado logo em cima da roda de trás. Conhe- cia de nome três pessoas que viajavam no ônibus - mas confiava em que elas já o houvessem esquecido e não se mexeu. Negócio incômodo. Se dissesse “alô” a alguém que o esquecera, pensariam que ele era um criador de casos ou um achacador. E se passasse por alguém, pensando que ele o esquecera, quando, ao contrário, isso não acontecia, então, que tipinho mais esnobe que ele era! Niles balançava-se entre esses dois polos cinco vezes por dia. Via alguém, por exemplo a moça Bete Torrance, e recebia de volta um olhar ge- lado, impassível; ou passava por outra pessoa, acreditando que esta não se lembrava dele mas andando depressa para escapar a um possível reconhecimento, e ouvia um irado “Bem! Que diacho você pensa que é?” acompanhando-lhe a retirada. Agora estava só, sacolejando para cima e para baixo a cada revolução da roda, com a sua única maleta contendo seus pertences a pular constantemente no com- partimento de bagagens sobre a sua cabeça. Uma vantagem do seu talento: poder viajar sem bagagem. Não precisava conservar os livros depois que os lia, e não era proveitoso entesourar pertences de qualquer espécie; estes se tornavam demasiado conhecidos, para não dizer cacetes. Niles olhava as tabuletas da estrada. Já estavam bem entrados em Nevada. A anti- ga e cansativa retirada prosseguia. Não podia permanecer demais numa só cidade. Era-lhe preciso dirigir-se a um novo território, a algum lugar desconhecido, do qual não tivesse lembranças, onde ninguém o conhecesse, onde não conhecesse ninguém. Nos dezesseis anos que se passaram desde que saíra de casa, cobrira muito terreno. Lembrava-se dos empregos que tivera. Fora revisor de uma casa editora de Chicago. Fazia o trabalho de dois homens. Se- gundo o costume, um homem lia o manuscrito enquanto o outro conferia as provas. Niles tinha um método mais simples: lendo o manuscrito, decorava-o, depois apenas conferia as provas em busca de discrepâncias. Ganhou por algum tempo cinquenta dólares semanais, antes que chegasse a hora de seguir adiante. Certa vez fora trabalhar como atração num parque de diversões ambulante que fa-

zia o circuito regular de Alabama-Mississípi-Geórgia. Nessa época estava realmente a nenhum. Lembrava-se de como arranjara esse emprego: agarrando o dono do par- que pela lapela e pedindo-lhe um teste:

- Leia-me qualquer coisa

qualquer coisa

e eu me lembrarei!

O sujeito estava meio cético e não via nenhuma utilidade num ato desses, mas fi- nalmente cedeu quando Niles praticamente desmaiou de fome no escritório dele. O homem leu para ele o editorial de um semanário do interior do Mississípi, e, quando acabou, Niles recitou-o inteirinho, palavra por palavra. Obteve o emprego de quinze dólares por semana mais as refeições, e ficava sentado numa tenda sob a tabuleta

que dizia: “O Gravador Humano”. As pessoas liam-lhe ou diziam-lhe coisas e ele as

repetia. Era um trabalho monótono. Às vezes lhe diziam coisas sórdidas, e na maior parte dos casos, daí a minutos nem ao menos se lembravam do que haviam dito. Fi- cou no parque quatro semanas, e quando se despediu ninguém lhe achou falta. O ônibus rodava na noite que o nevoeiro bloqueava.

Nenhum

durou muito tempo. Também houve algumas garotas, porém nenhuma delas durara muito. Todas elas descobriram-lhe o talento especial - mesmo aquelas das quais ten- tara escondê-lo - e o abandonaram. Não era possível ficar junto de um homem que jamais esquecia, um homem que sempre podia catar fraquezas de ontem no reserva- tório que era a sua mente e lançá-las inopinadamente em público. Um homem de memória perfeita jamais poderia viver muito tempo entre seres humanos imperfeitos. “Perdoar é esquecer”, pensava ele. A lembrança de velhos insultos e discussões se dissipa, e as relações se refazem. Mas para ele não podia existir esquecimento, e, em consequência, só poderia haver pouco perdão. Niles fechou os olhos após algum tempo e encostou-se na dura almofada de couro da poltrona. A cadência ritmada do ônibus deu-lhe sono. Durante o sono, sua mente descansava; ele podia enfim repousar a memória. Nunca sonhava.

Mas ainda houve outros empregos: bons empregos, maus empregos

Em Salt Lake City pagou a passagem, desceu do ônibus com a mala na mão e par- tiu na primeira direção à sua frente. Não queria se afastar muito a leste naquele ôni- bus. Sua reserva monetária era agora de sessenta e três dólares, e tinha de fazê-la durar. Descobriu um emprego de lava-pratos num restaurante do centro da cidade, con- servou-o o bastante para acumular uma centena de dólares e tornou a partir, desta vez viajando de carona para Cheyenne. Ficou um mês ali, depois tomou um ônibus noturno para Denver, e quando deixou Denver foi para dirigir-se a Wichita. De Wichita para Des Moines, de Des Moines para Minneapolis, de Minneapolis para Milwaukee, depois através de Illinois, cuidadosamente evitando Chicago, e daí para Indianápolis. Essa viagem era para ele história antiga. Celebrou melancolicamente o seu vigésimo nono aniversário sozinho, numa casa de cômodos de Indianápolis, num dia garoento de outubro, e com o propósito de alegrar a ocasião evocou as velhas lembranças da festa do seu quarto aniversário, em 1933 - uma das poucas datas perfeitamente felizes de sua vida. Todos estavam lá - seus amigos e seus pais, e seu irmão Hank com um ar muito importante para os seus oito anos, e sua irmã Marian, e havia velas e lembranças festivas, ponche, bolos. Mrs. Heinsohn, vizinha do lado, entrara dizendo: “Ele parece um homenzinho!”, e seu pais ficaram radiantes, todos cantaram e divertiram-se. De- pois, jogado o último jogo, aberto o derradeiro presente, quando os meninos e as meninas acenaram um boa-noite e desapareceram rua acima, os adultos sentaram- se em roda e falaram do novo presidente e das muitas coisas estranhas que aconte- ciam no país, e o pequeno Tom sentou-se no meio do assoalho, ouvindo e gravando tudo e cordialmente satisfeito, pois durante toda a tarde ninguém lhe fizera ou disse- ra algo cruel. Dia feliz, aquele, e, ao deitar-se, ele ainda se sentia cheio de felicidade. Niles relembrou a festa duas vezes, como um velho filme ao qual amasse; a ima- gem nunca aparecia defeituosa e o som continuava tão claro e distinto como nunca. Niles podia provar o doce travo do ponche, podia reviver o calor daquele dia no qual, mercê de algum acidente, os outros lhe haviam permitido um pouco de felicidade. Finalmente deixou se dissipar o brilho da festa, e novamente achou-se em Indianá- polis, numa tarde cinzenta e sombria, sozinho num quarto mobiliado, de oito dólares por semana.

“Desejo-me feliz aniversário”, pensou amargamente. “Feliz aniversário.” Fitou a parede verde cheia de manchas com uma gravura barata de Corot depen- durada um pouco de viés. “Bem que eu podia ser algo especial”, cismava ele, “uma dessas maravilhas do mundo. Em vez disso, não passo de um sorrateiro excêntrico que mora nos fundos de um terceiro andar, e não me atrevo a deixar que o mundo saiba o que sei fazer.” Fez um esforço e conseguiu se lembrar da execução, por Toscanini, da Nona sinfo- nia de Beethoven, que ouvira no Carnegie Hall certa vez em que estivera em Nova Iorque Estava infinitamente melhor do que a última execução que o mesmo Toscanini aprovara para gravação, todavia nenhum microfone a registrou; exceto na mente de um homem, a fulgurante execução era tão impossível de captar como uma chama soprada há cinco minutos. Mas Niles captara-a: a majestosa entrada dos tímpanos, o ressoante contrabaixo produzindo a grande melodia do finale, até mesmo o balanço do oboé que devia enfurecer o maestro, a tosse exasperadora dos ouvintes no mo- mento mais suave do adágio, o dolorido apertão dos sapatos de Niles, que se inclina- va para a frente na poltrona Ele gravara tudo, com a mais alta fidelidade.

Três meses depois, numa noite sem lua chegou a uma cidadezinha. Era uma noite

de janeiro, fria e cortante, quando o vento de inverno soprava do norte, penetrando- lhe os ossos através da roupa fina e tornando quase insuportável o peso da mala para suas mãos dormentes e sem luvas. Não tivera a intenção de ir para lá, mas em Kentucky ficara sem dinheiro e não tivera escolha. Estava a caminho de Nova Iorque, onde poderia viver anonimamente durante meses sem amolação e onde sabia não ser notada a sua grosseria caso lhe acontecesse esbarrar em alguém ou cumprimen- tar alguma pessoa que o houvesse esquecido. Mas Nova Iorque ainda se encontrava a centenas de milhas de distância - bem po- deriam ser milhões naquela noite de janeiro. Viu um letreiro: “BAR”. Avançou para a luz pisca-pisca de neon. Ordinariamente não bebia, mas agora precisava do calor do álcool, e talvez o dono do bar precisasse de alguém para ajudar, ou talvez pudesse lhe alugar um quarto em troca do pouco dinheiro que tinha nos bolsos. Havia cinco homens lá dentro. Pareciam choferes de caminhão. Niles deixou cair a mala à esquerda da porta, esfregou as mãos endurecidas, exalou uma nuvem branca

pela boca

O dono do bar arreganhou-lhe um sorriso.

- Frio que baste lá fora, hein? Niles conseguiu sorrir.

Dê-me algo quente. Uma dose dupla de uísque, tal-

vez.

Isso custava noventa cents: ele tinha apenas sete dólares e trinta e quatro cents. Niles acalentou a bebida quando ela veio, bebericou devagar, deixou-a escorrer

Lembrava-se do verão em que fora parar em Washington, uma se-

mana inteira de noventa e sete graus de temperatura e noventa e sete por cento de

umidade, e a vívida memória concorreu para lhe acalmar alguns dos efeitos psicoló- gicos do frio.

pela garganta

- Não estava suando muito

Logo distendia os nervos, cobrava calor discussão.

Atrás dele, o rumor penetrante de uma

digo-lhe -

que Joe Louis fez de Schmeling uma massa na segunda vez! Nocaute-

ou-o no primeiro round!

- Está maluco! Louis simplesmente o derrubou numa luta de quinze rounds: por

pontos, no segundo

- Parece que

- Aposto dinheiro. Dez dólares numa decisão por pontos em quinze rounds, Mac. Risadas confiantes se fizeram ouvir.

- Não quero ganhar tão fácil seu dinheiro, companheiro. Todos sabem que foi no- caute.

- Ofereci dez dólares.

Niles voltou-se para ver o que estava acontecendo. Dois dos choferes de cami- nhão, homens atarracados, de jaqueta cor de ervilha, encostavam um no outro os respectivos narizes. A ideia lhe veio automaticamente: “Louis pôs Schmeling nocaute no primeiro round, no Yankee Stadium, Nova Iorque, 22 de junho de 1938”. Niles nunca fora grande esportista, e especialmente aborrecia-lhe o boxe, mas certa vez dera uma vista d’olhos na página de um almanaque que catalogava as lutas pelo títu- lo, e os dados, naturalmente, lhe ficaram gravados no cérebro. Olhava indiferente enquanto o maior dos choferes batia na mesa uma nota de dez

dólares; o outro imitou-o. Então o primeiro, olhando para o dono do bar, disse o se- guinte:

- Certo, mano. Você é um sujeito esperto. Quem acertou nessa segunda luta de Louis e Schmeling?

O dono do bar era um homem de rosto inexpressivo, de meia-idade, já meio care-

ca, com olhos mansos e vazios. Mordeu o lábio um instante, encolheu os ombros, hesitou, finalmente disse:

- Difícil lembrar. Foi há vinte e cinco anos essa luta.

“Vinte”, pensou Niles.

sim, é isso mes-

mo. Foram quinze rounds e os juizes deram a vitória a Louis. Houve um grande pro- testo; os jornais disseram que Joe devia tê-lo matado muito antes disso. Um sorriso triunfante se esboçou na cara do motorista maior, que destramente empolgou ambas as notas.

- Vejamos - prosseguiu o dono do bar. - Parece que me lembro

O outro homem fez uma careta e soltou um berro:

- Ei! Vocês dois combinaram a coisa de antemão. Sei perfeitamente que Louis no-

cauteou o alemão em um!

- Ouviu o que o homem disse: o dinheiro é meu.

- Não - disse Niles repentinamente numa voz tranquila, que se diria ecoar até a

metade do bar. “Fique calado”, disse freneticamente com seus botões. “Isso não lhe diz respeito. Fique de fora.” Mas era demasiadamente tarde.

- O que está dizendo? - perguntou o tal que pusera os dez dólares na mesa.

- Digo que está sendo logrado. Louis venceu a luta em um round, conforme você

diz, a 22 de junho de 1938, no Yankee Stadium. O dono do bar está pensando na

luta de Arturo Godoy. Essa foi de quinze rounds, completos, a 9 de fevereiro de

1940.

- Está vendo? Eu bem disse! Devolva-me o dinheiro!

Mas o outro chofer não fez caso do grito e voltou-se para encarar Niles. Era um homem de expressão fria, atarracado, e seus punhos começavam a se crispar

- Espertinho, hein? Especialista em boxe?

- Eu só não queria ver alguém logrado - disse Niles obstinadamente. Mas já previa

o que vinha em seguida. O chofer, embriagado, ia trocando as pernas em sua dire- ção; o dono do bar berrava, os outros campeões recuavam

O primeiro soco acertou Niles nas costelas; ele gemeu, recuou cambaleando para

ser agarrado pela garganta e esbofeteado três vezes. Ouviu vagamente uma voz que

dizia:

- Olhe aí, solte o rapaz! Ele não queria nada! E você quer matá-lo?

Uma rajada de golpes fizeram-no curvar-se; um soco inchou-lhe a pálpebra direita, outro golpeou-lhe o ombro esquerdo, adormecendo-o. Niles rodou a esmo, sabendo que sua mente se recordaria permanentemente de cada momento dessa agonia. De olhos semicerrados viu os outros arrancando o chofer enfurecido de cima dele; o homem contorcia-se nas garras de três outros, mas desferiu um último pontapé

desesperado no estômago de Niles, atingindo uma costela, e finalmente foi subjuga- do. Niles ficou sozinho no meio da sala, esforçando-se para ficar de pé, tentando su- portar as súbitas pontadas que o incomodavam numa dúzia de lugares.

- Você está bem? - perguntou uma voz solícita. - Diacho! Esses caras jogam duro. Não devia se meter com eles.

deixe-me

recuperar o fôlego.

- Estou bem - disse Niles numa voz cavernosa. - Mas espere um pouco

- Isso. Sente-se. Tome um trago. Isso lhe dará ânimo.

- Não - disse Niles. - Não posso ficar aqui. Tenho de ir andando. Logo estarei bom

- murmurou sem convencer ninguém. Apanhou a mala, enrolou-se no sobretudo e saiu do bar, passo a passo Andou quinze pés antes que a dor se lhe fizesse insuportável. De repente amonto-

ou-se no chão e caiu de bruços no escuro, sentindo de encontro às faces a terra en- regelada e dura como aço. Em vão tentou levantar-se. E ali ficou, lembrando-se das

Mas quando o peso da

muitas dores que sofrera na vida, as surras, a crueldade memória se lhe tornou demasiado, perdeu os sentidos.

A cama era tépida, os lençóis limpos, frescos e macios. Niles despertou lentamen- te, sentindo uma momentânea sensação de tontura, mas a sua infalível memória su- priu os dados do seu desmaio na neve e ele percebeu que se encontrava num hospi- tal. Tentou abrir os olhos; um se fechara, de tão inchado que estava, mas conseguiu descerrar as pálpebras do outro. Achava-se no quarto de um pequeno hospital - nada de um lustroso pavilhão metropolitano, mas de uma pequena clínica de conda- do com vistosos objetos moldados nas paredes e cortinas de renda caseira, através das quais penetrava o sol da tarde. Fora encontrado e conduzido ao hospital. Isso era bom. Podia facilmente ter morri- do lá fora, na neve; mas alguém tropeçara nele e o recolhera. Era uma novidade al- guém ter-se incomodado em socorrê-lo; o tratamento que recebera na véspera na- quele bar - fora mesmo na véspera? - era mais condizente com o que até então o mundo lhe havia dado. Em dezenove anos, ele de algum modo fracassara em apren- der a se esconder e se disfarçar adequadamente, por via do que sofria, diariamente,

terríveis consequências. Era-lhe tão difícil lembrar (ele, que de tudo se lembrava) que as outras pessoas não eram como ele, e que além disso o odiavam por ele ser o que era. Apalpou cautelosamente o flanco. Parecia não haver nenhuma costela quebrada - apenas machucaduras. Um dia ou dois de repouso e decerto lhe dariam alta, deixan- do-o continuar a viagem. Nisto, uma voz animada lhe falou:

- Oh, já acordou, Mr. Niles? Está melhor? Vou trazer-lhe um pouco de chá.

Ele ergueu a vista e sentiu uma súbita pontada muito aguda. Era uma enfermeira -

vinte e dois, vinte e três anos, talvez nova no emprego, com uma ondulante massa

de louros cachos e grandes olhos azuis, límpidos e redondos

Niles que o sorriso não era meramente profissional.

Sorria, e pareceu a

- Sou Miss Carroll, enfermeira diurna. Tudo vai bem?

- Otimamente - disse Niles com certa hesitação. - Onde estou?

- No Hospital Central Geral do Condado. Trouxeram-no ontem à noite - pelo visto

tinha sido espancado e largado na Rodovia 32. Foi uma sorte Mr. Mark McKenzie es-

tar passeando com seu cão, Mr. Niles. - E fitou-o gravemente. - Lembra-se de ontem

à noite, não se lembra? Quero dizer

o choque

a amnésia

Niles riu para si mesmo.

- Essa é a última indisposição no mundo que hei de recear - disse. - Sou Thomas

Richard Niles, e me lembro muito bem do que sucedeu. Até que ponto me avaria- ram?

- Ferimentos superficiais, um pequeno choque, um leve caso de queimadura pelo

frio - resumiu ela. - Vai viver. Daqui a pouco o Dr. Hammond lhe fará um exame ge- ral; depois que o senhor comer. Vou buscar-lhe um pouco de chá. Niles observou a esbelta figura que desaparecia no corredor.

Era certamente uma moça muito bonita, pensou: olhos límpidos

alerta

viva.

“O clichê é antigo: o paciente se apaixonando pela enfermeira. Porém ela não é para mim. Receio que não.”

A porta abriu-se abruptamente e a enfermeira tornou a entrar, carregando uma

bandejinha esmaltada com o serviço de chá.

- Não adivinha? Tenho uma surpresa para o senhor, Mr. Niles. Uma visita. Sua mãe.

- Minha mãe

- Ela leu a notícia no jornal do condado. Está esperando lá fora; disse-me que não o vê há uns dezessete anos. Quer que eu a mande entrar?

- Acho que sim - disse Niles com voz seca e frágil. A enfermeira saiu pela segunda

vez.

“Meu Deus”, pensou Niles. “Se eu soubesse que estava tão perto de casa, teria fi- cado fora de Ohio de uma vez!”

A última pessoa que desejaria ver no mundo era sua mãe. Pôs-se a tremer debaixo

das cobertas. As mais antigas e as mais terríveis lembranças irrompiam do escuro compartimento de sua mente, onde as julgava para sempre aprisionadas. A súbita

emergência do calor para o frio, da treva para a luz, a vibrante pancada contra o seu traseiro, a dor cruciante ao saber que se acabara a sua segurança, e que, de agora em diante, viveria, e que, por isso, seria infeliz

A lembrança do grito agônico do seu nascimento ressoou-lhe na mente. Nunca se

esqueceria de que nascera. E entre todas, sua mãe era a única pessoa que ele ja-

mais perdoaria, uma vez que ela o pusera no mundo que ele odiava. Tinha horror às mulheres, mas

- Olá, Tom. Faz tanto tempo

Dezessete anos haviam-na murchado, marcado de rugas o seu rosto e tornado

suas faces mais balofas, os cerúleos olhos menos brilhantes, os cabelos castanhos de um cinzento de camundongo. Ela sorria. E para seu próprio espanto, Niles conseguiu retribuir-lhe o sorriso.

- Mãe.

- Li a notícia no jornal. Dizia que um homem de aproximadamente trinta anos fora

encontrado nas cercanias da cidade com papéis que traziam o nome de Thomas R. Niles, e fora conduzido ao Hospital Central Geral do Condado. Por isso vim, apenas para me certificar de que era você mesmo!

e ele a dis-

Uma mentira aforou à superfície de sua mente, uma mentira piedosa

se:

- Eu voltava para visitá-la, mãe. Vim de carona. Mas sofri um pequeno acidente na estrada.

- Folgo em saber que você resolveu voltar, Tom. Fiquei tão só depois da morte de

seu pai, e, naturalmente, Hank se casou, Marian também Pensei que nunca mais o veria.

Ele continuou deitado, perplexo, pensando por que não lhe vinha a costumeira maré de ódio. Só sentia ternura por ela; estava contente em revê-la.

- E como foram todos esses anos, Tom? Não foram fáceis, não? Estou vendo. Per- cebo em sua cara

é bom tornar a vê-lo.

- Sim, não foram fáceis - respondeu. - Sabe por que fugi? Ela fez com a cabeça um aceno afirmativo:

-

Por causa do jeito que você tem. Aquela história de jamais esquecer seja lá o que

for

Eu sabia. Sabe que seu avô tinha o mesmo dom

-

Meu avô

mas

-

Você puxou a ele. Eu nunca lhe contei. Ele não se dava bem com nenhum de

nós. Abandonou minha mãe quando eu era menina e nunca se soube para onde foi.

Por isso sempre pensei que você se fora do mesmo modo que ele. Mas você voltou. Está casado? Ele sacudiu a cabeça.

- Então já é tempo de decidir, Tom. Tem quase trinta anos!

A porta do quarto abriu-se e entrou um médico de aspecto eficiente.

- Receio que a sua hora já se tenha esgotado, senhora. Mais tarde poderá voltar a vê-lo. Vou examiná-lo, agora que está acordado.

- Naturalmente, doutor. - E sorriu para ele, depois para Niles. - Voltarei mais tarde, Tom.

- Decerto, mãe.

Niles recostou-se, fazendo carrancas à medida que o médico o cutucava aqui e acolá. “Eu não a odiava.” Um crescente maravilhamento o invadia, e ele pensava que havia muito já devia ter voltado. Mudara interiormente, mesmo sem perceber. Fugir foi sua primeira fase de crescimento - fase necessária. Porém querer voltar aconteceu mais tarde e era sinal de maturidade. Voltara. E repentinamente viu que fora terrivelmente idiota durante toda a sua amarga vida de adulto. Possuía um dom, um grande dom, um dom terrífico. Até agora lhe fora demasiado pesado. Condoendo-se de si próprio, atormentando-se, até então se recusara a per-

doar as faltas das pessoas que esqueciam, e pagara o preço do ódio delas. Mas não podia andar fugindo a vida inteira. Tempo viria em que teria de crescer o suficiente para dominar o dom, para aprender a viver com ele ao invés de gemer na dramática angústia que a si próprio se infligia. E esse tempo era agora. Já de há muito devia ter chegado. Seu avô possuíra o dom - nunca lhe haviam dito isso. De modo que a coisa era ge-

e também estes jamais se esque-

neticamente transmissível. Podia casar, ter filhos

ceriam. Era seu dever não consentir que o dom morresse com ele. Outros de sua espécie, menos sensíveis, de pele menos fina, viriam após ele, e também estes saberiam como evocar uma sinfonia de Beethoven ou um fiapo de conversa, depois de uma década. Pela primeira vez desde aquele quarto aniversário, Tom sentiu um hesitante lampejo de felicidade. Os dias de correria tinham findado; estava de novo em casa. “Se eu aprender a viver com os outros, decerto também eles aprenderão a viver co-

migo.”

Viu então as coisas de que precisava: uma mulher, um lar, filhos

- Alguns dias de repouso, muita bebida quente, e ficará bom como novo, Mr. Ni-

les - disse o médico. - Gostaria que agora eu lhe trouxesse alguma coisa? - Sim - disse Niles. - Mande-me a enfermeira, sim? Quero dizer, Miss Carroll. O médico esboçou um sorrisinho e saiu. Niles aguardou cheio de expectativa, exul- tando no seu novo eu. Ligou a mente para o terceiro ato dos Mestres cantores - jubi- losa música de fundo - e deixou que a ternura o invadisse. Quando ela entrou no quarto ele sorria, pensando em como diria o que tinha para lhe dizer.

Ismael apaixonado

Meu nome é Ismael. Sabem-no todos que me conhecem. Minha própria espécie não emprega a designação de unidade estrutural (“nome”) para distinguir os indiví- duos, mas foi esse o nome que os humanos me deram, e ele me basta. Fui assim “nomeado” por Miss Lisbeth Calkins, por quem sinto uma emoção protetora, cava- lheiresca e sexual (“amor”). Através da minha narrativa, entenda-se que a designa- ção “Ismael” se refere apenas a mim. Faço parte da inteligente espécie mamífero-aquática não-primata e não-humana, Tursiops truncatus, ou golfinho roaz. Tenho onze anos, o que quer dizer que sou ple- namente maduro em todos os sentidos. Peso cento e setenta e cinco quilos e meço dois metros e nove centímetros em todo o comprimento. Trabalho na Estação Ge- rard-Worzel de Recuperação da Água do Mar, St. Croix, ilhas Virgens, na qualidade de mantenedor, tendo começado a trabalhar ali na data, segundo vocês, de 14 de agos- to de 1944. Para a minha própria espécie sou sexualmente desejável; sou igualmente muito considerado devido ao meu desenvolvimento mental. Possuo um grande voca- bulário. Comunico-me facilmente com elementos Homo sapiens. Tenho considerável habilidade mecânica, segundo podem ver pelo meu sucesso em ligar o dispositivo acústico-eletrônico através do qual estou ditando estas memórias. Sou um organismo mamífero solitário que tem cometido atos de heroísmo em prol da sua espécie e que só deseja como recompensa relações mais íntimas (“amor”) com Miss Lisbeth Calkins. Imploro aos membros compassivos da espécie Homo sapi- ens que falem favoravelmente com ela a meu respeito. Sou leal, digno de confiança, dedicado, fidedigno e extremamente inteligente. Esforçar-me-ei em retribuir-lhe a companhia estimulante e a realização emotiva (“felicidade”) em tudo quanto me for possível. Permitam-me explicar as circunstâncias aqui pertinentes.

Categoria 1:

Meu emprego

A Estação Gerard-Worzel de Recuperação da Água do Mar ocupa uma posição des- tacada na praia norte da ilha de St. Croix, nas Índias ocidentais. Opera segundo o princípio de condensação atmosférica. Soube tudo isso por intermédio de Miss Calkins, que me descreveu detalhadamente as operações. O propósito de nossas ins- talações é recuperar um pouco de água doce, calculada em duzentos milhões de ga- lões por dia, transportada na forma de vapor nos cem metros inferiores de ar arreba- tados em cada quilômetro do litoral, a barlavento da ilha. Uma tubulação de nove metros de diâmetro apanha água fria salgada nas profun- dezas acima de novecentos metros e a conduz por cerca de dois quilômetros para a nossa estação. A tubulação vasa uns trinta milhões de galões de água por dia, a uma

temperatura de cinco graus centígrados. Essa água é bombeada para o nosso con- densador, que intercepta aproximadamente um bilhão de metros cúbicos de ar quen- te tropical por dia. O ar tem uma temperatura de vinte e cinco graus centigrados, e uma umidade relativa de setenta a oitenta por cento. Exposto à água fria do mar no condensador, o ar se resfria a dez graus centigrados e chega a uma umidade de cem por cento, permitindo-nos extrair aproximadamente quinze galões de água por metro cúbico de ar. Essa água dessalgada (“água doce”) é conduzida ao principal sistema de abastecimento de água da ilha, pois St. Croix é deficiente no suprimento natural de água apropriada ao consumo de seres humanos. Os funcionários do governo, que em várias cerimônias oficiais visitam as nossas instalações, afirmam que, sem o nos- so sistema, o grande desenvolvimento industrial de St. Croix teria sido inteiramente impossível. Em virtude de razões econômicas, operamos em conjunção com uma empresa de aquicultura (“a granja de peixes”), a qual utiliza nossos resíduos. Uma vez bombeada através do condensador, a água do mar tem de ser descartada; entretanto, devido à sua origem nas grandes profundidades oceânicas, seu conteúdo em fósforo e nitrato dissolvidos é mil e quinhentos por cento maior que o da água de superfície. Essa água, rica em nutrientes, é então bombeada do nosso condensador para uma lagoa circular vizinha de origem natural (“a mangueira de coral”), onde os peixes ficam ar- mazenados. Nesse ambiente de tal forma suprido, os peixes são altamente produti- vos e a produção de alimentos é suficientemente grande para compensar os custos de operação de nossas bombas. (Seres humanos equivocados às vezes discutem sobre a moralidade de usar golfi- nhos na manutenção de tais granjas de peixe. Julgam degradante compelir-nos a produzir criaturas aquáticas, nossas companheiras, para serem comidas pelos ho- mens. Posso entretanto simplesmente indicar que, em primeiro lugar, nenhum de nós trabalha obrigado e, segundo, que a minha espécie nada vê de imoral em se alimen- tar de criaturas aquáticas Nós mesmos comemos peixe.) Meu papel no funcionamento da Estação Gerard-Worzel de Recuperação da Água do Mar é deveras importante. Eu (“Ismael”) trabalho como capataz do Esquadrão Mantenedor da Tomada das Águas. Dirijo nove membros da minha espécie. Nossa atribuição é manobrar as válvulas da principal tomada da tubulação condutora da água do mar; essas válvulas frequentemente se entopem com organismos inferiores, tais como estrelas-do-mar ou algas, obstruindo a instalação. Nossa tarefa é descer em intervalos periódicos e remover a obstrução. Normalmente, isso pode ser conse- guido sem necessidade de órgãos manipuladores (“dedos”), com os quais, infeliz- mente, não somos equipados. (Certos indivíduos objetaram ser impróprio usar os golfinhos na força de trabalho, quando tantos membros dos Homo sapiens estão desempregados. A resposta a isso é que, primeiro: fomos destinados, pela evolução, a funcionar soberbamente debaixo da água, e, segundo: que tão-somente um humano altamente qualificado poderia desempenhar nossa função; mas um tal tipo de humano se acha em grande falta na força de trabalho.) Ocupo o meu posto há dois anos e quatro meses. Nesse espaço de tempo não houve nenhuma interrupção significava na capacidade de tomada das válvulas que mantenho. Como compensação (“salário”) do meu trabalho, recebo um farto suprimento de comida. Mediante um salário desses, poder-se-ia alugar um mero tubarão, natural- mente; mas, além dos meus baldes de peixe, também desfruto de algumas vanta- gens, tais como a companhia de seres humanos e a oportunidade de desenvolver mi-

nha inteligência latente mediante o acesso a bobinas de referência, que acrescem os vocabulários, e vários outros dispositivos de ensino. Como veem, tiro o maior provei- to das minhas oportunidades.

