Você está na página 1de 100

A MAIOR REFERÊNCIA EM VINHOS DO BRASIL

HARMONIZAÇÃO
HARDCORE
SELECIONAMOS VINHOS
PARA OS PRATOS DE
HENRIQUE FOGAÇA

DEGUSTAR E DESFRUTAR
DICAS PARA APROVEITAR AO
MÁXIMO UMA FEIRA DE VINHOS

TESTE
AVALIAMOS O
“BALDE IDEAL”

VINÍCOLA
OU MUSEU?
A ARTE DO
CHÂTEAU LA COSTE

VERNACCIA
DI SAN GIMIGNANO
A HISTÓRIA E O RENASCIMENTO
DO VINHO DE DANTE

ABAIXO A
MONOTONIA
VINHOS “ALTERNATIVOS” PARA
QUEM GOSTA DE CABERNET, PINOT,
CHARDONNAY E SAUVIGNON BLANC
7 8 JOF %JOOF S

EF.BSÎP

3UHoR5SRUSHVVRD

5HVHUYDV 
0TNFMIPSFTSØUVMPTEF1PNFSPMSFVOJEPTFNVNTØKBOUBS

    

"HPSBP3JPEF+BOFJSPTFSÈPQBMDPEP
NFMIPSKBOUBSIBSNPOJ[BEPEP#SBTJM
6NFWFOUPQBSBNBSDBSBJOBVHVSBÎÍPEBVOJEBEF$MBSFUTOP3JPEF+BOFJSP

.FOVFYDMVTJWPBTTJOBEPQFMP$IFG1BPMP-BWF[[JOJ

(QWUDGD 4XDUWR3UDWR
&DYLDU%HOXJDVHUYLGRHPPDGUHSpUROD 7HQUDFRGRUQDUHFKHDGDFRPSmRGHHVSHFLDULDV
EOLQLV´jODPLQXWHµHFUHPHD]HGRIUHVFR ODUGRGH&RORQQDWDHSROHQWDEUDQFDFRPIHLMmRHHVSLQDIUH
+DUPRQL]DomR +DUPRQL]DomR
.UXJ&ORV'X0HVQLO /D)OHXU3pWUXV_/DWRXUj3RPHURO
/DÁHXU
3ULPHLUR3UDWR
5DYLROLGHSDWRUHDOFRP]LPEURVLOYHVWUHHMHULPXPFURFDQWH 4XLQWR3UDWR
+DUPRQL]DomR &RUGHLUREUDVHDGRSRUKRUDVOHJXPHVGDHVWDomR
3HWUXV_7URWDQR\ HWUXIDVQHJUDVGH1RUFLD8PEULD
+DUPRQL]DomR
/H3LQ_3HWUXV
6HJXQGR3UDWR
7DJOLROLQLGH&DPSRÀORQHDRRYRPRULOOHVGD
%RUJRQKDH´UL]GHYHDXµJODFHDGDVGHYLWHOR )LQDOL]DomR
+DUPRQL]DomR 6HOHomRGHTXHLMRVIUDQFHVHVFRPFKXWQH\GHPDQJDPHO
ÁRUDOFDVWDQKDGH%DUXGRFHUUDGRHWRUUDGDGHIUXWDVVHFDV
/·(YDQJLOH_/H*D\_/H%RQ3DVWHXU
+DUPRQL]DomR
'·<TXHP
7HUFHLUR3UDWR
1REUH5LVRWR$TXHUHOORFXUDGRPHVHVFRPFRHOKRGDID]HQGD´DOOD&DFFLDWRUDµ
7RGRVRVYLQKRV FKDPSDJQH_WLQWRV_GRFH 
+DUPRQL]DomR VHUmRVHUYLGRVHPWDoDVFRPDSUR[LPDGDPHQWHPOFDGD
&OLQHW_/D&RQVHLOODQWH_/·(JOLVH&OLQHW 7RWDOL]DQGRDSUR[LPDGDPHQWHPOSRUSHVVRD

&WFOUP ÞOJDP
DPN BQFOBT 
X X X D M B S F U T  D P N  C S
MVHBSFT
EDITORIAL |

Tonalidades DIREÇÃO
PUBLISHER
Christian Burgos - christian@innereditora.com.br

DIRETORA DE OPERAÇÕES
Christiane Burgos - christiane@innereditora.com.br

O
mundo do vinho é um mundo de pluralidades. Nenhum
REDAÇÃO
rótulo é igual ao outro. Uma mesma variedade de uva pode EDITOR
produzir aromas e sabores diferentes dependendo de diver- Arnaldo Grizzo - a.grizzo@revistaadega.com.br

sos fatores, apesar de algumas características básicas serem mantidas. DIRETOR DE ARTE
Muitos de nós, enófilos, buscamos exatamente tons que nos sejam Ricardo Torquetto - ricardo@innereditora.com.br

familiares, que nos deem algum apoio. Um porto seguro. ASSISTENTE DE ARTE
Seja você um enófilo iniciante ou avançado, provavelmente já se Aldeniei Gomes - arte@innereditora.com.br

pegou escolhendo um vinho “familiar” em determinadas situações. EDITOR DE VINHO


Eduardo Milan - eduardo.milan@revistaadega.com.br
Sim, há momentos em que não queremos errar. Mas, como diz o di-
tado, quem não arrisca não petisca. Nesse momento precisamos abrir CORRESPONDENTES INTERNACIONAIS
Patricio Tapia e Steven Spurrier
mão de alguns gostos próprios? Não há como equalizar isso?
A resposta está em nossas páginas neste mês. Aqui você vai en- COLABORADORES
Beto Duarte, Christiane Miguez, Guilherme Velloso,
contrar dicas de vinhos “alternativos” ao Cabernet Sauvignon, Pinot Mauricio Leme, João Paulo Gentille e Juliana Trombetta Reis (texto)
Noir, Chardonnay e Sauvignon Blanc. Se você é fã de algumas dessas e Luna Garcia (fotos)

uvas, mas não quer se tornar repetitivo, saiba que não precisa deixar PUBLICIDADE
publicidade@innereditora.com.br
de lado o seu gosto e pode provar vinhos que “emulam” característi-
+55 (11) 3876-8200 – ramal 11
cas daquelas variedades.
REPRESENTANTES COMERCIAIS - BRASIL
Mas, se você quiser aumentar ainda mais o seu leque, que tal come- Renato Scolamieri - renato@innereditora.com.br
çar a participar de feiras e eventos de degustação de vinhos? É sempre Carminha Aoki - carminhaaoki.adegasabor@gmail.com

uma boa oportunidade para provar rótulos diferentes sem compromisso. RIO GRANDE DO SUL/SANTA CATARINA
No entanto, há quem fique “perdido” e, mesmo provando tantos vinhos, Sônia Machado - sonia@vistamontes.com.br

sinta-se frustrado, pois não conseguiu desfrutar nem se encantar por INTERNATIONAL SALES
novos rótulos. Para que isso não ocorra e você possa aproveitar o máximo Estados Unidos
Inner Publishing - sales@innerpublishing.net
desse tipo de evento, apresentamos algumas dicas essenciais. Marketing - marketing@innereditora.com.br

Nesta edição trazemos ainda sugestões de harmonização hardcore FINANCEIRO


para receitas do chef roqueiro Henrique Fogaça. Você vai se sur- financeiro@innereditora.com.br

preender com as propostas e com os resultados dessa deliciosa prova. PRODUÇÃO


Também avaliamos a funcionalidade daquele que se denomina o Baunilha Editorial

“balde ideal”. Seria ele tudo isso mesmo? ASSINATURAS


assinaturas@innereditora.com.br
Aproveitamos ainda para contar a história do Vernaccia di San +55 (11) 3876-8200
Gimignano, um dos vinhos mais famosos da Idade Média, citado Distribuição Nacional pela Treelog S.A. Logística e Distribuição

em obras de Dante e Boccaccio, e que hoje está passando por um ASSESSORIA JURÍDICA
renascimento. Da literatura vamos às artes plásticas, e apresentamos o Machado Rodante Advocacia - www.machadorodante.com.br

museu-vinícola, ou seria vinícola-museu, Château La Coste com sua IMPRESSÃO


arquitetura encantadora. Melting Color Gráfica

Tudo isso e mais uma seleção primorosa de vinhos para todos DISTRIBUIDOR EXCLUSIVO PARA O BRASIL
Total Publicações
os gostos e bolsos, além das principais novidades, você encontra em
nossas páginas. Revista ADEGA é uma publicação mensal da INNER Editora Ltda.

A Inner Editora não se responsabiliza por opiniões, ideias e conceitos


Saúde, emitidos nos textos publicados e assinados na revista ADEGA, por serem
de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es).

www.revistaadega.com.br
Christian Burgos e Arnaldo Grizzo
2 0 1 2 W I LTI N G E R RI E SL I N G T RO CK E N
Uma aula de Riesling do Saar. Muitas camadas de aroma, com frutas maduras, notas
cítricas e minerais. Na boca, mostra ligeira doçura, acidez refrescante, álcool
equilibrado, corpo leve, boa persistência.
Visite vindame.com.br e descubra a versatilidade e diversidade da Riesling.
Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1912 - Cj. 4c - Jardim Paulistano - São Paulo/SP - Fone: (11) 2384.694
38

46 56

34 TESTE
Cansado de ver seu vinho “se 56 ESCOLA DO VINHO
Saiba como tirar o melhor
afogar”? Avaliamos o “balde proveito de uma feira ou
ideal” degustação de vinhos

ENOGOURMET CURIOSIDADES
38 Sugestões de vinhos para quatro
receitas do chef hardcore
62 A história do Vernaccia di San
Gimignano, citado por Dante e
Henrique Fogaça Boccaccio

ESCOLA DO VINHO
46 Dicas de vinhos que “emulam”
Cabernet, Pinot, Chardonnay e
Sauvignon Blanc
CONTEÚDO |

62

70 79

DOC TODO MÊS


66 O renascimento do Vernaccia,
umas das joias brancas da 8 | CARTAS
Toscana
10 | ADEGA RESPONDE

ENOARQUITETURA 12 | MUNDOVINO
70 As monumentais obras de arte
do Château La Coste, em
32 | PRESENTES

Provence 79 | CAVE

92 | CLUBE ADEGA

98 | QUEM DISSE
CARTAS | ESCREVA PARA REDACAO@REVISTAADEGA.COM.BR

vinhoseprazeres Wine&Beer
@vinhoseprazeres - Sommelier Digital
Básicos e necessários! Um @sommelierdigital
bom #spanishwine, um bom Bela edição especial Top
#jamonserrano e um bom 100 da @revistaadega,
#filmemae com #javierbardem parabéns pelo conteúdo!
MERCADO e a bela #jenniferlawrence. Me ajudou a montar
Fiquei impressionado com os números de importação #vinhoseprazeres #rioja minha lista para 2018!
apresentados na edição passada da revista. Achei que #spain #clubeadega
2017 havia sido um ano também terrível para o vinho, #revistaadega
assim como para quase toda a economia brasileira. Fico
pensando se essa elevação tem a ver com a consolidação
da cultura do vinho no país. Penso que o consumo
seria ainda maior não fosse a intolerância da lei seca,
que apoio, apesar de saber que uma taça de vinho
é diferente de uma garrafa de uísque. Mas, enfim,
há diversas outras coisas que cerceiam o consumo
(consciente) e ainda assim houve crescimento. Tomara
que em 2018 continue, mesmo com a perspectiva
econômica não sendo das
melhores.
Gilberto Batalha
A MAIOR REFERÊNCIA EM VINHOS DO BRASIL
Ana Borba Sandro Martins
INOVADORES
10 PERSONALIDADES
QUE REVOLUCIONARAM
@daaguaparaovinho @78_sandro
O VINHO

GANHAM
LATOUR Somos 2, Humberto Se eu gosto? Só
COM O TEMPO
10 VINHOS
BRASILEIROS PARA
GUARDAR
Dessa degustação do Araújo... #revistaadega um “bucadim”
HISTÓRIA
BAROLO E A UNIFICAÇÃO
Latour eu gostaria muito #revistaadega
DA ITÁLIA

INCÊNDIOS
de ter participado. Deve
FUMAÇA PODE INTERFERIR
NO SABOR DO VINHO?
ter sido incrível. Verticais
RECORDE NO
MERCADO DE
IMPORTADOS
assim são fascinantes.
OS NÚMEROS E A ANÁLISE
DO ANO
Rômulo Castro
OSCAR LÓ
E OS RUMOS
DO VINHO NACIONAL

CHÂTEAU
DEGUSTAÇÃO ÉPICA DE
LATOUR
10 SAFRAS HISTÓRICAS BAROLO
CONTROVERSO?
Li sobre a história do Barolo, mas concordo com o
trabalho recente da Kerin O’Keefe, que estudou o tema
a fundo e descobriu que a mudança do estilo do Barolo
foi feita por um italiano e não por um francês como WineSure @winesure Carol Porto @carolportos
antes se acreditava. Aquele almoço delicioso na Pizza e vinho. Domingo
Rosa Linhares casa da amiga @cameslima delicia. #revistaadega
#revistaadega sempre me
inspirando!

Quer ver sua foto publicada aqui?


Siga @revistaadega e marque as imagens com #revistaadega

8 ADEGA >> Edição 148


ADEGA RESPONDE ENVIE SUAS DÚVIDAS PARA REDACAO@REVISTAADEGA.COM.BR

Gelo
no vinho
A leitora Marta Campestre questiona: “Nunca se deve
mesmo colocar um cubo de gelo na taça de vinho?”

N
a Antiguidade, algumas das primeiras leis “gelos plastificados”, ou mesmo uma uva congela-
relacionadas ao vinho giravam em torno da. Assim a bebida resfria sem diluir.
da adição de água na bebida. Sim, “Mas não posso colocar gelo nem mes-
havia punições severas para quem fosse mo quando o vinho está ‘quente’ e é
pego colocando água no vinho. Essa muito alcoólico?” A ideia de diluir
ideia de que água e vinho não o vinho com gelo para “suavizá-
devem ser misturados foi ainda -lo” dificilmente trará um bom
mais forte durante a Idade resultado. Se o produtor
Média, quando o consumo quisesse que seu vinho
de vinho podia ser consi- fosse diluído, ele mesmo
derado mais saudável do teria dado um jeito de
que o de água, pois esta diminuir o volume de
última, geralmente, es- álcool e os taninos. Se
tava contaminada e po- você está diante de um
dia causar doenças. vinho que não está lhe
Mas, convenhamos, agradando em um dia
já deixamos esses tem- de calor na piscina, é
pos de ciência ainda in- porque provavelmente
cipiente para chegarmos não escolheu o vinho
a épocas muito mais tec- certo para a ocasião.
nológicas, onde a higiene Contudo, há sim vi-
manda. Ainda assim, quando nhos em que uma pedri-
se fala em água no vinho mui- nha de gelo é bem-vinda.
tos ainda alardeiam: “Sacrilé- Cada vez mais produtores
gio!” Será mesmo? Colocar estão criando rótulos pensados para
um gelinho no vinho quando serem degustados refrescados com gelo, os
ele está quente, faz mal? Há outras formas
ditos “Ice” (favor não confundir com Ice Wine).
Se quisermos ser puristas, sim, colocar gelo no de refrescar o vinho Esses vinhos (geralmente espumantes, brancos e
vinho é um problema e é fácil entender o porquê. sem colocar gelo rosés) são feitos para receber gelo e, acreditem os
diretamente na taça,
A água vai diluir os sabores, mudar o equilíbrio da mas, ainda assim, isso céticos ou não, ficam bem melhor com esse “in-
bebida, dificilmente ela ficará tão boa quanto se não é um crime grediente”.
consumida sem essa interferência. “Mas mesmo Portanto, se quiser colocar uma pedra de gelo
se o vinho estiver ‘quente’ não posso usar gelo?” na taça, prefira esse tipo de vinho. Para os outros,
Prefira outras formas de refrescar a bebida, como, tente refrescar de outra forma menos “intrusiva”.
por exemplo, um balde de gelo, ou ainda aqueles Ou então, prepare uma sangria ou um clericot.

10 ADEGA >> Edição 148


UM BRINDE À EXCLUSIVIDA DE.

A Domno Importadora possui uma exclusiva


seleção de vinhos e champagnes importados. Rótulos
incomparáveis para os melhores apreciadores.

/domnoimportadora @domno_importadora domno.com.br 54 2105.3122


MUNDOVINO | EVENTOS DO MUNDO DO VINHO

Condecorados
Escola brasileira Eno Cultura é escolhida a melhor do ano pelo WSET

A instituição Wine and Spirit Mueller, o aluno do Diploma que vários projetos sociais em toda a
Education Trust (WSET) surgiu mais alta pontuação alcançou. No América do Sul”.
há 49 anos no Reino Unido para entanto, outro prêmio importante “A nomeação já havia sido uma
ajudar a melhorar a educação da também é concedido durante a honra imensa para nós. Somos
indústria do vinho e destilados no cerimônia, o Riedel Trophy, para extremamente gratos por ter
país. Hoje, ela está presente em mais o “melhor educador” do ano. E os sido reconhecidos por resultados
de 80 países e é tida como a mais brasileiros podem ficar orgulhosos excelentes em um mercado de vinho
conceituada escola no que tange pois este prêmio foi dado à escola Eno tão desafiador quando o Brasil.
o aprendizado sobre bebidas no Cultura, fundada em 2013 por Paulo Estar na lista já nos colocou como
mundo. Seus cursos são divididos em Brammer e Thiago Mendes. Segundo uma referência importante para a
quatro níveis e, todo ano, o WSET o WSET, o louvor foi devido ao educação do vinho na região. Sermos
reúne os alunos que alcançaram o “crescimento impressionante mesmo escolhidos como número um manda
grau “Diploma”, o estágio mais alto, diante de um ambiente econômico um sinal inequívoco de que o esforço
para uma cerimônia em Londres complicado, acompanhado de conjunto do WSET e Eno Cultura
onde são condecorados – alguns excelentes resultados nos exames e inseriu o Brasil no mapa global da
podendo ainda receber prêmios por sua introdução de bolsas de estudos educação de vinho”, apontaram os
seus desempenhos. permitiu que mais membros do sócios, que receberam o troféu das
Neste ano, o ganhador da bolsa comércio do vinho acessassem cursos mãos do presidente de honra do
“Vintners’ Cup”, foi o alemão Moritz da WSET. Eles também instigaram WSET, Steven Spurrier.

12 ADEGA >> Edição 148


MUNDOVINO | EVENTOS DO MUNDO DO VINHO

US$ Simples enfim


Vinícolas puderam optar pelo
3 bilhões enquadramento no sistema de tributação
Simples Nacional até o fim de janeiro

Uma demanda antiga das vinícolas brasileiras,


especialmente as rio-grandenses foi enfim sancionada
Venda direta pelo governo federal, do presidente Michel Temer, e
deve beneficiar diversas empresas: o enquadramento
é o negócio no Simples Nacional. As vinícolas tiveram até dia 31
Segundo estudo, vinícolas dos Estados Unidos de janeiro para optar pelo sistema de tributação que,
continuam tendo crescimento nas vendas segundo estimativas, pode reduzir em quase 60% seus
diretas aos consumidores custos. A medida, além de reduzir custos tributários,
visa desburocratizar a atividade e tornar as vinícolas
US$ 3 bilhões. Esta é a cifra que um estudo da Sovos mais competitivas.
ShipCompliant, em parceria com a Wines & Vines, “Grande parte das nossas vendas são feitas de forma
acredita que o mercado norte-americano de vendas direta, para os consumidores que vêm até a vinícola
de vinho pelas vinícolas diretamente ao consumidor ou para pequenos estabelecimentos que também são
atingirá em 2018. optantes pelo Simples. Nestes dois casos, valerá muito
Segundo o relatório, os vinhos enviados a pena”, afirma André Gasperin, proprietário de uma
diretamente para o consumidor representaram 10% vinícola em Caxias do Sul.
das vendas no varejo de vinhos produzidos nos Estados Bruna Cristofoli, dona de uma vinícola no distrito
Unidos em 2017 – sem contar bares, restaurantes e de Faria Lemos, revela que teria pago cerca de R$
hotéis. As remessas totais no ano passado aumentaram 35 mil a menos em tributos em 2017 se a opção pelo
15,3% em volume e 15,5% em valor em relação a Simples já estivesse em vigor. Segundo ela, a redução
2016, o equivalente a 5,78 milhões de caixas de 12 seria de, aproximadamente, 59% no valor dos tributos
garrafas e US$ 2,69 bilhões. pagos de janeiro até setembro, sem contar os créditos
A Califórnia representa cerca de 30% do mercado de impostos. “Essa diferença poderá ser usada para
de venda diretas, sendo a primeira colocada. O Texas investirmos na vinícola, nos nossos produtos e também
foi o segundo destino mais importante para essas em serviços que estão agregados na nossa atividade por
vendas, representando 8% do mercado, Nova York vem trabalharmos diretamente com enoturismo. Vamos
em seguida com 6% e depois a Flórida, com 5%. precisar de mais pessoas e isso é bom para a empresa e
Um estado que demorou para aceitar as vendas para o setor, que buscará mais mão de obra”, afirma.
diretas, como a Pensilvânia, que só mudou a lei em “Temos ainda boa parte da produção que é vendida
2016, já apareceu entre os 10 principais destinos a granel e, com essa novidade, será mais vantajoso
em termos de volume em 2017, o que sugere uma para nós trabalharmos com produtos
demanda reprimida significativa. de maior valor agregado e na
Quando falamos das vinícolas que mais enviam oferta de atrações turísticas”,
vinhos diretamente para consumidores, vê-se um acredita Fabiane Veadrigo,
crescimento expressivo de Sonoma County, com administradora e enóloga
aumento de 25% em volume. Curiosamente, houve de uma vinícola de
um salto de 58% nas remessas de vinho rosé. “Como Flores da Cunha,
nos últimos anos, as vinícolas pequenas (que produzem que vislumbra uma
de 5.000 a 49.999 caixas) e as micro vinícolas (de redução de até 40% na
mil a 4.999 caixas) comandaram o setor de vendas, carga tributária de sua
representando 70% do valor do envio de vinho das empresa.
vinícolas”, apontaram os autores do relatório.

14 ADEGA >> Edição 148


DE S C U BR A OS MI TOS E VE RD ADE S
S OBR E VIN HOS C OM QUE M
É R E F E R Ê NC I A NO A S S UN TO H Á MAI S
DE 20 ANOS . A A BS-SP OFERECE
A M PL A GAMA DE CURSOS DIRIGIDOS
A P R OF IS S ION AI S , AMAD ORE S
E A QU E M DESEJA TORNA R-SE
SOM M E LIER. OS A MA NTES DO V INHO
TA M B É M P ODEM AUMENTA R SEUS
CON HECIM ENTOS ATRAV ÉS
DE CU R SOS E DEGUSTAÇ ÕES ESPECIA IS.

