Você está na página 1de 47

Legislação na Aquicultura

1
Aqüicultura Sustentável
“Revolução Azul”

Novas “revoluções
produtivas” devem estar
precedidas de sólidas
avaliações dos impactos em
todas as dimensões da
sustentabilidade:

Técnica; Econômica;

Sócio-Ambiental; Política-institucional; 2
Legislação na Aquicultura
DECRETO nº 24.643, de 10 de julho de 1934 – Código de
Águas
-Decreta o Código de Águas.
Baseia-se nos seguintes fundamentos:
A água é um bem de domínio público;
II. A água é um recurso natural limitado,
dotado de valor econômico;
III. Em situação de escassez, o uso prioritário dos recursos hídricos é o consumo
humano e a dessedentação de Animais
IV. A gestão dos recursos hídricos deve sempre
proporcionar o uso múltiplo das águas;
V. A bacia hidrográfica é a unidade territorial para a implementação da Política
Nacional de Recursos Hídricos e atuação do Sistema Nacional de Gerenciamento
de Recursos Hídricos;
VI. A gestão dos recursos hídricos deve ser descentralizada e contar com a
participação do Poder Público, dos usuários e das
comunidades

3
Legislação na Aquicultura

DECRETO-LEI nº 221, de 28 de fevereiro de 1967 - Código de


Pesca
-Dispõe sobre a Proteção e Estímulos à Pesca e dá outras
providências.

DECRETO n° 1.694, de 13 de novembro de 1995


-Cria o Sistema Nacional de Informações da Pesca e Aqüicultura -
SINPESQ.

4
Legislação na Aquicultura

DECRETO n° 3.179, de 21 de setembro de 1999


-Dispõe sobre as sanções aplicáveis às condutas e
atividades lesivas ao meio ambiente.

DECRETO nº 4.895, de 25 de novembro de 2003


-Dispõe sobre a autorização de uso de espaços físicos
de corpos d’água de domínio da União para fins de
aqüicultura, e dá outras providências.

DECRETO n° 5.069, de 05 de maio de 2004


-Dispõe sobre o Conselho Nacional
de Aqüicultura e Pesca - CONAPE.
5
Legislação na Aquicultura

DECRETO n° 6.514, de 22 de julho de 2008


-Dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao
meio ambiente, estabelece o processo administrativo
federal para apuração destas infrações, e dá outras
providências.

Decreto nº 2.869, de 9 de dezembro de 1998


Regulamenta a cessão de águas públicas para
exploração da aqüicultura, e dá outras
providências.

6
Legislação na Aquicultura

LEI COMPLEMENTAR n° 13, de 18 de julho de 1997


TO.
Dispõe sobre regulamentação das atividades de pesca,
aquicultura, piscicultura, da proteção aquática e dá
outras providências.

LEI Nº 2.476, DE 8 DE JULHO DE 2011 - TO


Publicada no Diário Oficial nº 3.419
Institui o Programa de Adequação Ambiental de
Propriedade e Atividade Rural TO-LEGAL, e adota
outras providencias.

7
Legislação na Aquicultura

» Lei nº 11.958 - Publicada em 29.06.09


Dispõe sobre a transformação da Secretaria
Especial de Aquicultura e Pesca da Presidência
da República em Ministério da Pesca e
Aquicultura.

» Lei nº 11.959, de 29 de junho de 2009


Dispõe sobre a Política Nacional de
Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura e da
Pesca, regula as atividades pesqueiras e dá
outras providências.

8
Legislação na Aquicultura

LEI nº 1.283, de 18 de dezembro de 1950


-Dispõe sobre a inspeção industrial e sanitária dos
produtos de origem animal.

LEI n° 4.771, de 15 de setembro de 1965 – Código


Florestal
-Institui o novo Código Florestal.

9
Legislação na Aquicultura

LEI nº 9.433, de 08 de janeiro de 1997


-Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o
Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos
Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da
Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº
8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei
nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989.

LEI n° 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 - Lei de


Crimes Ambientais
-Dispõe sobre sanções penais e administrativas
advindas de condutas e atividades
lesivas ao meio ambiente. 10
Legislação na Aquicultura

LEI nº 9.782, de 26 de janeiro de 1999


-Define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria
a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e dá
outras providências.

LEI n° 9.984, de 17 de julho de 2000


-Cria a Agência Nacional de Águas - ANA, para
implementação da Política Nacional de Recursos
Hídricos e coordenação do Sistema Nacional de
Gerenciamento de Recursos Hídricos.

