Você está na página 1de 36

Laura

 Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  


 

DIREITO  INTERNACIONAL  PÚBLICO  I  


 
INTRODUÇÃO  
 
I  –  Noção  de  Direito  Internacional  (DI)  
 
O   DI   é   um   ramo   da   ciência   jurídica,   traduzindo-­‐se,   por   isso,   num   corpo   de   normas   jurídicas   reguladoras   de  
determinadas   relações   que   se   estabelecem   numa   sociedade.   Constitui   um   ordenamento   jurídico,   não   um  
ramo  do  Direito.  
 
Assim,   o   DI   é   simultaneamente   uma   ordem   normativa   e   um   factor   de   organização   social.   É   uma   ordem  
normativa  pois  assenta  num  corpo  de  normas  jurídicas  (normas  que  oferecem  sanções  se  violadas),  normas  
estas  que  regulam  as  relações  que  se  estabelecem  entre  a  sociedade  internacional.  É,  também,  um  factor  de  
organização  social,  pois  visa  regular  o  funcionamento  da  sociedade  internacional.  
 
Contudo,   hoje   é   claro   que   o   DI   transcende   largamente   a   dimensão   de   direito   das   relações   entre   Estados.   A  
doutrina  actual  considera  que  este  constitui  um  “direito  comum  da  humanidade”.  
 
A  sociedade  a  que  se  aplicam  as  normas  de  DI  é  a  sociedade  internacional.  Apesar  de,  no  passado  o  DI  ser  o  
direito  modulador  das  relações  entre  nações,  hoje  a  sociedade  internacional  é  constituída  por  um  leque  mais  
alargado  de  sujeitos  internacionais.    
Sujeitos  da  sociedade  internacional  actual:  
• Estados  
• Organizações  internacionais  
• Povos  não  autónomos  
• Indivíduos  
As  ONG’s  (Organizações  Não  Governamentais),  apesar  de  não  lhes  ser  reconhecido  o  estatuto  de  sujeitos  de  
direito  internacional,  são-­‐lhes  reconhecidos  certos  direitos  e  deveres.  
 
 
II  –  Direito  Internacional,  Direito  Interestadual  ou  Direito  das  Gentes?  
 
Apesar  da  designação  de  Direito  Internacional,  é  importante  referir  que  Nação  e  Estado  são  duas  realidades  
diferentes.   Enquanto   que   Nação   se   refere   ao   conjunto   de   indivíduos   ligados   por   determinadas   afinidades  
éticas,  históricas,  políticas,  etc.;  Estado  é  uma  realidade  meramente  jurídica.  Contudo,  a  designação  de  Direito  
Internacional   remonta   ao   século   XIX,   com   o   Princípio   das   Nacionalidades,   segundo   o   qual   a   cada   Estado  
deveria   corresponder   uma   e   uma   só   Nação,   ou,   por   outras   palavras,   toda   a   Nação   teria   o   direito   de   se  
constituir  em  Estado  –  pelo  que  a  designação  de  Direito  Interestadual  se  afiguraria  mais  correcta.  
 
Actualmente,   no   entanto,   a   sociedade   internacional   não   é   mais   constituída   por   Estados,   sendo   que   as  
transformações  nela  ocorridas  a  partir  da  segunda  metade  do  século  XX  determinaram  o  reconhecimento  de  
outros   sujeitos   de   DI,   tornando-­‐a   mais   vasta,   plural   e   diversificada.   Assim   surge   a   expressão   Direito   das  
Gentes  (ius  gentium),  que  permitiria  englobar  todos  os  sujeitos  de  DI.  
 
III  –  Direito  Internacional  Geral  e  Direito  Internacional  Particular  
 
 A  sociedade  internacional  não  é  uma  sociedade  homogénea,  sendo  formada  por  Estados  política,  económica,  
social  e  culturalmente  distintos,  sendo  que  esta  heterogeneidade  se  reflecte  igualmente  no  DI.    
Para  comprovar  esta  característica  da  sociedade  internacional,  tome-­‐se  o  caso  da  divisão  dos  Estados  em  três  
blocos   distintos   no   período   da   Guerra   Fria:   o   bloco   dos   países   ocidentais,   tributários   de   uma   filosofia   política  
liberal   e   democrática;   dos   países   ocidentais,   padecendo   ainda   da   influência   da   ex-­‐URSS;   e   dos   países   do  
Terceiro   Mundo,   ditos   em   vias   de   desenvolvimento.   Com   a   derrocada   dos   sistemas   políticos   do   Estado   de  
Leste,   as   clivagens   até   aí   existentes   esbateram-­‐se   –   contudo,   são   ainda   profundas   as   assimetrias   que   se   fazem  
sentir  entre  os  sujeitos  primários  da  sociedade  internacional.  
 
1.  Direito  Internacional  geral  
 
Apesar   da   referida   heterogeneidade   que   caracteriza   a   sociedade   internacional,   não   pode   deixar   de   se   negar   a  
existência  de  uma  comunidade  jurídica,  visto  que  todos  os  Estados  estão  sujeitos  a  um  mesmo  ordenamento  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

jurídico   comum.   Assim,   fala-­‐se   em   DI   geral   para   referir   as   normas   de   DI   que   vinculam   todos   os   sujeitos   da  
sociedade  internacional  geral  ou  universal  (toda  a  sociedade  internacional).  
Constituem   as   normas   de   DI   geral   as   normas   de   costume   geral   e   os   tratados   ou   convenções   de   alcance  
universal.  
 
2.  Direito  Internacional  particular  
 
A   noção   de  Direito   Internacional   particular   prende-­‐se   com   a   distinção   entre   sociedade   internacional   geral   ou  
universal   e   sociedades   internacionais   particulares.   Com   efeito,   as   sociedades   internacionais   particulares  
nascem   de   afinidades   de   natureza   política,   geográfica,   cultural,   religiosa,   etc.,   entre   sujeitos   de   DI,   algumas  
delas  materializando-­‐se  em  organizações  sociais.  A  UE  ou  a  Mercosul  são  exemplo  destas  sociedades,  que  têm  
de  ser  obrigatoriamente  constituídas  por,  pelo  menos,  dois  Estados.  
Assim   sendo,   o   DI   particular   refere-­‐se   às   normas   de   DI   que   se   aplicam   às   várias   sociedades   internacionais  
particulares.  Constituem  as  normas  de  DI  particular  as  normas  de  costume  regional  ou  local  e  os  tratados  ou  
convenções    internacionais  particulares.  
 
 
IV  –  Funções  principais  do  DI  
 
1.  As  origens  do  DI  moderno  
 
É  na  época  pré-­‐estadual  que  se  encontram  as  origens  do  DI,  que  nasceu  com  a  Antiguidade  Clássica  e  com  a  
Idade  Média.  Contudo,  só  se  autonomizou  enquanto  ramo  da  ciência  jurídica  com  o  aparecimento  do  Estado  
moderno,  fenómeno  que  ocorreu  na  Europa  Ocidental  no  século  XVII.  
 
Durante  a  Idade  Média,  houve  dois  factores  que  retardaram  o  aparecimento  dos  estados  modernos:  
• O  feudalismo,  que  se  pode  definir  como  um  sistema  de  organização  social  baseado  na  propriedade  da  
terra  e  em  laços  de  servidão  pessoal  e  teve  como  consequência  a  inexistência  de  autoridades  centrais  
fortes  e  a  fragmentação  dos  centros  de  poder.  Contudo,  esta  concepção  feudal  da  sociedade  legou  aos  
futuros   Estados   nacionais   ideais   que   radicam   na   natureza   absoluta   do   poder,   como   o   dever   de  
fidelidade  do  súbdito  perante  o  rei  e  o  entendimento  do  governo  como  poder  absoluto.    
• A   influência   excessiva   da   Igreja,   que   se   traduzia   num   prevalecer   do   poder   espiritual   sobre   o   poder  
político,  facto  que  só  se  alterou  com  o  movimento  da  Reforma  e  consequente  emancipação  do  poder  
religioso.  
 
Contudo,   em   1648,   os   tratados   de   paz   de   Westfália,   para   além   de   pôr   termo   à   guerra   dos   Trinta   Anos,   vieram  
marcar   o   início   da   emergência   de   entidades   soberanas   e   independentes   colocadas   num   plano   formal   de  
igualdade.  Nasceram,  assim,  dois  dos  princípios  mais  importantes  do  ordenamento  jurídico  internacional  –  o  
princípio   da   soberania   e   o   da   igualdade   dos   Estados.   O   Renascimento,   contribuiu   igualmente   para   o  
nascimento   dos   Estados   modernos,   instaurando   um   clima   cultural   e   intelectual   propício   a   esta   mudança.   Este  
ambiente  era,  contudo,  favorável  a  um  clima  de  violência  e  anarquia,  devido  à  falta  de  uma  autoridade  política  
superior.  
 
2.  As  funções  do  DI  moderno  
 
Assim,  as  funções  principais  do  DI  são:  
• Permitir  a  convivência  e  coexistência  dos  Estados  num  clima  pacífico.  
• Promover  a  cooperação  entre  os  Estados,  satisfazendo  as  suas  necessidades  e  interesses  comuns.  
 
No  seio  da  comunidade  internacional,  o  DI  pretende  regular  as  relações  de  reciprocidade,  de  coordenação  e  
de  subordinação  que  se  estabelecem  entre  os  vários  sujeitos  de  direito  internacional.  
 
V  –  Os  termos  sociedade  e  comunidade  internacional  
 
Afigura-­‐se  como  necessário  distinguir  os  termos  sociedade  e  comunidade  internacional,  que,  apesar  de  serem  
muitas  vezes  usados  indistintamente,  não  são  sinónimos.  
De  facto,  em  qualquer  agrupamento  humano,  verificam-­‐se  entre  os  seus  membros  factores  de  agregação  ou  
de  aproximação  e  factores  de  conflito  ou  de  afastamento.  
Podemos,  pois,  distinguir  os  termos  comunidade  e  sociedade  com  base  nestes  factores:  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

• Numa  comunidade,  os  seus  membros  estão  unidos  apesar  de  tudo  o  que  os  separa.  Assim,  os  factores  
de   agregação   prevalecem   sobre   os   factores   de   separação.   A   união   no   plano   internacional   é  
espontânea.  
• Numa  sociedade,  por  outro  lado,  os  seus  membros  estão  separados  apesar  de  tudo  aquilo  que  os  une.  
Prevalecem   os   factores   de   conflito   ou   afastamento,   sendo   por   isso   a   coesão   artificial   e   a   adesão   à  
mesma  voluntária.  
 
Tendo  em  conta  esta  distinção,  podemos  concluir  que  é  mais  correcto  falar  em  sociedade  internacional,  visto  
que   os   seus   desequilíbrios   e   factores   de   conflito   são   inegáveis.   Todavia,   após   a   II   Guerra   Mundial,   passamos   a  
encontrar  na  sociedade  internacional  a  existência  de  um  núcleo  de  valores  comuns,  como  a  paz,  a  cooperação  
e  o  valor  da  dignidade  humana.  A  este  elemento  subjectivo  comum  pode  acrescentar-­‐se  ainda  o  facto  de  todos  
os  membros  da  sociedade  obedecerem  a  um  mesmo  sistema  jurídico  internacional.  
Pode,   como   tal,   afirmar-­‐se   que   assistimos   a   um   reforço   dos   laços   comunitários   na   sociedade   internacional  
num  período  de  pós-­‐guerra.    
 
Esta  distinção  é,  porém,  meramente  tendencial,  visto  que  a  realidade  é  extremamente  complexa.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CAPÍTULO  I  –  EVOLUÇÃO  HISTÓRICA  DO  DIREITO  INTERNACIONAL  
 
I  –  Introdução    
 
Apesar   da   contribuição   dos   Impérios   chinês   e   do   oriente,   da   Antiguidade   Clássica,   de   Roma   ou   do   período  
medieval   para   o   DI,   estes   períodos   constituem   uma   pré-­‐história,   pois   o   DI   só   se   autonomizou   como   ciência  
jurídica   após   a   paz   de   Westfália,   em   1648.   O   conceito   de   DI   moderno   é   contemporâneo   do   conceito   de   Estado  
moderno  de  tipo  europeu,  surgido  nos  séculos  XV-­‐XVI.  
 
Assim,  podemos  dividir  o  DI  moderno  em  duas  fases:  
• 1648  –  1945:  modelo  clássico  ou  de  Westfália  
• 1945  –  actualidade:  modelo  moderno  ou  da  Carta  das  Nações  Unidas  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

 
II  –  Modelo  clássico  ou  de  Westfália  
 
O  modelo  clássico  ou  de  Westfália  corresponde  ao  período  que  medeia  entre  1648,  ano  da  paz  de  Westfália,  e  
1945,  o  fim  da  II  Guerra  Mundial.  
A  estrutura  da  sociedade  internacional  clássica  assemelha-­‐se  a  uma  “vasta  planície  interestadual”,  pois  existia  
igualdade   jurídica   entre   os   Estados,   na   falta   de   órgãos   superiores   próprios   dessa   sociedade   capazes   de   os  
regular.  Os  órgãos  estaduais  tinham  um  liberdade  quase  total  de  actuação  no  plano  internacional,  verificando-­‐
se  um  fenómeno  de  desdobramento  funcional  –  actuavam  simultaneamente  como  órgãos  estaduais  e  órgãos  
da  ordem  internacional.    
 
1.  Sujeitos  de  DI  
 
Em   termos   de   sujeitos   de   DI,   a   personalidade   jurídica   circunscrevia-­‐se   praticamente   aos   Estados   (com  
pequenas  exepções,  como  a  Santa  Sé  e  a  Ordem  de  Malta),  que,  na  estrutura  fortemente  descentralizada  da  
sociedade  internacional,  possuíam  uma  liberdade  quase  irrestrita,  numa  concepção  absoluta  da  sociedade.    
Até   aqui,   não   constava   das   funções   do   DI   corrigir   possíveis   equilíbrios   ou   injustiças   que   se   verificassem   na  
sociedade   internacional.   As   normas   de   DI   visavam   apenas   assegurar   a   repartição   do   poder   entre   os   membros  
da  sociedade  internacional,  sem  corrigir  as  disparidades  que  nela  existissem.    
Faziam  parte  do  corpus  de  DI:  
• Normas  de  soberania  estadual  
• Normas  sobre  o  regime  do  alto  mar  
• Normas  de  responsabilidade  internacional,  no  que  diz  respeito  ao  tratamento  de  estrangeiros  
• Normas  sobre  a  conclusão  de  tratados  e  convenções  
• Normas   sobre   a   adopção   de   medidas   de   represália   (visto   que   se   entendia   que   o   recurso   à   guerra  
constituía  um  direito  dos  Estados)  
 
2.  Fontes  de  DI  
 
As   fontes   de   Direito   são   mecanismos   de   revelação   de   normas   jurídicas,   compreendendo   a   sua   criação,  
alteração  ou  extinção.  No  modelo  clássico,  as  fontes  de  DI  resumiam-­‐se  aos  costumes  e  aos  tratados  bilerais.  
• Costume:   por   costume   entende-­‐se   um   processo   espontâneo   de   formação   de   normas   jurídicas  
resultante   da   conjugação   de   dois   elementos:   um   elemento   material   (ou   consuetudo),   caracterizado  
pela   adopção   sistemática   de   um   dado   comportamento   ao   longo   do   tempo;   e   um   elemento   subjectivo,  
que  se  traduz  numa  convicção  de  obrigatoriedade  jurídica.    
• Tratados  bilaterais:  tratados  são  acordos  de  vontade  entre  dois  ou  mais  sujeitos  jurídicos.  Neste  caso,  
os  tratados  eram  concluídos  entre  apenas  dois  sujeitos,  cada  um  representando  um  conjunto  distinto  
de  interesses.  
 
3.  Preenchimento  das  três  tarefas  da  ordem  jurídica  
 
Constitui   um   traço   distintivo   do   modelo   clássico   o   exercício   descentralizado   das   funções   legislativa,   judicial   e  
executiva,  cujo  cumprimento  cabia  a  cada  Estado  per  se.  
• Função   legislativa:   a   produção   normativa   constituía   uma   manifestação   da   vontade   dos   Estados,  
tratando-­‐se  de  um  direito  voluntarista.  Na  falta  de  um  órgão  legislativo  internacional,  as  obrigações  
internacionais   derivam,   em   último   termo,   da   vontade   dos   Estados,   existindo   por   isso   um   flagrante  
contraste  entre  o  ordenamento  jurídico  nacional  e  o  plano  internacional.    
• Função   judicial:   a   cominação   de   sanções   é   efectuada   em   regime   de   auto-­‐tutela.   Na   falta   de   órgãos  
jurisdicionais  internacionais,  era  o  próprio  ofendido  que  determinava  sanções  para  o  infractor.    
• Função  executiva:  o  mesmo  sucede  no  que  toca  à  efectivação  das  sanções.  A  inexistência  de  um  poder  
executivo   na   sociedade   internacional   fomenta   as   actuações   individuais   e   descentralizadas   dos  
Estados.  
 
4.  Recurso  à  força  
 
Desde   a   paz   de   Westefália   até   ao   século   XIX,   os   Estados   tinham   plena   liberdade   de   fazer   a   guerra,   ou   seja,  
possuíam   o   direito   à   guerra   (Ius   Bellum).     Este   direito   constituía   uma   prerrogativa   normal,   implícita   no  
conceito  de  soberania  vigente.  
Consequências:  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

• Os   princípios   jurídicos   internacionais   não   ofereciam   aos   sujeitos   de   direito   uma   protecção  
consistente.  
• Predominância  do  princípio  da  efectividade  –  sendo  a  força  o  principal  parâmetro  de  avaliação  dos  
factos,  só  as  situações  efectivas  podiam  produzir  efeitos  jurídicos.  
 
5.  Responsabilidade  internacional  
 
Quando   um   Estado   pratica   um   acto   ilícito,   incorre   em   responsabilidade   internacional   para   com   os   outros  
Estados.  
Neste   modelo,   a   responsabilidade   internacional   constituía   um   mero   “assunto   privado”   entre   os   Estados  
directamente  envolvidos,  ou  seja,  a  prática  de  um  acto  ilícito  fazia  surgir  uma  relação  jurídica  nova,  bilateral,  
entre  o  Estado  vítima  e  o  infractor,  na  qual  o  primeiro  possuía  o  direito  subjectivo  de   exigir  a  reparação  dos  
danos  causados  e  o  segundo  o  dever  de  assegurar  essa  reparação.  
Características  da  responsabilidade  internacional:  
• Colectiva   –   a   infracção   às   normas   de   DI   determinava   apenas   a   responsabilização   dos   Estados  
enquanto   entidades   colectivas,   e   jamais   dos   indivíduos.   O   indivíduo   era   considerado   objecto   do  
poder  estadual,  e  não  destinatário  directo  das  normas  internacionais.  
• Reparatória   –   o   objectivo   da   responsabilidade   internacional   no   modelo   clássico   era   o   de   assegurar  
somente  a  reparação  dos  danos  causados,  ou  seja,  não  existia  uma  dimensão  punitiva.  
 
6.  Sistema  normativo  internacional  
 
O  modelo  de  DI  clássico  era  um  modelo  de  mera  coordenação  das  entidades  soberanas,  visto  que  estas  eram  
colocados  num  plano  rigorosamente  paritário.  
É  também  legítimo  concluir  que  o  DI  clássico  era  um  direito  axiologicamente  neutro,  ou  seja,  todas  as  normas  
de  DI  possuíam  o  mesmo  valor,  a  mesma  dignidade.  A  normatividade  era,  por  isso,  horizontal,  visto  que  não  
era  percorrida  por  relações  hierárquicas.  
 
