Você está na página 1de 3

TÉCNICA ALINHAMENTO DE DIREÇÃO

GEOMETRIA
DE DIREÇÃO
Assume o valor negativo quando a medida pela
parte superior das rodas é inferior à medida
pela parte inferior das mesmas rodas.
De uma forma simplificada, diz-se que assu-
me o valor negativo quando a roda está incli-
nada para dentro.

PARCERIA CEPRA / PÓS-VENDA


WWW.CEPRA.PT

O
alinhamento de direção é uma ope- Assume o valor positivo quando o eixo de di-
ração comum da manutenção au- reção está inclinado para trás.
tomóvel, habitualmente associada
à substituição de pneus. Todos os
estabelecimentos comerciais desta área são
unânimes em recomendar o alinhamento da Função Reduzir os esforços sobre os compo-
direção. Mas como justificar essa necessidade nentes da direção e da suspensão, minimizar
perante o cliente? as oscilações da suspensão provocadas pela
O veículo é projetado pelo seu construtor com estrada, auxiliar a estabilidade do veículo e
uma determinada geometria de direção, isto é, contribuir para a manutenção das qualidades
existem relações angulares específicas entre ótimas dos pneus.
peças da suspensão e da direção, carroçaria, Avarias Regulações incorretas; Folgas nos Assume o valor negativo quando o eixo de di-
rodas e superfície da estrada. componentes da direção / suspensão. reção está inclinado para a frente.
Consequências Desgaste anormal dos pneus:
excesso de desgaste no rebordo do pneu;
OS PRINCIPAIS ÂNGULOS CARACTERÍSTICOS Desvios de trajetória.
DA GEOMETRIA DE DIREÇÃO SÃO:
ÂNGULO DE SOPÉ (CAMBER)
O ângulo de sopé é dado pela inclinação das
rodas, para dentro ou para fora, em relação à
vertical, quando o veículo tem a direção orien-
tada para andamento a direito.
Função Proporcionar estabilidade direcional,
criar a força que permite à direção recuperar
a posição central (posição de andamento a
direito) após uma curva e facilitar a viragem.
Avarias Regulações incorretas; Deformações
estruturais; Alteração de componentes da
ALTERAÇÃO DO ÂNGULO DE SOPÉ DEVIDO À CARGA suspensão.
NO VEÍCULO Consequências Condução imprecisa; Desvios
Na maioria dos veículos, quando se aplica uma de trajetória; Desgaste anormal dos pneus;
carga, a geometria de direção sofre uma ligei- Esforço de viragem.
Assume o valor positivo quando a medida pela ra alteração ao nível do ângulo de sopé, origi-
parte superior das rodas é superior à medi- nando a sua diminuição. ALTERAÇÃO DO ÂNGULO DE AVANÇO DEVIDO À CARGA
da pela parte inferior dessas mesmas rodas. NO VEÍCULO
De uma forma simplificada, diz-se que assume Também o ângulo de avanço pode sofrer alte-
o valor positivo quando a roda está inclinada ração quando o veículo é sujeito a uma carga.
para fora na parte superior. De um modo geral, sempre que a carga inci-
de sobre a zona traseira do veículo, reduz a
sua altura e origina um aumento do ângulo
de avanço. Ao aumentar o ângulo de avanço,
contribui para que se torne mais difícil efe-
tuar as viragens e aumenta a tendência para
ÂNGULO DE AVANÇO (CASTER) o volante regressar rapidamente à posição de
É o ângulo formado pela inclinação do eixo de andamento a direito.
direção, para a frente ou para trás, em relação Para minimizar estes efeitos foram desen-
ao eixo vertical, quando o veículo é visto la- volvidos detalhes específicos nas suspensões
teralmente. que impedem a variação excessiva do ângulo
de avanço com a carga.

