Você está na página 1de 9

Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Direito Fiscal 2018/2019


Casos práticos
Equipa: Ana Paula Dourado, Paula Rosado Pereira, Nuno Oliveira Garcia, Sónia Reis,
Paulo Marques, Sérgio Alves

Caso Prático n.º 1


Espécies de Tributos

Farto dos garridos reclamos e anúncios luminosos na cobertura de prédios lisboetas, que
segundo o presidente da CML desarmonizavam a estética da cidade e afastavam os turistas, o
executivo camarário de Lisboa apresentou à respectiva Assembleia Municipal uma proposta de
criação de uma Taxa Especial a incidir sobre todo e qualquer objeto e estrutura publicitária
colocado na cobertura ou telhado dos imóveis sitos nos bairros históricos do Castelo, Mouraria,
Príncipe Real e Chiado. Ainda de acordo com a proposta, o tributo deveria assentar sobre (i) o
valor tributário dos prédios e, sempre que este valor se revele manifestamente desatualizado, (ii)
sobre uma ponderação da média dos rendimentos sujeitos a IRS declarados pelos proprietários
desses imóveis. A referida proposta propunha também a criação de isenções específicas para (i)
os imóveis cujo valor patrimonial não excedesse os € 2500 e para (ii) as sedes dos partidos
políticos.

Caso Prático n.º 2


Substituição e responsabilidade tributária

Deolinda Nunes, gerente da empresa “Lagoas e Mares, Lda”, com sede em Faro, está muito
apreensiva relativamente aos meses de setembro e outubro, já que a empresa suportou um valor
elevado de juros para financiar a sua sucursal em Loulé e pagou diversas coimas por infracções
cometidas no trânsito com as viaturas da empresa. Nesse período, o departamento financeiro da
empresa não efetuou sequer as retenções na fonte aos trabalhadores da empresa em relação
aos seus salários. E, por outro lado, em face das graves dificuldades financeiras da empresa,
não foram entregues as quotizações dos trabalhadores para a Segurança Social.

1
Caso Prático n.º 3
Tributos e princípio da legalidade

Visando aproveitar o crescente afluxo de turistas ao país, o Governo cria, através de decreto-lei
simples, uma “Taxa sobre Turismo de Luxo”, que incide sobre o preço das refeições e das
estadias, respetivamente, em restaurantes e estabelecimentos hoteleiros de luxo.
Poucos dias depois, uma Portaria:

i) define os critérios para a classificação de restaurantes e estabelecimentos hoteleiros


como “de luxo”, para efeitos da “Taxa sobre Turismo de Luxo”; e
ii) isenta da aludida taxa as refeições em restaurantes que se revistam de “manifesto
interesse para a preservação do património gastronómico português”.

Caso Prático n.º 4


Princípio da legalidade

Após a outorga, por parte da Assembleia da República, de uma lei de autorização legislativa,
onde se permitia ao Governo «tributar em IRS todos os rendimentos pessoais que decorram de
uma relação de trabalho dependente», é aprovado um decreto-lei que prevê:

«1 – As prestações a que o trabalhador tenha direito por efeito da lei ou do


contrato de trabalho, assim como as despesas cujo encargo a entidade patronal assuma
no predominante interesse daquele, serão tributadas em IRS.
2 – O valor tributável das prestações e despesas a que se refere o número
anterior será o seu valor nominal ou, na falta deste, o valor mais próximo das condições
normais de mercado.
3 – As despesas do n.º 1 não serão dedutíveis para efeitos do apuramento do
lucro tributável em IRC e, acaso se mostrem excessivas, serão tributadas
autonomamente à taxa de 42%.
4 – Será fixada, por Portaria, a lista das prestações a que referem os n. os 1, 2 e 3,
bem como os critérios concretos para apuramento do seu valor.
5 – São isentados do pagamento do imposto os trabalhadores da construção
naval.»
O Governo aprovou finalmente o decreto-lei que procede à alteração do imposto sobre a venda
de imóveis, pondo termo à imensa fraude que se tinha instalado no sector da construção civil.

O imposto passa a ser calculado de acordo com o “valor objetivo” de cada imóvel, um valor a
fixar pelos serviços de finanças atendendo à sua “localização”, “equipamentos” e “antiguidade”,
bem como a “outros fatores relevantes” que a lei em si mesma não especifica. Por portaria do
Ministro das Finanças haver-se-ia de precisar melhor estes elementos e o peso relativo de cada
um no cálculo do valor tributável.

