Você está na página 1de 134

Material de Apoio

Eletromagnetismo II

Palmas, TO
2016
Nota de Esclarecimento

Este presente trabalho objetiva auxiliar no estudo da matéria de Eletromagnetismo


II, seguindo o conteúdo ministrado em sala de aula. Todo o conteúdo foi baseado nas
aulas do curso de Eletromagnetismo II e transformada em notas de aulas por alguns
alunos, além disso é importante atentar para o fato de que este material utiliza como
principal referência Fundamentos da Teoria Eletromagnética(Jonh R. Reitz), e Teoria
Eletromagnética, Volume II(Kleber Daum Machado).
Este material foi feito sem fins lucrativos, apenas para ajudar o alunos na compreensão
da disciplina, além disso em hipótese alguma deve substituir as aulas do professor e nem o
estudo pelos livros aqui referenciados ou em outros. Aqui vale atentar para o fato que este
material não substitui o raciocı́nio na resolução e compreensão dos execı́cios necessário
que cada aluno deve ter para o andamento do curso.

Versão LM 1.0

2
Sumário

8 Campo Magnético de Correntes Estacionárias 6


8.1 Definição de indução eletromagnética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
8.2 Forças atuantes sobre condutores em que circulam corrente . . . . . . . . . 9
8.2.1 Torque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
8.3 Lei de Briot e Savant . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
8.4 Lei circuital de Ampère . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
8.5 Potencial Vetor magnético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
8.6 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

9 Propriedades Magnéticas da Matéria 33


9.1 Magnetização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
9.2 Campo magnético produzido por material magnetizado . . . . . . . . . . . 34
9.3 Potencial Escalar magnético e Densidade de pólo magnético . . . . . . . . 40
9.4 Fontes de Campo magnético. Intensidade magnética . . . . . . . . . . . . . 42
9.5 Susceptibilidade magnética e permeabilidade magnética . . . . . . . . . . . 42
9.6 Equações de campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
9.7 Condições de contorno sobre os vetores de campo . . . . . . . . . . . . . . 44
9.8 Problemas de valores de contorno que envolvem materiais magnéticos . . . 46
9.9 Exercı́cios Recomendados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
9.9.1 Questão 9.1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
9.9.2 Questão 9.2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
9.9.3 Questão 9.7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
9.9.4 Questão 9.8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

11 Indução Eletromagnética 70

3
11.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
11.2 Auto-Indutância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
11.3 Indutância Mútua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
11.4 Fórmula de Neumann . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
11.5 Exercı́cios Recomendados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
11.5.1 Questão 11.1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
11.5.2 Questão 11.2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
11.5.3 Questão 11.4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
11.5.4 Questão 11.5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
11.5.5 Questão 11.7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

12 Energia Magnética 83
12.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
12.2 Para “n” circuitos acoplados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
12.3 Densidade de energia no campo magnético . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
12.4 Forças e Torques sobre circuitos rı́gidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
12.4.1 Corrente Constante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
12.4.2 Fluxo Constante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
12.5 Exercı́cios e Exemplos Recomendados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
12.5.1 Exemplo 1: Força em dois circuitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
12.5.2 Exemplo 2: Força em quatro circuitos . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
12.5.3 Exemplo 3: Solenoide com corrente “I” . . . . . . . . . . . . . . . . 94
12.5.4 Questão 12.1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
12.5.5 Questão 12.2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
12.5.6 Questão 12.4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
12.5.7 Questão 12.7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

13 Correntes que variam lentamente 102


13.1 Leis de Kirchhof . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
13.1.1 Leis dos nós . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
13.1.2 Lei das malhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
13.2 Comportamento transitório elementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
13.2.1 Circuito RL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

4
13.2.2 Circuito RLC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
13.3 Comportamento do estado estacionário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
13.4 Potência e fator de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
13.5 Ressonância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
13.6 Questões Recomendadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
13.6.1 Questão 13.1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
13.6.2 Questão 13.3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112

16 Equações de Maxwell 113


16.1 Generalização da Lei de Ampère e corrente de deslocamento . . . . . . . . 113
16.2 Energia eletromagnética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
16.3 Equações da Onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
16.4 Condições de contorno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
16.5 Questões Recomendadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
16.5.1 Questão 16.1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
16.5.2 Questão 16.10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
16.5.3 Questão: Integre a equações de Maxwell e explique o significado
fı́sico de cada uma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132

5
Capı́tulo 8

Campo Magnético de Correntes


Estacionárias

8.1 Definição de indução eletromagnética

Força de Coulomb.


1 qq1 r
F~e = (8.1)
4πo r2 r
Se as cargas estão em movimento uniforme, com velocidade ~v e ~v1 , uma força magnética
F~m serác exercida por q1 sobre q ou q sobre q1 .

Figura 8.1: Diagrama 1

Fonte: Acervo Pessoal

Encontrou-se a força magnética experimentalmente como:


µo qq1 r
F~m = ~
v × ~
v 1 × (8.2)
4π r2 r
µo
Obs: = 10−7 N.s2 .C −2 ou seja, µo = 4π10−7 N.s2 .C −2 é a permeabilidade magnética

6
do vácuo. →
→ → µo qq1 r
Dizemos que F~m = q~v × B , então B = 2
~v1 × é o campo magnético gerado pela
4π r r
carga 1.
Se tanto o campo elétrico como o campo magnético estiverem presentes, a força total
sobre as cargas em movimento será F~e + F~m .

→ →
F~ = q(E +~v × B ) (8.3)

Onde essa equação é conhecida por força de Lorentz.



A força magnética sempre está perpendicular a ~v e B .

Figura 8.2: Diagrama 2

Fonte: Acervo Pessoal

Sendo:
o = 8, 85.10−12 C 2 N −1 .m−2
µo = 4π10−7 N.s2 .C −2
1 1
o µo = 2 ou c = √ , onde c é a velocidade da luz no vácuo.
c o µo

Então partindo da equação (2) da força magnética e a multiplicando por o /o :


µo qq1 r o
F~m = 2
~v × ~v1 × .
4π r r o

1 1 qq1 r
F~m = 2 2
~v × ~v1 ×
4πo c r r

~v ~v1 qq1 1 r
F~m = × . ( 2 )
c c r 4πo r
~v1 ~v1 ~
Então encontra-se que: F~m = × Fe .
c c
7
|~v | |~v1 | ~
Onde o |F~m | 6 |Fe |. Se |~v | e |~v1 |  c , |F~m |  |F~e |.
c c

Ou seja, para baixas velocidades a força magnética é muito menor que a força elétrica.


→~v1 E 1
Mostrar que B 1 = × :
c c

Demonstração:


→ →µo qq1 r
Como B 1 =B = 2
~v1 × multiplica-se por o /o .
4π r r

µo qq1 r o
B~1 = ~
v 1 × .
4π r2 r o

1
Como o µo = , então temos que:
c2


1 1 qq1 r
B~1 = ~
v 1 ×
4πo c2 r2 r

~v1 qq1 1 r
B~1 = . ( 2 )
c r 4πo c r

qq1 1 r
Como E~1 = 2
r 4πo r

Então chegamos que:



→ ~v1 E 1
B1= ×
c c

Como |F~m |  |F~e | pode parecer à primeira vista que a força magnética poderia ser sem-
pre desprezada em comparação com a força elétrica, porém existem sistemas de partı́culas
onde isto não é assim. De fato, numa corrente de condução, onde estão presentes car-
gas positivas e negativas em igual densidade, o campo elétrico é zero, porém o campo
magnético das cargas em movimento não é.

8
8.2 Forças atuantes sobre condutores em que circulam corrente

Figura 8.3: Diagrama 2

Fonte: Acervo Pessoal

Dados:
• Corrente Elétrica I.
• Portador de carga “q” com velocidade “v”.
• Densidade de portadores de cargas( Número de portadores de carga por unidade de
volume ).
• Seção transversal (A).

• dF~ é um elemento de força que atua em dl .

→ →
Assim: dF~ = dq~v × B , onde dq=NqA| dl |.
→ → →
Como ~v // dl mesma direção. Logo | dl |~v = |d~v | l .
→ →
dF~ = N qA| dl |~v × B
→ →
dF~ = N qA|d~v |(dl × B )

Como ĵ = N q~v e I = J.A


→ →
Portanto: dF~ = I dl × B . Elemento infinitesimal de força sobre um condutor que
circula corrente.
Integrando:

I → →
F~ = I dl × B (8.4)

Encontra-se a força magnética sobre condutores que circulam corrente.



Obs: Se B for constante. O resultado do produtor vetorial é o vetor nulo.

9
8.2.1 Torque

Definimos inicialmente que:



~τ = r ×F~
→ → → →
d~τ = r ×dF~m . Sabendo que dF~m = r ×(I dl × B ).
→ → →
d~τ = I r ×d l × B . Integrando:

I
→ → →
~τ = I r ×d l × B (8.5)

É o torque sobre um circuito completo.



Obs: Se B não for constante não é possı́vel fazer qualquer simplificação.
Com isso, definindo que:

r = x~i + y ĵ + z~k
→ →
dl= d r = dx~i + dy ĵ + dz~k

B = Bx (x, y, z)~i + By (x, y, z)ĵ + Bz (x, y, z)~k


~i ĵ ~
k

→ →

dl × B = dx dy dz = ~i(Bz dy − By dz) + ĵ(Bx dz − Bz dx) + ~k(By dx − Bx dy)



Bx By Bz

Chamando os termos acompanhando ~i, ĵ, ~k respectivamente de A, C e D.




~i ~
ĵ k

→ → →

r × dl × B = x y z = ~i[y(By dx − Bx dy) − z(Bx dz − Bz dx)] + ĵ[z(Bz dy −



A C D

By dz) − x(By dx − Bx dy)] + ~k[x(Bx dz − Bz dx) − y(Bz dy − By dz)]

Se Bx , By e Bz forem constantes e como:


I I I
xdx = 0, ydy = 0 e zdz = 0
c c c

Logo;

I
~τ = I [(yBy dx + zBzdx)~i + (zBz dy + xBxdy)ĵ + (xBx dz + yBydz)~i] (8.6)

10
A partir disso tem-se que:

I I b I a
ydx = y1 dx + y2 dx = −Az (8.7)
c a b

Figura 8.4: Projeção Az

Fonte: Acervo Pessoal

Az é a projeção no plano xy e é normal ao eixo z, a parte hachurada na figura 8.4.


Análogo a equação 8 podemos deduzir que:

I I
xdy = Az ou ydx = −Az (8.8)
c c
I I
ydz = Ax ou zdy = −Ax (8.9)
c c
I I
zdx = Ay ou xdz = −Ay (8.10)
c c


Definimos que A= Ax~i + Ay ĵ + Az~k
Logo;
→ → → →
~τ = I A × B , onde A é o vetor da projeções nos plano x,y e z. B é um campo
magnético constante.


Obs: I A = m
~ é o momento magnético do circuito.

Com isso chegamos que:



~τ = m×
~ B (8.11)

11
Mostrar que:

I →
→ 1 →
A= r × dl (8.12)
2 c

Define-se primeiro que:






 r = x~i + y ĵ + z~k
→
dl = dx~i + dy ĵ + dz~k

 →
= Ax~i + Ay ĵ + Az~k

A


i ĵ ~k
~

→ →
= i(ydz − zdy) + ĵ(zdx − xdz) + ~k(xdy − ydx)
~
r × dl= x y z



dx dy dz

Utilizando as equações 9, 10 e 11. Encontramos que:


→ 1
A= [~i(Ax − (−Ax)) + ĵ(Ay − (−Ay)) + ~k(Az − (−Az))]
2

Logo prova-se que:



A= Ax~i + Ay ĵ + Az~k

12
8.3 Lei de Briot e Savant

Figura 8.5: Forças

Fonte: Acervo Pessoal

→ →
(r1 − r2 )

I I → →
µo
F1 = I1 I2 dl1 × dl2 × → → (8.13)
4π c1 c2 | r1 − r2 |3

→ →
(r2 − r1 )

I I → →
µo
F2 = I1 I2 dl2 × dl1 × → → (8.14)
4π c1 c2 | r2 − r1 |3

→ →
F1 é a força do circuito 1 devido a influência do circuito 2 e F2 é a força do circuito 2
devido a influência do circuito 1.
Temos que pela terceira lei de Newton a força 1 é o negativo da força 2, ou seja:
→ →
F1 = − F2 .

→ →
( )
(r1 − r2 )

I I →
I →
µo
F1 = I1 dl1 × I2 dl2 × → →
c1 c2 4π c2 | r1 − r2 |3

→ →
(r1 − r2 )
I →
→ µo
Logo B~1 (r1 ) = I2 dl2 × → →
4π c2 | r1 − r2 |3


Que é o Campo magnético gerado pelo circuito 2 na coordenada r1 .

Na forma diferencial:

13
→ →
→ → µo 0 → ( r − r0 )
dB ( r ) = I dl × → →
4π | r − r0 |3

Onde define-se que os termos linha são referentes a quem gera o campo magnético e
os sem-linha são referentes a quem sente o campo magnético.

Na forma integral:

→ →
( r − r0 )
I →
→ → µo 0
B (r) = I dl × → →
4π c | r − r0 |3

Onde define-se que os termos linha são referentes a quem gera o campo magnético e
os sem-linha são referentes a quem sente o campo magnético.
→ → → → →
Como temos que I’dl→ J (r0 )dv 0 . Onde J (r0 ) é a densidade de corrente de transporte
onde esta sendo gerado o campo magnético.

→ →
→ → ( r − r0 )
I
→ → µo 0 0
B (r) = J (r ) × → → dv
4π c |r − r0 |3
→ →
Demonstração que ∇ · B = 0 :


Aplicamos a operação divergente em ambos os lados em relação a coordenada r .


 
→ 0
→ → (r − r )
→ → → →
µ I 
o 0 0
∇ · B ( r ) =∇ · J (r ) × → → dv
 4π c |r − 0
r |3 

Podemos passar a operação divergente para dentro da integral, pois a mesma é em



relação r0 .


 
→ 0
→ (r − r )  0
I
→ → → µo →
 →
0
∇ · B (r) = ∇ · J ( r ) × → → dv
4π c  | −r |
r 0 3 

Aplicamos a propriedade:

→ → → → → → → → →
∇ ·(A × B ) = (∇ × A)· B −(∇ × B )· A

14
→ →
→ → →
0
→ ( r − r0 )
Considerando que A= J (r ) e que B = → → .
| r − r0 |3
Vemos que o integrando é similar a parte da esquerda da propriedade.
Então chegamos a:

→ → →
   
→ → → 0
  → 0 → 0
→ (r − r )  → → → (r − r )  → ( r − r )  → →0
0 0
∇ · J (r ) × → → = ∇ × J (r ) · → → − ∇ × → → · J (r )
 | r − r0 |3  | r − r0 |3  | r − r0 |3 

→ → → →
Como J (r0 ) é em relação a r0 e a operação divergente é em relação a r , o resultado
da primeira parcela do lado direito é zero.

" # → →
→ 1 ( r − r0 )
Na segunda parcela temos que ∇ → → = − → → . Temos que que o
| r − r0 | | r − r0 |3
produto vetorial de um gradiente é zero.

Logo chegamos a primeira equação de Maxwell:

→ →
∇ · B= 0 (8.15)

15
Questão 8.4
→ →
Demostre que F1 = − F2 , a partir da seguinte equação:
Demonstração:
A partir da equação abaixo :
→ →
(r2 − r1 )

I I → →
µo
F2 = I1 I2 dl2 × dl1 × → →
4π c1 c2 | r2 − r1 |3

Aplicamos a propriedade:

→ → → → → → → → →
A × B × C =B (A · C )− C (A · B )

Considerando que:
→ →
A=dl1
→ →
B =dl2
→ →
→ (r2 − r1 )
C= → →
| r2 − r1 |3

Então temos que:


→ → → →
( I I )
(r2 − r1 ) (r2 − r1 )
→ → →
I →
I →
µo
F2 = I1 I2 − → → (dl1 · dl2 ) + dl2 dl1 · → →
4π c1 c2 | r2 − r1 |3 c1 c2 | r2 − r1 |3
" # → →
1 ( r − r0 )
~
Considerando o segundo membro do lado esquerdo temos que: O → =− → →

| r − r0 | | r − r0 |3
E que a função que esse gradiente está I
agindo é I
proporcional a uma função potência, logo

podemos aplicar a propriedade de que ϕ dl= dϕ = 0, logo conclui-se que o resultado
c c
desta parcela é zero.
Então temos que:
→ →
(I I )
→ µo (r2 − r1 ) → →
F2 = − I1 I2 → → (dl1 · dl2 )
4π c1 c2 | r2 − r1 |3
→ →
Que realmente comprava que: F1 = − F2 .

16
Aplicação elementares da lei de Briot e Savat

Exemplo 1: Examinar o campo magnético devido a um fio reto.

Figura 8.6: fio infinito

Fonte: Acervo Pessoal

→ →
( r − r0 )
I →
→ → µo
B (r) = I dl × → →
4π c | r − r0 |3

 →
 dl
 = dz~k

 →
  →

→ → →
 r − r0
 = | r − r0 |cos(θ) ~k + | r − r0 |sen(θ) ĵ


~
i ĵ ~k

→ → → → →
dl ×( r − r0 ) = 0 = (−~i)| r − r0 |sen(θ)dz

0 dz

→ →

→ →
0 | r − r0 |sen(θ) | r − r0 |cos(θ)

Logo;

→ →

| r − r0 |sen(θ)dz
Z
→ → µo 0
B (r) = I → → (−~i)
4π −∞ |r − r0 |3
a → →
Temos que sen(θ) = cos(φ) = → → , ou seja, | r − r0 | = asec(φ).
|r − r0 |
z
Considerando os limites temos que: tg(φ) = e que dz = asec2 (φ). Ou seja, os limites
a π
para quando z tende ao infinito, agora é quando φ → e simetricamente, para quando z
π 2
tendo ao menos infinito, φ → − .
2

17
π
asec(φ)cos(φ)(asec2 (φ))dφ ~
Z
→ → µo 2
B (r) = I (−i)
4π − π2 a3 sec3 (φ)
Z π
→ → µo I 2
B (r) = cos(φ)dφ(−~i)
4π a − π2

→ → µo I π −π
B (r) = (sen( ) − sen( ))(−~i)
4π a 2 2
→ → µo I ~
B (r) = (−i). Para 0 < a < ∞.
2π a

Realizando este mesmo procedimento para qualquer outro ponto, pode-se comprar que
a regra da mão direita é valida.