 
III  –  Modelo  moderno  ou  da  Carta  das  Nações  Unidas  
 
A   partir   da   Segunda   Guerra   Mundial   em   diante,   a   sociedade   internacional   foi   sofrendo   modificações,   e   o  
sistema  jurídico  internacional  foi-­‐se  aproximando  do  modelo  de  direito  interno.  Enquanto  que  o  DI  clássico  
constituía   um   modelo   de   coordenação,   ao   modelo   moderno   adequa-­‐se   melhor   o   qualificativo   de   modelo   de  
subordinação.  
 
1.  Sujeitos  de  DI  
 
A   partir   de   1945,   o   plano   dos   sujeitos   de   DI   sofre   mutações,   quer   a   nível   qualificativo,   quer   a   nível  
quantitativo.    
Assim,   assiste-­‐se   desde   logo   a   um   aumento   significativo   do   número   de   Estados,   que   hoje   atingem   cerca   de  
duas   centenas   e   são,   na   sua   maioria,   não   europeus.   Esta   aumento   deveu-­‐se   quer   às   sucessivas  
descolonizações,   quer   ao   princípio   da   autodeterminação.   Neste   sentido,   podemos   afirmar   que   o   DI   se  
universalizou,  deixando  apenas  de  se  aplicar  a  um  círculo  restrito  de  Estados  europeus  para  regular  também  
os  novos  membros  da  sociedade  internacional.  
 
Por   outro   lado,   verifica-­‐se   também   um   alargamento   do   elenco   dos   sujeitos   internacionais,   que   no   modelo  
clássico  eram  apenas  os  Estados  e  os  insurrectos.  
Novos  sujeitos  de  DI:  
• Organizações  internacionais:  as  organizações  internacionais  são  associações  voluntárias  de  Estados,  
criadas   através   de   um   tratado   constitutivo,   com   uma   estrutura   de   órgãos   próprios   e   com  
personalidade   jurídica   internacional.   A   estrutura   orgânica   das   organizações   internacionais   é  
habitualmente  tripartida  –  dela  fazem  parte  órgãos  plenários,  órgãos  de  composição  restrita  e  órgãos  
de  função  técnico-­‐administrativa.  
Ora,   apesar   de   já   existirem   organizações   internacionais   no   modelo   clássico,   estas   não   possuíam  
autonomia   dos   Estados,   não   constituindo   centros   autónomos   de   imputação   de   direitos   e   deveres.  
Como   consequência   do   aparecimento   das   novas   organizações   internacionais,   a   sociedade  
internacional  deixa  de  basear-­‐se  apenas  no  interestadualismo,  cessando  de  ser  meramente  relacional  
e  adquirindo  um  pendor  institucional.  Ao  serem  introduzidas  estruturas  verticais,  deixamos  de  poder  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

falar   numa   “vasta   planície   interestadual”   pois   estabelecem-­‐se   vínculos   de   subordinação   entre   as  
organizações  e  os  Estados.  
• Povos  não  autónomos:  são  povos  ou  nações  subvertidos  a  regimes  colonizadores,  a  regimes  racistas  
ou   sob   o   domínio   estrangeiro,   e   que   contra   eles   se   insurgem.   Estes   povos   passam   a   ter   o   direito   à  
autodeterminação,   nomeadamente   através   do   ganho   de   independência,   e   os   movimentos   de  
libertação  nacional  multiplicam-­‐se.  O  direito  da  autodeterminação  pode  também  exercer-­‐se  através  
da  associação  ou  da  integração.  
Assim,  esta  categoria  de  povos  ascende  à  qualidade  de  sujeitos  de  direito  internacional.  
• Indivíduo:  também  o  indivíduo,  quer  enquanto  pessoa  física,  quer  enquanto  pessoa  colectiva,  passa  a  
figurar  no  conjunto  de  sujeitos  do  DI  moderno.  Com  efeito,  não  é  mais  possível  negar  a  evidência  de  
que   certas   normas   de   DI   atingem   directamente   o   indivíduo,   provocando,   assim,   alterações   na   sua  
esfera   jurídica.   São   exemplos:   o   direito   comunitários,   os   direitos   humanos,   a   responsabilidade   por  
determinadas  infracções  internacionais.  
• Minorias:  estreitamente  ligado  à  personalidade  jurídica  dos  povos  não  autónomos  e  dos  indivíduos,  
está   ainda   o   problema   dos   direitos   das   minorias.   Apesar   de   ainda   não   se   constituir   como   uma  
categoria   autónoma,   tem-­‐lhes   sido   vindo   a   reconhecer   personalidade   internacional   jurídica,   apesar  
de  esta  verdadeiramente  não  se  autonomizar  da  do  indivíduo.  
 
2.  Fontes  de  DI  
 
Também   no   campo   das   fontes   e   direito   se   verifica   uma   expansão   do   quadro   de   fontes   tradicionais.   Passamos,  
pois,  a  ter  as  seguintes  fonte  de  direito  internacional:  
• Costume   selvagem   ou   instantâneo:   classicamente,   o   costume   formava-­‐se   primeiramente   através   do  
elemento  prático,  e  seguidamente  através  da  convicção  de  obrigatoriedade.  Contudo,  rapidamente  se  
tornou  clara  a  incompatibilização  entre  a  excessiva  morosidade  do  processo  tradicional  de  costume  e  
as   crescentes   exigências   da   nova   realidade   social.   Assim,   verifica-­‐se   uma   inversão   do   processo  
tradicional  de  formação  do  costume:  surge,  numa  primeira  fase,  um  sentimento  de  obrigatoriedade  
jurídica,   e   só   depois,   paulatinamente,   vai   sendo   sedimentado   o   comportamento   conforme   esse  
sentido  de  obrigatoriedade.  Esta  inversão  resulta  num  processo  de  formação  mais  célere.  
• Tratados  ou  convenções  multilaterais  –  os  tratados  deixam  de  ser  apenas  bilaterais,  passando  a  ser  
celebrados   entre   mais   do   que   duas   partes,   acrescendo   o   facto   de   que   muitos   deles   são   tratados  
abertos,  permitindo  a  um  Estado  não  contratante  tornar-­‐se  parte  deles.  
Podemos,   assim,   distinguir   tratados-­‐contratos   de   tratados-­‐lei.   Os   tratados   bilaterais   inserem-­‐se   na  
primeira   categoria,   pois   são   tratados   que   visam   a   satisfação   de   interesses   convergentes.   Os   tratados-­‐
leis  são,  por  outro  lado,  acordos  colectivos,  visando  a  prossecução  de  interesses  comuns.  Inserem-­‐se  
nesta  categoria  os  tratados  multilaterais  gerais.  
• Actos   jurídicos   unilaterais   –   emanados   pelos   Estados   ou   por   organizações   internacionais.   Os   actos  
jurídicos   unilaterais   emanados   pelas   organizações   internacionais   constitutem   –   são   leis   emanadas  
pelas   organizações   internacionais,   que   adquirem,   juntamente   com   personalidade   jurídica  
internacional,  competência  normativa.  
 
3.  Recurso  à  força  
 
Se,  no  direito  clássico,  o  recurso  à  força  nas  relações  internacionais  era  considerado  legítimo,  passa  a  vigoram  
no  DI  moderno  o  princípio  da  proibição  da  força.  Esta  proibição  está  plasmada  na  interdição  geral  do  recurso  
à  fora,  na  Carta  das  Nações  Unidas,  no  art.  2º,  nº  4.  
O   recurso   à   força   pode,   contudo,   ser   autorizado,   como   uma   espécie   de   ultima   ratio,   pelo   Conselho   de  
Segurança  em  casos  extremos.  
Consequentemente,  perde  importância  o  princípio  da  efectividade.    
 
4.  Preocupações  ambientais  
 
No   modelo   clássico,   o   problema   da   tutela   dos   bens   ambientais   era   encarado   segundo   uma   perspectiva  
antropocêntrica   e   utilitarista.   Contudo,   nos   últimos   anos,   emergiu   uma   concepção   global   da   biosfera,  
instaurando-­‐se  uma  preocupação  geral  de  tutela  dos  ecossistemas.  O  DI  passa,  assim,  a  vincular  também  as  
relações  entre  os  Estados  e  o  ambiente,  passando  o  direito  do  ambiente  a  ser  um  dos  ramos  mais  importantes  
desde  direito.    
 
5.  Sistema  normativo  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

 
Com   o   modelo   moderno   ou   da   Carta   das   Nações   Unidas,   estabelece-­‐se   na   sociedade   internacional   uma  
hierarquia   de   valores,   desaparecendo     a   “aridez   do   direito   positivo”.   Surge   um   conjunto   de   princípios  
jurídicos   reputados   de   fundamentais   e   que   os   torna   hierarquicamente   superiores   aos   restantes   princípios.  
Dois  valores  adquirem  relevante  proeminência:  o  valor  da  paz  e  o  valor  da  protecção  da  dignidade  humana.  
Como   consequência,   o   DI   cessa   de   ser   um   direito   axiologicamente   neutro,   sendo   atravessado   por  
considerações   ético-­‐morais.   A   uma   hierarquização   de   valores   passa   a   corresponder   uma   hierarquização   de  
normas,  e  o  sistema  normativo  internacional  aproxima-­‐se  do  modelo  de  direito  interno.  
 
6.  Responsabilidade  internacional  
 
Atendendo   a   esta   hierarquização   de   normas,   compreende-­‐se   que   a   violação   das   normas   que   tutelam  
interesses   fundamentais   da   comunidade   internacional   origine   um   novo   regime   de   responsabilidade  
internacional,  com  as  seguintes  características:  
• Assunto   público   –   a   violação   de   uma   norma   superiormente   hierárquica   diz   respeito   a   toda   a  
comunidade.  
• Individual   –   os   indivíduos,   ao   passarem   a   constar   na   categoria   de   sujeitos   de   DI,   podem   ser  
igualmente  responsabilizados  internacionalmente  pela  prática  de  actos  ilícitos.  
• Sancionatório  –  os  Estados  são  sujeitos  à  imposição  de  sanções  pela  prática  de  actos  ilícitos.  
 
Contudo,  este  regime  vigora  paralelamente  ao  regime  de  responsabilidade  internacional  de  assunto  privado,  
dependendo  ao  grau  de  ilicitude  da  infracção  cometida.  
 
7.  Características  gerais  
 
O   DI   contemporâneo   é,   pois,   um   direito   axiologicamente   fundado   e   materialmente   interessado,   visando  
moldar  ou  conformar  a  realidade  a  que  se  dirigem.  
Paralelamente   verifica-­‐se   um   reforço   do   grau   de   integração   e   de   institucionalização   da   sociedade,  
aproximando-­‐a  do  modelo  de  comunidade.  
 
 
Todavia,   certos   autores   consideram   uma   distinção   diferente   dos   períodos   de   DI   (Jorge   Miranda,   Direito  
Internacional  Público  I).  Assim,  o  período  do  modelo  de  DI  clássico  compreenderia  o  período  mediado  entre    
as  origens  do  DI  moderno,  nos  séculos  XV,  XVI  e  XVII  e  o  final  da  Primeira  Guerra  Mundial;  e  o  modelo  de  DI  
moderno,  o  período  desde  1919  até  à  actualidade.  
 
Modelo  clássico:  
Podemos  distinguir  três  subperíodos:  
• Tempos  anteriores  à  paz  de  Westefália  –  sucederam-­‐se  grandes  eventos  históricos,  como  a  quebra  do  
poder   do   Imperador   do   Sacro-­‐Império   e   do   Papa,   os   Descobrimentos,   o   Renascimento,   a   Reforma   e   a  
Contra-­‐Reforma.  
• Até   à   Revolução   Francesa   e   finais   do   século   XVIII   –   os   Tratados   de   Wstefália   vêm   reconhecer   o  
princípio   da   soberania   como   o   princípio   da   independência   dos   Estados   europeu   entre   si   e   da  
exclusão   de   qualquer   poder   que   lhes   seja   superior.   Há   um   equilíbrio   de   facto   baseado   na   força  
militar,   que   é,   contudo,   vinculado;   e   multiplicam-­‐se   relações   políticas   comerciais,   quase   sempre  
bilaterais.  O  DI  vai-­‐se  projectando,  gradualmente,  na  vida  dos  Estados.  
• Até  ao  final  da  1ª  Guerra  Mundial  –  as  grandes  revoluções  do  século  XVII,  a  americana  e  a  francesa,  
determinam   sensíveis   alterações.   A   Revolução   Francesa   introduz   o   princípio   da   soberania   popular   e,  
assim,  o  DI  já  não  é  o  direito  das  relações  entre  os  soberanos,  mas  sim  o  direito  das  relações  entre  os  
povos,  ao  proclamar  que  todos  os  povos  têm  direito  à  autodeterminação.    
 
Modelo  moderno:  
O  DI  evolui  a  seguir  à  1ª  Guerra  Mundial  em  duas  fases:  
• Até  à  2ª  Guerra  Mundial  –  a  derrota  e  o  desmembramento  dos  Impérios  Centrais  levam  à  reafirmação  
dos   princípios   da   autodeterminação   dos   povos   e   das   nacionalidades,   multiplicando-­‐se   os  
movimentos   anticolonialistas.   Em   anexo   ao   Tratado   de   Versalhes   (1919)   é   criada   a   Sociedade   das  
Nações,  a  primeira  organização  internacional  de  carácter  político  e  que,  na  prática,  funcionava  como  
uma   espécie   de   conferência   diplomática   destinada   a   prevenir   e   remediar   conflitos.   A   realidade   dos  
anos  20  e  30  conduziria  à  falência  da  Sociedade  das  Nações.  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

• Desde  1945  até  aos  dias  de  hoje  –  as  grandes  potências  vencedoras  de  1945  quiseram  implantar  um  
novo   sistema   mundial,   e   é   criada   a   Organização   das   Nações   Unidas.   São   também   criadas   outras  
organizações  a  ela  vinculadas.    
Sob   o   impulso   das   Nações   Unidas   e   de   movimentos   locais,   acedem   à   independência   política  
praticamente   todas   as   colónias.   Mais   tarde   (entre   1945   e   1989),   a   queda   do   muro   de   Berlim,   o  
desabar   do   comunismo   na   Europa   e   a   desagregação   da   União   Soviética   vêm   alterar   o   estado   de  
coisas,  e  surgem  cerca  de  duas  centenas  de  Estados.    
 
Assiste-­‐se   a   uma   institucionalização   da   comunidade   internacional,   ou   seja,   a   uma   progressiva   afirmação   da  
existência   de   entidades   superiores   aos   Estados,   ou,   por   outras   palavras,   as   relações   internacionais   tornam-­‐se  
inconfundíveis  com  as  relações  entre  Estados.  
Podem  resumir-­‐se  as  suas  manifestações:  
• Criação  de  organizações  com  vontade  própria;  
• Importância  crescente  do  papel  das  Nações  Unidas;  
• Codificação  das  normas  preexistentes  de  origem  consuetudinária,  por  parte  das  Nações  Unidas;  
• Reconhecimento,  na  Convenção  de  Viena  sobre  Direitos  dos  Tratados,  de  normas  imperativas  de  DI  
que  prevalecem  sobre  os  tratados  (arts.  53º  e  64º);  
• Personalidade  internacional  do  indivíduo  e  protecção  internacional  dos  direitos  humanos;  
• Predisposição  de  espaços  geográficos  à  margem  dos  Estados.  
 
Direito  Internacional  e  Direito  Interno  
 
Uma  das  transformações  a  que  se  assiste  no  DI  moderno  tem  como  consequência  o  esbatimento  significativo  
da   distinção   entre   direito   público   e   direito   privado,   podendo   mesmo   falar-­‐se   numa   verdadeira   mudança   de  
paradigma   do   DI.   Certos   autores,   como   Hobbes,   puseram   mesmo   em   causa   a   existência   de   um   verdadeiro  
direito  internacional  em  virtude  desta  transformação.  
 
Principais  características  do  direito  interno:  
• Existência  de  instituições  com  competência  legislativa;  
• Determinação  constitucional  e  legal  dos  principais  procedimentos  normativos;  
• Clarificação  das  regras  de  competência  e  hierarquia  das  diferentes  fontes  de  direito;  
• Criação  e  organização  dos  tribunais.  
 
Apesar   de   a   realidade   do   DI   ser   substancialmente   diferente,   este   tende   a   assumir   um   número   crescente   de  
características   análogas.   Assim,   podemos   afirmar   que   o   DI,   embora   tendencialmente   fragmentário,  
inconsistente   e   ambíguo,   não   é   inoperante   e   tem,   apesar   de   tudo,   logrado   desenvolvimentos   muitos  
significativos  ao  longo  dos  últimos  anos.    
 
Características  que  distinguem  o  DI  do  direito  interno:  (Prof.  Dr.  Jónatas  Machado)  
• Inexistência  de  órgãos  executivos,  legislativos  e  judiciais  centralizados;  
• Inexistência  de  procedimentos  normativos  claramente  definidos;  
• Inexistência  de  um  sistema  de  tribunais  dotados  de  jurisdição  compulsória  –  apesar  de,  nas  últimas  
décadas,  terem  sido  criadas  várias  instâncias  jurisdicionais  internacionais.  
• Inexistência   de   uma   administração   de   polícia   para   prevenir   e   reprimir   violações   do   DI   –   todavia,  
assiste-­‐se  a  uma  tendência  de  cooperação  internacional  das  políticas  nacionais.  
 
Características  que  distinguem  o  DI  do  direito  interno:  (Prof.  Dr.  Jorge  Miranda)  
• Sistema  complexo  e  diferenciado  de  fontes,  com  realce  especial  do  costume  e  do  tratado;  
• Diversificação  do  âmbito  das  normas;  
• Sistema  complexo  e  diferenciado  de  sujeitos;  
• Predomínio,  nos  actos  jurídico-­‐internacionais,  da  vontade  funcional  e  normativa,  em  detrimento  das  
manifestações  de  vontade  psicológica;  
• Prevalência   ainda   das   formas   de   responsabilidade   colectiva   sobre   as   formas   de   responsabilidade  
formal;  
• Precariedade  dos  meios  jurisdicionais  de  solução  de  conflitos;  
• Reduzido  significado  das  sanções.  
 
 
 
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CAPÍTULO  II  –  AS  RELAÇÕES  ENTRE  O  DIREITO  INTERNACIONAL  E  O  DIREITO  INTERNO  
 
I.  Soluções  teóricas  
 
No   que   toca   ao   relacionamento   entre   os   dois   ordenamentos   jurídicos   –   DI   e   o   direito   interno   –   podemos  
encontrar  duas  soluções  teóricas,  as  teses  dualistas  e  as  teses  monistas.    
 
1.  Teses  dualistas  
 
A  teoria  dualista  tem  as  suas  raízes  na  doutrina  voluntarista  da  vereinbarung  ou  vontade  colectiva,  que  ficou  
inicialmente  a  dever-­‐se  a  Triepel.  Para  os  defensores  das  teses  dualistas,  existiria  uma  separação  radical  entre  
o  ordenamento  jurídico  internacional  e  o  interno,  não  existindo  por  isso  conflitos  entre  eles.  Assim,  para  as  
normas  internacionais  se  tornarem  válidas  na  esfera  interna,  teriam  de  ser  transformadas  em  direito  interno.  
 
Esta  separação  entre  o  Di  e  o  direito  interno  é  fundada  numa  tríplice  diferença  entre  eles:  
• Origem  do  direito  positivo  –  no  direito  interno,  essa  origem  encontrar-­‐se-­‐ia  na  vontade  singular  do  
Estado,  enquanto  no  DI  proviria  da  vontade  colectiva  de  vários  Estados.  
• Sujeitos   das   relações   jurídicas   –   no   direito   interno,   os   sujeitos   seriam   os   indivíduos   e   as   pessoas  
morais,  enquanto  que  no  DI  seriam  os  Estados.  
• Natureza  jurídica  –  o  direito  interno  apresentaria  uma  estrutura  de  subordinação,  enquanto  que  o  DI  
seria  essencialmente  coordenador.  
 