VIN HO TINTO
SÓ C OMBIN A C OM
C AR NE V ERMELHA?

RUA GOM ES DE C A RVA LHO, 1327


2 º A N DA R, V IL A OLÍMPIA
11 3814 -7853
W WW. AB S -S P.C OM.BR
MUNDOVINO | EVENTOS DO MUNDO DO VINHO

Sem
safra 2017
Geadas do ano passado
Ladrões de Brunello vêm forçando produtores
Cerca de mil garrafas de Brunello di Montalcino de Bordeaux a abdicar de
de Col d’Orcia foram roubadas produzir alguns vinhos

Por essa o conde loja estava muito arrumado e limpo. “Em uma colheita normal,
Francesco Marone Eles tinham instruções estritas”, afirmou entre o primeiro e o segundo
Cinzano não Cinzano. Diversas garrafas da biblioteca vinhos, teríamos 1.600
esperava. Numa da vinícola foram levadas, com safras que hectolitros. Mas colhemos
tranquila noite de remontam a 1964. as poucas uvas haviam, que
janeiro, ele dormia Um furgão da empresa foi levado e encheram uma cuba de 150
em sua vinícola Col usada como veículo de fuga (encontrado hl, e a maior parte das uvas
d’Orcia, localizada posteriormente em Perugia, mas da segunda geração [de um
no vale de mesmo nome, um dos mais sem nada dentro). A polícia solicitou segundo brotamento depois das
lindos da Toscana, quando um grupo especialistas para procurar indícios, além geadas], então não é o melhor
furtou a loja de vinhos da vinícola sem de ter contatado a redes de comerciantes, cenário”, afirmou Charles
que ninguém percebesse. distribuidores e importadores caso surjam Sichel, dono do Château
O dono de Col d’Orcia estima garrafas suspeitas no mercado. “Muitos d’Angludet, em Margaux. Ele
que cerca de mil garrafas tenham sido comerciantes enviaram mensagens de quer dizer que as fortes geadas
levadas pelos criminosos. Ele avalia apoio e prometeram ficar atentos”, disse do ano passado vão impedir que
ainda que o valor total dos objetos Cinzano, que revelou ainda um plano sua propriedade faça um vinho
furtados seja de mais de 100 mil euros. de instalar 110 câmeras de vídeo em da safra 2017.
“Algumas das garrafas são insubstituíveis. Montalcino ainda este ano para tentar E ele não é o único.
Eles só pegaram o Brunello e tudo na coibir esse tipo de roubo. Em dezembro, os donos do
Château de Fieuzal, de Pessac-
Léognan, já haviam anunciado
decisão semelhante (não
produzir vinho com uvas de
Garantia antibouchonné 2017). Em abril, os 75 hectares
de vinhas da propriedade foram
Fabricante lança linha de cortiça livre de TCA atingidos e quase dizimados. A
e com garantia de reembolso vinícola esperava ao menos ter
O fabricante de rolhas Cork Supply lançou uma linha de uma produção pequena, mas
produtos sem TCA, a VINC Taint Free, que vem com a quantidade ínfima vinificada
garantia de devolução se um comprador receber uma rolha contaminada. será guardada na biblioteca
A Cork Supply foi a primeira a oferecer uma garantia para rolhas naturais em 2015. e sequer vinho à granel será
Ou seja, qualquer cliente que se deparasse com um vinho bouchonné devido à rolha vendido.
está apto a devolver a garrafa para inspeção e um reembolso do preço do vinho. Outro château bordalês que
Agora, porém, o produtor está oferecendo a mesma garantia para suas rolhas VINC. revelou que não terá safra 2017
“A linha VINC é o resultado de nossos esforços de pesquisa e desenvolvimento. As rolhas foi Climens, um Premier Cru
são produzidas 100% com nossos próprios materiais de cortiça crua de alta qualidade de Sauternes. “Será a primeira
com tecnologias de moldagem individuais de última geração. Nosso novo e melhorado vez desde 1993 que não
processo VAPEX garante que todos os vinhos engarrafados com rolhas VINC sejam livres faremos nosso primeiro vinho.
de TCA”, afirmou Jochen Michalski, que fundou a Cork Supply em 1981. Não tivemos matéria-prima
A empresa, no entanto, não é a primeira a lançar uma rolha tida como livre de TCA. Em suficiente para fazê-lo então
2016, a Amorim criou a linha NDtech, que também é totalmente à prova de bouchonné. decidimos não produzir nada
em 2017”, afirmou Bérénice
Lurton, dona da propriedade.

16 ADEGA >> Edição 148


MUNDOVINO | EVENTOS DO MUNDO DO VINHO

Aquisição
de peso
Gigante riojana compra
um dos mais tradicionais
produtores de Cava

A Companhia Vinicola do
Norte de Espanha (CVNE)
é uma das mais poderosas
empresas vitivinícolas de Rioja,
na Espanha, e recentemente
resolveu esticar seus domínios
para a produção de Cava ao
adquirir o produtor Roger
Goulart.
A história de Roger Goulart
remonta a 1882, quando seus
fundadores, a família Canal,
fizeram parte de uma onda de
Violino de barrica vinicultores de Penedès que
produziram vinhos espumantes
Produtor espanhol decidiu usar a madeira de de método tradicional, como
uma barrica para produzir o instrumento musical Cava é feito até hoje.
“Estamos olhando para as
O enólogo Rodolfo Bastida, “The Soul Of A Violin”. No vinícolas de fora da Rioja há
da vinícola Ramón Bilbao, filme, Malikian descreve o algum tempo e estamos felizes
fez parceria com o músico ato de tocar o violino como em anunciar que Roger Goulart
espanhol Ara Malikian e o “cheirar música”. Para celebrar vai se juntar ao nosso portfólio”,
fabricante de violinos Fernando a parceria, Ramón Bilbao criou disse o presidente da CVNE,
Solar para produzir um violino uma caixa de presente de edição Victor Urrutia. A nova vinícola se
a partir da madeira de uma limitada assinada por Malikian juntará a quatro de Rioja: Cune,
barrica de vinho. para seu Gran Reserva 2010, Imperial, Viña Real e Continuo,
Solar, que já produziu que contém o desenho de um todas da CVNE. Os valores da
instrumentos musicais de violino em seu rótulo dourado. compra não foram revelados.
latas de refrigerantes, precisou “Estamos sempre procurando
de dois meses para fabricar descobrir novos horizontes
o violino a partir de um em termos enológicos e
dos barris de vinho tinto da artísticos. Começamos a
propriedade. Os violinos são pensar se nossas barricas de
tradicionalmente feitos de carvalho francês podem levar
madeiras mais macias, como a complexidade que trazem
bordo e pinheiro. A criação aos nossos vinhos para uma
foi filmada e aparecerá em segunda vida na música”,
um documentário chamado disse Bastida.

18 ADEGA >> Edição 148


6XDYLWULQH
SDUDR%UDVLO
HRPXQGR
5HFRQKHFLPHQWR
HPWRGRVRVVHQWLGRV
œQLFRQRSD¯VFUHGHQFLDGRSHOD
2UJDQL]D©¥R,QWHUQDFLRQDOGD8YD
HGR9LQKR 2,9 HSHOD8QL¥R
,QWHUQDFLRQDOGH(QµORJRV 8,2( 

D
-81+2
%(172*21‰$/9(6_56_%5$=,/

 6(55$*$œ&+$

,16&5,‰—(6$%(57$6$7‹
ZZZEUD]LOZLQHFKDOOHQJHFRPEU LQIR#EUD]LOZLQHFKDOOHQJHFRPEU
'(0$5‰2
5HDOL]D©¥R 3DWURF¯QLR

3DWURQDJHP

, 0 3 2 5 7 ( ; 3 2 5 7
,03257$'25$ )$%5,&$17(
MUNDOVINO | EVENTOS DO MUNDO DO VINHO

A história da Malbec
Novo rótulo de Catena é inspirado na evolução
da variedade tradicional argentina

A Bodega Catena Zapata revelou um novo design de


rótulos para o Malbec Argentino 2015, inspirado na
história da sua variedade principal, contada através de
quatro mulheres simbólicas.
O novo rótulo, criado por Adrianna Catena,
homenageia a Malbec, suas raízes na França e posterior
ascensão na Argentina. A obra de arte foi feita por
Rick Shaefer e o design por Stranger & Stranger. O
rótulo retrata quatro figuras femininas que incorporam
diferentes marcos na história da casta. A primeira
mulher, que simboliza o nascimento da Malbec, é última mulher, representando o presente, é Adrianna
Eleanor da Aquitânia. A segunda mulher é a imigrante, Catena, que dá nome ao vinhedo mais famoso de
simbolizando o movimento dos colonos da Europa para Catena, plantado por Nicolás Catena Zapata em
o Novo Mundo. A terceira mulher simboliza a filoxera, Gualtallary com o objetivo de encontrar o local mais
que dizimou videiras europeias no final do século XIX. A interessante para cultivar videiras em Mendoza.

O primeiro vinho do terraço


Primeira produção da Rooftop Reds terá garrafas por US$ 1.000

A Rooftop Reds, um vinhedo no 1.000. Fundador da Rooftop Reds, videiras e a primeira colheita ocorreu
terraço de um prédio no bairro Devin Shomaker, acredita que o em outubro do ano passado. As
do Brooklyn, em Nova York, deve preço se justifica por ser um item de videiras foram plantadas em 36
lançar seu primeiro vinho em 2019 colecionador. centímetros de solo com uma técnica
e as garrafas devem custar US$ O vinhedo tem apenas 168 especial. Estão sendo cultivadas
variedades como Merlot, Cabernet
Sauvignon, Cabernet Franc, Malbec
e Petit Verdot. Apenas 30 caixas de
vinho serão produzidas.
“Há todo um misticismo em torno
da cultura do vinho, mas quantas
pessoas sabem o que as videiras
precisam para crescer e prosperar?
O gerenciamento da viticultura se
resume à ciência, e é isso que estamos
provando no telhado”, afirmou
Shomaker.

20 ADEGA >> Edição 148


Lançamento do
Guia Descorchados 2018
c or c h a d
es

os
20
anos

Evento: 10 de abril
pré-venda do guia pelo site loja.sabor.club
Associados e assinantes ADEGA e Clube Adega têm condições exclusivas.
Informe-se: assinaturas@innereditora.com.br | concierge@clubeadega.com.br
MUNDOVINO | EVENTOS DO MUNDO DO VINHO

Wine tour Protesto


para cães contra
Vinícola californiana oferece
programa para os melhores
Trump
amigos do homem Produtor australiano
criou rótulo para
Por que não levar seu cachorro para criticar a administração
passear em uma vinícola? Em quanto do novo presidente dos
você degusta, ele também pode se Estados Unidos
divertir com um programa diferente.
Ao menos é o que está propondo a Uma vinícola australiana
vinícola Calistoga Ranch, que está produziu um Chardonnay
oferecendo um passeio de três noites chamado “Fuck Him”
projetado para atrair o melhor amigo para expressar seu
do homem, com atividades que descontentamento com
incluem uma caçada ao bacalhau a administração do
defumado nos vinhedos. presidente dos Estados
A vinícola, que tem 157 hectares Unidos Donald Trump,
de trilhas para caminhadas e seu especialmente contra
próprio lago privado, é conhecido sua visão de não aceitar
por ser um lugar amigável para cães. imigrantes e discriminar
Recentemente, ela projetou um tour minorias.
especial para aqueles que viajam O enólogo Nic Peterkin, da L.A.S Vino, no rio
com seus animais de estimação. Margaret, afirmou que o Chardonnay Fuck Him
O programa teve uma caçada ao “é um dos melhores vinhos que já fez”, assim como
bacalhau defumado nas vinhas, um dos mais engajados politicamente. O design do
caminhadas em várias trilhas da rótulo cria um desenho que se assemelha ao perfil do
propriedade e festa específica para presidente norte-americano.
os pets. Para defender seu ponto, o vinho é descrito como
feito de “vinhas importadas da França sob irrigação
israelense, cuidadas por um trator italiano, com uvas
escolhidas por um grupo de irlandeses, alemães,
estonianos e coreanos sob a supervisão de um sul-
africano”.
“A questão não era realmente sobre o próprio
Trump, mas o que ele representava. O vinho é um
produto internacional. Você não poderia ter uma
boa garrafa de vinho sem todos esses componentes
diferentes. Assim que você ler o rótulo, você saberá que
o vinho é sobre ser inclusivo e incorporar o mundo
inteiro. O vinho reúne as pessoas independentemente
dos seus antecedentes”, afirma Peterkin. A garrafa
custa 55 dólares australianos e só é vendida na própria
vinícola.

22 ADEGA >> Edição 148


O clube de assinaturas
mais gostoso do Brasil

BE A EDIÇÃ
CE O
RE D
E

O
UB


DO CL

S DE SABO

GANHE!
NTE
NA

R.C
SI

LU
AS B

Receba em casa todos os meses uma seleção de


produtos muito especiais escolhidos pela equipe
da revista de gastronomia mais antenada do País.

Saiba mais em
ww.clubesabor.club
MUNDOVINO | EVENTOS DO MUNDO DO VINHO

Adeus à lenda
do Piemonte
Bruno Giacosa, um dos mais importantes produtores
de Barolo e Barbaresco, morreu em janeiro
Aos 88 anos, Bruno Giacosa faleceu em um hospital conhecedor de cada
de Alba, no Piemonte, no começo deste ano. Ele é terroir da região e suas
tido como um dos principais produtores não somente respectivas safras.
da região, mas da Itália, e ficou famoso por ser um dos Giacosa nunca
primeiros a defender os vinhos de vinhedos únicos. teve medo de inovar,
Giacosa definiu um estilo de Barolo e Barbaresco que passando de cimento para aço inoxidável para fazer a
enfatizava a elegância e a finesse acima da potência, mas fermentação e de carvalho da Slavonia para carvalho
ainda assim eram capazes de envelhecer. francês para o envelhecimento. No entanto, ele
Ele comprou frutas e engarrafou vinhos de Barolo e não gostava de ser rotulado com tradicionalista ou
Barbaresco desde a década de 1960, mas adquiriu sua modernista. Além de Barolo e Barbaresco, Giacosa
própria vinha em 1982, com 25 hectares. Sua vinícola é lembrado por seu manejo da uva indígena Arneis,
de Falletto em Serralunga d’Alba passaria a se tornar transformando-a em grandes brancos de Roero.
um dos melhores crus do Langhe. Desde 1982, sua filha, Bruna, o auxilia na vinícola
Seus colegas lembram dele como um homem e é a responsável por continuar o legado do pai a partir
de poucas palavras e solitário, mas um profundo de agora.

Aposentadoria
em Romanée-Conti
Enólogo Bernard Noblet deixou o cargo no fim de janeiro
Depois de 32 anos à frente da enologia do mítico Domaine de la Romanée-
Conti, Bernard Noblet decidiu se aposentar no começo de 2018. Ele foi
enólogo de Romanée-Conti desde 1986, mas começou a trabalhar para o
produtor em 1978.
Ele assumiu o posto de enólogo de seu pai, André Noblet, que desde
SAFRA INESQUECÍVEL
1946 era responsável pelos vinhos da empresa. Bernard Noblet testemunhou
Os vinhos da safra 2015 do
Domaine de la Romanée-Conti aumentos impressionantes no preço dos vinhos de Romanée-Conti, que
estão chegando ao mercado e cresceu em cerca de três mil por cento nas últimas duas décadas, de acordo
Aubert de Villaine, um dos donos com dados Liv-ex.
da propriedade, afirmou: “Para mim,
2015 é fora do comum em qualidade. Ele será substituído por Alexandre Bernier, que o acompanhou nos
Já fiz mais de 50 colheitas, mas esta últimos anos. “Tudo foi planejado nesses últimos três ou quatro anos, com
é a mais notável da minha carreira. Alexandre Bernier trabalhando junto com Bernard Noblet numa evolução
Os vinhos têm fruta, estrutura,
sensualidade; e essa perfeita”, afirmou um representante da empresa.
combinação é muito
rara”.

24 ADEGA >> Edição 148


GUIA ADEGA
VINHOS DO BRASIL
2017 |2018

Quer conhecer todas as 71 vinícolas e 531 vinhos avaliados?


Você encontra o guia nas livrarias Cultura, FNAC, Livraria da Vila,
Travessa, Livraria Leitura e no site www.loja.sabor.club
MUNDOVINO | EVENTOS DO MUNDO DO VINHO

Champagne pornô
Descendente de casa de Champagne se
indignou quando a marca lançou vinho
vinculado à estrela do entretenimento adulto
Quando em novembro do ano passado a casa
de Champagne Charles de Cazanove lançou a
cuvée Clara Morgane, o conde Loïc Chiroussot
de Bigault de Cazanove, de 67 anos, descendente
direto de Charles de Cazanove, sentiu-se
insultado. O nome de sua família estava sendo
associado ao de uma cantora e ex-atriz pornô.
“É simplesmente escandaloso. Como você
pode associar o nome ilustre da minha família
com o de Clara Morgane? É inconcebível.
Meus antepassados estão se revirando em seus
túmulos”, afirmou o sexagenário, indignado com
os rumos que a empresa fundada por sua família
Mercado de – mas não mais sob sua tutela – estaria tomando.
Já a celebridade não se sentiu incomodada
colecionadores com a ira do homem. “Charles de Cazanove
é uma grande casa de Champagne com a
Levantamento mostra que leilões de vinho
qual estou orgulhosa de me associar. Este
superaram a marca de US$ 371 milhões em 2017
Sr. Chiroussot deveria ter perguntado o que
Ainda falta muito para o de US$ 3.285. Hong Kong desejavam seus antepassados antes que seu
mercado dos leilões de vinho subiu 7%, indo para US$ nome fosse vendido. Imagino que sua birra o
voltar à marca atingida em 98 milhões com um preço tenha impedido de provar nosso delicioso néctar.
2011, quando acumulou por lote de US$ 5.643. Os Gostaria de lhe enviar uma garrafa para que ele
US$ 478 milhões em vendas, valores na internet cresceram possa experimentar
mas os números de 2017 são 35,3%, indo para US$ 54 em um momento
promissores e mostram que o milhões. O único mercado de libertação
mercado de colecionadores que apresentou queda foi o emocional”, afirmou.
está aquecido. Reino Unido, com baixa de Chiroussot
Em 2017, o total de vendas 11%, ficando em US$ 34,1 chegou a processar
em leilões de vinhos no mundo milhões. Os principais players a empresa, mas
(dados dos mercados dos foram as casas Acker Merrall durante a audiência
Estados Unidos, Reino Unido & Condit e Zachys, com marcada para dia 9 de
e Hong Kong, além das vendas US$ 80,3 milhões e US$ 79,3 janeiro, nenhuma das
on-line) aumentaram 9,6% milhões, respectivamente, partes compareceu
para US$ 371,1 milhões, frente apresentando crescimento ao tribunal o que
a US$ 338,7 milhões em 2016. de mais de 20% no ano. A fez com que a causa
As vendas norte- Sotheby’s vem em terceiro fosse simplesmente
americanas subiram 10%, lugar com US$ 63,8 milhões, abandonada. Teria
indo para US$ 185 milhões, mas uma queda de 14% em o homem cedido
com um preço médio por lote relação ao ano anterior. aos encantos do
Champagne?

26 ADEGA >> Edição 148


+ de
1 MILHÃO
de leitores
MUNDOVINO | EVENTOS DO MUNDO DO VINHO

Centenário
Cos d’Estournel vai lançar uma cuvée
de luxo de vinhas de 100 anos

Uma parcela de vinhas de uva Merlot de 100 anos, plantadas


Warhol em Cos d’Estournel por mulheres durante a I Guerra
Mundial é a fonte do novo vinho de um dos châteaux mais
avinhado emblemáticos de Bordeaux. A cuvée se chamará COS100 e
será feito com uvas da safra 2015.
Mulher teria derramado
“Com o COS100, quero homenagear o terroir e
vinho em obras de arte
reconhecer as mulheres que, há mais de cem anos,
trabalharam corajosamente na vinha para garantir a
Segundo o advogado Anthony
continuidade da propriedade”, afirmou Michel Reybier,
Buzbee, uma mulher teria
dono de Cos d’Estournel. Em 1915, a maioria dos homens
causado danos à sua coleção
estava na guerra, e o trabalho na vinha foi feito quase que
de arte após derrubar vinho
totalmente por mulheres. Foram produzidas apenas 100
em obras de Andy Warhol. De
garrafas double-magnuns (3 litros) e 10 balthazars (12 litros).
acordo com a acusação, Lindy
Lou Layman, de 29 anos, teria
ficado embriagada durante o
encontro que teve com Buzbee.
Descontrolada, ela teria
deixado cair vinho em duas
peças produzidas por Warhol 240 mil lojas fechadas
e avaliadas em US$ 500 mil.
Site de e-commerce chinês fechou lojas que estariam
Ela ainda teria quebrado duas
vendendo, entre outras coisas, vinho falsificado
esculturas de US$ 20 mil em
sua mansão em River Oaks, no A questão das falsificações na China queixas à Alibaba por falsos Penfolds
Texas, Estados Unidos. Estima- é realmente séria. Recentemente, a vendidos em sua plataforma. No início
se um estrago de mais de maior empresa de comércio eletrônico do ano passado, uma reclamação da
US$ 1,5 milhão, mas o valor do país, a Alibaba, afirmou ter empresa fez com que a polícia em
relatado no tribunal é dito fechado mais de 240 mil lojas on- Xangai descobrisse 14 mil garrafas falsas
como “US$ 300 mil ou mais”. line que estariam vendendo produtos de Penfolds.
Layman foi presa na falsificados, entre eles, vinhos. “A Alibaba está fazendo mais
véspera de Natal do ano Durante um congresso, Yao Yunren, para proteger marcas e detentores
passado, mas liberada sob executivo da empresa, elogiou os de direitos do que qualquer outra
uma fiança de US$ 30 mil. esforços de seu time na luta contra empresa de comércio eletrônico no
Ela negou as acusações e seu as falsificações e afirmou que mais mundo e o número de pedidos de
advogado afirmou que ela empresas estão se unindo para ajudar remoção diminuiu 25% em relação
dará sua versão dos fatos, que nesse combate, como a Treasury Wine ao ano anterior como resultado direto
é completamente diferente Estates, da Austrália, detentora de da nossa capacidade de remover listas
do que Buzbee afirmou à marcas como a Penfolds. criminosas antes de chegarem aos
imprensa. A Treasury estava entre as empresas nossos mercados”, afirmou o presidente
de vinhos que mais apresentaram do Alibaba Group, Michael Evans.

