Você está na página 1de 1352

ANAIS X SIMPAC 1

ANÁLISES BACTERIOLÓGICAS DE HORTALIÇAS PRO-


DUZIDAS NA ZONA RURAL DE VIÇOSA-MG

Amanda Fialho Rosa1, Lidiane Faria Santos2, Henrique de Freitas


Santana3

Resumo: Grande parte dos alimentos consumidos in natura podem


representar elevados riscos à saúde, visto que são considerados fon-
tes de contaminação para diversos tipos de doenças. O presente es-
tudo teve por finalidade analisar as condições bacteriológicas das
hortaliças cultivadas em propriedades rurais no Município de Viço-
sa-MG. Foram analisadas as condições microbiológicas de folhas de
alface (Lactuca sativa) de 13 propriedades que participam do Pro-
grama Nacional de Alimentação Escolar (PENAE).

Palavras–chave: Alimentação, Alface, Escolar, Produtores

Introdução

Nas últimas décadas têm se verificado um aumento signifi-


cativo do número de casos de doenças transmitidas por alimentos,
tornando-se sua contaminação um sério problema de saúde pública
(TAKAYANAGUI et al,2007).
As águas superficiais que se encontram contaminadas por
organismos patogênicos e são usadas para irrigação de hortaliças,
podem servir como propagador de várias doenças para aqueles que
a consomem. Sendo de extrema importância analisar e realizar o
controle sanitário das águas utilizadas para irrigação, como preven-
ção para a saúde pública. As linhas de contaminação da água para
fins de irrigação estão regulamentadas pelo CONAMA, Conselho
Nacional do Meio Ambiente (MAROUELLI; SILVA; SILVA, 2008).
1
Graduanda em Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: amanda-rfialho@hotmail.com
2
Professora do curso de Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: lidianequi@yahoo.com.
br
3
Bioquímico do Serviço Autônomo de Água e Esgoto - SAAE –Viçosa. e-mail: henrique@saaevicosa.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


2 ANAIS X SIMPAC

O presente estudo teve como principal objetivo analisar as


condições bacteriológicas das hortaliças cultivadas em propriedades
rurais no Município de Viçosa-MG, os produtores que cultivam as
hortaliças participam do Programa Nacional de Alimentação Esco-
lar (PENAE).
Os agricultores vinculados ao programa realizam a distri-
buição de hortaliças nas escolas municipais e estaduais do municí-
pio.
De acordo com a lei 11.947, de 16/06/2009, 30% dos recursos finan-
ceiros repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Edu-
cação (FNDE), devem ser utilizados na compra direta de produtos
da agricultura familiar (EDUCAÇÃO, 2016).

Material e Métodos

Com base no Programa Nacional de Alimentação Escolar


(PENAE), que contribui com o desenvolvimento de hábitos alimen-
tares, por intermédio da alimentação escolar, a Empresa de Assis-
tência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (EMA-
TER-MG), selecionou 13 famílias para realização da pesquisa e em
cada propriedade foi coletada uma amostra de Alface (Lactuca sati-
va L).
Para a realização das análises microbiológicas nas hortali-
ças, higienizou-se ás mãos com auxílio de álcool 70%, e em segui-
da coletou-se a hortaliça com auxílio de um saco plástico da marca
Whirl-Pak® Thio-Bag®. Após as realizações das coletas, as hortali-
ças foram identificadas e transportadas para o laboratório.
Todos os materiais utilizados nas análises foram devidamente es-
terilizados, o procedimento foi realizado em uma Capela de Fluxo
Laminar marca PACHANE modelo pa 420.
Para realização das análises microbiológicas nas hortaliças,
pesou-se em uma balança analítica 10 gramas de cada amostra de
alface e macerou-se a com a auxílio de um pistilo, em seguida adici-
onou-se em uma proveta 90 mL água peptonada a 0,1%.
A solução então formada por água peptonada 0,1% e alface,
foi adequadamente filtrada e em seguida adicionou-se o substrato

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 3

Cromogênico Enzimático (Colilert), e posteriormente transferiu-se


para uma cartela estéril. A amostra foi incubada em uma estufa
bacteriológica por um período de 24 horas, a temperatura da estufa
manteve-se entre 36ºC e 38ºC.
Após o período de incubação, realizou-se a leitura das cavi-
dades grandes e pequenas, e determinou-se os resultados de acor-
do com tabela IDEXX Quanti-Tray®/2000 MPN (Número médio
provável).
As análises foram realizadas no SAAE (Serviço Autônomo
de Água e Esgoto), no Laboratório de Qualidade da Água. Todas as
análises foram realizadas no ano de 2017.

Resultados e Discussão

O presente trabalho foi realizado em 13 propriedades rurais


da cidade de Viçosa-MG, para resguardar a individualidade de cada
produtor utilizou-se letras para identificar as propriedades, como
apresentado no Quadro 1.
No Quadro 1, estão dispostos os resultados das análises mi-
crobiológicas das hortaliças, o quadro relaciona a propriedade e os
respectivos meses de coletas.
A primeira coleta de alface (Lactuca sativa) foi realizada no mês de
fevereiro, após a realização das primeiras análises verificou-se que
nas amostras de alface das propriedades G, H e L apresentaram
valores afirmativos para Escherichia coli.
A segunda e a terceira coleta foram efetuadas em abril e
setembro, observou-se que nos respectivos meses: 53,85% e 30,77%
das amostras apresentaram contaminação.
No mês de dezembro, 46,15% das amostras apresentaram
contaminação para as análises microbiológicas nas folhas de alface.
A propriedade F foi a única que apresentou contaminação fecal nos
três meses avaliados.
Peres Junior, Gontijo e Silva (2012), em sua pesquisa rea-
lizada com amostras de alface em 10 restaurantes, no município
de Gurupi-To, constatou que 68,48% das amostras apresentaram
coliformes fecais.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


4 ANAIS X SIMPAC

Quadro 1 – Resultado das Análises Microbiológicas nas hortaliças


em MNP/100 mL.
PRODUTOR FEVEREIRO ABRIL SETEMBRO DEZEMBRO
A
0,00 0,00 116,20 2419,60
B
0,00 0,00 0,00 49,60
C
0,00 2,00 1011,20 0,00
D
0,00 4,00 0,00 24,10
E
0,00 0,00 0,00 0,00
F
0,00 5,20 2,00 201,20
G
6,30 0,00 0,00 0,00
H
29,30 0,00 0,00 0,00
I
0,00 313,00 0,00 19,70
J
0,00 0,00 79,20 0,00
K
0,00 613,00 0,00 0,00
L 14,80 4,10 0,00 160,70

M 0,00 290,00 0,00 0,00

De acordo com ROBERTSON; GJERDE (2000), é possível


certificar que não só a contaminação hídrica, mas também o apare-
cimento de enteroparasitas e coliformes fecais em verduras podem
ser causados devido ao transporte e manuseio desses produtos, ou
devido ao contato das hortaliças com animais como aves, ratos e
moscas.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 5

Considerações Finais

Após a realização das análises microbiológicas nas folhas de


alface, não podemos assegurar que os valores confirmativos de Es-
cherichia coli, são provenientes de águas contaminadas, pois outros
fatores podem contribuir para tal contaminação, como exemplo,
a utilização de adubo orgânico com dejetos fecais, utilizados nos
cultivos das hortaliças.
As análises microbiológicas nas hortaliças são importantes
para detectar bactérias do tipo Escherichia Coli, que são encon-
tradas nas fezes, sendo os principais indicadores de contaminação.
Essa análise torna-se de grande importância para a Saúde pública,
devido essas hortaliças estarem sendo distribuídas para a alimen-
tação escolar. A análise microbiológica nos permite esclarecer dados
das condições de higiene das hortaliças e as circunstâncias em que
foram cultivadas e armazenadas.

Referências Bibliográficas

EDUCAÇÃO, Fundo Nacional de Desenvolvimento da. Programa


Nacional de Alimentação Escolar. Disponível em: <http://www.
fnde.gov.br/programas/alimentacao-escolar/alimentacao-escolar-a-
presentacao>. Acesso em: 04 abr. 2018.

MAROUELLI, W. A; SILVA, Washington Luiz de Carvalho e; SIL-


VA, Henoque Ftibeiro da. Irrigação por Aspersão em Hortali-
ças: Qualidade da Água, Aspectos do Sistema e Método Prático de
Manejo. 2. ed. Brasília - Df: Embrapa Informação Tecnológica, 2008.

PERES J. J; GONTIJO, E E. L; SILVA, M. Gontijo da. Perfil Para-


sitológico e Microbiológico de Alfaces comercializadas em restau-
rantes self-service de gurupi-to. Revista Científica do Itpac, Ara-
guaína, v. 5, n. 1, p.1-8, jan. 2012.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


6 ANAIS X SIMPAC

ROBERTSON, L. J.; GJERDE, B. Occurrence of Parasites on Fruits


and Vegetables in Norway. Food Protection, v. 64, p.1793-1798,
nov. 2001.

TAKAYANAGUI, O.M. et al. Avaliação da contaminação de hortas


produtoras de verduras após a implantação do sistema de fiscaliza-
ção em Ribeirão Preto, SP. Revista da Sociedade Brasileira de
Medicina Tropical, Uberaba, v.40, n.2, p.239-241, 2007.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 7

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA PRODU-


ÇÃO DE HORTALIÇAS NA ZONA RURAL DE VIÇOSA-MG

Amanda Fialho Rosa1, Lidiane Faria Santos2, Henrique de Freitas


Santana3

Resumo: Para evidenciar a qualidade da água para consumo hu-


mano e irrigação de hortaliças é de extrema importância monitorar
os parâmetros de qualidade. Este trabalho tem por objetivo analisar
a qualidade da água para consumo humano, irrigação de hortaliças
e analisar as condições microbiológicas das hortaliças em propri-
edades vinculadas ao Programa Nacional de Alimentação Escolar
(PENAE), comparando os resultados com a legislação vigente.

Palavras–chave: Alimentação, Irrigação, Legislação, Parâmetros

Introdução

Elemento essencial à vida, a água e seus diversos usos são


fundamentais nas atividades humanas, podendo ser usada de di-
versas maneiras incluindo o abastecimento público e industrial, a
irrigação agrícola, a produção de energia elétrica e as atividades de
lazer e recreação. A água é, sobretudo, o fundamental constituinte
de todos os organismos vivos (ALVES et al., 2008).
Estão cada vez mais visíveis os desequilíbrios relativos à dis-
ponibilidade de água de qualidade em distintas regiões do mundo.
As causas desse desequilíbrio são o crescimento da população e sua
concentração em áreas urbanas, utilização demasiada de aquíferos,
e o crescente dano causado por contaminação das águas superfici-
ais. Nas regiões áridas e semiáridas esta situação é mais problemá-

1
Graduanda em Engenharia Química- FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: amanda-rfialho@hotmail.com
2
Professora do curso de Engenharia Química - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: lidianequi@yahoo.com.br
2
Bioquímico do Serviço Autônomo de Água e Esgoto - SAAE –Viçosa. e-mail: henrique@saaevicosa.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


8 ANAIS X SIMPAC

tica pois constituem uma maior escassez de recursos hídricos (AL-


MEIDA, 2010).
No Brasil os potenciais de água doce são de bastante impor-
tância para diversos fins. Sendo de entendimento público, que um
número expressivo de rios e lagos se encontram poluídos ou em pro-
cesso de poluição. Esse problema se agrava nos cinturões verdes dos
grandes centros urbanos, onde muitas fontes de águas superficiais
utilizadas para irrigação de hortaliças estão contaminadas. Essa
contaminação pode ocorrer devido a organismos patogênicos, como
Escherichia coli, salmonelas e parasitas intestinais (MAROUELLI;
SILVA; SILVA, 2008).
O presente estudo teve como principal objetivo analisar a
qualidade da água para consumo humano e para irrigação de hor-
taliças, em propriedades vinculadas ao Programa Nacional de Ali-
mentação Escolar (PENAE).

Material e Métodos

Com apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão


Rural do Estado de Minas Gerais (EMATER-MG), foram seleciona-
das 13 propriedades para a realização da pesquisa. Essa escolha foi
realizada, com base no Programa Nacional de Alimentação Escolar
(PENAE), que contribui com o desenvolvimento de hábitos alimen-
tares, por intermédio da alimentação escolar. Os agricultores vincu-
lados ao programa, realiza a distribuição de hortaliças nas escolas
municipais e estaduais do município de Viçosa-MG.
Para a realização desta pesquisa foram coletadas e avalia-
das amostras de água das propriedades rurais selecionadas pela
EMATER-MG. As coletas foram realizadas nos meses de fevereiro,
abril, setembro e dezembro do anos de 2017, sendo avaliadas as
variações climáticas, períodos com temperaturas altas e baixas, e
período chuvoso e de seca, verificando assim a contribuição desses
fatores para o surgimento de micro-organismos patogênicos.
Para realização das coletas de água utilizou-se frascos este-
rilizados de 100 mL. Todas as análises microbiológicas foram reali-
zadas em triplicatas para obtermos um resultado mais preciso.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 9

Para análise do pH (Potencial Hidrogeniônico), utilizou-se o


pHmetro SENSION PH31, da marca HACH, equipamento devida-
mente calibrado.
Para análise de condutividade, utilizou-se o aparelho da PoliCon-
trol, modelo Cond 250. O condutivímetro utilizado possui uma boa
versatilidade e um resultado preciso.
Usou-se para ás análises de cor o aparelho da marca Poli-
Control, modelo Colorímetro AquaColor cor, a leitura foi verificada
em unidades de cor (µC).
Para as análises de turbidez, usou-se o aparelho da marca
PoliControl modelo Turbidímetro Ap2000, a leitura foi realizada no
turbidímetro em unidades nefelométricas de turbidez (NTU).
Para determinar a quantidade de coliformes totais e Esche-
richia coli presentes em uma dada amostra, adicionou-se o substra-
to Cromogênio Enzimático (Colilert) em 100 mL de água, realizan-
do-se a transferência da solução para uma cartela estéril, a qual
foi devidamente selada, utilizou-se uma seladora marca IDEXX
Quanti-Tray/2000, mantendo-se a cartela incubada em uma estufa
de cultura bacteriológica marca Fanem, modelo 002CB durante um
período de 24 horas, a temperatura da estufa manteve-se entre 36ºC
e 38ºC.
Os resultados obtidos foram determinados pela tabela
IDEXX Quanti-Tray®/2000 MPN, que estabelecem o número médio
provável de coliformes totais e Escherichia Coli (APHA, 1995).
As análises foram realizadas no SAAE (Serviço Autônomo de
Água e Esgoto), no Laboratório de Qualidade da Água.

Resultados e Discussão

O presente trabalho foi realizado em 13 propriedades rurais


da cidade de Viçosa-MG, para resguardar a individualidade de cada
produtor, utilizaram-se letras para identificar as propriedades e nú-
meros para relacionar os pontos de coleta de cada propriedade. Os
resultados das análises físico-químicas estão apresentados na Tabe-
la1.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


10 ANAIS X SIMPAC

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 11

Após a realização das análises constatou-se que para as aná-


lises de pH, realizadas em fevereiro, apenas 36% das amostras estão
abaixo do valor permitido pela resolução do CONAMA N° 357/2005.
Nas análises do mês de abril, 12% das amostras obtiveram valores
de pH abaixo do intervalo permitido pela resolução. No mês de se-
tembro, os valores de pH se encontravam no intervalo permitido
para todas as amostras, Em dezembro, o ponto A2 apresentou valor
de pH abaixo do permitido.
Pode-se constatar para as análises de Cor, na coleta efetua-
da em fevereiro, 60% das amostras não atenderam o padrão de cor
estabelecidos. Nas coletas realizadas em abril e setembro respecti-
vamente, apontam que 48% e 44% das amostras obtiveram valores
de cor acima do permitido. No mês de dezembro 32% das amostras
apresentaram resultados acima do permitido.
Em relação às análises de turbidez realizadas em fevereiro,
verificou-se que apenas a propriedade I no ponto de coleta 2 (Nas-
cente), apresentou valor de turbidez elevada, no entanto não exce-
deu o valor estabelecido pela legislação do CONAMA Nº 357, de 17
de março de 2005, que estabelece o valor de até 40 unidades nefelo-
métrica de turbidez (UNT). Nas análises realizadas em dezembro é
possível notar que a propriedade A no ponto de coleta 1 (Nascente),
apresentou valor de turbidez acima do permitido.
A Resolução do Conama N° 357/2005 não determina valores
para a Condutividade Elétrica.
Para as análises microbiológicas de Escherichia coli e coli-
formes totais verificou-se que no mês de fevereiro, 72% das amos-
tras apresentaram resultados acima da legislação do CONAMA
N°357/2005, que estabelece o limite de 200 coliformes termotole-
rantes por 100 mililitros de água, apenas as amostras A2, B1, E1,
F2, G1, I1, J1 atenderam a legislação.
Nas análises microbiológicas realizadas em abril e setembro,
44% e 40% respectivamente das amostras, apresentaram resulta-
dos positivos para coliformes termotolerantes. Nos resultados obti-
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
12 ANAIS X SIMPAC

dos em dezembro, percebeu-se que 36% das amostras apresentaram


contaminação por coliformes termotolerantes.
Em todos os meses coletados, as amostras dos pontos de co-
leta A1, C2, H1, K1, L2 (Nascente) e nos pontos de coleta B3 e G2
(Córregos), apresentaram resultados positivos para Escherichia
coli.
Notou-se um elevado valor na contagem de coliformes totais. So-
mente nos pontos de coletas A2, E1, G1 e J1 (Poço Artesiano) não
apresentaram contaminação por coliformes totais em pelo menos
uma coleta.

Considerações Finais

Ao final das coletas realizadas durante o período de um ano,


e com o levantamento dos dados das devidas análises, todos os 13
produtores vinculados à pesquisa receberam laudos do SAAE (Ser-
viço Autônomo de Água e Esgoto) das quatro análises realizadas
e dos diferentes pontos de coleta em cada propriedade, mostrando
a qualidade das águas avaliadas durante a pesquisa. Esse laudo
é de suma importância, visto que os produtores necessitam desse
documento, pois é exigido pela Prefeitura Municipal de Viçosa, e
também pela vigilância sanitária.
Os resultados obtidos foram relacionados aos valores pres-
critos pela Resolução do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Am-
biente) N° 357, de 17 de março de 2005, que estabelecem valores
para águas de irrigação de hortaliças que são consumidas cruas e
de frutas que se desenvolvam rentes ao solo e que sejam ingeridas
cruas sem remoção de película.
Analisando-se os resultados obtidos, pode-se concluir que em
algumas propriedades torna-se inviável a utilização de água para
consumo humano, visto que algumas análises apresentaram valo-
res não satisfatórios quando comparados à resolução. É de suma im-
portância o controle de possíveis focos de contaminações nas águas,
e algumas soluções alternativas são simples e viáveis para o tra-
tamento simplificado de água como exemplo a cloração, filtração e
fervura.
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 13

Referências Bibliográficas

APHA (1995), Standard Methods for the examination of wa-


ter and wastewater. American public Health Association, Amer-
ican water Works Association, Enviromental Federation 20th ed.
Washington.

ALMEIDA, O. A de. Qualidade da Água de Irrigação. Cruz das


Almas - Ba: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2010.

ALVES, E. C. et al. Avaliação da qualidade da água da bacia do rio


Pirapó – Maringá, Estado do Paraná, por meio de parâmetros físi-
cos, químicos e microbiológicos. Acta Scientiarum. Technology,
[s.l.], v. 30, n. 1, p.39-48, 8 maio 2008. Universidade Estadual de
Maringa. http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v30i1.3199.

MAROUELLI, Waldir Aparecido; SILVA, Washington Luiz de Car-


valho e; SILVA, Henoque Ftibeiro da. Irrigação por Aspersão
em Hortaliças: Qualidade da Água, Aspectos do Sistema e Método
Prático de Manejo. 2. ed. Brasília - Df: Embrapa Informação Tecno-
lógica, 2008.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


14 ANAIS X SIMPAC

COMPOSIÇÃO DO LEITE CRU REFRIGERADO NA


REGIÃO DO VALE DO SUAÇUÍ (MG) AO LONGO DE 2016

Hélio Temponi Garcia Júnior1, Alice Cristina da Silva Portilho,


Adriano França da Cunha2, Talita Oliveira Maciel Fontes

Resumo: Verificou-se a variação mensal da composição do leite cru


refrigerado captado por um laticínio na região do Vale do Suaçuí
(MG), nos meses de 2016. Foram captados dados sobre os teores
de proteína, gordura, lactose e Extrato Secos Total (EST) obtidos
por meio de equipamento eletrônico. Houve menores teores médios
de gordura nos meses de janeiro, fevereiro, outubro, novembro,
dezembro e maior em julho (p<0,05). Houve menores teores médios
de proteína nos meses de agosto a novembro (p<0,05). Houve
variação dos teores médios de lactose ao longo do ano (p<0,05).
Maiores teores médios de EST foram encontrados nos meses de abril
a julho quando comparados aos meses de outubro a dezembro, além
de meses como agosto e fevereiro (p<0,05). Portanto, a composição
do leite cru refrigerado do Vale do Suaçuí (MG) varia ao longo do
ano.

Palavras–chave: Gordura, lactose, proteína, qualidade

Introdução

A pecuária leiteira é uma atividade do agronegócio brasileiro


de grande importância para a economia do país, gerando empregos,
renda e alimentos para a população (SILVA, 2005). Atualmente, o
Brasil é o quinto maior produtor de leite mundial e o maior produtor
de leite da América do Sul, contendo o segundo maior rebanho
1
Graduando em Medicina Veterinária – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: helioo_junior@hotmail.com,
aliceromao@globo.com, talitaomf95@hotmail.com
2
Professor em Medicina Veterinária – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: adrianofcunha@hotmail.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 15

efetivo de vacas ordenhadas. As projeções indicam que a produção


de leite aumentará nos próximos anos (IBGE, 2015).
Apesar da posição de destaque do Brasil no cenário mundial
de lácteos, a qualidade do leite produzido nacionalmente é inferior
à de outros países. Isto causa depreciação no valor interno e externo
do produto e desinteresse de países importadores de derivados
lácteos (OLIVEIRA & GALLO, 2008).
Tendo em vista esse cenário, o Governo Federal instituiu
em 2002 a Instrução Normativa n°51 que entraria em vigor no ano
de 2005 a 2008 (BRASIL, 2002) e que foi revogada pela Instrução
Normativa n° 62 (BRASIL, 2011). Foram estabelecidos parâmetros
para o leite cru refrigerado, a saber, teores de gordura (>3,0%);
proteína (>2,9%) e Extrato Seco Total - EST (>11,4%). Portanto,
o objetivo deste trabalho foi avaliar a composição do leite cru
refrigerado na região do Vale do Suaçuí (MG) nos meses de 2016.

Material e Métodos

Dados de qualidade do leite cru refrigerado (teores de


proteína, gordura, lactose e EST) de produtores rurais da região do
Vale do Suaçuí (MG) foram coletados em um laticínio localizado na
mesma região. Os resultados da qualidade foram obtidos de leites de
tanques comunitários e individuais ao longo do ano 2016, de janeiro
a dezembro, totalizando 568 amostras de leite, entre os meses de
janeiro a dezembro do ano de 2016.
Após homogeneização do leite dos tanques e flambagem
da concha de metal utilizada na coleta de leite, alíquotas de 30 a
50 mL foram transferidas para frascos “Pleion” estéreis contendo
conservante Bronopol, para determinação da composição. Os frascos
foram identificados com uma etiqueta própria, contendo nome da
propriedade, do produtor, da análise a ser realizada e código de
laboratório.
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
16 ANAIS X SIMPAC

As amostras foram agitadas para diluição dos conservantes e


acondicionadas em caixas isotérmicas contendo gelo reciclável, para
então, serem enviadas para o Laboratório de Análise da Qualidade
do Leite da Universidade Federal de Minas Gerais (LabUFMG), em
Belo Horizonte (MG). O laboratório é credenciado pelo Ministério
da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, sendo pertencente à
Rede Brasileira de Laboratórios de Análise da Qualidade do Leite
(RBQL).
A determinação da composição foi realizada por meio da
absorção da luz infravermelha, utilizando o equipamento Bentley
Combi System 2300® da Bentley Instruments Incorporated Chaska,
Estados Unidos da América. Os teores dos sólidos foram expressos
em porcentagens.
A composição do leite ao longo do ano foi submetida à Análise
de Variância (ANOVA) para serem comparados pelo teste de Tukey,
por meio do software Statistical Package for the Social Sciences
20.0 (SPSS Inc., Chicago, EUA), ao nível de 5% de significância. A
pesquisa foi aprovada pelo Núcleo de Pesquisa e Extensão (NUPEX)
da Faculdade União do Ensino Superior de Viçosa (UNIVIÇOSA)
sob número de protocolo 200/2017-I.

Resultados e Discussão

Em todos os meses do ano, os teores médios de gordura do


leite cru refrigerado da região do Vale do Suaçuí (MG) foram maiores
que 3,0%, valor mínimo determinado pela legislação (BRASIL, 2011)
(Tabela 1). Houve menores teores médios de gordura nos meses de
janeiro, fevereiro, outubro, novembro, dezembro e maior em julho
(p<0,05).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 17

Tabela 1. Variação mensal da composição do leite cru refrigerado de


propriedades do Vale do Suaçuí (MG) ao longo do ano de 2016
Número de Gordura Proteína Lactose EST
Mês
Amostras (%) (%) (%) (%)
Janeiro 40 3,46c 3,34a 4,54abc 12,39ab
Fevereiro 36 3,33c 3,32a 4,57ab 12,10bc
Março 40 3,59 bc
3,33 a
4,51 abcd
12,42ab
Abril 78 3,72 abc
3,35 a
4,44 d
12,50a
Maio 53 3,77ab 3,35a 4,47cd 12,53a
Junho 48 3,75 ab
3,32 a
4,51 abcd
12,51a
Julho 35 3,91 a
3,28 a
4,54 abc
12,69a
Agosto 44 3,59 bc
3,13 b
4,48 cd
12,19bc
Setembro 8 3,64 abc
3,13 b
4,51 abcd
12,25abc
Outubro 76 3,33 c
3,17 b
4,49 bcd
12,00c
Novembro 28 3,18c 3,17b 4,59a 11,94c
Dezembro 82 3,37c 3,28a 4,57ab 12,22bc
Total 568 3,55 3,26 4,52 12,31
Médias seguidas de letras diferentes entre linhas diferem
estatisticamente pelo teste de Tukey (p<0,05).

Peres (2001) cita que diminuição dos teores de gordura do


leite ocorre na primavera e no verão. A mudança dos animais para
pastos novos, com pouca fibra e o estresse calórico pode resultar
em menor ingestão de fibra, componente precursor na síntese de
gordura. De acordo com Durr (2001), a porcentagem de gordura
do leite é influenciada positivamente por maiores porcentagens
molares de ácidos acético e butírico no rúmen, o que é influenciado
pela maior oferta de volumoso aos animais.
Os resultados do presente estudo demonstram que em
épocas caracterizadas por menores precipitações de chuva e,
consequentemente, menores ofertas de volumoso por meio do pasto
houve maiores teores de gordura do leite. Nestes períodos, os animais
da região recebiam cana de açúcar no cocho, o que provavelmente
aumentou o aporte energético. Entretanto a porcentagem de gordura
do leite é influenciada positivamente por maiores porcentagens
molares de ácidos acético e butírico no rúmen, o que é influenciado
pela maior disponibilidade de fibra no rumem dos animais (DURR
et al., 2001).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


18 ANAIS X SIMPAC

Considerando o valor mínimo estabelecido pela Instrução


Normativa n° 62 de 2,9% (BRASIL, 2011), observou-se que as
propriedades apresentaram leite com teores médios de proteína
em conformidade em todos os meses do ano. Menores teores médios
de proteína foram encontrados nos meses de agosto a novembro
(p<0,05).
Segundo Santos e Fonseca (2007), os constituintes do
leite apresentam correlação negativa com a produção de leite em
razão da diluição. Quanto maior o volume de leite, menor o teor
de constituintes. No entanto, no presente trabalho tal fato não foi
observado, pois os teores de proteína do leite em meses caracterizados
por baixa produção de leite foram também os meses com menor
percentual médio de proteína, caracterizado pelos meses com baixa
disponibilidade de forrageiras.
Em todos os meses do ano de 2016, os teores de lactose dos
leites avaliados foram maiores que 4,3%, valor mínimo preconizado
pela legislação nacional (BRASIL, 2011). Houve variação dos teores
médios de lactose ao longo do ano (p<0,05).
Vendramin et al. (2006) relataram que a concentração de
lactose no leite não pode ser alterada por fatores nutricionais,
indicando que seus níveis estão ligados diretamente com a função
osmótica e a produção de leite da glândula mamária. Os teores
de lactose do leite tendem a aumentar conforme o animal vai se
aproximando do pico de lactação e, consequentemente, diminuem
ao final da lactação. Os teores de lactose são influenciados pela
ordem de parto, saúde dos animais, raça e idade dos animais. Tais
fatores podem ter influenciado a variação dos teores médios de
lactose encontrados no presente estudo.
Os teores médios de EST do leite das propriedades rurais
na região do Vale do Suaçuí (MG) estão em conformidade com a
Instrução Normativa n°62, ou seja, maiores que 11,4% (BRASIL,
2011). Maiores teores médios de EST foram encontrados nos
meses de abril a julho quando comparados aos meses de outubro a
dezembro, além de meses como agosto e fevereiro (p<0,05).
De acordo com Reis (2004), os teores de EST variam de
acordo com os teores de constituintes do leite. Como houve variações

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 19

diferentes dos teores de proteína, lactose e gordura ao longo do


ano, os teores de EST não tenderam a ser maiores ou menores em
determinado período do ano.

Conclusões

A composição do leite cru refrigerado varia ao longo do ano.


Há maiores teores médios de gordura em junho e julho e menores
teores médios de proteína nos meses de agosto a novembro.

Referências Bibliográficas

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.


Instrução Normativa n°37, de 18 de abril de 2002. Institui a Rede
Brasileira de Laboratórios de Controle da Qualidade do Leite.
Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 de abril de 2002.

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.


Instrução Normativa n°62, de 29 de dezembro de 2011. Altera a
Instrução Normativa n°51, de 18 de setembro de 2002. Regulamento
Técnico de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A,
Leite Cru Refrigerado, Leite Pasteurizado e Coleta de Leite Cru
Refrigerado e seu Transporte a Granel. Diário Oficial da União,
Brasília, 29 de dezembro de 2011.

DURR, J.R.; FONTANELI, R.S.; MORO, D.V. Determinação


laboratorial dos componentes do leite. Uso do leite para
monitorar a nutrição e o metabolismo de vacas leiteiras,
p.23, 2001.

IBGE. Produção da pecuária municipal 2014. Rio de Janeiro:


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 2015, v. 42,
p.1-39.

OLIVEIRA, R.P.S.; GALLO, C.R. Condições microbiológicas e


avaliação da pasteurização em amostras de leite comercializadas

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


20 ANAIS X SIMPAC

no município de Piracicaba, SP. Higiene Alimentar, v.22, n.161,


p.112-115, 2008.

PERES, J.R. O leite como ferramenta do monitoramento


nutricional. In: Uso do leite para monitorar a nutrição e
o metabolismo de vacas leiteiras. Porto Alegre: Gráfica da
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2001.

REIS, G.L. Efeito do tipo de ordenha sobre a qualidade do leite.


In: CONGRESSO NACIONAL DE LATICÍNIOS, Juiz de Fora, MG.
Anais... Juiz de Fora: Instituto de Laticínios Cândido Tostes, 2004.
V.59, 488p. p.243-246. 2004.
SANTOS. M.V.; FONSECA, L.F.L. Estratégia para controle de
mastite e melhoria da qualidade do leite. Barueri: Editora
Manole Ltda, 2007. 200p.

SILVA, H. Análise de viabilidade da produção de leite a pasto


e com suplementos em áreas de integração lavoura-pecuária
na região dos Campos Gerais. 2005. Dissertação (Mestrado em
Produção Vegetal) - Departamento de Fitotecnia e Fitossanitarismo,
Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

VENDRAMIN, L.; ROOS, T.B.; LIMA VERDE, P.M.; SCHWEGLER,


E.; GOULART, M.A.; QUEVEDO, P.S.; SILVA, V.M. DEL P.;
BURKERT, F.A.; TIMM, C.D.; GIL-TURNES, C.; CORREA, M.N.
Condição metabólica e composição do leite de rebanhos
de vacas Jersey no sul do Rio Grande do Sul, Brasil. In:
Congresso de Iniciação Científica, 15., 2006, Pelotas. Anais...
Pelotas: Universidade Federal de Pelotas.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 21

CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E BACTERIANA


DO LEITE CRU REFRIGERADO NA REGIÃO DO VALE DO
SUAÇUÍ (MG) AO LONGO DE 2016

Hélio Temponi Garcia Júnior1, Alice Cristina da Silva Portilho,


Adriano França da Cunha2, Talita Oliveira Maciel Fontes

Resumo: Verificou-se as contagens de células somáticas (CCS) e


bacterianas mensais do leite cru refrigerado captado por um laticínio
na região do Vale do Suaçuí (MG), ao longo do ano de 2016. Os dados
foram obtidos por meio de equipamento eletrônico. Houve variação
da CCS média ao longo do ano (p<0,05), não sendo observadas
maiores contagens em determinada época do ano. Houve variação
das contagens bacterianas médias ao longo do ano (p<0,05), mas
não foi observada tendências de maiores ou menores contagens
em determinados períodos do ano. Portanto, a CCS e contagem
bacteriana do leite cru refrigerado do Vale do Suaçuí (MG) variam
ao longo do ano, mas não há tendência de tais parâmetros serem
menores ou maiores em determinados períodos do ano.

Palavras–chave: Bactéria, mastite, qualidade, variação.

Introdução

A mastite bovina é o processo inflamatório da glândula


mamária ocasionado principalmente por bactérias. A enfermidade
altera a composição, aumenta a contagem de células somáticas
(CCS), proporciona grumos, sangue, pus e torna o leite impróprio
para o consumo. Mínimas variações na composição do leite podem
acarretar significativamente o rendimento e qualidade dos lácteos
produzidos em laticínios (SANTOS e FONSECA, 2007).

1
Graduando em Medicina Veterinária – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: helioo_junior@hotmail.com,
aliceromao@globo.com, talitaomf95@hotmail.com
2
Professor em Medicina Veterinária – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: adrianofcunha@hotmail.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


22 ANAIS X SIMPAC

O cuidado higiênico sanitário do rebanho e de todo material


que entra em contato com o leite é fundamental para evitar sua
contaminação. A temperatura e tempo de armazenamento do
leite são importantes, pois estão relacionados com o crescimento
de patógenos. A ação de bactérias e de suas enzimas sobre
os componentes do leite causam grande variação e perdas de
constituintes, que podem inviabilizar o processamento reduzindo o
rendimento de queijos (GUERREIRO et al., 2005).
Tendo em vista esse cenário, o Governo Federal instituiu
em 2002 a Instrução Normativa n°51 que entraria em vigor no ano
de 2005 a 2008 (BRASIL, 2002) e que foi revogada pela Instrução
Normativa n° 62 (BRASIL, 2011). Foram estabelecidos parâmetros
quanto à Contagem de Células Somáticas - CCS (< 500.000 céls./
mL) e contagem bacteriana (< 300.000 UFC/mL) do leite cru
refrigerado. Portanto, o objetivo deste trabalho foi avaliar a CCS e
contagem bacteriana do leite cru refrigerado na região do Vale do
Suaçuí (MG) ao longo de 2016.

Material e Métodos

Dados de CCS e contagem bacteriana do leite cru refrigerado


de produtores rurais da região do Vale do Suaçuí (MG) foram
coletados em um laticínio localizado na mesma região. Os resultados
da qualidade foram obtidos de leites de tanques comunitários e
individuais ao longo do ano 2016, de janeiro a dezembro, totalizando
568 amostras de leite, entre os meses de janeiro a dezembro do ano
de 2016.
Após homogeneização do leite dos tanques e flambagem da
concha de metal utilizada na coleta de leite, alíquotas de 30 a 50
mL foram transferidas para dois frascos “Pleion” estéreis, cada
um contendo conservante Bronopol, para determinação da CCS,
e Azidiol, para determinação da contagem bacteriana. Os frascos
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 23

foram identificados com uma etiqueta própria, contendo nome da


propriedade, do produtor, da análise a ser realizada e código de
laboratório.
As amostras foram agitadas para diluição dos conservantes e
acondicionadas em caixas isotérmicas contendo gelo reciclável, para
então, serem enviadas para o Laboratório de Análise da Qualidade
do Leite da Universidade Federal de Minas Gerais (LabUFMG), em
Belo Horizonte (MG). O laboratório é credenciado pelo Ministério
da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, sendo pertencente à
Rede Brasileira de Laboratórios de Análise da Qualidade do Leite
(RBQL).
A CCS foi determinada por meio da citometria de fluxo,
utilizando o equipamento Bentley Combi System 2300® da Bentley
Instruments Incorporated Chaska, Estados Unidos da América. A
contagem bacteriana foi realizada por meio do contador eletrônico
BactoCount IBC da Bentley Instruments Incorporated Chaska,
Estados Unidos da América, que tem como princípio a citometria de
fluxo. A CCS foi expressa em céls./mL e a contagem bacteriana foi
expressa em Unidades Formadoras de Colônia por mL (UFC/mL).
Os resultados de CCS e contagem bacteriana foram
submetidos à transformação logarítmica para serem apresentados
de forma original após análise estatística. Os resultados foram
submetidos à Análise de Variância (ANOVA) para serem comparados
pelo teste de Tukey, por meio do software Statistical Package for
the Social Sciences 20.0 (SPSS Inc., Chicago, EUA), ao nível de 5%
de significância. A pesquisa foi aprovada pelo Núcleo de Pesquisa
e Extensão (NUPEX) da Faculdade União do Ensino Superior de
Viçosa (UNIVIÇOSA) sob número de protocolo 200/2017-I.

Resultados e Discussão

As CCS médias se apresentaram acima de 500 mil céls./mL,


Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
24 ANAIS X SIMPAC

em desconformidade com a Instrução Normativa n°62 (BRASIL,


2011) em 50% dos meses, ou seja, em fevereiro, março, abril, maio,
agosto e outubro (Tabela 1). Houve variação das CCS média ao
longo do ano (p<0,05), não sendo observadas maiores contagens em
determinada época do ano.

Tabela 1. Variação mensal da CCS e contagem bacteriana do leite


cru refrigerado de propriedades do Vale do Suaçuí (MG) ao longo do
ano de 2016
Contagem
Número de CCS
Mês Bacteriana
Amostras (1000 céls./mL)
(1000 UFC/mL)
Janeiro 40 472,15abc 197,07b
Fevereiro 36 839,05 a
325,64ab
Março 40 645,85 abc
508,15ab
Abril 78 648,15 abc
330,38ab
Maio 53 514,53 abc
559,04ab
Junho 48 414,19bc 427,56ab
Julho 35 445,06abc 112,68b
Agosto 44 572,57 abc
781,45a
Setembro 8 286,87 c
49,37b
Outubro 76 688,11 ab
602,78ab
Novembro 28 349,25 c
220,43ab
Dezembro 82 372,96c 513,16ab
Total 568 520,73 385,64
Médias seguidas de letras diferentes entre linhas diferem
estatisticamente pelo teste de Tukey (p<0,05).

De acordo com Egidio et al. (2015), a desinfecção dos tetos dos


animais pode ser comprometida se o ambiente, local e equipamento
de ordenha apresentam excesso de sujidade. Isto aumenta a
ocorrência de mastite clínica e ou subclínica, o que aumenta a CCS
do leite do rebanho.
De acordo com Santos e Fonseca (2007), observa-se maior
incidência de mastite no período das águas, em razão das condições
ambientais favoráveis aos micro-organismos, como temperaturas

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 25

altas e maior incidência de chuva. Entretanto, no presente estudo


não houve tendência de aumento de CCS em tal período, que
compreende final e início do ano.
Apenas as contagens bacterianas médias do leite produzido
nos meses janeiro, julho, setembro e novembro estavam abaixo de
300.000 UFC/mL, parâmetro máximo estabelecido pela Instrução
Normativa n°62 (BRASIL, 2011). Houve variação das contagens
bacterianas médias ao longo do ano (p<0,05), mas não foi observada
tendências de maiores ou menores contagens em determinados
períodos do ano.
Bueno et al. (2008) observaram leite com maiores contagens
bacterianas na época de chuvas e menores na época da seca. Os
autores associaram o fato ao aumento das chuvas, o que favorece
o aumento da contaminação ambiental, o acúmulo de lama nas
instalações e maior ocorrência de tetos sujos no momento da
ordenha. Esses fatores, associados às falhas na rotina de ordenha,
podem ter causado uma elevada contaminação do leite.
Os resultados do trabalho são de grande importância para o
laticínio e produtor, compreendendo que o leite fornecido em cada
estação do ano atende ou não a Instrução Normativa n°62 (BRASIL,
2011). A avaliação da qualidade do leite de uma região é importante
para análise de produtores e laticínios.
Fatores interferentes na composição do leite ao longo das
estações do ano podem ser inferidos para que realmente possam
ser analisados na região. Isto permitirá tomadas de decisão para
que possíveis erros de produção possam ser corrigidos em anos
posteriores. Desta forma, espera-se melhorias gradativas da
qualidade do leite da região.

Conclusões

A CCS e contagem bacteriana do leite cru refrigerado do Vale


do Suaçuí (MG) varia ao longo do ano, mas não há tendência de tais
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
26 ANAIS X SIMPAC

parâmetros serem menores ou maiores em determinados períodos do


ano.

Referências Bibliográficas

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.


Instrução Normativa n°37, de 18 de abril de 2002. Institui a Rede
Brasileira de Laboratórios de Controle da Qualidade do Leite.
Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 de abril de 2002.

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.


Instrução Normativa n°62, de 29 de dezembro de 2011. Altera a
Instrução Normativa n°51, de 18 de setembro de 2002. Regulamento
Técnico de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A,
Leite Cru Refrigerado, Leite Pasteurizado e Coleta de Leite Cru
Refrigerado e seu Transporte a Granel. Diário Oficial da União,
Brasília, 29 de dezembro de 2011.

BUENO, V.F.F.; MESQUITA, A.J.; OLIVEIRA, A.N.; NICOLAU,


E.S.; NEVES, R.B.S.; Contagem bacteriana total do leite: relação
com a composição centesimal e período do ano no Estado de Goiás.
Revista Brasileira de Ciência Veterinária, v. 15, n.1, p. 40-44,
2008.

EGIDIO, L.T.; BARCELLOS, P.C.; YUJI, C.T.; SILVERIO, E.K.;


FONSECA, E.P.; CARLOS, A.L. Variação da composição e qualidade
do leite em função do Volume de produção, período do ano e sistemas
de ordenha e de resfriamento. Revista Brasileira de Ciências
Agrárias, v.36, n.3, p.2287-2300, 2015.

GUERREIRO, P.K; MACHADO, L.M.F.; BRAGA, G.C.;


GASPARINO, E.; FRANZENER, A.S.M. Qualidade microbiológica

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 27

de leite em função de técnicas profiláticas no manejo de produção.


Ciência & Agrotecnologia, v.29, n.1, p.216-222, 2005.

SANTOS. M.V.; FONSECA, L.F.L. Estratégia para controle de


mastite e melhoria da qualidade do leite. Barueri: Editora
Manole Ltda, 2007. 200p.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


28 ANAIS X SIMPAC

DIMENSIONAMENTO E CÁLCULO DA FUNDAÇÃO EM


SAPATA ISOLADA DE UM EDIFÍCIO COMERCIAL EM
CONCRETO UTILIZANDO A TEORIA DE TERZAGHI, E AS
SONDAGENS SPT E CPT

Caio Nascimento Lemos1, Alexandre Miguel Silva


Araújo2, Eduardo Souza Cândido3, Alex de Freitas
Bhering Cardoso4, Daniela Fernanda Silva5

Resumo: Este projeto teve como objetivo o dimensionamento


da fundação de um edifício comercial em concreto armado, a
ser localizado na cidade de Viçosa (MG). O desenvolvimento foi
dividido em três etapas. Primeiramente, após o cálculo estrutural
do edifício, foram reconhecidas as cargas da estrutura que
devem ser suportadas pelas fundações e executou-se o estudo do
solo do terreno em que o edifício será implantado, onde foram
feitas as sondagens SPT e CPT. Na segunda etapa, procedeu-se
à verificação da viabilidade técnica e à escolha das fundações.
Optou-se pela implantação de fundações rasas em sapata isolada
e procedeu-se ao dimensionamento pelos métodos escolhidos que
foram: a Teoria de Terzaghi, que se aplica a características como
rigidez do solo, profundidade de embutimento; o ensaio CPT,
normatizado na NBR 12069/91, que se baseia em correlações com
a resistência de ponta no solo; e o ensaio SPT, normatizado na
NBR 6484/80, que se baseia em correlações com o número Nspt.
Assim, determinaram-se as dimensões das fundações com base
1
Graduando do Curso de Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA, e-mail: caionascimentolls@
gmail.com
2
Graduando do Curso de Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA, e-mail: alexandremsa@outlook.
com
3
Graduado em Engenharia Civil, Mestre em Geotecnia, Doutorando em Geotecnia – FAVIÇOSA/
UNIVIÇOSA, e-mail: eduardocandido@outlook.com.br
4
Graduado em Engenharia Civil, Especialista em Engenharia da Construção, Mestrando em Engenharia
da Construção – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA, e-mail: alexbhering@univicosa.com.br
5
Graduada em Engenharia Civil, Especializando em Segurança do Trabalho – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA,
e-mail: dani.vhr@hotmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 29

nesses três métodos, utilizando-se para os cálculos o software


Excel, no qual foram inseridas todas as equações e parâmetros
dos métodos aplicados. Por fim, na terceira etapa, efetuou-se
a análise comparativa dos métodos e, a partir dos resultados
obtidos, verificou-se qual solução seria melhor aplicável ao edifício,
procedendo-se em seguida ao detalhamento em planta baixa das
sapatas isoladas, para o que foi utilizado o software Autodesk
AutoCAD 2017.

Palavras–chave: solo, resistência, métodos

Introdução

As fundações ou subestruturas, de acordo com Alva (2007), são


elementos estruturais fundamentais para a construção, cuja função
é transmitir as cargas atuantes na superestrutura à camada de solo
mais resistente. Devem, portanto, apresentar resistência adequada
para suportar as tensões geradas pelos esforços solicitantes. Além
disso, uma boa fundação deve transferir e distribuir confiavelmente
as ações atuantes na edificação ao solo, de modo que não ocorram
recalques diferenciais prejudiciais ao sistema estrutural, nem a
própria ruptura do solo.

Segundo a ABNT NBR 6122: 2010, as fundações classificam-


se em função da profundidade da cota de apoio e são divididas em
fundações rasas e profundas. As fundações rasas são aquelas em que
a carga é transmitida ao terreno predominantemente pelas pressões
distribuídas sob a base da fundação, e em que a profundidade de
assentamento em relação ao terreno adjacente é inferior a duas
vezes a menor dimensão da fundação. Já as fundações profundas
são aqueles elementos que transmitem a carga ao terreno pela
base (resistência de ponta), por sua superfície lateral (resistência
de fuste) ou por uma combinação das duas, e que está assente em
profundidade superior ao dobro de sua menor dimensão em planta,
e no mínimo 3 metros.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


30 ANAIS X SIMPAC

Neste projeto aborda-se o projeto estrutural de fundações


rasas, ou seja, dimensionamento de sapatas isoladas, as quais
representam uma das soluções mais utilizadas no Brasil em regiões
com terrenos de boa capacidade de suporte.

De acordo com Bastos (2016) as sapatas isoladas são


elementos tridimensionais e têm a finalidade de transferir para o
solo as ações oriundas de um único pilar. Suas formas são muito
variadas mas, usualmente, a retangular é a mais comum, em razão
da predominância de pilares retangulares.

Material e Métodos

Inicialmente, elaborou-se o projeto arquitetônico do edifício


utilizando-se do software Autodesk AutoCAD 2017 (Figura 1: a), que
serviu de base para o pré-dimensionamento estrutural de elementos
como lajes, vigas e pilares (Figura 1: b). Esses elementos foram
calculados com o software comercial AltoQi Eberick V10 Pro, com o
objetivo de se obterem as cargas atuantes de cada pilar (Figura 1:
c). Nos resultados, apresentam-se os resultados do cálculo da sapata
isolada do pilar P18, a título de exemplificação.

Com base nessas cargas foi possível calcular a fundação em


sapata isolada. Os cálculos foram feitos utilizando-se o método
teórico de Terzaghi (1943) e os métodos semiempíricos de Hachich
et al. (1996) e Teixeira e Godoy (1996), que se utilizam dos ensaios
SPT e CPT.

Para se obter o maior, e melhor, valor da base (B) e com


capacidade de carga alta, foram feitas algumas considerações
iniciais para o dimensionamento da sapata, como variar o B de 80 a
200 cm, obtendo-se assim as tensões admissíveis e, posteriormente,
o valor de P, que é a carga suportada pela sapata.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 31

a) b)

c)

Figura 1 – (a) Planta arquitetônica. FONTE: (software Autodesk AutoCAD 2017).


(b) Planta de forma do edifício. FONTE: (software Autodesk AutoCAD 2017). (c)
Projeto estrutural – vista dos pilares do edifício. FONTE: (software AltoQi Eberick
V10 Pro)

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


32 ANAIS X SIMPAC

Resultados e Discussão

São apresentados abaixo os cálculos realizados de um dos


pilares do edifício, como exemplificação, visto que o edifício contém
trinta e sete pilares em prumada. Todos foram calculados, mas aqui
será apresentado apenas um deles. Nas tabelas 1, 2 e 3, apresentam-
se os resultados do cálculo da sapata isolada do pilar P18, seguindo
os métodos citados. São eles:

1º - Teoria de Terzaghi (1943): Considerando-se ruptura geral,


tem-se:

Com a relação de P e B, obteve-se a seguinte expressão: P


= 594,44*(B2,0337)

Tabela 1: Dimensão B da sapata quadrada

Pilar Carga (kN) B (cm) Badotado (cm)


P18 1370,2 150,8 155
FONTE: (software Excel)

2º - Ensaio SPT (Hachich et al., 1996): A seguinte expressão foi


utilizada para o cálculo da capacidade de carga em função do Nspt:

Com a relação de P e B, obteve-se a seguinte expressão: P


=175,82*(B1,837)

Tabela 2: Dimensão B da sapata quadrada

Pilar Carga (kN) B (cm) Badotado (cm)


P18 1370,2 305,8 310
FONTE: (software Excel)
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 33

3º - Ensaio CPT (Teixeira e Godoy, 1996): A seguinte equação,


que varia de acordo com o tipo de solo encontrado durante o ensaio,
foi utilizada para o cálculo da tensão admissível, em função da
resistência de ponta obtida no ensaio CPT:

Com a relação de P e B, obteve-se a seguinte expressão: P


=312,7*(B1,8348)
Tabela 3: Dimensão B da sapata quadrada

Pilar Carga (kN) B (cm) Badotado (cm)


P18 1370,2 223,7 225
FONTE: (software Excel)

Considerações Finais

Este projeto reconhece a importância das sondagens e de um


estudo adequado do solo, além da análise criteriosa da capacidade
de carga das fundações, sejam elas dos tipos sapatas isoladas,
estacas cravadas, tubulões, etc., para se otimizar a escolha e
dimensionamento da fundação de um edifício, levando-se em
consideração também os critérios de execução, econômicos e de
segurança.

Com base nos resultados obtidos pode-se concluir que,


na utilização das expressões de Terzaghi (1943) e dos métodos
semiempíricos, a maior dimensão obtida foi de 3,1 metros,
determinada pelo método baseado no ensaio SPT. Esta dimensão
será adotada em projeto para o pilar 18.

No entanto, deve-se considerar que a dimensão obtida poderá


inviabilizar sua execução em alguns pontos da edificação, pois os
níveis de carga são similares em diversos pontos da área construída,
inclusive em locais com maior concentração de pilares.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


34 ANAIS X SIMPAC

Sendo assim, deve-se avaliar a possibilidade de implantação


de outro tipo de fundação como, por exemplo, os tubulões. Neste
caso, será necessário gerar o perfil geológico-geotécnico e, para cada
pilar, avaliar a cota de apoio na qual se consiga proceder à sua
execução a céu aberto e a melhor relação custo-benefício possível.

Referências Bibliográficas

ALVA, G. M. S. Projeto Estrutural de Sapatas: Notas de


Aula. Centro de Tecnologia – UFSM – Universidade Federal de
Santa Maria, 2007. 39p. Disponível em: <http://coral.ufsm.br/decc/
ECC1008/Downloads/Sapatas.pdf>. Acesso em 30/03/2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR


6122: Projeto e execução de fundações. Rio de Janeiro, 2010.
33p.

BASTOS, P. S. dos Santos. Sapatas de Fundação: Notas de


Aula. Faculdade de Engenharia – UNESP – Universidade Estadual
Paulista, 2016. 125p. Disponível em: <http://wwwp.feb.unesp.br/
pbastos/concreto3/Sapatas.pdf>. Acesso em 30/03/2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 35

DIMENSIONAMENTO E CÁLCULO ESTRUTURAL DE UM


EDIFÍCIO COMERCIAL EM CONCRETO UTILIZANDO O
SOFTWARE ALTOQI EBERICK V10 PRO

Alexandre Miguel Silva Araújo1, Caio Nascimento Lemos2, Alex de


Freitas Bhering Cardoso3, Daniela Fernanda Silva4

Resumo: Este trabalho tem como objetivo o dimensionamento de um


edifício comercial em concreto armado, a ser localizado na cidade de
Viçosa (MG), com a utilização do software comercial AltoQi Eberick
V10 Pro para o cálculo estrutural do edifício, que será composto por
oito pavimentos, incluindo o térreo. Deste ao terceiro pavimento, as
plantas baixas serão tipo I e, do quarto ao sétimo pavimento, serão
tipo II. Iniciou-se o projeto com a idealização da planta baixa dos
pavimentos tipos I e II, optando-se por não dispor de pavimento de
garagem na própria edificação. Para os elementos estruturais como
vigas, lajes e pilares, fez-se um pré-dimensionamento utilizando
métodos manuais e para seu cálculo utilizou-se o software. O
processo iniciou-se com o pré-lançamento da estrutura, observando-
se eventuais incompatibilidades com elementos da arquitetura
do edifício e, não tendo sido detectadas incompatibilidades, com
a estrutura lançada, determinaram-se as vinculações. Por fim,
procedeu-se ao cálculo estrutural. Como a edificação é de médio
a grande porte, e em observância da NBR 6123/88, levou-se em
consideração as ações do vento. As ações variáveis e permanentes
foram retiradas da NBR 6120/80 e inseridas no software.
1
Graduando do Curso de Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA, e-mail: alexandremsa@outlook.
com
2
Graduando do Curso de Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA, e-mail: caionascimentolls@
gmail.com
3
Graduado em Engenharia Civil, Especialista em Engenharia da Construção, Mestrando em Engenharia
da Construção – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA, e-mail: alexbhering@univicosa.com.br
4
Graduada em Engenharia Civil, Especializando em Segurança do Trabalho – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA,
e-mail: dani.vhr@hotmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


36 ANAIS X SIMPAC

Considerou-se os deslocamentos horizontais, verticais e o tipo de


estrutura da edificação como sendo de nós fixos, de acordo com a
NBR 6118/14. Ao final do processo de cálculo, fez-se o detalhamento
dos elementos estruturais.

Palavras–chave: Concreto armado, estrutura, edificação

Introdução

O concreto é um item fundamental para a construção civil


e atualmente tem sido o material mais utilizado no Brasil e no
mundo. Segundo Bastos (2014) é um material homogêneo, composto
por cimento Portland, água, agregado miúdo e agregado graúdo.
Também pode ter adições e aditivos químicos, com a finalidade de
proporcionar melhorias em suas propriedades básicas. O material é
parte integrante de praticamente todas as construções, de edificações
residenciais e comerciais a grandes obras de infraestrutura, como
pontes, rodovias de pavimentação rígida, usinas hidrelétricas,
dentre outras.

Atualmente existem vários edifícios comerciais em concreto


armado espalhados pelo mundo como, por exemplo, o imponente Burj
Khalifa, edifício mais alto do mundo em concreto armado, com um
total de 829,8 m de altura, concluído em 2010, para uso comercial,
hotel e residencial, em Dubai, nos Emirados Árabes; o One World
Trade Center, com um total de 541 m de altura, concluído em 2014,
para uso comercial, em Nova Iorque, nos Estados Unidos. No Brasil
tem-se os primeiros arranha-céus comerciais, como o edifício Rio
Sul Center, com um total de 164 m de altura, concluído em 1982,
no Rio de Janeiro (RJ) e, mais recentemente, o Órion Business &
Health Complex, com 191 m de altura, em Goiânia (GO), em fase
final de construção.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 37

De acordo com Bastos (2014), o concreto apresenta alta


resistência à compressão, porém, baixa resistência à tração. Para
contornar essa limitação, empregam-se junto ao concreto barras
de aço posicionadas na peça, de modo proporcionar resistência à
tração. O conjunto dessas barras de aço, envolvidas pelo concreto,
resulta em um excelente material a ser aplicado na estrutura de
uma obra, denominado concreto armado.

Material e Métodos

Inicialmente foi realizado o estudo do projeto arquitetônico para


definição da planta de forma (Figura 1), feita no software Autodesk
AutoCAD 2017, que serviu de base para o pré-dimensionamento
estrutural de elementos estruturais (Figura 2) do edifício como lajes,
vigas e pilares. Os mesmos elementos foram pré-dimensionados
manualmente e, posteriormente, para os cálculos dos mesmos,
foi utilizado o software comercial AltoQi Eberick V10 Pro, com
informações preestabelecidas pelas NBR 6118/14, que normatiza
os procedimentos para estruturas de concreto, NBR 6120/80, que
normatiza os coeficientes de cargas variáveis e permanentes para
cálculo de estruturas de edificações, e NBR 6123/88, que normatiza
os procedimentos para cálculos de forças devido a ação do vento.

Adotou-se os seguintes coeficientes:

• fck de 30 MPa para o concreto e aço CA50 para as


armaduras;
• Carga acidental de escada de 3 kN/m²; carga acidental
do hall de 3 kN/m²; carga acidental das salas e
banheiros de 2,5 kN/m²;
• Outros valores de cargas, ações de vento, limites de
desaprumo, foram obtidos com auxílio das normas
citadas acima.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


38 ANAIS X SIMPAC

Figura 1: Planta de forma do edifício. FONTE: (software Autodesk


AutoCAD 2017)

Figura 2: Projeto estrutural do edifício. FONTE: (software AltoQi


Eberick V10 Pro)

Resultados e Discussão

Estão apresentados, nas tabelas 1 e 2, alguns dos resultados


do cálculo estrutural, feitos no software:

• Pilar P1 (Pavimento Térreo)

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 39

Tabela 1: Resultado do dimensionamento final do pilar P1


As b
Lib
MH,d MB,d Ferros
vinc Estribo
Nd,máx topo topo As h
Seção Nível Topo Esb b
Pilar Nd,mín MH,d MB,d Ferros
(cm) (cm) Lih Base Esb h
(tf) base base %
vinc cota
(kgf.m) (kgf.m) armad
(cm)
total

1.57
290 2Φ10.0
2Φ10.0
RR 87.89 2175 2616 3.14 40.14
P1 25x50 290 2Φ10.0
290 45.33 3357 2474 4Φ10.0 20.07
45
RR 0.5
8Φ10.0

FONTE: (software AltoQi Eberick V10 Pro).



• Laje L1 (Pavimento Térreo)

Tabela 2: Resultado do dimensionamento final da laje L1


Cobrimento
Externo Carga
Espessura Mdx Mdy Flecha
Laje (cm) (kgf/ Asx Asy
(cm) (kgf.m/m) (kgf.m/m) (cm)
Interno m²)
(cm)

As = 2.94
As = 2.37
cm²/m
cm²/m
2.5 (Φ8.0
L1 12 746.73 856 952 (Φ8.0 c/20 - 0.67
3.0 c/17 –
– 2.51
2.96
cm²/m)
cm²/m)

FONTE: (software AltoQi Eberick V10 Pro).

• Vigas;
• Cargas para a fundação;
• Outros dados, são todos calculados pelo programa,
que disponibiliza o memorial de descritivo dos
resultados em forma de tabelas, que serão
apresentadas à parte.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


40 ANAIS X SIMPAC

Considerações Finais

Durante a elaboração deste projeto verificou-se o


aprimoramento dos conhecimentos adquiridos no curso de
Engenharia Civil da Univiçosa, utilizando-se de conceitos de
análise estrutural, materiais de construção e concreto armado, que
possibilitaram o cálculo de um edifício comercial com 8 pavimentos.
Concluiu-se que os cálculos feitos em software não eximem a
grande responsabilidade do profissional de engenharia, uma vez
que é necessária a interpretação correta e crítica dos dados dele
extraídos sendo, por isso, crucial ter atenção e deter conhecimento
teórico para reconhecer e contornar eventuais limitações, visto que
algumas análises podem não ser convenientes ao projeto real.

Referências Bibliográficas

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR


6118: Projeto de estruturas de concreto – Procedimento. Rio
de Janeiro, 2014. 238p.

_____________. NBR 6120: Cargas para o cálculo de estruturas
de edificações. Rio de Janeiro, 1980. 5p.

_____________. NBR 6123: Forças devidas ao vento em


edificações. Rio de Janeiro, 1988. 66p.

BASTOS, P. S. dos Santos. Estruturas de Concreto Armado I:


Notas de Aula. Faculdade de Engenharia – UNESP – Universidade
Estadual Paulista, 2014. 9p. Disponível em: <http://wwwp.feb.
unesp.br/pbastos/concreto1/Introducao.pdf>. Acesso em 25/03/2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 41

EFEITOS DA TERAPIA MANUAL EM PACIENTES


FIBROMIÁLGICOS: REVISÃO DE LITERATURA

Ademilson da Silva Damaceno1, Andrês Valente Chiapeta2

Resumo: A fibromialgia é uma patologia idiopática que atinge em


sua grande maioria mulheres com faixa etária entre 35 a 45 anos.
Seus sintomas variam desde a dor, a principal queixa, até distúrbios
emocionais como depressão e ansiedade. Ainda há várias discussões
sobre as realidades dessa patologia, alguns profissionais até
desacreditam da mesma e o objetivo dos estudiosos é desvendar esses
dilemas sobre a patologia e trazer obras científicas com respostas.
Com objetivo de analisar os benefícios da terapia manual sobre os
sintomas relacionados a fibromialgia, foram reunidos seis artigos dos
últimos treze anos com embasamento científico. Todos destacaram o
aumento na qualidade de vida dos pacientes evidenciando melhora
no quadro álgico, diminuição da ansiedade, rigidez e depressão.

Palavras–chave: Fibromialgia; Fisioterapia; Terapia Manual.

Introdução

A síndrome da fibromialgia é caracterizada por dor crônica


que afeta o sistema músculo-esquelético; de etiologia desconhecida,
vem acompanhada muitas vezes de depressão, ansiedade, distúrbios
do sono e fadiga. Pode ser diagnosticada através da sensibilidade
dolorosa em sítios anatômicos preestabelecidos (ZIANI, et al., 2017).
Há inúmeras teorias sobre sua origem, mas ainda nenhuma
comprovada cientificamente. A dor advém da contração muscular
contínua que pode estar relacionada com posturas anormais,
aspectos sazionais e desequilíbrios emocionais (KIMURA, et al.,
2012). Uma grande dúvida que ainda permanece entre os estudiosos
1
Acadêmico de Fisioterapia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: damaceno.fisio@gmail.com

2
Docente do Curso de Fisioterapia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: andreschiapeta@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


42 ANAIS X SIMPAC

é a relação da fibromialgia com a depressão, se questiona se a


fibromialgia evolui para uma depressão ou vice e versa (GONDIM e
ALMEIDA, 2017).
A fibromialgia atinge cerca de 1% a 4% da população mundial,
o sexo feminino representa por volta de 70% a 90% dos casos
com faixa etária entre 35 e 55 anos de idade. Portanto, associar o
tratamento com técnicas manuais seria de grande importância para
a qualidade de vida destes pacientes, principalmente a massagem
relaxante, pois esta terapia alternativa aumenta a circulação
sanguínea e de acordo com o toque e velocidade ocorre a liberação
miofascial promovendo um relaxamento muscular, sendo assim a
prática manual no tratamento da fibromialgia evidenciou efeitos
positivos sobre a dor em mulheres portadoras da síndrome (ZIANI,
et al, 2017).
Segundo Nazareth e Silva 2005, a terapia manual é altamente
benéfica por ser de fácil aplicação e livre de efeitos colaterais se
aplicados corretamente. A dor é a principal queixa dos fibromiálgicos
e também uma especialidade característica desse tipo de tratamento.
Diante do exposto, o objetivo do estudo foi analisar os benefícios
proporcionados pela terapia manual sobre os sintomas relacionados
a fibromialgia.

Material e Métodos

Trata-se de um estudo de revisão de literatura realizado entre


janeiro e abril de 2018. Foram selecionados artigos acadêmicos nas
bases de dados Google Acadêmico, SCielo e Lilacs publicados entre
2005 e 2018. Foram utilizados para busca os seguintes descritores:
Fibromialgia, Fisioterapia, Terapia Manual.
Após a identificação dos descritores no título, resumo e/ou
palavras-chaves, os artigos selecionados passaram por leitura dos
resumos (abstracts) para avaliar a adequação quanto aos critérios
de elegibilidade. Os estudos que apresentaram os critérios de
elegibilidade predeterminados obtiveram o texto completo adquirido
para análise detalhada e extração dos dados.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 43

Resultados e Discussão

Tabela 1 – Análise dos trabalhos publicados


Autores Objetivo do estudo Conclusão do estudo

ZIANI et al., Avaliar os efeitos da terapia Todos os estudos verificaram melhora da


2017 manual sobre a dor em mulheres dor através das técnicas de terapia manual,
com fibromialgia. com efeitos positivos também sobre os
sintomas de ansiedade, sono, função física e
qualidade de vida.
GONDIM et Avaliar através de uma revisão de O relaxamento atua no reequilíbrio do
al., 2017 literatura, os efeitos da massagem organismo, tais técnicas são interagidas
terapêutica manual em pacientes com a dor, tensões, estresse, ansiedade,
com a síndrome da fibromialgia, promovendo a diminuição destes fatores,
indicar e informar ao paciente pois a contração muscular contribui para a
sobre os tratamentos alternativos exacerbação da dor reduzindo assim o uso
como o uso da massoterapia. de analgésicos, demonstrando que a terapia
complementar favorece aos pacientes uma
confiabilidade e sensação de bem-estar
psicológico e consequentemente alívio da
dor.
YUAN et al., Verificar o efeito de duas técnicas Ambas mostraram-se eficazes no aumento
2010 (massagem de fricção e massagem do limiar de dor dos tender points, redução
com deslizamento superficial da intensidade da dor e ansiedade e melhora
e profundo) na dor, ansiedade da qualidade de vida, porém, com resultados
e qualidade de vida de duas mais expressivos para a massagem de
mulheres fibromiálgicas. deslizamento superficial e profundo.
KIMURA et Verificar os efeitos do Shiatsu sobre Redução do quadro álgico, melhora na
al., 2012 a qualidade de vida e analisar qualidade de vida e redução de números
dados específicos relacionados ao pontos dolorosos dos pacientes com
quadro álgico, número de pontos fibromialgia tratados com Shiatsu.
dolorosos e efeitos nos aspectos
físicos e psicológicos dos pacientes
tratados.
NAZARETH Destacar os efeitos e benefícios das A terapia manual é de fácil aplicação e livre
E SILVA, técnicas manuais na fibromialgia. de efeitos colaterais desde que aplicado
2005 corretamente. Essencial o acompanhamento
de uma equipe multidisciplinar.
O L I V E I R A Verificar os sintomas de pessoas As causas da fibromialgia são desconhecidas,
et al., 2016 diagnosticadas com fibromialgia, mas que estão ligados a inúmeros fatores,
identificar tratamentos com como: genética, infecções, distúrbios de sono,
resultados positivos, reconhecer sedentarismo e depressão. A massoterapia
reais melhorias, para a pessoa e é uma forma efetiva de tratamento da
para o seu dia a dia, analisar os fibromialgia, pois podem gerar efeitos
estudos de casos e as estatísticas que melhoram significativamente a dor,
e apresentar o melhor resultado depressão, cansaço, rigidez, nervosismo e
pesquisados por revisões de ansiedade.
literatura.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


44 ANAIS X SIMPAC

Todos os autores dos artigos selecionados apresentaram


eficácia no tratamento através de técnicas manuais. No artigo do
Yuan, 2010, foram comparadas duas técnicas sendo a de maior
destaque a massagem de deslizamento superficial e profundo por
apresentar melhora significativa do limiar de dor. O relaxamento
muscular citado por Gondim proporciona homeostase, e esse
equilíbrio reduz crises de depressão, ansiedade e dor.
Houve variação dentre as técnicas utilizadas nos artigos
analisados, desde manobras manipulativas ao shiatsu, todas
com resultados relevantes na melhora dos sintomas e qualidade
de vida dos pacientes. Em alguns estudos evidencia-se a atuação
multidisciplinar e associação das técnicas manuais, exercícios
físicos e medicações.

Conclusões

Todos os seis artigos analisados relataram grandes benefícios


do tratamento da fibromialgia através de terapias manuais,
principalmente relacionando técnicas massoterápicas como shiatsu,
fricção, amassamento e deslizamento. Mostraram-se eficazes não
só no alívio da dor, a principal queixa dos fibromiálgicos, mas
também nos quadros de depressão, distúrbios do sono, ansiedade e
rigidez. Outro relevante ponto positivo é o fato de não gerar efeitos
colaterais assim como a maioria dos medicamentos se as técnicas
forem aplicadas corretamente.

Referências Bibliográficas

ZIANI, M.M.; BUENO, E.A.; KIPPER, L.L.; VENDRUSCULO


F.M.; WINCK, A.D.; HEINZIMAN-FILHO, J.P. Efeitos da terapia
manual sobre a dor em mulheres com fibromialgia: uma revisão da
literatura. Ciência e Saúde. Jan, mar, 2017; 10(1):48-55.

GONDIM, S.S.; ALMEIDA, M.A.P.T. Efeitos da massagem

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 45

terapêutica manual em pacientes com a síndrome da fibromialgia.


Id on Line: Revista multidisciplinar e de Psicologia, Vol. 11,
N. 39,pag. 336-354, 2017.

YUAN, S.L.K.; MATSUTANI, L.A.; ASSUNPÇÃO, A.; MARQUES,


A.P. Efeitos da massoterapia nos sintomas e qualidade de vida de
fibromiálgicos: relato de caso. Revista Terapia Manual, 2010;
8(38), 349-353.

KIMURA, A.; FACCI, L.M.; GARCEZ, V.F. Efeitos da terapia manual


shiatsu na fibromialgia: estudos de casos. VI mostra interna de
trabalhos de iniciação científica – Anais eletrônico, outubro,
2012.

NAZARETH, A.M.; SILVA, V.Y.N.E. Recursos terapêuticos manuais


em fibromialgia. Revista eletrônica FisioWeb. 2005.

OLIVEIRA, G.C.; SILVA, G.R.P.; ALVES, P.F.; NAGI, S.G. A


fibromialgia e a Massoterapia caminhando juntas. Revista
Eletrônica Belezain.com.br, pp. 4-5, 2016.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


46 ANAIS X SIMPAC

GANHO DE PESO E PRESSÃO ARTERIAL DE GESTANTES


ATENDIDAS EM UMA CLÍNICA PARTICULAR DE
VISCONDE DO RIO BRANCO – MG

Claudilene do Carmo Baquim Sobral1, Amanda Kelhy Diniz


Coelho2, Raquel Duarte Moreira Alves3

Resumo: A gravidez é um estágio da vida da mulher onde há um


ganho de peso fisiológico. Quando o peso adquirido ultrapassa os
limites da normalidade há um grande risco para gestante e pode
causar sérios problemas, sobretudo para o feto. Objetivou-se avaliar
a adequação do ganho de peso e pressão arterial de gestantes no
segundo trimestre gestacional. Foram recrutadas 30 gestantes
atendidas numa clínica particular de obstetrícia na cidade de
Visconde do Rio Branco (MG), que se encontravam no segundo
trimestre de gestação. Foram aferidos peso e estatura e calculado
o IMC segundo a semana gestacional. Aferiu-se também a pressão
arterial. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética (238/2016-I). A
análise estatística foi realizada no programa Sigma Plot adotando-
se significância de 5%. Participaram do estudo 19 gestantes sendo a
maioria (56,6%; n=11) eutróficas no período pré-gestacional, sendo
que 21,1% (n=4) apresentavam sobrepeso e o mesmo número eram
obesas. Mais da metade das mulheres ganharam peso excessivamente
ao longo do estudo, fazendo com que houvesse redução do número
de mulheres eutróficas. Gestantes com excesso de peso apresentaram
pressão arterial sistólica mais elevada do que as demais (p=0,008).
As gestantes apresentaram ganho de peso excessivo durante o
segundo trimestre de gravidez aumentando assim a taxa de excesso
de peso entre essas mulheres, o que pode estar associado a maiores
níveis de pressão arterial sistólica.
Palavras–chave: Estado Nutricional, Ganho de Peso, Gestação.
1
Nutricionista– FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: claudilene.sobral34@gmail.com
2
Graduando em Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: amandakelhy34@gmail.com
3
Nutricionista – Professora no do curso de Nutrição da – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail:
raqueldmalves@yahoo.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 47

Introdução

A gravidez é um estágio da vida onde há ganho de peso fisiológico


relacionado ao crescimento fetal, líquido amniótico, placenta, útero,
tecido mamário, volume sanguíneo aumentado, acúmulo variável
de tecido adiposo e líquido tecidual. O peso adquirido durante a
gestação deve ser monitorado de forma criteriosa a fim de evitar
prejuízos ocasionados por excessos ou carências (BARBOSA, SILVA
e MOURA, 2011). Segundo Assunção et al (2007), quando o peso
adquirido ultrapassa os limites da normalidade aumenta-se o
risco de prematuridade, além de comprometer o estado nutricional
futuro do bebê e trazer consequências para a saúde materna como
diabetes e hipertensão gestacional (NAST et al, 2013). O objetivo
deste estudo foi avaliar o ganho de peso de gestantes atendidas em
uma clínica particular da cidade de Visconde do Rio Branco – Minas
Gerais.

