Você está na página 1de 8

Israel – O Povo do Eterno

Israel é o Povo Escolhido de Deus


Muitas igrejas ao longo do tempo têm reclamado ser a igreja ou povo de D´us aqui na terra. católicos,
adventistas, testemunhas de Jeová, nazarenos e muitos outros tomaram para si está prerrogativa. E a cada
nova igreja que surge no mundo, reclama o mesmo título. Diante disto tudo, surge uma necessidade de
identificar pela Bíblia quem foi e é a igreja (povo) de D´us desde do dia da antiguidade até o final da história
do pecado. A nossa história começa como um chamado de um homem no cap. 12 de Gêneses:
“Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a
terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e
tu serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti
serão benditas todas as famílias da terra.” Vs. 1-3
O Eterno falou que faria de Abraão uma grande nação, e que nele seriam abençoadas todas as famílias
da terra. Abraão gerou a Isaque, este gerou a Jacó. Jacó teve o seu nome mudado para Israel, e ele gerou
doze filhos, a qual mais tarde deu origem as doze tribos de Israel. Esta é nação do qual o Eterno diz que
faria de Abraão. Agora notemos o que a Bíblia diz acerca de Israel:
“Porque és povo santo ao SENHOR teu Deus; e o SENHOR te escolheu, de todos os povos que há
sobre a face da terra, para lhe seres o seu próprio povo.” Dt 14:2 (ver Dt 7:6, 26:18-19, Lv 20:6)
O Eterno escolheu a Israel para ser o seu próprio povo sobre a terra de entre todos os outros povos.
Assim Israel tornou-se a “porção do Senhor” e “a sua herança” (Dt 32:9). E a promessa do Eterno “por
causa do seu grande nome” é que “não desamparará o seu povo; porque aprouve ao SENHOR fazer-vos
o seu povo.” (I Sm 12:22).
Assim vemos que o Eterno escolheu um povo, e este povo são os israelitas ou judeus. Então porque as
igrejas em nosso tempo reclama esse título que o Eterno deu a Israel? Basicamente todos eles dizem que
D´us rejeitou a Israel e eles foram colocados no lugar deste, assim fazendo que todas as promessas feita a
Israel no passado fossem ortogadas a eles. Porém, veremos pela Palavra do Eterno que não existe tal ensino
na Bíblia, e que Israel foi, é e continuara a ser o povo do Eterno por toda a eternidade. Analisemos algumas
profecias com respeito a Israel.

Profecia dos dispersos de Israel


Israel como povo tinha que ser um povo santo ao Eterno e que guarda também os seus mandamentos,
estatutos, leis e juízes. Sua obediência aos mandamentos do Eterno rendia-lhes em benções, mas sua
desobediência as mesmas rendiam-lhes em maldições. Vejamos em que consistia uma dessas maldições.
Assim diz o Eterno:
“E espalhar-vos-ei entre as nações, e desembainharei a espada atrás de vós; e a vossa terra será
assolada, e as vossas cidades serão desertas.” Lv 26:33
“O SENHOR te fará cair diante dos teus inimigos; por um caminho sairás contra eles, e por sete
caminhos fugirás de diante deles, e serás espalhado por todos os reinos da terra.” Dt 28:25
“E o SENHOR vos espalhará entre todos os povos, desde uma extremidade da terra até à outra; e ali
servireis a outros deuses que não conheceste, nem tu nem teus pais; ao pau e à pedra.” Vs. 64 (ver Am
9:9, Lm 3:31)
O relato sagrado regista claramente que Israel não cumpriu os mandamentos do Eterno, e como a
profecia tinha predito eles foram espalhados entre todas as nações, de uma a outra estremidades da terra.
(Jr 31:10). Eles foram levados cativos pelos babilônicos, e alguns deles voltaram a jerusalém no reinado
dos medos e dos persas mais muitos deles continuaram servindo o rei da pérsia, e também durante o reinado
da grêcia até chegar o momento em que os romanos destruiram o templo de Jerusalém no ano 70 depois de
Cristo, e povo foi expulso para todas as nações da terra. A profecia também previu como seriam tratados
enquanto estavam expalhados entre as nações, pois, assim diz o Senhor:
“E serás por pasmo, por ditado, e por fábula, entre todos os povos a que o SENHOR te levará.” Dt
28:37
Notemos agora que este, pasmo, ditado e fábula consiste em dizer que Israel foi rejeitado pelo Eterno e
que eles deixaram de ser um povo:
“E veio ainda a palavra do SENHOR a Jeremias, dizendo: Porventura não tens visto o que este povo
está dizendo: As duas gerações, que o SENHOR escolheu, agora as rejeitou? ...” Jr 33:23-24
Assim vemos porque existe este movimento antisemita, mas isto era somente para prencher as condições
da profecia. Assim também as nações e as igrejas destes últimos dias tem zombados dos judeus, dizendo
que eles não são mais o povo do eterno, pois, o verso continua dizendo que “Assim desprezam o meu povo,
como se não fora mais uma nação diante deles.” (Jr vs 24 u.p), portanto, todas as igrejas que afirma que
Israel não é mais o povo do Eterno, a nação que Ele escolheu, estão despresando o povo de D´us.
Vemos claramente que Israel foi expalhados entre todas as nações da terra, e tornou-se motivo de
zombaria, e desprezo. Entretanto, a pergunta que devemos fazer neste momente é: por conta disso Israel
deixou de ser o povo do Eterno? D´us reijeitou o seu povo? Analisemos cuidadosamente estes pontos.