28 ADEGA >> Edição 148


Rosé do Bon Jovi
Cantor resolveu lançar um vinho
em colaboração com seu filho
Inspirado por sua casa em East experimentaram rosés de
Ioga no vinhedo Hampton, Nova York, Estados diversas partes do mundo antes
Vinícola inglesa oferece programas Unidos, o cantor Jon Bon de decidirem pelos produtos
de ioga que refletem o ciclo de Jovi resolveu criar um vinho do sul da França.
crescimento das vinhas rosé chamado “Diving into “Quando visitamos
Hampton Water” (Mergulho Gerard, percebemos que
A vinícola Hambledon, com sede em na água de Hampton). existe uma costa inteira na
Hampshire, Inglaterra, juntou-se à O vinho é resultado da França que produz alguns
instrutora de ioga Vickie Williams para colaboração entre ele, seu dos segredos mais bem
lançar uma série de retiros de ioga, filho Jesse e o produtor do guardados da terra”, disse
cada um em uma estação diferente do Languedoc, Gerard Bertrand. Jesse Bongiovi. “Descobrimos
ano. “Mergulhamos profundamente A bebida é um blend que compartilhamos um
em como as mudanças de estações se de Grenache, Cinsault e amor pela família, comida,
aplicam a nós mais do que pensamos”, Mourvèdre. De acordo com amigos, ótimos vinhos e ótima
afirmou Williams. Bertrand, dono do Château música. Produzir este vinho
Durante o retiro de outono, os l’Hospitalet em Narbonne, com Gerard foi tão criativo
clientes meditaram em três coisas o rosé é “fresco e vivaz com quanto quando colaboro com
que completaram durante o verão. mineralidade distinta”. Bon outro compositor. Gerard usa
Eles também participaram de uma Jovi inicialmente queria suas técnicas e conhecimento
“meditação de liberação de folhas” chamá-lo de “pink juice”, do vinho como um músico
quando eram perguntados sobre o que mas foi persuadido por seu talentoso”, afirmou Bon Jovi.
estavam dispostos a soltar, simbolizando filho a denominá-lo de O preço da garrafa que será
o período em que as videiras são “Hampton water”. Jon e Jesse lançada deve ser US$ 25.
cortadas e ficam adormecidas,
reconstruindo suas reservas de energia.
Segundo Katrina Smith, gerente
da vinícola, e Williams, há uma boa
sinergia entre a vinificação e a ioga,
pois ambas as disciplinas falam sobre
conectar-se e trabalhar em conjunto
com a mãe natureza. Os retiros
duram sete horas e também incluem
um passeio pelas vinhas, almoço e
degustação de vinhos. No momento, a
empresa está oferecendo um retiro a ser
realizado em 8 de abril, Spring Yoga, e
outro em 10 de junho, o Summer Yoga.
O valor é de £ 85.
Esse tipo de programa com ioga
em vinhedos não é uma ideia nova. A
vinícola californiana Andrew Murray
Vineyards, por exemplo, já promoveu
algo semelhante em 2015.

Edição 148 >> ADEGA 29


MUNDOVINO | EVENTOS DO MUNDO DO VINHO

O valor
de uma medalha
Estudo revela a porcentagem de aumento de preço
de um vinho que ganha medalha em um concurso

Para que serve uma medalha do contrato e a data de entrega.


em um concurso de vinho? Emmanuel Paroissien e
Realidade Muitos consumidores não ligam Michael Visser, autores do artigo,
aumentada para isso, assim como muitos
produtores. No entanto, um
concluem que “os incentivos para
participar de competições são
Laboratório de universidade estudo publicado no site da altos”. Os produtores estudados
canadense quer analisar como o American Association of Wine foram exclusivamente de Bordeaux
ambiente influencia nas escolhas Economists (AAWE) revela que e 11 competições de vinho
de vinho os produtores podem aumentar foram mapeadas, mas o estudo
seus preços em 13% se ganharem revelou que o efeito é apenas
A Universidade de Brock, em Ontário, uma medalha em um concurso estatisticamente significativo
Canadá, criou o primeiro laboratório de vinhos. para “um pequeno grupo de
de realidade aumentada, virtual e O artigo “O impacto causal concursos”, observando que tais
sensorial do mundo, que conduzirá das medalhas sobre os preços competições não são apenas as
experimentos sobre como o ambiente dos vinhos e os ganhos de mais prestigiadas, mas também
sensorial de uma pessoa influencia suas participação em concursos” tem aquelas em que “os juízes precisam
escolhas de vinho. como objetivo principal verificar avaliar relativamente poucos vinhos
Os degustadores serão virtualmente o efeito de uma medalha sobre o por dia, e concedem medalhas por
transportados para diferentes preço do vinho. E, dessa forma, consenso oral”. O estudo também
ambientes, como uma vinícola durante apontou que um produtor cujo afirmou que “uma minoria” de
o inverno ou um bar durante o verão, vinho recebe uma medalha pode competições atribuem medalhas
para ver como a visão, o som e o cheiro aumentar seu preço. que “estão significativamente
influenciam a forma como escolhemos A pesquisa comparou o correlacionadas com a qualidade
e apreciamos o vinho. A pesquisa preço dos vinhos antes e depois do vinho”.
pretende ajudar a melhorar o mercado de uma série de competições,
de vinhos canadenses e reforçar a descobrindo que alguns
indústria vinícola de Ontário. produtores experimentam
“Nem tudo sobre o gosto do um benefício de aumento
vinho é apenas o gosto do vinho, de preço mesmo depois
é toda a experiência. Ajudar os que os vinhos já tinham
pesquisadores de Ontário a criar sido vendidos. Isso ocorre
descobertas revolucionárias ajudará porque alguns possuem
a avançar a tecnologia e impulsionar contratos com negociantes
o crescimento econômico em toda a em que há uma provisão
província”, afirmou Debra Inglis, da para que o produtor receba
Universidade de Brock. O laboratório, um aumento de preço
que custou US$ 1 milhão, deve ser específico se o vinho ganhar
aberto em abril, e recebeu uma uma medalha entre a data
subvenção governamental de US$ 960
mil para financiar seus experimentos.

30 ADEGA >> Edição 148


Champagne
de helicóptero
A Bollinger resolveu entregar seus espumantes
de forma expressa na Nova Zelândia

Ouve-se muito falar sobre Bollinger e Heletranz se uniram


Vinho lunar entrega de vinho por meio
de drones, mas a casa de
para criar o que eles descrevem
como o “primeiro serviço de
Cabernet inspirado nas Champagne Bollinger entrega de Champagne no
missões Apollo, da NASA, tem resolveu fazer suas entregas de mundo”. A proprietária da
autógrafo de astronautas que helicóptero na Nova Zelândia. Heletranz, Sofia Ambler, disse
pisaram na lua Em parceria com a Heletranz, que o novo serviço atenderá
empresa de transporte aéreo, sua clientela de alto padrão. “A
Alan Bean, Charlie Duke e o produtor pretende entregar Nova Zelândia tem um número
Harrison Schmitt, três dos cinco suas bebidas em casas de impressionante de pessoas de
astronautas dos Estados Unidos luxo isoladas localizadas em grande fortuna escondidas em
ainda vivos que caminharam territórios neozelandeses seus pontos paradisíacos, desde
na lua, assinam o Moonwalker remotos. o topo da ilha do norte até a ilha
2015 Cabernet Sauvignon, fruto Essas casas são valorizadas de Waiheke e o Coromandel.
da colaboração entre a vinícola por sua privacidade, mas ao Muitos desses locais de luxo
Holman Cellars, no Napa Valley, e mesmo tempo em que os são acessados somente por
o museu espacial Cosmosphere, no ocupantes estão privados da helicópteros, são remotos e
Kansas, Estados Unidos. companhia de outras pessoas, isolados para maior privacidade.
O rótulo branco apresenta as também acabam por se privar Faz sentido para nós oferecer o
fases da lua em prata ao lado dos de alguns prazeres. Para não serviço do Champagne entregue
autógrafos dos astronautas. Parte deixar esses clientes na mão, a por helicóptero”, afirmou Sofia.
dos lucros das vendas será doada à
Cosmosphere, que, além de ser um
museu, é um centro de educação
científica. Há garrafas pessoalmente
autografadas pelo trio, as de formato
maior, e outras impressas, tamanho
padrão. Os preços variam de US$
120 para uma garrafa de 750 ml até
US$ 1.490 para o Salmanazar, que
já está esgotado, assim como todas
as magnuns assinadas à mão.

VINHO COM
METEORITO
Em 2012, Ian Hutcheon, um
astrônomo inglês trabalhando
no Chile, lançou o primeiro vinho
feito com infusão de um meteorito.
Oportunamente chamado de
Meteorito, o Cabernet de Cachapoal
envelheceu com um meteorito de
4,5 bilhões de anos do cinturão
de asteroides entre Marte e
Júpiter.

Edição 148 >> ADEGA 31


PRESENTES | ACESSÓRIOS COM ESTILO

O inverno chegou
A Montegrappa produziu uma caneta Planetário
tinteiro em edição limitada com arte Baseado no modelo
inspirada na série Game of Thrones. Midnight Planetarium, a
Apenas 300 unidades foram feitas. Van Cleef & Arpels lançou u
€ 3.900 a versão Lady Arpelss
www.montegrappa.com Planétarium. Sim, além dass
horas, ele mostra a rotação
dos planetas (Mercúrio,
Vênus, Terra – e a lua)) ao
redor do sol. Feito em ouro
branco com diam mantes.
US$ 330.000
www.vancleefarpels.com

Mona Lisa na bolsa


A Louis Vuitton, em parceria
com o artista Jeff Koons, criou
uma linha de bolsas e acessórios
inspirados em grandes obras de
pintores renomados como Da
Vinci, Monet, Fragonard, Van Gogh
etc.
US$ 2.800
www.us.louisvuitton.com

Esporte
Inspirado na versão GT430, a Lotus, em
comemoração aos 70 anos da marca, lançou o
Evora GT410 Sport. Com motor de 3.5 litros V6, ele
faz de 0 a 100 km/h em 4,2 segundos e atinge uma
velocidade máxima de 305 km/h.
£ 85.900
www.lotuscars.com

32 ADEGA >> Edição 148


Música em ouro
A joalheria britânica Annoushka
Ducas, em colaboração com
The Vampire’s Wife, a marca de
Susie Cave, esposa do roqueiro
australiano Nick Cave, criou uma
pulseira com pingentes inspirados
em letras de músicas.
£ 21.295
www.global.annoushka.com
Personalizado
A marca russa Caviar resolveu criar uma
versão do iPhone X em parceria com a Tesla,
produzindo um aparelho que, além do design e
funcionalidades, possui ainda um painel solar
integrado.
US$ 4.700
www.caviar-phone.ru

Som limpo
A Grovemade, em colaboração
com o designer industrial
Joey Roth, criou o Grovemade
Walnut Speaker System, que
se aproveita das propriedades
acústicas superiores da
madeira para criar som claro e
matizado.
US$ 599
www.grovemade.com

Edição 148 >> ADEGA 33


TESTE | p o r CHRISTIAN BURGOS

O balde Testamos o iD Bucket, o “balde ideal” para resfriar vinhos

Q
uantas vezes você olha para uma último caso, apenas a base do vidro fica em con-
coisa e se pergunta: “Será que é tato com a água e o gelo, impedindo um resfria-
tudo isso mesmo? Como nin- mento perfeito e exigindo aquela virada disfarça-
guém pensou nisso antes?” E foi da da garrafa de cabeça para baixo para misturar.
assim que decidimos testar o bal- Conversando com Meireles, descobrimos
de perfeito, invenção do irrequie- que foi sofrendo com as opções existentes que o
to Almir Meireles. Nestes anos e anos degustan- empresário, amante de vinhos (e agora inventor)
do por todo o mundo, achamos que já havíamos decidiu criar o “balde ideal”. Ele afirma que o
visto todos os designs possíveis de balde de gelo e processo foi longo e, em sua mente, o balde pre-
nos conformado com a ideia de que resfriar garra- cisava acomodar pelo menos quatro garrafas e ter
fas de vinho neles requer alguma prática e certas os seguintes atributos: uma base total maior que
manhas. Mas, uma vez que paramos para refletir, a boca; uma altura aproveitável capaz de garantir
fica claro que o que usamos até hoje não era mes- uma boa cobertura da superfície das garrafas pelo
mo o balde ideal. Apesar de os modelos serem gelo e pela água; evitar, no caso de apenas uma
os mais diversos, é difícil encontrar um que real- garrafa, que ela corra o risco de tombar e encher
mente atenda o enófilo, “sem falhas”. Vejamos: de água; não ser muito grande; ser leve, mas re-
Há baldes pequenos para uma única garrafa. sistente; ser de fácil transporte mesmo quando
Se você errar na quantidade de gelo e água, é cheio; economizar água e gelo; e ter um design
melhor se armar de algo para enxugar os possíveis elegante – que ficou a cargo do arquiteto Ricardo
transbordamentos. Passamos então para os bal- Gusmão.
des maiores, com capacidade para mais de uma Devido ao formato do “Balde Ideal”, ou “iD Buc-
garrafa. Na maioria deles, se colocamos apenas ket”, ele acomoda de uma a quatro garrafas de base
uma garrafa para resfriar, o que ocorre? O garga- larga, como Champagne, por exemplo, e mesmo
lo mergulha no gelo. Se o vinho estiver aberto, com apenas uma, ela nunca tomba. Garrafas acomo-
fatalmente corre o risco de “se afogar”. Daí, ou dadas, água e gelo ficam em um nível capaz de res-
você coloca um salva-vidas para ficar de olho na friar de maneira mais uniforme, segundo Meireles,
garrafa, ou coloca pouco gelo e água, mas, nesse com maior aproveitamento do gelo. O diâmetro da

34 ADEGA >> Edição 148


O “Balde ideal” tem
base mais larga do
que a boca, o que
impede que a garrafa
fique submersa na
água, comprometendo
o vinho
“Champanheira” para quatro Com a mesma capacidade de
garrafas ocupa mais espaço, usa garrafas, o iD Bucket é mais
mais gelo e é menos prática tanto compacto, tem aproveitamento
para resfriar quanto para manusear melhor do gelo e ainda evita o risco
os vinhos. Uma única garrafa corre de uma garrafa, mesmo estando
o risco de escorregar e submergir sozinha, submergir

base do balde ideal tem 28 cm e a boca, 20. O vo- evitado e o enófilo tem uma preocupação a me-
lume de gelo e água necessário é aproximadamente nos ao desfrutar seu vinho. Além disso, o design
dois terços quando comparado com baldes que aco- faz com que se utilize menos gelo e os pontos de
modam quantidades similares de garrafas. apoio na base auxiliam na hora do transporte –
caso seja necessário mover o balde quando cheio.
Avaliação Outro ponto positivo são as dimensões, reduzi-
O balde de Meireles ainda está sendo produzido das quando se compara com outros baldes com
de forma artesanal e sob encomenda, mas ADE- capacidade similar de garrafas, especialmente as
GA decidiu colocá-lo à prova. E podemos dizer “champanheiras”. Se fosse um vinho, receberia
que o resultado acompanhou o que foi “prometi- 100 pontos de ADEGA. Agora, basta entrar em
do”. Ele acomodou bem quatro garrafas, manten- volume de produção para se tornar acessível em
do o nível de gelo e água em uma altura suficiente termos de preço e distribuição. Tudo para que
para que elas resfriassem por inteiro e uniforme- “em 10 anos – como brinca Meireles – o mundo
mente. O grande teste, o do possível emborca- do vinho se divida entre os que têm o balde ideal
mento do gargalo de uma garrafa sozinha dentro e os que não têm”. Se tiver interesse, pode conhe-
d’água, foi bem-sucedido. Realmente, esse risco é cer em: www.baldeideal.com.br

36 ADEGA >> Edição 148


ENOGOURMET | p o r ARNALDO GRIZZO, EDUARDO MILAN E JOÃO PAULO GENTILLE

Harmonização
HARDCORE Sugerimos vinhos para combinar com os
pratos do chef Henrique Fogaça

P
resença. É impossível deixar de seus pratos também têm toques de delicade-
notar o estilo de Henrique Fogaça za. Por exemplo, o chef tem preferência por
em seus empreendimentos. Mes- cerveja, isso é inegável, mas, nos vinhos, seu
mo no mais recente, o elegante e gosto não é pelos tintos pesadões como al-
de certa forma discreto Sal Gastro- guns poderiam supor, mas por “brancos fru-
nomia, aberto no fim de 2017 dentro do Shop- tados”, admite.
ping Cidade Jardim, a marca de rock’n’roll As receitas têm, sim, presença, sabores
hardcore, típica dele, está presente. marcantes, crocância, contrastes, mas com
Ao visualizar a figura do chef, repleto de ta- aquele tom de elegância “no limite” e é por
tuagens pelo corpo e com uma impostação de isso que as possibilidades de harmonização
voz geralmente em tom grave, pode-se pensar não se restringem somente a “coisas pesa-
que toda a sua comida segue o padrão de tons das”. De verdadeiramente hardcore, o tama-
máximos. E quando pensamos em comidas nho da porção – sempre bem servida.
“extremas” o amante do vinho já logo imagina Essa foi a tarefa de ADEGA em meados
que não deve ser fácil propor harmonizações, de janeiro em um almoço no novo endere-
especialmente com vinhos mais sutis. ço de Fogaça. O chef propôs preparar quatro
Mas engana-se quem se deixa levar pelas pratos emblemáticos de seu cardápio e nos-
aparências. A culinária do Sal Gastronomia so time selecionou quatro rótulos para fazer
não é hardcore strictu sensu. Assim como frente à culinária de Fogaça. Um exercício
Fogaça também tem seu lado mais suave, divertido e repleto de descobertas.

38 ADEGA >> Edição 148


Elvis Fernandes
OS VINHOS DE
HENRIQUE FOGAÇA
Qual a sua relação com o
vinho? Gosta?
Gosto de tomar vinho.
Mas não sou um expert no
assunto, eu particularmente
prefiro algumas outras
bebidas.

Costuma beber com que


frequência? Tem algum tipo
específico que prefira?
Costumo beber vinho
apenas em ocasiões
especiais, geralmente em
jantares formais, e sempre
escolho um com sabor
mais frutado. Prefiro vinho
branco.

Quem cuida da carta de vinho


dos restaurantes? Quais
fatores pondera para montar
a carta?
Meu irmão Guilherme
Fogaça, junto com a
importadora de vinhos do
restaurante. Para montar
a carta o principal fator é
a harmonização com os
pratos. Todos os vinhos
são escolhidos de acordo
com o cardápio. E sempre
selecionamos alguns rótulos
extras, porque é importante
que o cliente encontre
variedades.

Que tipos de harmonização


tende a apreciar com seus
pratos?
Gosto de harmonizar
a moqueca de banana
da terra, peixe do dia Legendas:
e farofa de coentro
Há pouca harmonia entre
com vinho branco. E o
Evandro Machado/Estúdio Gastronômico

vinho e prato
nhoque de mandioquinha Vinho e prato têm algumas
acompanhado com ragu similaridades
de javali com vinho tinto Boa interação entre vinho
encorpado. e prato
Prato ou vinho ganham na
combinação
Prato e vinho ganham
com a combinação

40 ADEGA >> Edição 148


Os vinhos

AD 92 pontos AD 93 pontos
MIRAVAL ROSÉ 2016 MEYER-NÄKEL SPÄTBURGUNDER “S” 2009
Jolie-Pitt & Perrin, Provence, França (World Wine Meyer-Näkel, Ahr, Alemanha (Decanter R$
R$ 210). Rosé composto de Cinsault, Grenache, 297). Tinto elaborado exclusivamente a
Syrah e Rolle, com estágio de 10% do vinho em partir de Spätburgunder (Pinot Noir), com
barricas de carvalho francês por breve período. estágio de 12 meses em barricas de carvalho
Sempre consistente, esta é uma excelente versão 50% novas. Num estilo mais corpulento e
desse rosado. Mostra aromas de pêssegos e carnudo, mostra perfil de frutas vermelhas
morangos mais frescos, bem como agradáveis mais maduras como groselhas e cerejas
notas florais, herbáceas e minerais. Impressiona seguidas de notas florais, de lavanda, de
pela excelente textura, tem gostosa acidez e especiarias doces e de cinzas, que se
final persistente, com toques florais e de mel. confirmam na boca. Chama atenção pelos
Surpreende pela estrutura e corpo sem perder taninos de textura sedosa acompanhados
a elegância, tudo num contexto de frescor e de vibrante acidez. Tem final persistente,
mineralidade, que traz vibração e eletricidade ao com toques defumados e de sangue. Álcool
conjunto. Álcool 13%. EM 13,5%. EM

AD 92 pontos AD 92 pontos
RENATO CORINO BAROLO 2010 RESERVE DE LA COMTESSE LALANDE 2007
Renato Corino, Piemonte, Itália Château Pichon Longueville Comtesse de
(Grand Cru US$ 133). Tinto elaborado Lalande, Bordeaux, França (Clarets R$ 530).
exclusivamente a partir de uvas Nebbiolo Tinto composto de Cabernet Sauvignon,
advindas de La Morra e Serralunga Merlot, Cabernet Franc, Petit Verdot e Malbec,
d’Alba, com estágio de 24 meses em com estágio em barricas de carvalho. Mostra
barris de carvalho. Apresenta sedutoras cativantes notas de cassis e de alcaçuz que
notas florais e de especiarias doces que envolvem os toques florais, minerais e de
acompanham as frutas vermelhas, tudo especiarias doces. Está no auge e seguramente
em meio a muita tipicidade, taninos de esse tempo a mais na garrafa lhe fez muitíssimo
excelente textura lembrando giz, gostosa bem, mas deve se manter assim por mais cinco
acidez e final persistente, com toques de anos, pelo menos. Surpreende pela qualidade e
ferro e de ervas secas. Álcool 15%. EM pelo equilíbrio do conjunto, fazendo jus à fama
de seu irmão mais velho. Álcool 13%. EM

Edição 148 >> ADEGA 41


Os pratos e
suas harmonizações

Polvo com creme


de azedinha e arroz sete grãos
A proposta inicial era a harmonização com o
rosé. Difícil falhar, pois a sutileza da carne do
polvo se equilibra bem com o corpo do vinho.
Isso sem falar da mineralidade típica de um bom
Provence, que sempre casa com o fruto do mar.
Aqui, o rosado limpou o palato com sua minerali-
dade e acidez, mas, apesar da boa harmonização,
o vinho não ganha no conjunto. Passamos então
para o Pinot alemão para ver como ele se porta-
va. Foi surpreendente, pois portou-se bem, mas,
no fim, acabou atropelando o prato. O ponto alto
aqui é que ele ganha em sabor com o tostado do
polvo quando degustado em goles pequenos, pois
a textura e o sabor do acompanhamento (arroz)
vão bem com o vinho tinto.
fotos: Evandro Machado/Estúdio Gastronômico

42 ADEGA >> Edição 148


Filé mignon com gratin de batatas,
foie gras e molho rôti
Aqui encontramos a intensidade de sabores e os
contrastes da culinária de Fogaça. Um molho
intenso concentrado e doce, carne no ponto,
foie clássico e um gratin de respeito. Quando
vamos para a harmonização, o Pinot ameniza o
doce do molho intenso e ressalta a acidez tanto
do prato quanto do vinho, trazendo elegância. O
toque do foie ainda ressalta um tom tostado do
vinho. Já quando provado ao lado do Bordeaux,
o prato ganha em complexidade, ganha em tex-
tura abraçando o vinho, tornando a combinação
rica e integrada, valorizando tudo, prolongando
os sabores, dando ainda mais intensidade. Com
o Barolo, a combinação também funciona, mas
sem brilhos, tanto do lado do prato, quanto do
vinho. Pinot e Bordeaux, por outro lado, lidaram
perfeitamente com os contrastes da receita, cada
um agregando a seu modo.

