Você está na página 1de 129

Academia

 SAP  SD  
Localização  Brasil  
Obje%vos  do  curso  
Logo  
cliente  

•  Compreender  a  aderência  da  legislação  fiscal  de  vendas  brasileira  


e  o  SAP  ECC  6.0  

•  Entender  e  configurar  as  estruturas  organizacionais  necessárias  


para  atender  a  legislação  tributária  e  suas  demonstrações  fiscais  
de  vendas  brasileira  

•  Entender  e  configurar  as  obrigações  tributárias  e  demonstrações  


fiscais  que  envolvem  o  processo  de  vendas  e  distribuição  

•  Entender  e  configurar  a  nova  arquitetura  de  impostos  (CondiGon  


Base  Tax)  no  processo  de  vendas  e  distribuição  

2
Índice  
Logo  
cliente  

•  Introdução  Localização  Brasil  


•  Estrutura  Organizacional  
•  Nota  Fiscal  e  NFe  
•  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
•  CFOP  
•  Código  de  Imposto  –  SD  
•  Direitos  Fiscais  
•  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
•  ICMS  
•  IPI  
•  SubsGtuição  Tributária  
•  ISS  
•  PIS/COFINS/CSLL  
•  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
•  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
•  Processos  em  Vendas  
•  Dados  Mestre  
•  Cenários  de  Vendas  
•  Transferência  entre  centros  

3
Intrudução  Localização  Brasil  
Logo  
cliente  

•  Para  obtenção  de  êxito  global,  as  empresas  devem  adotar  procedimentos  e  condições  
locais  dos  países  nos  quais  opera.  Um  exemplo  está  relacionado  ao  formato  de  datas,  
cumprimento  da  legislação  tributária  local  e  adequação  a  procedimentos  específicos  
adotados  por  cada  país.  

•  Desde  que  o  cenário  mundial  e  a  demanda  por  produtos  globalizados  começou  a  


crescer,  podemos  dizer  que  a  capacidade  da  empresa  em  cumprir  com  estas  
regulamentações  locais  e  conscienGzar-­‐se  dos  requerimentos  de  negócio  específicos  de  
cada  país  afeta  diretamente  o  nível  de  sucesso  global  desta  empresa.  Desta  forma,  e  
principalmente  para  auxiliar  as  empresas  no  atendimento  a  estes  cenários  globais,  o  
grande  desafio  dos  so`ware´s  é  manter  soluções  verdadeiramente  “globais”.  

•  Com  este  objeGvo,  a  SAP  que  possui  soluções  apropriadas  aos  diversos  cenários  
mundiais,  além  de  disponibilizar  de  maneira  standard  (padrão)  o  desenvolvimento  da  
Localização  Brasileira  sem  prejudicar  as  caracterísGcas  das  melhores  práGcas  de  
negócios,  adotou  por  estratégia  a  manutenção  e  a  centralização  de  desenvolvimentos  
em  sua  matriz  na  Alemanha,  contando  com  uma  equipe  de  desenvolvimento  voltada  às  
aGvidades  da  localização  brasileira.  Desta  forma,  pode-­‐se  garanGr  perfeita  integração  
da  solução  em  todos  os  seus  módulos  e  componentes,  bem  como  assegurar  a  
manutenção  do  sistema  e  futuros  upgrades  de  versão.  

4
Documentos  de  vendas  no  R/3  
Logo  
cliente  

FI  
SD   Documento  Contábil    
Ordem  de     SD   SD  
Remessa   Fatura   Contas  a  Receber  
Vendas   CR:  Cliente  
DB:  Banco  
MM  
SD  
Movimento  de  
Nota  Fiscal  
Mercadoria  
FI  
Documento   FI  
Contábil   Documento  Contábil  
CR:  Estoq   CR:  Receita  
DB:  CPV   CR:  Impostos  
DB:  Desp.  Imp.  
DB:  Cliente  

•  No  ciclo  de  vendas,  a  determinação  dos  impostos  incidentes,  o  cálculo  destes  impostos,  a  contabilização  correta  de  receitas,  provisões,  impostos  e  o  
destaque  de  valores  e  observações  legais  em  Notas  Fiscais  são  fatores  decisivos  para  uma  correta  operação  de  negócios.  

•  Agrega-­‐se  a  isto  tudo  a  geração  e  emissão  dos  livros  fiscais  obrigatórios  no  Brasil.  
•  Para  suportar  estas  necessidades  do  ciclo  de  vendas  a  solução  SAP  ECC  6.0,  possui  dentro  de  SD  importantes  funcionalidades  como:    

ü  determinação  e  Cálculo  de  Preços  e  Impostos  nas  cotações  


ü  ordens  e  faturamentos  
ü  determinação  de  textos  legais  sobre  os  impostos  incidentes  
ü  determinação  de  CaracterísGcas  Fiscais  da  Operação  CFOP  
ü  livro  fiscal  de  Saída  

•  Além  dos  aspectos  locais  às  funcionalidades  de  SD,  o  ECC  6.0  possui  também  todos  os  tratamentos  de  integração  de  preços,  descontos,    

 
 receitas,  custos,  fretes,  impostos  e  custos  com  outros  grupos  de  funcionalidades  da  solução,  tais  como:  Materials  Management  (MM);    
   Financial  Account  (FI);  Controlling  (CO)  entre  outros

5
Índice  
Logo  
cliente  

•  Introdução  Localização  Brasil  


•  Estrutura  Organizacional  
•  Nota  Fiscal  e  NFe  
•  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
•  CFOP  
•  Código  de  Imposto  –  SD  
•  Direitos  Fiscais  
•  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
•  ICMS  
•  IPI  
•  SubsGtuição  Tributária  
•  ISS  
•  PIS/COFINS/CSLL  
•  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
•  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
•  Processos  em  Vendas  
•  Dados  Mestre  
•  Cenários  de  Vendas  
•  Transferência  entre  centros  

6
Estrutura  Organizacional  
Logo  
cliente  

•  As  estruturas  organizacionais  são  elementos  importantes  na  definição  de  Preços,  Impostos,  Contabilizações  e  Obrigações  
Tributárias  e  legais  brasileiras.  

•  Os  elementos  organizacionais:  Empresa,  Filial,  Centro,  Organizações  de  compras,  Organizações  de  vendas,  Local  de  expedição    
conjuntamente  com  os  Dados  Mestres  de  Clientes,  Dados  Mestres  de  Fornecedores  e  Dados  Mestres  de  materias  formam  
combinações  que  determinam  Preços,  Impostos,  Contabilizações  e  Obrigações  Tributárias  e  legais  brasileiras.  

•  Os  principais  elementos  organizacionais  para  SD  são:  

ü  Filial  
ü  Organização  de  vendas  
ü  Canal  de  Distribuição  
ü  Setor  de  AGvidade  
ü  Local  de  Expedição  
ü  Centro  
ü  Empresa  

–  Como  em  outros  países,  podemos  implementar  dentro  de  um    


–  mesmo  Mandante  do  SAP  ECC  6.0  diversas  Empresas    
–  (CNPJs  diferentes)  e  suas  respecGvas  filiais.  

7
Estrutura  Organizacional:  Empresa  
Logo  
cliente  

•  IMG:  Contabilidade  financeira  è  Configuração  contabilidade  financeira  è  Empresa  è  Verificar  e  completar  parâmetros  globais  

•  Selecionar  a  empresa  e  clicar  em  Dados  adicionais  

•  Ingressar  com  a  primeira  parte  do  CNPJ  (8  dígitos),  número  que  representa  a  empresa  e  suas  filiais  do  ponto  de  vista  fiscal.  

Exemplo:  12345678/0001-­‐12  
Dígito  de  controle  

Empresa   Filial  
1ª  Parte   2ª  Parte  

8
Estrutura  Organizacional:  Filial  
Logo  
cliente  

•  IMG:  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  fiscal  è  Filial  CNPJ    è  Definir  locais  
de  negócio    è  Atribuir  locais  de  negócios  a  centros  

•  Uma  filial  deve  estar  associada  a  somente  uma  Empresa  e  um  centro  só  pode  estar  associado  a  uma  filial.  

•  Uma  filial  pode  ter  “n”  centros  mas  neste  caso  todos  os  centros  devem  estar  no  mesmo  endereço.  

•  A  criação  da  NF,  lançamentos  nos  Livros  Fiscais  e  exibição  dos  Relatórios  Legais  dependem  da  correta  definição  da  filial  uma  vez  
que  em  sua  configuração,  os  seguintes  parâmetros  são  definidos:  

ü  Número  do  CNPJ  


ü  Razão  Social  
ü  Inscrições  Estadual  e  Municipal  
ü  Categoria  de  Setor  (Det.  CFOP)  
ü  MúlGplas  páginas  para  NF  
ü  Números  de  decimais  para    
ü  cálculo  do  preço  unitário  da  NF  

9
Estrutura  Organizacional:  Centro  x  Filial  
Logo  
cliente  

•  A  associação  de  Filiais  (local  de  negócio)  ao  Centro  segue  uma  regra  da  legislação  brasileira:  

ü  Quando  dois(ou  mais)  centros  disGntos  estão  no  mesmo  endereço  usico  é  possível  associar  estes  centros  a  uma  única  filial  (local  
de  negócio)  

ü  Quando  dois(ou  mais)  centros  disGntos  estão  em  endereços  diferentes  (mesmo  que  seja  do  outro  lado  da  rua  e  considerando-­‐se  
que  não  foi  concedido  nenhum  regime  especial),  então  cada  centro  irá  corresponder  a  uma  filial  (local  de  negócio)  

•  Esta  associação  Filial  x  Centro  é  mandatória  para  o  correto  funcionamento  do  sistema  e  seus  aspectos  legais.    

10
• Índice  
Logo  
cliente  

•  Introdução  Localização  Brasil  


•  Estrutura  Organizacional  
•  Nota  Fiscal  e  NFe  
•  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
•  CFOP  
•  Código  de  Imposto  –  SD  
•  Direitos  Fiscais  
•  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
•  ICMS  
•  IPI  
•  SubsGtuição  Tributária  
•  ISS  
•  PIS/COFINS/CSLL  
•  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
•  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
•  Processos  em  Vendas  
•  Dados  Mestre  
•  Cenários  de  Vendas  
•  Transferência  entre  centros  

11
Tipos  de  Nota  Fiscal  (clássico)  
Logo  
cliente  

•  A  nota  fiscal  é  uma  exigência  de  demonstrações  fiscais  brasileiras  e  servem  para  acompanhar  a  
circulação  de  mercadorias  e  serviços.  
•     
•  Existem  notas  fiscais  para  registrar  processos  de  saída  e  entrada.  

•  Exemplos  de  Tipos  de  Notas  Fiscais:  

•  Complementar:    Atualiza  Livro  Fiscal  de  Entrada  


•      Entrada  Fatura  ou  Manual  (J1B1N)  

•  Saída:      Atualiza  Livro  Fiscal  de  Saída  


•      Nota  Crédito  (Devolução)  
•      Movimentação  de  Mercadoria  
•      Ex.:Transferência/Industrialização/Vendas  

•  Fornecedor:    Atualiza  Livro  Fiscal  de  Entrada  


•      Entrada  Fatura  
•      Entrada  Mercadoria  

•  Entrada:  Atualiza  Livro  Fiscal  de  Entrada  


•               Manual  (J1B1N)  
•      Ex.:Importação  

12
Nota  Fiscal:  Determinação  
Logo  
cliente  

•  O  Gpo  de  NF  é  determinado  em  funcão  do  Gpo  de  documento  de  vendas.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  
aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Vendas  e  Distribuição  –  documentos  de  
faturamento  è  Determinar  Gpo  de  nota  fiscal  

13
Nota  Fiscal:  Numeração  /  Série  
Logo  
cliente  

•  Aspectos  da  numeração  de  notas  fiscais:  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Saída  

•  Nesta  aGvidade  do  IMG  são  criados  grupos  de  números  para  Notas  Fiscais  e  outros  documentos  fiscais  como  Conhecimentos.  
 
•  Observações:  atribuir  intervalos  de  numeração  a  estes  grupos  e  estabelecer  a  ligação  entre  os  grupos  de  números  e  a  empresa,  o  
local  de  negócio,  o  formulário  de  nota  fiscal  e,  se  necessário,  um  quarto  campo  de  dinâmico  na  aGvidade  de  atribuição  de  
parâmetros  de  numeração  e  de  impressão.  

14
Nota  Fiscal:  Configuração  de  saída  
Logo  
cliente  

•  Para  fazer  a  parametrização  de  numeração  de  NF  de  saída  siga  as  seguintes  parametrizações  através  do  menu:    

ü  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Saída  è  Definir  formulários  -­‐  Neste  local  você  poderá  criar  
os  formulários  de  saída  ou  usar  o  pré-­‐existente  NF01.  

ü  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Saída  è  Definir  grupos  de  numeração  -­‐  Neste  local  você  
poderá  criar  grupos  que  serão  associados  a  range  de  numeração  e  depois  associado  a  Empresa/Filial/Série.  

