Você está na página 1de 74

Catalogação elaborada na Fonte.

Ficha catalográfica elaborada pela Bibliotecária responsável:

Eliane Maria Stuart Garcez – CRB 14/074

U588g Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde. Departamento de Saúde Pública. Curso de Atenção Integral à Saúde das Mulheres – Modalidade a Distância. Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres [Recurso eletrônico] / Universidade

Federal de Santa Catarina. Organizadoras: Michele de Freitas Faria de Vasconcelos

Florianópolis: UFSC, 2017. 74 p. : il. color. Modo de acesso: www.unasus.ufsc.br Conteúdo do módulo: Unidade 1 – Relações de gênero e o cuidado em saúde. – Unidade 2 – Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres. – Unidade 3 – Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na atenção básica. ISBN: 978-85-8267-108-5 1. Gênero e saúde. 2. Saúde das mulheres. 3. Vulnerabilidade e saúde. I. UFSC. II. Vasconcelos, Michele de Freitas Faria de. III. Silva, Jeane Félix da. IV. Rodrigues, Ana María Mujica. V. Warmling, Deise. VI. Título .

[et al]. -

CDU: 613.9

Créditos

GOVERNO FEDERAL Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES) Departamento de Gestão da Educação na Saúde (DEGES) Coordenação Geral de Ações Estratégicas em Educação na Saúde Secretaria de Atenção à Saúde (SAS) Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres

Universidade Federal de Santa Catarina

Reitor:

Luiz Carlos Cancellier de Olivo

Vice-Reitora:

Alacoque Lorenzini Erdmann

Pró-Reitor de Pós-Graduação:

Sérgio Fernando Torres de Freitas

Pró-Reitor de Pesquisa:

Sebastião Roberto Soares

Pró-Reitor de Extensão:

Rogério Cid Bastos

Centro de Ciências da Saúde Diretora:

Vice-Diretor:

Isabela de Carlos Back Ricardo de Sousa Vieira

Departamento de Saúde Pública Chefe do Departamento:

Fabrício Augusto Menegon

Subchefe do Departamento:

Maria Cristina Marino Calvo

Coordenadora do Curso de Capacitação:

Elza Berger Salema Coelho

5

Créditos

EQUIPE TÉCNICA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE Coordenação Nacional de Saúde da Mulher

Gestora geral do Projeto

Equipe de produção editorial

Equipe executiva

Consultoria técnica

6

Caroline Schweitzer de Oliveira Célia Adriana Nicolotti Maria Esther de Albuquerque Vilela Thais Fonseca Veloso de Oliveira

Elza Berger Salema Coelho

Carolina Carvalho Bolsoni Deise Warmling Elza Berger Salema Coelho Larissa Pruner Marques Sabrina Blasius Faust

Dalvan Antonio de Campos Gisélida Vieira Patrícia Castro Sheila Rubia Lindner Tcharlies Schmitz Thiago Ângelo Gelaim

Carmem Regina Delziovo

Créditos

AUTORIA DO MÓDULO

Assessoria pedagógica

Identidade visual e Projeto gráfico

Diagramação

Esquemáticos

Ajustes e finalização

Design instrucional, revisão de língua portuguesa e ABNT

Ana María Mujica Rodriguez Deise Warmling Jeane Félix da Silva Michele de Freitas Faria de Vasconcelos

Márcia Regina Luz

Pedro Paulo Delpino

Paulo Roberto da Silva

Naiane Cristina Salvi

Adriano Schmidt Reibnitz

Eduard Marquardt

Fonte para imagens e esquemáticos Fotolia

7

8

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Este módulo tem como fio condutor o concei- to de relações de gênero, fundamental quando se trabalha para produzir saúde das – e com

– as mulheres. Parte-se da ideia de que a saú- de das mulheres é influenciada, de maneira

relevante, pela intersecção entre relações de gênero e territórios de vulnerabilidade. Este reconhecimento pode contribuir com a huma- nização da atenção às mulheres nos serviços de saúde, considerando suas especificidades

e vulnerabilidades, bem como fomentando o protagonismo destas.

O convite para você é que repense a sua práti-

ca diária e que atue na contramão da produção de uma atenção à saúde da mulher prescrita de forma generalizada e uniformizada, aten- ção esta aqui entendida como “desumaniza- dora”, na medida em que é incoerente com o direito à saúde de todas as diferentes mulhe- res, com garantia de acesso universal e equi- tativo a ações integrais em saúde, de acordo com as suas especificidades.

É um convite, portanto, para ir em direção à

atenção à saúde das mulheres, incluindo sin- gularidades de grupos de mulheres e de cada mulher, levando em consideração diferenças

9

mulher, levando em consideração diferenças  9  e desigualdades regionais, de faixa etária, es- colaridade,

e desigualdades regionais, de faixa etária, es- colaridade, religião, sexualidade, aparência física, entre outros fatores. Trata-se de, no atendimento, abarcar questões de raça/cor e etnia, como as especificidades concernentes

à produção da atenção à saúde das mulheres

negras, indígenas, mulheres do campo, flo- resta e águas, que vivem em situação de rua, de mulheres transexuais, mulheres que vivem com HIV/AIDS – ou seja: refletir sobre a saúde das mulheres, considerando a multiplicidade de cenários e as contingências das situações em que as mulheres brasileiras vivem.

A aposta, então, é no acesso com qualidade

e equânime aos serviços de saúde a todas as

mulheres, exercitando o direito à saúde. Esperamos que este módulo do curso seja muito proveitoso. Por isso, desejamos ótimos estudos e (trans) formações nos modos de pensar e produzir saúde, não apenas para, e sim junto com as mulheres.

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Neste módulo o aluno deverá ser capaz de re- conhecer as principais questões de gênero e vulnerabilidades que influenciam a saúde das mulheres.

10

que influenciam a saúde das mulheres.  10  Objetivos de aprendizagem para este Módulo Ao

Objetivos de aprendizagem para este Módulo

Ao final deste módulo, você deverá reconhe- cer as principais questões concernentes à in- terface entre relações de gênero e territórios de vulnerabilidade que influenciam a saúde das mulheres.

Carga horária de estudo recomendada para este módulo

30 horas

Sumário

Unidade 1 – UN1

Sumário Unidade 1 – UN1 Relações de gênero e o cuidado em saúde 13 1.1 Correntes

Relações de gênero e o cuidado em saúde

13

1.1 Correntes teóricas de gênero

15

1.2 Desigualdades de gênero e impactos na saúde

18

1.3 Medicalização do corpo feminino

21

Unidade 2 – UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

23

2.1

Identidades de gênero e orientações sexuais

26

2.2

Políticas públicas para as mulheres lésbicas, bissexuais e transexuais e travestis

31

2.3

Acolhimento às mulheres lésbicas, bissexuais e travestis

32

2.4

Especificidades em saúde das mulheres

33

Unidade 3 – UN3

Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica

53

3.1 Estratégias de superação das vulnerabilidades em saúde das mulheres

55

3.2 Abordagem multidisciplinar e intersetorial da saúde das mulheres

60

Resumo do módulo

65

Referências

67

Sobre as autoras

73

11

12

 12 

UN1

Relações de gênero e o cuidado em saúde

13

14

 14 

UN1

Relações de gênero e o cuidado em saúde

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Nesta unidade, apresentaremos o conceito de (relações de) gênero, propondo que, por meio dele, possamos analisar o cuidado em saú- de que temos produzido. A partir do entendi- mento de que o gênero atravessa a produção das práticas de saúde, a proposta é qualifi- carmos a atenção em saúde por meio deste viés. Apostamos na ideia de que a saúde das mulheres é influenciada pela intersecção en- tre relações de gênero e territórios de vulne- rabilidades. Deste modo, é preciso conside- rar as especificidades e as vulnerabilidades das mulheres, entendendo cuidado em saúde como um modo de, em aliança com as mulhe- res, interferir no que restringe tais territórios, ampliando possibilidades de vida.

1.1 Correntes teóricas de gênero

Gênero é um conceito construído no interior dos movimentos feministas e de mulheres, no intuito de construir respostas teóricas, políti- cas e intervenções que possam ser utilizadas para se contrapor as desigualdades de diver- sas ordens sustentadas a partir das diferen- ças naturalizadas entre homens e mulheres. Como existem diferentes feminismos, existem diversas maneiras de se pensar e operar com

15

diversas maneiras de se pensar e operar com  15  esse conceito. Neste curso, entendemos

esse conceito. Neste curso, entendemos gê- nero como um organizador da esfera social, como “categoria analítica de poder” (SCOTT, 1995) não restrita à mulher, nem à relação entre homens e mulheres. Ou seja, o gênero atravessa a constituição e o funcionamento de instituições, símbolos, normas, leis, ser- viços assistenciais, políticas públicas, mo- dos de ser e de conviver em uma sociedade (MEYER, 2008).

Figura 1 – O gênero é fundamental no cuidado à saúde das mulheres

ser e de conviver em uma sociedade (MEYER, 2008). Figura 1 – O gênero é fundamental

UN1

Relações de gênero e o cuidado em saúde

Assim, práticas sociais, como as de saúde, “produzem e educam indivíduos como mulhe- res e homens de determinados tipos” (MEYER, 2008, p. 18).

Em outros termos, as relações de gênero são construídas no âmbito da cultura e se sus- tentam por meio de relações de poder: entre homens e mulheres, homens e homens, mu- lheres e mulheres. Todavia, a construção so- ciocultural de masculinidades e feminilidades tem se refletido em desigualdades de diver- sas ordens, desigualdades estas que se sus- tentam a partir das diferenciações corporais entre homens e mulheres.

Figura 2: Masculinidades e feminilidades são construções fluidas que podem se modificar ao longo do tempo

fluidas que podem se modificar ao longo do tempo Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Guacira Louro (2004), inspirando-se em Judi- th Butler, sinaliza que antes de pretendermos “ler” os gêneros tomando como referência os “dados” dos corpos, seria mais congruen- te ponderarmos tais dimensões como sendo discursivamente inscritas nos corpos e se expressando através deles, pois os discursos circulam em nossas veias como o sangue. Assim, ao dizermos “é um menino; é uma me- nina”, mais do que uma descrição, estamos construindo corpos de homem e de mulher, masculinidades e feminilidades de um deter- minado modo, e barrando tantos outros.

De acordo com Dagmar Meyer (2008), a cons- trução sociocultural de feminilidades e mas- culinidades ocorre de maneira articulada a outros marcadores socioculturais, tais como raça, cor e etnia, religião, classe social, entre outros. Cada uma dessas articulações produz modificações importantes nas formas pelas quais as feminilidades ou as masculinidades são, ou podem ser, vividas e experimentadas, e na construção diferenciada de territórios de vulnerabilidade. Desse modo, afirmamos a existência de muitas e conflitantes formas de definir e viver a feminilidade e a masculinidade (MEYER, 2008).

16

feminilidade e a masculinidade (MEYER, 2008).  16  Território de vulnerabilidade é um termo aqui
Território de vulnerabilidade é um termo aqui conotado por contextos de vulnera- bilidade que acometem
Território de vulnerabilidade é um termo
aqui conotado por contextos de vulnera-
bilidade que acometem mulheres no seu
processo de saúde-cuidado-doença.

Assim, a partir do conceito de gênero não po- demos pensar que todas as mulheres ou que todos os homens são iguais. Existem aspectos

comuns entre os diferentes grupos de mulheres

e entre os diferentes grupos de homens, mas

existem também, e com muita intensidade, di- ferenças entre as várias mulheres, os vários ho- mens e entre cada uma e cada um. Com isso, queremos dizer que, singularmente, cada uma

e cada um de nós vive como mulher ou como

homem de modos particulares; que diferentes grupos de mulheres, assim como os grupos de homens, vivem as feminilidades e as masculini- dades de formas distintas, e também que essas formas de viver masculinidades e feminilidades não são estáveis, sofrendo modificações ao lon- go da vida e das vivências. Mais especificamen-

te, queremos dizer que há diferentes formas de ser e estar mulher e homem no mundo, e que, no âmbito dos cuidados em saúde, esses são fato- res que precisam ser considerados.

UN1

Relações de gênero e o cuidado em saúde

Em relação às políticas de saúde da mulher, no Brasil, nas últimas décadas, têm sido desen- volvidas considerando esse cenário de lutas feministas por reconhecer as diversas possi- bilidades de ser e estar mulher (que conside- ra os marcadores sociais com destaque para etnia, geração, classe social), de tomada de poder do corpo da mulher e, desse modo, as relações de desigualdade existentes entre ho- mens e mulheres e entre os diferentes grupos de mulheres.

Figura 3 – Há modos singulares de ser homem e ser mulher

Figura 3 – Há modos singulares de ser homem e ser mulher Gênero e vulnerabilidades na

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Gênero seria, como já foi dito, a construção sociocultural das masculinidades e feminili- dades, das formas possíveis e inteligíveis de feminilidades e masculinidades em um dado momento histórico e em uma determinada cultura. No entanto, suspeitamos que no in- terior mesmo de tais políticas funciona uma transversalidade de gênero, por meio da qual se intenta produzir homens e mulheres de determinados tipos e não de outros. Dessa forma, parece ser importante visibilizar essa transversalidade e garantir um recorte e aná- lise de gênero desde a formulação, implemen- tação e monitoramento das políticas públicas (BANDEIRA; ALMEIDA, 2013).

Partir desta transversalidade implica compre- ender que as instituições são generificadas

e reproduzem desigualdades de gênero nas

tarefas e práticas cotidianas que realizam.

Esse recorte analítico de gênero é importante porque possibilita atendimento diferenciado

a partir do reconhecimento de que mulhe-

res e homens são sujeitos diferentes entre si. Mas, é preciso considerar, como já disse- mos, que há outras diferenças, algumas delas no interior dos próprios grupos de mulheres e de homens.

17

dos próprios grupos de mulheres e de homens.  17  Nosso entendimento é o de

Nosso entendimento é o de que há um atraves- samento de gênero na produção da gestão e da atenção à saúde das mulheres, o qual se tece simultaneamente à incorporação de formas específicas de subjetivar feminilidades e mas- culinidades, o que se reverte em formas espe- cíficas e restritivas de se fazer e pensar a saúde das mulheres.

Dito de outra maneira, parece que enquanto o gênero funcionar como um vetor de subjetiva- ção, colado a determinadas fôrmas masculinas e femininas (que não se misturam e que estão coladas a um corpo de homem e de mulher biológicos, respectivamente), seguiremos dis- cutindo, descrevendo e reificando papéis e fun- ções de homens e mulheres. Assim, não serão discutidos os atravessamentos de gênero nas políticas e práticas de saúde, mesmo aquelas que nasceram contestando hierarquizações e desigualdades ‘de gênero’. Essa generificação tende a se refletir também nos modos de cuida- do ali produzidos, bem como nos modos como as próprias mulheres cuidam de si e das pesso- as sob sua responsabilidade – ou seja: gerando efeitos na saúde das mulheres. Por isso tudo, precisamos estar alertas para desnaturalizar a generificação das instituições, das políticas, das

UN1

Relações de gênero e o cuidado em saúde

práticas cotidianas de se pensar e produzir cui- dados em saúde.

1.2 Desigualdades de gênero e impactos na saúde

Você já deve ter percebido que as desigualdades de gênero não podem ser pensadas isoladas de outros marcadores sociais, tais como classe

social, raça/etnia, geração, religião, entre outros.

E

que elas têm impactos na saúde das mulheres

e

dos homens. Essas desigualdades se fazem

presentes no contexto dos serviços de saúde.

Algumas situações exemplificam estas desi- gualdades, dentre elas a tendência de afasta- mento dos homens dos serviços de saúde, o que pode estar conectado ao tipo de socializa- ção dos homens, associada a uma certa sen- sação de invulnerabilidade ou a dificuldade de demonstrar sentimentos – que, por sua vez, estão ligados à fragilidade com que são consi- derados, na nossa cultura, atributos de femini- lidade (PEREIRA, 2015, p. 10). Por outro lado, a baixa procura e adesão de mulheres que fazem uso abusivo e prejudicial de álcool aos Centros de Atenção Psicossociais para Álcool e outras Drogas (CAPS-AD) pode decorrer, dentre outros

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

fatores, da masculinização do uso de drogas e da discriminação de mulheres que ousam dizer que utilizam estas substâncias (JASEN, 2016; VASCONCELOS, 2013).

Como os padrões de gênero interferem no cuidado em saúde?

Homens procuram menos os serviços de saúde para prevenção e cuidados, acessando-os em geral quando
Homens procuram menos
os serviços de saúde para
prevenção e cuidados,
acessando-os em geral quando
possuem um agravo instalado.
Essa característica relaciona-se
a feminilização do cuidado.
Mulheres que fazem uso abusivo de álcool e drogas procuram menos os CAPS-AD devido à
Mulheres que fazem uso
abusivo de álcool e drogas
procuram menos os CAPS-AD
devido à masculinização do
uso de substâncias e a
discriminação que sofrem
por serem usuárias.

18

que sofrem por serem usuárias.  18  Podemos assinalar ainda algumas práticas institucionais

Podemos assinalar ainda algumas práticas institucionais violentas e desumanizadoras de assistência ao parto, tais como interven- ções em demasia, impostas sem negociação, ao corpo da mulher grávida, bem como sob o corpo do bebê; ou as ‘antigas’ abordagens em forma de ‘incentivo’ ao parto, ainda vivenciadas em nossas maternidades como: ‘se não doeu para entrar, não pode doer para sair’, ou mesmo agressões físicas – como um tapa na cara de uma parturiente, dado por um médico em uma maternidade do nordeste brasileiro, quando a mesma estava questionando sua prescrição (MARTINS et al., 2014).

Não podemos aqui deixar de mencionar tam- bém a naturalização de certas concepções e hierarquizações de gênero e raça/cor que tendem a acompanhar a atenção materna, com destaque para o fato de que milhares de mulheres brasileiras morrem anualmente por conta de práticas de abortamento inseguro, de que as mulheres grávidas que mais mor- rem no Brasil são mulheres negras e de clas- ses sociais menos favorecidas, na maioria das vezes, por causas que poderiam ser evitadas caso tivessem acesso e atenção adequada no pré-natal e parto.

UN1

Relações de gênero e o cuidado em saúde

Figura 4 – A atenção integral à saúde é direito de todas as mulheres

atenção integral à saúde é direito de todas as mulheres Esses são alguns exemplos no que

Esses são alguns exemplos no que se refere ao atravessamento das questões de gênero na produção do cuidado em saúde, que produz

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

efeitos nos corpos, na saúde, na vida, no (des) cuidado às mulheres brasileiras.

