Você está na página 1de 68

Torturado nas masmorras do czarismo, que caiu em batalha com a autocracia, este livro é dedicado

a todos os famosos e desconhecidos heróis das revoluções russas.

B. Ehrenfeld
Traduzido por: Diego Lopes

Da história da luta dos bolcheviques com a polícia secreta czarista

1983

Sobre este livro

O livro de BK Ehrenfeld revive na memória o tempo difícil da luta clandestina do Partido


Bolchevique. Reflete não apenas as condições e os fatos da luta contra as atividades subversivas da
polícia secreta czarista, mas também a situação revolucionária geral no país. O autor mostra a luta
das forças revolucionárias com o aparato terrorista da autocracia, mesmo antes da criação do
Partido Bolchevique e no período subsequente até a derrubada do czarismo e a vitória da Grande
Revolução Socialista de Outubro.

Chama-se a atenção para o extenso material documental de numerosas fontes pré-revolucionárias,


dos fundos do Central Party Archive, do departamento especial da polícia, dos depoimentos
investigativos pós-revolucionários da ex-polícia política secreta e de muitos outros.

Esse foi um momento verdadeiramente inesquecível. Os anos em movimento rápido apagam na


memória de gerações muitos fatos dramáticos e detalhes do passado, e o mérito do autor é que ele
foi capaz de restaurá-los para os contemporâneos. Parece que os exemplos da longa luta dos
bolcheviques são instrutivos para os revolucionários que, mesmo nas condições do capitalismo,
estão agora travando uma luta decisiva pelos interesses do povo trabalhador.

MG Roshal, membro do PCUS desde 1915.

Do autor

Os tremendos sucessos do povo soviético, alcançados na era do socialismo maduro, revolucionaram


o desenvolvimento da história mundial. O socialismo vitorioso não apenas mudou radicalmente a
face de nossa pátria, como também se tornou um poderoso fator de importância internacional. "Não
existe tal país ou grupo de países, tal tendência ideológica ou política que não teria experimentado,
em um grau ou outro, a influência do socialismo", observou-se no 26º Congresso do Partido.

Nós orgulhosamente falamos sobre a implementação do programa para a construção do comunismo,


a amizade fraterna dos povos da URSS, o homem soviético, criado pelo Partido Comunista no
espírito de patriotismo e internacionalismo. Mas hoje, ao mesmo tempo, não podemos deixar de
lembrar o caminho difícil para as grandes realizações dos revolucionários russos liderados por
Lênin. A história da luta pré-revolucionária do Partido Bolchevique é uma imagem excitante das
batalhas políticas. Melhorando constantemente sua luta, os pioneiros do socialismo nas condições
incrivelmente difíceis da clandestinidade conseguiram criar um partido, o primeiro partido
proletário, que levou a classe trabalhadora junto com o campesinato a uma revolução vitoriosa.
Ensaios pesados caíram no lote do nosso partido no período pré-revolucionário. Ele liderou uma
luta contínua e intensa contra a autocracia e seu aparato terrorista - a polícia política secreta. Foi
uma verdadeira batalha com forças e meios desiguais. O czarismo, com a ajuda da polícia, do
tribunal, do exército, perseguiu brutalmente os revolucionários, recorrendo amplamente a
represálias - execuções, prisões, servidão penal. Milhares e milhares dos melhores representantes da
classe trabalhadora, do campesinato, da intelectualidade passaram por este inferno, muitos deles
caíram nas mãos dos carrascos.

Os historiadores soviéticos são chamados a estudar mais plenamente todos os aspectos e


circunstâncias da luta do nosso Partido pela vitória da revolução, inclusive nas difíceis condições da
clandestinidade, a tragédia das situações individuais, derrotas e sucessos. Além disso, a luta
corajosa dos revolucionários com as atividades subversivas encarando a polícia secreta czarista
enfatiza tais características permanentemente características do comunismo como profunda
vigilância ideológica e revolucionária, coragem que predeterminou a luta intransigente do partido
contra o czarismo.

O livro fornece muitas provas documentais das atividades criminosas da polícia secreta czarista e
seus provocadores, marasmo e a desintegração do regime autocrático. À primeira vista, pode
parecer que a "dramatização" excessiva de eventos é permitida aqui. Não é assim. Os documentos
acima apenas destacam as condições reais da luta revolucionária do Partido Bolchevique e os
confirmam, apesar dos desejos de seus autores, com "notas de agência" secretas e outros materiais
da polícia política. Ajudam a recriar o quadro da luta do partido com o aparato repressivo do
czarismo.

Isto é ainda mais importante porque este tópico não foi suficientemente desenvolvido e analisado
em nossa literatura. Tão pouco se fala sobre a arte de combater a polícia política, que nosso partido
possuía.

Na resolução desses problemas, o autor tentou dar sua contribuição.

* Anais do 26º Congresso do PCUS. M., 1981, p. 79

Capítulo I
Fontes de pesquisa. Documentação

Documentos e materiais que sobreviveram até hoje tornam possível esclarecer em alguma medida a
luta altruísta do partido bolchevique contra a polícia política do czarismo e, ao mesmo tempo,
descobrir métodos e métodos subversivos da polícia secreta czarista. Existem muitos desses
materiais e documentos.

A fonte principal e principal, revelando as táticas, métodos e métodos da luta do partido com o
terror da polícia secreta czarista, são as obras de VI Lênin e documentos partidários. Fundos de
arquivamento fornecem material rico. E acima de tudo, os fundos dos Arquivos do Partido Central
do Instituto do Marxismo-Leninismo sob o Comitê Central do PCUS. Aqui, as decisões do centro
partidário, suas organizações individuais e numerosos materiais refletindo a vida cotidiana do
partido, suas lutas, derrotas e vitórias são armazenadas.

De grande valor é a imprensa partidária do período pré-revolucionário - os jornais Iskra, Zarya,


Proletary, Pravda e outros, além de vários livros e panfletos. A correspondência partidária é
relativamente menor. E é compreensível: afinal de contas, no período pré-revolucionário, cada
registro, carta ou diário poderia ter se tornado uma evidência séria quando preso. Portanto, os
bolcheviques, embora escondidos, não se importavam com a preservação de documentos pessoais,
mas, pelo contrário, destruíam cuidadosamente tudo o que estava escrito. A correspondência dos
revolucionários que vivem no exterior permaneceu em maior medida.

O rico, mas complexo material factual está nos arquivos do Estado, concentrando os documentos do
antigo departamento de polícia, seu departamento especial, agentes secretos estrangeiros, escritórios
de segurança. Uma análise crítica desses documentos mostra os tremendos esforços feitos pela
polícia secreta do czarismo na luta contra o movimento revolucionário e como esse movimento,
liderado pelo Partido Bolchevique, vem se expandindo ano após ano, expandindo-se para os cantos
mais remotos do Império Russo.

Infelizmente, nem todos os documentos do departamento de polícia e departamentos de segurança


foram preservados. O fato é que nos primeiros dias da Revolução de Fevereiro, a indignação
espontânea das massas pelo terror do czarismo resultou na destruição das instituições policiais,
especialmente dos escritórios de segurança. A derrota, por exemplo, da polícia secreta de Moscou
começou espontaneamente em 1º de março de 1917. A multidão invadiu o prédio e quebrou os
armários, jogou fora pacotes de documentos, álbuns, catálogos e arrebatou as "fotos" na memória.
No pátio da antiga polícia secreta, havia uma enorme fogueira de uma pilha de vários documentos.

Quem foi essas pessoas furiosas? Aqueles em primeiro lugar, que odiavam a polícia, que
repetidamente experimentou seu terror. Mas havia também aqueles que queriam esconder sua
participação criminosa no incêndio que destruiu os arquivos. E isso foi confirmado pelo fato de que
o arquivo quase desapareceu dos assuntos privados de funcionários secretos, "notas de inteligência"
e outros documentos comprometedores. No entanto, uma parte significativa dos arquivos da polícia
secreta, embora gravemente danificada, ainda estava preservada.

Acontecimentos semelhantes ocorreram naquela época em Petrogrado - nas ruas Fontanka e


Panteleymonovskaya, as mesmas fogueiras queimavam de documentos do arquivo. Mas mesmo
aqui nem todos foram perdidos e, o que é muito importante, "a sala em que o departamento especial
do departamento de polícia estava localizado quase não sofreu". A propósito, vários volumes de
casos departamentais referentes a prisioneiros da Fortaleza de Shlisselburg e alguns materiais da
sede separadas foram preservados.

E, embora mais tarde o Governo Provisório tenha ordenado a proteção dos arquivos policiais, foi a
partir desse momento que começou a destruição deliberada e sistemática e o roubo por parte de
pessoas interessadas. Voluntários geralmente estavam envolvidos na análise de arquivos em casos
políticos, e entre eles estavam frequentemente antigos guardas de segurança que tomaram parte
especialmente vigorosa em documentos de arquivo "colocando em ordem".

Seja como for, os fundos remanescentes dos arquivos policiais são uma fonte rica de pesquisa
científica. Eles fornecem uma oportunidade para se familiarizar com os assuntos da polícia secreta,
visando suprimir o movimento revolucionário por décadas.

De particular interesse são os fundos do Arquivo Central do Estado da Revolução de Outubro. Eles
contêm documentos não apenas de vários departamentos de segurança, mas também do
departamento de polícia, seu departamento especial. A importância dos documentos deste
departamento decorre do seu papel na luta da polícia secreta czarista com o movimento
revolucionário na Rússia. Um departamento especial no sistema do departamento de polícia era de
suma importância, e os documentos sobreviventes dele têm um grande valor para pesquisa.

Os materiais do departamento de polícia, departamento especial e escritórios de segurança podem


ser divididos em quatro tipos:

1. "Notas da agência". Estas são mensagens escritas de "funcionários secretos" ou um registro de


sua conversa com um policial em uma reunião pessoal.

2. "Notas". Eles foram redigidos em escritórios de segurança para o departamento de polícia com
base em uma série de "notas de agente" e representaram um resumo crítico significativo.

3. "Circulares" do Departamento de Polícia. Desenvolvido com base nos materiais acima e enviado
para os chefes dos escritórios de gendarmaria provincial, escritórios de segurança, oficiais da
polícia em pontos de fronteira. Nas "circulares" todas as pessoas procuradas pelo Departamento de
Polícia foram divididas em cinco categorias, dependendo das medidas que deveriam ser tomadas a
elas. É característico que as "circulares" tivessem um gráfico especial - "Especialidade Criminal".

4. "Comentários". Eles foram escritos no departamento de polícia com base nos materiais recebidos
e na análise da literatura revolucionária. Representando a mais alta forma de trabalho do
departamento de polícia, as "resenhas" em alguns aspectos não eram apenas documentos de busca,
mas também documentos que afirmavam ser "científicos" porque analisavam as atividades de partes
individuais.

Além disso, o departamento especial enviou a certos funcionários o chamado "Código de


Informação Notável" recebido pelo departamento de polícia por algum tempo. Estes documentos
testemunham diretamente a escala e intensidade da luta revolucionária diária (distribuição de
folhetos e brochuras, prisões e fugas de revolucionários, greves de trabalhadores, etc.).

Material factual significativo para o estudo é dado por algumas fontes do período pós-fevereiro de
1917. Por exemplo, "Os registros verbais de interrogatórios e testemunhos dados em 1917 pela
Comissão de Investigação Extraordinária do Governo Provisório para Investigar os Crimes do
Czarismo". Eles são apresentados em sete volumes sob o título geral "A queda do regime czarista"
(editado por PE Shchegolev).

É interessante que durante o trabalho da Comissão de Inquérito Alexander Blok foi nomeado editor
de seus registros. Deixou esboços vívidos sobre muitas figuras do governo czarista e do
departamento de polícia que compareceram perante a comissão. "Relatórios verbais" contêm
principalmente interrogatórios dos chefes do departamento de polícia, polícia secreta, gendarmes,
ex-ministros e generais, bem como depoimentos provocadores.

Este material muito volumoso testemunha a queda política e moral, que beira a criminalidade, as
principais figuras do regime czarista na última década.

Os bolcheviques foram leais ao trabalho da Comissão de Investigação e prestaram toda assistência a


ela. Pravda escreveu em 17 de junho de 1917: "A comissão do governo sobre este assunto está
trabalhando vigorosamente. Entre os membros do nosso partido, VI Lênin e NK Krupskaya foram
convocados e deram provas. Escusado será dizer que todos os nossos camaradas testemunharam.
Tomaremos todas as medidas para encontrar documentos que permaneceram no exterior. Esses
documentos serão imediatamente encaminhados à Comissão de Investigação. "
Uma das fontes significativas é "Materiais sobre a história do movimento social e revolucionário na
Rússia". O primeiro volume destes materiais abaixo do nome "Bolcheviques" publicou-se em 1918
em Moscou. Ele contém documentos do antigo departamento de segurança de Moscou sobre a
história do bolchevismo de 1903 a 1916.

Depois que o arquivo de outubro e outras fontes, em particular os materiais dos tribunais
revolucionários, são de grande valor para a pesquisa. Em 1918, o Supremo Tribunal examinou o
caso de Malinovsky e condenou-o a ser fuzilado. O N.V. Krylenko fez um discurso acusatório no
julgamento. Ele expôs os crimes de Malinowski, revelando convincentemente os motivos políticos e
psicológicos com os quais o provocador foi guiado.

Deve notar-se uma fonte como "S. Polícia Metropolitana de São Petersburgo e Administração da
Cidade. 1703-1903 "(São Petersburgo, 1903). Seu compilador IP Vysotsky documentou toda a
história da polícia czarista desde a fundação da capital em 1703, reuniu uma enorme quantidade de
material sobre as atividades da polícia ao longo de dois séculos de sua existência.

Em Moscou, a Biblioteca Lênin detém a Circular Secreta do Ministro de Assuntos Internos, de 12


de agosto de 1897, n. 7587, publicada pelo Grupo Revolucionário de Trabalhadores (sem referência
ao local de emissão). Este documento merece atenção especial. Desenvolvido pelo Ministro
Goremykin, ele se tornou uma espécie de ponto de partida para muitos eventos subsequentes do
governo czarista. A circular secreta continha não apenas uma lista de sanções severas contra
grevistas, mas também um programa completo de combate ao crescente movimento trabalhista.

O fato de um documento tão importante estar nas mãos dos social-democratas mostra quão
profundamente os revolucionários penetraram nas instituições czaristas mais secretas. É improvável
que o ministro Goremykin pudesse ter imaginado que sua circular secreta seria tornada pública por
uma ampla gama de trabalhadores.

Fundamentalmente, o estudo de cinco volumes de M. N. Gernet - "A história da prisão do czar"


(Moscou, 1960-1963). Abrange profunda e exaustivamente a política punitiva do czarismo.

Também deve ser mencionado o trabalho de SP Chlenov "O Serviço Secreto de Moscou e seus
agentes secretos" (Moscou, 1919) e A. S. Trofimov "O proletariado da Rússia e sua luta contra o
czarismo. 1861-1904 "(Moscou, 1979). Neste último, o autor analisa em detalhes os anos mais
difíceis da formação da classe trabalhadora russa e o início de sua luta revolucionária consciente.
Não só mostra o desenvolvimento do movimento operário na Rússia ao longo de um período de
quarenta anos, mas também critica severamente algumas publicações de falsificadores burgueses.

Todas as fontes mencionadas não cobrem totalmente o tópico, porque não há limites finitos na
pesquisa científica. O desenvolvimento adicional do problema levantado é tarefa dos historiadores
marxistas atuais e futuros.

Notas:

1 trabalho de arquivo. Questão XIII. Moscou, 1927, p. 29

2 Ibid.

3 Negócios de arquivamento. Questão XIII, p. 35


4 Ibid.

5 Veja: Bloco A. Cadernos. M., 1965

A provocação como método de luta política da polícia secreta czarista

A provocação como método de luta política surgiu no passado histórico distante. As classes de
privilegiados, tentando permanecer no poder, recorreram ativamente ao envio de agentes para as
fileiras do inimigo que avançava.

Na era do imperialismo, quando as ondas explosivas da revolução são particularmente perceptíveis,


a provocação torna-se um método comum e amplamente usado na luta política da burguesia. "... Ao
fazê-lo", escreve Lênin, "a burguesia age como todas as classes condenadas pela história que
pereceram". Ao mesmo tempo, a burguesia procura penetrar principalmente nos partidos
revolucionários mais ativos e, antes de tudo, nas fileiras dos comunistas.

A provocação é usada por todos, sem exceção, pelos governos burgueses, independentemente de seu
caráter reacionário ou democrático. Isto é claramente indicado por Lênin: "... nos países mais
esclarecidos e livres, com o sistema democrático burguês mais" estável ", os governos estão
sistematicamente recorrendo, apesar de suas afirmações falsas e hipócritas ... à introdução de
provocadores no meio comunista ... ".

Isso é mais claramente demonstrado naqueles casos escandalosos em que os mesmos provocadores
servem a um ou outro governo. Assim foi, por exemplo, com Weisman, que serviu até 1905 na
polícia russa, e depois fugiu para o estado austríaco.

A burguesia, independentemente de sua nacionalidade, na luta contra a classe trabalhadora e sua


vanguarda, o Partido Comunista, utilizou o método de provocação no passado, recorreu a ele no
tempo presente e não o abandonará no futuro. "Em muitos países, incluindo os mais avançados, a
burguesia, sem dúvida, está enviando agora e enviará provocadores aos partidos comunistas",
advertiu Lênin.

Ao mesmo tempo, nosso inimigo de classe frequentemente usa falsas acusações de provocação
como um trunfo político contra seus oponentes. Acusações incondicionais e conscientemente
incorretas de provocação e traição são usadas para desacreditar politicamente a vanguarda
revolucionária. Métodos semelhantes foram usados pelos mencheviques na Rússia. Aqui está um
exemplo típico. Em 1914, um dos jornais liquidacionistas publicou uma carta aberta do deputado da
II Duma Estatal de Aleksinsky. Ele acusou a "traição" de Antonov, um membro do Partido
Bolchevique, que já havia sido condenado pelo governo czarista e estava servindo à servidão penal.
Isso foi feito pelos mencheviques depois de 1907-1908. uma comissão especial dos condenados que
foram condenados à servidão penal e membros do Comitê Central do partido, que incluía os
mencheviques, reconheceu a conduta de Antonov no tribunal como impecável. Por que os
mencheviques levaram essa falsa acusação? Apenas para comprometer politicamente os
bolcheviques.

Avaliando as ações desonestas e sem princípios dos mencheviques, Lenin escreveu: "Consideramos
os métodos dos liquidatários como uma espécie de recepção na luta política por parte das pessoas
expulsas do Partido". Sabe-se, por exemplo, quão agudas eram as diferenças entre os bolcheviques
leninistas e os mencheviques sobre os caminhos e as perspectivas do desenvolvimento do
movimento revolucionário russo, com que hostilidade os mencheviques encontraram a política
bolchevique para o desdobramento da revolução. Com tais sentimentos reacionários, não foi difícil
para os mencheviques passarem por falsas acusações de traição, como aconteceu com Aleksinsky.

Poderiam os partidos revolucionários ter conseguido assegurar-se completamente contra


provocadores nas condições do czarismo, como em geral nas condições do governo burguês? Claro
que não. Os governos burgueses procuram e encontram em sua sociedade pessoas corruptas. Na
Rússia, a situação foi ainda mais agravada pelas condições do regime czarista extremamente
reacionário, que em especial recorria à provocação política. Com base na reação russa, tais "mestres
de provocação" como Azef, Malinovsky, Bryandinsky e outros cresceram. Eles se aproveitaram da
confiança de revolucionários honestos e os venderam para aqueles a quem serviam. Sob as
condições da clandestinidade, a inspeção dos trabalhadores do partido era extremamente difícil, o
que facilitou a penetração de agentes policiais nas fileiras do partido.

No entanto, deve ser enfatizado que toda a longa história do bolchevismo é conhecida apenas por
um pequeno número de provocadores que penetraram nas fileiras do partido operário. Na escala da
atividade titânica do Partido, traições são insignificantes em seu número. Mas aqueles que ainda
conseguiram desempenhar seu papel provocador, causaram um dano tangível ao movimento
revolucionário. Como resultado das traições hediondas, centenas de revolucionários foram mortos.
"... Chernomazov e, é claro, outros provocadores ajudaram o czar a enviar nossos deputados para a
Sibéria, isso está fora de questão", escreveu Lênin em 3 de março de 1917, em seu artigo "Os
truques dos chauvinistas republicanos". Voltando dois meses depois a esta edição, Lênin enfatiza:
"Erros no não reconhecimento de provocadores estavam com todos, sem exceção, partidos. Isso é
um fato." E, sobre a traição de Malinovsky, ele escreve: "Isso é uma censura para o nosso partido?
Não, como homens honestos não censuram por sua justificativa errônea de Azef, censura por Ionov
(Bundist, colega da Rabochaya Gazeta) e por uma absolvição em 1910, em nome do Comitê
Central, provocador Zhitomirsky (Ottsov ), uma reprovação para os mencheviques que tentaram
defender o provocador Dobroskov em 1904, reprovou os Cadetes, entre os quais também foram
provocadores publicados hoje.

O que poderia nas condições do subterrâneo reduzir o mal provocado pelos provocadores? Um dos
meios mais importantes de pensar que Lênin considerou a proporção correta de trabalho legal e
ilegal. No trabalho legal, qualquer provocador deve, juntamente com suas atividades subversivas,
também fazer um trabalho útil para o movimento revolucionário, e na frente de milhares de pessoas.

A este respeito, Lênin dá como exemplo Malinowski: "O pior foi que em 1912 o Comitê Central
dos Bolcheviques entrou no provocador - Malinovsky. Ele falhou dezenas dos melhores e mais fiéis
camaradas, levando-os a trabalhos forçados e apressando a morte de muitos deles. Se ele não
causou ainda mais mal, então porque colocamos corretamente a proporção de trabalho legal e ilegal
".

A tática de combater as provocações policiais desenvolvidas por VI Lênin foi reduzida à


observância de alta vigilância nas fileiras dos bolcheviques, a um sistema de cuidado, em todos os
detalhes de conspiração ponderada e a uma combinação de trabalho legal e ilegal. Esses
componentes das táticas bolcheviques sempre estiveram no centro da atenção do partido. Ele os
implementou, dependendo das condições específicas, do nível ideológico e político dos membros do
partido e de sua preparação. Em vários estágios, a proporção dessas quantidades variou, mas as
próprias demandas leninistas permaneceram inalteradas.
Formulando os princípios organizacionais do bolchevismo, Lênin escreveu: "Sem fortalecer e
desenvolver a disciplina revolucionária, a organização e a conspiração, é impossível lutar contra o
governo. E a conspiração requer antes de mais nada a especialização de círculos e indivíduos em
funções individuais de trabalho e a visão de um papel unificador ao núcleo central da "União de
Luta", que é insignificante em termos do número de membros. Funções separadas do trabalho
revolucionário são infinitamente diversas: precisamos de agitadores legais que possam falar entre os
trabalhadores para que eles não possam ser levados a julgamento por isso, eles só podem falar um
pouco, deixando que os outros digam b e c. Precisamos de distribuidores de literatura e folhetos.
Precisamos de organizadores de grupos de trabalho. Precisamos de correspondentes de todas as
fábricas que forneçam informações sobre todos os incidentes. Precisamos de pessoas que estão
seguindo espiões e provocadores. Precisamos de organizadores de casas seguras; As pessoas são
necessárias para a transferência de literatura, para a transferência de instruções, para comunicação
de todo tipo. Precisamos de angariadores de fundos. Precisamos de agentes entre intelectuais e
burocratas que entrem em contato com os trabalhadores, com a vida em fábrica, com a
administração (com a polícia, inspeção de fábrica, etc.). As pessoas são necessárias para
comunicação com várias cidades na Rússia e outros países. As pessoas são necessárias para
organizar diferentes maneiras de reproduzir mecanicamente toda a literatura. Precisamos de pessoas
para armazenar literatura e outras coisas, etc., etc. Quanto mais fracionário, menor for o caso para
um indivíduo ou um grupo separado, mais provável será que ele será capaz de colocar
deliberadamente essa questão e garantir mais a partir do colapso, discutir todos os detalhes
conspiratórios, usando todos os tipos de maneiras para enganar a vigilância dos gendarmes e
enganá-los, o mais confiável o sucesso do caso, mais difícil para a polícia e gendarmes rastrear o
revolucionário e sua conexão com a organização, mais fácil será para um partido revolucionário
Para substituir agentes perdidos e membros com outros, sem prejuízo de toda a matéria " 9 .

Organizando o trabalho de acordo com estas instruções de Lênin, os social-democratas foram


capazes de fortalecer a conspiração e com o tempo expuseram o provocador Gurovich (ele também
era Gurevich). Para investigar as suspeitas que surgiram contra ele em 1901, foi estabelecida uma
comissão autoritária.

Mais tarde, o jornal Iskra escreveu: "Durante uma extensa e exaustiva investigação do caso, a
comissão escutou em várias reuniões explicações detalhadas de Gurevich, tanto separadamente
quanto em apostas presenciais com duas testemunhas, ouviu o depoimento de seis testemunhas e
examinou os relatórios escritos do Comitê de São Petersburgo da RSDLP. e camaradas individuais.
Todos os dados exatos e verificados obtidos por esta investigação confirmam plenamente as
acusações contra Gurevich, em consequência das quais a comissão decide por unanimidade declarar
Mikhail Ivanovich Gurevich um agente provocador. "

A traição de Gurevich e as prisões relacionadas a ele mais uma vez confirmaram a importância da
luta com a polícia política e o quão errados aqueles que a subestimaram. A vigilância do partido
também ajudou a expor o provocador Chernomazov, que conseguiu penetrar no conselho editorial
do Pravda. A defesa afirmou: como resultado da investigação partidária do caso Myron
(Chernomazov), seu envolvimento no departamento de segurança foi estabelecido e ele "será
publicado em um curto espaço de tempo", isto é, eles vão trair a publicidade como um provocador.

Grande atenção foi dada pelos bolcheviques à conspiração, melhorando constantemente suas
técnicas e formas. E isso era extremamente preocupante para a polícia secreta, que estava se
esforçando para revelar os métodos de trabalho partidário. Mas ela raramente conseguiu obter um
resultado positivo. Assim, a rota de delegados individuais da Rússia para a Conferência de Praga
(1912) tornou-se conhecida da Okhrana somente depois que eles chegaram em segurança em Praga.
Por uma questão de conspiração, o Comitê Central do Partido cuidou especificamente de que os
delegados no terreno recebessem apenas endereços secretos intermediários. Então eles, tendo
passado o cheque necessário, receberam a direção adicional e senhas. Além disso, antes da partida,
os delegados receberam novos pseudônimos, desconhecidos da Okhrana. Isso tornou possível
confundir rastros e proteger delegados.

Então, todos os delegados do local de partida até o destino foram cuidadosamente conspirados. A
"nota de segurança" do departamento de segurança de Moscou em 9 de fevereiro de 1912 apontou
que os delegados à conferência "estavam fazendo uma proibição preliminar de qualquer tipo de
correspondência, comprando passagens e o destino final da viagem, Praga, só foi informado ao
embarcar em um carro" quando o trem correspondente se afasta. Em Praga, os convidados foram
recebidos na estação por pessoas que cercavam Lênin; caso não houvesse ninguém no momento da
chegada dos delegados na estação, a assistência era dada: vá até a casa número 7 na rua
Gibernskaya, entre na redação do jornal "Pravda" e pergunte a Joachim Havlena quem dará as
instruções finais " .

Nesse caso, uma "nota engenhosa" causou uma imprecisão significativa. Notou-se que os delegados
que tinham seguido ilegalmente a conferência foram supostamente recebidos pessoalmente na faixa
de fronteira pelo principal transportador do Comitê Central Albert e com a ajuda de contrabandistas
locais eles cruzaram a fronteira do estado. Na verdade, como testemunha Albert, um proeminente
funcionário do Partido IA Pyatnitsky, ele conheceu delegados em Leipzig e de lá os transferiu para
Praga. O erro do autor da "Nota da Agência" é uma confirmação do alto nível do trabalho
conspiratório dos bolcheviques na organização da Conferência do Partido Pan-russo.

Os guardas não conseguiram encontrar um local de encontro. Seus agentes, que chegaram à
conferência, demoraram a aprender sobre o encontro dos bolcheviques. A este respeito, a polícia
secreta reconheceu com pesar: "... o local de encontro real da futura conferência, por motivos de
conspiração exclusiva, permaneceu desconhecido até mesmo dos funcionários mais próximos de
Lênin, que estava extremamente apreensivo de possível vigilância por agentes da polícia estatal
russa."

No agente informações sobre a conferência de Praga, como em muitos outros relatórios, fatos
exatos e conjecturas diretas entrelaçadas entre si. Na "nota da Agência" de 12 de fevereiro de 1912,
foi dito que a eleição dos membros do Comitê Central ocorreu em uma conferência em condições
de sigilo absoluto. Os participantes da conferência, exceto Lênin e Sergo Ordzhonikidze, conheciam
apenas pseudônimos.