18
Exemplo 2: Espira Circular

Demonstração:

Adotaremos coordenadas cartesianas, e posicionamos a espira sobre o plano xy. Queremos


o campo magnético em um ponto sobre o eixo z, então define-se os seguintes vetores:

Figura 8.7: Espira Circular

Fonte: Acervo Pessoal





 r = z~k

 →
r0
= acos(θ)~i + asen(θ)ĵ





→ →
r −r 0
= z~k − acos(θ)~i − asen(θ)ĵ



d r0 −asen(θ)~i + acos(θ)ĵ



 =

| →
 → √
r − r0 | =

z 2 + a2

Temos que o campo magnético pode ser calculado por:

→ →
( r − r0 )
I →
→ → µo
B (r) = I dl × → →
4π c | r − r0 |3


~i ĵ ~k
→ → →
dl ×( r − r0 ) = −asen(θ)dθ acos(θ)dθ 0 = ~i(azcos(θ)dθ) + ĵ(azsen(θ)dθ) + ~k(a2 dθ)


−asen(θ) −acos(θ)

z

i(azcos(θ)dθ) + ĵ(azsen(θ)dθ) + ~k(a2 dθ)


2π ~
Z
→ → µo
B (r) = I 5
4π 0 (z 2 + a2 )3/2

19
Os termos acompanhados de ~i e ĵ, são zeros, pois a integral de um cosseno ou de um
seno de 0 a 2π é zero.
Então temos que:


a2 dθ
Z
→ → µo ~k , integra-se em relação a dθ.
B (r) = I
4π 0 (z 2 + a2 )3/2

→ → µo a2 2π ~k
B (r) = I 2
4π (z + a2 )3/2

→ → µo a2 ~k
Então temos que: B ( r ) = I 2
2 (z + a2 )3/2

20
Exemplo 3: Solenoide
Demonstração:
Sabemos pelo exemplo anterior que o campo magnético causado por uma espira cir-
cular, sentido em um ponto sobre o eixo z, pode ser calculado pela parte infinitesimal de
campo magnético causado por uma corrente infinitesimal, é:

Figura 8.8: Solenoide

Fonte: Acervo Pessoal

→ → µo a2 ~k
dB ( r ) = dI 2
2 (z + a2 )3/2

Nesse caso temos que o ponto onde o campo será sentido torna-se zo − z, onde zo
é distancia entre o ponto no solenoide até o ponto onde campo está sendo sentido e z
distância entre a origem e um ponto no solenoide. Além disso temos que essa corrente
dz
infinitesimal é definida por N I , onde L é o tamanho do solenoide, então:
L

→ µo dz a2 ~k
dB (zo ) = NI
2 L ((zo − z)2 + a2 )3/2
L
µo N Ia2
Z
→ 1
B (zo ) = dz~k
2 L 0 ((zo − z)2 + a2 )3/2

z − zo = atan(θ) dz = asec2 (θ)dθ

E os limites ficam:

−zo zo
Para z=0, tem-se tan(θ1 ) = , ou seja, θ1 = −arctan( )
a a

21
L − zo L − zo
Para z=L, tem-se tan(θ2 ) = , ou seja, θ2 = arctan( )
a a
θ2
µo N Ia2 asec2 (θ)
Z

B (zo ) = dθ~k , 1 + tan2 (θ) = sec2 (θ)
2 L θ1 (a2 tan2 (θ) + a2 )3/2
Z θ2
→ µo N I
B (zo ) = cos(θ)dθ~k
2 L θ1

→ µo N I
B (zo ) = {sen(θ2 ) − sen(θ1 )} ~k
2 L

−zo
Temos que tan(θ1 ) = , então -cos(θ1 ) = sen(α1 ).
a

L − zo
Temos que tan(θ2 ) = , então cos(θ1 ) = sen(α2 ).
a
→ µo N I
B (zo ) = {cos(α1 ) + cos(α2 )} ~k
2 L

Para um comprimento L grande em comparação com o raio a:

a a
α1 = e α2 =
zo L − zo

Aproximamos os limites por séries de Fourier, onde chegamos que:

a a2 a a2
cos( )=1− 2 e cos( )=1−
zo 2zo L − zo 2(L − zo )2

Então:

a2 a2
 
→ µo N I
B (zo ) ∼
= 1− 2 +1− ~k
2 L 2zo 2(L − zo )2

a2 a2
 
→ NI
B (zo ) ∼
= µo 1− 2 − ~k
L 4zo 4(L − zo )2

Como L ≫ a, podemo chegar que:

→ NI~
B (zo ) ∼
= µo k
L

22
8.4 Lei circuital de Ampère

A partir da lei de gauss do magnetismo:

→ →
∇ · B= 0 (8.16)

Temos também que:

→ →
→ → ( r − r0 )
Z
→ µo
→ 0
B (r) = J (r ) × → →0
dv 0
4π v |r −r |3

Aplicamos a operação rotacional em relação à coordenada r :


 
→ 0
→ → (r − r )
→ → → →
µ Z 
o 0 0
∇ × B ( r ) =∇ × J (r ) × → → dv
 4π v |r − r0 |3 


Como a operação rotacional é em relação a coordenada r , e a integral é em relação

coordenada r0 , poremos passar o operador para dentro da integral:


 
→ 0
→ (r − r )  0
Z
→ → → µo →
 →
0
∇ × B (r) = ∇ × J (r ) × → → dv
4π v  | r − r0 |3 
→ →
→ → →
~ = 0 ( r − r0 )
Então chamando C = J (r ) e D → → , podemos aplicar a seguinte propriedade:
| r − r0 |3
→ → → → → → → → → →
~ = (∇ ·D)
∇ × C ×D ~ C −(∇ · C )D
~ + (D·
~ ∇) C −(C · ∇)D
~

→ →

→ →
( r − r0 ) → →0 → → → ( r − r0 )
Z 
→ → → µo →
0
∇ × B (r) = (∇ · → → ) J (r ) − (∇ · J (r )) → → + · · · · · ·
4π v  | r − r0 |3 | r − r0 |3
→ →

→ 0 → 0
(r − r ) → → → → →
→ (r − r )

0 0
· · · · · · + ( → → · ∇) J (r ) − ( J (r )· ∇) → → dv 0
| r − r0 |3 | r − r0 |3 

Considerando que o divergente de uma constante é zero, e que a operação rotacional



é em relação a coordenada r , e que a densidade de corrente de transporte é em relação a

0
r , o terceiro e quarto membro do lado direito são zero. Então temos apenas:

→ →
 
→ 0 → 0
(r − r ) → → (r − r )  0
Z 
→ → → µo → →
0
→ →
0
∇ × B (r) = (∇ · → → ) J (r ) − (∇ · J (r )) → → dv
4π v  | r − r0 |3 | r − r0 |3 

23
" # → →
→ 1 ( r − r0 )
Temos que ∇ → → =− → →
| r − r0 | | r − r0 |3


 

" #
→ → 0
(r − r )  0
Z 
→ → → µo → → 1 →
0
→ →
0
∇ × B (r) = − (∇ · ∇ → → ) J ( r ) + ( ∇ · J ( r )) → → dv
4π v  | r − r0 | | r − r0 |3 

" # " #
→ → 1 1 → →
∇·∇ → → = ∇2 → → = −4πδ( r − r0 )
| r − r0 | | r − r0 |


 
→ 0
→ → → (r − r )  0
Z 
→ →→ µo → 0

0
→ →
0
∇ × B (r) = (4πδ( r − r ) J (r ) − (∇ · J (r )) → → dv (8.17)
4π v  | r − r0 |3 

Temos que no segundo termo do lado direito, podemos aplicar o seguinte teorema vetorial:
I Z Z
→ → → → → → → → →
0 0 0
F (G · n)da = (∇ · G) F dv + (G · ∇) F dv
S V V

→ →
→ → →
0
→ ( r − r0 )
Chamando G= J (r ) e F = → →
| r − r0 |3
→ → → →
( r − r0 ) → → ( r − r0 )
I Z
→ →0 → →
0 0 0
→ → J ( r )· n da = (∇ · J (r )) → → dv
S |r − r0 |3 v |r − r0 |3

Então a equação 8.17 se resume à:

→ →
→ → → ( r − r0 )
Z I
→ → µo
→ → → →0 →
∇ × B (r) = (4πδ( r − r ) J (r )dv 0 −
0 0
→ → J ( r )· n da
0
(8.18)
4π v s |r − r0 |3

Como v é todo o espaço, então “s” é a superfı́cie que cobre esse espaço, como s é
muito distante o produto escalar entre a densidade de corrente de transporte e a normal é
zero, tornando a integral na superfı́cie igual ao vetor nulo, com isso chegamos a seguinte
expressão:

24
→ → →
Z
→ → → →
∇ × B ( r ) = µo δ( r − r0 ) J (r0 )dv 0
v

Aplicando a propriedade de delta de dirac:

→ → →
Z
→ → →
δ( r − r0 ) J (r0 )dv 0 = J ( r )
v

Chegamos a forma diferencial da lei de ampère:

→ → → → →
∇ × B ( r ) = µo J ( r ) (8.19)

Integramos em ambos lado numa superfı́cie S, para assim chegarmos na forma integral:

Z Z
→ → → → → → →
(∇ × B ( r ))· n da = µo J ( r )· n da
s s

No lado esquerdo aplicamos a lei de stokes, e no lado direito a integral da densidade de


corrente de transporte que atravessa a superfı́cie S, é a corrente I:.

I →
→ →
B ( r )· dl= µo I (8.20)
c

Esta equação pode ser interpretada, como: “O campo magnético que circula em um
caminho fechado é proporcional a corrente que atravessa a superfı́cie deste caminho ”.

8.5 Potencial Vetor magnético


→ → → → → →
Como ∇ · B ( r ) = 0, temos por identidade que: ∇ ·(∇ × A) = 0, então:

→ → → → →
B ( r ) =∇ × A ( r )

→ →
→ → ( r − r0 )
Z
→µo → 0
Temos que B ( r ) = J (r ) × → →0
dv 0
4π v |r −r |3

25
→ → " #
( r − r0 ) → 1
Substituindo por: → → =−∇ → → ,
| r − r0 |3 | r − r0 |

" # " #
→ → → →
Z Z
→ → µo 0
→ 1 µo → 1
B (r) = − J (r )× ∇ → → dv 0 = ∇ → → × J (r0 )dv 0
4π v | r − r0 | 4π v | r − r0 |

Aplicando a seguinte identidade vetorial:


→ → → → → →
∇ ×(ϕ F ) =∇ ϕ× F +ϕ ∇ × F
→ → → 1
Chamando F = J (r0 ) e ϕ = → → , chegamos então a:
| r − r0 |

→ 1 → → → 1 → → 1 → → →
∇ ×( → → J (r0 )) =∇ → → × J (r 0 ) + → → ∇ × J (r 0 )
| r − r0 | | r − r0 | | r − r0 |

O segundo membro do lado esquerdo é zero, pois a operação gradiente é em relação a


coordenada sem linha, e a densidade de corrente em relação a coordenada linha.
" #
→ 1 → → → 1 → →
∇ × → → J (r0 ) =∇ → → × J (r0 )
| r − r0 | | r − r0 |
" Z #
→ → → µo 1 → →
0 0
B ( r ) =∇ × → J (r )dv
4π v | →
r −r |0

Então chegamos ao potencial vetor magnético:

→ →
Z
→ µo 1 0 0
A= → → J (r )dv (8.21)
4π v | r − r0 |

Potencial vetor magnético devido a um circuito muito pequeno, a grandes


distancias.
→ → →
Sendo: I’dl←→ J (r0 )dv 0 .
Então o potencial vetor magnético pode ser escrito como:


I
→ µo 1
A= I → → dl0 (8.22)
4π c | r − r0 |

Pegando o termo no denominador:

26
→ → → → 1
| r − r0 |−1 = (r2 + r02 − 2 r · r0 )− 2
 →
− 21
02 → 0
→ → r 2 r ·r
0 −1
| r −r | = r−1 1 + 2

r r2

r02
Como r≫ r’, então =0
r2

 →
− 12
→ 0
→ → 2 r ·r
0 −1
| r −r | = r−1 1 −
r2

Aproximando o termo entre chaves, e expandindo em séries de Taylor:


 →
− 12  →

→ 0 → 0
1 − 2 · r  −1  −2 r · r 
r
=1+ .....
r2 2 r2


 
→ 0
→ → r ·r
0 −1
| r −r | = r−1 1 + 
r2

Então chegamos que:



 
→ 0
→ → 1 r ·r
0 −1
| r −r | = + 3 
r r


 
→ 0
r · r →0
I
→ µo 1 +
A= I  dl
4π c r r3

Separando as integrais:

→ →
1 →0 µo r · r0 →0
I I
→ µo
A= I dl + I dl
4π c r 4π c r3

A primeira integral, quando integrarmos em r’, ficará um termo muito maior no de-
nominador, r, então o resultado desta integral é zero.

→ →
r · r0 →0
I
→ µo
A= I dl
4π c r3

Aplicando a seguinte propriedade:

27
→ → → → → → → → →
(r0 × dr0 )× r = − r0 ( r · dr0 )+ dr0 (r0 · r ) (8.23)

→ → →
Para eliminar o primeiro termo a direita, escrevemos o diferenciador de r ·( r · r0 ),
para uma pequena variação em r’ como a seguir:


 →
→ → → → →

→ →
d r ·( r · r ) =dr0 ( r . r0 )+ r0 ( r .d r0 )
0
(8.24)

Somando as equações 8.23 e 8.24:


 
→ → →0 → → → → → →
d r ·( r · r ) + (r0 × dr0 )× r = 2 dr0 ( r . r0 )

O primeiro termo é um diferencial exato, logo não contribui para a segunda integral,
então:
1 →0 → → → → →
(r × dr0 )× r =dr0 ( r . r0 )
2
Substituindo no potencial vetor:
 →
I →0 →
I
→ → µo 0 r
A (r) = (r × dr ) × 3
4π c 2 r

O termos em chaves é o momento magnético, então o potencial vetor é:


→ → µo → r
A (r) = m× 3 (8.25)
4π r

28
Aplicações da lei de Ampère:

Exemplo 1: Fio longo Retilı́neo


Tendo um fio longo infinito percorrido por uma corrente I, considere-se

Figura 8.9: Solenoide

Fonte: Acervo Pessoal

um caminho fechado entorno do fio em um caminho fechado. Como o campo magnético


é em torno do fio, o campo magnético é perpendicular ao elemento de comprimento dl,
partindo da forma integral da lei de ampère:
I →
→ →
B ( r )· dl= µo I
c

Passando o B para fora da integral, e definindo os limites:


Z 2π
B dl = µo I
0

µo I
B=

Então a resposta é a mesma do exemplo (1) da lei de Briot e Savant. A utilização desta lei
é poderosa, porém é necessário a previsão do sentido do campo magnético, pois a mesma
so fornece a magnitude.

29
Exemplo 2: Solenoide

Figura 8.10: Solenoide

Fonte: Acervo Pessoal

Considerando que o caminho é entorno da bobinas, temos a partir da lei de ampère


que, onde N é o numero de espiras:
I →
→ →
B ( r )· dl= µo N I
c

Expandimos para cada caminho temos que:


I →
I →
I →
I →
→ → → → → → → →
B ( r )· dl1 + B ( r )· dl2 + B ( r )· dl3 + B ( r )· dl4 = µo N I
c1 c2 c3 c4

As integrais nos caminhos 2 e 4 são zero, pois o campo magnético é perpendicular ao


comprimento, e o caminho 3 também é zero, agora pois consideramos muito distante do
fio.
Temos então que:
Z L → →

B ( r )· dl1 = µo N I
0

Como B é perpendicular ao caminho 1, então:


Z L
B dl = µo N I
0

µo N I
B=
L

Onde realmente é a mesma solução do exemplo 3 de lei de Briot e Savant. A utilização


desta lei é poderosa, porém é necessário a previsão do sentido do campo magnético, pois
a mesma so fornece a magnitude.

30
8.6 Exercı́cios propostos

Questão 8.6 - Reitz

Força magnética que 1 faz em 2:

Figura 8.11: Questão 8.6

Fonte: Acervo Pessoal

→ → → → →
dF12 = I2 dl2 × B1 , dl2 = dz k

Força magnética que 2 faz em 1:


→ → → → →
dF21 = I1 dl1 × B2 , dl1 = dz k

Aplicamos então a lei de Ampère ao campo B1 :
I → →

B1 ( r )· dr1 = µo I1
c1

Como o campo magnético é perpendicular ao caminho 1, temos que:


Z 2πa
B1 dr1 = µo I1
0

Calculamos o módulo, e pela regra da mão direita vemos que a direção do campo é (−î).
→ → µo I1
B1 ( r ) = (−î)
2πa
Assim calculando a força por:
→ → →
dF12 = I2 dl1 × B1

31
→ → µo I1
dF12 = I2 dz k × (−î)
2πa

Z L
µo I1
F12 = I2 dz(−ĵ)
2πa 0

→ µo
F12 = I2 I1 L(−ĵ)
2πa

Realizando as mesma operações agora para o campo 2:


I → →

B2 ( r )· dr2 = µo I2
c1

Como o campo magnético é perpendicular ao caminho 1, temos que:


Z 2πa
B2 dr2 = µo I2
0

Calculamos o módulo, e pela regra da mão direita vemos que a direção do campo é (−î).
→ → µo I2
B2 ( r ) = (î)
2πa
Assim calculando a força por:

→ → →
dF21 = I1 dl2 × B2

→ → µo I2
dF21 = I1 dz k × (î)
2πa

Z L
µo I2
F21 = I1 dz(ĵ)
2πa 0

→ µo
F21 = I2 I1 L(ĵ)
2πa

Então, concluı́mos que os fios sofrem forças de atração, pois têm mesmo módulo, porém
sentidos contrários.

32
Capı́tulo 9

Propriedades Magnéticas da Matéria

9.1 Magnetização

Cada corrente atômica é um pequeno circuito fechado de dimensões atômicas e pode,


portanto, ser apropriadamente descrito como um dipolo magnético.

→ 1 X
M = lim mi (9.1)
∆v→0 ∆v
i


Onde mi é o momento magnético do átomo de ı́ndice i, além disso M é conhecido como
momento do dipolo magnético por unidade de volume.

A função vetorial M proporciona-nos uma descrição macroscópica das correntes atômicas
no interior da matéria. Especificamente essa função mede o número de circuitos de cor-
rente atômica por unidade de volume multiplicado pelo momento magnético efetivo ou
médio de cada circuito.
No ponto de vista macroscópico, todos os efeitos magnéticos devidos à matéria podem
ser descritos a partir :

→ → →
∇ × M = JM (9.2)

Com a magnetização uniforme, as correntes nas várias espiras tenderão a cancelar-se


umas às outras e não haverá corrente lı́quida efetiva no interior do material, se agora a
magnetização não for uniforme, o cancelamento não será completo.

33
9.2 Campo magnético produzido por material magnetizado

Figura 9.1: Material magnetizado


∆m

∆v →
r − r0

→ →
r r0

O
→ →
Sendo A( r ) o potencial vetor magnético, tem-se:

→ →
→ → µo m × r
A( r ) = (9.3)
4π r3

De acordo com a equação (9.1), cada elemento de volume ∆v de um material magnetizado


é caracterizado por um momento magnético.


