Você está na página 1de 4

BEATRIZ SCOLFORO RAMOS

27/09/2018

PENSAMENTO E LINGUAGEM -- L. S. VIGOTSKI 7 CAPÍTULOS 194 PÁGINAS

No decorrer dos capítulos são apresentados conceitos, processos, estágios, métodos


e etapas sobre o desenvolvimento intelectual, expondo suas críticas,
argumentos e posições, o que para o leitor no primeiro momento tenha a
impressão de ler abordagens repetitivas, por ser um dos temas mais
complexos da psicologia, a inter-relação entre o pensamento e linguagem. No
entanto, torna-se possível entender que, se Vygotsky não tivesse realizado um
estudo exaustivo e eficiente, o conhecimento sobre o pensamento e linguagem
não teria tanta riqueza de detalhes.

Capítulo 1: O problema e a abordagem


No primeiro capítulo o autor alerta que há necessidade de entender as relações
interfuncionais existentes que envolvem o pensamento e linguagem para se ter
a possibilidade de levantar ou responder a questionamentos. O autor faz
algumas críticas mostrando que nos estudos realizados pela psicologia, os
processos psíquicos eram tratados de forma isolada e os métodos de
investigação não mostravam, a interdependência e a organização das funções
na estrutura da consciência como um todo. Ou seja, as teorias existentes
fizeram várias investigações sobre identificação, fusão entre o pensamento e
discurso, porém de modo limitativo.

Capítulo 2: A teoria de Piaget sobre a linguagem e o pensamento das


crianças
No capítulo dois Vygotsky estuda a teoria de Piaget discutindo-a, criticando-a e
apontando-a como revolucionária no estudo da linguagem , do pensamento
infantil. Diante desta análise o autor desenvolveu o método clínico de investigação
revelando como uma ferramenta inestimável para o estudo dos métodos estruturais
complexos do pensamento infantil nas suas transformações genéticas. No traços
típicos do pensamento infantil, ele partiu da ideia de que esta pautado no
egocentrismo e que toma uma posição intermediária, genética, estrutural e
funcionalmente, entre o pensamento autístico e o orientado, o que, segundo o autor “o
pensamento orientado é consciente, isto é, prossegue objetivos presentes no espírito
de quem pensa”. É social, porque vai desenvolvendo e sendo influenciado pelas leis
da experiência e da coerência.

O pensamento autístico é “individualista e obedece a um conjunto de leis específicas”.


Verifica ainda que o pensamento e o discurso oral são idênticos nas crianças e a
linguagem fundamental passa a ser o jogo. Compara o discurso da criança ao do
adulto e chega a conclusão de que o desenvolvimento total segue uma evolução: a
função primordial da linguagem, tanto nas crianças como nos adultos é a comunicação
e o contato social.

Capitulo 3: A teoria de Stern sobre o desenvolvimento da linguagem


No terceiro capítulo analisa a concepção intelectualista de Stern sobre o
desenvolvimento da linguagem em que estabelece sua distinção entre três raízes:
tendência expressiva, social e intencional, sendo as duas primeiras subjacentes a
rudimentos de linguagem observados em animais e a terceira particularmente à
linguagem humana. Crítica suas concepções sobre o discurso intelectualizado,
objetificado e considera o método intelectualista sem fundamentação genética; sendo
vazio, por não considerar os primeiros estágios do desenvolvimento da linguagem e
ignorar todas as complicadas vias que conduzem ao amadurecimento da função do
signo; a sua concepção do desenvolvimento linguístico é extremamente simplificada.

Capítulo 4 As raízes genéticas do pensamento e da linguagem


No quarto capítulo evidencia o estudo genético do pensamento e linguagem, analisa o
estudo realizado em animais (macacos e chimpanzés) e constata que o pensamento e
a linguagem têm várias raízes e desenvolve-se segundo diferentes trajetórias de
desenvolvimento. Quanto ao desenvolvimento linguístico da criança, estabelece uma
fase pré-intelectual e no desenvolvimento intelectual estabelece uma fase pré-
linguística.

É no encontro destas duas trajetórias que o pensamento torna-se verbal e a


linguagem racional. Sobre o discurso aberto e o discurso interior, Vygotsky conclui que
a fala é interiorizada psicologicamente antes de ser interiorizada fisicamente. O
desenvolvimento da linguagem segue o mesmo desenvolvimento das outras
operações mentais envolvendo a utilização de signos no qual, inicialmente, o
pensamento é não verbal e a linguagem é não-intelectual. A palavra é para a criança
uma propriedade, mais do que o símbolo do objeto, que a criança aprende a estrutura-
palavra-objeto mais cedo do que a estrutura simbólica interna.

O discurso interior se desenvolve por meio de uma lenta acumulação de mudança


funcionais e estruturais, que se desliga do discurso externo da criança
simultaneamente com a diferenciação da função social e egocêntrica do discurso, e
finalmente que as estruturas do discurso dominadas pela criança se transformam nas
estruturas básicas do seu pensamento; essa conduz ao desenvolvimento do
pensamento, determinado pela linguagem.