Os resultados da votação não foram anunciados, nem as pessoas eleitas para o Comitê Central
foram nomeadas. Este último foi explicado pelo medo de dar à polícia um fio e colocar em risco as
atividades dos membros do Comitê Central na Rússia. Aqueles que obtiveram a maioria dos votos
sobre sua eleição foram informados em particular por Lênin e Sergo. A reeleição de dois candidatos
(Valentine - AK Voronsky e Philip-I.S. Goloshchekin), o relatório do agente declara: "Seus
pseudônimos foram comunicados por Lênin ao ouvido de cada delegado separadamente no
momento do voto repetido".

A habilidade conspiratória demonstrada pelos leninistas na conferência de Praga despertou sérias


preocupações do departamento de polícia. A guarda ficou ainda mais interessado nas atividades
organizacionais da luta. Em particular, ela fez grandes esforços para revelar pseudônimos do
partido.
Um dos métodos frequentemente usados de conspiração dos bolcheviques foi a substituição de
pseudônimos. Isso causou confusão nos "assuntos" dos escritórios de segurança, levou a erros em
seus arquivos de registro, atrasou a busca. E isso não é surpreendente - porque muitas vezes os
mesmos pseudônimos eram usados por diferentes rostos e, inversamente, uma pessoa tinha vários
apelidos. Por exemplo, sob o pseudônimo de Andrei na polícia secreta, havia cinco pessoas ao
mesmo tempo: YM Sverdlov, P. Ya Peterson, I. K. Vulpe, e os outros dois policiais não conseguiram
estabelecer. SA Bubnov passou abaixo dos guardas abaixo dos pseudônimos Khimik, Yakov, Sergey
Ivanovich, VP Nogin - Makar, Novoselov, Radonovsky. Além disso, a mesma pessoa muitas vezes
morava em lugares diferentes nos passaportes de outras pessoas. Portanto, a divulgação de
pseudônimos partidários foi extremamente difícil para os okhranis.

Isto foi confirmado pelo caso da Conferência de Tammerfors. No arquivo do departamento de


polícia, há um provocador da "nota do agente" que penetrou na conferência do RSDLP da
Tammerfors. Ele detalha as organizações representadas na conferência, lista dos delegados e inclui
um panfleto com resoluções da conferência, reproduzido em uma hectografia. Apesar do extenso
relato do provocador, não trouxe verdadeiro sucesso à polícia. Era impossível divulgar nomes
genuínos. O departamento de polícia foi forçado a solicitar escritórios de segurança locais, mas eles
não puderam decifrar. Todas essas operações levaram muito tempo, em vão perdidas pela polícia.

Quase o mesmo aconteceu com outras informações apresentadas na "nota da agência" acima
mencionada. Nele foi relatado que "em 22 de dezembro de 1905, uma reunião de pessoas do Comitê
Central da RSDLP e delegados de Tver, Kazan, Tambov, Tiflis, Riga, Perm teve lugar em São
Petersburgo em Zagorodny Prospekt no edifício n º 9, no apartamento de Ivan Grigorievich
Semyonov. , Voronezh, Petersburg, bem como Lênin e Martov-Tsederbaum. Nessa reunião, foi lido
um relatório sobre a fusão das facções "maioritária" e "minoritária" ... Depois desse relatório, Lênin
e Martov leram resumos sobre as duas táticas do partido. "

Acontece que as diferenças entre "maioria" e "minoria", bem como os nomes de Lênin e Martov,
eram conhecidas do departamento de polícia. Quanto aos delegados do campo, apenas alguns deles,
presumivelmente, conheciam a polícia secreta. A tarefa do departamento de polícia era rapidamente
e com precisão "decifrar" todos os delegados e assim chegar às organizações partidárias
clandestinas. Mas fazê-lo nem rapidamente, nem com precisão novamente falhou. As detentas
subsequentes de social-democratas foram aquelas que participaram deste encontro foram na sua
maioria aleatórias.

Pelo que foi dito, pode-se ver que pseudônimos - um meio aparentemente simples de combater a
polícia - desempenhou um papel importante no complexo sistema de conspiração partidária. E se
tivermos em mente que havia muitos homônimos nos arquivos da polícia, isso tornava ainda mais
difícil fazer investigações e procurar coisas que os bolcheviques usavam habilmente. Em 1909, por
exemplo, o Kiev Okhrana não poderia estabelecer a identidade de F. J. Cohn e foi forçado a admitir:
"Sob o nome Kon separação de 10 pessoas são conhecidos com diferentes nomes e patronímico,
mas as informações disponíveis sobre a sua identidade Cohn, que agora vive no exterior e faz parte
do partido Operário social-democrata da Rússia, não é possível instalar as figuras proeminentes”.

O departamento de Polícia estava seriamente preocupado com as medidas tomadas pelo partido
bolchevique para combater os provocadores que penetravam em suas fileiras. A segurança a todo
custo procurava descobrir quem está diretamente envolvido no partido, verificando pessoas
suspeitas. Todas informações Sobre os trabalhadores quem fazem parte do partido, Como o Mais
Importante, estavam concentradas em um departamento especial fazer departamento de Polícia.
Então, 23 de agosto de 1909 a Moscou Okhrana especificamente informou o Departamento Especial
Sobre bolchevique Dick ... Realmente o partido o apelido de Dick, de Uma Só vez foi o Secretário
da comissão Distrital; desde abril deste ano,A Mesa do Conselho da União Europeia.

Dmitri Ivanovich Kursky, Membro faz PCUS desde 1904, participante do Levante armado de
Moscou em 1905, ocupou cargas importantes no partido. Nos ano pré-revolucionarios Mais difíceis,
ele realizou um trabalho ativo para impedir a penetração de provocadores no partido. Ao mesmo
tempo, atividade de Kursk consistia não apenas em expor provocadores, mas em criar nas
Organizações partidárias locais, condições que excluíssem ou minimizassem esse perigo, criando
um ambiente de maior vigilância, permanente mobilização. Este não foi o Caso da Polícia secreta,
cujos Agentes levaram Kursky Supervisão vigilante.

No entanto, apesar das Ordens severas, o uso Ativo dos agentes mais experientes neste setor, o
departamento de Polícia não poderia infligir qualquer golpe serio para os Bolcheviques. Sobre os
bolcheviques foi preservada nos arquivos do partido. Mas isso é evidenciado pelos documentos da
própria polícia, que expõem os indicadores dramáticos na língua oficial. This page is an error term
to, in the work, the bolcheviques wa rescind in many parties of the partidários of mort.

As atividades do Kursk são um exemplo vívido da dedicação dos bolcheviques da escola leninista.
As partes, disse Lenin, "precisam de pessoas que estejam seguindo espiões e provocadores". E nesta
parte do trabalho responsável, ele enviou seus combatentes mais preparados e experientes.

A atenção da polícia secreta para este lado das atividades dos bolcheviques aumentou ainda mais
após a Conferência do Partido de Praga, quando o recém-eleito Comitê Central decidiu substituir a
nova comissão que existia para investigar as suspeitas de provocação. E os agentes policiais
notaram com preocupação: "... instruiu Lênin a formar uma nova comissão" provocativa "de 3
pessoas; para a resolução dessa comissão, que ainda está por ser formada, uma declaração de Makar
também foi transmitida aqui, acusando-o de atividade provocativa no discurso de um dos membros
do Comitê Central dos Bundistas. Ao examinar as ações dos suspeitos, foi decidido, entre outras
coisas, usar os serviços de Burtsev " (um emigrante político próximo dos socialistas-
revolucionários).

Mais tarde, em 1913-1914, a polícia secreta tomou conhecimento das suspeitas que surgiam nos
círculos partidários sobre o informante da polícia desconhecida que operava na facção social-
democrata da Duma e sobre o fortalecimento da conspiração do partido a esse respeito. Logo o
chefe do departamento de segurança de Moscou, Martynov, alarmou sua liderança com alarme, de
que o Partido Bolchevique "foi convidado a reforçar a conspiração. Tendo em vista as suspeitas
recentemente levantadas contra o novo secretário da facção dos trabalhadores social-democratas da
Duma, sugere-se que, em sua presença, apenas casos relativos ao trabalho da Duma sejam
discutidos. "

Agindo tão recentemente a tradicional recepção da investigação política começou a dar falhas. E
isso forçou a polícia secreta a insistir especialmente em informações sobre as medidas bolcheviques
para identificar provocadores, encontrar novas maneiras de enviar e implementar seus agentes.
Embora a polícia secreta tivesse algumas operações, não conseguiu atingir seu objetivo principal:
derrotar as organizações centrais e locais do Partido Bolchevique, a força organizadora do
movimento revolucionário. Todos eles, mantendo suas fileiras, continuaram a operar.

Em muitos aspectos, o sucesso dos bolcheviques foi predeterminado por uma contra-inteligência
bem colocada. Muitas vezes, não apenas os membros do partido, mas também aqueles que
simpatizavam com isso, avisavam em tempo hábil sobre as prisões, provocações e certas operações
sendo preparadas pelas forças de segurança. Essas informações foram continuamente para os
centros de luta e permitiram tomar decisões operacionais que interrompiam os planos da polícia. No
final dos anos 90 do século passado, os mais importantes documentos secretos do governo caíram
nas mãos de organizações revolucionárias.

Uma delas é a já mencionada "Circular Secreta do Ministro de Assuntos Internos de 12 de agosto de


1897, nº 7587". Dirigida a todos os governadores, a circular enfatizou que a característica distintiva
de todas as greves emergentes são os requisitos igualmente formulados que atestam a existência de
um único centro organizacional. Isto é confirmado pela criação onipresente de esquadrões de
trabalhadores. A circular considerou o centro do movimento da classe operária a União de
Petersburgo para a Luta pela Emancipação da Classe Trabalhadora, criada, como se sabe, por
iniciativa de Lênin. A circular delineou duras medidas contra os grevistas e seus líderes, e
recomendou-se que os casos fossem enviados a eles não pelo judiciário, como exigido por lei, mas
pela polícia. Estas recomendações do Ministro Goremykin são muito indicativas, sancionaram uma
violação direta da lei existente e abriram o caminho para uma repressão ainda mais brutal.

Sem contar com o sucesso da lei limitando a jornada de trabalho e prevendo o inevitável
crescimento do movimento grevista, na circular o ministro ordenou aos órgãos administrativos e
policiais que tomassem medidas severas para combater os trabalhadores. Particular atenção foi dada
à perseguição de intelectuais que participaram do movimento grevista: "Pessoas de classes
instruídas suspeitas de relações criminosas com trabalhadores ou de distribuir apelos e panfletos
convocando greves deveriam ser imediatamente presos e enviados prontamente aos quadros do
corpo de gendarmes para investigação". ordem da disposição de proteção ".

Ao mesmo tempo, "todos os tipos de reuniões de trabalhadores" eram categoricamente proibidos e


sugeria-se "descobrir os instigadores dessas reuniões, sujeitando-os à recente prisão" e, no caso de
"greve, tomar medidas para eliminá-los". O oitavo parágrafo da circular dizia: "A todos os
trabalhadores locais declarar que qualquer violação da ordem será suprimida, e os instigadores são
incitados a serem presos e deportados por incitação."

É característico que os fatos do massacre de trabalhadores com provocadores foram notados aqui,
até os assassinatos. Portanto, todo trabalhador, indicou a circular, "suspeito de ações violentas
contra outros trabalhadores ... será preso e deportado sob supervisão policial em uma das províncias
remotas". Foi uma defesa aberta de provocadores.

As medidas draconianas de Goremykin foram em grande parte explicadas pelo fato de que o
governo czarista sentiu todo o poder da influência da "União de Luta pela Emancipação da Classe
Trabalhadora" no desenvolvimento do movimento grevista. Assustado com a aparência do centro
ideológico e organizacional da classe trabalhadora, procurou liquidá-lo imediatamente por qualquer
meio. Foi durante esses anos que a polícia secreta recebeu recursos monetários e materiais
consideráveis, reabastecidos com pessoal, e começou a usar mais a experiência da polícia dos países
ocidentais. O cuidado dos provocadores, manifestado na circular Goremykin, é também uma das
medidas policiais específicas para aumentar a provocação como meio de luta política.

Mas os bolcheviques também conseguiram alcançar o fato de que as informações que chegaram às
organizações revolucionárias se expandiram significativamente. Mesmo do departamento de polícia,
informações valiosas surgiram com as listas de pessoas procuradas, com as atividades planejadas,
etc. É suficiente dizer que durante um ano de 1902, quando o desenho organizacional do partido
ainda estava em curso, o centro recebeu, entre muitos outros documentos, cópias de circulares
departamento de polícia: 1º de março, nº 1514, 1º de abril, nº 2447 e 26 de abril, nº 3083 19 . Nessas
circulares estavam os nomes dos revolucionários descobertos pela polícia. De acordo com os dados
de inteligência, eles deveriam chegar do exterior e deveriam ser acompanhados com vigilância.

No final de janeiro de 1903, o Centro do Partido recebeu uma mensagem sobre a circular secreta do
Departamento de Polícia nº 6200, de 1º de outubro de 1902, que ordenava a busca por vários
revolucionários clandestinos. Isso permitiu que a parte tomasse contramedidas apropriadas.

Aliás, a carta que acompanha esta circular divulgou o procedimento para organizar o julgamento do
júri na Sibéria pelo Ministério da Justiça: "O trabalho preparatório está sendo realizado na Sibéria
para introduzir um julgamento por júri. Recentemente, uma oferta secreta foi recebida do Ministério
da Justiça para elaborar listas de pessoas capazes de executar as tarefas do júri. " 21 Tais
informações permitiram aos bolcheviques conduzir propaganda sobre material específico, para
mostrar, em particular, a essência antipessoal do júri organizada pelas autoridades czaristas e pelo
dócil tribunal que as obedecia.

No sistema de investigação policial, operou a "Expedição Secreta", o chamado "gabinete negro" -


órgão profundamente conspiratório da polícia secreta czarista. Existia desde o tempo de Catarina II
e era destinada a leitura de correspondência (cópia, fotografia).

Em primeiro lugar, a correspondência dos imigrantes políticos sob o título "Observação


especialmente rigorosa" foi objeto de leitura atenta. O ex-censor do "gabinete negro" de
Petersburgo, S. Maisky, em suas memórias 22, observa que entre os funcionários do "gabinete
negro" havia funcionários que simpatizavam com os revolucionários e "impediam o departamento
de polícia de alcançar suas vítimas". Grande foi o risco de as pessoas irem a tal passo. Já em si, este
fato fala da influência revolucionária dos bolcheviques, mesmo no santo dos santos do czarismo.

De acordo com o regulamento então existente, cartas de ministros, governadores gerais, diretores de
departamentos estavam sujeitos a leitura. Neste contexto, as curiosas circunstâncias da vida e
atividade dos dignitários reais foram por vezes reveladas. Por exemplo, o ministro das Ferrovias
realizou a ferrovia estratégica não na direção planejada, mas através do espólio de sua esposa, e o
governador, ignorando a licitação obrigatória, entregou os dormentes da floresta pertencente ao seu
cunhado lucrativamente. Outras pessoas importantes, sabendo sobre a verificação, correspondência
velada de várias maneiras. Assim, o conde Ignatiev enviou suas cartas da Turquia em envelopes
sujos e forçou o lacaio a escrever endereços para eles em nome de um zelador.

Mas tais métodos não garantiam ao correspondente total controle. Além disso, o czar leu
pessoalmente as cartas examinadas e deu instruções apropriadas sobre elas. E não é de surpreender
que os funcionários do "gabinete negro" recebessem a atenção "mais graciosa" e fossem
generosamente recompensados. Isso criou uma casta fechada de servos especialmente privilegiados
do trono.

"Escritórios negros" existiam em outras cidades, especialmente em Varsóvia, Odessa, Moscou, mas
eram muito inferiores à capital, tanto em termos de equipamento técnico quanto em qualidade de
trabalho. É interessante relatar à organização social-democrata sobre o "escritório negro" nos
Correios de Moscou: "Nos principais Correios de Moscou, o armário preto fica no segundo andar.
Todas as cartas que chegam aos correios são levantadas por uma máquina de elevação e colocadas à
disposição dos funcionários do gabinete. Alguns deles estão ocupados escolhendo letras com nomes
suspeitos, outros escolhendo letras com caligrafia suspeita, outros espalhando as letras restantes em
pequenos grupos e tirando várias cartas de cada pilha aleatoriamente. Todas as letras selecionadas
dessa maneira são visualizadas ".
O material recebido tornou-se nas mãos dos bolcheviques um importante documento expositivo
contra o governo czarista, que negava os fatos de controle sobre a correspondência.

Informações semelhantes que chegaram ao centro da luta através de vários canais, falaram muito. E
acima de tudo, esse povo corajoso, tendo conseguido penetrar nos mais altos níveis do aparato
estatal ou em círculos próximos a órgãos governamentais, honesta e fielmente serviu aos interesses
do partido, contribuindo para a luta revolucionária. Os nomes de muitos deles permaneciam
desconhecidos, mas a memória desses heróis é sagradamente guardada pela luta.

Em condições extremamente difíceis, expostos ao perigo, eles realizaram um trabalho inestimável


em nome da revolução. Eles introduziram um elaborado sistema de cifras, observaram a mais estrita
conspiração, que VI Lênin repetidamente recordou, organizou o envio de documentos e cartas
através de trabalhadores do partido especialmente confiados. Como resultado, a correspondência do
partido foi enviada com segurança do exterior para a Rússia. E até mesmo o transporte mais difícil
da literatura revolucionária, volumoso e pesado, geralmente era normal.

Resistir com sucesso às intrigas policiais foi em grande parte ajudado pelo procedimento
estabelecido no partido para notificar o centro de todos os provocadores descobertos ou suspeitos.
Nesses casos, o trabalho dessa organização partidária foi imediatamente cumprido, e alguns
funcionários do partido tiveram que passar imediatamente para uma posição ilegal, ou, em
linguagem secreta, ou seja, cessar o contato com suspeitos, mudar de casa, endereços, pseudônimos
as mensagens enviadas para o centro continham não apenas uma declaração do fato da traição, mas
também detalhes importantes.

Um exemplo típico é um dos avisos: "O Comitê de Poltava da RSDLP, com base em uma série de
fatos obtidos por acaso, declara o agente provocador Nikolai Ivanovich Manko, conhecido nos
amplos círculos de trabalho como Nikolai e Timofei. Ele era um ex-funcionário da ferrovia, estava
envolvido no caso de destaque do comitê de greve da CEL, participou ativamente do movimento
revolucionário em 1905, desfrutou da grande confiança dos trabalhadores e foi repetidamente eleito
para todos os órgãos responsáveis pelo partido.

Manko acusações contra as acusações contra ele feitas pelo Comitê Poltava que ele, sendo
recentemente o secretário do comitê, era ao mesmo tempo também um agente do departamento de
segurança, para refutar os fatos com base nos quais ele foi acusado, e em geral não poderia dar uma
explicação sobre o mérito. Ele está acima da altura média, dos anos 28-29. Secretário do Comitê "
25 .

Mas outra mensagem enviada ao centro em 1909 por R. P. Falk, secretário do comitê executivo do
Comitê Distrital de Moscou do RSDLP: "Nikolai Georgievich Pavlov, que atualmente vive em
Moscou em São Petersburgo Slobodka, casa de Tverdokhlebov, é um agente provocador. Em 1907,
ele trabalhou na organização do Partido Socialista Revolucionário, simultaneamente estava no
destacamento da polícia secreta de Moscou, falhou muitos camaradas. Em 1908, ele serviu na 2ª
Sociedade Belga de Ferrovias Equestres na Malásia Dmitrovka. Recentemente ele trabalhou no
distrito de Butyrsky sob o apelido de Vasily Alekseevich. Por sua própria iniciativa, ele organizou
um círculo entre varredores, sapateiros, etc., e falhou com muitos camaradas recrutados de
estudantes de instituições de ensino superior e secundário, bem como representantes de algumas
fábricas. Tomei medidas para penetrar nas fileiras da organização social-democrata. Atualmente
preso e sentado com os outros. Geralmente ele é preso para se esconder do seu papel e dar a ele a
oportunidade de aprender notícias da vida clandestina em uma prisão ou recinto. Depois de 2-3 dias
liberados. Devido à sua destreza e experiência, um provocador muito perigoso é altamente
considerado pela polícia secreta de Moscou. Sinais disso: alto, bonito, barbeado.

Em vista das tentativas de Pavlov de penetrar no ambiente dos social-democratas, consideramos


necessário publicar o texto acima em uma folha especial. "

Observando a exigência leninista de maior vigilância, os comitês do partido clandestino verificaram


até mesmo os trabalhadores que vieram seguindo as instruções do Comitê Central. Assim, no final
de 1909, os sociais-democratas de Odessa enviaram um pedido especial ao Foreign Bureau do
Comitê Central da RSDLP se fosse possível confiar no agente do Comitê Central, Clementy (S.V.
Modestov), que veio com o objetivo de recriar a organização regional de Odessa. Esses testes, como
a experiência demonstrou, eram necessários, já que a polícia secreta às vezes tentava usar esse canal
de penetração.

A história do nosso partido conhece casos em que os próprios exilados políticos investigaram
alegações individuais de provocação ou pediram ao centro uma investigação, como, por exemplo,
LN Rumoy. Na nota, colocada na 13ª edição do Iskra, ele foi acusado de "provocador". A
investigação deste caso na colônia de exilados políticos, por motivos de conspiração, foi
descontinuada. Os social-democratas exilados recorreram ao Iskra e Zarya para realizar o
julgamento de Rumah fora da Rússia.

A prevenção oportuna dos órgãos partidários, a verificação de cada nova pessoa, o sistema de
conspiração cuidadosamente projetado, tudo tinha um objetivo: "levar a organização revolucionária,
a disciplina e a tecnologia conspiratória ao mais alto grau de perfeição". As próprias condições da
luta revolucionária colocam diante do Partido como uma das tarefas mais importantes o aumento
global da vigilância, de modo que cada organização social-democrata é protegida por uma barreira
confiável de conspiração.

Mas, ao mesmo tempo, os bolcheviques se opuseram resolutamente às acusações injustificadas de


provocação. As suspeitas que surgiram foram geralmente cuidadosamente verificadas, os fatos
foram estabelecidos com a máxima precisão, tanto quanto a situação da clandestinidade permitia.
Eles foram severamente condenados como rumores desmoralizantes e conversas de provocação "em
geral", sem justificativas concretas, que, quando todo o poder do poder estatal, a polícia e o
exército, gendarmes e promotores desmoronaram contra os bolcheviques, 30 eram vantajosos
apenas para os inimigos do movimento revolucionário.

Em vários casos, órgãos partidários clandestinos colocaram diante do Comitê Central a questão da
reabilitação de camaradas que haviam sido erroneamente acusados de provocação. Assim foi, por
exemplo, com o caso da reabilitação de Kirilov, que adoeceu na prisão. A este respeito, o Comitê
Ekaterinoslav do RSDLP escreveu:

"Para o Comitê Central e Órgão Central

Secretamente

O Comitê da Maioria de Yekaterinoslav, em sua última reunião em 7 de julho, considerou o caso da


reabilitação de Kirillov no caso de Moscou de 1900. Descobriu, com base no documento a ser
enviado, o testemunho de uma das testemunhas que Kirilov extraditava seus camaradas, estando em
estado demente. alucinações. Portanto, o Comitê Ekaterinoslav da maioria insiste energicamente em
revisar este caso. Camaradas podem apontar para testemunhas neste caso.
Este foi um caso realmente difícil, uma vez que o próprio fato da extradição de Kirilov de seus
companheiros ocorreu. No entanto, o Comitê Ekaterinoslav, com base em circunstâncias concretas,
assumiu a responsabilidade de solicitar ao Comitê Central e ao Órgão Central a revisão da acusação
de Kirilov.

Um dos meios ativos nenhum arsenal de Luta contra o czarismo e seu aparato de Violência foi uma
Organização de Ataques Revolucionarios de prisões, servidão penal e Lugares de Exílio. Em 1º de
julho de 1909, por exemplo, da parte feminina de Moscou em Novinsky Boulevard, 13 condensados
políticos fugiram junto com a guarda Tarasova. Foi uma operação incluída pensada, preparada e
corajosa. Entre os que fugiram foram Natalia Sergeevna Klimova, que foi sentenciada à morte por
participar do atentado contra Stolypin. Escrito por ela "Carta Antes da Execução" A história dos sete
enforcados foi criada por Leonid Andreev para criar uma imagem de música. Esta fuga, que causou
grande repercussão.

Por seu indicador de coragem e ousadia escapou da Prisão de Kiev em 18 de agosto de 1902 11
Presos Políticos, Entre os quais estava Bauman. Preparado para fugir, preparado por um túnel feito
por eles mesmos, com um pedaço de lençol em uma caminhada noturna, os prisioneiros têm um
jogo nas cidades. Então, de repente, atacaram o guarda, amarraram-no, cobrindo a cabeça com um
cobertor. Naquele momento, seus camaradas colocaram uma escada na parede e desceram.

Estes são apenas alguns exemplos da vontade inflexível dos revolucionários na luta contra uma
autocracia.

Com frequentes fugas de presos políticos de prisões e Trabalhos forçados forçaram o departamento
de Polícia interceder junto ao governo czarista para aumentar a equipe de segurança e como
alocações financeiras.

Particularmente, deve ser destacada a questão da ética revolucionária dos bolcheviques. Nas
condições de exílio, por exemplo, o pedido de perdão foi considerado um ato de renúncia, exigindo
um boicote e excluindo o peticionário da equipe de camaradagem. discutível a petição foi, Por
exemplo, sobre a transferência para os melhores lugares de exílio. "Severnaya para Pravda",

Neste Contexto, observou uma petição inicial não só diminui a dignidade revolucionária aos olhos
da Administração e da População, mas permite que os inimigos digam sobre ele: "Bem, rápido Você
diz que estas são pessoas ideológicas! "Nós somos, então, também foram convidados para
interceder por eles".

Deve-se ressaltar que os bolcheviques exilados não são permitidos em petições, muito menos
pedidos de perdão. Esse foi um dos princípios de uma luta revolucionária intransigente.

Leitura de documentos policiais ver claramente como ao longo dos ano o governo czarista estava
concentrando os seus melhores esforços para esmagar o Movimento Revolucionário. Distúrbios
ansiosos da classe operária, o campesinato, a corajosa Luta do Povo e Sinais de penetração fazer
marxismo russo, uma autocracia russa foi impiedosa na perseguição aos Revolucionários. Por
decisão especial do Governo na Polícia Política secreta da Década de 80, se escondendo Sob o
disfarce de "Gabinete para a Proteção da Segurança e Ordem Públicas" Organizada. Durou Até a
Revolução de Fevereiro de 1917, o Departamento de Segurança, criado algumas Províncias,
subordinado Ao departamento de Polícia e tem como pessoas que odiavam o nome de "Polícia
Secreta".
Durante a ascensão do Movimento Revolucionário, o departamento de Polícia tinha nove
departamentos. Entre eles estava o departamento especial já mencionado, destinado a luta direta
contra Organizações Revolucionárias. O departamento especial consistia em filiais: o Segundo -
"Revolucionários sociais", o Terceiro - "Democratas sociais", O Quarto - "Organizações
Estrangeiras". Além Disso, ainda havia escritórios para decifrar cartas, coletando informações sobre
agentes secretos de escritórios de segurança locais.

Um departamento especial, completamente isolado ocupava todo quarto andar em seu enorme
Prédio em Fontanka e tinha um sistema especial de Acesso. Funcionários de outras empresas não
eram diferentes. Rataev, um dos supervisores, caracterizou como especificidades de seu
departamento dessa maneira: "... Ele deve estar sempre em estado de guerra ...".

Às vezes, a Estrutura do departamento e, no geral, o Departamento de Polícia mudou um pouco.


Uma meta geral de seu trabalho permaneceu inalterada. Muitas vezes, dependendo da situação
política, como táticas e os métodos profissionais mudaram, mas o objetivo da Polícia secreta
czarista sempre foi a liquidação das Organizações Revolucionárias, e assim derrotar o movimento
dos trabalhadores.

O Partido Bolchevique considerou necessário não apenas confrontar a arbitrariedade policial, mas
conduziu uma luta consistente e determinada contra uma Política - este fiel guardião do regime
czarista.

A experiência da luta do Partido Bolchevique em sua primeira etapa mostrou a provocação política
como método de combate a Polícia secreta com o Movimento Revolucionário. Era uma arma
extremamente perigosa da autocracia. O czarismo gostava disso de forma ilimitada e constante. As
condições existentes, como provocações, políticas tornaram-se cada vez mais ameaçadoras.
Portanto, o partido rejeitou resolutamente a tentativas de certos Democratas de apresentar a luta a
Polícia czarista como algo que não merece atenção. Base das instruções de Lênin, os Bolcheviques
conseguiram ritmo para organizar suas fileiras para Vigilância Revolucionária, o sigilo, a introdução
de códigos, uma mudança obrigatória, um sistema de transporte de livros revolucionários é uma
regra indispensável da vida do partido. Isso proporcionou um maior desenvolvimento
revolucionário.