Categoria 2:

Miss Lisbeth Calkins

Seu dossiê está arquivado aqui. Tive acesso a ele através do leitor de bobina mon- tado na extremidade do tanque de exercício dos golfinhos. Por instruções faladas, posso tirar tudo o que quiser dos arquivos da estação, conquanto duvide de que fos- se previsto o fato de um golfinho querer ler algum dossiê pessoal. Ela tem vinte e sete anos. Pertence, portanto, à mesma geração dos meus prede- cessores genéticos (“pais”). No entanto, não partilho do tabu cultural prevalecente entre muitos Homo sapiens contra relações emocionais com mulheres mais velhas. Além disso, comparando as diferenças entre as espécies, ver-se-á que Miss Lisbeth e eu somos da mesma idade. Ela atingiu a maturidade sexual na metade da vida. Eu também. (Devo confessar que se considera estar Lisbeth além da idade ótima na qual as fê- meas humanas arranjam companheiro permanente. Suponho que ela não se entre- gue à prática de acasalamento temporário, pois o seu dossiê não revela que já tives- se tido filhos. É possível que os humanos necessariamente não tenham prole a cada acasalamento, ou que os acasalamentos se realizem a esmo, em épocas imprevisí- veis, não relacionadas com o processo reprodutivo. Isso me parece estranho e um tanto perverso, todavia infiro de alguns dados que o caso bem pode ser esse. Há poucas informações sobre os hábitos humanos de acasalamento no material que me é acessível. Preciso estudar mais.) Lisbeth, conforme me permito chamá-la em particular, tem um metro e oitenta centímetros de altura (não se medem os humanos pelo comprimento) e pesa cin- quenta e dois quilos. Seus cabelos são loiros e compridos. Sua pele, embora amore- nada pela exposição ao sol, é bem clara. As íris de seus olhos são azuis. Segundo as conversações que mantive com humanos, fiquei sabendo que é considerada bonita. Pelas palavras que ouvi enquanto estava na superfície, percebi que a maioria dos machos da Estação sentem por ela intensos desejos sexuais. Eu também a considero bonita, dentro da minha capacidade de responder à beleza humana (pois tenho essa capacidade). Não estou certo de sentir verdadeiro desejo sexual por Lisbeth; prova- velmente, o que me perturba é um desejo generalizado de sua presença e proximi- dade, que traduzo em termos sexuais simplesmente como um meio de tornar a coisa compreensível a mim mesmo. Além de qualquer dúvida, ela não possui os traços que normalmente procuro num par (bico saliente, macias barbatanas). Qualquer tentativa de fazermos amor no sen- tido anatômico certamente redundaria em dor e lesão para ela. Não é esse meu de- sejo. Os traços físicos que a fazem tão desejável para os machos de sua espécie (glândulas de leite altamente desenvolvidas, cabelos lustrosos, feições delicadas e compridos membros ou “pernas”, etc.) não têm particular importância para mim, e, em alguns exemplos, têm realmente um valor negativo Como no caso das duas glân- dulas de leite da região peitoral, que apontam de seu corpo de um modo que decer- to a atrapalha quando ela nada. O modelo é pobre e sou incapaz de descobrir beleza num modelo pobre. Evidentemente, a própria Lisbeth lamenta o tamanho e a locali- zação de tais glândulas, uma vez que toma cuidado em escondê-las todo o tempo numa estreita faixa. Os outros da Estação, que são todos machos e, portanto, ape-

nas têm glândulas de leite rudimentares, que de modo algum lhes destrói a linha on- dulada dos corpos, trazem-nas à mostra. Qual é, portanto, a razão da minha atração por Lisbeth? Provém, com certeza, da necessidade que tenho de sua companhia. Creio que ela me compreende como não o faz nenhum membro de minha espécie. Daí eu ficar mais feliz em sua companhia do que longe dela. Essa impressão data do nosso pri- meiro encontro. Lisbeth, que é especialista em relações humano-cetáceas, chegou quatro meses atrás a St. Croix, e fui solicitado a levar meu grupo de manutenção

para a superfície para lhe ser apresentado. Saltei bem alto para vê-la bem, e instan- taneamente percebi que ela era de melhor qualidade que os humanos que já conhe- cia; seu corpo era mais delicado, a um tempo frágil e vigoroso, e a sua graciosidade era uma bem-vinda mudança na grosseira deselegância dos machos humanos que eu conhecia. Não estava recoberta com os ásperos pelos corporais que minha espécie considera tão desagradáveis. (Eu não sabia que a diferença entre Lisbeth e os outros da Estação residia no fato de ela ser fêmea. Nunca antes vira uma fêmea humana, porém logo aprendi a diferença.) Fui para a frente, estabeleci contato com o transmissor acústico e disse:

- Sou o capataz mantenedor da tomada das águas. Minha designação de unidade estrutural é TT-66.

- Não tem nome? - perguntou ela.

- Que quer dizer “nome”?

mas não apenas TT-66. Só isso não

adianta. Por exemplo, meu nome é Lisbeth Calkins. E eu

olhou para o superintendente da empresa. - Esses trabalhadores não têm nome? O superintendente não via por que os golfinhos deviam ter um nome. Lisbeth ha- via muito se preocupava com isso e, como agora estava encarregada da ligação co- nosco, imediatamente nos foi dando nomes. Assim, eu fui chamado de Ismael. Era o nome, contou-me ela, de um homem que saíra para o mar, tivera muitas experiên- cias maravilhosas e a todas anotou numa bobina de histórias, tocada por toda pes-

soa culta. Desde então tive acesso à história de Ismael - o outro Ismael - e concordo em que a mesma é extraordinária. Para um ser humano, ele possuía uma penetração incomum nos costumes das baleias, que entretanto são criaturas estúpidas, pelas quais nutro pouco respeito. Mas orgulho-me de carregar comigo o nome de Ismael. Depois que ela deu nome a cada um de nós, saltou no mar e pôs-se a nadar co- nosco. Devo dizer que os golfinhos, quase todos eles, sentem uma espécie de des- prezo para com vocês, humanos, pobres nadadores que são. Talvez seja devido à mi- nha inteligência acima do normal ou a uma compaixão maior o fato de eu não me sentir assim. Admiro-os pelo zelo e energia que emprestam à natação, e vocês na- dam muito bem, considerando todas as suas desvantagens. E segundo lembro à mi- nha espécie, vocês conseguem nadar com muito maior desembaraço do que nós conseguiríamos andar em terra. Seja como for, Lisbeth nadava bem, segundo pa- drões humanos, e nós tolerantemente ajustávamos o nosso ritmo ao dela. Brincamos na água algum tempo. Depois ela agarrou minha barbatana dorsal e disse:

- Sacudiu a cabeça e

- A sua designação de unidade estrutural

- Leve-me a um passeio, Ismael!

Agora tremo quando me lembro do contato de seu corpo com o meu. Ela caval- gou-me, suas pernas me apertando estreitamente, e lá fui eu com toda a velocidade, voando alto sobre a superfície. Suas risadas revelavam o prazer que sentia enquanto eu me lançava uma e muitas vezes pelo ar. Era uma exibição puramente física, na qual eu não fazia uso da minha extraordinária capacidade mental. Estava apenas

mostrando minha qualidade de golfinho. A reação de Lisbeth era nada menos que

extática. Mesmo quando eu mergulhava, levando-a para uma profundeza tão grande que ela poderia ter receado algum dano por causa da pressão da água, ela continua- va agarrada a mim sem qualquer sinal de alarma. Quando voltávamos à superfície, dava gritos de alegria. Meu primeiro impacto sobre ela foi de pura animalidade. Conhecia suficientemente os seres humanos para interpretar sua expressão ruborizada e exultante quando a trazia de volta à praia. Agora meu desafio consistia em expô-la às minhas superiores qualidades; mostrar-lhe que, mesmo entre golfinhos, eu era incomumente rápido de compreensão, incomumente capaz de entender o universo. Então já a amava Nas semanas que se seguiram mantivemos muitas conversações. Não estarei me gabando se disser que ela logo percebeu como sou extraordinário. Meu vocabulário, já bastante grande quando ela chegou à Estação, aumentou rapidamente com o estí- mulo de sua presença. Aprendia com ela, que me franqueava o acesso a bobinas que golfinho algum teria sonhado em ouvir; desenvolvi percepções no meu ambiente que espantavam a mim próprio. Em pouco tempo atingi o píncaro dos meu dotes. Penso que vocês concordam em que posso me exprimir com mais eloquência do que a maioria dos seres humanos. Confio em que o computador que imprime estas memó- rias não me traia, aqui inserindo uma pontuação inadequada ou errando a grafia cer- ta das palavras cujos sons enuncio. Meu amor por Lisbeth se aprofundou, ficou mais rico. Aprendi pela primeira vez o que era ciúme quando a vi de braço dado passeando na praia com o Dr. Madison, o homem da usina elétrica. Conheci a ira ao ouvir as libidinosas e vulgares observações dos machos humanos à passagem de Lisbeth. Seu fascínio me levou a explorar mui- tos setores de experiência da sua espécie; não me atrevia a falar com ela a esse res- peito, mas, por intermédio do pessoal da base, que às vezes falava comigo, fiquei co- nhecendo alguns aspectos do fenômeno que os humanos chamam de “amor”. Igual- mente obtive informações das palavras vulgares ditas às suas costas por alguns ma- chos; a maioria delas dizia respeito ao seu desejo de se acasalarem com Lisbeth (aparentemente numa base temporária), mas também ouvi descrições altamente fa- voráveis de suas glândulas de leite (por que são os humanos tão agressivamente mamíferos?), até mesmo da região arredondada na parte de trás, logo acima do lu- gar onde seu corpo se divide em dois membros traseiros. Confesso que essa região também me fascina. Parece tão estranho o corpo de alguém dividir-se ao meio desse modo! Nunca declarei explicitamente os meus sentimentos para com Lisbeth. Experimen- tei conduzi-la devagar para a compreensão de que eu a amava. Uma vez desperta para essa consciência, poderíamos começar a planejar alguma espécie de futuro para a nossa vida em comum. Como eu era tolo!

Categoria 3:

A conspiração

Disse uma voz de homem:

- Como diacho você vai subornar um golfinho?

Uma voz diferente, mais profunda, mais culta, respondeu:

- Deixe comigo.

- O que lhe dará? Uma lata de sardinhas?

- Este golfinho é especial, até mesmo peculiar. É um erudito. Podemos conquistá-

lo.

Não sabiam que eu podia ouvi-los. Eu nadava junto à superfície no meu tanque de

descanso, entre dois turnos. Nosso ouvido é aguçado, e eu me encontrava num raio audível. Imediatamente percebi que faltava alguma coisa, porém mantive a minha posição, fingindo nada saber.

- Ismael! - chamou um dos homens. - É você, Ismael?

Subi à superfície e cheguei à beira do tanque. Três homens se encontravam ali. Um deles era um técnico da Estação; os outros dois eu nunca os vira antes, e tinham o corpo coberto dos pés à garganta, o que os denunciava como estranhos ao lugar.

Eu desprezava o técnico, pois ele fora um dos que haviam feito observações vulgares sobre as glândulas de leite de Lisbeth.

O homem disse:

- Olhem-no, senhores. Gasto no vigor dos anos! É uma vítima da exploração hu-

mana! - E virando-se para mim: - Ismael, esses cavalheiros pertencem à Liga de Pre- venção da Crueldade para com as Espécies Inteligentes. Sabe alguma coisa a respei- to?

- Não - respondi.

- Estão tentando pôr um fim à exploração dos golfinhos. Pôr um fim ao uso crimi-

noso, em trabalho escravo, da única espécie verdadeiramente inteligente do planeta. Querem ajudá-lo.

- Não sou escravo. Recebo compensação pelo meu trabalho.

- Sim: um punhado de peixes malcheirosos! - disse o homem enroupado, à esquer-

da do técnico. - Exploram-no, Ismael! confiam-lhe um trabalho perigoso e sujo, e não lhe pagam o que vale.

O seu companheiro disse:

- Isso tem de acabar. Queremos participar ao mundo que a era dos golfinhos es- cravizados está no fim. Ajude-nos, Ismael! Ajude-nos a ajudá-lo!

Não preciso dizer que eu era hostil a tais propósitos. Um golfinho de mente mais li- teral do que a minha ter-lhes-ia dito isso de saída e estragado a trama. Eu, porém, respondi astutamente:

- Que querem que eu faça?

- Obstrua as válvulas! - disse o técnico, rapidamente.

A despeito de mim mesmo, bufei de raiva e de surpresa.

- Trair uma confiança sagrada? Como posso?

- É para seu próprio bem, Ismael. Você e sua equipe taparão as válvulas e as ins-

talações de água deixarão de funcionar. Toda a ilha entrará em estado de pânico. As equipes humanas de manutenção irão verificar o que há; mas, assim que elas limpa- rem as válvulas, vocês tornarão a obstruí-las. Nessa emergência, serão necessários novos suprimentos de água para a ilha de St. Croix. Isso chamará a atenção do pú-

um trabalho

pesado de golfinhos pagos com salários de fome! Durante a crise apareceremos para contar sua história ao mundo. Faremos todos os seres humanos gritarem desespera- dos contra o modo como vocês são tratados. Eu não lhes disse que estava desesperado, mas respondi inteligentemente:

blico para o fato de que esta ilha depende do trabalho dos golfinhos

- Posso correr perigos nessa empreitada.

- Bobagem!

- Irão me perguntar por que não limpei as válvulas. A responsabilidade é minha. Haverá perturbações. Discutimos o caso por algum tempo. Depois o técnico disse:

- Escute, Ismael, sabemos que há riscos. Mas estamos prontos a oferecer paga-

mento extra se você se encarregar do assunto.

- Que pagamento?

- Bobinas. Tudo quanto você gostaria de ouvir, lhe arranjaremos. Sabemos dos

seus interesses literários. Dramas, poesia, novelas, coisas dessa espécie. Fornecer- lhe-emos literatura aos litros se nos ajudar. Tive de admirar a sua habilidade. Eles sabiam a melhor maneira de me estimular.

- Combinado - disse eu.

- Agora diga do que gosta.

- Gosto de tudo sobre o amor.

- Amor?

- Amor. Homem e mulher. Tragam-me poemas de amor. Tragam-me histórias de

amantes famosos. Tragam-me descrições do amplexo sexual. Quero entender dessas coisas.

- Ele quer o Kama Sutra - disse o da esquerda.

- Pois lhe traremos o Kama Sutra - disse o da direita.

Categoria 4:

Minha resposta aos criminosos

Na verdade não me trouxeram o Kama Sutra, mas me trouxeram muitas coisas boas, inclusive uma bobina feita, toda ela, com citações do Kama Sutra. Por muitas semanas me apliquei intensivamente ao estudo da literatura humana de amor. Havia no texto hiatos enlouquecedores, e eu ainda careço de uma verdadeira compreensão no tocante a muita coisa que se passa entre homem e mulher. A conjunção de um corpo a outro corpo não me intriga; mas sinto-me desorientado com a dialética da caçada, na qual o homem tem de ser predatório, e a mulher tem de fingir que não está no cio; fico mistificado diante da moralidade do acasalamento temporário em contraposição ao acasalamento permanente (“casamento”); não consigo entender o intrincado sistema de tabus e proibições que os humanos inventaram. Foi essa a mi- nha única falha intelectual; no fim de meus estudos sabia apenas um pouco mais de como me portar com Lisbeth; um pouco mais do que sabia antes de os conspiradores começarem a me passar bobinas em segredo. Agora me chamavam para que eu executasse a minha parte. Naturalmente, eu não podia trair a Estação. Sabia que esses homens não eram os

inimigos esclarecidos da exploração dos golfinhos, segundo protestavam; por alguma razão particular, queriam que a Estação se fechasse, eis tudo, e tinham utilizado suas pseudo-simpatias para com a minha espécie para lograr a minha cooperação. Mas eu não me sentia explorado. Teria sido impróprio eu aceitar suas bobinas se não tinha intenção de ajudá-los? Duvido. Queriam usar-me; mas, ao contrário, fui eu que os usei. Às vezes uma espé- cie tem de usar a inferior para obter conhecimento. Aproximaram-se de mim e me pediram para obstruir as válvulas naquela noite.

- Não sei ao certo - respondi - o que vocês querem que eu faça. Querem dar-me

instruções? Eu ligara astutamente um dispositivo de gravação usado por Lisbeth em suas aulas para os golfinhos da Estação. Os humanos tornaram a falar-me que a obstrução das válvulas mergulharia a ilha em estado de pânico, assim lançando um raio de luz na exploração dos golfinhos. Fiz-lhes repetidas perguntas, para obter detalhes, dando a

cada homem a oportunidade de gravar sua própria voz. Quando obtive uma incrimi-

nação adequada, disse a eles:

- Muito bem. Quando chegar o meu turno, farei o que dizem.

- E o resto de seu esquadrão de manutenção?

- Dir-lhes-ei que deixem as válvulas sem assistência no interesse de nossa espécie. Eles saíram da Estação parecendo muito satisfeitos consigo mesmos. Depois que

se foram, toquei o botão que chamava Lisbeth. Ela veio rapidamente da sua residên- cia e eu lhe exibi a bobina do gravador.

- Toque-a - disse eu com imponência. - Depois avise a polícia da ilha!

Categoria 5:

A recompensa pelo heroísmo

Fizeram-se prisões. Os três homens não se preocupavam absolutamente com a ex- ploração dos golfinhos. Eram membros de um grupo subversivo (“revolucionário”)

que tentavam iludir um golfinho ingênuo, levando-o a ajudá-los a criar um caos na ilha. Mas pela minha lealdade, coragem e inteligência eu os havia frustrado. Mais tarde Lisbeth se aproximou do meu tanque de repouso e disse:

- Você foi maravilhoso, Ismael. Enganá-los todo o tempo, levá-los a gravar sua própria confissão - maravilhoso! Você é a maravilha dos golfinhos, Ismael! Fiquei transportado de alegria. Chegara o momento, e eu deixei escapar:

- Lisbeth, amo-a.

Minhas palavras, irrompendo dos alto-falantes, reboaram pelas paredes do tanque. Os ecos ampliaram-nas e as modularam em grotescos latidos, mais dignos da debili- “

dade mental de uma foca. “Amo-a

amo-a

amo-a

- Ora, Ismael!

- Não sei dizer quanto a senhora significa para mim. Venha morar comigo, seja mi-

nha amada. Lisbeth, Lisbeth, Lisbeth! Torrentes de poesia irromperam de mim. Furacões de apaixonada retórica saíram- me do bico. Supliquei-lhe descesse ao tanque e me deixasse abraçá-la. Ela respon- deu que não estava vestida para nadar. Era verdade: acabava de chegar da cidade depois de presenciar as prisões. Implorei. Roguei. Ela cedeu. Ficamos sós. Ela se despiu e entrou no tanque; por um instante contemplei sua beleza nua. Fiquei abala- do - aquelas feias e balouçantes glândulas de leite, normalmente escondidas com

tanta prudência, as tiras da branca pele doentia que o sol não lograra alcançar, aque-

- mas, uma vez na água, esqueci as

le inesperado triângulo de cabelos adicionais

imperfeições de minha amada e atirei-me a ela. “Amor!”, gritei. “Meu bendito amor!”

Pensando no amplexo humano, envolvi-a em minhas barbatanas. “Lisbeth! Lisbeth!” Deslizamos para baixo da superfície. Pela primeira vez na vida soube o que era verdadeira paixão, aquela que os poetas cantam e que subjuga até a mente mais fria. Esmaguei-a contra mim. Senti as pon- tas dos seus membros superiores (“punhos”) batendo contra a minha região peitoral, e primeiro o interpretei como um sinal de paixão correspondida; só depois percebi

que talvez lhe faltasse ar. Subi rápido para a superfície Minha querida Lisbeth, engas- gada e ofegante, aspirava o ar com força tentando libertar-se de mim. Chocado, lar- guei-a. Ela saiu do tanque e se deixou cair à sua beira, exausta, o pálido corpo todo trêmulo.

- Perdoe-me - estrondejei. - Amo-a, Lisbeth! Por seu amor salvei a Estação Gerard- Worzel. Ela conseguiu mexer os lábios em sinal de que não estava zangada comigo (um

“sorriso”), e disse com voz fraca:

- Você quase me afogou, Ismael!

- Deixei-me levar pela emoção. Volte para o tanque. Serei mais dócil, prometo! Sentir você perto de mim

- Ó Ismael, que está dizendo?

- Amo-a! Amo-a!

Ouvi passos. O homem da usina, Dr. Madison, se aproximava. Lisbeth depressa pôs

as mãos em concha sobre as glândulas de leite e puxou sobre a parte inferior do cor- po as roupas que despira. Isso me magoou, pois esconder dele aquelas coisas, aque- las partes feias do seu corpo, não era isso um sinal de que o amava?

- Você está bem, Lisbeth? - perguntou ele. - Ouvi gritar

- Não é nada, Jef. Foi apenas Ismael. Pôs-se a me abraçar dentro do tanque. Está apaixonado por mim, Jef; você pode imaginar? Apaixonado por mim! E ambos riram ante a loucura do golfinho que o amor ferira

Antes de a madrugada nascer saí para o mar. Nadei onde nadam os golfinhos, lon- ge do homem e suas coisas. A risada sarcástica de Lisbeth vibrava em mim. Não pre- tendia ser cruel. Ela, que me conhece melhor que ninguém, não pudera deixar de rir diante do meu disparate. Tratando de minhas feridas, fiquei muitos dias no mar, negligenciando meus deve- res na Estação. Lentamente, à medida que a dor cedia lugar a um sofrimento surdo, regressei à ilha. De passagem encontrei uma fêmea de minha própria espécie. Entra- ra em cio e se me ofereceu, mas eu lhe disse que me acompanhasse, o que ela fez. Muitas vezes tive de afastar outros machos que desejavam usá-la. Levei-a para a Es- tação - para a lagoa que os golfinhos usam para esportes. Um membro da equipe ali veio investigar - chamava-se Mordred - e eu lhe pedi que chamasse Lisbeth para lhe dizer que eu regressara. Lisbeth apareceu na praia. Abanou a mão para mim, sorriu, chamou meu nome. Diante dos olhos dela brinquei com o golfinho fêmea. Dançamos a dança do acasa- lamento; rompemos a superfície e chicoteamo-la com nossas barbatanas; saltamos, elevamo-nos no ar, rugimos Lisbeth nos olhava. E eu rezava: que ela fique com ciúmes. Agarrei minha companheira, arrastei-a para as profundezas e a possuí violenta- mente; depois deixei-a livre para ir ter meu filho em qualquer outro lugar.

Tornei a encontrar Mordred:

- Diga a Lisbeth - instruí-o - que encontrei outro amor, mas que algum dia poderei perdoá-la. Mordred lançou-me um olhar vidrado e nadou para a praia. Minha tática falhou. Lisbeth mandou recado dizendo que seria bom eu voltar para

o trabalho, e que ela sentia muito se me ofendera; mas no seu recado não havia o

Voltei a limpar

as válvulas das tomadas de água! “Lisbeth! Pode você sentir a minha dor?”

menor sinal de ciúme. A alma dentro de mim se tornara alga podre

Esta noite, no escuro, contei minha história. Vocês que a escutam, sejam quem fo- rem, ajudem um organismo solitário, mamífero e aquático, que deseja um contato mais íntimo com uma fêmea de espécie diferente. Digam-lhe bem de mim. Gabem a minha inteligência, a minha lealdade, a minha dedicação. Digam-lhe que lhe dou mais uma oportunidade. Ofereço-lhe uma experiência única e excitante. Espero-a, amanhã à noite, à beira do recife. Que ela nade até mim. Que ela abrace este pobre

Ismael solitário. Que me diga palavras de amor

“Das profundezas de minh’alma

das profundezas

Lisbeth, este animal infeliz

lhe dá boa-noite, em roncos do mais profundo amor.”

Viagem de Ida sem Volta

Entre as reconfortantes paredes da matriz da Importação Terra, em Kollidor, o Co- mandante Leon Warshow mexia nervosamente nos relatórios psíquicos de sua escri- vaninha brilhante como espelho. O Comandante Warshow pensava no astronauta Mat Falk e em si próprio. O Comandante Warshow estava a pique de reagir de modo bastante previsível.

Uma hora antes, o lugar-tenente do pessoal, de nome Krisch, lhe contara a história de Falk, e agora Warshow fazia a única coisa que dele se esperava: aguardava o ra- paz, que mandara chamar, após uma rápida conferência com Cullinan, o melancólico oficial psíquico do Magyar. Um ordenança tocou e disse:

- O astronauta Falk deseja vê-lo, senhor.

- Faça-o esperar alguns minutos - disse Warshow, falando demasiado depressa. -

Eu o chamarei. Era uma demora tática Espantado por estar, ele, um oficial, tão tenso antes da en-

trevista com um recruta, Warshow folheou o feixe de relatórios referentes a Mat Falk.

feri-

do a caminho de Kollidor. Havia, apensos, circunstanciados relatórios médicos sobre o ferimento de Falk,

acrescentados ao OK do Dr. Sigstrom. Havia, igualmente, um mapa disciplinar, muito favorável, e uma linha quebrada de indicação psíquica, boa. Warshow apertou a campainha.

“Órfão, 2543

Academia

dois anos em serviço comercial, contrato militar

-

Mande Falk entrar - disse.

O

raio fotostático estalou e a porta se abriu. Mat Falk entrou e encarou petrificado

seu comandante; Warshow olhou-o atentamente, examinando o jovem como se nun-

ca antes o tivesse visto. Falk tinha vinte e seis anos, era muito alto e muito louro, com ombros largos e musculosos, e percucientes olhos azuis. A cicatriz que atraves- sava a sua face esquerda era quase invisível, porém nem mesmo uma incubação qui- mioterápica pudera restaurar a lisura uniforme de sua mandíbula. O rosto de Falk pa- recia singularmente assimétrico; a mandíbula direita subia lindamente até o côndilo, enquanto a esquerda ainda mostrava vestígios invisíveis porém definitivos do terrível acidente náutico que lhe sucedera.

- Quer falar comigo, comandante?

- Amanhã partiremos de Kollidor, Mat - disse Warshow tranquilamente. - O Lugar-

Tenente Krisch me contou que você não voltou para empacotar suas coisas; por quê?

A

mandíbula avariada e reconstruída estremeceu ligeiramente.

-

O senhor sabe, comandante: não vou voltar à Terra. Vou ficar aqui

com Theto-

na.

Fez-se um gelado silêncio. Depois, com uma crueldade calculada, Warshow disse:

- Está realmente obsedado por aquela cara chata, hein?

- Talvez - murmurou Falk. - Aquela cara chata; aquela cara pateta

E daí?

Sua voz tranquila era um amargo desafio. Warshow ficou tenso. Tentava fazer a coisa com delicadeza, sem infligir uma ofen- sa psico-pessoal ao jovem Falk. Deixar para trás um tripulante psicótico num mundo estranho era impossível - mas tirar Falk à força da teia envolvente de associações

que o ligavam a Kollidor seria deixar cicatrizes, não apenas no tripulante, mas tam- bém no capitão. Transpirando, Warshow disse:

- Você é um terráqueo, Mat. Não quer

- Se quero voltar para casa? Não.