Material e Métodos

Trata-se de uma pesquisa longitudinal realizada de agosto de


2016 a março de 2017, com a coleta de dados de gestantes. Foram
recrutadas todas as 30 gestantes, que se encontravam no segundo e
início do terceiro trimestre de gestação (entre a 16ª e 30ª semanas).
Adotou-se os critérios do Ministério da Saúde para classificação
do estado nutricional da gestante em: baixo peso, peso adequado,
sobrepeso ou obesa. O peso corporal foi avaliado em três momentos
com intervalo de 4 semanas. O presente estudo foi autorizado pelo
Comitê de Ética em Pesquisa da (238/2016-I). Os dados foram
tabulados em planilha eletrônica e submetidos à análise estatística
no programa Sigma Plot (versão 11.0), adotando-se o nível de
significância de 5% de probabilidade.

Resultados e Discussão

Participaram do estudo 19 mulheres que se encontravam entre


a 16ª e a 29ª semanas gestacional, com idade entre 16 e 38 anos (25,6

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


48 ANAIS X SIMPAC

± 5,8 anos). Verificou-se que 56,6% das mulheres apresentavam-


se eutróficas no período pré-gestacional, 5,7% apresentavam baixo
peso, ao passo que 21,1% apresentavam sobrepeso e o mesmo número
de mulheres eram obesas. Ao longo da gestação, todas as mulheres
que apresentavam sobrepeso ou obesidade se mantiveram com este
estado nutricional. Por outro lado, entre as mulheres que eram
eutróficas, nas duas primeiras avaliações, duas delas passaram a
ser classificadas como baixo peso, sendo que na última avaliação
uma voltou a apresentar-se eutrófica, totalizando 42,1% mulheres
em estado de eutrofia ao final do estudo (Tabela 1).

Tabela 1: Evolução do peso corporal, do Índice de Massa Corporal


(IMC) e do ganho de peso em relação ao período gestacional nas
semanas avaliadas.
Peso (kg) Alteração do peso IMC (kg/m2)
Pré-gestacional 66,7 ± 21,3 - 25,5 ± 7,2
16ª a 20ª semana 68,8 ± 20,6 2,1 ± 3,0 (-3,1 / 8,5) 26,3 ± 6,9
21ª a 24ª semana 71,0 ± 21,2 4,3 ± 3,8 (-2,0 / 12,7)* 27,1 ± 7,1
25ª a 29ª semana 72,4 ± 20,6 5,7 ± 4,6 (-3 / 14,1)* 27,7 ± 6,8
Dados em média ± desvio padrão, (mínimo / máximo). * Alteração
significativa de peso em relação ao período pré-gestacional pelo
teste de Friedman (p<0,05).

Ao avaliar a evolução do ganho de peso das mulheres e a


variação no IMC ao longo da gestação, verificou-se diferença
significativa da terceira avaliação em relação a segunda e a primeira,
todavia, o ganho de peso não foi significativo da primeira avaliação
em relação ao pré-gestacional. A média de ganho de peso corporal
no intervalo de quatro semanas, da segunda avaliação em relação
à primeira foi de 2,1 ± 1,3 kg, com uma variação de perda de 0,9 ao
ganho 4,2 kg. Ao comparar o ganho de peso da terceira em relação
ao da segunda avaliação, observou-se um valor médio de 1,4 ± 1,8
variando de uma perda de peso de 3,8 kg para o ganho de 4,9 kg.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 49

100%
90%
80%
47,4% n=9 52,6% n=10 52,6% n=10
70%
60%
50%
40% 15,8% n=3 10,5% n=2
21,1% n=4
30%
20% 36,8% n=7
31,6% n=6
26,3% n=5
10%
0%
16ª-20ª semana 21ª-24ª semana 25ª- 29ª semana

Abaixo Adequado Acima

Figura 1: Frequência do baixo, adequado ou excessivo do


ganho de peso durante as semanas gestacionais.

Segundo Nomura et al, (2012) o estado nutricional e o


adequado ganho de peso materno são condições muito importantes
durante a gravidez e também no período pós-nascimento, tanto
para a manutenção da saúde da mãe quanto da criança. Os ganhos
de peso além do recomendado durante o período gestacional podem
pressupor situações adversas como: diabetes gestacional, parto
prolongado, pré-eclâmpsia, cesárea e depressão, maior morbidade
neonatal, maior incidência de obesidade, sobrepeso e distúrbios
metabólicos na infância e adolescência, além da retenção de peso
excessivo pós-parto. Já o ganho de peso abaixo do recomendado
foi associado a maiores taxas de baixo peso ao nascer. Assim,
o crescimento fetal é influenciado positivamente pelo estado
nutricional.
A pressão arterial das gestantes foi avaliada em cada um dos
encontros e verificou-se que não houve alteração da pressão arterial
sistólica (PAS) e nem diastólica (PAD) ao longo do estudo (p>0,05).
Em média valores da PAS foi de 112,1 ± 12,5 mmHg enquanto
a PAD foi de 71,1 ± 7,6 mmHg. Todavia, ao comparar gestante

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


50 ANAIS X SIMPAC

excesso de peso em relação àquelas eutróficas com verificou-se PAS


significativamente mais elevada (119,6 ± 8,1 vs. 106,7 ± 12,6; p=
0,008) naquelas com excesso de peso, ao passo que esta diferença
não foi verificada para PAD (74,6 ± 7,1 vs. 68,5 ± 7,2; p=0,085).
A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) é considerada um
problema de saúde pública pelo seu elevado custo médico-social
(MALACHIAS et al, 2016). Esta complicação na gestação resulta
em mortalidade entre 20 a 25% de todas as causas de óbito materno
segundo a 7ª Diretriz brasileira de hipertensão arterial, da Sociedade
Brasileira de Cardiologia (MALACHIAS et al, 2016).

Considerações Finais

No presente estudo, observou-se que as gestantes apresentaram


ganho de peso excessivo durante o segundo trimestre de gravidez
aumentando assim a taxa de excesso de peso entre essas mulheres.
O excesso de peso corporal pode estar associado a maiores níveis de
pressão arterial sistólica observado entre aquelas IMC gestacional
mais elevado. Assim, faz-se necessária atenção mais específica em
relação ao excesso de peso, pois, esse fator pode contribuir para
o desenvolvimento de síndrome hipertensiva da gestação e pré-
eclâmpsia, gerando consequências graves ao feto e à mãe.

Referências Bibliográficas

ASSUNÇÃO, P. L. de et al. Ganho ponderal e desfechos gestacionais


em mulheres atendidas pelo Programa de Saúde da Família em
Campina Grande, PB (Brasil). Rev. Bras. Epidemiol. [s.l.], v. 10, n.
3, p. 352-360, 2007.

BARBOSA, C. M. S; SILVA, J. M. N; MOURA, A. B. Correlação


entre o ganho de peso e a intensidade da dor lombar em gestantes.
Revista Dor. São Paulo, v. 12, n. 3, p. 205-208, jul./set. 2011.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 51

MALACHIAS, M. V. B. et al. 7ª Diretriz brasileira de hipertensão


arterial. Revista da Sociedade Brasileira de Cardiologia, [s.l.],
v. 107, n. 3, supl. 3, p. 1-103, set. 2016.

NASCIMENTO, E; SOUZA, S. B. de. Avaliação da dieta de gestantes


com sobrepeso. Revista de Nutrição. Campinas, v. 15, n. 2, p. 173-
179, mai./ago. 2002

NAST, M. et al. Ganho de peso excessivo na gestação é fator de risco


para o excesso de peso em mulheres. Rev. Bras. Ginecol. Obstet.
Porto Alegre, v. 35, n. 12, p. 536-540, 2013.

NOMURA, R. M. Y. et al. Influência do estado nutricional materno,


ganho de peso e consumo energético sobre o crescimento fetal, em
gestações de alto risco. Revista Brasileira de Ginecologia e
Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 34, n. 3, p.107-112, mar. 2012.

SOBRAL, CCB; COELHO, AKD; ALVES, RDM. Ganho de peso e


pressão arterial de gestantes atendidas em uma clínica particular
de Visconde do Rio Branco - MG. In: X SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO
CIENTÍFICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECONOLOGIA
DE VIÇOSA, 10, 2018, Viçosa. Anais... Viçosa: FAVIÇOSA, Junho,
2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


52 ANAIS X SIMPAC

IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO FISIOTERÁPICA EM


PACIENTES COM MASTECTOMIA

Aline Leles Fialho1, Andreia Kelly R. C. de Almeida2

Resumo: O presente trabalho tem como objetivo ressaltar a função


do fisioterapeuta no pré e pós-operatório em mulheres que fizeram
mastectomia. É uma pesquisa de revisão literária, que busca
enfatizar a importância que do fisioterapeuta nas complicações
do pós-operatório, como a disfunção de toda cintura escapular e
membro superior homolateral a cirurgia da mama.
Palavra-chave: Câncer de mama, cirurgia, fisioterapia,
reabilitação.
Introdução
O câncer de mama é considerado a maior causa de morte
entre a população feminina brasileira e também a mais temida, sua
taxa de crescimento ao ano é em média de 28% segundo o Inca¹
é o mesmo estimativa para o brasil de 2018-2019, 600mil novos
casos, acometendo mais mulheres acima de 35 anos.Matando cerca
de 8,8 milhões de pessoas, na maioria em países de baixa e média
renda segundo a OMS³, o cancer de mama tambem acomete o sexo
masculino,porem e raro, acometendo em media 1% do total de casos.
O câncer de mama é uma doença complexa, com formas
de evolução lenta ou rapidamente progressiva. É uma doença
sistêmica, envolve vários órgãos. O carcinoma mamário consiste na
formação de um tumor maligno a partir da multiplicação acelerada
de células anormais, podendo apresentar-se através de inúmeras
formas clínicas e morfológicas (Guia..., s.d.)³, seu principal sintoma
são nódulos nas mamas, que podem vir ou não acompanhados de
1
Graduanda do curso de fisioterapia - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: alinefialho21@hotmail.com
2
Professora do curso de fisioterapia- FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA e-mail: andreia@univicosa.
com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 53

dor.
Segundo o Guia básico sobre o câncer, ele apresenta 4 estágios, onde
quanto mais cedo diagnosticado os nódulos por exames de toque e
mamografias, maiores as chances de cura
A mastectomia tem como objetivo a retirada das células malignas,
promovendo um contole local do câncer. Podendo determinar
complicações físicas imediatas ou tardias, tais como diminuição de
amplitude de movimento (ADM) do ombro e cotovelo, linfedema,
fraqueza muscular, dor, parestesia, alterações sensoriais e
funcionais homolaterais a cirurgia, colocando em risco as atividades
de vida diária(AVDs)da paciente.
O linfedema é o acumulo anormal, progressivo e crônico de proteínas
no espaço intersticial e está relacionado ao lado ipsolateral a retirada
da mama, e a complicação mais temida.
A fisioterapia em oncologia é uma especialidade que tem como
objetivo preservar, manter, desenvolver e restaurar a integridade
cinético-funcional de órgãos e sistemas, assim como prevenir
os distúrbios causados pelo tratamento oncológico. (Lina Faria.
jul.2010).

Material e Métodos
É uma revisão bibliográfica da literatura, para qual foram
selecionados artigos do google acadêmico, com datas entre 2005 e
2010, sites relacionados ao câncer de mama.

Resultados e Discussão
No momento em que a mulher decide por fazer a cirurgia,
observa-se uma busca por resolver rapidamente o seu problema,
tendo dessa forma, um lado reconfortante. A mulher acredita estar

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


54 ANAIS X SIMPAC

colocando limites na enfermidade, e que, a remoção cirúrgica do


tumor e as consequências do tratamento, trazem segurança no
sentido de não ter de se preocupar com a doença. Porém, o alívio
causado por essa etapa tem fim num curto período quando a mulher
concientiza-se cognitivo e emocionalmente, iniciando-se um luto
diante das consecutivas perdas. (Bergamasco & Angelo, 2001;
Maluf, Jo Mori & Barros, 2005).
A forma como a mulher percebe e lida com essa nova
imagem e como isso afeta sua existência, são pontos cruciais para
um entendimento da nova dinâmica que a vida dessas mulheres
assume. (Bervian & Girardon-Perlini, 2006)
Um dos fatores que atrapalham no retorno dessas mulheres
ao mercado de trabalho é caracterizado pelo padrão de beleza imposto
pela sociedade, levando muitas delas a um quadro de depressão,
pois elas acabam de perder uma parte do corpo fundamental para
a identidade feminina tanto no âmbito familiar, social, conjugal e
afetivo.
A fisioterapia acompanha as mulheres que têm sido
submetidas a cirurgia de mama por tumores malignos. (São Paulo
2008).
A intervenção fisioterápica se inicia no pré-operatório, onde
se observa as alterações posturais pré -existentes, identifica os
possíveis fatores de risco para as complicações do P.O, e também
nesta fase as pacientes podem ser ouvidas e orientadas quanto suas
dúvidas, pois a notícia sobre a doença e a cirurgia podem causar
tensões musculares protetoras da musculatura principalmente do
ombro e pescoço.
No P.O(Pos-operatorio) imediato o objetivo é analisar se teve
complicações neurológicas como perda de sensibilidade do membro,
edemas linfático precoce, alterações na dinâmica respiratória, dor,
sensação de dormencia e orientar sobre a posição do braço. A maior
dificuldade será na movimentação do braço, onde terá dificuldades
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 55

para vestir, escovar os cabelos entre outras. A dor e causada pela


tração da pele e dos músculos da axila, do tórax e do braço (oncoguia)²
O objetivo principal dessa fase e reestabelecer brevemente
a função do braço, prevenir complicações respiratórias, diminuir
a dor e prevenir a formação de linfedema, aderência cicatricial e
fibroses.
Após o décimo quinto dia de P.O, sem complicações,
a paciente terá a retirada os pontos liberando a amplitude de
movimento do braço. O tratamento fisioterapico pode acontecer
em grupos ou individualmente onde serão realizados exercícios de
alongamento, fortalecimento, ganho de ADM, técnicas de drenagem
linfática, e diminuição de aderência cicatricial. (oncoguia)²
Os exercicios realizados devem ser ativos e livres, envolvendo
o membro afetado, que primeiramente devera esta com enfaixamento
compressivo, pois juntamente com a contracao muscular gerara
uma pressão que ira estimular o sistema linfático aumentando a
absorção de linfa e reabsorção de proteínas do interstício
A drenagem do linfedema deve iniciar no primeiro dia de
pós-operatório e tem como objetivo diminuir a quantidade de liquido
e melhorar na reabsorção linfática.
A fisioterapia tem dois papeis importantes, o primeiro e
eliminar o surgimento de problemas articulares e o segundo é
facilitar a integração do lado operado ao resto do corpo.

Conclusão
Através deste trabalho de revisão bibliografica podemos
concluir que a atuação do fisioterapeuta não é somente no pós-
operatório, mais sim em todo o processo de tratamento desde o pré-
operatório até a total inclusão do paciente a sociedade e ao mercado
de trabalho. O processo de reabilitação é lento, tem objetivos de
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
56 ANAIS X SIMPAC

reabilitar e/ou promover a melhora na qualidade de vida.

Referências Bibliográficas
A esse respeito acessar o site http://www.bemsaudavel.blog.br- guia
básico sobre o câncer (acesso 22-02-2018)
A esse respeito acessar o site http://www2.inca.gov.br INCA-
instituto nacional do câncer- jose Alencar gomes da silva (acesso
22-02-2018)¹
A respeito acessar o site http://www.oncoquia.org,br fisioterapia
no pós-operatório do câncer de mama. Jaqueline manaretto timm
biocchi 2016. (23-02-2018)²
A esse respeito acessar o site https://nacoesunidas.org/ OMS-
organizacao nacional de saúde (acesso 22-02-2018)³
Abordagens fisioterapêuticas do linfedema no pós-operatório
do câncer de mama- flavia roberta peres- centro universitario
anhanguera 2005
As práticas do cuidar na oncologia: a experiência da fisioterapia
em pacientes com câncer de mama- Lina faria. Hist. cienc. saúde-
Manguinhos vol.17 supl.1 Rio de Janeiro jul. 2010
Bervian, P.I. & Girardon-Perlini, N.M.O. (2006). A família (com)
vivendo com a mulher/mãe após a mastectomia. Revista Brasileira
de Cancerologia. 52 (2), 121-128.
Impacto da mastectomia na vida da mulher- Rev. SBPH v.9 n.2 Rio
de Janeiro dez. 2006
Fisioterapia na reabilitação de mulheres operadas por câncer de
mama. O Mundo da Saúde. São Paulo 2008.
Maluf, M.F.M.; Jo Mori, L. & Barros, A.C.S.D. (2005). O impacto
psicológico do câncer de mama. Revista Brasileira de Cancerologia.
51 (2), 149-154.
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 57

INGESTÃO ALIMENTAR DE GESTANTES ATENDIDAS


EM UMA CLÍNICA PARTICULAR DE VISCONDE DO RIO
BRANCO - MG

Claudilene do Carmo Baquim Sobral1, Amanda Kelhy Diniz


Coelho2, Raquel Duarte Moreira Alves3

Resumo: Durante a gestação ocorre aumento da demanda


nutricional sendo necessário o controle da ingestão alimentar para
uma adequação de nutrientes e consequente promoção da saúde fetal
e materna. Objetivou-se avaliar adequação da ingestão de nutrientes
de gestantes. Participaram do estudo 19 gestantes atendidas numa
clínica particular de obstetrícia na cidade de Visconde do Rio Branco
(MG), que se encontravam entre a 16ª e 30ª semanas de gestação.
Avaliou-se por meio de registro alimentar de 3 dias a ingestão
alimentar das gestantes. Em seguida os dados foram analisados por
meio de tabelas de composição química de alimentos. Foi realizada
uma comparação da ingestão de nutrientes com as recomendações
nutricionais. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética. A análise
estatística foi realizada adotando-se significância de 5%. A ingestão
média dos macronutrientes atendeu às recomendações, exceto
para ácidos graxos monoinsaturados. Grande parte das gestantes
(94,7%; n=18) apresentaram baixa ingestão de fibras, bem como
de cálcio, magnésio e potássio, ao passo que a inadequação por
excesso foi observada para o sódio. Aas inadequações alimentares
observadas entre as gestantes são fatores que podem contribuir
para o desenvolvimento de síndrome hipertensiva da gestação
e pré-eclâmpsia, que podem ter consequências graves ao feto e à
1
Nutricionista - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: claudilene.sobral34@gmail.com
2
Graduando em Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: amandakelhy34@gmail.com
3
Nutricionista – Professora no do curso de Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail:
raqueldmalves@yahoo.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


58 ANAIS X SIMPAC

mãe. Assim, faz-se necessária atenção mais específica em relação à


alimentação durante a gestação.

Palavras–chave: Gestação, Ingestão Alimentar, Nutrição.

Introdução

No período gestacional, há aumento da demanda nutricional,


sendo necessário o controle da ingestão, com adequação dos
nutrientes, que são fundamentais tanto para a saúde fetal quanto
materna. A alimentação da gestante deve ser variada e em
quantidade para suprir as demandas, sempre levando em conta às
recomendações dos guias alimentares e os hábitos de cada mulher.
O objetivo principal da oferta nutricional é atingir as necessidades
energéticas e nutricionais para se obter ganho de peso dentro da
faixa recomendada (MELERE et al, 2013).
A avaliação da qualidade da ingestão alimentar,
principalmente nesse período, visa confrontar as informações
obtidas com recomendações de distribuição dos macronutrientes,
a variação, a moderação e a proporcionalidade da alimentação.
Tais informações estabelecem limites de consumo de alimentos
fontes de elementos que podem causar danos à saúde, bem como
proporcionam maior entendimento sobre a qualidade nas escolhas
dos alimentos (CERVATO e VIEIRA, 2003). Sendo assim, alguns
nutrientes, devem ser analisados de forma mais criteriosa por terem
maior probabilidade de consumo inadequado.
Diante do exposto, o objetivo do presente estudo foi avaliar a
adequação da ingestão alimentar de gestantes atendidas em uma
clínica particular da cidade de Visconde do Rio Branco – Minas
Gerais.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 59

Material e Métodos
Trata-se de um estudo transversal realizado com gestantes no
período de agosto de 2016 a março de 2017. Foram recrutadas todas
as 30 gestantes, que se encontravam no segundo e início do terceiro
trimestre de gestação (entre a 16ª e 30ª semanas). A abordagem
do estudo tratou-se da anamnese alimentar, que foi fundamentada
na análise de um registro alimentar auto aplicado, realizado por
um período de três dias não consecutivos, incluindo um dia de
final de semana. Os dados obtidos foram analisados através de
planilhas eletrônicas e pelo programa Diet Pro com base em tabelas
de composição química dos alimentos. Comparou-se os dados de
ingestão alimentar de cada uma das gestantes com as recomendações
nutricionais do Instituto de Medicina Norteamericano (IOM, 2002)
e da Organização Mundial de Saúde (OMS, 1998).
O protocolo do presente estudo foi revisado e autorizado
pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Sylvio Miguel, atendendo
a Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Ética em pesquisa
(protocolo n° 238/2016-I). Os dados foram tabulados em planilha
eletrônica para cálculo de média e desvio padrão.

Resultados e Discussão

Participaram do estudo 19 mulheres que se encontravam


entre a 16ª e a 29ª semanas gestacional, com idade média de 25,6
± 5,8 anos, variando de 16 e 38 anos, sendo 36,8% (n=7) solteiras e
63,2% (n=12) casadas.
Verificou-se que a ingestão média das gestantes atendia
a recomendação nutricional considerando os macronutrientes,
exceto para os ácidos graxos monoinsaturados (AGMI) (Tabela 1).
A ingestão diária média de AGMI foi de 21,0 ± 9,7 g e 9,5 ± 2,7%
do valor calórico total (VCT), sendo o ideal superior a 10 % (OMS,
1998).
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
60 ANAIS X SIMPAC

Tabela 1: Ingestão diária média de macronutrientes pelas gestantes


incluídas no estudo
Recomendação
Nutriente Ingestão diária
(AI1, AMDR2)
Energia (Kcal) 1994,1 ± 637,2 Individualizado
Carboidrato (g) 258,7 ± 94,9 16-40 anos1: 175
Carboidrato (% VCT) 51,3 ± 6,6 16-40 anos2: 45-65
Proteína (g) 80,1 ± 26,5 16-40 anos1: 71
16-18 anos2: 10-30
Proteína (% do VCT) 16,7 ± 4,4
19-40 anos2: 10-35
Lipídeos totais (g) 71,0 ± 26,2 Não determinada
16-18 anos2: 25-35
Lipídeos totais (% do VCT) 32,0 ± 4,3
19-40 anos2: 20-35
AGMI (g) 21,0 ± 9,7 Não determinada
AGMI (% do VCT) 9,5 ± 2,7 16-40 anos: >10
AGPI (g) 12,0 ± 7,2 Não determinada
AGPI (% do VCT) 5,3 ± 2,0 16-40 anos: < 10
AGS (g) 21,6 ± 8,6 Não determinada
AGS (% do VCT) 9,8 ± 2,4 16-40 anos: <10
Dados em média ± desvio padrão com base em registro alimentar de 3 dias. AI:
Adequated Intake - Ingestão Adequada; AMDR: Acceptable Macronutrients
Distribution Range - Faixa de Distribuição de Macronutrientes Aceitável; VCT:
Valor Calórico Total; AGMI: Ácido Graxo Monoinsaturado; AGPI: Ácido Graxo
Poli-insaturado; AGS: Ácido Graxo Saturado; ND: não determinado.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS, 1998),


recomenda-se um consumo de 0,9g/kg de peso/dia proteínas, mais
adicional de 6g/dia; carboidratos 50% a 60% do VCT, fibras de 20 a
35 g e de lipídeos não deve exceder 30% do VCT. No presente estudo
verificou-se que quase todas as gestantes (94,7%;) apresentaram
baixa ingestão diária de fibras alimentares e micronutrientes
como o cálcio, magnésio e potássio. A inadequação por excesso foi
observada para o sódio (Tabela 2).
Segundo Nascimento e Souza (2002), é comum que gestantes
apresentem baixo consumo de cálcio, fósforo, retinol (vitamina A),
vitamina C, folato e ferro. Os micronutrientes são indispensáveis
e desempenham importante função de reserva materna e
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 61

manutenção do desenvolvimento fetal. Assim, vitaminas e minerais


devem ser incluídas na dieta obedecendo-se as recomendações
(GUIMARÃES e SILVA, 2003). As inadequações alimentares
observadas entre as gestantes é um dos fatores que pode contribuir
para o desenvolvimento de síndrome hipertensiva da gestação e
pré-eclâmpsia, que podem ter consequências graves ao feto e à mãe.
Deve-se desencorajar o consumo de alimentos ricos em sódio como
macarrão instantâneo, temperos prontos, caldos de carne, molhos à
base de soja, sardinha em conserva, extrato de tomate pronto, carne
seca e produtos ultra processados de maneira geral.

Tabela 2: Ingestão diária média de fibras micronutrientes pelas


gestantes incluídas no estudo
Recomendação
Nutriente Ingestão diária Adequação (%)
(AI1, EAR2)
Fibras (g) 16,6 ± 7,1 59,2 ± 25,3 16-40 anos1: 28
16-18 anos2: 1000
Cálcio (mg) 606,4 ± 296,2 74,41 ± 37,34
19-40 anos22: 800
16-18 anos : 785
Cobre (mg) 1,04 ± 0,54 129,8 ± 67,1
19-40 anos22: 800
16-18 anos : 23
Ferro (mg) 21,0 ± 38,7 95,2 ± 176,2
19-40 anos22: 22
169,5 ± 62,4 16-18 anos : 1055
Fósforo (mg) 1027,4 ± 331,9
19-40 anos22: 580
70,8 ± 26,6 16-18 anos : 335
Magnésio (mg) 208,0 ± 77,8
19-40 anos2: 290
Potássio (g) 2,4 ± 8,4 50,7 ± 17,9 16-40 anos1: 4700
Sódio (g) 2,7 ± 2,0 179,0 ± 130,6 16--40 anos1: 1500
16-18 anos2: 10,5
Zinco (mg) 9,3 ± 4,6 97,3 ± 48,3
19-40 anos2: 9,5
Niacina (mg) 21,1 ± 7,1 150,9 ± 51,0 16-40 anos2: 14
Riboflavina (mg) 1,66 ± 0,83 138,7 ± 69,5 16-40 anos2: 1,2
Tiamina (mg) 1,57 ± 0,57 131,2 ± 47,1 16-40 anos2: 1,2
16-18 anos2: 66
Vitamina C (mg) 185,4 ± 135,1 266,1 ± 192,8
19-40 anos2: 70
Dados em média ± desvio padrão com base em registro alimentar de 3 dias. AI:
Adequated Intake – Ingestão adequada; EAR: Estimated Average Requirement –
Requerimento Médio Estimado; ND: não determinado.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


62 ANAIS X SIMPAC

Considerações Finais

No presente estudo, foi observado inadequação na ingestão


alimentar de gestantes quanto à baixa ingestão de AGMI, de
fibras alimentares, cálcio, magnésio e potássio, bem como excesso
da ingestão de sódio. Faz-se necessária atenção mais específica
à alimentação durante a gestação, com ênfase aos nutrientes
importantes durante esta fase a fim de melhorar o aporte de
nutrientes essenciais ao bom desenvolvimento do feto e saúde
materna.

Referências Bibliográficas

CERVATO, A. M; VIEIRA, V. L. Índices dietéticos na avaliação


global da dieta. Revista de Nutrição. Campinas, v. 16, n. 3, p.
347-355, jul./set. 2003.
GUIMARÃES, A. F; SILVA, S. M. C. S. da. Necessidades e
recomendações nutricionais na gestação. Cadernos. Centro
Universitário São Camilo. São Paulo, v. 9, n. 2, p. 36-49, abr./jun.
2003.
IOM, Institute of Medicine. Dietary Reference Intakes - Energy,
Carbohydrate, Fiber, Fat, Fatty Acids, Cholesterol, Protein, and
Amino Acids. Institute of Medicine of the National Academies.:
Washington D.C., 2002.
MELERE, Cristiane et al. Índice de alimentação saudável para
gestantes: adaptação para uso em gestantes brasileiras. Rev.
Saúde Pública, São Paulo, v. 47, n. 1, p. 20-28, fev. 2013.
NASCIMENTO, E; SOUZA, S. B. de. Avaliação da dieta de gestantes
com sobrepeso. Revista de Nutrição. Campinas, v. 15, n. 2, p. 173-
179, mai./ago. 2002
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Obesity: preventing
and managing the global epidemic. WHO Technical Report
Series, Geneva, n. 894.1998.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 63

INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA
DERMATO-FUNCIONAL EM GESTANTES

Aline Barreto Moura1, Andréia Kely Rodrigues Cordeiro2

Resumo: Com as mudanças fisiológicas que a gravidez traz para o


corpo de uma gestante, ocorrem inúmeras alterações que têm como
consequência ganho de peso, retenção hídrica, acúmulo de gordura,
alterações vasculares e dermatológicas. Esse estudo tem o objetivo
de ressaltar os tratamentos usados na especialidade fisioterápica
dermato-funcional ,seguros para as gestantes, mostrando os
benefícios trazidos pela drenagem linfática bem como alguns riscos
que esses tratamentos podem causar nessa classe específica. Trata-
se de uma revisão literária, com base no Google Acadêmico e livros
de Fisioterapia Dermato-Funcional. Usou-se como descritores:
Mudanças fisiológicas, gestação, dermato-funcional e tratamentos.
Os resultados mostraram que a drenagem linfática nesse período é
o método mais seguro e traz muitos benefícios para a gestante, tais
como, redução do edema de membro inferiores, relaxamento e alívio
de dores.

Palavras chave: Drenagem linfática, edema MMII, método


fisioterapêutico, período gestacional

Introdução

A gravidez é responsável por muitas mudanças fisiológicas,


mediadas por ação hormonal para permitir o desenvolvimento do
bebê, trazendo algumas mudanças no corpo da mulher, tais como
1
Graduando em Fisioterapia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. Email:
alinevrb3@hotmail.com
2
Docente do curso de Fisioterapia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. Email:
andreia@univicosa.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


64 ANAIS X SIMPAC

retenção hídrica, acúmulo de gordura, alterações dermatológicas e


vasculares, que podem levar também alterações psicológicas e levar
a sintomas de dores, formigamento, desconforto na região abdominal
e pélvica podendo irradiar para MMII, levando a uma sensação de
peso e dificuldade na marcha ocorrendo uma estagnação venosa
nos MMII devido à pressão do útero sobre as veias abdominais
destacando a Veia Cava Inferior e pélvicas principalmente quando
em posição supina, sentada e ortostática, então a Fisioterapia
Dermato-Funcional pode ajudá-las a se recuperarem com recursos
eficazes como drenagem linfática, massoterapia e o Peeling
(ZAMPRONIO et al., 2012 ).
As alterações começam desde a primeira semana de
gestação, com a elevação do estrogênio e progesterona, e de outros
mediadores que levam as transformações no organismo. Alterações
como crescimento do útero pelo desenvolvimento do bebê, aumento
das mamas, ganho de peso que modificam o centro de gravidade e
da postura geram compensações musculoesqueléticas (PASSOS et
al., 2013).
E quando a gestante fica por muito tempo na posição ereta
em pé, pode ter um aumento de edema nos MMII, e para minimizar
esse aumento é preciso que a gestante descanse e eleve as pernas
e também realizar o método de drenagem linfática, esse edema nos
MMII é um sinal muito comum em gestantes (COUTIMHO et al.,
2017).
O método de drenagem linfática oferece relaxamento e
diminuição do excesso de líquido acumulados nos membros inferiores
e com isso diminui também a dor. (BRONGHOLI et al., 2012) .
A drenagem linfática ajuda a descongestionar as vias
linfáticas, sendo realizadas manobras intermitentes e rítmicas com
uma pressão leve sobre a pele (GUIRRO, GUIRRO, 2004, p.74).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 65

Material e métodos
Foram selecionados artigos acadêmicos nas bases de dados
Google Acadêmico, com datas entre 2012 a 2017 e livros sobre a
Fisioterapia Dermato-Funcional. Foram utilizados para busca os
seguintes descritores: Mudanças fisiológicas, gestação, dermato-
funcional e tratamentos. Para análise as disfunções causadas pela
gestação e métodos para amenizar edemas, dores e proporcionar
relaxamento, foram procurados artigos publicados em português.
Os dados foram apresentados de forma de revisão literária.

Resultado e Discussão
O método mais indicado para as gestantes é a Drenagem-
Linfática, é uma técnica de massagem lenta e suave que vai ajudar
a reduzir esse aumento de líquido dos tecidos, com isso diminui
inchaço, reduz celulite e aparecimento de veias varicosas. O objetivo
da drenagem linfática é drenar o excesso de líquido acumulado
nos espaços intersticiais, os movimentos precisam ter o sentido de
“mão única” sentido favorável a drenagem levando o líquido para
região dos linfonodos mais próximos, com uma pressão externa
exercida pela massagem manual de 25-40 mmHg nos grandes vasos
linfonodais.
Alguns cuidados como controle de pressão arterial precisam
ser observados, pois é uma técnica relaxante e com isso pode diminuir
ainda mais a pressão arterial e FC.Outro cuidado importante é o
posicionamento, pois a posição supina pode desenvolver Síndrome da
Hipotensão supina levando a tonteira, palidez, taquicardia, náusea
e sudorese, isso acontece pela pressão exercida pelo útero sobre a
veia cava inferior e as grandes veias pélvicas,promovendo acúmulo
de sangue nos MMII e diminuição do retorno venoso para o coração,
causando hipotensão e diminuição do débito cardíaco.O melhor
posicionamento para realizar a drenagem linfática é o decúbito lateral
esquerdo, com ele não obstrui as grandes veias e permite que o sangue
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
66 ANAIS X SIMPAC

que fica acumulado nos MMII retorne normalmente para circulação


sistêmica.(CAMBIAGUI,2001;ZIEGEL;CRANLEY,1985,p.138-139)
De acordo com Silvia e Mejia, existem algumas
contraindicações que são absolutas para se realizar a drenagem
linfática manual como tumores malignos, tuberculose, infecções
agudas e reações alérgicas, edemas sistêmicos de origem cardíaca
ou renal e trombose venosa e existem as contra –indicações relativas
que são hipertireoidismo, insuficiência cardíaca descompensada,
asma e bronquite, flebite, trombose venosa profunda.

Considerações Finais
Através deste trabalho de revisão bibliográfica podemos
concluir que a atuação do fisioterapeuta Dermato-Funcional na
aplicação da técnica de drenagem linfática realizada de maneira
correta pelo profissional que leve em conta o estado gravídico e
seja atento as contraindicações da técnica pode trazer muitos
benefícios para as gestantes, sendo muito eficaz por aliviar dores,
reduzir edema e proporcionar relaxamento por ser extremamente
agradável.

Referências Bibliográficas
PASSOS, A.F.M.S., NOBREGA, SILVA, J. M.S., COSTA, Í. C.
Ocorrência de alterações dermatológicas e vasculares em gestantes
de uma Unidade Básica de Saúde de Campina Grande, PB. Rev.
Bras. Pesq. Saúde, Vitória,15(4): p. 110-116, out./dez. 2013.

SILVA, M.D: BRONGHOLI, K. Drenagem Linfática corporal no


edema gestacional. Disponível em: <http://files.sandrabarbosa.
webnode.com.br/200000127-c3432c43cf/ARTIGO%20
OBSTETR%C3%8DCIA.pdf>. Acesso em: 21/03/2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 67

ZAMPRONIO, F.P.C; DREHER, D. Z. Atuação da Fisioterapia


Dermato-Funcional nas Disfunções Estéticas decorrentes da
gravidez. Disponível em: <http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/
xmlui/bitstream/handle/123456789/498/ARTIGO-pos-fisioterapia-
dematofuncional.pdf?sequence=1>. Acesso em: 21/03/2018.

GUIRRO, E; GUIRRO, R. Fisioterapia Dermato- Funcional. 3ª


Edição. Barueri, SP: Manole, 2004. Revisada e Ampliada, 73 p.

COUTINHO, C.S; KASMIERSKI, M. M; CARON, C. V. Os efeitos


da drenagem linfática manual do método Leduc nos edemas
dos membros inferiores das gestantes. Esp., Palhoça, 2017.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


68 ANAIS X SIMPAC

NÍVEL DE PERCEPÇÃO CORPORAL E SUA RELAÇÃO


COM DADOS ANTROPOMÉTRICOS EM UNIVERSITÁRIOS
DO CURSO DE FISIOTERAPIA

Amanda Brangioni Cardoso1, Isabel Cristina Silva2

Resumo: A preocupação excessiva com a aparência e o aumento


da insatisfação com o corpo tem sido objeto de muitos estudos
na atualidade. A ideia de corpo perfeito passou por mudanças
significativas no meio do século passado, onde hoje ocupa grande
parte do cotidiano das pessoas que buscam alcançar uma autoimagem
que considere ideal. O objetivo do trabalho é avaliar a percepção
da imagem corporal e sua relação com dados antropométricos em
universitários do curso de Fisioterapia. Para avaliar a satisfação e a
percepção dos voluntários foi utilizada a Escala de Silhuetas e para
identificação da realidade foi mensurado o percentual de gordura
dos mesmos. Os alunos do curso de Fisioterapia, de forma geral,
mostraram-se insatisfeitos com a própria imagem corporal, tendo
como motivo principal de insatisfação o excesso de peso. O sexo
feminino apresentou maior prevalência para tais achados e, além
disso, apresentaram a forma de insatisfação corporal considerada
mais grave quando comparado ao sexo masculino, embora essa auto
percepção não coincida sempre com a realidade encontrada pelas
medidas antropométricas.

Palavras–chave: Insatisfação, antropometria, autoimagem.

Introdução

No início do século passado, o ideal de corpo passou por


mudança substancial. Nos dias atuais, a preocupação com aspecto
físico e a aparência ocupa grande parte do cotidiano das pessoas
que buscam alcançar uma autoimagem que considere ideal. A
1
Graduando em Fisioterapia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: amandabrangioni@outlook.com
2
Professora da Fisioterapia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: isabel@univicosa.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 69

imagem que se imagina sobre o tamanho e a forma do próprio corpo,


incluindo sentimentos em relação a essas características configuram
a autoimagem que pode ser caracterizada em dois componentes
que se complementam, o perceptivo e o atitudinal. O perceptivo
se refere à imagem construída na mente, e o atitudinal refere-se
aos sentimentos, pensamentos e ações em relação à figura corporal
(ALVARENGA et al., 2010; CAVALCANTI et al., 2013).

A insatisfação corporal leva as pessoas a construírem uma


imagem negativa do próprio corpo e a acreditarem que não possuem
as qualidades necessárias para serem particularmente masculinas
ou femininas. A ansiedade interpessoal e a inadequação em
algumas interações sociais levam os indivíduos a não aceitarem
sua aparência e a se submeterem a tratamentos invasivos, como as
cirurgias plásticas (FERNANDES, 2007).

Quando a autoimagem é vivida como aceitável, constitui uma


fonte de autoestima e segurança, porém quando isto não acontece
o indivíduo sofre com a desestabilização da imagem corporal.
Embora a gravidade em torno desta situação seja que muitas vezes,
o problema é criado pelo próprio indivíduo, que por uma percepção
deturpada de seu corpo, compromete sua integridade emocional e se
propõe a intervenções cirúrgicas para aproximar-se do que considera
corpo ideal (ALVARENGA et al., 2010; CAVALCANTI et al.,2013).

Fundamentando-se nisso o objetivo deste trabalho é


avaliar a percepção da imagem corporal e sua relação com dados
antropométricos em universitários do curso de Fisioterapia.

Material e Métodos

Trata-se de um estudo epidemiológico de delineamento


transversal. A amostra para desenvolvimento da pesquisa foi
composta por estudantes universitários do curso de Fisioterapia
de uma Instituição de Ensino Superior de um município da zona

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


70 ANAIS X SIMPAC

da mata mineira. A amostragem foi composta por todos os alunos


graduandos que aceitaram a participar da pesquisa, não levando
em consideração o período que esteja matriculado.

Para análise da satisfação e da percepção corporal foi


utilizada a Escala de Silhuetas e em seguida, foi usada uma balança
de bioimpedância bipolar da marca Pegasus Kikos, do modelo
xy6169 que calculou o percentual de gordura para identificar a
realidade dos voluntários.

A Escala de Silhuetas que foi utilizada apresenta nove


desenhos de silhueta feminina e nove de silhueta masculina que
variam da magreza à obesidade. Os voluntários foram orientados
inicialmente a escolher uma imagem na qual se identificam
(Percepção da Imagem Corporal Real – PICR) e posteriormente,
a imagem que acreditam que seja ideal (Percepção da Imagem
Corporal Ideal – PICI). Para obter o resultado da avaliação deve
subtrair a PIRC da PICI, podendo esse valor resultar entre -8 e
+8. Se o resultado for igual a zero, o voluntário será classificado
como satisfeito com sua aparência, caso contrário, se o resultado
for diferente de zero, a classificação é dada como insatisfação. Se a
diferença for positiva, é considerada uma insatisfação pelo excesso
de peso e se negativa, uma insatisfação por magreza (NICIDA e
MACHADO 2014).

O trabalho foi aprovado pelo Comitê de ética em Pesquisa da


Faculdade de Ciências Biológicas e Saúde – FACISA/UNIVIÇOSA,
atendendo à resolução 466/12 do Conselho Nacional de Ética em
Pesquisa (CONEP), que normatiza as pesquisas envolvendo seres
humanos, sendo os dados coletados após a assinatura do Termo de
Consentimento Livre e Esclarecido pelos participantes envolvidos
no estudo.

Resultados e Discussão

A amostra foi composta por 100 alunos de ambos os sexos,


que estavam matriculados no matriculados no período da coleta de

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 71

dados e que aceitaram participar da pesquisa. Em relação ao perfil


da amostra, 73% dos investigados pertencem ao sexo feminino e
27% ao sexo masculino com idade média de 22 anos, com variação
de 18 a 37 anos.

Analisando o gráfico 1, observa-se que o motivo de insatisfação


com o próprio corpo não se difere entre os sexos. O excesso de peso
foi apontado pela maior parte dos componentes dos dois grupos
como motivador de insatisfação, embora seja importante destacar
que tanto no sexo feminino como no masculino, a insatisfação por
magreza apresenta números mais significativos quando comparados
aos números de indivíduos satisfeitos com sua imagem corporal.

Gráfico 1 - Classificação da satisfação corporal segundo a Escala


de Silhuetas

Os achados obtidos através do percentual de gordura estão


representados no gráfico 2, nos permitindo afirmar que o percentual
de mulheres que apresentam valores superiores a referência é
menor quando comparado ao percentual masculino, à exceção do
percentual de gordura classificado como elevado. Embora seja
importante salientar que o número de indivíduos insatisfeitos para
ambos os sexos é superior ao número de indivíduos que estão com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


72 ANAIS X SIMPAC

percentual de gordura elevado.


Gráfico 2 - Classificação do Percentual de Gordura para o sexo
feminino segundo a balança de bioimpedância Kikos.

A insatisfação corporal encontrada neste estudo é considerada


relevante por se tratar de uma amostra composta por pessoas
jovens. Mas o que mais chama a atenção não é a alta incidência
de insatisfação corporal e sim o fato de a insatisfação não coincidir
com a realidade. Parte dos indivíduos que se dizem insatisfeitos não
apresentaram alterações em suas medidas antropométricas.
Aqui verificou que o motivo de insatisfação mais relevante
para ambos os sexos é o excesso de peso embora Coqueiro et al.
(2008) em seus estudos, concluíram que a satisfação corporal tem
finalidades diferentes entre os sexos. Segundo eles de modo geral,
as mulheres, almejam pela redução da silhueta corporal, enquanto
os homens preferem um corpo mais volumoso, ou seja, a insatisfação
feminina virá por excesso ao passo que a masculina por magreza.


Conclusões

Os alunos do curso de fisioterapia, de forma geral,


mostraram-se insatisfeitos com a própria imagem corporal, tendo
como motivo principal de insatisfação o excesso de peso. O sexo
feminino apresentou maior prevalência para tais achados e, além

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 73

disso, apresentaram a forma de insatisfação corporal considerada


mais grave quando comparado ao sexo masculino, embora essa auto
percepção não coincida sempre com a realidade encontrada pelas
medidas antropométricas.

Referências Bibliográficas

ALVARENGA, M.S. et al. Insatisfação com a imagem corporal em


universitárias brasileiras.  Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v.
59, n. 1, p. 44-51, 2010.
CAVALCANTI, J.M. et al. Bem-estar: a visão feminina sobre o fibro
edema gelóide. Revista Fisioterapia Brasil. v, 14. n, 2. p. 100 –
105. 2013.
COQUEIRO, R.S. et al. Insatisfação com a imagem corporal:
avaliação comparativa da associação com estado nutricional em
universitários. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul, v. 30, n. 1, p. 31-38,
2008.
FERNANDES, A.E.R. Avaliação da imagem corporal, hábitos de
vida e alimentares em crianças e adolescentes de escolas públicas
e particulares de Belo Horizonte. Minas Gerais: Faculdade de
Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais, 2007.
NICIDA, D. P; MACHADO, K.S. O uso de duas escalas de silhueta
na avaliação da satisfação corporal de adolescentes: revisão de
literatura. InterfacEHS, v. 9, n. 2, 2014.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


74 ANAIS X SIMPAC

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E O SUCESSO/INSUCESSO


DA VENTILAÇÃO MECÂNICA

Aline Vieira Rubert Lopes1

Resumo: O Centro de Terapia Intensiva (CTI) é um setor hospitalar


destinado aos pacientes graves que necessitam de vigilância contínua
e suporte terapêutico especializado. O objetivo deste estudo foi traçar
o perfil epidemiológico e a evolução dos pacientes admitidos em
um Centro de Terapia Intensiva de um hospital da Zona da Mata
Mineira. Trata-se de um estudo prospectivo com delineamento
transversal, com abordagem quantitativa e qualitativa foi realizado
através de consulta de documentos gerados durante a internação de
cada paciente. Dos 80 pacientes internados no CTI, 55% pertenciam
ao sexo masculino, com idade media de 65 anos, 46,25% necessitaram
de ventilação mecânica, destes, 57% tiveram indicação de uso por
motivos pulmonares. Apenas 30% dos pacientes passaram no teste
de respiração espontânea sendo então extubados, 35% evoluíram
para óbito antes de apresentar critérios para extubação e os demais
evoluíram para traqueostomia, e destes 61% evoluíram para óbito
antes de concluírem o desmame. Devido ao elevado número de
internações e óbitos por causas pulmonares faz-se a sugestão de que
um novo estudo com metodologia similar seja realizado no período
de um ano, para que a sazonalidade não interfira nos achados.
Palavras Chave:Suporte Terapêutico, Internações, alta, óbito

Introdução

O centro de Terapia Intensiva (CTI) é um setor hospitalar


destinado aos pacientes graves que necessitam de vigilância contínua
e suporte terapêutico especializado (BALSANELLI et al., 2006). Estes
pacientes podem se beneficiar do uso da ventilação mecânica (VM),
1
Graduando em Fisioterapia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: alinevrlopes@hotmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 75

um dos principais meios terapêuticos do CTI, sua maior indicação é


feita aos pacientes que apresentam comprometimento respiratório,
embora não se restrinja a esse grupo (DAMASCENO et al., 2006).
Quando tem o motivo que os levaram para a VM resolvido, inicia
o processo de desmame, que é a transição da VM para ventilação
espontânea. São submetidos a um Teste de Respiração Espontânea
(TRE), para verificar se tem capacidade de suportar a retirada da
ventilação artificial. Ao passar no TRE, o paciente deixará a VM e
assumirá sua respiração espontânea novamente (GOLDWASSER
et al.,2007). O objetivo deste estudo foi traçar o perfil epidemiológico
e a evolução dos pacientes admitidos em um Centro de Terapia
Intensiva de um hospital da Zona da Mata Mineira.

Material e Métodos

Trata-se de um estudo prospectivo com delineamento


transversal, com abordagem quantitativa que foi desenvolvido em
um CTI de um hospital da Zona da Mata Mineira no período de
junho a setembro de 2017. A amostra foi composta por pacientes
admitidos e em tratamento no CTI no período supracitado. Para
coleta de dados foram consultados os documentos gerados durante
a internação de cada paciente. O estudo foi submetido ao Comitê
de Ética em pesquisa da Faculdade de Ciências Biológicas e da
Saúde – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA, respeitando a resolução nº
466/12 do Conselho Nacional de Ética em Pesquisa – CONEP, que
normatiza as pesquisas envolvendo seres humanos. A analise dos
dados foi realizada por meio de estatística descritiva. Os resultados
estão apresentados em forma de diagrama e gráficos no programa
Microsoft Excel.

Resultados e Discussão

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


76 ANAIS X SIMPAC

No período utilizado para coleta de dados foram admitidos no


CTI 80 pacientes, sendo que destes 45% pertenciam ao sexo femini-
no e 55% ao sexo masculino, com idade media de 65 anos, variando
de 12 a 96 anos. Tal fato possivelmente deve-se a fragilidade e ao
numero crescente de comorbidades que a população idosa possui, a
maior susceptibilidade a doenças e à incapacidade ocorre graças à
diminuição da eficiência dos sistemas fisiológicos, determinada pela
soma do envelhecimento biológico, condições crônicas e sedentaris-
mo. Veras et al., (2007).
O gráfico 1 apresenta a distribuição do diagnóstico inicial que
é o que motivou a internação. Nele as causas da admissão no CTI
estão agrupadas de acordo com os sistemas comprometidos. Obser-
va-se uma quantidade significativa de internações por causas pul-
monares quando comparadas aos comprometimentos em outros ór-
gãos e sistemas.

No período analisado, dos pacientes admitidos, apenas 46,25%


necessitaram do uso de ventilação mecânica invasiva, destes, 57%
tiveram indicação de uso por motivos pulmonares. A finalização
do suporte ventilatório para o período ocorreu de acordo com o
diagrama apresentado abaixo.
Sempre que um paciente necessita de VM, desde que não haja
contraindicações, a primeira opção de interface é o tubo orotraqueal.
Neste tubo o paciente pode permanecer por aproximadamente

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 77

quatorze dias. Após este prazo se o paciente não apresentar os


critérios para extubação será então traqueostomizado. O uso da VM
pode estar relacionada a varias complicações, podendo prolongar o
tempo de permanência no ventilador, agravar a doença, propiciar o
surgimento de outras doenças ou causar sequelas. (ZEITOUN et al.,
2001). Diante disso, retirar o paciente da ventilação mecânica é uma
das medidas mais importantes na terapia intensiva, para avaliar
se o paciente é capaz de suportar a retirada é aplicado o TRE. É
alcançado sucesso do teste o paciente que mantiver troca gasosa
adequada, conforto respiratório e estabilidade hemodinâmica após
30 minutos do teste. (GOLDWASSER et al., 2007).

No presente estudo menos de um terço dos pacientes que fi-


zeram uso da VM apresentaram critérios de elegibilidade e foram
extubados durante os primeiros quatorzes dias de uso da VM. 35%
evoluíram para a traqueostomia, que se por um lado favorece o
desmame da VM, por outro pode gerar complicações que o faça ser
adiado. Do total de pacientes admitidos no CTI, 32,5% evoluíram
para óbito. O maior número de óbitos estava relacionado aos paci-
entes que fizeram uso de VM, condizendo com estudo de Acuña et
al., (2007) no qual o óbito foi observado em 38% dos pacientes de-
terminando correlação significativa entre mortalidade e ventilação
mecânica.
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
78 ANAIS X SIMPAC

Conclusão

A maior parte da amostra foi composta pela população idosa


e pelo sexo masculino, tendo as causas pulmonares como mais
prevalentes em relação às demais motivações. O uso da VM gerou
um tempo de internação superior o observado naqueles indivíduos
que não a utilizaram e também obteve maior representividade no
número de óbitos. Devido ao elevado número de internações e óbitos
por causas pulmonares faz-se a sugestão de que um novo estudo
com metodologia similar a utilizada aqui, seja realizada no período
de um ano, para que a sazonalidade não interfira nos achados. Isto
porque no presente estudo a coleta de dados se deu no período de
inverno em que as baixas temperaturas aumentam o número de
descompensações respiratórias.

Referências Bibliográficas

ACUÑA, Kátia et al., Características Clínico-Epidemiológicas


de Adultos e Idosos Atendidos em Unidade de Terapia Intensiva
Pública da Amazônia (Rio Branco, Acre). Rev. Brasileira de
Terapia Intensiva v. 19, n 3, p 304-309, Jul/Set. 2007.

BALSANELLI, A. P; ZANEI, Suely Sueko S. Viski; WHITAKER,


Iveth Yamaguchi. Relação com a gravidade dos pacientes cirúrgicos
em UTI. Acta paul enferm, v. 19, n. 1, p. 16-20, 2006.
DAMASCENO, M. P. C. D. et al., Ventilação mecânica no Brasil:
aspectos epidemiológicos. Rev. Brasileira terapia intensiva, v.
18, n. 3, p. 219-28, 2006.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 79

GOLDWASSER, Rosane et al., Desmame e interrupção da ventilação


mecânica. J. bras. pneumol.,  São Paulo ,  v. 33, supl. 2, p. 128-
136,  July  2007 . 
VERAS, Renato Peixoto et al., Promovendo a Saúde e Prevenindo
a Dependência: identificando indicadores de fragilidade em idosos
independentes Rev. Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.
10, n. 3, 2007, p. 355-370, 2007.
ZEITOUN, Sandra Salloum et al., Incidência de pneumonia
associada à ventilação mecânica em pacientes submetidos à
aspiração endotraqueal pelos sistemas aberto e fechado: estudo
prospectivo - dados preliminares. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 
Ribeirão Preto ,  v. 9, n. 1, p. 46-52,  Jan.  2001.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


80 ANAIS X SIMPAC

PREVENÇÃO DE RECAÍDAS CONTRA DEPENDÊNCIA


QUÍMICA NA ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO E
ASSISTÊNCIA AO CONDENADO DE VIÇOSA MG

Alex Sodré Costa1, Felipe de Souza Moreira2, Leticia Alvares3

Resumo: Este trabalho é resultado de uma pesquisa qualitativa


que teve por objetivo auxiliar aos detentos da APAC – Associação
de Proteção e Amparo ao Condenado – da cidade de Viçosa (MG),
a se prevenir de recaídas no mundo das drogas e, possivelmente, no
mundo do crime. O trabalho buscou facilitar a sua reintegração
social e tentar construir formas de alivio psíquico em meio à fase de
abstinência química. Acreditamos que esse tipo de trabalho sendo
feito em uma instituição de sistema prisional tem um peso positivo
para a mudança de vida do detento, podendo oferecer a ele novas
ferramentas para poder trilhar um caminho diferente, livre de seus
vícios, de seus crimes e de frustrações sociais, podendo ter um novo
olhar do mundo exterior.

Palavras–chave: Dependência química, humanização,


psicoeducação, sistema prisional

Introdução

Foucalt (1996) argumenta que a criminalidade como


fenômeno social permeia a sociedade contemporânea. O ilícito, ao
lesar os bens mais importantes da sociedade, passa a ser reprimido
sob um punho penal, ou seja, é passível de pena.
A pena com o objetivo de ressocialização do sujeito motiva
mudanças de objetivos em relação à execução penal brasileira. A

1
Graduando em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: alexsodre_10@hotmail.com
2
Graduando em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: lipesouzaaa@hotmail.com
3
Docente – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: leticia_alvares@yahoo.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 81

condenação, apenas com o objetivo de privar a liberdade, passa


a ser norteada por novos princípios, com cunho humanizador,
prescritos na legislação. Nesse contexto, o sistema da Associação
de Proteção e Assistência ao Condenado (APAC), criada em 1974,
surge como uma entidade que dispõe de um método de valorização
humana e evangelização, a fim de oferecer ao condenado condições
de recuperar-se e com o propósito de proteger a sociedade, socorrer
as vítimas e promover a justiça. A valorização humana, base
do método, determinada por Ottoboni como um dos fins a serem
seguidos, é pautado em atividades que busquem autoconhecimento
e a valorização de si mesmo. E a evangelização não como fé cristã
propriamente dita, mas sim na pauta do amar e ser amado, sem
imposição de credos (VILHENA; PAIVA, 2011 apud VEYL, 2016).
Com o objetivo de conscientização sobre a dependência química
e a motivação de mudanças de pensamentos e comportamentos
de riscos, o artigo relata os resultados do projeto proposto para
a disciplina de Estagio Especifico II na Associação de Proteção e
Assistência ao Condenado da cidade de Viçosa.

Material e Métodos

A pesquisa foi de caráter qualitativo, realizada na APAC,


localizada na rua Dr. Brito, número 380, bairro São Sebastião,
na cidade de Viçosa, Minas Gerais. O público alvo foram os
recuperandos dos regimes fechado e semiaberto. O projeto teve duas
etapas: psicoeducação; aplicação de atividades de acordo com o livro
“Prevenção da Recaída: um manual para pessoas com problemas
pelo uso do álcool e de drogas”.
Pensando no publico alvo (regime fechado e semiaberto),
trabalhamos em duas etapas: primeiramente com a psicoeducação.
Abordamos casos clínicos, vídeos e textos sobre dependência
química e substancias psicoativas. Não tivemos como finalidade
educá-los acerca do álcool e outras drogas, afinal, maior parte dos
recuperandos estão detidos pelo porte de substâncias químicas. Mas
o nosso objetivo foi de resgatar informações sobre seus conhecimentos

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


82 ANAIS X SIMPAC

e suas vivências acerca do tema e assim associar suas falas com as


atividades propostas no segundo momento.
Na segunda parte do projeto estamos trabalhando com o livro
“Prevenção da Recaída: um manual para pessoas com problemas
pelo uso do álcool e de drogas”. Este é um guia que investe na
capacidade do individuo em resolver seus próprios problemas. Com
17 tarefas, o sujeito irá primeiramente elaborar um reconhecimento
de suas fragilidades e logo após desenvolverá a capacidade de
controle diante de situações de vida que podem o levar a recaídas de
álcool e outras drogas.

Resultados e Discussão

Acerca das particularidades dos grupos, percebemos que


o regime fechado tem uma ligação forte com o sistema APAC, as
suas falas, de inicio, foram que o método utilizado na instituição é
a salvação, assim como Jesus. No começo das atividades, o grupo se
mostrou mais resistente, porém, com a vivência eles participaram
mais das atividades. Porém, a demanda desse grupo é falar, ora de
suas experiências, ora suas opiniões. Outra particularidade é que
quando um membro desse regime foi transferido para o semiaberto,
o grupo se empenhou mais. Talvez seja porque esse recuperando
defendia o uso de maconha e inibia os demais integrantes que tem
por objetivo não recair. Nas reuniões, ele era o que mais participava,
mas não com as suas experiências, mas querendo defender o
seu ponto de vista. Mas enfim, nem todos estavam empenhados
na atividade, dos 14 integrantes, pode-se dizer que apenas seis
estavam envolvidos realmente, compartilhavam suas experiências,
nas atividades práticas, liam o que escreviam, argumentavam sobre
seus pontos de vista, perguntavam suas curiosidades.
Sobre o regime semiaberto, os integrantes não são tão adeptos
a crença de salvação do método APAC, em relação ao regime
fechado. Como eles já tem o contato com o ambiente de fora da
APAC, as suas falas giram acerca do poder que eles têm em dizer
não ou em se afastar das drogas. Além de enfatizar a importância
de seus familiares no processo. Grupo resistente de inicio também,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 83

mas com a vivência possibilitou distinguir os recuperandos que


estão empenhados nas atividades e aqueles que não estão. De 12
integrantes, cinco, seis falam sobre a vivência, compartilham o que
escrevem nas atividades práticas, argumentam sobre seus pontos
de vista. Apesar de que há aqueles que falavam o que queríamos
escutar. Por exemplo, em uma das atividades que o objetivo era
escrever vantagens e desvantagens do uso e do não uso, um deles,
quando dizemos que iriamos recolher as atividades, no mesmo
momento, trocou o que tinha escrito. O grupo gostava de quando
levávamos vídeos sobre relatos de experiências, diziam que escutar
histórias de outras pessoas é estimulador.

Considerações Finais

A dependência química é considerada como doença médica


crônica, e, classificada entre os transtornos psiquiátricos. É um estado
psíquico e físico caracterizado pelo uso compulsivo de substâncias
químicas, devido à necessidade de obter seus efeitos e, às vezes,
para se esquivar do desconforto que a falta traz (KANTORSKI et al,
2005; BUCHELI et al, 2004). Entende-se que o consumo de drogas é
um fenômeno multifatorial que envolve aspectos sociais, biológicos,
psicológicos e culturais (RIGOTTO & GOMES, 2002).
No trabalho com prevenção a recaídas, deve-se refletir sobre
esse processo e os seus diferentes tratamentos pata o controle e
qualidade de vida dos dependentes químicos e o seu grupo social.
Considerando que o trabalho com a dependência é repleta de
limitações e que as diferenças entre os dependentes, as substancias,
fatores culturais e outros aspectos dificultam o tratamento de
recaídas. Porém é possível identificar situações de riscos que
são determinantes para o uso das drogas (PRATTA et al, 2009;
RIGOTTO & GOMES, 2002; TAVARES & ALMEIDA, 2010).
Quando pensamos em trabalhar prevenção de recaídas a
dependência química, o trabalho deve ser forte e informativo, pois
mostrar o lado negativo desse mundo a detentos é um grande desafio.
Deve-se visar o bem físico e psíquico do individuo, e oferecer o suporte
necessário para que possa acontecer a mudança de comportamento.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


84 ANAIS X SIMPAC

Devido a isso, o projeto foi para que eles consigam criar barreiras
e ideais contra o hábito do uso de álcool e outras drogas e também
para que sustentem o que foi estimulado nesse período de estágio
fora do sistema prisional.
Apesar de uma parte não ter se adaptado as atividades, o
resultado foi benéfico, por meio da psicoeducação e atividades
relacionadas à dependência química foi notável as mudanças em
suas falas e comportamentos ao longo da aplicação do projeto.

Referências Bibliográficas

FOUCALT, M. A Ordem Do Discurso, n. 3 ED: Edições Loyola.


São Paulo. Brasil, abril de 1996, n. 79pp.

KANTORSKI, L. P., LISBOA, L. D. M; SOUZA, J. D. Grupo de


prevenção de recaídas de álcool e outras drogas.  SMAD. Revista
eletrônica saúde mental álcool e drogas, 1(1), 0-0. 2005.

PRATTA, E. M. M; SANTOS, M. A. D. O processo saúde-doença e a


dependência química: interfaces e evolução. Psicologia: Teoria e
pesquisa, 25(2), 203-211. 2009.

RIGOTTO, S. D; GOMES, W. B. Contextos de abstinência e de


recaída na recuperação da dependência química.  Psicologia:
teoria e pesquisa. Brasília. Vol. 18, n. 1 (jan./abr. 2002), p. 95-
106. 2002.

TAVARES, G. P; ALMEIDA, R. M. M. D. Violência, dependência


química e transtornos mentais em presidiários. Estudos de
psicologia. Campinas. Vol. 27, n. 4 (out./dez. 2009), p. 545-552.
2010.

VEYL, R. S. B. Entre o Fato e o Discurso: o Método APAC e sua


Efetividade no Cenário Brasileiro. Alethes: Per. Cien. Grad. Dir.
UFJF, v. 06, n. 11, pp. 268-286, mai/ago, 2016.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 85

PRINCIPAIS LESÕES TRAUMÁTICAS DO JOELHO:


REVISÃO DE LITERATURA

Aline Barbosa de Oliveira1, Andrês Valente Chiapeta2

Resumo: Introdução: O joelho é uma articulação completa e


complexa do corpo com grande importância na locomoção e
sustentação do peso corporal. As articulações tibiofemoral e
patelofemoral corresponde a sua biomecânica responsáveis pelos
movimentos de flexoextensão e pequena quantidade de rotação e o
deslizamento patelar, os ligamentos são os principais estabilizadores
e os meniscos são responsáveis pela distribuição do peso corporal,
atuam como amortecedores entre os segmentos articulares, que são
fixados à tíbia aumentando a congruência. Objetivos: Este trabalho
teve por objetivo realizar uma pesquisa bibliográfica sobre as
principais lesões de joelho. Métodos: Trata-se de um estudo de revisão
bibliográfica utilizando artigos de 2003 a 2014 nas bases de dados
do Scielo e Google acadêmico. Resultados e Discussão: As causas
mais comuns de traumas na articulação do joelho encontradas no
estudo foram relacionadas a acidentes automobilísticos e traumas
esportivos. Conclusão: As principais lesões encontradas foram as de
ligamento cruzado anterior, ligamento cruzado posterior e meniscos,
com maior prevalência nas lesões de ligamento cruzado anterior.

Palavras–chave: LCA, LCP, Lesões de joelho, menisco e principais


lesões de joelho.

Introdução

O joelho é uma articulação completa e complexa do corpo


com grande importância na locomoção e sustentação do peso
corporal, é uma articulação sinovial, possui características que
garante a integridade e a função articular; possui a cartilagem
1
Graduanda em Fisioterapia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA e-mail: alineboliveirafisio@gmail.com
2
Docente do curso de Fisioterapia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA e-mail: andreschiapeta@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


86 ANAIS X SIMPAC

articular que protege as estruturas ósseas; e os meniscos atuam


como amortecedores de sobrecargas sobre o joelho. As articulações
tibiofemoral e patelofemoral corresponde a sua biomecânica
responsáveis pelos movimentos de flexoextensão e pequena
quantidade de rotação e o deslizamento patelar, sendo de suma
importância do membro inferior fornecendo estabilidade e
mobilidade através da sua atividade muscular e ligamentar para
todos os aspectos da cinemática.
Na articulação do joelho, os ligamentos são os principais
estabilizadores. O ligamento colateral medial estabiliza
medialmente e resistindo o estresse em valgo, o ligamento colateral
lateral resistindo o estresse em varo. O ligamento cruzado anterior
(LCA) dá estabilidade anterior e ligamento cruzado posterior (LCP),
posteriormente controlando a rotação da tíbia (SILVA, SILVA,
2007).
Entre a tíbia e o fêmur possui dois meniscos responsáveis
pela distribuição do peso corporal, atuam como amortecedores
entre os segmentos articulares, que são fixados à tíbia aumentando
a congruência. O menisco medial é mais espesso posteriormente,
o menisco lateral por sua vez é responsável pelo mecanismo de
bloqueio desta congruência máxima, dirigindo os movimentos dos
côndilos articulares do fêmur. Atuam como coxins cartilaginosos,
absorvendo os choques originado na deambulação tornando mais
concordantes as superfícies ósseas que se articulam, atuam na
transmissão de força e na estabilidade da articulação (BARBOSA,
MEJIA 2014.)
A lesão ligamentar do joelho pode ocorrer por mecanismo
direto, sendo atingido por um corpo externo, ou indireto, por trauma
torcional através de forças originadas a distância da articulação.
Nesse caso, o corpo gira para o lado oposto ao pé de apoio, provocando
uma rotação externa do membro inferior, levando a um discreto
valgismo do joelho, determinando a lesão.
A lesão isolada de LCA se dá frequentemente pela hiperextensão do
joelho sem apoio, chamado chute no ar (MELO, MEJIA ano).
As lesões meniscais, na sua maior parte acontecem por
traumas advindas da pratica esportiva. Implicam em um aumento

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 87

da translação ântero-posterior da tíbia em relação ao fêmur, o que


interfere na estabilidade articular (SILVA, SILVA 2007).
Diante do contexto descrito anteriormente, tem-se por
objetivo do trabalho realizar uma revisão da literatura referente as
principais lesões traumáticas acometidas na articulação do joelho.

Material e Métodos

Este trabalho foi elaborado a partir de levantamento


bibliográfico, sendo realizada uma pesquisa na base de dados
indexada: Scielo, Google Acadêmico, selecionando os artigos
relacionados ao tema deste artigo. As palavras chaves utilizadas
foram: lesões de joelho, principais lesões de joelho, LCA, LCP e
menisco. Os critérios de inclusão foram materiais científicos na
língua portuguesa, publicados nos anos de 2003 a 2014.

Resultados e Discussão

Dentre os artigos selecionados foram achados como


principais patologias, lesões de ligamento cruzado anterior e
ligamento cruzado posterior, que dão estabilidade ao joelho. São
mais frequentes em jovens esportistas, onde sua causa principal
se dá por uma hiperextensão com rotação lateral, causando uma
frouxidão ligamentar e lesões meniscais causadas por traumas
rotacional, tanto internas quantos externas, podendo ser lesões
traumáticas ou degenerativas.
Segundo Bavaresco (2003) as lesões de meniscos ocorrem
por trauma rotacional, com pé fixo no solo, traumáticas, comum em
jovens durante a prática desportiva ou degenerativa que pode ser
periférica se associada a lesão ligamentar sendo mais predominante
em idosos acometendo o joelho como todo. Ocorrem pela execução
de forças em que o joelho é posicionado. No movimento de Flexão,
se a tíbia é rodada internamente, o corno posterior do menisco
medial é movido para o centro da articulação, produzindo uma
tração do menisco medial ocasionando uma lesão podendo voltar
seu posicionamento anatômico com a extensão. O tratamento

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


88 ANAIS X SIMPAC

pode ser conservador, sendo por ruptura meniscal incompleta ou


pequena (5 mm), sendo estável e periférica sem que haja outra
condição patológica, ou cirurgia recomendado quando há uma lesão
traumática extensa e/ou degenerativa de caráter debilitante, onde o
tratamento conservador não demostrou bons resultados.
Peccin et al., (2010) afirma que o Ligamento Cruzado
Posterior é o estabilizador contra o movimento posterior da tíbia
sobre o fêmur e controlando a extensão e hiperextensão e age como
eixo central de rotação de joelho. Lesões de LCP tem sido ocasionado
por traumas de grandes intensidade na maioria dos casos por
acidentes de trânsito. A lesão ocorre com o joelho hiperextendido
podendo vir associada com lesão da cápsula posterior.
Segundo Mejia et al., (2014) que o ligamento Cruzado Anterior
(LCA) é um dos ligamentos intracapsulares e extrasinoviais do
joelho. É o ligamento que se insere na depressão localizada adiante
da eminência intercondilar da tíbia, ligando com a extremidade
anterior do menisco lateral; deslocando-se para trás e lateralmente,
fixando-se na parte posterior da face medial do côndilo lateral do
fêmur. Lesões de LCA são mais frequentes em jovens esportistas,
em especial do sexo masculino. A principal causa é quando há
uma hiperextensão com estresse forçando uma rotação lateral,
determinando uma frouxidão ligamentar gerando instabilidade no
joelho.
Em um estudo de Peccin et al., (2010) registraram 17.397
pacientes, sendo que, 6.434 pacientes (37%) com lesões no joelho.
Dessa amostra, 45,4% dos casos com lesão do LCA, e apenas 1,1%
dos casos com lesão combinada dos ligamentos cruzados.
Em razão da grande incidência de acometimentos de lesões
ligamentares e meniscais, uma rápida intervenção fisioterapêutica
e com qualidade se faz necessário, visto que postergar esses
comprometimentos podem afetar nas atividades diárias e esportivas
desses indivíduos. É importante ressaltar que o trabalho conjunto
entre a equipe cirúrgica e fisioterapeutas e demais membros da
equipe multidisciplinar é de suma importância para a qualidade da
reabilitação.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 89

Conclusões

Dessa forma conclui-se que, na busca de informações


decorrente desta pesquisa foi notória verificação de maior incidência
de lesões no ligamento cruzado anterior, seguida pela lesão de
ligamento cruzado posterior, e por fim das lesões meniscais.

Referências Bibliográficas

BARBOSA, S. L. P. de L; MEJIA, D.P.M  . Atuação do


fisioterapeuta na reabilitação pós-cirúrgica da artroplastia
total de joelho. 2014. 11 f. Monografia (Especialização) - Curso de
Fis, Biocursos, Vieiralves - Manaus/am, 2014.

SILVA, A. C. da; SILVA, N. G. da. ANÁLISE DA DEFORMIDADE


ARTICULAR DE JOELHO MAIS FREQÜENTE EM
PACIENTES PORTADORES DE GONARTROSE ATRAVÉS
DA MENSURAÇÃO DO ÂNGULO QUADRICIPITAL.2007. 56
f. TCC (Graduação) - Curso de Fisioterapia, Centro Universitário
Católico Salesiano Auxilium, Lins-sp, 2007.

SILVA, K. N. Gomes da et al. Reabilitação pós-operatória dos


ligamentos cruzado anterior e posterior: estudo de caso.  Acta
Ortopédica Brasileira, [s.l.], v. 18, n. 3, p.166-169, 2010.
FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s1413-
78522010000300010.

