Você está na página 1de 419

PENSAR

A
DEMOCRACIA

GUILHERME GODOY
MARIA JOÃO INÁCIO
STEVEN S. GOUVEIA

[1]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[2]
Pensar a Democracia

Organizado e editado por Guilherme Godoy,

Maria João Inácio e Steven S. Gouveia

© Prefácio: Noam Chomsky

1ª. Edição

Publicado pela primeira vez em 2017

Publicação Independente

Impressão: CreateSpace Independent Publishing

Copyright © 2017 – Editores e Contribuidores

Charleston, USA

© Todos os direitos reservados.

Nenhuma parte desta obra colectiva pode ser reproduzida sem autorização
dos organizadores e dos respectivos contribuidores.

Capa: https://www.sergioaires.com / Copyright © - Sérgio Aires

Contacto: stevensequeira92@hotmail.com

ISBN 10: 1548350958 e ISBN 13: 978-1548350956

[3]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[4]
ÍNDICE

Agradecimentos_____________________________________________ 9

Prefácio___________________________________________________ 11
Noam Chomsky

Introdução_________________________________________________17
Guilherme Godoy, Maria João Inácio e Steven S. Gouveia

Parte I: História e Direito da Democracia

1. A Democracia actual: reflexões sobre a restrição máxima aos


direitos e interesses jurídicos como forma de assegurar a sua
máxima protecção no quadro jurídico português____________ 25
Fernando Conde Monteiro

2. A Democracia moderna e constitucionalismo nasceram quando


a burguesia tomou o poder_______________________________35
Charles de Sousa Trigueiro

3. Desafio Político – como derrubar ditaduras por métodos não


violentes em Gene Sharp________________________________ 53
Manuel da Cruz

4. Pluralismo constitucional e democracia: por uma tratativa dos


direitos humanos em tempos de mudanças climáticas_________65
Dulcilene Rodrigues

5. Entre o universalismo e o exclusismo dos direitos. O


reconhecimento identitário no sistema europeu de protecção dos
direitos humanos_______________________________________81
Vanessa Capistrano Ferreira

Parte II: Emancipação, Arte e Educação na Democracia

6. A Democracia segundo Tomás de Alencar_______________ 105


Breno Góes
[5]
7. A correlação da Democracia e o direito social à Educação___117
Érica Guerra da Silva & Ludmilla Elyseu Rocha

8. Por uma Democracia emancipatória____________________133


Maria Izabel Weber

9. Mínimo social, autonomia e participação democrática_____ 151


Thiago Santos Rocha

10. As mentalidades dos indivíduos perante o fenómeno da guerra


e o papel que comportam no processo de decisão democrática _165
Rúben Lozada Frazão

Parte III: Brasil e Democracia

11. Democracia, retrocessos ambientais e caráter


contramajoritário da constituição no Brasil______________185
Pedro Curvello Avzaradel & Rodrigo de Sousa Tavares

12. O Poder da Mídia e seus efeitos nos regimes democráticos luso-


brasileiro____________________________________________ 205
Daniella Tigre Silva & Noemi Pereira Pinheiro

13. Whatsapp e ciberativismo: novos espaços na democracia__227


Sergio Barbosa Silva

14. Democracia participativa contemporânea: uma análise


brasileira num contexto de regulação das drogas____________255
Guilherme Godoy

15. A (In)eficácia do controle difuso de constitucionalidade ___265


Marcio Felix Cavalcanti

Parte IV: Problemas e Críticas à Democracia

16. A Democracia e meritocracia_________________________299


Ricardo Tavares da Silva

[6]
17. A Democracia e a reforma do estado pós-moderno______ 315
Rui Zeferino Ferreira

18. Marx, democracia e capital(ismo): as expressões de


“despotismo do capital” no livro I de Das Kapital______337
Paulo Fernando Rocha Antunes

19. A Ignorância e injustiça da Democracia________________ 357


Steven S. Gouveia

20. Crítica à noção de democracia na obra de Slavoj


Žižek_______________________________________________ 385
Hamilton Gondim & Ana Paula Silva

21. A Mediatização da Justiça___________________________ 399


Maria João Inácio

Lista de Contribuidores_____________________________________ 411

[7]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[8]
AGRADECIMENTOS

Esta obra colectiva teve como origem um colóquio académico


dedicado ao tema “Democracia em Debate” que ocorreu na Faculdade de
Letras da Universidade do Porto, no dia 27 de Abril de 2017, organizado pela
Associação Episteme & Logos. Assim, queremos agradecer, primeiramente,
o apoio proporcionado pelo Mind, Language, and Action Group do Instituto
de Filosofia da Universidade do Porto e à Faculdade de Letras da mesma
Universidade e também a todos os oradores que enriqueceram o colóquio
com as suas intervenções.

Agradecemos igualmente a toda a equipa da organização e


colaboradores: à Diana Neiva, à Professora Doutora Sofia Miguens e ao
Professor Doutor João Alberto Pinto, ao Vítor Guerreiro, à Leomaris
Wunderwald Aires, ao Miguel Barreto e à Alexandra Pereira, pelo
profissionalismo e atenção ao detalhe, asseguraram o sucesso do evento.

De seguida, queremos agradecer aos contribuidores desta obra pela


importante participação e envolvimento num tema tão relevante e importante
como este, demonstrando que pela discussão das convergências e
divergências de ideias se vive a Democracia.

Um especial agradecimento para os dois oradores principais do


evento, a Professora Doutora Luísa Neto, da Faculdade de Direito da
Universidade do Porto e o Professor Doutor José Manuel Mendes, do
Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho que nos honraram
com a sua prestigiada presença e brilhantes conferências.

[9]
Finalmente, queremos agradecer ao Professor Noam Chomsky pelo
precioso prefácio que redigiu para esta obra colectiva. Só faria sentido
prefaciar uma obra deste carácter alguém com uma formação
multidisciplinar e com uma enorme influência intelectual. Os editores desta
obra agradecem, ainda, a receptividade, sensibilidade e dedicação que este
projecto lhe mereceu.

Os Editores,
Porto, 27 de Junho de 2017

[10]
PREFÁCIO

Noam Chomsky
(Emeritus Professor MIT)

O tema da Democracia tem um amplo escopo. Se prestarmos atenção,


encontraremos influências dos processos democráticos em quase todas as
nossas escolhas e decisões. Como verá, este livro aborda alguns dos
problemas mais relevantes da sociedade actual. Considere um desses
problemas.
1
Mark Twain disse celebremente que “é pela bondade de Deus que no
nosso país temos estas três coisas indizivelmente preciosas: liberdade de
expressão, liberdade de consciência e prudência para nunca praticar
nenhuma delas”.
Na sua introdução não publicada a Animal Farm, dedicada à "censura
literária" na Inglaterra livre, George Orwell acrescentou uma razão para esta
prudência: há, escreveu ele, um "acordo tácito geral que ‘não adianta’ ser
mencionado”. O acordo tácito impõe uma “censura velada” baseada “numa
ortodoxia, um conjunto de ideias que se supõe que todas as pessoas que
pensam correctamente aceitarão sem questionar” e “qualquer pessoa que
desafie a ortodoxia predominante encontra-se silenciada com uma eficácia
surpreendente” mesmo sem “qualquer proibição oficial”.
Testemunhamos o exercício desta prudência constantemente em
sociedades livres. Tomemos a invasão dos EUA-Reino Unido ao Iraque, um
caso clássico de agressão sem pretexto credível, o “crime internacional
supremo” definido no julgamento de Nuremberga. É legítimo afirmar-se que
foi uma “guerra idiota”, um “erro estratégico” ou até “o maior erro

1
Prefácio baseado e traduzido do artigo “Independence of Journalism” (2017) -
https://chomsky.info/01072017 por Steven S. Gouveia e Diana Neiva. Os editores agradecem
profundamente ao Professor Chomsky pela sua geneorsa disponibilidade e confiança.

[11]
estratégico na história recente da política externa americana” nas palavras do
Presidente Obama, muito elogiado pela opinião liberal. Mas "não adiantaria"
dizer o que era, o crime do século, embora não houvesse tal hesitação se
algum inimigo oficial tivesse realizado um crime mesmo que fosse muito
menor.
A ortodoxia prevalecente não acomoda facilmente uma figura como o
General/Presidente Ulysses S. Grant que pensava que nunca tinha havido
“guerra tão perversa quanto a que foi travada pelos Estados Unidos no
México", tomando posse do que é agora o sudoeste dos EUA e a Califórnia,
e que expressou a sua vergonha por não ter tido "a coragem moral de se
demitir" em vez de participar no crime.
A subordinação à ortodoxia predominante tem consequências. A
mensagem não tão tácita é que devemos apenas lutar guerras inteligentes que
não são erros, guerras são bem-sucedidas nos seus objectivos - por definição
o justo e o certo, de acordo com a ortodoxia prevalecente, mesmo que sejam
na realidade "guerras perversas", crimes maiores. As ilustrações são
demasiado numerosas para mencionar. Em alguns casos, como o crime do
século, a prática ocorre quase sem exceção em círculos respeitáveis.
Outro aspecto familiar da subordinação à ortodoxia predominante é a
apropriação casual da demonização ortodoxa de inimigos oficiais. Para dar
um exemplo quase aleatório, a partir do exemplar do New York Times que
tenho à minha frente agora mesmo, um jornalista económico altamente
competente adverte sobre o populismo do demónio oficial Hugo Chávez que,
uma vez eleito no final dos anos 90, "começou a lutar contra qualquer
instituição democrática que se pusesse no seu caminho".
Voltando ao mundo real, foi o governo dos EUA, com o apoio
entusiasmado do New York Times, que (pelo menos) apoiou plenamente o
golpe militar que derrubou o governo Chávez – brevemente, antes de ser
revertido por uma revolta popular. Quanto a Chávez, seja lá o que for que
pensemos dele, ganhou repetidas eleições certificadas como livres e justas
por observadores internacionais, incluindo a Fundação Carter, cujo fundador,

[12]
o ex-presidente Jimmy Carter, afirmou que "das 92 eleições que
monitorizámos, diria que o processo eleitoral na Venezuela é o melhor do
mundo". E a Venezuela sob Chávez ficou regularmente muito bem
classificada em sondagens internacionais sobre o apoio público ao governo
e à democracia (Latinobarómetro com sede no Chile).
Havia, sem dúvida, déficits democráticos durante os anos de Chávez,
tais como a repressão do canal RCTV, que provocou uma enorme
condenação. Juntei-me a essa condenação, concordando que tal não poderia
acontecer na nossa sociedade livre. Se um canal de TV proeminente nos EUA
tivesse apoiado um golpe militar como a RCTV, então não seria reprimido
alguns anos depois, porque não existiria: os executivos estariam presos, se
ainda estivessem vivos.
Mas a ortodoxia supera facilmente o mero fato.
A falha em fornecer informações pertinentes também tem
consequências. Talvez os americanos devam saber que as sondagens
organizadas pela principal agência de voto norte-americana descobriram
que, uma década após o crime do século, a opinião mundial considerava os
Estados Unidos como a maior ameaça para a paz mundial, sem ter qualquer
outra ameaça concorrente; certamente não é o Irão, que ganha esse prémio
no comentário político americano. Talvez em vez de esconder este facto, a
imprensa deveria ter realizado o seu dever de trazê-lo para a atenção do
público, juntamente com considerações do que tal significa, que lições
produz para a política. Mais uma vez, o abandono do dever tem
consequências.
Exemplos abundantes como estes são suficientemente graves, mas há
outros que são muito mais importantes. Note a campanha eleitoral de 2016
no país mais poderoso da história mundial. A cobertura foi enorme e
instrutiva. Os problemas foram quase inteiramente evitados pelos candidatos
e praticamente ignoradas no comentário político, de acordo com o princípio
jornalístico de que a "objetividade" significa informar com precisão o que os
poderosos fazem e dizem, não o que ignoram. O princípio é válido mesmo

[13]
que o destino das espécies esteja em jogo – como está: o crescente perigo de
guerra nuclear e a ameaça de uma catástrofe ambiental.
A negligência atingiu um pico dramático no dia 8 de novembro de
2016, um dia verdadeiramente histórico. Naquele dia, Donald Trump teve
duas vitórias. A menos importante recebeu uma cobertura extraordinária dos
Media: a sua vitória eleitoral, com quase 3 milhões de votos a menos do que
a sua oponente, graças a características regressivas do sistema eleitoral dos
EUA. A vitória mais importante passou virtualmente em silêncio: a vitória
de Trump em Marraquexe, Marrocos, onde cerca de 200 nações se reuniram
para colocar um teor sério ao acordo de Paris sobre mudanças climáticas no
ano anterior. Em 8 de Novembro, os procedimentos pararam. O resto da
conferência foi em grande parte dedicada a tentar salvar alguma esperança
de os EUA não só não se retirarem do projecto, mas também de não o
sabotarem através do aumento acentuado do uso de combustíveis fósseis,
desmantelando os regulamentos e rejeitando a promessa de ajudar os países
em desenvolvimento a mudar para as energias renováveis.
Tudo o que estava em jogo na vitória mais importante de Trump foi a
perspectiva futura da vida humana organizada das formas que conhecemos.
Por conseguinte, a cobertura foi praticamente nula, mantendo-se o mesmo
conceito de "objetividade" determinado pelas práticas e doutrinas do poder.
Uma imprensa verdadeiramente independente rejeita o papel de
subordinação ao poder e à autoridade. Ela contesta a ortodoxia, questiona o
que "as pessoas que pensam correctamente aceitarão sem questionar", destrói
o véu da censura tácita, disponibiliza ao público em geral a informação e a
variedade de opiniões e ideias que são um pré-requisito para uma
participação significativa na vida social e política e, além disso, oferece uma
plataforma para que as pessoas entrem em debate e discussão sobre as
questões e problemas que lhes dizem respeito. Ao fazê-lo, serve a sua função
como base para uma sociedade verdadeiramente livre e democrática.
Este é apenas um exemplo particular dos tópicos que irá encontrar
neste livro. Assim, descobrirá nesta antologia variados e perplexos

[14]
problemas e ideias sobre Democracia levantados por filósofos, juristas e
cientistas políticos. Essas discussões aumentarão certamente a sua
apreciação pelo pensamento claro e rigoroso e levá-lo-á a reconhecer a
importância da reflexão filosófica e crítica em tópicos urgentes dos nossos
dias.

[15]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[16]
INTRODUÇÃO

A Democracia, palavra com origem no grego demokratía, (palavra


composta por ‘demos’, que significa povo, e ‘kratos’, que significa poder)
tem sido implementada à custa de lutas nem sempre pacíficas acabando com
ditaduras e regimes fascistas de que a história e a humanidade não se podem
orgulhar e jamais esquecer.
Todavia, tem-se constatado que as democracias, actualmente,
enfrentam uma crise de existência, especialmente pela descredibilização do
sector político face à percepção do cidadão comum. Assim, é urgente debater
os problemas que impedem a construção de uma sociedade justa para todos,
criando condições que viabilizem o acesso, por exemplo, à educação, ao
emprego, aos cuidados de saúde e à justiça, tornando as pessoas autónomas
e mais interventivas na sociedade.
Em cenários mais ou menos recentes, verificam-se em velhas e novas
democracias, muitos atropelos cometidos, nomeadamente na sobreposição
dos interesses privados sobre o interesse público, algum autoritarismo e o
nepotismo a conspurcar os princípios que deveriam inspirar uma democracia
justa para todos. Por sua vez, a política deveria servir de exemplo na prática
diária da democracia, algo que parece cada vez mais raro, senão
perfeitamente irreal.
Mais do que nunca, a Democracia deve ser discutida de forma séria e
ponderada, com argumentos claros e rigorosos, pelo que esta obra procura
ser mais um passo nesse caminho. A mesma junta investigadores e docentes
de diversas áreas e formações que irão reflectir sobre diversos temas
relacionados directa ou indirectamente com a Democracia.

A obra está dividida em quatro partes principais: 1) História e Direito


da Democracia; 2) Emancipação, Arte e Educação na Democracia; 3) Brasil
[17]
e Democracia e, por fim, 4) Problemas e críticas à Democracia. Este livro
será certamente útil para especialistas de diversas áreas de estudo, mas
também para aqueles que se iniciam na investigação académica (estudantes
de licenciaturas, mestrados ou doutoramentos). Esperemos que a obra
forneça uma visão geral, porém detalhada, de alguns dos problemas mais
interessantes da investigação académica actual sobre o tema.
A Parte I da obra, dedicada à História e Direito da Democracia, abrirá
com um artigo de Fernando Conde Monteiro (Universidade do Minho). Com
o título “A Democracia actual: reflexões sobre a restrição máxima aos
direitos e interesses jurídicos como forma de assegurar a sua máxima
protecção no quadro jurídico português”, o artigo irá discorrer sobre a
natureza epistemológica do direito penal no contexto democrático e social
moderno.
Segue-se um artigo de título “A Democracia moderna e
constitucionalismo nasceram quando a burguesia tomou o poder”, redigido
por Chalres de Sousa Trigueiro (Universidade de Coimbra) que procurará
demonstrar uma nova leitura da história social dos direitos humanos e da sua
relação com o surgimento das democracias modernas.
Manuel da Cruz (Universidade do Porto) seguirá com um artigo que
irá expor as reflexões de Gene Sharp sobre a natureza do poder e de formas
de o alcançar através de métodos não violentos, cujo título é “Desafio
político – como derrubar ditaduras por métodos não violentos em Gene
Sharp”.
Já Dulcilene Rodrigues (Universidade de Lisboa) apresenta um artigo
de título “Pluralismo constitucional e democracia: por uma tratativa dos
direitos humanos em tempos de mudanças climáticas” onde irá reflectir sobre
a relação importante do pluralismo constitucional com a democracia e da
relevância das alterações climáticas para os direitos humanos.

[18]
Para encerrar a Parte I da obra, o artigo “Entre o universalismo dos
direitos. O reconhecimento identitário no sistema europeu de protecção dos
direitos humanos” será apresentado por Vanessa Capistrano Ferreira
(Universidade Estadual Paulista “Júlia de Mesquita Filho), cujo objectivo é
expor algumas das mais importantes lacunas dos direitos humanos europeus
que põe em causa a própria concepção de Estado democrático, apelando a
novas reflecções que possam indicar o caminho para direitos irrestritos e
verdadeiramente universais.
Iniciamos a Parte II da obra, devota à Emancipação, Arte e Educação
na Democracia, abrirá com um artigo de título “A Democracia segundo
Tomás de Alencar” de Breno Góes (PUC-Rio). O texto procurará expor a
compreensão da ideia de democracia num episódio particular do romance
“Os Maias” de Eça de Queirós, através da personagem Tomás de Alencar.
Seguir-se-á um artigo em co-autoria de Érica Guerra da Silva e
Ludmilla Elyseu Rocha (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro).
Com o título “A correlação da Democracia e o direito social à educação”, as
autoras irão defender que o agir democrático depende necessariamente da
educação adquirida. Só esta poderá garantir a sua qualidade e rigor.
Prosseguiremos com um artigo que discorrerá sobre a crise
democrática que assombra actualmente diversos países e procurará fazer o
diagnóstico dos sintomas e de formas de os combater. O artigo foi realizado
por Maria Izabel Weber (Universidade de Coimbra) e tem o título “Por uma
Democracia emancipatória”.
Thiago Santos Rocha (Universidade de Lisboa) segue com um artigo
de título “Mínimo social, autonomia e participação democrática” onde fará
uma análise teórica da importância de o Estado garantir aos cidadãos o
acesso a um mínimo social de modo a adquirirem uma autêntica autonomia
e uma participação relevante nas decisões políticas e sociais.

[19]
Finalmente, Rúben Frazão Lozada (Universidade de Lisboa) fechará a
Parte II da obra com um artigo de título “As mentalidades dos indivíduos
perante o fenómeno da guerra e o papel que comportam no processo de
decisão democrática” onde discorrerá sobre a importância do papel dos
indivíduos na frágil relação entre a Paz e a Guera.
Continuaremos com a Parte III (Brasil e Democracia) da obra que
enceta com um artigo em co-autoria de Pedro Curvello Avzaradel
(Universidade Paris I) e Rodrigo de Sousa Tavares (Universidade Federal
Rural do Rio de Janeiro). Intitulado “Democracia, retrocessos ambientais e
caráter contramajoritário da constituição no Brasil”, o artigo examinará as
noções teóricas sobre o tema do carácter contramajoritário das decisões
políticas estarem a levar a retrocessos ambientais perigosos.
Já Daniella Tigre Silva e Noemi Pereira Pinheiro (Pontifícia
Universidade Católica de Minas Gerais) apresentaram em co-autoria o artigo
“O poder da Mídia e seus efeitos nos regimes democráticos luso-brasileiro”
onde discutirão o papel da mídia e os seus impactos nas democracias luso-
brasileiras.
Seguiremos com um artigo de título “Whatsapp e ciberativismo: novos
espaços na democracia” de Sérgio Barbosa Silva (Universidade de Coimbra)
onde será investigado o uso de tecnologias de informação e comunicação –
especificamente, o WhatsApp – na participação política e nos novos espaços
da democracia.
Avançaremos com a contribuição de Guilherme Godoy (Universidade
do Porto) com o artigo “Democracia participativa contemporânea: uma
análise brasileira num contexto de regulação das drogas” onde serão
abordadas novas práticas da democracia participativa.
Por fim, encerraremos a Parte III com um artigo de Marcio Felix
Cavalcanti cujo título é “A (in)eficácia do controle difuso de
constitucionalidade”. Discutir-se-á o controle da constitucionalidade das leis

[20]
e a aplicação de um modelo particular de constitucionalidade no direito
português.
A quarta e última parte, intitulada “Problemas e Críticas à
Democracia”, iniciar-se-á com a apresentação do artigo de Ricardo Tavares
da Silva (Universidade de Lisboa) com o título “A Democracia e
meritocracia” onde será discutido a não relação entre a democracia
representativa e a votação eleitoral e outras formas de selecção dos
representantes políticos que não deixarão de ser democráticas, mas que terão
critérios mais relevantes.
Prosseguiremos com o artigo “A Democracia e a reforma do estado
pós-moderno” redigido por Rui Zeferino Ferreira (Universidade de Santiago
de Compostela). Debater-se-á a definição de interesse público e os principais
bloqueios à prática de uma democracia saudável e justa.
Já Paulo Fernando Rocha Antunes (Universidade de Lisboa)
apresentará no seu artigo “Marx, democracia e capital(ismo): as expressões
de “despotismo do capital” no livro I de Das Kapital” reflexões sobre o uso
e significado da expressão assinalada no título do artigo na obra de Karl
Marx, finalizando com reflexões sobre a influência do capital no viver
humano.
Seguir-se-á uma reflexão sobre os fundamentos teóricos da
democracia, a sua ligação com o voto e conclusão de a democracia actual é
um regime demasiado frouxo para ser verdadeiramente justo. Este artigo foi
elaborado por Steven S. Gouveia (Universidade do Minho).
Continuaremos ainda com um artigo em co-autoria de Hamilton
Gondim (Universidade Estadual da Paraíba) e Ana Paula Silva
(Universidade Federal da Paraíba) com o título “Crítica à noção de
democracia na obra de Slavoj Žižek” onde será analisado a crítica da noção
de democracia moderna na obra do filósofo esloveno.

[21]
Finalmente, encarremos a Parte IV e a obra com o artigo de título “A
Mediatização da Justiça” de Maria João Inácio que abordará a relação dos
Media com a Justiça de um ponto de vista democrático. Analisará ainda a
frágil relação entra os direitos consagrados e a liberdade de informação.

Esta obra abrange diferentes perspectivas podendo complementarem-


se numa visão ampla da sociedade, apresentando o que talvez possamos
definir como sugestões críticas dos Autores que têm por base uma visão
ampla da sociedade, a qual se aljema mais coesa, dinâmica, madura e
participativa.
Assim, desejamos bons momentos de leitura, na expectativa de que
estes artigos consigam, de alguma forma, despertar o espírito crítico do leitor
sobre a essência da Demcoracia.
Encerramos esta introdução gratificando verdadeiramente todos
aqueles que merecem de facto serem reconhecidos pelo seu espantoso
trabalho de produção científica: os distintos Autores que apresentamos nesta
obra colectiva.

Os Editores

[22]
PARTE I
História e Direito da
Democracia

[23]
PARTE I
História e Direito da
Democracia

[24]
1. A DEMOCRACIA ACTUAL: REFLEXÕES SOBRE A RESTRIÇÃO
MÁXIMA AOS DIREITOS E INTERESSES JURÍDICOS COMO FORMA
DE ASSEGURA A SUA MÁXIMA PROTECÇÃO NO QUADRO
JURÍDICO PORTUGUÊS

Fernando Conde Monteiro*

Resumo: O texto em causa reflete sobre a natureza epistemológica do direito penal,


enquanto realidade inserida no contexto democrático e social moderno, concluindo no
sentido da impossibilidade de se poder dar uma resposta satisfatória neste plano, quer no
domínio axiológico-normativo, quer no âmbito da eficácia.

Palavras-chave: direito penal, necessidade, proporcionalidade, axiologia, eficiência.

1. O inter-relacionamento humano como realidade hipercomplexa

Particularmente nas sociedades atuais é reconhecido o caráter altamente complexo


que o inter-relacionamento dos seus indivíduos apresenta. Esta enorme complexidade
deriva antes de mais da multidiversidade dos entes nela participantes: desde os
relacionamentos entre simples seres humanos per se até às complexas redes de direitos e
obrigações entre estes e entes coletivos (ou mesmo paracoletivos) ou apenas entre estes
últimos, passando pelos modernos desafios colocados pelo meio ambiente, animais e
ultimamente pela inteligência artificial.1
De resto, esta mesma complexidade, assentando desde logo na própria
complexidade do ser humano, derivada das múltiplas dimensões constitutivas do mesmo,
desde os aspetos físicos e biológicos até às dimensões mentais, acaba por adquirir

*Professor da Escola de Direito da Universidade do Minho.


1
Sobre isto, MONTEIRO, F.C. (2013), “Ética e Direito Penal (Reflexões epistemológicas sobres as
relações entre ética e direito penal em face do direito positivo português)” in ROCHA J. (org.) Anuário
Publicista da Escola de Direito da Universidade do Minho – Tomo II, Ética e Direito, Braga: Escola de
Direito da Universidade do Minho/Departamento de Ciências Jurídicas Públicas, p.45 e segs.

[25]
características extremas em face do desenvolvimento social e cultural da espécie humana,
máxime por via do crescimento exponencial do conhecimento e da tecnologia.
Efetivamente, é consabido o facto de atualmente vivermos em sociedades
povoadas de um sem-número de atividades de múltipla índole que ultrapassam de longe
as simples fronteiras dos meros estados para se assumirem como realidades à escala
mundial (globalização).2
De resto, a paulatina ultrapassagem do modelo dos estados em função de
organizações de índole regional3 e mesmo universal4 mais reforça a complexidade em
causa.

2. O inter-relacionamento humano como realidade carecedora de regulamentação

2.1.Introdução

Se todo o inter-relacionamento humano necessita de respostas axiologicamente


significativas por via dos problemas que naturalmente coloca,5 então, há que procurar as
fontes de emanação de tais respostas.

2.2. Fontes de regulamentação não jurídicas

Uma primeira fonte de resolução dos problemas do inter-relacionamento humano


pode ser buscada em áreas não jurídicas: ética, simples costumes meramente sociais,
religião enquanto tal, filosofia, meras ideologias políticas, etc. Tal poderá ter expressão
através de instituições/grupos de cariz sociológico tais como: a família, religião, escola,
vizinhos, associações, etc.6

2
Algo que pode ser expresso desde a simples (ou mesmo complexa) rede de transportes e vias de
comunicação até ao ultraconhecido fenómeno das comunicações (por exemplo, a internet) e passando pela
interdependência de cariz económica, comercial, monetária, etc.
3
Pense-se desde logo na União Europeia.
4
Destaque deve naturalmente ser dado à ONU.
5
As questões neste plano vão desde a necessidade de impor limitações ao agir humano em face de terceiros
também seres humanos (por exemplo, até aonde poderei ir na defesa dos meus interesses individuais face
a um terceiro, igual a mim próprio?), também de conjuntos mais ou menos extensos de homens e mulheres
(interesses coletivos) e animais ou coisas (por exemplo, meio ambiente) até à definição de direitos e
pretensões dos entes participativos nestes diferentes tipos de relacionamentos.
6
Neste sentido, KREY, V. (2008), Deutsches Strafrecht, AT, Grundlagen, Tatbestandsmässigkeit,
Rechtswidrigkeit, Schuld, Vol. I, 3.ª ed., Stuttgart: Kohlhammer, p.2.

[26]
Um sistema deste teor, pese embora a sua coexistência com a fenomenologia
jurídica, não é considerado como suficiente e satisfatório para uma adequada resolução
da conflitualidade social, mormente nas nossas atuais sociedades hipercomplexas.7

2.3.O direito como resposta ao desafio do inter-relacionamento

A realidade jurídica, a partir das constituições e do direito internacional e também


usando de múltiplos mecanismos de direito interno, procura estabelecer uma adequada
regulamentação de toda esta complexa rede de vínculos. Para além desta função, o direito
estabelece, em caso de violação das suas normas, mecanismos interventivos que vão
desde simples declarações de invalidade de normas jurídicas até fortes restrições aos
direitos dos cidadãos, passando por sistemas de ressarcimento de danos e diversos tipos
de sanções jurídicas.

3. O direito penal moderno como possível resposta aos desafios do inter-


relacionamento humano

3.1.O conteúdo axiológico-normativo jurídico-penal

O direto penal visa estabelecer um quadro jurídico-protetivo que vai desde um


conjunto imenso e complexo de direitos individuais e coletivos (vida, integridade e saúde
dos cidadãos, propriedade e honra dos mesmos, assim como de entes coletivos, etc.) a
interesses de caráter intrinsecamente coletivo (incorruptibilidade dos funcionários
públicos, imparcialidade da administração da justiça, manutenção do estado, enquanto
tal, proteção de interesses gerais da comunidade internacional, etc.).
Todo este imenso conteúdo de cariz axiológico-normativo encontra-se
subordinado pretensamente a estritos princípios de natureza racionalizadora, que
aparecem a priori como seus critérios fundamentadores.

3.2.O princípio da necessidade de intervenção jurídico-penal (em sentido amplo)

7
Ibid., pp.2-3.

[27]
O sistema jurídico-penal só deverá intervir no âmbito axiológico-normativo se tal
for reclamado por um (por muitos considerado irrenunciável) princípio da necessidade.8
Tal significa portanto que o direito penal deverá assumir-se como uma realidade
eficiente. De qualquer maneira, esta eficiência pode ceder em função de eventuais
incomportáveis custos axiológicos que possa acarretar.9 Por outro lado, a intervenção por
parte de ramos jurídicos menos incisivos que o direito penal e de forma considerada
adequada e portanto eficiente poderá igualmente afastar este da sua eventual
intervenção.10 De resto, uma conduta poderá ser criminalizada não obstante tal ser
altamente questionável, desde logo no plano axiológico.11
Encontramo-nos assim perante a consagração dos princípios da necessidade
(incluindo a subsidiariedade), da intervenção jurídico-penal (em sentido estrito) e da
proporcionalidade ou proibição do excesso.
O art.º 18.º n.ºs 2 e 3 da Constituição portuguesa tem sido considerado como o
suporte normativo destes princípios.12

3.2.1. Consequências jurídicas do princípio da necessidade de intervenção


jurídico-penal

3.2.1.1. O conteúdo axiológico-normativo: a importância e o seu significado


como critérios de recorte jurídico-penal

A escolha do conteúdo axiológico-normativo a ser tutelado pelo direito penal deve


obedecer à ideia fundamental de que só realidades dotadas de óbvia importância neste
âmbito é que merecerão ser elevadas à categoria de coisas jurídico-penais

8
Sobre isto, MONTEIRO, F.C. (2009), Estudos em Homenagem ao Prof. Doutor Jorge de Figueiredo Dias,
Vol. II, I. Direito Penal, 4. Parte Geral, ANDRADE, M. C.; ANTUNES, M. J.; SOUSA, S. A. (orgs.)
“Algumas Reflexões Epistemológicas Sobre O Direito Penal”, Coimbra: Coimbra Editora, p.761 e segs.
9
O que corresponde a um princípio de proporcionalidade (em sentido estrito), assim, COSTA, F. (1992),
O Perigo em Direito Penal, Coimbra: Coimbra Editora, p.252 e segs.
10
Estaremos, portanto, perante o princípio da subsidiariedade da intervenção jurídico-penal, cf., neste
sentido, BELEZA, T. (1998), Direito Penal, 1.º Vol., 2.ª ed., AAFDL, pp.50 -53; SILVA, M. (2001), Direito
Penal Português, Parte Geral, I, Introdução e Teoria da Lei Penal, 2.ª ed., Lisboa /S. Paulo: Verbo, pp. 88-
89.
11
O que poderá reduzir o direito penal a uma mera função simbólica, sobre esta, cf. ROXIN, C. (2006),
Strafrecht, AT, Grundlagen, Der Aufbau der Verbrechenslehre, Vol. I, 4.ª ed., München: C.H. Beck, pp.25-
27.
12
Neste sentido, entre nós, DIAS, F. (2007), Direito Penal I, 2.ª ed., Coimbra: Coimbra Editora, pp.127-
131; cf., em sentido restritivo, em face do direito italiano, PULITANÒ, D. (1983), “Obblighi constituzionali
di tutela penale?,” Rivista Italiana di Diritto e Procedura Penale, p.495. Efetivamente os normativos em
questão não permitem uma fundamentação em sentido positivo de um conceito material de crime, mas
eventualmente o seu recorte negativo, infra n. 15.

[28]
(sfrawürdigkeit).13 Deste modo, assegurar a proteção jurídico-penal de, por exemplo,
meras normas de etiqueta social, ordenação simples do trânsito ou de caráter
simplesmente estético é algo que por regra não fará sentido.14 Já a tomada em
consideração de valores fundamentais de cariz individual (vida, integridade física, saúde
pessoal, liberdade, propriedade, etc.), assentes na Constituição, ordem liberal, implicaria
per se uma clara obrigação de os proteger, nesta perspetiva.15 Por outro lado, valores de
âmbito coletivo, também careceriam de uma proteção penal (pense-se, por exemplo, na
16
recolha de tributos, na defesa do ambiente ou na segurança do estado) De resto, o
recorte a efetuar neste âmbito não se limita à simples consideração dos bens em si
mesmos. A forma da sua violação é igualmente um aspeto fundamental a tomar em
consideração. Uma agressão dolosa não pode comportar uma mesma valoração ética que
um comportamento meramente negligente. Portanto e antes de mais de um ponto de vista
político-criminal, a significatividade axiológico-jurídica de uma dada conduta terá
forçosamente que constituir um marco decisivo de delimitação de um autêntico direito de
ultima ratio.17 Algo que expressará iniludivelmente a acentuada eticização da realidade
jurídico-penal.

13
Sobre isto, fundamental, SAX, W. (1957), “Kriminalpolitik und Strafrechtsreform”, Juristenzeitung, p.6.
14
Cf. neste sentido ROXIN. C., op. cit., p. 18 e segs.
15
A doutrina dominante, porém, rejeita esta obrigação de incriminação (constitucional), sem mais; neste
sentido, na Alemanha, ROXIN, C., idem, p.47; entre nós, DIAS, F., op. cit., pp.129-131; em sentido
contrário, aceitando uma imposição implícita constitucional de incriminação, por exemplo, CUNHA, C.
(1995), Constituição e Crime, Uma Perspetiva da Criminalização e da Descriminalização, Universidade
Católica Portuguesa, pp.410-411. De facto, na base deste posicionamento não se encontra a fundamental
ideia de conceber os direitos de cariz liberal como direitos negativos em face do estado [PIETRZAK, A.
(1994), “Die Schutzpflicht im verfassunrechtlichen Kontexte – Überblick und neue Aspekte”, Juristische
Schulung, p.748], pois que se objetivaram (assim, por exemplo, CANOTILHO, G./ MOREIRA, V. (1991),
Fundamentos da Constituição, Coimbra: Coimbra Editora, p. 102 e segs.) e portanto se inseriram na tarefa
constitucional de os proteger (art.º s 2.º, 9.º e 18.º n. 1 da Constituição portuguesa), mas antes a ideia de
conceber esta tarefa a partir de patamares mínimos [proibição da insuficiência, CANARIS, C-W. (1984),
“Grundrechte und Privatrecht”, Archiv für die civilistische Praxis, vol. 184, p.228] e no âmbito penal, como
“possível obrigatoriedade”, fundada no estado de direito democrático em sentido material e condicionada,
em concreto, por um raciocínio argumentativo de base empírica sobre a necessidade da pena” [PALMA, F.
(2006), Direito Constitucional Penal, Coimbra: Almedina, p.56].
16
Sobre o relacionamento entre o estado social inerente ao quadro constitucional vigente e o direito penal
(secundário), DIAS, F. (1984), Para Uma Dogmática do Direito Penal Secundário, Um Contributo Para a
Reforma do Direito Penal Económico e Social, Coimbra: Coimbra Editora, p.22 e segs. Sobre a sua
obrigatoriedade constitucional supra n. 15.
17
E a confirmar isto encontramos a grande disparidade entre a punibilidade dos crimes dolosos
relativamente aos crimes negligentes, atente-se, desde logo, no caso português, por exemplo, ao homicídio
doloso simples (pena de 8 a 16 anos), art.º 131, em comparação com o homicídio negligente simples,
punível com uma pena de prisão de 1 mês a 3 anos ou em alternativa com pena de multa, art.º 137 n.º 1,
ambos os normativos do Código Penal português; sobre isto, DIAS, F. (2007), Direito Penal I, pp.349-350.

[29]
3.2.1.2.As consequências jurídico-penais enquanto formas de proteção subsidiária
do direito penal

Um direito penal, que se assuma como a entidade protetora daquilo que


axiologicamente se configura como mais valioso para a coletividade (importância
essencial dos seus valores em si mesmos e no seu recorte epistemológico), há de, por
razões de logicidade e proporcionalidade, consubstanciar em si próprio também aquelas
consequências jurídicas que se configurem como as mais incisivas de todo o sistema
jurídico (princípio da singularidade do sancionamento jurídico-penal).18

4. Crítica epistemológica ao paradigma dominante no plano da intervenção


jurídico-penal

4.1. O problema do recorte axiológico-normativo

Como anteriormente referimos, a definição dos bens jurídicos a serem tutelados


jurídico-penalmente obedece fundamentalmente a dois tipos iniciais de critérios. Por um
lado, afirmando-se a validade intrínseca do bem, enquanto tal (v.g., vida); por outro,
delimitando espécies de agressões aos valores protegidos e assim estabelecendo formas
de proteção por via disso.
Ora, a primeira questão que desde logo aqui se coloca é a de saber se, desde logo,
a escolha a priori de certos valores óbvios como a vida, a integridade física ou a saúde,
implica sem mais a solução do problema em causa. Efetivamente, nenhum bem jurídico
apresenta um caráter absoluto em termos da sua proteção. Noutros termos, qualquer valor
jurídico-penal pode ser objeto de postergação legítima. Basta para tal que esteja
justificado no âmbito do ordenamento jurídico em que se encontre estabelecido. 19 Por
outro lado, a questão da justificação em causa é um problema em aberto no plano jurídico-
epistemológico. Efetivamente, desde as clássicas legítima defesa e direito de necessidade
até à ideia (ou ideias) de adequação social, passando por cláusulas supralegais (por
exemplo, no âmbito do direito de necessidade), encontramos um sem-número de

18
Relativamente a isto, cf. STRENG, F. (2012), Strafrechtliche Sanktionen, Die Strafzumessung und ihre
Grundlagen, 3.ª ed., Stuttgart: Kohlhammer, p.1.
19
Por todos, MONTEIRO, F.C. (2015), Direito Penal I, Braga: ELSA – UMINHO, p.128 e segs.

[30]
construções jurídicas, que para além de divergirem entre si, 20 nem sequer as podemos
quantificar. 21
Por outro lado, a escolha de certos bens como carecedores de tutela jurídico-penal
pode ser altamente contestável, como nos casos, entre nós, por exemplo, da incriminação
do lenocínio (art.º 169.º do Código Penal português),22 da expressão de opiniões sobre
factos históricos (v.g., negação do holocausto nazi),23 da relevância jurídica do
consentimento da mulher grávida no crime de aborto,24 etc.
De resto, o próprio recorte valorativo no seio de um mesmo bem jurídico, com
diferentes valorações, pode efetivamente ser altamente questionado. Porque é que, por
exemplo, o homicídio ou as ofensas corporais à integridade e saúde dolosas devem ser
mais valoradas que os seus comportamentos negligentes, quando estes são mais
frequentes e, portanto, preventivamente constituem expressão de um maior alarme
social?25
Portanto, encontramo-nos perante uma clara falta de critérios de valor que com
rigor e suficiência nos possam dar a legitimidade axiológica que fundamente o conteúdo
ético-jurídico do direito penal.
As atrás ambiguidades sobre o processo de incriminação não mais expressam do
que isto mesmo. 26
Neste plano, o historicismo da realidade jurídica (incluindo o direito penal), por
praticamente todos reconhecido,27 não mais expressa do que esta óbvia anarquia

20
Veja-se, por exemplo, a erosão que entre nós tem sofrido a clássica legítima defesa, sobre isto, cf. DIAS,
F. (2007), Direito Penal I, p.404 e segs.
21
Sobre isto, cf. DIAS, F., idem, pp. 387-90.
22
Relativamente a esta polêmica e para se ter uma panorâmica da divisão da doutrina sobre este ponto,
ALBUQUERQUE, P.P. (2015), Comentário do Código Penal à luz da Constituição da República e da
Convenção Europeia dos Direitos do Homem, 3.ª ed., Lisboa: Universidade Católica Editora, p.673; cf.
igualmente com o acórdão do Tribunal Constitucional português n.º 641/2016.
23
Sobre isto, cf., com interesse, a decisão do plenário do Tribunal Constitucional de Espanha, sentença
235/2007 de 7 de novembro de 20017, disponível em
http://www.tribunalconstitucional.pt/tc/acordaos/20160641.html, acesso em 15/572017; veja-se
igualmente RIBEIRO, R. S.R., O Discurso de Incitamento ao Ódio e a Negação do Holocausto: Restrições
à Liberdade de Expressão?, disponível em
http://www.fd.uc.pt/hrc/pdf/papers/RaisaDuarteSilvaRibeiro.pdf, acesso em 15/5/2017.
24
De notar ser esta uma questão polêmica, quer em termos históricos (no caso português só a partir da Lei
n.º 16/2007, de 17 de abril é que o consentimento da mulher grávida, sem mais, relevou enquanto causa de
justificação), quer no âmbito diacrónico, em que diferentes legislações consagram soluções opostas.
25
Encontramo-nos assim perante um conflito de natureza político-criminal entre a ideia de eticidade face
às questões de pragmaticidade – uma constante em toda a fenomenologia jurídico-penal.
26
Supra n. 15.
27
Neste sentido, NEVES, C. (1993), p.49, afirma: “Os pensamentos revelam-se deste modo entidades
culturalmente históricas. São função da concepção do direito e dos objetivos práticos específicos por que
ele se orienta em cada época e nos diversos sistemas jurídicos. Mais do que isso, são função inclusivamente
do sentido fundamental da cultura englobante, do sistema cultural global, porquanto aí se oferecem já os

[31]
epistemológica, que se estende no âmbito sincrónico, com uma imensa mole de sistemas
jurídicos de diferente recorte axiológico, quer no âmbito dos seus fundamentos, quer no
seu conteúdo normativo e que igualmente tem lugar no processo aplicativo judicativo.28

4.2. O problema da pretensão de eficácia jurídico-penal

Se o problema meramente axiológico é deveras complexo, mais complexo se torna


ainda a questão da eficácia no âmbito jurídico-penal.
Efetivamente, o ponto de partida neste plano é desde logo bicéfalo, isto é, a
questão em causa diz respeito simultaneamente a aspetos empíricos, mas nela se
convolam igualmente problemas axiológicos. Por outras palavras, encontramo-nos
perante a escolha de um sistema jurídico-penal simultaneamente considerado como o
mais eficiente, mas ao mesmo tempo reclamando-se como o menos incisivo (com
menores custos axiológicos).29 Eis algo que não tem tido e não estamos a ver que possa
ter expressão efetiva em termos epistemológicos. De facto, nós encontramo-nos
impossibilitados de fazer experiências laboratoriais em termos de podermos decompor a
realidade criminológica nos seus elementos mais simples para assim estabelecermos
eventuais relações determinísticas entre fatores. Portanto a ideia de causalidade no plano
criminológico é simplesmente um mito e com ela cai naturalmente a questão do melhor
meio de combater o crime em termos estritamente empíricos. Por outro lado, como
referimos, o problema da pretensão de eficácia ou mesmo desta é necessariamente
relativizado em função da ideia de valor (proporcionalidade). Um meio simplesmente
eficaz pode não ser legítimo por se configurar demasiadamente excessivo. Portanto,
encontrando-nos perante esta busca, necessariamente que seremos confrontados com
problemas epistemológicos de impossível resolução, por via desde logo da aludida

últimos referentes intencionais (o próprio sistema de valores que o direito assimilará), já a estruturas
noéticas que nessas épocas condicionam as possibilidades de pensar abertas a qualquer pensamento
integrado nesse mesmo universo cultural “, Metodologia Jurídica: Problemas Fundamentais, Coimbra:
Coimbra Editora. Sobre especificamente a irracionalidade no âmbito jurídico-penal, MONTEIRO, F. C.
(2012), “Algumas reflexões sobre o Direito Penal a partir da Psicanálise”, Revista Jurídica da Universidade
Portucalense, n.º 15, p.80 e segs.
28
Para uma caracterização dos diferentes sistemas jurídicos contemporâneos, cf., por todos, VICENTE, D.
M. (2015), Os Grandes Sistemas de Direito Contemporâneo (Direito Comparado), vol. I, 2.ª ed., Coimbra:
Almedina.
29
Neste sentido, MONTEIRO, F.C. (2013), Ética e Direito Penal, pp.54-56; cf. igualmente RODRIGUES,
A. (2001), Novo Olhar Sobre A Questão Penitenciária, Estatuto Jurídico do Recluso e Socialização,
Jurisdicionalização, Consensualismo e Prisão, Coimbra: Coimbra Editora, pp.31-32.

[32]
impossibilidade de decompor a realidade nos seus elementos mais simples, procedendo a
experiências laboratoriais.
Não admira, portanto, que também aqui a historicidade e a culturalidade tenham
o seu lugar de destaque. Desde a simples composição de interesses entre a vítima (ou
30 31
quem a represente) e o agressor até à clássica pena de morte, passando pela multa,
desterro, penas corporais, infâmia, técnicas de reeducação, medidas de segurança e
tratamento, etc., tudo praticamente já teve expressão no plano histórico. Igualmente num
plano diacrónico a ainda atual diversidade de instrumentos penais é incomensurável.32
A tudo isto acresce a demonstrada fragilidade do sistema penal globalmente considerado
(aparelho legislativo, instâncias formais de controlo), cujas limitações de toda a espécie
e contradições implicam uma larga margem de inoperacionalidade e desvio do seu quadro
jurídico institucional.33 De resto, o investimento no combate ao crime é sempre um aspeto
a ser ponderado, desde logo politicamente, com outros aspetos, numa perspetiva de
recursos necessariamente escassos e disso o direito penal se ressente, obviamente.34
Portanto, encontramo-nos perante óbvias limitações epistemológicas também
neste âmbito.

5. Conclusão

O direito penal assume a função de proteção de bens jurídicos fundamentais da


coletividade. Fá-lo, contudo, em termos de uma óbvia fragilidade epistemológica. Daqui
que a historicidade e a culturalidade se façam sentir conjuntamente a dispersão de
decisões e a irracionalidade a tudo isto ligadas. Alternativas este estado de coisas é algo
para já impensável. De resto, outros setores do ser humano igualmente disto mesmo
participam: estética, ética, política, filosofia, etc., pelo que a resignação é algo de
inevitável.35

30
Sobre isto, entre nós, CARVALHO, T. (1982), “Condicionalidade Sócio-Cultural do Direito Penal,”
Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Vol. LVIII, pp. 1051-1052.
31
Sobre em particular esta, MONTEIRO, F. C. (2013), Estudos de Homenagem ao Professor Doutor
Alberto Xavier, Vol. III, FERREIRA, E. P.; TORRES, H.; PALMA, H. (orgs.), “A pena de morte no âmbito
do sistema jurídico-penal – reflexões críticas,” Coimbra: Almedina, pp.243-257.
32
Para uma reflexão, entre outras, sobre esta diversidade, MARKUS, D. D.; LINDSAY, F. (2007) (orgs.),
Modern histories of crime and punishment. Critical perspectives on crime and law., Stanford: Stanford
University Press.
33
Neste sentido, DIAS, F./COSTA, A., op. cit., p. 365 e segs.
34
Ressaltando os custos elevadíssimos de um direito penal muito eficaz, SILVA, S. (2004), Eficiência e
Direito Penal, Vol. 11, Coleção de Estudos de Direito Penal, trad. Maurício António Ribeiro Lopes., S.
Paulo: Manole, pp.40-41.
35
Assim, MONTEIRO, F. C. (2009), Algumas Reflexões Epistemológicas Sobre O Direito Penal, pp.759-
760

[33]
[34]
2. A DEMOCRACIA MODERNA E CONSTITUCIONALISMO
NASCERAM QUANDO A BURGUESIA TOMOU O PODER

Charles de Sousa Trigueiro1

Resumo: O presente artigo tem como objetivo demonstrar que na história social dos
direitos humanos, o estado nasce com a união de senhores feudais com o rei (apenas a
nobreza) criticando a história tradicional, na qual dizia que os estados nacionais foram
formados pela união do rei com a burguesia. O presente artigo tenta se alinhar a nova
história critica e demonstrar que as democracias modernas surgem no momento em que
a burguesia toma o poder e acaba de vez com o feudalismo, nascendo assim, as
constituições como forma de assegurar um estado de estrutura burguês para o pleno
desenvolvimento do capitalismo. Surgindo com as democracias modernas, o
constitucionalismo.

Palavras chaves: Estado, nação, constitucionalismo.

Introdução

Para realização da presente investigação foi necessário aplicar o método


dogmático, como a hermenêutica dos textos normativos recomenda, mas também o aporte
à doutrina e à transversalidade foram necessários, desde que se trata de tema
interdisciplinar de elevado teor político e sociológico, tudo alinhavado por uma tradição
de pensamento racionalista da formação dos estados e surgimentos das constituições.
Assim, o artigo, divide-se em quatro partes. Na primeira parte realizou-se uma
demonstração sobre o surgimento dos estados nacionais, os interesses das classes sociais
envolvidas, e um estudo sobre os doutrinadores e teóricos destes temas.

1 Doutorando em Direito Pública na Universidade de Coimbra; Mestre em Ciência Jurídicas, Bacharel em


ciências jurídicas e sociais pela UFPB.. Servidor Técnico Administrativo em Educação com apoio ao
Ensino, Pesquisa e Extensão, ambos pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB - Brasil. Especialista em
direitos Humanos, Econômico e Social pela UFPB. Especialista em Ordem Jurídica Ministério Público e
Cidadania pelo Centro Universitário de João Pessoa - Paraíba.

[35]
A segunda parte apresenta estudos sobre o momento em que a burguesia toma o
poder, analisando o caso da revolução francesa.
Trata a terceira parte, do estudo da concepção marxista do direito.
A quarta e última parte, analisa o surgimento do constitucionalismo.
Por fim, a investigação em mãos representa um convite ao leitor interessado em
saber mais sobre as reais possibilidades que o Estado através do surgimento do
constitucionalismo, apresenta de oportunidades para que as pessoas se desenvolva com
dignidade humana e justiça social.

1. Formação dos estados nacionais

Inicialmente cabe analisar o surgimento dos estados nacionais na Europa. A


história tradicional diz que o rei ao se aliar à burguesia nascente conseguiu poderes que
antes estavam dispersos nas mãos da nobreza feudal.
A nova história critica diz que essa é uma tese falha que não merece prosperar,
porque o Estado absolutista foi criado pela união dos nobres. Foi os senhores feudais que
concordaram em concentrar toda autoridade nas mãos dos reis.

1.1. A monarquia absolutista

No estado nacional absolutista, o rei tinha um poder absoluto. Isso quer dizer que
as únicas leis que valiam era as leis nacionais aprovadas pelo rei. O único tipo de moeda
que podia circular em toda a nação era o que fosse autorizado pelo rei. Os comandantes
do exercito e da marinha, os ministros, todos eram nomeados pelo rei. (SCHMIDT, 1999)
A autoridade do rei era absoluta porque não podia ser contestada. Sempre valia a
vontade dele. Não existiam eleições, nem partidos políticos, nem Constituição, nem
mesmo um parlamento com deputados. Ninguém publicava um livro sem autorização
real. Todos tinham de obedecer lhe. O monarca estava acima de todas as leis. (SCHMIDT,
1999)
Os primeiros estados nacionais da Europa tinham um regime político chamado
monarquia absolutista. Monarquia porque tem um rei, absolutista porque o rei governa
sem limites. (SCHMIDT, 1999)

[36]
Segundo José Damião de Lima (TRINDADE, 2002, p. 17) para explicar as razoes
do surgimento do estado nacional e da monarquia absolutista é preciso entender como
estava a Europa no final da idade média.
O fato de as pessoas falarem o mesmo idioma e partilharem as mesma tradições
culturais ajudava-as a se sentirem “da mesma família”, “da mesma comunidade” e “da
mesma nação”. As rotas de comércio ligavam os interesses econômicos de muitas cidades
e regiões e estimulavam a idéia de que, se todos se unissem, seriam mais fortes, mas
protegidos contra os “estrangeiros”. Mas não foi só por isso que se formaram os Estados
nacionais. (SCHMIDT, 1999)
Conforme dizia Marx, a historia é uma luta de classes, então, para entender porque
surgiu os Estados nacionais é preciso estudar o que estava acontecendo com as classes
sociais, como a nobreza feudal, a burguesia e os camponeses, no final da idade média.
José Damião de Lima (TRINDADE, 2002, p. 21) diz que primeiramente a Europa
sofreu com a grande crise econômica do século XIV. A população havia crescido, passava
fome e não havia mais terras disponíveis para plantar. Para piorar o quadro, as guerras e
a peste negra mataram milhares de pessoas. As cidades diminuíram de tamanho, os
campos foram abandonados. Com esse empobrecimento geral, os nobres recebiam
tributos feudais cada vez menores. Ou seja, até os nobres tinham sua riqueza diminuída.
Vendo suas rendas diminuírem, os nobres tomaram uma atitude brutal:
aumentaram a exploração feudal sobre os servos. Exigiram mais e mais tributos. Mas a
resposta dos servos também foi brutal e eclodiram inúmeras revoltas em muitas regiões
da Europa. Os servos invadiam os castelos, pegavam os objetos de valor e incendiavam
o que sobrava. Em muitos feudos, as terras foram tomadas pelos camponeses e divididas
entre eles.2
Para José Damião de Lima (TRINDADE, 2002, p. 18 ) as revoltas dos servos eram
tão maciças que o exercito particular de cada senhor feudal já não era suficiente. Os
nobres começaram a perceber que precisavam se unir para se defender das revoltas que
ameaçavam todos os senhores feudais. Ficava claro que só haveria uma maneira de

2 Segundo o historiador Francês Georges Duby (DUBY, 2009, p. 222) ele conhece uma carta de um nobre
da época que, apavorado, escreveu contando que tinha ouvido boatos de que os servos haviam estuprado
uma condessa na frente do marido. Depois, amarraram o conde e o puseram no fogo. Em seguida, obrigaram
a esposa comer pedaços da carne assada do cadáver do marido. É provável que essa historia seja exagerada,
mas de qualquer modo ela revela o pavor que os nobres estavam sentido com as insurreições camponesas.

[37]
combater as rebeliões e salvar o feudalismo: a formação de um grande exército que
atuasse em vastos territórios para esmagar de vez as revoltas servis.3
Para montar um exercito, era preciso dinheiro e organização. Portanto, o Estado
absolutista foi a organização que os nobres encontraram para se unir, cobrar impostos de
tanta gente, manter a ordem feudal sobre vastos territórios, criar novas leis e nomear
novos funcionários. (SCHMIDT, 1999)
O historiador inglês Perry Anderson destaca que:

Durante toda a fase inicial da época moderna, a classe dominante – econômica e


politicamente – era, portanto, a mesma da época medieval: a aristocracia feudal. (...)
Essencialmente, o absolutismo era apenas isso: um aparelho de dominação recolocado
e reforçado, destinado a sujeitar as massas camponesas à sua posição tradicional. (...)
Em outras palavras, o Estado absolutista nunca foi um árbitro entre a aristocracia e a
burguesia, e menos ainda um instrumento da burguesia nascente contra a aristocracia:
era a armadura política de uma nobreza atemorizada. (ANDERSON, 1985, p. 18)

O Estado absolutista foi criado pela união dos nobres. Foram eles que
concordaram em concentrar toda autoridade nas mãos dos reis. O Estado absolutista era
uma super- arma nas mãos dos senhores feudais. Antes, quando os servos se revoltavam,
eles era liquidados pelo próprio nobre e suas tropas. Com o Estado nacional, os nobres
haviam construído uma super- espada e um super- escudo: o Estado absolutista. Se os
servos ousassem se revoltar, teriam de enfrentar as leis do rei, os tribunais do rei, os
exércitos do rei. (SCHMIDT, 1999)
Ainda com Perry Anderson (ANDERSON, 1985, p. 19) o Estado absolutista não
era neutro em relação às classes sociais. O rei até que falava em governar “para todo o
povo”, mas, na prática, quando estourava uma revolta de camponeses contra nobres, o rei
estava sempre de um lado: dos nobres e do feudalismo.
De qualquer modo, os reis não podiam fazer tudo aquilo que quisessem. Se um rei
“enlouquecesse” e tomasse partido dos servos contra os nobres, provavelmente os nobres
se rebelariam e o substituiriam por outro monarca mais “lúcido”. Isso mostra que as
decisões do rei podiam ser limitadas pelos interesses da nobreza. (SCHMIDT, 1999)

3 Segundo o historiador Francês Georges Duby (DUBY, 2009, p. 238) a crise no século XIV e o aumento
dos tributos feudais geraram revoltas populares. (Na França, a rebelião camponesa foi chamada de
jacquerie. Na Inglaterra, foi liderada por um artesão chamado Watt Tyler e apoiada pelo padre John Ball).
Os camponeses perguntavam: “Quando Adão cavava a terra e Eva fiava, onde estava o cavaleiro?”. O
estado absolutista nasceu para esmagar essas revoltas.

[38]
1.2. Os interesses da burguesia

Para José Damião de Lima (TRINDADE, 2002, p. 24) a unificação nacional


favorecia a burguesia. A razão era simples: os monarcas absolutistas dava força para os
negócios da burguesia. Por exemplo, faziam leis que proibiam importação de produtos
estrangeiros concorrentes dos produtos da burguesia nacional. E os reis protegiam os
negócios da burguesia porque quanto mais dinheiro a burguesia ganhasse, mas impostos
poderia pagar ao Estado. Uma Mão lavava a outra.
Não foi a toa que grandes comerciantes e banqueiros emprestaram dinheiro e
deram todo apoio aos monarcas e nobres que lutavam pelo reforço do poder real. Afinal,
todos ganhavam com isso. (SCHMIDT, 1999)
Segundo José Damião de Lima (TRINDADE, 2002, p. 26) o Estado absolutista
podia ser interessante tanto para a nobreza como para a burguesia. Ele ajudava a conciliar
os interesses das duas classes sociais, ou seja, o rei e seus auxiliares se emprenhavam em
harmonizar a burguesia com a nobreza, levando as duas a obterem vantagens.
O historiador brasileiro Francisco J. C. Falcon destaca que:

Esse tipo de Estado assegura à aristocracia a manutenção de sua hegemonia.


[Liderança] (...) [Mas também é verdade que] a burguesia mercantil encontrou na
aliança com os príncipes [os monarcas] um instrumento capaz de favorecer seus
próprios interesses econômicos e políticos. (...) Mas, afinal, esse Estado é feudal ou é
capitalista? Na verdade, diríamos que ele é as duas coisas e, por isso mesmo, não é
exatamente nem uma, nem outra. (...) O Estado absolutista tende a expressar a busca
de um equilíbrio precário, a longo prazo impossível, entre classes (...) cujos interesses
são em parte complementares e em parte antagônicos. (FALCON, 1986, pp. 32-36.)

No entanto, não dá para se enganar: o Estado absolutista era um Estado feudal. A


principal finalidade de sua existência era salvar a pele do feudalismo das revoltas servis
e dos avanços econômicos da burguesia. Dois aspectos mostram isso muito bem.
Primeiro: os burgueses pagavam altos impostos ao Estado, a nobreza não. Segundo: os
principais cargos da burocracia estatal (funcionários públicos) eram reservados aos
nobres. Apenas membros das tradicionais famílias nobres é que podiam se tornar
ministros, governadores, diplomatas, almirantes e generais. No Estado absolutista, a lei

[39]
não era a mesma para todos. As famílias de “sangue azul” (da nobreza) tinham privilégios
especiais garantidos pela lei. (SCHMIDT, 1999)

1.3. O grande pensador da cidadania

Mais conhecido como Marsílio de Pádua, esse escritor veio a torna-se conhecido
a partir do escrito Defensor Pacis (O Defensor da Paz). Nessa obra ele criou teoria própria
sobre os diversos conflitos que traziam insegurança ao mundo ocidental, e estudando o
envolvimento no conflito entre poder religioso e civil, ele propôs uma resolução ao
problema. (STREFLING, 2010, p. 154)
Essa obra é composta em três partes, sendo que a primeira, trata dos temas
fundamentais, iniciado com um tratado sobre a paz, o surgimento e o significado da
existência da civitas; defende que a lei seja o fundamento do estado, e que o clero, igual
às outras partes, seja um órgão do estado. (STREFLING, 2010, p. 154)
Com argumentos filosóficos e usando parcialmente Aristóteles, Marsílio de Pádua
elaborou uma teoria sobre o que é e o que de deveria ser um estado.(STREFLING, 2002,
p. 115)
Marsílio de Pádua também elaborou uma concepção de paz na civitas, baseado
em Platão e Aristóteles, além da influencia na fé cristã, o filosofo paduano defendeu que
a paz é essencialmente composta pela justiça, a paz não é apenas um bem-estar ou uma
prosperidade, porque sem a justiça não existe a paz. (STREFLING, 2010, p. 155)
As revoluções acontecem nas sociedades civis devido ao seu crescimento
desproporcional. De fato, com o corpo se compõe de várias partes que devem se
desenvolver proporcionalmente, de forma que a harmonia subsista, se o corpo se
desenvolver diferentemente, não só em qualidade mas também em quantidade, o
organismo será prejudicado. Sendo igualmente a cidade constituída por grupos sociais, se
um deles se ampliar mais do que os outros, sem o percebemos, tal como acontece com os
pobres nas democracias, então acontecerão as revoluções. (MARSILIUS VON PADUA,
Defensor Pacis, I, 15, 10).
Para Marsílio a cidade precisa de um poder coercitivo, e esse poder é assegurando
pela lei, caso não exista esse poder, as associações dos cidadãos sempre terão conflitos,
que caso não estejam regulamentados pelas normas surgirão guerras que poderão destruir
as cidades. Por isso é que a lei é essa norma que garante o que é justo e institui um
guardião ou executor facilitando a convivência social. (STREFLING, 2010, p. 160)

[40]
1.4. O grande pensador político renascentista do cinquecento

Segundo Marilena Chauí (CHAUI, 2002, p. 200) o mais celebre pensador que
analisou os conceitos: de estado nacional, soberania, etc. foi o italiano Nicolau
Maquiavel, sério estudioso da história, que procurou extrair lições úteis para sua época.
Só por exemplo, foi investigando a Roma antiga que ele concluiu que a unidade nacional
é fundamental para a grandeza de um povo. Mas talvez a verdade seja que Maquiavel
preocupava-se com sua querida Itália, a qual não conseguia formar seu estado nacional.
Ainda com Marilena Chauí (CHAUI, 2002, p. 202) a vida política italiana do
tempo de Maquiavel tinha se tornado um vale-tudo pelo poder. Nobres e burgueses
contratavam mercenários para ajuda-los a se tornarem governantes das cidades-estados.
A corrupção e o assassinato político eram coisas normais. Maquiavel concluiu que, num
mundo assim, era preciso abandonar a idéia medieval de que as ações humanas
precisavam acompanhar a moral cristã. Os homens não vivem no Céu ideal, mas na Terra
real, dizia Maquiavel. E na terra (na Itália da época) ninguém chega ao poder por ser
bonzinho. O poder é alcançado pelo homem que tem a virtude de combinar a audácia com
a capacidade de agir no momento certo, a ousadia com a sorte. Somente um líder assim
seria capaz de fundar o estado italiano. A famosa obra de Maquiavel, o príncipe, é um
manual para ensinar esse homem destemido a unificar o país.
As idéias de Maquiavel podiam ser brilhantes, mas a sociedade italiana reunia
muitos conflitos que impediam que houvesse a unificação. Com isso, o pensador morreu
muito antes de os italianos construírem seu estado nacional, que só aconteceu no final do
século XIX. (SCHMIDT, 1999)

1.5. Liberalismo Político - As idéias revolucionárias

Durante o século XVII, surgiram as idéias que despertaram a consciência política


para os ingleses fazerem a revolução gloriosa. Os dois pensadores mais destacados da
época foram Thomas Hobes e John Locke. (SCHMIDT, 1999)
Marilena Chauí (CHAUI, 2002, p. 208) diz que Hobbes viveu durante a guerra
civil e a ditadura de Cromwell e ficou impressionado com a tragédia de ingleses matando
ingleses. Na sua obra o Leviatã, o pensador indaga: como evitar que o homem seja o lobo
do homem, Sua resposta: todos devem concordar em se submeter à autoridade do Estado.
Para ele, um Estado forte impediria que os conflitos sociais destruíssem a sociedade.

[41]
Segundo o historiador Francês Georges Duby (DUBY, 2009, p. 286) em 1688, a
Revolução Gloriosa coroou Guilherme de Orange rei da Inglaterra. O mesmo navio que
transportou o príncipe Guilherme de Holanda para à Inglaterra também levou o filósofo
John Locke. A revolução burguesa na Inglaterra consagrou as idéias do liberalismo
político de Locke. Na sua famosa obra o grande pensador destaca:

(...) Ninguém pode ser expulso de sua propriedade e submetido ao poder político de
outra pessoa sem dar consentimento. (...) O grande objetivo da União dos homens em
comunidades, submetidos a um governo, é a preservação da propriedade. (...)
Não possuem autoridade o homem ou vários que passarem a fazer lei sem que o povo
os tenha escolhido para essa tarefa. Então, o povo não está obrigado a obedecer (...).
Sempre que os legisladores [o governo] tentam tirar e destruir a propriedade do povo,
ou reduzi-lo à escravidão sob poder arbitrário,o povo pode entrar em guerra contra o
governo. (...)
Quem julgará se o governo age contrariamente ao encargo recebido? (...) A isso
respondo: o povo será o juiz.(LOCKE, John. Two treatises of civil government [Dois
tratados sobre o governo civil]. 2ª Ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1971.
Adaptado.)

Locke também concordava com a idéia de que o Estado deveria ser organizado a
partir do consenso (do acordo entre os cidadãos). Mas ele rejeitava a submissão total do
indivíduo ao Estado. O constitucionalismo começa a ganhar força a partir das citações de
Locke. (BOBBIO, 2010, p. 248)
No seu famoso livro Segundo tratado sobre o governo civil, ele diz que o Estado
não existe por vontade de Deus (como gostavam de afirmar os monarcas absolutistas),
mas tinha sido construído pelos homens a partir de um contrato. O Estado havia nascido
para proteger a vida, a liberdade e a propriedade dos indivíduos. Acontece que existem
Estados que não cumprem suas funções. Tendo outros que atacam a propriedade dos
indivíduos, ameaçam sua liberdade e sua vida, Locke acusava o Estado absolutista de
opressor. (SCHMIDT, 1999)
Como o Estado tinha sido criado por um acordo entre os homens, então os
indivíduos tinham o direito de mudar o governo.
Locke é considerado um dos pais do liberalismo político. O nome “liberalismo”
tem a ver com a liberdade. Para os liberais, o Estado não pode sufocar as liberdades
individuais. Ou seja, cada pessoa tem o direito de escolher suas próprias idéias religiosas,
políticas ou filosóficas, de falar em público e de escrever livros e artigos de jornais

[42]
defendendo suas convicções (liberdade de expressão), de viajar para onde quiser, de
escolher a profissão que desejar. (SCHMIDT, 1999)
Uma coisa muito importante: os liberais acreditam que o direito à propriedade é a
garantia da liberdade individual. Assim, um homem só é realmente livre quando possui
uma propriedade e faz dela o que bem entende. Entretanto, a liberdade do individuo tem
um limite: não pode sufocar a liberdade de outro individuo. É a idéia de que ‘a minha
liberdade termina onde começa a sua, e vice-versa”. Por isso deve existir uma lei,
aprovada pela maioria dos cidadãos, que impede que um individuo prejudique a liberdade
do outro. Portanto, a liberdade significa o respeito à lei democrática. (SCHMIDT, 1999)

1.6. O Iluminismo - os pensadores da revolução

A revolução gloriosa inglesa impressionou os europeus, as idéias filosóficas de


John Locke também entusiasmava os intelectuais franceses.
Isso serviu de base para um grupo de pensadores que receberam o nome de
Iluministas.
As idéias iluministas tiveram muita força na independência dos EUA e na
Revolução Francesa. Até mesmo os latinos – americanos nos seus movimentos de
independência foram influenciados.

1.6.1. Rosseau

Segundo Dalmo Dallari (DALLARI, 2005, p. 145) Rousseau foi talvez o mais
democrata de todos os iluministas. A maioria dos iluministas era a favor do despotismo
esclarecido. Rousseau preferia um governo de assembléias populares. Para ele, só poderia
haver direitos de cidadania quando as pessoas participassem das decisões do governo. Na
sua obra o contrato social mostrou que os governos foram criados por vontade dos
cidadãos e, portanto, os cidadãos tinha o direito de mudá-los.

1.6.2. Montesquieu: a separação dos poderes

Segundo Paulo Bonavides (BONAVIDES, 1997, p. 137) Montesquieu foi um dos


criadores da teoria da separação dos três poderes para controlar os poderes absolutos do

[43]
rei. Desse modo, o poder seria limitado pelo próprio poder. Montesquieu era nobre, mas
de certa forma contrariou os interesses da nobreza. O que mostra que nem sempre uma
pessoa raciocina de acordo com os interesses da classe social a que pertence.
Montesquieu apud Giuseppe de Vergottini:

Tudo estaria perdido se uma só pessoa, ou um só corpo de notáveis, de nobres ou de


povo, exercesse estes três poderes: o de fazer as leis, o de executar as decisões públicas
e o de punir os delitos ou contendas entre os particulares. (BOBBIO, 2010, p. 248)

Pela teoria dos três poderes o governo deveria ser repartido entre pessoas
diferentes. O poder Executivo (que administra o país) deveria ser entregue ao rei
(monarquia) ou a uma pessoa eleita para isso (democracia). O poder Legislativo (que faz
as leis e fiscaliza o Executivo) deveria estar nas mãos de uma assembléia de deputados
eleitos pelos cidadãos. O poder Judiciário (que garante o cumprimento das leis) seria
exercido por juízes e tribunais. (SCHMIDT, 1999)
Giuseppe de Vergottini destaca que a experiência constitucional da Inglaterra,
embora tenha sido na idade moderna, mas se pareceu com motivos medievais. “Na
realidade, a separação dos poderes foi ideada e articulada para uma sociedade ainda
aristocrática, com um regime político monárquico”. (BOBBIO, 2010, p. 252)
Montesquieu foi um dos idealizadores do constitucionalismo, porém um
constitucionalismo limitado a separação dos poderes, imperfeitamente sob o aspecto
histórico, tendo em vista, que compreende somente um dos lados, o estado misto,
enfatizando sua versão mais moderna, a separação dos poderes. (BOBBIO, 2010, p. 253)

2. A burguesia toma o poder


Para Manuel Gonçalves (FERREIRA FILHO, 2004, p. 19) um dos primeiros
passos da Revolução Francesa foi a abolição dos privilégios.
Os privilégios de diversas formas favoreciam o segundo estado (a nobreza) e o
primeiro estado (o clero), portanto, eram as classe privilegiadas em relação ao povo, a
partir daí começa a surgir o principio da igualdade ou isonomia. (SCHMIDT, 1999)
Camponeses e Sans-Cullotes passavam muita necessidade, por conta dos altos
impostos pagos para sustentar a riqueza da nobreza.
Jacques Revel destaca que:

[44]
A crítica denota uma série de círculos de exclusões: os estrangeiros com relação aos
franceses; os plebeus, os provincianos e os pedantes com relação a uma aristocracia
que em tal ocasião redescobre a irredutível vantagem proporcionada pelo dom do
nascimento: todos tem algo de menos com relação aos eleitos, e a civilidade é sua
marca vulgar. Ante o perigo que representa um eventual nivelamento das condutas
sob a norma comum, o estilo – a liberdade das aparências emancipadas de toda
autoridade – volta a ser o árbitro do verdadeiro decoro. A isso Mercier acrescenta
pouca coisa, quase um século depois. Embora burguês, teve o cuidado de excluir o
“pequeno-burguês” do círculo daqueles “que tem o trato social”.(CHARTIER, 2009,
p. 204)

Francisco J. C. Falcon. (FALCON, 1986, pp. 63-67.) diz que a maioria dos
burgueses, por sua vez, também não estava satisfeita. Pagavam ao governo impostos tão
altos que dispunham de pouco capital para investir. Além disso, o governo utilizava o
dinheiro dos impostos para sustentar o luxo da nobreza. Os burgueses, preferiam que o
Estado empregasse o dinheiro no incentivo ao crescimento dos negócios, como na
abertura de estradas e na melhoria dos portos. Mas o Estado Francês muitas vezes
prejudicava as atividades da burguesia. Em 1786, por exemplo, o rei autorizou que os
tecidos ingleses fossem vendidos livremente na França, concorrendo com os franceses.
Manuel Gonçalves (FERREIRA FILHO, 2004, p. 21) fala de quando a assembléia
aprovou a célebre Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Esse documento
baseava-se nas idéias iluministas. Para os revolucionários, só haveria justiça se esses
direitos fossem garantidos. E quais eram esses direitos? A Declaração afirmava que todos
os homens nascem livres e iguais e, portanto, ninguém pode ser escravo nem servo;
ninguém pode ser preso por causa de opiniões políticas ou religiosas; a lei tem de ser a
mesma para todos; a justiça tem de ser gratuita; ninguém pode ser torturado; os acusados
possuem direito a um advogado e deve ser julgados em público; todos os cidadãos que
tenham capacidade podem ocupar cargos no governo; o governo só pode tomar decisões
que estiverem de acordo com a vontade geral da população. Mais ainda, o povo tem o
direito de resistir à opressão.
Manuel Gonçalves (FERREIRA FILHO, 2004, p. 22) diz que em 1791, a
Constituição estava pronta. Ela tomava por base a Declaração dos Direitos do Homem e
do Cidadão. Estabeleceu a igualdade civil (a lei passava a ser a mesma para todos) e a
separação dos três poderes (a idéia do iluminista Montesquieu): o poder Executivo
continuava com o rei, mas o poder Legislativo seria exercido por uma assembléia de

[45]
deputados. O absolutismo tinha acabado. O rei ainda era o mesmo, Luis XVI, mas agora
ele tinha de obedecer às leis feitas pelos deputados. A França havia se tornado uma
monarquia constitucional.
No regime absolutista, não existe nenhuma Constituição. Portanto, a criação de
uma constituição significava a destruição do regime absolutista. Ou seja, era a própria
revolução acontecendo! (SCHMIDT, 1999)
Na concepção marxista que a história é feita por uma luta de classes sócias
antagônicas, a Constituição passa a ser a forma material e legal da nova classe dominante
(burguesia) justificar seu domínio sobre os dominados (proletariado).
A partir daquele momento, os proprietários de terras também tinham de pagar
impostos. Os bens da Igreja (terras, tesouros, prédios) foram confiscados pelo Estado.
(SCHMIDT, 1999)
Para Nestor Sampaio (PENTEADO FILHO, 2011, p. 44) a revolução tinha sido
feita pelo Terceiro Estado. Os burgueses, os sans-culottes, a pequena burguesia e os
camponeses tinha se rebelado em conjunto. Mudanças formidáveis aconteceram em favor
de todos. Mas a burguesia tinha sido a principal beneficiada. A Declaração dos Direitos
do Homem e do Cidadão dizia que a propriedade privada era inviolável. Ou seja, ninguém
tinha o direito de tocar nas riquezas da burguesia. A assembléia também aprovou leis que
extinguiam os monopólios mercantilistas, estabelecendo a liberdade para o mercado.
Segundo Francisco J. C. Falcon. (FALCON, 1986, pp. 63-67.) as camadas
populares se sentiam prejudicadas. Os camponeses, por exemplo, continuavam sem terra.
Quando o Estado vendeu as terras da Igreja, os beneficiados foram os ricos burgueses. Os
deputados eram eleitos com sufrágio censitário, somente as pessoas com certo nível de
renda podiam votar. Na pratica, cerca da metade dos franceses estava de fora. Para piorar,
a Assembléia aprovou a Lei de Le Chapelier, que proibia os trabalhadores de formarem
associações para defender seus direitos.
Os camponeses e os sans-culottes exigiam mudanças. Tinham o apoio dos
deputados radicais da pequena burguesia. Um deles, o advogado Robespierre4, segundo

4 Foi o principal líder jacobino. Famoso por sua firmeza, tinha o apelido de “o Incorruptível”. Quando se
tornou o homem mais poderoso da França, continuou morando na mesma casa, comendo as mesma
refeições moderadas, vestindo as mesmas roupas. Implacável com os inimigos políticos (enviou centenas à
guilhotina), defensor dos direitos dos pobres, das mulheres e dos judeus. Não tolerava nenhuma oposição
política, pois considerava que ela só servia para atrapalhar “o verdadeiro rumo da revolução”. Essa
intolerância com a oposição acabaria destruindo os jacobinos e também muitas outras revoluções. (DUBY,
2009, p. 456)

[46]
o historiador Francês Georges Duby (DUBY, 2009, p. 479) o Robespierre era defensor
do fim da escravidão nas colônias e do direito das mulheres ao voto, fez um discurso
inflamado em que perguntava aos representantes da alta burguesia: “Quem os autorizou
a despojar o povo de seus direitos?”.
Robespierre era do partido jacobino (pequena burguesia) também chamado de
montanha, os jacobinos, também eram a favor da propriedade privada, mas chegaram a
declarar que o direito do bem-estar social era mais importante que o direito à propriedade,
defendiam que o Estado deveria exercer algum controle sobre a economia. (SCHMIDT,
1999)
Para alguns escritores os jacobinos eram demagogos, para outros eram
democratas.
Aristóteles apud Giampaolo Zucchini destaca a demagogia da seguinte forma:

Quando, porém, nos governos populares a lei está subordinada ao arbítrio de muitos,
surgem os demagogos, que abrandando e adulando as massas, exasperando seus
sentimentos destruidores, distraindo-as do seu compromisso político, acabam
indicando os opositores do regime despótico instaurado como inimigos do povo e da
pátria. Conseguem assim consolidar o próprio poder com a eliminação de toda e
qualquer oposição. Aristóteles define, portanto, o demagogo com um “adulador do
povo” (Politica, v, 11, 1313 b)(...)eliminando toda a oposição. Nestas condições, os
demagoso arrogam-se o dirito de interpretar os interesses das massas, chamando a si
todo o poder e a representação das massas, instaurando uma tirania ou ditadura
pessoal.(BOBBIO, 2000, p. 318-319)

Norberto Bobbio ao tratar da democracia cita Saint Just e Robespierre ao


defenderem que a nova democracia irá varrer, para sempre, o déspotas ou o tirano, porque
será o governo da virtude. Robespierre discursou que “a mola do governo popular na
revolução é, a um tempo, a virtude e o terror, sem a virtude, o terror é funesto: a virtude
sem o terror, é imponente”. (BOBBIO, 2000, p. 323)
Norberto Bobbio apud Platão na República da democracia se diz que:

Nasce quando os pobres, após haverem conquistado a vitoria, matam alguns


adversarios, mandam outros para o exílio e dividem com os remanescentes, em
condições paritárias, o Governo e os cargos públicos, sendo estes determinados, na
maioria das vezes, pelo sorteio.(557a) (BOBBIO, 2000, p. 320)

[47]
Giuseppe de Vergottini interpreta as idéias jacobinas sustentando que elas
garantem a vontade geral merece ser defendida no plano constitucional, os direitos
fundamentais do homem, a liberdade de ir e vim, a liberdade de declarações na impressa,
defesa dos credos religiosos, e a propriedade privada para a burguesia. Desta forma, se o
cidadão obedece ao estado, ele está obedecendo a si mesmo, porque isso vem da “mística
da vontade geral que nos vem da tradição jacobina francesa” (BOBBIO, 2000, p. 250-
257)
A revolução burguesa se consolida quando os políticos astutos do Diretório
perceberam que o general Napoleão Bonaparte5 era o homem certo para consolidar o novo
regime. Propuseram a ele que utilizasse a força do exército para assumir o governo. Foi
o golpe do 18 Brumário (1799), durante esse período, a burguesia consolidaria seu
domínio econômico. (SCHMIDT, 1999)
Segundo o historiador Francês Georges Duby (DUBY, 2009, p. 541) o general
Napoleão gostava de dizer que sua maior obra não tinha sido as mais de 40 batalhas
vitoriosas, mas o famoso Código Civil (1804). Esse código era um conjunto de lei que
determinavam quais eram os direitos de quem possuía uma propriedade. Ao mesmo
tempo, proibia que os trabalhadores tivessem suas próprias associações. As conquistas da
burguesia postas na letra da lei!
Nesse mesmo ano Napoleão torna-se imperador, com apoio popular, como muitas
vezes acontece no começo das ditaduras, imperador burguês, mas imperador.
(SCHMIDT, 1999)

3. O estado democrático de direito na concepção marxista

O conceito de direito em Marx pode ser resumido como o aspecto legal e material
em que a classe dominante (burguesia) usa o poder para justificar sua dominação ou seu

5 Napoleão e o mito do herói: observando a força do acaso, alguns historiadores comentam que quando era
estudante, Napoleão se inscreveu num concurso que dava como premio uma viagem de pesquisa cientifica.
Mas foi reprovado, só que os estudantes que venceram morreram quando o navio em que viajavam
naufragou no oceano pacifico. Esses historiadores usam essa historia verdadeira, para demonstrar que se
Napoleão tivesse morrido, a burguesia francesa teria encontrado um outro general para ser coroado
Imperador, porque a historia não é feito por heróis, a historia não é feita só por uma pessoa, tudo o que
acontece é o resultado das idéias e das ações de todas as pessoas. Também não podemos ignorar as ações
das classes sociais lutando por seus interesses. Sem o apoio da burguesia Napoleão nunca teria chegado ao
poder. (DUBY, 2009, p. 554) Como dizia Karl Marx, a historia é uma luta de classes. Os iluministas tinham
um grande sonho. Eles acreditavam que um dia todos os homens e mulheres aprenderiam a refletir
criticamente. Então, todos os indivíduos pensariam por conta própria e não aceitariam mais se submeter a
alguém. A humanidade entraria numa nova era de autoconfiança, liberdade e felicidade.