ü  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Saída  è  Atualizar  Intervalos  de  numeração  -­‐  Neste  local  
você  vai  atribuir  os  intervalos  de  numeração  ao  grupo  de  números.  

ü  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Saída  è  Atribuir  parâmetros  de  numeração  e  impressão  -­‐  
Neste  local  a  atribuição  final  do  grupo  de  numeração  à  Empresa\Filial\Formulário  é  feita.  Aqui  também  se  define  a  série  da  NF  e,  opcionalmente,  atribui-­‐se  uma  
chave  dinâmica,  por  exemplo:  Local  de  Expedição.  

 
Formulário  de  NF  
 

 
Grupo  (Série  )  de  NF  
 
 
Atualizar  Intervalos  de  
numeração  
  Empresa   Filial   Chave  Dinâmica  
    (se  necessário)  

Atribuir  parâmetros  de  


numeração  e  impressão  

Impressora  

15
Determinação  de  saída  (Esquema  completo)  
Logo  
cliente  

Intervalo  Numeração   Tipo  de  Ordem   Esquema  de  Mensagens  


Interno   de  Vendas   (  Output  DeterminaGon  Procedure)  
ex:  01  (  1  -­‐  999999999  )   01   ex:  ORB   02   ex:  NF0001   10  

03  
SAPSCRIPT  

Tipo  de  NF   Programa    ex:  J_1BNFPR  


ex:  N1   Formulário    ex:  J_1BNOTA_FISCAL  
12  
         Entrada  x    Saída  
   
 
Tipo:   x  NF  
                         Compl.  
                         Correção   Tipo  de  Condição  
                04   (  Output  type  )   Sequência  
ex:  NF01   11   Acesso  
ex:  0001   13  

Empresa   Filial   Formulário   Tabela        Ex:  120   14  


ex:  7001   ex:  7010   ex:  NF01  
06   07   05  
Empresa            Filial                  Form  NF          
 
Mensag.  Cab:  12   7001                    SPXX                  NF01                
Linh.  Itens:  7   10  
Meio:  1  -­‐  Impressão  
Hora:    1  -­‐  Enviar  com  RSNAST00  
Intervalo  Numeração     Idioma:  PT  
Grupo  (  Série  )  de  NF   Disp.  Saída:  SAO1  
Externo  
ex:  SP1XX   N.  mensagens:  1  
08   ex:  01  (  1  -­‐  99999  )   09  

CondiGon  Technique:  
Determinação  de  Mensagens  “Output  DeterminaGon”  

16
Determinação  de  saída  (Esquema  completo)  
Logo  
cliente  

•  Passo  01  -­‐  Determinação  do  intervalo  de  numeração  interno  para  o  documento  de  NF.  Este  número  é  uGlizado  apenas  internamente  na  tabela  de  
nota  fiscal  (J_1BDYDOC  –  DOCNUM).  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Atualizar  intervalos  de  numeração.  

•  Passo  02  -­‐  Atribuição  do  documento  de  venda  a  Tipo  de  NF.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Vendas  e  Distribuição  –  documentos  de  
faturamento  è  Determinar  Gpo  de  nota  fiscal  

•  Passos  03,  04  e  05  -­‐  Definição  de  Tipo  de  NF  e  Formulários  –  Criação  de  novos  formulários  de  saída  ou  uGlização  do  pré-­‐existente  NF01.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Saída  è  Definir  formulários  

•  Passos  06,  07  e  08  -­‐  Criação  de  grupos  que  serão  associados  ao  intervalo  de  numeração  e  posteriormente  atribuido  à  Empresa/Filial/Série.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Saída  è  Definir  grupos  de  numeração  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Saída  è  Atualizar  Intervalos  de  
numeração  

•  Passo  09  -­‐  Atribuir  numeração.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Saída  è  Atribuir  parâmetros  de  
numeração  e  impressão  

17
• Determinação  de  saída  (Esquema   Logo  
cliente  

completo)  
•  Passo  10  -­‐  Esquema  de  Mensagem:  a  emissão  de  NF  é  tratada  como  um  Output  DeterminaGon  Procedure,  ou  seja,  esquema  de  mensagem.  Este  
recurso  uGliza-­‐se  de  CondiGon  Technique.  Existe  no  sistema  um  esquema  de  mensagem  pré-­‐configurado  NF0001  com  2  Gpos  de  condições,  uma  é  
a  NF01  para  notas  de  saída  e  um  é  a  NF02  para  notas  de  entrada.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Determinação  de  saída  è  Esquema  de  
mensagem  

•  Passo  11  -­‐  Considerando-­‐se  o  Gpo  de  condição  NF01,  vamos  fazer  as  devidas  associações  de  sequência  de  acesso,  tabela  de  condições,  estruturas  
que  fazem  parte  do  condiGon  technique.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Determinação  de  saída  

•  Passo  12  -­‐  A  atribuição  do  programa  que  extrairá  os  dados  do  sistema  para  imprimir  na  NF  e  também  o  formulário  SAPScript  que  define  o  layout  
de  impressão.  Selecionar  NF01  e  na  Estrutura  de  dialogo  selecionar  a  pasta  opção  RoGnas  de  Processamento.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  Determinação  de  saída  è  Tipos  de  
condição  

•  Passo  13  -­‐  A  sequência  de  acesso  determinada  para  o  Gpo  de  condição  NF01  é  a  0001  –  com  a  condiGon  table  (120)  Empresa/Filial/Form.  

•  Passo  14  -­‐  Para  cadastrar  o  registro  de  condição  que  irá  determinar  Meio,  Hora,  Idioma,  usar  a  transação  J1BF  ou  menu.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  Fiscal  è  saída  è  registro  de  condição  (Criar  ou  
alterar)  

18
Split  de  Nota  Fiscal  
Logo  
cliente  

•  O  Split  de  NF  pode  ocorrer  quando  definimos  que  não  será  usada  a  Nota  Fiscal  paginada  
(múlGplas  páginas)  e  a  quanGdade  de  linhas  é  maior  do  que  a  determinada  para  aquela  nota  
fiscal.  

•  O  Split  é  definido  por  Filial.  

•  Critérios  para  split:  

•  Número  de  Ítens  na  Nota  Fiscal  


•  Textos  na  Nota  Fiscal  
Notas  Fiscais  
•  Filial   Números  disGntos  
SPLIT  

Ordem  de  Venda   Remessa   Faturamento  

Nota  Fiscal  MulGpágina  

19
Nota  Fiscal:  Atribuição  de  grupo  de  controle   Logo  
cliente  

de  tela  
•  AGvação  de  tela  para  criação,  modificação  e  exibição  da  Nota  Fiscal  gerada  pelo  sistema.  

•  A  atribuição  de  grupo  de  controle  de  tela  serve  para  parametrizarmos,  para  uma  Categoria  de  Nota  Fiscal  (Ex.:  N1),  as  telas  de  controle  (sequência  de  telas)  
nas  operações  de  criar,  modificar  e  exibir.  

•  Encontre  nesta  parametrização  o  que  está  definido  para  a  Categoria  de  Nota  Fiscal  N1.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  fiscal  è  Atualização  è  Atribuição  de  grupo  controle  de  tela  

•  A  definição  dos  grupos  de  atribuição  é  feita  na  tabela  J_1BAMV  através  da  transação  SM30.  
•  Execute  um  display  do  grupo  1  para  entender  como  são  controlados  os  campos  exibidos,  obrigatórios,  possíveis  e  ocultos  neste  grupo.  

20
Nota  Fiscal:  Texto  
Logo  
cliente  

•  A  determinação  de  textos  de  notas  fiscais  e  seus  itens  pode  ser  feita  de  algumas  maneiras:  

ü  O  texto  do  cabeçalho  ou  de  um  item  pode  vir  diretamente  do  Customizing,  por  exemplo,  em  função  da  parametrização  de  algum  
direito  fiscal.  

ü  O  texto  também  poderá  vir  em  função  da  cópia  do  texto  de  documentos  precedentes,  por  exemplo:  texto  determinado  no  cabeçalho  
de  uma  ordem  de  venda  que  foi  para  o  cabeçalho  de  uma  fatura  e  que  vai  para  o  cabeçalho  da  Nota  Fiscal  que  for  gerada  com  
referência  àquela  fatura.  

ü  Observe  que  o  texto  determinado  em  uma  ordem  de  venda  pode  ter  vindo  do  mestre  de  materiais  ou  do  mestre  de  clientes  ou  ainda  
de  outras  fontes.  

ü  O  posicionamento  de  textos  na  Nota  Fiscal  impressa  depende  de  definições  no  SAPScript  da  NF.  

ü  Textos  no  Documento  de  Vendas:  

§  Texto  por  Gpo  de  documento  de  venda:  texto  de  cabeçalho,  com  número  limitado  de  argumentos    

§  Textos  Manuais  no  Pedido  de  Vendas:  texto  de  cabeçalho  para  Nota  Fiscal  (NFH)  +  texto  de  item  para  Nota  Fiscal  (NFL)  

21
Tipo  de  item  de  Nota  Fiscal  
Logo  
cliente  

•  Se  houver  necessidade  de  se  criar  um  novo  Tipo  de  Item  de  Nota  Fiscal,  seguir  os  seguintes  passos:  

1.  Criar  o  Tipo  de  Item  novo  e  sua  denominação  na  visão  J_1BITEMTYPES,  através  da  transação  SM30.  

2.  Criar  as  regras  da  novo  Tipo  de  Item  com  cópia  de  uma  semelhante  já  criada  pela  SAP  através  da  transação  IMG  èComponentes  válidos  
para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  èNota  fiscal  èAtualização  èAtribuição  de  grupo  controle  de  tela.  

3.  Se  for  uGlizada  para  a  determinação  de  um  CFOP  de  vendas,  o  novo  Tipo  de  Item  de  Nota  Fiscal  deve  ser  atualizado  na  tabela  de  Categoria  
de  Item  de  Vendas,  no  campo  de  Tipo  de  Registro  de  Nota  Fiscal.  

4.  Inserir  o  novo  campo  na  tabela  de  determinação  de  CFOP  de  MM  ou  de  SD.  

•  Exemplos  de  situações  onde  pode  ser  necessária  a  criação  de  um  novo  Tipo  de  Item  de  NF:  

ü  Aplicação  de  um  material  em  um  serviço  


ü  Compra  de  material  para  posterior  exportação  
ü  Venda  de  material  comprado  em    
consignação  
ü  Venda  de  material  comprado  sob    
certas  condições  de  SubsGtuição    
Tributária.  

Importante:  uGlizado  para  


determinação  do  CFOP  

22
Nota  Fiscal  Eletrônica  (NF-­‐e)  
Logo  
cliente  

Sistema  de  Faturamento   Solicitar  Autorização  


Emitente  

Dados  da  NF   Mudar  Layout  

Dados  Fiscais   Agrupar  e  Assinar  os  lotes  50  


NFe  ou  500k  

Dados  Contábeis  

ReGrar  um  recibo  com  tempo  


de  processamento  
Emissão  NF  

LogísGca  Carregamento   Resposta  

S  

Fiscalizador  
Impressão   RoGna  de  busca  da  NFe    
S   processada  
DANFE  55   SEFAZ  

Autorizado  

23
Nota  Fiscal  Eletrônica  (NF-­‐e)  
Logo  
cliente  

=   XML  
+  
DANFE  
XML  –  Extended  Markup  Language  
Documento  Auxiliar    
(Baseado  em  Tags  para  comunicação  de  
da  Nota  Fiscal  Eletrônica  
webservices)  
(modelo  55)  

•  Conceito  da  NFe  –  Nota  Fiscal  Eletrônica  


–  “Entende-­‐se  como  Nota  Fiscal  Eletrônica  (NFe)  um  documento  com  existência  exclusivamente  digital,  emiGdo  e  armazenado  
eletronicamente,  com  o  intuito  de  documentar  uma  operação  de  circulação  de  mercadoria  ou  prestação  de  serviços,  
ocorrida  entre  as  partes,  cuja  a  validade  jurídica  é  garanGda  pela  assinatura  digital  do  emitente  e  recepção,  pelo  fisco,  antes  
da  ocorrência  do  fato  gerador.”    -­‐  SRF  –  Projeto  NFe  –  Nota  Fiscal  Eletrônica  

24
Solução  SAP  
Logo  
cliente  

Usuário   ERP   NetWeaverTM SEFAZ   Cliente  


FERRAMENTA  DE  INTEGRAÇÃO  
Grava  NF  
Gera   Assina  
Recibo  
XML   XML  
Gera  NF   Envia  NF  
Recibo  
ConGngência  
NFe  ok  -­‐  
Protocolo   FILA  
Imprime  
DANFE    papel  
segurança  
Grava   BW  
Status   Validação:  
-­‐   Assinatura?  
NFe  Autorizada   -­‐   XML  ok?  
-­‐   Autorizada?  
Grava  Recibo/  
Protocolo  
Imprime  
DANFE  
Portal  Web    
Content  Management   Grava  NF-­‐e    
Autorizada  

Monitor  Status   Consulta  NF-­‐e  


Consulta  NF-­‐e   Consulta  
Consulta  

•  Solução  no  produto  SAP  ERP  (Standard)  através  de  parametrização  (após  support  pack  e  notas)  

•  Solução  de  mensageria  baseada  no  NetWeaver  (XI,  BW,  KM,  Portal  e  WAS)  envolve  licenciamento,  serviços,  infra-­‐estrutura.  