62 | PÓS-VENDA
ÂNGULO DE INCLINAÇÃO LATERAL DO EIXO DE DIREÇÃO CONVERGÊNCIA / DIVERGÊNCIA DIVERGÊNCIA EM CURVA

Também designado por ângulo de saída ou KPI A convergência ou divergência é a diferença de É a diferença do ângulo de viragem da roda
(King Pin Inclination). É a medida em graus paralelismo entre duas rodas do mesmo eixo. externa e o ângulo de viragem da roda interna.
entre a vertical e a linha que passa pelo eixo
direcional quando o veículo é visto de frente.
Convergência Divergência

A direção diz-se convergente quando a dis-


tância medida pela parte da frente das ro-
das é inferior à medida pela parte de trás das
mesmas rodas.
Quando a distância medida pela parte da fren-
te das rodas é superior à medida pela parte de
trás das mesmas rodas diz-se que a direção Centro da curva (d)
está divergente ou com convergência negativa. Ângulo de viragem da roda interna (ą)
Ângulo de viragem da roda externa (ß)
Função Anular as tendências que as rodas Circunferência descrita por cada roda (C)
têm para convergir ou divergir, devido às ou-
tras características da direção e suspensão; Os valores de diferença angular devem ser
Permitir que as rodas, dinamicamente, es- iguais em viragens à direita ou à esquerda.
Função Proporciona estabilidade direcional; tejam o mais paralelas possível entre si e em
Reduz o esforço sobre os componentes; Permite relação à linha de deslocamento; Evitar des- Função Eliminar ou reduzir ao mínimo, o ar-
o retorno do volante à posição de andamen- gaste excessivo de pneus. rastamento das rodas sobre o piso, ao curvar.
to a direito. Avarias Regulações incorretas; Folgas nos Avarias: Montagens incorretas; Empenos de
Avarias Deformações da estrutura; Empenos componentes da direção / suspensão. componentes da direção.
de componentes da suspensão. Consequências Desgaste anormal dos pneus; Consequências Diferenças de esforço na dire-
Consequências Falta de retorno da direção; Aumento do consumo de combustível. ção e arrastamento dos pneus ao virar para a
Desgaste anormal dos pneus; Instabilidade esquerda e para a direita; Desgaste anormal
direcional. ÂNGULO DE IMPULSO TRASEIRO dos pneus.

ÂNGULO COMBINADO OU INCLUSO


A geometria de direção vai sofrendo pequenas
alterações com o uso diário do veículo, no en-
tanto, existem algumas situações que podem
originar alterações imediatas e significativas,
nomeadamente irregularidades profundas do
piso e embates nos passeios (por exemplo, ao
estacionar, nas subidas e descidas dos mes-
mos). Mesmo que essas situações não se tra-
É o ângulo formado pela linha de impulso dire- duzam em alterações notórias de comporta-
cional traseira e o eixo longitudinal do veículo. mento do veículo, serão mais tarde “visíveis”
no aumento do consumo de combustível e
Função Auxiliar no diagnóstico. desgaste prematuro e irregular dos pneus.
É a soma algébrica dos ângulos de sopé e in- Avarias: Montagens incorretas; Deformações Assim, é particularmente importante garantir
clinação lateral do eixo de direção. O ângulo estruturais. que as rodas do veículo mantêm o alinhamento
combinado resulta exclusivamente do for- Consequências: Desgaste anormal dos pneus; que lhes foi conferido pelo construtor, aquan-
mato da manga de eixo e só pode ser alterado Direção descentrada. do da saída do veículo da fábrica, garantindo
devido à deformação desta. desta forma as melhores prestações ao nível
de manobrabilidade, economia de combustível,
Função Permite o diagnóstico de deformações conforto do veículo e durabilidade dos pneus.
em componentes mecânicos ou estruturais.

