Você está na página 1de 37

Secção de Sistemas de Telecomunicações

Antenas - Introdução

Eng. Carlos Mendes


ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

O que é uma antena?


„ É um dispositivo, geralmente metálico, que emite e/ou recebe ondas
electromagnéticas.
„ Tem o objectivo de fazer a transição entre a propagação guiada (num guia
de onda, cabo coaxial, linha de transmissão) e a propagação em espaço
livre.

Antena Antena
Emissão Recepção
Propagação
Propagação
guiada
guiada
E f f R

Emissor Receptor

2
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Teoria da Radiação
„ Todos os fenómenos electromagnéticos regem-se pelas equações de
Maxwell e pela equação da continuidade.

Em regime harmónico sinusoidal:

∇ × H = jωε1 E + J e
James. C. Maxwell
∇ × E = − jωµ1 ⋅ H 1) Não existe campo E sem campo H e vice-
ρe versa.
∇i E = 2) Ambos dependem da distribuição de
ε1 cargas e correntes que lhes deu origem e
∇i H = 0 das características do meio (µ1,ε1).

∇i J e = − jω ⋅ ρ e Equação da continuidade

3
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Teoria da Radiação
„ O procedimento de análise dos problemas de radiação consiste em
especificar as fontes e calcular os campos.
„ O processo do cálculo dos campos introduzindo a distribuição de
correntes nas equações de Maxwell é, do ponto de vista matemático,
muito complicado.
„ Recorre-se a uma equação intermédia, denominada de “potencial vector”,
que simplifica esse cálculo.

Fontes Campos
J E;H

1
H= ∇× A
µ1
Potencial Vector
A
e− jβ R 1
A = ∫∫∫ µ1 J dv ' E = − jω A − j ∇ ( ∇i A )
V
4π R ωµ1ε1 4
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Teoria da Radiação
„ Da análise do potencial vector concluí-se que:
¾ As ondas electromagnéticas propagam-se em ondas esféricas Æ 4π
¾ À medida que se propagam sofrem uma atenuação proporcional a 1/r
¾ A potência por ângulo sólido é constante (num meio sem perdas)
„ Noção de ângulo sólido:
Steradiano Área r
Radiano equivalente
(ângulo sólido) r

r
r

r
1 rad Área = r2
1 sterad

dA
dΩ = 2
r
1 circunferência = 2π rad 1 esfera = 4π sterad

5
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Teoria da Radiação
„ Relação entre campo E e campo H
Na zona distante de radiação:
E Impedância característica do meio
= Z1
E H

No vazio: Z1 = Z 0 = 120π

H
Direcç
ão
propag de
ação

6
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Parâmetros fundamentais
„ Vector de Poynting
¾ É uma densidade de potência (W/m2). Também designado por Densidade de
Fluxo Potência – pdf – pela ITU.
JG
E − V / m
1 JG JG * G  JG
 
Sr = ⋅ Re E × H .a r onde  H − A / m
2  
S − W / m 2
 r
„ Potência radiada – Total de potência enviada pela antena para o espaço
Prad = ∫ Sr ⋅ ds ⇒ Prad = ∫ ∫ ⋅ ⋅ senθ ⋅ dφ ⋅ dθ
2
Sr r [W]
(S) (θ) (φ)

„ Intensidade de Radiação
U(θ, φ) = r 2 ⋅ Sr (θ, φ) [W/sterad]

¾ Este parâmetro, ao contrário de Sr, é independente da distância. É uma


potência por unidade de ângulo sólido. 7
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Parâmetros fundamentais
„ Directividade
¾ É a relação entre a intensidade de radiação numa dada direcção e o valor
médio da intensidade de radiação.

U(θ, φ) P 4πU(θ, φ)
D(θ, φ) = como U med = rad então D(θ, φ) =
U med 4π Prad

4πU max
D max =
Prad
„ Ganho
¾ É idêntico à directividade, excepto no facto de entrar em conta com o
rendimento de radiação da antena.

Potencia radiada
G = ηrad D ηrad =
Potencia aceite pela antena

8
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Parâmetros fundamentais
„ Diagrama de Radiação
¾ É uma representação gráfica das propriedades de radiação de uma antena, em
função das coordenadas espaciais (cartezianas ou esféricas). Pode ser uma
representação de campo, intensidade de radiação, ganho, etc.

„ Exemplo: Dipolo linear de ½ comprimento de onda (Campo E):

Diagrama 3D Plano E ou Vertical - φ cte Plano H ou Horizontal - θ cte

9
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Parâmetros fundamentais
„ Polarização
¾ Por definição, a polarização é uma propriedade que descreve a evolução da
direcção e da amplitude do vector campo eléctrico ao longo do espaço-tempo.

¾ É definida para uma determinada direcção (θ,φ).