É importante destacar ainda que no campo do cuidado em saúde, as noções de risco e vulne- rabilidade centram-se, muitas vezes, em uma perspectiva individualizante. Na saúde das mu-

lheres, em particular, sob essa perspectiva, cui- dado se subordina ao cumprimento de uma lis-

ta de prescrições de condutas individuais, por

meio das quais se pode diminuir as chances de adoecimento. Ou seja, se a mulher se cui- da seguindo toda uma lista de recomendações das equipes de saúde, corre menos risco ou está menos vulnerável a doença e morte. Essa

perspectiva, em grande medida, responsabili- za as mulheres pela “falta de cuidados” con- sigo mesma, e muitas vezes também com os outros, como companheiros e familiares, sem

levar em conta fatores sociais e institucionais que contribuem para que as mulheres estejam mais ou menos suscetíveis a adoecimentos

e situações de risco. Além disso, especial-

mente em relação à gravidez e à maternidade de adolescentes e jovens, em geral, tem-se a noção destes episódios da vida como even- tos problemáticos, como se o fossem para to- das as adolescentes. Pesquisa multicêntrica

19

das as adolescentes. Pesquisa multicêntrica  19  realizada em 2006 já indicava que a gravidez

realizada em 2006 já indicava que a gravidez de adolescentes e jovens é, em alguns contextos, sobretudo de meninas mais pobres, uma con- dição de status social, por isso desejada por elas (HEILBORN et al., 2006).

A abordagem sobre o uso de mé- todos contraceptivo e prevenção das Infecções Sexualmente Trans-
A abordagem sobre o uso de mé-
todos contraceptivo e prevenção
das Infecções Sexualmente Trans-
missíveis (IST) deve ser feita para
homens e mulheres, sempre que
possível. Evitando-se a responsa-
bilização apenas da mulher pela
prevenção e contra contracepção.
Como você e sua equipe podem fa-
zer isso? Reflita.

Essa dimensão da culpabilização das mulhe- res e de seus corpos é reflexo da generificação das instituições e políticas sociais, do cuidado em saúde, das relações de poder e desigual- dades construídas entre homens e mulheres. Trata-se da comparação realizada entre mu- lheres consideradas modelo (brancas, mães zelosas, trabalhadoras, com endereço fixo e conta bancária, responsáveis pelo cuidado de si e dos outros) e as outras mulheres que não se encaixam neste modelo, usuárias dos serviços de saúde.

UN1

Relações de gênero e o cuidado em saúde

No caso das adolescentes, adiciona-se ainda

o marcador geração, que, em uma sociedade

como a nossa, que valoriza em especial a po- pulação adulta jovem e ativa economicamente, apesar do Estatuto da Criança e do Adolescen- te (BRASIL, 1990) e do Estatuto da Juventude (BRASIL, 2013) reconhecerem adolescentes e jovens como sujeitos de direitos, estes ainda têm dificuldade de acessar os serviços de saú- de. Precisamos ainda avançar muito na direção de garantia efetiva desses direitos.

Neste contexto, na tentativa de suplantar

perspectivas reducionistas, individualizantes

e culpabilizantes, apontamos para a possi-

bilidade de produzir cuidado em saúde das mulheres, considerando a multiplicidade de dimensões complexas e inter-relacionadas (biológica, psicológica, social, cultural etc.) que envolvem o processo saúde-doença.

Como tentativa de ampliar o entendimento, qualificar o cuidado em saúde das mulheres

e tatear abordagens possíveis no que se re-

fere a interferir nas desigualdades de gênero

e vulnerabilidades a elas relacionadas, abor-

daremos o conceito de vulnerabilidade desen- volvido por Meyer et al. (2006). O conceito de

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

de Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres vulnerabilidade é entendido a partir da articu- lação

vulnerabilidade é entendido a partir da articu- lação dos três componentes. Veja a seguir:

Destaca-se que os comportamentos asso- ciados à maior vulnerabilidade não são en- tendidos nem abordados como simplesmente

decorrentes da ação voluntária das pesso- as. Ao invés disso, entende-se que estão relacionados com o grau de consciência que essas pessoas têm sobre tais comportamen- tos e ao efetivo poder que podem exercer para transformá-los, às condições contextuais

exercer para transformá-los, às condições contextuais VULNERABILIDADE Componente Componente individual Social
VULNERABILIDADE Componente Componente individual Social Componente programático ou institucional Envolve a
VULNERABILIDADE
Componente
Componente
individual
Social
Componente
programático
ou
institucional
Envolve a quantidade e a qualidade de compro-
missos, recursos, gerência, planejamento e monito-
ramento de programas, projetos e políticas de edu-
cação, trabalho, moradia, prevenção, assistência,
cuidado, os quais são fundamentais para identi car
necessidades, canalizar recursos, desenvolver ações
e otimizar seu uso.

É de ordem cognitiva (capacidade de elaborar e signi car as informações que a pessoa dispõe) e comporta- mental (mais ou menos capacidade e interesse para lidar com as informa- ções e situações de forma a adotar atitudes e ações de proteção).

Envolve o acesso a mais ou menos quantidade e qualidade de informa- ções; a capacidade que os grupos sociais têm de metabolizá-las e o poder de incorporá-las a mudanças práticas na vida diária, condições estas diretamente associadas ao acesso a recursos materiais, a insti- tuições sociais tais como escolas e serviços de saúde, ao poder de in uenciar decisões políticas, e a possibilidade de enfrentar barreiras culturais e de estar livre de coerções violentas.

20

UN1

Relações de gênero e o cuidado em saúde

e objetivas do ambiente, bem como as condi- ções culturais e sociais em que tais compor- tamentos ocorrem (MEYER et al., 2006).

Vulnerabilidade, nesse sentido, seria a inte- ração de fatores individuais, sociais e pro- gramáticos que tornam indivíduos e grupos mais suscetíveis a adoecimentos do que ou- tros pelos diferentes contextos nos quais estão envolvidos.

Figura 5 – Os cuidados em saúde devem considerar as es- colhas individuais e os contextos sociais

considerar as es- colhas individuais e os contextos sociais Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

No que se refere às práticas de cuidado em saúde das mulheres, tal conceituação implica justamente em considerar que os cuidados prestados devem levar em conta as escolhas individuais, os contextos sociais, a rede ins- titucional de suporte e, ainda, a presença ou ausência de redes não institucionalizadas de apoio, como, por exemplo: vizinhança, igreja e demais grupos ou instituições de apoio social.

1.3 Medicalização do corpo feminino

A generalização das mulheres ou a suposta

‘natureza feminina’ foi sendo utilizada, histo-

ricamente, para explicar a loucura, a degene- ração moral, a criminalidade – e isso a ponto de se considerar a mulher um ser incapaz de autonomia (VIEIRA, 2002).

No campo dos cuidados em saúde das mu-

lheres, em geral, o cuidado tem sido incluído

à tríade mulher-mãe-heterossexual. Mas é

preciso ter em vista outras formas de ser e de se estar mulher: nem todas as mulheres são heterossexuais, nem todas são ou querem ser

21

heterossexuais, nem todas são ou querem ser  21  mães e nossa atenção e cuidado

mães e nossa atenção e cuidado deve estar direcionado a todas.

Mulheres têm, então, seus corpos, suas subjetividades, suas saúdes sequestradas por práticas e linguagens que falam em seu nome. As palavras gênero e saúde da(s) mu- lher(es) parecem ter assumido contornos de prescrição, normalização, formas de ação, homogeneização, restringindo modos de vida. Nesse sentido, tais práticas e discursos evidenciam um determinado modo de pen- sar e agir sobre esses corpos, que se conec- tam a ações históricas e socialmente cons- truídas, mas que passam a ser tidos como ‘naturais’ e, por isso, generalizáveis, ‘uni- versais’. Isto sobrepõe a história singular de cada mulher, bem como seus movimentos de singularização. Trata-se das diferenças entre cada grupo de mulheres, aquelas que resultam em um ‘nós’, como grupo de mu- lheres; mas também as que desfazem esses nós, fazendo vibrar essa busca pelo homo- gêneo do ‘universal’ ou do ‘grupal’, pois a vida sempre ousa movimentar contornos.

UN1

Relações de gênero e o cuidado em saúde

Urge pensar na construção de novas práticas, discursivas e não-discursivas, que quebrem com essa ideia institucionalizada de corpo de mulher=feminino=heterossexual, como se todas as mulheres tivessem a história de seus corpos coladas à genitália feminina, que lhes indicasse um determinado modo (correto

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

e único) de viver o gênero e de ter relações afetivo-sexuais.

Ao longo dos anos, no bojo das políticas de gestão da vida, as mulheres foram incor- poradas, posicionadas, circunscritas como mães, tendo seus corpos minuciosamente

Figura 6 – As mulheres podem ter diferentes expressões de gênero e orientação sexual

ter diferentes expressões de gênero e orientação sexual  22  medicalizados, em nome da responsabilida-

22

expressões de gênero e orientação sexual  22  medicalizados, em nome da responsabilida- de que

medicalizados, em nome da responsabilida- de que elas teriam no que se refere à saúde

de seus filhos e filhas, e, de forma extensiva,

à saúde da sociedade (MEYER, 2005).

Nesse contexto, multiplicam-se e atua- lizam-se discursos sobre os cuidados a serem dispensados ao corpo das mulheres, tendo, por exemplo, em nome de evidências científicas, seus seios, suas vaginas, seus partos tomados de assalto por relações político-sanitárias.

Nesse processo, parece que os saberes, fa- zeres, as condições de vida e os desejos das mulheres são o que menos importam; desejos estes que devem se sujeitar às “boas” evidên- cias prescritas ‘de fora’.

A seguir, apontamos algumas especificidades

e vulnerabilidades na saúde das mulheres a

fim de que você possa identificar as neces- sidades de saúde das diferentes mulheres no

seu território.

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

24

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Para que você possa reconhecer as especifi- cidades e vulnerabilidades das diferentes mu- lheres no seu território, consideramos impor- tante relembrar alguns conceitos, tais como identidade de gênero e orientação sexual.

Inicialmente, é importante salientar que iden- tidade de gênero e orientação sexual são duas categorias distintas, mas que interagem en- tre si. Entende-se por identidade de gênero o gênero com o qual uma pessoa se identifica. Trata-se de uma experiência subjetiva, que pode ou não concordar com a sua genitália e gênero que lhe foi atribuído ao nascer (JESUS,

2012).

Desta forma, não só existem mulheres cisgê- neras (que se identificam com seu sexo bioló- gico e gênero atribuído ao nascer), como tam- bém todo um guarda-chuva de identidades de gênero trans, entre as quais encontramos as mulheres transexuais e as travestis.

A orientação sexual pode ser entendida pela atração física, sexual ou emocional, podendo ser entre pessoas do gênero oposto (heteros- sexual), do mesmo gênero (homossexual, gay, lésbica) ou por ambos os gêneros (bissexual).

25

lésbica) ou por ambos os gêneros (bissexual).  25  E dentro desta última categoria também

E dentro desta última categoria também se in- cluem as pessoas que se atraem por todos os gêneros e sexos (pansexual) (APA, 2008).

Figura 7 – A orientação sexual para além do padrão binário:

homossexual ou heterossexual.

além do padrão binário: homossexual ou heterossexual. Existe o imaginário de uma linearidade entre sexo, gênero,

Existe o imaginário de uma linearidade entre sexo, gênero, desejo e expressão de gênero. Em geral, espera-se que uma pessoa que nas- ce com determinada genitália cumpra certas normas sociais sobre como se expressar e se relacionar, além de desempenhar determina- dos papéis de gênero. Do mesmo modo que a heteronormatividade, a cisnormatividade con- forma a organização social e cria resistência à existência de outras formas de identidades e expressões de gênero.

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Heteronormatividade refere-se à ideia hegemônica de que toda pessoa é ‘es- pontaneamente e naturalmente’ hete-
Heteronormatividade refere-se à ideia
hegemônica de que toda pessoa é ‘es-
pontaneamente e naturalmente’ hete-
rossexual, tendo como consequência
uma heterossexualidade compulsória,
pela qual perpassam também as formas
como construímos o imaginário e as ex-
pectativas do feminino e masculino em
determinados corpos.
A cisnormatividade parte do pressu-
posto de que toda pessoa é cissexual.
Por exemplo, pessoas que nascem com
vagina e são denominadas do ‘sexo fe-
minino’ sempre se tornaram mulheres,
bem como o oposto: quem nasce com
pênis é denominado do ‘sexo masculi-
no’ e torna-se homem. Chamam-se cis-
gêneros as pessoas que se identificam
com a identidade de gênero que lhes
foi atribuída ao nascer, de acordo com
a genitália.

A construção da cisnormatividade traz à tona

o privilégio e legitimidade atribuídos às pes- soas não trans, ditas “normais”. Desta for-

ma, a composição da heteronormatividade com a cisnormativadade, definida como hetero-cisnormatividade, é um construto que legitima, naturaliza e normatiza discrimina- ções e violências.

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

2.1 Identidades de gênero e orientações sexuais

Com relação à saúde das mulheres, sob as diversas identidades de gênero e orientações sexuais, apontaremos situações para que você possa refletir sobre a sua prática enquanto profissional de saúde, identificando como am- pliar o seu olhar e atenção às diferentes ne- cessidades das mulheres no seu território.

Você já deve ter percebido situações de dis- criminação contra à diversidade sexual das mulheres. Veja no esquemático as diferentes formas de preconceito e discriminação, dentre elas a lesbofobia, bifobia e transfobia.

Lembramos que a discriminação é um fenô- meno crescente, amplamente estudado e rela- cionado com as formas de interação entre as pessoas e características do contexto social. É de suma importância, devido às suas conse- quências nas diferentes esferas da sociedade, inclusive na saúde. Pode-se definir como uma conduta culturalmente instituída e construída, sistemática e socialmente generalizada, que se manifesta por meio de atitudes nocivas,

26

que se manifesta por meio de atitudes nocivas,  26  julgamentos ou trato diferenciado baseado

julgamentos ou trato diferenciado baseado no gênero, raça, classe social e outras carac- terísticas da pessoa ou grupo. Desta forma, a discriminação se realiza com base em um pre- conceito prejudicial ou um estigma relaciona- do com uma desvantagem imerecida, que tem como efeito, intencional ou não, a transgressão dos direitos e liberdades fundamentais das pessoas e grupos-alvo (ZEPEDA, 2004).

Formas de preconceito e discriminação contra diversidade sexual nas mulheres:

Formas de preconceito e discriminação contra diversidade sexual nas mulheres:
Lesbofobia contra mulheres lésbicas
Lesbofobia
contra mulheres lésbicas
Bifobia contra pessoas bissexuais
Bifobia
contra pessoas bissexuais
Transfobia contra pessoas trans
Transfobia
contra pessoas trans

O fato de as mulheres lésbicas, bissexuais e trans não fazerem parte do padrão da hetero- cisnormatividade já lhes atribui um estigma ao se desviar do dito ‘normal’, seguido de um processo de rotulação e discriminação.

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

As pessoas trans por transgredirem as nor- mas do determinismo biológico e do esperado como feminino e masculino, podem ser vistas pela sociedade como se estivessem no corpo errado. Essa percepção é equivocada, consi-

derando-se que o a identidade de gênero, sexo

e orientação sexual não são lineares.

Os padrões sociais hegemônicos não permitem

a expressão de feminilidade e masculinidade em

corpos diversos e biologicamente diferentes do esperado. No caso das mulheres transexuais

e travestis, estas são punidas socialmente por

expressarem uma feminilidade que não deveria estar no corpo biológico de um homem.

Pessoas trans: incluem-se mulheres trans, homens trans, mulheres e ho- mens transexuais, travestis, pessoas não
Pessoas trans: incluem-se mulheres
trans, homens trans, mulheres e ho-
mens transexuais, travestis, pessoas
não binárias.

A vulnerabilidade desta população é eviden- ciada na violência a que são submetidas pela sociedade. Entre 2008 e 2016 foram registra- dos 2115 assassinatos de pessoas trans em 65 países do mundo, mais da metade na Amé- rica Latina, sendo o Brasil (39,9%) o país com mais assassinatos, seguido do México (11,7%) (TVT, 2016). É importante salientar que estes

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

que estes Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres Travestis: São pessoas que vivenciam os papéis

Travestis:

São pessoas que vivenciam os papéis de gênero feminino, embora possam se reconhecer como homem,
São pessoas que vivenciam os papéis
de gênero feminino, embora possam
se reconhecer como homem, mulher,
ou ainda, um terceiro gênero. Porém,
independente de como se
reconhecem, preferem ser chamadas
pelo gênero feminino - as travestis -
e nunca 'os travestis'.
feminino - as travestis - e nunca 'os travestis'. Pessoas não binárias: É um termo guarda-chuva

Pessoas não binárias:

É um termo guarda-chuva que abarca aqueles que não se sentem contemplados pela binaridade mulher-homem e/ou feminino- masculino exclusivamente, alguns exemplos são: pessoas agênero, bigênero, gênero uído, entre outras.

pessoas agênero, bigênero, gênero uído, entre outras. Mulheres transexuais ou mulheres trans: Homens transexuais

Mulheres transexuais ou mulheres trans:

Homens transexuais ou homens trans:

Ou ainda, transhomens, são pessoas que foram designadas mulheres ao nascer pela sua genitália, mas que se identi cam como homens.

São pessoas que foram designadas homens ao nascer pela sua genitália, mas que se identi cam como mulheres.

dados são uma estimativa subnotificada, pois vários dos crimes transfóbicos (violências acometidas contra as pessoas transexuais) são colocados como homofobia. Isso se deve, por vezes, ao despreparo de profissionais da medicina legal, que, ao realizarem o registro de óbito, preenchem de acordo com o sexo

27

biológico, desrespeitando a identidade de gê- nero, o que invisibiliza a causa dessas mortes. Cabe ressaltar que as travestis em atividade de prostituição e trabalhadoras sexuais, pos- suem maior risco de morte. A expectativa de vida das travestis e transexuais está em torno de 30 a 36 anos (TVT, 2016).

