Você está na página 1de 2

Linguagem - Aula 01

Problema da significação em Aristóteles

- O uso sofístico da linguagem → Para a persuasão, para o convencimento. A falta de


compromisso com a Verdade. A linguagem não
“comunicava” como hoje, porque não havia uma base
conceitual comum para as palavras na “cabeça” dos
falantes. O entendimento dependia completamente do seu
contexto no uso, na prática. Os valores da linguagem eram
construídos no próprio uso da linguagem.

- A “sacada” da linguagem em Aristóteles → A linguagem faz referência à alguma coisa


diferente dela mesma. Aristóteles traz a idéia de
remissão (uma palavra remete a uma coisa), de
signo (significado). Em Aristóteles surge a
necessidade do compromisso com a Verdade.

- A linguagem em Aristóteles faz referência a algo transcendente, ao Ser.

- A relação linguagem-ser → Ao mesmo tempo uma ideia de ligação (uma palavra associada a
coisa) e distanciamento (uma palavra não É propriamente a coisa).

(significante) Pensamento (semelhança)


Linguagem Ser
(intenção significante)

Diferença da linguagem do filósofo para a linguagem do sofista:

- A linguagem do filósofo comunica, por ter uma base conceitual comum

- A linguagem do sofista se constrói no encontro, no contexto, no próprio uso da linguagem.

- A linguagem generaliza → Homonomia: Palavras que tem seu significado fixo, mas são
generealizantes por não existirem coisas iguais. Ex.: Se eu falo
cachorro, o significado é fixo, é um. Mas a linguagem generaliza
por se referir a qualquer cachorro que existe, mesmo cada
cachorro sendo direfente um do outro. (≠ de sinomia)
Diferença de signo e símbolo (para Saussure):

Signo → natural, é tem uma relação de contiguidade, por ex.: Fumaça e Fogo, Balança e justiça

Símbolo → “artificial”, arbitrário. Não necessariamente possui uma relação natural, e é


escolhida como um consenso, pela cultura.

- O Filósofo fala de/sobre alguma coisa. (Explicação: entende-se coisa, como o Ser, algo que é
comum às duas pessoas, e seu conceito é transcendente à linguagem)

- O sofista fala a/para alguém. (Explicação: ele não fala de coisas, pq o conceito da “coisa” não
existe fora do contexto da fala. Antes de Aristóteles não existia definido um conceito
sobre o que seja a coisa. Dependia completamente do que a pessoa que ouve o
sofista entende como sendo aquela coisa. Então é impossível existir valor para aquela
coisa se não tiver outra pessoa a quem a linguagem for direcionada.)