Você está na página 1de 32

Página 1 de 32

A ERA DE OURO DA RÁDIO


NACIONAL - ANOS 40 E 50
Página 2 de 32
Página 3 de 32

A História da Radio Nacional

Emissora de Rádio criada no Rio de Janeiro em 1936 a partir da compra da Rádio


Philips, por 50 contos de réis. Seu primeiro prefixo, "Luar do sertão", de João
Pernambuco e Catulo da Paixão Cearense, era tocado em vibrafone por Luciano
Perrone e em seguida um locutor anunciava o prefixo da emissora: PRE-8. Nesse
ano mesmo, começou a apresentar pequenas cenas de rádio-teatro intercalados
com números musicais.Foi nos anos 1940 e 1950 a principal emissora do país e
verdadeiro símbolo da chamada "Era do Rádio". Em 1937, foi inaugurado o "Teatro
em Casa" para a irradiação de peças completas, semanalmente. Sua programação
ao vivo passou depois a ser retransmitida para todo o país, o que a tornou uma
pioneira na integração cultural do país.

Seus programas de auditório, radionovelas, programas humorísticos e musicais


marcaram a História do Rádio no Brasil. Foi líder de audiência praticamente desde a
fundação até que o aparecimento da TV ditasse novos rumos para a comunicação
no país. Seus programas eram transmitidos diretamente dos muitos estúdios
específicos, inclusive do auditório da Rádio, todos localizados nos três últimos
andares do edifício "A Noite", Praça Mauá, 7, Rio de Janeiro.
Se seus programas de humor, suas radionovelas, seus programas noticiários e os
esportivos viraram modelo para muitas outras Rádios do país, foi fundamental
também para o desenvolvimento da música popular brasileira. Os primeiro nomes de
cantores a formar seu casting foram Sonia Carvalho, Elisinha Coelho, Silvinha Melo,
Orlando Silva, Nuno Roland, Aracy de Almeida e Marília Batista.

Radionovelas

Segundo depoimento do radialista e compositor Haroldo Barbosa ao pesquisador


Luis Carlos Saroldi, "Nos primeiros anos, a Rádio Nacional apresentava uma
estrutura muito simples: uma seção artística e uma seção administrativa, nada mais
que isso. A emissora contava com menos de 30 pessoas para cantar, executar
músicas, contabilizar e realizar outras tarefas menores".

As rádionovelas da emissora marcaram época a partir da primeira transmitida em


1941, "Em busca da felicidade", que durou três anos, até "O direito de nascer", que
chegou a mudar hábitos das pessoas que tinham compromisso marcado com as
Página 4 de 32

transmissões dessa radionovela, posteriormente adaptada para a televisão. Até


meados da década de 1950, o Rádio-Teatro Nacional irradiou 861 novelas, as mais
ouvidas do rádio brasileiro, segundo as mais seguras pesquisas de audiência. Pode-
se observar que a música popular brasileira foi uma antes e outra depois da
Nacional, que se transformou numa verdadeira criadora de ídolos através da
realização de concursos como "A Rainha do Rádio", que consagrou diversas
cantoras, como Emilinha Borba, Marlene, Dalva de Oliveira e Ângela Maria.

Um dos cantores que ficou marcado como símbolo dessa era foi Cauby Peixoto, que
enchia o auditória da Rádio em suas apresentações. Em 1936, Linda Batista foi
eleita a primeira "Rainha do Rádio", permanecendo no posto por doze anos. Em
1938, Almirante estreou o primeiro programa de montagem, ou montado, que foi
"Curiosidades musicais", sob o patrocínio dos produtos Eucalol. O mesmo artista
lançou no mesmo ano o primeiro programa de brincadeiras de auditório, o "Caixa de
perguntas". Outro programa de destaque na emissora surgido no mesmo período foi
"Instantâneos sonoros brasileiros", produzido por José Mauro com direção musical
de Radamés Gnattali, regente da orquestra.

Incorporação

Em 1939, Lamartine Babo passou a apresentar o programa "Vida pitoresca e


musical dos compositores". Em 1940, a Rádio Nacional passou a fazer parte do
Patrimônio Nacional, a partir de decreto assinado pelo presidente Getúlio Vargas,
sendo então, dirigida por Gilberto de Andrade, que tratou de dar uma nova cara à
programação da Rádio, no que muito foi auxiliado pelo radialista José Mauro, irmão
do cineasta Humberto Mauro.

No ano seguinte, passou a ser apresentado o noticioso "Reporter Esso", marco do


jornalismo radiofônico e que passaria a ter como apresentador três anos depois o
locutor Heron Domingues. O prefixo do "Reporter Esso" foi escrito pelo maestro
Carioca e executado por Luciano Perrone na bateria, Carioca no trombone e
Francisco Sergio e Marino Pissiani nos pistons.

imagem

A Rádio Nacional foi a primeira emissora do Brasil a organizar uma redação própria
para noticiários, com a rotina de um grande jornal diário impresso. A emissora da
Página 5 de 32

Praça Mauá possuía construiu uma divisão de rádio-jornalismo com mais de uma
dezena de redatores, secretários de redação, rádio- repórteres, informantes e outros
auxiliares, além de uma sessão de divulgação e uma sessão de esportes completa,
e um boletim de notícias em idioma estrangeiro, que cobria todo o continente. Em 18
de abril de 1942, foram inaugurados os novos estúdios da Rádio Nacional, no
vigésimo primeiro andar do edifício "A Noite". Com 486 lugares, as novas instalações
traziam inovações como o piso flutuante sobre molas especiais do palco sinfônico.

Ainda em 1942, Almirante estreou o programa "A história do Rio pela música".
Nesse ano iniciou-se uma publicação semanal com a programação da emissora e
cuja capa na maioria das vezes estampava a foto de cantores ou cantoras ligados à
emissora. Também nesse ano, as ondas curtas da PRE-8 passaram a ser ouvidas
em vários países.

Em 1943, a programação da emissora tomou impulso com a estréia do programa


"Um milhão de melodias", patrocinado pelo refrigerante Coca-Cola, que estava
sendo lançado no Brasil. Para esse programa foi criada a Orquestra Brasileira, com
direção de Radamés Gnatalli. O repertório do programa apresentava duas músicas
brasileiras atuais, duas antigas e três músicas estrangeiras de grande sucesso.

A Orquestra Brasileira de Radamés Gnatalli era formada pela mescla de grandes


músicos como Luciano Perrone na bateria, vibrafone e tímpano, Chiquinho no
Acordeão, Vidal no contrabaixo, Garoto e Bola Sete nos violões, José Meneses no
cavaquinho, além dos músicos da velha guarda do samba carioca como João da
Baiana no pandeiro, Bide no ganzá e Heitor dos Prazeres tocando prato e faca e
caixeta.Também para atuar no programa foram criados os Trios Melodia e As Três
Marias. Nesse ano, estreou com grande sucesso o programa "Trem da alegria",
apresentado pelo Trio de Osso, formado por Heber de Bóscoli, Yara Sales e
Lamartine Babo. Entre as muitas inovações surgidas na Rádio Nacional e que
influiram no próprio desenvolvimento da música popular brasileira estão os arranjos
para pequenos conjuntos, trios e quartetos de Radamés Gnattali e os
acompanhamentos rítmicos do baterista Luciano Perrone que causaram uma
pequena revolução no samba orquestrado feito até então.
Página 6 de 32

Luiz Gonzaga

Foi Luciano Perrone quem sugeriu a Radamés Gnatalli a utilização dos metais, até
então com funções exclusivamente melódicas, como mais um elemento de função
rítmica na interpretação dos sambas gravados.

Na década de 1940, pelo menos três dos maiores cantores brasileiros eram
contratados da Rádio Nacional: Francisco Alves, Sílvio Caldas e Orlando Silva.
Ainda em 1943, estreou na Rádio Nacional o sanfoneiro Luiz Gonzaga que inspirado
no sanfoneiro Pedro Raimundo que se vestia com trajes típicos do sul, resolveu
vestir-se com trajes típicos do nordeste e dessa forma passou a divulgar a música e
a cultura nordestinas.

Em 1946, um dos maiores sucessos musicais foi o samba-canção "Fracasso", de


Mário Lago gravado por Francisco Alves e tema extraído da radionovela com o
mesmo título. Nesse ano, a Rádio Nacional inovou na forma de transmitir partidas de
futebol, adotando o chamado "sistema duplo", que dividia o campo de jogo em dois
setores, cada qual com um locutor acompanhando de preferência o ataque de cada
um dos times. O "sistema duplo" foi inspirado no então moderno método de
arbitragem em trio, com os bandeirinhas colocados em ângulos opostos.

