Você está na página 1de 48

FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA

OSTEOLOGIA
Ossos do sistema
locomotor do ser
humano
1º ano

Faculdade de medicina de
Lisboa

2009/2009
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

Coluna Vertebral
 Coluna Vertebral em Geral:
o Formada pela deposição de vértebras;

o Divide-se em 4 porções:
 Coluna Cervical
 Coluna Torácica ou Dorsal
 Coluna Lombar
 Coluna Sacro-coccígea

o Curvaturas:
 Curvaturas Ântero-posteriores ou Sagitais
 Cervical – Lordose (convexa anteriormente);
 Dorsal ou Torácica – Sifose (convexa posteriormente);
 Lombar – Lordose;
 Sacro-coccígea – Sifose.

 Curvaturas Laterais
 Cervical
 Dorsal ou Torácica
 Lombar

o Face Anterior
 Constituída pelos corpos vertebrais e entre eles os discos intervertebrais.

o Faces Laterais
 Apresentam as faces laterais dos corpos vertebrais, os pedículos, os buracos de
conjugação, as apófises articulares e as apófises transversas.

o Face Posterior
 Apresenta a Crista Espinhal das vértebras, constituída pelas apófises
espinhosas, e as Goteiras Vertebrais formadas pelas lâminas vertebrais

o Canal Vertebral ou Raquidiano


 Prismático triangular nas colunas cervical e lombar; Cilíndrico na coluna torácica.

 Formada por 33 a 35 vértebras


o 24 vértebras pré-sagradas
 7 cervicais
 12 torácicas
 5 lombares
o 5 vértebras sagradas
o 3 – 5 vértebras coccígeas.

2
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Vértebras podem ser:


o Típicas ou Verdadeiras (vértebras independentes)
 Isólogas (vértebras esquemáticas)
 Comuns (sem características especiais: 3ª-5ª cervicais; 2ª-9ª torácicas; 1ª-
4ª lombares).
 Especiais (com características especiais: 6ª-7ª cervicais; 1ª, 10ª-12ª
torácicas; 5ª lombar).

 Heterólogas (diferem das vértebras esquemáticas)


 Atlas e Áxis (1ª e 2ª vértebras cervicais).

o Atípicas ou Soldadas (com alterações da forma e do desenvolvimento)


 Alomórficas (com alterações da forma)
 Sacro e o Cóccix

 Alotróficas (com alterações do desenvolvimento)


 Vértebras Cranianas (segundo a teoria vertebral do crânio, as vértebras
occipital, esfeno-parietal, esfeno-frontal e etmóido-nasal).

 Características Gerais das Vértebras


 Corpo Vertebral (porção anterior);
 Arco neural (concavidade anterior, circunscreve o Buraco Vertebral ou
Raquidiano, formado adiante pelos Pedículos);
 Pedículos (o orifício formado pelos limites de dois Pedículos de vértebras
adjacentes é denominado de Buraco de Conjugação);
 Lâminas Vertebrais (estendem-se dos Pedículos à Apófise Espinhosa, e limitam
posteriormente o Buraco Raquidiano);
 Apófise Espinhosa (saliência posterior);
 Apófises Transversas (2 saliências laterais);
 Apófises Articulares (4 saliências verticais).

 Características Particulares das Vértebras:


o Cervicais
 Apófises Semi-lunares (o Corpo é alongado transversalmente e mais espesso à
frente; a face superior possui duas saliências verticais de cada lado do corpo);
 Buraco Transverso (as raízes anterior e posterior de uma Apófise Transversa
delimitam este orifício, que dá passagem à Artéria Vertebral, à Veia Vertebral, e
na 5ª e 6ª vértebras cervicais há ainda a passagem do Nervo Vertebral);
 Apófise Espinhosa bituberculada;
 Buraco Vertebral triangular, com base anterior.

3
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o Torácicas ou Dorsais
 Corpo mais espesso;
 Pedículos implantam-se na face posterior do Corpo;
 Apófises Espinhosas unituberculadas;
 Facetas Costais (facetas articulares na face anterior das Apófises Transversas,
que se articulam com a Tuberosidade das Costelas);
 Apófises Articulares (a superior encontra-se voltada para cima e para a frente, e
a inferior encontra-se voltada para baixo e para trás);
 Buraco Vertebral quase circular.

o Lombares
 Corpo volumoso, reniforme;
 Pedículos muito espessos;
 Apófises Espinhosas (lâmina vertical, rectangular, espessa);
 Apófises Transversas ou Costiformes (representam as costelas lombares;
possuem no bordo inferior o Tubérculo Acessório, onde há a inserção dos
músculos espinhais);
 Apófises Articulares (as apófises superiores apresentam na face externa o
Tubérculo Mamilar);
 Buraco Vertebral triangular, apresentando os lados todos iguais.

o Sacro
 Resulta da união das 5 vértebras sagradas
 Situado na região posterior da Bacia, abaixo da coluna lombar, entre os dois
Ilíacos.
 Forma com a coluna lombar o Promontório.
 Possui a forma de uma pirâmide quadrangular de vértice inferior.
 Apresenta 4 faces, 1 base e 1 vértice:

 Face Anterior
o Côncava de cima para baixo e transversalmente;
o Os corpos das 5 vértebras sagradas encontram-se separados por 4
Cristas Transversais;
o Na extremidade das cristas encontram-se os Buracos Sagrados
Anteriores (atravessados pelos ramos anteriores dos Nervos
Sagrados);
o A 2ª,3ª e 4ª vértebras dão inserção ao músculo Piramidal ou
Piriforme;

 Face Posterior
o Convexa e irregular;
o Apresenta sobre a linha medial a Crista Sagrada (formada por 3 ou
4 tubérculos resultantes da fusão das apófises espinhosas), que se
bifurca, em baixo, nos Cornos do Sacro (que divergem de cima
para baixo e formam a Chanfradura Sagrada ou Hiatus Sacralis);
4
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o De cada lado da crista encontram-se as Goteiras Sagradas


(formadas pela reunião das lâminas vertebrais), os Tubérculos
Sagrados Póstero-Internos (resultam da fusão das Apófises
Articulares), os Buracos Sagrados Posteriores (atravessados pelos
ramos posteriores dos Nervos Sagrados), os Tubérculos Sagrados
Póstero-Externos ou Tubérculos Conjugados (resultam da fusão
das Apófises Transversas);
o Dá inserção ao músculo Grande Glúteo.

 Faces Laterais
o Triangulares;
o Segmento superior denominado de Superfície Auricular, visto ser
uma superfície articular assemelhada cão pavilhão auricular, e
articula-se com o Ilíaco;
o Segmento inferior corresponde às 3 últimas vértebras sagradas,
tem a forma de um bordo no qual se inserem os Ligamentos Sacro-
Ciáticos;

 Base
o Porção medial articula-se com a 5ª vértebra lombar;
o Porções laterais denominadas de Asas do Sacro, dão inserção ao
músculo Ilíaco de cada lado.

 Vértice
o Articula-se com o Cóccix.

o Cóccix
 Resulta da fusão das 3 a 5 vértebras coccígeas;
 Triangular;
 Apresenta 2 faces, 2 bordos, uma base e um vértice:
 Face Anterior
o Côncava; apresenta sulcos transversais.
 Face Posterior
o Convexa, apresenta sulcos transversais.
 Bordos Laterais
o Irregulares; dão inserção dos Ligamentos Sacro-Ciáticos e do
músculo Ísquio-Coccígeo (do Perínio ou Piso Pélvico).
 Base
o Articula-se com o vértice do Sacro; emite dois prolongamentos
denominados de Pequeno Corno do Cóccix e de Corno Lateral do
Cóccix.