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

As mulheres lésbicas são expostas frequen- temente a situações de violência sexual, com destaque para os chamados estupros cor- retivos. Estes são violências sexuais com o propósito de ‘curá-las’ da homossexualidade ou da identidade de gênero diferenciada que assumem. A lesbofobia e transfobia, expres- sadas neste tipo de violência decorrem da chamada heterossexualidade compulsória, cujo pressuposto é de que toda mulher tem inclinação natural a se atrair por homens cis,

tornando-as sujeitos destituídos de direitos e, principalmente, do direito sobre seus corpos.

O crime de ‘estupro corretivo’ tem sido noticiado com maior frequência em mulheres lésbicas, mas
O crime de ‘estupro corretivo’ tem sido
noticiado com maior frequência em
mulheres lésbicas, mas também é co-
mum em homens transexuais. Para
saber mais sobre o tema, leia esta no-
tícia sobre um caso de ‘estupro corre-
tivo’ motivado por transfobia. Acesse
o link: <http://www.brasilpost.com.
br/2016/03/24/transfobia_n_9541636.
html>.

Figura 8 – Registro de assassinatos de pessoas trans

MÉXICO 11,7% BRASIL 39,9%
MÉXICO
11,7%
BRASIL
39,9%

MUNDO

de pessoas trans MÉXICO 11,7% BRASIL 39,9% MUNDO 2.115 assassinatos de pessoas trans Entre 2008 e

2.115 assassinatos de pessoas trans

Entre 2008 e 2016

A expectativa de vida de travestis e transexuais é de

30 à 36 anos

Fonte: TVT (2016).

28

é de 30 à 36 anos Fonte: TVT (2016).  28  A bissexualidade, dado o

A bissexualidade, dado o seu caráter ambi- valente, gera polêmica: trata-se do imaginá- rio de que as mulheres bissexuais têm esta orientação sexual porque são pessoas “não resolvidas”. O fato destas mulheres se rela- cionarem com ambos os gêneros faz com que tenham “mais opções”, e, por conse- quência, sejam consideradas promíscuas. Entretanto, é importante ter clareza que a orientação sexual não determina que haja envolvimento sexual simultaneamente com mais de um(a) parceiro(a). Essa interpreta- ção faz parte de um estereótipo de gênero discriminatório e bifóbico.

Nos serviços de saúde, as pessoas trans de- vem ser chamadas pelo nome social. O uso do nome civil apenas, se caracteriza como des- respeito à sua identidade de gênero.

Porém, o uso dos pronomes “a”, “o”, “ele”, “ela”, ao se referir à pessoas trans, costuma gerar dúvidas aos profissionais de saúde. A melhor forma, é dialogar com as pessoas trans e per- guntar por qual nome e pronome se identifi- cam e como preferem ser chamadas. Essa é estratégia fácil de ser adotada, que torna o atendimento acolhedor e humanizado.

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Você sabia que desde 2013 o Sistema de Cadastramento de Usuários do Sistema Único de
Você sabia que desde 2013 o Sistema de
Cadastramento de Usuários do Sistema
Único de Saúde (CADSUS) possibilita a
impressão do Cartão Nacional de Saúde
(Cartão SUS) somente com o nome so-
cial da/o usuária/o? No lugar onde você
trabalha é respeitado o nome social?

Há um movimento mundial pela despatologiza- ção das identidades trans, de modo que estas pessoas sejam respeitadas da forma como se identificam. Quando acessam os serviços de saúde para iniciar a terapia hormonal ou fazer alguma modificação corporal desejada, isso dispensa o diagnóstico prévio de psicólogos ou psiquiatras.

A

patologização a qual nos referimos concerne

a

essa obrigatoriedade do laudo, assim como

o

desrespeito pelo nome social, entre outras

experiências de discriminação, que fazem com que estas pessoas procurem outras formas de suprir suas necessidades em saúde, como, por exemplo, a automedicação não controlada e

a compra de hormônios no mercado paralelo (RODRIGUEZ, 2014).

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-Rio) e a Coordenadoria Especial

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

da Diversidade Sexual do Município (CEDS-Rio) lançou em outubro de 2016 a campanha “Nome social, eu uso”, sendo um exemplo para garan- tir o respeito à identidade trans e ao direito de cada um escolher como se identifica (PREFEI- TURA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO, 2016). Você e sua equipe já conversaram sobre isto?

Figura 9 – O nome social: um direito conquistado

isto? Figura 9 – O nome social: um direito conquistado Fonte: Portal Brasil (2016).  29

Fonte: Portal Brasil (2016).

29

conquistado Fonte: Portal Brasil (2016).  29  O silicone industrial usado para o aumento das

O silicone industrial usado para o aumento

das mamas, entre outras partes (glúteo, coxa

e face) é um procedimento realizado frequen- temente pelas bombadeiras em travestis e mulheres transexuais. Na pesquisa etnográ-

fica de Souza et al. (2015), feita no Rio Grande do Sul, as travestis que participaram relata- ram alguns dos motivos para o seu uso: faci- lidade de acesso, custo menor do que cirurgia

e não serem julgadas pelo procedimento. Sa-

be-se que o uso deste líquido no corpo pode ter vários efeitos e gerar processos inflama- tórios localizados, formação de siliconomas, infecções e necroses teciduais, migração do material a inflamações sistêmicas graves,

associadas ou não a processos infecciosos.

Bombadeiras são as pessoas que apli- cam o silicone industrial. Na maioria das vezes, são
Bombadeiras são as pessoas que apli-
cam o silicone industrial. Na maioria das
vezes, são também travestis.
O uso de técnicas cirúrgicas de risco por travestis e transexuais para as suas modificações
O uso de técnicas cirúrgicas de risco
por travestis e transexuais para as suas
modificações corporais é frequente. Ao
mesmo tempo, é notável o baixo acesso
aos serviços de saúde, seja pela discrimi-
nação sofrida, seja pelo alto custo des-
ses procedimentos quando particulares.

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Como você, profissional de saúde, pode identificar e acolher tais casos, contri- buindo para redução desses riscos?

É importante considerar ainda que dentro das

relações homoafetivas nem sempre existe uma pessoa que desempenha o papel da fi- gura ‘masculina’ e outra a ‘feminina’. Esse olhar passa pelo paradigma da heteronorma- tividade, que pressupõe que nas relações ho- moafetivas as dinâmicas entre duas pessoas devem ser ‘opostas’, com papéis e expressão de gênero dicotômicos: feminino/masculino, mulher/homem e penetrado/penetrador.

Em relação à saúde sexual e reprodutiva das

mulheres, é importante considerar que existe risco para HPV (Vírus do Papiloma Humano) também em relacionamento homossexuais (MARRAZZO, 2004). Desta forma, é funda- mental que independente da orientação se- xual das mulheres, o profissional investigue

a presença de ISTs (infecções sexualmente transmissíveis).

Outro fator importante a considerar com re- lação às experiências sexuais é que, segun- do estudo realizado com mulheres que se

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

autoidentificaram lésbicas, aproximadamente 80% das entrevistadas tiveram também rela- ções sexuais com homens em algum momen- to da vida (MARRAZZO, 2004).

Mulheres homessexuais tem menos acesso à Informações sobre prevenção de IST e AIDS Realização de
Mulheres homessexuais tem
menos acesso à
Informações sobre
prevenção de IST e
AIDS
Realização de exame
preventivo de colo
de útero
Consulta regular ao
ginecologista

Outro estudo de Barbosa e Facchini (2009), realizado no Brasil, em serviços de ginecolo- gia com mulheres que faziam sexo com mu- lheres, encontrou em relação à realização

30

lheres, encontrou em relação à realização  30  de exames preventivos que poucas delas relataram

de exames preventivos que poucas delas relataram acesso às informações sobre prevenção das ISTs e AIDS, e aproximada- mente 40% delas referiu nula ou escassa a realização de exame preventivo de colo de útero. Estudo internacional encontrou re- sultados similares, nos quais mulheres lés- bicas e bissexuais relataram realização de exames preventivos significativamente me- nor em relação às mulheres heterossexuais (BOEHMER et al., 2012).

No mesmo estudo, foi relatado que a primei- ra visita ao ginecologista pelas mulheres entrevistadas era em função de convenções sociais de gênero, tais como: a primeira menstruação, a primeira relação heteros- sexual e a maternidade. As entrevistadas com vivências marcadamente heterosse- xuais no passado ou com prática bissexual no momento da pesquisa relataram visitar o ginecologista uma ou mais vezes ao ano.

Você e sua equipe desenvolvem ações para o acesso, acolhimento e atenção integral à saúde
Você e sua equipe desenvolvem ações
para o acesso, acolhimento e atenção
integral à saúde das mulheres lésbicas,
bissexuais, transexuais e travestis no
seu território?

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Em relação à saúde sexual da mulher lésbica, a forma como o HIV/AIDS tem sido construída em torno da homossexualidade influencia a visão de risco por parte dos profissionais sobre gays, lésbicas ou bissexuais. Esse fato faz com que algumas pessoas não assumam estas identi- dades por receio de serem discriminadas. Um exemplo de fala oriunda dos serviços de saúde a uma mulher lésbica é: “Tem certeza que você não quer fazer o exame de HIV?”. No início da epidemia de HIV/AIDS falava-se de grupos de risco; logo depois passou-se a falar de práticas de risco ou comportamentos de risco, sendo que a primeira fala gerou estigmatização, além de baixa eficácia de ações preventivas.

Figura 10 – Todas as mulheres necessitam cuidados quanto a ISTs

10 – Todas as mulheres necessitam cuidados quanto a ISTs Como você já pode perceber, as

Como você já pode perceber, as vulnerabilida- des e as necessidades de saúde variam nas diferentes identidades de gênero e orientações

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

sexuais. A seguir, trataremos das políticas públicas para a atenção a estas mulheres.

2.2 Políticas públicas para as mulheres lésbicas, bissexuais e transexuais e travestis

Em relação ao cuidado à saúde das mulheres lésbicas, bissexuais e travestis, estas se en- contram incluídas nas iniciativas e estratégias de políticas públicas para as pessoas lésbi- cas, gays, bissexuais e travestis (LGBT) e nas políticas específicas para mulheres.

Entre as primeiras, temos o programa federal Brasil sem Homofobia, criado pelo Ministério de Saúde em 2004, que entre as suas ações teve a formalização do Comitê Técnico Saúde da População de Gays, Lésbicas, Transgêne- ros e Bissexuais, cujo objetivo era estruturar uma política nacional de saúde para essa po- pulação. A versão preliminar foi lançada em 2008, aprovada pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS) no ano de 2009 e instituída no Sistema Único de Saúde (SUS) pela Portaria n o 2.836, em 2011.

31

(SUS) pela Portaria n o 2.836, em 2011.  31  Em 2008 foi publicada a

Em 2008 foi publicada a Portaria n o 1.707, que regulamenta o Processo Transexualizador no SUS, com o propósito de regular algumas necessidades específicas em saúde das pessoas trans. Essa portaria foi redefinida

ampliada em 2013, sob n o 2.803, com a in- clusão de algumas demandas cirúrgicas para

e

os homens trans, o atendimento ambulatorial

para as travestis, entre outras. Até o presen- te ano, são cinco os centros/ambulatórios credenciados pelo Ministério de Saúde para

o processo transexualizador (Porto Alegre,

Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro e Paraíba).

Processo Transexualizador é um con- ceito constituído por ações que visam um cuidado de certas
Processo Transexualizador é um con-
ceito constituído por ações que visam
um cuidado de certas especificidades
da saúde das pessoas trans no que se
refere ao uso da hormonoterapia e à
realização da cirurgia da transgenita-
lização e outros procedimentos que
visam à modificação dos caracteres se-
xuais secundários.

Em 2016 foi aprovado o Decreto n o 8.727, sobre o uso do nome social e reconhecimento

da identidade de gênero de pessoas travestis

e transexuais.

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Conheça o Decreto n o 8.727, de 28 de abril de 2016, que dispõe sobre
Conheça o Decreto n o 8.727, de 28 de
abril de 2016, que dispõe sobre o uso
do nome social e o reconhecimento da
identidade de gênero de pessoas tra-
vestis e transexuais no âmbito da ad-
ministração pública federal direta, au-
tárquica e fundacional. Acesse o link:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_
Ato2015-2018/2016/Decreto/D8727.
htm>.

2.3 Acolhimento às mulheres lésbicas, bissexuais e travestis

Conhecer a orientação sexual e a identidade de gênero pode melhorar o vínculo entre quem pro- cura o serviço e a equipe de saúde. A empatia e o vínculo construídos vão contribuir para uma maior qualidade no atendimento na saúde das mulheres lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis, e os profissionais poderão dar uma melhor atenção às especificidades de saúde destas, particularmente aquelas relacionadas

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

às práticas sexuais, uso de hormônios, modifi- cações corporais, medidas de proteção contra as ISTs, entre outras.

Para construir este vínculo é necessário criar espaços acolhedores, onde estas mulheres se sintam à vontade para se expressar de acordo com sua identidade de gênero, dadas as dis- criminações e violências a que são submetidas dentro e fora dos serviços de saúde.

Esse fato impacta, muitas vezes, na resistên- cia por parte delas em revelar alguma situação relativa à sua identidade de gênero ou orien- tação sexual para os profissionais de saúde. Parte desse acolhimento acontece por meio da linguagem que é usada, a qual deve ser neutra e não sexista.

Uma linguagem neutra quer dizer usar das di- ferentes formas linguísticas para se comuni- car de maneira a não demarcar o gênero para as pessoas. Inclusiva, no sentido de respeitar os nomes e pronomes pelos quais a pessoa quer ser chamada, e não sexista no sentido de

32

quer ser chamada, e não sexista no sentido de  32  não assumir por meio

não assumir por meio das perguntas feitas na anamnese a orientação sexual da pessoa, nem sua identidade de gênero.

Importante! Como acolher sem discrimina- ção as mulheres lésbicas, bissexuais, tran- sexuais e travestis? Diante
Importante! Como acolher sem discrimina-
ção as mulheres lésbicas, bissexuais, tran-
sexuais e travestis?
Diante da dúvida, pergunte. Não assuma a
identidade de gênero e orientação de uma
pessoa pela sua forma de se expressar,
vestir, falar, entre outros indícios, ou ainda
de acordo com os estereótipos do que seria
mulher e homem, feminino e masculino. A
forma de perguntar deve ser sem emitir juí-
zo de valor. Assim, você está respeitando a
autonomia e dando espaço para a mulher
se sentir à vontade e acolhida.

Lembre-se também que as mulheres lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis não são to- das iguais. Assim como mulheres cisgênero e heterossexuais, elas compõem um grupo heterogêneo com as suas especificidades e vulnerabilidades em saúde, que devem ser consideradas.

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Leia o Manual para o Uso da Lingua- gem Não Sexista, publicado pela Se- cretaria
Leia o Manual para o Uso da Lingua-
gem Não Sexista, publicado pela Se-
cretaria de Políticas para as Mulheres
do Rio Grande do Sul, em 2014. Aces-
se o link: <http://www.spm.rs.gov.
br/upload/1407514791_Manual%20
para%20uso%20n%C3%A3o%20sexis-
ta%20da%20linguagem.pdf>.

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Além das questões de gênero as mulheres estão submetidas a outras condições que ampliam sua vulnerabilidade, dependendo do contexto em que vivem ou a fatores como idade, raça e cor. O processo saúde-doença está intrinsecamente relacionado aos fatores sociais, econômicos, culturais e históricos,

Figura 11 – Reconhecer a diversidade sexual das mulheres contribui para qualidade da atenção à saúde

das mulheres contribui para qualidade da atenção à saúde Fonte: Blog da Sáude – Ministério da

Fonte: Blog da Sáude – Ministério da Saúde (2016).

33

da Sáude – Ministério da Saúde (2016).  33  indicando que o estado de saúde

indicando que o estado de saúde das pessoas varia de acordo com o tempo, o espaço que habitam e as vulnerabilidades a que estão sujeitas.

A seguir comentaremos sobre as especi- ficidades que contribuem para o proces- so saúde-doença das mulheres, expostas à diferentes condições socioeconômicas e culturais.

2.4 Especificidades em saúde das mulheres

Considerando-se a heteregoneidade e diversi- dade das mulheres, seja em relação a fatores como identidade de gênero e orientação se- xual, cor de pele e etnia, ou mesmo a fatores socioeconômicos e culturais, compreende-se que as condições de saúde, bem como suas especificidades e vulnerabilidades, apresen- tam diferenças importantes em um desses (e dos demais) grupos de mulheres.

Devido à complexidade e profundidade de cada grupo de mulheres, não será possível abordar em profundidade neste módulo todas as diferenças e especificidades envolvidas.

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Entretanto, serão apresentadas a seguir algu- mas características das mulheres do campo, da floresta e das águas, indígenas, negras, privadas de liberdade e em situação de rua. É fundamental que a compreensão dessas ca- racterísticas seja levada em conta na implan- tação e implementação da Política Nacional para Atenção Integral à Saúde da Mulher, para que seja possível o alcance de uma atuação mais próxima da realidade local e, portanto, com melhores resultados.

2.4.1 Mulheres do campo, da floresta e das águas

As mulheres do campo, da floresta e das águas sofrem grande influência das características dos lugares onde vivem sobre as suas condi- ções de vida e saúde. O modo de viver no cam- po, na floresta e nas águas reflete em práticas populares de cuidado com a saúde, mas que devem estar articuladas com a luta permanen- te pelo acesso à saúde pública universal e de qualidade. Ter um olhar atento sobre a saúde dessas mulheres ainda é um grande desafio, especialmente porque os dados oficiais oriun- dos dos sistemas de informação em saúde ainda são agrupados por local de moradia, em

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

divisão simples: urbano ou rural. Assim, não há distinção entre os grupos de camponeses, pescadores, extrativistas, por exemplo, com os demais moradores do meio rural.

Para a compreensão da pluralidade dessas mulheres, é relevante detalhamos suas espe- cificidades (BRASIL, 2015).

ÎÎ Mulheres do campo – são aquelas que vivem e se relacionam predominantemente com a terra:

as camponesas; trabalhadoras rurais assenta- das ou acampadas, assalariadas ou não; tem- porárias, que residam no campo ou não. São as que trabalham na agricultura convencional, agricultura familiar ou orgânica, e têm por meio desta atividade seu meio de sobrevivência. ÎÎ Mulheres da floresta – são oriundas de comu- nidades tradicionais, tais como as ribeirinhas e quilombolas, que vivem e utilizam de reservas extrativistas como forma de trabalho e subsis- tência. As florestas são territórios onde ainda ocorre a exploração ambiental, com grande de- sigualdade social. Porém, é também local de abundância e oferta diversificada por meio da natureza. ÎÎ Mulheres das águas – são as integrantes da co- munidade pesqueira, que vivem e se relacionam

34

munidade pesqueira, que vivem e se relacionam  34  com os mares, rios, lagos, manguezais,

com os mares, rios, lagos, manguezais, arrecifes, igapós, igarapés, entre outros.