A década de 1950 ficou marcada pela acirrada competição pelo título de "Rainha do
Rádio" que envolveu em disputas memoráveis cantoras como Emilinha Borba,
Marlene e Ângela Maria.
Nessa década, os
programas de auditório da
emissora tornaram-se tão
concorridos que era
cobrado ingresso até para
assistir os programas em
pé.

Outra disputa musical que


marcou época no Rio de
Janeiro, tendo a Rádio
Nacional como centro, era
Página 7 de 32

a da divulgação de marchas e sambas carnavalescos, dos quais um dos muitos


destaques foi o cantor e compositor Blecaute, sempre presente aos programas de
auditório da Rádio.

Rainhas do Radio

Nesse período fizeram parte o "cast" da emissora artistas que marcaram a música
popular brasileira como: Orlando Silva, Ataulfo Alves, Carlos Galhardo, Linda
Batista, Luiz Gonzaga, Carmen Costa, Nelson Gonçalves, Nuno Roland, Paulo
Tapajós, Albertinho Fortuna, Carmélia Alves, Luiz Vieira, Zezé Gonzaga, Gilberto
Milfont, Heleninha Costa, Ademilde Fonseca, Bidu Reis, Nora Ney, Jorge Goulart,
Neuza Maria, Adelaide Chiozzo, Jorge Fernandes, Dolores Duran, Lenita Bruno,
Carminha Mascarenhas, Violeta Cavalcânti, Vera Lúcia, etc.

Em 1948, Dircinha Batista foi eleita "Rainha do Rádio" substituindo a irmã Linda
Batista. No ano seguinte, teve início a eletrizante disputa pelo título de "Rainha o
Rádio" entre as cantoras Emilinha Borba e Marlene. Esta última, foi eleita no ano
seguinte com o apoio da Companhia Antártica Paulista, que lançava o Guaraná
Caçula e fez dela sua garota propaganda, tendo o total de 529.982 votos. Marlene
repetiu o feito no ano seguinte. Em 1952 e 1953, a Rainha foi Mary Gonçalves. Por
volta de 1950 foi criado na emissora o Departamento de Música Brasileira, que
obteve um de seus maiores êxitos no ano seguinte no programa "Cancioneiro Rayol"
com a série "No mundo do baião", apresentada pelo radialista Paulo Roberto.

A chefia do Departamento de Música Brasileira foi entregue inicialmente ao


compositor Humberto Teixeira. Outro programa musical ligado ao departamento de
Música Brasileira e que fez muito sucesso foi "Lira de Xopotó", apresentado pelo
radialista Paulo Roberto e que incentivava as bandas do interior que apresentavam
músicas com arranjos do maestro Lírio Panicali. Igualmente Programa marcante
dessa época foi "Música em surdina", criado por Paulo Tapajós e apresentado em
estúdio no final da noite por Chiquinho, no acordeom, Garoto, ao violão e Fafá
Lemos ao violino, interpretando um repertório eclético e que deu ensejo ao
surgimento do Trio Surdina.

O violinista Garoto por sinal, foi um dos artistas que se destacou na Rádio Nacional
nos anos 1950, quando passou por diferentes grupos nos seus dez anos de
Página 8 de 32

permanência na programação. Atuou na Orquestra Brasileira de Radamés Gnattali e


pelo Bossa Clube ao lado de Luis Bittencourt, Luis Bonfá, Valzinho, Bide, Sebastião
Gomes e Hanestaldo.

Ainda na década de 1950, destacaram-se os programas "Sua excelência a música"


e "Quando os maestros se encontram". Esse último reunia cinco arranjadores da
emissora, quase sempre os maestros Alexandre Gnattali, Lírio Panicali, Alberto
Lazzoli, Léo Peracchi e Alceo Bocchino. Ainda no começo da década houve a
tentativa frustada de criar o selo Nacional para gravação de discos que ficou apenas
no primeiro, com Manezinho Araújo gravando o baião "Torei o pau", de Luiz
Bandeira e a marcha "Um cheirinho só", de Manezinho Araújo e Armando Rosas.

Rádio-Teatro

Destacaram-se também nessa década inúmeros programas mistos como "Coisas do


Arco da Velha", de Floriano Faissal; "Gente que brilha" e "Nada além de 2 minutos",
de Paulo Roberto; "Clube das donas de casa", de Lourival Marques; "Grande
espetáculo Brahma", de Mario Meira Guimarães; "Hoje tem espetáculo", de Paulo
Gracindo; "Música e beleza", de Roberto Faissal; "Nova História do Rio pela música"
e "Recolhendo o folclore", de Almirante; "Passatempo Gessy", de Jota Rui;
"Rádiosemana", de Hélio do Soveral; "Roteiro 21", de Dinarte Armando; "Seu criador
Superflit", de Lourival Marques e "Todos cantam sua terra", de Dias Gomes.

Entre os programas de Rádio-teatro merecem citação, "A vida que a gente leva" e
"Boa tarde, madame", com Lucia Helena; "Consultório sentimental", com Helena
Sangirardi; "Divertimentos Brankiol", com Ary Picaluga; "Edifício Balança mas não
Página 9 de 32

cai", com Paulo Gracindo; "Grande Teatro De Milus", com Dias Gomes; "Jararaca e
Ratinho", com Joe Lester; "Marlene meu bem", com Mário Lago; "Os grandes
amores da História", com Saint Clair Lopes; "Sabe da última?", com Rui Amaral e
"Tancredo e Trancado", com Ghiaroni.

Em 1951, Paulo Tapajós criou o programa "A turma do sereno", de grande sucesso
e no qual um repertório de serestas era apresentado por Abel Ferreira no clarinete,
Irany Pinto no violino, João de Deus na flauta, Sandoval Dias no clarone, Waldemar
de Melo no cavaquinho e Carlos Lentini e Rubem Bergman nos violões.
Segundo as palavras de Paulo Tapajós, o programa "Turma do sereno ocupava
apenas um cavaquinho, uma flauta, um clarinete, um clarone e um violino, além dos
cantores e outros solistas convidados. A "Turma do sereno" era o reencontro da
música com a rua mal iluminada pelo lampião a gás, era o momento em que a gente
imaginava que numa esquina de rua encontravam-se os velhos amigos para fazer
choro, para cantar valsas e modinhas; era a oportunidade da gente tirar dos velhos
baús alguns xotes, maxixes, polcas, já um tanto amarelados".

Animadores

Nos anos de 1953 e 1954, a cantora Emilinha Borba foi eleita "Rainha do Rádio".
Nos dois anos seguinte, a consagrada foi Ângela Maria que chegou a obter o total
de 1.464.996 votos. Em 1955, o radialista Almirante retornou à Rádio Nacional e
criou os programas "A nova história do Rio pela música" e "Recolhendo o folclore".
Por essa época, Renato Murce apresentou o programa "Alma do sertão", um dos
maiores sucessos entre os programas sertanejos.

Em 1959, o cantor e compositor Zé Praxédi passou a apresentar diariamente o


programa "Alvorada sertaneja". Um dos mais famosos programas da década de
1950 foi o "Programa César de Alencar", que comemorou os dez anos no ar com um
show para 20 mil pessoas no Maracanãzinho.

Outros programas com animadores ficaram também célebres, como os de Paulo


Gracindo e Manoel Barcelos. Outro destaque de sua história, foi o estúdio para rádio
novelas e seriados diversos , como "Gerônimo, o herói do sertão" e "O Sombra",
onde os truques de sonoplastia ficaram célebres especialmente os truques do
sonotecnico Edmo do Valle.
Página 10 de 32

Entre os programas de auditório apresentados na Rádio na década de 1950


podemos destacar: "Alegria, meus senhores" e "Este mundo é uma bola",
apresentados por Fernando Lobo; "Alô, memória", "Dr. Infezulino" e "Enquanto o
mundo gira", apresentados por Paulo Gracindo; "Ganha tempo Duchen", "O Cartaz
da Semana" e "Parada dos Maiorais", com Hélio do Soveral; "Nas asas da canção",
com Dinarte Armando; "Qualquer semelhança é mera coincidência", com Waldir
Buentes; "Papel Carbono", Renato Murce e "Placar musical", com Nestor de
Holanda Cavalcânti.

