Você está na página 1de 25

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNICAMP - UNICAMP - 2019

1 Homem, 68a, é admitido em Unidade de Emergência com dor precordial há 3 horas.

Antecedentes pessoais: hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus. Após administração de


ácido acetilsalicílico, clopidogrel e nitroglicerina, evoluiu com hipotensão. A ausculta pulmonar
não mostrou alterações. Eletrocardiograma:ONDE DEVE SER COLOCADO O ELETRODO DO
ELETROCARDIOGRAMA PARA DETERMINAR A REGIÃO CARDÍACA ACOMETIDA QUE JUSTIFICA O
QUADRO CLÍNICO DO PACIENTE?

A) Borda esternal direita, no segundo espaço intercostal.


B) Linha hemiclavicular direita, no quinto espaço intercostal.
C) Linha axilar posterior esquerda, no quinto espaço intercostal.
D) Linha paravertebral esquerda, no quinto espaço intercostal.

2 AS SITUAÇÕES EM QUE O PACIENTE PRECISA ESTAR SOMENTE EM PRECAUÇÕES DE

CONTATO SÃO:

A) Cólera; abscesso com secreção incontida; colonização por patógeno multidroga resistente; herpes simples
mucocutâneo grave.
B) Vírus Ebola; vírus in uenza; vírus sincicial respiratório; doença de Creutzfeldt-Jakob.
C) Hantavirose; meningococcemia; micobacteriose não-tuberculosis; rubéola.
D) Sarampo; herpes zoster disseminado; roséola infantum; diarreia em paciente incontinente.

3 Homem, 19a, começa a apresentar vários picos febris há dois dias. Está internado há dez
dias devido a acidente automobilístico. Colhidas hemoculturas que positivaram para leveduras
após 26 horas de cultivo. O per l de suscetibilidade dos fungos causadores de infecção da
corrente sanguínea no serviço está descrito na tabela: Tabela. Porcentagem de suscetibilidade
aos antifúngicos disponíveis para prescrição.LEVANDO-SE EM CONSIDERAÇÃO OS PRINCÍPIOS
DO USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS (FÁRMACO CERTO, NA HORA CERTA, NA DOSE CERTA,
COM O MENOR RISCO DE EFEITOS COLATERAIS A AO MENOR CUSTO), A CONDUTA É:
A) Micafungina até de nição do patógeno, podendo ser trocado para uconazol se con rmado Candida albicans
ou C. tropicalis.
B) Anfotericina B, independente da identi cação nal do patógeno.
C) Fluconazol até de nição do patógeno, podendo ser trocado para anfotericina B se con rmado Mucor sp ou
Rhizopus sp.
D) Voriconazol até de nição do patógeno, devendo ser trocado para anfotericina B se con rmado Fusarium sp.

4 Homem, 36a, foi trazido ao Setor de Emergência com apatia e lenti cação motora.
Antecedentes Pessoais: transtorno afetivo bipolar há 13 anos, em uso crônico de carbonato de
lítio, carbamazepina e clonazepam. Há um mês apresentou episódio maníaco com sintoma
psicóticos, sendo associada olanzapina. Exame físico: T= 41,2°C, PA= 90x60 mmHg, FC= 96bpm,
Neurológico: hipertonia de extremidades.Leucócitos= 19.300mm3, CPK= 3.176 U/L. Tomogra a
computadorizada de crânio: sem alterações. ALEM DA SUSPENSÃO DA OLANZAPINA, O
TRATAMENTO É:

A) Bromocriptina.
B) Haloperidol.
C) Buspirona.
D) Riluzol.

5 Homem, 82a, internado em Enfermaria de Geriatria para tratamento de pneumonia lobar,


necessitando de oxigenoterapia, sem alterações cognitivas prévias. No segundo dia inicia quadro
de letargia, períodos de confusão mental, diminuição da atividade motora e retenção urinária. O
DIAGNÓSTICO É:

A) Delirium.
B) Esquizofrenia.
C) Demência.
D) Hipoglicemia.

6 Mulher, 32a, acompanha regularmente na Unidade Básica de Saúde, retorna para consulta

para resultado de exames e refere atraso menstrual. Antecedentes Pessoais: hipertensão arterial
sistêmica etiologia renovascular unilateral há 5 anos, em uso contínuo de enalapril 10 mg/dia e
atenolol 25 mg/dia com controle satisfatório da pressão arterial. Exame Físico PA= 128X76
mmHg; membros: edema +/4+. Exames realizados há 2 meses: Creatinina= 0,75 mg/dL; Ureia= 39
mg/dL; Potássio= 3,2 mEq/L, Sódio= 133 mEq/L. Teste urinário para gravidez: positivo. A
SITUAÇÃO QUE JUSTIFICA A SUSPENSÃO DO ENALAPRIL PARA ESSA PACIENTE É:

A) Hipertensão renovascular unilateral.


B) Edema de membro inferior.
C) Hipocalemia.
D) Gravidez.

7 Homem, 56a, admitido em Unidade de Emergência por fezes pretas, amolecidas e de odor
fétido há 2 dias e tonturas há 3 horas. Antecedentes pessoais: brilação atrial, CHADS2=2 em uso
de varfarina. Exame físico: descorado ++/4+, desidratado +/4+, FC= 104 bpm; PA= 82x55 mmHg;
Peso= 72 kg; Pele: hematomas de até 3 cm em tronco e membros inferiores. Hb= 11,1 g/dL e RNI
> 10. Administrados 600ml de plasma fresco congelado associado a vitamina K endovenosa. Seis
horas após o paciente evoluiu com desconforto respiratório e necessidade de ventilação
mecânica. Radiograma de tórax: opacidades heterogêneas bilaterais. O DIAGNÓSTICO É:

A) Sobrecarga circulatória relacionada à transfusão.


B) Lesão pulmonar aguda relacionada à transfusão.
C) Reação hemolítica aguda.
D) Reação ana lática à vitamina K.

8 Homem, 53a, refere episódios de dor precordial relacionados aos esforços há cerca de 1
mês. O último episódio ocorreu há cerca de 2 horas, após subir uma ladeira, e ainda persiste no
momento da consulta. Antecedentes pessoais: tabagismo 40 maços/ano. Exame físico: FC=
68bpm, FR= 14irpm, PA= 142X92 mmHg, Eletrocardiograma: A CONDUTA INICIAL NESTE CASO É:

A) Inibidor da ciclo-oxigenase-1 e da gliproteína IIb/IIIa.


B) Inibidor da ciclo-oxigenase-2 e do receptor do ADP.
C) Inibidor da ciclo-oxigenase-1 e do receptor do ADP.
D) Inibidor da ciclo-oxigenase-2 e da gliproteína IIb/IIIa.

9 Homem, 63a, procura programa de rastreamento para câncer de pulmão. Antecedentes


pessoais: tabagismo 39 maços/ano. Tomogra a de tórax de baixa dosagem: nódulo sólido, único,
medindo 17 mm em parênquima de lobo inferior de pulmão direito. A CONDUTA É:

A) Broncoscopia com lavado.


B) Tomogra a computadorizada com contraste, PET/CT e biópsia.
C) Lobectomia.
D) Tomogra a de baixa dosagem anualmente.

10 Homem, 27a, procura atendimento médico por palpitações, sudorese, tremores de

extremidades, ansiedade e cefaleia. Refere dor no pescoço, falta de ar, febre e dor pelo corpo há 5
dias. Perdeu 3 quilos desde o início do quadro. Exame físico: FC= 112 bpm, FR= 20 irpm, PA=
150X75 mmHg, T= 37,8°C; Pescoço: dor intensa a palpação da região antero-inferior. A CONDUTA
É:

A) Imunoglobulina endovenosa.
B) Vitamina B1, captopril e digitálicos.
C) Propiltiouracil ou metimazol.
D) Prednisona e beta bloqueador.

