Você está na página 1de 3

Colapso da função de onda e nossa consciência

Colapso da função de onda é um termo comum da física quântica que deriva do famoso
experimento da dupla fenda popularizada pelo físico Richard Feinman, o experimento da dupla
fenda demonstra que a matéria e a energia podem exibir ambas as características de ondas e
de partículas.

Dito de forma simples, os cientistas estavam interessados em explorar a natureza de um


elétron e queriam determinar se era uma partícula ou uma onda, quando eles estavam na sala
de observação do elétron ele se comportava como uma partícula o que confirmava as suas
expectativas, quando os cientistas deixavam a sala e não estavam observando o elétron mas
registrando a atividade em vídeo, o elétron se comportava como uma onda, os cientistas
concluíram que as expectativas dos pesquisadores colapsava a função de onda,
transformando-o de estados de ondas prováveis para formas fixas à base de partículas, eles
concluíram que de fato, a consciência do observador colapsa a função de onda.

Então, por que estamos preocupados com o que uma partícula pode estar fazendo ou se ela
está acenando ou não está acenando quando não estamos olhando para ela ? Quando
entendermos que as nossas observações e expectativas realmente influenciam o comportamento
aparente da realidade, então estaremos habilitados a jogar ativamente com a interação da criação
da realidade, a realidade não é nem partícula nem onda, é ao mesmo tempo e não é ao mesmo
tempo e como cocriadores com a consciência universal influenciamos o modo como à
realidade se forma.
Da mesma forma, em nossas observações contínuas da nossa realidade e nós mesmos,
repetidamente colapsamos a função de onda em um estado de mesmice ou um estado de não
mudança, percebemos através da mesma lente da consciência e entramos em colapso da
função de onda em várias possibilidades de estados para aquilo que escolhemos observar para
nós mesmos, nossa lente limitada da consciência cria preconceitos perceptivos que filtram o
que somos capazes de perceber e experimentar.
Como podemos perceber, a vida é o resultado de como nós colapsamos a função de onda, nossas
perspectivas, nossas observações, nossas opiniões, nossos pensamentos e nossas crenças estão
colapsando continuamente a função de onda de possibilidades ilimitadas, para os estados de
probabilidade para o que realmente observamos e percebemos como a nossa experiência, nós
vemos o que esperamos ver e estamos continuamente e consistentemente colapsando a
função de onda.
Quando jogamos em um poderoso campo mórfico em nós, presume-se que estamos
descolapsando a função de onda baseada em partícula, fixa, imutável, de perspectiva de
realidade limitada, estamos descolapsando a função de onda a partir de uma única realidade
causal, que é um estado de não mudança, sem flexibilidade, em estados de possibilidades ou
um estado de fluxo baseado em ondas para um estado de fluxo baseado em onda, nós somos
capazes de realizar o que é referido como um segundo fraco colapso da função de onda em
uma nova configuração de consciência, um novo estado de mudança, somos capazes de passar
de um estado de não mudança, sem flexibilidade, para um estado de fluxo, para um novo estado de
mudança ou transformação.
O colapso da função de onda é o que acontece quando exercemos uma escolha, considere
que o campo do potencial da consciência é uma mancha coerente de informação infinita e
potencial indiferenciado, o potencial da consciência é tudo incluso não exclui nada, fora da
coerência um campo infinito indiferenciado que é muito parecido com o potencial de um mar
imóvel, possibilidades distintas como ondas no firmamento sem coerência do todo em
subconjuntos, estes subconjuntos continuam a fazer parte do todo, mas eles têm
características ondulatórias que estão em movimento e podem ser controlados pelo cérebro
direito intuitivo.

A partir desse estado de incoerência estas ondas de possibilidade tornam-se ainda mais
prováveis que algumas ondas que têm mais densidade ou que levam mais em consideração a
informação, ondas de possibilidade que são mais densamente ponderadas tornam-se estados
de probabilidade que são em seguida mais propensos a entrarem em colapso, quando
permitimos que a escolha entre através da estrutura lógica do cérebro esquerdo do observador
há um colapso da função de onda de vários estados prováveis de realidade, muito parecido
com uma gota de água coalescente com a areia, a onda se transforma em partícula como a
consciência através da observação individual sai da função de onda e o que se percebe é a
matéria, a forma e a experiência.

Colapso da função de onda e campos de torção


Campos de torção estão em toda parte, mesmo em nossos campos pessoais.

Quando nós colapsamos a função de onda de possibilidade para a realidade com uma
perspectiva pessoal definida (partícula de realidade), esta partícula de elétron-perspectiva tem
uma rotação (um momento angular de perspectiva), cada perspectiva ou partícula de rotação
cria um campo de torção em seu rastro.