25
Índice  
Logo  
cliente  

ü  Introdução  Localização  Brasil  


ü  Estrutura  Organizacional  
ü  Nota  Fiscal  e  NFe  
ü  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
ü  CFOP  
ü  Código  de  Imposto  –  SD  
ü  Direitos  Fiscais  
ü  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
ü ICMS  
ü IPI  
ü SubsGtuição  Tributária  
ü ISS  
ü PIS/COFINS/CSLL  
ü  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
ü  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
ü  Processos  em  Vendas  
ü  Dados  Mestre  
ü  Cenários  de  Vendas  
ü  Transferência  entre  centros  

26
Tax  Manager  Workplace  Brasil:  J1BTAX  
Logo  
cliente  

ü  A  transação  J1BTAX  é  uma  ferramenta  de  customizing  que  objeGva  reunir  o  acesso  à  todas  as  caracterísGcas  
fiscais  do  Brasil  em  um  único  lugar.  

ü  IMG  è  Contabilidade  financeira  è  Configuração  contabilidade  financeira  è  IVA  è  Cálculo  è  Opções  para  
cálculo  de  impostos  è  Chamar  Tax  AdministraGon  Tool  

27
Sub-­‐menus  da  J1BTAX  
Logo  
cliente  

28
Chaves  para  exceções  dinâmicas  
Logo  
cliente  

29
Códigos  de  impostos  SD  
Logo  
cliente  

30
Índice  
Logo  
cliente  

ü  Introdução  Localização  Brasil  


ü  Estrutura  Organizacional  
ü  Nota  Fiscal  e  NFe  
ü  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
ü  CFOP  
ü  Código  de  Imposto  –  SD  
ü  Direitos  Fiscais  
ü  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
ü ICMS  
ü IPI  
ü SubsGtuição  Tributária  
ü ISS  
ü PIS/COFINS/CSLL  
ü  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
ü  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
ü  Processos  em  Vendas  
ü  Dados  Mestre  
ü  Cenários  de  Vendas  
ü  Transferência  entre  centros  

31
CFOP:  Definição  
Logo  
cliente  

•  O  Código  Fiscal  de  Operação  ou  CFOP  é  uma  exigência  


legal  para  determinar  a  caracterísGca  fiscal  da  operação.  

•  É  importante  observar  que  o  CFOP  é  determinado  já  no  


momento  da  criação  da  ordem  de  venda,  sendo  levado  
para  a  Nota  Fiscal  somente  como  uma  informação.  

•  Definido  pela  legislação  brasileira  para  idenGficar:  

ü  CaracterísGcas  fiscais  da  transação  sendo  realizada  


ü  Associado  a  cada  Nota  Fiscal  
ü  Usado  para  classificação  nos  Livros  Fiscais  
32
CFOP:  Caracterís%cas  para  determinação  
Logo  
cliente  

Para  a  determinação  do  CFOP  as  seguintes  caracterísGcas  são  relevantes:  


•  SenGdo  do  Movimento:  determinado  pelo  Gpo  de  nota  fiscal  onde  está  indicado  se  é  um  movimento:  1  –
Entrada,  2  –  Saída,  3  –  devolução  de  saída,  4  –  devolução  de  entrada  
•  Categoria  de  DesGno:  determinada  pelo  país  e  região  do  local  de  negócios  (filial)  e  o  país  e  região  do  
desGno  (cliente)  se  é  uma  operação:  0  –  estados  idênGcos,  1  –  estados  diferentes,  2  -­‐  Estrangeiro  
•  Categoria  de  CFOP  do  Material:  caracteriza  a  categoria  de  CFOP  no  mestre  de  material  ,  podendo  ser:  0  –  
material,  1  –  eletricidade;  2  –  comunicação,  3  –  transporte,  4  –  animal.  
•  Tipo  de  Registro  da  Nota  Fiscal:  definido  pela  categoria  de  item  da  NF:  item  normal,  item  de  transferência,  
consignação,  etc.  
•  Casos  Especiais  NF  CFOP:  indica  a  incidência  de  subsGtuição  tributária  dependendo  do  código  de  imposto.  
Em  caso  de  subsGtução  tributária,  o  sistema  automaGcamente  altera  o  campo  de  0  para  1.  Portanto  torna-­‐
se  necessário  criar  nova  entrada  na  tabela  de  CFOP  para  estes  casos.    
•  Indicador  de  Produção  Interna:  flag  manGdo  no  mestre  de  materiais  indicando  se  o  mesmo  é  produzido  
intermanente  naquele  centro/local  de  negócio  ou  não.  
•  UGlização  do  Material:  indica  se  o  produto  vai  ser  usado  para:  0  –  revenda,  1  –  conGnuidade  de  
processamento,  2  –  consumo,  3  –  imobilizado.  
•  Categoria  do  CFOP  do  Cliente:  manGda  no  cadastro  de  clientes,  idenGfica  a  categoria  de  CFOP  como:  0  –  
indústria,  1  –  eletricidade,  2  –  comunicação,  3  –  transporte,  4  –  prestação  de  serviços,  5  –  indústria  de  
bens  de  consumo,  6  –  cliente  isento  e  7  –  cliente  agrícola  
•  Versão  do  CFOP:  determina  se  a  versão  de  CFOP  que  será  determinada  é  a  que  está  na  lei  em  vigor  ou  a  
anterior  a  ela.  

33
CFOP:  Versão  
Logo  
cliente  

•  A  definição  de  Versão  de  CFOP  é  uma  solução  para  atender  à  necessidade  de  convivência  no  
sistema  de  duas  formas  de  determinação  de  CFOP  quando  há  mudanças  legais:  a  nova  para  
atender  à  legislação  e  a  anGga  para  atender  processos  referentes  aos  documentos  criados  
anteriormente,  como  uma  devolução  de  material,  por  exemplo.  

•  Definem-­‐se  as  versões  com  prazos  de  validade  para  acomodar  a  determinação  automáGca  
simultâneamente.  

34
CFOP:  Definição  
Logo  
cliente  

•  Lista  de  Códigos  de  CFOP,  por  versão,  definidos  pelo  departamento  fiscal  da  empresa.  

•  O  sulfixo  “/XX”  permite  que  se  criem  duas  descrições  disGntas  para  um  mesmo  código.  

35
CFOP:  Determinação  
Logo  
cliente  

•  Esquema  de  determinação  de  CFOP  em  SD  baseado  nas  caracterísGcas  descritas  
anteriormente.  

36
CFOP:  Detalhe  
Logo  
cliente  

•  Detalhe  de  uma  das  linha  do  esquema  de  determinação  do  CFOP.  

37
Índice  
Logo  
cliente  

•  Introdução  Localização  Brasil  


•  Estrutura  Organizacional  
•  Nota  Fiscal  e  NFe  
•  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
•  CFOP  
•  Código  de  Imposto  –  SD  
•  Direitos  Fiscais  
•  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
•  ICMS  
•  IPI  
•  SubsGtuição  Tributária  
•  ISS  
•  PIS/COFINS/CSLL  
•  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
•  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
•  Processos  em  Vendas  
•  Dados  Mestre  
•  Cenários  de  Vendas  
•  Transferência  entre  centros  

38
Código  de  impostos  de  SD  
Logo  
cliente  

•  O  Código  de  Imposto  de  SD  é  o  determinante  de  que  impostos  serão  calculados  sobre  a  operação  comercial  durante  o  
processamento  de  um  documento  de  venda.  
 
•  Na  transação  J1BTAX,  clique  no  botão  Processar  códigos  de  imposto  SD  ou  siga  o  menu  Calculo  do  imposto  è  
   Código  de  imposto  SD.  

•  Na  definição  do  Código  de  Imposto  de  SD  é  necessário  levar  em  consideração  os  impostos  que  podem  ser  calculados:  

ü  ICMS  
ü  IPI  
ü  SubsGtuição  Tributária  
ü  ISS  
ü  PIS  
ü  COFINS  
ü  Impostos  ReGdos  na  Fonte:    
ü  PIS  
ü  COFINS  
ü  IR  (Imposto  de  Renda)  
ü  CSLL  (Cont.Social  sobre  o  Lucro  Líq.)  

39
Código  de  impostos  de  SD:  determinação   Logo  
cliente  

automá%ca  
•  Há  duas  possibilidades  de  se  definir  automaGcamente  o  Código  de  Imposto  de  SD:  
 
•  A  parGr  da  tabela  de  Categoria  de  Item  (IMG)  
•     
•  IMG  è  Vendas  e  distribuição  è  Faturamento  è  Documentos  de  faturamento  è  CaracterísGcas  especiais  do  país  è  Propriedades  específicas  de  país  –  
Brasil  è  Atualizar  ctg.item  doc.  vendas  

•  A  parGr  do  Info  Cliente  Material  (Dados  Mestre)  

•  LogisGca  è  Vendas  e  distribuição  è  Dados  mestres  è  EsGpulações  è  Info  cliente-­‐material  è  Criar/Modificar/Exibir  

•  Nesta  configuração,  é  possível  definir  a  prioridade  de  pesquisa  entre  as  duas  opções,  que  anteriormente  era  fixa  no  sistema.      

40
Índice  
Logo  
cliente  

•  Introdução  Localização  Brasil  


•  Estrutura  Organizacional  
•  Nota  Fiscal  e  NFe  
•  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
•  CFOP  
•  Código  de  Imposto  –  SD  
•  Direitos  Fiscais  
•  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
•  ICMS  
•  IPI  
•  SubsGtuição  Tributária  
•  ISS  
•  PIS/COFINS/CSLL  
•  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
•  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
•  Processos  em  Vendas  
•  Dados  Mestre  
•  Cenários  de  Vendas  
•  Transferência  entre  centros  

41
Direitos  Fiscais:  Definição  
Logo  
cliente  

•  Direitos  fiscais  representam  os  textos  sobre  a  tributação  de  ICMS,  IPI,  SubsGtuição  Tributária  do  ICMS  e  ISS  que  devem  ou  podem  sair  em  uma  
Nota  Fiscal.  

•  Os  Direitos  fiscais  podem  estar  armazenados  em  diferentes  pontos  do  sistema.  As  possibilidades  de  determinação  automáGca  do  código  de  
direitos  fiscais  do  IPI  e  do  ICMS  são:  

•  Tabela  de  categoria  de  item  de  vendas:  IMG  èVendas  e  distribuição  è  Faturamento  è  Documentos  de  faturamento  è  CaracterísGcas  especiais  
do  país  è  Propriedades  específicas  de  país  –  Brasil  è  Atualizar  ctg.item  doc.  vendas  

•  Dados  mestre  de  clientes:  LogísGca  è  vendas  e  distribuição  è  dados  mestres  è  parceiro  de  negócios  è  clientes  è  total(XD01,XD02  ou  XD03)  
na  pasta:  Dados  de  Controle    

•  Tabelas  dinâmicas  de  exceções  de  impostos:  

•  J1BTAX  è  Atualizar  exceções  de  IPI  (com  grupo  de  imposto  20)  
•  J1BTAX  è  Atualizar  exceções  de  ICMS  (com  grupo  de  imposto  20)  
•  J1BTAX  è  Calculo  de  imposto  ISS  (com  grupo  de  imposto  20)  

•  Tabelas  de  impostos,  obedecendo  a  ordem  abaixo  ou  a  ordem  que  for  conveniente  para  empresa:  J1BTAX  è  Cálculo  do  Imposto  è  
Determinação  da  lei  fiscal  SD  

1.  Tabela  de  categoria  de  item  


2.  Mestre  de  clientes  
3.  Tabelas  de  exceções  de  impostos  

•  Nesta  configuração  é  possível  definir  a  prioridade  de  pesquisa  entre  as  três  opções,  que  anteriormente  era  fixada  pelo  sistema.  

