Você está na página 1de 12

www.rhportal.com.

br

Autor: Desconhecido

INTEGRAÇÃO DE NOVOS

F U NC IONÁ RIOS

Depois de algum tempo trabalhando numa empresa, nos


esquecemos de como foi nosso primeiro dia de trabalho e
transformamos o processo de admissão e de acolhimento de novos
colaboradores numa rotina burocrática de menor importância.
Porém, o primeiro dia de trabalho em um novo emprego pode ser
decisivo para o sucesso ou fracasso desta nova função.
A máxima “A primeira impressão é que fica” é perfeitamente
válida neste caso e influencia fortemente a percepção da individuo na
criação de imagem quanto à cultura e valores da empresa que está
recebendo.
Uma empresa que prega excelência e qualidade para seus
clientes deve dar o exemplo praticando estes valores e não apenas
cobrando sua execução.





   
Você se lembra como foi o seu primeiro dia de trabalho em uma
empresa? O que ficou gravado em sua memória? Quais eram suas
emoções e expectativas?
Pois bem, queremos resgatar o significado do primeiro dia de
trabalho de qualquer pessoa e as implicações e conseqüências que
este pode ter na vida profissional do individuo e para a empresa.

!"#$ %&'( *) +&) ),-. /0) 12.3)45*)76


8
Como se sente alguém em seu primeiro dia de trabalho numa
empresa?
8
Quais as posturas mais comuns de alguém que começa a
trabalhar?
8
Quais os erros mais comuns que as empresas cometem no
processo de acolhimento e integração?
8
Quais as conseqüências para o individuo e para a empresa?

# 9: ),;)'<'=0>-,.3? < ) #. 


 @A  B  
33
' 9 
C
 @!)DE

Um misto de sensações e expectativas dominam por inteiro um


individuo no seu primeiro dia de trabalho.
Além disso, não há um estereótipo definido de comportamento
de quem inicia uma nova vida profissional.
Podemos assim encontrar:
8 #/0. ) ')4'
: Que veio para arrasar e vencer.
8 ! *)D
: Que tem medo de não dar certo.
8 )D# 7(
 *( %))DF
: Que não encontrou coisa melhor e
veio arriscar ou fazer um “bico”.
8 )&)D@GF
: Que precisa do emprego e qualquer custo.
8 GHG @#@
I,-'
da empresa: O que a empresa é
no mercado.
1.3J#@) 3K 
)# +L B  M * N N, OE
8 G./  9)4 G MF  6
Como serão meus colegas? Será que a
empresa dá oportunidades para crescer? Como será o ambiente de
trabalho?
8 P  P @ 7)96
Será que vão cumprir com o que
prometeram? Serei capaz suficiente para o cargo? Será o trabalho
muito difícil? Será que vou aprender?
8 F&.') &):  "#?&6
Não vejo à hora de começar!Quero que
conheçam meu potencial! Será uma nova etapa em minha vida!
Finalmente vou trabalhar na empresa XXXX!
8 0<)M ! / ,,6
Quando vou poder começar a trabalhar? Como
serão meus colegas de trabalho? Como será o meu local de trabalho?

1A.0, ) &) > <)4'.&) C


) # 7C.0<) =3Q- .3? 12.
G *RG  #/#''!E
“A pessoa fica meio perdida”. Não conhece ninguém, pisa sobre
“ovos”, aceita tudo com facilidade. O novo funcionário fica estudando o
terreno para saber como se posicionar.
De uma maneira geral as posturas mais comuns são:
8  S)&GT &RPU, V6
nos primeiros dias de trabalho o novo
colaborador aguça seu espírito observador. Não lhe escapa nada,
registra tudo o que ouve e vê. Seu senso analítico esta presente em
todos os momentos. Não perde nenhum detalhe, e será a soma de
todas as pequenas experiências com tudo o que ouviu e observou que
embasará seu julgamento da empresa, sob sua ética de valores e
cultura vez que ainda não assimilou ou da empresa.
8  
 RU W6
novos colaboradores assumem postura de
proteção e cautela. Cuidam da expressão verbal, expressam a maior
parte das vezes o que é politicamente correto, não revelam todos os
seus pensamentos e emoções, procuram esconder suas falhas e
defeitos. Também, são tantas informações para integrar que, às
vezes, ele não entende, mas fica envergonhado em pedir para repetir
e esclarecer.
8 T L  M  9 C,-&X6
procurar mostrar o que tem de
melhor: cuidar mais da aparência, tem necessidade de revelar seus
conhecimentos e experiência, é gentil com todos, saliente os feitos
conquistados em experiências profissionais anteriores, demonstra
curiosidade por todos os assuntos relativos à nova posição e à
empresa em geral.
12.0, ) *)  *) , ) G *I.3*) 12.3=&) (
)D0)
G *
' * 
 9!)M)D ;0 9
# Y <'-'&R!&
=* 7TB *) "#.*    *)<Z