César Ladeira

Entre os programas musicais também merecem destaque, " A canção da


lembrança", com Lourival Marques; "Audições Cauby Peixoto", apresentado por
Mário Lago; "Audições Orlando Silva", com Ghiaroni; "Cancioneiro Royal", com
Paulo Tapajós; "Cancioneiro romântico", com Rui Amaral; "Carrossel musical", com
Ouranice Franco; "Clube do samba" e "Pelas estradas do mundo", com Fernando
Lobo; "Fama e popularidade", com Oswaldo Elias; "Festivais G. E.", com Leo
Peracchi; "Festivais de gaitas", com Cahuê Filho; "Horário dos cartazes", com
Almeida Rego e "Preferências musicais", com Dinarte Armando.

Dentre seus muitos locutores famosos está César Ladeira, uma das vozes de
excelência de toda a história do Rádio no Brasil, especialmente lembrado com o
programa "A crônica da cidade". O declínio da Rádio, que se iniciara com a
inauguração da televisão acentuou-se de forma definitiva com o Golpe militar de
Página 11 de 32

1964 que afastou 67 profissionais e colocou sob investigação mais 81. Em 1972, os
arquivos sonoros e partituras utilizadas em programas da Rádio foram doados ao
Museu da Imagem e do Som, MIS. Durante as décadas de 1980 e 1990 o declínio
da Rádio se acentuou devido à falta de investimentos e à concorrência cada vez
maior da televisão e também das Rádios FM.

Perda de audiência

A emissora foi perdendo audiência e deixando de disputar os primeiros lugares na


preferência do público. Manteve no entanto durante esse tempo diversos programas
tradicionais da emissora apresentados por radialistas como Dayse Lucide, Gerdal
dos Santos e outros que ainda arrastavam atrás de si a audiêencia de ouvintes fiéis
e saudosos dos tempos de glória da emissora. A partir de junho de 2003, passou a
estar sob a direção de Cristiano Menezes, que iniciou um plano de revitalização da
PRE - 8. Em 2004, foi assinado um convênio entre a Secretaria de Cultura do Rio de
Janeiro e a Petrobras, que acertou a digitalização de todo o acervo de partituras da
Rádio. Entre as obras estão raridades dos maestros Radamés Gnattali e Guerra-
Peixe.

Nesse ano, a Rádio saiu do ar por 15 dias para passar por reformas que incluem a
troca de transmissores e instalação de novos estúdios no antigo prédio da Praça
Mauá, no Rio de Janeiro. Além disso, a Rádio Nacional passará a ser a primeira
Rádio Digital AM. Tudo dentro de um plano de revitalização da Rádio. O famoso
auditório da Rádio será reformado e terá sua capacidade reduzida de 500 para 150
lugares e voltará a abrigar shows.

Entre os novos programas estão previstos, o "Homenagem Nacional", no qual um


sexteto permanente acompanhará a homenagem a um grande nome da história da
música popular brasileira, com um astro atual interpretando sucessos do artista
homenageado.

Programa-se ainda o "Memória Nacional", que deverá ser apresentando ao vivo,


reunindo nomes como Cauby Peixoto, Marlene, Emilinha, Carmélia Alves, Carminha
Mascarenhas e Adelaide Chiozzo, que foram sucessos nos anos de ouro da Rádio
Nacional. Ela ficou conhecida como "A escola do Rádio", o que por si só dá o
tamanho de sua importância histórica.
Página 12 de 32

O NASCIMENTO DA RÁDIO NACIONAL

Quando a Rádio Nacional foi fundada, no ano de 1936, o mundo inteiro ainda mal
refeito da primeira Grande Guerra esperava pela eclosão de um novo conflito.

Naquele ano, a Itália invadiu a Etiópia e se aliou a Hitler, na Alemanha. Na verdade,


as razões que determinaram a primeira guerra não haviam sido resolvidas.

A Alemanha e a Itália continuavam fora do processo neo-colonialista e, unidas,


tramavam os passos da conquista de novos territórios. Era um tempo de
autoritarismo. No Brasil, Getúlio Vargas governava com aparência de alguma
legalidade. Fora eleito por uma Assembleia Constituinte, por ele mesmo nomeada,
em 1934.

Entretanto, o golpe que viria a implantar o Estado Novo encontrava-se em gestação.


O governo conseguira a pouco debelar a Intentona Comunista, liderada por Carlos
Prestes.

Mas não tínhamos, exatamente, um céu de brigadeiro. O ar era pesado, por todo
lado. Pouca sorte teria a Constituição de 34, amena e democrática.

Em seu lugar, viria a "polaca"....A Carta Magna que implantaria ditadura, debaixo da
qual o Brasil viveu até 1945.

Foi neste cenário, mais ou menos assombrado, que a Rádio Nacional foi concebida.
As peças do jogo do poder moviam-se rapidamente, aqui e lá no primeiro mundo. O
nosso país, o quinto maior em extensão territorial do planeta, era uma presa fácil.
Vulnerável, desprotegido, precisava de uma voz que o unisse.

Se é verdade que de boas intenções se faz o caminho do inferno, também é crível


que propostas meramente políticas e racionais podem sair do trilho e acabar virando
histórias de amor, talento e muito sucesso. Foi o caso da Nacional. Ela surgiu pela
razão e acabou ganhando o coração.

Aconteceu assim, desde o primeiro dia em que foi ao ar: 12 de setembro de 1936,
sábado. Do signo de Virgem e, por isso mesmo, simpática, leal e destinada a fazer
amigos, a emissora cumprimentou o Brasil, às 21 horas, com a voz doce e
melodiosa de Celso Guimarães... "Alô, alô Brasil! Aqui fala a Rádio Nacional do Rio
Página 13 de 32

de Janeiro!" Depois, vieram os acordes de "Luar do Sertão" e uma benção do


Cardeal da cidade.

No dia seguinte, o protocolo ficou de lado e Oduvaldo Cozzi, caprichou na


transmissão de Flamengo e Fluminense, acrescida de uns flashes de Vasco contra o
São Cristóvão. Estava feito o caso de amor. Paixão do Brasil, amizade de muitas
gerações, voz que serviu para nos unir, informar e divertir. Foi ao pé da Rádio
Nacional que o país acompanhou a Segunda Grande Guerra. Sofremos, sem perder
a ternura, salvos pelo fabuloso talento de uma emissora que virou um time.

Regina Ghiaroni (Set/2005)

ALGUNS PROGRAMAS DA ÉPOCA

OS CALOUROS DO ARY - Muita gente boa apareceu no programa comandado por


Ary Barroso, um dos maiores compositores da MPB. Ângela Maria, por exemplo,
"cantou em outubro de 1949, no programa Calouros em Desfile. Ganhou nota cinco
(máxima), interpretando Doce Mistério da Vida". O programa passou por várias
emissoras, começando pela Rádio Cruzeiro do Sul, em 1937, passando depois pelas
Rádios Tupi e Nacional. De tão antológico, Os Calouros do Ary foram assimilados
pela Televisão, em uma longa temporada na TV Tupi, do Rio de Janeiro.

O TREM DA ALEGRIA - Programa de variedades transmitido ao vivo do Auditório


da Rádio Nacional e comandado por Heber de Bôscoli, o maquinista; Yara Sales, a
foguista e o guarda-freios, Lamartine Babo. A tripulação envergava macacões e
bonés azuis de ferroviários e animava o Trem da Alegria com a apresentação de
brincadeiras, números musicais, esquetes e distribuição de prêmios.

GERÔNIMO, O HERÓI DO SERTÃO - Seriado infanto-juvenil, escrito por Moisés


Weltman, para a Rádio Nacional. Aninha, a namorada de Gerônimo e o Moleque
Saci, vivido por Cauê Filho, protagonizaram por muitos anos as aventuras no sertão
do Brasil, onde o bem sempre vencia o mal...

TANCREDO E TRANCADO - Programa de humor, com base nas situações do dia a


dia, escrito por GHIARONI e estrelado por Ema D`Ávila, Brandão Filho e Apolo
Correa. Realizado, ao vivo, no auditório da Rádio Nacional, era transmitido aos
domingos. Dos "bordões" repetidos pelos personagens alguns ficaram célebres
Página 14 de 32

como: "Quem nasceu pra lagartixa, nunca chega a jacaré"; "Não é por me gabar
não, mas a senhora é muito boooa.."; "Ele não toca pandeiro, que fará bongô...".

