Você está na página 1de 2

ORAÇÃO – EBD 21.10.

2018
(Pergunta 98 à 107 BCW )
A ORAÇÃO DO “PAI NOSSO” (oração modelo/oração do Senhor/oração dominical ): Mateus 6:9-13

Ela não é um mantra para conseguirmos algo, mas é uma oração modelo para
basearmos nossas petições. Todavia, em duas que a alma estiver em grande angústia e
não conseguimos unir as palavras, podemos orar o “Pai nosso” sem problemas,
podemos repeti-la com outras pessoas em locais públicos, momentos solenes etc.
Precisamos descobrir o valor da oração, não oramos porque provavelmente não temos
prazer nisso.
A vida sem oração sempre anda de mão dadas com falta uma vida disciplinada
em relação ao Evangelho. Nossa vida de oração revela o quanto a nossa comunhão e
quanto somos dependentes de Deus. Orar é desfrutar da amizade e assistência de Deus.
Orar é um santo oferecimento dos nossos desejos a Deus, por coisas conformes
a sua vontade, em nome de Cristo, com a confissão de nossos pecados e um agradecido
reconhecimento de suas misericórdias. (pergunta 98). Quando oramos crescemos na
apreciação do que já se recebeu. Ela é o principal exercício da fé.

Como não sabemos como orar, Jesus nos deu o Pai nosso como modelo. As 5
partes (ou petições) que compõe a oração do Pai nosso estão listadas abaixo. A diferença
é que o autor da lição separa as petições em apenas 5, mas nosso Breve Catecismo as
põe em 6 petições, isso não tem peso semântico.
Outro ponto curioso é que pela primeira vez a deidade será tratada como Pai na
oração. Nesse momento Jesus começa a pontar para que tipo de relacionamento eles
gozariam com Deus.
A vida de oração é era algo importante no ministério de Jesus, só no último dia
de vida (a sexta-feira começava na noite de quinta-feira), Jesus orou três vezes: no
Cenáculo, no Getsêmani e no Calvário. Na sala ampla e mobiliada, ele orou pelos
discípulos e por aqueles que creriam nele (Jo 17.20). No Getsêmani, Jesus orou por ele
mesmo: “Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice” (Mt 26.39). Na cruz, das
sete palavras ali proferidas, três foram orações: a primeira, em favor daqueles que o
crucificavam (“Pai, perdoa-lhes”); as outras duas, em favor dele mesmo (“Deus meu,
Deus meu, por que me abandonaste?” e “Pai, nas tuas mãos entrego meu Espírito!”).

Além das orações feitas na cruz, o Evangelho de Lucas menciona a vida de oração
de Jesus em cinco passagens: 5.16 -- Mas Jesus retirava-se para lugares solitários e
orava; 6.12 -- Num daqueles dias, Jesus saiu para o monte a fim de orar, e passou a noite
orando a Deus; 9.18 -- Certa vez Jesus estava orando em particular, e com ele estavam
os seus discípulos;; 9.28 -- Aproximadamente oito dias depois de dizer essas coisas, Jesus
tomou consigo a Pedro, João e Tiago e subiu a um monte para orar; 11.1 -- Certo dia
Jesus estava orando em um determinado lugar. E ele fez tudo isso mesmo sendo o
próprio Deus.
Abandonar a vida de oração é agir como fossemos mais fortes que o próprio
Deus. Mesmo que não saibamos orar como convém, o Espírito Santo intercede por nós
com gemidos inexprimíveis. ( Rm 8:26-27). A medida que crescemos como cristão, você
não deve se sentir mais autossuficiente, e sim mais necessitado. Se você não se sente
assim, não tenho certeza de seu crescimento espiritual. Contudo, se você sente de fato
sua dependência de Deus, a oração apenas fluirá dessa condição.
Pode ser que o coração esteja frio, o amor fraco e as orações pobres, mas o
importante é que, unido o Cristo e nele, você é um filho querido - e seu Pai de deleita
em ouvi-lo. Sem dúvida, com qualquer outro Deus você teria que se aproximar pela força
do próprio Débora, com este Deus, único e verdadeiro, podemos chegar como somos.
Podemos nos aproximar dele, mesmo que nossa frieza e culpa gritem o contrário. E isso
é oração: relacionar-se com o Pai como nosso Pai.
A verdadeira intimidade é algo adquirido, algo que se desenvolve - mas se
desenvolve apenas com honestidade. Assim, se sua vida de oração é inadequada, sugiro
começar outra vez balbuciando como filho do Pai. Clame por socorro. Não tente
impressionar.

“O senhor sustenta todos os que estão para cair e levanta todos os abatidos. Os olhos de
todos esperam em ti, e tu lhe dás provisão a seu tempo; abres a mão e satisfazes o desejo
de todos os viventes. O Senhor é justo em todos os seus caminhos e bondoso em todas
as suas obras. O Senhor está perto de todos os que o invocam, de todos os que invocam
em verdade. Ele cumpre o desejo dos que o temem, ouve seu clamor e os salva.” (Sl
,145.1-19)