Deus Não Rejeita o Seu Povo


Assim diz o Senhor:
“Se eu me esquecer de ti, ó Jerusalém, esqueça-se a minha direita da sua destreza. Se me não lembrar
de ti, apegue-se-me a língua ao meu paladar; se não preferir Jerusalém à minha maior alegria.” Sl 137:5-
6 (ver Is 49:15)
Aqui o Eterno afirma que se ele esquecer de Israel, a sua mão direita esquecerá também que é mão
direita, e que a sua lingua apeguerá ao céu da sua boca caso ele não lembrar de Israel. Isto simplesmente
nos diz que o Eterno nunca esquecerá do povo que escolheu. Esse povo é a sua maior alegria. Continuemos
a nossa análise:
“Pois o SENHOR não rejeitará o seu povo, nem desamparará a sua herança.” Sl 94:14
Israel foi e é a herança do Eterno, e ele nunca desamparará essa herança e nem rejeitará o povo que
antes escolheu. Portanto, os ensinos que as igrejas propagam nestes últimos dias é antibíblica. Mas notemos
ainda o que as escrituras tem a dizer sobre este assunto.
“Assim diz o SENHOR, que dá o sol para luz do dia, e as ordenanças da lua e das estrelas para luz da
noite, que agita o mar, bramando as suas ondas; o SENHOR dos Exércitos é o seu nome. Se falharem
estas ordenanças de diante de mim, diz o SENHOR, deixará também a descendência de Israel de ser uma
nação diante de mim para sempre. Assim disse o SENHOR: Se puderem ser medidos os céus lá em cima,
e sondados os fundamentos da terra cá em baixo, também eu rejeitarei toda a descendência de Israel, por
tudo quanto fizeram, diz o SENHOR.” Jr 31:35-37
Alguma vez o sol deixou de ser a luz do dia? A lua deixou de cumprir as suas ordenças? As estrelas
deixaram de ser a luz da noite? Algumas vez faltou ondas no mar? Se a resposta para todas essas perguntas
é não, tambêm Israel sempre será uma nação diante do Eterno, a nação do Eterno. Já foram medidos os céus
lá em cima? Quem alguma vez sondou os fundamentos da terra? Alguma vez as ordenanças do sol, da lua,
das estrelas e do mar faltaram de diante do Eterno? Então como pode D´us rejeitar a descendência de Israel?
Como alguem em sã conciência pode dizer que Israel não é o povo escolhido por D´us? Em outras palavras,
o que está sendo dito nesses versos é que D´us nunca rejeitará a Israel. Eles são o povo do Eterno.
Caro leitor, lembras dos versos de Jeremias 33:23-24? Agora leiamos esses versos no seu contexto
exatamente como se encontra nas escrituras:
“E veio ainda a palavra do SENHOR a Jeremias, dizendo: Porventura não tens visto o que este povo
está dizendo: As duas gerações, que o SENHOR escolheu, agora as rejeitou? Assim desprezam o meu
povo, como se não fora mais uma nação diante deles. Assim diz o SENHOR: Se a minha aliança com o
dia e com a noite não permanecer, e eu não puser as ordenanças dos céus e da terra, Também rejeitarei a
descendência de Jacó, e de Davi, meu servo, para que não tome da sua descendência os que dominem
sobre a descendência de Abraão, Isaque, e Jacó; porque removerei o seu cativeiro, e apiedar-me-ei deles.”
Jr 33:23-26 (Sl 89:20-37)
Aquelas nações que zombam de Israel como se não fora mais o povo do Eterno, D´us diz a eles examente
que Israel será o seu povo eternamente, porque jamais rejeitará a Israel. Assim como permance a sua aliança
como o dia e a noite, assim também ele colocou as ordenanças nos céus e da terra, assim também Israel
será sempre o povo escolhido. Até aqui consideramos apenas os verso do antigo testamento. Será que o
novo testamento ensina a mesma verdade? Leiamos então e compeendemos:
“DIGO, pois: Porventura rejeitou Deus o seu povo? De modo nenhum; porque também eu sou
israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim. Deus não rejeitou o seu povo, que antes
conheceu. Ou não sabeis o que a Escritura diz de Elias, como fala a Deus contra Israel, dizendo: Senhor,
mataram os teus profetas, e derribaram os teus altares; e só eu fiquei, e buscam a minha alma?” Rm 11:1-
2
O apóstolo foi claro em afirmar que Deus não rejeitou o seu povo que antes conheceu. Aqui ele esta
falando literalmente do povo de Israel. De fato ele diz “de modo nenhum” ou seja, não existe formula que
faz com que Israel deixa de ser o povo escolhido do Eterno. E para confirmar está ideia, usa a si próprio
como sendo israelita da descedência de Abraão da tribo de Benjamim, e também usa o episódio de Elias
quando falou contra Israel dizendo que só ele ficou dos profetas de Israel, e o Eterno lhe diz que têm sete
mil homens que não se curvaram a baal.
Portanto, tanto os ensinos do velho e novo testamento ensina claramente que D´us não rejeitou Israel
como muitas igrejas querem que acreditamos que de fato ele fez. Se D´us não rejeitou a Israel, e eles
continuam a ser o povo do Eterno, então de onde surgiu a ideia essa ideia antibíblica? Essa ideia surgiu de
uma compreenção errônea sobre o ensino das duas alianças de D´us e da criação da doutrina das
despensações da lei e da graça. Então vejamos o estudo sobre as duas alianças de D´us, para sabermos onde
as igrejas têm falhado sobre esse assunto e assim rejeitam a israel como povo do Eterno, e intitulam a si
mesmo como o povo de D´us.

