Você está na página 1de 7

QF Questões de Física Física e Química A – 11.

º ano

Escola Data_______

Nome N.º Turma _

Professor Classificação ____

1. A figura representa, num dado instante, uma onda harmónica que se propaga no sentido
-1
positivo do eixo dos xx, com velocidade de módulo 3, 0 m s .

1.1. Determine:

1.1.1. a frequência da perturbação que deu origem a esta onda.


Apresente todas as etapas de resolução.

Por análise da figura, verifica-se que o comprimento de onda corresponde


20 cm 0, 20 m
a , ou seja, a .
l = 0, 20 m
Sendo v = l f , tem-se:
3, 0 = 0, 20 f � f = 15 Hz

1.1.2. a frequência da perturbação no instante t = 5, 0 s .

A frequência da perturbação é igual à frequência de oscilação do emissor;

só depende dele. Logo, o seu valor, f = 15 Hz , mantém-se constante


durante a propagação da perturbação.
1.2. No movimento oscilatório considerado:

(A) O ponto B (do espaço) encontra-se em fase com o ponto E. F; encontra-se em


oposição de fase.
(B) Os pontos A, B, C, D e E deslocam-se, ao longo do tempo, no sentido positivo
do eixo dos xx. F; os pontos oscilam em torno da posição de equilíbrio.

1
(C) A energia de um sinal harmónico depende da amplitude de oscilação e da
frequência do sinal. V
(D) Um sinal harmónico é descrito por uma função do tipo: y = A sin w . F; é

y = A sin ( w t )
descrito por uma função do tipo

Selecione a opção correta.

Opção (C).

2. Na figura podemos ver uma espira, E1 , inserida num circuito elétrico (com reóstato),

percorrido por uma corrente elétrica, e outra espira E 2 , paralela à primeira.

2.1. Selecione a opção


que completa
corretamente a
seguinte frase.
“Se, através do reóstato, variarmos a corrente elétrica no circuito ligado à espira E1 , …
r
(A) … o campo magnético, B , criado pela espira E1 mantém-se, não variando o

fluxo do campo magnético através da espira E 2 .


r
(B) … o campo magnético, B , criado pela espira E1 aumenta de intensidade, mas

o fluxo do campo magnético através da espira E 2 não varia.


r
(C) … o campo magnético, B , criado pela espira E1 varia e o fluxo do campo

magnético através da espira E 2 também varia, gerando-se uma corrente

induzida na espira E 2 . X
(D) … o circuito da espira E 2 induz uma corrente elétrica no circuito da espira E1 .

Opção (C).

Se, através do reóstato, variarmos a corrente elétrica no circuito ligado à espira


r
E1 , fazemos variar o campo magnético, B1 , criado pela espira E1 . Então, o fluxo do

campo magnético através da espira E 2 também varia, criando uma corrente

induzida na própria espira E 2 .

2
2.2. Se o fluxo do campo magnético através da espira E 2 variar, num dado intervalo de
tempo, é possível medir, com um multímetro, nos terminais da espira…
(A) … a intensidade do campo magnético.
(B) … a resistência elétrica da espira.
(C) … o fluxo do campo magnético.
(D) … uma força eletromotriz induzida. X

Selecione a opção correta.

Opção (D).

O multímetro mede, neste caso, a força eletromotriz induzida devido à variação


temporal do fluxo do campo magnético através da espira.

3. Os transformadores, dispositivos que permitem elevar ou baixar a tensão de uma


corrente elétrica alternada, baseiam-se na indução eletromagnética.

3.1. Como é constituído um transformador?

Um transformador é constituído por duas bobinas com diferente número de espiras


enroladas em suportes rígidos, que encaixam num núcleo de ferro.

3.2. Num transformador, as tensões elétricas nos enrolamentos do primário e do


secundário relacionam-se com o respetivo número de espiras da seguinte forma:
USecundário NSecundário
=
UPrimário NPrimário
(A) X
USecundário NPrimário
=
UPrimário NSecundário
(B)
(C) USecundário = NSecundário �UPrimário
NPrimário
USecundário =
NSecundário
(D)

Selecione a opção correta.

Opção (A).

3.3. Considere os transformadores ideais, A, B e C, com 400 espiras no primário.

A. B. C.

3
3.3.1. Aplicando uma tensão de 230 V no primário do transformador, o número de
espiras do secundário em A, B e C, para se conseguirem as tensões
indicadas na figura, é:

115; 345; 575


(A)
200; 600; 1000
(B) X
400; 1200; 2000
(C)
800; 267; 160
(D)

Opção (B).

USecundário NSecundário U
= � NSecundário = Secundário �NPrimário
UPrimário NPrimário UPrimário

Sendo UPrimário = 230 V e NPrimário = 400 espiras , tem-se:


115
NSecundário = �400 � NSecundário = 200 espiras
em (A), 230
345
NSecundário = �400 � NSecundário = 600 espiras
em (B), 230
575
NSecundário = �400 � NSecundário = 1000 espiras
em (C), 230

3.3.2. O transformador A é um transformador elevador ou abaixador de tensão?


Justifique.

O transformador A é um transformador abaixador de tensão, pois a tensão


do secundário é menor do que a tensão no primário.