Notas:

1 Lenin VI Poln. coletar.op. vol. 41, p. 87

2 Ibid., P. 194-195

3 Lenin VI Poln. coletar.op. vol. 41, p. 29

4 Lenin VI Poln. coletar.op. vol. 25, p. 395

5 Lenin VI Poln. coletar.op. vol. 32, p. 222

6 Chernov VM (1879-1952) - um dos fundadores do Partido Socialista-Revolucionário, seu teórico.


Em 1917, o Sr. Ministro da Agricultura, Presidente da Assembléia Constituinte. Emigrante branco.

7 Lênin VI Poln. coletar.op. vol. 32, p. 222


8 VI Lenin completa. coletar.op. vol. 41, p. 28.

9 Lenin VI Poln. coletar.op., vol 2, p. 468-469.

10 Iskra, 1902, nº 26.

11 CGAR. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 307, f. 300

12 Materiais sobre a história do movimento social e revolucionário na Rússia. Os


bolcheviques.Documentos sobre a história do boletim de 1903 a 1916, o antigo departamento de
segurança de Moscou. M., 1918, p. 85. (No futuro - os bolcheviques ...).

13 CGARP. Fundo de Departamento de Polícia, departamento especial. Documento sobre uma


conferência dos social-democratas em Tammerfors, 1906, nº 145.

14 CGAR. Fundo de Departamento de Polícia, departamento especial, 5, parte 84, p. 155.

15 CGARP. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 5, H. 34, p. 20

16 Lenin VI Poln. coletar.op., t,. 2, p. 469

17 Os bolcheviques ..., p. 102-103.

18 CGAR. Fundo de Departamento de Polícia, departamento especial, 307, prospect 1, l. 299

19 Arquivos do Partido Centro do Instituto do Marxismo-Leninismo sob o Comitê Central do PCUS


(TsPA IML), f. 24, 488, l. 14-18.

20 Ibid.

21 CPA do IML, f. 24, 488, l. 14-18.

22 Veja: O Passado, 1918, nº 2 3

23 CPA do IML, f. 24, 530, l. 3-4.

24 Lenin VI Poln. coletar.op., t,. 46, p. 308

25 CPA do IML, f. 28, 100, l. 6

26 CGAR. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 5, H. 34, p. 199

27 CPA do IML, f. 17, 780, l. 1 ..

28 CPA do IML, f. 24, 419, p. 1

29 VI Lenin completa. coletar.op. vol. 4, p. 194

30 Lênin VI Poln. coletar. op., vol 2, p. 115


31 CPA do IML, f. 26, 160, p. 1

32 Veja: Educação, 1908, nº 8.

33 Katorga e a referência, 1921, nº 2.

34 Iskra, 1902, nº 25.

35 "The Northern Truth", 1913, n. 15, 20 de agosto.

36 CGAAR. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 444, f. A-7

Revolucionários russos e perseguição policial

O desempenho revolucionário desde o século XIX fracassou devido a razões objetivas e subjetivas.
Isto, naturalmente, desempenhou um papel e a polícia política czarista, cujo principal método era
uma provocação direta.

Lembremo-nos, por exemplo, da insurreição armada dos dezembristas em 1825. O fracasso dessa
conspiração foi explicado, em parte, pelo fato de um dos oficiais, Rostovtsev, ter informado o czar
Nicolau I sobre a próxima manifestação. Também a traição do Capitão Mayboroda. Aproveitando as
informações recebidas, Nicholas I tomou as medidas necessárias, que em grande parte
predeterminaram o curso dos acontecimentos na Praça do senado.

O movimento revolucionário que estava ganhando força causou medo considerável entre os
policiais. Característica a este respeito é o relatório do chefe dos gendarmes Seliverstov para
Alexander II em 18 de agosto de 1878, onde ele menciona "instigadores da agitação social". Neste
ponto do relatório, o czar disse: "Quem são eles?" Num relatório posterior, Seliverstov explicou:
"Sua Majestade, por favor pergunte - quem são os instigadores? Eu me atrevo a informar que o
número deles se multiplicou para um tamanho indescritível e continuará a ser frutífero até que os
líderes sejam destruídos ".

A partir disso, pode-se ver que o chefe dos gendarmes não tinha muita esperança para lutar contra o
movimento revolucionário. Em 23 de setembro de 1878, ele informou ao czar: "Infelizmente, o
socialismo revolucionário está tomando um desenvolvimento crescente, é mais difícil lutar contra
ele". E então uma conclusão pessimista se seguiu: "Atrevo-me a relatar que a insignificância dos
resultados da busca até agora me sobrecarregou e meus policiais, pois, Sua Majestade, é difícil em
face de sua singularidade de toda a Rússia provar tão pouco útil para o serviço da pátria". Ao
mesmo tempo, o chefe de gendarmes observou que na parte europeia da Rússia não há mais lugares
para condenados políticos, e ele sugeriu que parte dos presos políticos fossem transferidos para a
ilha de Sakhalin.

Neste período, as formas e métodos de trabalho da polícia secreta ainda mantinham todas as
características antigas inerentes. A investigação foi simplista, o cálculo principal foi sobre a força do
medo. "III Divisão da Chancelaria de Sua Majestade", criada por Nicholas I em 1826 e realizando
buscas e investigações sobre "crimes de Estado", foi um julgamento secreto. Torturas foram usadas
aqui, como uma vez na "Ordem dos Assuntos Secretos" do czar Alexei Mikhailovich. Os métodos
do Terceiro Departamento despertaram o protesto irado e a indignação dos contemporâneos,
evidenciados por panfletos e apelos. Assim, em 1878, quando as autoridades judiciais foram
compelidas a justificar o revolucionário VI Zasulich, um dos apelos disse: "Que diferentes partidos
políticos sigam objetivos diferentes, mas nenhum deles lhes permitirá dominar a si mesmos com
aqueles cuja política inteira exausto por duas palavras sombrias, há muito esquecidas - "Palavra e
ação” . Como mais tarde conseguiu estabelecer historiadores, o autor deste recurso foi GV
Plekhanov.

A cada ano tornou-se cada vez mais evidente que o Terceiro departamento se tornou um
anacronismo na situação do crescente movimento revolucionário. Os círculos do governo
entenderam isso, o czar entendeu. Como resultado, em 1880, a Terceira Filial foi substituída pelo
Departamento de Polícia. Isso, no entanto, não mudou a natureza reacionária do regime autocrático
policial. Como antes, na atividade de busca da polícia, a provocação foi usada ativamente, e os
agentes foram recrutados. Isto foi complementado pela vigilância sistemática dos "suspeitos".

Entre aqueles que estavam sob a supervisão da polícia, estava N. G. Chernyshevsky. Durante o
período de três anos de sua vida em Astrakhan (1884-1887), ele recebeu 30 informações secretas da
polícia local, cinco cópias das anotações de Nikolay Gavrilovich, uma carta para ele de um exilado
e vários outros documentos.

Esta recepção policial tradicional foi erguida no sistema. Um quarto de século depois, um
departamento especial do departamento de polícia, baseado em vigilância de longo prazo e obteve
dados de inteligência, compilou um relatório detalhado sobre a atividade revolucionária de GV
Plekhanov. Seu trabalho no grupo "Emancipação do Trabalho", sua conexão com a "União de Luta
pela Emancipação da Classe Trabalhadora", participação na publicação do Iskra, no trabalho dos
congressos do POSDR e muito mais foram refletidos aqui.

O sistema foi preservado ao longo da história da polícia czarista, até os últimos dias da autocracia.
Depois de muitos anos, o deputado da Quarta Duma, um membro do PCUS desde 1903,
participante de três revoluções, FN Samoilov lembrou como a polícia o cercou com o cordão de
vigilância. O "olhar atento" da polícia secreta acompanhava Samoilov em todos os lugares. Onde
quer que ele fosse, ele era invariavelmente acompanhado por um par de "guarda-costas", que o
seguiam como uma sombra. Mesmo quando ele estava em casa, os guardas da polícia não pararam.
E, no entanto, apesar de tal "atenção" da polícia, Samoilov, como outros deputados bolcheviques,
corajosamente e extremamente engenhosamente superou os obstáculos da polícia, cumprindo seu
dever para com o povo.

Dever para com as pessoas. Salientando isso, outro membro da Duma, MK Muranov, membro do
partido desde 1904, durante o julgamento de membros da facção social-democrata da Duma, disse:
"Entendendo que fui enviado pelo povo para a Duma do Estado para não ficar de fora da cadeira da
Duma". , Fui a lugares para me familiarizar com o humor da classe trabalhadora ". Essas viagens e
reuniões diretas, explícitas e secretas com os trabalhadores eram verdadeiras façanhas heroicas,
cometidas sob a ameaça de trabalho duro e morte. Apreciando o trabalho ilegal dos deputados
bolcheviques na Duma, VI Lênin escreveu que seus casos "permanecerão por muito tempo um
modelo daquele trabalho dos deputados, que devemos ocultar diligentemente e que todos os
trabalhadores conscientes da Rússia agora cuidadosamente considerarão".

A vigilância dos revolucionários foi realizada não apenas dentro do país, mas também no exterior.
Durante muito tempo, Rachkovsky estava encarregado da investigação política russa no exterior.
Ele conseguiu enredar emigrados revolucionários russos com uma teia de vigilância e provocação.
Em 1884, Rachkovsky foi enviado para trabalhar em Paris e, um ano depois, tornou-se chefe dos
agentes de Berlim e Genebra. Ele estabelece contato com a polícia francesa e suíça, obtendo deles
os dados de buscas feitas por emigrantes políticos. Em seguida, seguiram os fracassos dos
revolucionários e suas detenções na Rússia.

Os esforços de Rachkovsky foram direcionados para a destruição dos centros literários


revolucionários e, acima de tudo, do Iskra de Lênin.

A história do Iskra ainda continua a ser enriquecida com novas descobertas hoje. Assim,
historiadores da RDA procuraram aqueles que participaram diretamente da publicação do Iskra em
Probsthaus (perto de Leipzig). Este é o livro "Lenin's Spark", publicado em russo e alemão. Ele
detalha o período de Leipzig de Iskra. O livro enfatiza que a publicação do jornal foi
cuidadosamente conspirada. Isso permitiu organizar a produção do primeiro jornal revolucionário
russo da tendência leninista. Rachkovsky e a polícia alemã tentaram em vão encontrar o paradeiro
do Iskra. Perdendo muito tempo para esclarecer os relatos do agente, a polícia não conseguiu pagá-
lo. Estritamente conspirou foi o transporte do Iskra para a Rússia, que ocorreu através de vários
canais, em particular os vapores do vôo Marselha-Batumi. Nesses barcos a vapor, os marinheiros se
esconderam nos porões e enviaram para o seu destino. Os eventos e fatos apresentados no livro
atestam a luta tensa e de alto risco do partido com o czarismo e seus agentes policiais.

Após o fracasso de Leipzig, os agentes de Rachkovsky empreenderam uma nova tentativa em 1902
para esmagar o conselho editorial do Iskra, depois em Munique. Eles continuaram a cooperar com a
polícia alemã. Por esforços conjuntos, havia uma vigilância a longo prazo de todos os que poderiam
ter algo a ver com emigrados revolucionários russos. No final, Rachkovsky conseguiu atacar a
trilha, que informou ao departamento de polícia: "No momento, tomo as medidas apropriadas para
descobrir o pessoal disponível da redação e sua localização exata. Eu vou encontrar um meio,
agindo com certeza, para liquidar essa organização extremamente perigosa e colocá-la na
impossibilidade absoluta de imprimir ainda mais o Iskra sob as condições conspiratórias existentes,
o que torna extremamente difícil combatê-lo. "

Esses cálculos não foram justificados. Os social-democratas alemães ficaram sabendo dos
preparativos para buscas e prisões, que alertaram o revolucionário AM Kalmykov. Ela
imediatamente notificou o conselho editorial da Iskra sobre as intenções da polícia. Sim, e a equipe
do Iskra começou a notar alguns sinais alarmantes. Portanto, decidiu-se transferir urgentemente o
Iskra para outro local. Depois de algumas disputas com o "grupo de Genebra" (Plekhanov e
Axelrod), o conselho editorial da Iskra mudou-se para Londres em abril de 1902.

Essas falhas sérias no trabalho subversivo da polícia aconteceram repetidamente no passado. Os


revolucionários russos aprenderam há muito tempo a reconhecer agentes policiais que buscavam
penetrar nos círculos social-democratas. Assim, mesmo na primeira metade dos anos 90, emigrantes
políticos nos Estados Unidos conseguiram descobrir o agente policial Evalenko. Além disso, usaram
os fundos disponíveis para ele do fundo policial para reeditar o primeiro volume do Capital de
Marx. Como resultado, várias centenas de cópias deste livro foram enviadas para a Rússia através
de canais secretos.

Enquanto isso, a revolução vindoura de 1905, sua autocracia ameaçadora ao desenvolvimento,


causou a mobilização de todas as forças do czarismo, incluindo, é claro, a polícia política. Levou os
antigos quadros policiais experientes. E as autoridades voluntariamente esqueceram os pecados do
passado de muitos. Rachkovsky, como vice-diretor do departamento de polícia, estabeleceu contato
com Gapon, tentou recrutar o SR de Rutenberg na polícia secreta, liderou as prisões dos
participantes da insurreição armada de dezembro em Moscou.
A cooperação com a polícia estrangeira foi realizada pelos escritórios de segurança desde o início
de sua organização, levando-se em diferentes períodos de alguma forma ou de outra. Mas,
independentemente da situação cambiante, na zona de fronteira europeia, a polícia russa manteve
uma conexão constante e as relações mais próximas com suas contrapartes estrangeiras. A
concessão do Barão Prussiano Freiger von Schell, que prestou serviços à polícia política russa para
deter os "criminosos políticos" russos, é uma prova bastante convincente disso. O chefe do
escritório de correios e telégrafo em Shchakovo também foi premiado por diligência especial na
melhoria das relações entre instituições postais russas e austríacas.

Quanto às "relações entre as instituições postais russas e austríacas", isso não exige comentários
especiais - o controle secreto de fronteiras e a leitura da correspondência postal e telegráfica, além
das mesmas operações realizadas nos locais de envio de correspondências. Esses "serviços" eram
especialmente valiosos para a polícia política russa e perigosos para os revolucionários russos.
Portanto, estes últimos, considerando a aliança policial, desenvolveram suas táticas e seus métodos
de ação na zona de fronteira e alcançaram sucessos significativos reconhecidos pelo departamento
de polícia.

Isso indica a alta vigilância política dos revolucionários russos. Nas condições de então, era
extremamente importante que a capacidade de reconhecer o inimigo fosse possuída não apenas por
revolucionários profissionais, mas também por social-democratas comuns. E nessa direção o partido
realizou o trabalho.

Contrapondo o terror policial, as organizações revolucionárias russas foram fortalecidas no processo


de luta e adquiriram a experiência necessária. No entanto, os círculos existentes, o isolamento de
alguns grupos revolucionários de outros, a falta de unidade ideológica, causaram sérios danos,
facilitando a segurança da penetração em organizações revolucionárias.

E, no entanto, apesar das greves policiais, as organizações social-democratas continuaram a operar e


a realizar propaganda revolucionária. Assim, em uma das circunvoluções da literatura clandestina, a
polícia descobriu obras de G. Plekhanov "A Nova Campanha Contra a Social Democracia Russa" e
F. Engels "A Situação da Classe Trabalhadora na Inglaterra", um apelo ao "Exército Russo" e um
número considerável de relatórios de São Petersburgo. Fábricas que incluíam relatórios, discursos
dos trabalhadores e outros materiais de propaganda. Este fato, por si só, confirma a atividade
revolucionária dos social-democratas, suas ligações com as organizações de trabalhadores, apesar
da perseguição policial.

M. A. Silvin, membro da União de Luta pela Emancipação da Classe Trabalhadora de São


Petersburgo, escreveu mais tarde: "... em 1895, com a transição para" agitação ", quando a
organização cresceu e ... formou-se uma grande" periferia " círculos, propagandistas, técnicos,
guardiões e portadores de literatura ilegal, pessoas de comunicação e outros, Vladimir Lênin
insistiu: 1) no agrupamento de membros da organização por distritos, 2) em um delineamento
estrito de funções, deveres partidários dos membros, 3) em parar atitudes filistinas entre si , 4)
encurtando correspondência privada com outra pessoa, como os fãs de escrever cartas,
especialmente nas províncias, não poderia abster-se de uma variedade de mais ou menos
transparente alusões a bons amigos, para o desenvolvimento de negócios, e assim por diante.

Em nossa organização, questões de conspiração tomaram um grande lugar, e Vladimir Lênin voltou
a prestar atenção especial a elas. Ele nos advertiu insistentemente e continuamente contra os hábitos
filistinos, desde a correspondência amistosa com alusões às nossas atividades clandestinas, à prisão
de camaradas, a características notáveis e características pessoais das quais muitos de nós éramos
culpados. Ele nos ensinou os métodos de correspondência criptografada em pontos nos livros.
Insistiu na necessidade de encobrir os vestígios quando visitava os apartamentos dos trabalhadores,
mudar os carros com maior frequência quando se deslocavam pela cidade, usar quintais para evitar
conversas em voz alta em casa por causa de uma vizinhança pouco confiável, não deixar ilegais à
vista de empregados domésticos e proprietários de apartamentos. A observação externa de nós, à
medida que avançávamos, tornou-se mais intrusiva e insolente, e Vladimir Lênin também chamou
nossa atenção para isso.

O medo de provocação não surgiu em nosso círculo, nos conhecemos bem, sabíamos que em cada
um de nós podemos estar bem certos. Mas a provocação nos círculos em contato conosco foi
possível, como se confirmou no caso do dentista Mikhailov do círculo IV Chernyshev; Mikhailov
se esforçou para se aproximar de nós. Mas eles já estavam cochichando sobre ele em círculos como
despertando dúvidas, e Radchenko ... categoricamente aconselhou todos e cada um de nós a evitar o
encontro com Mikhailov ...

Vladimir Lênin estava ciente, no entanto, que o desfecho está se aproximando. Em contraste com a
maioria de nós, que mudava de quarto a cada seis meses ou com mais frequência, ele era bastante
sedentário e quase todo o tempo em que morava em Cossack Lane. Ao retornar do exterior, ele
mudou o endereço duas ou três vezes durante os três meses, de modo que durante os interrogatórios
os proprietários não puderam determinar quem foi até ele, o que trouxeram e que coisas foram
trazidas pelos visitantes etc. "

No início, o começo dos revolucionários era de natureza simples. Por exemplo, para receber
dinheiro, foram organizadas noites de jovens pagas com danças. Ao mesmo tempo, eles deram uma
oportunidade para uma reunião legal de pessoas afins. Uma dessas noites foi organizada em 16 de
janeiro de 1898 no salão da Duma da cidade de São Petersburgo, em favor dos estudantes dos
cursos superiores de mulheres, um nativo da província de Nizhny Novgorod. A polícia secreta de
São Petersburgo caracterizou esta noite da seguinte forma: "Foi organizada apenas sob o pretexto de
caridade ... toda a coleção, e bastante considerável, foi dada à" União de Luta pela Libertação da
Classe Trabalhadora "por uma de suas novas organizações." E mais: "... esta nova organização
pretende em muito pouco tempo publicar a primeira edição de um novo jornal." Aqui está uma
avaliação dos inimigos de um evento aparentemente tão simples. Mas nos seus resultados práticos
para o período inicial da luta da social-democracia revolucionária, foi eficaz.

No início de 1902, o Comitê Kharkov do POSDR emitiu uma proclamação "À Sociedade" e um
apelo "Aos Oficiais", que causou séria preocupação entre os gendarmes e guardas. O investigador
do capitão de um corpo separado de gendarmes escreveu ao chefe de um departamento especial do
departamento de polícia: "... as proclamações" À sociedade "na noite de 4 a 5 de janeiro em
envelopes lacrados foram deixadas nas caixas de correio nas portas da frente e passadas por
empregados e zeladores. Nos pacotes endereçados aos oficiais, além da proclamação da impressa,
uma proclamação cliptografada "Aos oficiais" também foi anexada. Desta forma, estas
proclamações receberam uma enorme propagação entre os habitantes da cidade de Kharkov ".

É verdade que tal ordem de distribuição de materiais revolucionários raramente era praticada, uma
vez que os panfletos e proclamações social-democratas eram enviados principalmente para fábricas
e, distribuídas diretamente aos trabalhadores. Mas, neste caso, eles foram especificamente dirigidos
à intelligentsia e oficiais do exército e distribuídos em 13 cidades grandes, incluindo São
Petersburgo e Moscou.
Recurso "para o oficial", foi publicado na íntegra no "Iskra", para colocar a ele uma nota:
"Saudações do partido do proletariado russo para os pioneiros da ideia revolucionária na própria
cidadela de nosso inimigo jurado".

Nos anos 90 do século passado, o papel principal na busca política foi desempenhado pelo
departamento de segurança de Moscou, liderado pelo notório Zubatov. Sua polícia secreta estava
então na posição do departamento operacional do departamento de polícia. As atividades dos jovens
de Zubatov se espalharam muito além do centro da Rússia, penetraram no território do sul e
noroeste do país, incluindo São Petersburgo. Essa posição peculiar da polícia secreta de Moscou,
entre outras agências punitivas de czarismo, é o resultado do sistema policial detetive desenvolvido
por Zubatov. Isso equivalia à preparação de agentes qualificados e estritamente conspiratórios, a
novos métodos de garantia contra a exposição, uma combinação do trabalho de agentes internos e
externos.

Assim, a polícia secreta czarista, usando métodos tradicionais de investigação, buscou


gradativamente dominar métodos mais flexíveis, buscou caminhos para uma nova forma de trabalho
policial - uma ampla penetração nas fileiras do movimento trabalhista. Isso refletiu claramente as
principais mudanças que ocorreram na vida social política do país.

Nessa época, o marxismo chegou à frente da vida política da Rússia, que está rapidamente
ganhando terreno no movimento revolucionário. A polícia secreta de Moscou sentiu uma força
formidável nela, com antecedência começou a introduzir seus melhores agentes nas organizações
social-democratas.

O maior provocador foi então L. Serebryakova, que começou a cooperar com a polícia secreta no
início dos anos 80. Este foi o período de contra reformas de Alexandre III, a reação política
opressiva do Procurador-Chefe do Sínodo de Pobedonostsev, o período de decepções e buscas
ideológicas que se seguiram ao colapso das ilusões do povo. Foi então que Zubatov e outro homem
da busca, Menshikov, se uniram ao serviço do czarismo; Correu para o campo reacionário do ex-
Narodovoltsi, e depois para o monarquista e para o Tikhomirov.

Em meados da década de 1990, Serebryakova estava principalmente no meio dos social-


democratas. Durante esses anos, os revolucionários de Moscou trabalharam sob a constante ameaça
de fracassos. Nenhuma organização ou grupo regional de Moscou poderia se consolidar por mais de
alguns meses; meio ano - já era considerado muito. Dos materiais da acusação no julgamento de
Serebryakova em 1925, ficou claro que isso contribuiu para a derrota de vários círculos e grupos
marxistas e as numerosas detenções de revolucionários, incluindo figuras tão eminentes do nosso
partido como VV Vorovsky, IF Dubrovinsky, A V. Lunacharsky, P. G. Smidovich e outros.

A acusação no caso Serebryakova, que foi ouvida no tribunal provincial de Moscou, dizia: "...
enquanto oficialmente trabalhava apenas na Cruz Vermelha ilegal para ajudar prisioneiros políticos"
e usando esse trabalho para se comunicar com vários corpos revolucionários, Serebryakov por
dezenas anos, usando a confiança dos trabalhadores revolucionários, estava ciente de quase todo o
trabalho clandestino". E mais: "O apartamento de Serebryakova era o centro de informações sobre o
movimento revolucionário, e a própria Serebryakova era a fonte de muito que era necessário no
trabalho clandestino: ela mantinha e distribuía literatura, dinheiro estava fluindo para os presos
políticos presos, nela o apartamento foi organizado reuniões de negócios e reuniões, através de seus
companheiros visitantes penetraram em organizações clandestinas de Moscou ".
Uma provocação típica: um policial secreto participa de trabalhos clandestinos. Permanecendo fora
do partido, Serebryakova sabia muito sobre os trabalhadores do partido e as organizações
revolucionárias. É característico que o pico de sua atividade caia no momento em que o Partido
Social-Democrata não foi realmente estabelecido. Mas mesmo assim a amarga experiência das
falhas ensinou aos revolucionários a vigilância e a conspiração estrita - o principal método de
combater a polícia secreta czarista. NK Krupskaya lembra que antes do Segundo Congresso do
Partido em Moscou e outras cidades havia comitês sociais-democratas paralelos que não se
conheciam: "As condições do trabalho ilegal tornaram as primeiras etapas organizacionais
incrivelmente difíceis ... Dentro dos comitês todos conspiraram uns dos outros , e muitas vezes
aconteceu que um membro do comitê negociou, o que os outros membros não tinham ideia ".

NK Krupskaya orgulhosamente salientou: "Durante uma década, Lênin trabalhou arduamente para
reunir o partido, unir círculos individuais de revolucionários. Isso foi especialmente difícil, porque
os círculos tinham que se esconder da polícia, os círculos eram constantemente presos e
desintegrados. Tudo tinha que ser feito em segredo, com grandes precauções. Parecia que não havia
esperança, mas Lênin pensou no plano de unificação ... "

Enquanto isso, a situação continuava extremamente difícil. Foi complicado pelo fato de que certa
parte dos social-democratas erroneamente diferenciou a luta contra a autocracia e a luta com a
polícia política, subestimando a segunda. O jornal "Economists" "Working Thought" lamentou que
"perseguida impiedosamente pela polícia política, nossa intelectualidade revolucionária estava
lutando com essa polícia política pela luta política contra a autocracia". Lenin definiu essa posição
dos "economistas" como "um magnífico desrespeito pela luta contra a polícia" . Criticando o
"Pensamento do Trabalho", Vladimir Lênin enfatiza que a luta com a polícia política "deve ser
organizada" por todas as formas de luta "por pessoas profissionalmente engajadas em atividade
revolucionária".

E esses profissionais foram. Entre eles - Nikolai Ernestovich Bauman. Toda a sua curta vida de 32
anos foi um feito revolucionário. Veterinário de formação, ele se juntou às fileiras da União de Luta
de São Petersburgo pela Emancipação da Classe Trabalhadora. Mesmo assim, o Okhrana o
observou atentamente. Logo ele estava no Peter and Paul Fortress, e depois foi exilado para a
província de Vyatka, de onde ele fugiu para o exterior. Na emigração forçada, Bauman dá muita
energia para a publicação e disseminação da literatura revolucionária. "Desde o início, na
organização do Iskra, sendo um dos principais líderes práticos", ele está empenhado em transportar
o jornal para a Rússia. A partir do final de 1901 - o primeiro agente ilegal do Iskra em Moscou.

Neste momento, para monitorá-lo, a polícia secreta aloca seus melhores policiais. Uma vez a
caminho de Voronezh, eles o localizaram e Bauman foi preso, transportado para Kiev, para a prisão
de Lukyanovka. Seis meses depois, ele organiza uma fuga excepcional para 10 prisioneiros e,
juntamente com eles, ele próprio corre, cruza secretamente a fronteira. Sob o mandato da
organização do partido em Moscou, Nikolai Ernestovich, sob o nome de Sorokin, participa dos
trabalhos do Segundo Congresso do Partido e, em dezembro de 1903, retornou ilegalmente a
Moscou.

Aqui ele presta assistência ao Comitê do Partido de Moscou, organiza o Escritório do Norte do
Comitê Central e estabelece o trabalho de uma gráfica clandestina. Como não havia espaço
adequado para a gráfica, Bauman a organiza em seu apartamento ilegal. Materiais revolucionários
foram impressos por sua esposa e pelo trabalhador de Ivanovo-Voznesensk, Kudryashev. Logo a
guarda novamente atacou a pista revolucionária, após a qual na prisão de Taganskaya se seguiram.
No ano de 1905, a luta política no país atingiu uma grande intensidade. O ataque revolucionário
sobre os alicerces da autocracia estava se desenvolvendo cada vez mais amplamente, o movimento
nacional estava crescendo a cada dia. Contra ele, o czarismo usou a repressão mais brutal. Este zelo
particular se mostrou neste governador-geral de São Petersburgo, Trepov. Naquela época Lênin
escreveu: "... Trepov vinga. Os cossacos são violentos. As surras estão se intensificando. A polícia
organiza abertamente centenas de ataques. "Ao mesmo tempo, a propaganda bolchevique entre os
trabalhadores estava se desenvolvendo ativamente. Ela também penetrou no exército. "As
proclamações que pedem que as tropas cruzem para o lado do povo são distribuídas até mesmo para
as patrulhas" que protegem o rei, disse Vladimir Lênin.