Ao valor assim determinado aplicar-se-ia uma taxa única de 2% nas grandes cidades, podendo,
fora delas, oscilar a taxa entre os 0,8% e 1%, consoante deliberação das assembleias
municipais, uma solução que a Federação dos Municípios Portugueses sustenta ser
inconstitucional por comprimir em demasia a autonomia financeira local.

A proposta da Federação era antes a de que na generalidade dos municípios a taxa pudesse
oscilar entre os 0,5% e os 5% e que por deliberação das assembleias municipais se pudessem
isentar de imposto todos os imóveis situados em “zonas degradadas”, tal como os próprios
municípios as definissem.

Caso Prático n.º 5


Aplicação da Lei no Tempo

O Governo, na sequência da grave crise financeira, e tendo em vista cumprir as obrigações de


redução do défice público constantes no Programa de Estabilidade e Crescimento para o período
de 2011-2015, propõe, no dia 1 de abril de 2015, à Assembleia da República as seguintes
medidas legislativas:

1. Aumentar a taxa do IVA para 25% com efeitos a partir do dia 1 de maio de 2015;
2. Aumentar a taxa máxima de IRS para as duas categorias mais elevadas em 5% com
efeitos nos rendimentos pessoais de 2015;
3. Aumentar a taxa de IRC para 27% para os rendimentos das pessoas coletivas com
efeitos no lucro tributável de 2015, e agravando a tributação autónoma das
despesas com veículos automóveis para 60%;
4. Estabelecer um adicional de 6% ao IRS apurado e liquidado em 2014;
5. Eliminar, com efeitos ao dia 1 de janeiro de 2014, os benefícios fiscais relativos à
contratação de jovens desempregados.
6. Prever a tributação imediata em IRS de todas as mais-valias mobiliárias,
independentemente do momento da aquisição das ações e do período de detenção.

Caso Prático n.º 6


IRS e IRC: capacidade contributiva, coleta mínima e sinais exteriores de riqueza,
finalidade do imposto, confisco, dedutibilidade de gastos

Por entre mais uma “crise das instituições democráticas”, a Assembleia da República aprova um
novo pacote de medidas de luta contra a fraude e a evasão fiscais.

Antes do mais, todas as empresas passam a estar sujeitas a uma coleta mínima no valor anual
de mil euros, a aplicar já relativamente ao ano em curso e independentemente dos lucros que
resultem da sua atividade. Trata-se de uma medida com um propósito elementar de moralização
a que se soma a eliminação de todos os benefícios fiscais relativos a cooperativas, fundações e
instituições de utilidade pública, dados os abusos que nesta matéria têm vindo a ser constatados
pela Administração.

Depois, estabelece-se que sempre que os contribuintes singulares possuam determinados sinais
exteriores de riqueza se presuma, para efeitos de IRS, que são titulares de um determinado
rendimento, a menos que façam prova do contrário. A tabela a usar para o cálculo deste
rendimento presumido é a seguinte:

Viagens 10 vezes o valor


Cartões de crédito 20 vezes o plafond
Telemóvel 20 vezes o valor
Despesas em discotecas 10 vezes o consumo mensal

Enfim, por modo a reforçar a moralização do sistema, determina-se que todos os rendimentos
provenientes de práticas ilícitas fiquem sujeitos a uma taxa agravada de IRS ou de IRC de 60%
e que as despesas suportadas com práticas ilícitas não sejam dedutíveis ao rendimento de
empresas e profissionais.

Caso Prático n.º 7


IRS, rendimentos ativos, rendimentos passivos

No ano transato, António e Maria tiveram os seguintes rendimentos:

i) O salário dele e os rendimentos que ela obtém enquanto advogada. Contudo,


relativamente a este último rendimento, houve que contar com variadas despesas;
ii) Juros de um depósito a prazo e dividendos de ações da ‘PT’ que compraram há
alguns anos;
iii) Uma pequena mais-valia relativamente a algumas das ações, que venderam.

Contudo, a vida não é fácil. Foram elevadas as despesas de saúde e de educação dos três
filhos, e ainda tiveram a seu cargo o pai de António, que vive com eles e recebe apenas a
pensão mínima.

Caso Prático n.º 8


Categorias de rendimentos de IRS, gastos empresariais, substituição e responsabilidade
tributária

Joaquim, administrador de uma empresa de contabilidade, utilizava para uso pessoal um carro
que a sua entidade patronal, a sociedade Átila & Irmãos, lhe havia disponibilizado, bem como
recebia subsídio de almoço e subsídio de residência. A entidade patronal pagou ainda uma
viagem de férias ao Dubai a Joaquim e a toda a sua família. Contudo, e na sequência da
epidemia que se abateu sobre o País e estando a Átila & Irmãos com dificuldades financeiras,
decidiu deixar de entregar os montantes retidos aos seus funcionários aquando do pagamento
dos salários junto das Autoridades Fiscais Portuguesas.