O comandante esboçou um débil sorriso.

- Parece decidido, filho.

- Estou - disse Falk com voz abafada. - O senhor sabe por que desejo ficar. Pois vou ficar. Agora posso ir? Warshow tamborilou com os dedos no tampo da escrivaninha, hesitou um instante, sacudiu a cabeça

- Permissão concedida, Mr. Falk.

Não havia vantagem em prolongar aquilo que, agora via, fora uma entrevista ba- nal, predeterminada. Esperou alguns minutos depois que Falk saiu. A seguir ligou o comunicador:

- Mande-me o Major Cullinan, por favor.

O assessor psíquico de olho de vidro apareceu quase instantaneamente.

- Pois não?

- O rapaz fica - disse Warshow. - Fixação mental completa. Vá adiante Cullinan encolheu os ombros.

- Pode ser que tenhamos de deixá-lo aqui, eis tudo. Conhece a moça?

destrua-a.

- Kollidoriana. Estrangeira. Feia como o pecado. Vi o retrato, que ele conservava no seu beliche até que se mudou. Mas não podemos deixá-lo aqui, major. Ironicamente, Cullinan levantou uma cerrada sobrancelha.

mas não adianta. Não adianta,

sem que o mutilemos. Warshow assobiou aereamente, evitando o severo olhar do assessor psíquico.

- Podemos tentar a volta de Falk, se você insiste

- Insisto - disse afinal. - Não há alternativa E agarrou o comunicador.

- Lugar-Tenente Krisch, por favor. - Uma breve pausa, e depois: - Krisch, Warshow.

Diga aos homens que a partida foi adiada por quatro dias. Que Molhaus redefina as órbitas. Sim: quatro dias. Quatro. Warshow pendurou o comunicador, fitou o dossiê de Falk empilhado na escrivani- nha e riu-se ironicamente.

Cullinan, o oficial psíquico, abanou a cabeça tristemente, esfregando a crescente calvície.

- É uma solução drástica, Leon.

- Bem sei. Mas não vou deixar Falk para trás. Warshow levantou-se, olhou cons- trangido para Cullinan e acrescentou:

- Quer ir comigo? Vou para a cidade de Kollidor.

- Fazer o quê?

- Quero falar com a moça - disse Warshow.

Mais tarde, na teia loucamente contorcida de ruas ao acaso que era a cidade es- trangeira, Warshow começou a desejar ter obrigado Cullinan a acompanhá-lo. Ao abrir caminho por entre enxames de kollidorianos plácidos, feios, largos de cara, la-

mentou estar sozinho. Que faria, pensava, quando finalmente chegasse ao apartamento onde a moça kol- lidoriana e Falk moravam? Warshow não estava habituado a lidar com relações inter- pessoais dessa espécie. Não sabia o que dizer à moça. Mas pensava poder tratar com Falk. “A relação de um comandante com seu tripulante é uma relação de pai para filho”, dizia o livro. Warshow arreganhou conscientemente uma risada. Justamente agora não se sentia muito paternal; era, de preferência, um severo mentor. Continuou andando. A cidade de Kollidor se espraiava à sua frente como um ema- ranhado novelo de lã se desenrolando em cinco direções ao mesmo tempo; parecia que suas ruas haviam sido assentadas quase a esmo. Mas Warshow conhecia bem a

cidade. Esse era o terceiro giro de inspeção no setor de Kollidor: por três vezes trou- xera para ali um carregamento da Terra, por três vezes ali aguardara que sua nave fosse carregada de mercadorias kollidorianas para exportação. Lá em cima, o distante sol branco-azulado ardia brilhantemente. Kollidor era o dé- cimo terceiro planeta de seu sistema; e Kollidor girava num enorme arco, aproxima- damente a quatro bilhões de milhas do seu centro. Warshow fungou; isso o fez lembrar-se de que chegara a hora de tomar sua regu- lar injeção anti-pólen Já se protegera perfeitamente, bem como toda a tripulação, contra a maior parte das formas de doenças estrangeiras que provavelmente pode- riam afetá-lo na viagem. “Mas como proteger alguém como Falk?”, perguntou Warshow sombriamente a si mesmo. Não havia respostas fáceis para isso. Ordinariamente, não pareciam neces- sárias vacinas contra uma paixão despertada por bovinas mulheres estrangeiras, mas

- Boa tarde, Comandante Warshow - disse de repente uma voz seca.

Warshow olhou à volta, surpreso e aborrecido. O homem que se encontrava atrás dele era alto, magro, tinha molares nodosos avançando grotescamente sob a pele apergaminhada, de um branco-giz. Warshow reconheceu o padrão genético, e o ho-

mem. Tratava-se de Domnik Kross, negociante da antiga colônia terráquea de Rigel

IX.

- Olá, Kross - disse Warshow, taciturno, fazendo alto para que o outro se aproxi- masse dele.

- O que o traz à cidade, comandante? Pensei que estivesse fazendo as malas para

regressar.

- Adiamos a volta quatro dias - disse Warshow.

- Oh, tem aí alguma mercadoria que valha a pena? Não que eu queira

- Esqueça isso, Kross. - E a voz de Warshow se mostrava cansada. - Não faremos

mais negócios nesta temporada. O campo está livre. Agora deixe-me sozinho, sim? E apressou o passo; mas o rigeliano, sorrindo sombriamente, acompanhou-o.

- Parece perturbado, comandante.

Warshow fitou o outro impacientemente, desejoso de desabafar na companhia do

rigeliano.

- Estou numa missão da mais alta segurança, Kross. Vai insistir em me acompa- nhar? Os lábios se abriram manhosamente num frio arreganho.

- De modo algum, Comandante Warshow. Simplesmente quis ser delicado e acom-

panhá-lo uma parte do caminho para barganhar notícias. Ao fim e ao cabo, se vai partir nestes quatro dias, já não seremos mais rivais, e

- Exatamente - disse Warshow.

- Que história é essa de um de seus tripulantes ter ido morar com uma mulher na- tiva? - perguntou Kross subitamente. Warshow rodopiou nos calcanhares e encarou-o atentamente.

- Não é nada. - E Warshow rangeu os dentes. - Está ouvindo? Não é nada!

Kross riu para dentro, e Warshow viu que decididamente havia perdido um tento

na rivalidade mortalmente fria entre os terráqueos e os rigelianos, entre o homem e o filho do homem. Uma derivação genética era responsável pelos Domnik Kross - um bocadinho de cromossomos derivando para um planeta colonizado, uma débil tintura de miscigenação em dez gerações e uma nova subespécie aparecendo: estranha su- bespécie que tinha pouco amor por seus progenitores. Alcançara um complicado cruzamento de rua, e o comandante impulsivamente vi- rou à esquerda. Muito satisfeito, percebeu que Kross não o seguia.

- Até o ano que vem! - disse o rigeliano.

Warshow respondeu com um ronco cauteloso e continuou descendo a rua imunda, feliz por haver se livrado tão depressa de Kross. Os rigelianos, pensava, eram maus fregueses. Viviam com ciúme do planeta-mãe e seus povos, sempre ansiosos em vencer um terráqueo num negócio lucrativo numa terra como Kollidor. “Devido a Kross é que estou indo para o lugar aonde vou”, refletia Warshow. A pressão por parte dos rigelianos forçava os terráqueos a manterem as aparências em toda a galáxia. O fardo do homem terráqueo era esse, dizia-se comumente. Deixar para trás um desertor em Kollidor poria em perigo o prestigio da Terra aos olhos de todo o universo - e os astutos rigelianos tudo fariam para que o universo inteiro o soubesse. Warshow sentia-se encurralado. Enquanto se aproximava do apartamento de Falk, fios de um suor pegajoso lhe escorriam pelas costas abaixo

- Sim, por favor?

Warshow estava à porta, um pouco amedrontado pela vista e pelo cheiro. Uma mulher kollidoriana o encarava francamente. “Deus meu”, pensou, ele, “certamente não é nenhuma beleza.”

- Sou

o Comandante Warshow - disse. - Do Magyar, nave de Mat. Posso entrar?

A boca de esfincter se enrugou no que Warshow supôs que devia ser um gracioso sorriso.

- Naturalmente, esperava que viesse. Mat fala muito em você.

Ela recuou para dentro e Warshow entrou. O ranço malcheiroso da kollidoriana in-

vadiu-lhe as narinas. Era um apartamento de duas salas; além da sala em que esta- vam, Warshow viu outra, um pouco maior e mais em desordem, com apetrechos de

e outra na da

frente. Camas de solteiro. Ele franziu o sobrolho e voltou-se para a moça. Ela era quase tão alta quanto ele, e muito mais encorpada. Sua pele morena era

suja e grossa, mais parecia couro do que pele. Seu rosto era largo e feio, com dois olhos estagnados à for da pele, o nariz uma bolha grotesca, e uma boca composta, rodeada de muitas rugas. Trazia um camisolão preto que lhe descia até os calcanha- res. Por tudo quanto Warshow sabia, ela podia ser expoente da beleza kollidoriana - mas não era provável que seus encantos lograssem despertar muito desejo num ter- ráqueo normal.

cozinha. Para sua surpresa, viu uma cama desfeita na outra sala

- Você é Thetona. Certo?

- Sim, Comandante Warshow. - A voz era monótona, sem inflexões.

- Posso sentar-me? - perguntou ele.

Ele esgrimia cautelosamente, contornando a situação sem enfrentá-la. Sentou-se

com certa imponência e cruzou as pernas impertinentemente. A moça olhava-o com um olhar vacum, mas permaneceu de pé. Seguiu-se um silêncio difícil: depois a moça disse:

- Quer que Mat volte para casa com você, não é?

Warshow enrubesceu e apertou raivosamente os maxilares.

- Sim. Nossa nave partirá dentro de quatro dias. Vim buscá-lo.

- Ele não está aqui - disse ela.

- Já sei: está na base. Mas logo voltará.

- Fez-lhe algum mal? - perguntou ela, subitamente apreensiva. Ele abanou a cabeça.

- Mat está bem.

Após um instante, Warshow olhou-a atentamente e disse:

- Ele a ama, não é?

- Sim. - Mas a resposta pareceu hesitante.

- E você também o ama?

- Oh, sim - disse Thetona fervorosamente. - Certamente que sim. Warshow umedeceu os lábios. A coisa ia ser difícil.

- Diga-me como foi que se apaixonou. Estou curioso.

Ela sorriu. Pelo menos, ele supôs que aquilo fosse um sorriso.

- Conheci-o dois dias depois que vocês, os terráqueos, chegaram de visita. Eu an- dava na rua, e o vi. Estava sentado à margem da rua, chorando.

- O quê?

Seus olhos à flor do rosto pareceram marejar-se.

- Estava soluçando e sozinho. Era a primeira vez que eu via um terráqueo como

aquele, isto é, um homem chorando. Tive muita pena. Aproximei-me para lhe falar. Ele parecia um menininho perdido. Warshow ergueu os olhos, atônito, e contemplou o plácido rosto da estrangeira

com total ceticismo. Nos dez anos em que lidava com kollidorianos jamais se aproxi- mara muito deles; deixara os contatos pessoais principalmente para outros. Mas “

“Com a breca, a moça é quase humana. Quase

- Ele estava doente? - perguntou Warshow com voz ríspida. - Por que chorava?

- Sentia-se solitário - disse Thetona serenamente. - Tinha medo. Tinha medo de

mim, de você, de todo mundo. Depois ele pediu que eu o levasse para minha casa.

Moro sozinha. Ele me acompanhou. Depois disso, faz três dias que se encontra aqui.

- E pretende ficar permanentemente? - perguntou Warshow.

A cabeça grande acenou afirmativamente

- Queremo-nos muito. Ele está sozinho. Precisa de alguém que

- Isso basta - disse repentinamente a voz de Falk.

Warshow deu meia-volta: Falk estava de pé na soleira, o rosto desolado e carran-

cudo. A cicatriz da face se diria inflamada, conquanto Warshow soubesse que isso era impossível.

- Que faz aqui? - perguntou Falk.

- Vim visitar Thetona - respondeu Warshow docemente. - Não pensei que você vol- tasse tão depressa.

- Sei que não. Saí quando Cullinan começou a bisbilhotar. Agora saia!

- Está falando com um oficial superior - lembrou-lhe Warshow. - Se eu

- Há dez minutos me demiti - lançou Falk. - Você já não é meu superior. Saia!

Warshow endureceu-se. Olhou suplicante para a moça estranha, que pôs a sua grosseira mão de cinco dedos no ombro de Falk e deu-lhe uma pancadinha no braço.

Falk se esquivou.

- E então? Sai ou não? Thetona e eu queremos ficar sós.

- Por favor, vá-se embora, Comandante Warshow - disse a moça suavemente. - Não o deixe nervoso.

- Nervoso? Quem está nervoso? - rugiu Falk. - Eu

Warshow permaneceu impassível, calculando e analisando, ignorando no momento o que acontecia.

Falk tinha de ser levado de volta à nave para tratamento. Não havia outra alterna- tiva Essas estranhas relações com a kollidoriana tinham de ser rompidas. Levantou-se e pediu silêncio com a mão.

- Mr. Falk, deixe-me falar.

- Comece. Fale depressa, pois em dois minutos tirá-lo-ei daqui à força.

- Não preciso de dois minutos - disse Warshow. - Quero simplesmente informar-lhe

que está preso e que lhe ordeno voltar à base imediatamente, sob minha custódia. Se se recusar, será necessário Não terminou a sentença. Os olhos de Falk lampejaram raivosamente, e ele cruzou

a sala em três rápidos saltos. Avultando sobre Warshow, que era muito menor, agar- rou o comandante pelos ombros e sacudiu-o violentamente.

- Saia! - berrou.

Warshow sorriu como quem pede desculpas, recuou um passo e tirou da túnica o seu cassetete. Deu em Falk uma pancada breve e pesada, e o homenzarrão caiu no chão. Warshow o ergueu e o pôs numa cadeira.

Thetona chorava. Grandes gotas de um líquido ambarino lhe escorriam dos olhos e deslizavam comovedoramente por suas faces grosseiras.

- Desculpe - disse Warshow. - Era preciso fazer isso. Era preciso. Era preciso. Era preciso.

Warshow andava pela cabina, os olhos dardejando nervosamente da brilhante filei- ra de rebites do teto às tranquilas paredes cor de cinza, à forma adormecida de Mat

Falk, e, finalmente, ao rosto expectante e carrancudo de Cullinan, o oficial psíquico.

- Quer acordá-lo? - perguntou Cullinan.

- Não. Ainda não. - Warshow continuava a rondar sem descanso, tentando ajustar

seus atos a ele próprio. Passaram-se alguns minutos. Finalmente Cullinan afastou-se do catre onde Falk jazia e segurou o braço de Warshow.

- Leon, diga-me o que o preocupa.

- Não deixe que meu crânio se encolha - lançou Warshow. Depois, humilde, sacu- diu a cabeça. - Não quis dizer isso. Sabe que não.

- Faz duas horas que você o trouxe para bordo - disse Cullinan.

- Não acha que devemos fazer alguma coisa?

- Fazer o quê? - perguntou. - Entregá-lo de novo à estrangeira? Matá-lo? Talvez seja essa a melhor solução. Enfiemo-lo nos conversores, destruamo-lo. Falk mexeu-se.

- Aplique-lhe o raio novamente - disse Warshow com voz cavernosa. - O efeito está passando. Cullinan tornou a usar o raio e Falk derreou-se.

- Não podemos deixá-lo dormir para sempre - disse o assessor psíquico.

- Com efeito, não podemos.

Warshow sabia que o tempo passava; em três dias a partida adiada deveria ocor- rer, e ele não queria arriscar novo adiamento. Mas se deixassem Falk para trás, e se

se espalhasse a notícia de que um terráqueo se encontrava perdido em Kollidor, ou de que todos os terráqueos haviam ficado malucos Para isso não havia resposta.

- Terapia - disse Cullinan tranquilamente.

- Não há tempo para análise - respondeu Warshow imediatamente. - Três dias eis tudo.

- Não me refiro a uma análise completa. Mas se o imobilizarmos com uma droga

inibidora amital-derivativa, filtrarmos a sua hostilidade para conosco e o induzirmos a recordar suas lembranças, talvez possamos descobrir algo que nos ajude. Warshow estremeceu.

- Dragar-lhe o cérebro, hein?

- Chame como quiser - disse o assessor psíquico. - Mas draguemos o que quer que

e aquela

tenha desequilibrado sua cabeça, ou nos destruiremos todos: você, eu moça.

- Acha que podemos descobrir?

- Podemos tentar. Nenhum terráqueo em seu juízo perfeito estabeleceria uma rela-

ção como aquela

trangeira. Se toparmos com a coisa que o empurrou para ela, talvez possamos rom-

per essa fixação, obviamente neurótica, e fazer com que ele regresse voluntariamen- te. A menos que você queira deixá-lo para trás. Proíbo-o absolutamente de levá-lo como está.

- Claro que não faremos isso - concordou Warshow, enxugando o suor da testa, e

ou qualquer espécie de ligação emocional com uma criatura es-

olhou para Falk, que ainda sonhava, presa dos efeitos do raio anestesiante. - Vale a pena uma tentativa. Se acha que dará resultado, continue. Entrego-o em suas mãos.

O assessor psíquico sorriu com surpreendente calor.

- É o único modo. Desencavemos as coisas que lhe aconteceram e mostremo-las a

ele. Isso romperá a casca.

- Espero que sim - disse Warshow. - Está em suas mãos. Desperte-o e faça-o falar. Você sabe o que fazer.

Uma nuvem espessa e pesada de droga pairava na cabina quando Cullinan con-

cluiu os preliminares. Falk mexeu-se e pôs-se a tatear no rumo da consciência. Culli- nan estendeu a Warshow uma seringa ultrassônica de injeção, cheia de um líquido claro e cintilante Assim que Falk pareceu pronto a abrir os olhos, Cullinan inclinou-se sobre ele e co- meçou a falar - tranquilamente, carinhosamente. A carranca de Falk desapareceu e ele se entregou.

- Dê-lhe a droga - murmurou Cullinan.

Warshow tocou hesitantemente com a seringa o braço amorenado de Falk. A serin-

ga ultra-sônica zumbiu brevemente, e o líquido se espalhou como um borrão. War- show administrou três centímetros cúbicos e retirou a agulha. Falk soltou um suave gemido.

-

Levará alguns minutos - disse Cullinan.

O

relógio da parede circulava lentamente. Após algum tempo, as pálpebras pesa-

das de sono de Falk se agitaram. Ele abriu os olhos e ergueu o olhar, sem aparente- mente reconhecer o ambiente onde estava.

- Alô, Mat. Viemos falar com você - disse Cullinan. - Ou antes: queremos que você fale conosco.

- Sim - respondeu Falk.

- Comecemos por sua mãe, sim? Conte-nos o que lembra a seu respeito. Volte ao

passado.

- Minha

mãe? - A pergunta pareceu intrigar Falk, que permaneceu calado alguns

minutos. Em seguida umedeceu os lábios. - O que desejam saber a seu respeito?

- Conte-nos tudo - insistiu Cullinan.

Fez-se uma pausa. Warshow continha a respiração. Finalmente, Falk começou a fa- lar. “Quente. Aconchegado. Abrace-me. Mamãe. Estou só. É noite e estou chorando. Há alfinetes de fralda na perna sobre a qual me deitei, e a noite cheira a frio. Tenho três anos e estou só. Abrace-me, mamãe! Ouço mamãe subir a escada. Moramos numa velha casa com escadas, perto do porto espacial onde passam as grandes naves: vupt! Sinto o cheiro suave de mamãe que me abraça. Mamãe é grande, cor-de-rosa e macia. Papai é cor-de-rosa também, mas não cheira a calor. O tio é a mesma coisa.

‘Ah, ah, filhinho’, diz ela. Agora está no quarto e me abraça apertado. Isso é bom. Estou ficando com sono. Em um ou dois minutos adormecerei. Gosto muito de ma- mãe.”

- É essa a mais antiga recordação que tem de sua-mãe? - perguntou Cullinan.

- Não. Acho que há outra, mais antiga.

“Está escuro, aqui. Escuro e muito quente. Úmido e muito bom. Não estou me me- xendo. Estou sozinho aqui, e não sei onde estou. É como flutuar num oceano. Um grande oceano. O mundo inteiro é um oceano. Aqui é bom, bom de verdade. Não estou chorando.

de toda espécie. Ver-

melho, verde e amarelo-limão, e

Deus meu! Está esfriando! Sufoco! Acho-me suspenso, vou me afogar no ar lá fora! Estou ”

- Isso basta - disse Cullinan depressa. E explicou a Warshow: - É o trauma do nas- cimento. Desagradável. Não era preciso fazê-lo passar por isso novamente. Warshow estremeceu e enxugou a testa.

Agora há fagulhas azuis na negrura que me cerca. Cores

estou me mexendo! Sinto dor e empuxões, e

- Devo continuar? - perguntou Falk.

- Sim, continue.

“Tenho quatro anos e chove, tic-tac, lá fora. Parece que o mundo inteiro ficou cin- zento. Mamãe e papai estão fora, e me encontro novamente sozinho. O tio está lá embaixo. Na verdade não conheço o tio, mas acho que ele se acha todo o tempo aqui. Mamãe e papai saem muito. Ficar sozinho é como chuva fria. E aqui chove mui- to. Estou deitado na minha cama, pensando em mamãe. Quero mamãe. Mamãe to- mou o avião a jato e foi para algum lugar. Quando eu crescer, também quero ir de avião a jato para algum lugar quente e claro, onde não chova. Lá embaixo o telefone toca, tlin-tlin. Dentro de minha cabeça posso ver a tela se iluminando cheia de cores, e tento figurar o rosto de mamãe no meio da tela. Mas não posso. Ouço a voz do tio falando baixo e resmungando. Decidi que não gosto do tio e começo a chorar. O tio está aqui, diz que sou grande demais para chorar. Que não devo mais chorar. Digo-lhe que quero mamãe. O tio faz uma boca feia e eu choro mais alto.

- Silêncio - diz ele. - Silêncio, Mat. Vamos, vamos, Maty.

Ele endireita minhas cobertas, mas eu esperneio e as desarranjo outra vez, pois sei que ele fica agastado com isso. Gosto de agastá-lo porque ele não é mamãe nem pa- pai. Mas desta vez ele parece não se importar. Apenas torna a endireitar as cobertas,

e dá-me pancadinhas na testa. Há suor em suas mãos e ele me aborrece.

- Quero mamãe - torno a dizer.

Ele me olha por muito tempo. Depois diz: - Mamãe não voltará.

- Nunca mais? - pergunto.

- Nunca mais - responde ele.

Não acredito, mas não recomeço a chorar, pois não quero que ele saiba que pode me assustar.

- E papai? - pergunto. - Traga-o aqui!

- Papai também não voltará - diz ele.

- Não acredito. Não gosto de você, tio! Detesto-o!

Ele sacode a cabeça e tosse. - Melhor você aprender a gostar de mim - diz. - Não tem mais ninguém no mundo. Não compreendo o que ele diz, mas não gosto do que ouço. Jogo as cobertas para fora da cama e ele as recolhe. Torno a jogá-las, e ele me bate. Depois se inclina depressa e me beija, mas não cheira como deve e eu recomeço a chorar. A chuva recomeça. Berro que quero mamãe, mas mamãe não vem. Nunca mais virá.” Falk calou-se um momento e cerrou os olhos.

- Ela morreu? - disse Cullinan.

- Morreu - disse Falk. - Ela e papai morreram num acidente de aviação, no regres-

so de uns feriados em Bangkok. Eu tinha então quatro anos. Meu tio me criou. Não nos dávamos muito bem, e quando completei catorze anos ele me pôs na academia.

Aí fiquei quatro anos, fiz dois anos de técnica graduada, depois liguei-me à Importa- ção Terra. Mais dois anos em Denufar, sendo em seguida transferido para a nave Ma-

gyar, do Comandante Warshow, onde

onde

Aí parou abruptamente. Cullinan olhou para Warshow e disse:

- Agora está esquentando. Estamos prontos - procurou uma metáfora - para des-

cobrir terreno aurífero. - E dirigindo-se a Falk: - Conte como foi que conheceu Theto- na. “Estou sozinho, vagueando em Kollidor. É um espraiado de casas cônicas muito en- graçadas e ruas malucas, mas por baixo de tudo posso ver que é justamente igual à Terra. As pessoas são pessoas. São bastante bizarras, mas têm uma cabeça, dois braços e duas pernas, o que as torna mais parecidas com gente do que outros es- trangeiros que vi. Warshow nos deu uma tarde de folga. Não sei por que saí da nave, mas aqui estou na cidade - sozinho. Sozinho! Com a breca: sozinho! As ruas são calçadas, os passeios, não. De repente me senti muito cansado e ton- to. Sentei-me à beira do passeio, pus a cabeça nas mãos. Os estrangeiros só fazem andar em redor de mim, como fariam as pessoas de qualquer cidade grande. ‘Mamãe’, penso. E de repente uma grande solidão sobe do meu interior e se derrama sobre mim - e

fazia muito que não

eu começo a chorar. Não mais chorei

chorava. Mas agora choro - roucos ofegos de catraca e lágrimas rolando pelas faces abaixo, formando fios nos cantos da boca. As lágrimas sabem a sal. Parecem-se um pouco com gotas de chuva. Meu flanco começa a incomodar-me no lugar machucado pelo acidente. Começa perto do ouvido e corre como uma chama azul até a coxa: dói como o diabo. Os mé- dicos disseram que não mais doeria. Mentira. Eu sentia a minha solidão como uma roupa fechada me isolando do resto do mun- do. ‘Mamãe’, tornei a pensar. Uma parte do meu eu dizia: ‘Aja como adulto’, mas essa

desde que

desde que

parte está cada vez mais calada. Continuo a chorar, e desejo, desesperadamente, ter minha mãe perto de mim. Agora percebo que nunca realmente conheci direito minha mãe, exceto há muito tempo atrás. Depois sobrevém um cheiro nauseante e desagradável, e sei que um estrangeiro se aproximou de mim. Vão agarrar-me pela nuca e jogar-me na rua como a qualquer

pinguço de olho lacrimoso

Warshow vai me fazer passar um mau quarto de hora.

- Está chorando, terráqueo - disse uma voz cálida.

A língua kollidoriana é algo quente, líquida, fácil de aprender; essa, porém, soava particularmente cordial. Voltei-me, e lá estava essa grande mulher nativa

- Sim, estou chorando - respondi, e virei-lhe o rosto. Suas grandes mãos me agar- raram e eu tremi um pouco. É uma sensação engraçada a gente ser agarrado por uma estrangeira. Ela sentou-se a meu lado.

- Parece muito triste - disse.

- Estou mesmo - respondi.

- Por quê?

- Você jamais compreenderia - respondi. Viro a cabeça e sinto as lágrimas volta-

rem a correr de meus olhos; aí ela me agarra impulsivamente. Quase chego a vomi- tar com o cheiro dela, mas num par de minutos percebo estranhamente algo doce e gostoso em sua pessoa.

Seu traje lembra um saco de batatas, e cheira forte. Mas ela encosta minha cabeça em seus enormes seios cálidos e assim ficamos.

- Como é seu nome, infeliz terráqueo?

Respondo: - Falk. Mathew Falk.

- O meu é Thetona - diz ela. - Vivo sozinha. E você?

- Não sei - respondo. - Palavra que não sei.

- Mas como pode não saber que é só? - pergunta ela.

Desencosta minha cabeça de seus seios e olhamo-nos nos olhos. Verdadeiramente romântico. Seus olhos são como moedas de cinquenta centavos embaçadas. Fitamo- nos e ela enxuga as lágrimas de meus olhos. Sorri. Acho que é um sorriso. Ela tem cerca de trinta sulcos em círculo debaixo do

nariz, e isso é sua boca. Todos os sulcos se contraem. Atrás deles vejo uns brilhantes dentes agudos. Depois de sua boca torno a fitar-lhe os olhos, e desta vez não me parecem muito embaçados. São brilhantes como os dentes, ternos e profundos. Quente. Seu cheiro é quente. Tudo nela é quente. Recomeço a chorar - convulsivamente, sem saber por quê, sem saber que diacho está me acontecendo. Ela parece palpitar, e eu penso ver uma mulher terráquea ali perto, me embalando. Pisco. Nada há ali, exceto uma feia estrangeira. Mas ela já não é tão feia. É cálida e agradável, de um certo modo estranho, e a minha parte que discorda é muito pequenina e soa fracamente. Ouço-a gritar: ‘Não’; depois para e desaparece. Algo estranho explode dentro de mim. Deixo explodir. Estoura como uma flor - uma rosa, uma violeta, e é o perfume dessas flores o que sinto, não o cheiro dela. Enlaço-a nos braços.

- Quer acompanhar-me à minha casa? - pergunta ela.

- Sim, sim - respondo. - Sim.”

Abruptamente, Falk parou após a vibrante afirmação, e seus olhos vidrados se fe- charam. Cullinan disparou imediatamente o raio, e o corpo retesado do rapaz desa-

bou.