O REPÓRTER ESSO - "Um 28 de agosto de 1941, mesmo dia em que o Brasil


juntou-se às Forças Aliadas para combater o Exército Alemão na Segunda Guerra
Mundial, entrava no ar na Rádio Nacional o Repórter Esso. (....) A princípio narrado
pelos locutores Celso Guimarães, Romeu Fernandes, Saint-Clair Lopes, Aurélio de
Andrade e Jorge Curi, o Repórter Esso era transmitido às 8h, 12h55, 9h55 e 22h55".
Em 1944, Heron Domingues assumiu a titularidade do programa, com desempenho
marcante para sua carreira e para o próprio noticiário.

A CRÔNICA DA CIDADE - Página diária sobre episódios curiosos, relevantes ou


merecedores de crítica sobre a cidade do Rio de Janeiro. Inicialmente chamada A
CRÕNICA DA CIDADE MARAVILHOSA, foi assinada por Genolino Amado, na Rádio
Mayrink Veiga, na voz de César Ladeira. Com a ida de Ladeira para a Rádio
Nacional, a Crônica passou a ser escrita, na nova emissora, por Ghiaroni e,
posteriormente por Pedro Anísio.

A FELICIDADE BATE À SUA PORTA - Apresentado por Heber de Bôscoli e,


posteriormente, por Afrânio Rodrigues, "nesse programa, o esquema mais
sofisticado de transmissão incluía um furgão devidamente equipado que percorria os
bairros do Rio de Janeiro levando o apresentado à procura do ouvinte que tivera a
sua carta sorteada no auditório. Localizado o felizardo (e se ele comprovasse o uso
de produtos da União Fabril Exportadora), iniciava-se uma série de comemorações
em que o atrativo máximo era a presença da cantora Emilinha Borba".

CURIOSIDADES

O prédio da Praça Mauá, nº 7, Edifício A Noite, com 22 andares, cujos últimos 2


pavimentos são ocupados pela Rádio Nacional possui uma "griffe" importante: foi
projetado pelo arquiteto francês Joseph Gire, o mesmo que assinou a concepção do
Copacabana Palace. O Edifício A Noite foi o primeiro arranha-céu do Rio de Janeiro,
construído em cimento armado, cravado sobre rocha viva.

O gostoso na Rádio Nacional, além do clima de trabalho geralmente correndo em


ritmo de amigo pra cá e amigo pra lá, era o espaço, o mais de um lugar disponível
quando a conversa numa roda já tinha perdido o interesse. No bar se encontrava um
Página 15 de 32

pouco de refúgio, pois ali desembocavam todas as fofocas e sempre surgia uma
irreverência, piada que em fração de segundos, chegava ao terraço do 22º andar.
Como aquela do Paulo Gracindo durante a temporada que a Edith Piaf fez na Rádio.
Estávamos lanchando quando apareceu uma velhinha na porta do bar. Rosto-
pelanca, tornozelo-artrite, e o Paulo não perdeu a oportunidade: - A Garota
Propaganda da Piaf. (Mário Lago)

Noel Rosa foi contra-regra do Programa Case, dirigido e apresentado por Ademar
Case e que estreou em fevereiro de 1932, na Rádio Philips do Brasil. O contra-regra,
em um programa de variedades era peça fundamental. Tinha a função de dosar os
números musicais, evitando repetições do mesmo gênero, cuidando de entremear
vozes masculinas com femininas, peças de orquestras, cenas humorísticas e solos.
Nisso, Noel era ótimo. Sua grande dificuldade era chegar na hora, ou seja, quinze
minutos antes do programa começar. Suas desculpas para o chefe Casé, ficaram na
história do rádio:

- Você me desculpe, Casé, mas o "bonde furou o pneu"...

- Esqueci onde era a Rádio Philips, Casé...Pensei que fosse em Cascadura...

- Desculpe Casé, mas hoje não consegui chegar mais tarde....

O compositor Antonio Maria foi durante muito tempo produtor, redator e locutor da
Rádio Tupi e da Rádio Mayrink Veiga. Além disso, compunha os jingles dos
anunciantes. São de sua autoria dois especialmente marcantes, na Era do Rádio:

Eu sou a água de cheiro Regina

Eu sou o talco Regina

Eu sou o sabonete Regina

Nós três, o trio maravilhoso Regina

Quer no calor e no frio com o tempo bom ou chuvoso

Somos o trio Regina

Se a criança acordou
Página 16 de 32

Dooooooorme dooooorme filhinha

Tudo calmo ficou

Mamãe tem

Aurisedina

Locutor - E a criança dormirá em paz com Aurisedina

A versão brasileira de Happy Birthday to you foi escrita por Lea Magalhães,
vencedora de um concurso organizado na Rádio Nacional, em 1941.

Cauby Peixoto pertence a uma família talentosa na MPB e de projeção na história do


Rádio Brasileiro. O pianista Nono (Romualdo Peixoto) era seu tio; dois irmãos,
Araken e Moacyr são músicos; a irmã, Andiara, é cantora e, pra encerrar, o grande
sambista Cyro Monteiro era primo de Cauby.

Cauby Peixoto foi o titular, durante muitos anos, de um musical na Rádio Nacional,
escrito por Ghiaroni e patrocinado pelas Casas Garçon. O sucesso do cantor era tão
grande, mobilizando um número assombroso de fãs delirantes, que passou a ser
chamado de o "Cantor das Multidões". Quando de suas entradas e saídas da Rádio
Nacional, em plena Praça Mauá, o público acabava rasgando suas roupas. A tarefa
das fãs, entretanto, era facilitada pela estratégia do empresário Di Veras que
providenciava, para o ídolo, ternos capazes de se desfazem em minutos ao simples
puxão de mocinhas com baixo preparo físico. Resultado: muitas vezes Cauby
precisou correr apenas de cueca e gravata pela Av.Rio Branco....

A História da Rádio Nacional


Surge a Rádio Nacional, PRE-8, no Rio de Janeiro. A rádio era adquirida, por
apenas 50 contos de réis, da antiga Rádio Philips. A vinheta inaugural era uma bela
melodia, tocada por vibrafone, seguida por uma voz tranquila de um locutor, que
anunciava o prefixo e o nome da emissora. A Nacional se tornaria, durante muito
tempo, um marco na história do rádio, com seus programas de auditório, suas
comédias, seus musicais e suas radionovelas.
Página 17 de 32

Entre o final dos anos 30 e a primeira metade dos anos 50 a Nacional seria uma das
líderes de audiência do rádio brasileiro, em todo o país, sendo um desempenho até
hoje insuperado por qualquer emissora de rádio, mesmo operando em rede. A Rádio
Nacional exportava sua programação do então Distrito Federal (Rio de Janeiro), que
era gravada e dias depois transmitida, em outras cidades brasileiras. Havia também
programas regionais nas emissoras que recebiam programas da Nacional, e a
emissora carioca acabava se tornando escola para muitas rádios brasileiras.

Nessa época as pessoas poderiam ir para os estúdios das rádios, verdadeiros


teatros, para assistir ao vivo à programação realizada. Era época de grandes
emoções, em que as pessoas podiam ver pessoalmente os comunicadores em
ação. A Nacional funcionou também como uma mídia criadora de grandes ídolos,
estabelecendo correspondência entre eles e os fãs e promovendo concursos, como
o célebre "A Rainha do Rádio", que consagrou diversas cantoras, como Emilinha
Borba, Marlene, Dalva de Oliveira e Ângela Maria. Criou o primeiro hype destinado
ao público feminino: o cantor Cauby Peixoto, que, apesar dos recursos artificiais de
projeção na mídia, se tornou reconhecido, de fato, como um cantor de talentosa voz
e de um notável carisma.

A emissora também foi a pioneira das rádionovelas, tendo iniciado o estilo com a
novela "Em busca da felicidade", em 12 de julho de 1941.

A novela durou três anos e foi sucedida pela célebre "O direito de nascer", que mais
tarde seria levada para a televisão. As rádionovelas lançaram mão de um tipo de
profissional interessante, o sonoplasta. Este profissional, que hoje é também
registrado pela lei como radialista, é o que faz todos os efeitos sonoros que ajudam
na dramatização das histórias, simulando desde sons de sapatos de quem sobe
uma escada até mesmo trovoadas, vendaval e chuvas, passando por passos de
cavalos, etc.. Veja aqui o texto do jornalista Sérgio Cabral sobre a Rádio Nacional,
publicada na revista Realidade de junho de 1972. Ele destaca o auge da emissora, a
partir do sucesso do Programa César de Alencar, um dos que tiveram maior
audiência nos anos 40 e 50. Uma observação: o texto aparece como foi publicado
na revista, daí que Cauby aparece como Cauby, respeitando a grafia utilizada pelo
autor.