→ ∆m
M = (9.4)
∆v
Definindo o elemento do potencial vetor:
→ → → → →
µo ∆m ×( r − r0 ) µo → →0 ( r − r0 )
∆A = → → = M ( r ) × → → ∆v0
4π | r − r0 |3 4π | r − r0 |3

Integrando:

→ →
→ → ( r − r0 )
Z
→ → µo 0 0
A( r ) = M (r ) × → → dv (9.5)
4π V 0
|r − r0 |3
" # → →

0 1 ( r − r0 )
Como ∇ → → = → → .
| r − r0 | | r − r0 |3

34
Logo:
" #
→ → →
Z
→ → µo 0 0 1
A( r ) = M (r )× ∇ → → dv 0 (9.6)
4π V0 |r − r0 |

Pela seguinte propriedade tem-se que:

→ → → → → →
∇ ×(ϕF ) = ∇ϕ × F + ϕ∇ × F (9.7)

Com isso fazemos a seguinte comparação:

1 → → →
ϕ= → → F = M (r 0 )
| r − r0 |

Desenvolvendo esses dois termos na propriedade (9.7):

" → # " #
→ → 1 → → 1 → → →
0 M 0
∇ × → → =∇ → → × M (r 0 ) + → → ∇0 × M ( r 0 ) (9.8)
| r − r0 | | r − r0 | | r − r0 |
Pela seguinte propriedade de produto vetorial tem-se:

→ → → →
C ×D=−D×C (9.9)

De acordo com propriedade (9.9) fazemos outra comparação:


" #
→ → 1 → → →
C = ∇0 → → e D = M (r 0 )
0
| r −r |

Assim temos a seguinte relação:


" # " #
→ 1 → → → → → 1
0 0 0 0
∇ → → × M (r ) = − M (r ) × ∇ → → (9.10)
|r − r0 | |r − r0 |
Substituindo a relação (9.10) na equação (9.8) obtém-se:
→ →
  " #
→ 0 → → → → → →
M ( r ) 1 1
∇0 ×  → →  = − M (r0 ) × ∇0 → → + → → ∇ 0
× M (r 0 )
| r −r | 0 | r −r |0 0
| r −r |

35
Ou seja:

→ →
" #  
→ → → → → → → 0
0 0 1 1 0 0 0 M (r ) 
M (r ) × ∇ → → = → → ∇ × M (r ) − ∇ ×  → → (9.11)
|r − r0 | |r − r0 | | r − r0 |

Substituindo a relação (9.11) em (9.6):

Z →0 → → → →
   
0 Z → 0
→ → µo  ∇ × M (r ) 0 0 M (r )  0

A( r ) = → dv − ∇ ×  → dv (9.12)
4π  V 0 | →
r − r0 | V0

| r − r0 | 

Na primeira integral da equação (9.12) temos:

→ → → −→ →
∇0 × M (r0 ) = JM (r0 ) (9.13)

Há uma propriedade a ser utilizada na segunda integral da equação (9.12) sendo ela:

Z I
→ → → →
∇ × F dv = n × F da (9.14)
V S

Comparando a equação (9.14) e segunda integral da equação 9.12 temos:


→ →
 
0
→ M (r )
F = → → 
| r − r0 |
Logo:
→ → → →
 
Z 0 I 0
→ → µo  JM (r ) 0 → M (r ) 0

A( r ) = → dv − n × → → da
4π  V 0 | →
r − r0 | S0 | r − r0 | 

Invertendo o produto vetorial da segunda integral:


→ →
 
→ →
0
M×n
Z I
→ → µo  JM (r ) 0 0

A ( r ) = → dv + → da
4π  V 0 | →
r − r0 |

S 0 | r − r0 | 

A partir disso obtém-se que :


→ → →
jm = M × n

Onde jm é chamado de corrente de magnetização por unidade de comprimento que flui
na camada superficial.

36
Assim chegamos em outra forma de representar o potencial vetor de um material
magnetizado:

→ → →
JM (r0 )
Z I
→ → µo µo 0 jm
A( r ) = → → dv + → → da0 (9.15)
4π V0 | r − r0 | 4π S0 |r − r0 |

Até aqui pôde-se demonstrar a corrente de magnetização por unidade de comprimento e


também outra forma de escrever o potencial vetor.
A partir de agora será demonstrado o campo magnético, onde:

→ → →
B =∇×A

Uma observação é que o potencial vetor utilizado será da equação (9.5), logo:

 
→ 0
→ → (r − r ) 0
Z
→ →
0
B = ∇ × M (r ) × → → dv 
V0 | r − r0 |3

Ou seja:


 
→ 0
→ → (r − r )  0
Z
→ µo →
0
B= ∇ × M (r ) × → → dv (9.16)
4π V0 0
| r −r | 3

Precisaremos da seguinte propriedade para resolvermos o item (9.16):

→ → → → → → → → → → → → → → →
∇ ×(F × G) = (∇ · G) F −(∇ · F ) G +(G · ∇) F −(F · ∇) G (9.17)

Sendo:
→ →
→ → →
0
→ ( r − r0 )
F = M (r ) e G= → →
| r − r0 |3

Com isso:

→ → → → → →
(∇ · F ) G = 0 e (G · ∇) F = 0

→ →
Pois o operador nabla atua na coordenada r e não em r0 .

37
Então:
→ →
 
→ 0 →
r r ) → →0 0 µo → → ( r − r0 )
 
∇ · ( − →
Z Z
→ µo →
M (r )dv − 0

0
B= →
M (r ) · ∇ → → dv
4π V0 0
| r −r |3 4π V 0
|r − 0
r |3

Chamaremos:

 
→ 0
r r ) → →0 0
∇ · ( − →
→ →
Z
µo →
B1( r ) = →
M (r )dv
4π V0 | r − r0 |3

→ →
→ → ( r − r0 )
Z  
→ → µo →
0 0
B2( r ) =− M (r ) · ∇ → → dv
4π V 0
|r − r0 |3

→ →
Resolvendo B1 ( r ):

" # → →
→ 1 ( r − r0 )
Como ∇ → → =− → → .
| r − r0 | | r − r0 |3
( " #)
→ →
→ →
Z
µo → → 1 0 0
B1( r ) =− ∇· ∇ → → M (r )dv
4π V 0
|r − r0 |
" #
→ →
→ →
Z
µo 1 0 0
B1( r ) =− ∇2 → → M (r )dv
4π V 0
|r − r0 |
" #
1 → →
Sendo ∇2 → → = −4πδ( r − r0 ).
| r − r0 |

→ → →
→ →
Z
µo →
B1( r ) =− −4πδ( r − r0 ) M (r0 )dv 0
4π V0

→ → →
→ →
Z

B1( r ) = µo δ( r − r0 ) M (r0 )dv 0
V0

Aplicando a propriedade de Dirac:

→ → → →
B1( r ) = µoM ( r ) (9.18)

38
→ →
Resolvendo B2( r ):

Para isso é necessário a seguinte propriedade:

→ → → → → → → → → → → → → → →
∇ (F · G) = (F · ∇) G +(F × ∇ × G) + (G · ∇) F +(G × ∇ × F ) (9.19)

Fazendo:
→ →
→ → →
0
→ ( r − r0 )
F = M (r ) e G= → →
| r − r0 |3
Logo:
→ → → → → → →
G×∇×F = 0 e (G · ∇) F = 0
→ →
Pois o operador nabla atua na coordenada r e não em r0 , além disso percebe-se que
o primeiro fator da direita da igualdade da propriedade (9.19) corresponde ao integrando
→ →
de B2( r ), isolando esse fator temos que:

  
 µ Z → → → → 0
→ →
o 0 (r − r ) 0
B2( r ) = − ∇ M (r ) · → →  dv + ···
 4π V 0 0
| r −r | 3


  
→ 0
→ → r −r
Z
µo 0

 dv 0

··· M (r ) × ∇ ×  → →
4π V 0
|r − r0 |3 


 
→ 0
→ r −r →
Observa-se a seguinte propriedade ∇ ×  → →
 = 0.
|r − r0 |3

Ou seja:

 

r − r0 )
→ →
→ →
Z
µo → ( 0 0
B2( r ) =− ∇ M (r ) · → →  dv
4π V0 | r − r0 |3

Definindo:

→ →
→ → ( r − r0 )
Z
∗ → 1 0 0
ϕ (r) = M (r ) · → → dv (9.20)
4π V0 |r − 0
r |3

Onde ϕ∗ é o potencial escalar magnético, com isso:

39

 
→ 0
→ ( r − r ) 0
→ →
Z

 1 →
0
B2( r ) = −µo∇ M (r ) · → → dv
 4π V 0 | r − r0 |3 

Ou seja:

→ → → →
B2( r ) = −µo∇ϕ∗ ( r ) (9.21)

Logo:

→ → → → → →

B( r ) = µoM ( r ) − µo∇ϕ ( r ) (9.22)
→ →
Campo Mangético B( r ) produzido por um material magnético.

9.3 Potencial Escalar magnético e Densidade de pólo magnético

" # → →

0 1 ( r − r0 )
Como: ∇ → → = → →
| r − r0 | | r − r0 |3

Reescrevendo o potencial escalar magnético:


" #
→ → →
Z
∗ → 1 0 0 1
ϕ (r) = M (r ) · ∇ → → dv 0 (9.23)
4π V0 |r − r0 |
Utilizaremos a seguinte propriedade:

→ → → → → →
∇ · (ϕF ) = (∇ϕ) · F + ϕ(∇ · F ) (9.24)

Sendo:

→ → → 1
F = M (r 0 ) e ϕ= → →
| r − r0 |

Então:

→ → → → →
  " #
0

M (r ) → 1 → → ∇0 · M ( r 0 )
∇ ·  → →  = ∇0
0
→ →
0
· M (r ) + → → (9.25)
| r − r0 | | r − r0 | | r − r0 |

No primeiro fator da direita da propriedade (9.25) temos a seguinte relação:

40
" # " #
→ 1 → → → → → 1
0 0 0 0
∇ → → · M (r ) = M (r ) · ∇ → →
| r − r0 | | r − r0 |

Note que diferentemente de um produto vetorial, o produto escalar é comutativo.

Substituindo na propriedade (9.25):


→ → # → → →
  "
0

M ( r ) → → → 1 ∇0 · M ( r 0 )
∇0 ·  → →  = M (r0 ) · ∇0 → → + → →
| r − r0 | | r − r0 | | r − r0 |

Ou seja:
→ → → → →
" #  
→ →
0

0 1 M ( r )  ∇0 · M ( r 0 )

0
0
M (r ) · ∇ → → = ∇ 
→ → − → →
| r − r0 | | r − r0 | | r − r0 |

Sustituindo na equação (9.23):


→ → Z →0 → →0
   
Z → 0
→ 1 
M (r ) ∇ · M (r ) 0 
ϕ∗ ( r ) = ∇0  → →  dv 0 − → → dv
4π  V 0 | r −r |0 V 0
| r − r0 | 

Aplicando o teorema de Gauss na primeira integral:

Z →0 → →0
 
→ →
M·n ∇ · M (r ) 0 
I
∗ → 1 
0
ϕ (r) = → da − → dv
4π  S 0 | →
r − r0 |

V 0 | r − r0 | 

Podemos concluir que:


→ → →
ρm = − ∇0 · M (r0 ) =⇒ (Densidade volumétrica de dı́polos magnéticos)
→ →
σm = M · n =⇒ (Densidade superficial de dı́polos magnéticos)

Logo:
(I Z )
∗ → 1 σm ρm
ϕ (r) = → → da0 + → → dv 0 (9.26)
4π S0 |r − r0 | V 0
|r − r0 |

41
9.4 Fontes de Campo magnético. Intensidade magnética

É importante entender que, em certas condições a mesma peça da matéria pode pro-
duzir um campo magnético tanto pelo fato de estar magnetizado como porque está sendo
percorrido por uma corrente de transporte, ou seja, o campo magnético pode ser genera-
lizado da seguinte maneira.
→ →
→ → ( r − r0 )
Z
→ → µo 0
→ → → →
B( r ) = J (r ) × → → + µoM ( r ) − µo∇ϕ∗ ( r )
4π V0 |r − r0 |3

→ → → →
B( r ) → → ( r − r0 )
Z
→ → 1 0 0

− M( r ) = J (r ) × → → dv − ∇ϕ∗
µo 4π V0 |r − r0 |3

Sendo:

→ →
→ → ( r − r0 )
Z
→ → 1 0 0

H (r) = J (r ) × → → dv − ∇ϕ∗ (9.27)
4π V0 |r − r0 |3

→ →
→ → B( r ) → →
H( r ) = − M( r ) (9.28)
µo
→ →
Onde H( r ) representa a intensidade de campo magnético.

9.5 Susceptibilidade magnética e permeabilidade magnética

Existe, em uma extensa classe de materiais, uma relação aproximadamente linear entre
→ →
M e H , ou seja:

→ →
M = χmH (9.29)

Se:
χm > 0 =⇒ Material paramagnético
χm > 0 =⇒ Material diamgnético

42
Como:
→ →
B( r ) → → →
− M = H( r )
µo

→ → →
B = µo ( H + M ) (9.30)

→ → →
B = µo (H + χmH )

→ →
B = µo (1 + χm )H

Sendo µ = µo (1 + χm ), permeabilidade magnética do material.

→ →
B = µH (9.31)

Além disso:

µ
Km = = 1 + χm (9.32)
µo
Onde Km é chamado de permeabilidade relativa.

9.6 Equações de campo

Sendo:

→ → →
∇×H = J

Integrando:
Z Z
→ → → → →
(∇ × H ) · n da = J · n da
S S

Aplicando o Teorema de Stokes:

I →

H · dl = I (9.33)
C

Ou seja, a integral de linha da componente tangencial de intensidade magnética H em
torno de um percurso fechado C é igual a toda corrente de transporte que passa pela área
limitada pela curva C.

43
9.7 Condições de contorno sobre os vetores de campo

Figura 9.2: Condição de contorno 1

Fonte: Fundamentos da Teoria Eletromagnética(Reitz)

→ →
Como ∇ · B = 0, aplicando o Teorema de Gauss:
Z I
→ → → → →
(∇ · B ) n dv = B · n da = 0
V S
I Z →
Z →
Z → →
→ → → → →
B · n da = B1 · n1 da + B2 · n2 da + (B1 + B2 )· n3 da
S S1 S2 S3

Tomando h a altura entre a superfı́cie S2 e S1 , fazendo h =⇒ 0, a terceira integral tenderá


a zero.
→ → →
Sendo n1 = − n2 = n
Z →
Z →
→ →
− B1 · n2 da + B2 · n2 da = 0
S1 S2

→ → → →
− B1 · n ∆S+ B2 · n ∆S = 0

→ → →
(B2 − B1 ) · n = 0

Na componente normal temos que:

B2n = B1n (9.34)

44
Figura 9.3: Condição de contorno 2

Fonte: Fundamentos da Teoria Eletromagnética(Reitz)

→ → →
Como ∇ × H = J :
I Z
→ → → → →
(∇ × H ) · n da = J · n da
S S
I →

H · dl = I
C
Z B → →
Z C → → →
Z D → →
Z A → → →
I= H2 · dl + (H1 + H2 ) · dl + H1 · dl + (H1 + H2 ) · dl
A B C D

Fazendo h =⇒ 0, então a segunda e quarta integral tenderão a zero.


→ → → →
I = H2 · Lo − H1 · Lo
→ → → →
Sendo I = ( J × n) · Lo , e J corrente por unidade de comprimento.
→ → → → → → →
H2 · Lo − H1 · Lo = ( J × n) · Lo
→ → → → → →
(H2 − H1 ) · Lo = ( J × n) · Lo
→ → → →
H2 − H1 = J × n

→ → → → → →
n ×(H2 − H1 ) = n × J × n

Propriedade:

→ → → → → → → → →
A × B × C = B (A · C ) − C (A · B ) (9.35)

45
Fazendo:
→ → → → → →
A=n B=J C=n

Temos que:

→ → → → → → → → →
n × J × n = J ( n · n)− n ( n · J )

Onde:

→ →
n·J =0

Logo:

→ → → →
n ×(H2 − H1 ) = J
→ →
Se J = 0 , então:

H2t = H1t (9.36)

9.8 Problemas de valores de contorno que envolvem materiais


magnéticos

Sendo uma esfera de material magnético linear de raio a e permeabilidade µ, situada


numa região do espaço que contém um campo magnético inicialmente uniforme, Bo na
direção Z. Determinar a alteração do campo magnético modificado pela própria esfera e,
em particular, determinar o campo magnético na própria esfera.(Reitz, pag. 203-204).

→ →
Como J = 0 , ou seja, não há corrente de transporte, então:
→ → →
∇×H = 0

Logo:
→ →
H = − ∇ϕ∗

Como:
→ → → →
∇·B =0 B = µH

46
Então:
→ →
∇ · (µH )
→ →
µ∇·H =0
→ →
µ ∇ · (− ∇ϕ∗ ) = 0

−µ∇2 ϕ∗ = 0

Assim, obtemos a equação de Laplace:

∇2 ϕ∗ = 0 (9.37)

Devido a simetria esférica:


∂ϕ∗
   
2 1 ∂
∗ 2 ∂ϕ 1 ∂
∇ϕ = 2 r + 2 sin θ =0 (9.38)
r ∂r ∂r r sin θ ∂θ ∂θ

Sua solução será dada a partir dos harmônicos zonais, tal que o ϕ∗ não depende de φ
devido ao fato desse potencial não varia para 0 ≤ φ ≤ 2π.

ϕ∗1 (r, θ) = A1 r cos θ + C1 r−2 cos θ r≥a (9.39)

ϕ∗2 (r, θ) = A2 r cos θ + C2 r−2 cos θ r≤a (9.40)

Aplicando as condições de contorno

1) Para r =⇒ ∞
No infinito somente há o campo magnético uniforme Bo na direção Z, ou seja:

B1 (r =⇒ ∞, θ) = Bo k̂

Como:

→ B1
H1 =
µo

47
→ Bo
H1 = k̂
µo

Sendo:

H = −∇ϕ∗

Então:

dϕ∗ Bo
− =
dz µo
Bo
ϕ∗1 (r =⇒ ∞, θ) = − z
µo

Em coordenadas esféricas z = r cos θ:

Bo
ϕ∗1 (r =⇒ ∞, θ) = − r cos θ
µo

Comparando com a equação (9.39) temos que:

Bo
A1 = − (9.41)
µo

2)Para r = 0
Nesse caso, observa-se que matematicamente o potencial ϕ∗2 tenderá ao infinito devido ao
fator r−2 , entretanto fisicamente o potencial não é infinito. Afim de anular esse efeito
matemático é necessário fazer C2 = 0.

3) Para r = a
Na superfı́cie as componentes de campo magnético na direção radial são iguais.

