Você está na página 1de 15

TRECHO DE:

(Tese Doutoral)

JORNALISMO NA WEB:

UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DO FORMATO DA NOTÍCIA NA ESCRITA HIPERTEXTUAL

LUCIANA MIELNICZUK

SALVADOR - BAHIA

MARÇO 2003

#######################################################################################

TIPOS DE LINKS NO WEBJORNALISMO

Passamos então a discorrer sobre nossa proposta de tipologia dos links utilizados no

webjornalismo. É preciso esclarecer que se trata de uma contribuição para essa discussão, que ainda

é embrionária, logo não é apresentada como absoluta e definitiva. Para uma melhor compreensão

das idéias a serem desenvolvidas, faremos a exposição das categorias e, depois, apontaremos os

exemplos. Cabe explicar que essa divisão se dá, apenas, para fins de ilustração, pois chegamos às

categorias a partir das observações que realizamos ao longo deste trabalho, e os exemplos

escolhidos são representativos de situações que identificamos no decorrer do processo.

Os links podem ser divididos em três grupos: relativos à navegação do produto; ao

universo de abrangência do link e ao tipo de informação. Sendo que, nessa última classe, há uma

subdivisão que diz respeito aos links que pertencem à narrativa do fato jornalístico, ou melhor,

àqueles que fazem parte da notícia.

a) Quanto ao recurso de navegação:

- Link Conjuntivo: remete para outra lexia, porém a janela no programa navegador

permanece à mesma, apenas muda o conteúdo que aparece na tela.

- Link Disjuntivo: ao remeter para outra lexia, abre-se ou uma janela menor ou mesmo

outra janela do programa navegador. Proporciona a experiência de simultaneidade: duas

janelas abertas ao mesmo tempo. Geralmente é empregado em duas situações: na

utilização de vídeos ou quando se trata de um Link Externo.

b) Quanto ao universo de abrangência:

- Intratextuais: ou Links Internos, que remetem para lexias dentro do site;

- Intertextuais: remetem para lexias externas ao site; também são denominados de

Links Externos.

c) Quanto ao tipo de informação:

- Link Editorial: pertence ao conteúdo informativo do site. Pode ter a função de

organizar o webjornal (organizativos), como, por exemplo, os links que indicam as

editorias ou integram a narrativa do fato jornalístico (narrativos).

- Links de Serviços: remetem a serviços oferecidos pelo webjornal. É interessante

observar que esses links podem ser tanto internos quanto externos e que, no geral,

referem-se a três tipos de serviços: 1) produzidos e oferecidos pela publicação – ou pelo

portal ao qual ela está atrelada – tais como previsão do tempo, cotação de moedas

estrangeiras, bolsa de valores, classificados; 2) o serviço pode ser oferecido por outra

empresa e o webjornal apenas oferece o link que vai remeter para outro site; 3) na falta

de uma nomenclatura melhor, incluímos aqui, também, os serviços de fórum e chats

oferecidos pelo webjornal e focados para assuntos editoriais da publicação.

- Link Publicitário: remete à publicidade que, tanto pode ser externa, de empresas

anunciantes,

como

também

pode

referir-se

a

outros

produtos

do

mesmo

grupo

empresarial, sendo considerado, então, um Link Interno.

Os Links Editoriais, quando narrativos, podem ainda estar divididos nas seguintes

subcategorias, que se referem ao:

- Acontecimento: diz respeito aos principais acontecimentos do fato noticiado.

- Detalhamento:

apresenta

detalhes

sobre

o

depoimentos ou explicações de especialistas.

acontecimento;

podem

ser

dados

- Oposição: quando for o caso, apresentar argumentos de entrevistados ou mesmo

dados que contestem informações de fontes oficiais ou fontes primárias ouvidas.

- Exemplificação ou particularização: ilustra ou explica o acontecimento com

exemplos ou casos particulares, apresentando personagens ou casos semelhantes.

- Complementação

ou

ilustração:

oferece

dados

complementares

que

possam

auxiliar na apresentação e compreensão do acontecimento.

- Memória: oferece links que remetem ao arquivo de material já disponibilizado sobre

o mesmo assunto ou assuntos correlatos.

Antes de avançar com alguns exemplos, que irão facilitar a compreensão das categorias

propostas, é preciso realizar duas observações. A primeira é que retomamos uma delimitação já

mencionada: quando falamos em texto, estamos nos referindo não só a materiais de natureza escrita,

e, sim, também a sons e imagens. As categorias propostas valem para os diferentes tipos de textos

considerados, ou seja, o link pode ser um texto escrito ou uma imagem. A segunda observação é

que as classificações mapeadas não fazem com que as categorias sejam excludentes entre si: o

mesmo link pode ser enquadrado em ‘rótulos’ diferentes de forma simultânea; é por isso que

optamos primeiro em apresentá-las para, posteriormente, exemplificá-las.