Caso Prático n.º 9


Métodos diretos e métodos indiretos de avaliação

A sociedade anónima H, que vende veículos automóveis, recebeu a visita de uma equipa de
inspeção tributária.
A equipa fez as seguintes correções ao balanço fiscal, que apresentava um resultado líquido
positivo de 10 milhões de euros no ano de 2008 e um valor bruto de vendas de 100 milhões de
euros:

– desconsideração, como custo, das multas pagas por contra-ordenação rodoviária,


no valor de 50 mil euros;
– desconsideração, como custo, das rendas pagas ao senhorio no valor de 500 mil
euros, por não existir fatura, mas um mero recibo;
– desconsideração de uma despesa de 1 milhão de euros, apenas identificada por um
talão justificativo que dizia “luvas e subornos”;
– tributação autónoma a 50% das verbas por “luvas e subornos”
– desconsideração de 50 mil euros em almoços e jantares suportados pela sociedade,
relativos à representação da empresa junto de clientes e fornecedores, por ser
considerado um valor excessivo.

A equipa de inspecção defende ainda a desconsideração da contabilidade por (a) ser inviável em
face do número de correcções detectadas, (b) por haver sociedades concorrente no mesmo
sector de actividade a facturar 50% mais do que a sociedade H e (c) por ter ocorrido uma
redução em 35% do volume de receitas face ao ano anterior.
Por conseguinte, a equipa decidiu-se pela aplicação de uma margem de 30% sobre o valor bruto
das vendas registado em empresas concorrentes nesse ano – que se situavam, em média, em
200 milhões de euros. Apurou-se, assim, um resultado líquido de 60 milhões e a subsequente
liquidação de IRC no valor de 12 milhões de euros.
Quid iuris?
Caso Prático n.º 10
IRC, normas especiais antiabuso e cláusula geral antiabuso

A sociedade anónima X prevê apresentar um resultado líquido do exercício positivo de 200


milhões de euros, em 2014, pretendendo ainda distribuir o máximo do lucro possível aos cinco
sócios.
Face à possibilidade de se ver confrontada com uma elevada coleta de IRC, além do IRS dos
respetivos sócios pela distribuição de dividendos, a sociedade X resolve consultar um Técnico
Oficial de Contas (TOC), conhecido do sócio.
O TOC fez uma análise fiscal da situação e apresenta uma proposta de poupança fiscal, onde se
pode ler:

Sem qualquer intervenção, a carga fiscal global ascenderia a 46 milhões de euros


em IRC (23% x 200 milhões) e a cerca de 77 milhões de euros em IRS (aprox. 53% x
[200 milhões – 50 milhões]).

No mesmo documento, como proposta de otimização fiscal, o TOC sugeriu à sociedade X:

 Pagamento de 50 milhões de Euros a uma sociedade situada na República de


Vanuatu, por prestação de serviços de consultoria geral, criando assim custos;
 Venda à sociedade Z – que é detida em 55% pela empresa X – ao valor de
mercado, de acções que detém na sociedade Y, gerando uma menos-valia
mobiliária de 50 milhões;
 Compra de maquinaria industrial pelo dobro do seu preço de mercado à sociedade
Z, permitindo assim deduzir uma quota de amortização de 25 milhões de euros já
em 2014;
 Compra de jóias para as esposas dos 3 administradores, no valor de 50 milhões de
euros, deduzindo assim o respetivo valor em IRC e evitando a tributação dos
administradores em IRS;
 Compra aos sócios de parte das ações que estes têm na própria sociedade,
pagando esta pelas ações próprias o valor de 150 milhões de euros. A sociedade
comprometer-se-á, ainda, a revender as mesmas aos sócios pelo valor de mil euros
logo no ano de 2014, enquanto os sócios financiarão gratuitamente a sociedade em
150 milhões de euros em 2014 e 2015.

Os administradores da sociedade não sabem o que pensar de tudo isto, enquanto o Revisor
Oficial de Contas (ROC) da sociedade, por seu lado, não está minimamente convencido com a
análise. Em particular, o ROC acha que a proposta não vai resultar e que vai trazer até mais
encargos em IRS e IRC do que se nada se fizesse.
Quem tem razão?

Você também pode gostar