Você está na página 1de 2

GLOSSÁRIO

Papel e Celulose

ABIPA: Associação Brasileira das Indústrias de Painéis de Madeira.

ADT, ADMT ou TSA: Tonelada de celulose seca ao ar.

AOX: Compostos organoclorados solúveis em água.

Biomassa: Resíduos de madeira (cascas cavacos, etc.) que são utilizados como combustíveis.

Codema: Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente. Órgão composto por membros do
poder público e da sociedade civil organizada, com funções de consultoria, assessoria,
deliberação e fiscalização das práticas e políticas ambientais em âmbito municipal.

Combustíveis não-renováveis: Combustíveis fósseis (óleo, carvão mineral e gás).

Combustíveis renováveis: Biomassa, licor negro e resíduos florestais.

DBO5 ou BOD5: Demanda bioquímica de oxigênio. Representa o conteúdo de matéria


orgânica, presente em uma amostra, passível de ser biodegradado por microorganismos.

DORT: Doença Osteomuscular Relacionada ao Trabalho (nova denominação para LER – Lesões
por Esforços Repetitivos).

DQO: Demanda química de oxigênio. Representa a quantidade de matéria orgânica presente


em efluentes capaz de ser oxidada quimicamente por um agente oxidante forte.

Dregs e Grits: Resíduos alcalinos gerados no processo de recuperação do licor preto.

ECF: Elementary Chlorine Free. Celulose produzida sem o uso de cloro elementar.

Esalq: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, de Piracicaba (SP). É uma unidade da
Universidade de São Paulo (USP), com expressiva contribuição no ensino, pesquisa e extensão
nos campos das Ciências Agrárias, Ambientais, Econômicas e Sociais.

ETE: Instalação na qual a água utilizada no processo industrial é tratada antes de ser devolvida
à natureza.

Fábrica Integrada: Unidade industrial que produz celulose e papel.

Fábrica não-integrada: Unidade industrial que apenas produz papel.

IBAMA: Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.


Licor Negro: Resíduo que surge durante a fabricação de celulose. É rico em matéria orgânica e
sua queima é a principal fonte de energia em fábricas de celulose. Os resíduos produzidos na
queima retornam ao processo, pois são ricos em sódio e enxofre.

Lodo: Resíduo gerado no tratamento dos efluentes. É composto por fibras, carbonatos e
outras perdas de processo. Pode conter, ou não, o lodo produzido no tratamento biológico
(quando houver). Contém nutrientes, como fósforo e nitrogênio, e pode ser aplicado no solo
como composto orgânico, após passar por processo de compostagem.

MDF: Painéis de fibra de madeira de média densidade (Medium Density Fiberboard).

MDP: Painéis de partículas de madeira de média densidade (Medium Density Particleboard).

OX: Total de compostos orgânicos clorados presentes na polpa de celulose.

SO2: Dióxido de enxofre. Fração de enxofre na forma oxidada presente nas emissões
atmosféricas, resultante de processos de combustão. Normalmente associado ao uso de
combustíveis que contêm enxofre (óleos, carvão mineral, etc.).

TRS: Compostos reduzidos de enxofre. Representa a quantidade de enxofre na forma reduzida


presente em emissões gasosas.