Você está na página 1de 5
seio7i20%8 LEGIO VICTRIX: A Esséncia do Neolberalismo A Esséncia do Neoliberalismo por Pierre Bourdieu Como pretende o discurso dominante, 0 mundo econémico é uma ordem pura e perfeita, que implacavelmente desenvolve a légica de suas consequéncias prediziveis e atenta a reprimir todas as violagdes mediante as sancdes que inflige, seja automaticamente ou - mais desusadamente - através de suas extensdes armadas, 0 Fundo Monetério Internacional e a Organizacio para a Cooperacio e Desenvolvimento Econdmico e as politicas que impdem: redugao dos custos trabalhistas, reduc3o do gasto pubblico e flexibilizacdo do trabalho. Tem razo o discurso dominante? E 0 que aconteceria se, em realidade, esta ordem econémica nao fosse mais que a instrumentalizacéo de uma utopia - 2 utopia do neoliberalismo - convertida assim em um problema politico? Um problema que, com a ajuda da teoria econdmica que proclama, lograra conceber-se como uma descri¢o cientifica da realidade? Esta teorla tutelar é pura ficcio matemitica. Fundou-se desde o inicio sobre uma abstracao formidavel. Pois, em nome da concepcio estreita e estrita da racionalidade como racionalidade Individual, emoldura as condigées econdmicas e sociais das orientacées racionais e as estruturas econémicas e sociais que condicionam sua aplicacdo. Para dar a medida dessa omissdo, basta pensar precisamente no sistema educacional. A educagao nao tomada nunca em conta como tal em uma época que desempenha um papel determinante na produc&o de bens e servicos tanto como na produg&o dos préprios produtores. Desse tipo de pecado original, inscrito no mito walrasiano da "teoria pura", procedem todas as deficiéncias e falhas da disciplina econdmica e da obstinagdo fatal com que se afilia 8 oposicao arbitréria que induz, mediante sua mera existéncia, entre uma légica propriamente econdmica, baseada na competéncia ¢ na eficiéncia, e uma légica social, que estd sujeita ao dominio da justica. Dito isso, esta "teoria" dessocializada e desistorizada em suas raizes tem, hoje mais do que nunca, os meios de comprovar a si mesma e tornar a si mesma empiricamente verificével. Em efeito, 0 discurso neoliberal néo é simplesmente um discurso a mais. E mais apropriadamente um “discurso forte" - tal como o discurso psiquiatrico 0 é em um manicémico, na andlise de Erving hitpsegiosvictrix blogspot.com/2012I lessencia-do-neolberalsme.him! seiori2018 LEGIO VICTRIK: A Esséncia do Neolberalismo Goffman. E to forte e dificil de combater somente porque tem a seu lado todas as forcas das relacBes de forcas, um mundo que contribui para que seja como é. Isso o faz muito notoriamente ao orientar as decisées econdmicas dos que dominam as relages econémicas. Assim, contribui com sua prépria forca simbélica para estas relagdes de forcas. Em nome desse programa cientifico, convertido em um plano de aco politica, esté em desenvolvimento um imenso projeto politico, ainda que essa sua condicao seja negada por transparece como puramente negativa Este projeto se propde a criar as condigdes sob as quais a "teoria" pode realizar-se e funcionar: um programa de destruigdo metédica dos coletivos. © movimento em direcdo a utopia neoliberal de um mercado puro e perfeito é possivel mediante @ politica de desregulamentacao financeira. E se alcanca mediante a ago transformadora e, devo dizer, destrutiva de todas as medidas pollticas (das quais a mais recente é 0 Acordo Multilateral de Investimentos, desenhado para proteger as corporacées estrangeiras e seus investimentos nos estados nacionais) que apontam a questionar toda e qualquer estrutura que possa servir de obstdculo para a légica do mercado puro: a nac&o, cujo espago de manobra diminui continuamente; as associagées laborais, por exemplo, através da individualizacao dos salarios e das carreiras como uma fungao das competéncias individuais, com a conseguinte atomizagao dos trabalhadores; os coletivos para a defesa dos direitos dos trabalhadores, sindicatos, associagées, cooperativas; inclusive a familia, que perde parte de seu controle do consumo através da constituigo de mercados por grupos etérios. © programa neoliberal deriva seu poder social do poder politico e econémico daqueles cujos interesses expressa: acionistas, operadores financeiros, industriais, politicos conservadores social-democratas que foram convertidos