[48]
domínio sobre a classe inferiormente hierarquica (proletariado), antagonismos das classes
sociais.
Para István Mêszáros6 o velho Marx, após ter elaborado a sua concepção
materialista da história, desenvolveu a tese de que o direito era essencialmente dependente
da superestrutura, ou seja, Marx percebe ao afirmar que, o Direito era um reflexo das
concepções, das necessidades e ainda, dos interesses de uma classe dominante, esta
produzida pelo desenvolvimento das forças produtivas e das relações de produção que
constituem a base econômica do desenvolvimento social.
Segundo Paulo Nader (NADER, 2000, p. 231) ao produzir esta teoria de que o
Direito é uma forma de dominação de classe Marx, na realidade trata esse sistema de
conceito como um conjunto de mandamentos sancionados pelo Estado.
Para Roberto Lyra (FILHO, 199, p. 23) Percebe-se que, quando Marx ao referir-
se com palavras como “apropriação” e “propriedade” está referindo-se a fatos
infrajurídicos, embora deixe levantada a questão de que o Direito deve ser necessário para
assegurar o poder conquistado sem ele, ou antes, dele.
A finalidade do Estado é garantir o interesse comum, mas este é concebido como
o conjunto dos interesses dos indivíduos proprietários. Assim, o Estado é caracterizado
por Marx como “comunidade ilusória”.
Norberto Bobbio diz que a essência do socialismo sempre foi a revolução, a
democracia direta seria o pedido popular de participação no governo e a reivindicação de
controle de poder de baixo para cima, controlando os órgãos de decisão política-
econômica. Passando de autogoverno para autogestão, onde os chamados conselhos
operários exercem o poder de controle da democracia econômica industrial (BOBBIO,
2000, p. 324)
Norberto Bobbio apud Lenin diferencia a democracia dos conselhos da
democracia parlamentar, defendendo que na sociedade capitalista existe uma
concentração da fiscalização dos órgãos pelas grandes empresas, e que o cidadão fica sem
poder para abolir os privilégios que prejudicam a vida em sociedade. (BOBBIO, 2000, p.
325)

6 Texto apresentado na Conferencia de Dublin, realizada entre 30 de novembro e 4 de dezembro de 1978,


por ocasião do 30º aniversario da Declaração dos Direitos Humanos das Nações Unidas. Versão resumida
foi publicada em A. D. Falcomer (Ed.) Understandig human rights (Dublin, Irish Shool of Ecumenies, 1980,
p. 47-61)

[49]
Norberto Bobbio apud Mosca diz que não existe outra forma de governo diferente
da aristocracia, porque em toda à história do homem na terra o poder esteve concentrado
nas mãos das minorias. (BOBBIO, 2000, p. 325)
Norberto Bobbio apud Arend Lijphart explica que o comportamento das elites
ficam mais próximos das coligações para torna-se mais fortes. (BOBBIO, 2000, p. 328)

4. Constitucionalismo

É fato que a constituição é o instrumento da soberania do povo organizado em


uma estrutura de poder designada para ser exercida por diversos órgãos.
A função do constitucionalismo é indicar as bases filosóficas para acompanhar os
princípios internos das constituições. Giuseppe de Vergottini o constitucionalismo “é a
técnica da liberdade, isto é, a técnica jurídica pela qual é assegurado aos cidadãos o
exercício dos seus direitos individuais e, ao mesmo tempo, coloca o Estado em condições
de não os poder violar”. (BOBBIO, 2000, p. 247-248)
O constitucionalismo é também conhecido como governos das leis e não das
gentes, da razão no direito, e não apenas do poder; com diversas manifestações na historia
para a limitação do poder, por isso, antes de aceitar o termo constitucionalismo, temos
que aceitar o valor que intrinsecamente está relacionada na historia do individualismo, do
direito do homem como cidadão. (BOBBIO, 2000, p. 248)
Giuseppe de Vergottini que Kant idealizou uma nova versão da separação dos
poderes, reproduzida pela Constituição Francesa de 1791 e que essa nova versão, separa
radicalmente as funções de executar e legislar, e que nas constituições francesas seguintes
a revolução, um poder acabou por destruir o outro, “ou serviu apenas, como escreveu
Kelsen, para “reservar ainda ao monarca, reduzido à metade da sua autoridade pelo
movimento democrático, a possibilidade de exercer sua influencia no campo executivo”
(BOBBIO, 2000, p. 249)
No âmbito do conceito de estado, o constitucionalismo não tem como se
desenvolver.
Uma nova definição de constitucionalismo, não muito freqüente na nossa
literatura política, baseada nas contraposições entre poder e direito, força e racionalidade.
Partindo de uma real diferença entre governo e constituição. A constituição é superior e
anterior ao governo, por isso limita o poder do governo, e caso a constituição seja violada,
esse governo será inconstitucional (BOBBIO, 2000, p. 256).

[50]
Considerações finais

Pelo estudo do presente artigo, concluímos que a historia pode ser feita de maneira
equivocada, ou melhor, a interpretação histórica pode ser feita preconceituosamente em
relação a quem a ver, subestimando uma classe social que possa ter tido valor ponderante
na relação.
A história nada mais é do que uma luta de classes antagônicas disputando o poder,
sendo assim, falar que os estados nacionais foram formados pela união de rei mais a
burguesia, chegaria a dizer que de quê? Necessidade teria a burguesia disputar com os
camponeses e proletariados o controle do estado. É errônea aquela interpretação antiga
feita pelos historiadores tradicionais, a nova historia critica comprova que a formação do
estados nacionais foi feita pela a união dos nobres (rei mais senhores feudais), e que as
revoluções burguesas, com o nascimento das constituição foi o momento em que o estado
virou burguês, para poder justificar o poder da classe dominante(burguesia) sobre os
dominados (proletariado).
Portanto, as revoluções burguesas fizeram surgir o estado democrático de direito
e o constitucionalismo moderno.

Bibliografia

ANDERSON, Perry. Linhagens do Estado absolutista. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCI, Nicola e PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de


política. Tradução Carmem c. Varriale... [et. al.]; coordenação da tradução João Ferreira;
revisão geral João Ferreira e Luis Guerreiro Pinto Cascais. 5ª Ed. – Brasília: Editora
Universidade de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2000.

BONAVIDES, Paulo. Ciência política. 10. ed. São Paulo: Malheiros, 1997.

CHARTIER, Roger (org.). História da vida privada, 3: da renascença ao século das


luzes. Tradução Hildegard Feist. – São Paulo: companhia das Letras, 2009.

CHAUI, Marilena. Convite a filósofia. São Paulo: Ática, 2002.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de teoria geral do estado. São Paulo: Saraiva,
2005.

[51]
DUBY, Georges. História da vida privada, 3: da Renascença ao Século das Luzes / organização
Roger Chartier;tradução Hildegard Feist. — São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FALCON, Francisco J. C. Mercantilismo e transição. 7ª ed. São Paulo: Brasiliense,


1986.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Direitos humanos fundamentais. 6. ed. São


Paulo: Saraiva, 2004.

FILHO, Roberto Lyra. O que é direito. São Paulo: Brasiliense, 1999.

LOCKE, John. Two treatises of civil government [Dois tratados sobre o governo
civil]. 2ª Ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1971. Adaptado

MARSILIUS VON PADUA. O defensor da paz. Tradução de José Antonio C. R. Souza.


Petrópolis: Vozes. 1997.

MÊSZÁROS, István. Texto apresentado na Conferencia de Dublin, realizada entre


30 de novembro e 4 de dezembro de 1978, por ocasião do 30º aniversario da
Declaração dos Direitos Humanos das Nações Unidas. Versão resumida foi publicada
em A. D. Falcomer (Ed.) Understandig human rights (Dublin, Irish Shool of Ecumenies,
1980, p. 47-61)

NADER, Paulo. Filósofia do direito. Rio de Janeiro: forense, 2000.

PENTEADO FILHO, Nestor Sampaio. Direitos humanos. 2. ed. São Paulo: Saraiva,
2011.

SCHMIDT, Mario Furley. Nova historia crítica. São Paulo: Geração, 1999.

STREFLING, S. R. Igreja e poder. Plenitude do poder e soberania popular em


Marsílio de Pádua. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

_______________. A concepção de paz na civitas de Marsílio de Pádua. v. 32, n. 2, p.


153-161. Maringá: EDIPUCPR, 2010.

TRINDADE, José Damião de Lima. História social dos direitos humanos. São Paulo:
Peirópolis, 200

[52]
3. DESAFIO POLÍTICO – COMO DERRUBAR DITADURAS POR
MÉTODOS NÃO VIOLENTOS EM GENE SHARP

Manuel Da Cruz1

Resumo: A realidade política contemporânea demonstra que cerca de metade dos países
vivem sob regimes ditatorias, sendo que estes aplicam medidas contrárias aos Direitos
Humanos e às liberdades civis. A luta por uma sociedade justa e livre através de métodos
nãoviolentos, tem demonstrado a possibilidade de derrubar estados autoritários. Estes
métodos e o pensamento político que os fundamenta podem ser esclarecidos em “Da
Ditadura à Democracia” de Gene Sharp, um livro que apresenta a natureza do poder e
como alcançá-lo pelo uso da nãoviolência.

Palavras-chave: democracia; luta nãoviolenta; Gene Sharp; liberdad

1. Estado da democracia e da ditadura

De acordo com o Freedom House, apenas 45% dos países são livres.2 Os outros
são governados por ditaduras militares (Birmânia), monarquias tradicionais repressivas
(Arábia Saudita e Butão), partidos dominantes (China e Coreia do Norte) e ocupantes
estrangeiros (Tibete e Saara Ocidental).
Esta elevada percentagem, contraria a moldura ideológica e política dominante no
Ocidente. O socialismo democrático (Europa) ou o liberalismo (EUA) têm assegurado os
direitos e liberdades fundamentais (como a liberdade de expressão) nas suas sociedades,
como também a defesa de uma sociedade justa, ou seja, não entregue ao poder arbitrário.
Nisto se baseia a divisão tripartida de poderes – legislativo, executivo e judicial –
princípio basilar de qualquer democracia.

1
Poeta e Filósofo, licenciado e mestre em filosofia pela faculdade de letras da universidade do porto.
2
Freedom House, Freedom in the World, www.freedomhouse.org.

[53]
A democracia é, pois, a forma de estado que tem melhor defendido estes princípios
ao contrário das ditaduras ou estados autoritários, que tendem para uma concentração de
poderes num só e em constantes ataques à liberdade de expressão e autodeterminação dos
indivíduos.
De um ponto de vista político – e é neste ponto que este artigo se foca – a ditadura
é, por natureza, um estado incomportável e de tempo relativamente menor comparado
com a democracia. Veja-se que um Estado em permanente guerra com a sua própria
população, de vigiliância constante quanto à sua expressão ideológica ou simplesmente
opinativa e um autoritarismo recorrente na vida social, impedem que esta forma tenha
sucesso a longo termo pela consequência de uma hostilidade e ódio por parte da
população.3
No entanto, confirma-se na história da humanidade uma relativa longevidade de
alguns destes estados autoritários – exemplo de Cuba de 1959 até atualmente – o que
poderia refutar a ideia da sua natureza temporária. A questão é que a história demonstra
também que estes estados apenas se conservam porque a população não se mobilizou para
os derrubar, apesar de ser esse o seu desejo perene. E se a única forma de derrubar um
Estado que constantemente comete violações às liberdades civis é a mudança artificial
pela população ou de um grupo preparado para executá-la, então devem ser discutidas as
formas possíveis e eficazes, a nível político, destes meios.

2. Meios de derrube ditatorial praticados

Apresentam-se alguns meios usados ao longo da história e como estes são


interpretados relativamente à sua eficácia.
A liberdade pela violência é quando se recorre a meios violentos e militares para
destruir o poder estabelecido. O resultado, geralmente, provoca um elevado número de
mortos e feridos, estimula uma reação mais repressiva do estado ditatorial e possibilita
tendencialmente uma guerra civil. Para além disto, é um erro estratégico, visto que os
opressores são-no devido à capacidade militar e ao forte armamento – um estado ditatorial
forte assegura-se pela sua militarização – o que contraria a realidade dos oprimidos,
população desarmada, ignorante no uso de táticas militares e com uma elevada

3
“(…) a melhor fortaleza que existe é não se ser odiado pelo povo” (Maquiavel, 2014, p.170).

[54]
dificuldade de organização armada, pela vigilância e controlo do estado ditarorial. 4 Há
também outro fator que caracteriza este meio como ineficaz, que é a ausência de estruturas
políticas no seu movimento, o que, depois de derrubada a ditadura, uma mentalidade e
prática democrática tornam-se impraticáveis, o que originou, por exemplo, o estado
cubano, que depois de uma luta de guerrilha, tornou-se uma continuação do estado
ditatorial.
O golpe de Estado é um meio em que um grupo minoritário, seja militar ou
popular, provoca uma mudança nos dirigentes governativos substituindo-os. Este meio,
por não envolver a população – maioria – e por assumir a mudança apenas ao nível dos
dirigentes, permite apenas a continuidade da má distruibuição do poder e uma troca da
liderança, não promovendo uma mudança estrutural ou de regime.
As eleições como meio nãoviolento5 que, pela participação da população, procura
alterar o poder político. Apesar dos vários exemplos de atos legislativos em regimes
ditatoriais, estes incorrem frequentemente em fraudes ou falsificações. 6 Também a
representativa dos órgãos eleitos por sufrágio podem não corresponder a um poder real,
tornando-se ineficaz e inútil.7
Acrescento, contudo, que a participação da população nas eleições de um país
ditatorial, sejam elas realizadas estatalmente ou em simulacro, são importantes para a
educação cívica e política dos cidadãos, assim como contribuem para o hábito
democrático, o que tornará mais fácil e natural a adaptação da população na mudança para
o regime democrático.
A intervenção exterior não é um método praticado pelos oprimidos, mas sim a
intervenção de outros países ou organizações externas na política interna. Esta atitude de
espera ou de crença que só algo exterior pode salvar a população da sua situação, provoca
uma inércia na ação popular e uma descrença na sua própria autodeterminação, o que
mais tarde não permitirá alicerçar um estado democrático, visto que este depende de
fatores internos. Acrescenta-se que, frequentemente, os Estados estrangeiros procuram,
no apoio à mudança democrática, promover os seus interesses económicos e políticos,
por isso não são de confiança no movimento democrático, apesar de ONG’s poderem

4
“(…) quando recorremos a métodos violentos, estamos a escolher o mesmo tipo de luta em que os
opressores são quase sempre superiores.” (Sharp, 2015, p.27).
5
O conceito “nãoviolento” é escrito junto assim como Gene Sharp escreve.
6
Durante o Estado Novo, as restrições e perseguições ocorridas nos atos eleitorais “retiravam[-lhe] qualquer
credibilidade” (Mattoso, 1994, p.271).
7
É exemplo o esvaziamento de poderes da Assembleia Nacioal, órgão eleito por sufrágio (Idem, p.270).

[55]
contribuir positivamente para esse movimento. No entanto, a força política da mudança
deve sempre partir das forças populares e não de forças externas.8
A negociação, último método, ocorre quando os membros da oposição ao regime
ditatorial negoceiam com o ditador ou a sua administração de modo a que estes cedam
em algumas medidas ou mesmo que aceitem a capitulação. No primeiro caso, esta pode
ser praticável como quando é usada a pressão política de uma greve laboral para
reivindicar um aumento salarial. Apesar do resultado poder ser a repressão, este método
aplicado a matérias menores é possível. Acontece que no caso da capitulação torna-se
impossível, pois se o ditador se sentir seguro na sua posição pode apenas recusar negociar
ou eliminar os democratas. Ou seja, a negociação só é possível quando o poder ditatorial
estiver neutralizado, e assim as exigências dos democratas poderem ser ouvidas.9
Concluindo, “a libertação das ditaduras depende, em última instância, da
capacidade dos povos para se libertarem a si mesmos”10 e a sua capacidade é melhor
exercida e beneficiada, não pelos métodos acima descritos, mas pela sua própria força
política, ou seja, pelo desafio político.

3. Desafio político

3.1 Definição

Desafio político é definido como a “aplicação da luta nãoviolenta (protestos,


nãocooperação e intervenção), de forma activa e contestária, com vista a alcançar
objectivos políticos”.11 Assim, este conceito distingue-se da luta nãoviolenta ou do
pacifismo, isto porque a sua ação e o seu objetivo é inteiramente político, ao contrário da
luta nãoviolenta que abrange mais objetivos, como o económico, ou o pacificismo por
não ser político.
Este conceito aplica-se quando são descritas “acções empreendidas pelas
populações contras as ditaduras, com vista a recuperarem o controlo das instituições

8
“Os salvadores estrangeiros raramente aparecem e, quando o fazem, é mais provável que não sejam dignos
de confiança (Sharp, 2015, p.30).
9
“Se os democratas concordarem em pôr fim à resistência em troca de uma suspensão temporária da
repressão, poderão vir a sofrer uma forte suspensão” (Idem, p.40).
10
Idem, p.33.
11
Idem, p.141.

[56]
governamentais”12. É exemplo o movimento de Gandhi pela independência da Índia
através de métodos não violentos.13
Contudo, é necessário antes compreender as fontes do poder para, depois de uma
análise, saber aplicar o desafio político e apresentar os métodos que o poderão tornar
eficaz.

3.2. Fontes do poder

Para que o desafio político tenha sucesso é necessário que suprima as fontes do
poder ditatorial. As suas fontes só podem ser compreendidas através de uma perspetiva
pluralista do poder e não monolítica.
Gene Sharp, distingue estas duas visões, sendo que a primeira apresenta uma
noção mais exata de como o poder político está institucionalizado, no sentido em que “os
governos dependem das pessoas”14 e não o seu oposto (monolítico).
Compreendendo, então, que o poder político surge do poder popular, é possível
que este seja tomado quando o governante ou o governo não correspondem às expetativas.
As fontes de poder são, para Gene Sharp, a autoridade, os recursos humanos, as
aptidões e conhecimento, os fatores imateriais, os recursos materiais e as sanções. 15 Não
desenvolvo estes conceitos, mas daqui pode-se retirar uma noção de onde se encontra o
poder e a que lugares estratégicos deve o poder político atingir.
Contudo, a concentração de poder (fontes) só é possível por três pilares da
aceitação do poder político do governante: cooperação, submissão e obediência.16
Assim, um governo só adquire poder real se a população o aceitar, e esta aceitação
não implica voluntariedade, pode ser assegurada pelo medo ou pela incapacidade de
reação dos indivíduos.17
Em oposição a estas fontes do poder estabelecido, também se encontra
concentração de poder alternativo na sociedade, apesar da sua marginalidade. Estes
centros do poder democrático exercem um papel importante na luta nãoviolenta e na
estruturação de uma sociedade democrática.

12
Ibidem.
13
Ver outros exemplos (Sharp, 1983, p.196).
14
Idem, p.18.
15
Idem, pp.20-21.
16
Sharp, 2015, p.47.
17
(…) as ditaduras totalitárias estão dependentes da população e das sociedades que governam.” (Idem, p.
48).

[57]
Estas organizações ou associações, são fundamentais devido ao seu cariz coletivo
o que contraria a atomização – isolamento do indíviduo dentro da sociedade, de modo a
que desconfie dos seus pares e receie juntar-se a movimentos de resistência – que é um
método do poder ditatorial de controlo e vigilância da sociedade.
Ao aglutinar pessoas com uma mesma motivação e objetivo político, é
possibilitado um desafio político em massa, ou seja, o movimento popular capaz de
derrubar uma ditadura pela forte pressão exercida. Também, a população ao organizar-se
em grupos sociais democráticos, aprende o processo e a prática democrática, tornando-se
estas organizações na “base estrutural de uma sociedade livre”, 18 como foi o caso da
Revolução Húngara (1956-1957) em que organizações populares estabeleceram um
“sistema federado de instituições e governação”.19
Conhecendo, assim, as fontes de poder e as fontes do poder democrático, é
necessário identificar as fraquezas do poder ditatorial para as suprimir e levar à sua
inanição política.

3.3. Calcanhar de Aquiles

Apesar da aparente invulnerabilidade de um estado ditatorial e sabendo que o


poder é pluralista, torna-se possível que este possa ser desintegrado, e para que a aplicação
do desafio político possa ser eficaz, é necessário dirigir todos os meios disponíveis para
os calcanhares de Aquiles – expressão de Gene Sharp – das ditaduras.
São vários os pontos fracos, como a ideologia do regime desgastar-se ou a
população tornar-se hostil ao regime20, no entanto, é preciso reter que estes variam de
sociedade para sociedade e que, por isso, devem ser identificados no seu contexto
específico. Identificando, deve-se concentrar o desafio político nesse ponto para que os
meios existentes não sejam desperdiçados em pontos fortes do regime, como o seu poder
militar.
Deve-se ter em conta, também, que os meios nãoviolentos aplicados aos pontos
fracos do regime não significam que não se percam vidas humanas, mas que esse risco
diminui relativamente a outros métodos e práticas.21

18
Idem, p.51.
19
Idem, p.52.
20
Idem, p.55.
21
Idem, p.56.

[58]
3.4. Elaboração estratégica

Este aspeto do desafio político é ausente na maioria dos movimentos de


nãocooperação ou de protesto, visto que são movimentos pacifistas e não políticos ou que
apenas têm uma visão mais utópica do que realista. No entanto, é fundamental para
qualquer movimento ou organização que pretenda alcançar uma mudança política, uma
estratégia a longo prazo.
A ausência de estratégia pode prejudicar o desafio político, como foram as
consequências trágicas ocorridas na manifestação da Praça Tiananmen, que pela ausência
de plano não conseguiu prever o uso de violência por parte das forças policiais. É
exemplo, também, que por falta de planeamento e de estruturas pré-democráticas, o
derrube da ditadura na Birmânia apenas contribuiu para que se implementá-se outra
ditadura.
Não só as consequências poderão ser negativas como também o desenvolvimento
da ação poderá ser ineficaz ao ignorar uma estratégia estabelecida.
Assim, Gene Sharp apresenta quatro termos fundamentais do planeamento
estratégico, permitindo a um leigo na prática militar, aplicar no seu registo político.
O conceito mais geral grande estratégia caracteriza-se por coordenar e orientar a
utilização de todos os recursos disponíveis e adequados para alcançar os objetivos, por
exemplo derrubar a ditadura e instaurar a democracia.
Segue-se a estratégia que determina a melhor maneira de alcançar objetivos
específicos, como a ação de controlar os quartéis de um país.
A tática caracteriza-se pelo uso das forças disponíveis de maneira mais hábil e
possível num contexto limitado, como mobilizar pessoas para ocupar esses quartéis.
Por último, o método é as armas específicas ou meios de ação praticados no
planeamento estratégico, como o congestionamento de instalações (sobrelotação).
Sobre este último ponto, Sharp organiza uma lista com cento e noventa e oito
métodos de ação nãoviolenta, dividindo-os em métodos de protesto e de persuasão
nãoviolentos, métodos de nãocooperação e métodos de intervenção.22

22
Idem, pp.121-132.

[59]
3.5. Aspetos da execução estratégica

Se estes são os quatro aspetos do planeamento do desafio político é preciso


considerar mais outros quatros aspetos relativos à sua aplicação.
Envolver a população é crucial para um desafio político em massa e uma
institucionalização de um estado democrático assente no poder popular. Se no estado
ditatorial a atomização separa e individualiza a população, tornando-a impotente, é
importante que esta se convença que tem poder e, para isso, deve-se atribuir-lhe tarefas
de baixo risco no processo do desafio político, contribuindo, assim, para uma
consciencialização e uma educação democrática, essenciais à conservação de um estado
democrático.
Segue-se à participação do indíviduo, a resistência seletiva que ocorre pela ação
dos centros de poder – instituições independentes ou associações – em situações
específicas injustas ou discriminatórias, e as vitórias sobre essas situações menores eleva
a moral e contribui para as mudanças progressivas nas relações de poder.
O impacto do planeamento estratégico deve ser tomado em conta, e a sua
propagação ocorre de modo mais celere quando o desafio também se torna um desafio
simbólico, ou seja, as greves de fome que não têm impacto material ou físico, podem
influenciar e iniciar um movimento de libertação.
Por último, acrescento outro aspeto importante, o convencer pilares do regime,
que, se primeiro exercem uma função de oposição, ao se converterem às forças populares
e executar as suas tarefas deficientemente ou não cumprir ordens, podem desintegrar o
regime ditatorial.

3.6. Ação do desafio político

Seguem-se destes pontos analisados, quatro tarefas que são necessárias para
derrubar uma ditadura como o reforço da determinação e autoconfiança da população
oprimida – contrariando a sua atomização; o fortelacimento dos centros de poder,
possibilitando o desafio político em massa que é o único capaz de levar à inanição política
a ditadura; a fomentação de uma força poderosa de resistência interna; e o
desenvolvimento de uma grande estratégia e a sua execução com competência.

[60]
Estas quatro tarefas são basilares na execução do desafio político, e por isso é
necessário analisar os seus objetivos possíveis e alcançáveis.
É possível, neste processo, uma conversão das forças do poder, no entanto, é raro
que o opositor seja abalado pelo sofrimento do oprimido ou que seja persuadido
racionalmente a aceitar os objetivos dos resistentes.
O método da negociação, inicialmente analisado, pode permitir uma acomodação
entre as duas partes, no entanto a alteração das relações de poder nunca é aceite quando
reivindicada pelos democratas.
A coerção nãoviolenta pode ocorrer, como a desobediência por parte das forças
militares em reprimir os resistentes, no entanto isto incorreria no mesmo erro do golpe de
Estado, ou seja, acreditar que a ação militar derrubaria o governo e instauraria a
democracia, quando esta deve partir do poder popular e não militar.
Conclui-se, então, que o único objetivo da grande estratégia deverá ser a
desintegração do poder ditatorial pela retenção das suas fontes.

4. Fase de transição

4.1. Governo Paralelo

Durante o processo do desafio político, a consciencilização democrática e o


fortalecimento dos centros de poder, pode ocorrer dentro da sociedade – uma sociedade
independente e indiferente à vontade do ditador. É exemplo o que ocorreu nos anos
oitenta, na Polónia, em que o sindicato Solidariedade conseguiu alterar as relações de
poder na sociedade por consequência da sua forte representação entre os trabalhadores,
criando assim um governo paralelo.23
Esta última forma política é relevante pois pode, na fase após o derrube da
ditadura, substituir o governo ditatorial, adotando uma Constituição e realizando eleições,
promovendo assim a estabilidade democrática.

23
“A Polónia das décadas de 1970 e 1980 é um exemplo claro da reapropriação progressiva, através da
resistência, das funções e instituições de uma sociedade.” (Idem, p.108).

[61]
4.2. Desafio em massa

A última fase do desafio político acontece quando a resistência seletiva –


promovida e praticada pelas organizações – mobiliza uma grande parte da população
ocorrendo uma ação política em massa contra o poder instituído, o que leva,
invariavelmente, à desintegração da ditadura.

4.3 Golpes de Estado

Pode ocorrer, depois deste passo, a possibilidade de movimentos contra-


revolucionários, como foi a ação dos jacobinos em França ou os bolcheviques na Rússia,
mas estes atos só podem ter sucesso quando há uma falta de preparação democrática ou
não existe nenhuma forma de governo paralelo democrata.

5. Princípios das Democracia

Concluido o processo revolucionário, é importante centrar as ações políticas na


eliminação de setores repressivos – como a polícia política – e na democratização do
aparelho governativo anterior – “O vazio governamental completo poderá abrir caminho
ao caos ou a uma nova ditadura” 24; deve-se, no imediato, desenvolver e apresentar uma
Constituição com objetivos e limites governamentais, assim como os meios, calendários
eleitorais e os direitos naturais do povo; por fim, definir e aplicar a separação tripartida
dos poderes para que o poder político não se concentre num só e retorne à ditadura.

6. Conclusão

O pensamento do teórico político Gene Sharp, aqui apresentado, apresenta uma


forma alternativa aos meios violentos aplicados no derrube de ditaduras e esclarece, ao

24
Idem, p.111.

[62]
contrário de pensadores políticos mais utópicos e ideológicos, uma noção realista da
natureza do poder.
Deve-se, então, compreender que o poder ditatorial só pode ser desintegrado por
uma ação prolongada e persistente pelas mãos de um povo determinado e corajoso, que
acredita que a liberdade não é um privilégio, mas um direito natural que, quando ausente,
é um dever lutar por ele.

Bibliografia

Maquiavel, Nicolau. (2008) O Princípe, (Figueiredo, Maria, trad.) Lisboa: Editorial


Presença.

Mattoso, José (direção). (1994) História de Portugal (Vol. 7), Lisboa: Círculo de Leitores.

Sharp, Gene. (2015) Da Ditadura à Democracia, (Sousa e Silva, Susana, trad.) Lisboa:
Tinta da China.

Sharp, Gene. (1983) Poder, Luta e Defesa, (Bertelli, Getúlio, trad.) São Paulo: Edições
Paulinas.

[63]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[64]
4. PLURALISMO CONSTITUCIONAL E DEMOCRACIA:
POR UMA TRATATIVA DOS DIREITOS HUMANOS EM TEMPOS

DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Dulcilene Aparecida Mapelli Rodrigues1

Resumo: O presente trabalho tem por escopo a temática do pluralismo constitucional e


da democracia, tratados como elementos fundantes e necessários para uma análise acerca
dos direitos humanos tomando-se como ponto fulcral de apreciação a situação
contemporânea dos deslocamentos populacionais em razão das mudanças climáticas num
panorama global, analisando-se o pluralismo constitucional e as vicissitudes hodiernas,
de modo a apresentar a perquirição e investigação da (des)necessária edificação de uma
ordem constitucional globalizada percuciente de uma democracia amplificada como fator
de perpetração de direitos aos seres humanos.

Palavras-chave: Pluralismo Constitucional. Democracia. Direitos humanos. Mudanças


Climáticas. Deslocamentos populacionais.

As transformações vivenciadas em cada Estado, e sua caracterização normativa,


consubstanciam variações que embasam o desenvolvimento do arcabouço constitucional,
legal e normativo diversificados em consonância com as conjunturas e evoluções
temporais.
Tem-se, assim, a incorporação efetiva da questão da fundamentalidade de
direitos, como um conteúdo próprio a ser buscado, garantindo juridicamente as condições
mínimas de vida ao cidadão e à sociedade. Fatores, que se processam, diuturnamente,
dinamizados e premidos de necessária “elasticidade” frente a necessária segurança a ser

1
Doutoranda em Direito Público na Universidade de Lisboa/Portugal, especialidade de Ciências Jurídico-
Políticas, bolsista CAPES. Mestre em Direito Público pela UNISINOS/Brasil. Especialista em Direito
Público pela UNISAL/Brasil. Professora Universitária. Advogada.

[65]
garantida aos seres humanos aviltados em seu cotidiano, em razão dos perigos e riscos a
que são expostos.
Contudo, embora seja a sociedade mundial cada vez mais desenvolvida,
encontra-se cada vez mais imbricada numa era de riscos, onde tecnologias e novas
tendências, dinamizam o viver, sem que seja possível dado ao conhecimento científico à
época detectar quais os perigos advindos de tamanho avanço. E aqui se consagra o risco
social.2
Neste sentir, Ulrich Beck3 ao asseverar sobre os riscos sociais e a suscetibilidade
aos mesmos, traça um paralelo entre as pessoas e sua posição social, eis que os mais
vulneráveis sofrem mais incisivamente os efeitos do desenvolvimento, como por
exemplo, se verifica quando da instalação de complexos industriais e depósitos de
resíduos tóxicos nas áreas mais carentes.
Ocorre que, por conta de tantas e desenfreadas intervenções, o ser humano, por
vezes, ultrapassa o limite do razoável, vitimando a natureza, que sofre e é agredida, ao
que se verifica a “reação” do meio ambiente através do clima, que se encontra em
frequente mudança, desencadeando em diversas circunstâncias, desastres climáticos.
Demonstrações da luta incessante do homem pela sobrevivência (des)ordenada,
somados à devastação ambiental que se agiganta, consubstanciam o viver hodierno de
milhares de pessoas no planeta. Fluxos migratórios contínuos perpassam os dias atuais
em todo o mundo, ao mesmo tempo em que a sociedade e o Direito buscam delinear os
acometimentos sociais aos grupos de refugiados e deslocados tão frequentes em nossos
dias atuais.
A violação dos direitos em um só lugar da Terra, inevitavelmente, é sentida em
todos os outros lugares do planeta, neste sentido, Kant4 em seu ideal cosmopolítico
pensou que a maneira de aperfeiçoar as instituições democráticas, não seria salientar a
piedade pela dor e o remorso pela crueldade, mas sim a racionalidade e a obrigação moral,
especificamente.
E ante tudo isso, o Direito não pode se calar. Urge pois, sejam edificadas
normatizações para que a dignidade dos atingidos seja garantida na sistemática mundial,

2
Teoria desenvolvida pelo sociólogo alemão Ulrich Beck, nos idos de 1986, ao escrever o livro
Risikogesellschaft BECK, Ulrich. A Sociedade do Risco. Rumo a uma outra modernidade. Tradução
de Sebastião Nascimento.São Paulo: Ed. 34. 2010.
3
BECK, Ulrich. A Sociedade do Risco. Rumo a uma outra modernidade. Trad. Sebastião Nascimento.
São Paulo: Ed. 34, 2010, p.28.
4
KANT, Immanuel. A Paz Perpétua. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2008. p.52.

[66]
para além do reconhecimento humano de cada uma destas pessoas, que muitas vezes
sequer possuem identidade jurídica.
Não obstante o reconhecimento normativo acerca dos refugiados e o forte
desenvolvimento para o reconhecimento jurídico acerca dos deslocados em razão do
clima, desde o final do século XX, há o reconhecimento do indivíduo que foi forçado ou
obrigado a deixar sua casa em razão de ameaça à sua vida, e que, assim, não teve,
condições de atravessar uma fronteira internacional e, em razão disto, não se encontra sob
a proteção das normas internacionais5 que protegem os refugiados e lhes asseguram
assistência, trata-se, assim, de um deslocado interno.6
A internacionalização das questões climáticas, notadamente a partir do século
XX, demonstra que a discussão pelos Estados tem se intensificado em foros
internacionais a fim de que haja o explícito reconhecimento do problema e sua possíveis
soluções, a serem construídas a partir de um esforço e cooperação “de toda a comunidade
internacional para concretizar mudanças institucionais e legais, profundas na ordem
internacional”7 e constitucional.
Para tanto é preciso enaltecer-se que a estrutura do Estado democrático de
Direito está indissociavelmente ligada à realização de direitos, possuindo como pilares os
direitos fundamentais e a democracia.8 Identificando-se, “com a legitimação do título e
exercício do poder político a partir da livre escolha maioritária do eleitorado – a premissa
maioritária” - e também “com o regime em que a todos os cidadãos é dada a oportunidade
de se constituírem em parceiros activos e iguais do autogoverno coletivo.”9
E aqui necessária a indagação: em tempos de globalização, relações
internacionais, afronta à segurança pessoal, nacional e internacional, faz-se precisa uma
nova ou mais ampla forma de previsão normativa, constitucional e democrática?
Contemporaneamente o desenvolvimento social e a ordem jurídica mundial,
encontram-se numa era de globalização onde as relações se intensificam e quebram
barreiras, e neste sentido a efetivação do direito ao meio ambiente ordenado em

5
Como por exemplo a específica Convenção dos Refugiados de 1951.
6
IDMC – Internal Displacement Monitoring Centre.Internal Displacement: Global Overview of
Trends and Developments in 2005. Disponível em: <http://www.internaldisplacement.
org/8025708F004BE3B1/(httpInfoFiles)/895B48136F55F562C12571380046BDB1/$file/Global%20Over
view05%20low.pdf>. Acesso em 02 mai. 2017.
7
RAMOS, Érika Pires.
Refugiados ambientais: em busca de reconhecimento pelo direito
internacional. 2011. 150 f.Tese (Doutorado) – Faculdade de Direito da USP. 2011, p.35.
8
STRECK, Lenio Luiz. Hermenêutica Jurídica e (em) Crise: uma exploração hermenêutica da
construção do Direito. 6. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado. 2005, p.39.
9
NOVAIS, Jorge R. Direitos Fundamentais: Trunfos contra a Maioria. Coimbra Editora. 2006, p.32.

[67]
consonância aos direitos humanos, ganham efetivo relevo no que toca a possibilidade
normativa-constitucional de concretizá-los a partir dos efeitos surgidos, mormente, em
razão das mudanças climáticas.
Neste sentido, a tratativa social na contemporaneidade traduz a premente análise
da historicidade à atualidade, tendo como fonte basilar uma teoria que discorra sobre as
transformações e evoluções sociais ocorridas no tempo.
No mesmo passo, urge a apreciação de referidas transformações sob uma modo
que se consubstancie em sustentáculo para o enfrentamento dos fenômenos sociais sob os
quais o mundo hodierno vive e no que tange especificamente à segurança pública,
individual e estatal, em nossa dinamizada atualidade.
O Direito Constitucional é, pois, a norma máxima de consagração dos direitos e
deveres de um Estado, insculpindo a defesa de toda a sociedade que abriga, e, neste
sentido, é a regra edificada nas Constituições dos países democráticos, como, por
exemplo, na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, na Constituição da
República Portuguesa de 1976 e na Constituição da República Italiana de 1947.
Há que se referir, de igual senda, sobre da ideia moderna de um Estado
democrático, que possui raízes no século XVIII, implicando a afirmação de certos valores
fundamentais da pessoa humana, especialmente, se considerado o pensamento de
Rousseau.10 Esse caráter democrático implica uma constante modificação e ampliação
dos conteúdos do Estado e do Direito.11
Nesta perspectiva, as transformações vivenciadas em cada Estado, e sua
caracterização constitucional, consubstanciam variações que embasam o
desenvolvimento do arcabouço constitucional, legal e normativo diversificados em
consonância com as conjunturas e evoluções temporais.
Tem-se, assim, a incorporação efetiva da questão da fundamentalidade de
direitos, como um conteúdo próprio a ser buscado, garantindo juridicamente as condições
mínimas de vida ao cidadão e à comunidade.12 Fatores, que se processam, diuturnamente,
dinamizados e premidos de necessária “elasticidade” frente a necessária segurança a ser
garantida aos cidadãos, tão aviltados em seu cotidiano, em razão dos perigos e riscos a

10
Conforme DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos da Teoria Geral do Estado. 24 ed. atual. São Paulo:
Saraiva. 2003, p.145.
11
STRECK, Lenio Luiz. MORAIS, José Luis Bolzan. Ciência política e teoria geral do estado. Porto
Alegre: Livraria do Advogado. 2010, p.95.
12
STRECK, Lenio Luiz. MORAIS, José Luis Bolzan. Ciência política e teoria geral do estado. Porto
Alegre: Livraria do Advogado. 2010, p.95.

[68]
que são expostos, que carecem de um Estado “forte e atuante” para a, e na proteção de
seus direitos.
E aqui necessária a indagação: em tempo de globalização, relações internacionais,
afronta à segurança pessoal, nacional e internacional, faz-se precisa uma nova ou mais
ampla forma de previsão normativa, constitucional e democrática?
Contemporaneamente o desenvolvimento social e a ordem jurídica mundial,
encontram-se numa era de globalização onde as relações se intensificam e quebram
barreiras, e neste sentido a efetivação do direito ao meio ambiente urbano ordenado em
consonância ao direito à moradia, delimitados em sua fundamentalidade ganha efetivo
relevo no que toca a possibilidade normativa-constitucional de concretizá-los a partir dos
efeitos surgidos em razão das mudanças climáticas.
Um embate entre normas jusfundamentais é travado, pois, quando a eficácia e
efetividade da constituição e dos direitos fundamentais no Direito Público e no Direito
Privado, demonstra-se fragilizada ante a necessária proteção dos deslocamentos em razão
das mudanças climáticas e da consequente e necessária acomodação urbana destes
deslocados, direitos que são exemplos dentre os demais e mais basilares à garantia da
dignidade destas pessoas. Fator que se dá, mesmo nos casos de conflitos com outros
direitos fundamentais, como o direito de moradia e o direito ao meio ambiente
ecologicamente equilibrado e com o mínimo de riscos.
E nesse cenário, somado à devastação ambiental que se monstrua, vivencia-se
cada vez mais desmandos e demonstrações da luta incessante do homem pela
sobrevivência (des)ordenada, que, inexoravelmente imprime uma produção de riscos e
perigos que escoam até a urbanidade através das mudanças no clima e desastres
ambientais.
A questão primordial da sociedade contemporânea traduz a necessária forma de
saber como lidar com tal realidade, influenciada por uma forma mundial de raciocinar,
em um contexto em que, por ser de uma temática tão complexa como os direitos humanos,
deve-se buscar uma sociedade viável e plural, de princípios humanísticos, de consciência
auto-sustentável e preocupada com a equidade.
Irrompem-se, assim, os substratos que impulsionarão o desenrolar de técnicas e
modos de conhecimento entre o homem, a sociedade e o ecossistema, numa busca para
um reordenamento ético-social fundamentado em ponderações sobre os valores da
contemporaneidade com o meio social, ambiental e humano.

[69]
A sociedade contemporânea apresenta-se, pois, como produtora de riscos,
tornado a construção e ordenamento das cidades um sistemático e abrangente cenário
premente de efetivação de direitos constitucionais. Surgem, assim, os referenciais que
vão regular as técnicas e o modo de conhecimento entre o homem, a sociedade, o
ecossistema e o meio ambiente urbano: a diferenciação, a ineficácia de direitos, a
insegurança, o individualismo e o risco.
O risco é uma forma de representação e também uma forma da modalidade de
produção de vínculos da sociedade com o futuro. E a sociedade se utiliza do “médium”
probalidade-improbabilidade como maneira de constituição/representação do e para o
futuro, bem como para produzir vínculos com futuro. 13
Neste sentir, as mudanças ambientais globais, portanto, são notáveis e têm
afetado a mobilidade espacial da população. Promovem o deslocamento dessas pessoas,
muitas vezes com intenção definitiva de mudança de residência e outras vezes em espaço
e período de tempo determinado, resumindo-se em chegadas e saídas de contingentes
populacionais.
Esse reordenamento social abre espaço às discussões acerca dos valores éticos e
dos direitos fundamentais (in)efetivados na contemporaneidade com seu entorno. Nesse
sentido, questiona-se: como garantir a efetivação dos direitos à moradia, à necessária
cidade ordenada, frente às mudanças climáticas que desnorteiam e desencadeiam a
ruptura de condições mínimas de vida?
Para tanto, é preciso ter-se como perspectiva da ideia-força do Estado
Democrático de Direito,14 e do delineamento da normatização que cuida do indispensável
ao ser humano, considerando-o como componente da sociedade.
Delimitando-se, a partir de então, uma pluralidade de direitos,
concomitantemente às complexas atividades a serem desenvolvidas pelo Estado e aqui,
refira-se a democracia como elemento fundante para a realização dos direitos.
A doutrina constitucional contemporânea possui caráter compromissário com a
eficácia dos direitos fundamentais, ao assegurar que a dignidade da pessoa humana é que
confere uma unidade de sentido ao sistema de direitos fundamentais, fazendo da pessoa

13
DE GIORGI, Raffaele. Direito, Democracia e Risco: Vínculo com o Futuro. Porto Alegre: Sérgio
Antonio Fabris Editor, 1998, p.192.
14
A Constituição Portuguesa consagra em seu artigo 2º: “A República Portuguesa é um Estado de direito
democrático, baseado na soberania popular, no pluralismo de expressão e organização política
democráticas, no respeito e na garantia de efetivação dos direitos e liberdades fundamentais e na separação
e interdependência de poderes, visando a realização da democracia econômica, social e cultural e o
aprofundamento da democracia participativa.”

[70]
humana fundamento da Sociedade e do Estado,15 na mesma medida em que deve haver a
consciência jurídica, perpetrada através do universalismo democrático, que consagra a
inadmissão de “indivíduos que possam ser sacrificados para o ‘bem comum’, ou mesmo,
para o ‘bem’ da maioria”.16
E no sentido de viabilização da dignidade humana, através da efetivação de
direitos fundamentais notadamente ao meio ambiente, inclusive, urbano, sadio e
constituído em cidades ordenadas não obstante o fenômeno dos desastres ambientais em
decorrência do clima, imprime o necessário tracejo de referidos direitos, sua conceituação
e demarcação normativa na seara constitucional, desde a sua primeira consagração
juspositiva até a sua instituição como direito fundamental na contemporaneidade,
sopesada neste estudo como pilar de sustentação axiológica dos ordenamentos jurídicos.
Desta feita, a Constituição já não é somente um fenômeno exclusivamente do
Estado, mas algo que se engaja no contexto de um constitucionalismo transnacional, com
integrações econômicas e políticas em espaços supranacionais, numa espécie de
interconstitucionalidade, embora, reconheçamos, ainda encontre no Estado o seu
referencial típico de elaboração jurídica e teórica.
Por assim ser, a (re)construção de fundamentos e formas de concretude dos
direitos fundamentais proposta e efetivada, quando em cotejo com as alterações ocorridas
no meio ambiente em razão das mudanças do clima, pode representar um novo paradigma
à materialização do direito à moradia em condições que garantam condições de dignidade
humana às pessoas.
Decorre daí a fundamental consideração das “condições de possibilidade para a
implementação/concretização dos direitos fundamentais sociais a partir desse novo
paradigma de Direito e de Estado.”.17 A fim de que referidos direitos, possam ser
efetivados num cenário contemporâneo e cada vez mais gritante de danos e riscos
objetivos e subjetivos, urge que saibamos como garantir a efetividade de um sistema
jurídico, social e humanitário, vivenciado cada vez sob a égide ameaçadora de danos
futuros e riscos iminentes advindos das mudanças climáticas.

15
MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. Constituição. Tomo II. 7ª ed. Revista e
atualizada. Coimbra: Coimbra Editora. 2013, p.128.
16
CARDUCCI, Michele. Por um Direito Constitucional Altruísta. Porto Alegre, Livraria do Advogado,
2003, p.18.
17
STRECK, Lenio. Verdade e consenso: constituição, hermenêutica e teorias discursivas. Da
possibilidade à necessidade de respostas corretas em direito. 3ª ed. Revista, ampliada e com posfácio.
Rio de Janeiro, 2009. p.22.

[71]
Para tanto, imprescindível a abordagem dos direitos basilares, com sua
consequente gradação, dimensão, (in)aplicabilidade e (in)efetividade, num
dimensionamento constitucional multilevel (verfassungsverbund ou multilevel
constitutionalism), no qual se identifica um processo de criação e desenvolvimento
global, no qual estabeleceram-se estruturas de governo autônomas e ao mesmo tempo,
complementares e sobrepostas às anteriormente existentes nos diferentes Estados,18 aliada
ao foco nas mudanças efetivadas no clima e suas interferências no meio ambiente gerando
o fenômeno de deslocamento populacional em razão do clima.
Não obstante a redução de riscos e incertezas globais, inicialmente, vinculada
aos Estados, inéditas possibilidades de cooperação no âmbito internacional abrem espaço
para um original sítio mundial de exigência de responsabilidades.
Uma carta constitucional traduz a atualização presente em seu conteúdo, sem
que haja predominância de interesses momentâneos; conteúdo este que deve se ater em
conformidade com os elementos sociais, políticos e econômicos de um Estado.
Ao que cabe inferir que a concepção de um Estado de Direito remete-nos ao
pensamento originário acerca das democracias, da socialização dos Direitos necessários
à normatização, que visa como delimita Garcia-Pelayo19 “o bem-estar, duplamente oposto
ao comunista e ao autoritário.”.20
Considerando-se que a ideia moderna de um Estado democrático tem raízes no
século XVIII, a afirmação de certos valores fundamentais da pessoa humana,
especialmente se considerado o pensamento de Rousseau,21 confere caráter democrático
que alude a uma constante modificação e ampliação dos conteúdos do Estado e do
direito.22

18
PERNICE, INGOLF. Multilevel Constitutionalism and the Treaty of Amsterdam: European Constitution-
Making Revisited? In: Common Market Law Review, vol. 36, 1999.
19
GARCIA-PELAYO, ao lecionar acerca das modalidades estatais desenvolvidas nos países
industrializados e pós-industrializados, afirma que “há a modalidade de Estado que é chamada de “Estado
de partidos”, quando o ator ou sujeito real do poder são os partidos, e “Estado de associações
(Werbändestaat), na hipótese de as decisões estatais serem fortemente influenciadas por grupos de interesse
organizados”. Outra denominação utilizadas, por fim, é a de “Estado Social”. (GARCIA-PELAYO,
Manuel. As transformações do Estado Contemporâneo. Tradução, Prefácio e Apêndice (Diários
Bolivarianos):Agassiz Almeida Filho. Rio de Janeiro: Forense, 2009. p.1-2.
20
GARCIA-PELAYO, Manuel. As transformações do Estado Contemporâneo. Tradução, Prefácio e
Apêndice (Diários Bolivarianos):Agassiz Almeida Filho. Rio de Janeiro: Forense, 2009, p.2.
21
DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos da Teoria Geral do Estado. 24 ed. atual.,São Paulo: Saraiva,
2003, p.145.
22
STRECK, Lenio Luiz. MORAIS, José Luis Bolzan. Ciência política e teoria geral do estado. Porto
Alegre: Livraria do Advogado, 2010, p. 95.

[72]
Tem-se, assim, a incorporação efetiva da questão da igualdade como um
conteúdo próprio a ser buscado, garantindo juridicamente as condições mínimas de vida
ao cidadão e à comunidade.23
E nesse condão, a consciência jurídica universal, alinhavando-se com a realidade
jurídica do momento subjetivo histórico (onde a pessoa passa a sujeito ativo pelas
garantias que lhe são dadas pelos Direitos Fundamentais), culminam na Declaração dos
Direitos do Homem e do Cidadão (1789), termo a partir do qual se verifica o que Estado
viabilizava de forma progressivamente a universalidade estatal, garantindo ao sujeito uma
ainda incipiente projeção no plano internacional.
No “pensamento social contemporâneo, encontramos a tentativa de identificar
os direitos humanos como a norma mínima das instituições políticas, aplicável a todos os
Estados que integram uma sociedade dos povos politicamente justa.”. 24
A humanidade,

Empreendeu esforços na universalização dos direitos do homem, no que se refere à


sua categorização e implementação, representada pela Declaração Universal dos
Direitos Humanos da ONU de 1948, que inaugurou uma nova fase de
internacionalização desses direitos. 25

Do universalismo do Direito, entendido como manifestação exterior, ligado à


esfera da ética, surge o sujeito de Direito universal. Ideia a partir da qual se verifica a
confluência da liberdade com a igualdade, a qual só pode ser encontrada na Declaração
Universal dos Direitos Humanos da ONU, de 1948, onde a pessoa é o cerne de todo o
ordenamento internacional na sua completude.
Entalha-se a “democracia no Estado de Direito” a partir dos fundamentos e
ideários de dignidade da pessoa humana, da cidadania entre os povos, da soberania
popular, da democratização e a limitação de poder estatal e do pluralismo jurídico, eis
que “a configuração do Estado Democrático de Direito não significa apenas unir
formalmente os conceitos de Estado Democrático e Estado de Direito”.26

23
STRECK, Lenio Luiz. MORAIS, José Luis Bolzan. Ciência política e teoria geral do estado. Porto
Alegre: Livraria do Advogado, 2010,p.95.
24
BARRETO, Vicente de Paulo. ‘Sobre a Dignidade Humana.’ In: O Fetiche dos Direitos Humanos e
Outros Temas. Rio de Janeiro: Editora Lúmen Júris, 2010, p.243.
25
CULLETON, Alfredo; BRAGATO, Fernanda Frizzo; e FAJARDO, Sinara Porto. Curso de Direitos
Humanos. São Leopoldo/RS: Editora Unisinos, 2009, p.28.
26
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. 25 ed. revista e atualizada nos termos
da Reforma Constitucional, até a Emenda Constitucional n. 48, de 10.8.2005, São Paulo: Malheiros Editores
Ltda., 2005, p.119.

[73]
Reconhece-se, assim, a concretização de um verdadeiro Estado Democrático de
Direito, que encontra suas premissas básicas na Constituição, ao mesmo tempo em que
urge, seja referendado um processo de redução das desigualdades em diferentes regiões
do mundo, que se dê paralelamente à ampliação de um largo espectro de liberdades
individuais, para que seja viável o compartilhamento do espaço através de múltiplas
articulações, sob a forma democrática, inclusive.
O que não é de todo fácil, em razão da atual situação mundial, em que se vivencia
um processo em que a globalização rompe a unidade entre identidade nacional, cidadania,
direitos e eficiência dos Estados no campo da proteção social.27
Somada a tal posição, deve haver a delimitação de princípios fundamentais de
conteúdo específico e que permitam o amoldamento da Constituição quando da
necessária adaptação, em virtude de mudanças sócio-políticas estatais28 e dos direitos e
obrigações individuais e estatais nela previstos, vez que “a dinâmica constitucional,
estrutura o Estado como poder de dominação formal”29, implementando “uma nova
fundação na ordem político-administrativa”.30
Habermas31 afirma que o principal aspecto do direito cosmopolita consiste na
emergência de se ter do indivíduo como sujeito de direitos no espaço supranacional, à
medida que o cosmopolitismo supera a consideração dos sujeitos coletivos sob a ótica
humanitária para dar status legal aos sujeitos individuais, justificando-lhes a participação
como membros de uma associação de cidadãos mundiais.
Visualiza-se, assim, que uma das tendências da contemporaneidade é a abertura
do Direito Constitucional em nível globalizado, de forma a erigir os indivíduos para além
de sua normatização inaugural. E como elemento primordial para a concretude dos
direitos humanos dos deslocados em razão do clima, faz necessário “conciliar a
democracia e o poder político pulverizado que lhe anda associado com o saber cientifico

27
PERALVA, Angelina. Globalização, migrações transnacionais e identidades nacionais. “Projeto nova
agenda para a coesão social na democracia na América Latina”. São Paulo. Instituto Fernando Henrique
Cardoso, Julho de 2007.p.34.
28
LEAL, Rogério Gesta. Estado, Administração Pública e Sociedade.Novos Paradigmas. Porto Alegre.
Livraria do Advogado.2006. p.21.
29
BERCOVICI, GILBERTO. Constituição e Política: uma relação difícil. Disponível
em:<http://www.scielo.br/pdf/ln/n61/a02n61>. Acesso em 14 mai. 2017, p.8-9.
30
ALVES, Jorge Fernandes. A lei das leis. Notas sobre o contexto de produção da Constituição de 1911.
In: História. Revista da Faculdade de Letras. Porto. 2006. Disponível em:
<http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/3410.pdf>. Acesso: 14 mai. 2017. p.169.
31
HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre faticidade e validade. v. II. Rio de Janeiro:Tempo
Brasileiro, 1997. p.92-95.

[74]
nas mais diferentes áreas em que se espraia e sob formas e justificações as mais
diversas.”.32
E nesse contexto, o constitucionalismo plural se destaca e torna cogente a
análise, eis que “a evolução e as vicissitudes dos direitos fundamentais, seja numa linha
de alargamento e aprofundamento, seja numa linha de retracção [...], acompanham o
processo histórico, as lutas sociais e os contrastes de regimes políticos.”.33
A abertura contemporânea a um pluralismo constitucional trata-se de tema de
iminente pontuação, haja vista a necessária “subsistência e coexistência de diversas
formas e standards de tutela, nos respectivos âmbitos de aplicação de cada um dos
catálogos de direitos fundamentais”.34
E assim ter-se uma ordem constitucional globalizada percuciente de uma
democracia amplificada como fator de perpetração de direitos ao ser humano, visualizado
como parte integrante do todo, mas inevitavelmente considerado em si mesmo, de uma
maneira universal e multicultural.
Norteando-se para uma “concepção dinâmica do jurídico”35, a referência é a
pluralidade entre os povos, ao que impende se refira sobre uma concepção universal e
multicultural do Direito, onde proceda-se a uma,

inter-relação entre textos e contextos ou, mais amplamente, entre os diversos


conjuntos normativos que funcionam simultaneamente.” 36 Eis que “se descartarmos
uma democracia mundial e global |...|, raramente encontraremos um argumento mais
convincente para a correção daquilo que a história já fez.37

A confluência da liberdade com a igualdade só pode ser encontrada na


Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU de 1948, onde a pessoa é o cerne
de todo o ordenamento internacional na sua completude, significando, pois, jamais

32
GARCIA, Maria da Glória Dias. ‘Ambiente – Saber Científico, Política e Direito’. In: Estudos De
Direito Do Ambiente e de Direito do Urbanismo. Selecção de intervenções no Curso de Pós-graduação
de Especialização em Direito do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Urbanismo. Coord. Marcelo
Rebelo de Sousa e Carla Amado Gomes. Lisboa: Instituto de Ciências Jurídico-Políticas. Faculdade de
Direito da Universidade de Lisboa, 2011.p.43
33
MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. Tomo IV. Direitos Fundamentais. 5ªed.
Coimbra: Coimbra Editora, 2012, p.27.
34
CARTABIA, MARTA, WITTE, BRUNO DE E TREMPS, PABLO PÉREZ. Constitución Europea y
Constituciones Nacionales, Tirant lo Blanch, Valencia, 2005, p.350.
35
OST, François. O Tempo do Direito. Lisboa: Instituto Piaget.1999, p.232.
36
DELMAS-MARTY, Mireille. Por um direito comum. São Paulo: Martins Fontes, 2004, p.216.
37
DWORKIN, Ronald.Justiça para Ouriços. Tradução: Pedro Elói Duarte.Coimbra: Almedina. 2012.
p.390.

[75]
esquecer que “ a dignidade da pessoa não se divide e depende tanto dos direitos
econômicos e sociais quanto dos direitos civis e políticos.”.38
Nomeadamente, edificar uma normatização integrativo-protetiva aos deslocados
ambientais, perpassa a fundamentalidade de “desenhar-se no âmbito de um sistema
multinível e em rede - a socialidade na arena global.”.39 Trata-se, assim de “um sistema
que prescinde do poder público estadual, mas sim de um sistema que trata o Estado como
um agente entre outros na construção da solução e não como o poder de ordenação
soberana e inarredável.”40 Haja vista que a diversidade regional, sentida, pois, localmente,
nos centros urbanos, possui probabilidades maiores de serem resolvidas, se contrastadas
e equilibradas a partir de regras de política global.
Nesta ambiência, premente a efetivação de uma recíproca complementariedade
de garantias e tutela de interesses individuais41 que são o norte e fundamento de uma
ordem jurídica contemporânea, fulcrada na democracia e na constitucionalidade como
parâmetro para gerenciamento dos riscos e perigos, e que visa, sobretudo, a conservação,
a melhora e a efetivação de uma contemporaneidade humanitária e democrática,
globalmente vivenciada e desde localmente efetivada, e que encarta valores sociais,
políticos e jurídicos para a consecução e efetivação do bem comum.

Considerações finais

Inelutável, pois, que todo o conjunto de princípios, regras e determinações


constitucionais e de Direito Internacional, são parâmetros para a efetivação dos direitos
fundamentais pautados pelo norte e fundamento de um Estado de Direito Constitucional
fulcrado na democracia e que visa, sobretudo, a conservação, a melhora e a efetivação de
um viver saudável e salvaguardado juridicamente para as presentes e futuras gerações.
Neste sentido, cunhar-se-á uma “conexão real entre Constituições estatais e
direito internacional nas suas múltiplas vertentes de direito internacional geral ou comum,
convencional, constitutivo de organizações internacionais e entidades afins e delas

38
DELMAS-MARTY, Mireille. Por um direito comum. São Paulo: Martins Fontes, 2004, p.281.
39
SILVA, Suzana Tavares da. Direitos Fundamentais na Arena Global. Coimbra: Imprensa da
Universidade de Coimbra. 2011, p.126.
40
SILVA, Suzana Tavares da. Direitos Fundamentais na Arena Global. Coimbra: Imprensa da
Universidade de Coimbra, 2011, p.126.
41
CARVALHO, Délton Winter de. A Responsabilidade Administrativa no Estado Democrático
Ambiental.Revista Brasileira de Direito Ambiental.Ano 3.Vol.10, 2007.abr/jun. p.131.

[76]
derivado”42, onde permaneça a Constituição como normativo primeiro.
A configuração e composição através de uma efetiva atuação jurídica, deve se dar
a partir de uma matriz constitucional aliada à normatização internacional, e sem
sobreposição de normas, perpetram uma ligação uníssona e atuando em prol do bem
comum, traduzindo um convívio social pautado pela responsabilidade.
O móvel constitucional contemporâneo, apresenta-se, assim, delineado pela
consagração constitucional, pela legislação interna e pela normatividade internacional
efetivando a sustentabilidade e a responsabilidade intergeracional humana, num atuar
democrático e equânime, buscando incessantemente a consecução de um mundo mais
equânime, mais justo e mais plural.

Referências Bibliográficas

ALVES, Jorge Fernandes. A lei das leis. Notas sobre o contexto de produção da
Constituição de 1911. In: História. Revista da Faculdade de Letras. Porto. 2006.
Disponível em: <http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/3410.pdf>. Acesso: 14 mai.
2017.

BARRETO, Vicente de Paulo. ‘Sobre a Dignidade Humana.’ In: O Fetiche dos Direitos
Humanos e Outros Temas. Rio de Janeiro: Editora Lúmen Júris, 2010.

BECK, Ulrich. A Sociedade do Risco. Rumo a uma outra modernidade. Tradução de Sebastião Nascimento.São Paulo: Ed. 34.
2010.

BERCOVICI, GILBERTO. Constituição e Política: uma relação difícil. Disponível


em:<http://www.scielo.br/pdf/ln/n61/a02n61>. Acesso em 14 mai. 2017.

CARDUCCI, Michele. Por um Direito Constitucional Altruísta. Porto Alegre, Livraria


do Advogado, 2003

CARTABIA, MARTA, WITTE, BRUNO DE E TREMPS, PABLO PÉREZ.


Constitución Europea y Constituciones Nacionales, Tirant lo Blanch, Valencia, 2005.

42
MIRANDA, Jorge. Democracia e Constituição para lá do Estado. In: GONÇALVES, Luis C.; BRITO,
Wladimir; MONTE, Mário F.; MORAIS, Fernando; CALHEIROS, Clara; Dias, Cristina A. (Coord.).
Estudos em Homenagem ao Professor Doutor Heinrich Ewald Hörster. Coimbra: Edições Almedina,
2012, p.972.

[77]
CARVALHO, Délton Winter de. A Responsabilidade Administrativa no Estado
Democrático Ambiental.Revista Brasileira de Direito Ambiental.Ano 3.Vol.10,
2007.abr/jun. p.131.

CULLETON, Alfredo; BRAGATO, Fernanda Frizzo; e FAJARDO, Sinara Porto. Curso


de Direitos Humanos. São Leopoldo/RS: Editora Unisinos, 2009.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos da Teoria Geral do Estado. 24 ed. atual.,São


Paulo: Saraiva. 2003.

DE GIORGI, Raffaele. Direito, Democracia e Risco: Vínculo com o Futuro. Porto


Alegre: Sérgio Antonio Fabris Editor, 1998.

DELMAS-MARTY, Mireille. Por um direito comum. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

DWORKIN, Ronald. Justiça para Ouriços. Tradução: Pedro Elói Duarte.Coimbra:


Almedina. 2012.

GARCIA-PELAYO, Manuel. As transformações do Estado Contemporâneo.


Tradução, Prefácio e Apêndice (Diários Bolivarianos):Agassiz Almeida Filho. Rio de
Janeiro: Forense, 2009.

GARCIA, Maria da Glória Dias. ‘Ambiente – Saber Científico, Política e Direito.’ In:
Estudos De Direito Do Ambiente e de Direito do Urbanismo. Selecção de intervenções
no Curso de Pós-graduação de Especialização em Direito do Ambiente, do Ordenamento
do Território e do Urbanismo. Coord. Marcelo Rebelo de Sousa e Carla Amado Gomes.
Lisboa: Instituto de Ciências Jurídico-Políticas. Faculdade de Direito da Universidade de
Lisboa 2011.

GONÇALVES, Luis C.; BRITO, Wladimir; MONTE, Mário F.; MORAIS, Fernando;
CALHEIROS, Clara; Dias, Cristina A. (Coord.). Estudos em Homenagem ao Professor
Doutor Heinrich Ewald Hörster. Coimbra: Edições Almedina, 2012.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre faticidade e validade. v. II. Rio de


Janeiro:Tempo Brasileiro, 1997.

IDMC – Internal Displacement Monitoring Centre.Internal Displacement: Global


Overview of Trends and Developments in 2005. Disponível em:
<http://www.internaldisplacement.org/8025708F004BE3B1/(httpInfoFiles)/895B48136
F55F562C12571380046BDB1/$file/Global%20Overview05%20low.pdf>. Acesso em
02 mai. 2017.

KANT, Immanuel. A Paz Perpétua. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2008.

LEAL, Rogério Gesta. Estado, Administração Pública e Sociedade. Novos


Paradigmas. Porto Alegre. Livraria do Advogado. 2006.

[78]
MIRANDA, Jorge. ‘Democracia e Constituição para lá do Estado.’ In: GONÇALVES,
Luis C.; BRITO, Wladimir; MONTE, Mário F.; MORAIS, Fernando; CALHEIROS,
Clara; Dias, Cristina A. (Coord.). Estudos em Homenagem ao Professor Doutor
Heinrich Ewald Hörster. Coimbra: Edições Almedina, 2012.

MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. Constituição. Tomo II. 7ª ed.


Revista e atualizada. Coimbra: Coimbra Editora. 2013.

MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. Tomo IV. Direitos


Fundamentais. 5ªed. Coimbra: Coimbra Editora, 2012.

NOVAIS, Jorge R. Direitos Fundamentais:Trunfos contra a Maioria. Coimbra


Editora. 2006.

OST, François. O Tempo do Direito. Lisboa: Instituto Piaget.1999.

PERALVA, Angelina. Globalização, migrações transnacionais e identidades


nacionais. “Projeto nova agenda para a coesão social na democracia na América Latina”.
São Paulo. Instituto Fernando Henrique Cardoso, Julho de 2007.

PERNICE, INGOLF. Multilevel Constitutionalism and the Treaty of Amsterdam:


European Constitution-Making Revisited? In: Common Market Law Review, vol. 36.

RAMOS, Érika Pires.
Refugiados ambientais: em busca de reconhecimento pelo


direito internacional. 2011. 150 f.Tese (Doutorado) – Faculdade de Direito da USP.
2011

SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. 25 ed. revista e


atualizada nos termos da Reforma Constitucional, até a Emenda Constitucional n. 48, de
10.8.2005, São Paulo: Malheiros Editores Ltda., 2005.

STRECK, Lenio Luiz. Hermenêutica Jurídica e(em) Crise: uma exploração


hermenêutica da construção do Direito. 6. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado.
2005.

STRECK, Lenio Luiz. Verdade e consenso: constituição, hermenêutica e teorias


discursivas. Da possibilidade à necessidade de respostas corretas em direito. 3ª ed.
Revista, ampliada e com posfácio. Rio de Janeiro, 2009.

STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luis Bolzan. Ciência política e teoria geral do
estado.Porto Alegre: Livraria do Advogado. 2010.

SILVA, Suzana Tavares da. Direitos Fundamentais na Arena Global. Coimbra:


Imprensa da Universidade de Coimbra. 2011.

[79]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[80]
5. ENTRE O UNIVERSALISMO E O EXCLUSIVISMO DOS DIREITOS.
O RECONHECIMENTO IDENTITÁRIO NO SISTEMA EUROPEU DE
PROTECÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS

Vanessa Capistrano Ferreira1

1. INTRODUÇÃO

“Vocês, que vão emergir das ondas em que


nós perecemos, pensem, quando falarem
das nossas fraquezas, nos tempos sombrios
de que vocês tiveram a sorte de escapar.”
Aos que virão depois de nós,
Bertolt Brecht

O fragmento acima é um trecho extraído da obra de Bertold Brecht, Poemas 1913-


1956, que aborda a ampla desolação instaurada no continente europeu após as atrocidades
cometidas pelos regimes totalitários durante a Segunda Guerra Mundial. O sofrimento
social – experimentado pela difusão da violência e dos genocídios em massa –, criou uma
espécie de trauma coletivo na Europa, desencadeando, paulatinamente, reivindicações
público-políticas por uma maior proteção, e respeito dos direitos e deveres dos indivíduos,
pela preservação das liberdades humanas mais elementares e pela instituição de um
modelo democrático mais inclusivo e, acima de tudo, duradouro (AROLD, 2007, p.06).
Mediante esse clima de instabilidades crescentes e lustrosos massacres, as
sociedades ocidentais pareciam finalmente compreender o valor moral supremo do
conceito de dignidade humana, que embora estivesse presente desde a lição luminosa da
sabedoria grega, havia sido manipulado, restringindo-se, ao longo da história, aos grupos
seletos de indivíduos e coletividades (COMPARATO, 2003, p.55). Como lembram
Christoffersen e Madsen (2011, p.01), a acepção da dignidade humana e a defesa dos
direitos do homem e de suas liberdades fundamentais haviam sido “[...]

1
Doutoranda em Relações Internacionais pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”
(UNESP/Marília-SP). Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita
Filho” (UNESP/Marília-SP). Pesquisadora na área de “Direitos Humanos, Migrações e Novas
Subjetividades” no Núcleo de Estudos e Análises Internacionais (NEAI/IPPRI/UNESP) e membro do
Grupo de Pesquisa em Relações Internacionais e Política Exterior do Brasil.

[81]
instrumentalizados como parte de uma missão”, e agora incidiam novamente na
legitimação universal de uma nova Era de Direitos, ainda que marcada por traços nítidos
de fragmentação e exclusão social. A universalidade dos direitos apontava, mais uma vez,
para um caminho deverás sinuoso e debilitado, com a presença de grandes contradições
sociais e dicotomias consideradas à primeira vista como intransponíveis.
A internacionalização civilizatória dos direitos humanos pela ONU com a
Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1945, também foi responsável pela
radicalização dos ideais de liberdade, igualdade e justiça, que se tornariam, a partir de
então, a fonte moral de legitimidade de todo Estado de direito que se pretendesse
democrático, do ponto de vista substancial. Embora esse reconhecimento tenha tardado
em se impor na vida coletiva, o respeito aos direitos do homem e do cidadão assumiu um
novo patamar de atuação, sendo constantemente reiterado como um dos princípios
normativos a serem seguidos também no âmbito internacional (HABERMAS, 2012,
p.07).
Por conseguinte, com o anseio de “[...] assegurar o reconhecimento e aplicação
universais e efetivos dos direitos do homem”, garantir a promoção da unidade europeia e
o fomento do progresso econômico e social, foi celebrada em Estrasburgo, a Convenção
Europeia dos Direitos Humanos em 1950. A Convenção traduziu-se num mecanismo de
reconhecimento universal da condição humana de igualdade essencial, objetivando a “[...]
proteção e o desenvolvimento dos direitos humanos”, os quais passaram a se constituir
como “[...] as verdadeiras bases da justiça”, que repousam “[...] num regime democrático”
(CONVENÇÃO, 2017).
Essas novas liberdades buscavam afirmar os direitos individuais de proteção
humana, a garantia de eleições livres e democráticas e o comprometimento dos Estados
em aplicarem territorialmente as normas internacionais provenientes da cooperação
europeia em fase de formação. O Conselho da Europa intencionava ainda conceder certos
direitos recíprocos e obrigações em conformidade com os interesses nacionais dos
Estados signatários, consolidando seu ideal de ‘união mais estreita’, como modo de
estabelecer uma “[...] ordem pública de democracias livres”, e o respeito ao seu “[...]
patrimônio comum de ideias e tradições” (CONVENÇÃO, 2017, p.05) (YEARBOOK,
1962, p.139-140).
A defesa e a institucionalização dos direitos humanos se tornaram, portanto, uma
linguagem indiscutivelmente imperiosa no sistema europeu e para muitos analistas como,
por exemplo, Seyla Benhabib (2010), as disposições advindas da Convenção, fomentaram

[82]
uma “[...] nova fase evolutiva da sociedade civil [...] obrigando os Estados e seus
representantes a tratarem todos os seus cidadãos em conformidade com certos padrões de
direitos humanos” (BENHABIB, 2010, p.02).
Por fim, as premissas das liberdades mais essenciais, a igualdade pluralista e a
preservação da dignidade humana, pareciam ter sido conquistas com a inclusão jurídico-
formal da Carta Social Europeia em 1961 e dos Protocolos Adicionais em 1988.
Entretanto, a contribuição mais notória deu-se a partir da criação de órgãos específicos
destinados a julgar e a executar sentenças – acerca da transgressão dos direitos humanos
na Europa –, por meio do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos e do Comitê de
Ministros, respectivamente.
Para muitos, os estatutos humanitários internacionais e a Convenção Europeia
sinalizaram uma importante transição dos antigos embates teórico-filosóficos – sobre a
fundamentação e da validade universal dos direitos do homem – para práticas político-
jurídicas mais concretas. Os julgamentos dos crimes contra a humanidade, os controles
mais rígidos dos regulamentos dos refugiados, imigrantes e exilados, e as recentes
articulações entre os direitos sociais, econômicos e coletivos com aspirações mais
igualitárias, justas e inclusivas, indicavam a possibilidade de existência de um novo
regime de direitos. Isto é, uma ordem social incipiente pautada na possível ‘lei sem um
Estado’ e em ‘modalidades de pertencimento’ aparentemente mais flexíveis e menos
onerosas (BENHABIB, 2012, p. 21-22).
No que tange propriamente às competências do Tribunal Europeu –
nomeadamente Sistema Europeu de Direitos Humanos em conjunto com a Comissão
Europeia até 1998 –, desde que foi instituído em 1959, pode-se considerar a preservação
dos valores inspirados no Estado de direito (para além de seus restritos projetos
nacionais), a defesa da democracia pluralista, a harmonização das tradições jurídicas
europeias e, acima de tudo, a proteção dos direitos do homem e de suas liberdades
fundamentais. Sua assistência se destina a todos os cidadãos dos Estados-parte que
compõe o Conselho da Europa, bem como os não cidadãos, que residem em seu espaço
jurisdicional (BATTJES et all, 2009). Em suma, o Tribunal foi arquitetado como um
órgão de representação dos valores universalistas e de validação dos direitos humanos,
sob a forma do exercício pleno de um modelo de cidadania transnacional (SOYSAL,
2012).
No entanto, a enfermidade do otimismo mostra-se perceptível quando analisamos
a jurisprudência do Sistema Europeu de Proteção, apresentada por meio dos documentos

[83]
oficiais e por parte da literatura especializada. O estudo crítico desse material proporciona
a observância de possíveis omissões nos casos que envolvem as leis e as políticas de não
discriminação ligadas aos grupos minoritários no continente.
Pois, como argumenta Hemme Battjes (2009), a situação dos estrangeiros e dos
não cidadãos ainda varia conforme as diversas noções de identidade construídas no
interior dos Estados nacionais, nos valores étnicos e culturais, nas raças, nos credos e nos
diferentes graus de lealdade nacional. Segundo o autor, essas distinções “[...] são
suspeitas e raramente realizadas de modo explícito”, embora ainda suscitem a
perpetuação de estruturas negativas de inferiorização sociais, divisões impugnadas e
políticas exclusivistas que não apenas desqualificam o outro, mas também, e
principalmente, possibilitam a manutenção de injustiças sócio-culturais.
Em suma, esse artigo busca problematizar o fundamento último dos direitos
humanos, acerca de seu ideal de abrangência universal, responsável pela viabilização de
um projeto europeu pautado no reconhecimento do pluralismo sociocultural, na
consolidação dos espaços de luta pela preservação da dignidade humana (HONNETH,
1999), e na defesa de contextos sociais livres de relações assimétricas de poder. Colocar-
se-ão em evidência, os possíveis empecilhos socionormativos inclusivos ao
reconhecimento humano, o qual é continuamente subjugado pelo viés cultural e pelos
males etnocêntricos, recorrentes na tradição ocidental.
A persecução desse artigo visa testar a hipótese de que os marcos tradicionais
ainda estão presentes no Sistema Europeu dos Direitos Humanos, o que abala, não apenas
as premissas igualitárias existentes no interior da concepção político-filosófica do Estado
democrático de direito, mas principalmente, a resolidarização dos laços sociais pautados
no reconhecimento das especificidades de toda a pessoa e de todas as pessoas, sem que
ocorra a inferiorização. Condição essa, imprescindível para a realização da autonomia
individual, base de edificação e desenvolvimento dos parâmetros basilares do sistema
moderno de direitos (CRISSIUMA, 2013).

2. OS DIREITOS HUMANOS E O PARADOXO DA UNIVERSALIDADE

As perspectivas de universalidade e inclusão em torno dos direitos do homem


foram introduzidas pela filosofia iluminista do séc.XVIII. Muitos filósofos como
Voltaire, Rousseau, Diderot, Grotius, Kant, Locke e Montesquieu, construíram uma base

[84]
transcendental para a criação de uma comunidade política humana, a qual poderia se
estender para além das fronteiras territoriais dos Estados europeus e da própria história
cristã (GIESEN, 2001, p.37).
A acepção de que todos os seres humanos possuíam direitos, pela sua igualdade
essencial – como seres dotados de razão – passou a definir uma constelação ascendente
de valores (COMPARATO, 2003, p.11). Contudo, apesar de seus elementos-chave
sustentarem o universalismo da concessão de direitos, da proteção, das garantias, da
preservação da igualdade, da liberdade e da dignidade humana, um novo modelo de
privilégios foi instituído. Estabeleceram-se no interior das comunidades políticas
ocidentais relações de igualdade entre aqueles que estavam incluídos, excluindo-se
concomitantemente a maior parte da população dos assuntos públicos: pois, nenhum
camponês, plebeu, escravo, mulher ou indígena teriam a “educação” ou a “liberdade”
necessárias para serem incluídos como iguais (EDER; GIESEN, 2001, p.06-07).
A dualidade existente entre as prerrogativas dos direitos humanos universais de
abrangência ilimitada e os direitos de cidadania (ancorados em marcadores estáticos e
oposições binárias – tais como o nós/eles, nacionais/estrangeiros, cidadãos/não cidadãos),
passou a moldar grande parte dos debates acerca do sistema moderno de direitos. Entre
os teóricos clássicos encontram-se Marshall, Berlim, Dworkin, Mill, Rawls, Walzer,
Taylor, dentre outros. Esses apresentaram importantes contribuições acerca dos embates
recorrentes entre liberdade e igualdade, sem perder de vista às exigências de justiça e de
pertença comunitária (KYNLICKA; NORMAN, 1997).
A teoria dos direitos ocupou-se, majoritariamente, com a conduta dos cidadãos,
ora oscilando entre às reivindicações por passividade comunitária e/ou participação ativa,
ora sobre suas responsabilidades, papéis e lealdades. A ênfase na virtude cívica auxiliou
a produção legal de novas e mais radicais distinções no interior dos contextos sociais.
Como lembra Boaventura (2007), tanto no âmbito do conhecimento como no do direito
moderno, mantiveram-se as mesmas linhas abissais da Era Colonial, ou seja, a existência
de delimitações entre aqueles que eram considerados ‘amigos’ e ‘inimigos’. Apesar das
conquistas históricas, para cada novo direito instituído se perpetuava estruturalmente a
exclusão. Segundo Boaventura, “[...] a teoria do direito mostra os lastros de exclusões e
de decadência das próprias perspectivas [de universalidade] e inclusão” (SANTOS,
2007).
Nesse contexto, os direitos humanos passaram a ser concebidos ora como fruto de
reivindicações de privilégios, ora como formas alternativas de um universalismo utópico,

[85]
sendo essa tensão um dos principais motivos de ineficácia dos sistemas de proteção
contemporâneos. Pois, por vezes, os direitos humanos tornaram-se instrumentos de um
artefato cultural particularista, que “[...] apenas a cultura ocidental tendia a formulá-los
como universais” (SANTOS, 1997, p.112), quando nada mais pretendiam do que
legitimar suas posições de poder hegemônico em detrimento de grupos minoritários.
Entretanto, quando analisamos os direitos humanos sob o prisma das
reivindicações morais, esses passam a se configurar como espaços primordiais para a
realização da dignidade humana, que realçam, sobretudo, “[...] a esperança de um
horizonte pautado pela gramática da inclusão, refletindo a plataforma emancipatória de
nosso tempo” (PIOVESAN, 2005, p.44). Boaventura (1997, p.122) ressalta ainda a
importância de não reduzirmos o estudo científico ao que existe de mais concreto, “[...]
pois, de outro modo, podemos ficar obrigados a justificar o que existe, por mais injusto
ou opressivo que seja”.
Tendo como base as possibilidades de realização de seus potenciais
emancipatórios, fundamentados no ideal de justiça social e no reconhecimento do outro,
Jürgen Habermas apresenta um modelo reconstrutivo do sistema de direitos, que cumpra
seu papel de conectar as tensões iminentes nas sociedades modernas, acerca dos dilemas
do universalismo v particularismo, da liberdade v igualdade, da autonomia pública v
autonomia privada, presentes nos direitos humanos fundamentais e, que ainda sejam
compatíveis com as pressuposições da soberania popular, do Estado de direito e da
democracia deliberativa (WERLE, 2012, p.187). Seus esforços estão orientados para o
reestabelecimento de diretrizes capazes de conduzir a uma nova práxis jurídico-
democrática à luz das transformações histórico-sociais de seus contextos de aplicação.
Habermas (2002, p. 286) considera as normas jurídicas, pautadas na garantira dos
direitos fundamentais, como leis coercitivas (devido à sua obrigatoriedade fática) e leis
da liberdade (devido ao seu teor ético de interesse simétrico de todos). Somente com a
preservação dessas duas esferas, é possível enredar-se à legitimação do direito, o qual
torna viável a preservação igualitária da autonomia de todas as pessoas,
independentemente de seus costumes e/ou tradições.
A peculiaridade dos direitos humanos para Habermas (2001) assenta-se na
complementariedade entre o direito e a moral, isto é, são normas jurídicas que também se
apresentam como normas morais. O autor os considera como a cabeça de Janus, estando
uma face voltada ao direito positivo e outra à moral. Em seu aspecto moral se expressa, a

[86]
substância universal da dignidade humana de cada um e da premissa de acesso igualitário
ao direito, devido sua condição humana de ser dotado de unicidade existencial.
Entretanto, o conteúdo moral dos direitos humanos não pode satisfazer seu
imperativo funcional no escopo da aplicabilidade nas sociedades modernas, mas somente
ele é capaz de justifica-lo simetricamente e de modo indivisível. Assim como a moral, o
direito deve preservar equitativamente a autonomia de todos, provando para além da
própria legitimidade, seu aspecto garantidor da liberdade. Para ele, “[...] a autonomia que
no campo da moral é monolítica, por assim dizer, surge no campo do direito apenas sob
a dupla forma da autonomia pública e privada” (HABERMAS, 2002, p. 290).
A autonomia pública dos cidadãos adquire sua forma na organização histórica e
social de uma comunidade ético-política, regida pela ação comunicativa e pelas
exigências de reconhecimento recíproco, a qual atribui a si própria suas leis, por meio do
exercício da vontade soberana do povo. Já a esfera da autonomia privada encarrega-se de
afigurar a garantia da autorrealização dos seres humanos, no que tange às suas relações
pessoais, sociais e institucionais.
Pela imbricação dessas esferas, Habermas (2002) formula o nexo existente entre
a formação da opinião e da vontade, mediada pela soberania do povo num espaço público
político e os direitos humanos, garantidores dos parâmetros universais de reconhecimento
da dignidade humana, dos parâmetros particulares da autorrealização individual e da
garantia do acesso igualitário ao sistema moderno de direitos. Conjuga-se, por intermédio
dos direitos humanos e da democracia, os valores da liberdade e da igualdade, tão caros
ao Ocidente.
Habermas (1997) apresenta uma interpretação com a edificação de um sistema de
direitos que não negue o reconhecimento das particularidades humanas,
consubstancializado em padrões de eticidade em decomposição. E que traduza as “[...]
expectativas de comportamento generalizadas temporal, social e objetivamente”
(HABERMAS, 1997, p.142). Estabelece-se um modelo democrático deliberativo capaz
de abarcar a totalidade de subculturas e que não abdique de sua obrigação de se
fundamentar em padrões morais de respeito à dignidade humana, bem como no respaldo
ético garantido pela participação de toda a comunidade política. Seria por intermédio dos
direitos humanos, que a autodeterminação dos povos e a autorrealização individual,
tornar-se-iam possíveis e alcançariam o objetivo ideal de uma sociedade justa e
emancipada.

[87]
Contudo, as experiências de inferiorização, privação de direitos e de degradação,
possivelmente, perpetuadas pelas rotineiras omissões nas condenações de formas de
racismo nas sociedades contemporâneas, transformaram os sistemas de proteção
contemporâneos em meros simulacros e veículos de imposição de parâmetros e interesses
provenientes de uma cultura majoritária. Com a negação de oportunidades reais de
inclusão e reconhecimento das diferenças, os indivíduos são negados de desenvolver seus
próprios mundos de herança, bem como seus sensos internos de autonomia
(autoconfiança, autorrespeito e autoestima) (WERLE, 2012, p.193).
Somente com o desenvolvimento cumulativo desses três elementos, seria possível
atingirmos espaços sociais verdadeiramente democráticos e, condizentes com os
parâmetros normativos que sustentam as concepções jurídico-filosóficas do Estado de
direito. A desorganização nessas esferas de reconhecimento afeta a eficiência funcional
das próprias instituições sociais, levando à enfermidade ou a proliferação de patologias,
típicas de uma sociedade que fracassa em relação às suas próprias metas normativas
(ROSENFIELD; SOBOTTKA, 2015).
Para Honneth (2009), essas três esferas de reconhecimento proporcionam os
níveis reguladores para o desenvolvimento da confiança, do respeito e da estima, tanto
nos âmbitos individuais quanto coletivos, sendo somente por intermédio do
reconhecimento das identidades particulares, que seria viável concebermos seres
autônomos, livres e de igual valor. Em suma, segundo a teoria do reconhecimento,
processos de negação do outro se transformam em requisitos que inviabilizam a
concretização da dignidade humana, com a inferiorização devido às diferenças
identitárias.
Se direitos são negados ou omitidos a determinados grupos sociais, está implícito
que esses não são reconhecidos como parceiros dignos de interação. Para Honneth (2009,
p. 266), “[...] a degeneração de pretensões jurídicas socialmente vigentes significa ser
lesado na expectativa de ser reconhecido como sujeito capaz de formar juízo moral; nesse
sentido vai de par com a experiência de privação de direito uma perda do autorrespeito”.
O desrespeito constitui-se como o último rebaixamento social possível, através do
qual se nega o valor de indivíduos e coletividades, com a depreciação de suas identidades
prático-morais, de suas tradições e formas de vida. Uma vez que, para existir estima, é
fundamental que seja concedido juridicamente uma real inclusão e reconhecimento do
outro, capazes de fazerem nascer sentimentos de autorrealização, assim como laços

[88]
abstratos de solidariedade cívica2. A discriminação, o desrespeito e os procedimentos
exclusivistas acabam por abalar o significado positivo de grupos inteiros levando à
instauração de patologias, tais como o sofrimento social. Vistos como ‘indesejados’ no
interior de uma comunidade política, os indivíduos sofrem um bloqueio em suas
autorrelações práticas e, consequentemente, podem culminar em processos de
desintegração do próprio corpo social.
Os sistemas jurídicos e as comunidades políticas, a despeito das diferenças, devem
estar abertos ainda aos processos de subversão, mediados pelos conflitos morais-
intersubjetivos, capazes de conduzir as sociedades às novas conquistas universalistas de
igualdade e particularistas de autonomia e autorrealização pessoal. Torna-se evidente que
o direito, que busca se isolar das reivindicações histórico-sociais e de seus dissensos,
condensando-se à mera função simbólica, torna-se inidôneo para representar as
sociedades modernas, marcadas pela convivência supercomplexa (HONNETH, 2009,
p.267).
Propõe-se então uma verificação dos possíveis parâmetros exclusivistas de
aplicação dos direitos humanos na Europa. Visto que sua conivência representa não
apenas uma negação do projeto universalista dos direitos humanos – sobre seus
imperativos morais de respeito à dignidade humana, à liberdade e à igualdade –, mas de
negação dos próprios preceitos éticos do Estado democrático de direito e da formação
identitária autônoma (fundada a partir das experiências de reconhecimento recíproco).