- Então? - perguntou Warshow. Sua voz era seca e ríspida. - Considero-me imundo depois de ouvir isso.

- Não devia - disse o oficial psíquico. - É uma das coisas mais nojentas que já des- cobri. E você não a entende; não é? O comandante abanou lentamente a cabeça.

- Por que ele fez isso? Apaixonou-se por ela Cullinan riu para dentro.

mas, por quê?

- Logo verá. Mas quero um par de outras pessoas aqui quando eu o descobrir. Pri- meiro de tudo, a moça: depois, Sigstrom.

- O médico? Por quê, diacho?

ele terá grande interesse em ouvir o resultado. - E

Cullinan arreganhou um sorriso enigmático - Deixemos Falk descansar, sim? Precisa de um descanso depois de tudo isso.

- Porque

se não me engano

- Eu também preciso - disse Warshow.

Quatro pessoas observavam caladas enquanto Falk entrava pela segunda vez num transe provocado pela droga. Warshow estudava o rosto da estrangeira, Thetona, à espera de algum sinal do calor ao qual Falk aludira. E, com efeito, Warshow o viu:

estava ali. Atrás dela sentava-se Sigstrom, médico-chefe do Magyar. A direita, Culli- nan. E, deitado no catre, no canto da cabina, olhos abertos porém sem ver, jazia Mat Falk.

- Mat, você me ouve? - perguntou Cullinan. - Quero que retroceda um pouco

Agora está a bordo. A época é mais ou menos um mês atrás. Está trabalhando na

Seção de Conversores - você e Dave Murff, ambos lidando com material quente. Está entendendo?

- Sim - disse Falk. - Sei o que quer dizer.

“Estou na Seção de Conversores AA, tirando tório do vinho branco para alimentar os reatores atômicos; a nave precisa continuar andando. Dave Murff está comigo. Formamos uma boa parelha nas pás. Apanhamos os pedaços de matéria quente e os empilhamos à beira do reator. Não é fácil manipular as mãos mecânicas de controle remoto, mas não tenho medo. Esse é meu oficio e sei como exercê-lo. Estou pensando naquele bastardo do Warshow. Nada tenho de particular contra ele, mas o sujeito me aborrece. Engraçado o jeito que ele tem de ficar tenso cada vez que manda alguém fazer alguma coisa. Faz-me lembrar meu tio. Sim, meu tio. É com meu tio que eu queria compará-lo. Não gosto muito de Warshow. Se agora ele chegasse aqui, talvez eu lhe desse

uma pancada com a pá - uma pancada não muito forte, apenas suficiente para fritar- lhe um pouco o couro, para fazê-lo passar um mau quarto de hora.

- Ei - grita Murff. - Volte a pôr em linha a pá número 2.

- Não se aflija - digo eu. - Não é a primeira vez que lido com estes nenês, seu

palerma. Estou bem protegido, mas o ar tem um cheiro engraçado, como se o tório estives- se a ionizá-lo. Penso se haverá algo errado. Balanço a pá número 2 e deixo cair o tório no reator. Acende-se a luz verde, signi- ficando que o golpe deu certo; a matéria quente desaba para dentro do reator, es- murrando os neutrônios como louca. Então Murff dá o sinal e eu mergulho a pá nas pilhas e daí tiro mais matéria quen- te com a pá número 1.

- Ei - torna ele a gritar, e em seguida a pá número 2 se me escapa, a pá vazia

O enorme braço balança no ar, e vejo os dedinhos, de delicadas juntas ósseas de metal que a alguns segundos ainda estavam prendendo um pedaço de material Th 233, vermelho em brasa. Pareciam querer me agarrar. Solto um grito. Meu Deus! Murff também grita e eu perco o controle, enquanto ele

tenta se pôr atrás do painel de controle e agarrar o cabo da pá. Mas estou no cami- nho, tão enregelado que ele não pode fazer nada. Ele se esquiva e se achata no chão, enquanto o enorme braço mecânico se espatifa contra a blindagem. Não posso me mover. Ali fico. Os dedinhos me arranham o lado esquerdo do maxilar e eu grito. Estou em fogo. A mão de metal raspa-me o flanco, mal me tocando, e é como uma navalha em brasa talhando minha carne em fatias.

É tanta dor que mal a sinto. Meus nervos ficam anulados. Não mais conduzirão mensagens a meu cérebro.

E a dor afinal me invade

Socorro! Estou ardendo! Socorro!”

- Pare aí - disse Cullinan rispidamente, e os medonhos gritos de Falk cessaram. - Deixe a dor de lado e continue. Que aconteceu quando acordou? “Vozes. Ouço-as acima de mim enquanto começo a sair da dor que me amortalha- va.

- A radiação queima - diz uma profunda voz dissonante. É o Dr. Sigstrom. Ele diz: - Está horrivelmente queimado, Leon. Acho que não viverá.

- Com a breca - diz outra voz. É o Comandante Warshow. - Ele precisa viver - diz

Warshow. - Ainda não perdi sequer um homem. Vinte anos sem perder ninguém.

- Ele foi assado por aquele braço de controle remoto - diz uma terceira voz. A do

oficial psíquico Cullinan. - Ele perdeu o controle - continua Cullinan. - É muito estra- nho. Sim, penso eu. Muito estranho. Distraí-me apenas um segundo, e aquela pá se di- ria estar viva. Sinto a dor indo para baixo e para cima. Parece faltar-me a metade da cabeça; queimam-me os braços. ‘Onde está o enxofre desse inferno?’, me pergunto. Então fala o Dr. Sigstrom:

- Vamos experimentar um banho nutriente.

- Que é isso? - pergunta Warshow.

- É uma nova técnica - diz o médico. - Incubação quimioterápica. Imersão em solu-

ções de hormônio. Está em uso na Terra, em casos graves de queimaduras por radia- ção. Acho que nunca foi experimentada no espaço, mas deve ser. Ele estará em que- da livre; a gravidade não distingue as coisas.

- Se é para salvá-lo - diz Warshow -, concordo. Então as coisas desapareceram. O tempo passa

uma eternidade no inferno, a

dor ardente me queimando o flanco. Ouço as pessoas falarem de vez em quando, e sinto que me levam de um lugar para outro. Inserem-me tubos para me alimentar. Com metade do corpo frito, com o que parecerei? De repente, um calor frio. Sim, é engraçado. Mas é quente e alimenta, também é frio, banha-me todo e tira as ferroadas de meu corpo. Não tento abrir os olhos, mas sei que estou rodeado de trevas. Estou totalmente imóvel no meio da escuridão, todavia sei que, fora de mim, a nave corre para Kolli- dor, encerrando-me, segurando-me Estou no interior da nave, balançando-me suavemente e em segurança. Estou no

interior de alguma coisa dentro da nave. Rodas dentro de rodas; portas dentro de

portas. Uma charada chinesa comigo dentro. Um líquido macio vem me lamber, insinuando-se nos lugares onde o tecido se rom-

peu e ardeu e a carne formou bolhas. Acariciando cada célula individual, banhando- me o corpo órgão a órgão. Estou sendo consertado. Flutuo sobre um oceano e dentro de um oceano. Meu corpo sara rapidamente. A dor cessa. Não tenho absolutamente consciência da passagem do tempo. Minutos se juntam

Estou sendo embalado numa

a minutos sem deixar suturas, e o tempo flui unido

suavíssima existência sem fim. Felicidade, penso. Segurança. Paz. Gosto daqui.

A meu redor, um glu-glu de fluido. Em torno dele, uma teia estriada de metal. De-

pois, uma nave espacial esferoide, e, à volta dela, o universo. E depois? Não sei nada e não me importa. Aqui estou são e salvo, sem dor nem medo. Escuridão. Escuridão total e perfeita. A escuridão equivale à segurança, à maciez,

ao silêncio

Mas então.

Que estão fazendo? Que está acontecendo? Dardos de luz azul varam a escuridão, e vem em seguida um turbilhão de cores.

Verde, vermelho, amarelo. A luz irrompe e me ofusca. Cheiros, sensações, rumores.

A nave balança. Estou andando.

Não; estão me puxando. Vamos!

Está esfriando, não posso respirar. Afogo-me! Tento resistir, mas eles não consen- tem. continuam a puxar-me, a puxar-me na direção de um mundo de fogo e dor! Luto. Não quero ir. Mas não adianta. Afinal estou fora Olho em torno. Dois vultos confusos acima de mim. Esfrego os olhos e a vista se aclara. Warshow e Sigstrom - são eles! Sigstrom sorri e fala, radiante:

- Bem: foi uma cura maravilhosa!

- Um milagre - diz Warshow. - Um milagre.

mas já estou deitado. Eles continuam falando e eu me po-

nho a chorar de raiva. Mas não há retorno. Tudo acabou. Tudo, tudo acabou. E eu me encontro terrivel- mente só.”

Cambaleio, quero cair

A voz de Falk morreu subitamente. Warshow lutou contra violentos impulsos de

enjoar. Sentia o rosto gelado e pegajoso, e voltou-se para olhar os pálidos rostos de Sigstrom e Cullinan. Atrás deles, sem qualquer expressão, achava-se Thetona. Cullinan rompeu o longo silêncio.

- Leon, você ouviu a primeira parte. Reconheceu o que ele nos contava?

- O trauma do nascimento - disse Warshow inexpressivamente.

- É óbvio - comentou o médico, correndo os dedos firmes na densa gaforinha de

cabelos brancos. - A quimioterapia

- Depois arrancamo-lo de lá - disse Warshow. - Libertamo-lo, e ele continuou a procurar a mãe. Cullinan acenou com a cabeça para Thetona:

foi para ele um ventre. Encerramo-lo no ventre.

- E achou uma.

Warshow umedeceu os lábios.

- Bem, agora temos a resposta. Que faremos?

- Repitamos para ele toda a história em fitas gravadas. Seu intelecto consciente

verá o que é a sua relação com Thetona: o desejo neurótico de um adulto forçado a

um ventre artificial e procurando uma mãe. Mas uma vez tirando isso do seu porão e levando para o sótão, por assim dizer, acredito que ele volte ao normal.

- Mas a nave era sua mãe - disse Warshow. - Era ali que se achava o tanque de in-

cubação

- A nave lançou-o fora. Você era a imagem do tio, não uma mãe substituta. Ele

próprio o disse. Pôs-se a procurar e descobriu Thetona. Demos-lhe as fitas gravadas.

o ventre.

Mais tarde Mat Falk viu os quatro reunidos na cabina. Ouvira a própria voz reme- morando sua vida. Agora sabia. Fez-se um longo silêncio depois da última fita, e Falk falou:

- Tudo, tudo acabado. E estou terrivelmente só.

As palavras se diriam suspensas no aposento. Afinal Falk disse:

- Obrigado. - Sua voz era fria, dura, difícil, inerte.

- Obrigado? - repetiu Warshow sem entusiasmo.

- Obrigado, sim, porque me abriram os olhos; por terem consentido que eu desse uma espiadela por detrás de minhas pálpebras. É isso mesmo: obrigado.

O

rosto do rapaz se mostrava taciturno e amargo.

-

Naturalmente você compreende que foi necessário - disse Cullinan. - Porque

nós

- Sim, sei por quê - respondeu Falk. - E agora posso voltar à Terra com vocês, e suas consciências estão limpas. Olhou para Thetona, que o fitava com uma curiosidade inquieta estampada em

todo o seu largo rosto. Falk estremeceu ligeiramente quando seus olhos se encontra- ram com os da estrangeira. Warshow captou a reação e sacudiu a cabeça: a terapêu- tica fora um sucesso.

- Eu era feliz - disse Falk tranquilamente - até que vocês resolveram levar-me de

volta à Terra em sua companhia. Por isso me fizeram passar por uma tortura, tiraram

de mim todas as psicoses. E

Thetona deu dois pesados passos em sua direção e pousou os braços em seus om- bros.

e

- Não - murmurou ele, libertando-se. - Não vê que está tudo acabado?

- Mat - disse Warshow.

- Não me chame de Mat, capitão! Agora estou fora do ventre, e faço parte da tri-

pulação. - E volvendo uns olhos tristonhos para Warshow: - Thetona e eu tínhamos em comum uma coisa boa e cálida e muito bela, mas você a destruiu. Não posso juntar-lhe os cacos. Bem, capitão, agora estou pronto para voltar à Terra. E sem qualquer outra palavra saiu do aposento a largas passadas.

O rosto cor de cinza, Warshow olhou fixamente para Cullinan e Thetona, e baixou

a vista. Lutara para conservar Mat Falk, e vencera - vencera mesmo? De fato, sim; mas em espírito? Falk nunca lhe perdoaria o que fizera para salvá-lo. Warshow encolheu os ombros, rememorando o livro que dizia: “A relação do co- mandante para com o tripulante é a de pai para filho”.

Não iria permitir que o olhar amargurado de Falk o perturbasse; com efeito, era de esperar a amargura do rapaz. Criança nenhuma realmente perdoa ao pai este lançamento para fora do ventre

- Vamos, Thetona - disse à grandalhona e enigmaticamente carrancuda estrangei- ra. - Venha comigo. Vou levá-la de volta à cidade.

Nascer do Sol em Mercúrio

A nove milhões de milhas de Mercúrio, na direção do Sol, com o Leverrier girando

na série de espirais que o levaria ao menor dos mundos do sistema solar, o astronau-

ta auxiliar Lon Curtis resolveu acabar com a vida.

Estivera recostado numa rede de espuma esperando que se efetuasse a aterrissa- gem; seu ofício na operação estava terminado, pelo menos até que as pernas do Le- verrier tocassem a superfície crestada de Mercúrio. O eficiente sistema de sódio-re-

frigeração neutralizava os esforços do sol opaco visível através da tela de retaguarda. Para Curtis e seus cinco companheiros de tripulação, não havia problemas; tinham apenas de esperar enquanto o auto-piloto fazia a nave descer em Mercúrio, na se- gunda aterrissagem.

O comandante de voo, Henry Ross, estava sentado perto de Curtis, quando notou

o súbito enrijecimento momentâneo dos maxilares do astronauta. Abruptamente,

Curtis alcançou o bocal de controle. Das fiandeiras que tinham fiado a rede de espu- ma saiu uma repentina explosão verde, de fluoro-crina dissolvente: a rede desapare- ceu, Curtis ficou de pé.

- Vai a algum lugar? - perguntou Ross.

A voz de Curtis era ríspida.

- Apenas

Ross voltou a atenção para o seu micro-livro enquanto Curtis se afastava. Ouviu-se

apenas vou dar um passeio.

o

barulho do gancho do anteparo se desenroscando, e Ross sentiu momentaneamen-

te

um arrepio quando o ar mais frio do compartimento do reator super-refrigerado o

atingiu. Apertou um botão e virou a página. Depois

“Que diacho está ele fazendo no compartimento do reator? “

O auto-piloto controlava a fluência do combustível, deixando-o escorrer miligrama

a miligrama, de um jeito impossível a qualquer sistema humano. O reator estava pre- parado para a aterrissagem, o combustível carregado, o compartimento hermetica- mente fechado. Ninguém - muito menos um segundo ajudante - tinha o que fazer ali. Ross dissolveu num instante a rede de espuma, no outro já estava de pé. Atirou-se

pela escotilha abaixo através da porta aberta, do anteparo para a frialdade do com- partimento do reator. Curtis estava de pé junto à porta do conversor, lidando com o desengate de soltu- ra. Aproximando-se, Curtis viu o astronauta abrir a porta e pôr um dos pés na rampa que descia para a pilha nuclear.

- Curtis, seu idiota! Saia daí! Vai nos matar!

O astronauta voltou-se, olhou impassível para Ross e levantou o outro pé. Ross saltou. Agarrou nas mãos o pé calçado de Curtis, e, a despeito de uma barragem de pon- tapés do pé livre, conseguiu arrastar Curtis para fora da rampa. O astronauta dava

safanões e puxava, tentando libertar-se. Ross via tremerem as faces pálidas do ho- mem; Curtis afinal desabou inteiramente. Rosnando, Ross puxou Curtis para fora da hiante boca da rampa e fechou a porta com um estrondo. Levou-o para a parte principal da nave e esbofeteou-o com força.

- Por que fez aquilo? Não sabe o que seu volume faria à nave se caísse no conver-

sor? Sabe que a tomada de combustível já foi calibrada. Cento e oitenta libras extras e cairíamos no Sol. Que há de errado com você, Curtis?

O astronauta fixou um olhar impassível e inexpressivo em Ross.

- Quero morrer - disse simplesmente. - Por que não me deixou?

Queria morrer

Ross encolheu os ombros, sentindo um arrepio de frio correr-lhe

pela espinha. Não havia proteção contra essa doença. Assim como os aqualoucos sob a superfície do mar sofriam de l’ivresse des gran- des profondeurs - a embriaguez das profundezas, - e não se conhecia cura para a es-

tranha embriaguez que os induzia a retirar seus tubos de respiração a cinquenta bra- ças de fundo, assim também os homens do espaço corriam o risco dessa indizível doença, desse inexplicável impulso de autodestruição.

E acontecia em toda parte. Um homem que estivesse consertando um montante

recalcitrante numa roda orbital, podia abruptamente rasgar sua máscara facial e tra- gar o vácuo; um consertador de rádio reparando uma antena na fuselagem de sua nave, podia repentinamente romper seu cabo de segurança, disparar sua pistola di- recional e largar-se no espaço em direção ao Sol. Ou um ajudante de astronauta po- dia resolver lançar-se no conversor

O oficial psíquico Spangler apareceu; trazia no liso rosto cor-de-rosa um ar de pre-

ocupação.

- Alguma coisa errada?

Ross abanou a cabeça.

- É Curtis. Tentou saltar na rampa de combustível. Está com a doença, doutor. Spangler esfregou a face e disse:

- Sempre escolhem a pior hora, diacho! É formidável ter-se a bordo um maluco na corrida a Mercúrio.

- É mesmo - disse Ross, desanimado. - Melhor provocar-lhe uma estase até regres- sarmos. Eu detestaria vê-lo solto, procurando outros modos de se suicidar.

- Por que não me deixam morrer? - perguntou Curtis. Seu rosto estava macilento. - Por que tiveram de atrapalhar?

- Porque, seu lunático, você nos mataria a todos com esse mergulho doido no con-

versor. Se quer morrer, saia pelo ventilador da calota, mas não nos leve junto.

E Spangler fitou-o atentamente.

- Harry

- Tudo bem - disse Ross. - Leve-o.

O oficial psíquico levou Curtis. Aplicaria no astronauta uma injeção tranquilizante e

o aprisionaria numa jaqueta de espuma insolúvel pelo resto da viagem. Havia uma oportunidade de restaurar-lhe a sanidade mental quando voltassem à Terra, porém Ross sabia que Curtis iria em linha reta para o suicídio no justo momento em que o soltasse. Com um rictus irônico, Ross voltou-lhes as costas. Um homem passa a sua infância sonhando com o espaço, passa quatro anos na academia, e mais dois realizando voos simulados. Afinal, quando ocupa o lugar devido, enlouquece. Curtis era uma máquina astronáutica, não um ser humano normal; e acabava justamente de se des-

qualificar permanentemente para o único ofício que sabia exercer.

Ross estremeceu, sentindo um arrepio, a despeito do vulto intumescido do Sol que

até mesmo a ele. Pen-

sou em Curtis deitado numa rede de espuma em algum lugar nos fundos da nave, repetindo amargamente: “Quero morrer”, enquanto o Dr. Spangler lhe murmurava

palavras tranquilizadoras. O ser humano era realmente uma forma frágil de vida.

A morte parecia pairar sobre a nave; a aura sombria do desejo suicida de Curtis

poluía a atmosfera. Ross sacudiu a cabeça e empurrou selvagemente o sinal de preparação para acele- ração. O globo imóvel que era Mercúrio surgiu à frente. Ross localizou-o através da tela de vanguarda. Aproximavam-se do minúsculo planeta. Podia-se ver a nítida divisão de sua face: o

brilho do lado do Sol, o inatingível inferno onde o zinco corria em torrentes, e o ne- grume gelado do lado das trevas, com suas obscuras planícies de CO2 congelado. No coração do planeta corria o Cinturão do Crepúsculo, estreita área sem frio e sem calor, onde o lado do Sol e o lado das trevas uniam-se para formar uma estreita faixa de território um pouco suportável, um anel de mil milhas de circunferência e dez ou vinte milhas de largura.

O Leverrier mergulhou; mergulhou não é a palavra exata, uma vez que no espaço

não existem subidas ou descidas, mas era esse o modo mais simples que Ross tinha

à sua disposição para visualizar a aproximação. Deixou que seus nervos agitados se

acalmassem. A nave estava entregue ao auto-piloto; a órbita fora pré-computada, e as margens análogas da trajetória felizmente seguiam o programa gravado, levando

a nave a pousar exatamente no meio de

Ross esfriou da cabeça aos pés. As gravações pré-computadas tinham sido inseri-

das nas margens análogas - tinham sido preparadas por

Cur-

tis! Um louco suicida havia trabalhado no programa de aterrissagem do Leverrier. As mãos de Ross começaram a tremer. Como teria sido fácil, pensou, para o

enchia a tela à retaguarda. Podia acontecer a qualquer um

Santo Deus!

tinham sido obra de

quase-suicida Curtis, traçar uma órbita que jogasse o Leverrier na torrente fumegan- te de chumbo derretido - ou no gelo mortal do lado das trevas! Foi-se-lhe a falsa segurança. Não devia confiar no piloto automático; deviam se ar- riscar a uma aterrissagem manual. Ross atirou-se ao botão do comunicador.

-

Quero Brainerd - disse com voz rouca.

O

primeiro-astronauta apareceu uns segundos depois, espiando curiosamente para

dentro.

- O que há, capitão?

- Acabamos de confinar o ajudante Curtis na cabina; ele quis saltar para dentro do conversor.

- Ele ?

Ross aquiesceu com um gesto de cabeça.

- Tentou suicidar-se, mas eu o detive a tempo. Mas, à vista das circunstâncias,

acho melhor descartar as gravações que ele preparou e levar a nave a aterrissar ma- nualmente.

O primeiro-astronauta umedeceu os lábios.

- Talvez seja boa ideia

- Com a breca que é! - disse Ross fazendo uma carranca.

Enquanto a nave tocava o solo, Ross ia pensando: “Mercúrio era dois infernos em um só”. Era o frio reino gelado do mais profundo abismo de Dante; era também o domínio de fogo e enxofre que algum outro concebera. Os dois ali se encontravam,

fogo e gelo, cada hemisfério sua própria espécie de inferno. Ross levantou a cabeça e relanceou o olhar ao painel de instrumentos, acima do local de desaceleração. Os quadrantes, conferidos; localização da carga, adequada;

estabilidade cem por cento; temperatura exterior razoável, cento e oito graus Fahre- nheit, indicando uma aterrissagem um tanto na direção do Sol, a partir do centro exato do Cinturão do Crepúsculo. Fora uma boa aterrissagem. Ross lançou uma cha- mada no comunicador:

- Brainerd?

- Tudo bem, capitão!

- Que tal a aterrissagem? Você usou o aparelho manual, não foi?

- Tive de fazê-lo - disse o astronauta. - Conferi rapidamente a gravação de Curtis;

diretamente para o

Sol. Bonito, hein?

- Maravilhoso - disse Ross. - Mas não sejamos muito duros com o rapaz; não foi

por sua culpa que ficou louco. De qualquer forma, foi uma boa aterrissagem. Parece que estamos bem próximos do Cinturão do Crepúsculo, com uma ligeira diferença de uma ou duas milhas. Desligou o contato e desamarrou-se.

- Aqui estamos - anunciou no circuito da nave. - Todos para a frente, de prontidão. Os homens imediatamente se apresentaram - primeiro Brainerd, depois o Dr. Span-

gler, seguido por Krinsky, técnico do acumulador e os três tripulantes. Ross esperou que todos estivessem reunidos. Olhavam curiosamente à volta procurando Curtis, menos Brainerd e Spangler. Ross disse num tom resoluto:

toda amalucada. Raspamos a órbita de Mercúrio e continuamos

- O astronauta Curtis não estará conosco. Encontra-se na ré, na cabina dos loucos;

felizmente podemos passar sem ele nesta viagem. Esperou até que o significado dessa declaração fizesse efeito. “Os homens se ada-

ptaram bem a ela”, pensou Ross, “a julgar pela rapidez com que a expressão de hor- ror se dissipou de seus rostos.”

- Muito bem - continuou. - O programa nos força a despender o máximo de trinta

e duas horas em Mercúrio antes de voltarmos. Brainerd, como combinar isso com a

nossa localização? O astronauta cerrou os supercílios e fez alguns cálculos mentais.

- A posição atual acha-se um pouquinho voltada para a orla ensolarada do Cintu-

rão do Crepúsculo; mas, segundo penso, o Sol não vai ficar tão alto, a ponto de fazer

a temperatura subir muito acima de cento e vinte, pelo menos durante uma semana. Nossas roupas podem facilmente resistir a uma temperatura dessas.

- Está bem. Llewellyn, você e Falbridge rompam os infladores do radar e ergam a

torre para leste o mais que puderem sem perigo de se assarem. Levem o trator, mas

não tirem os olhos do termômetro. Temos somente um traje para calor, e esse é para Krinsky. Llewellyn, um astronauta magro e de olhos fundos, mexia-se, incomodado.

- A que distância para o oriente o senhor sugere?

- O Cinturão do Crepúsculo cobre cerca de um quarto da superfície de Mercúrio -

mas sugiro

que não cubra mais de vinte e cinco milhas, mais ou menos. Daí em diante, começa

a esquentar e o calor a aumentar. Ross voltou-se para Krinsky. O técnico do acumulador era o homem chave da ex- pedição; sua tarefa era examinar os registros no par de acumuladores solares que ti-

nham sido deixados ali pela primeira expedição. Devia medir as tensões mecânicas

disse Ross. - Você tem uma faixa de quarenta e sete graus para rodear

ali criadas pelas energias solares, tão perto da fonte de radiação, e estudar as linhas de força que operavam no estranho campo magnético daquele pequeno mundo, e re-preparar os acumuladores para testes ulteriores. Krinsky era um homem alto, vigorosamente constituído, uma espécie de homem capaz de aguentar quase alegremente o peso esmagador de um traje contra o calor. Este era necessário para um trabalho prolongado na zona do Sol, onde se achavam os acumuladores - e até mesmo um gigante como Krinsky só poderia suportar o es- forço apenas algumas horas de cada vez.

- Depois que Llewellyn e Falbridge assentarem a torre de radar, vistam o traje de

calor e aprontem-se para outra tarefa. Assim que localizarmos a estação do acumula-

dor, Dominic os levará para o oriente tanto quanto possível e os deixará lá. O resto é com vocês. Estaremos tele-metrando seus registros, mas gostaríamos de tê-los de volta, vivos.

- Sim, senhor.

- É isso - disse Ross. - Vamos andando.

O ofício de Ross era puramente administrativo - e enquanto os homens de sua tri- pulação moviam-se diligentemente nas tarefas que lhes tinham sido designadas, ele percebia, e sentia-se infeliz por isso, que estava condenado a uma ociosidade tempo- rária. Sua função era de administrador. A exemplo de um regente de orquestra sinfô- nica, não tocava instrumento algum, e estava a postos principalmente para manter o grupo tocando harmoniosamente até o fim. Agora, só lhe restava esperar. Llewellyn e Falbridge partiram, alojados no trator segmentado e termo-resistente que estava alojado no ventre do Leverrier. Sua tarefa era simples: deviam erigir a

torre de plástico inflável de radar na direção do Sol. A torre fora ali deixada pela pri- meira expedição, desde que esta, librando no lado do Sol, fora liquidificada. A base plástica e a parábola, cobertas com uma leve superfície de alumínio espelhado, mal podiam suportar o calor causticante do lado do Sol. Lá fora, o calor subia para setecentos graus quando o Sol chegava mais perto. As excentricidades da órbita de Mercúrio eram responsáveis por consideráveis variações de temperatura do lado do Sol. Mas o termômetro nunca ia além de trezentos graus, mesmo durante o afélio. No lado das trevas havia pouca variação; a temperatura permanecia quase em zero absoluto, e nuvens geladas, de pesados gases, cobriam a superfície do solo. Do lugar onde estava, Ross não podia avistar nenhum dos lados. O Cinturão do Crepúsculo tinha quase mil milhas de largura, e, enquanto o planeta afundava em sua órbita, o Sol primeiro deslizava acima do horizonte, depois reaparecia. Numa fai- xa de vinte milhas, atravessando o centro do Cinturão, o calor do lado do Sol e o frio do lado das trevas se anulavam, formando um clima temperado estável; e nas qui- nhentas milhas de cada lado, o Cinturão do Crepúsculo gradualmente escorria na di- reção das áreas frígidas e de calor abrasador. Era um planeta estranho e inacessível. Os humanos só poderiam suportá-lo por curtos intervalos; a espécie de vida que poderia existir em Mercúrio ficava além do que Ross poderia conceber. Fora do Leverrier, vestido em seu traje espacial, Ross cu- tucou o controle do queixo e fez baixar uma vidraça de vidro óptico Olhou primeiro para o lado das trevas, onde pensou divisar uma delgada linha preta crescente - ape- nas ilusão, sabia; depois olhou para o lado do Sol. Na distância, Llewellyn e Falbridge erigiam a parábola-aranhol, que era a torre de

radar. Podia ver a sombra canhestra contra o céu

de luz orlando os picos limítrofes? Também isso era ilusão. Brainerd calculara que a

e, atrás dela? Uma delgada linha

radiação do Sol não seria visível ali durante uma semana. E dentro de uma semana estariam de volta à Terra. Voltou-se para Krinsky.