NOVEMBRO 2016 | 63
TÉCNICA ALINHAMENTO DE DIREÇÃO

Os equipamentos de medição e alinhamento também alguns procedimentos preparató- Utilizar o dinamómetro de tração (também
de geometria de direção têm vindo a ser alvo rios específicos associados a determinadas conhecido como barra de convergência)
de grande evolução tecnológica, agilizando a marcas ou modelos de veículos. Estes proce- Em alguns modelos Mercedes, o valor previsto
operação de alinhamento. Mas como justifi- dimentos são de extrema importância, pois pelo fabricante para a convergência considera
car perante o cliente o tempo despendido na podem fazer com que uma operação que se- a instalação do dinamómetro de tração indi-
operação? ria de alinhamento do veículo e reposição das cado pelo equipamento, o mais acima possível
condições de fábrica se torne uma operação à frente do eixo dianteiro. Este acessório per-
de “desalinhamento”. mite aplicar uma força que afasta as rodas da
frente, uma em relação à outra. Cada dinamó-
Seguem alguns exemplos: metro está calibrado para aplicar valores de
força dentro de um determinado intervalo.
Verificar as dimensões das rodas do veículo
em certos equipamentos de alinhamento de
direção, pode ser necessário indicar no equi-
pamento a dimensão das jantes instaladas
no veículo.

Verificar o estado de carga do veículo É uma


das preparações mais comuns. No veículo
deve ser instalada a carga indicada pelo equi-
pamento para a verificação do alinhamento de
direção do veículo.

Apesar da evolução, continuam a existir al-


guns trabalhos preparatórios, comuns à gran-
de maioria dos equipamentos de medição e
veículos, que cabem ao operador e que podem
ter grande influência nos resultados obtidos,
como por exemplo: Concluídos os trabalhos preparatórios espe-
cificados para o veículo, o veículo encontra-se
Tracionar o veículo em alguns modelos, por nas condições especificadas pelo fabrican-
Verificação dos pneus Como previsto legal- exemplo nas marcas Peugeot e Citroën, o equi- te para a medição da geometria, podendo-
mente, os pneus devem ser iguais em cada pamento solicita que o veículo seja tracionado -se proceder à medição propriamente dita.
eixo. Deve ser verificado o seu desgaste de através da aplicação de cintas em pontos espe- Geralmente, os equipamentos guiam o ope-
forma a garantir que é semelhante em todas cíficos do veículo de modo a que a suspensão rador através de um procedimento com vista
as rodas. Verificar a pressão dos pneus dian- fique com a altura indicada pelo equipamento. à medição dos valores dos principais ângulos
teiros e traseiros, corrigindo, se necessário. da geometria de direção.
As pressões a utilizar devem ser as pressões No final, o equipamento apresenta os valores
previstas pelo fabricante do veículo para os efetivamente medidos e os valores ou interva-
pneus instalados. los recomendados pelo fabricante para o veí-
culo selecionado, nas condições previamente
Verificação das jantes Verificar o estado de indicadas. Habitualmente, por comparação de
conservação das jantes. Confirmar se as ro- ambos, o software avalia o estado dos ângu-
das instaladas estão previstas pelo fabrican- los da geometria de direção do veículo medido,
te do veículo. assinalando a vermelho os que estão fora da
tolerância prevista pelo fabricante e a verde
Verificar folgas Verificar a existência de fol- os que estão dentro da mesma.
gas excessivas nos componentes da suspen- É muito importante que o veículo selecionado
são e direção. no equipamento coincida com o veículo a me-
Utilizar o inclinómetro O inclinómetro é um dir, bem como a realização de todos os traba-
Na grande maioria dos equipamentos de instrumento que permite medir a inclinação lhos preparatórios previstos. Só desta forma é
medição, segue-se a seleção do veículo, em de um plano em relação à horizontal. Em al- possível garantir que os ajustes a realizar, em
função da marca, modelo e ano de fabrico. guns modelos Mercedes, é necessário instalar função das diferenças entre os valores medi-
Habitualmente, no software do equipamen- o inclinómetro no braço da suspensão, efetuar dos e os de referência, realmente vão repor as
to está disponível uma base de dados sobre a a medição e registar o valor obtido no equipa- condições do veículo à saída da fábrica, asse-
medição da geometria de direção dos veícu- mento de medição da geometria de direção. gurando as melhores prestações ao nível de
los, que inclui não só os valores de referência manobrabilidade, economia de combustível,
do fabricante para os principais ângulos como conforto do veículo e durabilidade dos pneus.

64 | PÓS-VENDA