nos subprodutos tranquilizantes do laissez faire, altos funcionarios financeiros decididos a impor politicos que buscam sua prépria extingao, pois, diferentemente dos gerentes de empresas, ndo correm nenhum risco de ter que eventualmente se responsabilizar pelas consequéncias, O neoliberalismo tende como um todo a favorecer a separacao da economia das realidades sociais e portanto & construgao, na realidade, de um sistema econémico que se conforma a sua descricéo em teoria pura, que é uma sorte de maquina légica que se apresenta como uma cadeia de restrig5es que regulam os agentes econémicos. A globalizacio dos mercados financeiros, quando se unem com o progresso da tecnologia da informagao, assegura uma mobilidade sem precedentes do capital. Dé aos investidores Preocupados com a rentabilidade a curto prazo de seus investimentos a possibilidade de comparar permanentemente a rentabilidade das maiores corporagdes e, em consequéncia, penalizar as derrotas relativas dessas firmas, Sujeitas a este desafio permanente, as corporagdes mesmas tem que ajustar-se cada vez mais rapidamente as exigéncias dos mercados, sob pena de "perderem a confianga do mercado", como dizem, assim como respaldar seus acionistas. Estes ultimos, ansiosos por obter lucros a curto prazo, sdo cada vez mais capazes de impor sua vontade aos gerentes, usando comités financeiros para estabelecer as regras sob as quais os gerentes operam © para conformar suas politicas de recrutamento, emprego e saldrios. htpsegio-ictrx blogspot com/2012103/essencia-do-reoliberalsmo. html 218 seio7i20%8 LEGIO VICTRIX: A Esséncia do Neolberalismo Assim se estabelece o reino absoluto da flexibilidade, com empregados por contrato a prazo fixo ou temporais e repetidas reestruturagées corporativas e estabelecendo, dentro da prépria firma, a concorréncia entre divisdes auténomas assim como entre equipas forcadas a executar multiplas fungées. Finalmente, esta concorréncia se estende aos proprios individuos, através da individualizagéo da relaco salarial: estabelecimento de objetivos de rendimento individual, avaliagéo do rendimento individual, avaliaco permanente, incrementos salariais individuais ou a concessao de bénus em funga oda competéncia e do mérito individual; carreiras individualizadas; estratégias de "delegacao de responsabilidade" tendentes a assegurar a autoexploracdo do pessoal, como assalariados em relagdes de forte dependéncia hierérquica, que so ao mesmo tempo responsabilizados de suas vendas, seus produtos, sua sucursal, sua loja, etc., como se fossem contratantes independentes. Esta presséo pelo “autocontrole" estende 0 “compromisso” dos trabalhadores de acordo com técnicas de "geréncia participativa" consideravelmente mais além do nivel gerencial. Todas estas sao técnicas de dominacao racional que impdem o sobrecompromisso no trabalho (e nao sé entre gerentes) e no trabalho em emergéncia e sob condigdes de alto estresse. E convergem no enfraquecimento ou abolicéo dos padrées e solidariedades coletivas. Dessa forma emerge um mundo darwiniano - é a luta de todos contra todos em todos os niveis da hierarquia, que encontra apoio através de todo aquele que se aferra a seu posto e organizacao sob condigées de inseguranca, sofrimento e estresse. Sem diivida, o estabelecimento pratico desse mundo de luta ndo triunfaria tio completamente sem a cumplicidade de arranjos precdrios que produzem inseguranca e da existéncia de um exército de reserva de empregados domesticados por estes processos sociais que tornam precéria sua situaco, assim como pela ameaga permanente de desemprego. Este exército de reserva existe em todos os niveis da hierarquia, inclusive nos niveis mais altos, especialmente entre os gerentes. A fundacdo definitiva de toda esta ordem econémica colocada sob o signo da liberdade é em efeito a violéncia estrutural do desemprego, da inseguranca da estabilidade laboral e da ameaca de desemprego que ela implica, A condigéo de funcionamento “harménico" do modelo microeconémico individualista é um fenémeno massivo, a existéncia de um exército de reserva de desempregados. A violéncia estrutural pesa também no que se tem chamado contrato laboral (sabiamente racionalizado e convertido em irreal pela "teoria dos contratos"). O discurso organizacional nunca htpsegio-ictrx blogspot com/2012103/essencia-do-reoliberalsmo. html a8