42
Direitos  Fiscais:  Exemplo  ICMS  
Logo  
cliente  

43
Direitos  Fiscais:  Exemplo  IPI  
Logo  
cliente  

44
Direitos  Fiscais:  Exemplo  ISS  
Logo  
cliente  

45
Subs%tuição  Tributária:  IPI  /  ICMS  
Logo  
cliente  

•  Código  de  3  posições  associado  a  cada  linha  da  NF  que  caracteriza  a  situação  tributária  referente  
ao  ICMS  e  ao  IPI  de  cada  item.  
•  SituaçãoTributária  –  ICMS    
§  primeira  posição  è  campo  origem  do  cadastro  de  materiais  
§  segunda  e  terceira  posições  è  campo  situação  tributária  da  lei  fiscal  correspondente  
00  -­‐  ICMS                                                                                                  
10  -­‐  ICMS  +  SubsGtuição  Tributária  
20  -­‐    Redução  de  Base                                                                                                
30  -­‐  Isento  ou  não  sujeito  a  ICMS  c/  SubsGtuição  Tributária        
40  -­‐  Isento  ou  não  sujeito  a  ICMS  
50  -­‐    Suspensão  do  ICMS                                
60  -­‐  Pago  anteriormente  por  SubsGtuição  Tributária  
70  -­‐  Base  reduzida  para  SubsGtuição  Tributária                                    
90  –  Outros  
•  Situação  Tributária  –  IPI:  definida  na  parametrização  da  lei  fiscal  de  IPI  correspondente  

46
Índice  
Logo  
cliente  

•  Introdução  Localização  Brasil  


•  Estrutura  Organizacional  
•  Nota  Fiscal  e  NFe  
•  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
•  CFOP  
•  Código  de  Imposto  –  SD  
•  Direitos  Fiscais  
•  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
•  ICMS  
•  IPI  
•  SubsGtuição  Tributária  
•  ISS  
•  PIS/COFINS/CSLL  
•  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
•  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
•  Processos  em  Vendas  
•  Dados  Mestre  
•  Cenários  de  Vendas  
•  Transferência  entre  centros  

47
Tabela  Dinâmica:  Chaves  
Logo  
cliente  

•  As  tabelas  dinâmicas  trouxeram  para  o  ECC  6.0  a  flexibilidade  de  determinar  os  acessos  
a  exceções  tributárias  em  todos  os  impostos.  
•  Grupo  de  imposto  para  exceções  dinâmicas  
•  Combinação  de  até  três  chaves  flexíveis  (dentro  dos  campos  permiGdos)  
•  Aplicável  aos  impostos  ICMS,  IPI,  ISS,  Subst.  Tributária,  PIS,  COFINS  e  impostos  reGdos  
na  fonte  

Três  chaves  flexíveis   Novos  indicadores  para  PIS,  


COFINS  e  IRF  

48
Tabela  Dinâmica:  Configuração  de  Imposto  
Logo  
cliente  

•  Depois  de  criado  o  Grupo  de  Imposto,  configura-­‐se  a  Alíquota,  a  Base  de  Cálculo  e  o  Direito  Fiscal  
para  a  chave  pré-­‐escolhida.    
•  O  acesso  à  tabela  é  em  ordem  seqüencial  do  grupo  de  imposto.  
•  Observações  importantes:    
§  É  importante  a  parGcipação  do  Setor  Fiscal  na  definição  das  chaves  flexíveis  e  na  seqüência  dos  
Grupos  de  Impostos.  
§  Lembrar  sempre  de  definir  os  mais  específicos  com  uma  numeração  de  grupo  de  tabela  
dinâmica  menor  do  que  os    mais  genéricos.  
§  Grupos  entre  0  e  9,  assim  como  91  a  99  são  reservados  para  SAP.  

49
Índice  
Logo  
cliente  

•  Introdução  Localização  Brasil  


•  Estrutura  Organizacional  
•  Nota  Fiscal  e  NFe  
•  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
•  CFOP  
•  Código  de  Imposto  –  SD  
•  Direitos  Fiscais  
•  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
•  ICMS  
•  IPI  
•  SubsGtuição  Tributária  
•  ISS  
•  PIS/COFINS/CSLL  
•  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
•  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
•  Processos  em  Vendas  
•  Dados  Mestre  
•  Cenários  de  Vendas  
•  Transferência  entre  centros  

50
Impostos  Brasil:  Esquema  Contábil  
Logo  
cliente  

                                                                                   
Estoque                CPV  
                                                                         Contas  do  Razão  

100   100  

Cliente   Receita   IPI  a  pagar   ICMS  a  pagar   Despesa  ICMS  

220   200   20   24   24  

51
Impostos  Brasil:  ICMS  
Logo  
cliente  

•  A  determinação  de  alíquotas  de  ICMS  é  uma  definição  estadual.  

•  O  princípio  básico  do  ICMS  é:  Estado  Emissor  (Domicílio  Fiscal  do  centro  fornecedor)  x  Estado  DesGno  
(Domicílio  Fiscal  do  cliente)  è  alíquota  de  ICMS.  

•  Podem  exisGr  exceções  por  material  e  também  por  outros  critérios,  que  podem  significar  isenções,  
suspensões,  descontos  e  reduções  de  base.  

•  Base  de  cálculo:  fórmula  

UGlização  do  material:  


NP   100  
CB   =   =   =   121,95  
Industrialização   1-­‐  (TX1/100)   1-­‐  (18/100)  

UGlização  do  material:   CB   NP   100  


=   =   =        129,87  
Consumo  
(1-­‐  ((TX1+TX2)/100))       (1-­‐  ((18+5)/100))  
Legenda:  
 
CB    =  base  de  cálculo  
Entenda  o  cálculo  do  ICMS  embuGdo  no  preço:   NP    =  preço  líquido  
  TX1  =  alíquota  ICMS  
O  ICMS  é  embuGdo  ao  preço  base  para,  quando  for  destacado  na  NF,  representar     TX2  =  alíquota  IPI  
exatamente  o  valor  a  recolher.  
 
Exemplo:  se  um  produto  tem  seu  preço  base  +  lucro  =  R$  100,00,  para  embuGrmos  o  ICMS  de  18%  neste  valor  devemos  dividí-­‐lo  por  (1  –  (18/100)),  
resultando  em  R$  121,95.  Quando  for  destacado  na  NF,  o  ICMS  será  calculado  sobre  R$  121,95,  o  que  corresponde  à  R$  21,95.  Portanto,  dos  R$  
121,95  que  o  cliente  vai  pagar,  R$  21,95  é  o  ICMS  e  R$  100,00  é  o  preço  base  +  a  margem  de  lucro.  

52
• Impostos  Brasil:  IPI  
Logo  
cliente  

•  IPI  –  Imposto  sobre  Produtos  Industrializados:  imposto  de  


competência  federal.  

•  A  alíquota  do  IPI  normalmente  é  definida  em  função  dad  


classificação  NCM  –  Nomenclatura  Comum  do  Mercosul,  
manGda  no  cadastro  do  produto,  visão  de  comércio  exterior,  
campo  “Control  Code”.  
•  Podem  exisGr  exceções  por  material  ou  ainda  por  outros  
critérios  resultando  em  isenções,  suspensões,  descontos  e  
reduções  de  base.  

•  Base  de  cálculo:  fórmula  

•  IPI    =    alíquota  (%)  x  base  imposto  X  base  de  cálculo  


53
Impostos  Brasil:  Subs%tuição  Tributária  
Logo  
cliente  

•  SubsGtuição  Tributária  é  o  conceito  de  subsGtuir  o  responsável  pelo  pagamento  de  imposto  ICMS.  

•  Parâmetros:    Estado:  Centro  (Origem)  e  Local  de  Entrega  (DesGno)    


     Material  e  por  grupo  de  clientes  
     Alíquota  :  ICMS  interno  do  estado  desGno  ou  tabelas  de    
     exceção  
     Sobretaxa  
     Red.  Base  Federal  e  Estadual  
     Red.  da  alíquota  
     Fator  fixo  
     Por  número  de  unidades  de  medida  
SubsGtuição  
ICMS   Tributária  do  ICMS  

Consumidor    
Fornecedor   Cliente  
final  

%  adicional  

valor  adicional  

54
Impostos  Brasil:  ISS  
Logo  
cliente  

•  Recolhimento  ou  retenção  do  Imposto  de  acordo  com  o  Gpo  e  local  da  prestação  do  serviço.    

•  Há  três  situações:  

1.   ISS  devido  no  município  onde  o  prestador  está  localizado  (recolhido  pelo  prestador)  
2.   ISS  devido  no  município  onde  o  serviço  é  executado  (recolhido  pelo  prestador)  
3.   ISS  devido  no  município  onde  o  serviço  é  executado  (reGdo  e  recolhido  pelo  tomador)  

•  Há  três  locais  envolvidos:    

1.  Provedor  do  serviço  


2.    Onde  o  serviço  é  executado  
3.  Tomador  do  serviço  

•  Definição  do  município  onde  o  ISS  é  devido:  município  do  provedor  do  serviço  ou  município  onde  o  
serviço  é  executado.  

•  Casos  de  disputa:  os  municípios  do  provedor  e  do  local  onde  o  serviço  é  prestado  definem  que  o  
imposto  é  devido  a  eles.  

55
Impostos  Brasil:  ISS  –  Estrutura  do  domicílio   Logo  
cliente  

fiscal  
•  Domicílio  Fiscal:  o  campo  domicílio  fiscal  é  usado  no  Brasil  para  armazenar  as  regiões    fiscais.  A  determinação  do  
domicílio  fiscal  é  automáGca  sempre  que  a  região  é  informada  em  dados  mestre.  

 
 
  IMG  à  Contabilidade  financeira  à  Configuração  contabilidade  financeira  
  à  IVA  à  Configurações  globais  à  Brasil  à  Definir  regiões  fiscais  do  
  Brasil  e  atribuir  regiões  geográficas  
 
 
 
 
 
•  Para  a  determinação  de  alíquotas  de  ISS  o  domicílio  fiscal  foi  estendido,  possibilitando  a  idenGficação  do  Município.  O  
domicílio  fiscal  passa  a  ter  2  níveis:  
 
Importante:  A  NFe  (Nota  Fiscal  Eletrônica)  irá  exigir  uma  estrutura  de  10  caracteres,  sendo:  
 
§  Nível  1  –  3  caracteres  =  região  fiscal  
§  Nível  2  –  7  caracteres  =  código  IBGE  do  munícipio  

IMG    à  Contabilidade  financeira  à  Configuração  contabilidade  


financeira  à  IVA  à  Configurações  globais  à  Determinar  estrutura  p/  
código  de  domicílio  fiscal  

56
Impostos  Brasil:  ISS  –  Municípios  por   Logo  
cliente  

domicílio  fiscal  

Os  Municípios  relacionados  às  operações  de  ISS  (compra  e  venda)  devem  ser  cadastrados  obedecendo  a  nova  
estrutura  de  domicílio  fiscal.  
 
Exemplo:  SP  0001  
 
•  Região  Fiscal  com  3  caracteres  (SP_)  
•  Município  com  4  caracteres  (0001)  ou  7  caracteres  (projeto  NFe)  

IMG    à  Contabilidade  financeira  à  Configuração  contabilidade  


financeira  à  IVA  à  Configurações  globais  à  Atualizar  códigos  de  
domicílio  fiscal  

57
Impostos  Brasil:  Determinação  domicílio   Logo  
cliente  

fiscal  
•   Determinação  automáGca  do  Domicílio  Fiscal  estendido  por  Município.  

•   Por  região  e  código  postal:  

•  Lógica  de  Determinação    do  Domicílio  Fiscal:  

Para   novos   endereços   e   alteração   dos   existentes   (Região   +   CEP),   o   novo   módulo   de   função  
J_1BDETERMINE_JURISDICTION_NEW  determina  o  domicílio  fiscal  estendido:  

1.  Acessa  a  tabela  nova  usando  CEP  e  Região  para  determinar  o  Domicílio  Fiscal  (J_1BTREG_CITY).  
2.  Se  não  achar  entrada,  acessa  a  tabela  atual  (J_1BTREG).  
Somente  a  determinação  de  ISS  usa  o  Domicílio  Fiscal  Estendido.  Os  outros  impostos  somente  fazem  uso  da  região  (3  
caracteres).  
Conseqüência:  os  três  primeiros  caracteres  do  Domicílio  Fiscal  Estendido  precisam  ser  iguais  à  Região  Fiscal.  
O  uso  do  domicilio  fiscal  estendido  deve-­‐se  a  necessidade  de  idenGficar  o  município  da  Federação  com  o  objeGvo  de  
calcular  o  ISS  de  cada  município.  

58
Atualização  do  domicílio  fiscal  nos  Dados   Logo  
cliente  

Mestre  

•  Somente  é  necessária  quando  exisGr  operação  de  compra  ou  venda  com  ISS.  

•  Endereços:  Centros,  Filiais,  Clientes  e  Fornecedores.  


•     
•  Pré-­‐requisito:  customizações  anteriores.  

59
Impostos  Brasil:  Códigos  de  recolhimento  
Logo  
cliente  

•  Cada  Município  determina  sua  lista  de  códigos  de  Gpo  de  serviço.    

•  Existem  códigos  diferentes  para  entradas  (MM)  e  saídas  (SD).  

•  A  solução  possibilita  a  parametrização  de  ambos.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  fiscal  è  Tipos  de  
serviço  è  Definir  Gpos  de  serviços  oficiais  para  notas  fiscais  de  entrada  

60
Impostos  Brasil:  ISS  –  Tipo  de  Serviço  -­‐   Logo  
cliente  

Código  Genérico  
•  Para  reduzir  o  número  de  entradas  nas  tabelas  dinâmicas,  o  campo  NCM,  já  uGlizado  para  armazenar  o  Gpo  do  
serviço,  foi  aproveitado  para  agrupar  Gpos  de  serviço  com  as  mesmas  caracterísGcas.  

•  SD  ou  MM:  Para  serviços  cadastrados  no  mestre  de  materiais,  informar  um  código  genérico  de  serviço  no  
campo  NCM  (control  code).  

•  MM:  No  Pedido  de  Compras,  sem  material  cadastrado,  pode  ser  informado  o  código  genérico  de  serviço  no  
campo  NCM.  