A Rádio Nacional, lembra-se?


Página 18 de 32

Uma estação de rádio, com um elenco maior do que o de qualquer emissora de


televisão no Brasil. Você tem mais de 25 anos? Então ela faz parte de sua vida.

Sérgio Cabral
Extraído da revista Realidade, n. 75
São Paulo, Abril, junho de 1972

Praça Mauá, nº 7, Rio de Janeiro. Sábado, 14h 58. Dentro de dois minutos estará no
ar o maior programa de todos os tempos do rádio brasileiro.

A Rádio Nacional transmite alguns anúncios, depois de ter apresentado o


Consultório Sentimental, de Helena Sangirardi, e a reprise do Balança, Mas Não Cai,
cuja audiência de 35 pontos no Ibope é incrível, tendo em vista que o programa foi
apresentado ontem à noite.

O auditório de pouco mais de seiscentos lugares está superlotado. No mínimo, umas


mil pessoas aguardam ansiosas o início do programa. Seu apresentador e principal
responsável, César de Alencar, acerta com um dos produtores, Hélio do Soveral, os
últimos detalhes para que tudo ocorra bem. A orquestra, com os integrantes todos
sentados e o maestro Chiquinho, com seu enorme lenço no bolsinho de cima do
paletó, preparado para comandar os primeiros acordes do prefixo do Programa
César de Alencar. No ar, o último jingle comercial: é a valsa do Phimatosan,
composta por Lourival Marques, que retirou a melodia de uma música europeia do
século passado (séc. XIX). O operador acende a luz vermelha indicando que, dentro
de quinze segundos, estará no ar o Programa César de Alencar. Milhões de
aparelhos de rádio, em todas as cidades brasileiras, do Amazonas ao Rio Grande do
Sul, estão ligadas, oferecendo uma audiência esmagadora. Aliás, o ponteiro desses
aparelhos poucas vezes sai da Rádio Nacional.

Hoje também é dia do jogo Vasco e Flamengo, o clássico dos milhões, reunindo as
duas maiores torcidas cariocas no estádio do Maracanã. Todas as estações de rádio
do Rio de Janeiro, até algumas de outros Estados, estão no Maracanã, para
transmitir a partida. Menos a Rádio Nacional, líder também de audiência na
transmissão esportiva: sábado à tarde, pode haver jogo da Seleção Brasileira, que a
Nacional não deixa de transmitir o Programa César de Alencar.
Página 19 de 32

ESTA CANÇÃO

NASCEU PARA QUEM QUISER CANTAR

ATÉ CANSAR

É SÓ BATER

E DECORAR

PARA RECORDAR

VOU REPETIR O SEU REFRÃO

PREPARE A MÃO

MAIS UMA VEZ

ESTE PROGRAMA PERTENCE A VOCÊS

"Alô, alô, alô. Boa tarde, ouvintes; boa tarde, auditório. Agradeço a sua presença no
auditório, sem a qual não faria nem a metade de nosso programa. A primeira parte
do Programa César de Alencar é aquela que leva a chancela das meias Dixon -
conforto e durabilidade. Fabricada em Juiz de Fora, porem à venda em todo o Brasil.
Para abrir a parte musical, aí veio a mais recente contratação da Rádio Nacional:
Jorge Veiga!"

O sambista surge com seu terno branco de linho S-120, sapatos de verniz, em meio
a uma impressionante gritaria do auditório. E, como de hábito, antes de cantar a sua
música, dirige-se aos aviadores: - Alô, alô, aviadores do Brasil. Aqui fala Jorge
Veiga, da Rádio Nacional. Queiram dar os seus prefixos para guia das nossas
aeronaves.

Uma fortaleza voadora da Força Aérea Brasileira, com catorze pessoas a bordo,
depois de atravessar a selva amazônica, tentava pousar no aeroporto de Campo
Grande (Mato Grosso*), que estava inteiramente às escuras. Eram 11h15 da noite,
quando seu comandante conseguiu comunicar-se com a Base Aérea de Santa Cruz,
no Rio de Janeiro, à qual transmitiu o drama que estava vivendo. Um dos oficiais da
Base, que recebeu a comunicação, telefonou imediatamente para a Rádio Nacional
e, minutos depois, um locutor transmitia uma mensagem para Campo Grande, uma
cidade distante 2000 quilômetros do Rio de Janeiro: "Atenção, Campo Grande;
Página 20 de 32

atenção, Campo Grande, em Mato Grosso. Uma fortaleza voadora da FAB precisa
aterrar. O campo de pouso está às escuras. Atenção, Campo Grande, Mato Grosso".

Às 23h45, o avião pousava no aeroporto iluminado pelos faróis de dezenas de


automóveis que ouviram o apelo da Rádio Nacional. César de Alencar. Calça azul-
marinha, blusão branco, sorridente, comandando uma equipe de quase duzentas
pessoas, entre cantores, músicos, locutores, contra-regras, operadores, radiatores.
O seu programa acaba de comemorar o décimo aniversário numa festa no estádio
do Maracanãzinho, com um público de mais de 20.000 espectadores. Cearense,
começou a sua carreira sob a orientação de Renato Murce, seu colega de emissora
e responsável pelos programas Papel Carbono e Piadas do Manduca. Além de
César, Renato foi quem iniciou a carreira de radialistas como Ari Barroso, Ismênia
dos Santos, Saint Clair Lopes, Luiz Gonzaga, Araci de Almeida, Barbosa Júnior,
Dilermando Reis.

Do seu Papel Carbono, programa de calouros, saíram: José Vasconcelos, Os


Cariocas, Ângela Maria, Rogéria (**), Carlos Augusto, Venílton Santos, Claudete
Soares, Ivon Curi, Dóris Monteiro, Alaíde Costa, Elen de Lima, Baden Powell,
Dolores Duran e Chico Anísio. "Ladrão, ladrãozinho, devolva a minha medalha e
fique com o resto de jóias e com o dinheiro. Prometo que nada lhe farei".

O ladrão Waldemar de Oliveira, que havia roubado uma pulseira, um relógio


cravejado de brilhantes, uma medalha e algum dinheiro, ouviu no Programa César
de Alencar o apelo de sua vítima, a cantora Rogéria, e compareceu ao Distrito
Policial para devolver o roubo. Ela fazia questão da medalha de ouro, porque a
recebera de presente de uma pessoa que tivera o cuidado de colocar na jóia a
seguinte frase: "Um dia, quem sabe?"

A Nacional continua disparada na liderança de audiência. É ouvida por todos, até


pelos ladrões, apesar as previsões de um astrólogo, o professor William Ramayana
(o atual homem dos júris de televisão, José Fernandes), para a revista Radiolândia,
de que a emissora teria um ano terrível, pois, além de sofrer um incêndio, a Rádio
Mayrink Veiga lhe passaria à frente. No entanto, mesmo se levando em conta os
aparelhos desligados, o Ibope acusa: 42.5 para a Nacional; 10.5 para a Tupi; 8 para
a Tamoio e 7 para a Mayrink Veiga.

- E agora, todos de pé: aí vem Caubi Peixoto!


Página 21 de 32

FOTÓGRAFOS CERCAM CAUBI MAS NÃO FOTOGRAFAM

O auditório entra em delírio. Os ouvintes quase não percebem que Caubi está
cantando uma versão de Blue Gardenia porque o barulho da platéia é maior do que
o da sua voz. Ele agradece jogando beijos, enquanto algumas fãs sobem ao palco e
lhe colocam faixas.

Em março de 1949, Babi de Oliveira, produtora do programa A Hora do Comerciário,


da Rádio Mauá, dava uma entrevista à Revista do Rádio sobre os novos valores que
surgiram em seu programa e chamava atenção particularmente para um cantor:
"Temos um rapaz, ótimo cantor de sambas que assegura seu êxito em qualquer dos
nossos estúdios". O rapaz era Caubi Peixoto, que só cinco anos depois "asseguraria
seu êxito", graças a um espetacular lançamento através da Rádio Nacional,
planejado pelo compositor Di Veras, seu primeiro empresário. Algumas
apresentações no

Programa César de Alencar foram suficientes para que se transformasse num dos
maiores ídolos populares. Os cronistas de rádio o escolheram como a Revelação de
1954 e neste ano já era uma das atrações mais caras do rádio brasileiro: CR$
50.000,00 por apresentação. As cartas confirmam a sua popularidade. Em junho de
1954, recebera 2245 correspondências, perdendo apenas para Emilinha Borba
(2995), mas vencendo Marlene (2223). Em agosto, porém, alcançou o primeiro lugar
com 3052 cartas, contra 2544 para Emilinha Borba e 2325 para Marlene.