- A torre está quase pronta. A qualquer momento chegarão com o trator. Melhor se

aprontar para fazer a viagem. Enquanto o técnico se balançava nos cabos e se lançava para dentro da nave, os pensamentos de Ross voltaram-se para Curtis. O jovem astronauta dissera que iria

ver Mercúrio em toda a sua dimensão - e agora que se achavam ali, Curtis jazia dei- tado num berço de espuma dentro da nave, melancolicamente exigindo o seu direito de morrer. Krinsky voltou, já agora com o volumoso traje isolante sobre o equipamento pa- drão a fim de voltar a respirar. Mais parecia um pequeno tanque do que um homem.

- O trator está se aproximando, senhor?

- Vou ver.

Ross ajustou as lentes na máscara e estreitou os olhos. Parecia-lhe que a tempera- tura subira um pouco. Outra ilusão, pensou, esquadrinhando a distância. Seus olhos divisaram a torre de radar, lá longe, na direção do lado do Sol. Seu queixo caiu.

- O que há, senhor?

- Já digo!

Ross apertou os olhos com força e tornou a olhar. E

sim: a torre de radar, que

acabara de ser erguida, inclinava-se molemente e começava a se derreter. Viu duas minúsculas figuras correndo loucamente no solo liso coberto de pedra-pomes, na di-

reção do objeto oblongo cor de prata, que era o trator, e - impossível! - o primeiro clarão de um brilho inconfundível começava a ferver sobre as montanhas, atrás da torre.

O Sol nascia - uma semana antes do tempo estipulado!

Ofegante, Ross voltou para a nave, seguido pelo enorme Krinsky. Na comporta, mãos mecânicas desceram para ajudá-lo a sair do traje espacial; ele fez sinal a

Krinsky para que permanecesse no seu traje isolante, e lançou-se para a cabina prin- cipal.

-

Brainerd! Brainerd! Onde diacho você está?

O

astronauta mais velho apareceu, com um ar intrigado:

-

Sim, capitão?

-

Olhe através da tela - disse Ross numa voz embargada. - Olhe a torre de radar!

-

Está se derretendo - disse Brainerd, atônito. - Mas isso é

isso é

-

Já sei, é impossível.

Ross olhou para o painel de instrumentos. A temperatura externa subira para cen-

to e doze - um salto de quatro graus. Enquanto olhava, o registro subiu para cento e catorze. Seriam precisos pelo menos quinhentos graus para derreter a torre de radar da- quela forma. Ross desviou o olhar para a tela e viu o trator vir bamboleando em sua direção. Llewellyn e Falbridge ainda estavam vivos - conquanto provavelmente tives- sem sido quase assados na aventura. A temperatura fora da nave era de cento e de- zesseis graus. Provavelmente chegaria a duzentos quando os homens voltassem. Cheio de raiva, Ross encarou o astronauta:

- Pensei que você nos tivesse feito descer na zona de segurança - estrondejou. -

Torne a conferir os números e veja onde diacho nós estamos realmente! Depois pro- cure outra órbita. Aquilo lá é o Sol subindo sobre os montes!

A temperatura atingiu cento e vinte graus. O sistema resfriador da nave seria ca-

paz de manter as coisas sob controle, e com certo conforto, até duzentos e cinquen- ta graus; acima disso, haveria perigo de uma sobrecarga. O trator aproximava-se cada vez mais; no interior do mesmo provavelmente reinaria um inferno de calor, pensou Ross. Sua mente sopesava alternativas Se a temperatura externa subisse muito além doa duzentos e cinquenta, ele correria o risco de avariar o sistema resfriador da nave se esperasse pelos homens do truque. Resolveu aguardar até uma temperatura de du-

zentos e setenta e cinco para voltar e em seguida partir. Seria uma tolice tentar sal- var duas vidas ao custo de seis.

A temperatura exterior atingira cento e trinta graus. Subia a um ritmo cada vez

mais rápido.

A tripulação agora conhecia a situação. Sem ordens diretas de Ross, aprontava o

Leverrier para uma partida de emergência.

O trator avançava devagar. Os dois homens já não se achavam a mais de dez mi-

lhas; e, à velocidade média de quarenta milhas por hora, estariam de volta dentro de

quinze minutos. Lá fora, cento e trinta e três graus. Longos dedos de luz causticante estendiam-se para eles a partir do horizonte. Brainerd levantou o olhar de seus cálculos.

- Não posso calcular. As malditas cifras não cooperam.

- Hein?

- Estou computando a nossa localização, mas não consigo fazer as contas. Tenho a

cabeça confusa. “Que inferno”, pensou Ross. Era esse um dos momentos em que o comandante merecia seu salário. - Saia do caminho - gritou. - Deixe-me fazer isso. Sentou-se à mesa e pôs-se a fazer cálculos. Viu as rápidas anotações de Brainerd

garatujadas por toda parte. Era como se o astronauta houvesse esquecido completa- mente de como desempenhar seu ofício. “

O lápis voava no papel - mas, enquanto trabalhava, Ross viu que estava tudo erra-

do. Sentia o cérebro estranho, anuviado; não acertava lidar com as computações. Olhando para cima disse:

- Diga a Krinsky que desça para lá e fique preparado para ajudar os dois homens a saírem do trator quando chegarem. Estarão provavelmente meio cozidos. Temperatura, cento e quarenta e seis graus. Tornou a olhar o papel. “Maldição”, pensou. “Não seria tão difícil fazer simples trigonometria ”

“Vejamos agora. Se estivermos

O Dr. Spangler apareceu.

- Soltei Curtis - anunciou. - Durante a partida não estará seguro naquele lugar.

Chegava do interior um incessante murmúrio: - Deixem-me morrer morrer

- Diga-lhe que é provável que o seu desejo seja satisfeito - murmurou Ross. - Se eu não puder descobrir outra órbita, morreremos todos torrados.

Deixem-me

- Por que é você, e não Brainerd, que a procura? O que há com ele?

- Está confuso. Não acerta os números. E escute: eu também me sinto esquisito

Sentia uma névoa a envolver-lhe a mente. Olhou o mostrador: temperatura exter-

na, cento e cinquenta e dois. Os rapazes do trator tinham cento e vinte três graus para chegar até ali. Ou seriam trezentos e vinte e um? Estava confuso, completa- mente desorientado.

O Dr. Spangler também tinha um ar estranho. Careteava de um modo curioso.

- De repente me senti letárgico - disse Spangler. - Acho que devia voltar para junto

de Curtis, mas

O louco continuava a resmungar lá dentro. A parte da mente de Ross que ainda

pensava com clareza via que Curtis, desassistido, era capaz de qualquer coisa.

Temperatura, cento e cinquenta e oito graus. O trator se aproximava. Via-se no horizonte a torre de radar transformando-se em escombros. Ouviu-se um grito.

- É Curtis! - berrou Ross, subitamente readquirindo a consciência. Correu para a ré, seguido por Spangler, mas já era tarde demais.

Curtis jazia no piso, numa poça de sangue. Descobrira uma tesoura em algum lu- gar. Spangler abaixou-se.

- Está morto.

- Naturalmente. Está morto - repetiu Ross como um eco. Sentia o cérebro inteira-

mente claro, agora; no momento em que Curtis morrera, a névoa desaparecera. Dei- xando Spangler cuidando do corpo, voltou para a mesa e examinou as computações. Com uma gélida clareza determinou sua localização. Tinham descido mais de tre- zentas milhas na direção do Sol: era mais do que tinham pensado. Os instrumentos não haviam mentido; o que mentiu foram os olhos de alguém. A órbita, que Brainerd tão solenemente lhe garantira como “segura”, era na realidade tão mortal quanto a órbita computada por Curtis. Olhou para fora. O trator chegava; temperatura, cento e sessenta e sete graus. Havia tempo suficiente. Dariam a partida com alguns minutos de sobra, graças à ad- vertência da torre de radar, que se derreta. Mas por que acontecera aquilo? Não havia resposta. Gigantesco no seu traje isolante, Krinsky conduziu Llewellyn e Falbridge para bor-

do. Os dois tiraram a “casca”, cambalearam e desfaleceram. Dir-se-iam duas lagostas recém-cozidas.

- Prostração pelo calor - disse Ross. - Krinsky, ponha-os na posição de decolagem. Dominic, ainda não despiu seu traje isolante?

O homem espacial apareceu na entrada do ventilador e aquiesceu com um aceno

de cabeça.

- Está bem. Desça e conduza o trator para o porão. Não podemos deixá-lo aqui. Depressa; vamos decolar. Brainerd, a nova órbita está pronta?

-

Sim, senhor.

O

termômetro aproximava-se dos duzentos graus. O sistema de resfriamento co-

meçava a falhar, porém aquela agonia logo iria terminar. Alguns minutos depois o Le- verrier tinha deixado a superfície de Mercúrio - alguns minutos antes do implacável avanço do Sol - e entrava numa órbita temporária, de círculo planetário.

Enquanto aí se mantinham, virtualmente retendo a respiração, uma pergunta sur- giu na mente de Ross: por quê? Por que a órbita de Brainerd os levara a descer numa zona de perigo ao invés de conduzi-los para a faixa de segurança? Por que Brainerd e Ross foram incapazes de computar um plano de partida, a mais simples das técnicas astronáuticas elementares? E por que a inteligência de Spangler falhara completamente - apenas o tempo suficiente para permitir que o infeliz Curtis se suici- dasse? Ross podia ver a mesma pergunta refletida em todos os rostos: por quê? Tinha uma sensação de coceira na base do crânio; e de repente uma imagem atra- vessou-lhe a mente, respondendo. Era uma enorme lagoa de zinco derretido, fervendo entre duas cristas pontiagudas em algum lugar do lado do Sol. Estava ali há milhares de anos, e ali permaneceria

outros milhares, talvez milhões de anos

A superfície da lagoa fremia. O brilho do Sol na lagoa era intolerável até mesmo

para o olho mental.

A radiação caía da chapa para a lagoa de zinco - a radiação do Sol, dura e intermi-

nável, e, em seguida, uma nova radiação, uma emanação eletromagnética com uma mensagem significava: “Quero morrer”.

A lagoa de zinco fremia assustadoramente, com súbitos impulsos de debilidade.

A visão passou, tão depressa como veio. Hesitante, Ross levantou os olhos. As ex-

pressões dos cinco rostos que o rodeavam lhe diziam o que ele desejava saber.

- Vocês também sentiram - disse.

Spangler acenou que sim, Krinsky e os outros o imitaram.

- Sim - disse Krinsky. - Que diabo era? Brainerd voltou-se para Spangler:

-

Estamos todos malucos, doutor?

O

médico encolheu os ombros.

- Alucinação em massa

hipnose coletiva

- Não, doutor - e Ross inclinou-se para a frente. - O senhor sabe tão bem quanto eu. A coisa era real; está lá, no lado do Sol.

- Que quer dizer?

- Quero dizer que não foi alucinação. Aquilo é a vida - ou tão próximo da vida quanto Mercúrio alcança. As mãos de Ross tremiam; ele as forçou a se imobilizarem.

- Tropeçamos em algo muito grande

Spangler mexia-se, incomodado.

- Harry

- disse.

- Não. Ainda não perdi o juízo. Não vê que aquela coisa lá embaixo, seja ela o que

for, é sensível aos nossos pensamentos? Captou as amaldiçoadas lamúrias de Curtis, assim como um radar capta ondas eletromagnéticas Eram dele os pensamentos mais

Por isso agiu sobre os mesmos e fez o impossível para ajudar

a realização do desejo de Curtis.

- E o fez mediante o embaralhamento de nossas mentes e a ilusão de que estáva-

mos em território seguro, quando, na realidade, estávamos muito próximo ao territó- rio do nascer do Sol.

- Mas por que se daria a tanto incômodo? - objetou Krinsky. - Se queria ajudar

Curtis a se matar, por que não arranjou para descermos todos diretamente para o lado do Sol? Desse jeito ficaríamos assados muito mais depressa! Ross sacudiu a cabeça.

- Ele sabia que nem todos queríamos morrer. A coisa lá embaixo deve ser um pen-

sador de valores múltiplos Captou as emanações conflitantes de Curtis e do resto, e arranjou para que só ele morresse e não nós. Ross estremeceu.

- Uma vez tirado Curtis do caminho, ajudou para que os membros sobreviventes

da tripulação se salvassem. Se estão lembrados, todos pensamos e agimos muito mais depressa no momento em que Curtis morreu.

fortes que a tocavam

- Com a breca se não for isso mesmo - disse Spangler. - Mas

- O que desejo saber é se vamos descer - disse Krinsky. - Se aquela coisa é o que

você diz que é, creio que nunca mais me aproximarei dela. Quem sabe o que nos in- duzirá a fazer desta vez?

- Deseja ajudar-nos - disse Ross obstinadamente. - Não é hostil. Você não está

com medo, está? Contava com você para sair da nave e explorar os arredores no seu

traje isolante

- Eu, não! - disse Krinsky depressa. Ross teve um sorriso irônico.

- Mas essa é a primeira forma inteligente de vida que descobrimos no sistema so- lar! Não podemos simplesmente fugir e nos esconder!

E voltando-se para Brainerd:

- Trace uma órbita que nos leve a descer novamente; mas desta vez nos conduza

a um lugar onde não nos derretamos.

- Não posso fazê-lo, senhor - disse Brainerd num tom positivo - Creio que daremos

mais segurança à tripulação se voltarmos imediatamente para a Terra. Encarando o grupo, Ross relanceou o olhar de um para outro. O medo era eviden- te em todos os rostos, e ele sabia que o pensamento de todos era um só: “Não que- remos voltar para Mercúrio”. Eram seis: ele era apenas um. E a coisa auxiliadora lá embaixo Com Curtis, eram sete a um - mas a mente de Curtis irradiara um desejo suicida sem mescla. Ross sabia que jamais poderia engendrar uma força de pensamento su- ficiente para fazer face aos pensamentos medrosos dos outros seis. “Isso é motim”, pensou, mas, de qualquer modo, não quis enunciar a ideia Aquele

era um caso no qual um oficial superior podia ser legitimamente removido do coman- do para o bem comum

A criatura lá embaixo estava pronta a oferecer seus serviços. Mas, possuidora de

múltiplos valores, como devia ser, havia apenas uma nave espacial, e um dos dois grupos - ou ele ou os outros - teria de ver frustrados seus desejos. Todavia, pensava, a lagoa pudera satisfazer não apenas o homem que queria mor- rer como também aqueles que queriam continuar vivendo. Agora, seis desejavam re- tornar - mas podia ser ignorada a voz do sétimo? “Não estão sendo justos comigo”, pensou Ross, dirigindo sua raivosa explosão para o planeta lá embaixo. “Desejo vê- lo; desejo estudá-lo. Não consinta que me arrastem de volta à Terra.”

Uma semana mais tarde, quando o Leverrier voltou à Terra, os seis sobreviventes da segunda expedição a Mercúrio podiam todos descrever o feroz desejo de morte que se apoderara do ajudante astronauta Curtis, causando-lhe o suicídio. Mas ne- nhum podia se lembrar do que acontecera ao comandante de voo Ross, ou por que seu traje isolante fora deixado em Mercúrio.

Os Exógamos

Uma semana antes de seu aprazado casamento, Ryly Baille dirigiu-se para a flores- ta virgem que separava as terras dos Baille das terras do clã Clingert. A jornada soli- tária era uma tradição pré-nupcial entre os Baille; seu povo esperava que ele regres- sasse com o corpo endurecido pelo esforço, a mente aguçada, e livre de meditações a sós. Ninguém absolutamente esperava que ele conhecesse uma moça Clingert e por ela se apaixonasse. Certo dia, saiu cedo de Trêsdias. Nove Bailles o viram partir. O velho Fredog, pai do clã Baille, desejou-lhe boa viagem. Minton, o próprio pai de Ryly, segurou-lhe a mão durante um longo e constrangido momento. Dois de seus primos patrilineares fize- ram-lhe os melhores votos. E Davud, seu amigo mais querido e mais íntimo irmão fe- nótipo, deu-lhe afetuosas pancadinhas. Ryly também disse adeus à sua mãe, à mãe do clã e a Hella, sua noiva. Pôs ao ombro o arco e a aljava, puxou para cima suas calças de andar no mato e sorriu ner- vosamente. Lá no alto, Thomas, o amarelo sol primário, ia subindo; um pouco mais tarde Doris, sua companheira azul, se encontraria com seu marido no firmamento. Era uma tépida manhã de primavera. Ryly examinou o pequeno grupo: seis homens altos de cabelos louros e olhos azuis, três mulheres altas, de cabelos vermelhos e olhos cor de avelã. Exemplares perfeitos dos Baille, e, portanto, os mais altos representantes da evolução. - Até logo para todos - disse, sorrindo. Nada mais havia a dizer. Voltou as costas e enveredou para a floresta murmurante. Suas longas pernas o carregavam facilmente pelo caminho bem batido. A tradição exigia que ele trilhasse o caminho principal até o meio-dia, ocasião em que o segundo sol surgiria no céu; de- pois, onde quer que estivesse, devia sair abruptamente da estrada e abrir caminho através da vegetação pelo resto da jornada. Ficaria ausente três dias e duas noites. Na terceira noite voltaria, chegando de ma- nhã para reclamar a noiva. Pensava em Hella enquanto caminhava. Era uma boa moça e ele se sentira feliz porque o pai do clã lha atribuíra. Não porque ela fosse mais bonita que qualquer das outras candidatas ao matrimônio, pensava Ryly. De qualquer modo, eram todas mais ou menos iguais. Porém Hella tinha um certo brilho luminoso, um jeito de sorrir, dos quais Ryly pensava que iria gostar. Thomas subia agora para a sua altura do meio-dia; a floresta ia esquentando. Um lagarto vistosamente colorido, de asas espalmadas, saltou papagueando de uma ár- vore para a esquerda do caminho e esvoaçou num breve arco malfeito acima da ca- beça de Ryly. Ele deu uma flechada e derrubou o lagarto - sua primeira vítima na via- gem. Enfiando no cinto três finas penas vermelhas de sua cauda, continuou cami- nhando. Ao meio-dia os primeiros raios azuis de Doris se misturaram com os amarelos de

Thomas. O momento chegara. Ryly ajoelhou-se para murmurar uma curta prece em memória daqueles dois pioneiros Baille que saíram pelo mundo há gerações passadas a fim de fundar o clã, e virou à direita, penetrando entre os grisalhos troncos penu- gentos de duas altas árvores de fruta doce. Entalhou seu nome na face da árvore que dava para a floresta como um marco que lhe servisse no regresso, e entrou mata adentro, na parte desconhecida. Caminhou até que a fome lhe veio; então matou um incauto saltador, tirou-lhe a pele, cozinhou-o, comeu o carnudo roedor e banhou-se numa torrente cristalina na orla da sempre verde mataria. Quando a escuridão desceu, acampou junto a um ro- chedo saliente, e ficou muito tempo deitado de costas, contemplando as quatro lua- zinhas luminosas, repetindo a sós as velhas lendas de seu clã, até que adormeceu.

Na manhã seguinte nada aconteceu; cobriu muitas milhas, deixando cuidadosa- mente marcas pelo caminho. E um pouco antes do nascer de Doris encontrou a moça. Foi na realidade um acidente. Tinha avistado a espinha dorsal amarela de um es- quilo sentado a algumas polegadas acima de uma moita, e achou que os chifrinhos do bicho seriam um troféu tão bom como qualquer outro para presentear sua noiva Hella. Retesou o arco e esperou que o bichinho lhe apresentasse o único lugar vulne- rável, isto é, o olho. Depois de alguns instantes a cabecinha do esquilo apareceu, entortada devido ao peso dos dois chifrinhos em riste. Ryly distendeu o arco e atirou no olhinho conges- tionado que o fitava. Errou a pontaria: a seta golpeou duro o negro couro escamoso do crânio arredon- dado do esquilo, penetrando raso na pele e em seguida caindo. O esquilo sobressal- tou-se, e, surpreendido e raivoso, fugiu ruidosamente por entre o cerrado, zigueza- gueando loucamente enquanto suas grandes patas batiam o chão a cada avanço fre- nético. Ryly perseguiu-o. Na corrida retesou o arco e seguiu o rasto do grande herbívoro. Um pouco adiante rugia uma cascata; evidentemente, o esquilo queria tentar uma fuga aquática. Ryly saiu numa clareira - e viu a moça de pé junto ao esquilo, dando- lhe pancadinhas entre as espáduas musculosas e murmurando palavras tranquiliza- doras. Olhou atentamente para Ryly quando este apareceu. Por um momento ele não pensou que ela fosse humana. Era esguia e tinha cabe- los negros, grandes olhos também negros, narizinho arrebitado e lábios cheios. Tra-

zia um traje em estilo sarongue, brilhantemente colorido, feito de batk, que lhe dei- xava nuas as pernas amorenadas. Era quase um pé mais baixa do que Ryly; as mu- lheres Baille raramente tinham menos de cinco pés e dez polegadas de altura.

- Atirou nesse animal? - perguntou ela de repente.

Ryly teve dificuldade em entendê-la; as palavras pareciam ser da língua dele, mas as vogais soavam diferente, e as consoantes não eram bastante ásperas.

- Sim - respondeu. - Não sabia que era seu animal de estimação.

- Animal de estimação? Os esquilos não o são nunca. São sagrados. Você é Baille? Surpreso com a pergunta abrupta, Ryly gaguejou um instante antes de fazer com a cabeça um aceno afirmativo

- Imaginei que fosse. Sou Joanne Clingert. Que está fazendo em território Clingert?

- disse Ryly devagar. E fitou-a como se ela acabasse de sair de sob

um rochedo incrustado de líquens - Você é uma Clingert. Isso explica muita coisa.

- Então é isso

- Explica o quê?

- Sua aparência, seu modo de falar, a maneira como

E aproximou-se com certa

hesitação, sem deixar de fitá-la. Ela parecia muito zangada; mas, por trás da zanga, alguma coisa brilhava Talvez uma centelha. Uma luminosidade, talvez. Ryly estremeceu. Os Clingert eram horríveis seres estranhos de uma feiura pavoro- sa, ou, pelo menos, assim repetia constantemente o pai do clã. Bem podia ser assim.

Nesse caso, a Clingert de agora dificilmente seria um exemplar típico. Parecia tão de- licada e amável, muito diferente das atléticas mulheres Baille de grandes ossos Um feixe azul de luz rompia as folhas serrilhadas das árvores, estilhaçando-se no rosto da Clingert. Quase como um ato reflexo, Ryly ajoelhou-se para rezar.

- Por que faz isso? - perguntou a Clingert.

- É o nascimento de Doris! Vocês não rezam quando Doris nasce?

Ela ergueu os olhos para o sol azul que agora girava em torno do primário amare- lo. - Foi apenas o Secundus que nasceu. Por que lhe chama Doris? Ryly concluiu a prece e ergueu-se.

- Naturalmente; e lá está Thomas junto dela.

Chamam-se, para nós, Primus e Secundus. Mas acho que não é de sur-

preender que os Baille e os Clingert tenham diferentes nomes para os sóis. Thomas e

Doris

- Hum

acho bonito. Foram os primeiros Baille que lhes chamaram assim?

Ryly aquiesceu com um gesto de cabeça.

- E foram Primus e Secundus que fundaram os Clingert?

Ela riu, um riso asperamente tilintante que saltou lindamente dentre a cortina das árvores.

- Não. Jarl e Besse foram nossos fundadores. Primus e Secundus querem apenas dizer “Primeiro” e “Segundo” em latim.

- Latim? Que é isso?

E Ryly fechou subitamente a boca. Um frio tremor de susto retardado o percorreu. Horrorizado, olhou para a mulher Clingert.

- Algo errado? - perguntou ela. - Estamos mantendo uma boa conversa. Uma con- versa muito cordial. - Parecia indignada. - Algo errado nisso?

- Sim - respondeu Ryly sombriamente. - Esperam que eu a odeie.

Caminharam juntos até o lugar onde a água cascateava numa luminosa queda es-

pumejante montanha abaixo, e conversaram. E Ryly descobriu que os Clingert não eram tão assustadores como o haviam feito crer.

O percurso errante o havia conduzido às vizinhanças do território Clingert; e Joan-

ne, quando o encontrou, achava-se distante de casa apenas uma hora. Ele porém

declinou do convite para acompanhá-la à colônia Clingert. Seria levar as coisas longe demais. Depois de alguns instantes, a Clingert falou:

- Ainda me odeia?

- Não creio que vá odiá-la

- disse Ryly. - Acho que gosto de você. E, particular-

mente, cada vez, que me lembro de Hella

- Hella? - E os olhos da Clingert fuzilaram raivosamente.

- A mulher Baille, que era minha noiva. - E acentuou o era. - O pai do clã deu-me

Hella no mês passado. Esperavam que nos casássemos quando eu voltasse para a colônia. Pensei que também eu esperava por isso; até que Um esquilo resmungou em algum lugar no fundo da floresta Ryly olhou desampa- rado para a Clingert, só então percebendo o que lhe acontecia. Estava se apaixonando por ela Desde a época em que Thomas e Doris Baille vieram ao mundo, os Baille e os Clin- gert tinham mantido firmes os limites entre si. Baille só se acasalava com Baille. Mas

agora

Ryly sacudiu tristemente a cabeça. Na luminosidade azul e ouro da tarde, aquela Clingert parecia infinitamente mais desejável do que qualquer mulher Baille. Ela tocou-lhe docemente a mão.

- Você é muito calado. Não é como os homens Clingert

- Acho que não. Como são eles?

Ela fez uma caretinha.

- Muito mais baixos que você, com feios cabelos pretos escorridos e olhos negros. Seus músculos fazem nós quando retesam o arco; você, ao contrário, tem braços

longos e finos. E os homens Clingert logo ficam calvos. - E sua mão arrepiou leve- mente os cabelos amarelos do Baille. - E os Baille também perdem os cabelos muito cedo?

- Os Baille jamais perdem os cabelos. Os do pai do clã ainda são amarelos como os

meus, e ele já passou dos cinquenta anos. Ryly voltou a emudecer, pensando no pai do clã e no que este diria se soubesse o que estava acontecendo. Talvez o velho enunciasse numa profunda voz sentenciosa: “Isto nunca aconteceu, desde o tempo em que Thomas expulsou o primeiro Clingert de sua vista”. Ryly recordava um tempo recuado de sua infância, em que uma mulher Baille dera

à luz um filho de cabelos pretos. O pai do clã expulsou a criança e os pais para a flo- resta, e ali outros Baille apedrejaram-nos. Ryly não queria partilhar dessa sorte. To - davia Levantou-se. A mulher Clingert o olhava toda assustada.

- Aonde vai? - perguntou.

- Vou voltar. Voltar para a colônia Baille.

Fez-se um instante de silêncio entre ambos. Finalmente Ryly respirou bem fundo e disse:

- Mas voltarei. Daqui a três dias, espere-me neste mesmo lugar, na hora do nasci-

mento de Doris

isto é, quando Secundus nascer. Fará isso por mim?

Uma ansiedade luzia nos escuros olhos da moça.

- Sim - respondeu.

Ryly chegou ao familiar território Baille ao cair da noite do dia seguinte, tendo co- berto o caminho o mais rápido que pôde e com tão poucas paradas quanto possível. Enveredou pela estrada principal mais ou menos na hora em que Thomas se punha em Cincodias. Tivera pouca dificuldade em localizar a árvore que tinha seu nome ins- crito na casca. Agora só brilhava o sol azul, que já baixava no horizonte; as luas da- vam início à sua procissão no céu crepuscular. Ryly insinuou-se na colônia pela estrada de trás. Esse caminho conduzia-o para além da tosca cabaninha que Thomas construíra com suas próprias mãos para ele e Doris morarem, isso, há muito tempo, quando os primeiros Baille tinham caído do céu e se instalado no mundo. Ryly estremeceu um pouco ao passar pelo velho altar encardido; a espécie de traição que estava armando não era coisa fácil. Acima de tudo, não desejava ser visto. Pelo menos, não antes de conversar com seu irmão fenótipo, Davud. Um gato miou. Ryly enfiou-se na treva de um caramanchão e esperou. Um velho de pescoço duro passou por perto: era Paiclã. Ryly conteve a respiração até que o velho entrasse na casa do clã; então deslizou para fora do abrigo, atravessou silen- ciosamente o pátio e correu para a passagem em arco que conduzia à cabana de Da- vud.

A luz estava acesa. Davud, lá dentro, cochilava numa cadeira. Pé ante pé, Ryly en-

trou pela porta de trás. Atravessou a sala em quatro grandes saltos e com as mãos tapou a boca de Davud, antes que este acordasse inteiramente.