•  Dica:  Como  os  códigos  genéricos  de  serviço  são  cadastrados  na  mesma  tabela  dos  NCMs  (IPI),  é  recomendado  
padronizar  os  códigos  iniciando  com  “ISS_”.  Assim  os  usuários  não  se  confundem  na  hora  de  buscar  uma  
entrada.  

61
Impostos  Brasil:  ISS  –  Tipo  de  Serviço  -­‐   Logo  
cliente  

Código  Genérico  
•  Os  códigos  genéricos  são  associados  aos  códigos  de  recolhimento  (Gpos  de  serviço)  de  entrada  e  saída  de  cada  
Município,  contanto  que  tenham  as  mesmas  caracterísGcas:  

•   Alíquota  
•   Retenção  /  Não  Retenção  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  fiscal  è  Tipos  de  
serviço  è  Atribuir  Gpos  oficiais  de  serviço  Gpos  genéricos  de  serviço  

62
Impostos  Brasil:  ISS  –  Tipo  de  Serviço  
Logo  
cliente  

•  Nos  casos  em  que  um  código  genérico  não  pode  ser  usado,  é  necessário  associar  os  códigos  de  material  
(serviço)  aos  respecGvos  códigos  de  recolhimento  (entrada  e  saída)  de  cada  Município.  

•  IMG  è  Componentes  válidos  para  várias  aplicações  è  Funções  gerais  de  aplicação  è  Nota  fiscal  è  Tipos  de  
serviço  è  Atribuir  Gpos  de  serviços  oficiais  aos  n°  do  material  

63
Impostos  Brasil:  ISS  –  Tabela  dinâmica  de   Logo  
cliente  

ISS  

•  A  solução  de  ISS  usa  somente  a  tecnologia  de  tabelas  dinâmicas.  


•  Deve  ser  criado  um  grupo  de  imposto  para  cada  Gpo  de  acesso.    

64
Impostos  Brasil:  ISS  –  Grupo  de  Imposto  
Logo  
cliente  

•  Parâmetros  Como  Chave  para  Uso  na  Tabela  Dinâmica  


   
ü  LOC_PR:  Domicílio  Fiscal  do  Prestador  de  Serviços  
ü  LOC_SR:  Domicílio  Fiscal  do  Tomador  de  Serviços  
ü  LOC_SE:  Domicílio  Fiscal  do  Local  da  Execução  do  Serviços  
ü  Planta  
ü  Empresa  

•  Dica:  usar  o  parâmetro  BRSCH  (Setor  de  Indústria)  para  agrupar  fornecedores  ou  clientes  com  caracterísGcas  
semelhantes.  Exemplo:  Simples  (regime  tributário  das  microempresas  e  das  empresas  de  pequeno  porte).  

•  Com  o  novo  modelo  de  tributação  do  ISS  são  relevantes  as  informações:  Domicílio  fiscal  do  prestador  de  
serviços,  Domicílio  fiscal  do  Tomador  de  serviços,  Domicílio  fiscal  da  execução  dos  serviços.  

65
Impostos  Brasil:  ISS  –  Detalhes  da  tabela   Logo  
cliente  

dinâmica  

1  -­‐  Domicílio  Fiscal  Estendido  


2  -­‐  Até  3  Chaves  de  Acesso    Definidas  Pelo  Grupo  de  Tabela  Dinâmica  
3  -­‐  Alíquota  de  ISS  
4  -­‐  Base  de  Cálculo  do  ISS  
5  -­‐  Direito  Fiscal  de  ISS    
6  -­‐  Local  Relevante  para  Impostos      
7-­‐  Indicador  de  ISS  ReGdo  na  Fonte  
8  e  9  -­‐  Valor  Mínimo  para  Retenção  do  ISS  e  Moeda  

66
Impostos  Brasil:  ISS  –  Detalhes  da  tabela   Logo  
cliente  

dinâmica  
1.  Domicílio  Fiscal  Estendido:    
 
A  lógica  da  tabela  dinâmica  de  ISS  é  diferente  da  lógica  das  outras  tabelas.  As  outras  tabelas  dinâmicas  são  acessadas  uma  
única  vez,  já  para  ISS,  o  acesso    acontece  em  dois  passos:  
 
§   No  primeiro  acesso  este  campo  representa  o  domicílio  fiscal  (Município)  do  provedor  de  serviços:  
•   SD  à  Planta  /  Filial  
•   MM  à  Fornecedor    

§   No  segundo  acesso  este  campo  representa  o  domicílio  fiscal  (Município)  do  local  da  execução  do  serviço:  
•   SD  à  Cliente  
•   MM  à  Endereço  de  Entrega  (item)  ou,  na  falta  deste,  a  Planta  /  Filial  

O  sistema  sempre  acessa  a  tabela  duas  vezes,  mesmo  encontrando  dados  no  primeiro  acesso.  Os  valores  encontrados  são  
armazenados  para  o  cálculo  do  imposto.    
 
2.  Até  3  Chaves  de  Acesso    Definidas  Pelo  Grupo  de  Tabela  Dinâmica:  
 
Ao  acessar  a  tabela  dinâmica  o  sistema  combina  o  campo  domicílio  fiscal  às  3  outras  chaves  de  acesso,  conforme  definição  
do  grupo  de  tabela  dinâmica,  ficando  assim  a  possibilidade  de  combinar  até  4  chaves  de  acesso.  
 
A  chave  Domicílio  Fiscal  possui  dados  de  provedor  ou  local  de  execução,  dependendo  da  vez  em  que  a  tabela  dinâmica  está  
sendo  acessada.  
 
Esta  lógica  possibilita,  por  exemplo,  configurar  situações  em  que  o  ISS  é  reGdo  para  um  determinado  Gpo  de  serviço,  
somente  quando  Provedor,  Recebedor  e  Local  de  Execução  forem  os  mesmos.  Ex.:  
 
Dom.  Fiscal        Chave  1            Chave  2              Chave  3                    Retenção  
 
SP  1234                      SP  1234          SP  1234          SERV-­‐01                                                              X  

67
Impostos  Brasil:  ISS  –  Detalhes  da  tabela   Logo  
cliente  

dinâmica  
3.  Alíquota  de  ISS:  Informar  de  acordo  com  o  Município  para  o  qual  o  imposto  é  devido.  
 
4.  Base  de  Cálculo  do  ISS:  
 
§  Informar  de  acordo  com  o  Município  para  o  qual  o  imposto  é  devido  
§  Base  igual  a  zero  determina  operação  isenta  de  ISS  
 
5.  Direito  Fiscal  de  ISS:  Informar  direito  fiscal,  previamente  cadastrado  no  IMG,  conforme  determinação  de  cada  Município.  
 
6.  Local  Relevante  para  Impostos:    
 
§  Provedor  ou  Execução  do  Serviço  

§  Apenas  o  Município  onde  o  Provedor  do  serviço  está  localizado  ou  o  Município  onde  é  Executado  o  serviço  podem  ser  
considerados  com  locais  de  relevância  para  ISS.  O  ISS  jamais  será  devido  ao  Município  onde  o  Recebedor  esteja  
localizado,  a  não  ser  quando  o  serviço  for  executado  no  mesmo  Município.    
 
7.  Indicador  de  ISS  ReGdo  na  Fonte:  Assinalar  este  indicador  quando  o  ISS  deve  ser  reGdo  na  fonte  pelo  tomador  do  serviço.  O  
ISS  calculado  será  abaGdo  do  total  do  serviço  quando  enviando  informação  para  Bancos.  A  nota  fiscal  permanece  com  o  
montante  total  do  serviço.  

8  e  9.  Valor  Mínimo  para  Retenção  do  ISS  e  Moeda:  

§  Quando  o  montante  mínimo  para  retenção  é  preenchido,  o  sistema  compara  este  valor  com  o  valor  do  ISS  reGdo  que  foi  
calculado.  Se  o  valor  não  aGngir  o  montante  mínimo,  o  sistema  ignora  o  indicador  de  retenção,  e  dá  conGnuidade  ao  
processo  como  se  o  ISS  fosse  devido  no  Município  do  Local  da  Execução,  porém  sem  que  haja  a  retenção.  

§   Neste  caso,  o  prestador  do  serviço  fica  com  a  responsabilidade  de  recolher  o  imposto.  

68
Impostos  Brasil:  PIS/COFINS/CSLL/IRRF  -­‐   Logo  
cliente  

Overview  

69
Impostos  Brasil:  PIS/COFINS/CSLL  
Logo  
cliente  

•  No  esquema  de  cálculo  de  preços  de  SD,  os  quatro  %pos  de  condições  iniciais  subs%tuem  o  PR00.  
•  O  preço  deve  ser  cadastrado  em  cada  %po  de  condição  de  acordo  com  o  imposto  incluso.      
•  Cuidado!  Se  todas  es%verem  presentes,  o  sistema  adota  a  úl%ma  válida.  

•  A  solução  possibilita  uma  flexibilidade  de    


customização  de  quais  impostos  estão    
incluídos  no  preço.    

Transação  SM30  è  Tabela  J_1BKON1V  


Aplicação:  V  
Procedimento  de  preços:  RVABRA  
70
Impostos  Brasil:  PIS/COFINS/CSLL  
Logo  
cliente  

EPRICE
IPRICE =
1 − (ISSpart + PISpart + COFINSpart )

Impostos:   Parâmetros:  
   
q     PIS   q     EPRICE:  preço  sem  impostos  
q     COFINS   q     IPRICE:  preço  com  impostos  
q     ISS  Provedor   q     ISSpart:  valor  de  ISS    
q     ISS  Local  da  Execução   q     PISpart:  valor  de  PIS  
q     COFINSpart:  valor  de  COFINS  
 

Observação:    
 
Nesta  proposta,  quando  o  imposto  não  se  aplica,  a  alíquota  é  zerada,  não  afetando  o  resultado  do  cálculo.  

71
Impostos  Brasil:  PIS/COFINS/CSLL  -­‐  Cálculo  
Logo  
cliente  

⎛ ISSPrate ISSPbase ⎞ ⎛ ISSErate ISSEbase ⎞


ISSpart = ⎜ * ⎟ + ⎜ * ⎟
⎝ 100 100 ⎠ ⎝ 100 100 ⎠
Impostos:  

•     ISS  Local  do  Provedor  


•     ISS  Local  da  Execução  
 
Parâmetros:  
 
•     ISSPrate:  alíquota  de  ISS  do  local  do  provedor  de  serviços    
•     ISSPbase:  base  de  ISS  do  local  do  provedor  de  serviços    
•     ISSErate:  alíquota  de  ISS  do  local  da  execução  do  serviço  
•     ISSEbase:  base  de  ISS  do  local  da  execução  do  serviço  

PISrate PISbase COFINSrate COFINSbase


PISpart = * COFINSpart = *
100 100 100 100
Impostos:  
 
•     PIS  
•     COFINS  
 
Parâmetros:  

•     PISrate:  alíquota  de  PIS    


•     PISbase:  base  de  cálculo  do  PIS  
•     COFINSrate:  alíquota  de  COFINS  
•     COFINSbase:  base  de  cálculo    do  COFINS  

72
Impostos  Brasil:  PIS/COFINS/CSLL  
Logo  
cliente  

•  O  PIS  e  o  COFINS  em  MM  é  contabilizado  como  Imposto  a  Creditar  em  alguns  cenários.  Em  SD  é  Imposto  a  
Recolher.  

•  A  solução  permite  que  tanto  as  alíquotas  de  MM  como  as  de  SD  sejam  cadastradas  na  tabela  dinâmica.      

73
Índice  
Logo  
cliente  

•  Introdução  Localização  Brasil  


•  Estrutura  Organizacional  
•  Nota  Fiscal  e  NFe  
•  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
•  CFOP  
•  Código  de  Imposto  –  SD  
•  Direitos  Fiscais  
•  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
•  ICMS  
•  IPI  
•  SubsGtuição  Tributária  
•  ISS  
•  PIS/COFINS/CSLL  
•  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
•  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
•  Processos  em  Vendas  
•  Dados  Mestre  
•  Cenários  de  Vendas  
•  Transferência  entre  centros  

74
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

•  Até  junho/04,  os  cálculos  de  impostos  reGdos  na  fonte  eram  totalmente  customizados  e  
executados  em  FI,  para  o  cabeçalho  do  documento.  

•  Atualmente,  devido  à  necessidade  e  complexidade  de  determinar  a  retenção    por  item  do  PIS,  
COFINS,  CSLL  e  IR,  houve  as  seguintes  mudanças:    

ü A  determinação  e  o  cálculo  passam  a  ser  feitos  via  Esquema  de  Cálculo  de  SD  e  MM.  
ü As  várias  combinações  de  chaves  possíveis  de  se  cadastrar    as  alíquotas  serão  customizadas  na  
Tabela  Dinâmica.  

•  O  cálculo  no  FI  conGnua  standard,  porém  são  necessários  ajustes  de  configuração  para  obter  o  
resultado  calculado  no  Esquema  de  Cálculo.  

•  Todos  os  valores  calculados  serão  levados  para  a  Nota  Fiscal.  