É o resultado do primeiro trabalho de um empresário nos termos americanos. Di


Veras havia lido nas revistas algumas coisas sobre os métodos de lançamento de
Frank Sinatra, Dick Haynes e outros cantores dos Estados Unidos e resolveu aplicá-
los no Brasil. Pagou a algumas fãs para desmaiarem no auditório e contratou uma
equipe de fotógrafos profissionais para acompanhar Caubi Peixoto em todos os
lugares onde cantasse.

Não precisava fotografar, bastava espoucar o flash. Ficou tão animado com a
experiência, que decidiu repeti-la no próprio país onde aprendera o método, os
Estados Unidos. E para lá foi com Caubi. De lá enviava fotografias do cantor ao lado
de artistas famosos de cinema e a primeira página de jornais com o nome de Caubi
Página 22 de 32

na manchete. aliás, já não era mais Caubi e sim Ron Cobby, pois Peixoto era difícil
para os americanos pronunciarem. Só que os jornais não eram os verdadeiros, mas
aqueles destinados principalmente a turistas que pagam uma pequena importância e
lhes dão a primeira página de um jornal com seus nomes na manchete. Além disso,
a Revista do Rádio e Radiolândia eram informadas de que Caubi fazia grande
sucesso nos Estados Unidos, onde contratos milionários lhe eram oferecidos.

A CRIANÇA CHOROU

DORME, DORME, MENINA,

TUDO CALMO FICOU

MAMÃE TEM AURISSEDINA

O locutor Afrânio Rodrigues, o "Touca de Aço", lê um comercial e o microfone é


novamente entregue a César de Alencar, que anuncia Gregório Barrias, cujos
boleros são vendidos aos milhões no Brasil. É mais uma atração internacional
apresentada no programa. Aliás, não há cantor estrangeiro que venha ao Brasil e
deixe de comparecer ao programa. Só houve um caso: Jacqueline François, que
concordou somente em cantar no estúdio. Apesar disso, numa sexta-feira à noite, o
auditório foi aberto para ela, que receberia inclusive uma homenagem. A cantora
Marlene lhe entregaria orquídeas depois de fazer a seguinte saudação: Jacqueline:
ofereço-lhe estas flores em nome da direção da Rádio Nacional e de seus artistas.
São flores que traduzem a nossa imensa alegria e a honra de vê-la cantando aqui -
você que é a gloriosa expressão da música francesa. Vive La Frange". Não houve
nada disso, Jacqueline cantou mesmo no estúdio e o público presente a via apenas
pelo vidro (ela de costas para a platéia).

A Rádio Nacional e o patrocinador dos programas de Jacqueline, o incorporador de


imóveis Santos Vahlis, cancelaram imediatamente o seu contrato, por causa da
atitude da cantora. A questão repercutiu nos jornais e alguns colunistas deram razão
a Jacqueline, pois não tinha nada que cantar para o que chamavam de "macacas de
auditório". A Revista do Rádio defendeu a Nacional, o mesmo acontecendo com a
Radiolândia, que, em editorial, afirmou que o público era seleto e enobrecia qualquer
ambiente, "mesmo porque o público que comparece às sextas-feiras na Nacional é
variado e distinto". - E agora, a cantora que canta e dança diferente: Marlene!
Página 23 de 32

Segundo um antigo funcionário da Nacional, a sociedade brasileira está dividida em


emilinistas e marlenistas. É impressionante a popularidade dessas cantoras.
Radiolândia foi ver quem é a mais popular no Congresso e o resultado foi o
seguinte: marlenistas, os deputados Manuel Barbuda, Benjamim Farah e Novais
Filho, além do senador Juraci Magalhães; emilinista, apenas o senador socialista
Domingos Velasco; votaram nas duas os deputados Frota Aguiar, Carlos Lacerda,
Dalton Coelho, Nestor Duarte, Afonso Arinos e os senadores Apolônio Sales e
Kerginaldo Cavalcanti.

Marlene - Quatro horas da manhã

Sai de casa o Zé Marmita

Pendurado na porta do trem

Zé Marmita vai e vem

Breque do auditório - Marlene é a maior.

Embora cantando com grande sucesso no Programa César de Alencar, o forte de


Marlene é Programa Manoel Barcelos, às quintas-feiras. Ficou mais ou menos
estabelecido que um seria para Emilinha e outro para Marlene, uma cantora que
começou a enfrentar a liderança de sua rival ganhando o título de Rainha do Rádio,
em 1949, com 529982 votos, custando CR$ 1, 00 cada um. É verdade que contou
com o apoio da Companhia Antarctica Paulista(***), que lançava na época o guaraná
Caçula.

A Rainha do Rádio seguinte foi Dalva de Oliveira. Até 1950, era uma cantora
razoavelmente conhecida, sem muita penetração popular. Mas o espetacular
rompimento com seu marido, Herivelto Martins, fez com que ela não cantasse mais
no Trio de Ouro, do qual Herivelto era o líder, mas sozinha. E mais: as suas
músicas, com letras alusivas à separação, comovem os fãs e suas apresentações
no Programa César de Alencar passam a ser tão barulhentas quanto as de Emilinha
e Marlene. Enquanto Herivelto Martins é vaiado no Teatro João Caetano, as músicas
de Dalva de Oliveira estouram nas paradas de sucesso, num recorde dificilmente
igualado na história de nossa música popular:

"Primeiro lugar, Tudo Acabado;

segundo lugar, Errei, Sim;


Página 24 de 32

terceiro lugar, Que Será"

Todas as três gravadas por Dalva de Oliveira, que acabou sendo eleita Rainha do
Rádio com 311107 votos. Em 1951 não houve Rainha, mas em 1952 venceu Mary
Gonçalves, uma cantora paulista contratada pela Nacional e que aparecia muito nos
filmes da Atlântida; em 1953 com mais de 1 milhão de votos, a Rainha foi Emilinha
Borba (o resultado financeiro do concurso era aplicado na construção do Hospital
dos Radialistas, sob a responsabilidade da Associação Brasileira de Rádio). 1954 foi
o ano de Ângela Maria: Rainha do Rádio, foi eleita a melhor cantora do ano pela
crítica e ganhou o título de Rainha dos Músicos do Brasil; em 1955, a Rainha foi
Vera Lúcia e, em 1956, Dóris Monteiro.

DORES? GUARAÍNA CORTA A DOR

E NÃO ATACA O CORAÇÃO

O Programa César de Alencar prossegue. Apesar do grande sucesso, seu


apresentador ainda não está satisfeito, pois seu velho sonho de ser diretor da Rádio
Nacional ainda não foi concretizado. Numa mudança de governo, quem sabe?
Agora, porém, ele está concentrado no programa. E anuncia uma bela cantora que a
Nacional foi buscar em Lisboa: Ester de Abreu.

Ester está com muito prestígio. O prefeito da cidade do Rio de Janeiro, general
Dulcídio do Espírito Santo Cardoso, apaixonou-se por ela e ficaram noivos. O
pessoal todo da Nacional compareceu à festa do noivado com muitos presentes. O
produtor Paulo Roberto (programas:

Gente que Brilha, Lira de Xopotó, Honra ao Mérito, Obrigado, Doutor, Nada Além de
Dois Minutos) fez um discurso em nome dos colegas da emissora. O noivado durou
dois anos, depois dos quais o general casou com outra.

César de Alencar quer diversificar o programa, introduzindo quadros humorísticos. E


chama Brandão Filho, Apolo Correia e Alcino Diniz para um sketch escrito por
Ghiaroni. Afinal, por que não aproveitar o setor de radioteatro da Nacional? Agora
mesmo, esse setor perdeu um de seus principais astros, o radiator Rodolfo Mayer,
mas o diretor do Departamento Artístico, Floriano Faissal, não ficou muito
preocupado, tal a quantidade de astros e estrelas que permanecem na Rádio.
Rodolfo Mayer foi para a Rádio Tupi em condições consideradas astronômicas:
Página 25 de 32

CR$ 200.000,00 de luvas e salário mensal de CR$ 60.000,00 por um período de


dois anos. O Boletim da Nacional, distribuído à imprensa, dá a informação da saída
de Rodolfo com uma certa dose de auto-suficiência: "Rodolfo Mayer sai da Nacional
sem rancores nem inimizades. Dá-se apenas que recebeu uma proposta irrecusável:
a direção da Nacional concordou em que ele fosse buscar aquela herança para
voltar daqui a dois anos".