Em relação à população rural, a Pesquisa Na- cional por Amostra de Domicílios (PNAD), de 2011, apresenta a proporção média de 15,6% da população total residente no Brasil, sendo que deste índice, 7,4% são mulheres (IBGE, 2011).

É um número pequeno quando comparado à população urbana, mas que corresponde a mais de 14 milhões de mulheres que perma- necem invisíveis nas estatísticas oficiais, e que ao mesmo tempo enfrentam diversas dificul- dades, especialmente no que se refere ao aces- so aos serviços públicos essenciais para uma vida saudável e com qualidade (PNAD, 2013).

Números da população rural no Brasil ÎÎ 15,6% da população brasileira vive em áreas rurais
Números da população rural no Brasil
ÎÎ 15,6% da população brasileira vive em
áreas rurais
ÎÎ dessa população, 7,4% são mulheres
ÎÎ ou seja, são 14 milhões de mulheres
vivendo no campo

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

A partir de um conceito ampliado de saúde

– sendo, este, produto de vários fatores re-

lacionados à qualidade de vida, tais como a

alimentação e nutrição adequadas, habitação

e saneamento, condições dignas de trabalho, renda, oportunidades de educação, ambien- te físico saudável e cuidado em saúde – é necessário se reconhecer os determinantes

socioculturais e econômicos que influenciam

o processo saúde e doença deste grupo de mulheres.

Para a identificação destes determinantes em saúde, foram analisados dados sobre mulhe- res que vivem no meio rural, publicados na Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios (PNAD) de 2013, apresentados a seguir.

A escolaridade média no meio urbano foi de

8,2 anos de estudo, enquanto no meio rural foi de 5,6. A diferença entre a proporção de mu- lheres com ensino médio e superior também foi marcante, sendo que na zona urbana houve

25% e 11%, enquanto na zona rural foi de 13%

e 2% apenas, respectivamente.

A inserção das mulheres no mercado de tra-

balho e em atividades remuneradas refletem

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

refletem Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres diretamente na autonomia econômica, e, con- sequentemente,

diretamente na autonomia econômica, e, con- sequentemente, na sua qualidade de vida. Tan- to homens como mulheres possuem taxas de ocupação altas a partir dos 16 anos; entretanto, em relação à posição de ambos verificam-se grandes desigualdades de gênero na zona ru- ral. Os homens em maioria trabalham por conta própria (36,2%) ou em emprego, sem carteira as- sinada (21,5%), e a minoria trabalha para o con- sumo próprio ou em atividades não remunera-

das (18,5%). Já este cenário para as mulheres é oposto, majoritariamente elas trabalham para o consumo próprio ou em atividades não remune- radas (47,2%). Uma parte considerável do tempo dessas mulheres é ocupada pelo trabalho do- méstico, pois 90,8% das brasileiras no meio rural se dedicam a esse tipo de trabalho, no qual des- pendem cerca de 26 horas semanais. Enquan- to apenas 43,1% dos homens realizam trabalho doméstico e gastam 10,2 horas semanais com

Diferenças entre meio urbano e rural:

horas semanais com Diferenças entre meio urbano e rural: Mulheres Rurais 5,6 Escolaridade (anos) 11% Ensino
Mulheres Rurais 5,6 Escolaridade (anos) 11% Ensino medio completo 2% Ensino superior completo
Mulheres Rurais
5,6
Escolaridade (anos)
11%
Ensino medio completo
2%
Ensino superior completo
Mulheres Urbanas Escolaridade (anos) 8,2 Ensino medio completo 25% Ensino superior completo 13%
Mulheres Urbanas
Escolaridade (anos)
8,2
Ensino medio completo
25%
Ensino superior completo
13%
Ensino medio completo 25% Ensino superior completo 13% Diferenças entre homens e mulheres no meio rural:
Ensino medio completo 25% Ensino superior completo 13% Diferenças entre homens e mulheres no meio rural:

Diferenças entre homens e mulheres no meio rural:

90,8 % Realizam trabalho doméstico 26h por semana
90,8 %
Realizam trabalho doméstico
26h por semana

43,1 %

Realizam trabalho doméstico 10,2h por semana
Realizam trabalho doméstico
10,2h por semana

35

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

essa tarefa, menos da metade que as mulheres. Outra desigualdade em relação ao meio urbano é a proporção de empregadores rurais: a taxa é bai- xa para os homens (2,1%), mas ainda é três vezes menor para as mulheres, sendo apenas 0,7%.

Os tipos de trabalho desempenhados refletem diretamente na renda mensal dessas mulhe- res, repercutindo em desigualdades de gê- nero e raça. São os homens brancos os que possuem maiores rendimentos mensais, o equivalente ao valor médio de R$ 2.653,70, enquanto as mulheres negras rurais apresen- tam as menores médias salariais, sendo de R$ 536,20, cerca de cinco vezes menor. Um indi- cador ambiental importante é o saneamento básico no meio rural: em 2009, somente 6,9% possuíam rede de coleta de esgoto; já no meio urbano essa taxa era de 61,4%. A ausência destes serviços, assim como de outros tam- bém essenciais, é prejudicial tanto para estas populações como para a economia do país.

Campos, florestas e águas são meios que se destacam em relação à saúde do trabalhador, tanto devido às iniquidades em saúde, quanto aos riscos a que os trabalhadores estão expos- tos. Há fatores de raça, etnia e gênero, de ordem

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

econômica e tecnológica, além dos riscos físicos, químicos, biológicos, mecânicos e ergonômicos presentes. Como estes são previsíveis de acordo com a atividade, eles são evitáveis, devendo-se desenvolver ações de prevenção nesse sentido.

O trabalho agrícola, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Organi- zação Mundial da Saúde (OMS), está entre as ocupações que apresentam maiores riscos ocupacionais, com destaque para os agrotó- xicos, que podem causar tanto intoxicações agudas como influenciar em doenças crôni- cas, reprodutivas, além do impacto ambien- tal negativo (FARIA: FASSA; FACCHINI, 2007). Também são frequentes as Lesões por Esfor- ços Repetitivos/Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (LER/DORT), atrela- dos ao trabalho braçal.

Nas florestas, é elevado o número de casos de malária, leishmaniose e doença de Chagas. No caso das atividades extrativistas, além do contato com poluentes do ambiente no qual se inserem, estas também podem ocasionar problemas específicos, aos quais os profis- sionais de saúde atuantes nessas áreas de- vem estar atentos. Nas águas, a exposição

36

vem estar atentos. Nas águas, a exposição  36  a contaminantes, a exposição ao sol,

a contaminantes, a exposição ao sol, calor,

umidade, salinidade, os movimentos repetiti- vos, além do risco de cortes, acidentes e afo- gamentos impactam diretamente na saúde dessas mulheres.

Quanto aos aspectos da saúde sexual e re- produtiva da mulher, estes foram investiga- dos pela Confederação Nacional de Trabalha- dores na Agricultura (CONTAG), em parceria com o Ministério da Saúde. Realizaram-se escutas itinerantes da população que vive no campo, identificando-se uma elevada taxa de cesáreas: 47% das entrevistadas fizeram ao menos uma vez. Ressalte-se o baixo acesso ao anticoncepcional oral (14%) e ao preser- vativo (12%), paralelamente à elevada pro- porção de laqueaduras (47%), sendo este úl- timo o principal método contraceptivo usado.

O aborto foi referido por 28% das mulheres,

sendo que dessas, 41% teve mais de um caso (BRASIL, 2013).

Também são agravantes deste quadro de saúde a violência doméstica e sexual, a vio- lência desencadeada pelos conflitos terri- toriais, a violência institucional, por vezes praticada nos serviços de saúde, tal como

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

maternidades e hospitais, fatores estes as- sociados ao desconhecimento dessas mu- lheres sobre seus direitos de acesso aos serviços e assistência à saúde humanizada e de qualidade (BRASIL, 2015).

A partir desse contexto de vida e saúde das mulheres, junto a mobilização e pressões dos movimentos sociais relacionados às questões da terra e do meio ambiente, emergiu a Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas (PNSIPCFA).

Figura 12 – Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas: produto dos movimentos sociais

da Floresta e das Águas: produto dos movimentos sociais Fonte: Ministério da Saúde (2013). Gênero e

Fonte: Ministério da Saúde (2013).

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Essa política foi precedida por debates ricos e intensos, com participação coletiva e re- presentação de diversos segmentos sociais:

sociedade civil organizada, trabalhadores da saúde, da academia e gestores, alcançando- -se um produto legítimo e norteador do re- conhecimento das necessidades de saúde das referidas populações. Inicialmente, foi instituída a Política Nacional de Saúde Inte- gral das Populações do Campo, da Floresta (PNSIPCF) pela Portaria n o 2.866, de 2 de de- zembro de 2011, assinada na 14 a Conferência Nacional de Saúde, abrangendo a seguinte população:

] [

modos de vida, produção e reprodução

social relacionados predominantemente

com o campo, a floresta, os ambientes

aquáticos, a agropecuária e o extrati-

vismo, como: camponeses, agricultores

familiares; trabalhadores rurais assen-

tados e campados; comunidades de

quilombos; populações que habitam ou

usam reservas extrativistas; populações

ribeirinhas; populações atingidas por

barragens; outras comunidades tradi-

cionais (BRASIL, 2013).

povos e comunidades que têm seus

37

2013). povos e comunidades que têm seus  37  Posteriormente, no II Encontro Nacional de

Posteriormente, no II Encontro Nacional de Saúde das Populações do Campo, da Flores- ta e das Águas, as representações dos mo- vimentos sociais da pesca artesanal e ma- risqueiras reivindicaram a inserção do termo ‘águas’ junto à política, tendo em vista a ne- cessidade de contemplar a diversidade entre esta população, reconhecendo-se também as especificidades das populações extrati- vistas das águas, tais como marisqueiras, ri- beirinhas e pescadoras. Para tanto, a Portaria n o 2.311, de 23 de outubro de 2014, instituiu o termo ‘das águas’, renomeando a redação para Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta e das Águas (PNSIPCFA). Este foi um passo essen- cial para que as desigualdades e iniquidades em saúde se tornem visíveis e então se in- tegrem ao processo de trabalho dos profis- sionais atuantes serviços de saúde destas comunidades.

Importante! A Política Nacional de Saú- de Integral das Populações do Campo e da Floresta
Importante! A Política Nacional de Saú-
de Integral das Populações do Campo
e da Floresta e das Águas (PNSIPCFA)
é um marco histórico na saúde brasi-
leira, devido ao reconhecimento dos
determinantes sociais do campo sobre

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

o processo saúde e doença dessas po- pulações. Este foi um passo inicial, mas que deve avançar continuamente, em parceria com os movimentos sociais e lideranças comunitárias, representati- vas destes povos.

A PNSIPCFA norteia o SUS para o alcance

dessas populações, mas ainda há grandes déficits estruturais e de serviços nessas co- munidades. Para a superação desses desa- fios, é necessário adotar estratégias inter- setoriais que promovam a descentralização da gestão, o fortalecimento da rede de aten- ção à saúde, a ampliação da cobertura da Atenção Básica, o fortalecimento da Rede

Cegonha, de programas de provimento de

médicos, como o Programa Mais Médicos, e

a implantação do Centro de Referência em

Saúde do Trabalhador Rural (CEREST-rural). Como ponto fundamental da rede, devem-se fortalecer os conselhos de saúde e demais espaços participativos e de controle social (SOARES et al. 2014).

2.4.2 Mulheres Indígenas

A população indígena brasileira é de 896.900 pessoas, de acordo com o Censo Demográ-

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

fico de 2010. Foram identificadas mais de 300 etnias, que falam mais de 274 línguas distintas. Os povos indígenas estão pre-

sentes nas cinco regiões brasileiras, sendo que 36,2% deles vivem em área urbana e 63,8% na área rural. Foram incluídos como indígenas 817,9 mil pessoas que se declara- ram indígenas no quesito cor ou raça, além

de 78,9 mil pessoas que residiam em terras

indígenas, e que mesmo declarando-se de outra cor ou raça (principalmente pardos, 67,5%), consideravam-se indígenas devido aos aspectos culturais e de vida, tais como

tradições, costumes, cultura e antepassados.

Há um equilíbrio na proporção entre os sexos,

sendo que há 100,5 homens para cada 100,0 mulheres (IBGE, 2010).

A estruturação e operacionalização do

Subsistema de Atenção à Saúde Indí- gena, articulado com o Sistema Único de Saúde (SUS), é de responsabilidade do Ministério da Saúde desde agosto de 1999. Em 2002 foi lançada a Política de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas, cujo objetivo é:

38

dos Povos Indígenas, cujo objetivo é:  38   garantir aos povos indígenas o acesso

garantir aos povos indígenas o

acesso à atenção integral à saúde, de

acordo com os princípios e diretrizes

do Sistema Único de Saúde, contem-

plando a diversidade social, cultural,

geográfica, histórica e política de modo

a favorecer a superação dos fatores

que tornam essa população mais vul-

nerável aos agravos à saúde de maior

magnitude e transcendência entre os

brasileiros, reconhecendo a eficácia

de sua medicina e o direito desses

povos à sua cultura (FUNASA, 2002,

p. 13).

] [

Em relação à atenção à saúde da mulher, há grandes desafios na assistência pré-natal, na prevenção do câncer de colo de útero e das IST/HIV/AIDS. Ainda, há insuficiência dos dados epidemiológicos disponíveis para ava- liação dos problemas de saúde das mulheres indígenas. Diante deste cenário, a PNAISM tem por finalidade a garantia da atenção in- tegral às mulheres, atendendo as suas es- pecificidades e vulnerabilidades em saúde, considerando-se os aspectos socioculturais e econômicos que interferem na sua saúde (BRASIL, 2004).

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Figura 13 – A atenção à saúde da mulher indígena está contemplada na PNAISM

à saúde da mulher indígena está contemplada na PNAISM Para o reconhecimento das condições de saú-

Para o reconhecimento das condições de saú- de das mulheres indígenas foi realizado o I In- quérito Nacional de Saúde e Nutrição Indíge- na, entre 2008-2009, que buscou caracterizar

o estado nutricional de mulheres entre 14 e 49

anos de idade, bem como de crianças meno- res de 5 anos. Foram visitadas 113 aldeias e entrevistadas 6.692 mulheres, o que represen- ta uma amostra probabilística da população indígenas residente das quatro macrorregiões

brasileiras: Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sul

e Sudeste (COIMBRA JR., 2013). Este inquéri-

to foi um grande avanço no âmbito da saúde pública, embora tenha ocorrido com grande atraso em relação à população não indígena,

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

visto que no restante da população já são rea- lizados esses levantamentos desde a década de 1970 (BARROS, 2008).

O Inquérito Nacional apresentou grandes ini- quidades em saúde entre as populações in- dígenas e não indígenas, além de diferenças importantes entre as regiões. Em relação ao saneamento básico, apenas 19% dos domi- cílios indígenas possuíam banheiros dentro

19% dos domi- cílios indígenas possuíam banheiros dentro de casa, enquanto na região Norte essa taxa

de casa, enquanto na região Norte essa taxa era de apenas 0,6%. Em cerca de 63% dos domicílios, os dejetos são coletados em fos- sas rudimentares, sendo que este porcentual chega a 91% dos domicílios na Região Norte. Enquanto as aldeias praticamente não dis- põem de saneamento básico mínimo, 90% da população não indígena possui algum recur- so de saneamento, mesmo que insuficiente (IBGE, 2010).

Algumas condições de saúde e fatores de risco especí cas das mulheres indígenas são: Alta
Algumas condições de saúde e fatores de risco
especí cas das mulheres indígenas são:
Alta prevalência de excesso de peso (46%)
Condições de saúde:
Alta prevalência de anemia (37,2 %)
Alta prevalência de cancer de colo de útero e IST
Início precoce da atividade sexual
Fatores de risco:
Média elevada de filho por mulher (4-8 filhos)
Hábitos precários de higiene
Tabagismo
Acesso de ciente à exames preventivos e tratamento
 39 

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Sobre o acesso à água potável, a maioria dos domicílios indígenas relatou coletar água de fontes locais, sem tratamento prévio. Mesmo quando há local para coleta de água, há pro- blemas estruturais como bomba d’água que- brada, falta de combustível para o gerador ou problemas de encanamento e instalação, que tornam a água indisponível aos domicílios in- dígenas (COIMBRA JR., 2013).

Em relação à mulher indígena, o Inquérito Na- cional revelou que o estado nutricional da mu- lher indígena é marcado pelo excesso de peso, onde 46% das indígenas entrevistadas apresen- taram sobrepeso ou obesidade. Ao lado desse estado de sobrenutrição, permanece uma pre- valência de anemia de 32,7% em nível nacional, sendo a mais elevada na região Norte (46,8%). As deficiências na realização do pré-natal, bem como o acesso aos serviços de Atenção Básica em saúde impactam negativamente no estado nutricional dessas mulheres.

A saúde sexual e reprodutiva também é uma situação de risco para as indígenas, que apre- sentam uma taxa de fecundidade entre 4-8 fi- lhos, enquanto essa taxa na população brasi- leira é de 1,9 filhos por mulher, com intervalos

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

curtos entre as gestações, além do início da vida sexual e primeira gestação precoce (IBGE, 2010; MOLITERNO et al. 2015). As Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) e o câncer de colo de útero são agravos prevalentes nes- sas populações.

São fatores de risco associados muito pre- sentes nas populações indígenas da América do Sul o início precoce da atividade sexual, a alta paridade, multiplicidade de parceiros, há- bitos precários de higiene, tabagismo e ainda a dificuldade de acesso a exames preventivos e tratamento adequado (RODRIGUES et al.,

2014).

Importante! Os principais problemas de saúde entre as mulheres indígenas são o sobrepeso, a anemia,
Importante! Os principais problemas de
saúde entre as mulheres indígenas são
o sobrepeso, a anemia, a baixa assis-
tência ginecológica e obstétrica, a di-
ficuldade de realização do tratamento
das IST nas mulheres e seus parceiros,
a mortalidade por câncer de colo uteri-
no e mama, além do alcoolismo, do uso
de drogas, violência contra a mulher e
prostituição (FERREIRA, 2013).

