Você está na página 1de 4

Publicidade

D iário de N otícias
Segunda-feira, 12 de Novembro de 2018 – Edição nº3716
i inguy
De Segunda à Sexta - Editor interino: Laurindos Macuácua -cell:820720400
Propriedade: Media - Jornalistas Associados Limitada - GABINFO-Dispensa de Registo - DE-2003
Redacção e Administração: Rua da Resistencia,Nº1642,Prédio Cil/3M – Maputo - Moçambique
Telefone: 21418823 ou 824915440/844719596
E-mail: diariodenoticias@tvcabo.co.mz
Assinaturas mensais: 700,00 MT (ordinária),
1.300,00 MT (institucional) e 1.750,00 MT (embaixadas e ONGs estrangeiras)

RECLAMAM MORADORES

“Em Moatize vivem pessoas


FARMÁCIA ALOE VERA, Rua do Mercado-Parc. 834/A1 Mahlazineç

e não animais”
Cell:823841566, Fazemos entrega de medicamentos ao domicílio

(Maputo) Continua para- devido às acções da empresa mineira. Tete, para se inteirarem das queixas
da a mina Moatize II da Vale, As comissões para os assuntos dos residentes do Bairro Bamaoio,
na sequência do protesto dos sociais, género, tecnologia e comuni- unidade Nhantchere.
moradores do Bairro Baga- cação social e da agricultura, economia Num encontro com os deputados
moio. Queixam-se de poluição e meio ambiente da Assembleia da e membros das organizações da socie-
sonora, ambiental e fissuras República trabalharam semana finda dade civil na sexta-feira, os moradores
provocadas nas residências em Moatize, província central de ⇒
COM CREDORES DA PROINDICUS E MAM

Governo estará a negociar outra


hipoteca do gás do Rovuma
(Maputo) O Governo de empresas a tivessem pago. sponder a isso porque cada grupo tem
Filipe Nyusi estará a negociar Inquirido sobre a proposta que as suas particularidades e instrumentos
hipotecar outra porção das o Governo apresentou aos credores diferentes, nós ainda estamos a discutir
receitas fiscais que Moçam- das dívidas das empresas Proindicus e no processo da discussão sempre
bique espera da exploração e Mozambique Asset Managment há um acordo de confidencialidade,
do gás na Bacia do Rovuma (MAM), sindicada pelos bancos logo que a gente fechar vamos fazer o
à favor dos credores da Proin- Credit Suisse e o VTB, o titular da como o que foi feito em relação a esses
ducus e MAM, é 1,1 bilião de Economia e Finanças escusou-se a quatro credores da dívida”, declarou
dólares que somado aos juros dar detalhes. o ministro Adriano Maleiane.
ascendia a 1,4 bilião caso as “Neste momento não posso re- ⇒ Publicidade

DN 3716 - 1
daquela unidade residencial pediram pessoas, a máquina não pode trabalhar Vale acumula prejuízos
“aos deputados para informarem ao porque nós estamos a morrer”. Em conferência de imprensa na
Governo central que em Moatize Questionada sobre o posiciona- quinta-feira (08.11.), em Maputo a
vivem pessoas e não animais. E os mento da comunidade de Nhantchere, Vale disse que a paralisação da mina
pedidos destas pessoas devem ser Lucinda Malema disse que “se deve Moatize II afectou o seu desempen-
cumpridos.” encontrar um meio termo para que ho, contribuindo para a redução da
Poluição sonora, ambiental e aquela reivindicação da população expectativa de produção anual de 15
fissuras provocadas nas residências possa ter uma solução”. para 12 milhões de toneladas, segundo
na sequência do estremecer da terra A Coligação Cívica sobre a Márcio Gody, presidente do Consel-
devido aos explosivos usados pela Indústria Extractiva, uma plataforma ho de Administração da empresa em
empresa mineira Vale, são algumas de organizações da sociedade civil e Moçambique.
das queixas da população. de advocacia e monitoria deste sector “Nós agora estamos a fazer os
Os deputados do Parlamento económico exige a divulgação do cálculos por conta dos sequencia-
reconhecem que as reivindicações contracto assinado entre a mineradora mentos desses passos que ficaram
da população de Nhantchere são e o Governo. atrasados e ver se ainda haverá algum
legítimas. “Para podermos perceber várias impacto adicional”, declarou Gody.
Lucinda Malema é vice-pres- nuances que há neste contracto, porque A vice-presidente da comissão
idente da comissão para assuntos a Vale sempre quando quer justificar para assuntos sociais, género, tecno-
sociais, género, tecnologia e comu- algo recorre ao mesmo. Disponibilizar logia e comunicação social, Lucinda
nicação social e disse: “Conseguimos este contracto seria um espaço bastante Malema, informou que a empresa
ver que, de facto, não existe nenhum importante para nós compreendermos reconhece que há problemas: “Pelo
espaçamento de separação entre a o que é que realmente foi acordado”, trabalho que nós fizemos eles viram
mina da Vale e a população. É uma defende Jessimusse Cacinda porta-voz que, de facto, há problemas. Em algu-
preocupação toda nossa, porque a rec- do grupo. mas questões a população tem a sua
lamação do povo é justa, achamos que E o porta-voz do grupo aponta razão de reclamar”
há mecanismos que podemos usar.” ainda fragilidades na Lei de Minas. O Governo em coordenação com
Enquanto não forem reassenta- Cacinda destaca que “não existe a Universidade Eduardo Mondlane
dos, os moradores de Nhantchere quer- algum mecanismo dentro da lei de está a produzir um estudo sobre os
em que a mina continue paralisada. minas que obrigue as empresas a impactos da poluição ambiental em
Um dos moradores exige: “Enquanto disponibilizarem informação pública Moatize.
a Vale está pensar em reassentar as como acontece na Lei de Petróleos.” (Redacção) Publicidade