Críticas  às  teses  dualistas:  
• A   doutrina   voluntarista   que   explica   a   origem   do   DI   assenta   na   vontade   colectiva   dos   Estados,  
inspirada   numa   ideia   de   soberania   absoluta   que   hoje   é   refutada.   Esta   doutrina   falha   também   em  
explicar  o  fundamento  do  costume  internacional.  
• Verifica-­‐se   uma   coexistência   de   normas   com   diferentes   destinatários   em   ambos   os   ordenamentos.  
Assim,  há  um  conjunto  de  normas  de  DI  que  se  dirigem  directamente  aos  indivíduos,  como  é  exemplo  
o  Direito  Comunitário,  assim  como  abundam  as  normas  de  direito  interno  cujos  destinatários  são  os  
próprios  Estados,  como  a  maior  parte  das  normas  que  integram  o  direito  público.  
• Hoje,  mais  que  nunca,  cai  por  terra  o  argumento  que  inexistem  conflitos  entre  os  dois  sistemas  por  
estes   regularem   relações   distintas.   De   facto,   encontramos   actualmente   relações   de   coordenação   e  
coordenação  em  ambos  os  ordenamentos  jurídicos.  
• As  normas  internacionais  não  necessitam  sempre  de  um  acto  de  recepção  ou  de  transformação,  como  
são  exemplos  a  aplicação  do  DI  geral  ou  comum  pelos  tribunais  internos  e  normas  internacionais  de  
aplicabilidade  directa  na  esfera  interna.  
 
2.  Teses  monistas  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

 
As   teorias   monistas   repousam   na   premissa   de   que   o   DI   e   o   direito   interno   constituem   uma   unidade,   um  
sistema  contínuo.  
Contudo,  não  há  uma  unidade  de  vistas  entre  os  partidários  das  correntes  monistas.  Podemos  dividi-­‐los  em  
dois  grupos  –  monismo  com  primado  do  DI  ou  monismo  de  DI,  ou  monismo  com  primado  do  direito  interno,  
ou  monismo  de  direito  interno.  
 
2.1.  Monismo  de  direito  interno  
Esta   tese   assente   num   voluntarismo   extremo,   sustentando   a   existência   de   apenas   uma   ordem   jurídica,  
apresentando   o   DI   como   um   mero   produto   da   autolimitação   ou   autovinculação   dos   Estados,   ou   seja,   como  
uma   espécie   de   direito   estadual   externo.   A   doutrina   monista   de   direito   interno   acaba,   por   isso,   por   negar   a  
existência  do  DI  enquanto  disciplina  autónoma  da  ciência  jurídica.  
Críticas:  
• Existem   normas   internacionais   cuja   vigência   e   aplicação   no   plano   interno   não   dependem   da   vontade  
do  Estado  (como  é  exemplo  o  DI  geral).  
• Os  Estados  não  podem  invocar  as  disposições  do  seu  direito  interno  com  o  intuito  de  se  furtarem  ao  
cumprimento  dos  seus  compromissos  internacionais  (art.  27º  da  Convenção  de  Viena  sobre  o  Direito  
dos  Tratados,  de  1969).  
2.2.  Monismo  de  Direito  Internacional  
Por  oposição  ao  monismo  de  direito  interno,  surge  a  concepção  antivoluntarista  do  monismo  com  primado  do  
DI.    
Podemos  encontrar  duas  versões:  
• Versão  radical  –  defende-­‐se  a  homogeneidade  da  ordem  jurídica,  que  assenta  no  suposto  de  que  as  
normas   internacionais   se   situam   num   plano   superior   às   internas,   resultando   qualquer   contradição  
normativa  na  nulidade  das  últimas.  Esta  versão  só  seria  aceitável  caso  a  comunidade  internacional  se  
apresentasse  estruturalmente  como  uma  espécie  de  Estado  federal.    
• Versão  moderada  –  a  ordem  internacional  delimita  o  campo  de  actuação  da  ordem  jurídica  interna,  
ou  seja,  do  legislador  interno,  que  não  fica,  todavia,  sujeito  a  uma  constrição  total  da  sua  liberdade.  
 
2.3.  Posição  adoptada  
Nos   últimos   tempos,   tem-­‐se   assistido   a   um   esbatimento   da   querela   doutrinal   entre   as   teses   monistas   e  
dualistas,  através  do  aparecimento  de  formas  moderadas  com  propósitos  conciliatórios.  Os  mais  moderados  
defendem  que  a  opção  pelo  dualismo  ou  pelo  monismo  não  contende  com  os  resultados  práticos  da  vigência  
das   normas   internacionais   no   plano   interno.   Assim,   todos   os   Estados   deverão   adequar   o   seu   ordenamento  
interno  às  obrigações  internacionais  e,  no  caso  de  incumprimento  desse  dever,  só  excepcionalmente  é  que  a  
contradição  entre  uma  norma  internacional  e  uma  norma  interna  resultará  na  invalidade  ou  ineficácia  desta  
última.  
 
Contudo,  apesar  disto,  a  posição  adoptada  é  a  de  monismo  com  primado  de  DI,  na  sua  versão  moderada.  Em  
primeiro   lugar,   porque   um   número   cada   vez   maior   de   normas   de   DI   são   válidas   no   plano   interno  
independentemente  da  vontade  dos  Estados.  Enquadra-­‐se  nesta  categoria  as  normas  de  DI  geral  ou  comum,  
principalmente   aquelas   que   visam   tutelar   os   dois   valores   fundamentais   da   comunidade   internacional:   o   valor  
da   protecção   da   dignidade   da   pessoa   humana   e   o   valor   da   paz.   Existem   também   normas   emanadas   de  
organizações   internacionais   dotadas   de   aplicabilidade   directa.   Em   segundo   lugar,   e   devido   ao   fenómeno   da  
globalização,  assistimos  a  uma  redução  no  leque  das  matérias  de  domínio  reservado  do  Estado.    
 
 
II.  Soluções  positivas  
 
1.  Técnicas  de  incorporação  
• Recepção  automática  
• Transformação  
• Recepção  semi-­‐plena  
 
1.1.  Recepção  automática  
Estamos  perante  uma  cláusula  de  recepção  automática  quando  o  Estado  aceita,  sem  restrições,  a  vigência  do  
DI  na  ordem  interna.  As  normas  internacionais  vigoram  internamente  na  qualidade  de  normas  de  DI,  e  não  
enquanto  normas  internas.  Contudo,  neste  sistema,  a  Constituição  pode  impor  uma  restrição  ou  condição  –  a  
conditio  iuris  da  publicação  no  jornal  oficial  do  Estado.  Apesar  de  alguns  autores  autonomizarem  a  recepção  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

automática  condicionada,  enquanto  recepção  plena,  tal  classificação  não  se  justifica.  Esta  técnica  é  tributária  
de  uma  concepção  monista  (com  primado  de  DI).  
 
1.2.  Transformação  
Na  transformação,  o  Estado  opõe-­‐se  à  vigência  do  DI  na  ordem  jurídica  interna,  e  assim  a  Constituição  exige  
que   o   legislador   ordinário   reproduza   a   norma   internacional   através   de   um   acto   normativo   da   sua  
competência.  É,  pois,  necessário  converter  as  normas  internacionais  em  normas  internas.  Neste  sistema,  são  
visíveis  as  influências  das  soluções  dualistas.  
 
1.3.  Recepção  semi-­‐plena  
Este   sistema   é   um   sistema   misto.   O   legislador   constituinte   distingue   as   normas   jurídicas   internacionais,  
aplicando   a   umas   a   recepção   automática   e   a   outras   a   transformação.   Conjuga   os   pressupostos   monistas   e  
dualistas.  
 
 
III.  Hierarquia  do  direito  internacional  na  ordem  jurídica  portuguesa  
 
1.  Análise  do  art.  8º  da  Constituição  da  República  Portuguesa  
 
“   1   –   As   normas   e   os   princípios   de   direito   internacional   geral   ou   comum   fazem   parte   integrante   do   direito  
português.  
2  –  As  normas  constantes  de  convenções  internacionais  regularmente  ratificadas  ou  aprovadas  vigoram  na  
ordem  interna  após  a  sua  publicação  oficial  e  enquanto  vincularem  internacionalmente  o  Estado  português.  
3   –   As   normas   emanadas   dos   órgãos   competentes   das   organizações   internacionais   de   que   Portugal   seja  
parte   vigoram   directamente   na   ordem   interna,   desde     que   tal   se   encontre   estabelecido   nos   respectivos  
tratados  constitutivos.”  
 
Art.  8.º,  n.º  1  –  DI  geral  ou  comum  
• Diz   respeito   ao   direito   internacional   geral,   compreendido   pelas   normas   de   costume   geral,   pelos  
tratados   universais   e   pelos   próprios   princípios   gerais   de   direito   reconhecidos   pelas   nações  
civilizadas.   O   legislador   constituinte   consagra   uma   cláusula   de   recepção   automática,   pois   o   DI   faz  
“parte  integrante”  do  direito  português.    
 
Art.  8.º,  n.º  2  –  DI  particular  
• Para  as  normas  de  DI  particular,  a  Constituição  consagra  um  sistema  de  recepção  automática,  ainda  
que   condicionada.   A   CRP   exige   que   as   convenções   tenham   sido   regularmente   ratificadas   ou  
aprovadas,  assim  como  publicadas  oficialmente  no  Diário  da  República.  No  entanto,  estas  condições  
são  condições  de  eficácia,  não  de  validade.    
• Por   outro   lado,   as   convenções   internacionais   só   vigoram   na   ordem   interna   “enquanto   vincularem  
internacionalmente  o  Estado  português”.  Assim,  o  simples  facto  de  um  tratado  haver  sido  aprovado,  
ratificado   e   publicado,   não   constitui   garantia   da   sua   vigência   interna   –   pode   suceder,   por   exemplo,  
que   ainda   não   tenha   sido   atingido   o   número   suficiente   de   ratificações.   A   aprovação,   ratificação   e  
publicação  são  condições  necessárias  mas  não  suficientes.    
• Contudo,   este   artigo  não   menciona   o   costume   regional   e   bilateral.   Por   via   da   interpretação   extensiva,  
entende-­‐se  que  se  deveria  ter  feito  referência  a  esta  costume  no  n.º  2,  visto  que  este  contempla  o  DI  
particular.    
 
Art.  8.º,  n.º  3  –  Direito  das  organizações  internacionais  
• Mais  uma  vez,  estamos  em  presença  de  um  regime  de  incorporação  automática,  com  aplicabilidade  
directa.  
• Este   número   refere-­‐se   ao   DI   particular   com   características   especiais   –   o   DI   comunitário,   e   foi  
acrescentado  com  a  revisão  constitucional  de  1992.  
• O   legislador   constituinte   impôs   duas   condições   para   que   o   direito   das   organizações   internacionais  
possa   ter   eficácia   no   plano   interno:   que   as   normas   emanem   dos   órgãos   competentes   e   que   se  
encontre  estabelecido  nos  respectivos  tratados  constitutivos  o  regime  da  aplicabilidade  directa.  
• O  legislador  constituinte  foi  impreciso  –  nem  todos  os  actos  da  União  Europeia  são  “normas”,  como  as  
decisões   e   as   directivas.   Devemos,   pois,   fazer   uma   interpretação   extensiva   e   englobar   também   os  
actos   da   União   Europeia,   visto   que   a   jurisprudência   comunitária   se   tem   manifestado   no   sentido   da  
admissibilidade  do  efeito  directo  de  certas  decisões.    
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

 
Conclusões:  
• No  ordenamento  jurídico  português,  vigora  sempre  o  regime  de  recepção  automática.  
• A  elaboração  desta  lei  constitucional  revela  falta  de  rigor,  visto  misturar  dois  critérios:  o  critério  da  
eficácia  geral/particular  e  o  critério  das  fontes  de  direito.  Contudo,  podemos  concluir  que  o  n.º  1  se  
refere  ao  DI  geral,  o  n.º  2  ao  DI  particular  e  o  n.º  3  ao  direito  comunitário.  
 
2.  Hierarquia  entre  as  normas  internacionais  e  internas  
 
2.1.  DI  geral  ou  comum  
O   DI   geral   ou   comum   tem   um   valor   supralegal   e   supraconstitucional,   prevalecendo   quer   sobre   a   legislação  
ordinária,  quer  sobre  a  Constituição.  
Razões  para  a  supralegalidade:  
• O   DI   geral   ou   comum   é   “parte   integrante   do   direito   português”   (art.   8.º,   n.º1).   Ora,   se   uma   lei  
ordinária  pudesse  contrariar  um  princípio  de  DI  geral  ou  comum,  este  artigo  –  e  a  própria  noção  de  
DI  geral  –  não  faria  sentido.    
Razões  para  a  supraconstitucionalidade:  
• As   razões   acima   apontadas   servem   também   para   a   superioridade   sobre   a   lei   constitucional.   O   DI  
geral  prescreve  regras  básicas  de  convivência  interestadual,  e,  como  tal,  não  é  possível  permitir  que  
um  Estado  possa  derrogar  este  direito,  comum  a  todos  os  Estados.    
• Também  se  pode  invocar  o  art.  16.º,  n.º  2  da  CRP,  que  afirma  que  os  preceitos  constitucionais  e  legais  
devem  estar  em  harmonia  com  a  Declaração  Universal  dos  Direitos  do  Homem.  
Contudo,   este   problema   é   meramente   teórico,   pois   um   Estado   não   promulga   leis   ou   consagra   normas  
constitucionais  que  contrariem  os  princípios  de  DI.  
 
2.2.  DI  convencional  (particular)  
As  convenções  internacionais  têm  uma  valor  infraconstitucional  e  supralegal.    
Razões  para  a  supralegalidade:  
• As   convenções   vigoram   no   direito   interno   enquanto   “vincularem   internacionalmente   o   Estado  
português”.  Se  as  convenções  tivessem  um  valor  paritário  em  relação  às  leis  ordinárias,  e  segundo  o  
princípio  da  lex  posterior  priori  derrogat,  uma  lei  ordinária  posterior  poderia  derrogar  as  convenções.  
Assim,  só  através  da  supremacia  do  DI  convencional  é  que  se  garante  a  sua  vigência  interna  enquanto  
no  plano  internacional.  
• A  atitude  do  Estado  português  em  relação  ao  DI  é  de  grande  abertura,  perceptível  nos  arts.  7.º  e  8.º  
da  CRP.  
• O  art.  119.º  da  CRP  estabelece  um  critério  de  ordenação  dos  diversos  instrumentos  normativos,  e  as  
convenções  internacionais  precedem  a  legislação  ordinária.  
• Uma   norma   interna   que   contrarie   uma   convenção   internacional   está   sujeita   a   uma   sanção   de  
ineficácia  ou  inaplicabilidade,  ou  seja,  os  Tribunais  não  a  deverão  aplicar.  
Razões  para  a  infraconstitucionalidade:  
• A  CRP  prevê  a  sujeição  dos  tratados  à  fiscalização  da  constitucionalidade  (arts.  278.º  e  ss.),  pelo  que  é  
claro  o  carácter  infraconstitucional  das  convenções  internacionais.    
 
2.3.  Direito  comunitário  (derivado)  
O  direito  comunitário  classifica-­‐se  em:  
• Originário  –  constituído  pelos  tratados  que  instituíram  as  comunidades  europeias,  bem  como  aqueles  
que  subsequentemente  as  modificaram.  
• Derivado  –  direito  emanado  pelos  órgãos  da  União  Europeia.  
O  direito  comunitário  derivado  tem  um  valor  supralegal  e  supraconstitucional.  
Razões  para  a  supralegalidade:  
• Quando   um   Estado   adere   a   uma   organização   internacional   supranacional,   este   delega   poderes  
soberanos  em  favor  da  instituição,  nomeadamente  poderes  normativos  (art.  8.º,  n.º  3  e  art.  7.º,  n.º  6).  
Assim,   conclui-­‐se   que   o   direito   comunitário   tem   um   valor   supralegal,   sendo   que   uma   norma   legal  
que  contrarie  uma  norma  comunitária  fica  sujeita  à  ineficácia  à  inaplicabilidade.  
Razões  para  a  supraconstitucionalidade:  
• O   princípio   do   primado   do   direito   comunitário   (art.   8.º,   n.º   4)   –   a   União   Europeia   constitui   um  
espaço   de   integração,   e   não   de   mera   coordenação,   sendo   uma   condição   da   própria   existência   do  
direito   comunitário   a   sua   uniformidade   de   interpretação   e   aplicação,   logo   a   sua   superioridade   sobre  
todo  o  direito  interno.    
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

• Existem,   contudo,   autores   que   discordam   com   o   princípio   do   primado   do   direito   comunitário,  
afirmando   que   a   assunção   deste   princípio   implicaria   uma   alteração   na   compreensão   do   sistema  
português  de  controlo  da  constitucionalidade,  em  termos  de  ficaram  excepcionadas  desse  controlo  
as  normas  de  direito  comunitário.  
• O  Dr.  Cardoso  da  Costa  formulou  uma  posição  conciliatória  –  os  Tribunais  Constitucionais  não  têm  
os   mesmos   poderes   de   fiscalização   da   constitucionalidade   de   outrora,   ou   seja,   devem   aceitar   a  
superioridade   do   direito   comunitário.   A   sua   tarefa   deve   ser   a   de   somente   averiguar   a  
compatibilidade  das  disposições  deste  direito  com  a  Constituição.  Esta  posição  é  consagrada  no  art.  
8.º,  n.º  4  da  CRP,  que  admite  o  princípio  do  primado  do  direito  comunitário,  desde  que  respeite  os  
princípios  estruturantes  do  Estado.  Esta  questão  tem,  conquanto,  pouca  relevância  prática.  
 
 
 
 
 
HIERARQUIA  ENTRE  AS  NORMAS  INTERNACIONAIS  E  AS  NORMAS  INTERNAS    
   
1.  Direito  Internacional  geral    
2.  Direito  Internacional  comunitário    
3.  Constituição    
4.  Direito  Internacional  particular  convencional    
5.  Legislação  ordinária    
   
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

 
CAPÍTULO  III  –  AS  FONTES  DE  DIREITO  INTERNACIONAL  
 
I.  Introdução  
 
Fontes  de  DI:  
• Materiais  –  base  política,  moral  ou  económica  das  normas  internacionais.  
• Formais   –   procedimentos   ou   técnicas   de   criação,   modificação   ou   extinção   das   normas   jurídico-­‐
internacionais.  
 
Fontes  formais  de  DI:  
No  art.  38.º  do  ETIJ  estão  discriminadas  as  várias  fontes  formais  de  DI:  
1.  
a. Convenções  internacionais,  gerais  ou  especiais;  
b. Costume  internacional;  
c. Princípios  gerais  de  direito  reconhecidos  pelas  nações  civilizadas;  
d. Decisões  judiciais  e  ensinamentos  dos  mais  altamente  qualificados  publicistas  das  várias  nações.  
2.  Faculdade  do  Tribunal  decidir  ex  aequo  et  bono.  
 
Assim,   serão   três   as   fontes   formais   enunciadas   no   artigo,   as   convenções   internacionais,   o   costume   e   os  
princípios  gerais  de  direito.  A  alínea  d)  faz  referência  a  dois  modos  auxiliares  de  determinação  das  normas  
jurídicas,  a  jurisprudência  e  a  doutrina.  Finalmente  o  parágrafo  segundo  alude  à  possibilidade  de  o  TIJ  decidir  
de  acordo  com  critérios  de  equidade.    
 