5
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Características Próprias de algumas Vértebras:

o Atlas (1ª Vértebra Cervical)


 Possui 2 Massas Laterais que dão origem a 2 Arcos, um anterior e um posterior,
(distinguem-se 6 faces; a face superior toma o nome de Cavidade Glenoideia e
articula-se com o Côndilo do Occipital; a face inferior articula-se com o Áxis; a
face externa suporta as raízes da Apófise Transversa; a face interna possui um
tubérculo ao qual se liga o Ligamento Transverso);
 Apófises Transversas unituberculadas;

o Áxis (2ª Vértebra Cervical)


 Apófise Odontoideia (saliência vertical no corpo do Áxis que se articula com o
arco anterior do Atlas; dá inserções aos Ligamentos Occipito-Odontoideus, ao
Ligamento Transverso);
 Apófises Articulares situam-se de cada um dos lados da Apófise Odontoideia;
 Pedículos não apresentam chanfradura superior;
 Lâminas Vertebrais espessas;
 Apófise Espinhosa bituberculada;
 Buraco Vertebral com forma triangular de base anterior.

o Sexta Vértebra Cervical


 Tubérculo Carotidiano ou Tubérculo de Chassaignac (tubérculo anterior das
Apófises Transversas que é mais espesso e saliente; apresenta concordâncias
com a Artéria Carótida Primitiva).

o Sétima Vértebra Cervical


 Vértebra de Transição;
 Pode apresentar uma faceta articular em concordância com a 1ª costela;
 Apófises Transversas unituberculadas;
 Buraco Transverso mais pequeno e apenas atravessado pela Veia Vertebral;
 Apófise Espinhosa unituberculada, longa e saliente, daí o seu nome Vértebra
Proeminente).

o Primeira Vértebra Torácica


 Corpo faz lembrar uma vértebra cervical;
 Apresenta uma faceta articular superior para 1ªcostela e uma inferior para a
2ªcostela.

o Décima Vértebra Torácica


 Corpo não apresenta faceta articular costal inferior.
6
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o Décima-Primeira e Décima-Segunda Vértebras Torácicas


 Apresenta só uma faceta costal articular completa;
 Não existem facetas articulares nas Apófises Transversas;
 Apófise Articular inferior da 12ª vértebra é semelhante às das vértebras
lombares.

o Primeira Vértebra Lombar


 Apófise Transversa ou Costiforme é menos desenvolvida que a das restantes.

o Quinta Vértebra Lombar


 Apófises Articulares inferiores estão mais afastadas uma da outra que as
restantes vértebras.

7
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

Tórax

 Esterno

o Orientação: a porção mais volumosa do osso é superior e a face convexa é anterior.

o Paridade: osso ímpar

o Classificação: Achatado ou Placóide

o Descrição:
 3 peças ósseas:
 Manúbrio esternal (superior);
 Corpo ou Lâmina esternal (médio);
 Apêndice Xifoideu (inferior).

 Face Anterior
 Convexa;
 Apresenta cristas transversais (vestígios da soldadura das peças
ósseas);
 A linha de união do manúbrio ao corpo esternal tem como nome
Ângulo de Louis;
 No manúbrio é visível uma crista rugosa oblíqua onde se insere o
músculo Esternocleidomastoideu, e algumas rugosidades de inserção
do músculo Grande Peitoral.

 Face Posterior
 Côncava;
 Atravessada por cristas transversais.

 Bordos Laterais
 Existem 7 chanfraduras costais ou articulares em cada bordo (a
primeira encontra-se no manúbrio, a segunda encontra-se entre o
manúbrio e o corpo, e as restantes encontram-se no corpo).
 As chanfraduras costais encontram-se separadas por chanfraduras
intercostais (em número de 6).

 Bordo superior
 No manúbrio;
 Apresenta 3 chanfraduras
o Mediana ou Fúrcula do esterno;
o Laterais.

8
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Extremidade Inferior
 Denominada de Apêndice Xifoideu;
 Por vezes apresenta um oríficio;
 Muitas vezes cartilaginoso.

 Costelas
o Podem ser:
 Verdadeiras (1ª-7ª costelas);
 Falsas (8ª-10ª costelas);
 Flutuantes (11ª e 12ª costelas).

o Orientação: extremidade mais volumosa é posterior, a concavidade é interna e o


bordo que apresentar uma goteira é inferior.

o Descrição:
 Possuem um corpo e duas extremidades, uma anterior e outra posterior.
 Corpo
o A face interna é atravessada pela Goteira Costal (nos lábios
superior e inferior desta goteira inserem-se os músculos
Intercostais).
o 1ª costela apresenta o Tubérculo de Lisfranc.

 Extremidade Posterior
o 3 partes: Cabeça, Tuberosidade e o Colo;
o Cabeça
 Articula-se com o disco intervertebral;
 Face superior e inferior são ocupadas por duas facetas
articulares que se opõem às hemifacetas costais dos
corpos vertebrais.

o Tuberosidade
 Apresenta duas saliências: Saliência Ínfero-interna
(articula-se com a superfície articular da apófise
transversa das vértebras) e Saliência Súpero-externa.

 Extremidade Anterior
o Apresenta um escavado articular, que recebe a extremidade
externa da cartilagem costal.

9
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

Membro Inferior
 Ilíaco

o Orientação: a cavidade articular é externa, a maior chanfradura no rebordo da


cavidade articular é inferior, o ressalto da chanfradura é posterior.

o Paridade: osso par.

o Classificação: Achatado ou Placóide.

o Localização: Bacia

o Descrição:
 3 segmentos:
 Inferior
o Forma os bordos do Buraco Isquio-púbico;
o Constituído pelo Púbis (anterior) e pelo Ísquion (posterior).
 Médio
o Espesso e estreito;
o Ocupado pela Cavidade Cotiloideia (articular).
 Superior
o Denomina-se Asa Ilíaca ou Ilíon.

 2 faces, 4 bordos, 4 ângulos:


 Face Externa
o 3 porções
 Fossa Ilíaca Externa
 Linha Semi-Circular Anterior (encontra-se ao pé o
Buraco Nutritivo);
 Linha Semi-Circular Posterior;
 Entre as duas linhas existe uma goteira vascular
para um ramo da Artéria Glútea;
 Divisão da fossa em 3 segmentos:
o Ântero-inferior (dá inserção ao músculo
Pequeno Glúteo);
o Médio (dá inserção ao músculo Médio
Glúteo);
o Posterior (dá inserção ao músculo Grande
Glúteo e a feixes do Grande Ligamento
Sacro-Ciático).
 Porção inferior da fossa é escavada pela Goteira
Supra-Cotiloideia (dá inserção ao tendão reflectido
do músculo Recto Anterior da coxa).

10
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Cavidade Cotiloideia ou Acetábulo


 Limitada pelo Rebordo Cotiloideu
 Apresenta 3 chanfraduras:
o Anterior ou Ilio-púbica
o Posterior ou Ilio-isquiática
o Inferior ou Isquio-púbica
 2 porções:
o Periférica (articular, em forma de meia-lua,
os extremos ou Cornos limitam a
Chanfradura Isquio-púbica);
o Central ou Transfundo do Acetábulo
(quadrilátera, não articular, relação com o
Ligamento Redondo).

 Buraco Isquio-Púbico ou Obturado


 Encontra-se por baixo da Cavidade Cotiloideia e
coberto pela Membrana Obturadora;
 No Homem é oval, na mulher é triangular;
 Limitada superiormente pelo acetábulo,
anteriormente pelo púbis e posteriormente pelo
ísquion.
 Púbis
o Ramo Horizontal ou Corpo do Púbis
o Lâmina Quadrilátera do Púbis
o Ramo Descendente do Púbis

o Na face externa do Púbis há a inserção do


músculo Recto Interno, do Obturador
Externo, e dos músculos Adutores da coxa
(Longo, Médio e Curto).

 Ísquion
o Ramo Descendente;
o Ramo Ascendente (une-se ao Ramo
Descendente do Púbis).

o Tuberosidade Isquiática (união dos 2


ramos)

o Na face externa do Ísquion há a inserção


dos músculos Grande Adutor da Coxa,
Quadrado Crural e Obturador Externo.

 Face Interna
o Dividida em 2 porções pela Linha Inominada
11
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Fossa Ilíaca Interna (acima da Linha Inominada)


 2 porções:
o Faceta Auricular (inferior)
 Superfície articular;
 Sulco Pré-auricular (para inserção do
Ligamento Sacro-Ciático Anterior).
o Tuberosidade Ilíaca (superior)
 Dá inserção aos Ligamentos da
Articulação Sacro-Ilíaca.
 Abaixo da Linha Inominada
 Buraco Isquio-púbico (anteriormente);
 Crista Tubercular (antero-superiormente);
 Superfície quadrilátera para inserção do músculo
Obturador Interno (postero-superiormente).
 Bordo Superior ou Crista Ilíaca:
o 2 Extremidades
 Espinha Ilíaca antero-superior;
 Espinha Ilíaca postero-superior.