DN 3716 - 2
Governo estará a negociar outra hipoteca do gás do Rovuma
No entanto, sabe-se que a deverá ser pago depois de 2029, já a primeira amortização de capital
proposta que o Executivo de Filipe com parte das receitas fiscais do gás e de juros, no montante global de
Nyusi apresentou a estes credores que será explorado nas Áreas 1 e 4 67.514.720 dólares, e tinha mais
é muito similar ao “acordo de da Bacia do Rovuma. cinco prestações de juros e capital
princípios” alcançado com os cre- Sob o pretexto de tratamento ig- para saldar a sua dívida até 2021.
dores da EMATUM. ual e justo de todos os credores o Gov- Por seu turno a MAM nunca
O que está na mesa é a retoma erna terá ainda proposto instrumentos chegou a efectuar nenhuma das quatro
do pagamento de juros em parcelas de valorização também indexados às amortizações que estava previstas
mais suaves esticando no entanto o receitas fiscais do gás natural. iniciar em 2016 para estarem con-
período de amortização e o capital A Proindicus efectuou em 2016 cluídas em 2019. (Redacção)

DENUNCIA O CIP

Usar receitas de gás para pagar dívidas é


hipotecar o bem-estar dos moçambicanos
(Maputo) O Centro de Integri- instrumento de valorização, que na que “o Governo prefere continuar a
dade Pública (CIP) não concorda com prática dá 5% das receitas fiscais pro- sacrificar o país sem que os moçambi-
a proposta do Governo moçambicano venientes do gás natural nas áreas 1 e 4, canos vejam os benefícios das dívidas
de usar as receitas de gás para pagar as até ao limite de 500 milhões de dólares. e dos recursos que serão hipotecados”.
dívidas ocultas e pede ao Parlamento Este pagamento é relativo à divida Para esta organização, o Parla-
para rejeitar. da Empresa Moçambicana de Atum mento deverá rejeitar a proposta de
O Ministério da Economia e (Ematum), que foi de 726 milhões de reestruturação, por comprometer “o
Finanças anunciou, semana finda, dólares. Não foi vista referência aos bem-estar de uma geração inteira”,
um acordo de princípio que prevê a valores da MAM e Proindicus, que devendo procurar “outras alternativas
troca dos actuais títulos por uma nova combinados ultrapassam um milhão para restabelecer a confiança do país
emissão de dívida soberana, no valor de dólares. a nível da comunidade internacional”.
de 900 milhões de dólares, e por um Analisado o cenário, o CIP diz ⇒ Publicidade


DN 3716 - 3
Após a descoberta das dívidas, em As dívidas em referência foram continuam a pedir a responsabilização
2016, o Fundo Monetário Internacional contraídas sem aprovação do Parlamen- dos envolvidos no processo.
e outros parceiros de Moçambique cor- to e o uso do valor foi questionado por (Redacção)
taram o apoio ao Orçamento de Estado. organizações da sociedade civil, que