O comitê do partido de Moscou organiza uma manifestação de trabalhadores para a prisão de


Taganskaya para libertar prisioneiros políticos. Apenas libertado da prisão sob fiança, Bauman
lidera a procissão de trabalho. E neste dia 18 de outubro de 1905 foi o último dia de sua vida.
Quando a manifestação entrou na rua alemã (agora Baumanskaya), Nikolai Ernestovich notou uma
multidão de trabalhadores à distância. Ele tentou atraí-los para a demonstração. Naquele momento,
o agente de segurança Michalchuk atacou e infligiu um golpe mortal. Foi um assassinato aberto na
frente de centenas de pessoas indignadas. A polícia temia uma explosão de raiva popular e passou a
permitir o cortejo fúnebre em 20 de outubro. Transformou-se em uma demonstração revolucionária
de 300 mil pessoas contra o czarismo. E, no entanto, quando os manifestantes voltaram do funeral
de Bauman, os guardas do czarismo, que haviam se estabelecido no Manege, abriram fogo contra
eles.

O terrível assassinato de Bauman, figura destacada no Partido Bolchevique, seu funeral nacional,
que soou como um alarme, desempenhou um papel significativo no desenvolvimento dos
acontecimentos de 1905. Esse massacre sangrento provocou protestos e revoltas em todo o país e se
tornou um apelo para uma luta ainda mais decisiva.

O Partido Bolchevique sempre levantou e treinou quadros altamente qualificados de revolucionários


profissionais, teoricamente treinados, conhecedores de conspiração, capazes de lutar contra
provocações, vigilância. Eles conseguiram resistir com sucesso aos agentes policiais e, além disso,
conseguiram proteger áreas importantes do trabalho partidário da penetração de provocadores.

Exemplos vívidos disso podem ser extraídos interminavelmente das atividades revolucionárias de
VI Lênin, NK Krupskaia, ED Stasova, YM Sverdlov, SA de Ter-Petrosyan (Kamo) e outros
bolcheviques.

Nos anos conturbados 1905-1907, o partido enfrentou agudamente a questão da estrita observância
de todas as regras da conspiração. Sobre isso dependia não só do sucesso da causa, mas também do
destino dos próprios revolucionários. O exemplo clássico da conspiração partidária mais eficaz,
profundamente pensada e multifacetada nesse período foi a atividade ilegal de Lênin. A cobertura
das técnicas de sigilo usadas por Vladimir Lênin exigiria uma investigação especial. Nós nos
limitamos aqui apenas a certos fatos relacionados à vida e à atividade do líder durante os difíceis
dias da primeira revolução russa. Vamos nos voltar para a Crônica Biográfica de VI Lênin para esse
propósito.

Em 4 de dezembro (17), 1905, depois de descobrir a vigilância da polícia de Moscou, VI Lênin e


NK Krupskaya deixaram o apartamento de PG Voronin e na noite de 5 de dezembro (18) Vladimir
Lênin já estava no apartamento de O. K Whitmer. E entre 5 e 10 (18 e 23) de dezembro, ele se muda
para o apartamento de VD Bonch-Bruevich na 2ª Rua do Natal. (agora o segundo soviete). Mas
depois de tomar conhecimento da prisão de alguns membros do Soviete de São Petersburgo e de
temer os ataques policiais, Lênin, junto com Bonch-Bruevich, vai para outro apartamento. Aqui
Vladimir Lênin não ficou muito tempo. Sobre a recomendação de LB Krasin, ele passa várias noites
no apartamento do membro da Organização de Combate do PC bolchevique, II Pavlov. Então ele
dorme repetidamente com V.Vorovsky na Rua Karavannaya, 28/66.

Em meados de janeiro de 1906, tendo em vista a crescente vigilância dos agentes de segurança,
Lênin deixou o próximo apartamento na rua Nadezhdinskaya. Para confundi-los, ele no caminho
muda de três casas e pára no P. P. Rumyantsev, e fica no apartamento de O. K. Wittmer e outros
lugares.

Em janeiro e fevereiro, Lênin visitou repetidamente N. Knipovich para pernoitar. Uma vez ele
notou o sombreamento e imediatamente, sem ir ao apartamento (na casa número 5 na Rua
Panteleymonovskaya), partiu para a Finlândia, em Kuokkala (agora Repino).

Sob essas condições difíceis, Lênin conduziu ativamente o trabalho revolucionário. Na primeira
quinzena de março, ele chega a Moscou e participa de uma reunião do Comitê Distrital de Moscou
da RSDLP em uma casa segura em Kudrinsky. (agora a área da rebelião), questão da campanha
eleitoral para as eleições para a Duma do Estado foi discutida. Mais tarde, Vladimir Lênin vai para
outro apartamento seguro (B. Devyatynsky.) E participa de uma reunião da Organização de
Combate de Moscou e do Departamento Técnico Militar de Moscou, onde os resultados do primeiro
ano da revolução e da luta armada foram resumidos. Um dia ele chega ao prédio no Theatre Way,
3/1, às instalações do Museu para a Promoção do Trabalho (agora a Avenida Marx, 4), para
participar da continuação do encontro do ativo da organização partidária de Moscou. Mas a reunião
não aconteceu: a polícia apareceu no prédio. Lênin consegue evitar a prisão. Então ele sai para São
Petersburgo e sob o nome de Dr. Weber, ele vive por algum tempo em Helsingfors com estudantes
finlandeses. E em maio de 1906, sob o sobrenome Karpova fala em uma reunião de três mil pessoas
na Casa do Povo Panina, dedicada às atividades da Duma. A reunião adotou uma resolução proposta
por Lênin. No mês seguinte, sob o mesmo nome, apareceu no salão da Escola Tenishevski com um
relatório e uma palavra final sobre a questão agrária.

No verão do mesmo ano, Lênin costumava trabalhar no apartamento de KF Neslukhovsky, inspetor


e professor da escola de infantaria Junker. O apartamento estava localizado dentro da escola
(Malaya Grebetskaya, d. 9/5), então ela era confiável em uma atitude conspiratória.

E por todo esse tempo - nem um único caso de falha. Isso mostrou claramente a "biografia" de
Lênin, um conspirador experiente, um bravo revolucionário.

O terror policial, em seguida, com força particular, atingiu a classe trabalhadora e o partido
bolchevique. Numerosos documentos atestam os esforços da polícia secreta para encontrar e
prender Lênin. Escondido da polícia, Vladimir Lênin, do final do verão de 1906 a novembro de
1907, vivia ilegalmente na Finlândia, em Kuokkala.

No entanto, mesmo aqui, era desconfortável. Em junho, 1907, o departamento de polícia emite e
circula uma circular com uma lista de pessoas a serem revistadas e presas. Nesta lista, sob o nº
2611, está "Vladimir Ilyich Ulyanov (pseudônimo de Lênin)". A ordem: "Para prender, procurar e
encaminhar para a disposição do investigador judicial. Cidade de São Petersburgo. " Por sua vez, o
investigador judicial deste lugar envia uma ordem ao governador de Vyborg para tomar medidas
para imediatamente procurar por Lênin em Vyborg e por toda a província.
Considerando a situação, o centro bolchevique decide levar Lênin para o exterior para organizar a
publicação do órgão central do partido, o jornal Proletário.

Perseguido por agentes da polícia secreta czarista, Vladimir Lênin parte em 8 de dezembro em
Helsingfors, de lá - de trem para Turku. De Turku é transferido para Estocolmo. Para evitar a prisão,
ele faz parte dessa jornada a pé. Foi uma viagem extremamente difícil e perigosa - em um tobogã no
gelo do Golfo de Bótnia, e depois a pé no gelo coberto de neve. Mas não havia outro caminho, pois
os portões da fronteira entre a Finlândia e a Suécia foram bloqueados pela polícia.

Somente a vontade implacável e o desejo incontrolável de alcançar o objetivo permitiram que Lênin
suportasse todas as dificuldades da vida ilegal na Rússia, para fugir da perseguição policial.

NK Krupskaya, nos anos 1895-1896. Membro da União de Luta pela Emancipação da Classe
Trabalhadora, em São Petersburgo, lembrou mais tarde a atenção com a qual Lênin estava
preocupado com a conspiração nessa organização. "De todo o nosso grupo", ela escreveu, "Vladimir
Lênin era o mais habilidoso em termos de conspiração: ele conhecia os estaleiros, sabia como
perfeitamente inflar espiões, nos ensinava como escrever em livros, como escrever com pontos,
colocar sinais convencionais, inventou todo tipo de coisas apelidos. Em geral, ele sentiu um bom
conhecimento das pessoas. Não é sem razão que ele falou com tanto respeito sobre o velho
Narodnaya Volya Mikhailova, que recebeu o apelido do zelador por seu segredo secreto.

... Dos membros do nosso grupo de São Petersburgo, Lênin também exigiu a recusa do habitual
tempo intelectual naqueles dias: visitar um ao outro, não falar, como dissemos na época. Aqui Lênin
tinha certas tradições revolucionárias. Lembro-me de como Lydia Mykhailovna Knipovich, a velha
Narodovolka, me repreendeu uma vez, porque fui ao teatro com um homem com quem trabalhei
juntos em um círculo. E Lênin repreendeu nossa jovem audiência por visitar um ao outro. Zinaida
Pavlovna Krzhizhanovskaya lembra: ela veio com um amigo de sua Yakubova para Lênin, que mora
nas proximidades, foi sem qualquer negócio, não encontrá-la em casa. E à noite, por volta das onze
horas, alguém liga para eles. Acontece que Lênin havia chegado - acabara de chegar de trás do
posto avançado de Nevsky, cansado, com algum tipo de expressão doentia. Começou a perguntar
ansiosamente o que havia acontecido, por que haviam chegado e, quando soube que não tinha
havido nenhum negócio, que acabara de entrar, bufou com raiva: "Não é particularmente
inteligente" - e foi embora. Zinaida Pavlovna conta como eles ficaram surpresos ".

Em 1901, Krupskaya emigrou para o exterior e trabalhou como secretário do conselho editorial do
jornal. Iskra, Vperyod, proletário. Ela participou do trabalho de quase todos os congressos do
partido. A posição de Nadezhda Konstantinovna - a pessoa mais próxima de Lênin - colocou-a no
centro das atenções da polícia secreta. Durante o trabalho da escola de festas em Longjumeau, os
agentes da polícia tinham atribuições especiais para monitorar Krupskaya, que organizava
correspondência conspiratória dos ouvintes da escola. A escola em Longjumeau foi um evento
excepcionalmente importante do partido, com consequências políticas de grande alcance. E então o
departamento de polícia sofreu um fiasco completo. Os provocadores não conseguiram descobrir os
planos reais relacionados aos formandos da escola em Longjumeau. A demonstração de vigilância
política foi o modelo para todo o partido.

Versátil era a atividade partidária da E.D. Stasova, a agente da Iskra, uma funcionária do centro do
partido. Ela estava encarregada da correspondência ilegal, todos os métodos secretos do Comitê de
Petersburgo. Considerando sua experiência, em agosto de 1905, o partido a enviou para Genebra
como representante de assuntos técnicos. Em 1910, Elena Dmitrievna foi novamente recrutada para
trabalhar no Comitê Central em questões técnicas e, posteriormente, nos preparativos para a
Conferência de Praga, que também estava intimamente ligada às questões de conspiração. A ED
Stasova foi um dos trabalhadores mais qualificados e experientes nesta área particularmente
complexa e responsável. Seus deveres incluíam não apenas as funções do secretário do Comitê
Central, mas também cifras, a gestão de casos de passaporte para a transferência ilegal de
camaradas através da fronteira - tudo isso era partidária. Referindo-nos casos de passaporte, Lênin
em uma de suas cartas refere-se especificamente a Elena Dmitrievna.

O departamento especial do departamento de polícia fez inúmeras tentativas de divulgar suas


atividades, mas sem sucesso. Alta vigilância, uma ordem clara no trabalho e o próprio ambiente de
trabalho, criado por Stasova, descartaram a possibilidade de um avanço na conspiração.

Durante as prisões, bem como nos interrogatórios da polícia, Elena Dmitrievna mostrou um trecho
inflexível, categoricamente se recusou a responder à pergunta de sua "culpa" e resolutamente
rejeitou as exigências do investigador por explicações adicionais. Ela foi grandemente ajudada pelas
recomendações de Lenin, apresentadas em uma carta para ela em 19 de janeiro de 1905. Está carta
tornou-se diretiva para todos os membros do partido.

Um brilhante organizador, propagandista, uma das principais figuras do nosso partido e estado, era
YM Sverdlov, um membro do PCUS desde 1901. Antes da revolução, ele passou cerca de 12 anos
sob custódia, 14 vezes ele foi preso.

Detenções, interrogatórios investigativos que exigiam uma tremenda pressão e a própria prisão dia
após dia, ano após ano, minavam a saúde do revolucionário.

Longas relações com a polícia desenvolveram a partir de Sverdlov a qualidade de um sutil


conspirador, um grande conhecedor da psicologia do inimigo de classe. Essas qualidades provaram
ser inestimáveis em todos os estágios de sua atividade revolucionária. Ele rapidamente e
inconfundivelmente reconheceu provocadores e guardas. Não foi por acaso que Lênin disse que
Yakov Mikhailovich era "o tipo mais revolucionário de revolucionário profissional" .

Em maio de 1913, Sverdlov foi deportado para a região de Turukhansk. Por cerca de um mês, ele
permaneceu na prisão de Krasnoyarsk, depois foi levado para a aldeia de Monastyrskoye, e de lá -
para um distante canto remoto de Kureyka, que fica ao norte do Círculo Polar Ártico. E mesmo
aqui, Yakov Mikhailovich estava sob a atenção incansável da polícia, que temia sua fuga. O diretor
do departamento de polícia, o vice-diretor e outros policiais alertaram repetidamente as autoridades
locais sobre vigilância especial em relação a um prisioneiro doente, mas perigoso.

E depois da vitória da Revolução de Fevereiro, o Governo Provisório burguês, colocando seus


agentes de detetive contra os líderes dos bolcheviques, manteve Sverdlov sob os "pontos turísticos",
especialmente nos dias de julho, durante os trabalhos do VI Congresso do Partido. Naquela época,
como é sabido, todas as forças da polícia secreta restaurada, as unidades militares e destacamentos
de oficiais especiais sob o controle do governo foram lançados à punição dos bolcheviques. Eles
estavam procurando por VI Lênin, membros do Comitê Central. Usando sua vasta experiência
como conspirador, Yakov Mikhailovich, à frente do secretariado do Comitê Central, ajudou
Vladimir Lênin a se esconder no subsolo com segurança, e ele mesmo organizou o trabalho do
aparato do Comitê Central, de que os sabujos do governo não poderiam cumprir suas tarefas.

Entre os bravos bolcheviques, que demonstraram especial engenhosidade na luta contra a polícia
secreta czarista, estava Kamo (Ter-Petrosyan), membro do partido desde 1901. A organização de
numerosas gráficas clandestinas, depósitos secretos de armas, laboratórios explosivos, expropriação
de dinheiro real usado para luta revolucionária, a destruição de provocadores, fugas desesperadas de
prisões - tudo isso é o conteúdo real da vida de um revolucionário destemido.

O bolchevique leninista Kamo era caracterizado por alta emotividade e persistência inabalável,
firmeza de espírito. Na luta contra a polícia, ele foi igualmente bem sucedido Tiflis kinto e príncipe
georgiano, trabalhador não qualificado e brilhante oficial, o comerciante turco Shevki-bek e um
terrorista bombista, "mentalmente doente". Kamo é talentoso de várias maneiras e, com coragem
inimitável, agiu em frente à polícia, evitando com sucesso os fracassos. M. Gorky, justamente,
chamou-o de artista da revolução.

A lenda tornou-se as façanhas de Kamo. Em 1904, o coronel da polícia Tyapkin telegrafou para o
chefe do departamento especial do departamento de polícia Vasilyev: "Um prisioneiro político
Simon Arshakov, Ter-Petrosyan, fugiu da prisão de Batumi ... Tenho a honra de solicitar uma busca
imperial." As autoridades atribuíram importância especial à fuga de Kamo, considerando-o
extremamente perigoso na situação atual.

13 de junho de 1907 Kamo com seus companheiros faz um ousado ataque a um dos cofres do rei.
Como resultado da operação, uma quantia substancial de 250.000 rublos foi recebida para fins
partidários.

Certa vez, quando comprou armas para as organizações do Partido do Cáucaso na Alemanha, ele
emitiu um provocador para as autoridades alemãs. Kamo foi preso na prisão de Moabit. E na prisão
e na corte, Kamo passou sob o nome de Mirsky. Mas havia o perigo de que ele fosse reconhecido e
extraditado para as autoridades czaristas e, então, a morte inevitável. Nessa situação, Kamo escolhe
o caminho mais correto e, ao mesmo tempo, extremamente difícil de autodefesa - simulando a
insanidade violenta. Como punição, ele é jogado em uma cela solitária com uma temperatura
negativa. Ele suportou esta tortura.

Rejeitando categoricamente a acusação contra ele de armazenar explosivos, Kamo faz o papel de
um louco com tanta exatidão e "perícia" que especialistas médicos alemães foram forçados a
concluir que o julgamento, marcado para o início de 1908, deveria ser adiado.

Mais tarde, numa carta a um amigo, Kamo escreveu: "Há uma palavra russa como essa - raiva. Você
sabe eu não entendi o que isso significava por raiva? Mas então, antes dos médicos, eu estava
furioso - acho que agora. Raiva é uma palavra muito boa! Eu gosto muito disso. Enfurecido,
furioso! É verdade que havia um deus russo como esse - Yarilo ?!

A fim de finalmente verificar a confiabilidade da doença, os psiquiatras alemães aplicaram a ele o


método inquisitorial: queimaram a coxa com ferro em brasa, e a fumaça doentia da carne queimada
encheu a enfermaria. Mas Kamo ficou em silêncio. Este comportamento do réu era absolutamente
improvável para os médicos da prisão, e eles fizeram às autoridades judiciais uma ideia da doença
indubitável do prisioneiro.

No entanto, isso não salvou Kamo. Ele ainda foi extraditado para as autoridades russas e enviado
para Tiflis. Aqui, um tribunal militar seria realizado com a única sentença possível - a morte.

Mas toda a história de Kamo foi tão incomum, e a ameaça de sua vida é tão real que, na Europa,
vozes de protesto começaram a ser ouvidas. A Liga pela Defesa dos Direitos Humanos em Paris
enviou, por exemplo, um apelo especial ao presidente da Duma, Guchkov. Nestas circunstâncias, o
Tribunal Militar Czarista foi forçado a admitir que o réu tinha sinais de insanidade. O processo
judicial foi suspenso, o réu foi transferido para o hospital da prisão.

E logo novo sofrimento e tormento. Mais uma vez, os controles de morbidade se seguiram. Triste e
tocante, a carta de Kamo soa para sua tia EA Bakhchieva: "O promotor ordenou:" Begin ". Nas
costas, uma agulha grande foi inserida sob a escápula e uma corrente elétrica foi iniciada. A dor era
insuportável, a parte de trás ardia, nauseada pelo forte cheiro de carne queimada. O promotor não
acreditou nos médicos, ele mesmo fez os experimentos, e eu o olhei nos olhos com um olhar sem
sentido e gargalhei de maneira idiota. O promotor cuspiu, xingou e saiu. "

O destino de Kamo foi selado. O czarismo não soltou suas vítimas.

No entanto, Kamo e a defesa judicial tentaram adiar o julgamento tanto quanto possível, uma vez
que uma anistia era esperada em conexão com o 300º aniversário da casa dos Romanov. A anistia
ocorreu: a pena de morte foi substituída por 20 anos de trabalhos forçados. Então a incrível
acontece. O prisioneiro Kamo, com a ajuda da organização do partido Tiflis, faz uma fuga
desesperada e desaparece por um tempo na casa ... do chefe de polícia de Tiflis.

E toda a vida subsequente de Kamo é um grande exemplo do ministério heroico da revolução.


Quatro vezes ele foi condenado à morte, trouxe todos os julgamentos, mas não curvou a cabeça na
frente do inimigo. Lênin escreveu sobre Kamo: "Conheço um camarada completamente , como um
homem de total devoção , coragem e energia ..."

O Partido Bolchevique foi moderado em uma batalha constante contra o czarismo, nomeado novos
e novos heróis.

Enquanto isso, o trabalho criminoso dos provocadores arrancou das fileiras do partido muitos
bravos combatentes, "levando-os à servidão penal e acelerando a morte de muitos deles". Estas
palavras leninistas devem ser consideradas. Katorga e morte são o resultado da provocação. E é
difícil dizer qual dessas punições foi mais fácil. Afinal, o czarismo criou em condições katorga que
levaram à inevitável morte.

Isto, em particular, é evidenciado pelo livro publicado em Paris em 1912 "Através da" roda "à
vontade" do ex-condenado A. Wessel-Vinogradov. Seu conteúdo foi posteriormente apresentado na
revista "Katorga". O autor descreve a vida e obra de condenados revolucionários sobre a construção
da estrada de roda de Amur entre Khabarovsk e Blagoveshchensk, a chamada "roda". Foi falado em
todas as prisões da Rússia - de "Butyrok" a Aleksandrovsky central, e essas histórias, observa o
autor, são verdadeiras e precisas, como um protocolo. Na "roda" não havia regras, nem lei, nem
regras, e havia arbitrariedade. Espancamentos, grilhões e celas de castigo eram uma constante
quantidade de condenados. Em condições de severo clima trans-baikal, viviam em tendas com
vazamentos e sujas, dormiam no chão. As tendas penetravam livremente no vento e na chuva. Em
camisas esfarrapadas e gastas, muitos descalços, condenados cavavam valas, usavam areia, troncos,
pedras. Tal trabalho, que ocorreu em uma nuvem de mosquitos, na água sobre os joelhos, não
poderia suportar o mais forte.

E tarde da noite, depois do trabalho, condenados insanamente cansados estavam alinhados diante de
uma cruz de madeira e, como um escárnio, forçavam-se a cantar "Save, Lord" e "Blessed Emperor".

Para evitar fugas e perturbações, o guarda introduziu um sofisticado sistema de controle. Todos os
condenados foram divididos em "dúzias" - um político para nove criminosos, com um assalto à
rodinha em caso de fuga e subsequente punição pesada. Portanto, nove pessoas seguiram de perto o
décimo. Por tentar escapar dos nove restantes era para ser um flagelo cruel - 40 golpes cada. E o
que foi apanhado após a fuga sem sucesso foi conduzido através do sistema e morto até a morte.

Escaparam-se relativamente raramente, isto foi feito por almas corajosas que ainda retiveram sua
vitalidade, ou que foram sentenciados ao eterno trabalho árduo e completamente privados de
esperanças de libertação. Além disso, as condições para escapar eram extremamente difíceis: para
as áreas residenciais mais próximas, cerca de 100-120 verstas. E ainda a história do trabalho duro
czarista conhece muitos exemplos de brotos heroicos, mesmo de lugares como a "roda".

Sim, a "roda" era realmente cara, impregnada de sangue. Até 1905, era dirigido por criminosos
condenados e, depois, político.

A composição da "população" de prisões e servidão penal geralmente refletia o modo de vida social
fora de suas paredes e torres de vigia, testemunhava a escalada da luta de classes. Como mostram as
pesquisas realizadas na época, o maior número de presos políticos era representado pelos social-
democratas. Isso confirmou que o principal golpe do czarismo foi dirigido precisamente contra eles,
o inimigo mais perigoso da autocracia.

Algumas informações estatísticas que não pretendem ser completas e precisas, mas no todo
representam corretamente a "população" de, digamos, a prisão de trânsito central de Moscou,
merece atenção. O valor desta informação reside no fato de que eles são coletados aqui por
entrevista direta de convidados temporários, posteriormente enviados para vários locais de opinião.
O autor desses materiais, Yadov, analisou a composição dos presos políticos para 1907-1909. e
publicou os dados após a revolução. Durante este período, 6.705 condenados exilados,
administrativamente e investigativos, visitaram Butyrki.

Caracteristicamente, as penalidades desses anos foram basicamente "trabalhando", em contraste


com a servidão penal "inteligente" de 1880-1890. Dos condenados registrados, havia 374
trabalhadores, 143 camponeses, 115 soldados e marinheiros, 101 intelectuais, que refutam
completamente as alegações de falsificadores burgueses de que a revolução de 1905 teria sido "feita
por intelectuais".

É também digno de nota que metade de todos os condenados na época foram condenados por
participação em uma insurreição armada e em desordens agrárias.

Todas essas figuras e fatos, que estão longe de serem completos, caracterizam claramente a folia da
reação czarista, confirmando assim as palavras de Lênin de que as leis autocráticas russas eram
generosas na servidão penal.

O movimento revolucionário na Rússia estava se expandindo em amplitude e profundidade. De


pequenos grupos e círculos revolucionários à criação de um partido ideologicamente unido da
classe trabalhadora, de ataques individuais às bases do czarismo a uma luta política e armada
planejada - esse é o caminho percorrido pelos revolucionários russos no período em análise. Sob os
contínuos golpes do czarismo, o partido travou uma luta contra a autocracia e seu aparato policial
terrorista, em condições extremamente difíceis, reteve suas organizações e centros e se tornou a
principal força das massas trabalhadoras da Rússia.

O curso objetivo dos acontecimentos convenceu pessoalmente o governo czarista de que era
impossível deter o crescente movimento revolucionário apenas com repressões - terror policial,
execuções, trabalhos forçados. Isso levou as autoridades a buscar novos meios de combater a
revolução iminente.

As formas organizacionais da luta e do Partido Bolchevique foram aperfeiçoadas.

Notas:

1 A voz do passado, 1917, n. 7-8, p. 19

2 Bogucharsky V. Ya. O Relatório Mais Amado do Chefe dos Gendarmes - A Voz do Passado. 1917,
n ° 7-8, p. 149-158.

3 Bogucharsky V. Ya. O relatório mais amado do chefe dos gendarmes. -A voz do passado, 1917, n º
7-8, p. 149-158.

4 Ibid.

5 O passado, 1906, n. 7, p. 181-182.

6 A voz do passado, 1917, n. 7-8, p. 180

7 O passado, 1918, n º 3.

Lenin VI Poln. coletar. op., v. 26, p. 334

9 Ibid., P. 172.

10 Registros verbais de interrogatórios e depoimentos feitos em 1917 na Comissão de Investigação


Extraordinária do Governo Provisório para investigar os crimes do czarismo. M.- L., 1924 - 1927, v.
7, p. 403-404.

11 Veja: True, 1982, 30 de março (artigo de V. Molchanov "Zare to meet").

12 Correspondência de GV Plekhanov e PB Axelrod, Vol. II, p. 169

13 Ibid., P. 170

14 CGAR. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 800, l. 25

15 CGARP. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 2, parte 3, l. 90-184.

16 CGAR. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 2, parte 3, l.1.

17 CGAR. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 825, parte 3, l. 33

18 Iskra, 1903, n. 35, p. 5-6.

19 A história de um provocador. Coleção de documentos. M., 1925, p. 4-5.


20 Krupskaya NK Prefácio ao relatório da organização do Iskra para o Segundo Congresso do
POSDR em 1903. - Revolução Proletária, 1928, No. 1 (72), p. 147

21 Lenin VI Poln. coletar. op., Vol. 6, p. 109

22 Ibid.

23 Lenin VI Poln. coletar. op., Vol. 6, p. 111

24 Ibid., Vol. 12, p. 36

25 Lenin VI Poln. coletar. op., vol. 12, p. 78

26 Ibid., P. 79

27 Veja: Vladimir Ilyich Lenin. Crônica biográfica. Volume 2 1905-1912. M., 1971, p. 208, 209,
213, 219, 220, 228, 230, 231-232, 251, 259, 272, 274, 337, 368, 370, 371-372.

28 Veja: Lenin, VI Poln. coletar. op., v. 47, p. 83

29 Veja ibid., Vol. 9, p. 169-173.

30 Lênin VI Poln. coletar. op., Vol. 38, p. 75

31 Dubinsky-Mukhadze I. Kamo, p. 137

32 Dubinsky-Mukhadze I. Kamo, p. 124.

33 Dubinsky-Mukhadze I. Kamo, p. 137

34 Lenin. VI Poln. coletar. op., Vol. 51, p. 42.

35 Ibid., Vol. 41, p. 28.

36 Katorga e referência, 1922, n ° 3, p. 95-106.

37 Veja: Yadov. Alguns números - Cattorg e o link, 1921, nº 2.

38 Ver: VI Lenin, Poli. coletar. op., Vol. 5, p. 294

Novas condições, formas e táticas da luta revolucionária.


O colapso do sistema de "socialismo policial"

O início do século XX foi marcado por dois fenômenos importantes da luta de classes na Rússia: a
expansão da escala do movimento trabalhista, que se tornou cada vez mais política, e a formação de
organizações social-democratas em um partido político que propositadamente dirigiu a luta da
classe trabalhadora para alcançar a meta de derrubar a autocracia.