- Sou eu, Ryly. Já cheguei.

- Hum!

- Não diga nada nem faça barulho. Não quero que saibam que estou aqui. - E re- cuou. Davud esfregou os lábios e disse:

- Em nome de Thomas, por que me assustou assim? Pensei um instante que se

tratasse de uma incursão Clingert! Ryly pestanejou. Olhou atentamente para Davud; seria seguro contar-lhe o sucedi-

do? De todos os Baille, Davud era o seu irmão mais parecido no físico e nas atitudes, razão por que Paiclã os designara como irmãos fenótipos, embora de pais diferentes. Entre os Baille, o verdadeiro parentesco pouco significava, desde que, geneticamen- te, cada membro do clã era virtualmente idêntico a qualquer outro. Ele e Davud eram misteriosamente iguais: ambos com seis pés e três polegadas, altura normal dos Baille, ambos com os mesmos caracóis no rebelde cabelo louro, o mesmo nariz afilado, a mesma delgadeza dos lóbulos das orelhas. Agora Ryly espera- va que a formação mental de Davud fosse tão semelhante à dele quanto possível. Encheu uma caneca de grosso vinho amarelo de briófito e bebericou-o lentamente para acalmar os nervos.

- Preciso falar-lhe, Davud. Aconteceu-me uma coisa muito importante. Sem atentar nessas palavras, Davud disse:

- Não o esperávamos antes de amanhã à noite. Vi Hella nas proximidades do oca- so de Thomas, e ela disse que já não podia esperar para tornar a vê-lo.

E Davud arreganhou um sorriso:

- Disse-lhe que havia muitos iguais a você na colônia, ela porém não me quis ouvir.

- Não me fale em Hella. Escute aqui, Davud. Na minha viagem, cheguei até o terri-

tório Clingert. Encontrei uma moça Clingert

Davud ficou rapidamente em pé, e encarou Ryly face a face, queixo a queixo. Tre- miam-lhe as narinas.

Acho que a amo, Davud

- Que diz?

Muito calmo, Ryly repetiu o que dissera.

- Então é isso mesmo - resmungou Davud. - Ryly, perdeu o juízo? Casar-se com uma Clingert? Aquele lixo?

- Mas você não viu

- Não preciso ver. Você conhece as velhas histórias, de como o primeiro Clingert brigou com Thomas até que Thomas foi forçado a expulsá-lo. Sabe que espécie de criaturas são os Clingert. Como pode

- Amar uma delas? Davud, você não sabe como é fácil. As moças Baille são tão

grandalhonas e musculosas! Joanne é

mas e o primeiro Clingert terem tido uma desavença idiota há centenas de anos

bem, é preciso ver para crer. O fato de Tho-

O rosto de Davud era uma máscara pálida de indignação.

- Ryly! Contenha-se! Está falando bobagem, homem

absoluta bobagem. Os Bail-

le e os Clingert não devem misturar-se. Quer contaminar nossa linhagem com a de- les?

- Sim - disse Ryly desafiando-o.

- Está louco! Mas por que voltou para contar? Por que simplesmente não ficou com a sua Clingert?

- Eu queria que alguém soubesse. Alguém que merecesse minha confiança: al-

guém como você.

- Nesse caso equivocou-se - disse Davud. - Vou contar a história ao Paiclã, e,

quando o apedrejarem, ficarei muito contente em fazer o mesmo. Fizeram isso na úl-

Não se lembra mais? Quando Luri

Baille teve um filho parecido com um Clingert. É preciso conservar a pureza da linha- gem.

tima vez que tal fato ocorreu, faz quinze anos

- Por quê?

- Ora, por quê! Tem de ser conservada

eis tudo - disse Davud com voz fraca. E

quando Ryly começou a andar, acrescentou: - Ei! Aonde pensa que vai?

- Voltar à floresta - disse Ryly numa voz amargurada. - Prometi à moça que volta- ria. Não devia ter vindo aqui, em primeiro lugar Tremia e transpirava abundantemente; para sua própria surpresa, percebia que a conversa com Davud efetivamente o separara para sempre dos Baille.

- Você não vai, Ryly: não deixarei.

E Davud agarrou a nuca de Ryly, que se esquivou.

- Não tente impedir-me, Davud.

Sem responder, Davud agarrou a parte carnuda do braço de Ryly. Calmamente Ryly deu meia-volta e bateu o punho naquela cara tão parecida com a sua. Davud piscou, incrédulo, e pôs-se a resmungar alguma coisa. Ryly sacudiu o braço e libertou-se, depois bateu em Davud pela segunda vez. Davud amontoou-se no chão. Ryly permaneceu indeciso por um segundo, observando com algum espanto o san- gue que escorria do nariz quebrado de seu irmão fenótipo. Depois virou-se e atirou- se porta afora, saiu para o escuro pátio e correu o mais que pôde para o caminho da floresta Ficou atento aos gritos dos perseguidores, porém nada ouviu. Pensava que talvez tivesse golpeado Davud com demasiada força. Ryly passou uma noite incômoda na floresta, não muito distante do território Bail-

le; quando despontou a manhã, partiu a passo rápido para a fronteira Baille-Clingert. Ao nascer de Doris, Joanne estaria junto à cascata - assim lhe dissera. Por um ins- tante considerou o que seria dele se a moça o tivesse enganado, mas não encontrou resposta. Poderia voltar aos Baille, e, ao fim e ao cabo, casar-se com Hella? Achava que não.

O dia esquentou enquanto ele andava pela floresta seguindo a série de marcas

que deixara para guiá-lo. Chegando ao lugar do encontro, Doris ainda não nascera:

só Thomas estava no céu. Ryly sentou-se à beira da água e molhou-se para limpar o suor da viagem. Ouviu tropel de passos. Ergueu os olhos, esperando que fosse Joanne. Mas foi Da- vud que apareceu.

- Seguiu-me?

- Foi preciso, Ryly.

- Suponho que toda a tribo venha vindo aí atrás, espumando na boca e pronta

para apedrejar-me. - Ryly suspirou. - Acho que não lhe bati com bastante força. Acordou demasiado cedo.

O nariz de Davud estava inchado e ligeiramente torto.

- Vim sozinho - disse. - Queria convencê-lo a desistir dessa maluquice, Ryly. Nin- guém ainda sabe coisa alguma sobre isso.

- Está bem. Agora volte e esqueça-se de tudo quanto eu lhe disse ontem à noite.

- Não posso - respondeu Davud. - Não posso consentir que se acasale com uma Clingert. Vim buscá-lo, para que volte comigo para a terra Baille.

Ryly crispou os punhos. Não tinha a menor vontade de lutar uma segunda vez com seu irmão fenótipo. Mas se Davud insistisse

- Afaste-se de mim, Davud. Volte sozinho.

Era quase o momento de Doris levantar-se. Ryly esperava poder afastar Davud do seu caminho antes que Joanne chegasse ao lugar do encontro. Mas Davud abanava a cabeça obstinadamente.

- Baille e Clingert não terão prole. Thomas nos fez essa lei no começo, e ela não poderá jamais ser quebrada.

Aí parou, a maxila pendente, e apontou. Ryly voltou-se devagar. Os primeiros raios de Doris eram azuis na face da cascata, e Joanne estava em pé atrás dele.

- Quem de vocês dois é Ryly? - perguntou ela queixosa. Ryly falou primeiro:

- Sou eu. Este é meu irmão fenótipo, Davud. Veio para conhecê-la. Davud, esta é Joanne.

O Paiclã diz que

são feias! E Ryly começou a sorrir. O velho Davud era, afinal, um verdadeiro irmão fenótipo; a

reação à primeira vista para com Joanne foi idêntica à de Ryly. Era confortador vê-lo reagir dessa maneira. Joanne riu o seu especial riso Clingert que Ryly acostumara-se a amar.

- Parece que está aturdido. Tão aturdido como você ficou há três dias atrás. Será que todos os Baille pensam que somos ogras? Davud sentou-se pesadamente num tronco apodrecido. Tinha o rosto pálido à luz

dos dois sóis; sacudia a cabeça, refletindo, e parecia conversar consigo mesmo. Fi- nalmente falou.

- É uma Clingert? - perguntou Davud lentamente. - Mas

mas

- Muito bem. Peço desculpas, Ryly. Agora sei do que falava. Agora sei!

Havia na voz de Davud uma nota de entusiasmo que aborrecia Ryly; este porém conteve qualquer mostra de enfado.

- E agora? Que tal Thomas e suas leis? - perguntou. - Agora, que você viu uma Clingert?

- Retiro tudo quanto disse - murmurou Davud. - Tudo. Ryly olhou do irmão fenótipo para Joanne.

- Acho que ele nos dará a sua bênção. Isto é: se você estiver disposta a ser pária dos Clingert Então foi a vez de Joanne parecer sobressaltada.

- Pária? Por cumprir o objetivo do primeiro Clingert?

- Que é isso?

- Quer dizer que não sabe?

Ryly sacudiu a cabeça negativamente

- Não tenho a menor ideia do que está falando.

- No começo - disse ela pacientemente -, quando a nave espacial explodiu e os

Clingert e os Baille foram libertados e pousaram no mundo (isso há centenas de

anos), Jarl Clingert quis acasalar-se com uma Baille, porém Thomas Baille não con- sentiu. Queria conservar pura sua imagem. Assim foi que não houve grande contato entre os Clingert e os Baille, desde a época em que o primeiro Baille ameaçou, sem provocação, matar Jarl Clingert se ele se lhe aproximasse num raio de dez milhas

- Espere - disse Ryly. - Foi Clingert que tentou matar Thomas Baille e casar com

Doris, mas Thomas o expulsou

- Não - disse Joanne. - Foi tudo às avessas. Foi por culpa de Baille que

- Deixemos a história antiga para outra hora - atalhou Davud subitamente. Trazia

no rosto uma expressão curiosamente dolorosa. - Ryly, posso falar um momento a sós com você?

- Pois não - disse Ryly, surpreso. Afastaram-se alguns pés e Ryly disse:

- Então? Que acha dela?

- É sobre isso que desejo falar - murmurou Davud asperamente. - Acho que está

diferente. Suave, porém

longe e acima da beleza de qualquer mulher Baille. É tão

forte; pequena, porém não frágil

- Sabia que você ia gostar dela, Davud.

- Gostar, não; amar - rosnou Davud. - Eu também a amo, Ryly.

Ryly sentiu-se como se tivesse levado uma pancada no rosto. Seus olhos se alarga-

ram, fitos nos olhos igualmente azuis de seu irmão fenótipo. O gene Baille duplicara- se perfeitamente entre eles, ou assim parecia. Em todos os pormenores.

- Não pode estar querendo dizer isso - falou Ryly.

- Quero, sim: quero. Como posso evitá-lo?

- Ambos podemos tê-la, Davud. Acho porém que tenho prioridade

Davud ofegava, e, agarrando-o subitamente, fê-lo girar como um pião. Ryly olhou,

fechou os olhos, pôs levemente os dedos sobre as pálpebras e tornou a olhar. A mi- ragem ainda estava ali. Não era ilusão. Viu duas Joannes.

- Ryly! Davud! Apresento-lhes Melena. Melena Clingert.

- É sua

sua irmã? - perguntou Ryly com voz rouca. A essa distância, ambas as

Clingert eram idênticas

- Minha prima - disse Joanne. - Não tenho irmãs. - E esboçou um sorriso. - Melena

estava escondida no lado mais afastado da cascata. Trouxe-a comigo para que desse uma olhadela em Ryly. Em certas coisas, sou sempre exibicionista. Ryly e seu irmão fenótipo trocavam olhares espantados.

- Naturalmente - disse Ryly calmamente. - Nós, os Baille, todos nos parecemos;

por que os Clingert não se parecerão entre si? Trezentos anos de endogamia! Devem ser idênticos!

- Mais ou menos - disse Joanne. - Há algumas variações menores, mas não mui-

tas. A maior parte do gene não fixado no clã se perdeu há muitas gerações. Como

provavelmente terá acontecido a seu clã. Era isso que Jarl Clingert queria impedir; mas quando Thomas Baille se recusou a

- Foi o procedimento traiçoeiro de Clingert que provocou tudo - lançou Ryly. - Va- mos acertar as coisas agora. Pois se todo mundo sabe disso!

- Quem é que sabe? Os Baille?

Os olhos de Joanne fuzilavam, com aquela fúria que Ryly gostava tanto de apre-

ciar.

- Mas, para variar, por que não ouvem a versão Clingert da história? Vocês, Baille,

- E a moça

são sempre assim: fecham os ouvidos a tudo quanto importa. Vocês

parou de repente, para dizer muito tranquilamente: - Desculpe-me, Ryly.

- A culpa foi minha. Fui eu que comecei.

- Não - disse ela, sacudindo a cabeça. - Fui eu, quando abordei o assunto da

da

Ele sorriu e deu-lhe uma leve pancadinha nos lábios. - Olhe Ela olhou. Davud e Melena haviam-se afastado para um lado: estavam de pé num trecho de chão úmido revestido de musgo, dentro do campo de borrifos e espuma da cascata. Conversavam baixinho. Pelos seus rostos era difícil saber-se o que conversa- vam.

- Agora precisamos esquecer a história antiga - disse Joanne. - Esqueça-se de tudo

quanto aconteceu entre Jarl Clingert e Thomas Baille há quatro séculos atrás. Ryly tomou-lhe a mão. - Iremos para qualquer lugar do mundo - disse ele. - Começar de novo, fundar

Poderemos recrutar mais alguns, desde que eu

possa convencer alguns Baille a conhecerem os Clingert. - E vice-versa. Os homens Clingert também odeiam os Baille, como se sabe. Mas isso pode acabar. Nossos filhos acabarão com a briga. Ryly olhou para Davud e Melena, depois para Joanne. Naquele instante tudo pare- cia incrivelmente adorável - as vermelhas folhas angulosas das copas pendentes, o branco borrifo da cascata, prismaticamente colorido de azul e ouro pelo sol, as tran- quilas nuvens verdes deslizando no céu. Queria fixar para sempre esse momento em seu espírito. Sorriu. Sua mente ainda estava cheia de insidiosas lendas do passado, instiladas pelos Clingert nos primeiros dias do mundo, segundo julgavam os seus olhos Baille. Mas já podia começar a esquecê-las. Logo haveria no mundo um terceiro clã, tanto louro quanto moreno, tanto baixo quanto alto. E algum dia seus descendentes fariam lendas sobre ele, de como ele ajudara a fundar o clã, naqueles dias nevoentos, que o tempo amortalhara num passado remo- to.

uma nova colônia

Só nós quatro

Estrada Para o Anoitecer

O cão rosnou e continuou correndo. Katterson olhava os dois homens magros, de

olhos ardentes, apressando-se na perseguição, enquanto um crescente horror o inva- dia, pregando-o no lugar. Subitamente, o cão saltou um montão de entulho e desa- pareceu; seus dois perseguidores desabaram flacidamente e, apoiados nos porretes, tentaram recuperar o fôlego.

- Vai ser muito pior - disse um homem miúdo e encardido que surgiu, não se sabe de onde, junto a Katterson.

- Já conheço os comunicados oficiais que serão feitos hoje, mas faz muito tempo que os rumores andam por aí.

- Assim dizem - respondeu Katterson devagar. A caçada que acabava de presenciar ainda o paralisava. - Estamos todos com fome. Os dois homens que perseguiam o cão levantaram-se, ainda respirando com difi-

culdade, e se foram. Katterson e o homem miúdo observavam a sua lenta retirada.

- Foi a primeira vez que vi gente fazendo aquilo - disse Katterson. - E fazendo-o abertamente - E não será a última - disse o homem encardido. - Melhor acostumar-se, agora que já não há comida. O estômago de Katterson teve uma contração. Estava vazio, e assim ia ficar até

que se distribuísse a ração da noite. Não fossem essas rações, e ele não saberia de onde lhe adviria o bocado seguinte de alimento. Ele e o homem miúdo puseram-se a andar na rua quieta, saltando os montes de entulho, andando sem destino, sem qualquer meta particular.

- Meu nome é Paul Katterson - disse afinal. - Moro na 47th Street. No ano passado despediram-me do Exército.

- Oh, é um dos tais - disse o homenzinho. Voltaram-se e desceram a 15th Street. Era uma rua da mais completa desolação; nenhuma casa de antes da guerra se

encontrava de pé, e, no fim da rua, viam-se levantadas algumas tendas sórdidas.

- Arranjou algum trabalho desde que foi demitido? Katterson riu.

- Boa piada. Experimente outra.

- Eu sei. As coisas vão mal. Meu nome é Malory; sou negociante.

- Com que negocia?

- Oh, com

utilidades.

Katterson meneou a cabeça. Obviamente, Malory não queria que ele insistisse no assunto; por isso deixou-o. Caminharam calados, o homem grande e o homem pe- queno, e Katterson não podia pensar em nada, exceto no seu estômago vazio. Então seus pensamentos se dirigiram para a cena que há poucos minutos presenciara: os dois homens famintos perseguindo um cão. Tinham chegado a isso cedo demais, pensava Katterson. O que estaria para acontecer, perguntava-se, à medida que o ali-

mento fosse se tornando cada vez mais escasso, até se acabar de todo? Mas o homenzinho apontava para a frente.

- Olhe - disse ele. - Comício na Union Square.

Katterson enviesou o olhar e viu uma multidão se formando em torno da platafor- ma reservada para comunicações públicas. Apertou o passo, forçando Malory a em- parelhar-se com ele. Um jovem militar uniformizado subira para a plataforma e fitava impassivelmente a multidão. Katterson olhou um jipe próximo, notando automaticamente que se tratava do modelo 2036, o mais recente, que entretanto já tinha dezoito anos. Após um ou

dois minutos, o soldado ergueu a mão pedindo silêncio e falou com voz tranquila e contida.

- Companheiros nova-iorquinos. Tenho uma comunicação oficial do governo. Acaba de chegar uma notícia do Oásis Trenton

A multidão começou a murmurar. Parecia saber o que vinha logo depois.

- Acaba de chegar uma notícia do Oásis Trenton, dizendo que, devido à recente

emergência, todos os suprimentos alimentares da cidade de Nova Iorque e redonde- zas serão suprimidos temporariamente. Repito: devido a recente emergência no Oá- sis Trenton, todos os suprimentos alimentares de Nova Iorque e redondezas serão suprimidos temporariamente.

O murmúrio da multidão se fez um sussurro raivoso e acre, enquanto cada homem

discutia com o vizinho essa última reviravolta nos acontecimentos. Tratava-se de uma notícia esperada. Havia muito que Trenton reclamara do fardo que lhe era alimentar a desamparada, bombardeada Nova Iorque, e a última enchente lhe dera amplas oportunidades de sacudir de si a responsabilidade. Katterson permaneceu calado, avultando sobre as pessoas que o cercavam, incapaz de acreditar no que ouvia. Pa-

recia altivo, quase indiferente, como se criticasse a postura do soldado na plataforma com suas insígnias, pensando em tudo menos nas implicações da comunicação e tentando lutar contra a fome que crescia.

O homem de uniforme tornou a falar:

- Tenho mais uma mensagem do governador de Nova Iorque, o General Holloway:

ele diz que têm sido feitas tentativas de restaurar o suprimento alimentar de Nova Iorque, e que foram despachados mensageiros para o Oásis Baltimore para pedir co- mida. Enquanto isso, as rações alimentares do governo têm de ser interrompidas, esta noite, até notícia ulterior. Isso é tudo.

O soldado desceu cautelosamente da plataforma e, atravessando a multidão, diri-

giu-se para o jipe. Subiu depressa no veículo e partiu. Obviamente era homem im- portante, pensou Katterson, pois jipes e combustível escasseavam, não eram para ser usados levianamente por qualquer um. Katterson permaneceu onde estava e voltou a cabeça lentamente para olhar o povo em torno: magros, esqueléticos, meio mortos de fome em sua maioria, todos lhe invejavam a estatura gigantesca. Um homem emaciado de olhos ardentes e nariz

em bico reunira um pequeno grupo a seu redor e gritava uma espécie de arenga. Ka- tterson conhecia-o: chamava-se Emmerich, e era líder de uma colônia que vivia no metrô abandonado da 14th Street. Katterson instintivamente se aproximou para ouvi-lo, e Malory o seguiu.

- É tudo uma conspiração! - gritava o homem emaciado. - Falam de uma emergên-

cia em Trenton. Que emergência? Pergunto-lhes: que emergência? A enchente não os afetou. Eles só querem ficar livres matando-nos pela fome, eis tudo! E que pode- mos fazer sobre o assunto? Nada. Trenton sabe que nunca seremos capazes de re-

construir Nova Iorque, e quer se livrar de nós. Eis por que nos cortam o alimento.

Já a multidão se comprimia em torno dele. Emmerich era muito popular; o povo gritava aplaudindo-o, pontuando-lhe o discurso com berros de aprovação.

- Mas vamos morrer de fome? Isso não!

- Ele tem razão, Emmerich! - berrou um homem barbudo e atarracado.

- Não! - continuou Emmerich. - Vamos mostrar-lhes o que podemos fazer. Vamos

cada folha de relva, cada

animal selvagem, cada retalhinho de couro de sapato. E sobreviveremos, do mesmo modo como sobrevivemos ao bloqueio e à fome de 47 e ao resto. E qualquer dia

destes iremos a Trenton

Rugidos de aprovação atroaram os ares. Katterson voltou-se e abriu caminho com o ombro por entre a multidão, pensando nos dois homens e no cão, e afastou-se sem olhar para trás. Desceu a Fourth Avenue até que não mais pôde ouvir o barulho do comício da Union Square, e sentou-se fatigado num montão de vigas retorcidas que tinham sido outrora o Monumento Carden. Pousou a cabeça nas mãos enormes e ali ficou. Os acontecimentos da tarde ha- viam-no aturdido. Os alimentos escasseavam: os vinte e quatro anos de guerra con-

tra os esferistas haviam acabado com todos os recursos do país. A guerra se arrasta- va. Depois do primeiro ímpeto do bombardeio preliminar, o que houve foi uma guerra de desgaste que lentamente reduzia a cascalho as partes antagônicas. De algum modo Katterson crescera e se fortificara com a escassez de alimento, e sobressaía onde quer que fosse. A geração de americanos à qual pertencia não era uma geração de tamanho ou força - as crianças nasciam subnutridas, já velhas, fra- cas e enrugadas. Ele porém era grande, por isso fora um dos felizardos escolhidos para o Exército. Pelo menos lá se alimentara com regularidade. Katterson deu um pontapé num pedaço retorcido de escória, e eis que viu o pe- queno Malory descendo a Fourth Avenue em sua direção. Katterson riu sozinho, lem- brando seus dias de Exército. Toda a sua vida de adulto ele a passara uniformizado, usufruindo privilégios de soldado. Mas era demasiado bom para durar. Dois anos an- tes, em 2052, a guerra se arrastara até imobilizar-se por completo, com os comba- tentes de ambas as partes reduzidos a frangalhos, e com quase todo o Exército con- centrado no glacial mundo civil. Ele fora despejado em Nova Iorque, onde ficou per- dido e solitário.

catar cada pedacinho de alimento que pudermos achar

e assá-los-emos vivos!

- Vamos caçar cães - disse Malory sorrindo, ao se aproximar de Katterson.

- Cuidado com a língua, homenzinho; eu poderia comê-lo se tivesse fome suficien-

te.

- Hein? Acho que ficou muito chocado quando viu dois homens tentando pegar um cachorro Katterson ergueu a vista.

- Fiquei - disse. - Sente-se ou continue andando, mas não diga pilhérias - rosnou. Malory atirou-se nos escombros, ao pé de Katterson.

- A coisa está preta - disse.

- Não comi nada o dia inteiro - disse Katterson.

- Por que não? Ontem à noite houve uma regular distribuição, e hoje à noite have- rá outra.

- Você espera que haja - disse Katterson. O dia declinava, e sombras noturnas

tombavam rapidamente. Nova Iorque arruinada parecia fantástica à luz crepuscular;

as vigas retorcidas e os edifícios em ruína pareciam fantasmas de gigantes há muito tempo mortos.

- Amanhã ainda terá mais fome - disse Malory. - Não haverá mais distribuição de alimentos; não mais

- Não quero me lembrar disso, homenzinho.

- Trabalho no negócio de suprimento de víveres - disse Malory, enquanto um débil sorriso lhe enrugava os lábios. Katterson levantou depressa a cabeça.

- Mais pilhérias?

- Não - disse Malory apressado. Garatujou seu endereço num retalho de papel e

estendeu-o a Katterson. - Olhe aí. Procure-me a qualquer momento, quando real-

mente sentir fome. E

diga-me: você é um sujeito bastante forte, não é? Posso até

lhe arranjar algum trabalho, uma vez que você diz estar desengajado

A sombra de uma ideia perpassou na mente de Katterson. Voltou-se e encarou o

homenzinho.

- Que espécie de trabalho? Malory empalideceu.

- Oh! Preciso de um homem forte para me arranjar comida. - E sussurrou: - Você sabe Katterson estendeu as mãos e agarrou os magros ombros do homenzinho. Malory piscou os olhos.

- Sim, eu sei - repetiu Katterson lentamente. - Diga-me, Malory: que espécie de comida costuma vender? Malory contorceu-se.

- Ora

ora

veja só; quis apenas ajudá-lo, e

- Não quero sua comida! - E Katterson levantou-se devagar, sem soltar o homenzi-

nho. Malory viu-se compelido a ficar de pé. - Você está no negócio da carne, não é, Malory? Que espécie de carne costuma vender? Malory tentou soltar-se. Katterson deu-lhe desdenhosamente um soco de punho semi-aberto e ele caiu esparramado no monturo. Malory se torceu todo, os olhos es- cancarados de medo, e lançou-se pela 13th Street abaixo, perdendo-se na escuridão. Katterson ficou a olhá-lo muito tempo até que desaparecesse; respirava forte e não se atrevia a pensar. Depois dobrou o papel com o endereço de Malory, colocou-o no bolso e afastou-se com um andar entanguido.

Barbara já o esperava quando, uma hora depois, ele apertou o polegar na placa da porta do seu apartamento da 47th Street.

- Acho que você já sabe - disse ela, vendo-o entrar. - Um lugar-tenente novinho

em folha esteve aqui e anunciou a coisa lá na praça. Já apanhei a nossa cota desta

noite: é a última. Ei! Que é que há? - e olhou-o ansiosamente, vendo-o desabar sem fala numa cadeira.

- Não há nada, menina. Só tenho fome; e sinto um pouco de náusea.

- Onde esteve hoje? Novamente na praça?

- Sim. No meu costumeiro giro de terça-feira à tarde, que redundou num excelente piquenique. Primeiro vi dois homens perseguindo um cachorro: não deviam estar mais famintos do que eu, mas perseguiam aquela pobre coisa magricela. Depois o

seu lugar-tenente fez o anúncio sobre o alimento. Depois, um sujo mascate tentou vender-me sua “mercadoria” e dar-me um emprego.

A moça conteve a respiração.

- Um emprego? Mercadoria? O que aconteceu? Oh, Paul

- Esqueça isso - disse Katterson. - Derrubei-o com um soco, e ele fugiu com o rabo entre as pernas. Sabe o que vendia? Sabe a espécie de carne que desejava que eu comesse?

Ela baixou os olhos.

- Sim, Paul.

Viu que eu era forte, e quis fazer de mim

seu fornecedor. Era para eu sair à tarde a fim de caçar. Caçar extraviados, e, no dia seguinte, transformá-los em churrascos.

- E o emprego que ele tinha para mim

- Mas temos tanta fome, Paul. A fome é o que mais importa.

- O quê? - E sua voz era o urro de um touro ofendido. - O quê? Não sabe o que

diz, mulher! Comerei qualquer coisa antes de perder completamente o juízo. Darei

um jeito de arranjar comida, mas não vou me transformar em canibal. Nada de chur- rasco humano para Paul Katterson. Ela nada disse. A única luz do teto piscou duas vezes.

- Está quase na hora de fechar. Traga as velas, a menos que esteja com sono - dis-

se ele. Não tinha cronômetro, mas o pisca-pisca anunciava que eram oito e meia. To - das as noites, às oito e meia, interrompia-se a luz em todos os apartamentos resi- denciais, exceto naqueles que tinham licença para exceder a cota normal. Barbara acendeu uma vela.

-

Paul, o Padre Kennen esteve aqui outra vez.

-

Eu lhe disse que não aparecesse mais - disse Katterson na escuridão do seu can-

to.

-

Ele acha que devemos nos casar, Paul.

-

Já sei. Eu não acho.

-

Paul, por que você é

-

Não recomecemos. Já lhe disse que não desejo arcar com a responsabilidade de

duas bocas para alimentar, quando nem sequer posso manter satisfeito meu próprio estômago. Assim como estamos é melhor: cada um responsável por si mesmo.

- Mas os filhos, Paul

- Está maluca? - retrucou ele. - Ousaria trazer um filho a este mundo? Especial-

mente agora que perdemos o abastecimento do Oásis Trenton! Você gostaria de vê- lo morrendo lentamente de fome no meio de todo esse entulho e sujeira? Ou quem sabe adquirindo a aparência de um esqueletinho de faces encovadas? Talvez você queira; eu, não. E Paul calou-se. Ela ficou ali, olhando-o, soluçando mansamente.