1. Tratam o acolhimento como tarefa burocrática sem dar o devido


valor às implicações humanas do mesmo;
2. Delegam a tarefa a pessoas que não tem a devida qualificação
ou formação para tal;
3. Muitos acham que já é grande privilegio terem dado emprego ao
individuo;
4. Alguns, descontentes com a organização, faltam com a ética e
criticam a empresa para o novo colaborador;
5. Passam a “bola” para o novo chefe imediato;
6. Enviam o individuo diretamente para a produção sem realizar o
processo de acolhimento e integração;
7. Sem qualquer critério, podem para um colaborador, integrar e
ensinar as tarefas ao novo empregado;
8. Não se preocupam em levar o novo colaborador a ter uma visão
global da empresa e seus negócios.

12.3
) 0)  97) -D.[7 ') N L B TP . ;NG 
(
),3E
8
Um processo de acolhimento e integração bem feito pela
empresa torna o novo colaborador produtivo, mas rapidamente.
8
Boa integração e bom treinamento implicam em menos perda de
tempo, material e, por conseguinte diminuem curtos.
8
Uma boa integração acarreta menos erros na execução de
tarefas, expondo menos o nov colaborador e afetando menos o cliente
(já que a maior parte dos erros em empresas prestadoras de serviços
atingem o cliente).
8
Um bom processo de acolhimento e integração aumenta a auto
estima e motivação das pessoas, contribuindo para diminuir a
ansiedade e possibilitando uma melhor compreensão das
informações.
8
Acolher bem é uma forma de seduzir e conquistar pessoas para
sua causa, neste caso, a causa é a empresa.
8
Quando o discurso é diferente da pratica, implica na perda de
credibilidade do novo colaborador.
8
Uma má impressão do funcionário, logo de inicio, por ter sido
mal acolhido, pode contribuir para demissão dos colaboradores e
aumento da rotatividade, bem como dos custos.
8
Decepção é motivo de crítica e gerador de imagem negativa fora
da empresa, sobretudo no mercado de trabalho. Um prato cheio para
a concorrência.
8
Cuidado em não criar expectativas irreais, é importante evitar
passar somente imagens positivas da empresa, caso não corresponda
à realidade, pois isto poderá frustrar o colaborador no futuro.

@'&N0) \ )\ @) 0C ] /0


-0R^U =< TP 7)
G 9% _G M O!) ` :
!) +Z

 9^))\ aG4.  02< ;)&RU
Este é o momento quando se tem o primeiro contato com a
pessoa que vai se tornar um novo colaborador. Já devemos, a partir
daí, transmitir aos candidatos a imagem e a cultura da empresa. A
“primeira impressão” e a expectativas fluem dos dois lados – do
candidato.


 9^)M)D ,b c )),U&

Escolhido o novo colaborador, deve-se então oficializar sua


entrada na empresa através de novas entrevistas, apresentação de
documentos, etc.
d(eQf@gh
O responsável da área de recursos humanos, ou
departamento pessoal, realiza a admissão dos colaboradores.
d(e$i>jNklPh
A sugestão é ter sempre um único dia da semana
marcada para as admissões e início do trabalho dos novos
colaboradores, isto facilitará a organização das atividades do
departamento pessoal e de todas os demais departamentos. É
recomendado que a admissão seja feita no 1º dia de trabalho.
m lonNi%pqh
A sala adequada para este tipo de encontro, tendo como
requisito básico a arrumação, limpeza, boa iluminação e acomodação
para a pessoa ler e assinar documentos.
OBS: Se houver mais de uma pessoa, definir local suficiente
para acolher a todos.
r fNse>tvu$txwylzu!h
Deverão estar prontos e preparados com
antecedências todos os documentos burocráticos à serem assinados
e/ou entregues ao novo colaborador.
8
Carteira Profissional;
8
Contrato de Experiência;
8
Crachá;
8
Uniforme;
8
Cartão de Ponto;
8
Etc...
{
l|g*lPh
Através de explicações verbais e checagem da
compreensão das mensagens. O roteiro a ser seguido baseia-se em 3
enfoques:
8 r fNnNlzj#}~tvQgFi$€%%l ki>u t‚j#}ƒl„Qg*i$€@…of†u i|j^w‡fN$tˆlzQf†u
: Para minimizar
dúvidas sobre o novo contrato de trabalho, é conveniente relembrar
algumas condições de contratação, tais como: Cargo, Salário, Política
de Reajustes salarial, Contrato de experiência.
{
8 l|g,‰Ql|g7tvuou|lzuWklVjNlŠylVnNl>p‹i†Œ#lz$iNklz!h