 Bordo Anterior (de cima para baixo):


o Espinha Ilíaca antero-superior
 Inserção do músculo Costureiro e do Tensor da Fascia
Lata.
o Chanfradura Inominada;
o Espinha Ilíaca antero-inferior
 Inserção do tendão directo do músculo Recto Anterior da
coxa.
o Eminência Ilio-pectínea;
o Superfície pectínea;
o Espinha do Púbis
 Inserção do músculo Piramidal ou Piriforme e do Grande
Recto do Abdómen.

 Bordo Inferior
o Forma o Ângulo do Púbis;
o 2 segmentos:
 Anterior (articular, forma a Sínfise Púbica com o outro
Ilíaco).
 Posterior

 Bordo Posterior (de cima para baixo):


o Espinha Ilíaca postero-superior;
o Chanfradura Inominada;
o Espinha Ilíaca postero-inferior;
o Grande Chanfradura Ciática (passagem dos ramos do Plexo
Sagrado);
12
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o Espinha Ciática;
o Pequena Chanfradura Ciática;
o Tuberosidade Isquiática
 Dá inserção ao músculo Bicípede Crural, Semi-
membranoso e Semi-Tendinoso, e ao Grande Ligamento
Sacro-Ciático.

 Ângulos
o Antero-superior: Espinha Ilíaca antero-superior;
o Antero-inferior: Ângulo do Púbis;
o Postero-inferior: Tuberosidade Isquiática;
o Postero-superior: Espinha Ilíaca postero-superior.

 Fémur
o Orientação: a extremidade que apresenta uma superfície articular esférica é
superior, a superfície articular superior é interna, das tuberosidades da extremidade
superior, a maior é anterior.

o Paridade: osso par.

o Classificação: osso longo.

o Localização: Coxa

o Descrição:
 Apresenta uma Diáfise (corpo) e duas Epífises (extremidades).

 Corpo ou Diáfise
o Prismático triangular
o 3 faces e 3 bordos:
 Face anterior
 Inserção dos músculos Crural e Sub-crural da
coxa.

 Face Externa (postero-lateral)


 Inserção do músculo Crural da coxa.

 Face Interna
 Não tem inserções musculares.

 Bordos Laterais
 Interno (antero-lateral);
 Externo (antero-lateral).

13
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Bordo Posterior ou Linha Áspera


 Na sua parte média existe o Buraco Nutritivo do
osso;
 3 porções:
o Lábio Externo (inserção do músculo Vasto
Externo da coxa);

o Lábio Interno (inserção do músculo Vasto


Interno da coxa);

o Interstício (inserção dos músculos Adutores


da Coxa e da Curta Porção do Bicípede
Crural).

 Superiormente, a linha divide-se em 3 ramos:


o Ramo Externo ou Crista do Grande Glúteo
 Dirige-se para o grande trocânter
 Inserção dos músculos Grande
Glúteo e do Grande Adutor (feixe
superior).

o Ramo Médio ou Crista Pectínea


 Dirige-se para o pequeno trocânter
 Inserção do músculo Pectíneo.

o Ramo Interno ou Crista do Vasto Interno


 Continua-se pela Crista Inter-
trocanteriana Anterior.

 Inferiormente, a linha divide-se em 2 ramos


o Ramo Externo;
o Ramo Interno.

o Limitam entre si o Escavado Popliteu.

 Extremidade ou Epífise Superior


o 4 porções:
 Cabeça do Fémur
 Lisa e esférica;
 Circunscrita por uma linha sinuosa;
 Fosseta do Ligamento Redondo
o Dá inserção ao Ligamento Redondo.

 Grande Trocânter
 Anterior;
 Eminência quadrangular;
14
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 2 Faces:
o Face externa
 Percorrida pela Crista ou Relevo de
inserção do músculo Médio Glúteo.

o Face interna
 Apresenta a Fosseta Digital para
inserção do músculo Obturador
Externo.
 Acima da fosseta insere-se o
músculo Obturador Interno, e adiante
os Gémeos da Bacia.

 4 Bordos:
o Bordo Inferior
 Apresenta a Crista do Vasto Externo

o Bordo Superior
 Dá inserção ao músculo Piramidal ou
Piriforme.

o Bordo Anterior
 Dá inserção ao músculo Pequeno
Glúteo.
 Apresenta o Tubérculo Pré-
Trocanteriano.

o Bordo Posterior
 Continua-se pela Crista Inter-
Trocanteriana Posterior.

 Pequeno Trocânter
 Dá inserção ao músculo Ilíaco.

 Colo do Fémur
 2 faces, 2 bordos e 2 extremidades.

 Extremidade ou Epífise Inferior


o 3 eminências articulares, 2 Côndilos e uma Tróclea, separados
pela Chanfradura Intercondiliana.

o Faces inferior e posterior:


 Superfícies articulares.

o Face anterior

15
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Por cima da Tróclea (porção média), encontra-se o


Escavado Supra-Troclear.
 Aloja a rótula quando a perna se encontra em
extensão.

 Tubérculos Supracondilianos (por cima de cada côndilo


femoral.
 Dá inserção a feixes dos músculos Gémeos da
Perna.

o Faces Laterais
 Côndilo interno
 Inserção dos músculos Grande Adutor da coxa e
do Gémeo Interno da perna.

 Côndilo externo
 Inserção do músculo Popliteu e Gémeo Interno da
Perna, e do Ligamento Lateral Externo da
Articulação do Joelho.

 Tíbia
o Orientação: a extremidade mais volumosa é superior, no contorno da extremidade
mais volumosa existe uma faceta articular que é postero-externa.

o Paridade: osso par.

o Classificação: osso longo.

o Localização: porção interna da Perna.

o Descrição:
 Constituído por um Corpo ou Diáfise e por 2 Extremidades ou Epífises.

 Corpo
o Prismático triangular
o 3 faces e 3 bordos
 Face Interna (antero-lateral)
 Em concordância com a pele, excepto na porção
superior.
 Na porção superior, junto ao bordo anterior,
inserem-se os músculos Costureiro, Recto Interno
e Semi-tendinoso (Pata-de-ganso). Junto ao
bordo posterior insere-se o Ligamento Lateral
Interno da Articulação do Joelho.
16
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Face Externa (antero-lateral)


 Na metade superior insere-se o músculo Tibial
Anterior.

 Face Posterior
 Na porção superior apresenta a Linha Oblíqua da
Tíbia, onde se insere o músculo Solhar da perna.
 Superiormente à linha insere-se o músculo
Popliteu.
 Inferiormente à linha inserem-se os músculos
Tibial Posterior e Flexor Comum dos Dedos.
 Abaixo da linha encontra-se o Buraco Nutritivo do
Osso.

 Bordo Anterior ou Crista da Tíbia

 Bordo Interno

 Bordo Externo
 Dá inserção à Membrana Interóssea.

 Extermidade ou Epífise Inferior


o 5 faces
 Face Anterior
 Relaciona-se com os tendões dos músculos
Extensores dos Dedos.
 No limite inferior insere-se a cápsula articular da
articulação Tíbio-társica.

 Face Posterior
 Possui uma depressão que dá passagem ao
tendão do músculo Longo Flexor Próprio do
1ºDedo.

 Face Externa
 Chanfradura peroneal (articula-se com a
extremidade inferior do peróneo).

 Face Interna
 Prolonga-se numa apófise – Maléolo Interno ou
Tibial.
o Face interna do maléolo está em contacto
com a pele.

17
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o Face externa é uma superfície articular da


articulação Tíbio-társica.

o Bordo Anterior dá inserção ao Ligamento


Lateral Interno da Articulação Tíbio-társica.

o Bordo Posterior relaciona-se com os


tendões dos músculos Tibial Posterior e do
Flexor Comum dos Dedos.

o Vértice dá inserção ao Ligamento Lateral


Internjo da Articulação Tíbio-társica.