11 Homem, 17a, descobriu ser portador do vírus da imunode ciência humana durante

investigação de quadro neurológico diagnosticado como neurotoxoplasmose, em tratamento há 5


dias com sulfadiazina e pirimetamina. O INICIO DA TERAPIA RETROVIRAL DEVERÁ OCORRER:

A) Se a contagem de linfócitos-T CD4+ estiver abaixo de 200 células/mm₃


B) Após o término do tratamento de neurotoxoplasmose.
C) Imediatamente e independente da contagem de linfócitos-T CD4+.
D) Duas semanas após início da corticoterapia como pro laxia de síndrome da reconstituição imune.

12 Homem, 63a, é admitido com história de dor precordial há 2 horas. Antecedentes


Pessoais: hipertensão arterial sistêmica em uso de amlopidina e enalapril há 3 anos e tabagismo
30 maços/ano. À admissão: PA= 156x98mmHg. Eletrocardiograma: Iniciado tratamento com
aspirina, clopidogrel, nitroglicerina e captopril. Paciente evolui com melhora dos sintomas. Após 2
horas sem queixas, volta a ter dor precordial. Eletrocardiograma: O MECANISMO
FISIOPATOLÓGICO E A ARTÉRIA ACOMETIDA SÃO:
A) Vasoespasmo; artéria circun exa dominante.
B) Isquemia; artéria coronária direita.
C) Vasoespasmo; artéria descendente posterior.
D) Isquemia; artéria descendente anterior

13 Mulher, 69a, foi trazida em Unidade de Pronto Atendimento por prostração e confusão

há 3 dias. O quadro é acompanhado por evacuações líquidas (14 episódios/dia). Antecedentes


Pessoais: câncer de cólon ascendente com múltiplas metástases em fígado e pulmões em
quimioterapia. Exame físico: FC= 108bpm, FR=24ipm, PA= 100X60 mmHg, Peso= 50 kg Exames
laboratoriais: Ureia= 82 mg/dL; Creatinina= 2,8 mg/dL; Sódio= 164 mEq/L; Potássio= 4,1 mEq/L.
PARA REDUZIR A CONCENTRAÇÃO SÉRICA DO SÓDIO EM 10 mEq/L A SOLUÇÃO E O VOLUME
NECESSÁRIOS SÃO:

A) Soro siológico, 3 litros em 24 horas.


B) Ringer lactato, 6 litros em 24 horas.
C) Soro glicosado 5%, 6 litros em 24 horas.
D) Soro siológico e água destilada em partes iguais, 5 litros em 24 horas.

14 Homem, 58a, é admitido na Unidade de Emergência com queixas de dor no peito e falta
de ar, de início súbito há 30 minutos. Antecedentes pessoais: tabagismo 30maços/ano. Exame
físico: FC= 132 bpm, FR= 38irpm, PA= 88x56 mmHg, Saturação de oxigênio (em ar ambiente) =
86%, sudoreico. Pulmões: murmúrio vesicular presente, sem ruídos adventícios; Coração: Bulhas
rítmicas sem sopros ou bulhas acessórias. ECG: taquicardia sinusal, bloqueio de ramo direito,
Tomogra a computadorizada de tórax: A CONDUTA É:
A) Enoxaparina.
B) Alteplase.
C) Clopidogrel e tiro bana.
D) Drenagem de tórax.

15 Homem, 19a, procura unidade de Pronto Atendimento por dor em membro inferior
direito há três semanas, após um chute na coxa direita jogando futebol. Há cinco dias a dor
passou a ser acompanhada de inchaço progressivo, mudança da coloração da pele no local e
febre com tremores. Exame físico: T= 39,5°C, PA= 90x60 mmHg, FC= 136 bpm, FR= 36irpm,
perfusão periférica= 3 segundos; Pulmões: murmúrio vesicular presente e simétrico, presença de
estertores crepitantes em base direita; Coração: bulhas rítmicas, hiperfonéticas, com sopro
sistólico +++/4+ no foco pulmonar que irradia para a base do pescoço bilateralmente; Abdome:
fígado palpável a 2cm do rebordo costal direito, consistência normal, borda na e superfície lisa;
baço palpável a 5cm do rebordo costal esquerdo, consistência normal, borda na e superfície lisa.
Membros: coxa direita com circunferência 5cm maior que a coxa esquerda, edema em sua face
lateral e exantema circular de aproximadamente 15cm, de cor violácea no centro e amarelada em
bordas planas e evanescentes; Pulsos: periféricos presentes e simétricos. APÓS REALIZAÇÃO DE
EXAMES COMPLEMENTARES E DURANTE A ESTABILIZAÇÃO HEMODINÂMICA O ANTIBIÓTICO A
SER INICIADO DEVERÁ INCLUIR COBERTURA PARA:

A) Bacilos Gram negativos.


B) Diplococos Gram negativos.
C) Cocos Gram positivos.
D) Bacilos Gram positivos.

16 Homem, 60a, deu entrada no Pronto Socorro com di culdade para comunicar-se pela
di culdade respiratória e extremidades arroxeadas e com confusão mental. Há uma semana
começou com tosse e expectoração amarelada e vinha usando uxos elevados de oxigênio
devido a piora da di culdade respiratória. Antecedentes Pessoais: Tabagismos 40 maços/ano,
parou de fumar há 5 anos quando a começou a usar oxigenoterapia domiciliar. Gasometria
arterial: pH= 7,27, paO₂= 65 mmHg, paCO²=77 mmHg, HCO³= 38mmol/L. É CORRETO AFIRMAR:
A) A história de tosse com expectoração amarelada caracteriza a pneumonia adquirida na comunidade, sendo a
gasometria arterial típica da sepse.
B) A alteração sensorial, a necessidade de intubação de emergência e a parada respiratória são
contraindicações absolutas para ventilação não invasiva.
C) A alteração sensorial é devida à hipercapnia, e o uso de ventilação não invasiva poderá melhorá-lo, com
necessidade de reavaliação em até 2 horas.
D) A primeira conduta a ser tomada será a instalação de máscara de oxigênio visando manter a oxigenação
entre 95% a 97%.

17 Mulher, 43a, submetida a esplenectomia eletiva. Administrados 2g de cefazolina antes


da indução anestésica. Antecedentes Pessoais: Diabetes mellitus tipo 2, obesidade grau II,
púrpura trombocitopênica idiopática em uso de prednisona 20mg/dia há 2 meses. Exame físico
no quarto dia pós-operatório: T= 38,5º C; Abdome: hiperemia na incisão, com dreno apresentando
baixo débito de secreção serosa. É CORRETO AFIRMAR QUE:

A) A hiperglicemia, a obesidade e o uso de prednisona são fatores de risco para a infecção da ferida cirúrgica.
B) O uso antibiótico pro lático deveria ter sido estendido por mais 72 horas após a cirurgia pela presença do
dreno.
C) Os patógenos mais frequentemente envolvidos são os cocos Gram-negativos encapsulados como o
Enterococcus sp.
D) A corticoterapia deveria ter sido suspensa no pré-operatório e reintroduzida 2 semanas após a alta.

18 Mulher, 56a, submetida a tireoidectomia total, no segundo dia pós-operatório queixa-se


de formigamento e adormecimento perioral, dor abdominal, vômitos e chiadeira no peito. Exame
físico: durante a medida da pressão arterial em membro superior direito observou-se exão do
punho e das articulações metacarpofalangeanas, extensão das interfalangeanas distais e adução
do polegar. A CONDUTA É ADMINISTRAR:

A) Escopacolamina.
B) Gluconato de cálcio.
C) Tiroxina.
D) Cloreto de potássio.