Todos estes exemplos foram capturados no mesmo dia, em 1º de fevereiro de 2003, e

dizem respeito ao mesmo assunto: a queda do ônibus espacial Columbia. Embora não seja feita uma

análise do conteúdo, consideramos que tal escolha, a de trabalhar com o mesmo tema, enriquece o

trabalho.

Os

exemplos

foram

retirados

de

quatro

webjornais 1 :

o

The

Nando

Times

1 Estes webjornais foram escolhidos por serem do país onde aconteceu o acidente; em tese, por terem condições de realizar boas coberturas para a web; e também por possuírem trajetórias diferenciadas. O The Nando Times foi um dos primeiros produtos jornalísticos na web, o The New York Times possui uma forte tradição do jornal de papel, a CNN vem de uma experiência do jornalismo televisivo e o MSNBC surge da associação de uma empresa de software com uma empresa de jornalismo televisivo.

(www.nandotimes.com), a CNN (www.cnn.com), o The New York Times (www.nytimes.com) e o

MSNBC (www.msnbc.com).

A primeira ilustração, a Figura 27, refere-se à primeira tela da seção nomeada pelo The

Nando Times de top estory, ou seja, a estória principal. Nela, podemos identificar muito bem dois

tipos dos links específicos quanto à organização da publicação: os Links Editoriais e os de

Serviços. Os Editoriais, que estruturam a publicação – encontram-se na barra vertical à esquerda

da tela – e aqueles que se referem à notícia – estão no centro da tela. Nessa listagem, a publicação

informa, através de ícones, a qual tipo de texto o link remete: se ao escrito, com som ou imagens.

Os Links de Serviço estão na barra de navegação, na parte inferior da mesma e remetem para a

previsão do tempo, classificados, entre outros.

Ainda sobre os Links Editorias que estruturam a publicação, na Figura 27, observamos

a utilização de um recurso técnico para a apresentação dos mesmos: ao escolher um link, na barra de

navegação localizada à esquerda da tela, abre-se uma pequena caixa, mostrando as opções de links

que aparecerão, caso aquele primeiro seja o escolhido. No exemplo escolhido, esta espécie de

cascata representa dois níveis. Dentro da editoria de tecnologia e ciências, há várias possibilidades

de links, incluindo a de notícias do espaço e, dentro desta opção, mais uma série referente a uma

biblioteca do espaço.

Figura 27 – The NandoTimes , 01.02.2003, tela inicial da top story .

Figura 27 The NandoTimes, 01.02.2003, tela inicial da top story.

Figura 28 – MSNBC , 01.02.2003, Links Editoriais que estruturam a publicação, apresentados em cascata.

Figura 28 MSNBC, 01.02.2003, Links Editoriais que estruturam a publicação, apresentados em cascata.

Os Links Internos e Externos podem ser identificados na Figura 29, através de um

pequeno ícone à direita do link. A flechinha vermelha indica que o link remete a outro site, que não

ao do webjornal. Como pode ser visto, em detalhe, na Figura 30, uma outra janela se abre e aparece

o outro texto. A URL do documento já não mais pertence à CNN, agora o documento mostrado

pertence a outro site, nesse caso, ao da NASA. O aviso do webjornal sobre a existência de Links

Externos pode ser lida na tela, na Figura 30, na parte inferior à direita.

A Figura 29 ainda nos permite observar que os Links Editorias de Organização da

publicação estão em uma barra horizontal superior, ao invés de estar na posição vertical à esquerda,

como nos exemplos anteriores.

Figura 29 – Primeira tela do especial sobre o assunto na CNN , 01.02.2003.

Figura 29 – Primeira tela do especial sobre o assunto na CNN, 01.02.2003.

Figura 30 – CNN , exemplo de Links Externo e Conjuntivo Quanto aos Links Editoriais

Figura 30 CNN, exemplo de Links Externo e Conjuntivo

Quanto aos Links Editoriais da Narrativa, também há observações a serem feitas,

como podem ser acompanhadas nos seguintes destaques: o quadro escuro, na Figura 29, comporta

três grupos de links e, pelos nomes dos grupos, podemos concluir que os links pertencentes ao ‘The

Shutle Columbia’ são de Detalhamento e de Exemplificação, além de apresentar pormenores do

elemento principal do fato ocorrido: o ônibus espacial. Sob ‘The Accident’ encontram-se links

referentes ao Acontecimento (narram o fato em si) e, agrupados pelo ‘The Investigation’, estão os

Links de Complementação, trazendo os desdobramentos do incidente.