Horário de Trabalho
Cartão de ponto
Folgas
Horas Extras
Atrasos
Faltas
Uniforme
Crachás
Normas de Segurança

8  fNjNfG}zŽn%t‹lou!h

Assistência Médica
Plano Farmácia
Alimentação
Vale Transporte
Estacionamento
Seguro do Carro
Seguro de Vida
Bolsa de Estudos
Salário Educação
Cooperativa

 *P))\ =&G 7 @2

Quando o novo colaborador conhece a empresa? Como o grupo


é formado? Qual é a importância do seu papel e valor dentro desta
nova estrutura e cultura?
“Integrar” é fazer com que o novo colaborador sinta-se
valorizado, como parte de algo grandioso e importante, através da
visão de todas as dimensões da empresa e do grupo.


 F-0I -'&RPU, ` :
G) 
N *!0
12.0L M
.&RPU,
12. c * @) #/G
C,0^
; =&> F 
8
Roteiro do Programa
8
Material de jogos e dinâmicas


 *)D)D ] -0RPU, 0 N'&#
8
Boas Vindas
8
Objetivos da empresa
8
Espírito e cultura da empresa
8
Qualidade na prestação de serviços
8
Objetivos dos departamentos
8
Importância do cargo do colaborador e suas interfaces
8
Relatar as funções do cargo e suas responsabilidades
8
Organograma do departamento
8
Dizer o que espera do colaborador
8
Suas características e estilo como chefe
8
Relacionar as tarefas que o colaborador terá que excetuar;
1. Levantar o que o colaborador sabe e o que não sabe fazer
2. Elaborar um plano de trabalho inicial atrelado a um plano de
treinamento técnico das tarefas que não sabe.
8
Delegar as primeiras tarefas.


 *)M)D , -'&RPU, & N/
'&#
Curiosidade, medos, receios e ansiedade afloram quando o novo
colaborador se instala pela primeira vez no departamento onde
trabalhará. E quando o “padrinho” cumprirá seu papel de integrador
tornando este momento o mais confortável possível e fazendo com
que o novo colaborador se sinta mais seguro e realmente acolhido.
Esta integração deverá ser feita em parceria entre o chefe do
departamento e o “padrinho”.
 ‘N’/“ 
r”•– h
Elemento que será co-responsável pelo
acolhimento do novo colaborador, no departamento, visando facilitar
sua integração ao grupo. Uma espécie de “anjo da guarda” temporário
dentro da empresa. ‘
— u„nNl>p™˜i kl i@k%>tšj@˜
lPh
Feita pelo chefe (e com aceitação
voluntária e espontânea do escolhido) considerando critério de
Sociabilidade, Comunicação, Reconhecimento da equipe,
Conhecimento da empresa e do departamento, Impregnado do
Espírito e da Cultura da organização, “vestindo sua camisa”.
‘
r fNu›‰^lzj>u$i†Œ#t‹pœtˆki%kfkl i%k@$t‚j@˜lPh
Acolhimento, visita à empresa,
apresentação dos colegas de trabalho, mostrar local de marcação do
ponto, banheiros, vestiários, refeitórios, xerox, malotes, fax, café e
água.
Nos primeiros dias, o padrinho deverá almoçar como o novo
colaborador fornecendo informações sobre o dia a dia da empresa, a
atuação do setor e suas relações como prestador de serviços.
‘ ‘
zfƒ‰^i>|i>€N@lJkl iNk>tšj%˜lPh
É responsabilidade do chefe orientar
o padrinho sobre seu desempenho, considerando o que acima foi dito
e conforme particularidade de cada departamento.
OBS: A função do padrinho deve ser assumida por várias
pessoas e não sempre o mesmo elemento.
{ “
˜f}žfŸkl fƒ‰^i$wyi†gf†j^wylPh
Após visita à empresa e ao local de
trabalho (objetivando que ele se situe geograficamente no prédio),
feita em principio pelo padrinho (se não for possível o próprio chefe
acompanha à visita), o novo colaborador é encaminhado ao chefe do
departamento, para reunião de integração.
 “ ’ { 3¢I‘N’ ’,¢ 
r —!  •<”¡ — •– — •¤£

O sistema de integração prevê a realização de três reuniões


formais com o novo colaborador durante o período de experiência: No
20º dia/ no 50º dia / no 80 º dia.
8
Objetivos:
Adaptação à empresa
Entrosamento com a Equipe
Execução das tarefas e assimilação do sistema de trabalho
Auto avaliação do treinamento que está recebendo
Expor sua visão critica dos sistemas (sugestões)
Corrigir o que for necessário na sua forma de trabalho