3. A POLÍTICA DA NÃO-DISCRIMINAÇÃO NO SISTEMA EUROPEU DOS


DIREITOS HUMANOS: RETÓRICA OU REALIDADE?

O triunfo do princípio universalista torna-se menos convincente quando analisado


sob o viés crítico do pensamento social. Uma vez que, simultaneamente à constante
reiteração jurídico-formal da nova Era de direitos, continuam-se a proliferar casos de
desrespeito, exclusão e/ou indiferença que fragilizam as prerrogativas jurídico-filosóficas
de constituição do Estado democrático de direito. Para tanto, passaremos para uma
avaliação dos atuais códigos normativos e procedimentos formais de combate às formas

2
“Que nasce no nível da heterogeneidade das consciências populares. [Provenientes] das experiências
vividas no âmbito da sociedade e derivadas dos processos de socialização, que distinguem a necessidade
de um homem livre e solitário, que possa contrapor os desafios e a crescente complexidade social que a
modernidade traz. A partir dessas experiências surge a questão de como sua universalidade se comporta
frente às diversidades culturais” (ALVES; POKER; FERREIRA, 2005, p.118).

[89]
de intolerância de grupos minoritários na Europa, por intermédio da análise da
jurisprudência política do Sistema Europeu dos Direitos Humanos, acerca da lei da não
discriminação.
Em 1973, o sistema europeu de proteção foi acionado por alguns cidadãos da
Commonwealth3 – residentes na Grã-Bretanha e provenientes das antigas colônias do
Quênia, de Uganda e da Tanzânia –, que perderam o seu direito de residirem
permanentemente no Reino Unido devido às aprovações da Commonwealth Immigrants
Acts de 1962 e de 1968. Por meio dessas diretivas nacionais, os antigos cidadãos deixaram
de possuir a liberdade de entrar livremente no Reino Unido para trabalhar ou morar. Os
atos “[...] limitaram o direito de entrada e impuseram controles rígidos de imigração sobre
‘certas classes de cidadãos’, incluindo àqueles que já habitavam o Reino Unido e as
Colônias, e aos que ainda não possuíam ligações estreitas com a Grã-Bretanha”
(CONSEIL, 1985, p.04).
As leis de imigração britânicas existentes até 1962 foram alteradas e, as novas
diretrizes criaram ‘categorias de pessoas’ para efeitos de ‘aceitação’ em seus territórios,
as que tinham o direito de residência permanente eram chamadas de ‘patriais’ e as que
não possuíam essa salvaguarda foram denominadas de ‘não patriais’. Essas classificações
foram destinadas a todos os imigrantes e aos ‘cidadãos da Commonwealth’ (que
‘pertenciam’ ao Reino Unido e aos que ainda ‘não pertenciam’).
Para Khalida Qureshi (1968, p.134), as aprovações dessas leis migratórias foram
fulcrais para o reestabelecimento dos antigos conflitos coloniais – sobre as distinções de
raça e de cor –, que ainda pairavam sobre as sociedades europeias, promovendo ainda
novos problemas ligados à eclosão do racismo e da intolerância, especialmente, na Grã-
Bretanha. Referiram-se também às rejeições das minorias nacionais – que já detinham
passaportes ingleses –, mas eram originalmente da África. O autor menciona que a recusa
britânica na aceitação de alguns ‘cidadãos da Commonwealth’ produziu uma espécie de
‘cidadania de segunda classe’, sendo a primeira vez que essas classificações raciais e
diferenciações sociais apareciam na forma de lei no Reino Unido. Constituíram-se assim
como políticas de combate à ‘africanização’ da Grã-Bretanha e a um modo de conter o
aumento dos fluxos migratórios, após a independência de suas antigas zonas de
exploração.

3
Caso dos 35 Africanos Orientais contra o Reino Unido (processo nº 4626/70).

[90]
A maior ironia da Commonwealth Immigrants Act de 1968, é que sua promulgação
ocorreu no mesmo ano escolhido pelo Conselho da Europa e pelas Nações Unidas como
o Ano Internacional da Proteção dos Direitos Humanos. Esse ato sectário envolveu uma
violação explícita aos direitos humanos, por restringir direitos de cidadania anteriormente
conquistados e fomentar o acirramento social com violências racialmente direcionadas
aos cidadãos das antigas colônias britânicas (asiáticos, negros e árabes). Concebeu-se,
deste modo, como um ato discriminatório legalmente fundamentado de limitação de
direitos. Segundo Qureshi (1968, p.134-136) “[...] infelizmente em certas sociedades essa
antipatia tornou-se uma obsessão patológica [...] de nações racistas diante de uma pressão
contínua para aceitarem a ideia da igualdade racial”.
No entanto, dois anos após a aceitação desse processo pelo Sistema Europeu de
Proteção dos Direitos Humanos, o Reino Unido decidiu emitir uma autorização provisória
de permanência para alguns dos seus ‘cidadãos de segunda classe’, como um ato
atenuador das críticas e contestações crescentes. Essa ação levou à Comissão Europeia a
declarar profunda “[...] satisfação pelas medidas adotadas pelo governo para facilitar a
entrada no Reino Unido dos provenientes da África Oriental” (35EAST, 1978, p.07). E,
mediante a essas circunstâncias, foi concluído que “[...] todos os problemas que deram
origem ao processo deixaram de existir” (35EAST, 1978, p. 07) e o Comitê de Ministros
do Conselho da Europa afirmou estar profundamente “[...] satisfeito com as medidas
tomadas pelo Reino Unido para lidar com o fluxo de refugiados que a crise africana
produziu” (DEMBOUR, 2006, p.150).
Embora tenha sido admitido no período que os cidadãos da Commonwealth “[...]
foram tratados como cidadãos de segunda classe e foram sujeitos a atos de discriminação
racial”, e afirmado que “[...] a discriminação baseada na raça, em certas circunstâncias,
poderia equivaler a um tratamento degradante nos termos da Convenção Europeia”
(35EAST, 1978, p.08). Não foi, de fato, constatada nenhuma violação de direitos
humanos pelo Reino Unido. Isto é, as prerrogativas judiciais da Convenção – no primeiro
caso emblemático de combate ao racismo –, garantiram a prossecução de assimetrias na
concessão dos direitos dos ‘cidadãos britânicos’ da Commonweatlh, ao abrigo da
continuidade da aplicação das leis de imigração. Ao governo da Grã-Bretanha não foi
emitido nenhum pedido de revogação ou reformulação de suas diretivas internas. Ao
contrário, foi admitido que os problemas que originaram as reivindicações ‘deixaram de
existir’ e todas as queixas foram retiradas unilateralmente de Estrasburgo.

[91]
Os conflitos descritos foram ‘resolvidos’ com a permanência de vicissitudes
raciais no âmbito da proteção humana e contínuas lacunas acerca do reconhecimento de
identidades minoritárias no Reino Unido. Cabe lembrar ainda, que ‘omissões jurídicas’
também são formas de posicionamento político, e apesar da constatação de que “[...] a
discriminação baseada na raça, em certas circunstâncias, poderia equivaler a um
tratamento degradante”, nenhuma violação foi atribuída (35EAST, 1978, p.11). Mais do
que isso, em maio de 19854, o Tribunal admitiu que “[...] embora um Estado membro não
possa aplicar políticas de tratamento preferencial aos seus nacionais ou às pessoas dos
países com que tenha laços mais estreitos”, as regras migratórias no Reino Unido não são
uma “[...] evidência da diferença real de tratamento com base na raça” (CONSEIL, 1985,
p.33). As restrições à ‘imigração primária’ visam ‘proteger o mercado de trabalho
nacional’ em um período de forte crise, o que o leva à elaboração de regras especialmente
direcionadas “[...] aos imigrantes que são da Commonwealth e do Paquistão, e como
resultado afetaram menos brancos do que outros, [mas isso] não é razão suficiente para
considera-los racistas” (CONSEIL, 1985, p.34-35).
Em consonância a essa declaração, as políticas preferenciais de tratamento dos
cidadãos nacionais em detrimento dos estrangeiros ou dos ‘cidadãos de segunda classe’
passaram a ser justificadas à luz dos períodos de crise econômica e com a finalidade de
manter a ‘unidade social coesa’. E mesmo que ‘os brancos’ não tenham sido tão afetados
como os de ‘cor’, isso não evidenciaria – segundo os argumentos do Tribunal Europeu –
, que as legislações nacionais fossem ‘racistas’ ou ‘sectárias’. Uma vez que essas
distinções sociais não foram elaboradas com o objetivo de ‘humilhar ou degradar’ grupos
específicos, apenas estabeleciam – em termos jurídicos ‘neutros’ –, quais seriam os
imigrantes passíveis de serem ‘incluídos’ permanentemente e quais seriam ‘inferiorizados
e não reconhecidos’ pelo direito britânico.
As políticas de imigração britânicas tornaram-se assim mecanismos que
regulavam a ‘inclusão’ e a ‘exclusão’, construindo hierarquias com base em juízos
determinados pelos parâmetros de atribuição de nacionalidade. Esses critérios passaram
a flutuar conforme as necessidades econômicas e a conveniência da política nacional. No
interior do discurso da ‘igualdade’ – existente no bojo dos direitos humanos universais –
, o pertencimento, a nacionalidade e a cidadania passaram a cumprir funções
contraditórias que proporcionavam uma agenda comum de reivindicações pautadas na

4
No caso de Abdulaziz, Cabales e Balkandali contra o Reino Unido (processos nº 9214/80; 9473/81;
9474/81).

[92]
‘inclusão’, mas incapazes de se distanciar dos instrumentos discriminatórios de
‘exclusão’ do outro – do estrangeiro e do ‘diferente’ (RUDIGER, 2007, p.55).
Hemme Battjes (2009, p.200) chama a atenção para o escopo do direito que
envolve as leis e as políticas de imigração, pois esse não deve implicar “[...] que cada
governo é apenas responsável pelo bem-estar e pelo pertencimento ideal de seus próprios
membros, possuindo uma obrigação limitada na proteção dos direitos dos não cidadãos”,
principalmente se as violações estiverem vinculadas às prerrogativas essenciais de vida –
de grupos que não possuem voz política ou representação. Para Farahat (2009), “[...] a
não-cidadania dos imigrantes é, ou deveria ser, uma questão prioritária” para o Sistema
Europeu dos Direitos Humanos, pois ela assume um papel muito mais significativo para
esses segmentos da sociedade do que para os portadores de um tipo de ‘cidadania plena’
(BATTJES et all, 2009, p.202).
Portanto, o ideal seria criar uma abordagem político-jurídica conjunta, integrada
e inclusiva sem que o exclusivismo do pertencimento nacional entrasse em conflito direto
com o compromisso da ‘igualdade pluralista’. Pois, políticas baseadas no reconhecimento
do outro e na constante negociação das diferentes necessidades e perspectivas transitam
do nível individual ao coletivo, não exigindo assimilação, mas requerendo, acima de tudo,
uma cultura democrática participativa. Reivindicam-se assim instrumentos político-
jurídicos que garantam a igualdade de tratamento e não obscureçam as particularidades
atinentes aos direitos humanos. As diretivas comunitárias europeias deveriam servir para
impulsionar a ação do ‘reconhecimento’ nos níveis nacionais, garantindo novos impulsos
e uma possível articulação do sistema moderno de direitos com a ‘igualdade’ e a
‘diferença’ (RUDIGER, 2007, p.41-63).
Pois, nem a ‘igualdade’ nem a ‘inclusão’ podem seguir com hierarquias sociais
que legitimam padrões culturais dominantes, que apenas servem para eternizar
tratamentos desiguais (em virtude do pertencimento a um determinado grupo étnico ou
racial). As desigualdades tornam-se relações estruturais existentes no interior das
sociedades, que não são desencadeadas apenas por ações ou atitudes individuais, mas
acima de tudo, corroboradas por instituições que fazem ‘vista grossa’ às violações
sistêmicas. Assume-se maior risco de fragmentação ao permitir a exacerbação das
diferenças no bojo das sociedades modernas e, aumenta-se o desejo por políticas de
exclusão e práticas de discriminação, que efetivamente restringem a igualdade daqueles
que são identificados como não pertencentes às comunidades essencialmente majoritárias
(RUDIGER, 2007, p.41-63).

[93]
Além disso, em maio de 20005, o Tribunal Europeu transferiu o ônus de obtenção
de prova de uma alegada situação de discriminação, racismo ou intolerância para a vítima
durante os procedimentos judiciais levados à Estrasburgo. Ou seja, o sistema de proteção
passou a adotar uma medida jurídica equivalente a uma acusação penal existente somente
no âmbito dos Estados nacionais6, sem ao menos justificar o motivo de tal exigência em
matéria de defesa ou salvaguarda dos direitos humanos no continente.
Para Marie-Bénédicte Dembour (2009, p.227) essa doutrina se, “[...] constituiu
como uma regra do direito que tornou possível ao Tribunal se manter distante de
reconhecer o racismo por décadas, insistindo até recentemente em um padrão irreal de
provas e por rejeitar, o próprio conceito de discriminação” na construção de sua
jurisprudência política. Retardaram-se assim, por um longo período de tempo, medidas
específicas contra preconceitos raciais recorrentes na extensa história social europeia,
consolidando-se como assentimentos positivos em relação às desigualdades enquanto
expressões diferenciais de poder entre grupos de pessoas, e não apenas como ‘simples’
falhas de um sistema que protege indivíduos num sentido estreito. Embora tenha
oferecido um nível mínimo de proteção contra a discriminação nos níveis nacional e
internacional – pelo menos em seus aspectos simbólico-discursivos – foi insuficiente na
edificação de “[...] uma peça central em torno da qual uma cultura da igualdade poderia
verdadeiramente se desenvolver” (RUDIGER, 2007, p.48-49).
Em 2002, um juiz maltês chamado Giovanni Bonello anexou uma opinião
divergente ao final de um processo em Estrasburgo,7 afirmando que considerava
particularmente perturbador que, em mais de cinquenta anos de escrutínio judicial, o
Sistema Europeu de Proteção não tivesse encontrado um único caso de violação do direito
à vida ou do direito de não ser submetido à tortura ou a outro tratamento degradante ou
desumano, induzido pela raça, cor, credo, ou lugar de origem das vítimas. Mostrou a
essencialidade de uma revisão no âmbito do Tribunal, que postergava o cumprimento do
direito de não discriminação por meio de garantias legais que comprometiam sua
eficiência em termos da proteção dos direitos humanos na Europa.
Segundo Bonello (2002), embora esse nível de prova – “para além de qualquer
dúvida razoável” – faça sentido nos contextos nacionais penais, é virtualmente
‘impossível’, ‘insustentável’ e ‘inatingível’ ao requerente que alega a discriminação racial

5
Caso de Velikova contra a Bulgária (processo nº 41488/98).
6
Acordo Irlanda/Reino Unido de 18 de janeiro de 1978, série A nº25, §61.
7
Caso de Anguelova contra a Bulgária (processo nº 338361/97).

[94]
alcança-lo em matéria de direitos humanos. Tornou-se “[...] um padrão de prova que serve
apenas para garantir que os danos aos direitos humanos, por mais ostentosos e proibitivos
[que sejam], permaneçam ilesos” na Europa (CONSEIL, 2002, p.41). Recordou-se ainda
que o racismo é um problema que assola o continente, no entanto, “[...] ao folhear os
relatórios do Tribunal, um observador desinformado teria razões suficientes para concluir
que [...] a Europa democrática está isenta de qualquer suspeita de racismo, intolerância e
xenofobia”, já que sua “[...] jurisprudência [parece ser] um refúgio exemplar de
fraternidade étnica em que os povos das mais diversas origens se unam sem angústia,
preconceito ou discriminação” (CONSEIL, 2002, p. 39). Logo, para o juiz não poderia
ser concebido nenhum [...] instrumento jurídico mais eficiente para garantir que a
proteção contra a discriminação se tornasse ilusória e inoperante do que exigir das vítimas
um padrão de prova que em outros litígios civis não é exigido por mais ninguém
(CONSEIL, 2002, p.41).
Bonello (2002) ainda afirmou que o Tribunal Europeu está atrás, no que tange à
proteção contra a discriminação racial, de outros tribunais de direitos humanos, como por
exemplo, a Corte Interamericana de Direitos Humanos. Já que ela atribuiu em sua
jurisprudência política recente que, a defesa dos direitos humanos não deve ser
confundida com a ‘justiça criminal’, pois, “[...] os Estados não comparecem perante a
Corte como réus de uma ação criminal. O objetivo do direito internacional não é punir
aqueles que são culpados de violações, mas sim proteger as vítimas, prever e reparar os
danos resultantes dos atos dos Estados responsáveis”, o que o Sistema Europeu de
Proteção tem falhado sistemática e historicamente (CONSEIL, 2002, p.41).
Cabe ressaltar que esses posicionamentos “[...] não foram palavras de um ex-
advogado amargurado, mas de um juiz do Tribunal que [demonstrou que] não podia mais
seguir seus colegas” (DEMBOUR, 2006, p.133). Faltaria, portanto, maior clareza
doutrinária em relação aos seus deveres de prevenir e proteger indivíduos e coletividades
em detrimento dos interesses dos Estados em si. Pois, a jurisprudência do Sistema
Europeu deveria representar uma “[...] reação contra as omissões e a inércia dos órgãos
de poder público no presente domínio da proteção” (TRINDADE, 1999, p.48),
aprimorando assim os mecanismos internacionais em prol de direitos humanos mais
inclusivos e igualitários.

[95]
Apesar desse nível de prova ter sido alterado em 2005,8 sendo transferido agora
aos Estados infratores, o Tribunal Europeu ainda continua a defender sua ausência de
responsabilidade em condenar ‘formas indiretas’ de intolerância ou racismo nas
sociedades europeias, cabendo a ele apenas a função de responsabilizar ou não os Estados
contratantes acerca da violação da Convenção Europeia.9 Sua postura não apenas descarta
o desenvolvimento histórico-social indispensável ao aprimoramento moral e ético da
própria substância normativa dos direitos humanos, como também se utiliza de garantias
legais para omitir-se em relação ao seu dever de proteger e prevenir formas de
inferiorização e não reconhecimento do outro, ainda existentes nos contextos sociais
europeus. A noção de proteção mostrou-se assim insuficientemente inábil em eliminar a
degradação de grupos historicamente subjugados, com uma tendência inercial em lidar
com uma ordem social generalizada de violações e violências.
Em suma, a lei da não discriminação europeia “[...] revela-se como uma falsa
promessa” (DEMBOUR, 2006, p.133), demonstrando que nem as autoridades nem o
Tribunal consideraram, de fato, o racismo no seu recente quadro político-jurisprudencial
de proteção dos direitos humanos, sendo suas atribuições ‘surpreendentemente limitadas’
e que “[...] soam até mesmo como palavras um pouco vazias” (DEMBOUR, 2006, p.137).
Sendo, portanto, “[...] seu fracasso infeliz, pra dizer o mínimo” (DEMBOUR, 2006,
p.135). Ressaltamos, por isso, a essencialidade de compreendermos que, “[...] existe uma
luta política onde quer que se deem relações de dominação e que os direitos humanos se
ligam inevitavelmente às tramas sociais que potencializam a autonomia e a autoestima de
todos e de cada um [que se] feriu” (GALLARDO, 2014, p.59).
Assim, sob um viés crítico-normativo, podemos dizer que ao descartar o
enfretamento da discriminação, da intolerância e do racismo ainda existentes nos
contextos sociais europeus, recusam-se formas reais de transferência e/ou redistribuição
de poder, capazes de combater assimetrias que comprometem continuamente a formação
cumulativa das esferas identitárias dos sujeitos em causa. Esses cenários reificantes
comprometem não apenas os imperativos da ‘moralidade’ liberal do Estado de Direito,
ou a ‘ética’ pressuposta nos posicionamentos humanitários, mas principalmente abrem
caminhos para questionamentos mais sérios acerca da própria regressão do ideal
democrático das sociedades europeias supercomplexas, devido à possibilidade de

8
Caso de Nachova contra a Bulgária (processos nº 43577/98 e 43579/98).
9
Caso de D.H e outros contra a República Checa (processo nº 57325/00).

[96]
existência de marcos tradicionais nos parâmetros de ‘justiça’, de ‘igualdade’, e até mesmo
de ‘liberdade’, tão impreteríveis à cultura ocidental.

4. CONCLUSÃO

Como apresentado sumariamente nesse texto, segundo a teoria do


reconhecimento, as experiências de privação de direitos, inferiorização e degradação
influem diretamente na consolidação das esferas de autorrespeito e autoestima. Âmbitos
esses substanciais para se pensar na garantia da dignidade humana, bem como na
efetividade da autonomia individual – base elementar para a constituição das próprias
perspectivas normativas do sistema moderno de direitos (pautado na defesa dos direitos
humanos fundamentais). Assim, com o abalo nas prerrogativas de autorrealização dos
indivíduos e em suas autorrelações práticas, torna-se inviável pensarmos em ideais
igualitários, em concepções abrangentes de justiça social e em emancipação humana,
levando ao surgimento de patologias sociais, devido ao sentimento crescente de injustiças
e opressões.
Jürgen Habermas e Axel Honneth apresentaram o sistema moderno de direitos
como um medium essencial para a garantia da integração social e, para a confirmação das
“[...] perspectivas reais e plausíveis de superação das injustiças e sofrimentos de nossa
realidade” (WERLE, 2012, p.192), devendo ainda ser comprometido com o ideal de
promoção da justiça social. Sistema esse, forjado nos processos democráticos de
formação da vontade livre e coletiva, com o objetivo de satisfazer as reivindicações
historicamente não cumpridas de grupos constantemente inferiorizados.
Apesar disso, continuamente, continuam-se a proliferar dúbias condutas que
insistem em legitimar poderes ilegítimos e, abster-se da naturalização da repressão ou
violência, colocando os sistemas jurídicos de proteção como instituições sociais ainda
consubstancializadas em tramas de dominação. Uma legislação que se isola das
reivindicações sócio-históricas, assume a função de apenas encobrir as contradições e as
irracionalidades que ainda permeiam as instituições sociais regidas por uma maioria que
não visa à justiça, mas sim obstruem os caminhos para que esta seja alcançada. Se o
Estado de direito se mostra frágil, o teor democrático, coletivo e plural de suas instituições
político-jurídicas também se tornam particularmente dubitáveis.

[97]
Com a crítica das atuais lacunas jurídico-políticas europeias, a respeito da
proteção de ofendidos e degradados, é oportuno iniciarmos uma reflexão que englobe um
canal jurídico de acesso irrestrito aos direitos e que não acoberte poderes sociais
assimétricos ou ainda políticas de poder inseridas numa lógica de dominação usual. Nessa
perspectiva, os direitos humanos poderiam assumir sua função de “[...] realizar seu
conteúdo moral transcendente que se impregnou na memória da humanidade”, levando à
edificação dos ideais de emancipação sobre fenômenos da ordem da vida em sociedade.
Pois, “[...] pior do que as tentativas legítimas malsucedidas, é sua ambiguidade, que
coloca os próprios padrões morais na penumbra” (HABERMAS, 2012, p.31).
Contestam-se, assim, práticas político-jurisprudenciais que não apenas silenciam
a “[...] arbitrariedade, a opressão e a humilhação” de grupos constantemente
inferiorizados e não incluídos no direito moderno, mas que fragilizam a própria ordem
jurídico-normativa, na qual se originou a concepção de Estado democrático de direito,
devido manutenção dos bloqueios sociais à autorrealização de todos os indivíduos, com
a reificação continuada de suas identidades.

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALVES, Beatriz S. F.; POKER, José Geraldo A. B.; FERREIRA, Vanessa, C.


Reconstrução racional e direitos humanos: uma proposta de produção de conhecimento
crítico das relações internacionais baseada em Habermas. Bauru: RIDH, nº4, junho 2015,
p.105-132.

AROLD, Nina-Louisa. The Legal Culture of the European Court of Human Rights.
Boston: Martinus Nijhoff Publishers, 2007.

BATTJES, Hemme. (et all). The European Court of Human Rights and Immigration:
Limits and Possibilities. European Journal of Migration and Law 11, 2009, p. 199-
204. DOI: 10.1163/138836409X12469435402657

[98]
_______. The Soering Threshold: Why Only Fundamental Values Prohibit Refoulement
in ECHR Case Law. European Journal of Migration and Law 11, 2009, p. 205-219.

BENHABIB, Seyla. Human Rights, Sovereignty and Democratic Iterations. Hannover:


Yale University. Keynote Lectures ‘Human Rights – Global Culture – International
Institutions Our Common Future’, nov. 4, 2010.

_______. O declínio da soberania ou a emergência de normas cosmopolitanas?


Repensando a cidadania em tempos voláteis. Porto Alegre: Civitas, v. 12, n. 1, jan-abr,
2012, p. 20-46.

CHRISTOFFERSEN, Jonas; MADSEN, Mikael Rask (eds.). The European Court of


Human Rights Between Law and Politics. Oxford: Oxford University Press, 2011, p.01-
16.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 3ªed. São
Paulo: Saraiva, 2003.

CONVENÇÃO Europeia dos Direitos do Homem. Disponível em: <


http://www.echr.coe.int/Documents/Convention_POR.pdf >. Acessado em: 13 fev. 2017.

CONSEIL de L’Europe – Cour Européenne des Droits de L’Homme – Case of Abdulaziz,


Cabales and Balkandali v. The United Kingdom (Application nº 9214/80; 9473/81;
947481), 1985. Disponível em: < http://hudoc.echr.coe.int/eng?i=001-57416 >. Acessado
em 17 de dez. de 2016.

CONSEIL de L’Europe – Cour Européenne des Droits de L’Homme – Case of Anguelova


v. Bulgaria (Application nº 38361/97), 2002. Disponível em: <
http://hudoc.echr.coe.int/eng?i=001-60505 >. Acessado em: 17 de dez. de 2016.

CRISSIUMA, Ricardo. Trocando o jovem pelo velho. In: MELO, Rúrion (org). A teoria
crítica de Axel Honneth: reconhecimento, liberdade e justiça. São Paulo: Editora Saraiva,
2013, p.55-81.

DEMBOUR, Marie-Bénédicte. Who believes in Human Rights? Reflections on the


European Convention. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

_______. Still Silencing the Racism Suffered by Migrants: The Limits of Current
Developments under Article 14 ECHR. European Journal of Migration and Law 11,
2009, p.221-234.

[99]
EDER, Klaus; GIESEN, Bernhard. European Citizenship: Na Avenue for the Social
Integration of Europe. In: EDER, Klaus. GIESEN, Bernhard. European Citizenship:
National Legacies and Transnational Projects. Great Britain: Oxford University Press,
2001.

GALLARDO, Helio. Teoria Crítica: Matriz e Possibilidade de Direitos Humanos. Trad.


Patricia Fernandes. 1.ed. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

GIESEN, Bernhard. Citizenship, Subjecthood, Nationality: Concepts of Belonging in the


Age of Modern Nation States. In: EDER, Klaus; GIESEN, Bernhard (org.). European
Citizenship: National Legacies and Transnational Projects. Great Britain: Oxford
University Press, 2001.

HABERMAS, Jürgen. Direito e Democracia: Entre facticidade e validade. Tradução


Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, volume I, 1997.

_______. A Constelação Pós-nacional. São Paulo: Littera Mundi, 2001.

_______. A Inclusão do outro. São Paulo: Loyola, 2002.

_______. Sobre a constituição da Europa. Tradução Denilson Werle, Luiz Repa e Rúrion
Melo. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

HONNETH, Axel. Negative Freedom and Cultural Belonging: An Unhealthy Tension in


the Political Philosophy of Isaiah Berlin. Social Research, 66.4, 1999, p. 1063.

_______. Luta por reconhecimento: A gramática moral dos conflitos sociais. 2ºed.
Tradução Luiz Repa. São Paulo: Editora 34, 2009.

KYMLICKA, Will; NORMAN, Wayne. El retorno del ciudadano: una revisión de la


producción reciente em teoría de la ciudadanía. Revista de estudios sobre el estado y la
sociedad, nº3, 1997.

PIOVESAN, Flávia. Ações afirmativas da perspectiva dos direitos humanos. Cadernos


de Pesquisa, v.35, n.124, 2005, p. 43-55.

QURESHI, Khalida. Kenyan Asians and the Commonwealth Immigrants Act – 1968.
Pakistan Horizon, vol.21, nº2, 1968, p. 134-146.

ROSENFIELD, Cinara L.; SOBOTTKA, Emil, A. Justiça e instituições sociais na


democracia. Civitas, Porto Alegre, v. 15, n. 4, 2015, p. 567-574.

[100]
RUDIGER, Anja. ‘Cultures of Equality, Traditions of Belonging’. In: BERTOSSI,
Christpphe (org.). European Anti-Discrimination and the Politics of Citizenship. New
York: Palgrave Macmillan, 2007, p. 41-63.

SANTOS, Boaventura de Souza. Uma concepção multicultural de direitos humanos. Lua


Nova, nº 39, 1997, p. 105-124.

_______. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes.
Revista Crítica de Ciências Sociais, 78, outubro 2007, p. 03-46.

SOYSAL, Yasemin. Citizenship, immigration, and the European social project: rights
and obligations of individuality. Oxford: The British Journal of Sociology, vol. 63,
2012.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Memorial em prol de uma nova mentalidade


quanto à proteção dos direitos humanos nos planos internacional e nacional. In:
BOUCAULT, Carlos Eduardo de Abreu; ARAUJO, Nadia de. Os direitos humanos e o
direito internacional. Rio de Janeiro: Renovar, 1999, p. 07-62.

WERLE, Denilson Luís. Construtivismo “Não Metafísico” e Reconstrução “Pós-


Metafísica”: o debate Rawls-Habermas. In: NOBRE, Marcos; REPA, Luiz (org).
Habermas e a Reconstrução: sobre a categoria central da teoria crítica habermasiana.
CAMPINAS: Papirus, 2012, p. 169-205.

YEARBOOK of the European Convention on Human Rights 1961. Strasbourg: Springer


Science+Business Media, B.Y., 1962.

35EAST African Asian (Citizens of the United Kingdom and Colonies) v. The United
Kingdom, 1978. Disponível em: <
http://hudoc.echr.coe.int/app/conversion/pdf?library=ECHR&id=001-
74355&filename=ASIATIQUES%20D%27AFRIQUE%20ORIENTALE%20%28citoy
ens%20du%20Royaume-Uni%20et%20des%20colonies%29%20c.%20ROYAUME-
UNI.pdf >. Acessado em 17 de dez. de 2016.

[101]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[102]
PARTE II
Emancipação, Arte e
Educação na Democracia

[103]
PARTE II
Emancipação, Arte e
Educação na Democracia

[104]
6. A DEMOCRACIA SEGUNDO TOMÁS DE ALENCAR

Breno Góes1

Resumo: O trabalho oferece uma compreensão da ideia de democracia presente no


episódio do romance Os Maias, de Eça de Queirós, no qual o personagem Tomás de
Alencar recita um poema intitulado exatamente “A Democracia”. Para tal, leva em conta
os procedimentos estéticos utilizados pelo autor para apresentar a cena, além de pontos
das teorias de Jacques Rancière e Hans Blumenberg que se relacionam com as imagens
literárias. A hipótese é que a imagem produzida da democracia nessa cena específica
contrapõe-se a uma outra, mais geral, produzida pela íntegra do romance.

Palavras-chave: Eça de Queirós; Os Maias; Tomás de Alencar; Democracia; Estética.

Este artigo, inserida no âmbito de uma pesquisa maior, irá se debruçar sobre o
romance Os Maias, de Eça de Queirós. Mais especificamente, sobre um episódio desse
romance no qual a questão da democracia é explicitamente abordada. Seus objetivos
serão, em primeiro lugar, compreender como a ideia de democracia se manifesta no
âmbito desse episódio específico e, em um segundo lugar, como esse episódio ajuda a
iluminar uma outra ideia de democracia abordada implicitamente no todo da obra.
Antes, contudo, cabe ressaltar a relevância de um debate sobre estética literária
num contexto no qual se debate a democracia. É um encontro que me parece muitíssimo
adequado: não foi por acaso que o filósofo francês Luc Ferry batizou seu tratado sobre
estética como Homo Aestheticus - A Invenção do Gosto na Era Democrática. Para Ferry,
a mesma pulsão histórica que levará as nações de dentro e fora da Europa a revoluções
contra o Antigo Regime - que reivindicaram para si o termo “democracia” - também

1
Breno Góes (1991) ingressou em 2016 como mestrando no programa “Literatura, Cultura e
Contemporaneidade” da PUC-Rio, no Rio de Janeiro. Tem sido, desde então, orientado pela professora
Izabel Margato.

[105]
animará o lento processo de emancipação da esfera sensível do ser humano.2 O sensível
emancipado, por um lado, funda aquilo que hoje chamamos de arte e por outro torna-se o
objeto de estudo da estética. Trata-se, tanto no caso da revolução democrática contra o
Antigo Regime quanto no caso do surgimento da modernidade estética romântica, de
situar o poder não mais na tradição, mas no sujeito. Não mais em uma doutrina pré-
estabelecida, mas na contingência. Meu artigo se funda, desde já, nessa ambiguidade: a
democracia aparecerá aqui tanto como um referente do texto sobre o qual me debruçarei
quanto como espírito imanente da própria estética.

***

Isso posto, passemos ao objeto de estudo deste artigo. Os Maias, romance escrito
ao longo de dez anos e publicado em 1888 por Eça de Queirós, apresenta-nos em seu
antepenúltimo capítulo o episódio do sarau da Trindade, no qual o personagem Tomás de
Alencar recita um poema de sua autoria intitulado “A Democracia”. Alencar é um
personagem cuja trajetória acompanhamos desde o início do romance: vimos como ele se
identificou com a escola literária do romantismo e como, graças a essa identificação,
chegou a se estabelecer, no passado, como escritor de grande sucesso em prosa, verso e
drama. Vimos também como a chegada da “ideia nova”, isto é, a escola literária realista,
lhe roubou grande parte do seu público e do seu prestígio. Vimos, finalmente, como esse
revés levou Alencar a tomar certo posicionamento político, evidentemente atravessado
por suas preocupações de ordem pessoal:

Ultimamente [Alencar] pendia para ideias radicais, para a democracia humanitária de


1848: por instincto, vendo o romantismo desacreditado nas letras, refugiava-se no
romantismo político, como num asilo paralelo: queria uma república governada por
génios, a fraternização dos povos, os Estados Unidos da Europa... Além disso, tinha
longas queixas desses politiquotes, agora gente de Poder, outrora seus camaradas de
redacção, de café e de batota… (Queirós, 1988, p. 213).

É nesse contexto que Alencar vai ao Ginásio da Trindade, durante um sarau


frequentado pela alta burguesia lisboeta, organizado para arrecadar fundos para os
desabrigados por uma cheia. Lá, recita “A Democracia”. Um pouco antes de ir ao palco,

2
cf. FERRY, 1990, p. 39

[106]
contudo, faz uma declaração de intenções. Conversando com João da Ega, define seu
poema como: “Uma coisita nova (...) algumas verdades duras a toda essa burguesia…” 3.
Traído por seu público, Alencar quer agora atacá-lo: à maneira dos decadentistas
franceses, seu propósito é épater les bourgeois. Contudo, não se pode perder de vista
também a genuína preocupação social de um personagem que considera o meio em que
vive como inteiramente tomado pela decadência promovida pela “ideia nova”. Com essa
dupla preocupação, o poeta decide brandir justamente a imagem da democracia. Não
qualquer democracia, mas aquela da “fraternização dos povos” e da “república governada
por gênios”.
É preciso reconhecer a coerência interna das intenções de Alencar. De fato, em
tese, o público da Trindade teria tudo para se sentir chocado com “A Democracia”, e até
mesmo atacado por pelo poema: nesta altura do romance, Eça de Queirós já construiu
uma imagem sólida da alta sociedade lisboeta que a situa nos antípodas de qualquer
república governada por gênios, como atesta o personagem do Conde de Gouvarinho, e
atrelada demais a privilégios aristocráticos para qualquer sentimento de possível
fraternidade.
Eça instaura, como se vê, uma situação na qual um personagem artista pretende
usar sua arte para provocar certo efeito político. É preciso determo-nos neste ponto, já
que o autor de Os Maias explorou essa mesma situação em um texto não ficcional. Em
20 de Julho 1885, portanto, ao longo do processo da escrita de Os Maias, Eça publica
“Uma carta sobre Victor Hugo”, um ensaio no qual seus comentários sobre o autor francês
em certo momento motivam uma reflexão sobre o papel da arte na política. Eça anota
que, diferentemente dos homens cultos, “as massas não se movem senão pela imaginação
e pelo sentimento”4 e que “em todos os movimentos sociais, o mais poderoso agente é o
sentimento”5. Já neste ponto de sua carreira, embora fazendo uma distinção entre
“homens cultos” e “massas”, Eça de Queirós tem consciência de que o potencial de
mobilização da arte não estaria nos conceitos racionais nela inculcados, mas na forma
como a obra mobiliza o campo mais vago e indeterminado do sensível. Eça vai além e
distingue a maneira através da qual a arte é capaz de mobilizar o aparato sensível daquele
que a consome: “com imagens, com sentimentos, com declamações”6.

3
Queirós, 1988, p. 580
4
Queiroz, s.d., p. 126
5
Queiroz, s.d., p. 127
6
Queiroz, s.d., p. 127

[107]
Eça está interessado, portanto, no potencial estético-político das imagens,
especificamente das imagens literárias. Sabe do poder contido nas figuras de linguagem.
Tendo isso em mente, voltemos ao episódio d’A Democracia de Tomás de Alencar:

Esguio, mais sombrio naquele fundo cor de canário, o poeta derramou pensativamente
pelas cadeiras, pela galeria, um olhar encovado e lento: e um silêncio pesou, mais
enlevado, diante de tanta melancolia e de tanta solenidade.

- A Democracia! anunciou o autor de Elvira com a pompa duma revelação.


Duas vezes passou pelos bigodes o lenço branco, que depois atirou para a mesa. E
levantando a mão num gesto demorado e largo:

“Era num parque. O luar


Sobre os vastos arvoredos
Cheios de amor e segredos…

-Que lhe disse eu? - Exclamou o Ega, tocando o cotovelo do marquês.- É


sentimento… Aposto que é o festim!
E era com efeito o festim, já cantado na Flor de Martírio, festim romântico,
num vago jardim onde vinhos de chipre circulam, caudas de brocado rojam entre
maciços de magnólias, e das águas do lago sobem cantos ao gemer dos violoncelos…”
(Queirós, 1988, p. 583)

Não são precisos mais de três versos de “A Democracia” para que João da Ega
perceba a estratégia utilizada pelo poeta. Embora a inflexão para a poesia social seja uma
novidade na carreira de Tomás de Alencar, seu repertório de imagens segue inalterado. É
o que prova a repetição de uma mesma imagem já usada em “Flor do Martírio”, um outro
poema do personagem, apresentado no início do romance, antiquíssimo e sem qualquer
preocupação social.7 Para já, pode-se assinalar o imenso contraste entre o caráter
previsível deste poema de Alencar e aquilo que em 1885 Eça de Queirós apontara como
positivo na literatura de Victor Hugo. No ensaio, o autor de Os Trabalhadores do Mar
fora valorizado por “construir outra linguagem”8, isto é, dar um tratamento à língua

7
“O Alencar, esse, proclamava-se com alarido seu «cavaleiro e seu poeta». (...) ia dedicar- lhe o seu poema,
taõ anunciado, taõ esperado - FLOR DE MARTIRIO!” Queirós, 1988, p. 127
8
“A língua polida e sóbria de Ronsard, de Racine, de Voltaire, admiravelmente trabalhada para exprimir
sentimentos medianos e equilibrados, e por isso perfeita como Instrumento de crítica – seria inteiramente
impotente para essa esforçada epopeia. [Victor Hugo] Teve por isso de construir outra linguagem que
pudesse traduzir todo o homem, toda a Natureza, nos seus mais adversos extremos, desde o bestial ao divino
(...)” Queiroz, s.d., p. 120.

[108]
francesa que a tornasse capaz de atingir o efeito por ele desejado em sua obra. Aqui, o
personagem de Os Maias rende-se à língua tal qual ela se lhe apresenta: dá a um poema
social o mesmo tratamento linguístico que dera a sua obra anterior. Já aqui começa a se
construir a noção de que as imagens literárias de Alencar são de alguma forma
inadequadas.
A declamação segue. Desde a primeira interrupção de Ega, já citada, a escolha
narrativa de Eça é a de não apresentar a íntegra de “A Democracia”. O romance vai
intercalando alguns dos versos de Alencar com a voz do narrador que “resume” o poema,
dando conta ainda da performance do poeta e das reações do público. Contudo, e não sem
alguma ironia cruel e intenções de denúncia, o narrador preserva em seu discurso certas
imagens que, destacadas no texto com letras maiúsculas, parecem tiradas diretamente do
poema de Alencar. Essas imagens, fora do corpo do poema, soam ainda mais deslocadas
e inadequadas:

“(...)no estrado, o Alencar achara a solução do sofrimento humano! Fora uma Voz que
lha ensinara! Uma Voz saída do fundo dos séculos, e que através deles, sempre
sufocada, viera crescendo todavia irresistivelmente desde o Golgota até à Bastilha! E
entaõ , mais solene por traz da mesa, com um arranque de Precursor e uma firmeza de
Soldado, como se aquele honesto móvel de mogno fosse um púlpito e uma barricada
- o Alencar, alçando a fronte numa grande audácia à Danton, soltou o brado temeroso.
Alencar queria a República!
Sim, a República! Não a do Terror e a do ódio, mas a da mansidão e do Amor. Aquela
em que o Milionário sorrindo abre os braços ao Operário! Aquela que é Aurora,
Consolação, Refugio, Estrela mística e Pomba.” (Queirós, 1988, p. 587)

A última linha do parágrafo é especialmente expressiva por usar do recurso da


enumeração: nela, as imagens utilizadas por Alencar para descrever a república ficam
dispostas serialmente, como se estivessem se sobrepondo uma à outra. O que acontecerá
mais à frente é uma intensificação dessa sobreposição de imagens, ao ponto dos referentes
(a república, a democracia…) submergirem e desaparecerem sob elas. Veja-se o parágrafo
em que o narrador descreve simultaneamente o gran-finale do poema e a reação do
público:

“Uma rajada farta e franca de bravos fez oscilar as chamas do gás! Era a paixão
meridional do verso, da sonoridade, do Liberalismo romântico, da imagem que esfuzia
no ar com um brilho crepitante de foguete, conquistando enfim tudo (...). E quando

[109]
Alencar, alçando os braços ao tecto, com modulações de preghiera na voz roufenha,
chamou para a terra essa pomba da Democracia, que erguera o voo do Calvário, e
vinha com largos sulcos de luz - foi um enternecimento banhando as almas, um fundo
arrepio de êxtase. (...) E mal se sabia já se Essa, que se invocava e se esperava, era a
deusa da Liberdade - ou Nossa Senhora das Dores.” (Queirós, 1988, pp. 589-590)

Aqui se dá a suprema quebra queirosiana da expectativa criada pelo personagem:


o público ao qual Alencar pretendia incomodar ao “dizer umas verdades” acaba por se
identificar plenamente com o poema e o aplaude, satisfeito. O narrador atribui esse
movimento explicitamente às “imagens” e à “sonoridade” do poema de Alencar, que são
tão familiares e codificadas para o seu público que, por trás delas, o propósito do poeta
se perde: não se distingue mais se Alencar está falando da Liberdade advinda da
“fraternidade dos povos” ou da Nossa Senhora das Dores, entidade religiosa no convívio
da qual seu público se sente perfeitamente confortável.
O repertório de imagens poéticas de Alencar, como os de qualquer poeta,
identificam aquilo que Jacques Rancière chama de um “regime de visibilidade”. 9 Isto é:
as metáforas, os termos comparativos e os recursos literários do poeta determinam a
forma como um certo objeto se deixa ver no seu texto. Contudo, o conceito de regime de
visibilidade também determina aquilo que pode ou não pode ser visto. Ou seja: segundo
Rancière, certos objetos somente se deixam ver a partir de certos recursos, e não de outros.
De alguma forma, parece ser a isto que o episódio do Sarau da Trindade alude: na cena,
a Democracia não se deixa ver a partir das imagens poéticas conservadoras, previsíveis e
em última análise bem comportadas de Alencar. Na medida em que o poema se presta a
ser algo com o que a burguesia decadente e nem um pouco democrática da Lisboa
queirosiana se identifica, fica claro que ele se torna uma imagem dessa mesma burguesia,
o que entra em franca contradição com as intenções originais de Alencar.

***

Este episódio de Os Maias parece colocar o seguinte problema: é possível que a


democracia ultrapasse o status de referente do qual se fala e chegue a ser percebida
sensivelmente em um discurso? Até o ponto em que a democracia é um referente, estamos
situados no terreno da conceitualidade: interessa a definição do que é a democracia.

9
Para o conceito de “regime de visibilidade” conferir o capítulo “Dos regimes da arte” em Rancière, 2005,
p. 27.

[110]
Percebê-la sensivelmente nos remete, por outro lado, às imagens que podem ser dela
produzidas e que chegam a torná-la uma forma discernível aos sentidos, isto é: instaurá-
la10. Uso o termo aqui em referência à categoria estética “instauração”, definida por
Etienne Souriau da seguinte forma:

“chamamos instauração a todo processo abstrato ou concreto de operações criadoras,


construtoras, ordenadoras ou evolutivas que conduz à posição de um ser na sua
factilidade, quer dizer, com um suficiente brilho de realidade” (Souriau, 1933, p. 393)

O problema proposto pode ser, portanto, re-enunciado assim: é possível instaurar a


democracia? Essa estruturação da pergunta imediatamente deixa ver como ela não é uma
preocupação apenas artística, que alguns poderiam supor ociosa, mas um problema de
fato político: Instaurar a democracia quer dizer produzir imagens dela. Mas que imagem
de democracia se pode produzir sem que a própria ideia de democracia seja contradita ao
longo da construção do discurso, como acontece no episódio do sarau da Trindade?
A resposta a esta pergunta não será jamais unívoca, devido à própria natureza das
imagens literárias: na medida em que se distinguem dos conceitos, as imagens pertencem
ao que Hans Blumenberg chama de campo “não conceitual” da linguagem, o que significa
que elas não remetem a uma noção de verdade, estando antes abertas a leituras diversas
em contextos diversos.11 O próprio episódio do sarau deixa claro que o poema de Alencar
não era inadequado em absoluto, e sim ineficaz naquele contexto histórico e para aquele
público específico. Sabemos então que as imagens da democracia, se forem possíveis,
terão que ser múltiplas e constantemente atualizadas.
A hipótese que norteia o âmbito mais geral da minha investigação, ainda em
andamento, é a de que o próprio romance Os Maias se presta a uma leitura como imagem
da democracia. Proponho uma compreensão do romance como se ele fosse o inverso do
poema de Alencar em suas páginas inscrito: ao contrário do poema, não tem a democracia
como principal referente, mas também, ao contrário do poema, é capaz de instaurar
sensivelmente a democracia através de suas imagens. Voltemos, portanto, a Os Maias.

***

10
Sobre a noção de uma percepção sensível: “que ascese vã volver o espírito para o céu dos inteligíveis! É
no mundo sensível que encontraremos as formas; porque é aí que elas estão em ato” em Souriau, 1933, p.
393.
11
Para o conceito de “não conceitual”, conferir Blumenberg, 2013.

[111]
O episódio do sarau da Trindade ocorre logo antes do clímax do romance. Na
altura em que Alencar recita seu poema, todo o conflito envolvendo a revelação de que a
personagem Maria Eduarda não era casada, incluindo a subsequente vingança de Dâmaso
Salcede, está resolvido. O terreno está preparado para a peripécia final: o Ginásio da
Trindade é precisamente o lugar em que João da Ega encontrará monsieur Guimarães,
portador de evidências sobre o passado de Maria Eduarda que acabarão por levar o
romance ao seu desfecho. Essa, poder-se-ia dizer, é a função do episódio do sarau no
romance. No entanto a revelação de Guimarães é adiada, uma vez que o narrador
queirosiano demora-se por vinte longas páginas na narração pormenorizadamente
descrita dos eventos ocorridos no sarau, narração esta que nada acrescenta à história dos
protagonistas Carlos e Maria Eduarda da Maia.
Chamo a atenção para o fato: trata-se de um episódio na trama de um romance
que deveria estar submetido hierarquicamente à intriga dos personagens principais,
cumprindo uma função nela, mas acaba por desrespeitar essa hierarquia e por muitas
páginas rouba o proscênio que em tese deveria estar ocupado pelos protagonistas. A isso,
some-se o fato de que este não é o único episódio disfuncional ao longo do romance, isto
é, não é o único momento da narrativa em que um de seus elementos não se limita a
cumprir sua função. Poderíamos citar inúmeros outros, também de extensa duração: o
jantar do Hotel Central, a ida a Sintra, a corrida de cavalos… são cenas que se dilatam
muito mais do que suas anódinas funções na intriga principal permitiriam. Além disso,
são muitos os objetos e ambientes que não cumprem funções cardinais na trama e que são
descritos cuidadosamente pelo narrador. Pode-se dizer que a intriga principal, envolvendo
a família Maia, avança com vagar e dificuldade, abrindo caminho nesse romance saturado
de descrições e narrações episódicas. Sintomaticamente, a história dos “Maias” tem que
dividir espaço com os “episódios” inclusive no título do livro, batizado por Eça - muito
eloquentemente - como Os Maias - Episódios da Vida Romântica.
Embora muitos críticos queirosianos registrem fartamente essa característica do
romance, a exiguidade do tempo aqui disponível me impede de me debruçar sobre essa
fortuna crítica fazendo-lhe justiça. Contudo, é impossível não ressaltar que mesmo a
crítica contemporânea a Eça de Queirós já identificava seus episódios “disfuncionais” e,
mais do que isso, considerava-os imperdoáveis falhas de composição do romance. Fialho
de Almeida, por exemplo, considera que Os Maias é “uma obra [...] imbricada de
remendos, sobreposições trabalhosas [...] divergindo da ação principal, em longas e

[112]
inúteis explanações”12. Esse tipo de acusação, na qual subjaz a noção de que a obra
criticada é disforme, foi frequentemente feito ao longo do século XIX, não só aos
romances de Eça mas a outros que hoje compreendemos como realistas. Jacques Rancière
parte exatamente da recorrência dessa crítica para teorizar sobre esses romances.
Segundo Rancière, o que parece disforme na literatura realista (e aqui estou
considerando Os Maias como um romance dessa escola) é o descumprimento de algumas
expectativas: romances como Os Maias desrespeitariam certos “princípios que estruturam
a lógica clássica da representaçaõ ”13, de acordo com os quais “a obra de arte é um tipo
definido de estrutura — uma totalidade orgânica, dotada de todas as partes constituintes
necessárias para a vida e nada mais”14. Ora, o que Rancière está discutindo é exatamente
o processo segundo o qual esses romances se ordenam para que cheguem a existir: está
discutindo sua instauração.
O fato de uma obra realista parecer disforme - “imbricada de remendos” - somente
por sua ordenação textual, tem que ver com a maneira como essa obra se deixa apreender
em seu aspecto sensível. O que quer dizer que há certa implicação sensível no fato de
longas descrições e narrativas episódicas estarem tomando o lugar dos personagens
centrais no corpo do romance. Rancière encontra um texto francês, de 1857, escrito por
Armand de Pontmartin sobre Madame Bovary de Flaubert, no qual o crítico transforma
essa perturbação sensível em imagem. Pontmartin diz que as obras realistas são a
“democracia em literatura”. Esta é, precisamente, a noção que quero reivindicar aqui para
Os Maias. A de que esse romance, por sua relação disfuncional entre seus episódios e a
trama principal, constitui uma imagem literária da democracia.

***

Há inúmeros aspectos desse imenso romance de Eça que precisam ser estudados
para que essa interpretação ganhe consistência. O lugar e o momento para este estudo
serão outros.
Por ora, para efeitos de conclusão, cabe dizer que qualificar o realismo como
“democracia em literatura” tem que ver com certa compreensão específica de democracia,
na qual ela se institui como fator desestruturador da ordem aristocrática do Antigo

12
Almeida, 2000, p. 35
13
Rancière, 2010, p. 78
14
Rancière, 2010, p. 78

[113]
Regime. Democracia, aqui, não é o nome de uma forma de governo, mas o nome de um
princípio. Um princípio des-hierarquizador. Penso que seja este o princípio dominante na
escrita de Os Maias e eventualmente de uma parte mais larga da obra de Eça de Queirós.
A cena de Alencar falhando miseravelmente no seu propósito de “dizer umas verdades”
através do seu poema “A Democracia” funciona como indício disso. Parece indicar que
o papel político da literatura não está em se fazer um poema sobre a democracia que
mantenha uma estrutura hierárquica rígida e conservadora, mas em escrever
“democraticamente” o que quer que seja, mesmo a história de um amor incestuoso entre
quasi aristocratas no Portugal da Regeneração.
Podemos dizer que a noção de democracia pensada como um princípio, implícita
na noção de “democracia em literatura”, está sempre em estado de advérbio de modo.
Trata-se de uma maneira de fazer. Ela não está fixa no horizonte e não depende, como
quer Alencar, da “fraternização dos povos” ou de uma “república de gênios”: ela se
instaura e se atualiza a cada momento em que um elemento periférico recusa seu status
de periférico, se torna disfuncional e ocupa um espaço que, segundo as expectativas, seria
o lugar de direito apenas de uns poucos elementos protagonistas. Exatamente como faz
Alencar ao recitar seu poema, no fim das contas, ao tomar para si umas tantas páginas de
um romance sobre outrem.

[114]
Bibliografia:

ALMEIDA, F. (2000) “Os Maias” in LOURENÇO, A. A. (org.). O Grande Maia - A


recepção imediata de Os Maias de Eça de Queirós, Braga: Ângelus Novus.

BLUMENBERG, H. (2013) Teoria da não-conceitualidade, Belo Horizonte, Editora


UFMG.

FERRY, L. (1990) Homo Aestheticus, Lisboa: Edições 70.

QUEIRÓS, E. (1988) Os Maias - Episódios da Vida Romântica, Lisboa: Biblioteca


Ulisseia de Autores Portugueses.

QUEIROZ, E. (s.d.) Notas Contemporâneas, Porto: Lello & Irmão Editores.

RANCIÈRE, J (2005). A Partilha do Sensível - estética e política, São Paulo: EXO


experimental org.;ed 34

RANCIÈRE, J. (2010) “O efeito de realidade e a política da ficção.” in Novos estud. -


CEBRAP, no.86, pp. 75-90

SOURIAU, E. (1933) “Art e vertité” in Revue Philosophique de la France et de l’étranger,


Vol. 2, no 115, pp. 161-201 apud PITA, A. P. (1990) “Para ler Homo Aestheticus de Luc
Ferry” in FERRY, L. Homo Aestheticus, Lisboa: Edições 70.

[115]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[116]
7. A CORRELAÇÃO DA DEMOCRACIA E O DIREITO SOCIAL
À EDUCAÇÃO

Érica Guerra da Silva1


Ludmilla Elyseu Rocha2

Resumo: Este trabalho tem por objetivo demostrar que na democracia o agir
racionalmente do homem depende da educação que este tenha adquirido. O homem como
animal político deve ser educado a tomar suas decisões de forma racional visando o bem-
estar social. Desta feita, o estudo é voltado para a forma de governo democracia, sendo
abordado o conceito, conhecendo sua origem, evolução e aplicação nos estudos
contemporâneos. No estudo da evolução da democracia estuda-se a democracia antiga,
na perspectiva Aristotélica e a sua influência no período medieval, que corresponde ao
período histórico entre o final dos séculos IV-V até o Renascimento e o início do
pensamento moderno; período iluminista, que se destaca por estruturar o contrato social
e a democracia moderna, na qual houve a expansão das questões que se tornaram políticas
(saúde, educação, previdência social, moradia etc.) e a necessidade de conhecimento
prévio acerca das questões com as quais lidam, para se evitar a burocratização e a
desapropriação do controle pelos indivíduos. Privilegiando a análise da democracia sob
o viés do direito fundamental à educação, que no Brasil após a Constituição/88, passou a
se constituir um dos Direitos Sociais, além de ser reconhecida como direito de todos. Isso
repercute na criação de um dispositivo de controle, embora o verdadeiro Direito Social
não se traduza somente pela previsão de acesso, mas pela certeza da oferta regular e da
requerida permanência, o que cabe ao cidadão cobrar dele, além daquela, o chamado
controle social, através de meios jurídicos constitucionalmente garantidos. Mais que
cobrar a oferta cabe a ele, mais além, reivindicar a qualidade dessa oferta. Eis aí o avanço
do garantismo constitucional de asseguração não só do provimento dos bens sociais, entre
eles a educação, mas também do controle de sua oferta e de sua qualidade.

1
Doutora em Direito. Professora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ-ITR). Autora
de Livros e artigos jurídicos.
2
Doutora em Educação. Professora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ-ITR). Autora
de Livros e artigos jurídicos.

[117]
Palavras-chave: Democracia; educação; Direito Social.
Introdução

O objetivo do presente trabalho é demostrar que o direito à educação, que se


mostra redutível à noção dos direitos de segunda geração, exprime no plano do sistema
jurídico-normativo a exigência de um agir do Estado, através de políticas públicas que
tornem reais direitos formais: procuraram garantir a todos o acesso aos meios de vida e
de trabalho num sentido amplo.
Para tanto, este trabalho apresenta-se da seguinte forma: na primeira parte
desenvolve-se o estudo sobre a forma de governo democracia, sendo abordado o conceito,
conhecendo sua origem, evolução e aplicação nos estudos contemporâneos. No estudo da
evolução da democracia se estuda a democracia antiga, na perspectiva aristotélica e a sua
influência no período medieval, que corresponde ao período histórico entre o final dos
séculos IV-V até o Renascimento e o início do pensamento moderno; período iluminista,
que se destaca por estruturar o contrato social e a democracia moderna, na qual houve a
expansão das questões que se tornaram políticas (saúde, educação, previdência social,
moradia etc.).
Na segunda parte, o estudo é voltado para análise do direito à educação no
ordenamento jurídico brasileiro. Assinalando-se que o direito à educação – que representa
prerrogativa constitucional deferida a todos (CF, art. 205), notadamente às crianças (CF,
arts. 208, IV, e 227, caput) – qualifica-se como um dos direitos sociais mais expressivos.
No terceiro capítulo, realiza-se a análise jurisprudencial sobre o direito
fundamental social à educação, através de julgados do Supremo Tribunal Federal (STF),
que considera a educação é direito fundamental do cidadão, assegurada pela Constituição
da República, e deve não apenas ser preservada, mas, também, fomentada pelo Poder
Público e pela sociedade, configurando a omissão estatal no cumprimento desse mister
um comportamento que deve ser repelido pelo Poder Judiciário.
Por fim, com relação à sistemática da investigação, trata-se de pesquisa do tipo
bibliográfico documental qualitativa, orientada pelo modelo crítico dialético. Logo, trata-
se de pesquisa bibliográfica e qualitativa, que tem como fontes previstas para o alcance
dos objetivos: a Constituição Federal; a legislação brasileira e a doutrina.

[118]
1. Aspectos Históricos da Democracia

A democracia é o regime político baseado na soberania popular e na distribuição


equitativa do poder, ou seja, justo tratamento igual para todos e soberania da vontade da
maioria.
A palavra democracia etimologicamente oriunda do grego, composta de demo,
povo, e Kratos, força, poder.
Na Grécia antiga, no século 347 a.C, para Aristóteles “a cidade é verdadeiramente
natural do homem, por ser o horizonte no interior do qual ele busca, encontra e realiza os
bens que lhes são próprios.”3
Apesar de o radical polis significar (cidade-estado grega), ele é naturalmente
associado com a política, uma vez que “era mais do que um Estado porque era também,
além e acima disto, uma crença religiosa e uma concepção ética: porque também envolvia
a economia, visando à produção e ao comércio: porque, somando-se a tudo isto, era uma
associação cultural para a busca comum da beleza e da verdade.”4
Nas cidades-estados gregas prevalecia a ideia de que o povo deveria governar para
o povo, ou seja, não havia representantes do povo, mas sim uma atuação direta do povo
através de assembleia popular.
Indispensável dizer que na Grécia antiga a expressão cidadão indicava apenas o
membro ativo da sociedade política, ou seja, aquele que podia participar das decisões
políticas. Havia, ainda, na polis os homens livres não dotados de direitos políticos e os
escravos.
O pensamento aristotélico na discussão sobre a origem da sociedade natural é
determinante, sobretudo por ser o discurso mais antigo da afirmação de que o homem é
um ser político por natureza. Neste contexto deve ser entendida a afirmativa de que o
homem é um “animal político.”
O associativismo natural exige do homem racionalidade na hora de adotar
decisões, tendo evidência sobre o fim de sua ação e, a partir desse fim, sobre o bem que
deve ser realizado em circunstâncias particulares. Assim, o homem racional será capaz

3
PERINE, Marcelo. Quatro lições sobre a ética de Aristóteles. São Paulo: Edições Lyola. 2006. p. 84.
4
BARKER, Ernest. Principles of Social & Political Theory. Oxford, Clarendon, 1951. p. 5-7 apud
AZEVEDO, Plauto de Faraco de. Justiça distributiva e aplicação do direito. Porto Alegre: Fabris, 1983.
p. 21.

[119]
de decidir a partir da concepção do bem geral para concluir sobre o que é imediatamente
melhor na circunstância particular.
O homem tem de aprender a ser o princípio de suas ações, a decidir de maneira
razoável, ou seja, tem de aprender a encontrar o justo meio e, sobretudo, tem de aprender
a ser justo, porque a justiça é o fundamento da cidade.5
Ciente de que a virtude não se encontra nos homens e o justo meio se encontra
naquela parte da alma na qual o excesso e a falta são possíveis, é preciso que o homem
crie o hábito de ser virtuoso. O hábito se adquire pelo treinamento, ou seja, pela educação.
Neste sentido, Marcelo Perine:

“Educar o cidadão é, em primeiro lugar, habituá-lo a discernir os aspectos relevantes


das circunstâncias particulares para a realização do que é o melhor naquela
circunstância. Em segundo lugar, educar o cidadão é habituá-lo a relacionar, por meio
do raciocínio, seus bens com um conceito do que é bem geral, formulado nos costumes
e nas leis da cidade. Educar o cidadão, em terceiro lugar, é torná-lo capaz de
reconhecer seus bens entre as atividades exigidas em cada circunstância para o
desempenho de alguma função na cidade. Em quarto lugar, educar o cidadão é fazê-
lo capaz de raciocinar a partir dessa concepção do bem geral para concluir sobre qual
bem, “dentre os bens específicos que lhe são imediatamente acessíveis, deveria de fato
propor-se alcançar enquanto aquilo que é imediatamente melhor para ele. Por fim,
educar o cidadão é habituá-lo ao exercício da virtude da phronesis, que consiste no
hábito de decidir, nas circunstâncias concretas, a partir de modelos do bom e do
melhor que estão acima de sua individualidade, porque são os modelos que lhe dão a
sabedoria, por um lado, e, por outro, porque são os modelos estabelecidos pelas leis.” 6

Observa-se que viver bem aristotelicamente é viver de acordo com a ética, nas
virtudes, ou seja, com o bom desenvolvimento do espírito racional. Para que haja
equilíbrio (justo meio) é preciso que a razão dirija as decisões do cotidiano dominando as
paixões e criando bons hábitos.
No que tange à democracia, Aristóteles descreve a liberdade como princípio
básico. A liberdade, segundo o filósofo, somente pode ser desfrutada na democracia. Para
que a liberdade seja justa é preciso ser garantido a todos o direito de governar se ser
governado alternativamente, pois o conceito popular de justiça é a observância do
princípio da maioria, e não do mérito, e se este é o conceito de justiça dominante, a

5
PERINE, Marcelo. Quatro lições sobre a ética de Aristóteles. São Paulo: Edições Lyola. 2006., p. 85.
6
PERINE, op.cit., p. 86.

[120]
maioria deve ser necessariamente soberana.
Aduz que “são características comuns às democracias, mas a democracia e o poder
popular em sua plenitude fundamentam-se no princípio reconhecido de justiça
democrática, isto é que todos sejam iguais, segundo o principio da maioria, puramente
numérica.”7
Observa-se que o princípio da igualdade é basilar na democracia para que haja
justiça. A igualdade aqui tratada importa a participação de todos, alternativamente, nas
funções do governo.
O período medieval, que corresponde ao período histórico entre o final dos séculos
IV-V até o Renascimento e o início do pensamento moderno (final dos séculos XV-XVI),
foi conhecido como um período de obscurantismo, marcado pelo atraso econômico e
político do feudalismo, das guerras religiosas e pelo monopólio irrestrito da Igreja nos
campos da educação e cultura.
Nesse período identificamos duas fases distintas do ponto de vista filosófico e
cultural:

A primeira corresponde ao período que se segue à queda do Império Romano (sec. V)


praticamente até os secs. IX-X, quando a situação política e econômica começa a se
estabilizar. A fase final (secs. XI-XV) equivale ao desenvolvimento da escolástica e à
grande produção filosófica que se dá com a criação das universidades (sec. XIII), até
a crise do pensamento escolástico e o surgimento do humanismo renascentista (sec.
XV-XVI).8

Na primeira fase do período medieval, o pensamento de Santo Agostinho (354-


430 d.C) abre caminho para o desenvolvimento da filosofia medieval e aproxima-se do
pensamento platônico, fundado na ideia do Estado ideal cujas leis e organização reflitam
a composição e a figura do homem justo. Santo Agostinho produz a grande obra filosófica
desde a antiguidade: “comentários aos livros do Antigo e do Novo Testamento” são os
principais pontos de partida da tradição exegética e hermenêutica ocidental.9 Sua

7
ARISTOTELES. Política. Tradução de Mário da Gama Kury. 3ª ed. Brasília: Editora Universidade de
Brasília, 1997, p. 205.
8
MARCONDES, Danilo. Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar, 1998, p. 103.
9
A concepção de história de Santo Agostinho e sua teoria da natureza humana e da iluminação divina foram
fundamentais para a consolidação da Igreja nesse período e na Idade Média, dada a importância e influência
como teólogo e filósofo. Permitiram, por exemplo, que a Igreja se preocupasse mais em converter os
bárbaros pagãos, afinal dotados da mesma natureza humana, do que em simplesmente combate-los, já que
não havia condições de derrotá-los pelas armas. Tornaram possível assim a cristianização da Europa

[121]
influência foi decisiva na elaboração e consolidação da filosofia cristã na Idade Média,
até a redescoberta do pensamento Aristotélico no século XIII.
Santo Agostinho na obra “A cidade de Deus” propunha a obediência aos ditames
da lei promulgados pelo Estado, desde que ela não contrariasse a lei divina. O Estado
existe por causa do homem, e não o homem por causa do Estado. Quanto à Justiça,
Santo Agostinho explicitava ser aquela disposição de ânimo que, tendo em vista o
interesse comum, atribui a cada um o próprio valor.
Na segunda fase do período medieval se dá o desenvolvimento da escolástica10,
sob a influência árabe na formação da tradição filosófica ocidental, sobretudo na
reintrodução do pensamento Aristotélico com São Tomás de Aquino (1224-1274), frade
dominicano com sua carreira profundamente ligada às universidades da época, sobretudo
à de Paris.
Na sua obra “Suma Teológica” São Tomás de Aquino expõe seu pensamento
sobre o Direito, em que o ponto de partida é a sua ontologia sobre o homem. Disserta que
o homem é o único animal racional e político, por ser social por natureza, vive dentro de
uma sociedade. A obrigação do homem é organizar a sociedade e buscar o bem comum.11
O Estado é uma unidade de ordem que tem um objetivo próprio, o bem comum.
A autoridade do Estado é um preposto ou representante do povo, e tem poderes para
realizar os objetivos do bem comum. O bem comum só poderá ser alcançado pela ação
da comunidade. A necessidade do bem comum, para realização da natureza humana, é o
que funda o Estado, que resulta das exigências da própria natureza humana e não de um
Pacto ou Contrato Social.
São Tomás de Aquino conhece todas as formas clássicas de governo proposta
por Aristóteles. Não esconde seu favoritismo: para ele, filho do seu tempo, o século XIII,
o governo ideal é a monarquia absoluta.12

ocidental naquele momento de profundas mudanças. Além disso, sua concepção de que a Igreja guarda na
Terra as chaves da cidade de Deus foi uma das base da doutrina da supremacia do poder espiritual sobre o
temporal na Idade Média. (Ibidem, p. 103)
10
No século XII, época das catedrais e das universidades, prevalece a Escolástica. Trata-se de um método
de ensino e aprendizagem. O mestre tem um texto nas mãos e, à medida que vai fazendo a leitura perante
a turma, explica. É a famosa praelectio (= pré + lição). Os textos mais usados nas universidades são os de
Prisciano e Donato, Aristóteles e Boécio, Graciano, Galeno e Hipócrates, Santo Agostinho, a Sagrada
Escritura, as Sentenças de Pedro Lombardo, Aberlado. No século XII, a Escolástica domina as maiores
universidades medievais, a de Paris, a Sorbonne atual, e a de Oxford, cuja a fama continua até hoje. É o
auge da Escolástica. (VALLE, Gabriel; VALLE, Sofia. Lições de filosofia do direito. Rio de Janeiro:
Forense, 2012, p. 124)
11
Ibidem, p. 125.
12
Ibidem, p. 128.

[122]
O século XVIII se destaca por estruturar o contrato social através de pensadores e
suas obras de destaques: Hobbes (Leviatã); Locke (Dois tratados sobre o Governo),
Rousseau (O contrato social) e Montesquieu (O espírito das Leis).
Desde o período iluminista (Kant, 1781[1959]; Rousseau, 1968), a prevalência da
racionalidade ao nível político esteve associada à rejeição das formas ilegítimas de
governo, uma concepção que entende que a racionalidade é fundamento do ato primário
de autorização do governo pelos indivíduos.13
Rousseau expôs que o contrato social é estabelecido entre indivíduos e os
transforma em cidadãos. Como todo pensador que se inscreve dentro da corrente do
contratualismo clássico sobre o Estado, Rousseau parte de um hipotético estado de
natureza originário, puramente abstrato. Tal recurso vai lhe permitir justificar o
nascimento do Estado moderno, não mais a partir de argumentos teleológicos, como nos
séculos anteriores, mas a partir de um produto da vontade: o contrato social. A
racionalidade que motivaria o homem a ingressar em sociedade seria o desejo de
conviver, de viver bem na companhia dos outros – os sentimentos e/ou paixões humanas
– boas, em detrimento daquela que serve apenas como fundamento do triunfo do interesse
pessoal ou privado.14
No Contrato Social, Rousseau afirma que somos livres quando nos encontramos
submetidos às leis que nos damos. Ou seja, sou livre porque faço a lei. Este tipo de
liberdade consistiria no desejo de todo indivíduo ser seu próprio senhor, não ser escravo
de ninguém, o que Rousseau considera a liberdade moral. Tal assertiva se relaciona à
liberdade filosófica a que Montesquieu faz referência no Espírito das Leis, que consiste
no exercício da própria vontade.
Esse tipo de liberdade, como autonomia moral, estará presente tanto no ato
inaugural que cria a sociedade, por meio do legítimo contrato social, como no momento
do indivíduo que, já convertido em cidadão, participa da elaboração da lei.15
Montesquieu, no século XVIII, na França, explicou a virtude como um agir com
frugalidade (prudência) na república, o amor à pátria, que leva a bondade dos costumes.

13
A teoria democrática dos séculos XVIII e XIX entendia o livre debate em público como parte intrínseca
do processo de formação da vontade geral. No entanto, a teoria democrática deixou de perceber que o
caminho que leva de Rousseau a Marx permite a entrada dos interesses particulares no debate público e,
portanto, o triunfo dos interesses particulares e da manipulação em relação ao processo de formação da
racionalidade política. (SANTOS, Boaventura de Souza. Democratizar a democracia – Os caminhos da
democracia participativa. Porto: Afrontamento, 2003, p. 565).
14
BARRETTO, 2009, Op. cit., p. 744-747.
15
Ibidem, p. 749.

[123]
O amor à república, numa democracia, é o amor à democracia; amor à democracia é o
amor à igualdade. O amor à igualdade, numa democracia, limita a ambição ao único
desejo, à única felicidade de prestar à pátria maiores serviços do que os outros cidadãos.16
Como positivista, Montesquieu defende que “é uma máxima bem verdadeira
aquela que diz que, para que se ame a igualdade e a frugalidade numa república, é preciso
que as leis as tenha estabelecido.”17 Contudo, reconhece que na democracia a igualdade
é a alma do Estado; ela é, “no entanto, tão difícil de ser estabelecida que uma extrema
exatidão neste sentido nem sempre seria conveniente. Basta que se estabeleça um censo
que reduza ou que fixe as diferenças num certo ponto; depois é função das leis particulares
igualar, por assim dizer, as desigualdades, com os encargos que impõe aos ricos e com o
alívio que dão aos pobres.”18
O século XX foi de intensa disputa em torno da democracia sob dois aspectos:
primeiro, defini-la como forma de governo; segundo aspecto acerca das condições
estruturais da democracia.
O debate sobre a democracia da primeira metade do século XX foi marcado pelo
enfrentamento entre duas concepções de mundo (fim da Guerra Fria e o aprofundamento
no processo de globalização) e a sua relação com o processo de modernização do
Ocidente.19 De um lado, a concepção da liberal-democracia e do outro a concepção
marxista de democracia.
Na segunda metade do século XX, a dimensão sobre complexidade e
inevitabilidade da burocracia foi-se fortalecendo na mesma medida em que as funções do
Estado também foram crescendo com a instituição do Estado do bem-estar social.
Nas democracias modernas a expansão das questões que se tornaram políticas
(saúde, educação, previdência social, moradia etc.) e a necessidade de conhecimento
prévio acerca das questões com as quais lidam, levaram a uma burocratização e
desapropriação do controle dos indivíduos.
No período denominado de segunda onda de democratização, de 1943 a 1962, na
Europa, houve a implantação e a consolidação da democracia em que o povo assume o
papel de produtor de governo, isto é, a atuação do povo se restringe à escolha daquele
grupo particular entre as elites que seria mais qualificado para governar.

16
MONTESQUIEU, Op. cit., p. 54-55.
17
Idem
18
Ibidem, p. 57-58.
19
SANTOS, 2003, Op. cit., p.43

[124]
Na América Latina o mesmo período representou um grande fracasso para
democracia. Em meados da década de 70, apenas dois países na América Latina eram
democráticos. Houve uma crise nos paradigmas da democracia que exigiu novos
conteúdos das entidades e instituições da sociedade civil.
O Brasil alternou períodos autoritários e democráticos, tendo na década de 80 do
século passado, sido alcançado pela onda de democratização que atingiu países do Sul.
Durante o processo brasileiro de democratização e de constituição de atores comunitários,
surgiu de modo semelhante à ideia do “direito de ter direitos” como parte da redefinição
dos novos atores sociais.20

2. O Direito Fundamental Social no Estado Democrático Brasileiro

No Brasil após a Constituição de 1988, a Educação passou a se constituir um dos


Direitos Sociais, além de ser reconhecida como direito de todos. Uma das garantias do
direito de acesso à educação é a de que seja assistida não apenas pela família, mas que
seja provida pelo Estado.
O direito à Educação passa a ser Direito Fundamental, quando esta Constituição
o declara em seu artigo 6° que "são direitos sociais a educação, (...) na forma desta
Constituição", manifestando, pela primeira vez, na história do constitucionalismo
brasileiro, a importância e a consolidação da educação como um dos Direitos Sociais,
corroborado pelo artigo 205, ao afirmar que "a educação, direito de todos e dever do
Estado e da família, e artigo 206 no qual especifica que o ensino será ministrado com base
nos seguintes princípios (...) inciso IV gratuidade do ensino público nos estabelecimentos
oficiais.” Com este último dispositivo, é reconhecida a gratuidade em todos os níveis
educacionais, inclusive para o ensino médio e superior, fato não registrado em qualquer
Constituição anterior.
O verdadeiro Direito Social não se traduz somente pela previsão de acesso, mas pela
certeza da oferta regular e da requerida permanência, o que cabe ao cidadão cobrar dele,
além daquela, o chamado controle social, através de meios jurídicos constitucionalmente
garantidos. Mais que cobrar a oferta cabe a ele, mais além, reivindicar a qualidade dessa
oferta. Eis aí o avanço do garantismo constitucional de asseguração não só do provimento

20
SANTOS, 2003, Op. cit., p.56.

[125]
dos bens sociais, entre eles a educação, mas também do controle de sua oferta e de sua
qualidade.
Diante do quadro traçado até o momento desde o período colonial, quando se
descortinou uma colonização exploratória que tinha por base legal uma legislação
transplantada alheia à realidade do local ao qual se destinava, até a coetaneidade e
coessencialidade dos Direitos Civis, Políticos e Sociais insertos pela Constituição da
República Federativa do Brasil de 1988, tem-se uma visão da Educação e da legislação na
sociedade brasileira, ressaltando-se o fato de que a falta de acesso à escolaridade, entre outros
fatores, por não formar, o sujeito-cidadão, foi um dos muitos elementos que serviu como
ambiente propício ao nascimento de um fenômeno, para muitos justificativa da corrupção que
assola o País na atualidade, que é o jeitinho brasileiro, mecanismo de alternativa ao
cumprimento da lei.21
Com uma base extremamente pobre no que diz respeito ao gozo e ao uso de direitos,
o Brasil esteve aquém dos Direitos Sociais já em evidência há mais de três séculos na Europa.
O acesso a esses direitos, bem como a permanência desses como indisponíveis à população
dependem de uma educação eficiente que leve em consideração toda uma evolução social,
para que sejam devidamente adequados no sentido de tornar a população consciente de sua
cidadania. Segundo Marilou Manzini Covre, a educação, inserida na práxis coletiva, é
conscientização, é vir-a-ser (sic) contínuo.22
Educação é muito mais que um projeto educacional ou práticas de ensino. É todo um
arcabouço cultural onde pululam experiências da sociedade como um todo que influenciam
o atuar de cada cidadão no sentido de uma efetivação democrática. Marilou Manzini
Covre preleciona:

educação é o fator ‘ex machina’, que deve preservar a ‘responsabilidade ética’ e cuidar
da formação de homens que lutem por interesses coletivos da sociedade, e não por
interesses particulares de grupos, mantendo a planificação democrática.23

Como a simples liberdade de consciência não basta para que se manifeste o


Direito Individual, os Direitos Sociais juntam-se a ela com a Educação no sentido de
possibilitar o desenvolvimento intelectual e cultural do ser humano por serem

21
COVRE, Marilou Manzini. Sujeito/Cidadão-em-construção. Revista InterAção.Com. do Centro
Interuniversitário de Estudos da Criatividade – CIEC. V. 3. São Paulo, 2004, p. 04.
22
COVRE, Marilou Manzini. A Fala dos Homens. 2ª Edição. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993, p.
229.
23
Ibidem, p.213.

[126]
mecanismos de acesso aos objetivos colimados pelos Direitos Individuais como a
liberdade, igualdade, vida digna, enfim, todos aqueles que contribuem para a construção
do ser humano integral.
Inseridos na primeira parte da Constituição da República Federativa do Brasil de
1988, os Direitos e Garantias Fundamentais coroaram o reconhecimento de todos os
demais Direitos necessários ao desenvolvimento da pessoa humana, incluindo a
Educação como sendo parte dos Direitos Sociais.
A importância da Educação, entre outros direitos, ser parte dos Direitos
Fundamentais, reside no fato de, segundo J.J. Gomes Canotilho:

normas de competência negativa para os poderes públicos, proibindo


fundamentalmente as ingerências destes na esfera jurídica individual; implicam, num
plano jurídico-subjetivo, o poder de exercer positivamente direitos fundamentais
(liberdade positiva) e de exigir omissões dos poderes públicos, de forma a evitar
agressões lesivas por parte dos mesmos (liberdade negativa). 24

Diante de tal assertiva, passa-se a entender a pertinência do entendimento dos


Direitos Sociais, especificamente em relação à Educação, para o exercício da Cidadania
no sentido de observância da lei que, sob a ótica do Direito Constitucional, ensina SILVA
(1993):

(...) não indica somente a qualidade daquele que habita a cidade, mas, mostrando
a efetividade dessa residência, o direito político que lhe é conferido, para que possa
participar da vida política do país em que reside.25

Ao assegurar o Direito à Educação em capítulo próprio e diferenciado, a


Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, automaticamente contingencia
a família e sujeita o Estado à sua efetivação, e, consequentemente, à necessidade de serem
criados mecanismos de utilização para si e para a sociedade o que, promoverá uma
qualificação profissional que constituirá um norte para a inclusão social.
Importante salientar que de nada adiantariam os avanços em termos de
reconhecimento da Educação como Direito Fundamental se, ao interpretar a Constituição,

24
CANOTILHO, J.J. Gomes. Direito Constitucional e a Teoria da Constituição. 7ª Ed. Coimbra:
Almedina, 2003, p. 541.
25
SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 15ª ed. São Paulo, Malheiros, 1998,
p.427.

[127]
não fosse levada em consideração a sua sistemática. Para tal, torna-se imperioso
identificar os direitos protegidos pelo constituinte, a ponto de dar-lhes a natureza de
princípios.
Neste contexto, tem-se como basilar o Princípio da Unicidade que obriga o
intérprete a considerar a constituição na sua globalidade e a procurar harmonizar os
espaços de tensão existentes entre as normas constitucionais a concretizar.26

3. Análise Jurisprudencial do Direito Fundamental Social à Educação

O Supremo Tribunal Federal tem afirmado que a educação é um direito


fundamental indisponível de todos os indivíduos, devendo o Estado propiciar meios que
viabilizem o seu exercício. Nesse sentido:

“EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO.


AÇÃO CIVIL PÚBLICA. CARÊNCIA DE PROFESSORES. UNIDADES DE
ENSINO PÚBLICO. OMISSÃO DA ADMINISTRAÇÃO. EDUCAÇÃO. DIREITO
FUNDAMENTAL INDISPONÍVEL. DEVER DO ESTADO. ARTS. 205, 208, IV E
211, PARÁGRAFO 2º, DA CONSTITUIÇÃO DO BRASIL. 1. A educação é um
direito fundamental e indisponível dos indivíduos. É dever do Estado propiciar meios
que viabilizem o seu exercício. Dever a ele imposto pelo preceito veiculado pelo artigo
205 da Constituição do Brasil. A omissão da Administração importa afronta à
Constituição. 2. O Supremo fixou entendimento no sentido de que "[a] educação
infantil, por qualificar-se como direito fundamental de toda criança, não se expõe, em
seu processo de concretização, a avaliações meramente discricionárias da
Administração Pública, nem se subordina a razões de puro pragmatismo
governamental[...]’ (, Segunda Turma, Relator o Ministro Eros Grau, DJe de 7/8/09). 27

Sobre o tema, a decisão monocrática proferida no Agravo de Instrumento, nº


725.891/SC, Relator o Ministro Celso de Mello, DJ de 10/10/08, assim fundamentada:

CRIANÇA DE ATÉ CINCO ANOS DE IDADE. ATENDIMENTO EM CRECHE E


EM PRÉ-ESCOLA. EDUCAÇÃO INFANTIL. DIREITO ASSEGURADO PELO

26
CANOTILHO, op. cit., p. 1144.
27
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Agravo Regimental em Recurso Extraordinário n.º RE nº
594.018AgR. Segunda Turma. Relator: Eros Grau. DJe 07/08/2009. Disponível em:
http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 6201723. Acesso em: 13 maio 2017.