Conclusões  da  análise  do  art.  38.º:  
1. A   lista   de   fontes   formais   não   é   exaustiva,   visto   que   há   outros   procedimentos   igualmente   idóneos   à  
criação   de   normas   internacionais   –   como   as   resoluções   das   organizações   internacionais   e   os   actos  
jurídicos   unilaterais   dos   Estados   (visto   que   o   ETIJ   foi   elaborado   anteriormente   ao   aparecimento  
destas  fontes).    
2. Não   há   relações   de   hierarquia   entre   as   fontes   enunciadas.   Contudo,   a   ordem   consagrada   não   foi  
aleatória,  devendo  constituir  uma  ordem  sucessiva  de  tomada  em  consideração.  
3. Nenhuma  definição  foi  dada  das  fontes,  o  que  resulta  do  facto  de  esta  norma  ser  de  validade  geral,  
revelada   consuetudinariamente.   Assim,   o   Tribunal   mais   não   fez   do   que,   sob   a   forma   escrita,   dar  
expressão  a  uma  norma  consuetudinária  pré-­‐existente.  
 
 
II.  As  convenções  internacionais  
 
1.  Noção  
 
As   convenções   internacionais   são   acordos   de   vontade   entre   dois   ou   mais   sujeitos   de   DI,   que   se   destinam   a  
criar  obrigações  jurídicas  para  as  partes  e  são  regulados  pelo  DI  e  pelo  direito  interno.  
São  constituídas  pelos  seguintes  elementos:  
1. Acordo  de  vontades  
a. Tratados-­‐lei  –  quando  os  interesses  que  as  partes  visam  prosseguir  são  idênticos.  
b. Tratados-­‐contrato  –  quando  os  interesses  são  antagónicos.  
2. Dois  ou  mais  sujeitos  de  DI  –  os  sujeitos  de  DI  com  capacidade  de  realizar  convenções  são  os  Estados  
e  as  OI.  
3. Criação  de  uma  obrigação  jurídica  –  as  convenções  destinam-­‐se  a  vincular  juridicamente  as  partes.  
4. Regulada  pelo  DI  e  pelo  direito  interno  –  as  convenções  são  reguladas  concorrentemente  pelo  direito  
interno  e  pelo  DI.  
 
2.  Classificações  das  convenções  internacionais  
 
2.1.  Classificações  formais  –  atendem  a  determinadas  variáveis  extrínsecas  às  convenções.  
1. Critério  da  qualidade  das  partes    
a. Celebradas  entre  Estados  
b. Celebradas  entre  Estados  e  OI  
c. Celebradas  entre  OI  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

2. Critério  do  número  das  partes  


a. Tratados  bilaterais  
b. Tratados  multilaterais  
i. Gerais  ou  abertos  –  número  ilimitado  de  partes.  
ii. Restritos  ou  fechados  –  número  limitado  de  partes.  
3. Critério  do  procedimento  de  conclusão  
a. Tratados  solenes  –  exigência  de  ratificação.  
b. Acordos   em   forma   simplificada   –   procedimento   mais   simples   e   célere   pois   não   exigem  
ratificação.  
4. Critério  da  forma  
a. Orais  
b. Escritos  
 
2.2.  Classificações  materiais  –  têm  em  conta  aspectos  intrínsecos  às  convenções.  
1. Critério  do  objecto  e  do  fim    
a. Tratado-­‐lei  
b. Tratado-­‐contrato  
2. Outro  critério  do  objecto  e  do  fim  
a. Tratado  normativo  –  fixa  determinadas  regras  de  comportamento.  
b. Tratado   constitutivo   de   organização   internacional   –   criam   organizações   internacionais,  
estabelecendo  certas  estruturas.  
 
3.  Procedimento  de  conclusão  das  convenções  internacionais  
 
Etapas  do  procedimento  de  conclusão  das  convenções  internacionais:  
1. Negociação  
2. Autenticação  
3. Aprovação  
4. Ratificação  
5. Entrada  em  vigor  
6. Registo  
7. Aplicação  
 
3.1.  Negociação  
• Objectivo  –  na  negociação  é  discutido,  redigido  e  adoptado  o  texto  da  futura  da  convenção.    
• Competência   para   efectuar   convenções   internacionais   –   está   habitualmente   a   cargo   dos   chamados  
plenipotenciários,   que   são   delegados   ou   representantes   governamentais   munidos   de   pelos   poderes  
para   participar   nesta   etapa.   Para   outras   entidades,   funciona   uma   presunção   de   competência   para  
negociar   as   convenções   internacionais   –   o   Chefe   de   Estado,   o   Chefe   do   Governo,   o   Ministro   de  
Negócios  Estrangeiros  e  os  representantes  dos  Estados  numa  conferência  internacional  ou  junto  de  
uma  organização  internacional  (art.  7.º/2).  
• Uma  vez  negociada,  a  convenção  adquire  3  partes:  
a. Preâmbulo   –   nele   são   indicados   as   partes   contraentes,   a   data   e   o   local,   e,   em   termos  
genéricos,  as  razões  que  levaram  à  sua  conclusão.  
b. Dispositivo   ou   corpo   –   é   constituído   pelo   articulado   da   convenção   e   pelas   cláusulas   finais,  
que   dizem   respeito   a   questões   como   a   entrada   em   vigor   do   tratado,   a   extensão   dos   seus  
efeitos,  o  procedimento  de  revisão,  etc.  
c. Anexos  –  disposições  de  carácter  técnico,  também  dotadas  de  força  jurídica  vinculativa.  
 
3.2.  Autenticação  ou  assinatura  
• Efeitos  jurídicos  (arts.  10.º,  12.º  1  18.º  CV):  
a. Impossibilidade  de  alteração  do  texto.  
b. Criação   de   um   dever   de   boa   fé,   que   se   traduz   no   dever   de   não   praticar   actos   que   contrariem  
o    objecto  e  o  fim  da  convenção  (non  facere).  
c. Criação  de  um  direito  à  prática  de  actos  para  defesa  da  integridade  da  convenção.  
d. Se   estivermos   perante   um   acordo   na   forma   simplificada,   acresce   outro   efeito   jurídico   –   a  
vinculação  internacional  do  Estado  ao  acordo.  
• Tipos  de  assinatura:  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

a. Quando   o   representante   tem   pelos   poderes   para   a   autenticação   da   convenção,   estamos  


perante  uma  assinatura  autêntica.  
b. Quando   o   representante   não   tem   plenos   poderes   para   a   autenticação   da   convenção,  
carecendo  de  uma  confirmação  ulterior:  
i. Aposição  de  iniciais  
ii. Assinatura  ad  referendum    
 
3.3.  Aprovação  
• Tratados  solenes  –  são  reservados  para  as  matérias  mais  importantes  e  podem  ser  utilizados  sempre,  
mas   são   de   utilização   obrigatória   nas   matérias   do   art.   161.º/i)   CRP   e   matérias   análogas.   Etapas   da  
aprovação:  
a. Negociação  e  autenticação  pelo  governo,  com  a  excepção  das  Regiões  Autónomas;  
b. Aprovação  de  uma  proposta  de  resolução  pelo  Conselho  de  Ministros;  
c. Aprovação  da  proposta  pela  AR;  
d. Assinatura  do  Presidente  da  AR;  
e. Assinatura  do  PR,  juntamente  com  a  assinatura  da  carta  de  ratificação;  
f. Referenda  do  governo;  
g. Publicação  oficial  no  Diário  da  República.  
• Acordos  de  forma  simplificada:  
a. Podem  ser  aprovados  pelo  governo,  quando  não  estamos  perante  matérias  do  art.  161.º/i).  
Etapas  de  aprovação:  
i. Negociação  e  autenticação  pelo  governo;  
ii. Aprovação  pelo  Conselho  de  Ministros  por  decreto  simples;  
iii. Assinatura  pelo  Primeiro-­‐Ministro  e  pelo  Ministro  da  área;  
iv. Assinatura  pelo  PR;  
v. Referenda  do  governo;  
vi. Publicação  oficial  no  Diário  da  República.  
b. Podem   também   ser   aprovados   pela   AR;   em   matérias   reservadas   para   a   AR   ou   naquelas  
matérias  que  o  governo  quiser  que  a  AR  aprove.  Etapas  de  aprovação:  
i. Negociação  e  autenticação  pelo  governo;  
ii. Aprovação  de  uma  proposta  de  resolução  pela  AR;  
iii. Assinatura  pelo  Presidente  da  AR;  
iv. Assinatura  pelo  PR;  
v. Publicação  oficial  no  Diário  da  República.  
 
3.4.  Ratificação  (exclusiva  dos  tratados  solenes)  
• Definição  –  é  o  acto  solene  pelo  qual  o  Chefe  de  Estado  declara  a  vontade  desse  Estado  em  se  vincular  
à  convenção.    
• Competência   –   em   Portugal,   a   ratificação   está   a   cargo   do   Presidente   da   República   (CRP,   art.  
135.º/b)).  
• Ratificação   imperfeita:   ocorre   uma   ratificação   imperfeita   quando   não   foram   cumpridas,   ou   foram  
cumpridas  incorrectamente,  as  formalidades  exigidas.    
• Hipóteses  de  ratificações  imperfeitas  configuráveis:  
a. Ratificação  do  PR  sem  prévia  aprovação  pela  AR;  
b. Excesso  de  forma  –  aprovação  do  tratado  por  intermédio  de  lei,  e  não  através  de  resolução  
da  AR;  
c. Ratificação   pelo   PR,   sem   que   tenham   sido   cumpridas   as   exigências   procedimentais   no   que  
respeita  à  designação  dos  plenipotenciários.    
d. Ratificação   do   PR   sem   que   na   negociação   da   convenção   tenham   participado   os   governos  
regionais,  estando  em  causa  matérias  de  interesse  específico  para  as  Regiões  Autónomas.    
• Consequências  jurídicas  no  plano  internacional  (art.  46.º  CV):  
a. São  confrontados  dois  valores:  o  valor  da  regularidade  do  procedimento  interno  e  o  valor  da  
certeza  e  segurança  nas  relações  internacionais,  privilegiando-­‐se  este  último.  Deste  modo,  a  
um   Estado   não   é   permitido   invocar   a   violação   de   um   preceito   interno,   neste   caso,   uma  
ratificação  imperfeita,  para  se  desvincular  de  uma  convenção  (art.  46.º/1  CV).  
b. Assim,  uma  ratificação  imperfeita  origina  a  nulidade  da  convenção  apenas  se  se  verificarem  
dois   requisitos   cumulativamente   (art.   46.º/2   CV).   Na   verificação   cumulativa   destes  
requisitos,  a  ratificação  originará  a  nulidade  relativa  da  convenção.  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

i.
Violação  manifesta  –  uma  violação  é  manifesta  se  as  outras  partes  se  aperceberam,  
ou  deveriam  ter  apercebido,  dela.  
ii. Violação  de  uma  norma  interna  de  importância   fundamental  –  como  estamos  a  lidar  
com   normas   constitucionais,   será   difícil   determinar   quais   as   normas   de   importância  
fundamental.  Assim,  considera-­‐se  que  o  segundo  e  o  terceiro  exemplo  não  cumprem  
este   requisito,   devido   à   escassa   gravidade   dos   vícios   em   causa,   enquanto   que   o  
primeiro  e  o  quarto  já  permitem  invocar  a  irregularidade  formal  do  consentimento.  
c. Consequências  jurídicas  no  plano  interno  –  art.  277.º/2  CRP.  
 
3.5.  Entrada  em  vigor  (art.  24.º  e  25.º  CV)  
• Um   tratado   entrará   em   vigor,   ou   seja,   passará   a   fazer   parte   do   direito   positivo,   ou   segundo   o  
estipulado   e   na   data   fixada   pelas   suas   disposições,   ou   em   conformidade   com   as   modalidades  
acordadas.  
• Na   falta   de   disposições   ou   acordo,   o   tratado   em   vigor   logo   que   todos   os   Estados   que   hajam  
participado  na  negociação,  manifestem  seu  consentimento  à  vinculação.  
• A  aplicação  do  tratado  a  título  provisório  será  possível  em  virtude  de  disposições  dele    constantes  ou  
em  resultado  de  um  acordo  prévio  entre  Estados.  
• Um   tratado   multilateral,   salvo   disposição   em   contrário,   não   deixará   de   vigorar   pela   mera  
circunstância  de  o  número  de  partes  se  tornar  inferior  ao  número  necessário  para  a  sua  entrada  em  
vigor.  
 
3.6.  Registo  e  publicação  
• No  art.  18.º  do  Pacto  de  constituição  da  Sociedade  das  Nações  estava  consagrada  a  obrigatoriedade  
de  todos  os  tratados  serem  registados  e  publicados  pelo  Secretariado  da  organização.  
• Por  via  costumeira,  os  Estados  começaram  a  fazer  letra  morta  desta  disposição,  admitindo  a  entrada  
em   vigor   e   a   força   obrigatória   de   tratados   não   registados,   sendo   que   a   única   sanção   seria   a  
impossibilidade  de  os  invocar  junto  dos  órgãos  da  Sociedade  das  Nações.  
• A  Carta  das  Nações  Unidas  e  a  Convenção  de  Viena  vieram  codificar  este  costume,  dispondo  que  um  
tratado  que  não  seja  registado  junto  do  secretariado  será  plenamente  válido,  contudo  não  poderá  ser  
invocado  perante  os  órgãos  daquela  organização.  
 
4.  Participação  nas  convenções  internacionais  
 
A   tendência   actual   é   a   de   facilitar   a   participação   dos   Estados   nos   tratados   multilaterais,   quase   lhes   sendo  
reconhecido   um   “direito   ao   tratado”.   Contudo,   tal   não   é   possível   nos   tratados   fechados,   concluídos   por   um  
escasso  número  de  partes,  mas  sim  nos  tratados  abertos,  que  permitem  a  um  Estado  não  contraente  tornar-­‐se  
parte   deles   através   de   um   simples   acto   unilateral.   Desta   categoria   fazem   parte   os   tratados   multilaterais  
gerais.  
 
4.1.  Mecanismos  tendentes  a  facilitar  a  participação  dos  Estados  nos  tratados    
1. Assinatura   deferida   –   possibilidade   de   um   Estado,   contraente   ou   não,   diferir   a   sua   assinatura   para  
um   momento   subsequente   à   adopção   do   texto,   durante   um   prazo   estabelecido   na   própria   convenção  
ou  até  sem  qualquer  limite  de  tempo,  tendo  ou  não  participado  na  fase  da  negociação.  
2. Adesão  (art.  15.º  CV)  –  possibilidade  de  um  Estado  aderir  a  um  tratado  depois  de  este  já  se  encontrar  
em  vigor.    
3. Reservas    
a. Definição  –  uma  reserva  é  uma  declaração  unilateral  feita  por  um  Estado  através  do  qual  visa  
excluir  ou  modificar  o  efeito  jurídico  de  certas  disposições  (art.  2.º/1/d)  CV.)    
b. Num   tempo   não   muito   distante,   apenas   se   permitia   a   um   Estado   formular   reservas   a   um  
tratado,   caso   elas   fossem   aceites,   expressa   ou   tacitamente,   por   todos   os   outros   Estados.   Esta  
solução   equivalia   a   conferir   a   cada   Estado   parte   um   direito   de   veto.   Contudo,  
posteriormente,  convencionou-­‐se  que  a  objecção  de  uma,  ou  umas,  das  partes  não  obstaria  a  
que   o   tratado   entrasse   em   vigor.   Funciona,   neste   domínio,   um   princípio   fundamental   de  
liberdade,   ou   seja,   os   Estados   são   livres   de   permitir,   impedir   ou   limitar   a   formulação   de  
reservas  (art.  19,  al.  a)  e  b)  CV).  
c. Restrições  à  liberdade  de  formular  reservas  (art.  20.º):  
i. Em  caso  se  silêncio  do  tratado,  uma  reserva  será  permitida,  contanto  que  não  seja  
incompatível  com  o  objecto  e  o  fim  do  tratado.  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

ii. Nos  tratados  multilaterais  restritos,  vale  a  regra  da  unanimidade,  ou  seja,  a  reserva  
tem   de   ser   aceite   por   todas   as   partes.   Nos   tratados   constitutivos   das   organizações  
internacionais,   será   necessário   a   aceitação   dos   órgãos   competentes   dessas  
organizações.  
iii. Não  se  aceitam  reservas  em  tratados  bilaterais,  pela  natureza  das  coisas.  
iv. Por  incompatibilidade  lógica,  também  não  se  aceitam  reservas  em  disposições  que  
codifiquem  uma  norma  costumeira  de  alcance  geral.  
d. Efeitos  jurídicos:  
i. Através  da  formulação  de  uma  reserva,  modificam-­‐se  tão-­‐somente  relações  entre  o  
Estado   que   dela   se   socorreu   e   aquele   que   a   tenha   aceitado,   permanecendo  
inalteradas  as  relações  entre  as  outras  partes.  
ii. Nas   reservas   de   modificação,   as   consequências   jurídicas   diferem   consoante   essa  
reserva  tenha  sido  aceite  ou  não.  
iii. Nas  reservas  de  exclusão,  a  aceitação  e  a  objecção  produzem  a  mesma  consequência,  
ou  seja,  a  não  aplicação  da  cláusula.    
 
 
5.  A  eficácia  das  convenções  em  relação  a  terceiros  
 
5.1.  O  princípio  da  relatividade  dos  efeitos  dos  tratados  
• Art.  34.º  da  CV  –  “um  tratado  não  cria  nem  obrigações  nem  direitos  para  um  terceiro  Estado  sem  o  
consentimento   deste”.   Esta   norma   veio   codificar   um   costume   já   existente   e   traduz   o   princípio   da  
relatividade,  ou  da  eficácia  relativa,  dos  efeitos  dos  tratados.  
• Contudo,   existem   situações   em   que   os   tratados   também   se   aplicam   a   terceiros   sem   o   seu  
consentimento.  
 
5.2.  A  aplicação  das  convenções  a  Estados  terceiros  com  o  seu  consentimento  
1. Acordo  colateral  –  art.  35.º  CV,  mecanismo  de  criação  de  uma  obrigação  para  um  terceiro,  se  este  a  
aceitar  expressamente.  
2. Estipulação  em  favor  de  outrem  –  art.  36.º  e  37.º  CV,  mecanismo  de  criação  de  um  direito  para  um  
terceiro,   que   pode   ser   expresso   ou   presumido.   Se   este   direito   tiver   sido   criado,   não   pode   ser  
revogado  ou  modificado  pelas  partes.    
3. Cláusula  da  nação  mais  favorecida  –  expediente  técnico  destinado  à  criação  de  direitos  em  benefício  
de   terceiros.   Traduz-­‐se   na   inserção   de   uma   cláusula,   nos   termos   da   qual,   se   um   dos   Estados   parte  
vier   a   celebrar   um   acordo   com   um   terceiro,   versando   a   mesma   matéria   e   com   disposições   mais  
vantajosas,  essas  disposições  aplicar-­‐se-­‐ão  no  tratado  original.  
 