•  Conforme  a  lei,  o  imposto  é  devido  no  momento  do  pagamento.  

75
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

•  A  ligação  entre  o  cálculo  no  esquema  de  cálculo  (SD/MM)  e  a  funcionalidade  de  impostos  reGdos  (FI)  é  feita  
através  do  flag  “Montante  imposto  modificado”  na  configuração  da  Categoria  do  Imposto  ReGdo  na  Fonte.  

Flag  no  Montante  de  Imposto  


Modificado  
Será  calculado  em  MM/SD  e  retornado  
o  valor  para  FI  

IMG  à  Contabilidade  financeira  à  Configuração  contabilidade  


financeira  à  Imposto  reGdo  na  fonte  (IRF)  à  Imposto  reGdo  na  
fonte  ampliado  à  Cálculo  à  Categ.  de  imposto  reGdo  na  fonte  à  
Definir  categoria  IRF:  lançamento  no  momento  do  pagamento  

76
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

•  Todas  as  Categorias  de  Imposto  ReGdo  na  Fonte  criadas  precisam  ser  associadas  com  a  Empresa.  
•  IMG  è  Contabilidade  financeira  è  Configuração  contabilidade  financeira  è  Imposto  reGdo  na  fonte  (IRF)  è  
Imposto  reGdo  na  fonte  ampliado  è  Empresa  è  Atribuir  categorias  de  IRF  a  empresas  
•  Faz  com  que  as  Empresas  aqui  associadas  aos  códigos  de  IRF  sejam  sujeitas  a  retenção.  

77
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

•  Configuração  do  Código  de  Imposto  ReGdo  na  Fonte:  


§  Criar  um  Código  para  cada  Tipo  de  Imposto  ReGdo  
§  Preencher  com  100  %  a  quota  e  a  taxa  porque  o  cálculo  vai  ocorrer  no  esquema  de  cálculo  
§  Deixar  em  branco  a  Chave  Oficial  (Código  de  Recolhimento)  
 
•  IMG  è  Contabilidade  financeira  èC  onfiguração  contabilidade  financeira  è  Imposto  reGdo  na  fonte  (IRF)  è  
Imposto  reGdo  na  fonte  ampliado  è  Cálculo  è  Código  de  imposto  reGdo  na  fonte  è  Definir  códigos  IRF  

Quota  e  Taxa  =  100%   Deixar  em  branco  

78
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

Definir  limites  para  Gpo  de  retenção:  


•  IMG  è  Contabilidade  financeira  è  Configuração  contabilidade  financeira  è  Imposto  reGdo  na  fonte  (IRF)  è  
Imposto  reGdo  na  fonte  ampliado  è  Cálculo  è  Montantes  mínimos  e  máximos  è  Gravar  montantes  mínimos  
e  máximos  para  código  IRF    

§  Os  valores  mínimos/máximos  são  definidos  por  


Gpo  ou  código    reGdo  
§   Montante  mínimo  base:  reGdo  é  calculado  para  
toda  a  base  quando  o  valor  da  base  mínima  
exceder    

79
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

•  A  nova  solução  exige  que  os  códigos  de  recolhimento  para  os  quatro  impostos  reGdos  sejam  configurados  
dependentes  do  país  (Brasil).    

•  Os  códigos  de  recolhimento  para  outros  impostos  reGdos  na  fonte  são  configurados  ainda  nas  telas  Standard.  

•  IMG  è  Contabilidade  financeira  è  Configuração  contabilidade  financeira  è  Imposto  reGdo  na  fonte  (IRF)  è  
Imposto  reGdo  na  fonte  ampliado  è  Configurações  globais  è  Definir  chave  de  imposto  reGdo  na  fonte  

80
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

Informar  as  alíquotas  de  retenção  e  os  respecGvos  Códigos  de  Recolhimento  (de  acordo  com  as  leis  IN381  ou  anexo  1  
da  IN306).  

Ou  configura-­‐se  a  alíquota  
genérica  dos  impostos  ou  
separadamente.    

81
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

Nos  dados  mestre  de  Clientes  e  Fornecedores,  na  tela  de  Retenção  de  Imposto,  é  possível  preencher  o  código  
genérico  de  retenção  se  foi  criado  apenas  este  código  para  todos  os  impostos  reGdos  ou  preencher  os  quatro  novos  
impostos  (Tipo  e  Código)  e  assinalar  o  indicador  de  impostos  reGdos.    

§  Você  poderá  fazer  este  cadastro  com  detalhamento  de  cada  imposto  (Cofins,  PIS,  IR  e  CSLL)  ou  pela  soma  de  
todos  em  um  único  código  de  retenção  GP.  

§  A  parametrização  dos  impostos  reGdos  na  J1BTAX  tem  que  estar  coerente  com  este  dado  mestre.  

82
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

•  Notas:  

1.  A  configuração  standard  para  outros  Impostos  ReGdos  na  Fonte  permanece  inalterada,  portanto  os  
dados  permanecem  no  cadastro.  
2.  Se  você  já  configurou  os  quatro  novos  impostos  no  seu  cadastro  de  clientes  /  fornecedores,  não  os  
exclua,  basta  desaGvar  o  Flag  para  evitar  problemas  com  documentos  em  aberto  em  FI.    
3.  Para  que  a  funcionalidade  do  Imposto  ReGdo  seja  aGvada,  há  necessidade  de  estar  assinalada  em  três  
locais:  
•   No  Dado  mestre  de  Cliente  /  Fornecedor  
•   Na  configuração  do  IVA  (Esquema  de  Cálculo)  
•   Na  Tabela  Dinâmica  
4.  Como  sugestão  de  configuração,  manter  todos  os  Gpos  de  impostos  reGdos  aGvados  nos  clientes  e  nos  
fornecedores  e  no  IVA.    
5.  Controlar  a  validade  da  retenção  de  cada  imposto  nas  tabelas  dinâmicas.  
6.  Exemplo:  se  Gver  um  fornecedor  isento  de  COFINS,  fazer  uma  entrada  na  tabela  dinâmica  com  a  chave  
Fornecedor/Material  e  deixar  a  linha  de  COFINS  em  branco,  preenchendo  os  demais  impostos.    

83
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

84
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

85
Impostos  Re%dos  na  Fonte  
Logo  
cliente  

•  Introdução  Localização  Brasil  


•  Estrutura  Organizacional  
•  Nota  Fiscal  e  NFe  
•  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
•  CFOP  
•  Código  de  Imposto  –  SD  
•  Direitos  Fiscais  
•  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
•  ICMS  
•  IPI  
•  SubsGtuição  Tributária  
•  ISS  
•  PIS/COFINS/CSLL  
•  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
•  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
•  Processos  em  Vendas  
•  Dados  Mestre  
•  Cenários  de  Vendas  
•  Transferência  entre  centros  

86
CBT  –  Condi%on  Based  Tax  
Logo  
cliente  

•  Descrevemos  aqui  o    CBT  –  CondiGon  Based  Tax  para  a  parametrização  e  cálculo  de  Impostos  
Brasileiros,  introduzido  na  versão  do  SAP  R/3  4.70  

•  Modelo  Clássico  –  TAXBRJ  e  RVXBRA  


§  O  cálculo  dos  impostos  brasileiros  era  feito  com  o  uso  de  uma  extensa  interface  externa  de  
impostos  através  do  módulo  de  função  na  fórmula  320:  J_1BCALCULATE_TAXES  
§  As  tabelas  são  lidas  diretamente  da  J_1BCALCULATE_TAXES    
§  Alguns  casos  especiais  não  eram  cobertos    
§  A  geração  da  NF  também  era  conduzida  pelo  módulo  de  função  

•  O  ObjeGvo  da  J1BTAX  é  reunir  o  acesso  à  todas  as  caracterísGcas  fiscais  do  Brasil  em  um  único  
lugar.  

•  Modelo  CBT–  TAXBRA  e  RVABRA  (novo  esquema  a  parGr  do  ECC  -­‐  CBT)  
§  O  cálculo  dos  impostos  brasileiros  é  feito  com  o  uso  da  mesma  interface  externa  de  impostos,  
porém  mais  simplificado.  Não  há  acesso  as  tabelas  de  localização  
§  Baseado  em  Técnica  de  Condições  
§  As  informações  são  armazenadas  em  registro  de  condições  

87
CBT  –  Determinação  de  Impostos  
Logo  
cliente  

Este  quadro  ilustra  o  esquema  de  determinação  do  código  de  imposto  (código  IVA)  que  é  o  fator  determinante  para  
a  aplicação  correta  da  TAXBRA  ou  mesmo  da  TAXBRJ.  

Dados  Mestres   ICMS  


Alíquotas  
  IPI  
Cliente     Material   ST  
      ISS  
Class.  imp.   Class.   i mp.  
 
 
 
0  -­‐  Isento     1  -­‐Trib.  
1  -­‐  Trib.     2  -­‐  ISS  
2  -­‐  ZF  
 
 
Impostos  AGvos  
Código    
IVA  
Tax  Procedure   Price  Procedure  
     
RVABRA  
  TAXBRA      
   
PR00  
IPI1  
  Condições  CBT   ICM1   K004  
ICMI  
  ICMF  
IBRX  
Cat.  Item     IBRX  
 .      .    
  Fórm.  
 .  
     .   320  
IPI3  
IPI3  
    ICM3   ICM3   Fórm.  
Código     ICS3   523  
 
Info  Cli-­‐Mat  
Imposto  SD  (I3):  
ICS3  
   
Impostos  relevantes   ü  ICMS  
ü  IPI  
ü  ST  

88
CBT  –  Migração  de  alíquota  de  Impostos  e   Logo  
cliente  

Registro  de  Condições  

SAP  ECC  

Regras  para  
Alíquotas  de     Exceções  de  
Determinação  de  
Impostos Impostos  
Taxas

Manutenção  de  alíquotas  e  exceções  –  J1BTAX Código  de  Imposto  SD  


J1BTAX

q  Para  a  implantação  do  novo  esquema  de  impostos  (TAXBRA  em  modelo  CBT)  é  necessário  migrar  as  aliquotas  
para  a  nova  estrutura.  

q  Na  J1BTAX  existe  uma  opção  de  menu  para  esta  migração.  

89
Vantagens  do  CBT  
Logo  
cliente  

•  Alta  flexibilidade  com  relação  às  necessidades  de  clientes  

•  GaranGa  de  manutenção  padrão  para  os  produtos  SAP  

•  Rápida  análise  das  configurações  consideradas  durante  a  criação  de  


pedidos  de  compras/ordens  de  vendas  

•  Integrado  com  outras  soluções  SAP  como  CRM,  SRM,  etc  

•  Localização  de  varejo  atendida  (Retail)  

•  Todas  as  configurações  de  impostos  em  uma  única  transação  J1BTAX  

•  Mapeamento  das  condições  para  as  colunas  de  notas  fiscais  

90
Estrutura  do  Esquema  de  Cálculo  do  CBT  
Logo  
cliente  

•  TAXBRA  (MM)  /  RVABRA  (SD  e  CRM)  

•  Os  esquemas  de  cálculo  CBT  são  estruturados  da  seguinte  maneira:  

ü  Acesso  dos  dados  transacionais  


ü  Acesso  dos  dados  de  parametrização  
ü  Cálculo  dos  impostos  
ü  Resultado  do  Cálculo  dos  Impostos  
ü  Condições  de  Código  de  Impostos  

•  Configuração  necessária:  

1.  O  novo  esquema  de  cálculo  TAXBRA  deve  ser  atribuído  por  país  
–  IMG    à  Contabilidade  financeira  à  Configuração  contabilidade  financeira  à  IVA  à  Configurações  globais  à  Atribuir  país  a  esquema  de  cálculo  

2.  Os  esquemas  de  cálculo  TAXBRA  e  RVABRA  devem  ser  aGvados  como  esquemas  CBT  
–  IMG  à  Contabilidade  financeira  à  Configuração  contabilidade  financeira  à  IVA  à  Configurações  globais  à  Brasil  à  Cálculo  de  imposto  baseado  em  condições  à  Indicar  esquemas  de  
cálculo  p/cálculo  de  imposto  baseado  em  condições  
3.  O  CBT  deve  ser  aGvado  por  país  
–  IMG  à  Contabilidade  financeira  à  Configuração  contabilidade  financeira  à  IVA  à  Configurações  globais  à  Brasil  à  Cálculo  de  imposto  baseado  em  condições  à  AGvar  geração  de  
condições  

4.  Mapeamento  das  condições  para  os  campos  da  Nota  Fiscal  permiGndo  uma  maior  flexibilidade  em  atender  cenários  específicos  de  compra/venda  
–  J1BTAX  à  Preparação  da  condição  à  Atribuição  de  nota  fiscal  à  Valores  fiscais  SD  

5.  Determinação  do  procedimento  de  preços  RVABRA  


–  IMG  à  Vendas  e  distribuição  à  Funções  básicas  à  Determinação  do  preço  à  Controle  de  determinação  do  preço    à  Definir  e  atribuir  esquemas  de  cálculo  à  Selecionar  à  Definir  a  
determinação  do  esquema  de  cálculo  de  custos  