11
Legislação na Aquicultura

Portaria MAPA n° 185, de 13 de maio de 1997


-Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do
Peixe Fresco [inteiro e eviscerado].

Portaria IBAMA nº 136, de 14 de outubro de 1998


-Estabelece normas para registro de Aqüicultor e
Pesque-Pague no Instituto Brasileiro do Meio
Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

12
Legislação na Aquicultura

Portaria IBAMA nº 145, de 29 de outubro de 1998


- Estabelece normas para a introdução, reintrodução e
transferência de peixes, crustáceos, moluscos, e
macrófitas aquáticas para fins de aqüicultura,
excluindo-se as espécies animais ornamentais.

- » Portaria IBAMA nº 113, de 25 de novembro de


1997
Institui o Cadastro Técnico Federal de Atividades
Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de
Recursos Ambientais.

13
Legislação na Aquicultura

Instrução Normativa SEAP/PR nº 03, de 12 de maio


de 2004
-Dispõe sobre a operacionalização do Registro Geral da
Pesca/RGP no âmbito da Secretaria Especial de
Aqüicultura e Pesca da Presidência República -
SEAP/PR.

Instrução Normativa IBAMA n° 57, de 13 de


dezembro de 2004
-Dispõe sobre produtos e subprodutos perecíveis, e não
perecíveis da fauna, da flora
e recursos pesqueiros.
14
Legislação na Aquicultura
Instrução Normativa Interministerial nº 06, de 31 de
maio de 2004
-Estabelece as normas complementares para a
autorização de uso dos espaços físicos em corpos
d'água de domínio da União para fins de aqüicultura,
e dá outras providências.
Instrução Normativa SEAP/PR n° 20, de 16 de
novembro de 2005
-Estabelece os limites máximos para as áreas
localizadas em águas de domínio da União,
destinadas à instalação de unidades demonstrativas
e de pesquisa em aqüicultura.
15
Legislação na Aquicultura
Instrução Normativa Interministerial SEAP/PR MPOG
SPU/MP n° 01, de 10 de outubro de 2007
-Estabelece os procedimentos operacionais entre a
SEAP/PR e a SPU/MP para a autorização de uso dos
espaços físicos em águas de domínio da União para
fins de aquicultura.

Instrução Normativa IBAMA n° 203, de 22 de outubro


de 2008
-Dispõe sobre normas, critérios e padrões para a
explotação com finalidade ornamental
e de aquariofilia de peixes nativos ou
exóticos de águas continentais. 16
Legislação na Aquicultura
Instrução Normativa IBAMA n° 204, de 22 de outubro
de 2008

-Estabelece normas, critérios e padrões para a


exploração com finalidade ornamental e de
aquariofilia de exemplares vivos de raias nativas de
água continental, Família Potamotrygonidae.
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 19 DE MAIO DE
2011
Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para
o Registro Geral da Atividade
Pesqueira - RGP.
17
Legislação na Aquicultura

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 09 , DE 29 DE
JUNHO DE 2005.
Art. 1º Estabelecer os preços públicos dos serviços da
Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da
Presidência da República, constantes do anexo desta
Instrução Normativa.

18
Legislação na Aquicultura
Resolução CONAMA n° 009, de 03 de dezembro de
1987
-Dispõe sobre a audiência pública para análise e
discussão de EIA/RIMA.

Resolução CONAMA nº 237, de 19 de dezembro de


1997
-Revisa os procedimentos e critérios utilizados no
licenciamento ambiental, de forma a efetivar a
utilização do sistema de licenciamento como
instrumento da gestão ambiental instituída pela
Política Nacional do Meio
Ambiente / PNMA. 19
Legislação na Aquicultura

Resolução CONAMA nº 302, de 20 de março de 2002

-Dispõe sobre os parâmetros, definições e limites de


Áreas de Preservação Permanente de reservatórios
artificiais e o regime de uso do entorno.

Resolução CONAMA nº 303, de 20 de março de 2002

-Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas


de Preservação Permanente.