5.3.  Aplicação  das  convenções  a  Estados  terceiros  sem  o  seu  consentimento  
1. Extensão   a   terceiros   por   via   costumeira   (art.   38.º)   –   uma   regra   contida   numa   convenção   pode  
converter-­‐se  em  norma  costumeira  e,  em  resultado,  tornar-­‐se  obrigatória  para  Estados  não  partes.  
2. Criação  de  situações  objectivas  ou  estatutárias  –  caminha-­‐se,  hoje  em  dia,  para  uma  objectivação  do  
Direito  Internacional  convencional,  que,  aos  poucos,  se  vai  transformando  em  Direito  Internacional  
comum.   Assim,   há   determinadas   convenções   internacionais   que,   destinando-­‐se   a   instituir   certos  
estatutos  políticos  ou  territoriais,  apresentam  o  carácter  de  direito  objectivo,  fazendo-­‐se  sentir  para  
além  do  círculo  das  partes  contraentes.  
3. Criação   de   um   novo   sujeito   de   direito   –   criação   de   certas   entidades   cuja   existência   é   oponível   a  
terceiros.   É   o   caso   dos   tratados   constitutivos   de   organizações   internacionais,   sobretudo   universais,   e  
os  que  se  destinem  à  criação  de  novos  Estados.  
4. Convenções   de   codificação   –   as   convenções   de   codificação   são   convenções   que   convertem   normas  
costumeiras   num   corpo   de   normas   escritas   que,   se   porventura   forem   de   alcance   geral,   são   oponíveis  
a  Estados  terceiros.  
5. Outras   excepções   –   quando   os   Estados   parte   se   reservam   o   direito   de   exercer   certas   competências  
em  relação  aos  nacionais  de  Estados  terceiros  e  os  tratados-­‐lei.  
 
6.  Condições  de  validade  das  convenções  internacionais  
 
1. Capacidade  das  partes  
2. Regularidade  do  consentimento  
3. Licitude  do  objecto  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

 
6.1.  Capacidade  das  partes  
• Sujeitos  com  capacidade  de  celebrar  contratos:  Estados,  organizações  internacionais  e,  nalguns  casos,  
os  movimentos  de  libertação  nacional.  
• Capacidade  dos  Estados  (art.  6.º)  –  são  raras  as  situações  que  limitam  a  capacidade  dos  Estados:  
a. Protectorado   -­‐     o   Estado   protector   passa   a   representar   o   Estado   protegido   nas   relações  
internacionais.  Contudo,  este  sistema  de  relações  entre  Estados  já  caiu  em  desuso.  
b. Participação   de   entidades   descentralizadas,   como   os   Estados   membros   de   um   Estado  
federado.  Colocam-­‐se,  neste  caso,  dois  problemas  distintos  –  o  da  capacidade  da  instituição  
descentralizada   para   celebrar   a   convenção   e   a   imputação   do   tratado   a   esse   sujeito.   O  
primeiro  será  resolvido  pelo  direito  interno;  e  quanto  ao  segundo,  deverá  referir-­‐se   que,   em  
caso   de   incumprimento   da   obrigação,   se   desencadeará   a   responsabilidade   internacional   da  
entidade  descentralizada.  
• Capacidade  das  organizações  internacionais:  
a. Derivada  –  porque  depende  da  vontade  dos  Estados.  
b. Limitada  ou  parcial  –  limitada  pelo  princípio  da  especialidade.  
• Sanção  para  um  tratado  no  qual  intervenha  um  sujeito  sem  capacidade:  
a. Sujeitos  activos  de  Direito  Internacional  mas  sem  capacidade  de  exercício  –  nulidade.  
b. Entidades  que  não  são  sujeitos  de  Direito  Internacional  –  inexistência.    
 
6.2.  Regularidade  do  consentimento  
1. Irregularidades   formais   –   referem-­‐se   à   competência   e   ao   procedimento   para   a   conclusão   das  
convenções   internacionais.   Este   problema   já   foi   abordado   aquando   das   ratificações   imperfeitas   –  
segundo  o  art.  46.º  da  CV,  o  facto  do  consentimento  de  um  Estado  a  obrigar-­‐se  a  uma  convenção  ter  
sido   prestado   com   violação   de   um   preceito   do   seu   direito   interno   não   constitui   motivo   bastante   para  
que  esse  Estado  alegue  o  vício  ocorrido  e  se  desvincule  (caso  tenha  sido  manifesta  e  de  uma  norma  
fundamental).  
2. Irregularidades   substanciais   –   havendo   coincidência   entre   vontade   e   declaração,   aquela   não   foi  
prestada  de  um  modo  legítimo.  
a. Erro   (art.   48.º   CV)   -­‐     o   erro   pressupõe   uma   representação   inexacta   da   realidade.   Origina   a  
nulidade  relativa  e  só  vicia  o  consentimento  do  Estado  se  se  verificarem  em  simultâneo  duas  
condições:  
i. Essencial   ou   determinante   –   um   erro   é   essencial   ou   determinando   quando   tenha  
incidido   sobre   um   elemento   que   haja   constituído   uma   base   essencial   do  
consentimento   do   Estado.   Por   outras   palavras,   deve   demonstrar-­‐se   que,   não   fora  
esse  erro,  o  Estado  teria  recusado  a  celebrar  a  convenção   ou  tê-­‐la-­‐ia  concluído  num  
sentido  diverso.  
ii. Desculpável  –  o  Estado  não  pode  ter  contribuído  para  a  ocorrência  do  erro.  
As  situações  mais  frequentes  de  erro  ocorrem  nos  tratados  de  demarcação  de  fronteiras.  É  
possível   a   relevância   de   erros   de   direito   e   os   erros   de   redacção   não   afectam   a   validade   do  
tratado,  dando  apenas  lugar  à  sua  rectificação.    
b. Dolo  (art.  49.º  CV)  –  erro  induzido  ou  provocado  por  um  comportamento  da  contraparte,  que  
se   traduza   numa   conduta   fraudulenta.   À   semelhança   do   erro,   também   o   dolo   provoca   a  
nulidade  relativa.  
c. Corrupção   exercida   sobre   representante   de   um   Estado   (art.   50.º   CV)   –   casos   em   que,   no  
decurso   das   negociações,   o   representante   de   um   Estado   recorra   a   determinadas   manobras  
ou   artifícios   (oferta   de   vantagens   pessoais),   com   o   intuito   de   levar   a   contraparte   a   celebrar   a  
convenção  num  certo  sentido.  Contudo,  é  difícil  de  distinguir  uma  tentativa  de  corrupção  de  
um  mero  acto  de  cortesia,  e  por  isso  só  devem  ser  considerados  actos  de  corrupção  aqueles  
que   tenham   tido   influência   decisiva   na   expressão   da   vontade   ou   do   consentimento   da  
contraparte.  
d. Coacção  (art.  50.º  e  51.º  CV)  –  origina  a  nulidade  absoluta.  Existem  duas  formas  de  coação:  
i. Sobre   o   representante   de   um   Estado   -­‐     o   representante   do   Estado   é   considerado  
como   indivíduo,   e   não   como   órgão   estadual.   Em   causa   poderão   estar   actos   de  
violência  física  ou  revelações  de  carácter  privado.  
ii. Sobre  o  Estado   –   forma   de   coação   mais   frequente   e   também   mais   grave.   As   ameaças  
ou  o  emprego  da  força  dirigem-­‐se  contra  o  Estado.  
 
6.3.  Licitude  do  objecto  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

• O  objecto  de  uma  convenção  é  lícito  quando  não  atenta  contra  a  ordem  pública  internacional,  ou  seja,  
quando  não  contraria  o  conjunto  de  princípios  que  estão  na  base  do  sistema  jurídico  internacional.  
Com  efeito,  apesar  da  questão  do  reconhecimento  de  uma  ordem  pública  internacional  ser  duvidosa  
e   complexa,   a   evolução   do   Direito   Internacional   Público   nos   últimos   anos   aponta   para   a  
irreversibilidade   da   emergência   de   um   núcleo   de   normas   consideradas   imperativas.   A   figura   da  
ilicitude  origina  a  sua  nulidade  absoluta  (art.  53.º  e  64.º  CV).  
 
6.4.  Regime  das  nulidades  
1. Nulidade  relativa:  
a. Irregularidades  formais,  erro,  dolo  e  corrupção.  
b. Direito  de  invocar  o  vício  –  circunscreve-­‐se  às  partes  contraentes,  mas  só  a  parte  vítima  pode  
invocar  o  vício.    
c. Divisibilidade  extintiva  (art.  44.º  CV)  –  possibilidade  de  ocorrer  divisibilidade  extintiva,  se  se  
verificarem  cumulativamente  três  requisitos:  
i. As  cláusulas  sejam  separáveis.  
ii. A   aceitação   das   ditas   cláusulas   não   tenha   constituído   para   a   outra   parte   ou   outras  
partes  uma  base  essencial  do  seu  consentimento  a  estarem  vinculadas.  
iii. Não  pode  ser  injusto  continuar  a  executar  o  que  subsiste  do  tratado.  
É   obrigatória   no   erro   e   facultativa   no   dolo   e   corrupção,   pois   nos   dois   últimos   casos,   visto  
existir   má   fé,   inexistem   expectativas   dignas   de   tutela.   Contudo,   apercebemo-­‐nos   de   uma  
contradição  no  que  respeita  ao  erro  –  o  seu  requisito  de  essencialidade  é  incompatível  com  o  
segundo   requisito   da   divisibilidade   extintiva.   Esta   incongruência   terá   de   ser   resolvida  
mediante   um   apelo   ao   critério   da   vontade   hipotética   ou   conjectural   das   partes,   nos   casos   em  
que   se   demonstre   que   os   contraentes   teriam   celebrado   a   convenção   na   parte   não   atingida  
pelo  erro  se,  no  momento  da  conclusão,  tivessem  podido  saber  que  aquele  vício  iria  afectar,  
parcialmente,  a  validade  do  tratado.  
Nas  ratificações  imperfeitas,  vale  o  princípio  da  indivisibilidade.  
d. Possibilidade  de  sanação  (art.  45.º)  –  existe  a  possibilidade  de  sanação.  Um  Estado  perde  o  
seu  direito  de  invocar  o  vício  se,  depois  de  haver  tomado  conhecimento  dos  factos,  aceitou  
expressamente  considerar  que  o  tratado  era  válido  (sanação  expressa),  ou,  em  razão  da  sua  
conduta,  deva  formar-­‐se  idêntica  conclusão  (sanação  tácita).  
2. Nulidade  absoluta:    
a. Coacção  e  ilicitude  do  objecto.  
b. Direito   de   invocar   o   vício   –   qualquer   das   partes   contraentes   pode   invocar   a   causa   da  
nulidade.  
c. Divisibilidade  extintiva  –  vigora,  nas  nulidades  absolutas,  a  indivisibilidade  extintiva.    
d. Sanação  –  impossibilidade  de  sanação.  
3. Arts.  65.º,  66.º  e  67.º  -­‐  não  há  prazo  de  caducidade  para  as  partes  arguirem  a  nulidade,  absoluta  
ou  relativa,  de  uma  convenção  internacional.  
4. Consequências  das  nulidades:  
a. Uma  declaração  de  nulidade  produz  efeito  retroactivos,  ou  seja,  o  tratado  é  considerado  nulo  
desde  o  momento  da  sua  conclusão.  Duas  atenuações  a  este  efeito:  
i. Os  actos  aplicados  de  boa  fé;  
ii. A  superveniência  de  uma  norma  imperativa  de  Direito  Internacional.  
 
7.  A  interpretação  das  convenções  internacionais  
 
A   interpretação   consiste   em   precisar   o   sentido,   o   conteúdo   e   o   alcance   de   uma   norma   jurídica,   na   sua  
aplicação  a  um  caso  concreto.    
 
7.1.  Competência  para  a  interpretação  
• Interpretação  autêntica  –  levada  a  cabo  pelas  partes  na  convenção.  Pode  ser  unilateral,  quando  um  
Estado,   em   razão   da   sua   soberania,   indica   o   sentido   que   atribui   às   disposições   dos   tratados   que   a  
vinculem;   e   colectiva,   a   verdadeira   interpretação   autêntica   e   que   consiste   num   acordo   celebrado  
entre   as   partes   da   convenção,   adoptado   em   simultâneo   com   a   sua   conclusão   ou   num   momento  
posterior.  
• Interpretação  não  autêntica  –  é  fornecida  por  um  terceiro.  
 
7.2.  Métodos  de  interpretação  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

Elementos  fundamentais  de  interpretação  (arts.  31.º  a  33.º  CV):  


1. Elemento  literal  –  o  texto;  
2. Elemento  sistemático  –  circunstâncias  e  relações  sociais;  
3. Elemento  teleológico  –  fins  da  convenção;  
4. Elemento  histórico  –  trabalhos  de  preparação;  
5. Efeito  útil  –  de  entre  os  vários  sentidos  possíveis,  deverá  o  intérprete  optar  por  aquele  que  permita  
desencadear  todos  os  seus  efeitos.  
 
8.  Revisão  e  modificação  
(arts.  39.º  a  41.º  CV)  
 
• Revisão  –  diz  respeito  às  propostas  visando  a  alteração  das  relações  entre  todas  as  partes  no  tratado.  
a. Convenção   bilateral   ou   multilateral   restrita   –     o   acordo   deverá   ser   aprovado   por  
unanimidade.  
b. Restantes  convenções  multilaterais  –  de  acordo  com  as  cláusulas  de  revisão  ou,  na  sua  falta,  
por  maioria.  
c. Modificação  –  acordo  tendente  a  alterar  as  relações  entre  apenas  alguns  dos  Estados  partes.  
 
9.  Extinção  e  suspensão  da  vigência  das  convenções  internacionais  
 
9.1.  Noções  (arts.  54.º  e  ss.  CV)  
• Extinção  –  um  tratado  deixa,  em  definitivo,  de  produzir  efeitos  jurídicos.  
• Suspensão  –  a  vigência  do  tratado  é  apenas  temporariamente  interrompida.  
 
9.2.  Causas  
1. Vontade  das  partes:  
a. Duração  limitada  para  o  tratado  
b. Fixação  de  um  termo  
c. Conclusão  de  um  tratado  posterior  versando  a  mesma  matéria  
2. Comportamento  das  partes:  
a. Violação  culposa  das  disposições  
b. Eclosão  de  um  conflito  armado  
c. Surgimento  de  um  costume  derrogatório  
3. Causas  exteriores  à  vontade  das  partes  
a. Impossibilidade  superveniente  de  execução  (art.  61.º)  
b. Alteração   fundamental   de   circunstâncias   (art.   62.º)   –   ocorre   quando   a   alteração   das  
circunstâncias   que   envolvera   a   conclusão   de   um   acordo   originam,   para   uma   das   partes,  
sacrifícios   ou   prejuízos,   provocando   uma   desproporção   ou   desequilíbrio   nas   obrigações  
assumidas.   Para   que   uma   alteração   de   circunstâncias   possa   ser   invocada,   é   necessária   a  
verificação  de  duas  condições:  
i. Essencial   ou   fundamental,   ou   seja,   a   existência   dessas   circunstâncias   tem   de   ter  
constituído  uma  base  essencial  do  consentimento  das  partes.  
ii. Transformação  radical  da  natureza  das  obrigações  assumidas  no  tratado,  levando  a  
uma  desproporção  injusta.  
iii. Exceptuam-­‐se   da   possível   invocação   de   uma   alteração   fundamental   as   convenções  
de   limitação   de   fronteiras   e   as   alterações   de   circunstâncias   que   tenham   sido  
provocadas  pelas  partes.  
 
10.  Fiscalização  da  constitucionalidade  das  convenções  internacionais    
 
As   convenções   internacionais   estão,   entre   nós,   sujeitas   à   fiscalização   da   sua   constitucionalidade   (ver   art.  
278.º/1  CRP).  
 
 
III.  O  Costume  
 
1.  Noção  
 
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

1. Elemento   material,   objectivo   ou   “consuetudo”   –   adopção   reiterada   e   uniforme   de   certos   que   se  


denominam  precedentes.  
2. Elemento  psicológico  ou  subjectivo  –  convicção  da  obrigatoriedade  do  comportamento,  ou  seja,  que  a  
inobservância   dessa   conduta   acarretará   uma   qualquer   forma   de   sanção.   Na   falta   deste   elemento,   a  
prática  não  passará  de  mero  uso.  
 
2.  Diferenças  principais  em  relação  ao  processo  convencional  
 
• Não  promana  da  expressão  formal  de  uma  vontade.  
• O  processo  que  desemboca  na  formação  do  costume  é  descentralizado,  ou  não  institucionalizado.  
 
3.  Fundamento  do  costume  
 
1. Teoria   do   pacto   tácito   –   para   os   voluntaristas,   o   fundamento   da   obrigatoriedade   do   Direito  
Internacional  radica  apenas  na  vontade  dos  Estados.    
a. Consequência   lógica   –   as   normas   costumeiras   só   se   aplicariam   aos   Estados   que   tivessem  
participado  na  respectiva  formação,  ou  àqueles  que  subsequentemente  as  reconhecessem.  
b. Argumentos  contra:  
i. Sobrevalorização  do  elemento  psicológico;  
ii. Não  explica  a  vinculação  de  todos  os  Estados  às  normas  de  costume  universal;  
iii. Apenas  é  concebível  para  os  costumes  bilaterais  ou  regionais.  
2. Teoria   da   formação   espontânea   –   tese   objectivista   que   encara   o   surgimento   do   costume   como   um  
fenómeno  sociológico,  explicável  em  virtude  de  certas  necessidades.  Contudo,  a  formação  espontânea  
do  costume  não  significa  que  ele  não  se  revista  de  um  certo  formalismo.  
 
4.  Processo  costumeiro  
 
1. Elemento  material    
a. Comportamentos  susceptíveis  de  constituírem  precedentes:  
i. Actos  do  Estado  –  actos  praticados  pelos  órgãos  estaduais  e  que  contendem  com  as  
relações  internacionais.  
ii. Actos   das   instituições   internacionais   –   decisões   dos   tribunais   internacionais   e  
práticas  das  organizações  internacionais.  
iii. Actos   de   outros   sujeitos   de   direito   –   como   as   organizações   não   governamentais,  
movimentos  de  libertação  nacional  e  até  das  sociedades  transnacionais.  
b. Repetição   do   precedente   no   tempo   –   prática   constante,   ou   seja,   repetição   de  
comportamentos;  e  uniforme,  verificando-­‐se  concordância  ou  similitude  nos  actos.  
c. Repetição   do   precedente   no   espaço   –   exige-­‐se   uma   certa   dispersão,   não   uma   dispersão  
universal,  que  seria  irrealista.    
2. Elemento  psicológico  
a. Distinção   uso/costume   –   a   consciência   de   obrigatoriedade   jurídica   permite   apartar   os  
costumes  dos  simples  usos  e  normas  de  cortesia  internacional.  O  ETIJ  refere-­‐se  a  ela  como  
uma  prática  aceite  como  sendo  de  direito.  
b. Costumes   selvagens   –   costumes     que   assentam   num   processo   de   formação   oposto,   ou   seja,   o  
elemento   subjectivo   precede   o   elemento   objectivo.   A   doutrina   tem-­‐se   questionado   acerca   da  
validade  destes  costumes,  contudo,  a  prática  internacional,  reforçada  por  uma  pronúncia  do  
TIJ,  vai  no  sentido  de  se  considerarem  estes  costumes  válidos.  
 
5.  O  problema  da  oponibilidade  do  costume  e  o  estatuto  do  persistent  objector  
 
• Como   linha   de   princípio,   e   por   exigências   de   certeza   e   segurança   jurídicas,   não   é   lícito   aos   Estados  
porem  em  causa  a  validade  de  processos  costumeiros  anteriores.    
• Contudo,  admite-­‐se  que  os  Estados  se  possam  desvincular  a  um  costume,  ainda  durante  o  processo  
de   formação   deste,   de   modo   firme,   persistente   e   inequívoco.   Num   tal   caso,   diz-­‐se   que   o   Estado  
adquiriu  o  estatuto  de  “persistent  objector”.  
• Não   se   aplica   a   uma   norma   costumeira   que   apresente   a   natureza   de   direito   imperativo   ou   “ius  
cogens”.  
 