•  Estas  Notas  devem  ser  aplicadas  para  o  ECC  e  CRM  respecGvamente  para  que  a  CBT  possa  funcionar:  Nota:  664855  (ECC)  e  Nota:  712244  (CRM)  

91
Estrutura  do  Esquema  de  Cálculo  do  CBT  
Logo  
cliente  

1.  O  novo  esquema  de  cálculo  TAXBRA  deve  ser  atribuído  por  país  
IMG    à  Contabilidade  financeira  à  Configuração  contabilidade  financeira  à  IVA  à  Configurações  globais  à  
Atribuir  país  a  esquema  de  cálculo  

92
Estrutura  do  Esquema  de  Cálculo  do  CBT  
Logo  
cliente  

2.  Os  esquemas  de  cálculo  TAXBRA  e  RVABRA  devem  ser  aGvados  como  esquemas  CBT  
IMG  à  Contabilidade  financeira  à  Configuração  contabilidade  financeira  à  IVA  à  Configurações  globais  à  
Brasil  à  Cálculo  de  imposto  baseado  em  condições  à  Indicar  esquemas  de  cálculo  p/cálculo  de  imposto  
baseado  em  condições  

93
Estrutura  do  Esquema  de  Cálculo  do  CBT  
Logo  
cliente  

3.  O  CBT  deve  ser  aGvado  por  país  


IMG  à  Contabilidade  financeira  à  Configuração  contabilidade  financeira  à  IVA  à  Configurações  globais  à  
Brasil  à  Cálculo  de  imposto  baseado  em  condições  à  AGvar  geração  de  condições  

94
Estrutura  do  Esquema  de  Cálculo  do  CBT  
Logo  
cliente  

4.  Mapeamento  das  condições  para  os  campos  da  Nota  Fiscal  permiGndo  uma  maior  flexibilidade  em  atender  
cenários  específicos  de  compra/venda  
J1BTAX  à  Preparação  da  condição  à  Atribuição  de  nota  fiscal  à  Valores  fiscais  SD  

95
Esquema  de  Cálculo  em  SD:  RVABRA  
Logo  
cliente  

•  RVABRA  é  estruturada  com  os  seguintes  blocos  de  condições:  

ü  Determinação  do  preço  líquido  


ü  Busca  de  dados  em  customização  
ü  Cálculo  de  impostos  no  valor  líquido  (Step  1)  
ü  Modificações  no  preço  base  (including  ICMS)  relevantes  para  Nota  Fiscal  
ü  Cálculo  dos  impostos  no  montante  modificado  (incluindo  ICMS)  –  (Step  2)  
ü  Resultado  dos  cálculos  dos  impostos  
ü  Condições  dos  Tax  Codes  
 
•  O  cálculo  ocorre  dentro  da  fórmula  320,  que  foi  estendida  para  o  conceito  CBT.  Dois  dos  pontos  
em  que  a  fórmula  aparece:  

ü  ICMI,  onde  o  imposto  é  calculado.  


ü  IBRX,  cálculo  incluíndo  ICMS  +  outras  condições  entre  ICMI  e  IBRX.  

A  fórmula  320  também  aparece  nos  pontos  em  que  ocorre  busca  dos  resultados  dos    
cálculos.  

96
CBT  –  Tabela  dinâmica  
Logo  
cliente  

•  Para  cada  novo  grupo  de  impostos  criados  para  


determinação  de  exceções  (ou  mesmo  regras)  é  
necessário:  

§  Ajustar  seqüências  de  acesso  


§  Atribuir  Tabela  de  Condições  

•  Transação:  J1BTAX  

§  Preparação  da  condição  è  Migração  è  Grupos  de  


impostos  nas  seqüências  de  acesso  
§  Preparação  da  condição  è  Atribuir  tabelas  taxa  de  
imposto/tabelas  de  condição  
97
Apêndice   Logo  
cliente  

Migração  dos  Gpos  


de  condições  

98
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A291  (Chave  =  Aplicação,  Tipo  de  Condição,  País  e  Código  de  Imposto  de  SD)  e  uGlizada  na  
seqüência  de  acesso  DIBR.  

DISI  

J_1BTXSDC  
DICM  
DIPI  
DSUB  

DISS  
DICF  

DPIS  
DCOF  

DWHT  

99
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A394  (Chave  =  Aplicação,  Tipo  de  Condição,  País  e  Região  Fiscal  do  Recebedor  de  Mercadoria)  e  
uGlizada  na  seqüência  de  acesso  IZOF.  

J_1BTREGX  

DIZF  

100
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A382  para  os  seguintes  Gpos  de  condições:  
 

•  Seqüência  de  acesso  ICVA:  


•  ICVA  =  Alíquota  do  ICMS  
•  ICOB  =  Outras  bases  do  ICMS  
•  I100  =  Convênio  100  do  ICMS   Chave  =  Aplicação  +  Tipo  de  Condição  +  País  +  Região  Fiscal  da  Origem  +  
Região  Fiscal  do  DesGno  +  3  chaves  da  tabela  dinâmica  +  Grupo  de  Imposto  
•  Seqüência  de  acesso  ICBS:   da  Tabela  Dinâmica  
•  ICBS  =  Base  do  ICMS    
•  Seqüência  de  acesso  ICLW.  
•  ICLW  =  Direito  Fiscal  do  ICMS  

ICOB   J_1BTXIC2  

ICLW   I100  
ICVA   ICBS  

J_1BTXIC3  

ICVA   ICBS  
ICOB   I100  

ICLW  

101
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A382  para  os  seguintes  Gpos  de  condições:  

•  Seqüência  de  acesso  ICVA:  


Chave  =  Aplicação  +  Tipo  de  Condição  +  País  +  Região  Fiscal  da  Origem  
ü  ICVA  =  Alíquota  do  ICMS   +  Região  Fiscal  do  DesGno  +  3  chaves  da  tabela  dinâmica  +  Grupo  de  
ü  ICFR  =  ICMS  sobre  o  frete   Imposto  da  Tabela  Dinâmica  

J_1BTXIC1  

ICVA   ICFR  

•  Atualização  da  tabela  A392  (Chave  =  Aplicação,  Tipo  de  Condição,  País)  uGlizada  na  seqüência  de  acesso  ICVA  
para  o  Gpo  de  condição:  ICVA  =  Alíquota  do  ICMS  

102
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A346  para  os  Gpos  de  condições:  


 
•  Seqüência  de  acesso  IPVA:  
•  IPVA  =  Alíquota  do  IPI  
Chave  =  Aplicação  +  Tipo  de  Condição  +  País  +  3  chaves  da  tabela  dinâmica  +  
•  IPIP  =  IPI  Pautado   Grupo  de  Imposto  da  Tabela  Dinâmica  
•  IPOB  =  Outra  base  do  IPI  
•  Seqüência  de  acesso  IPBS:  
•  IPBS  =  Base  do  IPI    
•  Seqüência  de  acesso  IPLW:  
•  IPLW  =  Direito  Fiscal  do  IPI  

IPBS   IPIP   J_1BTXIP2  

IPLW  
IPVA   IPOB  

103
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A346  para  os  Gpos  de  condições:  


 
•  Seqüência  de  acesso  IPVA:  
Chave  =  Aplicação  +  Tipo  de  Condição  +  País  +  3  chaves  da  tabela  dinâmica  +  
•  IPVA  =  Alíquota  do  IPI   Grupo  de  Imposto  da  Tabela  Dinâmica  
•  IPIP  =  IPI  Pautado  
•  IPOB  =  Outra  base  do  IPI  
•  Seqüência  de  acesso  IPBS.  
•  IPBS  =  Base  do  IPI    
•  Seqüência  de  acesso  IPLW.  
•  IPLW  =  Direito  Fiscal  do  IPI  

IPBS   IPIP   J_1BTXIP1  

IPLW  
IPVA   IPOB  

104
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A392  (Chave  =  Aplicação,  Tipo  de  Condição,  País)    uGlizada  na  
seqüência  de  acesso  IPVA  para  o  Gpo  de  condição:  IPVA  =  Alíquota  do  IPI  

J_1BTXDEF  

IPVA  

105
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A348,  Seqüência  de  acesso  ISTV.  

Chave  =  Aplicação  +  Tipo  de  Condição  +  País  +  Região  Fiscal  da  Origem  +  Região  Fiscal  do  DesGno  +  Grupo  de  Cliente  de  SubsGtuição  Fiscal  
+  3  chaves  da  Tabela  Dinâmica  +  Grupo  de  Imposto  da  Tabela  Dinâmica  

ISTT  

ISTB   ISTS  

IST2  
ISTC  

ISTF  
ISTM  

ISTN  

106
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A601  para  os  Gpos  de  condições:   Chave  =  Aplicação  +  Tipo  de  Condição  +  País  +  Domicílio  
  Fiscal  do  Prestador  de  Serviço  +  3  chaves  da  Tabela  
•  Seqüência  de  acesso  ISS1:   Dinâmica  +  Grupo  de  Imposto  da  Tabela  Dinâmica  

•  ISVB  –  Alíquota  do  ISS  do  local  do  provedor  de  serviço  
•  ISVC  –  Base  do  imposto  do  ISS  do  local  do  provedor  de  serviço    
•  ISVD  –  Direito  Fiscal  do  ISS  do  local  do  provedor  de  serviço    
•  ISVF  –  Domicílio  fiscal  do  local  do  provedor  de  serviço    
•  ISVG  –  ISS  reGdo  na  fonte  do  local  do  provedor  de  serviço    
•  ISVH  –  Valor  mínimo  de  retenção  na  fonte  do  ISS  do  local  do  provedor  de  serviço  
 

J_1BTXISS    
Local  do  Provedor  de  Serviço  
ISVF  

ISVB  
ISVC  
ISVD  

ISVG  
ISVH  

107
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A601  para  os  Gpos  de  condições:  


Chave  =  Aplicação  +  Tipo  de  Condição  +  País  +  Domicílio  
  Fiscal  do  Prestador  de  Serviço  +  3  chaves  da  Tabela  
•  Seqüência  de  acesso  ISS2:   Dinâmica  +  Grupo  de  Imposto  da  Tabela  Dinâmica  

•  ISVN  –  Alíquota  do  ISS  do  local  de  prestação  de  serviço  
•  ISVOP–  Base  do  imposto  do  ISS  do  local  de  prestação  de  serviço  
•  ISVD  –  Direito  Fiscal  do  ISS  do  local  de  prestação  de  serviço  
•  ISVR  –  Domicílio  fiscal  do  local  de  prestação  de  serviço  
•  ISVS  –  ISS  reGdo  na  fonte  do  local  de  prestação  de  serviço  
•  ISVT  –  Valor  mínimo  de  retenção  na  fonte  do  ISS  do  local  de  prestação  de  serviço  

J_1BTXISS    
Local  de  Prestação  do  Serviço  

ISVR  

ISVN  
ISVO  
ISVP  

ISVS  
ISVT  

108
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A346  para  os  Gpos  de  condições:  


 
•  Seqüência  de  acesso  BRPI:  

•  BPI1  –  Alíquota  do  PIS   Chave  =  Aplicação  +  Tipo  de  Condição  +  País  +    3  chaves  
•  BPI2  –  Valor  base  do  PIS   da  Tabela  Dinâmica  +  Grupo  de  Imposto  da  Tabela  
•  BPIP  –  Valor  do  PIS  pautado   Dinâmica  

J_1BTXPIS  

BPI1   BPI2  

BPIP  

109
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A346  para  os  Gpos  de  condições:  


 
•  Seqüência  de  acesso  BRCO:  
Chave  =  Aplicação  +  Tipo  de  Condição  +  País  +    3  chaves  
•  BCO1  –  Alíquota  do  COFINS   da  Tabela  Dinâmica  +  Grupo  de  Imposto  da  Tabela  
Dinâmica  
•  BCO2  –  Valor  base  do  COFINS  
•  BCOP  –  Valor  do  COFINS  pautado  

J_1BTXCOF  

BCO1   BCO2  
ISVR  

BCOP  

110
Migração  dos  %pos  de  condições  
Logo  
cliente  

Atualização  da  tabela  A346  para  os  Gpos  de  condições:  


 
•  Seqüência  de  acesso  BRWT:  
•  BWO1  –  Código  oficial  Geral  
•  BWO2  –  Alíquota  geral  
•  BW11  –  Código  oficial  do  PIS  
•  BW12  –  Alíquota  do  PIS  
•  BW21  –  Código  oficial  do  COFINS  
•  BW22  –  Alíquota  do  COFINS  
•  BW31  –  Código  oficial  do  CSLL  
•  BW32  –  Alíquota  do  CSLL  
•  BW41  –  Código  oficial  do  IR   J_1BTXWITH  
•  BW42  –  Alíquota  do  IR  

BW01   BW02  

BW11   BW12  
BW21   BW22  
BW31   BW32  
BW41   BW42  

111
Índice  
Logo  
cliente  

•  Introdução  Localização  Brasil  


•  Estrutura  Organizacional  
•  Nota  Fiscal  e  NFe  
•  Tax  Manager  Workplace  Brasil  –  J1BTAX  
•  CFOP  
•  Código  de  Imposto  –  SD  
•  Direitos  Fiscais  
•  Impostos  -­‐  Tabelas  Dinâmicas  
•  ICMS  
•  IPI  
•  SubsGtuição  Tributária  
•  ISS  
•  PIS/COFINS/CSLL  
•  Impostos  ReGdos  na  Fonte  
•  CBT  –  CondiGon  Based  Tax  
•  Processos  em  Vendas  
•  Dados  Mestre  
•  Cenários  de  Vendas  
•  Transferência  entre  centros  

112
Processo  de  venda  de  mercadoria  
Logo  
cliente  

O  usuário  da  área  de  expedição   A  confirmação  usica  e    


O  vendedor  registra  
determina  a  mercadoria  que  será   separação  da  mercadoria  
a  necessidade  de    
fornecida  ao  cliente  com  base  na   são  realizados  com  base  na  
compra  do  cliente.  
disponibilidade.   solicitação  da  área  de    
expedição.  