20
Legislação na Aquicultura
Resolução CONAMA no 357, de 17 de março de 2005
-Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e
diretrizes ambientais para o seu enquadramento,
bem como estabelece as condições e padrões de
lançamento de efluentes, e dá outras providências
(Revogou a Resolução CONAMA Nº 20, de 18 de
junho de 1986).
Resolução CONAMA n° 369, de 28 de março de 2006
-Dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade
pública, interesse social ou baixo impacto ambiental
que possibilitam a intervenção ou supressão de
vegetação em Área de Preservação
Permanente / APP.
21
Legislação na Aquicultura

Resolução Conjunta IBAMA-SEAP/PR-IAP n° 002/08


(Paraná), de 16 de janeiro de 2008
-Estabelece normas e procedimentos para regularização
ambiental de tanques, viveiros, açudes, pequenos
reservatórios e lagos destinados a produção de
peixes em águas continentais no Estado do Paraná.

Resolução CONAMA nº 413, de 26 de junho de 2009


-Estabelece normas e critérios para o licenciamento
ambiental da aquicultura, e da outras providencias.

22
Legislação na Aquicultura

O Decreto 4.895/03

Dispõe sobre a autorização de uso de espaços


físicos de corpos d'água de domínio da União
para fins de aqüicultura.

23
Legislação na Aquicultura

O Decreto 4.895/03

VII. Outorga preventiva de uso de recursos


hídricos: ato administrativo emitido pela Agência
Nacional de Águas - ANA, que não confere direito
de uso de recursos hídricos e se destina a
reservar a vazão passível de outorga,
possibilitando, aos investidores, o planejamento
para os usos requeridos, conforme previsão do
art. 6º da Lei n o 9.984, de 17 de julho de 2000;
24
Legislação na Aquicultura

O Decreto 4.895/03

VIII. Outorga de direito de uso de recursos


hídricos: ato administrativo mediante o qual a
ANA concede ao outorgado o direito de uso de
recurso hídrico, por prazo determinado, nos
termos e nas condições expressas no respectivo
ato.

25
Legislação na Aquicultura
Modalidades de Projetos

Parques Aqüícolas (Delimitados pela SEAP/PR ) - Espaço


físico contínuo em meio aquático, delimitado, que compreende
um conjunto de áreas aqüícolas afins, em cujos espaços físicos
intermediários podem ser desenvolvidas outras atividades
compatíveis com a prática da aqüicultura;

Faixas ou Áreas de Preferência - a prioridade será atribuída


a integrantes de populações tradicionais,
atendidas por programas de inclusão
social.
26
Legislação na Aquicultura
Modalidades de Projetos
Áreas Aqüícolas - Espaço físico contínuo em meio aquático,
delimitado, destinado a projetos de aqüicultura, individuais ou
coletivos;

Unidades Demonstrativas - estrutura de cultivo destinada ao


treinamento, capacitação e transferência de tecnologias em
aqüicultura;

Unidades de Pesquisa - destinadas ao desenvolvimento, à


pesquisa, à avaliação e à adequação tecnológica voltadas para
as atividades aqüícolas.
27
Critérios de Implantação de Parques Aquícolas
Recorte inicial – seleção de áreas aptas à aquicultura
(lançamento esgoto, captação de água, macrófitas,
profundidade mínima de 4 metros, navegação, paliteiro, área
com ondas e fortes correntes, localização das comunidades,
vias de acesso)
1. Avaliação da área quanto a sua adequação zootécnica
(qualidade de água, tempo de residência braço);
2. Estudos ambientais de parques aqüícolas (I.N.I. nº6/04)
(IMPORTANTE PARA TODO O PROCESSO – ÓRGÃOS);
3. Avaliação de impactos sobre as comunidades tradicionais;
4. Avaliação dos impactos sobre os outros usos do água
(abastecimento, descargas, pesca, turismo, navegação);
5. Inserção Regional.
Estudos para a Identificação de Áreas
Propícias para a Prática da Aqüicultura

29
ANEXOS E FORMULÁRIOS

Anexo I

Anexo II

Manual anexo II

Anexo V

Requerimento geral NATURATINS

Formulário de Aqüicultura 30
NATURATINS
Fluxo do Processo de Cessão de Águas
de Domínio da União

EMPREENDEDOR

ESCRITÓRIO
ESTADUAL
DA SEAP/PR

SEAP/PR - BRASÍLIA

IBAMA/OEMAS MARINHA ANA

SPU

SEAP/PR - BRASÍLIA

ESCRITÓRIO
ESTADUAL
DA SEAP/PR

EMPREENDEDOR 31
Atendimento à INI nº 01/07

Art. 14 da INI nº 01/07: SEAP/PR faz o requerimento à Gerência


Regional do Patrimônio da União - GRPU/UF e deverá conter:

I - características do imóvel pretendido;


II - memorial descritivo da área, indicando as coordenadas UTM
dos vértices do(s) polígono(s) da(s) área(s) pleiteada(s);
III - finalidade da destinação e atividades a serem desenvolvidas;
IV - prazo para o cumprimento do objetivo, conforme o caso;
V - estimativa de valor do imóvel;
VI - parecer final conclusivo com relação à regularidade
documental e técnica do projeto e a
viabilidade do uso.