6.  Renovação  do  costume  e  sua  importância  actual    
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

 
Renovação  do  costume:  
• Maior  celeridade  do  processo  de  formação,  nomeadamente  através  dos  costumes  selvagens.  
• Interpretação  de  normas  consuetudinárias  pelo  TIJ.  
• Aparecimento  de  novos  costumes  em  domínios  também  eles  recentes  das  relações  internacionais.  
 
Importância  do  costume:  
• Papel  de  destaque  na  formação  de  normas  imperativas.  
• Preenchimento  das  lacunas  do  Direito  Internacional.  
 
 
IV.  Princípios  gerais  de  direito  reconhecidos  pelas  nações  civilizadas  
 
1.  Carácter  directo  e  autónomo  
• Os   princípios   gerais   de   direito   são   dotados   de   um   carácter   directo   e   autónomo,   que   foi,   todavia,  
contrariado  pelos  partidários  do  voluntarismo.  
• Os   partidários   do   voluntarismo   defendiam   que,   embora   não   se   pudesse   contestar   o   valor   jurídico  
destes   princípios,   a   sua   aplicação   pressuporia   uma   autorização   prévia   e   expressa,   tese   que   é  
revogada  pela  observação  da  prática  internacional.  
 
2.  Natureza  jurídica  e  função    
 
2.1.  Controvérsia  doutrinal  
São  três  as  correntes  doutrinais  que  visam  responder  ao  problema  da  natureza  dos  princípios  gerais:  
1. Os  princípios  seriam  de  Direito  Internacional  Público;  
2. Os  princípios  seriam  de  direito  interno;  
3. Os  princípios  tanto  poderiam  pertencer  a  um  como  ao  outro.  
A   primeira   e   a   terceira   doutrina   repousam   numa   confusão   entre   os   princípios   gerais   e   os   princípios  
fundamentais   de   Direito   Internacional,   que   são   regras   gerais   que   se   deduzem   do   espírito   dos   costumes   e  
convenções  em  vigor.  
Argumentos  a  favor  da  2ª  tese:  
1. Análise  dos  trabalhos  preparatórios  do  ETIJ,  que  nos  revelam  que,  ao  usarem  a  expressão  “princípios  
gerais  de  direito”,  querem  reportar-­‐se    a  princípios  de  direito  interno.  
2. Só  esta  tese  permite  conferir  especificidade  a  esta  fonte.  
3. Destinando-­‐se   estes   princípios   a   preencher   as   lacunas   do   direito   convencional,   não   faria   sentido   que  
tivessem  a  mesma  natureza.  
 
2.2.  Uma  fonte  primária  e  supletiva  
• Fonte   primária   –   não   há   relações   de   hierarquia   entre   as   fontes   de   direito,   e   considerar   esta   fonte  
como   uma   fonte   subsidiária   ou   secundária   iria   de   encontro   à   posição   rejeitada   dos   voluntaristas   que  
defendiam  a  utilização  destes  princípios  mediante  uma  autorização  expressa.  
• Fonte  supletiva  –  contudo,  estes  princípios  apresentam  a  natureza  de  uma  fonte  supletiva,  como  se  
pode   deduzir   pela   ordem   sucessiva   de   tomada   em   consideração,   do   art.   38.º   do   ETIJ.   Assim,   em  
primeiro  lugar,  o  juiz  internacional  deve  recorrer-­‐se  das  convenções  internacionais  e  do  costume,  e  
só   depois,   comprovada   uma   lacuna,   aos   princípios,   devido   ao   seu   conteúdo  menos   aleatório   e   mais  
densificado.  
 
3.  Modo  de  operar    
 
Condições  necessárias  para  a  aplicação  destes  princípios:  
1. Generalidade  
2. Susceptibilidade  de  serem  transpostos  para  o  ordenamento  jurídico  
 
3.1.  O  requisito  da  generalidade  
• Só   se   podem   aplicar   internacionalmente   aqueles   princípios   que   beneficiem   de   suficiente  
generalidade,   ou   seja,   que   sejam   comuns   à   maior   parte   dos   sistemas   jurídicos   internacionais.   A  
unanimidade  não  é  exigida.  
 
3.1.  A  condição  de  serem  transponíveis  para  o  ordenamento  jurídico  internacional  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

• Não   basta   estar   preenchido   o   requisito   da   generalidade   para   que   se   possa   fazer   a   aplicação   dos  
princípios.  
• Assim,  estes  devem  ser  transponíveis  ou  transportáveis  para  o  ordenamento  jurídico  internacional.  
 
4.  Exemplos  
 
• Princípio  do  enriquecimento  sem  causa;  
• Princípio  da  boa  fé;  
• Princípio  do  abuso  do  direito;  
• Princípio  segundo  o  qual  a  lei  especial  prevalece  sobre  a  lei  geral;  
• Etc.  
 
5.  Importância  e  autonomia  
 
• Há  autores  que  consideram  esta  fonte  uma  fonte  “transitória  e  recessiva”.    
• De   facto,   a   repetida   aplicação   de   alguns   desses   princípios   no   plano   das   relações   internacionais  
converte-­‐os   em   verdadeiras   normas   costumeiras   de   idêntico   conteúdo,   o   que   faz   com   que   perca  
nitidez  a  distinção  entre  princípios  de  direito  interno  e  Direito  Internacional.    
• Deste   modo,   os   princípios   perdem   a   sua   autonomia   inicial,   acabando   por   ser   assimilados,   por   via  
consuetudinária,  pelo  próprio  Direito  Internacional.  
 
 
V.  Os  actos  jurídicos  unilaterais  
 
1.  Noção  
 
• Apesar   de   não   mencionados   no   art.   38.º   do   ETIJ,   não   se   pode   negar   que   também   que   os   actos  
jurídicos   unilaterais,   para   além   de   contribuírem   para   a   formação   de   normas   costumeiras,   integram   o  
elenco  das  fontes  formais  de  Direito  Internacional.  
• Definição  –  trata-­‐se  de  um  acto  imputável  a  um  só  sujeito  de  DI,  destinado  a  produzir  determinados  
efeitos  jurídicos.  
• O  aumento  do  número  de  sujeitos  de  DI  provocou  um  aumento  de  actos  jurídicos  unilaterais.  
 
2.  Os  actos  jurídicos  unilaterais  do  Estado  
 
1. Requisitos  da  imputabilidade,  oponibilidade  e  publicidade:  
a. Imputabilidade   –   o   acto   unilateral   tem   de   imanar   de   uma   entidade   idónea   a   vincular  
internacionalmente  o  Estado,  dentro  do  limite  da  sua  competência.  
b. Oponibilidade  a  terceiros  –  existência  de  compatibilidade  entre  o  acto  jurídico  e  o  DI.  
c. Publicidade  –  a  vontade  do  Estado  tem  de  ser  exteriorizada  de  forma  suficientemente  clara  e  
manifesta.  
d. Dispensa  de  aceitação  pelos  destinatários.  
 
2. Características  dos  actos  unilaterais  enquanto  fonte  formal  de  Direito  Internacional:  
a. Unilateralidade  –  faz  parte  da  própria  definição.  
b. Juridicidade  –  tem  de  produzir  certos  efeitos  de  direito.  
c. Autonomia  –  não  pode  estar  ligado  a  qualquer  outra  fonte  de  Direito  Internacional.  
 
3. Tipologia  dos  actos  jurídicos  unilaterais  do  Estado:  
a. Reconhecimento   –   um   Estado   comprova   a   existência   de   determinados   factos,   situações   ou  
actos  jurídicos,  aceitando  que  lhe  sejam  oponíveis.  
b. Protesto  –  acto  de  sentido  oposto  ao  reconhecimento,  o  Estado  exprime  discordância  face  a  
determinada  situação  ou  acto  jurídico.  
c. Notificação  –  consiste  em  levar  ao  conhecimento  de  um  terceiro  um  facto,  uma  situação  ou  
um  documento.  
d. Promessa   –   o   Estado   compromete-­‐se   a   adquirir,   ou   a   abster-­‐se   de   adquirir,   no   futuro,   um  
determinado  comportamento.  
e. Renúncia  –  um  Estado  extingue  um  direito  de  que,  anteriormente,  era  titular.  
 
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

3.  Os  actos  jurídicos  unilaterais  das  organizações  internacionais  


 
• Têm   subjacente   uma   certa   lógica   colegial   e   exigem,   para   se   tornarem   perfeitos,   um   procedimento  
escrito.    
• Pode-­‐se   recorrer   ao   termo   genérico   “resolução”   para   os   designarmos,   sendo   que   se   pode   utilizar   o  
termo  específico  sentença,  acórdão  ou  julgamento  quando  são  de  natureza  jurisdicional.  
• Tipos  de  resoluções:  
a. Decisões   –   impõem   um   certo   comportamento   aos   seus   destinatários,   sendo,   portanto,  
dotados  de  obrigatoriedade.  
b. Recomendações   –   são   actos   de   valor   permissivo,   desprovidos   de   efeito   obrigatório,   que  
propõem  a  adopção  de  um  determinado  comportamento.  
c. Pareceres  –  emissão  de  uma  opinião  a  propósito  de  um  assunto  que  lhe  haja  sido  suscitado.    
 
VI.  A  jurisprudência  e  a  doutrina  
 
• Jurisprudência  –  constituída  pelas  decisões  judiciais,  sejam  elas  internacionais  ou  nacionais.  No  que  
toca  ao  TIJ,  os  juízes  podem  facultar  a  sua  opinião  através  da  opinião  individual  ou  dissidente:  
a. Opinião   individual   –   o   juiz   concorda   com   o   sentido   da   decisão   mais   discorda   da   sua  
fundamentação.  
b. Opinião  dissidente  –  o  juiz  discorda  do  próprio  sentido  da  decisão.  
• Doutrina   –   ensinamentos   dos   mais   qualificados   publicistas   das   várias   nações,   ou   seja,   conjunto   das  
tomadas  de  posição,  individuais  ou  colectivas,  de  autores  sobre  problemas  jurídicos  internacionais,  
sem  força  vinculativa.  
• Nem   a   jurisprudência   nem   a   doutrina   são   verdadeiras   fontes,   pois   servem   apenas   para   provar   a  
existência  das  outras  fontes.  São,  por  isso,  fontes  auxiliares  de  determinação  de  regras  de  direito.    
 
VII.  Equidade  
 
• No  parágrafo  2.º  do  art.  38.º  do  ETIJ,  prevê-­‐se  a  possibilidade  do  Tribunal  agir  ex  aequo  et  bono,  ou  
seja,  segundo  critérios  de  equidade.  
• Esta   não   é   uma   fonte   autónoma   de   direito,   mas   sim   um   conjunto   de   critérios   de   bom   senso   e  
razoabilidade,  idóneos  a  solucionar  casos  concretos.  
• Três  objectivos:  
a. Atenuar  a  aplicação  do  direito;  
b. Completar  o  direito  aplicável;  
c. Afastar  o  direito,  desde  que  as  partes  expressamente  o  prevejam.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

CAPÍTULO  IV  
OS  SUJEITOS  DE  DIREITO  INTERNACIONAL  
 
I.  Introdução  
 
• São  sujeitos  de  Direito  Internacional  aquelas  entidades  que  sejam  destinatárias  directas  de  normas  
internacionais  e,  por  isso,  titulares  de  uma  situação  jurídica  subjectiva  que  deriva  dessas  normas.    
• Até   meados   do   século   XX,   estimava-­‐se   que   a   personalidade   jurídica   internacional   se   limitava   aos  
Estados.   Contudo,   da   segunda   metade   do   século   XX   em   diante,   a   fisionomia   da   sociedade  
internacional  haveria  de  transformar-­‐se  radicalmente,  com  o  surgimento  de  novos  sujeitos.  
• Contudo,   podemos   reconhecer   maior   importância   aos   Estados,   o   único   sujeito   que   beneficia   da  
característica  da  soberania.    
 
Classificações:  
• Sujeitos   primários   –   o   Estado,   em   virtude   da   sua   característica   de   soberania   e,   por   isso,   da   sua  
capacidade  jurídica  plena.  
• Sujeitos  secundários  –  sujeitos  com  capacidade  jurídica  mais  limitada.  
 
• Sujeitos   originários  –   sujeitos   cuja   existência   resulta   de   um   processo   de   facto,   visto   não   depender   de  
qualquer  decisão  dos  sujeitos  até  aí  existentes.  São  os  povos  autónomos,  os  insurrectos  e  os  Estados.  
• Sujeitos   derivados   –   sujeitos   que   só   se   adquirem   esse   estatuto   em   resultado   de   uma   decisão   dos  
sujeitos  primários.  São  as  organizações  internacionais  e  o  indivíduo.  
 
 
II.  O  Estado  
 
1.  Noção  
 
Um   Estado   é   uma   entidade   que   historicamente   reúne   três   elementos   constitutivos:   população,   território   e  
governo.  Contudo,  existem  outras  colectividades  territoriais  que  podem  reclamar  estas  características,  e,  por  
isso,  o  Estado  exibe  ainda  outra  característica  fundamental,  a  da  soberania.  
 
2.  Elementos  constitutivos  
 
2.1.  A  população  
• Sentido  amplo  –  todos  aqueles  que  vivem  e  trabalham  no  território  de  certo  Estado,  ou  seja,  os  seus  
habitantes.  Esta  definição  é  considerada  demasiado  larga,  por  abranger  os  estrangeiros  residentes,  e  
demasiado  estreita,  por  negligenciar  os  nacionais  residentes  no  estrangeiro.  
• Outro   sentido   –   conjunto   de   indivíduos   ligados   de   forma   estável   e   efectiva   a   um   Estado   através   do  
vínculo  jurídico  da  nacionalidade.  Assim,  a  nacionalidade  não  pode  resultar  de  uma  ligação  episódica.  
• Nação   e   povo   –   traduzem   uma   realidade   sociológica   e   política,   assente   numa   determinada  
homogeneidade  da  população.  
• Princípio   das   nacionalidades   –   no   séc.   XIX,   com   o   aparecimento   deste   princípio,   estipulou-­‐se   que   a  
cada   Estado   deveria   corresponder   uma   e   uma   só   nação.   Este   princípio   deixa   de   ter   uma   refracção  
moderna  com  o  direito  dos  povos  à  autodeterminação.  
 
2.2.  O  território  
• O   Estado   é   uma   corporação   sedentária   de   base   territorial,   ou   seja,   a   sua   população   acha-­‐se  
estabelecida  no  interior  de  fronteiras.  
• Princípio   da   integridade   territorial   –   as   modernas   condições   de   exercício   do   poder   político   e  
administrativo   implicam   a   existência   de   um   território,   pelo   que   se   adivinha   a   importância   deste  
princípio.  Tal  não  é  posto  em  causa  se  ocorrerem  mutações  territoriais,  designadamente  através  de  
tratados  de  rectificação  de  fronteiras.  
• Território  natural  –  no  caso  de  seguir  os  acidentes  naturais.  
• Território  artificial  –  no  caso  de  acompanhar,  por  exemplo,  um  meridiano  ou  um  paralelo.  
 
Elementos  constitutivos  do  território:  
1. Domínio  terrestre  –  abrange  o  solo  e  o  subsolo  que  se  situam  dentro  das  fronteiras  do  Estado.  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

2. Domínio   fluvial   –   é   constituído   pelos   cursos   de   água   que   atravessam   um   Estado   ou   o   separam   de  
outros.  Assim,  os  rios  podem  ser:  
a. Nacionais  –  caso  nasçam  e  desaguem  no  território  nacional.  
b. Internacionais   –   quando   atravessam   ou   separam   vários   Estados.   Suscitam   problemas   a   nível  
internacional,  nomeadamente  de  carácter  ambiental.  
3. Domínio  marítimo:  
a. Zonas  de  poderes  de  soberania  (poderes  inerentes  ao  Estado,  essencialmente  ilimitados,  dos  
quais  este  exerce  o  título  exclusivo):  
i. Águas  interiores  (arts.  5.º,  7.º  e  8.º  CMB)  –  situam-­‐se  aquém  da  linha  de  base,  obtida  
através  da  linha  de  maré  baixa;  ou  seja,  trata-­‐se  de  águas  que  se  situam  entre  aquela  
linha  e  o  território  terrestre,  devendo  excluir-­‐se  as  superfícies  de  água  doce.  
ii. Mar   territorial   -­‐     faixa   marítima   adjacente   à   costa   do   Estado,   que   se   estende   desde   a  
linha   normal   de   maré   baixa   até   uma   distância   que   a   CMB   fixou   em   12   milhas  
marítimas.   A   soberania   é   quase   total,   apenas   ligeiramente   comprometida   pelo  
direito  de  passagem  inofensiva  de  navios  estrangeiros.  
b. Zonas   de   poderes   de   mera   jurisdição   (poderes   expressamente   atribuídos   pelo   Direito  
Internacional,  logo,  muito  mais  limitados),  que  não  integram  o  território  estadual:  
i. Zona   contígua   (art.   33.º/2   CMB)   –   zona   marítima   adjacente   ao   mar   territorial,   numa  
extensão  de  12  milhas  marítimas  (indo,  assim,  até  às  24  milhas  marítimas  a  contar  
da  linha  de  base).  O  Estado  exerce  poderes  de  fiscalização  aduaneira,  fiscal,  sanitária  
e  de  emigração.    
ii. Plataforma   continental   (art.   76.º   CMB)   –   é   o   prolongamento   subaquático   da  
plataforma   terrestre   e   abrange   a   zona   que   se   estende   desde   o   mar   territorial   até  
uma   distância   de   200   milhas,   apesar   deste   regime   ser   flexível.   É   uma   zona   rica  
sobretudo  em  recursos  minerais,  e  por  isso  o  Estado  exerce  poderes  de  exploração  e  
extracção  dos  mesmos.  
iii. Zona  económica  exclusiva  –  a  ZEE  é  uma  vasta  faixa  marítima,  200  milhas  marítimas  
a  contar  da  linha  de  base,  em  que  os  Estados  ribeirinhos  exercem  também  poderes  
de   jurisdição.   À   ZEE   está   subjacente   o   princípio   da   desigualdade   compensatória,  
visto   que   deve   ser   partilhada   com   os   Estados   sem   litoral   e   os   Estados   em   vias   de  
desenvolvimento  (arts.  56.º  e  ss.  CMB).  
c. Subtraídos  tanto  à  soberania  como  à  jurisdição,  encontram-­‐se  dois  espaços  internacionais:  
i. Alto-­‐mar  –  está  aberto  a  todos  Estados,  sem  que  de  qualquer  porção  dele  nenhum  se  
possa  apropriar,  e  constitui  um  regime  de  internacionalização  negativa.  
ii. Zona  ou  área  –  refere-­‐se  aos  fundos  marinhos  e  seu  subsolo  para  além  dos  limites  da  
jurisdição   nacional,   sendo   que   a   CMB   prescreve   que   a   zona   e   os   seus   recursos   são  
património   comum   da   humanidade   (arts.   137.º   e   ss.).   Reflecte   um   regime   de  
internacionalização  positiva  e  os  propósitos  de  igualdade  material  que  presidem  ao  
novo  direito  do  mar.  
4. Domínio  lacustre  –  respeita  aos  lagos,  que  são  superfícies  de  água  doce  totalmente  circundadas  por  
terra.  São-­‐lhes  aplicadas  as  mesmas  normas  que  as  dos  mares  internos,  excepto  de  o  lago  em  questão  
comunicar  com  o  mar  através  de  um  curso  de  água  que  atravesse  vários  Estados.  
5. Domínio  aéreo  –  espaço  aéreo  suprajacente  aos  domínios  terrestre,  fluvial,  marítimo  e  lacustre,  sobre  
os   quais   o   Estado   exerce   poderes   de   soberania.   No   espaço   extra-­‐atmosférico   vigora,   à   semelhança   do  
alto-­‐mar,  um  regime  de  internacionalização  negativa,  cuja  separação  assenta  num  critério  funcional.  
Serão  submetidas  ao  direito  aéreo  aquelas  actividades  que  se  apoiarem  no  ar  atmosférico  e  ao  direito  
do   espaço   atmosférico   as   que   não   utilizarem   o   oxigénio   do   ar   como   combustível   nem   as   correntes  
aéreas.    
 