B1r = B2r

Como:
→ →
B = µo∇ϕ∗

Então:

∂ϕ∗1 ∂ϕ∗2

−µo = −µ
∂r r=a ∂r r=a

48
 
Bo −3

µo − cos θ − 2C1 r cos θ = µ {A2 cos θ}|r=a
µo r=a

−Bo cos θ − 2µo C1 a−3 cos θ = µA2 cos θ

(−Bo − 2µo C1 a−3 ) cos θ = µA2 cos θ

−Bo − 2µo C1 a−3 = µA2

Logo:

1
A2 = (−Bo − 2µo C1 a−3 ) (9.42)
µ
Além disso:

H1θ = H2θ

Como:
→ →
H = − ∇ϕ∗

Então:
1 ∂ϕ∗1 1 ∂ϕ∗2

− =−
r ∂θ r=a r ∂θ r=a

 
1 Bo −2
1
r sin θ − C1 r sin θ
= (−A2 r cos θ)
r µo r=a r r=a

Bo
sin θ − C1 a−3 sin θ = −A2 sin θ
µo
 
Bo C1
− 3 sin θ = −A2 sin θ
µo a
Logo:

C1 Bo
A2 = − (9.43)
a3 µo

Igualando a relação (9.42) e (9.43):


1 C1 Bo
− (Bo + 2µo C1 a−3 ) = 3 −
µ a µo

49
Bo 2µo C1 Bo C1
+ 3
= − 3
µ µ a µo a
 
C1 2µo Bo Bo
3
+1 = −
a µ µo µ
   
C1 2µo + µ µ − µo
= Bo
a3 µ µo µ

Bo a3
 
µ − µo
C1 =
2µo + µ µo

Logo:

Bo a3
 
µ
C1 = −1 (9.44)
2µo + µ µo

Substituindo na relação (9.43):

Bo a3


µ 1 Bo
A2 = −1 3

2µo + µ µo a µo
 
Bo µ − µo Bo
A2 = −
2µo + µ µo µo
 
Bo µ − µo
A2 = −1
µo 2µo + µ
 
Bo −3µo
A2 =
µo 2µo + µ

3Bo
A2 = −
2µo + µ

Com essas constantes temos o potencial dentro e fora da esfera.

Bo a3
 
Bo µ
ϕ∗1 (r, θ) = − r cos θ + − 1 r−2 cos θ r≥a (9.45)
µo 2µo + µ µo

 
−3Bo
ϕ∗2 (r, θ) = r cos θ r≤a (9.46)
2µo + µ

50
Para encontrarmos o campo magnético basta fazer o seguinte.

→ →
Sendo B = −µ∇ϕ∗2 , o campo dentro da esfera.
→ ∂ϕ∗2 µ ∂ϕ∗2
B2 = −µ âr − âθ
∂r r ∂θ

   
→ 3Bo µ 3Bo µ
B2 = cos θ âr − sin θ âθ
2µo + µ 2µo + µ

Como k̂ = cos θâr − sin θâθ :


→ 3Bo µ
B2 = k̂
2µo + µ

→ →
Sendo B1 = −µo∇ϕ∗1 , o campo fora da esfera.
 ∗
1 ∂ϕ∗1

→ ∂ϕ1
B1 = −µo âr + âθ
∂r r ∂θ

B1 = B1r âr + B1θ âθ

2Bo a3
   
→ Bo µ −3
B1r = −µo − cos θ − − 1 r cos θ âr
µo 2µo + µ µo

Bo a3
   
→ µo Bo µ −2
B2θ = − r sin θ − − 1 r sin θ âθ
r µo 2µo + µ µo
→ →
Somando B1r e B2θ .
→ Bo a3
B1 = Bo cos θâr − Bo sin θâθ + (µ − µo )r−3 (2âr cos θ + âθ sin θ)
2µo + µ

→ Bo a3
B1 = Bo k̂ + (µ − µo )r−3 (2âr cos θ + âθ sin θ)
2µo + µ

Resumindo:

→ Bo a3
B1 = Bo k̂ + (µ − µo )r−3 (2âr cos θ + âθ sin θ) r≥a (9.47)
2µo + µ

→ 3Bo µ
B2 = k̂ r≤a (9.48)
2µo + µ

51
→ →
Para encontrarmos a intensidade magnética fazemos H = − ∇ϕ∗ .
 ∗
1 ∂ϕ∗1

→ ∂ϕ1
H1 = − âr + âθ
∂r r ∂θ

2Bo a3
   
→ Bo µ −3
H1 = − − cos θ − − 1 r cos θ âr · · ·
µo 2µo + µ µo

Bo a3
   
Bo µ −3
− sin θ − − 1 r sin θ âθ
µo 2µo + µ µo

Bo a3
 
→ Bo µ
H1 = (cos θâr − sin θâθ ) + − 1 r−3 (2 cos θâr + sin θâθ )
µo 2µo + µ µo

Bo a3
 
→ Bo µ
H1 = k̂ + − 1 r−3 (2 cos θâr + sin θâθ )
µo 2µo + µ µo

Sendo:
→ →
H2 = − ∇ϕ∗2
 ∗
1 ∂ϕ∗2

→ ∂ϕ2
H2 = − âr + âθ
∂r r ∂θ
   
→ 3Bo 3Bo
H2 = cos θ âr − sin θ âθ
2µo + µ 2µo + µ
→ 3Bo
H2 = (cos θâr − sin θâθ )
2µo + µ

→ 3Bo
H2 = k̂
2µo + µ

Resumindo:

Bo a3
 
→ Bo µ
H1 = k̂ + − 1 r−3 (2 cos θâr + sin θâθ ) r≥a (9.49)
µo 2µo + µ µo

→ 3Bo
H2 = k̂ r≤a (9.50)
2µo + µ

52
O segundo problema que desejamos resolver, trata de imã permanente, nesse caso
o objetivo é determinar o campo magnético produzido por uma esfera uniformemente
magnetizada , de magnetização M, raio a, sem um campo magnético externo.

→ → →
Sendo M = M k̂ e J = 0 (não há corrente de transporte), então:

→ → →
∇×H = 0

Assim:

→ →
H = − ∇ϕ∗

Como:

→ → → →
B = µH ∇·B =0

→ →
∇ · (µH ) = 0

→ →
−µ ∇ · (∇ϕ∗ ) = 0

∇2 ϕ∗ = 0

Devido a simetria esférica:


∂ϕ∗
   
2 1 ∂
∗ 2 ∂ϕ 1 ∂
∇ϕ = 2 r + 2 sin θ =0 (9.51)
r ∂r ∂r r sin θ ∂θ ∂θ

Sua solução será dada a partir dos harmônicos zonais, tal que o ϕ∗ não depende de φ
devido ao fato desse potencial não variar para 0 ≤ φ ≤ 2π.

ϕ∗1 (r, θ) = A1 r cos θ + C1 r−2 cos θ r≥a (9.52)

ϕ∗2 (r, θ) = A2 r cos θ + C2 r−2 cos θ r≤a (9.53)

53
Aplicando as condições de contorno

1) r =⇒ ∞
→ →
No infinito o campo magnético está muito próximo de zero (B = 0 ).

Logo:
→ →
B1 = −µo∇ϕ∗1
→ dϕ∗1
B1 = −µo
dz

ϕ∗1 (r =⇒ ∞, θ) = 0

Ou seja:

A1 = 0

2) r = 0
Em r = 0, o potencial ϕ∗2 deve ser finito, entretanto matematicamente o fator r−2 tenderá
ao infinto por isso C2 = 0, ou seja, caso essa constante não fosse igual a zero terı́amos um
potencial infinito , o que fisicamente nã existe.

3) r = a
Temos que:

B1r = B2r

Sendo:
→ →
B1 = −µo∇ϕ∗1
→ → →
B2 = µo (H2 + M )
→ →
Como H2 = − ∇ϕ∗2
→ → →
B2 = µo (M − ∇ϕ∗2 )

54
∂ϕ∗1

B1r = −µo
∂r r=a

∂ϕ∗2
 
B2r = µo Mr −
∂r r=a

Como k̂ = cos θâr − sin θâθ . Na direção radial temos o seguinte:



Mr = M cos θâr

Logo:
∂ϕ∗1 ∂ϕ∗2
 
−µo = µo M cos θ −
∂r r=a ∂r r=a
µo (−2C1 r−3 cos θ)|r=a = µo (M cos θ − A2 cos θ)|r=a

2C1 a−3 cos θ = (M − A2 ) cos θ

2C1
A2 = M − (9.54)
a3
Fazendo:

H1θ = H2θ
1 ∂ϕ∗1 1 ∂ϕ∗2

− =−
r ∂θ r=a r ∂θ r=a

1 −2
1
− (−C1 r sin θ) = − (−A2 r cos θ)
r r=a r r=a

C1 a−3 sin θ = A2 sin θ

C1
A2 = (9.55)
a3
Igualando a relação (9.54) e (9.55):
2C1 C1
M− 3
= 3
a a
M a3
C1 =
3
Substituindo esse valor em (9.55):
M
A2 =
3

55
Assim, temos os potenciais dentro e fora da esfera.

a3
ϕ∗1 (r, θ) = M r−2 cos θ r≥a (9.56)
3

M
ϕ∗2 = r cos θ r≤a (9.57)
3


Calculando H dentro e fora da esfera.

→ →
Como H = − ∇ϕ∗ , então:
→∂ϕ∗1 1 ∂ϕ∗1
H1 = − âr − âθ
∂r r ∂θ
a M r−2 sin θ
   3 
→ 2 3 1
−3
H1 = − − a M r cos θ âr − − âθ
3 r 3
M a3 r−3 sin θ
   
→ 2 3 −3
H1 = a M r cos θ âr + âθ
3 3
→ M a3 r−3
H1 = (2 cos θâr + sin θâθ )
3

→ ∂ϕ∗ 1 ∂ϕ∗2
H2 = − 2 âr − âθ
∂r r ∂θ
   
→ M 1 M r sin θ
H2 = − cos θ âr − − âθ
3 r 3
→ M M
H2 = − cos θâr + sin θâθ
3 3
→ M
H2 = − (cos θâr − sin θâθ )
3
→ M
H2 = − k̂
3

Assim, temos as intensidades magnéticas dentro e fora da esfera.

→ M a3 r−3
H1 = (2 cos θâr + sin θâθ ) r≥a (9.58)
3

→ M
H2 = − k̂ r≤a (9.59)
3

56
Calculando o campo magnético dentro e fora da esfera.

→ →
Como B1 = µoH1 , então:

→ M a3 r−3
B1 = µo (2 cos θâr + sin θâθ )
3
→ → →
Sendo B2 = µo (H2 + M ), então:

→ 2
B2 = µo M k̂
3

Assim, temos o campo magnético dentro e fora da esfera.

→ µo M a3 r−3
B1 = (2 cos θâr + sin θâθ ) r≥a (9.60)
3

→ 2
B2 = µo M k̂ r≤a (9.61)
3

57
9.9 Exercı́cios Recomendados

9.9.1 Questão 9.1

Um imã permanente tem a forma de um cilindro reto, circular, de comprimento L. Se a



magnetização M for uniforme e tiver a direção do eixo do cilindro, encontre as densidades
→ →
de corrente de magnetização,JM e jm .

Resposta:
→ →
Como a magnetização é uniforme, temos que JM = 0 , pois não haverá uma corrente de
magnetização devido ao cancelamentos das correntes das várias espiras no material.

→ → → → → → →
Sendo M = M k̂, n1 = k̂ e n2 = −k̂, ou seja, M // n1 e M // n2 , então:

→ → →
jm1 = jm2 = 0 (Nas tampas do cilindro)


Fazendo nL = cos θî + sin θĵ

î ĵ k̂

→ → →

jmL = M × nL = 0 M = M cos θĵ − M sin θî

0


cos θ sin θ 0

Em coordenadas cilı́ndricas:



 ρ̂ = cos θî + sin θĵ

θ̂ = − sin θî + cos θĵ



k̂ = k̂

Logo:


j mL = M θ̂

58
9.9.2 Questão 9.2

Encontre a distribuição de correntes de magnetização correspondentes a uma esfera



uniformemente magnetizada M .

Resposta:

Sendo M = M k̂ (Magnetização uniforme), então:


î ĵ k̂

→ → ∂ ∂ ∂ ∂M ∂M →
∇ × M = = î − ĵ = 0
∂x ∂y ∂z ∂y ∂x

0 0 M

→ →
Logo JM = 0 , ou seja, não há corrente lı́quida de magnetização, pois as correntes de
magnetização em forma de espira se cancelam.

Sendo n = âr e k̂ = cos θâr − sin θâθ , assim:


M = M (cos θâr − sin θâθ )

âr âθ âφ

→ → →

jm = M × = M cos θ −M sin θ 0
n



1 0 0


jm = M sin θâθ

59
9.9.3 Questão 9.7

Um imã permanente com forma de um cilindro circular reto, de comprimento L e raio


R, está orientado de maneira que seu eixo de simetria coincida com o eixo z. A origem
do sistema de coordenadas está no centro do imã. Se o cilindro tiver magnetização axial
uniforme M.(a) determinar ϕ∗ (z) em pontos sobre o eixo de simetria tanto dentro como

fora do imã e (b) use os resultados da parte (a) para encontrar a indução magnética B ,
em pontos sobre o eixo de simetria dentro e fora do imã.

Resposta:

z
tampa de cima

superfı́cie lateral

0
r

r000


r00

x
tampa de baixo

Pela definição, temos que:


→ → → → →
M·n ∇0 · M (r0 )
I Z
∗ → 1 0 1
r
ϕ ( )= → → da − → → dv 0
4π S | r − r0 | 4π V0 |r − r0 |
→ → →
Como M = M k̂ (Magnetização uniforme), então ∇0 · M = 0, logo:
→ →
M·n
I
∗ →1
ϕ ( )= r → → da0
4π S |r − r0 |
→ → → → → →
M · n1 M · n2 M · nL
Z Z Z
∗ → 1 0 1 0 1
r
ϕ ( )= → → da + → → da + → → da0
4π S1 | r − r0 | 4π S2 | r − r00 | 4π S3 |r − r000 |
→ → → → →
Onde a terceira integral será nulo pois M ⊥ nL . Fazendo n2 = − n1 = −k̂ e M = Mo k̂.

60
(Z )
da0 da0
Z
∗ →Mo
ϕ ( )=r → → − → →
4π S1 | r − r0 | S2 | r − r00 |
Em coordenadas cilı́ndricas:



 x = r cos θ

y = r sin θ



z = z





 r = z k̂

 →
0
r = r0 cos θî + r0 sin θĵ + L2 k̂


→ → =⇒ Tampa de cima


 r − r0 = −r0 cos θî − r0 sin θĵ + (z − L2 )k̂

 q
| →

0
r −r | = (r0 )2 + (z − L2 )2





 r = z k̂

 →
00
r = r00 cos θî + r00 sin θĵ − L2 k̂


→ → =⇒ Tampa de baixo
00


 r −r = −r00 cos θî − r00 sin θĵ(z + L2 )k̂

 q
| →

00
r −r | = (r00 )2 + (z + L2 )2

Assim teremos:
 
Z 0 Z 0
∗ → Mo  da da 
ϕ (r) = q − q (9.62)
4π  S1 (r0 )2 + (z − L )2 S2 (r00 )2 + (z + L2 )2 
2

Sendo :
da0 da0
Z Z
I1 = q e I2 = q
S1 (r0 )2 + (z − L2 )2 S2 (r00 )2 + (z + L2 )2

Resolvendo I1

da0 = r0 dr0 dθ

0 ≤ r 0 ≤ R
0 ≤ θ ≤ 2π

R 2π
r0 dr0 dθ
Z Z
I1 = q
0 0 (r0 )2 + (z − L2 )2

61
R
r0 dr0
Z
I1 = 2π q
0 (r0 )2 + (z − L2 )2

Aplicando uma substituição trigonométrica:


 
0 L
r = z− tan α
2

Derivando:
 
0 L
dr = z− sec2 αdα
2

Substituindo na integral:

(z − L2 )2 tan α sec2 αdα


Z
I1 = 2π q
(z − L2 )2 tan2 α + (z − L2 )2

(z − L2 )2 tan α sec2 αdα


Z
I1 = 2π √
(z − L2 ) tan2 α + 1

Como sec2 α = 1 + tan2 α

(z − L2 ) tan α sec2 αdα


Z
I1 = 2π
sec α
 Z
L
I1 = 2π z − tan α sec αdα
2
 
L
I1 = 2π z − sec α
2

q
r0 (r0 )2 + (z − L2 )2

α
L
z− 2
q
(z − L
) (r0 )2 + (z − L2 )2
2
cos α = q =⇒ sec α =
(r0 )2 + (z − L2 )2 (z − L2 )

q  R
 (r 0 )2 + (z − L )2 
2
I1 = 2π z − L2


L
 (z − 2 ) 
0

62
s s 
 2 2
L L
I1 = 2π  R2 + z − − z− 
2 2

s 2
L L
Sendo z− = z − , definição de módulo:
2 2

L
Para z ≥ pontos exteriores ao cilindro, assim:
2

z − L = z − L

2 2

L
Para z ≤ pontos internos ao cilindro, assim:
2

z − = L − z
L

2 2

L
Logo para z ≥ , temos que:
2
s 
 2  
L L 
I1F ora = 2π  R2 + z − − z−
2 2

L
Para z ≤ , temos que:
2
s 
 2  
L L
I1Dentro = 2π  R2 + −z − −z 
2 2

Resolvendo I2

da0 = r00 dr00 dθ



0 ≤ r00 ≤ R
0 ≤ θ ≤ 2π

R 2π
r00 dθdr00
Z Z
I2 = q
0 0 (r00 )2 + (z + L2 )2

R
r00 dr00
Z
I2 = 2π q
0 (r00 )2 + (z + L2 )2

Aplicando uma substituição trigonométrica:

63
 
00L
r = z+ tan α
2
Derivando:
 
L
00
dr = z + sec2 αdα
2
Substituindo na integral:
(z + L2 )2 tan α sec2 αdα
Z
I2 = 2π q
(z + L2 )2 tan2 α + (z + L2 )2

(z + L2 )2 tan α sec2 αdα


Z
I2 = 2π √
(z + L2 ) tan2 α + 1
Como sec2 α = 1 + tan2 α
(z + L2 ) tan α sec2 αdα
Z
I2 = 2π
sec α
 Z
L
I2 = 2π z + tan α sec αdα
2
 
L
I2 = 2π z + sec α
2

q
r 00 (r00 )2 + (z + L2 )2

α
L
z+ 2
q
(z + L
) (r00 )2 + (z + L2 )2
2
cos α = q =⇒ sec α =
(r00 )2 + (z + L2 )2 (z + L2 )

q  R
   (r00 )2 + (z + L )2 
L 2
I2 = 2π z +
2  (z + L2 ) 
0
s 
 2 s 2
L L 
I2 = 2π  R2 + z + − z+
2 2

s 2
L L
Aplicando módulo em z+ = z +
2 2

L
Para z ≥ , temos que:
2
64

z + L = z + L

2 2
L
Para z ≤ , temos que:
2
 
L
z + = − z + L
2 2
L
Logo para z ≥
2
s 
 2  
L L 
I2F ora = 2π  R2 + z + − z+
2 2

L
Para z ≤
2
s 
 2  
L L 
I2Dentro = 2π  R2 + z + + z+
2 2

Substituindo na equação (9.62) I1F ora e I2F ora temos


s 
 2 s  2
Mo  L L 
ϕ∗F ora = R2 + z − − R2 + z + +L
2  2 2 

→ →
Como H F ora = − ∇ϕ∗F ora

s 
 2 s  2
→ Mo ∂ 
2
L 2
L 
H F ora =− R + z− − R + z+ + L k̂
2 ∂z  2 2 
 
L L
→ Mo ∂  2(z + 2 ) 2(z + 2 ) 
H F ora =− q − q k̂
2 ∂z  2 R2 + (z − L )2 2 R2 + (z + L )2 
2 2

 
L L
→ Mo  (z + 2 ) (z − 2 ) 
H F ora = q −q k̂
2  R2 + (z + L )2 R 2 + (z − L )2 
2 2

→ → → → → →
Como M = 0 , fora do cilindro, então B F ora = µo (M + H F ora ) = µoH F ora
 
L L
→ µo Mo  (z + 2 ) (z − 2 ) 
B F ora = q − q k̂
2  R2 + (z + L )2 2
R + (z − ) L 2
2 2

65
Substituindo na equação (9.62) I1Dentro e I2Dentro temos:
s 
 2 q
Mo  L 2 
ϕ∗Dentro = R2 + − z − R2 + z + L2 − L
2  2 

→ →
Como H Dentro = − ∇ϕ∗Dentro

→ Mo ∂ nq 2 q o
H Dentro =− R + ( L2 − z)2 − R2 + (z + L2 )2 − L k̂
2 ∂z
 
L L
→ Mo  ( 2 − z) (z + 2 ) 
H Dentro = q +q k̂
2  R2 + ( L − z)2 R 2 + (z + L )2 
2 2

→ → →
Como B Dentro = µo (M + H Dentro )

   
L L

M
o  ( 2 − z) (z + 2 ) 
B Dentro = µo q +q  k̂ + Mo k̂
 2 R2 + ( L2 − z)2 R2 + (z + L2 )2 

 
L L
→ µo Mo  ( 2 − z) (z + 2 ) 1
B Dentro (z) = q + q + k̂
2  R2 + ( L − z)2 R 2 + (z + L )2 2
2 2

66
9.9.4 Questão 9.8

Uma esfera de material magnético, de raio R, é colocada na origem do sistema de



coordenadas. A magnetização é dada por M = (ax2 + b)î, onde a e b são constantes.
Determine todas as densidades polares.