¾ Uma representação gráfica é obtida fixando um ponto no espaço na direcção
de propagação e desenhando a evolução do campo eléctrico.
¾ Tipos de polarização
o Linear
o Circular (esquerda ou direita)
o Elíptica (esquerda ou direita)

„ Um desalinhamento entre antenas provoca perdas adicionais, pelo facto


das antenas terem deixado de trabalhar na mesma polarização.
¾ ψ é o ângulo entre os vectores campo eléctrico das antenas de emissão e
recepção.
2
PLF = cos ψ ⇒ perdas por desalinhamento de polarização
10
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Parâmetros fundamentais
„ Exemplos de polarizações
Ey

o de
Ex
re cçã ação
Di pag
pro
A polarização de uma
Polarização Linear antena é a mesma que o
sentido da corrente que
I
deu origem á onda
Corrente Linear Ey electromagnética.
o de
Ex ã
ir ecç ação
D pag
pro
I

Polarização Circular

Corrente Circular 11
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Parâmetros fundamentais
„ Largura de feixe a meia potência ou a -3dB
¾ Definição: Num plano que contém o máximo de radiação, é o ângulo feito
pelas duas direcções segundo as quais a potência radiada caí para metade
do seu valor máximo.
¾ Permite contabilizar a abertura do diagrama da antena.
„ Largura de banda
¾ Banda de frequência na qual uma determinada característica da antena
permanece dentro de uma gama desejada. A impedância de entrada, que
varia com a frequência, é o parâmetro que é normalmente usado da definir a
largura de banda.
„ Ruído
¾ Uma antena é uma fonte de ruído no sistema.
o Ruído interno - é o ruído criado pela própria antena.

o Ruído externo - é o ruído captado pela antena e que depende do ganho


da antena na direcção do ruído.

12
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Parâmetros fundamentais
„ Rendimento de uma antena
¾ Além das perdas associadas ao rendimento de radiação que vimos
anteriormente, existem outras perdas associadas às antenas, por
exemplo, devido à desadaptação do sistema de alimentação à antena.
O rendimento total é dado pelo produto dos vários rendimentos
parciais.

„ Área efectiva
¾ A cada antena esta associada uma área eléctrica, diferente da sua
área física, que define a capacidade da antena em captar energia
electromagnética.

¾ Demonstra-se que a área efectiva de uma antena é dada por:

λ2
Aeff = D

13
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antena Isotrópica
„ Uma antena isotrópica radia uniformemente para todo o espaço.

Prad Prad
Sr ( r ) = ⇒ U ()
r = U max
4πr 2 4π D max = =1
Prad - potencia fornecida à antena U med
e radiada pela mesma

Esta antena não existe na prática mas


é usada como antena de referência

14
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Atenuação em Espaço Livre


„ Considere-se duas antenas isotrópicas separadas por uma distancia d. A
esta distancia, o módulo do vector de Poynting vale:

PE  PE = Potência de emissão [W ]
Sr ( d ) = , onde 
4π d 2
d = distância [m]

„ A potência captada pela antena de recepção será então de

PR = Sr ( d ) × Aeff , onde Aeff é a área efectiva da antena da antena isotrópica.


2
PE   λ2  λ 
PR =  ×
= P ×  
4π d  4π  4π d 
2 E

„ Chama-se a atenuação de espaço livre à parcela:

2
 λ 
LFS = 
 4π d 
15
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Atenuação em Espaço Livre


„ Uma antena directiva radia diferentes valores de densidade de potência
conforme a direcção (θ, ϕ)

¾ Quando comparada com a antena isotrópica, as antenas directivas têm um


ganho em determinas direcções.
¾ Este ganho é compensado pela diminuição de radiação noutras direcções

„ Assim temos que a equação anterior vem:

GE = ηrad DE
2
 λ 
PR = PE × GE × GR ×   onde 
 4π d  GR = η rad DR

O produto PEGE é chamado de E.I.R.P - “Equivalent Isotropically Radiated Power”

16
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Atenuação em Espaço Livre


„ Em telecomunicações é usual usar-se as grandezas expressas em dB,
pelo que as expressões anteriores são dadas por:

PR = PE + GE + GR − LFS

PR = 10 log10 ( PR ) , [dBW ] PE = 10 log10 ( PE ) , [dBW ]

GR = 10 log10 ( GR ) GE = 10 log10 ( GE )

 λ   c 
LFS = −20 log   = − 20 log  
 4π d   4π fd 

„ Substituindo c por 3x108 m/s e exprimindo d em km e f em MHz:

( ) (
LFS = 32.4 + 20 log d[km] + 20 log f[ MHz ] ) Rec. P.525-2
ITU-R
17
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antena - Lobos
„ Antena de emissão:
¾ O lobo principal radia grande parte da potência.
¾ Potência residual é emitida pelos lobos secundários.

„ Na antena de recepção o processo vai ser idêntico


¾ O diagrama de radiação é idêntico ao da antena emissora.
¾ Na recepção vai-se receber sinais indesejados pelos lobos secundários,
podendo aumentar a interferência.

„ Em agregados, existem técnicas para controlar ou minimizar os lobos


secundários.

Utilizador

Interferência

18
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antenas Lineares
„ Dipolos e Monopolos são antenas lineares, compostas por um “fio”. São
as antenas mais antigas, simples, baratas e versáteis.
„ Têm uma grande aplicação prática
¾ Telemóveis
o Terrestes
Diagrama de radiação típico
o Satélites
¾ Automóveis
¾ Rádios e TV’s
¾ Medidas
¾ BTS’s
¾ Etc.