Rodolfo era importante, mas como poderia sentir a sua saída uma emissora que tem
sob contrato radiatores como Álvaro Aguiar, Celso Guimarães, Domício Costa,
Domingos Martins, Floriano Faissal, Hemilson Fróes, Mário Lago, Paulo Gracindo e
Roberto Faissal? Aliás, apesar dos grandes programas musicais e de auditório, é
nas novelas que a audiência alcança índices impressionantes, como a das 8 horas
da noite, que já deu 92 pontos no Ibope.

- Homens de rádio da Europa e dos Estados Unidos que nos visitam saem daqui
dizendo que aprenderam conosco. (Floriano Faissal)

A SONOPLASTIA SOFISTICADA FAZ O OUVINTE VER AS


NOVELAS

Além da equipe, o Departamento de Radioteatro da Nacional possui um estúdio


cheio de objetos os mais variados, destinados a produzir sons durante a transmissão
das novelas: portas de rua, de automóvel, de armário e de aço; janelas de todos os
tipos; portões de ferro, apitos de navio, de trem, de lancha, de guarda de trânsito e
de contramestre de veleiro; tábuas especiais para tirar sons de passos leves,
pesados, secos e retumbantes; escadas rangentes, facas, espadas, bengalas, rodas
de ferro, rodas de madeira que imitam a cantilena dos carros de boi ou o som de um
mastro de navio que se quebra; louças, cristais, fichas de jogo, panos de seda,
cascas de coco seco que reproduzem ruídos de patas de cabalo; pios para imitar
sapos e grilos; ramos secos de coqueiro para dar ideia de folhagem; folhas de papel
celofane dentro de um saco (esfregado com a mão dá a impressão de um incêndio
enorme); pregos, serrotes, martelos, campainhas dos mais variados tipos, telefones,
além de um conjunto de madeira do qual se tira o som de soldados em marcha. Há
também o guarda-chuva que se abre e fecha dando o som do farfalhar de um
grande pássaro; comprimidos efervescentes dentro da água que dão a ideia de
milhares de formigas devorando uma pessoa. O som do tiro de revólver sai de uma
Página 26 de 32

martelada numa espoleta. Há de se considerar o talento dos radiatores e radiatrizes:


no 22º capítulo da novela Num Cantinho do Mundo, de Eurico Silva, o diretor
Floriano Faissal bateu palmas para a interpretação da radiatriz Ísis de Oliveira (****).
O operador acompanhou os aplausos e o público ouviu aquelas palmas sem
entender a razão.

- A cena era perigosíssima. Ísis teria que exagerar, mas não tanto que caísse no
ridículo. E ela foi na medida certa. (Floriano Faissal)

O radioteatro começou na Rádio Nacional três meses após a sua inauguração, com
a transmissão de diálogos humorísticos ou não, intercalando números musicais. Isso
foi em dezembro de 1936. Mas só a agosto de 1937 é que estreou o Teatro em
Casa, com a irradiação de peças completas.

A novela em capítulos teve início dia 5 de junho de 1941, às 10 e meia da manhã: -


Senhoras e senhoritas... o famoso Creme Dental Colgate apresenta... o primeiro
capítulo da empolgante novela de Leandro Blanco, em adaptação de Gilberto
Martins: Em Busca da Felicidade.

Os patrocinadores, para conquistarem ouvintes, prometeram fotografias dos artistas


e um álbum com o resumo do enredo para quem enviasse o pedido acompanhado
de um rótulo Colgate. No primeiro mês chegaram 48000 pedidos e os
patrocinadores tiveram que parar a promoção. Em Busca da Felicidade durou dois
anos e foi substituída por O Romance e Glória Marivel, do mesmo autor. Depois
vieram Predestinados, Fatalidade, Maldição, Renúncia, foram aparecendo os
autores brasileiros e a Nacional passou a transmitir catorze novelas por dia.

ELA É LINDA

AAAAH

MAS É NOIVA

OOOOH

USA PONDS

AAAAN
Página 27 de 32

César de Alencar está feliz. O maestro Radamés Gnatalli fez especialmente para o
seu programa um arranjo sobre músicas de Ari Barroso.

O próprio Radamés assume a orquestra como regente e, pela primeira vez, a platéia
faz silêncio.

Para o locutor Aurélio de Andrade, um dos fundadores da emissora, a parte musical


talvez seja o principal fator de sucesso da Rádio. - Certas músicas gravadas com um
pequeno acompanhamento são transmitidas na Rádio com uma orquestra imensa e
arranjos feitos pelos nossos melhores maestros.

Os maestros: Radamés Gnatalli, Romeu Fossati, Severino Filho, Zimbres, Lyrio


Panicalli, Moacyr Santos, Eduardo Patané, Alberto Lazzoli, Gustavo de Carvalho,
Francisco Duarte (Chiquinho), Romeu Ghipsman, Leo Perachi, Alexandre Gnatalli,
Ercole Vareto e Francisco Sergi.

A orquestra: 35 violinos, nove violas, seis violoncelos, nove contrabaixos, sete


flautas, quatro oboés, um corne inglês, três clarinetes, dois clarones, dezessete
saxofones, onze pistões, nove trombones, cinco bateristas, cinco guitarras, quatro
pianos, uma harpa, quatro trompas, uma tuba, um bombardino, um acordeão e onze
ritmistas. Há também dois conjuntos regionais com um total de onze instrumentistas
e solistas individuais: Chiquinho (acordeão), Carolina Cardoso de Menezes (piano),
Abel Ferreira (clarinete e saxofone), Luperce Miranda (bandolim), Jacob Bittencourt
(bandolim) (*****), Luiz Americano (clarinete), Dilermando Reis (violão), Carlos Matos
(violão), Jorge Lenny (órgão) e Amirton Valim (piano).

Paulo Tapajós, diretor musical da Rádio, dispõe de todos esses recursos para os
grandes programas musicais, como Um Milhão de Melodias, Festivais GE,
Cancioneiro Royal, além dos especiais com os cantores da casa, como Orlando
Silva, Ivon Curi, Caubi Peixoto, Silvio Caldas e outros.

É verdade que, de vez em quando, a orquestra cresce sem muita necessidade,


como se verificou quando o sr. Café Filho assumiu a presidência da República e
nomeou o sr. Marcial Dias Pequeno para superintendente das Empresas
Incorporadas da União (às quais pertence a Rádio Nacional) e o jornalista Odylo
Costa, filho, para a direção da emissora. Circularam boatos de que a nova direção
faria cortes drásticos na Rádio, mas o sr. Marcial Dias Pequeno desmentiu. Ou
Página 28 de 32

melhor: confirmou apenas duas demissões, a do famoso tenente Gregório Fortunato,


chefe da guarda pessoal do presidente Getúlio Vargas, e do sr. Roberto Alves,
também integrante da guarda, ambos envolvidos no atentado ao sr. Carlos Lacerda,
que resultou no assassinato do major Rubem Vaz. Eram contratados como
clarinetistas da orquestra: Gregório ganhando CR$ 30.000,00 por mês e Roberto
Alves, CR$ 15.000,00, embora - segundo o sr. Marcial Dias Pequeno - não
soubessem "nem assobiar".

NA SUA CASA TEM BARATA?


NÃO VOU LÁ
NA SUA CASA TEM MOSQUITO?
NÃO VOU LÁ
NA SUA CASA TEM PULGA?
NÃO VOU LÁ
PEÇO LICENÇA PARA MANDAR
DETEFON EM MEU LUGAR

A Rádio Nacional vive seus grandes dias. César de Alencar sonha em dirigi-la para
ter o prestígio de um Gilberto Andrade ou Vítor Costa. O primeiro, seu diretor-geral
de 1940-1946, além de ter dinamizado a programação, aumentou a potência do
transmissor de ondas médias, criou as ondas curtas, instalou novos estúdios e
contratou alguns dos principais astros da emissora. O nome de Vítor Costa é mais
ligado à parte comercial.