[128]
PRÓPRIO TEXTO CONSTITUCIONAL (CF, ART. 208, IV, NA REDAÇÃO
DADA PELA EC Nº 53/2006). COMPREENSÃO GLOBAL DO DIREITO
CONSTITUCIONAL À EDUCAÇÃO. DEVER JURÍDICO CUJA EXECUÇÃO SE
IMPÕE AO PODER PÚBLICO, NOTADAMENTE AO MUNICÍPIO (CF, ART.
211, § 2º). AGRAVO IMPROVIDO . - A educação infantil representa prerrogativa
constitucional indisponível, que, deferida às crianças, a estas assegura, para efeito de
seu desenvolvimento integral, e como primeira etapa do processo de educação básica,
o atendimento em creche e o acesso à pré-escola (CF, art. 208, IV). - Essa prerrogativa
jurídica, em consequência, impõe, ao Estado, por efeito da alta significação social de
que se reveste a educação infantil, a obrigação constitucional de criar condições
objetivas que possibilitem, de maneira concreta, em favor das 'crianças até 5 (cinco)
anos de idade' (CF, art. 208, IV), o efetivo acesso e atendimento em creches e unidades
de pré-escola, sob pena de configurar-se inaceitável omissão governamental, apta a
frustrar, injustamente, por inércia, o integral adimplemento, pelo Poder Público, de
prestação estatal que lhe impôs o próprio texto da Constituição Federal. - A educação
infantil, por qualificar-se como direito fundamental de toda criança, não se expõe, em
seu processo de concretização, a avaliações meramente discricionárias da
Administração Pública, nem se subordina a razões de puro pragmatismo
governamental. - Os Municípios – que atuarão, prioritariamente, no ensino
fundamental e na educação infantil (CF, art. 211, § 2º) – não poderão demitir-se do
mandato constitucional , juridicamente vinculante, que lhes foi outorgado pelo art.
208, IV, da Lei Fundamental da República, e que representa fator de limitação da
discricionariedade político-administrativa dos entes municipais, cujas opções,
tratando-se do atendimento das crianças em creche (CF, art. 208, IV), não podem ser
exercidas de modo a comprometer, com apoio em juízo de simples conveniência ou
de mera oportunidade, a eficácia desse direito básico de índole social. - Embora
inquestionável que resida, primariamente , nos Poderes Legislativo e Executivo, a
prerrogativa de formular e executar políticas públicas, revela-se possível , no entanto,
ao Poder Judiciário, ainda que em bases excepcionais, determinar, especialmente nas
hipóteses de políticas públicas definidas pela própria Constituição, sejam estas
implementadas, sempre que os órgãos estatais competentes, por descumprirem os
encargos político-jurídicos que sobre eles incidem em caráter mandatório, vierem a
comprometer, com a sua omissão, a eficácia e a integridade de direitos sociais e
culturais impregnados de estatura constitucional. A questão pertinente à 'reserva do
possível'.28

28
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Agravo de Instrumento, nº 725.891/SC. Segunda Turma. Relator:
Celso de Mello. DJe 10/10/2008. Disponível em: http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?
docTP=TP&docID=1966289. Acesso em: 13 maio 2017.

[129]
Para a efetividade do direito fundamental à educação, não mais é suficiente
apregoar a necessidade de vontade política. Nesse intuito, a medida mais fecunda para
levar a efeito a obrigação do Estado a respeito do tema é a definição de política pública,
que garanta a todos uma educação gratuita compatível com o princípio da dignidade
humana.

Considerações Finais

Pinto Ferreira, ao analisar esse tema, expõe acertadamente sobre a recente


introdução do direito à educação nos textos constitucionais, revelando a tendência das
Constituições em favor de um Estado social: “Esta clara opção constitucional faz deste
ordenamento econômico e cultural um dos mais importantes títulos das novas
Constituições, assinalando o advento de um novo modelo de Estado, tendo como valor-
fim a justiça social e a cultura, numa democracia pluralista exigida pela sociedade de
massas do século XX.”29
O Poder Constituinte Originário, da Carta Magna de 1988, em tema de educação,
estabelece um programa a ser adotado através de políticas públicas que visem cessar a
situação de exclusão social e de desigualdade de acesso às oportunidades. A não
implementação do programa de educação pode se qualificar como uma censurável
situação de inconstitucionalidade por omissão imputável ao Poder Público.
Nesse contexto constitucional, que implica também na renovação das práticas
políticas, o administrador está vinculado às políticas públicas estabelecidas na
Constituição Federal, a sua omissão é passível de responsabilização e a sua margem de
discricionariedade é mínima, não contemplando o não fazer.30

29
FERREIRA, Pinto. Educação e Constituinte. Revista de Informação Legislativa, vol. 92, p. 171/173.
30
FRISCHEISEN, Luiza Cristina Fonseca. Políticas Públicas – A Responsabilidade do Administrador
e o Ministério Público. Max Limonad: São Paulo, 2000, p. 59, 95 e 97.

[130]
Referências Bibliográficas:

ARISTOTELES. Política. Tradução de Mário da Gama Kury. 3ª ed. Brasília: Editora


Universidade de Brasília, 1997.

AZEVEDO, Plauto de Faraco de. Justiça distributiva e aplicação do direito. Porto


Alegre: Fabris, 1983.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Agravo Regimental em Recurso Extraordinário


n.º RE nº 594.018AgR. Segunda Turma. Relator: Eros Grau. DJe 07/08/2009. Disponível
em: http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 6201723. Acesso em: 13
maio 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Agravo de Instrumento, nº 725.891/SC. Segunda


Turma. Relator: Celso de Mello. DJe 10/10/2008. Disponível em:
http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=1966289. Acesso
em: 13 maio 2017.

CANOTILHO, J.J. Gomes. Direito Constitucional e a Teoria da Constituição. 7ª Ed.


Coimbra: Almedina, 2003.

COVRE, Marilou Manzini. A Fala dos Homens. 2ª Edição. São Paulo: Editora Brasiliense,
1993.

_______. Sujeito/Cidadão-em-construção. Revista InterAção.Com. do Centro


Interuniversitário de Estudos da Criatividade – CIEC. V. 3. São Paulo, 2004.

FERREIRA, Pinto. Educação e Constituinte. Revista de Informação Legislativa, vol.


92.

FRISCHEISEN, Luiza Cristina Fonseca. Políticas Públicas – A Responsabilidade do


Administrador e o Ministério Público. Max Limonad: São Paulo, 2000.

[131]
MARCONDES, Danilo. Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos a
Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

PERINE, Marcelo. Quatro lições sobre a ética de Aristóteles. São Paulo: Edições
Lyola. 2006.

SANTOS, Boaventura de Souza. Democratizar a democracia – Os caminhos da


democracia participativa. Porto: Afrontamento, 2003.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 15ª ed. São Paulo,
Malheiros, 1998.

VALLE, Gabriel; VALLE, Sofia. Lições de filosofia do direito. Rio de Janeiro:


Forense, 2012.

[132]
8. POR UMA DEMOCRACIA EMANCIPATÓRIA

Maria Izabel Braga Weber1

Resumo: A arena política expandiu-se das instituições às ruas, pois as instituições


democráticas tradicionais não conseguem processar ao contento e em tempo todas as
demandas que não são, inclusive, necessariamente novas, pelo contrário. Estamos diante
de velhos impasses de um sistema de dominação que está a demonstrar seu nível de
exaustão — a crescente desigualdade e a consequente exclusão ao nível local e global.
Desde a frustração do Comitê Trilateral em anunciar uma crise da democracia
representativa, baseada na erosão da confiança política, que não se consolidou
rapidamente, falar sobre ela no século XXI exige-se cautela. Assim, com diferentes
conceções dos antigos aos modernos, revela-se sim uma crise, mas um tipo específico –
caracterizado pela predominância de princípios liberais em detrimento de uma precária
igualdade em um cenário de resistência às políticas austeras. Durante um certo tempo, o
conceito de desigual e combinado explicou o crescimento económico pautado na
desigualdade social. No entanto, a combinação frágil e o descompasso das diferentes
globalizações incrementaram essas desigualdades que passaram a comprometer o
crescimento económico. Por outro lado, movimentos de resistência, de inclusão e de
recomposição de direitos criaram força. Como reação à tríade "igualdade, liberdade e
fraternidade", onde apenas a liberdade desenvolveu-se e globalizou-se, diversidade e
multiplicidade de circunstâncias locais, a multiculturalidade, demonstram que a
solidariedade, a identidade de direitos e uma emancipação por responsabilização podem
tornar possível um novo modelo de democracia esta, sim, capaz de se globalizar. Com
base na análise de pesquisas de cultura política, tomando os recentes acontecimentos do
Brasil, como estudo de caso, em comparação com os países do sul da Europa (Portugal,
Espanha e Itália - cada qual com um sistema e um regime de governo), apesar de suas
particularidades, exemplifica-se essa crise democrática, ressaltando-se a diversa origem
de seus papéis no mundo contemporâneo (colonizadores e colonizados).

Palavras Chaves: democracia; cultura política; movimentos sociais; sul global; novo
modelo.

*1 A autora é Gestora, Cientista política e estudante PhD no Programa de Doutoramento Democracia no


Século XXI CES/Feuc/Universidade de Coimbra.

[133]
A democracia inacabada – do reconhecimento à autonomia

Qualquer discussão em torno do conceito de democracia, mesmo que ampliemos


a perspetiva dominante para a inclusão de diferentes experiências e epistemologias2
(Wamala, 2004), ancora, perpassa ou encontra referência nas cidades-estados gregas de
Sólon, Clístenes e Péricles existentes há mais de dois mil e quinhentos anos. Desde esse
período, vemos uma dinâmica de alteração desse regime baseada em poder, revoluções e
reformas, as quais afetaram a compreensão do termo, até hoje inacabado.
O conceito de inacabado, aqui utilizado, não é só influenciado pela antropologia
pedagógica de Paulo Freire, do qual consciente, buscamos seu acabamento intangível,
porém libertador, mas acresce-se a influência de um resgate, pois o fato de suplantarmos
o passado pelo futuro que venceu torna necessário voltar ao passado sempre que possível,
para tentarmos retomar a linha de pensamento que se tornou invisível quando enterrada
pelo conhecimento da história prevalecido.3
Neste sentido, esses reformadores citados agregaram valores que alimentaram o
termo democracia em seu princípio, mas que a modernidade os ocultou e os secundarizou,
liberando apenas resíduos que nos impedem de reconstruir e reconhecer uma cultura, de
fato, democrática. Todos esses personagens interessam ao reconhecimento do termo, por
terem sido eles agentes da práxis transformadora que propiciaram uma busca por mais
justiça ou, como diria Aristóteles (1984; 1097b), felicidade.
Os resíduos que perpassaram, não por acaso, pelo tempo, contribuíram para
mesclar os sufixos archè e kratos, como se ambos fossem indistintos: enquanto um
identificava quantitativamente o uso e a finalidade do poder, o segundo termo adjetivava
esse quantitativo em sua forma verbal de exercício do poder – mas um poder não apenas

2
Ver, a exemplo, a análise da sociedade tradicional Ganda feita por Wamala “Pode-se recordar que foi o
pequeno tamanho da população das antigas polis gregas que facilitaram a participação de todos os cidadãos
livres no funcionamento de seus assuntos políticos” transcrita de Government by Consensus: an analysis of
a traditional form of democracy. In: Wiredu, K (ed.). 2004. A Companion to African Philosophy. Malden,
Oxord, Victoria: Blackwell (435-442). Disponível em http://filosofia-
africana.weebly.com/uploads/1/3/2/1/13213792/edward_wamala_-
_governo_por_consenso._uma_análise_de_uma_forma_tradicional_de_democracia.pdf
3
Da mesma forma como o fez Pierre Rosanvallon (2008, 84): “This history has largely been forgotten, so
we must first pause to trace its broad outlines if we are to proceed further in our reflections. We must go all
the way back to the beginning – to the Greeks, that is – in order to understand why the history of democracy
took the course it did”.

[134]
impositivo, mas também este valorado4 (Ober, 2007). Assim, temos o conceito de
democracia associado à ação transformadora, como veremos adiante.
Partindo de Aristóteles, pelo fato de ter ele analisado e comparado inúmeras
constituições concernentes ao seu tempo próximo, transformando a narrativa histórica de
seu ponto de vista, temos que as reformas sociais de Sólon,5 por exemplo, permitiram a
publicação das leis, a repatriação de atenienses vendidos como escravo e o perdão de suas
dívidas, restaurando o pequeno campesinato livre6 (Ferreira, 1988) que se tornaria a base
constituinte do demos. Também citado por Aristóteles, ampliando as reformas anteriores,
vemos Clístenes,7 o qual, por sua vez, realizou um processo de ainda maior amplitude
democrática ao privilegiar uma igualdade pautada no respeito à diferença8 (Vernant,
1976). As reformas de Clístenes foram também transformadoras por associar o conceito
de democracia ao conceito político de Cidade em seus aspetos religiosos, geográficos,
jurídicos e económicos – ao relacionar o ordenamento territorial à conformação política
instituída – transformando-a, de fato, em Cidade-Estado:

O que se manifesta de início nas reformas de Clístenes é a preeminência do princípio


territorial sobre o gentílico na organização da pólis...Tribos, trítias, demos foram
delineados sobre o solo como tantas realidades podem inscrever-se em um mapa. No
centro da pólis, a ágora, reorganizada e remodelada, forma um espaço público,
nitidamente circunscrito... O centro traduz no espaço os aspetos de homogeneidade e
de igualdade [ágora política e laica], não mais ... de hierarquia [acrópole gentílica,

4
De facto, Segundo Joshua Ober, “…So kratos, when it is used as a regime-type suffix, becomes power in
the sense of strength, enablement, or ‘capacity to do things.’ This is well within the range of how the word
kratos and its verb forms were used in archaic and classical Greek... In sum, …, I would suggest that the –
kratos-root terms originally referred to a (newly) activated political capacity. This would explain why there
is no monokratia or oligokratia: “the one” and “the few” …
5
“...Sólon libertou o povo, tanto no presente, como em relação ao futuro, ..., publicou leis e aboliu as
dívidas, quer privadas quer públicas, ..., porque desse modo sacudiu o fardo” (Aristóteles apud Ferreira,
1988, 119)
6
Pequenos e médios proprietários, em cujas mãos passara a estar o essencial da economia ateniense,
constituíam desde então o grosso do dêmos, como ainda acontecia ao iniciar-se a Guerra do Pe1oponeso”
(Ferreira, 1988, 43)
7
“Foi esse príncipe quem dividiu o povo daquela região em dez tribos e implantou o governo democrático”
discorreu Heródoto in História (CXXXI).
8
“A corrente democrática vai além e define todos os cidadãos, em quanto tal, independentemente de sua
sorte ou virtude, como ‘iguais, tendo todos exatamente os mesmos direitos a participar de todos os aspectos
da vida pública. Tal é o ideal de isonomia que considera a igualdade sob a forma de uma relação simples
de um para um. Apenas a justa medida capaz de acomodar as relações entre cidadãos é a igualdade plena e
completa ...que ...pareia o acesso à magistratura...faz desaparecer todas as diferenças que tornam opositores
as diversas partes da cidade, ...unifica por meio da mistura e fusão, de modo que sob o plano político nada
distinga mais uma da outra. Este objetivo é alcançado das reformas de Clístenes, que estabelece uma
organização política complexa que ...se apresenta como a solução de um problema: qual lei deve organizar
a cidade de modo que esta seja uma em sua multiplicidade de seus cidadãos, e que esses sejam iguais em
suas necessárias diversidades?” (Vernant, 1976, 82-83) [tradução da autora]

[135]
aristocrática e mítica]... Como nos informa L. Genet, as mudanças do significado do
centro que, de símbolo religioso ..., torna-se símbolo político... As reformas de
Clístenes propõem-se, precisamente, a ultrapassar a oposição entre campo e cidade e
a edificar uma comunidade políade que ignore deliberadamente, na organização dos
tribunais, das assembleias e das magistraturas, toda distinção entre urbanos e rurais.
Tal é exatamente o sentido da ‘mistura’ que Clístenes quis realizar de todos os antigos
elementos de que se compusera antes à cidade... o que se define no princípio não é
uma forma especial de habitat nem uma categoria à parte de cidadãos, mas o fato de
que no centro do território ela reúne em um mesmo ponto todos os edifícios, civis e
religiosos, que estão ligados à vida comum do grupo, tudo que é público por oposição
ao privado (Gonçalves, 2005, 11-45).

Prossegue Aristóteles observando o contributo das reformas promovidas por


Péricles, da linha de Clístenes (seu tio-avô), voltadas para a ampliação da participação
popular na direção da vida pública da Pólis (Ferreira, 1990). O apogeu e o caráter
democrático da vida pública de Péricles, contudo, é objeto de extensa e variada
bibliografia, especialmente dos pensadores modernos – de onde aparece tanto como
exemplo (Homo, 1954), quanto como um duvidoso demagogo, artífice de um populismo
clientelista (De Sanctis, 1944) – ressaltando, na maior parte das vezes, o poderio, a
expansão naval e a centralização tributária para cobrir as despesas públicas que
propiciaram a instituição da mistoforia9 e a construção de grandes obras, como o Pártenon
(Chasin, 2007), ao invés de ressaltarem os tribunais deliberativos, e a redução ainda maior
do poder do Aerópgo (Pseudo-Xenofonte, 2013), bem como o sucesso financeiro advindo
não da acumulação de terras do período anterior, aliado a uma concentração tributária
(Chasin, 2007), mas tendo sido iniciado pelas reformas de Sólon, Clístenes e, finalmente,
Péricles com o desenvolvimento do comércio da agricultura, movido pelos novos
componentes do demos (Ferreira, 1988).
Cabe ressaltar, que não se trata de um simples romancear ou idealizar a
democracia sem manter o foco na análise crítica do contexto dos fatos sociais, políticos e
econômicos que envolviam esses personagens, mas de resgatar os componentes de um
estado de natureza democrático para assinalar que os consensos modernos sobre a
democracia, deram-se sob aceções falhas ou incompletas do termo. Assim, ressaltamos

9
Diria ter sido o primeiro grande programa de inclusão social na participação da vida pública ao garantir
um pagamento aos cidadãos que, não tendo posses e dependendo de seu trabalho diário, não participava da
vida pública. Muito criticado por seus opositores, influenciou em muito o desenvolvimento da indústria
naval da época.

[136]
três premissas: a) que a democracia originária, deu-se sempre no sentido da ampliação do
conceito de cidadania (ainda que restrita aos limites culturais, legais, sociais e económicos
de sua época) e da inclusão efetiva de um maior número de cidadãos na participação da
vida pública; b) que todos esses processos deram-se por meio de “reformas
revolucionárias” ou de “revoluções reformadoras”, as quais, baseadas em leis e em um
processo de legitimação legal, buscavam alterar os fatores de exclusão da participação do
poder,10 diretamente influenciadas pela realidade que se pretendia alterar; c) por fim, que
uma simplificação dos fatores que norteavam a democracia originária não permitiram a
identificação do conceito de democracia com seus princípios basilares que mediam a
relação complexa entre liberdade individual e privada e igualdade pública.
Assim, sem muito nos deter sobre a imensa discussão referente aos detalhes da
democracia dos antigos, sua qualidade, que perpassa os anos, reside significativamente
no tratamento dessa forma de governo dada aos seus princípios fundamentais de
igualdade e de liberdade (Ferreira, 1989), bem como na intensa participação política11
(Menezes, 2006). Por mais contemporâneo que possa parecer, é na constante deliberação
que a democracia ateniense se consolidou e permitiu a ascensão de Atenas, tendo o
conceito de isegoria, antes central, dissociando-se completamente do termo moderno –
este mais voltado para a formalização do processo eleitoral e da origem e do exercício do
poder de mando. Quanto à igualdade e à liberdade, os atenienses percebem não se tratar
de princípios absolutos em si, porém, permitem o avanço de um ou de outro na busca do
equilíbrio de uma forma que, para alguns, nasceu do desvio e que para outro desvio pior
poderia caminhar.12

10
Mais uma vez, aqui, comento sobre a relação de poder em uma verdadeira democracia, como nos lembra
Ober (2007, 5): “Demokratia, which emerged as a regime-type with the historical self-assertion of a demos
in a moment of revolution, refers to a demos’ collective capacity to do things in the public realm, to make
things happen. If this is right, demokratia does not refer in the first instance to the demos’ monopolistic
control of pre-existing constitutional authority. Demokratia is not just “the power of the demos” in the sense
“the superior or monopolistic power of the demos relative to other potential power-holders in the state.”
Rather it means, more capaciously, “the empowered demos” – it is the regime in which the demos gains a
collective capacity to effect change in the public realm. And so, it is not just a matter of control of a public
realm but the collective strength and ability to act within that realm and, indeed, to reconstitute the public
realm through action.”
11
A autora, baseando-se em uma norma de Sólon que condenava o cidadão indiferente, esclarece que: “Ser
cidadão, para os antigos, era uma prerrogativa a ser preservada e o exercício de sua cidadania se constituía
não em um direito individual, como nos modernos, mas em um dever de participação nos negócios comuns
da cidade”. (Menezes, 2006, 48)
12
Lembremos a esta altura tanto de Aristóteles: “A democracia é a menos má das três espécies de perversão,
pois no seu caso a forma de constituição não apresenta mais que um ligeiro desvio… Por conseguinte,
embora nas tiranias mal existam a amizade e a justiça, nas democracias elas têm uma existência mais plena,
pois onde há igualdade entre os cidadãos estes possuem muito em comum.”. (1159b-1161b-10; p.186-189);
quanto do receio de Platão, sob a figura de Sócrates: ”Sócrates — Verdadeiramente, a tirania não se originou
nenhum outro governo senão da democracia, seguindo-se aí liberdade extrema, penso eu, uma extrema e

[137]
A legitimidade dos governos democráticos atenienses, portanto, pautava-se na
condição de “se sentirem livres, porque eram iguais perante a lei, de que se sentiam
autores, e apenas a ela obedeciam. Tinham todos a mesma possibilidade de participar e
norteavam-se nas suas decisões políticas, pelo princípio da maioria.”. (Ferreira, 1989,
174-175) Como corolário, discorrer sobre igualdade e liberdade parece ser o segundo
passo para compreender a relação mais propícia entre o regime democrático, suas
instituições e os cidadãos, reunidos como sociedade civil, pois quanto mais óptima for
esta relação, mais estável será a democracia.
Obviamente que a igualdade (nem para os antigos, nem para os modernos) não
pode ser considerada como absoluta, pois, por vezes, é por meio de um tratamento
desigual que se atinge a igualdade pretendida. Então, a que tipo de igualdade nos
referimos que depende de um tratamento desigual para se tornar realidade? Trata-se de
uma igualdade tanto em decidir pelo coletivo, quanto em receber um tratamento
igualitário por parte do Estado em uma mesma situação. Em ambos os casos, trata-se de
uma igualdade externa ao indivíduo, que só se efetiva, quando o indivíduo se percebe
livre nesses casos. No exemplo grego, temos a junção dos conceitos de isonomia e
isocracia, ambos associados ao de isegoria. (Ferreira, 1990, 17-31)
Não há igualdade quando, por motivo de uma desigualdade intrínseca, que não
pode ser alterada, homens e mulheres, assim, como brancos e não-brancos, com exatas
qualificações percebem remunerações distintas pela realização de tarefa idêntica. Não há
igualdade quando ricos e pobres recebem penas distintas por um mesmo delito
cometido;13 quando, distintamente, lhes é permitido aceder aos espaços e aos benefícios
públicos, e participar da definição de seus destinos. Não haverá democracia quando essas
desigualdades sistêmicas persistirem. Neste sentido, a crise da democracia grega nos
mostrou que, aparte das instituições e das leis, o aumento da desigualdade, o
aniquilamento do pequeno campesinato (que sucedeu à Guerra), bem como as políticas

cruel servidão. Adimanto — Concordo…Sócrates — A terceira classe é o povo, todos os que trabalham
com as mãos e os que são estranhos aos negócios e não possuem quase nada. Numa democracia, esta classe
é a mais numerosa e a mais poderosa quando está unida. Adimanto — É verdade. Mas não se dispõem
muito à união, a menos que lhe caiba uma parte de mel…” (República, VIII, 564 a).
13
Mister se faz comentar a análise de Trabulsi (2011, 131) em seu excelente trabalho sobre as reformas
promovidas por Péricles serem ou não consideradas como clientelistas aos olhos contemporâneos e, ao citar
Kagan, comenta: “O ideal democrático necessitava que a maioria dos cidadãos tomasse parte nas decisões
públicas, mas os pobres não podiam se dedicar a isso se não recebessem uma compensação (...) A criaç ão
das indenizações pelo serviço público prestado deu a muitos atenienses, pela primeira vez, seu verdadeiro
status de cidadão, e é com essas reformas que começa a democracia ateniense plena, completa. (KAGAN,
2008, p.72-3)

[138]
de austeridades implementadas em benefício de grupos oligárquicos, contribuíram para
considera-la inacabada.14

Democracia no Século XXI – um desafio

O fio narrativo aqui não é a história, assim, procurou-se, apenas, resgatar o


conceito de demos; reforçar a necessária ampliação dos detentores do poder de decisão (e
não necessariamente de mando); e, por fim, afirmar a intrínseca relação entre o sentido
de democracia e o sentido amplo de justiça (social, mas também política e jurídica), para
buscar um conceito de democracia que realmente abarque um conjunto de regras de
constituição da organização social que ofereça ao cidadão uma condição de autonomia
garantida pelos princípios de igualdade pública e liberdade individual (material e pós-
material).
Assim, aproximando-se temporalmente e de acordo com Huntington (1994), a
terceira, mais longa e mais ampla vaga democrática iniciou-se com a Revolução dos
Cravos em Portugal, modestamente comemorada por uns e reverenciada, por outros. Tal
contradição é natural, entendendo todas as disputas inerentes a um processo
revolucionário intrinsecamente associado ao papel das forças armadas15 sob um contexto
político, social e económico que viu a sobreposição de uma democracia liberal, marcada
por lutas anticoloniais e uma paulatina inserção no universo europeu ocorrida entre um
cenário de Guerra Fria, de um lado e Guerra Quente, de outro. Seria necessária uma
extensa obra para tratarmos deste tema em específico, o que, se calhar, não atende ao
pretendido, mas ressaltamos que comemorar eventos históricos e simbólicos como este,

14
Claude Mosse (1970, 50) afirma: “El problema de la injusta distribución de las riquezas y de la
desaparición de la clase media campesina es considerado por los teóricos del siglo IV como el problema
fundamental, aquél que da origen a todos los demás”.
15
Segue uma brevíssima lista de textos sobre a Revolução dos Cravos, os quais podem ser encontrados em
https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/viewFile/17138/14211, a saber:
1) Varela, R. 2006. O 25 de abril, a Espanha e a História. Tecnologia: perspetivas críticas e culturais (181,
separata).

2) __________. 2011. A História do PCP na Revolução dos Cravos. Bertrand Editora. 

3) Rezola, M. 2007. 25 de abril. Mitos de uma Revolução. Esfera dos Livros. Lisboa.

4) Moura, P. 2012. Otelo: O Revolucionário. Dom Quixote. Lisboa (327- 330).

5) Gonçalves, V. 2002. Um general na Revolução. Editorial Notícias - entrevista a Maria Manuela Cruzeiro.
Lisboa (p.269).
6) A depender da corrente ideológica, o sítio eletrónico esquerda net (http://www.esquerda.net/artigo/dez-
filmes-sobre-revolução-dos-cravos-no-youtube/31990) preparou uma serie com filmes, documentários e
entrevistas sobre o tema.

[139]
influenciam tanto no aprofundamento da reflexão quanto na práxis que motiva, pelo
estímulo da memória,16 uma possível mobilização animada por certos princípios.
Após esses eventos, enquanto Fukuyama (1992) aventou para o fim da história e
a consolidação da democracia liberal representativa diante dos acontecimentos que
marcaram os últimos anos do século XX, outros autores, ao contrário, já percebiam os
desafios que a democracia atual precisaria enfrentar, identificando seu fim, como o fez
Jean-Marie Guéhenno (1999) – ao trazer conceitos referentes ao pensar global e o agir
local; ou sua iminente crise – como o fez o trio responsável pelo relatório trilateral (1975).
Mas antes mesmo de discutirmos a linha teórica (permeada, certamente, por
questões ideológicas) a ser seguida para definir se a democracia está ou não em seu fim
ou em crise, ou, ainda, avaliar criticamente as teorias democráticas como o fez
Cunningham (2001); revisitá-las como o fez Sartori (1994); ou ressaltar o alerta revelador
sobre o crescente sentimento antidemocrático feito por Rancière (2005), faz-se necessário
identificar a linha que está a separar os teóricos da democracia e os atores sociais dessa
dita democracia, ou que quer que entendamos como tal e, assim, evitar a dissociação e a
incompreensão dos conceitos de democracia, participação política, sociedade civil e
Estado para, então, conseguir avaliar a qualidade da democracia para todos os atores sob
um mesmo padrão, como alerta Merkel conforme se segue:

Increasing portions of the citizens will abstain from voting, parties lose their members,
markets dominate democratic politics, democratic governments are deprived of the
proper means to govern and the people will remain being satisfied. This is a much
more probable scenario than an acute crisis of democracy or its collapse. But it will
change the functioning of democratic institutions, organizations, procedures and even
some principles of democratic governing in the 21st century. A theoretical dilemma
will emerge: the people, the last instance and arbiter of democracy, may
democratically accept (e.g by elections or documented in surveys) those changes,
which democratic scholars will consider as undemocratic. The rift between
democratic theorists and the citizens regarding what democracy is and is not may then
increase in the future (Merkel, 2013, 20-21).

16
Relevante para o contexto é a dissertação de Luciana de Castro Soutelo (2009), encontrada em
https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/20320/2/mestlucianasoutelomemoria000085060.pdf, uma
vez que resgata a memória democrática dos eventos que marcaram o 25 de abril, tendo como pano de fundo
as publicações da imprensa, diante de um cenário de crescente conservadorismo.

[140]
Diante do exposto, faz-se necessário traduzir os fundamentos da democracia para
disputar os espaços e as ações públicas e, para tal, estabelecer um quadro conceitual
básico que prime pela clareza, mas não em detrimento de todas as dimensões da
hermenêutica. Esses fundamentos, contudo, dependem do cerne da linha argumentativa
dos diferentes teóricos, por exemplo, ao partir do foco da política como mediação de
conflito,17 Dahl (2000) estabelece critérios para uma divisão da teoria da democracia que
foca em dois aspetos principais e independentes: o debate público e a capacidade de
representação. Por outro lado, a tradicional visão minimalista atribuída a Schumpeter
(2003), quanto ao processo eletivo, também uma redução da compreensão da perceção do
autor18 e observada por Sartori (2009), ressalta as condições de acesso do demos.
Com base na revisão da literatura da teoria democrática elaborada por Sartori
(1994) – o qual, de encontro ao conceito de que há muitas democracias19 e teorias
oriundas das diversas compreensões do termo, afirma haver apenas uma – e para dissipar
a confusão sobre o termo (Dahl, 2000), apresentamos, de um lado, um grupo minimalista
que apregoa uma democracia representativa e formal como exclusiva solução e, por outro,
aqueles que associam diretamente uma maior participação da sociedade para deliberar
sobre as questões públicas junto ao Estado como condição sine qua non para uma
democracia mais qualitativa – aqui baseando-nos nos conceitos do associativismo de
Tocqueville (2005), na desconstrução do mito da democracia direta e na intrínseca relação

17
“En el pasado y en el presente los regímenes divergen grande mente por la amplitud con que conceden
abiertamente, aplican pública mente, y garantizan plenamente estas ocho oportunidades instituciona les,
cuando menos a algunos miembros del sistema político que quieran oponerse al gobierno”. (Dahl, 2000,
14)
18
“Esta definición se ha convertido en la definición clásica de democracia. Pero adviértase: la definición
de Shcumpeter es procedimental, es decir, que establece cuál es el procedimiento que no sólo obstaculiza
la oligarquía, sino que produce ‘demo-beneficios’. Por tanto, es una definición necesaria pero no suficiente,
o de cualquier forma no exhaustiva. (Sartori, 2009, 52)
19
“La tesi delle molte teorie contrappone alla teoria completa, alla teoria d’insieme, una sequela de spicchi
di teoria, di sotto-teorie incomplete, così cadendo nel classico errore della pars pro toto, di spacciare una
parte per il tutto. Pertanto, e di contro, io andrò a sostenere che la teoria della democrazia (al singolare) è
divisa soltanto dalla discontinuità che separa la democrazia degli antichi dalla democrazia dei moderni, e
he la democrazia dei moderni è fondamentalmente ‘una’: è la teoria della democrazia liberale. Beninteso,
da questo mainstream, dal filone centrale, si diramano molti rivoli. Beninteso, è anche lecito andare
all’assalto della teoria d’insieme muovendo da teorie parziali…il che non toglie che la sola teoria completa
della democrazia che è congiuntamente i) descrittiva e prescrittiva, e anche ii) conversione della teoria nella
pratica, è ad oggi la teoria dello Sato liberal-democratico”. (Sartori, 2007,7-8)

[141]
com a justiça latu sensu por Pateman20 (2004), e na relação21 entre direito, discurso,
política, poder, participação e legitimação desenvolvida por Habermas (1997).
Um esclarecimento faz-se necessário, pois todos os conceitos e contribuições
desses autores, porém, necessitam de uma adaptação de suas ideias à realidade local, ou
uma interpretação local para uma melhor aplicação de suas ideias e compreensão do
conceito de democracia. Retomando o 1º encontro trilateral, contudo, lembramos a
preocupação dos três autores do relatório sobre o que eles concluíram serem os perigos
de uma disfunção da democracia, do qual necessita-se uma análise crítica (Hungtinton,
1975, 161-162).22
O primeiro aspeto levantado por eles que estaria levando à crise da democracia é
que a “busca pelas virtudes democráticas de igualdade e liberdade (individualismo) tem
levado a uma deslegitimação da autoridade e a perda da confiança em lideranças
(representantes legitimamente eleitos)”. Realmente, há uma crescente perda mundial de
confiança comparativa institucional dos cidadãos, conforme podemos observar em
diversos índices disponíveis, aqui sintetizados pelo Eldeman barómetro.23 No entanto,
uma certa dose de desconfiança não necessariamente é um sinal exclusivamente
negativo.24 E pelos comparativos de alguns países em relação ao último levantamento25.

20
“Justice and democracy are two separate concepts, though they are inextricably intertwined” (Pateman,
2004, 23) e “The argument of the participatory theory of democracy is that participation in alternative areas
would enable the individual better to appreciate the connection between the public and the private spheres.
The ordinary man: might still be more interested in things nearer home, but the existence of a participatory
society would mean that he was better able to assess the: performance of representatives at the national
level, better equipped to: take decisions of national scope when the opportunity arose to do so, and better
able to weigh up the impact of decisions taken by national representatives on his own life and immediate
surroundings.” (Pateman, 1976, 110)
21
“Os direitos do homem, fundamentados na autonomia moral dos indivíduos, só podem adquirir uma
figura positiva através da autonomia política dos cidadãos. O princípio do direito parece realizar uma
mediação entre o princípio da moral e o da democracia” (Habermas, 1997, 131)
22
Livre tradução da autora.
23
O instituo realiza pesquisas on-line em 28 países há 17 anos. Todo o relatório é encontrado em:
https://www.edelman.com/global-results/.
24
“Desconfiança expressa atitude de descrédito ou desmerecimento de alguém ou de algo, embora, na
democracia, alguma dose de desconfiança em instituições possa ser sinal sadio de distanciamento dos
cidadãos de uma esfera da vida social sobre a qual têm pouco controle (WARREN, 2001; PETTIT,1998;
SZTOMPKA, 1999; USLANER, 2001). Mas a desconfiança em excesso e, sobretudo, com continuidade
no tempo, pode significar que, tendo em conta as suas orientações normativas, expectativas e experiências,
os cidadãos percebem as instituições como algo diferente, senão oposto, àquilo para o qual existem: neste
caso, a indiferença ou a ineficiência institucional diante de demandas sociais, corrupção, fraude ou
desrespeito de direitos de cidadania geram suspeiçaõ , descrédito e desesperança, comprometendo a
aquiescência, a obediência e a submissaõ dos cidadãos à lei e às estruturas que regulam a vida social (LEVI,
1998; MILLER e LISTHAUG, 1999; DALTON, 1999; TYLER, 1998)”. (Moisés, 2005,34)
25
Os gráficos foram elaborados pela autora com base no eurobarómetro, com dados de 2016
(http://ec.europa.eu/commfrontoffice/publicopinion/index.cfm/Chart/getChart/chartType/gridChart//them
eKy/18/groupKy/98/savFile/838) e no latinobarómetro, com dados de 2015, por serem os últimos
disponíveis (http://www.latinobarometro.org/latOnline.jsp).

[142]
No entanto, esses e outros dados que o comprovam per se não esgotam a questão
da confiança nas instituições, nem tampouco, confirma a relação de causalidade presente
no relatório trilateral. Há muito mais a questionar do que responder, pois situações
económicas favoráveis, que anteriormente contribuíam para uma estabilidade positiva no
índice, não impediram que a confiança se mantivesse relativamente baixa quanto aos
governos, muitas vezes, dissociados da figura do líder.
Da mesma forma, a fragmentação partidária não correspondeu necessariamente à
fragilidade da governabilidade, pois alguns sistemas encontraram mecanismos de
ajustamento, como as coalizões (em que pese o controverso custo de sua manutenção).
Por outro lado, a expansão da participação política, foi o que mais contrariou as
preocupações levantadas no relatório – uma vez que, muitos foram os exemplos de
aumento na confiança pari passo o aumento da inclusão social. Somente a última
disfunção observada quanto à resposta tardia dos governos ensejarem o paroquialismo
nacionalista, mostrou-se uma realidade recente com exemplo americano.
Em que pese os aspetos discutíveis negativos e positivos referentes ao conceito de
populismo (mais à esquerda, tradicionalmente relacionado aos países da América do Sul;

[143]
ou mais à direita nacionalista, já tradicionalmente associado aos países europeus); em que
pese a compreensão do modelo meritocrático de democracia chinesa baseado no min zuh
confucionista, são necessários alguns parâmetros, que permitam aos Estados e,
principalmente, aos seus cidadãos (incluídos e excluídos), identificá-los como desejáveis.
Assim, de forma agregada, essas medidas contribuem, infelizmente premidas por uma
epistemologia dominante, com a diferenciação e até qualificação dos diferentes regimes.
No entanto, mais do que dizer se a democracia em determinado local é mais ou
menos fluida, de maior ou menor intensidade, mais ou menos consistente, interessa
identificar os elementos que compõe o demos contemporâneo e se estes detêm o poder de
decisão e o acesso e o retorno igualitário ao mundo jurídico. Da mesma maneira é
perceber quão próxima do ponto ótimo está a dicotomia entre igualdade pública e
liberdade e qual elo a sustenta: o sucesso económico ou uma confiança solidaria? O caso
brasileiro, bem como o dos países da Europa sulista, que enfrentaram a implementação
de políticas de austeridade económica, servem para ilustrar possíveis contextos de crise
que apontam para os extremos dessa dicotomia.

Democracia – Crises & Perspectivas entre colonizados e colonizadores

Assim como o imperialismo de Atenas foi um dos problemas que levaram à


derrocada e à participação na Guerra do Peloponeso, após o período de expansão
comercial do século XVI, a junção de três sistemas relacionais (colonialismo, capitalismo
e patriarcado) agravou e consolidou uma desigualdade estrutural e sistémica que segrega
parte do corpo dos indivíduos, componentes do demos contemporâneo, que não foram
inseridos nos processos democráticos, mesmo com a melhora económica vivenciada por
alguns países.
A exemplo, demorou pouco mais de cem anos da abolição da escravidão para o
governo federal reconhecer oficialmente que havia racismo no Brasil. E mais um pouco
ainda para reconhecer sua presença nas ações do próprio Estado, sob a forma de um
racismo institucional. Durante este período, no entanto, os negros e as comunidades
indígenas sofreram desde o período colonial, as mazelas da opressão. Durante um
primeiro período, de forma legal; após a abolição, de uma forma invisível; durante a
ditadura, sob uma desculpa; formas diferentes de um mesmo projecto opressor e
segregador, sob grupos que resistem, porém não de forma audível pelo Estado.

[144]
Por um lado, diante de um cenário repetido institucionalmente nas escolas, nos
meios culturais, de comunicação e académicos, o Brasil era conhecido como uma
verdadeira democracia racial — éramos um povo cordial, como diria Sérgio Buarque de
Holanda (apud Souza, 1998). Por outro, dados empíricos e estatísticos demonstram, ainda
hoje, como se perpetua uma situação sistêmica de segregação de direitos, retribuição
desigual por serviços idênticos e uma abissal diferença de oportunidades (entre homens e
mulheres, entre brancos e não brancos; incluídos e excluídos…), inclusive em inúmeros
textos técnicos institucionais.
Que forma ou regime de governo propiciou a perpetuação dessas desigualdades?
Que tipo de Estado ou de estrutura normativa? Sob que condições económicas e sociais?
Como e por que os preteridos permitem a existência de uma desigualdade sistêmica ou,
se resistem, como e por que essa desigualdade persiste? Quão efetiva é a participação
política no processo de tomada de decisão para combater essa desigualdade sistêmica?
Quanto a inclusão social nas decisões do Estado para combater essa desigualdade
sistêmica, contribui para a qualidade de uma democracia? Qual o grau qualitativo da
democracia brasileira pós 2016?
Longe de conseguir responder a todas essas questões, a premissa a ressaltar é que
o Brasil vive uma crise democrática (Avritzer, 2016; Souza, 2016; Mattos et alli, 2016;
Anderson, 2016) que possui características semelhantes a outras crises pelo mundo
(White, 2016), mas com um contorno único devido: a sua composição política e social,
ao histórico de sua cultura política (Baquero, 1994, 2008) e aos membros de sua elite
(Cheibub, 1996; Abrúcio, 1998; Almeida & Carneiro, 2003).
Pretende-se contribuir para desvelar o argumento de que a qualidade da
democracia brasileira atual (após a interrupção de um mandato eletivo sob controverso
fundamento jurídico, parlamentar e, especialmente, de legitimidade da vontade popular)
demonstra mais do que uma simples falha, e sim um defeito estrutural que encobre a
relação assimétrica de interesses entre Estado e sociedade civil, idealmente baseada no
diálogo e no consentimento formal (explicitado pelo exercício do voto ou pela aferição
prática de sua participação direta).
Contrariando ou confirmando Aristóteles, a tradição brasileira não é
revolucionária. É de lutas, opressão e resistências, mas não revolucionária no sentido
jurídico-político do termo. Hoje, percebe-se uma democracia formal e jurídico-legal-
cordial, mas estará ela consolidada? Da mesma forma que, após a abolição da escravidão
(que também não se deu de forma revolucionária), criou-se o mito da democracia racial

[145]
e do brasileiro cordial, a agregação de dados estatísticos e empíricos permitiram explicitar
a enorme segregação e desigualdade, sobre o contraste inerente à história do país, cria-se
hoje, o mito da estabilidade democrática.
O Estado nesses últimos anos tentou compensar essa desigualdade ampliando a
participação da sociedade civil na construção de políticas públicas inclusivas e no
investimento em políticas redistributivas, gerando uma relação de interdependência entre
a sociedade civil e o Estado (Avritzer, 2012). No entanto, o grau de autonomia das
organizações e dos movimentos sociais conquistados no mesmo período, contribuiu para
que esses pudessem exigir de forma mais veemente uma ação efetiva da parte do Estado
para diminuir as desigualdades persistentes, como a luta por moradia influenciada por
movimentos como o MST e as reivindicações dos movimentos negros.
Retomando o conceito de disfunção democrática, percebeu-se que sem o tempo
necessário para organizar a comunicação entre os componentes desses movimentos e
transformar seus anseios em uma ação política contrária aos seus objetivos incentivada
por grupos políticos do próprio Estado, vimos uma articulação tardia de alinhamento
político entre esses grupos e os grupos políticos institucionalizados e favoráveis às suas
causas. A insatisfação económica acabou por gerar um efeito contrário que contribui para
o agravamento da crise política vivida pelo Brasil atualmente.
Contraditoriamente ao caso chinês, no caso brasileiro, em que se viu uma melhora
significativa do quadro económico nas duas últimas décadas, conforme apresentado
acima, não foi possível perceber grandes alterações nos valores de sua cultura política,
nem tampouco, o reflexo na consolidação de suas instituições e na confiança do governo.
No caso da América Latina de uma forma geral, antes de analisarmos a particularidade
brasileira, de fato, os dados de 2016 do relatório do latinobarómetro demonstram uma
constância quanto ao apoio à democracia ao longo das duas últimas décadas, e uma
inconstância no PIB, o qual não parece ter afetado da mesma forma esse apoio.
O que se ressalta aqui, é que a democracia quando permite ou perpetua
desigualdades além das económicas — baseadas em conceitos de dominação, como é o
caso do Brasil — pode ser vista como altamente instável, independentemente de sua
durabilidade (a qual é puramente circunstancial). Neste sentido, análises complementares
como o da judicialização da política (Avritzer, 2014) são essenciais para tentar avaliar o
grau de estabilidade da democracia. Realmente, sem retomar a discussão clássica na
ciência política brasileira dos ciclos alternantes entre autoritarismo e democracia
(Skidmore apud Moisés, 2005b), ou adotar o conceito híbrido, tendo em vista a falta de

[146]
ruptura clara entre os regimes autoritários e democráticos é mais plausível perceber a
sustentação dessa frágil democracia na interdependência participativa entre sociedade
civil e Estado, tanto quanto esperar uma relação de equilíbrio entre os poderes, onde o
judiciário, atualmente, é reconhecido como altamente interventor e sem conexão definida
com a sociedade civil em sua composição e atuação, por exemplo (Avritzer, 2012).

Conclusão

Com esses pequenos insights, finalizo remetendo-me ao conceito de emancipação


política pela via jurídica democrática e representativa26 tendo o Brasil como pano de
fundo para dizer que enquanto as instituições não reconhecerem a instabilidade da
estrutura política, social, jurídica e económica do país sob ameaças de austeridade e
sacrifício popular e passarem a adotar diversas acções para: a) valorizar, incentivar e não
desvirtuar a real participação da sociedade civil organizada; b) tornar efetiva a
contribuição dessa participação em políticas públicas inclusivas; c) garantir condições
para que os partidos políticos consigam intermediar a vontade das ruas na arena política
oficial; d) que o parlamento, de fato, reflita ideologicamente a vontade de seu eleitorado,
sem comprometer os princípios constitucionais; e) propiciar um crescimento económico
que não se encerre per se, mas que vise a diminuição da desigualdade de fato; e, por fim,
f) estabelecer princípios democráticos pétreos, as democracias como a brasileira ainda
serão consideradas fluidas, etéreas, falhas, de baixa intensidade ou qualquer outra
denominação teórica que se lhe queira dar.

Referências

AVRITZER, L. e ANASTASIA, F. (org.) 2006. Reforma Política no Brasil. Belo


Horizonte, UFMG (271p).

AVRITZER, L. 2008. Instituições participativas e desenho institucional: algumas


considerações sobre a variação da participação no brasil democrático.” Opinião Pública.
Campinas (14,1: 43-64). http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-

[147]
62762008000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt (December 16, 2016).

AVRITZER, L. 2012. Sociedade civil e Estado no Brasil: da autonomia à


interdependência política. Opinião Pública. Campinas (18, 2: 383-398). ISSN 0104-6276

AVRITZER, L. et al. 2013. Ciência política no Brasil: história, conceitos e métodos.


http://www.cienciapolitica.org.br/wp-
content/uploads/2013/08/Projeto_MemóriaCP_ABCP201314.pdf (December 15, 2016).

AVRITZER, L., e SOUZA, C. (orgs). 2013. Conferências nacionais atores, dinâmicas


participativas e efetividade. 1st ed. Brasília.
http://www.ipea.gov.br/participacao/images/pdfs/participacao/Ipea_conferencias/livro
conferncias nacionais.pdf (December 16, 2016).

AVRITZER, L. e MARONA, M. 2014. Judicialização da política no Brasil: ver além do


constitucionalismo liberal para ver melhor. Revista Brasileira de Ciência Política - RBCP.
Brasília (15: 69-94). ISSN 0103-3352

AZOULAY, V. 2015. Périclès – La démocratie athénienne à l’épreuve du grand homme.


Paris. Armand Colin.

BAQUERO, M. 2001. Cultura política participativa e desconsolidação democrática:


reflexões sobre o Brasil contemporâneo.” São Paulo em Perspectiva. São Paulo (15,4:
98–104). http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
88392001000400011&lng=pt&nrm=iso&tlng=en (February 17, 2017).

BAQUERO, M. 2003. Dossiê cultura política, democracia e capital social. Revista de


Sociologia Política. 21(21): 7–11.

BAQUERO, M. 2008. Democracia formal, cultura política informal e capital social no


Brasil. Opinião Pública. Campinas (14,2: 380–413).
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
62762008000200005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt (December 15, 2016).

BAQUERO, M. e MORAIS, J. 2015. Desigualdade e democracia na América Latina - o


papel da inércia na construção de uma cultura política democrática. Estado e Democracia
em Mudança no Século XXI - I Seminário Internacional de Ciência Política. UFRS.

BAQUERO, M. e GONZÁLES, R. 2016. Cultura política, mudanças econômicas e


democracia inercial. Uma análise pós-eleições de 2014. Opinião Pública. Campinas (22,3:
492-523)

BOBBIO, N. 1982. O conceito de sociedade civil. Edições Graal. Rio de Janeiro.

COSSETTE‐LEFEBVRE, H. 2016. La dualité démocratique: entre l’état administratif et


la société civile. Ithaque - Revue de Philosophie de la Université de Montréal. Montreal

[148]
(19: 169-187).

D’ARAÚJO, M. 2009. Sobre partidos e qualidade da democracia no Brasil. Desigualdade


& Diversidade. Rio de Janeiro (5, 2: 217–238). http://desigualdadediversidade.soc.puc-
rio.br/media/Desigualdade5_Celina.pdf

FERREIRA, J. 1989. «Atenas, uma democracia?», Línguas e Literaturas - Revista da


Faculdade de Letras do Porto. (6: 171-187)

FERREIRA, J. R. 2008. Demotikos e demokratikos na paideia de Plutarco.

FERREIRA, J. R. 2011. Caminhos de Plutarco na europa.

FERREIRA, José Ribeiro. 1990. Participaçaõ e poder na democracia grega.

FREIRE, A. 2015a. Sistemas eleitorais e reformas políticas: Portugal em perspetiva


comparada. Revista Eletrónica de Direito Púbico (1: 01–28).
http://www.scielo.mec.pt/pdf/epub/v2n1/v2n1a01.pdf.

FREIRE, A. (org.) 2015b. O futuro da representação política democrática. Nova Vega.


Lisboa. 206p.

HERÓDOTO. 2006. História. Ed. eBooksBrasil. Perseus Digital Library - Tufts


University

MENEZES, M. 2006. Justiça e cidadania nos antigos e modernos. Revista de Ciências


Sociais. (37, 2: 47-59)

MERKEL, W. 2013. Is There a Crisis of Democracy? Can We Answer the Question?


Annual Meeting of the American Political Science Association. Wissenschaftszentrum
Berlin für Sozialforschung (WZB).
http://www.democracybarometer.org/Papers/Merkel_2013_APSA.pdf

OBER, J. 2007. The original meaning of 'democracy': capacity to do things, not majority
rule. Princeton.

PATEMAN, C. Participation and Democratic Theory.

RANCIÈRE J. 2015. O Ódio à Democracia. SP. Boitempo.

ROSANVALLON, P. 2006. Democracy Past and Future. NY. Columbia University Press

SARTORI, G. 2007. Democrazia cosa è. Milano. Rizzoli (Bur)

SARTORI, G. 2009. La Democracia en 30 Lecciones

SCHUMPETER, J. Capitalism, Socialism and Democracy.pdf

[149]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[150]
9. MÍNIMO SOCIAL, AUTONOMIA E PARTICIPAÇÃO
DEMOCRÁTICA

Thiago Santos Rocha*

Resumo: O presente estudo visa a análise teórica da importância de o Estado garantir aos
seus cidadãos o acesso a um mínimo social como condição para sua autonomia e,
consequentemente, participação livre na formação da vontade das instituições políticas e
sociais que afetam sua vida cotidiana, mormente do próprio Estado. Considera-se por
mínimo social a parcela de direitos fundamentais necessária à asseguração da dignidade
da pessoa humana, englobando patamares de direitos fundamentais tais como, mas não
limitados a, direito à moradia, à alimentação, à educação, à saúde, à assistência aos
desamparados e ao acesso à justiça. A negação destes elementos necessários à dignidade
humana fragiliza, ou até mesmo inviabiliza, a participação democrática do indivíduo. Sem
o acesso a condições educacionais adequadas o cidadão é incapaz de compreender e se
posicionar sobre temas da vida pública. Da mesma forma, a limitação do acesso a
condições materiais necessárias à garantia de níveis mínimos de direitos fundamentais
afeta negativamente a capacidade de o indivíduo se autodeterminar e posicionar
livremente nos espaços políticos e sociais. Tais limitações impedem a participação
autônoma e em igualdades de condições dos indivíduos nos projetos democráticos, ao
passo que permitem a existência de uma subclasse, composta por um número muitas
vezes expressivo de cidadãos na sociedade, substancialmente excluída dos processos
decisórios da vida pública. O estudo defende que a garantia do mínimo de condições
materiais e de formação que permitam ao cidadão se posicionar de forma livre e autônoma
nos espaços sociais, em especial na formação da vontade estatal legitimadora e
determinante das políticas públicas, é condição para uma sociedade na qual a democracia
tenha a concepção mais profunda, e não com caráter restritivo e elitista cuja expressão se
resume a uma fórmula de escolha de representantes.

Palavras-Chave: Mínimo Social; Autonomia; Democracia.

*
Mestrando em Direito e Ciência Jurídica – Especialidade de Direitos Fundamentais, pela Faculdade de
Direito da Universidade de Lisboa. E-mail: tsrocha@gmail.com.

[151]
Introdução

Muitos dos atuais Estados se classificam como sendo democráticos de direito.


Todavia, há que se inquirir se, de fato, ainda que regidos por um ordenamento jurídico
que extrai seus nortes de uma constituição estabelecedora de procedimentos para escolha
dos governantes, tais Estados podem ser caracterizados como democráticos.
Em outros termos, ao se questionar se a democracia se exaure na formalidade da
participação política, dúvida esta que não parece comportar resposta positiva em tempos
hodiernos, indica-se a necessidade de se avaliar o liame entre o cidadão e a formação e
execução da vontade das instituições políticas e sociais que o afetam.
Garantir ao cidadão, em condições formalmente livres e iguais, o direito de votar
e ser votado, podem ser medidas inócuas em sociedades marcadas por desigualdade de
condições materiais que não só permitem, mas também levam à existência de indivíduos
em situação de extrema privação de recursos.
A lotaria do nascimento pode colocar o indivíduo no mundo por meio de uma
família que, por recursos próprios e contra sua vontade, não consiga assegurar ao
indivíduo, desde os primeiros anos da infância, condições materiais básicas para ter
respeitada sua dignidade humana. Não é rara a possibilidade de esta mesma família ser
resultado de um ciclo que se iniciou da mesma forma, em uma verdadeira armadilha de
pobreza.
Não é escopo deste estudo específico analisar a complexa e intrincada rede de
fatores que produz e reproduz a pobreza extrema nas sociedades modernas1, mas sim o
seu impacto na livre formação e realização da vontade do indivíduo, afetando sua
autonomia em seus aspectos privado e público.
Nesta esteira, é colocado à discussão o papel da garantia do mínimo social aos
indivíduos pelo Estado como forma de prover as necessidades básicas do cidadão,
assegurando positivamente as condições de dignidade humana e deixando a formação da
vontade afastada das amarras da privação material.
A análise de tal temática não possui respaldo apenas no campo acadêmico e
teórico. A falta de suporte da democracia por aquele que deveria ser sua fonte de
legitimidade, a saber, o cidadão, pode colocar em risco mesmo suas características
formais.

1
Interessante estudo sobre este tema encontra-se em BANERJEE, A. V. & DUFLO, E. (2012) “Poor
economics – A radical rethinking of the way to fight global poverty”, New York: Public Affairs.

[152]
A título de exemplificação, não apenas por ser o berço do autor deste estudo, mas
por se tratar de região em que Estados ditos democráticos são marcados por situação
socioeconômica na qual a escassez de recursos atinge significativo número da população,
considerem-se alguns números da América Latina.
Conforme dados do Informe 2016 da Corporación Latinobarómetro, apenas 54%
da população latino-americana consideram a democracia como um regime preferível a
qualquer outro. Quando analisados os números específicos do Brasil, este número cai para
32%2.
Ainda segundo o mesmo Informe, 25% da população da América Latina afirma
que, permanentemente ou alguma vez, esteve privada de comida suficiente.3 Ademais,
47% dos latino-americanos afirmam não se importar se o governo fosse não democrático,
mas resolvesse os problemas econômicos. No Brasil, tal número de indiferença sobe para
55% da população.4

1. Participação popular e aprofundamento da democracia

Ao se propor a realizar qualquer análise relacionada a democracia, faz-se


fundamental tecer algumas considerações quanto ao significado atemporal mínimo
abarcado por tal termo.
Embora essa abordagem seja sistematicamente ignorada até mesmo pelos
discursos parlamentares, é inegável que ela se apresenta como essencial para a
legitimidade de um regime pretensamente democrático.
Para tanto, um bom ponto de partida está na ideia concebida a partir das origens
etimológicas do termo. A união do demos ao kratos sugere a identificação, em uma só
figura semântica, de povo e governo, sendo que no detalhamento desta ligação são
identificados diversos modelos históricos e teóricos.
Friedrich Müller vai além, e analisa com peculiar senso crítico a utilização do
vocábulo povo na sustentação da democracia. Identifica três esferas funcionais que, por
meio de correlação mútua na busca pela coincidência real entre povo e população,

2
CORPORACIÓN LATINOBARÓMETRO. (2016) “Informe Latinobarómetro 2016”. Buenos Aires,
Disponível em: <www.latinobarometro.org>. Acesso em: 28 de abr. 2017, p.11.
3
Ibidem, p.71.
4
Ibidem, p.21.

[153]
contrapõem-se à utilização de “povo” como ícone.5 Seriam tais esferas o “povo” ativo, o
“povo” como instância global de atribuição da legitimidade e o “povo” como destinatário
de prestações civilizatórias do Estado.
No âmbito desta discussão, há sempre que se considerar a compreensão do kratos,
a qual implica a exigência de o demos não se apresentar como mero sujeito do poder
decisório, mas que sua vontade seja levada a sério como fator determinante em última
instância.6
Além disso, deve-se ter em mente que a democracia não apresenta fim em si
própria, uma vez que o elo povo-governo atua como meio de afirmação do povo, ao qual
torna possível garantir seus direitos fundamentais historicamente conquistados.
Em que pese a importância do rompimento com o modelo absolutista medieval, o
Estado moderno trouxe, já no século XVIII, uma considerável contradição em seu seio.
A burguesia, ao traçar os princípios filosóficos de sua revolta estendeu-os apenas
formalmente como aspectos inerentes a todos os homens.
A extensa base territorial, a alta densidade demográfica, a complexa organização
social e a emergência de um forte princípio unificador do Estado-nação, constituíram
dificuldades práticas perante as quais sucumbia a possibilidade de exercício das
longínquas práticas da democracia grega, que extraía a vontade do Estado-cidade
diretamente do povo.7
Prontas estavam as bases materiais sobre as quais se lançaram as teorias
democráticas do liberalismo, marcadas pelo seu caráter restritivo que reduzia a
democracia a um sistema político representativo, por vezes ocultando uma forma de
domínio social.
Todavia, as mudanças operadas no cerne da concepção estatal nos séculos XIX e
XX atuaram no sentido de atribuir eficácia ao princípio democrático, por meio da
participação popular na organização do Estado, na formação e na atuação do governo,
com o fito de garantir não só a liberdade, como também a igualdade dos indivíduos.8
A já constatada impossibilidade da democracia direta, aliada às falhas do sistema
representativo em aferir a vontade popular, levou ao surgimento de um regime político

5
MÜLLER, F. (1998) “Quem é o povo? a questão fundamental da democracia”, São Paulo: Max Limonad.
p.111.
6
MÜLLER, F. (1998) “Quem é o povo? a questão fundamental da democracia”, São Paulo: Max
Limonad, p.111.
7
BONAVIDES, P. (2000) “Ciência política”, São Paulo: Malheiros, pp.272-273.
8
DALLARI, D. A. (1998) “Elementos de teoria geral do Estado”, São Paulo: Saraiva, p.151.

[154]
intermediário: a democracia semidireta ou participativa. Com a justaposição de
instrumentos da democracia direta à representação, o povo saiu da dita participação
política, muitas vezes nominal, para a participação jurídica no governo estatal.9
Os princípios da democracia participativa reacenderam a discussão em torno da
democratização, ou aprofundamento democrático, da sociedade, estendendo a
importância da vontade livre e igual do cidadão à formação da vontade de diversas
instituições que estão relacionadas a sua vida.
Todavia, mesmo em uma sociedade na qual a estrutura formal da democracia
participativa seja consolidada, assegurando aos seus membros o direito de interferir na
vontade das instituições, a concreta autonomia do cidadão se apresenta como elemento
essencial para diferenciar uma real democracia de um autoritarismo social
instrumentalizado por formalidades democráticas.

2. As condições materiais como limitadoras da autonomia do cidadão

Mais uma vez recorrendo-se à etimologia grega para busca do significado básico
do termo, temos que a autonomia, pela junção da própria pessoa (auto) à lei (nomos),
corresponde à capacidade de ditar para si as normas de sua conduta, ou seja,
autodeterminar-se.
É comum encontrar na doutrina a divisão entre autonomia privada, equivalente à
capacidade de autodeterminação da pessoa, e autonomia pública, ligada ao poder do
cidadão de participar das tomadas de decisão da comunidade política na qual esteja
inserido, identificando-se assim com os caminhos tomados pelas instituições.
É valiosa a concepção de Santiago Nino, ao formular como princípio da
autonomia a livre eleição individual de planos de vida e persecução de ideais de
excelência humanos, não cabendo ao Estado ou aos demais indivíduos interferir em tal
escolha, mas apenas desenhar instituições que facilitem a busca de sua concretização,
afastando a interferência mútua.10

9
BONAVIDES, P. (2000) “Ciência política”, São Paulo: Malheiros, p.275.
10
NINO, C. S. (1989) “Ética y derechos humanos”, Buenos Aires: Editorial Astrea, pp. 204-205. John
Rawls, em raciocínio pautado nas instituições básicas de uma sociedade, defende que “uma sociedade bem
ordenada afirma a autonomia das pessoas e encoraja a objetividade dos seus juízos ponderados sobre a
justiça” (p. 394), sendo que “os membros de uma sociedade bem ordenada, quando avaliam os seus projetos
de vida através dos princípios da escolha racional, decidirão manter o seu sentido de justiça como forma de

[155]
Em uma sociedade na qual a dignidade da pessoa humana figure como um valor
central, não parece plausível afirmar que há alguma hierarquia entre a autonomia privada
e a autonomia pública. Ademais, embora a autonomia pública seja diretamente associada
à ideia de democracia, não se pode olvidar a importância da autonomia privada para
participação democrática.
A autonomia privada trata-se de uma verdadeira liberdade positiva, capacidade
real de escolha, não se restringindo à ausência de obstáculos à conduta.11 Tal capacidade
está diretamente relacionada à existência de condições sociais, econômicas e culturais
que permitam ao indivíduo construir e expressar sua personalidade dentro do contexto
histórico no qual está inserido.
O cidadão concreto que, por diversas contingências, não seja capaz de formar
livremente a própria vontade, dificilmente estará apto a transpor sua real vontade ao
âmbito das instituições das quais participe. O homem econômico do Estado moderno não
é mais aquele totalmente dedicado à política como o antigo e restrito cidadão grego,
necessitando, antes de tudo, garantir o seu sustento em uma sociedade capitalista que
possui a desigualdade de bens como um de seus pilares.
Pode-se afirmar que a autonomia privada e a autonomia pública encontram-se
entrelaçadas de forma indissociável em uma sociedade democrática. A livre formação da
vontade do indivíduo é premissa para que sua real vontade se expresse como componente
do processo de deliberações que conduzem as instituições nas quais está inserido,
notadamente o Estado.
Em sentido que completa o círculo do raciocínio, assegurar que a vontade das
instituições seja fruto da participação democrática é a melhor forma de orientar as
atividades do Estado e das demais instituições para medidas, negativas e positivas, que
construam um ambiente isento de constrições à vontade individual. Em outros termos,
não se pode garantir as bases da democracia em um laboratório não democrático.
Isto posto, é preciso refletir se uma sociedade que conviva com a existência de
indivíduos que, alheios à sua vontade, enfrentam problemas crônicos de alimentação,
habitação, saúde, acesso à justiça, dentre outros, pode ser considerada uma sociedade de
indivíduos autônomos.

regular a sua conduta uns face aos outros” (p.389). RAWLS, J. (1993) “Uma Teoria da Justiça”, Lisboa:
Editorial Presença.
11
SARMENTO, D. (2016). “Dignidade da Pessoa Humana – Conteúdo, trajetórias e metodologia”, Belo
Horizonte: Editora Fórum, p.142

[156]
Indo além, uma tal sociedade, ainda que assegure constitucionalmente o direito ao
voto igualitário a cada indivíduo na escolha dos representantes e a participação nas
principais decisões de todas suas instituições, deixa dúvidas sobre seu caráter
democrático.

3. Mínimo social como requisito para efetividade da democracia

Ao se analisar o papel do Estado na garantia de condições materiais básicas que


permitam aos cidadãos viver de forma condigna, surge a discussão em torno do dever de
se assegurar a todos o mínimo social. Embora haja divergência em torno dos
fundamentos, do conteúdo, e mesmo da nomenclatura deste mínimo, a sua defesa está
inserida no ideário de diversos autores da filosofia política e jurídica.
A começar pela nomenclatura, esta ideia está presente na literatura especializada
sob denominações como mínimo social, mínimo existencial, mínimo vital, dentre outras.
Para fins deste estudo, adota-se a nomenclatura de mínimo social por se entender que esta
melhor expressa a ideia de mínimo necessário para garantir não apenas a existência
fisiológica do indivíduo, mas também a sua inserção social na condição de agente
autônomo, e não mero objeto.
O conteúdo do mínimo social está diretamente ligado à ideia de dignidade da
pessoa humana.12 Assim, pode ser caracterizado como o atendimento às necessidades
básicas necessárias à vida digna ou, em outros termos, como o respeito ao mínimo de
cada direito fundamental necessário a uma vida social que permita ao indivíduo
desenvolver e realizar sua personalidade de acordo com a dignidade humana.
Não se pode ignorar que o parâmetro de dignidade da pessoa humana é variável
de acordo com aspectos históricos, sociais, econômicos e culturais. As condições
necessárias para um indivíduo ter uma vida considerada digna variam, por exemplo, não
apenas entre um cidadão que atualmente viva na Noruega e outro que resida no Brasil,
mas também entre os cidadãos que vivam em um mesmo país em diferentes períodos
históricos.

12
Nesse sentido, dentre outros, SARMENTO, D. (2016). “Dignidade da Pessoa Humana – Conteúdo,
trajetórias e metodologia”, Belo Horizonte: Editora Fórum, p.239. NOVAIS, J. R. (2017) “Direitos Sociais
– Teoria Jurídica dos Direitos Sociais enquanto Direitos Fundamentais”, Lisboa: AAFDL Editora, p.230.

[157]
Por via de consequência, o mínimo social possui seu conteúdo variável de acordo
com os mesmos fatores que afetam a concepção temporal da dignidade da pessoa humana.
Assim, por mais que seja óbvio que as necessidades básicas de um indivíduo englobem
alimentação, saúde, moradia, acesso à justiça, saneamento básico, dentre outros, o
patamar das necessidades de cada um destes aspectos que pode ser considerado como
básico varia de acordo com o contexto no qual a pessoa esteja inserida.
Frise-se também a importância da educação como componente do mínimo social,
haja vista que de pouco adianta o acesso a determinados bens materiais se o indivíduo
não possuir a formação necessária para se posicionar de forma emancipadora no ambiente
em que participa.
É comum a referência internacional ao conteúdo abstrato do mínimo social como
identificado com o previsto na primeira parte do artigo 25.º da Declaração Universal dos
Direitos Humanos (DUDH), de 1948, segundo o qual:

Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua
família a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao
alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e
tem direito à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice
ou noutros casos de perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes
da sua vontade.

Todavia, esta delimitação de conteúdo pode ser insuficiente em determinados


cenários concretos. Como se nota da transcrição do artigo 25.º da DUDH, seu foco está
nos ditos direitos sociais, não abarcando direitos ordinariamente classificados como de
liberdade. Em determinadas situações, podem ser necessárias medidas prestacionais para
assegurar garantias básicas no que diz respeito a, por exemplo, acesso à justiça e ao
tratamento não degradante a reclusos no sistema penitenciário. Isto leva à já referida
defesa do mínimo social como conteúdo mínimo de direitos fundamentais como um todo,
e não apenas de direitos sociais.13
Ao se analisar os principais argumentos filosóficos para a garantia estatal às
condições materiais básicas, podem eles ser agrupados em dois conjuntos, na medida em

13
É digno de referência o pensamento de Jorge Reis Novais, que defende não haver, em ordenamentos
constitucionais como os atualmente vigentes em Portugal e Brasil, argumentos dogmáticos suficientes para
diferenciação entre direitos sociais e direitos de liberdade, devendo todos os direitos fundamentais ter o
mesmo tratamento. NOVAIS, J. R. (2017) “Direitos Sociais – Teoria Jurídica dos Direitos Sociais enquanto
Direitos Fundamentais”, Lisboa: AAFDL Editora, pp.299 e ss.

[158]
que entendam o mínimo social como um meio para se assegurar outro objetivo,
fundamento instrumental, ou como um fim em si mesmo, fundamento independente.14
Dentre os defensores do fundamento instrumental do mínimo social, merece
destaque o pensamento de John Rawls. Em sua teoria da justiça, Rawls estabelece aqueles
que seriam os dois princípios da justiça aplicáveis às instituições de uma sociedade bem
ordenada. O primeiro princípio, lexicalmente precedente ao segundo e conhecido como o
da máxima liberdade igual, estabelece que cada pessoa deve ter direito igual ao mais
amplo sistema de liberdades básicas iguais, compatível com um semelhante sistema de
liberdade para todos. Já o segundo princípio, subdividido em duas partes, estabelece que
as desigualdades econômicas e sociais devem ser distribuídas de forma que,
simultaneamente, resultem nos maiores benefícios possíveis aos menos favorecidos
(princípio da diferença) e sejam consequência do exercício de cargos e funções abertos a
todos em condições de igualdade equitativa de oportunidades (princípio da igualdade de
oportunidades). Dentro do segundo princípio, o da igualdade de oportunidades teria
prioridade lexical sobre o da diferença.15
Embora na primeira formulação de sua teoria Rawls tenha deixado o mínimo
social como elemento da fase legislativa, ligada ao princípio da diferença, 16 em sua obra
posterior, O Liberalismo Político, afirma que o primeiro princípio de justiça, o da máxima
liberdade igual, pode ser lexicalmente precedido de um princípio que assegure a
satisfação do mínimo social, ou seja, das necessidades básicas dos cidadãos, ao menos à
medida que seja necessária para que os cidadãos sejam capazes de entender e exercer de
forma fecunda esses direitos e liberdades.17 Nesta construção, Rawls considera o mínimo
social não mais deixado ao plano legislativo, como ocorre com o princípio da diferença e

14
SARMENTO, D. (2016). “Dignidade da Pessoa Humana – Conteúdo, trajetórias e metodologia”, Belo
Horizonte: Editora Fórum, p.195.
15
RAWLS, J. (1993) “Uma Teoria da Justiça”, Lisboa: Editorial Presença, p. 239.
16
RAWLS, J. (1993) “Uma Teoria da Justiça”, Lisboa: Editorial Presença, p. 222. Esta concepção inicial
de Rawls fora bastante criticada por Jeremy Waldron, segundo o qual o mínimo social deveria ser um
princípio de justiça por estar relacionado à ideia de exigência de comprometimento do indivíduo com as
instituições básicas. Nesta linha de raciocínio, relegar a definição do mínimo social integralmente ao
princípio da diferença, no plano legislativo, seria equivalente a não diferenciar a privação relativa da
privação absoluta de condições materiais. WALDRON, J. (1993) “John Rawls and the Social Minimum”,
in WALDRON, J. “Liberal Rights”, Cambridge: Cambridge University Press, pp.250–270.
17
RAWLS, J. (2000) “O Liberalismo Político”, São Paulo: Editora Ática, pp.49-50. Em sentido semelhante,
e expressamente respondido, com algumas ressalvas, por Rawls, é a elaboração apresentada por Rodney
Peffer, propondo reestruturar os princípios da justiça em quatro princípios, sendo o primeiro o que visa
assegurar o mínimo social. PEFFER, R. G. (1990) “Marxism, Morality, and Social Justice”, Princeton:
Princeton University Press, p.418.

[159]
o princípio da igualdade de oportunidades, mas sim como um fundamento
constitucional.18
Assim, Rawls considera o mínimo social como um instrumento necessário à
realização das liberdades básicas e iguais. Uma vez que a participação política é garantida
por liberdades básicas, o regime democrático é diretamente afetado pela garantia, ou não,
do mínimo social aos cidadãos.
Já dentre os autores que relacionam o mínimo social diretamente à ideia de
democracia, merece destaque o pensamento de Jürgen Habermas, que atribui a
legitimidade do Direito à identificação dos cidadãos como não apenas destinatários, mas
também coautores das normas. Tal autor desenvolve, a partir do poder comunicativo, a
ideia de democracia deliberativa, que tem por base o diálogo social entre pessoas livres e
iguais. Segundo tal pensamento há, em abstrato, cinco categorias de direitos fundamentais
que determinam o status das pessoas de direito, quais sejam, (1) os que resultam da
configuração politicamente autônoma do direito à maior medida possível de iguais
liberdades subjetivas de ação, (2) os que resultam da configuração politicamente
autônoma do status de um membro em associação voluntária de parceiros do direito, (3)
os que resultam imediatamente da possibilidade de postulação judicial de direitos e da
configuração politicamente autônoma da proteção jurídica individual, (4) os referentes à
participação, em igualdade de chances, em processos de formação de opinião e de
vontade, nos quais civis exercitam a sua autonomia pública e por meio dos quais eles
criam direito legítimo, e (5) os que asseguram as condições de vida garantidas social,
técnica e ecologicamente, na medida em que isso for necessário ao aproveitamento, em
chances iguais, dos direitos elencados de (1) a (4).19
Assim, o papel do mínimo social em Habermas verifica-se como um instrumento
necessário a assegurar os demais direitos fundamentais que conferem legitimidade ao
Direito e permitem o funcionamento da democracia deliberativa.
De outra feita, há os autores que, mesmo sem negar a relevância do mínimo social
para a efetivação dos direitos de liberdade e da democracia, identificam o fundamento da
garantia das necessidades básicas do indivíduo em si mesma, de forma independente e
não relativa. Para esta fundamentação, é levantado o forte argumento de que, o mínimo
social, como elemento da dignidade da pessoa humana, deve ser garantido também

18
RAWLS, J. (2000) “O Liberalismo Político”, São Paulo: Editora Ática, p.279.
19
HABERMAS, J. (1997) “Direito e democracia: entre facticidade e validade”, v.1, Rio de Janeiro: Tempo
Brasileiro, pp.159-160.

[160]
àqueles indivíduos vulneráveis que, por diversas contingências intrínsecas não sejam
capazes de exercer sua autonomia privada ou pública (ex. pessoas com limitações
cognitivas).20
Em suma, nenhuma das principais linhas de fundamentação filosófica do mínimo
social questionam a relevância dele para se assegurar a autonomia do indivíduo e, por
consequência, garantir a efetividade da democracia.
Uma sociedade democrática não se legitima se o indivíduo não tiver asseguradas
as condições para se autodeterminar na esfera privada, participar de forma ativa, livre e
igual, na esfera pública e, assim, identificar a sua vontade como elemento de formação da
vontade estatal que, por sua vez, reverterá ao próprio cidadão por meio de políticas
públicas.

Considerações Finais

A relação entre mínimo social, autonomia (privada e pública) e democracia é


extremamente imbrincada. Em termos simples e objetivos, o indivíduo privado do
conjunto de parcelas mínimas de direitos fundamentais necessário à dignidade humana é
incapaz de autodeterminar-se. Não se pode supor, por exemplo, que um cidadão faminto,
analfabeto, sem moradia ou com diversas sequelas de doenças, tenha liberdade para
formar e implementar seu plano de vida.
Da mesma forma, este indivíduo que sequer é capaz de exercer sua autonomia
privada não consegue se lançar ao jogo democrático em igualdade de condições com os
demais cidadãos que, por diversos fatores, incluindo por vezes a sorte de ter nascido em
uma família abastada, possuam suas necessidades básicas plenamente atendidas.
O reflexo desta desigualdade de condições de participação não será outro senão a
desigualdade do peso da vontade dos indivíduos, formalmente livres e iguais, na formação
da vontade das instituições sociais e políticas, das quais o Estado é o mais visível
expoente.
Ao não identificar as medidas deliberadas e executadas pelo Estado com suas reais
necessidades, os indivíduos não se apresentarão em condições de defender as instituições
democráticas, fechando-se assim o círculo que abala a coesão social e leva ao descrédito

SARMENTO, D. (2016). “Dignidade da Pessoa Humana – Conteúdo, trajetórias e metodologia”, Belo


20

Horizonte: Editora Fórum, p.208.

[161]
da democracia, reduzida a um conjunto de regras para dar aparência democrática a um
ilegítimo autoritarismo social.

Referências Bibliográficas

BANERJEE, A. V. & DUFLO, E. (2012) “Poor economics – A radical rethinking of the


way to fight global poverty”, New York: Public Affairs.

BARCELLOS, A. P. (2011) “A eficácia jurídica dos princípios constitucionais: o


princípio da dignidade da pessoa humana”, Rio de Janeiro: Renovar.

BOBBIT, P. & CALABRESI, G. (1978) “Tragic Choices – The conflicts society


confronts in the allocation of tragically scarce resources”, New York: Norton.

BONAVIDES, P. (2000) “Ciência política”, São Paulo: Malheiros.

CORPORACIÓN LATINOBARÓMETRO. (2016) “Informe Latinobarómetro 2016”.


Buenos Aires, Disponível em: <www.latinobarometro.org>. Acesso em: 28 de abr. 2017.

DALLARI, D. A. (1998) “Elementos de teoria geral do Estado”, São Paulo: Saraiva.

DWORKIN, R. (1984) “Rights as trumps” In: WALDRON, J. (org.) Theories of Rights.


Oxford: Oxford University, pp.153-167.

HABERMAS, J. (1997) “Direito e democracia: entre facticidade e validade”, v.1, Rio de


Janeiro: Tempo Brasileiro, pp.159-160.

KRELL, A. J. (2002) “Direitos sociais e controle judicial no Brasil e na Alemanha: os


(des)caminhos de um direito constitucional comparado”. Porto Alegre: S.A. Fabris.

MÜLLER, F. (1998) “Quem é o povo? a questão fundamental da democracia”, São Paulo:


Max Limonad.

NINO, C. S. (1989) “Ética y derechos humanos”. Buenos Aires: Editorial Astrea.

[162]
NOVAIS, J. R. (2017) “Direitos Sociais – Teoria Jurídica dos Direitos Sociais enquanto
Direitos Fundamentais”, Lisboa: AAFDL Editora.

PEFFER, R. G. (1990) “Marxism, Morality, and Social Justice”, Princeton: Princeton


University Press.

POGGE, T. (2007) “Severe Poverty as a Human Rights Violation”. In: POGGE, T. (org.).
Freedom from Poverty as a Human Right: Who owes what to the very poor?, Oxford:
Oxford University Press, pp.11-53.

RAWLS, J. (2003) “Justiça Como Equidade: uma reformulação”, São Paulo: Martins
Fontes.

RAWLS, J. (2000) “O Liberalismo Político”, São Paulo: Editora Ática.

RAWLS, J. (1993). “Uma Teoria da Justiça”, Lisboa: Editorial Presença.

SARMENTO, D. (2016). “Dignidade da Pessoa Humana – Conteúdo, trajetórias e


metodologia”, Belo Horizonte: Editora Fórum.

SILVA, V. A. (2017) “Direitos Fundamentais – conteúdo essencial, restrições e eficácia”,


São Paulo: Malheiros Editores.

SUNSTEIN, C. (1999) “The Cost of Rights – why liberty depends on taxes”, New York:
Norton.

TORRES, R. L. (2009) “O direito ao mínimo existencial”, Rio de Janeiro: Renovar.

VAN PARIJS, P. (1991) “Why surfers should be fed: the liberal case for an unconditional
basic income”. In: “Philosophy & Public Affairs”, Vol. 20, No. 2 (Spring). New Jersey:
Wiley, pp.101-131.

WHITE, Stuart. (2015) “Social Minimum”, In: The Stanford Encyclopedia of


Philosophy (Winter Edition), Edward N. Zalta (ed.), Disponível em:
<https://plato.stanford.edu/archives/win2015/entries/social-minimum/>. Acesso em: 28
de abr. 2017.

WALDRON, J. (1993) “John Rawls and the Social Minimum”, in WALDRON, J.


“Liberal Rights”, Cambridge: Cambridge University Press, pp.250–270.

[163]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[164]
10. AS MENTALIDADES DOS INDIVÍDUOS PERANTE O FENÓMENO
DA GUERRA E O PAPEL QUE COMPORTAM NO PROCESSO
DE DECISÃO DEMOCRÁTICA

Ruben Filipe Lozada Frazão1

Ao contrário daquilo que muitos poderão pensar vivemos hoje num período
histórico que pode e deve ser considerado privilegiado em relação aos séculos anteriores.
Isto porque, com algumas excepções pontuais, as nações do Mundo Ocidental convivem
entre si através de relações bilaterais que proporcionam aos seus habitantes um clima de
paz, harmonia e tranquilidade. Esta situação presente, encarada agora como um dado
adquirido, nem sempre foi uma realidade efectiva na vivência dos povos e no panorama
político internacional. Já pesará a menção mas forçosamente há que voltar a repeti-lo: não
esqueçamos os tormentos e tumultos pelos quais o século XX teve que atravessar com a
vinda dessas duas grandes Guerras Mundiais; e, anteriormente a essas inquietações, as
escaramuças que se prolongavam durante décadas entre as principais potências da
Europa. Ou seja, quer isto dizer que nos períodos históricos anteriores à nossa era actual,
o mundo já fora amplamente marcado por momentos em que os conflictos armados entre
os povos, as comunidades e as nações eram costumeiros e regulares.
Devido à distância remota destes tempos é-nos quase impossível conjurar uma
imagem que sirva para ilustrar esta paisagem moribunda, todavia, não restam dúvidas, ela
foi uma realidade efectiva na vida das populações. O frágil balanço entre a Paz e a Guerra
das comunidades já era conhecido desde a Antiguidade dos gregos e dos romanos, sendo
que o desequilíbrio desta balança é ainda anterior ao período considerado berçário da
Civilização Ocidental. Mas, sendo realmente este o caso, de onde poderá provir este
desequilíbrio que parece irromper recorrentemente por entre as comunidades dos
homens? Haverá motivos para encarar este tipo de preocupações em relação a possíveis
cenários de guerras com relutância e cepticismo? E será que uma atitude de descrença e
apatia perante estas hipóteses estão de algum modo relacionadas com a falta de
perspectiva que os indivíduos possuem em relação aos eventos do passado?

1
Licenciado em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Publicou um artigo
intitulado, “Democracia: Discurso e Realidade” na 5º edição da Revista Apeiron. Publicou um poema e
uma fotografia na obra, “Filosofia e as Artes”.

[165]
Este artigo propõe-se a responder a estas e outras questões que surjam na senda
de uma pergunta mais geral e que será responsável pelo norteamento da mesma: “Como
explicar as mentalidades actuais das populações em relação aos estados de Paz e Guerra
entre as nações e qual o papel que os indivíduos encetam no processo de decisão
democrática na eventualidade de um conflicto armado”.
Para que se responda satisfatoriamente a estas questões primeiro será necessário
repensar o fenómeno da Guerra em si e as impressões que foram deixadas nas
consciências dos indivíduos ao longo das eras. Só desta forma poderemos entender as
mentalidades actuais das populações e as alterações que foram surgindo ao longo dos
tempos até se chegar à época presente. Em função do tema que se estuda é expectável
encontrar uma disparidade de opiniões em relação aos fenómenos de Guerra e à
ocorrência generalizada de conflictos armados, contudo, existem pelo menos três tipos de
posições que ao longo da história marcaram o pensamento filosófico em volta deste tema.
Estas posições estão normalmente associadas às ideias que exponho de seguida: que todos
os actos de guerra são permitidos; que nem todos os actos de guerra deviam ser
permitidos; e, por fim, que nenhum acto de guerra deveria ser permitido. Ora, estas três
ideias corresponderão precisamente às mentalidades que os indivíduos comportaram ao
longo dos séculos e podem inclusivamente ajudar à circunscrição dos períodos históricos
onde se verificou uma maior afluência a estes ideários por parte das gentes. Postulo então
que à primeira etapa que a Humanidade atravessou enquadra-se a ideia de que todo o acto
de Guerra é permitido. A este período histórico corresponderá a Antiguidade e, de um
modo mais geral, todas as eras que lhe antecederam.
Os conflictos armados, apesar de nesta altura já serem considerados como algo de
nefasto e destabilizador por si, não eram encarados com o mesmo tipo de preocupações
que hoje acabamos por dar ao tema. Isto porque, não obstante as preocupações de carácter
filosófico em relação à Guerra e aos problemas advindos da má governabilidade e
instabilidade política2, não havia ainda nesse período uma teoria de base que colocasse os
direitos e a dignidade dos indivíduos em primeiro plano. Tal noção era, aliás,
incompatível com o período em causa. A Antiguidade Grega é uma época extremamente
marcada pelos privilégios e estes estavam maioritariamente associados àqueles que
detinham o estatuto de cidadão nas Pólis gregas. Neste tempo, apesar de ser possível

2
Um exemplo da análise destes temas poderá ser encontrado nos vários livros que compõem a da famosa
obra de Platão, A República.