Resposta:

→ →
Como ρm = − ∇ · M , então:
 
∂ ∂ ∂
ρm = − î + ĵ + k̂ · (ax2 + b)î
∂x ∂y ∂z


ρm = − (ax2 + b)
∂x

ρm = −2ax para 0 ≤ x ≤ R
→ →
Como σm = M · n
x y z 
2
σm = (ax + b)î · î + ĵ + k̂
r r r

(ax3 + bx)
σm =
r

Para as densidades temos:





î ĵ k̂
→ → → ∂ ∂ ∂ ∂ ∂
JM = ∇ × M = = (ax2 + b)ĵ − (ax2 + b)î
∂x ∂y ∂z ∂z ∂y

2
(ax + b) 0 0

→ →
Logo J M = 0 .
Para a densidade de magnetização superficial, é conveniente a parametrização em coor-
denadas cilı́ndricas:



 y = h cos θ

z = h sin θ



x = x

Sendo h o raio para qualquer ponto de x, temos que h = R2 − x, e R a distancia ate o
→ →
ponto P, na esfera. Temos que dr= h dθ= hdθaˆθ :

67
Figura 9.4: Corrente de magnetização

Fonte: Acervo Próprio

Obviamente é possı́vel deduzir que a normal é :

→ h x h
n= aˆr + î − 2cosθ senθaˆθ
R R R
→ → →
Sendo jm = M × n então:

aˆr aˆθ î


→ h
jm = 0 0 (ax2 + b) = (ax2 + b) aˆθ

R
h −2h x


senθcosθ
R R R
Z →
Z 2π
→ h
Im = jm · dr= (ax2 + b) aˆθ · hdθaˆθ
c 0 R

h2
Z
2
Im = (ax + b) dθ
R 0

h2
Im = (ax2 + b) 2π
R

Então a corrente é:

68
(ax2 + b)(R2 − x2 )2π
Im =
R

Como vemos, encontramos uma corrente em função da posição x, pois a corrente superficial
de magnetização circula em caminhos entorno do eixo x.

69
Capı́tulo 11

Indução Eletromagnética

11.1 Introdução

Sendo:

I →

E · dl= ε
c

Isso é valido para os campos que variam no tempo.


Além disso:

→ →
∇ · E= 0

Pois essas linhas de campo elétrico são continuo devido ao campo magnético.


ε=−
dt

Por essa definição temos que:


Z
→ →
φ= B · n da
s

Logo, temos a forma integral da lei de Faraday.

I →
Z
→ d → →
E · dl= − B · n da (11.1)
c dt s

Aplicamos o teorema de Stokes.


Z Z
→ → → d → →
(∇ × E )· da = −
n B · n da
s dt s

70
Como o campo magnético é uma função de 4 variáveis, ou seja, no tempo e no espaço,
→ →
B ( r , t).
Z Z
→ → → ∂ → →
(∇ × E )· n da = − B · n da
s s ∂t

Z
→ → ∂ → →
(∇ × E + B )· n da = 0
s ∂t
Assim, chegamos a forma diferencial da lei de Faraday.

→ → ∂ →
∇ × E= − B (11.2)
∂t
O sinal negativo da lei de Faraday indica que o sentido da fem induzida é tal que se opõem
a variação do fluxo magnético que a produziu.
Dessa forma se tentarmos aumentar o fluxo que passa por um circuito, a f.e.m. induzida
tenderá a produzir correntes num sentido tal que a diminua o fluxo(lei de Lenz).

Exemplo da pag. 232


Um fio metálico reto, de comprimento l, se move numa direção perpendicular ao seu
comprimento com velocidade v. Tendo um campo magnético perpendicular ao plano que
o fio se move.
Resolução:
→ → → →
As cargas livres no fio experimentam a força de lorentz F = q(E + v × B ). Sendo que
→ →
as cargas positivas e negativas ficam nas extremidades opostas devido ao termo q v × B .
→ →
Quando as cargas não estão se movimentando em relação ao fio, temos que Fe = − Fm ,
logo, E= - vB. Como B é uniforme, logo E também será uniforme.

Temos que:
Z L → →
Mϕ=− B · dl
0

M ϕ = −EL

Substituindo o campo elétrico, temos que a diferença de potencial é:

M ϕ = vBL

71
11.2 Auto-Indutância

Sendo,


ε=−
dt

Multiplicamos em cima e em baixo por dI.


dφ dI
ε=−
dt dI
dφ dI
ε=−
dI dt

Definimos que:

L=
dI
É a auto-indutância, é a razão entre a taxa de varição do fluxo em relação a corrente.
Então a força eletromotriz é definida como:

dI
ε = −L
dt

Exemplo de auto-indutância de uma bobina toroidal(toroı́de) pag.235

Sendo,
I →

H · dl= N I
c

Onde N é o numero de espiras. Consideramos que a intensidade magnética é perpendicular


ao comprimento dl, pois o fio está esticado.

HL = N I

NI
H=
L

Sabemos que B=µo H, então:


µo N I
B=
L
Sabe-se que:
Z
→ →
φ= B · n da
s

72
e como o campo magnético é normal a superfı́cie s, temos que:

φ = BA
µo N IA
φ=
L
Porém esse fluxo é o fluxo que atravessa cada espira. Como temos N espiras, o fluxo total
é φt = N φ
µo N 2 IA
φt =
L
Temo que a auto-indutância é definida por:
d µo N 2 IA
 
dφt
L= =
dI dI L

µo N 2 A
L= (11.3)
L

11.3 Indutância Mútua

n
X
φi = φi1 + φi2 + ... + φii + φin = φij
j=1

Sendo φi1 , o fluxo magnético que atravessa o circuito i, devido o circuito 1.


" n #
dφi d X
εi = − =− φij
dt dt j=1

dI
Multiplicando por , circuito estacionário rı́gido onde as únicas variações do φ será
dI
devido as variações das correntes, logo:
" n #
d X dI
εi = − φij
dt j=1 dI
" n #
d X dI
εi = − φij
dI j=1 dt

Definimos que:
" n #
d X dφij
M= φij =
dI j=1 dI

É a indutância mútua, para i 6= j, pois esta é a condição de auto-indutância.

73
Exemplo de indutância mútua(enrolamento toroidal) — pág. 237

Sendo,
I → →
B1 · dl= µo N1 I1
c

Como B é paralelo ao comprimento dl, temos que:

B1 L = µo N1 I1
µo N1 I1
B1 =
L
Campo magnético no interior do toroide, gerado pelas N1 espiras.
Sendo:

µo N1 I1 A
φ1 = B1 A = . Fluxo magnético em uma espira N1 espiras.
L

µo N12 I1 A
φ11 = φ1 N1 = . Fluxo magnético total em uma espira N1 espira sobre ela mesma.
L

µo N1 N2 I1 A
φ21 = φ1 N2 = . Fluxo magnético total em uma espira N1 espira sobre a espira
L
N2 .

De φ11 , podemos encontrar a auto-indutância:


d µo N12 I1 A µo N12 A
 
dφ11
L1 = = =
dI1 dI L L
De φ21 , podemos encontrar a indutância mútua:
 
dφ21 d µo N1 N2 I1 A µo N1 N2 A
M21 = = =
dI1 dI L L
Refazendo o mesmo procedimento, podemos encontrar que:
d µo N22 I2 A µo N22 A
 
dφ22
L2 = = =
dI1 dI L L
d µo N22 I2 A
 
dφ12 µo N1 N2 A
M12 = = =
dI1 dI L L
Então vemos que:


M12 = M21 = L1 L2 (11.4)

74
11.4 Fórmula de Neumann

dφ12 φ12
Temos que :M12 = = , o fluxo é proporcional a corrente.
dI2 I2
Z →
→ →
φ12 = B2 (r1 )· n da1

Que é o fluxo causado pelo circuito 2 sobre o circuito 1. O campo magnético causado por
2 sentido em 1 é:
Z → → →
φ12 = B2 (r1 )· n da1

→ →
(r1 − r2 )

I →
→ µo
B2 (r1 ) = I2 dr2 × → →
4π | r1 − r2 |3
c

Z " → →
#
(r1 − r2 )
I →
µo →
φ12 = I2 dr2 × → → · n da1
s1 4π c | r1 − r2 |3
→ →
" #
→ 1 (r1 − r2 )
∇1 → → =− → →
| r1 − r2 | | r1 − r2 |3
Z " I → →
" ##
µo 1 →
φ12 =− I2 dr2 × ∇1 → → · n da1
s1 4π c | r1 − r2 |
Z " I →
" #

#
µo 1 →
φ12 = I2 ∇1 → → × dr2 · n da1
s1 4π c | r1 − r2 |

Propriedade:
→ → → → → →
∇ ×(ϕ F ) =∇ ϕ× F +ϕ ∇ × F
→ →
Chamamos F =dr, e como o operador nabla atua na coordenada 1, então o segundo
membro do lado direito é nulo.


" #  
→ 1 → → dr2
∇1 → → × dr2 =∇1 ×  → →

| r1 − r2 | | r1 − r2 |


  
Z I →
φ12 =  µo I2 ∇1 ×  →
dr2

 · →
n da1
s1 4π c | r1 − r2 |

Aplicamos o teorema de Stokes:

75
→ →
dr2 · dr1
I I
µo
φ12 = I2 → →
4π c1 c2 | r1 − r2 |

Então, a auto-indutância e a indutância mútua podem ser expressas respectivamente


como:

→ →
dr0 · dr
I I
µo
L= → → (11.5)
4π c c0 | r − r0 |

→ →
dr1 · dr2
I I
µo
M12 = → → (11.6)
4π c1 c2 | r1 − r2 |

76
11.5 Exercı́cios Recomendados

11.5.1 Questão 11.1

Como não existe cargas livres, então a força de Lorentz é nula, ou seja, está no estado
estacionário, figura ilustrativa encontrada na pág. 232 do Reitz.

→ → → →
F = q(E + v × B )

Então temos que a força elétrica é igual a força magnética.

→ → →
q E = −q v × B

→ → →
E =B × v

Temos que o campo magnético independe do tempo, então o potencial elétrico pode ser
encontrado por:

Z →
Z →
→ → →
∆ϕ = − E · dr= − B × v · dr
c c


Como a integral é apenas em relação a dr, temos que:


Z b → → →
→ →
∆ϕ = − B × v · dr= − B × v · L
a

Utilizando uma realação vetorial temos:

h→ →i →
∆ϕ =B · L × v (11.7)

77
11.5.2 Questão 11.2

A barra rotaciona em torno do eixo z, com uma velocidade v , onde essa velocidade é

tangencial a rotação, o campo magnético B é na direção k̂.
No estado estacionário, não existe cargas livres, então a força de Lorentz é o vetor nulo.
→ → → →
F = q(E + v × B )

Com isso o campo elétrico é igual em módulo a força magnética, porém com direção
contraria:
→ → →
q E = −q v × B
→ → →
E =B × v

Vemos a partir da figura 1, que a velocidade v é perpendicular ao campo magnético, e


de acordo com espaço vetorial definido a direção do campo elétrico aponta para a origem
das coordenadas, para qualquer ponto em torno do eixo z.
Definimos o espaço em coordenadas cilı́ndricas então:

B = Bo k̂

v = vo aˆθ

Como foi mencionado o campo elétrico aponta para o centro das coordenadas, então a
direção radial:

E = −vo Bo aˆr

Sabe-se que o campo magnético não varia em relação ao tempo neste exemplo, então
podemos computar o potencial elétrico da seguinte forma:
Z Z
→ → →
∆ϕ = − E · dr= [vo Bo aˆr ] · dr
c c
→ →
Temos que o comprimento r é radial, ou seja, dr= dr aˆr , e vo = ωr

Z →
∆ϕ = [ωrBo aˆr ] · dr aˆr

c
Z L
∆ϕ = Bo ω rdr
0

Então o potencial elétrico:

L2
∆ϕ = Bo ω (11.8)
2

78
11.5.3 Questão 11.4

Primeiramente parametrizamos em coordenadas cilı́ndricas o problema em questão, temos



uma velocidade angular representada por v = vo aˆθ , onde vo = ωr, um campo magnético
→ →
B = Bo k̂, um comprimento infinitesimal do raio do disco dr= draˆr . Como não existe carga
livres, a força de Lorentz é o vetor nulo, ou seja:
→ → → → →
E = − v × B =B × v

Como os vetores do campo magnético e da velocidade são perpendiculares o resultado do


produto vetorial é um vetor radial:

E = −(Bo vo )aˆr

Pela lei de Faraday, como o campo magnético é invariante em relação ao tempo, o rotaci-
onal do campo elétrico é vetor nulo, como isso, a partir dos conhecimentos do cálculo 1,
podemos calcular o potencial escalar elétrico da seguinte forma:
Z
→ →
∆ϕ = − E · dr
c

Substituı́mos o vetor campo elétrico e o vetor comprimento infinitesimal.


Z
∆ϕ = (Bo vo )aˆr · draˆr
c

Substituı́mos a velocidade e retiramos de dentro da integral os termos constantes.


Z L
∆ϕ = Bo ωrdr
0

r2
∆ϕ = Bo ω
2

Substituı́mos a frequência angular, ω = 2πf .

∆ϕ = Bo πf r2 (1)

O fluxo magnético pode ser calculado a partir de:


Z
→ →
φ = B · n dA
s

Como o campo magnético é paralelo ao vetor normal da superfı́cie S, temos que o produto
escalar é apenas o módulo do campo magnético.

79
Z
φ= Bo dA = Bo A
s

φ = Bo (πr2 ) (2)

Substituimos a equação (2) na equação (1), chegamos a:

∆ϕ = f φ (11.9)

80
11.5.4 Questão 11.5

Primeiramente parametrizamos o problema, temos um campo magnético B = Bo k̂, temos

uma frequência angular ω = 2πf , onde ω = e θ = ωt.
dt
O fluxo magnético pode ser calculado por:
Z
→ →
φ= B · n dA
s


Onde A é a área da superfı́cie, temos que força eletromotriz é ε = −N , onde N é o

dt

número de espiras, então o produto escalar pode ser calculado por B · n= |B| |n| cosθ.
Com isso temos que:
Z
φ= |B| |n| cosθdA
s

O módulo do campo magnético e a normal não variam em função da área, e θ = ωt


Z
φ = |B| cosωt dA = |B| cos(ωt)A
s

Então a força eletromotriz é:

dφ d
ε = −N = −N (|B| Acos(ωt))
dt dt

ε = N ω |B| Asen(ωt)

Por último, substituı́mos a frequência angular:

ε = 2πf N |B| Asen(2πf t)

81
11.5.5 Questão 11.7

A)Quando a chave “S” é ligada surgirá uma corrente no sentido horário do circuito
1. Pela regra da mão direita, existem linhas de campo saindo do lado direito (Pólo
Norte) e chegando do lado esquerdo (Polo Sul). Quando ocorre essa aproximação, há um
aumento de linhas de campo magnético sobre a bobina “B”, ou seja, um aumento do fluxo
magnético, de acordo com a lei de Lenz surgirá, portanto, uma corrente induzida de modo
que seja gerado um polo norte do lado esquerdo da bobina “B” e um polo sul do seu lado
direito. A fim de impedir esse aumento de fluxo, utilizando novamente a regra da mão
direita, têm-se uma corrente indo de “b” para “a” sobre o resistor.
B)Se a resistência diminuir haverá um fluxo maior da corrente, no qual influenciará
no campo magnético produzido por ela, e consequentemente, aumentará a corrente sobre
o resistor (sem mudar do sentido da letra “a”).
C)Se a chave for aberta a corrente gerada no circuito 1 deixará de existir gradativa-
mente, sendo assim, haverá uma variação de fluxo magnético em um sentido contrário,
logo ao invés de ser S-N em A, sendo N-S em A e S-N em B, gerando uma corrente de A
para B.