Embora a publicação das políticas públicas – Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos

40

Nacional de Atenção à Saúde dos Povos  40  Indígenas (PNASPI) e PNAISM – representem

Indígenas (PNASPI) e PNAISM – representem avanços na garantia da saúde das mulheres indígenas, de acordo com o panorama de saú- de apresentado verifica-se que ainda é preciso

avançar para o alcance de resultados mais efeti- vos. Em especial, na realização de inquéritos em saúde e registro de informações em saúde nos sistemas de informação. Para que haja maiores registros sobre informações epidemiológicas,

é preciso avançar na cobertura dessa popula-

ção, assegurando-lhes os serviços de atenção básica, bem como o acesso à Rede de Atenção

à Saúde (RAS). Para o cuidado em saúde das

indígenas não se pode perder de vista as suas especificidades socioculturais e o isolamen- to geográfico para a criação de estratégias de promoção da saúde efetivas. Também é funda- mental inserir as mulheres indígenas nas ações de planejamento em saúde, incentivando a par- ticipação social junto aos conselhos de saúde e movimentos sociais (MAGGI, 2015).

Para organizar a oferta dos serviços de aten- ção à saúde dos povos indígenas, a PNASPI estabeleceu os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI) nas comunidades locais, onde

a atenção primária e os serviços de referência se situam. O DSEI é definido como um modelo

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

de organização dos serviços, voltado para um espaço étnico e cultural dinâmico, geográfico e populacional bem definido. São realizadas pelos DSEIs atividades técnicas para oferta

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

de atenção à saúde, reordenando a RAS, bem como o desenvolvimento de atividades admi- nistrativas e gerenciais necessárias para a as- sistência, como, por exemplo, o controle social.

Figura 14 – A atenção à saúde indígena faz parte da rede de atenção saúde no SUS

indígena faz parte da rede de atenção saúde no SUS Fonte: SESAI – Secretaria Especial de

Fonte: SESAI – Secretaria Especial de Saúde Indígena (2012).

41

Secretaria Especial de Saúde Indígena (2012).  41  Cada distrito deve organizar a sua rede

Cada distrito deve organizar a sua rede de serviços de Atenção Básica, integrada à RAS. As demandas que não forem atendidas nos distritos devem ser referências para a rede de serviços do SUS (BRASIL, 2002).

Importante! As equipes de saúde indí- gena deverão ser compostas por médi- cos, enfermeiros, odontólogos,
Importante! As equipes de saúde indí-
gena deverão ser compostas por médi-
cos, enfermeiros, odontólogos, auxilia-
res de enfermagem e agentes indígenas
de saúde (AIS), contando com a parti-
cipação sistemática de antropólogos,
educadores, engenheiros sanitaristas e
outros especialistas e técnicos conside-
rados necessários (FUNASA, 2002).

Na equipe de saúde, os agentes de saúde in- dígena são fundamentais para a aproximação dos profissionais com a população, bem como para o reconhecimento da realidade local. Um entrave no acesso à saúde das mulheres indí- genas é também a vergonha de serem aten- didas por homens. Em geral, as mulheres têm dificuldade de falar sobre sua saúde com homens, sejam brancos ou indígenas, devido a aspectos e tradições culturais. Falar sobre saúde sexual e reprodutiva com um profissio- nal do sexo masculino, na maioria das vezes, vai contra seus princípios, o que dificulta a

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

abordagem da saúde sexual e saúde reprodu- tiva, tão relevante e emergente nessa popula- ção (FERREIRA, 2013).

Em 2015, havia cerca de 15 mil profissionais de saúde indígena em equipes multidiscipli- nares para o atendimento de cerca de 640 mil indígenas pelo SUS, na atenção básica. Uma contribuição importante para a com- pletude dessas equipes foi o programa Mais Médicos, que levou 305 profissionais para 34 DSEIs, em todo o território nacional. Há uma série de avanços que precisam ser fortaleci- dos, e desafios a serem superados na saú- de indígena. Para tanto, é preciso avaliação e monitoramento, bem como investimentos continuados, tanto em infraestrutura como no provimento de profissionais e sua quali- ficação constante para o alcance da melho- ria da qualidade de vida e saúde deste grupo populacional.

Você pode conhecer mais sobre este assunto acessando o portal da Secre- taria Especial de
Você pode conhecer mais sobre este
assunto acessando o portal da Secre-
taria Especial de Saúde Indígena, em:
<http://portalsaude.saude.gov.br/index.
php/o-ministerio/principal/secretarias/
secretaria-sesai>.

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

2.4.3 Mulheres negras

As vulnerabilidades às quais estão sujeitas as mulheres negras, bem como os homens ne- gros, ocorrem em função das desigualdades sociais presentes nas estruturas da nossa sociedade. Essas desigualdades estão intrin- secamente relacionadas ao racismo, à classe social e também ao sexismo, quando se trata das mulheres (NASCIMENTO, 2011).

Para abordar a relação entre saúde e cor de pele, no caso das mulheres negras, é neces- sário acessarmos o conceito de interseccio- nalidade. Este refere-se à intersecção entre diversas opressões: de gênero, raça, classe social, orientação sexual, entre outros marca- dores sociais. A interseccionalidade nos aju- da a compreender a problemática que envolve as consequências estruturais e dinâmicas da interação entre dois ou mais eixos de subor- dinação. É um caminho para a compreensão de como o racismo, o patriarcalismo e as di- ferenças de classes sociais, bem como outros sistemas discriminatórios, geram desigual- dades que determinarão as posições de mu- lheres, raças, etnias e classes na sociedade (CRENSHAW, 2002).

42

etnias e classes na sociedade (CRENSHAW, 2002).  42  Interseccionalidade é o estudo da so-
Interseccionalidade é o estudo da so- breposição ou intersecção de identi- dades sociais e sistemas
Interseccionalidade é o estudo da so-
breposição ou intersecção de identi-
dades sociais e sistemas relacionados de
opressão, dominação ou discriminação.

Sob a ótica da interseccionalidade, quando assumida para a organização das pautas em saúde das mulheres negras, torna visível um conjunto de vulnerabilidades definido com uma tripla opressão: racismo, machismo e preconceito de classe social (GONZALEZ, 1982). Esse trio seria aumentado no caso de serem mulheres negras transexuais ou travestis, e com orientação sexual não hete- rossexual. O uso da interseccionalidade não se trata de hierarquizar opressões, mas de considerar os efeitos que estes sistemas de opressão têm por estarem imbrincados uns aos outros.

Com relação à raça e saúde, é importante destacar que esta não é uma realidade bio- lógica, mas sim apenas um conceito – aliás, cientificamente inoperante – para explicar a diversidade humana e para dividi-la em raças estagnadas. Em outras palavras, biológica e cientificamente, as raças não existem (MU- NANGA, 2004).

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Vulnerabilidades das mulheres negras

a hierarquização pela cor da pele gera desigualdades, discriminações e violências

é um desa o para o sistema de saúde enfrentar esta realidade

as doenças com maior prevalência entre as mulheres negras são hipertensão, diabetes mellitus tipo ll, morte materna e anemia falciforme

as mulheres negras realizam menos consultas de pré-natal do que as mulheres brancas

alta taxa de mortalidade por AIDS

o percentual de gestação na adolescência supera o do observado no restante da população

há invisibilidade das mulheres negras nas pesquisas e dados institucionais, visto que o registro da cor de pele é feito com base na autodeclaração ou na observação de quem registra, podendo haver uma subnoti cação

Também é preciso reconhecer que há um pro- cesso de racialização, no qual são atribuídas atitudes e características pensadas como naturais e fixas nas pessoas, de acordo com a cor de pele. Esse entendimento tem como desfecho o racismo, o qual pode ser entendi- do por uma ideologia essencialista que parte da divisão da humanidade em grandes gru- pos denominados raças. Essas diferentes ra- ças teriam características físicas hereditárias

comuns, as quais determinariam caracterís- ticas psicológicas, morais, intelectuais e es- téticas das pessoas que a compõem, dando um tom de homogeneidade. Ou seja, ao per- tencer à determinada raça, a pessoa assumi- ria determinados comportamentos, preferên- cias e hábitos (MUNANGA, 2004).

Desta forma, as pessoas são hierarquizadas segundo a cor da pele, e em consequência

43

segundo a cor da pele, e em consequência  43  sofrem desigualdades, discriminações e vio-

sofrem desigualdades, discriminações e vio- lências, por vezes invisibilizadas em função não serem pensadas como decorrentes de processos socioeconômicos e políticos racis- tas, que naturalizam e essencializam a raça.

Para compreender melhor as questões de preconceito e racismo no Brasil, leia: GUIMARAES, A. S.
Para compreender melhor as questões
de preconceito e racismo no Brasil, leia:
GUIMARAES, A. S. A. Preconceito de cor
e racismo no Brasil. Rev. Antropol., São
Paulo, v. 47, n. 1, p. 9-43, 2004.
Acesse o link: <http://dx.
doi.org/10.1590/S0034-
77012004000100001>.

A esta interseccionalidade entre gênero e ra- cismo tem se denominado como racismo pa- triarcal, entendido como uma hierarquização estabelecida entre os níveis de cores e sexua- lidade. Quanto mais possuir uma pele escura e do sexo feminino, de modo menos relevante o indivíduo atuará na sociedade (GELEDÉS, 2014). Por outro lado, existe uma hipersexualização e uma exotização do corpo da mulher negra, de tal forma, que se naturaliza a ideia de que as mulheres negras são somente objetos sexuais exóticos, de consumo alheio, o que promove a marginalização e violências dessas mulheres.

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

O racismo e a segregação de classes pro-

vocam e exaltam as desigualdades, assim como os preconceitos, a exclusão e a pobre- za. Desta forma, é um desafio para o sistema

de saúde enfrentar esta realidade brasileira,

e principalmente as condições vivenciadas

pelas pessoas negras – e especificamente pelas mulheres negras.

A mídia cumpre um papel importante na hipersexualização e nos estereótipos do que seria uma
A mídia cumpre um papel importante na
hipersexualização e nos estereótipos do
que seria uma mulher negra. Para saber
mais, acesse o seguinte link: <http://
agenciapatriciagalvao.org.br/mulher-
-e-midia/representacao-social-da-mu-
lher-negra-nos-programas-de-tv-este-
reotipo-sexualizacao/>.

As doenças com maior prevalência entre as mulheres negras são hipertensão, diabetes mellitus tipo ll, morte materna e doença fal- ciforme. Sabe-se também que as mulheres negras realizam menos consultas de pré-na- tal do que as mulheres brancas, o percentu-

al de gestação na adolescência supera o do

observado no restante da população, além de terem uma taxa alta de mortalidade por AIDS (BRASIL, 2005a).

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Figura 15 – Reconhecer os contextos de vida das mulheres negras qualifica o atendimento em saúde

vida das mulheres negras qualifica o atendimento em saúde Fonte: Prefeitura de Goiânia (2015). Conheça mais

Fonte: Prefeitura de Goiânia (2015).

Conheça mais sobre doença falciforme e raça: <http://www.scielo.br/pdf/ref/ v14n1/a13v14n1.pdf>.
Conheça mais sobre doença falciforme
e raça: <http://www.scielo.br/pdf/ref/
v14n1/a13v14n1.pdf>.

Estas diferenças têm sido relacionadas em al- gumas pesquisas não devido à cor da pele em si, mas sim devido às desigualdades em saúde relacionadas ao gênero e raça que impactam em um menor acesso aos serviços de saúde, assim como a menor qualidade de atendi- mento, apontando para o racismo institucio- nal (LÓPEZ, 2012). Este racismo institucional

44

nal (LÓPEZ, 2012). Este racismo institucional  44  se vê refletido, por exemplo, nas denúncias

se vê refletido, por exemplo, nas denúncias do movimento negro, dos processos de esterili- zação em massa que estavam acontecendo principalmente no Norte e Nordeste (GROSSI, 1994), assim como na assistência ao parto, onde um estudo feito com 9.633 puérperas no município do Rio de Janeiro, entre 1999- 2001, mostrou que mulheres pardas e negras recebiam menos anestesia peridural no parto vaginal do que as mulheres brancas (LEAL; GAMA; CUNHA, 2005).

Sobre as questões relacionadas a violências, a pesquisadora e antropóloga brasileira Miriam Grossi em artigo reflete sobre a invisibilidade das mulheres negras nas pesquisas e dados institucionais, visto que o registro da cor de pele é feito com base na autodeclaração ou na ob- servação de quem registra, podendo haver uma subnotificação dos casos em função do não reconhecimento da cor negra (GROSSI, 1994).

Conheça estratégias em publicações do Ministério da Saúde sobre a atenção à saúde das mulheres
Conheça estratégias em publicações do
Ministério da Saúde sobre a atenção à
saúde das mulheres negras:
Î Saúde da população negra no Bra-
sil: contribuições para a promoção
da equidade (2005), organizada pela

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Fundação Nacional de Saúde (Funa- sa). Acesse o link: <http://bvsms.sau- de.gov.br/bvs/pop_negra/pdf/saude-
Fundação Nacional de Saúde (Funa-
sa). Acesse o link: <http://bvsms.sau-
de.gov.br/bvs/pop_negra/pdf/saude-
popneg.pdf>.
Î Perspectiva da Equidade no Pacto
Nacional pela Redução da Mortali-
dade Materna e Neonatal: Atenção à
Saúde das Mulheres Negras, plano
em que aborda a saúde da mulher
negra e suas especificidades. Acesse
o link: <http://bvsms.saude.gov.br/
bvs/publicacoes/perspectiva_equida-
de_pacto_nacional.pdf>.
Î Política Nacional de Saúde Integral da
População Negra: uma política para
o SUS. Acesse o link: <http://bvsms.
saude.gov.br/bvs/publicacoes/politi-
ca_nacional_saude_populacao_negra.
pdf>.

2.4.4 Mulheres privadas de liberdade

De acordo com o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – INPOFEN Mu- lheres, publicado em junho de 2014, cerca de 6% dos quase 600 mil brasileiros privados de liberdade são mulheres. O percentual pode parecer pequeno, mas são aproximadamente 38 mil mulheres nesta condição. Desde o ano 2000 houve aumento de 567,4% das mulheres

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

mulheres Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres privadas de liberdade, contra 220,2% dos ho- mens,

privadas de liberdade, contra 220,2% dos ho- mens, refletindo o aumento do encarcera- mento feminino. O perfil das mulheres sub- metidas ao cárcere é de jovens, das quais 50% têm entre 18 e 29 anos; 67% são negras contra 51% da população geral; possuem baixa escolaridade, 50% delas não comple- taram o ensino fundamental e apenas 11% completaram o ensino médio. Ao se analisar

condições em saúde específicas das mulheres encarceradas, 5,3% delas possuem agravos transmissíveis, das quais 46% vivem com HIV e 35%, sífilis. Esse contexto aponta para a ne- cessidade da realização de cuidados e ações em saúde que considerem as especificidades em saúde dessas mulheres (BRASIL, 2014). Veja em detalhes os dados deste levantamento no esquema a seguir.

em detalhes os dados deste levantamento no esquema a seguir. cerca de 6% dos quase 600
cerca de 6% dos quase 600 mil brasileiros privados de liberdade são mulheres = 38
cerca de 6% dos quase 600 mil brasileiros
privados de liberdade
são mulheres = 38 mil
mulheres nesta condição
5,3% delas possuem agravos
transmissíveis, das quais 46% são
portadoras de HIV e 35%, sí lis

desde o ano 2000 houve aumento de 567,4% das mulheres privadas de liberdade, contra 220,2% dos homens, re etindo o aumento do encarceramento feminino

67% são negras contra 51% da população geral

o per l das mulheres submetidas ao cárcere é de jovens, das quais 50% têm entre 18 e 29 anos

50% delas não completaram o ensino fundamental e apenas 11% completaram o ensino médio

entre 18 e 29 anos 50% delas não completaram o ensino fundamental e apenas 11% completaram

45

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

As condições de saúde e doença da popula- ção são influenciadas pelos aspectos econô- micos, sociais e culturais. Os indicadores de saúde apontam para maior vulnerabilidade das pessoas expostas a condições precárias de vida. O gênero é um importante determi- nante social em saúde, e bastante relevante também para mulheres em situação de prisão. Em relação à população prisional feminina, cerca de 60% está privada de liberdade por crime de tráfico de drogas, enquanto a maioria desses crimes estão vinculados aos seus par- ceiros ou familiares. Elas, em geral, desempe- nham atividades periféricas no tráfico, como o transporte da droga, o que as torna mais sus- cetíveis ao flagrante, por terem menos recur- sos, possuem menos condições de negociar a sua liberdade, ou ainda terem seus direitos assegurados na prisão (MUSUMECI, 2001).

O sistema carcerário historicamente não foi desenhado para abrigar mulheres, fato que resulta em 25% das mulheres privadas de li- berdade cumprirem suas penas em locais ina- propriados (BRASIL, 2007). A Lei de Execução Penal (LEP) prevê que mulher e idosos sejam recolhidos separadamente, em estabelecimen- to próprio e adequado às suas especificidades.

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres 123(4,2%) prisões femininas 576 (20,1%) prisões mistas
Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres 123(4,2%) prisões femininas 576 (20,1%) prisões mistas
Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres 123(4,2%) prisões femininas 576 (20,1%) prisões mistas

123(4,2%) prisões femininas

576 (20,1%) prisões mistas
576 (20,1%) prisões mistas

mulheres gestantes. Estas, quando próximas ao parto, costumam ser transferidas para lo- cais mais estruturados, o que as distancia de suas famílias, dificultando as visitas (BRASIL,

2008).