19 Homem, 27a, vítima de atropelamento por caminhão, foi socorrido pelo atendimento

pré-hospitalar que realizou via aérea de nitiva. Exame físico na unidade de emergência: PA=
60x40 mmHg, FC= 146bpm, FR= 18irpm, Oximetria de pulso= 99%; Abdome: distendido, tenso.
Focused Abdominal Sonography for Trauma (FAST)= positivo nos três espaços intraperitoneais e
negativo na janela pericárdica. Submetido a laparotomia exploradora: lacerações sangrantes em
mesentério e no baço; lesão extensa em intestino delgado. No intraoperatório apresentou: T= 35o
C. RNI= 2,0; pH= 7,29, paCO2= 34mmHg, paO2= 132mmHg, Base Excess= -7mmol/L, lactato=
8,3mmol/L, Hematócrito= 24%, hemoglobina= 7,2 g/dL, leucócitos= 16.800mm3. Decidiu-se pela
cirurgia de Controle de Danos. AS CONDUTAS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA VISAM:
A) Programar extubação nas próximas 6 horas considerando o nível de paO2.
B) Manter hipotermia para proteção tecidual.
C) Infundir solução siológica para correção do lactato.
D) Reverter a acidose, a coagulopatia e a hipotermia.

20 Homem, 53a, procura atendimento médico em Unidade Básica de Saúde com queixa de
dor lombar crônica. Exame físico: abdome: massa abdominal em mesogastro com
aproximadamente 4 cm de diâmetro, pulsátil. OS EXAMES A SEREM SOLICITADOS SÃO:

A) Ultrassonogra a de abdome e radiograma de tórax.


B) Angiotomogra a de aorta e membros inferiores.
C) Angioressonância magnética da aorta e membros inferiores.
D) Arteriogra a por subtração digital de aorta e membros inferiores.

21 Mulher, 27a, foi agredida com uma arma branca na região esquerda do hipogástrio.
Exame físico: consciente, orientada, PA= 125x75 mmHg, FC= 92 bpm, FR= 16 irpm, oximetria de
pulso (ar ambiente) = 99%; Abdome: ferimento cortante na parede anterior em fossa ilíaca
esquerda com exteriorização do omento, sem sinais de sangramento para exterior. Focused
Assesement with Sonography for Trauma (FAST)= negativo. AS CONDUTAS SÃO:

A) Observação clínica, hemograma e proteína C reativa seriados.


B) Tipagem sanguínea e laparotomia exploradora.
C) Curativo estéril e exame radiográ co de abdome agudo.
D) Reintroduzir o omento, sutura do ferimento e reforço da vacina antitetânica.

22 Homem, 45a, trazido ao Hospital após resgate em porão de loja comercial durante um

incêndio, queixa-se de náuseas e cefaleia. Exame físico: confuso, PA= 115x75 mm Hg, FC= 114
bpm, FR= 24 irpm, Oximetria de pulso (com máscara) = 100%. A CONDIÇÃO QUE AUXILIARÁ NO
DIAGNÓSTICO DE INTOXICAÇÃO POR MONÓXIDO DE CARBONO É:

A) Presença de queimadura da cavidade nasal e mbrias nasais.


B) Divergência da relação entre oximentria de pulso e PaO₂.
C) Curva de creatinoquinase.
D) Angiotomogra a de tórax e oximetria de pulso contínua.

23 Homem, 83a, foi submetido a correção de um aneurisma de aorta abdominal por


laparotomia mediana. A sutura da aponeurose foi realizada em plano único com sutura contínua.
No quarto pós-operatório apresenta saída abundante de líquido claro e alça intestinal pela parte
inferior da incisão. O TRATAMENTO É:

A) Recobrir as alças com uma compressa estéril úmida e correção cirúrgica o mais breve possível.
B) Envolver as alças em um saco plástico estéril e manter a cavidade aberta para evitar a formação de abcessos
e peritonite.
C) Reposicionar imediatamente as alças intestinais na cavidade abdominal para evitar o ressecamento com
risco de ruptura das mesmas.
D) Lavar as alças intestinais com soro siológico e suturar a pele no leito, para que não haja contaminação da
cavidade abdominal.

24 Homem 19a, foi trazido ao hospital por queimaduras ao acender churrasqueira. Exame
físico: consciente, orientado, PA= 115x80 mmHg, FC= 96 bpm, FR= 22 irpm, Oximetria de pulso (ar
ambiente) = 100%; Pele: queimaduras de segundo grau: tórax/abdome anterior 14% e face anterior
de membros superiores 8%. Para o cálculo de um por cento da área queimada é considerado a
mão:

A) Da vítima com os dedos.


B) Do avaliador sem os dedos.
C) Da vítima sem os dedos.
D) Do avaliador com os dedos.

25 Homem, 58a, apresenta queixa de dor abdominal, mais acentuada em quadrante inferior
esquerdo e febre de 38,5°C há 2 dias. Antecedentes pessoais: constipação intestinal. Exame
Físico: Abdome: plano, doloroso e com plastrão palpável em fossa ilíaca esquerda,
descompressão brusca dolorosa: ausente. O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA SÃO:

A) Volvo de sigmoide; antibiótico endovenoso para germes Gram positivo e anaeróbios.


B) Perfuração de segunda porção do duodeno; ultrassonogra a abdominal.
C) Neoplasia de sigmoide abscedido; colonoscopia.
D) Diverticulite complicada; tomogra a computadorizada de abdome.

26 Mulher, 27a, procura Unidade Básica de Saúde para avaliação do risco de neoplasia
intestinal. Nega queixas gastrointestinais. Antecedentes Pessoais: ausência de comorbidades;
nega tabagismo e etilismo. Antecedentes Familiares: neoplasia de cólon no avô, no pai e no irmão
(aos 28 anos). A PACIENTE DEVE REALIZAR ANUALMENTE:

A) Tomogra a computadorizada de abdome.


B) Trânsito intestinal contrastado.
C) Colonoscopia.
D) Seguimento clínico.

27 OS SINTOMAS MAIS COMUMENTE OBSERVADOS NO CÂNCER DE CÓLON DIREITO E DO


SIGMÓIDE SÃO, RESPECTIVAMENTE:

A) Obstrução intestinal; sangramento vermelho vivo.


B) Tumor palpável; melena.
C) Diarreia; a lamento das fezes.
D) Anemia crônica; constipação intestinal.

28 Mulher, 34a, procurou o Pronto Socorro com queixa de dor epigástrica de forte
intensidade há 1 dia, com irradiação para os ancos, associada a náusea, vômito, anorexia e febre.
Refere diurese de cor bem escura. Antecedentes Pessoais: hipertensão arterial, uso de enalapril
10mg/dia, colecistopatia calculosa crônica. Exame físico: T=38,6°C, PA= 95x60 mmHg, FC= 116
bpm, FR= 20 irpm, consciente, desidratada ++/4+, icterícia +/4+; Abdome: dor a palpação profunda
em epigástrio, descompressão brusca dolorosa ausente. A CONDUTA QUE PODE CONTRIBUIR
PARA DIMINUIR AS COMPLICAÇÕES POSTERIORES É:

A) Tomogra a computadorizada de abdome total.


B) Colangioressonância magnética.
C) Ultrassonogra a para avaliar o diâmetro da veia cava inferior.
D) Curva enzimática de amilase e lipase.