Edição 148 >> ADEGA 43


Magret de pato, purê de abóbora
e maçã ao molho rôti
Mais um prato de sabores extremos. A
doçura do purê teoricamente poderia
“matar” qualquer tentativa de harmoniza-
ção, mas a leve acidez da maçã cooperou.
Ainda assim, esse doce “a mais” fez com
que nenhum dos vinhos selecionados fos-
se hors concours com o prato. A elegân-
cia e pungência do Barolo fizeram uma
ponte interessante com a receita, pois a
tanicidade e acidez ajudaram a “quebrar”
o açúcar, criando uma sensação exótica,
pois misturou sabores minerais, ácidos e
doces. Curiosamente, outro vinho que se
deu bem ao lado do pato foi o rosé, pois ele
ajudou a equilibrar a doçura e a gordura
fotos: Evandro Machado/Estúdio Gastronômico

com sua acidez.

44 ADEGA >> Edição 148


Vitelo empanado com purê rústico
de batata, salada de azedinha e tomate confit
O prato traz uma mistura de “roots”, com seu purê rústico e saboro-
so, além da fritura sequinha e crocante, com a sutileza dos sabores
dos ingredientes (a carne tenra do vitelo). O vinho previamente se-
lecionado, o Bordeaux, obviamente que funcionou, pois a comple-
xidade do vinho tinha tudo o que era preciso para combinar com
o prato. Mas, no fim, não houve grande brilho. Melhor seu deu o
Barolo, pois a fritura vibra com a acidez do vinho e acompanha
o prato em similaridade, trazendo graça e vida, além de ressaltar
o frescor da bebida e a picância da receita. Corpo do prato e do
vinho se ajudam, possibilitando uma harmonização elegante. Por
fim, outro vinho que curiosamente funcionou, mostrando o quão
versátil pode ser, foi o rosé. Sua acidez combinou com a delicadeza
do vitelo e a intensidade da fritura, ganhando em frescor, apesar de
não ter conseguido acompanhar da melhor maneira a estrutura e a
riqueza de sabor da receita em geral.

Edição 148 >> ADEGA 45


ESCOLA DO VINHO | p o r ARNALDO GRIZZO E EDUARDO MILAN

EMULADORES
Para você que gosta de um estilo de vinho, confira alternativas
interessantes que acompanharão o seu paladar evitando a monotonia

Q uando estamos dian-


te de algo novo, é
comum que nos
apoiemos em alguns
pilares para ter segu-
rança. Mas mesmo
quando já temos conhecimento e de-
cimento) ficarmos presos em algo,
em um sabor, em uma uva, em um
rótulo. Não estamos falando aqui
de renegar o seu paladar e abdicar
dos sabores que lhe agradam. Esta-
mos propondo manter o seu estilo,
mas não necessariamente dentro de
senvoltura em um tema, podemos, às uma monotonia de um mesmo rótu-
vezes, ficar “travados” em alguns pon- lo, uma mesma uva. Se seu paladar
tos de apoio. No universo do vinho, isso aprecia um estilo de vinho, você
também ocorre. pode buscar algo similar sem preci-
Não é difícil vermos alguns enó- sar toda hora apelar para o mesmo
filos, que estão começando a desbra- Cabernet Sauvignon, o mesmo Pi-
var a bebida, moldarem seus palada- not Noir, o mesmo Chardonnay ou
res em algum tipo de uva ou estilo o mesmo Sauvignon Blanc.
de vinho específico, criando para si Aliás, foi pensando nessas quatro
um porto seguro no qual ele atraca variedades e nos estilos de vinhos
sempre que necessário, muitas vezes que elas no fundo representam que
limitando sua paleta de conheci- ADEGA resolveu propor alternativas
mento. Mas isso não ocorre somente para que seus apreciadores tenham
com “novatos”. Não é raro observar mais opções na hora de escolher o
um enófilo experiente voltar sempre vinho que vão degustar. Você gosta
à mesma fonte, buscando os mesmos de Cabernet Sauvignon? Ok, mas
vinhos, como se fossem muletas para saiba que há outras uvas que podem
o seu paladar, que, mesmo treinado, agradar o seu paladar sem destoar
tende a ir numa só direção. do estilo que você tanto aprecia na
Mas em um mundo em que a Cabernet. Sendo assim, vamos elen-
variedade de vinhos, cepas, estilos car aqui algumas alternativas para os
etc. é incontável, é perda de tempo apreciadores dessas quatro varieda-
(e possibilidade de um maior conhe- des emblemáticas.

46 ADEGA >> Edição 148


Edição 148 >> ADEGA 47
Cabernet Sauvignon
Se você é um apreciador contumaz da variedade
mais famosa da vitivinicultura mundial, provavel-
mente tem um apreço por vinhos mais encorpa-
dos, tânicos e com presença marcante de frutas e
especiarias, já que estas são características comuns
quando pensamos em Cabernet Sauvignon gene-
ricamente. E, convenhamos, a vida para o aficio-
nado por Cabernet é fácil, pois dificilmente ele irá
a um supermercado, loja ou restaurante que não
tenha um único rótulo com a cepa. Ou seja, ao fã
de Cabernet basta escolher um país ou um produ-
tor diferente para ter a variação de que precisa. No
entanto, pode-se ir além disso. Vejamos:

• Para os que gostam da estrutura, do corpo e da


concentração do Cabernet, uma excelente al-
ternativa seria um bom Tempranillo, tanto da
região de Ribera del Duero quanto de Toro, na
Espanha, pois são vinhos geralmente encorpa-
dos e bastante frutados. A passagem por barrica
(Crianza) ainda agrega, para quem gosta dos
tons tostados dos Cabernet que também esta-
giam em madeira. Tempranillo espanhol
com passagem por
AD 94 pontos madeira e blends do
AD 90 pontos QUINTA DO CRASTO RESERVA VINHAS VELHAS 2013 Douro apresentam
estrutura, corpo
NEXUS ONE 2012 Quinta do Crasto, Douro, Portugal (Qualimpor e concentração
Bodegas Nexus, Ribera del Duero, Espanha R$ 464). Tinto elaborado a partir de 30 castas equivalentes a um bom
Cabernet Sauvignon
(Domno R$ 145). Tinto elaborado exclusivamente diferentes advindas de vinhas velhas, com estágio
a partir de uvas Tempranillo, com estágio de sete em barricas de carvalho. Está buscando, com
meses em barricas de carvalho francês. Chama sucesso, um estilo mais vertical, refinado, de
atenção pela qualidade de fruta, principalmente maior frescor e mais tensão, não deixando de lado
cereja, que envolve os aromas e sabores, depois sua fruta exuberante, mas privilegiando acidez,
aparecem notas florais, tostadas, de especiarias taninos mais finos e mais vivos, além de um
doces e de chocolate, denotando a passagem por agradável aspecto mineral que complementa o
madeira. Superfrutado, é estruturado e cheio, tem conjunto. EM
boa textura de taninos, acidez refrescante e final
persistente, com toques de grafite. EM • Se o que você aprecia em um Cabernet, além
da estrutura, são os tons especiados, com to-
• Seguindo a mesma linha de raciocínio, pen- ques de ervas, opções interessantes são os
sando em estrutura, corpo e concentração, blends GSM (Grenache, Syrah e Mourvèdre)
outra ótima opção seriam os tintos do Douro, típicos do Rhône. Eles também costumam ter
especialmente aqueles que levam Touriga Na- um bom corpo, mas tendem a ressaltar ainda
cional (não estamos falando especificamen- mais esse lado de especiarias.
te de varietais de Touriga, apesar de alguns
também funcionarem). Os famosos blends do AD 92 pontos
Douro costumam ter potência, grande corpo, PAUL JABOULET AÎNÉ GIGONDAS PIERRE AIGUILLE 2011
muita fruta etc. São grandes “emuladores” de Paul Jaboulet Aîné, Rhône, França (Mistral US$
um Cabernet. 63). Tinto composto de 80% Grenache, 10%

48A D E G A >> Edição 148


Syrah e 10% Mourvèdre, com estágio de seis 25% Syrah, 10% Merlot e 5% Cabernet Variedades
meses em barricas de carvalho. Potente, carnudo
e concentrado, apresenta frutas negras seguidas
Sauvignon, com estágio de 19 meses em
tonéis usados de carvalho de 4 mil litros.
como
por notas especiadas, florais e defumadas. Tem Mostra aromas cativantes de amoras e cassis Sagrantino,
taninos de ótima textura e acidez refrescante, envoltos por notas florais, de especiarias Aglianico
que aplacam toda sua força, trazendo equilíbrio e doces e de alcaçuz, que se confirmam na
vivacidade ao conjunto. Tem final cheio e longo, boca. Estruturado e carnudo, surpreende
e Castelão
com toques terrosos e de couro. EM pelo equilíbrio do conjunto, mesmo em têm
meio a tanta potência e fruta madura, bem potência e
• Se o que lhe chama a atenção são os taninos e alcançado certamente por seus taninos de
a potência, vale a pena você experimentar algu- fina textura e seu final longo, com toques tanicidade
mas alternativas como vinhos feitos com a uva de grafite. Um autêntico Priorato, aliando similares ao
Sagrantino, na Úmbria, ou ainda a Aglianico, na
Campania, ambos da Itália. Outra opção seria os
elegância e untuosidade. EM
Cabernet
vinhos da variedade Castelão, especialmente da AD 90 pontos
Península de Setúbal, em Portugal. Novamente RISCO TINTO 2013
da Espanha, podemos citar ainda os blends do António Saramago, Península de Setúbal,
Priorato, muitos com base em Grenache e Ca- Portugal (Viníssimo R$ 81). Tinto elaborado
rignan, mas que às vezes levam a própria Caber- exclusivamente a partir de Castelão, sem
net, além de Merlot e Syrah, entre outras. passagem por madeira. Cepa típica de
Setúbal, reconhecida por seus taninos
AD 93 pontos marcantes e refrescante acidez. Mostra
MARTINET BRU 2013 ameixas e amoras acompanhadas de notas
Mas Martinet, Priorato, Espanha (Grand Cru florais, minerais e de especiarias doces, que
R$ 269). Tinto composto de 60% Garnacha, se confirmam na boca. EM

Edição 148 >> ADEGA 49


Pinot Noir
Diz-se que o “bebedor de Pinot” é o oposto de
quem aprecia Cabernet. E, sim, há uma certa di-
cotomia aqui que gera essa “disputa”. Se o Caber-
net representa potência, estrutura, corpo, taninos,
o Pinot, por sua vez, vai por um caminho distin-
to, ligado ao frescor, leveza, clareza. Lembrando
que essas são características genéricas. O enófilo
apaixonado por Pinot também não pode dizer que
tem poucas opções dentro da própria casta, pois
há milhares de rótulos no mundo. E, sendo a Pi-
not uma uva tão susceptível ao terroir em que está,
as variações “internas” já são muitas. Ainda assim,
não podemos desprezar alguns bons emuladores:

• Se o apreço pela Pinot se deve mais pelo lado


de frutas vermelhas e frescas, com taninos
presentes, mas não tão exuberantes, é possível
optar por tintos da região do Etna, na Sicília,
Itália. Nesse caso, veja os blends em que a uva
Nerello Mascalese está mais presente, pois ela
costuma ter os taninos suaves e os aromas ele-
gantes que emulam a Pinot.

91 pontos Tempranillo, sem passagem por madeira. No estilo Variedades como País,
do Chile, e Criolla, da
NICOSIA ETNA ROSSO 2013 Jovén, é cheio de tipicidade, mostra a Tempranillo Argentina, têm frescor
Nicosia, Sicília, Itália (Italiamais R$ 150). Tinto sem interferências, com seu lado cativante de que lembra o Pinot Noir

elaborado a partir de 80% Nerello Mascalese cerejas, de flores e de especiarias doces, além
e 20% Nerello Cappuccio, sem passagem por de agradáveis toques minerais e herbáceos. Um
madeira. Cerejas e morangos frescos aparecem vinho gostoso de beber e fácil de agradar. EM
em abundância tanto no nariz quanto na boca,
depois surgem notas florais, minerais, de ervas • Quer emuladores pouco prováveis da Pinot?
secas e de especiarias. Suculento e uma delícia de Experimente os vinhos feitos com as variedades
beber, tem taninos de boa textura, acidez vibrante País, no Chile, ou Criolla, na Argentina. São
e final persistente, com toques minerais e de uvas locais – diz-se que as primeiras trazidas da
frutas vermelhas ácidas, que o tornam ainda mais Europa – que geram vinhos repletos de frescor
gastronômico. EM de fruta, com taninos aveludados.

• Na mesma linha, podemos ainda sugerir vinhos • Outra fonte de alternativas ao Pinot, seguindo
de Tempranillo, mas agora – diferentemente esse estilo de frescor de fruta, é a Itália. Pode-
do caso da Cabernet – da região de Rioja, e, -se começar com os famosos Sangiovese da re-
de preferência, de estilo Jovén (com pouca pas- gião de Chianti – sem ser os Riserva –, Rosso
sagem por madeira). Outra opção espanhola di Montalcino, passando pelo Piemonte, com
seria um Garnacha da região de Gredos. os Nebbiolo menos pretenciosos e imponentes,
e chegando até o Vêneto, com os Bardolino e
AD 89 pontos Valpolicella.
CS TEMPRANILLO 2015
Carlos Serres, Rioja, Espanha (La Pastina R$ 51). AD 90 pontos
A vinícola foi fundada em 1896 por Carlos Serres DA VINCI ROSSO DI MONTALCINO 2011
e elabora este tinto exclusivamente a partir de Cantine Leonardo Da Vinci, Toscana, Itália (Cantu

50 ADEGA >> Edição 148


R$ 150). Tinto elaborado exclusivamente a partir crus da Prunotto, com breve passagem de 20%
de Sangiovese, com estágio entre sete e oito do vinho por barris de carvalho de 770 litros. Alguns
meses em tonéis de carvalho do leste europeu.
De boa tipicidade e com um estilo mais clássico,
Mostra a cepa de modo direto, franco e suculento,
prevalecendo a fruta fresca e vibrante. Por ser
Mencía,
com fruta vermelha madura e ao licor, escoltada gostoso e descomplicado, aparenta ser menos Barbera
por taninos de boa textura, gostosa acidez e final complexo do que realmente é. EM e Gamay
agradável, com toques terrosos e de cerejas. EM
• Quer algo semelhante a Pinot sem se “distan-
também
• Para quem aprecia Pinot de frutas mais cheias ciar” de suas origens? Opte por um Beaujolais. podem
e tons terrosos, especiados e defumados, pode- Lá a variedade Gamay é capaz de produzir vi- emular os
-se pensar em um Mencía, uva típica da região nhos que emulam seus vizinhos mais famosos
de Bierzo, na Espanha. Não à toa, muitos a da Borgonha. Mas não estamos falando aqui de Pinot
chamam de “Pinot espanhola”. Beaujolais Nouveau.

• Para quem aprecia o Pinot nem tanto por sua AD 91 pontos


fruta, mas por sua estrutura, por sua tensão, por DOMINIQUE PIRON MORGON CÔTE DE PY 2011
ser um vinho mais direto, as alternativas come- Dominique Piron, Beaujolais, França (Decanter R$
çam no Dão, com sua acidez gastronômica à 165). Tinto exclusivamente a partir de uvas Gamay
frente. Na mesma linha, vale a pena experi- advindas de Morgon, no Beaujolais. Cerejas e
mentar um Barbera piemontês. framboesas mais frescas dominam o nariz em
conjunto com notas florais, herbáceas e minerais.
AD 92 pontos Frutado, suculento e cheio de frescor, tem taninos
FIULOT BARBERA D’ASTI 2015 macios e final médio/longo, muito agradável.
Prunotto, Piemonte, Itália (Winebrands R$ 133). Aparentemente simples e fácil de beber, é a prova
Tinto elaborado exclusivamente a partir de uvas de que a Gamay pode sim produzir muito mais
Barbera advindas do vinhedo Costamiòle, um dos que Beaujolais Nouveau. EM

Edição 148 >> ADEGA 51


Chardonnay
O enófilo que gosta dos brancos de Chardonnay
já tem ideia do que vai encontrar toda vez que
abre uma garrafa, por mais que seja de um país
ou produtor diferente: corpo presente, muita
fruta, suculência, acidez moderada, talvez uma
pitada de tons tostados (se houver passagem por
madeira), um pouco de mel etc. E, novamente,
as variações sobre o mesmo tema, ou seja, a pró-
pria Chardonnay, são inúmeras no planeta. O es-
tilo pode variar conforme o terroir, mas também
de acordo com a vinificação, passagem ou não
por barrica e outras tantas coisas que deixam pe-
quenas ou grandes marcas no Chardonnay. Ain-
da assim, podemos encontrar excelentes alterna-
tivas a essa variedade clássica e suas diferentes
interpretações:

• Se o gosto pela Chardonnay é devido à sua es-


trutura e estilo de fruta, vale a pena experimen-
tar alguns brancos portugueses. Primeiramen-
te, os da Bairrada, feitos com Bical ou Maria
Gomes (também conhecida como Fernão Pi-
res), em seguida, os do Dão, desta vez produzi-
dos com Encruzado, preferencialmente os que
tiveram algum estágio em madeira.

AD 90 pontos
KELMAN ENCRUZADO 2013
Kelman, Dão, Portugal (Portus R$ 165). Branco
elaborado exclusivamente a partir de Encruzado, Blends brancos do
com fermentação malolática e posterior estágio Viognier advindas do vinhedo Vista do Bosque, Alentejo e do Douro
podem “se corresponder”
de 10 meses em barricas de carvalho francês. com estágio de 10 meses em barris de carvalho com alguns Chardonnay
Acanhado no nariz, mostra aromas de frutas francês de 300 e 600 litros. Surpreende pela tensão mais encorpados
brancas e de caroço acompanhados de notas e frescor do conjunto. De boa tipicidade, mostra
florais, tostadas e de especiarias doces, que se frutas tropicais e de caroço envoltas por notas
confirmam na boca. Encorpado, tem boa textura, florais e de especiarias, sempre num contexto de
acidez refrescante e final cheio, com toques bom volume de boca e gostosa acidez. EM
minerais e amanteigados. EM
• Para quem gosta de Chardonnay mais encorpa-
• Seguindo a mesma ideia, de vinhos brancos ri- do, com tons tostados e melados, costumeiros da
cos, com corpo e fruta, não se pode esquecer passagem por barrica, pode encontrar alternativas
da casta Viognier e seus exemplares da região também em Portugal. Desta vez, blends do Dou-
do Rhône, e, em alguns casos (principalmente ro ou do Alentejo, com seus Antão Vaz, muitas
em Bordeaux), da Sémillon. vezes complementados por Arinto e Roupeiro.

AD 90 pontos AD 91 pontos
GUASPARI VIOGNIER VISTA DO BOSQUE 2015 PÊRA-MANCA BRANCO 2009
Guaspari, Espírito Santo do Pinhal, Brasil (R$ 138). Fundação Eugênio de Almeida, Alentejo,
Branco elaborado exclusivamente a partir de uvas Portugal (Adega Alentejana R$ 460). Branco

52A D E G A >> Edição 148


mente) da Hungria, ou vinhos sicilianos da va-
a partir de Antão Vaz e Arinto, sendo 70% do
vinho fermentado em barricas de carvalho riedade Catarrato.
Algumas
francês, com posterior contato com as borras alternativas
finas durante 12 meses. Apresenta cor amarelo- AD 93 pontos
MARQUES DE MURRIETA
são Viura,
palha de reflexos dourados e aromas cativantes
de frutas brancas maduras e de caroço, notas CAPELLANÍA BLANCO RESERVA 2008 Vermentino,
florais, de baunilha e de frutos secos, além Marques de Murrieta, Rioja, Espanha (World Wine Furmint e
de toques minerais, quase salinos. Em boca,
é frutado, estruturado, tem ótima acidez e a
R$ 180). Elaborado exclusivamente a partir de
Viura, com fermentação e estágio de 19 meses
Catarrato
madeira bem colocada, aportando volume em barricas novas de carvalho francês. Muito
e untuosidade. A ótima acidez equilibra o complexo no nariz e na boca, aqui as notas
conjunto trazendo frescor e vivacidade. O final é oxidativas, que envolvem as frutas tropicais e de
longo e suculento, com notas de mel. EM caroço, são parte do estilo do vinho buscado pelo
produtor, muito típico em algum dos melhores
• Numa mesma linha, brancos de Viura, espe- brancos da Rioja. Um vinho com alma e força
cialmente de Rioja, na Espanha, emulam bem de tinto, que impressiona ainda mais no palato,
o Chardonnay. Alguns Vermentino, princi- mostrando ótima textura, acidez vibrante e final
palmente toscanos, também são opções nesse cheio, longo e profundo, com agradáveis toques
sentido, assim como os Furmint (secos obvia- salinos. EM

Edição 148 >> ADEGA 53


Sauvignon Blanc
Assim como a Pinot é muitas vezes vista como
o contraponto da Cabernet, a Sauvignon Blanc
também pode fazer um oposto à Chardonnay –
isso, obviamente, em termos genéricos. Se de um
lado há corpo, do outro há leveza. Quem apre-
cia Sauvignon Blanc tende a buscar mais acidez,
refrescância, sutileza, aromas mais verdes e fres-
cos e menos amanteigados. Novamente, a vasta
gama de Sauvignon pelo mundo é impressionan-
te, com variações importantes. Mas, além de op-
tar por apenas trocar de país e produtor, podemos
conferir diversas alternativas atraentes:

• Se sua preferência em relação ao Sauvignon


está no lado da acidez vibrante e do corpo sutil,
você pode encontrar boas alternativas na região
do Minho, em Portugal, com as castas Loureiro
e Arinto.