Antena de GSM para Indoor


19
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antenas de Abertura
• São antenas bastante directivas e eficientes
• Usadas principalmente em microondas
• Fonte primária
• Usado em equipamento de medida
• Alimentador (fonte primária) de parabólicas

20
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antenas de Impressas

„ Vantagens „ Desvantagens
ƒ Leves, Pequenas, Baratas „ Baixa Eficiência
ƒ Fáceis de construir e de instalar „ Largura de banda reduzida
ƒ Adaptáveis a várias superfícies
ƒ Fácil integração de elementos
activos
Plano H
Plano E

Elemento

ε R dieléctrico
Linha de
Alimentação

Plano de massa 21
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Reflectores
• Reflectores mais comuns
• Plano (1)
• De canto (2)
• Parabólico (3)
• Têm como objectivo concentrar a
(2) potência numa dada zona do espaço de
modo a aumentar o ganho do
(1) alimentadores.
• Em FH’s são também usados para
superar obstáculos (repetidores passivos
ou activos)

(3)
22
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Agregados
„ Um elemento radiante isolado tem um diagrama de radiação fixo,
geralmente bastante largo e com ganho pequeno.

„ Um agregado é um conjunto de antenas disposto no espaço de modo a


aumentar o ganho e a adequar o diagrama de radiação.

„ Agregados típicos
¾ Lineares
¾ Planos
¾ Volumétricos

Agregado de dipolos Agregado de parabólicas


23
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Agregados
O campo total é dado pela soma dos vários campos de cada antena. O
diagrama é controlado pelo Número, Espaçamento, Fases e Alimentações.

soma

anulação

Se os dois elementos estão separados ½


λ, produzir-se-á um máximo na direcção
perpendicular ao alinhamento das fontes.

Quando a diferença de percursos for um múltiplo inteiro de comprimentos


de onda,a interferência é construtiva e a amplitude do sinal é dupla.
Quando a diferença de fase for um número ímpar de λ/2 a interferência será
destrutiva.
24
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Agregados
Se a separação entre os dois elementos é de “um comprimento de
onda”,vão produzir-se máximos de radiação nas direcções do alinhamento
e perpendiculares a este.
Para o afastamento da figura o ângulo dos nulos é de 60º.

soma
anulação

60º

soma

25
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Agregados
Quando a diferença de fases é -π/2 e o afastamento é de λ/4, as ondas
somam-se na direcção +z (em fase) e anulam-se segundo –z (oposição de
fase ).

anulação

soma

26
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Agregados
„ Inúmeras possibilidades de diagramas de radiação

Diagramas de Radiação para


Agregados de duas antenas
para diversas combinações de
d (espaçamento) e α (fases):

27
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Agregados - Antena GSM


• Polarização Vertical
• Tilt controlado mecanicamente

28
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Agregados - Antena GSM


• Polarização Cruzada

29
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antena Parabólica
Plano da boca A partir daqui todos os raios de onda saem em fase
da parábola

Pf é a potência entregue pela fonte


primária ao reflector parabólico

R Pf = PTX - perdas no guia de ondas

Pf

Foco PT Espaço
ℜ³

PT = Prad = Potência enviada para ℜ³ pelo


Guia de ondas do TX Sistema Radiante de diâmetro 2R =D

PTX Nota : O ganho da fonte primária condiciona o


TX GANHO do SISTEMA RADIANTE GLOBAL
30
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antena Parabólica
Rendimento de abertura - Relação entre a Aeff e a área da boca da parábola
A eff
ηa = ⇒ A eff = ηa .A fisica = ηa πR 2
A fisica
eficiencia de radiação
perdas por spillover

0.5 <ηa< 0.8 perdas por espalhamento
ηa = ηη1η2 η3 ... 
Rec. UIT-R perdas por difração
perdas por obstrução

etc.
Prad λ 2
isotrópica ⇒ .
4πd 4π
2

4π 4π 4π 2 R 2
G = 2 A eff = η 2 A fisica = ηa
Prad λ λ λ2
parabólica ⇒ .A eff
4πd 2

31
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antena Parabólica – Parâmetros fundamentais


U(θ,φ) Gmax -3dB
G(α)
α
D
Umax Gmax[dB]


Ω é a abertura do θ3dB
lobo principal λ
θ3dB = k , tipicamente k=70º
D
Perdas por desalinhamento:
Queda do ganho da antena (emissão e recepção) por desvio α do eixo da antena,
relativamente à direcção de ganho máximo:
2 2
 α   α 
L T = 12   [dB] G(α)dB = Gmax dB - 12 .  
 θ3dB  θ
 3dB 
32
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antenas - Exemplos
„ Antenas para radioastronomia

33
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antenas - Exemplos
„ Difusão FM

34
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antenas - Exemplos
„ Feixes Hertzianos

35
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antenas Exemplos
„ Difusão TV „ Recepção TV

Antena Yagi

36
ISEL – DEETC – SST Antenas - Introdução
Sistemas Radiantes

Antenas - Exemplo

„ Antenas para satélite – estação espacial.

37