As Alianças com a Casa de Israel


As igrejas afirma que D´us vez duas alianças, uma com a casa de Isarel no monte sinai (Ex 19:1-8, Hb
8:13) chamada a velha aliança, denominada também por eles como a despensação da lei, e uma outra com
a “igreja” (separada de Israel – os gentios; agora todas vez que eu usar a palavra igreja será entre aspa para
designar os gentios antes de ser convertido a cristo), chamada nova aliança (Hb 8:13), também denominada
por eles como despensação da graça.
Bem a respeito da velha aliança concordamos pelnamente que D´us fez ela como a casa de Israel, por
isso não será o assunto que nos interresa. Assim, o nosso foco será com a nova aliança que eles dizem ser
feita como a “igreja”. Portanto, trona-se imperativo fazer a nós mesmo a seguinte pergunta: Com quem
D´us fez a nova aliança? Ela foi feita com a “igreja” ou com a “casa de Israel”? Feita estas questões, então
tomemos a nossa Bíblia afim de responder está pergunta de forma clara e sem rodeios. Assim diz o Senhor:
“Eis que dias vêm, diz o SENHOR, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa
de Judá. Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar
da terra do Egito; porque eles invalidaram a minha aliança apesar de eu os haver desposado, diz o
SENHOR. Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR: Porei
a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.
E não ensinará mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao SENHOR;
porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o SENHOR; porque lhes perdoarei a
sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados.” Jr 31:31-34
Note que o termo nova aliança foi utilizada pela primeira vez pelo profeta Jeremias no contexto do velho
testamento. Jeremias estava se dirigindo ao povo de Israel e não a outra nação. O Eterno diz que vem dias
em que firmaria uma nova aliança com a casa de Israel e Judá. Ele não fez aliança com os americanos,
brasileiros, caboverdianos ou qualquer outra nação. D´us não fez aliança com nenhuma “igreja”. D´us não
fez nenhuma aliança com a igreja cátolica, nem com a igreja dos nazarenos e nem muito menos com a igreja
adventista do sétimo dia, ou outra qualquer igreja que reclama tal pretensão. E tentar dizer isso, é meramente
destorcer as palavras das sagradas escrituras.
Esta mesma passagem de Jeremias é usado pelo escritor da cartas aos hebreus. A carta é enviado ao
povo hebreu (Israelitas). O autor da carta não diz que D´us fez uma aliança com os gentios, mas sim com a
casa de Israel (Hb 8:8-13, 10:9, 15-17).
Note bem que um dos próposito dessa nova aliança não é destituir a Israel como povo de D´us, mas sim
confirma-la como sendo e continuado a sendo o povo de D´us, pois após ter dito que vem dias que ele, o
Eterno, faria uma nova aliança diz “... esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias,
diz o SENHOR: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e
eles serão o meu povo”. Longe de ensinar que a nova aliança é feita com os gentios, a Bíblia afirma
claramente o contrário. E nessa aliança é prometida ao povo de Israel o perdão dos seus pecados. Portanto,
tanto a velha e a nova aliança foi feita com o povo de Israel. Então que seja anátema todo aquel que reclama
para o título o Eterno deu a Iareal, a condição de servo povo de D´us.
Compreendo que a nova aliança foi feita com os israelitas, e lhes é ainda assegura a qualidade de ser o
povo do Eterno, podemos claramente entender o que Paulo falou aos romanos:
“QUAL é, pois, a vantagem do judeu? Ou qual a utilidade da circuncisão? Muita, em toda a maneira,
porque, primeiramente, as palavras de Deus lhe foram confiadas.” Rm 3:1-2
Portanto, Israel não tem apenas vamtagem, mas sim tem muita vantagem. E quando Paulo diz que “em
toda a maneira”, isto mostra que não faltou aspecto em que os judeus não tivesse tido vantagem, e a razão
para tal, é porque primeiramente eles foram os guardiões das palavras de D´us. Vejamos um poco adiante
no mesma carta aos romanos quais foram as vantagem que D´us concedeu a Israel:
“EM Cristo digo a verdade, não minto (dando-me testemunho a minha consciência no Espírito Santo):
Que tenho grande tristeza e contínua dor no meu coração. Porque eu mesmo poderia desejar ser anátema
de Cristo, por amor de meus irmãos, que são meus parentes segundo a carne; Que são israelitas, dos quais
é a adoção de filhos, e a glória, e as alianças, e a lei, e o culto, e as promessas; Dos quais são os pais, e
dos quais é Cristo segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amém.” Rm 9:1-5
Para uma compreensão mais fácil, listemos essas vantagens na ordem dado pelo apóstolo:
1 - Adoção de filhos; 2 - A glória, 3 - As alianças, 4 - A Lei, 5 - O Culto, 6 - As promessas, 7 - Os Pais,
8 - Cristo, 9 - D´us.
Todas essas vantagens foram dadas a Israel, e a eles pertencem. Note que são citadas “as alianças”, isto
é, no plural, mostrando claramente que as alianças pertencem a casa de Israel. Eu creio plenamente que
essas é uma das razões pela qual Cristo diz que a salvação vem dos judeus (Jo 4:22).
Então você poderá perguntar, D´us não fez nenhuma aliança com os gentios? Para sabermos a resposta
correta quanto a esta pergunta, precisamos saber qual é a condição natural dos gentios.