A prova do êxito do seu trabalho é a fortuna que fez com as comissões das contas
de publicidade que levou para a Nacional. Deixou-a em 1954 e comprou a Rádio
Mundial do Rio de Janeiro, a Nacional de São Paulo e outras do interior do Brasil,
fundando a Organização Vítor Costa. Deu o seu Cadillac "rabo de peixe" e mais CR$
900.000,00 em troca de um Rolls-Royce que pertenceu a Getúlio Vargas, cujo preço
é calculado em CR$ 2.000.000,00.

A VOTAÇÃO PARA O CRAQUE ADEMIR, SÓ FOI MENOR QUE A DE


JÂNIO

Milhares de cartas chegaram diariamente dirigidas a programas e a artistas. Uma


seção com seis funcionários cuida especialmente da correspondência e, muitas
Página 29 de 32

vezes, tem que recorrer a funcionários de outros setores, como ocorreu quando o
programa No Mundo da Bola instituiu um concurso para que o ouvinte dissesse qual
o jogador de futebol de sua preferência, enviando o nome do craque num envelope
de Melhoral. O vencedor foi Ademir, do Vasco da Gama e da Seleção Brasileira,
com 5.304.935 votos. O total de envelopes de Melhoral chegados à Nacional foi de
19.105.856. Em matéria de eleição no Brasil, o jogador Ademir só perdeu, em
quantidade de votos, para o sr. Jânio Quadros.

O Instituto de Criminologia do Distrito Federal (+), dirigido pelo famoso criminalista


Roberto Lyra, acaba de diagnosticar uma nova doença, à qual deu o nome de
"doença do rádio". Justificativa: "Ao ouvirem permanentemente o seu artista
preferido, as mocinhas criam em suas mentes o romance com que sonham. E como
não conseguem, na maioria das vezes, atrair o objeto de sua paixão, passam à
fraude, ao artifício, às mistificações, donde as denúncias caluniosas tão frequentes
ultimamente no Rio de Janeiro".

Talvez o Instituto tenha razão. Afinal, vários cantores e radiatores têm sido
denunciados na imprensa como pais de filhos de fãs e alguns chegam até a ser
agredidos, como Ivon Curi, que teve o seu carro quebrado por uma admiradora em
apaixonada fúria.

A direção da Rádio Nacional, porém, não concordou com o diagnóstico do Instituto


de Criminologia e veio a público lembrando os programas culturais, entre os quais o
Grande Teatro De Millus, com a transmissão de peças de Shakespeare, Gogol,
Eugene O'Neill e Garcia Lorca, radiofonizadas por Dias Gomes. E o Seu Criado,
Obrigado, escrito por Lourival Marques e apresentado por César Ladeira e Nilza
Magrassi?

Mais de 200.000 cartas por ano com perguntas sobre os assuntos para serem
respondidas às segundas, quartas e sextas à tarde, logo depois do Repórter Esso,
da Crônica da Cidade e da novela. Não pode ser esquecido também o papel da
Rádio Nacional durante a guerra, quando havia um programa especialmente dirigido
aos nossos soldados que lutavam na Itália. Seus familiares enviavam as mensagens
que desejassem, sem qualquer problema. Ou melhor: havia um, a choradeira de
todo mundo, inclusive dos produtores, locutores e técnicos, como no dia em que
Página 30 de 32

uma menina disse ao pai pelo microfone que fazia quinze anos naquele dia e que
gostaria muito que ele estivesse presente à festinha.

Uma emissora com nove diretores, 240 funcionários administrativos, dez maestros,
33 locutores, 124 músicos, 55 radiatores, 39 radiatrizes, 52 cantores, 44 cantoras,
dezoito produtores, um fotógrafo, treze informantes, cinco repórteres, 24 redatores e
quatro secretários de redação não poderia ser apontada como causadora de
doenças sociais. Além disso, quando há programas de baixo nível, eles são
imediatamente retirados do ar. O Acredite Se Quiser (escrito pelo futuro membro da
Academia Brasileira de Letras, Raimundo Magalhães Júnior), cuja idéia era copiada
do Incrível, Fantástico, Extraordinário, de Almirante (++), contava casos de aparição
de fantasmas, o que, para a direção da rádio, era "prejudicial aos ouvintes menos
esclarecidos ou de mais acentuada instabilidade psíquica, tornando-se, portanto,
desaconselhável do ponto de vista da higiene mental".

PASTINHAS VALDA,

PASTINHAS VALDA,

EMILINHA É A MAIOR

PASTINHAS VALDA,

PASTINHAS VALDA,

EMILINHA É A MAIOR

César de Alencar - Está no ar o big show Parada dos Maiorais. Veremos quais as
músicas e os intérpretes que estão galgando os degraus da fama. O programa está
chegando ao fim, César vai apresentando as músicas colocadas na parada de
sucesso e se prepara para anunciar Emilinha Borba, com a qual encerrará o
programa de quatro horas.

Num outro estúdio da Rádio, Jorge Curi e Antônio Cordeiro já sentados à frente do
microfone, prontos parai iniciarem mais um No Mundo da Bola, através do qual os
ouvintes saberão o resultado do jogo entre Vasco da Gama e Flamengo. No
auditório, César, Emilinha e o público encerram a festa num barulho só.
Página 31 de 32

CÉSAR HOJE (1972): PROGRAMAS DE TV, AOS SÁBADOS À


TARDE

Maio de 1964. Não existe mais o programa César de Alencar. O seu apresentador
fez tudo para ser diretor da Rádio Nacional e não conseguiu.

Gravou até os jingles de Miguel Gustavo para a campanha do Sr. João Goulart para
vice-presidência da República ("Na hora de votar / Dona de casa vai jangar / É
Jango, é Jango / É João Goulart"), compareceu aos seus comícios, mas, ao assumir
a presidência (+++), seu candidato não lhe reconheceu os esforços. Veio a
Revolução de 1964 e César (junto com os locutores Hamilton Frazão e Celso
Teixeira) denunciou vários colegas como inimigos do novo regime e 36 foram
demitidos. Mas não foi nomeado diretor e perdeu o programa.

Abril de 1972. Paulo Tapajós, ainda diretor musical da Nacional, entra no banheiro
da emissora e vê centenas de embrulhos amontoados uns sobre os outros. Naquele
dia, consultara o Boletim do Ibope e verificara que está difícil para a Rádio subir do
quarto lugar em que está colocada há muitos anos: longe, muito longe da Globo,
primeira colocada, e não faz qualquer ameaça à Tupi, segundo lugar, ou à Mundial,
terceiro. Fala-se até em fechamento da Nacional, enquanto os funcionários mais
antigos tratam da aposentadoria.

Nem mesmo as obras e o serviço de limpeza dão ânimo ao pessoal. Desapareceram


as teias de aranha, as rachaduras na parede, mas os ouvintes se esqueceram dos
programas da Nacional.

Tapajós, há mais de trinta anos trabalhando na mesma emissora, mete o dedo num
dos embrulhos e rasga o papel. Olha e vê que dentro deles há discos de acetato.
Sendo diretor musical da Rádio, quer saber que discos são aqueles. E viu:
gravações dos programas Gente Que Brilha, Tancredo e Trancado, A Hora do Pato,
Festivais GE, Programa César de Alencar e outros, jogados num canto do banheiro,
respingados de urina.
Página 32 de 32

NOTAS DO EDITOR DO SITE:

(* ) Desde 1978, portanto seis anos após a publicação deste texto, o estado
correspondente é Mato Grosso do Sul, divisão do antigo Estado do Mato Grosso.

(**) Não confundir com o famoso travesti que atua na TV, cinema e teatro até hoje.
(***) Atual AMBEV.

(****) Não confundir com outra atriz, de uma geração mais recente e que vem a ser a
irmã da modelo Luma de Oliveira.

(*****) Vem a ser conhecido como o célebre Jacob do Bandolim.


(+) Município do Rio de Janeiro, então capital do Brasil, é hoje capital do Estado
homônimo.

(++) Compositor e radialista, Almirante integrou, no final dos anos 20, o Bando dos
Tangarás, no qual integravam também Noel Rosa e João de Barro (o "Braguinha").

(+++) João Goulart se tornou presidente depois da renúncia de Jânio Quadros.

fabiopiraja.com | historiadoradio.com | locutor.info


Leia o Livro de Visitas | Assine o Livro de Visitas
O RADIONAUTA@ MCMXCVIII - Todos os direitos reservados |

Fonte: http://www.locutor.info/index_fotos_radio_nacional.html

Acessado em 18/10/2018 às 17h35.