Capitulo: 5 Gênese e estudo experimental da formação dos conceitos

No quinto capítulo o autor faz um tratado conclusivo da evolução geral do


desenvolvimento dos significados das palavras na infância, discutindo métodos da
gênese dos conceitos. Essa investiga alguns teóricos e verifica que nas investigações
de Ach este é um processo criativo e ativo e não mecânico e passivo em que um
conceito surge e toma forma no discurso de uma complexa operação orientada para a
resolução do mesmo problema e que a simples presença das condições externas é
que favorece uma relação mecânica entre a palavra e o objeto, não é o bastante para
produzir um conceito.

Além de Ach, utiliza-se de vários outros estudos para aprofundar sobre o


desenvolvimento do significado das palavras na infância, seus processos, pontos
positivos de cada método, resolução dos problemas, como os conceitos se formam,
suas fases de formação, tipos fundamentais de complexos exemplificando com
experiências como cada um se opera na evolução do pensamento e posteriormente na
linguagem.

6. O desenvolvimento dos conceitos científicos na infância


O sexto capítulo questiona a relação entre assimilação da informação e
desenvolvimento interno de um conceito científico na consciência da criança. No
desenvolvimento dos conceitos dos significados das palavras, pressupunha que o
desenvolvimento de muitas funções intelectuais como atenção, memória, abstração,
capacidade para comparar e diferenciar porém na prática a experiência mostrou que é
impossível ensinar conceitos de uma forma direta.
A criança necessita de possibilidades para adquirir novos conceitos e palavras a partir
do contexto linguístico geral, sendo necessário certo grau de desenvolvimento de
algumas funções na criança evidenciando para cumprir certos ciclos antes de iniciá-la.
Verifica-se desse modo, as dificuldades das crianças em relação à leitura e escrita.
Considera que o processo evolutivo da escrita não repete a história do
desenvolvimento da fala.

A linguagem escrita é uma função linguística distinta, que difere da linguagem oral
tanto pela sua estrutura como pela sua função. Para o autor a escrita exige da criança
uma análise deliberada, porque ela precisa tomar consciência da estrutura sonora de
cada palavra, reproduzir os símbolos alfabéticos, memorização e estudo prévio. A
escrita exige um trabalho mais consciente e uma linguagem completa, o que para o
autor faz-se necessário o estudo da gramática.

No que se refere ao tempo da criança e o tempo organizado pelo currículo escolar


nem sempre coincidem, porque a maturação é singular e cada ser humano é subjetivo.
Quanto às condições de ensino das disciplinas são semelhantes e acabam por
estimular as funções superiores, contribuindo para o aprendizado geral, a criatividade
e motivando a evolução do pensamento e linguagem. Outro ponto é a questão do nível
de desenvolvimento mental da criança, que se avaliava a partir da utilização de
resolução de problemas e que indicava seu nível de desenvolvimento.

Ao criar outras condições com as mesmas atividades, mas desta vez com auxílio
externo verificou-se que a criança pode ir além do seu nível de desenvolvimento, o
que Vygotsky denominou de “Zona de Desenvolvimento Proximal - ZDP, experiência
que só foi bem sucedida nos humanos. A ZDP fornece os indícios do potencial
humano, de forma que os processos educativos fluam de forma sistemática e
individualizada.

7. Pensamento e linguagem

No sétimo e último capítulo Vygotsky finaliza com o título da obra analisando que sua
preocupação inicial sobre a relação entre pensamento e linguagem nos estágios
iniciais de desenvolvimento, filogenético e ontogenético não tem interdependência
específica entre as raízes genéticas do pensamento e da palavra. O que achava ser
um requisito prévio para a relação interna, na verdade era o seu produto. A maior parte
das investigações acreditasse que o pensamento e a palavra eram elementos
independentes e isolados e que pensamento verbal era fruto de uma união externa.
Por fim é apresentado os diferentes resultados utilizando-se de exemplos práticos
utilizados em sala de aula que reforçam a análise do processo total.

Considerações Finais

Na prática, o pensamento e a linguagem caminham juntos no entendimento de como o


aprendizado acontece e como o professor pode organizar o ensino respeitando os
limites e possibilidades das crianças, uma vez que a linguagem precisa do
pensamento para ser executada.

Em relação aos profissionais da educação, faz-se necessário conhecer todo o


processo do pensamento e linguagem para elaboração de propostas pedagógicas que
respeitem os limites das crianças e que utilizem de instrumentos pedagógicos que
estimule o aprendizado. O aprendizado desperta internamente nas crianças vários
processos de desenvolvimento, sendo que ocorre o seu funcionamento apenas
quando há interação da criança com seu ambiente de convívio.
Vygotsky crê que é por meio da palavra que se encontram resultados no que se refere
ao pensamento e a fala. Como objeto de estudo esta é uma obra completa que
consegue reunir todo o conhecimento de investigações realizadas para provar cada
passo do trabalho entre o pensamento e a linguagem.

Referência Bibliográfica Vigotsky, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins


Fontes, 2005. 194 p.