A Condição natural dos Gentios


Portanto, deixemos as sagradas escrituras nos mostrar em que condições estavam os gentios (não judeu)
antes de aceitar a Cristo:
“A vós também, que noutro tempo éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más,
agora, contudo vos reconciliou” Cl 1:21
Os gentios eram considerados inimigos de D´us por causa das suas más obras, mas também é dito que
eles eram estranhos, mas estranhos a quê? Deixemos a resposta com a Bíblia:
“Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão
pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens; Que naquele tempo estáveis sem
Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança,
e sem Deus no mundo.” Ef 2:11:12
Ora, a condição natural de qualquer gentio antes de aceitar a Cristo, é que ele é separado da comunidade
de Israel, e sendo separado da comunidade de Israel ele era estranho às alianças da promessa, e não tendo
essas alianças da promessa ele não tinha esperança, e consequentemente ele estava sem D´us no mundo.
Em outras palavras os gentios estavam numa condição deplorável.
Portanto, se a condição natural dos gentios antes de aceitar a cristo, é ser estranhos às alianças das
promessas, e se as alianças bem com as promessas foram feitas a casa de Israel podemos concluir sem medo
de errar que D´us não fez nenhuma das duas alianças com os gentios. As alianças foram feitas com a casa
de Israel somente. Então você poderá perguntar: como os gentios entram na nova aliança feita com a casa
de Israel? Uma resposta rápida a essa pergunta seria: através de Jesus Cristo. Porém aprofundemos em
nosso estudo neste aspecto e veremos como D´us fez isto em Cristo e veremos a glória e beleza de como
D´us preparou e traçou o plano salvação.