2.861 estabelecimentos prisionais Importante! As mulheres em situação de prisão recebem poucas visitas, muitas delas
2.861 estabelecimentos prisionais
Importante! As mulheres em situação de
prisão recebem poucas visitas, muitas
delas não recebem, sendo frequente-
mente mais abandonadas que os ho-
mens quando são presos. Por vezes, elas
aceitam condições mais precárias na pri-
são para evitarem a transferências para
locais distantes das suas famílias.
a transferências para locais distantes das suas famílias. São vulnerabilidades frequentes entre as mu- lheres no
a transferências para locais distantes das suas famílias. São vulnerabilidades frequentes entre as mu- lheres no
a transferências para locais distantes das suas famílias. São vulnerabilidades frequentes entre as mu- lheres no

São vulnerabilidades frequentes entre as mu- lheres no sistema prisional: o baixo acesso a insumos e estrutura para higiene adequada, a falta de assistência ginecológica e obsté- trica, quase ausência de ações de prevenção de câncer de colo de útero e mama e das In- fecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Além de ações preventivas para as doenças mais prevalentes entre as mulheres nesse contexto, com destaque para os agravos em saúde mental. A exposição à violência, tanto institucional quanto entre elas próprias, com risco de sofrer violências física, psicológica

De acordo com o Conselho Nacional de Jus- tiça (CNJ), há no Brasil 2.861 estabelecimen- tos prisionais, sendo apenas 123 (4,2%) uni- dades exclusivas para mulheres, enquanto 576 (20,1%) são mistas, abrigando ambos os sexos. Os estabelecimentos mistos possuem pavilhões ou celas adaptadas para mulheres, mas de maneira geral não há estrutura para

46

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

e

que precisa ser reconhecida e enfrentada (DELZIOVO et al., 2015).

vulnerabilidade

sexual,

também

é

uma

Convidamos você a identificar esta- belecimentos penais femininos na sua região e buscar reconhecer quais
Convidamos você a identificar esta-
belecimentos penais femininos na sua
região e buscar reconhecer quais os
aspectos de vida e saúde das mulheres
reclusas. Reflita como você, profissio-
nal, poderia atuar intersetorialmente
para a promoção de saúde e prevenção
de agravos, ofertando uma atenção in-
tegral à saúde das mulheres privadas de
liberdade.

A prevalência de transtornos em saúde men-

tal entre a população privada de liberdade

é de 42%, enquanto na população geral é de

15% (CANAZARO et al., 2010). Alguns fatores, como o uso de álcool e outras drogas, influen- ciam na ocorrência desses transtornos. Entre- tanto, as condições sob as quais as mulheres são submetidas nas prisões, bem como os tratamentos que recebem pelos profissionais

desses estabelecimentos, são tão relevantes quanto os anteriores para o desencadeamen-

to ou agravos dos transtornos mentais exis-

tentes. A saúde mental nesse contexto não

é afetada somente por alterações biológicas

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

ou psíquicas, mas em especial pelo estigma social da condição de prisão, carregada de preconceitos e discriminações, tanto pelas pessoas externas ao presídio como aquelas que ali trabalham ou circulam. Essas carac- terísticas impactam na exclusão, no medo, no sofrimento e na falta de atenção à saúde das pessoas privadas de liberdade, ferindo os direitos humanos que lhes são assegurados (LIMA et al., 2006).

A maternidade também é um desafio no siste- ma prisional. Ela pode ser positiva por ameni- zar a solidão e abandono da mulher privada de liberdade, reduzindo o sofrimento. Entretan- to, as condições precárias e inadequação do ambiente para o crescimento da criança são preocupações constantes dessas mães (DA SILVA; LUZ; CECCHETTO, 2011). A qualificação da atenção às mulheres na gestação e no parto é emergencial diante das altas taxas de mor- talidade materna, que poderiam ser evitadas. Embora haja a crítica em relação ao reducio- nismo da mulher ao seu sistema reprodutivo (considerando-se a taxa de mortalidade ma- terna no Brasil, que é de 62 para cada 100 mil nascidos vivos, enquanto a meta era alcançar 35 para cada 100 mil nascidos vivos, até final

47

35 para cada 100 mil nascidos vivos, até final  47  Causas de mortalidade materna:
Causas de mortalidade materna: • Hipertensão relacionada à gestação • Hemorragias
Causas de mortalidade materna:
• Hipertensão relacionada à gestação
• Hemorragias

Estas causas são consequências diretas do pré natal e da

di culdade de acesso, ou ainda

do início tardio do

acompanhamento

de acesso, ou ainda do início tardio do acompanhamento O baixo acesso ao pré-natal decorre: •
O baixo acesso ao pré-natal decorre: • Do não reconhecimento da sua necessidade • Do
O baixo acesso ao pré-natal decorre:
• Do não reconhecimento da sua
necessidade
• Do desconhecimento deste direito da
mulher privada de liberdade
• Da falta de saúde dos serviços de
saúde prisional

de 2015), devem-se traçar estratégias efetivas para o seu enfrentamento, inclusive no âmbito do sistema prisional.

A primeira causa de morte materna das mulhe- res privadas de liberdade é a hipertensão re- lacionada à gestação; em segundo estão as

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

hemorragias. Essas causas são consequências diretas do acesso e da qualidade ao pré-natal, que pode identificar previamente tais riscos e minimizá-los por meio de cuidados específi- cos. A demora no início do pré-natal é um agra- vante que contribui para mortalidade materna. Este é influenciado pela dificuldade de aces- so, pelo não reconhecimento desta necessida- de ou mesmo dos direitos em ter esse tipo de assistência, bem como as condições insufi- cientes dos serviços de saúde para realização de diagnóstico e tratamento (DELZIOVO, et al.,

2015).

Recentemente, foi publicada a Lei Federal nº 13.434, de 12 de abril de 2017, a qual proíbe que mulheres privadas de liberdade sejam alge- madas durante o trabalho de parto, parto e no período de puerpério imediato. Esta publicação representa um avanço importante na atenção à saúde dessas mulheres.

Diante desse cenário, a Secretaria de Política para as Mulheres em parceria com o Ministério da Justiça, lançou em 2014 a Política Nacional de Atenção às Mulheres em Situação de Priva- ção de Liberdade e Egressas do Sistema Prisio- nal (PNAMPE), cujo objetivo é a reformulação

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

das práticas e garantia dos direitos das mu- lheres privadas de liberdade no Brasil (BRASIL, 2014). A PNAMPE está em consonância com a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM), que trata da atenção in- tegral a todas as mulheres, a partir das suas especificidades em saúde, e da Política Nacio- nal de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional (PNAISP), que visa assegurar às pessoas em situação de prisão o acesso universal ao SUS, com atenção integral e equânime. Além de re- conhecer as unidades prisionais como pontos da Rede de Atenção à Saúde (RAS), os profis- sionais atuantes nesses serviços devem deba- ter e implementar propostas que contribuam para a melhoria das condições de vida e saúde das mulheres no âmbito das prisões.

Você, profissional, deve estar atento às mulheres privadas de liberdade que adentram os serviços de
Você, profissional, deve estar atento
às mulheres privadas de liberdade que
adentram os serviços de saúde e dia-
logar sobre a importância do cuidado,
estimulando a adesão às ações de pro-
moção de saúde e prevenção de doen-
ças e agravos, sempre considerando os
determinantes sociais e fatores de risco
que circundam o ambiente da prisão.

48

de risco que circundam o ambiente da prisão.  48  2.4.5 Mulheres em situação de

2.4.5 Mulheres em situação de rua

São escassas as informações sobre as pesso- as em situação de rua, e mais escassas ainda com um recorte de gênero, especificamente sobre as mulheres nessa condição. Por serem pessoas que estão à margem da sociedade e morarem na rua, são altamente estigmatizadas e invisibilizadas. Em várias ocasiões são feitas ações de “higienização social”, em que esta po- pulação é das mais afetadas: violências físicas, são queimadas enquanto estão dormindo, en- tre outras ações para o seu extermínio (ALVES, 2015). A situação de rua é consequência de di- versos condicionantes, conforme são apresen- tadas a seguir (LOPES, 2006):

Fatores biográ cos relacionados à vida particular do indivíduo:

por exemplo, a quebra de vínculos familiares, doenças mentais e uso abusivo de álcool e outras drogas.

Fatores

Fatores da

estruturais:

natureza:

ausência de moradia, trabalho e renda.

terremotos ou

inundações.

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Com relação à saúde desta população, as do- enças que a atingem com maior frequência, segundo a literatura, são o HIV/AIDS, as ISTs, a tuberculose, as doenças da pele, as doenças respiratórias, entre outras (ALVES, 2015). No caso das mulheres em situação de rua a agres- são física e a violência sexual estão sempre presentes, oriundas tanto das pessoas como de grupos intolerantes, assim como a violência ocorrida entre os próprios moradores de rua.

Estas violências, preconceitos e estigma contra as mulheres que vivem na rua, são agravados em função de o espaço da rua ser historica- mente um lugar “masculino”. A pesquisadora Izalene Tiene, no seu livro Mulher moradora de

rua: entre violências e políticas sociais (2004), trata o fato das diferenças e desafios para as mulheres estarem no espaço da rua, visto que estas culturalmente estariam acostumadas

e

socializadas dentro do espaço doméstico,

o

qual teria esse teor de proteção. Segundo

a

pesquisadora, as mulheres em situação de

rua procuram não estar sozinhas; permanecer em grupos é uma forma de proteção. Algumas procuram companheiros com o intuito de evitar violências e se sentirem seguras; em consequ- ência, o ‘preço’ por essa proteção por vezes é

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

se submeter sexualmente, reproduzindo um outro cenário de violência.

Na rua, as mulheres são uma minoria e, por conseguinte, adotam trajetórias diferenciadas para viver, segundo Alves (2015, p.11 ):

Para essas mulheres a condição de mo- radoras de rua implica uma trajetória de vidas marcadas por rupturas e os moti- vos e o modo de vida das moradoras não são uniformes. Para algumas mulheres a rua é sinônimo de risco de abandono, de violência, de preconceitos e de humi- lhações. Por sua vez, há mulheres que compreendem a rua como experiência que trouxe felicidade e como espaço de reconstrução de vida, quer dizer, é lugar de passagem, travessia e abrigo, enquanto outras vivenciam a rua como ambiente de discórdias, de desfeitas, de delitos e de pequenos ganhos.

Morar na rua tem uma dinâmica própria: o imediatismo e as relações e vínculos que são criados por vezes são efêmeros e fragmenta- dos, associados às necessidades de proteção, cooperação e ajuda. Por outro lado, é impor-

49

cooperação e ajuda. Por outro lado, é impor-  49  tante considerar os diferentes marcadores

tante considerar os diferentes marcadores sociais ao se pensar nas mulheres em situa- ção de rua. Por exemplo, além das mulheres cisgêneros, também é necessário incluir as mulheres transexuais e travestis, assim como as questões de orientação sexual que perpas- sam a vida destas mulheres. No caso, pensar nesta população com essas especificidades faz com que se complexifique ainda mais a análise das vivências na rua destas mulheres, considerando que, em seu conjunto,

os processos que envolvem as (auto) representações das homossexualidades de rua mostram a necessidade de um diálogo com as especificidades destas, tomando o cuidado para não tomá-las como um todo homogêneo e para não interpretá-las a partir dos referenciais identitários típicos dos segmentos de renda médios e altos. Pode-se afirmar que tais processos trazem questiona- mentos inclusive sobre o campo con- ceitual presente no campo de estudos de gênero e sexualidade, como no caso da diferenciação comumente feita en- tre “orientação sexual” e “identidade de gênero”, que se mostra inadequada para

UN2

Especificidades e vulnerabilidades na saúde das mulheres

se interpretar as vivências das pessoas

LGBT em situação de rua” (GARCIA,

2007, p. 32).

No trabalho de Prates, Abreu e Cezimbra (2004), no Sul do Brasil, foi discutida a saú- de mental das mulheres em situação de rua, apontando uma desvalorização da própria imagem destas, relacionada à sua identidade de gênero, expressando uma postura de su- balternidade que as levava à banalização das violências sofridas neste espaço.

Figura 16 – Reconhecer os contextos de vida das mulhe- res qualificam o atendimento em saúde

de vida das mulhe- res qualificam o atendimento em saúde Fonte: Fórum Nacional dos Usuários do

Fonte: Fórum Nacional dos Usuários do SUAS, FNU-SUAS (2015).

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Em relação às políticas públicas em saú- de para esta população, de forma geral está prevista na Política Nacional para Inclusão Social da População em Situação Rua esta necessidade da construção de ações inter- setoriais, com o objetivo de:

(re)integração destas pessoas às suas

redes familiares e comunitárias, o acesso

pleno aos direitos garantidos aos cida-

dãos brasileiros, o acesso a oportuni-

dades de desenvolvimento social pleno,

considerando as relações e significados

próprios produzidos pela vivência do es-

paço público da rua (BRASIL, 2008, p. 4).

A estratégia Consultórios na Rua foi criada para ampliar o acesso aos serviços de saúde da população em situação de rua aos servi- ços de saúde, por meio da Política Nacional de Atenção Básica, publicada em 2011. Os Consultórios na Rua são equipes multiprofis- sionais que desenvolvem ações integrais de saúde para esse grupo populacional especí- fico. A atuação dessas equipes é itinerante, indo ao encontro das necessidades da popu- lação, considerando-se suas especificidades e vulnerabilidades.

50

suas especificidades e vulnerabilidades.  50  Embora tal estratégia tenha sido traçada para aumentar o

Embora tal estratégia tenha sido traçada para aumentar o acesso das pessoas em situações de rua aos serviços de saúde, ressalta-se que todos os demais profissionais do Sistema Úni- co de Saúde são responsáveis pelo atendimen-

to desse grupo, não se restringindo apenas aos

membros dos Consultórios na Rua, incluindo o apoio das equipes dos Núcleos de Apoio à Saú- de da Família (NASF) e Saúde Bucal.

Para conhecer mais sobre a compo- sição, organização e funcionamento das equipes de Consultório na
Para conhecer mais sobre a compo-
sição, organização e funcionamento
das equipes de Consultório na Rua,
acesse a portaria nº 122, de 25 de ja-
neiro de 2011: <http://bvsms.saude.
gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/
prt0122_25_01_2012.html>.

Você e sua equipe de saúde identificam na sua comunidade mulheres em situação de rua? Esta identificação é importante assim como

o reconhecimento do contexto que envolve a situação.

Como a questão de gênero influencia a saúde deste grupo?
Como a questão de gênero influencia a
saúde deste grupo?
Conheça estas cartilhas publicadas pelo Ministério de Saúde para a atenção à saúde da população
Conheça estas cartilhas publicadas pelo
Ministério de Saúde para a atenção à
saúde da população em situação de rua.
Para ler o Manual sobre o cuida-
do junto à população de rua, acesse:
<http://189.28.128.100/dab/docs/pu-
blicacoes/geral/manual_cuidado_popu-
lalcao_rua.pdf>.
Para ler a cartilha Saúde da população
em situação de rua: um direito humano,
acesse: <http://bvsms.saude.gov.br/
bvs/publicacoes/saude_populacao_si-
tuacao_rua.pdf>

51

52

UN3

Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica

53

54

UN3

Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Ter uma política nacional que apresentasse di- retrizes e bases para o atendimento das espe- cificidades das mulheres nos serviços de saúde foi uma demanda dos movimentos de mulheres. Em resposta a esta e outras demandas, em 1983 foi lançado o então Programa de Atenção Inte- gral de Saúde da Mulher – PAISM, e, em 2004, a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher – PNAISM, ainda vigente. Em comum, tanto no PAISM quanto na PNAISM, além de sua legitimidade em diversos setores da sociedade, poderíamos destacar os esforços da gestão pú- blica para assegurar que as mulheres, como um grupo social marcado por uma característica em comum de ‘ser mulher’, fossem atendidas nos serviços de saúde em todo território brasileiro.

Figura 17 – As mulheres e os cuidados em saúde frequen- temente prescritos

mulheres e os cuidados em saúde frequen- temente prescritos  55  Cuidar costuma ser considerado

55

cuidados em saúde frequen- temente prescritos  55  Cuidar costuma ser considerado como atributo e

Cuidar costuma ser considerado como atributo e característica ‘da’ mulher, ‘coisa de mulher’, e, de forma subsequente, serviços de saúde tendem a ser espaços ‘femininos’, habitados, em sua maioria, por mulheres, profissionais e usuárias. As prescrições de ‘cuidado’, em geral, reproduzem o caminho social e cotidianamente reiterado, sobre o qual já tratamos, mulher = heterossexual = mãe. Em outros termos, em nossas culturas capitalistas ocidentais, o co- mum e cotidiano é que caiba às mulheres os cuidados para consigo e para com as pessoas em sua volta. Mas isso acaba por ter efeitos também na saúde.

3.1 Estratégias de superação das vulnerabilidades em saúde das mulheres

No campo das políticas públicas (desde o planejamento, monitoramento, execução e avaliação), e, em particular, do cuidado e da atenção integral à saúde das mulheres nos serviços de saúde, o quadro conceitual sobre vulnerabilidade que abarca os três compo- nentes articulados entre si (sujeito, contexto sócio-comunitário e contexto institucional) abre espaço para análises e intervenções

UN3

Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica

multidimensionais, que consideram que as pessoas não são, em si, vulneráveis, mas po- dem estar vulneráveis a agravos associados, sob determinadas condições, em diferentes momentos de suas vidas.

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

A partir de tais apontamentos conceitu-

ais, é possível pensar a condição, situação

e

contexto de vulnerabilidade de mulheres

e

grupos de mulheres como resultantes da

dinâmica relação entre componentes in- dividuais, sociais, culturais e comunitá-

Tateando outros modos de produzir saúde com mulheres, estamos tentando seguir um movimento que pede uma certa fluidez, que não fixa nem culpabiliza as mulheres, mas considera que os contextos nos quais elas estão envolvidas e vivem podem ou não con-

rio, ou se programáticos e institucionais, o que provoca novas reflexões sobre os cui- dados em saúde das mulheres, cuida- dos individuais e coletivos, singularidades dos diferentes grupos de mulheres e de cada mulher, um cuidado para acompanhar em vez

tribuir para melhorar ou agravar suas condi- ções de saúde.

de

restringir.

O

quadro conceitual da vulnerabilidade no

Que elementos devemos conside- rar para avaliar concretamente as maiores ou menores chances de exposição
Que elementos devemos conside-
rar para avaliar concretamente as
maiores ou menores chances de
exposição das mulheres das quais
cuidamos, ou queremos cuidar, a
agravos à sua saúde?
Quais as maiores chances (con-
textuais) para que uma mulher es-
teja ou se torne vulnerável?
Como podemos interferir em con-
textos de vulnerabilidade de modo
a ampliar possibilidades de cuida-
do e de vida?

campo da saúde das mulheres nos ajuda

a pensar que as relações de gênero, por se

configurarem em relações de poder desi- guais, podem tornar as mulheres mais vul- neráveis a determinados tipos de agravos e doenças. Em relação ao HIV/AIDS, por exem- plo, algumas mulheres são infectadas pelos próprios companheiros, em relações está- veis, onde o amor romântico atravessa e os pactos de fidelidade são feitos e cumpridos, em geral, apenas por elas. Por não descon- fiarem que seus companheiros possam estar infectados por HIV, elas têm relações sexuais

56

por HIV, elas têm relações sexuais  56  desprotegidas. Em outras palavras: o amor romântico

desprotegidas. Em outras palavras: o amor romântico pode ser um contexto de vulne- rabilidade para as mulheres. Podemos dizer também que as violências de todos os tipos, as gravidezes indesejadas, os abortos inse- guros, as condições socioeconômicas, as situações de classe, de faixa-etária, de re- gião, de raça/etnia, entre outras, articuladas ou não, vão se configurando como fatores de vulnerabilidade para as mulheres em relação aos cuidados em saúde.

