Você está na página 1de 5

Cantiga de amigo

Ondas do mar de Vigo,


se vistes meu amigo!
E ai Deus, se verra cedo!

Ondas do mar levado,


se vistes meu amado!
E ai Deus, se verrá cedo!

Se vistes meu amigo,


o por que eu sospiro!
E ai Deus, se verrá cedo!

Se vistes meu amado,


por quem ei gran cuidado!
E ai Deus, se verrá cedo!
Martin Codax (CV 884, CBN 1227)
Cantiga de amor:

Quer eu en maneira de proençal

fazer agora um cantar d’amor

e querrei muit’i loar mha senhor,

a queprez nen fremosura non fal,

nen bondade, e mais vos direi en:

tanto a fez Deus comprida de ben

que mais que todas las do mundo val.

Ca mha senhor quiso Deus fazer tal

quando a fez, que a fez sabedor

de todo ben e de mui gran valor

e com tod(o) est’ é mui comunal,

ali u deve; er deu-lhe bon sen

e des i non lhi fez pouco de ben,

quando non quis que lh’ outra foss´igual.

Ca en mha senhor nunca Deus pôs mal,

mais pôs i prez e beldad’ e loor

e falar mui bem e riir melhor

que outra molher; des i é leal

muit´, e por esto non sei oj eu quen

possa compridamente no seu ben

falar, ca non á, tra-lo seu ben, al.


Cantiga de escárnio:

Ai, dona fea, foste-vos queixar

que vos nunca louv’ en (o) meu cantar;

mais ora quero fazer un cantar

en que vos loarei toda via;

e vedes como vos quero loar:

dona fea, velha e sandia!

Dona fea, se Deus me perdon,

pois avedes (a) tan gran coraçon

que vos eu loe, en esta razon

vos quero já loar toda via;

e vedes qual será a loaçon:

dona fea, velha e sandia!

Dona fea, nunca vos eu loei

en meu trobar, pero muito trobei;

mais ora já un bom cantar farei,

en que vos loarei toda via;

e direi-vos como vos loarei:

dona fea, velha e sandia!

João Garcia de Guilhade (CV 1097, CBN 1486)


Cantiga de maldizer

Roi Queimado morreu con amor

en seus cantares, par Sancta Maria,

por ũa dona que gran ben queria;

e, por se meter por mais trobador,

por que lhe ela non quis ben fazer,

faze-s’ el en seus cantares morrer,

mais resurgiu depois ao tercer dia!

Esto fez el por ũa sa señor

que quer gran ben, e mais vos en diria:

por que cuida que faz i maestria,

e nos cantares que faz, á sabor

de morrer i e dês i d’ ar viver;

esto faz el que x’ o pode fazer,

mais outr’ omem per ren non-o faria.

E non á já de sa morte pavor,

senon sa morte mais la temeria,

mais sabe ben, per sa sabedoria,

que viverá, dês quando morto for,

e faz-s’ en seu cantar morte prender,

dês i ar vive: vedes que poder

que lhi Deus deu, mais que non cuidaria.


E, se mi Deus a min desse poder

qual oj’ e lá, pois morrer, de viver,

já mais morte nunca temeria.

Pero Garcia Burgalês (CV 988, CBN 1380)

Interesses relacionados