AD 91 pontos
QUINTA DO AMEAL CLÁSSICO LOUREIRO 2014
Quinta do Ameal, Minho, Portugal (Qualimpor R$
128). Este branco é composto de 90% Loureiro e
10% Arinto, com estágio entre três e seis meses
em tanques de inox. Impressiona pela tensão
do conjunto. Cheio de frescor e de intensidade,
mostra frutas cítricas em profusão, gostosa textura
e final profundo e untuoso, com toques salinos,
florais e de mel. EM
Uma das variedades que
costuma “imitar” o estilo
• Já se seu gosto tende a ir mais para o caráter gio, especialmente quando não há passagem da Sauvignon Blanc em
herbáceo e a estrutura, experimente algum por madeira. Pode-se encontrar diversos bons diversos aspectos é a
exemplar de Verdelho, ou Verdejo – aqui prin- exemplares mundo afora. Outras alternativas Pinot Grigio

cipalmente de Rueda, na Espanha. são a casta Ansonica ou Inzolia, típica da Si-


cília, na Itália, ou a Melon de Bourgogne, que
AD 89 pontos produz os famosos Muscadet Sèvre et Maine,
REAL COMPAÑIA DE VINOS VERDEJO 2014 do vale do Loire, na França, ou ainda a austría-
Real Compañia de Vinos, Castilla y Léon, ca Grüner Veltliner.
Espanha (Winebrands R$ 56). Branco elaborado
exclusivamente a partir de Verdejo, sem passagem AD 90 pontos
por madeira. Fresco e vibrante, mostra aromas GUY SAGET MUSCADET SÈVRE ET MAINE 2012
de frutas cítricas acompanhadas de notas Domaine Guy Saget, Loire, França (Mistral R$
herbáceas, florais e minerais. Gostoso de beber, 82). Branco elaborado exclusivamente a partir
é descompromissado e alegre, tem ótima acidez, de Melon de Bourgogne, sem passagem por
bom volume, certa textura e final médio, com madeira, mas mantido em contato com as borras
toques salinos e de limão siciliano. EM por vários meses. Um clássico dessa uva, chama
atenção pela mineralidade encontrada tanto no
• Uma uva que emula bem o estilo da Sauvig- nariz quanto na boca, que envolve as notas de
non Blanc, em diversos aspectos, é a Pinot Gri- frutas cítricas e de caroço. Seco, austero e cheio

54A D E G A >> Edição 148


de frescor, tem acidez vibrante, ótima textura, bom • Quer puxar mais para o lado da mineralidade Alguns
volume e final persistente, com toques salinos. EM (que se encontra principalmente em Sauvig-
non de Sancerre, no Loire, França, ou de Li-
vinhos do
• Pensou no frescor e nas notas florais do Sauvignon, marí, no Chile), tente um Assyrtiko, típico da Minho e
uma opção similar são os vinhos de Roero, no Lan-
ghe, Piemonte, ou ainda os Fiano, na Campania
ilha grega de Santorini. do Langhe
(DOC Fiano di Avelino), também na Itália. AD 91 pontos podem
ASSYRTIKO WILD FERMENTED 2013 agradar os
AD 91 pontos Gaía, Santorini, Grécia (Mistral -
TERREDORA FIANO DI AVELINO 2012 não disponível). Branco elaborado
amantes de
Terredora, Campania, Itália (Cantu R$ 130). exclusivamente a partir de Assyrtiko Sauvignon
Branco elaborado exclusivamente a partir de fermentado parcialmente em barricas de Blanc
Fiano, sem passagem por madeira. Mostra aromas carvalho francês e americano e em barricas
de frutas brancas e de caroço maduras, seguidos de acácia, todas de 225 litros, somente com
de notas florais, herbáceas, minerais e de frutos leveduras indígenas. Os aromas lembram
secos, que se confirmam na boca. Impressiona frutas cítricas maduras envoltos por notas
pela tensão, vibração e mineralidade do conjunto, especiadas e minerais. Mas, é na boca que
mesmo diante das frutas de caráter mais maduro merece atenção, com sua excelente acidez
e encorpado. EM e textura sedosa e aveludada. EM

Edição 148 >> ADEGA 55


ESCOLA DO VINHO | p o r ARNALDO GRIZZO
Degustar
sem cansar Como tirar o máximo proveito de uma feira ou
grande degustação de vinhos

V
ocê já foi a um grande evento de Sendo assim, com o calendário de eventos
degustação de vinhos? Uma feira começando a tomar forma nesse início de ano,
de alguma importadora talvez? que tal nos prepararmos para aproveitar ao máxi-
Assim que o ano começa, dá-se mo de um grande evento de degustação? Muitos
início também a um circuito de “iniciantes”, às vezes, se frustram nesses eventos,
diversos eventos (jantares temáticos, apresenta- pois vão com expectativas enormes, mas sem um
ções de produtores, feiras de importadores etc.) “plano de ataque”. Muitas vezes, saem decepcio-
que os enófilos, especialmente as pessoas do tra- nados consigo mesmos por não terem provado
de, costumam acompanhar. Mas você vai dizer: todos os vinhos à disposição, ou ainda não terem
“esses eventos são todos fechados para quem é do conseguido desfrutar de alguns vinhos como pre-
próprio mercado”. Engana-se. Grande parte tam- tendiam. Para que isso não ocorra, elaboramos
bém é aberto ao público consumidor. um “manual” para lhe ajudar. Mesmo que você
É verdade que as grandes feiras internacio- não seja um “iniciante” nesses eventos, algumas
nais, por exemplo, são dirigidas ao business e os das dicas a seguir provavelmente vão fazer com
produtores lá presentes querem apresentar seus que você tenha uma experiência ainda melhor
vinhos para potenciais revendedores. No entanto, em eventos de grande porte.
cada vez mais se vê uma abertura ao consumidor.
E, quando falamos de eventos no Brasil, especial- Preparativos
mente as feiras de importadores (cada vez mais fre- Vamos começar com os preparativos pré-degus-
quentes) e grandes provas e apresentações, como o tação. Primeiramente, pense em ir de táxi. Se
lançamento do Guia Descorchados, por exemplo, você pretende provar uma enorme quantidade
vemos que o consumidor tem prioridade. de rótulos, mesmo que durante um longo perío-
Nessas ocasiões, os produtores costumam já do de tempo, é provável que, ao final, não esteja
ter um representante oficial no país e estão lá em perfeitas condições para dirigir. E, com as res-
para promover seus vinhos entre os enófilos “co- trições da lei seca, por mais moderadamente que
muns”. Eles sabem que cada um que conquis- você beba, será autuado. Isto posto, lembre-se de
tarem com alguns poucos goles de seus vinhos chegar bem alimentado e bem-disposto. Muitos
pode significar vendas diretas ou a garantia de eventos servem canapés e comidinhas leves, mas
uma nova importação. É uma ação de marketing assegure-se de chegar devidamente alimentado,
direta e poderosa de que nenhum produtor do pois degustar de estômago vazio não lhe fará bem.
mundo tem se furtado ultimamente. Uma boa Evite também esses eventos caso esteja doente.
relação com o cliente é quase tão importante Um resfriado, por exemplo, limita as sensações
divulgação Prowein

quanto a qualidade do vinho na taça. de olfato e paladar e acaba prejudicando qualquer

Edição 148 >> ADEGA 57


tentativa de realmente desfrutar dos vinhos. Lem-
bre-se ainda de se vestir conforme a ocasião requer
(cada evento costuma ter um dress code, que pode
ir do superformal ao informal, mas provavelmen-
te nunca será extremamente informal), usando
sempre roupas confortáveis – ou seja, se for a uma
feira, por exemplo, evite salto alto, pois você ficará
em pé por muito tempo. Lembre-se também de
evitar o uso de perfumes. As pessoas estão lá para
apreciar os delicados aromas do vinho e não a sua
fragrância íntima. Outra preocupação deve ser
com os dentes. Provar muitos vinhos tintos prova-
velmente deixará sua boca arroxeada, mas, além
desse problema estético, a acidez pode sim com-
prometer o esmalte dos dentes. Escovar após a de-
fotos: divulgação Prowein

gustação não é o indicado, pois pode piorar ainda


mais o quadro. Para minimizar isso, beba bastante
água e, se for o caso, traga um chiclete para depois
do evento.

Etiqueta
Nesses eventos, raramente você está sozinho na “tempinho a sós” com algum produtor. Então,
hora de provar um vinho. Ao mesmo tempo que se você pretende provar algum rótulo específico
Se quiser
você está em um estande de um produtor, pode “com tempo”, vá direto nele. Se você quer saber “privacidade”,
haver diversas pessoas ao seu lado, amontoando- mais sobre um rótulo, vá direto conversar com o chegue cedo,
-se para provar uma taça e ouvir um pouco do produtor. E, sim, se houver algum grande ícone
que esse produtor tem a dizer sobre seus rótulos. sendo oferecido e você quer um gole, é melhor
mas, ainda
Sendo o vinho uma das coisas mais civilizadas chegar cedo, pois, no fim do dia, talvez não haja assim, lembre-
do mundo, segundo Ernest Hemingway, é preci-
so senso de civilidade nesses momentos e todos
mais nenhuma garrafa disponível. se de não
precisam saber esperar a sua vez. Lembre-se, o Não vá para provar de tudo um pouco monopolizar
produtor não está lá apenas para servir o vinho, A não ser que a degustação não apresente de- as atenções
ele está lá para apresentar o vinho. É diferente. zenas de rótulos e você não seja um degustador
Portanto, não estique a taça esperando simples- profissional, não vá para o evento pensando em
mente que ele lhe sirva. Seja cortês, pergunte se provar tudo o que estiver por lá. Se houver, por
pode provar algo ou então o que ele sugere. E, exemplo, 20 produtores, cada um com cinco ró-
sabendo que você não está lá sozinho, mas com tulos diferentes, pense em provar um ou dois de
diversas pessoas ao seu redor, não monopolize o cada, com calma, realmente apreciando o que
produtor. Faça perguntas diretas, ouça o que ele estiver em sua taça.
tem a dizer, agradeça e deixe a fila andar.
Cuspa
Quem cedo madruga Alguns podem até achar um pouco nojento, mas
Grandes eventos costumam atrair muitos pro- aqueles baldes que ficam nas mesas em que os
dutores e muita gente interessada em provar produtores apresentam seus vinhos são, sim, para
seus vinhos. Se você pensa em ter um pouco cuspir vinho. Apesar de a quantidade de bebida
de “privacidade” para degustar alguns rótulos, servida ser bem pequena, não se pode negligen-
planeje chegar cedo. Quanto mais tempo passa, ciar o montante de vinho que se pode ingerir
mais pessoas se acumulam e mais difícil ter um durante toda uma tarde de degustação. Se você

58 A D E G A >> Edição 148


tomar 20 taças de 30 ml, por exemplo, terá con- com moderação, na água pode beber sem qual-
sumido 600 ml, lembrando que mais de 10% dis- quer problema. Além de ajudar a limpar o pala-
Tente provar
so é álcool. Portanto, se quiser aproveitar mais, dar para o próximo vinho, a água ainda hidrata o os vinhos
faça como os profissionais, coloque o vinho na organismo, retardando os efeitos do álcool. em uma
boca, faça ele passear pela língua, sinta os aromas
e sabores, e cuspa, sem medo, sem vergonha. Se Trace um plano sequência
quiser sorver o vinho, sorva quantidades mínimas Quando se vai a um jantar de vinhos, ou a uma que não deixe
e daqueles rótulos que acredita que realmente
valem a pena.
apresentação de rótulos de um determinado pro-
dutor, é comum que os vinhos sejam servidos
o seu paladar
em uma determinada ordem. Dos brancos para cansado e
A taça os tintos, por exemplo, e por fim os doces. Em não se iluda
Na maioria dos eventos, você recebe uma taça e um grande evento, com diversos produtores e
fica com ela até o final, provando tudo, sem tro- muitos rótulos para provar, você também pode
com a remota
car, sem lavar. Isso não é problema, mas lembre- seguir uma ordem. Isso certamente vai lhe ajudar possibilidade
-se de avinhar a taça para que os sabores e aromas a apreciar melhor cada vinho. Seu paladar ficará de provar
dos vinhos anteriores não se somem aos seguintes menos cansado e mais apto a apreciar diferentes
e, no fim, você esteja provando um blend de di- nuances se não ficar estressado com a alternância todos
versos rótulos. Sendo assim, de tempos em tem- de vinhos de diferentes estilos. Sendo assim, co-
pos, passe um pouco de água no fundo ou então mece, por exemplo, provando apenas os brancos
peça gentilmente para que o produtor sirva ape- e rosés. Passe depois para os tintos. Se conseguir,
nas um fundinho para que você possa avinhar e, divida os tintos em leves e encorpados. Se em
depois, sirva o vinho propriamente. meio a tudo isso perceber que os sabores estão
começando a se confundir em sua boca, uma boa
Não se esqueça da água alternativa é provar alguns espumantes. A acidez
Em toda degustação, além das garrafas de vinho ajudará a limpar o paladar novamente. Por fim,
à disposição dos enófilos, há também jarras de prove os doces e fortificados, pois eles tendem a
água. Se no caso dos vinhos você deve ir sempre tomar seu paladar de forma avassaladora.

Edição 148 >> ADEGA 59


Faça anotações para que
depois possa se lembrar mais
facilmente dos seus vinhos
preferidos e do porquê de
ter gostado deles

Menos é mais
Novamente, não se desespere para provar de tudo
um pouco. Por mais treinado que seu paladar seja,
ele não vai conseguir apreciar devidamente tudo
o que você colocar na boca. Então, vá preparado
e consciente. Não é uma competição de quem
bebeu mais e melhor. Não se sinta pressionado
se ouvir algo como: “Já provei todos os vinhos
da fileira da direita, agora só faltam os da esquer-
da”. Ou então: “Você já provou aquele produtor?
Você tem que provar. Como assim ainda não foi
divulgação Prowein

lá?” Vá para desfrutar. Se não conseguir provar


algo que algum amigo classificou como “imper-
dível”, não se aflija. Cada um aproveita como
pode. E, se for tão imperdível assim, veja se ele
Não se desespere compra uma garrafa e lhe convida para degustar
se, no fim, não tiver
provado aquele vinho
Só clássico? algum dia em casa com calma.
“imperdível”, pois Sim, muitos enófilos vão a um evento para pro-
certamente você terá
degustado e aprendido
var determinados vinhos que já lhes são familia- Sem extremos
muito res. Não à toa, os grandes nomes costumam estar Não é raro vermos enófilos frustrados por terem
sempre lotados de gente ao redor. Mas, se você já ido provar algum vinho específico e, depois da
conhece o vinho, que tal aproveitar os outros “des- prova, acharem-no decepcionante. Lembre-se
conhecidos” que estão em volta? Não seria mais que provar um vinho em uma grande degusta-
proveitoso? Deixe-se levar pelas novidades e, com ção, com muitas pessoas em volta, doses diminu-
certeza, você terá grandes e boas surpresas. tas, taças nem sempre apropriadas, temperatura
de serviço que pode variar etc., dificilmente terá
Faça comparações e anotações o mesmo glamour de provar uma única garrafa,
Como dito anteriormente, sua ideia não deveria em casa, olhando o pôr do sol pela janela, apre-
deteriorar o palato provando o máximo de vinhos ciando um belo jantar. Ou seja, aquele vinho
aleatoriamente, mas usar esses eventos de degus- que lhe encantou tempos atrás em outra ocasião,
tação para realmente apreciar e aprender. Se o pode agora lhe parecer sem graça. Por outro lado,
produtor estiver servindo, converse com ele. Se pode acontecer de você se encantar com um vi-
houver diversos vinhos de um mesmo estilo, mas nho durante esse evento e, mais tarde, provar a
de produtores diferentes, é uma ótima oportuni- garrafa e não achar nada demais. Sim, o ambien-
dade de comparar. Diante de diversos rótulos, te conta. Ainda assim, devemos evitar impulsos
por melhor que seja sua memória, a melhor coisa extremistas. Se um vinho lhe agradou ou não,
a fazer é tomar notas para posteriormente poder faça uma segunda prova, tente se “distanciar” do
lembrar quais vinhos provou, quais mais o agra- ambiente para realmente compreender as quali-
dou e o porquê. dades daquele rótulo.

60 A D E G A >> Edição 148


TENHA NA PALMA DE SUA MÃO A MAIOR
REVISTA DE VINHOS DO BRASIL

deslumbrantes dos grandes vinhos; regiões produtoras,


vinícolas, entrevistas, viagens, dicas de harmonização e
centenas de avaliações independentes de vinhos para todos os
gostos, bolsos e ocasiões.

ACESSE JÁ O MELHOR

CONTEÚDO DE VINHOS DO

B R A S I L PA R A S E U TA B L E T O U www.revistaadega.com.br
SMARTPHONE. www.facebook.com/revistaadega
www.twitter.com/revistaadega
CURIOSIDADES | p o r ARNALDO GRIZZO

O vinho dos
glutões de
DANTE A história do Vernaccia de San Gimignano,
citado na Divina Comédia

A
meio caminho entre Florença e Sie- No segundo conto da décima e última jornada
na, ao leste, pode-se ver ao longe as do Decamerão, Boccaccio fala sobre as proprieda-
altas torres de uma cidadela que se des medicinais do “Vernaccia di Corniglia”, capaz
destaca por seus prédios medievais de curar o abade de Cluny de seus problemas es-
(e mais recentemente pelo gelato, tomacais. Estamos no século XIV e o vinho que
dito o melhor da Itália, quiçá do mundo). Por isso, originalmente seria de San Gimignano já era “re-
San Gimignano é um dos pontos turísticos mais plicado” em outros locais, como na Ligúria, espe-
atrativos da Toscana. Do alto de suas torres, pode- cialmente na região de Cinque Terre (Corniglia)
-se observar os vales verdejantes que rodeiam toda e também na Lombardia, com o Vernaccia di
a cidade. Cellatica, ou ainda na Calábria, com o Vernaccia
Se hoje ela recebe milhares de turistas du- di Santo Noceto. Na verdade, acredita-se que o
rante o ano, na Idade Média ela também foi um nome Vernaccia derive de Vernazza, uma comu-
polo de atração. Acredita-se que San Gimignano na das Cinque Terre.
era um ponto importante para os peregrinos que
iam a Roma, especialmente devido à produção de Reis, papas e glutões
açafrão e também de seu vinho, o então famoso Sabe-se que Vernaccia di San Gimignano já era
Vernaccia di San Gimignano. popular no século XIII. Os primeiros registros de
Esse vinho branco, originalmente produzido nas pagamentos de impostos sobre a venda do vinho
colinas da cidade, tornou-se famoso não somente na na cidade são de 1276. E o vinho deveria ser mes-
Itália, mas em boa parte da Europa na época, tanto mo famoso, pois outra obra marcante da literatura
que aparece citado por importantes autores como ocidental cita-o. Em sua jornada do inferno ao
Giovanni Boccaccio e Dante Alighieri, em suas obras- paraíso guiada pelo poeta Virgílio, Dante esbarra
-primas, como o Decamerão e a Divina Comédia. com um pecador no purgatório.

62 ADEGA >> Edição 148


“Alegoria de San Gimignano e Colle Val
d’Elsa” no salão do Palazzo Vecchio em
Florença, de Giorgio Vasari
divulgação
San Gimignano era um
ponto importante para os
peregrinos que iam a Roma,
“Questi e, mostrò col dito, è Bonagiunta. Bo- trecho, dito “Conto do Mercador”, o velho per-
especialmente devido à
produção de açafrão e de nagiunta da Lucca: e quella faccia di Ià da lui sonagem Januário é aconselhado a beber um
vinho più che l’altra trapunta ebbe la Santa Chiesa e pouco do vinho na hora de ir para cama com a
le sue braccia: dal Torso fu, e purga per digiuno sua jovem noiva “para lhe dar coragem”. Outros
l’anguille di Bolsena e la Vernaccia”. Neste tre- ainda “cantaram” o Vernaccia, como os franceses
cho do Purgatório, que fala dos pecados da gula, Deschamps e Jean Froissart, por exemplo.
Dante encontra um parente seu que vai enu- No século XV, o vinho de San Gimignano apa-
merando algumas pessoas que estão “pagando”, rece nas mesas da corte florentina, especialmente
entre elas o papa Martinho IV, que está sendo no casamento de Bernardo Rucellai com Nannina
purgado, por seu gosto excessivo por enguias do Médici, irmã de Lourenço de Médici, o Magní-
lago Bolsena e por Vernaccia. fico. Mas ele também está nas taças dos milane-
Mas o vinho não se restringe aos versos e à ses. Em 1487, Ludovico Sforza, o Mouro, duque
prosa italiana. O escritor britânico Geoffrey de Milão, encomendou 200 frascos de Vernaccia
Chaucer também escreveu sobre o Vernaccia para as bodas de Isabella de Aragão, filha do rei de
em seus famosos Contos da Cantuária. Em um Nápoles, e Gian Galeazzo Sforza, seu sobrinho.

64 ADEGA >> Edição 148


A procura do vinho pelos poderosos era tama-
nha que, em 1477, a cidade já havia designado
dois degustadores oficiais para que fossem forne-
cidos apenas “o melhor e mais bem condiciona-
do” vinho produzido.
Quase um século depois, Vernaccia di San
Gimignano mantinha seu status, celebrado por
Sante Lancerio, em sua obra “Da natureza dos
vinhos e das viagens de Paulo III”. Lancerio era o
que se pode chamar de sommelier particular do
papa. Grande entendedor de vinhos, ele diz que
Sua Santidade esteve na região por volta de 1536,
na comuna de Poggibonsi, a menos de 20 quilô-
metros de San Gimignano, “onde havia alguns
excelentes vinhos de San Gimignano (...), in-
cluindo o requintado Vernaccia, que ele tomou
quantidades abundantes, honrando o lugar”.
Lancerio lembra ainda que, em 1541, o papa
solicitou à cidade 80 garrafas de Vernaccia. “É
uma bebida perfeita para o senhorio, e é uma
pena que este lugar não produza muito”, lamen-
tou, alegando que os munícipes davam muita
importância à arte e à ciência, mas não o sufi-
ciente à soberba qualidade da bebida produzida.
Segundo ele, o Vernaccia estava no topo da clas-
sificação dos vinhos doces do mundo, junto com
Malvasia e Greco d’Ischia.