29 Homem, 25a, procura atendimento com queixa de dor lombar esquerda súbita, em

cólica com irradiação para lado esquerdo do escroto associado a náusea e vômitos. Nega febre.
Antecedentes Pessoais: Nega comorbidades. Apresentou melhora após administração de
medicações. Tomogra a computadorizada sem contraste: imagem calci cada no interior do terço
inferior do ureter esquerdo de 3 mm, sem dilatação pielocalicial. Urina I: leucócitos= 6/campo,
hemácias= >100/campo, Cristais de oxalato de Cálcio= presentes. AS CONDUTAS SÃO:

A) Antibioticoterapia pro lática e litotripsia extracorpórea.


B) Terapia medicamentosa expulsiva e diminuir ingesta de proteína animal.
C) Tansulosina, cipro oxacina e cateter Duplo-J.
D) Ácido oxálico e tomogra a computadorizada em 6 meses.

30 Homem, 64a, procura atendimento médico para avaliação de lesão na região da glande
com odor desagradável há 8 meses. Já utilizou diversas pomadas, mas a lesão continua
aumentando de tamanho. Relata também o aparecimento de ínguas na virilha esquerda (SIC)
Exame físico: pênis: glande com lesão de 2,5 cm de diâmetro, exofítica, ulcerada e exsudativa;
linfonodomegalia inguinal bilateral. A HIPÓTESE DIAGNÓSTICA É:

A) Sí lis primária.
B) Balanopostite fúngica.
C) Carcinoma de pênis.
D) Cancro mole.

31 Mulher, 22a, é admitida na sala de urgência após colisão de automóvel. Exame físico: FR
= 26 irpm, FC= 110 bpm, PA= 110x70 mmHg, oximetria de pulso= 90% (com máscara de oxigênio
10 litros/min); Escala de coma de Glasgow= 6; pupilas anisocóricas. A CONDUTA É:

A) Manter a ventilação com máscara com reservatório e frequência rápida e deixar preparado succinilcolina para
ser administrado intravenoso caso o paciente agite durante a intubação orotraqueal.
B) Passar sonda orogástrica para prevenir vômitos, manter a oxigenação do paciente com máscara com
reservatório e manter pCO₂ entre 28 a 32 mmHg.
C) Manter a ventilação com máscara com reservatório e frequência rápida e solicitar uma avaliação urgente do
neurocirurgião antes de sedar.
D) Manter a oxigenação do paciente com máscara com reservatório, administrar fentanil e depois etomidato e
succinilcolina intravenosa antes da intubação orotraqueal.

32 Homem, 18a, vítima de capotamento de carro, admitido após 40 minutos do trauma em

prancha rígida e colar cervical. Exame físico: Escala de coma de Glasgow= 15, FR= 22irpm; FC=
126bpm; PA= 96x60 mmHg; Oximetria de pulso= 96% (máscara de O₂); Membros: fratura exposta
de fêmur esquerdo sem sangramento ativo, com pulso distal presente. Focused Abdominal
Sonography for Trauma (FAST)= negativo. A CONDUTA É:

A) Administrar solução cristaloide, duas unidades de concentrado de plaquetas e 250 ml de plasma fresco
congelado.
B) Administrar solução cristaloide aquecida e ácido tranexâmico.
C) Administrar solução cristaloide aquecida e hemoderivados tipo especí co, caso necessário.
D) Acionar o protocolo de transfusão maciça por apresentar o “ABC Score” positivo.

33 Menino, 7a, trazido à Unidade de Pronto-Atendimento com história de febre alta, tosse
produtiva, coriza e vermelhidão conjuntival há 5 dias. Há 2 dias, surgiu vermelhidão na pele com
início em face, que se espalhou para todo corpo. Antecedentes Pessoais: chegou da região norte
do país há 1 semana, situação vacinal incompleta e atrasada. Exame físico: T= 39ºC, Cavidade
oral: enantema com manchas esbranquiçadas em revestimento interno das bochechas. A
CONDUTA É PRESCREVER VITAMINA:

A) D.
B) E.
C) A.
D) C.

34 Mãe chega à Unidade de Emergência Pediátrica relatando que seu lho de três meses

apresentou meia hora atrás um episódio súbito de palidez da pele e diminuição das reações aos
estímulos com duração de menos de um minuto. Não houve intervenção alguma e o lactente
recuperou-se espontaneamente. Exame físico: sem alterações. PARA A CARACTERIZAÇÃO DE
EVENTO COM RISCO IMINENTE À VIDA (“ALTE”) OU EVENTO NÃO EXPLICADO DE RÁPIDA
RESOLUÇÃO (“BRUE”), HÁ NECESSIDADE DA PRESENÇA ADICIONAL DOS SEGUINTES SINTOMAS:

A) Alteração do padrão respiratório e do tônus muscular.


B) Regurgitação e alteração do padrão respiratório.
C) Diminuição da sucção e alteração do tônus muscular.
D) Tosse paroxística e alteração do padrão respiratório.

35 Recém-nascido de 14 dias de vida é trazido à Unidade de Emergência Pediátrica com

quadro clínico de tosse e febre alta há dois dias. Nas últimas 6 horas, mãe relata piora do quadro
com recusa da mamada, hipoatividade e sonolência. Exame físico: T= 38,8ºC, FR= 72irpm,
hipoativo, palidez cutânea. Líquor: Leucócitos= 110 mm³ (90% neutró los, 10% linfócitos),
Glicose= 2mg/dL, Proteína= 234mg/dL. Glicemia 55mg/dL. OS AGENTES ETIOLÓGICOS A SEREM
TRATADOS SÃO:

A) Streptococcus pneumoniae, Neisseria meningitidis, Haemophilus in uenzae B.


B) Listeria Monocytogenes, Bordetella pertussis, Chlamydia trachomatis
C) Escherichia coli, Streptococcus agalactiae, Listeria monocytogenes.
D) Adenovirus, Enterovirus, Herpes vírus.

36 Mãe apresentou teste rápido para sí lis no pré-natal negativo no primeiro e terceiro

trimestre, porém a sorologia para sí lis no dia do parto mostrou VDRL positivo 1:2 e teste
treponêmico negativo. O Recém-nascido com 3.250 gramas e 39 semanas de idade gestacional
está assintomático. A CONDUTA É:

A) Não há necessidade de investigar ou tratar a criança, pois a mãe não tem sí lis.
B) Investigar a criança com VDRL, coleta de líquor e tratar sí lis congênita com penicilina procaína se líquor
normal, pois a mãe tem sí lis latente
C) Investigar a criança com VDRL, tratar sí lis congênita com penicilina procaína, pois a mãe tem sí lis
secundária.
D) Investigar a criança com VDRL, coleta de líquor e tratar sí lis congênita com penicilina benzatina se líquor
normal, pois a mãe tem sí lis latente
37 Recém-nascido do sexo masculino, 40 semanas e 1 dia de idade gestacional, com peso

de 3710 gramas está no alojamento conjunto e a mãe relata que está mamando bem, em livre
demanda e com eliminações normais. Ao primeiro exame com 15 horas de vida apresenta boa
atividade e reatividade, palidez cutâneo mucosa discreta, boa perfusão periférica, icterícia
moderada em zona 3 de Kramer, ausência de hepatoesplenomegalia. O DIAGNÓSTICO E EXAMES
SÃO:

A) Icterícia precoce provavelmente hemolítica; realizar tipagem sanguínea da mãe e do recém-nascido, Coombs
direto, hemograma, contagem de reticulócitos e dosagem de bilirrubinas do recém-nascido.
B) Icterícia siológica; realizar tipagem sanguínea da mãe e recém-nascido, Coombs direto e dosagem de
bilirrubinas do recém-nascido.
C) Icterícia precoce provavelmente siológica; realizar tipagem sanguínea da mãe e do recém-nascido;
hemograma, contagem de reticulócitos e dosagem de bilirrubinas do recém-nascido.
D) Icterícia pelo leite materno; realizar tipagem sanguínea da mãe e recém-nascido, Coombs direto, hemograma,
contagem de reticulócitos e dosagem de bilirrubinas do recém-nascido.

