Você está na página 1de 25

Engenharia de reservatórios I

II semestre/2018 – Prof. Silveira Victorino


Informações  gerais  

§  Professor: Silveira Victorino


§  Contacto: silveira_victorino10@hotmail.com
§  Horário:
-  Terça-Feira: 13:10 as 15:30
-  Quinta-Feira: 13:10 as 14:45
-  1 Intervalo de 5 minutos para cada tempo dado
§  Bibliografia Obrigatória: Slides distribuídos pelo professor no final de cada aula. É Importante realçar
que este material não substitui os livros de referência, serve apenas como um guia para facilitar o
aprendizado e aplicação das metodologias de forma concisa.

§  Livros de Referência:


§  L.P Dake; Fundamentals of Reservoir Engineering
§  A.J Rosa; Engenharia de reservatórios de petróleo
§  T. Ahmed; Equations of state and PVT analysis
Programa da cadeira

§ Propriedades básicas dos fluidos


§ Comportamento das fases
- Tipos de reservatórios

§ Volumetria
§ Propriedades das Rochas
§ Análises de amostras e PVT do petróleo
§ Lei de Darcy para medir permeabilidades
§ Balanço de Materiais
Introdução
Engenharia de reservatório
Ramificação da engenharia de petróleo aplicada aos processos de exploração e produção de reservatórios
de óleo e gás, visando maximizar a recuperação.

As principais tarefas de um engenheiro de reservatórios são:


q Estimar o volume de hidrocarbonetos presente no reservatório e a quantidade
que pode ser recuperada;
q Prever e procurar maximizar a produção de hidrocarbonetos.

As principais “Ferramentas” de trabalho do engenheiro de reservatórios são:


q Geologia de subsuperfície
q Matemática aplicada
q Físico-química das fases líquida e vapor em um reservatório.
Introdução

Petróleo é o nome dado as misturas naturais de hidrocarbonetos que podem ser encontrados em uma rocha
reservatório no estado liquido, gasoso ou uma combinação entre eles, dependendo das condições de
temperatura e pressão a que estejam submetidas.

Toda rocha porosa e permeável limitada por rochas impermeáveis e que contenha HC de ocorrência
natural na subsuperfície, dá-se o nome de reservatório. É um sistema heterogêneo, complexo, não
visível, cujo entendimento é limitado pela escassez de dados e informações.

q Vale lembrar que o reservatório por encontrar-se na subsuperfície as incertezas são inúmeras!
Unidades
Densidades

Gravidade específica

Massa específica
Comportamento de uma mistura de hidrocarbonetos

Considere-se a experiência ilustrada para um

HC leve, por exemplo o Etano.

Vamos começar a ter, para um dado valor de


pressão válido a esta temperatura, o

aparecimento de gás condensado. Este valor

de pressão é o chamado pressão de vapor.


Comportamento de uma mistura de hidrocarbonetos
Repetindo a experiência para temperaturas diferentes, vamos obter uma linha que separa os dois estados
(Linha de vaporização). Temos também situações de um certo ponto (P, T) onde não é clara a distinção entre
a fase vapor e a fase líquida (ponto crítico).
Comportamento de uma mistura de hidrocarbonetos

Bubble point line (ponto de orvalho) - onde aparecem as primeiras bolhas de gás.
Dew point line (ponto de bolha) - onde aparecem as primeiras gotas de líquido. Aspercentagens mostram como estas

linhas se deslocam para diferentes saturações (constantes) de líquido.

Ponto A - GÁS Ponto A - ÓLEO


Tipos de reservatórios de hidrocarbonetos

Os reservatórios de hidrocarbonetos são classificados


como reservatório de Óleo ou de Gás.

Esta classificação depende dos seguintes factores:

q  A composição da mistura de hidrocarbonetos

q  Pressão Inicial do Reservatório

q  Pressão e Temperatura de Produção a superfície


Tipos de reservatórios de hidrocarbonetos

Cricondenterma: é linha tangente a curva dos pontos de orvalho e perpendicular ao eixo das
temperaturas e representa a maior temperatura em que ainda coexistem duas fases.

Cricondenbárica: é linha tangente a curva dos pontos de bolha e perpendicular ao eixo das
pressões e representa a maior pressão em que ainda coexistem duas fases.

O ponto crítico de uma mistura é definido como o estado de pressão e temperatura no qual todas
as propriedades intensivas do óleo e do gás são iguais. No ponto critico a pressão e temperatura
correspondentes são chamados de pressão crítica (Pc) e temperatura crítica (Tc) da mistura.

Envelope de Fases (Região de duas fases): é a região definida pela curva dentro da qual o
liquido e o gás coexistem em equilíbrio.
Como podemos distinguir os tipos dereservatórios?

Teste laboratoriais → Diagrama de fase.


Bubble curve C C– Ponto Critico – divide a bubble curve da dew curve. Neste
ponto não se distingue entre gas e liquido.
M
Pressão

M – Ponto Cricondentermico – temperatura máxima de


coexistência das duas fases.

