Você está na página 1de 4

O QUE É ASSÉDIO MORAL:

É uma forma de violência no trabalho que consiste na exposição prolongada e


repetitiva dos trabalhadores a situações vexatórias, constrangedoras e
humilhantes, praticadas por uma ou mais pessoas. Ocorre por meio de
comportamentos com o objetivo de humilhar, ofender, ridicularizar, inferiorizar,
culpabilizar, amedrontar, punir ou desestabilizar emocionalmente os
trabalhadores, colocando em risco a sua saúde física e psicológica, além de
afetar o seu desempenho e o próprio ambiente de trabalho.

O assédio pode assumir tanto a forma de ações diretas (acusações, insultos,


gritos, humilhações públicas) quanto indiretas (propagação de boatos,
isolamento, recusa na comunicação, fofocas e exclusão social). Porém, para
que sejam caracterizadas como assédio, essas ações devem ser um processo
frequente e prolongado.

Ressalte-se que o assédio moral é repetitivo, ou seja, é caracterizado por


ações reiteradas do assediador. Portanto, devem-se
diferenciar acontecimentos comuns e isolados que ocorrem nas relações de
trabalho (como uma "bronca" eventual do chefe) das situações que
caracterizam assédio moral. Se constantemente a pessoa sofre humilhações
ou é explorada, aí sim temos assédio moral.

Um ato isolado não é considerado assédio moral, embora possa haver


exceção, quando o comportamento é tão severo que leva a vítima ao estado
permanente de medo, por exemplo, no caso de violência ou ameaça física.

Seguem algumas condutas que caracterizam assédio moral:

 Inferiorizar, amedrontar, menosprezar, difamar, ironizar, dar risinhos;


 Fazer brincadeiras de mau gosto;
 Não cumprimentar e ser indiferente à presença do outro;
 Solicitar execução de tarefas sem sentido e que jamais serão utilizadas;
 Controlar (com exagero) o tempo de idas ao banheiro;
 Retirar da vítima a autonomia;
 Não lhe transmitir informações úteis para realização das tarefas;
 Contestar sistematicamente todas as suas decisões;
 Criticar seu trabalho de forma injusta ou exagerada;
 Privá-la do acesso aos instrumentos de trabalho;
 Retirar o trabalho que normalmente lhe compete;
 Dar instruções confusas ou imprecisas ao trabalhador;
 Designar novas tarefas sem treinamento;
 Não repassar nenhum trabalho ao funcionário, provocando sensação de
inutilidade;
 Atribuir-lhe proposital e sistematicamente tarefas inferiores ou superiores
à sua competência;
 Pressioná-lo para que não faça valer seus direitos (férias, horários,
prêmios);
 Atribuir à vítima tarefas incompatíveis à sua função ou à sua saúde;
 Não levar em conta recomendações de ordem médica, indicadas pelo
médico do trabalho;
 Induzir a vítima ao erro;
 Isolamento;
 Superiores ou colegas não dialogarem com a vítima;
 Comunicação unicamente por escrito;
 Separá-lo de outros;
 Ignorar sua presença, dirigindo-se apenas aos outros;
 Gestos de desprezo (suspiros, olhares desdenhosos, levantar os
ombros);
 Desacreditá-la diante de colegas, superiores ou subordinados;
 Espalhar rumores a respeito da vítima;
 Atribuir-lhe problemas psicológicos (dizem que é doente mental);
 Zombar de deficiências ou aparência física;
 Imitar ou caricaturar a vítima;
 Criticar sua vida privada;
 Zombar de suas origens ou nacionalidade;
 Zombar de sua orientação sexual
 Implicar com crenças religiosas;
 Atribuir tarefas humilhantes;
 Injuriar com termos obscenos ou degradantes;
 Ameaças de violência física;
 Falar aos gritos;
 Invadir a vida privada com ligações telefônicas, cartas, seguir na rua ou
espionar em domicílio;
 Assédio ou agressão sexual (gestos ou propostas)
 Sobrecarga de trabalho com prazos de entrega impossíveis de serem
cumpridos;

EFEITOS DO ASSÉDIO MORAL:

1 - A humilhação repetitiva e de longa duração interfere na vida do trabalhador


de modo direto, comprometendo sua identidade, dignidade e relações afetivas
e sociais, ocasionando graves danos à saúde física e mental, que podem
evoluir para a incapacidade laborativa, desemprego ou mesmo a morte,
constituindo um risco invisível, porém concreto, nas relações e condições de
trabalho.

2 - Os custos diretos e indiretos para a organização abrangem:

• Faltas e afastamentos por problemas de saúde


• Perda de produtividade e qualidade do trabalho
• Deterioração do clima organizacional
• Ações trabalhistas

3 - O assediador e o empregador (ou órgão público) podem ser


responsabilizados, solidariamente na esfera civil (indenização por danos
materiais e morais) e o assediador pode sofrer punição na esfera
administrativa/ laboral (desde advertência até a demissão).
O QUE NÃO É ASSÉDIO MORAL:

• Conflitos de ideias, opiniões, interesses, quando há igualdade entre os


debatedores;

• Estresse profissional provocado por eventuais picos de trabalho;

• Más condições de trabalho, excetuando-se quando forem direcionadas


a um único trabalhador;

• Mudanças ou transferência de função, desde que não tenham caráter


punitivo ou configurem perseguição;

• Críticas ou avaliações sobre o trabalho executado desde que sejam


fundamentadas e comunicadas de forma construtiva e respeitosa;

• Exigência de produtividade, dentro dos parâmetros da razoabilidade;

• Controle administrativo dos chefes sobre os empregados, desde que


este poder disciplinar do superior hierárquico seja exercido de maneira
adequada.