 Face Inferior
 Superfície articular para o astrágalo, na articulação
Tíbio-társica.

 Extremidade ou Epífise Superior


o Constituída por 2 tuberosidades que suportam as cavidades
glenoideias da tíbia.

 Tuberosidade Interna
 Insere-se os tendões directo e reflectido do
músculo Semi-membranoso da coxa.

 Tuberosidade Externa
 Externamente, apresenta a Faceta Articular
Peroneal.
 Anteriormente, apresenta o Tubérculo de Gerdy ou
Tibial Anterior (visto relacionar-se por uma crista
com a Tuberosidade Anterior da Tíbia). Dá
inserção aos músculos Tibial Anterior e ao Tensor
da Fascia Lata.

 Cavidades Glenoideias
 Nas sua porções internas elevam-se as Espinhas
da Tíbia.
 Separadas pela Superfície Interglenoideia (3
porções):
o Porção Pré-Espinhal e Retro-Espinhal
 Inserção dos Ligamentos Cruzados e
das Fibrocartilagens Semilunares da
Articulação do Joelho.
o Porção Média.
18
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Perónio ou Fíbula

o Orientação: a extremidade mais afilada do osso é inferior, a extremidade possui uma


faceta que é postero-interna.

o Paridade: osso par.

o Classificação: osso longo

o Localização: porção externa da Perna.

o Descrição:
 Apresenta um Corpo ou Diáfise e duas Extremidades ou Epífises.

 Corpo
o Prismático triangular
o 3 faces e 3 bordos:
 Face Interna (antero-lateral)
 Dividida em 2 porções pela Crista Interóssea que
dá inserção à Membrana Interóssea.

o Anteriormente à crista, há a inserção dos


músculos Extensor Comum dos Dedos,
Extensor Próprio do 1ºdedo e o Peroneal
Anterior.

o Posteriormente à crista, há a inserção do


músculo Tibial Posterior.

 Face Externa
 Dá inserção aos músculos Longo e Curto
Peroneais Laterais.
 Dividida por uma crista oblíqua por onde
progridem os tendões destes músculos.

 Face Posterior
 Superiormente, há inserção do músculo Solhar;
 Na sua porção média, há inserção do músculo
Longo Flexor Próprio do 1º dedo, e encontra-se o
Buraco Nutritivo do osso.

 Extremidade ou Epífise Inferior ou Maléolo Externo


o Face Externa (2 segmentos)
 Anterior, corresponde à pele;
19
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Posterior, progridem os tendões dos músculos Longo e


Curto Peroneais Laterais

o Face Interna
 Superfície articular em concordância com o astrágalo na
articulação Tíbio-társica.
 Superiormente insere-se o Ligamento Interósseo
Peróneo-tibial;
 Posteriormente insere-se o Ligamento Lateral Externo da
Articulação Tíbio-társica.

o Bordo Anterior
 Inserção do Ligamento Peróneo-tibial Anterior e dos
Ligamentos Peróneo-astragaliano e Peróneo-calcaneano.

o Bordo Posterior
 Inserção do Ligamento Peróneo-tibial Posterior

o Vértice
 Inserção do Feixe Peróneo-calcaneano do Ligamento
Lateral Externo da Articulação Tíbio-társica.

 Extremidade ou Epífise Superior ou Cabeça do Peróneo


o Saliência cónica com o vértice ligado ao corpo e base voltada
superiormente.

o Base articula-se com Faceta Articular Peroneal da Tíbia.

o Da superfície articular, estende-se a Apófise Estiloideia, onde se


inserem o tendão do músculo Bicípede Crural e o Ligamento
Lateral Externo Curto da Articulação do Joelho.

o O bordo dá inserções aos músculos Solhar e Longo Peroneal


Lateral.

20
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

Membro Superior
 Clavícula
o Orientação: a extremidade mais achatada é externa e anterior (articula-se com o
manúbrio esternal), nesta extremidade existe uma das duas faces que é rugosa e
inferior.

o Paridade: osso par.

o Classificação: osso longo.

o Localização: porção antero-superior do Tórax.

o Descrição:
 Osso achatado (mais internamente);
 Forma irregularmente cilíndrica;
 2 faces, 2 bordos e 2 extremidades:
 Face Superior
o Possui algumas rugosidades inconstantes onde se inserem os
músculos Esterno-cleido-mastoideu, Deltóide e o Trapézio.

 Face Inferior
o Goteira do Subclávio
 Depressão que dá inserção ao músculo Subclávio.

o Na porção média encontra-se o Buraco Nutritivo do osso.

o Tuberosidade Costal (perto da Extremidade Interna)


 Dá inserção ao Ligamento Costo-clavicular.

o Tuberosidade Coracoideia (perto da Extremidade Externa)


 Dá inserção aos Ligamentos Trapezóide e Conóide (no
Tubérculo Conoideu)

 Bordo Anterior
o Internamente, dá inserção ao músculo Grande Peitoral;
o Externamente, dá inserção ao músculo Deltóide.

 Bordo Posterior
o Internamente, dá inserção ao músculo Esterno-Hióideu;
o Externamente, dá inserção aos feixes claviculares do músculo
Trapézio.

 Extremidade Externa ou Acromial

21
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o Apresenta uma faceta articular que se articula com uma face do


Acrómio (da Omoplata).

 Extremidade Interna ou Esternal


o Apresenta uma faceta articular que se articula com a
Chanfradura Lateral do Manúbrio Esternal e com a Cartilagem
Costal da 1ª costela (articulação Esterno-condro-clavicular).
o Apresenta rugosidades de inserção da Fibrocartilagem
Interarticular e ligamentos da articulação.

 Omoplata
o Orientação: a face com uma crista saliente (Espinha da Omoplata) é posterior, a
linha é horizontal e a extremidade que se prolonga da linha é superior e externa
(Acrómio).

o Paridade: osso par.

o Classificação: osso Achatado ou Placóide.

o Localização: porção posterior e superior do Tórax (atrás das 7 primeiras costelas).

o Descrição:
 Triangular;
 2 faces, 3 bordos e 3 ângulos:
 Face Anterior
o Escavada;

o Fossa Infra-Escapular
 Percorrida por 3 ou 4 cristas oblíquas que dão inserção
aos feixes do músculo Infra-Escapular.

o Pilar da Omoplata
 Saliência paralela ao bordo externo;
 Forma a Goteira do Bordo Axilar e dá inserção aos feixes
do músculo Infra-Escapular.

o Ao longo do bordo interno há a inserção do músculo Grande


Dentado.

 Face Posterior
o Divide-se em 2 porções pela Espinha da Omoplata.
 Fossa Supra-Espinhosa
 Dá inserção ao músculo Supra-Espinhoso.

22
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Fossa Infra-Espinhosa
 Dividida por uma crista em 2 porções
o Interna
 Inserção do músculo Infra-
Espinhoso.

o Externa
 Insere-se o músculo Pequeno
Redondo (superiormente; delimita
uma goteira vascular onde passa um
ramo da Artéria e da Veia
Escapulares inferiores) e o Grande
Redondo (inferiormente).

 Espinha da Omoplata
 Dá inserção ao músculo Trapézio (no Tubérculo
do Trapézio) e ao Deltóide.

 Continua-se pelo Acrómio


o 2 faces e 2 bordos
 Face Superior
 Face Inferior
 Bordo Interno: ocupado por uma
faceta articular que se articula com a
Clavícula.
 Bordo Externo: dá inserção a feixes
do músculo Deltóide.

 Bordo Superior ou Cervical


o Termina externamente na Chanfradura Coracoideia, por onde
passa o Nervo Supra-Escapular.
o Dá inserção ao músculo Omo-Hióideu.

 Bordo Interno ou Espinhal


o Dá inserção à porção Pequena do músculo Rombóide (acima da
Espinha da Omoplata) e à porção Maior do músculo Rombóide
(abaixo da Espinha).

 Bordo Externo ou Axilar


o Dividida por uma crista que separa a goteira onde se inserem os
músculos Pequeno e Grande Redondo.
o A crista termina na Tuberosidade Infraglenoideia, onde se insere
a porção Longa do Tricípete Braquial.