Aliança com Abraão


O nosso estudo começou com o chamado de um homem, Abraão. Retornemos a mesma passagem de
Gêneses já citados no principio do nosso estudo, e veremos como D´us abençoaria todas as nações em
Abraão.
“ORA, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a
terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e
tu serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em
ti serão benditas todas as famílias da terra.” Gn 12:3-5
Agora notemos que este chamado de abraão é o mesmo que dizer é que a aliança que D´us fez com os
nossos pais:
“Vós sois os filhos dos profetas e da aliança que Deus fez com nossos pais, dizendo a Abraão: Na tua
descendência serão benditas todas as famílias da terra. Ressuscitando Deus a seu Filho Jesus, primeiro
o enviou a vós, para que nisso vos abençoasse, no apartar, a cada um de vós, das vossas maldades. At
3:25-26
Isto por sua vez, é mesmo que dizer que é o evangelho que o Eterno anunciou a abraão:
“Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o
evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti.” Gl 3:8
Ora, esta por sua vez é a promessa que D´us fez a abraão:
“Para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo, e para que pela fé nós recebamos
a promessa do Espírito.” Gl 3:14
“Ora, as promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. Não diz: E às descendências, como
falando de muitas, mas como de uma só: E à tua descendência, que é Cristo.” Gl 3:16
Portanto, analisando todos esses versos, concluimos que o chamado de Abraão, a aliança feita aos pais,
o evangelho anunciado a Abraão, a promessa feita a Abraão são um e a mesma coisa. E tudo isso não é
outra coisa senão a “nova aliança” feita com a casa de Israel. Note em Gl 3:16 diz que as promessas foram
feita a Abraão e a descendência de Abraão, no singular, mostranto que se tratava de o descentente que é
Cristo. Agora em todo o novo testamento Cristo é retratado como aquele que fez e é o ministro da nova
aliança, vejamos:
“Enquanto comiam, tomou Jesus um pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, dizendo:
Tomai, comei; isto é o meu corpo. A seguir, tomou um cálice e, tendo dado graças, o deu aos discípulos,
dizendo: Bebei dele todos; porque isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, derramado em favor
de muitos, para remissão de pecados.” Mt 26:26-28
“Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma melhor aliança
que está confirmada em melhores promessas. Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se
teria buscado lugar para a segunda. Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor,
Em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei uma nova aliança, Não segundo a
aliança que fiz com seus pais No dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; Como não
permaneceram naquela minha aliança, Eu para eles não atentei, diz o Senhor. Porque esta é a aliança que
depois daqueles dias Farei com a casa de Israel, diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento,
E em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus, E eles me serão por povo; E não ensinará cada
um a seu próximo, Nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece o Senhor; Porque todos me conhecerão,
Desde o menor deles até ao maior. Porque serei misericordioso para com suas iniqüidades, E de seus
pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais. Dizendo Nova aliança, envelheceu a primeira.
Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar.” Hb 8:6-13
“E a Jesus, o Mediador de uma nova aliança, e ao sangue da aspersão, que fala melhor do que o de
Abel.” Hb 12:24
Agora notemos que esta nova aliança feita por Cristo com a casa de Isarel, por meio de seu sangue
derramado na cruz é uma aliança eterna:
“Ora, o Deus de paz, que pelo sangue da aliança eterna tornou a trazer dos mortos a nosso Senhor
Jesus Cristo, grande pastor das ovelhas,” Hb 13:20
Cristo herdou a herança da nova aliança por meio de Abraão, porque as promessas foram feita a Abraão
e ao seu descendente que é Cristo (Gl 3:16). Portanto, a nova aliança teve a sua origem nos dias de Abraão
e só foi confirmada ou ratificada pelo sangue de Cristo na cruz do calvário. E para que promessa da nova
aliança chega-se a Cristo, D´us traçou um caminho. Veja como a Bíblia ensina isto de forma clara:
“LOUVAI ao SENHOR, e invocai o seu nome; fazei conhecidas as suas obras entre os povos. Cantai-
lhe, cantai-lhe salmos; falai de todas as suas maravilhas. Gloriai-vos no seu santo nome; alegre-se o
coração daqueles que buscam ao SENHOR. Buscai ao SENHOR e a sua força; buscai a sua face
continuamente. Lembrai-vos das maravilhas que fez, dos seus prodígios e dos juízos da sua boca; Vós,
semente de Abraão, seu servo, vós, filhos de Jacó, seus escolhidos. Ele é o SENHOR nosso Deus; os seus
juízos estão em toda a terra. Lembrou-se da sua aliança para sempre, da palavra que mandou a milhares
de gerações. A qual aliança fez com Abraão, e o seu juramento a Isaque. E confirmou o mesmo a Jacó
por lei, e a Israel por aliança eterna, Dizendo: A ti darei a terra de Canaã, a região da vossa herança.
Quando eram poucos homens em número, sim, mui poucos, e estrangeiros nela; Quando andavam de nação
em nação e dum reino para outro povo; Não permitiu a ninguém que os oprimisse, e por amor deles
repreendeu a reis, dizendo: Não toqueis os meus ungidos, e não maltrateis os meus profetas.” Sl 105:1-5
Aqui a Bíblia diz que o Eterno fez aliança com Abraão, e de Abraão passou a Isaque por juramento, e
de Isaque passou a Jacó comfirmada por lei, e de Jacó passou aos doze tribos de Israel como aliança eterna.
Ora se aliança feita a Abraão é a nova aliança, então vemos claramento como Cristo se tornou mediador
dessa nova aliança. Visto que Jesus Cristo procedeu da tribo de judá e uma das doze tribo dos filhos de
Israel que herdou a aliança de Abraão como aliança eterna, então a herança passou a Cristo por ser um
judeu (israelita) descentende de Abraão. Eu creio que está é a outra razão pelo qual Cristo diz que a salvação
vem dos judeus (Jo 4:22).
As Promessas pertecem Primeiramente a Israel
As promessa da nova aliança foram feita primeiramente a Israel, assim atesta as escrituras:
“Vós sois os filhos dos profetas e da aliança que Deus fez com nossos pais, dizendo a Abraão: Na
tua descendência serão benditas todas as amílias da terra. Ressuscitando Deus a seu Filho Jesus, primeiro
o enviou a vós, para que nisso vos abençoasse, no apartar, a cada um de vós, das vossas maldades.” At
3:25-26
“E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para
perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; Porque a promessa vos diz respeito a vós, a
vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar.” At 2:38-39
Assim podemos entender o que Cristo quis dizer quando afirmou que ele “não fui enviado senão às
ovelhas perdidas da casa de Israel.” (Mt 15:24), ou quando enviava os dozes dizendo-lhes para não irem
“pelo caminho dos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos;” (Mt 10:5).