32
Obrigado !!!
Jozafá Ribeiro Maciel
Superintendente Federal da SFPA/TO
Av. Teotônio Segurado, Qd 102 Sul, Conj. 01,
Lt 04
CEP: 77 020.002 - Palmas - TO
(63) 3213.2641
jozafa.maciel@mpa.gov.br

33
Uso das águas da União
• Área está destinada aos pescadores
artesanais, pequenos produtores rurais,
com renda de até 5 salários mínimos.
• 1 lote de 1.500m² para cada pessoa. É só
apresentar a documentação correta e
escolher a área.
• Não tem taxa de inscrição ou pagamentos
pela ocupação.
34
Uso das águas da União
• A autorização de uso vale por 20 anos
podendo ser renovada pelo o mesmo
período.
• políticas e os programas de capacitação,
assistência técnica e comercialização.
• renda estimada R$ 1.500,00.

35
Critérios de participação
• Pessoas físicas.

• Não ser funcionário público.

• Atender os seguintes parâmetros:


- Renda familiar igual ou inferior a cinco
salários mínimos;

- Ter um ano de residência comprovada nos


municípios relacionados no edital
36
Documentos para habilitação –
seleção do interessado
• Cópia da cédula de identidade (CI/RG);

• Cópia do cartão de identificação do


contribuinte (CIC/CPF);

• Prova de regularidade para com a


Fazenda Federal, compreendendo:
Certidão de quitação de Tributos Federais
e Certidão quanto à Dívida Ativa da União;

37
• Prova de regularidade para com as
Fazendas Estadual e Municipal do
domicílio do licitante;

• Declaração de renda;

• Comprovante de residência.

38
Escolha da área desejada
• Ser datilografada ou impressa;

• Conter o nome (pessoa física), endereço


completo, CEP, telefone e/ou Fax, nº do
CPF (pessoa física).

• Apresentar assinatura ou impressão digital


do proponente;

39
• Indicar a numeração referencial da área
pleiteada;

• Documentos de comprovação para a avaliação


de Habilitação Sócio-econômica.

40
Pontuação sócio-econômica
• Trabalhador rural atingido por barragem.

• Filiação/adesão à entidade de economia


solidária (associação de Pisicultores,
cooperativa, colônia de pescadores,
etc.) destinada às atividades pesqueiras
ou aqüícolas e com mais de 6 (seis)
meses de existência.

• Participação em curso ou
treinamento de piscicultura. 41
• Participação no Programa Bolsa Família.

• Documento de inscrição em Programa de


inclusão social do Governo Federal ou
agraciado com seguro-defeso.

• Aquicultor ou pescador registrado no


MPA.

• Ser beneficiado pelo PRONAF - DAP

42
Prazos = Projetos
Após a autorização

1. Seis meses para conclusão de todo o


sistema de sinalização náutica previsto
para a área cedida, bem como para o
início de implantação do respectivo
projeto;

43
2. Três anos para a conclusão da
implantação do empreendimento
projetado; e

3. Vinte anos para o uso do bem objeto da


autorização.

44
Conseqüências do Fluxo Atual

Dificuldades de atendimento das exigências


por parte dos empreendedores

Possibilidade de indeferimento após


investimentos por parte dos interessados

Pulverização de Processos

Descrédito dos órgãos públicos envolvidos


na regulamentação do uso de águas de
domínio da União
45
Obrigado !!!
Jozafá Ribeiro Maciel
Superintendente Federal da SFPA/TO
Av. Teotônio Segurado, Qd 102 Sul, Conj. 01,
Lt 04
CEP: 77 020.002 - Palmas - TO
(63) 3213.2641
jozafa.maciel@mpa.gov.br

46
Política Nacional de Recursos Hídricos

Portaria IBAMA nº 136, de 14 de outubro de 1998


-Estabelece normas para registro de Aquicultor e
Pesque-Pague no Instituto Brasileiro do Meio
Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

DECRETO-LEI nº 221, de 28 de fevereiro de 1967 - Código de Pesca


-Dispõe sobre a Proteção e Estímulos à Pesca e dá outras providências.

47