 Ângulo Inferior
o Dá inserção ao músculo Grande Dorsal.
23
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Ângulo Superior
o Dá inserção ao músculo Angular da Omoplata.

 Ângulo Externo
o Apresenta a Cavidade Glenoideia da Omoplata, o Colo da
Omoplata e a Apófise Coracóideia

 Cavidade Glenoideia
 Tubérculo Glenoideu (no centro da cavidade);
 Chanfradura Glenoideia (no bordo anterior);
 Tubérculo Supraglenoideu (acima da cavidade);
 Tuberosidade Infraglenoideia (terminação do
bordo axilar, abaixo da cavidade).

 Colo da Omoplata
 Porção que suporta a Cavidade Glenoideia.

 Apófise Coracoideia
 2 segmentos:
o Vertical
o Horizontal
 Face Inferior

 Face Superior: dá inserção ao


músculo Pequeno Peitoral e aos
Ligamentos Conóide e Trapezóide.

 Bordo Externo: dá inserção aos


Ligamentos Córaco-umeral e
Acrómio-coracoideu.

 Bordo Interno: dá inserção ao


músculo Pequeno Peitoral e aos
Ligamentos Córaco-Claviculares.

 Vértice: dá inserção ao tendão


comum da porção Curta do Bícipete
Braquial e do Córaco-Braquial.

24
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Úmero
o Orientação: a extremidade com a semi-esfera é superior e interna (Cabeça do
Úmero), e a extremidade oposta possui uma fossa bastante funda que é posterior
(Fossa Olecraniana).

o Paridade: osso par.

o Classificação: osso longo.

o Localização: Braço.

o Descrição:
 Apresenta um Corpo ou Diáfise e duas Extremidades ou Epífises.
 Corpo
o Prismático triangular;
o 3 faces e 3 bordos:
 Face Externa (antero-lateral)
 V Deltoideu ou Impressão Deltoideia
o Na porção média;
o Dá inserção ao músculo Deltóide.

 Abaixo desta impressão há a inserção do músculo


Braquial Anterior.

 Face Interna (antero-lateral)


 Goteira Bicipital ou Goteira dos 3 Grandes
o Na porção superior;
o Dá passagem ao tendão da Longa porção
do Bicípete Braquial e a um ramo da Artéria
Circunflexa Anterior.
o Divide-se em 2 cristas:
 Crista Infra-troquiteriana: dá inserção
ao tendão do Grande Peitoral.
 Crista Infra-troquiniana: dá inserção
aos músculos Grande Redondo e
Grande Dorsal.

 Impressão de inserção do Córaco-braquial


o Na porção média;
o Dá inserção ao músculo Córaco-braquial;
o Abaixo da impressão encontra-se o Buraco
Nutritivo do osso.

 Superfície Lisa
o Na porção inferior;
o Dá inserção ao músculo Braquial Anterior.
25
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Face Posterior
 Divide-se em 2 porções pela Goteira Radial
o Dá inserção ao músculo Vasto Externo e ao
Vasto Interno do Tricípete Braquial.
o Na goteira progridem o Nervo Radial e os
Vasos Umerais Profundos.

 Bordo Anterior
 Na porção inferior dá inserção ao músculo
Braquial Anterior.

 Bordo Externo
 Na porção inferior insere-se o Septo
Intermuscular Externo e os músculos Longo
Supinador e o Longo Radial do Antebraço.

 Bordo Interno
 Dá inserção ao Septo Intermuscular Interno.

 Extremidade Superior
o 3 saliências
 Cabeça do Úmero
 Interna;
 Articula-se com a Cavidade Glenoideia da
Omoplata;
 Separada do Troquíter e do Troquino pelo Colo
Anatómico, sendo que por cima do Troquino
apresenta a Impressão de Inserção Supra-
Troquiniana, onde há a inserção do Ligamento
Gléno-umeral Superior.

 Troquíter ou Grande Tuberosidade


 Externamente à Cabeça do Úmero;
 3 Facetas
o Superior
 Dá inserção ao músculo Supra-
Espinhoso.

o Média
 Dá inserção ao músculo Infra-
Espinhoso.

o Posterior
 Dá inserção ao músculo Pequeno
Redondo.
26
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Troquino ou Pequena Tuberosidade


 Face Anterior do osso;
 Dá inserção ao músculo Infra-Escapular;
 A saliência inferior continua-se pela Crista Infra-
Troquiniana.

 Extremidade Inferior
o Apresenta uma porção média articular e duas saliências laterais:
 Superfície articular (3 Porções):
 Côndilo umeral
o Articula-se adiante com a Cúpula do Rádio
(Epífise Superior do Rádio);

o Superiormente existe a Fosseta Radial ou


Supra-Condiliana.

 Tróclea Umeral
o Articula-se com a Grande Cavidade
Sigmoideia do Cúbito.

o Apresenta 2 depressões:
 Anterior ou Fosseta Coronoideia ou
Supra-Troclear, que se articula com
a apófise coronoideia;

 Fossa Olecraniana, que se articula


com o Olecrânio.

 Goteira Côndilo-Troclear

 Apófises Laterais
 Epitróclea
o Face Anterior e Vértice
 Dão inserção aos músculos
Epitrocleares: Redondo Pronador,
Grande Palmar, Pequeno Palmar,
Cubital Anterior e Flexor Comum
Superficial dos Dedos (todos unidos
por um tendão comum).

o Face Posterior
 Dá inserção ao Ligamento Lateral
Interno da Articulação do Cotovelo
(Úmero-antebraquial);

27
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Possui uma goteira que dá


passagem ao Nervo Cubital.

 Epicôndilo
o Dá inserção ao Ligamento Lateral Externo
da Articulação do Cotovelo;

o Dá inserção ao músculo Ancóneo.

o Dá inserção aos músculos


Epicondilianos: Curto Radial, Extensor
Comum dos Dedos, Extensor Próprio do 5º
dedo, Cubital Posterior e Curto Supinador.

 Cúbito

o Orientação: a extremidade mais volumosa é superior, e a concavidade da cavidade


maior desta extremidade é anterior.

o Paridade: osso par.

o Classificação: osso longo.

o Localização: porção interna do Antebraço.

o Descrição:
 Apresenta um Corpo ou Diáfise e duas Extremidades ou Epífises:
 Corpo ou Diáfise:
o Prismático Triangular superiormente, Cilíndrico inferiormente;
o 3 faces e 3 bordos:
 Face Anterior
 Superiormente, há a inserção do músculo Flexor
Comum Profundo dos Dedos;
 Inferiormente, há inserção do músculo Quadrado
Pronador.
 Na porção média encontra-se o Buraco Nutritivo
do osso.

 Face Posterior
 Dividida por uma crista:
o Porção externa
 Dá inserção aos músculos Longo
Abdutor do 1º dedo, Curto Extensor
28
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

do 1ºdedo, Longo Extensor do


1ºdedo e Extensor Próprio do 2º
dedo.
o Porção interna
 Dá inserção aos músculos Ancóneo
e Cubital Posterior.

 Face Interna
 Superiormente, há a inserção do músculo Flexor
Comum Profundo dos Dedos.

 Bordo anterior
 Superiormente, há a inserção do músculo Flexor
Comum Profundo dos Dedos;
 Inferiormente, há a inserção do músculo Quadrado
Pronador.

 Bordo Externo ou Crista Interóssea


 Dá inserção ao Ligamento Interósseo

 Superiormente, divide-se em duas cristas que


limitam a Superfície Infra-Sigmodeia
o Dá inserção ao músculo Curto Supinador e
ao Ligamento Lateral Externo da
Articulação do Cotovelo.

 Bordo Posterior
 Superiormente, dá inserção aos músculos Flexor
Comum Profundo dos Dedos, Cubital Anterior e
Cubital Posterior.

 Extremidade ou Epífise Superior


o Constituída por 2 apófises que circunscrevem uma cavidade
articular:
 Olecrânio
 Face Posterior;

 Face Anterior
o Articular.

 Face Inferior ou Base


o Ligação da apófise ao corpo do osso.