82
Capı́tulo 12

Energia Magnética

12.1 Introdução

Pelo Circuito, sabendo que a corrente varia no tempo, temos que:

V + ε = RI(t)


ε=−
dt

Então a tensão V é:



v = RI(t) +
dt
Temos que dWb é o trabalho realizado por V ao deslocar um incremento de carga dq.
Então podemos reescrever a equação acima como:


dWb = RI(t)dq + dq
dt

Como dq=Idt, temos que:



dWb = RI 2 (t)dt + Idq
dt
Então que:

dWb = RI 2 (t)dt + Idφ

Afim de computar somente a energia magnética gerada pela bateria, eliminamos o primeiro
termo a direita, pois é a energia dissipada pelo resistor, temos que:

dWb = Idφ

83
12.2 Para “n” circuitos acoplados
n
X
dWb = Ii dφi
i=1

Devido ao fato da energia final ser independente da ordem de como as correntes variam,
pode-se levar em consideração que todas as correntes e todos os seus fluxos estão na
mesma proporção em relação aos valores finais, sendo:

Ii0 = αIi e também dφi = φi dα


Z 1 n
X
R
dWb = Ii φi αdα
0 i=1

n
X Z 1
R
dWb = Ii φi αdα
i=1 0

n 1
R X α2
dWb = Ii φi
i=1
2 0

Com isso encontramos a energia magnética de n circuitos rı́gidos em meios lineares.

n
1X
Um = Ii φi (12.1)
2 i=1

Temos que o fluxo que atravessa o i-ésimo circuito é:


n
X
φi = Ij Mij
j=1

Substituindo na equação 12.1, encontramos a energia magnética:

n n
1 XX
Um = Ii Ij Mij (12.2)
2 i=1 j=1

Nesta equação é importante as seguintes considerações:

Mij = Li quando i=j, ou seja, auto-indutância


Mij quando i6=j, ou seja, indutância mútua

84
1 1 1
Um = L1 I12 + L2 I22 + · · · · · · + Ln In2 + · · ·
2 2 2
M12 I1 I2 + M13 I1 I3 + · · · + M1n I1 In + · · ·

M23 I2 I3 + M24 I2 I4 + · · · + M2n I2 In + · · ·

Mn−1 In In−1

Na primeira linha temos as auto-indutâncias e nas demais as indutâncias mútuas.

Para dois circuitos acoplados


1 1
Um = L1 I12 + L2 I22 + M12 I1 I2
2 2
I1
Chamando x= , e substituindo na equação acima, temos:
I2

1 2 2 1 2 2 I22 
L1 x2 + L2 + 2M12 x

Um = I2 L1 x + L2 I2 + M12 xI2 = (12.3)
2 2 2
Derivando Um em relação a x
dUm I2
|x=x0 = 2 {2L1 xo + 2M12 }
dx 2
Igualando essa derivada a 0, encontramos xo no ponto de mı́nimo de Um , como temos
apenas uma mútua, adotamos que M = M12 .
M
xo = −
L1
Substituindo na equação 12.3 vemos que esta equação será maior ou igual a zero, temos
que:
1 M2 1 M
0 ≤ I22 + L2 I22 − M I22
2 L1 2 L1
1M2 1 M2
0≤ + L2 −
2 L1 2 L1
1 1 M2
L2 − ≥0
2 2 L1
M 2 ≤ L1 L2

Então chegamos que a mútua para 2 circuitos acoplados é:


M≤ L1 L2 (12.4)

85
12.3 Densidade de energia no campo magnético

Consideremos um grupo de circuitos rı́gidos que conduzem corrente em meios com


propriedades magnéticas lineares. A partir disso temos que:
Z
→ →
φi = B · n da
Si

Sabemos que o campo magnético pode ser expresso em função do potencial vetor:

→ → →
B =∇ × A
Z 
→ → →
φi = ∇ × A · n da
Si

Apliquemos o teorema de Stokes:


I →

φi = A · dli
ci

Substituı́mos na energia magnética, da equação 12.1:


n
1X
Um = Ii φi
2 i=1

n I
1X → →
Um = Ii A · dli
2 i=1 ci

n I Z
→ → X
Temo que Ii dl1 → J dv, então −→ , portanto a energia magnética pode ser
i=1 ci v
expressa por:
Z
1 → →
Um = A · J dv
2 v

→ → →
Como J =∇ × H :
Z 
1 → → →
Um = ∇ × H · A dv
2 v

Pela seguinte propriedade:

→ → → → → → → → →
∇ · A × H =H · ∇ × A − A · ∇ × H
→ → → → → → → → →
·
A ∇ H × = ·
H ∇ A × − ·
∇ A H×
Z Z
1 →  → → 1 → → →
Um = H · ∇ × A dv − ∇ · A × H dv
2 v 2 v

86
Aplicando o Teorema de Gauss no segundo membro do lado direito:
Z I
1 →  → → 1 → →  →
Um = H · ∇ × A dv − A × H · n da
2 v 2 s

Como a superfı́cie tende ao infinito, afim de que essa superfı́cie esteja longe das corrente,
então temos que a intensidade magnética diminui e o potencial vetor também, fazendo
com que a contribuição da segunda integral tenda a zero:
Z
1 → → →
Um = H · ∇ × A dv
2 v
Então substituindo o termo em parêntese pelo campo magnético temos que:

Z
1 → →
Um = H · B dv (12.5)
2 v

Isolando o integrando, temos a chamada densidade de energia num campo magnético.

1 → →
u= H·B (12.6)
2
Podemos generalizar para materiais isotrópicos e lineares, considerando que:
→ →
B= µ H

1 1 B2
u = µH 2 ou u= (12.7)
2 2 µ

12.4 Forças e Torques sobre circuitos rı́gidos

12.4.1 Corrente Constante

Será mostrado como a força ou o torque, sobre uma componente de um sistema desses
podem ser calculados a partir do conhecimento da energia magnética.
→ →
O trabalho mecânico realizado pela força F quando realiza um deslocamento dr, atuando
no sistema é:
→ →
dW =F · dr

87
Temos que o trabalho é expresso por:

dW = dWb − dU (12.8)

Temo que dWb é a variação da energia magnética do sistema e dU é o trabalho realizado


por fontes externas.
Sabemos pela equação 12.1 que:

n
1X
Um = Ii φi
2 i=1

e que:
n
X
dWb = Ii dφi
i=1

Então vemos que, dWb = dU , então substituindo na equação 12.8:

→ →
dW = dU =F · dr

Em coordenadas cartesianas U(x,y,z), temos que:


Com isso, definindo que:


r = x~i + y ĵ + z~k
→ →
dl= d r = dx~i + dy ĵ + dz~k

F = Fx (x, y, z)~i + Fy (x, y, z)ĵ + Fz (x, y, z)~k

∂U ∂U ∂U
dU = dx + dy + dz = Fx dx + Fz dz + Fz dz
∂x ∂y ∂z

Logo,

∂U
= Fx
∂x

∂U
= Fy
∂y

∂U
= Fz
∂z
88
Então temos quando a corrente é constante que:

→ →
F =∇ U |I (12.9)

Torque

Adotando uma coordenada em função dos ângulos onde τ (θ1 , θ2 , θ3 )
→ → →
τ = r × F = τ1 aˆθ1 + τ2 aˆθ2 + τ3 aˆθ3


dθ= dθ1 daˆθ1 + dθ2 daˆθ2 + dθ3 daˆθ3

→ → ∂U ∂U ∂U
τ · dθ= dθ1 + dθ2 + dθ3 = τ1 dθ1 + τ2 dθ2 + τ3 dθ3
∂θ1 ∂θ2 ∂θ3

Então o torque é:

→ →
τ =∇θ U |I (12.10)

12.4.2 Fluxo Constante

Realizando as mesma operações, porém agora quando não temos uma corrente constante,
ou seja, temos uma potencial constante, dWb = 0, a equação 12.8 fica:

dW = −dU

Realizando
→ →
F = − ∇ U |φ (12.11)

Enquanto o torque é:

→ →
τ = − ∇θ U |φ (12.12)

89
12.5 Exercı́cios e Exemplos Recomendados

12.5.1 Exemplo 1: Força em dois circuitos

Figura 12.1: Força em dois circuitos

Fonte: Acervo Pessoal

→ →
F2 =∇2 U
n n
1 XX
Um = Ii Ij Mij
2 i=1 j=1

1
U= {L1 I12 + L2 I22 } + M I1 I2
2

Sabendo que L1 , L2 , I1 , I2 são constantes e como a mútua pode ser definida como:
→ →
dr2 · dr1
I I
µo
M12 = M21 = → →
4π c1 c2 | r2 − r1 |

Aplicamos a operação gradiente na energia em relação a coordenada 2, e como o primeiro


membro da equação da energia é composto por constante temos:

→ →
∇2 U = I1 I2 ∇2 M

Então a força é definida por:


 → → 
→ → µo
I I

 dr · dr 
1 2
F2 =∇2 U = I1 I2 ∇2
4π c1 c2  | r→2 − r→1 | 

90
→ →
" #
→ 1 (r2 − r1 )
∇1 → → =− → →
| r2 − r1 | | r2 − r1 |3

Então a força é:

→ →
(r2 − r1 )

I I → →
µo
F2 = − I1 I2 dr1 · dr2 → → (12.13)
4π c1 c2 | r2 − r1 |3

91
12.5.2 Exemplo 2: Força em quatro circuitos

Figura 12.2: Força em quatro circuitos

Fonte: Acervo Pessoal

→ →
F2 =∇2 U
n n
1 XX
Um = Ii Ij Mij
2 i=1 j=1

Separando as energias onde U1 é composta pelas auto-indutâncias e U2 pelas mútuas.


1
U1 = {L1 I12 + L2 I22 + L3 I23 + L4 I42 }
2

U2 = M12 I1 I2 + M13 I1 I3 + M14 I1 I4 + M23 I2 I3 + M24 I2 I4 + M34 I3 I4

Sabendo que os termos de U1 são constantes, tanto quantos os termos de U2 que não
dependem da coordenada 2. Consideramos apenas as seguintes mútuas dependentes da
coordenada 2, então temos:
→ →
dr2 · dr1
I I
µo
M12 = → →
4π c1 c2 | r2 − r1 |
→ →
dr2 · dr3
I I
µo
M23 = → →
4π c2 c3 | r2 − r3 |
→ →
dr2 · dr4
I I
µo
M24 = → →
4π c2 c4 | r2 − r4 |
Aplicamos a operação gradiente na energia em relação a coordenada 2, e como o primeiro
membro da equação da energia é composto por constante temos:

92
→ → → →
∇2 U = I1 I2 ∇2 M12 + I2 I3 ∇2 M23 + I2 I4 ∇2 M24

Então a força é definida por:


  → →  → → → →

dr1 · dr2 dr2 · dr3 dr2 · dr4 

I I I I I I
µo  →
 
F2 = I1 I2 ∇2 + + I2 I4
4π  c1 c2  | r→2 − r→1 |  → →
c2 c3 | r2 − r3 |
→ →
c2 c4 | r2 − r4 | 

Como:
" # → →
→ 1 (r 0 − r )
∇ → →
=− → →
| r0 − r | | r0 − r |3
Então a força é:
→ →
(
(r2 − r1 )

I I → →
µo
F2 = − I1 I2 dr1 · dr2 → → + · · ·
4π c1 c2 | r2 − r1 |3
→ → → →
)
(r2 − r3 ) (r2 − r4 )
I I → →
I I → →
· · · + I2 I3 dr2 · dr3 → → + I2 I4 dr2 · dr4 → →
c2 c3 | r2 − r3 |3 c2 c4 | r2 − r4 |3

93
12.5.3 Exemplo 3: Solenoide com corrente “I”

Figura 12.3: Força em uma barra

Fonte: Reitz, pág. 252

Temos uma barra com permeabilidade “µ” e seção reta “A”, com comprimento “L”
e “N” espiras. Orientamos o movimento da barra na direção x, e “x” o comprimento da
barra dentro do solenoide.
Desprezando os efeitos de borda podemos utilizar o método aproximado.
→ →
F =∇ U |I
→ →
Bo = µo H
→ →
B= µ H

Pela lei de Ampére, vemos que a intensidade magnética é igual dentro do material e no
vácuo.

Z
1 → → 1 → →
U= B · H dV u= B·H
2 V 2

Como a intensidade magnética, é na mesma direção que o campo magnético, o produto


escalar gera:
u = µo H 2 , Na parte dentro do solenoide que a barra não ocupa.
u = µH 2 , Na parte dentro do solenoide que a barra ocupa.
Como a barra se movimenta apenas na direção x, temos que o gradiente torna apenas
uma derivada parcial da energia em relação a x.

94
∂U ∆U
Fx = =
∂x ∆x

A variação da energia “∆U ” pode ser expressa como:


   
1 1
∆U = µH 2 (∆V ) + µo H 2 (−∆V )
2 2

Consideramos o volume da barra dentro do solenoide positivo. Indicando que o estado de


equilı́brio é quando x=L. Como ∆V = A∆x, temos:
   
1 2 1 2
∆U = µH (A∆x) + µo H (−A∆x)
2 2

Isolando ∆x, temos que a força é:

1
Fx = H 2 A(µ − µo ) (12.14)
2
Observação: O termo ao quadrado diz que a força será sempre positiva desde que µ > µo ,
independo o sentido da corrente.

95
12.5.4 Questão 12.1

Temos que a força magnética pode ser definida por:


→ → →
F = I dl × B

Por definição temos que:


→ →
dU =F · dr

para uma pequena variação:


→ →
δU =F · δr

Então:
→ → →
δU = I(dl × B )· δr

Pela relação vetorial:


→ → → → → →
A · B × C =C · A × B

Então chegamos que:


→ → → 
δU = I B ·(δr × dl)

Sabe-se que:
Z
→ →
φ= B · n dA
s

Para uma pequena variação no fluxo, temos:


→ →
δφ =B · n δA
→ →
Sabe-se que o produto vetorial δr × dl é o vetor normal a superfı́cie pela pequena variação
→ → →
de área δA, ou seja, δr × dl= δA n.
Então:
→
→ →
δφ =B · δr × dl

Chegamos então que a energia é:

δU = Iδφ

96
12.5.5 Questão 12.2

A partir das forma aprendidas para se computar a energia:


n
X
dWb = Ii dφi (1)
i=1

n
1X
dU = Ii dφi (2)
2 i=1

Sabemos que o trabalho é composto por:

dW = dWb − dU

Como dWb = 2dU , temos que dW = 2dU −dU = dU . Como temos apenas um circuito não
estacionário. Para dois circuitos, o circuito 2 é estacionário, ou seja, a partir da equação
1, integrando-a, o fluxo é nulo, então a corrente I2 é nulo. Então para dois circuitos a
expansão da equação (2) é:

1
U = L1 I12
2

Derivamos em relação a corrente 1:

dU = I1 L1 dI1

O termo L1 dI1 é a variação do fluxo 1:

dU = I1 dφ1

97
12.5.6 Questão 12.4

Figura 12.4: Parametrização

Fonte: Acervo Pessoal

Primeiramente parametrizamos o sistemas em coordenadas retangulares. O campo magnético



gerado pela espira a é orientado na direção +z, Ba = Ba k̂ Como dito no enunciado da
questão, prendemos a espira de raio menor ao longo do eixo x, de força que rotacione

entorno do eixo x. A normal da superfı́cie da espira b é n0 = senθî + cosθk̂ enquanto a

normal da espira a é n, θ é o angulo entre a normal da espira a e da espira b.
A energia de dois circuitos acoplados é:

1
U= {L1 I12 + L2 I22 } + M I1 I2
2

Temos que a mutua é definida por:

φba
M=
Ia
1
U= {L1 I12 + L2 I22 } + φba I2
2

O fluxo φba pode ser calculado por:


Z → →
φba = Ba · n dA = Ba Ab cosθ
Sb

Como já foi calculado no capitulo 8, o campo magnético produzido por uma espira é:
→ µIa
Ba =
2a

E a área da espira b é Ab = πb2 . Substituindo estes dados, o fluxo é:

98
µIa 2
φba = πb cosθ
2a

O torque é definido por:

→ →
τ = + ∇θ U |φ

Para apenas em relação ao angulo θ:


 
→ ∂U
τ= +
∂θ

→ µIa 2
τ= − πb senθ
2a

Observação: Quando as correntes estão no mesmo sentido, o torque tenta colocar as


espiras na posição de equilı́brio, ou seja, no mesmo plano.

99
12.5.7 Questão 12.7

Figura 12.5: Força em uma barra

Fonte: Reitz, pág. 257

Temos um sistema com potencial constante, então a força pode ser encontrada por:

→ →
F = − ∇ U |φ

A energia em um sistema pode ser encontrada por:


Z
1 → → 1 → →
U= B · H dV u= B·H
2 V 2

Neste caso, a intensidade magnética em ambos os meios é diferente, porém o campo


magnético é o mesmo.
No vácuo:

→ →
Bo = µo Ho

1 → 1 → 1 2
µo = Bo · Bo = B
2 µo 2µo o

No dielétrico:

→ →
Bo = µ H

1 → 1 → 1 2
µ= Bo · Bo = B
2 µ 2µ o

100
Considerando que o dielétrico, esteja entrando a variação da energia magnética é:

∆U = µ∆V − µo ∆V

Como o movimento é no eixo y, temos que o volume pode ser representado por ∆V = A∆y.

∆U = µA∆y − µo A∆y

Isolando o delta y.

∆U
= µA − µo A
∆y

∆U 1 2 1 2
= Bo A − B A
∆y 2µ 2µo o

Temos queµ = µo (1 + Xm ).

∆U 1 1 2
= Bo2 A − B A
∆y 2µo (1 + Xm ) 2µo o

Bo2 A
 
∆U 1
= −1
∆y 2µo 1 + Xm

∆U Bo2 AXm
=−
∆y 2µo (1 + Xm )

Então a força é:

∆U Bo2 AXm
Fy = − = (12.15)
∆y 2µo (1 + Xm )

101
Capı́tulo 13

Correntes que variam lentamente

13.1 Leis de Kirchhof

13.1.1 Leis dos nós


→ → →
Considerando ∇ × J = 0 (correntes estacionárias), então
Z I
→ → → →
∇ × J dv = J · n da = 0
V S
→ →
Como J = gE

Z I
→ → → →
∇ · J dv = g E · n da = 0 (13.1)
V S

Ou seja, J através da superfı́cie é zero.