3.4. Classifique de verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações.

(A) O funcionamento de um transformador baseia-se na indução eletromagnética. V


(B) Um transformador transforma uma corrente elétrica contínua numa corrente
elétrica alternada. F; um transformador eleva ou baixa a tensão de uma
corrente elétrica alternada (sem lhe alterar a frequência).
(C) No secundário é induzida uma corrente elétrica alternada com uma tensão
elétrica diferente da aplicada no primário. V
(D) A corrente elétrica é produzida nas centrais elétricas em transformadores. F; é
produzida em alternadores.
(E) A corrente elétrica, à saída das centrais, é submetida a um aumento de tensão
elétrica em transformadores elevadores de tensão. V

Verdadeiras – (A), (C) e (E)

Falsas – (B) e (D)

4
4. Considere uma carga elétrica pontual e positiva, Q , colocada num dado ponto do
espaço.

4.1. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente,
os espaços seguintes de modo a obter uma afirmação correta.

“O campo elétrico criado pela carga elétrica pontual é um campo _________,

__________
( se Q > 0 ) ou _________
( se Q < 0 ) e é tanto _______________
quanto menor for a distância do ponto à carga criadora.”
(A) … uniforme … centrífugo … centrípeto … menos intenso…
(B) … radial … centrífugo … centrípeto … mais intenso… X
(C) … uniforme … centrípeto … centrífugo … mais intenso…
(D) … radial … centrípeto … centrífugo … menos intenso…

Opção (B).

4.2. Se colocarmos num ponto P do espaço, em volta da carga elétrica Q, uma


partícula com carga elétrica positiva, esta fica sujeita a uma força elétrica…

(A) … repulsiva, com direção perpendicular à linha de campo que contém P . F;


com a mesma direção.
(B) … repulsiva, com a mesma direção do campo elétrico mas sentido oposto. F;
com o mesmo sentido.
(C) … repulsiva, com a mesma direção e sentido do campo elétrico. V
(D) … atrativa com direção radial e centrípeta. F; repulsiva e centrífuga.

Selecione a opção correta.

Opção (C).

q
4.3. Uma carga de prova negativa, , é colocada num ponto M de um campo elétrico

criado pela carga elétrica pontual e positiva Q , ficando sujeita a uma força elétrica

de 10 N .

4.3.1. Determine a intensidade do campo elétrico nesse ponto M , sabendo que

q = -50 mC .

5
r
r F 10
E = �E = � E = 2, 0 �102 V m-1
q 50 �10 -3

4.3.2. Selecione a opção correta.

(A) O vetor 2 tem a direção do campo elétrico criado pela carga Q , no


ponto M, mas sentido oposto. F; tem a mesma direção e o mesmo
sentido.
(B) O vetor 1 representa o campo elétrico em M e o vetor 2 a força que
atua sobre a carga elétrica q. F; o vetor 1 representa a força que atua
sobre a carga elétrica q e o vetor 2 representa o campo elétrico em M.
(C) O campo elétrico criado pela carga pontual Q é mais intenso em A do
que em M. V
(D) Quanto maiores forem as linhas de campo, mais intenso é o campo
elétrico. F; o campo elétrico é mais intenso nas zonas onde as linhas
de campo apresentam maior densidade.

Opção (C).

5. Na figura, está representado um feixe de luz monocromática que, ao propagar-se no


3, 0 cm de aresta.
ar, acaba por incidir numa lâmina quadrangular, de vidro, com

5.1. Com base nas propriedades da luz, é correto afirmar-se:

(A) A velocidade de propagação da luz no vidro é maior do que no ar. F; quando a


luz passa do ar para o vidro, a sua velocidade de propagação diminui e,
consequentemente, o feixe de luz muda de direção, aproximando-se da normal
à superfície de separação dos dois meios.

(B) A frequência da luz no ar é igual à frequência da luz no vidro. V

6
(C) O índice de refração da luz no ar é maior do que no vidro. F; o índice de
refração da luz num meio é inversamente proporcional à sua velocidade de
propagação nesse meio. Portanto, o índice de refração da luz no ar é menor do
que no vidro.

(D) A intensidade da luz refratada é maior que a intensidade da luz incidente. F; a


luz refratada é menos intensa que a luz incidente já que há sempre absorção e
reflexão de parte da luz incidente.

Selecione a opção correta.

Opção (B).

-1
5.2. Calcule o índice de refração da luz no vidro, sabendo que v vidro = 2, 00 �10 m s .
8

( c = 3, 00 �108 m s-1 )
c
n=
Sendo v , tem-se:
3, 00 �108
nvidro = � nvidro = 1, 50
2, 00 �108

5.3. Considerando que nar = 1, 00 e nvidro = 1, 50 , calcule, em cm , a altura h .

Se o feixe de luz incide na lâmina de vidro fazendo um ângulo de 30�com a

superfície desta, o ângulo de incidência é de 60�.


Aplicando uma das leis da refração, tem-se:
nar sinqi ==n=
� =�
vidro sinq r 1, 00 x sin 60 1, 50 x sinq r qr 35, 3
h
tanq r = � h = 3, 0 �10 -2 �tan 35, 3�� h = 2,1 �10 -2 m � h = 2,1 cm
Como aresta

FIM

COTAÇÕES

1.1. 1.1. 3.3. 3.3. 4.3. 4.3.


1.2 2.1 2.2 3.1 3.2 3.4 4.1 4.2 5.1 5.2 5.3 TOTAL (Pontos)
1 2 1 2 1 2
10 10 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 10 100