Você está na página 1de 4

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

A A 2 . PR OF. BR UN O

POLÍGONO DE WILLIS

AVC
 O AVC, ou derrame cerebral, ocorre quando há entupimento ou o rompimento dos vasos que levam sangue ao
cérebro provocando a paralisia da area cerebral que ficou sem circulação sanguínea adequada.
 AVC

SINAISESINTOMASnniiiBGGGGGbbbbbb

Diminuiçãoouperdasúitadforçanaface,racooupernadeumaladodocorpo.

Alteraçãosuitadasensiilidadecomsenaçãodeformigamentonaface,racooupernadeumladodocorpo.

Perdasuitadeisaonumolhoounosdoisolhos.

Alteraçãoagudadafala,inclindodificuldadeparaarticular,experssarouparacompreenderalinguafem

Dordecaeçasuiraeintensa.
HEMODIÁLISE
 O processo é realizado em um circuito extra corpóreo utilizando-se uma membrana semipermeável artificial.
 O sangue do paciente percorre um circuito tubular e passar por um filtro (capilar)
 O ciclo é repetido diversas vezes.
 A solução de dialise é permanentemente renovada de forma a facilitar a depuração de solutos.
 Acesso venoso ideal:
o Urgência: veia profunda, através de cateter — subclávia, jugular ou femoral.
o Eletiva: fístula arteriovenosa — favorece hipertrofia e dilatação das veias.
 Tratamento da água: filtração, deionização e osmose reversa.

DIÁLISE PERITONEAL

 O processo é realizado dentro do próprio corpo, utilizando-se o peritônio como a membrana semipermeável.
 O peritônio é muito vascularizado e seus vasos são muito permeáveis e cercados por líquido peritoneal.
 Injeta-se solução de diálise na cavidade peritoneal e as substâncias a serem depuradas difundem-se do sangue
para a cavidade, através do peritônio.
 Após algum tempo, o liquido da cavidade peritoneal é retirado, sendo trocado por nova solução dialítica.
 Acesso ideal:
o Urgência: acesso temporário, por punção — cateter introduzido diretamente na cavidade peritoneal;
o Eletiva: cateter especial (Tenckoff) instalado cirurgicamente.

ESCOLHA DO MÉTODO
HEMODIÁLISE:
 Pacientes musculosos ou obesos.
 Problemas abdominais.
 Lombalgia crônica.
 Hipoalbuminemia.
 Más condições socioeconômicas e educacionais.
 Problemas psiquiátricos.

DIÁLISE PERITONEAL:
 Pacientes magros e de baixa estatura ou crianças.
 Doença coronariana sintomática.
 ICC.
 Doença vascular periférica severa
 Contraindicação à heparina.
 DM insulino dependente.

COMPLICAÇÕES
HEMODIÁLISE:
 Hipotensão — retirada muito rápida do volume do paciente.
 Reação anafilática (síndrome do primeiro uso ou do desequilíbrio).
 Câimbras.
 Náuseas e vômitos.
 Sangramento agudo — as vezes ocorre por falhas na coagulação.
 Embolia gasosa! — pode ocorrer por falha do sistema de circulação do sangue na máquina → colocar paciente
em posição de Trendeleburg e parar a máquina.

DIÁLISE PERITONEAL:
 Infecção do peritônio.
 Hiperglicemia — principalmente em pacientes diabéticos.
 Hérnia abdominal — ocorre após a inserção do cateter.
 Ascite sintomática.
 Ruptura da aorta abdominal — é fatal!

PROGNÓSTICO
 Mortalidade dos pacientes em dialise é, aproximadamente, de 40% — a principal causa de óbito ocorre por
eventos cardiovasculares****!
 A mortalidade deve-se a consequências não tratáveis com a dialise (infarto), a complicação da doença de base
e a complicações da diálise.
TRANSPLANTE RENAL
 É considerado a terapia de escolha, ou seja, o melhor método.
 Apresenta ótimos resultados.
 A longo prazo é de menor custo que a diálise.
 Confere melhor qualidade de vida ao paciente que a dialise
 Seleção do receptor: não limite de idade (entretanto tem-se discussão de limitar à 75 anos, devido a maior índice
de autossupressão e câncer), exames, etc.
 Pesquisa de compatibilidade: ABO sanguíneo → HLA → anticorpos específicos.
 Doador vivo: idade mínima de 21 anos e máxima depende da avaliação clínica.
 Doador cadáver: diagnostico de morte encefálica + autorização da família.

COMPLICAÇÕES:
 Rejeição hiperaguda (incompatibilidade)
 Rejeição acelerada (entre o 1º e 4º dias de pós-operatorio).
 Rejeição aguda (1º ano — mais comum nos 3 primeiros meses) — é o que mais ocorre nos dias atuais.
 Rejeição aguda tardia.
 Rejeição crônica — faz perder o enxerto, ainda ocorre muito nos dias atuais.

Interesses relacionados