2.3.  O  governo  
Em   Direito   Internacional,   refere-­‐se   ao   governo   não   em   sentido   estrito,   para   designar   as   suas   autoridades  
executivas,  mas  sim  os  seus  diferentes  poderes  públicos,  abrangendo  a  ordem  política,  legislativa,  judicial  e  
administrativa  do  Estado.  
 
2.4.  A  soberania  e  respectivos  corolários  
 
• Nos  primeiros  tempos,  considerava-­‐se  que  a  soberania  dos  Estados  constituía  um  poder  ilimitado  e  
supremo.  Assim,  apesar  de  os  Estados  estarem  vinculados  a  normas  internacionais,  estas  resultariam  
sempre  de  uma  auto-­‐limitação.  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

• Esta  concepção  absoluta  foi  fortemente  rejeitada,  e,  hoje,  considera-­‐se  que  a  soberania  do  Estado  é  
limitada  por  idêntico  atributo  de  todos  os  outros  que  lhe  são  juridicamente  iguais.  A  jurisprudência  
internacional  tem  vindo  a  identificar  soberania  com  independência.  
• O  princípio  da  igualdade  soberana  foi  acolhido  no  art.  2./1  da  CNU.  
• Corolários  positivos  –  liberdade  de  actuação  dos  Estados:  
a. Ausência  de  subordinação  jurídica  e  orgânica  do  Estado  face  a  outros  sujeitos  de  DI;  
b. Direito  dos  Estados  exercerem  jurisdição  sobre  os  respectivos  territórios  e  população.  
c. Autonomia  constitucional  e  política  do  Estado.  
• Corolários  negativos  –  limitação  da  liberdade  de  actuação:  
a. Exigência  de  respeito  pelo  DI;  
b. Dever  de  não  ingerência  nos  assuntos  internos  de  outros  Estados  e  o  princípio  da  proibição  
do  recurso  à  força  nas  relações  internacionais;  
c. Obrigação  de  solução  pacífica  dos  conflitos  internacionais.  
 
3.  Competências  do  Estado  
 
As  competências  são  exercidas  de  forma  plena  e  com  exclusividade.  
 
3.1.  Competências  internas:  
1. Territoriais   –   exercício   de   actos   de   autoridade   que   se   revelem   necessários   ao   desenvolvimento   de  
todos  o  tipo  de  actividades  no  seu  território.    
2. Pessoais   –   atribuição   de   nacionalidade   a   pessoas   singulares   ou   colectivas,   navios,   satélites,   etc.  
Também  se  pode  estender  aos  estrangeiros,  sendo  que,  no  direito  dos  estrangeiros,  comum  às  ordens  
jurídicas  internas,  vigora  o  princípio  de  equiparação  entre  nacionais  e  não  nacionais.  Este  princípio  
estipula   que   o   Estado   deve   tem   de   tratar   os   estrangeiros   segundo   o   princípio   de   “standard  
minimum”,  não  sendo  aceitáveis  discriminações  negativas  nem  a  denegação  do  acesso  à  justiça.  
 
3.2.  Competências  internacionais:  
1. Ius  tratus  –  direito  de  celebrar  tratados.  
2. Ius   legaciones   –   direito   de   enviar   (direito   de   legação   activa)   e   receber   (direito   de   legação   passiva)  
representantes  diplomáticos.  
3. Ius   ad   bellum   –   direito   de   fazer   a   guerra.   Contudo,   actualmente,   e   fruto   da   proibição   do   recurso   à  
força,  apenas  se  admite  a  excepção  do  direito  de  legítima  defesa.  É  agora  um  ius  in  bello,  não  direito  à  
guerra,  mas  sim  direito  da  guerra.    
 
4.  Responsabilidade  internacional  do  Estado  
 
• Normas  primárias  –  impõem  determinadas  obrigações  de  conduta  para  os  destinatários.  
• Normas   secundárias   –   fixam   as   consequências   jurídicas   da   violação   das   normas   primárias.   É   neste  
terreno  que  nos  iremos  colocar.  
 
Responsabilidade  por  factos  ilícitos  
 
4.1.  Pressupostos  
1. Prática  de  um  facto  internacionalmente  ilícito  –  o  Estado  tem  de  violar,  por  acção  ou  omissão,  uma  
obrigação  internacional  a  cuja  observância  esteja  vinculado.  
2. Nexo  de  imputação  do  facto  ilícito  ao  Estado  -­‐    o  comportamento  deverá  ser  atribuído  ao  Estado  por  
haver  sido  adoptado  por  pessoa  ou  órgãos  que  o  representam.    
3. Ocorrência  de  danos  –  a  conduta  do  Estado  tem  de  resultar  em  danos  materiais  ou  morais  na  esfera  
jurídica  de  terceiros.  
4. Nexo  de  causalidade  –  os  danos  causados  devem  ser  consequência  do  facto  cometido.  
 
Incorrer  em  responsabilidade  internacional  significa  que  se  cria  uma  relação  jurídica  nova,  bilateral,  entre  o  
Estado   autor   e   o   Estado   vítima.   Ao   direito   subjectivo   deste   de   exigir   a   reparação   dos   danos   corresponde   o  
dever  daquele  de  proceder  à  respectiva  reparação.  
 
4.2.  Graus  de  ilicitude  
• Com   o   surgimento   da   teoria   do   “ius   cogens”   e   das   obrigações   “erga   omnes”,   foi   ganhando   forma   a  
ideia  de  uma  ordem  pública  internacional.  A  consagração  de  normas  com  valor  superior  resultou  na  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

distinção  entre  crimes  e  delitos  internacionais,  sendo  que  aqueles  resultariam  da  violação  grave  de  
obrigações   “erga   omnes”,   e   estas   decorreriam   da   infracção   de   normas   menos   importantes.   No  
primeiro   caso,   todos   estariam   habilitados   a   reagir,   enquanto   que,   no   segundo,   só   o   Estado   vítima  
ficaria  investido  da  titularidade  do  direito  da  reparação  dos  danos.  
• Esta   distinção   entre   crimes   e   delitos   foi   abandonada   –   porém,   subsiste   uma   destrinça   entre   factos  
ilícitos  mais  ou  menos  graves.  
 
4.3.  Modalidades  de  reparação  
1. Restitutio   in   integrum   –   permite   a   total   obliteração   dos   efeitos   emergentes   do   facto   ilícito,   devendo  
ser   usada   sempre   que   possível.   Contudo,   nem   sempre   se   revela   exequível   esta   forma   de   reparação  
dos  danos:  
a. Quando  ocorre  a  produção  de  efeitos  irreversíveis;  
b. Quando  ocorreu  um  prejuízo  definitivo  para  o  Estado  vítima  
c. Deve   ainda   afastar-­‐se   nos   factos   ilícitos   mais   graves,   quando   envolva   para   o   Estado   autor   do  
facto   ilícito   um   prejuízo   desproporcionado   comparativamente   às   vantagens   que   o   Estado  
lesado  obtenha.  
2. Reparação   por   equivalente   ou   indemnização   –   é   a   mais   frequente   modalidade   de   reparação   de   danos  
e  consiste  no  pagamento  de  uma  quantia  pecuniária  ao  Estado  vítima.  O  montante  da  indemnização  
deve   cobrir   não   apenas   os   danos   emergentes   mas   também   os   lucros   cessantes,   logo,   o   cálculo   do  
montante   deve   reportar-­‐se   ao   momento   actual.   Consideram-­‐se   como   passíveis   de   indemnização   os  
danos  economicamente  valoráveis:  
a. Danos  directos  –  causados  directamente  ao  Estado  (aos  seus  navios,  edifícios,  etc.)  
b. Danos  indirectos  –  causados  aos  seus  nacionais,  podem  ser  patrimoniais  ou  morais:  
i. Órgão  
ii. Funcionário  
iii. Agente  
iv. Cidadão  
3. Satisfação  –  modalidade  que  se  aplica  aos  danos  de  carácter  moral,  que  se  pode  consubstanciar  num  
pedido   oficial   de   desculpas,   numa   cominação   de   sanções   internas,   ou   numa   simples   declaração   de  
ilicitude  proferida  por  um  tribunal  internacional.  Pode  ser  simultânea  com  qualquer  das  modalidades  
acima.  
 
4.4.  Causas  de  exclusão  de  ilicitude    
1. Consentimento   –   exclui-­‐se   a   ilicitude   quando   o   Estado   vítima   dê   o   seu   consentimento,   desde   que  
obedeça  a  certos  requisitos:  
a. Validade  à  luz  das  normas  de  Direito  Internacional,  ou  seja,  prestação  do  consentimento  sem  
vícios;  
b. Claro  e  inequívoco;  
c. Expresso,  não  podendo  jamais  ser  presumido;  
d. Atribuível  ou  imputável  ao  Estado;  
e. Invocado  dentro  dos  limites  substantivos  e  temporais  que  o  Estado  o  haja  configurado.  
2. Legítima  defesa  (art.  51.º  CNU)  –  direito  inerente  de  legítima  defesa  individual  ou  colectiva,  no  caso  
de   ocorrer   um   ataque   contra   um   membro   das   Nações   Unidas.   O   Estado   que   actue   em   legítima   defesa  
fá-­‐lo  perante  um  perigo  grave  que  ameaça  a  sua  existência.  
3. Contramedidas  –  não  podem  envolver  o  uso  da  força  e  classificam-­‐se  em:  
a. Retorsões  –  actos  inamistosos  mas  lícitos.  
b. Represálias   –   actos   inamistosos   e   ilícitos,   mas   cuja   ilicitude   se   encontra   desculpada   em  
virtude  de  constituir  uma  resposta  a  um  facto  ilícito  anterior.  A  sua  adopção  está  sujeita  a:  
i. Um  prévio  pedido  formal  de  reparação  dos  danos;  
ii. Uma  tentativa  de  solução  pacífica  dos  conflitos;  
iii. Um  princípio  de  proporcionalidade.  
4. Força   maior   ou   caso   fortuito   –   apesar   de   constituírem   modalidades   diferentes,   optou-­‐se   por   uma  
consideração  unitária,  valendo  como  característica  essencial  a  existência  de  uma  situação  na  qual  o  
Estado   se   vê   compelido   a   desrespeitar   uma   obrigação   internacional   por   acção   de   uma   força  
irresistível   ou   de   uma   acontecimento   exterior   imprevisto,   que   o   coloca   perante   a   impossibilidade  
material   de   actuar   de   outra   forma.   Este   carácter   não   voluntário   ou   não   intencional   da   conduta  
permite   apartar   esta   causa   do   perigo   extremo   e   do   estado   de   necessidade.   Devem   estar   reunidas  
duas  condições:  
a. Força  irresistível  e  acontecimento  imprevisto;  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

b. Que  o  Estado  não  tenha  contribuído  para  a  impossibilidade  de  observar  a  obrigação.  
5. Perigo  extremo  –  situação  em  que  um  órgão  do  Estado  adopta  um  comportamento  contrário  a  uma  
obrigação   por   não   ter   tido   outro   meio   de   se   salvar   ou   de   salvar   pessoas   sob   a   sua   custódia.   Existe,   ao  
menos   teoricamente,   uma   opção,   que   não   o   chega   a   ser   verdadeiramente   na   prática.   A   ilicitude   só  
pode   excluir-­‐se   se   se   verificar   proporção   entre   o   interesse   protegido   e   o   interesse   sacrificado,   e   se  
este  último  se  considerar  inferior  ao  primeiro.  
6. Estado   de   necessidade   –   situações   em   que   um   Estado   vê   um   seu   interesse   essencial   ameaçado   por  
um   perigo   grave   e   iminente,   não   lhe   restando   outra   alternativa   senão   a   de   adoptar,   em   face   de   outro  
Estado,   um   comportamento   que   infringe   uma   obrigação   internacional.   No   estado   de   necessidade,  
pelo  menos  do  ponto  de  vista   teórico  e  à  semelhança  do  perigo  extremo,  o  Estado  tem  a  faculdade  de  
optar.  A  diferença  do  Estado  de  necessidade  e  do  perigo  extremo  é  que,  enquanto  no  segundo  está  em  
causa   a   vida   de   pessoas,   no   primeiro   verifica-­‐se   uma   ameaça   à   própria   existência   do   Estado.  
Condições  necessárias:  
a. O  interesse  do  Estado  ameaçado  deve  ser  essencial;  
b. A  violação  da  norma  de  DI  deve  ser  o  único  meio  de  afastar  o  perigo;  
c. Não  pode  estar  em  causa  um  interesse  também  essencial  do  Estado  vítima;  
d. O  Estado  não  pode  ter  contribuído  para  a  sua  verificação;  
e. Não  pode  violar  uma  norma  de  “ius  cogens”;  
f. Um  Estado  não  pode  recorrer  ao  estado  de  necessidade  se  tiver  concluído  previamente  um  
tratado  que  haja  afastado  esta  possibilidade.  
 
Responsabilidade  internacional  objectiva  
 
A   responsabilidade   objectiva   é   a   responsabilidade   pelo   risco,   derivada   de   actividades   lícitas,   não   proibidas  
pelo  Direito  Internacional.  Partindo  da  teoria  do  risco,  quem  utiliza  em  seu  proveito  coisas  intrinsecamente  
perigosas,  deve  suportar  as  eventuais  consequências.  
 
Situações  conducentes  a  este  tipo  de  responsabilidade:  
• Utilização  pacífica  da  energia  nuclear;  
• Poluição  dos  mares  e  cursos  de  água;  
• Danos  causados  por  engenhos  espaciais;  
• Actos  de  funcionários  que  extravasem  a  sua  competência;  
• Risco   anormal   de   vizinhança   –   responsabilidade   do   Estado   por   actos   de   poluição,   com   origem   no   seu  
território  e  causadores  de  danos  no  território  de  outros.  
Nas   duas   primeiras   situações,   a   responsabilidade   é   objectivamente   imputada   ao   indivíduo.   Nos   danos  
causados  por  objectos  espaciais,  a  responsabilidade  é  imputada  ao  próprio  Estado.  
 
 
III.  As  organizações  internacionais  
 
1.  Evolução  histórica  
 
• As  primeiras  organizações  internacionais  surgiram  em  finais  do  séc.  XIX  e  inícios  do  séc.  CC.  
• Após  a  Primeira  Guerra  Mundial,  criou-­‐se,  em  1919,  a  Sociedade  das  Nações,  a  primeira  organização  
internacional  de  vocação  universal.  
• Depois   de   1945,   ganhou   corpo   um   amplo   movimento   internacional   para   dotar   as   instituições  
internacionais  de  autonomia.  
 
2.  Noção  
 
São   associações   voluntárias   de   Estados,   criadas   por   um   tratado,   dotadas   de   uma   estrutura   permanente   e  
possuidoras  de  uma  personalidade  jurídica  internacional  distinta  da  dos  Estados  membros.  
Desta  definição  ressalvam  três  elementos  essenciais:  
• A  vontade  dos  Estados   enquanto  fundamento  convencional  das  organizações,  sujeitos  derivados  de  
DI.  
• Carácter  de  permanência  dos  órgãos  da  organização.  
• Personalidade  jurídica  internacional  distinta  da  dos  Estados  membros.  
 
3.  Classificação  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

 
1. Quanto  ao  âmbito  territorial  de  acção:  
a. Organizações  universais  –  estão  abertas  a  todos  os  Estados  da  comunidade  internacional.  
b. Organizações   regionais   –   estão   abertas   a   um   reduzido   número   de   Estados,   que   nelas   se  
agrupam  por  critérios  geográficos,  geo-­‐políticos,  económicos,  militares,  etc.  
2. Quanto  à  estrutura  jurídica:  
a. Organizações  de  cooperação  ou  intergovernamentais  –  gerem  relações  horizontais,  de  mera  
coordenação.  Consequências:  
i. Presença  dos  representantes  dos  Estados  nos  órgãos  deliberativos;  
ii. Tomada  de  certas  decisões  por  maioria  qualificada;  
iii. Ausência  de  aplicabilidade  directa  das  resoluções  emanadas.  
b. Organizações  de  integração  ou  supranacionais   –  envolvem,  para  os  Estados  membros,  uma  
limitação  da  sua  soberania,  ou  seja,  uma  abdicação  de  determinados  poderes.  Consequências  
nos  planos  anteriormente  considerados:  
i. Estrutura  assemelha-­‐se  à  repartição  clássica  de  poderes,  com  um  poder  legislativo,  
executivo  e  judicial;  
ii. Exercício   das   funções   pelos   titulares   dos   órgãos   deliberativos   dando   mostras   de  
uma  certa  independência  –  expressão  de  uma  vontade  internacional;  
iii. Capacidade   de   aprovar   actos   com   força   obrigatória   para   os   Estados   e,   em  
simultâneo,  dotados  de  aplicabilidade  directa.  
3. Quanto  ao  objecto:  
a. Finalidades  gerais  –  incidem  sobre  o  conjunto  de  relações  internacionais  pacíficas  e  sobre  a  
solução  de  todos  os  conflitos  internacionais.  
b. Finalidades  especiais  –  dirigem-­‐se  à  consecução  de  um  determinado  objectivo,  que  pode  ser  
variável.  
 
A  Organização  das  Nações  Unidas  
 
1.  Contexto  
 
• Assinatura  e  entrada  em  vigor  no  ano  de  1945;  
• Objectivo  essencial  de  assegurar  a  manutenção  da  paz  e  da  segurança  internacionais.  
 
2.  Objectivos  da  organização  
 
1. Manutenção  da  paz  e  da  segurança  internacionais;  
2. Desenvolvimento  das  relações  cordiais;  
3. Cooperação   internacional   em   ordem   à   resolução   de   problemas   económicos,   sociais,   culturais   e  
humanitários,  no  respeito  pelos  direitos  e  liberdades  fundamentais  da  pessoa  humana.  
4. Centro  de  encontro  dos  Estados  da  comunidade  internacional.  
 
3.  Princípios  em  que  se  baseia  o  seu  funcionamento  (art.  2.º  CNU)  
 
Princípios  gerais  positivos:  
1. Igualdade  soberana  dos  Estados;  
2. Boa  fé;  
3. Solução  pacífica  dos  conflitos;  
4. Proibição  de  recurso  à  força;  
 
Princípios  gerais  negativos:  
1. Princípio  do  domínio  reservado  (nº  7)  –  delimitação  do  âmbito  material  da  intervenção  das  NU;  
2. Princípio  da  legítima  defesa  (nº  4  e  art.  51.º)  –  constitui  uma  das  excepções  admitidas  ao  princípio  da  
proibição  do  recurso  à  força.  
 
4.  A  estrutura:  membros  e  órgãos  
 
Membros  (arts.  3.º  e  4.º  CNU):  
1. Membros  originários  –  aqueles  que  assinaram  e  ratificaram  a  CNU;  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

2. Membros   adquiridos   –   aqueles   que,   por   decisão   da   Assembleia   Geral   e   sob   recomendação   do  
Conselho  de  Segurança,  se  tornaram,  ulteriormente,  membros  da  organização.  
 