Esses anos foram marcados pela intensificação da propaganda revolucionária entre os trabalhadores,
camponeses e intelectuais progressistas, que a polícia política czarista teve que admitir. "... No
momento, não há tal esquina no império", escreveu o chefe do departamento especial do
departamento de polícia Rataev em junho de 1902, "onde quer que apelos revolucionários sejam
reproduzidos jornais e panfletos. Tais proclamações testemunham a indubitável existência de até
mesmo pequenas organizações revolucionárias, rumores de cujas atividades, embora muito vagas,
chegam aos chefes dos escritórios provinciais da gendarmaria, que estão correndo para informar o
departamento sobre isso. Sob tais condições, os relatórios são analisados não apenas dos centros,
mas também das cidades provinciais remotas da Rússia e da Sibéria, que não foram vistas até agora.
Com uma investigação mais aprofundada das causas, é também necessário atribuir um lugar à
propaganda revolucionária, não apenas entre os trabalhadores, mas também entre os camponeses,
que de algum modo imediatamente assumiram proporções muito amplas ”.

Em conexão com esta situação, a polícia secreta, naturalmente, procurou não apenas fortalecer suas
atividades usuais, mas também encontrar novas formas de lutar contra o crescente movimento
revolucionário. A situação política mudou no país e causou mudanças nos métodos de trabalho da
polícia secreta. Junto com os velhos métodos de provocação direta, ela tentou reforçar a "política de
trabalho do governo czarista", o chamado sistema do "socialismo policial".

Na base do novo sistema, seu criador Zubatov estabeleceu quatro princípios:

1. Em contraste com os revolucionários que pedem uma ruptura violenta do sistema existente, a
negação de todas as formas e tipos de violência e a substituição do movimento revolucionário por
"evolucionário".

2. A forma de governo autocrático, em sua natureza "não-clássica", é preferível no campo das


relações sociais, já que inclui o "princípio de arbitragem propenso à justiça".

3. A oposição do movimento profissional, que não nega o sistema capitalista, ao movimento


operário revolucionário emanado dos princípios socialistas.

4. Distinção estrita entre a auto-atividade da população e as autoridades. A auto-atividade termina


onde os direitos do poder começam, tudo deve passar pelo poder e ser dirigido pelas autoridades.

Partindo desses princípios, Zubatov e seus patronos foram legalizar as organizações de


trabalhadores não-socialistas e "não-políticos" na Rússia. Neste contexto, Lenin escreveu:
"Devemos expor inabalavelmente toda a participação dos Zubatov e Vasilievs, gendarmes e
sacerdotes nesta corrente e explicar aos trabalhadores as verdadeiras intenções desses
participantes." E mais: "Mas fazer tudo isso não significa esquecer que, no final, a legalização do
movimento dos trabalhadores nos beneficiará, e não a Zubatov".

O surgimento de um novo curso policial foi, em certa medida, causado por protestos de fabricantes
russos, que finalmente perceberam que o excesso de diligência da polícia costuma fazer mais mal
do que bem. É interessante notar a este respeito a declaração de Lênin no artigo "Esboço de uma
nova lei sobre greves", que foi publicado no Iskra No. 24. Considerando a nota do Ministério das
Finanças, Vladimir Lênin observa: "Insustentável! Cansado! Não cutuque o nariz! - isto é o que o
fabricante russo da polícia russa diz pela boca do autor da nota ministerial. " Portanto, há "uma
discrepância entre os interesses da burguesia em desenvolvimento e o absolutismo obsoleto".

Zubatov, claro, levou em conta a situação no país e tentou reestruturar o trabalho da polícia secreta,
para complementar o arsenal da polícia com novos meios. Não é por acaso que Zubatov acabou por
ser o autor de novas ideias. Para isso, ele foi preparado por todas as suas atividades anteriores.
Membro dos círculos de Moscou do início dos anos 80, ele logo foi para o serviço policial, onde
começou sua carreira com um provocador comum, emitindo revolucionários individuais. Esses
"méritos" colocaram Zubatov nos círculos policiais. Em 1898, ele já era assistente do chefe e depois
chefe do departamento de segurança de Moscou.

Zubatov introduziu o procedimento da investigação, não prevista por lei, quando a polícia secreta
realizou um inquérito em uma ordem especial, sem a participação do Ministério Público.
Interrogações que ele transformou em conversas íntimas, acompanhadas de bebidas alcoólicas,
liberaram alguns dos réus em liberdade condicional para organizar assuntos pessoais, até mesmo
lhes proporcionando dinheiro, apenas para organizar, trazer e depois recrutar. Ao mesmo tempo,
tentou de todas as maneiras possíveis se opor à inteligência dos trabalhadores indecisos. Mas, ao
mesmo tempo, Zubatov também poderia espancar pessoalmente os presos, prestando homenagem
aos métodos dos policiais.

Familiarizando-se com as atividades dos partidos socialistas e social-democratas da Europa


Ocidental, Zubatov prestou especial atenção à tendência revisionista na social-democracia alemã - o
bernsteinismo. "Eu li uma nota no Russkiye Vedomosti hoje", escreveu ele sobre o livro publicado
de Bernstein Materialismo Histórico, "tremendo com sua alma. Este é o nosso aliado contra a feia
social-democracia russa. " 5

Uma das primeiras iniciativas de Zubatov em Moscou foi a organização de palestras para os
trabalhadores pelos chamados professores liberais. Eis o que o professor I. Yangzhul recordou: "O
conteúdo geral dessas leituras é a paz social, ou seja, o estabelecimento de paz e harmonia, em vez
de luta e conflito com vários interesses supostamente de classe nas classes industriais".

O jornal leninista Iskra falou clara e claramente sobre isso. Em novembro de 1901, ela escreveu:
"Manuilov anunciou em voz alta a palestra:" Não há mais populistas, não há marxistas, há uma
direção político-social que busca melhorar a vida dos trabalhadores e das pessoas com base no
sistema existente ". E assim, o sistema bernsteiniano sob a supervisão direta de Zubatov começou a
ser aplicado em solo russo. " 7

Uma das proclamações revolucionárias muito caracteristicamente descreve a palestra do professor-


liberal, "amigo dos trabalhadores" Ozerov, realizada em março de 1902 no Auditório do Museu
Histórico: "... uma parte significativa do público reunido foram alguns tipos estranhos vestidos em
não menos estranho ternos, casacos e jaquetas. Muitos destes senhores distinguiam-se por músculos
extremamente desenvolvidos e uma construção forte ... Restava apenas regozijar-se com tanto
interesse pelas questões da vida financeira e econômica no ambiente dos faxineiros e policiais.
Então um venerável conferencista apareceu, e o público estremeceu com aplausos. Palmas
saudáveis de financistas do zelador e economistas da faixa de Gnezdnikovsky zelosamente
realizavam a tarefa ... Era um insulto público à ciência ... Se ainda fosse possível duvidar da
verdade dos rumores que o Sr. Ozerov está retratando como provocador de Zubatov, então, depois
de 6 Em março, isso pode ser acreditado sem cometer um erro ... " Aparentemente, esta
proclamação parecia tão importante para Zubatov que ele a enviou especialmente para inspeção a
seus superiores.

Assim, formou-se uma aliança de "economismo" e revisionismo, da intelectualidade "liberal" e da


polícia secreta para combater a crescente influência do marxismo e o aumento revolucionário. Desta
forma, Zubatov acreditava introduzir o movimento dos trabalhadores russos em um canal de
desenvolvimento legal pacífico controlado pelas autoridades. Ele até compilou uma nota especial
sobre o desenvolvimento de um movimento profissional de trabalhadores em Moscou e enviou-o
para o chefe do departamento especial do departamento de polícia para a familiarização. E em maio
de 1901 ele criou em Moscou sua primeira organização - a Sociedade de Assistência Mútua de
Trabalhadores na Produção Mecânica.

Um esboço do estatuto foi elaborado. Seu terceiro parágrafo afirmava que toda a sociedade, mesmo
formalmente, deveria estar sob o controle da polícia. "No caso de um protesto por uma reunião de
trabalhadores mecânicos ou pelo Policial Chefe de Moscou, este candidato não poderá ser admitido
nas listas (sociedades)".

No futuro, organizações semelhantes foram criadas em outras indústrias. Sob nomes diferentes, eles
estavam em centros tão grandes como Kiev, Kharkov, Odessa. Ao mesmo tempo, para alcançar seus
objetivos, Zubatov patrocinou o surgimento e a atividade do partido dos trabalhadores
independentes judeus no Território do Noroeste e colocou à sua frente um ex-revolucionário e, no
futuro, a sionista Maria Vilbushevich.

Mas as posições mais fortes de Zubatov estavam em Moscou. Aqui ele conseguiu organizar em
fevereiro de 1902 uma marcha em massa para o monumento a Alexandre II. Tal demonstração,
claramente de natureza pró-monárquica, poderia, evidentemente, ser realizada apenas como
resultado de um trabalho preliminar minucioso.

Um correspondente desconhecido descreveu a demonstração nas páginas do Iskra: "Poucos dias


antes de 19 de fevereiro, os agentes do Sr. Zubatov começaram a se agitar entre os operários para
providenciar a assinatura da coroa a ser doada ao monumento a Alexandre II, ao qual muitos
trabalhadores assinados, que 20 copeques, e quem e rublo. O dinheiro foi recolhido tanto que eles
poderiam comprar uma coroa de prata. Em 19 de fevereiro, cerca de 50 mil pessoas se reuniram
perto do monumento. O governante de Moscou do bogdykhan Sergiy saiu para o povo e disse um
discurso adequado, após o qual o povo caiu de joelhos e gritou ou rugiu os sons apropriados. E no
dia seguinte, todos os trabalhadores que assinaram uma grinalda receberam de seus proprietários
cinco vezes mais do que eles assinaram. Segundo os rumores, o departamento de guarda gastou
100.000 rublos neste empreendimento ".

Sem dúvida, a atividade das sociedades de Zubatov foi particularmente afetada aqui. No final de
1902, Zubatov conseguiu criar um "Conselho Geral de Trabalhadores Mecânicos" de Moscou, que
incluía representantes dos distritos. As funções do "Conselho dos Trabalhadores": receber
reclamações sobre os proprietários, investigando e eliminando conflitos entre eles e os
trabalhadores. Assim, foi feita uma tentativa de introduzir a luta dos trabalhadores em certas áreas
controladas pela polícia, não permitindo manifestações de rua e "tumultos". Ao mesmo tempo, isso
permitiu identificar os trabalhadores mais revolucionários e sistematicamente "eliminá-los".

Lênin escreveu a respeito: "Somos obrigados, finalmente, a alertar os trabalhadores contra a


armadilha frequentemente colocada pela polícia, procurando" pessoas com uma faísca "nessas
reuniões abertas e em sociedades permissíveis, tentando através de organizações legais para
introduzir provoqueiros e ilegais " 12 .

As organizações de Zubatov, portanto, eram locais de reprodução para espionagem e provocação.


Os guardas gastavam grandes somas de dinheiro com o suborno direto de trabalhadores individuais
que falavam com louvor da ideia de Zubatov e, por assim dizer, preparavam gradualmente traidores
e provocadores deles. Os credores, ou melhor, subornavam Zubatov, falavam nas reuniões,
defendiam seu rumo, colocavam nos jornais artigos elogiosos e até versos sensuais.
Deve-se enfatizar que as ideias de Zubatov eram totalmente apoiadas pelo governo e especialmente
pelo departamento de polícia, e também tinham seguidores e apoiadores nas "esferas mais altas". É
por isso que Zubatov recebeu um dinheiro considerável.

O Iskra de Lênin travou uma luta irreconciliável contra o zubatovismo, artigos repetidamente
apareciam em suas páginas expondo o "novo rumo" da autocracia. Em uma das questões, o jornal
escreveu: "Zubatov quer mudar a intolerância dos revolucionários para os cavaleiros da câmara de
tortura - boa natureza, inimizade - relações amikoshon, com base nessa boa natureza e amicociência
ele inspirará confiança em si mesmo nas fileiras de figuras ilegais com uma alma de trapo e e a uma
traição inconsciente de confiança ". O que fazem os social-democratas russos, o autor pergunta ao
autor, como responder a toda esta "política de Zubatov, na sua totalidade, de flertar com os
indivíduos antes de flertar com toda a massa trabalhadora?" Uma coisa é: encarar essa política com
uma dura palavra de ódio, condenar severamente todo o amikoshonismo com o governo russo e
seus agentes individuais e um ardente apelo por uma luta revolucionária para paralisar os esforços
de intelectuais e trabalhadores que plantam a auto atividade dos carneiros na Rússia. "

Os social-democratas de Moscou opuseram-se constantemente e ativamente ao zubatovismo. Eles


explicaram aos trabalhadores os objetivos perseguidos por Zubatov. Em janeiro de 1902, os
revolucionários de Moscou escreveram em um de seus panfletos: "Camaradas, eles nos enganam,
nos corrompem, querem nos transformar em espiões, nos convencer de que o governo, o próprio
governo que nos priva da liberdade, que ajuda os capitalistas, lança em nós tropas com armas,
cossacos com chicotes, policiais com cassetetes, que estamos machucados, este mesmo governo não
é um inimigo para nós - dizem esses proponentes de Trepov e Zubatov. Camaradas, as reuniões que
nos foram permitidas têm um único objetivo - introduzir a traição em nosso ambiente e tornar mais
fácil para os espiões descobrirem o que é realmente bom e honesto. As mãos dos membros do
Conselho estão cheias de ouro da gendarmaria e seguram correntes de ferro para nos prender e a
nossa liberdade. Eles nos mandam para as mãos dos gendarmes, declaram ... é vergonhoso e
desonesto conduzir a amizade com eles ... Vergonha e desprezo por esses Judas da classe
trabalhadora ".

Em 1902, Zubatov foi para Petersburgo - ele foi nomeado chefe do departamento especial do
departamento de polícia. A Iskra imediatamente respondeu a essa ação do governo, advertindo
severamente o clandestino social-democrata: "Provavelmente, na verdade, Zubatov será o chefe da
polícia política e, consequentemente, o líder da luta contra os socialistas. É de se esperar que
métodos específicos de provocação "Zubatov" e uma investigação mais sutil sejam aplicados de
forma mais sistemática em toda a Rússia. Em vista disso, chamamos a atenção de todos os
companheiros para a necessidade de "apertar" e atrair atores mais jovens da conspiração de encenar
o trabalho revolucionário. Talvez mais cautela com endereços, na seleção de pseudônimos, no
arranjo de casas seguras, no uso de cifras. Talvez uma atitude mais rigorosa em relação a eles e seus
empregados, talvez influência mais ativa em companheiros inexperientes pelos mais experientes -
no interesse da educação revolucionária.

Zubatov, é claro, não deixará de repetir seus experimentos em Moscou de enganar os trabalhadores
na Rússia. "

Este artigo do Iskra, na verdade, foi uma instrução sobre como os revolucionários deveriam lutar
não apenas com o zubatovismo, mas em geral com a polícia czarista. O significado do artigo é
grande, uma vez que muitos trabalhadores foram atraídos para o confronto com o czarismo, pouco
familiarizado com as táticas provocativas da polícia política.
O Comitê de Petersburgo, o RSDLP, intensificou sua luta contra os zubatovitas. Para este fim,
Lênin enviou IV Babushkin a Petersburgo, continuando a exigir incansavelmente que ele
desconfiasse das intrigas de Zubatov. "Foram tomadas medidas para seguir todos os passos do
zubatovismo de Petersburgo?", Perguntou Vladimir Ilyich Babushkin em janeiro de 1903. Lênin
sabia que Babushkin honraria sua tarefa com honra. A garantia era toda a sua vida passada.
Trabalhador, um bolchevique desde 1894, um homem de grande capacidade e caráter sólido.
Enquanto estava envolvido no círculo de Lênin de São Petersburgo, Babushkin tornou-se um
revolucionário ativo, membro da União de Luta pela Emancipação da Classe Trabalhadora de São
Petersburgo e, mais tarde, de Ekaterinoslav, um agente do Iskra. Participou da revolução de 1905,
foi preso, fugiu da prisão, foi exilado.

A vida de Babushkin é uma emocionante história bolchevique, cheia de dedicação e devoção à luta.
Ele viveu uma luta e estava constantemente na luta, lutando com os zubatovitas em Petersburgo e
em Transbaikalia. Lênin chamou-lhe de o orgulho da luta. E o último dia da curta vida de
Babushkin foi digno das palavras de Lênin. Durante o transporte de armas para Chita, ele foi
capturado na estação de Slyudyanka pelas forças punitivas. Juntamente com seus cinco
companheiros acompanhando-o, Babushkin encontrou a morte corajosamente ali, pelos trilhos do
trem.

Em 18 de dezembro de 1910, no Necrólogo, dedicado à memória de IV Babushkin, Lênin escreveu:


"Sem essas pessoas, o povo russo permaneceria para sempre um povo de escravos. Com essas
pessoas, o povo russo ganhará a libertação completa de toda a exploração ".

Durante o amadurecimento da primeira revolução russa, o Comitê de São Petersburgo apelou aos
trabalhadores da capital com um folheto especial, que mais uma vez explicitar a essência
Zubatovism "reuniões de trabalho Zubatov são o resultado do mesmo movimento operário. O
governo quer levar o movimento trabalhista às mãos, não lavando, mas sim rolando. Não ajude os
fuzis dos soldados e chicotes cossacos, talvez o canto nasal sacerdotal ajude, doces discursos de
espiões sobre salários, como Sokolov. Tarde, querida, você percebeu: você não pode gastar um
velho pardal com palha, e se o fizer, é apenas um pardal idiota. O movimento trabalhista está
crescendo aos trancos e barrancos; e o governo como uma cabra corre e não sabe o que fazer. Com a
cabra desligada! O suficiente para enganar as pessoas! "O folheto terminou com a demanda por
liberdades políticas e o slogan:" Abaixo a autocracia! "19

Vigorosa expondo as organizações Zubatov social-democratas papel subversivo, explicando o


trabalho das verdadeiras intenções da polícia "benfeitores", bem como uma defesa ampla - tudo isso
levou ao fato de que, contra a vontade e os desejos da polícia com os organizadores, os
trabalhadores começaram a fortalecer suas reivindicações econômicas para os proprietários da
fábrica . Como resultado, a luta de classes começou a aumentar e expandir-se.

A vida confirmou a previsão de Lênin de que a legalização do movimento trabalhista acabaria por
beneficiar a revolução, não Zubatov.

Isto é entendido, entre outras coisas, e os criadores e fabricantes de Moscou. Assustados pela
organização e atividade dos trabalhadores, exigiram a liquidação do "Conselho dos Trabalhadores
Mecânicos" organizado por Zubatov. A defesa, continuando a linha de Zubatov, agiu, claro, com um
protesto contra a liquidação do "Soviete dos Trabalhadores". Moscow chefe de polícia no
Departamento de Polícia escreveu no departamento de polícia: "A suspensão de todas as atividades"
do Conselho dos Trabalhadores, pelo menos por um tempo, agora é extremamente indesejável,
prematura e perigosa. Produzido em Moscou experiência da legalização do movimento operário é
objeto de ávido atenção da camada intelectual e a camada dos trabalhadores na Rússia e em torno
da luta focado todos os tipos de opiniões e tendências ... Esta medida legal quanto para paralisar as
atividades do Conselho,em vez do esperado legitimar o seu governo faria uma grande confusão nas
mentes paixão novamente superaquecidos ... É óbvio que por parte do governo em relação à
"soviética de repressão dos Trabalhadores causará alegria nas fileiras dos anti governo e essa ideia
exultante medida revolução encontra uma vigorosa e amplamente utilizado".

Mas isso não pode mudar nada. O "novo curso" de Zubatov falhou. As organizações de
trabalhadores legais criadas por Zubatov sob a influência do movimento em desenvolvimento
tornaram-se cada vez mais redutos da luta da classe trabalhadora. Aqui, as exigências de um dia de
trabalho de oito horas, de liberdades democráticas, de aumento de salários foram cada vez mais
ouvidas. A política de Zubatov era impotente diante da luta consciente da classe trabalhadora. Além
disso, os social-democratas, dia a dia, reforçavam sua influência nas amplas massas do proletariado.

A este respeito, os materiais do departamento de polícia, obtidos em 1901-1902, são indicativos. de


18 chefes de direções provinciais de gendarmaria. Seus relatórios estão cheios de fatos e exemplos
do crescimento ameaçador do movimento revolucionário. Assim, o major-general Shemanin, chefe
do Departamento de Gendarmaria da Província de Nizhny Novgorod, informou em 15 de janeiro de
1902: "O surgimento de uma tendência puramente revolucionária entre a população da província de
Nizhny Novgorod aumentou particularmente na segunda metade de 1901, como resultado da
atividade criminosa organizada em outubro em Nizhny Novgorod. uma comunidade que se chama
"Comitê Nizhny Novgorod do Partido Social-Democrata Russo". A atividade deste comitê foi
expressa na publicação clandestina de um órgão impresso chamado "Nizhegorodskaya Rabochaya
Gazeta", cujo objetivo é claramente expresso no primeiro número, "acelerar a educação política do
povo trabalhador e lutar contra o governo czarista para lutar pela derrubada da autocracia". , bem
como na compilação e disseminação de apelos individuais de conteúdo revolucionário ... "

Além disso, ele foi informado das violentas manifestações por ocasião da partida de Nizhny
Novgorod de Alexey Peshkov (Maxim Gorky). "Pouco antes de sua partida", dizia o relatório, "o
partido da oposição preparou para ele um jantar de despedida, acompanhado de uma ovação que lhe
foi prestada não só como escritor talentoso, mas também como um combatente da liberdade
injustamente perseguido pelo governo".

De acordo com seu conteúdo, os relatórios de todos os 18 chefes das diretorias provinciais de
gendarmaria eram quase idênticos. Eles registraram a ascensão do movimento revolucionário, a
intensificação da atividade das organizações social-democratas, as dificuldades de combatê-los. O
chefe do Escritório da Gendarmaria Provincial de Grozny escreveu: "A luta contra o crescente
movimento dos trabalhadores está se tornando mais difícil para os órgãos do governo, e se a polícia
não veio em socorro ... então essa luta se tornaria esmagadora".

É característico que os chefes dos escritórios de gendarmaria não mais esperassem por um controle
policial salvífico. Isto pode ser visto a partir do relatório do chefe da Administração da Gendarmaria
Saratov, que relatou que ele tinha 570 pessoas em sua província sob supervisão. "Esses dados
digitais podem servir como prova clara de que na área de controle do elemento de campanha de
todos os tipos é demais ... a propaganda entre os trabalhadores ... se intensificou na primavera de
1901 e o resultado dessa propaganda e agitação foram consistentemente greves nas oficinas
ferroviárias". nas fábricas de Makarov e Bering " .
Em geral, os relatórios dos gendarmes não eram apenas um reconhecimento do fato de que não
havia nenhuma pacificação de Zubatov à vista, mas também testemunhavam o moral da classe
trabalhadora, que falava com demandas social-democratas.

Um departamento geral do departamento de polícia resumiu os fatos que eram desagradáveis para o
czarismo. Ele exortou seus colegas do serviço a fortalecerem e fortalecerem a luta contra o
movimento revolucionário em expansão: "A intensidade do desenvolvimento dos movimentos
revolucionários e de oposição russos e a melhoria gradual dos elementos antigoverno nos métodos
de luta política estão levando os órgãos governamentais a não menos enérgicos e realmente
contrários, respondendo plenamente às circunstâncias da época".

Tornou-se óbvio que, com uma propagação tão rápida e generalizada do movimento revolucionário,
os planos de Zubatov estavam condenados ao fracasso. Isso já foi confirmado em 1903, marcado
por conflitos de classe ainda mais agudos de trabalhadores com sátrapas de czarismo. Grandes
greves, manifestações políticas, manifestações do Primeiro de Maio aconteceram em Rostov, Baku,
Tiflis, Odessa e muitas outras cidades. Raiva e indignação entre as pessoas causaram o tiroteio de
trabalhadores em Zlatoust. Até mesmo os agentes de Zubatov no terreno muitas vezes se juntavam
aos manifestantes. E em Odessa, por exemplo, Zubatov Shaevich, próximo do partido independente
judeu, liderava os grevistas. O próprio Zubatov foi forçado a admitir: "Os sucessos de uma greve
política geral por parte dos revolucionários enganaram os profissionais que os trabalhavam,
desmoralizaram-nos, e Shaevich, como apolítico, foi impotente para lutar contra ela".

A estreita cooperação dos zubatovistas com a polícia de Odessa também é evidenciada pelo fato de
que muitos dos detidos nas ruas foram libertados após o cheque pelo chefe de polícia, uma vez que
tinham certificados de segurança do departamento de polícia.

As greves que ocorreram no sul do país em 1903 provaram ser o último teste do sistema do
"socialismo policial", e ele colapsou sem atingir seus objetivos - nem a derrota do movimento
revolucionário organizado nem o fortalecimento das posições da autocracia e do capitalismo russo.
E seu "organizador e inspirador" foi dispensado e administrativamente.

Apesar, no entanto, do fracasso do "New Deal", muitos de seus apoiadores continuaram a explicar
seus fracassos apenas pela forma incorreta de liderança dos trabalhadores por parte das autoridades,
um vínculo muito nulo entre as organizações de trabalho estabelecidas e a polícia. Além disso, eles
acreditavam, Zubatov cometeu um grande erro, incluindo demandas econômicas no programa de
atividades dos grupos de trabalho criados por ele.

E uma nova tentativa está sendo feita para assumir o controle do movimento dos trabalhadores.
Existe uma espécie de "socialismo policial". Chefes do Ministério da Administração Interna e do
Departamento de Polícia, procurando por todos os meios desarmar a classe trabalhadora e derrotar
suas organizações revolucionárias, encontram Gapon, um provocador nas roupas da igreja desta
vez, substituindo o uniforme do gendarme por um manto de padre. Gaponovschinu, esta recaída
Zubatov, deve ser considerada como uma etapa especial da polícia secreta czarista. O "novo rumo"
baseou-se na "iluminação" religiosa, moral e cultural da classe trabalhadora, e agora o padre tornou-
se a figura principal na arena policial. Gapon era um defensor do sistema de Zubatov, gostava de
seus conselhos e instruções pessoais. Zubatov percebeu que Gapon poderia ser um empregado
valioso da polícia secreta. Ele o apresentou ao círculo de guardas e ativistas de organizações que
trabalham na polícia. "Os conhecidos de Gapon nas esferas de segurança se expandiram, ele se
tornou sua própria pessoa", escreveu Zubatov. Não é de surpreender que, mesmo assim, Gapon
tenha recebido 100 rublos do prefeito e 100 rublos de Zubatov e, por instruções de cima, espiado no
último.

Assim, a prática do "socialismo policial" foi, como um revezamento, transferida para Zubatov
Gapon. Isto é confirmado pelos fatos citados pelo gendarme A. Spiridovich em suas memórias. Ele
fala sobre as reuniões regulares que ocorreram no apartamento de Zubatov. Eles geralmente eram
assistidos por Wilbuszewicz, "um certo Shaevich destinado a estabelecer negócios em Odessa",
policiais secretos, vários professores de Petersburgo e outras "figuras proeminentes de Petersburgo",
e também "o padre Gapon, terminando no mesmo ano uma academia espiritual, trabalhadores em
São Petersburgo ". Essas reuniões, escreve Spiridovich, "na verdade, apenas confirmaram os
princípios básicos da organização, que foram desenvolvidos em conversas mais íntimas no
apartamento secreto de Mednikov entre Zubatov, Vilbushevich, Shaevich e Gapon, isto é,
trabalhadores diretos".

Zubatov, em busca de seus objetivos, repetidamente aconselhou Gapon a expandir o trabalho


missionário entre os trabalhadores "em benefício do trono". Em fevereiro de 1904, Gapon recebeu
permissão para a organização de uma sociedade de trabalhadores destinada a atender às demandas
religiosas, morais, culturais e educacionais dos trabalhadores. Com o apoio do próprio Plehve e dos
subsídios financeiros do departamento de segurança, isso não foi tão difícil de fazer. Em abril de
1904, foi aberta a coleção Gaponov dos operários russos de São Petersburgo. Um detalhe
característico: o equipamento da sala e a sala de chá para a "Assembleia" custam Gapon 360 rublos.
As despesas foram pagas, como esperado, por um departamento especial do departamento de
polícia (150 rublos) e pelo departamento de segurança de São Petersburgo (210 rublos).

A educação dos trabalhadores começou "com base na consciência nacional russa". Para não repetir
os erros do passado, essas seções, que agravaram seriamente a situação política do país, foram
apreendidas do programa Zubatov. Seu ponto principal, diretamente de importância prática, foi
excluído: demandas econômicas.

Houve, então, a substituição dos "fundamentos econômicos" falidos do programa policial por
"ideológicos - religiosos, morais e culturais - esclarecedores" para o propósito da educação
monarquista dos trabalhadores. Mas mesmo nas reuniões dos trabalhadores de Gaponov, a mesma
coisa foi repetida nas organizações de Zubatov. O provocador da batina, como antes e o provocador
de uniforme, não conseguiu afastar os trabalhadores da luta revolucionária. Discursos e discursos
sobre as reuniões de Gapon não deixaram dúvidas de que o calor revolucionário entre as massas, a
influência das organizações social-democratas sobre eles, são sinais reais de uma tempestade
revolucionária iminente. Portanto, foi preciso uma razão insignificante para uma greve, na qual,
juntamente com a fábrica Putilov dos trabalhadores, e depois outras fábricas de São Petersburgo, a
participação ativa também era feita pelos "animais de estimação" do pastor espiritual. E a greve em
si começou por causa da demissão de quatro trabalhadores da fábrica de Putilov - membros da
assembleia de Gaponov.