MELO, F. de S; MEJIA, D.P.M.  REABILITAÇÃO NA LESÃO


DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR: Da anatomia ao
tratamento.  2014. 13 f. Monografia (Especialização) - Curso de
Fisioterapia, Biocursos, Vieiralves - Manaus, 2014.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


90 ANAIS X SIMPAC

BAVARESCO, F. L.  EVOLUÇÃO DE UM PACIENTE


SUBMETIDO À MENISCECTOMIA PARCIAL: ESTUDO
DE CASO. 2003. 45 f. TCC (Graduação) - Curso de Fisioterapia,
Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus Cascavel,
Cascavel - Paraná, 2003.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 91

VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA


PRECIPITAÇÃO NO NORTE DA AMAZÔNIA: UMA
ANÁLISE CRONOLÓGICA

Alisson Lopes Rodrigues1, Pedro Manuel Villa2, Alice Cristina


Rodrigues3, Benito Gonzáles, Rafles Anselmo da Mata4

Resumo: A região amazônica desempenha um papel fundamental


no balanço hídrico global; no entanto, atualmente diferentes
processos hidrológicos são fortemente alterados devido aos efeitos
das mudanças climáticas. Neste estudo Objetivou-se avaliar a
variabilidade espacial e temporal da precipitação no norte da região
Amazônica. Usaram-se dados diários de precipitação para um
período de 12 anos (2000-2011) de 10 estações climáticas distribuídas
em diferentes municípios do estado Amazonas, Venezuela. Em geral
se observaram diferenças significativas entre os valores médios
de precipitação mensal quando se compararam localidades. Foi
possível estratificar três grupos homogêneos de precipitação em
relação à distribuição interanual por localidades com diferenças
significativas. Desta forma, observamos como tendência geral que
os valores médios mais altos de precipitação de todas as localidades
ocorreram durante o ano de 2009, enquanto que ano de 2003
apresentou os valores mais baixos. Nosso estudo deixa em evidencia
que as tendências de Mann-Kendall foram relativamente constantes
na maioria dos locais; porém em alguns locais observamos uma
marcada tendência negativa. Nosso resultado reforçam as evidencias
de que a variabilidade temporal e espacial das chuvas na Amazônia
depende das respostas atmosféricas do El Niño-Oscilação Sul e à
1
Graduando em Engenharia ambiental - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. Fundación para la Conservación de la
Biodiversidad (PROBIODIVERSA), e-mail: alisson.rodrigues@probiodiversa.com
2
Universidade Federal de Viçosa - Estudante de doutorado, e-mail: pedro.villa@ufv.br
3
Universidade Federal de Viçosa - Estudante de mestrado, e-mail: alice.cristina@ufv.br
4
Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde. Professor em Engenharia ambiental, FAVIÇOSA/
UNIVIÇOSA. e-mail: rafles.mata@hotmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


92 ANAIS X SIMPAC

temperatura da superfície do mar no Atlântico Norte tropical. Existe


uma marcada variabilidade especial e temporal da precipitação no
norte da região Amazônica.

Palavras chave: ENSO, Mann-Kendall, mudança climática.

Introdução

A região amazônica desempenha um papel fundamental


no balanço hídrico global (Debortoli et al. 2015), por ser uma das
regiões que apresenta áreas com elevada precipitação e por possuir
papel preponderante nas taxas de evapotranspiração devido à vasta
floresta tropical úmida (Marengo e Espinoza, 2015). No entanto,
atualmente diferentes padrões e processos hidrológicos na Amazônia
são fortemente alterados devido aos efeitos das mudanças no uso
da terra, e mudanças climáticas regionais e globais (Alves et al.
2017). Por esta razão, a análise espaço-temporal da precipitação é
essencial para a avaliação dos impactos das mudanças climáticas,
especialmente através da análise de cenários futuros para a gestão
de recursos hídricos e planejamento de uso sustentável na Amazônia.
Nesse contexto, nos propusemos avaliar pela primeira vez os padrões
de precipitação no norte da bacia Amazônica, utilizando dados de
estações locais no norte da região Amazonas.

Material e Métodos

Foram compilados e analisados dados diários de precipitação


para um período de 12 anos (2000-2011) de 10 estações climáticas
distribuídas em diferentes municípios do estado Amazonas,
Venezuela. Os dados foram fornecidos pelo departamento de
hidrologia do Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais
do estado do Amazonas, Venezuela. As estações climáticas foram
estabelecidas nos seguintes locais: Puerto Ayacucho (PA), Limon
de Parhueña (LP), Gavilán (G, Município Átures), San Juan
de Manapiare (SJM, Município Manapiare), San Fernando de
Atabapo (SFA, Município Atabapo), San Carlos de Río Negro
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 93

(SCRN, Município Rio Negro), Yavita (Y, Município Maroa), Tama-


Tama (TT), La Esmeralda (LE) y Santa María de Los Guaica
(SMG, Município Alto Orinoco). Esses dados foram tabulados para
calcular a precipitação mensal e anual das respectivas estações
meteorológicas.
As estruturas temporais e espaciais da variabilidade
interanual das chuvas foram avaliadas utilizando uma análise de
componente principal (ACP) com matriz de correlação e técnicas de
agrupamento (Espinoza et al. 2009). A ACP permite identificar as
flutuações nos padrões espaciais através dos vetores próprios, que
ao serem extraídos sucessivamente explicam a maior quantidade
de variância remanescente dos dados, e cada vetor próprio, por
sua vez, está associado a uma série de coeficientes que descrevem
a evolução temporal de seu respectivo padrão espacial. O critério
para a identificação de grupos homogéneos consiste em diferenciar
as estações que obedecem a padrões comuns de precipitação
em função das diferenças entre os períodos de menor e maior
precipitação, ocorrência de extremos de precipitação e quantidade
de milímetros de chuva nos meses explicados pelos eixos ACP1 e
ACP2. Finalmente, esses grupos homogêneos são representados
com uma escala proporcional de similaridade (Espinoza et al. 2009).
Posteriormente, realizamos uma análise multivariada de variância
não-paramétrica (Permanova de uma via) para verificar diferenças
entre grupos de tamanhos definidos. Desenvolvemos a ACP usando
o pacote “factoextra” no programa R (R Studio Team, 2016).

Resultados e Discussão

Em geral se observaram diferenças significativas (F1,138 =


12.34; p < 0.001) entre os valores médios de precipitação mensal
(2000-2011) quando se compararam localidades (Figura 3). A
análise de componentes principais de correlação indica que os três
primeiros componentes permitiram explicar a maior variância
(82.54 %) da estrutura de dados, considerando as médias anuais
de precipitação entre as localidades analisadas. Com tudo, ainda

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


94 ANAIS X SIMPAC

foi possível estratificar três grupos homogêneos de precipitação em


relação à distribuição interanual por localidades com diferenças
significativas (Permanova, F11,132 = 1.48, p < 0.001, Figura 5). Desta
forma, observamos como tendência geral que os valores médios mais
altos de precipitação de todas as localidades ocorreram durante o
ano de 2009, enquanto que ano de 2003 apresentou os valores mais
baixos.

Figura 1 – Precipitação média anual (esquerda), clasificação de


grupos homogêneos de precipitação (direita)

Nosso estudo mostrou que existem diferenças


significativas entre os valores médios de precipitação mensal
quando se compararam localidades. No entanto, as médias anuais
de precipitação não apresentam diferenças significativas. Nós
presumimos que na escala anual perde os efeitos de sazonalidade,
e com reduzida influência das oscilações mensais que modulam os
sistemas que influenciam as precipitações (frequência, intensidade,
durabilidade) condicionadas pelo tipo de clima de cada localidade.
Portanto, os regimes de chuva em termos de totais anuais são muitos
similares entre localidades. Esta tendência de precipitação é similar
à reportada para a região noroccidental da Amazônia como mais de
2800 mm ano-1, com precipitações relativamente constantes durante
todo o ano (Debortoli et al. 2015). Quando analisamos as médias
anuais de precipitação entre os locais com dados meteorológicos de
superfície, não se observam diferenças significativas.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 95

matriztimeseries

700
800

400
400

tt
y

100
800
0

600
sjm

sfa
400

200
0

800
scrn
400

400
lp
100
200 400 600

600 0
smg

g
200
8000
5000

pa
400
le
200

0
0

2000 2004 2008 2012 2000 2004 2008 2012

Time Time

Figura 2 – Variabilidade interanual de precipitação

A variabilidade temporal e espacial das chuvas na Amazônia


depende das respostas atmosféricas às oscilações El Niño-Oscilação
Sul e à temperatura da superfície do mar no Atlântico Norte tropical,
corroborado em outros estudos (Marengo et al. 2015). . Nosso
estudo deixa em evidencia que as tendências de Mann-Kendall
foram relativamente constantes na maioria dos locais; porém em
alguns locais observamos uma marcada tendência negativa. Este
padrão contrastante pode estar relacionado a mudanças em uma
escala local; no entanto, as mudanças sazonais (mensais) não foram
seguidas por mudanças relevantes na análise anual, conforme
observado no teste anual de Mann-Kendall. Em outro estudo,
identificaram da mesma forma um componente de sazonalidade
mais forte devido a uma duradoura estação menos chuvosa no sul
da Amazônia (Debortoli et al. 2015).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


96 ANAIS X SIMPAC

Conclusões

Foram distinguidos três grupos homogêneos de precipitação,


quando as localidades são separadas por médias anuais, bem como
por médias de precipitação entre os anos, tratando de buscar um
padrão comum de precipitação dentro de cada um deles. O teste
de Mann-Kendall indicou uma redução significativa na duração da
estação chuvosa entre 2000 e 2011 nesta região da Amazônia. Existe
uma marcada variabilidade especial e temporal da precipitação no
norte da região Amazônica

Referências Bibliográficas

ALVES L. M, Jose A. Marengo, Rong Fu, Rodrigo J. Bombardi. 2017.


Sensitivity of Amazon Regional Climate to deforestation. American
Journal of Climate Change, 2017, 6, 75-98

DEBORTOLI, N.S; DUBREUIL, V;FUNATSU, B; DELAHAYE, F.,


Henke de Oliveira, C., Rodrigues Filho, S., Hiroo Saito, C., Fetter,
R., 2015. Rainfall patterns in the Southern Amazon: a chronological
perspective (1971–2010), Climatic Change, 132, pp 251-264.

ESPINOZA J.C; RONCHAIL J; GUYOT JL; COCHONNEAU G;


NAZIANO F; LAVADO W, De Oliveira E, POMBOSA R; VAUCHEL
P. 2009. Spatio-temporal rainfall variability in the Amazon basin
countries (Brasil, Peru, Bolivia, Colombia, and Ecuador). Int. J.
Climatol. 29: 1574–1594.

MARENGO, J.A. and Espinoza, J.C. 2015. Extreme Seasonal


Droughts and Floods in Amazonia: Causes, Trends and Impacts.
International Journal of Climatology, 36, 1033-1050.

R Core Team. 2015. R: A language and environment for statistical


computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna,
Austria. ISBN 3-900051-07-0, URL <http://www.R-project.org>

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 97

A TEORIA DA PONDERAÇÃO DE PRINCÍPIOS


E O ATIVISMO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO
POSSÍVEL DESVIRTUAMENTO DO PRINCÍPIO DA
PROPORCIONALIDADE PELO STF

Amanda Santos Dias1, Renata Silva Gomes2

Resumo: O presente trabalho versa acerca do protagonismo


judicial que tem permeado as decisões proferidas pelos magistrados
do Supremo Tribunal Federal, deliberações estas que traçam novos
contornos as opções políticas dos demais poderes, como a questão
da permissão ao aborto voluntário até o terceiro mês de gestação
levantada pelo ministro Luis Roberto Barroso em seu voto-vista no
Habeas Corpus 124.306. Desta forma, analisou-se a metodologia
usada pelo ministro do STF ao justificar seu voto-vista com base na
Teoria da Ponderação de Princípios, de Robert Alexy, com o objetivo
de avaliar se a referida Teoria foi estruturada de forma correta ou se
foi apenas um topos para fundamentar sua decisão.

Palavras–chave: Aborto; HC 124.306; Luis Roberto Barroso;


Robert Alexy; Teoria da Ponderação de Princípios.

Introdução

A normatização dos direitos fundamentais pela Constituição


brasileira trouxe para o ordenamento jurídico uma interlocução
entre o Direito, moral, política e princípios básicos da dignidade do
ser humano, tornando o texto constitucional a norma máxima do
país. (ÁVILA, 2005)
Na busca de convivência harmônica dos princípios dentro do
1
Graduanda em Direito – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: amandasantosdias@hotmail.com
2
Doutoranda e Mestre em Teoria do Direito pela PUC MINAS, Professora da FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA.
E-mail renatagomesegomes@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


98 ANAIS X SIMPAC

ordenamento jurídico, a corrente doutrinária majoritária do país,


assim como o Supremo Tribunal Federal, adotou, como forma de
resolução dos conflitos, a Teoria da Ponderação de Princípios do
jurista alemão Robert Alexy (1997). A referida teoria consiste na
aplicação da proporcionalidade, que estabelece o peso relativo de
cada um dos direitos fundamentais por meio da aplicação das suas
sub-regras, quais sejam: a adequação (isto é, apto a fomentar o
resultado desejado), necessidade (isto é, insubstituível por outro
meio menos gravoso e igualmente eficaz) e proporcionalidade em
sentido estrito (ou seja, se estabelece uma relação ponderada entre o
grau de restrição de um princípio e o grau de realização do princípio
contraposto). (ÁVILA, 2005)
Entretanto, o uso indistinto dessa máxima, sem a utilização
correta dos critérios elaborados por Alexy, pode gerar decisões
arbitrárias, em que há a substituição dos juízos morais e políticos
pelo do próprio magistrado, corroborando com o fenômeno conhecido
por ativismo judicial. Esse fenômeno compromete a legitimidade
democrática, já que membros do Poder Judiciário exercem certo
poder político, sem terem sido eleitos para tanto. (BARROSO,
2016). Logo, far-se-á a análise do posicionamento do ministro Luis
Roberto Barroso no HC 124.306 RJ, em que foi discutida a questão
da inconstitucionalidade de parte do artigo 124 do Código Penal, por
não ser este um método eficaz para que se alcance o fim pretendido
que é proteger a vida.

Material e Métodos

A pesquisa será realiza através de revisão jurídico-teórica com


a análise de artigos e doutrinas em comparação com o caso concreto no
voto-vista de Luis Roberto Barroso em decisão no HC 124.306. Assim,
analisou-se se o princípio da proporcionalidade foi utilizado apenas
como um argumento retórico para que o magistrado embasasse sua
decisão, ou se, de fato, Barroso o empregou conforme os critérios

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 99

determinados por Alexy em sua teoria. Desta forma realizou-se


um estudo crítico da literatura respeitada nesta questão, fazendo
um comparativo com os argumentos utilizados pelo magistrado na
discussão de cada sub-regra da proporcionalidade para que possa
ver ou uma possível invasão da competência do poder legislativo
pelo poder judiciário.

Resultados e Discussão

O ativismo judicial é um fenômeno jurídico recente


caracterizado por uma postura proativa do Judiciário, em especial do
Supremo Tribunal Federal, em que o magistrado escolhe interpretar
a lei a partir dos princípios consagrados constitucionalmente, em
detrimento da letra fria da Lei, determinando, assim, as políticas
públicas que devem ser seguidas pelos demais Poderes, como se
fosse um legislador ordinário.
Na questão estudada, Luis Roberto Barroso, em seu voto-vista,
alega que parte do artigo 124 do Código Penal é inconstitucional por
violar os direitos fundamentais da mulher (sexuais, reprodutivos,
psíquicos, igualdade), o polo fraco desta relação, com o fim de
resguardar os direitos fundamentais de uma “vida” intrauterina com
apenas expectativa de vida, sendo este completamente dependente
da mãe.
O magistrado afirmou em seu voto que a tipificação penal do
aborto viola o princípio da pelos seguintes motivos: (i) ela constitui
medida de duvidosa adequação para proteger o bem jurídico que
pretende tutelar (vida do nascituro), por não produzir impacto
relevante sobre o número de abortos praticados no país, apenas
impedindo que sejam feitos de modo seguro; (ii) é possível que o Estado
evite a ocorrência de abortos por meios mais eficazes e menos lesivos
do que a criminalização, tais como educação sexual, distribuição de
contraceptivos e amparo à mulher que deseja ter o filho, mas se
encontra em condições adversas; (iii) a medida é desproporcional

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


100 ANAIS X SIMPAC

em sentido estrito, por gerar custos sociais (problemas de saúde


pública e mortes) superiores aos seus benefícios.
Ocorre que, a máxima da proporcionalidade — subdividida
em três submáximas parciais —, como é apresentada no voto, é
realizada de forma inadequada e inapropriada (STRECK, 2016).
A adequação é o meio utilizado para se fomentar o objetivo do
princípio. Segundo Virgílio Afonso da Silva, um meio só pode ser
considerado inadequado quando sua utilização em nada contribui
para fomentar o objetivo pretendido. Assim, Barroso ao afirmar
que a criminalizar o aborto não contribuí para a proteção da vida
intrauterina, pois a quantidade de números de abortos não é
reduzida frente à criminalização, está apenas utilizando-se de um
argumento retórico para embasar seu posicionamento, tendo em
vista que não há dados concretos acerca da diminuição do número
de abortos caso ocorresse à descriminalização e principalmente que,
segundo Streck, não se mede a adequação por meio da sua eficácia
social, pois, do contrário, a eficácia da norma jurídica ficaria a
mercê de variáveis aleatórias. Além disso, para se indagar acerca
da adequação de um determinado meio para se alcançar um fim, no
caso, a preservação da vida uterina, deve-se pesquisar por vários
meios para que, ao final, chegue-se a conclusão de qual é o mais
adequado e qual é o inadequado.
Na máxima da necessidade, deve-se perquirir por um meio
de interfira com menor intensidade nos outros princípios presentes
naquela colisão. Barroso afirmou que é possível que o Estado evite
a ocorrência de abortos por meios mais eficazes e menos lesivos
do que a criminalização, tais como educação sexual, distribuição
de contraceptivos e amparo à mulher que deseja ter o filho, mas
se encontra em condições adversas. Para Virgílio Afonso, deve-se,
para verificar a necessidade da criminalizar, buscar outros meios
alternativos que satisfaçam essa condição. Assim, para verificar
que estes meios alternativos são mais eficazes que a criminalização,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 101

Barroso, além de não se basear em qualquer estudo, afronta o


princípio da justeza ou da conformidade funcional, impondo-se como
um legislador positivo ao sugerir diversas políticas públicas que
devem ser implementadas pelo Poder Público, o que é vedado na
Constituição da República pelo princípio da separação de poderes.
Por fim, ao analisar se a medida de tipificação do aborto é
proporcional em sentido estrito, ou seja, para que uma medida seja
reprovada no teste da proporcionalidade em sentido estrito, basta
que os motivos que fundamentam a adoção da medida não tenham
peso suficiente para justificar a restrição ao direito fundamental
atingido (SILVA, 2002, p. 42). Barroso, em seu voto, afirmou que
“[...] em relação à proporcionalidade em sentido estrito, é preciso
verificar se as restrições aos direitos fundamentais das mulheres
decorrentes da criminalização são ou não compensadas pela proteção
à vida do feto.” Aqui, o ministro determina, com base em princípios
abstratos, que os direitos da mulher devem superar o direito básico
que protege a vida do nascituro. Ainda, o ministro defende que não
é proporcional que mulheres pobres, por não dispor de recursos
financeiros, sofram mais com a criminalização do aborto, por não
terem acesso à clínicas e médicos particulares em contraposto às
mulheres com melhores condições financeiras, que possuem recursos
para praticar “este crime” de maneira segura, com bons médicos
e dentro de ambientes salubres. No entanto, Barroso equivoca-se
ao fundamentar que não é proporcional em sentido estrito vedar o
aborto até o terceiro mês, pois, aqui, o núcleo essencial é a proteção a
vida e de que outra forma a vida seria protegida se não vedando a sua
interrupção? Ainda, mesmo com esta posição ativista do Judiciário,
de qualquer forma, as mulheres pobres que desejam praticar o
aborto continuariam marginalizadas. Primeiro, pois, mesmo que
ocorra a descriminalização, estas mulheres não seriam atendidas
de forma eficaz pelo sistema publico de saúde, tendo em vista que
o SUS não oferece um atendimento rápido a quem necessita dele.
E, esta demanda não é mais importante que consultas e exames
para que sejam passadas à frente das demais. Além disso, haveria
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
102 ANAIS X SIMPAC

um prazo decadencial para a pratica do aborto de três meses de


gestação, tempo exíguo demais para ser atendido pela rede pública
que é super lotada. Ainda, a base da lei da ponderação de Alexy é
justamente a ponderação entre princípios fundamentais que colidem
no caso concreto. Ora, em um Estado Democrático de Direito o bem
mais valioso a ser salvaguardado é a vida de seus cidadãos, tendo,
assim, um status de princípio supralegal no ordenamento pátrio.

Conclusão

O critério da proporcionalidade é, no Brasil, caracterizada por


certa imprecisão e sincretismo. Em geral, o método é reduzido a
um mero exame de razoabilidade, que em nada tem relação com
o princípio da proporcionalidade. É preciso denotar, portanto,
que a aplicação da Teoria da Ponderação, tomada no contexto do
princípio da proporcionalidade, não é utilizada conforme os critérios
determinados por Alexy em Teoria dos Direitos Fundamentais.
Anote-se essa conclusão a partir do voto-vista proferido pelo ministro
Luis Roberto Barroso no HC 124.306, em que é possível perceber a
dimensão do ativismo judicial no Supremo Tribunal Federal devido
à imposição da concepção política-ideológica do ministro no momento
de seu voto, que foi estruturado utilizando-se a teoria alexyana
de uma forma muito simplificada, impondo uma única resposta
a colisão de princípios que ocorre a partir do questionamento da
inconstitucionalidade do crime de aborto. Barroso empregou as
três submáximas da proporcionalidade de maneira rasa, não se
propondo a exarar as proposições da adequação, necessidade e
proporcionalidade em sentido estrito, ainda mais em um contexto
em que era sopesamento o direito à vida de um nascituro. Assim,
para uma efetiva proteção aos direitos reprodutivos e sexuais da
mulher sem colidir com o direito à vida do nascituro, não basta
apenas à descriminalização do aborto, mas sim um conjunto de
ações que passam pela conscientização de métodos para se evitar a

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 103

gravidez indesejada, o planejamento familiar, entre outros, para que


este crime seja evitado, vidas sejam protegidas e, principalmente,
o Judiciário não tome uma posição ativista, impondo, assim, a
concepção de magistrados quanto a assuntos que são previamente
definidos na Constituição da República como de dever do legislador
ordinário.

Referências Bibliográficas

ALEXY, R. Teoria de los derechos fundamentales.


Tradução Ernesto Garzón Valdés. Madrid: Centro de Estudios
Constitucionales, 1997.

ÁVILA, H. Teoria dos princípios: da definição à aplicação dos


princípios. 4ª Ed. São Paulo: Malheiros, 2005.

BARROSO, L. R. Judicialização, ativismo judicial e


legitimidade democrática. Disponível em: <http://www.
direitofranca.br/direitonovo/FKCEimagens/file/ArtigoBarroso_
para_Selecao.pdf>.Acesso em:06 jun 2016.

SILVA, V. A. O proporcional e o razoável. Revista dos Tribunais


798, p. 23-50. 2002.

SILVEIRA, V. L. M. Ponderação e proporcionalidade no direito


brasileiro. Disponível em: <http://www.publicadireito.com.br/
artigos/?cod=6f4b7fd3eea0af87> Acesso em: 10 jun 2016.

STRECK, L. L. Aborto — a recepção equivocada da ponderação


alexyana pelo STF. Disponível em: <https://www.conjur.com.
br/2016-dez-11/aborto-recepcao-equivocada-ponderacao-alexyana-
stf#sdfootnote7sym> Acesso em: 10 dez 2017.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


104 ANAIS X SIMPAC

INSTRUMENTAÇÃO E MONITORAMENTO PARA


ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DO ATERRO DE
IMPLANTAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE
ARAPONGA-MG

Ana Carolina Dias Baêsso1, Eduardo Souza Cândido2, Enivaldo


Minette3, Marcelo Soares Minette4, Gustavo Armando dos Santos5

Resumo: No cenário atual da engenharia de fundações e a


partir das análises de evolução dos recalques e suas patologias o
fenômeno ganha cada vez mais destaque e espaço em discussões
e problemáticas envolvendo construções. Típico ao descrito, a
Prefeitura Municipal de Araponga/MG ao detectar patologias em
obras públicas construídas em regiões aterradas, verificou-se a
necessidade de monitoramento do maciço de fundações através do
acompanhamento por meio de instrumentos de medição de níveis
d’água e deslocamentos horizontais. Nesse sentido, o objetivo deste
trabalho consiste em apresentar os resultados do monitoramento do
maciço das fundações através da instrumentação instaladas nas
regiões da Unidade Básica de Saúde (UBS), do Centro de Referência
de Assistência Social (CRAS) e da Creche do município de Araponga.
Os referidos monitoramentos das instrumentações foram efetuados
periodicamente, em pontos pré-definidos das sondagens tipo SPT.
Executaram-se quatro pontos de monitoramentos do nível d’água e
de deslocamentos, com acompanhamento ao longo de cinco meses.
A partir das análises da evolução dos recalques com o tempo, e da
variação das poropressões, observou-se um deslocamento do maciço

1
Graduanda em Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: aninhabaesso@hotmail.com
2
Professor do curso de Engenharia Civil - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA e doutorando em Geotecnia pela
Universidade Federal de Viçosa. E-mail: eduardo.candido@outlook.com.br
3
Engenheiro Civil, Doutor em Geotecnia - Professor da Universidade Federal de Viçosa. E-mail:
eminette@ufv.br
4
Engenheiro Civil – Graduado pela Universidade Federal de Viçosa. E-mail: marcelosoaresminette@
gmail.com
5
Graduando em Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: gustavocarvalho50@yahoo.com.
br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 105

de fundação das edificações públicas de Araponga, implicando no


comprometimento das edificações, atentando-se para uma solução
geotécnica urgente no local. O desenvolvimento deste estudo foi
substancial para alicerçar as pesquisas efetuadas no local, bem
como a descrição da situação atual do maciço e efetuar uma proposta
de intervenção através de contenção com estacas escavadas para
estabilização.

Palavras–chave: Instrumentação e monitoramento, marco
geodésico, condições de aterro.

Introdução

No cenário atual da engenharia de fundações e a partir das


análises de movimentação do solo e suas patologias com o tempo, os
recalques ganham cada vez mais destaque e espaço em discussões
e problemáticas envolvendo as construções. Atrelado ao fator
de necessidade da sociedade de ocupação do território como um
verdadeiro agente de modificação da topografia natural do terreno,
o uso de aterros compactados aplicados pela engenharia geotécnica
tem sido um recurso muito utilizado em regiões acidentadas,
CASTANHO (2014). Típico ao descrito, a Prefeitura Municipal de
Araponga/MG ao detectar patologias em obras públicas construídas
em regiões aterradas, verificou a necessidade de monitoramento do
maciço de fundações. A previsão dos eventos de instabilização e o
acompanhamento do comportamento, através de instrumentos de
medição de níveis d’água e deslocamentos horizontais, tornam-se
imprescindíveis nestes casos.
Nesse sentido, o objetivo deste trabalho consiste em apresentar
os resultados do monitoramento do maciço das fundações através da
instrumentação, marcos topográficos e medidores de nível d’água
instalados nas regiões da Unidade Básica de Saúde (UBS), do
Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e da Creche do
município de Araponga. Os monitoramentos subsidiarão as ações e
decisões da Prefeitura Municipal, assim como informarão aos órgãos
financiadores das obras o comportamento do maciço de fundação.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


106 ANAIS X SIMPAC

Material e Métodos

Os referidos monitoramentos das instrumentações foram


efetuados periodicamente (Figura 1), conforme planejamento, por
meio de medição de níveis de água no subsolo, quando ocorreu a
sua presença. Tais medições ocorreram em pontos pré-definidos das
sondagens tipo SPT, na área de implantação das unidades da UBS,
CRAS e da Creche. A medição de deslocamentos foi feita por meio de
topografia de precisão (nas três direções X, Y e Z) com equipamentos
do tipo marcos topográficos (Figura 2) ou de recalques. Os marcos
topográficos foram relacionados a um marco fixo, denominado de
referência, ou tecnicamente denominado de Benchmark. Para
análise e interpretação periódica consoante aos dados monitorados
dos medidores de nível d´água e dos marcos superficiais de
deslocamentos foi necessária a preparação da área para receber os
equipamentos e execução de quatro pontos de monitoramentos do
nível d’água com profundidades médias de 15 metros cada, por meio
da instalação dos piezômetros em furos de sondagens a percussão
- tipo SPT, conforme mapa de localização das sondagens, e de
deslocamentos (Figura 3), de acordo com a orientação técnica de
implantação.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 107

Resultados e Discussão
O rebaixamento do nível de água (N.A.) monitorado entre
as leituras dos piezômetros, conforme mostrado na tabela 2 indica
a influência do referido N.A. no comportamento do maciço de
implantação das unidades da UBS, CRAS e CRECHE, no município
de Araponga – MG e os deslocamentos monitorados nas direções
horizontal (Norte-N e Leste-E) e vertical (Recalque – Z) estão na
ordem de grandeza milimétrica, conforme mostrados na Tabela
1. Todos eles retratam a adequação do aterro executado sobre
a topografia anterior que existia antes da execução do aterro.
Assim, essas adequações indicam que existem efeitos de diferentes
carregamentos tanto do aterro efetuado quanto da construção da
própria Creche sobre esse aterro, mostrando que estes marcos
topográficos superficiais estão registrando essa superposição de
efeitos, apesar de serem de valores de ordem milimétrica.

Tabela 1- Valores dos monitoramentos dos deslocamentos


no sentido Leste – “E”, Norte – “N” e Recalque Vertical -
“Z” dos marcos topográficos na área de implantação das
unidades da UBS, CRAS e CRECHE, no município de
Araponga – MG, conforme figura 2 e localizados conforme
figura 3.
LEVANTAMENTO LEVANTAMENTO
DADOS
21-12-2017 24-01-2018
DIF DIF
PONTO DIF(N) DIF(Z) DIF(N) DIF(Z)
(E) (E)
M0 -0,0019 -0,0035 0,004 0,0007 0,001 -0,004
ESTAÇÃO 0 0 0 0 0 0
M6 -0,0012 0,002 0,004 0,0012 0,0031 -0,005
M5 0,0008 -0,0006 -0,003 0,0044 -0,0039 -0,006
M4 -0,0013 0,0033 0 0,0088 -0,0068 -0,006
M2 -0,0016 -0,0066 -0,001 0,0039 0,0076 -0,003

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


108 ANAIS X SIMPAC

Tabela 2- Dados das leituras do nível d’água


DADOS LEVANTAMENTO LEVANTAMENTO LEVANTAMENTO
PONTO 21-07-2017 08-11-2017 24-01-2018

28 m do marco M06 28 m do marco M06 28 m do marco M06


M0
24 m da quina da 24 m da quina da 24 m da quina da
Creche Creche Creche
M6 3,46 3,79 3,79

M5 9,02 9,37 8,59

M4 8,72 m (SECO ) 8,76 m (SECO) 8,76 m (SECO)

M2 7,04 m (SECO ) 7,06 m (SECO ) 7,06 m (SECO )

Conclusões

O desenvolvimento deste estudo foi substancial para alicerçar


as pesquisas efetuadas no local, principalmente com a finalidade de
reconhecimento da rede geodésica presente na região, bem como a
descrição da situação atual dos mesmos.
Ao analisar a situação atual do maciço, propôs-se a realização
de uma contenção com estacas escavadas de aproximadamente 7,90
metros (de acordo com análise dos resultados do ensaio SPT) de
profundidade ao longo da seção lateral à creche, com o objetivo de
estabilização caso a oscilação do nível d’água conforme registrado
nos levantamentos, causem erosão no pé do aterro e agrave o
deslocamento e comprometimento da estabilidade do maciço de
fundação.
Neste contexto, espera-se que a prefeitura haja de maneira
conjunta com engenheiros civis-geotécnicos para recuperação das
edificações e estabilização da área evitando o deslizamento total do
maciço, podendo causar danos irreparáveis à população residente
no local.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 109

Agradecimentos

Agradeço ao Prof. Dr. Enivaldo Minette pelo apoio, dedicação


e incentivo na realização deste trabalho e ao Prof. Msc. Eduardo
Souza Cândido pela instigação de sempre.

Referências Bibliográficas

CASTANHO. R.B. et.al. A situação dos marcos da Rede Geodésica


brasileira no município de Gurinhatã – MG. IN: Brazilian
Geographical Journal: Geosciences and Humanities research
medium, Ituiutaba, v. 5, n. 2, p. 657-677, jul./dec. 2014.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


110 ANAIS X SIMPAC

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE APLICADA DO


COMPORTAMENTO NO DIAGNÓSTICO DE DISLEXIA

Ana Caroline de Souza Cassini1, Ana Paula Cornélio da Costa2,


Raquel Lopes de Freitas3, Sérgio Domingues4

Resumo: Este trabalho tem por finalidade apresentar os


conceitos desenvolvidos pela análise aplicada do comportamento,
fundamentada no Behaviorismo Radical, e analisar como eles
explicam os processos de aprendizagem em um estudo de caso
envolvendo uma criança de 8 anos, previamente diagnosticada como
disléxica, por uma equipe de múltiplos profissionais, envolvendo
profissionais da área da pedagogia, psicologia, fonoaudiologia e
neurologia. Este relato está fundamentado na revisão de literatura
sobre análise aplicada do comportamento e aprendizagem do
comportamento de leitura e escrita. A segunda etapa consistiu na
observação participativa, a qual ocorreu a partir da interação com
educadores e pais da criança. Percebeu-se que a relação da criança
com os pais influencia diretamente em seus comportamentos em
casa e na escola, especialmente os relacionados as dificuldades de
leitura e escrita. Com este estudo fica evidente a importância de uma
equipe multidisciplinar e uma relação familiar reforçadora para o
desenvolvimento e o processo de aprendizagem de uma criança tais
comportamentos.

Palavras–chave: Análise, comportamento, contingências, Dislexia

1
Graduando em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: cassinicaroline29@gmail.com
2
Graduando em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: acorneliocosta@yahoo.com.br
3
Graduando em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: raquel.freitas@ufv.br
4
Docente - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: sdufmg@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 111

Introdução

O presente relato de caso se origina de um trabalho


desenvolvido no âmbito da disciplina Análise Aplicada do
Comportamento do curso de Psicologia da UNIVIÇOSA. Nesta
disciplina foi abordado o comportamento verbal, campo de estudos
de grande importância para a Análise do Comportamento (AC) e do
Behaviorismo Radical (BR). A partir do estudo sobre comportamento
verbal, e dos diferentes operantes verbais iniciamos um trabalho de
observação visando conhecer as possíveis aplicações desse arcabouço
conceitual para a aquisição dos processos comportamentais de leitura
e escrita. A partir da revisão de pesquisas sobre comportamento
verbal e suas implicações para a educação, buscamos compreender
as possíveis contribuições da AC/BR na compreensão da dislexia.
De acordo com Silva (2009), “dislexia é uma dificuldade de
aprendizagem caracterizada por problema na linguagem receptiva
e expressiva, oral ou escrita. As dificuldades podem aparecer na
leitura e na escrita, soletração e ortografia, fala e compreensão e em
matemática”.
A partir dessa proposição buscamos observar o estudante
Marcos (nome fictício), uma criança de 8 anos que vive com os
pais e a irmã mais nova. Marcos começou a apresentar sintomas
relacionados à dislexia como à troca de letras (b por p, b por d)
dificuldade na leitura e escrita, e agressividade no início do processo
de alfabetização, que se deu em uma escola pública do município de
Viçosa. Buscamos analisar as contingências – o contexto – em que a
criança estava, ou seja, entender a função destes comportamentos.
Algumas questões nortearam essa observação: “Qual a
importância dos conceitos da análise do comportamento para entender
a aprendizagem?”; “Como as contingências reforçadoras e aversivas
influenciam na aquisição e manutenção dos comportamentos da
criança?”. Para responder a estas questões buscou-se no arcabouço
teórico oferecido pela AC/BR formas de compreender o diagnóstico
de dislexia em relação à criança.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


112 ANAIS X SIMPAC

Material e Métodos

O método utilizado foi o da observação participativa, que se


constituiu de entrevistas com os pais e educadores da criança. A
entrevista com os educadores ocorreu na escola em que Marcos foi
alfabetizado – Escola Pública do Município de Viçosa – enquanto
a entrevista com os pais ocorreu no local de trabalho da mãe.
Também foi realizada uma observação da interação da criança com
seus colegas em momento em que eles estavam na educação física
no horário escolar. Procedeu-se, por último, a análise do material
didático utilizado e desenvolvido para menino, de março a outubro
de 2017.
Todo o processo de investigação foi respaldado pela revisão
bibliográfica de livros e artigos que tratassem dos temas AC/BR e
comportamento verbal relacionados ao comportamento de leitura
e escrita, buscando compreender a dislexia. Todo o trabalho foi
realizado de acordo com a norma 466/2012 que trata da pesquisa
envolvendo seres humanos. Foi apresentado Termo de Compromisso
Livre e Esclarecido para menores de 16 anos (TCLE) para os pais.
O protocolo de pesquisa não foi submetido à Plataforma Brasil,
pois ocorreu antes da Carta Circular nº 189/2017/CONEP/CNS/MS,
portanto o protocolo tramitou em papel. Projeto Psicologia e Escola
uma parceria necessária – cadastrado no NUPEX .

Resultados e Discussões

A dislexia é um transtorno da aprendizagem relacionado a


dificuldade na escrita e leitura e podem ser verificadas em crianças
que geralmente estão em idade de alfabetização escolar.
Há uma discussão sobre qual o profissional mais indicado
para que o diagnóstico seja dado e o respectivo tratamento. Os
fonoaudiólogos, por apresentarem um grande envolvimento com a
linguagem e distúrbios da linguagem, são os profissionais que estão

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 113

mais envolvidos no diagnóstico e tratamento, porém a complexidade


que envolve a dislexia não dispensa a importância de se obter uma
equipe multidisciplinar para estes casos.
Atualmente é muito discutido os problemas de se fechar um
diagnóstico precocemente principalmente em relação as crianças, as
quais estão cada vez mais ativas e desenvolvidas. É necessário um
olhar para o indivíduo como um todo, ou seja, analisar suas relações
e contextos familiares, sociais e sobretudo a singularidade de cada
criança. “No tratamento fonoaudiológico é importante conhecer a
criança, seus interesses, suas vivências, suas dificuldades, seus erros
e acertos. É necessário adaptar métodos e técnicas à individualidade
de cada caso, respeitando-se a personalidade do paciente e tratando-o
como um todo, dentro do contexto social e familiar.” (SILVA, 2009,
p. 474)
Analisamos os comportamentos de Marcos em busca de
comportamentos como a dificuldade em aprender a ler e escrever,
alteração de palavras (troca letras com b por p) e pronuncia errônea
de palavras, que caracterizassem o diagnóstico de dislexia, e quais
contingências poderiam evocar comportamentos que indicariam
que tais características estariam ligadas ao transtorno.
O histórico nos mostra que, quando a irmã mais nova nasceu,
Marcos tinha completado 4 anos. Foi retirado do seu quarto, o qual
foi cedido à irmã e passou a dormir em outro cômodo da casa que
não era um quarto. Em conversa com a psicóloga que o acompanhou
durante 2 meses, a criança se mostrou sem lugar em sua casa.
Marcos disse à terapeuta que desejava constantemente “socar” a
irmã, pois tinha muita raiva. Além deste aspecto, está presente no
discurso da mãe, a utilização da punição – bater e gritar – como
forma de reprimir comportamentos não desejáveis por ela emitidos
pela criança.
Marcos apresenta dificuldades de relacionamento com a irmã
mais nova, pois precisa ceder seu espaço, e seus objetos para ela.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


114 ANAIS X SIMPAC

Com um ano já frequentava uma creche filantrópica a qual, segundo


relato dos pais, não tinha um projeto pedagógico preocupado com a
aprendizagem de comportamentos relacionados a escola, tais como
discriminar números e letras, cores, etc. Aos seis anos mudou-se para
a escola atual. Teve início nesta escola seu processo de alfabetização,
processo no qual Marcos demonstrou dificuldades, principalmente
em relação a leitura. Juntamente com esta dificuldade a criança
começou a demonstrar também um comportamento agressivo em
relação aos colegas de sala.
A professora orientou os pais a procurem um profissional de
psicologia. Na conversa com a psicóloga a mãe relatou uma sobrecarga
em cima dela em relação às crianças e que perde a paciência inúmeras
vezes e pune Marcos. A partir das observações da professora, Marcos
teve acompanhamento de uma equipe multidisciplinar composta
por psicóloga, neurologista e fonoaudiólogo. Nenhum profissional
chegou a fechar o diagnóstico de dislexia, mas evidenciaram
alterações no comportamento da criança. No tratamento com o
fonoaudiólogo a criança se mostrou interessada em desempenhar
as atividades propostas, e, portanto, melhorou muito a escrita e
também os sons das palavras ao pronunciá-las. Além das atividades
desenvolvidas com Marcos durante as sessões, ela também envia
para a mãe exercícios referentes aos sons das letras para que a
mesma exercite junto com o menino em casa.
Após iniciar o acompanhamento com a equipe
multidisciplinar, a criança apresentou avanço relevante, pois
desenvolveu comportamento de escrita e leitura. Ainda apresenta
dificuldades na leitura de palavras com sílabas complexas como
bicicleta. O operante verbal ditado foi instalado com sucesso em seu
repertório. A professora relata que os comportamentos agressivos
em relação aos colegas melhoraram, mas que o menino não sabe
lidar com frustações, respondendo ainda, com agressividade. Além
disso, a professora teve uma função importante na alfabetização de
Marcos, pois criou um plano individual de atividades extraclasse

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 115

com o intuito de estimular a aquisição de novos comportamentos.


Segundo Hubner (2004) “a constatação de que as práticas escolares
e estratégias pedagógicas são planejadas e implementadas de tal
forma que supõe um repertório de entrada que crianças provindas de
classes desfavorecidas, via-de-regra não apresentam, dificultando ou
impedindo a aquisição da leitura e da escrita”. Assim, observamos
que a professora criou estratégias para favorecer a aquisição da
leitura e da escrita, que eram as principais dificuldades de Marcos.
Para completar, Hubner (2004) diz que “uma abordagem
adequada da aprendizagem da leitura e da escrita deverá envolver,
necessariamente, uma análise da interação entre as características
do objeto a ser conhecido e do sujeito que aprende”.
Percebemos o modo como as contingências sociais, familiares
e ambientais modelam a topografia dos comportamentos da criança.
De acordo com Meyer et. al (1997 apud Barbosa et. al 2009, p.
241) “Pesquisadores que trabalham com a Análise Aplicada do
Comportamento concordam que o contexto social aduz complexidade
à descrição e à análise do comportamento verbal, bem como dos
comportamentos privados e sociais de forma geral”

Conclusão
A análise do comportamento possui uma visão voltada para a
funcionalidade dos comportamentos, e busca compreender o porquê
eles ocorrem, “assume que o comportamento de todos os indivíduos
obedece às mesmas leis funcionais, isto é, o comportamento de pessoas
que apresentam peculiaridades orgânicas ou desenvolvimento
atípico, também não está imune à ação do ambiente” (HUBNER,
2004, p. 309). Dessa forma constatamos a relevância dos conceitos
da disciplina para compreender os processos envolvidos na
aprendizagem da criança.
As contingências modelam os comportamentos, tanto na

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


116 ANAIS X SIMPAC

presença, como na ausência de estímulos, reforços positivos ou


punição, os quais fazem parte do processo da educação. No caso
de Marcos percebemos inicialmente a falta de estímulos em todo
o seu desenvolvimento da aprendizagem, e como isso interfere
neste processo. Portanto, vimos a importância de uma equipe
multidisciplinar, com psicólogo, fonoaudiólogo e a professora para a
evolução da criança na escola e a diminuição das queixas iniciais.

Referências Bibliográficas

BARBOSA R. L; Vanessa, Turini Bolsoni-Silva, Alessandra,


Carrara, Kester, Uma análise comportamentalista de relatos
verbais e práticas educativas parentais: alcance e limites.
Paidéia [en linea] 2009, 19 (Agosto-Sin mes): [Fecha de consulta: 7
de noviembre de 2017] Disponível em :<http://www.redalyc.org/
articulo.oa?id=305423765012> ISSN 0103-863X

HUBNER, M. M. C; MARINOTTI, M. Análise do comportamento


para a Educação: contribuições recentes. 1ª ed. Santo André,
SP. ESETec Editores Associados, 2004. P. 205 – 223.
SILVA, S. S. L. Conhecendo a dislexia e a importância da equipe
interdisciplinar no processo de diagnóstico. Rev. Psicopedagogia.
p. 470 – 475. 2009.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 117

IMPLEMENTAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM NO


SETOR DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA –
EXPERIÊNCIA EM ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Ana Luisa Goularte1, Mariane Roberta da Silva,


Alessandra Santos de Paula2, Ramon Augusto Ferreira de
Souza3

Resumo: Como exigência do estágio hospitalar, é solicitado


aos acadêmicos, atividades de estudo de casos e neste contexto, o
estudo abordou a experiência da assistência de enfermagem a um
portador do vírus da imunodeficiência humana (HIV), usuário de
drogas e com suspeita de tuberculose. A assistência de enfermagem
aos portadores do HIV no atendimento hospitalar, utiliza-se a
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), realizando
o Processo de Enfermagem com cinco etapas inter-relacionadas:
Coleta de dados, diagnostico de enfermagem, Planejamento,
Implementação e Avaliação de enfermagem. Diante deste contexto,
propõe-se relatar a experiência vivenciada por uma acadêmica de
enfermagem, durante o estágio supervisado no setor de urgência e
emergência, em uma unidade hospitalar, voltadas a assistência de
enfermagem realizada a um portador de HIV, usuário de drogas e
com suspeita de diagnóstico médico de tuberculose. Trata-se de um
relato de experiência sobre a assistência de enfermagem ao paciente,
conciliando a SAE. Os dados foram colhidos de 21 de março a 4 de
abril de 2018. Com a avaliação do plano terapêutico, investigação
da vida do paciente, orientações sobre a condução do tratamento
e valorização de fatores socioculturais, a SAE passa a ser um
instrumento para dar continuidade ao tratamento dos pacientes
e oferecer qualidade de vida. O estudo funcionou para a reflexão
dos cuidados oferecidos, no momento em que se problematizou o
1
Acadêmicas de Enfermagem – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: goul4rteanaluisa@gmail.com;
2
Alessandra Santos de Paula – Docente do curso de Enfermagem – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail:
alessandradepaulasantos@gmail.com
3
Ramon Augusto Ferreira de Souza – Enfermeiro e Preceptor de Estágios do curso de Enfermagem -
e-mail: ramon.ferreiraufv@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


118 ANAIS X SIMPAC

atendimento e às suas necessidades, as condições de infraestrutura


exigidas e a atuação dos profissionais.
Palavras–chave: Doenças transmissíveis; enfermagem; infecção
oportunista; tuberculose.

Introdução

O estágio supervisionado é uma atividade acadêmica


oferecida no último ano da graduação de Enfermagem, objetivando
oportunizar a vivência prática e completar o período de formação
do enfermeiro. Os ambientes desta prática pertencem à atenção
básica, sendo as unidades de Estratégia de Saúde da Família, e
a atenção terciária, sendo os hospitais, com funções divididas em
setores críticos e alas assistenciais. Como exigência do estágio, é
solicitado aos acadêmicos, atividades de relato de casos vivenciados,
oportunizando o estudo e o compartilhamento de experiências
adquiridas. Neste contexto, a diversidade do caso apresentado
propiciou um aprendizado significativo, sendo a experiência prática
de assistência de enfermagem a uma pessoa portadora do vírus da
imunodeficiência humana (HIV), usuário de drogas e com suspeita
de diagnóstico médico de tuberculose.

Conceitualmente, as doenças transmissíveis (DT) podem


ser caracterizadas como doenças cujo o agente etiológico é vivo e
transmissível, podendo a infecção ser veiculada por um vetor,
ambiente ou indivíduo. Uma das metas da Saúde Pública é bloquear
a ascensão das DT, já que essas são causas de morbimortalidade
mundial, assolando milhares de pessoas, especialmente nos
países em desenvolvimento como o Brasil (ROUQUAYROL, M. Z.;
FAÇANHA, M. C.; VERAS, F. M. F., 2003).
Os usuários de drogas são um grupo de especial atenção
por parte dos sistemas de saúde, devido às suas altas taxas de
exposição a infecções, particularmente aquelas transmitidas
através do uso de materiais contaminados e através de relações
sexuais desprotegidas, aumentando o risco individual de adquirir

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 119

essas infecções e representando papel importante na transmissão


de doenças em suas comunidades (CARVALHO; SEIBEL, 2009)
Os fatores responsáveis pelo desenvolvimento da tuberculose
entre os pacientes soropositivos para o HIV incluem os aspectos
imunitários, fatores socioeconômicos e demográficos. A alta taxa de
tuberculose em pacientes soropositivos torna urgente programar
estratégias que combinem rápida identificação e tratamento dos
casos de indivíduos com infecção (SILVEIRA et al., 2006).
A assistência de enfermagem aos portadores do HIV acontece
tanto na atenção básica, utilizando de programas governamentais
de acompanhamento, como no atendimento hospitalar, utilizando-
se da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) e
realizando o Processo de Enfermagem (PE) como um instrumento
metodológico que planeja e organiza o trabalho. O PE tem cinco
etapas inter-relacionadas: Investigação (coleta de dados), diagnostico
de enfermagem, Planejamento, Implementação e Avaliação de
enfermagem. Desta forma, ele traz ações de cuidados direto e indireto
aos pacientes, individualizando a assistência (SOARES et al, 2015).
Diante deste contexto, propõe-se relatar a experiência
vivenciada por uma acadêmica de enfermagem, durante o estágio
supervisado no setor de urgência e emergência, em uma unidade
hospitalar, voltadas a assistência de enfermagem realizada a um
portador do HIV, usuário de drogas e com suspeita de diagnóstico
clínico de tuberculose.

Material e Métodos

Trata-se de um estudo descritivo, tipo relato de experiência


de um estudo de caso, visando analisar os dados e observações
percebidas no decorrer de uma internação, no setor de emergência
de um hospital filantrópico de pequeno porte, localizado na Zona
da Mata de Minas Gerais. Consiste em um trabalho acadêmico,
desenvolvido durante o estágio supervisionado do 9º período do

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


120 ANAIS X SIMPAC

curso de enfermagem da Faculdade de Ciências e Tecnologia de


Viçosa. Os dados foram colhidos de 21 de março a 4 de abril de 2018,
durante o atendimento a um paciente com diagnóstico de HIV+ e
com suspeita diagnóstica de tuberculose. Foram preservados o
anonimato do paciente e da instituição concedente do estágio.

Resultados e Discussão

Durante a vivência no estágio, na pratica da Sistematização


da Assistência de Enfermagem (SAE), foi possível realizar a primeira
etapa do processo de enfermagem, consistindo na anamnese e exame
físico do paciente: identificação do nome, idade, data de nascimento,
queixa principal, histórico familiar, avaliação nutricional, funções
mentais, condição de moradia, cuidados corporais, sinais vitais
e fatores de risco como tabagismo/alcoolismo. O exame físico é
realizado no sentido céfalo-caudal, através de uma avaliação
minuciosa de todos os segmentos do corpo, utilizando as técnicas
propedêuticas: inspeção, palpação, percussão e ausculta. A etapa
seguinte será o diagnóstico de Enfermagem que irá se adequar ao
julgamento clinico do paciente.

Tendo em vista a suspeita clínica do paciente, a Tuberculose


(TB) é uma infecção oportunista de diagnostico difícil, que tem
predileção por grupos sociais menos favorecidos, podendo acelerar
o curso da infecção pelo HIV. A TB promove o fenômeno de
transativação heteróloga do HIV, levando à elevação transitória
da carga viral e diminuição da contagem de linfócitos T CD4+,
podendo também ocorrer por ação direta do M. tuberculosis. Estas
alterações dificultam a interpretação destes parâmetros para início
e/ou seleção do esquema antiretroviral. (SILVEIRA et al., 2006)

Existe uma associação significativa entre o desenvolvimento


de TB com a raça do paciente e a contagem de LTCD4+ no momento
do diagnóstico da infecção pelo HIV, e que o sexo masculino e o uso
de drogas podem também ser fatores de risco quando analisados
em separado. Portanto, a diminuição de LTCD4+, juntamente com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 121

outros fatores envolvidos no desenvolvimento da TB no paciente


HIV+ estão ligados a fatores de risco, como baixa escolaridade,
negro e usuário de drogas. Desta forma, a imunossupressão
produzida pelo HIV associa-se a características sociodemográficas
e de comportamento, aumentando o risco à doença (SILVEIRA et
al., 2006).

A partir dos dados coletados, determinou-se os diagnósticos


de enfermagem prioritários para o atendimento de emergência,
de acordo com os padrões da North American Nursing Diagnosis
Association (NANDA, 2013):

• Padrão respiratório comprometido relacionado à dispneia e

dor torácica;

• Nutrição desequilibrada: menos que as necessidades

corporais

• Autocontrole inadequado da saúde – devido à complexidade

do regime terapêutico;

• Risco de infecção – cujos fatores podem incluir alterações

nas defesas do indivíduo (ação ciliar diminuída, estase de

secreções e resistência diminuída), desnutrição, exposição

ambiental e conhecimento insuficiente para evitar

exposição a outros patógenos;

• Fadiga relacionada a estados de doença, condição física

debilitada e anemia, caracterizada por falta de energia e

letargia.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


122 ANAIS X SIMPAC

No planejamento (terceira Etapa), foram feitas as prescrições


de enfermagem: Observar, monitorar e anotar os sinais vitais no ato
da consulta; orientar sobre o uso dos medicamentos; monitorar e
tratar complicações que podem surgir em decorrência da doença;
estar atento aos efeitos colaterais dos medicamentos; orientar a
família e o paciente quanto à importância de medidas preventivas,
tais como o descarte adequado de lenços utilizados e promover o
repouso/sono adequado para facilitar o alívio da dor.
As medidas preventivas sugeridas na unidade de urgência e
emergência, a partir do diagnóstico de tuberculose são: o transporte
do paciente com fluxo previamente planejado, utilização de máscara
cirúrgica e encaminhamento ao quarto de isolamento com sistema
de pressão negativa, filtro High Efficiency Particulate Air Filter
(HEPA), a utilização de máscaras tipo N95 pela equipe de saúde, e
o registro da precaução respiratória no prontuário, para ciência de
toda comunidade prestadora da assistência aos pacientes (BRASIL,
2010).
Com fundamento na SAE, que aproxima equipe e paciente,
percebe-se a implementação da assistência humanizada com o intuito
de melhorar a adesão aos tratamentos e promover a qualidade de
vida. Com a avaliação do plano terapêutico, investigação da vida do
paciente, orientações sobre a condução do tratamento e valorização
de fatores socioculturais, a SAE passa a ser um instrumento para
dar continuidade ao tratamento dos pacientes.
Conclusão

A vivência com o paciente possibilitou analisar os fatores


associados à tuberculose em indivíduos soropositivos para o HIV e
funcionou como reflexão sobre os cuidados oferecidos, no momento
em que se problematizou o atendimento em suas demandas e
necessidades, as condições de infraestrutura exigidas e de atuação
dos profissionais. Porém, muitos são os desafios para implantar a
SAE e cumprir com o Processo de Enfermagem na íntegra. A maior
dificuldade encontrada foi como organizar a rotina da assistência no

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 123

Pronto Atendimento conciliando o preenchimento do instrumento,


visto que são novas responsabilidades.
Referências Bibliográficas

BRASIL. Manual de recomendações para o controle da


tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

CARVALHO, H. B.; SEIBEL, S. D. Crack cocaine use and its


relationship with violence and HIV. Clinics, v. 64. n.9. p. 857-866,
2009.

NANDA International. Diagnósticos de enfermagem da


NANDA: definições e classificação. Porto Alegre: Artmed, 2013.

ROUQUAYROL, M. Z.; FAÇANHA, M. C.; VERAS, F. M. F. Aspectos


Epidemiológicos das doenças transmissíveis. Epidemiologia &
saúde. 6ª ed. Rio de Janeiro: MEDSI. p. 229-231. 2003.  

SILVEIRA, J. M.; SASSI, R. A. M.; NETTO, I. C. O.; HETZEL,


J. L.  Prevalência e fatores associados à tuberculose em pacientes
soropositivos para o vírus da imunodeficiência humana em centro
de referência para tratamento da síndrome da imunodeficiência
adquirida na região sul do Rio Grande do Sul. JBrasPneumol, v.
32. n. 1. p. 48-55. 2006.

SOARES, M. I.; RESCK, Z. M. R.; TERRA, F. S.; CAMELO, S. H. H.


Sistematização de Assistência de Enfermagem: Facilidades e
desafios do Enfermeiro na Agencia da Assistência. Esc Anna Nery.
Alfenas, MG, v.19, n.1, p.47-53. 2015.

GOULART, A. L; SILVA, M. R; PAULA, A. S; SOUZA, R. A. F.


Implementação do Processo de Enfermagem no setor de Urgência
e Emergência – experiência em estágio supervisionado. In: X
SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE DE
CIÊNCIAS E TECONOLOGIA DE VIÇOSA, 10, 2018, Viçosa.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


124 ANAIS X SIMPAC

A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO EM EMPRESAS


DE PEQUENO PORTE

Ana Maria Macedo1, Marli de Oliveira Macedo2, Ana Claudia da


Silva3, Mateus Sousa4

Resumo: Este estudo de caso tem como objetivo mostrar, com base
na observação de uma pequena empresa, como o uso inadequado
do capital de giro e a má gestão dos recursos podem afetar o fluxo
de caixa ao longo dos anos. O desequilíbrio do funcionamento é
visto lentamente, mas de forma constante, levando a dificuldades
financeiras a longo prazo. O roteamento de ativos, de acordo com
Marion (2010, pág. 156), é “a eficiência com que a empresa usa
seus ativos, com o objetivo de gerar vendas reais. Quanto mais for
gerado de vendas, mais eficientemente os ativos serão utilizados”.
A avaliação constantemente do capital de giro possibilita que a
empresa conheça os períodos de sazonalidade e planeje a saída de
recursos para minimizar os impactos dos custos fixos e garantir a
continuidade da empresa.

Palavras – chave: Capital de Giro; Fluxo de Caixa; Mudanças.

Introdução

A palavra giro vem da ideia de movimentação continua dos


recursos que a empresa tem para trabalhar ao longo do mês. Para
Neto e Silva (2010, pág. 14) “o termo giro refere-se aos recursos
correntes (curto prazo) da empresa, geralmente identificados como
aqueles capazes de serem convertidos em caixa no prazo máximo de
1
Graduando em Bacharel em Administração - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA - anaamariamacedo@gmail.com
2
Graduando em Bacharel em Ciências Contábeis - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA - marli_marlioliveira@
hotmail.com
3
Professora do Curso de Administração - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA - anaclaudia@univicosa.com.br
4
Professor do Curso de Ciências Contábeis - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA - contabilidade@.mateus@gmail.
com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 125

um ano”. Já capital é o dinheiro do fundo de uma empresa ou de um


rendimento.

Capital nominal ou social é o investimento inicial feito pelos


sócios na sociedade, acrescidos dos aumentos de capital
feito através das reservas de lucros da sociedade e de novos
aportes de capital pelos sócios e diminuído dos acréscimos de
capital decorrente de eventuais saídas de sócios da empresa
ou da absorção de prejuízos sofridos pela sociedade. (NEVES;
VICENCONTE, 2004. pág. 23)

O capital de giro é essencial ao funcionamento de uma empresa.


Sendo assim, entende-se como capital de giro somente os recursos de
curto prazo investidos pela empresa no Ativo Circulante. O capital
de longo prazo, pelo tempo de liquidez, não deve ser considerado no
giro da empresa uma vez que pode ocasionar atrasos no pagamento
das obrigações. Segundo Padoveze, (2010, pág. 112) “os valores do
Realizável a Longo Prazo não são considerados capital de giro, tendo
em vista sua demorada em realização em dinheiro (...).
Conhecer o giro financeiro de uma empresa leva a
compreender como as contas estão sendo administradas, se o capital
disponível realmente não é suficiente ou se mudanças na estrutura
organizacional e uma racionalização dos produtos comercializados
ou serviços prestados levariam a uma melhora financeira. Além
disso, faz-se necessário saber se o comportamento dos colaboradores
tem influência no giro da empresa uma vez que o andamento das
atividades rotineiras depende do desempenho dos colaboradores.

Metodologias

Este trabalho foi desenvolvido por meio de pesquisa descritiva


e bibliográfica, elaborado a partir de conceitos e definições já
publicados, constituído principalmente de livros e artigos. Segundo
Andrade (1997), na pesquisa descritiva, os fenômenos do mundo físico
e humano são estudados, mas não manipulados pelo pesquisador.
Os fatos são observados, registrados, analisados, classificados e

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


126 ANAIS X SIMPAC

interpretados, sem que o pesquisador interfira neles. A coleta de


dados foi mediante visitas in loco, usando como principal técnica,
a observação. Segundo Silva e Ferreira (2015), o ato de observar
pode ser também um método de coleta de dados científico e significa
muito mais que ver e ouvir, consiste em apreender além do que
é dito, examinar nas entrelinhas da fala, do comportamento e até
em momentos em que o sujeito não diz nada, mas seus atos falam
por ele. O estudo de caso foi desenvolvido de acordo com o método
de observação numa empresa real e para preservar do nome da
empresa foi utilizado o nome fictício, empresa ABC. Segundo Alves
Mazzoti (2006), os estudos de caso se caracterizam inicialmente por
adotarem diferentes metodologias e serem utilizados não apenas
como modalidade de investigação como também ensino e consultoria.

Discussão

O fluxo de caixa possui curta duração e rápida conversão


de elementos financeiros em outros elementos do mesmo grupo
de contas, de forma continua e permanente. Segundo Padoveze,
(2010, pág. 112) “os valores do Realizável a Longo Prazo não são
considerados capital de giro, tendo em vista sua demorada em
realização em dinheiro (...). A empresa ABC sempre trabalhou com
um Capital de Giro muito curto, não sendo observado a necessidade
de criar um fundo de contingência ou mesmo em trabalhar com uma
folga financeira maior uma vez que, a empresa se sustentava desta
forma. Com essas condições, a empresa desloca recursos do capital
de giro para cobertura de inadimplências e atrasos de pagamento
gerando desfalque no capital de giro.
O prazo de recebimento de clientes, compreendido entre a
venda ou prestação do serviço e o efetivo pagamento pelo cliente,
é muito maior que o prazo de pagamento das contas, chegando a
dois meses o tempo entre o recebimento do serviço prestado e o
pagamento do fornecedor. Para girar seu ativo com eficiência a
empresa precisa encurtar o prazo de recebimento de seus clientes,
assim ela terá em mãos todo o capital necessário para pagar as
contas de curto prazo, tornando o ciclo operacional mais eficiente.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 127

“Uma boa administração do capital de giro envolve imprimir alta


rotação (giro) ao circulante, tornando mais dinâmico seu fluxo de
operações” (NETO; SILVA, 2010, pág. 19).
Foi possível diagnosticar, através da observação, falhas na
cobrança de recebíveis e para isso é necessário o investimento
em softwares que registrem em tempo real da cobrança feita aos
clientes. Assim, evita-se a procrastinação das atividades e faz com
que o capital chegue à empresa mais rapidamente.
O passivo contingente pode ser definido como “(...) parte do lucro
líquido do exercício para formação de reserva para contingências,
que tem por objetivo compensar em ano futuro a diminuição do
lucro, em função de perda julgada provável e cujo valor possa ser
estimado” (ALMEIDA, 2005, pág. 170).
O Brasil viveu no ano de 2016 um grande boom econômico
levando a um aumento nos gastos tanto de pessoas físicas quanto
jurídicas. Em 2017, com o cenário econômico retornando a recessão,
a empresa ABC, que não estava preparada para grandes alterações
do mercado, sofreu com a falta de novos clientes e o aumento da
inadimplência causado pelo desemprego. Foi inevitável, pela
falta de planejamento financeiro, mergulhar em uma profunda
crise econômica. A falta de capital levou os gestores ao uso de
financiamento do passivo circulante com o capital próprio o que
acaba sendo corriqueiro em pequenas e médias empresas. No
entanto, essa prática fere a Resolução CFC Nº 774 de 16 de dezembro
de 1994, que determina:

“Art. 4° O Princípio da ENTIDADE reconhece o Patrimônio


como objeto da Contabilidade e afirma a autonomia patrimonial,
a necessidade da diferenciação de um Patrimônio particular
no universo dos patrimônios existentes, independentemente
de pertencer a uma pessoa, um conjunto de pessoas, uma
sociedade ou instituição de qualquer natureza ou finalidade,
com ou sem fins lucrativos. Por consequência, nesta acepção,
o patrimônio não se confunde com aqueles dos seus sócios ou
proprietários, no caso de sociedade ou instituição.” (CFC Nº
774 de 16 de dezembro de 1994)

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


128 ANAIS X SIMPAC

A empresa possui uma boa movimentação financeira, possui


uma clientela fiel e a entrada e saída de clientes é sempre muito
próxima, sendo assim, a rotatividade afeta muito pouco o fluxo
de caixa da empresa. “Conceitualmente, o fluxo de caixa é um
instrumento que relaciona os ingressos e saídas (desembolsos) de
recurso monetários no âmbito de uma empresa em determinado
intervalo de tempo” (NETO; SILVA, 2010, pag. 39). Observa-se que
a movimentação de clientes da empresa é grande e deveria gerar
capital de giro suficiente para trabalhar com folga financeira, mas a
gestão indevida e as retiradas de dinheiro pelos sócios que não são
previstos faz com que a empresa trabalhe no vermelho na maioria
dos meses. As obrigações financeiras da empresa são cumpridas,
mas nem todos são pagas em dia, o que acaba gerando prejuízos
para a empresa uma vez que há incidência de juros e multas pelos
atrasos.

Considerações Finais

Observa-se que a empresa ABC necessita de um planejamento


financeiro para evitar o endividamento e para possibilitar
investimentos internos. O que não é observado é a necessidade
de uma conta com uma reserva financeira para que a empresa
tenha capital para incrementar os negócios e possibilitar novos
investimentos para aumentar a lucratividade da empresa. Os
custos fixos são administrados com um capital de giro apertado,
mas que é suficiente para cobrir suas dívidas. Sugere-se o inicio de
um planejamento para a capacitação dos funcionários para que a
empresa obtenha uma efetiva cobrança dos clientes inadimplentes;
cumprir com efetividade as regras contratuais, evitando que
a empresa arque com custos dos clientes; a criação de um fundo
emergencial para evitar que os gastos sazonais afetem o giro do
capital destinado as contas fixas; controlar o tempo de execução de
atividades dos colaboradores, evitando que a procrastinação das
cobranças e das pendências diárias afete o andamento da empresa;
uso de tecnologia para otimizar as atividades diárias e para
manutenção do ritmo de desenvolvimento das atividades; tornar

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 129

o ciclo operacional mais eficiente, evitando que falte capital para


cobertura das obrigações; acompanhar as mudanças do mercado,
para que a empresa saiba o quanto seus concorrentes estão se
desenvolvendo;
A reestruturação na organização da empresa, as decisões
tomadas de forma mais ágil e gestores que estejam mais próximos
dos clientes e que acompanham as mudanças tecnológicas e de
mercado, fariam com que a empresa se tornasse mais dinâmica e
os clientes mais satisfeitos. Em uma cidade de pequeno porte, a
propaganda do tipo boca a boca é tão eficiente quanto um plano de
marketing bem elaborado, e a satisfação do cliente é fundamental
para a manutenção de um negócio. A conclusão de que não só o setor
financeiro precisa de se reestruturar trará consequências positivas
para toda a empresa e pode alavancar a entrada de recursos e o
equilíbrio das finanças proporcionando não só o pagamento do
passivo circulante mas um investimento em melhorias para
proporcionar o crescimento da empresa.

Referências Bibliográficas

ALMEIDA, M. C., Curso Básico de Contabilidade; 5 ed. – São


Paulo: Atlas 2005.

ALVEZ MAZZOTI, Alda Judith. Usos e abusos dos estudos


de caso. Caderno de Pesquisa, Rio de Janeiro, v. 36, nº. 129,
setembro/dezembro, 2006, p. 637-651.

ANDRADE, M.M. Introdução à Metodologia do Trabalho


Científico. 2ª ed .São Paulo: atlas, 1997.

BRASIL. RESOLUÇÃO CFC Nº 774 de 16 de dezembro de


1994. Disponível em: <http://www.portaldecontabilidade.com.br/
legislacao/resolucaocfc774.htm>. Acessado em 11/03/2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


130 ANAIS X SIMPAC

MARION, J. C.; Análise de Demonstrações Contábeis:


Contabilidade Empresarial. 6 ed.- São Paulo: Atlas, 2010.

NETO A. A; SILVA C. A. T.; Administração de Capital de


giro. 3 ed. – 10. Reimpr. São Paulo: Atlas 2010.

NEVES, S. das; VICECONTI, P. E. V.; Contabilidade Básica;


ed. rev. ampl.13; São Paulo: Frase, 2006.

PADOVESE, C. L.; Contabilidade Gerencial: enfoque em


sistema de informação contábil. 7 ed. São Paulo: Atlas 2010.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 131

PRODUÇÃO DO BIODIESEL A PARTIR DO ÓLEO DE


SOJA RESIDUAL

Ana Paula de Assis Vieira1, Svetlana Fialho Soria Galvarro2

Resumo: O óleo residual é considerado o composto mais poluente


de águas doces e salgadas das regiões mais adensadas do país.
Apenas um litro de óleo consome o oxigênio de até vinte mil litros de
água. Atualmente, as fontes de energia renováveis assumem papel
de destaque no mundo contemporâneo devido à possibilidade de
escassez de reservas de petróleo, aos preços elevados dos combustíveis
fósseis e à poluição ambiental. Na busca por essas fontes de energia
renováveis destaca-se a produção de biocombustível, em especial, o
biodiesel. Objetivou-se, por meio do presente estudo, utilizar o óleo
residual dos processos de frituras para produzir combustível menos
poluente ao meio ambiente por meio da transesterificação. Foram
analisadas as seguintes etapas do processo: coleta do óleo residual,
caracterização e pré-tratamento da matéria-prima, produção do
biodiesel através da reação de transesterificação via catalítica
básica utilizando o hidróxido de potássio (KOH) como catalisador e
álcool metanol, além das análises físico-químicas do produto final.
As análises do óleo residual de soja foram satisfatórias de acordo
com os limites estabelecidos pela ANP, evidenciando possibilidade
concreta da utilização de óleos de soja residuais provenientes do
processo de fritura como matéria-prima para obtenção de biodiesel.

Palavras–chave: Biocombustível, energia renovável, impacto


ambiental, sustentabilidade, transesterificação

1
Graduanda em Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: anapaula_assisvieira@
hotmail.com
2
DSc. em Engenharia Agrícola, Professora do curso de Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA
e-mail:svetlana.eng@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


132 ANAIS X SIMPAC

Introdução

O biodiesel é um combustível com propriedades muito


semelhantes às do diesel fóssil, sendo assim é considerado uma
excelente alternativa a este derivado de petróleo. Pode ser utilizado
puro (B100) ou ainda misturado com o gasóleo fóssil (Bxx), em
motores diesel, trazendo vantagens em termos de emissões e de
desgaste do motor (MAURÍCIO, 2008).
No Brasil existem diferentes fontes oleaginosas com potencial
de serem usadas na produção de biodiesel como óleos vegetais,
gorduras animais e óleos e gorduras residuais. Devido ao baixo
custo, matérias-primas acessíveis como óleos e gorduras residuais
tem chamado atenção de produtores de biodiesel. Além de remover
do meio ambiente um composto indesejado descartado, em geral,
de forma inadequada em redes de esgotos causando impactos ao
solo e lençol freático, promove a geração de uma fonte de energia
renovável e menos poluente (PARENTE,2003).
Diante da visibilidade e importância crescente do tema
ambiental e a fim de minimizar os impactos negativos decorrentes
do descarte inadequado dos óleos residuais veio a motivação para
a realização deste estudo que envolve desde a etapa da reciclagem
óleo residual de fritura, passando pela produção e caracterização do
biodiesel com essa matéria-prima.

Material e Métodos

O procedimento de produção do biodiesel a partir do óleo


residual de fritura por meio de transesterificação descrito no
presente estudo trata-se de um processo a nível laboratorial e segue
a metodologia proposta por Silva (2008).
Foi coletado um volume mínimo de um litro de óleo residual
proveniente do processo de fritura, fornecido por um restaurante
localizado na cidade de Viçosa-MG que foi denominado de A, para a
realização da pesquisa sobre produção de biodiesel a partir do óleo
reciclado.
Inicialmente o óleo residual passou pelo processo de filtração a

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 133

vácuo para eliminação de impurezas. Em seguida, foram realizadas


análises com a intenção de caracterizar os óleos e, assim, utilizá-
lo como matéria-prima para produção de biodiesel. A partir das
análises realizadas foram determinados os seguintes parâmetros:
Índice de acidez e Porcentagem de ácidos graxos livres.

a) Índice de acidez e porcentagem de ácidos graxos


Determinou-se a porcentagem de ácidos graxos livres nos óleos
residuais, por meio de titulação. Para determinar o índice de acidez
pesou-se 2,503 g do óleo residual, em um Erlenmeyer. Preparou-se
uma mistura de álcool etílico e éter etílico na proporção de 2:1 em
volume. Adicionou-se 60 ml desta mistura ao Erlenmeyer e 3 gotas
de fenolftaleína. Em seguida, realizou-se a titulação da solução com
hidróxido de potássio (KOH) 0,01 M. Foi feita a titulação do branco,
ou seja, 60 ml da mistura de éter etílico e álcool etílico e 3 gotas de
fenolftaleína sem adicionar o óleo.

b) Pré-tratamento da matéria prima


Foram adicionados 400 ml (370,6g) de óleo residual a um
béquer e aquecido em banho-maria até que atingiu a temperatura
de, aproximadamente, 40°C. Em seguida, foi adicionado 3,71 g de
sulfato de magnésio anidro e agitado durante 15 minutos com a
intenção de garantir a ausência de água e facilitar o processo de
reação química. A mistura foi submetida à filtragem a vácuo
novamente e obteve-se um volume de óleo tratado de 380 ml (333,1
g).

c) Processo de produção do biodiesel


O biodiesel foi obtido através da reação de transesterificação via
catalítica básica utilizando o hidróxido de potássio (KOH) como
catalisador e álcool metanol. No presente trabalho, foi necessário
simular o funcionamento do reator em laboratório e para isso
utilizou-se um misturador magnético de chapa aquecida.
Para iniciar o processo de produção do biodiesel foi pesada a
quantidade de hidróxido de potássio e metanol anidro, utilizando

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


134 ANAIS X SIMPAC

razão molar (óleo: álcool) de (1:6) na presença de 1% de KOH.