PONTE MAPUTO-KATEMBE

Manutenção vai custar mais


de um milhão de dólares anuais
(Maputo) A Empresa Maputo pelo controlo de qualidade da obra, a nova via vai contar com um total de
Sul prevê gastar 1.200.000 dólares Maputo Sul irá se responsabilizar pela quatro portagens ao longo dos 187 Km
norte-americanos anuais para garantir manutenção da infra-estrutura, mas não de extensão, sendo a Portagem da Bela
a manutenção da ponte Maputo-Katem- descarta a possibilidade de contratar Vista, a que terá, relativamente, menos
be, sábado inaugurada na baia de Ma- privados. custos, variando de 100 a 750 meticais.
puto, capital de Moçambique. Sublinhou que a empresa terá que A construção desta maior ponte
“A ponte Maputo-Katembe é um arranjar formas para garantir o paga- suspensa em África iniciou a 6 de
empreendimento que vai precisar de mento das despesas da manutenção, Junho de 2014, após ao lançamento
muitos cuidados para que tenha dura- uma vez que as receitas a serem co- da primeira pedra a 20 de Setembro
bilidade. O término das obras não é o bradas pelo uso das portagens não irão de 2012. Foram aplicados 785 milhões
fim dos trabalhos”, diz Basílio Nzunga, cobrir os gastos da manutenção. de dólares norte-americanos na sua
da empresa Maputo Sul, responsável As taxas, a serem cobradas estão construção sobre o estuário e de 187
pela ponte . subdivididas em quatro classes e variam quilómetros de estrada entre a cidade
Nzunga afirma que, neste mo- de um mínimo de 160 a 1200 meticais de Maputo e a Ponta D’Ouro, e ainda
mento, a sua empresa está a elaborar por acesso. outros 63 que ligam o distrito de Bo-
um manual que irá determinar a Para além de inauguração da ane e à Bela Vista, sede distrital de
periodicidade das intervenções na ponte, o chefe do Estdo moçambicano, Matutuíne, além de cinco pontes que
infra-estrutura. Filipe Nyusi, inaugurou também no atravessam rios e três viadutos.
De acordo com este responsável sábado as estradas da sua ligação. A (Redacção)

DISTRITO DA MANHIÇA

Homem mata amigo à facada e


entrega-se à Polícia
(Maputo) A Polícia da República juntos a consumir bebidas alcoólicas já tinha sido descoberta desapareceu
de Moçambique (PRM) deteve um numa barraca. A vítima o teria aban- sem deixar rastos.
indivíduo que confessou ter assassi- donado sem dizer para onde se dirigia. “Ela queria que eu saísse com ela
nado o próprio amigo com recurso Volvido algum tempo, o indiciado para a casa de banho para o amante
a uma faca, depois de supostamente regressou à casa e ficou surpreendido ao ficar a fugir. Por isso abriu a porta de
surpreendê-lo debaixo da sua cama, descobrir que o amigo estava debaixo traseira da casa para criar facilidades
no distrito da Manhiça, província de da sua cama. Ao procurar saber o que àquele homem”, narrou o cidadão.
Maputo. O homicida alegou que a é que se estava a passar, percebeu que Diante da alegada infidelidade, o
vítima se envolveu sexualmente com o ofendido tinha mantido relações homem não conseguiu manter a frieza
a sua esposa e ainda tentou agredi-lo. sexuais com a sua esposa. e deixou-se tomar pela ira. Por conse-
A. Salvador, agora a ver o sol aos O cidadão contou ainda que, guinte, com recurso uma faca, ele tirou
quadradinhos nas celas do Comando quando chegou ao seu domicílio, a a vida do presumível amigo e amante
Distrital da PRM da Manhiça, afirmou mulher exigiu que a acompanhasse à da sua consorte. “Lutamos, houve
que se lembra de ter espectado pelo casa de banho, o que deixou homem perseguição e ele caiu na rua ferido”,
menos três facadas à vítima, das quais desconfiado, sobretudo porque a porta sem no entanto resistir a ferimentos.
duas no abdómen, durante a disputa traseira da casa estava aberta, algo que O porta-voz do Comando Pro-
pelo instrumento, e uma nas costas, não era normal. vincial da PRM em Maputo, Fernando
quando a finado tentava escapar com Durante a discussão com a com- Manhiça, conformou o crime e disse
vida. panheira, A. Salvador apercebeu-se que decorrem diligências com vista a
Segundo o acusado, antes do de que debaixo da sua cama havia um apurar mais elementos para a respons-
sucedido, ele e o malogrado estiveram indivíduo. Quando a consorte notou que abilização do indiciado. (Redacção)
DN 3716 - 4