Na parte direita da tela, encontramos mais Links de Exemplificação ou, neste caso

mais específico, de Particularização, quando remetem aos currículos de cada astronauta morto no

acidente.

Vale frisar que

disponibilizados pela NASA.

estes são Links Externos e

que os currículos são elaborados e

Os Links de Serviços podem ser utilizados de uma outra forma, como é visto na Figura

31. Na parte mediana da coluna à direita da tela, há um link que remete ao fórum de discussões

sobre o tema em questão. Também, nessa ilustração, pode-se identificar um Link de Publicidade: a

imagem do coração vermelho remete ao site de uma loja que vende produtos para a confecção de

doces.

de uma loja que vende produtos para a confecção de doces. Figura 31 – The New

Figura 31 The New York Times, 01.02.2003. Links de Publicidade e de Serviços.

Na próxima ilustração: a Figura 32, que também remete ao The New York Times, é

possível observar, na parte final de uma matéria, logo acima da faixa azul escuro, um Link de

Serviço, que está remetendo para o fórum instaurado pelo webjornal. Abaixo na faixa azul, há a

chamada para matérias disponibilizadas pelo jornal em outras ocasiões. Trata-se de Links de

Memória e, também, não deixam de ser Links de Complementação.

e, também, não deixam de ser Links de Complementação . Figura 32 – Detalhe lexia do

Figura 32 – Detalhe lexia do The New York Times.

O link de publicidade aparece de um outro modo no site da MNSBC, localizado em

meio ao texto de uma notícia, conforme pode ser visto na Figura 33. Para não causar confusões, há

um aviso explícito de que se trata de material publicitário. O quadro cinza oferece uma lista de

Links Publicitários que remete aos sites dos anunciantes.

Figura 33 – MNSBC , 01.02.2003, link de publicidade em meio ao texto. Paul &

Figura 33 MNSBC, 01.02.2003, link de publicidade em meio ao texto. Paul & Fiebich (2002) dizem que uma notícia na web pode necessitar ou não de links.

No primeiro caso, os autores descrevem a notícia como sendo “self-conteined and usually operating

independendently” 2 . No segundo caso, utilizam material suplementar ou informação de suporte, que

são escolhidos, criteriosamente, pelo editor para compor o ‘pacote informativo’. As autoras

referem-se ao que nós estamos chamando de Links Editoriais da Narrativa, e para elas há duas

possibilidades: os links que estão inseridos na notícia ou aqueles situados em uma barra lateral.

Estas duas possibilidades podem ser percebidas, na Figura

34, quando,

no meio

do texto

disponibilizado pela CNN, aparecem as palavras sublinhadas ou são utilizadas colunas laterais,

nesse exemplo à direita, também disponibilizando links relacionados com a notícia em questão.

2 “contida nela própria e normalmente operando independentemente”.

Figura 34 – CNN , 01.02.2003, Links Editoriais dentro e fora do texto da notícia.

Figura 34 CNN, 01.02.2003, Links Editoriais dentro e fora do texto da notícia. Com essa tipologia proposta, imaginamos ter conseguido estabelecer um mapeamento de

diferentes tipos de links que existem no produto webjornal. É preciso ter noção de que nem todos os

links atuam com as mesmas finalidades, é preciso identificá-los de acordo com suas funções para,

então, poder aprofundar os estudos sobre este assunto específico. Porém, este não é um trabalho

exclusivo sobre o link e por isso não há condições de uma abordagem mais aprofundada neste

momento. Fica como contribuição uma primeira tipologia que organiza os links quanto à navegação

do produto (Links Conjuntivos ou Disjuntivos); ao universo de abrangência (Links Internos ou

Externos); ao tipo de informação (Links Editorial, de Serviços e Publicitário). Na última classe,

quando o link for Editorial, ainda pode estar dividido em dois tipos: de organização do webjornal

ou pertencente à notícia. E, nesse último caso, subdivide-se em: Acontecimento, Detalhamento,

Oposição, Exemplificação ou Particularização, Complementação e Memória.

Navegação

 

Conjuntivo

Disjuntivo

Universo de

abrangência

 

Internos

Externos

Organização da

publicação

 

Editorial

 

Organizativos

Narrativos

 

Acontecimento Detalhamento Oposição Exemplificação ou Particularização Complementação ou Ilustração Memória

Serviços

Publicidade

Figura 35 – Tipologia dos links em um webjornal. Primeiramente, ao propor que o link possui funções paratextuais no webjornalismo e,

agora, ao apontar que ele, para além das classificações puramente técnicas, pode ser analisado no

âmbito da narrativa jornalística, levando-se em consideração o conteúdo da mesma, pretendemos

chamar a atenção para a importância desse elemento da notícia hipertextual e para a necessidade de

se desenvolver estudos específicos sobre o mesmo.