Nesse sentido, os serviços de saúde, espe- cialmente os serviços de Atenção Básica, precisam estar atentos aos contextos de vul- nerabilidade de cada uma de suas usuárias para lhes ofertar um cuidado singular, afeito a composições e experimentações, por meio do qual se possa desenhar coletivamente – mediante articulação de saberes e fazeres de profissionais de saúde e das mulheres, bem como de suas redes comunitárias – a possibilidade de toda, qualquer, cada mulher protagonizar a ampliação de seus territó- rios existenciais, o que inclui desaprendi- zagens de gênero, do que ‘cabe’ para toda mulher, como, por exemplo, desaprender o amor romântico e com ele não mais esperar

UN3

Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Figura 18 – O cuidado deve ser ampliado e engajado em não reproduzir estereótipos de gênero

e engajado em não reproduzir estereótipos de gênero o ‘príncipe encantado’. Com isso, queremos dizer que
e engajado em não reproduzir estereótipos de gênero o ‘príncipe encantado’. Com isso, queremos dizer que

o ‘príncipe encantado’. Com isso, queremos

dizer que muitos dos contextos de vulne- rabilidade que acometem mulheres no seu processo de saúde-cuidado-doença podem ser minimizados se elas forem protagonis- tas de suas vidas, de um ir dando forma à vida e suas possibilidades.

O convite é, então, o de experimentarmos um

cuidado integral em saúde das mulheres, en- tendendo integralidade como “dispositivo

político que interroga saberes e poderes ins- tituídos, constrói práticas cotidianas nos es- paços públicos em que os sujeitos estejam engendrando novos arranjos sociais e institu- cionais em saúde” (GUIZARD; PINHEIRO, 2004, p. 21), novos arranjos de gênero. Um cuidado baseado num olhar singular, pautado na arti- culação entre contextos de vulnerabilidade- -modos de cuidado-protagonização da vida pelas mulheres. Um cuidado que tateie um ou- tro modo de acompanhar essa mulher-usuária

57

dos serviços de saúde, produzindo saúde e aberturas em nossas subjetividades, sociabi- lidades e feituras de gênero. Apostamos, pois, na potencialidade da participação ativa das mulheres nos processos de promoção da saú- de, prevenção de doenças, atenção e cuidado em saúde direcionado a elas.

Em última análise, estamos propondo um cuidado em saúde com mulheres, que inter- fira na tendência à generificação e promova

UN3

Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

O cuidado integral pode ser: Um cuidado baseado num olhar singular, pautado na articulação entre
O cuidado integral pode ser:
Um cuidado baseado num
olhar singular, pautado na
articulação entre contextos
de vulnerabilidade, modos
de cuidado, protagonização
da vida pelas mulheres.
Um cuidado que tateie um
outro modo de acompanhar
essa mulher, usuária dos
serviços de saúde,
produzindo saúde e
aberturas em nossas
subjetividades,
sociabilidades e feituras
de gênero.

ampliações nos territórios existenciais das pessoas. Parte-se do entendimento de que profissionais de saúde e usuárias são pro- tagonistas de um projeto de vida que come- ça a ser gestado no cotidiano dos serviços

de saúde: produzir modos de cuidar como modos de desnaturalizar evidências e luga- res-comuns no que se refere à mulher, ao gênero, à saúde das mulheres, tecer coleti- vamente um cuidado,

58

mulheres, tecer coleti- vamente um cuidado,  58   de modo que certas frases não

de modo que certas frases não

possam mais ser ditas tão facil- mente, ou que certos gestos não mais sejam feitos sem, pelo me- nos, alguma hesitação; contribuir para que algumas coisas mudem nos modos de perceber e nas ma- neiras de fazer; participar desse difícil deslocamento das formas de sensibilidade e dos umbrais de tolerância (Foucault, 2006, p. 347).

] [

Talvez possamos dizer que estamos propondo subverter protagonismos de (tristes) histórias de formatações de (nossas) vidas individuais e grupais em co-agonismos, ou seja, na produ- ção coletiva de espaços de discussão, interfe- rência e experimentação de outros modos de subjetivação, outras formas de viver gênero e fazer cuidar da saúde das mulheres com mu- lheres. Nesse sentido, protagonismo (ou co-a- gonismo) não é algo que se possa dar a alguém, não é um presente, algo que se possa passar de uma pessoa para outra. Protagonismo é algo que se exerce e que se tece em relação, e algu- mas pessoas, por diferentes razões, aprendem a protagonizar ou a participar ativamente nos diferentes espaços onde se inserem.

UN3

Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica

Figura 19 – Um cuidado em saúde ‘com’ mulheres, que promova ampliações nos territórios existenciais das pessoas

ampliações nos territórios existenciais das pessoas Indicamos, a seguir, algumas estratégias que podem

Indicamos, a seguir, algumas estratégias que podem contribuir para uma atuação protagonista em um cenário de silenciamen- tos, violações, desigualdades e violências de gênero:

ÎÎ Criar espaços (individuais e grupais) de participa- ção das usuárias (o que é diferente de somente criar grupos ‘específicos’ de mulheres): ouvir suas necessidades, seus anseios em relação ao aten- dimento, seus projetos de vida, seus problemas. ÎÎ Possibilitar que as mulheres opinem sobre a or- ganização do serviço, sobre os horários espe-

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

cíficos para seu atendimento (obviamente que essa escuta precisa estar alinhada com as pos- sibilidades e estrutura do próprio serviço, assim como de seus gestores(as) e trabalhadores(as)), sobre as atividades ofertadas, sobre o planeja- mento de seu projeto terapêutico. ÎÎ Promover a reflexão sobre a Rede de Atenção à Saúde do seu território e o fomento de articula- ções necessários – intrasetorial e intersetorial. Por exemplo, o referenciamento do local de parto e a linha de cuidado do câncer de mama e colo de útero ÎÎ Exercitar a capacidade de perceber os limites dos diversos saberes estruturados diante da singularidade de cada mulher e de seus desejos (pensar em metas possíveis de serem pactuadas com o outro). ÎÎ A partir das necessidades e projetos de vida in- dicados pela usuária, planejar com ela e com sua rede afetiva um cuidado contingencial, permea- do por ações e atividades viáveis e em conso- nância com as condições de vida e desejos da mulher atendida. ÎÎ Garantir espaços de controle social dentro da unidade de saúde e fomentar a construção/ fortalecimento de grupos de mulheres para que suas representações nesses espaços sejam, efetivamente, um reflexo de suas demandas.

59

efetivamente, um reflexo de suas demandas.  59  Î Î Planejar junto com as mulheres

ÎÎ Planejar junto com as mulheres as atividades que serão desenvolvidas junto a elas (escolha dos temas a serem trabalhados, das metodolo- gias que podem ser utilizadas etc.). Fomentar espaços de trocas de experiências en- tre as mulheres para que elas se sintam apoiadas umas pelas outras; mas também de trocas de experiências e produção de cuidado entre mu- lheres e seus pares (sejam eles maridos, com- panheiras, pais, mães, filhos(as), cuidadores(as) etc.). Abrir espaços permanentes, e sempre que preci- so, para discutir atravessamentos de gênero no modo de produzir cuidado em saúde.

ÎÎ

ÎÎ

O objetivo do cuidado é ampliar a vida; acom- panhar processos de vida; desenvolver de forma singular e coletiva um conjunto de propostas e ações articuladas, o que sinali- za para a necessidade de discussões, articu- lação de saberes, um cuidado que brote de negociações entre a mulher (cuidada), uma equipe interdisciplinar de referências, entre esta equipe e outras equipes de outros ser- viços (de saúde e de outros setores), entre esta equipe e redes de apoio (não-técnicas), articulando e mantendo aquecida uma rede de cuidado.

UN3

Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica

3.2 Abordagem multidisciplinar e intersetorial da saúde das mulheres

No âmbito da saúde das mulheres, para ofer- tar serviços baseados na integralidade, entre atendimentos singularizados e que conside- rem contextos coletivos de vulnerabilidade, a intersetorialidade parece ser condição im- prescindível. A intersetorialidade, nessa pers- pectiva, seria a relação entre diversos setores governamentais, onde cada setor, dentro de suas atribuições próprias, desenvolvem ações conjuntas. Dessa forma, estratégias interse- toriais propõem buscar soluções para proble- mas que surgem a partir de múltiplas e dife- rentes causas, pretendendo buscar soluções conjuntas para problemas comuns que atin- gem dois ou mais setores responsáveis pelas políticas sociais (CUNILL-GRAU, 2014).

Numa dimensão micro das políticas desenvol- vidas dentro dos serviços de saúde, sugerimos que seja lançada mão da intrasetorialidade, isto é, quando diferentes áreas de um mesmo setor (no caso, a saúde) somam esforços para realizar ações conjuntas. Sugere-se que os/as profissionais das mais diferentes áreas, em

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

atuação interdisciplinar, trabalhem conjunta- mente para atender às demandas dos diferen- tes grupos de mulheres e de cada mulher. Que somem esforços para, reconhecendo os con- textos de vulnerabilidade nos quais as mulhe- res estão inseridas, desenvolvam atividades que visem reduzir as desigualdades de gênero e promover a saúde das mulheres.

desigualdades de gênero e promover a saúde das mulheres. As ações interdisciplinares desenvolvidas no âmbito da

As ações interdisciplinares desenvolvidas no âmbito da Atenção Básica, preferencialmente, devem considerar o princípio da territoriali- dade, que é fundamental para a organização das ações de políticas públicas, pois, com ele, é possível caracterizar a população e seus problemas, analisar as variáveis envolvidas e também proporcionar a responsabilização de

Figura 20 – A importância da atuação interdisciplinar no cuidado à saúde da mulher.

de Figura 20 – A importância da atuação interdisciplinar no cuidado à saúde da mulher. 

60

UN3

Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica

políticas e serviços pela população adstrita (MONKEN et al., 2008). No entanto, tal princí- pio tem sido entendido e utilizado de diferen- tes modos, a partir de distintas concepções de território. A noção de território foi muito importante na estruturação do SUS; toda- via, há a necessidade de fazer avançar nesse conceito, problematizando a rigidez e os en- gessamentos com que tem sido utilizado, de forma restrita à área de adstrição (ESCÓSSIA; VASCONCELOS, 2014).

Entende-se que o território em que as mu- lheres atendidas por uma equipe de saúde habitam compreende uma série de espaços articulados, e nesse sentido se apreende que um território não é algo estático, determinado e fechado, mas processual, em movimento e aberto. Acompanhe no esquemático, ao lado, as características que definem o território:

Nele, portanto, podem se conformar “territó- rios afetivos” ou “territórios em comum”, fun- damentais na vida das pessoas. Os territórios afetivos são potentes estratégias para traba- lhar com mulheres nos serviços de saúde. Não porque as mulheres sejam naturalmente mais afetivas como algumas abordagens mais

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

generalistas e dicotômicas de trabalhos com mulheres e homens querem nos fazer crer, mas porque elas são ensinadas, desde muito pequenas, a desenvolver sua afetividade. Além disso, trabalhar a afetividade pode ser uma

Além disso, trabalhar a afetividade pode ser uma forma de torcer a generificação dos espaços e

forma de torcer a generificação dos espaços

e territórios dos serviços de saúde e tatear por movimentos de redução de vulnerabilidades

e desigualdades de gênero. O mapeamento e

adensamento desses territórios pode ser fator

O espaço cultural-simbólico, 3 1 O espaço geográ co que compreende a localização física com
O espaço cultural-simbólico,
3
1 O espaço geográ co que
compreende a localização
física com especi cações de
natureza e ação humana.
permeado de valores e
signi cados, com atenção
especial para o espaço cultural-
simbólico midiático.
2 O espaço subjetivo-vivido.
Vale dizer que o
estreitamento do território
subjetivo/da geogra a
subjetiva parece ser o
maior dano a que estão
submetidas algumas
usuárias.
O espaço institucional que
4
compreende a rede de
serviços públicos e privados
a que a pessoa tem ou não
acesso.
O espaço de relações sociais,
5
comunitárias, institucionais
e familiares.

61

UN3

Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

Básica Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres de proteção a situações de vulnerabilidade. No que

de proteção a situações de vulnerabilidade. No que se refere às usuárias dos serviços de saúde, a criação e ampliação de territórios de em-comum (familiar, institucional, comunitá- rio e de amizade) deve ser meta crucial de um projeto terapêutico.

e subjetivos) que requerem ações programáti- cas mais urgentes.

O que se quer com essa abordagem, então, é desenvolver análises e intervenções em ter- ritórios de vulnerabilidade social associados ao atendimento de mulheres nos serviços de

Em outros termos, pensar nos usos das prá-

tende a dizer apenas de individualidades: o corpo (de mulher). Práticas corporais como modo de afetar, de produzir liga entre os cor- pos e, nesse movimento, tecer o próprio corpo, desfazendo normas regulatórias de gênero e de saúde. Por último, queremos aqui ratificar a direção de aposta num cuidado realizado

i)

O espaço das relações econômicas, que envolve renda, possibilidades de trabalho e consumo, de acesso a bens e serviços;

Atenção Básica, como forma de auxiliar po- líticas públicas. Ou seja, mapear as (des)co- nexões e (des)territorializações realizadas

no território, na comunidade, não afastando usuárias de seus vínculos sociais, levando em consideração tais vínculos e modos de vida,

ii)

O espaço de protagonismos e de exercício político de cidadania.

por essas mulheres. Esse talvez seja um ca- minho possível. Apostamos nesse caminho

as relações singulares das mulheres com seus corpos, cotidianos e com a cidade.

Assim, quando se almeja mensurar zonas de vulnerabilidade a que estão expostas as mulheres usuárias dos serviços de Atenção Básica, é importante levar em consideração essa diversidade de espaços articulados, de giros, de mundos que restringem e ampliam a potência da vida.

Partindo-se dos distintos espaços (e seus ele- mentos constituintes) que configuram o terri- tório de habitação das mulheres que utilizam o serviço de saúde de um determinado territó- rio, pode-se mapear zonas de vulnerabilidade, identificando territórios (espaços geográficos, simbólico e culturais, sociais, institucionais

como forma de singularizar o atendimento às mulheres nos serviços de saúde e apresen- tar outras formas de cuidado para mulheres, individual e coletivamente.

ticas corporais na produção de cuidado em saúde de mulheres. Em vez de prescrevê-las para a fabricação de corpos e vidas ativas, normalizadas e generificadas, usá-las como modo de produzir coletivamente normativi- dades para as vidas, os corpos e as mulhe- res nelas engajadas. Práticas corporais como estratégias clínicas preocupadas com um dar forma à vida, com experimentar habitar co- letivamente um território que nesses tempos

Em última análise, o que intentamos provo- car aqui e com esta unidade são estratégias de cuidado que possam desencadear maior possibilidade de adesão, o que necessaria- mente passa por compartilhar a produção do cuidado oferecido entre equipes de setores e serviços diferentes, entre profissionais e entre estes e as usuárias. A finalidade é experimen- tar caminhos coletivos que possam fazer com que a relação das mulheres consigo mesmas, com os outros, com o mundo, com as pres- crições biomédicas de gênero e de saúde tra- gam menores danos para suas vidas, e em vez de focar em prescrições, classificações e zo- nas de vulnerabilidade, enfocar em zonas de

62

UN3

Perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica

potencialidades e produções de si, na in- dissociabilidade entre produção de saúde e de subjetividade.

Figura 21 – A missão do profissional de saúde é ampliar, nunca restringir a vida

profissional de saúde é ampliar, nunca restringir a vida Com essa unidade, tentamos apresentar e nos

Com essa unidade, tentamos apresentar e nos aproximar da complexidade que envolve pro- duzir um olhar analítico de gênero para o cui- dado em saúde das mulheres, quando o que se quer é ampliar e não restringir a vida. Para isso, parece ser fundamental levar em consi- deração histórias generificadas de vida, bem como a generificação dos serviços de saúde,

Gênero e vulnerabilidades na saúde das mulheres

focalizando nas zonas de porosidade, em que eles podem fazer a curva, desprendendo-se de toda uma história de aprendizagens, fixa- ções, hierarquizações e preconceitos de gê- nero. Ou seja, se é complexo produzir saúde, nos parece importante pensar estratégias de cuidado que levem em consideração sensi- bilidades e singularidades, na direção de su-

plantar um cuidado restritivo, afeito a pres- crever formas de vida. E complexo aqui não diz respeito a algo complicado, mas sim a algo em que estão envolvidas múltiplas di- mensões, funcionamento orgânico, psíquico

e social, estigmas, preconceitos, modos de

existir e conviver, modos de viver gênero e sexualidade. Por isso, tal complexidade pede por forçar o pensamento para além do sim ou não e do certo e errado, ensaiando respostas

intersetoriais e interdisciplinares, estratégias de intervenção sempre locais, contingenciais

e pensadas coletivamente, com o protago-

nismo da vida cambiante de cada, qualquer uma e todas as mulheres.

63

de cada, qualquer uma e todas as mulheres.  63  Profissional de saúde, que saúdes,
Profissional de saúde, que saúdes, que processos de vida você alme- ja acompanhar? Aceita abrir
Profissional de saúde, que saúdes,
que processos de vida você alme-
ja acompanhar? Aceita abrir mão
do destaque das prescrições, dos
diagnósticos, do foco na doença?
Que tal ensaiar formas de cuidado
ampliadoras e potencializadoras
da vida?

Assim, esperamos que a partir das reflexões trazidas aqui você consiga pensar e produzir novas formas de assistir e cuidar das diferen- tes mulheres, em seus mais diversos proces- sos de saúde, de doença e de cuidado.

64

Resumo do módulo

Chegamos ao final deste módulo, no qual bus- camos reconhecer as questões principais so- bre a interface das relações de gênero e ter- ritórios de vulnerabilidades que permeiam a saúde das mulheres.