Os interesses de classe dos trabalhadores e a propaganda social-democrata provaram ser mais fortes
do que a pregação da humildade. Gapon percebeu que o relaxamento imediato do humor militante
dos trabalhadores era necessário e encontrou uma saída na ideia da campanha de petição de
Zemsky. Ele decidiu repetir a recepção dos Zemstvos, mas em uma interpretação diferente: na
organização de uma procissão "nacional" para o czar com uma petição sobre as necessidades dos
trabalhadores de São Petersburgo. Isso aconteceu em 9 de janeiro de 1905. Entretanto, antes mesmo
do começo dessa procissão, Gapon pôde (pela enésima vez!) Ver quão grande era a influência da
propaganda revolucionária social-democrata: a petição, que ele planejava como pedido fiel de
misericórdia real, transformou sua parte em insistente a demanda por um dia de trabalho de oito
horas e refletiu outros pontos do programa social-democrata. O Domingo Sangrento soou como um
eco terrível em todo o país e, como se sabe, foi o início da primeira revolução democrático burguesa
russa.

Em janeiro, a evidência documental ainda não era conhecida, expondo Gapon como um protegido
da polícia secreta. Mas, independentemente disso, o partido bolchevique seguiu uma política firme
em relação ao "movimento" de Gaponov como um todo. Panfletos, proclamações, discursos dos
bolcheviques nas reuniões dos trabalhadores expunham impiedosamente a provocação da polícia. A
"pregação enérgica das visões e slogans social-democratas" do bolchevique levou ao fato de que "a
energia revolucionária e o instinto revolucionário da classe trabalhadora romperam com força
incontrolável apesar de todos os truques da polícia". Quanto a Gapon pessoalmente, todas as suas
atividades anteriores prosseguiram de acordo com instruções e dinheiro da polícia secreta. E o fato
de Gapon, em um momento crítico, ter jogado trabalhadores desarmados e desesperados,
substituindo-os por barris de rifles de soldados tsaristas, demonstra claramente seu papel
provocador. Isso também foi confirmado pelo fato de que, às vésperas do trágico dia 8 de janeiro,
Gapon informou ao Príncipe Svyatopolk-Mirsky da manifestação de 9 de janeiro às 14h da
manifestação de trabalhadores e das demandas básicas ao czar. Aviso direto: a manifestação
ocorrerá na hora marcada. E as autoridades czaristas deram ordens correspondentes para a
preparação para o tiroteio da marcha pacífica dos trabalhadores.

Comportamento característico Gapon depois de fugir para o exterior. Aparecendo em círculos de


emigrados, ele assumiu as posições extremistas mais extremistas - exigiu terror ilimitado contra o
czar e o czarismo em geral. O que poderia ter causado uma transição tão acentuada da lealdade ao
monarca para a exigência de sua destruição? A resposta é uma: em 9 de janeiro, o empreendimento
provocativo de Gaponov falhou catastroficamente. Naquele dia terminou o seu papel de "pastor do
povo", as esperanças ambiciosas de liderança do "povo trabalhador" não se concretizaram. O que
ele poderia fazer? Para varrer os vestígios do crime e encontrar pelo menos algum tipo de abrigo
político. Desde que ele começou a oferecer terror, individual e em massa, seus guardiões, é claro,
acabaram sendo SRs. Eles continuaram a manter contato com ele até sua exposição completa.

Os eventos e fatos da época revelam a imagem moral de Gapon. Traição, covardia, desequilíbrio à
beira da histeria - essas são as qualidades pessoais claramente reveladas de Gapon. Eles foram
novamente confirmados quando, no mesmo ano de 1905, ele retornou do exterior. A polícia secreta
o convocou de Paris. Depois de ver Rachkovsky, Gapon escreveu uma carta ao Ministro do Interior,
Durnovo, na qual enfatizou que a pessoa do soberano era sagrada para ele. Em seguida, ele se
encontrou com o chefe da polícia secreta de São Petersburgo, Gerasimov, e o ex-diretor do
departamento de polícia Lopukhin. Tudo isso provou: Gapon restaurou antigos laços com seus
chefes de polícia e patronos, ele é um provocador e um traidor. Convencidos disso, os social-
revolucionários emitiram um decreto sobre a execução de Gapon e o realizaram na primavera de
1906.

Em todos os estágios da - em seu surgimento, durante os trágicos eventos de janeiro e no último


estágio final - os bolcheviques, consistentemente e sem contestação, lutaram contra essa provocação
policial, em contraste com todos os outros partidos. Desde o início do aparecimento de Gapon, eles
agiram com uma explicação do que os Ganons são.

Lênin escreveu: "... os social-democratas não apenas não apoiavam ilusões ingênuas sobre a
possibilidade de uma petição pacífica, argumentavam com Gapon, eles defendiam direta e
resolutamente todas as suas visões e todas as suas táticas". Em um panfleto especialmente
publicado, Vladimir Lênin dirigiu-se diretamente aos trabalhadores: "Faça reuniões secretas, forme
esquadrões, estoque as armas que puder, envie pessoas de confiança para conselhos ao Partido
Trabalhista Social-Democrata da Rússia!"

A opinião autoritária e a posição firme dos bolcheviques tiveram um grande efeito na atitude em
relação ao provocador no ambiente de trabalho e, portanto, não permitiram o aparecimento do mito
sobre o "Gapon o Herói". Tentativas de criar tal mito aconteceram no passado, mas na imprensa
ocidental e no presente. Ao mesmo tempo, expor os bolcheviques frustrou as pré-condições para tais
provocações policiais, e a classe trabalhadora foi protegida de qualquer recaída do "novo rumo".

No entanto, a influência de Gapon sobre os trabalhadores de São Petersburgo foi inicialmente


ignorada, especialmente no período anterior a janeiro. "As táticas dos social-democratas", destacou
Lênin, "foram delineadas em relação ao novo líder por si só: é necessária uma atitude cautelosa,
expectante e desconfiada em relação ao Zubatov". E havia razões para isso: "Um homem vestindo
uma batina, que acreditava em Deus e agia sob o alto patrocínio de Zubatov e do departamento de
guarda, não podia deixar de inspirar suspeitas" .

E já no começo de janeiro o papel real de Gapon foi revelado cada vez mais claramente. Não foi por
acaso que o departamento de segurança começou a mostrar sinais de ansiedade relacionados ao
surgimento de disputas e divergências entre os partidários de Gapon, que, segundo a polícia secreta,
era usado pelos bolcheviques, o trabalho do "pastor" foi prejudicado e a fermentação entre os
trabalhadores se intensificou. Uma preocupação especial foi causada pela polícia secreta dos
panfletos e discursos bolcheviques anti-Gapon em fábricas e fábricas de agitadores do Partido. A
polícia, em seus relatórios, observou que os trabalhadores escondiam cuidadosamente os porta-
vozes bolcheviques dos agentes da observação externa, e faziam isso cada vez mais de maneira
organizada e determinada.

A luta dos bolcheviques neste período ocorreu em condições difíceis. Para os trabalhadores
politicamente conscientes, o rumo e os objetivos do Partido Social-Democrata eram compreensíveis
e próximos. Mas na massa de trabalhadores politicamente atrasados que estavam sob a influência de
Gapon, era muito mais difícil conduzir propaganda. Aqui, nem todos e nem imediatamente percebeu
a palavra revolucionária. No entanto, o instinto de classe e o exemplo dos camaradas vizinhos
fizeram com que também se opusessem ao czar. O comportamento dessa parte dos trabalhadores foi
o seguinte. "... um trabalhador russo escuro em gaponade expressou um tímido protesto contra o
czar."Como poderia um "protesto tímido" se transformar em um protesto político ativo? Isso pode
acontecer quando, por experiência própria, os trabalhadores se convenceram de que realmente
representam o czar e seu poder. Eles foram convencidos em 9 de janeiro, no domingo sangrento.

Os próximos anos da primeira revolução russa foram preenchidos com muitos eventos dramáticos.
Como você sabe, sua cúpula foi a insurreição armada de dezembro em Moscou. Intensos combates
nas barricadas de Presnya mostrou determinação e coragem da classe trabalhadora, sua devoção ao
Partido Bolchevique, que chamou para uma luta armada contra o governo czarista e conduzir esta
luta. As forças combinadas do exército czarista e da polícia, e agentes da polícia secreta foram
jogados contra trabalhadores, esquadrões de combate, fracamente armados, sem treinamento militar.
Os esquadrões de combate só se mantinham às vezes com entusiasmo revolucionário, assistência
mútua, autos acrifício heroico. O monumento, agora instalado em Krasnaya Presnya, incorpora o
épico majestoso da luta desigual dos trabalhadores com o odiado czarismo.

Os dias inesquecíveis da insurreição armada de Moscou lembram os nomes de muitos bravos


revolucionários bolcheviques. Um deles - Zinovy Y. Litvin-Gray, chefe de gabinete dos esquadrões
de combate Presnya, um membro do Comitê de Moscou do POSDR, lutou e foi ferido nas
barricadas. Um operário metalúrgico, membro do partido desde 1897, ele coordenava os combates
dos esquadrões, lutava em partidas hostis na retaguarda revolucionária.

Com sua ajuda em dezembro de 1905, a Organização de Combate sob o Comitê de Moscou do
RSDLP desenvolveu e distribuiu a instrução "Soviets to the Insurgent Workers". Dizia: "Distinga
estritamente seus inimigos conscientes dos inimigos do inconsciente, acidentalmente. Primeiro
destrua, segunda reposição. Infantaria, se possível, não toque. Soldados são filhos do povo e não
vão contra o povo por sua vontade. Eles estão sendo instigados por oficiais e autoridades superiores.
Contra esses oficiais e superiores, você também dirige suas forças ... Na luta contra a polícia, faça
isso. Todos os altos escalões do oficial de justiça, inclusive, em todas as oportunidades, matam.
Desarmar e prender os destacamentos, os mesmos que são conhecidos por sua crueldade e maldade,
também matam. Os policiais só retiram suas armas e os forçam a não servir à polícia, mas a você?

VI Lênin acreditava que nas condições da luta armada, as represálias físicas contra os inimigos são
permissíveis e até mesmo necessárias. Ele escreveu: "Lançar um ataque, sob condições favoráveis,
não é apenas um direito, mas um dever direto de todo revolucionário. A morte de espiões, polícias,
gendarmes, delegacias explosões, a libertação de prisioneiros, a retirada de fundos do governo para
convertê-los às necessidades da revolta ... e cada unidade do exército revolucionário deve ser
imediatamente pronto para tais operações ".

Os bolcheviques seguiam estritamente as instruções de Lênin.

Z.Ya. Litvin-Sedoy lembrou mais tarde: "Na sede havia um grupo que realizou medidas punitivas.
Nós o chamamos de "gerenciamento de pesquisa política". Ela procurou e prendeu. Foi dirigido por
Volodya Fidlerovsky. Lembro-me de como nossos "administradores" foram levados ao limite pelo
chefe do departamento de detetives, Voiloshnikov. Ele foi exposto nas fotos de prisioneiros políticos
selecionados dele. Por decisão do pessoal, ele foi baleado por um grupo de busca ... Nós também
tivemos um tribunal. Ele condenou traidores, provocadores e sentenças foram realizadas por
membros da equipe. "

A reação, no entanto, veio, a arbitrariedade do czarismo alcançou incríveis proporções.


Especialmente tumultuado em 1905-1907 governadores. Eles competiram entre si têm procurado
distinguir-se na repressão sangrenta, tão claramente violado mesmo regulamentos formais,
"regulamentos" e ignorou completamente o Manifesto 17 outubro de 1905

Então, o governador de Suwalki 30 dez 1905 comunicados às autoridades: "Nós não precisamos de
um militar, mas uma corte marcial, dirigida não só contra aqueles que estão presos com armas em
suas mãos, mas também reconheceu os revolucionários ... Você tem que vencer não expor os crimes
individuais , mas de acordo com a imaginação ", isto é, para todos os que parecem ser um
revolucionário. Ainda mais feroz foi o governador de Lodz, Radkevich. Ele apoiou no outono de
1906 o projeto dos donos das fábricas de Lodz, que propuseram, a fim de combater a revolução,
"imediatamente prender 150-200 líderes e imediatamente exterminá-los no local sem um
remanescente".

Não por trás deles no seu zelo e Ekaterinoslav governador, que publicou em 1907 uma ordem ", em
que proprietários e inquilinos nas premissas que são encontradas bombas ou explosivos foram para
entrar em um tribunal militar e só no caso de uma prova irrefutável de proprietários completa
ignorância (mas não inquilinos) foram sujeitos a uma multa de 3 mil rublos com a substituição de
três meses de prisão. Bombas e explosivos tiveram que ser destruídos no local, mesmo em
instalações residenciais, com a remoção preliminar dos habitantes. Em cada caso, foi levantada a
questão sobre o confisco de casas e edifícios na tesouraria " 39 . Professor VM Hesse chamado a
prática de poderes "princípio do sistema de iniquidade".

Antes do Partido Bolchevique foi a tarefa - para restaurar e fortalecer o enfraquecimento temporário
das fileiras da classe trabalhadora, e manter as organizações partidárias, dada a experiência dos
últimos anos turbulentos, para preparar as massas para uma nova fase de batalhas revolucionárias.
No ambiente atual, com uma partida aberta desde o mencheviques a luta ativa contra a autocracia e
os esforços da desmoralização dos socialistas-revolucionários, mesmo fechando nos estreitos
limites do terror, ao passar uma grande parte da intelectualidade liberal no campo da reação, apenas
o partido bolchevique manteve uma capacidade de luta revolucionária. E a luta continuou.

Notas:

1 CGAR. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 444, f. E 12-14.

2 Lenin VI Poln. coletar. op., Vol. 6, c,. 115

3 Ibid., P. 401.

4 Ibid., P. 405

5 Historical Journal, 1939, No. 1, p. 113

6 Memórias de I. I. Yanzhul sobre a experiência e visto (1864-1909) .- Russian antiquity, 1911, v. 6,


p. 490-491.

7 Iskra, 1901, No. 11, 20 de novembro, p. 1

8 CGAR. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 801, parte 1, l. 137

9 Ibid., L. 136

10 CGAR. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 801, l. 32

11 Iskra, 1902, n. 18, 10 de março, p. 5

12 Lenin V. I. Poln. coletar. op., Vol. 6, p. 115

13 Iskra, 1901, n ° 10, novembro, p. 1-2.

14 Katorga e referência, 1924, n ° 1 (14), p. 75

15 Iskra, 1902, No. 25, 15 de novembro, p. 6

16 Lenin VI Poln. coletar.op., Vol. 46, p. 250

17 Veja ibid., Vol. 20, p. 79

18 Lenin VI Poln. coletar. op., Vol. 20, p. 82


19 folhetos de bolcheviques de São Petersburgo em 1902-1917. M., 1939, vol.1, p. 76-78.

20 CGAR. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 961, parte 1, l. 146-150.

21 CGAR. Fundo do Departamento de Polícia, Departamento Especial, 560.

22 Ibid., 498, p. 18-21.

23 CGARP. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 967, f. 38-39.

24 Ibid., L. 22-25

25 CGARP. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 444, f. 1.

26 O passado, 1917, n. 4, p. 168

27 O passado, 1917, n. 4, p. 169-170.

28 O passado, 1917, n. 4, p. 169-170.

29 Red chronicle, 1922, n ° 2, p. 299

30 Lênin VI Poln. coletar.op., Vol. 9, p. 211

31 Lenin VI Poln. Collected Works, Vol. 9, p. 218

32 Ibid., Vol. 10, p. 83

33 Ibid., Vol. 9, p. 211

34 Lenin VI Poln. coletar.op., Vol. 9, p. 218

35 Ibid., Vol. 26, p. 299-300.

36 Lenin VI Poln. coletar.op., Vol. 11, p. 342

37 Polyansky NN Tribunais militares czaristas na luta contra a revolução de 1905-1907.


Ed.Universidade Estadual de Moscou, 1938, p. 31-40.

38 Ibid.

39 Ibid., P. 14-15.

40 Hessen VM Posição excepcional. São Petersburgo, 1908, p. 177-178

Colapso do czarismo

Assim, dois períodos da luta dos bolcheviques ocorreram contra a polícia secreta czarista. A
primeira delas foi iniciada pelo confronto com os métodos tradicionais de investigação política. O
segundo está ligado ao "novo rumo" da polícia secreta e às tentativas de sua implementação, que
terminaram em completo colapso. Isso levou a confusão e discordância nas esferas policiais
superiores. Antes dos chefes do departamento de polícia e da polícia secreta, mais uma vez surgiu a
questão: como proceder com seus negócios?

Quão sério e doloroso isso foi para eles, a história com Lopukhin, o diretor do departamento de
polícia, que encerrou sua carreira por deportação para o assentamento, mostra o melhor.
Observando a natureza especial da posição oficial do Diretor do Departamento de Polícia, o Jornal
Novoye Vremya escreveu que Lopukhin estava "no papel do mais sombrio e mais terrível da Rússia
- na capacidade do chefe da inquisição política secreta". Uma traição ao "caso ao qual ele serviu" é
um crime incomparável, ressalta o jornal. Qual é o crime de Lopukhin?

Em 1905, em Genebra, a editora bolchevique Vperyod publicou um panfleto intitulado


"Memorando do Diretor do Departamento de Polícia de Lopukhin" com prefácio de Lênin. No
prefácio, Vladimir Lênin critica a nota de Lopukhin e todo o regime da polícia russa com críticas
impiedosas. Ele ressalta que a "Provisão de Proteção Aprimorada" tornou-se em 1881 "uma das leis
mais estáveis e básicas do Império Russo". E agora o diretor do departamento de polícia em seu
memorando para o gabinete de ministros expressa insatisfação com essa lei fundamental da
autocracia. Por quê? Porque o movimento de massa do movimento revolucionário está crescendo,
encabeçado pela classe trabalhadora e seu partido bolchevique. Foi como resultado disso que os
"Regulamentos" se mostraram ridiculamente impotentes. É por isso que Lopukhin é impiedoso ao
criticar este documento e todas as regras estabelecidas por ele. Ele critica, como Lênin escreve, até
mesmo a "instituição de todos os que guardam todos os quintais".

Vladimir Lênin, descrevendo o colapso das "Disposições sobre proteção reforçada", apontou que
isso é "a falência verdadeira e completa da ordem policial!". Lopukhin percebeu que "contra a
revolução do povo, contra a luta de classes, não se pode confiar na polícia, é preciso também
confiar no povo. E daqui, dizem eles, "é necessário provocar hostilidade racial nacional, é
necessário organizar" das seções menos desenvolvidas da pequena burguesia urbana (e depois
rural), devemos tentar reunir todos os elementos reacionários da própria população, transformar a
luta da polícia e círculos na luta de uma parte do povo contra outra parte do povo ".

As conclusões de Lopukhin, como Lênin enfatizou, são: preservar e usar métodos de luta que sejam
adequados contra indivíduos e círculos sob novas condições, na presença de um enorme movimento
revolucionário popular, estão condenados ao fracasso. Mas essas propostas, no entanto, não foram
compreendidas e aceitas pelo governo, que estava cativo das velhas ideias, hábitos e métodos
desenvolvidos nas décadas anteriores. A incompreensão dos pontos de vista de Lopukhin pelos
círculos dirigentes levou-o a um passo absolutamente incrível aos olhos da "sociedade" - enviando
duas cartas ao defensor Gruzenberg no julgamento do Soviete de Petersburgo dos Deputados dos
Trabalhadores. Nestas cartas, Lopukhin revela a atividade do programa do governo e confirma a
provocação de Azef. Isto foi considerado como uma "traição" e causou uma explosão de indignação
entre toda a imprensa contra e a favor.

O governo czarista foi obrigado a tomar medidas decisivas e, em janeiro de 1909, Lopukhin foi
preso e condenado a trabalhos forçados por um período de cinco anos. Mas a reunião geral dos
departamentos de cassação do Senado logo descobriu que Lopukhin não merecia um trabalho duro
de cinco anos e "o suficiente para mandá-lo para o assentamento".

E em 1912, Lopukhin foi novamente perdoado, reintegrado e depois trabalhou como vice-diretor do
Banco Comercial de São Petersburgo.
Assim, nem a situação exacerbada no país, nem as lições da revolução mudaram as visões dos
círculos governamentais. Suas conclusões são dignas de reacionários. Na prática, equivaliam ao fato
de que as "ideias" de Zubatov-Gapon foram enterradas e todas as atividades da polícia, a despeito
de sérios erros, voltaram novamente a seus antigos princípios, ao método "clássico" de provocação
direta.

No entanto, a polícia secreta não poderia derrotar a organização do Partido Bolchevique, a principal
força organizadora do movimento revolucionário russo, nem impedir a inevitável ofensiva da
revolução. Naquela época, o Partido acumulara uma vasta experiência no combate à polícia secreta
czarista. Foi dada especial atenção à melhoria da conspiração, elaborando as regras e técnicas
apropriadas, que deram resultados positivos.

Enquanto isso, a guarda, reagrupando suas forças, recrutou novos provocadores. Devo dizer que foi
nos anos pré-revolucionários que traidores como Malinovsky, Bryandinsky, Brodsky, Shornikova,
Chernomazov e outros, que eram perigosos para o movimento revolucionário, apareceram entre os
provocadores.

Durante este período, o Partido Bolchevique travou uma luta particularmente enérgica contra a
polícia secreta czarista, expondo seus agentes no movimento revolucionário. Uma grande
ressonância política foi causada, por exemplo, pela exposição do provocador I. Dobroskok, ex-
social-democrata, então provocador e funcionário da polícia secreta. Foi exposto por um membro da
Terceira Duma do Estado, um representante da facção social-democrata, IP Pokrovsky, cujo
discurso na Duma foi publicado por muitos jornais, tornou-se conhecido para um amplo círculo da
classe trabalhadora e do público do país.

Tais exposições sempre colocam o departamento de polícia e o governo em uma posição feia. Mas o
caso com Dobroskok foi especial. Afinal, um membro do parlamento expôs um canalha. Havia
apenas uma saída: apresentar Dobroskok como um patriota, um fiel defensor da ortodoxia e do
trono. Ele supostamente penetrou nas fileiras dos social-democratas para expor suas "intenções
criminosas". Por sugestão do departamento de polícia, Dobroskok publicou uma declaração no
jornal Black Hundred Russkoye Znamya. Ele dizia literalmente o seguinte: "Tendo lido nos jornais
o discurso de um membro da Duma Estado Pokrovsky, líder da Duma Social-Democrata. Uma
facção, na qual ele me chamou de provocador, eu faço minha declaração atual conhecida por nossos
notórios social-democratas, que desde a infância fui criado na fé ortodoxa, em amor e devoção
ilimitada ao trono e à pátria, por que eu não podia ser um social-democrata. . Se eu fosse
nominalmente chamado de social-democrata, então, a fim de penetrar nesta gangue criminosa para
informar o governo de suas atividades criminosas. O título de social-democrata aos meus olhos é
criminoso e vergonhoso, e nunca fui assim.

Assim, o autor da carta supostamente enviada aos agentes de segurança não é visto como
provocador e um traidor, mas um "herói patriota", nobremente cumprindo seu dever para com a
pátria e o trono. E nem uma única palavra da polícia, sobre sua provocação.

Mas a polícia não atingiu o objetivo. Os trabalhadores de São Petersburgo, Moscou e outros centros,
como toda a inteligência revolucionária russa, compreenderam perfeitamente os meios pelos quais o
czarismo luta contra as correntes de oposição e o que valem as "liberdades constitucionais"
proclamadas por ele. Ao mesmo tempo, a exposição de Dobroskok demonstrou claramente a
crescente vigilância do Partido Bolchevique, que corajosamente se opunha ao terror policial.
No departamento de polícia e polícia secreta nestes anos, Beletsky, Vissarionov, Gerasimov,
Spiridovich, Kurlov, Komissarov, Dzhunkovsky estiveram no comando. Esta plêiade de provocação
não representa em si um interesse histórico e não merece mais do que apenas uma menção. Mas a
história de cada um deles, em certa medida, lança luz sobre um certo período de trabalho da polícia
política e revela as características, características e grau de corrupção interna da polícia secreta.
Portanto, vamos nos deter brevemente nas atividades de alguns deles. Isso nos permitirá entender
melhor a situação em que os revolucionários bolcheviques lutaram.

Os principais tópicos da polícia secreta funcionam em 1908-1912. estavam nas mãos de S.


Vissarionov, que também era o chefe do departamento especial e vice-diretor do departamento de
polícia. Além do trabalho operacional, Vissarionov lidou com todo o departamento de polícia e
todos os departamentos de segurança na Rússia. Além disso, a seu cargo foram todos os custos de
agência. Beletsky confiava plenamente nele, eles conheciam e entendiam bem um ao outro. A
estabilidade da posição oficial de Vissarionov também foi reforçada pelo fato de que ele estava
perto do arcipreste da Catedral do Palácio de Inverno, confessor de Nicolau II e sua família - pai
Alexander Vasiliev.

A direção principal de seu trabalho é a luta contra os bolcheviques. Mais tarde, Vissarionov, no
interrogatório da Comissão de Investigação, dirá que eles, os guardas, "trataram especialmente com
cautela o partido bolchevique". Portanto, provocadores especialmente treinados foram enviados
para suas fileiras. Um deles é Malinovsky, que estava no centro dos planos de Vissarionov.
Vissarionov recebeu dele toda a informação necessária, teve reuniões conspiratórias com ele e fez
cálculos monetários. Foi ele, Vissarionov, que negociou com Malinovsky "sobre todas as
circunstâncias, sobre a possibilidade de sua passagem para a Duma".

Mas o chefe do departamento de segurança de São Petersburgo A. Gerasimov. Este é realmente um


dos personagens mais sombrios da polícia secreta, não parando em nada para implementar suas
intenções criminosas. Em fins provocativos, ele contribuiu para a criação de um laboratório de
testes de bombas na área de Kuokkall, organizou atos terroristas que lhe foram benéficos, não parou
antes dos assassinatos e incêndios. Carreira Gerasimov em grande parte associado com as atividades
provocador do Socialist Revolucionário Azev. Normalmente, Azev entregou as informações que ele
havia coletado a Gerasimov, e as últimas diretamente a Stolypin.Como resultado, uma cadeia
sinistra foi criada: Azef-Gerasimov-Stolypin.

Como se sabe, com a ajuda da polícia secreta, que temia a publicidade, Azev conseguiu escapar
depois que o Comitê Central do Partido Socialista Revolucionário o sentenciou à morte. Em Berlim,
ele viveu sob o nome de Neumeier, jogou na bolsa de valores e só em 1915 foi preso pelas
autoridades alemãs e preso em Moabit. Em 1918, de acordo com informações recebidas da
Alemanha, ele morreu.

Na história da traição de Azef, não apenas o crime em si merece atenção, é um dos muitos crimes
semelhantes que cresceram na base nutricional do regime policial autocrático. As conseqüências
dessa traição, que causou a crise do Partido Socialista-Revolucionário, o colapso de suas
organizações são muito mais importantes. Após a revelação de Azef, um susto geral, a insegurança,
a situação de desunião foi criada ali e a desmoralização do partido começou.

É interessante que, em fevereiro de 1909, tenha sido feito um pedido na Duma sobre o caso de Azef,
feito pelo Partido Social Democrata e alguns outros partidos. Em resposta a esse pedido, Stolypin
disse que "entre os policiais, Azef foi recebido em 1892 e não vê quaisquer ações irregulares na
atividade do Ministério da Administração Interna ou no trabalho de Azef." 11
A. Spiridovich também desempenhou um papel primordial na organização de todos os tipos de
provocações. Juntamente com Gerasimov ele desenvolveu uma provocação, encenou uma tentativa
no assassinato do czar, como resultado do qual o tenente da Frota do Mar Negro B. Nikitenko e seus
camaradas foram executados. Ele foi implicado no assassinato provocativo de Stolypin. Em
conexão com este último, Spiridovich foi envolvido na investigação por não tomar medidas para
proteger Stolypin como o chefe da guarda do palácio, mas a pedido pessoal do czar, ele não foi
demitido, ao contrário de outros. Spiridovich é um gendarme para a medula óssea, um provocador -
também conhecido por escrever para os oficiais de um corpo separado de gendarmes "A História do
Movimento Revolucionário na Rússia" em duas edições: a primeira - o Partido Social Democrata, a
segunda - "O Partido Socialista Revolucionário e seus predecessores ". É característico que
Spiridovich proponha o Partido Social-Democrata como o principal e mais perigoso inimigo do
regime.

A conversa de Spiridovich com o czar atrai a atenção no momento do último livro "História do
movimento revolucionário na Rússia". Nicolau II perguntou:

- Quanto tempo você escreveu?

"Um ano e meio, a sua Majestade Imperial, desde que os materiais e documentos tenham sido
recolhidos, preparados." Eu usei documentos oficiais e documentos do partido, cópias.

- Bem, sim, claro. E por experiência pessoal. "Com essas palavras, o rei sorriu gentilmente.