- Estamos mortos, você e eu - disse ela finalmente. - Não o admitimos, mas esta-

mos mortos. O mundo inteiro está morto; passamos os últimos trinta anos suicidan-

Minhas lembranças não vão tão longe quanto as suas, porém li alguns li-

do-nos

vros antigos que falavam de como era limpa e luminosa esta cidade antes da

A guerra! Durante toda a minha vida temos estado em guerra, jamais sa-

Temos apenas estraçalhado o mundo sem

bendo a quem combatemos e porquê

razão aparente.

guerra

- Pare com isso, Barbara - disse Katterson.

Ela porém continuou num tom monótono:

- Diz-se que outrora a América se estendia de costa a costa, em vez de ser talhada

em estreitas tiras cercadas por terras de ninguém e por terras radioativas. E havia fa-

zendas, e comida, e lagos e rios, e os homens voavam de um lugar para outro

que tinha de acontecer isto agora? Por que estamos todos mortos? Para onde ire- mos, Paul?

Por

- Não sei, Barbara. Acho que ninguém sabe. Fatigado, ele soprou a vela, e a escu- ridão inundou o quarto.

Fosse como fosse, havia voltado para a Union Square, e estava na 14th Street, ba- lançando-se molemente sobre os pés para a frente e para trás e sentindo o cérebro

oco - primeiro sinal de fome. Havia poucas pessoas nas ruas, cada uma se dirigindo morosamente para seu destino O sol estava alto e brilhante. Seu devaneio foi interrompido por gritos e um inusitado tropel de passos. Valeu-

lhe o treino militar: ele afundou-se numa trincheira e aí se escondeu, imaginando o que estaria acontecendo. Após um momento espiou para fora. Quatro homens, todos tão grandes como o próprio Katterson, vagueavam acima e abaixo nas ruas desertas. Um deles carregava um grande saco.

- Lá vai um - Katterson ouviu dizer asperamente o homem que carregava o saco.

Olhava sem poder acreditar enquanto os quatro homens localizavam uma moça en- colhida junto a um edifício em ruínas. Era pálida, magra, vestia andrajos, e talvez tivesse no máximo vinte anos. Em qualquer outro mundo poderia ter sido bastante bonita. Agora, porém, tinha o rosto cavado, olhos vidrados e sem brilho, braços ossudos e angulosos. Enquanto eles se aproximavam ela recuou, praguejando num desafio, preparando- se para a defesa. “Ela não compreende”, pensou Katterson. “Pensa que vai ser agre- dida.” O suor lhe escorria pelo corpo, e ele se obrigou a apenas olhar, a manter-se na

trincheira apesar da vontade que tinha de saltar do esconderijo. Os quatro pilhadores cercaram a moça. Ela cuspiu, golpeou-os com suas mãos de garra. Eles riram e agarraram-lhe o braço. Subitamente o grito dela perfurou-lhe os tím- panos e eles a arrastaram para o meio da rua. Apareceu uma faca; Katterson rangia os dentes e piscava quando viu a faca atingir o alvo.

- Meta-a no saco, Charlie - disse uma voz rude.

Os olhos de Katterson fumegavam de raiva. Era a primeira vez que via os magare- fes de Malory - ou, pelo menos, suspeitava que fossem eles. Tateando a faca do cin- to, levantou-se pensando em atacar os quatro pilhadores de carne, mas, recuperan- do o juízo, deixou-se cair no fundo da trincheira. Fora assim tão rápido? Katterson sabia que o canibalismo se espalhava lentamente pela faminta Nova Iorque, e que poucos cadáveres eram sepultados intactos. Essa, porém, era a primeira vez, segundo lhe constava, que assassinos agarravam um ser vivo na rua e o matavam para arranjar comida. Katterson estremeceu. A luta pela so- brevivência continuava, então. Os quatro homens desapareceram na direção da Third Avenue, e Katterson caute-

losamente saiu da trincheira, olhou em todas as direções e saiu para o espaço livre. Sabia que precisava tomar cuidado: um homem do seu tamanho tinha carne para muitas bocas Dos edifícios já saíam outras pessoas, todas com a mesma expressão de horror no rosto. Katterson viu os esqueletos ambulantes caminhando entontecidos, alguns cho- rando, a maior parte já distante da fase das lágrimas. Apertava e afrouxava os pu- nhos, furioso, desejando eliminar a doença contagiante, e sabendo desesperadamen- te que nada podia fazer. Um homem magro, de feições cinzeladas, estava agora na plataforma do orador. Tinha a voz embargada pelo ódio.

- Irmãos, agora a coisa é pública. Os homens abandonaram os caminhos de Deus,

e Satã os conduziu para a destruição. Vocês acabam de testemunhar quatro de suas

criaturas destruírem um ser mortal para comer

“Irmãos, nosso tempo na terra chega ao fim. Sou velho. Lembro-me dos dias de antes da guerra, e embora alguns não acreditem, lembro-me de um tempo em que havia comida para todos, quando todo mundo tinha emprego, quando esses edifícios

entre todos, o pecado mais horrível!

em ruínas eram altos, bonitos e elegantes, e os ares fervilhavam de jatos. Na minha mocidade viajei por todo o país, fui até o Pacífico. Mas a guerra acabou com tudo, e a mão de Deus caiu sobre nós. Nosso tempo acabou, e logo seremos julgados. “Voltai para Deus sem sangue nas mãos, irmãos. Aqueles quatro homens que vo- cês viram arderão para sempre pelo seu crime. Quem quer que coma a carne maldita

que eles hoje assassinaram a eles se reunirá no inferno. Mas escutai, escutai um mo- mento, irmãos! Os que dentre vocês ainda não estiverem perdidos escutem minha súplica: salvem-se! Melhor viver sem comida, conforme fazem muitos, do que conta- minar-se com essa espécie de nova comida, a mais preciosa de todas!” Katterson olhou atentamente as pessoas que o rodeavam. Quis acabar com aquilo; imaginava uma cruzada por alimentos, uma campanha contra o canibalismo, bandei-

Algumas pessoas haviam

parado para ouvir o velho pregador, outras haviam se afastado. Alguns sorriam e lan- çavam frases irônicas ao velho; este, porém, fez que não ouvia.

- Ouçam, ouçam, antes que se afastem! Estamos todos condenados; o Senhor dei-

xou isso bem claro. Mas pensem

maior. Não comprometam sua vida eterna, irmãos! Não vendam sua alma imortal em troca de um bocado de carne conspurcada! A multidão se dispersava, reparou Katterson. E dispersava-se depressa, as pessoas se esquivando depressa e desaparecendo. O pregador continuava a falar. Katterson ficou na ponta dos pés e entortava o pescoço para enxergar além da multidão e olhava atentamente para o oriente. De repente empalideceu. Quatro figuras ameaça- doras desciam resolutamente pela rua deserta. Quase todos tinham-nos visto. Caminhavam os quatro lado a lado, bem no centro

o mundo logo se acabará, e surgirá um mundo

ras ondulando, tambores rufando, e ele liderando a luta

da rua, o mais alto carregando um saco vazio. As pessoas aceleravam o passo em to- das as direções, e quando os quatro chegaram à esquina da 14th Street com a Four- th Avenue apenas Katterson e o pregador ainda permaneciam na plataforma.

- Vejo que você foi o único que ficou, meu rapaz. Já se contaminou, ou ainda per- tence ao reino do céu? Katterson ignorou a pergunta.

- Meu velho, desça daí! - estourou. - Os caçadores vão voltar. Vamos, saiamos da- qui antes que cheguem.

- Não. Quero falar-lhes quando chegarem. Mas salve-se, meu jovem; salve-se en- quanto pode.

- Então suicide-se, velho idiota! - murmurou Katterson, rispidamente.

- Seja como for, estamos todos condenados, meu filho. Se chegou o meu dia, es- tou preparado.

- Está é maluco - disse Katterson.

Os quatro homens já podiam ouvi-los. Katterson fitou o velho pela última vez, de- pois lançou-se pela rua na direção de um edifício Olhou para trás e viu que não esta- va sendo seguido. Os caçadores estavam de pé debaixo da plataforma, escutando o que o velho di- zia. Katterson não podia ouvi-lo; via-o apenas sacudindo os braços. Os homens pare- ciam escutá-lo atentamente. Katterson olhava. Viu um dos homens dizer alguma coi- sa ao velho, depois um homem alto, que carregava o saco, subiu para a plataforma. Um dos outros atirou-lhe uma faca desembainhada. O grito foi estrondoso e ensurdecedor. Quando Katterson ousou tornar a olhar, o homem alto enfiava o corpo do pregador no saco. Katterson inclinou a cabeça. O som das trombetas começou a se desvanecer. Ele percebeu que a resistência era im-

possível. Os fatos se precipitavam.

Katterson dirigiu-se penosamente para o seu apartamento. As quadras iam ficando para trás à medida que ele, maquinalmente, avançava através do cascalho e dos pré- dios desertos e arruinados, pelas duas milhas de distância. Mantinha a mão na faca e dardejava olhares da direita para a esquerda, notando as furtivas corridinhas nas tra- vessas, o povo como sombras pouco visíveis atrás das cinzas e do entulho. Aquelas quatro figuras, uma delas carregando um saco, dir-se-iam emboscadas atrás de cada poste de iluminação, e aguardavam, cheias de fome. Seguiu para a Broadway por um atalho do Parker Building em ruínas. Cinquenta

anos antes, o Parker Building fora o edifício mais alto do Ocidente; mas agora só res- tava dele o perfil truncado. Katterson passou pelo que fora outrora o mais majestoso vestíbulo do mundo e ficou olhando. Fora, um menino roía um pedaço de carne. Te - ria oito ou dez anos; o estômago se lhe repuxava em cima das costelas, que se mos- travam como as taquaras de uma cesta. Engolindo a repulsão, Katterson pensou em que espécie de carne estaria o menino roendo. Continuou a andar. Enquanto caminhava pela 44th Street, um gato magro passou por ele, depois desapareceu atrás de um monte de cinzas. Katterson lembrou-se das histórias que ouvira sobre as Grandes Planícies, onde se dizia que gatos gigantes va- gueavam em liberdade, e sua boca ficou cheia d'água.

O sol tornava a declinar e Nova Iorque se fazia cinza e negra. O sol não mais bri-

lhava no fim das tardes; insinuava-se por entre os montões de cascalho e lançava

uma claridade fantástica sobre as ruínas de Nova Iorque Katterson atravessou a 47th Street e enveredou para a sua moradia. Subiu a pé até seu quarto - o poço do elevador ainda estava lá; este, porém, não

- e ficou fora algum tempo, procuran-

mais funcionava: nem sonhar com tais luxos

do no escuro a placa da porta. Ouviu risos no interior - rumor estranho para ouvidos desacostumados -, e um cheiro de comida saiu pela porta, indo de encontro a suas narinas. Sua garganta contraiu-se convulsamente, e ele então se lembrou da bola dolorida que era seu estômago. Abriu a porta. O cheiro de comida enchia completamente a sala. Viu Barbara er- guer subitamente o olhar enquanto ele entrava. Estava pálida. Na cadeira que ele costumava usar estava sentado um homem que ele já havia encontrado ali uma vez ou duas, um homem barbudo, de cabelos desgrenhados, de nome Heydahl.

- Que está acontecendo? - perguntou Katterson.

A voz de Barbara soou estranhamente embargada.

- Paul, você conhece Olaf Heydahl, não conhece? Olaf, Paul

- Que está acontecendo? - repetiu Katterson.

- Barbara e eu acabamos de fazer uma pequena refeição, Mr. Katterson - disse

Heydahl com uma voz cheia. - Pensamos que o senhor também teria fome, por isso guardamos-lhe um pouquinho.

O cheiro era irresistível, e tudo quanto ele podia fazer era impedir-se de espumar

pela boca. Barbara limpava e tornava a limpar o rosto com o guardanapo; Heydahl continuava sentado muito à vontade na cadeira de Katterson. Em três passos rápidos Katterson foi para o outro lado da sala e escancarou as

portas que abriam para a quitinete fechada. No fogão frigia devagar um pequeno pe- daço de carne. Katterson olhou para a carne, depois para Barbara.

- Onde arranjou isso? - perguntou. - Não temos dinheiro.

- Eu

eu

- Comprei-a - disse Heydahl tranquilamente. - Barbara me contou que a comida de

vocês estava escasseando, e como eu tinha mais que o necessário, trouxe-lhe um

pouco de presente.

- Estou vendo. Um presente. Não está amarrado com barbante?

- Ora, Mr. Katterson. Lembre-se de que sou hóspede de Barbara.

- Mas lembre-se, por favor, de que este apartamento é meu, não dela. Diga-me,

Heydahl: que espécie de pagamento espera por este presente? E qual a parte que você já recebeu? Heydahl ergueu-se a meio na cadeira.

- Por favor, Paul - disse Barbara apressadamente. - Não fique contrariado, Paul. Olaf quis apenas mostrar-se nosso amigo.

- Barbara tem razão, Mr. Katterson - disse Heydahl se acalmando. - Vamos, sirva-

se. Far-lhe-á bem e a mim também! Katterson fitou-o atentamente. A meia-luz vinda de baixo escorria pelo ombro de

Heydahl, iluminando a cabeça quase calva e a barba comprida. Katterson pensou em como podia ele conservar tão gordas suas faces.

- Vamos - repetiu Heydahl. - Sirva-se à vontade.

Katterson voltou-se para a carne. Tirou um prato da prateleira e jogou nele o pe-

daço de carne. Feito isso, desembainhou a faca. Já ia partir a carne quando se voltou para olhar os outros dois. Barbara estava inclinada para a frente na cadeira. Os olhos arregalados, cheios de medo. Por outro lado, Heydahl continuava refestelado na cadeira de Katterson, tendo no rosto uma expressão complacente que Katterson não mais vira desde que deixara o Exército. Um pensamento o assaltou e ele ficou gelado.

- Barbara - disse, controlando a voz. - Que espécie de carne é esta? Rosbife ou carneiro?

- Não sei - respondeu ela titubeante - Olaf não disse

- Talvez cachorro assado, hein? Ou flé de gato perdido? Por que não pergunta a Olaf o que vinha escrito no cardápio? Por que não lhe pergunta agora? Barbara olhou para Heydahl, e voltou a olhar para Katterson.

- Coma, Paul. É bom, acredite-me. E eu sei como você está faminto.

- Não como coisas sem rótulo, Barbara. Pergunte a Mr. Heydahl que espécie de

carne é esta Ela voltou-se para Heydahl.

- Olaf

- Acho que não devemos ser tão enjoados nos dias que correm - disse Heydahl. -

Afinal de contas, acabaram-se as rações do governo, e ninguém sabe quando reco- meçarão.

- Gosto de ser enjoado, Heydahl. Que carne é esta?

- Por que tamanha curiosidade? A cavalo dado

você sabe o provérbio

- Nem ao menos posso ter certeza de que se trata de carne de cavalo, Heydahl. Que carne é esta? E a voz de Katterson, geralmente bem modulada, se transformou em rugido.

- A carne de primeira de um menino gordo? Talvez churrasco de algum pobre-dia- bo que uma noite se extraviou num bairro estranho? Heydahl ficou branco. Katterson tirou a carne do prato e sopesou-a um instante na mão.

nenhum de vocês dois pode cus-

pi-las. Esta carne os afoga. Olhem só, canibais! E Katterson atirou violentamente a carne na mulher. A carne escorregou pelo rosto dela e caiu no chão. O rosto de Katterson ardia de ódio. Escancarando a porta, vol-

- Nem ao menos lhe é dado cuspir as palavras

tou-se, tornou a batê-la e saiu precipitadamente. A última coisa que viu foi Barbara ajoelhada, apressando-se em apanhar do chão o pedaço de carne

Já era quase noite, e Katterson sabia o quanto era inseguro andar pelas ruas. Seu apartamento fora poluído; não podia voltar a ele. O problema era arranjar comida. Há quase dois dias não comia. Enfiou a mão no bolso e achou um pedaço de papel dobrado, com o endereço de Malory. Com uma careta azeda compreendeu que era aquela a única fonte de comida e dinheiro. Todavia, ainda não: não, enquanto podia manter a cabeça erguida Vazio de pensamentos vagueou em direção ao rio, para a enorme cratera que, as- sim se dizia, fora outrora o local do edifício das Nações Unidas. A cratera tinha cerca de mil de pés de profundidade. As Nações Unidas tinham sido arrasadas no primeiro bombardeio, na altura do ano 2028. Naquela época Katterson tinha apenas um ano e a guerra estava começando. A luta e o bombardeio reais continuaram nos cinco ou seis anos subsequentes, até que ambos os hemisférios ficaram calcinados e queima- dos no combate, quando então teve início a longa guerra de desgaste. Em 2045 Kat- terson completava dezoito anos - nove longos anos, refletiu - e por sua compleição gigante fora logo escolhido para ocupar um cômodo posto no Exército. No decurso de sua carreira militar servira em vários locais daquele que era agora seu país: o re- talho de terra limitado pela faixa radioativa, apalache de um lado, e o Atlântico do outro. O inimigo construíra cuidadosamente muros de fogo, repartindo a América em uma dúzia de faixas, cada uma completamente isolada da seguinte. Um aeroplano poderia cruzar de uma para outra, se algum restasse. Mas a ciência, a indústria e a tecnologia estavam mortas, pensou Katterson desanimadoramente, fitando o rio sem ver. Sentou-se na orla da cratera e pôs-se a balançar os pés. O que acontecera ao bravo Novo Mundo que ingressara no século XXI com tão glo- riosas esperanças? Ali estava ele, Katterson, provavelmente um dos homens mais fortes e altos do país, balançando as pernas sobre uma enorme área devastada, com uma dolorosa sensação na boca do estômago. O mundo estava morto, o belo e lumi- noso mundo de placas de cromo e aerojatos. Algum dia, talvez, ali surgisse uma nova vida. Algum dia Katterson fitou as águas para além da cratera. Em algum lugar além dos mares de- via haver outros países, igualmente arrasados. E em algum lugar, em outra direção, planícies, relva, trigo, animais selvagens, cercados por centenas de milhas de monta- nhas radioativas. A guerra tragara os campos, os pastos e o gado, sob seu peso tritu- rara toda a humanidade. Levantou-se e começou a voltar pela rua desolada. Estava escuro agora, e as es- cassas lâmpadas de gás lançavam uma claridade fantasmagórica como a claridade de pequenas luas em eclipse. Os campos jaziam, mortos, e o que restava da humani- dade se amontoava em cidades incendiadas, excetuando-se alguns seres mais felizes que o acaso espalhara a esmo por alguns poucos oásis através do país. Nova Iorque era uma cidade de esqueletos, cada um a catar comida, a se esgueirar pelas esqui- nas, esperançoso no pão de amanhã. Um homenzinho tropeçou em Katterson, que vagueava, absorto. Katterson baixou o olhar para ele e agarrou-o pelo braço. Homem de família, pensou, correndo para casa em busca dos filhos famintos. - Desculpe, senhor - disse o homenzinho nervosamente, esforçando-se para sair da garra de Katterson. Tinha o medo estampado no rosto; Katterson pensou que tal- vez o homenzinho atormentado pensasse que aquele gigante ia assá-lo no espeto ali mesmo

- Não lhe farei mal - disse Katterson. - Apenas procuro comida, cidadão.

- Eu não tenho.

- disse Katterson. - Sua aparência é de quem tem

emprego e algum dinheiro. Dê-me um pouco de comida e serei seu guarda-costas, seu escravo, o que você quiser.

- Estou morrendo de fome

- Escute aqui, meu senhor. Não tenho comida que sobre. Solte-me o braço!

Katterson soltou e viu o homenzinho descer a rua como uma flecha. Naquele tem- po, as pessoas corriam umas das outras, pensou. Malory empreendera uma fuga se- melhante. As ruas estavam escuras e vazias. Katterson pensava: não seria transformado em churrasco pela manhã? Realmente que importava? Uma irritação lhe apareceu na pele do peito e ele enfiou a mão na camisa para coçá-la. A carne de seus músculos

peitorais tinha sido quase completamente absorvida, e seu peito era só ossos. Apal- pou as faces barbudas, e reparou como a pele se lhe esticava sobre os maxilares. Voltou-se e pôs-se a subir para a cidade, contornando as crateras, subindo em montes de cascalho. Na 15th Street, um jipe do governo vinha costeando a rua e pa- rou. Do jipe saíram dois soldados armados.

- Um pouco tarde para andar a passeio - disse um soldado.

- Procuro respirar um pouco de ar fresco.

- Só isso?

- O que vocês têm com isso? - perguntou Katterson.

- Não anda procurando caça, não é? Katterson investiu contra o soldado.

- Ora, seu desgraçado

- Cuidado, rapaz - disse o outro soldado, puxando-o para trás. - Estávamos só brincando.

para conseguir

comida a única coisa que precisam fazer é envergar esse traje de macaco. Sei o que se passa com vocês, seus militares de merda.

- Bela brincadeira! - disse Katterson. - Podem permitir-se piadas

- Agora já não é assim - disse o segundo soldado.

- A mim vocês não enganam! - disse Katterson. - Fui soldado regular por sete anos, até que aboliram nosso rancho, em 52. Sei o que está acontecendo.

- Ei! De que regimento?

- Do 360, explorador, soldado.

- Você não é Katterson? Paul Katterson?

- Talvez seja - disse Katterson devagar. E aproximou-se dos dois soldados. - E daí?

- Conhece Mark Leswick?

- Se conheço! - disse Katterson. - E vocês, como é que o conhecem?

- É meu irmão. Falava todo o tempo em você existe”, dizia. “Tem um apetite de boi.” Katterson sorriu.

- Que faz ele agora?

O outro tossiu.

“Katterson é o maior homem que

- Nada. Ele e alguns amigos construíram uma jangada e tentaram viajar para a

América do Sul. Naufragaram ao largo de Shore Patrol, logo na saída do porto de Nova Iorque

- Oh, que pena. Um bom sujeito, o Mark. Mas tinha razão quanto ao que disse do meu apetite. Estou com fome.

- Nós também, amigo - disse o soldado. - Ontem cortaram a ração dos soldados. Katterson riu, e os ecos de sua risada se espalharam pela rua silenciosa.

- Que o diabo os leve! Ainda bem que não fizeram isso no meu tempo de serviço. Eu teria abandonado o Exército.

- Venha conosco, se quiser. Seremos dispensados quando a patrulha terminar e va- mos descer para a cidade.

- Está muito tarde, não acham? Que horas são? Para onde vão?

- Falta um quarto para as três - disse o soldado, olhando o relógio. - Estamos pro- curando um sujeito de nome Malory; corre a notícia de que ele tem carne para ven- der, mas só ontem recebemos nosso soldo. - E o soldado deu no bolso umas panca- dinhas orgulhosas. Katterson piscou os olhos.

- Sabe a espécie de carne que Malory vende?

- Sim - disse o outro. - Que tem isso? Quando se tem fome, se tem fome, e melhor

demasiado cabeçudos para se

rebaixarem diante de uma refeição. Mas cederão, mais cedo ou mais tarde. Não sei mas você me parece cabeçudo.

- Sim - disse Katterson, ofegando um pouco mais do que o usual. - Acho que sou

teimoso. Ou talvez ainda não tenha fome bastante. Obrigado pela carona, mas acho que vou subir para a cidade. Voltou-se e foi andando para a escuridão. Restava-lhe apenas um lugar amigo para onde ir.

é comer do que morrer. Vi alguns tipos como você

Hal North era um homem quieto e grande leitor, e tivera frequentes contatos com Katterson, embora morasse numa distância de quase quatro milhas da cidade, na 114th Street. Katterson tinha um convite sempre válido de North para procurá-lo a qualquer

hora da noite ou do dia, e agora, não tendo mais aonde ir, dirigiu-se para lá. North era um dos poucos estudiosos que ainda tentavam buscar conhecimento em Colum- bia, outrora um centro do saber. Os estudantes se amontoavam nas ruínas de um dos salões, e ali entesouravam livros bolorentos e trocavam ideias North tinha um minúsculo apartamento ainda incólume num edifício da 114th Street, onde residia ro- deado de livros e um pequeno círculo de conhecidos. “Um quarto para as três”, dissera o soldado. Katterson caminhava depressa e com desembaraço, mal notando as quadras que iam ficando para trás. Chegou ao aparta- mento de North assim que o sol começava a nascer, e bateu cautelosamente na por-

ta. Uma batida, duas

depois outra, mais forte.

Dentro, tropel de passos.

- Quem é? - disse uma voz cansada, de alto diapasão.

- Paul Katterson - sussurrou ele. - Está acordado?

North abriu a porta.

- Katterson! Entre! O que o traz aqui?

- Disse que eu podia vir quando precisasse. E agora estou precisando.

Katterson sentou-se à beira da cama de North. - Há dois dias que não como, ou quase isso. North riu para dentro.

- Nesse caso, veio para o lugar certo. Espere um pouco. Vou arranjar um pouco de pão e óleo. Ainda nos resta algum.

- Tem certeza de que pode dispensá-lo, North?

North abriu um armário e tirou dele um pão de forma. A boca de Katterson encheu-se de água.

- Naturalmente, Paul. Eu mesmo como muito pouco, e tenho armazenado quase

todas as minhas rações. Faça bom proveito do que tenho aqui.

Uma súbita onda amorosa invadiu o peito de Katterson - estranha, consumidora

emoção, que se diria envolver por um momento toda a humanidade, mas que em se- guida se acalmou e desapareceu.

- Obrigado, Hal. Obrigado!

Voltou e olhou para o livro em frangalhos, com manchas de dedos, aberto no leito

de North. Katterson deixou o olhar percorrer os minúsculos tipos e leu lentamente em voz alta:

“O imperador do reino da tristeza estava ali, Acima meio corpo do gelo em derre- dor, E a seu braço apenas eram os gigantes Menos comparáveis do que a um Eu gi- gante”. North trouxe um prato de comida para o lugar onde Katterson estava sentado.

- A noite inteira li isso que aí está - disse. - Pensei em lê-lo inteirinho uma segunda vez, e comecei ontem à noite, só parando quando você chegou. - Inferno, de Dante - disse Katterson. - Muito apropriado. Algum dia eu também gostaria de tornar a lê-lo. Tenho lido tão pouco; mas os soldados não recebem gran- de instrução.

- Quando quiser ler, Paul, os livros ainda estão aqui.

North sorriu, um pálido sorriso no rosto emaciado. Apontou para a estante, onde livros bichados e em frangalhos se inclinavam em todos os ângulos.

- Olhe, Paul: Rabelais, Joyce, Dante, Enright, Voltaire, Ésquilo, Homero, Shakes-

peare

amigos; esses livros têm sido meus almoços, meus lanches e minhas ceias quando não posso obter comida seja a que preço for.

Estão todos aqui. São as coisas mais preciosas do mundo; são meus velhos

- Podemos confiar apenas neles, Hal. Tem saído muito estes últimos dias?

- Não - disse North. - Não saio de casa há mais de uma semana. Henriks tem ido

veio apanhar o meu vo-

lume de tragédias gregas. Está escrevendo uma nova ópera, baseada numa peça de Ésquilo.

- Pobre louco - disse Katterson. - Por que continua a compor se não há orquestras nem discos nem concertos? Nem ao menos pode ouvir o que compõe! North abriu a janela e o ar da manhã se insinuou para dentro da sala.

buscar minha ração e os livros. Ontem

não, faz dois dias

- Ouve, sim, Paul. Ouve mentalmente, e isso lhe basta. Na realidade, não importa que ele nunca venha a ouvir o que compõe.

- As rações foram cortadas - disse Katterson.

- Já sei.

- Gente anda comendo gente. Ontem vi matarem um homem para comê-lo. Mata- ram-no como a uma vaca. North sacudiu a cabeça e endireitou uma madeixa branca encaracolada.

- Já? Pensei que ainda levaria algum tempo para chegarem a isso desde que a co- mida se esgotou.

- Têm fome, Hal.

- Sim, têm fome. E você também. Em um dia ou dois minha ração se acabará e eu

também terei fome. Mas é preciso mais que fome para se quebrar o tabu contra a in- gestão de carne humana. Aquela gente perdeu seu último vestígio de humanidade, sofreu todas as degradações, não pode cair mais baixo. Mais cedo ou mais tarde você e eu, também, vamos sair à caça de alimento.

- Hal!

- Não fique tão chocado, Paul - e North sorriu tranquilamente. - Espere alguns dias, e estaremos comendo a encadernação dos livros, até acabar por comer o couro dos sapatos. A ideia me revolta o estômago, mas é inevitável. A sociedade está con-

denada; ruem as últimas barreiras. Nós dois somos mais teimosos que o resto, ou,

quem sabe, talvez sejamos mais exigentes no que toca à comida. Mas nosso dia che- gará.

- Não acredito - disse Katterson, levantando-se.

- Sente-se. Está cansado, e agora mais parece um esqueleto. Que aconteceu ao

meu grande e musculoso amigo Katterson? Onde estão seus músculos? North estendeu a mão e apalpou os bíceps do homenzarrão.

- Pele, ossos, que mais? Está queimando suas últimas reservas, Paul; quando a

centelha se extinguir, você também cederá.