Pesou-se 73,35 g (92,6 ml) de metanol anidro e 4,065 g de hidróxido
de potássio, em seguida, diluiu-se no reator sob agitação constante,
formando metóxido de potássio. Após solubilizar totalmente o
catalisador, adicionou-se lentamente o óleo aquecido anteriormente
na etapa de pré-tratamento sob agitação durante 45 minutos,
ocorrendo a reação de transesterificação sob temperatura ambiente
(23º C).
Quando a reação cessou, transferiu-se a mistura para um
funil de decantação e deixou-se descansar por 48 h, sem exposição
à luz e, assim, ocorreu a separação das fases (biodiesel e glicerina).
Como a glicerina é mais densa do que o biodiesel, ficou localizada na
parte inferior do funil, enquanto o biodiesel ficou disposto na parte
superior. Recolheu-se toda a glicerina por escoamento. Obteve-se
um volume do biocombustível de 355 ml.

Lavagens do Biodiesel
Na primeira etapa, o biodiesel foi lavado com água a 70°C
sendo 15% do volume do biocombustível (53,25 ml de água), logo
após foi lavado com solução aquosa de ácido clorídrico 0,5 v/v ,5%
do volume inicial do biodiesel (17,75 ml de HCl). Em seguida, foi
lavado novamente com água a 70° C sendo 10% do volume inicial do
biodiesel (35,5 ml de água). Após cada lavagem, deixou-se a mistura
em repouso até promover a separação de fases. Este procedimento
foi repetido até a remoção completa dos contaminantes do biodiesel
e obtenção de pH neutro e rendimento de 87,32%, sendo que o
obtido por SILVA (2008) foi de 94,3 %. Assim sendo, o biodiesel
produzido teve um rendimento satisfatório, considerando que
houve interferências como quantidade de catalisador, temperatura
e tempo de reação.

Remoção da Umidade
Adicionou-se 1% do volume de biodiesel purificado de sulfato de
magnésio anidro (10,74 g) com o objetivo de remover a água presente
no biocombustível. Em seguida, filtrou e obteve-se o biodiesel puro.
Foram realizados alguns testes característicos em triplicata para

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 135

as análises físico-químicas, como aspecto, densidade, índice acidez e


teor de umidade. Seguiu-se a metodologia estabelecida pela portaria
25/2014 da ANP (Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural) e
compararam-se os resultados obtidos no experimento com os valores
da norma.

Resultados e Discussão

A qualidade do biocombustível produzido em escala


laboratorial foi determinada a partir de análises físico-químicas,
cujos resultados obtidos estão apresentados na Tabela 1.

Tabela 1 – Densidade (kg/m3), Índice de Acidez (mg KOH/g), Teor


de umidade (mg)
Biodiesel obtido a partir Resolução ANP,
Ensaios
do óleo de soja residual 2004
Límpido e isento de Límpido e isento de
Aspecto
impurezas impurezas
Densidade 881,78 850 a 900
Índice de
0,33 <0,5
Acidez
Teor de
126,2 <200
umidade

Conforme a ANP, o biodiesel é classificado límpido e isento de


impurezas quando há ausência de contaminantes, como impurezas
ou turvação. Portanto, não houve constatação destes contaminantes
no biodiesel produzido neste experimento, encontrando-se nas
especificações citadas.
Quanto maior o comprimento da cadeia carbônica do
alquiléster, maior será a densidade, por outro lado, este valor
diminuirá quanto maior for o número de insaturações presentes na
molécula (LOBO; FERREIRA; CRUZ, 2009). O índice de acidez (IA)
está relacionado com a quantidade em mg de hidróxido de potássio
(KOH) necessária para neutralizar os ácidos graxos livres presentes

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


136 ANAIS X SIMPAC

em 1g de óleo. Assim sendo, quanto maior for o IA, maior volume


de base será consumido na titulação, justamente pela liberação
desses íons hidrogênio (LIMA et al., 2015). Após a titulação para o
biodiesel, gastou-se um volume de 1,6 x 10-3 L e 0,3 x 10-3 L para o
branco.
Conclusões

Os parâmetros analisados além de estarem adequados aos


limites estabelecidos pela ANP, também evidenciam a possibilidade
de utilizar óleos residuais de fritura como fonte de matéria-prima
para produção do biodiesel. Todavia, para resultados ainda
mais satisfatórios, é necessária a realização de outros testes de
caracterização do biocombustível tais como ponto de fulgor e ponto
de combustão que poderiam apresentar as consequências do uso
desse biodiesel nos motores veiculares.

Referências Bibliográficas

LIMA, D. R. de. Produção de ésteres etílicos (biodiesel) a


partir da transesterificação básica de óleo residual. 2008 .
185f. Dissertação (Mestrado em desenvolvimento de Processos
Químicos) – Curso de Engenharia Química, Universidade de
Campinas – UNICAMP, Campinas, 2008.

LOBO, I. P; FERREIRA, Sérgio Luis Costa and CRUZ, Rosenira


Serpa da. Biodiesel: parâmetros de qualidade e métodos analiticos.
Quím Nova[online]. 2009, vol .32, n.6, pp. 1596-1608. INSS 0100-
4042. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422009000600044. 

MAURÍCIO, S.S.S. A produção de Biodiesel a partir de Óleos


Alimentares Usados. 2008. 200f. Dissertação ( Mestrado em
Engenharia Ambiental) – Universidade de Aveiro, Portugal, 2008.

PARENTE, E. J. S. Biodiesel: Uma aventura tecnológica num país


engraçado. Fortaleza: Unigráfica, 2003.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 137

SILVA, L. de L. Estudos de óleos residuais oriundos de


processo de fritura e qualificação desses para obtenção de
monoésteres (biodiesel). 2008. 65f. Dissertação (Mestrado em
Desenvolvimento e pesquisa de processos regionais) – Curso de
Engenharia Química, Universidade Federal de Alagoas, Maceió,
2008.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


138 ANAIS X SIMPAC

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS COM ÊNFASE EM


MEIO FÍSICO NA IMPLANTAÇÃO DE UMA BARRAGEM
EM ATERRO PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO
MUNICÍPIO DE VIÇOSA/MG

Gian Fonseca dos Santos1, Anderson Nascimento Milagres2,


Klinger Senra Rezende3, Adonai Gomes Fineza4

Resumo: A construção de uma barragem para abastecimento urbano


é importante para a população, mas afeta a flora (vegetação) e a
fauna (animais), todavia, estes elementos têm íntima dependência
com diversos fatores abióticos (não bióticos, físicos). Neste contexto,
a avaliação de impacto ambiental é de suma importância para
antever possíveis problemas. O objetivo principal deste trabalho foi
realizar um estudo de impacto ambiental, gerado pela construção
de uma barragem em aterro para abastecimento de água no
município de Viçosa-MG, frente ao contexto hídrico em que a região
se encontra. O trabalho terá ênfase em caracterização de meio físico,
através de levantamentos geológicos, geomorfológicos, pedológicos,
climatológicos e recursos hídricos. A metodologia utilizada para
a realização do diagnóstico dos possíveis impactos ambientais
proveniente da implantação da barragem baseou-se em coleta de
dados primários e pesquisa bibliográfica de dados secundários. O
Estudo analisou e levantou os impactos negativos mais importantes
decorrentes da implantação e operação de uma barragem e indicou
as medidas necessárias para a mitigação dos principais impactos
negativos levantados no estudo.

Palavras–chave: Caracterização, população, mitigadora,


segurança

1
Graduado em Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: gianfonseca7@gmail.com
2
Graduado em Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: anmilagres@gmail.com
3
Professor do curso de Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: klingers15@hotmail.com
4
Gestor do curso de Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: engcivil@univicosa.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 139

Introdução

A água é um recurso natural essencial, seja como componente


bioquímico de seres vivos, como meio de vida de várias espécies
vegetais e animais, como elemento representativo de valores sociais
e culturais e até como fator de produção de vários bens de consumo
final e intermediário (GOMES, 2011).
A construção de uma barragem afeta a flora (vegetação) e a
fauna (animais), todavia, estes elementos têm íntima dependência
com diversos fatores abióticos (não bióticos, físicos), tais como: solo,
clima, água. Neste contexto, a avaliação de impacto ambiental é
de suma importância para antever possíveis problemas, sendo
constituída de uma série de procedimentos legais, institucionais
e técnico-científicos que visam identificar os possíveis impactos
decorrentes da futura instalação da barragem e prever a sua
magnitude, bem como avaliar sua importância, mensurada por
meio do grau de significância, considerando dois cenários: um
com a implantação do barramento e outro sem a implantação do
empreendimento (VIEIRA et al, 2011).
O objetivo deste trabalho é realizar um estudo de impacto
ambiental, gerado pela construção de uma barragem em aterro
para abastecimento de água no município de Viçosa-MG, frente
ao contexto hídrico em que a região se encontra. O trabalho terá
ênfase em caracterização de meio físico, através de levantamentos
geológicos, geomorfológicos, pedológicos, climatológicos e recursos
hídricos.

Material e Métodos

A metodologia utilizada para a realização do diagnóstico


dos possíveis impactos ambientais provenientes da implantação
da barragem baseou-se em coleta de dados primários, ou seja,
levantamento de informações no campo e, além disso, realizou-se o
levantamento de dados secundários, que foram os estudos prévios
realizados na Área de Influência Direta, em órgãos do governo
estadual (Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM, Fundação

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


140 ANAIS X SIMPAC

Estadual do Meio Ambiente - FEAM e SEMAD-MG) ou federal


(EMBRAPA, Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM,
Instituto Nacional de Meteorologia - INMET etc.) e instituições de
ensino e pesquisa.
O que norteou a avaliação dos impactos ambientais da
construção da barragem foi à coleta de dados primários, com
isso foi possível caracterizar adequadamente os aspectos do meio
físico na Área de Influência Direta (AID). Assim realizaram-se
os caminhamentos para o levantamento dessas informações em
campo em abril de 2017, esses dados foram levantados ao longo
das drenagens e em áreas alagáveis pós-construção da barragem.
A Área Diretamente Afetada (ADA) foi considerada como sendo
formada pelas áreas inundáveis pelas duas barragens que serão
construídas como mostra a Figura 1.

Figura 1 - Detalhe do limite da Área Diretamente Afetada (ADA)


(Fonte: Google Earth, 2017).

Resultados e Discussão

Durante a fase de implantação das barragens haverá a


movimentação de terra e consequentemente utilização de máquinas
para realizar esta atividade, estas máquinas e o solo de empréstimo
causará emissões atmosféricas, além de outras alterações no

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 141

ambiente como ruídos, alterações da compactação do solo e


modificação da qualidade da água.
As emissões atmosféricas nas fases de implantação e
operação estarão associadas à movimentação de caminhões e
máquinas, que ocasionarão no aumento das emissões de gases
veiculares (principalmente CO2) e de material particulado do solo,
abrangendo principalmente a Área Diretamente Afetada (ADA) e a
Área de Influência Direta (AID) do empreendimento. Apresenta-se
a seguir a avaliação do impacto ambiental em função das atividades
geradoras do mesmo.

 Negativo: Durante as obras de implantação das barragens


espera-se a alteração da qualidade do ar nas áreas de
entorno, decorrente, principalmente, da emissão de material
particulado, por ressuspensão, e outras emissões relacionadas
aos gases veiculares (queima de combustível fóssil). Ainda
que não se ultrapassem os padrões estabelecidos pela
legislação brasileira, as emissões atmosféricas podem alterar
negativamente a qualidade do ar;
 Direto: O impacto é direto, derivado da circulação de
veículos e das partículas de solo em suspensão causando
emissões atmosféricas;
 Certo: As emissões são inerentes à implantação das
barragens, portanto, certamente ocorrerão;
 Médio/longo prazo: O impacto é de curto prazo e se
desenvolverá a partir das obras de implantação das barragens,
através da movimentação de veículos e movimentação de
terra;
 Contínuo: As emissões e seus respectivos impactos se
darão de forma contínua, principalmente com relação à
movimentação de veículos, ainda que os quantitativos de
emissão possam variar ao longo da implantação, devido às
atividades executadas para o processo de implantação;
 Temporária: Este impacto ocorrera durante somente a fase
de implantação das barragens;
 Reversível: Uma vez terminado a implantação, as emissões

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


142 ANAIS X SIMPAC

deixariam de ocorrer e, deste modo, também as alterações na


qualidade do ar da região;
 Baixa Magnitude: Mesmo considerando que a qualidade do
ar permanecerá dentro dos padrões estabelecidos legalmente,
haverá alteração não expressiva da qualidade ambiental na
área;
 Fora da ADA: Os impactos ultrapassam os limites do
empreendimento (ADA) e se estenderão à sua Área de
Influência Direta (AID).

Tendo em vista as características acima descritas, este


impacto, foi considerado como Significativo.
O risco de contaminação do solo é ocasionado principalmente
pelos acidentes no lançamento de efluentes dos banheiros químicos e
acidentes com veículos para implantação das barragens. Apresenta-
se a seguir a avaliação desse impacto ambiental em função das
atividades geradoras do mesmo.

 Negativo: Caso ocorra o derramamento ou disposição


de efluentes e resíduos no solo ou cursos d’água de forma
descontrolada, as alterações em sua qualidade podem
resultar em impedimentos ao uso, processos de salinização do
solo e em redução da capacidade de suporte à vida aquática,
portanto, em perdas expressivas da qualidade ambiental;
 Direto: Caso ocorra, a contaminação será relacionada
diretamente à acidentes ou à disposição inadequada.
 Provável: Não haverá lançamento de efluentes, mesmo
tratados, em corpos d’água e todas as medidas preventivas
necessárias para a não ocorrência deste impacto serão
adotadas no empreendimento;
 Curto: A alteração da qualidade da água e do solo se dá
de forma imediata, no caso de aporte dessas substâncias às
drenagens naturais;
 Descontínuo: Considerando que se trata de impacto
passível de ocorrência, não possuindo ocorrência certa, a
alteração da qualidade das águas superficiais/subterrâneas

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 143

e do solo poderá se dar apenas episodicamente, portanto, de


forma descontínua;
 Temporário: O impacto cessará após o encerramento do
aporte das substâncias poluidoras e de sua diluição no corpo
d’água ou remediação/tratamento para o solo contaminado;
 Reversível: Tanto os corpos hídricos quanto o solo, podem ser
tratados e apresentam, dependendo do impacto, recuperação
natural de forma a adquirirem as características originais;
 Média Magnitude: No caso de ocorrência desse impacto,
a perda de qualidade ambiental poderá ser expressiva, com
efeitos sobre a fauna aquática e sobre os usuários da água;
 Fora da ADA: Caso ocorra, este impacto poderá ter
abrangência espacial na Área de Influência Direta.

Tendo em vista as características descritas, o impacto foi


avaliado como Significativo.
A redução da disponibilidade hídrica poderá ser ocasionada
pela utilização de recursos hídricos através da atividade de
compactação, contribuindo desta maneira para a redução deste
recurso natural nas áreas de captação.
Apresenta-se a seguir a avaliação do impacto ambiental em
função do consumo de água para fins de implantação.

 Negativo: Este impacto poderá reduzir a disponibilidade


hídrica na região do empreendimento;
 Direto: O impacto é direto derivado da captação de água
superficial;
 Certa: A captação de água é essencial para a correta
compactação, sendo certa de ocorrer;
 Curto prazo: Os impactos são causados apenas na fase
de compactação do solo, devendo evitar principalmente em
épocas de forte estiagem;
 Contínuo: A captação de água irá ocorrer durante toda a
etapa de implantação;
 Temporária: Será utilizada apenas na fase de implantação
das barragens;

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


144 ANAIS X SIMPAC

 Reversível: Uma vez cessada a captação d’água, a redução


da disponibilidade deixa de existir;
 Baixa Magnitude: Com base nos volumes usualmente
consumidos em empreendimentos semelhantes estima-se
que os cursos d’água existentes na região têm tem capacidade
suficiente para fornecimento de água;
 Fora da ADA: A redução da disponibilidade hídrica poderá
afetar a AID.

Tendo em vista as características acima descritas e levando


em conta que o empreendimento é proposto para que se tenha uma
maior disponibilidade hídrica, este impacto, foi considerado como
Pouco Significativo.
Medidas mitigadoras e compensatórias alteração da
qualidade do ar: Manutenção de vias de circulação com a aspersão
de água; manutenção periódica visando à boa qualidade da frota
de veículos utilizados; visando assim a adequação das emissões
atmosféricas aos padrões de lançamento já prescritos na Resolução
CONAMA 382/2006.
Medidas mitigadoras e compensatórias a risco de
contaminação do solo e coleções hídricas: As medidas a
serem adotadas para a disposição final dos efluentes e resíduos no
empreendimento apresentam-se como medidas de controle para
minimizar/evitar os impactos ambientais durante a etapa de
implantação, especialmente em relação à gestão dos efluentes, de
maneira a se evitar possíveis contaminações de solo e água.
Medidas mitigadoras e compensatórias a redução da
disponibilidade hídrica: O empreendimento utilizara de forma
racional para a correta compactação do solo, de forma a reduzir a
vazão captada.

Conclusões

O Estudo de Impacto Ambiental-EIA analisou e levantou


os impactos positivos e negativos mais importantes decorrentes
da implantação e operação de uma barragem em aterro para

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 145

abastecimento de água em Viçosa, além disso, indicou as


medidas necessárias para a mitigação dos principais impactos
negativos levantados no estudo. Todas as medidas mitigadoras
e compensatórias deverão ser implementadas para redução dos
impactos gerados.

Referências Bibliográficas

GOMES, M. A. F. Água: sem ela seremos o planeta Marte de


amanhã. EMBRAPA, 2011.
VEIRA, C. F. C. et al. Estudo de impacto ambiental da barragem
do rio colônia eia/rima. Secretaria de Desenvolvimento Urbano -
Bahia. 2011.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


146 ANAIS X SIMPAC

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO MAPEAMENTO


DAS ÁREAS DE RISCOS DE INUNDAÇÃO PARA O
MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

Anderson Nascimento Milagres1, Gian Fonseca dos Santos2,


Klinger Senra Rezende3, Adonai Gomes Fineza4, Alixandre
Sanquetta Laporti Luppi5

Resumo: A inundação é o transbordamento da água da calha normal


de rios, mares, lagos e açudes, ou acúmulo de água por drenagem
deficiente, em áreas não habitualmente submersas. As principais
condições naturais para a ocorrência de inundações são relevo, tipo
de precipitação, cobertura vegetal e capacidade de drenagem. Já as
principais condições artificiais são obras hidráulicas, urbanização,
desmatamentos, reflorestamento e uso agrícola. Os objetivos do
tralham foram aplicar o geoprocessamento utilizando o método
AHP (Analytic Hierarchy Process) para determinação de um
modelo matemático para elaboração do mapeamento das áreas de
riscos de inundação do município de Ponte Nova – MG. Para isso,
realizou-se a reclassificação das classes e foram obtidos os mapas
que serão utilizados para elaboração do mapeamento das áreas de
risco de inundação para o Município de Ponte Nova. O mapa de
uso e ocupação da terra teve a maior parte de sua área composta
por pastagem. As maiores altitudes foram verificadas que estão na
periferia do município e as menores altitudes na parte central do
município. As áreas de Risco de Inundação são mapeadas com o
1
Graduado em Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail:
anmilagres@gmail.com;
2
Graduado em Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail:
gianfonseca7@gmail.com;
3
Professor do curso de Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA.
e-mail: klingers15@hotmail.com;
4
Gestor do curso de Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail:
engcivil@univicosa.com.br.
5
Engenheiro Agrônomo – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail:
alixandregeoinfo@gmail.com.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 147

intuito principal de proteger e alertar a população sobre tais riscos.


As notas e os pesos encontrados foram satisfatórios, comprovando
a validade do método AHP. O mapeamento de risco de inundação
foi preciso, comparando as áreas de risco com o real em campo. As
classes utilizadas para o mapeamento foram sensatas, onde todas
tem grande relação com risco de inundação.

Palavras–chave: Habitação, mapas, população, precipitação,


segurança

Introdução

É importante relevar que existe uma diferença entre os


fenômenos inundação e enchente (DEFESA CIVIL NACIONAL,
1996). A inundação é o transbordamento da água da calha normal
de rios, mares, lagos e açudes, ou acúmulo de água por drenagem
deficiente, em áreas não habitualmente submersas, enquanto que
a enchente é a elevação do nível de água de um rio, acima de sua
vazão normal.
Segundo Tucci (2003) as principais condições naturais para a
ocorrência de inundações são relevo, tipo de precipitação, cobertura
vegetal e capacidade de drenagem. Já as principais condições
artificiais são obras hidráulicas, urbanização, desmatamentos,
reflorestamento e uso agrícola.
O objetivo do trabalho foi aplicar o geoprocessamento utilizando
o método AHP (Analytic Hierarchy Process) para determinação de
um modelo matemático para elaboração do mapeamento das áreas
de riscos de inundação do município de Ponte Nova – MG.
Os resultados obtidos por este projeto têm uma aplicação
direta em vários setores da sociedade. Com relação aos resultados
diretos são o mapeamento das áreas inundáveis e o conhecimento
das localidades, edificações e avenidas afetadas, permitindo a rápida
remoção de pessoas e bens materiais atingidos por determinada
cota de inundação. (ECKHARDT, 2008).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


148 ANAIS X SIMPAC

Material e Métodos

A base de dados espaciais e informações cartográficas


necessária para a geração do presente estudo foi fornecida pelo Portal
De Metadados Geoespaciais da Ana - GeoNetwork –, que se trata
de uma base envolvendo banco de dados e uma base cartográfica
digital sendo os seguintes planos de informação utilizados no
formato “shapefiles” (.shp) (ArcGis /ArcInfo):
- Uso e ocupação do solo em moderada resolução espacial
(10m) da bacia do rio doce
- Modelo digital de elevação (mde) de moderada resolução
espacial (células de 10m) da bacia do rio doce
Para cada classe mapeada foram estabelecidas notas variando
de 0 a 10 de acordo com o grau de susceptibilidade a inundação,
utilizando a técnica da reclassificação espacial, utilizando o comando
RECLASSIFY, disponível no módulo Arc Toolbox do aplicativo
computacional ArcGIS 10.1.
Após a elaboração do mapeamento do Índice de Risco de
Inundação no município de Ponte Nova, MG, dar-se-á início a um
estudo estatístico (razão de consistência- RC) correlacionando as
áreas de inundação com cada classe introduzida no modelo.

Resultados e Discussão

Após a reclassificação das classes foram obtidos os mapas que


serão utilizados para elaboração do mapeamento das áreas de risco
de inundação para o Município de Ponte Nova. O mapa de uso e
ocupação da terra reclassificado, teve a maior parte de sua área
composta pela nota 4, correspondente á pastagem.
No mapeamento da altitude ficou evidenciado que as maiores
altitudes estão na periferia do município e as menores altitudes
na parte central do município. O mapa de declividade apresentou
em 89,68% da área do município de Ponte Nova, áreas com altas
declividades acima de 8%.
De posse da matriz de comparação avalia-se a importância
de cada classe, ou seja, o peso dos fatores de uso do solo, altitude

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 149

e declividade que cada uma terá na realização da multiplicação


dos mapas, para criação do mapa de risco de inundação. Após
isto verificou que a classe declividade teve maior peso, porém não
passando de 50%, o que é importante, para não afetar muito no
mapeamento final.
De acordo com os pesos foi estabelecida a razão de consistência
(RC), onde deve ser menor que 0,1, para avaliar se os pesos calculados
foram verídicos, neste caso o RC encontrado foi de 0,001, ou seja,
99,9% de precisão no modelo. Através dos pesos calculados com a
metodologia proposta por Saaty (1997) e dos mapas reclassificados
de acordo com suas classes, é possível montar o modelo de Índice
de Risco de Inundação (IRI). Os mapas foram multiplicados pelos
seus respectivos pesos e somados, para então finalizar a elaboração
do mapeamento de risco de inundação para o Município de Ponte
Nova, MG, segundo a Figura 1.
Tabela 1: Pesos aplicados pela metodologia de Saaty (1997)
Uso do Solo Declividade Altitudes
Uso do Solo 1.000 0.667 0.400
Declividade 1.500 1.000 0.667
Altitudes 2.500 1.500 1.000

O mapa de risco de inundação para o Município de Ponte Nova,


MG, apresenta as áreas de hidrografia coincidindo com as áreas
de maior risco de inundação, pois são áreas altamente propícias à
inundação, afirmando a precisão do mapeamento. A Figura 2 mostra
a coincidência das áreas de risco de inundação com a hidrografia do
Município de Ponte Nova, MG.
As áreas de Risco de Inundação são mapeadas com o intuito
principal de proteger e alertar a população sobre tais riscos. Deste
modo avaliaram-se as áreas de inundação com as áreas urbanas e
edificadas, para saber em que área de risco de inundação encontra-
se a população, para alertar a mesma quanto a sua habitação.
Sendo assim a Figura 1 demonstra que foram encontrados
3,85% da população sobe a condição de baixo risco de inundação,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


150 ANAIS X SIMPAC

96,13% sob condição de médio risco e 0,02% sob a condição de alto


risco de inundação. Deste modo a população deve estar sempre
alerta com situações de alta precipitação, principalmente pessoas
que moram próximo á açudes, lagos e leitos de rios.

Figura 1 - Mapa de risco de inundação para o Município de Ponte


Nova, MG.

Figura 2 - Comparação da Hidrografia com as áreas de risco de


inundação para o Município de Ponte Nova, MG.

Conclusões

As notas e os pesos encontrados foram satisfatórios (Tabela


1), comprovando a validade do método AHP (Analytic Hierarchy
Process) proposto por Saaty (1997).
O mapeamento de risco de inundação foi preciso, comparando
as áreas de risco com o real em campo.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 151

As classes utilizadas para o mapeamento foram sensatas,


onde todas tem grande relação com risco de inundação.
O centro do Município de Ponte Nova deve possuir
acompanhamento técnico durante as épocas de maiores
precipitações, pois se encontra em zonas na sua maioria de médio
risco de inundação.
A fundamental importância do mapeamento é direcionar e/
ou fundamentar as medidas a serem tomadas pelos órgãos públicos
no sentido de mitigar ou atenuar os efeitos das inundações nessas
areas

Referências Bibliográficas

DEFESA CIVIL NACIONAL. Manual de Desastres. Brasília:


Ministério do planejamento e orçamento, 1996.

ECKHARDT, R. R. Geração de modelo cartográfico aplicado ao


mapeamento das áreas sujeitas às inundações urbanas na cidade de
Lajeado/RS. Porto Alegre, 2008. Dissertação. Universidade Federal
Do Rio Grande Do Sul – UFRGS.

SAATY. T. H. A Scaling method form priorities in hierarquical


structures. Journal of Mathematical Psychology, v.15, n. 3, p. 234-
281, 1997.

TUCCI, Carlos EM, and Juan Carlos Bertoni. Inundações urbanas


na América do Sul. Ed. dos Autores, 2003.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


152 ANAIS X SIMPAC

INFLUÊNCIA DO RESÍDUO GRITS DA FABRICAÇÃO DA


CELULOSE NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UMA
ARGAMASSA

André Luís de Oliveira Júnior1, Adonai Gomes Fineza2, Marcell


José Andrade Oliveira3

Resumo: A utilização de materiais reciclados na construção pode


se configurar num importante canal de eliminações de resíduos
urbanos que de outra forma seriam depositados em qualquer
lugar aumentando o custo de deposição e tratamento, afetando o
meio ambiente de forma agressiva e sem controle. Objetivou-se
nessa pesquisa avaliar o efeito da substituição de 10%, 15% e 20%
do agregado miúdo (areia quartzosa) por resíduo grits em uma
argamassa e estudar as propriedades mecânicas de tração na flexão
e compressão da argamassa ecológica. Os resultados demonstraram
que a inserção de resíduo grits na argamassa aumentou a capacidade
da argamassa em resistir a tensões de compressão (C) e tração
na flexão (TnF). Os resultados obtidos nesta pesquisa podem ser
utilizados para previsão de valores de eficiência de compressão e
tração em função dos parâmetros operacionais de substituição
de grits, o que pode estimular o uso de argamassa ecológica por
empresas produtoras do resíduo.

Palavras–chave: compressão, grits, reciclagem, substituição,


tração na flexão.

Introdução

Segundo a Indústria Brasileira de Celulose, o Brasil é o quarto


maior produtor mundial de celulose, fabricando 9% de todo material
produzido no mundo. No Brasil, o principal processo de obtenção
1
Mestrando em Engenharia Civil – UFV. E-mail: oliveiraandre66@yahoo.com.br
2
Professor e coordenador do curso de Engenharia Civil –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: engecivil@
univicosa.com.br
3
Graduando em Engenharia Civil –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: marcellolivier17@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 153

de celulose é o kraft. Segundo Gullichen e Fogelholn (2000), esse


processo também é conhecido como “sulfato”, pois é utilizado o
sulfato de sódio (Na2SO4) e produz em grande o grits, resíduo sólido
industrial, Classe II A que não apresenta deposição final adequada.
Para dar destinação correta a esses tipos de materiais
descartados, desde o século XX materiais alternativos vêm sendo
utilizados em uma grande variedade de produtos por causa de
suas propriedades favoráveis, como durabilidade, baixa densidade,
facilidade de fabricação e baixo custo (EUROPE, 2013). Aliado a
isso, a necessidade de preservação de recursos naturais combinada
com a necessidade de dispor os resíduos gerados nos processos
industriais de maneira adequada, tornando as atividades humanas
mais sustentáveis, tem sido objeto de estudos de construtoras e das
instituições de pesquisa nos últimos anos (GU e OZBAKKALOGLU,
2016).
De característica arenosa, o grits apresenta segundo Machado
et al. (2003): 20% de Ca (cálcio) sendo 42% deste, na forma de CaO
(óxido de cálcio) e 79% de SiO2 (dióxido de silício). De acordo com
as características apresentadas pelo resíduo grits, surge então a
possibilidade do aproveitamento desse resíduo para a produção de
argamassa, material utilizado em grande escala na construção civil.
Este uso pode trazer bom desempenho aliados ao baixo custo, além
de suprir as necessidades exigidas pelas técnicas construtivas.
Visto o exposto, este trabalho objetivou avaliar o efeito da
substituição de 10%, 15% e 20% do agregado miúdo (areia quartzosa)
por resíduo grits em uma argamassa e estudar as propriedades
mecânicas de tração na flexão e compressão da argamassa ecológica.

Material e Métodos

O grits, material a ser substituído parcialmente pelo


agregado miúdo, foi obtido através da fabricação da celulose
pelo processo de kraft realizado pela CENIBRA – Celulose Nipo-
Brasileira S.A. (-19,3143; -42,3977). Para a determinação de

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


154 ANAIS X SIMPAC

suas propriedades foram realizados os ensaios de composição


granulométrica explicitado na NBR NM 248 e massa unitária
através da NBR NM 45. Os resultados obtidos foram de
dimensão máxima característica de 3,2mm, módulo de finura
de 2,61 e massa unitária de 1,327 kg dm-3.
Para a mistura da argamassa foi utilizado o conjunto
de argamassadeira de movimento planetário, com cuba de
5 litros da SOLOTEST e para a moldagem dos corpos de
prova foram utilizadas formas prismáticas metálica com três
compartimentos de 4x4x16cm da SOLOTEST. Para realizar
os ensaios de compressão e tração na flexão foi utilizada a
Prensa Eletrohidráulica com Indicador Digital Gráfico, da
SOLOTEST.
Foram necessários moldar 12 corpos-de-prova sendo
3 corpos-de-prova para os ensaios de flexão, compressão e
densidade de massa da a argamassa de referência bem como
3 corpos-de-prova para cada porcentagem de substituição
apresentada (10%, 15% e 20%). A determinação dos valores
referentes às variáveis respostas foi realizada no 28o dia de
moldagem, por se tratar da data em que a argamassa atinge
sua resistência de projeto. A argamassa referência foi dosada
(em volume) numa proporção de cimento: cal: areia de 1:2:9.
Para transformar o traço em volume para traço em massa, foi
necessário realizar um cálculo experimental levando em conta
a massa unitária de cada material em questão. Na Tabela 1
está apresentado o traço em massa após a transformação de
unidades conforme as porcentagens apresentadas.

Tabela 1 – Traço em massa com a proporção de todos os materiais


para as devidas porcentagens de grits.
Cimento Cal Areia Grits
0,0% 1 : 1,099 : : 14,047 : : *
10,0% 1 : 1,099 : : 12,64 : : 1,244
15,0% 1 : 1,099 : : 11,94 : : 1,87
20,0% 1 : 1,099 : : 11,24 : : 2,49

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 155

Para os resultados da influência do resíduo grits em argamassa


será utilizado o programa computacional estatístico, STATISTICA
8.0® (StatSoft, Tulsa, OK, EUA), para a manipulação dos dados e
análise dos resultados. A técnica estatística utilizada para análise
dos dados será a Análise de Variância (ANOVA – Analysis of
Variance).

Resultados e Discussão

Na Tabela 2 e na Figura 1 e 2 estão apresentados os valores


de resistência que caracterizam a resistência à compressão e dos
resultados de resistência à flexão da argamassa com adição de grits
e de referência, utilizados nos ensaios.

Tabela 2. Valores de resistência encontrados como resposta para os


testes de compressão (C) e flexão (TnF) para os 28º dias de moldagem.
%G TnF C
0,00% 0,497 1,375
10,00% 0,494 1,453
15,00% 0,589 1,778
20,00% 0,532 1,224
%G: porcentagem de grits em relação à massa do cimento; TnF: resultado
do ensaio de Tração Na Flexão (MPa); C: resultado do ensaio de compressão
(MPa).

Analisando os resultados referentes à compressão e flexão


apresentados na Tabela 2 é possível perceber que a inserção de grits
na argamassa aumentou a capacidade da argamassa em resistir a
tensões de compressão e tração flexão. De acordo com Álvares et al.
(2013) a inserção de grits modificam positivamente as propriedades
mecânicas da argamassa. Em ensaio realizado pelos autores o
resultado obtido com 100% de grits na mistura foi muito superior ao
obtido para a argamassa produzida apenas com areia.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


156 ANAIS X SIMPAC

Através dos valores apresentados na Tabela 2 é possível


observar que a argamassa com adição de grits produzida neste
experimento foi capaz de suportar tensões de compressão maiores
que as aplicadas na argamassa de referência, com valores máximos
de 45,26%, sendo considerada a argamassa em estado ótimo a
porcentagem de 15%. Segundo Álvares et al. (2013) a qualidade da
argamassa produzida com grits se reflete no aumento da resistência
à compressão axial em relação à argamassa com mesmo traço e
mesma consistência produzida exclusivamente com areia.
Os resultados da Análise de Variância para as respostas
compressão (C) e Tração na Flexão (TnF) foram apresentados na
Tabela 3. A análise de variância para a variável do experimento
demonstra se o fator apresentou diferença estatística significativa
ao nível de 5% (p<0,05).

Tabela 3. Análise de variância (ANOVA) para os resultados


de compressão (C) e Tração na Flexão (TnF) realizada com os
resultados da Tabela 2.
ANÁLISE DE VARIÂNCIA PARA A
RESPOSTA COMPRESSÃO
Fonte GL SQ (Aj.) QM (Aj.) Valor F Valor-P
% 3 0,4293 0,14311 1,54 0,278
Erro 8 0,7450 0,09313
Total 11 1,1744
ANÁLISE DE VARIÂNCIA PARA A RESPOSTA
TRAÇÃO NA FLEXÃO
Fonte GL SQ (Aj.) QM (Aj.) Valor F Valor-P
% 3 0,017701 0,005900 12,07 0,002*
Erro 8 0,003910 0,000489    
Total 11 0,021611    
GL: graus de liberdade; SQ: soma de quadrados; QM: quadrado
médio; Valor F: f calculado. * estatisticamente significativo ao nível
de 5% (p<0,05).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 157

Para a variável resposta de compressão, a análise de variância


mostra que a variação da porcentagem de grits na argamassa
não possui influência estatisticamente significativa ao nível de
5% (p>0,05) nesta variável resposta. Isso indica que o fator não
influência na otimização e no processo de obtenção de argamassa
com resíduo de grits. Já a variável resposta Tração na Flexão, a
análise de variância mostra que a variação da porcentagem de grits
na argamassa possui influência estatisticamente significativa ao
nível de 5% (p>0,05) nesta variável resposta. Isso indica que o fator
influencia positivamente na otimização e no processo de obtenção
de argamassa com resíduo de grits.

Conclusões

• A capacidade de carga de uma argamassa com adição


de grits é maior do que a capacidade de carga de uma
argamassa convencional. Isso porque a inserção de
grits em argamassa melhorou as suas propriedades
mecânicas em termos de compressão e flexão;

• A adição de grits na mistura para a preparação de uma


argamassa aumentou a resistência à compressão da
argamassa, porém não foi significativa ao nível de 5%;

• A adição de grits na mistura para a preparação de


uma argamassa aumentou a resistência à flexão da
argamassa, e foi significativa ao nível de 5%;

• Os resultados obtidos nesta pesquisa podem ser


utilizados para previsão de valores de eficiência de
compressão e flexão em função do parâmetro operacional
porcentagem de grits.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


158 ANAIS X SIMPAC

Referências Bibliográficas

ÁLVARES, A. N. O. et al. Estudo e avaliação da adição de grits


em argamassa. Encontro Latinoamericano De Edificações E
Comunidades Sustentáveis, Curitiba, PR, 2013.

GU, L.; OZBAKKALOGLU, T. Use of recycled plastics in


concrete: A critical review. Waste Management, v.51, 19-42
p, 2016.

MACHADO, C. C; PEREIRA, R. S.; PIRES, J. M. M. Influência


do tratamento térmico do resíduo sólido industrial (Grits)
na resistência mecânica de um latossolo para pavimentos
de estradas florestais. Revista Árvore, vol. 27, n. 4, Viçosa, jul./
ago. 2003.

PlasticsEurope, E. Association Of Plastics Manufactures. An


Analysis of European Latest Plastics Production, Demand
and Waste Data, Brussels, Belgium, 2013.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 159

HIDROCICLONES: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA E A


IMPORTÂNCIA DE SUAS APLICAÇÕES EM PROCESSOS
DE SEPARAÇÃO

Andreza de Faria Alves Cruz1, Fernanda Raquel Carvalho2

Resumo: Devido aos escassos trabalhos obtidos sobre a estrutura das


aplicações dos hidrociclones, o objetivo deste trabalho foi demonstrar
o funcionamento dos hidrociclones, apresentando seu histórico, suas
vantagens e desvantagens e suas aplicações em diversos ramos como
processos de separação. Tratou-se de uma revisão bibliográfica
realizada através de consulta a artigos científicos selecionados
por meio de busca de dados do Scielo e Science Direct. O principal
foco desta revisão foi a compilação de estudos a fim de obter maior
entendimento sobre este processo de separação nas indústrias. Os
estudos encontrados sobre os hidrociclones apontaram que esta
técnica já conhecida há bastante tempo, tem infinitas aplicações nas
áreas indústrias, além de estar passando a ser utilizada em outras
áreas antes não conhecidas como a de materiais biológicos.

Palavras–chave: indústrias, óleos, técnicas.

Introdução

Os hidrociclones são equipamentos utilizados na separação


que apresentavam diversas capacidades, sendo bastante indicados
no tratamento de efluentes envolvendo mistura líquido-líquido,
apesar de também serem empregados em separação sólido-sólido
(ARRUDA, 2008). Como apresenta Fehr e Cloutier (1980, apud
Andrade, 2007), os hidrociclones funcionam com uma corrente que

1
Graduanda em Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: andrezafalvesc@gmail.com
2
Orientadora do curso de Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: fernanda.enq@gmail.
com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


160 ANAIS X SIMPAC

é injetada de forma tangencial em um cilindro, criando um campo


centrífugo, tendo como resultantes duas correntes de saída, sendo a
suspensão concentrada a que desce, e o líquido leve a que sobe pela
região do centro até o topo.
Segundo Coelho (2011), os hidrociclones foram patenteados
em 1891 para separação sólido-líquido na indústria de mineração,
e tornou-se um processo unitário importante nas indústrias. Sua
entrada na indústria petrolífera ocorreu em princípios da década de
70, quando o governo britânico encomendou às universidades das
redondezas o desenvolvimento de um equipamento que permitisse
a remoção de óleo de água contaminada, devolvendo-a ao mar, como
forma de minimizar os danos ecológicos e melhorasse a economia.
Alves (2006) ainda informa que os hidrociclones foram
originalmente desenvolvidos para separar sólidos de líquidos, mas
recentes estudos investigam o uso dos hidrociclones em sistemas de
difícil separação, que é o caso quando as diferenças de densidade
entre sólidos e líquidos muito pequenas.
Desta forma, a relevância do tema em questão se dá devido
à importância de se conhecer e evidenciar métodos de separação de
mais fácil manutenção, de fácil aquisição e baixo custo, sendo esta
uma forma de otimizar processos químicos e também diminuir o
custo de produção das indústrias.

Material e Métodos

Este estudo constitui-se de uma revisão de literatura,


realizada entre fevereiro de 2018 e março de 2018, no qual realizou-
se uma consulta a livros da Biblioteca da Faculdade de Ciências e
Tecnologia de Viçosa – Univiçosa e artigos científicos selecionados
através de busca no banco de dados da Scielo e do Science Direct.
As palavras-chave utilizadas na pesquisa foram hidrociclones e
métodos de separação. Em seguida, buscou-se estudar a definição
desses processos e a evolução de suas aplicações em diversos
âmbitos, principalmente nas indústrias.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 161

Resultados e Discussão

Os hidrociclones têm tido grande destaque em diversas áreas,


isto porque, como estudado por Alves (2012), eles são equipamentos
de construção simplórios, visto que não utilizam partes móveis,
como geralmente ocorre com as centrífugas, e também por serem
de fácil manutenção e operação, precisando de um simples espaço
na planta. Além das aplicações simples em processos de separação,
suas aplicações atuais vão desde remoções de gases dissolvidos à
separação de células animais.
Em outras palavras, para Maciel (2013), a separação por
hidrociclones é um processo físico em que as partículas dispersas
são segregadas da fase líquida pela ação da força peso e da força
de arrasto, estas dependentes da diferença da densidade entre as
fases, do tempo de residência, das dimensões das partículas e dos
equipamentos.
Como explicado por Sampaio, Oliveira e Silva (2007), na
operação dos ciclones é pré-estabelecido que seja utilizado um
diâmetro de corte conhecido como P50, ou seja, diâmetro ou tamanho
de partículas com 50% de probabilidade de ir ou para o underflow
ou para o overflow.
Os exemplos mais comuns encontrados para a aplicação dos
hidrociclones na indústria se dá pela separação de óleos, em que
Arruda (2008) mostra que quando a mistura entra na forma cilíndrica
através da alimentação, dá-se início a rotação da suspensão interna
da câmara, advinda de uma força centrífuga que é responsável pela
aceleração das partículas em direção às paredes. As partículas da
suspensão que sejam mais densas migram para baixo, percorrendo
da parte cilíndrica à parte cônica. Já em caso de partículas sólidas,
as menores são arrastadas para cima e as maiores vão para a parte
cônica em conjunto com uma menor parte do líquido. Um exemplo
de um hidrociclone é mostrado na Figura 1:
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
162 ANAIS X SIMPAC

Figura 1: Projeto de um hidrociclone (ALVES, 2012)

Os hidrociclones possuem vasta aplicação na área de


processamento mineral, sendo alguns exemplos, nos circuitos
de moagem e na deslamagem de minérios para a flotação. O que
ocorre é que os hidrociclones são alimentados com polpa de minério,
dividindo em produtos underflow e overflow, ou seja, o operador
adiciona água à alimentação, o suficiente para que ocorra a formação
de polpa com a amostra de minério. Em seguida, liga-se a bomba
para ocorrer a circulação da água, o necessário para haver a pressão
adequada ao hidrociclone (SAMPAIO; OLIVEIRA E SILVA, 2007).

Como apresentado por Alves (2006), os hidrociclones


apresentam grande potencial para aplicações em processos
biológicos, onde geralmente são utilizadas as centrífugas como
alternativas. Uma importante aplicação do hidrociclone é na
separação de óleo e água em plataformas marítimas, conhecido
como unidades offshore. Ocorre uma aceleração do processo a partir
do aumento da força de campo, além de serem mais compactos,
apresentarem maior capacidade por área, não possuírem partes
móveis, sendo isso essencial para um menor consumo de energia,
além de serem capazes de operar a altas velocidades lineares.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 163

Conclusões

Os hidrociclones estão cada vez mais sendo utilizados nas


mais diversas áreas da Engenharia, sendo destaque por sua
facilidade de manutenção, baixo custo, melhoramento e segurança
dos processos, fazendo com que seja um potencial substituto de
outros muitos métodos de separação conhecidos previamente. Isso
leva a crer que com a continuidade desses estudos, esse método pode
ser aperfeiçoado e se tornar ainda mais útil em outros ramos, como
foi, por exemplo, nos estudos microbiológicos. Apesar de boas fontes
literárias, ainda é necessário que esse tema seja discutido ainda
mais e passe a ser tratado de forma mais ampla nas disciplinas das
áreas acadêmicas.

Referências Bibliográficas

ALVES, A. de F. Separação de leveduras de fermentação


alcoolica em hidrociclones. 2006. 76f. Dissertação (Mestrado
em Engenharia Química) – Faculdade de Engenharia Química,
Universidade Federal de Uberlândia. Disponível em: <http://www.
scielo.br> Acesso em: 2 mar. 2018.

ARRUDA, A.A. Otimização de um hidrociclone utilizado


na separação de uma mistura líquido-líquido.2008. 47f.
Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento de Processos
Ambientais) – Universidade Católica de Pernambuco, Pernambuco.
Disponível em: <http://www.scielo.br> Acesso em: 2 mar. 2018.

COELHO, D.B. Desempenho de um hidrociclone para


separação de águas oleosas. 2011. Disponível em: <http://www.
scielo.br> Acesso em: 2 mar. 2018.

FEHR, M.; CLOUTIER, L. apud ANDRADE, V.T. Critérios


de SCALE-UP para Hidrociclones. Revista Brasileira de
Tecnologia, v.11, p.279-288, 1980. Disponível em: <http://www.
scielo.br> Acesso em: 2 mar. 2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


164 ANAIS X SIMPAC

MACIEL, S.M.S. Efeito da influência de parâmetros


operacionais no processo de separação água/óleo via
hidrociclone. 2013. 61f. Dissertação (Mestrado em Engenharia
Química) – Centro de Ciências e Tecnologia, Universidade Federal
de Campina Grande, Campina Grande. Disponível em: <http://
www.scielo.br> Acesso em: 2 mar. 2018.

SAMPAIO, J.A.; OLIVEIRA, G.P.; SILVA, A.D. Ensaios de


classificação em hidrociclone. Tratamento de Minérios: Práticas
Laboratoriais – CETEM/MCT. 2007.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 165

CICLONES: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA E A


IMPORTÂNCIA DE SUAS APLICAÇÕES EM PROCESSOS
DE SEPARAÇÃO

Andreza de Faria Alves Cruz1, Fernanda Raquel Carvalho2

Resumo: Este estudo teve como objetivo explicar o funcionamento


dos ciclones, além de apresentar as suas vantagens e suas principais
aplicações em diversos ramos como processos de separação. Tratou-
se de uma revisão bibliográfica realizada através de consulta a
artigos científicos selecionados por meio de busca de dados do Scielo
e Science Direct. Os estudos encontrados sobre os ciclones apontaram
que essa técnica, apesar de conhecida e patenteada há bastante
tempo, têm se revelado promissora nos dias atuais com o avanço
da tecnologia industrial nas mais diversas áreas e também na área
ambiental, decorrente dos inúmeros problemas ambientais que vêm
sido noticiados. O foco desta revisão foi reunir estudos de modo a
obter um maior entendimento sobre este processo de separação
nas indústrias. Os estudos sobre ciclones são extensos em relação
a aplicações, pois são utilizados tanto em indústrias alimentícias,
farmacêuticas, de madeiras, como também em processos catalíticos
e em reatores. Apesar das notícias serem promissoras, ainda
é necessário um maior desenvolvimento e abrangência destes
estudos, principalmente na área acadêmica, para que se torne do
conhecimento de todos.

Palavras–chave: indústrias, óleos, técnicas.

Introdução

Os ciclones são equipamentos de geometria cônica que geram


campo centrífugo com a intenção de coletar partículas sólidas
presentes em uma corrente gasosa, sendo a parte sólida underflow
1
Graduanda em Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: andrezafalvesc@gmail.com
2
Orientadora do curso de Engenharia Química– FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: fernanda.enq@gmail.
com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


166 ANAIS X SIMPAC

(abaixo) e a parte gasosa overflow (acima). Suas principais


características dizem respeito à eficiência de coleta e fracionamento,
diâmetro de corte e queda de pressão (LACERDA, 2007).
Para Arruda (2008), os ciclones são um dos mais antigos
equipamentos na indústria de sistemas particulados, sendo
patenteados e reconhecidos desde o século XIX, quando eram
utilizados restritamente na remoção de areia de águas. Uma
aplicação do ciclone, conforme citado por Andrade (2007), era o
equipamento de desaguamento. O procedimento é feito variando a
abertura do apéx (alojamento próximo à saída), ou seja, à medida
que ela diminui a porcentagem de sólidos no underflow é maior.
Os ciclones são utilizados desde o Egito antigo, mas durante
os séculos suas principais funções sofreram modificações a fim
de encontrar uma vasta gama de aplicações, como as conhecidas
atualmente. Originalmente utilizavam-se separadores gravitacionais
e o tempo necessário para promover a separação de fases era bem
maior. No caso da substituição deles pelos ciclones, essa separação
ocorre em segundos, trazendo ganhos em relação à área ocupada
(CIPOLATO, 2011).
A importância do tema em questão se dá devido aos ciclones
terem ganhado destaque em estudos recentes, por serem equipamentos
com maior leque de utilização, mais fácil aquisição e construção, e
menor custo destinado à recuperação de materiais (ARRUDA, 2008).
Além disso, processos de separação como estes se fazem necessários e
essenciais nas indústrias dos mais diversos tipos.

Material e Métodos

Este estudo constitui-se de uma revisão de literatura,


realizada entre fevereiro de 2018 e março de 2018, no qual realizou-
se uma consulta a livros da Biblioteca da Faculdade de Ciências e
Tecnologia de Viçosa - Univiçosa e artigos científicos selecionados
através de busca no banco de dados da Scielo e do Science Direct.
As palavras-chave utilizadas na pesquisa foram ciclones e métodos

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 167

de separação. Em seguida, buscou-se estudar a definição desses


processos e a evolução de suas aplicações em diversos âmbitos,
principalmente na indústria.

Resultados e Discussão

Os ciclones têm sido alvo de recentes estudos, conforme dito


por Lacerda (2007), sua utilização está nas indústrias químicas,
alimentícias, de fabricação de tintas, metalúrgicas e principalmente
na área ambiental, visto a preocupação da legislação a temas nesta
área. Além disso, seus usos se estendem a processos como secadores,
reatores e recuperadores catalíticos. Suas principais qualidades
são em relação ao volume ocupado, baixo custo de operação e
manutenção, vida útil longa, não tem limitações operacionais por
temperatura de gases, podendo ser utilizados um ou mais ciclones
em série ou paralelo, otimizando o processo. A estrutura do ciclone
é mostrada na Figura 2:

Figura 1:Projeto de um ciclone (LACERDA, 2007)

Como visto na figura 1, que representa uma vista de um


ciclone, tem-se a entrada tangencial e as dimensões necessárias
ao projeto do equipamento, sendo elas o diâmetro do cilindro
(Dc), a altura do cilindro (Lc), o diâmetro do duto de saída do gás

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


168 ANAIS X SIMPAC

do overflow (Do), diâmetro do underflow (Du), altura cônica (Zc),


comprimento do tubo de saída do gás interno no ciclone (Sc), altura
da alimentação (Hc) e largura da alimentação (Bc). Sendo assim, o
que acontece nessa separação líquido-gás é o movimento do fluido
com partículas em suspensão no interior do ciclone em dupla hélice,
realizando um movimento circular. Já as partículas presentes na
corrente do gás, devido à força centrífuga, deslocam-se em direção
à parede, perdendo velocidade por atrito e sendo coletadas no fundo
(underflow); enquanto o gás, quando chega ao fim do cone, inverte o
sentido e vai em direção à parte superior em movimento ascendente
(overflow). Sendo assim, geralmente existem dois tipos de ciclones,
sendo eles o de fluxo axial e o de fluxo reverso, sendo este o mais
utilizado na maioria dos processos (LACERDA, 2007).
Para Wang et al. (2004), ciclones menores tendem a ser mais
eficientes e operam com perdas e cargas menores que ciclones
muito maiores. Sendo assim, na Engenharia, apesar de os ciclones
suportarem vazões de 50 a 50.000 m³/h, é comum dividir vazões
para ciclones em paralelo quando sua vazão é maior que 20.000
m³/h a fim de evitar consequências de acomodação espacial.
Sendo Cipolato (2011), uma aplicação específica para ciclones
é no processo de fabricação de tintas. O ciclone tem o papel de coletar
o pó produzido “para a venda”, deixando os finos seguirem com o
fluxo de ar, sendo retidos em um conjunto de filtros, com retenção
de partículas maiores que 0,5 micrômetros. Esse pó desce por ação
da gravidade até uma peneira rotativa, separando o material grosso
para reciclagem. Sendo assim, o ciclone é considerado o coração do
processo de separação da tinta boa para venda.
Os ciclones podem ser empregados em diversas áreas para
remoção eficiente de partículas relativamente grandes de uma
corrente gasosa. Lacerda (2007) mostra alguns exemplos, como, por
exemplo, na Engenharia Ambiental, que é utilizado na remoção
de material particulado poluente de um efluente no estado gasoso;
na Engenharia Química, tem a função de separar partículas em
produtos de valor comercial; na Engenharia de Segurança, é aplicado
na separação e controle das poeiras nos ambientes de trabalho; na
Farmácia e nos alimentos, faz-se a separação e classificação de

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 169

drogas e alimentos. Outros exemplos gerais são no processamento da


madeira, fertilizantes, produção de cimentos, unidades de moagem,
reatores químicos, trocadores de calor, secagem de materiais
granulares, nas refinarias de petróleo para certificar que o processo
tem prosseguimento para obtenção da gasolina.

Uma aplicação do ciclone pode ser observada na Figura 2:

Figura 2: Utilização do ciclone no processo de fabricação de tintas


em pó (CIPOLATO, 2011)

Conclusões

Apesar de os ciclones já serem conhecidos e patenteados há


muito tempo, os estudos de suas aplicações têm crescido nos últimos
anos à medida que ocorre um avanço da tecnologia industrial e do
ramo dessas indústrias, sendo as aplicações múltiplas, como na
área de alimentos, farmacêutica, de petróleo, controle ambiental,
engenharia de segurança do trabalho, produção de madeira,
produção de cimento, etc., e também da importância do controle de

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


170 ANAIS X SIMPAC

poluentes, devido aos grandes problemas ambientais recentes. Isso


porque, à medida que as indústrias avançam, maior a necessidade
de processos de separação eficientes e de baixo custo.

Referências Bibliográficas

ANDRADE, V.T. Critérios de SCALE-UP para Hidrociclones.


Revista Brasileira de Tecnologia, v.11, p.279-288, 1980.
Disponível em: <http://www.scielo.br> Acesso em: 2 mar. 2018.

ARRUDA, A.A. Otimização de um hidrociclone utilizado


na separação de uma mistura líquido-líquido.2008. 47f.
Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento de Processos
Ambientais) – Universidade Católica de Pernambuco, Pernambuco.
Disponível em: <http://ww.scielo.br> Acesso em: 2 mar. 2018.

CIPOLATO, C.A. Dimensionamento, construção e análise


de desempenho de ciclone para otimização da separação
granulométrica de partículas em fábricas de tintas em pó.
2011. 88f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia Ambiental) –
Universidade de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto. Disponível em:
<http://www.scielo.br> Acesso em: 2 mar. 2018.

LACERDA, A.F. Estudo dos efeitos das variáveis geométricas


no desempenho de ciclones convencionais e infiltrantes.
2007. 100f. Tese (Doutorado em Engenharia Química) – Faculdade
de Engenharia Química, Universidade Federal de Uberlândia,
Uberlândia, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br> Acesso
em: 2 mar. 2018.

WANG, L.K et al. Air pollution control engineering. Totowa-NJ,


Estados Unidos: Editora Humana Press Inc., 2004.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 171

ESTRATÉGIA DE UMA DIETA LOW CARB

Andreza Ferreira da Silva1, Francielle Teixeira Santos2, Mirella de


Paiva Santos3, Viviane Gomes Lelis4

Resumo: Como a obesidade vem sendo um problema mundial, há


várias estratégias alimentares se formando para, também, reduzir
este agravo. Como por exemplo o baixo consumo de carboidratos
que leva a uma redução na liberação de insulina, fazendo com
que os estoques de gorduras armazenados no corpo sejam usados
como fonte de energia. E dessa maneira estimula o corpo a usar a
gordura como principal fonte energética, com isso ocorre a perda de
peso de maneira mais rápida. Mediante a isso foi elaborada esta
revisão com o objetivo de melhor compreensão da dieta Low Carb
como estratégia para o controle do peso e redução da obesidade,
diminuindo o número de Doenças Crônicas Não Transmissíveis,
através de artigos já publicados sobre o assunto.

Palavras–chave: Baixo carboidrato, perda de peso, restrição

Introdução

Atualmente a obesidade tem sido um fator alarmante no Brasil,


chamando a atenção para o agravo nutricional, sendo associado a
incidência de Doenças Crônicas Não Transmissíveis, como diabetes
e doenças cardiovasculares.
De forma contemporânea, preocupações relacionadas à saúde,
ao bem-estar e à boa forma física impulsionaram o aparecimento
de diferentes correntes dietéticas (PELLERANO; MINASSE, 2015).
Low carb, o termo derivado do inglês, se refere a uma gama de
tipos de regime alimentar em que a recomendação é aumentar o
consumo de proteínas e lipídios e diminuir radicalmente a ingestão
1
Graduanda em Nutrição –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: andrezaferreira175@yahoo.com
2
Graduanda em Nutrição –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: francielleteixeiras@outlook.com
3
Graduanda em Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA e-mail: mirellapsant@hotmail.com
4
Professora do Departamento de Nutrição FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: vivianegomeslelis@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


172 ANAIS X SIMPAC

de carboidratos (ALMEIDA, 2017). O baixo consumo de carboidratos


leva a uma redução na liberação de insulina, fazendo com que os
estoques de gorduras armazenados no corpo sejam usados como
fonte de energia. E dessa maneira estimula o corpo a usar a gordura
como principal fonte de energia, na forma de corpos cetônicos, que
substituem a glicose obtida através de carboidratos, acarretando
assim a perda de gordura corporal, ademais, os corpos cetônicos
também inibem a fome (PARTSALAKI; KARVELA; SPILIOTIS,
2012).
A Low Carb tem sido utilizada para a redução de peso corporal,
porém é também indicada para controle glicêmico em diabéticos
do tipo 2, para indivíduos epiléticos e para distúrbio de Ovário
policístico. Tal estratégia possui benefícios em relação ao aumento
do HDL Colesterol, melhora do perfil lipídico e contribui para a
diminuição dos triglicerídeos.
A modificação dietética continua sendo a chave para o sucesso
da perda de peso. No entanto, nenhuma estratégia alimentar é
consistentemente superior a outras para a população em geral.
Pesquisas anteriores sugerem que o genótipo ou a dinâmica da
glicose da insulina podem modificar os efeitos das dietas (GARDNER
et al., 2018).
Este é um trabalho que tem como objetivo melhor compreensão
da dieta Low Carb como estratégia para o controle da obesidade,
reduzindo o número de doenças crônicas não transmissíveis, através
de artigos já publicados sobre o assunto.

Material e Métodos

O presente estudo caracteriza-se por uma revisão bibliográfica,


realizada em março de 2018, com utilização de literaturas no
período de 2009 a 2015 com os descritores “Low Carb”, “Obesidade” e
“Transição Nutricional”. Para tais buscas foram utilizados os bancos
de dados para obtenção dos artigos PubMed, Scielo, Google Acadêmico
nos quais selecionamos dez artigos, e ao lermos o conteúdo excluímos
cinco que não tinha o mesmo objetivo desta revisão. Foi selecionado,
então, cinco trabalhos os quais são citados neste material.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 173

Resultados e Discussão
Tabela 1- Informações de artigos sobre Dieta Low Carb
Autor Tema Objetivo Conclusão
Bonnie J. Um estudo Comparar os efeitos de Uma dieta muito baixa em
Brehm Randy randomizado uma dieta muito baixa em carboidratos, tomada sem
J. comparando uma carboidratos e uma dieta uma restrição específica de
Seeley Stephen dieta muito baixa com restrição de calorias ingestão calórica, é eficaz
R. de carboidratos e e baixo teor de gordura na para a perda de peso durante
Daniels David uma dieta pobre composição corporal e fatores um período de 6 meses em
A. D’Alessio, em gorduras de risco cardiovascular mulheres saudáveis e obesas.
2003 e restrita em
calorias sobre o
peso corporal e os
fatores de risco
cardiovascular
em mulheres
saudáveis.

PELLERANO, “Low carb, Uma reflexão O estilo de vida low carb e


A, J; MINASSE, high fat”: preliminar sobre dietas high fat pode ter uma resposta
M, H, S, G, G, comensalidade e restritivas adotadas na negativa em pessoas que tem
2015 sociabilidade em contemporaneidade, apego emocional pela comida.
tempos de dietas principalmente no que Com a mudança do hábito
restritivas. se refere à disseminação alimentar pode ter mudanças
destes novos hábitos e às na vida social do indivíduo
estratégias adotadas por podendo ter seus laços afetivos
seus praticantes, bem como comprometidos diminuindo
os impactos das novas seu convívio interpessoal
formas de comer. É necessário fazer a união de
novos grupos que oferecem
conforto e incentivo para o
alcance do objetivo.
Gardner CD; Effect of Low- Determinar o efeito de uma Não houve diferença
Trepanowski Fat vs Low- dieta saudável com baixo significativa na mudança de
JF; Del Gobbo Carbohydrate teor de gordura (HLF) versus peso entre uma dieta saudável
LC; et al. 2018 Diet on 12-Month uma dieta saudável com com baixo teor de gordura
Weight Loss baixo teor de carboidratos comparada a uma dieta
in Overweight (HLC) na mudança de peso saudável com baixo teor de
Adults and the e se o padrão genotípico ou carboidratos.
Association a secreção de insulina estão Não teve mudanças no
With Genotype relacionados aos efeitos padrão genotípico nem a
Pattern or dietéticos na perda de peso secreção basal de insulina
Insulin Secretion: foram associados aos efeitos
The DIETFITS dietéticos sobre a perda de
Randomized peso.
Clinical Trial.

Hallberg, S.J; Effectiveness and Avaliamos a eficácia e a Um novo modelo de cuidados


McKenzie, A.L; Safety of a Novel segurança de um novo remotos metabólicos e
Williams, P.T. Care Model for modelo de tratamento contínuos pode ajudar adultos
et al. 2018 the Management que fornece cuidados com diabetes tipo 2 a melhorar
of Type 2 Diabetes remotos contínuos com o com segurança a HbA1c;
at 1  Year: An gerenciamento de medicação Melhora o peso;
Open-Label, Non- com base no feedback Melhora de outros
Randomized, biométrico combinado com biomarcadores enquanto
Controlled Study. a abordagem metabólica da reduz o uso de medicamentos
cetose para diabetes.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


174 ANAIS X SIMPAC

Considerações Finais

De acordo com a tabela acima, a dieta low carb tem


efeitos positivos para a perda de peso, considerando as variáveis
abordadas pelos estudos, pois há uma redução da ingestão de
carboidratos que resultou, além do emagrecimento, a melhora
de alguns biomarcadores corporais, do Diabetes Mellitus tipo 2
consequentemente reduzindo o número de medicamentos ingeridos.
Mesmo com estes benefícios, há casos onde não se obtêm resultados
da modificação da alimentação gera um aumento da ingestão de
proteínas e principalmente lipídeos, e estes por sua vez são as novas
fontes alternativas de energia a serem gastas.

Referências Bibliográficas

ALMEIDA, Gustavo. Pouco carboidrato, muita controvérsia.


Cienc. Cult.,  São Paulo ,  v. 69,  n. 4,  p. 18-19,  Oct.  2017 .
Disponivel em: <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S0009-67252017000400007&lng=en&nrm=iso>.
Acesso em:  06  Abr.  2018.

PATSALAKI, I. et al. Metabolic impact of a ketogenic diet compared


to a hypocaloric diet in obese children and adolescentes. v. 25, n.7-
8, p.697-704, 2012. Disponível em: <https://www.degruyter.com/
view/j/jpem.2012.25.issue-7-8/jpem-2012-0131/jpem-2012-0131.
xml> Acesso em: 06 abr. 2018.

BONNIE, J; Brehm Randy J. Seeley  Stephen R. Daniels David A.


D’Alessio. Randomized Trial Comparing a Very Low Carbohydrate
Diet and a Calorie-Restricted Low Fat Diet on Body Weight and
Cardiovascular Risk Factors in Healthy Women. Revista The
Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, v. 88, n. 4,
p. 1617–1623 1 Abr. 2003. Disponivel em: <https://academic.oup.
com/jcem/article/88/4/1617/2845298>. Acesso em: 06 abr. 2018.

PELLERANO, Joana Angélica; GIMENES-MINASSE, Maria

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 175

Henriqueta Sperandio Garcia. “LOW CARB, HIGH FAT”:


COMENSALIDADE E SOCIABILIDADE EM TEMPOS DE DIETAS
RESTRITIVAS. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde,
[S.l.], v. 10, n. 3, p. 493-506, ago. 2015. ISSN 2238-913X. Disponível
em: <http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/demetra/article/
view/16108/13747>. Acesso em: 06 abr. 2018.

GARDNER, C. D; TREPANOWSKI, J. F; DEL GOBBO, L. C. et al.


Effect of Low-Fat vs Low-Carbohydrate Diet on 12-Month Weight
Loss in Overweight Adults and the Association With Genotype
Pattern or Insulin SecretionThe DIETFITS Randomized Clinical
Trial. JAMA. 2018. Acesso: 06 abr. 2018.

HALLBERG S. J.et al. Effectiveness and Safety of a Novel Care


Model for the Management of Type 2 Diabetes at 1 Year: An Open-
Label, Non-Randomized, Controlled Study. Diabetes Ther (2018)
Acesso em: 06 abr. 2018.

CORDEIRO, R.; SALLES, M. B.; AZEVEDO, B. M. Benefícios


e malefícios da dieta low carb. Revista Foco em Saúde, Piauí,
ed.9, p. 714-722, 2017. Disponível em: < www.unifia.edu.br/revista_
eletronica/revistas/saude_foco/artigos/ano2017/080_beneficios.
pdf>. Acesso em: 28 maio 2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


176 ANAIS X SIMPAC

HIBISCO SABDARRIFA NA OBESIDADE

Francielle Teixeira Santos1, Andreza Ferreira da Silva2, Eliene da


Silva Martins Viana3, Simone Angélica Meneses Torres4, Grasielle
Soares Gusman5

Resumo: Esta é uma revisão bibliográfica na qual se refere ao uso


do fitoterápico hibisco, como um aliado a estratégia de perda de
peso e combate a obesidade. O uso de plantas medicinais vem se
tornado cada vez mais popular e acessível. O objetivo da realização
deste estudo é verificar em fontes científicas se o Hibiscus sabdarrifa
tem realmente resultado na contribuição contra a obesidade e saber
melhor sobre sua funcionalidade. Obteve-se um resultado positivo,
com o estudo dos artigos podemos evidenciar que há efeito do hibisco
quando usado em quantidades ideais de no máximo 200 ml por dia, e
que existe uma redução da gordura abdominal, retenção de líquidos,
minimização dos radicais livres, comprovando que este fitoterápico é
um reforço para perda de peso.

Palavras–chave: fitoterápico, hibisco, perda de peso, obesidade

Introdução

É incontestável que o Brasil, nos últimos anos experimenta


uma rápida transição nutricional. Chama a atenção, o marcante
aumento na prevalência de obesidade, consolidando-se como o
agravo nutricional mais importante, sendo associado a uma alta
incidência de doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes
1
Graduando em Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: francielleteixeiras@outlook.com
2
Graduando em Nutrição – FAVIÇOSA /UNIVIÇOSA. e-mail: andrezaferreira175@yahoo.com
3
Professora do Curso Nutrição – FAVIÇOSA/ UNIVIÇOSA. e-mail: elieneprofuni@gmail.com@yahoo.
com.br
4
Professora do Curso Nutrição – FAVIÇOSA /UNIVIÇOSA. e-mail: simone@univicosa.com.br
5
Professora do Curso Farmácia – FAVIÇOSA /UNIVIÇOSA. e-mail: grasiellegusman@univicosa.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 177

e doenças cardiovasculares. Alterações no estilo de vida, como a


má-alimentação e redução no gasto calórico diário são os principais
fatores que explicam o crescimento da obesidade (SOUZA, 2010).
O hibisco, derivado da planta Hibiscus sabdarrifa, é um
composto rico em antioxidantes, que ajuda a minimizar os efeitos
indesejáveis dos radicais livres. Também possui altas concentrações
de flavonóides com efeito cardioprotetor e vasodilatador, aumentando
assim HDL e diminuindo LDL, triglicerídeos e pressão arterial
(RODRIGUES e RODRIGUES, 2017).
O uso de fitoterápicos para auxílio da obesidade vem sendo
cada vez mais reconhecido e utilizado como intervenção no processo
do emagrecimento. Atualmente encontra-se uma grande variedade
de plantas medicinais, como: chá verde, cavalinha, cúrcuma,
moringa e o hibisco. O hibisco é um dos chás que se destacam por
suas propriedades nutricionais, diuréticas e seus benefícios. O uso
deste é uma alternativa para melhoria dos resultados juntamente à
uma dieta equilibrada.

Material e Métodos

De acordo com a pesquisa realizada, foi utilizada para


levantamento de informações os seguintes bancos de dados: Pubmed,
onde os descritores utilizados foram “Hibiscus sabdarrifa” e
“Obesity”, no qual foram selecionados artigos liberados e publicados
nos últimos cinco anos, destes foram encontrados três e apenas um
utilizado; Google Acadêmico, com os seguintes descritores “Hibiscus
sabdarrifa and Obesity” no qual foram selecionados artigos desde
2014, assim foram encontrados 1100 artigos e somente um utilizado,
também foi pesquisado por “Hibiscus sabdarrifa e “Obesidade”
por artigos desde 2014, no qual foram encontrados 71 publicações
e utilizado apenas uma publicação, ainda no mesmo banco de
dados, foi pesquisado pelo termo “Transição Nutricional no Brasil”
onde foram encontrados 15600 artigos desde 2014, e foi utilizado
apenas um artigo para complemento. Por fim foi utilizado a revista
acadêmica de Anais Simpac Univiçosa para pesquisa, usando
descritores “Hibisco”.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


178 ANAIS X SIMPAC

Resultados e Discussão

Tabela 1 – Informações de artigos sobre o uso do Hibisco.


Autor Tema Objetivos Conclusão

Dos pacientes
entrevistados, muitos
Identificar quais
fazem uso do hibisco,
fitoterápicos os
e declararam dores
Fitoterapia Como pacientes do
RODRIGUES e abdominais após o
Coadjuvante No ESF de Pedro
RODRIGUES, uso, alguns relataram
Tratamento Da Leopoldo-MG
2017 a ingestão de forma
Obesidade. utilizavam, e
indiscriminada e sem
se havia efeitos
prescrição, o que pode
adversos.
explicar os efeitos
colaterais.
O hibisco pode
ser utilizado como
Os Efeitos Do Verificar se o uso
CUNHA et.al. um aliado para o
Hibisco (Hibiscos do hibisco é eficaz
2016 emagrecimento, mas
Sabdarrifa) No no auxílio ao
que ainda é necessário
Emagrecimento. emagrecimento.
mais estudos nesta
área.

