Você está na página 1de 2

CONFRONTANDO A KRIPTONITA

“Pela misericórdia e verdade a iniquidade é perdoada, e pelo temor do Senhor os homens se


desviam do pecado.”
Provérbios 16:6 (ACF)

INTRODUÇÃO
Temos aprendido nessa série de estudos que existe algo extremamente perigoso ao cristão,
algo capaz de enfraquecer e até destruir sua vida, assim como a kriptonita faz com o Super-
Homem. Até aqui aprendemos a identificar a kriptonita e seus efeitos, mas a partir desse estudo
vamos iniciar uma jornada para eliminar esse mal, tanto individualmente como coletivamente,
começando hoje aprendendo sobre a importância da confrontação.
Primeiramente é importante entendermos que quando falamos sobre confrontar as
consequências do pecado não estamos falando de religiosidade. Infelizmente muitas igrejas
vivem o confronto debaixo de uma cultura de medo e manipulação. Essa não é absolutamente a
nossa proposta. Falaremos hoje sobre o confronto como uma forma de expressar nosso amor
verdadeiro ao Senhor Jesus e sua Palavra e às pessoas que convivemos.
Da mesma forma, existe um medo que não é saudável, e graças a Deus fomos libertos desse
medo por seu perfeito amor derramado sobre nós. Porém, existe um “medo santo”, que a bíblia
chama de temor, e é exatamente esse temor que nos motiva a darmos passos corajosos na
confrontação, quer seja pessoal, como no coletivo. Como o rei Salomão sabiamente disse “pelo
temor do Senhor os homens se desviam do pecado” (Pv 16:6).
Vamos analisar as consequências de se ignorar a kriptonita em 3 dimensões: Na vida pessoal,
nos comunicadores da mensagem e na comunidade como um todo.

1. CONFRONTE A KRIPTONITA EM SUA VIDA PESSOAL


"Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele
que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor,
não profetizamos nós em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos
muitos milagres? ’Então eu lhes direi claramente: ‘Nunca
Afastem-se de mim vocês, que praticam o mal! ’ " Mateus 7:21-23

Jesus nos apresenta uma realidade avassaladora que precisa despertar nossa atenção.
Infelizmente muitos chegarão na eternidade iludidos pela religião e ficarão fora do reino dos céus.
Esse texto específico não se aplica à realidade do mundo perdido, mas sim de pessoas dentro
da igreja, que serviam em ministérios, que frequentavam as celebrações, que faziam a obra, mas
nunca experimentaram um arrependimento genuíno. Pessoas que conheciam a palavra, mas
nunca praticaram e foram transformadas pela palavra. Uma agenda dupla amenizada por uma
vida religiosa, uma vida na igreja, mas sem uma mudança de vida.
John Bevere apresenta essa realidade da seguinte forma: “praticar o mal é uma forma de
kriptonita”.
É interessante notar que Jesus declarou: “Nunca os conheci”. A palavra “conheci” na língua
original, significa “conhecer intimamente”. A falta de transformação é um sinal da falta de
conhecimento de Jesus na intimidade. Chamar Jesus de Senhor, mas não obedecê-lo é viver
dentro da igreja preso à kriptonita.
2. NUNCA IGNORE O CONFRONTO À KRIPTONITA EM SUA
MENSAGEM
“Quando eu disser a um ímpio que ele vai morrer, e você não o advertir nem lhe falar para
dissuadi-lo dos seus maus caminhos para salvar a vida dele, aquele ímpio morrerá por sua
iniquidade; mas para mim você será responsável pela morte dele.
Ezequiel 3:18
Além de confrontarmos a nossa vida pessoal quanto ao efeito da kriptonita, precisamos entender
a importância da confrontação em nossa mensagem. A cultura do politicamente correto e a
tentação da política da boa vizinhança tem eliminado o confronto da nossa pregação. Achamos
tão importante que nossos amigos se sintam bem na célula ou na igreja, que caímos na tentação
de sermos coniventes com o pecado para não gerarmos um desconforto.
Entretanto, somos responsáveis por falar a verdade em amor. Se esquivar, se omitir, se calar,
isso não é amar. Quem ama confronta. Quem quer o bem não pode simplesmente fechar os olhos
para o erro. O preço de uma mensagem popular, que massageia o ego e ameniza a consciência,
é muito alto. Se recuarmos em confrontar o pecado seremos responsabilizados, ou seja, a culpa
será nossa. Isso é muito forte!!!

3. SALVE SUA COMUNIDADE PELO CONFRONTO


“Livrem-se do fermento velho, para que sejam massa nova e sem fermento, como realmente
são. Pois Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi sacrificado.
1 Coríntios 5:7“Se oferecermos salvação àqueles que continuam a praticar o pecado, abrimos as
nossas comunidades para o fermento do pecado. O pecado consciente se espalha rapidamente
e afeta o indivíduo e a comunidade assim como a kriptonita faz com o Super-Homem” John
Bevere
O impacto da falta de confrontação ao pecado não se limita ao âmbito pessoal. Quando somos
coniventes com o pecado todo o corpo começa a sofrer. Células perdem o vigor, igrejas se
tornam doentes, comunidades inteiras são enfraquecidas, quando ignoramos o erro e trocamos
o poder transformador da palavra, por um evangelho “água com açúcar”.
Só poderemos salvar nossa comunidade pregando um evangelho de verdade.

CONCLUSÃO
“Portanto, eu lhes declaro hoje que estou inocente do sangue de todos. Pois não deixei de
proclamar-lhes toda a vontade de Deus.
Atos 20:26,27
Assim como o apóstolo Paulo declarou, hoje podemos tomar uma decisão e fazer essa
declaração também.
Nós não vamos aceitar qualquer resquício de kriptonita em nossas vidas. Vamos conhecer e
prosseguir em conhecer intimamente a Jesus. Vamos viver uma vida de santidade, que reflete a
vida Dele em nós. Vamos assumir a responsabilidade de entregar em amor a verdade,
confrontando o pecado em toda sua realidade e sermos agentes de transformação e salvação
em nossa comunidade.