Você está na página 1de 3

O que é o populismo

foda-seoestado.com/o-que-e-o-populismo/

Escrito por Diversos Autores May 10, 2017

“Lula é um populista?” pergunta-se Boris Fausto em entrevista para a revista Cult. Fausto
fica no “é e não é”, e passa a defender o pragmatismo econômico de Lula. Já Ricardo
Noblat não tem dúvidas, e diz logo que “Lula é um governante populista e autoritário”. Na
imprensa política brasileira, populismo é um desses termos que todos parecem conhecer
quase que intuitivamente. Ninguém perde muito tempo analisando antes de disparar logo o
clichê. Não importa de que lado do espectro político se está, o propósito da imprensa não
parece ser entender o populismo, apenas transformá-lo.

Mas o que é, verdadeiramente, o populismo? Obviamente, os políticos não costumam se


identificar com o termo populismo. Populistas são os outros. A utilização exclusiva como
xingamento tende a esvaziar o significado de uma palavra. Ainda assim, as pessoas têm
algo em mente quando acusam os outros de populismo. Normalmente o termo está ligado
ao apelo às massas, ou refere-se aos políticos que aproveitam o sentimento popular para
empurrar uma ideologia ou um programa de governo. Se assim fosse, o político populista
seria apenas o político popular em um alto grau de intensidade. Populismo equivaleria à
determinada condição da democracia. Nesse sentido, o populismo seria, na pior das
hipóteses, o estado demagogo que vicia as democracias como nos alertaram os clássicos.
Na melhor, uma forma de entender o teorema do eleitor médio, como teorizam os
contemporâneos.

Para evitar cair na vagueza ou no truísmo, é necessário lembrar que há uma diferença
entre populismo e popularismo. Toda democracia é por definição popularista. Quando a
maioria do povo elege os governantes, é a maioria que os governantes tentarão persuadir.
O importante é destacar os elementos que distinguem os políticos que carregam o rótulo

1/3
de populista dos demais políticos eleitos. Uma política como Margaret Tatcher ou um
Fernando Henrique Cardoso desfrutaram de bastante popularidade, mas populista não é
uma qualidade que vem à mente quando ouvimos os seus nomes. Há alguma coisa
diferente que une Vargas, Perón e Cárdenas a Chávez, Morales e Correa.

De fato, é possível identificar alguns traços comuns a todos os governos socialistas. O


primeiro deles é a sua inspiração conflitosa. Todo populismo coloca o povo contra a elite. A
própria concepção de povo depende de identificar, primeiro, quem é o seu inimigo. Não
importa que seja a aristocracia, a burguesia, a oligarquia, o establishment, o populismo
sempre nasce na identificação de um grupo de poderosos e privilegiados responsáveis
pelo status quo. Cabe à liderança política construir esse imaginário popular. Barack
Obama, por exemplo, conseguiu, através de uma única palavra, “change”, construir um
confronto entre Washington e o povo americano. Como notava o New York Times ainda
durante as primárias democráticas, a proposta de Obama era “caracterizar-se como o
candidato que não de fora de Washington”. Da mesma forma, Lula se apresentava como o
inimigo das elites e, portanto, defensor do povo. É esse confronto que desperta o povo.

Uma vez desperto, é necessário transformar o povo em ator político. Há várias formas de
se lutar contra a elite. Pode-se derrotar uma elite cultural por meio do estudo e da
superação intelectual. Pode-se derrotar uma elite econômica por meio do
empreendedorismo, ou da flexibilização social. Mas apenas uma luta importa para o
populista, e essa luta deve ser essencialmente política, não cultural, econômica ou
religiosa. É preciso que as demandas sociais correspondam à ação do estado.

Essas demandas precisam ser arquitetadas pelo populismo para passarem a existir. Na
Argentina dos anos 40, Juan Perón criou uma série de benefícios “com os quais os
trabalhadores jamais sonharam”, explica Alejandro Groppo em seu livro Los Dos Príncipes
[Os dois príncipes]. Assim também, o sindicalismo de Vargas politizou os trabalhadores
brasileiros. A expansão do welfare state sindicalista deixa os trabalhadores menos
trabalhadores e mais lobistas. O objetivo é aumentar o rent seeking, ou seja, as
oportunidades de lucro por meio de ação política e, portanto, a necessidade do papel mais
ativo do estado. A expansão do setor público, como ocorreu durante o governo Lula, é a
melhor forma de atingir este objetivo. Se um empregado da iniciativa privada quer melhorar
de vida, ele pode tentar ser mais eficiente, trabalhar mais horas, pode tentar negociar uma
promoção na empresa, ou pode até procurar outro emprego. Quando um funcionário
público quer melhorar de vida, tornar-se mais eficiente, produtivo ou inovador não importa
muito. A forma mais concreta de um aumento de salário é por meio da ação política. O
funcionário da iniciativa privada que quer um aumento passa mais tempo no escritório. O
funcionário público que quer um aumento precisa sair às ruas.

O resultado é um país em que as demandas econômicas e sociais se confundem com as


demandas políticas. Quando um empregado recebe um aumento, provavelmente ele
contribuiu para o serviço da empresa e, portanto, seu trabalho enriqueceu a sociedade.
Quando o funcionário recebe um aumento, provavelmente ele fez greve e acabou, na
verdade, empobrecendo a sociedade. Para todos os efeitos no cidadão-cliente,
produtividade e privilégio político são a mesma coisa.

2/3
Há razões para se temer e denunciar o populismo. Mas é preciso primeiramente entender o
que o condiciona e de que forma ele opera. Em geral, é uma invocação do povo contra a
elite que se realiza pela construção de privilégios políticos que, por sua vez, geram uma
demanda por maior privilégio. O tumor populista alimenta-se em sua própria lógica. É tão
difícil derrotá-lo que as reformas da era Vargas continuam sendo os mais insuperáveis
obstáculos para o desenvolvimento brasileiro.

Autor: Diogo G. R. Costa é professor de relações internacionais no Ibmec-MG e


Presidente do Instituto Ordem Livre.

Did you like this?


Tip Diversos Autores with Bitcoin
Donate via Installed Wallet
Powered by BitMate Author Donations

3/3