O extrato
de Hibiscus
Realizar um
sabdarrifa inibe O uso do extrato
ensaio clinico
CHANG et. al. obesidade e do hibisco reduz a
pata verificar
2014 acumulação obesidade, a esteatose
a função do
de gordura hepática e gordura
extrato de hibisco
e melhora a abdominal.
no potencial
esteatose hepática
de proteção
em humanos
metabólica.
Efeito do extrato
de Hibiscus Investigar os
Segundo o autor,
sabdariffa efeitos anti-
o efeito do extrato
HUANG et. al. na obesidade obesidade do
do hibisco é eficaz e
2015 induzida por dieta extrato de água
viável para o controle
rica em gordura extrato de hibisco
da obesidade
e danos no fígado in vivo.
em hamsters.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 179

Com base no estudo dos artigos e na tabela 1, pode-se


observar que de acordo com o estudos dos autores Rodrigues e
Rodrigues (2017) foi feita uma coleta de dados na cidade de Pedro
Leopoldo- MG, onde se concluiu que os pacientes que utilizaram
o fitoterápico hibisco de forma indiscriminada relataram dores
abdominais, explicando os efeitos colaterais causados pelo mesmo.
Em contrapartida para Cunha e colaboradores (2016) e Chang e
seus colaboradores (2014) em seus diferentes estudos alegaram
que o uso do hibisco pode ser um ótimo aliado ao emagrecimento,
concluindo assim sua eficácia. E ainda de acordo com Huang e
seus colaboradores no de 2015 realizaram um estudo em hamisters
que comprovaram o uso do fitoterápico hibisco para o controle da
obesidade.
Considerações Finais

De modo geral, baseando-se nos artigos descritos nesta revisão


bibliográfica, a ingestão de fitoterápicos, em especial o Hibiscus
sabdariffa ou o seu extrato tem grandes potenciais benéficos ao
organismo, sendo importante ressaltar que para o alcance de tais
benefícios é necessário o acompanhamento de um profissional
qualificado.
Também pode-se concluir que a utilização do hibisco pode
contribuir para perca de peso e redução dos níveis de obesidade,
devido a suas propriedades antioxidantes, diuréticas, laxativas e
digestiva.
Agradecimentos

Às professoras Eliene e Simone Torres, pela orientação,


apoio е confiança na realização deste trabalho.

Referências Bibliográficas

CUNHA, J.M. et.al. OS EFEITOS DO HIBISCO (HIBISCOS


SABDARIFFA) NO EMAGRECIMENTO. Revista Científica
Univiçosa - Volume 8- n. 1 - Viçosa - MG - Jan. - dez. 2016- p. 657-

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


180 ANAIS X SIMPAC

661. Disponivel em:< https://academico.univicosa.com.br/revista/


index.php/RevistaSimpac/article/view/715>. Acesso em: 17 mar.
2018

CHANG, H. et. al; HIBISCUS SABDARIFFA EXTRACT INHIBITS


OBESITY AND FAT ACCUMULATION, AND IMPROVES LIVER
STEATOSIS IN HUMANS. Newspaper Food & Function,
janeiro 2014. Disponível em: < http://pubs.rsc.org/-/content/
articlelanding/2014/fo/c3fo60495k/unauth#!divCitation >.
Acesso em: 17 mar. 2018

HUANG, T.W. et. al.   EFEITO DO  EXTRATO


DE  SABDARIFFA  DE  HIBISCUS  EM OBESIDADE INDUZIDA
POR DIETA E ALTO TEOR DE GORDURA EM HAMSTERS.
Revista Pesquisa de alimentos e nutrição  .  2015. Disponivel
em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4608971/ >.
Acesso em: 17 mar. 2018

RODRIGUES, D. N; RODRIGUES, D. F. FITOTERAPIA COMO


COADJUVANTE NO TRATAMENTO DA OBESIDADE.  Revista
Brasileira de Ciências da Vida, [S.l.], v. 5, n. 4, p. 19, dez. 2017. ISSN
2525-359X. Disponível em: <http://jornal.faculdadecienciasdavida.
com.br/index.php/RBCV/article/view/379>. Acesso em: 17 mar.
2018.

SOUZA, E. B. TRANSIÇÃO NUTRICIONAL NO BRASIL: ANÁLISE


DOS PRINCIPAIS FATORES. Revistas unifoa, Capa  >  v. 5, n.
13 (2010). Disponível em: <http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/
cadernos/article/view/1025/895>. Acesso em: 17 mar. 2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 181

O PROJETO RONDON E A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA:


REFLEXÕES NO MUNICÍPIO DE GARRAFÃO
DO NORTE- PARÁ

Angélica Martins da Silva1

Resumo: Esta pesquisa foi elaborada a partir da investigação das


experiências educativas da Operação Forte do Presépio do Projeto
Rondon no Município de Garrafão do Norte localizado no Pará. A
extensão universitária foi realizada pelos discentes e docentes da
Universidade Federal de Viçosa. O objetivo é relatar essa experiência,
que continha como finalidade a mudança para um olhar critica dos
cidadãos. Realizou-se oficinas com crianças, jovens e adultos nas
temáticas “Meio Ambiente, Cooperativismo, Valorização da Cultura
Local e Educação Infantil”, para uma formação reflexiva que conduz
uma transformação da condição de opressão. Constata-se que a
Operação Forte do Presépio realizada propiciou uma reflexão crítica
nas atitudes dos cidadãos, o que está resultando no crescimento
social do município. Devido às diferentes oficinas realizadas pelos
rondonistas, a população garrafaense agora conhece novas atitudes,
capazes de promover uma práxis orientada para se ultrapassar os
paradoxos vivenciados enquanto excluídos da sociedade, emergindo
nesses cidadãos a consciência crítica , sobretudo a consciência
política.

Palavras–chave: Cidadania, Educação, Formação

Introdução

O Projeto Rondon é uma ação extensionista desenvolvida


no Brasil, coordenada pelo Ministério da Defesa juntamente com
colaboração da Secretária de Educação Superior do Ministério
da Educação (MEC). Com o intuito de estudantes universitários
vivenciarem a realidade do nosso país, são realizadas atividades
1
Graduada em Pedagogia- Universidade Federal de Viçosa. e-mail: angelica.
martins@ufv.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


182 ANAIS X SIMPAC

interdisciplinares em cidades que possuem condições precárias


de vulnerabilidade social e que são consideradas isoladas. No
Município de Garrafão do Norte no Estado do Pará foi realizada à
Operação Forte do Presépio com o apoio de discentes e docentes da
Universidade Federal de Viçosa (UFV) nos dias 08 á 19 de julho de
2013. Neste contexto, a presente comunicação tem como objetivo
relatar a experiência realizada em meio a oficinas, que auxiliou o
desenvolvimento cidadão de indivíduos excluídos da sociedade em
que vivemos.

Material e Métodos

As oficinas foram realizadas pelas discentes e os docentes


rondonistas da UFV com uma programação abrangendo o município
de Garrafão e os seus Distritos: Cotovelo, Poção, Argola, Livramento
e Castanhalzinho. O grupo de rondonistas realizou suas atividades
juntamente com educadores, jovens, mulheres, crianças, líderes
comunitários, representantes da sociedade civil, agricultores e
sindicatos.
Foram realizadas rodas de conversa, visitas e encontros com
cerca de aproximadamente 300 indivíduos. Dentre as atividades
constituíam-se á projeção de filmes para crianças; cursos para
agricultores; atividades de educação ambiental; oficinas de
cooperativismo para mulheres; gincana para crianças; participação
dos rondonistas na feira da cidade; atividades para os adolescentes
(rodas de conversas, amostra de profissões, trocas culturais);
atividades de economia ambiental; oficina de reciclagem; encontro
com a história e memória de Garrafão do Norte; oficinas sobre
doenças transmissíveis pela água e por insetos; e oficina de sabão
ecológico.
A Professora e os estudantes da Universidade Federal
de Viçosa dividiram as atividades em torno das temáticas “Meio
Ambiente, Cooperativismo, Valorização da Cultura Local e Educação
Infantil”, fundamentando-se pelo Método de Paulo Freire que conduz
uma reflexão crítica, esses momentos foram realizados partir das
vivências da comunidade e refletindo sobre as perspectivas atuais

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 183

da população, buscando proporcionar momentos que atendessem a


emergência da formação de uma consciência cidadã na população.

Resultados e Discussão

A temática sobre Meio Ambiente foi iniciada com a construção


de uma lixeira em frente à Escola Municipal de Ensino Fundamental
João Linhares. Os rondonistas removeram o que havia de detritos
perto do muro da escola e construíram um porta lixo de madeira.
Posteriormente, informaram aos cidadãos sobre a importância do
seu uso para a saúde ambiente e populacional. Neste contexto, na
dinâmica cujo objetivo era promover uma reflexão sobre a água e
sua importância para a manutenção da biodiversidade e a economia
local, refletiu-se sobre as causas que levam à diminuição e poluição
dos rios da região, considerando também o conhecimento da
população sobre a importância deste bem não renovável. A partir de
um diálogo, os cidadãos de Garrafão do Norte perceberam como suas
atitudes interferiam, de forma positiva ou negativa, na natureza,
desenvolvendo assim uma consciência política ambiental sobre esse
assunto. Desse modo, a missão do rondonista, que consiste em ir
além do assistencialismo, foi cumprida, pois, este, conforme afirma
Paulo Freire (2012) “deve ser capaz de colaborar com o povo na
organização reflexiva de seu pensamento”.
As atividades que continham a temática sobre
Cooperativismo justificam-se devido à necessidade de a população
tomar conhecimento sobre práticas alternativas para desenvolver
melhores condições econômicas e sociais por meio de cooperativas.
De acordo com Lima “o trabalho cooperado pressupõe autonomia
dos sócios, cuja adesão deve ser livre e não imposta; os cooperados
devem possuir o caráter de fornecedores e beneficiários dos serviços
prestados ”(2004, p. 88). Algumas pessoas desconheciam sobre o que
era uma cooperativa e como poderia ser útil para o seu município.
Para a preservação do meio ambiente em união com as
cooperativas, as mulheres de Fundo do Pote, Cotovelo, Livramento
e Castanhalzinho verificaram que poderiam utilizar folhas de
jornais para a fabricação de cestas artesanais. Isto se deve por meio

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


184 ANAIS X SIMPAC

dos rondonistas discutirem a possibilidade de um desenvolvimento


sustentável a partir do trabalho artesanal envolvendo jornal e
destacaram a importância do trabalho com o lixo nessa atividade.
Além disso, eles difundiram a ideia de que elas seriam capazes de
fundar na região uma cooperativa de mulheres que tivesse como foco
a produção de cestas, como uma fonte de renda e ascensão perante a
opressão sofrida até então no mercado de trabalho.
Na temática Valorização da Cultura Local, desde antes
do começo da operação, a professora da Universidade Federal de
Viçosa coordenadora das atividades verificou que os garrafaenses
ainda valorizavam pouco a sua cultura, devido no início da povoação
à região era composta por diferentes indivíduos que migraram de
diversas regiões para trabalhar e, por fim, acabaram permanecendo
e constituindo suas famílias em Garrafão do Norte. Essas famílias
tinham pouca crença de que sua cultura era importante e valorizavam
a “cultura vinda do Sul” (expressão que remete a cultura das regiões
brasileiras Sul, Sudeste e Centro Oeste), que lhes chegava aos
olhos com perfeição através de meios de comunicação como rádio,
televisão e internet. Além disso, as crianças eram submetidas a
uma aprendizagem que estava fora dos padrões de sua realidade
local, com livros e matériais didáticos que traziam informações
insuficientes e que não possibilitavam o seu reconhecimento
enquanto indivíduos paraenses. Durante as rodas de conversas, os
educadores afirmavam que verificavam também a falta de materiais
didáticos que conduzissem a um aprendizado intermediado pela
sua cultura. Contendo um diálogo como o que afirma o educador
Paulo Freire sobre a valorização da cultura popular, de que deve
ocorrer a democratização cultural, onde o cidadão não é privado do
conhecimento sobre sua história local. (PRAVATO, 2007).
Refletindo-se sobre a situação dessa temática e preocupados
com os indivíduos, os rondonistas conversaram com os educadores
visando à possibilidade de confeccionar materiais lúdicos a fim de
proporcionar uma aprendizagem significativa. Com o tripé para
a reflexão social: contexto local, a cultura popular e a identidade
garrafaense, os rondonistas planejaram a primeira parte do
“Encontro com a história e memória de Garrafão do Norte”, um

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 185

evento alicerçado no saber prévio da população sobre a história


local e sobre o seu município. No encontro cada garrafaense pode-se
identificar com a história do seu povo, e outras pessoas puderam
conhecer, com mais detalhes, a raiz histórica do município.
Nas quatro temáticas que os discentes e docentes da UFV se
propuseram a realizar, o eixo sobre Educação Infantil caracterizou-
se pelo que continha maior número de participantes, seja nas
atividades diurnas ou noturnas. Em meio ao desenvolvimento do
município, as crianças e os adolescentes tinham breves contatos
com bens e afazeres que eram seus direitos e deveres que, por falta
de oportunidades sociais e econômicas, a administração local e sua
família não poderiam lhes oferecer. Além disso, era nítido que uma
das maiores carências que continham era à afetiva. Os discentes e
os docentes da UFV tinham conhecimento de que não conseguiriam
resolver todos esses problemas, mas neste instante percebia-se a real
importância da atuação dos rondonistas para promover mudança
no paradigma de Garrafão do Norte. Montou-se um planejamento
com atividades fundamentadas no Método de Paulo Freire. Círculos
de Cultura foram desenvolvidos por meio de encontros e oficinas
que continham brincadeiras e jogos. As atividades fundamentaram-
se nas manifestações culturais dos sujeitos através de brincadeiras
utilizando cantigas de rodas e jogos com materiais reciclados, com o
objetivo de promover o reconhecimento de sua identidade enquanto
crianças e jovens.
Em outro espaço de formação, ocorreu um diálogo com jovens
sobre a oportunidade de se tornar um estudante universitário. Os
jovens relataram que este era um sonho, mas acreditavam que
era de difícil concretização. Os rondonistas mostraram por meio
de diálogos com os jovens que era possível realizar aquele sonho
e relataram alguns meios viáveis iniciais para o ingresso em uma
Instituição de Ensino Superior, citando, por exemplo a história
pessoal de um rondonista oriundo de escola pública para conseguir
ingressar no ensino superior em um universidade pública e,
posteriormente, ao decorrer de sua graduação ser selecionado para
participar do Projeto Rondon.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


186 ANAIS X SIMPAC

Conclusões

Contudo, o Projeto Rondon da Operação Forte do Presépio


com a participação dos rondonistas da UFV, concluiu suas ações
para a formação libertadora da comunidade e a perspectiva crítica
do estudante universitário além do campus universitário, partindo
do pressuposto de que para ocorrer à transformação social deve-se
relacionar os conhecimentos do saber científico e o saber popular, os
quais tornaram possível uma transformação social.
As ações rondonistas realizadas pelos estudantes da
Universidade Federal de Viçosa devem ter sua continuidade para
além do município de Garrafão do Norte, sendo essas ações necessitam
ser realizadas desenvolvendo-se projetos a serem efetivados em seu
meio social, buscando transformar outras realidades, contribuindo
para o desenvolvimento da sociedade e ampliando os horizontes das
comunidades oprimidas.

Agradecimentos

Agradeço a equipe de Rondonista da Universidade Federal


de Viçosa participantes da Operação Forte do Presépio do Projeto
Rondon.

Referências Bibliográficas

FREIRE, P.  EXTENSÃO OU COMUNICAÇÃO? São Paulo: Paz


e Terra, 2012.

LIMA, F. M. M. ELEMENTOS DE DIREITO DO TRABALHO


E PROCESSO TRABALHISTA. 1Oª ed. São Paulo: LTR, 2004,
p. 88.
PRAVATO, C. M. PROJETO RONDON E ENSINO NO BRASIL:
CONSTRUÇÃO DE UMA ALIANÇA ENTRE CONHECIMENTO
EMPÍRICO E CIENTÍFICO [trabalho de conclusão de curso]. Juiz de
Fora: Universo; 2007.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 187

PERFIL DE FREQUENTADORES DE UMA REDE DE FAST-


FOOD DO MUNICÍPIO DE VIÇOSA – MG

Angélica Martins Gomes1, Flávia Xavier Valente2

Resumo: A compreensão das características dos indivíduos que


tem o hábito de consumir fast-food pode auxiliar no direcionamento
de condutas nutricionais. Desta forma, o objetivo deste trabalho
foi descrever o perfil socioeconômico, de estilo de vida, e de
comportamento alimentar de consumidores de uma rede de fast-food
de Viçosa-MG. Trata-se de estudo transversal e descritivo que foi
realizado com adultos que frequentaram a rede de fast-food no mês
de setembro de 2017. Foram coletadas informações sobre condições
socioeconômicas, estilo de vida, estado nutricional e comportamento
alimentar por meio de questionários. Participaram do estudo 25
adultos, dos quais 64% eram mulheres. A maioria dos participantes
se autodeclarou parda, estudou até o ensino médio, eram solteiros
e de classe média. Em relação ao estilo de vida, foi observado que
52 % eram irregularmente ativos ou sedentários. A maioria dos
participantes (36%) frequentavam redes de fast food pelo menos seis
vezes na semana, principalmente para consumir café da manhã e
lanches. O estado nutricional da maioria era de eutróficos (68%) e
32% eram obesos. O comportamento alimentar mais prevalente foi
o de restrição cognitiva, principalmente em obesos. Desta forma,
observou-se que frequentaram a rede de fast-food adultos de classe
média, solteiros e que praticam pouca atividade física. Apesar disso,
tais indivíduos eram eutróficos e apresentavam como comportamento
alimentar a restrição cognitiva.

Palavras–chave: comportamento alimentar, estilo de vida, fast-


food, restrição cognitiva

1
Graduanda em Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: angelica.gomes.ara@gmail.com
2
Professora do Departamento de Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: flaviaxavier@univiçosa.
com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


188 ANAIS X SIMPAC

Introdução

O Brasil está passando por um processo de transição


nutricional no qual se observa o aumento crescente da obesidade
(ROMBALDI et al., 2013). Associado a este fato, estão as mudanças
nos hábitos alimentares da população brasileira, cuja dieta que era
baseada em grãos, tubérculos, frutas, legumes, feijão e arroz, foi
substituída pelo consumo crescente de produtos industrializados
e refeições fora do domicílio, como os fast-foods (CAIN; SANTOS;
NOVELLO, 2016).
As mudanças no padrão alimentar dos indivíduos brasileiros
nas últimas décadas não foram apenas referente ao aumento no
consumo de industrializados, mas também em relação ao local onde
são realizadas as refeições e aos tipos de preparações consumidas.
Destaca-se o crescimento no número de restaurantes, lojas de
conveniência, padarias, lanchonetes e redes de fast-food (BEZERRA
et al., 2013). Concomitantemente, tem-se observado um aumento no
gasto mensal com alimentação fora do domicílio, especialmente em
locais que oferecem refeições rápidas (CARÚS; FRANÇA; BARROS,
2014).
As redes de fast-food disponibilizam alimentos conhecidos como
ultraprocessados, que são alimentos práticos, duráveis, atrativos
e acessíveis a todas as faixas etárias. Além disso, oferecem como
serviço lanches e refeições rápidas e de menor preço (BEZERRA
et al., 2013). Porém, trata-se de uma alimentação incompleta,
industrializada, à base de conservantes, calorias, gorduras e açúcar
com poucas vitaminas e fibras (CAIN; SANTOS; NOVELLO, 2016).
Decorrentes de um estilo de vida inadequado, incluindo a
alimentação não saudável, as doenças crônicas não transmissíveis
(DCNT) se tornaram um problema de saúde pública nos últimos
anos. O diabetes mellitus, dislipidemias, obesidade e hipertensão
arterial constituem os principais fatores de risco para as doenças
cardiovasculares e são responsáveis por aproximadamente 100.000
óbitos por ano no Brasil (ROMBALDI et al., 2013).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 189

De acordo com Bezerra et al. (2013) frequentar redes de fast-


food se tornou um hábito dos brasileiros. Desta forma o objetivo do
estudo foi descrever o perfil de adultos que frequentam uma rede de
fast-food no município de Viçosa-MG.

Material e Métodos

Trata-se de um estudo observacional, de corte transversal,


descritivo, sendo que a amostragem foi por conveniência. Foram
convidados a participar da pesquisa todos os indivíduos, na faixa
etária de 20 a 60 anos, de ambos os sexos, que frequentaram a rede
de fast-food no mês de setembro de 2017, situada na área urbana
da cidade de Viçosa – MG. Aqueles que aceitaram participar da
pesquisa responderam a um questionário geral, ao Questionário
Internacional de Atividade Física (IPAQ) (MATSUDO et al.,
2001) e ao Questionário Alimentar de Três Fatores – TFEQ-R21
(NATACCI; FERREIRA JÚNIOR, 2011), que permite avaliar o
perfil de comportamento alimentar.
Para determinar o nível de atividade física dos voluntários,
foi considerado a frequência, o tempo e o tipo de atividade praticada
(caminhada, atividades moderadas, atividades intensas) na semana
anterior à entrevista. O comportamento alimentar foi avaliado
em três fatores: (1) restrição alimentar cognitiva, que mensura o
nível de proibição alimentar cognitiva; (2) alimentação emocional,
que mensura a propensão de comer exageradamente em resposta
à estados emocionais negativos e (3) descontrole alimentar, que
verifica a predisposição em perder o controle da ingestão alimentar
na presença da fome ou estímulos externos.  O peso e a estatura
foram auto- referidos e estes dados foram utilizados para obtenção
do Índice de Massa Corporal (IMC), cuja classificação foi segundo a
Organização Mundial da Saúde (OMS 1998). Os resultados foram
apresentados em frequência absoluta e relativa. A associação
entre variáveis qualitativas foi avaliada por meio do teste do qui-
quadrado de Pearson (X2), analisados pelo software SPSS (SPSS,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


190 ANAIS X SIMPAC

Inc., Chicago, IL, USA), sendo considerado um nível α de 5% como


significativo.

Resultados e Discussão

Participaram do estudo 25 indivíduos adultos jovens, dos quais


36% (n = 9) eram homens e 64% (n= 16) mulheres. A maioria dos
participantes se autodeclarou parda, estudou até o ensino médio,
eram solteiros e de classe média. Apenas uma voluntária relatou
receber algum benefício do governo (bolsa escola). Não houve
diferença entre homens e mulheres em relação às características
sóciodemográficas e econômicas.
Em relação ao estilo de vida, foi observado que 60% (n =
15) dos voluntários consumiam bebidas alcoólicas menos de duas
vezes na semana, sendo que 44% (n = 11) destes consumiam tanto
bebidas fermentadas como destiladas. Nenhum dos voluntários
entrevistados fumavam e apenas 2 relataram ser ex-fumantes. A
maioria dos voluntários era irregularmente ativa (40%, n = 10), ou
seja, praticavam atividade física menos de 5 dias na semana com
duração menor do que 150 minutos na semana.
Os frequentadores de fast-food relataram realizar uma
mediana de 1 refeição por dia fora do domicílio ( variando de um
mínimo de uma e máximo de quatro refeições), sendo que 52%
(n=13) relataram fazer pelo menos uma refeição, 40% (n= 10) pelo
menos duas refeições e 2 voluntários, de três a quatro refeições fora
do domicílio por dia. As pequenas refeições, como café da manhã e
lanches, foram as mais relatadas.
Em relação ao estado nutricional, o IMC médio da população
avaliada foi de 24,0 ± 3,3 kg/m2. Desta população, 32% (n=8)
apresentava obesidade, sendo a grande maioria eutróficos (68%,
n = 22). Avaliando-se a relação do IMC com o comportamento
alimentar dos frequentadores de fast-food foi possível observar que
100% dos indivíduos obesos apresentavam um perfil relacionado à
restrição cognitiva, assim como 36% dos eutróficos. Os indivíduos
com sobrepeso apresentavam-se predominantemente com um perfil
de alimentação descontrolada (Figura 1).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 191

Figura 1– Avaliação do perfil dominante do comportamento


alimentar de acordo com o estado nutricional de frequentadores de
uma rede de fast food. Viçosa. 2017.

A restrição cognitiva, como um comportamento alimentar,


consiste na imposição mental de uma série de obrigações e proibições,
impostas pelo próprio indivíduo, com objetivo de restringir a
ingestão energética para manutenção ou perda de peso. Indivíduos
com prevalência deste tipo de comportamento alimentar tendem a
limitar a ingestão alimentar como padrão de comportamento. Porém,
em determinadas ocasiões, apresentam episódios de excesso de
consumo alimentar, com alimentos de alto valor calórico, tidos como
proibidos, que geram estresse, estímulos emocionais negativos que
afetam o autocontrole e podem resultar em obesidade (NATACCI;
FERREIRA JÚNIOR, 2011). O consumo de fast-foods pode estar
relacionado a este tipo de descontrole da alimentação nos indivíduos
entrevistados, o que explicaria a prevalência do comportamento de
restrição cognitiva nesta população.

Conclusões

Frequentaram a rede de fast-food no período estudado principalmente


mulheres, eutróficas, de classe média, solteiras e que praticam

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


192 ANAIS X SIMPAC

pouca atividade física. Além disso, a população apresentou como


comportamento alimentar a restrição cognitiva, que pode estar
relacionada ao consumo de alimentos vendidos nas redes de fast-
food.

Referências Bibliográficas

BEZERRA, I.N. et al. Consumo de alimentos fora do domicílio no


Brasil. Revista de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 47, n.1, p.
200-211, Ago. 2013.

CAIN, J.P; SANTOS, E. F.; NOVELLO, D. Avaliação dos teores


nutricionais de produtos comercializados em redes de fastfoods no
Brasil. Multitemas, Campo Grande, v. 21, n. 50, p.9-30, Maio. 2016.

CARÚS, J. P; FRANÇA, G. V. A.; BARROS, A. J. D. Local e tipo das


refeições realizadas por adultos em cidade de médio porte. Revista
de Saúde Pública, Pelotas, v. 48, n. 1, p. 68-74, Set. 2014.

MATSUDO, S. et al. Questionário internacional de atividade física


(Ipaq): estupo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Revista
Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 6, n. 2, p. 5-18.
2001.

NATACCI, L. C; FERREIRA JÙNIOR, M. The threefactoreating


questionnaire-R21: tradução para o português e aplicação em
mulheres brasileiras. Revista De Nutrição, Campinas, v. 24, n.
3, p. 383-394, Mai./Jun. 2011.

ROMBALDI, A. J. et al. Fatores associados ao consumo de


dietas ricas em gordura em adultos de uma cidade no sul do
Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Pelotas, v. 19, n. 5, p. 1513-
1521, Mai. 2014.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 193

(DES) PATOLOGIZAÇÃO DAS IDENTIDADES


TRANSGÊNERAS NO BRASIL: O PARADOXO ENTRE A
TRANSAUTONOMIA E A PROMOÇÃO DE SAÚDE PELO
SUS

Miguel da Fonseca Orlando1, Lucilene Maria Vidigal Castro2

Resumo: O presente trabalho tem como propósito criticar o fato


de que para que seja concedido o acesso ao Sistema Único de
Saúde (SUS) para o processo transexualizador é necessário que o
diagnóstico de condição de transexual esteja estritamente atrelado
ao pedido, reforçando, assim, a ideia de que esses corpos são
patológicos. Foram analisadas a Portaria emitida pelo Conselho
Federal de Medicina (CFM), a Resolução do SUS e a Constituição
da República, elaborando o paradoxo existente entre o SUS e sua
organização interna, bem como entre a Carta Magna. Dessa forma,
deve o Estado elaborar políticas públicas que possibilitem a inserção
dessas pessoas nos mais diversos campos sociais, ressaltando, no
presente trabalho, o aspecto hospitalar, vez que o acesso à saúde
pública das/dos transexuais é restringindo, ficando a mercê de
um parecer médico que ateste a patologia para que então tenham a
possibilidade de exercerem livremente seus corpos e sua autonomia,
bem como usufruírem dos serviços oferecidos pelo SUS.

Palavras–chave: gênero, hormonização, transexualidade

Introdução

Inicialmente, é importante destacar a diferenciação existente


entre corpos cisgêneros e corpos transexuais. Cisgêneros são aquelas
pessoas que se identificam com o sexo (genitália) e o gênero ao qual
foram designadas/designados ao nascer. Já as/os transexuais são
1
Graduando em Direito – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: miguel95orlando@gmail.com
2
Docente em Direito- FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. Pós-graduada em Direito Processual Civil. E-mail:
lucividigal@yahoo.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


194 ANAIS X SIMPAC

aquelas/es que se identificam de forma oposta ao sexo (genitália)


que nasceram e ao gênero ao qual foram designados a partir do
órgão sexual.
Para o estudo do presente trabalho, fez-se necessário a
análise das resoluções e portarias que, ao passar dos anos, delineou
as posturas que o Sistema Único de Saúde Brasileiro traçou como
políticas públicas para atender a população transexual do Brasil.
Esses documentos político-sociais possuem cunho
estritamente biomédico, interpretando a transexualidade como
enfermidade passível de cura, desconsiderando totalmente o
contexto social ao qual a/o sujeita/o está inserida/o, tendo diversos
posicionamentos controversos e equivocados quando interpretados
à luz da Constituição Federal.
Pretende-se, então, a partir do Princípio da Integralidade,
que é um dos pilares do Sistema Único de Saúde, evidenciar que,
se a capacitação necessária dos funcionários do SUS for investida
pelo Poder Público, bem como se forem elaboradas políticas públicas
que atendam a esse grupo social de maneira satisfatória e não
discriminatória, é possível que esse órgão se torne competente e
eficaz para a promoção de saúde sanitária a todas/os transexuais.
Sendo assim, torna-se possível que o SUS deixe de ser um
órgão que restringe o atendimento somente às modificações corporais,
promovendo, dessa forma, o bem-estar e o acompanhamento médico
para essas pessoas como simples acesso à saúde, garantido pela
Constituição Federal.

Material e Métodos

A metodologia para elaboração desse trabalho foi a qualitativa,


utilizando-se pesquisa bibliográfica, vez que foi necessário fazer
uma revisão de pesquisas e trabalhos que já pontuaram a presente
discussão, como forma de alcançar a verdadeira realidade da
população transexual no que tange à saúde. A vertente é jurídico-
normativa, analisando as consequências, discriminações e perdas de

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 195

garantias fundamentais que estão sendo ocasionadas por conta do


parecer médico emitido pelo CFM a respeito do que é transexualidade
e como esta deve ser acompanhada pelo Poder Público.
Foi utilizado como material a interpretação e leitura
da Portaria Nº 2.803, de 19 de novembro de 2013, que trata da
redefinição e da ampliação do processo transexualizador fornecido
pelo Sistema Único de Saúde. Também foi realizada a leitura
da Resolução 1995/2010, do Conselho Federal de Medicina, que
autoriza a cirurgia de transgenitalização e define quais critérios são
utilizados para definir o “transexualismo”, para então ser concedido
pelo SUS o atendimento e o acompanhamento médico ao paciente
que se enquadrar no rol descrito na resolução acima mencionada,
que equivocadamente diagnostica e trata esses corpos como doentes.
Para contrapor a Resolução e a Portaria acima citadas, foi
efetivada a leitura da Constituição Federal, para um maior poder
de crítica e questionamentos, vez que esse diploma legal assegura
a dignidade da pessoa humana, objetiva promover o bem de todos
sem distinção, bem como determina que é dever do Estado garantir
o acesso à saúde, não só em caso de doenças.
Além disso, foi fundamental a leitura de artigos científicos que
trouxeram essa abordagem do tema problema da pesquisa, bem
como livros que criticaram e discorreram sobre a questão discutida
neste trabalho.

Resultados e Discussão

De acordo com o art. 3º da Resolução emitida pelo Conselho


Federal de Medicina nº 1995/2010, é imprescindível a apresentação
dos seguintes requisitos para adequação do que o órgão considera
ser a transexualidade: “Desconforto com o sexo anatômico natural;
desejo expresso de eliminar os genitais, perder as características
primárias e secundárias do próprio sexo e ganhar as do sexo oposto;
permanência desses distúrbios de forma contínua e consistente por,
no mínimo, dois anos; ausência de outros transtornos mentais”.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


196 ANAIS X SIMPAC

Considerando que a Portaria emitida pelo SUS nº 2.803/2013


utilizou o parecer emitido pelo Conselho Federal de Medicina para
então redefinir e ampliar o processo transexualizador, torna-se
nítido o teor patológico a que se dispôs esses dois órgãos ao emitir
posicionamentos a respeito do acesso à saúde para essas pessoas.
O SUS pode ser entendido como uma “Política de Estado”
adotada pelo Congresso Nacional, em 1988, na chamada Constituição
Cidadã, que considerou a Saúde como “Direito de Cidadania e um
dever do Estado” (TEIXEIRA, 2016). Juntamente com a criação
dessa política pública e do SUS, vieram os princípios norteadores
desse órgão.
Os princípios norteadores das ações de saúde promovidas
pelo SUS são basicamente: o Princípio da Universalização, que
assegura que a saúde é um direito de todas/todos e cabe ao Estado
garantir esse direito, independente de raça, sexo ou qualquer
outra diferença; Princípio da Equidade, que visa diminuir as
desigualdades, vez que por mais que todas as pessoas possuam
direito ao acesso à saúde, elas se diferenciam e, portanto, devem
tratar os iguais de maneira igual e os desiguais na medida de suas
desigualdades; e, por último, mas não menos importante, o Princípio
da Integralidade, que visa considerar as pessoas como um todo,
atendendo todas as suas necessidades, sendo primordial, portanto,
a integração de ações, possibilitando promoção de saúde, prevenção
de doenças, tratamento e reabilitação (BRASIL, 1988).
Diante da contradição existente entre a Resolução do CFM
e a Portaria emitida pelo SUS com os princípios norteadores desse
órgão, somado à leitura da Constituição Federal, artigos 1º, III;
3º, IV e 196, percebe-se que o SUS é um espaço criado visando à
proteção e promoção à saúde, e não somente para curar possíveis
doenças.
Comprova-se esse fato quando depreende-se que a gravidez
é um procedimento concedido pelo SUS, não sendo considerado
como doença, mas requerendo, por todo seu período, uma série de
exames e acompanhamentos para “promover” a saúde da gestante

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 197

e do feto. Dessa forma, não se pode inferir que só é possível ter


o acompanhamento do processo transexualizador, em qualquer
nível, se este for considerado patologia. Assim, deve-se encarar
a transexualidade como uma condição de saúde que necessita de
cuidados médicos, sejam eles a hormonioterapia e/ou redesignação
sexual e/ou retirada bilateral dos seios em homens transexuais
e implantação de prótese de silicone em mulheres transexuais.
(BARRERA, 2014).
Entende-se por processos transexualizadores a mastectomia
masculinizadora, também conhecida como mamoplastia
masculinizadora, a implantação de próteses de silicone, a reposição
hormonal e a cirurgia transgenitalizadora, mas ressalva-se ao
indivíduo a sua autonomia, não podendo o SUS atender somente
aquela/aquele que rejeita seu órgão genital, recusando-se a fazer a
reposição hormonal, por exemplo, e vice e
versa.
Portanto, é necessária a crítica sobre o que o Conselho Federal
de Medicina entende por transexualidade e identidade de gênero,
bem como a postura do Sistema Único de Saúde em marginalizar
esse grupo social, não promovendo a saúde de forma igualitária e
não discriminatória, pois concordar e legitimar que gênero deve ou
pode ser diagnosticado é reforçar um estereótipo padrão e condenar
as/os transexuais como seres abjetos e
marginalizados por um Estado que insiste em perpetuar o
preconceito e manter um Sistema de Saúde que se limita à promoção
de saúde, indo contra os seus princípios basilares e ferindo preceitos
fundamentais da Constituição.
Portanto, a despatologização das identidades transexuais
não pode recair em mais perdas de direitos que já vive o grupo
transexual no Brasil. Encarar a transexualidade como fator de livre
exercício de manifestação corporal, sexual e política é assumir que
todo e qualquer ser está amparado pelo Estado, não retirando dessas
pessoas direitos fundamentais básicos previstos na Constituição da
República.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


198 ANAIS X SIMPAC

Considerações Finais

Com o presente estudo e a partir das leituras realizadas,


torna-se urgente e necessário criar políticas públicas que insiram
essas/esses sujeitas/os na sociedade, visando sempre a integração
dessas pessoas nos mais diversos campos sociais, sejam eles o
educacional, o político, o hospitalar ou o religioso.
É dever do Estado chamar para si a obrigação de tutelar e assegurar
que os direitos a que os corpos cisgêneros estão usufruindo seja
também alcançado pelos corpos transexuais, sem que para isso seja
preciso enquadrá-los no rol de doenças para que efetivamente possam
ter direito e acesso a processos transexualizadores que irão adequá-
los à realidade social e mental a qual se enxergam. A autonomia da
vontade deve prevalecer, sem que o indivíduo sofra discriminações,
restrições e até mesmo perda de direitos fundamentais e essenciais
para a sua livre manifestação enquanto sujeita/sujeito de Direito.

Referências Bibliográficas

BARRERA, D. C. Integralidade e Cissexismo: Uma revisão


de artigos sobre atenção à saúde das pessoas Trans. 2014,
196 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em ciências
sociais) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,
2014. Disponível em <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/
handle/123456789/124407/Daniela%20Calv%C3%B3%20
Barrera%20-%20TCC.pdf?sequence=1&isAllowed=y > Acesso em
24 de mar 2018

BRASIL, Portaria Nº 2.803 de nov. 2013. Disponível em <http://


bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2803_19_11_2013.
html > Acesso em 21 mar 2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 199

BRASIL, Princípios do SUS.2018. Disponível em <http://portalms.


saude.gov.br/sistema-unico-de-saude/principios-do-sus> Acesso em
21 de mar 2018.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil de


1988. 1988. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
constituicao/constituicaocompilado.htm > Acesso em 21 mar 2018.

BRASÍLIA, Resolução CFM nº 1.652/2002. 2002. Disponível em


<http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2002/1652_2002.
htm> Acesso em 21 de mar 2018.

TEIXEIRA, C. Os princípios do Sistema Único deSaúde.2016.


Disponível em <https://www.almg.gov.br/export/sites/default/
acompanhe/eventos/hotsites/2016/encontro_internacional_saude/
documentos/textos_referencia/07_principios_sistema_unico_saude.
pdf >. Acesso em 22 mar 2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


200 ANAIS X SIMPAC

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO


RESIDUAL ATRAVÉS DE DOIS MÉTODOS DE
PURIFICAÇÃO

Arthur Coelho Durso1, Raquel Moreira Maduro de Carvalho2,


Svetlana Fialho Saira Galvano43

Resumo: O biodiesel é considerado uma alternativa energética e é


utilizado no mercado através da adição do diesel provido do petróleo
e espera que em 2019 a porcentagem obrigatória esteja em 10 %. Desta
forma, a produção do biodiesel está em ascensão, por sua vez, resulta
um problema industrial que é a geração de efluentes causados pela
etapa de purificação do combustível com água. A fim de diminuir
os problemas ambientais destes processos a presente pesquisa teve
como objetivo produzir o biodiesel a partir de óleo de soja residual de
fritura coletado nas residências de estudantes próximas a faculdade
e fazer a purificação por lavagem aquosa, método tradicional, e por
via seca utilizando a terra diatomácea, método alternativo, para
remoção de resíduos indesejáveis. A comparação dos dois métodos
neste estudo demostrou que a purificação como a terra diatomácea
tem potencial para substituir o método de purificação com a lavagem
aquosa. As análises físico químicas realizadas evidenciam que o
biodiesel produzido está dentro do exigido pela Agência Nacional do
Petróleo (ANP), 2014.

Introdução

Pela definição da lei nacional número 11.097 de 13/01/2005, o


biodiesel pode ser classificado como um combustível alternativo, de
natureza renovável, que possa oferecer vantagens socioambientais
1
Graduando de Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: arthurdurso.enq@gmail.com
2
Professora do Curso de Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: raquelmaduro@gmail.
com
3
Professora do Curso de Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: svtlana.eng@gmail.
com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 201

ao ser empregado na substituição parcial do diesel de petróleo em


motores de ignição por compressão interna.
Entretanto, há vários tipos de matérias-primas e rotas
tecnológicas que podem ser empregadas na obtenção de
biodiesel, as quais influenciam fortemente suas características
e, consequentemente, sua purificação final. Sendo que a
transesterificação se apresenta como uma ótima opção, visto que
o processo é relativamente simples promovendo a obtenção de um
biodiesel com propriedades similares às do óleo diesel, associado à
substituição de combustível fósseis em motores do ciclo diesel sem
haver necessidade de modificação no motor e ainda apresenta as
vantagens como o menor impacto ambiental.
Entre as opções de matéria-prima, pode-se utilizar o óleo
vegetal proveniente de fritura para consumo humano. Hoje, no
Brasil, este mesmo óleo é destinado a fabricação, em menor volume,
à produção de biodiesel. Entretanto, a maior parte deste resíduo é
descartado em rede de esgotos e/ou no solo, sendo considerado um
crime ambiental. A parte final do processo de produção do biodiesel
poder ser realizado por lavagem aquosa, método tradicional ou
por terra diatomácea. A terra diatomácea é um sedimento amorfo,
originado a partir de frústulas ou carapaças de organismos
unicelulares vegetais. Sua elevada área superficial específica e
baixa densidade explica sua utilização em diferentes áreas, como
adsorção, filtração, clarificação, isolamento térmico e acústico, como
também na produção de capacitor cerâmico. Desta forma, pode ser
utilizada para a produção do biodiesel.
Assim, o presente trabalho tem o objetivo de estudar a
reciclagem do óleo residual de fritura para a produção do biodiesel
com a avaliação do método mais eficiente de purificação da rota
tecnológica, seja pela lavagem aquosa ou seja pela terra diatomácea.

Material e Métodos

Todas as análises foram realizadas, no laboratório de química


da FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA, em triplicata. A água destilada e as
soluções foram preparadas sem nenhuma purificação prévia.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


202 ANAIS X SIMPAC

De início, foi feita uma verificação visual no óleo coletado para


identificar resíduos sólidos presentes provenientes do processo de
fritura. O mesmo foi filtrado para retirar os resíduos e seguir para
o pré-tratamento.
O pré-tratamento para a obtenção dos ésteres metílicos foi
realizada adaptando a metodologia descrita por Christoff (2006). As
análises realizadas para a caracterização do óleo residual oriundo de
fritura foram aspecto, índice acidez e porcentagem de ácidos graxos
livres e comparados com o parâmetro de qualidade estabelecido pela
Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), 2005. Além
disso, foi realizada as mesmas análises para o óleo de soja virgem
(Marca X) e no óleo de soja virgem com pré-tratamento.
A obtenção dos ésteres metílicos foi realizada pela reação
de transesterificação, via catalise básica, seguindo a metodologia
proposta por Albuquerque (2006). Porém, a purificação dos ésteres
metílicos foi realizada através da lavagem aquosa (metodologia
descrita por Albuquerque, 2006) e também pelo processo de adsorção
com a terra diatomácea (metodologia descrita por Silva et al., 2009).
As análises químicas e físicas do biodiesel produzidos foram
conduzidas, respectivamente, pelas metodologias descritas pela
portaria 25 2014 da ANP: aspecto, densidade – NBR 7148, índice de
acidez NBR – 14448, teor de umidade ASTM D6304.
As análises citadas foram realizadas para o biodiesel de
lavagem aquosa e de adsorção com a terra diatomácea.

Resultados e Discussão

A qualidade do biodiesel produzido é um fator fundamental


que vai condicionar o funcionamento e o tempo de vida de um motor,
assim, é essencial garantir um produto de qualidade (CRHISTOFF,
2006). Para determinar a qualidade do combustível produzido em
laboratório foram efetuadas análises físico-químicas para lavagem
aquosa e com adsorção da terra diatomácea, cujos resultados foram
apresentados na Tabela 1.
A ANVISA (2005), utiliza como parâmetros de qualidade o
índice de acidez (IA) em porcentagem equivalente ao acido oleico,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 203

sendo o IA do óleo de soja refinado encontrado deve ser no máximo


0,6 mg KOH/ g. Ao comparar os resultados da Tabela 1 observa-
se que todos estão dentro dos padrões de qualidade propostos pela
ANVISA.
Logo, esses valores sugerem que a maior parte dos ácidos
graxos presente no óleo, participou da reação de transesterificação.
Silva e Neto (2013) encontrou o valor encontrado foi de 9,5 mg
KOH/g. O índice de acidez do óleo residual utilizado nesse trabalho
encontra-se menor e dentro do estabelecido pela ANVISA.
A determinação da porcentagem de ácidos graxos livres
torna-se importante pois os mesmos podem reagir com o catalizador
formando um produto saponificado, reduzindo a eficiência do
processo reacional. É indicado, para uma reação completa na
produção de biodiesel, que o teor de ácido graxo livre seja inferior a
3 %. Assim, após a realização das análises no óleo residual antes e
após o pré-tratamento e analisando os resultados, verificou-se que
o mesmo pode ser utilizado para a obtenção do biodiesel, através do
processo de transesterificação, pois o resultado encontrado foi de
0,2653 %.
Com o biodiesel produzido, o mesmo foi analisado visualmente,
o qual verificou-se a ausência de impurezas, caracterizando-o como
Límpido e Isento de impurezas. A outra análise do biodiesel foi
a densidade, a qual está relacionada com o grau de pureza. Os
resultados verificados na Tabela 1 da densidade dos dois biodiesel
se encontram dentro dos limites especificados pela ANP, 2014.
Para a análise do índice de acidez do biodiesel produzido têm-
se que os valores encontram-se dentro da norma da ANP 2014,
(Tabela 1). Se o valor do IA estiver acima do permitido o combustível
terá uma propensão maior para o envelhecimento (CRHISTOFF,
2006). Ocorrerá, também: deposição de partículas no sistema de
distribuição de combustível; redução do tempo de vida das bombas
de combustível, mangueiras e dos filtros. Portanto, o biodiesel
produzido não causará estas características devido ao IA.
A última análise realizada foi o teor de umidade, análise
importante pois, quanto menor a quantidade de água no biodiesel
melhor a qualidade do combustível. Através da Tabela 1 foi possível

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


204 ANAIS X SIMPAC

observar que o teor de umidade se encontra dentro do padrão


estabelecido pela ANP 2014, para a produção dos dois biodiesel,
porém o de adsorção com a terra diatomácea apresentou um menor
teor de umidade.

TABELA 1: Análises físico-químicas do biodiesel com lavagem


aquosa e com adsorção de terra diatomácea.
Biodiesel
Biodiesel com
Limites
Ensaios com lavagem adsorção
ANP
aquosa de terra
diatomácea
Límpido e Límpido e Límpido e
Aspecto isento de isento de isento de
impurezas impurezas impurezas
Densidade
887,25 882,00 850 - 900
(g/L)
Índice de
acidez 0 0 > 0,8
(mg KOH/g)

Teor de
147,00 129,00 200,00
umidade (mg)

No processo de obtenção de biodiesel por óleo residual de fritura


através do método de lavagem aquosa obteve-se um rendimento de
69,2 %. O rendimento obtido por Christoff (2006) foi de 88,6% e por
Alves e Pacheco (2014) foi de 33 %. Observa-se que o rendimento
obtido encontra-se na faixa de porcentagem ao comparar com os
autores citados. Já o processo de obtenção de biodiesel pelo método
de adsorção com a terra diatomácea obteve um rendimento de 59,4
%, e encontra-se também nos parâmetros de qualidade exigidos pela
ANP 2014.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 205

Considerações Finais

O uso da terra diatomácea vem demostrando interesse pelo


seu potencial para a purificação de biodiesel para a substituição do
método convencional por lavagem aquosa, que vem resultando num
problema industrial que é a geração de efluente causados pela etapa
de purificação do combustível com água.
O método proposto é adequando para a purificação do
biodiesel. Como foi demostrado nas análises, a adsorção com a
terra foi eficiente e com ótimos resultados, enquadrando dentro dos
limites exigidos pela ANP 2014.

Referências Bibliográficas

ALBUQUERQUE, A. G. Obtenção e Caracterização Físico-


Química do biodiesel de Canola (Brassica napus).
(Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Química) –
Universidade Federal da Paraíba, 2006.

ALVES, A. A. e PACHECO, B. T. G. Síntese do biodiesel a


partir de óleo residual através da esterificação homogênea
dos ácidos graxos livres e transesterificação alcalina. TCC –
Universidade Federal de Alfenas, 2014.

CHRISTOFF, Paulo. “Produção de biodiesel a partir do óleo


residual de fritura comercial, estudo de caso: Guaratuba,
litoral paranaense”. LACTEC – Instituto de Tecnologia para o
Desenvolvimento. Dissertação de Mestrado, p. 82, Curitiba, 2006.

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO – ANP. Resolução n°


45 de 2014. Disponível em: <nxt.anp.gov.br/NXT/gateway.dll/leg/
resoluções_anp/2014/agosto/ranp> Acesso em: 10 de janeiro de 2018

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA,


Consulta Pública n° 85, de 13 de dezembro de 2004, D.O.U de
17/12/2004, 2005.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


206 ANAIS X SIMPAC

SILVA, T. A. R.; NETO, W. B. Estudo da Redução da Acidez


do Óleo Residual para a Produção de Biodiesel Utilizando
Planejamento Fatorial Fracionado. Rev. Virtual Qui. Vol 5.
No. 5. 2013.

SILVA, G. M. Avaliação da Remoção do Glicerol Livre do


Biodiesel por Adsorção. Iniciação Cientifica – Universidade
Federal de Santa Catarina, Florianópolis – SC, 2009.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 207

USO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS POR


FREQUENTADORES DE UMA ACADEMIA

Érica Aparecida Lana Ribeiro1, Bárbara Cristina Oliveira Santos2,


Luciana Marques Cardoso3

Resumo: Muitas pessoas procuram academias por estética e não


por saúde, sendo assim, exageram nos treinamentos e abusam do
consumo de suplementos nutricionais. Porém, sabe-se que a ingestão
excessiva de suplementos pode causar um grande impacto na saúde
dessa população, uma vez que, o suplemento só é indicado em casos
específicos como um atleta competitivo, ou por alguma necessidade
nutricional que somente através da alimentação não se consegue
atingir. Este trabalho possui como objetivo fazer um levantamento dos
principais suplementos nutricionais utilizados por frequentadores
de uma academia em Visconde do Rio Branco – MG. Foram
entrevistados 31 indivíduos com a idade entre 18 anos e 45 anos, os
quais responderam um questionário semiestruturado com questões
pertinentes ao uso de suplemento. Os suplementos mais utilizados
foram os de aminoácidos e de proteínas. Os nutricionistas possuem
habilidades para promover melhorias no desempenho físico através
de uma alimentação saudável e equilibrada, sendo assim, cuida da
composição corporal prevenindo possíveis doenças associadas a uma
elevada porcentagem de gordura corporal e também a uma possível
intoxicação por excesso de ingestão de suplementos nutricionais.
Assim, este profissional tem um papel fundamental na prática
esportiva, uma vez que, conscientiza e orienta os indivíduos quanto
ao o uso correto da suplementação conforme suas necessidades
individuais e diárias quando se julga o uso desta prática necessária.

Palavras–chave: Academia, avaliação nutricional, suplementos


nutricionais
1
Graduada em Nutrição –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: ericalana18@gmail.com
2
Graduanda em Nutrição –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: santos.barbaranutri@outlook.
com
3
Professora do Departamento de Nutrição –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: lucianacardoso.nut@gmail.
com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


208 ANAIS X SIMPAC

Introdução

Segundo Alves e Lima (2009), muitas pessoas procuram


academias por estética, com o objetivo de alcançar um corpo
perfeito, que a mídia divulga em ser o ideal, magro, com baixa
quantidade de gordura ou com elevado volume de tônus muscular
e não necessariamente o corpo saudável. Isso leva a um excesso
nos treinamentos e ao uso abusivo de suplementos nutricionais. No
ano de 2001, as indústrias de suplementos investiram 46 bilhões
de reais em propaganda, crescendo mais o consumo destes pela
população, sendo os mais utilizados: as proteínas e aminoácidos,
creatina, carnitina, vitaminas, microelementos, cafeína, β-hidroxi
β-metilbutirato (HMB) e os bicarbonatos com alegações de melhora
do desempenho físico (ALVES; LIMA, 2009).
De acordo com Lopes et al. (2015), uma alimentação adequada
com nutrientes necessários, é o principal fundamento para melhorar
o desempenho físico, pois favorece maior rendimento ao diminuir a
fadiga e evitar a perda de massa magra, porém muitas pessoas têm o
raciocínio de que para alcançar seus objetivos é essencial a utilização
de suplementos. Neste sentido, muitos fazem o uso, porém, não
procuram um profissional habilitado, como o nutricionista e o médico
para que estes orientem o uso correto dos suplementos, começando a
consumi-los ao haver indicação por amigos, vendedores e educadores
físicos (HIRSCHBRUCH; FISBERG; MOCHIZUKI, 2008).
Este trabalho possui como objetivo fazer um levantamento dos
principais suplementos nutricionais utilizados por frequentadores
de uma academia em Visconde do Rio Branco – MG.

Material e Métodos

A pesquisa constituiu-se de um estudo descritivo transversal.


A coleta de dados foi realizada em uma Academia de Ginástica no
município de Visconde do Rio Branco, do Estado de Minas Gerais.
O público alvo foram os praticantes de musculação, de ambos os
sexos, com idades entre 18 anos e 45 anos, independente de gênero,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 209

cor, classe e grupo social, que tinham como objetivo a hipertrofia


muscular e que treinavam há um tempo igual ou superior a três
meses, com uma frequência mínima de três vezes por semana, por
50 minutos ou mais. As gestantes e lactantes não foram incluídas
na pesquisa. A amostragem foi definida por conveniência. Os
participantes da pesquisa foram abordados de forma aleatória,
na entrada principal da academia, em diferentes horários do dia
(diurno e noturno) e da semana. Esses foram informados sobre o
objetivo da pesquisa e da não necessidade de sua identificação para
responder o questionário. O instrumento utilizado para coleta dos
dados foi um questionário semiestruturado, adaptado de Albino et
al. (2009), com questões pertinentes ao uso de suplementos.
O Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da
Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde - FACISA/UNIVIÇOSA,
atendendo a Resolução 466/2012 do Conselho Nacional de Ética em
Pesquisa – CONEP, protocolo número: 236/2016-I.

Resultados e Discussão

Foram avaliados 31 voluntários praticantes de musculação,


a média de idade dos participantes foi de 28 anos, com idade
mínima de 18 anos e máxima de 45 anos. Desta amostra 48,38%
(n=15) utilizavam algum tipo de suplemento nutricional, número
menor ao encontrado por Hirschbruch, Fisberg e Mochizuki (2008)
em uma pesquisa com 201 jovens frequentadores de academias de
ginástica da cidade de São Paulo, que identificaram que 61,2% (n =
123) utilizavam suplemento alimentar. Entre os consumidores de
suplementos, 66,6% (n=10) eram do sexo masculino e 33,3% (n=5)
do sexo feminino.

Na Figura 1 estão indicados os tipos de suplementos


consumidos com suas respectivas porcentagens. Os suplementos
a base de aminoácidos e proteínas foram os predominantes entre
os praticantes de musculação. Estes consumidores relataram que
usam estes produtos com o intuito de aumento da massa muscular,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


210 ANAIS X SIMPAC

redução da gordura corporal e aumento da energia e desempenho


atlético.

Figura 1: Tipo de suplementos nutricionais mais citados, de acordo


com a formulação, por praticantes de musculação de uma academia
de ginástica.

Foi verificado que 40% (n=6) dos praticantes de musculação


que usavam suplementos nutricionais faziam o uso por iniciativa
própria, 20% (n=3) por recomendação de um instrutor na academia,
20% (n=3) por um nutricionista, 13% (n=2) por indicação de amigos e
7% (n=1) de um vendedor de lojas de suplementos esportivos. Assim,
80% (n= 12) dos usuários de suplementos não foram orientados
por profissionais capacitados, como um nutricionista ou médico
assemelhando aos estudos de Hallak, Fabrini e Peluzio (2007) e do
Hirschbruch, Fisberg e Mochizuki (2008). Do total de entrevistados
45% (n=14) haviam sido orientados por um nutricionista com
relação a uma alimentação adequada antes de iniciar a prática de
exercícios físicos.
Entre os que utilizavam suplementos, 53% (n=8) disseram
ter procurado um nutricionista para orientação sobre a sua
alimentação. E também foi questionado se eles consideram sua
alimentação adequada e a maioria 74% (n=23) responderam que

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 211

sim.
Mesmo que a indicação do uso de suplementos não tenha
sido em sua maioria por um nutricionista, grande parte dos
praticantes de musculação usuários de suplementos 53% (n=8)
foram orientados por um, mesmo que seja apenas para melhorar
seus hábitos alimentares.
Considerações Finais

De acordo com os dados expostos no presente estudo, observou-


se que muitas pessoas fazem uso de suplementos nutricionais por
indicação de leigos, sem a verificação da real necessidade dessa
complementação, portanto, tais indivíduos correm o risco de
sofrerem danos à saúde.

É importante que o uso de suplementos nutricionais seja


indicado por um profissional habilitado, como o nutricionista,
por ter um papel fundamental na prática esportiva, uma vez que,
conscientizam e orientam o uso correto de suplementação de acordo
com as necessidades nutricionais do indivíduo, possuem habilidades
para promover melhoras no desempenho físico através de uma
alimentação saudável e equilibrada, prevenindo possíveis doenças
associadas e uma elevada porcentagem de gordura corporal e uma
intoxicação por uma alta ingestão de suplementos nutricionais.

Referências Bibliográficas

LOPES, F. G. et al. Conhecimento Sobre Nutrição E Consumo


De Suplementos Em Academias De Ginástica De Juiz De Fora,
Brasil. Rev. Brás Med. Esporte, São Paulo, v. 21, n. 6, p. 451-
456, Dec.  2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.
php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922015000600451&lng=en&
nrm=iso>. Acesso em: 02 abr. 2016.

HOFFMAN, J.R; FAIGENBAUM, A.D;RATAMESS, N.A.; ROSS,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


212 ANAIS X SIMPAC

R.; KANG J.; TENENBAUM, G.. Nutritional Supplementation


And Anabolic Steroid Use In Adolescents. Med Sci Sports Exerc
2008; 40:15-24. Disponível em:< https://www.ncbi.nlm.nih.gov/
pubmed/18091024>. Acesso em: 10 mar. 2017.

HIRSCHBRUCH, M. D.; FISBERG, M.; MOCHIZUKI, L.. Consumo


De Suplementos Por Jovens Frequentadores De Academias De
Ginástica Em São Paulo. Rev. Brás Med. Esporte, Niterói,  v.
14, n. 6, p. 539-543, Dec.  2008. Disponível em:<http://www.scielo.br/
scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922008000600013&ln
g=en&nrm=isso>. Acesso em: 18 jan. 2017.

Halab, A; Fabrini, S; Peluzio, M.C.G..Avaliação Do Consumo De


Suplementos Nutricionais Em Academias Da Zona Sul De Belo
Horizonte. Rev. Bras. Nut. Esportiva. Vol. 1. Num. 2. Mar/
Abril. 2007. p. 55-60. Disponível em:< https://dialnet.unirioja.es/
descarga/articulo/5070721.pdf>. Acesso em: 03 mar. 2017.

ALVES, C.; LIMA, R. V. B.. Uso De Suplementos Alimentares Por


Adolescentes. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre, v. 85, n. 4, p.
287-294, Aug.  2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.
php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572009000400004&lng=en&
nrm=iso>. Acesso em: 01 abr. 2016.

ALBINO, C. S. et al. Avaliação Do Consumo De Suplementos


Nutricionais Em Academias De Lages, SC. Revista Digital,
Bueno Aires., ano14, n.134, julho 2009. Disponível em:< http://
www.efdeportes.com/efd134/consumo-de-suplementos-nutricionais-
em-academias.htm>. Acesso em: 30 abr.2016.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 213

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E A


DESAPROPRIAÇÃO PARA FINS URBANÍSTICOS

Bianca Aparecida Nascimento1, Luanna Batalha Silveira Ferreira


da Costa, Douglas Luís de Oliveira2

Resumo: O estudo apresentado objetiva analisar a função social


da propriedade urbana, sob a ótica dos valores e dos princípios
constitucionais, sancionatórios, confiscatórios, notadamente o
princípio da função social da propriedade privada. Tendo em vista
a existência de normatização específica que permite a intervenção
do Estado no sentido de desapropriar, mesmo que de maneira
sancionatória, a propriedade que não atinja seu fim social, a
desapropriação urbanística sancionatória funciona como mais um
instrumento à disposição do Poder Público para atingir a satisfação
coletiva. Como será visto, a desapropriação urbanística sancionatória
tem como fundamento a supremacia do interesse público sobre
o privado, o que legitima a sua existência. Ademais, a previsão
constitucional do tema lhe dá suporte normativo, permitindo a sua
utilização pelo Poder Público como forma de estruturar a organização
dos municípios. Apresenta-se como pressupostos da desapropriação
a necessidade pública, a utilidade pública e o interesse social. Este
instrumento, mais do que orientar, obriga o proprietário a promover
uma utilização social da sua propriedade. Ressaltando assim a
importância do tema proposto.

Palavras–chave: Constituição, desapropriação, interesse público,


administração pública

Introdução

A propriedade como direito fundamental está prevista no art.


5º, XXII, da Constituição Federal, de modo que o seu desapossamento
1
Graduanda em Direito – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: bbiancavrb12@gmail.com luannabatalha@
hotmail.com
2
Mestre, Professor da FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail douglas@univicosa.com.br 

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


214 ANAIS X SIMPAC

só poderá ocorrer observando-se o devido processo legal e todos os


direitos que lhes são garantidos. Nas palavras de Kildare, “a função
social da propriedade corresponde a uma concepção ativa e comissiva
do uso da propriedade, fazendo com que seu titular seja obrigado
a fazer valer-se de seus poderes e faculdades, no sentido do bem
comum (KILDARE, 2008, p.736)”. Nesse sentido, a propriedade tem
que cumprir sua função social, pois, caso contrário, ao ter o interesse
público afetado, a administração pública deverá desapropriá-la.
Em compasso com a questão em epígrafe, Maria Sylvia
Zanella Di Pietro leciona que a desapropriação se configura em
um procedimento administrativo, ao qual, o Poder Público ou seus
delegados, por meio de prévia declaração de necessidade pública ou
interesse social, com um caráter autoritário, impõe ao proprietário a
perda de seu bem, fazendo assim que este receba pelo seu patrimônio
uma justa indenização. (2008, p. 149)

Material e Métodos

O direito à propriedade não é incondicionado, o artigo 5º,


inciso XXIV da CR/88 prever a possibilidade de desapropriação,
conforme disposto a seguir: “a lei estabelecerá o procedimento
para desapropriação por necessidade ou utilidade pública, ou por
interesse social, mediante justa e prévia indenização, em dinheiro,
ressalvados os casos previstos nesta Constituição”;
Apresentam-se, dessa forma, como pressupostos da
desapropriação a necessidade pública, a utilidade pública e o
interesse social. Por necessidade pública ou utilidade pública
entende-se que é a segurança nacional; a defesa do Estado; o
socorro público em caso de calamidade; a salubridade pública; a
criação e melhoramento de centros de população, seu abastecimento
regular de meios de subsistência; o aproveitamento industrial das
minas e das jazidas minerais, das águas e da energia hidráulica;
a assistência pública, as obras de higiene e decoração, casas de
saúde, clínicas, estações de clima e fontes medicinais; a exploração
ou a conservação dos serviços públicos; a abertura, conservação e
melhoramento de vias ou logradouros públicos; a execução de planos

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 215

de urbanização; o parcelamento do solo, com ou sem edificação, para


sua melhor utilização econômica, higiênica ou estética; a construção
ou ampliação de distritos industriais;  o funcionamento dos meios
de transporte coletivo; a preservação e conservação dos monumentos
históricos e artísticos, isolados ou integrados em conjuntos urbanos
ou rurais, bem como as medidas necessárias a manter-lhes e realçar-
lhes os aspectos mais valiosos ou característicos e, ainda, a proteção
de paisagens e locais particularmente dotados pela natureza;  a
preservação e a conservação adequada de arquivos, documentos
e outros bens moveis de valor histórico ou artístico;  a construção
de edifícios públicos, monumentos comemorativos e cemitérios;  a
criação de estádios, aeródromos ou campos de pouso para aeronaves;
a reedição ou divulgação de obra ou invento de natureza científica,
artística ou literária, conforme disposto na Lei 3.365/41. A
necessidade pública tem por principal característica uma situação
de urgência, cuja melhor solução será a transferência de bens
particulares para o domínio do Poder Público e utilidade pública se
traduz na transferência conveniente da propriedade privada para
a Administração, sendo que não há caráter imprescindível nessa
transferência, pois é apenas oportuna e vantajosa para o interesse
coletivo.
O Art. 2º da Lei 4.132/62 dispõe que é de interesse social
o aproveitamento de todo bem improdutivo ou explorado sem
correspondência com as necessidades de habitação, trabalho e
consumo dos centros de população a que deve ou possa suprir por
seu destino econômico; o estabelecimento e a manutenção de colônias
ou cooperativas de povoamento e trabalho agrícola; a manutenção
de posseiros em terrenos urbanos onde, com a tolerância expressa ou
tácita do proprietário, tenham construído sua habilitação, formando
núcleos residenciais de mais de 10 (dez) famílias; a construção
de casas populares; as terras e águas suscetíveis de valorização
extraordinária, pela conclusão de obras e serviços públicos,
notadamente de saneamento, portos, transporte, eletrificação
armazenamento de água e irrigação, no caso em que não sejam ditas
áreas socialmente aproveitadas; a proteção do solo e a preservação de
cursos e mananciais de água e de reservas florestais; a utilização de

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


216 ANAIS X SIMPAC

áreas, locais ou bens que, por suas características, sejam apropriados


ao desenvolvimento de atividades turísticas. A desapropriação por
interesse social caracteriza-se quando a propriedade não cumpriu
com sua função social, portanto os bens desapropriados por interesse
social não se destinam à Administração ou a seus delegados, mas
sim à coletividade.
A lei 3.365/41 dispõe sobre a desapropriação por utilidade
pública, e seu artigo 2º aponta que mediante declaração de utilidade
pública, todos os bens poderão ser desapropriados pela União, pelos
Estados, Municípios, Distrito Federal e Territórios. Além disso, o
parágrafo 2o  do referido artigo aduz que os bens do domínio dos
Estados, Municípios, Distrito Federal e Territórios poderão ser
desapropriados pela União, e os dos Municípios pelos Estados, mas,
em qualquer caso, ao ato deverá preceder autorização legislativa.

Resultados e Discussão

O nosso ordenamento jurídico constitucional prevê dois tipos de


desapropriação para o imóvel urbano. Inicialmente, dispõe a Carta de
1988 acerca da desapropriação comum, como sendo aquela decorrente
de necessidade ou utilidade pública ou interesse social e ressarcida
mediante indenização prévia, justa e em dinheiro, prevista nos arts.
5.º, XXIV, e 182, § 3.º, ambos da Constituição Federal. A segunda
hipótese constitucional diz respeito à denominada desapropriação-
sanção que é aquela destinada a punir o não cumprimento de
obrigação ou ônus urbanístico imposto ao proprietário de terrenos
urbanos. Este caso tem caráter sancionatório porque, como
penalidade pelo descumprimento de um dever urbanístico, o Poder
Público desapropriará o imóvel remisso e impor-lhe-á o pagamento
mediante títulos especiais da dívida pública resgatáveis em parcelas
anuais e sucessivas.
Ademais, a desapropriação-sanção somente pode ser aplicada
pelo Poder Público municipal; somente pode incidir em área urbana,
delimitada mediante lei específica e incluída no plano diretor de
desenvolvimento urbano; somente pode ser aplicada após prévias
tentativas de parcelamento ou edificação compulsória; pagamento

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 217

mediante títulos da dívida pública de emissão previamente


aprovada pelo Senado Federal, com prazo de resgate de até dez anos,
em parcelas anuais, iguais e sucessivas, disciplinada pelo art. 182
da Constituição e pela Lei Federal 10.257/01. Por fim, importante
ressaltar, a desapropriação confiscatória, na qual a propriedade
é expropriada e o proprietário não recebe indenização por parte
do Poder Público, em razão do uso da propriedade para um fim
criminoso, conforme disposto no artigo 243 da Constituição Federal.
Outrossim, no tocante à competência municipal para proceder
a desapropriação para fins de reforma urbana, o município poderá,
após o decurso da cobrança do IPTU progressivo por 5 anos, optar
entre manter tal exação, nos termos do art. 7.º, § 2.º, ou efetivar
a desapropriação, conforme disposto no Art. 8o da Lei 10.257/01:
“Decorridos cinco anos de cobrança do IPTU progressivo sem que o
proprietário tenha cumprido a obrigação de parcelamento, edificação
ou utilização, o Município poderá proceder à desapropriação
do imóvel, com pagamento em títulos da dívida pública”. Dessa
forma, conforme lecionam os professores Fernando Dias Menezes de
Almeida  e Clóvis Beznos  “esse dispositivo mencionado estabelece
uma faculdade ao Município no que tange à desapropriação, vez que
utiliza o termo ‘poderá’, e não ‘deverá’. Essa faculdade se explica,
vez que os títulos que se constituem na moeda do pagamento da
desapropriação dependem de prévia aprovação do Senado Federal, o
que retira das mãos do Município a decisão plena sobre a efetivação
das desapropriações”.
A questão referente à destinação deferida ao bem após a
efetivação da retirada compulsória do imóvel do patrimônio do ex-
proprietário, é disciplinada pelo Estatuto da Cidade nos §§ 4.º a
6.º. Em síntese, na desapropriação tradicional, via de regra, o bem
passa a integrar o patrimônio do ente expropriante, enquanto que
naquelas, embora o imóvel possa permanecer em poder do Município
que o utilizará de acordo com sua função social, a regra geral é
que haja uma transferência a terceiros, aos quais será atribuída a
obrigação urbanística. Destarte, o § 4.º do dispositivo mencionado
determina que o Município terá o prazo de 5 anos para proceder ao
adequado aproveitamento do imóvel, prazo a ser contado a partir

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


218 ANAIS X SIMPAC

de sua incorporação ao patrimônio público. E o § 5.º, por seu turno,


dispondo acerca das formas de aproveitamento do bem, faculta ao
ente municipal procedê-lo diretamente, ou por meio de alienação
ou concessão a terceiros, obedecendo-se, nesse caso, ao respectivo
procedimento licitatório. Do cotejo desses dispositivos extrai-se que,
após a efetivação da desapropriação, o Município tem um prazo para
dar ao bem a destinação que lhe impõe o plano diretor e da qual o ex-
proprietário estava remisso, ou seja, para efetuar o parcelamento, a
edificação ou a utilização compulsória. Poderá ainda o Poder Público
optar por transferi-lo a terceiros. De qualquer sorte, não efetuando
o adequado aproveitamento dentro do prazo estipulado, o próprio
Estatuto da Cidade impõe ao administrador municipal as penas da
improbidade administrativa, conforme preceituado no art. 52, II.

Conclusão

Em que pese a importância do princípio da Supremacia do


Interesse Público em relação ao Interesse Privado, há de se reforçar
a necessidade da boa fundamentação da escolha pública, sob pena
de direitos e liberdades individuais restarem prejudicados. Após
analisada a importância de grandes investimentos públicos para
o bem-estar da coletividade, configurando-se então, a  priori, o
interesse público. O atendimento à função social estará condicionado
aos requisitos e exigências previstos no plano diretor de cada
município. O plano diretor municipal buscará adequar a estrutura
das cidades às necessidades dos cidadãos que nela vivem. Este
instrumento, mais do que orientar, obriga o proprietário a promover
uma utilização social da sua propriedade, podendo, desta forma,
puni-lo com a retirada deste direito, pela desapropriação, caso não
siga as referidas instruções normativas.

Agradecimentos

À Deus por ter nos dado saúde e força para enfrentar os


desafios e dificuldades. A esta faculdade, seu corpo docente, direção
e administração que oportunizaram a janela que hoje vislumbramos

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 219

um horizonte superior, eivado pela acendrada confiança no mérito e


ética aqui presente. A todos que direta e indiretamente contribuíram
até aqui para nosso aprendizado e comprometimento.

Referências Bibliográficas

FUNÇÃO SOCIAL DA PROPIEDADE. PHP.COM.BR. Acesso em


07 de Abril de 2018. Disponível em: http://phmp.com.br/artigos/
funcao-social-da-propriedade/

DESAPROPRIAÇÃO. JUSBRASIL.COM.BR. Acesso em 07


de Abril de 2018. Disponível em: https://lfg.jusbrasil.com.br/
noticias/1067678/qual-a-diferenca-entre-necessidade-publica-
utilidade-publica-e-interesse-social

DESAPROPRIAÇÃO PARA FINS DE REFORMA URBANA. JUS.


COM.BR. Acesso em 08 de Abril de 2018. Disponível em: htt https://
jus.com.br/artigos/5084/desapropriacao-para-fins-de-reforma-
urbana-e-o-estatuto-da-cidade-lei-n-10-257-2001/2

MEIRELLES, H. L. Direito Administrativo Brasileiro. 33ª edição


atualizada. São Paulo: Editora Malheiros, 2007. Acesso em 20 de
Maio de 2018

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


220 ANAIS X SIMPAC

PSICOPATOGIA NA ABORDAGEM JUNGUIANA

Bianca Macêdo Lopes1, Carla Maria de Lima Soares2, Karla Gomes


Leite3, Alex Sodré Costa4

Resumo: Este trabalho é resultado de uma pesquisa bibliográfica


sobre patologias na visão de Carl G. Jung, com o intuito de aprestar
as visões desse autor sobre esse tema, queríamos nos informar e
também fazer com que esse artigo tivesse o propósito de mostrar
para os leitores essa visão de patologia, pois é uma visão única e
muito perceptível do ser humano. Pode se dizer que a forma que
Jung lidava com a patologia o deixava mais próximo de seu paciente
pois a sua preocupação no seu trabalho não era só com a doença que
era trazida pelo paciente e sim a subjetividade que seu paciente
trazia junto com a doença.