38 Menina, 10a, comparece à consulta ambulatorial de rotina, acompanhada pela mãe,

referindo que há um ano a menina adotou a dieta vegetariana, porém é muito seletiva e consome
sempre os mesmos alimentos, que não incluem frutas de nenhum tipo. Refere que a lha está
sempre irritada, tem episódios diários de cefaleia e apresenta cansaço após exercícios. Hábito
intestinal diário, fezes formadas, sem sangramentos. Exame físico: descorada ++/4+; Peso no
percentil 10, altura no percentil 50, sem desenvolvimento puberal. O quadro clínico é compatível
com anemia ferropriva carencial. O MÉDICO DEVERÁ:

A) Orientar o consumo obrigatório de carnes vermelhas, independente das convicções do paciente, além da
reposição de ferro.
B) Aprofundar a anamnese, para avaliar outras de ciências nutricionais, além da reposição de ferro.
C) Respeitar a opção dietética da paciente, orientar aumentar o consumo cereais e brócolis e a reposição de
ferro deve ser reavaliada no próximo retorno.
D) Explicar que estes sintomas são comuns na fase inicial de adesão à qualquer nova dieta e a reposição
nutricional deve ser reavaliada no próximo retorno.

39 Menino, 12a, previamente hígido, vem acompanhado pela mãe que relata que há 8 dias

o lho teve perda de consciência. O episódio aconteceu em uma gincana e o desa o que
participava era car em pé sem se mexer. Desmaiou, após car cerca de meia hora em pé, com
duração de trinta segundos e recuperação da consciência, apresentava-se pálido e sudoreico. No
Pronto Atendimento, estava recuperado, com exame físico e exames de sangue normais. Nega
jejum e qualquer antecedente pessoal ou familiar de morte súbita, doenças cardíacas ou
neurológica. Exame físico na consulta: sem alterações. O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA SÃO:

A) Síncope neuropsiquiátrica; tomogra a computadorizada de crânio.


B) Síncope metabólica; glicemia de jejum e eletrólitos
C) Síncope autonômica; eletrocardiograma e teste de inclinação ortostática se recidiva.
D) Síncope cardiogêncica; eletrocardiograma e ecocardiograma.
40 Menina, 9 anos, procura atendimento médico com história de não conseguir andar há 4

horas. Nega dores e há um dia apresenta febre baixa. A criança frequenta escola, nunca cou
doente, exceto resfriados e com vacinação incompleta. Exame Físico: Bom estado geral,
consciente, T= 38º C, FC= 100bpm, FR= 24irpm; neurológico: diminuição de força da musculatura
do membro inferior esquerdo, com acidez muscular, abolição de re exos profundos na área
paralisada e sensibilidade preservada. OS DIAGNÓSTICOS A SEREM INVESTIGADAS SÃO:

A) Poliomielite e Síndrome de Guillan-Barré.


B) Mielite transversa e Enterovirose.
C) Síndrome de Guillan-Barré e Meningite viral.
D) Enterovirose e Transtorno somatoforme.

41 Recém-nascido a termo nasce com presença de líquido amniótico meconial. Exame

físico: hipotônico e respiração irregular. Após os passos iniciais da reanimação, ele se encontra
ácido, em apneia e com frequência cardíaca de 50 batimentos por minuto. A CONDUTA É:

A) Intubação orotraqueal e aplicação de pressão positiva.


B) Intubação orotraqueal e aspiração da cânula traqueal.
C) Aplicação de pressão positiva por máscara facial.
D) Aplicação de massagem cardíaca externa.

42 EM RELAÇÃO A FIBRILAÇÃO VENTRICULAR REFRATÁRIA AO CHOQUE E A

TAQUICARDIA VENTRICULAR SEM PULSO, EM PEDIATRIA AS DROGAS INDICADAS SÃO:

A) Lidocaína e Epinefrina.
B) Amiodarona e Epinefrina.
C) Atropina e Lidocaína.
D) Amiodarona e Lidocaína.

43 Menino, 8a, está internado em Enfermaria por episódio de exacerbação de asma. O

quadro atual teve início há 7 dias, com tosse e di culdade respiratória progressiva, classi cado
como asma grave. Nos primeiros dois dias permaneceu em Unidade de Terapia Intensiva, onde
recebeu oxigênio por máscara não reinalante com reservatório; corticoterapia e sulfato de
magnésio intravenosos; beta2-agonista e brometo de ipratrópio inalatórios, sem necessidade de
intubação orotraqueal. Antecedentes pessoais: asma há 3 anos, em uso irregular das medicações
prescritas. AS ORIENTAÇÕES QUE O PACIENTE DEVE RECEBER NA ALTA SÃO:
A) Corticoterapia oral por mais 4 semanas, e nos episódios agudos, nebulização com fenoterol a cada 6 horas
por até 24 horas no domicílio.
B) Corticoterapia inalatória diária, e nos episódios agudos, salbutamol spray oral a cada 6 horas por até 24 horas
no domicílio.
C) Corticoterapia oral por mais 5 dias, e nos episódios agudos, nebulização com fenoterol e oxigênio em
ambiente hospitalar.
D) Corticoterapia inalatória diária, e nos episódios agudos, salbutamol spray oral a cada 20 minutos por até 1
hora no domicílio.

44 Menina, 9 meses, é trazida a Unidade de Emergência com história de diarreia líquida e


vômitos há 5 dias, com queda de atividade e recusa alimentar há 2 dias. Mãe refere que vem
utilizando água de coco e chá intercalado com leite de vaca diluído, sem melhora do quadro. Nega
sangue ou muco nas fezes. Nas últimas 12 horas, o volume das evacuações se intensi cou e a
criança cou mais prostrada. Exame físico: afebril, apática, sonolenta, palidez +/+4, mucosas
secas, tempo de enchimento capilar de 4 segundos, FC= 165bpm, FR= 56irpm; Abdome:
distendido, som timpânico. OS DISTÚRBIOS METABÓLICOS E ELETROLÍTICOS ENCONTRADOS
NESSA SITUAÇÃO CLÍNICA SÃO:

A) Acidose metabólica, hipernatremia e hipocalemia.


B) Alcalose metabólica, hipernatremia e hipercalemia.
C) Alcalose metabólica, hiponatremia e hipocalemia.
D) Acidose metabólica, hiponatremia e hipocalemia.

45 Menino, 5 meses, com história de tosse, di culdade respiratória e cansaço às mamadas

há 3 dias. Nas últimas 24 horas, houve intensi cação do cansaço, com recusa alimentar. Refere
febre baixa no início do quadro. Exame físico: descorado +/4+, palidez cutânea, afebril, irritado,
FR= 178bpm, FR= 65irpm, saturação transcutânea de oxigênio= 92% (ar ambiente), pulsos de
baixa amplitude, tempo de enchimento capilar de 3 segundos; Coração: bulhas normofonéticas,
com 3ª bulha presente, sem sopros; Pulmões: murmúrio vesicular simétrico e estertores
subcrepitantes em bases; Abdome: ácido, fígado palpável à 4 cm do rebordo costal direito. OS
DIAGNÓSTICOS SINDRÔMICO, ANATÔMICO E ETIOLÓGICO SÃO:

A) Síndrome do desconforto respiratório agudo, bronquiolite, vírus sincicial respiratório.