A proximidade com o ambiente real permitiu que Spiridovich não só saísse com segurança de vários
casos obscuros e questionáveis, mas também fizesse uma carreira. Não foi por acaso que a
camarilha da corte com Rasputin na liderança exigiu que ele fosse colocado pelo prefeito de São
Petersburgo * para que, na opinião de Vyrubova, a dama de honra da "imperatriz" para proteger as
personalidades mais altas ao chegar a São Petersburgo e para obscurecer o comportamento de
Rasputin poderia ter em São Petersburgo como prefeito de seu fiel homem " Mas a odiosidade de
Spiridovich era tão óbvia que em 1916 ele se tornou apenas o prefeito de Yalta, embora isso seja
uma manifestação da mais alta confiança: Livadia (perto de Yalta) era a residência de verão do czar.

Na galeria dos provocadores, o Major-General V. Dzhunkovsky, nomeado pelo camarada do


Ministro da Administração Interna, também aparece. Desde escândalos na polícia secreta tornaram-
se um sinônimo de amplos círculos de "sociedade", para a Duma e até mesmo as esferas
dominantes, ele foi chamado para "melhorar" o departamento de polícia. Na verdade, ele tentou
fazer alguma coisa. "Ele cancelou os agentes da investigação política nas tropas, o que causou
descontentamento na polícia política - Beletsky, Vissarionov e o chefe do departamento especial
Vasiliev. Eles acreditavam que a ordem de Dzhunkovsky leva a um declínio ainda maior na busca.
Dzhunkovsky fez esta ordem porque, enquanto ainda um oficial do exército, soube que incidentes
ocorreram em consequência da interferência da procura política na vida do exército, e considerou-o
prejudicial. Então ele removeu o provocador Malinovsky da Duma do Estado. Tentei me livrar de
algumas das figuras mais odiosas do meu departamento e até tentei "melhorar a atmosfera" em que
os últimos anos viviam em círculos palacianos dirigidos pelo "querido monarca".

Mas foi neste Junkovsky e falhou. Quando ele relatou fielmente, embora de forma bastante natural,
relatou sobre as aventuras impressionantes do "velho homem santo", ele se deparou com uma forte
oposição daqueles que estavam envolvidos no negócio sujo de Rasputin. Entre eles, havia também
pessoas muito influentes, por exemplo, o major-general de um corpo separado de gendarmes,
comissários, ele também é o chefe da segurança de Rasputin. O czar, irritado com a exposição de
Rasputin, demitiu Dzhunkovsky de seu posto e o enviou para o exército ativo.

A tentativa de "melhorar" o departamento de polícia terminou em fracasso. Sim, não poderia ser de
outra forma, porque a polícia política - a ideia do czarismo e está inextricavelmente ligada a ela. Por
três décadas e meia, a polícia política e seu centro operacional - a polícia secreta - foram a espinha
dorsal do regime, abalados pelos golpes da luta revolucionária das massas. Portanto, a Okhrana
recorreu a métodos de trabalho cada vez mais repugnantes. E, claro, sua arma principal - a
provocação na última década pré-revolucionária - se tornou a mais difundida.

Isto é evidenciado pela dispersão da Segunda Duma Estatal. A essência desta provocação:
comprometer a facção social-democrata na Duma, para conseguir sua derrota. O provocador de
Shornikov informou a polícia secreta sobre a próxima discussão pela facção social-democrata do
apelo (punição) às tropas. Então veio a polícia, que testemunhou "um ato inédito nos anais da
história", como foi dito no manifesto do czar de 3 de junho de 1907. Como resultado, os deputados
social-democratas da Duma foram presos e sentenciados, muitos deles exilados à servidão penal.

A provocação do agente Shornikova foi dirigida contra os bolcheviques, contra o seu trabalho
revolucionário no exército. VI Lenin no "Relatório sobre a Revolução de 1905", lido para a
juventude suíça, apontou que os discursos armados de soldados e marinheiros "se inflamaram com
bastante facilidade, qualquer caso de injustiça, tratamento muito rude de oficiais, má nutrição, etc.
causar indignação. Mas havia falta de autocontrole, não havia consciência clara da tarefa " 14 .

"Não havia uma consciência clara da tarefa" - as palavras de Lenin explicam a causa da derrota e
fracasso de muitos discursos militares. Bolchevique-leninista VD Bonch-I escreveu sobre a
necessidade de "tornar possível mais poder para espalhar entre os soldados da literatura, capazes de
superar a disciplina hipnose e subordinação, na escuridão que acompanha”.

No entanto, várias manifestações revolucionárias no exército durante a primeira revolução russa se


tornaram um exemplo clássico de coragem. Entre eles, por exemplo, o desempenho do 1º Batalhão
do Regimento, 09 junho de 1906 É mostrado que, mesmo neste reduto das demandas dos czarista
dos soldados autocracia eram claramente caráter político. "Petição" soldados do batalhão, cujos
comandante foi considerado Nicholas II, que incluiu um parágrafo 17. Ele disse: "Nós expressamos
nossa solidariedade com as exigências dos deputados da Duma Estatal da atribuição de terras a
camponeses".

O apoio à demanda pela alocação de terras camponesas foi explicado pelo próprio sistema de
recrutamento de soldados para os guardas czaristas, recrutados principalmente dos camponeses. O
czarismo procurou criar deles o apoio da dinastia. Mas o resultado prático da política imperial nos
dias revolucionários foi diferente.

O destino final do batalhão é triste: 191 soldados foram condenados a trabalhos forçados, exilados e
enviados para campos de trabalho forçado.

A onda de revoltas armadas em 1905-1906. causou alarme no departamento de polícia. Os relatórios


da agência foram continuamente informados sobre a crescente revolta popular e possíveis novos
distúrbios no exército e na marinha. Mas os líderes do departamento de polícia e do Ministério do
Interior, a princípio, não admitiram que os eventos pudessem levar a uma rebelião militar
generalizada. Portanto, as medidas tomadas pela polícia no início não foram além das instruções
fornecidas para o caso de maior agitação.
No entanto, o curso dos acontecimentos mostrou claramente a falácia de tal avaliação. Através da
rede de agentes começou a receber informações que em muitos comitês sociais democratas
clandestinos, organizações militares especiais, os chamados "comissários militares" estão sendo
criados. Naquela época, a maior e mais ativa organização militar bolchevique era o exército de São
Petersburgo. MI Kalinin, EM Yaroslavski, VV Kuibyshev, RS Zemlyachka participou do seu
trabalho. Em junho de 1906, na Finlândia, um centro militar de combate foi montado, preparando o
levante de Sveaborg e liderado por membros da organização militar do RSDLP - tenentes A. P.
Emelyanov e E. L. Kokhansky. Isso indicava a penetração ativa dos bolcheviques nas fileiras do
exército e da marinha, a fim de mobilizar as forças revolucionárias e combater ativamente os
ataques dos agentes da polícia secreta czarista.

A combinação de luta revolucionária exacerbada nas cidades, grande agitação camponesa e levantes
militares levaram a uma ameaça real ao regime. "O terceiro aniversário do massacre" acabou sendo
mais formidável do que inicialmente supostamente e esperado pelos chefes da polícia secreta. Os
eventos ocorridos se revelaram inesperados para muitos deles, e as medidas tomadas pelas
autoridades policiais e militares foram tardias. Portanto, revoltas armadas na marinha e no exército,
inevitáveis com um processo revolucionário tão profundo, abalaram os alicerces da autocracia.

Particularmente perigoso para o czarismo foi a situação na marinha. Em primeiro lugar, isso foi
explicado pelo fato de a equipe de marinheiros incluir uma porcentagem significativa de
trabalhadores, a maioria qualificada. Eles eram mais receptivos à propaganda revolucionária,
politicamente estável e intransigente ao regime czarista. É por isso que o trabalho subversivo da
polícia secreta era extremamente difícil na marinha. Em alguns casos, a influência revolucionária
também penetrou no ambiente do oficial, que encontrou sua expressão vívida no épico heroíco de P.
P. Schmidt.

Mas, infelizmente, o entusiasmo revolucionário sofreu a imaturidade política. Muitos heróis de


discursos militares não tinham uma visão de mundo estável e clara e, não entendendo as
peculiaridades da luta política, não podiam se tornar líderes revolucionários genuínos. Isso também
se aplica ao lendário tenente Schmidt. Sua fortaleza revolucionária excepcional não poderia ser
quebrada nem mesmo por um tribunal militar. O historiador IP Vorontsov em seu "Tenente
Schmidt" escreve que as autoridades concordariam em reconhecê-lo como um homem doente. Mas
em 20 de dezembro de 1905, Schmidt disse na casamata, e então entrou no protocolo: "Se eu não
sou normal, então devo admitir que todos os 130 milhões, isto é, todos da Rússia revolucionária,
enlouqueceram. Se eu tivesse deixado a casamata, então, sob as mesmas circunstâncias, também
teria agido ”. Schmidt não parou antes que sua inflexibilidade lhe custasse a vida. As autoridades
judiciais não conseguiram quebrá-lo.

Devido a certas razões, a primeira revolução russa não foi coroada de vitória. O czarismo conseguiu
derrotar os centros da luta revolucionária. O exército politicamente atrasado, recuperando-se do
primeiro choque, a polícia e a gendarmaria realizaram seu caso criminal. Em agosto de 1906, o
Departamento de Gendarmaria de Kronstadt recebeu informações de que as organizações
revolucionárias navais do Báltico começaram a manifestar ativamente suas "atividades criminosas".
Isto foi imediatamente seguido pela repressão contra os bolcheviques.

Assim, todas as performances revolucionárias conhecidas no exército e na marinha, infelizmente,


terminaram nestes anos de fracasso. Mas o próprio fato de tais discursos, em combinação com a luta
consciente e altruísta da classe trabalhadora, testemunhou a situação revolucionária que estava
surgindo, que mais tarde colocou o czarismo em uma posição crítica. A última década que precedeu
a queda do czarismo, como se sabe, foi marcada por um recuo temporário das forças
revolucionárias, depois um novo surto, os anos da Primeira Guerra Mundial. Mas a mudança na
situação política no país não pôde deter o crescimento da consciência política da classe
trabalhadora, que foi testada depois dos tumultuosos dias da revolução de 1905-1907.

O Partido Bolchevique ainda estava na vanguarda do movimento revolucionário, fortalecendo suas


posições e buscando novas formas flexíveis e, ao mesmo tempo, eficazes de conduzir uma luta
revolucionária. Portanto, a autocracia continuou a ver o Partido Bolchevique como o principal
inimigo do regime, dirigindo e fortalecendo seus golpes contra ele. Consciente do crescente perigo
de uma nova explosão revolucionária, o czarismo teve primeiro que ir para outra renovação do
aparato policial, fortalecendo ainda mais a liderança da polícia política secreta e o fortalecimento
dos agentes secretos.

Durante este período, o já mencionado provocador Bryandinsky aparece na agência policial. De


abril de 1909 até maio de 1912, ele era um funcionário secreto da polícia secreta de Moscou. Sendo
um organizador de partido distrital e tendo, é claro, informações sobre as atividades dos
bolcheviques, ele apresentou à Okhrana o material com base no qual, em 1912, um grande
julgamento foi organizado em Moscou. Acusaram os social-democratas - e nenhum deles se
justificou, a maioria foi condenada a trabalhos forçados. Ao mesmo tempo, um camarada do partido
com um número impresso de jornal e uns passaportes clandestinos em branco, selos, etc., foi
tomado pela denúncia de provocador. Bryandinsky deu à polícia alguns revolucionários, suas casas,
senhas, penetrou na inteligência e informou a polícia secreta sobre social-democratas ativos.

Mas neste momento nos círculos de partido em relação a ele já estava alerta. A regra estabelecida há
muito tempo - nada para anotar, nada supérfluo para dizer - começou a ser observada de maneira
especialmente rígida. O gravado pode ser encontrado durante uma busca, o supérfluo disse -
provocador usado. O preço do erro é prisão, servidão penal ou morte.

Cuidado, a vigilância dos bolcheviques reduziu os danos causados pelas ações da polícia secreta.
Mas as perdas e sacrifícios foram. Em certa época, Bryandinsky estava envolvido no transporte de
literatura sobre lutas, recebido da Alemanha e enviado para organizações locais. É claro, ele
informou a polícia secreta de Moscou sobre a organização do transporte partidário de literatura
ilegal do exterior para a Rússia e infligiu danos consideráveis à causa do partido.

Assim, em outubro de 1911, o provocador apresentou à polícia secreta de Moscou uma nota
detalhada do agente sobre a organização do transporte partidário da literatura ilegal do exterior para
a Rússia. Duas pessoas estavam praticamente envolvidas no transporte de literatura: uma estava no
exterior, a outra - na Rússia. O chefe de transporte estrangeiro era Albert (IA Pyatnitsky), um
conspirador experiente que morava em Leipzig. Ele investiu muita força e ingenuidade na difícil
questão do transporte ilegal de literatura através da fronteira. Como já foi referido, foi-lhe também
confiado o reenvio através da fronteira e a subsequente transferência para Praga de delegados para a
Conferência de Praga (1912) 23 Por decisão da Conferência de Praga, as funções do principal
transportador ficaram a cargo de Albert.

O chefe de transporte na Rússia era Petunnikov - ele era Bryandinsky. O representante estrangeiro
estava encarregado do escritório do caixa, ele forneceu o transporte. Um representante na Rússia
estava empenhado em receber literatura, exportá-la de depósitos de fronteira secreta e entregá-la a
organizações locais. Ciente do assunto, Bryandinsky apresentou à Okhrana uma descrição detalhada
da tecnologia de transporte da literatura partidária, indicando os nomes e endereços de
intermediários, pontos secretos de transbordo e armazenamento.
A partir disso, no entanto, não se deve tirar uma conclusão sobre o fracasso da difícil questão de
transportar literatura partidária para a Rússia. Pelo contrário, cada caso de falha no transporte de
literatura foi alarmante, me fez buscar novos caminhos, encontrá-los e utilizá-los. Portanto, a
literatura partidária continuou a entrar na Rússia através da Finlândia, e através da Pérsia (para
organizações caucasianas), e através dos portos marítimos.

Mas ainda uma das principais artérias, através do qual a literatura ilegal chegou à Rússia, passou
pela fronteira ocidental. A literatura voltada para a Rússia concentrava-se primeiro em Leipzig,
onde Albert-Pyatnitsky cuidadosamente a embalava em oleados e telas com fardos cada, dando-lhes
uma forma adequada para carregar nas costas. Nesta forma, os fardos foram enviados para uma
grande gráfica em Tilsit, ligada a contrabandistas de fronteira. Os contrabandistas, que recebiam
ganhos constantes e sólidos da imprensa, trabalhavam com as pessoas que a gráfica lhes
recomendava. Pyatnitsky usou esse caminho para transportar literatura para a Rússia.

De Tilsit, a literatura era geralmente transferida através da fronteira para a aldeia de Rachki, e de lá
a carga era transportada a cavalo para a aldeia de Lososno, três verstas de Grodno. A literatura era
descompactada em cestos e malas rodoviárias e guardada até a chegada de agentes do setor de
transporte do centro.

Do centro da literatura, Valerian (VN Zalezhsky) geralmente acompanhava um de seus camaradas.


Cada vez que eles tiravam quatro poods de carga. Alguma da literatura recebida Valerian trouxe a
Moscou, e parte - a São Petersburgo. Então ele imediatamente retornou a Novozybkov, aguardando
a notificação da chegada do próximo transporte. Alguma da literatura que Zalezhsky enviou das
encomendas postais de Novozybkov para diferentes endereços. Em Moscou, a literatura foi
entregue ao trabalhador do Partido, Ivan Vasiliev. Este último distribuiu-o pelos jovens
trabalhadores, parte dele foi transferido para o proprietário Ivan Bakashev, que morava com ele no
mesmo apartamento.

Em São Petersburgo, a literatura chegou primeiro a Olga Isakova, e dela foi transportada para o
armazém para Vasily Orlov no endereço: Narvskaya Zastava, Ogorodny. No futuro, a literatura do
armazém foi transferida para organizações partidárias locais ou distribuída por Isakova diretamente
entre os trabalhadores.

Assim, o transporte de literatura sobre esta rota ocorreu ao longo da cadeia Albert-Valerian-
Bakashev-Isakova-Orlov. Mas uma coisa, o último elo dessa cadeia, infelizmente, foi fatal -
Bryandinsky. Foi de acordo com seus relatórios que a polícia frequentemente apreendia literatura
ilegal e prendia trabalhadores de transportes bolcheviques.

Os bolcheviques tinham outro canal para o transporte de literatura: encomendas postais de Paris em
trânsito pela Rússia até a Pérsia e, de lá, de volta à Rússia, em Baku.

No final, apesar das dificuldades e sacrifícios significativos, a literatura partidária, devido a


cuidadosa conspiração, entrou na Rússia quase continuamente. Membros dedicados e abnegados do
partido deram toda a sua força e, às vezes, vida, a este assunto difícil, mas muito importante. Em
particular, de acordo com a denúncia de Bryandinsky, o antigo membro do Partido, o carpinteiro
Ivan Vasilyev, que estava levando literatura do exterior, morreu em Moscou. Em São Petersburgo, o
provocador emitiu o chefe do depósito de literatura ilegal, Vasily Orlov, e um funcionário da fábrica
de borracha Olga Isakov, que distribuía literatura sobre empresas.
A luta é orgulhosa de seus heróis, corajosamente lutou contra a perseguição policial e terror. Uma
das evidências de sua exploração são os documentos de arquivo da mesma polícia secreta, eles estão
cheios de referências a livros proibidos, folhetos, jornais, que os bolcheviques regularmente enviam
para muitos centros de trabalho do país. E a polícia secreta não pôde deter o fluxo da imprensa
partidária, chegando a lugares com formas complexas com a máxima observância das regras de
precaução. Essa foi uma das formas concretas da luta do Partido Bolchevique contra a autocracia e
sua polícia política.

A escala da distribuição da literatura bolchevique é visível a partir dos relatórios da polícia que
fixam o "espólio" capturado. Mas sejam quais forem esses relatórios, eles só falam de uma pequena
parte desse fluxo de literatura revolucionária que, através de numerosos canais ilegais, entrou na
Rússia.

Assim, o panfleto de Lênin, A Dissolução da Duma e os Problemas do Proletariado, foi descoberto


durante buscas e prisões em São Petersburgo, Varsóvia, Riga, Baku, Kiev, Odessa e outras 15
cidades e assentamentos. Isto significa que este trabalho leninista se encontrou em todas as
principais regiões da parte europeia do país. Outra brochura de Vladimir Lênin - "A eleição em São
Petersburgo e da hipocrisia de 31 mencheviques" polícia encontrou em São Petersburgo,
Yekaterinburg, Varsóvia, Kiev e outros quatro pontos. Em muitas cidades e áreas rurais, obras de
Lênin como "Social Democracia e as Eleições da Duma", "Notícias do Terceiro Congresso do
Partido Social-Democrata da Rússia" também foram encontradas.

Esses relatórios policiais, em certa medida, dão uma ideia da ampla escala da distribuição de
publicações bolcheviques ilegais. Deve-se levar em conta que os bolcheviques enviavam literatura
sob as condições da clandestinidade, superando enormes dificuldades - cordões de fronteira,
transporte pelo país, distribuição no solo.

A informação da agência de Bryandinsky dizia respeito não apenas à literatura underground. O


provocador regularmente também informava a polícia secreta sobre a política do partido e suas
atividades, sobre o arranjo das forças internas do Partido, desacordos partidários e conflitos. De
1911 a fevereiro de 1913 viveu em Paris e Nancy. Daqui ele deu informações à polícia secreta sobre
os assuntos dos grupos sociais-democratas locais.

Aqui está um de seus relatórios (10 de maio de 1912): "Ontem o relatório de Lenin sobre os
acontecimentos na Rússia e sobre as táticas partidárias ditadas por eles. O relatório foi feito em uma
reunião da seção de Paris da Organização Ultramarina da RSDLP. Considero necessário transmitir-
vos o conteúdo deste relatório, porque expressa mais plenamente e com clareza as minhas opiniões
sobre a situação actual, principalmente porque Lenin é agora a inspiração do Comité Central e,
consequentemente, as tácticas de toda a nossa organização ilegal serão guiadas por esta linha " 25 .

Chama-se a atenção para as palavras: "Expressa meus pontos de vista sobre o momento atual de
forma mais completa e clara." Próprias visões de provocador, agente de segurança! Provavelmente,
os próprios guardas com um sorriso apreenderam este fanfaronismo de um traidor pago. Mas era
importante que eles estivessem cientes das táticas e estratégias partidárias.

Não menos um tom arrogante era a mensagem de Bryandinsky sobre a escola de Lenin em
Longjumeau. Começa assim: "Em 17 de agosto de 1911, 19 quilômetros ao sul de Paris, no metrô
de Longjumeau, terminaram as palestras na terceira escola de propagandistas e agitadores
partidários do POSDR ..." Depois segue a descrição externa da escola, até seu fornecimento. O alto
nível da conspiração leninista não permitiu que o provocador revelasse os propósitos de preparar os
revolucionários e dar seus nomes. Em cada linha, Bryandinsky tem meia palavra. Por exemplo:
"Sergo georgianos ou armênios por nacionalidade, ardente leninista por convicção; declarando dor
de garganta ou ouvido, junto com Semyon ou Zakhar deixaram Longjumeau para Paris,
supostamente fazendo uma operação. " Há, dizem eles, "motivos para afirmar que ele também foi
enviado por Lenin com instruções especiais à Rússia".

Isso é apenas uma provocação. Foi exatamente assim que foi percebido pelo departamento de
polícia. Quanto às "instruções especiais", não só o seu conteúdo, mas também o propósito da
viagem do bolchevique permaneceu para o agente desconhecido. Todos os leninistas mais
importantes conspiraram tão confiavelmente que se tornou inacessível para ele. Portanto, a viagem
de Sergo Ordzhonikidze para a Rússia realmente aconteceu e foi bem sucedida.

Apesar da informação detalhada de seu agente, a polícia secreta teve que procurar
independentemente por "emissários leninistas" que estavam preparando a eleição de delegados para
a conferência de Praga na Rússia. Semyon (II Shvarts) conseguiu dirigir em torno dos Urais,
Yekaterinburg, Ufa, Yekaterinoslav e outras cidades e foi preso mais tarde em Petersburg. Zakhara
(Ya.B. Breslava) foi preso apenas no final de outubro de 1911 em Moscou. Mas o assunto já foi
feito e o tempo foi ganho, o que permitiu que o partido realizasse com sucesso a eleição de
delegados para a conferência e, posteriormente, a própria conferência.

Daí resulta que, contrariamente aos esforços de vários provocadores, os bolcheviques levaram a
cabo com sucesso as medidas planeadas, recordando constantemente que o partido estava cercado
de todos os lados por agentes da polícia secreta. A polícia secreta czarista, escreveu V. I. Lenin,
cercou o Pravda com espiões e tentou convocar provocadores entre eles, incluindo Chernomazov.
Chernomazov (Miron) ficou tão confiante que chegou a ser secretário do conselho editorial do
Pravda. No entanto, mesmo assim, diz Vladimir Lênin, os bolcheviques chegaram à conclusão de
que Chernomazov "compromete nossa linha em seus artigos" e "é suspeito no sentido de
honestidade política".

Havia motivos para isso. Enquanto no jornal do partido, Chernomazov se esforçou para liderar uma
linha sobre ações revolucionárias prematuras, confrontos entre trabalhadores e o governo czarista. A
esse respeito, ele se assemelhava ao provocador de caligrafia "Abrosimov", membro do grupo de
trabalho do Comitê Central Militar Industrial. Este último falou na reunião do grupo com um apelo
provocativo por uma ação revolucionária imediata, para a demonstração de trabalhadores na Duma.
Naturalmente, isso implicaria, sob as condições prevalecentes, o inevitável abate de trabalhadores.
A generalidade da "caligrafia" dos dois provocadores foi que eles se cobriram com uma frase
pseudo-revolucionária.

É característico que o círculo menchevique de Abrosimov não é possível ver o seu rosto real. Mas
os bolcheviques viram em Chernomazov um conspirador provocador. Em 1912, Chernomazov foi
suspensa no trabalho no escritório editorial do Pravda, todas as relações partidárias com ele
cessaram.

Mais tarde, o chefe do departamento de segurança de Moscou, Martynov, informou seus superiores
que, segundo relatórios da inteligência, o partido "foi convidado a investigar o caso do famoso
Myron; Em decorrência disso, uma explicação foi solicitada a Miron, que ele deu por escrito; sua
resposta, ele finalmente convenceu seu envolvimento com a polícia secreta ".

O caso de Chernomazov é apenas um entre muitos, indicando a vigilância do partido bolchevique e


sua luta ativa contra a penetração dos agentes da polícia secreta czarista nas organizações
partidárias. O fato com Y. Zhitomirsky (Ottsov), que os bolcheviques acusaram de provocador,
também é indicativo. Em 1910, por insistência do Bundista Ionov e com o apoio dos mencheviques,
ele foi absolvido pelo Comitê Central, mas no ano seguinte os bolcheviques ainda o rejeitaram do
trabalho partidário. Finalmente exposto Zhitomirsky somente após a abertura dos arquivos de Paris
de agentes estrangeiros do departamento de polícia, isto é, após a Revolução de Fevereiro.

Consequentemente, com base na observação e comparação de fatos, o Partido Bolchevique foi


capaz de ver nele um perigoso inimigo muito antes de sua exposição documental. Zhytomyr
começou a trabalhar na polícia alemã (1900). Nos arquivos do departamento especial do
departamento de polícia, muitas vezes há documentos com menção de Obukhov, Rostovtsev, Andre,
Dode - todos esses são os apelidos de segurança do Zhytomyr. A defesa especializou-se em cobrir as
atividades dos bolcheviques e conspirar com especial cuidado. Isso explica por que Zhytomyr pôde
penetrar no grupo berlinense de Iskra, participar do Congresso V (Londres) da RSDLP e conter
vários fracassos de trabalhadores partidários.

Infelizmente, alguns provocadores permaneceram não revelados, embora os bolcheviques tivessem


suspeitas de sua traição. Em 1916, por exemplo, Olga Karpinskaya (Ravich) em uma carta de
Genebra a NK Krupskaya escreveu sobre um fato tão alarmante: "... um dos agentes de Genebra da
polícia secreta tem um documento escrito em russo. Esta carta refere-se a uma reunião fechada,
presidida por Lenin . O documento que este agente da polícia pediu para traduzir para o francês um
estudante russo. Ele recusou, mas teve tempo de ler um pouco, o que possibilitou entender que este
é o protocolo de alguma reunião. Nesta forma, meu amigo me contou esse fato. O que é isso? Se, de
fato, houve uma reunião encerrada presidida por Lenin, é claro que nesta reunião houve uma pessoa
que entregou as atas da reunião da polícia de Genebra ... "

Que tipo de pessoa era essa? Não foi possível descobrir. A breve revolução de fevereiro, o retorno
dos emigrantes políticos russos para sua terra natal, as novas tarefas que confrontaram o partido,
tudo isso levou ao fato de que este caso, como alguns outros, não foi examinado.

Na política do departamento de polícia, mais uma característica foi claramente revelada, o que foi
observado antes, mas não tanto, a saber: o desejo de impedir a unificação das forças revolucionárias
e, em primeiro lugar, os social-democratas. Isso exigia truques mais sutis do que simples
enunciados. Quando, em meados de 1912, a informação entrou no departamento de polícia que em
Viena Trotsky pretende convocar uma conferência que supostamente deveria trazer a unificação da
social-democracia russa, "perturbada" na conferência de Praga, então nos círculos da polícia secreta
essa informação era alarmante. Não entendendo a perdição do empreendimento trotskista, os
policiais começaram a discutir a "situação" que havia surgido e elaborado um plano: ajudar o
"social-democrata" - um agente da polícia secreta de Moscou - a chegar à conferência em Viena
para evitar uma possível unificação dos grupos social-democratas ali representados.

O provocador Polyakov na conferência começou a conduzir uma "linha" correspondente sob a


diretiva de seus superiores de polícia. Isto, em última análise, não foi muito difícil, dada a atitude
hostil dos trotskistas e liquidatários aos bolcheviques. Como resultado, o "debate" terminou em um
escândalo entre Peter (Polyakov) e Martov. Em outubro de 1912, o Departamento de Polícia emitiu
uma circular especial sobre esse assunto dedicada à conferência trotskista em Viena.

Colorido descrito por Polyakov, o colapso do bloco trotskista de agosto, que já ocorreu na própria
conferência, tranquilizou brevemente o departamento de polícia, e continuou a seguir uma política
de desengajamento da social-democracia. O alarme especial no departamento de polícia foi
motivado por um relatório sobre a reunião do Bureau Internacional Socialista em dezembro de
1913, em que Kautsky propôs encontrar maneiras de unir as frações do RSDLP e convocar uma
conferência especial de várias tendências da socialdemocracia russa para esse fim. O departamento
alarmado das questões policiais em conexão com a circular de 1º de março de 1914, Nº 167664, que
analisa a proposta do Bureau Internacional Socialista 32 , e dois meses e meio depois em outra
circular, nº 172935 33 , destaca a correlação de forças políticas no RSDLP e no estado movimento
revolucionário em todo o país.