O Endurecimento de Israel
Entretando as escrituras afirma que Cristo veio para o que era seus, e os seus não o receberam, mas
antes o rejeitaram e o maltraram e o mataram. Israel rejeitou o evangelho de Jesus Cristo e não se julgaram
digo da vida eterna, assim o envangelho foi pregado aos gentios (At 13:46), a isto dou o nome de
endurecimento de Israel, pois está escrito:
“Pois quê? O que Israel buscava não o alcançou; mas os eleitos o alcançaram, e os outros foram
endurecidos. Como está escrito: Deus lhes deu espírito de profundo sono, olhos para não verem, e ouvidos
para não ouvirem, até ao dia de hoje. E Davi diz: Torne-se-lhes a sua mesa em laço, e em armadilha, E
em tropeço, por sua retribuição; Escureçam-se-lhes os olhos para não verem, E encurvem-se-lhes
continuamente as costas. Digo, pois: Porventura tropeçaram, para que caíssem? De modo nenhum, mas
pela sua queda veio a salvação aos gentios, para os incitar à emulação.” Rm 11:7-11
A Bíblia diz que Israel não alcancou o que buscava porque foram endurecidos. Israel caiu, caiu
drasticamente, mas o seu tropeço não foi para que caíssem, porém através da sua queda resultou na salvação
para os gentios. Mas isto era para os colocar aos ciúmes. E certamente Israel o soube pois as escrituras
afirma:
“Mas digo: Porventura Israel não o soube? Primeiramente diz Moisés: Eu vos porei em ciúmes com
aqueles que não são povo, Com gente insensata vos provocarei à ira. E Isaías ousadamente diz: Fui
achado pelos que não me buscavam, Fui manifestado aos que por mim não perguntavam. Mas para
Israel diz: Todo o dia estendi as minhas mãos a um povo rebelde e contradizente.” Rm 10:19-21 (Dt
32:21)
O Eterno usou aqueles que não era povo para provocar o ciúmes e ira naqueles que era povo. E quando
lemos Dt 32:21-26, percebemos que isto foi o resultado profetico por causa de não comprimento dos
mandamentos do Senhor por parte de Israel, no qual eles seriam posto em ciúmes por aqueles que não era
povo e assim ser expalhados entre as nações.
Agora por conta da sua incredualidade deixou os rejeitou? Porque mataram o querido Filho de D´us, o
Eterno não quer saber mais de Israel? Israel deixou de ser uma nação diante de D´us? Ja vimos que tal não
aconteceu (Rm 11:1-2), mas notemos o que a Bíblia diz sobre Israel:
“Pois quê? Se alguns foram incrédulos, a sua incredulidade aniquilará a fidelidade de Deus? De
maneira nenhuma; sempre seja Deus verdadeiro, e todo o homem mentiroso; como está escrito: Para que
sejas justificado em tuas palavras, E venças quando fores julgado.” Rm 3:3-4
Israel foi infiel, foi incrédulo, porém isso não muda e e nem aniquilará a fidelidade de D´us, “Porque
os dons e a vocação de Deus são sem arrependimento.” (Rm 11:29) e o verso anterior diz que “quanto ao
evangelho, são inimigos por causa de vós; mas, quanto à eleição, amados por causa dos pais.” (Rm
11:28). D´us escolheu a Israel, e a sua eleição continua e continurá “porque, quando Deus fez a promessa
a Abraão, como não tinha outro maior por quem jurasse, jurou por si mesmo, Dizendo: Certamente,
abençoando te abençoarei, e multiplicando te multiplicarei. E assim, esperando com paciência, alcançou
a promessa. Porque os homens certamente juram por alguém superior a eles, e o juramento para
confirmação é, para eles, o fim de toda a contenda. Por isso, querendo Deus mostrar mais
abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento;
Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme
consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; A qual temos como âncora
da alma, segura e firme, e que penetra até ao interior do véu, Onde Jesus, nosso precursor, entrou por
nós, feito eternamente sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque.” (Hb 6:13-20)
Os conselhos do Eterno é imútavel e é impossivel que D´us minta, portanto a eleição de Israel continurá
firme como os fundamentos da terra, durará como o dia e a noite, visto que, o próprio D´us interpós com
juramento, jurando por si mesmo. Portanto, “assim como” “também antigamente” os gentios foram
“desobedientes a Deus, mas agora” alcançaram “misericórdia pela desobediência deles, assim também
estes agora foram desobedientes, para também alcançarem misericórdia pela misericórdia a vós
demonstrada. Porque Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para com todos usar de
misericórdia.” Rm 11:30-32