Palavras–chave: Patologia, perceptível, paciente, doença,


subjetividade.

Introdução

Carl G. Jung (1875-1961) coloca a psicopatologia como


uma variante do desenvolvimento normal do arquétipo, onde são
apenas distúrbios dos processos normais e nunca algo separado do
ser já que para ele o paciente deveria ser compreendido em sua
individualidade, ou seja, não podem responder como uma “psicologia
autônoma”, externa ao sujeito.
Jung (1985) defendia que o terapeuta não deve se fechar em
torno do que sabe, até então, a respeito do paciente, mas lhe mostrar
em total compreensão e dar uma chance para que ele apresente seu
1
Graduando em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: bia_loops@outlook.com
2
Graduanda em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: carlasoares94@gmail.com
3
Graduando em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: karla.gomesleite@hotmail.com
4
Graduando em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: alexsodre_10@hotmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 221

material com maior liberdade. Isso contribui para um acréscimo de


informações a respeito do caso, pois quando o terapeuta enxerga
apenas alguns pontos, ele, automaticamente, se fecha para outros.
“O fato decisivo é que, enquanto ser humano, encontro-me diante de
um outro ser humano. A análise é um diálogo que tem necessidade
de dois interlocutores. O analista e o doente se encontram face a
face, olhos nos olhos. O médico tem alguma coisa a dizer, mas o
doente também” (Jung, 2006).
Destacava (Jung, 1985) que o diagnóstico psicológico não vem
como forma de resolver o conflito do paciente e entender os processos
que afetam o sujeito, apenas como algo pronto para oferecer um
nível de orientação e direção, ou seja, é eficiente na descrição, porém
insuficiente na terapêutica. À vista disso, Jung (1999), mostra que
o diagnostico não significa nomear alguém (doentio) patológico, mas
sim conhecer as características de como o individuo se encontra,
sendo um determinado estado psicológico. Análise não é apenas
“diagnóstico”, mas antes é compreensão e suporte moral no esforço
e experiência honesta que chamamos “vida”. Nunca podemos saber
melhor ou de antemão o que afeta o indivíduo. Só podemos ajudar
a pessoa a se compreender a si mesma, a tomar coragem para a
tentativa e o desafio. (Jung, 1999, p. 62-63).

Material e Métodos

Nesse artigo foi feito um estudo de três artigos relacionado a


abordagem psicológica junguiana, em um grupo com quatro alunos
da Faculdade de Ciências e Tecnologias de Viçosa (UNIVIÇOSA).
Essa pesquisa foi para podermos ter um embasamento melhor
da abordagem, e assim conhecer também o seu criador “Carl G.
Jung”, mas dando foco a um assunto abordado pelo tema especifico.
Escolhemos mostrar um pouco da visão de Jung e como ele lidava
com as patologias de seus pacientes e assim com esse tipo de estudo
podemos ter uma noção diferente sobre as patologias que foram nos
apresentadas até hoje em nossa graduação de psicologia, essa nova

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


222 ANAIS X SIMPAC

abordagem abre os nossos olhos para coisas e fatos que até então
nem nos era compreendido o que é muito rico para á graduação.

Resultados e Discussão

Os resultados analisados têm como concluir que Jung não


tinha uma teoria especifica sobre neuroses. A teoria de Jung diz
que cada pessoa tem a sua individualidade e sua subjetividade, não
tem como uma teoria definir um tipo de “doença” para as pessoas.
Ele preferia analisar cada pessoa em sua totalidade e não tratar a
neurose, mas sim a pessoa por traz dessa neurose.
Ele via muito além de uma doença antes de tudo ele enxergava
o ser humano em sua frente o que para época ela uma característica
de trabalho muito diferente e inovadora, com isso tendo um destaque
em seu trabalho por ter essa peculiaridade positiva ao seu favor.
Ele compreendia que a complexidade do psiquismo é ampla,
então uma teoria geral não contemplaria a totalidade de cada
pessoa. Enfim, Jung não nomeou uma nomenclatura para neurose,
mas tinha as suas teorias como: corporal, hipnose erickoniana,
psicanálise, psicodrama, abordagem sistêmica entre outras.

Considerações Finais

De acordo com os artigos pesquisados sobre a forma que Jung


trabalha com as patologias mostra que o diagnóstico realizado
não resolve completamente os “problemas” dos pacientes, mas lhe
direciona para um caminho para que o mesmo possa se descobrir
e poder desvendar os seus conflitos. Jung dá total clareza e espaço
para que o paciente deposite sua confiança e traga o máximo de
relato possível. Ele analisava o individuo em si, para ele cada um
ter sua própria personalidade e subjetividade, sempre analisou cada
pessoa em sua totalidade e em sua patologia. Ele se dedicava ao
Maximo ao seu trabalho para que assim pudesse dar as melhores e
mais possíveis formas de tratar aquele sujeito que estava com a sua

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 223

psique abalada, e não deixando o sujeito de lado para só visualizar


a patologia como o todo do conflito posto para o tratamento.
Para finalizar, compreendemos que é muito difícil realizar
um diagnóstico “perfeito e completo” de uma pessoa, é necessária
uma apropriação teórica mais aprofundada e acima de tudo um
tempo maior de aproximação com o paciente, para assim, refletir
possibilidades de tratamento que fossem além do uso de medicação
e sim uma terapia realizada no foco do relato e na história de vida
do paciente, bem como um método de analise através dos sonhos,
dentre outros que são apresentados por Jung.

Referências Bibliográficas

Estudos Interdisciplinares em Psicologia. Reflexões sobre


diagnóstico psiquiátrico à luz da psicologia analítica. Est. Inter.
Psicol. vol.4 no.2 Londrina dez. 2013.

Boletim de Psicologia. Pesquisa em psicologia analítica: reflexões


sobre o inconsciente do pesquisador. Bol. psicol  v.57  n.127  São
Paulo dez. 2007.

Apontamentos sobre a psicologia analítica de Carl Gustav


Jung. Alves Ramos, Luís Marcelo.  Educação Temática Digital, supl.
Saúde Educativa, Psicologia Análitica e Movimentos Sociais;
Campinas Vol. 4, Ed. 1,  (2002): 110.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


224 ANAIS X SIMPAC

ANÁLISE DE INSOLVÊNCIA – TERMÔMETRO DE KANITZ


COM APLICAÇÃO AO BANCO DE DADOS DA EMPRESA
FIBRIA CELULOSE S.A.

Brígida Aparecida de Almeida Perázio Silva1, Bráulia Aparecida


de Almeida Perázio Faria2, Ana Cláudia Silva3, Mateus Souza4,
Pedro Henrique de Souza5, Thamires Santana Maia6

Resumo: O presente estudo teve como objetivo evidenciar o uso de


banco de dados contábeis, apresentando uma aplicação em um banco
de dados real da empresa Fibria Celulose S.A no período 2013 a 2017,
onde usou-se um modelo de previsão de falência, Termômetro de
Kanitz.Nessa perspectiva, avaliar a situação econômica e financeira
de uma empresa, utilizando como ferramenta os demonstrativos
contábeis é um diferencial diante a tomada de decisões das empresas

Palavras–chave: Previsão, contábil e administração.

Introdução

As técnicas de análise de Balanço das empresas constituem


ferramentas importantes para avaliar a situação econômica e
financeira das empresas, com o intuito principal de propiciar
a tomada de decisões. Tais técnicas, conhecidas também como
técnicas de gerenciamento contábeis, dentro de uma organização
fornecem resultados sobre as operações e os patrimônios de uma

1
Graduanda em Ciências Contábeis– FAVIÇOSA /UNIVIÇOSA. e-mail: brígida.contabeis@gmail.com
2
Graduada em Matemática, Mestrado em Estatística– FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: braulia.
estatistica@gmail.com
3
Graduada em Ciências Contábeis, Professora FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: anaufv@hotmail.com
4
Graduado em Ciências Contábeis, Professor FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: contabilidade.mateus@
gmail.com
5
Graduando em Ciências Contábeis– FAVIÇOSA /UNIVIÇOSA. e-mail: pedro.souza@etev.com.br
6
Graduando em Ciências Contábeis– FAVIÇOSA /UNIVIÇOSA. e-mail: thamiressantana93@hotmail.
com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 225

dada empresa, e quando bem realizadas e analisadas são capazes


de direcionar os gestores da empresa para a tomada de decisões
sobre investimentos futuros e até mesmo buscar medidas corretivas
direcionadas aos negócios.
Dentre as análises de demonstrações contábeis os índices
(de liquidez, rentabilidade e de endividamento), são indicadores
básicos e têm como principal objetivo fornecer uma visão ampla da
situação econômico-financeira de uma empresa.
De acordo com Gitman (2010) a análise de índices envolve
métodos, cálculos e interpretações de índices financeiros para
compreender, analisar e monitorar o desempenho da empresa,
sendo que a Demonstração de Resultado do Exercício (DRE) e o
Balanço Patrimonial (BP) são os demonstrativos fundamentais
para a análise.
Segundo Téles (2003), o estudo dos índices tem papel
fundamental na análise das Demonstrações Financeiras, pois
representam a relação entre contas ou grupo de contas de tais
demonstrações, que visa evidenciar determinado aspecto da
situação econômica ou financeira de uma empresa.
Stephen Charles Kanitz professor (e contador), desenvolveu um
modelo com o intuito de determinar previamente, e com satisfatória
margem de segurança, o grau de insolvência das empresas, o
qual chamou de termômetro de Kanitz. Tal modelo constitui uma
ferramenta de prevenção à “saúde da empresa” e tem como objetivo
alertar as empresas sobre sua situação financeira. O modelo de
Kanitz baseia-se em análise discriminante (métodos quantitativos
– estatística) considerando cinco índices: Rentabilidade do capital
próprio ou retorno do PL, liquidez geral, liquidez seca, liquidez
corrente, endividamento total (grau do Endividamento).
O termômetro de Kanitz é divido em três intervalos pelo cálculo
do fator de insolvência (α): Insolvência (Significa que a entidade está
perto da falência, fator de insolvência α < -3), penumbra (Significa

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


226 ANAIS X SIMPAC

que a situação financeira esta complicada e que deve ser revista,


fator de insolvência 0 < α < -3), solvência (Significa que a situação
da entidade esta boa, fator de insolvência α > 0).
Assim como o termômetro de Kanitz, existem outros
modelos usados para a previsão de falência das empresas, todos
eles baseiam-se em análise discriminante.
Silva (1983), em uma amostra de empresas classificadas
como solventes e insolventes mediu o grau de precisão de alguns
desses modelos, e o modelo proposto por Stephen Charles Kanitz,
apresentou um grau médio de 74% de acertos.
Assim, esse trabalho tem como objetivo mostrar a importância
da exploração do banco de dados contábeis das empresas para
gerenciamento e tomada de decisões, e apresentar uma aplicação
de um método de previsão de falência (Termômetro de Kanitz) em
um banco de dados da empresa Fibria Celulose S.A.

Material e Métodos

Formada a partir da fusão de Aracruz e Votorantim Celulose


e Papel, consolidada e oficializada em 1º de Setembro de 2009, a
Fibria Celulose S.A., é a maior produtora de celulose de eucalipto do
Brasil e do mundo possuindo capacidade produtiva de 5,3 milhões
de toneladas anuais de celulose, com fábricas localizadas em Três
Lagoas (MS), Aracruz (ES), Jacareí (SP) e Eunápolis (BA). A
empresa possui uma operação integralmente baseada em plantios
florestais renováveis com florestas em 254 municípios distribuídos
em sete estados brasileiros, somando um total de 968 mil hectares.
Desse total, 561 mil hectares são de florestas plantadas e 342 mil
hectares de áreas de preservação e conservação ambiental. Em 2015,
a empresa Fibria Celulose S.A. anunciou a expansão da unidade
de Três Lagoas(MS), que terá uma nova linha com capacidade
produtiva de 1,8 milhão de toneladas de celulose por ano. Um dos

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 227

maiores investimentos privados no Brasil com foco em exportação,


o valor do projeto Horizonte 2 soma R$ 7,7 bilhões (equivalente a
cerca de US$ 2,5 bilhões).
Para aplicação do modelo de previsão de falência -
Termômetro de Kanitz, foram considerados os balanços trimestrais
patrimoniais coligados da empresa Fibria Celulose S.A., no período
de 06/2013 a 06/2017. Tais balanços estão disponíveis no endereço
eletrônico: http://www.econoinfo.com.br/financas-e-mercados/
demonstracoes?codigoCVM=12793 para consulta pública.
A partir dos balanços considerados, calculou-se os índices de
liquidez, rentabilidade e de endividamento, e posterior o fator de
Insolvência ( α ) da empresa em estudo, conforme apresentado

abaixo:
α = 0,05 ⋅ X1 + 1,65 ⋅ X 2 + 3,55 ⋅ X 3 - 1,06 ⋅ X 4 - 0,33 ⋅ X 5

Em que:
X1 = lucro líquido/patrimônio líquido – Rentabilidade do
Patrimônio Liquido
X2 = (ativo circulante + realizável a longo prazo)/exigível total
– Liquidez Geral
X3 = (ativo circulante – estoques)/ passivo circulante – Liquidez
Seca
X4 = ativo circulante/passivo circulante – Liquidez Corrente
X5 = exigível total/patrimônio líquido – Grau de Endividamento

Resultados e Discussão

O gráfico abaixo representa o termômetro de Kanitz,
construído a partir do banco de dados da empresa Fibria celulose
S.A. no período considerado.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


228 ANAIS X SIMPAC

Figura1.0 Fonte: Autores

Pode-se observar que nos anos de 2013 a 2015 a empresa


Fibria celulose S.A. apresentava-se em situação de “penumbra”,
segundo classificação do termômetro de Kanitz. Nos anos de 2016
a 2017 esse índice aumentou consideravelmente, representando
uma boa situação de solvência, demonstrando que a empresa Fibria
celulose S.A. possuía, neste período, recursos suficientes para pagar
suas dívidas. Tal aumento deve-se a importantes movimentações
financeiras realizadas em 2015 e 2016 saber: pesquisa de lignina
através da aquisição de ativos da companhia  canadense Lignol
Innovations,  contrato com a Klabin - comercialização exclusiva
da celulose de fibra curta do projeto PUMA, aprovação do projeto
de expansão - Horizonte 2 em Três Lagoas (MS) e participação
minoritária na CelluForce Inc.

Conclusão
Explorar o banco de dados contábil de uma empresa
utilizando técnicas estatísticas é um instrumento diferencial dentro
de uma empresa, por permitir ao administrador à avaliação de
riscos e posterior tomada de decisões baseando-se em previsões.
Uma empresa que é classificada como insolvente, segundo o
termômetro de Kanitz, ou por outro modelo de previsão de falência,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 229

pode não vir a falir de fato, porém investir numa empresa assim
classificada envolve um risco maior.
O Termômetro de Kanitz, além de ser uma ferramenta
de previsão de falência, pode ser usado simplesmente para o
gerenciamento de uma empresa, com a finalidade de contribuir
para o fortalecimento da mesma.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRAGA, H.R. Demonstrações Contábeis: estrutura, análise e


interpretação. 4ªedição, São Paulo: Atlas, 1999.

GITMAN, L. J. Princípios da administração financeira. 12 ed.


São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

MARION, J. C. Análise das Demonstrações Contábeis. 5ª


edição. São Paulo: Atlas, 2009.

MATARAZZO, D.C. Análise Financeira de balanços. 12 Ed.


São Paulo: Atlas ,2003.

PIRES, M.A.A. Análise moderna do fenômeno patrimonial. Revista


Brasileira de Contabilidade, Brasília, DF, ano 25, n 100, p.80-
85, jul / ago 1996.

TÉLES, C.C. Análise dos Demonstrativos Contábeis:


Índices de Endividamento. 2003. Disponívelem:<http://www.
peritocontador.com.br/artigos/colaboradores/Artigo_
__ndices_de_Endividamento.pdf> acesso em: 02 de Novembro de
2017.

SILVA,  J.P. Administração de crédito e previsão de


insolvência. São Paulo: Editora Atlas, 1983.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


230 ANAIS X SIMPAC

CONSEQUÊNCIAS DAS QUEDAS EM IDOSOS: REVISÃO


DA LITERATURA

Bruna Kellen Sacramento de Freitas1, Eustáquio Luiz Paiva-


Oliveira2

Resumo: Com o processo natural de envelhecimento um declínio


em determinadas funções está associado o que pode acarretar em
quedas frequentes desencadeando em consequências deletérias para
os idosos. Este estudo tem como objetivo avaliar as consequências
de quedas em idosos. Trata-se de uma revisão da literatura dos
últimos quatro anos nas bases de dados Google acadêmico e SCielo
nos idiomas inglês e português. Usou-se como descritores: quedas,
idosos, consequências ambos com correlação direta. Os dados
foram apresentados de maneira descritiva e tabular. Os resultados
mostraram que a idade avançada associada a comorbidades tais
como acidente vascular encefálicos, diabetes, artrites e uso excessivo
de medicamentos contribuem de maneira significativa para quedas
em idosos. Outro fator predisponente relatado pelos autores foi
“cair da própria altura”, associado a um declínio característico do
envelhecimento, com perda na habilidade da marcha e equilíbrio.
Conclui-se que a somatória de fatores predisponentes associados a
idade é determinante para quedas e como consequência redução na
capacidade funcional e qualidade de vida dos idosos.

Palavras–chave: Quedas, Idosos, Consequências.

1
Graduanda de Fisioterapia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: brunakellen@yahoo.com
2
Docente do Curso de Fisioterapia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: eustaquiopaiva@univicosa.com.
br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 231

Introdução

Um fenômeno que tem ocorrido mundialmente é o


envelhecimento populacional, caracterizando-se como um dos
eventos mais expressivos da sociedade, em particular nos países
em desenvolvimento como o Brasil (GUERRA et al., 2016). O
envelhecimento é um processo natural, gradativo e contínuo, que
se inicia no nascimento e se prolonga por todas as fases da vida
(ALVES et al., 2017).
Associado a essas mudanças no processo de envelhecimento
humano desenvolvem-se alterações no perfil de morbimortalidade,
aumentando a prevalência de doenças crônicas não transmissíveis e
das quedas, o que pode gerar incapacidade funcional e diminuição
da qualidade de vida nos idosos (PEIXOTO et al., 2015).
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), queda
é o deslocamento não intencional do corpo para um nível inferior
à posição inicial, com incapacidade de correção em tempo hábil.
É determinada por circunstâncias multifatoriais, em que fatores
intrínsecos (alterações fisiológicas próprias do envelhecimento,
presença de morbidade, déficit no equilíbrio, visão, audição
ou na marcha) e extrínsecos ( riscos ambientais decorrentes de
má iluminação ou piso escorregadio, comportamentos de risco,
como subir em cadeiras ou escadas, e aqueles relacionados com
as atividades do cotidiano) estão envolvidos, os quais são fatores
relativos às circunstâncias da queda (VIEIRA et al., 2018).
As consequências das quedas variam desde pequenas
escoriações, graves fraturas, até a morte. Após a queda, a maior
porcentagem de idosos sofrem por consequências como o medo de cair
novamente, este sentimento pode acarretar alterações psicossociais e
emocionais, perda de autonomia e independência, incapacidade de
realizar suas atividades de vida diária (AVD) e instrumentais de
vida diária (AIVD), além do isolamento social e ideia de fragilidade
e insegurança (GUERRA et al., 2016).
Dessa forma, as quedas podem ser consideradas como umas das

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


232 ANAIS X SIMPAC

consequências mais graves do envelhecimento, sendo reconhecidas


como importante problema de saúde pública, devido a frequência,
morbidade e elevado custo social e econômico decorrente as lesões
provocadas. A prevenção das quedas é uma preocupação de saúde
pública e mudanças relativamente simples podem reduzir o risco de
sua ocorrência (ALVES et al., 2017).
Portanto, baseado no exposto o objetivo deste estudo é descrever
as conseqüências de quedas em idosos.

Material e Métodos

Trata-se de um estudo de revisão de literatura realizado entre


janeiro e abril de 2018. Foram selecionados artigos acadêmicos nas
bases de dados Google Acadêmico e SCielo publicados nos últimos
quatro anos. Foram utilizados para busca os seguintes descritores:
quedas, fragilidades e idosos. Para análise das consequências das
quedas considerou-se como critério de inclusão apenas artigos com
correlação direta entre descritores supracitados, publicados em
português e inglês. Os dados foram apresentados de forma descritiva
e tabular.

Resultados e Discussão

Durante analise dos dados foram encontrados vários artigos


correlacionando as consequências das quedas em idosos que
atendiam aos critérios de inclusão. Todos esses estudos mostram
os fatores de riscos e as consequências que as quedas podem gerar
nos idosos. Quase a totalidade dos trabalhos analisados apresentou
como fator predisponente para queda relatados pelos idosos: cair
da própria altura, uso excessivo de fármacos e comorbidades
relacionadas. A associação desses fatores é determinante no aumento
da possibilidade de quedas associado com a idade avançada (Tabela
1).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 233

Tabela 1 – Análise dos trabalhos publicados


Tipo do
Autores Objetivo do estudo Conclusão
estudo
A ocorrência desse evento está
associada à queda da própria
Descrever a
PEIXOTO et al altura, tendo como principal
ocorrência de Quantitativo
(2015) conseqüência as dores e sendo
quedas em idosos.
provocadas em sua maioria pelos
fatores extrínsecos.
As quedas foram associadas ao
Determinar a
sexo feminino; à idade de 80 anos
prevalência de
NASCIMENTO ou mais; e à presença de duas ou
quedas e verificar os Quantitativo
et al (2016) mais morbidades. Ressalta-se
fatores associados à
que o maior preditor de quedas
queda em idosos.
foi ter duas ou mais morbidades.

Os principais fatores que


contribuíram para a queda,
Determinar a
GUERRA et al citado pelos idosos, foram cair
prevalência de Transversal
(2016) da própria altura e fatores
quedas em idosos.
relacionados ao ambiente
inadequado.
Explorar as
características da
última queda em Os principais fatores que
idosos brasileiros contribuíram para a queda
MORAIS et al., que caíram no Transversal recorrente foi tropeçar e
(2017) último ano e perder o equilíbrio e o uso de
identificar se a medicamentos de maneira
relação com as crônica.
circunstâncias de
quedas.
Descrever a
incidência de
Os fatores mais correlacionados
quedas em idosos
ALVES et al., com as quedas foram uso de
no município
(2017) drogas, vítimas de acidente
de Barbacena – Transversal
vascular cerebral e pessoas com
MG, com seus
doença renal crônica.
fatores causais,
circunstâncias e
consequências.
Os fatores associados à
ocorrência de quedas identificada
Avaliar a
foi idade avançada, menor renda
VIEIRA et al., prevalência e os
Transversal e escolaridade, incapacidade
(2018) fatores associados
funcional para atividades
à ocorrência de
instrumentais e portadores de
quedas em idosos.
enfermidades como diabetes,
doença cardíaca e artrite.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


234 ANAIS X SIMPAC

Conclusões

Baseado no exposto, conclui-se que a associação de inúmeros


fatores são determinantes no risco de quedas em idosos e que as
quedas comprometem de maneira significativa as atividades de vida
diária bem como a qualidade de vida dessa população. Portanto,
torna-se importante a execução de estratégias preventivas que
diminuam a prevalência de quedas em idosos pelos profissionais de
saúde, incluindo o fisioterapeuta.

Referências Bibliográficas

ALVES, R.L.T. et al . Evaluation of risk factors that contribute to
falls among the elderly. Rev. bras. geriatr. gerontol., Rio de
Janeiro, v. 20, n. 1, p. 56-66, fev. 2017.

GUERRA, H. S. et al. Prevalência de quedas em idosos na


comunidade. Revista Saúde e Pesquisa, v. 9, n. 3, p. 547-555,
set./dez. 2016.

MORAES, SA de et al . Characteristics of falls in elderly persons


residing in the community: a population-based study. Rev. bras.
geriatr. gerontol., Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, p. 691-701, out.
2017.

NASCIMENTO, JS; TAVARES, DMS. Prevalência e fatores


associados a quedas em idosos. Texto contexto - enferm.,
Florianópolis, v. 25, n. 2, e0360015, 2016.

PEIXOTO, M,P; ARTELOSA, R.C.C; SILVA, L.A.T; SANTOS,


T.S.M. Causas e consequências de quedas em idosos atendidos no
hospital de Santo Estevão, BA. Revista Biociências. [Internet]
2015; 21 (2).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 235

VIEIRA, L S. et al . Falls among older adults in the South of Brazil:


prevalence and determinants. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v.
52, 22, 2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


236 ANAIS X SIMPAC

O DIREITO E A JUSTIÇA PARA OS CLÁSSICOS: UMA


ANÁLISE DOS CONCEITOS À LUZ DA PRESTAÇÃO
JURISPRUDENCIAL ATUAL

Bruna Silva Araújo1, Renata Silva Gomes2

Resumo: Este artigo analisa os conceitos de justiça e de direito para


as escolas do Realismo Jurídico Clássico e do Positivismo Jurídico,
confrontando-as com seis recentes julgados, a fim de se observar
o cumprimento do princípio da efetividade das decisões judiciais,
à luz da concretização da justiça material defendida pela escola
realista. Para isso, foi desenvolvida uma pesquisa exploratória,
prezando-se pelo levantamento bibliográfico, sobretudo de obras
de renomados autores do Realismo Jurídico Clássico e de autores
cujas obras dedicam-se a explanar os conceitos abordados por
Aristóteles e Tomás de Aquino. Além disso, foi feita uma pesquisa
jurídico-sociológica compilando o conhecimento desenvolvido com
seis julgados levantados entre os anos de 2007 e 2016. Dessa forma,
após definir-se os conceitos supracitados para as duas correntes do
Direito e interpretar-se os julgados compreendidos entre os anos de
2007 a 2016, pode-se perceber que, devido à influência do movimento
neoconstitucional, vem sendo buscado o atingimento da justiça
material, mais propriamente da justiça distributiva, no que se refere
a direitos fundamentais, tais como o acesso à justiça e aos direitos à
saúde e à educação. No entanto, muitas vezes, o reconhecimento desses
direitos ocorre apenas no plano formal, devido à influência que o
Positivismo Jurídico ainda exerce na prática dos tribunais. Percebe-
se que é utilizado como principal argumento ante a ausência estatal
em prover a efetiva tutela jurisdicional, os princípios da reserva do
possível fática e jurídica. Assim, condicionam tal inefetividade à
falta de recursos públicos ou de autorização orçamentária, sendo
ambos de competência outra que não do magistrado.

Palavras–chave: Efetividade, julgados, Realismo Jurídico Clássico.


1
Graduanda em Direito – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: brunaaraujo451@gmail.com
2
Doutoranda e Mestre em Teoria do Direito – PUC Minas. e-mail: gomesegomes@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 237

Introdução

A presente pesquisa, realizada junto ao Núcleo de Pesquisa


e Extensão da Univiçosa (NUPEX), teve como objetivo principal
analisar os conceitos de justiça e de direito para as escolas do
Realismo Jurídico Clássico e do Positivismo Jurídico, confrontando-
as com seis recentes julgados, a fim de se observar o cumprimento do
princípio da efetividade das decisões judiciais, à luz da concretização
da justiça material defendida pela escola realista.
Primeiramente é preciso ressaltar as limitações de uma pesquisa
feita pelos sistemas de busca dos sites dos tribunais de justiça,
tribunais federais e tribunais superiores de nosso país. Devido à
inexistência de uma normativa clara de indexação, pode ser que,
por exemplo, uma pesquisa acerca do acesso à justiça não tenha sido
indexada com esse termo. Ademais, não é possível saber se todas as
decisões são cadastradas e acessíveis pelo sistema de busca. Ainda
assim, tais decisões são fontes para interessantes pesquisas, além
de instrumento de formação dos cidadãos. Em segundo lugar, faz-
se mister que se sublinhem quais os parâmetros para o relatório
ora apresentado. Para as buscas na presente pesquisa, utilizou-se
os termos “acesso à justiça”, “direito à saúde”, “direito à educação”,
“igualdade” e “reserva do possível”. As buscas foram feitas nos
tribunais de justiça do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Paraná.
Realizou-se, ainda, a busca no site do Supremo Tribunal Federal.
Para complemento das referidas jurisprudências, realizou-se a
leitura da monografia de Ana Lúcia da Costa Barros, intitulada “A
efetivação do controle judicial sobre os direitos sociais prestacionais”
e de artigos científicos relacionados ao tema pesquisado.
Quanto ao estudo empreendido sobre o conceito de Direito e de
Justiça pode-se afirmar que Aristóteles (1996) já trazia no bojo de
sua teoria a preocupação com a aplicação da igualdade e a necessária
percepção de que cada caso concreto demanda uma análise específica.
Quanto ao direito, este encontra-se intrinsecamente relacionado
à justiça, pois dela é objeto, sendo assim algo concreto. O direito
é, pois, o justo, o devido a cada homem dentro de uma relação de
justiça. Tomás de Aquino (1980) trabalha o conceito de direito

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


238 ANAIS X SIMPAC

de Aristóteles e refina o seu pensamento sobre a justiça, todavia,


mantém o pensamento a base da teoria aristotélica reafirmando ser
o direito objeto da justa e uma res, algo devido ao homem pelos
outros homens.
Mas é também no final da Idade Média, mais precisamente no
século XIV, com o desenvolvimento da filosofia jurídica do escolástico
franciscano, Guilherme de Ockham, que ocorre a eclosão, quanto às
fontes do direito, do positivismo jurídico, e quanto à sua estrutura,
da noção do direito subjetivo individual. É reputado por muitos,
a Ockham, a inauguração da via moderna, pois, segundo Michel
Villey (2009), é em seus estudos que se situa a linha divisória entre
o direito natural clássico, inseparável do realismo de Aristóteles e
São Tomás, e o positivismo jurídico. Para a metafísica ockhamiana,
no real e na natureza real não existe nada acima dos indivíduos: não
existem universais, estruturas, direito universal. Daí, quanto às
normas jurídicas, sua origem estará exclusivamente nas vontades
positivas do indivíduo, donde se extrai que o positivismo jurídico,
filosofia em voga da Idade Moderna até os dias atuais, seja filha
do nominalismo. Definindo o Direito como um conjunto de normas
de conduta e a justiça como utopia ou mero valor social dissociado
do direito. Dessa forma, há um retrocesso, uma vez que o Estado
se limita à declaração formal dos direitos humanos e à criação de
instrumentos de justiça, sem se preocupar com a efetividade da
prestação jurisdicional. Essa forma de conceber o direito e a justiça
pode ser percebida nos julgados que serão expostos no desenvolver
do presente trabalho.

Material e Métodos

Com o intuito de atingir os objetivos supracitados, esse


trabalho será desenvolvido sob a forma de pesquisa exploratória,
prezando-se pelo levantamento bibliográfico, sobretudo de obras
de renomados autores do Realismo Jurídico Clássico e de autores
cujas obras dedicam-se a explanar os conceitos abordados por
Aristóteles e Tomás de Aquino. Além disso, será feita uma pesquisa
jurídico-sociológica compilando o conhecimento desenvolvido com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 239

as jurisprudências levantadas. Dessa forma, a partir da pesquisa a


ser realizada e do levantamento de decisões jurisprudenciais atuais,
proceder-se-á à análise da adequação entre os recentes julgados
em relação aos conceitos de direito e de justiça defendidos pelos
clássicos. Será feito o aprimoramento de tais ideias e a construção
de induções baseadas nos resultados obtidos.

Resultados e Discussão

O trabalho consistiu na análise de seis julgados encontradas


nos sites do Supremo Federal e dos tribunais de justiça do Rio de
Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul e do Tribunal Regional Federal
5. Para realização das buscas, foram utilizados como termos de
busca “efetividade, “acesso à justiça”, “direito à saúde” e “princípio
da reserva do possível”.
Dentre os julgados, foi possível perceber a influência do
princípio da reserva do possível como argumento para a denegação
de benefícios. Como exemplo, foi encontrado um julgado do TRF 5,
de 08/02/2007, que indeferiu provimento ao agravo de instrumento
que pleiteava o sequestro de verba pública para a distribuição e
aquisição gratuita de medicamentos imprescindíveis ao tratamento
de pacientes portadores de Mal de Parkinson no estado da Paraíba.
A justificativa para a decisão, de relatoria do desembargador federal
Francisco Wildo, é que o atendimento dos direitos sociais deve se
sujeitar ao princípio da reserva do possível.
Outra decisão que teve significativa repercussão foi a ação
direta de inconstitucionalidade por omissão impetrada pelos
partidos políticos PT, PD do B e PDT em 29/10/1997, mas que só foi
decidida doze anos depois no STF. O pedido consistia na declaração
de inconstitucionalidade e, via de consequência, na fixação de
prazo para a adoção de medidas efetivas, em relação à omissão
governamental na erradicação do analfabetismo. Com maioria dos
votos, o STF decidiu pela improcedência do pedido, afirmando que
o Poder Público não está inerte quanto ao direito à educação, pois
editou leis e mantém diversos programas governamentais afetos ao
setor educacional. Questão esta controversa, uma vez que, mesmo

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


240 ANAIS X SIMPAC

com as melhorias na educação, o Brasil ainda possui no ano corrente,


segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,
11,8 milhões de analfabetos, cerca de 7,2% da população de 15 anos
ou mais.
Após definir-se os conceitos supracitados para as duas correntes
do Direito e fazer-se a interpretação desses julgados compreendidos
entre os anos de 2007 a 2016, poder-se-á perceber que, devido à
influência do movimento neoconstitucional, que traz novamente a
ligação entre Direito e moral, resgatando de certa forma a visão
dos Clássicos, vem sendo buscado o atingimento da justiça material,
mais propriamente da justiça distributiva, no que se refere a direitos
fundamentais, tais como o acesso à justiça e os direitos à saúde e
à educação. No entanto, muitas das vezes, o reconhecimento
desses direitos ocorre apenas no plano formal, devido à influência
que o Positivismo Jurídico ainda exerce na prática dos tribunais.
(GOMES, 2014). Somando-se a isso e utilizado como principal
argumento ante a ausência estatal em prover a efetiva tutela
jurisdicional, os princípios da reserva do possível fática e jurídica
condicionam tal inefetividade à falta de recursos públicos ou de
autorização orçamentária, sendo ambos de competência outra
que não do magistrado. A reserva fática representa a autonomia
orçamentária e a falta de recursos do Estado, enquanto a jurídica
está ligada ao fato de que o despendimento de recursos depende de
autorização orçamentária, portanto, legislativa.

Conclusão

Primeiramente buscou-se conceituar os termos direito e justiça


para o Realismo Jurídico Clássico, perpassando pelas definições
adotadas por Aristóteles e São Tomás de Aquino, dois de seus
grandes expoentes, donde conclui-se que tanto um autor quanto
o outro concordam que a justiça é uma disposição permanente da
vontade e seu objeto é dar a cada um o que é seu, ou seja, o seu
direito. (HERVADA, 2012)
Ambos consideram que a justiça é virtude prática e, não apenas,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 241

intelectual, sendo própria do exercício da atividade do jurista.


Quanto ao direito, ele é entendido como res, ou coisa justa, podendo
ser corpórea ou incorpórea, sendo sempre objeto da justiça, seu fim
mediato. Além disso, ele também deve ser entendido como relação,
devido ao seu caráter de dívida e à sua relação com a justiça.
Tomando como base os estudos que realizados acerca do direito
e da justiça para a escola do Realismo Jurídico Clássico, pode-
se depreender que a adoção de tais conceitos como um possível
caminho a ser percorrido no que concerne à busca pela efetividade
da prestação jurisdicional merece ser objeto de futuros estudos e
discussões. (PIEPER, 2012)
O fato de o Realismo Jurídico Clássico prezar pela igualdade
substancial, ou seja, aquela que realmente promove a justiça
material, contribui para uma visão menos formalista do direito, tal
como aquela que foi desenvolvida pelo direito brasileiro devido à
influência do positivismo jurídico. (GOMES, 2014)
Além disso, outro ponto que merece ser destacado é que a justiça
que importa aos realistas é aquela própria dos juristas, ou seja, a
praticada pelos tribunais. (HERVADA, 2012). Dessa forma haveria
uma maior valorização da atividade interpretativa dos juízes, não
limitada a subsunção do fato a uma norma que foi escrita em outro
período histórico e que não acompanhou a evolução da sociedade, tal
como ocorre nos dias atuais.

Referências Bibliográficas
ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Coleção: Os pensadores. São
Paulo: Nova Cultural, 1987.

GOMES, R. S. A Escola Do Realismo Jurídico Clássico: uma


compreensão geral da justiça e do direito sob a perspectiva
dos principais autores realistas contemporâneos. 2014. 184 p.
Dissertação (Mestrado em Direito) – Pontifícia Universidade
Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

HERVADA, J. “Apuntes para una exposición del realismo jurídico


Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
242 ANAIS X SIMPAC

clásico”. Persona y Derecho, v. 18, p. 5-93, 1988. Disponível em:


<http://dspace.unav.es/dspace/handle/10171/12655>. Acesso em: 15
maio 2012.

PIEPER, J. As virtudes cardeais revisitadas. Jean Lauand (trad.)


International Studies on Law and Education, v. 11, p. 95-101, mai-
ago, 2012. Disponível em: <http://www.hottopos.com/isle11/95-
101Pieper.pdf>. Acesso em: 19 junho 2017.

VILLEY, M. A formação do pensamento jurídico moderno. Tradução


Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 243

MASTITE INFECCIOSA EQUINA

Bruna Teodoro de Souza1, Rafaela Teixeira Magalhães2, Elaine da


Silva Soares3, Eduardo Andrade Coelho4, Paulo Henrique Neves5,
Camila de Almeida Serna6

Resumo: A mastite, doença pouco comum em éguas, é caracterizada


por um processo inflamatório das glândulas mamárias, sendo que esta
pode ser causada por uma variedade de microrganismos. Uma égua
da raça Mangalarga Marchador, com 9 anos de idade, pesando 350
kg, foi atendida no Hospital Veterinário da Universidade Federal de
Viçosa no dia 29 de janeiro de 2018. O proprietário relatou que havia
observado grumos no leite do animal, e que há aproximadamente
3 meses, a égua havia apresentado um quadro de mastite. Foi
realizado o tratamento na propriedade, mas, posteriormente houve
novos episódios. Relatou também que, havia a presença de abscessos
na região da garupa do animal, e que a produção do leite continuou
mesmo sem a presença do potro. No exame físico foi confirmada a
presença de grumos no leite da glândula esquerda e secreção na
glândula direita, também foi observado um edemaciamento na
região próxima. Os exames laboratoriais apresentaram alterações
significativas. Posteriormente, foi realizada ultrassonografia do local
e cultura microbiológica do leite. Com base nos achados dos exames,
iniciou-se o tratamento utilizando antibacterianos, massagem e
ordenha dos tetos diariamente e realização de compressas quente e
fria. Após a recuperação, o animal recebeu alta.
1
Graduanda em Medicina Veterinária - Universidade Federal de Viçosa. e-mail: bruna_teodoro14@
hotmail.com
2
Graduanda em Medicina Veterinária– Universidade Federal de Viçosa. e-mail: rafaella.tm.ls@gmail.
com
3
Médica Veterinária e Mestranda em Morfofisiologia dos Animais Domésticos- Universidade Federal de
Viçosa. e-mail: elaine.s.soares@ufv.br
4
Graduando em Medicina Veterinária - Universidade Federal de Viçosa. e-mail: eduardo.coelho.ufv@
gmail.com
5
Graduando em Medicina Veterinária - Universidade Federal de Viçosa. e-mail: paulohqneves@gmail.
com
6
Graduanda em Medicina Veterinária - Universidade Federal de Viçosa. e-mail: camila.serna@ufv.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


244 ANAIS X SIMPAC

Palavras–chave: Antimicrobiano, égua, infecção intramamária

Introdução

Segundo Motta et al. (2000), a mastite equina é uma doença


infecciona, na qual ocorre um processo inflamatório na glândula
mamária ocasionada por microrganismos, principalmente por
Streptococcus equi, Staphylococcus sp., Corynebacterium sp.,
Actinobacillus sp., Nocardia sp. Pode haver também contaminação
por agentes ambientais, que são representados pelas enterobactérias,
P. aeruginosa, fungos e algas. A glândula mamária das éguas é
composta por um par de mamas com um septo fascial que as separam.
Ambas têm um corpo glandular e uma teta. O corpo glandular esta
dividido em dois ou três lobos por cápsula fibroelástica. Cada teta,
por sua vez, apresenta duas aberturas separadas, têm um canal
mais estreito e a sua cisterna é mais curta, o que difere da bovina
(SMITH, 20006).
De acordo com Perkins e Threlfall (2000), a mastite em
éguas tem baixa incidência, principalmente quando equiparada à
mastite bovina. Uma causa provável para esta observação é devido
à anatomia da glândula mamária, que na égua é relativamente
menor, além de ter uma posição mais oculta com tetas menores, o
que consequentemente evita a incidência de traumas e infecções.
Além disso, a glândula é frequentemente esvaziada, já que sua
produção de leite é menor, e os potros fazem a sucção do leite várias
vezes por hora.
A mastite equina também pode ser relatada apenas por casos
individuais, não tendo relatos na literatura de surtos em plantel.
Ademais, no Brasil não é comum a realização da ordenha manual,
nem da ordenha mecânica, o que reduz a exposição de tetas aos
traumatismos ambientais e possíveis infecções por um mau manejo
(SMITH, 2006).
No Brasil e nos países que compõem a América do Sul, não é
comum o consumo de leite de égua pelo ser humano. No entanto,
alguns países como Alemanha e França utilizam este leite para
alimentação de crianças nascidas de parto prematuro, já que o leite

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 245

de égua é o mais parecido com o leite da mulher, devido a uma


alta digestibilidade, baixo teor protéico, altos teores de albumina e
lactose e equilíbrio da relação albumina-globulina (MOTTA, 2000).
É importante ressaltar que, além do consumo humano, o leite e o
colostro são importantes para que os potros recém-nascidos possam
adquirir imunidade (BERNARDINELI, 2014).
A mastite equina foi relatada em éguas lactantes, éguas não
lactantes e em potras. A condição é considerada por alguns autores
mais prevalente no período imediatamente após o desmame, quando
a produção contínua de leite resulta no acúmulo de secreção dentro
da glândula mamária (PERKINS e THRELFALL, 2000).
A mastite pode ser subdividida em clínica e subclínica. Na
qual a mastite clínica pode ser caracterizada por uma anomalia
visível na glândula ou por alterações no leite secretado (MOTTA
et al., 2000). Com base em Perkins e Threlfall (2000), observa-se
aumento das glândulas acometidas; com a apalpação, firmeza,
calor e manifestação de dor; edema sobre os membros pélvicos,
que podem se estender para sobre o abdome; nestes mesmos
membros, pode apresentar claudicação no membro adjacente à
glândula acometida; algumas éguas apresentam relutância em
permitir que o potro se nutra; a frequência respiratória, cardíaca e
a temperatura se apresentam normais, mas às vezes podem estar
aumentadas, evidenciando febre, anorexia, depressão e aumento da
frequência do pulso e da respiração. Já com base na secreção, ela
pode apresentar diferentes aspectos, como um corrimento seroso ou
como um líquido claro, precoce nos estágios da doença. Ou também
como um corrimento purulento, espesso, não flocado, podendo
haver a presença de sangue. Segundo Motta et al. (2000), pode se
encontrar amarelado e com presença de grumos. Numa mastite
crônica, observa-se, portanto, formação de fibrose, perda de função
e as alterações macroscópicas da secreção.
O diagnóstico é obtido a partir alguns métodos indiretos:
como contagem de células somáticas (a CCS alterada corresponde
a um aumento das células somáticas no leite, tal como neutrófilos e
células epiteliais) e pelo exame microbiológico do leite (MOTTA et
al., 2000).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


246 ANAIS X SIMPAC

O tratamento baseia-se na utilização de antimicrobiano de


amplo espectro, preferencialmente indicados por via parenteral.
A forma administrada varia de acordo com a evolução do caso. A
penicilina benzatina (20.000 UI/kg, via intramuscular) é usada
como dose única em casos mais simples, podendo repetir a aplicação
a cada 5 dias se houver necessidade. E em casos graves, a penicilina
é associada à gentamicina (2-5 mg/kg, via intramuscular ou
intravenosa, BID ou TID). Alternativas de antimicrobianos são o
ceftiofur (1 a 2 mg/kg, via intramuscular, SID), sulfa-trimetoprim
(IM ou IV, BID) e a azitromicina (10 mg/kg, SID, via oral, por 3 a 5
dias) (MOTTA et al., 2000).
O objetivo deste trabalho foi relatar um caso de mastite em
égua.

Material e Métodos

Uma égua da raça Mangalarga Marchador, com 9 anos de


idade, pesando 350 kg, foi atendida no Hospital Veterinário da
Universidade Federal de Viçosa no dia 29 de janeiro de 2018. O
proprietário relatou que, no dia anterior, foi observada a presença
de grumos no leite da glândula mamária esquerda e líquido
fluido na direita. Ele também relatou que a égua apresentou, há
cerca de três meses, sinais de mastite, que ocorreu após um mês
do desmame do potro. Recebeu tratamento para a mastite, ainda
na propriedade, o que gerou recuperação, porém houve episódios
de mastite recorrente (três vezes). Foi instituído tratamento com
Sulfametoxazol + trimetropim 25 ml, BID, durante 6 dias (a dose
utilizada não foi informada). Após isso, o proprietário relatou que
houve lesões na garupa (abscessos que foram drenados por um
veterinário). E com isso o animal passou a apresentar hiporexia e
emaciação. Além de relatar que a égua continuou a produzir leite,
mesmo sem a presença do potro.
Com base nos exames clínicos realizados, foi observada a
presença de secreção purulenta e com grumos na glândula mamária
esquerda, que se encontrava com um volume menor do que a glândula
direita. Também foi diagnosticado um edema crânio ventral à

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 247

glândula em questão. Foi realizado exame ultrassonográfico, que


constatou a presença de áreas firmes caudalmente à glândula
mamária e hiperecoicas. No hemograma, pode-se observar um
quadro de leucocitose e aumento de fibrinogênio. Foi realizada uma
cultura microbiológica do leite e o microrganismos encontrado foi
Corynebacterium sp.
O tratamento consistiu em antibioticoterapia: Ceftiofur 2,2
mg/Kg, BID, IM, 5 dias e Gentamicina 6,6 mg/Kg, SID, IV, 5 dias.
Foi realizado lavagem do úbere utilizando 1g de Amicacina em 1L
de NaCl 0,9%, BID. Ao longo do tratamento, também foi realizado
ordenha 4 vezes ao dia; massagens no teto e compressas quentes
(por 15 minutos) e compressas frias (por mais 15 minutos), ambas
realizadas duas vezes ao dia.

Resultados e Discussão

De acordo com Motta et al.(2000), se tratando do diagnostico


da mastite, devem ser incluídas causas tanto infecciosas quanto não
infecciosas. A galactorreia ou pseudolactação, geralmente ocorrente
em éguas de idade mais avançada, se caracteriza pelo acúmulo de
secreção nas glândulas mamárias a partir de uma produção fora
da época de lactação, na ausência de gestação. Este acúmulo de
leite e edema da glândula mamária não são considerados de origem
infecciosa. Vale ressaltar, que ainda não se tem muitas informações
sobre essa produção de leite fora de época que acomete as glândulas.
A ultrassonografia é um exame de apoio para facilitar a
diferenciação da mastite das outras patologias, tal como tumores.
Já a avaliação hematológica é um exame que irá direcionar o
diagnóstico, pois o animal com mastite clínica revela leucocitose por
neutrofilia e elevação do fibrinogênio.
A ordenha realizada todos os dias é muito importante, pois
ela acelera a remoção das células inflamatórias e debris celulares.
A aplicação de compressas frias e quentes servem para aliviar o
excesso de leite nas mamas e liberar os ductos que se encontram
obstruídos, facilitando assim a saída do leite.
No segundo dia de tratamento, houve uma redução do edema

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


248 ANAIS X SIMPAC

mamário, com maior conformidade na simetria das glândulas. No


dia seguinte, foi observada redução da secreção mamária, com
coloração menos amarelada e sem a presença de grumos de pus.
O tratamento instituído foi satisfatório com recuperação total
do animal.

Considerações Finais

O protocolo terapêutico utilizado obteve a eficiência esperada


para o caso em questão. Houve eficácia do uso dos medicamentos
antimicrobianos contra Corynebacterium sp., que foi controlado entre
o 4º e o 5º dia de tratamento. Além disso, as massagens na glândula
acometida associada às compressas quentes e frias auxiliaram
na obtenção de um resultado mais satisfatório, o qual acelerou o
processo de recuperação. A ordenha também ajudou a acelerar a
recuperação, retirando as células inflamatórias e os debris celulares.
Embora essa doença seja incomum em éguas, o tratamento é rápido
e eficaz, porém se faz mister um manejo sanitário e nutricional
adequados, evitando assim a reincidência.

Referências Bibliográficas

REED, S. M; BAYLY, Warwick M. Medicina interna eqüina. Rio


de Janeiro: Guanabara Koogan, 1ª edição p. 689 - 690

SMITH, B. P.  Medicina interna de grandes animais. 3. ed.


Barueri, SP: Manole, 2006. liii, 1728 p.

BERNARDINELI, A. P. B. Colostro e leite de éguas: análise


mirobiológica e contagem de células somáticas. 2014. 46 f.
Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de
Mesquita Filho, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia,
2014. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/128002>.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 249

MOTTA, R.G. G.; JUNIOR, g, Nardi; PERROTTI, I. B. M.; RIBEIRO,


M. G. MASTITE INFECCIOSA EQUINA: UMA VISÃO GERAL
DA DOENÇA. Universidade Estadual Paulista, Faculdade de
Medicina Veterinária e Zootecnia <http://www.biologico.sp.gov.br/
uploads/docs/arq/v78_4/motta.pdf>

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


250 ANAIS X SIMPAC

ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE


UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

Daniela Fernanda Silva1, Adonai Gomes Fizena2, Caio Nascimento


Lemos3, Alexandre Miguel Silva Araújo4

Resumo: Este artigo descreve a importância da implantação de uma


Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) na Universidade Federal
de Viçosa (UFV), que é responsável por grande parte do esgoto
bruto lançado no Rio São Bartolomeu que corta a cidade de Viçosa,
Minas Gerais. Realizou-se os cálculos para o dimensionamento da
ETE a ser implantada na parte alta do campus, considerando um
crescimento gradativo de acadêmicos e funcionários em um período
de alcance de 30 anos. Após análise topográfica da região e estudo
de um traçado de coleta de esgoto eficiente e econômico, constatou-se
que, torna-se inviável a implantação da ETE no campus, uma vez
que o único terreno disponível para a construção da mesma localiza-
se opostamente ao fluxo do efluente por gravidade, sendo necessário
o uso de tubulações de retorno e bombas potentes para garantir a
chegada do esgoto à estação de tratamento, o que torna o projeto
oneroso.

Palavras–chave: Cursos d’água, efluente, poluição

Introdução

Denomina-se Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), como

1
Graduada em Engenharia Civil –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: dani.vhr@hotmail.com
2
Graduado em Engenharia Civil, Mestrado e Doutorado em Geotecnia – FACISA/UNIVIÇOSA. e-mail:
engcivil@univicosa.com.br
3
Graduando em Engenharia Civil - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: caionascimentolls@gmail.com
4
Graduando em Engenharia Civil - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: alexandremsa@outlook.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 251

toda unidade operacional do sistema de esgotamento sanitário que


utiliza de processos físicos, químicos e/ou biológicos para remoção
de cargas poluentes do esgoto bruto, lançando nos cursos d’água
um efluente tratado, livre de materiais pesados prejudiciais ao
meio ambiente e possibilitando posterior captação deste efluente
por Estações de Tratamento de Água (ETA) para tratamento final e
abastecimento da população.
Devido aos significantes impactos que o esgoto bruto causa
aos cursos d’água, torna-se de grande importância a implantação
de ETE’s em grandes centros universitários, por contarem com um
número denso de estudantes, como é o caso da Universidade Federal
de Viçosa (UFV). A UFV é conhecida principalmente pelas ciências
agrárias e ciências exatas e reconhecida pelo MEC como uma das
melhores Universidades do país. Deve-se considerer a implantação
deste sistema em todas as cidades do mundo, a fim de se reduzir
os impactos às fontes cada vez mais escassas de água em condições
adequadas para o consumidor.
A Universidade Federal de Viçosa está localizada na
microrregião de Viçosa e à mesorregião da Zona da Mata e localiza-
se a cerca de 270 km da capital do estado, Belo horizonte. A
implantação do sistema reduz de forma significativa a quantidade
de efluentes diretamente lançados no Rio São Bartolomeu, que corta
a cidade de Viçosa, amenizando consideravelmente os impactos
ambientais causados sobre o mesmo. Segundo a Agência Nacional
de Águas (ANA, 2018) o Rio São Bartolomeu atualmente possui
um nível em média de 180 cm, considerando um nível normal,
segundo parâmetros da agência. Com uma população flutuante de
aproximadamente 23065 estudantes e funcionários, segundo dados
da Pró-Reitoria de Planejamento e Orçamento (PPO, 2017) ano base
2016, o campus representa uma grande parcela de esgoto lançado
no ribeirão da cidade.
Com a expansão da infraestrutura e consequente aumento
do número de vagas no campus, vê-se a necessidade imediata de
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
252 ANAIS X SIMPAC

implantação de um sistema de coleta e tratamento de esgoto eficiente,


a fim de frear o aumento gradativo de efluente bruto lançado, por
um período de alcance de 30 anos, considerando o crescimento no
tempo vigente, capacidade de tratamento do efluente e vida útil das
instalações.

Material e Métodos

Utilizou-se o método de projeção aritmética baseando-se na


hipótese de um crescimento populacional com taxa constante em
cima dos dados do número de funcionário e estudantes divulgados
pela PPO anualmente. Devido aos diversos níveis do campus,
necessitou-se traçar dois trechos distintos como mostra a Figura
1(a), representados pelas cores azul e vermelho, assim, o esgoto é
escoado por gravidade, até o ponto mais baixo, e posteriormente
bombeado até a estação de tratamento localizada na parte alta do
campus, onde não há departamentos. O traçado em preto representa
as tubulações de retorno que interligam os pontos de concentração
do esgoto à ETE. Realizou-se o levantamento do terreno através do
aplicativo Google Maps, da empresa Google, que capta imagens via
satélite.
As tubulações de retorno captam o esgoto na entrada
principal do campus, conhecida como quatro pilastras e em uma
entrada alternativa, próximo às instalações da FUNARBE. A
tubulação principal de retorno interliga as quatro pilastras à
Estação de Tratamento de Esgoto localizada na parte mais alta do
campus, equidistantes a 3,20 Km. A área foi escolhida por conter
pequeno fluxo de pessoas no local, medida necessária devido ao mal
cheiro característico das ETE’s. A Figura 1(b) mostra o traçado e
comprimento desta tubulação obtidos pelo Google Maps.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 253

Figura 1 - Mapa Via satélite da UFV (a) Traçado da tubulação de


coleta e retorno do esgoto. Fonte: Google Maps (ADAPTADO) (b)
Comprimento da tubulação de retorno principal. Fonte: Google
Maps.

Resultados e Discussão

Considerando-se um crescimento linear constante, o campus


da UFV em 30 anos contará com uma população flutuante de alunos
e funcionários de aproximadamente 40000 pessoas, classificando-a
como uma cidade pequena, com um consumo médio per capita
(QPC) de 145 l/hab.dia (litros por habitante por dia). A vazão de
esgotamento varia entre 26,85 e 96,66 l/s (litros por segundo), com
uma média de 53,7 l/s.
As tubulações de coleta de esgoto segundo o traçado do item
anterior, possuem 11300 metros de comprimento, com 106 poços de
visitas e 105 trechos, sendo a opção mais viável e menos onerosa.
Além da tubulação de coleta, tornou-se necessário a implantação
de duas tubulações de retorno com 4700 metros e três estações
elevatórias com bombas potentes, capazes de bombear todo esgoto
coletado até a ETE, totalizando um comprimento de 16000 metros
de tubulação.
Através do traçado estimou-se o custo de implantação
das tubulações de coleta e de retorno, chegando ao valor de R$

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


254 ANAIS X SIMPAC

2.274.041,02 (dois milhões, duzentos e setenta e quatro mil e


quarenta e um reais), não estando incluso o valor da construção e
operação da ETE.

Considerações Finais

Após identificação do terreno, análise da declividade e traçado


da rede coletora conclui-se que a implantação de uma Estação
de Tratamento de Esgoto no campus da UFV é inviável devido a
necessidade de bombeamento de todo o esgoto coletado por um
percurso consideravelmente longo.
O custo de implantação das tubulações de coleta e retorno e
estações elevatórias já inviabilizam o processo.

Referências Bibliográficas

Agência Nacional de Águas (ANA). Sistema de Monitoramento


Hidrológico. 2018. Disponível em: < http://mapas-hidro.ana.gov.br/
Usuario/DadoPesquisar.aspx?est=163247480&dado=Nivel&fim=>.
Acesso em: 21 fev 2018.

Pró-Reitoria de Planejamento e Orçamento (PPO). UFV em


números. Ed 2017. Disponível em: <http://www.ppo.ufv.br/
wp-content/uploads/2012/05/UFVEMN%C3%9AMEROS-2017-
anobase2016.pdf>. Acesso em: 21 fev 2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 255

COMPARAÇÃO ENTRE MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO


DE DERMATÓFITOS: CULTURA CONVENCIONAL E
CULTURA RÁPIDA COM DERMATOBAC®

Camila Aparecida Lopes1, Mariana Costa Fausto2, Waleska


Ferreira Dantas3

Resumo: As dermatofitoses são zoonoses causadas por fungos


queratolíticos que podem ter como habitat primário o solo, os animais
ou os seres humanos. O objetivo deste estudo foi avaliar a frequência
de dermatófitos em cães sintomáticos por meio da cultura com
Agar Sabouraud Dextrosado (ASD) comparando-o com o Sistema
Dermatobac® quanto à competência no diagnóstico. Dermatófitos
foram observados em 33,33% (8/24) das amostras de pelos e crostas
procedente dos cães suspeitos. Não se observou predileção quanto à
predisposição racial, contudo, conforme o gênero e à faixa etária,
notou-se maior ocorrência nas fêmeas e em cães adultos. As lesões
mais observadas foram alopecia, eritema, crostas, hiperpigmentação
e hipotricose, as quais se localizavam principalmente no dorso
e no abdômen. Na comparação entre os métodos de diagnóstico
micológicos houve superioridade da cultura convencional ao kit de
lamino cultivo quanto ao número de amostras positivas.

Palavras–chave: Cães, fungos, pele, zoonose

Introdução

A dermatofitose é uma infecção fúngica que acomete tecidos


queratinizados como pelos, camada córnea da epiderme e unhas. Suas
espécies são distribuídas nos gêneros anamórficos Epidermophyton,
Microsporum e Trichophyton (NEVES et al., 2011). Além disso,
1
Graduando em Medicina Veterinária – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: camilalopesvrb@gmail.com
2
Professora do curso de Medicina Veterinária - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: maricfausto@gmail.
com
3
Professora do curso de Medicina Veterinária - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: wafedantas@yahoo.
com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


256 ANAIS X SIMPAC

podem ser classificados em antropofílico, zoofílico e geofílico de


acordo com o seu habitat (seres humanos, animais e solo).
É considerada uma zoonose de alta morbidade, na qual os
animais domésticos, sobretudo cães e gatos, tornam-se importantes
reservatórios dos fungos patogênicos, o que contribui para a
disseminação de alguns dermatófitos, principalmente pelos
portadores assintomáticos (BALDA et al., 2004). O presente estudo
teve como objetivo diagnosticar dermatofitose em cães sintomáticos,
onde as lesões apresentadas por eles, se enquadrassem com
características fúngicas. Além disso, comparou-se a eficiência no
isolamento dos dermatófitos em Agar Sabouraud Dextrose (ASD)
com o Sistema Dermatobac®.

Material e Métodos

Foram atendidos 24 cães para exame clínico no Hospital


Veterinário da Univiçosa, em Viçosa – MG, os quais apresentavam
lesões sugestivas de dermatofitose. Estes animais foram identificados
e separados pelo histórico, idade, raça, sexo e lesões apresentadas.
Foram coletados pelos e crostas ao redor das lesões com auxílio
de pinça estéril. Os exames laboratoriais foram realizados no
Laboratório de Microbiologia da Faculdade de Ciências e Tecnologia
de Viçosa – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. Utilizou-se a estatística
descritiva para as análises dos resultados.
Para a preparação do meio convencional foi utilizado o Agar
Sabouraud Dextrosado (ASD) composto de 10,00g de Peptona
bacteriológica GE, 40,00g de Glicose anidra ACS, 15,00g de Agar
bacteriológico diluído em 1 litro de água destilada. A solução foi
autoclavada por 15 minutos a 121°C em 5 libras de pressão. Em
seguida, foi resfriada à 50°C e distribuída em placas de preti
decartáveis de 90 mm de diâmetro. Durante a repicagem da
amostra no meio ASD, o bico de Bunsen permaneceu aceso para
a flambagem das pinças anatômicas, utilizadas para remover o
material clínico dos recipientes transportados ao laboratório. As
placas de petri contendo os meios de cultivos foram inicialmente
identificadas e datadas para posterior análise do crescimento

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 257

fúngico. Em seguida, estas placas foram abertas próximas à chama,


e então, as amostras clínicas foram depositadas na superfície dos
meios, fazendo perfurações paralelas e eqüidistantes. Ao concluirem
as semeaduras, as placas foram seladas com fita adesiva plástica e
foram incubadas a 25°C em um prazo mínimo de 21 dias e máximo
de 30 dias.
O outro meio de cultura que foi utilizado no experimento foi
o Sistema Dermatobac®, um laminocultiro em tubo composto
pelos meios Agar D.T.M. na face larga da lâmina (meio amarelo
intenso), Agar Sabouraud Glicose Seletivo (meio amarelo claro) e
Agar BiGGY na face dividida da lâmina (meio branco). As amostras
foram semeadas com pinça estéril na superfície de seus meios e,
em seguida, os tubos foram mantidos a 25°C, com tampa semi
rosqueada, em um prazo mínimo de 21 dias e máximo de 30 dias.
Após este período, foram examinadas as colônias formadas sob
microscopia. Para isto, foi realizado um imprint com fita de acetato,
pressionando-se sob a colônia suspeita, onde foi montada uma
lâmina contendo uma gota de solução de tiazinas.
Este trabalho foi apresentado e aceito pelo Comitê de Ética
em Pesquisa da Faculdade de Ciências e Tecnologia de Viçosa –
FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA com número de protocolo310/2016 – II.

Resultados e Discussão

Dos 24 cães atendidos, a doença foi diagnosticada em oito, com


frequência representada em 33,33%. Constatou-se que, dos animais
positivos, 50% (4/8) não possuíam raça definida e 50% (4/8) eram
cães de raça definida, dentre estes Blue Hiller, Lhasa Apso, Maltês
e American Bully, com um representante de cada raça descrita. A
faixa etária variou entre 6 meses a 15 anos. Registrou-se 25% (2/8)
dos cães com menos de um ano de idade, 37,5% (3/8) entre um a
cinco anos de idade e 37,5% (3/8) com idade superior a cinco anos.
Em relação ao gênero, 62,5% (5/8) eram fêmeas e 37,5% (3/8) eram
machos.
As lesões mais encontradas foram: alopecia 75%; eritema
62,5%; crostas 37,5%; hiperpigmentação 37,5%; hipotricose 37,5%;

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


258 ANAIS X SIMPAC

pústulas 12,5%; escoriações 12,5%; liquenificação 12,5% e colaretes


epidérmicos 12,5%. A distribuição topográfica das lesões foi muito
variável, no entanto, a maior parte dos cães manifestou as lesões no
dorso e no abdômen. A manifestação clínica de prurido foi constatada
em cinco cães, com apresentação de 20% (1/5) na forma leve, 20%
(1/5) moderada e 60% (3/5) intensa. Dos 8 animais infectados, 25%
(2/8) recebiam, regularmente, serviços de estética animal e 25%
(2/8) foram adotados num período inferior a 30 dias.
Quanto a possíveis contactantes doentes, relatou-se uma
transmissão horizontal para outro cão que mantinha contato com
um dos animais examinados e uma possível transmissão para um
tutor o qual possuía lesões sugestivas de dermatofitose, tendo sido a
ele recomendado procurar atendimento dermatológico especializado
para confirmação do diagnóstico.
A cultura convencional, com ASD, isolou dermatófitos
em 100% (8/8) das amostras positivas, enquanto que o Sistema
Dermatobac® forneceu o diagnóstico em apenas 37,5% (3/8) das
mesmas amostras. Não foi feita a identificação dos dermatófitos por
ausência de corantes, como azul de lactofenol e dimetilsulfóxido, e
de meios seletivos que favorecem na visualização das estruturas
diferenciais.
A dermatofitose é referida pelos autores como mais frequente
em cães de raça definida, principalmente da raça Yorkshire
(BALDA et al. 2004; CHAVES, 2007). Contudo, neste estudo não
houve maior prevalência da dermatofitose em relação a definição
racial. Referindo-se a faixa etária, o isolamento de dermatófitos
foi predominante em cães com idade igual ou superior a três anos
o que se opõe aos resultados de outros trabalhos que relataram
maior ocorrência em animais com até um ano de idade (BALDA
et al., 2004; NEVES, 2015). Segundo Balda et al. (2004), esta
prevalência pode estar relacionada com a imaturidade imunológica
dos animais jovens. No que se refere ao gênero, o número de fêmeas
diagnosticadas com dermatofitose foi superior ao número de casos
confirmados em machos. O mesmo foi observado no trabalho de
Neves et al. (2011), contudo ele concluiu que, estatisticamente, não
houve predileção em relação ao sexo.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 259

Os dados obtidos neste estudo indicaram a alopecia, eritema,


crostas, hiperpigmentação e hipotricose como os sinais clínicos
mais frequentes. A manifestação clínica era esperada de acordo
com a bibliografia consultada (DALLA LANA et. al., 2016; NEVES,
2015, NEVES et al., 2011). Em 62,5% dos casos diagnosticados
no presente estudo apresentaram prurido como sinal clínico. Este
achado corrobora com os dados encotrados em Neves et al. (2011).
No entanto, em Balda et al. (2004), notou-se ausência de prurido
em 50% dos cães diagnosticados com dermatofitose. Portanto, o
prurido não é um fator determinante no diagnóstico, visto a sua
dependência tanto com o sistema imunológico do hospedeiro quanto
a virulência do patógeno para sua manifestação (NEVES et al.,
2011). Em relação à distribuição das lesões, os resultados obtidos
desta pesquisa divergiram-se com os dados de outros autores que
notaram maior ocorrência na região cefálica (BALDA et al., 2004;
CHAVES, 2007; NEVES, 2015).
Observou-se uma possível transmissão intraespécie e
interespécie após o contato próximo com cães positivos o que destaca
o papel dos animais domésticos como importantes reservatórios e
disseminadores de dermatófitos (BALDA et al., 2004; NEVES, 2015;
PINHEIRO et al., 1997). É importante também ressaltar que 25%
(2/8) dos cães positivos, não eram domiciliados anteriormente a
consulta. Segundo Neves et al. (2011), animais imunodeprimidos
e que vivem em coletividade são mais susceptíveis a infecção.
Além disso, dos oito cães positivos, dois frequentavam centros de
estética animal o que pode ter favorecido o contágio, uma vez que a
transmissão pode ocorrer por meio de objetos inanimados (toalha,
pente, escovas, cortadores) e por ambientes contaminados (NEVES,
2015).
Dentre os dois meios, a cultura fúngica preparada com
ASD revelou-se superior a cultura rápida quanto ao diagnóstico.
Contudo, no trabalho realizado por Chaves (2007), notou-se que o
crescimento fúngico foi semelhante nestes meios. Além disso, ele
concluiu que o laminocultivo é eficiente e rápido para o diagnóstico
de dermatofitose identificando como suas vantagens, em relação a
outros meios, a praticidade, a mudança de coloração do meio D.M.T.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


260 ANAIS X SIMPAC

após o surgimento das colônias e a maior produção de macroconídios


no meio ágar Biggy.
No presente estudo o meio utilizado para preparação da
cultura não inibiu o crescimento de fungos e bactérias oportunistas o
que dificultou na identificação dos dermatófitos. Para tal finalidade,
recomenda-se a avaliação das características macroscópicas e
microscópicas das colônias suspeitas em diferentes meios de
cultivos os quais contêm substâncias e ingredientes que favoreçam
o desenvolvimento das estruturas que propiciam as diferenciações
e que reduzem as chances de contaminação ambiental (CHAVES,
2007).

Considerações Finais

As ocorrências de dermatofitose, diagnosticadas no Hospital


Veterinário da Univiçosa manifestaram principalmente em cães com
idade igual ou superior a 3 anos e em fêmeas, independentimente
da raça.
As manifestações clínicas mais frequententes foram alopecia,
eritema, crostas, hiperpigmentação e hipotricose distribuídas
principalmente no dorso e abdômen. Na maioria dos casos, as
lesões eram pruriginosas com intensidade acentuada.
O isolamento de dermatófitos pela cultura convencional foi
superior ao Sistema Dermatobac®, no entanto mais estudos são
necessários visto ao número reduzido de animais com dermatopatias
neste período da coleta de amostras.

Referências Bibliográficas

BALDA, A. C., LARSSON, C. E., OTSUKA, M., GAMBALE, W.


Estudo retrospectivo de casuística das dermatofitoses em cães
e gatos atendidos no Serviço de Dermatologia da Faculdade de
Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo.
Acta Scientiae Veterinariae, v. 32, n. 2. P.133-140. 2004.

CHAVES, L. J. Q. Dermatomicoses em cães e gatos;

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 261

Avaliação do diagnostico clínico-laboratorial e dos aspectos


epidemiológicos em uma população de portadores de lesões
alopécicas circulares. P. 88. Tese de Doutorado. Fortaleza/CE,
2007. Disponível em: http://www. uece. br/ppgcv/dmdocuments/
lucio_chaves. pdf.

DALLA LANA, D. F., BATISTA, B. G., ALVES, S. H.,


FUENTEFRIA, A. M. Dermatofitoses: agentes etiológicos, formas
clínicas, terapêutica e novas perspectivas de tratamento. Clinical
& Biomedical Research, [S.l.], v. 36, n. 4. P. 230 – 241. 2016.

NEVES, J. J. A. Pesquisa de dermatófitos em pets e no


ambiente domiciliar. P.51. Tese de Doutorado. Universidade
Paulista – UNIP. São Paulo, 2015.
NEVES, R. C. S. M., SEABRA DA CRUZ, F. A. C., LIMA, S. R.,
TORRES, M. M., DUTRA, V., & SOUSA, V. R. F. Retrospectiva das
dermatofitoses em cães e gatos atendidos no Hospital Veterinário
da Universidade Federal de Mato Grosso, nos anos de 2006 a 2008.
Ciência Rural, v. 41, n. 8. P.1405-1410. Santa Maria, 2011.

PINHEIRO, A. Q.; MOREIRA, J. L. B.; SIDRIM, J. J. C.


Dermatofitoses no meio urbano e a coexistência do homem com
cães e gatos. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., v. 30, n. 4. P. 287-294.
Uberaba, 1997.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


262 ANAIS X SIMPAC

ANÁLISE DO MELHOR MÉTODO DE ATIVAÇÃO DE


CARVÃO ATIVADO DE BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR
PARA ADSORÇÃO DE CORANTE TÊXTIL

Camila Cristina Teixeira1, Mateus Tomaz Neves2

Resumo: O Carvão pode ter ativação química ou física e sua


estrutura pode ser micro, meso ou macroporosa, sendo a mesoporosa
preferencial para adsorção de corantes têxteis. A finalidade desse
estudo foi analisar de acordo com a literatura o melhor método de
ativação/fabricação do carvão para adsorção de corantes têxteis
através da análise dos valores de rendimento, volume de poros e
área superficial. Após o levantamento de diferentes procedimentos
experimentais constatou-se que o carvão ativado fisicamente obteve
melhores resultados com mesoporosidade bem definida, elevado
volume de poros e área superficial, porém, seu rendimento foi
extremamente baixo aumentando seu custo e tornando seu uso
inviável. O carvão ativado com ácido fosfórico apresentou-se com
melhor método, pois obteve bons resultados comparado ao ativado
com o de hidróxido de potássio, sua estrutura apresentou volume
satisfatório de micro e mesoporos, seu rendimento foi cerca de 30% e
sua área superficial foi cerca de 17 vezes maior que o carvão de KOH
que apesar de apresentar rendimento semelhante seu volume de
poros foi baixo. Nesse trabalho, foi levado me consideração apenas
características físicas, sendo que as químicas variam de acordo com
o corante a ser adsorvido. Assim, estudos se fazem necessários para
definir a melhor aplicabilidade dos carvões e melhorias no processo
produtivo.