O último documento do departamento de polícia merece atenção, pois é forçado a admitir o enorme
sucesso e a crescente influência entre os trabalhadores do Partido Bolchevique em relação à eclosão
da Primeira Guerra Mundial. A circular observa que, após uma série de fracassos, as organizações
clandestinas "esforçam-se com afinco para estabelecer o trabalho destruído do partido, para
restaurar as células que deixaram de funcionar". Ao mesmo tempo, uma confissão muito
característica é feita: "Os representantes da facção bolchevique" leninista "(" pradvdistas ")
mostraram a maior energia a esse respeito." Quanto à possibilidade de convocar um congresso de
unificação e preparativos ativos para os leninistas, a circular enfatiza: "... no momento o sucesso do
trabalho de preparação do congresso é mais provável nos seguintes lugares: Petersburgo, Moscou
com a região adjacente, Kiev, Kharkov, Ekaterinoslav, Odessa, Nikolaev, Kremenchuk, Vologda,
Arkhangelsk, Gomel, Dvinsk, os Urais, o Volga, o Cáucaso, a Sibéria e a Região Carbonífera de
Donetsk. "

As regiões e pontos listados são praticamente todos da Rússia! Consequentemente, nem o terror
político nem a contrariedade da polícia secreta e seus provocadores - nada poderia deter o
movimento revolucionário encabeçado pela força confiantemente gananciosa do partido
bolchevique.

Em setembro de 1914, o departamento de polícia emitiu uma nova circular, imbuída de temores
ainda maiores sobre a possível unificação dos excluídos dos grupos partidários na plataforma de
todos os partidos dos bolcheviques. "Dada ... toda a indesejabilidade da implementação disso", diz a
circular, "o departamento policial julga necessário convidar os chefes de todas as agências de
investigação a incutir urgentemente sob seus funcionários secretos que eles, em vários tipos de
reuniões partidárias, conduzam firme a ideia." impossibilidade absoluta de qualquer tipo de fusão
organizacional dessas tendências, e especialmente a unificação dos bolcheviques com os
mencheviques ".

A estratégia e as táticas dos bolcheviques, destinadas a derrubar a autocracia, o sistema burguês-


senhorio, as ordens que geraram, eram na maioria das vezes inacessíveis à compreensão da polícia
secreta e do governo da Rússia czarista. Muitos slogans políticos dos bolcheviques eram
considerados pelo departamento de polícia como de costume agitação antigovernamental,
"problemática", como dizem os antigos guardas, e não o curso geral do partido revolucionário.
Possuindo alguns factos do trabalho prático dos bolcheviques, prestados de forma assistencial aos
provocadores, a polícia secreta ainda não conseguia compreender o quadro real da situação na
social-democracia russa. Esta foi a razão do arremesso infrutífero do departamento de polícia,
embora em geral a polícia política czarista representasse uma séria ameaça às forças revolucionárias
da Rússia.

Era um inimigo forte e perigoso. Os revolucionários já conseguiram combatê-lo com sucesso. Para
este propósito, os quadros de "experientes, profissionalmente treinados, não menos que nossos
policiais, revolucionários" foram treinados. "Quando temos destacamentos de revolucionários
operários especialmente treinados e de longa duração", escreveu Vladimir Lênin, "então nenhuma
polícia política do mundo pode lidar com esses destacamentos ..."
Deve-se notar que muito antes do início da Primeira Guerra Mundial, tais combatentes já eram
muitos nas fileiras do partido bolchevique. Esses alunos da escola leninista resistiram à polícia
secreta czarista. E não apenas se opunham, mas também em uma luta tensa sob o fogo contínuo do
inimigo, conseguiram salvar o grupo da derrota, para assegurar sua eficácia de combate antes das
batalhas decisivas contra o czarismo. Sua coragem e heroísmo podem ser verdadeiramente
orgulhosos. Em pouco tempo, aprenderam as regras da conspiração revolucionária, a ciência
revolucionária, a técnica de organizar casas seguras e o transporte de literatura ilegal e métodos de
combate a agentes policiais. Eles criaram um regime de estrita conspiração, que, como Lênin
assinalou, "é uma condição necessária para tal organização que todas as outras condições (o número
de membros, sua seleção, funções, etc.) devem ser combinadas com ela".

Cumprindo a instrução de Lênin de que "uma luta especial" com a polícia política "é necessária", o
partido em todos os estágios de sua história heroica demonstrou alta vigilância política, levou a
cabo um complexo complexo de medidas conspiratórias e pôde resistir com êxito ao aparato
repressivo czarista. Como resultado, o principal foi alcançado: as organizações do Partido e sua alta
capacidade de combate foram preservadas.

Olhando para o passado distante, vemos como um pequeno grupo de revolucionários empreendeu
uma grande missão histórica: forjar uma arma espiritual e organizacional para a libertação do
proletariado russo - um partido revolucionário. Em severas batalhas de classes, foi criado e
administrado não só para enfrentar os inimigos, mas também para conduzir o proletariado da Rússia
à sua vitória histórica.

Em 1916, os sentimentos anti-monarquicos das massas, que se opunham à guerra e à arbitrariedade


administrativa e policial, chegaram a tal ponto que representaram uma ameaça imediata ao regime.
O declínio progressivo da economia, o fermento no exército e a crise de todo o sistema político do
estado tornaram-se um fato óbvio. Esses processos foram significativamente fortalecidos pela
desintegração dos círculos dominantes.

Neste último ano da autocracia russa, o colapso do regime estava em um ritmo acelerado. Muitos
dos associados mais próximos do governo, incluindo alguns ministros, entenderam a situação no
país. Mas encontraram uma saída para a situação difícil, não em uma mudança radical na vida
política, mas em outra mudança do governo. Eles estavam especialmente preocupados e até mesmo
hostis à nomeação em setembro de 1916 de Protopopov como ministro de Assuntos Internos. Ele foi
considerado mal treinado. E foi mesmo assim. Protopopov estava bem versado apenas nos assuntos
da indústria de tecidos, cujas sutilezas tecnológicas estudara na América, e dominava a prática em
suas três fábricas, o que lhe rendeu uma renda anual de 300 mil rublos.

No entanto, o czar e os círculos palacianos ficaram impressionados com o caráter extremamente


reacionário de Protopopov, que foi a melhor recomendação para a obtenção do cargo de ministro. O
inimigo de tudo progressista e avançado, concentrou seus esforços na erradicação e na supressão de
ações revolucionárias. Detenções, buscas, dispersões de reuniões tiveram um caráter de massa.

A repressão com força particular atingiu o Partido Bolchevique, que tinha uma clara postura anti-
governo e anti-guerra, que neste ano influenciou cada vez mais o crescimento dos sentimentos
revolucionários entre os trabalhadores, camponeses e o exército. Em muitos casos, a indignação
popular chegou a protestos abertos contra as autoridades. Para suprimir essas manifestações
revolucionárias, todas as forças da polícia foram mobilizadas, que agora recorreram às medidas
mais extremas. Protopopov e seu prático enviaram cossacos e policiais montados contra os
trabalhadores, contra todos aqueles que exigiam: "Pão!", "Abaixo a guerra!", "Abaixo a autocracia!"
Isso era terror desenfreado.

A fim de fortalecer a imprensa reacionária, Protopopov fundou o jornal "Russian Will", que foi
publicado em Petrogrado em 1916-1917. Ela era particularmente cruel com todos os opositores do
regime, e especialmente os bolcheviques. A "vontade russa" continuou a surgir depois da Revolução
de Fevereiro, opondo-se ao Partido Bolchevique contra Lenin. Em conexão com isso, a Conferência
dos Bolcheviques da cidade de Petrogrado, aberta em 14 de abril de 1917, dirigiu um apelo especial
"Aos Soldados e Marinheiros" sobre a calúnia vil do porta-voz sobrevivente de Protopop. A
proclamação dizia: "O jornal Russkaia Volia, fundado pelo ministro czarista Protopopov e
desprezado até mesmo pelos cadetes, conduz a agitação contra nosso Partido, contra o jornal
Pravda, contra ... Lênin ... contra o Comitê de São Petersburgo de nosso Partido ..."

Simultaneamente com a perseguição dos bolcheviques e organizações de trabalhadores, a polícia


secreta da polícia estabeleceu controle e vigilância na Duma. Em 1916, dois agentes secretos foram
criados aqui, operando de forma independente. Um foi servido pelo Ministério do Interior, o outro
pelo Presidente do Conselho de Ministros Protopopov, que criou esta agência.

Através de sua extensa rede de agentes, a polícia secreta tentou cobrir toda a vida social do país. No
entanto, o crescente movimento revolucionário não podia mais ser detido pelas medidas policiais e
o colapso do regime monárquico e, com ele, seu apoio - o aparato policial se aproximava
incontrolavelmente. Com o colapso progressivo e desorganização no estado não economizou e
aumentou o controle da polícia. Além disso, ele evocou e aumentou o ódio ao czarismo e seu
governo. Mesmo tal representante dos círculos de direita como o cadete V. Maklakov declarou: "A
Rússia é unânime em apenas uma coisa - em ódio ardente ao governo".

A situação criada no país, é claro, não poderia deixar de afetar a vida sócio-política. No último ano
da existência do regime autocrático, houve um claro desengajamento das forças políticas. A
oposição burguesa exigiu a criação de um governo responsável, com a participação de seus
representantes, a continuação da guerra para um fim vitorioso, a expansão das atividades dos
comitês industriais militares, a convocação do Congresso de Alimentos da Rússia. Em geral, esses
requisitos foram reduzidos a alguma transformação do regime. Os mencheviques, que participaram
ativamente de grupos de trabalho sob os comitês militar-industriais, reconheceram a luta contra o
governo usando apenas possibilidades legais. E os socialistas-revolucionários ainda estavam em
estado de desorganização e divididos após a provocação desmascarada de Azev e, principalmente, o
fracasso de sua política de terror.

Em contraste, o Partido Bolchevique, sozinho e de forma consistente, se opunha ao czarismo e à


guerra imperialista. Para este fim, ela usou meios revolucionários de luta, mobilizando as grandes
massas do povo para a derrota final da autocracia. O desenvolvimento real dos acontecimentos
políticos, o rápido crescimento dos sentimentos revolucionários entre a classe operária, o exército
representando a maior parte do campesinato, confirmaram a convicção dos bolcheviques de que não
se pode esperar mais. A derrubada da autocracia é uma tarefa que exigiu uma decisão urgente. No
começo de 1917, a indignação do regime havia alcançado seu ponto culminante.

As instalações e os objetivos dos bolcheviques, dispostos em numerosos panfletos, na propaganda


oral de ativistas partidários, arriscando as vidas daqueles que falavam em fábricas, em quartéis
militares, nos navios da frota do Báltico, naturalmente aumentaram seu ódio dos servos do
czarismo. Foi para o partido leninista que a onda de perseguição militar e policial ocorreu com força
particular.
A repressão violenta, apesar de trazer perdas pesadas, mas ainda não conseguiu esmagar o nosso
partido, não quebrou a vontade de lutar. Posições clandestinas estratégicas e táticas preparadas e
em pouco tempo criou na Rússia um exército político para uma grande vitória em outubro de 1917.

A revolução democrático-burguesa de fevereiro de 1917 resolveu a tarefa imediata de derrubar o


czarismo e abriu o caminho para o seu desenvolvimento em uma revolução socialista. A situação
criada na Rússia exigia uma nova orientação dos partidos políticos, novas táticas. Mas só VI Lênin,
o Partido Bolchevique conseguiu em pouco tempo elaborar um programa para o desenvolvimento
ulterior da luta revolucionária. Uma de suas principais disposições era o slogan "Todo o poder para
os soviéticos!". Os sovietes de deputados operários e soldados criados no fogo da revolução eram
órgãos da ditadura revolucionária democrática do proletariado e do campesinato. Eles tinham que se
tornar um veículo para ideias revolucionárias e praticamente resolver as tarefas de construir uma
nova Rússia livre sobre as ruínas do regime czarista.

No entanto, os mencheviques e socialistas-revolucionários, que receberam maioria nos sovietes,


traíram os interesses dos trabalhadores e camponeses, dando poder de Estado ao Governo
Provisório, órgão da ditadura da burguesia. Isto predeterminou o curso político externo e interno do
poder estatal oficial, incluindo o slogan "Guerra ao Fim da Vitória", a rejeição da solução
revolucionária da questão mais aguda da terra, a preservação do aparato de classe e opressão
nacional do povo trabalhador.

Tendo enfrentado uma resistência decisiva da classe trabalhadora e do campesinato no caminho


para a implementação deste curso, o Governo Provisório reacionário liderou a luta contra o
movimento revolucionário das massas e o partido bolchevique que os liderou. Nesta luta, o Governo
Provisório contou com o apoio dos socialistas-revolucionários e mencheviques. E isso não foi
errado. Os social-revolucionários e mencheviques acreditavam que os objetivos da revolução foram
alcançados e praticamente compartilhavam a política do Governo Provisório, visando preservar e
fortalecer o sistema capitalista na Rússia. Essa foi a linha de um acordo com a burguesia.

O poder dual que surgira no país seria completado pela ditadura da burguesia ou pela ditadura do
proletariado. Nessas condições, o Governo Provisório provou ser uma força extremamente
reacionária, adotando métodos e métodos punitivos.

Isto foi especialmente manifestado em julho de 1917. As autoridades contra-revolucionárias


começaram a prender ativistas do Partido Bolchevique e baniram o Pravda. O culminar foi a decisão
do Governo Provisório de prender Lenin. O comandante das tropas da guarnição de Petrogrado,
general Polovtsev, ordenou a prisão de Lênin e a represália imediata contra ele. A busca por Lenin
envolveu funcionários da antiga polícia secreta. Para fazer isso, os agentes da polícia secreta
czarista foram novamente mobilizados, uma tentativa foi feita para restaurar o sistema de detetives
da autocracia.

Caracteristicamente, as fileiras clandestinas profundas primeira ido da polícia secreta czarista neste
momento aplaudiram, ofereceu quase abertamente os seus serviços às autoridades, atendendo ao
mesmo tempo uma atitude muito favorável dos mencheviques.

Naquela época, nem uma polícia czarista nem uma polícia secreta tinha ido embora. A derrota das
instituições policiais foi final. No entanto, isso não significa que existem políticas policiais de todas
as patentes que tenham desaparecido. Muitos chefes do departamento de polícia de departamentos
de segurança foram convidados, mas uma época deles era conspiradora. O policial comum e a
gendarmaria, em sua maior parte, correram para a aldeia. Alguns deles tentaram, e não foram bem-
sucedidos, entrar nos órgãos administrativos recém-criados. Com base em interesses e diretores
mútuos, hum

contato entre ex-servidores e representantes dos círculos e oficiais mais reacionários, que
assumiram a posição de combater como autoridades revolucionárias. Foi com base nisso que
surgiram as futuras conspirações e levantes contra-revolucionários.

A medida que a Influência do partido bolchevique sobre as massas se intensificou, círculos do


Governo intensificaram sua luta contra a vanguarda revolucionária. Bolcheviques. O Governo
Provisório começou a mobilizar todos os meios possíveis para isso. Uma parte significativa de seu
aparato consistentemente foi uma ação, voltada principalmente contra os bolcheviques. Uma
Expressão concreta disso foi uma falsa acusação de VI Lenin de espionagem, bem como a criação
de uma rede para monitorar os líderes Bolcheviques e a perseguição de ativistas partidários.

Na época do VI Congresso do Partido, o sistema de investigação do governo, a entrada da história


já havia feito o sentimento. Evidentemente, era impossível criar novos quadros dessa mesma
maneira não convencional e, portanto, especialistas de tempos czaristas envolvidos. Como
resultado, o primeiro sistema policial foi restaurado e voltou ao método de provocação - um dos
principais agentes da polícia secreta czarista.

AV Shotman, revolucionário profissional, um bolchevique-leninista, um participante ativo da


Grande Revolução Socialista de Outubro, escreveu que os trabalhadores e soldados, finalmente
perderam a fé no governo, vendo sua dupla prejudicial para as grandes massas da política veio (16)
de julho.. nos braços da rua para parar a guerra, para dar terra aos camponeses, as fábricas os
trabalhadores, ou seja, fez os slogans que Lenin apresentadas desde os primeiros dias de sua
chegada na Rússia - desta vez a burguesia querendo mais pra si atacava a crescente revolução
proletária.

Para este procurado, ex-representante dos trabalhadores de São Petersburgo na Segunda Duma do
Estado, G. Aleksinsky, foi escolhido. Este canalha, juntamente com o ministro da Justiça
"socialista" Pereverzev e com um espião russo, compilou um Documento que dizia que Lênin era
um espião alemão. Essa acusação foi retirada, que proibiu os jornais de imprimir esse "documento".
Mas quando um jornal preto e branco de rua, apesar da proibição, imprimiu-o, outros jornais não
resistiram e seguiram o seu exemplo.

O tiroteio de três dias nas ruas de São Petersburgo exasperou os nervos de todos. Ate o último grau,
absolutamente incrível condições normais de calúnia, encontrou um terreno favorável. Acreditava
que não eram apenas os habitantes da cidade, mas parte dos soldados exaustos, não versados em
política.

Isto foi aproveitado pela burguesia e, junto com os socialistas-revolucionários e mencheviques,


prosseguiu a ofensiva contra os operários e soldados revolucionários. Os oficiais faliram
abertamente e, em primeiro lugar, a equipe de impressão e editorial do jornal Pravda. Não existem
muitas gráficas do Pravda, um trabalhador dos Warriors foi morto, quando saiu com um panfleto.

A proximidade do pogrom foi sentida no ar. O seriado chamado hoje em dia, bolchevique pretendia
abertamente condenar-se ao tormento da multidão de habitantes brutais. Comitês do partido na
natureza foram derrotados, muitos camaradas foram presos, rumores sobre uma possibilidade de
serem mortos.
Levando em conta a situação, o Comitê Central do Nosso Partido enviou um número de
Trabalhadores para as províncias, com fim de esclarecer o significado dos eventos ocorreram. Fui
enviado para a Finlândia, nas montanhas. Helsingfors. Para combater as calúnias. Oficiais da frota
do Báltico tentaram enganar parte dos marinheiros, mas eles não conseguiram. Falei diante da
massa de 12.000 Homens marinheiros na Praça do Senado com um relatório sobre os eventos de
julho, gritos ouvidos das filas de trás: "Abaixo ! Espião Alemão" ...

Mas a massa avassaladora do encontro abafou esses gritos de exclamações: "Viva os bolcheviques!

Hooray! .. "

Conspiração estrita ajudou os Bolcheviques antes dos dias decisivos de outubro. Usando Toda a
Experiência sua, uma luta guardou o Líder. "Apesar fazer fato de que, desde a transição de Lenin se
esconde por cerca de mês - lembrou AV Shotman, Kommersant Moscou continuou a Perseguição
com vigor incansável e exigiam a prisão de Lenin ...

Não só a contra-espionagem e investigadores criminais foram colocados Kerensky, mas até mesmo
os cães, incluindo o famoso cão policial Tref ... junto com os guardas e cães em busca de Lenin com
a presença de centenas de investigadores voluntários e entre eles os filisteus burgueses. Um dia
apareceu nos jornais uma nota informando que 50 oficiais do "batalhão de choque" haviam jurado
encontrar Lenin.

Enquanto os guardas, cães e detetives estavam procurando por Lenin, encontrar formas de garantir a
passagem da fronteira, o próprio Lenin estava ocupado ... o VI Congresso do Partido Bolchevique,
que ele fez de seu refúgio muito desconfortável. Quando o final de Sverdlov, que presidiu o
Congresso votou na resolução de Lenin escrita à mão foi descuidado o suficiente para que você
saiba que, embora Lenin privado da oportunidade de participar no congresso, ele invisivelmente
envolvido até mesmo em direcionar o trabalho, todos os jornais levantaram um uivo incrível e
exigiram com tripla energia a prisão imediata de Lênin. Durante o congresso os delegados foram
reforçadas de vigilância, e para mim, como um delegado do Congresso, teve que ter muito cuidado
e para fornecer sua viagem para Sestroretsk precauções extraordinárias para não chamar atenção
dos detetives e quando finalmente foi decidido levar o poder do estado para as mãos dos
trabalhadores, Vladimir Ilyich mudou-se em 24 de outubro (6 de novembro) de Lesnoy para
Smolny. E no dia seguinte, 25 de outubro (7 de novembro) de 1917, Vladimir Ilyich se legalizou
novamente, mas desta vez já como presidente do Conselho de Comissários do Povo ".

***

nos tempos pré-Revolucionarios, os Bolcheviques-leninistas tinham que resistir aos inúmeros


golpes da polícia secreta czarista e construir, fortalecer e preparar o partido para batalhas decisivas.
Na dura Luta, o partido ganhou imensa E
experiência, estudou os hábitos dos inimigos, seus métodos, e opos-se a sua coesão, ideologia
inabalável, alta vigilância e conspiração.

condições nas difíceis fazes de clandestinidade, os Bolcheviques desenvolveram métodos concretos


de luta. Seguindo uma regra leninista - habilmente combinando trabalho ilegal e legal, o partido
minimizou os danos a vanguarda revolucionária, reteve quadros e organizações partidárias.
páginas da história do nosso partido sempre despertar o interesse no leitor e, especialmente, entre os
jovens da União Soviética. Afinal, como façanhas da geração mais velha para ajudar os jovens a
herdar uma revolucionária batalha, para forjar o caráter, resistência e coragem, tão necessario na
formação da ideologia comunista, na grande causa da construção do comunismo. Baseado no
histórico legado do partido, o juventude vai com Confiança por Lênin.

O estudo da experiência histórica do PCUS é de grande importância para os Partidos Comunistas


nos países capitalistas, para os quais o nosso ontem e, em muitos aspectos, o seu verdadeiro hoje. A
história das últimas décadas demonstrou de maneira convincente que no mundo capitalista os
Partidos Comunistas e Operários estão sujeitos a amargos ataques das alas dominantes, limitados
por quaisquer meios, incluindo o uso de terror e provocações da policia. Esses Partidos,
especialmente aqueles que são forçados a agir nas condições de clandestinidade, estão engajados em
uma luta extremamente difícil contra o Inimigo de classe e seu aparato de violência.

E por isso que a experiência de combate dos Bolcheviques tem um significado internacional
duradouro. A respeito este, como palavras da saudação do Comité Central do Partido Africano da
Independência para o 22 º Congresso do PCUS são dignas de nota . Mais de duas décadas se
passaram e seu profundo significado político permanece até hoje. Do distante Senegal o líder recém
criado enquanto o partido marxista-leninista com uma abertura amigável e apreciação escreveu:
"Trabalhar em clandestinidade e superar as dificuldades como os que caíram lutando por seu
partido. Nos primeiros ano de sua existência, estamos cada diâmetro mais e mais apreciar uma
riqueza de testes que o acumulado para todos nós ".

A menos que importante é a própria experiência dos partidos fraternos na luta contra os agentes
subversivos do inimigo de classe. Para essa luta, eles são preparados com todo o desenvolvimento
histórico anterior, sua prática, que é criada com pré-requisitos para o sucesso e a vitória.

O grande Lenin disse que a burguesia continuaria enviando provocadores aos Partidos Comunistas e
usaria armas de provocação em futuras batalhas de classes. Não pode ser de outra forma. O Estado
burguês, todo o aparato do poder estatal é apoiado por órgãos policiais e não pode prescindir desse
apoio. Os governos dos Países capitalistas gastam enormes somas de dinheiro e para o
fortalecimento de Seu aparato policial, no mesmo ritmo em que adotam Atos legislativos facilitam a
atividade terrorista. Isso geralmente abre caminho para a reação mais extrema, uma contra-
revolução implacável que lançou uma trilha sangrenta no século passado.

O processo de fortalecimento do aparato policial - punitivo é geralmente acompanhado pelo


fortalecimento dos elos interestaduais e internacionais dos serviços policiais. A soberania nacional,
a dignidade, a observância das leis são todas sacrificadas aos objetivos gerais de classe da
burguesia.

dada a escalada da repressão anti-comunista no mundo capitalista, pode-se argumentar que nem um
único movimento político na história moderna foi submetido a uma perseguição tão generalizada e
amarga como o comunista. A burguesia reacionária e os principais círculos imperialistas não se
limitam apenas à adoção de leis anti-trabalhistas, dirigidas principalmente contra uma parte mais
avançada e consciente da classe trabalhadora. Eles também usam ativamente uma perseguição em
um nível "individual".

As forças policiais de vários países capitalistas lideram as políticas de terrorismo. Guatemala


Partido do Trabalho, por exemplo, no prazo classificado três secretários-gerais, que são vítimas de
provocação da polícia. Presidente do Partido Comunista Paraguaio, Antônio Maidana foi
sequestrado em 1980 por agentes da polícia política do seu país de origem - Argentina.

E muitos desses fatos estão citados. À partir da tribuna do XXVI Congresso do PCUS Leonid
Brezhnev, disse ele: "através de terror e perseguição, por meio de prisões e arame farpado dos
campos de concentração, nenhuma Diário Trabalho dedicado e frequentemente muito pensado para
o benefício dos povos dos países capitalistas. Comunistas e seu compromisso com os ideais do
marxismo-leninismo e do internacionalismo proletário.

Expressamos nossa ardente solidariedade aos nos Irmãos Comunistas, que definham nas masmorras
das ditaduras fascistas, estão sujeitos à Repressão policial e estão engajados em uma pesada luta na
clandestinidade. Solidariedade com aqueles que são discriminados, privam os direitos civis e
políticos apenas por suas crenças, por pertencerem ao partido da classe trabalhadora.

Honra e glória aos comunistas - lutadores corajosos pela causa do povo! "

A persistente e difícil luta da classe trabalhadora com a burguesia reacionária e seu terror policial
continua sendo hoje um problema permanente para os Partidos Comunistas. Nos países capitalistas.
A força de reação internacional, nenhuma perseguição política, o terror policial não determina o
processo de libertação dos povos.

Notas:

1 CGAR. Fundo de Departamento de Polícia, departamento especial, 155, op. 10, parte 6, p. 78

2 Veja: Lenin, VI Poln. coletar.op. vol. 9, p. 331

3 Ibid.

4 Ibid., P. 332

5 Ibid., P. 333

6 Ibid.

7 CGAR. Fundo de Departamento de Polícia, departamento especial, 155, parte 6, f. B, vol 6, p. 1

8 CGAR. Fundo de Departamento de Polícia, departamento especial, 155, parte 6, f. B, vol 6, p. 1

9 Registros verbatim ... Interrogação de Vissarionov, v. 3, p. 445

10 Ibid., V. 5, p. 213

11 O passado, 19-18, n. 12

12 Veja: Relatos verbatins ... Interrogação de Spiridovich, vol. 3, p. 38, 44, 198.

13 Registros verbatim ... Interrogatório de Beletsky, v. 4, p. 298

14 Lenin VI Poln. coletar.op. vol. 30, p. 318


15 Bonch-Bruevich VD Trabalhos selecionados. M., 1961, vol. II, p. 28.

16 Akhun MI, Petrov VA Os bolcheviques e o exército. M.-L., 1929, p. 54-71.

17 Ver: M. Akhun, V. Petrov Bolcheviques eo exército, p. 54-71.

18 Veja: Petersburgo Bolcheviques durante a Primeira Revolução Russa. L., 1956, p. 176

19 Ver: Svidelsky, RI, Grushin, VT Trabalho Militar e Combate dos Bolcheviques no Período da
Primeira Revolução Russa. M., 1952, p. 134

20 Ver: VI Lenin, Poli. coletar.op. vol. 19, p. 396-397

21 Vorontsov IP Tenente Schmidt. M., 1925, p. 88

22 Veja: Bolcheviques ..., p. XVII-XVIII.

23 1 Veja: Bolcheviques ..., p. 81-82.

24 Veja: Bolcheviques ..., p. 82-84.

25 Os bolcheviques ..., p. 107-108.

26 Os bolcheviques ..., p. 65

27 Lenin VI Poln. coletar.op. vol. 31, p. 80

28 CGARP. Fundo do Departamento de Polícia, departamento especial, 307, f. 300

29 CPA do IML, f. 17, 780.

30 Veja: Bolcheviques ..., p. 118

31 Veja ibid., P. 111

32 Veja: Bolcheviques ..., p. 243

33 Veja ibid., P. 144-145.

34 Os bolcheviques ..., p. 148

35 Lenine VI Poln. coletar. op., Vol. 6, p. 126

36 Ibid., P. 133

37 Ibid., P. 136

38 Ibid., P. 110.
39 VI Lenin, Collected Works, vol. op. vol. 31, p. 227

40 Veja: O Passado, 1918, n. 2, p. 148

41 O passado, 1918, n. 13, p. 91

42 Saudações ao 22º Congresso do PCUS. M., 1961, p. 398-399.

43 Materiais do 26º Congresso do PCUS. M., 1981, p. 19

Você também pode gostar