B) Choque cardiogênico, miocardite, enterovírus.
C) Choque séptico, abscesso hepático, Staphylococcus aureus.
D) Choque séptico, pneumonia, Streptococcus pneumoniae.

46 Menino, 18 meses, previamente hígido, é trazido à Unidade Básica de Saúde devido a

febre há um dia. Hoje, amanheceu com irritabilidade e não quer andar, recusa-se a mexer a perna
direita. Nega traumas locais. Imunização: BCG e uma dose de hepatite B (visto o cartão). Exame
físico: regular estado geral, irritado, T= 38,9°C, FC= 120 bpm, FR= 25irpm; Osteoarticular: rotação
externa da coxa em repouso e resistência à movimentação passiva da articulação coxofemoral
direita. A HIPÓTESE DIAGNÓSTICA E A ETIOLOGIA SÃO:

A) Sinovite transitória; pós-viral.


B) Artrite Idiopática Juvenil; autoimune.
C) Osteomielite de fêmur; Streptococcus agalactiae.
D) Artrite séptica; Haemophilus in uenza tipo B.

47 Menina, 20 meses, com quadro de insu ciência respiratória por pneumonia viral está
sendo atendido em sala de emergência. Foi indicada a intubação orotraqueal por falência
respiratória. Após sedação com midazolam, cetamina e rocurônio o procedimento foi realizado
sem intercorrências, com melhora da oxigenação. O paciente está sendo ventilado com bolsa-
válvula-máscara e subitamente há piora da expansibilidade torácica e da entrada de ar
bilateralmente, com queda da aturação transcutânea de oxigênio para 89%. EXCLUÍDA A FALHA
DE EQUIPAMENTO, A CAUSA DA PIORA É:

A) Efeito adverso das drogas sedativa e anestésica.


B) Deslocamento ou obstrução do tubo endotraqueal.
C) Derrame pleural.
D) Componente intersticial da doença pulmonar.

48 Menino, 10a, refere incomodo e intenso prurido em região plantar direita há cerca de
sete dias. Estava de férias em um sítio quando começou o prurido. Exame Físico: pápula
amarelada de aproximadamente 0,5 cm de diâmetro, com ponto negro central, sem sinais
in amatórios em região plantar direita. O DIAGNÓSTICO É:

A) Verruga vulgar.
B) Tungíase.
C) Calosidade.
D) Molusco contagioso.

49 Mulher, 27a, conta que não voltou a menstruar após interromper uso do

anticoncepcional oral combinado há dez meses. Refere aumento de pelos no corpo. Exame físico:
IMC= 26Kg/m2, PA= 100x60 mmHg, cintura abdominal= 80 cm, acne grau 2; Índice de Ferriman
Gallwey= 14; Exame ginecológico: normal. Beta-HCG= negativo, TSH= 1,961 mUI/ml, T4L= 1,3
ng/dL, Prolactina= 7,79 ng/ml e FSH= 6 mUI/ml. O DIAGNÓSTICO É:

A) Insu ciência ovariana prematura.


B) Síndrome de Sheehan.
C) Anovulação crônica hiperandrogênica.
D) Síndrome de Asherman.
50 Mulher, 32a, procura Unidade Básica de Saúde referindo corrimento vaginal com odor

fétido. Exame ginecológico: secreção acinzentada homogênea, sem hiperemia de parede vaginal,
pH= 7,0; teste de aminas= positivo. O TRATAMENTO É:

A) Fluconazol oral para o casal.


B) Metronidazol vaginal.
C) Nistatina vaginal.
D) Metronidazol oral para o casal.

51 Mulher, 20a, G1P0A0C0, idade gestacional 8 semanas e 3 dias, comparece ao pronto

atendimento com queixa de sangramento vaginal em pequena quantidade e dor em fossa ilíaca
esquerda há 1 dia. Traz Beta-HCG sérico coletado há dois dias de 1.800 mUI/ml. Exame físico:
Abdome: pouco doloroso à palpação com descompressão brusca dolorosa negativa; Toque
vaginal: útero discretamente aumentado de volume e anexo esquerdo palpável e doloroso.
Ultrassonogra a transvaginal: saco gestacional de 3 cm em anexo à esquerda, sem visualização
de batimentos cardiofetais, sem líquido livre na cavidade. Beta-HCG sérico, colhido hoje, é de
4.000 mUI/ml. A CONDUTA É:

A) Expectante com retorno em 24 horas para ultrassonogra a.


B) Expectante com retorno em 72 horas para Beta-HCG.
C) Prescrever metotrexato e colher Beta-HCG em 72 horas.
D) Cirúrgica salpingectomia à esquerda.

52 Adolescente, 15a, G1P0A0C0, inicia atendimento pré-natal e traz o seguinte resultado da


sorologia de hepatite B: HbsAg positivo; HbeAg positivo; Ac antiHbcAg positivo; Ac anti HbsAg
negativo. AS CONDUTAS PARA A GESTANTE E PARA O RECÉM-NASCIDO SÃO:

A) Não há necessidade de terapia antiviral durante a gestação, o recém-nascido deve receber vacina logo após o
nascimento.
B) Realizar a vacinação da gestante em qualquer trimestre de sua gestação; o recémnascido deve receber
vacina logo após o nascimento.
C) Há necessidade de terapia antiviral durante a gestação; realizar vacinação e aplicação de Imunoglobulina
especí ca para vírus B no recém-nascido.
D) Realizar cesárea devido ao alto risco de transmissão vertical; o recém-nascido deve receber Imunoglobulina
especí ca para vírus B logo após o nascimento.

53 Mulher, 25a, G1P0A0C0, com idade gestacional de 39 semanas e 3 dias apresenta


evolução do trabalho de parto segundo o partograma abaixo: O DIAGNÓSTICO É:

A) Parada secundária da descida por desproporção céfalo-pélvica.


B) Parada secundaria da dilatação por distocia funcional.
C) Fase ativa prolongada por contratilidade uterina insu ciente.
D) Parto taquitócico por distocia funcional.

54 Mulher, 33a, G1P0A0C0, com idade gestacional de 31 semanas por amenorreia, procura

atendimento por contrações regulares há três horas. Ultrassonogra a obstétrica: gestação


gemelar, dicoriônica e diamniótica. Há cinco dias recebeu corticosteroide para maturidade
pulmonar fetal e tem investigação negativa para Streptococcus do grupo B. Antecedentes
Pessoais: hipertensão arterial sistêmica, em uso de alfa-metildopa 2g/dia e nifedipina 80mg/dia.
Toque vaginal: colo no, dilatação= 4cm, primeiro cefálico e bolsa íntegra. A CONDUTA É:

A) Administrar corticosteroide; inibir o trabalho de parto.


B) Administrar corticosteroide; assistência ao parto vaginal.
C) Administrar sulfato de magnésio; assistência ao parto vaginal.
D) Administrar sulfato de magnésio; inibir o trabalho de parto.

55 Mulher, 32a, G3P2A0C1, com idade gestacional de 33 semanas, procura o pronto

atendimento obstétrico com queixa de redução da movimentação fetal há uma semana. Pré-natal
sem intercorrências. Ultrassonogra a obstétrica: óbito fetal. A CONDUTA É INTERNAÇÃO PARA:

A) Preparo de colo com laminária e indução com prostaglandina E1.