Uma perspectiva individual representada e refletida pelo colapso da função de onda também cria
um campo de torção que é codificado como parte da consciência coletiva, como sabemos, os
campos de torção podem transmitir e receber informações em qualquer lugar a qualquer
momento, assim a nossa perspectiva pessoal cria um campo de torção que codifica a
informação do nosso ângulo ou ponto de vista pessoal, este campo de torção é então envolvido
dentro dos campos de torção do éter ou o tecido universal da consciência, nossa rotação
original sobre as coisas é codificada no holograma.
Nossas escolhas, pensamentos, emoções e estados realizados de forma consistente estão
disponíveis para os outros entrarem em ressonância através dos campos de torção, é talvez
por isso que nossos pensamentos pessoais, emoções, escolhas e ressonância podem influenciar o
mundo, o que dá entendimento emocionante da famosa proclamação de Mahatma Gandhi:
“Você deve ser a mudança que deseja ver no mundo”.
Quando nos tornamos a mudança que queremos ver, nosso holograma individual do corpo de
luz emite campos de torção com base na rotação dos nossos elétrons particulares ou ponto de
vista pessoal, alterando a rotação e mudando você, o que torna mais provável do que acontece
para você também acontece para a consciência coletiva.

Nossos pensamentos, emoções e escolhas não acontecem em um vácuo, influenciam o que é


expresso a partir do vácuo do potencial infinito, com o colapso da função de onda bem como a
forma como descolapsamos a função de onda, influenciamos tudo, porque tudo está conectado e
tudo é sincronizado através de uma comunicação do campo de torção recíproco do UM, com o
TODO.
Nossas perspectivas pessoais que podem mudar em um instante, têm um efeito que reverbera
para a consciência coletiva, esse efeito cascata não tem limites, da mesma forma a
consciência universal é ilimitada no seu potencial.

Jogando nas ondas, alterando a maré e a corrente


Alguns especulam que uma descolapso da função de onda acontece naturalmente quando
jogamos, jogar nos coloca em nossos corações e nos permite ignorar nosso linear, lógico,
analítico cérebro, que constrói a realidade com base no que é familiar, a parte lógica do
cérebro compartimenta e segrega informações, ele classifica por meio de informações com
base nas semelhanças ao categorizar e organizar o que ele encontra, ele percebe o que é
similar não o que é diferente, esta parte nos separa da sensibilização, identifica, e nomeia, a
parte lógica do cérebro muitas vezes referida como o lado esquerdo do cérebro é um
processador linear serial, que é capaz de rastrear pouco mais do que alguns bits de informação
de cada vez, o lado esquerdo do cérebro mantém a ordem na realidade pelo colapso da função
de onda de várias ondas de possibilidades para apenas uma escolha, cada escolha parece
seguir a escolha prévia em uma forma sequencial linear.

O raciocínio da parte esquerda do cérebro da consciência decide o que percebemos com base
no que ele já sabe e só então o que é familiar é notado e posteriormente experimentado, o lado
esquerdo do cérebro parece ser governado por uma realidade baseada em partículas
separatistas, o lado esquerdo do cérebro é o mecanismo que escolhe, sujeita a sua
sensibilização para apenas a queda limitada da água que foi separada da onda na areia, o lado
esquerdo do cérebro colapsa a função de onda percebendo com limitações, vendo exatamente
o que ele espera ver.

Quando aprendemos a expandir a nossa consciência para um estado de espírito brincalhão,


para além de qualquer expectativa, agenda, ou apego ao resultado, além do que podemos
esperar ver, além do pensamento, então entramos no domínio da sensibilização do lado direito
do cérebro, ao percebermos através do cérebro direito intuitivo, somos capazes de descolapsar
prontamente a função de onda em várias ondas de possibilidades que esperam por nosso maior
reconhecimento.
A parte intuitiva do nosso cérebro muitas vezes referido como o lado direito do cérebro, é um
processador paralelo que é capaz de rastrear e acompanhar várias ondas de possibilidades ao
mesmo tempo, o lado direito do cérebro pode acompanhar padrões de informação como
probabilidades antes de se tornarem atualizados, a linguagem do cérebro direito é de natureza
simbólica e é de um padrão muito orientado, ele pode rastrear e acompanhar as conexões que
normalmente não são capturadas pelo processamento serial segregante do lado esquerdo do
cérebro, o lado direito do cérebro é governado por ondas de interconexão de redes de
possibilidades, ele é capaz de seguir muitas ondas antes de se tornarem gotículas de escolha
na areia.
Ao descer para o campo do coração nós entramos em um estado coerente de consciência, ignorando
assim a segregação e as limitações da mente, acessamos à totalidade da consciência antes que a
onda entre em colapso.
Seguindo diretamente para o mar do potencial coerente que reside no campo do coração,
tocamos no potencial da consciência conectando-nos a parte mais autêntica de nós mesmos
que se conhece como um todo, sem limites, atemporal, e sem dimensão, aproveitamos a
coerência dentro de um campo unificado quando caímos na consciência centrada no coração, não
há a nada a fazer no estado de ser centrado no coração, é um estado alterado de consciência que
quando acessado torna-se um veículo para uma nova realidade baseada na UNIDADE, no AMOR e
no potencial ilimitado.
Deixar-se cair no campo do toro do coração é tão fácil como a respiração, nós normalmente
não pensamos sobre a respiração e ainda assim ela acontece, da mesma forma muitas vezes
não percebemos quando estamos dentro ou fora do nosso espaço do coração, perceber a
consciência centrada no coração ajuda-nos de forma consistente e sem esforço acessar um espaço de
graça onde a transformação é mais provável de ocorrer.
@Melissa Joy

Origem: wakingtim

Você também pode gostar