Você está na página 1de 1

Bandura - Teoria Social Cognitiva (Teoria da Aprendizagem Social)

Aprendizagem por observação: sem que tenhamos realizado uma ação, apenas
observando o comportamento dos outros. Às vezes é mais eficiente. Modelagem:
aprendizagem a partir de um modelo. Não é mera imitação. ocorre o tempo inteiro, com
todos. Aprendemos a realizar comportamentos que consideramos úteis e a não seguir
comportamentos que consideramos inúteis ou inadequados. Ex.: Aprender a não colocar o
dedo na tomada ao ver alguém levar um choque é modelagem; aprender a operar uma
máquina pela observação, também.

Modelar: aprender a fazer e aprender a não fazer, a partir de um modelo.


4 fatores: atenção, retenção, reprodução e motivação.

Reciprocidade triádica - as ações humanas são resultado da interação entre três


variáveis: o ambiente (objetos, acontecimentos, outras pessoas), o comportamento (atos
realizados pela própria pessoa e não pelos outros) e a pessoa (memorizar, prever, planejar
e julgar e como utilizaremos as informações aprendidas).
Cada fator influencia os outros dois e é influenciado por eles.

Agência humana: O ser humano é de natureza ativa e não passiva. Autorregulação,


autorreflexão, auto-organização e ação proativa.
4 fatores: intencionalidade (planejamento e ação, compromisso em colocar em prática),
previsão (conhecimento, selecionar comportamentos para alcançar resultados), autorreação
(monitorar o próprio progresso em relação à meta estabelecida) e autorreflexão (examinar e
avaliar o próprio funcionamento, motivação, raciocínio).

Autoeficácia: a convicção de uma pessoa de ser capaz de realizar uma tarefa específica.
Refere-se à autoestima, em crer nas próprias habilidades, às crenças que o indivíduo possui
sobre seu valor e suas potencialidades. A autoeficácia desempenha um fator importante na
psicoterapia. Para Bandura, a autoeficácia requer não apenas habilidades, mas também força
de vontade em acreditar na capacidade de exercer uma determinada conduta, o que é um
importante elo entre o saber o fazer. Ele acredita que, na prática clínica, valorizando a
autoeficácia o sujeito pode progredir no tratamento de determinado transtorno, e que sujeitos
com baixo grau de autoeficácia podem apresentar uma demora maior de resposta. Não se trata
de possuir certas capacidades, mas sim de acreditar que as tem, ou que pode adquiri-las por
meio de esforço pessoal (expectativa de resultado). Este conceito se baseia no quanto
acreditamos ser capazes de controlar nosso próprio funcionamento físico e mental e o ambiente.
Para Bandura, as pessoas são plásticas e flexíveis e a essência da natureza humana é a
plasticidade e a flexibilidade.

“O aprendizado é bidirecional: nós aprendemos com o meio e o meio aprende e se modifica


graças às nossas ações.” - (Albert Bandura)