Palavras–chave: Adsorção, avaliação, mesoporosidade, produção,


sustentabilidade

1
Graduando em Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: camila.teixeiraofc@gmail.
com
2
Docente do curso de Engenharia Química – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: mateustneves@gmail.
com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 263

Introdução

Os carvões ativados (CA) são materiais de grande


importância, visto que se aplicam aos mais variados processos.
Consiste em um material carbonáceo poroso que apresenta forma
microcristalina, não grafítica, que foi beneficiado com a elevação
de sua porosidade interna. Ele é caracterizado, principalmente,
por possuir elevada porosidade, área superficial, características
químicas de superfície alteráveis, com elevado grau de reatividade
da mesma. Os processos que envolvem o seu uso cada vez mais
eficazes e econômicos (REINOSO e SABIO, 1998).
A adsorção com o CA comercial tem elevado custo de operação,
devido ao uso de percussores como madeira, carvão e casca de coco
(SOARES, 2014). Uma alternativa é encontrar meios eficientes
de utilização de resíduos agrícolas renováveis para a produção de
CA como os resíduos da cana-de-açúcar que vêm se destacando,
pois apesar do bagaço ser queimado para produção de energia a
quantidade restante ainda é significativa, cerca de 40 a 30 % do
total gerado. Conforme o levantamento oficial órgão do Ministério
da Agricultura do Brasil (CONAB), a produção nacional de cana em
2008/2009 foi estipulada em cerca de 558 milhões de toneladas .
O CA tem diversas aplicações uma delas é a adsorção de
corantes têxteis, como esses corantes geralmente são moléculas
grandes, os carvões predominantemente mesoporosos são mais
vantajosos nesse processo.
Para produção de CA são necessárias duas etapas: a
carbonização do precursor em atmosfera inerte e a ativação do
material carbonizado. O processo de ativação consiste em submeter
o material carbonizado a reações secundárias, visando à obtenção
de um material poroso e com elevada área superficial, com a
remoção de componentes como alcatrão, creosoto e naftas, além de
outros resíduos orgânicos que possam obstruir os poros. A ativação
pode ser química (consiste na desidratação do material celulósico
durante a pirólise) ou física (gaseificação do carvão pela oxidação
com vapor).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


264 ANAIS X SIMPAC

Dessa forma, por meio do presente trabalho objetiva-se


avaliar segundo a literatura o melhor método de fabricação/ativação
de carvão ativado ecologicamente correto e de baixo custo a partir
de resíduos do bagaço de cana para ser utilizado em adsorção de
corante têxtil. Esse processo incluirá analise de rendimento, volume
de poros formados, área superficial específica e classificação da
estrutura porosa de acordo com seu diâmetro.

Material e Métodos

Para a avaliação do melhor método de ativação de produção


de carvão ativado a partir de bagaço de cana de baixo custo, foram
analisados estudos realizados por Soares (2014) e Jaguaribe, Santos
e Albuquerque (2012). Soares analisa a ativação química com
hidróxido de potássio e ácido fosfórico, enquanto Jaguaribe, Santos
e Albuquerque utilizaram a ativação física.
Para a ativação química com KOH o bagaço foi tratado e
granulado, pirolisado para então ser ativado através da impregnação
com KOH em reator com atmosfera inerte de N2 obtendo o carvão
(CAa). Similarmente ao processo de ativação com KOH, a ativação
com H3PO4 ocorreu, diferenciando apenas pela ausência de pirólise
primaria do pó de bagaço, sendo impregnado com H3PO4 e submetido
ao reator ocorrendo assim a carbonização e ativação em uma única
etapa, após o processo de lavagem obteve-se o carvão (CAb).
A ativação física ocorreu através da injeção de vapor de água
superaquecido, o bagaço seco e granulado foi pirolisado previamente
em forno seguido da ativação ocorreu em forno com fluxo de vapor
produzido por uma caldeira acoplada, após 80 min de ativação
obteve-se o carvão (CAc).
Para a verificação da estrutura cristalina do CAa e CAb, foi
utilizada a Microscopia Eletrônica de Varredura – MEV que fez o
estudo morfológico e a Volumetria de Nitrogênio, para verificar o
volume de poros e área específica dos CAs. Já a Caracterização do
CAc ocorreu em um Microporosímetro, empregando nitrogênio a

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 265

77K obtendo as medida da área superficial e característica porosa


do carvão ativado.
Os carvões obtidos foram analisados através dos valores
de rendimento, formato das isotermas de adsorção descritas pela
IUPAC e pelo método BJH através da distribuição de volume de
poros (em forma de gráficos), verificando o volume poroso para cada
diâmetro de poros, determinando assim se o material é meso ou
microporoso.

Resultados e Discussão

As isotermas de adsorção de N2 (77K) obtidas com os


carvões ativados são mostradas na Figura 1.

Figura 1. Isotermas de adsorção/dessorção para os carvões (a)CAa,


(b)CAb e (c) CAc
Através da Figura 1, pode-se constatar que o carvão ativado
CAa apresentou uma isoterma com forma aproximada do tipo IV,
de acordo com a classificação da IUPAC (União Internacional de
Química Pura e Aplicada), típica de materiais com a presença
de mesoporos. Já o carvão ativado CAb apresenta uma isoterma
aproximadamente do tipo I, típica de materiais microporosos.
Enquanto o carvão CAc começou a adquirir o formato do tipo II,
indicando a transição para uma estrutura macroporosa, ocorrendo
então, uma maior incidência de poros com diâmetros entre 2,5 e
100 nm.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


266 ANAIS X SIMPAC

Utilizando o método de distribuição de volume de poros BJH


foi possível verificar o volume poroso presentes para cada diâmetro
de poros e determinar se o material é meso ou microporoso. Conforme
descrito na Figura 2.

Figura 2. Distribuição de poros pelo método BJH (a) carvões CAa e


Cab (b)carvão CAc

No carvão CAa houve uma grande faixa de distribuição


de poros, variando o diâmetro entre 2 e 20 nm (mesoporoso), sua
estrutura apresenta, em média, baixo volume total de poros.
Para o carvão ativado CAb, nota-se que a maioria dos poros estão
distribuídos na faixa de 1 a 4 nm, mostrando que o material possui
estrutura, em sua maior parte, de micro e mesoporosidade. Já o
carvão CAc, apresenta estrutura mesoporosa bem definida, porém,
ainda existe um elevado percentual de microporos conforme
observado na figura 1(c).
Devido ao baixo volume de poros adquiridos CAa possui
área superficial especifica de 29,8 cm²/g considerada baixíssima
comparado a área obtida pelos carvões CAb com 510,8 m²/g e CAc
que obteve valor entre 1200 e1100 m²/g, conforme estimado em
gráfico apresentado na pesquisa do autor. O rendimento médio de
produção em relação à massa inicial de bagaço dos carvões CAa e
CAb foram em cerca de 30%, já o CAc obteve 5,9% de rendimento.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 267

Conclusões

A melhor estrutura de carvão obtida foi constatada no


carvão ativado fisicamente (CAc) com mesoporosidade bem definida,
volume agradável de microporos e elevada área superficial. Porém,
devido ao seu baixo rendimento e seu custo de produção que requer a
fabricação do carvão para posterior ativação com água superaquecida
a temperaturas acima de 500°C, torna seu uso proibitivo.
O carvão CAb apresentou maior área superficial específica
com predominância de micro e mesoporos, resultado cerca de 17
vezes maior que o CAa. Este fato pode ser justificado pela ausência
de agente desidratante para promover a criação de poros durante a
primeira pirólise. Devido suas características físicas, seu processo de
fabricação necessitando apenas de uma única pirólise e rendimento
adquirido de 30%, o carvão CAb mostrou-se como a melhor opção
de utilização. Porém, também devem ser avaliadas características
químicas de acordo com o material a ser adsorvido como pH que pode
causar forças eletrostáticas de atração ou repulsão entre os solutos
iônicos e o adsorvente causando certa interferência no processo.
Dessa forma, estudos se fazem necessários na busca de
melhorias de produção do carvão CAa e CAc, e de acordo com as
características de cada corante a ser adsorvido.

Referências Bibliográficas

INTERNATIONAL UNION PURE APPLIED CHEMISTRY.


Handbook. Columbus, v. 54, p. 2201. 1982.

REINOSO, F. R; SABIO, M. M. Textural and chemical


characterization of microporous carbons. Advances in Colloid
and Interface Science, Seattle, v. 76/77, p. 271- 294, July 1998.

SOARES, L. A. Síntese, Ativação e Caracterização De Carvão


Obtido a Partir Do Bagaço De Cana-De-Açúcar e Avaliação

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


268 ANAIS X SIMPAC

Da Capacidade De Adsorção. Dissertação (Mestrado em


Engenharia Química) - Universidade Federal do Rio Grande do
Norte, Natal – RN, 2014.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 269

O PAPEL DA ENFERMAGEM MEDIANTE A RESISTÊNCIA


DO HOMEM NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PRÓSTATA
Camila Silva Pena1, Fernanda Mendonça Barcelos2, Isabela Suelen
Pereira da Silva3, Sayonara Ribeiro Alves Cardoso4, Thamirys
Borges Batista5, Elenice Claudete Dias6

Resumo: A resistência do homem em procurar os serviços de saúde é


um sério problema presente na atenção primária e em outros níveis de
atenção. Existem diversos fatores que interferem neste processo, sendo
os principais, o medo, o preconceito e a desinformação. Estes levam o
homem a diagnósticos tardios, como no caso do câncer de próstata.
Cabe ao enfermeiro contribuir para o processo de conscientização do
público masculino, implementar ideias e ações inovadoras visando a
promoção da saúde e prevenção de agravos. Este trabalho tem como
objetivo abordar a importância da prevenção do câncer de próstata,
o papel do enfermeiro, e as barreiras encontradas perante este
problema de saúde, considerado hoje um dos grandes responsáveis
pelo aumento da mortalidade entre os homens.

Palavras–chave: Aderência, exames, profissionais de enfermagem,


promoção da saúde, serviços de saúde.
1
Camila Silva Pena – Graduando em Enfermagem –. e-mail: camilasilvapena@
yahoo.com.br
2
Fernanda Mendonça Barcelos – Graduando em Enfermagem – FAVIÇOSA/
UNIVIÇOSA. e-mail: fernanda_mendoncab@outlook.com
3
Isabela Suelen Pereira da Silva – Graduando em Enfermagem – FAVIÇOSA/
UNIVIÇOSA. e-mail: isabelasuelen2015@hotmail.com
4
Sayonara Ribeiro Alves Cardoso – Graduando em Enfermagem – FAVIÇOSA/
UNIVIÇOSA. e-mail: sayonara.ribeiroalvesc@gmail.com
5
Thamirys Borges Batista – Graduando em Enfermagem – FAVIÇOSA/
UNIVIÇOSA. e-mail: mires.borges@hotmail.com
6
Elenice Claudete Dias – Professora do Departamento de Enfermagem e
Doutoranda em Ciências Biomédicas – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail:
elenicedias@univicosa.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


270 ANAIS X SIMPAC

Introdução

A próstata é uma glândula masculina que se localiza entre a


bexiga e o reto e participa da produção do sêmen (VIEIRA, 2012).
O câncer de próstata caracteriza-se pelo crescimento exagerado da
próstata, com diminuição do jato urinário, sendo considerada uma
das principais causas de doença e morte no mundo (SILVA, 2016).
É um dos tipos de câncer com maior incidência entre os
homens ficando atrás apenas do câncer de pele não melanoma e
seguido por pulmão, estômago, cólon e reto (COSTA, 2013).
Dentre os fatores de risco associados ao desenvolvimento do
câncer de próstata, relacionam-se: idade; história familiar; estilo
de vida; a influência de dieta rica em gordura animal; exposição
a substâncias químicas e tóxicas; tabagismo e o etilismo (SILVA,
2016).
Para o diagnostico clinico do câncer de próstata, são
realizados os exames de: ‘toque retal, testes laboratoriais (PSA e
fosfatase ácida sérica), ultrassonografia transretal, ressonância
magnética, tomografia computadorizada, ecografia, urografia,
endoscopia urinária, biopsia, entre outros’ (SILVA, 2016).
Os homens preferem fazer o exame de sangue ao de toque. É
preciso ressaltar que os dois são complementares no diagnostico do
câncer de próstata e um não substitui o outro (COSTA, 2013).
No que diz respeito ao tratamento do câncer de próstata, as
principais propostas terapêuticas atualmente disponíveis são: a
conduta expectante, a prostatectomia radical, a radioterapia, o
bloqueio androgênico e a quimioterapia (SILVA, 2016).
Na questão da prevenção, é de conhecimento evidenciado
nas literaturas que a simples adoção de hábitos saudáveis de
vida, eliminando-se a exposição aos fatores de risco é capaz de
evitar o desenvolvimento desta patologia. A prevenção secundária,
realizada através de exames que possibilitem o diagnóstico precoce
ou detecção das lesões cancerígenas é de fundamental importância
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 271

para ajudar a diminuir a taxa de mortalidade do câncer de próstata


(SILVA, 2016).
Há alguns anos o sistema público de saúde disponibiliza
a população a realização do exame de prevenção do câncer de
próstata, porém a demanda ainda é inferior. Além do mais, muitos
fatores acabam funcionando como barreiras para não realização dos
exames preventivos (SILVA, 2016).

Material e Métodos

O presente trabalho foi elaborado a partir de uma revisão


bibliográfica realizada por meio de levantamento de artigos
científicos publicados e indexado na base de dados da Scielo e Google
Acadêmico, a partir de 2011.
Todo conteúdo foi analisado de forma criteriosa perante a
relevância do estudo, optando por dados e estimativas atuais.

Resultados e Discussão

Quando falamos em prevenção, vamos de encontro à


resistência do homem em procurar os serviços de saúde e a
aderência do mesmo aos diversos serviços prestados, que podem
ser relacionados a vários fatores, como: Falta de conhecimento
em relação à doença, seus malefícios e a todo o processo do exame
de toque. O baixo grau de escolaridade, que implica na falta de
conhecimento, gerando desinformação sobre a importância de se
prevenir. O medo, o preconceito, o constrangimento e o desconforto
físico e mental também são fatores importantes, uma vez que afasta
os homens da prevenção, pois além do medo da descoberta de algo,
tem-se o medo da possível ereção que pode surgir a partir do toque e
ser visto assim como indicador de prazer, gerando constrangimento,
que se faz presente também na situação do homem fica nu e ser
tocado por outro do mesmo sexo ou por uma mulher. A falta de tempo
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
272 ANAIS X SIMPAC

é muito citada entre os homens no processo, pois a maioria trabalha


e os serviços prestados estão em horário comercial, com demora
no atendimento, o que acarretaria em perda de tempo e afetaria
diretamente seu trabalho. Outro fator que pode impedir a maior
inclusão do homem no serviço de saúde, seria a predominância de
mulheres, sejam elas pacientes ou profissionais da área, gerando
assim um ambiente feminilizado.
Os profissionais de enfermagem são a classe mais próxima do
paciente. Desta forma são primordiais no processo de prevenção
e tratamento do câncer de próstata. O enfermeiro é considerado
o principal educador de saúde, sendo seu papel: educar, acolher,
intervir quando necessário, sensibilizar, orientar e contribuir
perante este grave problema que afeta a população masculina.
Vários são os meios para a melhor adesão do homem no processo de
saúde doença: Divulgação de como e onde terá acesso aos exames
específicos; planejar ações educativas, como palestras e rodas de
conversa, dentro da ESF; dar voz aos homens para que eles possam
sugerir estratégias para uma maior adesão desta população;
melhoria das politicas de saúde voltadas para a população
masculina e valorização das que já existem como a Política Nacional
de Prevenção e Controle do Câncer da Próstata, Política Nacional
Integral à saúde do Homem e o Novembro Azul; ampliação da busca
ativa de homens, que se dá na atenção básica, com treinamento da
equipe de enfermagem, principalmente os agentes comunitários
de saúde; criação de meios que incentivem o empregador a liberar
seu funcionário para cuidar de sua saúde e ações dentro da própria
empresa; utilização dos meios de comunicação, como televisão, rádio
e internet, como veículos de companhas de prevenção; criação de
meios, com ideias inovadoras que atraiam efetivamente o homem,
como jogos beneficentes com consultas integradas. Todas essas
ações levam à promoção da saúde, visando à qualidade de vida do
homem.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 273

Considerações Finais

Através deste trabalho podemos concluir que são poucos os recursos


voltados para a Atenção da Saúde do Homem, principalmente na
prevenção. Em um país onde o câncer de próstata é o segundo que
mais mata sua população masculina, o papel do enfermeiro vai
além de uma simples habilidade técnica, o mesmo deve ser atuante
e ter liderança para criar e buscar novos meios para conscientizar
e resgatar a atenção do homem para este âmbito, desenvolvendo
neles o respeito pela saúde e despertando o amor próprio de cada
um.

Referências Bibliográficas

COSTA, T; MOURA, V. THE MEANING OF TOUCH THE PROSTATE


FOR MAN: THE NURSE IN HEALTH PROMOTION. Revista de
Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, [s.l.], v. 5, n. 4, p.537-
546, 1 out. 2013. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
UNIRIO.

LIMA, Bruna et al. OS MEIOS ALTERNATIVOS DE


COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA PREVENÇÃO
DO CÂNCER DE PRÓSTATA.  Revista Enfermagem Uerj, Rio
de Janeiro, p.656-662, 2014.

SILVA, J. S. da; NASCIMENTO, Luzimere Pires do.   FATORES


CULTURAIS ASSOCIADOS A NÃO ADESÃO AOS
EXAMES PREVENTIVOS DE CÂNCER DE PRÓSTATA EM
PARINTINS.  2016. 30 f. Monografia (Especialização) - Curso de
Enfermagem, Saúde Pública, Universidade do Estado do Amazonas,
Parintins, 2017.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


274 ANAIS X SIMPAC

VIEIRA, C. G; ARAÚJO, W. de S. de; VARGAS, D. R. M. de.  O


HOMEM E O CÂNCER DE PRÓSTATA: PROVÁVEIS
REAÇÕES DIANTE DE UM POSSÍVEL DIAGNÓSTICO. 2012.
5 v. Monografia (Especialização) - Curso de Enfermagem, Instituto
Tocantinense Presidente Antônio Carlos, Araguaína, 2012.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 275

A ARTETERAPIA NA ABORDAGEM JUNGUIANA:


UM PROCESSO DE MUDANÇA NA AQUISIÇÃO DE
AUTOCONHECIMENTO.

Carina Silva Caetano1, Barbara da Silva Machado2, Jade Giorgio3,


Alessandro Sodré4, Andrea Olimpio de Oliveira5.

Resumo: O presente artigo busca apresentar uma breve discussão


acerca da Arteterapia na abordagem Junguiana. Uma pesquisa
realizada como parte do conteúdo disciplinar, ministrada pela
professora Andrea Olimpio de Oliveira, Orientadora da atividade
desenvolvida por alunos do nono período do curso de psicologia,
Faculdade de Ciências Biológicas (Univiçosa). A presente pesquisa
evidencia a capacidade de mudança na obtenção de autoconhecimento
a partir da Arteterapia. Proporcionado uma visão holística sobre
as questões subjetivas. Este artigo mostra uma predisposição do
mundo através da arte, música, desenho, pintura, assim por diante.

Palavras–chave: Abordagem junguiana, arteterapia,


autoconhecimento.

Introdução
Ao identificar através da literatura estudada a importância
da Arteterapia no processo de mudança para aquisição de
autoconhecimento, buscamos entender a partir da abordagem
Junguiana este método de aplicação, no qual o ser humano expressa
de forma inconsciente sentimentos, emoções que estão internalizado
1
Graduanda em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. carinascaetano88@gmail.
com
2
Graduanda em Psicologia - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. barbarasm18@hotmail.com
3
Graduanda em Psicologia - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. jadegiorgio_synergy@
hotmail.com
4
Graduanda em Psicologia -FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. alessandrosodre2@gmail.
com
5
Docente do curso psicologia - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. andrea.
olimpiodeoliveira@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


276 ANAIS X SIMPAC

dentro de si próprio. Visto que a arte permite que o indivíduo


explore conteúdos latentes na busca por um autoconhecimento.
Consequentemente, observamos que há um entrelaçamento entre a
Arteterapia e a Psicologia Analítica:

Pois Jung (2011) ressalta que o homem deve ser visto por
inteiro, ou seja, como um todo; pertencente a uma comunidade,
num determinado momento, não poderia, portanto, ser visto
dissociado do seu contexto social, cultural e universal. E na
Arteterapia esta possibilidade, de nos encontramos com o
“todo”, é facilitado pelas expressões artísticas, que trazem os
conteúdos do consciente e do inconsciente (JUNG, 2011 apud
FIORINDO, 2014, p.1).

Diante do trecho acima mencionado, a forma de expressão


através de desenhos, pinturas, historia, dentre outras demonstrações
artísticas, permite que o sujeito traga para a sua consciência
conteúdos que estavam obscuros e que foram expostos, sendo visto
como um todo através da Arteterapia.
Desta forma, pode-se afirmar que a arte em Arteterapia,
não domina em um aspecto somente secundário, mas também em
condições essenciais que favorecem a motivação de expressões
criativas para alcançar um bem-estar consigo e com o mundo que o
cerca, permitindo até mesmo a resolução de conflitos internos que
o sujeito carrega ao longo da vida. Conforme Philippini (2000), a
arteterapia resgata a promoção, a prevenção e a expansão da saúde:

Pois, a Arteterapia auxilia a resgatar desbloquear e fortalecer


potenciais criativos, através de formas de expressão diversas,
ademais facilita que cada um encontre, comunique e expanda
a seu próprio caminho criativo e singular, favorecendo a
expressão, a revelação e o reconhecimento do mundo interno
e inconsciente. Destaca ainda, que em Arteterapia com
abordagem Junguiana, o caminho será fornecer suportes

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 277

materiais adequados para que a energia psíquica plasme


símbolos em criações diversas. Estas produções simbólicas
retratam múltiplos estágios da psique, ativando e realizando
a comunicação entre inconsciente e consciente. Este processo
colabora para a compreensão e resolução de estados afetivos
conflitivos, favorecendo a estruturação e expansão da
personalidade através do processo criativo (PHILIPPINI,
2000 apud XAVIER, 2012).

Essas aquisições de mudanças no indivíduo sobrevêm a


partir das intervenções teóricas (Arteterapias) como meios de
mediar estas possíveis divergências em relação aos próprios
conteúdos inconscientes, pois trata-se de recursos apropriados no
qual implica-se nas elaborações de propostas que fazem exprimir o
contado do sujeito com ele mesmo, obtendo-se resultados eficientes
de autoconhecimento e um entendimento do mundo externo.
Justifica-se a proposta desta pesquisa como recurso de reflexão
acerca da arteterapia como um processo terapêutico.
O objetivo do trabalho é mostrar a arteterapia na abordagem
Junguiana como meio de intervenção considerável para obtenção do
autoconhecimento.

Resultados e Discussão
De acordo com o exposto sobre a arteterapia em alguns de seus
principais aspectos podemos perceber como a arte tem se consagrado
como um instrumento importante para o trabalho do psicólogo. Ela
enxerga o ser humano como capaz de criar e de recriar-se, um ser
em constante mudança, sendo a arte um catalisador nesse processo,
pois ela possibilita ao homem o poder de se expressar e de agir
perante o mundo.

Seja a atividade artística concebida como projeção do


inconsciente, expressão do self ou como função de contato na
autopercepção, a arte se revela em todas elas como um meio de

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


278 ANAIS X SIMPAC

objetivação da subjetividade. O resultado dessa criação artística é


sempre um reflexo daquele que a criou, pois nela ganham formas
seus desejos, emoções, sentimentos e ideias. Essa criação pode ser
compreendida como um quase sujeito, pois quando a pessoa cria é
sobre si mesmo que ele está relatando. A função terapêutica da arte
se inicia então com essa autodescoberta, aprofundando-se à medida
que, na atividade desenvolvida, o sujeito também se redescobre em
novas formas, podendo reinventar-se como outro.

Na atividade artística, o sujeito expressa não só aquilo


que ele é mas também o que ainda pode ser, construindo através
da arte outros modos para realizar seus objetivos mais profundos
e, a partir daí, pensar em se reconstruir na vida, a partir de um
novo olhar acerca de si mesmo e acerca do mundo. Isso acontece
porque a vivência da arte traz uma abertura para o Eu que desejo
ser. Essa experiência proporciona ao sujeito um contato com o
diferente, com o inesperado, com o novo, fazendo com que ele
enxergue uma forma de percepção diferente do cotidiano, passando
a ter uma visão sensível e criativa.
Trabalhar com artes ajuda no desenvolvimento pessoal
e emocional. O inconsciente se torna mais acessível com
símbolos do que com palavras, por isso o uso das artes facilita o
processo de reflexão e seu desenvolvimento. Pode-se comunicar e
expressar muito mais através das artes, principalmente de forma
inconsciente, já que as imagens transmitem mais do que palavras
e oferecem um meio seguro para explorar temas difíceis.
Às vezes é difícil expressar certos sentimentos pelas
vias mais tradicionais, é por isso que a arteterapia, por ser uma
ferramenta que utiliza e desenvolve a expressão, pode ajudar a dar
forma a aqueles pensamentos e sentimentos que não conseguimos
verbalizar.

Conclusões
Podemos concluir com base na teoria de Jung de que o
processo do individuo no conhecimento de si mesmo está ligada ao
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 279

inconsciente, e que se efetiva pela interação entre o inconsciente e o


consciente. Consta-se que a arte ajuda o processo de individuação,
por se constituir no instrumento ideal para o indivíduo expressar
emoções. Assim conclui-se, que o processo do autoconhecimento é o
responsável pela incorporação do homem com seu mundo interior,
podendo assim estabelecer um entendimento melhor do mundo
exterior.

Agradecimentos

Agradeço à Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde


e à professora Andrea Olimpio de Oliveira por disponibilizar está
oportunidade de pesquisa.

Referências Bibliográficas

FIORINDO, P. P. Arteterapia e Psicologia Analítica. Bahia,


2014. Disponível em:
<http://revistapandorabrasil.com/revista_pandora/arteterapia%20
_61/priscila.pdf> Acesso em: 09 Mar. 2018.
.
PSIQUE OBJETIVA. O que é a Arteterapia de abordagem
Junguiana? 2012. Disponível em:<https://psiqueobjetiva.wordpress.
com/2012/09/03/o-que-e-a-arteterapia-de-abordagem-junguiana/>
Acesso em: 10 Mar. 2018.

REIS, A. C. Arteterapia: A Arte como Instrumento no Trabalho do


Psicólogo 2014. Disponível em :
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S1414-98932014000100011> Acesso em : 10 Mar.
2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


280 ANAIS X SIMPAC

DESENVOLVIMENTO DE TINTAS COM PIGMENTOS


NATURAIS: PREPARAÇÃO, APLICAÇÃO E AVALIAÇÃO

Cariny Maria Polesca de Freitas1, Fernanda Raquel Carvalho2

Resumo: Desde os tempos pré-históricos os habitantes da terra


utilizavam tintas compostas por terras ou argilas suspensas em
água. Recentemente, a indústria de recobrimentos teve grandes
avanços devido à realização de pesquisas científicas, entretanto, as
tintas utilizadas atualmente podem ser constituídas por substâncias
tóxicas; que podem causar danos à saúde das pessoas que têm
contato direto com ela. As tintas produzidas com pigmentos da terra
são sustentáveis, uma vez que não geram produtos tóxicos ao meio
ambiente. Desta forma, através do presente trabalho, objetivou-se
alcançar uma formulação adequada para a tinta natural produzida
e sua caracterização por meio de testes laboratoriais. Foram
produzidas quatro tintas diferentes utilizando solo, argila, água,
banha de porco e cola. As tintas produzidas foram avaliadas com
análises de pH, densidade, absorbância e abrasão. As formulações
foram comparadas com uma tinta comercial da marca X. Concluiu-
se que as tintas produzidas a partir da argila medicinal, solo, PVA
e água tiveram resultados satisfatórios e que é possível fabricar
tintas artesanais, de baixo custo e de maneira sustentável sem
afetar o bem estar humano e do meio ambiente.

Palavras–chave: Sustentáveis, corantes naturais, solos.

Introdução

Desde os tempos pré-históricos os antigos habitantes da


terra registravam suas atividades nas paredes das cavernas por
meio de figuras coloridas. As tintas utilizadas, provavelmente,
eram compostas por terras ou argilas suspensas em água. Nos
1
Graduanda em Engenharia Química- FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA
2
Professora do Curso de Engenharia Química-FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 281

anos mais recentes ocorreram os maiores avanços na indústria de


recobrimentos, através de resultados de pesquisa científica.
As tintas têm como atribuição, decorar e dar acabamento a
parte mais visível e exposta de um edifício. As tintas podem ser
constituídas por substâncias tóxicas; quando líquidas, podem emitir
compostos orgânicos voláteis (COV’s), os quais contribuem para
poluição atmosférica, além de afetar a saúde do pintor. Quando
seca, em forma de película, pode conter em sua formulação metais
pesados, como os pigmentos coloridos, que são potencialmente
tóxicos.
As tintas produzidas com pigmentos da terra são sustentáveis,
uma vez que não geram resíduos ou produtos tóxicos ao meio
ambiente. Dessa forma, por meio da presente pesquisa, objetiva-se
colaborar com o desenvolvimento e comprovação da qualidade das
tintas naturais.

Material e Métodos

A presente pesquisa foi realizada em Viçosa-MG. A amostra de


solo utilizada foi coletada no Departamento de Solos da Universidade
Federal de Viçosa (UFV). As análises e procedimentos experimentais
foram realizados no Laboratório de Química da Univiçosa. A pintura
e o teste de abrasão foram realizados na Fazenda de Souza Polesca,
localizada em Jequeri-MG.
Diferentes procedimentos de preparo da tinta foram
estabelecidos seguindo como referência a Cartilha Cores da Terra
da UFV. Foram preparadas quatro formulações diferentes: Tinta 1
- Argila de construção civil, PVA e água; Tinta 2 - Argila medicinal,
PVA e água; Tinta 3 - Argila medicinal, banha de porco e água;
Tinta 4 - Solo, PVA e água.
Em um béquer, colocou-se a metade da quantidade de pigmento
correspondente à formulação escrita junto à metade da quantidade
de solvente. Misturou-se bem e, em seguida, adicionou-se o restante
do solvente e pigmento. Ao obter uniformidade, o aglutinante foi
adicionado.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


282 ANAIS X SIMPAC

Resultados e Discussão

As imagens das quatro tintas produzidas estão


apresentadas na Figura 1.

Figura 1: Tintas produzidas: Tinta 1 - Argila de construção civil, cola


PVA e água; Tinta 2 - Argila medicinal, cola PVA e água; Tinta 3 - Argila
medicinal, banha de porco e água; Tinta 4 - Solo, cola PVA e água.
Dentre as formulações, as tintas 2 e 4 apresentaram melhor
aspecto. A tinta 1 mesmo contendo maior quantidade de solvente,
permaneceu densa, o que pode ser justificado pela argila que foi
utilizada, que foi a argila de construção civil. A tinta 3, por utilizar
como aglutinante a banha de porco, não ficou homogênea, isto
porque água e óleo praticamente não se misturam, em decorrência
da diferença de polaridade, uma vez que a água é uma molécula
polar e o óleo apolar.
A densidade encontrada para as tintas 2 (1,301 g.ml-1) e
4 (1,304 g.ml-1) atendem ao esperado, quando comparadas com a
densidade da tinta comercializada da marca X e com o Boletim
Técnico da tinta Suvinil.
O pH de todas as tintas produzidas ficou compreendido numa
faixa de 6,0 - 8,0 com a tinta 3 apresentando o menor valor de pH.
Contudo, a tinta 2 obteve o valor dentro do padrão estabelecido pelo
boletim consultado e o mesmo valor quando comparado com a tinta
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 283

industrializada da marca X.
A tinta 1 obteve a absorbância máxima de 2935 para o
comprimento de onda de 440 nm. A tinta 2, obteve 2975 para 560
nm. A tinta 3, 2003 para 460 nm, ressaltando que a mesma não
atendeu também aos resultados anteriores devido a utilização de
outro aglutinante; a tinta 4, 3000 para mais de um comprimento
de onda selecionado, o que pode ser justificado também pelo fato da
tinta ser mais escura e assim transmitir menos luz que a tinta 2, que
é mais clara. Portanto, constatou-se que as tintas 2 e 4 obtiveram os
melhores resultados relacionados ao poder de cobertura.
Em relação ao teste de abrasão, todas as tintas testadas
sofreram perda de resíduos, porém a tinta 2 foi a única que não
apresentou danos na pintura. O pigmento utilizado na formulação
da tinta 2 apresentava as menores partículas quando comparado aos
demais, o que justifica o fato da tinta 2 não apresentar danos, uma
vez que o pigmento não se desgruda do aglutinante. As outras tintas
perderam a tonalidade de forma que fosse possível a visualização da
camada de cal na parede.
Por meio da Figura 2 pode-se observer as faixas sendo
submetidas ao teste de abrasão por escova de aço e lavadora de alta
pressão.

Figura 2: Teste de abrasão

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


284 ANAIS X SIMPAC

Quanto a análise econômica, a tinta 2 apresentou custo mais


elevado quando comparada as demais, porém é mais barata que
a tinta comercial, com diferença de R$ 98,55 e atendeu a todos os
requisitos anteriores. A tinta 3 apresentou menor custo, entretanto
foi a que menos se destacou entre as demais, a mesma não ficou boa
devido a utilização da banha de porco como aglutinante.

Conclusões

No presente trabalho desenvolveu-se o processo de produção


de tinta natural, onde se pode perceber a fundamental importância
de partículas pequenas, ou seja, argila. Ressalta-se também a
importância dos testes laboratoriais, uma vez que nem todos os
aglutinantes mencionados em literaturas devem ser utilizados na
produção das tintas, como por exemplo, a banha de porco.
Os resultados mostraram que é possível fabricar tintas
caseiras, de baixo custo e de maneira sustentável sem afetar o
bem estar humano e do meio ambiente. As tintas 2 (composta
por argila medicinal, PVA e água) e 4 (composta por solo, PVA e
água) atenderam a todas as expectativas, obtendo bom poder de
cobertura, aderência e bom aspecto estético.
Em relação a avaliação econômica, foram calculados todos os
gastos com matérias primas utilizadas e destaca-se que o preço
final é inferior ao da tinta comercial.
Sendo o foco principal deste trabalho, a sustentabilidade,
vale ressaltar que nenhum dos componentes utilizados nas tintas
produzidas são prejudiciais à natureza e à saúde humana.

Referências Bibliográficas

ABRAFATI. Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas, 2017.


Disponível em <www.abrafati.com.br/indicadores-do-mercado/
numeros-do-setor/>. Acesso, em: 1 out. 2017.

ANGHINETTI, I. C. B.. Tintas, suas propriedades e aplicações


imobiliárias.  2012. 65 f. Monografia (Especialização) - Curso de

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 285

Especialização em Construção Civil, Universidade Federal de


Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.
CARVALHO, A. F. Cores da terra: fazendo tinta com terra. Viçosa,
Universidade Federal de Viçosa, 2009.
FARIA, F. C.  Produção de tintas naturais para construção
civil: Testes de preparação, aplicação e avaliação do intemperismo
acelerado. 2015. 118 f. Monografia (Especialização) - Curso de
Engenharia da Construção Civil, Universidade Federal do Paraná,
Curitiba, 2015.
GÓIS, L.  Tintas da Terra: O uso dos pigmentos naturais para
uma pintura sustentável. 2016. 20 f. - Curso de Artes Aplicadas,
Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, 2016.
PESTANA, R. M.  A Tinta Acrílica: Enquadramento de uma
tecnologia. 2014. 88 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pintura,
Universidade de Lisboa, Lisboa, 2014.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


286 ANAIS X SIMPAC

A (IN) CONSTITUCIONALIDADE DO CONTRATO


DA JORNADA INTERMITENTE DE ACORDO COM O
PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO DO TRABALHADOR E O
PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE DA RELAÇÃO DE
EMPREGO

Carla Soares Sales1, Marcelo Augusto Mendes de Sousa2, Maria


Inês de Assis Romanholo3

Resumo: A Lei 13.467, de 13 de julho de 2017, denominada Reforma


Trabalhista, no § 3º do art. 443 e no art. 452-A, ambos da CLT,
acrescentou o contrato na modalidade contrato intermitente, que
se caracteriza pela alternância de períodos de prestação de serviços
e de inatividade. A relação de emprego tem como basilares dois
princípios fundamentais, o princípio da continuidade da relação de
emprego e da proteção do trabalhador. Nesse contexto, o presente
artigo tem por finalidade analisar a (in) constitucionalidade
do trabalho intermitente, tendo em vista os direitos básicos do
trabalhador elencados no art. 7º da Constituição Federal de 1988.
Vários juristas pesquisados enfatizam que o contrato intermitente
é inconstitucional. Assim, pelo exposto e por meio de uma
análise crítica da legislação, compreende-se que a nova jornada
introduzida pela reforma trabalhista é inconstitucional, tendo como
fundamentos essenciais, os princípios da proteção do trabalhador e
da continuidade da relação de emprego.

Palavras–chave: Reforma Trabalhista. Contrato Intermitente.


Constituição Federal. Inconstitucionalidade. Princípio da proteção
do trabalhador. Princípio da continuidade da relação de emprego.

1
Graduando em Direito – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: carlasoaressales@hotmail.com
2
Graduando em Direito FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: marcelosousa2010@bol.com.br
3
Mestre em Direito. Professora de Direito Processual do Trabalho, Prática Trabalhista, Direito
Empresarial e Prática empresarial. FACISA/UNIVIÇOSA UNIDADE II. e-mail: mariaines@univicosa.
com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 287

Introdução

Este artigo tem o objetivo de analisar a Jornada Intermitente


acrescentada pela Lei 13.467 (BRASIL, 2017a) - Reforma
Trabalhista, em face dos princípios da proteção e o princípio da
continuidade da relação de emprego, advindos da Constituição
Federal (BRASIL, 1988) e da Consolidação das Leis do Trabalho
(BRASIL, 1943).
O artigo analisa a (in) constitucionalidade da nova modalidade
de contrato de trabalho, frente aos direitos básicos do trabalhador
elencados no art. 7º da Constituição Federal (BRASIL, 1988).
A Lei 13.467 (BRASIL, 2017a) trouxe para o ordenamento
jurídico mudanças na legislação trabalhista. Diante das várias
alterações, destaca-se a modalidade do trabalho intermitente,
acrescentado no § 3º do art. 443 e no art. 452-A, ambos da CLT.
O trabalho intermitente tem sido tema de muitos debates
quanto a sua possível inconstitucionalidade ou possível violação a
diversos princípios trabalhistas que tem por finalidade assegurar a
proteção do trabalhador.
Justifica-se este estudo pela necessidade de elucidar as
controvérsias relativas ao contrato de trabalho intermitente e
sua violação ao princípio da proteção e continuidade da relação de
emprego.  Com base nesses fundamentos e objetivos previstos, o
presente artigo tem como finalidade analisar o trabalho intermitente
introduzido pela nova legislação trabalhista e seus impactos no
ordenamento jurídico brasileiro, sendo utilizado o método dedutivo,
com pesquisas bibliográficas, artigos, sítios, legislação.

Material e Métodos

O método de pesquisa utilizado no presente artigo foi por meio


de pesquisas em doutrinas e análise de artigos de juristas referentes
ao assunto discutido.
A pesquisa é jurídico normativa, fundamentada nos preceitos

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


288 ANAIS X SIMPAC

legais, na nova redação da Consolidação das Leis do Trabalho e das


normas constitucionais, tendo como principal objetivo, interpretar
a nova legislação em relação aos princípios basilares do direito
do trabalho em busca da preservação de direitos trabalhistas
constitucionalmente assegurados. Buscou-se a realização de um
estudo crítico das normas, em um raciocínio dedutivo.

Resultados e Discussão

De acordo com os estudos realizados, cabe salientar, em


primeiro momento, que a jornada intermitente é o contrato de
trabalho na qual a prestação de serviços, com subordinação, não
se dá de forma contínua ocorrendo com alternância de períodos de
realizações dos serviços e de inatividade, determinadas em horas,
dias ou meses, independentemente da atividade executada pelo
trabalhador, exceto para os aeronautas, regidos por legislação
própria.
Outrossim, o contrato de trabalho na hipótese da jornada
intermitente prevê que o trabalhador receberá as verbas de
remuneração, férias proporcionais com acréscimo de um terço, 13º
salário proporcional, repouso semanal remunerado e adicionais
legais, além de recolhimento da contribuição previdenciária e
depósito do FGTS, assim que o trabalhador realizar suas atividades.
Nesta modalidade de trabalho, o empregador deverá
convocar o empregado e informar a jornada, com três dias corridos
de antecedência e o empregado terá 24 (vinte e quatro) horas para
responder à solicitação. Pela redação original do art. 452-A, § 4º
(BRASIL, 2017a), aceita a proposta para o trabalho, a parte que
descumprir o acordado, sem justo motivo, pagará à outra parte multa
de 50 % da remuneração que seria devida. Todavia, esta multa foi
revogada pela Medida Provisória nº 808 de 14 de novembro de 2017
(BRASIL, 2017b).
O período de inatividade não será considerado tempo à
disposição do empregador, pois o empregado poderá prestar serviços

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 289

a outros empregadores neste momento, de acordo com o § 5º do


artigo 452-A, inserido na CLT pela Lei 13.467.

Art. 452-A- O contrato de trabalho intermitente deve ser


celebrado por escrito e deve conter especificamente o valor da
hora de trabalho, que não pode ser inferior ao valor horário
do salário mínimo ou àquele devido aos demais empregados
do estabelecimento que exerçam a mesma função em contrato
intermitente ou não.
(...)
§ 5º -  O período de inatividade não será considerado tempo
à disposição do empregador, podendo o trabalhador prestar
serviços a outros contratantes. (BRASIL, 2017a)

O período de inatividade também foi revogado pela Medida
Provisória nº 808 (BRASIL, 2017b). Todavia, a referida MP tem
validade até o 23 de abril de 2017, devendo, até essa data, ser
convertida em lei, sob pena de perder a validade. Caso não haja
sua conversão em lei, volta a valer a redação original do art. 452-
A, § 5º, dada pela Lei 13.467 (BRASIL,2017a).
Todavia, o artigo 4º da CLT (BRASIL, 1943) estabelece de
forma diversa, vejamos:

Art. 4º - Considera-se como de serviço efetivo o período


em que o empregado esteja à disposição do empregador,
aguardando ou executando ordens, salvo disposição especial
expressamente consignada.

Este artigo 4º da CLT não foi revogado pela Lei 13.467
(BRASIL,2017a), desta forma, uma norma contradiz a outra.
As férias serão devidas a partir de um ano de prestação
de serviços. Neste ponto, juristas como THEODOR (2014, online)
e STRECK (2017, online), questionam qual seria o período para
concessão das férias, o período aquisitivo deve ser considerado
apenas o período laborado pelo trabalhador? Uma questão que o

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


290 ANAIS X SIMPAC

texto da reforma trabalhista deixou lacunas.


De acordo com entendimento doutrinário, nessa nova
modalidade de contrato de trabalho, a jornada de trabalho viola
os princípios basilares da relação de trabalho. Neste sentindo o
professor de direito constitucional STRECK (2017, online) enfatiza:
“Fica nítido que na reforma que o contrato de trabalho intermitente
foi concebido para a precarização dos meios de contratação de
trabalhadores com o intento estatístico de propagandear falsamente
um incremento do emprego no Brasil”.
Adentro no mérito da questão podemos dizer que
anteriormente não existia no nosso ordenamento jurídico nenhum
outro regime parecido com o intermitente, vale ressaltar que o
contrato de trabalho com menor número de horas era o regime de
tempo parcial com jornada máxima de 25 horas semanais, conforme
art. 58-A, CLT (BRASIL, 1943) que com a reforma sofreu ampliação
em suas horas laboradas para 30 horas semanais, sem horas extras
ou 26 horas semanais, com a possibilidade de até 6 horas extras
semanais.
O legislador, ao instituir o trabalho intermitente tinha como
principal objetivo a regulamentação das atividades que eram
desenvolvidas sem contratação formal, denominados “bicos”,
incorporando ao ordenamento jurídico de forma a proporcionar aos
trabalhadores maior proteção. Todavia, o entendimento da maioria
dos juristas é contraditório, pois para os juristas, está é modalidade
de emprego em que as empresas terão maiores facilidades na
contratação de trabalhadores, uma vez que, os empregados deverão
trabalhar no lapso temporal demandado pelo empregador, e a estes
só serão devidos as verbas trabalhistas em relação ao tempo de
prestação de serviço.
O trabalho intermitente não é o único que garante o emprego,
mas sim uma das modalidades de contratação. Ao inserir o § 3º
no art. 443 da CLT, o legislador, além da contratação por prazo
determinado e indeterminado, possibilitou o contrato intermitente.
Conforme DELGADO (2009, p. 193-194), somente mantendo

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 291

o vínculo trabalhista do empregador com empregado na esfera


empresarial seria possível garantir melhores condições de trabalho
aos empregados. DELGADO ainda defende que a continuidade da
relação de emprego tem três correntes favoráveis ao empregado.
A primeira reside nas conquistas contratuais que o emprego
alcança com o passar do tempo em vista de promoções recebidas ou
vantagens agregadas ao desenvolvimento de seu tempo de serviço
no contrato.
A segunda corrente de repercussões favoráveis reside no
decurso do tempo, quanto mais elevado o montante pago a esse
trabalhador, mais o empregador vai estar propenso a investir
em sua educação e aperfeiçoamento profissional como forma de
compensar o custo trabalhista. Esse investimento cumpre o papel
social da propriedade e da função educativa dos vínculos de labor,
potenciando, individual e socialmente, o ser humano que trabalha.
A terceira corrente situa-se no indivíduo favorecido por esse
contrato e que vive apenas do seu trabalho, tem neste que a renda
apurada por esse obreiro é decisiva como instrumento de sua própria
afirmação no plano da sociedade.
Com o surgimento do trabalho intermitente no ordenamento
jurídico brasileiro é possível perceber uma colisão direta entre este
e as correntes de repercussões favoráveis da longa continuidade
da relação de emprego, defendidas por Mauricio Godinho Delgado,
tendo em vista que o trabalho não continuo e sem previsão de labor,
sem expectativa de remuneração contínua e certa, gera insegurança
ao trabalhador que subsiste com o suor de seu trabalho, ou seja com
os ganhos percebidos por aquele.
O problema é muito maior que uma insegurança financeira
enfrentada pelo empregado. Se a continuidade na relação de
trabalho funciona como instrumento para afirmação deste obreiro
no plano da sociedade, na modalidade intermitente ele perde essa
afirmação. Como defende DELGADO (2009, p. 193-194) para outras
modalidades de contratação, mas aqui usadas por analogia para
análise do trabalho intermitente, “se o empregado está submetido

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


292 ANAIS X SIMPAC

a contrato precário, provisório, de curta duração (ou se está


desempregado), fica sem o lastro econômico e jurídico necessário
para se impor no plano de suas demais relações econômicas na
comunidade.”
RODRIGUEZ (2000, p. 35) discorre: “O princípio de proteção
se refere ao critério fundamental que orienta o Direito do Trabalho,
pois este, ao invés de inspirar-se num propósito de igualdade,
responde ao objetivo de estabelecer um amparo preferencial a
uma das partes: o trabalhador. Assim, o autor fundamenta que ao
contrário dos demais direitos, como o direito civil que assegura a
igualdade jurídica, o Direito do Trabalho busca proteger uma das
partes da relação de trabalho, devido à hipossuficiência econômica,
tentando alcançar uma igualdade substancial. Dentro deste
princípio, o doutrinador uruguaio entende que há três sub divisões,
conforme descreve:
Entendemos que este princípio se expressa sob
três formas distintas:

A) A regra in dubio, pro operario. Critério que deve


utilizar o juiz ou o intérprete para escolher, entre vários
sentidos possíveis de uma norma, aquele que seja mais
favorável ao trabalhador;
B) A regra da norma mais favorável determina que, no caso de
haver mais de uma norma aplicável, deve-se optar por aquela
que seja mais favorável, ainda que não seja a que corresponda
aos critérios clássicos de hierarquia das normas; e
C) A regra da condição mais benéfica. Critério pelo qual
a aplicação de uma nova norma trabalhista nunca deve
servir para diminuir as condições mais favoráveis em que se
encontrava um trabalhador. (RODRIGUEZ, 2000, p.45)

Já o princípio da continuidade da relação de emprego significa


que a regra na esfera trabalhista é de que os contratos são pactuados
e realizados por prazo indeterminado, assim, o trabalhador tem
uma relação de emprego sem uma data pré-estipulada para o fim.
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 293

Isto posto, a jornada intermitente viola os princípios


basilares da relação de emprego, por instituir elementos nocivos à
manutenção empregatícia, violando assim o princípio da proteção
ao trabalhador na medida em que o empregado encontra-se nesta
jornada em uma situação de insegurança jurídica, com um vínculo
de emprego formal, mas sem a garantia de quando seria convocado
para prestar seus serviços. Diante dessa indefinição, o empregado,
que depende de seu salário para sua subsistência e de sua família,
viveria em uma situação de incerteza e insegurança. E ainda, viola
o princípio da continuidade da relação de empreso, uma vez que o
empregado realiza seus serviços somente quando determinado pelo
empregador, durante o lapso de tempo necessário pelo empregador.

Considerações Finais

A presente pesquisa teve como objetivo investigar a (in)


constitucionalidade da jornada intermitente, introduzida pela Lei
13.467 (BRASIL, 2017a). Analisando suas condições inseridas
no art. 452-A, CLT, constata-se a inconstitucionalidade da nova
modalidade de contrato de trabalho, em face dos princípios basilares
da relação de emprego, especialmente o princípio da proteção e da
continuidade da relação de empreso.
A jornada intermitente estabelecida pela reforma trabalhista
não prioriza a continuidade da relação de emprego e não protege o
operário, posto que, o trabalhador só presta seus serviços durante
o período definido pelo empregador. O empregado estará à mercê
da necessidade de serviços pelo empregador, desta forma, há uma
grande insegurança jurídica para o mesmo, sem nenhuma garantia
de quando será convocado e quantos dias ou meses terá que prestar
seus serviços. Além do mais, esta nova modalidade de contratação,
por não ter uma continuidade da relação de serviços, não detém a
garantia de um salário mensal ao empregado, enfrentando este em
vulnerabilidade de condições dignas de vida.
Desta forma, pelo exposto, conclui-se que o contrato

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


294 ANAIS X SIMPAC

intermitente acrescentado no § 3º do art. 443 e no art. 452-A,


ambos da CLT, é inconstitucional em relação aos princípios da
continuidade da relação de emprego e da proteção ao trabalhador,
conforme uma análise crítica da legislação, em confronto com os
princípios basilares do direito do trabalho.

Referências Bibliográficas

BARBOSA, F. A. M; MARTINS, L. A. A. Princípio da Continuidade


da Relação empregatícia. Disponivel em: <http://domtotal.com/
direito/pagina/detalhe/29631/principio-da-continuidade-da-relacao-
empregaticia>. Acesso em 12 de março de 2018.

BRASIL, Lei nº 13.467 de 13 de julho de 2017a. Altera a Consolidação


das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de
1o de maio de 1943, e as Leis nos 6.019, de 3 de janeiro de 1974,
8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim
de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Disponível
em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/
L13467.htm>. Acesso em 09 abr. 2018.

BRASIL, Medida Provisória nº 808, de 14 de novembro de 2017b.


Altera a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo
Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Disponível em: < http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Mpv/mpv808.
htm>. Acesso em 09 abr. 2018.
DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de direito do trabalho. 8.
ed. São Paulo LTr, 2009.

JOÃO, P. S. Trabalho intermitente: novo conceito de vínculo de


emprego. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2017-set-22/
reflexoes-trabalhistas-trabalho-intermitente-conceito-vinculo-
emprego2>. Acesso em 23 de março de 2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 295

MENDONÇA, H. Reforma trabalhista: novas regras para o


trabalho por hora e para grávidas. São Paulo, 16 de novembro de
2017. Disponível em:< https://brasil.elpais.com/brasil/2017/11/15/
politica/1510702112_772288.html>. Acesso em 24 de março de 2018.
RODRIGUEZ, Américo Plá. Princípios de Direito do Trabalho.
3. ed. São Paulo, LTr. 2000.

STRECK, L. L. Reforma Trabalhista – contrato intermitente é


inconstitucional. Revistas Conjultor jurídico, 04 de dezembro de 2017.
Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2017-dez-04/streck-
reforma-trabalhista-contrato-intermitente-inconstitucional>.
Acesso em 24 de fevereiro de 2018.

TEODORO, R. T. Princípio da continuidade da relação de emprego


e a súmula 212 do TST. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862,
Teresina, ano 19, n. 3888, 22 de fev. 2014. Disponível em: <https://
jus.com.br/artigos/26627>. Acesso em:. 19 de março de 2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


296 ANAIS X SIMPAC

LEUCEMIA VIRAL FELINA (FELV) - CASOS CLÍNICOS


ATENDIDOS EM UM HOSPITAL ESCOLA (2013-2017)

Caroline de Souza Magalhães1, Luiza Chaves Duarte2, Gustavo


Carvalho Cobucci3

Resumo: A Leucemia viral Felina (FeLV) é uma doença infecto


contagiosa, causada por vírus pertencente à família Retroviridae,
que provoca imunossupressão em felinos domésticos (Felis catus)
e alguns felídeos selvagens. A prevalência do vírus no Brasil e no
mundo varia de acordo com a região e estilo de vida destes animais.
Os sinais clínicos são abrangentes e se desenvolvem a partir dos
efeitos imunossupressores e oncogênicos da doença. O objetivo
do presente estudo foi realizar um levantamento epidemiológico
dos casos de FeLV atendidos no hospital escola da UNIVIÇOSA/
FAVIÇOSA entre os anos de 2013 a 2017. Os prontuários médicos
dos animais positivos foram analisados em relação à idade, sexo,
achados clínicos e laboratoriais. Fizeram parte da pesquisa apenas
os animais positivos para o FeLV através do teste para detecção
qualitativa do antígeno p27 em sangue, plasma ou soro. Foram
916 prontuários médicos avaliados e 42 felinos (4,6%) positivos
para o FeLV. A partir dos resultados obtidos pode-se concluir que,
nos dados analisados, o FeLV ocorreu na mesma proporção tanto
em machos quanto fêmeas; a maior parte dos animais infectados
apresentava idade entre 1 a 4 anos; os sistemas gastrointestinal,
tegumentar e respiratório foram os mais acometidos e os principais
achados laboratoriais foram anemia, trombocitopenia, leucocitose
neutrofílica com desvio à esquerda e linfopenia.

Palavras–chave: Doenças infecciosas, gato, imunossupressão,


retrovírus.
1
Graduando em Medicina Veterinária – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: caroliine-magalhaes@hotmail.
com
2
Médica Veterinária
3
Professor orientador do curso de Medicina Veterinária – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA . e-mail:
gucobucci@hotmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 297

Introdução

A leucemia viral felina (FeLV) é uma doença infectocontagiosa


que ocorre em gatos domésticos (Felis catus) e algumas espécies de
felídeos selvagens. A transmissão do FeLV ocorre de forma horizontal,
através do contato direto entre o felino susceptível à doença e o
portador do vírus, por meio de saliva, secreção respiratória, mordidas
e, menos frequentemente, urina, fezes ou cópula. A transmissão
também ocorre de forma vertical, por via transplacentária e leite
materno (HARTMANN, 2012). Estudo realizado na cidade de Viçosa
(MG) relatou a prevalência de 19,4% de animais positivos para o
FeLV em 175 prontuários médicos avaliados em um hospital escola
através do teste de ELISA (COBUCCI, 2014).
A doença acomete principalmente gatos machos, jovens,
não castrados e com acesso à rua ou que vivem em ambientes
com alta densidade populacional. Os sinais clínicos do FeLV são
muitas vezes inespecíficos e decorrentes dos efeitos oncogênico e
imunossupressor do retrovírus. A grande maioria dos felinos vem
a óbito devido a doenças oportunistas ou devido ao surgimento de
neoplasias, principalmente linfoma e leucemia (LUTZ et al., 2009).
O diagnóstico da doença pode ser feito através do teste ELISA
(ensaio imunoabsorção enzimática) que detecta o antígeno p27
extracelular do vírus.
Objetivou-se com este trabalho realizar um levantamento
epidemiológico dos casos de FeLV atendidos no hospital escola da
UNIVIÇOSA entre os meses de janeiro de 2013 a junho de 2017,
descrevendo a sintomatologia clínica e achados laboratoriais de
animais diagnosticados com a doença.

Material e Métodos

O protocolo da pesquisa foi aprovado no Comitê de Ética


em Pesquisa no Uso de Animais (CEPEUA) Univiçosa, conforme
parecer número 253/2017-1. Foram avaliadas todas as fichas de

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


298 ANAIS X SIMPAC

felinos atendidos no Hospital Veterinário da Faculdade no setor


de clínica médica de pequenos animais, no período de janeiro de
2013 a junho de 2017. Foram incluídos no estudo apenas animais
que apresentaram diagnóstico positivo para o FeLV através do
imunoensaio cromatográfico (ELISA) para detecção qualitativa do
antígeno p27, em sangue, plasma ou soro. Foram determinados
idade (1-12 meses, 1-4 anos, mais que 4 anos e animais com idade
não informada na ficha clínica), sexo (macho ou fêmea), sinais
clínicos e alterações laboratoriais dos animais FeLV-positivos. Os
achados clínicos e laboratoriais foram relatados de forma descritiva
e apresentados por meio de tabelas e gráficos utilizando o Software
Microsoft Office Excel® 2013.
Com relação aos dados clínicos, foram determinados o número
total e percentual de animais que apresentaram alterações nos
sistemas gastrointestinal, respiratório, hemolinfático, urinário e
tegumentar. Também foram descritos os sinais clínicos inespecíficos
apresentados pelos pacientes e também o número de pacientes
assintomáticos.
Os achados laboratoriais de hemograma e bioquímico foram
descritos evidenciando o número total e percentual de animais que
demonstraram variações nos seguintes parâmetros, seguindo os
intervalos de referência entre parênteses: hematócrito (24 – 55 %),
número total de leucócitos (5.500 - 19.500 células/mm³), linfócitos
(1.500 - 7.000 células/mm³), neutrófilos bastonetes (< 300 células/
mm³), neutrófilos segmentados (2.500 - 12.500 células/mm³),
plaquetas (230.000 - 680.000 células/mm³). Creatinina (0,8 - 1,8
mg/dL), ureia (42,8 - 64,2 mg/dL), Alanina Aminoransferase (ALT)
(6 – 83 UI/L), Aspartato Aminotransferase (AST) (26 – 43 UI/L) e
Fosfatase Alcalina (25 – 93 UI/L).

Resultados e Discussão

Foram avaliados 916 prontuários médicos de felinos atendidos


no Hospital Veterinário escola da Univiçosa no período de 2013-

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 299

2017. Desse total, 42 felinos (4,6 %) apresentaram teste ELISA


positivo para o antígeno p27 do FeLV. O percentual de animais
positivos foi próximo àquele encontrado por Hagiwara et al. (2007),
em que 6,0% dos felinos de diversas regiões do Brasil foram positivos
para o vírus. Entretanto, quando comparado com outro estudo
epidemiológico realizado por Cobucci (2014) na mesma região de
Viçosa, observou-se que o valor encontrado no presente trabalho
foi inferior aos 19,4% encontrados por esse autor. A explicação
mais provável para essa diferença é que no estudo de 2014, o autor
testou todos os animais atendidos em um hospital escola da região,
sintomáticos ou não. O presente estudo teve o caráter retrospectivo,
portanto fatores como a falta de recurso financeiro ou mesmo de
interesse do tutor em saber o status retroviral do animal poderiam
ser explicações para essa diferença. É possível, também, que em
alguns gatos imunocompetentes tenha ocorrido a infecção abortiva
ou regressiva e a viremia talvez tenha sido controlada antes ou logo
após a infecção da medula óssea. Nesses casos, o teste utilizado
resultaria em falso negativo.
Em relação ao sexo, 21 dos 42 animais positivos (50%) eram do
sexo feminino e 21 (50%) do sexo masculino. A transmissão do vírus
ocorre principalmente pelo compartilhamento frequente de potes de
água ou ração, fato que ocorre independentemente do sexo. Dentre
os felinos positivos estudados, a maior parte apresentou idade
entre um e quatro anos, corroborando com os dados encontrados por
Cobucci (2014). Animais jovens apresentam maior atividade sexual,
maior disposição física e consequentemente são mais tendentes ao
acesso à rua, sendo este um dos fatores de risco para a ocorrência da
infecção (LUTZ et al., 2009; HARTMANN, 2012).
Os sinais clínicos relacionados ao sistema gastrointestinal
foram observados em quatorze felinos 14 dentre os 42 animais
positivos (33,3%). Estudo realizado por Reinacher (1989) mostrou
que a leucemia viral felina está relacionada a alguns casos de
enterite, similares à panleucopenia felina. O principal sinal
descrito por este autor foi diarreia, dado similar ao presente estudo,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


300 ANAIS X SIMPAC

em que cinco felinos (12%) apresentaram este tipo de alteração.


Achados clínicos observados em sistema respiratório estiveram
presentes em oito felinos (19,05%). Reinacher (1989) associou
estes achados à possível presença de pneumonias e pleurites
com o vírus da leucemia felina. Um achado comum em animais
FeLV-positivos é a presença de neoplasias mediastinais. Sinais
clínicos dermatológicos foram observados em treze animais 13/42
(31,0%) e geralmente estão associados a infecções oportunistas
que ocorrem devido à imunossupressão causada pelo FeLV (LUTZ
et al., 2009). Sinais clínicos associados ao sistema hemolinfático
(linfadenomegalia e esplenomegalia) foram observados em quatro
dos felinos positivos (9,5%). Uma das desordens hematopoiéticas
não neoplásicas mais importantes provocadas pelo FeLV é a anemia
arregenerativa. No presente estudo, vinte felinos contaminados
com FeLV (47,6%) apresentaram anemia, não sendo, entretanto,
possível classificá-la devido à falta de informações necessárias nas
fichas clínicas. Segundo Shelton e Linenberger (1995), a anemia
arregenerativa corresponde a 90% dos casos de felinos infectados
pelo vírus da FeLV, justificada pelo efeito supressor do vírus na
medula óssea. A leucopenia foi identificada em dois animais (4,8%),
em consequência da neutropenia e linfopenia. A leucocitose, por
outro lado, foi observada em cinco animais (12,0%). Dez animais
apresentaram neutrofilia com desvio à esquerda (23,8%). Esta
neutrofilia com desvio à esquerda ocorre como resposta a infecções
bacteriana e inflamações e sabe-se que o vírus é capaz de predispor
os animais infectados a infecções secundárias. A porcentagem de
animais trombocitopênicos foi 35,7%. De acordo com Hartmann
(2012), o FeLV pode acarretar na diminuição das plaquetas,
função plaquetária e, em alguns felinos, a vida útil das plaquetas
é reduzida. Esse decréscimo pode ser secundário à diminuição da
produção de plaquetas, causada pela depressão da medula óssea,
acarretado pelo vírus da leucemia felina. Infecções oportunistas
em animais infectados pelo FeLV foram observadas em alguns dos
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 301

pacientes que apresentaram coinfecção por Mycoplasma haemofelis


(9,5%) e Erlichia canis (2,4%).

Conclusões

A partir dos resultados obtidos pode-se concluir que, nos


dados analisados, o FeLV ocorreu na mesma proporção tanto em
machos quanto fêmeas, a maior parte dos animais infectados
apresentava idade entre 1 a 4 anos, os sistemas gastrointestinal,
tegumentar e respiratório foram os mais acometidos e os principais
achados laboratoriais foram anemia, trombocitopenia, leucocitose
neutrofílica com desvio à esquerda e linfopenia.

Referências Bibliográficas

COBUCCI, G.C. Fatores de risco e sintomatologia clínica associados


à infecção pelo vírus da Leucemia Felina: estudo caso-controle no
Hospital Veterinário da Universidade Federal de Viçosa. 2014.
(Residência em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de
Viçosa, Viçosa, 2014.

HAGIWARA, M.K.; JORGE, J.J.; STRICAGNOLO, C. Infecção pelo


vírus da leucemia felina em gatos de diversas cidades do Brasil.
ClÍnica Veterinária, v.12, n.66, 2007.

HARTMANN, K. Clinical Aspects of Feline Retroviruses: A Review.


Viroses, v.4, p.2684-2710, 2012.

LUTZ, H.; ADDIE, D.; BELÁK, S.; BARALON, C.B..; EGBERINK,


H.; FRYMUS, T. Feline leukaemia: ABCD guidelines on prevention
and management.  Journal of Feline Medicine and Surgery,
v.11, p.565-574, 2009.

REINACHER, M. Diseases associated with spontaneous feline

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


302 ANAIS X SIMPAC

leukemia virus (FeLV) infection in cats. Veterinary Immunology


and Immunopathology, v.21, n.1, p.85-95, 1989.

SHELTON, G.H., LINENBERGER, M.L. Hematologic abnormalities


associated with retroviral infections in the cat. Seminars in
Veterinary Medicine and Surgery, v.10, p. 220–233, 1995.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 303

IMPACTOS CAUSADOS NA COLUNA CERVICAL A


PARTIR DE UMA DISFUNÇÃO NA ARTICULAÇÃO
TEMPOROMANDIBULAR

Cassandra Rita Pimenta Ângelo1, Ramon Repolês Soares2

Resumo: Introdução: A articulação temporomandibular é uma


estrutura que permite movimentos funcionais da mandíbula e se
liga a região cervical através de musculatura, ligamentos e tendões.
Por serem estruturas interligadas, disfunções nessa articulação
geram impacto sobre a coluna cervical, o que motivou esse trabalho.
Objetivo: Realizar um estudo teórico sobre a influência das disfunções
temporomandibulares sobre a coluna cervical. Materiais e Métodos:
Trata-se de um levantamento bibliográfico utilizando materiais que
tivessem relevância as expressões disfunção temporomandibular e
coluna cervical. Resultados: Vários fatores (perdas dentárias, fatores
traumáticos, genéticos, ambientais, patológicos e mentais), estão
associados ao surgimento de uma disfunção temporomandibular.
Conclusão: A partir do estudo, pôde-se concluir que uma disfunção
na articulação temporomandibular tem impactos negativos na
coluna cervical pois gera um trabalho excessivo da musculatura da
região e como consequência ocorre um distúrbio na posição e função
da cervical (aumento da curvatura fisiológica) podendo causar além
da dor o surgimento deformidades.

Palavras–chave: Cadeias musculares, cervicalgia, postura

Introdução

A articulação temporomandibular é uma articulação sinovial


que permite movimentos funcionais da mandíbula (elevação,
1
Graduando em Fisioterapia- FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: cassandrafisio2014@yahoo.
com.br.
2
Docente do Curso de Fisioterapia-Ramon Repolês Soares-FAVICOSA/UNIVIÇOSA.
email:ramon@univicosa.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


304 ANAIS X SIMPAC

deslocamento anterior, depressão, retração e projeção lateral.


Possui ligação com diferentes cadeias musculares além de conexões
nervosas entre seus núcleos de nervos de aferência, que são
elementos importantes para o equilíbrio tônico postural. Localiza-
se entre a fossa mandibular e o tubérculo articular do osso temporal
superiormente, e a cabeça da mandíbula inferiormente (VIANA, et.
al., 2015)
Existem padrões de movimentos que são coordenados entre
a ATM, articulação atlanto occipital e articulações zigoapofisárias
cervicais, e são determinadas por uma ligação sensório motora
intrínseca via complexo ligamento trigêmiocervical. (BORTOLAZZO
et. al., 2010).
Portanto, quando ocorre uma alteração de qualquer tipo nessa
articulação, ocorre a chamada disfunção temporomandibular.
(BORTOLAZZO et. al, 2010).
O termo disfunção temporomandibular (DTM) é utilizado
para caracterizar um grupo de doenças que acometem os músculos
envolvidos no processo da mastigação, a ATM e estruturas próximas.
As DTMs podem ser classificadas em dois subgrupos: as de origem
articular, onde os sinais sintomas estão relacionados a ATM; e as de
origem muscular nas quais os sinais e sintomas estão relacionados
as estruturas envolvidas nas diversas funções desempenhadas
pela cavidade oral. A DTM tem etiologia multifatorial e está
relacionada com fatores estruturais, neuromusculares, perdas
dentárias, desgaste de estruturas dentais, próteses mal adaptadas,
cáries, restaurações inadequadas entre outras, fatores psicológicos
(devido a tensão ocorre um aumento da atividade muscular que
gera um espasmo e fadiga), hábitos não funcionais do sistema
como bruxismo, roer as unhas, apoio de mão na mandíbula, sucção
digital ou chupeta, e lesões traumáticas ou degenerativas da ATM
(DONNARUMMA et. al., 2008, pg. 1).
Dentre os sinais e sintomas relatados por portadores de
DTM, estão: limitações dos movimentos articulares, dor orofacial,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 305

presença de ruídos, estalidos e/ou crepitações ao movimentar a


articulação, os zumbidos no ouvido, vertigens e a má oclusão.
(VIANA, et. al. 2015. pg. 126)
Os hábitos citados acima excedam as atividades fisiológicas
do sistema estomatognático quando praticados de forma prolongada
e persistente, levando à má oclusão, já que esta será determinada
pelo processo de crescimento dos dentes. (VIANA, et. all. 2015. pg.
126)
As alterações oclusais induzem um aumento da atividade muscular
e da fadiga, e podem levar a alterações posturais da coluna cervical
causando uma sobrecarga muscular causando consequentemente
dor. (VIANA, et. all. 2015, pg. 126).
Dor cervical, ou simplesmente cervicalgia é atualmente um
problema muito comum sendo causa importante de incapacidade.
(GHIGGINO, 2015, pg. 2)
Anualmente, afeta cerca de 30 a 50% da população geral. Segundo
estudos, entre 11 e 14% da população economicamente ativa
experimentarão algum tipo de limitação proveniente da cervicalgia.
A maior prevalência ocorre em doentes de meia idade, e as mulheres
sendo o público mais afetado. Os fatores de risco incluem o trabalho
repetitivo, longos períodos de flexão cervical, fatores psicológicos
relacionados ao trabalho, fumo, e traumatismos prévios do pescoço
e ombros. (GHIGGINO, 2015, pg 2.)
A cervicalgia pode ter profundas consequências e está
diretamente relacionada com as desordens temporomandibulares
(GHIGGINO, 2015, pg. 2)
A fisiopatologia da maioria das condições de dor cervical não
é esclarecida. Existem evidências de distúrbios do metabolismo de
oxidação de nutrientes além dos níveis elevados de substâncias que
provocam dor muscular na região cervical, que sugerem que um
metabolismo deteriorado do músculo local pode fazer parte da sua
fisiopatologia. (GHIGGINO, 2015, pg. 2)
A dor cervical se associa também com a alteração da
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
306 ANAIS X SIMPAC

coordenação dos músculos cervicais e a redução da propriocepção


do pescoço e dos ombros. Evidências sugerem que estes fenômenos
são ocasionados pela dor, e podem também agravar a condição.
(GHIGGINO, 2015, pg. 2).
Há uma certa dificuldade em obter dados fiéis para traçar um
perfil da prevalência das dores na região cervical, pois trata-se de
um grupo de patologias com aspectos clínicos de fatores diversos,
envolvendo fatores de risco individuais, como fatores físicos e
psicossociais, além de fatores relacionados a ergonomia e atividades
laborais. (GHIGGINO, 2015, pg. 2)
O objetivo deste trabalho foi de realizar um estudo teórico
sobre como as disfunções temporomandibulares tem impacto na
coluna cervical.

Material e Métodos

O seguinte estudo baseia-se um levantamento bibliográfico


utilizando materiais relacionados as expressões disfunção
temporomandibular e coluna cervical, tendo como bases de pesquisa
artigos científicos e trabalhos de conclusão de curso retirados do
Google Acadêmico, Scielo, além de revistas on line.

Resultados e Discussão

Uma postura é considerada ideal quando existe um equilíbrio


entre estruturas de suporte, envolvendo uma quantidade mínima
de esforço e sobrecarga combinada com uma máxima eficiência
corporal. (VIANA, et. al., 2015. pg. 127)
Uma alteração de um segmento do corpo pode acarretar uma
nova organização, assumindo assim uma postura compensatória.
(VIANA, et. al. 2015. pg. 127)
Para Bricot, o aumento do trabalho da musculatura
mastigatória leva ao encurtamento da musculatura da região
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 307

posterior do pescoço e ao alongamento da musculatura anterior;


dessa forma, uma cabeça projetada para anterior, vai acarretar
distúrbios da posição e da função. (VIANA, et. al. 2015, pg. 127)
Segundo Ferraz, a postura da cabeça interfere na postura da
mandíbula e o contrário também pode acontecer, configurando uma
alteração de cadeia descendente, portanto, observe-se que a etiologia
dessas alterações posturais está nas estruturas da cavidade oral.
(VIANA, et. al. 2015, pg. 127).
Embora haja consenso sobre a conexão existente entre
o sistema estomatognático e a região cervical, observa-se que há
grande discussão quanto ao tipo de alteração de postura de cabeça
presente nos indivíduos com DTM. (VIANA, et. al, 2015. pg.127)
Uma alteração postural comum a partir de uma DTM é
a projeção anterior da cabeça. Esta posição leva a uma extensão
excessiva da cabeça sobre o pescoço, com um movimento de retração
da mandíbula podendo causar dor e disfunção tanto na cabeça
quanto no pescoço. (ARELLANO, 2002, pg.157)
Portanto, uma alteração na coluna cervical pode influenciar na
posição da mandíbula, pois altera toda a estrutura músculo-
ligamentar da ATM gerando além de sobrecarga muscular uma
postura compensatória, que causa inicialmente uma tensão na
cadeia muscular. (MAZZETO et. al., 2006; DE SOUZA et. al.,2017,
pg. 5).

Considerações Finais

Após o estudo, pôde-se concluir que uma disfunção


temporomandibular gera um desarranjo muscular devido ao
trabalho excessivo dos músculos da mastigação e de músculos
estabilizadores, causando impactos tanto no posicionamento da
coluna cervical quanto na função. Toda esse alteração estrutural e
biomecânica dessa região desencadeia quadro álgico (dor cervical)
além de comprometimentos mais graves posteriormente como
deformidades por exemplo.
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
308 ANAIS X SIMPAC

Referências Bibliográficas

ARELLANO, J.C.V. Relações entre postura corporal e sistema


estomatognático / Juan Carlos Valdez Arellano, Curitiba, v.2, n.6,
p. 155-164, abr/jun.2002.