 Face Superior ou Vértice

29
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o Posteriormente, dá inserção ao músculo


Tricípete;

o Anteriormente, dá inserção à Cápsula


Articular da articulação do Cotovelo;

o Prolonga-se pelo Bico do Olecrânio.

 Face Externa (Lateral)


o Inserção do Ligamento Lateral Externo da
articulação do Cotovelo e do músculo
Ancóneo.

 Face Interna (Lateral)


o Inserção do Ligamento Lateral Interno da
articulação do Cotovelo e do músculo
Cubital Anterior.

 Apófise Coronoideia
 Pirâmide quadrangular;

 Vértice;

 Base
o Implantada sobre a face anterior do osso.

 Face Superior
o Articular;
o Pertence à Grande Cavidade Sigmoideia.

 Face Inferior
o Dá inserção ao músculo Braquial Anterior.

 Face Interna
o Dá inserção ao Ligamento Lateral Interno
da articulação do Cotovelo.
o Apresenta na sua porção média o
Tubérculo Coronoideu
 Dá inserção ao Ligamento
Coronoideu.

 Face Externa
o Possui uma superfície articular: Pequena
Cavidade Sigmoideia:

30
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Bordo Posterior dá inserção ao


Ligamento Anular e ao Ligamento
Lateral Externo.

 Grande Cavidade Sigmoideia


 Dividida em duas vertentes por uma crista.
 Articula-se com a Tróclea do Úmero.

 Extremidade ou Epífise Inferior


o Apresenta duas saliências:
 Cabeça do Cúbito (2 segmentos):
 Externo
o Articula-se com a Cavidade Sigmoideia do
Rádio.

 Inferior
o Dá inserção ao Ligamento Triangular da
articulação do Punho (Radio-cárpica).

 Apófise Estiloideia
 Vértice
o Dá inserção ao Ligamento Lateral Interno
da articulação do Punho.

 Rádio
o Orientação: a extremidade mais volumosa é inferior e das duas faces desta
extremidade a mais lisa é anterior.

o Paridade: osso par.

o Classificação: osso longo.

o Localização: porção externa do Antebraço.

o Descrição:
 Apresenta um Corpo ou Diáfise e duas Extremidades ou Epífises:
 Corpo ou Diáfise:
o Prismático Triangular;
o 3 faces e 3 bordos:
 Face Anterior
 Superiormente, dá inserção ao músculo Longo
Flexor Próprio do 1º dedo;
 Inferiormente, dá inserção ao músculo Quadrado
Pronador.
31
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Na porção média encontra-se o Buraco Nutritivo


do osso.

 Face Posterior
 Na porção média existem 1 ou 2 cristas oblíquas
que delimitam as superfícies de inserção dos
músculos Longo Abdutor e Curto Extensor do 1º
dedo.

 Face Externa
 Na porção média insere-se o músculo Pequeno
Redondo.
 Superiormente, dá inserção ao músculo Curto
Supinador.

 Bordo Anterior
 Superiormente, dá inserção ao músculo Flexor
Comum Superficial dos Dedos.

 Bordo Posterior
 Bordo Interno ou Bordo Interósseo
 Dá inserção à Membrana Interóssea

 Extremidade ou Epífise Superior


o 3 porções:
 Cabeça do Rádio
 Face Superior ou Cúpula do Rádio
o Articula-se com o Côndilo Umeral.

 Face Interna
o Possui uma faceta articular que se articula
com a Pequena Cavidade Sigmoideia do
Cúbito.

 Colo
 Suporta a Cabeça do Rádio e liga-o ao Corpo ou
Diáfise.

 Tuberosidade Bicipital
 Anteriormente, dá inserção ao tendão do músculo
Bicípete Braquial.

 Extremidade ou Epífise Inferior


o 5 faces:

32
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Face Inferior
 Articular
 Dividida por uma crista antero-posterior que divide
em duas porções:
o Externa
 Articula-se com o Escafóide (Mão).

o Interna
 Articula-se com o Semi-lunar (Mão).

 Face Anterior
 Dá inserção ao músculo Quadrado Pronador.

 Face Posterior
 Atravessada por 2 goteiras:
o Externa
 Dá passagem ao tendão do músculo
Longo Extensor do 1º dedo.

o Interna
 Dá passagem aos tendões dos
músculos Extensor Comum dos
Dedos e Extensor Próprio do 1º
dedo.

 Face Externa
 Atravessada por 2 goteiras:
o Anterior
 Dá passagem aos tendões dos
músculos Longo Abdutor e do Curto
Extensor do 1º dedo.

o Posterior
 Dá passagem aos tendões dos
músculos Longo e Curto Radiais.

 Prolonga-se na Apófise Estiloideia do Rádio


o Base
 Dá inserção ao músculo Longo
Supinador.

o Vértice
 Dá inserção ao Ligamento Lateral
Externo da articulação do Punho.

 Face Interna
33
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Bifurca-se em dois ramos, sendo que no ramo


posterior se insere o Ligamento Interósseo.

 2 porções:
o Superior
 Dá inserção ao músculo Quadrado
Pronador.

o Inferior
 Possui uma faceta articular: a
Cavidade Sigmoideia do Rádio, que
se articula com a Cabeça do Cúbito.

34
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

Crânio
 Esfenóide
o Orientação: a linha que une os dois pontos mais afastados do osso é anterior e
superior.

o Paridade: osso ímpar.

o Classificação: osso curto.

o Localização: osso mediano, simétrico, que ocupa a porção anterior e mediana da


base do Crânio, na Cabeça. Situa-se entre o Etmóide, o Frontal, Occipital e os
Temporais.

o Descrição:
 Articula-se com todos os ossos do crânio, com os dois malares, os dois
palatinos e o vómer (articulação com classificação de Esquindilese);
 Tem a forma de uma borboleta;
 Possui um Corpo e 3 apófises:
 Corpo (6 faces):
o Face Superior:
 Jugum Esfenoidal (anteriormente)
 Continua-se à frente com a Goteira Olfactiva
correspondente;

 A parte anterior denominada de Prolongamento


Etmoidal do Esfenóide articula-se com a
Extremidade Posterior da Apófise Crista-Galli e
com a Lâmina Crivada.

 Está limitado atrás por uma crista denominada


Limbo Esfenoidal
o Goteira Óptica (posteriormente)
 Continua-se de lado pelo Canal
Óptico (na base das Pequenas Asas)
 Está bordejada pelo Tubérculo
Pituitário que limita a Fossa Pituitária
ou Sela Turca (onde se aloja a
Hipófise).

o Sulco do Seio Coronário (anteriormente na


Sela Turca)
 Limitado atrás pela Crista
Sinustósica que termina de lado
pelas Apófises Clinoideias Médias.
35
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o Lâmina Quadrilátera (posteriormente na


Sela Turca)
 A face posterior continua-se com a
Apófise Basilar do Occipital formando
a Ladeira de Blumenbach.

 O bordo superior prolonga-se pelas


Apófises Clinoideias Posteriores.

 Os bordos laterais estão em relação


com o Nervo Motor Ocular Comum
(III par craniano) e com o Seio
Petroso Inferior (Veia).

o Face Anterior
 Faz parte do tecto das Fossas Nasais;

 Crista Esfenoidal Anterior


 Crista média vertical que se une ao bordo posterior
da Lâmina Perpendicular do Etmóide;
 No meio da crista existe o Orifício de Entrada do
Seio Esfenoidal.

 Superfície lateral
 Escavada pelas Hemicélulas Esfenoidais;
 Articula-se com a face posterior das Massas
Laterais do Etmóide e com a Superfície Esfenoidal
da Apófise Orbitária do Palatino.

o Face Inferior
 Parte mais recuada das Fossas Nasais;

 Crista Esfenoidal Inferior (sobre a linha média)


 É recebida entre as asas do bordo superior do
Vómer dando origem ao Canal Esfeno-Vomeriano
Médio;

 Possui uma extremidade anterior denominada Bico


do Esfenóide que se continua com a Crista
Esfenoidal Anterior.