O Enxerto, a Glória dos Gentios


Já estudamos, que os gentios era inimigos, separado da comunidade de Israel, estranhos as alianças, sem
cristo e esperança e sem D´us no mundo (Ef 2:11-12), então como eles serão amigos? Como serão
aproximados a comunidade de Israel? Como entrarão no vinculo da aliança? Como terão o Eterno por D´us?
A respota é: através do enxerto, em outras palavras através do endurecimento de Israel. Leiamos o que a
Bíblia nos ensina:
“Que direito tem a minha amada na minha casa, visto que com muitos tem cometido grande lascívia?
Crês que os sacrifícios e as carnes santificadas poderão afastar de ti o mal? Então saltarias de prazer.
Denominou-te o SENHOR oliveira verde, formosa por seus deliciosos frutos, mas agora à voz de um
grande tumulto acendeu fogo ao redor dela e se quebraram os seus ramos. Porque o SENHOR dos
Exércitos, que te plantou, pronunciou contra ti o mal, pela maldade da casa de Israel e da casa de Judá,
que para si mesma fizeram, pois me provocaram à ira, queimando incenso a Baal.” Jr 11:15-17
Note bem que Israel que Israel foi denominado de “oliveira verde” cujos “ramos foram quebrados” por
cauda das sua grande lascívia (queima de incenso a baal), isto é o mesmo que o endurecimento de Israel
(Rm 11:7-11). Note que o Eterno não substituiu a “oliveira verde” por uma outra oliveira, mas que apenas
os seus ramos foram quebrados, portanto, israel não foi substituida como povo, mais alguns foram
endurecidos. E que aconteceu no lugar dos ramos que foram quebrados?
“Dirás, pois: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado.” Rm 11:19
“Porque, se tu foste cortado do natural zambujeiro e, contra a natureza, enxertado na boa oliveira, ...
” Rm 11:24 p.p
Os ramos do zambujeiro (oliveira brava) foram enxertados na boa oliveira verde. Assim os gentios (o
zambujeiro), foram exertados em Isarel (oliveira verde ou boa). Aqueles que estvam londe da comunidade
de Israel foram aproximado a Israel. Mas a Bíblia deixa claro que os ramos que foram quebrados da boa da
oliveira podem ser enxertados na sua própria oliveira se não permanecerem na sua incredualidade (Rm
11:24).
Agora note que os ramos da oliveira brava (gentios) não foi substitui a “oliveira verde” (Israel):
“E se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e
feito participante da raiz e da seiva da oliveira,” Rm 11:17
Os ramos da oliveira brava (gentios) tornaram-se participante da ceiva da oliveira verde (Israel). Em
outras palavras os gentios foram feito participantes das vantagens dado a Israel. Então, 1 - Adoção de filhos;
2 - A glória, 3 - As alianças, 4 - A Lei, 5 - O Culto, 6 - As promessas, 7 - Os Pais, 8 - Cristo, 9 - D´us, essas
são a seiva da oliveira, que o ramos enxertados participam dela. Os gentios são coparticipantes com Israel
dessas vantagens. Digo novamente, os gentios (a igreja) não substitui Israel como povo de D´us, mais foram
feitos povo juntamente com Israel. O Apóstolo nos adverte dizendo, “Porque não quero, irmãos, que
ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre
Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado. E assim todo o Israel será salvo, como está escrito:
De Sião virá o Libertador, E desviará de Jacó as impiedades. E esta será a minha aliança com eles,
Quando eu tirar os seus pecados.” Rm 11:25-27
Portanto, em parte veio endurecimento a Israel e em parte algums ramos foram quebrados para que a os
gentios fossem enxertados e assim fosse salvo em Israel, por isso que “a salvação vem dos judeus” (Jo
4:22), visto que “de sião virá o libertador” (Rm 11:26).
Assim a queda de Israel “é a riqueza do mundo, e a sua diminuição a riqueza dos gentios,” (Rm 11:12)
e a “a sua rejeição é a reconciliação do mundo” (Rm 11:15), porém a “plenitude” (Rm 11:12) e a
“admissão”(Rm 11:15) de Israel é “a vida dentre os mortos” para o mundo. Portanto, os gentios enxertados
são “devedores” para com Israel porque eles foram feito “participantes dos seus bens espirituais” (Rm
15:17), Então, os gentios “que em outro tempo não éreis povo, mas agora sois povo de Deus; que não
tínheis alcançado misericórdia, mas agora alcançastes misericórdia.” (I Pe 15:17) e profeta ja tinha
predito esse dia dizendo:
“Canta alegremente, ó estéril, que não deste à luz; rompe em cântico, e exclama com alegria, tu que
não tiveste dores de parto; porque mais são os filhos da mulher solitária, do que os filhos da casada, diz
o SENHOR. ... . Não temas, porque não serás envergonhada; e não te envergonhes, porque não serás
humilhada; antes te esquecerás da vergonha da tua mocidade, e não te lembrarás mais do opróbrio da tua
viuvez. Porque o teu Criador é o teu marido; o SENHOR dos Exércitos é o seu nome; e o Santo de Israel
é o teu Redentor; que é chamado o Deus de toda a terra. ... . Por um breve momento te deixei, mas com
grandes misericórdias te recolherei; Com um pouco de ira escondi a minha face de ti por um momento;
mas com benignidade eterna me compadecerei de ti, diz o SENHOR, o teu Redentor. Porque isto será para
mim como as águas de Noé; pois jurei que as águas de Noé não passariam mais sobre a terra; assim
jurei que não me irarei mais contra ti, nem te repreenderei. Porque os montes se retirarão, e os outeiros
serão abalados; porém a minha benignidade não se apartará de ti, e a aliança da minha paz não mudará,
diz o SENHOR que se compadece de ti.” Is 54:1-10
E que este texto se aplica aos gentios e visto na carta de Paulo aos gálatas, pois falando das duas alianças
diz:
“Porque está escrito: Alegra-te, estéril, que não dás à luz; Esforça-te e clama, tu que não estás de
parto; Porque os filhos da solitária são mais do que os da que tem marido.” Gl 4:27
Assim vemos que o quebratamento, endurecimento e a queda de Israel tornou-se os meios pelos quais
os gentios são exertados contra a sua própria natureza na boa oliveira (Israel). A queda de Israel tornou-se
em glória e salvação para os gentios.