13.1.2 Lei das malhas



→ ∂B

Sendo ∇ × E = − (Lei de Faraday na forma diferencial), então
∂t
Z Z
→ → → d → →
(∇ × E ) · n da = − B · n da
S dt S
Aplicando o Teorema de Stokes
Z →
→ dΦ
E · dl = −
C dt
I →

E · dl = ε
C

I →

E · dl −ε = 0 (13.2)
C

102
13.2 Comportamento transitório elementar

13.2.1 Circuito RL

Figura 13.1: Circuito RL


L

+
V R

Sendo I(to ) = 0, então


dI
V = RI + L
dt
(V − RI)dt = LdI

LdI + (RI − V )dt = 0

Fazendo i = RI − V
di
dI =
R
L
di + idt = 0
r
L
di = −idt
R
di R
= − dt
i L
R
ln i = − t
L
i(t) = Ke(−R/L)t = RI − V
i(t) V
I= +
R R
Ke(−R/L)t + V
I(t) =
R
Para to = 0, I(to ) = 0, então

K = −V e(R/L)to

103
−V e(R/L)(to −t) + V
I(t) =
R

V  
I(t) = 1 − e(−R/L)(t−to )
R

13.2.2 Circuito RLC

Figura 13.2: Circuito RLC


L

+
V R

Condições iniciais

• to = 0s é fechada a chave

• I(0) = 0 corrente no indutor


Z t
dI 1
V = RI + L + I(t0 )dt0
dt C 0

Derivando em relação ao tempo

dI d2 I I
0=R +L 2 +
dt dt C

Sendo I = eλt , dividindo a equação por L

d2 I R dI I
2
+ + =0
dt L dt LC
R λt eλt
λ2 eλt + λe + =0
L LC
R 1
λ2 + λ+ =0
L LC
R2 4
∆= 2

L LC

104
r
R 1 R2 4
λ=− ± 2

2L 2 L LC

Sendo
r s r
2
R2 R2
 
R 4 4 1
2
− = (−1) − 2 =i − 2
L LC LC L LC 4L

Logo
r
1 R2
ω= − 2
LC 4L

I(t) = Ae[(−Rt/2L)+iωt] + Be[(−Rt/2L)−iωt]

I(t) = (Aeiωt + Be−iωt )e−Rt/2L

Para que a corrente seja real B ∗ = A, ou seja, B deve ser o complexo conjugado de A

I(t) = (A∗ e−iωt + Aeiωt )e−Rt/2L

Devido a seguinte propriedade de números complexos a + ib + a − ib = 2a, então

I(t) = 2Re[Aeiωt ]e−Rt/2L

Com isso

(A1 + iA2 )(cos ωt + i sin ωt)

A1 cos ωt − A2 sin ωt + i[A1 sin ωt + A2 cos ωt]

Utilizando a parte real

I(t) = 2[A1 cos ωt − A2 sin ωt]e−Rt/2L

Para t = 0, I(0) = 0, logo A1 = 0

I = 2[0 − A2 sin ωt]e−Rt/2L

I(t) = [−2A2 sin ωt]e−Rt/2L

Onde D = −2A2

I(t) = De−Rt/2L sin ωt

105
Para I = 0

1 T
Z
dI
V = RI + L + I(t)dt
dt C 0

dI
V =L
dt t=0

Derivando em relação a corrente:


 
−Rt/2L DR −Rt/2L
V = L Dωe cos ωt − e sin ωt
2L t=0

V = LDe0 cos 0

V = LDω

V
D=

V −Rt/2L
I(t) = e sin ωt (13.3)

13.3 Comportamento do estado estacionário

Utilizando o circuito anterior, agora temos a seguinte situação

• I(t) = Io eiωt , onde Io é complexo

• V (t) = Vo eiωt , onde Vo é real

Sendo

dV d2 I dI I
=L 2 +R +
dI dt dt C
Io iωt
iωVo eiω = L[Io iωeiωt ]0 + RIo iωeiωt + e
C
Io iωt
iωVo eiωt = −LIo ω 2 eiωt + RIo iωeiωt + e
C
 
1 Io
Vo = −LIo ω 2 + RIo iω +
iω C
 
i
Vo = Io iωL + R −
ωC

106
Assim

Vo
Io =
Z

Onde Z é chamada de impedância, ou seja

Z = R + iX

Tal que

• R, resistência

• X, reatância

• |Z| = R2 + X 2 , módulo da impedância
X
• θ = arctan , ângulo da fase
R
1
• Xc = − , reatância capacitiva
ωC
• XL = ωL, reatância indutiva

Representando Z na forma polar, temos

Z = |Z|eiθ

V (t)
Como I(t) =
Z
Vo iωt
I= e
|Z|eiθ

Vo i(ωt−θ)
I= e
|Z|

Como ei(ωt−θ) = cos(ωt − θ) + i sin(ωt − θ), utilizando a parte real temos que

Vo
I= cos(ωt − θ) (13.4)
|Z|

107
13.4 Potência e fator de potência

Sendo V (t) e I(t) a tensão e corrente complexa, temos que a potência instantânea será
dada por:

P (t) = Re V (t) Re I(t) (13.5)

Além disso, há a chamada potência média sendo esta uma média tomada a partir de um
perı́odo completo ou vários perı́odos completos(tempo muito grande), ou seja

1 T
Z
P̄ (t) = Re[V (t)I(t)]dt
T 0

Sendo

V (t) = Vo eiωt e I = Io e(iωt−iθ)

1 T
Z
P̄ (t) = Vo Io cos ωt cos(ωt − θ)dt
T 0

Como T = (perı́odo de um ciclo completo), então
ω
Z 2π/ω
ω
P̄ (t) = Vo Io cos ωt cos(ωt − θ)dt
2π 0

Pelas seguintes relação trigonométricas, obtemos o seguinte

cos(ωt + ωt − θ) = cos ωt cos(ωt − θ) − sin ωt sin(ωt − θ)

cos(ωt − ωt − θ) = cos ωt cos(ωt − θ) + sin ωt sin(ωt − θ)

Somando as duas relações

1
cos ωt cos(ωt − θ) = {cos(2ωt − θ) + cos θ}
2
Vo Io ω 2π/ω Vo Io ω 2π/ω
Z Z
P̄ (t) = cos(2ωt − θ)dt + cos θdt
2π 0 2π 0
2π/ω 2π/ω
Vo Io ω sin(2πωt − θ) Vo Io ω cos θ
P̄ (t) = + t
2π 2ω
0 2π 0
 
ω 1 Vo Io 2π
P̄ (t) = Vo Io [sin(4π − θ) − sin(−θ)] + ω cos θ −0
2π 2ω 2π ω

108
Como sin(4π − θ) − sin(−θ) se cancelam (teste valores), então
Vo Io 2π
P̄ (t) = cos θ
2π ω
Logo

Vo Io
P̄ (t) = cos θ (13.6)
2
Chamado de Potência média, além disso cos θ é chamado de Fator de Potência.
Também podemos obter os valores eficazes de tensão e corrente

Vo Io
Vrms = √ , Irms = √ (13.7)
2 2

13.5 Ressonância

O conceito de ressonância se aplica à diversas áreas da engenharia, e ocorre em qual-


quer circuito que tenha pelo menos um indutor e um capacitor, eles são as causa das os-
cilações de energia armazenada. Trata-se de um fenômeno que possibilita a discriminação
de frequências em circuitos de telecomunicações. Resumindo, ressonância é uma condição
em um circuito RLC no qual as reatâncias capacitiva e indutiva são iguais em módulo,
resultando em uma impedância puramente resistiva, sendo ωo a frequência natural do
circuito

1
ωo = √
RC
Considerando ω = ωo +∆ω como valores de frequência próximas da frequência ideal(natural)
do circuito.
Como X = R, temos


ωL − 1
=R
ωC


(ωo + ∆ω)L − 1
=R
(ωo + ∆ω)C
 



(ωo + ∆ω)L − 1 
 1 
 = R
ωo C  ∆ω 
1+
ωo

109
Aplicando uma expansão de Taylor no segundo termo do membro esquerdo da igualdade
 
1 ∆ω
1 ∼=1− 1+
ωo

∆ω
1+
ωo

1 ∼ ∆ω
=1−
∆ω ωo
1+
ωo
 

(ωo + ∆ω)L − 1 ∆ω
1− =R
ωo C ωo

1
Como ωo2 =
LC


ωo L + ∆ωL − 1
+ ∆ωL =R
ωo C

Além disso como foi dito anteriormente(pág. 119) as reatâncias capacitivas e indutivas
são iguais em módulo(efeito de ressonância), logo

1
ωo L =
ωo C

Assim

R
2L|∆ω| =
L
L 1
=
R 2|∆ω|

Multiplicando ambos os membros por ωo


L ωo
ωo =
R 2|∆ω|

ωo L
Q= (13.8)
R
Sendo Q chamado de fator de qualidade do circuito RLC.

110
13.6 Questões Recomendadas

13.6.1 Questão 13.1

Realizando a análise de circuito a E.D.O. resultante é:

dI
3I + 2 =5
dt

Resolvendo esta E.D.O., temos:

3 5
I0 + I =
2 25
3t 3 3t 5 3t
I 0 e 2 + Ie 2 = e 2
2 2
3t 5 3t
Ie 2 = e 2 + K
3
5 −3t
I(t) = + Ke 2
3

Aplicando a condição inicial de que I(0) = 0.

5 −3∗0
I(0) = 0 = + Ke 2
3
5
K=−
3

Então:
5 −3t
I(t) = (1 − e 2 )
3
A derivada da corrente em relação é:

dI 5 −3t
= e 2
dt 2

Então para t=0,3s, t= 1s e t=4s, temos:

dI(0, 3)
I(0, 3) = 0.6039A = 1, 59A/s
dt
dI(1)
I(1) = 1, 295A = 0, 557A/s
dt
dI(4)
I(4) = 1, 663A = 0, 0062A/s
dt

111
13.6.2 Questão 13.3

A análise de malha resulta em:

Vc + Vr = Vo

dVc
Vc + RC = Vo
dt

Resolvendo a EDO:

dVc Vc Vo
+ =
dt RC RC
dVc t Vc t Vo t
e RC + e RC = e RC
dt RC RC
t t
Vc e RC = Vo e RC + K

−t
Vc = Vo + Ke RC , Para Vc (0) = 0V , então K=−Vo

−t
Vc = Vo (1 − e RC )

A corrente I é:
 
dVc Vo −t Vo −t
I(t) = C =C e RC = e RC
dt RC R

A corrente é igual a:

dq
I(t) =
dt
Z t Z t
Vo −t
q(t) = I(t)dt = e RC dt
0 0 R

−t
q(t) = Vo C(1 − e RC ) (13.9)

112
Capı́tulo 16

Equações de Maxwell

16.1 Generalização da Lei de Ampère e corrente de desloca-


mento

No capı́tulo 9 foi definido a Lei de Ampère, onde

→ → →
∇×H = J (16.1)

Entretanto há falhas nessa Lei como segue abaixo

Figura 16.1: Capacitor

Fonte: Fundamentos da Teoria Eletromagnética(Reitz)

Se a Lei de Ampère for aplicada ao contorno C e à superfı́cie S1 , teremos


Z Z
→ → → → →
(∇ × H ) · n da = J · n da
S S1

Aplicando o Teorema de Stokes

113
I →

H · dl = I
C

Pois há uma corrente de transporte atravessando a superfı́cie S1 , aplicando a Lei de


Ampère na superfı́cie S2 teremos
I Z
→ → → →
H · dl = J · n da = I = 0
C S2

Isso ocorre pois não uma corrente de transporte no meio dielétrico dado uma vez que esse
impede a sua passagem.
Ambos os resultados se contradizem, por isso é necessária uma modificação já que
→ → →
∇ × H = J está relacionada apenas as correntes de transporte.

Pela seguinte propriedade, temos


→ → →
∇ · (∇ × F ) = 0

Então
→ → →
∇ · (∇ × H ) = 0

Acrescentemos um vetor X para a correção da Lei de Ampère.
→ → → → → → → → → →
∇ · (∇ × H ) = ∇ · ( J + X ) = ∇ · J + ∇ · X = 0

Pela equação da continuidade

→ → ∂ρ
∇·J + =0 (16.2)
∂t
Então
→ → ∂ρ
∇·J =−
∂t
∂ρ → →
− +∇·X =0
∂t
→ →
Como ∇ · D = ρ
→ → ∂ → →
∇·X = (∇ · D )
∂t

→ ∂D → →
∇·X =∇·
∂t

114
Logo


→ ∂D
X = (16.3)
∂t
Chamado de densidade de corrente de deslocamento, assim temos a Lei de Ampère-
Maxwell.


→ → ∂D →
∇×H = J + (16.4)
∂t
Com isso podemos apreciar as famosas equações de Maxwell !

→ →
∇·B = 0 (16.5)
→ →
∇·D=ρ (16.6)

→ ∂B→
∇×E = − (16.7)
∂t

→ → ∂D →
∇×H = J + (16.8)
∂t

16.2 Energia eletromagnética

Como já se sabe

Z
1 → →
Ue = D · E dv (16.9)
2 τ

Energia potencial eletrostática do sistema de cargas que produzem campo elétrico, além
disso

Z
1 → →
Um = H · B dv (16.10)
2 τ

Energia armazenada no campo magnético.


A partir de agora surgira as aplicabilidades destas expressões em situações não estáticas.
Sendo

→ ∂B →
∇×E =−
∂t

115

Multiplicando ambos os membros por H


→ → ∂B
→ →
H·∇×E =−H· (16.11)
∂t

Considerando

→ → ∂D →
∇×H = J +
∂t

Multiplicando por E


→ → → ∂D → → →
E·∇×H =E·J +E· (16.12)
∂t
Subtraindo (16.11) e (16.12)

→ → → → ∂B →→ → → ∂D
→ →
H·∇×E−E·∇×H =−H· −E·J −E·
∂t ∂t
Como

→ → → → → → → → →
∇ · (E × H ) = H · ∇ × E − E · ∇ × H (16.13)

Além disso temos que


→ → → → →!
E2
 
→ ∂D → ∂E → ∂E 2 ∂ ∂ E·E
E· = εE· = εE· = ε = ε
∂t ∂t ∂t 2 ∂t 2 ∂t 2
→ → →!
→ ∂D ∂ E · εE
E· =
∂t ∂t 2
→ → →!
→ ∂D ∂ E·D
E· =
∂t ∂t 2

∂B →
Repetindo esse mesmo procedimento para H · , temos que
∂t
→ → →!
→ ∂B ∂ H·B
H· =
∂t ∂t 2

Substituindo na relação (16.13)

→ → → →!
→ → → →∂ → E·D H·B
∇ · (E × H ) = − E · J − + (16.14)
∂t 2 2

Integrando ambos o membros num volume V

116
Z Z  Z Z 
→ → → → → d 1 → → 1 → →
∇ · (E × H )dv = − E · J dv − E · D dv + H · B dv
V V dt 2 V 2 V

Aplicando o Teorema de Gauss na integral do membro esquerdo da igualdade

I Z  Z Z 
→ → → → → d 1 → → 1 → →
(E × H ) · n da = − E · J dv − E · D dv + H · B dv (16.15)
S V dt 2 V 2 V

Isso significa dizer que há uma taxa de energia que flui através de uma superfı́cie S, ou
seja, expressa a conservação da energia num volume fixo.
→ → →
Com isso podemos definir S = E × H , vetor Poynting o qual representa o fluxo de
energia local por unidade de tempo, por unidade de área.
1 → → → →
Além disso u = (E · D + H · B ), densidade de energia dos campos elétrico e
2 →
magnético. Substituindo S e u na equação (16.14), obtemos

→ → → → ∂u
∇·S =−E·J − (16.16)
∂t
→ → → →
Se E e H forem constantes , ou seja, ∇ · S = 0 temos que

→ → ∂u
E·J =− (16.17)
∂t
Isso significa que a taxa de variação da energia do campo se iguala a dissipação de potência
por unidade de volume em cada ponto.
→ → → →
Se ∇ · S 6= 0 e J = 0 (meio não condutor), temos

→ → ∂u
∇·S+ =0 (16.18)
∂t
Sendo esta a forma matemática da equação da continuidade para a carga.
Além disso, podemos concluir que
→ →
∇ · S > 0 Está saindo energia de um volume v
→ →
∇ ·S < 0 Está entrando energia em um volume v

117
16.3 Equações da Onda

Uma das consequências mais importantes das equações de Maxwell são as equações
da propagação das ondas eletromagnéticas num meio linear, considerando ondas mono-
cromáticas, temos que

→ → ∂D→ → → →
∇×∇×H =∇×J +∇×
∂t

Como

→ → → → → → →
∇ × ∇ × H = ∇ (∇ · H ) − ∇2 H
→ → → → → → → → →
Como J = gE e ∇ · B = 0 e B = µH , então ∇ · H = 0

→ → → ∂ → →
−∇2 H = g ∇ × E + ε (∇ × E )
∂t

→ ∂B

Como ∇ × E = −
∂t
→ →
2
→∂B ∂ 2B
−∇ H = −g −ε 2
∂t ∂t
→ →
→ ∂H ∂ 2H
−∇2H = −µg − µε 2
∂t ∂t

→ →
2
→ ∂H ∂ 2H →
∇ H −µg − µε 2 = 0 (16.19)
∂t ∂t

Sendo essa a equação da onda para a H .

