Você está na página 1de 2

Aplica-se uma taxa reduzida de IVA de 6% no sector da construção

civil, nomeadamente nas empreitadas de beneficiação, remodelação, renovação,


restauro, reparação ou conservação realizadas em imóveis afetos a habitação, ao abrigo
da verba 2.27 da Lista I anexa ao CIVA (antes da renumeração efetuada pelo D.L.
102/2008, de 20 de junho era a verba 2.24).

Atenção: existe exclusão


Esta taxa reduzida não se aplica aos trabalhos de limpeza, de manutenção
dos espaços verdes nem tão pouco os trabalhos realizados em piscinas, saunas,
campos de ténis, golfe ou minigolfe ou instalações similares.
Estão excluídas da taxa reduzida na construção civil as obras de construção e
similares (acréscimos, sobreelevação e reconstrução de bens imóveis), não se
abrangendo na sua aplicação as empreitadas sobre bens imóveis de uso
profissional, industrial, comercial ou de prestação de serviços.

Qual a abrangência da taxa reduzida?


A taxa reduzida não abrange os materiais incorporados, salvo se o
respetivo valor não exceder 20 % do valor global da prestação de serviços. Isto é,
a taxa reduzida aplica-se somente à mão-de-obra, excluindo-se os materiais
aplicados. Só se o valor dos materiais não ultrapassar 20 % do valor global da
prestação de serviços é que a taxa reduzida se pode aplicar ao valor total da
empreitada.

Outras aplicações da taxa reduzida


De acordo com a Lista I de bens e serviços sujeitos à taxa reduzida, esta aplica-
se ainda a:
 empreitadas de construção de imóveis de habitações económicas ou de
habitações de custos controlados desde que a classificação esteja certificada
por autoridade competente;
 empreitadas de bens imóveis em que são donos da obra autarquias locais,
empresas municipais cujo objeto consista na reabilitação e gestão urbanas
detidas integralmente por organismos públicos, associações de municípios,
empresas públicas responsáveis pela rede pública de escolas secundárias ou
associações e corporações de bombeiros, desde que as referidas obras sejam
diretamente contratadas com o empreiteiro;
 empreitadas de reabilitação urbana realizadas em imóveis ou em espaços
públicos localizados em áreas de reabilitação urbana delimitadas nos
termos legais, ou no âmbito de operações de requalificação e reabilitação de
reconhecido interesse público nacional;
 empreitadas de reabilitação de imóveis que sejam contratadas diretamente
pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), bem como as
que sejam realizadas no âmbito de regimes especiais de apoio financeiro ou
fiscal à reabilitação de edifícios ou ao abrigo de programas apoiados
financeiramente pelo IHRU;
 empreitadas de construção de imóveis e prestações de serviços com elas
conexas promovidas por cooperativas de habitação e construção, cujas
habitações se integrem no âmbito da política social de habitação, e sejam
como tal certificadas pelo Instituto Nacional de Habitação, e cuja
construção respeite o conceito e os parâmetros de habitação de custos
controlados, majorados em 20%;
 empreitadas de conservação, reparação e beneficiação dos prédios ou parte
dos prédios urbanos habitacionais, propriedade de cooperativas de
habitação e construção cedidos aos seus membros em regime de
propriedade coletiva.