Entro no grafico com a Pi (pressão inicial) e a Ti (temperatura


Dew curve inicial) do reservatório:

Temperatura
1) Ti < Tc→ Reservatório de óleo
2) Tc < Ti < Tm → Reservatório com gás condensado
3) Ti > Tm → Reservatório de gás seco
Reservatório de óleo

q  Ti < Tc → Reservatório de óleo

a) Se Pi > P de bolha → a fase é totalmente liquida → Reservatório de óleo subsaturado

b) Se Pi < P de bolha → a fase é em parte liquida e em parte gás → Reservatório de óleo saturado
Reservatório  de    gás  condensado  

q  Tc < Ti < Tm → Reservatório com gás condensado


a) Se Pi < P de condensação → a fase é totalmente gás

b) Se P i > P de condensação → a fase é em parte líquida e em parte gás (quando a Pi = P de condensação


forma-se a primeira gota de liquido).

Para a produção é sempre melhor ter Pi < P de condensação (recuperamos mais se a fase for gás!)
Exemplos de diagramas de fase

Diagrama da fase por etano puro,


Heptano puro e mistura dos dois.
CPé o ponto critico.

Diagrama multicomponente n para o gás


natural (a) e para o óleo (b). CT
é o ponto cricondentermico.
Diagrama de fases: Reservatório de óleo

Dentro do envelope compreendido entre a curva do ponto


de bolha e a do dewpoint o fluido existe como gás e
liquido; acima da curva do ponto de bolha como líquido
e abaixo da curva do dewpoint como gás.

As curvas entre ponto de bolha e dewpoint


indicam variações de percentagens constantes
de líquido.
Diagrama de fase: reservatório de óleo

Uma mistura líquida pode receber o nome de reservatório


de óleo saturado ou subsaturado.

q  Se o ponto representativo da mistura se encontra


exatamente sobre a curva do ponto de bolha: O óleo é
saturado de gás (Nestas situações qq redução da
pressão, por menor que seja, leva a vaporização de
uma parte da mistura).
q  Se o ponto representativo é undersatured: O óleo é
subsaturado.

Em reservatórios reais, quando começa a produção os


fluidos (que chegam a superfície e que permanecem no
reservatório sofrem alterações devido a mudança das
condições de P e T) - o comportamento do fluido produzido
desde as condições iniciais até as condições de superfície
mudam.
Diagrama de fases: Reservatório de óleo

A depender da composição do fluido e das condições de T e P o


petróleo pode se apresentar na fase liquida, gasosa ou os dois
em equilíbrio. Desta maneira, as acumulações podem ser
separadas em reservatório de óleo ou de gás caso a sua
temperatura seja maior ou menor que a critica da mistura.

q  Condição R1: Reservatório de óleo


q  Condição R2: Reservatório de gás
Diagrama de fases: Reservatório de gás

No inicio (Pi e Ti) existe só o gás,


pois a temperatura é mais alta da
cricondenterma.

Durante o processo de produção de gás


as condições do separador cria uma
Tcric mistura de gás e óleo condensado.
Diagrama de fases: Reservatório de Gás

Os HC que se encontram no estado gasoso nas condições de reservatório


(reservatórios de gás), podem ser de gás seco, húmido ou retrógrado –
dependendo do comportamento do fluido quando sujeito a reduções de pressão
dentro do reservatório e o tipo de fluido resultante nos equipamentos de
superfície.

q  Quando a mistura é submetida a processos de separação pode produzir uma


certa quantidade de líquido
-  Quando a quantidade é economicamente viável: reservatório de gás
húmido ou condensado
-  Quando esta quantidade é desprezível: reservatório de gás seco.

q  Estas características dependem fortemente da composição da mistura e do


processo de separação.
Diagrama de fases: Reservatório de Gás

Reservatórios de gás retrógrado são aqueles cuja temperatura situa-


se entre a Tc e crincondeterma. A medida que o fluido vai sendo
produzido, a P baixa enquanto a T permanece constante, a mistura
encontra-se no estado gasoso até o instante que a queda de P, induz o
processo de condensação.

Os reservatórios de petróleo também podem ser classificados através


da RGL (vazão de gás/vazão líquido, ambas em condições standard -
std):

q  Reservatório de óleo: RGL ≤ 900 m3 std/m3 std

q  Reservatório de gás condensado: 900 m3 std/m3 std<RGL<18000


m3 std/m3 std

q  Reservatório de gás seco: RGL≥ 18000 m3 std/m3 std


 
Exercicio 1

1) Qual é o tipo de reservatório que


temos se a T= 840 Ke a P= 220 bar?

2) Se nós produzirmos este tipo de


reservatório descendo a pressão até 100
bar e deixando a temperatura constante,
como vai mudar a composição do nosso
fluido?

3) Se deste ponto nos baixarmos a


temperatura até 660 K, como muda a
Linha castanha = 50 %gas Linha azul clara = 67% gas composição do fluido?
Linha rosa = 83% gas Linha verde clara = bubble line
Linha vermelha = dew line
Solução exercicio 1

1) T = 840 K e P= 220 bar


Reservatório de gás
condensado

2) T = 840 K e P= 100 bar


1° gota de líquido

3)T = 660 Ke P= 100 bar


50% gás e 50% líquido
Exercício 2

1)  Quais são os tipos de reservatório


que temos com as letras marcadas?