4.1.  Competências  dos  órgãos  principais:  
1. Assembleia  Geral  
a. Órgão  plenário  da  organização,  composto  por  todos  os  Estados  membros  (art.  9.º);  
b. Dispõe   de   uma   competência   genérica   (art.   10.º),   com   a   ressalva   do   Conselho   de   Segurança  
ter  primazia  em  certas  matérias  (art.  12.º/1);  
c. No   âmbito   da   competência   genérica,   a   AG   está   autorizada   a   emitir   simples   recomendações  
(art.  11.º/2);  
d. Nas  competências  específicas,  as  deliberações  da  AG  são  dotadas  de  força  obrigatória  (arts.  
15.º  a  18.º);  
e. As   deliberações   são,   em   via   de   regra,   alcançadas   por   maioria   simples   (art.   18.º),   só   as  
decisões  sobre  questões  mais  importantes  requerem  maioria  de  dois  terços.  A  identificação  
de  novas  questões  importantes  é,  em  si  mesma,  questão  não  importante,  devendo  resultar  da  
pronúncia  de  uma  maioria  simples.  
2. Conselho  de  Segurança  
a. Órgão   composto   por   quinze   membros,   cinco   permanentes   e   dez   não   permanentes.   Estes  
últimos   são   eleitos   pela   AG   por   um   período   de   dois   anos,   sem   que   nenhum   membro   possa  
ser  reeleito  para  o  biénio  seguinte  (art.  23.º,  ns.  1  e  2).    
b. Membros  permanentes:  
i. China  
ii. França  
iii. Rússia  
iv. Reino  Unido  
v. Estados  Unidos  
c. Nos  termos  do  art.  27.º,  o  CS  delibera  por  maioria  qualificada  de  nove  votos.  No  entanto,  este  
procedimento   deliberativo   varia   consoante   o   CS   deva   apreciar   uma   questão   processual   ou  
uma  questão  material  ou  de  fundo.  
i. Questão  processual   –  são  necessários  quaisquer  nove  votos,  pois  todos  os  votos  têm  
o  mesmo  valor;  
ii. Questão   material   ou   de   fundo  –   continuam   a   ser  exigidos   nove  votos,   cinco   de  entre  
eles  deverão  obrigatoriamente  ser  dos  membros  permanentes.  Isto  equivale  a  dizer  
que  a  estes  membros  está  reservado,  nas  questões  materiais,  um  direito  de  veto,  que  
se  traduz  no  poder  de  paralisar  a  tomada  de  uma  decisão  do  CS;  
iii. Quando  se  levantam  dúvidas  sobre  a  natureza  da  questão  a  ser  discutida,  o  acto  de  
qualificar   uma   questão   é   considerado   material,   logo,   aí,   qualquer   dos   membros  
poderá   fazer   uso   do   seu   direito   de   veto.   Este   é   o   sistema   do   duplo   veto  –   um   Estado  
membro   permanente   pode   opor-­‐se   a   que   uma   questão   seja   qualificada   como  
processual;   e   pode   impedir   que   qualquer   resolução   seja   adoptada.   Não   fora   este  
sistema,  os  Estados  ver-­‐se-­‐iam  desprovidos  do  direito  de  veto,  pois  ficariam  à  mercê  
dos  membros  não  permanentes,  que  qualificariam  a  questão  como  processual.  
iv. De  acordo  com  o  art.  27.º,  a  ausência  de  voto  positivo  da  parte  de  um  dos  membros  
permanentes  equivale  a  veto.  Contudo,  entendeu-­‐se  que  só  um  voto  negativo  poderá  
produzir  esse  resultado.  
d. No   âmbito   da   responsabilidade   de   manutenção   da   paz   e   segurança   internacionais,   nos  
termos   dos   arts.   33.º   e   ss.,   o   CS   pode   dirigir   recomendações   aos   Estados   envolvidos   num  
conflito;   e,   nos   casos   de   ameaça   de   paz,   instar   as   partes   em   litígio   a   adoptar   medidas  
provisórias   ou   adoptar   recomendações   ou   decisões,   susceptíveis,   estas   últimas,   a  
desencadear  sanções  não  militares  ou,  nos  casos  mais  graves,  militares.  
3. Conselho  Económico  e  Social  
a. Órgão  composto  por  cinquenta  e  quatro  membros,  eleitos,  em  sistema  rotativo,  pela  AG  por  
um  período  de  três  anos  (art.  61.º  CNU).  
b. Dada   a   extensão   das   competências   do   CES,   estas   são   identificáveis   mais   por   exclusão   do   que  
por  inclusão.  Assim,  tirando  assuntos  estritamente  políticos  e  administrativos,  este  trata  de  
questões  respeitantes  à  cooperação  económica,  social  cultural,  sanitária,  etc.  
c. Acerca   de   tais   matérias,   poderá   fazer   recomendações   à   AG,   aos   Estados   membros   e   às  
instituições   especializadas   interessadas,   bem   como   preparar   projectos   de   convenções   ou  
convocar  conferências  internacionais  (art.  62.º).  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

4. Conselho  de  Tutela  


a. Foi  criado  para  controlar  o  exercício  da  tutela  internacional  sobre  territórios  não  autónomos  
(arts.  86.º  e  ss.  CNU).  
b. Após   a   ascensão   à   independência   do   último   território   sob   tutela,   o   Conselho   de   Tutela  
esgotou   a   sua   missão,   sendo   de   prever   que   este   desapareça   formalmente   numa   próxima  
revisão.  
5. Tribunal  Internacional  de  Justiça  
a. Principal   órgão   judiciário   das   Nações   Unidas,   formado   por   quinze   juízes,   eleitos   pela  
Assembleia   Geral   e   pelo   Conselho   de   Segurança   de   entre   pessoas   que   satisfaçam   os  
requisitos  enunciados  no  art.  2.º  do  ETIJ.  
b. Exerce   uma   competência   contenciosa,   no   âmbito   da   qual   profere   sentenças   ou   acórdãos,   e  
também   uma   competência   consultiva,   através   da   emissão   de   pareceres   consultivos   arts.   36.º  
e  35.º  do  ETIJ.  
c. Competência  contenciosa:  
i.  Aplica-­‐se   somente   aos   Estados;   em   princípio,   àqueles   que   sejam   partes   do   ETIJ,  
embora,   sob   certas   condições,   se   permita   aos   Estados   não   partes   que   tenham  
igualmente  acesso  a  este  tribunal.  
ii. A   competência   é,   em   geral,   facultativa,   presidindo   ao   seu   funcionamento   um  
princípio  de  consensualidade.  
iii. A   expressão   do   consentimento   dos   Estados   a   submeterem   os   litígios   entre   si   à  
apreciação  do  TIJ  pode  ocorrer  de  duas  formas:  
− Acordo   especial   –   compromisso   através   do   qual   as   partes   envolvidas   num  
conflito  aceitam  recorrer  ao  TIJ.  
− Forum  prorogatum  –  situações  em  que  as  atitudes  do  Estado  são  encaradas  
pelo   TIJ   como   uma   aceitação   tácita   da   sua   competência.   Os   Estados   não  
podem,   depois,   contrariar   a   competência   do   Tribunal,   em   obediência   ao  
princípio  de  boa  fé.  
iv. Situações   em   que   a   competência   é   obrigatória   –   o   consentimento   é   dado   por  
antecipação,  antes  da  ocorrência  de  qualquer  litígio.  Pode  ocorrer  de  duas  formas:  
− Consentimento   convencional:   conclusão   de   convenções   bilaterais   ou  
multilaterais   versando   o   problema   geral   da   solução   pacífica   de  
controvérsias   internacionais,   em   que   os   Estados   partes   reconhecem   como  
obrigatória  a  jurisdição  do  TIJ,  acordando-­‐lhe  submeter  futuros  litígios;  ou  
inserção   de   uma   cláusula   compromissória   na   celebração   de   um   qualquer  
tratado.  
− Encontro   de   dois   consentimentos   unilaterais   –   atribuição   de   poderes  
jurisdicionais   mediante   a   subscrição   da   cláusula   facultativa   de   jurisdição  
obrigatória   (art.   36.º/2   ETIJ).   Esta   cláusula   é   um   acto   jurídico   unilateral,  
uma   notificação   a   enviar   ao   Secretário   geral   das   NU,   declarando   aceitar   a  
jurisdição   obrigatória   do   Tribunal   para   todos   os   litígios   jurídicos.   Esta  
cláusula  só  funciona  quando  os  Estados  a  subscrevem  a  título  individual,  daí  
a  designação  de  facultativa.  Mas  uma  vez  subscrita,  passa  a  ser  obrigatória.  
d. Competência   consultiva   –   o   art.   96.º   da   CNU   estatui   que   a   AG   ou   o   CS   podem   solicitar  
pareceres  consultivos  ao  TIJ  sobre  qualquer  questão  jurídica.  
6. Secretariado    
a. Órgão   de   carácter   administrativo,   cuja   competência   é   predominantemente   técnica.   É  
composto  pelo  Secretário-­‐Geral  e  pelo  demais  pessoal  (art.  97.º).  
b. O   Secretário-­‐Geral   é   eleito   pela   AG   sob   recomendação   do   CS,   e,   exercendo   um   mandato   de  
cinco  anos  renováveis,  é  o  principal  funcionário  da  ONU.    
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

 
CAPÍTULO  V  
DIREITO  INTERNACIONAL  PÚBLICO  I  
 
Solução  pacífica  de  conflitos  internacionais  
 
1.  Princípio  da  proibição  do  recurso  à  força  
Os  Estados  devem  solucionar  os  seus  conflitos  de  forma  pacífica  (também  consagrado  nos  arts.  2º  e  23º  da  
Carta  das  Nações  Unidas).  
 
1.1.   Autocomposição   dos   conflitos   internacionais   –   os   Estados   tentam   encontrar   um   ajuste   para   o   conflito,  
muitas  vezes  alcançado  sob  influência  de  terceiros.  
• Métodos  político-­‐diplomáticos  
 
1.2.  Heterocomposição  de  conflitos  internacionais  –  solução  é  decretada,  imposta,  por  um  terceiro  imparcial.  
• Métodos  jurisdicionais  
O  terceiro  imparcial  pode  ser  um  tribunal  internacional:  
• Permanente  –  solução  jurisdicional  
• De   constituição   ad   hoc   –   solução   arbitral   (o   tribunal   é   criado   especialmente   para   a   resolução   do  
litígio)  
 
1.1.  Métodos  político-­‐diplomáticos  
Os   métodos   político-­‐diplomáticos   tendem   a   ser   privilegiados,   visto   não   atentarem   contra   o   princípio   da  
soberania  estadual.  
Métodos:  
• Negociação  –  não  há  intervenção  de  terceiros.  
• Com  intervenção  de  terceiros  
o Bons  ofícios  
o Mediação  
o Inquérito  
o Conciliação    
Exemplos  de  terceiros:  
• Estado  
• Órgão  de  organização  internacional    
• Personalidade  internacional  reconhecida  
• Chefe  de  Estado  
• Etc.    
 
1.1.1.  Negociação  –  tem  uma  origem  costumeira,  e  constitui  o  grau  mínimo  do  dever  de  resolução  de  conflitos.    
Pode  ter  êxito  ou  fracassar.  
Motivos  de  êxito:  
• Cedência  de  ambas  partes  –  atinge-­‐se  uma  solução  equilibrada.  
• Cedência  de  uma  das  partes  –  uma  das  partes  abdica  totalmente  das  suas  pretensões.  
 
1.1.2.  Bons  ofícios  e  mediação:  entre  os  bons  ofícios  e  a  mediação  existem  diferenças  teóricas,  que  tendem  a  
diluir-­‐se   na   prática.   Têm   ambos   natureza   consuetudinária   e   distinguem-­‐se   exclusivamente   quanto   ao   grau   de  
intervenção  de  terceiros.    
• Bons  ofícios  –  o  papel  do  terceiro  limita-­‐se  a  criar  as  condições  para  que  os  Estados  em  litígio  iniciem  
conversações  para  resolução  dos  conflitos.  A  sua  intervenção  é  circunscrita  a  esse  momento.  
• Mediação   –   o   terceiro   tem   um   papel   mais   activo,   pois   não   só   promove   o   encontro,   como   apresenta  
também  propostas  concretas  para  a  resolução  do  litígio.  
Esta  distinção  é  apenas  válida  teoricamente.  
 
1.1.3.   Inquérito   –   não   tem   origem   consuetudinária,   como   tal   é   necessário   o   estabelecimento   de   um   acordo  
internacional.   O   terceiro   é   um   órgão   colegial,   ou   seja,   constituído   por   várias   personalidades   (alheias   ao  
conflito),  e  recebe  o  nome  de  “comissão  de  inquérito”.  A  comissão  vai  averiguar,  com  imparcialidade,  os  factos  
que  originaram  o  conflito  internacional  em  causa  e  elabora  um  relatório,  depois  entregue  às  partes  em  litígio.  
A  ideia  inicial  do  inquérito  era  o  congelamento  do  conflito  durante  o  tempo  de  elaboração  do  relatório  pela  
comissão.  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

 
1.1.4.  Conciliação  –  partilha  algumas  características  com  o  inquérito,  contudo  tem  um  âmbito  mais  alargado.  
Também  é  necessário  o  estabelecimento  de  um  acordo,  e  nela  participa  uma  “comissão  de  conciliação”,  que  
tem  uma  tarefa  similar  à  de  um  tribunal.  
Fases  da  actuação  da  comissão:  
• Averiguação  e  investigação  dos  factos  que  estão  por  detrás  dos  conflitos  (semelhante  à  comissão  de  
investigação).  
• Aplicação  do  DI  a  esses  factos.  
Porque  é  que  este  método  não  é  classificado  como  jurisdicional?  Porque  a  actuação  da  comissão  culmina  com  
a   apresentação   de   uma   proposta,   sem   força   vinculativa   obrigatória,   sendo   que   cabe   às   partes   em   conflito   a  
resolução  do  conflito.  É  um  método  quase  jurisdicional.    
 
 
1.2.  Métodos  jurisdicionais  
As  métodos  jurisdicionais  culminam  com  uma  decisão  de  força  jurídica  obrigatória.  
 
1.2.1.  Solução  jurisdicional  
Como  se  intentam  as  acções  no  TIJ?  
• Notificação  do  acordo  especial  –  em  casos  de  acordo  especial.  
• Petição  escrita  dirigida  ao  escrivão  do  TIJ.  
Fases  da  actuação  do  Tribunal:  
• Fase  da  instrução  escrita  –  destina-­‐se  à  produção  da  prova,  e  o  TIJ  pode  fazer  inspecções,  vistorias,  
etc.    
o Memórias  
o Contra-­‐memórias  
o Réplicas  
Nesta  fase  relevam  três  princípios:  
o Princípio  da  igualdade  das  partes  
o Princípio  do  contraditório  
• Fase  oral  ou  dos  debates  orais  –  o  TIJ  ouve  os  representantes  dos  Estados  (advogados,  consultores  ou  
agentes),  testemunhas  e  peritos.    
• Fase  da  sentença  –  através  de  decisões  tomadas  por  maioria.    
o Princípio  da  fundamentação  da  sentença  –  a  sentença  deve  ser  fundamentada,  devendo  estar  
expostas  as  razões  e  os  motivos  para  a  decisão  do  tribunal.  
o Princípio  da  publicidade  das  audiências.  
A   eficácia   das   decisões   do   tribunal   circunscreve-­‐se   ao   caso   concreto   e   às   partes,   não   vigorando   a   regra   dos  
precedentes  –  não  está  vinculado  pelas  suas  decisões  anteriores.  
Será   possível   recorrer   a   uma   decisão   proferida?   Em   regra,   a   resposta   é   negativa,   visto   que   este   tribunal   é   um  
tribunal  de  última  instância  (e  também  de  primeira).  
Situações  excepcionais:  (art.  61.º  Estatuto  do  TIJ  –  números  4  e  5:  número  4,  visto  que  o  pedido  de  apreciação  
tem  de  ser  feito  no  prazo  de  6  meses  a  contar  da  descoberta  do  facto  novo;  e  número  5)  
• Recurso   interpretativo   –   possibilidade   das   partes   solicitarem   ao   tribunal   uma   aclaração,   uma  
interpretação  do  acórdão,  quando  este  é  dúbio.  
• Possibilidade  de  reabertura  do  caso  com  base  na  descoberta  de  um  facto  novo,  de  natureza  decisiva  
(facto  susceptível  de  alterar  o  sentido  da  decisão)  –  desde  que  o  desconhecimento  prévio  desta  causa  
não  tenha  sido  negligente.  
 
Ver  arts.  40.º  e  seguintes  do  Estatuto  do  TIJ.  
 
Três  tipos  de  incidentes  processuais:  
• Excepções  preliminares    
• Medidas  provisórias  ou  conservatórias  
• Intervenção  
 
1.1.   Excepções   preliminares   –   incidentes   processuais   que   servem   para   o   Estado   demandado   contestar   a  
competência   do   tribunal.   Será,   então,   preciso   resolver   este   problema   de   conflito.   É   o   próprio   tribunal   que  
resolve   este   conflito,   sendo   o   juiz   da   sua   própria   competência,   devendo   decidir   acerca   da   sua   competência   no  
início  do  seu  processo  (princípio  da  economia  processual).  
Argumentos  do  Estado  demandado  para  contestar  a  competência  –  tipos  de  excepções  preliminares:  
Laura  Nunes  Vicente  –  Ano  Lectivo  2011/2012  
 

• Ratione  personae  –  em  razão  da  pessoa  (neste  caso,  as  pessoas  serão  os  Estado).    
o Quando  entende  que  o  Estado  demandante  não  tem  o  “locus  standi”  (o  direito  de  estar  em  
juízo).  
o Quando  entende  que  foi  violado  o  princípio  da  consensualidade  /  do  consentimento.  
• Ratione  materiae  –  quando  o  objecto  do  litígio  não  é  jurídica  ou  de  carácter  internacional.    
• Ratione   in   temporis   –   quando   a   causa   versa   factos   anteriores   à   declaração   de   aceitação   de  
competência  do  tribunal,  ou  posteriores  ao  fim  do  prazo  da  aceitação  do  compromisso.    
• Inadmissibilidade  do  indivíduo  por  falta  de  interesse  em  agir  –  quando  o  titular  material  já  não  tem  
interesse  em  agir.    
 
1.2.  Medidas  provisórias  ou  conservatórias   –  também  chamadas  medidas  cautelares,  medidas  de  urgência  ou  
medidas  de  protecção  interina.    
Os   procedimentos   cautelares   destinam-­‐se   a   salvaguardar   a   utilidade   da   acção,   evitando   que   esta   seja  
meramente   platónica   ou   inócua.   O   Estatuto   do   TIJ   não   especifica   quais     as   medidas   cautelares,   e   o   tribunal   só  
as  decreta  na  iminência  de  um  dano  irreparável  ou  risco  sério  de  agravamento  de  um  conflito.  
 
1.3.   Incidente   de   intervenção   –   um   Estado   pode   pedir   para   intervir   no   processo,   não   lhe   sendo  
automaticamente   concedido   o   estatuto   de   parte.   Contudo,   também   esta   intervenção   de   terceiros   também  
pode  ser  suscitada  pelo  tribunal.  
 
 
1.2.2.  Solução  arbitral  
Os  tribunais  arbitrais  são  de  constituição  ad  hoc.  
Existem  também  os  tribunais  permanentes  de  arbitragem,  que  são  de  constituição  ad  hoc  mas  possuem  uma  
constituição  permanente  de  juízes  árbitros,  aos  quais  os  países  podem  recorrer  para  a  resolução  dos  conflitos  
dos  Estados.