Pintura e primazia
A fama do vinho de San Gimignano era tama-
nha que não se restringiu à literatura, aparecen-
do também em trabalho de Giorgio Vasari, que Em sua passagem pelo
pintou a “Alegoria de San Gimignano e Colle Purgatório, Dante e Virgílio
encontram o papa Martinho
Val d’Elsa” no salão do Palazzo Vecchio em Flo- durante o começo do século XX, mas somente
IV, que está sendo purgado
rença. Nela está retratado um sátiro que bebe na década de 1960 é que as vinhas começaram a por seu gosto por enguias do
Vernaccia. ser replantadas. Devido muito à sua história, em lago Bolsena e por Vernaccia

Já no século XVII, uma das obras mais famo- 1966 ele se tornou o primeiro vinho italiano a
sas sobre os vinhos toscanos, “Bacco in Toscana”, obter a Denominação de Origem Controlada.
de Francesco Redi, também trata do Vernaccia. Se antes o Vernaccia di San Gimignano era um
“Se houver alguém que não gosta do Vernaccia vinho doce, atualmente é um branco seco, de boa
colhido em Pietrafitta, interdito, amaldiçoado, acidez, com tons florais e minerais. A região possui
fuja da minha vista e o sofrimento sempre engu- 1.900 hectares de vinhas, sendo que 720 são desti-
la”, dizem os versos. nados à produção de Vernaccia di San Gimignano
Nos anos seguintes, porém, o Vernaccia min- e 450 para a produção de San Gimignano. O res-
guou. Desaparecendo dos vinhedos toscanos, fi- tante é dedicado à produção de Chianti, Chianti
cando restrito a algumas poucas propriedades em Colli Senesi e IGT Toscana. Hoje existem cerca
que os donos mantinham juntamente com outras 170 vinícolas que tentam devolver o Vernaccia ao
variedades. Houve tentativas de renascimento posto de vinho célebre.

Edição 148 >> ADEGA 65


DOC | p o r EDUARDO MILAN

No seu
devido lugar Nos últimos anos, os brancos da DOCG Vernaccia
de San Gimignano estão cada vez mais consistentes,
justificando a fama que tiveram no passado

N
as últimas décadas, ofuscado pelos
nobres vinhos de Chianti Classico e
Brunello di Montalcino, o Vernaccia
de San Gimignano, um dos vinhos
mais reputados da Idade Média, vem
buscando novamente ocupar o lugar de destaque que
tanto merece, pelo menos pelos ótimos rótulos que
provamos recentemente. Apesar de não ter a preten-
são de ser o melhor branco da Itália, considerando os
cuidados cada vez maiores dedicados tanto aos vinhe-
dos quanto ao processo de vinificação, seguramente
tem potencial para estar entre os melhores, principal-
mente quando pensamos em vinhos frescos, vibran-
tes, com bom volume de boca, gostosa textura e um
caráter especialmente gastronômico.
A uva Vernaccia di San Gimignano é única e é cul-
tivada praticamente só na Toscana (parte central em
direção ao sudoeste de Florença), não tendo relação
com outras uvas homônimas. As normas da DOCG
permitem uma pequena porcentagem de outras uvas
como Chardonnay, Trebbiano Toscano e Sauvignon
Blanc, mas poucos produtores têm o costume de fazer
isso, temerosos de mascarar as características marcan-
tes da Vernaccia.

66 ADEGA >> Edição 148


Edição 148 >> ADEGA 67
A evolução dos vinhos de Vernaccia
di San Gimignano tem sido
impressionante nos últimos anos

CURIOSIDADE Existem três categorias de Vernaccia di San Gi- sistência” e “caráter”, principalmente nas catego-
Vernaccia de San mignano: Annata, Selezione e Riserva. A primeira rias Annata e Selezione. Ou seja, encontramos
Gimignano foi a é a mais comum e geralmente não tem nenhuma um nível médio alto, algo até surpreendente para
primeira DOC da
Itália em 1966,
passagem por madeira. Já a segunda, pode ser uma sua faixa de preço (vendidos na Europa e Estados
exatamente no seleção de vinhedo ou da vinícola, algumas podem Unidos geralmente abaixo de US$ 15). Quanto
mesmo ano em que ter mais tempo de contato com as peles e/ou fer- à categoria Riserva, a disparidade de estilos é um
os italianos criaram mentação/estágio em madeira. Por fim, a terceira pouco maior (às vezes, a madeira ofusca o frescor
essa classificação
para enaltecer a categoria, os Riserva, têm que obrigatoriamente en- e a tensão, tornando o vinho “pesado”), mas nada
qualidade de seus velhecer por um ano (em 2018 serão lançados os comparado aos variados estilos de Chardonnay
melhores vinhos. Riserva 2016, por exemplo) e, na maioria das vezes, ou de Sauvignon Blanc, por exemplo.
Em 1993, Vernaccia
di San Gimignano são fermentados e/ou estagiados em madeira. Quanto ao estilo predominante dos vinhos de
ganhou o status de ADEGA está desde 2016 acompanhando Vernaccia di San Gimignano, os que se mostra-
DOCG. Nesse caso, mais detalhadamente os progressos dos brancos ram melhor foram aqueles que, independente-
a primeira DOCG da
Itália foi a de Brunello
da região de San Gimignano. Nos anos 2016 e mente da categoria, conseguiram revelar harmo-
di Montalcino em 2017, visitamos essa bucólica cidade por três ve- nicamente o que essa uva tem de melhor: acidez
1980. zes distintas e degustamos durante essas viagens vibrante, textura adstringente que traz sustenta-
mais de 200 Vernaccia de San Gimignano dos ção ao meio de boca, além de final com aspec-
mais diversos produtores, tanto de safras recentes tos salinos e de cascas de frutos secos, que alguns
(a maioria), quanto de safras mais antigas e as pa- associam a um leve amargor, geralmente seme-
lavras para definir nossas impressões foram “con- lhante ao de quando comemos nozes.

68 ADEGA >> Edição 148


VINHOS DEGUSTADOS

AD 91 pontos AD 93 pontos DICAS DE VIAGEM


ALESSANDRO TOFANARI CIPREA 2015 LUCII LIBANIO - CASA LUCII 2016
Alessandro Tofanari, Toscana, Itália. Fresco, Luccii Libanio - Casa Lucii, Toscana, Itália. Um Onde se hospedar:
estruturado, ótima textura, deliciosa acidez e final Vernaccia de carteirinha, com todo frescor, textura PALAGETTO: essa
cítrico, com toques salinos. EM lembrando giz, muita fruta de caroço e bom volume vinícola possui
de boca. Tem vibrante acidez e final profundo e três lindas vilas
AD 92 pontos delicioso, com toques salinos e frutos secos. EM (Palagetto, Arnilú
FATTORIA POGGIO ALLORO LE MANDORLE RISERVA 2015 e La Lucciolaia)
Fattoria Poggio Alloro, Toscana, Itália. Grande vinho AD 91 pontos nos arredores de
San Gimignano
no estilo com madeira, mas precisa de tempo para MONTENIDOLI FIORE 2014
onde os hóspedes
integrar todo esse potencial. Cremoso, frutos secos, Montenidoli, Toscana, Itália. As notas de cítricos em podem sentir todo
amêndoas. Ainda muito jovem. EM compota seguidas de toques minerais e florais são savoir faire de
sustentadas por refrescante acidez e gostosa textura. viver no interior
AD 92 pontos Ótimo exemplo da variedade, é austero, cheio e tem da Toscana. www.
IL COLOMBAIO DI SANTA CHIARA CAMPO DELLA PIEVE 2015 final profundo, com toques salinos. EM agriturismoniccolai.it
Il Colombaio di Santa Chiara, Toscana,
Itália. Gostoso de beber, bom AD 92 pontos VILLA SAN PAOLO -
volume, ótima tipicidade, PALAGETTO SANTA CHIARA 2016
www.villasanpaolo.
com
textura lembrando giz e Palagetto, Toscana, Itália.
final persistente, com Num estilo mais austero, RELAIS LA
toques salinos e de seco e estruturado. Muito CAPPUCCINA - www.
frutos secos. Ótima gostoso de beber, tem lacappuccina.com
tipicidade, gostoso acidez refrescante,
de beber. EM ótima textura e final Onde comer:
persistente, com GELATERIA DONDOLI -
Apesar da infinidade
AD 91 pontos toques salinos. EM
de ótimos sabores,
IL LEBBIO 2015 concentre-se nos
Il Lebbio, AD 92 pontos clássicos, que são
Toscana, SAN QUIRICO 2016 imperdíveis. www.
Itália. Mostra San Quirico, gelateriadondoli.com
pêssegos Toscana, Itália.
maduros Aqui a excelente RISTORANTE FUORI
seguidos de acidez molda PUORTA - Além
de oferecer ótima
notas florais e tudo, mais austero,
comida típica
de frutos secos, tem gostosa textura, toscana, o chef e
que se confirmam muita tipicidade proprietário Ugo
na boca. Tenso e e final longo, com é especialista
vibrante, tem acidez toques salinos e de em frutos do
refrescante, ótima textura frutos secos. EM mar e comida
e final persistente, com mediterrânea.
toques salinos. EM AD 93 pontos - http://
TENUTA LE CALCINAIE ristorantefuoriporta.
AD 93 pontos VIGNA AI SASSI RISERVA 2010 com
IL PALAGIONE HYDRA 2009 Tenuta Il Calcinaie, Toscana, Itália. Está RISTORANTE
Il Palagione, Toscana, Itália. Prova da capacidade envelhecendo muito bem. Mostra notas minerais, de BELSOGGIORNO -
de envelhecimento da variedade, ainda está muito frutos secos, cítricos e de caroço, tudo envolto por comida típica da
vivo. Tenso e profundo, tem textura cremosa, acidez deliciosa acidez, bom volume de boca e final longo e Toscana apresentada
vibrante e final persistente, com toques cítricos e de equilibrado, com toques salinos e de maracujá. EM com ares mais
frutos secos. EM requintados, e
AD 92 pontos como acréscimo
AD 92 pontos TENUTE GUICCIARDINI STROZZI TITOLATO STROZZI 2016 tem uma das vistas
LA LASTRA RISERVA 2014 Tenute Guicciardini Strozzi, Toscana, Itália. Esbanja mais belas das
colinas da Toscana.
La Lastra, Toscana, Itália. Num estilo mais austero e acidez, mostra estilo mais austero e seco, com sua
-www.ristorante-
seco, sustentado por ótima acidez, textura cremosa textura de giz ditando as regras, tudo num contexto belsoggiorno.it
e ótimo volume de boca. Final cheio e longo, com de muito frescor, frutas cítricas e brancas e final
toques de frutos secos e de limão siciliano. EM cativante e persistente com toques minerais. EM

Edição 148 >> ADEGA 69


ENOARQUITETURA | p o r ARNALDO GRIZZO

70 ADEGA >> Edição 148


MUSEU
CONTEMPORÂNEO
Vinho, arte e arquitetura convivem em um local
idílico em Provence

Pavilhão da Música,
projeto do consagrado
arquiteto Frank O. Gehry

Edição 148 >> ADEGA 71


“Eu queria capturar o mesmo
espírito, muito humilde, de uma
pintura de Cézanne”, afirma
Tadao Ando
Andrew Pattman

Vinícola-

A
o olhar pela fachada em direção à como também permite um deslumbre aos olhos
lâmina d’água logo se vê uma das dos visitantes que se deparam com mais de 20
famosas aranhas da mundialmente obras e instalações magníficas, sem contar as ex- museu conta
famosa Louise Bourgeois. Desvian- posições temporárias em seus pavilhões. com mais de
do um pouco o olhar para outra O museu-vinícola, mantido por um grupo de
posição vê-se um dos conhecidos móbiles de Ale- investimentos irlandês, contempla o mundo viti-
20 obras e
xander Calder. Andando um pouco, sobre uma vinícola associando completamente o elemento instalações,
leve colina, uma instalação de ninguém menos da arte e da cultura através de obras que vão sen- além de
que Frank Owen Gehry. No meio de algumas do acrescidas ao “catálogo” do local.
árvores, uma intervenção do escultor brasileiro abrigar
Tunga. A cada passo, cada olhar, uma surpresa. Do vinho à arte exposições
Pode-se pensar que tudo isso, mais uma série
de prédios e outras obras projetadas simplesmente
Começando pelo vinho, deve-se dizer que os ró-
tulos são produzidos desde 2008 em dois grandes
temporárias
pelo mestre japonês Tadao Ando, além das estru- edifícios contemporâneos concebidos por Jean
turas do premiado arquiteto francês Jean Nouvel, Nouvel. Eles possuem forma esférica e, de cer-
fazem parte de um grande museu à céu aberto, no ta forma, lembram estufas ou antigos armazéns
estilo do Instituto Inhotim, de Minas Gerais, mas agrícolas que ainda hoje podem ser vistos nessa
não. Tudo isso faz parte do Château La Coste. região do sul da França.
Uma vinícola, à princípio, o Château La Cos- Cada edifício tem 10 metros de altura e é fei-
te fica na comuna de Le Puy-Sainte-Réparad, to de alumínio ondulado. O menor e aberto em
não muito distante de Aix-en-Provence e possui um dos lados serve para a recepção das uvas, a
cerca de 200 hectares de terras onde produz não seleção manual e contém três grandes prensas.
Andrew Pattman

somente belos vinhos (brancos, tintos e rosés) O maior, que tem a fachada frontal vedada por

72 ADEGA >> Edição 148


Andrew Pattman Dronimage
O centro de arte e seu plano em
forma de V foi concebido pelo
arquiteto Tadao Ando
fotos: Andrew Pattman

74 ADEGA >> Edição 148


A parte “vinícola” é composta por
dois prédios com coberturas de
alumínio ondulado projetados por
Jean Nouvel

uma série de viseiras, fica com parte de engarra- “V” abriga a recepção e uma livraria, enquanto Os passeios
que a outra inclui um restaurante com vista para
famento e o estoque. As barricas ficam guardadas
16 metros abaixo do solo. a água e as vinhas.
costumam
As paredes são feitas de concreto simples e durar cerca
Inspiração em Cézanne liso marcadas por uma série de pontos cônicos de duas
Além da vinícola, o Château La Coste tem ver- e organizadas em proporções estilo tatame. Isso
dadeiramente um centro de arte. Este centro cria linhas geométricas intrigantes. Há uma inte-
horas e
foi concebido por Tadao Ando. O prédio adota ração entre espaços internos e externos, além da custam 15
muitos dos elementos que caracterizam a obra
do mestre japonês, dando voz à luz natural e à
integração com a paisagem, tudo isso destacado
pela colunata que desaparece entre o prédio e as
euros
natureza em si. Logo à frente do edifício há uma videiras. “O que tentei fazer aqui, por causa da
lâmina d’água “infinita” que esconde o estacio- presença de Cézanne em Aix, foi criar novos tra-
namento subterrâneo e serve de palco para o ní- balhos próximos da natureza. Eu queria capturar
vel superior que tem forma de V. Ele é margeado o mesmo espírito, muito humilde, de uma pintu-
por elevações inteiras de vidro e uma das alas do ra de Cézanne”, afirmou Ando.

Edição 148 >> ADEGA 75


Uma das famosas aranhas da
artista Louise Bourgeois fica sobre
a lâmina d’água
Easton Fondation New York

Museu contemporâneo
Em meio a tudo isso, artistas e arquitetos foram os diversos artistas e arquitetos que deixaram sua
convidados a visitar o château e encorajados a es- marca por lá estão Paul Matisse (neto de Henry
colher um lugar na paisagem que lhes inspirasse. Matisse), com seu sino de meditação, cujas ba-
Mais que isso, eles tiveram a liberdade de criar daladas soam por 10 minutos, além do japonês
um trabalho para compor com o local. “O Châ- Hiroshi Sugimoto com seu Modelo Matemático,
teau La Coste continuará evoluindo à medida Tom Shannon com a sua “Gota”, e outros diversos
que novos projetos e instalações forem desenvol- trabalhos “fixos” de Tracey Emin, Liam Gillick,
vidas”, afirma o site da vinícola. Larry Neufeld, Jean-Michel Othoniel, Richard
Como um museu, o Château La Coste cobra Serra, Lee Ufan, Michael Stipe, Franz West etc.
entrada (15 euros) e, como uma vinícola, também isso ainda sem contar as exposições temporárias
cobra pelas degustações (12 euros). A organização que ocorrem no pavilhão de exposições projetado
recomenda agendar as visitas e afirma que os pas- pelo italiano Renzo Piano. Nunca vinho e arte fi-
seios costumam durar cerca de duas horas. Entre zeram tanto sentido juntos.

76 ADEGA >> Edição 148


ALGUNS DOS TRABALHOS DO CHÂTEAU LA COSTE
FOUR CUBES TO
CONTEMPLATE OUR
MULTIPLIED RESISTENCE ENVIROMENT
SCREENED 2010 Obra de Tadao Ando
Obra de Liam Gillick

FAUX-PAS 2006
Obra de Franz West

LA GRANDE
CROIX
ROUGE
2007-2008
Obra de
Jean-Michel
Othoniel

CHAPEL
Obra de
Tadao Ando

MATHEMATICAL MODEL 012


SURFACE OF REVOLUTION
WITH CONSTANT NEGATIVE
CURVATURE 2010
Obra de Hiroshi Sugimoto

PSICOPOMPOS
2011 OAK ROOM 2009
Obra do brasileiro Obra de Andy Goldsworthy
Tunga
fotos: Andrew Pattman

CALIX MEUS
INEBRIANS 2009
Obra de Guggi

MEDITATION
BELL 2012
Obra de Paul
Matisse

DROP 2009
Obra de Tom Shannon
Tom Shannon
CAVE
Para esta edição, a
C A D E R N O D E AVA L I A Ç Ã O D E ADEGA
Tabela de avaliação
equipe de avaliadores Classificação Pontos
de ADEGA provou Extraordinário 95 A 100
mais de 2.000 Excelente 91 A 94
vinhos, dos quais Ótimo 89 A 90
selecionamos 82, Muito Bom 87 A 88
que estão em nossas
Bom 85 A 86
páginas
Regular 82 A 84
Avaliações por Fraco ABAIXO DE 82
Editor de vinho:
Evolução
Eduardo Milan (EM)
= Beber
Beto Duarte (BD), = Beber ou Guardar
Christian Burgos (CB), = Guardar
Christiane Miguez (CM),
Observações
Guilherme Velloso (GV),
= BEST BUY - Melhor custo-benefício
João Paulo Gentille (JPG),
Os preços são aproximados no varejo e
O
Juliana Trombeta Reis (JTR) sujeitos à variação.
e Mauricio Leme (MSL) = Vinhos degustados em ocasiões
especiais – lançamentos e raridades –
www.oMelhorVinho.com.br
e, portanto, não às cegas.

Degustações realizadas no restaurante


Praça São Lourenço com ajuda do sommelier
Gustavo dos Santos Barros Espumantes, página 80
Brancos, página 81
Rosés, página 83
Tintos, página 84
Doce, página 90
Eventos, página 90

Hora do saca-rolha
ESPUMANTES

AD 89 pontos AD 91 pontos AD 88 pontos AD 91 pontos AD 88 pontos


GARIBALDI KOMPASSUS ESKUADRO PETERLONGO PIPER-HEIDSIECK SALTON POÉTICA BRUT ROSÉ
CHARDONNAY BRUT BRUTO 2014 PRESENCE BRUT CUVÉE BRUT Salton, Serra Gaúcha,
Cooperativa Vinícola Kompassus, Bairrada, Peterlongo, Serra Piper-Heidsieck, Brasil (R$ 43).
Garibaldi, Serra Portugal (Decanter Gaúcha, Brasil (R$ Champagne, França Espumante rosado brut
Gaúcha, Brasil (R$ R$ 134). Espumante 39). Espumante brut (BEV Group R$ 320). elaborado pelo método
30). Espumante branco branco brut elaborado elaborado pelo método Espumante branco brut Charmat a partir de
brut elaborado pelo pelo método tradicional Charmat a partir de elaborado pelo método Chardonnay e Pinot
método Charmat a partir de Maria Chardonnay e Riesling tradicional a partir Noir. Cheio de frutas
exclusivamente a Gomes, Chardonnay e Itálico. Gostoso de de uvas Chardonnay, vermelhas tanto no
partir de Chardonnay. Tinto Cão, com pelo beber, chama atenção Pinot Noir e Pinot nariz quanto na boca,
Depois de algumas menos 18 meses de pela textura e pela Meunier, com pelo tem médio corpo,
versões mais maduras estágio sobre as borras. acidez refrescante, tudo menos 24 meses de gostosa cremosidade,
e enjoativas, esta O resultado é um em meio à fruta branca amadurecimento sobre refrescante acidez
edição mostra a antiga espumante bastante e cítrica madura. as leveduras. Apresenta e final agradável,
forma de alguns anos seco e gastronômico, Tem final cremoso, perlage fino e intenso. com toques florais
atrás, apresentando em que as frutas com toques de limão Os aromas remetem e cítricos. Leve,
mais frescor e tensão, brancas e de caroço siciliano. Álcool 11,5%. a frutos secos, notas descompromissado e
o que equilibra o seu estão envoltas por EM florais, tostadas e de fácil de gostar, é ideal
lado estruturado e de notas especiadas e de especiarias, além de como aperitivo ou na
fruta tropical. A acidez padaria. Fresco, chama toques minerais e de companhia de entradas
pulsante levanta tudo atenção pela acidez, pão, que se confirmam frias em geral. Álcool
aqui, tem final com boa pela cremosidade e na boca. Tem 12%. EM
cremosidade e cheio de pelo final persistente, ótima cremosidade,
notas cítricas. Álcool com deliciosos toques boa acidez e final
12%. EM salinos e cítricos, que persistente, com toques
convidam a comer salinos. Álcool 12%.
ostras. Álcool 12,5%. EM
EM