[166]
ingressar circunstancialmente na cidadania da Cidade-Estado, por norma, o estatuto de
cidadão era um atributo político que estava dependente do birthright3, e só poderia ser
entregue mediante o cumprimento de um conjunto de requisitos4. Por consequência, nem
todos os habitantes das Cidades-Estado tinham o estatuto de cidadão assegurado e
garantido, mesmo que residissem no interior das suas fronteiras.
A condição de Igualdade que unia os cidadãos da Pólis não era um valor que podia
ser extrapolado de uma compreensão racional daquilo que significa ser uma pessoa - ou
seja, um ser dotado de individualidade, de livre-arbítrio, de poder de acção e de decisão
sobre si próprio. Ao invés disso, a Igualdade era encarada uma condição artificial inerente
à própria constituição de um estado político, sendo que este último também era encarado
como produto artificial, criado pelos homens e com o único objectivo de levar a cabo a
sua própria governação. Quer isto dizer que, apesar dos cidadãos ostentarem um estatuto
de Igualdade, este não era proveniente da própria condição natural de homens, mas sim,
da instituição política artificial criada em prol deles e que os reunia num espaço público
de governabilidade. A característica deste estado político que se alinha com este tipo de
raciocínio - que não vê cada homem como seu igual mas sim, onde cada homem é desigual
entre outros - dá-se pelo nome de Isonomia.

Hence, equality, which we, following Tocqueville's insights, frequently see as a


danger to freedom, was originally almost identical with it. But this equality within the
range of the law, which the word isonomy suggested, was not equality of condition -
though this equality, to an extent, was the condition for all political activity in the
ancient world, where the political realm itself was open only to those who owned
property and slaves - but the equality of those who form a body of peers. Isonomy
guaranteed equality, but not because all men were born or created equal, but, on the
contrary, because men were by nature not equal, and needed an artificial institution,
the polis, which by virtue of its isonomy would make them equal. Equality existed
only in this specifically political realm, where men met one another as citizens and
not as private persons. The difference between this ancient concept of equality and
our notion that men are born or created equal and become unequal by virtue of social
and political, that is man-made, institutions can hardly be over-emphasized. The
equality of the Greek polis, its isonomy, was an attribute of the polis and not of men,
who received their equality by virtue of citizenship, not by virtue of birth. Neither
equality nor freedom was understood as a quality inherent in human nature, they were
both not φύσε, given by nature and growing out by themselves; they were νόμφ, that

3
Traduzindo para Português, o termo mais feliz seria o “direito de berço” .
4
Aristóteles, 1996, The Constitution of Athens, 1274b32-1275b20

[167]
is, conventional and artificial, the products of human effort and qualities of the man-
made world.” (Arendt, Hannah, 1990, pp.30-31)

Por isso, na Antiguidade, havia uma clara distinção entre aqueles que eram
considerados os Cidadãos da Pólis e todos aqueles que pertenciam aos diferentes
“estamentos” e/ou “castas” da sociedade. Refiro-me, portanto, aos estrangeiros, às
mulheres e aos escravos. Neste período histórico, onde a Democracia dava os seus
primeiros passos como conceito e como produto de uma experiência política, o que era
mais aterrador na experiência da Guerra para um cidadão da Pólis era perder o seu estatuto
de Homem Livre. Vive-se uma época em que a “morte era preferível à escravatura”5.
Isto significa que os Homens Livres eram incentivados a lutar até à réstia das suas forças.
O que coincide com as posturas encetadas pelos heróis da literatura clássica, onde as
ideias e influências do heroísmo estão bastante difusas, devido em grande parte às
epopeias de Hesíodo e de Homero. A propósito, e voltando brevemente à questão da
cidadania nas Cidade-Estado, restará apenas referir que um dos requisitos para a admissão
era, precisamente, a capacidade de se poder armar autonomamente na eventualidade de
um cenário de Guerra. Por consequente, era esperado que um cidadão pudesse sair para
o combate em defesa da sua Pólis . É assim que podemos entender uma parte da cultura
e da mentalidade helenística. As disposições políticas deste tempo são gritantes com outro
tipo de prioridades que hoje já não recebem o mesmo tipo de foco ou onde, porventura, o
foco ter-se-á virado numa posição diametralmente oposta.
Quanto a este período histórico faltará referir, mesmo que por breves instantes, o
advento e a subsequente queda do Império Romano. Herdando dos gregos grande parte
do seu património artístico e intelectual, os romanos debateram-se por criar uma cultura
que pudesse rivalizar com as aquisições do mundo helenístico. Contudo, não foi apenas
nesse aspecto que os romanos empreenderam os seus esforços. As suas políticas de
expansão e de conquista são bem conhecidas e uma empresa expansionista dessa
magnitude necessitou de uma “mão-de-obra” bastante numerosa. As legiões romanas
subjugaram quase sem impedimentos todas as regiões por onde o império decidiu alastrar-
se. Confrontados com um mundo pragado pelo desejo de conquista e expansão militar,
onde os conflictos armados eram as únicas vias para determinar os vencidos dos
vencedores, o Império Romano, como tal, enfrentou vários momentos de instabilidade

5
Platão, 1972, A Republica, III, 386b -387b

[168]
interna e externa, até que por fim chegou a um ponto de implosão. Podendo-se abrir
também a hipótese que as sucessivas Guerras e conflictos não foram provenientes de uma
mentalidade de Guerra e de expansão territorial, restará apenas dizer que, na pior das
hipóteses, terá sido este o acto ou a acção dominante durante a vigência deste período.
No que diz respeito à segunda etapa que a Humanidade atravessou podemos
considerar este período como constituindo um ponto de viragem nas mentalidades dos
indivíduos. Surge, assim, a aderência e a defesa de um novo ideal: que nem todos os actos
de guerra deviam ser, por norma, permitidos. Esta ideia começou a ganhar as suas raízes
entre os períodos históricos onde se situam os inícios da Alta Idade-Média até aos inícios
da Idade Moderna. Aqui é pertinente referir o papel central que os intelectuais destas
épocas desempenharam para a construção de uma doutrina ético-moral que veio a beber
a sua inspiração ao pensamento judaico-cristão. Apesar de se encontrarem alguns ecos
destes pensamentos em tempos anteriores, as preocupações em relação à justificação dos
confrontos bélicos começaram a ganhar mais relevância quando os reinos da Peninsula
Ibérica, ou seja Portugal e Espanha, se encontravam já no período intermédio da Era dos
Descobrimentos. O êxito comprovado das missões marítimas por parte dos peninsulares
cativou o interesse das outras potências europeias (a Inglaterra, a França e a Holanda), e
despertou nelas o desejo de instaurar pela força a sua própria hegemonia política,
económica e cultural. Como tal, todas estas potências debatiam-se pela busca e captura
de novos territórios, sendo que o nosso país não era uma excepção a este tipo de
mentalidade. O reino de Portugal, que já começara nesta odisseia marítima muito antes
que os demais, não se limitava a singrar cegamente pelos mares adentro, buscando e
adquirindo aleatoriamente, as províncias e os portos que fossem surgindo durante o
percurso das suas travessias.
O reino também estava investido numa outra missão - a evangelização. Ou seja,
para além de procurar expandir a sua influência em territórios ainda não explorados pelos
demais, também se tinha em mente a expansão e a dilatação da fé cristã. Portugal,
conjuntamente com Espanha, foram os principais responsáveis pela propagação da
religião católica no Novo Mundo; e, os seus desembarques nestas terras longínquas
vieram a comprovar as suspeitas de muitos no Velho Continente: a existência de povos
nativos que eram alheios à mensagem de Cristo. Os nativos recém encontrados,
desconhecendo os idiomas falados pelos europeus e as tecnologias apresentadas pelos
mesmos, foram imediatamente classificados como povos indígenas, o que, para os
colonos, denotara já um claro abismo civilizacional. Na presença de novas terras,

[169]
ostentando uma abundância de recursos e especiarias locais, os colonos decidiram
avançar contra os nativos sob o pretexto de conquista e conversão religiosa, reclamando
as suas terras natais e subjugando-os à escravatura. Este frenesim bélico e expansionista
deixou um trilho de destruição e de desapropriação pelo Novo Mundo fora. Às sociedades
indígenas foi-lhes retirada a autonomia política, económica e cultural. Contudo, os actos
que aqui transpareciam não estavam isentos de críticas nem de contestações. No meio
destes conflictos armados, havia quem ponderasse se estas conquistas, sob os pretextos
da expansão e da dilatação da fé, serviam realmente os ensinamentos do Cristianismo.
Confrontando os ensinamentos de Cristo com os actos levados a cabo pelos
colonos, tanto as acções preconizadas pelos espanhóis como pelos portugueses
encaminhavam-se em direcções diametralmente opostas ao que fora os ensinamentos do
messias. Foi neste preciso momento que surgiu um dos maiores defensores do baluarte
da Paz, da tolerância e aceitação do Outro, que, coincidentemente, também foi um
português. Refiro-me a Padre António Vieira. Este humanista do século XVII defendeu,
entre outros filósofos do seu tempo, o direito à liberdade dos povos indígenas. António
Vieira foi um dos grandes precursores das ideias que hoje fazem parte dos princípios
basilares que ordenam as nossas sociedades modernas: a Igualdade entre os homens de
várias raças e etnias e a abolição da escravatura. Este pensamento de Vieira já antecipara
uma tendência que só surgiria séculos mais tarde com a introdução das Luzes. Em
conjunção com estes ideais de proa, Vieira também advogou a defesa do conceito de
Guerra Justa, sendo que esse é o maior ponto de interesse para o nosso estudo em questão.
O que a teoria da Guerra Justa vem a explicitar é que nem todos os conflictos armados
devem ser, por norma, permitidos. A justificação que foi empregue para sustentar esta
teoria reside nas directrizes do pensamento cristão que nos orienta para a realização de
uma vida de carácter ético e moral, dissuadindo-nos, portanto, de encetar comportamentos
desnecessariamente agressivos para com os outros.
Para a teoria da Guerra Justa ser aplicável é necessária a reunião de certos pré-
requisitos que validem e/ou justifiquem um cenário de confrontação. Estes pré-requisitos
são: estar perante um ataque iminente por parte de agressor injusto e/ou de agirmos em
função da defesa de inocentes. Só debaixo destas circunstâncias é que a Guerra é encarada
como justa e lícita. No decorrer do período colonial português nas Américas, o reino
serviu-se da teoria da Guerra Justa em certas ocasiões para subjugar os índios que
desestabilizavam as colónias e/ou os seus moradores, sendo cedida a licença legal para
“re-educar” os desordeiros. Nos casos em que as missões apostólicas dos padres eram

[170]
impedidas através da violência por parte dos nativos, aqui também se verificava um
pretexto para iniciar a Guerra Justa. O que não deve ser mal entendido é uma possível
licença sob o rationale da Guerra Justa para subjugar e impor ao pagão uma fé em Deus.
A teoria da Guerra Justa não subscreve a estes tipo de actos.

Em primeiro lugar, a recusa ou boicote à pregação crista dava direito à guerra justa.
A conversão era concebida como um processo essencialmente cognitivo, um ato de
instrugao que levaria o converso à integração por vontade própria na congregação de
fieis (congregatio fide Hum). A conversão forçada era, portanto, desprovida de
autêntico significado.290 No entanto, mesmo que não pudessem ser coagidos a crer,
ainda assim, os índios não poderiam impedir o anúncio da Palavra. Porém, a estreita
relação estabelecida pela mentalidade cristã entre Fé e determinados tipos de
comportamentos sociais e características culturais propiciava, sem dúvida, a
existência de argumentos que sustentavam a legitimidade da introdução forçada na
«civilização» como condição preliminar necessária para a conversão voluntária.
Mesmo que tal opinião (considerada herética segundo o magistério tridentino) fosse
defendida por diversos grupos, a guerra nunca chegou a ser legitimada sob o pretexto
da conversão.

Em segundo lugar, temos que a prática de hostilidades contra os moradores e índios


aliados e o rompimento das alianças celebradas davam aos portugueses o direito de
mover uma guerra justa contra os índios. Há aqui, portanto, a distinção entre os índios
mansos, pacificados, e os índios bárbaros, hostis, que continuamente atacavam as
vilas, os engenhos e os aldeamentos. Contra eles, a guerra era justa; seu princípio
derivava-se do direito de proteger os inocentes contra a tirania e os convertidos contra
as ameaças dos pagãos. «No arrazoado da época, aquele que não defendia o próximo,
tendo a chance de fazê-lo, incorria no mesmo delito do agressor.» Conforme a
explicação de Hansen: «Considerando que a paz do "bem-comum” define a finalidade
cristã alegada pela monarquia na colonização, a guerra contra os bárbaros é justa.»

Em terceiro, o impedimento da realização do comércio e o empecilho ao direito de


circulação, autorizavam a guerra justa. A associação e a comunicação eram direitos
da alçada do direito das gentes (Jus Gentium), e, por isso, derivados do direito natural.
O fundamento moral desse direito está na amizade que os homens devem estabelecer
entre si, de acordo com o que é preconizado nas Escrituras. Ao negarem-se a receber
os portugueses, os índios estavam indo contra a um direito fundamental, portanto, era
lícita a sua imposição. Por fim, os resgates de índios condenados à morte nos rituais
de antropofagia (chamados de índios de corda) eram tambem apontados como causa
de guerra justa, pois a antropofagia era contraria à lei natural. Em todos estes casos,

[171]
ainda assim, a guerra so era legitimada mediante a autorização do Rei ou agente
responsável, mormente o governador.” (Ludmila Gomides Freitas, 2014, 149-151)

Mas escusado será dizer que nem sempre a tradução que corre do plano das ideias
para o plano da acção sensível é feita sem alguma depuração, querendo isto dizer que,
provavelmente, os colonos terão forçado, em alguma ocasião, a justificação da Guerra
Justa para silenciar e “domesticar” os nativos. Não obstante, estes actos não
constrangiram Vieira na sua missão evangelizadora. Ao invés disso, reforçaram mais
ainda a sua postura humanista e alertaram-no para a necessidade de pregar aos colonos a
urgência de viver uma vida bem-aventurada e que se orientasse pelos os valores da
compaixão, da tolerância e do amor ao próximo.
Desta forma podemos entender os sermões de Vieira como servindo um papel
pedagógico que tinham como a sua finalidade o câmbio das mentalidades, não só dos
colonos portugueses, mas também dos europeus. O discurso de Vieira, apesar de não
parecer oferecer novidades nos dias que correm, deve, todavia, ser confrontado com as
mentalidades dominantes da época. Nesses tempos, em que as principais potências da
Europa apenas se interessavam em aumentar o seu poderio, o discurso do Pe. António
Vieira incomodou as várias sociedades que funcionavam à base do esclavagismo. Como
tal, ganhou bastante inimigos e os seus sermões chegaram a ser motivo de perseguição e
de enclausuramento. No nosso século, os seus sermões ainda trazem consigo uma carga
de pendor universalista e são aplicáveis transversalmente a toda a Humanidade.
Incorporam um conjunto de escritos que são hoje considerados uma referência a nível
mundial em prol da defesa dos Direitos das gentes. Graças a estas iniciativas por parte de
Vieira, como de todos aqueles que decidiram envedar pela mesma veia incendiária,
iniciou-se um momento na História que viria a moldar as consciências das gerações
futuras.
Apesar da mentalidade de Vieira e dos seus homólogos não ser ter sido a
dominante entre as elites europeias, ela começou um trabalho de consciencialização que
viria a ganhar terreno para uma aderência crescente no futuro, eclodindo mais tarde na
terceira etapa que a Humanidade conseguiu conquistar. Relativamente à terceira etapa
que a Humanidade conseguiu alcançar, esta veio a identificar-se maioritariamente com a
ideia de que os actos de Guerra não deveriam ser, de todo, permitidos. Os períodos
históricos que circunscrevem esta mentalidade estão entre os séculos XVIII da Idade
Moderna e o nosso século XXI da Idade Contemporânea. Para que esta mudança fosse

[172]
possível foi necessária a passagem de três séculos de história. Postulo que a razão por
detrás desta mudança na mentalidade dos indivíduos esteve associada à ocorrência de três
eventos-chave que se deram entre estes dois períodos, a saber, a Revolução Francesa, a
Segunda Guerra Mundial e a Guerra Fria. Na esteira dos humanistas do século XVII,
que capitanearam a defesa incondicional da Liberdade e dos direitos dos povos indígenas,
os revolucionários franceses levantaram-se em tom de revolta e de protesto contra os
privilégios do Antigo Regime vivido em França.
O seu objectivo era terminar com um regime político responsável pela divisão dos
indivíduos em Três Estados (Clero, Povo e Nobreza) e uniformizar os direitos e as leis
para que fossem aplicáveis igualmente por todos os cidadãos. Para alcançar estes
objectivos foi necessária a queda da Monarquia Absoluta em França. Apesar do
movimento revolucionário francês ter recebido várias influências, a que contribuiu mais
para a sua praxis foi a influência da doutrina iluminista. O Iluminismo contribuiu
decisivamente para o desenvolvimento do pensamento político e filosófico no século
XVIII e funcionou como a matriz intelectual da Revolução. As novas ideias políticas
sugeridas por esta matriz, e posteriormente implementadas através da Revolução
Francesa, estão hoje consagradas na nossa experiência política actual. Refiro-me a ideias
como por exemplo: a separação da Igreja e do Estado, a separação tripartida dos poderes
(Executivo, Legislativo e Judicial), a tolerância religiosa, a defesa da liberdade de
expressão, o direito universal à educação, o direito a constituir um governo, etc. Todavia,
aquele que terá sido o maior contributo que a Revolução Francesa deixou para a
posteridade foi a elaboração da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. A
grande novidade desta Declaração, que equivaleria, portanto, àquilo que hoje
consideramos a Constituição de um país, é que a sua esfera de influência não estava
limitada às fronteiras particulares da França.
Os conteúdos da Declaração estavam redigidos para ter um alcance universal e,
como tal, aplicáveis a todos os homens, independentemente do seu país de residência.
Quer isto dizer que entre os objectivos desta Declaração não estava apenas o de sarar os
males que a nação francesa padecia; foi também o de dar a oportunidade para que outros
homens da época se pudessem unir num ambiente de comunhão pública e, em conjunto
com os seus semelhantes, instaurar e usufruir de um governo democrático, eleito e
formado pelos próprios cidadãos. Qualquer República que aderisse à Declaração dos
Direitos do Homem e do Cidadão, estaria, por extensão, a participar do lema da
Revolução Francesa: Igualdade, Fraternidade e a Solidariedade. Mas, apesar disso, nem

[173]
todas estas pretensões correram conforme planeado. A História já o comprovou vezes
sem conta: até os movimentos mais bem intencionados podem, por vezes, ficar envoltos
nas contradições que surgem no decorrer da sua própria experiência; e a Revolução
Francesa não foi alheia a este mal. Esta revolução, que preconizou a defesa dos direitos
dos homens por entender, justamente, a preciosidade da vida humana e as condições
necessária para a efectivação da sua Liberdade, viu os seus valores a serem
constantemente assassinados. A Revolução tornara- se de tal modo extrema que até os
principais apoiantes e cabecilhas do movimento original foram eliminados pelas
multidões facciosas, não se deixando controlar já pelos ditames da Assembleia Geral
francesa.
Quiçá, o mais irónico desta era das revoluções foi o facto de que os conteúdos da
Declaração, aclamados pela sua racionalidade e pela perfeição na concepção geométrica,
não se alastraram para os demais países da periferia; ou, pelo menos, não da maneira
intensionada pelos revolucionários franceses. A aparente anarquia vivida em França deu
lugar para que outros homens tentassem subir ao poder na tentativa de apaziguar as
multidões em fúria. Foi neste preciso momento que Napoleão ascendeu, tornando-se, num
tempo mais tarde, no imperador, governante de uma Europa com uma clara influência
francesa. Ao mesmo tempo que as conquistas napoleónicas iam prosseguindo pelo
continente adentro, houve também uma necessidade premente para iniciar uma reforma
aos estatutos legais franceses. Dada a emergência e as circunstâncias políticas do
momento, as heranças da Declaração foram compiladas em algumas partes para dar
origem a um novo documento legal e vinculativo da nação, o Código Napoliónico. Uma
vez que o Código Napoliónico entrou em vigor, qualquer país que se viu ocupada por
Napoleão sofreu também a aplicação deste Código. Foi dessa forma, portanto, que uma
Monarquia imperialista conseguiu disseminar alguns ideais presentes na Revolução
Francesa ao invés de uma adopção mais “naturalizada” da Declaração através da
instauração de Repúblicas. Portugal foi uma das nações europeias a receber parte destas
influências, o que permitiu mais tarde a possibilidade de implementar uma Monarquia de
regime constitucional.
Este regime político obedeceu a algumas das reivindicações dos ideários da
Revolução Francesa, como por exemplo, a separação de tripartida dos poderes, a
reivindicação da liberdade de imprensa, o direito à educação, etc. Mas no que diz respeito
às sucessivas Guerras e conflictos armados, estes continuaram a suceder-se no Velho
Continente e não viram sinais de abrandamento. Apesar das sociedades mostrarem alguns

[174]
indicadores de progresso social e político, considerando-se tanto o plano jurídico como o
plano legal, na verdade, a implementação prática destes “progressismos” nem sempre foi
uma tarefa exequível. No entanto, os passos legais e jurídicos para assegurar a
salvaguarda destes valores ficaram obtidos e, graças a eles, iniciou-se então um longo
processo de cimentação dos ditos ideais nas mentalidades das gentes. Foi apenas com a
chegada da Segunda Guerra Mundial e, posteriormente, da Guerra Fria, que esses ideais
receberam o seu pretendido reconhecimento.
Apesar da Primeira Guerra Mundial ser também conhecida como a “guerra para
terminar todas as Guerras”, neste altura, as várias nações soberanas ainda estavam
interessadas em proteger e garantir o seu modo de vida actual. Ou seja, não havia uma
preocupação estritamente humanista para com as situações de conflito que se passavam
no mundo. Podemos retirar esta leitura com uma análise do jogo político que indicava
para um certo interesse em conservar as posições hegemónicas de algumas potências do
Ocidente. A Segunda Guerra Mundial acabou por actuar como mais um eco desta frívola
mentalidade e foi motivada por um misto de sentimentos que marcaram a humilhação, a
cobiça e o desejo de vingança por parte do povo alemão. Aqui a componente tecnológica
da Guerra recebe um especial destaque pois foi a partir do desfecho deste conflicto que
os indivíduos ganharam pela primeira vez uma nova perspectiva em relação ao fenómeno
da Guerra. Isto sucedeu-se porque até antes nunca houve uma percepção que pudesse
transmitir de uma forma tão clara e distinta, a imagem de devastação e miséria
generalizada pelo continente inteiro. Desde aí foi possível retirar duas lições com a
experiência desta última guerra mundial: a consciência da destruição, da miséria e de um
sofrimento alargado; e o apercebimento de uma ameaça real de aniquilação por parte dos
novos instrumentos de Guerra. Podemos conjugar estas duas lições com os dois
acontecimentos que ilustraram melhor esta realidade: por um lado, temos o avanço das
tropas alemãs sobre a Europa inteira, que, como sabemos, devastou o continente; e, por
outro, a documentação apresentada que relatou os efeitos e as consequências caso uma
bomba atómica viesse a ser denotada. Até esse momento, nunca se pensou que com
apenas um acto, que hoje em dia se resume ao carregar de um botão, se poderia causar
tanta destruição e uma ruína sem precedentes. Para referir por instantes este último
cenário basta relembrar o efeito que as bombas largadas sobre Hiroshima e Nagasaki
surtiram.
Foi a primeira e última vez em que se recorreu a esta táctica para alcançar o
desfecho de uma Guerra. Sem margem para dúvidas, este acto deixou as suas marcas no

[175]
povo japonês que, desde então, adopta uma política que se foca no desarmamento nuclear.
O desfecho desta grande guerra encentivou os homens mais prudentes e esclarecidos da
época a cogitar um plano para que se impedisse a repetição do mesmo cenário. Desde
esse momento, demonstrou-se uma clara evolução perante aquilo que foi a postura pré-
fecho da Segunda Guerra Mundial e aquela que vigorou durante o decorrer da Guerra
Fria. Para as nações envolvidas directamente no conflito, neste caso, os EUA e a União
Soviética, um ataque iminente por parte de qualquer um dos eixos deixaria não só estes
países como o próprio planeta devastado. Mesmo sem postular a destruição completa
destas potências, a destruição parcial dos seus territórios encorreria na inutilização das
suas terras, vendo-se agora afectadas pela radiação e que, por sua vez, daria azo às
emergências migratórias das populações. Como tal, um desfecho da Guerra por detonação
deixaria qualquer um dos lados num estado miséria e pobreza absoluta. Todos sairiam
perdedores deste conflito. A única solução que se apontava para a Guerra em questão era
o esperar pelo aliviar das tensões.
Eventualmente, com o colapso da União Soviética e o abrandamento das tensões
internacionais, por fim alcançou-se a Paz e uma estabilidade relativa no mundo. Durante
a vigência da Guerra Fria houve diversos planos que tiveram como objectivo a
reconciliação da Europa e a construção de um continente mais unido que agisse segundo
uma série de acordos internacionais e intergovernamentais. Apesar de alguns acordos
estarem também motivados pelo medo da expansão comunista (como pode ser entendida
a criação da NATO), outros acordos focaram-se na criação de uma união que impedisse a
Europa de voltar a entrar em guerra contra si mesma. A Comunidade Europeia do Carvão
e do Aço e a União Económica Europeia foram projectos capitaneados e inspirados pela
Declaração Schuman, recebendo o seu nome a partir de um dos pais do projecto
federalista europeu. Foi também a partir deste momento que a organização das Nações
Unidas ganhou mais relevância a nível internacional. Com as relações internacionais de
algum modo estabilizadas e encaminhadas agora para a realização um projecto comum,
a União pôde prosseguir na sua ambição de fomentar e expandir uma certa ideia de
direitos humanos, tidos agora como universais; uma ideia já materializada através
Declaração Universal dos Direitos Humanos e redigida nos momentos após a conclusão
da Segunda Guerra Mundial.6

6
A Declaração Universal Dos Direitos Humanos tem como sua inspiração, justamente, a Declaração dos
Direitos do Homem e do Cidadão, podendo esta ser considerada o seu percursor.

[176]
Para alcançar estes objectivos era indespensável a revitalização da Alemanha que
se encontrava dividida entre o eixo este/oeste na sequência do estado pós-guerra da
Segunda Guerra Mundial e, mais tarde, fomentar o seu desenvolvimento do ponto de
vista económico, político e até militar. Este objectivo não poderia ser alcançado sem se
criar uma nova aliança franco-alemã e um reaproximamento diplomático com os restantes
países do continente. Com o passar dos anos e com a transição de uma paz mais relativa
para uma que ostentasse mais confiança internacional, as relações entre as nações
soberanas do continente prosperaram, e, com elas, o seu desejo de formular um plano
com o intuito de reinventar e de consolidar uma nova ideia de Comunidade Internacional.
Na esteira da cooperatividade, as nações do Velho Continente lançaram-se num longo
período que compreendeu um projecto de intercâmbio e ajustamento legal. Mais tarde,
este projecto viria cristalizar-se na experiência da União Europeia. Foi dessa maneira que
ficou feita a jornada que nos trouxe à consciencialização de que todos actos de Guerra
não deviam ser permitidos. A mentalidade vigente da nossa era é agora a de repúdio e de
intolerância perante os conflitos armados.
Contudo, não nos devemos precipitar nesta acepção. Se por um lado conseguimos
chegar a um ponto na História em que os vários povos ostentam uma mentaldiade de
pacifismo em relação à Guerra, há também que notar que esta evolução poderá não provir
necessariamente de uma estrita aprendizagem com o passado. Em jeito de reatar algunas
pontas soltas nesta comunicação e respondendo finalmente a algumas das questões que
ficaram em aberto aquando a abertura do ensaio, podemos agora afimar que parte desta
mentalidade poderá também estar ligada a outras preocupaões que fogem do âmbito
humanitário. Se ponderarmos do ponto de vista económico facilmente podemos chegar à
conclusão que as nações hoje em dia não se podem “dar ao luxo” de entrar em Guerra
umas com as outras. Isto explica-se pelo facto das nações se encontrarem
economicamente conexas e dependentes umas das outras. Se há fluctuações indesejadas
a nível dos serviços prestados nacional/internacionalmente, causando assim um inpacto a
nível alimentar, energético, turístico, tanto a nossa nação como as restantes irão sofrer
uma assentuada queda em actividade; e, quanto mais longa for a possíbilidade ou a
ocorrência de um conflito armado, maior serão as consequências e complicações com que
teremos de lidar para prestar a reabilitação aos estragos causados.
Do ponto vista político não creio que seja necessário relembrar os dramas vividos
(e ainda vivenciados) pela Europa durante esta época das crises migratórias. Estão na sua
origem a Guerra da Síria e as regiões da periferia afectadas pelas lutas constantes contra

[177]
o autoproclamado Estado Islâmico. A União Europeia vive hoje um dos períodos mais
atribulados da sua experiência política e ainda se encontra envolta num longo e moroso
processo de coordenação intergovernamental para que se encontre uma solução duradoura
para estes problemas. Neste momento, um dos testes que se lhe coloca é averiguar se é
ou não capaz de operar eficazmente num espaço de acordo e consentimento mútuo quanto
às necessidades e as válidas reivindicações de soberania dos seus estados-membros.
Ponderando outras questões que se liguem aos quadrantes sociais/culturais, aqui também
se denotam outras repercussões. Existiram alterações nos estados de consciência dos
indivíduos, reflectidas ora pela situação que marca o momento, ora por inclinações mais
rescondidas que só recentemente tiveram oportunidade de vociferar as suas opiniões.
Refiro-me, neste caso, à ascensão do discurso de Extrema-Direita pela a Europa inteira.
Se houver a necessidade de apontar para uma tese que consiga subsumir a posição geral
da população europeia quanto ao fenómeno da Guerra, avanço então a seguinte ideia: há,
de facto, no meu entender, razões bastante plausíveis para crêr numa certa posição de
relutância e de cepticismo por parte das gentes em relação a um cenário de confrontação.
Como se defende esta posição? De uma maneira realmente simples: A era mítica
dos Heroís gregos está findada, querendo isto dizer que em pleno século XXI poucos ou,
diria, quase ninguém, está disposto a prescindir da sua vida por uma certa ideia de glória
que se obteria no campo de batalha e/ou pela salvaguarda dos seus privilégios, unida com
a recusa da submissão por parte de exército invasor; seguindo o mesmo raciocínio, maior
parte, senão todos os países colonizadores, anularam as suas pretensões imperialistas do
passado e vivem hoje tranquilamente segundo uma política de acolhimento, inclusão e de
abertura social para com os indivíduos de outros países; a era dos Impérios e dos
Descobrimentos prescreveram e quase ninguém ousa levantar um plano político que
reavive as mentalidade do expansionismo e da dilatação do território. Os indivúdos, as
comunidades e as nações, abjetam singularmente a Guerra, quer tenham em consideração
a pespectiva humanista da vida, onde se acaba por valorizar os ideais que protegem o
valor e a dignidade das pessoas, quer se considere uma preocupação mais egoísta em
preservar o seu próprio modo de vida, esta, por sua vez, acompanhada de um conjunto de
condições propícias ao seu desenvolvimento. O medo da perda da nossa segurança, do
nosso conforto e da possibilidade de não poder prosperarmos no futuro próximo lança-
nos numa postura de desmotivação e de desalento em relação aos combates. Eis as razões
que apresento que tentam dar a entender o porquê desta mentalidade pacifista em relação

[178]
à Guerra, cobrindo tanto as motivações de foro mais humanitário sem, todavia, descurar
de uma visão mais egoísta do esquema.
Para concluir, restará apenas referir qual o papel é que os indivíduos comportam
no processo de decisão democrática quanto aos fenómenos de Guerra. De um ponto de
vista histórico, e cingindo-nos à terceira etapa que a Humanidade conseguiu conquistar,
é possível considerar um vário leque de perspectivas. Com a Revolução Francesa,
podemos verificar que com ou sem a presença de um mecanismo de organização
democrática, as multidões, se instigadas até ao seu limite, poderão, por vezes, insurgir-se
contra os seus governantes e/ou os seus “Capitães de Abril”; na iminência das ameaças
ideológicas do estrangeiro e perante a urgência de criar uniões que vissem a construção
de blocos coesos e articulados politicamente, os governantes de cada nação poderão, por
sua vez, criar estas organizações internacionais unilateralmente e sem o tácito
consentimento das suas populações. Bastará relembrar que tanto as organizações
internacionais como a Nato, as Nações Unidas, entre tantas outras que operam a um nível
intergovernamental não têm na chefia dos seus cargos, indivíduos eleitos
democraticamente pelas massas mundiais a nível nacional e/ou internacional. Os assuntos
que concernem a Defesa e a protecção das nações, apesar de passarem superficialmente
nos programas políticos aquando as épocas de eleições, não são pontos onde
verdadeiramente se toque e se dê o merecido destaque por parte dos mídia. Certamente
que se terá que considerar a posição que cada nação ocupa à escala mundial e, segundo
ela, averiguar a pertinência desses temas para as populações em geral.
Contudo, no seu essencial, creio que se poderá dizer que estes assuntos sofrem
uma alienação e/ou uma mitigação alargada no que diz respeito à informação prestada às
populações. Isto reflecte-se necessariamente na consciência que os indivíduos comportam
e na sua capacidade (ou falta dela) para poder com articular uma agenda política que
represente verdadeiramente as suas preocupações. Por ser, porventura, um aspecto mais
especializado da política, onde a opinião e o discernimento público poderia causar mais
problemas do que soluçõe, opta-se então pelo afastamento da interacção e do debate
público. O papel que os indivíduos comportam relativamente aos assuntos de Guerra,
neste momento, é praticamente nulo. Para que isso se altere (e antes de nos questionarmos
propriamente se se deve alterar) são necessários, pelo menos, dois cenários: a vontade
avassaladora por parte de cada povo para participar politicamente nestas decisões e a
facultação de tantos outros meios como o acesso à informação e à educação especializada
para enfrentar estes problemas.

[179]
Se houver esta possibilidade de participação política no futuro, haverá forçamente
um certo grau de civismo (ou “Contrato Social”) a acompanhar implicitamente estas
decisões. Se, por um lado, postularmos que os indivíduos estão preparados para tomar
estas responsabilidades, podendo decidir a posição que o seu país deve tomar em relação
às suas Guerras e aos conflicto situados longe das suas fronteiras, da mesma forma,
também se exigira uma atitude consistente com os seus ditames se se criar um mecanismo
de decisão democrática (como, por exemplo, através de um referendo) para averiguar o
curso de acção a tomar na eventualidade de se chegar a uma decisão pela maioria. Estou
mais inclinado a pensar que se se referendar uma posição de resistência e/ou agressão a
uma determinada entidade, quer seja esta uma comunidade quer seja esta uma nação
estrangeira, o que provavelmente acabaria por acontecer seria um desertar e um
desacatamento destas decisões em prol de um prospecto melhor de futuro que garantisse
a nossa sobrevivência acima de tudo. Restará esperar pela evolução dos tempos, da
História e das mentalidades dos indivíduos para que se possa afirmar com certezas qual
foi o próximo passo que a Humanidade decidiu tomar.

[180]
Bibliografia

Fontes Principais

SOROMENHO MARQUES, V. (1997) “Guerra e Racionalidade, O Futuro da Guerra


ou a Guerra Pelo Futuro”, Lisboa: Edições Colibri

HARDT, M,. NEGRI, A. (2005) “Multidão - Guerra e Democracia na Era do Império”.


Porto: CAMPO DAS LETRAS - Editores

ARENDT, H. (1990) “On Revolution”, London: Pinguin Books

PLATÃO. (1972), “A República”, Coimbra: Atlantida Editora

ARISTÓTELES. (1972) “The Polítics and The Constituition of Athens”, Cambridge:


University Press

Fontes Electrónicas

GOMIDES FREITES. L. (2014) “O Sal da Guerra: Padre António Vieira e as Tópicas


Teológico-jurídicas na Apreciação da Guerra Justa Contra os Índios.”, Uberlândia,
Acesso em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/16319

[181]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[182]
PARTE III
Brasil e Democracia

[183]
PARTE III
Brasil e Democracia

[184]
11. DEMOCRACIA, RETROCESSOS AMBIENTAIS E CARÁTER
CONTRAMAJORITÁRIO DA CONSTITUIÇÃO NO BRASIL

Pedro Curvello Saavedra Avzaradel

Rodrigo de Souza Tavares

Resumo: Às vésperas de completar 29 anos, a Constituição Brasileira ainda é considerada


uma das mais avançadas na seara ambiental. Sua edição, somada à reestruturação
constitucionalmente conferida aos órgãos da Administração Pública e do Ministério
Público e, ainda, aos imperativos da proteção ambiental, que seriam fortemente reiterados
poucos anos depois, na Conferência das Nações Unidas realizada no Rio de Janeiro, em
1992, foi decisiva para que o Direito Ambiental ganhasse, no Brasil, unidade e maior
efetividade. Esse arcabouço possibilitou a edição de normas infraconstitucionais
importantes, tais como a Lei de Crimes Ambientais e a Lei do Sistema Nacional de
Unidades de Conservação. Contudo, os últimos anos vêm demonstrando uma preocupante
tendência inversa. Antes tida, sobretudo, como um ponto de partida, capaz irradiar
orientações na elaboração, na aplicação e na revisão das normas jurídicas, visando uma
maior proteção ambiental, atualmente a Constituição tem cumprido preponderantemente
o papel de barreira impeditiva de retrocessos na legislação sobre meio ambiente, papel
este que, tudo indica, irá se intensificar nos próximos anos, inclusive em razão de alguns
projetos de emenda constitucional em pauta no Congresso Nacional. Nesse contexto,
torna-se primordial entender o significado e os limites do caráter contramajoritário da
Constituição. Para tanto, examinaremos as noções teóricas pertinentes ao tema do caráter
contramajoritario das decisões em sede de controle constitucional, os principais projetos
de lei e propostas de emenda à Constituição que, em nossa opinião, estabelecem
retrocessos ambientais.

Palavras-chave: Democracia – Retrocessos Ambientais –dificuldade contramajoritária


Pós-doutorado em Florestas, Clima e Energia pela Universidade Paris I. Doutor em Direito da Cidade
(UERJ). Professor Adjunto do Polo Universitário de Volta Redonda da Universidade Federal Fluminense
e docente do Programa de Pós-Graduação em Direito Constitucional (PPGDC) da mesma Universidade.
Pesquisador do Grupo de Estudos em Meio Ambiente e Direito (GEMADI/UFF) e do Grupo de Pesquisa
Energias Renováveis, Descentralização e o papel dos Entes Federados da Universidade do Estado do Rio
de Janeiro. pedroavzaradel@id.uff.br

Professor Adjunto do Departamento de Direito Público da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
(UFRRJ). Doutor em Teoria do Estado e Direito Constitucional pela Pontifícia Universidade Católica do
Rio de Janeiro (PUC-Rio). tavares_rodrigo_@hotmail.com

[185]
Introdução

A despeito de recentes tragédias ambientais e do crescimento da consciência sobre


a imprescindibilidade da preservação do meio ambiente em todo mundo, a agenda
legislativa brasileira parece andar na contramão da história. Neste artigo serão
apresentados alguns exemplos de retrocessos constantes de normas e projetos de normas
em tramitação no Brasil.
Considerando o forte caráter protetivo da Constituição da República Federativa
do Brasil, de 1988, pródiga na previsão de direitos fundamentais, surge questão sobre a
transformação desse documento numa barreira imposta às normas infraconstitucionais e
de reforma constitucional cujo intuito parece ser flexibilizar a tutela ambiental em nome
do maior dinamismo da atividade econômica. Partindo da análise de normas sobre
licenciamento ambiental, proteção de florestas, regulação de atividades desportivas e
culturais com animais e delimitação de terras indígenas, traçaremos um painel da
tendência retrógada contida na legislação brasileira.
Como poderemos observar, essa hipótese tangencia aspectos centrais da teoria
constitucional atinentes ao caráter contramajoritário das decisões em sede de controle de
constitucionalidade. A pergunta que se coloca é se a Corte Constitucional brasileira tem
legitimidade para barrar, ou pelo menos mitigar a redução de direitos fundamentais
prevista neste contexto.
Como será exposto, uma revisão inicial do acervo jurisprudencial do Supremo
Tribunal Federal, levanta algumas duvidas neste sentido. Ademais, a esperança de que o
controle de constitucionalidade fomente um diálogo qualificado entre as instituições
públicas e a sociedade civil será avaliada e criticada neste trabalho.
Por fim, o presente artigo representa um esforço antecipação da jurisprudência
ambiental do Supremo Tribunal, empreitada sempre sujeita à frustração imposta pela
realidade. Em síntese, nosso intuito foi problematizar questões de jurisdição
constitucional diante das vicissitudes da política ambiental brasileira atual.

1. Perspectivas no contexto das propostas de retrocesso

Perfeitamente normal e até cotidiano é o exercício do controle de


constitucionalidade e logo também o do papel contramajoritário das Cortes

[186]
Constitucionais. No Brasil não poderia ser diferente: atualmente já ultrapassamos a casa
das 5.700 Ações Diretas de Inconstitucionalidade ajuizadas, cabendo lembrar que tal
papel pode ser desempenhado também nos autos de Ações Declaratórias de
Constitucionalidade (ADCs) julgadas improcedentes1.
Parte dessas ações do chamado controle concentrado são dirigidas contra leis e
emendas constitucionais que buscam alterar o regime jurídico da proteção ambiental.
Ocorre, contudo, que nos últimos anos podemos observar um movimento deliberado por
parte das legislaturas do Congresso Nacional no sentido de flexibilizar e diminuir (ao
menos numa avaliação jurídico abstrata, o que nos interessa para fins de controle
concentrado) tal proteção. Mais do que a quantidade de propostas nesse sentido,
preocupa-nos igualmente que muitas sejam direcionadas a modificar conquistas e
institutos relevantes do Direito Ambiental no Brasil.
Embora alguns autores como Rogerio Rocco2 apontem a atual Lei de
Biossegurança (Lei 11.105/2005) como sendo o inicio da chamada fase retrógada do
Direito Ambiental, acreditamos que esse processo se inicia em 2012 com a edição do
atual Código Florestal. Isto porque entre os anos de 2005 e 2012 tivemos a aprovação de
algumas leis e emendas constitucionais importantes. Sem pretender esgotar os exemplos,
podemos citar no plano infraconstitucional a aprovação: da Lei de Gestão das Florestas
Publicas (Lei 11.284) e da Lei da Proteção do Bioma da Mata Atlântica (Lei 11.428) em
2006; da Política Nacional de Saneamento Básico (Lei 11.445) em 2007; da Política
Nacional de Mudanças Climáticas (Lei 12.187) em 2009 e da Política Nacional de
Resíduos Sólidos (Lei 12.305) em 2010; e, por fim, da Lei Complementar 140, no final
de 20113. No plano Constitucional podemos citar as emendas nº 48 de 2005 e nº 71 de
2012, que detalharam a proteção constitucional do patrimônio cultural.
Por sua vez, a partir de 2012 observamos que parte significativa das propostas de
alteração da legislação e até mesmo da proteção constitucional do ambiente passa a ser
direcionada a diminuição ou flexibilização desta. Daí porque se pode afirmar que, ao

1
Informações disponíveis em:
http://www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?incidente=5181381. Acesso em 12 mai.
2017.
2
ROCCO, Rogério G.. História da Legislação Ambiental Brasileira: um passeio pela legislação, pelo direito
ambiental e por assuntos correlatos. In: Ronaldo Coutinho; Flávio Ahmed. (Org.). Curso de Direito
Ambiental. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2012, p. 03-27.
3
Apesar das acertadas criticas feitas pela doutrina, inegável que a regulamentação das competências
comuns constitucionais trazidas pela Lei Complementar 140/2011 foi benéfica no sentido de diminuir a
insegurança jurídica existente no que tange ao exercício das atribuições ambientais pelos entes federados,
sobretudo das competências para a realização das ações de licenciamento e fiscalização.

[187]
menos em termos abstratos jurídicos, a tendência é de retrocesso na proteção jurídica
ambiental. Vale frisar que a proteção efetiva depende da implementação das leis
existentes, bem como do investimento publico na gestão, no monitoramento e nos
controles ambientais.
Marco inicial desta atual e preocupante fase, a aprovação do atual marco legal
florestal em 2012, além de trazer uma clara diminuição da proteção jurídica conferida às
florestas, ocorre num contexto totalmente avesso às pretensões do projeto de lei que fora
aprovado. A despeito de diversas manifestações por parte da academia, do terceiro setor,
de órgãos e agências do próprio Estado; mesmo após a tragédia da Região Serrana do
Estado do Rio de Janeiro em 2011 (com mais de mil mortos, centenas de desalojados e
desabrigados), na qual ficou evidente a importância de algumas normas do anterior
Código Florestal que acabariam revogadas ou flexibilizadas; não obstante estar o Brasil
às vésperas da realização da conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento
Sustentavel no Rio de Janeiro, conhecida como Rio +20; aprovou-se a Lei nº 12.651, de
25 de maio de 2012.
Nesse contexto, a aprovação com ampla margem desta lei claramente demonstrou
a intenção de setores do Congresso Nacional de levar a cabo uma pauta ou agenda política
que procura resolver problemas econômicos do Brasil com a diminuição de direitos
sociais e ambientais, mesmo que contra todas as evidências trágicas e cientificas dos
riscos envolvidos.
Cumpre destacar que o diploma em cotejo é questionado perante o Supremo
Tribunal por meio de 4 Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIS 4901, 4902, 4903
e 4937) 4 e sustentada por uma Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC 42).
Quando da conclusão deste artigo, todas essas ações se encontravam pendentes de
julgamento, passados praticamente 5 anos da publicação da lei 12.651/2012.
Neste contexto, um dos institutos mais visados por esta nova tendência consiste
no licenciamento ambiental, conceituado no artigo 2º da Lei Complementar nº 140/2011
como “o procedimento administrativo destinado a licenciar atividades ou
empreendimentos utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente
poluidores ou capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental” (BRASIL,
2011).

4
Confira-se AVZARADEL, Pedro Curvello Saavedra. Novo Código Florestal: enchentes e crise hídrica no
Brasil. Rio de Janeiro : Lumen Juris, 2016.

[188]
Esta Lei Complementar conferiu ao art. 10 da Lei nº 6.938/1981 sua redação atual,
de acordo com o qual estão sujeitos ao licenciamento prévio “a construção, instalação,
ampliação e funcionamento de estabelecimentos e atividades utilizadores de recursos
ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob qualquer forma, de
causar degradação ambiental” (Idem, Ibidem).

Pode-se dizer que o licenciamento ambiental é um instrumento de controle prévio de


atividades, com base em leis, regulamentos e normas técnicas, cujo objetivo é
compatibilizar o empreendimento com a tutela do meio ambiente equilibrado. Traduz
o preventivo exercício do Poder de Polícia Administrativa, concretizando importantes
princípios do Direito Ambiental como o da prevenção, o da precaução e do poluidor-
pagador (AVZARADEL, 2015, p. 616).

No ano de 2015, o Brasil presenciou o que se considera hoje o maior desastre


ambiental da historia pátria, resultado do rompimento da barragem da empresa Samarco,
localizada na Cidade de Mariana, no Estado de Minas Gerais. Mais de 30 milhões de
metros cúbicos de rejeitos de atividades de mineração ali antes represados foram
despejados no Rio Doce, causando sérios danos ambientais nos Estado de Minas Gerais
e do Espírito Santo. Este fato foi associado de forma clara às falhas no licenciamento e
na fiscalização da barragem em questão5.

Entretanto, o evento não arrefeceu, como poderia se esperar, o ânimo do


Congresso Nacional ou de Assembleias Estaduais de tornar mais flexível o regime do
licenciamento ambiental. Podemos citar, num primeiro momento, o Projeto de Lei nº 654
de 2015 e a Proposta de Emenda Constitucional nº 65, bem como a conversão em Lei
Estadual do Projeto de Lei 2946/16 em Minas Gerais, Estado no qual, como vimos,
localizava-se a barragem e onde sobrevieram parte significativa dos danos ambientais.

Apesar de existirem alertas sobre os riscos de rompimento da barragem, o acidente


aconteceu. A atividade estava com a licença de operação em processo de renovação
desde o ano de 2013, pendente de avaliação pelo Estado de Minas Gerais. A
fiscalização das condições da barragem, apesar de alertas terem surgido,
simplesmente não foi capaz de efetivar as melhorias necessárias e o cumprimento da
legislação aplicável, por exemplo, à segurança de barragens. Inexistia, por exemplo,

5
Confira-se a respeito AVZARADEL, Pedro Curvello Saavedra; FARIAS, Talden Q.; COUTINHO,
Isabela E. Cury. Breves apontamentos sobre a tragédia da Samarco. Fórum de Direito Urbano e Ambiental
(Impresso), v.1, p.31 - 47, 2016.

[189]
um Plano ou planejamento (obrigatório na legislação sobre barragens) para casos de
acidentes. Este exemplo é considerado hoje a maior tragédia ambiental do Brasil.
E o problema tende a piorar também neste particular. Isto porque, ao invés de reforçar
as normas de controle prévio de atividades, e, principalmente, sua efetivação e
implementação práticas, a saída encontrada pelos legisladores tem sido a de procurar
abreviar ao máximo o licenciamento - visto como mero entrave, pouco útil e, para
alguns, desnecessário. O que poderia ser um instrumento de planejamento e capaz,
inclusive, de gerar ganhos de eficiência para os empreendimentos, hoje se converte,
na grande parte dos casos, numa via sinuosa e vagarosa, compostas de pilhas de papel.
Em Minas Gerais, Estado no qual ocorreu a tragédia da Samarco, com claros indícios
de falhas no licenciamento ambiental do empreendimento (especificamente no que
tange aos riscos e medidas associados às barragens que romperam), foi aprovada em
janeiro de 2016 a Lei Estadual 21.972, que reestruturou o licenciamento ambiental no
aludido Estado.
A partir da citada lei estadual, esgotado o prazo legal de análise dos pedidos de licença
sem o pronunciamento do órgão ambiental competente, o processo de licenciamento
será "incluído na pauta de discussão e julgamento da unidade competente [...]
sobrestando-se a deliberação quanto aos demais assuntos" (art. 23). Este dispositivo
poderá importar em avaliações precipitadas de risco, principalmente em casos de
grande complexidade técnica.
No mesmo sentido, em âmbito nacional, tramita no Congresso Nacional o Projeto de
Lei do Senado PLS 654/2015, que pretende consagrar mecanismo semelhante e,
ainda, submeter a procedimento "mais ágil" atividades e empreendimentos
considerados estratégicos, os quais ficariam excluídos da obrigação de realizar
audiências públicas durante o licenciamento ambiental (AVZARADEL, 2016b,
p.181).

Continua em tramitação no Senado Federal o Projeto de Lei 654/20156. Já a


Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 65/2012 encontra-se no momento no
aguardo do agendamento de uma audiência publica. Diversos ofícios foram recebidos até
então pelo Senado Federal, com manifestações e moções de repúdio acerca do projeto7.
Conforme a descrição ou ementa desta PEC, caso aprovada seja acrescentara o
seguinte parágrafo 7º ao artigo 225: “a apresentação do estudo prévio de impacto
ambiental importa autorização para a execução de obra, que não poderá ser suspensa ou
cancelada pelas mesmas razões a não ser em face de fato superveniente” (BRASIL, 2012).

6
Informações disponíveis em http://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/123372.
Acesso em12 mai. 2017.
7
Informações disponíveis em http://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/109736.
Acesso em 12 mai. 2012.

[190]
Em breves linhas, essa proposta transforma o Estudo Prévio de Impacto Ambiental
- feito sob responsabilidade do empreendedor na fase prévia ou preliminar do
licenciamento, sem qualquer analise ou aprovação pelo Poder Publico - em autêntica
licença de implementação, blindada contra eventuais atos administrativos que a procurem
suspender, a menos que haja fato antes desconhecido. Os riscos da adoção dessa regra em
empreendimentos como as barragens de rejeitos favorecerão a ocorrência de novas
tragédias como a de Mariana/MG.
Ainda no que tange ao licenciamento ambiental, podemos citar também o projeto
que procura estabelecer a Lei Geral do Licenciamento – o Projeto de Lei nº 3.729/2004.
Este projeto possui, atualmente, 18 outras proposições apensas, sendo 10 posteriores a
2012 e 8 anteriores. Atualmente o PL se encontra na Comissão de Finanças de
Tributação8.
Dentre as previsões que merecem destaque estão: a renovação sucessiva e
automática das licenças ambientais mediante formulário preenchido pela internet quando
os empreendimentos e a legislação aplicável não tenham sofrido alterações; uma lista de
atividades que estão dispensadas do licenciamento ambiental de forma geral e abstrata; a
possibilidade de o empreendedor contestar as condicionantes impostas pelo Poder Publico
após a expedição da licença; o fim da exigência de apresentação de certidão de
compatibilidade com o as regras de uso e ocupação do solo (Brasil, 2017).
Ao comentar as proposições que buscam alterar o licenciamento ambiental após a
tragédia de Mariana/ME, a professora Ana Maria de Oliveira Nusdeo assim se posiciona:

A aprovação de Projetos de lei que defendem, não o aperfeiçoamento do


licenciamento ambiental, mas sua flexibilização não representa apenas um retrocesso
à proteção ambiental, também passará longe da desejada celeridade e segurança
jurídica desejada pelos empreendedores.
(...)
Por fim, cabe acrescentar que o licenciamento não será célere; juridicamente seguro
ou eficaz para garantir a proteção ambiental se não houver investimento na capacidade
técnica dos órgãos licenciadores e da geração de adequadas informações ambientais.
O seu fortalecimento e adequado orçamento para suas funções são medidas tão
importantes quanto possíveis alterações legislativas (NUSDEO, 2017).

8
Informações disponíveis em
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=257161. Acesso em 12 mai.
2012.

[191]
Como bem coloca a autora, a única forma de conjugar o principio da prevenção
com a desejada celeridade é através de investimentos públicos nos órgãos e entidades do
Poder Publico que se dedicam à condução do licenciamento ambiental e à expedição das
licenças.
Não obstante, as propostas de alteração da proteção ambiental não se restringem
apenas ao licenciamento ambiental. Sem a intenção de esgotar todos os debates possíveis,
traremos neste artigo mais dois exemplos: a questão dos povos originários (vulgarmente
conhecidos como indígenas) e a relação entre os animais não humanos e as práticas que
são consideradas como sendo culturais/esportivas (em especial a chamada vaquejada).
Sobre primeira questão, cumpre destacar que:

(... ) o final do texto constitucional, precisamente os artigos 231 e 232, traz o


regime de proteção dos indígenas, aos quais se reconhece o direito originário
sobre as terras tradicionalmente por eles. Ocupadas, necessárias à manutenção
do seu modo de vida e do equilíbrio ambiental desses espaços, garantindo os
recursos naturais dos quais dependem. Essas terras integram o domínio da
União, nos termos do artigo 20, inc. XI.
(…)
Consagra o texto Constitucional, em favor deles, a posse e o usofruto
permanente dessas terras (§ 2°), que devem ser demarcadas pela União
Federal. Ainda, essas terras “são inalienáveis e indisponíveis, e os direitos
sobre elas, imprescritíveis” (§ 4°).
(...)
Veda-se no Texto Maior a remoção dos povos indígenas das terras tradicio-
nalmente por eles habitadas, “salvo, ‘ad referendum’ do Congresso Nacional,
em caso de catástrofe ou epidemia que ponha em risco sua população, ou no
interesse da soberania do País, após deliberação do Congresso Nacional,
garantido, em qualquer hipótese, o retorno imediato tão logo cesse o risco” (§
5°).
Pela leitura do dispositivo parece claro que os indígenas apenas poderão ser
removidos de suas terras em caráter excepcional e temporário, quando houver
risco grave o bastante para eles ou para a soberania do País (por exemplo, em
regiões de fronteira), o que reforça o dever do Estado de respeitar a posse e o
uso por eles das terras que tradicionalmente habitam (AVZARADEL, 2016b,
p. 163-164).

[192]
No caso dos povos originários, cumpre sublinhar os projetos de Lei e de Emenda
à Constituição que procuram modificar os mecanismos através dos quais são demarcadas
as terras reconhecidas como sendo a esses pertencentes. Isto porque, muitas vezes, eles
foram expulsos dessas terras, hoje sendo as mesmas ocupadas por pessoas que se
dedicam, na maior parte dos casos, a atividades agropecuárias.
Certo número de Propostas de Emenda Constitucional procura transferir do Poder
Executivo, que atua através da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), para o Legislativo
a competência para aprovar a demarcação das terras pertencentes a povos originários.
Podemos citar a PEC 215/2000 e as outras 11 propostas até o momento a ela apensadas9.
Outra proposta de Emenda Constitucional, a PEC 45/2013 foi proposta no Senado Federal
e prevê a impossibilidade de demarcação de terras indígenas em áreas “invadidas”10. No
plano infraconstitucional, o Projeto de Lei nº 490/2007 procura estabelecer regra idêntica,
possuindo igualmente 11 proposições apensas11.
Por fim, não podemos deixar de citar a questão da chamada vaquejada. Deixamos
este exemplo por ultimo pela singularidade de haver uma decisão do Supremo Tribunal
Federal que declara tal pratica cultural/desportiva como inconstitucional:

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) julgou procedente a Ação Direta de


Inconstitucionalidade (ADI) 4983, ajuizada pelo procurador-geral da República
contra a Lei 15.299/2013, do Estado do Ceará, que regulamenta a vaquejada como
prática desportiva e cultural no estado. A maioria dos ministros acompanhou o voto
do relator, ministro Marco Aurélio, que considerou haver “crueldade intrínseca”
aplicada aos animais na vaquejada.
O julgamento da matéria teve início em agosto de 2015, quando o relator, ao votar
pela procedência da ação, afirmou que o dever de proteção ao meio ambiente (artigo
225 da Constituição Federal) sobrepõe-se aos valores culturais da atividade
desportiva.
Em seu voto (leia a íntegra), o ministro Marco Aurélio afirmou que laudos técnicos
contidos no processo demonstram consequências nocivas à saúde dos animais:
fraturas nas patas e rabo, ruptura de ligamentos e vasos sanguíneos, eventual

9
Informações disponíveis em
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=14562 . Acesso em 8 mai.
2017.
10
Informações disponíveis em http://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/114322 .
Acesso em 8 mai. 2017.
11
Informações disponíveis em
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=345311. Acesso em 8 mai.
2017.

[193]
arrancamento do rabo e comprometimento da medula óssea. Também os cavalos, de
acordo com os laudos, sofrem lesões.
Para o relator, o sentido da expressão “crueldade” constante no inciso VII do parágrafo
1º do artigo 225 da Constituição Federal alcança a tortura e os maus-tratos infringidos
aos bois durante a prática da vaquejada. Assim, para ele, revela-se “intolerável a
conduta humana autorizada pela norma estadual atacada”.
Na mesma ocasião, o ministro Edson Fachin divergiu do relator e votou pela
improcedência da ação. Para ele, a vaquejada consiste em manifestação cultural, o que
foi reconhecido pela própria Procuradoria Geral da República na petição inicial. Esse
entendimento foi seguido, também naquela sessão, pelo ministro Gilmar Mendes. Na
sessão de 2 de junho deste ano, os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e
Celso de Mello seguiram o relator. Já os ministros Teori Zavascki e Luiz Fux seguiram
a divergência, no sentido da validade da lei estadual.
O julgamento foi retomado na sessão desta quinta-feira (6) com a apresentação do
voto-vista do ministro Dias Toffoli, favorável à constitucionalidade da lei cearense.
Ele entendeu que a norma não atenta contra nenhum dispositivo da Constituição
Federal. “Vejo com clareza solar que essa é uma atividade esportiva e festiva, que
pertence à cultura do povo, portanto há de ser preservada”, disse. Segundo o ministro,
na vaquejada há técnica, regramento e treinamento diferenciados, o que torna a
atuação exclusiva de vaqueiros profissionais.
Na sessão de hoje, também votaram os ministros Ricardo Lewandowski, e a
presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, ambos pela procedência da ação.
Dessa forma, seguiram o relator os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber,
Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e a presidente da Corte, ministra Cármen
Lúcia. Ficaram vencidos os ministros Edson Fachin, Teori Zavascki, Luiz Fux, Dias
Toffoli e Gilmar Mendes12.

Cumpre destacar que o citado inciso VII do § 1º do artigo 225, veda praticas
cruéis, que ameacem espécies de extinção ou suas funções ecologias e

“por mais óbvio que seja, que se trata de vedações constitucionais, sem exceção. No
plano infraconstitucional, tanto a pesca no período de reprodução das espécies (prática
que gera risco de extinção) quanto o tratamento cruel dos animais não humanos
consistem em crimes ambientais” (AVZARADEL, 2016b, p. 146)

Após o julgamento, ocorrido em 6 de outubro de 2010, o Congresso Nacional


intensificou a tramitação de projetos de lei e propostas de emenda constitucional no

12
Informações disponíveis em
http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=326838&caixaBusca=N . Acesso em
8 mai. 2017.

[194]
sentido de declarar constitucional o que fora dito incompatível com a Constituição. No
final do mês seguinte à decisão, foi aprovada a Lei nº 13.364, que declara a vaquejada,
dentre outras praticas, como patrimônio cultural nacional imaterial (BRASIL, 2016a).
Além disso, existem 2 propostas de emenda constitucional em intensa tramitação
no Congresso Nacional sobre o mesmo assunto. As PECs 270/2016 e 304/2017 tramitam
em regime especial (e acelerado). A primeira procura inserir os §§4º e 5º no artigo 215
da Constituição (que disciplina a proteção de manifestações culturais pelo Estado) para
fazer constar o seguinte:

§ 4º Os rodeios e vaquejadas, e expressões artístico-culturais decorrentes, serão


preservados como patrimônio cultural imaterial brasileiro.
§ 5º A prática da modalidade esportiva das manifestações da cultura nacional previstas
no §4º deste artigo serão asseguradas, na forma em que dispuser a Lei (BRASIL,
2016b).

Por sua vez, a PEC 304/17, pretende acrescentar o § 7º ao artigo 225 da


Constituição (que traz o capitulo sobre o meio ambiente) pra que conste o seguinte:

§ 7º - para fins do disposto no final do inciso VII do §1º deste artigo, não se
consideram cruéis as praticas desportivas que utilizem animais, desde que sejam
manifestações culturais, conforme o §1º do art. 215 – registradas como bem de
natureza imaterial integrante do patrimônio cultural brasileiro, devendo ser
regulamentadas por lei especifica que assegure o bem-estar os animais envolvidos
(BRASIL, 2017b).

Embora não tenhamos encontrado as razões justificadoras da PEC 304/2017, a


PEC 270 traz a devida justificativa cujo texto menciona expressamente a decisão
proferida pelo Supremo Tribunal Federal na ADI 4983. Menciona a motivação da
proposta o fato do julgamento não ter sido unânime, nos seguintes termos:

A margem estreita do resultado, com apenas um voto de maioria, demonstra


que o tema está longe de alcançar consenso, divergências que ultrapassam o
foro do Tribunal. E a força vinculante que resulta dessa decisão, permitindo
que a vedação à realização das vaquejadas se estenda para todas as regiões do
Brasil, a despeito do debate popular, representa verdadeiro extermínio da
herança secular do modo de viver e de fazer dos vaqueiros e sertanejos
(BRASIL, 2016b).

[195]
Conforme informações da Câmara dos Deputados, as propostas foram aprovadas
em primeiro turno no dia 10/05, o que nos leva a crer que em breve a emenda poderá ser
promulgada. Conforme noticia do portal oficial da citada instituição:

Misto de esporte e atividade cultural herdada de antigas técnicas do manejo


do gado no sertão nordestino, a vaquejada consiste atualmente na derrubada
de um boi pela cauda por dois cavaleiros e é praticada em pistas de areia
espalhadas por todo o país.
Ao julgar a constitucionalidade da Lei 15.299/2013, do Estado do Ceará, que
regulamentava a vaquejada, acrescentando-lhe procedimentos de segurança
para os bois, o Supremo Tribunal Federal (STF) firmou, em outubro do ano
passado, o juízo de que a atividade é intrinsecamente cruel para com os
animais, entendimento revertido agora pela PEC13.

A nosso ver, a questão central que se coloca é: seria possível que uma emenda
constitucional seja aprovada após uma decisão do Supremo Tribunal Federal que, com
fundamento no texto original da Carta Magna, entendeu ser a pratica da vaquejada
inconstitucional? Mais do que isso, poderia o Congresso Nacional reverter a
jurisprudência firmada (AVZARADEL, 2016b, p. 146) em outros casos como os das
rinhas de galo e da farra do boi, no sentido de que as praticas culturais somente são
aceitáveis se respeitadas a vedação constitucional de maus tratos aos animais? Por fim,
no que interessa em especial ao discutido acima, em que medida a decisão do Supremo
Tribunal Federal nos autos da ADI 4983 favoreceu um debate qualificado sobre o tema?

2. Diálogos e Conflitos entre Poderes: impasses criados pela agenda de


retrocessos ambientais.

As questões levantadas acimam expõem os impasses criados pelo exercício da


jurisdição constitucional. A relação entre um regime democrático e o poder atribuído aos
Tribunais para aferir a compatibilidade entre leis e a Constituição, eventualmente
declarando a nulidade daquelas, é uma verdadeira fratura entre as placas tectônicas que
formam os Estados Constitucionais contemporâneos. Como explicar a derrogação da

13
Informação disponivel em
http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2017/05/11/constitucionalidade-da-vaquejada-avanca-na-
camara. Acesso em 13 mai. 2017.

[196]
vontade da maioria da população, manifestada através de seus representantes eleitos,
mediante uma decisão exarada por um painel de juízes não eleitos?
Este impasse foi denominado por Alexander Bickel (1986) de “dificuldade
contramajoritária”, termo lapidar que ganhou amplo uso na teoria constitucional.
Diversos estudiosos do Direito Constitucional consideram, a exemplo de Roberto
Gargarella (2011), o controle de constitucionalidade como algo que desafie a capacidade
de autodeterminação e o princípio majoritário, bases de um sistema democrático.
Na tentativa de aliviar essa tensão, muitas teorias foram criadas para buscar fundar
a chamada legitimidade democrática da jurisdição constitucional. É bastante difundida a
dicotomia entre teorias substancialistas (DWORKIN, 2003), que veem na jurisdição
constitucional um instrumento para defesa de valores nucleares da sociedade, positivados
na Constituição, e procedimentalistas (ELY, 1980), que veem nesta apenas uma
ferramenta para garantia do procedimento democrático, independente do conteúdo
valorativo que é veiculado neste procedimento. Desta maneira, o aprofundamento teórico
da polêmica sobre o caráter contramajoritário da jurisdição constitucional mostra que o
paradoxo que opõe, de um lado, tribunais e a defesa de direitos, e do outro, legisladores
e a representação democrática, é fundado em falsas premissas.
Uma tendência crescente no âmbito da teoria constitucional tem sido a defesa de
modelos dialógicos ou cooperativos da jurisdição constitucional. Neste sentido, ao invés
de se buscar um órgão responsável por fornecer a última palavra no que diz respeito à
interpretação da Constituição, é dada ênfase ao diálogo interinstitucional e social oriundo
de decisões de grande repercussão na esfera do controle de constitucionalidade
(BATEUP, 2005).
Alguns países, como o Canadá, por exemplo, preveem mecanismos explícitos de
reversão parlamentar de decisões judiciais tomadas em sede de controle de
constitucionalidade. Noutros, como a Nova Zelândia, a natureza fraca dos mecanismos
de controle de constitucionalidade, calcado apenas numa espécie de declaração de
inconstitucionalidade sem pronúncia de nulidade, forçam uma maior interlocução entre
tribunais e parlamento, garantindo ainda assim níveis de proteção dos direitos
fundamentais similares aos de países nos quais os Tribunais receberam a competência
institucional para declarar em definitivo a inconstitucionalidade (TUSHNET, 2003).
Em questões fundamentais de moralidade política de uma comunidade é rotineiro
perceber que os pronunciamentos dos tribunais são frequentemente seguidos por amplo
debate público e, por vezes, por medidas legislativas visando influenciar ou modificar a

[197]
regulação definida pelo Poder Judiciário. Na história constitucional americana, pode ser
destacada a repercussão do Caso Roe vs. Wade, apenas um ponto de inflexão nos
acaloradas debates entre “defensores da vida” ou da “liberdade de escolha individual”14.
Estes diálogos em torno do real significado da Constituição representam uma
possibilidade de amadurecimento deliberativo e exercício público da razão por diferentes
atores, quando bem conduzidos. Considerando a existência do pluralismo de valores nas
sociedades contemporâneas (RAWLS, 2000) essa abertura ao diálogo e à cooperação
reforça o caráter democrático da jurisdição constitucional, ao ponto de que, para alguns
autores, seria melhor falarmos em “oportunidade” ao invés de “dificuldade
contramajoritária” (FEREJOHN, PASQUINO, 2010). Nas palavras de FEREJOHN e
PASQUINO:

“The emphasis on judicial conformity neglects the fact that in most cases, it
was a decision by the Court that set the public debate going, and that the Court
itself played a major role in laying out the terms under which public arguments
are made and judged.
(…)
In effect, then, constitutional history is a stage on which these three actors
interact, and where the countermajoritarian power of the court is the power to
force the other actors to deliberate again about what to want or do
(FEREJOHN, PASQUINO, 2010, p. 358; 365)”.

No Brasil, embora o art. 102 da CRFB de 1988 atribua ao Supremo Tribunal


Federal (STF), órgão de cúpula do Judiciário, o papel de guardião da Constituição, não
existem óbices para que essa função seja executada em cooperação com os demais
Poderes, ao contrário, isto é o que se espera de um sistema constitucional fundado na
independência e harmonia entre os Poderes. No acervo de decisões do STF, encontram-
se alguns exemplos nos quais o significado da interpretação constitucional foi desafiado
por atos legislativos posteriores (TAVARES et. al, 2010).
Isso ocorreu, por exemplo, com a decisão do STF no Recurso Extraordinário
197.917/, julgado em 2002, cujo mérito versava sobre o limite do número de vereadores
em comparação ao número de habitantes de um município. A decisão em tela redundou

14
Para uma exposição pormenorizada sobre a questão dos direitos fundamentais e do aborto nos E.U.A.
ever Dworkin (2003).

[198]
na redução de 11 vagas na Câmara Municipal de Mira Estrela e forneceu uma regulação
detalhada para aferir a proporção razoável entre população e representantes no legislativo
municipal. Em resposta à decisão do Supremo, o Congresso Nacional promulgou em 2009
a Emenda Constitucional nº 58, estabelecendo 24 faixas de proporção para o número de
vereadores. Na prática, a medida redundou num aumento das câmaras municipais em todo
país, em sentido inverso ao pretendido pela decisão do STF.
Noutro caso, o Supremo explicitamente enfrentou a questão relativa à
possibilidade de superação legislativa dos seus entendimentos em matéria de
interpretação constitucional. Tratava-se de discussão atinente ao foro por prerrogativa de
função. Em diversos julgamentos, o Tribunal entendeu que o foro especial só gera efeitos
durante o exercício da função pública que o impõe, cessando após o fim de seu exercício.
Tal entendimento cancelava aquele previsto na súmula 394 do STF. Em resposta, o
Congresso Nacional editou a Lei nº10.628/10, que restaurava o entendimento contido na
súmula 394. Desta feita, calcando-se na ideia de supremacia constitucional, o STF
pronunciou-se na ADI 2797/DF pela impossibilidade de revisão legislativa dos seus
entendimentos. Posição assim resumida na fundamentação do aresto:

Certo, a Constituição não outorgou à interpretação constitucional do Supremo


Tribunal o efeito de vincular o Poder Legislativo, sequer no controle abstrato da
constitucionalidade das leis, quando as decisões de mérito só terão força vinculante
para os “demais órgãos do Poder Judiciário e Poder Executivo”. Menos ainda cabe
cogitar de vinculação do Legislativo às decisões do STF que diretamente aplicam a
Constituição aos fatos: ao contrário das proferidas no controle abstrato de normas, são
acórdãos que substantivam decisões tipicamente jurisdicionais, de alcance restrito às
partes. O ponto está em que às leis ordinárias não é dado impor uma dada interpretação
da Constituição. A circunstância de que a interpretação constitucional convertida em
lei ordinária contrarie a jurisprudência do Supremo Tribunal – guarda da Constituição
– não é, assim, determinante, por si só, da inconstitucionalidade, embora evidencie o
desconcerto institucional a que pode conduzir a admissão da interpretação da
Constituição por lei ordinária.

Como podemos observar a possibilidade de diálogo em torno da construção do


significado da Constituição é uma realidade no Brasil. Sendo precipitado creditar ao STF
a prerrogativa de conferir a última palavra em matéria constitucional. Todavia, a
oportunidade dialógica parece estar dando azo a “entreveros institucionais”, resolvidos

[199]
prioritariamente por argumentos de inconstitucionalidade formal, cuja substância é muito
tênue para fomentar um debate qualificado na esfera pública.
Sendo assim, as perspectivas para o exercício do caráter contramajoritário da
jurisdição constitucional no contexto das propostas de alteração da legislação e das
normas constitucionais ambientais não são lá muito promissoras. Imaginar que o STF irá
realizar um controle qualificado da constitucionalidade de normas constitucionais
ambientais derivadas, tais como as emendas constitucionais que visavam declarar a
vaquejada parte do patrimônio cultural brasileiro, parece superrogatório diante das
capacidades institucionais e do histórico decisional deste Tribunal. Por outro lado,
podemos esperar uma atuação mais incisiva no que tange à fiscalização da
constitucionalidade de normas ambientais infraconstitucionais que representem
retrocessos ambientais. Por fim, cumpre ressaltar que o marco definidor desta relação se
dará no campo da política. Afinal, como afirmam Ferejohn e Pasquino (2010), por maior
poder formal que seja atribuído a uma Corte no no controle de constitucionalidade, suas
opiniões tendem a se conciliar àquelas da opinião pública. Mesmo quando
manifestamente contrárias à vontade da maioria, elas tendem a convergir numa síntese
dialética que envolve instituições e atores sociais.

Conclusões

Como vimos, diversas podem ser as visões sobre o exercício pelas cortes
constitucionais do chamado controle de constitucionalidade. Se, de um lado, muitos
autores vislumbram uma dificuldade contramajoritaria e um autêntico desafio ao regime
democrático, outros estudiosos enxergam nas decisões atinentes a tal controle uma
oportunidade de reforço dos debates e diálogos com outros atores da sociedade.
Hodiernamente, a conjuntura política e econômica brasileira tem se traduzido
também numa tendência de diminuição de direitos. Nesse contexto, institutos centrais do
Direito Ambiental tais como o licenciamento, assim como a demarcação de terras
indígenas para povos originários (cotidianamente delas expulsos) e as vedações de
tratamento cruel aos animais não humanos (habitualmente envolvidos em praticas
culturais e desportivas com caráter econômico) passam a ser objeto de diversas propostas
de emenda constitucional e de numerosos projetos de lei. Mesmo diante de todas as
evidências do momento critico que passamos no que tange às questões climáticas e
ambientais, essa agenda prossegue com passos firmes e acelerados.

[200]
Considerando a jurisprudência aqui compartilhada, não nos parece provável que
o Supremo Tribunal declare a maior parte das emendas aqui mencionadas como
inconstitucionais – ponto no qual esperamos estar enganados. Por essa razão, será de vital
importância que a sociedade civil participe do debate e se coloque claramente à favor da
proteção ambiental perante a classe política.
De outro lado, acreditamos que a Suprema Corte exercera um controle mais
vigoroso sobre os projetos de lei que buscam alterar a legislação ambiental trazendo em
termos abstratos cristalinos retrocessos no que tange è proteção do meio ambiente
ecologicamente equilibrado enquanto direito fundamental. Mas aqui convém lembrar que
muitos desses projetos de lei estão associados a propostas de emendas constitucionais
sobre a mesma temática e em tramitação veloz no Congresso Nacional, o que nos remete
ao primeiro problema e, novamente, à necessidade de um debate publico plural e de uma
manifestação clara da opinião publica em sentido contrario aos anseios de redução e
fragilização da proteção socioambiental.

[201]
Referências:

AVZARADEL, Pedro Curvello Saavedra. Novo Código Florestal: enchentes e crise


hídrica no Brasil. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016a.
____. Breve panorama do direito constitucional ambiental no Brasil E seus desafios In:
Direito Constitucional Ambiental Ibero-Americano.1 ed.Rio de Janeiro : Lumen Juris,
2016,b v.1, p. 131-189
___. Licenciamento de usinas hidrelétricas, reservatórios e áreas de preservação
permanente. Direito da Cidade. , v.7, p.609 - 625, 2015.
AVZARADEL, Pedro Curvello Saavedra; FARIAS, Talden Q.; COUTINHO, Isabela E.
Cury. Breves apontamentos sobre a tragédia da Samarco. Fórum de Direito Urbano e
Ambiental (Impresso), v.1, p.31 - 47, 2016.
BATEUP, Christine. The Dialogic Promise-Assessing the Normative Potential of
Theories of Constitutional Dialogue. Brook. L. Rev., v. 71, p. 1109, 2005.

BICKEL, Alexander M. The least dangerous branch: the Supreme Court at the bar of
politics. Yale University Press, 1986.

BRASIL. Projeto de Lei 3.729/204. Versão substitutiva apresentada pelo Deputado


Mauro Pereira, Relator da Comissão de Finanças e Tributação. Disponível em
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1550668&fil
ename=Tramitacao-PL+3729/2004. Brasília: 2017. Acesso em 12 mai 2017.
___. Proposta de Emenda a Constituição n. 304/2017. Acrescenta o §7º ao artigo 225 da
Constituição para determinar que as praticas desportivas que utilizem animais não são
consideradas cruéis, nas condições que especifica. Disponível em
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1525953&fil
ename=PEC+304/2017. Brasília: 2017. Acesso em 12 mai 2017.
___. Lei 13.364, de 29 de novembro de 2016. Eleva o Rodeio, a Vaquejada, bem como
as respectivas expressões artístico-culturais, à condição de manifestação cultural nacional
e de patrimônio cultural imaterial. Brasília: 2016a.
___. Proposta de Emenda Constitucional n. 270/2016. Acrescenta parágrafo § 4º ao art.
215 da Constituição Federal, para preservar rodeios e vaquejadas, e expressões artístico-
culturais decorrentes, como patrimônio cultural imaterial brasileiro, assegurada a sua
prática como modalidade esportiva, na forma da Lei. Disponível em
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1501437&fil
ename=PEC+270/2016. Brasília: 2016b. Acesso em 12 mai 2017.

[202]
___. Proposta de Emenda Constitucional 65/2012. Acrescenta o § 7º ao art. 225 da
Constituição Federal para assegurar a continuidade de obra pública após a concessão da
licença ambiental. Disponível em
http://legis.senado.leg.br/diarios/BuscaDiario?tipDiario=1&datDiario=14/12/2012&pagi
naDireta=71121 . Acesso em 10 mai. 2017.
___. Lei Complementar 140, de 8 de dezembro de 2011. Fixa normas, nos termos dos
incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para
a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios nas ações
administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas à proteção das
paisagens naturais notáveis, à proteção do meio ambiente, ao combate à poluição em
qualquer de suas formas e à preservação das florestas, da fauna e da flora; e altera a Lei
no 6.938, de 31 de agosto de 1981. Brasília: 2011.
DWORKIN, Ronald. Domínio da vida: aborto, eutanásia e liberdades individuais. São
Paulo: Martins Fontes, 2003.

ELY, John Hart. Democracy and distrust: A theory of judicial review. Harvard University
Press, 1980.

FEREJOHN, John; PASQUINO, Pasquale. The countermajoritarian opportunity. U. Pa.


J. Const. L., v. 13, p. 353, 2010.

GARGARELLA, Roberto. Las amenazas del constitucionalismo: Constitucionalismo,


derechos y democracia. Disponível em
http://www.alfonsozambrano.com/nueva_doctrina/29052011/ndp-
constitucionalismo_derechos_democracia.pdf . Acesso em 16 mai.2017.
NUSDEO, Ana Maria de Oliveira. Desafios atuais do licenciamento ambiental.
Disponível em https://jota.info/artigos/desafios-atuais-do-licenciamento-ambiental-
15042017. Acesso em 10 mai. 2017.
RAWLS, John. O liberalismo político. 2. edição [tradução: Dinah de Abreu
Azevedo]. São Paulo: Ática, 2000.

ROCCO, Rogério G.. História da Legislação Ambiental Brasileira: um passeio pela


legislação, pelo direito ambiental e por assuntos correlatos. In: Ronaldo Coutinho; Flávio
Ahmed. (Org.). Curso de Direito Ambiental. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2012, p. 03-
27.
TAVARES, Rodrigo S. et al. Diálogos institucionais e ativismo. Curitiba: Juruá, 2010.

[203]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[204]
12. O PODER DA MÍDIA E SEUS EFEITOS NOS REGIMOS
DEMOCRÁTICOS LUSO-BRASILEIROS

Daniella Raquel Tigre Silva1

Noemi Pereira Pinheiro2

Resumo: Por meio do presente artigo busca-se investigar o papel da mídia e seus
impactos nos regimes democráticos luso-brasileiro. Para tanto, em um primeiro momento,
será analisado o surgimento da mídia e seu fortalecimento enquanto instrumento
formador da opinião pública, sobretudo nos países objeto deste estudo, qual sejam, Brasil
e Portugal. Posteriormente, será estudado o papel midiático tanto no processo de
fortalecimento da Democracia, quanto no seu enfraquecimento nos respectivos países.
Será examinada também neste estudo a parcialidade das notícias divulgadas nos meios de
comunicação e a forma como a população recebe-as, sempre empregando o mais alto grau
de confiabilidade e veracidade nas informações veiculadas. Por fim, será realizada uma
análise crítica dos pontos controvertidos levantados ao longo do estudo, como por
exemplo, a manipulação midiática da população e sua utilização como massa de manobra
a serviço dos interesses de determinados grupos que detêm o poderio político, econômico
e dos meios de comunicação. A metodologia adotada baseia-se em um estudo
bibliográfico doutrinário. Os resultados demonstram que a veiculação midiática constante
de falhas do sistema de governo democrático acabam por enfraquecê-lo, bem como abrem
precedentes ao florescimento dos ideais totalitários no imaginário popular.

Palavras-chave: Democracia. Mídia. Política. Totalitarismo.

1
Aluna de licenciatura da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Primeira colocada geral no
concurso de estagiários do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (2014).
2
Aluna de Licenciatura pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Autora do artigo intitulado
“Imunidades Parlamentares” publicado na Revista da Assembleia Legislativa de Minas Gerais no ano de
2017.

[205]
1. Introdução

O presente artigo tem como objetivo uma análise do papel da mídia e de seus
efeitos nos regimes democráticos luso-brasileiro.
Inicialmente, será realizada uma breve análise histórica do surgimento da mídia,
especialmente no Brasil e em Portugal.
Posteriormente, investigaremos o poder da mídia enquanto quarto poder,
instrumento formador da opinião pública e, nas palavras de Machado, sua assunção na
“posição de ‘protetores da verdade’, estabelecendo assim seu poder e autoridade moral,
acima das instituições e quedando-se imune às críticas.”3
Em seguida, teceremos considerações acerca da manipulação, ausência de
parcialidade nos meios de comunicação e a utilização dos meios de comunicação a serviço
dos interesses dos grupos de hegemonia político-econômica dos países em questão.
Também será abordada a mídia no tocante à sua função comunicadora de ser uma
espécie de canal utilizado pela sociedade para a expressão de seus anseios coletivos.
E por fim, faremos uma análise crítica acerca da mídia e de seus desdobramentos
no regime de governo democrático.

2. O surgimento da mídia em Portugal e no Brasil: breves considerações.

O termo “imprensa” abrange na atualidade a imprensa escrita, radio- difundida,


tele-difundida, bem como aquela veiculada por meio da rede mundial de computadores.
Entretanto o termo deriva da “prensa móvel”, processo gráfico de impressão de jornais
escritos, aprimorado por Johannes Gutenberg em meados do século XVI.
Em Portugal, o início da imprensa escrita e periódica deu-se com a publicação das
chamadas “Gazetas da Restauração” em 1641. Já no ano de 1820 pode-se demarcar o
início da imprensa de opinião no país. Contudo, a efetiva organização industrial da
imprensa portuguesa ocorreu definitivamente apenas no ano de 1865. (Tengarrinha,
2013).
Quanto ao Brasil, sabe-se que o surgimento da indústria jornalística ocorreu de
forma tardia, tendo em vista a política colonial restritiva de Portugal que proibia a
impressão de livros e jornais em solo brasileiro. Sendo assim os primeiros jornais, “o

3
Machado, 2004, p.119.

[206]
Correio braziliense” e a “Gazeta do Rio de Janeiro”, surgiram apenas a partir de 1808
com a transferência da corte portuguesa para o Brasil. (Azevedo, 2006).
Apesar disso, “o Correio braziliense” era editado e distribuído a partir de Londres,
pelo que pode-se considerar que a “Gazeta do Rio de Janeiro” foi o primeiro jornal
efetivamente impresso no Brasil. Vale dizer que este último limitava-se à publicação dos
decretos da Corte e à cobertura das atividades da família real exilada no Brasil. (Azevedo,
2006).

3. Mídia como quarto poder.

Com efeito, não há como falar em política, sequer em democracia, sem falar em mídia,
uma vez que esta é considerada nos dias de hoje, uma espécie de quarto poder, ou até
mesmo “supra poder” por alguns autores, tendo em vista sua forte influência sobre os
demais poderes. (Guareschi, 2007).
De qualquer maneira, não há dúvidas de que a mídia mudou a política, no que diz
respeito a pelo menos dois aspectos relevantes. (Sartori, 1992 cit. in Singer, 2001).
Primeiramente, a mídia determina os temas sobre os quais recairá a atenção pública e
também é ela que decide o que deve ser dito, ou não, exercendo assim uma forte influência
na formação da opinião pública. (McCombs e Shaw, 1972 et al cit. in Singer, 2001).
Em segundo lugar, a mídia mudou a disputa eleitoral, substituindo os partidos
políticos em sua função comunicadora, em maior ou menor grau. (Rubin, 1981 cit in
Singer, 2000 ).