 De cada lado da crista encontramos os Cornetos


de Bertin que delimitam uma superfície lisa, e esta
também é limitada pela Apófise Vaginal (na raiz
interna da Apófise Pterigoideia).
36
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Apófises Pterigoideias
 Implantam-se na face inferior por 2 raízes
o Raiz Interna
o Raiz Externa

o As raízes unem-se e circunscrevem o Canal


Vidiano
 Dá passagem aos Vasos e Nervo
Vidianos.

 Distinguem-se 2 asas
o Asa Interna
o Asa Externa

o As asas unem-se e formam a Fossa


Pterigoideia (superiormente) e a
Chanfradura Pterigoideia (inferiormente)
que é preenchida pela Apófise Piramidal do
Palatino (não articula).

 Face Anterior
o Faz parte da parede posterior do
Transfundo da Fossa Pterigo-maxilar;
o Possui o orifício anterior do Canal Vidiano.

 Face Interna
o Articula à frente com a Lâmina Vertical do
Palatino;
o Da extremidade superior nasce a Apófise
Vaginal
 Termina num sulco onde o bordo da
asa do Vómer se encaixa e forma o
Canal Esfeno-Vomeriano Lateral.
 Na face inferior existe uma goteira
que se transforma no Canal Pterigo-
palatino pela Apófise Esfenoidal do
Palatino.
 Face Externa
o Limita internamente a Fossa Pterigo-
maxilar;
o Dá inserção ao músculo Pterigoideu
Externo.

 Face Posterior
o Constitui a Fossa Pterigoideia
37
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Destaca-se a Fosseta Escafoideia,


onde se insere o músculo
Periestafilino Externo;

 A parede interna dá inserção ao


músculo Periestafilino Externo;

 A parede externa dá inserção ao


músculo Periestafilino Interno.

o O bordo posterior da Asa Interna apresenta


a Chanfradura Tubária
 Relaciona-se com a Trompa de
Eustáquio.
o O bordo posterior da Asa Externa apresenta
a Espinha de Civinini
 Dá inserção ao Ligamento de
Civinini.

o Face Posterior
 Superfície quadrilátera que se articula com o Occipital.

o Faces Laterais
 Fenda Esfenoidal
 Espaço compreendido entre a raiz inferior da
Pequena Asa e o bordo anterior da Grande Asa;
 Possui um estreito sulco onde se insere o Tendão
de Zinn;

 Goteira do Seio Cavernoso ou Goteira Carotídea


 Por cima e atrás da raiz da Grande Asa.

 Pequenas Asas do Esfenóide


 Nascem em cima e à frente;
o Raiz Superior;
o Raiz Póstero-Inferior;

o Ambas as raízes circunscrevem o Canal


Óptico, no qual passam o Nervo Óptico (II
par craniano) e a Artéria Oftálmica;

 Face Superior
o Continua-se anteriormente pela face
superior das Lâminas Orbitárias do Frontal.

 Face Inferior
38
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o Limita superiormente a Fenda Esfenoidal


 Dá passagem a Ramos terminais do
Nervo Oftálmico (ramo do V par),
Nervo Patético (IV par), Nervo Motor
Ocular Comum (III par), Nervo Motor
Externo (VI par) e Veia Oftálmica.

 Bordo Anterior
o Articula-se com Lâminas Orbitárias do
Frontal.

 Bordo Posterior
o Continua-se internamente pela Apófise
Clinoideia Anterior;

 Grandes Asas do Esfenóide


 Estendem-se para fora e para cima;

 Face Endocraniana
o Concavidade para cima e para trás;

o Recoberta por eminências mamilares,


impressões digitais e goteiras vasculares;

o 3 orifícios:
 Buraco Grande Redondo, atrás da
extremidade interna da fenda
esfenoidal, abre-se na Fossa Pterigo-
Maxilar e dá passagem ao Nervo
Maxilar Superior (ramo do V par) e a
Veias Emissárias;

 Buraco Oval, atrás e para fora do


Buraco Grande Redondo e dá
passagem ao Nervo Maxilar Inferior
(ramo do V par), à Artéria Pequena
Meníngea e a Veias Emissárias
(inconstantes);

 Buraco Pequeno Redondo, atrás e


para fora do Buraco Oval e dá
passagem ao Ramo Meníngeo do
Nervo Maxilar Inferior (ramo do V
par) e à Artéria Meníngea Média.

o 2 orifícios inconstantes
39
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Buraco de Vesálio, à frente e para


dentro do Buraco Oval e atravessado
por uma Veia Emissária;
 Orifício Superior do Canalículo
Inominado de Arnold, por dentro e
atrás do Buraco Oval que dá
passagem aos Nervos Pequeno
Petroso Superficial e Profundo.

 Face Exocraniana
o Face Orbitária
 Faz parte da constituição da parede
externa da órbita.
 O bordo superior forma o lábio
inferior da Fenda Esfenoidal.
 O bordo inferior limita superiormente
a Fenda Esfeno-Maxilar;

o Face Têmporo-Zigomática
 Divide-se em duas porções pela
Crista Esfeno-Temporal, que
apresenta na sua extremidade
anterior o Tubérculo Esfenoidal que
dá inserção aos músculos Temporal
e Pterigoideu Externo;

 Porção Superior ou Temporal, faz


parte da Fossa Temporal e dá
inserção ao músculo Temporal.

 Porção Inferior ou Zigomática,


constitui a parede superior da Fossa
Zigomática e dá inserção ao músculo
Pterigoideu Externo.

 Bordo Interno (3 segmentos)


o Segmento Anterior
 Forma o lábio inferior da Fenda
Esfenoidal, que dá passagem aos
Nervos Motores Oculares Comum (III
par) e Externo (VI par), ao Nervo
Patético (IV par), aos ramos
terminais (Lacrimal, Nasal e Frontal)
do Nervo Oftálmico (ramo do V par) e
à Veia Oftálmica.

40
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o Segmento Médio
 Está unido ao corpo do Esfenóide e
constitui a raiz da Grande Asa.

o Segmento Posterior
 Anteriormente, forma o Buraco
Lácero Anterior;
 Articula-se, posteriormente ao
orifício, com o bordo anterior do
Rochedo (Temporal);
 No lábio inferior existe uma
hemigoteira que corresponde à
Trompa de Eustáquio;
 Perto do corpo do esfenóide,
destaca-se a Língula que divide o
Buraco Lácero Anterior em 2 partes.

 Bordo Externo
o Articula-se em toda a sua extensão com a
Escama do Temporal.

 Ambos os Bordos unem-se à frente e articulam-se


com o Frontal e com o Parietal; Ambos os Bordos
unem-se atrás, formando um vértice denominado
Espinha do Esfenóide.

o Arquitectura: o corpo do Esfenóide possui duas cavidades, os Seios Esfenoidais.

41
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Temporal
o Orientação: a parte em forma de escama é superior e externa e a saliência mais
volumosa é posterior e inferior.

o Paridade: osso par.

o Classificação: osso Achatado ou Placóide.

o Localização: porção inferior e lateral do Crânio, atrás do Esfenóide, à frente e para


fora do Occipital e abaixo do Parietal.

o Descrição:
 Constituído por 3 peças ósseas
 Escama do Temporal (2 faces e 1 bordo)
o Face Exocraniana (dividida em 2 partes por uma apófise)
 Apófise Zigomática (2 segmentos)
 Segmento Basal
o Face Superior
 Relaciona-se com o músculo
Temporal.

o Face Inferior
 Apresenta as raízes da Apófise
Zigomática;

 A Raiz Longitudinal curva-se para


trás e para cima com o nome de
Crista Supra Mastoideia ou Linea
Temporalis, e continua-se com a
Linha Curva Temporal Inferior do
Parietal;

 A Raiz Transversa ou Côndilo do


Temporal articula-se com a
Mandíbula.

 Na junção das duas raízes existe o


Tubérculo Zigomático Anterior.

 Segmento Anterior
o Face Externa
 Convexa

o Face Interna

42
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Côncava

o Bordo Superior
 Insere-se a Aponevrose Temporal.

o Bordo Inferior
 Insere-se o músculo Masséter.

o Extremidade Anterior
 Articula-se com o osso Malar.

 Porção Temporal (Superior da Escama)


 Acima da Apófise Zigomática;
 Convexa e lisa;
 Dá inserção ao músculo Temporal;
 Posteriormente, possui um sulco da Artéria
Temporal Profunda Posterior.