80 ADEGA >> Edição 148


BRANCOS >>

AD 89 pontos AD 90 pontos AD 89 pontos


COLLINA SAN PONZIO HUGEL GENTIL BRANCO 2015 JOÃO PORTUGAL RAMOS
FAVORITA 2016 Hugel, Alsácia, França LOUREIRO 2016
Collina San Ponzio, (World Wine R$ 122). João Portugal Ramos,
Piemonte, Itália Tradicional e renomado Minho, Portugal
(Sonoma R$ 120). produtor da Alsácia, (Porto a Porto R$ 59).
Quando se lê no Hugel elabora esse Branco elaborado
rótulo Favorita, alguns branco a partir de uvas exclusivamente
podem pensar que se 45% Sylvaner e Pinot por Loureiro, sem
trata apenas de um Blanc, 23% Riesling, passagem por madeira.
simpático nome dado 16% Pinot Gris, 10% No nariz, o aroma é
pelo produtor a um de Gewürztraminer e fresco. Limão siciliano,
seus brancos favoritos, 6% Muscat, advindas flor de laranjeira.
porém, Favorita é dos arredores da Na boca, tem ótima
o nome que a uva região de Riquewihr, acidez, é cremoso e
Vermentino recebe na sem passagem por bem equilibrado. As
região do Piemonte. madeira. Uma ótima notas florais seguem no
Neste caso, esta cepa iniciação aos deliciosos sabor, acompanhadas
apresenta um vinho no vinhos dessa região de um agradável toque
início um tanto quanto com disciplina alemã salino. Final de boa
discreto no nariz, mas e espírito francês. persistência. Álcool
que aos poucos vai se Mostra frutas brancas, 12,5%. BD
abrindo e mostrando cítricas e de caroço,
peras cozidas e acompanhadas por
uma sutil nota de notas minerais, florais
abacaxi. Enquanto e de mel, tudo envolto
em boca o principal por refrescante acidez,
destaque fica para sua gostosa textura e final
grande mineralidade, agradável. Difícil vai
chegando a lembrar ser ficar só na primeira
notas salinas. Álcool taça. Álcool 12%. EM
12,2%. MSL
AD 89 pontos AD 88 pontos AD 88 pontos AD 89 pontos AD 88 pontos
KELMAN ENCRUZADO 2013 LA GROTTA BIANCO 2016 LOS ANDES SELECCIÓN TENUTA ULISSE WEINGUT HEINZ PFAFFMANN
Kelman, Dão, Portugal Terra Rossa, Puglia, EXCLUSIVA SAUVIGNON PASSERINA 2016 PINOT GRIS TROCKEN 2016
(Portus R$ 165). Itália (World Wine R$ BLANC 2015 Tenuta Ulisse, Abruzzo, Weingut Heinz
Branco elaborado 88). A Puglia está na Familia Cassone, Itália (Domno R$ 96). Pfaffmann, Pfalz,
exclusivamente a moda por seus tintos Mendoza, Argentina Esse branco tem o Alemanha (Weinkeller
partir de Encruzado, suculentos à base da uva (Família Cassone atrativo da uva pouco R$ 95). Mais popular
com fermentação Primitivo, mas também R$ 58). Um típico conhecida Passerina, como Pinot Grigio,
malolática e posterior é capaz de produzir Sauvignon Blanc de que tem origem grega na Itália, a Pinot Gris
estágio de 10 meses brancos interessantes, caráter tropical. Apesar e hoje volta a ter também é comum na
em barricas de caso desse corte de começar tímido seu destaque na região Alsácia e em algumas
carvalho francês. Mais equilibrado de Malvasia nariz vai abrindo aos central da Itália. Não regiões da Alemanha,
acanhado no nariz, (60%) e Chardonnay poucos e revelando faltam aromas. Começa como Pfalz, onde
mostra aromas de frutas (40%). A primeira estas notas frutadas. com as frutas cítricas, também é conhecida
brancas e de caroço contribui com as notas Em boca, sua principal como tangerina e por “Grauburgunder”.
acompanhados de florais que moldam característica é o grapefruit, e segue com Aqui ela se apresenta no
notas florais, tostadas o perfil aromático, frescor, marcado por um aroma de pêssego estilo seco. É um vinho
e de especiarias doces, marcado igualmente frutas cítricas e bom e até um toque de mais complexo no nariz
que se confirmam por frutas brancas equilíbrio entre seus banana. Na boca, é que na boca, com notas
na boca. Encorpado, (peras) maduras. componentes. Álcool seco, tem corpo médio florais, frutadas, tostadas/
tem boa textura, Já a onipresente 12%. MSL e muito boa acidez, minerais e de ervas
acidez refrescante Chardonnay reforça o que dá bom frescor ao que lembram alecrim.
e final cheio, com caráter frutado (abacaxi) vinho. O sabor tem boa Na boca, mostra boa
toques minerais e e garante mais estrutura intensidade e repete acidez e corpo de
amanteigados. Álcool ao conjunto. Com boa as notas sentidas no leve para médio. O
13%. EM acidez, corpo médio nariz, trazendo junto álcool perceptível
e álcool equilibrado, um toque mineral. Tem não compromete o
é um branco com persistência média/ equilíbrio. É um vinho
aptidão gastronômica, longa. Álcool 13%. BD simples, redondo e
para acompanhar gostoso, que pode
peixes grelhados ou ser consumido como
ensopados, como em aperitivo, mas fará bom
moqueca (sem abusar par, por exemplo, com
da pimenta). Álcool um lombinho de porco.
13%. GV Álcool 13%. GV

82 ADEGA >> Edição 148


ROSÉS >>

AD 88 pontos AD 87 pontos AD 91 pontos


ASSOBIO ROSÉ 2016 CASA MARQVES PEREIRA CERRO BERCIAL
Quinta dos Murças, PINOTAGE BLUSH 2017 ROSADO 2015
Alentejo, Portugal SAUVIGNON BLANC 2016 Bodega Sierra Norte,
(Qualimpor R$ 97). Casa Marques Pereira, Utiel-Requena,
Corte de Touriga Farroupilha, Brasil Espanha (Vind’Ame
Nacional, Tinta Roriz, (R$ 89). Rosé com R$ 84). Sua coloração
Rufete e Tinto Cão. coloração puxada para rosé com leves nuances
A cor é salmão. No o salmão, tem aroma de alaranjadas pode
nariz, prevalecem os morangos doces quase enganar mesmo aos
aromas florais e de de geleia, que faz com olhos mais treinados,
frutas vermelhas. Na que você acredite que levando a pensar que se
boca, é seco, bastante será uma explosão de trata de um tradicional
fresco, com boa acidez dulçor na boca, porém rosé provençal, porém
e sabor com boa a surpresa do primeiro o Cerro Bercial mostra
intensidade, lembrando gole mostra um vinho que a região de Utiel-
framboesas e violetas. com acidez agradável Requena e a variedade
Bem equilibrado e de e refrescante, que traz Bobal podem também
boa persistência. Álcool equilíbrio ao conjunto. fazer excelentes rosés.
13,5%. BD Álcool 12%. CM Seu nariz é encantador
e se destaca por sua
grande mineralidade, Sua adega na temperatura
que é combinada
a intensas notas de certa com design,
grapefruit. Em boca,
tem boa intensidade,
sofisticação e tecnologia.
destacando-se por
sua ótima vivacidade 0800 645 2644

e frescor. Mas, sem


dúvida, o equilíbrio JANELAS E PORTA
entre seus elementos
é seu maior destaque.
weiku.com.br
Álcool 12,5%. MSL
TINTOS

AD 90 pontos AD 87 pontos AD 88 pontos AD 88 pontos AD 86 pontos


MIRABEAU PURE 2015 ALTO MADERO RESERVA AVE DE PRESA COLECCIÓN BURNSIDE ROAD RED CASA DI LUIGI MERLOT 2016
Mirabeau, Côtes de CARMÉNÈRE 2016 TEMPRANILLO 2016 Burnside Road Winery, Luis Felipe Edwards,
Provence, França Errázuriz Ovalle, Bodega Celaya, Castilla Califórnia, Estados Vale Central, Chile
(Clarets R$ 133). Colchagua, Chile La Mancha, Espanha Unidos (Wine Lovers (Albee R$ 45). O
Rosado composto de (Obra Prima R$ 35). (Winebrands R$ 39). R$ 109). Nem rótulo maior diferencial desse
Grenache e Syrah, sem A primeira impressão Cheio de fruta no nem contrarrótulo Merlot chileno é trazer
passagem por madeira. que o Alto Madero nariz. Groselha, cereja, desse vinho fornecem no rótulo a indicação
Cheio de frutas cítricas deixa é de que seja cassis e uma nota floral muitas informações, de se tratar de um
e vermelhas maduras um típico Carménère de violeta aparecendo mas pesquisando é vinho kosher, ou seja,
acompanhadas de notas chileno, suas notas entremeada. Na boca, possível descobrir produzido segundo
minerais, florais e de herbáceas combinam-se tem corpo médio, que ele é quase um os preceitos judaicos.
ervas frescas, que se com as de especiarias, taninos e acidez “xistudo” de uvas É bom ressaltar que
confirmam no palato. principalmente conversam bem. tintas (Syrah e Petite isso não afeta, positiva
Impressiona pelo pimenta-do-reino. Em Enquanto um tenta Sirah, Sangiovese, ou negativamente, a
equilíbrio do conjunto, boca, esta nota mais secar a boca, o outro Zinfandel, Primitivo, qualidade. No caso,
tudo num contexto especiada e de ervas aparece dando frescor Mourvèdre). Como não trata-se de um vinho
de acidez vibrante, frescas é acompanhada e suculência. Simples indica a safra, é possível simples, mas que, pelo
gostosa textura e final por uma evidente fruta e com bom equilíbrio, que sejam de anos menos, não cobra mais
persistente com toques bem madura e por tem sabor frutado e boa diferentes. O resultado? do que oferece. Notas
salinos. Álcool 12,6%. taninos marcantes. persistência. Álcool Um vinho gostoso, frutadas e florais não
EM Álcool 12,5%. MSL 12%. BD frutado e fácil de beber. muito intensas moldam
Levemente alcoólico, o seu perfil aromático.
que é inevitável quando Tem boa acidez e fruta,
a Zinfandel está corpo médio e álcool
presente, e com boa equilibrado. Mas seus
presença da madeira, taninos, que já secam
mas equilibrado. O um pouco a boca no
leve amargor final final, indicam que é
não atrapalha. Para melhor bebê-lo logo,
acompanhar uma sozinho ou numa
boa massa com ragu refeição com frango
de carne, no almoço grelhado. Álcool 13%.
dominical. Álcool GV
14,2%. GV

84 ADEGA >> Edição 148


>>

AD 89 pontos AD 89 pontos AD 88 pontos


CASCAS SELEÇÃO ENÓLOGO CECCHI SANGIOVESE DI COLLE PETRITO T
TINTO 2015 TOSCANA 2015 NERO DI TROIA 2016
Casca Wines, Lisboa, Cecchi, Toscana, Itália Colle Petrito, Puglia,
Portugal (Job Total R$ (La Pastina R$ 85). Itália (Adega Alentejana
85). Esse vinho mostra Tinto composto de 90% R$ 64). A Nero di
um corte de duas Sangiovese e o restante Troia não tem a
variedades portuguesas de outras variedades, mesma importância
(Castelão 30% e sem passagem por da Negroamaro e da
Aragonês 30%) com a madeira, para manter Primitivo nos tintos da
francesa Syrah (40%). a claridade de fruta, Puglia, mas nem por isso
No nariz, o que se e isso se consegue deve ser menosprezada.
sente mais são as notas aqui. Cheio de cerejas, Esse exemplar de cor rubi
de geleia de frutas morangos e groselhas escura, quase púrpura,
vermelhas. Na boca, o seguidos de notas mostra aromas de frutas
vinho tem corpo entre terrosas, especiadas e maduras tipo amoras e
o médio e o encorpado, florais, tudo sustentado cerejas, de mato seco
taninos bem presentes por vibrante acidez (gravetos) e notas que
e com boa textura, e taninos de ótima remetem a café torrado,
acidez também textura, que pedem a fruto, provavelmente,
acima da média e boa companhia de comida. de uma breve passagem
persistência. Vinho De preferência, massas por carvalho. Na boca,
bem equilibrado. ao molho tipo sugo. tem muito boa acidez
Tem 13,50% de álcool. Álcool 13%. EM e taninos ainda bem
BD presentes, que pegam um
pouco na boca. Por isso,
talvez possa ser guardado
por mais um ou dois anos.
É um vinho encorpado
sem ser pesado, que
vai encarar de igual
para igual assados em
geral. E tem boa relação
qualidade-preço. Álcool
12,5%. GV
AD 89 pontos AD 89 pontos AD 91 pontos AD 89 pontos AD 91 pontos
DESQUICIADO DUNAMIS TANNAT 2015 ERRAZURIZ MAX RESERVA FINCA LUZÓN IL CONVENTINO ROSSO DI
CABERNET FRANC 2016 Dunamis, Campanha CABERNET SAUVIGNON 2015 MONASTRELL - SYRAH 2016 MONTEPULCIANO 2014
Desquiciado Wines, Gaúcha, Brasil Errazuriz, Aconcágua, Bodegas Luzon, Il Conventino, Toscana,
Mendoza, Argentina (R$ 110). As frutas Chile (Grand Cru R$ Jumilla, Espanha Itália (Vinhos do
(Mar & Rio R$ 98). vermelhas e negras, 129). Tinto composto (Mistral US$ 28). Tinto Comendador R$ 95).
Tinto elaborado a partir principalmente aquelas de 85% Cabernet produzido a partir da Apesar de gerar um
de uvas 90% Cabernet frutas pequenas como Sauvignon, 10% Petit uva Monastrell, casta pouco de confusão com
Franc, 5% Petit Verdot amora, framboesa, Verdot e 5% Cabernet considerada típica da a uva Montepulciano
e 5% Merlot, cultivadas mirtilo, dividem com a Franc, com estágio de região de Jumilla, com que tanto aparece na
em Tupungato, com madeira e um toque de 12 meses em barricas pequeno percentual de região do Abruzzo, o
estágio de nove meses especiarias o conjunto de carvalho francês Syrah, sem passagem Rosso di Montepulciano
em barricas usadas de aromas do vinho. sendo 25% novas. Ano por madeira. Rubi é elaborado na maior
de carvalho. Mostra Na boca, tem o corpo após ano este vinho intenso e vivo, esse parte de seu corte com a
frutas vermelhas e entre o médio e o vem mostrando mais vinho apresenta uva símbolo da Toscana,
negras de perfil mais encorpado, com os vivacidade e fruta aroma atraente de a marcante Sangiovese
maduro e suculento, taninos marcantes. A vermelha e negra de frutas negras. No (80%), e neste caso pela
escoltadas por notas acidez traz um certo perfil mais fresco, palato, mostra acidez Mammolo, a Canaiolo
florais, de tabaco e equilíbrio. O sabor tornando-o ainda mais moderada e taninos e a pouco conhecida
de especiarias doces. é intenso unindo a agradável e gostoso amigáveis. Bom para Colorino. Assim, entrega
Estruturado e muito fruta em compota e de beber. As notas acompanhar massas um nariz bastante
frutado, tem taninos de os aromas provocados tostadas, de ervas, frescas. Álcool 14,5%. sério e marcante,
boa textura, acidez na pelo estágio em de especiarias e de CM destacando seu lado
medida e final sedutor madeira, como o café chocolate aparecem terroso. Certamente
e agradável de beber, e o chocolate. Tem de forma discreta, o maior destaque fica
com toques de cerejas persistência média. ressaltando seu lado por sua elegância.
ao licor. Álcool 13,5%. Álcool 14%. BD frutado e aportando Seus taninos polidos
EM certa complexidade ao estão bem equilibrados
conjunto. Álcool 14%. por seu bom corpo
EM e por sua excelente
acidez e vivacidade.
Belo vinho para quem
ainda não conhece esta
denominação de origem.
Álcool 13,5%. MSL

86 ADEGA >> Edição 148


>>

AD 89 pontos AD 88 pontos AD 89 pontos


JA! BY TINEDO 2015 KILOMETRO 49 KOAN RESERVE
Bodega Tinedo, MALBEC 2016 CABERNET SAUVIGNON 2016
Castilla, Espanha Kilometro 49, Viña Chocalán, Maipo,
(Domno R$ 60). Mendoza, Argentina Chile (Viníssimo R$
Tinto elaborado (Kilometro 49 R$ 133). 68). Composto de 85%
exclusivamente a partir Ao primeiro contato Cabernet Sauvignon e
de Tempranillo, sem com seu nariz, muitos 15% Carménère. Sua
passagem por madeira, se perguntarão de onde elaboração foi efetuada
mostra cor rubi vem o aroma, sem com 20% do blend em
profunda com muita conseguir claramente barricas de carvalho
fruta, ameixa preta, distinguir uma nuance francês e americano
morangos e toques animal que aparece por um período de
especiados e picantes. camuflada entre as seis meses e 80% em
No primeiro gole, diferentes camadas. tanques de inox. Tinto
sente-se sua acidez, Apesar de curioso, de coloração rubi
taninos elegantes e neste caso, este aroma intensa, seu aroma
bom corpo. Um vinho aparece muito bem tem predominância de
fácil de beber e de integrado ao vinho, frutas vermelhas em
repetir. Álcool 14,5%. tanto que ele reaparece compota, seguidos de
CM em boca combinado toques de chocolate
com chocolate e e pimenta negra.
alcaçuz, em um final Apresenta corpo médio,
de boca longo, marcado acidez equilibrada
por taninos bem e taninos redondos.
polidos. Álcool 13,7%. Álcool 14%. CM
MSL
AD 90 pontos AD 87 pontos AD 88 pontos AD 91 pontos AD 90 pontos
LES CASSGNES DE LA MENA KAHO RESERVA MILLAMAN ESTATE RESERVE MORGADO DE SILGUEIROS MOTTO BACKBONE
NERTHE CÔTES-DU-RHÔNE CABERNET SAUVIGNON 2014 CABERNET SAUVIGNON 2015 TOURIGA NACIONAL 2014 CABERNET SAUVIGNON 2013
VILLAGES 2014 Mena Kaho, Bento Millaman, Curicó, Morgado de Silgueiros, Motto Winery,
Château La Nerthe, Gonçalves, Brasil (R$ Chile (Adega Dão, Portugal (La Califórnia, Estados
Rhône, França (Grand 65). Este Cabernet Alentejana R$ 52). Pastina R$ 166). Unidos (Winebrands
Cru R$ 139). Este é de Bento Gonçalves Em que pese o Tinto elaborado R$ 109). Tinto
um ótimo exemplar impressiona bastante marketing em torno exclusivamente a partir composto de 80%
que comprova que com seu nariz da Carménère, a de Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon,
a região do Rhône, complexo. Uma nota Cabernet Sauvignon é com estágio de 10 10% Petit Verdot e
notavelmente os Côtes marcante de alcaçuz a uva tinta que melhor meses em barricas 10% Petite Sirah, com
du Rhône, são vinhos se combina a nuances se adaptou ao Chile, de carvalho francês. estágio de 10 meses
de excelente relação tostadas e de café, oferecendo boas opções De ótima tipicidade, de parte do vinho em
preço-qualidade. que depois em uma em diferentes regiões apresenta notas florais barricas de carvalho de
Seu nariz é tímido, “segunda camada” e faixas de preço. O e de especiarias segundo e terceiro usos.
mas com muito são acompanhados Millaman vem do vale doces envolvendo Cabernet californiano
boa complexidade, por frutas vermelhas de Curicó, é bem feito os aromas de frutas de carteirinha, mostra
combinando frutas, e negras. Sua boca e tem preço atraente negras de perfil frutas negras mais
especiarias, um toque plena é acompanhada para o consumidor. fresco. Estruturado maduras envoltas
adocicado. Em boca, por taninos marcantes Nem a discreta e um pouco mais por notas florais e de
sua elegância ganha trazendo boa textura. presença nos aromas austero, tem ótima especiarias doces, que
grande destaque, Álcool 12,5%. MSL do característico acidez, taninos de se confirmam na boca.
incluindo seus pimentão, nem a leve excelente textura e final Tem taninos sedosos,
taninos que, apesar de rusticidade dos taninos persistente e suculento. boa acidez e final
marcantes, são bastante comprometem o Gostoso de beber, irá carnudo, com toques
finos. Além disso, tem conjunto. É um vinho ficar ainda melhor na de cedro, de eucalipto
excelente acidez e final de médio corpo, que, companhia de carnes e de chocolate ao leite.
de boca bem longo como quase todos dessa ensopadas. Álcool 13%. Álcool 13,5%. EM
marcado por notas de casta, acompanhará EM
chocolate e amoras. bem as carnes do
Álcool 14%. MSL churrasco dominical.
Álcool 13,5%. GV

88 ADEGA >> Edição 148


>>

AD 90 pontos AD 90 pontos AD 90 pontos AD 88 pontos AD 91 pontos


PEQUENAS PARTILHAS PÉREZ CRUZ LIMITED PUNTO MÁXIMO SANTA RITA RESERVA SPERI VALPOLICELLA
NOTÁVEIS DA AMÉRICA EDITION SYRAH 2014 GRAN RESERVA CABERNET SAUVIGNON 2015 RIPASSO CLASSICO
CABERNET FRANC 2014 Pérez Cruz, Maipo, TEMPRANILLO 2015 Santa Rita, Maipo, SUPERIORE 2015
Aurora, Bento Chile (Santé Vinhos Bodegas Marco Real, Chile (Winebrands Speri, Vêneto, Itália
Gonçalves, Brasil (R$ R$ 95). Tinto elaborado Navarra, Espanha R$ 72). Tinto 100% (Mistral US$ 66). Corte
60). Tinto elaborado a partir de 92% Syrah, (Obra Prima R$ Cabernet Sauvignon, clássico de Corvina,
exclusivamente a partir 5% Garnacha e 3% 65). Tinto elaborado com estágio de 60% Rondinella e Molinara,
de Cabernet Franc, Mourvèdre, com exclusivamente por do vinho durante oito sem passagem por
com estágio de seis estágio de 14 meses em Tempranillo, com meses em barricas de madeira. No nariz, já
meses em barricas barricas de carvalho breve passagem por carvalho americano. se sente que se trata de
de carvalho francês. francês. De boa madeira. Perfumado, Mostra notas de amora um vinho de muito boa
Cheio de tipicidade, tipicidade, mostra perfil mostra notas de e tabaco. Na boca, qualidade. Prevalecem
mostra-se mais tenso de frutas vermelhas e frutas negras, tabaco tem corpo médio, os aromas de frutas
e fresco, com ótima negras mais maduras e toques defumados. taninos macios, boa maduras, cereja em
textura de taninos e acompanhado de notas Na boca, tem corpo acidez e sabor de compota e um toque
acidez vibrante, tudo florais, de ervas e de médio, taninos macios, frutas vermelhas e de de especiarias doces.
envolto por frutas especiarias picantes. boa acidez e muito cravo. Tem persistência Na boca, é encorpado,
negras e vermelhas Encorpado, tem bom equilíbrio. Vinho média. Vinho direto os taninos são macios,
seguidas de atraentes corpo, taninos de elegante e longo, com e sem arestas. Álcool com textura aveludada
notas herbáceas, ótima textura, acidez boa persistência. Álcool 13,5%. BD e uma boa acidez que
além de toques florais na medida e final 14%. BD dá equilíbrio e frescor,
e de especiarias suculento e persistente, mesmo se tratando de
doces. É suculento, confirmando o nariz. um vinho mais potente.
gastronômico, gostoso Para o cordeiro Intenso e longo. Álcool
de beber e tem final grelhado ao molho de 13,5%. BD
persistente, com toques ervas e de especiarias.
de grafite. Álcool 13%. Álcool 14%. EM
EM

