Você está na página 1de 21
—_— 7 O Direito como sistema de garantias' LUIGI FERRAJOLI Professor da Universidade de Camerino, Itdlia 7.1, Crise do Direito e crise da razdo juridica. O modelo garantista Assistimos hoje, mesmo nos paises de mais avangada demo- cracia, g uma crise profinds e-crescenté_do Direito/que se mai festa sdb varias formas e em miltiplos niveis. Distinguirei, esquematicamente, trés aspectos desta crise. O primeiro aspecto é 0 que chamareirise da Tegalidad ou seja, do valor-vineulativo associado as regras pe itulares dos poderes puiblicos, que se exprime na auséncia ou na ineficdcia dos controles, e portanto na variada @ espetacular fenomenologia da ilegalidade do poder. Na Italia - mas em medida menor, parece- “me, também na Franga e na Espanha -.foi trazido a luz do dia -hestes tiltimos meses, por nui os inquéritos judiciais, um gi- facao publica, as finangas e a economia, e que se desenvolve como umarespécie-de Estado paralelo, gerido pelas burocracias dos par- tidos e por lobbies de negécios, regido por cédigos préprios de comportamento, deslocado para sedes extra-institucionais e extra- legais. Na Itdlia, | ainda porcima, a ilegalidade publica manifesta-se tambéri soba forma de crise constitucional, isto 6, na progressiva “ieee do Valor das regras do jogo institucional e do conjunto dos mites e-clos-vinculos por elas Impostos ao excreicio dO PUTT Po BUBLER asta pensar nos abusos de poder que Tevaram @ petra — S680 do ex-Presidente da Republica por atentado 4 Constitui- i Pi Trad Saco originalmente em jueces para la Democracia, Informacién y debate, n® 16-17. S#0 do original italiano por Eduardo Maia Costa. —— 89 —— ¢4o, ao esvaziamento do papel do Parlamento, aos conflitos entre Q Poder Executivo e o Poder Judicial porque-o-primeiro nao sy. orta a independéncia do segundo, para nao falar das conexées thire a polices oa Mafia e do papel subversivo, até agora em grande parte obscuro, desempenhado desde ha dezenas de anos pelos servicos secretos. . JO segundo aspecto-da crisé\sobre o qual existe literatura adequacao estrutural das formas do Estado de ~\Dma tal crise, como é sabido, foi por muitos associada a gee } 7 ma-espec e contradigao ntre o_paradigma classico deDireito, que*consiste num conjunto + alter e de proibicdes Impastos aopoder publico de maneira certa, geral e abstrata, para Ri dos direitos eTiberdades dos cidadaos, € 0 estado social que ao _contrario, éxige-aos mesmos “poderes_a Satistagao de direitos sociais mediante prestagdes positivas, nem_sempre_predeter- ‘minavels dé forma geral e abst ‘eminentemente dis- cricionarias ou contingente: las_aos_principios da certeza “eda estrita legalidade econfiadas a atica e parti- aria al crise manifesta-se na inflagdo legislativa provocada pela ‘pressao de interesses setoriais e corporativos, na perda de genera- lidade e abstracao das leis pela crescente producao de leis-provi- déncia (leggi-provvedimento), no processo de descodificagaéo e no desenvolvimento de uma legis!agao avxise, até em matéria penal, sobjo signo da emergéncia eda excegad, Trata-se, como é evidente, de tim aspecto da crise do Diréito que favorece o precedente. A deterioracgaéo da forma da lei, a incerteza gerada pela i rénca Sistema de garantias-dos direitos sgciais, comparavel, pela capaci- dade de regulacao e de controle, a0. sistema das garantias tradicio- nalmente disponiveis para a propriedade e a liberdade, represen de Tato, nao sé_um fator de ineficdcia dos direitos, mas também 0 7 terrgno mai “ ii __ 2’ Ha-depois um- _da crise do Direito, que esté a NEstado Socifl e que se manifesta na deslocacao dos_ | lugares na alteracao do sistema das fontes e, portan- | | to, num enfraquecimento do constitucionalismo. O processo de | | | integragéo mundial, e especificamente européia, deslocou pata fora das fronteiras dos estados nacionais as sedes de decisao tra dicionalmente reservadas & sua soberania: em matéria militar, de politica monetéaria e de politicas sociais. E embora este processo — 99 —— ge em direcao a superacao dos velhos leg mados € legitimaveis Estados nacionais 6 aay ar fronteiras estaduais dos direitos de cidadania, isso esta vas rondo em crise, na auséncia de um constitucionalismo debi site fnternacional, a tradicional hierarquia das fontes. Pense-se n. uae go de novas fontes de produgao, como as do Direito cur sea bo munitario - diretivas, regulamentos e, depois do tratado’ de Maastricht, decisdes em matéria econémica e até militar - subtraf. das a0 controle parlamentar e, simultaneamente, a vinculos oat titucionais, quer nacionais, quer supranacionais. £ evidente que esta triplice crise do Direito corre o risco de crise da_democracia.|Ela equivale, de fato, em s}Ja uma crise do principio y eitura hoje bastante. difundida de uma tal crise é.a que~ a interpreta come’crise da propria capacidade reguladora do-Di reitoy originada_pela_elevada *complexidade" da sociedade con- NA multiplicidade-das fungoes deferidas ao Estado ao legislativa, a pluralidade das fontes normativas, acao aos imperativos sistémicos de tipo econdmico, tecnoldgico € politico e utro lado, a ineficd tr ea larga margem de irresponsabilidade do poder ptiblico gerariam