B) Preparo de colo com sonda Foley e indução com ocitocina.
C) Preparo de colo com laminária e indução com misoprostol.
D) Preparo de colo com sonda de Foley e indução com misoprostol.
56 Mulher, 35a, G2P2A0C0, comparece ao ambulatório de ginecologia referindo aumento

do uxo menstrual há 6 meses, com duração de 8 dias, presença de coágulos e uso de seis
absorventes por dia. Faz uso de anticoncepcional oral combinado. Ultrassonogra a pélvica: útero
de volume de 87cm³ , endométrio com espessura de 5mm e imagem nodular de 2x2 cm
compatível com mioma FIGO 1, ovários sem alterações. Hemoglobina= 9,5 g/dL. A CONDUTA É:

A) Miomectomia histeroscópica.
B) Trocar anticoncepcional oral combinado por injetável combinado mensal.
C) Miomectomia laparoscópica.
D) Trocar anticoncepcional oral combinado por transdérmico.

57 Mulher, 37a, G2P2A0C0, retorna à Unidade Básica de Saúde, queixando-se de

sangramento vaginal 20 dias após a primeira dose de contraceptivo injetável mensal (contendo
estrogênio e progestogênio) aplicado no primeiro dia do ciclo menstrual. A ORIENTAÇÃO EM
RELAÇÃO AO SANGRAMENTO É:

A) Substituir por método contraceptivo de barreira.


B) Trocar o injetável mensal pelo trimestral.
C) Trocar o injetável mensal pelo oral.
D) Administrar nova injeção trinta dias após a primeira.

58 Mulher, 20a, G1A0P0C0 com idade gestacional de 28 semanas, comparece à consulta

de pré-natal sem queixas, trazendo exames. Exame sumário de urina: 20.000 leucócitos/ml; 3.000
hemácias/ml; bactérias numerosas e células epiteliais numerosas; Urocultura: Escherichia coli
com contagem de colônias > 10⁵ ufc/ml. O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA SÃO:

A) Bacteriúria assintomática; não há necessidade de tratamento.


B) Cistite; deve ser considerada terapêutica via oral.
C) Cistite; repetir urocultura para con rmar diagnóstico.
D) Bacteriúria assintomática; tratamento pelo risco de pielonefrite.

59 Mulher, 37a, G1P1C0A0, procura orientação para nova gestação. Antecedentes

Pessoais: pré-eclâmpsia grave há três anos com 31 semanas de gestação, cando normotensa no
puerpério com suspensão da medicação. Houve normalização da proteinúria dentro de três
meses pós-parto. A investigação de trombo lias foi negativa. A CONDUTA É PRESCREVER:

A) Ácido acetilsalicílico e carbonato de cálcio a partir de 12 semanas.


B) Ácido acetilsalicílico e heparina de baixo peso molecular a partir da concepção.
C) Vitamina D e carbonato de cálcio desde o período pré-concepcional.
D) Ácido fólico e heparina de baixo peso molecular a partir de 12 semanas.

60 Mulher, 32a, G3P2A0C0, idade gestacional de 32 semanas, com antecedente de dois

partos prematuros. Procura o pronto atendimento obstétrico com queixa de perda de líquido via
vaginal e contrações. Exame especular: líquido amniótico de aspecto purulento saindo pelo
orifício externo do colo, com pH de 9,0 e colo aparentemente pérvio para 2 cm. A CONDUTA É:

A) Pro laxia para estreptococo do grupo B, corticoide para maturação pulmonar e hiper-hidratação.
B) Antibioticoterapia com cobertura para gram negativo, anaeróbio e Streptococcus do grupo B e induzir o parto.
C) Hiper-hidratação, pro laxia para Streptococcus do grupo B e inibir trabalho de parto.
D) Antibioticoterapia com cobertura para gram positivo, corticoide para maturação pulmonar e indução de parto
após 48 horas.

61 É FATOR PROTETOR PARA O ADENOCARCINOMA OVARIANO:

A) Nuliparidade.
B) Endometriose.
C) Fimbriectomia.
D) Mutação do gene Breast Cancer 1 (BRCA1).

62 62. Mulher, 41a, G3P3A0C0, menstruação regular, laqueada, nega comorbidades, retorna
com resultado de exames após citologia oncótica com presença de células glandulares atípicas,
sem outras especi cações; Exame ginecológico: colposcopia adequada com zona de
transformação tipo 2 e epitélio acetobranco denso adentrando canal endocervical; toque vaginal:
colo broelástico medindo 3cm, útero ântero-verso etido, móvel e indolor, de tamanho, forma e
consistência normais, anexos não palpáveis; ultrassonogra a transvaginal: sem alterações, com
linha endometrial de 12mm, compatível com a fase do ciclo menstrual. Biópsia: adenocarcinoma
in situ. A CONDUTA É:

A) Solicitar teste de HPV para determinação de tipo oncogênico.


B) Realizar conização de colo uterino.
C) Solicitar biópsia de endométrio.
D) Realizar histerectomia total.

63 Mulher, 26a, nuligesta, em uso de anticoncepcional oral (ACO), procura o Centro de

Saúde para orientação sobre resultado de exame, colhido há 1 mês. Colpocitologia oncológica
(Papanicolaou)= Células escamosas atípicas de signi cado indeterminado. Exames anteriores
normais. ALÉM DE MEDIDAS DE SEXO SEGURO, É CORRETO ORIENTAR QUE:
A) O exame está alterado, devendo-se realizar nova coleta em 1 ano e manter ACO.
B) O exame está normal, devendo-se realizar nova coleta em 3 anos e manter ACO.
C) O exame está alterado, devendo-se realizar colposcopia com biópsia e suspender ACO.
D) O exame está alterado, devendo-se realizar exérese da lesão com cirurgia de alta frequência e suspender
ACO.

64 Adolescente, 13a, procura o Centro de Saúde para orientação sobre vacinação contra o

Papilomavírus Humano (HPV). Antecedentes pessoais: portadora do vírus da imunode ciência


humana por transmissão vertical. A CONDUTA É:

A) Duas doses, sendo que a segunda acontece 6 meses após a primeira aplicação.
B) Duas doses, sendo que a segunda acontece 12 meses após a primeira aplicação.
C) Três doses sendo o intervalo de 2 e 6 meses após a primeira aplicação.
D) Não há indicação de vacinação.

65 Um teste sorológico para identi car a infecção por, pelo menos, um sorovar de

leptospira foi aplicado em 1.000 trabalhadores da área de saneamento de um município. Foram


encontrados 100 indivíduos com resultado positivo. Considere que a prevalência esperada nesta
população é de 10% e a sensibilidade do teste é de 95%. O VALOR PREDITIVO POSITIVO (VPP) É:

A) 10%.
B) 95%.
C) 30%.
D) 100%.

66 AS DOENÇAS DO TRABALHO SÃO AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA POR


QUE SÃO:

A) Eventos sentinelas e podem ser prevenidas.


B) Doenças que podem ser transmitidas para os demais trabalhadores.
C) Reconhecidas quando a Comunicação de Acidente de Trabalho é emitida.
D) Doenças que dispensam a visita no local de trabalho, quando noti cadas.

67 ASSINALE A ALTERNATIVA QUE APRESENTA SOMENTE ZOONOSES:

A) Difteria, leptospirose, febre amarela e dengue.


B) Dengue, sarampo, malária e leishmaniose.
C) Doença de Chagas, raiva, criptococose, febre maculosa.
D) Legionelose, leptospirose, caxumba, toxoplasmose.

68 O número de Doenças de Depósito Lisossômico está aumentando à medida que novas

doenças são caracterizadas do ponto de vista genético e bioquímico. É provável que existam
milhões de brasileiros com alguma doença genética, com uma crescente demanda de
tratamentos já disponibilizados no SUS, muitos deles pelo fornecimento de medicamentos
especiais e de alto custo. Nesse cenário, surgem con itos éticos em relação à obtenção do
tratamento das doenças raras, incluindo medidas judiciais. ALÉM DE IMPACTAR A ORGANIZAÇÃO
E A GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE, O PRINCÍPIO DO SUS AFETADO É A:

A) Acessibilidade.
B) Integralidade.
C) Universalidade.
D) Equidade.