3.1 O poder simbólico

A comunicação se estrutura como ponto central para qualquer sociedade, sendo a


mais básica e vital de todas as necessidades, estando presente desde os tempos mais
remotos, até a atualidade, conforme afirma Dr. Lair Ribeiro, em seu livro Comunicação
global “a mágica influência da neurolinguistica aplicada à comunicação”.
Assim, utilizamos a linguagem em todos os âmbitos da vida humana, tornando-se
um meio indispensável para a constituição de uma sociedade e sua evolução

Comunicação é a mais básica e vital de todas as necessidades, depois da sobrevivência


física. Mesmo para se alimentar, desde os tempos pré-históricos, os homens

[207]
precisaram se entender e cooperar uns com os outros, através da comunicação
interpessoal ( RIBEIRO, Lair, 1993, pág. 11).

Bourdieu, em seu livro “o poder simbólico”, tendo como base a tradição neo-
kantiana, insere a linguagem como espécie dentro do gênero “sistemas simbólicos”, os
quais se compõe pelo mito, arte, ciência e língua4. Além disso, ressalta sua
instrumentalidade para a produção de conhecimento e construção do mundo dos objetos.
Diante disso, observa-se a visão dos símbolos como elementos ativos na
construção do mundo social, superando a teoria passiva da linguagem, a qual serviria
apenas como meio de descrição da realidade.
Ribeiro, em seus estudos, conclui de forma semelhante a Bourdieu, afirmando que
“é uma ilusão pensar que usamos a linguagem para descrever a realidade. O que ocorre é
exatamente o oposto: linguagem cria realidade. Eu estou criando uma realidade para você,
que está lendo este livro”. 5
No entanto, o que se entende por realidade, e de que modo podemos perquiri-la?
Conforme Guareschi, deve-se entender por real “o que existe, o que tem valor, o
que traz respostas, o que legitima e dá densidade significativa ao nosso cotidiano”6. Aqui,
nota-se a importância dos meios de propagação e disseminação dos símbolos, tais como
a mídia, vez que, ainda nas palavras do autor “hoje algo passa a existir ou deixa de existir,
sociologicamente falando, se é mediado, ou não”.

3.2 Mídia e seu papel na formação da opinião pública

Conforme afirma Guareschi:

Depois da II Grande Guerra não foi mais possível, como o fora antes,
fundamentar a sociedade ou em crenças ou nas relações de trabalho: ela se
fundamenta agora na comunicação e na produção de conhecimento através da
informação (Guareschi, 2007, p.08).

4
Bourdieu, 1989, p. 08.
5
Ribeiro, 1993, p. 22.
6
Guareschi, 2007, p. 09.

[208]
Nota-se, através da assertiva supracitada, que para se produzir o conhecimento -
essencial para a formação tanto da opinião individual, quanto da “consciência coletiva”,7
é necessário a veiculação da informação, bem como o seu conteúdo influenciará no que
será abstraído.
De acordo com o modelo cascata:

a opinião pública se formaria a partir de pequenos grupos, situados no topo da


pirâmide social e depois viria “descendo”, por degraus, até a base da pirâmide.
No primeiro degrau dessa “cascata”, estaria o pequeno grupo das elites
econômicas e sociais; no segundo grupo estariam o das elites políticas e, no
terceiro, a mídia, seguida pelos chamados formadores de opinião –
intelectuais, religiosos, artistas, educadores, líderes empresariais e sindicais,
jornalistas – e, finalmente, no último degrau, a grande maioria que constitui a
base da população (Carla Luciane Blum Vestena, 2008, pág. 11).

Assim, por possibilitar a manipulação das massas, os meios de comunicação


tornam-se um meio de dominação altamente cobiçado por aqueles que estão no poder e
que lá querem se manter.

As diferentes classes e fracções de classes estão envolvidas numa luta


propriamente simbólica para imporem a definição do mundo social mais
conforme aos seus interesses, e imporem o campo das tomadas de posições
ideológicas reproduzindo em forma transfigurada o campo das posições
sociais. Elas podem conduzir essa luta quer diretamente, nos conflitos
simbólicos da vida quotidiana, quer por procuração, por meio da luta travada
pelos especialistas da produção simbólica (produtores a tempo inteiro) e na
qual está em jogo o monopólio da violência simbólica legitimada (...)
(Bourdieu, 1989, pag. 11).

Dessa forma, a mídia perde a função de poder fiscalizador, passando para as mãos
dos detentores do capital, que a utilizam para agendar temas públicos e formar a
compreensão sobre mundo e a política.

7
Termo tratado por Durkheim, o qual se resume a um conjunto de ideais coletivos comuns em um
determinado sistema social.

[209]
3.3 O porquê da dominação

Até o presente momento já pode-se concluir o poder da mídia frente a dominação


das classes sociais, no entanto, deve-se perguntar quais motivos levam a aceitação por
parte da população das informações que lhes são passadas.
Para responder tal pergunta, necessário será a análise do papel da mídia na
atualidade e uma analogia com a política Romana.
Ao longo da expansão do Império Romano diversas revoltas foram surgindo, de
modo que seus governantes necessitaram idealizar mecanismos para contenção da
população, bem como desestimular o interesse em assuntos políticos.

Diante da expansão do império, aumentou, logicamente, o contingente populacional,


desencadeando vários problemas sociais. Com o aumento territorial e a elevação no
número de escravos, a população romana passou a ter que pagar excessivos tributos,
associado à subida no índice de desemprego e analfabetismo. Além disso, não havia
mais moradias dignas para a maior parte da população. Muitos desses problemas
ocorreram por conta de um governo extremamente corrupto, o qual priorizava o
interesse privado em detrimento do público (Soares Filho, 2010, pag. 336).

Nesse contexto, surge a famosa política de “pão e circo” ou panem et circenses,


no original em Latim.
Poucos conhecem o termo supracitado, porém tal aparato é frequentemente
noticiado em filmes que relatam o período Romano. Em o “Gladiador”8, por exemplo,
nota-se que a população Romana se reunia no Coliseu para assistir os sangrentos
espetáculos que lá ocorriam, vibrando de emoção com o que viam.
Para mais, enquanto os espetáculos estavam em curso, pões eram jogados para os
telespectadores se alimentarem, de modo a terem lazer e alimentação gratuita, e assim se
acalmarem frente ao cenário de desigualdade social e corrupção política da época.

8
Filme estadunidense, sobre a direção de Ridley Scott, lançado em 2000; o qual retrata a vida de um antigo
general, possível sucessor do trono, que após um golpe acaba por ser escravizado. O interessante do filme
para o artigo em questão, se refere a análise sobre a forma como a população é retratada - quer seja, suja e
mal vestida, em detrimento da alta classe social, sempre mostrada com glamour e roupas belas. Tal
característica faz refletir sobre a desigualdade social existente na época. Além disso, nota-se também, que
as lutas sempre possuíam um alto índice de telespectadores, de modo que o coliseu sempre estava cheio.
Tal fato atesta a eficácia da política de pão e circo na época, pois a população ao comparecer nas
apresentações se esquecia dos problemas sociais, transformando toda sua indignação em forma de
expectativa frente as batalhas travadas entre os gladiadores.

[210]
Para conter a possível revolta da massa populacional, os imperadores
ampliaram a política do pão e circo iniciado por Otávio Augusto. Tratava-se
de um golpe da gestão pública, no sentido de distribuir migalhas de pão e trigo
para alimentar a população e promover diversos espetáculos públicos – lutas
de gladiadores nas arenas – com o objetivo de entretê-los, para que ficassem
alienados a real situação romana (Soares Filho, 2010, pag. 336).

Em pesquisa divulgada pela secretaria de comunicação social da presidência da


república (Secom), “95% dos entrevistados afirmaram ver TV, sendo que 73% têm o
hábito de assistir diariamente. Em média, os brasileiros passam 4h31 por dia expostos ao
televisor, de 2ª a 6ª-feira, e 4h14 nos finais de semana”9, passando tais dados a variar de
acordo com a idade, gênero e escolaridade.
Em acréscimo, os índices de analfabetismo no Brasil também se mostram altos,
se compondo por um percentual absoluto de 8%10, o que corresponde a um total de
aproximadamente 17 milhões de pessoas.
Vale ressaltar que a carga de trabalho da população brasileira também é exaustiva,
de modo que 47,5% dos trabalhadores laboram entre 40 a 44 horas por semana, e 11,9%
mais de 49 horas11.
Indo mais além, “ao redor de 80% dos temas e assuntos que são falados no trânsito,
no trabalho, em casa e nos encontros sociais são colocados em discussão pela mídia. Neste
sentido, ela determina, até certo ponto, o que deve ser falado e discutido”12.
Dito isso, verifica-se que o Brasil passa por um momento histórico semelhante ao
enfrentado por Roma, onde os detentores do monopólio midiático13, criam programações
às quais recortam um cenário social, buscando retratar o seu comportamento, os
problemas enfrentados, acrescentando, porém, o fator fundamental - que é a conquista do
ambicionado, apesar das dificuldades; e isso atrai a atenção do público14.

9
IBGE, pesquisa sobre os hábitos de consumo de mídia pela população brasileira, realizada em 2015.
10
IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por amostra
de Domicílios 2007/2015.
11
IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra
de Domicílios 2014-2015.
12
Guareschi, 2007, p. 10.
13
Conforme retratado por Pedrinho A. Guareschi, em seu artigo “mídia e democracia: o quarto versus o
quinto poder”, publicado na revista “Debates”, 2007, p. 20, atualmente 90% da mídia pertence a 9 famílias.
Em decorrência disso, conforme ressalta o autor, a censura acaba por mudar de lugar, sendo agora a
população que fica impedida de exercer o seu direito de dizer a palavra, bem como expressar sua opinião.
14
O ser humano quando lê algum livro ou assiste algum filme, tende a se identificar com os personagens
nele contidos, de modo a se espelhar na figura do que achar mais parecido consigo. Posto isso, a mídia ao
retratar cenários da vida cotidiana, gera um sentimento de pertencimento na comunidade, além de conseguir

[211]
Tais programações, tendem a gerar um sentimento de pertencimento, vez que o
trabalhador ao chegar cansado em casa – após longas jornadas de trabalho, liga a televisão
e vê a vida que ambiciona ter, se incorporando ao personagem.
Vale ressaltar, que o trabalhador, por estar cansado, acaba por não filtrar as
informações que lhes são passadas, não as questionando, mas apenas absorvendo-as – e
os detentores do monopólio se aproveitam disso, para bombardear o telespectador de
informações.

Ora parece que os meios de comunicação sabem muito bem como aproveitar esse
aspecto do indivíduo que, sensorialmente, apreende a realidade. E no fluxo cada vez
mais veloz de informações, notícias e dados a repetição da criminalidade e da
violência como pautas midiáticas chegam ao público de uma forma naturalizada, em
relação às quais sequer existe crítica possível, dada a sua quase irrefutabilidade.
(Sartori, 2001 cit. Gomes e Albuquerque, 2014, p. 84).

Assim, a mídia como nova política de pão e circo, por meio de suas técnicas acaba
por criar a padronização do comportamento, tendo como base a política ideológica da
classe dominante.

(...) A mídia dociliza o eleitor e o controla conforme determinados expedientes. Isto


porque o próprio Estado favorece a alienação popular, uma vez que sua atuação tem
sido centrada em prover o povo daquilo de que mais necessita, a saber, o divertimento.
(...) A televisão tem sido o mecanismo multissensorial (por requerer a atenção da
visão, da audição e, principalmente, por influenciar no senso psicológico do indivíduo
por meio de imagens sugestivas) mais eficaz na transmissão de campanhas eleitorais.
Sua eficácia deve-se ao fato de que pretere o uso da lógica e difunde quadros globais
e 7 incompletos das mensagens, permitindo a alienação e facilitando o induzimento
do eleitorado(...). (Bittar, 2002, cit. in Melissa Freitas Guimarães, 2012).

manipular as expectativas populacionais. À exemplo, quando um protagonista consegue triunfar, mesmo


após dificuldades enfrentadas, o telespectador tende a acreditar que o mesmo deva acontecer consigo –
deixando de lutar pelos seus direitos, enquanto espera pelo “iminente” final feliz.

[212]
4. Mídia e sua função comunicadora em auxílio a democracia versus
manipulação dos meios de comunicação ao longo da história luso-brasileira.

Conforme afirma Guareschi “para que haja democracia numa sociedade, é


necessário que haja democracia também no exercício do poder de comunicar”15. Além
disso, afirma ainda, que essa se concretiza através de cinco pontos fundamentais, quais
sejam: a igualdade, a diversidade, a solidariedade, a liberdade, e por fim, a participação.
A participação se reflete como um dos elementos essenciais para a concretização
da democracia, porém acaba por ser o mais esquecido. As pessoas se encontram
desinteressadas frente aos seus direitos políticos, em razão da falta de credibilidade
política, bem como o sentimento de impotência para com a modificação desse cenário.
Na Grécia antiga por exemplo via-se a importância da “participação” na
constituição da democracia, de modo que a isegoria - liberdade e igualdade de fala entre
os cidadãos, era incentivada. Assim, ao se reunir na ágora (praças públicas), os cidadãos
contribuíam diretamente para a tomada de decisões concernente a polis.
Com o desenvolvimento dos meios de comunicação, e a quebra de fronteiras
gerada pela informação, não há mais a necessidade de reunião de todos os cidadãos nas
praças públicas para que debates ocorram.
Desse modo, conforme ressalta Guareschi, a mídia deveria ser a nossa nova àgora,
vez que possui meios para instruir debates nacionais, bem como o seu alto alcance
possibilitaria “ser o porta-voz de todos os grupos organizados da sociedade. Essa é sua
função principal e constitucional”16.
No que tange a liberdade, deve-se ressaltar que essa só se configura quando todos
os direitos forem respeitados, inclusive o direito à informação.
Tendo aqui, a imprensa, papel fundamental, vez que através dela, tornam-se
públicos temas antes só restritos aos governantes.
No entanto, a pergunta que se deve fazer – e que nesse ponto do artigo o leitor já
possui a capacidade de responder, é existe tal participação em nossa sociedade? Os
meios de comunicação são um serviço público com a tarefa de ser porta-voz dos seus
membros, na construção da cidade que se quer? Além do mais, há liberdade de
informação?

15
Guareschi, 2007, p. 12.
16
Guareschi, 2007, p. 20.

[213]
Antes de voltarmos a essas perguntas far-se-á uma análise dos regimes ditatórias
e a influência da mídia para a sua consolidação e decadência.

4. 1 O Estado Novo

Trata-se do regime político instaurado por Getúlio Vargas, estadista brasileiro,


que perdurou de 1937 até 1946.

em setembro de 1937, o governo divulgou a existência de um falso plano comunista


para assumir o poder no Brasil, o Plano Cohen, que, na verdade, fora redigido por um
oficial integralista do exército. O plano serviu como pretexto para o golpe: em 10 de
novembro Vargas ordenou o fechamento do Congresso, a extinção dos partidos
políticos e a suspensão da campanha presidencial e da Constituição. Estava instalada
a ditadura do Estado Novo (Vicentino, Dorigo, 2013, p.44).

Assim, nota-se que Vargas se utilizou dos meios de comunicação para instaurar o
medo gerado pelo suposto perigo comunista e, assim, se manter no poder e centralizá-lo
em torno de si.

Vargas explicou suas razões e seus projetos à população através do rádio: diante da
inoperância do Legislativo, era preciso, segundo ele, reajustar o organismo político às
necessidades econômicas do país. Esse reajuste significou a total centralização do
poder: em 27 de novembro, com a concordância dos governadores, transformados em
interventores, as bandeiras estaduais foram queimadas em cerimônia pública, e em 2
de dezembro todos os partidos políticos foram extintos (ARAÚJO, 2011, p. 21).

Cria o Departamento de Imprensa e propaganda, e institui órgãos de fiscalização


do que será divulgado, tais como a Agencia Nacional. Detém assim, nas mãos do
executivo o monopólio da informação.
Para além do Estado Novo, cabe ressaltar, em 1951, “(...)a criação da Última Hora,
jornal inovador que introduziu uma serie de técnicas de comunicação de massa até então
desconhecidas no Brasil”17.

17
Alzira Alves de Abreu, 2017, p.1, “Getúlio Vargas e a Imprensa, uma relação conflituosa”.

[214]
4.2 Ditadura Militar

O período da Ditadura Militar no Brasil, perdurou de 1964 até 1985, e foi


caracterizado, dentre outras coisas, pela centralização do poder nas mãos do chefe de
Estado, bem como a censura para com a mídia e repressão a qualquer tipo de manifestação
contrária aos atos do Estado.
Os meios de comunicação da época estavam passando por uma mudança, de forma
que ocorrera, gradativamente, a substituição da rádio18 pela Televisão, aumentando o
alcance populacional a ser atingido.

Essa mudança nos padrões de audiência e o surgimento de novas fórmulas de


programas foram acompanhadas por um salto nos números dos aparelhos de TV,
durante 1967. Entre janeiro de 1966 e janeiro de 1967 o número de unidades familiares
aumentou de 633.156 para 698.065, registrando 10% de acréscimo. Entre janeiro de
1967 e janeiro de 1968, o aumento foi de quase 35%, totalizando 959.221 unidades
familiares, só no Estado de São Paulo. Além disso, o acesso das classes mais pobres
ao aparelho cresceu no montante geral. Mas foi em 1968 que a TV passou a ser, não
só mais disseminada na sociedade numericamente falando, mas também
sensivelmente mais “popular”. Outra estatística esclarecedora demonstra que entre
1965 e 1967 a média anual de vendas de aparelhos de TV oscilou entre 10 e 15%.
Somente de 1967 para 1968, as vendas aumentaram 45%. (Marcos, para Boletim de
Assistência de TV (São Paulo), Ibop apud NAPOLITANO, 2001, como referido em,
Carocha, 2006, p.191/192).

Assim, a mídia, tanto em forma de televisão, rádio ou jornais, teve um papel


fundamental para a instauração do Golpe, vez que incitou movimentos tais como “ A
Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, bem como colocou no imaginário popular
o medo da instauração do Comunismo19 pelo Presidente da época ( Jõao Goulart)20.

18
Aparelho altamente utilizado por Vargas para a manipulação das classes sociais.
19
Vale ressaltar, que o contexto histórico do momento, se refere a Guerra Fria, com a polarização do mundo
em dois blocos essenciais - o Capitalista e o Socialista, assim sendo, tal fator corroborou para o medo da
instauração do Comunismo no país.
20
Alexandre Haubrich, jornalista e editor do bloque JornalismoB, em matéria para o site “revista o vies”,
junta trechos de notícias que circulavam durante momentos antes da instauração da Ditadura no Brasil,
afirmando que “Nos primeiros dias de abril de 1964, O Globo, Folha de S. Paulo, Estado de S. Paulo, Jornal
do Brasil, Estado de Minas e muitos outros jornalões publicaram manchetes como “São Paulo parou ontem
para defender o regime” (Folha de S. Paulo) e “Fugiu Goulart e a democracia está sendo restabelecida” (O
Globo), “Só há uma coisa a dizer a Goulart: saia!” (Correio da Manhã) (...)”.

[215]
Quando o foco das críticas se voltou para Goulart, sobrepuseram-se anti-getulismo,
anti-comunismo, resistência à centralidade cada vez maior dos sindicatos na política,
resistência a mudanças sociais e à exposição ampliada de demandas dos trabalhadores;
resistências, enfim, às transformações em curso, que poderiam reconfigurar os limites
do debate público e da esfera política no Brasil. Os artigos publicados pelo jornalista
e político udenista Carlos Lacerda na Tribuna da Imprensa naquele momento são,
talvez, o exemplo mais forte dessas sobreposições. É importante, para os objetivos
deste trabalho, lembrar que os principais jornais do país posicionaram-se, naquele
momento, a favor do afastamento de Goulart e, com ênfases e envolvimento
diferenciados, a favor de um golpe que, ao afastá-lo, restauraria a “ordem” e protegeria
o país da demagogia, do sindicalismo, do comunismo, da subversão dos valores, de
uma suposta ditadura de esquerda ( Flávia Biroli, 2009, p. 277).

4.3 Salazarismo

O Salazarismo - também conhecido como “Estado Novo” português, corresponde


a um período ditatorial em Portugal, que se estendeu de 1933 até 1974, tendo como
características principais o nacionalismo, a concentração do poder nas mãos do chefe de
Estado, e a censura.

De todos os mecanismos repressivos a Censura foi sem dúvida o mais eficiente, aquele
que conseguiu manter o regime sem alterações estruturais durante quatro décadas
(Mário Soares, 1977, cit. in Vanessa Gomes Rolim, 2011).

Antonio Oliveira Salazar, ciente da importância do papel dos meios de


comunicação, organizou um aparato de censura e manipulação da informação, à exemplo
do Secretariado de Propaganda Nacional21 que noticiava Portugal como exemplo
Europeu.

Não se pode falar de Censura sem falar no Secretariado de Propaganda Nacional -


SPN. O SPN criou-se em 1940, num gabinete de coordenação dos serviços de
Propaganda e informação, servia para fazer propaganda ao regime e portanto tinha
todos os interesses em ter a Censura ao seu lado, para cortar aquilo que fosse contra
ao Regime.(...) (Vanessa Gomes Rolim, 2011, p.1).

21
O SPN, mais tarde teve sua nomenclatura modificada para Secretariado Nacional de Informação – SNI.

[216]
Não se falava sobre a miséria e desemprego; muito pelo contrário, a imagem
repassada era de um país que oferecia educação e vida de qualidade para os seus cidadãos.

(...) preocupava-se em mostrar a aparência das coisas e não a realidade em si, tanto
nos Meios de Comunicação Social nacionais como internacionais. A nível interno
havia uma Censura prévia e posteriori, suspendendo, cortando, mutilando ou
proibindo todos os textos, imagens e sons que, de um modo imediato e transparente,
pusessem a descoberto a realidade das coisas e das situações, e, portanto, anulassem
a aparência da realidade que o regime apresentava como verdadeira (Vanessa Gomes
Rolim, 2011, p.1).

Após a análise da utilização da mídia em contextos ditatoriais luso-brasileiros, já


podemos responder à pergunta22 feita no ponto 04, de modo a constatar que a sua função
fiscalizadora fora desvirtuada, sendo utilizada muito mais como meio de dominação
social do que como mecanismo de exposição e discussão sobre a sociedade que se quer.

5. Bombardeamento de notícias pela mídia e os desdobramentos no tocante


ao regime de governo democrático.

Considerando a distorção da função fiscalizadora da mídia, far-se-á, nas linhas a


seguir, uma análise sobre os efeitos trazidos ao regime democrático com o fenômeno de
bombardeamento de notícias pela mídia, sobretudo aquelas ligadas à temática criminosa
e aos escândalos políticos.
Pois bem. Segundo a Teoria do agendamento de Maxwell, os indivíduos nas
sociedades modernas contemporâneas, são hoje mais do que nunca, devido ao progresso
nos domínios da ciência e das novas tecnologias, sujeitos a elevados índices de
informação que de algum modo os condicionam. (1972 cit. in Leal, 2010).

22
Relembrando o leitor, a pergunta feita fora “existe tal participação em nossa sociedade? Os meios de
comunicação são um serviço público com a tarefa de ser porta-voz dos seus membros, na construção da
cidade que se quer? Além do mais, há liberdade de informação? ”.

[217]
Já no que diz respeito à escolha das informações a serem veiculadas, Machado
afirma que a novidade, a atipicidade e o drama23, são os fatores determinantes na escolha
jornalística de um tema, tendo em vista que são comerciais. (Machado, 2004, p.109).
Com efeito, isso justifica a atenção dada pela mídia:

às ofensas violentas e sexuais e aos seus contextos (e.g., escolas, meio rural), agentes
(e.g., mulheres, sujeitos de alto estatuto) e vítimas (e.g., crianças) mais atípicos (Levi,
1997). Daí também o evitamento pelo crime banal (...) e o imediatismo da maioria dos
relatos (que separam o crime da estrutura social envolvente) ( Machado, 2004, p.109).

Thompson, em seu estudo acerca de escândalos políticos, afirma ainda que a


política e os políticos trabalham com um material especial, que é a credibilidade. (2002,
cit. in Guareschi, 2007).
A matéria prima da política é a credibilidade, um capital simbólico. Ora, a mídia
é o meio de produção desse capital, tanto para construí-lo, como para destruí-lo, como é
o caso do escândalo político, tema de estudo do autor. (2002, cit. in Guareschi, 2007).
Nesta esteira o pânico moral em torno dos crimes é significante da insatisfação social
(uma forma de lhe dar um rosto e de lhe apontar os responsáveis) e de seu policiamento
(real ou metafórico) a forma de recuperar a paz social ameaçada.” (Machado, 2004).
Sabe-se também que um dos principais sujeitos no processo de construção do
discurso da insegurança é a mídia. Inúmeros estudos demonstram que a mídia hiper-
representa a violência, sendo esta muitas vezes discrepante à incidência real destes
crimes. (Machado, 2004, p. 107).
Nesse sentido, Machado afirma que:

Apenas a título de exemplo, refiram-se os dados de Liska e Baccaglini (1990),


segundo os quais, apesar de o homicídio corresponder a apenas 0,2% dos crimes nos
EUA, ele ocupa 30% das referências ao crime nos jornais; os de Doob (1984, cit.
Connor e Whelan, 1996), que refere que 50% das notícias jornalísticas no Canadá
envolvem violência, quando tal representa apenas 5% do crime oficial; ou os de
Williams e Dickinson (1993, cit. Heath e Gilbert, 1996), que encontraram na

23
Aqui entra a questão da criminalidade. Ao ligar a televisão, a todo momento fala-se sobre a criminalidade,
assassinatos cometidos, desmoralização da família e etc., conforme corroborado por Raber, ao afirmar que
“95 % dos entrevistados de sua amostra apontam a mídia como sua principal fonte de informação sobre os
crimes”. (1980, cit Machado, 2004, p. 106, 107).

[218]
Inglaterra 60% de referências à violência nas notícias sobre o crime, para uma
ocorrência de 5% desses casos nas estatísticas oficiais (Machado, 2004, p. 107).

Segundo Graber, na cidade americana de Chicago, cerca de 20% a 24% das


notícias na televisão versavam sobre a corrupção. Já o estudo de Schlesinger e de seus
colaboradores revelam que os escândalos bolsistas constituíam 18% a 29% dos temas
criminais relatados (Graber, 1980 et al, cit.in Machado, 2004, p.118).
Tal fenômeno ocorre tanto nos programas televisivos quanto nos jornais. Reiner
afirma que “o crime e a justiça criminal sempre foram fontes de espetáculo e
entretenimento populares, antes mesmo do aparecimento do mass media.” 24
Quanto à atração da mídia pelo crime, Sacco destaca que isso se deve à
necessidade de produção de notícias com o escopo de preencher os vazios noticiosos em
épocas de menor agitação política e social. (Sacco 1995, cit. in Machado, 2004, p.108).
Observa-se ainda que as exigências de credibilidade e independência podem levar
a mídia a autoconstituir-se em defensora dos “interesses populares” e da “verdade dos
fatos” (publicitando, por exemplo, os crimes de figuras poderosas e da polícia), chegando
mesmo a assumir o papel de agentes de controle da justiça” (e.g. Sacco, 1995 et al cit.
Machado, 2004, p. 118).
Tal papel é importante no processo de avanço democrático, na medida em que traz
à tona taxas de ocorrência de crimes violentos e escândalos políticos que outrora eram
ocultados do conhecimento público. (Singer, 2001.)
Nota-se que a ação de fiscalização da grande imprensa contribui também para
limitar de alguma forma as falhas éticas dos representantes, das instituições políticas e de
justiça. (Singer, 2001.)
Entretanto, como efeito da veiculação reiterada dessas notícias temos, a exemplo:
a rápida sucessão dos fenômenos do pânico e sua banalização, redução da capacidade de
mobilização social, e sobretudo: descredibilização popular nas instituições políticas.
(Machado, 2004).
Além da ação benéfica de policiamento, a mídia impressa logo desenvolveu o que
Sartori denominou “parcialidade de oposição crítica” – ou seja, uma atitude de ataque
permanente aos políticos, com a consequente desmoralização destes e das instituições
representativas (Sartori, 1992 cit. in Singer, 2001).

24
(Reiner, 1997 cit. In Machado, 2004, p. 107, 108).

[219]
O que se nota é que a ação de policiamento exercida pela grande imprensa não
contribuiu na melhora da qualidade da representação, pois grande parte dos parlamentares
eleitos são proprietários ou estão ligados a esquemas de comunicação regional, que não
são independentes dos interesses políticos, como se mencionou acima (Singer, 2000).
Em outras palavras, assistimos à criação de um círculo vicioso. Os políticos eleitos
com apoio da imprensa regional, quando chegam ao poder, são desmoralizados pela
imprensa nacional, mas conseguem ser reeleitos com o apoio da mesma imprensa
regional, não modificada até então pelo avanço da democracia. O resultado é uma grande
desmoralização do sistema representativo seja no Brasil, seja em Portugal (Singer, 2000).
Ou seja, se, de um lado, a ação de fiscalização da grande imprensa contribui para
limitar de alguma forma as falhas éticas dos representantes, ainda não se assistiu a uma
mudança na qualidade da representação política nesses países (Singer, 2000).
O resultado tem sido a condenação das instituições representativas, como tais, por
uma parcela significativa do eleitorado. No Brasil, tendo como base a última eleição do
país no ano de 2016, os resultados demonstram que 32,5% dos eleitores optaram pela
abstenção, pela anulação de seus votos ou pelo voto em branco, enquanto em Portugal
tendo como base as eleições de 2009, a porcentagem de abstenções foi de 40,9 % (Caram
e Ramalho, 2016 e Sousa, 2013).
Esses dados são reflexo dessa rejeição à simples idéia da representação (devemos
lembrar que no Brasil, onde o voto é obrigatório, uma alienação dessa ordem é muito
significativa) (Singer, 2000).
No Brasil, essa descrença pode ser apreendida da pesquisa feita pelo Ibope
(Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatísticas), quando foram entrevistadas 5.300
pessoas em nove capitais e interior do estado de São Paulo. Ao serem perguntados se os
políticos se preocupam com o bem-estar da população, o eleitorado de algumas capitais
demonstrou que acredita muito pouco no político brasileiro: Brasília 2,98%; Porto Alegre,
3,21%; Recife, 4,53%; Rio de Janeiro, 5,42%; São Paulo, 5,48%; Curitiba, 6,06; Belo
Horizonte, 6,39%; Fortaleza, 6,79%; Salvador, 7,33%; São Paulo (interior), 8,87% (Veja,
25/07/01, no 1.710 cit. in Chaia e Chaia, 2000).
O grande problema é que se a sociedade se desinteressa do processo político, é
menos provável que no futuro haja um aumento da qualidade na política. Portanto, a
crítica da imprensa aos políticos, se não resultar em mudanças positivas na qualidade da
representação, não contribuirá para reforçar as instituições. Na verdade, a desconfiança

[220]
na representação pode criar uma representação pior, caso haja um afastamento da
população em relação à política. (Singer, 2000).
Com efeito, como resultado da descredibilização da população nas instituições
democráticas, mais do que a piora da representatividade no próprio regime democrático,
nota-se ainda um perigo maior: o retorno dos antigos regimes totalitários de governo.
Na obra “As origens do totalitarismo” de Hanna Arendt, a autora descreve o
cenário que precedia à tomada de poder pelos regimes totalitários, nos seguintes termos:

Antes que a política totalitária conscientemente atacasse e destruísse a própria


estrutura da civilização européia, a explosão de 1914 e suas graves conseqüências de
instabilidade haviam destruído a fachada do sistema político — o bastante para deixar
à mostra o seu esqueleto. Ficou visível o sofrimento de um número cada vez maior de
grupos de pessoas às quais, subitamente, já não se aplicavam as regras do mundo que
as rodeava. Era precisamente (necessário) a aparente estabilidade do mundo exterior.
(Arendt, 1978, p. 390, grifo nosso).

Ora, o que se observa é que cenários de crise política (crises de


representatividade), econômica e social (com enfoque ao aumento das taxas de
desemprego e de criminalidade), tendem a naturalmente abalar o regime democrático de
governo.
Tal tendência é maximinizada quando a mídia reiteradamente veicula esse tipo de
informação, causando não apenas uma descredibilização geral em relação ao regime
democrático, mas também contribuindo para o florescimento dos ideais totalitários nos
setores mais conservadores da sociedade, uma vez que diante do aparente cenário de
“caos” e “desordem” advindos do regime democrático, tais setores clamam por um
governo centralizador que recupere a ordem e a estabilidade perdidas.
Nessa esteira, afirma Machado que os meios de comunicação “funcionam como
aliados dos órgãos de controlo social, alimentando o medo e a punitividade.”25 Acrescenta
ainda que a mídia contribui na manutenção da “ordem social existente ao reforçar a crença
numa ameaça externa e ao dar «peso e credibilidade à retóricas políticas que exigem
severidade e o restabelecimento da lei e da ordem.”26
Conclui ainda que este processo potencializa-se nos momentos em que a
hegemonia dos grupos dominantes é mais ameaçada, recorrendo-se à “dramatização de

25
(Machado, 2004, p. 112-113).
26
(Machado, 2004, p. 112-113)

[221]
uma ameaça externa para garantir o consenso intergrupal e para legitimar o recurso a
medidas coercitivas de supressão ou silenciamento da discordância política.” 27
A exemplo disso temos o fenômeno do ressurgimento da extrema direita e do
neonazismo em pleno século XXI, principalmente nos Estados Unidos e no continente
europeu. (Vízentini, 2000).
Em Portugal em que pese não haja um “neo- salazarismo” militante e organizado,
nota-se que diante das crises de caráter político e econômico enfrentadas pelo país nos
últimos anos, cada vez é mais crescente a presença movimentos de cunho nacionalista e
conservador que buscam a retomada dos tempos áureos vividos pelo país durante a
ditadura do Estado Novo.
Já no Brasil, de maneira muito análoga, têm se observado, principalmente a partir
das manifestações de 2013, pessoas saindo às ruas e clamando pela “intervenção militar
já”, sobretudo após às recentes revelações midiáticas dos casos de corrupção envolvendo
políticos dos poderes executivo e legislativo brasileiro.

6. Considerações finais

Certo é que a mídia produz verdadeiros movimentos criminalizadores por meio


das notícias veiculadas em suas páginas de jornal, programas de auditório e telenoticiário,
o que nos leva a perceber que a notícia não é apenas mera reprodução de acontecimentos,
mas sim fruto de um esforço discursivo sobre o qual existem interesses e objetivos
determinados. (Gomes e Albuquerque, 2014, p. 84).
Com efeito, nota-se que a mídia tende a favorecer leituras do crime que favorecem
os interesses dos grupos dominantes e a reprodução das normas sociais, uma vez que a
veiculação constante do crime gera descredibilização popular no sistema do consenso
social às custas da supressão da discordância política. (Beckett, 1994, cit.in Machado,
2004, p.113,114).
Contudo, também é verdade que ela tem sido, em certa medida, um ambiente
discursivo público com espaços de abertura e receptividade a posicionamentos
alternativos e com algum potencial de transformação da ordem social. (Machado, 2004,
p.120 e 121).

27
(Machado, 2004, p. 112-113).

[222]
Portanto, o grande desafio a ser atingido é fazer com que a mídia se torne para os
cidadãos um espaço plural de debate das decisões políticas, possibilitando, nas palavras
de Habermas, uma deliberação verdadeiramente crítica e racional acerca das temáticas
que dizem respeito à esfera pública. (1984, cit.in Azevedo, 2006).

Referências:

Aníbal, S. (2013). Valores Recorde na Abstenção de Votos Brancos. Acedido em 10 de


maio de 2017: https://www.publico.pt/2013/09/30/politica/noticia/valores-recorde-na-
abstencao-votos-brancos

Arendt, H. (1978). O Sistema Totalitário. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Azevedo, F. A. (2006) Mídia e democracia no Brasil: relações entre o sistema de mídia e


o sistema político, Opinião Pública, vol.12, no.1.

Baronas, R.L., (2005), “EFEITO DE SENTIDO DE PERTENCIMENTO À ANÁLISE


DE DISCURSO”.

Filho, S.S., (2010), “BRASIL, A CONTINUIDADE DA POLÍTICA DO PÃO E CIRCO


OU É SÓ IMPRESSÃO?”, Revista Estudos Jurídicos UNESP, Franca, A. 14 n.19, p. 01-
404.

BOURDIEU, P., (1989) O Poder Simbólico, Cidade: Lisboa, Difusão Editorial Lda.

Brasil. Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira


de mídia 2015: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira, – Brasília, Secom.

[223]
Caram, B. e Ramalho, R. (2016). Abstenções, votos brancos e nulos somam 32,5% do
eleitorado do país. Acedido em 10 de maio de 2017:
http://g1.globo.com/politica/eleicoes/2016/noticia/2016/10/abstencoes-votos-brancos-e-
nulos-somam-326-do-eleitorado-do-pais.html

Carocha, M.L, (2006), “A CENSURA MUSICAL DURANTE O REGIME


MILITAR (1964-1985)”, Questões & Debates, n. 44, pp. 189-211.

Cestari, L. R. (2013) A Conquista do povo: Notícias Populares e a oposição ao governo


João Goulart, Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
\FGV.

Chaia, V. e Teixeira, M. A. (2001) Democracia e escândalos políticos, São Paulo


Perspectivas. vol.15, no.4.

Chaia, V. e Chaia, M. (2000) Mídia e política, Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e


Política da PUC/SP.

Fonseca, F. (2011) Mídia, poder e democracia: teoria e práxis dos meios de comunicação,
Revista Brasileira de Ciência Política, nº 6, pp. 41-69.

Gomes, M.A.M. e Albuquerque, F. D. S. (2014) Mídia, Medo e Expansão Punitiva, Porto


Alegre: Llivraria do Advogado.

Guareschi, P.A, (2007), “MÍDIA E DEMOCRACIA: O QUARTO VERSUS O QUINTO


PODER”, REVISTA DEBATES, Porto Alegre, v.1, n.1, p. 6-25.

Guazina, L., (2007), “O CONCEITO DE MÍDIA NA COMUNICAÇÃO E NA


CIÊNCIA POLÍTICA: DESAFIOS INTERDISCIPLINAREs”, REVISTA DEBATES,
Porto Alegre, v.1, n.1, p. 49-64.

[224]
GUIMARÃES, M.F. e ZENI, B.S., (2011), “O PAPEL CONSTITUCIONAL DA MÍDIA
NA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA BRASILEIRA”, artigo apresentado ao final da
especialização em Direito do Estado na Universidade Anhanguera Uniderp.

Instituto Brasileiro de Geografía e Estatísticas. (2016). Acedido em 11 de maio de 2017:


http://www.brasilemsintese.ibge.gov.br
Leal, J.M.P, (2010), “O sentimento de insegurança na discursividade sobre o crime”,
Sociologias, Porto Alegre, Vol. XII, n. 23, p. 394-427.

Machado, C. (2004). Crime e Insegurança. Discursos do medo, imagens do outro. Lisboa:


Editorial Notícias.

MEIRELLES, A. e NEVES, T., (2015), “Memória autoritária: um estudo sobre a


representação da ditadura brasileira na imprensa1”, Jornal Alencar em parceiria com a
Universidade Federal de Juiz de Fora para o 10º Encontro Nacional de História da Mídia,
n. 20.

Rizzotto, C.C., (2012), “Constituição histórica do poder na mídia no Brasil: o surgimento


do quarto poder”, Revista Estudos da Comunicação
Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. Acedido em 11 de maio
de 2017: http://www.brasil.gov.br/governo/2014/12/televisao-ainda-e-o-meio-de-
comunicacao-predominante-entre-os-brasileiros
Singer, A. (2001) Mídia e Democracia, Revista USP, São Paulo, n.48, p. 58-67.

Tengarrinha, J. (2013) Nova História da Imprensa Portuguesa- das origens a 1865.


Lisboa: Temas e Debates.

Vestena, C.l.B., (2008), “O papel da mídia na formação da opinião pública: a contribuição


de Bourdieu” Guairacá - Guarapuava, Paraná, n.24 p.9-22.

Weiber, W., (2006), “A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA E A TRANSFORMAÇÃO


SOCIAL NA VISÃO DA SOCIOLOGIA CLÁSSICA E CONTEMPORÂNEA”, Revista
Ciências Sociais em Perspectiva, Vol. V, n.8, p. 147-151.

[225]
Esta página foi intencionalmente deixada em branco

[226]
13. WHATSAPP E CIBERATIVISMO: NOVOS ESPAÇOS
NA DEMOCRACIA

Sérgio Barbosa dos Santos Silva1

Resumo: O objetivo geral deste texto é investigar como o uso das tecnologias da
informação e comunicação (TIC’s), em particular, o WhatsApp, vem se apresentando
como elemento central para a convocação e a mobilização de ciberativistas nas formas
contemporâneas de participação política e novos espaços na democracia. Para tanto, foi
enfocado de que forma os usuários do grupo “# Unidos Contra o Golpe” organizaram
protestos em 2016 na cidade de Florianópolis, no que se convencionou denominar
usualmente de ciberativismo. O método de investigação é “netnografia” do grupo do
WhatsApp, juntamente com a análise de mensagens postadas e a realização de entrevistas
semi-estruturadas, ressaltando as motivações quanto ao seu uso político. Para isso, o
estudo utilizou procedimentos analíticos de cunho amplamente qualitativo. A pesquisa
verificou o potencial mobilizador do WhatsApp para além das abordagens dicotômicas
que, por um lado, defendem entusiasticamente o potencial democratizador da internet
como uma espécie de “ágora digital”, por outro, observam sua expansão como tendência
à alienação e à desmobilização. Conclui-se, a partir da análise empírica, que os múltiplos
usos do WhatsApp representaram novas formas de participação política traduzidas em
mecanismos de ativação da cidadania e impacto positivo nas formas coletivas de
sociabilidade do grupo.

Palavras-chaves: WhatsApp; Ciberativismo; Democracia; Participação Política.

1
Bacharel em Sociologia pela Universidade de Brasília (2014). Licenciado em Ciências Sociais pela
Universidade de Brasília (2015). Mestre em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa
Catarina (2017). Atualmente, é aluno do doutoramento em Democracia no século XXI pelo Centro de
Estudos Sociais (CES) junto à Universidade de Coimbra em Portugal. Desenvolve pesquisas relacionadas,
principalmente, aos seguintes temas: democracia; participação política; internet; WhatsApp e
ciberativismo. Endereço eletrônico: sergio.barbosa30gmail.com

[227]
Introdução

Este texto investiga o uso político do WhatsApp com objetivo de analisar


modalidades de participação política no âmbito da bibliografia sobre ciberativismo e
TIC’s (Tecnologias da Informação e Comunicação). Em específico, buscamos entender
o papel do WhatsApp na convocação e mobilização de ciberativistas inscritos em um
grupo do aplicativo intitulado “# Unidos Contra o Golpe” ou UCG (iniciais utilizadas
pelos usuários).
O UCG foi criado a partir do desejo de lutar contra o golpe2 que se organizou no
ano de 2016 no Brasil e reivindicou o retorno de Dilma Rouseff à presidência da
república. A indignação com a situação política do Brasil motivou os usuários inscritos
no grupo a refletirem e discutirem o cenário que o país atravessou nesse ano.
Nossas discussões caminham no sentido de investigar um espaço de política
criado no grupo do WhatsApp para além dos canais institucionais. Nosso intuito não é
estabelecer uma relação causal entre o UCG e participação política, mas desvendar o
conteúdo social presente neste processo, buscando novos insights, mesmo que se
considere a incapacidade de cobrir todos os possíveis aspectos da temática em um
momento de velozes transformações tecnológicas (Kies, 2010, p. 5).
A estratégia metodológica adotada foi a “netnografia” do grupo do WhatsApp
desde o ingresso deste pesquisador em meados de Abril de 2016. A partir da
“netnografia”, realizamos a análise das informações postadas pelos usuários do grupo no
mês de setembro de 2016 e quinze entrevistas semi-estruturudas com residentes de
Florianópolis inscritos no UCG.
Este artigo está dividido em duas seções. Na primeira parte elucidamos uma
discussão teórica sobre como o ciberativismo pode ser considerado uma forma de
participação para além dos canais institucionais da política, revisamos a bibliografia sobre
a temática de internet e política e ressaltamos como novas práticas participativas podem
utilizar o WhatsApp como ferramenta de politização.
A seção dois é dedicada à análise empírica, a partir da combinação das
metodologias supracitadas: em um primeiro momento tecemos considerações sobre a
“netnografia” juntamente com as postagens do UCG em setembro de 2016 e

2
Este pesquisador está em comum acordo com os ciberativstas investigados e, portanto, considera que a
saída da presidenta Dilma Rouseff foi um golpe.

[228]
apresentamos alguns resultados das entrevistas realizadas com os ciberativistas de
Florianópolis. As considerações finais revelam um “novo olhar” sobre como ver e fazer
a política no século XXI, tendo como base as interações do grupo investigado no
WhatsApp.

Ciberativismo e Whatsapp

Ao investigar o uso político do WhatsApp pelo UCG, pretendemos: “compreender


melhor os fenômenos de participação política nas sociedades contemporâneas,
reconhecendo que nem todos os movimentos e associações estão dispostos a participar
dos espaços institucionais de partilha do poder” (Pereira, 2012, p. 84). Em verdade,
vivemos um tempo de esgotamento do modelo democrático neoliberal (Mouffe, 2016) e
“reinvenção da política” (Errejón & Mouffe, 2016). Talvez um dos maiores obstáculos
do século XXI seja justamente:

colocar as pessoas no centro, uma política humana, dos cuidados, para humanizar as
instituições, aberta à participação, à deliberação, à tomada de decisão e à capacidade
de desenvolver propostas. Politicamente, como a atividade que nos humaniza e nos
dá significado substitui a política como herança técnica dos burocratas (Sabariego,
2016, p. 269, tradução nossa).

Se a democracia liberal enquanto sistema político hegemônico vem enfrentando o


“paradoxo democrático” (expansão de governos democráticos concomitante ao
decréscimo da participação das populações em relação às instituições tradicionais da
política), podemos diagnosticar sinais de esgotamento quanto aos mecanismos
representativos dos sistemas políticos modernos.
Mouffe (2016) apresenta a natureza do modelo ocidental de democracia como
uma articulação de duas tradições diferentes, quais sejam: a tradição do liberalismo
político com sua ideia de “Estado de direito”, de liberdade individual e dos direitos
humanos e uma segunda tradição democrática de igualdade e de soberania popular. Entre
estas duas tradições, o paradoxo ganha corpo porque o peso maior reside na primeira
tradição. Mais do que isso: nas democracias contemporâneas as decisões políticas, de uma
forma geral, estão fora do alcance dos cidadãos, na medida em que seu linguajar “técnico”
afastou a população da participação política.

[229]
Em contrapartida, os diferentes movimentos de indignação que sacudiram o
mundo nos últimos anos, - como a Revolução Egípcia, o movimento 15-M na Espanha, o
Ocuppy nos Estados Unidos, as Jornadas de Junho no Brasil em 2013 - mostraram-se,
apesar de seus limites, capazes de oxigenar a democracia e compartilharam as seguintes
características entre si: rejeição aos partidos políticos, baixa confiança nas formas
convencionais de organização política, formação e mobilização via internet (Castells,
1999; 2003 ;2013; Feixa & Nofre, 2013; Feixa et al, 2016; Gerbaudo, 2012; 2017;
Vommaro, 2014; 2015).
O advento das TIC’s simultaneamente à difusão da internet permitiu tanto a
comunicação direta entre os indivíduos, quanto a distribuição da informação de forma
multidirecional e horizontal. É relevante, por isso, repensar o processo de funcionamento
do poder político frente às constantes transformações expostas pela globalização no
século XXI, reconhecendo que os indivíduos, por não confiarem nas tradicionais formas
de fazer política, não se sentem representados politicamente pelo atual quadro
institucional (Barbosa, 2016; 2017). Resultado: os índices de participação nas eleições de
países com mais longa tradição democrática vêm declinando nas últimas décadas, assim
como as filiações às principais instituições representativas (Castro; Reis, 2012).
Mouffe (2015) observa que um dos grandes desafios da democracia no século XXI
é “não poder se limitar a estabelecer uma solução conciliatória entre interesses ou valores
ou a deliberar acerca do bem comum; ela precisa apoiar-se concretamente nos desejos e
fantasias do povo” (Mouffe, 2015, p. 6). Como avaliar uma era de imprevisibilidade,
mudanças e transformações em que as redes de interação social expandem-se para fora
das unidades políticas territorialmente definidas pela organização do Estado Moderno?
Mais ainda: se, nas democracias liberais contemporâneas, percebemos o acúmulo
de uma quantidade irrestrita de demandas que não podem ser canalizadas via mecanismos
institucionais, as decisões políticas cada vez mais são realizadas em espaços que estão
fora do controle dos cidadãos. Sendo assim, no lugar de uma confrontação de ideias e
projetos, estamos presenciando o esfacelamento do regime representativo das
democracias liberais aliado a um crescimento contínuo de descontentamento da
população em relação ao mundo político.
A partir desse questionamento, percebe-se a formação de uma lacuna na
capacidade comunicativa entre o Estado e os cidadãos. De um lado, o poder político
continua em uma esfera local; de outro, os cidadãos acumulam não só uma insatisfação
generalizada justificada pela separação entre governantes e governados, como também

[230]
demonstram pouca vontade de se engajarem em um sistema político carente de
“ferramentas comunicacionais” comuns ao cotidiano dele.
Percebemos, então, um “descompasso” entre uma sociedade civil que pleiteia por
repostas rápidas e eficientes, ao mesmo tempo em que os canais da participação política
sinalizam não acompanhar essas demandas requeridas. Há, assim, uma série de lacunas
quanto à compreensão dos valores que orientam e embasam as ações dos atores no campo
político e também acerca das formas de sua socialização. Neste trabalho, consideramos
que percepções de situações sociais objetivas podem passar por impressões e avaliações
subjetivas acerca dos fenômenos políticos.
A formação das “paixões” na política, elemento-chave considerado por Mouffe
(2016) na construção de formas coletivas foi também diagnosticado no grupo investigado.
Por paixão, Chantal entende “um certo tipo de afeto comum que é mobilizado no campo
político na constituição de formas de identificação” (Errejón & Mouffe, 2016, p. 53,
tradução nossa) e “desempenham um papel fundamental na política, e a tarefa da política
democrática não é superá-las por meio do consenso, mas elaborá-las de uma forma que
estimule o confronto democrático” (Mouffe, 2015, p. 5).
O confronto entre identidades diversas no UCG permitiu florescer a “paixão”
como elemento fundamental na constituição do espaço coletivo dentro do grupo no
WhatsApp. Foi o elemento que deu fôlego ao modus perandi do UCG, à medida que o
choque de opiniões diversas entre os usuarios foi crescendo concomitante ao
entrosamento do grupo e, ao fim e ao cabo, foram capazes de formar um ator coletivo.
Em verdade, os aspectos da “paixão” operam como ingrediente contrário à forma racional
de conceber o mundo político. Em outras palavras: “a dimensão da política do mundo
social não se reduz a atividades, espaços, atores ou racionalidades oficialmente
reconhecidos como políticos” (Seidl & Grill, 2013, p. 8).
A partir dessas ideias, as TIC’s têm possibilitado novas formas de atuação política
para além dos canais institucionais, “aumentando a capacidade de mobilização e a
articulação dos cidadãos e possibilitando um maior envolvimento dos atores sociais”
(Penteado et al, 2015, p. 1598). As formas de ativismo digital sinalizam novas
possibilidades de mobilização política ao sugerir reconfigurações de práticas
participativas.
A saber, “compreendeu-se que a internet não traz modificações automáticas; nós,
usuários, é quem configuramos e utilizamos as ferramentas de maneiras diversas, com
objetivos pontuais, influenciados por inúmeros fatores” (Marques, 2011, p. 10). Não há,

[231]
portanto, uma relação mecânica entre o WhatsApp e participação política: esta TIC “não
promove automaticamente a participação política e nem sustenta a democracia; é preciso,
antes, olhar tanto para as motivações dos sujeitos quanto para os usos que eles fazem dela,
em contextos específicos” (Maia, 2011, p. 69).
A crise na participação é sentida, a priori, no ambiente offline, e a internet pode
mobilizar (ou pelo menos fazer um esforço) na recuperação pelo gosto da participação no
campo político e não ser a chave para a solução da crise de representatividade vivida pelas
democracias contemporâneas. A saída para este impasse, a nosso ver, é o bottom-up,
prática que permite agregar até aquele indivíduo que outrora estava desinteressado pela
participação política, mas que, agora, com canais interativos, tem potencial para iniciar
práticas participativas. As pessoas que já não participam da política, talvez não comecem
a participar exclusivamente por conta da internet. Mais do que isso:

O que se pode oferecer, na verdade, é um surplus para os cidadãos participarem da


vida pública, visto que há uma apropriação social da tecnologia digital que é imediata,
pouco custosa e muito eficiente, além de não demandar sacrifícios enormes para o
indivíduo engajar-se politicamente (Barbosa, 2016, p. 56).

As novas possibilidades de acesso, organização, indexação e circulação de


conteúdos criam modalidades novas modalidades de participação. A saber, o
ciberativismo “facilita a formação de novas identidades coletivas, na medida em que cria
espaços temáticos de discussão que permitem a convergência de posições políticas de
pessoas dispersas geograficamente e que muitas vezes nem se conhecem” (Eisenberg,
2015, p. 245).3
O principal termo importado dos estudos de internet e participação é o
ciberativismo. Este pode ser definido como qualquer tipo de ativismo que utilize as TIC’s
como ferramenta política. Em específico, “o ciberativismo corresponde a práticas
comunicacionais que, utilizando plataformas, redes e suportes digitais, sobretudo na
internet, visam entrosar e dar maior visibilidade a lutas no interior da sociedade”
(Eisenberg, 2015, p. 131).
Suas modalidades incluem um repertório variado de ações dispostas a “fortalecer
conexões entre comunidades” (Eisenbeg, 2015, p. 132) desde ferramentas de interação do

3
Um exemplo de iniciativa digital que permite ao cidadão apresentar sugestões no escopo da hipercidadania
é a “RNSP (Rede Nossa São Paulo) que se apropria de ferramentas interativas e colaborativas da internet
para incentivar uma maior participação popular em suas ações políticas” (Amadeu et al, 2014, p. 209).

[232]
meio online como campanhas virtuais, grupos de discussão, fóruns, chats, petições até as
assembléias, atos públicos, passeatas, panfletos e protestos ocorridos meio offline.
Considera-se, neste estudo em questão, que todo usuário inscrito no UCG é, de alguma
forma, um ciberativista.
O ciberativismo, ao fim e ao cabo, é uma manifestação de ativismo social
contemporâneo, na qual o emprego das TIC’s promove modalidades criativas de ações
políticas colaborativas em redes sociais virtuais. Trata-se de colocar em prática uma nova
maneira de ver, sentir e agir politicamente na sociedade contemporânea ao propor ideias
e ações por meio de inúmeros usos das TIC’s que estão reinventando o ativismo político.
Renomados sociólogos têm se destacado na seara do ciberativismo, entre os quais:
o italiano Paolo Gerbaudo, o argentino Pablo Vommaro, o espanhol Manuel Castells, a
brasileira Maria da Glória Gohn e o espanhol Carles Feixa. Gerbaudo (2012; 2014; 2016;
2017; 2017a; 2017b) talvez seja uma das vozes mais ativas no que tange o ciberativismo
no mundo contemporâneo. O sociólogo italiano ressalta que o ciberespaço ocupa uma
posição onde tudo acontece, ou seja, onde os indivíduos conectados trocam ideias entre
si e com o mundo. Os ciberativistas atuam como internautas que colam, copiam, replicam,
editam, sintetizam e multiplicam as redes sociais virtuais, em milhões de tweets e posts
sobre notícias a respeito dos acontecimentos políticos em geral.
O autor realiza um rico trabalho de campo etnográfico ao testemunhar as múltiplas
manifestações de ativismo através das redes sociais virtuais. Seu conceito-chave é
choreography of assembly (coreografia coletiva). Entende-se como um “processo de
construção simbólica de um espaço público que se constrói em torno de um ajuste de cena
emocional e um script dos participantes na assembleia física” (Gerbaudo, 2012, p. 12,
tradução nossa). As coreografias coletivas podem ser “caracterizadas por sua
inventividade e dinâmica de ação, agrupando um número significativo de estratégias. O
uso de diferentes estratégias é seguido de uma atualização constante das informações na
internet, demonstrando dinamismo e envolvimento” (Penteado et al, 2015, p. 1611) com
o meio offline.
A teoria da “coreografia coletiva” (Gerbaudo, 2012) destaca não só as
oportunidades, mas também os riscos envolvidos na adoção entusiástica dos movimentos
sociais contemporâneos. Estas contribuem para transformar locais simbólicos de protesto
em "trending places" (em comparação com a definição do Twitter para “trending topics”),
que adquirem um imenso poder de atração local por um determinado período de tempo,

[233]
mas depois (como acontece com todos os “trending topics” do Twitter) desaparece
progressivamente.
Nos diferentes movimentos de indignação investigados por Paolo Gerbaudo
(Revolução Egípcia, Indignados na Espanha e Occupy nos Estados Unidos), apesar das
reivindicações para grupos se configurarem sem liderança absolutas, a partir de um
caráter dinâmico e assimétrico do processo de mobilização, a função do coreógrafo para
dar o primeiro passo, para definir uma data, para lançar uma ideia, criar um hashtag é
fundamental.
O modo inaugural como o sociólogo versa sobre a noção fluida de natureza
dinâmica, assimétrica e complexa dos processos de mobilizações em escala mundial nos
reserva grandes desafios teórico-conceituais e metodológicos (Gerbaudo, 2016; 2017;
2017a; 2017b). Trata-se de pensar novas metodologias que possam avaliar grupos em que
o valor da espontaneidade e não adoção de mecanismos de delegação e representação
sejam basilares.
A noção de “coreografia coletiva” serve, então, para reavaliar a noção tradicional
de lideranças dos movimentos sociais e colocar o ciberativismo no rol das formas
emergentes de participação política. O ‘choreography of assembly” de Gerbaudo (2012)
é substituída, no liguajar de Vomarro (2014), por carnavalización de la protesta. Assim
como no aporte teórico do sociólogo italiano, a carnavalización de la protesta refere-se à

A dramatização das identidades do protesto, a captação dos meios de comunicação, a


perturbação das relações do espaço público e, sobretudo, a representação de novas
maneiras de se conceber a política no mundo contemporâneo. Constitui-se de uma
configuração peculiar em torno das ações políticas juvenis, onde o político e o
artístico-cultural estão inevitavelmente articulados (Vomarro, 2014, p. 68, tradução
nossa).

O recado de Vomarro (2014) é que essa juventude representa um símbolo de uma


política que se reconhece como nova e suas mobilizações na América Latina expressam
“uma vocação persistente para promover alternativas inovadoras no campo da
participação política no que tange a capacidade de protestar e servir como forte potencial
para continuar protagonizando novas mobilizações sociais, conflitos e mudanças”
(Vomarro, 2014, p. 69, tradução nossa).
Castells (2013) elucida uma mudança na maneira como a organização das novas
formas de ativismo é vivenciada pelos seus participantes. Ele denomina essas novas

[234]
práticas participativas como “movimentos sociais em rede”. Estes surgem como um
projeto calcado nas experiências dos indivíduos, reinventando o modo como a estrutura
democrática funciona e partilha interesses, ideias e valores que deságuam no espírito
coletivo.
A natureza desses movimentos caracteriza-se de forma espontânea e com
ocorrência a qualquer momento e em qualquer lugar do mundo, amparada em larga escala
pelo uso das TIC’s. São características destes “movimentos sociais em rede”: o descrédito
em relação às instituições políticas tradicionais e ao não-funcionamento dos mecanismos
de representação; a desconfiança das informações disseminadas pelos veículos da mídia
tradicional e por corporações financeiras; sem lideranças e organizações formais; sem
orientações estratégicas e autoridades verticais (não programáticos); têm sua formação e
são mobilizados primordialmente via internet (simultaneamente globais e locais); uso
intensivo das redes sociais virtuais (interação dinâmica entre ciberespaço e espaço
urbano); conectados em redes de múltiplas formas (multimodais) e, por último, são
movidos pela tríade: indignação, entusiasmo e esperança.
Equivale a dizer: diferentes formas de indignação são catalisadas em diferentes
partes do globo. Segundo o sociólogo espanhol, o espaço da autonomia é uma
característica essencial no arranjo espacial dos “movimentos sociais em rede”.
Autonomia é definida como a “capacidade de um ator social tornar-se sujeito ao definir
sua ação em torno de projetos elaborados independentemente das instituições da
sociedade, segundo seus próprios valores e interesses” (Castells, 2013, p. 172).
Gohn (2013), talvez a referência brasileira de maior renome nessa área de
pesquisa, ressalta que os novíssimos movimentos sociais centram-se no advento da
internet por meio da comunicação interativa das redes sociais virtuais. A internet tem
aumentado o escopo das possíveis políticas que favorecem o fortalecimento de
movimentos emergentes com caráter emancipatório.
A socióloga brasileira observa que não foram sindicatos ou os partidos que
convocaram estes tipos de manifestações e sim os cidadãos plugados em redes sociais
virtuais. Aliás, “desde o início se fez crítica radical a todas as instituições do
establishment – parlamento, partidos, sindicatos, empresas, igrejas e monarquia” (Gohn,
2013, p. 34). Segundo Gohn (2013), todos que têm acesso às mesmas informações,
particularmente os jovens, estão ligados em um único mundo, onde também podem ficar
lado a lado, curtir páginas, compartilhar vídeos, fotos, artigos, posts, sem contar a
replicação em perfis, blogs e sítios.

[235]
A “geração Hashtag” 4 formada pelas mobilizações coletivas da juventude na era
da internet é destacada no trabalho de Feixa et al (2016). Estes jovens estiveram presentes
em inúmeros protestos sociais que explodiram nos últimos anos entre 2009 e 2014. A
saber: “todos estes movimentos surgiram no meio virtual, criaram hashtags que se
converteram em Trending Topics (tendências mundiais) e consolidaram o papel
mobilizador das redes sociais virtuais em geral e do Twitter em particular” (Feixa et al,
2016, p. 111, tradução nossa).
A geração # (hashtag), segundo Feixa et al (2016), perfaz uma nova fase da
sociedade em rede, caracterizada pela supremacia das redes sociais virtuais. Uma de suas
características basilares é a indexação (classificação numérica e temática) dos atores
participantes respeitando afinidades sociais, ideológicas e culturais, assim como uma
multiplicação exponencial das capacidades de conexão e colaboração entre os jovens
(Fernández-Planells, 2016). Esta geração inaugura “novas formas de protestos, onde
jovens de distintos países participam de manifestações convocadas pelo meio virtual e
propagadas e organizadas por telefones móveis” (Feixa et al, 2016, p. 111, tradução
nossa).
O que todos estes autores apresentam como denominador comum, em maior ou
menor grau, é abrir espaço para possibilidades políticas cujas posições não estão dadas,
mas que são construídas pelos atores sociais envolvidos no processo. As chaves de análise
– Gebaudo (“coreografia coletiva” e “movimentos das praças”); Vommaro
(“carnavalização dos protestos”); Feixa (“geração hashtag”); Castells (“movimentos
sociais em rede”); Gohn (“novíssimos movimentos sociais”) – expressam movimentos
contemporâneos associados a uma “geopolítica da indignação global” (Bringel & Pleyers,
2015) que devem ser situados por suas demandas peculiares “em diferentes coordenadas
espaço-temporais” (Bringel & Pleyers, 2015, p. 8).
As TIC’s, confome visto, podem servir como instrumentos de mudança social e o
ciberativismo ganha “nouva roupagem” na seara de estudos sobre participação política ao
proporcionar a emergência de novos espaços para a democracia. Neste trabalho, em
específico, procuramos entender como o grupo criado no WhatsApp em Florianópolis
serviu como espaço proveitoso para formação de uma identidade coletiva que evoluiu de

4
As hashtags (#) são palavras-chave antecedidas pelo símbolo #, que servem tanto para destacar quanto
para conectar mensagens sobre o mesmo assunto em redes sociais virtuais. No Twitter, as hashtags dos
assuntos mais recorrentes vão para os Trending Topics.

[236]
forma contingente e atingiu proporções que nem mesmo os usuários do grupo
imaginavam em suas expectativas iniciais.
O potencial democrático do WhatsApp pode sim ser apropriado por inúmeros
atores sociais de modo a organizar e articular redes de protestos, como diagnosticado no
UCG. Neste processo, os mundos online e offline estão conectados, a saber: “a análise de
como eles se relacionam, seja via atores offline que deflagram movimentos virtuais ou
intervêm na comunicação virtual, seja nos momentos posteriores, quando a dinâmica
política se desloca para outros espaços” (Sorj, 2016, p. 13) é pautada por práticas de
intervenção que estão para além do mundo institucional, criando um “novo tecido
democrático online/offline” (Sorj, 2016, p. 18).
Mas como surge o aplicativo móvel WhatsApp? Por que ele é considerado a “bola
da vez” no mundo inteiro? O WhatsApp é um “aplicativo de mensagens multiplataforma
que permite trocar mensagens pelo celular sem pagar por SMS”.5 Foi criado em 2009 e
teve seu auge em escala mundial no ano de 2012. Desde então, vem passando por várias
atualizações nas suas funcionalidades. Em apenas quatro anos de existência ele cresceu
mais que o Facebook e seus números de penetração em diferentes países aumentam
exponencialmente (Gutiérrez-Rubí, 2015). Não por menos, em fevereiro de 2014, o
Facebook anunciou a compra do aplicativo por 16 bilhões de dólares.6
Os usuários dessa tecnologia móvel podem enviar imagens, vídeos e documentos
em PDF, fazer ligações sem custos desde que haja conexão com a internet. Dentre as
funcionalidades, destacamos: conversa em grupos permitindo partilhar todo tipo de
informação com os usuários inscritos (que é o canal investigado por este trabalho); a
modalidade WhatsApp Web, que sincroniza conversas do dispositivo móvel para outro
dispositivo, (ou seja, no computador pessoal é possível retomar as conversas presentes no
aplicativo do celular); e a execução de chamadas de voz e de vídeo, podendo realizar até
ligações internacionais.7
Trata-se de uma ferramenta comunicacional que facilita a organização em grupo,
é versátil, tem abrangência global e forte potencial para diversas formas de ação. Ainda
podemos destacar a facilidade de relacionar, empoderar e promover a ação coletiva. E,
não menos importante, tem uma reverberação crescente em diversas esferas da vida

5
Disponível em: https://www.whatsapp.com/?l=pt_br Acesso em: 02 de Maio de 2016.
6
Disponível em: http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2014/02/criado-em-2009-whatsapp-cresceu-mais-
rapido-que-facebook-em-4-anos.html Acesso em: 04 de dezembro de 2016
7
Disponível em: https://www.whatsapp.com/features/ Acesso em: 03 de Dezembro de 2016.

[237]
social, sendo usado em ambientes de trabalho, meio acadêmico, campo esportivo, esfera
privada, campanhas políticas, movimentos sociais, e para qualquer outro grupo de pessoas
afins.
Com a adesão enorme de usuários a esta rede de tecnologia móvel em todo o
planeta, o Brasil seguiu o mesmo caminho: “A crescente penetração do WhatsApp,
aplicativo de conversação para smartphones se fazia presente em 56% dos aparelhos
móveis brasileiros em 2014” (Savazoni & Copello, 2016, p. 118).8 A expansão da
tecnologia móvel aliada ao barateamento dos preços dos “smartphones” culminou em um
maior acesso à rede virtual pela população (Hansen, 2016).
Gutiérrez-Rubí (2015) destaca que os grupos presentes no WhatsApp relacionam
indivíduos construindo comunidade de interesses, mas que também promove ação
autônoma e criativa dos usuários. Há o que o autor denomina de “mobile lifestyle”:
comportamento social e individual que relaciona, empodera e promove ação coletiva e
autônoma a partir do uso do “smartphone”. No nosso cotidiano, por exemplo, desde que
saímos de nossos lares todos os dias vemos o quanto é comum ter algum indivíduo
“clicando” a todo instante em seu celular.
Esse “mobile lifestyle” é percebido, por exemplo, nos grupos do WhatsApp ao
aproximar pessoas com interesses comuns através da própria iniciativa individual que se
inicia com o administrador do grupo. A saber, “por sua dimensão global e por seus mais
de 700 milhões de usuários em todo o mundo, o WhatsApp se revela, de forma
esmagadora, uma ferramenta indispensável para a política” (Gutiérrez-Rubí, 2015, p. 9,
tradução nossa).
O uso político do WhatsApp tem sido uma das marcas nas novas formas de
ativismo online. Estudos mostram que o “baixo interesse por aplicações para celulares e
tecnologias móveis não foi capaz até o momento de formar uma categoria própria”
(Bragatto & Nicolás, 2012, p. 20). Além disso, “a crescente penetração do WhatsApp nos
smartphones” (Savazoni & Copello, 2016, p. 118) tem crescido de forma exponencial na
sociedade informacional do século XXI.

Radiografia do UCG

O “UCG” foi criado no dia 30 de Março de 2016 às 19:19 (horário de Brasília)


por um usuário de Florianópolis em um período próximo à votação pela Câmara dos

8
No senso comum, a população brasileira rebatizou o aplicativo como “ZapZap”.

[238]
Deputados do pedido de impeachment contra a presidenta Dilma Rouseff. O grupo
chegou a ter 256 usuários inscritos que, reivindicavam a volta de Rouseff à presidência.
Que contexto político brasileiro levou à criação do “UCG”? Por quê o nome “Unidos
contra o Golpe”?
Avritzer (2016) denominou a turbulência política na democracia brasileira de
“impasse”. O cientista político elenca os motivos que levaram a tal paralisia, quais sejam:
colapso da aliança congressual de sustentação do governo, esgotamento do
presidencialismo de coalizão, forte mobilização da opinião pública contra a presidenta e
forte impacto da operação lava-jato. Logo, a crise política aliada ao agravamento da crise
econômica resultou em condições de ingovernabilidade pelo poder executivo (Avritzer,
2016).
No momento em que este texto era escrito, o UCG tinha cerca de 197 usuários,
sendo aproximadamente mais de cem registrados no grupo com o DDD (+48) 9. O número
de usuários varia de um dia para outro, já que tanto podem entrar novos como sair antigos.
No grupo, praticamente todos os números foram inscritos como administradores, o que
permite adicionar novos integrantes e sinaliza uma organização de forma horizontal.
A grande maioria dos inscritos provém da região Sul do país, especialmente da
cidade de Florianópolis, mas estando presentes ciberativistas de outras regiões e alguns
do exterior. Houve então uma transnacionalização do grupo sem qualquer pretensão
inicial para isso. O UCG é formado por um grupo heterogêneo de atores sociais, tais
como: educadores, engenheiros, petroleiros, geólogos, médicos, psicólogos,
psicanalistas, arquitetos, sindicalistas, estudantes universitários, dentistas, atores, poetas,
cronistas, bancários, músicos, professores universitários, mestres, doutores e políticos.
Os integrantes do grupo se posicionam majoritariamente como defensores de uma
ideologia de esquerda: se orientam basicamente para a promoção da igualdade entre os
homens e para a mudança da ordem social. Bobbio (1994) explica que na esquerda
percebemos o princípio do igualitarismo; o laicismo; a crítica das limitações ético-
religiosas; a inexistência de conceitos absolutos de bem e mal; os interesses dos
trabalhadores, que devem prevalecer sobre a necessidade de crescimento econômico; o
antifascismo; e a identificação permanente com as classes inferiores da sociedade. A
saber: “a conotação central da noção de esquerda apresentada por Norbeto Bobbio é com
a ideia de igualdade. Segue sendo usada no mundo político e tem que ser mantida”

9
Esse DDD equivale a usuários da Grande Florianópolis e da região sul do Estado de Santa Catarina. Há
também DDD (+47) E (+49) que equivalem a outras regiões do Estado.

[239]
(Errejón & Mouffe, 2016, p. 131, tradução nossa).
Este pesquisador criou um modus operandi para qualificar o modo de ação do
UCG baseado em sua “netnografia”. O grupo se uniu sob um projeto de esquerda formado
por vários atores sociais. O florescimento das “paixões”, conforme visto, foi elemento-
chave e se mostrou capaz de dar coesão ao grupo. Os ciberativistas criaram possibilidades
de participar num coletivo e isso não envolveu uma solução necessariamente racional.
Eles se uniram, mas reconheceram os direitos de outros usuários a exporem também seus
pontos de vista sobre o contexto político brasileiro. Houve o dissenso, mas com uma base
de consenso, princípios éticos e morais que foi essencial para se organizarem em
conjunto. O modus operandi do UCG “não decorreu necessariamente de um projeto
consciente, mas simplesmente daquilo que as pessoas fazem, sentem, percebem, e termina
por articular à medida que procuram significados para sua vida cotidiana” (Harvey, 2014,
p. 22).
No caso brasileiro, quando uma força política consevadora transformou a
consciência da população e a ganhou a sua confiança: tornou-se muito difícil construir
uma alternativa para ocupar esse terreno. O grupo surgiu com motivações, interesses e
projetos de se unirem contra esta “direita que saiu do armário” (Messenberg 2016) e o
início do governo Temer.
Para isso, utilizaram os dispositivos do WhatsApp para interagir socialmente,
motivados pela indignação com a situação política brasileira e propelidos pelo entusiasmo
de criar novos projetos de ações políticas que revelaram valores pró-democráticos. Um
das questões fundamentais nesta pesquisa foi investigar como esse modus operandi
(Quadro 1) permitiu um espaço proveitoso para potenciais formas de participação política
e aproximação de vínculos entre os usuários.

[240]
Quadro 1: Fatores estruturantes e Modus Operandi do UCG
Contexto
Três Criação do
político
motivações- Grupo no
brasileiro que Resultado: Modus operandi UCG
chave para WhatsApp
favoreceu a
criação do grupo
união do UCG
- - Interações
Impeachment via postagens
de Dilma a um custo
Rouseff; reduzido e de
forma
- Início do interativa;
Governo
Temer; - Convocação
de protestos,
- Cortes
a partir do
drásticos no
cruzamento
- Parlamentares orçamento das online
políticas - Processo organizativo na forma de
conservadores (WhatsApp /
sociais, redes, onde os ciberativistas:
off-line identificam problemas; compartilham
redução de
(ruas); informações; convocam protestos;
benefícios,
- Mídia destituição de buscam soluções conjuntas; e ainda
- Espaço desenvolvem formas de solidariedade
tradicional direitos, seja
coletivo de para garantir o respeito ao direito de
parcial no mundo do
articulação; outros usuários exporem seus pontos
trabalho, seja
nas políticas de vista. Sua organização
- Inserção da descentralizada é basicamente formada
sociais e nos
- Judiciário política na por diversos participantes que não
serviços
Espetacularizado públicos; prática reconhecem uma liderança formal
cotidiana;
- Medidas
anti-sociais - Paixão
como a como
aprovação da elemento
PEC 241 ou irracional que
PEC 55; permitiu
maior coesão
-Não legado ao grupo.
de Junho de
2013.

Fonte: Elaboração do autor.

Traçamos informações diversas, onde colocamos as experiências subjetivas como


parte da redação e buscamos um significado comum entre as análises das postagens com
as entrevistas realizadas, tendo em mente a “netnografia” deste pesquisador “seguindo os
atores” do UCG, desde o momento de seu ingresso. Ao combinar as três técnicas de
pesquisa (“netnografia”, análise de postagens e entrevistas), entramos em contato mais
profundo com as informações disseminadas no grupo.

[241]
O intervalo utilizado para análise de mensagens postadas no WhatsApp no mês de
setembro de 2016 foi um período posterior a consumação do impeachment (31 de agosto),
valendo-se de variáveis de análise presentes no Quadro 2.
Quadro 2: Operacionalização de ações estratégicas do “UCG” em setembro de 2016

VARIÁVEL AÇÕES ESTRATÉGICAS


OBSERVÁVEIS

A Mecanismo propositivo Construção da comunidade de interesses.


Defesa de ideias e valores.

B Criação de outras ações em redes sociais Ação para formar outros grupos no
virtuais WhatsApp para exercer uma atividade
específica; atalhos para eventos no
Facebook; Vomitaço; Tuitaço.

C Mobilização Convocação para alguma atividade ou


protesto. Ação de estímulo nos grupos
do WhatsApp e outras formas de
interação e mobilização em outras redes
sociais virtuais. Uso da criatividade e da
arte nos protestos.
D Estratégias de novas ações Ferramentas utilizadas para colocar as
ideias em práticas. Auxílio na resolução
de impasses, tomadas de decisão a partir
de discussão e debate entre os usuários
do grupo.

E Difusão de informações Informações de contexto geral. Vídeos,


fotos, atalhos de sites, áudios postados
pelos ciberativistas. Lógica do
streaming, realizando transmissão ao
vivo dos acontecimentos das
manifestações.

F Respostas rápidas Quando um ciberativista, responde a


outro usuário utilizando a mensagem do
primeiro, aproveitando essa
funcionalidade do WhatsApp.
G Difusão de material não veiculado pela Isso acontece especialmente nas
mídia tradicional situações em que os meios de
comunicação tradicionais não cumprem
seu papel percebido em relação aos
critérios jornalísticos autoproclamados
como objetividade e imparcialidade. Uso
recorrente de notícias veiculadas pelo
coletivo alternativo “Mídia Ninja”
(Narrativas Independentes Jornalismo e
Ação).

[242]
Fonte: Elaboração do autor.

Utilizamos essas variáveis, uma vez que foram construídas para caracterizar a
ação do grupo neste mês investigado, levando em conta também a “netnografia” realizada
desde meados de Abril. Foi realizado um uso mais qualitativo das mensagens postadas,
tomando certos diálogos ou interações como exemplos típicos, mesmo que não sejam
necessariamente representativos em relação a todos os usuários inscritos no UCG, no
sentido de poder acompanhar as orientações subjetivas dos atores sociais durante o mês
de setembro.
Tem-se em mente que “é preciso sobretudo observar as situações e os contextos
nos quais a troca de informações se produz, assim como a construção, por meio de debate,
das regras às quais os interlocutores se submetem” (MARQUES, 2011, p. 19). Para isso,
este pesquisador dirigiu-se à parte de configuração do grupo do WhatsApp, escolheu a
opção de exportar a conversa e enviou para seu próprio e-mail para ter acesso ao histórico
das mensagens e poder realizar a interpretação das mensagens no intervalo proposto.
Neste histórico temos acesso a todas as mensagens postadas em setembro de 2016.10
No período escolhido (setembro de 2016) o Brasil já atravessava um momento
político pautado pelo avanço da direita. Foi justamente no pós-impeachment da presidenta
Dilma que a PEC 241 foi aprovada pela Câmara e depois pelo Senado, onde ganhou o
nome de PEC 55. Da perspectiva dos integrantes do UCG, estas eram propostas nada
preocupadas com os valores democráticos e representavam o corte de 20 anos de direitos
sociais adquiridos pela população menos desfavorecida, nunca adotada nesta magnitude
em qualquer país do planeta.11
O que as postagens dos ciberativistas nos revelaram? Partimos da pergunta de
Gerbaudo: “como os participantes, muitas vezes agindo a uma distância do outro, vêm
perceber a si mesmos e são vistos pelos outros como parte de um ator comum?”
(Gerbaudo, 2014, p. 264, tradução nossa) A interação por meio destas postagens
favoreceu a formação de um ator coletivo? Percebemos, de forma geral, a utilização de
“respostas rápidas”, à medida que os ciberativistas acompanharam a votação do Senado
que culminou no impeachment da presidenta Dilma Rouseff. Houve um sentimento de

10
As mídias que os ciberativistas postam não são enviadas para o e-mail, embora as mensagens
permaneçam de forma integral.
11
A auditora fiscal Maria Lúcia Fattorelli fez campanha intensa nas redes sociais virtuais contra a PEC
241/55, que recorrentemente eram divulgadas pelos usuários do UCG. Ver:
https://www.youtube.com/watch?v=zyFcWMBxWjQ Acesso em: 10 de dezembro de 2016.

[243]
indignação e foram convocados protestos. Alguns cibeativistas saíram do WhatsApp e
foram às ruas. Percebemos de A até a G (todas as categorias descritas no quadro 2)
utilizadas no mês de setembro de 2016. Os usuários do grupo recorrentemente postaram
fotos, vídeos, atalhos de sites com textos e fizeram do WhatsApp um canal legítimo de
participação política para se comunicarem de forma rápida e instantânea.
As varáveis utilizadas foram classificadas de acordo com as postagens. Elas foram
criadas após a análise do mês de setembro. Detectamos também que os ciberativistas
usam textos em “caixa alta”, quando querem ganhar mais atenção dos outros usuários. O
uso recorrente da “#ForaTemer” foi bastante expressivo, confirmando o estudo de Feixa
et al (2016). As características das modalidades de ciberativismo elencadas no trabalho
de Penteado et al (2015) como “informação, consulta, mobilização, engajamento,
deliberação e empoderamento” foram fontes centrais para criamos nossa
operacionalização.
Podemos inferir que os usuários do UCG formaram um ator coletivo a partir da
interação das mensagens compartilhadas entre eles. Mais do que isso: a mobilização
intensa de suas participações com um respeito mútuo permitiu calorosos debates no grupo
do WhatsApp por meio do compartilhamento, difusão de idieias e articulação política.
Em futuros estudos, sugerimos alargar o período de análise e, se possível, quantificá-las
a partir da classificação.
De forma complementar à análise das postagens do mês de setembro de 2016, a
opção por entrevistas semi-estruturadas teve o objetivo de qualificar a análise de
trajetórias dos ciberativistas juntamente com sua intensidade da participação política no
WhatsApp, a partir de suas percepções e motivações, além de mapear os repertórios de
atividades desempenhadas por eles desde seu início no meio virtual até sua repercussão
no meio offline. Dessa forma, foram exploradas questões do tipo “como o uso do
WhatsApp mudou o perfil de atuação na política” e, “se houve uma maior participação
na política a partir do incremento desta ferramenta ou não”. Para responder a estas
perguntas, as entrevistas12 proporcionaram aos ciberativistas refletirem sobre seu uso
político do WhatsApp.
Por meio de um roteiro semi-estruturado, buscou-se evidenciar a interpretação de

12
Optamos por realizar 15 entrevistas, seguindo o recrutamento via “snowball” e de alguma forma este
número foi suficiente para interpretar o “modo de agir” do UCG e, por isso, decidimos encerrar a “bola de
neve” na entrevista de número 15, permitindo a viabilidade da pesquisa. As entrevistas foram gravadas por
este pesquisador.

[244]
suas motivações para participarem da vida política, a partir dos conteúdos valorativos
expressos no discurso dos entrevistados. Procurou-se, então, “ouvir” os sujeitos
investigados, frisando o sentido subjetivo que os atores sociais dão às suas próprias ações
no grupo do WhatsApp.
Dentre os entrevistados temos engenheiros agrônomos, estudante de história,
aposentada, ativista política, psiquiatra, pedagogo, empresária, jornalista, dentista,
candidatos a vereadores, graduando de design, consultora em relações internacionais.
Utilizamos a técnica de recrutamento snowball e garantimos uma elasticidade nas
entrevistas realizadas quanto ao nível de participação dos entrevistados. Assim, nosso
esforço foi pontuar os principais aspectos enumerados pelos ciberativistas, procurando
costurar os pontos chaves apresentados no roteiro.
A maioria dos entrevistados tem pós-graduação ou pelo menos uma graduação e
no geral a média é de 3 a 5 salários mínimos como renda mensal familiar, ocupando
distintos cargos de trabalho. Dentre eles, temos ciberativistas jovens e tambem mais
velhos13. Não há uma data específica para entrada de cada um no grupo, variando de um
ciberativista para o outro: eles ingressaram no intervalo de Abril a Julho de 2016.
As principais motivações para participarem do “UCG” foram: indignação com a
realidade política brasileira, luta pelos valores democráticos, reunião de pessoas contra o
impeachment da presidenta Dilma Rouseff, ação prática permitida pelo WhatsApp,
encontro de pares, desespero perante o governo Temer, sentimento de pertencimento a
uma causa, compartilhamento de informações não veiculadas pela mídia tradicional,
preocupação com a ascensão de ideias protofacistas em todo o território brasileiro, debate
sobre soluções para a crise política, informações sobre os protestos.Vimos então um
ecletismo de justificativas, mas com um sentimento comum de “tomar parte de algo”,
“integrar”, “vontade coletiva de agir”, “construir”, “existir no mundo” expressando, ao
fim e ao cabo, o desejo de “unir-se contra o golpe”.
O WhatsApp ajudou a divulgar informações que não estavam sendo cobertas pela
mídia tradicional. Para eles, o UCG tratou sobre questões relevantes da política, um grupo
auto-avaliado como crítico do cenário político brasileiro, mais do que simplesmente
expressar apenas opiniões alheias e “achismos”. Um entrevistado afirma: “o UCG
consegue ter uma maior visibilidade de como as pessoas e enxergam a política brasileira.
Os usuários do grupo usam o diálogo como forma de fortalecimento do grupo”.

13
Não houve a possibilidade de tracarmos o perfil dos atores do grupo inteiro, uma vez que entrevistamos
apenas quinze usuarios.