Fazendo o mesmo procedimento para E , temos que

→ → ∂B → →
∇×∇×E = −∇×
∂t

Como

→ → → → → → →
∇ × ∇ × E = ∇ (∇ · E ) − ∇2E

Então

→ → → ∂B → →
∇ (∇ · E ) − ∇2E = − ∇ ×
∂t

118

→ → ∂D → → → → → → →
Como se sabe ∇ × H = J + , além disso B = µH , D = εE e J = gE , logo
∂t

1 → → → ∂E
∇ × B = gE + ε
µ ∂t

→ → ∂E →
∇ × B = µgE + µε
∂t
→ → → → ∂ → →
∇ (∇ · E ) − ∇2E = − (∇ × B )
∂t
→!
→ → → ∂ → → ∂E
∇ (∇ · E ) − ∇2E = − µgE + µε
∂t ∂t
→ →
→ → → ∂E ∂ 2E
2

( ·
∇ ∇ E ) − ∇ E = −µg − µε
∂t ∂t2
→ →
Restringindo a aplicação da equação a um meio de carga livre de forma que ∇ · D = 0,
→ → → →
ou seja, ∇ · (εE ) = 0 −→∇ · E = 0 , então

→ →
2 ∂E
→ ∂ 2E →
∇ E −µg − µε 2 = 0 (16.20)
∂t ∂t

Sendo essa a equação da onda para E .
As equações acimas deduzidas reagem ao campo eletromagnético num meio linear,
homogêneo, na qual a densidade de carga é nula(ρ = 0) quer seja o meio condutor ou não
condutor.
Se considerarmos g = 0, µ = µo , ε = εo (no vácuo), temos que

→ ∂ 2E →
∇2E − µo εo 2 = 0
∂t
1
Como µo εo = , onde c é a velocidade da luz, então
c2

21 ∂ 2E
→ →
∇E− 2 2 = 0
c ∂t
→ → → →
Considerando E( r , t) = E( r )eiωt para uma onda monocromática
→ → 1 ∂ 2 → → iωt →
∇ [E( r )eiωt ] −
2
[ E ( r )e ] = 0
c2 ∂t2
→ → 1 →→ ∂ →
eiωt ∇2E( r ) − 2 E( r ) (iωeiωt ) = 0
c ∂t

119
→ → 1 →→ →
eiωt ∇2E( r ) − E ( r )(iω)2 iωt
e = 0
c2

→ → ω2 → → →
∇2 E( r ) + E ( r ) = 0 (16.21)
c2

Sendo essa a equação da onda para E no vácuo.
Agora escreveremos a equação de onda para o potencial vetor magnético

→ ∂B

∇×E = −
∂t
→ ∂ → →

∇×E = − (∇ × A)
∂t
→!
→ → → ∂A
∇×E = −∇×
∂t

→!
→ → → ∂A →
∇×E+∇× = 0
∂t

→!
→ ∂A → →
∇× E+ = 0
∂t

→ → →
Lembremos que ∇ × ∇ϕ = 0 , quando foi estudado apenas o campo elétrico, tı́nhamos
→ →
que E = − ∇ϕ, mas agora existe a contribuição do campo magnético, ou seja,

→ ∂A →
E+ = − ∇ϕ
∂t

Logo


→ ∂A →
E = − ∇ϕ − (16.22)
∂t
Como

→ →∂D →
∇×H = J +
∂t

1 → → → ∂D
∇×B = J +
µ ∂t

→ → ∂D →
∇ × B = µJ + µ
∂t

120

→ → → ∂D →
∇ × ∇ × A = µJ + µ
∂t

Como
→ → → → → → →
∇ × ∇ × A = ∇ (∇ · A) − ∇2A

→ → → ∂E 2
→ →
∇ (∇ · A) − ∇ A = µJ + µε
∂t
( →)
→ → → → → ∂ → ∂A
∇ (∇ · A) − ∇2A = µJ + µε − ∇ϕ −
∂t ∂t


→ → → ∂ →
2
→ ∂ 2A→
∇ (∇ · A) − ∇ A = µJ − µε (∇ϕ) − µε 2
∂t ∂t

2
→ → → →∂ → ∂ 2A →
∇ A − ∇ (∇ · A) = −µJ + µε (∇ϕ) + µε 2
∂t ∂t

2
→ → →∂ → → ∂ 2A →
∇ A − ∇ (∇ · A) − µε (∇ϕ) − µε 2 = −µJ
∂t ∂t
→ → ∂ϕ
Como ∇ · A = −µε (Condição de Lorentz)
∂t

∂ 2A
 
2
→ ∂ϕ
→ ∂ → →
∇ A + ∇ µε − µε (∇ϕ) − µε 2 = −µJ
∂t ∂t ∂t

∂ 2A
   
2
→ → ∂ϕ → ∂ϕ →
∇ A + ∇ µε − ∇ µε − µε 2 = −µJ
∂t ∂t ∂t


2
→ ∂ 2A →
∇ A −µε 2 = −µJ (16.23)
∂t
Sendo essa a equação da onda para o potencial vetor magnético.
Também podemos encontrar a equação da onda para o potencial elétrico

→ →
∇·D=ρ
→ → ρ
∇·E =
ε

Utilizando a relação (16.22)


→!
→ ∂A→ ρ
∇ · − ∇ϕ − =
∂t ε

121
→ ∂ → → ρ
− ∇2 ϕ − (∇ · A) = −
∂t ε
→ → ∂ϕ
Como ∇ · A = −µε
∂t

∂ 2ϕ ρ
∇2 ϕ − µε 2
= − (16.24)
∂t ε
Sendo essa a equação da onda para o potencial elétrico.

16.4 Condições de contorno

Essas condições devem ser satisfeitas pelos campos elétricos e magnéticos, numa inter-
face entre dois meios a partir das equações de Maxwell, exatamente como no caso estático,
a componente normal do campo magnético pode ser obtido a partir da seguinte superfı́cie
em forma de pı́lula.

Figura 16.2: Superfı́cie entre duas interfaces

Fonte: Fundamentos da Teoria Eletromagnética(Reitz)

→ →
∇·B =0

Integrando num volume V


Z
→ →
∇ · B dv = 0
V

Aplicando o Teorema de Gauss, temos que


I
→ →
B · n da = 0
S
I Z → Z → Z → →
→ → → → →
B · da =
n B1 · n1 da + B2 · n2 da + (B1 + B2 ) · n3 da = 0
S S1 S2 S3

Tomando h a altura entre a superfı́cie S2 e S1 , fazendo h =⇒ 0, a terceira integral tenderá


a zero.
→ → →
Sendo n1 = − n2 = n

122
Z →
Z →
→ →
B1 · n2 da − B2 · n2 da = 0
S1 S2

→ → → →
B1 · n ∆S − B2 · n ∆S = 0
→ → →
(B1 − B2 ) · n = 0

Na componente normal temos que:

B1n = B2n (16.25)

A componente tangencial do campo elétrico pode ser obtida por uma trajetória retan-
gular

Figura 16.3: Trajetória retangular



l
A B

h1
1
h2 2

D C


→ ∂B→
∇×E =−
∂t
Integrando numa superfı́cie S
Z Z →
→ → → ∂B →
(∇ × E ) · n da = − · n da
S S ∂t
Aplicando o teorema de Stokes
I Z →
→∂B → →
E · dl = − · n da
C S ∂t
I
→ →
Z B → →
Z C → → →
Z D → → Z A → → →
E · dl = E1 · dl1 + (E1 + E2 ) · dl2 + E2 · dl3 + (E1 + E2 ) · dl4
C A B C D

Como h = h1 + h2 =⇒ 0, então a segunda e a quarta integral do membro direito da


igualdade será zero, logo

Z B → →
Z D → →
Z
∂B →
E1 · dl1 + E2 · dl3 = − · n da
A C S ∂t

123

∂B
Tendo que seja limitado onde sua variação é muito pequena fazendo com que o fluxo
∂t → → →
seja nulo, além disso dl3 = − dl1 = − dl, logo

Z B → →
Z D → →
Z
∂B →
E1 · dl − E2 · dl = − · n da
A C S ∂t
→ → → →
E1 · l − E2 · l = 0
→ → →
(E1 − E2 ) · l = 0

Assim

E1t = E2t (16.26)



Dessa forma, a componente tangencial de E deve ser contı́nua através da interface.
A condição de contorno da componente normal do deslocamento elétrico será dada a
partir da seguinte equação
→ →
∇·D=ρ

Integrando no volume V
Z
→ →
∇ · D dv = ρ
V

Aplicando o Teorema de Gauss


I Z
→ →
D · n da = ρdv
S V

Utilizando a mesma superfı́cie da figura (16.2), então


I Z → Z → Z → →
Z
→ → → → →
D · n da = D1 · n1 da + D2 · n2 da + (D1 + D2 ) · n3 da = ρdv
S S1 S2 S3 V

Como h = h1 + h2 =⇒ 0, então a terceira integral será nula.


→ → →
Sendo n1 = − n2 = n
Z → Z →
Z
→ →
D1 · n da − D2 · n2 da = ρdv = Qlivre
S1 S2 V

→ → → →
D1 · n ∆S − D2 · n ∆S = σA
→ → →
(D1 − D2 ) · n A = σA

124
(D1n − D2n )A = σA (16.27)

Se a densidade de carga superficial for nula então teremos que

D1n = D2n (16.28)

Entretanto, se o σ não for nulo é necessário introduzir o princı́pio da conservação da


carga a partir da equação da continuidade, ou seja

→ → ∂ρ
∇·J = −
∂t

Integrando num volume V


Z Z
→ → ∂ρ
∇ · J dv = − dv
V V ∂t

Aplicando o Teorema de Gauss


I Z
→ → ∂ρ
J · n da = − dv
S V ∂t

Utilizando a superfı́cie da figura (16.2) temos que


Z → Z → Z → →
Z
→ → → ∂ρ
J1 · n1 da + J2 · n2 da + (J1 + J2 ) · n3 da = − dv
S1 S2 S3 V ∂t

→ → →
Como h = h1 + h2 =⇒ 0, então a terceira integral será nula,logo n1 = − n2 = n.
Além disso ρdv é análogo σda
→ →
Z
→ → ∂σ
J1 · n1 ∆S − J2 · n2 ∆S = − da
S ∂t
→ → → dσ
(J1 − J2 ) · n A = − A
dt

J1n − J2n = −
dt

Se for considerada uma radiação monocromática a densidade será da seguinte forma


σ = σo eiωt de tal maneira que podemos escrever da seguinte maneira

J1n − J2n = iωσ (16.29)


→ → → →
Como D= εE e J = gE , aplicando na relação (16.27) e (16.29) temos que

125
ε1 E1n − ε2 E2n = σ (16.30)

g1 E1n − g2 E2n = iωσ (16.31)

Se σ for nulo, então

ε1 ε2
= (16.32)
g1 g2
Se σ não for nulo, então substituı́mos a equação (16.30) na (16.31)

g1 E1n − g2 E2n = iω(ε1 E1n − ε2 E2n )

g1 g2
E1n − E2n = ε1 E1n − ε2 E2n
iω iω
ig1 ig2
− E1n + E2n = ε1 E1n − ε2 E2n
ω ω
   
ig1 ig2
−E1n + ε1 + E2n + ε2 = 0
ω ω

   
ig1 ig2
E1n + ε1 − E2n + ε2 =0 (16.33)
ω ω
Além dessa condição de contorno há outra situação onde a σ não é nulo e isso ocorre
quando uma condutividade, por exemplo g2 , é infinita. Neste caso E2n deve se anular e
σ
E1n = , afim de satisfazer as equações (16.30) e (16.31).
ε1

A condição de contorno para a componente tangencial da intensidade magnética H
será dada a partir da seguinte equação de Maxwell

→ ∂D→ →
∇×H = +J
∂t

Integrando na superfı́cie S
Z Z → Z
→ → → ∂D → → →
(∇ × H ) · n da = · n da + J · n da
S S ∂t S

Aplicando o Teorema de Stokes


I Z → Z
→ → ∂D → → →
H · dl = · n da + J · n da
C S ∂t S

Utilizando a superfı́cie da figura (16.3) temos que

126
I
→ →
Z B → →
Z C → → →
Z D → →
Z A → → →
H · dl = H1 · dl1 + (H1 + H2 ) · dl2 + H2 · dl3 + (H1 + H2 ) · dl4
C A B C D

Como h = h1 + h2 =⇒ 0, temos que a segunda e quarta integral serão nulas, logo



Z B → →
Z D → →
Z Z
∂D → → →
H1 · dl1 + H2 · dl3 = · n da + J · n da
A C S ∂t S

→ → →
Sendo dl3 = − dl1 = − dl, então

Z B → →
Z D → →
Z Z
∂D → → →
H1 · dl − H2 · dl = · n da + J · n da
A C S ∂t S

Quando fazemos h =⇒ 0, a área da trajetória retangular também tende a zero, observa-se


que o fluxo do deslocamento elétrico tende a zero pois esse fluxo atravessa a seção da área
retangular, lembrem-se que o campo magnético é perpendicular ao campo elétrico e por
consequência a intensidade magnética é perpendicular ao deslocamento elétrico, assim
Z B → →
Z D → →
Z
→ →
H1 · dl − H2 · dl = J · n da
A C S

→ →
Z
→ → → →
H1 · l − H2 · l = J · n da
S

→ →
Z
→ → →
(H1 − H2 ) · l = J · n da
S

→ →
Como J = g E , temos que o campo magnético está atravessando do meio 2 para o meio
1 e o campo elétrico está atravessando a seção da trajetória retangular, assim temos que
há uma corrente de transporte que atravessa a seção da área, entretanto como essa área
tende a zero a corrente de transporte não pode ser volumétrica surgindo assim uma cor-
rente superficial e por consequência uma densidade de corrente superficial perpendicular
a intensidade magnética j⊥.

H1t − H2t = j⊥ (16.34)

Se a densidade de corrente superficial for nula então

H1t = H2t (16.35)

127
16.5 Questões Recomendadas

16.5.1 Questão 16.1

Um capacitor de placas paralelas, com placas em forma de discos circulares, tem a


região entre duas placas preenchidas por um dielétrico de permissividade ε. O dielétrico é
imperfeito, possuindo uma condutividade g. A capacidade do capacitor é C. O capacitor
é carregado até uma diferença de potencial ∆ϕ e isolado.(a) Encontre a carga sobre o
capacitor como função do tempo.(b) Encontre a corrente de deslocamento no dielétrico.

Resposta
Como no capacitor é obedecido o principio da conservação da carga, então pela equação
da continuidade temos que
→ → ∂ρ
∇·J + =0
∂t
→ →
Sendo J = gE
→ → ∂ρ
g(∇ · E ) + =0
∂t
Integrando num volume V
Z Z
→ → d
g ∇ · E dv + ρdv = 0
V dt V
→ → ρ
Como ∇ · E =
ε
Z Z
g d
ρdv + ρdv = 0
ε V dt V
Z
Onde q(t) = ρdv
V

g dq(t)
q(t) + =0
ε dt
dq(t) g
+ dt = 0
q(t) ε
Integrando ambos os lados da equação
Z Z
dq(t) g
+ dt = 0
q(t) ε
Q(t) g
ln q(t)|Qo + t = 0
ε

128
g
ln Q(t) − ln Qo + t = 0
ε
Q(t) g
ln + t=0
Qo ε

Q(t) g
ln =− t
Qo ε

Q(t)
= e(−g/ε)t
Qo

Q(t) = Qo e(−g/ε)t

Como Qo = C∆ϕ

Q(t) = C∆ϕe(−g/ε)t

dQ(t)
Sendo i =
dt
g
i = − C∆ϕe(−g/ε)t
ε

129
16.5.2 Questão 16.10
→ →
Demonstre que no espaço livre com ρ = 0, J = 0 , as equações de Maxwell são obtidas

corretamente a partir de uma só função vetorial A, que satisfaz:

→ → 1 ∂ 2A →
2

∇·A=0 ∇A− 2 2 = 0
c ∂t
→ →
O sistema no qual ∇ · A = 0 é chamado de sistema de Coulomb.

Resposta
Como os campos elétricos e magnéticos são deriváveis das funções potenciais, então

→ ∂A
→ → → →
E = − ∇ϕ − B =∇×A
∂t
→ →
Reescrevendo as equações de Maxwell para ρ = 0 e J = 0 , teremos

→ →
∇·E =0 (16.36)
→ →
∇·B =0 (16.37)

→ ∂B

∇×E =− (16.38)
∂t

→ → ∂E
∇ × B = µ o εo (16.39)
∂t
Então, se

→ → → ∂A → →
∇ · E = − ∇ · ∇ϕ − ∇ ·
∂t
→ → → → ∂ → →
∇ · E = − ∇ · ∇ϕ − ∇·A
∂t
→ →
Como ∇ · A = 0

→ →
∇ · E = −∇2 ϕ

Como se sabe
ρ
∇2 ϕ =
εo
Além disso ρ = 0, então

130
∇2 ϕ = 0

Logo

→ →
∇·E =0

Sendo

→ → → → →
∇·B =∇·∇×A
→ → →
Devido a seguinte propriedade ∇ · ∇ × F = 0, então

→ →
∇·B =0

Para

→ → → → ∂ → →
∇ × E = − ∇ × ∇ϕ − ∇×A
∂t
→ → →
De acordo com a seguinte propriedade ∇ × ∇ϕ = 0

→ → ∂ → →
∇×E = − ∇×A
∂t

→ ∂B →
∇×E = −
∂t

Para

→ → → → →
∇×B =∇×∇×A

Como

→ → → → → → →
∇ × ∇ × A = ∇ (∇ · A) − ∇2A
→ → → →
∇ × ∇ × A = −∇2A
→ → →
∇ × B = −∇2A

2
→ 1 ∂ 2A
Sendo −∇ A = − 2 2
c ∂t
→!
→ → 1 ∂ ∂A
∇×B =−
c2 ∂t ∂t

131

∂A → →
Além disso = − E − ∇ϕ, logo
∂t
→ → 1 ∂ → →
∇×B =− (− E − ∇ ϕ)
c2 ∂t

→ →1 ∂E 1 → ∂ϕ
∇×B = 2 + 2 ∇
c ∂t c ∂t
→ → → ∂ϕ ∂ϕ 1
Como ∇ · A = −µo εo ∇ = 0 =⇒ = 0, além disso 2 = µo εo , portanto
∂t ∂t c

→ → ∂E
∇ × B = µ o εo
∂t

16.5.3 Questão: Integre a equações de Maxwell e explique o significado fı́sico


de cada uma

Sendo

→ →
∇·B =0

Integrando num volume V


Z
→ →
∇ · B dv = 0
V

Aplicando o Teorema de Gauss


I
→ →
B · n da = 0
S

Significa que a quantidade de linhas de campo magnético que atravessam para fora é igual
a quantidade de linhas de campo que atravessam para dentro da superfı́cie S, com isso
podemos concluir que o fluxo magnético total sobre a superfı́cie S é nulo, além disso as
linhas de campo magnético são contı́nuas e fechadas.
Sendo

→ →
∇·D=ρ

Integrando num volume V

132
Z Z
→ →
∇ · D dv = ρdv
V V

Aplicando o Teorema de Gauss


I
→ →
D · n da = Qlivre
S

Significa dizer que as cargas elétricas são geradoras de campo elétrico. Isso não muda, es-
tejam as cargas paradas ou em movimento, e sejam os campos gerados por elas estáticos ou
dependentes do tempo, além disso toda carga lı́quida deve estar envolvida pela superfı́cie
gaussina independente se essa é maior ou menor que o volume V do meio dielétrico.
Sendo

→ ∂B →
∇×E =−
∂t

Integrando numa superfı́cie S


Z Z →
→ → → ∂B →
(∇ × E ) · n da = − · n da
S S ∂t

Aplicando o Teorema de Stokes


I →
Z
→ d → →
E · dl = − B · n da
C dt S
Z
→ →
Como Φ = B · n da (fluxo magnético), então
S

I →
→ dΦ
E · dl = −
C dt
I →

Pela definição temos que ε = E · dl (força eletromotriz induzida), então significa dizer
C
que uma variação do fluxo magnético num circuito induz uma força eletromotriz induzida
tal que essa gera uma corrente induzida num circuito fechado de tal maneira que o sentido
dessa corrente tenta se opor a variação do fluxo magnético, por isso o sinal negativo.
Sendo

→ ∂D → →
∇×H = J +
∂t

Integrando numa superfı́cie S


Z Z Z →
→ → → → → ∂D →
(∇ × H ) · n da = J · n da + · n da
S S S ∂t

133
Aplicando o Teorema de Stokes
I Z Z →
→ → → → ∂D →
H · dl = J · n da + · n da
C S S ∂t

 Z
→ →


 i = J · n da =⇒ corrente de transporte
S



Como
 Z →
∂D →


· n da =⇒

iD =
 corrente de deslocamento
S ∂t

Então
I →

H · dl = i + iD
C

Essa Lei possui um papel semelhante a Lei de Gauss para a eletrostática, ou seja, a
partir de uma curva C envolvendo a corrente i + iD temos que, a intensidade magnética
e consequentemente o campo magnético são proporcionais a essas correntes.

134