 Porção Basilar
 Pertence à base do Crânio;
 Apresenta a Raiz Transversa da Apófise
Zigomática (ou Côndilo do Temporal);
 Apresenta, atrás do côndilo, a Cavidade
Glenoideia
o O fundo é percorrido pela Cissura de Glaser
ou Cissura Timpano-Escamosa
 Divide a cavidade em 2 segmentos:
um Anterior ou Pré-Glaseriano que é
articular, e outro Posterior ou Retro-
Glaseriano que não é articular;

 Apresenta, à frente do côndilo, a Superfície Plana


Sub-Temporal, que contribui para o Tecto da
Fossa Zigomática.

o Face Endocraniana
 Apresenta depressões relacionadas com as
circunvoluções cerebrais, e seios vasculares escavados
pelos Ramos da Artéria Meníngea Média.

o Bordo Circunferencial (2 porções)


 Porção Aderente ou Inferior
 Anterior à porção mastoideia;

 Possui 2 suturas
o Cissura Petro-Escamosa Superior
43
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o Cissura Timpano-Escamosa ou Cissura de


Glaser
 Continua-se anteriormente pela
Cissura Petro-Escamosa Inferior que
se une ao Prolongamento Inferior do
Tegmen Timpani (Rochedo).

 Porção Livre ou Superior


 Termina atrás na Incisão Parietal (que separa a
escama da região mastoideia;

 Articula-se com o Parietal e com a Grande Asa do


Esfenóide.

 Porção Mastoideia
o Na porção postero-inferior do Temporal, atrás do Canal Auditivo
Externo.

o 2 faces e 1 bordo
 Face Exocraniana
 A porção postero-inferior da desta face dá
inserção aos músculos Occipital, Esterno-cleido-
mastoideu e Splenius Capitis (Esplénio);

 A bordadura antero-superior continua-se para trás


pela Linha Curva Occipital Superior
o Dá inserção ao músculo Esterno-cleido-
mastoideu.

 Perto do bordo posterior existe o orifício externo


do Canal ou Buraco Mastoideu
o Dá passagem a uma Veia Emissária
Anastomótica.

 A porção superior apresenta


o Espinha Supra-Meática, por cima e atrás do
orifício do Canal Auditivo Externo;
o Zona Crivosa, superfície crivada de orifícios
vasculares posteriormente à espinha.

 A porção inferior prolonga-se na Apófise


Mastoideia
o Face Externa

44
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Dá inserção aos músculos Esterno-


cleido-mastoideu, Splenius Capitis
(Esplénio) e Pequeno Complexo.

o Face Interna
 Ranhura do Digástrico: sulco que dá
inserção ao Ventre Posterior do
músculo Digástrico;

 Eminência Justa-Mastoideia
(posteriormente), possui atrás uma
goteira escavada pela Artéria
Occipital.

 Face Endocraniana
 Atrás do Rochedo, contribui para a formação do
Andar Posterior da Cavidade Craniana;

 Possui a Goteira do Seio Lateral, que na parte


média apresenta o Buraco Mastoideu;

 Bordo Circunferencial
 Articula-se com o Parietal, em cima, e com o
Occipital, atrás.

 Porção Petro-Timpânica
o Forma de pirâmide quadrangular
 Faces Endocranianas
 Face Antero-Superior
o Apresenta a Eminência Arquata;

o Apresenta o Hiato de Falópio


(anteriormente à eminência) e 1 ou 2 Hiatos
Acessórios
 Dão passagem aos Nervos Petrosos
Superficiais e Profundos;

o Apresenta a Fosseta do Gânglio de Gasser


(à frente do Hiato de Falópio e perto do
vértice do Rochedo):
 Onde repousa o Gânglio de Gasser
(V par);
 O bordo posterior emite o Tubérculo
Retro-Gasseriano.

45
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

o Tegmen Timpani
 Percorrido pela Cissura Petro-
Escamosa Superior.

 Face Postero-Superior
o Apresenta o orifício de entrada do Canal
Auditivo Interno
 Dá passagem ao Nervo Auditivo e ao
Facial e Intermediário de Wrisberg
(VII par)

o Apresenta a Fossa Sub-Arquata (acima e


atrás do Canal Auditivo Interno)
 No fundo da fossa encontra-se o
orifício anterior do Canal Petro-
Mastoideu.

o Apresenta a Fosseta Ungeal, atrás do


orifício do Canal Auditivo Interno
 Na parte superior da fossa existe o
orifício posterior do Aqueduto do
Vestíbulo.

 Faces Exocranianas
 Face Antero-Inferior
o Emite um prolongamento na base da
Apófise Estiloideia: a Apófise Vaginal.

o Apresenta a Apófise Tubária, por dentro e à


frente da Cavidade Glenoideia.
 À frente abre-se o Canal do Músculo
Martelo (em cima) e o Canal Ósseo
da Trompa (em baixo);
 À frente e por dentro dos orifícios
existe a Goteira Esfeno-Petrosa ou
Tubária (em relação com a Trompa
de Eustáquio).

 Face Postero-Inferior
o Apresenta a Apófise Estilodeia
 Dá inserção aos elementos do
Ramalhete de Rioland: Ligamento
Estilo-Maxilar, Ligamento Estilo-
Hioideu, Músculo Estilo-Faríngeo,

46
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

Músculo Estilo-Hioideu, Músculo


Estilo-Glosso.

o Apresenta o Buraco Esilo-Mastoideu, atrás


da Apófise Estiloideia;

o Apresenta a Faceta Jugular (atrás e por


dentro do Buraco Estilo-Mastoideu)
 Articula-se com a Apófise Jugular do
Occipital.

o Apresenta a Fossa Jugular (à frente da


Faceta Jugular e por dentro da Apófise
Estilodeia)
 Relaciona-se com o Golfo da Veia
Jugular Interna.

 Na parede externa existe o Ostium


Introitus, que dá passagem ao Ramo
Auricular do Nervo Pneumogástrico
(X par)

o Apresenta o Orifício Inferior do Canal


Carotídeo, à frente da Fossa Jugular.

o Apresenta o Orifício inferior do Canal de


Jacobson ou Canal Timpânico, sobre a
crista entre a Fossa Jugular e o orifício do
Canal Carotídeo
 Dá passagem ao Nervo de
Jacobson.

o Apresenta uma superfície de inserção do


músculo Peristafilino Interno, à frente do
Canal Carotídeo.

 Bordo Superior
 Percorrido pela Goteira do Seio Petroso Superior
o Relaciona-se com o Nervo Trigémio (V par),
com o Nervo Motor Ocular Externo (VI par).

 A extremidade posterior é continuada para trás


pela Goteira do Seio Lateral.

 Bordo Anterior
 Apresenta atrás a Cissura de Glaser;
47
Tiago Tomás OSTEOLOGIA 1º ano 2008/2009

 Apresenta o Prolongamento do Tegmen Timpani,


que se divide:
o Cissura Petro-Escamosa Inferior e numa
Cissura Petro-Timpânica.

 Articula-se com a extremidade posterior da Grande


Asa do Esfenóide
o Formam o Buraco Lácero Anterior

 Bordo Posterior
 Apresenta a Faceta Jugular
 Atrás da faceta apresenta (em associação com o
Occipital) o Buraco Lácero Posterior, que se
encontra dividido pela Espinha Jugular do
Temporal:
o Anteriormente, relaciona-se com o Nervo
Espinhal (XI par), o Pneumogástrico (X par)
e o Glossofaríngeo (IX par). Existe a
Fosseta petrosa que aloja o Gânglio
Petroso do Nervo Glossofaríngeo;

o Posteriormente, relaciona-se com o Golfo


da Veia Jugular Interna.

 Bordo Inferior
 Formado pelo bordo inferior da Apófise Vaginal e
pelo bordo inferior da Apófise Tubária do Osso
Timpânico.

 Base
 Apresenta o orifício do Canal Auditivo Externo.
 A parte de origem Timpânica dá inserção à Fibro-
cartilagem do Canal Auditivo.

 Vértice
 Apresenta o orifício superior do Canal Carotídeo.

48