[245]
Do grupo, surgiram novas redes de conexões via WhatsApp, a partir da formação
de novos grupos. Em seguida, realizaram também links com o Facebook. Um das
questões elencadas por praticamente todos entrevistados é o desuso do Twitter, embora
revelarem fazer seu uso quando fossem convocados para o que se convecionou chamar
“tuitaço”.14 Segundo um dos entrevistados, “o Twitter não estou usando, não está mais na
moda”.
Os entrevistados revelaram que o uso do WhatsApp facilitou a formação de
opiniões e reflexões sobre política. Talvez seja este o diferencial desta TIC frente ao
Facebook, uma vez que o recrutamento de pessoas por esta plataforma é mais veloz e a
troca de informações mais instantânea: o fato de imagens, vídeos e notícias em geral
serem compartilhadas de maneira rápida resultou em um considerável efeito político na
opinião de alguns entrevistados.
Vários ciberativistas comentaram que o WhatsApp mudou a forma como se vê a
política, devido à difusão ágil da informação, conforme esta afirmação: “ás vezes no ato
não conseguimos ter contato com os outros usuários. Vemos as bandeiras, os cartazes e
não há oportunidade para o diálogo, quando voltamos para o WhatsApp podemos discutir
um tema que não houve espaço para debatê-lo no protesto”.
Os entrevistados ressaltaram que houve uma mudança abrupta com o advento do
modelo muitos-para-muitos, já que há uma melhoria incondicional na disseminação de
notícias (isso não deixa de ir ao encontro de nossas discussões realizadas à respeito do
ciberativismo na seção 1). E o muitos-para-muitos no WhatsApp têm um caráter mais
efêmero e obrigátorio do que no Facebook: “no sentido de que se no Facebook você pode
escolher as pessoas que irão ler suas postagens, no grupo do WhatsApp assim que é
postada uma mensagem, todos os usuários inscritos obrigatoriamente irão ler.” No
entanto, mesmo com essas diferanças eles reconhecem que se não tivéssemos este cenário
de TIC’s, alguns dos entrevistados afirmaram que a situação do país poderia ter sido ainda
pior.
Visitar páginas no Facebook, criar eventos dentro de uma comunidade são
algumas das atividades listadas que os usuários do UCG puderam fazer a partir do
WhatsApp. Um deles ressaltou ainda que criou uma página no Facebook a partir do que

14
Manifestação feita pela publicação maciça de tuites para protestar, geralmente por motivos políticos.
Dispon]ivel em> http://noticias.band.uol.com.br/brasil/noticia/100000799934/tuita%C3%A7o-pede-
ren%C3%BAncia-de-michel-temer.html Acesso em 10 de Fevereiro de 2017.

[246]
vinha sendo debatido no grupo do WhatsApp e revelaram acompanhar mais o grupo do
WhatsApp do que propriamente o Facebook.
Um entrevistado comentou que, ao divulgar protestos no UCG, ele ainda oferece
carona para o ciberativista que quiser acompanhá-lo como forma de motivar outras
pessoas a participarem de manifestações convocadas pelo grupo. Vimos que o caminho
online/offline é ambíguo: por um lado, relataram situações em que estiveram com uma
pessoa do seu lado com quem conversa no mundo online, mas que no mundo real não foi
possível identificar; de outro, reconheceram que há interação no protesto, facilitada,
sobretudo, pela convocação que se inicia no meio online.
Uma das vantagens percebidas é o recurso do áudio usado no grupo do UCG, o
que tornou mais fácil identificar, por exemplo, ciberativistas do grupo no protesto. Vimos
que, quando eles utilizam o recurso de áudio, a voz serve como uma expressão de
empoderamento. Quanto mais empoderada, mais recursos de áudio são utilizados. Vários
entrevistados salientaram a formação de lideranças no grupo, conferindo esse título às
pessoas que mais participam e organizam as atividades do UCG, embora reconheçam que
tais lideranças não se veem como líderes. Estas percepções ratificam as teorias sobre a
horizontalidade como uma característica-chave dessas novas formas de ativismo que
explodem mundo afora. Uma das ciberativistas identificou que participa de outros grupos
que se originaram do UCG: “Eu participo de um grupo de confecção de material e cartazes
e de um grupo de leitura que se originaram do grupo mãe.”
Diagnosticamos também que, no momento da entrada de um usuário no grupo,
subitamente o novo integrante é transformado em administrador do grupo, tendo a opção
de adicionar novos usuários caso assim o queira. A partir daí, foi criada uma lógica em
que todos passaram a ser administradores do grupo, corroborando mais uma vez a
horizontalidade de sua organização. Cada usuário contribuiu de alguma forma com o
fortalecimento dos laços sociais no UCG, seja com conhecimento, leitura ou reflexões
sobre as informações postadas. Foi bastante citado pelos entrevistados o fato de postarem
informações do jornalismo independente “Mídia Ninja”, como uma capacidade de contra-
informação dos veículos da mídia tradicional.
Não houve um caráter programático a ser seguido, além de ser livre a expressão
de cada um no grupo. Este talvez seja o maior diferencial do UCG na sua forma de
atuação. Se nosso dia tem apenas 24 horas e é cada vez mais acelerado, a forma de utilizar
o WhatsApp que os ciberativistas encontraram foi peculiar, pois, além de participarem das
atividades do grupos, combinaram responsabilidades pessoais e profissionais com a

[247]
possibilidade de aproximar a participação política à vida cotidiana (Bringel & Pleyers,
2015, p. 15).
Maior difusão de opiniões, criar algo diferente do que já temos foram uma das
apostas de alguns entrevistados no grupo. O UCG mostrou que o virtual e o real estão
conectados em único mundo. Significa dizer: um modo novo de promover interação e de
circular um mutirão de informações no grupo do WhatsApp. Mais ainda: “os cidadãos
comuns no centro dos debates, das iniciativas e das práticas. Isso aproxima o ativismo
social e a cidadania ao mundo da vida e das experiências vividas pelas pessoas” (Bringel
& Pleyers, 2015, p. 15).
Os principais motivos que o levam os integrantes do UCG a participarem da
política é o desejo de um futuro melhor; muitos declararam participar desde muito jovens
do mundo político. Embora reconheçam ter uma participação assídua, afirmaram que a
política deveria oferecer mais canais para participação. Vários ciberativistas começaram
a fazer o uso do WhatsApp depois de 2013, como também revelaram participar de outros
grupos políticos na plataforma móvel.
Um dos pontos chaves destacados por um de nossos entrevistados é capacidade
de o WhatsApp propor um mecanismo inverso de participação, qual seja: “se no momento
do protesto não houve tempo ou oportunidade para as pessoas expressarem suas opiniões
entre elas, terminado o momento offline do encontro, elas podem retomar suas pautas de
discussão na dimensão online do WhatsApp”. Desta forma, foi destacado um caminho
“offline/online” como um dos estilos própios criado pelo grupo.
Um dos ciberativistas revelou usar o WhatsApp sempre para fins políticos e
declara participar também de outros grupos desta ferramenta. Avalia que o UCG é um
grupo eclético e que se inicia no âmbito local da cidade de Florianópolis e toma
proporções internacionais. Vimos que houve uma transnacionalização do grupo ao obter
a adesão de outros usuários de diferentes localidades do Brasil e também no exterior, para
além da esfera local.
O modus operandi de se organizar foi de fundamental importância para difundir
informações não veiculadas pela mídia tradicional, fato também filtrado pelas postagens
no mês de setembro de 2016. Esta plataforma permitiu dar voz a um público que não
encontrou seu espaço em canais tradicionais. Isso foi um fator preponderante para
motivação de vários participantes do grupo, ao promoverem uma reunião de pessoas que
compartilhavam um interesse político comum, por mais que existissem divergências
explicitadas durante esta integração, conforme apontou algumas vozes dos entrevistados.

[248]
Significa dizer: os usuários do UCG compreenderam “a democracia em um sentido
ampliado, não como sinônimo de instituições, representação ou eleições, mas com uma
criação sociopolítica e uma experiência subjetiva” (Bringel & Pleyers, 2015, p. 12).
A “capilaridade” do grupo é outra característica fundamental. Por meio do caráter
instantâneo, no momento em que os usários recebiam informações do UCG,
encaminhavam as postagens recebidas para outros grupos, o que fazia com que o
conteúdo ali divulgado fosse disseminado para um alcance imensurável de outras redes
de usuários, conforme sinaliza este entrevistado:

Encontrei os meus pares no UCG. Aqui no Sul a maioria é de direita. Então você se
sente muito solitário. Família, Rua, Grupo de amigos é coxinha para todo lado. Risos.
Então fico muita solitária mesmo e me sinto acompanhada por este grupo. Encontrar
seus semelhantes é um instrumento útil do Whats. Além de ser uma forma barata de
massificar a informação. Apesar dos usuários não se conhecerem pelo WhatsApp,
quando eles iam no atos se encontravam. Combinamos de usarmos algo vermelho
como uma fitinha, por exemplo, para nos identificarmos nos protestos. No entanto,
cada um se manifesta de forma livre no grupo, então às vezes ocorre desentendimento
entre os usuários, e eles se retiram e depois alguém vai buscá-lo e insere o número de
volta. Fato curioso do UCG. Eu já encontrei um ex-integrante do grupo. Ele saiu
porque não consegui ler o mutirão de informações que eram postadas diariamente.
Mas mesmo sabendo disso, eu não quero ficar sozinha. Quando penso em apertar o
botão para sair do grupo, eu reflito melhor, e decido por permanecer no UCG. O papel
do Whats é de organizar os que pensam igual e querem mudar algo. Se eu não estivesse
no grupo estaria mais triste, mais isolada. Tive vivências no grupo que experimentei
ações que não as viveria se não estivesse ali. Foi uma nova forma de viver a política.
(Entrevista nº 6)

Mais ainda: talvez a forma de ver a política tenha continuado a mesma para os
entrevistados, mas eles ressaltaram que o UCG mudou a forma como “fazem a política”,
no sentido de que o recrutamento para protestos, a disseminação instantânea das
informações e organização de atividades são feitas numa velocidade que satisfaz a
globalização da comunicação no século XXI.

Considerações Finais
O uso do WhatsApp como plataforma para participação é um desafiador objeto de
pesquisa, já que provoca alterações nos estilos de vida contemporâneos e abre espaço para
uma abordagem teórica multidisciplinar. Mais ainda no caso específico deste artigo, que

[249]
explorou metodologias ainda incipientes. No entanto, seguimos as sugestões do trabalho
de Alcântara (2014) ao utilizar o grupo do WhatsApp investigado como uma experiência
empírica do ciberativismo.
Nosso trabalho mostrou que os ciberativistas investigados construíram e
mantiveram laços de articulação criados no momento de interação do UCG. Percebemos
uma evolução do nível de proximidade dos ciberativistas desde que o grupo foi criado,
em Abril de 2016. De alguma forma, este grupo do WhatsApp apresentou diversas
maneiras de expressar as “paixões” (MOUFFE, 2016), a partir do momento em que foram
capazes de formular suas próprias enunciações, passíveis de serem aceitas ou contestadas
pelos outros usuários, de incendiar os debates e participar de forma interativa no grupo,
tendo em mente que o caráter plural do dissenso é inerente ao trato da política.
No momento em que se discute o que é “reiventar a política” no século XXI, estes
ciberativistas nos deixam pistas: foram “challengers” ao desafiarem as maneiras de pensar
a política para além dos canais institucionais e participaram ativamente de discussões
realizadas no UCG e, portanto, realizaram um simples exercício de aproximar a política
ao seu cotidiano.
Mais do que isso: demonstraram adquirir “energia niveladora, democrática,
ingrediente indispensável para mudanças” (Mouffe & Errejón, 2016, p. 54), qual seja:
foram para as ruas, convocaram protestos, disseminaram informações ignoradas pela
mídia tradicional, confeccionaram camisetas do grupo, organizaram inúmeras atividades.
Ao fim e ao cabo, criaram um modus operandi UCG, enquanto seres políticos. A
imprevisibilidade, as mudanças e as transformações que este grupo percorreu serviram
como suporte para o surgimento de relações sociais ali aprofundadas.
Tecemos, portanto, uma investigação sobre o impacto político do uso do
WhatsApp, analisando o caso do UCG na cidade de Florianópolis no Brasil. A democracia
brasileira, como outras democracias mundo afora, tem se mostrado de forma caricatural e
muito distante da energia dos movimentos que emergem nas redes sociais virtuais. Os
estudos sobre ciberativismo à luz do WhatsApp nos reservam uma frutífera agenda de
pesquisa e propõem uma reflexão abrangente que têm permitido ampliar o significado do
ciberativismo e suscitado novos debates acerca da democracia. Este estudo espera ter sido
uma contribuição para tanto no sentido de almejar novos canais de participação para
ampliar o debate político de forma plural.

[250]
Referências Bibliográficas

ALCÂNTARA, Lívia Moreira de (2014). Ciberativismo e a dimensão comunicativa dos


movimentos sociais: repertórios, organização e difusão. Dissertação de mestrado,
IESP/UERG, Rio de Janeiro.

AMADEU, Sérgio; BRAGA, Sérgio & PENTEADO, Cláudio (2014). Cultura, Política e
ativismo nas redes digitais. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

AVRITZER, Leonardo (2016). Impasses da democracia no Brasil. Rio de Janeiro:


Civilização Brasileira.

BARBOSA, Sérgio (2016). É possível a internet alavancar novos canais de participação


política? Revista Controversias y Concurrencias Latinoamericanas, v. 8, n. 13, junio, pp.
44-58.

BARBOSA, Sérgio. (2017). WhatsApp e política: novas formas de ciberativismo em


Florianópolis. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Sociologia
Política, UFSC, Florianópolis.

BOBBIO, Noberto. (1995) Direita e Esquerda: razões e significados de uma distinção


política Editora Unesp: São Paulo.

BRAGATTO, R. C & NICOLÁS, M. A. (2012) Internet e Política em análise:


levantamento sobre o perfil dos estudos brasileiros apresentados no Brasil entre 2000 e
2011. Trabalho apresentado no GT 04 Ciberativismo, Ciberpolítica e Cibercultura, no
XXXVI Encontro Anual da ANPOCS, Águas de Lindóia, São Paulo.

BRINGEL, Breno & PLEYERS, Geoffrey (2015). “Junho de 2013... dois anos depois:
polarização, imapactos e reconfiguração do ativismo no Brasil”. Nueva Sociedad,
nov./dez., pp. 4-17.

CASTELLS, Manuel (1999). Sociedade em Rede. Vol. I. São Paulo: Paz e Terra.

CASTELLS, Manuel (2003). A galáxia da Internet. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

[251]
CASTELLS, Manuel (2013). Redes de Indignação e Esperança: Movimentos Sociais na
era da internet. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

CASTRO, Henrique Carlos de Oliveira de & REIS, Fernanda Teixeira (2012).


Participação política no Brasil no século XXI: mudanças e continuidades. Teoria &
Pesquisa Revista de Ciência Política, vol. 21, n. 2, pp. 20-33, jul. /dez.

EISENBERG, José. (2015) Ciberativismo. In: GIOVANNI, Geraldo Di & NOGUEIRA,


Marco Aurélio (Org.). Dicionário de Políticas Públicas. 2v. São Paulo: Fundap / Impressa
oficial.

ERREJÓN, Íñigo & MOUFFE, Chantal (2016) Construir pueblo: Hegemonía y


radicalización de la democracia. Barcelona: Icaria.

FEIXA, Carles; Fernández-Planells, Adriana & Figueras-Maz, Mónica. (2016)


Generacíon Hashtag. Los movimientos juveniles en la era de la web social. Revista
Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñes y Juventud, 14 (1), pp. 107-120.

FEIXA, Carles & NOFRE, Jordi (2013) Policies of Inclusion? Some Thoughts on the
“Los Indignados” Movement, the Emerging of the Neoliberal Penal State and the
Criminalization of “Being Young” in Southern Europe In: Revista CesContexto
Rethinking Urban inclusion Spaces, Mobilizations, Interventions Nº 2, June, 2013, 338-
350.

FERNÁNDEZ-PLANELLS, Adriana (2016). Keeping up with the news. Youth culture,


social activism and digital communication. Tesis doctoral, Universiat Pompeu Fabra.
Facultat de Comunicació, Directores: M. Figueras-Mas, & C. Feixa. Barcelona, España.

GERBAUDO, Paolo (2012). Tweets and the streets Social Media and Contemporary
Activism London, UK: Pluto.

GERBAUDO, Paolo (2014). The persistence of collectivity in digital protest.


Information, Communication & Society, 17(2), pp. 264-268.

GERBAUDO, Paolo (2016). Rousing the Facebook Crowd: Digital Enthusiasm and
Emotical Contagion in the 2011 Protests in Egypt and Spain. International Journal of
Communication, 10, pp. 254-273.

[252]
GERBAUDO, Paolo (2017). The mask and the flag: Populism, Citizenism and Global
Protest London: Oxford University Press.

GERBAUDO, Paolo (2017a). The indignant citizen: anti-austerity movements in


southern Europe and the anti-oligarchic reclaiming of citizenship. Social Movement
Studies, 16:1, pp. 36-50.

GERBAUDO, Paolo (2017b). Social media teams as digital vanguards: the question of
leadership in the management of key Facebook and Twitter accounts of Occupy Wall
Street, Indignados and UK Uncut. Information, Communication & Society, 20(2), pp.
185-202.

GOHN, Maria da Glória. (2013) Sociologia dos Movimentos Sociais. São Paulo: Editora
Cortez

GUTIÉRREZ-RUBÍ, Antoni. (2015) La política en tiempos de WhatsApp. Espanha: El


país libros.

HANSEN, Jaqueline Resmini (2016). No computador, na rua ou no smartphone:


condicionantes ou covariantes do engajamento online. Dissertação de mestrado,
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, UEM, Maringá.

HARVEY, David (2014). Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São
Paulo: Martins Fontes.

KIES, Raphaël. (2010). Promises and Limits of Web-Deliberation, New York: Palgrave
Macmillan.

MAIA, Rousiley Celi Moreira. (2011). “Internet e esfera civil: limites e alcances da
participação política”. In: Maia, Rousiley et al (org.s) Internet e participação política no
Brasil, Porto Alegre: Sulina.

MARQUES, Ângela Cristina Salgueiro (2011). Aspectos teórico-metodológicos do


processo comunicativo de deliberação online. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 6,
Julho-Dezembro pp. 19-40.

MESSENBERG, Débora (2016). A direita que saiu do armário: comportamento e


cosmovisão dos formadores de opinião dos ativistas de direita brasileiros. Trabalho

[253]
apresentado na AT Democracia e Desigualdade no 40ª Encontro Anual da ANPOCS,
Caxambu, Minas Gerais.

MOUFFE, Chantal (2015) Sobre o político. São Paulo: Martins Fontes.

MOUFFE, Chantal (2016) La paradoja democrática. Madrid: Gedisa editorial.

PENTEADO, Cláudio Luiz Camargo; ARAÚJO, Rafael de Paula Aguiar & SANTOS,
Marcelo Burgos Pimentel dos. (2015). Democracia digital e experiências de e-
participação: webativismo e políticas públicas. Histórias, Ciências, Saúde - Manguinhos,
Rio de Janeiro, v. 22, supl., dez., p. 1597-1619.

PEREIRA, Marcos Abílio (2012). Movimentos sociais e democracia: a tensão necessária.


Revista Opinião Pública, vol. 18, n° 1, Junho, pp. 68-87.

SABARIEGO, Jesús (2016). Podemos y los recientes movimientos sociales globales en


España: hipótesis para uma propuesta de investigación desde la práctica. Chasqui Revista
Latinoamericana de Comunicación, nº 130, diciembre 2015 – marzo 2016.

SEIDL, Ernesto & GRILL, Igor Gastal. (2013). As ciências sociais e os espaços da
política no Brasil FGV Editora: Rio de Janeiro.

SORJ, Bernardo. (2016). Online/off-line: o novo tecido do ativismo político. In: SORJ,
Bernardo & FAUSTO, Sergio. Ativismo político em tempos de internet. São Paulo:
Edições Plataforma Democrática.

VOMMARO, Pablo. (2014) La disputa por lo público em América Latina. Las juventudes
en las protestas y en la construcción de lo común. Revista Nueva Sociedad, n. 251, mayo-
junio, pp. 55-69.

VOMMARO, Pablo. (2015) Movilizaciones juveniles en América Latina actual: hacia las
configuraciones generacionales de la política. Revista Controversias y Concurrencias
Latinoamericanas, v. 7, n. 11, junio, pp. 25-52.

[254]
14. DEMOCRACIA PARTICIPATIVA CONTEMPORÂNEA:
UMA ANÁLISE BRASILEIRA NUM CONTEXTO

DE REGULAÇÃO DAS DROGAS

Guilherme Augusto Souza Godoy‡

Resumo: Introdução O trabalho traz uma visão contemporânea com novas práticas no
âmbito da democracia participativa. Objetivo Procura-se ampliar o entendimento e
funcionamento da democracia participativa, tendo em vista as diferentes esferas de
aplicação com o crescimento de adesão às novas tecnologias de comunicação em massa.
Metodologia Através da análise de um caso tenta-se ilustrar os conceitos apresentados.
Resultado A tentativa é de se centrar nas formas de democracia relacionadas com as novas
tecnologias, ressaltando-se a importância de apresentar conceitos relacionados ao
contexto analisado. Conclusão Com esta revisão procura-se analisar um cenário atual
discorrendo sob uma visão democrática renovada.

Palavras-chave: Democracia digital; Democracia participativa; Regulação das drogas.

Introdução

Com a nova geração de jovens, que de uns anos pra cá já nasceram em contato
com as novas tecnologias, é preciso haver adaptação em todas as esferas que se fortalecem
com a interessante participação da juventude.
Nesse sentido, os órgãos do governo vem também se adaptando, criando
mecanismos e ferramentas para estarem onde os jovens frequentam. Sendo grande parte
em ambientes virtuais, então investem em presença nos smartphones, nas redes socias e
outros.


Doutorando e Mestrando em Criminologia pela Universidade do Porto, Pesquisador no Grupo de
Pesquisa/CNPQ “História Social do Crime” na UFAL, Especialista em Direito Penal e Processual Penal
pela UFMT e em Direito Público pelo ICE.

[255]
Um mecanismo interessante são as hashtags do Twitter. Tamara Small fornece
uma visão sobre como as hashtags, em conjunto com palavras-chave, proporcionam um
destacamento projetado para atribuí-la a um segmento em execução, acelerando sua
recuperação, podendo ligar a mídia a audiências anteriormente fora do alcance. (Loader
e Mercea, 2011)
As tecnologias vem avançando a cada dia vive-se uma era em que as informações
e bons estudos, boas discussões, fóruns, vídeos, entrevistas e inúmeras outras fontes de
conhecimentos estão disponível online e de forma “gratuita”. A forma de pagamento de
boas fontes são com nossos dados, com o nosso acesso, com as nossas informações
pessoais, que são divulgadas a qualquer site que acessamos através de cookies, sendo uma
valiosa moeda de trocas, pois com nossos dados pessoais são selecionadas publicidades
ao nosso gosto, isso proporciona o pagamento de serviços de qualidade que são oferecidos
como se fossem de graça, isso gera um ciclo em uma troca de interesses, por um lado
quem acessa ter interesses a um bom conteúdo gratuito, por outro quem divulga o
conteúdo também ganha com aquele acesso de forma discreta, quase que imperceptível.
Com esse ciclo as pessoas vem se tornando cada vez mais dependentes da
tecnologia e dos gadgets para acessar as informações, há uma vida paralela num mundo
virtual, ou seja, decisões passam a ser tomadas através do que acontece nesse mundo, é
mais fácil comunicar e agregar um grupo de pessoas virtualmente do que pessoalmente,
tendo em vista a facilidade em juntar pessoas com interesses em comum virtualmente,
pessoas que vivem em cidades ou mesmo países diferentes, cada vez mais também está
sendo facilitada a comunicação em diferentes idiomas, com as ferramentas de tradução
simultânea. A tendência é as pessoas se inserirem mais no mundo virtual, com isso tudo
que envolve a vida em sociedade no mundo real passa a ter que se adaptar ao virtual, aí
se enquadra a democracia e a política, disso que iremos tratar nesse trabalho.

1- Democracia participativa enquanto Democracia Digital

Primeiramente é importante entender o conceito de democracia participativa,


podendo ser traduzido pela participação dos cidadãos, o envolvimento no processo de
governância (através de votação nas eleições, referendos, iniciativas populares, pesquisas
populares, consultas populares, etc.) (Bevort, 2006, pp. 164–166)
A democracia digital é entendida como uma «esfera pública virtual» que busca
uma «renovação democrática com base nas características de redes abertas e colaborativas

[256]
de mídia social». Nesse sentido, as mídias sociais permitem uma democracia mais
participativa. (Loader e Mercea, 2011).
No estudo contemporâneo sobre mídia, apresenta-se a diferença entre os meios de
comunicação «um-para-muitos», como a televisão, o cinema, o rádio, os jornais, as
revistas, por outro lado os meios de comunicação «muitos-para-muitos» como é, cada vez
mais, o caso da Internet, nomeadamente a partir do desenvolvimento da chamada Web
2.0. Este termo designa os sites da Internet que utilizam tecnologia superando as páginas
de conteúdo estático e assim permitindo aos utilizadores interagir e colaborar entre si
(Morais et al., 2014, p. 107), tratando-se das redes sociais.
A democracia digital, considerada «uma nova onda de otimismo tecnológico»,
tem acompanhado, mais recentemente, o advento de plataformas de mídia social como o
Twitter, Facebook, YouTube, Wikies e a blogosfera. (Loader e Mercea, 2011)

2- Novas tendências políticas através da democracia digital

Castells 2009 (citado por Casero-Ripollés, 2017) afirma que as redes sociais (web
2.0) «possuem diversas conexões democráticas já que podem estimular a participação
cidadã na discussão pública, fomentar o pluralismo e reconfigurar as relações de poder
vigentes». Para Van-Dijck, 2013 (citado por Casero-Ripollés, 2017) «são plataformas
centradas no usuário que facilitam as atividades comunitárias e que promovem a
conectividade como um valor social.
Pode-se destacar ainda que esse espaço virtual possibilita que os usuários:
- Participem nas discussões públicas com a livre expressão de suas opiniões
(Shirky, 2011 citado por Casero-Ripollés, 2017);
- Tomem iniciativas sobre dinâmicas de construção da agenda pública (Sung-Tae;
Young-Hwan, 2007 citado por Casero-Ripollés, 2017);
- Iniciem processos de monitorização política para fiscalizar os poderes políticos,
econômicos e midiáticos (Keane, 2009; Feenstra; Casero-Ripollés, 2014, citados por
Casero-Ripollés, 2017)
Na sequência do que apontou Casero-Ripollés, vamos analisar e refletir acerca das
questões postas por Zúñiga et al (2010) sobre o contraste entre a participação política on-
line e off-line em blogs:

[257]
(A) A conversa política cara-a-cara continua a ser um caminho robusto
para a participação entre aqueles que freqüentam blogs políticos ou eles
dependem exclusivamente de formas de comunicação on-line?
(B) A cidadania online está em desacordo com os modos convencionais
de participação política?
(C) Os blogs políticos de visita estimulam a participação ou
simplesmente satisfazem o motivo de se envolver na política sem ação
política online ou offline?

Para tentar responder a estas questões os autores fizeram um estudo empíco


analisando os seguintes fatores: «Participou de uma reunião ou discurso político»,
«Trabalhou para um partido político ou candidato», «Contribuiu com dinheiro para uma
campanha política», «Enviou um e-mail para um editor de um jornal / revista», «Usou
um e-mail para entrar em contato com um político», «Assinou uma petição on-line».,
conseguindo um resultado de que 55,4% da amostra haviam participado da política de
forma offline e 16,9% de forma online.
Os autores concluem que está surgindo uma participação híbrida entre o mundo
real e o mundo virtual, com engajamento e ação políticos, o que consideram «uma nova
democracia digital».
Numa outra perspectiva, Briggs (2017) cita os estudos de Ward e de Vreese, 2011,
afirmando que a E-participation «não é apenas sobre votação, discussão ou engajamento
e outras formas de ativismo». Luis Hestres, 2013 (citado por Briggs, 2017) afirma que a
internet «também se tornou um canal crítico da liberdade de expressão, particularmente
nas sociedades democráticas. Muitos estudiosos encontram uma relação positiva entre o
uso da internet e o envolvimento político, especialmente forte entre os jovens».
Nesse sentido, Cuconato e Waechter, 2012 (citado por Briggs, 2017),
acrescentam a importante sentença de que a nova «internet-based communication»
facilita uma «difusão generalizada da cultura juvenil e uma arena na qual os jovens podem
encontrar espaço livre para renegociar e, como resultado, reinventar sua identidade
individual e coletiva como atores sociais, culturais e políticos independentes».

[258]
Outro destaque importante, acrescentado por O’Toole, 2014 (citado por Briggs,
2017), é o «DIY1 activism», feito em conjunto com um aumento de consciência e a ajuda
de um bom networking.
Sobre esse aumento de conciência Aelst et al (2017) acrescenta que «para que uma
democracia esteja funcionando bem, os cidadãos precisam de informações sobre política»
e menciona um estudo do Reuters Institute Digital News Report que conclui que entre
pessoas com menos de 44 anos (dentro da amostra utilizada), a mídia online é agora
considerada a mais importante fonte de notícias.

3- Aplicação em contexto brasileiro e conceitos pertinentes

3.1- Enquete sobre regulação das drogas

Dentre as temáticas e esferas da democracia digital, adota-se nesse trabalho o tema


drogas, trazendo aqui uma breve análise da aplicação do posicionamento tratado no tópico
anterior, em contexto brasileiro.
Hoje, com a tendência das redes sociais, os órgãos oficiais também estão inseridos
nesse meio, buscando a utilização de linguagem adequada e aproveitando as ferramentas
e público que dispõem, para colher dados e dar espaço à opinião pública (Serrat, 2017).
Nesse sentido, trazemos para o estudo, uma postagem realizada na página oficial
do Senado Federal2 no facebook (Senado Federal, 2015).
A postagem tem como título, em meio a uma imagem, «Maconha. Qual a sua
opinião sobre a legalização do uso medicinal ou recreativo da droga?» Na métrica
utilizada nessa rede social, antes das recentes mudanças que trouxeram novas
possibilidades, mede-se o número de «curtidas» (likes), «comentários» (comments) e
«compartilhamentos» (share). Nesse caso a postagem gerou 5.905 curtidas, 4.201
comentários e 2.103 compartilhamentos.
Numa análise crítica, podemos analizar a forma com que foi constituída a
mensagem, ou seja, com pouca delimitação ou direcionamento que possibilitassem
respostas concretas e uma participação democrática efetiva.
A mensagem é apresentada de uma forma genérica, principalmente ao utilizar o
termo «legalizar», sendo que o mais adequadro seria utilizar o termo «regular», tendo em

1
Do it yourself (faça você mesmo).
2
órgão do Poder Legislativo brasileiro

[259]
vista as diferentes formas de regulação das quais a legalização é uma delas. Além disso a
mensagem não se refere à esfera da regulação, ou seja, se é relativa ao consumo, comércio
e/ou cultivo. Vejamos abaixo uma breve conceptualização sobre o tema.

3.2- Conceitos relacionados à temática

3.2.1- Regulação das drogas


Dentre os principais modelos de regulação de drogas, alternativos à
criminalização, podemos destacar a descriminalização, a despenalização e a legalização.
A descriminalização é uma espécie de despenalização, diferenciando-se pelo fato da
sanção aplicada à determinada ação perder o caráter criminal, sendo substituída por uma
sanção não penal, geralmente civil ou administrativa, ou seja, quem foi apreendido não
terá registro criminal. A despenalização é parecida, pode ocorrer em dois níveis:
deixando de haver uma pena e passando a haver apenas sanções alternativas ou reduzindo
o quantum de aplicação de pena a determinada ação, no entanto, a simples despenalização
mantém o caráter criminal. A legalização é quando o tipo penal é retirado do código penal
ou lei penal especial, mas continua havendo um controle sobre a ação (diferente de
liberalização), uma regulamentação, em regra administrativamente, passando a ação a ser
controlada por órgão regulamentador (Pacula apud Pertwee, 2014; Quintas, 2015;
MacCoun, 1993).
Esses três tipos podem abranger diferentes esferas e finalidades, podendo ser
referentes ao comércio, consumo e produção, de todas as drogas ou drogas específicas,
para fins recreativos ou medicinais.

3.2.1.1- Aplicação dos conceitos

É importante, nessa parte do trabalho, fazer uma breve análise da aplicação dos
conceitos até aqui expostos, quanto à regulação das drogas.

3.2.1.1.1- Portugal e a descriminalização do consumo de drogas

O Decreto-Lei nº 30/2000 descriminalizou o consumo de todas as drogas, na posse


de até dez doses diárias, sendo que a referência em gramas de cada dose, em relação a

[260]
cada tipo de droga, está estipulada na Portaria n.º 94/96, de 26 de março, anexada ao
Decreto-Lei n.º 15/93, de 22 de janeiro.
O consumo de drogas passou a ser uma contra-ordenação, quem é apreendido
consumindo, até as referidas dez doses diárias, é encaminhado às Comissões para
Dissuasão de Toxicodependentes, onde são aplicadas sanções pecuniárias ou sanções não
pecuniárias, podendo ser aplicadas apenas sanções não pecuniárias aos
toxicodependentes.
No Acórdão n.º 8/2008 do Supremo Tribunal de Justiça, foi decidido que nos casos
dos consumidores que forem apreendidos com quantidades que ultrapassam ao limite
imposto, mesmo que ultrapassem minimamente, haverá repristinação do artigo do
Decreto-Lei nº 15/1993, já revogado, ou seja, voltará a vigorar o crime de uso de drogas
para estes casos, com previsão inclusive de pena privativa de liberdade.

3.2.1.1.2- Uruguai e a legalização do comércio, consumo e produção de cannabis

No Uruguai, entrou em vigor a Lei nº 19.172, de 20 de dezembro de 2013, que


legalizou o consumo, cultivo e comércio de cannabis.
A lei foi regulamentada através dos Decretos nº 128/016 de 02/05/2016, nº 46/015
de 04/02/2015, nº 372/014 de 16/12/2014 e nº 120/014 de 06/05/2014 3, onde estipulou-
se a criação de um órgão que regulamenta, controla e fiscaliza as atividades que passaram
a ser lícitas, denominado Instituto de Regulação e Controle da Cannabis (IRCCA) e traz
os conceitos e pormenores dessas atividades.
Os usuários de drogas devem se cadastrar no mencionado órgão e há uma
quantidade limite de consumo. Para cultivar, também deve-se cadastrar e se submeter à
fiscalização do órgão regulamentador. A venda da cannabis também está sob as regras
controladas pelo respectivo órgão, através do Estado (Pardo, 2014).

3.2.1.1.3- Brasil e a despenalização do consumo de drogas

No Brasil, a nova lei de drogas entrou em vigor em 2006, houve despenalização,


ou seja, deixou de haver pena privativa de liberdade para os atos no âmbito do consumo
de drogas, mas manteve o caráter criminal, com sanções alternativas.

3
Ley N° 19172. Regulacion Y Control Del Cannabis. Disponível em
<https://www.impo.com.uy/bases/leyes/ 19172-2013>. Acesso aos 20.abr.2017.

[261]
4- Desenvolvimento de novas práticas democráticas com ajuda da tecnologia

Recentemente foi lançado um aplicativo para smartphone onde as pessoas podem


editar e votar em projetos de lei4.
A prática já era prevista na ordenação brasileira, mas pouco desenvolvida. A
sociedade brasileira vem se interessando cada vez mais em participar ativamente da
democracia, além de tal ferramenta facilitar o acesso, o que está apresentando já
resultados.
Apesar de ser um recurso que já estava disponível previamente, tal exercício da
vontade do povo, fora do período das eleições, sempre foi pouco estimulado e
concretizado.
Espera-se, com a ajuda de tecnologia, um avanço de novas perspectivas na
democracia participativa, inclusive já se fala em implantar o mesmo sistema em outros
países, que apresentam legislação semelhante e permitam tais práticas5.

Conclusão

Com o trabalho apresentaram-se novos conceitos sobre a democracia


participativa, ilustrando novas práticas num contexto específico, qual seja, sobre
regulação das drogas, podendo ser um importante tema onde se possa exercer a
democracia participativa, na sequência das mudanças que vem ocorrendo no cenário
global6.
Pode se entender a importância desse avanço da democracia, dentro dos ambientes
virtuais, dando ao público ali estabelecido o poder da participação nas escolhas que
podem se desenvolver para atos legislativos.

4
Mudamos. Disponível em <https://www.mudamos.org/>. Acesso aos 19.mai.2017.
5
Entrevista no programa televisivo “Conversa com Bial”. Disponível em
<http://gshow.globo.com/tv/noticia/ pedro-bial-discute-uso-de-aplicativo-na-criacao-de-projetos-de-
lei.ghtml>. Acesso aos 19.mai.2017.
6
GODOY, G. A.S. (2016). Toxicômano-Delinquente versus Toxicodependente – Regulação das Drogas
como Fenômeno Destacado em Desafios Atuais do Cenário Global. Revista Jurídica Unicuritiba. V. 2. N.
43. pp. 754-770. DOI: 10.6084/m9.figshare.4668841.

[262]
Por fim, apresenta-se plataforma já em funcionamento onde se uniu a tecnologia
a uma prática já existente e prevista na legislação, que com uma nova ferramenta torna-
se mais frequente e usual, na perspectiva de novos rumos no âmbito democrático.

Referências bibliográficas

Aelst, Peter Van et al (2017) Political communication in a high-choice media


environment: a challenge for democracy?, Annals of the International Communication
Association, 41:1, 3-27, DOI: 10.1080/23808985.2017.1288551

Bevort, A. (2006) Entry: Démocratie participative [Participative democracy], in: J.-Y.


Barreyre & B. Bouquet (Eds) Nouveau dictionnaire critique d’action sociale [New critical
dictionary of social work], pp. 164–166 (Paris: Bayard).

Briggs, J. (2017). New Media and Political Participation. Young People and Political
Participation, DOI 10.1057/978-1-137-31385-0_4.

Casero-Ripollés, Andreu (2017). Producción de Contenidos Políticos, Empoderamiento


Ciudadano y Públicos Vulnerables en la Web 2.0. El profesional de la información, 2017,
enero-febrero, v. 26, n. 1. eISSN: 1699-2407.

Loader, Brian D. & Mercea, Dan (2011). Networking Democracy? Information,


Communication & Society, 14:6, 757-769, DOI: 10.1080/1369118X.2011.592648.

Maccoun, Robert J. (1993). Drugs and the Law: A Psychological Analysis of Drug
Prohibition. Psychological Bulletin, 113, 3, 497-512.

Morais et al. (2014). Media, direito e democracia : I curso pós-graduado em direito da

comunicação / coord. Carlos Blanco de Morais, Maria Luísa Duarte, Raquel Alexandra

[263]
Brízida Castro. Coimbra: Almedina.

Nucci, Guilherme de S. (2010). Leis Penais e Processuais Penais Comentadas. 5ª Ed. São
Paulo: Editora Revista dos Tribunais.

Pardo, B. (2014), “Cannabis policy reforms in the Americas: A comparative analisys of


Colorado, Washington,and Uruguay”, International Journal of Drug Policy, 25, pp. 727-
735.

Pertwee, Roger G. (2014). Handbook of Cannabis. New York: Oxford University Press.

Quintas, Jorge (2015). Das leis das drogas, seus públicos e seus limites -Ensinamentos de
experiências contemporâneas de descriminalização. Manuela Ivone Cunha (org.), 2015.
Do Crime e do Castigo. Temas e Debates Contemporâneos, Lisboa: Editora Mundos
Sociais, ISBN 978-989-8536-47-1.

Rettberg, J. W. (2008) Blogging, Polity Press, Cambridge.

Senado Federal (2015). Maconha. Qual a sua opinião sobre a legalização do uso medicinal
ou recreativo da droga? Página Oficial do Senado Federal (Brasil) no Facebook.
Disponível em
<https://www.facebook.com/SenadoFederal/photos/a.176982505650946.49197.150311
598318037/1075722522443602/?type=3&theater>. Acesso em 01.set.2016. Data da
Postagem: 05.abr.2015.

Serrat, O. (2017) Social Media and the Public Sector. Knowledge Solutions, DOI
10.1007/978-981-10-0983-9_105. Asian Development Bank.

Zúñiga, Homero Gil de et al. (2010) Digital Democracy: Reimagining Pathways to


Political Participation, Journal of Information Technology & Politics, 7:1, 36-51, DOI:
10.1080/19331680903316742

[264]
15. A (IN)EFICÁCIA DO CONTROLE DIFUSO
DE CONSTITUCIONALIDADE

Marcio Felix Cavalcanti1

Resumo: Objetivou-se com esse trabalho analisar o controle de constitucionalidade das


leis e a aplicação do modelo concreto de constitucionalidade no direito português;
visando, pormenorizadamente, discutir a convergência entre a supremacia constitucional,
o controle de constitucionalidade e seus fundamentos, abordando, apenas
superficialmente e, dentro do possível, as previsões do direito brasileiro. A pesquisa
tratou-se de uma revisão bibliográfica em doutrinas, legislações e jurisprudências. As
considerações apontaram que para evitar o abuso de poder e o desrespeito às normas
jurídicas o legislador constituinte criou o instituto do controle de constitucionalidade,
tanto o preventivo como o repressivo. O primeiro evita o ingresso de normas
constitucionais ou rejeita projeto de lei em andamento. O repressivo visa retirar do
ordenamento jurídico lei ou ato normativo contrário à constituição. Analisar o controle
concreto, difuso ou incidental precede definir o estudo das vias de controle (vias de
impugnação) que tem por fim responder a seguinte indagação: de que modo uma lei pode
ser impugnada perante o judiciário? A fiscalização difusa é concreta, predominantemente
subjetiva e incidental. É apreciada ex officio pelo juiz e por via de exceção. Daí a
existência da via incidental (também denominada de defesa ou exceção) dentro do
controle concreto (difuso) que permite a competência para realizar o controle de
constitucionalidade entre os diferentes órgãos do judiciário, ou seja, qualquer Juízo ou
Tribunal poderá realizar o controle de constitucionalidade. Será analisada de que forma
esse controle se procede, quais as semelhanças e diferenças e quais vantagens e
desvantagens com enfoque na legislação portuguesa e de que forma essas semelhanças e

1
Mestrando em Ciencias Jurídicas pela Universidade Autónoma de Lisboa - UAL. Agente da INTERPOL.
Policial Federal. Pós Graduado em Direito Público pela Universidade Estácio de Sá/RJ. Professor de Direito
Penal e Direito Processual Penal pela Faculdade Joaquim Nabuco, Professor de Processo Penal e Pós
Graduação em Direito Penal pela Faculdade Guararapes. Professor de Direito Processual Penal pela
Faculdade de Ciências Humanas de Igarassu. Bacharel em Direito Pela Universidade Católica de
Pernambuco. Bacharel em Administração pela Universidade de Pernambuco. Consultor Jurídico do
Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco.

[265]
diferenças encontram pontos em comum com a legislação brasileira como forma de
proteção a Carta Magna e em consequência a salvaguarda de todo ordenamento jurídico.

Palavras-chave: Constituição, Controle de Constitucionalidade, Via Incidental, Controle


Difuso.

Introdução

Traz-se à baila considerações à cerca do princípio da Supremacia Constitucional


e como se opera o modelo difuso de controle de constitucionalidade.
O interesse pelo tema se deu em virtude de sua importância para a sociedade e sua
aplicabilidade dentro dos sistemas jurídicos, uma vez que só se pode falar em controle de
constitucionalidade nos regimes democráticos, positivado em constituições democráticas.
Nos vários ordenamentos jurídicos, o controle de constitucionalidade é um
assunto complexo. Em muitas legislações há divergências de institutos, modelos, vias e
sistemas de controle. As especificidades também incluem a forma como se dá a
interpretação conforme a Carta Magna e como se opera a modulação de efeitos perante o
órgão máximo de controle do judiciário.
Sabe-se que o controle de constitucionalidade toma maior vulto nas Constituições
rígidas, pois, segundo Agra2, neste tipo de constituição há diferenciação entre normas
constitucionais e normas infraconstitucionais; do contrário, nas constituições flexíveis,
em que a norma infraconstitucional revoga a norma constitucional se com ela entrar em
contradição, não se pode falar em controle de constitucionalidade.
Destarte, o objetivo do presente trabalho é fazer uma breve análise à cerca do
controle concreto de constitucionalidade. Visa ainda, discutir à cerca da garantia da
segurança jurídica, uma vez que o poder de declarar a inconstitucionalidade significa a
eliminação das normas inconstitucionais e a faculdade de se alinhar às normas corretas e,
até mesmo, decidir a partir de quando deverão vigorar essas normas.
Para tanto, foi necessária a realização de um trabalho de pesquisa, notadamente
bibliográfico e legislativo, a fim de alcançar uma abordagem mais direcionada, uma
noção mais aprofundada e abalizada sobre o tema. O método dedutivo foi aplicado porque

2
AGRA, Walber de Moura - Curso de Direito Constitucional.p.127.

[266]
através dele se explica o fenômeno surgido a partir do problema, procurando confirmar a
hipótese, pela utilização da análise geral para a particular até a conclusão.
O trabalho encontra-se dividido em cinco capítulos: o primeiro capítulo explora a
classificação e a supremacia constitucional. Os demais capítulos abordam o sistema
português de fiscalização constitucional concreta na via difusa. Finalizando com críticas
ao modelo lusitano com breves menções ao sistema brasileiro.

1. Supremacia Contitucional e sua Classificação

O vocábulo Constituição oferece vários sentidos que convém serem distinguidos


nos seus principais significados: em seu sentido básico, “Constituição é o ato de
constituir, de estabelecer, de firmar3. Em seu sentido jurídico:

Constituição é o conjunto de princípios, mandamentos, regras e preceitos, que se


dizem fundamentais, estabelecidos pela soberania de um povo, através de seu poder
constituinte, para servir de base a sua organização política e firmar os direitos e
deveres cada um dos seus componentes.4

Numa acepção mais próxima da utilizada pela doutrina constitucionalista, embora


haja várias, pode-se conceituar a Constituição como sendo o texto ou estatuto básico de
um Estado que organiza a estrutura desse Estado, estabelece a sua forma de governo, a
garantia de suas liberdades públicas, dos seus direitos fundamentais e o modo de
aquisição e exercício de poder.
Ainda de acordo com Silva5

A constituição do Estado, considerada sua lei fundamental, seria, a organização dos


seus elementos essenciais: um sistema de normas jurídicas escritas ou costumeiras,
que regula a forma do Estado, a forma de seu governo, o modo de aquisição e o
exercício do poder, o estabelecimento dos seus órgãos, os limites de sua ação, os
direitos fundamentais do homem e as respectivas garantias. Em síntese, a constituição
é o conjunto de normas que organiza os elementos constitutivos do Estado.

3
SILVA, José Afonso - Curso de Direito Constitucional Positivo.p.200.
4
SILVA, José Afonso - Op.Cit.p.201.
5
Idem, Ibidem.

[267]
Dadas algumas definições sobre Constituição, cumpre-se explicitar o que seja a
ciência do direito constitucional. Gilmar Ferreira Mendes6, dada a elasticidade do termo
direito constitucional, conceitua ou essa ciência de forma resumida ou detalhada.
Segundo o citado autor, em sua concepção resumida, o “Direito Constitucional é
a ciência encarregada de estudar a Teoria das Constituições e o ordenamento positivo dos
Estados”. Já na concepção detalhada, o Direito Constitucional pode ser conceituado como
a “parcela da ordem jurídica que compreende a ordenação sistemática e racional de um
conjunto de normas supremas encarregadas de organizar a estrutura do Estado e delimitar
as relações de poder”.
Já Silva7 define o Direito Constitucional como “o ramo do direito público que
expõe, interpreta e sistematiza os princípios e normas fundamentais do Estado”.
Assim, há vários sentidos ou concepções nas quais se pode definir ou entender o
que seja uma Constituição. Os principais sentidos são os seguintes: o sociológico, o
político e o jurídico.
Segundo o significado sociológico de Constituição, como foi entendido por
Ferdinand Lassale, “a Constituição de um país é a soma dos fatores reais do poder que o
governam. É a Constituição real e efetiva, em contraste com a existência de uma
constituição escrita que pode significar uma simples folha de papel, ou seja, nada de real
valor”.8
Já Carl Schimitt9 prefere considerar a Constituição como um elemento de valor
político, designando-a como sendo, em sua essência, a decisão política fundamental. Ele
também faz uma diferenciação entre constituição e leis constitucionais.
A primeira é considerada como a decisão política fundamental, ou seja, designa
os seguintes elementos: direitos individuais, estrutura e órgãos do Estado, vida
democrática, dentre outros, politicamente considerados fundamentais. Já as leis
constitucionais são as demais normas que, embora estejam ínsitas no documento
constitucional, não contém matéria cuja decisão política seja fundamental.
Por fim, dentre as principais concepções sobre as constituições encontramos a
formulada pelo jurista Hans Kelsen10 que entende ser a Constituição um documento

6
MENDES, Gilmar Ferreira - Curso de Direito Constitucional.p.47.
7
SILVA, José Afonso - Op. Cit.p.204.
8
AGRA, Walber de Moura - Curso de Direito Constitucional.p.221.
9
AGRA, Walber de Moura - Op.Cit.p.234.
10
KELSEN, HANS - Jurisdição Constitucional.p.29.

[268]
jurídico, ou seja, esse documento é considerado norma pura, puro “dever-ser”, sem
nenhuma alusão a outra concepção seja ela política, sociológica ou outra qualquer.
Nas lições do jurista Miguel Reale à respeito da concepção Kelseniana:11

Para Kelsen, o Direito não é senão um sistema de preceitos que se concatenam, a partir
da Constituição, que a norma fundamental manda cumprir, até os contratos privados
e as sentenças. Desse modo a concepção Kelseniana redunda em monismo
normativista, do ponto de vista de atividade jurisprudencial. Consiste essa doutrina
em dizer que para o jurista a realidade não pode ser vista a não ser como um sistema
de normas que se concatenam e se hierarquizam. Todo o mundo jurídico não é senão
uma sequência de normas até atingir, sob forma de pirâmide, o ponto culminante da
norma fundamental, que é condição lógico-transcendental do conhecimento jurídico.

Há outros juristas alemães que vêm se dedicando ao estudo da jurisdição


constitucional, dentre esses podemos destacar Konrad Hesse12 que têm suas idéias à
respeito dela:

A função da Constituição é buscar a unidade política do Estado e da ordem jurídica.


Trata-se de uma unidade de atuação (e não preexistente), que se torna possível e se
realiza mediante acordo e compromisso, a concordância tácita ou a simples aceitação.
Somente por meio da cooperação planificada e, portanto, organizada, pode surgir a
unidade política. A qualidade da Constituição é a de construir, estabilizar, racionalizar
e limitar o poder e, desse modo, assegurar a liberdade individual.

Conforme a incisão acima, existe um conteúdo normativo na Constituição. Nada


de extremos como o positivismo jurídico de Kelsen13 ou o positivismo sociológico de
Carl Schmitt, tem-se que buscar uma relação de condicionamento entre o aspecto material
e o normativo.

1.1.Classificação Constitucional

A classificação das Constituições pode ser feita sob vários aspectos os quais
destacam-se as descritas a seguir.

11
REALE, Miguel - Filosofia do Direito.p.458.
12
HESSE, Konrad - A Força Normativa da Constituição.p.257.
13
KELSEN, Hans - Jurisdição Constitucional.p.128.

[269]
Elas podem ser classificadas quanto ao conteúdo, em constituições materiais ou
formais: as primeiras são aquelas consideradas materialmente constitucionais, pouco
importando se encontra ou não num documento, já as Constituições materiais são aquelas
que se inserem dentro de um documento estabelecido pelo constituinte originário.
Já quanto à forma, elas podem ser escritas (instrumentais) ou costumeiras (não
escritas), também chamadas de consuetudinárias, que se diferenciam das primeiras por
estarem codificadas em um único documento, enquanto que a segunda encontra-se
disposta em vários documentos ou mesmo em princípios e regras não escritas em nenhum
documento, mas presentes na organização social e política de um povo.
Quanto ao modo de elaboração, elas podem ser dogmáticas (sistemáticas) ou
históricas. As dogmáticas caracterizam-se por ser um texto final elaborado pelo poder
constituinte. Já as históricas são decorrentes das tradições ao longo do tempo de um
determinado povo.
Quanto a origem, as constituições podem ser promulgadas, também denominadas
de democráticas ou populares, e outorgadas.
As promulgadas surgem de uma Assembléia Nacional Constituinte, enquanto que
as outorgadas são fruto de uma imposição dos detentores do poder em determinada época.
Há também as cesaristas e as pactuadas.
Quanto a estabilidade e a alterabilidade, as constituições imutáveis são escritas
que somente podem ser modificadas por um processo legislativo mais dificultoso do que
o empregado para as normas não constitucionais.
Já a constituição denominada semirrígida contém duas espécies de normas.
Algumas podem ser alteradas pelo processo legislativo ordinário ou comum, enquanto
que outras só podem ser modificadas por intermédio de um processo legislativo especial,
em geral mais dificultoso.
Quanto à extensão podem ser sintéticas, que possuem conteúdo abreviado,
limitando-se a tratar dos elementos essenciais do Estado. E analíticas de texto extenso,
abordando também matérias variadas não substancialmente constitucionais. 14
Quanto a finalidade, as constituições podem ser classificadas em garantia que
visam estabelecer normas ligadas à liberdade do indivíduo. As dirigentes que visam
assegurar programas e diretrizes para atuação futura dos órgãos estatais e as constituições

14
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo; DIAS, Frederico - Aulas de Direito Constitucional.p.14.

[270]
balanço destinadas a reger o Estado durante período certo de tempo, já pré-determinado
em seu próprio texto15.
Sabe-se que as Constituições têm, em sua essência, como objeto e conteúdo:
desenhar a estrutura do Estado, a organização de suas entidades e dos seus órgãos, os
meios de obtenção legítima do poder, assegurar os direitos e garantias fundamentais,
determinar o regime político e disciplinar os fins socioeconômicos do Estado, bem como
os fundamentos dos direitos econômicos, sociais e culturais.
Concernente aos seus elementos, pode-se designar basicamente 5 (cinco)
elementos presentes nas Constituições contemporâneas: os elementos orgânicos, os
limitativos, os sócio-ideológicos, os elementos de estabilização constitucional e os
formais de aplicabilidade16.

1.2.A Supremacia Constitucional Segundo os seus Fundamentos Principais

A supremacia da Constituição só é possível com o instituto do controle de


constitucionalidade. Sendo assim, esse instituto é de fundamental importância para que
os princípios, as normas e as regras estabelecidas pela Constituição sejam devidamente
acatadas, cumpridas e respeitadas por todos os sujeitos a sua disciplina.
O controle de constitucionalidade pode ser definido como sendo um instrumento
jurídico que objetiva analisar a compatibilidade entre uma lei ou ato normativo e a
Constituição.
Em virtude dessas considerações preliminares, mister conhecer, em primeiro
lugar, o pensamento de Bobbio17.

A complexidade do ordenamento, sobre o qual chamamos atenção até agora, não


exclui sua unidade. Não podemos falar de ordenamento jurídico se não o tivéssemos
considerado algo de unitário. Que seja unitário um ordenamento simples, isto é, um
ordenamento em que todas as normas nascem de uma única fonte, é facilmente
compreensível. Que seja unitário um ordenamento complexo, deve ser explicado.
Aceitamos aqui a teoria da construção escalonada do ordenamento jurídico, elaborada
por Kelsen. Essa teoria serve para dar uma explicação da unidade de um ordenamento
jurídico complexo. Seu núcleo é que as normas de um ordenamento jurídico estão no
mesmo plano. Há normas superiores e inferiores. As inferiores dependem das

15
FILHO, Manoel Gonçalves Ferreira- Curso de Direito Constitucional.p.129.
16
SILVA, José Afonso - Op.Cit.p.145.
17
BOBBIO, Norberto - Teoria do Ordenamento Jurídico.p.48.

[271]
superiores subindo das inferiores àquelas que se encontram mais acima, chega-se a
uma norma suprema, que não depende de nenhuma norma superior, e sobre a qual
repousa a unidade do ordenamento. Essa norma fundamental que dá unidade a todas
as outras normas, isto é, faz das normas espalhadas e de várias proveniências um
conjunto unitário que pode ser chamado ordenamento.

A norma fundamental é o termo unificador das normas que compõem um


ordenamento jurídico. Sem um “Texto Magno”, as normas de que falamos até agora se
constituem num amontoado, não um ordenamento.
Em outras palavras, por mais numerosas que sejam as fontes do direito num
ordenamento complexo, tal ordenamento constituiu uma unidade de fato de que, direta
ou indiretamente, com voltas mais ou menos tortuosas, todas as fontes do direito podem
ser remontadas a uma única norma. Devido à presença, num ordenamento jurídico, de
normas superiores e inferiores, ele tem uma “estrutura hierárquica”.
As normas de um ordenamento são dispostas em ordem hierárquica. A
Constituição encontra-se no topo da pirâmide normativa, ou seja, é a fonte primária de
todos os direitos, deveres e garantias, ou seja, é a norma fundamental de todo o
ordenamento jurídico. Desse modo, ela é que confere o fundamento de validade das leis
e demais atos normativos de nossa ordem jurídica.
Assim todas as normas, sejam elas de quaisquer espécies, devem se adequar com
os ditames constitucionais para que sejam consideradas constitucionais, isto é, de acordo
com a Constituição e, portanto, válidas em nosso ordenamento jurídico vigente.
Vê-se, portanto, o liame que há entre a supremacia constitucional e o controle de
constitucionalidade. Pois este é um simples meio, instrumento ou técnica de controle,
como o próprio nome está a indicar, de se verificar se as normas são compatíveis com a
Constituição vigente.
Desse modo, é de bom alvitre dar uma noção do que vem a ser o instituto do
controle de constitucionalidade, assim podemos defini-lo de uma forma singela segundo
Uadi Lamêgos Bulos18, como sendo o instrumento de garantia da supremacia das
constituições. Uma outra definição para a supremacia constitucional ou supremacia da
constituição é dada por Silva19

18
MENDES, Gilmar Ferreira - Op.Cit.p.82.
19
SILVA, José Afonso - Op.Cit.p.204.

[272]
Quando a Constituição é rígida, em consequência, torna-se a lei fundamental e
suprema do Estado. Toda autoridade só nela encontra fundamento e só ela confere
poderes e competências governamentais. Nenhum dos poderes do Estado são
soberanos, porque todos são limitados, expressa ou implicitamente, pelas normas
positivas daquela lei fundamental. Exercem suas atribuições nos termos nela
estabelecidos.

Além do mais, segunda esse constitucionalista, todas as normas que integram a


ordenação jurídica só serão válidas se, se conformarem com as normas da Carta Maior.
Outra definição de grande importância sobre o instituto do Controle de
Constitucionalidade é aquela dada por Bastos:20

O controle de constitucionalidade das leis consiste no exame da adequação das


mesmas à Constituição, tanto do ponto de vista formal quanto material, para o efeito
de recusar-se obediência a seu mandamento, ou mesmo para o efeito de declarar-lhe
a nulidade. Há, portanto, a possibilidade do controle exercido por aquele em que a
norma é dirigida, como também por órgãos encarregados de exercer tal função pelo
texto constitucional, com a finalidade de subtrair à sua força obrigatória todos aqueles
que integram o mesmo sistema jurídico.

Ainda sobre o tema, citemos a lição deixada pelo mestre da Escola de Viena, Hans
Kelsen:21

A ordem jurídica não é um sistema de normas jurídicas ordenadas no mesmo plano,


situadas umas ao lado das outras, mas é uma construção escalonada de diferentes
camadas ou níveis de normas jurídicas. A sua unidade é produto da relação de
dependência que resulta do fato de a validade de uma norma, que foi produzida de
acordo com outra norma, se apoiar sobre essa outra norma, cuja produção, por seu
turno, é determinada por outra; e assim por diante, até abdicar finalmente na norma
fundamental – pressuposta. A norma fundamental – hipotética, nestes termos – é,
portanto, o fundamento de validade último que constitui a unidade desta interconexão
criadora.

A razão para existência do controle de constitucionalidade é que ele serve como o


principal instrumento que há nos países que adotam uma constituição rígida ou

20
BASTOS, Celso Ribeiro - Curso de Direito Constitucional.p.63.
21
KELSEN, Hans - Op.Cit.p.105.

[273]
semirrígida, a fim de que seja assegurada a unidade de constituição como um princípio
que deve ser intentado com o fito de manter a coerência lógica do texto constitucional,
evitando-se a desestruturação e até mesmo a ruptura da “Lei Maior” de um Estado.
Ademais, convém ressaltar que, como uma consequência lógica de garantia e
supremacia constitucional, o cotado instrumento de jurisdição constitucional assegura os
direitos e garantias fundamentais, os quais não podem estar ausentes em qualquer
constituição que se preze.
Por fim, convém ressalvar que dois fatores são necessários para que haja controle
de constitucionalidade: a supremacia da constituição e a rigidez constitucional.

2. A Fiscalização de Constitucionalide em Portugal

O sistema português de controle em face da supremacia da constituição, por ser misto, é


tão complexo quanto o brasileiro. Nele está contemplada a fiscalização concreta da
inconstitucionalidade, bem como a fiscalização abstrata da inconstitucionalidade, em sua
forma preventiva e sucessiva, e a fiscalização da constitucionalidade por omissão. O
presente estudo trará à baila como ponto específico da problemática à respeito da eficácia
ou não do controle concreto de constitucionalidade na via difusa a fim de ofertar o debate
do pensar à cerca do modelo existente e sua sistemática de atuação.

2.1. Rigidez Constitucional e Modelos de Controle.

Os países que possuem Constituições rígidas, terão, consequente processo


especial para modificação de seu texto. Essa rigidez termina por posicionar a Constituição
em um patamar superior aos das demais leis fazendo surgir o princípio da Supremacia
Formal da Constituição. Como consequência, surge a necessidade de se criar um
mecanismo de validade das leis em face da Constituição que é justamente o controle de
constitucionalidade.22
Ao longo da história, vários foram os modelos desenvolvidos com o objetivo de
preservar a Constituição e mantê-la regendo todo o sistema jurídico.
Vejamos os ensinamentos de Jorge Miranda23:

22
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo; DIAS, Frederico - Aulas de Direito
Constitucional.p.846.
23
MIRANDA, Jorge – Op.Cit.p.124.

[274]
A observação histórico-comparativa revela três grandes modelos ou sistemas típicos
de garantia da constitucionalidade: O modelo de fiscalização política, dito
habitualmente tipo francês; O modelo de fiscalização judicial (judicial review)
desenvolvido nos Estados Unidos desde 1803; O modelo de fiscalização jurisdicional
concentrada em tribunal constitucional ou modelo austríaco (por ter por paradigma o
tribunal instituído pela Constituição austríaca de 1920) ou Europeu (por hoje se ter
estendido a quase toda a Europa).

O sistema de controle de constitucionalidade português possui características


próprias do sistema austríaco desenvolvido por Kelsen e da fiscalização judicial
desenvolvida no direito norte-americano.
O sistema austríaco de controle de constitucionalidade se caracteriza, sobretudo,
pelo confronto de compatibilidade de uma lei ou ato normativo em face de uma
Constituição. Cynara Monteiro24 esclarece que no sistema austríaco, existe a concepção
de que a lei é válida até que seja declarada de modo contrário pelo órgão competente
devendo-se resguardar os efeitos e as relações jurídicas que se aperfeiçoaram antes de sua
desconstituição.
A judicial review, por sua vez, se caracteriza basicamente pela aferição da
compatibilidade da lei com a Constituição diante de um caso concreto. Francisco Cabral25
explicita que a iniciativa de se atribuir às Cortes de Justiça a guarda da Constituição teve
como marco histórico, nos Estados Unidos, a jurisprudência da Suprema Corte firmada
no caso Marbury versus Madison, em 1803, cujo relatório foi firmado por John Marshall,
considerado o marco inicial da Judicial Review.
Ainda segundo o mesmo autor, poder-se-ia dizer que:

modelo de controle de constitucionalidade das leis, idealizado por Marshall, se dava


apenas de forma difusa, ou seja, no caso concreto. Dispõe o poder judiciário de
competência para declarar nulos todos os atos e leis contrárias à Constituição norte-
americana. Portanto a competência do judiciário é difusa, tendo em vista que se realiza
no curso de um processo por qualquer juiz ou tribunal. 26

24
MARIANO, Cynara Monteiro – Controle de Constitucionalidade e Ação Rescisória em Matéria
Triburária.p.127.
25
CABRAL, Francisco de Assis – Controle de Constitucionalidade.p.33.
26
Idem – Ibidem.

[275]
O sistema de controle de constitucionalidade português no modelo difuso se
destaca por sua complexidade assim como ocorre no direito brasileiro. Sofreu influência
do controle originado nos Estado Unidos e permite a todos os órgãos do judiciário a
fiscalização das normas em face da Constituição com eficácia entre as partes de um
processo suscitado num caso concreto. Assim seguem os ensinamentos de Maria Benedita
Urbano:

o modelo de controlo difuso ou norte-americano (judicial review of legislation)


caracteriza-se pela atribuição a juízes e tribunais, inferiores e superiores, estaduais e
federais, do poder de controlar a constitucionalidade das normas (controlo difuso), e
pela eficácia inter partes das respectivas decisões (efeitos de mera desaplicação no
caso concreto, ou seja, a decisão apenas se impõe como res judicata no processo e
para as partes). Quanto à questão de inconstitucionalidade, ela surge no âmbito de
uma questão jurídica colocada perante um tribunal ordinário, podendo, deste modo,
afirmar-se que a norma ou normas objeto de controlo estavam relacionadas e, mais
que isso, eram imprescindíveis à resolução da questão jurídica colocada. 27

Na via incidental28, a lei só pode ser impugnada diante de uma controvérsia


concreta, submetida a apreciação do poder judiciário. Enfim, em um caso concreto
submetido à apreciação do poder judiciário, uma das partes argui a inconstitucionalidade
de uma lei com o fim de afastar a sua aplicação a esse caso concreto, em seu benefício.29
Em virtude destas características esse sistema também é denominado de sistema concreto
de controle da constitucionalidade ou sistema difuso de controle da constitucionalidade.

27
URBANO, Maria Benedita – Curso de Justiça Constitucional.p.30.
28
Com respeito a via de exceção e sua natureza, uma das exposições mais claras, sucintas e didáticas que
se conhecem é ainda aquela ministrada por Rui Barbosa nas conclusões clássicas expendidas sobre a
matéria. Primeiro estabeleceu ele as seguintes premissas: “ O poder de fazer a lei não compreende o de
reformar a Constituição. Toda lei, que cerceie instituições e direitos consagrados na Constituição, é
inconstitucional”. Em seguida, compendiou as condições da via de exceção nesses requisitos elementares:
“Que a intervenção judicial seja provocada por interessado. Que essa intervenção se determine por ação
regular, segundo as formas técnicas do processo. Que a ação não tenha por objeto diretamente o ato
inconstitucional dos poderes legislativo, ou Executivo, mas se à inconstitucionalidade dele apenas como
fundamento e não alvo do libelo. Que a decisão se circunscreve ao caso em litígio, não decretando em tese
a nulificação do ato increpado, mas subtraindo simplesmente à sua autoridade a espécie em questão. Que o
julgado não seja exequendo senão entre as partes, dependo os casos análogos, enquanto o ato não for
revogado pelo poder respectivo, de novas ações, processadas cada uma nos termos normais”. Enfim,
consubstanciou-se todas essas regras numa única, que traduz excelentemente a técnica do controle
jurisdicional por via de exceção: a inaplicabilidade do ato inconstitucional dos poderes Executivo ou
Legislativo, decide-se em relação a cada caso particular, por sentença proferida em ação adequada e
executável entre as partes. Cfe., BARBOSA, Rui – Atos Inconstitucionais.p.128.
29
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo; DIAS, Frederico – Op.Cit.p.854.

[276]
2.2. Objeto da Fiscalização de Constitucionalidade

A fiscalização da constitucionalidade em Portugal,30 recai sobre normas jurídicas.


Submetem-se ao controle, portanto: normas constitucionais introduzidas por revisão
constitucional, normas transitórias ou outras constantes em leis de revisão; atos
legislativos assim definidos como leis, decretos-leis e decretos legislativos regionais; atos
normativos da Assembléia da República sem forma de lei ou conexos com atos de
fiscalização política; Decretos normativos do Presidente da República; Regimento das
Assembléias e dos demais órgãos colegiais do Estado, das regiões autônomas e do poder
local; Atos normativos da administração pública quando violem diretamente a
Constituição; e demais Acórdão, convenções, estatutos e regulamentos que ataquem o
texto constitucional31.
Completando as lições de Jorge Miranda “ são insuscetíveis de fiscalização as
normas e os atos normativos de direito privado: contratos normativos, estatutos de
associações e fundações, pactos sociais, regulamentos internos de pessoas coletivas
privadas e normas deontológicas”.32
Quanto aos princípios e as normas de direito internacional, bem como tratados que
regem a União Européia e as normas emanadas por suas instituições, fazem parte do
direito português e quando regularmente ratificadas passam a viger na ordem jurídica
interna.33
Destarte, Patrícia Ribeiro, narra que as Cortes de Justiça das comunidades
Européias tem lutado para que a norma comunitária possua regime especial, que é o da
primazia sobre as normas nacionais, tornando-a obrigatória para os juízes dos tribunais
internos34.
A autora continua ressaltando que:

sobre essa questão, a Constituição portuguesa mostra-se favorável ao primado do


direito comunitário. Entretanto o texto constitucional proclama a prevalência absoluta

30
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250116/diploma/10?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775
31
MIRANDA, Jorge. Op.Cit. pp.200-205.
32
MIRANDA, Jorge. Op.Cit.p.206.
33
BONAVIDES, Paulo – Curso de Direito Constitucional.p.327.
34
RIBEIRO, Patrícia Henriques – As Relações entre o Direito Internacional e Direito Interno.p.96.

[277]
dos dispositivos constitucionais sobre qualquer outra norma que lhe seja oposta, não
importando qual seja a sua origem.35

Complementando o entendimento quanto aos diplomas legais internacionais,


Jorge Miranda persiste ao explicitar que “as normas de direito internacional situam-se
num plano tal que não podem infringir a Constituição”. “Pelo contrário, porque depende
de sua aceitação, o Estado não pode adstringir-se as normas emanadas por organizações
internacionais de que faça parte opostas à sua Constituição”.36
Ademais, o próprio Presidente da República pode requerer ao Tribunal
Constitucional apreciação preventiva da constitucionalidade de qualquer norma constante
de tratado internacional que lhe tenha sido submetido para ratificação, de decreto que lhe
tenha sido enviado para promulgação como lei ou como decreto-lei ou de acordo
internacional cujo decreto de aprovação lhe tenha sido remetido para assinatura.37
Por fim, ressalte-se que a Constituição portuguesa admite o fenômeno da
inconstitucionalidade superveniente38, bem como o fenômeno da repristinação39, ambos
terminantemente proibidos na legislação brasileira.
A inconstitucionalidade superveniente resulta de incompatibilidade entre uma lei
um texto constitucional futuro. A repristinação é o instituto jurídico pelo qual a norma
revogadora de uma lei, quando revogada, traz de volta a vigência daquela que revogada
originariamente.40
Assim descreve Jorge Miranda:

Se existe, primeiro, a norma de direito ordinário e, de seguida, emerge uma norma


constitucional que dispõe em sentido discrepante há que se distinguir duas fases: até
a entrada em vigor desta nova norma – fase em que a norma de direito ordinário era,

35
Idem - Ibidem.
36
MIRANDA, Jorge. Op.Cit.p.206.
37
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250216/diploma/14?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775.
38
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250116/diploma/10?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775.
39
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.º 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250216/diploma/14?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775
40
ALEXANDRINO, Marcelo – Op.Cit.p.850.

[278]
por hipótese, válida e eficaz, e uma segunda em que a norma de direito ordinário fica
desprovida de fundamento de validade, se torna inválida. Por conseguinte, a
declaração de inconstitucionalidade vem reporta-se a esse momento e, porque, não
atinge o momento de criação da norma, não pode afetar o efeito revogatório que tenha
determinado, donde, não haver repristinação. 41

Os professores Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino esclarecem que a


inconstitucionalidade originária é aquela que torna o ato inválido no momento de sua
produção, em virtude do desrespeito ao texto Magno então vigente. Já a
inconstitucionalidade superveniente resulta da controvérsia entre a lei e um texto
constitucional futuro. E a repristinação é o instituto jurídico pelo qual a norma revogadora
de uma lei, quando revogada, traz de volta a vigência daquela que revogada
originariamente. Sendo, todos os institutos citados proibidos no Brasil.42
O efeito repristinatório é “o fenômeno da reentrada em vigor da norma
aparentemente revogada. Já a repristinação, instituto distinto, substanciaria a reentrada
em vigor da norma efetivamente revogada em função da revogação (mas não anulação)
da norma revogadora”.43
Em Portugal o efeito repristinatório é aplicável na fiscalização concreta de
constitucionalidade: “De facto, se a norma inconstitucional é inválida ab initio e como tal
deve ser considerada, não se pode reconhecer efeitos jurídicos à norma inconstitucional
revogatória ou, pelo menos, o juízo de inconstitucionalidade, mesmo quando proferido
em sede de fiscalização concreta, destrói retroactivamente tais efeitos”,44 tendo o Tribunal
Constitucional lusitano já se pronunciado a esse respeito.45

41
MIRANDA, Jorge. Op.Cit.p.339.
42
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo; DIAS, Frederico - Aulas de Direito
Constitucional.p.849.
43
CLÈVE, Clèmerson Merlin - A fiscalização Abstrata da Constitucionalidade no Direito
Brasileiro.p.250.
44
MEDEIROS, Rui - A Decisão de Inconstitucionalidade. Os Autores, o Conteúdo e os Efeitos da
Decisão de Inconstitucionalidade da Lei.p.665.
45
TRIBUNAL CONSTITUCIONAL. Acórdão n.°103/87. [Em linha]. [Consult. 25 abril 2017]. Disponível
em http://www.tribunalconstitucional.pt/tc/acordaos/19870193.html.

[279]
3. O Sistema Português de Fiscalização Concreta

3.1 Processo de Fiscalização

Canotilho ensina que “o processo incidental de inconstitucionalidade ou processo


de fiscalização concreta tem por objeto a apreciação de uma questão de
inconstitucionalidade, levantada a título de incidente, nos feitos submetidos a julgamento
perante qualquer tribunal. Trata-se de uma fiscalização concreta, pois ela efectua-se
quando, num processo a decorrer em tribunal, se coloca a questão da
inconstitucionalidade de uma norma com pertinência na causa”.46
Ainda segundo Canotilho importante ressaltar que:

O controle difuso, pode considerar-se uma tradição republicana do direito


constitucional português, embora mais teórica do que prática, no domínio das
Constituições de 1911 e de 1933. No domínio da Constituição de 1976, esse controle
tem sido uma forma privilegiada de dinamização do direito constitucional. 47

O processo de fiscalização concreta e normas jurídicas, designado também por


processo incidental48 acarreta o direito e o dever de fiscalização dos juízes relativamente
a normas aplicadas a um caso concreto levados a sua apreciação.
Paulo Bonavides discorre sobre o controle por via de exceção (controle concreto):

aplicado às inconstitucionalidade legislativas, ocorre unicamente dentro das seguintes


circunstâncias: quando no curso de um pleito judiciário, uma das partes levanta, em
defesa de sua causa, a objeção de inconstitucionalidade da lei que se lhe quer aplicar.
Sem o caso concreto (a lide) e sem a provocação de uma das partes, não haverá
intervenção judicial, cujo julgamento só se estende as partes em juízo. A sentença que
liquida controvérsia constitucional não conduz à anulação da lei, mas tão somente a
sua aplicação ao caso particular, objeto da demanda. É o controle por via incidental.

46
CANOTILHO, J.J. Gomes – Direito Constitucional e Teoria da Constituição.p.981.
47
CANOTILHO, J.J. Gomes – Op.Cit.p.982.
48
Ceretti assim esclarece o que seja “via incidental” no sistema jurídico italiano: “Diz-se por via incidental
porque constitui um incidente do julgamento principal que se desenvolve perante uma autoridade
jurisdicional, ordinária ou administrativa, civil ou penal, constituída por órgãos judiciários ordinários ou
por seções especializadas ou também, até que continue a existir, por alguns juízes especias”. Cfe.,
CERETTI, Carlo - Diritto Constituzionale Italiano.p.602.

[280]
Uma norma em desconformidade material, formal ou procedimental com a
Constituição deve ser considerada nula de pleno direito. Assim, o juiz, ao antes de decidir
qualquer caso concreto de acordo com essa norma, deve examinar se ela viola o texto
magno. Consequentemente, os juízes passam a ter acesso direito à Constituição, aplicando
ou não normas cuja inconstitucionalidade foi impugnada.
Nos feitos submetidos a julgamento, os Tribunais não podem aplicar normas que
infrinjam o disposto na Constituição ou os princípios nela contidos.49
Assim que surja um problema de inconstitucionalidade de uma norma no decurso
de processo (seja ele penal, civil, administrativo), as decisões tomadas por um juiz a quo
(declarando ou não a inconstitucionalidade) são passíveis de recurso, por via incidental,
para o Tribunal Constitucional.50

3.2. Requisitos Subjetivos e Objetivos

Para que seja possível provocar um incidente de inconstitucionalidade faz-se


necessária a presença de certos requisitos e circunstâncias denominados na doutrina
processual geral por requisitos ou pressupostos processuais.

O controle de constitucionalidade é a verificação da adequação de um ato jurídico, ou


de uma lei em especial à Constituição. Tal controle envolve a verificação de requisitos
formais e subjetivos como a competência do Órgão que o editou; objetivos, como a
forma, o rito e os prazos observados em sua edição, bem como requisitos substanciais,
que são representados pelo respeito aos direitos e às garantias consagrados na
Constituição.51

O marco inicial da fiscalização concreta de constitucionalidade em Portugal52 e


consequentemente da legalidade do sistema jurídico considera como “tribunais todos os

49
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250316/diploma/10?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775.
50
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250416/diploma/14?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775
51
RICCITELLI, Antônio – Direito Constitucional: Teoria do Estado e da Constituição.p.76.
52
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-

[281]
órgãos jurisdicionais”53 aos quais é atribuída, como função principal, a atividade
jurisdicional.
Além do Tribunal Constitucional, existem as seguintes categorias de tribunais
responsáveis pela fiscalização de constitucionalidade: O Supremo Tribunal de Justiça e
os Tribunais de primeira e segunda instância, O Supremo Tribunal Administrativo e dos
demais Tribunais administrativos e fiscais e o Tribunal de Contas.54
Segundo Jorge Miranda, “ Todos os tribunais, seja qual for a sua categoria
exercem a fiscalização. Consequentemente, todos os juízes são necessariamente juízes
constitucionais e não apenas os do Tribunal Constitucional”.55
Diante de todos órgãos previstos aptos a apreciarem a consonância de uma norma
em conformidade com a Constituição, o incidente de desconformidade pode ser suscitado
pela parte, ex officio pelo juiz e pelo Ministério Público. Para as partes justifica-se por
serem meio idôneos de defenderem seus interesses subjetivos. Quando ao Juiz e ao
Parquet justifica-se pela vinculação os órgãos jurisdicionais aos princípios da
constitucionalidade da unidade da ordem jurídica.56
Na esfera objetiva, a controvérsia a ser invocada perante um juiz deve ser uma
questão inconstitucionalidade, ou seja, invariavelmente, uma colisão ou não de conflito
entre uma norma com a Constituição. Deve ser uma discussão de desconformidade
constitucional diante de uma lide concreta apresentada ao juiz. Além disso, deve ser uma
questão de inconstitucionalidade, ou seja, pressupõe um juízo de simetria entre uma
norma com “Texto Magno” e por fim deve ser uma questão levantada durante um

consolidada/-
/lc/337/201704250616/diploma/10?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775.
53
A jurisdição pode ser contenciosa ou voluntária. A diferença entre elas é que na primeira, a parte busca
obter uma determinação judicial que obrigue a parte contrária, ao passo que na segunda, busque uma
situação que valha para ela mesma. Na contenciosa, a sentença sempre obriga uma das partes em relação a
outra. Na voluntária, é possível que a sentença beneficie as duas partes. Na primeira o juiz persegue a
solução de uma controvérsia que lhe apresentada em julgamento. Na segunda, ainda que haja uma questão
conflituosa, não é ela posta, necessariamente, diretamente em juízo para apreciação judicial. A jurisdição
voluntária não serve para que o juiz diga quem tem razão, mas para que tome determinadas providências
que são necessárias para proteção de um ou ambos os sujeitos da relação processual. Relativamente a
natureza jurisdicional da atividade do tribunal é preciso considerar que para haver um feito submetido a
julgamento não precisar dizer respeito apenas a um litígio entre as partes (processos de jurisdição
contenciosa), bastando a existência de um caso ou interesse juridicamente tutelado a resolver pelo juiz
(processo de jurisdição voluntária) como por exemplo, providências de alimentos, providências em relação
a cônjuges, Cfe., GONÇALVES, Marcus Vinícius Rios – Direito Processual Civil.p.104.
54
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250616/diploma/10?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775
55
MIRANDA, Jorge, Op.Cit.p.244.
56
CANOTILHO, J.J. Gomes – Op.Cit.p.985

[282]
processo, pois só um embate apresentado durante o processo pode ser apreciado pelo juiz
e levada em consideração na decisão da causa.57
Por conseguinte, o caso concreto apresentado diante de um juiz, figura como pano
de fundo (uma questão de mérito) mas que, para ser julgado, depende da validade ou
invalidade de uma norma que será aplicada ou não a esse caso concreto. Assim a questão
da constitucionalidade não pode ser a questão principal a ser discutida, aparece como um
incidente, ou seja, uma questão incidental que é relevante, naquele momento, para solução
do caso vislumbrado.58
Além da questão de inconstitucionalidade ter por objeto normas que devam ser
empregues na causa, decorrente das regras tradicionais de prejudicabilidade ou
indispensabilidade, cabe ao juiz a quo se pronunciar sobre a procedência da questão. Cabe
ao julgador, diante do caso concreto, decidir se é fundada ou não a pretensão da parte
quanto a inconstitucionalidade arguida. A decisão deverá vir em forma de sentença, não
comportando despachos ou decisões interlocutórias, independentemente de
posteriormente serem revogadas pelo Tribunal Constitucional.59

4. Apreciação da Inconstitucionalidade

Analisando o mandamento constitucional, “nos feitos submetidos a julgamento,


não podem os tribunais aplicar normas que infrinjam o disposto na Constituição ou os
princípios nela consignados”.60
A respeito da justiça constitucional relativo ao controle de constitucionalidade
das normas, surgem indagações relevantes: qual o papel dos juízes constitucionais nesse
domínio? Qual a correta metodologia a adotar pelos juízes constitucionais? Nas decisões
dos juízes e tribunais cabe recurso para o Tribunal Constitucional? 61
O objeto do recurso não se relaciona com a decisão de mérito do órgão a quo, mas
apenas o seguimento da decisão judicial incidente sobre o controle de constitucionalidade,

57
BONAVIDES, Paulo – Curso de Direito Constitucional.p.310.
58
CABRAL, Francisco – Op.Cit.p.53.
59
CANOTILHO, J.J Gomes – Op.Cit.p.986.
60
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250616/diploma/10?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775.
61
URBANO, Maria Benedita – Op.Cit.p.95.

[283]
ou seja, apenas parte da decisão em que o órgão de primeira instância recusou a aplicação
de uma norma cuja constitucionalidade foi questionada.62
A lei que ofende a Constituição, não desaparece assim da ordem jurídica, do corpo
ou sistema das leis, podendo ainda ter aplicação noutro caso a menos que o poder
competente a revogue. De modo que o julgado não ataca a lei em tese ou em in abstracto,
nem importa o formal cancelamento de suas disposições, cuja aplicação fica inibida para
aquela demanda. É a chamada relatividade de coisa julgada. Na impede que em outro
processo, em caso semelhantes, perante o mesmo juiz ou perante outro, possa a mesma
lei ser novamente aplicada.63

4.1. Apreciação Oficiosa pelo Juiz

A característica principal de uma lei é a sua obrigatoriedade, e uma vez em vigor,


torna-se obrigatória a todos. Dessa forma, ninguém se escusa de cumprir a lei, alegando
que não a conhece. “Sendo assim, a ignorantia legis neminem excusat tem por finalidade
garantir a eficácia da lei, que estaria comprometida se se admitisse a alegação de
ignorância de lei vigente. Como consequência, não se faz necessário provar em juízo a
existência da norma jurídica invocada, pois se parte do pressuposto de que o juiz conhece
o direito ( iura novit curia )”.64
No sentido da apreciação oficiosa pelo juiz, apaziguadores os ensinamentos de
Jorge Miranda:

a apreciação oficiosa – ligue-se ou não ao princípio jura novit curia – implica o


seguinte: O juiz não é obrigado a aplicar normas que repute inconstitucionais; o juiz
não fica obrigado a aplicar uma lei, que não foi suscitada por uma das partes e não se
vincula a não aplicar uma outra que foi arguida por uma das partes; o juiz não fica
obrigado, em certo processo, de reconhecer a inconstitucionalidade de uma lei por que
nenhuma das partes o impugnou e em outro, deixar de reconhecer porque nenhuma
das partes o fez; O juiz não fica adstrito à norma constitucional invocada como
parâmetro podendo julgar a luz de outra norma que entenda ser mais adequada ao caso
concreto e por fim, não fica preso ao vício alegado, podendo reconhecer outro vício
de inconstitucionalidade.65

62
CANOTILHO, J.J. Gomes – Op.Cit.p.989.
63
BONAVIDES, Paulo – Op.Cit.p.310.
64
GONÇALVES, Carlos Roberto – Direito Civil: Parte Geral.p.22.
65
MIRANDA, Jorge – Op.Cit.p.247.