O Mistério de Cristo
Até aqui ficou claro que o Eterno não rejeitou a Israel como povo e os gentios foram enxertados em
Israel para se tornarem também parte do povo. Porém, isso se somente para aqueles que crêem em Cristo.
Estudemos esteponto:
Ef 2:11-12 nos diz que os gentios por natureza era inimigos, sem cristo, separado a comunidade de
Israel, estranhos as alianças, sem esperança e sem D´us no mundo. Agora leiamos a continuação do versos
desde do verso 13 até ao verso 22, e faremos algumas concluções:
“Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto.
Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que
estava no meio, Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em
ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, E pela cruz reconciliar
ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades. E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que
estáveis longe, e aos que estavam perto; Porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito.
Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus;
Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da
esquina; No qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor. No qual também vós
juntamente sois edificados para morada de Deus em Espírito.” Ef 2:13-22 (Rm 2:28-29, Rm 9:6-8, Rm 4)

Ef 3:1-6
“POR esta causa eu, Paulo, sou o prisioneiro de Jesus Cristo por vós, os gentios; Se é que tendes ouvido a
dispensação da graça de Deus, que para convosco me foi dada; Como me foi este mistério manifestado
pela revelação, como antes um pouco vos escrevi; Por isso, quando ledes, podeis perceber a minha
compreensão do mistério de Cristo, O qual noutros séculos não foi manifestado aos filhos dos homens,
como agora tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas; A saber, que os gentios
são co-herdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho;”

Rm 15:8-12
“Digo, pois, que Jesus Cristo foi ministro da circuncisão, por causa da verdade de Deus, para que
confirmasse as promessas feitas aos pais; E para que os gentios glorifiquem a Deus pela sua
misericórdia, como está escrito: Portanto eu te louvarei entre os gentios, E cantarei ao teu nome. E outra
vez diz: Alegrai-vos, gentios, com o seu povo. E outra vez: Louvai ao Senhor, todos os gentios, E celebrai-
o todos os povos. Outra vez diz Isaías: Uma raiz em Jessé haverá, E naquele que se levantar para reger
os gentios, os gentios esperarão.”

Rm 11:33-36
“Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os
seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! Porque, quem compreendeu a mente do Senhor? ou
quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque
dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.”