69 SÃO ELEMENTOS FUNDAMENTAIS PARA O DIAGNÓSTICO DAS PNEUMOCONIOSES:

A) História ocupacional, prova de função pulmonar.


B) Tomogra a computadorizada de alta resolução, lavado bronco-alveolar.
C) História ocupacional e radiograma tórax.
D) Espirometria e tomogra a computadorizada de alta resolução.

70 Em relação à prevenção da raiva e considerando as situações: (i) trabalho como médico


veterinário; (ii) criança com pequena mordedura em tronco há dois dias, provocada por cão
domiciliado, em área de raiva controlada; (iii) mulher que recebeu lambedura de cavalo em
ferimento cortocontuso em braço há três dias (iv) homem que pegou com a mão um morcego
achado morto em sua cozinha. INDIQUE O TRATAMENTO ADEQUADO, RESPECTIVAMENTE:

A) Três doses pré-exposição, observação do animal por 10 dias, sorovacinação com 4 doses de vacina,
sorovacinação com 4 doses de vacina.
B) Nada a fazer, sorovacinação com 6 doses de vacina, observação do animal por 10 dias, sorovacinação com 6
doses de vacina.
C) Três doses pré-exposição, observação do animal por 10 dias, observação do animal por 30 dias, vacinação
com 4 doses.
D) Nada a fazer, vacinação com 4 doses, sorovacinação com 8 doses de vacina, sorovacinação com 4 doses de
vacina.
71 A APROVAÇÃO DA LEI Nº. 13.467/2017, CONHECIDA COMO REFORMA TRABALHISTA,

TEM LEVANTADO A DISCUSSÃO SOBRE PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO QUE SE CARACTERIZA


POR:

A) Terceirização, subemprego e trabalho informal.


B) Contribuição sindical facultativa, trabalho intermitente e teletrabalho.
C) Instabilidade no emprego, subemprego e desemprego.
D) Aceleração do ritmo de trabalho, terceirização e insalubridade.

72 Um teste foi usado para rastreamento de uma doença em 1.000 indivíduos, para
identi car os que iriam ser submetidos a um segundo teste mais invasivo. O primeiro teste possui
Sensibilidade de 80% e Especi cidade de 70%. O NÚMERO DE INDIVÍDUOS QUE DEIXARÃO DE SER
INVESTIGADOS NO SEGUNDO TESTE É:

A) 20.
B) 30.
C) 70.
D) 80.

73 Na agricultura moderna, os agrotóxicos têm sido cada vez mais utilizados. Embora
esses produtos sejam de fácil aplicação e apresentem resultados imediatos, o seu uso contínuo
tem acarretado impactos negativos para o homem, animais e ambiente. PARA EVITAR A
CONTAMINAÇÃO DO CONSUMIDOR DEVE-SE RESPEITAR O:

A) Período de latência.
B) Período entressafra.
C) Período sazonal.
D) Período de carência.

74 O NÚCLEO DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA:

A) Realiza apoio institucional, complementando o trabalho das Equipes de Saúde da Família.


B) É composto por médicos especialistas que atendem pacientes encaminhados pelas Unidades Básicas de
Saúde.
C) É a porta de entrada do sistema de saúde e atua coordenando o Projeto Terapêutico Singular.
D) Atua no apoio às Equipes de Saúde da Família e não deve ser a porta de entrada do sistema de saúde.
75 Para dirimir os con itos de interesses entre a classe médica e a indústria farmacêutica,

diversas normativas foram publicadas. OS REPRESENTANTES DAS INDÚSTRIAS


FARMACÊUTICAS:

A) Devem transmitir informações precisas e completas, incluindo terapias em fase experimental ou inconclusas,
sobre produtos sujeitos à Vigilância Sanitária para pro ssionais da saúde.
B) São impedidos de oferecer incentivos, de qualquer natureza, aos pro ssionais da saúde em contrapartida à
prescrição, indicação, in uência na decisão de compra ou administração de produtos.
C) Devem promover produtos de acordo com uso aprovado pelas autoridades regulatórias locais, omitindo,
quando aplicável, os subsídios cientí cos relativos aos riscos de baixo efeito iatrogênico.
D) Podem pagar refeições ou outras despesas a pro ssionais da saúde e acompanhantes com objetivo de
discussão ou troca de informações cientí cas ou educacionais.

76 O desconhecimento da obrigatoriedade da noti cação compulsória do câncer


relacionado ao trabalho é um dos motivos para o sub-registro deste agravo. OUTROS MOTIVOS
SÃO:

A) Desconhecimento da exposição e do período de carência.


B) Desconhecimento da ocupação e do período de latência.
C) Desconhecimento dos hábitos de vida e do período de latência.
D) Desconhecimento dos agentes carcinogênicos e dos hábitos de vida.

77 Homem, 43a, operador de empilhadeira, procura Unidade Básica de Saúde para consulta
de rotina. Atualmente sem queixas. Antecedentes Pessoais: tabagismo 30 maços/ano. Exame
Físico: PA= 140x80mmHg; IMC=23,5 Kg/m². A CONDUTA É:

A) Solicitar prova de funcão pulmonar e radiograma de tórax.


B) Orientar cessação de tabagismo e prescrever bupropiona.
C) Orientar cessação do tabagismo e solicitar prova de função pulmonar.
D) Perguntar, avaliar, aconselhar, preparar e acompanhar para cessação de tabagismo.

78 O ecomapa é um instrumento de avaliação familiar bastante útil no mapeamento de

redes, apoios sociais e ligações da familia com a comunidade. Costuma ser utilizado em
associação ao genograma tanto para ns diagnósticos, quanto em planejamento de ações em
saúde. Deve ser atualizado na medida em que ocorrem modi cações no contexto familiar, sejam
elas de caráter social, cultural ou ecônimico. A FIGURA ABAIXO REPRESENTA QUE:
A) Existe uma relação forte entre os lhos de uma família e a escola, com criação de vínculos e troca de
experiências.
B) O relacionamento entre os lhos de uma família e a escola é fraco e estressante, sem trocas de apoio e
dedicação.
C) Os lhos de uma família têm uma relação tênue ou incerta com a escola, dedicando-se pouco a ela e dela
recebendo pouco apoio.
D) Os lhos de uma família dedicam quantidade moderada de energia para a escola, mas percebem que a
escola os apoia.

79 Mulher, 39a, técnica de enfermagem, trabalha em hospital de alta complexidade na


Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica, em turno noturno. Procura atendimento médico
queixando-se de falta de ânimo, cansaço, insônia, desmotivação para trabalhar e desilusão com a
pro ssão há cinco meses. O DIAGNÓSTICO É:

A) Transtorno de ansiedade generalizada.


B) Síndrome da fadiga crônica.
C) Síndrome de Burnout.
D) Transtorno do ciclo vigília-sono.

80 PARA A IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE RASTREAMENTO, O PROBLEMA CLÍNICO A


SER RASTREADO DEVE ATENDER, ENTRE OUTROS, O SEGUINTE CRITÉRIO:

A) A doença deve representar um importante problema de saúde pública, independente de magnitude,


transcendência e vulnerabilidade.
B) O benefício da detecção e do tratamento precoce com o rastreamento deve ser maior do que se a condição
fosse tratada no momento do diagnóstico.
C) A sazonalidade como fator de risco.
D) A alta prevalência na população, independente da história natural da doença.

Você também pode gostar