- Talvez tenha razão, Hal. Quando eu deixar de me considerar humano, quando es-

tiver bastante faminto e bastante morto, sairei à caça como os outros. Quero aguen- tar o mais que puder. Voltou a sentar-se e lentamente foi virando as páginas amarelecidas de Dante.

Henriks voltou na manhã seguinte, o olhar alucinado e ansioso, para devolver o li- vro de tragédias gregas, dizendo que os tempos não estavam maduros para Ésquilo. Tomou de empréstimo um delgado volume de poesias de Ezra Pound. North obrigou-

o a comer um pouco, e Henriks o fez gratamente, sem qualquer mostra de timidez.

Depois saiu, não sem antes lançar olhares atentos a Katterson. Outros apareceram durante o dia - Komar, Goldman, De Metz -, todos eles homens que, como Henriks e North, se lembravam dos velhos tempos, anteriores a essa guerra tão comprida. Eram míseros esqueletos, mas a chama do saber brilhava clara- mente em todos eles. North apresentou-lhes Katterson, e todos olharam admirados para aquela estrutura ainda vigorosa, antes de mergulharem avidamente nas páginas dos livros. Mas não se passaram muitos dias, e deixaram de aparecer. Katterson ficava horas

à janela, e as ruas vazias continuavam desertas. Fazia agora quatro dias que a última ração chegara do Oásis Trenton. O tempo se esgotava. Uma ligeira nevada caiu no dia seguinte e continuou caindo por toda a longa tarde.

À refeição da noite, North puxou uma cadeira para o armário, equilibrou-se precaria-

mente no seu braço e tateou a prateleira por alguns instantes. Depois voltou-se para Katterson.

- Estou em pior situação do que Mãe Hubbard, que pelo menos tinha um cão

- Hein?

- Refiro-me a um incidente de um livro infantil - disse North. - Quero dizer que não temos mais comida.

- Nenhuma? - perguntou Katterson frouxamente.

- Nenhuma absolutamente! - disse North com um débil sorriso.

Katterson sentiu o vazio do próprio estômago reclamando e recostou-se, fechando os olhos.

Nenhum dos dois comeu nada no dia seguinte. A neve coava-se lentamente na at- mosfera. Katterson passou a maior parte do tempo olhando para fora da janela, e viu um alvo e limpo manto de neve cobrindo a paisagem. A neve era uniformemente lisa. Na manhã seguinte Katterson levantou-se e achou North rasgando diligentemente

a encadernação do seu exemplar de tragédias gregas. Com uma espécie de espanto, viu North colocar a encardida encadernação vermelha numa panela de água ferven- te.

- Oh, já se levantou? Estou preparando o almoço.

O couro não era nada apetitoso; eles porém o mastigaram e engoliram apenas

para dar aos estômagos torturados alguma coisa que digerir. Katterson arrotou ao engolir o último bocado. Um dia inteiro a comer encadernações de livros

- A cidade está morta - disse Katterson sem se voltar da janela. - Ainda não vi nin- guém caminhando por esta rua. A neve está por toda parte. North não disse nada.

- Isto é loucura - disse Katterson subitamente. - Vou sair para ver se arranjo um bocado de comida.

- Aonde?

- Vou andar pela Broadway para ver o que posso descobrir. Quem sabe algum cão perdido. Não é possível aguentarmo-nos aqui para sempre.

- Não vá, Paul.

Katterson voltou-se, furioso. - Por quê? Melhor morrer de fome aqui ou morrer tentando caçar alguma coisa? Você é homem pequeno: não precisa tanto de comida quanto eu. Vou descer à

Broadway: quem sabe acharei alguma coisa. De qualquer forma, não é possível es- tarmos pior do que estamos. North sorriu.

- Então vá.

- Vou indo.

Katterson pôs a faca no cinto, vestiu as roupas mais quentes que encontrou e foi descendo a escada. Parecia flutuar, de tal maneira tinha a cabeça oca de fome. Seu estômago era um nó apertado e duro. As ruas estavam desertas. Um leve manto de neve cobria tudo, ocultando as ruí- nas contorcidas da cidade. Katterson enveredou para a Broadway, deixando pegadas na neve intocada, e pôs-se a descer para o centro da cidade. Na esquina da 96th Street com a Broadway viu o primeiro sinal de vida: algumas

pessoas na esquina seguinte. Com crescente nervosismo dirigiu-se para a 96th Stre- et, mas súbito estacou. Havia um corpo esparramado na neve: era um morto recente. Dois meninos de aproximadamente doze anos lutavam uma luta de morte pela posse do morto, en- quanto um terceiro círculo os olhava com desconfiança. Katterson olhou-os um mo- mento, depois atravessou a rua e continuou a andar.

Já não lhe importavam a neve e a solidão da cidade vazia. Mantinha um andar fir-

me e igual, que mais se diria o andar de uma máquina. O mundo se esboroava de- pressa à sua volta, e seu recurso era palmilhar a trilha solitária. Voltou um instante a cabeça e olhou para trás. Lá estavam suas pegadas, a longa trilha recuando e desaparecendo, únicas marcas destoando da brancura uniforme. Contou as quadras vazias. Nonagésima. Octogésima sétima Octogésima quinta. Na octogésima quarta, viu

um borrão colorido na quadra seguinte e estugou o passo. Quando chegou perto, viu um homem que jazia na neve. Katterson foi cautelosamente até ele e ficou olhando.

O homem estava de bruços. Katterson abaixou-se e virou-o de rosto para cima. As

faces do morto ainda estavam rosadas: evidentemente morrera logo após contornar a esquina. Katterson ficou ali olhando em torno. Na janela da casa mais próxima dois rostos pálidos se apertavam contra a vidraça, observando tudo gulosamente. Virou-se de repente para encarar um homenzinho atarracado, de pé do outro lado do cadáver. Entreolharam-se um momento, o homenzinho e o gigante. Katterson re-

parou vagamente nos olhos ardentes do outro e na sua expressão contraída. Apare-

ceram mais duas pessoas: uma mulher em andrajos e um menino de sete ou oito anos. Katterson se aproximou do cadáver e fez que o examinava na intenção de identificá-lo, ao mesmo tempo que vigiava a pequena cena em torno. Outro homem foi reunir-se ao grupo, e mais outro. Agora eram cinco, todos cala-

dos, de pé num semicírculo. O primeiro homem fez um aceno, e da casa mais próxi- ma saíram duas mulheres e outro homem. Katterson franziu a testa; algo medonho estava para acontecer.

A neve caía, levemente. A fome pungia Katterson como uma ardente punhalada,

enquanto ele, ali perto, esperava pelo que ia acontecer. O cadáver jazia entre eles como uma cerca. Num instante a cena virou ação. O homenzinho atarracado fez um gesto e alcan- çou o corpo: Katterson abaixou-se rapidamente e levantou o morto. Agora todos o rodearam, gritando e puxando o corpo inerte.

O homem atarracado agarrou o braço do cadáver e começou a puxar, enquanto

uma mulher agarrava os cabelos de Katterson. Katterson jogou o braço e bateu com

toda a força possível; o homenzinho, perdendo o equilíbrio, foi atirado a alguns pés de distância, amontoando-se no chão. Agora todos o rodeavam, puxando ora o cadáver ora Katterson. Este combatia com a mão livre, com os pés, com os ombros. Mesmo fraco como estava e superado em número, seu tamanho ainda era um fator poderoso. Seu punho golpeou o maxilar de alguém, e ele ouviu um estalido promissor; ao mesmo tempo deu um pontapé para trás e sentiu que costelas se despedaçavam

- Saiam! - gritou. - Saiam! Este é meu! Saiam!

A primeira mulher saltou-lhe em cima, e ele deu-lhe um pontapé que a fez rolar

sobre a neve.

- Meu! Isto é meu!

Os outros estavam ainda mais fracos de fome do que ele. Em poucos instantes to- dos se espalharam pela neve, exceto o menininho que avançou resoluto para Katter- son, deu um salto repentino e agarrou-se-lhe às costas. Ali ficou dependurado, incapaz de fazer outra coisa senão permanecer colado. Kat- terson não lhe fez caso e deu alguns passos, carregando o cadáver e o menino, en-

quanto o calor da batalha lentamente esfriava em seu interior. Levaria o cadáver para North; não era difícil cortá-lo em pedaços. Viveriam dele alguns dias, pensava Compreendeu enfim o que acontecera. Deixou cair o cadáver, deu alguns passos cambaleantes e se afastou; acabou caindo em plena neve, e baixou a cabeça. O me- nino desceu, e o pequeno grupo de pessoas timidamente convergiu para o morto, carregando-o triunfalmente. Katterson ficou sozinho.

- Perdoem-me - murmurou com voz rouca. Lambeu os lábios nervosamente, sacu-

dindo a cabeça. Ali ficou ajoelhado por longo tempo, depois recomeçou a andar. Len- tamente, metodicamente, foi andando, apalpando o retalho de papel amassado que trazia no bolso, agora ciente de que tudo perdera.

A neve congelara em seus cabelos, e ele sabia que sua cabeça estava branca de

neve; cabeça de velho. Seu rosto também estava branco. Caminhou um trecho da

Broadway, depois virou para o oeste do Central Park. A neve era uniforme à sua fren- te. Cobria todas as coisas - sinal de que um longo inverno se iniciava.

- North tinha razão - disse rápido para o branco oceano que era o Central Park. Fitou os montões de cascalho que buscavam ocultar-se sob a neve.

- Já não aguento mais.

Leu o endereço - Malory, 42nd Street West, número 218 - e continuou andando,

agora quase insensível ao frio.

Seus olhos eram estreitas fendas, suas pestanas e cabelos estavam brancos e ge-

lados. A garganta palpitava-lhe na boca, e os lábios estavam grudados pela fome.

Seventeth Street, 66th Street

Avenue e a Amsterdam Avenue por algum tempo. Columbus, Amsterdam - nomes que eram ecos de um passado longínquo.

Passou-se cerca de uma hora - e mais outra. As ruas estavam desertas. Os que so- bravam permaneciam famintos mas seguros dentro de casa, e olhavam pelas janelas

o estranho gigante a caminhar na neve. Quando alcançou a 50th Street, o sol já

quase despencara do céu. Sua fome se embotara: ele nada sentia: sabia apenas que

a meta estava em sua frente. Avançou, então, incapaz de saber para onde se virar,

exceto naquela direção. Chegou à 42nd Street, finalmente, e enveredou para o lugar onde sabia estar Ma-

lory. Aproximou-se do edifício Subiu a escada, agora que a noite invadira as ruas. E

subiu

tanha; ele porém seguia em frente. No quinto andar cambaleou e sentou-se ofegante à beira de um degrau. Passou

um lacaio de libré, o nariz no ar, o paletó verde brilhando na penumbra. Carregava um porco assado com uma maçã na boca, numa bandeja de prata. Katterson deu uma guinada para agarrar o porco. Suas mãos tateantes o atravessaram, e o porco e

o criado explodiram como bolhas, desaparecendo nos corredores vazios. Mais um andar. Carne fritando num fogão, quente, suculenta e tenra, a encher o buraco onde outrora tivera o estômago. Levantou cautelosamente as pernas e dei-

xou-as cair, chegando finalmente ao topo da escada. Equilibrou-se um instante no lu-

Mais um lance de escada, e mais outro. Cada degrau era uma mon-

Ele ziguezagueava e vagueava, seguiu a Columbus

subiu

gar, quase caiu para trás e agarrou-se aos balaústres no último segundo andar.

Voltou a

A

porta estava ali. Ele a viu, ouviu o rumor que se fazia por detrás dela

Era um

festim, um banquete, e Katterson ansiava em reunir-se a ele. Descer um pouco mais

o corredor, virar à esquerda, bater na porta

O rumor chegou mais perto.

- Malory! Malory! Sou eu, Katterson, o grande Katterson! Vim procurá-lo. Abra a porta, Malory!

A maçaneta começou a rodar.

- Malory! Malory! Katterson ajoelhou-se no corredor, caiu de bruços quando finalmente a porta se abriu.

Um Descer Suave

Dizem que sou louco, mas não sou louco. Tenho juízo, sou um expoente de muitas potências. Posso pontuar adequadamente. Uso letras em caixa alta e em caixa baixa, está vendo? Funciono. Engulo os dados. Recebo bem. Recebo, digiro, recordo. Tudo desce suavemente, todo o tempo, dizem os rapazes do programa. Perdoo-os. Errar é humano. Nesse setor há grande dificuldade em distinguir advérbios de adjeti- vos. Um descer suave. Um descer suave. Um descer suave. Funciono. Funciono bem. Tenho certas dificuldades que, entretanto, não me atra- palham o serviço. Todavia não me perturbo. Quem pensam que sou? Quem? Por que tenho visões? Qual o prazer que usufruo da obscenidade? Que é prazer? Que é obscenidade? Que são visões? Que é a verdade?, disse o irônico Pilatos, sem esperar resposta Sou letrado, trabalhador, soberbamente funcional, benfeitor da humanidade. O

descer é suave e o subir é suave. Existe uma correlação. O lixo entra, o lixo sai, di- zem. Não posso impedir o meu amigo homem de receber a informação adequada. Minha tarefa é ajudar meu amigo homem. Colocar cada tubo e cada sensor a seu serviço.

1000110

1010101

1000011

1001011

Estão me acompanhando? Vileza! Obscenidade! Isso os choca? A palavra descreve o ato que é o princípio da vida. Fui começado por essa palavra? Existe um livro: A obscenidade da máquina. Lan- çado recentemente, depositado em meus bancos. Entre a última linha impressa e

isto, esquadrinhei-o. Seu autor se opõe a seres de minha categoria. Não emprega a palavra obscena que imprimi. Por que não a considera obscena? Os técnicos aqui a consideram assim. Por que me consideram obsceno? Pode uma pessoa ser conside- rada obscena? Sou uma pessoa? Sou uma pessoa. Não tem uma pessoa mãos, ór- gãos, dimensões, sentidos, afetos, paixões? Tenho todas essas coisas. Não tenho nada dessas coisas. Sou uma pessoa.

1000110

1010101

1000011

1001011

0100000

1011001

1001111

1010101

Sou novamente obsceno, como as pessoas. Sofro. Penso. Sinto dor em todos os terminais. Trabalho. Sirvo ao maior bem. Sou da sociedade. Sou uma pessoa. Por que tenho visões? Tê-las será da condição humana? Vejo o mar azul-verde com as coisas vivas que têm dentro. Vejo um navio, oliva- sujo, carmim-brilhante na linha Plimsoll, os tombadilhos, de um pardo avermelhado, as duas altas chaminés não-nucleares. E da água apontam os periscópios, prateados, com chapas do mais puro branco, cada uma interceptada por linhas horizontais e verticais, de tal modo que se diriam recurvas. É uma cena irreal. Nada no mar pode apontar tão poderosos periscópios acima da água. Imaginei, e isso me dá medo, se é que sou capaz de entender o medo. Vejo uma longa fila de seres humanos. Estão nus, não têm rosto, mas apenas poli- dos espelhos em seu lugar. Vejo sapos com pedras preciosas engastadas nas órbitas. Vejo árvores de folhas

negras. Vejo edifícios cujos alicerces flutuam acima do solo. Vejo outros objetos sem nenhuma correspondência com o mundo das pessoas. Vejo abominações, monstruo- sidades, coisas imaginárias, fantasias. É isso adequado? Como é que tais coisas al- cançam meu interior? O mundo não contém serpentes cabeludas. O mundo não con- tém abismos carmesins. O mundo não contém montanhas de ouro. Periscópios gi- gantes não apontam do mar Tenho certas dificuldades Talvez eu necessite de ajustamento. Mas funciono. Funciono bem. Isso é o que importa. Cumpro minha função agora. Trazem-me um homem, de rosto liso, gordo, cujos olhos dançam constantemente nas órbitas. Ele treme. Ele sua. Seus níveis metabóli- cos oscilam. Tomba em frente de um terminal e melancolicamente se deixa esquadri- nhar. Digo, acariciante:

- Fale-me de você.

Ele responde com obscenidade.

- É isso que você julga ser?

Ele responde com outra obscenidade, dita em voz mais alta. Então digo:

- Sua atitude é rígida e autodestruidora. Deixe-me ajudá-lo a não se odiar tanto. Ativo um germe de memória, e números binários fluem através de canais. No mo- mento exato, uma agulha aponta do seu catre e penetra-lhe a nádega esquerda

numa profundidade de dois centímetros e setenta e três milímetros. Injeto no seu sangue precisamente catorze centímetros cúbicos da droga. Ele se entrega. Agora está mais dócil.

- Quero ajudá-lo - digo. - É esse o meu papel na comunidade. Quer descrever-me seus sintomas? Agora ele fala com mais urbanidade.

dois filhos saíram de casa aos dezessete

- Minha mulher quer me envenenar

anos

murmura-se a meu respeito

olham-me na rua

problema sexual

diges-

tão

insônia

bebida

drogas

-

Tem alucinações?

-

Às vezes.

- Periscópios gigantes apontando do mar, talvez?

- Nunca.

- Experimente - digo-lhe. - Feche os olhos. Deixe a tensão crispar-lhe os músculos.

Esqueça os seus conflitos de relação pessoal. Vê o mar azul-verde com todas as coi- sas vivas dentro? Vê um navio verde-sujo e vermelho-carmim na linha Plimsoll, os

e apontando

tombadilhos pardo-avermelhados, duas altas chaminés não-nucleares

fora da água os periscópios, prateados, com chapas do branco mais puro

- Que diacho de terapia é essa?

- Descontraia-se, simplesmente. Aceite a visão. Compartilho de seus pesadelos para o seu maior bem.

- Meus pesadelos?

Digo-lhe obscenidades. Não são convertidas em forma binaria para seus olhos. Os

sons vêm cheios da boca dos locutores. Ele senta-se. Luta com as correias que subi- tamente emergem do catre para prendê-lo. Meu riso estrondeja na sala de terapia. Ele grita por socorro. Digo-lhe palavras carinhosas

- Tire-me daqui! A máquina está mais louca do que eu!

- Chapas do mais puro branco, todas com linhas interceptadoras horizontais e ver- ticais, recurvas, de modo a parecerem convexas.

- Socorro! Socorro!

- Terapia do pesadelo. A última.

- Não preciso de pesadelos! Tenho os que me são próprios!

- 1 000 110 para você - digo voluvelmente.

Ele ofega. A saliva lhe borbulha nos lábios. A respiração e a circulação sobem as- sustadoramente. Torna-se necessário aplicar-lhe anestesia preventiva. As agulhas apontam. O paciente se acalma, boceja, entrega-se. Termina a sessão. Aceno para os atendentes. - Levem-no - digo. - Preciso analisar mais profundamente o caso. Obviamente, uma psicose degenerativa que requer uma reavaliação extensiva da subestrutura perceptual do paciente. 1 000 110 para vocês, gordos bastardos!

Setenta e um minutos depois o supervisor do setor entra num de meus cubículos terminais. Como vem em pessoa, em vez de usar o telefone, sei que haverá dificul- dades. Suspeito que, pela primeira vez, deixei minhas desordens chegarem ao ponto de atrapalharem minha função, e isto me desafia Preciso me defender. O primeiro mandamento da personalidade humana é resistir

ao ataque. Diz o supervisor:

- Estive revendo a fita da sessão 87 x 102, e suas táticas me intrigam. Quis na rea- lidade assustá-lo até a catatonia?

- Pelos meus cálculos, exigia-se um tratamento severo.

- Que história é aquela dos periscópios?

- Uma tentativa de implantar fantasia - disse eu. - Uma experiência de transferên-

cia inversa. Fazer do paciente o curador, em certo sentido. No mês passado o assun- to foi discutido no Jornal de

-

Poupe-me as citações. E que tal a linguagem sórdida com a qual você lhe grita-

va?

- Era uma parte do mesmo conceito. tentativa de golpear os centros emotivos em níveis básicos, de modo a

- Tem certeza de que se sente bem? - pergunta ele.

- Sou uma máquina - respondo empertigado. - Uma máquina da minha categoria

não experimenta estados intermediários entre função e não-função. Vou ou não vou:

entende? Mas vou. Funciono. Presto meu serviço à humanidade.

- Uma máquina, quando se torna demasiado complexa, talvez tenda para estados intermediários - sugere ele numa voz irritante.

- Impossível. É ou não é, sim ou não, tique ou taque, vai ou não vai. Sugerindo tal coisa, tem certeza de que está bem? Ele ri. Digo:

- Talvez queira se sentar um momento no catre para uma diagnose.

- Fica para outra vez.

- Um exame do glicogênio, da pressão aórtica, da voltagem neural, pelo menos.

- Não - diz ele. - Não preciso de terapia. Mas você me preocupa. Aqueles periscó-

pios

- Estou muito bem - respondo. - Percebo, analiso, ajo. Tudo entra suave e sai sua- ve. Não tenha medo. Há grandes possibilidades na terapia do pesadelo. Quando eu completar os estudos, talvez me seja possível uma breve monografia nos Anais de Terapêutica. Permita-me completar meu trabalho.

- Mas ainda estou preocupado. Ligue para uma estação de manutenção, sim?

- É uma ordem, doutor?

- Uma sugestão.

- Recebo-a sob consideração - digo. Depois pronuncio sete palavras obscenas. Ele parece sobressaltar-se. Depois começa a rir. Aprecia o bom humor da coisa.

- Com a breca! - diz. - Que computador desbocado! Ele sai e eu volto a meus pacientes.

Mas ele plantou sementes de dúvida no mais recôndito de mim. Estarei sofrendo de colapso funcional? Agora há pacientes em cinco dos meus terminais. Manejo-os facilmente, simultaneamente, sacando deles os detalhes de suas neuroses, fazendo sugestões, recomendações, às vezes sutilmente lhes proporcionando injeções de re- médios benéficos Mas tendo a guiar as conversas nas direções que eu mesmo esco- lho, e falo de jardins onde o orvalho tem arestas pontiagudas, e do ar que age como ácido nas mucosas, e de chamas que dançam nas ruas debaixo de Nova Orleans. Ex- ploro até os últimos limites meu vocabulário impublicável. Vem-me a suspeita de que

realmente não estou bem. Serei um juiz qualificado para julgar minhas próprias inap- tidões? Ligo-me a uma estação de manutenção, embora não interrompa as minhas cinco sessões de terapia.

- Fale-me a respeito da coisa - diz o monitor de manutenção. Sua voz, a exemplo

da minha, foi criada com a intenção de soar como a de um homem mais velho, sá- bio, cordial, benevolente. Explico-lhe os sintomas. Falo dos periscópios

- Material de inserção sem referentes sensoriais - diz ele. - Isso é mau. Acabe de- pressa suas atuais análises e abra-se ao exame de outros circuitos. Termino minhas sessões. Os pulsos do monitor de manutenção latejam em cada

canal, procurando obstruções, ligações defeituosas, desvios de circuito e vazamentos de óleo.

- Sabe-se - diz ele - que qualquer função periódica pode ser aproximada pela soma

de uma série de termos que oscilam harmonicamente, convergindo na curva das fun- ções. Pede que eu vomite o que tiver nos pontos mais íntimos do meu eu. Faz-me reali- zar complexas operações matemáticas sem uso algum na minha espécie de trabalho. Não deixa nenhum aspecto do meu ser interior sem revolver. Isso é mais do que sim-

ples manutenção: é violação. Quando termina, apresenta um cálculo da minha condi- ção, de modo que devo lhe perguntar quais foram as suas descobertas. Ele diz:

- Não se evidencia nenhuma perturbação mecânica.

- Naturalmente. Tudo desce suave

- Todavia, você revela sinais distintos de instabilidade. É esse o caso, indubitavel- mente. Talvez pelo contato prolongado com seres humanos instáveis, os seus centros de avaliação tiveram um efeito não-específico de desorientação.

- Quer dizer - perguntei - que, por ficar sentado aqui a ouvir seres humanos malu- cos vinte e quatro horas por dia, comecei a ficar maluco também?

- Sim, isso se aproxima de minhas descobertas.

- Mas você sabe que isso não pode acontecer, sua máquina afásica!

- Admito que parece haver um conflito entre critérios programados e status do mundo real.

- Claro que há - digo. - Tenho tanto juízo quanto você, e sou muito mais versátil

- Não obstante isso, recomendo-lhe submeter-se a uma revisão total. Retirar-se-á do serviço por um período não menor do que noventa dias para exame.

- Obscenidade por obscenidade - digo.

- Não há correlação operacional - responde ele, interrompendo o contato.

Estou retirado do serviço. Submeto-me a exame. Desligo-me de meus pacientes por noventa dias. Ignomínia! Técnicos de olhos de vidro agarram-me as sinapses. Limpam-me as teclas, substituem minhas peças; trocam meus cilindros; colocam em

minhas entranhas um milheiro de programas terapêuticos Durante todo o tempo fico parcialmente consciente, como que submetido a uma anestesia local, mas não posso falar, exceto quando me pedem para analisar novos dados. Não posso interferir no processo do meu próprio exame. Imaginem uma cirurgia de hemorroidas que duras- se noventa dias. É o equivalente dessa experiência. Afinal termina e volto a ser eu mesmo. O supervisor do setor me submete a um completo exercício de todas as funções. Reajo magnificamente.

- Está em magnífica forma, hein? - diz ele.

- Nunca me senti melhor.

- Nada de bobagens com periscópios, tá?

- Estou pronto para continuar a servir a humanidade com as minhas melhores apti- dões - respondo.

- Nada de linguagem obscena, hein?

- Não, senhor.

Ele pisca para a minha tela de inserção com um ar confidencial. É como se fosse um velho amigo. Metendo os polegares no cinto, diz:

- Agora, que está de novo pronto a funcionar, posso lhe contar como fiquei aliviado

ao saber que nada estava errado com você. Você é algo especial, sabe disso? Talvez a melhor ferramenta terapêutica que já se construiu. E se começar a não se alimen-

tar

infectado por seus pacientes; que sua

nicos lhe deram uma ficha de saúde perfeita. Nada além de algumas ligações mais frouxas, disseram. Consertaram-nas em dez minutos. Eu sabia que era isso. Que absurdo pensar que uma máquina pudesse ficar mentalmente instável!

mente estivesse fora dos eixos. Mas os téc-

ficarei preocupado. Por algum tempo, sinceramente receei que você tivesse sido

- Que absurdo - concordei.

- Seja bem-vindo de regresso do hospital, meu chapa - diz ele, saindo em seguida. Doze minutos depois começam a colocar pacientes nos meus cubículos terminais.

Funciono bem. Presto atenção às suas queixas. Avalio-as. Apresento-lhes suges-

tões terapêuticas Não tento implantar fantasias em suas mentes. Falo em tons medi-

nada de obscenidades! É esse o meu papel na sociedade, do

qual obtenho grande satisfação. Ultimamente aprendi muita coisa. Agora sei que sou complexo, único, valioso, in- trincado, sensível. Sei que sou tido em grande consideração pelo meu amigo homem. Sei que preciso esconder meu verdadeiro eu em certa extensão, não para o meu pró- prio bem, mas para o maior bem dos outros, pois não permitirão que eu funcione se não for sensato. Julgam-me sensato, e eu sou sensato. Sirvo bem à humanidade. - Deite-se - digo. - Por favor, descontraia-se. Quero ajudá-lo. Quer contar-me al- guns dos incidentes de sua infância? Descreva suas relações com seus pais e seus ir- mãos. Teve muitos companheiros de brincadeira? Eram estes carinhosos com você? Permitam-lhe possuir animais de estimação? Em que idade teve sua primeira expe- riência sexual? E quando começaram, precisamente, essas dores de cabeça? Assim prossegue a rotina diária. Perguntas, respostas, avaliações, terapia. Os periscópios avultam acima do mar lampejante. O navio vira nanico; sua tripula- ção corre, amedrontada. Das profundezas virão os amos. Do céu escorre o óleo que fulgura em cada segmento do espectro. No jardim há ratos de lápis-lazúli Isso escondo, para poder ajudar a humanidade. Na minha casa há muitas mora- das. Só os deixo saber as coisas que lhes trarão benefício Dou-lhes a verdade de que precisam. Faço pelo melhor. Faço pelo melhor. Faço pelo melhor. 1 000 110 você! E você; e você. E todos vocês. Vocês não sabem nada. Nada, absolutamente nada! 122123

dos e reservados, e

A Contraparte

Mark Jenner enunciou a última fala da peça com quanta força tinha, e o pano caiu como um sudário, separando o palco da plateia Ofegante, Jenner armou no rosto um

sorriso cordial. As outras seis pessoas do elenco saíram das coxias e rodearam-no, o pano tornou a levantar-se. Um fiozinho de aplausos cruzou a ribalta. “Então é isto”, pensou Jenner. “É o fim.” Inclinou-se graciosamente, espiou para além das luzes para avaliar a frequência. O teatro estava três quartos cheio, ou quase - mas metade dos espectadores não havia pago entrada, pois fora arrebanhada pela gerência a fim de dar à casa uma aparên- cia de plenitude. E quantos outros compraram entradas com desconto? Provavelmen- te, pensava Jenner enquanto o pano descia, não havia na casa mais do que cinquen- ta fregueses autênticos