[284]
A relatividade da coisa julgada, já mencionada, nada impede que em outro
processo, em casos análogos, perante o mesmo juiz ou perante outro, possa a mesma lei
ser eventualmente aplicada. Essa aplicação só não ocorrerá naturalmente se uma das
partes, inovando a exceção de inconstitucionalidade, tiver sua pretensão diferida pelo juiz.
“Pode o juiz recusar a exceção, perfilhando a tese exatamente oposta àquela que
prevaleceu na primeira hipótese de aplicação.66
Assim sendo, a conclusão à cerca da apreciação oficiosa acarreta a desobrigação
do juiz em aplicar normas que julgue inconstitucionais.67
A apreciação oficiosa resulta que o juiz não está submisso à norma constitucional
conjurada pelas partes como paradigma, podendo assentar com base noutra norma que
considere mais apropriada ao caso, podendo, inclusive, verificar qual a norma
constitucional que, segundo sua avaliação, possa ter sido infringida.68
Ressalta-se, por último, que a questão de inconstitucionalidade pode ser
fomentada em qualquer fase do processo e em qualquer instância judicial69, ou seja, tanto
em primeira instância quanto em grau de recurso. Atribuindo competência a todos os
juízes – inclusive àqueles dos tribunais de recurso – da competência para apreciar
oficiosamente a inconstitucionalidade das normas nos feitos submetidos a julgamento.70

4.2. A Fiscalização dos Tribunais

Já ressaltado anteriormente, se apresenta assim a arquitetura no supedâneo da


fiscalização concreta sobre o tolhimento dos tribunais ao aplicar normas que infrinjam à
Constituição.71

66
BONAVIDES, Paulo – Op.Cit.p.312.
67
MIRANDA, Jorge – Op.Cit.p.246.
68
MIRANDA, Jorge – Op.Cit.p.247.
69
MOREIRA, Vital – A Fiscalização Concreta no Quadro do Sistema Misto de Justiça
Constitucional.p. 831.
70
MIRANDA, Jorge – Op.Cit.p.245.
71
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250616/diploma/10?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775.

[285]
Significa que todos os tribunais72, mais especificamente o Supremo Tribunal de
Justiça e os tribunais judiciais de primeira e de segunda instância, o Supremo Tribunal
Administrativo e os demais tribunais administrativos e fiscais e o Tribunal de Contas 73,
tem competência para proceder a fiscalização de constitucionalidade. Como
consequência, todos os juízes são necessariamente juízes constitucionais e não apenas os
pertencentes ao Tribunal Constitucional.74
O controle de constitucionalidade incidental pode ser iniciado em toda e qualquer
ação submetida a apreciação do poder judiciário em que haja um interesse concreto em
discussão, qualquer que seja a sua natureza. Não faz diferença sequer a espécie de
processo, podendo ser suscitado o incidente de constitucionalidade em processos de
conhecimento, de execução, ou cautelar, seja qual for matéria discutida.75
Ninguém pode dirigir-se a tribunal a fim de invocar uma declaração de uma
inconstitucionalidade de uma norma. Mas nada impede que alguém se lhe dirija propondo
uma ação tendente à declaração, à realização ou a reparação de um direito ou interesse,
cuja legitimação depende de decisão positiva de fiscalização constitucional.
Destarte, a questão de inconstitucionalidade só pode e só deve ser conhecida e
decidida na medida em que haja um nexo incindível ente ela e a questão principal objeto
do processo.

Trata-se de uma questão prejudicial imprópria porque questão que se acumula com
questão objeto do processo e cujo julgamento cabe ao mesmo tribunal, não se devolve
para outro processo ou para outro tribunal. Já questão prejudicial própria só se verifica
quando haja recurso para o tribunal constitucional. E por fim a questão pode ser
suscitada na primeira instância como em recurso, o que bem se compreende, até
porque os tribunais de recurso também conhecem oficiosamente de
inconstitucionalidade76

72
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250616/diploma/10?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775.
73
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-/lc/337/201704250616/diploma/10?rp=indice&q=constitui% (REIS e GONÇALVES, 2016)
(GOUVEIA, 2013)C3%A7%C3%A3o&did=34520775.
74
MIRANDA, Jorge – Op.Cit.p.244.
75
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo –Direito Constitucional Descomplicado.p.728.
76
MIRANDA, Jorge – Op.Cit.p.245.

[286]
A fiscalização difusa de constitucionalidade revela-se indissociável da função
jurisdicional seja pela natureza da demanda, seja da própria Constituição77, que, inclusive,
insere também o Tribunal Constitucional no conhecimento incidental da
inconstitucionalidade quando tiver que exercer incidentalmente qualquer de suas
competências jurisdicionais (fora da fiscalização de legalidade e constitucionalidade das
normas jurídicas).

4.3. Decisões Recorríveis

Dentre os vários conceitos existentes, é considerável entender que recurso é um


meio processual de impugnação, voluntário ou obrigatório, utilizado antes da preclusão,
apto a propiciar um resultado mais vantajoso na mesma relação jurídica processual,
decorrente de reforma, invalidação, esclarecimento ou confirmação.78
À despeito da fiscalização concreta da constitucionalidade e da legalidade “cabe
recurso para o Tribunal Constitucional não apenas de decisões não jurisdicionais, mas
também de decisões não previstas no art. 280 da Constituição Portuguesa79 e no art. 70
da lei 28/82”.80
Segundo Canotilho, das decisões dos Tribunais relativas a questão da
inconstitucionalidade cabe recurso para o Tribunal Constitucional. É o chamado recurso
de constitucionalidade. O objeto do recurso não é a decisão do tribunal a quo, sobre o
mérito da questão, mas apenas o seguimento da causa decorrente do incidente de
inconstitucionalidade.81
Conforme pautado anteriormente e agora, segue ressaltado por Jorge Bacelar:

77
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250616/diploma/10?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775.
78
REIS, Alexandre Cebrian Araújo; GONÇALVES, Victor Eduardo Rios – Direito Processual
Penal.p.659.
79
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. Diário da República I Série. N.° 86 (10-04-76).
[Em linha]. P.738-775. [Consult. 24 Abr. 2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/legislacao-
consolidada/-
/lc/337/201704250616/diploma/10?rp=indice&q=constitui%C3%A7%C3%A3o&did=34520775.
80
MIRANDA, Jorge – Op.Cit. p.248.
81
CANOTILHO, J.J. Gomes – Op.Cit.p.989.

[287]
num primeiro momento, a fiscalização concreta pode ser realizada pelos tribunais em
geral, ex officio ou a pedido das partes, em qualquer momento do percurso processual,
incluindo a última instância de decisão jurisdicional, podendo ainda, dentro da
jurisdição geral, haver recursos de decisões de constitucionalidade concreta.82

Por outras palavras, segundo Canotilho, “o objeto do recurso não é a decisão


judicial em si mesma, mas apenas a parte dessa decisão em que o juiz a quo recusou a
aplicação de uma norma por motivo de inconstitucionalidade ou aplicou uma norma cuja
inconstitucionalidade foi impugnada.
Toda vez que, diante de um caso concreto, os juízos monocráticos (de primeiro
grau) no âmbito de suas respectivas competências, tomarem decisões de acordo com suas
respectivas convicções sobre a matéria, podem afastar a inconstitucionalidade de uma lei,
com o fim de afastar sua aplicação incidentalmente, sendo possível recurso para o órgão
de máximo de controle, mas especificamente com respeito àquela parcela da decisão que
afastou a norma espúria.
Num momento posterior, “a fiscalização concreta é exclusivamente efetuada pelo
Tribunal Constitucional, a título de recurso da decisão de outro tribunal, tomadas no
primeiro momento processual conforme previsão da Constituição”.83
À luz dos ensinamentos de Canotilho, trata-se de uma norma interpretativa
mediatizada pela decisão recorrida, porque esta norma deve ser apreciada no segundo
recurso conforme a interpretação que lhe foi dada nessa decisão.84
A decisão de fiscalização85, com recurso para categorias de tribunais superiores,
e posterior recurso para o Tribunal Constitucional: “é a situação em que o tribunal a quo,
decidiu não julgar inconstitucionais as fontes normativas consideradas aplicáveis, decisão
que, no entanto, pode ser contestada, por recurso, primeiro dentro da jurisdição dos
tribunais em razão da matéria, e depois para o próprio Tribunal Constitucional.86
É importante ressaltar que o recurso para o Tribunal Constitucional, no bojo da
fiscalização concreta, “é um recurso sem caráter extraordinário, o que pode trazer

82
GOUVEIA, Jorge Bacelar – Manual de Direito Constitucional.p.359.
83
Idem, Ibidem.
84
CANOTILHO, J.J. Gomes – Op.Cit.p.989.
85
TRIBUNAL CONSTITUCIONAL. Acórdão, n.°141/92. [Em linha. [Consult. 25 abril 2017]. Disponível
em http://www.tribunalconstitucional.pt/tc/acordaos/19920141.html.
86
GOUVEIA, Jorge Bacelar – Manual de Direito Constitucional.p.330.

[288]
consequências relevantes no “controlo” do sistema processual geral, como por exemplo
o impedimento do trânsito em julgado das sentenças dos tribunais a quo”.87
Jorge Miranda ensina que são três os tipos de decisões que cabem recurso:

Aquelas que recusem aplicação, de certa norma com fundamento em


inconstitucionalidade (art. 280 CRP) ou em ilegalidade ou em contradição com uma
convecção internacional. (art. 70 da Lei 28/82, após 1989)”.; “Decisões que apliquem
norma cuja inconstitucionalidade ou ilegalidade haja sido suscitada durante o
processo e em que a norma aplicada seja um dos fundamentos normativos da
decisão”88; “decisões que apliquem norma anteriormente julgada inconstitucional ou
ilegal pelo próprio Tribunal Constitucional, ou anteriormente julgada inconstitucional
pela Comissão Constitucional (art. 70 CRP) ou que apliquem norma legislativa em
desconformidade com o anteriormente decidido pelo Tribunal. 89

Ainda quanto aos tipos de recursos, eles diferem quanto ao objeto ou a qualidade
dos recorrentes, quanto ao caráter obrigatório ou facultativo e quanto aos atos normativos
sujeito a controle.
Quanto ao objeto, os recursos de decisões positivas de inconstitucionalidade são
os que tenham recusa à aplicação de uma norma por motivo de inconstitucionalidade. Já
os recursos de decisões negativas, tratam-se de decisões que aplicaram uma norma a qual
foi rejeitada a sua arguição de inconstitucionalidade. Há ainda os recursos de decisões
aplicadoras de normas que já foram julgadas pelo Tribunal Constitucional que tem vista
obrigatória para o Ministério Público. Por fim há os recursos de decisões judicias, restritos
a questões de natureza jurídico-constitucional e jurídico internacional que apliquem
normas constantes de atos legislativos contrariadas por convenções internacionais.90
Quanto as partes processuais91, essas podem interpor recurso de acordo com as
disposições inerentes ao código de processo civil, referentes as partes principais,
acessórias ou a terceiros prejudicados.92

87
CANOTILHO, J.J. Gomes – Op.Cit.p.989.
88
TRIBUNAL CONSTITUCIONAL. Acórdão n.°366/96. [Em linha]. [Consult. 25 abril 2017]. Disponível
em http://www.tribunalconstitucional.pt/tc/acordaos/19960366.html
89
MIRANDA, Jorge – Op.Cit.p.248.
90
CANOTILO, J.J. Gomes.Op.Cit.p.990.
91
Todas as pessoas, sem exceção têm capacidade de ser parte, porque são titulares de direitos e obrigações
na ordem civil. A regra abrange as pessoas naturais ou físicas e as jurídicas, de direito público ou privado.
Dentre as pessoas físicas, nem todas terão capacidade processual, ou seja, a aptidão para estar em juízo
pessoalmente. Cfe. GONÇALVES, Marcus Vinícius Rios – Direito Processual Civil.p.193.
92
LEI n.º 41/2013. Diário da República I Seção, N.º 121/2013 (26-06-13). [Em linha]. [Consult. 25 abril
2017]. Disponível em https://dre.pt/web/guest/pesquisa/-/search/497406/details/normal?l=1.

[289]
Oficiosos são os recursos interpostos pelo Ministério Público quando forem parte
num processo. Essa obrigatoriedade se dá quando intervêm a título principal como estar
a representar o Estado ou entidades estatais carentes de proteção. Ou quando intervêm
acessoriamente do exercício da função de assistência em “processos de interesse público
em que são partes pessoas coletivas de utilidade pública ou sujeitos jurídicos a que o
Estado deve especial atenção, como por exemplo incapazes e ausentes”. Por fim há ainda
os recursos facultativos afetos as partes e ao Ministério Público sempre que este não esteja
obrigado a recorrer de ofício, onde, caso contrário, neste último caso, serão obrigatórios,
como por exemplo, “os recursos de decisões positivas de inconstitucionalidade”.93

5. Críticas ao Controle Concreto de Constitucionalidade

No Brasil, o controle incidental surge em um caso concreto, no curso do processo


submetido à apreciação do poder judiciário. O objetivo da parte que argui a
constitucionalidade é afastar a aplicação da lei àquele caso concreto. Logo, oportuno
registar que a decisão do judiciário só aproveitará as partes do processo em que é
proferida, ou seja, consubstancia-se na eficácia inter partes.94
Portanto, a decisão proferida só alcança as partes do processo em que é proferida,
continuando a lei válida e aplicável para todas as demais pessoas que não integraram
aquela demanda judicial.
Ainda de acordo com a previsão brasileira, no bojo do controle incidental, a
decisão, em regra, opera efeitos retroativos (ex tunc), ou seja, a lei é declarada
inconstitucional desde o seu nascimento.95
Em Portugal, Jorge Miranda, discorre, como pontuação crítica ao sistema misto
lusitano, citando um texto da Juíza Maria Lúcia da Conceição Abrantes Amaral96 em que
ela descreve “que o modelo comum europeu favorece em maior grau, do que o modelo
português, a pacificação das relações entre jurisdição constitucional e jurisdição comum”.
97
A decisão do juiz que suspende a instância e coloca a questão de constitucionalidade à

93
CANOTILHO, J.J Gomes – Op.Cit.p.991.
94
PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo; DIAS, Frederico – Op.Cit.p.869.
95
Idem. Ibidem.
96
TRIBUNAL CONSTITUCIONAL. Composição. [Em linha]. [Consult. 25 abril 2017]. Disponível em
http://www.tribunalconstitucional.pt/tc/juizes02.html.
97
Na verdade, a juíza Maria Lúcia da Conceição Abrantes Amaral, critica o modelo português de recurso,
onde a sentença do Tribunal Constitucional, contrário a sentença do tribunal a quo, obriga a reforma da

[290]
apreciação do Tribunal Constitucional, que, sendo um tribunal de recurso, suas decisões
alteram o ordenamento jurídico, atacam normas que tardam a morrer e por tanto ainda
vigoram, renovando direitos incertos e que não valem plenamente.98
O jurista, pontua críticas ao sistema, citando também o Professor e Doutor Jorge
Reis Novaes, relatando que o sistema é “deficitário na proteção jus fundamental”, mas
com garantias de recursos excessivas inadequadas. O sistema de reenvio prejudicial faz
com que os juízes deixem de decidir questões de inconstitucionalidade, sendo obrigado a
ver suas decisões revogadas polo Tribunal Constitucional, tendo depois que reformá-las.
Retirando a utilidade do processo, gerando apenas a sua dilação e a erosão da imagem
dos tribunais.
Em sentido contrário, a substituição do atual sistema misto português para o
sistema unicamente concentrado, mesmo que composto pelo reenvio prejudicial,
culminaria com a anulação do poder de decidir o direito dado a cada juiz a quo. O
princípio de que nenhuma lei inconstitucional deve ser aplicada pelo julgador reduz a uma
suspensão do juízo, limitando o poder do julgador ao poder de questionar. Tomando-se a
questão da inconstitucionalidade um mero incidente na aplicação do direito. 99
Por fim, Jorge Miranda se posiciona favoravelmente ao modelo misto português
ressaltando que:

com mais de 38 anos (contando o tempo da Comissão Constitucional) o sistema tem


funcionado de modo globalmente positivo tornando-se paradigmático nos Estados de
Língua portuguesa. Ele propicia o acesso dos cidadãos à garantida Constituição,
através do direito de invocação da constitucionalidade e da obtenção de uma decisão
em qualquer tribunal, tornado, com isso todos os juízes corresponsáveis pela
Constituição, ou seja, tornando-os todos constitucionais.100

decisão que já fora tomada. No modelo comum de suspensão de instância, a sentença do Tribunal
Constitucional relativa a inconstitucionalidade, é sempre emitida antes que tenha sido proferida sobre o
mérito da causa, qualquer decisão. Depois o modelo de suspensão de instância tende a impedir que haja
processos de controle de constitucionalidade ditados por interesses exclusivos das partes.
98
MIRANDA, Jorge – Op.Cit.p.283.
99
MIRANDA, Jorge - Op.Cit.p.284.
100
MIRANDA, Jorge - Op.Cit.p.287.

[291]
Conclusão

Do exposto, pode-se concluir que o sistema português de controle concreto de


constitucionalidade é complexo, apontado pela doutrina como um controle misto de
constitucionalidade, por reunir elementos, como se viu, do controle difuso e do controle
concentrado.
Possuem raízes em modelos distintos, tendo sido desenvolvidos no seio de
instituições próprias e de maneira natural, espontânea. O modelo norte-americano tem o
seu contorno e sua efetividade definidos por uma norma constitucional não escrita, o stare
decisis101, que garante a segurança necessária à própria operacionalidade do sistema.
O modelo europeu, por outro lado, confere à Corte Constitucional status
diferenciado do Judiciário, declaradamente político, composta por membros, nas palavras
do então Ministro da Corte portuguesa Cardoso da Costa, com “diferentes sensibilidades
constitucionais”, o que lhes confere legitimidade bastante para decidir questões das mais
relevantes da ordem constitucional, com efeito vinculante aos demais órgão estatais,
principalmente ao Judiciário, o que, da mesma maneira, garante a segurança necessária à
operacionalidade do sistema.
“Recorde-se que os tribunais em geral são, igualmente, órgãos de justiça
constitucional, estando também vocacionados para assegurar uma proteção plena dos
direitos fundamentais dos particulares. A proteção jurisdicional dos direitos fundamentais
nem sequer circunscreve às violações resultantes de normas jurídicas. A concepção aqui
adotada não ignora que o dogma da infalibilidade não se aplica às decisões dos tribunais,

101
A doutrina do stare decisis tem a sua origem no direito inglês, decorrente da expressão latina stare
decisis et non quieta movere, sendo utilizado ou aplicado na esfera civil. No âmbito constitucional, essa
expressão tem um significado mais abrange, senão vejamos: No âmbito do estudo do direito constitucional,
os EUA são o nosso grande exemplo, para o qual essa expressão assume o significado de um comando
mediante o qual as Cortes devem dar o devido peso e valor ao precedente, de forma que uma questão de
direito já estabelecida deveria ser seguida sem reconsideração, desde que a decisão anterior fosse
impositiva. Há uma íntima correspondência entre o stare decisis e o Estado Democrático de Direito, já que
ela assegura que o direito não se altere de forma errática, constante e permite que a sociedade presuma que
os princípios fundamentais estão fundados no direito, ao invés das inclinações ou voluntariedades pessoais,
dos indivíduos. Desta forma, temos a construção do stare decisis horizontal e o vertical. A idéia de que os
Tribunais e outros órgãos do Poder Judiciário devem respeitar os seus próprios precedentes, internamente,
é chamado de stare decisis horizontal ou em sentido horizontal, sendo vinculante, portanto, para o próprio
órgão, que não pode mais rediscutir a matéria, o que também é denominado de binding efectt (efeito
vinculante), mas interno. Já o stare decisis vertical significa que as decisões vinculam externamente,
também a todos, sendo obrigatória para os demais órgãos do Poder Judiciário, inclusive a Administração
Pública Direta e Indireta e demais Poderes. Cfe. MACIEL, Adhemar Ferreira – Dimensões do Direto
Público.p.84.

[292]
não excluído, portando a possibilidade de as decisões jurisdicionais em gerais ofenderem
direitos fundamentais”, ainda mais grave quando proferidas em última instância.102
O primitivo sistema da Constituição de 1976, só admitia recurso para Comissão
Constitucional quando os tribunais se recusassem a aplicar uma norma constante de lei,
decreto-lei, decreto regulamentar, decreto regional ou diploma equiparável, com
fundamento em inconstitucionalidade (art.°282/1, na redação originária). Afastava-se
assim “a hipótese de recurso nos casos em que, não obstante o incidente de
inconstitucionalidade, os tribunais decidissem pela constitucionalidade da norma ou
normas em discussão”. Isso constituía uma grave limitação das possibilidades de defesa
dos cidadãos e um notável esvaziamento do princípio da constitucionalidade das leis.103
O controle por via de exceção é de sua natureza o mais apto a prover a defesa do
cidadão contra os atos normativos do poder, porquanto em toda demanda que suscite
controvérsia constitucional sobre lesão de direitos individuais estará sempre aberta a uma
via recursal a parte ofendida. A extensão de iniciativa da sindicância de
constitucionalidade, em se tratando de via direta, “é decisiva para marcar-lhe a feição
liberal ou estatal, democrática ou autoritária, em ordem a determinar se o controle se faz
com o propósito de atender aos fins individuais ou aos interesses do Estado, interesses
que tanto podem exprimir uma necessidade de harmonia na relação entre os distintos
órgãos da soberania estatal”.104
A prática dos tribunais portugueses já tinha demonstrado como era frágil a defesa
dos cidadãos quanto ao regime de irrecorribilidade de certos atos normativos. Os juízes
se equivocavam aplicando normas flagrante inconstitucionais. Viu-se o cidadão sem
defesa por não se poder recorrer contra inconstitucionalidade e a norma em apreço ser
insuscetível de recurso. O primeiro problema foi resolvido pela admissibilidade de
recurso contra decisão de inconstitucionalidade, e o segundo foi solucionado pela
vicissitude recursal da parte que suscitou a controvérsia contra decisões de
inconstitucionalidade, qualquer que conste o diploma do ato normativo impugnado.105
No texto originário da Constituição portuguesa impunha-se o esgotamento dos
recursos ordinários e só uma vez esgotados é que seria possível impetrar recurso para
Comissão Constitucional. O regime atual é mais coerente com a natureza incidental da

102
MIRANDA, Jorge - Op.Cit.p.292.
103
CANOTILHO. J. J. Gomes – Op.Cit.p.993.
104
BONAVIDES, Paulo. Op.Cit.p.333.
105
CANOTILHO, J.J Gomes – Op.Cit.p.992.

[293]
inconstitucionalidade e com a própria razão de ser do controlo concentrado com a base
num controlo difuso.106
Por fim, salutar a existência de um mecanismo processual constitucional de
controle das leis, a fim de evitar violação aos direitos individuais, coletivos e sociais,
tantos os absolutos como os relativos, sob a custódia do legislador constituinte, na alçada
da criação de um sistema capaz de garantir a firmeza e a estabilidade ao direito expresso
no texto magno em face do direito subjetivo social pairado pela incerteza ou insegurança
jurídica.

Referências

AGRA, Walber de Moura. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Forense, 2000.

ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente.; DIAS, Frededico. Aulas de Direito


Constitucional. São Paulo: Método, 2013. ISBN 978-85-309-4736.

BARBOSA, Rui. Atos Inconstitucionais. São Paulo: Russel, 2003. ISBN 978-8-589-
251266.

BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros, 2010.
ISBN 978-85-742-08237.

BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Brasília: Universidade de


Brasília, 1996.

CABRAL, Francisco de Assis. Controle de Constitucionalidade. 1. ed. Salto: Schoba,


2009. ISBN 978-85-62620-58-4.

106
CANOTILHO, J.J Gomes – Op.Cit.p.995.

[294]
CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição.
7. ed. Coimbra: Almedina, 2003. ISBN 978-972-40-2106-5.

CERETTI, Carlo. Corso Di Diritto Costituzionale Italiano. Milano: Giappichelli, 1949.

CLÈVE, C. M. A Fiscalização Abstrata da Constitucionalidade no Direito Brasileiro.


São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000. ISBN 8520317901.

AGRA, Walber de Moura. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Forense, 2000.

ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente.; DIAS, Frededico. Aulas de Direito


Constitucional. São Paulo: Método, 2013. ISBN 978-85-309-4736.

BARBOSA, Rui. Atos Inconstitucionais. São Paulo: Russel, 2003. ISBN 978-8-589-
251266.

BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros, 2010.
ISBN 978-85-742-08237.

BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Brasília: Universidade de


Brasília, 1996.

CABRAL, Francisco de Assis. Controle de Constitucionalidade. 1. ed. Salto: Schoba,


2009. ISBN 978-85-62620-58-4.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição.


7. ed. Coimbra: Almedina, 2003. ISBN 978-972-40-2106-5.

CERETTI, Carlo. Corso Di Diritto Costituzionale Italiano. Milano: Giappichelli, 1949.

FILHO, Manoel Gonçalves Ferreira. Curso de Direito Constitucional. 31. ed. São
Paulo: Saraiva, 2005.

HESSE, Konrad. A Força Normativa da Constitucional. Tradução de Gilmar Ferreira


Mendes. São Paulo: [s.n.], 1900. ISBN 85-88278-18-9.

KELSEN, Hans. Jurisdição Constitucional. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARIANO, Cynara Monteiro. Controle de Constitucionalidade e Ação Rescisória em


Matéria Tributária. Belo Horizonte: Del Rey, 2006. ISBN 85-7308-857-5.
[295]
MEDEIROS, R. A Decisão de Inconstitucionalidade. Os Autores, o Conteúdo e os
Efeitos da Decisão de Inconstitucionalidade da Lei. Lisboa: Universidade Católica
Editora, 1999. ISBN 97-89-725-400050.

MENDES, G. F. Curso de direito constitucional. São Paulo: Saraiva, 2015. ISBN 978-
850-262-2760.

MIRANDA, J. Manual de Direito Constitucional, TOMO VI. Coimbra: Coimbra


Editora S.A., 2013.

PAULO, V.; ALEXANDRINO, M. Direito Constitucional Descomplicado. São Paulo:


Metodo, 2009. ISBN 978-85-309-2918-3.

REALE, M. Filosofia do Direito. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 1999. ISBN 85-02-01855-
8.

REIS, A. C. A.; GONÇALVES, V. E. R. Direito Processual Penal. 5. ed. São Paulo:


Saraiva, 2016. ISBN 978-85-472-0011-4.

RIBEIRO, P. H. As relações entre o Direito Internacional e o Direito Interno. Belo


Horizonte: Del Rey, 2001. ISBN 85-7308-472-3.

RICCITELLI, A. Direito Constitucional: Teoria do Estado e da Constituição. 4. ed.


Barueri: Manole Ltda, 2007. ISBN 85-204-2502-X.

SILVA, A. F. D. Dimensões do Direio Público. Belo Horizonte: Del Rey, 2000. ISBN
857-30-83182.

SILVA, J. A. D. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2009.

URBANO, M. B. Curso de Justiça Constitucional. Coimbra: Almedina, 2012. ISBN


978-972-40-6194-8.

[296]
PARTE IV
Problemas e Críticas à
Democracia

[297]
PARTE IV
Problemas e Críticas à
Democracia

[298]
16. A DEMOCRACIA E MERITOCRACIA

Ricardo Tavares da Silva1

Resumo: A minha proposta consiste no seguinte: não há identidade (ou uma qualquer
relação conceptual) entre democracia representativa e eleição por voto, pelo que podemos
adoptar outro modo de selecção dos representantes legislativos sem que, com isso, o
sistema deixe de ser democrático. A selecção dos representantes legislativos diz respeito
a quem exerce o poder legislativo, enquanto o carácter democrático ou não-democrático
do sistema diz respeito a quem é titular do poder legislativo. Todas as objecções
habitualmente efectuadas aos sistemas democráticos são, afinal, objecções ao sistema da
eleição por voto (sistema electivo). Assim sendo, devemos adoptar o melhor dos modos
de selecção. O melhor desses modos é o que assenta no critério da competência.

Palavras-chave: Democracia; Meritocracia; Representação; Eleição; Competência

1 – Ausência de identidade ou conexão conceptual

a) Exercício do poder legislativo

Nos sistemas de democracia representativa, por definição, existe a cisão entre


quem é titular do poder legislativo e quem o exerce. Nisto se distingue dos sistemas de
democracia directa.
Há ou não um problema relativamente à selecção dos representantes legislativos?
Isto é: há um só modo de selecção concebível, a eleição por voto, ou há vários modos
concorrentes, surgindo uma discussão quanto ao modo que deve ser o consagrado?
À partida, parecem ser vários os modos de selecção concebíveis: para além da
eleição, são concebíveis o sorteio, a nomeação, para além daqueles modos assentes em

1
Universidade de Lisboa. Licenciatura em Direito pela Faculdade de Direito de Lisboa e Mestrado em
Filosofia pela Faculdade de Letras de Lisboa. Doutorando em Filosofia. Membro do Centro de Investigação
em Direito Penal e Ciências Criminais.

[299]
critérios, sejam eles extrínsecos – selecção em função da idade, do género sexual, do
estatuto social, etc. – ou intrínsecos – selecção em função da competência – ao exercício
da função legislativa.2
Das duas, uma: ou democracia representativa implica eleição por voto e, então, a
adopção de um outro sistema que não o electivo implica não estarmos verdadeiramente
perante um sistema democrático-representativo; ou democracia representativa não
implica eleição por voto e, então, a adopção de um outro sistema que não o electivo não
implica o abandono do princípio democrático.
A pergunta a fazer é esta: se for consagrado um sistema que não o electivo, os
indivíduos que forem seleccionados por essa via deixam de poder ser considerados
representantes do povo? A minha resposta é negativa: a relação de representação não se
define pelo modo como o representante é selecionado; caracteriza-se, apenas, pelo facto
de alguém “vir em nome” de outrem (o representante torna presente o ausente, o
representado).
Se bem que, por a esmagadora maioria das organizações democráticas ter
consagrado o sistema electivo e de este se ter tornado de tal maneira presente, tomamos
por praticamente sinónimas as expressões ‘democracia representativa’ e ‘sistema
electivo’, no significado de ‘democracia representativa’ não existe referência alguma a
um modo específico de selecção dos representantes.
Portanto, para que um determinado sistema legislativo constitua um sistema de
democracia representativa, basta que se verifiquem as seguintes condições: i) o povo é
titular do poder legislativo (princípio democrático); ii) o exercício desse poder é deixado
a alguns ou a um (representação). Estes “requisitos” podem encontrar-se preenchidos com
qualquer modo de selecção dos representantes legislativos.

b) Contra-argumentos

Contra o que acabou de ser dito, Pitkin, em The Concept of Representation,


apresenta o seguinte argumento: só designamos de ‘representantes’ em sentido próprio

2
Por ‘critério da competência’ estou a entender um modo de selecção a priori, assente no preenchimento
de requisitos formais que indiquem a existência de competência para o exercício do cargo. Estou a ignorar
aquele modo de selecção a posteriori de acordo com o qual o representante é selecionado atendendo à
competência demonstrada durante o próprio “exercício” do cargo (a legitimidade de exercício de Max
Weber). A entrada na profissão deve atender à potência, não ao acto, pois este já pressupõe que se tenha
entrado na profissão. A competência demonstrada durante o exercício do cargo será condição, não de
entrada, mas de manutenção na profissão.

[300]
aqueles que exercem funções por via da eleição. A representação legislativa é um tipo de
representação sui generis, que se distingue dos outros tipos, precisamente, por a selecção
do representante se dar por via da eleição.
Porém, creio que, com a posição de Pitkin, inverte-se o sentido da relação
realmente existente: não é que tenhamos adquirido a convicção de que representação
legislativa implica eleição por voto por força da definição de ‘representação legislativa’;
a “definição” de ‘representação legislativa’ é que se acomodou à convicção instalada de
que representação legislativa implica eleição por voto.
O significado da palavra ‘representação’ que se popularizou, principalmente
quando se fala em representação legislativa, não coincide com o significado mais puro (o
correcto, digamos) da mesma: o uso da palavra ‘representação’ sofreu um desvio face ao
significado puro por decorrência, precisamente, da aceitação social generalizada da tese
segundo a qual a eleição constitui o único modo de seleccionar os representantes
legislativos.
Alguns autores (como Jorge Miranda no seu manual Ciência Política – Formas
de Governo) argumentam ainda que a maneira pela qual o povo ainda decide num sistema
representativo é através da selecção dos representantes; daí que representação legislativa
implique eleição por voto. Mas, com o mecanismo da representação legislativa, os
representados nada têm de decidir: todas as suas decisões são efectuadas pelos seus
representantes. É para isso mesmo que serve a representação.
Outro argumento que se pode aduzir a favor da identificação ou conexão
conceptual entre representação legislativa e eleição consiste no seguinte: se o
representado decide que há lugar à representação, também escolhe quem o representa –
tal encontra-se no seu espaço de liberdade.
Mas possuir liberdade para decidir (realizar algo) não implica possuir liberdade
para escolher (o conteúdo daquilo que se realiza). Aliás, para um certo modelo
psicológico da vontade, ao decidirmos efectivar uma determinada acção, fazemo-lo sem
capacidade para escolher o conteúdo dessa acção.
A ser assim, podemos decidir que haja representação sem que a escolha dos
representantes se encontre à nossa disposição: o facto de a outorga de “poderes” de
representação a uma pessoa ser objecto de decisão não significa nem implica que a
selecção dessa pessoa como representante seja, também ela, objecto de decisão.
Outro contra-argumento: não é precisamente a possibilidade de eleger os
representantes legislativos que impede que haja ditadura? Historicamente, sempre que se

[301]
põe cobro a uma ditadura, implementa-se o sistema electivo. Se o sistema não for electivo,
não estaremos perante uma ditadura?
Direi que não: numa ditadura, não há sequer processo de selecção de
representantes. Há um ou alguns indivíduos que se impõem pela força, não estando
comprometidos com um (qualquer um) modo de selecção. Por alguma razão as ditaduras
tendem a ser ditaduras militares. E se o não-comprometimento não se verifica
relativamente ao poder legislativo ordinário, certamente que se verifica relativamente ao
poder constituinte.
Então aceitemos que democracia representativa não implica eleição por voto.
Ainda assim, pode alegar-se que implica um qualquer modo de selecção que não se baseie
em critérios (eleição, nomeação ou sorteio), pois a aposição de critérios constituirá um
factor de descriminação.
Porém, sempre que há uma selecção, há discriminação. Mas, já que a há, que seja
feita com base em factores relevantes para o exercício do cargo. Aliás, havendo factores
relevantes a ter em consideração para o exercício dos cargos legislativos, a sua não-
consideração consubstancia-se numa desigualdade. Assim, nos modos de selecção
baseados em critérios, nomeadamente, em critérios intrínsecos, há discriminação, é
verdade, mas a mesma é positiva e, como tal, devida.
É de notar, a este respeito, que o povo não é menos titular do poder legislativo por
o acesso aos cargos legislativos se encontrar “barrado” por critérios, nomeadamente, por
critérios de competência, pois tais critérios dizem respeito ao exercício, não à titularidade,
do poder legislativo. A “barrar-se” alguma coisa com a aposição de critérios, tal coisa
será o exercício do poder legislativo, não a sua titularidade (esta não deixa de estar no
povo)3.
Para além disso, se o acesso aos cargos públicos legislativos em função da
competência é discriminatório, também o acesso aos cargos públicos e profissões públicas
em geral o é: o governo pelos mais competentes não é mais discriminatório do que a
restante organização pública.
De qualquer maneira, até é por força do sistema electivo que o acesso ao exercício
do poder legislativo se encontra verdadeiramente barrado: só quem fizer parte do sistema

3
É de notar que o termo ‘democracia’ é, mutas vezes, usado para designar a conjunção de liberdade e
igualdade de acesso aos cargos representativos. Mas esse é um seu significado impróprio, pois este termo
só se aplica propriamente quando em questão esteja a titularidade do poder. Nem sempre que há liberdade
e igualdade de acesso a algo há democracia.

[302]
partidário, em estreita ligação com o sistema electivo, tem reais hipóteses de chegar aos
cargos legislativos.
Em suma: tal como uma pessoa singular não deixa de ser titular das posições
normativas de que for titular só por ter seguido um critério de selecção da pessoa a quem
outorgou uma procuração, o mesmo acontece com uma pessoa colectiva.

c) Um falso dilema

Quem identifique (ou associe) democracia representativa e eleição por voto,


encontra-se perante o seguinte dilema: ou se defende a democracia representativa e se
aceita os seus males; ou se rejeita os seus males e, com isso, rejeita-se o princípio
democrático.
A “balança” penderá para o menor dos males: mantemo-nos fiéis aos valores que
subjazem à democracia ou cedemos perante as consequências da sua implementação.
Defensores incondicionais do princípio democrático optam pela primeira hipótese;
pensadores como Platão optam pela segunda hipótese.
Para quem não proceda a essa identificação (associação), o dilema referido é falso:
podemos rejeitar os males da democracia representativa e continuar a defendê-la. A
representação legislativa é compatível com outros modos de selecção que não a eleição
por voto, nomeadamente, com o critério de selecção baseado na competência para o
exercício da função legislativa.
Assim, nesta perspectiva, todas as objecções que têm sido habitualmente
apresentadas contra a democracia representativa devem ser vistas, afinal, como objecções
ao sistema electivo.

2 – Modos de selecção dos representantes legislativos

a) Objecções ao sistema electivo

As objecções ao tipo de sistema que se encontra instituído na grande maioria dos


sistemas democráticos são por demais conhecidas. Tentarei elencar as mais relevantes.
A primeira objecção diz respeito aos representantes eleitos: estes não são
necessariamente bons para desempenhar o cargo. Isto não impede que, casualmente, seja

[303]
eleito alguém que até seja competente para o cargo. Mas isso não será garantido pelo
modo de selecção em questão; ser-lhe-á acidental.
A segunda objecção diz respeito aos representados/eleitores: quem vota não é
necessariamente informado ou racional nas suas decisões. Mais uma vez, isto não impede
que o eleitorado até seja esclarecido e siga a via mais racional: mas isso não será garantido
pelo facto de serem os próprios representados a seleccionar os seus representantes.
A terceira objecção diz respeito à relação entre eleitores e candidatos: esta é de
persuasão e/ou de popularidade, pelo que a eleição acaba reduzida a uma competição que
se ganha pela força da publicidade e da retórica, não pela força da racionalidade e da
dialéctica. Quem conseguir chegar junto do eleitorado e convencê-lo a votar em si, será
quem ganha (na maioria das vezes, a selecção dos representantes reduz-se a um concurso
de popularidade).
Por isso – e esta é a quarta objecção –, só tem hipótese de ocupar um cargo
legislativo quem possuir os meios para chegar junto do eleitorado e convencê-lo a votar
em si. Mais especificamente, a capacidade de financiamento da campanha eleitoral e a
proximidade junto dos órgãos de comunicação social já delimita o universo de potenciais
candidatos.
Mais: quem for eleito terá mais em atenção, no exercício do seu cargo, a vontade/o
interesse de quem o financiou e/ou divulgou a sua mensagem do que a/o de quem
representa – quinta objecção.
Se é para referir “requisitos” de candidatura, então há que voltar a referir a íntima
relação existente entre sistema electivo e sistema partidário e, com ela, a delimitação à
partida, mais uma vez, do universo de potenciais candidatos – sexta objecção.
E é ainda o sistema partidário que gera a circularidade na ocupação dos cargos
legislativos (acabam por ser “sempre os mesmos” a ocupá-los), pelo que o resultado
prático é equivalente à aristocracia: não há uma democracia real (não existe um
verdadeiro processo de selecção de representantes) – sétima objecção.
Como refere Colin Bird (suportado por David Miller), do ponto de vista clássico,
o que hoje identificamos como a regra democrática de selecção dos representantes é
melhor descrito como aristocracia electiva, na qual as elites políticas, organizadas em
partidos políticos, competem por votos em eleições regulares (diagnóstico que coincide

[304]
com a “definição” realista de ‘democracia’ dada por Mosca e pela chamada ‘teoria elitista
da democracia’)4.
Para um verdadeiro democrata, pior do que este sistema (excluindo os modelos
nos quais o povo não é, sequer, invocado) será só a “democracia representativa” teorizada,
por exemplo, por Hobbes, na qual o povo, titular originário do poder legislativo, o
transmite, por via do pacto de constituição do “estado civil”, a alguns ou a um só
indivíduo, que se torna no derradeiro titular do poder legislativo (Hobbes afirma
categoricamente que o monarca, quando recebe o poder, pode aliená-lo como bem
entender, assim como, com a sua morte, lhe sucedem na sua titularidade os seus
descendentes5).
No modelo de Hobbes, não há, verdadeiramente, representação: os
“representantes” não se limitam a exercer o poder legislativo em nome do povo; tornam-
se nos seus titulares – como se vê, “deixa-se entrar pela janela o que não se deixou entrar
pela porta”. O modelo hobbesiano constitui um mero artifício teórico destinado a
justificar, ainda, o velho status quo aristocrático-monocrático (daí a forte oposição de
Rousseau a esta “democracia representativa”, oposição que levou Mosca a apelidá-lo de
‘o verdadeiro pai da doutrina da soberania popular’).
O modelo liberal, “encarnado” no sistema electivo, não vai tão longe, pois é
pensado pela e para a burguesia: o poder legislativo tem de estar no povo (para não estar
exclusivamente em alguns, isto é, na nobreza); porém, só o estará formalmente, pois só
uma classe privilegiada do povo (as elites – a burguesia) terá realmente o direito de
legislar. O sistema partidário incumbir-se-á de garantir essa separação dentro do próprio
povo.

4
Como lembra Bird, “(…) it is worth noting that the association of democracy and election is relatively
recent: from antiquity until roughly the eighteenth century, political theorists more often associated voting
and election with elitist forms of rule like oligarchy or aristocracy” (Bird, 2006, 203). Já Miller, no
seguimento da análise que faz da posição de Schumpeter, efectua a seguinte consideração:
“This is strong stuff, and what it really entails is that the best we can hope for is what is sometimes called
‘elective aristocracy’, where all that can be asked of the ordinary citizen is that she should be able to
recognize people who are competent to make decisions on her behalf (and to vote them out of office if they
prove not to be). Whatever its other virtues, such a system hardly matches the democratic ideal that political
authority must rest in the hands of the people as a whole” (Miller, 2003, 41).
5
Um bom critério de identificação de uma defesa da aristocracia ou da monocracia consiste em aferir se o
poder legislativo é tratado como um direito privado, sujeito às mesmas regras de aquisição, extinção e
transmissão (como é o caso da sucessão por morte). Aliás, considero que a defesa de sistemas aristocráticos
e monocráticos se encontra associada a um entendimento individualista ou atómico (liberal, dir-se-á) da
sociedade, enquanto a defesa de sistemas democráticos se encontra associada a um entendimento
comunitarista (social, dir-se-á) da sociedade.

[305]
Ora, este modelo, porque estimula a promiscuidade entre o poder legislativo e
outros “tipos” de poder social, como o económico, aumenta, consequentemente, o risco
de corrupção envolvendo os eleitos – oitava objecção.
No sistema electivo, no mínimo, dá-se o facto de o valor que acaba por ser
privilegiado ser o da vitória (nas eleições), não o da “saúde” social. No máximo, dá-se o
facto de os piores para o cargo estarem a exercê-lo e no seu próprio interesse. No meio,
dá-se o facto de a democracia representativa não passar de uma “fachada” ao serviço da
aristocracia.

b) O critério da competência

Qual é, então, o melhor modo de selecção dos representantes legislativos? Que


sistema devemos consagrar?6 Apresentarei sumariamente aqueles que considero serem os
principais argumentos a favor do critério da competência.
Antes de mais, temos o argumento da analogia com as profissões, presente n’A
República de Platão: se estivermos doentes e precisarmos de nos aconselhar com alguém
em matéria de saúde, procuraremos um especialista, o médico, sendo que a última coisa
que desejaremos será reunir uma multidão e pedir aos presentes que votem o remédio
certo; o mesmo deve acontecer com a “saúde” do Estado.
Podemos restringir a analogia às profissões exercidas no sector público: se o
acesso ao comum dos cargos públicos é efectuado com base na satisfação de critérios de
competência – e não por eleição –, então o mesmo deve ser feito relativamente aos cargos
públicos de governação. Não há razão alguma para diferenciar.
Observe-se que, enquanto, para Platão, o critério da competência nos dá uma
resposta ao problema de saber a quem cabe a titularidade do poder legislativo – pelo que
o que resulta é a defesa da aristocracia –, aqui, esse critério dá-nos uma resposta ao
problema de saber a quem cabe o exercício do poder legislativo – partindo do princípio
de que a titularidade do mesmo pertence ao povo. Utilizo um tal argumento, não para
rejeitar a democracia a favor da aristocracia, mas para rejeitar o sistema electivo a favor
do critério da competência.
Basicamente, aceito a reivindicação tradicional de que o sistema democrático deve
ser o acolhido por uma questão de princípio (dado, fundamentalmente, o valor da

6
Assumo a verdade da condicional ‘se é o melhor modo de selecção, então deve ser o consagrado’. E
assumo a verdade da proposição ‘o melhor modo de selecção é o que traz melhores consequências’.

[306]
autonomia da decisão: o que diz respeito à colectividade deve ser decidido pela
colectividade) e não tendo em conta as suas consequências (contra esta reivindicação
tradicional, ver Brennan, 20067), pois situo a ponderação de consequências ao nível do
exercício do poder legislativo, não da sua titularidade. Movo-me num contexto
democrático, não consistindo a minha posição numa defesa tanto da aristocracia como da
epistocracia.8
A este respeito, é de referir Cabral de Moncada, que concebe aquela forma de
governo, que não é propriamente aristocracia, que

significaria apenas a precedência ou colocação dos melhores (…) à frente do Estado,


no desempenho de quaisquer funções que estes possam ser chamados a desempenhar”,
sendo que “a razão desta precedência, como logo se vê, já nada terá que ver com
privilégios políticos de nenhuma classe, para se fundar somente no critério da
competência, do mérito e da virtude”, pelo que, “neste sentido, já não político, a
aristocracia virá afinal a ser tão compatível com a monarquia como com a democracia
e a república, só podendo redundar em maior utilidade para o bem-comum em ambas
elas.9

Complementarmente, temos um argumento de maioria de razão (‘se se pode o


mais, então pode-se o menos’): se se pode ser legislador sem se preencher requisitos de
competência, então pode ser-se médico, arquitecto, polícia, etc., sem se preencher
requisitos de competência. Ou, o que é equivalente, se não se pode ser médico, arquitecto,
polícia, etc., sem se preencher requisitos de competência, então não se pode ser legislador
sem se preencher requisitos de competência (‘se não se pode o menos, então não se pode
o mais’).
Se em todas as profissões exercidas no sector público tem de se preencher
requisitos de competência, por que razão isso já não será assim com os cargos
legislativos? Trata-se de uma profissão pública de especial responsabilidade que exige
ainda mais que só os mais qualificados para o lugar o possam exercer.

7
“(…) Others think we should value democracy the way we value a person, as an end in itself. But as we
saw over the past few chapters, arguments for these conclusions don’t work. This leaves us with a final
option. Perhaps democracy is valuable the way a hammer is valuable. It’s nothing more than a useful tool
(…)” (Brennan, 2016, p. 204).
8
Contrariamente a Platão, não defendo que só alguns são titulares do poder legislativo. Contrariamente a
Brennan, insurjo-me, desde logo, contra qualquer sistema electivo de selecção dos representantes
legislativos.
9
Moncada, 1966, pp. 196-197.

[307]
Acrescendo aos dois argumentos apresentados, há que dizer que o critério da
competência colmata todos os defeitos do sistema electivo. Um bom indicador de que um
determinado modo de selecção é o melhor consiste precisamente nessa aptidão para fugir
às objecções feitas ao sistema electivo. Aliás, os defeitos do sistema electivo resultam do
facto de não se seguir o critério da competência na selecção dos representantes
legislativos.
Por exemplo. Disse-se que, seguindo o modo de selecção por eleição, os
representantes não são necessariamente bons para desempenhar o cargo. Ora, o filtro da
avaliação da competência visa, por natureza, garantir que o cargo legislativo seja
desempenhado por quem tenha competência para isso. A crítica de que o sistema electivo
não garante o bom exercício do poder legislativo já tem subjacente a intuição de que essa
garantia deve existir.
Também se disse que quem vota não é necessariamente informado ou racional nas
suas decisões e que a força da publicidade e da retórica se sobrepõem à força da
racionalidade e da dialéctica. De acordo com o critério da competência, os parâmetros
fixados para o exercício do cargo visam, precisamente, assegurar de que a selecção é
racional e informada, assente nos factores relevantes.
E, embora não haja total garantia de que o representante selecionado de acordo
com o critério da competência vá exercer correctamente (tanto tecnicamente como
eticamente) as suas funções, este não terá razões especiais ou externas ao seu cargo (que
não as puramente pessoais) para ter em atenção outros interesses que não o dos
representados, contrariamente ao representante eleito.
E isto é assim para qualquer profissão: não há total garantia de que os médicos
façam o seu trabalho competentemente, que não sejam negligentes, que não deixem de se
preocupar pelos pacientes, etc.. Mas para fazer face a isto é que existem instrumentos
jurídico- deontológicos adequados, o mesmo devendo acontecer para a prática legislativa.

c) Representação e divisão do trabalho

Gostaria de ir mais longe e defender que democracia representativa não só não


implica eleição por voto como implica mesmo selecção dos representantes com base no
critério da competência. Tal acontecerá porque, de uma maneira geral, a representação
pública se insere numa lógica de divisão ou especialização do trabalho, nomeadamente,
da divisão entre trabalho privado e trabalho público.

[308]
Alego, portanto, que em todas as actividades profissionais públicas há
representação, pelo que o modo de selecção dos funcionários públicos – o processo de
contratação pública – já é um modo de selecção de representantes. Como tal, de facto, o
critério da competência já é usado para seleccionar os representantes do povo.
Suponhamos que são funções do Estado, isto é, da colectividade, por exemplo, o
ensino e a assistência médica, providos lado a lado com o ensino privado e a assistência
médica privada. Se assim for, então toda a comunidade – todos os cidadãos – devem
prestar esses serviços. Porém, não é isso que se observa: a maioria dos membros de uma
comunidade não exerce cargos públicos.
O que se passa, então? Estamos perante um mecanismo de representação da
colectividade: os professores públicos representam a colectividade quando se trata de
exercer a função estadual de ensinar; os médicos públicos representam a colectividade
quando se trata de exercer a função estadual de dar saúde; etc.. Em geral, os funcionários
públicos são representantes de todos os cidadãos, nomeadamente, dos que, por se
dedicarem à actividade privada, se encontram ausentes do sector público.
Como refere Pitkin, no contexto da análise e apreciação da tese da Organschaft
(desenvolvida por Gierke e Jellinek no início do séc. XX), qualquer pessoa que exerça
uma função pela colectividade pode ser vista como seu representante (tanto os carteiros
como os juízes e os embaixadores representam o Estado), pelo que, obviamente, os
representantes, definidos desta maneira, não precisam ser eleitos: o modo de selecção é
irrelevante desde que sejam “órgãos” do grupo – os representantes eleitos não diferem de
estatuto daqueles que são selecionados de outro modo.
Ora, os representantes legislativos são os especialistas a quem deixamos o trabalho
legislativo. A razão de ser para a representação legislativa tem de ser a mesma para a
representação pública em geral: por um lado, a indisponibilidade de cada cidadão para
exercer a parte do poder legislativo que lhe cabe, por se ter especializado numa qualquer
actividade (em regra, privada); por outro lado, a dedicação exclusiva à actividade
legislativa por parte de certos indivíduos, de maneira a garantir os maiores e melhores
resultados, de acordo com os critérios de maximização da eficiência e qualidade da
produtividade próprios da divisão do trabalho10.

10
Kelsen, por exemplo, também aceita a verdade da condicional ‘se há lugar à representação legislativa,
então há lugar à divisão entre trabalho público e trabalho privado’. Como afirma, “differentiation of social
conditions leads to a division of labour not only in economic production but within the domain of the
creation of law as well” (Kelsen, 1949, p. 289). Já Rousseau aceita a verdade da condicional equivalente,
‘se não há lugar à divisão entre trabalho público e trabalho privado, então não há lugar à representação

[309]
Assim, mais do que por mera impraticabilidade da democracia directa – que
sempre se pode contornar, ainda para mais com os meios tecnológicos de que dispomos
–, é mesmo por força da divisão ou especialização do trabalho que o sistema
representativo acaba por ser implementado.
Retomando a questão levantada no início, efectivamente, não há um verdadeiro
problema relativo ao modo de selecção dos representantes que deve ser o consagrado:
logo à partida, a própria razão de ser da representação legislativa é garantir que se tem os
mais competentes a exercê-la.
Isto explica o aparente (chamar-lhe-ei assim) paradoxo da abstenção, de acordo
com o qual as elevadas taxas de abstenção tanto podem revelar que os representados não
querem ter o encargo de decidir quem os representa (mas querem ser representados) como
podem revelar a crescente insatisfação dos representados relativamente à actuação dos
representantes eleitos (o que parece indiciar que não querem ser representados): os
cidadãos querem ser representados mas querem ser bem representados. O problema não
está no sistema representativo: está no sistema electivo.

Conclusão

A minha proposta não consiste numa posição incondicional relativamente à defesa


do critério da competência: defendo, sim, que é verdade que, se for adoptado um sistema
de democracia representativa, então é (deve ser) adoptado o modo de selecção dos
representantes assente na competência para o exercício da função legislativa.
O argumento da analogia com as profissões deve ser enquadrado nesta
perspectiva: se a selecção dos representantes nas várias funções do Estado é efectuada
com base na satisfação de critérios de competência – e não por eleição –, então o mesmo
deve ser feito relativamente à função legislativa. Se os professores e os médicos públicos,
que representam o todo da colectividade, são selecionados de acordo com o critério da

legislativa”. Como diz, “logo que o serviço público deixa de ser a principal tarefa dos cidadãos e que eles
preferem servir com a bolsa a servirem com a sua pessoa, o Estado já está próximo da ruína” (Rousseau,
2003, p. 95). Observa que, se é preciso combater, “pagam tropas e ficam em casa” e, se é preciso ir ao
conselho, “nomeiam deputados e ficam em casa”: “à força da preguiça e do dinheiro, têm finalmente
soldados para sujeitarem a pátria e representantes para a venderem” (idem, p. 95-96). Rousseau, mais do
que criticar a “democracia representativa” de Hobbes, criticava efectivamente a verdadeira democracia
representativa, com base na sua “aversão” à divisão entre trabalho público e trabalho privado. Porém,
Rousseau julgava tratar-se da mesma crítica, por não distinguir transmissão da titularidade do poder
legislativo (a que existe no modelo hobbesiano) de transmissão do exercício do mesmo (a que existe nos
sistemas de democracia representativa). É que a titularidade pode ser intransmissível sem que o exercício
o seja.

[310]
competência, então os legisladores, que também representam o todo da colectividade,
também devem ser selecionados pelo mesmo critério.
Dada a condicional apresentada, os argumentos que podem ser usados contra a
minha proposta são, afinal, argumentos contra o próprio princípio representativo, a favor
da democracia directa, que podem ser generalizados a qualquer função pública.
Veja-se, paradigmaticamente, o ‘argumento do sábio iluminado’. Pode
argumentar-se que a minha proposta pressupõe que há um conjunto restrito de “sábios
iluminados” especialmente aptos para decidir o que legislar, o que é, dir-se-á, uma
pressuposição elitista.
Mas a pressuposição apontada não reside na minha proposta; é inerente à adopção
de uma democracia representativa: se há representantes, já estamos a colocar certos
indivíduos numa posição “privilegiada” para o exercício da actividade legislativa; se
estamos a seleccionar um grupo restrito de pessoas para legislar, já estamos a descriminar.
Ora, o que defendo é que, já que estamos a descriminar, ao menos que o façamos
com base em boas razões. Aliás, a exigência de que o candidato a representante legislativo
faça prova da sua competência para o cargo implica uma desconfiança quanto à existência
de sábios naturalmente iluminados: é a formação para o exercício da função legislativa
que garantirá a respectiva competência.
Se se considera a seleccão de um grupo restrito de pessoas para legislar
(injustificadamente) elitista, então estar-se-á a defender que não deve haver democracia
representativa de todo: a substituição da vontade do povo pela vontade de “sábios
iluminados” nunca se encontrará justificada ou legitimada, porquanto será
discriminatória.11
Isto é: se ‘democracia’ significa ‘o sistema no qual a titularidade e o exercício do
poder legislativo pertencem ao povo’, então um sistema no qual se selecione somente
alguns indivíduos para exercer o poder legislativo com base na sua competência para tal
é tão anti-democrático como um sistema no qual se selecione somente alguns indivíduos
para exercer o poder legislativo com base numa eleição.
Poder-se-á defender que há, não uma impossibilidade normativa, mas uma
impossibilidade de facto de se restringir o exercício do poder legislativo aos que possuem
competência para tal: sempre se pode dizer, tal como o fazem os teóricos da Organschaft,

11
De acordo com este entendimento, não haverá diferença (pelo menos, valorativa) entre um sistema
aristocrático (no qual a titularidade do poder legislativo se encontra em alguns indivíduos) e um sistema de
democracia representativa (no qual o exercício do poder legislativo se encontra em alguns indivíduos).

[311]
que a função legislativa se distingue das demais funções do Estado por implicar um querer
ou determinar pela vontade, e que isto justifica a não-adopção do critério da
competência.12
Mas, mais uma vez, isto constitui uma objecção ao sistema representativo, não ao
critério da competência: se o facto de estar implicado um querer ou determinar pela
vontade impede que haja representantes seleccionados com base na competência, impede,
também, desde logo, que haja representantes seleccionados por qualquer outro modo: está
a defender-se que não é simplesmente possível fazer substituir a “vontade geral”.
É de notar que se pode defender a insubstituibilidade da “vontade geral” com base
na aceitação do critério da competência. Aqui, considera-se que a pressuposição de que
há um conjunto restrito de “sábios iluminados” especialmente aptos para decidir o que
legisla é errada. É este o entendimento (um dos entendimentos) de Rousseau: a vontade
geral é a mais competente para decidir relativamente aos assuntos comuns.13

12
Já Rousseau havia dito que “a soberania não pode ser representada pela mesma razão por que não pode
ser alienada”, visto que “ela consiste essencialmente na vontade geral, e a vontade geral não se representa:
é a própria ou é outra; não existe meio-termo”. Ora, “dado que a lei é a declaração da vontade geral, é claro
que no poder legislativo o povo não pode estar representado (…)”, pelo que, “examinando bem as coisas,
se acharia que muito poucas nações têm leis” (Rousseau, 2003, p. 97).
13
O argumento avançado por Rousseau é, como já se percebeu faz algum tempo, falacioso, por estar a ser
aproveitada a ambiguidade da frase ‘Todos sabem o que é melhor para si’: a proposição ‘cada um sabe o
que é melhor para si’ até pode ser verdadeira sem que daí decorra a verdade da proposição ‘o conjunto dos
indivíduos sabe o que é melhor para a colectividade’.

[312]
Bibliografia

ALONSO, S., KEANE, J. & MERKEL, W. (eds.). (2011) The Future of Representative
Democracy, Cambridge: Cambridge University Press.

ARISTÓTELES. (2008) Política, Madrid, Espanha: Colecção Grandes Filósofos.

BIRD, C. (2006) An Introduction to Political Philosophy, Cambridge: Cambridge


University Press.

BRENNAN, J. (2016) Against Democracy, New Jersey: Princeton University Press.

DURKHEIM, É. (1999) Da Divisão do Trabalho Social, (tradução de Eduardo Brandão.


2.ª edição) São Paulo: Martins Fontes.

HOBBES, T. (1839) “Leviathan” in MOLESWORTH, William (org.) The English Works


of Thomas Hobbes, Vol. III, London: John Bohn.

KELSEN, H. (1949) General Theory of Law and State, (translated by Anders Wedberg)
Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

LOCKE, J. (2008) Dois Tratados do Governo Civil, (Tradução de Miguel Morgado)


Lisboa: Colecção Grandes Filósofos – Edições 70.

MACKIE, G. (2003) Democracy Defended, Cambridge: Cambridge University Press.

MANSBRIDGE, J. (2003) “Rethinking Representation: Expanding Normative Analysis


to the Promissory, Anticipatory, Self-referential and Surrogate Forms”, American
Political Science Review, Vol. 97, Issue 4, pp. 515–28.

MANSBRIDGE, J. (2004) “Representation Revisited: Introduction to the Case against


Electoral Accountability”, Democracy and Society, Vol. 2, Issue 1, pp. 12-13.

MIll, J. S. (1977) “Considerations on Representative Government” in ROBSON, J. M.


(org.) Essays on Politics and Society, Toronto: University of Toronto Press.

[313]
MILLER, D. (2003) Political Philosophy – A Very Short Introduction, Oxford: Oxford
University Press.

MIRANDA, J. (1996) Ciência Política – Formas de Governo, Lisboa: Pedro Ferreira


Editor.

MONCADA, C. (1966) Filosofia do Direito e do Estado, Vol. 2.º, Coimbra: Coimbra


Editora.

MOSCA, G. (1989) The Ruling Class, (translated by Hannah D. Kahn) New York:
McGraw Hill Book Company.

PITKIN, H. (1967) The Concept of Representation, Berkeley: University of California


Press.

PLATÃO. (2001) A República, (tradução de Maria Helena Pereira) Lisboa: Fundação


Calouste Gulbenkian.

ROUSSEAU, J. J. (2003) O Contrato Social, (tradução de Leonardo Brum) Mem Martins:


Publicações Europa-América.

SUARÉZ, F. (1965) Defensio Fidei, Vol. III – Principatus Politicus o La Soberania


Popular (edicion critica Bilingüe por E. Elorduy y Luciano Pereña) Madrid: Consejo
Superior de Investigaciones Cientificas.

SMITH, A. (2005) An Inquiry Into The Nature And Causes of The Wealth of Nations,
Pennsylvania: Pennsylvania State University – Electronic Classics Series.

WARREN, M. & CASTIGLIONE, D. (2004) “The Transformation of Democratic


Representation”, Democracy and Society, Vol. 2, Issue 1, pp. 20–22.

WEBER, M. (1999) Economia e Sociedade – Fundamentos da Sociologia Compreensiva,


Vol. 2, (tradução de Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa) Brasília: Editora
Universidade de Brasília.

WOLFF, J. (2011) Introdução à Filosofia Política, (tradução de Maria de Fátima) St.


Aubyn. 2.ª edição. Lisboa: Gradiva.

[314]
17. A DEMOCRACIA E A REFORMA DO ESTADO PÓS-MODERNO

Rui Miguel Zeferino Ferreira1

Resumo: Na contemporaneidade é uma realidade insofismável que a democracia tem


mostrado dificuldades em promover o interesse público, especialmente em salvaguardar
os interesses das gerações futuras. Este deve ser o ponto de partida para discutir a
democracia real e não aquela que foi idealizada e que utopicamente vem sendo defendida
por determinados setores da sociedade. Nestas circunstâncias, convém notar que, por um
lado, a democracia deveria promover o interesse público e, por outro, que o seu
funcionamento baseia-se num sistema político-eleitoral que deveria expressar a vontade
da maioria da sociedade e legitimar os eleitos para o exercício dos cargos políticos. Num
primeiro grupo de questões importa clarificar o que devemos entender por interesse
público. Neste ponto pretende-se analisar a falta de conexão entre o pagamento e o
consumo de bens públicos; a questão da maximização dos resultados eleitorais; do
condicionamento dos comportamentos motivado pelos ciclos económico-políticos e dos
interesses das gerações presentes e futuras. Num segundo grupo de questões analisa-se a
democracia na ótica do problema dos recursos comuns; da troca de votos e do dilema da
não cooperação. Posteriormente são analisados os principais bloqueios políticos que estão
na origem da crise da democracia. Por último, avança-se no sentido que a democracia
pós-moderna exige cooperação e competição, aplicando-se a cooperação às políticas
estruturais de longo prazo e reservando-se a competição e a ideologia para as políticas de
curto prazo. Em síntese, mostrar-se a essencialidade da reforma do Estado, tanto do
Estado de bem-estar como das instituições públicas, com o objetivo de recentrar as
soluções para a democracia na implementação da meritocracia; da transparência; da
eficiência e na celebração de um novo contrato social, que não resulte da imposição de
uma visão única da sociedade, nem imponha injustificadamente poderes a determinados
grupos da sociedade em detrimento de outros.

Palavras-Chave: Democracia; Estado; Interesse público; Constitucionalismo; Pós-


modernidade.

1
Doutorando em Direito, pela Universidade de Santiago de Compostela. Investigador na Universidade de
Santiago de Compostela. Investigador-Colaborador Estrangeiro no grupo de investigação “Teoria Jurídica
do Mercado” da Universidade Presbiteriana Mackenzie (São Paulo/Brasil). Advogado. Juiz-Árbitro no
Centro de Arbitragem Administrativa.

[315]
Introdução

O presente artigo adota uma perspetiva político-económica, bem como


constitucional, isto porque embora não se discuta o problema na ótica das finanças
públicas, é inegável que os problemas do défice orçamental, défice da balança de
pagamentos, dívida pública e dívida externa são resultado dos erros e deficiências do
sistema democrático e do nível de intervenção do Estado. Por isso, faz todo sentido que
nos debrucemos sobre a democracia e o Estado sob essas perspetivas.
Na atualidade existe um número crescente de perigos e de temores que recaem
sobre os indivíduos, que foram paulatinamente surgindo nas últimas décadas com a
evolução política nos países ocidentais. Neste sentido, pretende-se construir as
necessárias “pontes” para novas soluções de democracia, que partem do pressuposto que
este modelo é o único que permite a pacífica substituição de uns governantes por outros.
A designada crise democrática parte do número cada vez maior de críticas ao seu modo
de funcionamento e atuação, o que vem representando um motivo de grande preocupação
no início do corrente século. A atual situação resultou em grande parte da incorreta e
perversa utilização do sistema democrático,2 uma vez que foi instrumentalizado com o
escopo de justificar a licitude de quaisquer objetivos que os governos entendessem
prosseguir. Como anteriormente se afirmou:

É pois necessário, ainda que tal possa parecer um projeto utópico, transformar o
modelo democrático, sob pena da instituição democrática entrar em colapso, pelo que
se torna fundamental eliminar os defeitos do sistema democrático, para que as suas
inegáveis vantagens possam evidenciar-se de modo mais evidente e notório.
(FERREIRA, 2016, p.72)

Neste sentido, começaremos por analisar as razões que subjazem ao sentimento


dos cidadãos quanto ao incumprimento do interesse público por parte do Estado, para aí
se analisar as questões da falta de conexão entre o pagamento e o consumo de bens
públicos, da maximização dos resultados eleitorais, do condicionamento dos

2
Neste sentido veja-se FERREIRA, R. M. Z. (2016) “A crise do sistema democrático ocidental: A
degradação da confiança dos jovens nas instituições democráticas”, in GONÇALVES, R. M. (coord.)
Administración Pública, Juventud y Democracia Participativa, Santiago de Compostela: Xunta de Galicia,
p.72.

[316]
comportamentos motivado pelos ciclos económico-políticos e dos interesses das gerações
presentes e futuras. Em seguida, em outro ponto, será analisada a democracia na ótica do
problema dos recursos comuns, da troca de votos e do dilema da não cooperação, para
em seguida se perspetivar os principais bloqueios políticos decorrentes do funcionamento
dos partidos políticos, do modelo constitucional fomentador do descontrolo nas finanças
públicas, do modelo de organização administrativa e do sistema eleitoral.
A identificação destes problemas levará a construir o entendimento que a
democracia do Estado pós-moderno, fortemente influenciado pelos fenómenos da
globalização, do comércio internacional e da revolução tecnológica terá de exigir a
cooperação e a coordenação, e não apenas a competição, que em alguns casos se aproxima
da “guerrilha” política. Ora, a competição expurgada da referida ideia de “guerrilha”
política deve ser reservada para as políticas de curto prazo, como forma de evitar a
instabilidade causadora da fragilização da democracia. Neste panorama a reforma do
Estado mostra-se essencial, devendo a mesma abranger a discussão sobre o Estado de
bem-estar ou Estado social, mas igualmente sobre as instituições públicas e os modelos
constitucionais e de organização administrativa, ultrapassados num contexto de Estado
pós-moderno. O objetivo deverá ser o recentrar das soluções para a existência de uma
democracia baseada na meritocracia, na transparência, na eficiência e na simplicidade, o
que implicará a celebração de um novo contrato social, que não resulte da imposição de
uma visão única da sociedade, nem conceda injustificadamente poderes a determinados
grupos da sociedade em detrimento de outros.

1. A democracia e o interesse público dos indivíduos

A democracia tem vindo a demonstrar dificuldades em promover o interesse


público, em especial quanto à salvaguarda dos interesses das gerações futuras, que vêm
sendo comprometidos por via do descontrolo das finanças públicas. Estas dificuldades
têm promovido a degradação da confiança dos indivíduos no sistema democrático, que
têm a sua génese na atuação do Estado e dos seus governos, cujas opções ainda que
legitimadas democraticamente têm originado efeitos não desejados pelos indivíduos. A
evolução que se tem verificado tem promovido o afastamento dos indivíduos da política,
tanto na participação eleitoral como na vida política partidária, por não verem as suas
legítimas expetativas representadas e prosseguidas pelos seus representantes. Assim,
importa que nos debrucemos sobre as causas que constituem dificuldades à prossecução

[317]
do interesse público, questionando sobre a existência de outros modelos de democracia
admissíveis para o século XXI.
Importa ver as causas da crise democrática para que seja possível continuar a fazer
evoluir e a defender a democracia, o que não pode ser conseguido sem críticas ao seu
modo de funcionamento atual, uma vez que dele tem resultado o enfraquecimento do pilar
da liberdade individual dos indivíduos integrados em cada comunidade.
Como afirma alguma doutrina portuguesa “há uma confusão frequente entre
aquilo que se desejaria que [a democracia] fosse e aquilo que ela de facto é”.3 Na verdade,
por um lado, a democracia deveria promover o interesse público da sociedade enquanto
comunidade coletiva, quanto aos bens que não podem ser fornecidos pelo mercado. Por
outro, o seu funcionamento baseia-se em eleições e votos, que expressam a vontade da
maioria da sociedade, atribuindo legitimidade aos eleitos para o exercício dos cargos, mas
que vem abandonando a natureza de intervenção limitada na economia e na sociedade,
em consequências das correntes keynesiana e socialista. Com estas considerações não se
pretende colocar em causa a democracia, pois segue-se o entendimento expresso por
FRIEDRICH A. HAYEK, segundo o qual a democracia corresponde ao único sistema
político que permite pacificamente a escolha e a substituição dos governantes4. Contudo,
tem-se vindo a agudizar a crise do sistema democrático, muito porque o sentimento da
sociedade vai no sentido que o contrato social está a ser violado pelos políticos, o que
gera a denominada instabilidade democrática.
A primeira questão que importa analisar passa por perceber o que devemos
entender por interesse público, isto porque, por um lado, temos os que sustentam que será
aquilo que é defendido pela maioria, que independentemente de não ser a vontade de
todos, será aquela que resulta da maioria expressa em eleições. Por outro, temos aqueles
que defendem que corresponderá ao resultado de um processo que termina com a decisão
política, onde se dá maior importância às condições de deliberação prévias à decisão final.
Esta segunda posição é aquela que tem sido maioritariamente seguida. Acresce que na
atualidade muitas decisões políticas são tomadas num ambiente de incerteza, em que não
é possível com rigor saber qual seria o efetivo interesse público, o que nos conduz ao
perigoso campo movediço das probabilidades. Quando se entra neste campo movediço o
decisor político corre o risco de não atuar conforme aos desejos e às aspirações dos

3
PEREIRA, P. T. (2012) Portugal: Dívida Pública e Défice Democrático, Lisboa: Fundação Francisco
Manuel dos Santos, n.º 24, p.63.
4
HAYEK, F. A. (1982) Derecho, legislacion y libertad, Vol. III [s. l.]: Union Editorial, S.A.

[318]
indivíduos que compõem uma determinada comunidade política, pelo que em certas
matérias será necessário encontrar formas adequadas para conhecer o efetivo interesse
público dos indivíduos, de modo a permitir que as suas decisões políticas representam a
vontade da maioria. Neste contexto, deve-se igualmente ponderar que os resultados
eleitorais são cada vez menos representativos, quando se verifica que a taxa de abstenção
de participação eleitoral se aproxima em muitos casos dos 60%. Efetivamente, o
fenómeno é hoje o inverso, em que a representação não é da maioria da sociedade, mas
da minoria, o que subverte os ideais do modelo democrático. Por isso, em face da
inexistência de modelos perfeitos, julga-se que a democracia “ideal” exige que a tomada
da decisão política, sobretudo em relação a projetos com impacto estrutural, implique um
efetivo escrutínio público.
Além disso, essa tomada de decisão implica a existência de processos
transparentes, tanto quanto à decisão em si mesma como aos procedimentos preliminares
e instrutórios que a ela conduzirão. Adicionalmente, o processo decisório deve garantir a
imparcialidade dos intervenientes, bem como estar suportado em estudos sobre os
impactos presentes e futuros. É que, os impactos para o futuro devem estar previstos e,
bem assim, salvaguardadas as gerações futuras face às consequências que derivam de
fenómenos como as dívidas ocultas e implícitas, que geram para essas gerações
responsabilidades financeiras e sociais elevadas. Para tanto, é necessário devolver aos
indivíduos enquanto membros de uma comunidade política a discussão livre, ponderada
e argumentativa das vantagens e desvantagens das decisões políticas estruturantes da
sociedade atual e futura.

2. Causas impeditivas da promoção do interesse público

Neste quadro geral, existem várias causas que levam a que a decisão política ainda
que aparentemente democrática não promova o interesse público, podendo-se encontrar,
por um lado, causas ligadas à atuação dos partidos políticos e, por outro, causas com
distinta origem. Por isso, importará estudar individualmente a falta de conexão entre o
pagamento e o consumo de bens públicos; o objetivo da maximização dos resultados
eleitorais; o condicionamento dos comportamentos motivado pelos ciclos económico-
políticos; as causas decorrentes dos interesses das gerações presentes em detrimento das
gerações futuras; os obstáculos no acesso à informação; a atuação dos grupos de interesse;
o problema resultante dos recursos comuns; o problema da troca de votos e a causa
resultante do fenómeno do dilema da não cooperação.

[319]
2.1 A falta de conexão entre o pagamento e o consumo de bens públicos

A falta de conexão entre o pagamento e o consumo de bens públicos, é uma causa


que leva à não promoção do interesse público, como resultado do pagamento dos bens
públicos e o seu efetivo consumo ou utilização ocorrerem em momentos distintos, bem
como resultado da possibilidade de esse pagamento não vir efetivamente a dar origem à
utilização de quaisquer bens públicos. Na realidade, diferentemente do que se passa com
os bens privados em que o pagamento dá lugar imediatamente a um benefício, com os
bens públicos muitas vezes esse benefício só ocorre posteriormente e não com base nos
seus próprios pagamentos, mas com base nos pagamentos de terceiros indivíduos.
Também, por várias vezes o benefício futuro não tem representação adequado nos
sacrifícios no pagamento a que foram os indivíduos sujeitos, nem nas restrições que esses
pagamentos deram causa na sua própria liberdade individual. Acresce ainda, a
circunstância do sujeito (indivíduo) que paga por uma suposta e hipotética vantagem
futura ser diferente daquele que o consome, o que origina o problema da boleia da
contribuição fiscal alheia, em que a evasão fiscal não determina a perda do direito ao
acesso a bens públicos, uma vez que mesmo que os indivíduos não tenham contribuído
terão no futuro acesso de modo igual aos mesmos bens públicos.

2.1 A maximização dos resultados eleitorais

A maximização dos resultados eleitorais tem por objetivo último não a satisfação
do interesse público dos indivíduos e da sociedade, mas o próprio interesse dos políticos
e das vantagens que advêm diretamente para si da conquista do poder, o que exige a
obtenção de votos e a arregimentação de apoios e interesses de certos grupos da
sociedade. Este modo de atuação vem subverter os princípios do sistema democrático, em
particular quando tais fins são conseguidos através do défice público. Por isso, não está
em causa qualquer ideia de consciência ou justiça social, mas a simples ideia de conquista
do poder.
O objetivo da conquista de poder é conseguido por via da realização de despesa
pública do agrado dos eleitores e em especial dos grupos de interesse, levando a que os
menos informados não compreendam as consequências futuras, em especial ao nível do
aumento dos impostos e da redução de benefícios. Na verdade, os fenómenos de aumento
de despesas e de redução da carga de impostos são em épocas eleitorais usuais, por serem
apreciadas pelos eleitores. Este modo de atuação irá traduzir-se em vantagens nos

[320]
resultados dos escrutínios eleitorais para os partidos e políticos que asseguram este tipo
de comportamentos, o que demonstra igualmente um défice de informação e de educação
dos eleitores, uma vez que não compreendem que o aumento das despesas no presente
terá um efeito de aumento de impostos no futuro. Este tipo de comportamento tem ainda
a consequência de agravar o défice entre a geração atual e a futura, com a transferência
de dívidas implícitas para as futuras gerações. Isto encerra uma perspetiva de observação
de curto prazo, quando democracia exige que todos os seus atores tenham uma visão a
longo prazo, de modo a não comprometer as gerações futuras. Como advertia
BENJAMIN CONSTANT5, a democracia representativa do Estado moderno exigia um
elevado grau de educação para que o seu funcionamento fosse adequado, porém, na
atualidade é visível que alguns subverteram o seu funcionamento exatamente por falta
desse suporte educacional e cultural.

2.2 Os ciclos económico-políticos

Os ciclos económico-políticos também têm o efeito de não promoverem a


prossecução do interesse público dos indivíduos e das comunidades em que se encontram
inseridos. Isto sucede porque os ciclos económicos de crescimento ou de retração estão
associados e são afetados pelos períodos eleitorais. Como consequência do modo de
funcionamento da democracia, quanto à lógica da captura de votos e ao modelo eleitoral,
promove-se a existência de políticas expansionistas nas épocas próximas de eleições, com
aumento das despesas públicas e a redução da carga tributária. Seguidamente, após os
interessados ascenderem ao poder o ciclo inverte-se, passando a adotar-se medidas
restritivas, que passam pela redução nas despesas públicas e o aumento dos impostos.
Assim, os ciclos eleitorais comandam as decisões de política económica e o
funcionamento da democracia, porque é este tipo de atuação que permite aos atores
políticos vencer eleições, que beneficiando da falta de informação e de conhecimentos do
eleitorado subvertem o funcionamento idealizado da democracia.

2.3 As políticas de curto prazo

As políticas dos governos assentam numa visão de curto prazo, com uma
amplitude reduzida a determinados caminhos, que não têm promovido o interesse
publico, em especial numa lógica de longo prazo. Na realidade, o interesse público não

5
CONSTANT, B. (2016) A Liberdade dos Antigos comparada com a dos Modernos, Silveira:
BookBuilders.

[321]
pode ser visto apenas sob a perspetiva das gerações atuais, uma vez que o Estado tem o
dever e a obrigação de salvaguardar e defender as gerações futuras, de modo a que não
herdem uma realidade comprometida, e uma democracia enfraquecida e em
desmoronamento político, económico e sociocultural. Assim, a subversão do sistema
democrático, a visão imediatista de curto prazo e a lógica de poder eleitoralista tem
conduzido a uma inaptidão do Estado para lidar com o problema intergeracional.
Na atualidade não existem dúvidas que a geração futura será severamente afetada
pela atual, sem que possa posicionar-se pelo voto. São exemplos deste problema as
alterações climáticas e o envelhecimento da população, que em conjunto agravam a
sustentabilidade dos sistemas da segurança social, decorrente do crescimento da dívida
implícita para as futuras gerações, uma vez que os contribuintes das futuras gerações
serão insuficientes para garantir o pagamento dos direitos sociais devidos à atual
população ativa e contribuidora. A estes problemas globais, junta-se no caso português,
a dívida pública, a dívida externa e os contratos com obrigações de longa duração, como
são as parcerias público privadas.
O problema intergeracional ocorre em grande medida pela visão de curto prazo
dos políticos e respetivos partidos, bem como da conjugação de alguns fatores. Em
primeiro lugar, do desconhecimento do alcance e dimensão do problema, o qual é
consequência de uma inadequada preparação da classe política atual. Em ligação a este
fator temos um segundo, que resulta da pouca relevância dada às questões éticas
intergeracionais. Por fim, o terceiro fator resulta do desfasamento temporal entre a
decisão política e os impactos económicos e sociais, existindo aqui comportamentos
temerários e irresponsáveis que levarão os políticos a considerar que os eventuais
problemas surgirão muito mais tarde, se ocorrerem, e que outros os deverão solucionar.
Daqui resulta a imputação e a transferência irresponsável de consequências e
competências para a sua resolução aos futuros governantes.

3. Outras causas de dificultam a prossecução do interesse público

Nos pontos anteriores identificaram-se as causas que sustentam que não esteja a
ser prosseguido o interesse público, as quais decorrem da atuação dos atores políticos e
dos partidos políticos. Porém, nem só a esses agentes se deve imputar a responsabilidade
da crise do sistema democrático e da não satisfação do interesse público. Assim, existem

[322]
outras causas que levam a que as decisões políticas não estejam de acordo com o interesse
público e que assim promovam a crise no sistema democrático.
Por um lado, existem cidadãos pouco informados, o que é consequência do custo-
benefício do acesso à informação, em face da pouca influência individual que cada eleitor
tem na decisão política. Efetivamente, o acesso à informação e ao conhecimento tem
custos elevados, bastando observar que muitos dos problemas atuais da democracia são
de natureza económica, o que exige o conhecimento das ciências económicas. Outro
problema a que estará associado tal desconhecimento, e que o justifica nas questões de
menor complexidade resulta dos escassos benefícios que advêm para o individuo desse
conhecimento. Em particular, no que concerne à influência que cada indivíduo tem sobre
o setor público, quer no Estado em sentido amplo, quer na governação. Logo, o elevado
custo-benefício individual promove que o eleitor tenha uma escassa informação e,
consequentemente, seja condicionado e capturado eleitoralmente pelas políticas
expansionistas. Estas circunstâncias conduzem a que os indivíduos deixem de lado as
preocupações políticas e o interesse na participação direta na construção democrática.
Por outro lado, a não prossecução do interesse público resultará ainda da
intervenção dos grupos de interesse, altamente organizados, quando comparados com a
ineficácia dos grupos latentes6. Na realidade, muitas medidas que seriam pela maioria da
sociedade e dos seus indivíduos tidas como positivas não são implementadas porque não
têm associadas a si grupos de interesse organizados, enquanto outras decisões políticas
que beneficiarão camadas restritas da sociedade são rapidamente implementadas fruto da
pressão dos grupos de interesse. Em face da organização da sociedade e do sistema
político, o sistema democrático acentuou o poder dos grupos de interesse, que beneficiam
do seu poder de influência político-económica sobre os partidos políticos. Como já
anteriormente se defendeu:

O sistema democrático acentuou o poder dos grupos de interesse, que procuram


transmitir os custos dos seus privilégios para os outros cidadãos ou grupos,
designadamente dos benefícios fiscais e sociais que recebem. Este facto tem levado a
que os “jogadores” com menos poder de influência no processo democrático fiquem
mais gravemente onerados. Outro dos problemas que é diagnosticável ao Estado

6
Os grupos latentes abrangem os interesses com incidência política não formalmente organizados, mas que
se encontram largamente difundidos na sociedade. Neste sentido veja-se: PEREIRA, P. T. (2001)
“Governabilidade, grupos de pressão e o papel do Estado, A Reforma do Estado em Portugal: problemas e
perspectivas”, in Actas do 1 Encontro Nacional de Ciência Política, Lisboa: Editorial Bizâncio/Instituto
Superior de Economia e Gestão – Universidade Técnica de Lisboa.

[323]
resulta da transferência de importantes blocos de poder para os grupos de interesse, e
não apenas a atribuição direta de benefícios e de vantagens, o que vem tendo como
consequência o crescimento desmesurado do Estado (FERREIRA, 2015, p. 10).

4. O dilema da não cooperação, a troca de votos e os recursos comuns

A democracia enfrenta ainda um conjunto de outros problemas que podemos


identificar como sendo o problema dos recursos comuns, da troca de votos e o resultante
do dilema da não cooperação. O problema dos recursos comuns resulta do facto de
aqueles que tomam as decisões ficarem titulares dos benefícios exclusivos de certas
políticas públicas, enquanto os seus custos são distribuídos pela globalidade dos
indivíduos e da comunidade, inclusivamente por quem não é beneficiado. Daqui resulta
o problema de que aquilo que é pago pela maioria dos indivíduos não tem
correspondência naquilo que vêm efetivamente a receber, pelo que os benefícios estão
concentrados em alguns privilegiados, enquanto os custos estão difusos por toda a
comunidade. Este é um problema facilmente visível com os investimentos constantes do
orçamento de Estado, quando um determinado investimento visa beneficiar uma concreta
comunidade, mas é financiado através dos impostos que são de toda a comunidade. Deste
modo, ocorre a imputação dos custos a todos os membros contribuidores de uma
comunidade quando apenas alguns deles serão beneficiados, dando-se um uso aos
recursos comuns que poderemos apelidar de privado.
Um segundo problema resultará da troca de votos, que tem na sua génese o facto
da lógic