Após  confirmada  a  possibilidade  de    


entrega,  o  usuário  da  área  de  expedição  registra  
a  baixa  de    
estoque  e  efetua  o  faturamento.  

A  venda  é  informada  ao  


o  setor  financeiro,  contas  a   Nesse  momento,  
Com  a  mercadoria  separada,  
receber,  que  efetuará  a   a  Nota  Fiscal  
embalada  e  respecGva  NF  
cobrança  e  posterior   será  impressa  
impressa,  a  entrega  é  efetuada  
recebimento  do  dinheiro.   para  acompanhar  
a  mercadoria.  

113
Mestre  de  Clientes  e  Materiais:  Brasil  
Logo  
cliente  

114
Livros  Fiscais  
Logo  
cliente  

115
Zona  Franca  de  Manaus  
Logo  
cliente  

Preço sem impostos Nota  Fiscal  


- Descontos sem impostos  
IPI  Isento  pelo  Art...  
+ ICMS / PIS / COFINS  
--------------------------------- Desconto  de  XXX,  igual  ao    
Preço Bruto valor  do  ICMS  ...  
- Descontos )
+ Frete / Seguro / Enc. Fin
----------------------------------
Base de Cálculo

IPI
ICMS
ICMS Subst. Trib.
PIS
COFINS
ISS
Desconto ZF = ICMS
----------------------------------
Valor Total

116
Venda  a  cliente  Isento  e  Consumidor  
Logo  
cliente  

Venda  a  Cliente  Isento  

Cadastro  de  Cliente  


 
•  Isento  IPI  
•  isento  ICMS  
•  Grupo  Subst.  Fiscal  
•  Direitos  Fiscais  ICMS/IPI  

Venda  ao  Consumidor  

Códigos  de  Imposto  SD  è  C0,  C1,  C2,  C3,  C4,  C5  

117
Divergências  Fiscais  e  Nota  de  Crédito  
Logo  
cliente  

Divergências  fiscais  -­‐  Nota  Fiscal  Complementar  


•  Não  há  processamento  de  remessa  

•  Tipo  de  Documento  de  Venda  DRB  especifica  o  processamento  de  NF  Complementar  

•  Aberto  com  referência  a  um  faturamento  anterior  

•  Alteração  de  Preço  -­‐  Referência  a  NF  Original  (Via  Documento  de  Faturamento)  

•  Fatura  Gpo  L2B  /  NF  Gpo  N2  

Nota  de  Crédito  


•  Não  há  processamento  de  remessa  

•  Tipo  de  Doc.  de  Venda  CRB  especifica  processamento  de  Nota  de  Crédito  

•  Aberto  com  referência  a  um  faturamento  anterior  

•  Alteração  de  Preço  

•  Referência  a  NF  Original  (Via  Documento  de  Faturamento)  

•  Fatura  Gpo  G2B  /  NF  Gpo  N3  


118
Devolução:  NF  do  Cliente  
Logo  
cliente  

•  Tipo  de  documento  de  venda  REB  especifica  processamento  de  


Devolução  

•  Aberto  com  referência  a  um  faturamento  anterior  

•  Recebimento  das  mercadorias  (entrega  Gpo  LR)  em  estoque  


temporário  de  devolução  para  análise  de  qualidade  

•  Lançamento  contábil  reverte  contabilização  anterior  


proporcionalmente  à  quanGdade  devolvida  

•  Nota  de  crédito  Gpo  REB  /  NF  Gpo  N4  

•  Livros  fiscais  registrados  com  o  número  e  datas  da  NF  recebida  do  
cliente,  dados  que  devem  ser  informados  na  entrada  da  ordem  de  
devolução  

119
Retorno:  NF  Própria  
Logo  
cliente  

•  Tipo  de  documento  de  venda  ROB  especifica  processamento  de  


Retorno  

•  Aberto  com  referência  a  um  faturamento  anterior  

•  Recebimento  das  mercadorias  (entrega  Gpo  LR)  em  estoque  


temporário  de  devolução  para  análise  de  qualidade  

•  Lançamento  contábil  reverte  contabilização  anterior  


proporcionalmente  à  quanGdade  devolvida  

•  Nota  de  crédito  Gpo  REB  /  emissão  de  NF  de  entrada  Gpo  N5  

•  Livros  fiscais  registrados  com  o  número  e  datas  de  uma  nova  NF  de  
entrada  emiGda  para  efetuar  o  recebimento  da  mercadoria  

120
Cancelamento  e  outras  Correções  
Logo  
cliente  

Cancelamento  de  Nota  Fiscal  

•  Se  a  mercadoria  não  saiu  da  empresa  

•  Estorno    do  faturamento  com  cancelamento  da  nota  fiscal  

•  Nota  fiscal  lançada  no  livro  de  saída  como  cancelada  

Outras  Correções  
•  Casos  onde  houve  erro  nas  tabelas  de  configuração  
ü  Alíquota  de  ICMS  
ü  Alíquota  de  IPI  
ü  Isenções/Suspensões  
•  Nota  de  customização  421284  
ü  Criar  novo  documento  de  vendas  
ü  Criar  novo  procedimento  de  preços  
ü  Criar  novos  Gpos  de  condições  
•  Referência  ao  documento  original  

121
Embalagem  Retornável  
Logo  
cliente  

Embalagem  Retornável  em  Nota  Fiscal  Própria  

•  Tipo  de  documento  de  venda  LB  /  categoria  de  item  LEIH  

•  Preço  =  custo  médio    

•  Remessa  LF  com  lançamento  de  estoque  especial  “material  próprio  em  poder  de  terceiros”  

•  Faturamento  F2B  /  emissão  de  NF  Gpo  N1  com  impacto  nos  Livros  Fiscais  

Embalagem  Retornável  e  Itens  Normais  na  mesma  NF  

•  Tipo  de  documento  de  venda  ORB  

•  Embalagem  retornável  -­‐  categoria  de  item  LEIH  –  valor  não  será  incluído  no  total  da  NF  

•  Remessa  LF  com  lançamento  de  estoque  especial  “material  próprio  em  poder  de  terceiros”  e  
também  saída  de  mercadoria  com  baixa  de  estoque  do  item  normal    

•  Faturamento  F2B  -­‐  lançamento  contábil  apenas  do  item  normal  

122
Entrega  Futura    
Logo  
cliente  

Venda  para  Entrega  Futura  


•  Tipo  de  documento  de  venda  VEF  

•  Procedimento  de  preços:  RVXBRE  

•  Não  há  remessa  

•  Faturamento  FA  -­‐  lançamento  contábil  com  ICMS  esta‹sGco  

•  Nota  Fiscal  Gpo  N1  de  Simples  Faturamento  Antecipado  

Remessa  de  Entrega  Futura  


•  Tipo  de  documento  de  venda  VEFR  com  referência  no  faturamento  FA  

•  Procedimento  de  preços:  RVXBRF    

•  Remessa  LF  com  baixa  de  estoque  efeGva  do  produto  vendido  

•  Faturamento  FAR  -­‐  lançamento  contábil  com  IPI  esta‹sGco  

•  Nota  Fiscal  Gpo  N1  de  Simples  Remessa  

123
Consignação  –  Remessa  e  Faturamento  
Logo  
cliente  

•  Tipo  de  documento  de  venda  KBB  

•  Procedimento  de  preços:  RVXBRK  

•  Remessa  LF  com  estoque  especial  “consignação  de  cliente”  (estoque  em  poder  de  terceiros)  –  
não  há  lançamento  contábil  

•  Faturamento  FCR  

•  Nota  Fiscal  Gpo  N1  de  Simples  Remessa  (Consignação)  

Consignação  -­‐  Faturamento  


•  Tipo  de  documento  de  venda  KEB  com  referência  no  faturamento  FCR  

•  Procedimento  de  preços:  RVXBRL  

•  Remessa  LF  com  baixa  do  estoque  especial  “consignação  de  cliente”  e  respecGvo  
lançamento  contábil  

•  Faturamento  FC  –  lançamento  contábil  com  ICMS  e  IPI  esta‹sGcos  

•  Nota  Fiscal  Gpo  N1  de  Faturamento  de  Material  em  Consignação  

124
Venda  à  ordem  
Logo  
cliente  

NF    
Remessa  por  
Fornecedor   conta  e   Cliente  
ordem  

NF    
NF    
Simples  
Venda  
Faturamento  

Venda  à  Ordem  
Empresa  

Requisição  de  
Pedido  
compra  

1.  A  empresa  emite  NF  de  venda  para  o  cliente:  


 
•  ordem  de  vendas  Gpo  VDOR,  categoria  de  item  TBS,  categoria  de  divisão  de  remessa  C5,  e  texto  específico  de  NF  
(Nota  Fiscal  Simples  Faturamento  com  mercadoria  sendo  entregue  por  “Fornecedor”  
•  faturamento  F2B  sem  remessa  
•  requisição  de  compra  gerada  automaGcamente  e  processada  em  MM  

2.  O  fornecedor  remete  a  mercadoria  com  um  NF  de  simples  remessa  

3.  O  fornecedor  fatura  a  companhia  através  de  um  NF  de  simples  faturamento  

125
Venda  por  conta  e  ordem  
Logo  
cliente  

NF    
Empresa   Remessa  por  
conta  e   Cliente  do  cliente  
ordem  

Venda  por  Conta  e  


Ordem  

NF    
Simples  
Faturamento   Cliente  

1.  A  empresa  emite  NF  de  Remessa  por  Conta  e  Ordem  o  cliente  do  cliente:  

•  ordem  de  vendas  Gpo  RCM  


•  remessa  LF  com  baixa  de  estoque  
•  faturamento  FST  gera  NF  de  Simples  Remessa  

2.  Em  seguida  a  empresa  fatura  o  cliente  através  de  um  NF  de  simples  faturamento  

•  ordem  de  vendas  Gpo  RCS  com  referência  no  faturamento  FST  
•  faturamento  F2B  sem  remessa  gerando  NF  de  Simples  Faturamento  com  texto  explicaGvo  mencionando  
operação  anterior  de  simples  remessa  à  qual  se  refere  

126
Transferência  de  materiais  entre  centros  
Logo  
cliente  

•  Vamos  mostrar  agora  como  se  opera  uma  transação  de  transferência  entre  centros  de  uma  mesma  empresa  
uGlizando-­‐se  recursos  e  funcionalidades  integradas  de  MM  e  SD  ajustadas  às  regras  tributárias  brasileiras  

•  Os  centros  envolvidos  devem  pertencer  a  filiais  disGntas  de  uma  mesma  empresa  

•  Configuração:  criar  um  cadastro  de  cliente  para  o  centro  recebedor  e  de  fornecedor  para  o  centro  emissor  

•  Transferência  por  movimentação  de  MM  -­‐  operação  tradicional  feita  apenas  com  transações  de  MM  (MB1B):  saída  
de  mercadoria  com  movimento  833  e  recebimento  de  mercadoria  com  movimento  835  

•  Transferência  via  Pedido  UB  (MM/SD)  –  Nota  explicaGva  199.233  (customização  de  transferência  entre  centros):  

Centro  Solicitante   Centro  Fornecedor  


   
1-­‐  Necessidade    de  Material  à  Pedido  de  compra:   2-­‐    Verifica  remessas  pendentes  e  gera  o  documento  de    
  fornecimento  
§  Transação  ME21N    
§  Tipo  Pedido  =  UB   §  Transação  VL10B  
§  Centro  Fornecedor  SP  
§  Cat.Item  =  U  
3-­‐  Saída  de  Mercadoria:  
4-­‐  Recebimento    
  §  Transação  VL02N  
•  Contabilização  
§  Transação  MB0A   §  Mov.  862   •  Nota  Fiscal  
•  Nota  Fiscal  
§  Mov.  861   •  Livros  Fiscais   §  Transação  J1B3N   •  Livros  Fiscais  
§  Material  vai  para  o  estoque   §  Nota  Fiscal  de  Saída  

MM   SD  

127
Conclusão  
Logo  
cliente  

Dúvidas

128
Ricardo  Scofano  
SAP  Consultant  
Quote-­‐to-­‐Cash  
ricardo.scofano@Ž.com.br  

OBRIGADO