Na primeira unidade, conhecemos as relações de gênero e a maneira como estas influen- ciam na saúde das mulheres. Trata-se de uma abordagem fundamental para a aproximação e produção de saúde com e para as mulheres. Também apesentamos as principais corren- tes teóricas de gênero e seu papel na con- traposição das desigualdades naturalizadas entre homens e mulheres. Foram exploradas as desigualdades de gênero e seus impactos na saúde das mulheres, bem como os dis- cursos e práticas de medicalização do corpo das mulheres.

Na segunda unidade, discutimos um universo diverso de mulheres, contemplando as várias identidades de gênero e orientações sexuais:

as lésbicas, bissexuais e transexuais, suas vulnerabilidades em saúde, bem como as polí- ticas públicas existentes e as potencialidades de acolhimento respeitoso nos serviços de saúde. Em seguida, algumas características

65

de saúde. Em seguida, algumas características  65  e especificidades das mulheres do campo, das

e especificidades das mulheres do campo, das florestas e das águas, indígenas, negras, privadas de liberdade e em situação de rua fo- ram apresentadas para que essas caracterís- ticas sejam levadas em conta na implantação e implementação da PNAISM.

Por fim, na terceira unidade, trouxemos a você, profissional, perspectivas de atenção à saúde das mulheres na Atenção Básica, com enfoque na superação das vulnerabilidades e aborda- gem multidisciplinar e intersetorial, com vis- tas ao cuidado integral. Tais caminhos foram apresentados no sentido de impulsionar ou- tros modos de produzir saúde com mulheres, integrando-se a um movimento que necessi- ta de certa flexibilidade e fluidez, ao conside- rar os contextos nos quais a mulheres estão envolvidas e como eles influenciam as suas condições de saúde.

66

Referências

ALVES, M. E. R. População em situação de rua: a violência contra a mulher em situação de rua como expressão da questão social. In: VII Jornada Internacional Políticas Pú- blicas. Para Além da Crise Global: Experiências e Antecipa- ções Concretas. Anais. Maranhão: UFMA, 2015.

AMARANTE, P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1995.

APA. Answers to Your Questions: For a better understand- ing of sexual orientation and homosexuality. Washington, DC: American Psychological Association, 2008.

BANDEIRA, L.; ALMEIDA, T. M. Transversalidade de gênero nas políticas públicas. Rev. do Ceam, v. 2, n. 1, jan./jun. 2013.

BARBOSA, R. M.; FACCHINI, R. Acesso a cuidados relativos à saúde sexual entre mulheres que fazem sexo com mu- lheres em São Paulo. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. Sup. 2, p. s291–s300, 2009.

BARROS, M. B. A. Inquéritos domiciliares de saúde: poten- cialidades e desafios. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 11, supl. 1, p. 6-19, 2008.

BOEHMER, U.; CASE, P. Sexual Minority Women’s Interac- tions with Breast Cancer Providers. Women & Health, v. 44, n. 2, p. 41–58, 15 jan. 2007.

67

Health , v. 44, n. 2, p. 41–58, 15 jan. 2007.  67  BRASIL .

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069 de 13 de julho de 1990. Disponível em: <http://www.pla-

14

out. 2016.

nalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm>.

Acesso

em:

Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher. Brasília, 2009.

Ministério da Saúde. Programa Saúde Indígena.

Etnodesenvolvimento das sociedades indígenas. Brasília,

2002.

Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coorde- nação Nacional de DST e AIDS. A política do Ministério da Saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília, 2003.

Ministério da Saúde. Legislação em saúde mental:

1990-2004. 5. ed. Brasília, 2004a.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saú- de. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Saúde Mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília, 2004b.

Fundação Nacional de Saúde. Saúde da população negra no Brasil: contribuições para a promoção da equi- dade. Brasília: Funasa, 2005.

Política Nacional para inclusão social da População em situação de rua. 2008. Disponível em: <http://www. recife.pe.gov.br/noticias/arquivos/2297.pdf>. Acesso em:

17 out. 2016.

Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Grupo de Trabalho Interminis- terial. Reorganização e reformulação do sistema prisional feminino. Brasília: Ministério da Justiça, 2008a.

Estatuto da Juventude. Lei 12.852, de 5 de agosto

de 2013. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/cci-

vil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm>.

em: 14 out. 2016.

Acesso

Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estra- tégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão

Participativa. Política Nacional de Saúde Integral da Po- pulação Negra: uma política para o SUS. 2. ed. Brasília,

2013.

Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estra- tégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral das Po- pulações do Campo e da Floresta. 1. ed. 1. reimp. Brasília:

Editora do Ministério da Saúde, 2013.

Referências

Ministério da Saúde. Departamento de Ouvidoria Geral do SUS/Secretaria de Gestão Estratégica e Partici- pativa. Relatório da “Escuta Itinerante: acesso dos povos do Campo e da Floresta ao SUS” – parceria DOGES/CON- TAG. Brasília, 2013a.

Ministério da Justiça. Departamento de Execução Penal. Levantamento Nacional de Informações Peniten- ciárias: INFOPEN Mulheres. Brasília: Ministério da Justiça, 2014. Disponível em: <http://www.justica.gov.br/noticias/ estudo-traca-perfil-da-populacao-penitenciaria-femini na-no-brasil/relatorio-infopen-mulheres.pdf> Acesso em:

15 out. 2016.

Ministério da Justiça. Secretaria de Política para as Mulheres da Presidência da República. Portaria Intermi- nisterial n o 210 de 16 de janeiro de 2014. Institui a Política Nacional de Atenção às Mulheres em Situação de Privação de Liberdade e Egressas do Sistema Prisional. Diário Ofi- cial da União. Seção 1, p. 75. Brasília, 17 jan. 2014.

Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estra- tégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Tecendo a saúde das mulheres do campo, da floresta e das águas: direitos e participação social. Brasília, 2015.

68

e participação social. Brasília, 2015.  68  CANAZARO, D. et al. Características, sintomas depressivos

CANAZARO, D. et al. Características, sintomas depressivos e fatores associados em mulheres encarceradas no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 7, p. 1323-1333, jul. 2010.

COIMBRA JR., C. E. A. Saúde e povos indígenas no Brasil:

reflexões a partir do I Inquérito Nacional de Saúde e Nutri- ção Indígena. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro,

v. 30, n. 4, p. 855-859, abr. 2014. Disponível em: <http://

dx.doi.org/10.1590/0102-311X00031214>. Acesso em:

16 dez. 2016.

COIMBRA JR., C. E. A et al. The First National Survey of In- digenous People’s Health and Nutrition in Brazil: rationale, methodology, and overview of results. BMC Public Health,

v. 13, n. 52, 2013.

CORRÊA, M. Do feminismo aos estudos de gênero no Bra-

sil: um exemplo pessoal. Cadernos Pagu, n. 16, p. 13-30,

2001.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especia- listas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002.

DA SILVA, E. F.; LUZ, A. M. H.; CECCHETTO, F. H. Materni-

dade atrás das grades. Enfermagem em Foco, Brasília, v. 2,

n. 1, p. 33-37, 2011.

DELZIOVO, C. et al. Atenção à saúde da mulher privada de liberdade [recurso eletrônico]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2015.

ESCÓSSIA, L.; VASCONCELOS, M. Vulnerabilidade social e usos de drogas: levantamento institucional sobre perfil so- cioeconômico de usuários de álcool e outras drogas. Pes- quisa desenvolvida para o Governo do Estado de Sergipe; Secretaria Estadual de Inclusão, Desenvolvimento e Assis- tência Social (SEIDES), com financiamento da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). 2014.

FARIA, N. M. X.; FASSA, A. G.; FACCHINI, L. A. Intoxicação por agrotóxicos no Brasil: os sistemas oficiais de infor- mação e desafios para realização de estudos epidemio- lógicos. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12,

n. 1, p. 25-38, mar. 2007. Disponível em: <http://dx.doi.

org/10.1590/S1413-81232007000100008>. Acesso em:

15 out. 2016.

Referências

FÉLIX, J. “Quer teclar?”: aprendizagens sobre juventudes e soropositividades através de bate-papos virtuais (Tese de Doutoramento). Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2012.

FERREIRA, L. O. Saúde e relações de gênero: uma reflexão sobre os desafios para a implantação de políticas públicas de atenção à saúde da mulher indígena. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, p. 1151-1159, abr. 2013. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S1413-8 1232013000400028>. Acesso em: 15 dez. 2016.

FOUCAULT, Michel. Mesa-redonda em 20 de maio de 1978. In: MOTTA, M. B. (Org.). Ditos & Escritos IV: estratégia, sa- ber-poder. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 335- 351, 2006.

GARCIA, M. R. V. “Dragões” : gênero, corpo, trabalho e vi - olência na formação da identidade entre travestis de baixa renda. (Tese de Doutoramento). Instituto de Psicologia. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2007.

GELEDÉS. Instituto da Mulher Negra. Racismo Institucio- nal: uma abordagem conceitual. Disponível em: <http:// www.andi.org.br/sites/default/files/legislacao/Racis

mo%20Institucional%20uma%20abordagem%20concei

tual.pdf > Acesso em: 13 maio 2016.

69

tual.pdf > Acesso em: 13 maio 2016.  69  GONZALEZ, L. A mulher negra na

GONZALEZ, L. A mulher negra na sociedade brasileira. In:

LUZ, M. (Org.) O lugar da mulher. Rio de Janeiro: Graal,

1982.

GROSSI, M. P. Velhas e novas violências contra a mulher:

15 anos de lutas e estudos feministas. Revista Estudos Fe- ministas, v. esp., p. 473-484, 1994.

GUIZARD, F.; PINHEIRO, R. Cuidado e integralidade por uma genealogia de saberes e práticas no cotidiano. In:

PINHEIRO, R.: MATTOS, R. A. (Org.). Cuidado: as frontei-

ras da integralidade. Rio de Janeiro: IMS/UERJ, p. 21-36,

2004.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cen- so demográfico 2010: características gerais dos indíge- nas [acesso em 2015 Jan 23]. Disponível em: <ftp://ftp.

ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Caracte

risticas_Gerais_dos_Indigenas/pdf/Publicacao_completa. pdf>. Acesso em: 22 dez. 2016.

Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2008. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,

2010.

JESUS, J. G. Orientações sobre identidade de gênero: con- ceitos e termos. Brasília, 2012.

LANCETTI, A. Clínica peripatética. São Paulo: Hucitec, 2006.

LEAL, M. C.; GAMA, S. G. N.; CUNHA, C. B. Desigualdades

raciais, sociodemográficas e na assistência ao pré-natal e ao parto, 1999-2001. Revista de Saúde Pública, São Paulo,

v. 39, n. 1, p. 100-107, jan. 2005. Disponível em: <http://

dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000100013>.

Acesso em: 17 out. 2016.

Referências

MARTINS, C. et al. Humanização do parto e nascimento:

pela gestação de formas de vida das quais possamos ser protagonistas. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Humanização do parto e nascimento. Brasília, 2014. Disponível em: <http://www.redehumani

zasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_

humanizacao_parto.pdf>. Acesso em: 19 dez. 2016.

humanizacao_parto.pdf>. Acesso em: 19 dez. 2016. et al. “Você aprende. A gente ensina?” Interrogando

et al. “Você aprende. A gente ensina?” Interrogando relações entre educação e saúde desde a perspectiva da vulnerabilidade. Cadernos de Saúde Pública, v. 22, n. 6, p. 1335-1342, 2006.

Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, p. 9-27, 2008.

LIMA, A. I. O. et al. O desafio da construção do cuidado

MELO,

E.

Feminismo:

velhos

e

novos

dilemas.

Uma

integral em saúde mental no âmbito da atenção primária.

contribuição

de

Joan

Scott.

Cadernos

Pagu,

n.

31,

MOLITERNO, A. C. M. et al. Processo de gestar e parir entre

12 jan. 2015.

Temas de Psicologia, Ribeirão Preto, v. 21, n. 1, jun. 2013.

p.

553-564, 2008.

 

as mulheres Kaingang. Texto Contexto – Enfermagem, v.

LOURO, G. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâ- neas. Posições, v. 19, n. 2, p. 56, maio/ago. 2008. Dispo-

LOURO, G. Um corpo estranho: ensaios sobre sexua-

MEYER, D. Educação, saúde e modos de inscrever uma forma de maternidade nos corpos femininos. Movimento,

25, n. 22, p. 293-301, 2013. Disponível em: <http://dx.doi. org/10.1590/S0104-07072013000200004> Acesso em:

nível em: <http://www.scielo.br/pdf/pp/v19n2/a03v19n2.

v.

9, n. 3, p. 33-58, 2003.

 

pdf>. Acesso em: 22 dez. 2016.

Teorias e políticas de gênero: fragmentos históri- cos e desafios atuais. Revista Brasileira de Enfermagem,

MONKEN, M. et al. O território na saúde: construindo refe- rências para análises em saúde e ambiente. 2008. Dispo- nível em: <http://www.rets.epsjv.fiocruz.br/sites/default/

lidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica Editora,

Brasília, v. 57, n. 1, p. 13-8, jan./fev. 2004. Disponível em:

files/teritoiro_na_saude.pdf>. Acesso em: 16 dez. 2015.

2004.

MAGGI, R. S. A saúde indígena no Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno-Infantil, v. 14, n. 1, p. 13-14, 2014.

MARRAZZO,

among lesbians. Emerging Infectious Diseases, v. 10,

n. 11, p. 1974-1978, 2004.

J. M. Barriers to infectious disease care

<http://www.scielo.br/pdf/reben/v57n1/a03v57n1.pdf>.

Acesso em: 22 dez. 2016.

A politização contemporânea da maternidade: cons- truindo um argumento. Gênero, v. 6, n. 1, p. 81-104, 2005.

70

MUNANGA, K. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: BRANDÃO, A. A. P. (Org.). Cadernos Penesb 5. Niterói: EdUFF, 2004.

MUSUMECI, B. Mulher e violência no sistema de justiça criminal. Trabalho e sociedade, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 3-8, 2001.

NASCIMENTO, S. S. et al. Saúde da mulher e a tripla dis- criminação sofrida pelas negras no Brasil. III Seminário de Gênero e Práticas Culturais. Olhares diversos sobre a diferença. Joao Pessoa/PB, out. 2011.

PEIXOTO, J. Da paternidade responsável à paternidade participativa? Representações de paternidade na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Fede- ral do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2015.

POLAYNE, P. O circo singular. Recife, 2009.

PRATES, J. C.; ABREU, P.; CEZIMBRA L. Mulheres em situa- ção de rua. In: BULLA et al. As múltiplas formas de exclu- são social. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

PREFEITURA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO. Plataforma de Promoção da Saúde da Prefeitura do Rio de Janeiro. Nome

social: eu uso! Elos da Saúde, 18 out. 2016. Disponível em:

<http://elosdasaude.com.br/index.php/2016/10/18/no-

me-social-eu-uso/>. Acesso em: 26 jan. 2017.

RODRIGUES D. A et al. Prevalência de atipias citológicas e infecção pelo papilomavírus humano de alto risco em mu- lheres indígenas Panará, povo indígena do Brasil Central. Cadernos de Saúde Pública, v. 30, n. 12, p. 2587-93, 2014.

Referências

RODRIGUEZ, A. M. M. Experiências de atenção à saúde e percepções das pessoas transgênero, transexuais e tra- vestis sobre os serviços públicos de saúde em Florianópo- lis/SC, 2013-2014. Florianópolis, 2014.

Gênero, diversidade e violências. In: Vivências e es- tágios na realidade do Sistema Único de Saúde (Versus). Florianópolis, 2016.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-100, 1995.

SILVA, M. Posições de sujeito usuário/a de substâncias psi- coativas na política de redução de danos: uma análise cul- tural. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Uni- versidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2016.

SOUZA, M. H. T et al. Violência e sofrimento social no itinerário de travestis de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 31, n.4, p. 767- 776, 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/

0102-311X00077514>.

TIENE, I. Mulher moradora de rua: entre violências e políti- cas sociais. Campinas: Alínea, 2004.

71

políti- cas sociais. Campinas: Alínea, 2004.  71  TVT. Transrespect versus Transphobia Worldwide. Trans-

TVT. Transrespect versus Transphobia Worldwide. Trans- gender Europe (TGEU). Trans Murder Monitoring (TMM)

Project. Disponível em: <http://transrespect.org/en/re- search/trans-murder-monitoring>. Acesso em: 17 dez.

2016.

VASCONCELOS, Michele; BARBOSA, Simone; MORSCHEL,

Aline. A infâmia de Quincas: (Re)existências de corpos em tempos de biopolítica (Tese de Doutoramento). Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,

2013.

VASCONCELOS, M.; BARBOSA, S.; MORSCHEL, A. Proble- matizando a saúde coletiva. Produção de subjetividade no

campo da saúde mental. Revista Vivência, n. 32, p. 61-70,

2007.

VIEIRA, E. A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2002.

ZEPEDA, R. J. ¿Qué es a Discriminación y cómo combatir- la? México: Consejo Nacional para Prevenir la Discrimina- ción, 2004.

.

72

Sobre as autoras

Michele de Freitas Faria de Vasconscelos Graduada em Psicologia (UFS), mestre em Saúde Coletiva (ISC/UFBA), doutora em Educação (UFR- GS). Atua e realiza pesquisas no campo da Edu- cação, Psicologia, Saúde Pública/ Saúde Coletiva/ Saúde Mental. Suas pesquisas têm articulado os temas: produção de saúde e subjetividade; educa- ção e saúde; corpo, relações de gênero e sexualida- de; cuidado em saúde. Atualmente, é professora do Departamento de Educação/DEDI, Campus Alberto Carvalho, da Universidade Federal de Sergipe. Endereço do currículo na plataforma lattes: <http://

lattes.cnpq.br/2614753897693732>.

Jeane Félix da Silva Graduada em Pedagogia (UFPB), mestre (UFPB) e doutora em Educação (UFRGS) e pós-doutora em Educação (UFRGS). Professora no Centro de Edu- cação da Universidade Federal da Paraíba. Tem experiência nas áreas de Educação e Educação em Saúde, atuando principalmente nos seguintes te- mas: IST/HIV/AIDS, formação de professores/as e profissionais de saúde, juventudes, sexualidades, relações de gênero, currículo e políticas públicas in- tersetoriais de educação e de saúde. Endereço do currículo na plataforma lattes: <http://

lattes.cnpq.br/7927273805588210>.