Você está na página 1de 3

O cenário atual do Terceiro Setor

O Terceiro Setor vem se desenvolvendo no mundo todo, permeado por um contexto


de mudanças e transformações profundas no que se refere às questões políticas, sociais,
econômicas e culturais. Com o desenvolvimento tecnológico, a informação ficou global, a
comunicação sem fronteiras está mudando a forma como a sociedade vê o mundo, seus
valores, sua identidade. Esse novo contexto transforma hábitos e costumes, massifica o
consumo, reformula relações sociais, promove uma nova reflexão sobre os destinos da
humanidade.

É bem verdade que o desenvolvimento da sociedade oportuniza uma série de


possibilidades positivas e negativas que afeta a vida das pessoas. O consumismo exagerado,
a violência crescente, a marginalidade e a falta de oportunidade para uma classe excluída
contribuem para grandes mudanças na sociedade. Nesse contexto, a sociedade civil
organizada busca meios de minimizar esses impactos e resgatar valores, e propicia melhor
qualidade de vida para a população menos favorecida. Vivemos plenamente a era das
mudanças.

A questão social deve ser tratada como prioridade, é o que afirma o Professor
Carlos Merege, que começou a conhecer e trabalhar no chamado Terceiro Setor em 1993.
Merege ressalta que nos Estados Unidos o Terceiro Setor movimenta, atualmente, mais de
US$ 600 bilhões anualmente e absorve um contingente de 12 milhões de trabalhadores
remunerados, mais uma infinidade de pessoas que atuam como voluntárias. Em países da
Europa como Itália, França e Alemanha o terceiro setor já movimenta, anualmente, mais de
3% do PIB de cada país (Disponível em: www.jornaladministradorprofissional.com.br). De
acordo com Fernando Rossetti (Secretário-geral do Grupo de Institutos, Fundações e
Empresas-GIFE), vivemos na época da reorganização de ambientes que favorecem o
crescimento da sociedade civil.

O Terceiro Setor triplicou de tamanho e as empresas cada vez mais têm alinhado
seus interesses corporativos com as ações sociais.

Em 2010 o GIFE publicou o resultado do censo sobre investimento social privado no


Brasil. O documento reúne dados de 2009 e a estimativa de investimento para 2010 era da
ordem de 2 bilhões no país, registrando um crescimento de 6,23% sobre 2009 (GRUPO DE
INSTITUIÇÕES, FUNDAÇÕES E EMPRESAS – GIFE). A visibilidade que o tema tem hoje está
relacionada à revitalização da sociedade civil, concebida como espaço de autonomia com
práticas e valores plurais, composto por novos atores políticos que defendem, demandam e
promovem direitos dos cidadãos, constroem e veiculam ideais da democracia. São
destacados ainda entre suas características a estruturação peculiar das organizações e o
fato de envolverem indivíduos num esforço voluntário (FERRAREZI, 2002).

A participação social é essencial ao desenvolvimento quando os vínculos sociais


contribuem para melhorar a qualidade de vida da comunidade, gerando capacidades de
ação coletiva que permitem às pessoas influir e intervir nos processos sociais (FERRAREZI,
2002). Não há dúvidas de que o futuro está na colaboração e, nos últimos tempos, também
o Terceiro Setor tem percebido a necessidade de adoção e as possibilidades desse novo
modelo colaborativo.