Edição 148 >> ADEGA 89


DOCES EVENTOS ||

LANÇAMENTO CANTU LANÇAMENTO CANTU

AD 90 pontos AD 88 pontos AD 90 pontos AD 91 pontos AD 91 pontos


TERRA ROSSA TROFEO CABERNET FLORALIS MOSCATEL ORO RAMÓN BILBAO RAMÓN BILBAO
PRIMITIVO 2014 SAUVIGNON 2016 Torres, Penedès, ALBARIÑO 2016 CRIANZA 2014
Terra Rossa, Puglia, Viña del Triunfo, Espanha (Devinum Ramón Bilbao, Rías Ramón Bilbao, Rioja,
Itália (World Wine Vale Central, Chile R$ 120). Branco Baixas, Espanha Espanha (Cantu R$
R$ 267). Sua intensa (Vinci US$ 14). licoroso doce elaborado (Cantu R$ 105). 100). Tinto elaborado
e profunda coloração Tinto elaborado exclusivamente a Branco elaborado exclusivamente a
rubi com marcantes exclusivamente a partir de Moscatel de exclusivamente a partir de Tempranillo,
reflexos arroxeados partir de Cabernet Alejandria, lançado partir de Albariño, com estágio de 14
já mostra se tratar de Sauvignon, sem em 1946. Apresenta sem passagem por meses em barricas de
um vinho de grande passagem por madeira. linda cor âmbar, bem madeira, mas mantido carvalho americano.
concentração. De fato, Frutado, de boa como aromas de frutas em contato com as Mostra aromas de
ao levá-lo ao nariz estrutura, fácil de brancas em compota lias. Mostra frutas ameixa, cerejas e
já se nota bastante entender e gostoso de seguidos de notas brancas e de caroço, morangos seguidos
compotado e até beber, tem taninos florais, de frutos secos, acompanhadas de de notas florais, de
mesmo com sutis notas macios, acidez de mel e de especiarias toques florais, minerais ervas e de especiarias
lácteas. Em boca, esta refrescante e final com doces. Denso, quase e de frutos secos. Tem doces, além de toques
certa doçura aparente toques especiados e cremoso e cheio de gostosa acidez, boa minerais e tostados.
do nariz aparece de florais. Versátil, pode fruta, tem ótima acidez, textura e final cremoso Mas, é na boca que
forma clara, trazendo acompanhar desde que traz equilíbrio ao e persistente, com merece atenção, com
ao vinho grande carnes magras até conjunto. Persistente toques de mel e casca seus taninos de ótima
densidade e plenitude. pizzas. Álcool 13%. EM e cheio, tem final com de nozes. Álcool 12,5%. textura, deliciosa acidez
Seus taninos são muito toques de marrom glacê EM e final persistente e
bem trabalhados e de casca de laranja. suculento, cheio de
trazendo uma deliciosa Álcool 15%. EM cerejas. Um Crianza,
textura. Certamente, com qualidade de
esta intensidade é Reserva! Álcool 13,5%.
equilibrada por sua EM
finesse em função de
suas uvas Primitivo
provirem de um
vinhedo bastante velho,
com videiras de mais
de 40 anos de idade.
Álcool 14,5%. MSL

90 ADEGA >> Edição 148


CLASSIFICADOS • PARA ANUNCIAR, LIGUE 11 3876 8200 • CLASSIFICADOS

CLASSIFICADOS • PARA ANUNCIAR, LIGUE 11 3876 8200 • CLASSIFICADOS


INFORMATIVO
Benefícios para
associados ativos
VINHO + CONHECIMENTO + EXPERIÊNCIA
do Clube ADEGA:

• Recebe gratuitamente a
edição da Revista ADEGA

• Associado ativo no mês


de lançamento recebe
MAIS VANTAGENS gratuitamente o Guia
Descorchados 2018

PARA VOCÊ • Pré-venda com desconto


para o lançamento do Guia
Descorchados 2018
O ano começou acelerado para nossa equipe. Praticamente
não paramos, focados no circuito anual de eventos. Agora,
em fevereiro, acontece o primeiro do seis Encontros de • Associado ativo no mês
de lançamento recebe
Vinhos deste ano e, em breve, dia 10 de abril, realizamos o
gratuitamente o Guia ADEGA
evento de lançamento da edição de 20 anos do Guia Des-
de Vinhos do Brasil 2018
corchados. E porque estamos mencionando essas informa-
ções aqui? Porque em 2018, vamos nos dedicar a ampliar
os benefícios para nossos associados. E você já sabe que, • Pré-venda com desconto para
participação no International
associado ativo no mês de lançamento do guia, receberá o
Tasting 2018
livro – que este ano terá mais de 1.000 páginas – em casa
como presente.
Atendendo a pedidos, e depois de conversar com alguns • Pré-venda com desconto para
importadores para garantir o suprimento de vinhos de pe- participação nos jantares com
quena produção, vamos poder ampliar mais um pouquinho grandes Chefs Sabor.club
o número de associados no clube Platinum. Outras novida-
des também estão em gestação inspiradas em sugestões • Desconto na compra de
que recebemos de vocês durante os últimos meses. ingressos para o Encontro de
Na seleção deste mês, a qualidade como sempre é o va- Vinhos em 2018
lor fundamental, mas, além disso, você vai encontrar muitos
vinhos que encantam também por sua história e curiosi- • Até 25% de desconto no site
dades capazes de aportar uma dimensão extra a qualquer da importadora Mistral
degustação.
• Até 20% de desconto no site
Saúde, da importadora Winebrands

Christian Burgos e Eduardo Milan


• 10% de desconto em
produtos gastronômicos e
vinhos no site Loja.Sabor.
Club
ORCHAD
SC

OS
DE
CASA MARIN LITORAL 92pts
VINEYARD SYRAH 2014 Neste Platinum, a seleção engloba exempla-
Casa Marin / Vinci (US$ 57) AD res de Sangiovese, de Tempranillo e de Syrah,
REGIÃO/PAÍS: San Antonio, Chile
92 pts
AD

91
que vão mexer com sua cabeça. Da Tosca-
pts na, na Itália, conseguimos trazer o Rosso di
Tinto elaborado exclusivamente a partir de
uvas Syrah, com fermentação espontânea Montalcino da Casanova di Neri, melhor
e estágio de 16 meses em barricas usadas que muitos Brunello disponíveis no merca-
de carvalho francês. Tenso, estruturado e do. Já da Espanha, pinçamos o El Vínculo,
refrescante, mostra muita fruta vermelha um Tempranillo da região de La Mancha,
madura escoltada por ótima acidez e de autoria dos mesmos criadores do mítico
taninos cheios de textura, que convidam a Pesquera, de Ribera del Duero. Da Península
AD
OCKUWOIQNG6GOƒPCNRGTUKUVGPVGEQO
toques minerais, de ervas e de sangue. 92
pts
Ibérica, partimos diretamente para o vale de
Álcool 12%. EM San Antonio, no Chile, onde escolhemos o
Casa Marin, um Syrah de clima frio, cheio de
tipicidade e de frutas negras frescas.
CASANOVA DI NERI
ROSSO DI MONTALCINO 2015
Casanova di Neri / Grand Cru (R$ 239)
REGIÃO/PAÍS: Toscana, Itália

Tinto elaborado exclusivamente a partir de


Sangiovese, com estágio de 17 meses em
barris de carvalho de tamanhos diversos.
/QUVTCRGTƒNOCKUEQPEGPVTCFQGOSWGCU
frutas vermelhas e negras estão permeadas
por notas florais, terrosas, de tabaco e
de especiarias doces. No palato, chama VINHO DO ANO
atenção pela profundidade e equilíbrio do Casanova di Neri é reconhecidamente
conjunto, tudo num contexto de acidez um dos melhores produtores de
refrescante, taninos de ótima textura e Montalcino na atualidade, tendo,
ƒPCNRGTUKUVGPVGEQOVQSWGUOKPGTCKUGFG inclusive, seu Brunello Tenuta Nuova
cerejas. Álcool 14%. EM
2001 recebido o prêmio de vinho do ano
de 2006 pela revista americana Wine
Spectator.
EL VINCULO CRIANZA 2011
El Vinculo / Mistral (US$ 48)
REGIÃO/PAÍS: La Mancha, Espanha

Tinto elaborado exclusivamente a partir


de uvas Tempranillo advindas de vinhas OS PRIMEIROS
velhas, com estágio de 18 meses em Casa Marin foi pioneira
barricas de carvalho americano. Potente, no vale de San Antonio,
denso e estruturado, mostra estilo de frutas tendo plantado suas
negras maduras e em compota seguido
primeiras vinhas por lá
de notas florais e de especiarias doces,
tudo muito bem sustentado por taninos de no início dos 2000.
ȕVKOCVGZVWTCIQUVQUCCEKFG\GƒPCNEJGKQ
e persistente, com toques de ameixas e de
ITCƒVGǩNEQQN'/
DEG
A

GO VOCÊ
SABIA QUE...
estudos de DNA
comprovaram que a Primitivo,
também conhecida como
Zinfandel nos Estados Unidos,
No Grand Gold deste mês, escolhemos tem origem na Croácia e é
tintos de respeito, de produtores muito idêntica à variedade ancestral AD
e quase extinta Crljenak
conceituados em seus países. Nossa via-
Kastelanski? 90
pts AD
gem começa na Puglia, de onde vem
o Papale Primitivo, uma interpretação 92
pts

refinada e macia dessa variedade que AD


caiu no gosto do brasileiro. Da Itália,
vamos até a Argentina, para trazer o Ar-
91
pts

mando, um Bonarda com a assinatura


de Laura Catena. De Mendoza, cruza-
mos os Andes e vamos até Leyda, onde
selecionamos o Ventisquero Grey, um
Pinot Noir sedutor, que mostra, além
de fruta deliciosa, estrutura poucas ve-
zes encontradas em Pinots fora da Bor-
gonha.

HERDEIRA DE CATENA
La Posta é um dos projetos
pessoais de Laura, filha do
mítico Nicolás Catena. Neste
projeto, os nomes dos vinhos são
uma homenagem às famílias
proprietárias dos vinhedos.

ARMANDO BONARDA 2016 PAPALE PRIMITIVO GREY SINGLE BLOCK LAS TERRAZAS
La Posta / Vinci (US$ 24) DI MANDURIA 2015 VINEYARD PINOT NOIR 2015
REGIÃO/PAÍS: Mendoza, Argentina Varvaglione / Domno (R$ 129) Ventisquero / Cantu (R$ 140)
REGIÃO/PAÍS: Puglia, Itália REGIÃO/PAÍS: Leyda, Chile
La Posta é propriedade de Laura
%CVGPC ƒNJC FQ XKUKQPȄTKQ 0KEQNȄU Tinto elaborado exclusivamente a Tinto elaborado exclusivamente a partir
Catena, e elabora este tinto partir de Primitivo, com estágio de de uvas Pinot Noir advindas do vinhedo
exclusivamente a partir de Bonarda, oito meses em barricas de carvalho Las Terrazas, com estágio de 12 meses
com estágio de 10 meses em HTCPEȍU #RTGUGPVC RGTƒN FG HTWVCU em barricas de carvalho francês 15%
barricas de carvalho francês (70%) e negras maduras acompanhadas de novas. Os progressos da Ventisquero
americano (30%). De boa tipicidade, notas florais, de especiarias doces e tanto no Herú quanto no Tara Pinot Noir
segue o estilo mais macio e FG EJQEQNCVG SWG UG EQPƒTOCO PC também são sentidos aqui. Agora, além
estruturado da casa, com sua gostosa boca. Carnudo e macio, tem acidez na da fruta vermelha radiante e vivaz (no
acidez e os taninos de ótima textura OGFKFC VCPKPQU FG DQC VGZVWTC G ƒPCN passado era mais madura) há também
ditando as regras e trazendo equilíbrio médio/longo, com toques de tabaco e de força de taninos e de acidez, que trazem
ao conjunto. Álcool 13%. EM alcaçuz. Álcool 14%. EM sustentação e tensão ao vinho. Álcool
13%. EM
BE ADEG
LU A
C

ANNIE SPECIAL RESERVE PINOT NOIR 2016


GOLD
Bodegas y Viñedos De Aguirre / Obra Prima (R$ 73)
REGIÃO/PAÍS: Vale Central, Chile
Este vinho passa nove meses em barricas de carvalho francês. Com
coloração típica de Pinot Noir, é translúcido e não engana ao ser servido na
taça! Deixe respirar por alguns minutos e logo você perceberá um aroma
de caramelo, com um leve toque de café. Mas, não se engane por que o
O Gold deste mês tem três tintos re-
FWNȊQTFQECTCOGNQƒECCRGPCUPQPCTK\'ODQECGNGCRTGUGPVCOWKVC
fruta vermelha, um belo equilíbrio, com taninos elegantes, médio corpo e
cém-chegados em nosso mercado e
acidez na medida. Álcool 13,5%. CM que merecem ser provados. Do Lan-
guedoc, na França, vem o Château
Rigaud, um delicioso corte de Syrah,
LA GROTTA NEGROAMARO 2015 Mourvèdre e Grenache, que com-
Terra Rossa / World Wine (R$ 88) prova que sim é possível tomar bons
REGIÃO/PAÍS: Puglia, Itália franceses sem estourar o orçamento.
Como é de se esperar, o próprio nome da uva já indica que a coloração Da Puglia, na Itália, o escolhido é o
é intensa e escura. Frutas vermelhas maduras e especiarias, são duas La Grotta, um Negroamaro suculen-
características marcantes deste tinto tanto no nariz quanto na boca. Tem to e muito gastronômico. Cruzando
EQTRQOȌFKQVCPKPQUCXGNWFCFQUƒPCNNQPIQGUCDQTQUQEQOFGUVCSWG o oceano, chegamos ao Chile, para
para notas de cacau e de amora. Tem boa acidez, sendo versátil na buscar o Annie Special Reserve, um
harmonização devido à sua elegância. Álcool 13,5%. JTR Pinot Noir frutado, acessível e muito
gostoso de beber.
CHÂTEAU RIGAUD ROUGE 2014
Château Rigaud / Grand Cru (R$ 89)
REGIÃO/PAÍS: Languedoc-Roussillon, França
Tinto composto de 55% Syrah, 26% Mourvèdre e 19% Grenache, com
AD
estágio de 12 meses em barris de carvalho. Muito frutado, mostra cerejas
e amoras escoltadas por notas terrosas, de ervas secas e de especiarias 90
pts
picantes. No paladar, chama atenção pela gostosa acidez e pelos taninos
CXGNWFCFQUSWGRGFGOCEQORCPJKCFGEQOKFC6GOƒPCNOȌFKQNQPIQ
com toques de frutas vermelhas e de chocolate amargo. Álcool 13,5%. EM

AD
SUL DA FRANÇA
A região do Laguedoc-Roussillon possui
89 AD

cinco AOC, Coteaux du Languedoc


pts
89
pts

(também chamada de Languedoc),


Corbières, Saint-Chinian, Minervois e
Faugères, sendo esta última onde está
localizado o Château Rigaud.

DA PUGLIA
A Negroamaro, também muito
cultivada na Puglia, assim como a
Primitivo, é muito menos conhecida
por aqui e costuma dar tintos de cor
escura, de grande estrutura, complexi-
dade aromática e de grande vocação
gastronômica.
BE ADE
LU A
C

SILVER

ANAKENA BIRDMAN SERIES MERLOT 2017


Anakena / Winebrands (R$ 47)
REGIÃO/PAÍS: Vale de Central, Chile
O time Silver é composto neste mês de
1UCOKIQU(GNKRG+DȄȓG\G,QTIG)WVKȌTTG\HWPFCTCOCXKPȐEQNCPQƒPCNFCFȌECFC
verdadeiros achados, que além de mostra- de 1990 e produzem esse tinto exclusivamente a partir de Merlot, sem passagem
rem ótima relação qualidade-preço, têm por madeira. Esbanja amoras e ameixas escoltadas por agradáveis notas florais, de
a virtude de se serem versáteis na hora ervas e de especiarias. No palato, é cativante, redondo e macio, tudo emoldurado por
da harmonização. De Castilla, na Espa- gostosa acidez e taninos delicados. Muito gostoso de beber e fácil de agradar, pode
nha, vem o Já! Tempranillo, da Bodega acompanhar embutidos ou massas ao molho tipo ragu. Álcool 12,5%. EM
Tinedo, que vai ser companhia ideal para
uma tábua de frios ou pizzas em geral. Da
Emiglia-Romagna, na Itália, escolhemos JA! BY TINEDO 2015
Bodega Tinedo / Domno (R$ 58)
o Fico Grande, um Sangiovese que é par
REGIÃO/PAÍS: Castilla, Espanha
perfeito para as massas ao molho de toma-
te. Por fim, do Chile, trazemos o Anakena Tinto elaborado exclusivamente a partir de Tempranillo, sem passagem por madeira,
Birdman, um Merlot de carteirinha, com mostra cor rubi profunda com muita fruta, ameixa preta, morangos e toques
toda fruta negra madura, as notas florais e especiados e picantes. No primeiro gole, sente-se sua acidez, taninos elegantes e bom
a maciez que se esperam da cepa. corpo. Um vinho fácil de agradar e de repetir. Álcool 14,5%. CM

FICO GRANDE SANGIOVESE 2016


Poderi dal Nespoli / Grand Cru (R$ 49)
REGIÃO/PAÍS: Emiglia-Romagna, Itália

AD Tinto composto de 95% Sangiovese e 5% Merlot, sem passagem por madeira. Mostra
89
pts
as típicas cerejas da Sangiovese acompanhadas de notas florais, terrosas e de ervas
UGECUSWGUGEQPƒTOCOPQRCNCFCT%JGKQFGHTWVCVGOCEKFG\TGHTGUECPVGVCPKPQU
SWGRGFGOEQOKFCGƒPCNCITCFȄXGNSWGGZKIGOWOUGIWPFQIQNGǩNEQQN'/

AD AD

88
pts
88
pts

SINÔNIMOS
A Tempranillo possui vários
nomes. Em Ribera del Duero é
conhecida por Tinta del País,
já no Alentejo, em Portugal,
é chamada de Aragonez (ou
Aragonês), enquanto no Douro
de Tinta Roriz.

RAINHA ITALIANA
A Sangiovese é a variedade tinta mais planta-
da da Itália, correspondendo a 10% do total
de vinhedos totais cultivados no país da bota.
BE A EG
LU A
C

BRANCO
AD

MIRADOR SELECTION
89
pts

CHARDONNAY 2015
AD
William Cole Vineyards / Viníssimo (R$98)
REGIÃO/PAÍS: Casablanca, Chile
AD

89 90
pts
pts
Entre os brancos escolhidos este mês
Branco elaborado exclusivamente a partir temos estilos variados, desde o mais
de Chardonnay, com breve estágio em leve e aromático até o mais estrutura-
barricas de carvalho francês. Apresenta do e com passagem por madeira. Da
aromas de frutas tropicais e de caroço, Itália, proporcionamos uma aula de
como abacaxi e damasco, além de brancos. Da Úmbria, selecionamos
toques florais e de especiarias doces. No o Tellus Oro, um blend de Char-
palato, é frutado, estruturado, tem acidez donnay e Pinot Bianco, produzido
PCOGFKFCGƒPCNUWEWNGPVQGFGDQC pela Falesco, dos reputados irmãos
persistência. Experimente com peixes Cotarella. De Abruzzo, elegemos
brancos grelhados ou queijos de massa
um blend aromático e refrescante de
mole. Álcool 13,2%. EM
Malvasia e Chardonnay, da Tenuta
Ulisse, recém-chegado ao nosso mer-
SOGNO DI ULISSE
CHARDONNAY MALVASIA 2016 cado. E, do Chile, de Casablanca,
Tenuta Ulisse / Domno (R$ 70) vem o Mirador Selection, um Char-
REGIÃO/PAÍS: Abruzzo, Itália donnay com passagem por madeira
que alia frescor, cremosidade e volu-
Não é a primeira vez que essa me de boca, atributos ideais para ri-
combinação de duas castas com valizar com carne de porco ou peixes
características quase opostas aparece mais gordurosos.
em brancos italianos. A Chardonnay
é a espinha dorsal, aportando fruta,
corpo (médio) e até um toque mineral IRMÃOS
ao conjunto. Já a Malvasia, além Riccardo e Renzo Cotarella
de torná-lo mais redondo em boca, além de proprietários da
contribui principalmente com as notas Falesco, têm outras ocupações.
florais presentes nos aromas. Pode ser Riccardo é um dos enólogos
bebido sozinho ou acompanhar, além de consultores mais requisitados
peixes grelhados, saladas reforçadas, da Itália, enquanto Renzo é
por exemplo, com tiras de frango. Álcool CEO e enólogo-chefe do Grupo
13%. GV
Antinori.
TELLUS ORO 2015
Falesco / Winebrands (R$ 113)
REGIÃO/PAÍS: Lazio, Itália

Branco composto de 80% Chardonnay


e 20% Pinot Bianco, sem passagem
A MAIOR
por madeira. Assim como seu irmão Falando de Vitis
tinto, vem numa linda garrafa baixa e Vinifera, a Chardonnay
mais bojuda, mas o que importa é o é a segunda variedade
que está dentro dela. Esbanja frutas branca mais cultivada
tropicais e cítricas acompanhadas no mundo e a quinta no
de notas florais, minerais e de ervas total, com cerca de 211
frescas. Tem bom volume de boca,
mil hectares plantados.
gostosa textura, acidez refrescante e
ƒPCNRGTUKUVGPVGEQOVQSWGUUCNKPQUG
de limão siciliano. Álcool 12,7%. EM

LEIA MAIS SOBRE OS VINHOS DO MÊS EM NOSSO SITE


WWW.CLUBEADEGA.COM.BR
QUEM DISSE | para BEBER e COMENTAR

Tenho certeza que “De todas as coisas


os enochatos olham conhecidas pelos mortais, o
para mim e pensam: vinho é a mais poderosa e
‘Como você ousa’ eficaz para excitar e inflamar
Drew Barrymore, atriz as paixões da humanidade,
sendo combustível comum
para todas elas”
Francis Bacon, poeta

“Gosto de pensar
que sou uma pessoa “Às vezes, quando reflito
noturna, porque esse sobre todos os vinhos
é o meu trabalho, que bebi, sinto vergonha!
mas agora sou Então eu olho para a taça
pai de três. Estou e penso nos trabalhadores,
tentando me tornar nas vinhas e todas as suas
uma pessoa mais da esperanças e sonhos.
manhã. Não sei se Se eu não bebesse este
vai durar. Eu tenho vinho, eles poderiam
duas escolhas, certo? estar sem trabalho e seus
Ou eu me torno sonhos seriam destruídos.
amargo por levantar Então eu digo para mim
cedo, ou começo a mesmo: ‘É melhor que eu
beber vinho mais beba esse vinho e deixe
cedo e ir para a seus sonhos se tornarem
cama” realidade em vez de ser
Dave Matthews, cantor
egoísta e me preocupar
com meu fígado’”
Jack Handey, humorista

98 ADEGA >> Edição 148


A melhor
seleção
de vinhos
no Brasil
Proibida a venda de bebidas alcóolicas para menores de 18 anos. Aprecie com moderação. Se beber, não dirija.

GRANDCRU.COM.BR | 0800-777-8558
e em mais 50 lojas nas principais cidades brasileiras.
GHYLQXPFRPEU