BORTOLAZZO, G.L.; PIRES, P.F.; DIBAI- FILHO, A.V; BERNi,


K. C.S; RODRIGUES, B.M; BRIGATONS, D.R. Efeitos da
manipulação cervical alta sobre a atividade eletromiográfica
dos músculos mastigatórios e amplitude de movimentos
da abertura da boca em mulheres com disfunção
temporomandibular: ensaio clínico randomizado e cego
/ Gustavo Luiz Bortolazzo; Paulo Fernandes Pires; Almir Vieira
Dibai-Filho; Kelly Cristina dos Santos Berni – Piracicaba, SP, 2010.
55 F; il.

DONNARUMMA, M.C; MUZILLI, C.A; FERREIRA, C; NERM, K.


2008: Disfunções temporomandibulares: sinais sintomas e
abordagem multidisciplinar/ Mariana Del Cristia Donnarumma;
Carlos Alberto Muzilli, Cristiane Ferreira; Kátia Nerm – Sorocaba,
SP, 2008.

GHIGGINO, T. Disfunção temporomandibular e cervicalgia


crônica / Thiago Ghiggino – Goiânia, GO, 2015.

VIANA, M.O; LIMA, E.I.C.B.M.F; MENEZES, J.N. R; OLEGARIO,


N.B.C. Avaliação de sinais e sintomas da disfunção
temporomandibular e sua relação com a postura cervical –
Fortaleza, CE, 2015.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 309

COMPARAÇÃO ENTRE O CONCRETO AUTO ADENSÁVEL


E O CONCRETO CONVENCIONAL

Cassiano Zanelli de Melo1, Alex Martins Lopes2, Romulo Ulysses


Costa Vieira3

Resumo: A utilização do concreto auto adensável (CAA) vem


aumentando ao longo dos anos, substituindo em partes o concreto
convencional (CCV). Afim de retirar a preocupação com aplicação e
a qualidade, o CAA facilita o acesso do concreto quando aplicado
em pilares, vigas e lajes. Pelo fato de ser um material leve e de
adensamento rápido, elimina-se a etapa de vibração que é utilizado
no CCV. Em relação ao custo, o CAA tem orçamento maior do que o
concreto convencional, por conta de ser necessário uma mão-de-obra
especializada que é bem mais cara, mas leva vantagem pelo fato de
estar sujeito a um tempo menor de aplicação. Quando se leva em
consideração o todo, certifica-se que é favorável a utilização do CAA
pois seu tempo de cura é mais rápido, atingindo uma resistência
inicial maior, agilizando o empreendimento.

Palavras–chave: Aplicação, concreto auto adensável, concreto


convencional, custo, vantagem.

Introdução
O concreto auto adensável (CAA), vem sendo estudado desde
o século XXI, com a criação de novas tecnologias através de pesquisas
realizadas na construção civil, este está sendo utilizado, em alguns
países, para substituir o tradicional concreto convencional (CCV),
que possui a adição de aditivos na maioria das vezes, porém não

1
Graduando em Engenharia Civil - FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: cassiano.zanelli@hotmail.com
2
Graduando em Engenharia Civil –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: alex.alexmartins@outlook.com.br
3
Professor do Curso de Engenharia Civil –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: romulouvr@hotmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


310 ANAIS X SIMPAC

é tão comum usar superplastificantes, como no CAA. No Brasil o


concreto auto adensável é aplicado em partes nas construções, pelo
fato de precisar de uma mão-de-obra especializada e um custo mais
elevado do que o tradicional CCV. De acordo com Daros (2009) sua
aplicação pode ser efetuada em vários tipos de obras, ajudando no
adensamento em partes de difícil acesso do concreto, como em vigas,
lajes e pilares armados, peças pré-moldadas, fachadas de concreto
entre outros. Segundo Tutukian (2008), no Japão o CAA foi criado
para se tornar uma potência na construção civil, sendo capaz de
preencher, mover e ser bombeado em distâncias maiores por conta
de sua fluidez, tendo agilidade nas operações de lançamento do
concreto para entrar no processo de cura.
Este trabalho compara o CCV e o CAA, para fins de explicações
sobre suas qualidades, resistência e comportamento, quando for
adicionado os aditivos MC-ECHNIFLOW 520 e MURAPLAST FK
97, e a cinza de casca de arroz que serve como material fino para
preencher os espaços vazios, tornando o concreto mais maciço e
assim teoricamente mais resistente.

Material e Métodos

Para a realização deste trabalho foram utilizados os


seguintes materiais: cimento CP II-E-32 Votoran, areia natural
quartzosa originária do rio piranga Guaraciaba MG, sílica de casca
de arroz, areia artificial gnaisse originária da pedreira Ervália MG,
brita 0 originária da pedreira Ervália MG, água originária da rede
de distribuição SAAE Viçosa MG, aditivos TECHNIFLOW 520
superplastificante, aditivos MURAPLAST FK 97 da MC bauchimie
plastificante.
A dosagem dos concretos utilizou o método do IPT,
com um traço básico de referência 1:5, utilizando os seguintes
traços: concreto convencional (CCV) o traço referencial foi
1,000:1,680:0,419:2,758:0,59, concreto auto adensável (CAA) foi
utilizado 1,000:0,040:1,680:0,419:2,758:0,450: +0,4% +0,2%.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 311

Foi abordado para a verificação da qualidade do concreto


em estado fresco os seguintes ensaios, que são divididos em
duas categorias: o de espalhamento (Flow Test) para o CAA e
o de abatimento (Slump Test) para o CCV. Ambos ensaios tem
características similares, porém o Flow Test mede o quanto o
concreto é fluido, dependendo da dimensão do espalhamento, o
concreto é classificado como auto adensável, já o Slump Test mede o
quanto o concreto se abate, assim podendo verificar se a quantidade
de água no seu concreto não excedeu a quantidade estabelecida pelo
traço, garantindo que sua resistência final não será comprometida.
Para verificação da resistência do concreto em estado endurecido
foram moldados corpos de provas (CPs) cilíndricos segundo a NBR
5739 e rompidos posteriormente nas seguintes idades, 03, 07, 28 e 63
dias, para compressão axial e dois CPs aos 28 dias para compressão
diametral.
De acordo com Silva (2016) o ensaio de pozonalicidade pelo
método de condutividade elétrica é considerado indireto e rápido,
onde a avaliação da atividade pozolânica do material é dada pelas
medidas da variação da condutividade elétrica de uma solução
saturada de hidróxido de cálcio (Ca(OH)2). Com a adição de 5,0 g da
sílica da casca de arroz, em solução saturada, ocorre um decréscimo
da condutividade elétrica da mesma, devido a menor quantidade de
íons Ca2+ e (OH)-, durante o período de 120 segundos. Utilizando os
valores derivados dessa variação foi proposto um índice de atividade
pozolânica, classificando o material em três grupos: não pozolânico,
médio pozolânico e boa pozolanicidade.

Resultados e Discussão
Os ensaios realizados com o CCV e o CAA, em termos de
resistência à compressão axial, obtiveram resultados aceitáveis
em relação à norma ABNT NBR 6118, sendo que com 3 e 7 dias o
CAA atingiu maior resistência a compressão axial do que o CCV, ao
chegar próximo dos 28 dias, o CCV teve um ganho maior em relação

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


312 ANAIS X SIMPAC

ao CAA, alcançando os 63 dias com uma resistência maior que o


concreto auto adensável, como mostrado na figura 1.
Em relação ao fator água/cimento (a/c) o CAA obteve um
valor menor (0,45), pelo fato do uso dos aditivos, esperava-se um
aumento da resistência maior em relação ao CCV (0,59), porém
como teve elevada consistência, a diferença foi pequena.
No ensaio de compressão diametral (Figura 2), realizado
aos 28 dias, ambos os concretos se enquadraram na norma ABNT
NBR 7222 – que explica a obtenção de 10% do valor da resistência
à compressão axial, os resultados foram similares, com diferença de
apenas 0,1 MPa.
Figura 1 - Gráfico de resistência a compressão axial

Figura 1 - Gráfico de resistência a Figura 2 - Gráfico de resistência a


compressão axial (Tensão x idade). compressãodiametral (Tensão aos 28 dias).

No ensaio de pozonalicidade, a casca de arroz foi classificada


como não pozolânica pois obteve valor menor que 0,4 como mostrado
na tabela 1.
Classificação Variação Condutividade (mS/
do Material cm)
Não Pozolânico < 0,4
Médio
0,4 < X < 1,2
Pozolânico
Boa
> 1,2
Pozolanicidade
Tabela 1 - Classificação do Material Pozolânico.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 313

Considerações Finais

De acordo com os resultados obtidos, conclui-se que


a utilização do CAA é mais viável que a do CCV pelo fato de sua
aplicação ser mais rápida e alcançar uma resistência maior nos
primeiros dias, ao contrário do CCV que atinge uma resistência
maior a partir de 28 dias.
Além de facilitar a concretagem em lugares de difícil
acesso como em vigas, pilares e lajes, o CAA tem uma fluidez que
permite seu próprio adensamento, não sendo necessário a vibração
para agilizar seu processo de cura.
Em relação ao custo, o CAA é um pouco mais caro,
mas a rapidez da concretagem diminui bem o cronograma do
empreendimento, pois não conta com mão de obra necessária no
CCV, podendo este ficar mais caro pelo conjunto da obra.
A utilização do pó da cinza de casca de arroz por ser
um material muito fino, preenche os espaços vazios do concreto,
aumentando sua resistência, mesmo sendo um material classificado
como não pozolânico.

Referências Bibliográficas

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCINICAS, ABNT.


NBR 7222 – Concreto e argamassa – Determinação da
resistência à tração por compressão diametral de corpos de
prova cilíndricos. Rio de janeiro – RJ, 2011.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCINICAS, ABNT.
NBR 6118 – Projeto de estruturas de concreto. Rio de janeiro
– RJ, 2004.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT.
NBR 5739. Concreto - Ensaio de compressão de corpos-de-
prova cilíndricos. Rio de Janeiro, RJ, 2007.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


314 ANAIS X SIMPAC

DAROS, B. Estudo e desenvolvimento de concreto


autoadensável com metacaulinita. 2009. Trabalho de Conclusão
de Curso, apresentado para obtenção do grau de Engenheiro Civil
no curso de Engenharia Civil, da Universidade do Extremo Sul
Catarinense, UNESC, Criciúma.
SILVA, K. D. Avaliação da atividade pozolânica dos resíduos
de lã de rocha, fibra de vidro e lã de vidro. 2016. Trabalho
de Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-
Graduação em Engenharia Civil do Departamento de Engenharia
Civil da Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto na
área de Construção Metálica, UFOP, Ouro Preto.
TUTUKIAN, B. F.; MOLIN, D. C. D. Concreto autoadensável.
São Paulo: PINI, 2008.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 315

USO DE TERAPIAS ALTERNATIVAS E


COMPLEMENTARES POR PACIENTES ONCOLÓGICOS
EM QUIMIOTERAPIA

Claudiana Laureano Rodrigues1, Grasielle Soares Gusman2

Resumo: O câncer é uma doença agressiva que aflige milhares de


homens e mulheres ao redor do mundo e, sua terapia medicamentosa
pode trazer diversos efeitos colaterais aos pacientes. Dessa forma, o
uso de terapias alternativas e complementares surge como uma opção
de tratamento tanto físico quanto emocional para o estabelecimento
da saúde do paciente. Com isso, o presente trabalho teve como objetivo
avaliar o uso de terapias alternativas e complementares por pacientes
oncológicos através de questionário semiestruturado em um hospital
especializado em câncer na cidade de Muriaé- MG. Observou-se que
38 % dos entrevistados, na faixa etária predominante de 46 a 60
anos, disseram utilizar algum tipo de terapia alternativa, sendo a
mais utilizada a fitoterapia com o consumo de chás (infusões), 65 %
para mulheres e 28 % para homens. Destacou-se ainda a utilização
das demais terapias como homeopatia, ioga, massagens, acupuntura
e reike, sendo essa última relatada apenas por homens. Concluiu-
se que o uso de terapias alternativas é uma realidade atual, e por
isso, torna-se imperativo o maior envolvimento dos profissionais da
saúde na sua prática, para promover e garantir a saúde integral do
paciente oncológico.

Palavras–chave: Fitoterapia, câncer, tratamento

Introdução

O câncer se caracteriza pelo crescimento descontrolado


e pela disseminação de células anormais, sendo classificado em
1
Graduanda em Farmácia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail:
claudianalaureano22@yahoo.com.br
2
Professora do curso de Farmácia –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA, coordenadora
UniFito, e-mail: grasiellegusman@univicosa.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


316 ANAIS X SIMPAC

neoplasias benignas ou malignas. A Organização Mundial de Saúde


estima que o câncer atinge anualmente 9 milhões de pessoas e que
cerca de 5 milhões vêm a óbito em decorrência da doença, a qual é
extremamente grave, capaz de afetar qualquer parte do organismo
de homens e mulheres em todas as idades, colocando em risco a vida
do paciente portador (MARQUES, 2004).
Usualmente, o câncer é tratado por fármacos antineoplásicos,
radiação, quimioterapia e cirurgias utilizadas de forma exclusiva
ou em conjunto. No entanto, além dos benefícios aos pacientes
apresentados por esses fármacos, estes ainda promovem uma sorte
de efeitos colaterais, incluindo náuseas, vômito, diarreia, anorexia,
depressão e medo. Dessa forma, o uso de terapias alternativas
e complementares vem ganhando espaço, seja como terapia
complementar para o tratamento do câncer, seja como auxílio
psicológico e espiritual (LEITE et al., 2011).
Estima-se que cerca de dois terços da população mundial
buscam por métodos complementares ou alternativos para
tratamento de várias doenças, incluindo o câncer. As práticas
Alternativas e Complementares (PAC’s) compreendem diversas
técnicas como fitoterapia, homeopatia, reiki, quiropraxia,
acupuntura e a meditação. Essas práticas oferecem alternativas
opostas à medicina convencional sob o uso de fármacos, visando à
saúde do paciente e o alívio de sintomas (GRANER, 2010).

Material e Métodos

A presente pesquisa teve caráter quantitativo com


aspectos descritivos, aprovada pelo Comitê de Ética e pesquisa,
da UNIVIÇOSA, sob protocolo de aprovação nº 148/2017-1. As
entrevistas só foram realizadas após a assinatura do termo de
consentimento livre e esclarecido. Os dados relacionados à idade
e sexo, assim como as práticas alternativas e complementares
utilizadas foram coletadas de 174 pacientes, atendidos por um
hospital especializado em câncer na cidade de Muriaé – MG, durante
o mês de Janeiro de 2018. Foram entrevistados pacientes com idade
superior a 18 anos, sendo aplicado um questionário semiestruturado

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 317

que continha perguntas do tipo “Sexo”, “Idade”, “Utiliza algum tipo


de terapia alternativa ou complementar?” e “Se na utilização de
fitoterapia, quais eram as espécies?”. Os resultados obtidos foram
analisados e expressos em taxas percentuais através do software
Excel® (Microsoft Office, 2010).

Resultados e Discussão

Após a realização desse trabalho, observou-se que 38 % dos


entrevistados faziam uso de algum tipo de terapia alternativa ou
complementar, enquanto 62 % disseram nunca terem utilizado
desse recurso. A faixa etária com maior número de usuários de
terapias alternativas compreende dos 46 a 60, com 49 %, seguida
pela faixa acima de 60 anos de idade com 32 %, conforme se observa
na figura 1. Esse resultado provavelmente é decorrente do maior
tempo de aquisição do conhecimento tradicional das pessoas mais
idosas (TOLEDO e BARRERA-BASSOLS, 2010).

Figura 1. Percentual de usuários de terapias alternativas e a sua


faixa etária.
Conforme disposto na figura 2, foram verificadas quais terapias
complementares eram relatadas por esses pacientes, sido portanto
agrupadas de acordo com o sexo feminino ou masculino. Dentre
os usuários de terapias alternativas, as mulheres constituem-se
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
318 ANAIS X SIMPAC

na grande maioria, quando comparadas aos homens, utilizando


principalmente chás, totalizando 65 % e 28 %, respectivamente.

Figura 2. Terapias alternativas mais usadas e o percentual de


usuários de acordo com o sexo.
Os chás mais consumidos foram graviola (Annona muricata),
pariri (Arrabidaea chica), babosa (Aloe vera), camomila (Matricaria
chamomilla), erva doce (Pimpinella anisum L.), hortelã (Mentha
sp) e erva cidreira (Melissa officinalis L.). Esses chás têm ação
terapêutica confirmada, melhorando alguns sintomas desagradáveis
do tratamento como náuseas, enjoos e sintomas de ansiedade
(LIMA, 2011). O consumo de plantas medicinais na forma de chás
(infusões) é o mais utilizado devido à facilidade de obtenção e
praticidade. Em uma pesquisa conduzida por Araújo e colaboradores
(2014), 90 % dos usuários utilizavam plantas medicinais na forma
de infusão como forma de tratamento e prevenção de algum tipo
de doença. No entanto, todos esses pacientes disseram utilizar as
plantas medicinais através da indicação de amigos o que representa
um grande risco pela ausência de profissional capacitado, como o
farmacêutico, para acompanhamento.
Pacientes do sexo feminino também afirmaram utilizar-se
da homeopatia, acupuntura, ioga e massagens, todas em pequeno
percentual de 1 %, corroborando a maior facilidade associada à
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 319

efetividade dos chás. Quando comparadas às terapias alternativas


utilizadas pelos homens, destaca-se o reiki. O reiki é conhecido
por ser uma união de energia cósmica universal (REI) que se
refere à dimensão espiritual, com a energia vital individual (KI),
a qual circunda nossos corpos mantendo-os vivos. Seu uso como
complemento à quimioterapia é reconhecido pela Organização
Mundial de Saúde (OMS), maximizando as chances de recuperação
(JACONODINO; AMESTOY e THOFEHRN, 2008).
Observou-se que o uso de terapias alternativas e
complementares por pacientes oncológicos é uma realidade e deve
ser incentivada e conduzida de maneira racional. Esse tratamento
vem para auxiliar os pacientes, mas não substituir o tratamento
convencional, amenizando um pouco, o doloroso processo do
tratamento em si (LUZ, 2005).

Conclusões
No mundo atual, as terapias alternativas e complementares
são uma realidade e surgem como uma forma de suprir as necessidades
dos pacientes, tanto físicas quanto espirituais, amenizar suas dores
e reduzir seu desconforto. No entanto, é necessário que os pacientes
sejam acompanhados por profissionais capacitados, especialmente
no que se refere à fitoterapia, pois as plantas, assim como qualquer
medicamento, podem trazer sérios riscos à saúde do indivíduo quando
não usadas de forma racional e segura. Portanto, é importante que
os profissionais de saúde tenham conhecimento acerca dessas opções
terapêuticas, para auxiliarem seus pacientes a receberem o melhor
tratamento possível, garantindo o reestabelecimento da saúde.

Referências

ARAÚJO, C.R.F.; SILVA, A.B.; TAVARES, E.C.; COSTA, E.P.;


MARIZ, S.R. Perfil e prevalência de uso de plantas medicinais em
uma unidade básica de saúde da família em Campina Grande,
Paraíba, Brasil. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apl., v. 35, p. 233-238,
2014.
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
320 ANAIS X SIMPAC

GRANER, K. M.; COSTA JUNIOR, A. L.; ROLIM, G. S. Dor


em oncologia: intervenções complementares e alternativas ao
tratamento medicamentoso. Temas em Psicologia, v. 18, p. 345-
355, 2010.
JACONODINO, C. B.; AMESTOY, S. C.; THOFEHRN, M. B. A
utilização de terapias alternativas por pacientes em tratamento
quimioterápico. Cogitare Enferm., v. 13, p. 61-66, 2008.
LEITE, F.M.C.; BUBACH, S.; AMORIM, M.H.C.; CASTRO, D.S.;
PRIMO, C.C. Mulheres com diagnóstico de câncer de mama em
tratamento c.om tamoxifeno: perfil sociodemográfico e clínico. Rev.
Bras. Cancerol. v.57, p. 15-21, 2011.
LIMA, R.A.; MAGALHÃES, S. A.; SANTOS, M. R. A. Levantamento
etnobotânico de plantas medicinais utilizadas na cidade de Vilhena,
Rondônia. Rev. Pesquisa & Criação, v. 10, p. 165-179, 2011.
LUZ, M. T. Cultura Contemporânea e Medicinas Alternativas:
Novos Paradigmas em Saúde no Fim do Século XX. PHYSIS: Rev.
Saúde Coletiva, v. 15, p. 145-176, 2005.
MARQUES, A. P. F. S. Câncer e estresse: um estudo sobre as
crianças em tratamento quimioterápico. Psicologia Hospitalar,
v. 2, p. 1-12, 2004.
TOLEDO, V.M.; BARRERA-BASSOLS, N. A etnoecologia: uma
ciência pós-normal que estuda as sabedorias tradicionais. In:
Silva, V.A. et al. (org.). Etnobiologia e Etnoecologia: Pessoas &
Natureza na América Latina. v.1, Recife: NUPEEA. p.13-36, 2010.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 321

ROTULAGEM E REGULAMENTAÇÃO DE
FITOTERÁPICOS
Cristiana Sant’Ana da Silva1, Gabriela Dias Fernandes2, Rosiane
Soares Barbosa3, Adriana Maria Patarroyo Vargas4, Renata Silva
Diniz5, Adriane Jane Franco6

Resumo: Este artigo propõe avaliar as regulamentações dos


fitoterápicos através de revisão bibliográfica. É notável o crescente uso
da fitoterapia como prática médica integrativa em diversos países. A
utilização de plantas medicinais no Brasil tem como facilitadores a
grande diversidade vegetal e o baixo custo associado à terapêutica,
o que vem despertando a atenção das indústrias farmacêuticas.
Afim de se ter um maior controle, houve a necessidade de estabelecer
uma regulamentação para fitoterápicos, que abrange a fiscalização
de todo o ciclo de produção e comercialização desses medicamentos
para garantir segurança, qualidade e eficácia à população.

Palavras–chave: Boas práticas de fabricação, bulas, RDC, registro

Introdução

O Brasil possui a maior diversidade biológica do planeta, com


inúmeras espécies catalogadas, caracterizando-se como fonte vasta
para a pesquisa de plantas medicinais e produção de fitoterápicos.
Atualmente, as plantas medicinais são utilizadas tanto como
repositórios de insumos químicos para a indústria, como alternativa
farmacoterapêutica para tratamento de enfermidades (SOUSA et
1
Graduanda em Farmácia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: cristianakaylie@gmail.com
2
Graduanda em Farmácia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: gabrieladiasfernandes@gmail.com
3
Graduanda em Farmácia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: rosianebarbosa08@hotmail.com
4
Professora, integrante do Fitofármacos – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: patarroyo@univicosa.com.br
5
Professora, coordenadora do Fitofármacos – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: redinizreis@gmail.com
6
Professora, integrante do Fitofármacos – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: adriane@
univicosa.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


322 ANAIS X SIMPAC

al, 2017). No Brasil, a dispensação de plantas medicinais é privativa


das farmácias (BRASIL, 1973).

O potencial das plantas medicinais foram estudados e


aprimorados pela indústria farmacêutica durante longos anos,
tendo efeitos terapêuticos bem parecidos com os medicamentos
convencionais. Medicamentos desenvolvidos apenas com a utilização
de plantas são denominados fitoterápicos (BADUY, 2003).

       Com o aumento da procura por medicamentos fitoterápicos houve


a necessidade de se estabelecer regulamentação que norteie e
fiscalize desde a coleta da matéria prima, pesquisa, produção,
desenvolvimento e comercialização desde produtos para garantir
uma maior segurança e eficácia para a população que adote esse
meio de tratamento (TEIXEIRAS et al, 2003).

        Este trabalho teve como objetivo realizar, através de pesquisa


bibliográfica, um levantamento das principais regulamentações
relacionadas aos medicamentos fitoterápicos, o que poderá servir
como fonte de consultas futuras.

Metodologia

Este trabalho trata-se de uma revisão bibliográfica de


regulamentações do setor farmacêutico relacionados às plantas
medicinais. O site Google Acadêmico foi utilizado como base de
dados de pesquisa e as palavras-chaves utilizadas na busca foram
medicamentos fitoterápicos, RDC, plantas medicinais, bulas,
rotulagem, boas práticas de fabricação e registro de medicamentos.
A data da pesquisa foi limitada entre os anos de 2009 a 2014.
Como fator de inclusão para a pesquisa, foram selecionadas as
regulamentações que abordavam pelo menos uma das palavras
chaves utilizadas na pesquisa.

Resultados e Discussão

Os fitoterápicos são passíveis de alterações que podem

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 323

resultar em risco ao consumidor, como a presença de substâncias


não identificadas, adulterantes ou misturas com outros extratos
que descaracterizam o produto. A comercialização de tais produtos
deve ser precedida de controle de qualidade, incluindo testes de
identificação de espécies (PINTO e MACIEL, 2005).

As normas brasileiras relacionadas aos fitoterápicos tendem


a evoluir para atender às necessidades da população com um número
maior de espécies vegetais, priorizando a segurança e eficácia
(TEIXEIRAS et al, 2003). A Tabela 1 lista as principais resoluções
da diretoria colegiada (RDC) em vigência no Brasil relacionadas aos
fitoterápicos.

Tabela 1 – Principais regulamentações de fitoterápicos

Resolução Assunto
Dispõe sobre regras para elaboração de bulas
RDC 47/2009
de medicamentos fitoterápicos
Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais
RDC 10/2010
junto a ANVISA
Dispõe sobre o registro de medicamentos
RDC 14/2010
fitoterápicos
Dispõe sobre boas práticas de fabricação de
RDC 17/2010
medicamentos
Dispõe sobre as boas práticas de fabricação de
RDC 13/2013
produtos tradicionais fitoterápicos
Dispõe sobre o registro de medicamentos
RDC 26/2014 fitoterápicos e o registro da notificação de
produtos tradicionais fitoterápicos – rotulagem

A RDC 47 de 8 de setembro de 2009 aborda regras que


tratam da elaboração e harmonização das bulas de medicamentos,
além de trazer informações sobre a necessidade de atualização, da
publicação e a forma de disponibilizar as mesmas para o paciente

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


324 ANAIS X SIMPAC

e para o profissional da saúde. Apesar de ser uma regulamentação


que trata da bula de medicamentos em geral, ela traz em seu
texto informações a cerca dos medicamentos fitoterápicos. Sempre
levando em consideração que a saúde é um direito de todos e um
dever do estado, e que as informações contidas nas bulas devem
ser claras e objetivas tanto para profissionais da saúde como para
pessoas leigas (BRASIL, 2009).

Já a RDC 10 de 9 de março de 2010 trata da notificação de


drogas vegetais junto à Agencia Nacional de Vigilância Sanitária
(ANVISA). Tal resolução foi estabelecida visando a necessidade
de promover e garantir a segurança, qualidade e eficácia no uso
de plantas medicinais sob forma de drogas vegetais. E portanto,
determinou quais informações devem constar nas embalagens em
que estão presentes essas matérias-primas, sendo as seguintes
informações, a exemplo, nomenclatura botânica, nomenclatura
popular, parte da planta utilizada para fabricação do produto,
modo de uso, posologia ou modo de usar, contraindicação, efeitos
colaterais e adversos que possam ocorrer, além de informações
adicionais como armazenamento (BRASILa, 2010).

A RDC 14 de 31 de março de 2010 estabelece requisitos


básicos e necessários para o registro de medicamentos fitoterápicos.
Enquadram-se nessa categoria apenas os medicamentos que
possuem em sua formulação matérias-primas exclusivamente
vegetais, portanto, não sendo permitida a utilização de outros
princípios ativos. Para assegurar sua eficácia e segurança é
necessário realizar um levantamento etnofarmacológico que deve
ser documentado por meio evidencias clinicas (BRASILb, 2010).

A RDC 17 de 16 de abril de 2010 abrange as Boas Práticas


de Fabricação (BPF) de medicamentos, determinando exigências
mínimas a serem seguidas na produção de medicamentos,
incluindo os medicamentos fitoterápicos. Essa norma se aplica aos
estabelecimentos devidamente licenciados para esse fim. O objetivo
dessa regulamentação é minimizar potenciais riscos na produção

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 325

farmacêutica, tais como contaminação-cruzada, contaminação por


partículas e troca ou misturas de produtos. Engloba recomendações
sobre sanitização e higiene, além de qualificação e validação de
procedimentos, e atitudes a serem tomadas quando há desvio de
qualidade.

A RDC 13 de 14 de março de 2013 também aborda as BPF,


porém, é específica para produtos tradicionais fitoterápicos. Esta
regulamentação busca a padronização e traz meios para verificar
o seu cumprimento. Ressalta que a garantia da qualidade é o
que assegura que os produtos tradicionais fitoterápicos sejam
consistentemente produzidos e controlados, com padrões de
qualidade apropriados para o uso. Além disso, chama a atenção
para que a produção dos produtos fitoterápicos seja realizada em
estabelecimento autorizado pelas autoridades sanitárias. Dessa
forma, o fabricante deve assegurar que as instalações, métodos,
processos e sistemas de controles usados para a fabricação sejam
adequados, garantindo qualidade e permitindo seu uso seguro
(BRASIL, 2013).

A RDC 26 de 13 de maio de 2014 visa a elaboração do registro de


medicamentos fitoterápicos e da notificação de produtos tradicionais
fitoterápicos, e regulamenta a forma de rotulagem desses produtos.
Para o registro de tais medicamentos o solicitante deve requerer à
Comissão da Farmacopéia Brasileira a inclusão dos constituintes
do fitoterápico na lista da Denominação Comum Brasileira (DCB),
caso ainda não constem nessa lista. É necessária a realização
de relatórios técnicos, de estudos de estabilidade, de produção
e controle de qualidade e segurança, além de estudos de eficácia
do fitoterápico. Deve ser apresentado laudo de análise do produto
acabado, indicando o método, especificação e resultados obtidos. Nas
embalagens de produtos fitoterápicos, as letras utilizadas devem
ser de fácil leitura. Não poderão constar nas embalagens e folheto
informativo de tais produtos, designações, nomes geográficos,
símbolos, figuras, desenhos ou quaisquer indicações que possibilitem
interpretação falsa, erro e confusão quanto à origem, procedência,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


326 ANAIS X SIMPAC

natureza, forma de uso, finalidade de uso, composição ou qualidade,


que atribuam ao produto finalidades diferentes daquelas propostas
no registro ou notificação (BRASIL, 2014).

Considerações Finais

O Brasil possui um vasto potencial para a elaboração de


medicamentos a base de plantas medicinais, portanto, faz-se
necessário que existam normas que possam padronizar uma forma
mais sustentável de aproveitamento dessa riqueza natural, a
forma de preparo dos produtos farmacêuticos como os fitoterápicos,
visando a segurança e a eficácia para o consumidor. Portanto, o
levantamento das principais regulamentações vigentes pode ser de
grande utilidade para iniciar novas pesquisas no setor ou mesmo
para direcionar a produção de novos fitoterápicos ou fitocosméticos.

Referências Bibliográficas

BADUY, G. A. Perspectivas para o emprego de plantas medicinais


como recurso terapêutico em saúde bucal. 2013. 77f.. Monografia
(Pós Graduação Lato Sensu) Instituto de Tecnologia de Fármaco –
Farmanguinhos/Fiocruz, Rio de Janeiro.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 13 de


14 de março de 2013. Dispões sobre as Boas Práticas de Fabricação
de Produtos Tradicionais Fitoterápicos. Diário Oficial da União.
Brasília, D.F., 31 de março de 2013, nº 31.

BRASIL Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 26


de 13 de maio de 2014. Dispõe sobre o registro de medicamentos
fitoterápicos e o registro e a notificação de produtos tradicionais
fitoterápicos. Diário Oficial da União. Brasília, D.F., 14 de maio de
2014, Seção 1, p. 52.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei 5991 de 17 de dezembro de


1973. Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 327

medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras


providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 19 de dezembro
de 1973, p. 13049.

BRASIL. Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância


Sanitária, ANVISA. RDC nº 47 de novembro de 2009. Estabelece
regras para elaboração, harmonização, atualização, publicação e
disponibilização de bulas de medicamentos para pacientes e para
profissionais de saúde. Diário Oficial da União. Brasília, D.F., 09 de
nov. de 2009. Seção 1, p. 31.

BRASIL. Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância


Sanitária, ANVISA. RDC nº 17, de 16 de abril de2010. Dispõe sobre
as Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos. Diário Oficial da
União. Brasília, D.F., 05 de abr. de 2010. Seção 1, p. 85.

SOUZA, I. J. O.; ARAUJO, S.; NEGREIROS, P. S.; FRANÇA, A.


R. S.; ROSA, G. S.; NEGREIROS, F. S.; GONÇALVES, R. L. G. A
diversidade da flora brasileira no desenvolvimento de recursos de
saúde. Ver. UNINGÁ. V. 21, p. 35-39. Jul-Set, 2017. Disponível em:
<https://www.mastereditora.com.br/periodico/20170803_155440.
pdf>. Acesso em: 07 de abr. de 2018.

TEIXEIRAS, J.B.P.; BARBOSA, A.F.; GOMES, C.H.C.;


EIRAS, N.S.V. A fitoterapia no Brasil: da medicina popular à
regulamentação pelo Ministério da Saúde. Disponível em:< http://
www.ufjf.br/proplamed/files/2012/04/A-Fitoterapia-no-Brasil-da-
Medicina-Popular-%C3%A0-regulamenta%C3%A7%C3%A3o-pelo-
Minist%C3%A9rio-da-Sa%C3%BAde.pdf>. Acesso em: 07 de abr. de
2018.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


328 ANAIS X SIMPAC

A JORNADA 12X36 E SUA INCOERENTE LEGALIZAÇÃO

Dalila Coelho Freitas1; Ângela Barbosa Franco2

Resumo: Este estudo ressaltou que, na literalidade da atual


legislação celetista, tem-se a possibilidade de adoção da jornada
12X36 mediante acordo individual. Tal contratação exime o
empregador de pagar as horas extras, os feriados e o adicional
noturno ao empregado. Além disso, o intervalo intrajornada pode
ser ignorado, desde que indenizado. Como se não bastasse, a lei
dispensa a inspeção e a licença das autoridades competentes em
matéria de higiene do trabalho, quando o tomador de serviços
exigir prorrogação da jornada em ambiente insalubre. Perante esse
somatório de iniquidades provenientes da Reforma Trabalhista,
destacou-se a necessidade de se estabelecer um raciocínio lógico,
teleológico e sistemático do ordenamento jurídico, a fim de limitar a
efetividade do art. 59-A da CLT.

Palavras–chave: escala 12X36, inconstitucionalidade, norma mais


favorável, reforma trabalhista

Introdução

O art. 59-A da CLT, inserido pela Lei nº. 13.467/17, admite


o estabelecimento da escala 12 por 36 em desconformidade com a
jurisprudência pacificada e a Constituição Federal. O dispositivo
legal sugere o ajuste da jornada firmado individualmente entre
sujeitos da relação de emprego que não se encontram em paridade
jurídica. Também desconsidera os direitos do obreiro de receber em
dobro os feriados laborados, de usufruir do intervalo intrajornada
e de auferir o adicional proveniente da prorrogação do trabalho
noturno.
Após a entrada em vigor da citada Lei, a Medida Provisória
1
Graduanda em direito – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: dalilla_db@hotmail.com
2
Professora da disciplina de Direito do Trabalho da FAVIÇOSA. E-mail: angelafranco@univicosa.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 329

nº. 808/2017 modifica a redação do artigo 59-A da CLT e passa a


exigir a negociação coletiva na contratação. Todavia, a alteração
normativa mantém-se ilógica e eivada de inconstitucionalidade ao
eximir o empregador de dar intervalo intrajornada, bem como de
pagar os feriados e a dilatação de jornada noturna. Soma-se, ainda,
a desarrazoada supressão da exigência de interferência sindical
para a adoção do regime 12X36 pelas entidades atuantes no setor
de saúde.
Em vista disso, o presente estudo discorreu sobre as
peculiaridades da jornada 12X36 e estabeleceu um comparativo
entre as fontes juslaborais antes e após a Reforma Trabalhista, com
o objetivo de defender a aplicabilidade dos preceitos constitucionais
em detrimento ao que está normatizado no art. 59-A da CLT .

Material e Métodos

A pesquisa tem cunho jurídico-dogmático. Pauta-se em


fontes secundárias como as normas reformadoras da CLT em
2017, a Constituição Federal, os posicionamentos doutrinários e a
jurisprudência para, à luz do princípio da norma mais favorável ao
trabalhador, afastar a eficácia do art. 59-A da CLT.

Resultados e Discussão

A jornada 12X36 representa um sistema de compensação


em que o empregado trabalha quatro horas além da jornada
legal, totalizando doze horas à disposição do empregador, para
posteriormente usufruir de um prolongado descanso de trinta e seis
horas.
Trata-se de uma forma peculiar de jornada muito explorada
em atividades de vigilância, de portaria, de segurança pessoal
ou patrimonial, de motorista profissional, bem como em serviços
médicos e de enfermagem. A carga horária extrapola o limite diário
estabelecido pela Constituição Federal (BRASIL, 1988) e também
ultrapassa as duas horas extras descritas no art. 59, caput, da CLT
para a compensação (BRASIL, 1943).

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


330 ANAIS X SIMPAC

Esse procedimento se alastra no mercado de trabalho e


devido ao número considerável de demandas ajuizadas sobre o
tema, somada à ausência de regulamentação no texto da CLT, fez
com que o Tribunal Superior do Trabalho se pronunciasse para
uniformizar as decisões e para proporcionar uma maior segurança
jurídica aos operadores do Direito. Sedimenta-se, então, a súmula
444 do TST (BRASIL, 2012) que se harmoniza à preocupação do
legislador constituinte, prevista no art. 7º, XIII (BRASIL, 1988), por
exigir interferência sindical e raridade na permissibilidade de labor
superior ao padrão de oito horas.
O posicionamento jurisprudencial desvela a jornada 12 por 36
como uma condição excepcional de trabalho suplementar. Portanto,
deve ser evitada, mas, quando eventualmente implementada, é
tolerável se prevista em lei ou pactuada por instrumento normativo
coletivamente negociado. O não atendimento dessas circunstâncias
gera ao empregador a obrigação do pagamento das horas extras.
Ainda que seja determinada em lei ou em negociação coletiva, se
o trabalho for executado em feriados, assegura-se ao obreiro o
pagamento em dobro (BRASIL, 2012). Além disso, em nenhum
momento o TST desconhece ou retira do empregado o direito ao
intervalo intrajornada de, no mínimo, uma hora previsto no artigo
71 da CLT (BRASIL, 1943).
Com a Reforma Trabalhista, advinda da Lei nº. 13.467/17,
a jornada 12X36 é normatizada no art. 59-A da CLT (BRASIL,
2017a). Todavia, o dispositivo não se coaduna com a interpretação
do TST ao preceituar que: “(...) é facultado às partes, mediante
acordo individual escrito, convenção coletiva ou acordo coletivo de
trabalho, estabelecer horário de trabalho de doze horas seguidas
por trinta e seis horas ininterruptas de descanso, observados ou
indenizados os intervalos para repouso e alimentação.” (BRASIL,
2017a, online). Com base nessa narrativa, o acordo escrito acertado
entre empregador e qualquer tipo de empregado é capaz de ajustar
a escala de 12X36 que deixa de ser considerada anormal e torna-se
apenas uma exceção à regra do sistema de compensação aventada
pelo caput do art. 59 da CLT (BRASIL, 1943). No que tange aos
intervalos para descanso, apesar de considerados, podem ser

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 331

suprimidos se indenizados. Além do mais, o parágrafo único, do


art. 59-A da CLT (BRASIL, 2017a, online), aduz que o estipêndio
das dozes horas acertadas pelo empregador, sem adicional de hora
extra, já “abrange os pagamentos devidos pelo descanso semanal
remunerado e pelo descanso em feriados”. Como se não bastasse, a
nova lei afirma: “serão considerados compensados os feriados e as
prorrogações de trabalho noturno, quando houver, de que tratam
o art. 70 e o § 5º do art. 73 desta Consolidação”. (BRASIL, 2017a,
online).
Por reconhecer a relevância e a urgência de modificação do
artigo 59-A, por colidir com os ditames do art. 7º, XIII, da Constituição
Federal (BRASIL, 1988), a Medida Provisória nº. 808/2017
(BRASIL, 2017b) determina a implementação do regime de 12X36
mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho. Entretanto,
são excluídas desse procedimento as entidades atuantes no setor da
saúde. Diante disso, um hospital tem a prerrogativa de contratar
enfermeiros em jornada 12 por 36 por mero acordo individual
escrito (CORREIA, 2018). No que concerne a ambientes insalubres,
as prorrogações de jornada, segundo o art. 60 da CLT, “só poderão
ser acordadas mediante licença prévia das autoridades competentes
em matéria de higiene do trabalho” (BRASIL, 1943, online), porém,
a Lei nº. 13.467/17 (BRASIL, 2017, online), ao inserir o parágrafo
único no citado dispositivo, assevera: “excetuam-se da exigência de
licença prévia as jornadas de doze horas de trabalho por trinta e seis
horas ininterruptas de descanso”.
Ante aos sucessivos apontamentos, questiona-se a efetividade das
recentes normas atinentes à escala 12X36. Afinal, independentemente
da inserção no ordenamento jurídico, colidem frontalmente com o
texto constitucional e paradoxalmente determinam a eliminação de
direitos indisponíveis.
Não há razoabilidade para se tolelar o cerceamento das pausas
para descanso desde que indenizadas. Inexiste ganho econômico
capaz de suplantar um bem maior que é a saúde do trabalhador. O
direito de desconexão proporciona não apenas a reabilitação física e
mental, mas também momentos de integração social e familiar.
Sob a mesma perspectiva, compreende-se a importância dos

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


332 ANAIS X SIMPAC

feriados ao admitir o estreitamento dos laços familiares, afetivos,


religiosos, além do gozo de períodos de lazer. As pausas servem
para o trabalhador ter maior liberdade para organizar seu tempo
e executar o que lhe dá sentido à vida. Portanto, quando a escala
12X36 coincidir com o feriado, o empregador deve pagar pelo dia
laborado em dobro. O período de trinta e seis horas de descanso
compensa as horas extraordinárias e o repouso semanal, mas não os
feriados (DELGADO e DELGADO, 2017).
O fato da remuneração mensal paga pelo empregador englobar
os pagamentos dos feriados e da jornada noturna é método complessivo
repudiado pelos tribunais (BRASIL, 2003). Nesse contexto, o caráter
contraprestativo das parcelas salariais inexiste, pois além de não ser
percebido pelo trabalhador não é indicado em folha de pagamento.
Inclui-se nessa mesma impropriedade, o desconhecimento do art.
59-A, §1º, quanto à imperativa “remuneração do trabalho noturno
superior à do diurno” delineada pelo art. 7º, IX, da Carta Maior
(BRASIL, 1988, online).
Cabe evidenciar que o legislador dá um tratamento
discriminatório ao trabalhador que executa suas atividades em
hospitais, clínicas, laboratórios, dentre outros empreendimentos da
área da saúde normalmente patógenos. A nova lei, ao invés de se pautar
nos princípios justificadores da existência do Direito do Trabalho e
da tutela do hipossuficiente, fragiliza ainda mais o trabalhador em
área de risco e amplia a probabilidade de acidentes de trabalho.
Nessas circunstâncias, até a averiguação do ambiente insalubre
pelas autoridades competentes torna-se desnecessária pela letra da
Lei 13.467/17 (BRASIL, 2017a). Isso desvela total contrassenso,
porque se um trabalhador com jornada prorrogada deve ter seu
local de trabalho fiscalizado pelas autoridades administrativas
competentes, não há fundamentos para não se estender tal exigência
ao trabalhador subordinado à escala de 12X36.
Enfim, as novas regras do regime 12 por 36 estão dissonância
com os direitos sociais assegurados pela Constituição Federal e não
podem ostentar efetividade. Quando existe conflito entre as fontes
normativas no Direito do Trabalho prevalece a que se melhor coadune
com o caráter teleológico justrabalhista (DELGADO e DELGADO,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 333

2017), portanto, a norma mais favorável ao trabalhador. Apenas


através de um raciocínio sistemático, lógico-racional e teleológico
torna-se possível adotar licitamente uma jornada 12X36 inibidora
dos riscos do trabalho, bem como mantenedora de todos os direitos
indisponíveis relacionados à saúde e à segurança do trabalhador.

Considerações Finais

Conclui-se pela preservação da excepcionalidade do regime


12X36 com obrigatória celebração de instrumento normativo
coletivamente negociado em qualquer serviço. A aprovação das
autoridades públicas para a prorrogação de jornada em ambientes
insalubres é inafastável seja qual for a atividade ou a escala de
jornada. Os direitos do obreiro receber em dobro os feriados laborados,
de usufruir do intervalo intrajornada, de auferir o adicional
proveniente da prorrogação do trabalho noturno são imperativos e
indisponíveis. Todos estão relacionados ao bem-estar individual e
social da classe obreira e à saúde e segurança no trabalho. Assim, o
texto constitucional, por cotejar essas prerrogativas de forma mais
favorável aos trabalhadores, sobrepõe-se ao art. 59-A da CLT.

Referências Bibliográficas

BRASIL. Consolidação das Leis do Trabalho. Brasília, 1º de maio


de 1943. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
decreto-lei/Del5452.htm>. Acesso em: 26 fev. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.


Brasília, 5 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado .htm>. Acesso em: 28
fev. 2018.

BRASIL. Lei n° 13.467, de 13 de julho de 2017a. Altera a Consolidação


das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452,
de 1º de maio de 1943, e as Leis nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974,
8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


334 ANAIS X SIMPAC

de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Disponível


em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/
l13467.htm>. Acesso em: 10 jan. 2018.

BRASIL. Medida Provisória n° 808, de 14 de novembro de 2017b.


Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo
Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Disponível em: <http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Mpv/mpv808.
htm>. Acesso em: 10 jan. 2018.

BRASIL. Súmula 444 do Tribunal Superior do Trabalho. Res.


185/2012. DEJT divulgado em 26.11.2012. Disponível em: <http://
www3.tst.jus.br/jurisprudencia/Sumulas_com_indice/Sumulas_
Ind_151_200.html#SUM-191>. Acesso em: 25 mar. 2018.
BRASIL. Súmula 91 do Tribunal Superior do Trabalho. Res.
121/2003. DJ 19, 20 e 21.11.2003. Disponível em: <http://www3.tst.
jus.br/jurisprudencia/Sumulas_com_indice/Sumulas_Ind_51_100.
html#SUM-91>. Acesso em: 23 mar. 2018.

CORREIA, H. Comentários à MP 808/2017. In: Direito do


trabalho. 11ª ed. Salvador: Juspodivm, 2018.
DELGADO, Mauricio Godinho; DELGADO, Gabriela Neves. A
reforma trabalhista no Brasil: com os comentários à Lei n.
13.467/2017. São Paulo: LTr, 2017.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 335

COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DO


CONCRETO ENDURECIDO COM E SEM SUBSTITUIÇÃO
PARCIAL DO AGREGADO MIÚDO POR CINZAS DE
BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR

Daniela Fernanda Silva1, Adonai Gomes Fineza2, Bráulia


Aparecida de Almeida Perázio Faria43

Resumo: Esta pesquisa é voltada para o estudo das propriedades


físicas do concreto endurecido, comparando o comportamento destes
índices quando substituídos partes do agregado miúdo por diferentes
teores de cinzas de bagaço de cana-de-açúcar (CBC). Moldou-se corpos
de prova com teores variando entre 20 e 70%, além de corpos de prova
sem nenhuma substituição (referência), e ensaiados duas amostras
de cada teor aos 28 dias de idade no laboratório de materiais de
construção civil da Univiçosa – FACISA. Para esta análise, realizou-
se ensaios de massa específica saturado superfície seca, absorção
de água e índice de vazios baseando-se na NBR 9778 da ABN que
normatiza estes ensaios. Após a realização dos ensaios concluiu-se
que, os valores de massa específica não diferem significativamente
entre os corpos de prova com e sem substituição parcial do agregado
sendo todos classificados como normais baseando-se em seus valores
de massa específica de ±2400 kg/m³. Os índices de vazios e absorção
estão diretamente relacionados à quantidade de água adicionados à
mistura e, como o teor de 50% necessitou de uma maior quantidade
de água para alcançar o slump test requerido, obteve também, o
maior valor destes coeficientes.

Palavras–chave: Absorção, ensaios, índice de vazios, massa


específica
1
Graduada em Engenharia Civil, especializando em Segurança do Trabalho –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA.
e-mail: dani.vhr@hotmail.com
2
Graduado em Engenharia Civil, Mestrado e Doutorado em Geotecnia –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA.
e-mail: engcivil@univicosa.com.br
3
Graduada em Matemática, Mestrado em Estatística–FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: braulia.
estatistica@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


336 ANAIS X SIMPAC

Introdução

 O concreto é o material construtivo de maior utilização em todo


mundo, com uma estimativa de consumo de 11 bilhões de toneladas
de concreto por ano, o que corresponde a um consumo médio de 1,9
tonelada de concreto para cada habitante por ano, segundo maior
material consumido no mundo, ficando atrás somente da água.
Concreto é basicamente o resultado da mistura de cimento,
água, areia e brita. Na mistura do concreto, o Cimento Portland,
juntamente com a água forma uma pasta mais ou menos fluida,
dependendo do percentual de água adicionado. Essa pasta envolve as
partículas de agregados com diversas dimensões para produzir um
material, que, nas primeiras horas, apresenta-se em um estado capaz
de ser moldado em fôrmas das mais variadas formas geométricas.
Com o tempo, a mistura endurece pela reação irreversível da água
com o cimento, adquirindo resistência mecânica capaz de torna-
lo um material de excelente desempenho estrutural, sob os mais
diversos ambientes de exposição (CIVILIZAÇÃO ENGENHEIRA,
2012).
Cerca de 95% do bagaço proveniente da extração do caldo
da cana é comumente queimado nas usinas brasileiras para
a produção de energia, resultando deste processo, um grande
volume de cinzas. Estas cinzas, por serem de difícil degradação,
são geralmente misturadas a uma borra úmida e jogadas sobre a
lavoura para adubar o solo, sendo a técnica mais difundida para o
descarte do subproduto. Quando queimados, as cinzas da maioria
dos produtos agrícolas apresentam grande potencial energético por
possuírem composição predominante de Dióxido de Silício (SiO2) e
uma pequena porcentagem de carbono.
A partir de um estudo realizado por Cordeiro (2009) que
apresenta a caracterização de uma amostra selecionada de cinza de
bagaço de cana-de-açúcar (CBC) onde, seus resultados laboratoriais
comprovaram que aproximadamente 61% do volume total das cinzas
proveniente da queima do bagaço da cana-de-açúcar é composto por
sílica, viu-se a necessidade de estudar-se de forma mais aprofundada
este resíduo, a fim de utilizá-lo como novo aliado no melhoramento

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 337

de produtos, principalmente da construção civil. É importante


ressaltar que, o estudo realizado com bagaços queimados de forma
controlada, podem diferir de forma significativa do bagaço queimado
em caldeiras pelas indústrias.
A qualidade final de uma estrutura de concreto armado
depende tanto do controle de suas propriedades no estado fresco
como no seu estado endurecido. Erroneamente, muitas vezes,
o controle tecnológico se restringe aos ensaios de resistência à
compressão simples (concreto endurecido), como se este parâmetro,
isoladamente, pudesse garantir a qualidade do concreto (GEYER,
2006). O objetivo desta pesquisa é a análise das propriedades do
concreto endurecido, absorção, índice de vazios e massa específica,
fazendo um comparativo entre concretos convencionais e concretos
com substituição parcial do agregado miúdo por CBC e verificar
se estas variáveis no traço do concreto afetam diretamente as
propriedades estudadas.

Material e Métodos

Conduziu-se esta pesquisa no Departamento de Engenharia


Civil da Univiçosa com o apoio do Laboratório de Materiais de
Construção Civil da mesma instituição, a fim de analisar as
propriedades físicas do concreto endurecido com e sem substituição
parcial do agregado miúdo por cinzas de bagaço de cana de açúcar
(CBC). Realizou-se os ensaios de Massa Específica, Absorção de
Água e Índice de Vazios, baseando-se na NBR 9778 da Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) que prescreve o modo pelo
qual deve ser executado o ensaio para determinação da absorção de
água, através de imersão, do índice de vazios e massa específica de
argamassa e concreto endurecido.
Adotou-se seis teores de substituição do agregado miúdo por
CBC: 20, 30, 40, 50, 60 e 70%, além do concreto referência (sem
substituição) a fim de analisar o comportamento das propriedades
físicas do concreto endurecido quando substituídos, partes do
agregado miúdo por cinzas de bagaço de cana de açúcar (CBC) em
diferentes teores. O traço utilizado foi 1:2:2, ou seja, para cada

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


338 ANAIS X SIMPAC

parte de cimento são adicionados duas partes de agregado miúdo e


duas partes de agregado graúdo. A relação água/cimento (a/c) para
dosagem do concreto foi estimada em 0,55 e utilizado o cimento
CPII E-32.
Com a finalidade de verificar se existe diferença significativa
entre os índices físicos nos diferentes níveis de substituição do
agregado miúdo por CBC realizou-se uma análise de variância
(ANOVA) dos dados e o teste de Tukey a um nível de 5% de
significância.

Resultados e Discussão

Realizou-se ensaios físicos de determinação das propriedades


do concreto endurecido, para verificação do comportamento destes
coeficientes quando substituídos porcentagens diferentes de
agregado miúdo por CBC. Os índices físicos descritos na norma, são
definidos através das seguintes equações:

(1)

(2)

(3)

Onde:
Msat: massa do concreto saturado superfície seca (g);
Ms: massa do agregado seco em estufa (g);
Mi: massa do concreto submerso (g);
MESSS: Massa específica saturado superfície seca (kg/m³).

Os resultados dos respectivos ensaios estão expressos na


Tabela 1 a seguir, onde foi realizado o Teste de Tukey, para análise
de variação significativa entre as médias.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 339

Tabela 1 - Resultados dos ensaios com o concreto endurecido aos


28 dias de idade
Tensão (MPa)1,2
Ensaio Referência 20% 30% 40% 50% 60% 70%
CBC CBC CBC CBC CBC CBC
Massa
Específica 2446a 2440a 2452a 2442a 2451a 2441a 2451a
(kg/m³)
Absorção
3,5bc 3,8ab 3,3cd 3,6bc 4,0a 3,1de 2,7e
(%)
Índice de
8,2bc 8,8ab 7,9cd 8,4bc 9,4a 7,2de 6,5e
Vazios (%)
1
Dados apresentados com média dos coeficientes de cada teor.
* Em uma mesma linha, dados com letras em comum, não diferem
significativamente ente si a 5% de probabilidade pelo Teste de Tukey.

A NBR 9778 classifica o concreto de acordo com a sua Massa


Específica como: leve < 2000 kg/m3, normal ± 2400kg/m3 e pesado >
3000kg/m3. A massa específica do concreto endurecido depende de
muitos fatores, principalmente da natureza dos agregados (forma
e tamanho) e do método de compactação empregado. Quanto maior
a relação água/cimento, maior a quantidade e o volume de poros
quando a água evaporar.

Conclusões

Baseando-se nos resultados dos ensaios laboratoriais descritos,


a fim de analisar o comportamento das propriedades físicas do
concreto endurecido quando substituídos, partes do agregado miúdo
por cinzas de bagaço de cana de açúcar (CBC) em diferentes teores,
pode-se concluir que:
Os valores de massa específica não diferem significativamente
entre os corpos de prova com e sem substituição parcial do agregado.
Classificam-se todos os corpos de prova como normal, de
acordo com suas massas específicas.
O traço com 50% de substituição de substituição do agregado
miúdo apresentou maior índice de vazios e absorção devido a maior
quantidade de água na mistura do traço.
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
340 ANAIS X SIMPAC

Agradecimentos

Ao técnico laboratorista Sr. José Tarcísio, por compartilhar


toda sua gama de conhecimento possibilitando a realização desta
pesquisa.

Referências Bibliográficas

CIVILIZAÇÃO ENGENHEIRA. O Concreto como material


construtivo: Da origem às novas  tecnologias. UFC.
Universidade Federal do Ceará, 2012. Disponível em: <https://
civilizacaoengenheira.wordpress.com/2012/11/07/o-concreto-como-
material-construtivo-da-origem-as-novas-tecnologias/>. Acesso em:
23 mar 2018.

CORDEIRO, G. C; FILHO, R. D. T; FAIRBAIRN, E. de M. R.


Caracterização de cinza do bagaço de cana-de-açúcar para
emprego como pozolana em materiais cimentícios. São Paulo,
vol 32, 2009.

GEYER, A. L. B; SÁ, Rodrigo Resende de. Importância do


Controle de Qualidade do Concreto no Estado Fresco. 2006.
Informativo técnico. Ed 2. 8p.

MARTINS, P, B. M. Influência da granulometria agregado


miúdo na trabalhabilidade do concreto. Feira de Santana,
2008. b

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 341

COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE


CONCRETOS CONVENCIONAIS E CONCRETOS COM
SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO AGREGADO MIÚDO POR
CINZAS DE BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR

Daniela Fernanda Silva1, Adonai Gomes Fineza2, Bráulia


Aparecida de Almeida Perázio Faria3

Resumo: As indústrias sucroalcooleiras brasileiras são responsáveis


pela produção de milhões de toneladas de bagaço de cana-de-açúcar
anualmente. Este subproduto é queimado em caldeiras para a
cogeração de energia e consequente redução do volume do sólido
(cerca de 181 milhões de toneladas por ano). Esta pesquisa é voltada
para o estudo de viabilidade da utilização das cinzas do bagaço
da cana-de-açúcar (CBC) in natura, como substituinte parcial do
agregado miúdo no concreto estrutural, de forma a promover um
descarte consciente do rejeito, sem causar impactos diretos ao meio
ambiente, visto que atualmente, estas cinzas são descartadas sem
nenhum estudo prévio de impacto ambiental. Embasando-se em
estudo anterior onde as cinzas resultantes da queima do bagaço
da cana-de-açúcar apresentaram coeficientes superiores a 60% de
Dióxido de Silício (SiO2), viu-se a possibilidade de se empregar
o rejeito no concreto, uma vez que materiais que possuem em sua
composição SiO2 têm grande potencial de atuar como agente
pozolânico. Para a verificação da eficácia desta substituição, foram
realizados ensaios de resistência à tração e compressão no laboratório
de materiais de construção civil da Univiçosa, com índices de teores
de CBC variando entre 20 e 70%. Os ensaios comprovaram que, o
volume de cinza adicionado ao concreto tem influência direta nos
1
Graduada em Engenharia Civil –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: dani.vhr@hotmail.com
2
Graduado em Engenharia Civil, Mestrado e Doutorado em Geotecnia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA.
e-mail: engcivil@univicosa.com.br
3
Graduada em Matemática, Mestrado em Estatística – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: braulia.
estatistica@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


342 ANAIS X SIMPAC

resultados de resistência à compressão e à tração, com um ganho de


aproximadamente 3MPa de resistência quando substituídos 40% e
70% do agregado miúdo por CBC.

Palavras–chave: Materiais, pozolana, resíduos, reutilização, sílica

Introdução

A utilização de resíduos de outros materiais para a produção


de novos é uma solução socioeconômica e ambientalmente viável
que promove a incorporação de recursos naturais renováveis,
poupando a retirada de novas matérias primas da natureza. Como
quase todos processos de produção, por menor que seja, gera algum
tipo de resíduo, a variedade de materiais a serem reciclados é muito
grande, abrindo um leque de novas possibilidades de incorporação
destes resíduos na produção de novos materiais, capazes de atender
à crescente demanda por tecnologia alternativa de construção. Como
o concreto é um dos materiais mais consumidos pela sociedade, a
procura por aditivos minerais que proporcionem um crescimento
sustentável e consequentemente melhorem a durabilidade e
resistência do concreto vem sendo cada vez mais necessário.
Alguns resíduos advindos da produção agrícola (fibras de coco,
cascas de arroz, bagaço de cana-de-açúcar, etc.), após sua queima,
podem trabalhar como agente aglomerante (material fino) ou
agregado miúdo (material mais granular), na preparação do concreto
ou argamassa, sendo que, sua adição pode agir em benefício ou não
do desempenho final do produto. Além das vantagens ambientais,
apresentando um destino viável ao rejeito, tal substituição pode
agregar valor econômico ao resíduo agroindustrial.
Cerca de 95% do bagaço proveniente da extração do caldo
da cana é comumente queimado nas usinas brasileiras para
a produção de energia, resultando deste processo, um grande

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 343

volume de cinzas. Estas cinzas, por serem de difícil degradação,


são geralmente misturadas a uma borra úmida e jogadas sobre a
lavoura para adubar o solo, sendo a técnica mais difundida para o
descarte do subproduto. Quando queimados, as cinzas da maioria
dos produtos agrícolas apresentam grande potencial energético por
possuírem composição predominante de Dióxido de Silício (SiO2) e
uma pequena porcentagem de carbono.
A partir de um estudo realizado por Cordeiro (2009) que
apresenta a caracterização de uma amostra selecionada de cinza de
bagaço de cana-de-açúcar (CBC) onde, seus resultados laboratoriais
comprovaram que aproximadamente 61% do volume total das cinzas
proveniente da queima do bagaço da cana-de-açúcar é composto por
sílica, viu-se a necessidade de estudar-se de forma mais aprofundada
este resíduo, a fim de utilizá-lo como novo aliado no melhoramento
de produtos, principalmente da construção civil. É importante
ressaltar que, o estudo realizado com bagaços queimados de forma
controlada, podem diferir de forma significativa do bagaço queimado
em caldeiras pelas indústrias.
Esta pesquisa é voltada para a análise das propriedades
mecânicas de concretos com e sem substituição parcial do cimento
Portland, através de ensaios de compressão axial e diametral.
Adicionou-se diferentes teores de CBC, na busca por um teor ótimo
de substituição que proporcione o máximo de ganho de resistência
possível.
Diante do exposto, torna-se importante o aprofundamento
dos estudos para a avaliação das propriedades da cinza do bagaço
da cana-de-açúcar como agente pozolânico objetivando uma futura
incorporação deste resíduo ao concreto estrutural.

Material e Métodos

Conduziu-se esta pesquisa no Departamento de Engenharia


Civil da Univiçosa com o apoio do Laboratório de Materiais de
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
344 ANAIS X SIMPAC

Construção Civil da mesma instituição, a fim de se estudar a


viabilidade de substituição do agregado miúdo por CBC. Analisou-
se o desemprenho da CBC como substituinte parcial do agregado
miúdo no concreto estrutural, através de ensaios mecânicos de
compressão axial e diametral.
Obteve-se a CBC utilizada para a realização desta pesquisa
através da queima do bagaço de cana moído, pela Usina de Jatiboca,
no município de Urucânia - MG. Realizou-se a coleta em sacos
plásticos de 15 litros, no pátio da empresa, imediatamente após a
retirada das cinzas das caldeiras. Não houve nenhum processo de
queima, armazenamento e estocagem diferente do habitual da usina,
uma vez que o objetivo principal da pesquisa é usar o rejeito com o
mínimo de intervenções especiais possíveis para que os resultados
se apliquem a qualquer CBC produzida no Brasil. Após a chegada
no laboratório, peneirou-se as cinzas, em peneira de malha #4,8 mm
para eliminar partículas que não sofreram a combustão completa
e posteriormente secou-se a amostra total do material em estufa a
uma temperatura de 100 ± 5°C por um período de 24 horas.
Estimou-se uma relação água/cimento (a/c) para dosagem
do concreto de 0,55. Moldaram-se quarenta e dois corpos-de-prova
com o cimento CPII E32, como único material cimentício, seis sem
nenhuma substituição (referência), e trinta e seis com substituição
parcial do agregado miúdo pela CBC nos níveis de 20%, 30%, 40%,
50%, 60% e 70%. Realizaram-se ensaios mecânicos, para análise do
comportamento da resistência à compressão, rompidos aos 3 dias,
7 dias e 28 dias de idade e da resistência à tração rompidos aos 28
dias de idade, para determinação da tensão máxima de ruptura.
Com a finalidade de verificar se existe diferença significativa
entre os valores de resistência alcançados nos diferentes níveis de
substituição do agregado miúdo por CBC realizou-se uma análise
de variância (ANOVA) dos dados e o teste de Tukey a um nível de
5% de significância.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 345

Resultados e Discussão

Os resultados do teste de Tukey realizado para comparação


dos diferentes valores de média da resistência à compressão axial,
nos diferentes níveis estudados estão apresentados na Tabela 1.
Tabela 1 - Resistência à Compressão Axial
Tensão (MPa)1,2
Idade 20% 30% 40% 50% 60% 70%
Referência
CBC CBC CBC CBC CBC CBC
3
11,981bcd 13,095abc 11,392d 11,752cd 13,294ab 13,470a 13,874a
Dias
7
22,870ab 22,275ab 20,901b 21,545ab 21,628ab 22,863ab 24,771a
Dias
28
34,197a 36,893a 34,046a 37,297a 33,620a 35,242a 37,350a
Dias
1
Dados apresentados com a média de resistência à compressão.
* Em uma mesma linha, dados com letras em comum, não diferem significativamente
ente si a 5% de probabilidade pelo Teste de Tukey.

A Tabela 2 apresenta o resultado do teste de Tukey realizado


para comparação dos diferentes valores de média da resistência à
tração nos diferentes níveis estudados.

Tabela 2 - Resistência à tração por Compressão Diametral


Tensão (MPa)1,2
Idade 20% 30% 40% 50% 60% 70%
CBC CBC CBC CBC CBC CBC
28
3,228a 3,326a 3,721a 3,759a 3,761a 3,533a
dias
1
Dados apresentados com a média de resistência à compressão.
* Em uma mesma linha, dados com letras em comum, não
diferem significativamente ente si a 5% de probabilidade pelo
Teste de Tukey.

Considerações Finais

Baseando-se nos resultados dos ensaios laboratoriais descritos,


com a finalidade da análise de viabilidade da substituição parcial do
agregado miúdo por cinzas de bagaço de cana-de-açúcar, pode-se
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
346 ANAIS X SIMPAC

concluir que, o rejeito substituiu de forma satisfatória o agregado


miúdo, em todos os teores adicionados.
Verificou-se que aos 28 dias de idade a compressão axial
não apresenta diferença significativa entre as médias, ou seja, o
concreto convencional ou com substituição do agregado miúdo por
CBC aos níveis de10%, 20%, 30%, 40%, 50%, 60% e 70% não diferem
significativamente com relação à compressão axial.
Os teores de 20, 40 e 70%, obtiveram uma resistência a
compressão aproximadamente 3 MPa acima concreto referência,
significando que, a substituição, além de ecologicamente viável, é
benéfica ao melhoramento da resistência.
O teor de 60% obteve maior resistência à tração dentre os
teores analisados, porém, a resistência dos outros teores não diferiu
significativamente do teor com melhor desempenho.
Como a metodologia de queima é basicamente a mesma em
todas as usinas sucroalcooleiras brasileiras, entende-se que, a
substituição pode ser realizada com o rejeito de todas elas, uma vez
que o estudo foi realizado com o subproduto bruto gerado pela usina.

Referências Bibliográficas

CORDEIRO, G. C; FILHO, R. D. T; FAIRBAIRN, E. de M. R.


Caracterização de cinza do bagaço de cana-de-açúcar para
emprego como pozolana em materiais cimentícios. São Paulo,
vol 32, 2009.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 347

DIETA LOW CARB HIGH FAT E SEUS EFEITOS NO


ESPORTE DE RESISTÊNCIA AERÓBICA
Daniel Danilo Antunes Marques1, Raquel Duarte Moreira Alves2

Resumo: A conduta nutricional de um atleta interfere diretamente em


sua composição corporal e evita a ocorrência de deficiências nutricionais
que possam interferir em seu desempenho esportivo. Nas últimas déca-
das a opinião cientifica geral apoia e recomenda as dietas com alto teor
de carboidrato e baixo teor de gordura, indicando que a mesma demostra
promoção de saúde aos indivíduos. Já as recomendações nutricionais di-
recionadas aos atletas nem sempre são seguidas pelos mesmos, como ex-
emplo os atletas de resistência que além de consumir metade do que lhes
é recomendado, realizam periódicas sessões de exercício com baixo aporte
de carboidratos. O presente trabalho teve como objetivo descrever por meio
de revisão de literatura os efeitos de uma dieta low carb high fat no esporte
de resistência. Para tal, foi realizado uma busca por publicações sobre o
assunto, nas bases de dados pertencentes à Scientific Electronic Library
Online (SCIELO); United States National Library of Medicine (PUBMED);
National Center for Biotechnology Information (NCBI) e Cochrane Library.
Os dados coletados de três estudos que se propuseram a avaliar os efeitos
de dietas de baixo carboidrato em comparação com dietas convencionais
apresentaram como resultado efeitos benéficos como a mudança favorável
na composição corporal e no perfil lipídico e lipoproteico, além da redução
do percentual de gordura e níveis de triacilglicerideos sanguíneos, apre-
sentando também um significativo aumento nos valores relativos do VO-
2máx e do VO2L2. Sendo assim o presente trabalho conclui que as estraté-
gias nutricionais para o desempenho esportivo merecem uma reapreciação
já que estudos com dietas de baixo carboidrato demonstram evidências dos
benefícios destas tanto ao rendimento nos esportes de resistência quanto
na melhora da composição corporal em indivíduos não treinados.

Palavras–chave: Baixo carboidrato, dietas cetogênica, efeitos ergogênicos,


treino de performance, treinamento de atletas

1
Graduando em Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: danieldammarques@Hotmail.com
2
Professora do curso de Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. E-mail: raqueldmalves@Hotmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


348 ANAIS X SIMPAC

Introdução
A conduta nutricional de um atleta interfere diretamente em sua
composição corporal e evita a ocorrência de deficiências nutricionais que
possam interferir em seu desempenho esportivo. Nas últimas décadas a
opinião cientifica geral apoia e recomenda as dietas com alto teor de carboi-
drato e baixo teor de gordura, indicando que a mesma demostra promoção
de saúde aos indivíduos. Porém, nos últimos anos um grupo de cientistas,
profissionais e até o público em geral se propuseram a estudar e explorar
a eficácia das dietas com baixo teor de carboidratos.
Segundo Baranauskas et al. (2012), corredores de distancia tem
ignorado as recomendações da Academia de Nutrição e Dietética America-
na (6 a 10 g de carboidratos por kg de massa corporal ao dia), realizando o
consumo de uma média de 4 a 6 g de carboidratos por kg de peso por dia.
O principal recurso que justifica as estratégias nutricionais com
baixo teor de carboidrato e alto teor de gordura para atletas de resistência
é à mudança na utilização de combustível, de um modelo centrado em car-
boidratos para um que utiliza predominantemente de gordura, das quais
os estoques são ilimitados em relação aos carboidratos na forma de glico-
gênio muscular. Essa mudança metabólica, observada após um período de
alteração na dieta, é frequentemente referida como “ceto-adaptação”, que
vem sendo bem documentada em estudos desde a década de 1980 (PHIN-
NEY, 2004).
Diante do exposto e considerando a série de estudos clínicos que
revelam os efeitos benéficos das dietas de baixo teor de carboidrato, o pre-
sente trabalho se propõe a revisar a literatura para avaliar os efeitos das
dietas de baixo teor de carboidratos e elevado teor de gorduras alimentares
no desempenho dos esportes de resistência aeróbica.

Material e Métodos
Trata-se de uma revisão bibliográfica narrativa, com caráter des-
critivo e exploratório. Para sua execução, foi realizada a busca por ensaios
clínicos randomizados e meta-análise nas bases de dados pertencentes à
Scientific Electronic Library Online (SCIELO); US National library of me-
dicine (PUBMED); National center for biotechnology information (NCBI) e
Cochrane library. Os descritores, em inglês, utilizados foram: Carbohydra-
te, Ergogenic effects, Exercise, Meta-analysis, Systematic review; carbohy-
drate; performance training; trained athletes; lipid oxidation.
Incluiu-se publicações com a temática referente a dietas de baixo

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 349

teor de carboidrato e alto teor de gordura assim como os efeitos da mesma


sobre o desempenho de atletas, em língua portuguesa, inglesa e espanhola,
independente da data de publicação. Foram avaliados trabalhos originais
com ensaios controlados randomizados, com seres humanos, bem como me-
ta-análises. As referências bibliográficas dos estudos incluídos foram ava-
liadas para buscar outros estudos. Não foram incluídas publicações com
limitações que comprometam a credibilidade dos resultados apresentados.

Resultados e Discussão
Embora a literatura em torno dos efeitos de uma dieta cetogêni-
ca sobre o desempenho não seja extensiva, alguns estudos avaliaram a
relação de uma dieta cetogênica no desempenho de endurance. Como ex-
emplo, Brown et al. (2012) e Zaiac et al. (2014), conduziram estudos que
objetivavam determinar os efeitos de uma dieta cetogênica no desempenho
aeróbico, composição corporal e perfil lipídico em indivíduos treinados e
não treinados.
O estudo de Brown et al (2012) consistiu em 19 adultos aparente-
mente saudáveis ​​que foram aleatoriamente designados para seguir uma
dieta com pouco carboidrato ou as diretrizes do USDA para os americanos,
que incluíam o consumo de 45-65% de carboidratos, 10-35% de proteína e
20-35% de gordura. Todos os participantes foram instruídos a realizar 30
minutos de caminhada rápida a 55-65% da frequência cardíaca máxima
em três dias não consecutivos por semana durante sete semanas.
Os resultados indicam que aqueles que seguiram a dieta pobre
em carboidratos apresentaram reduções significativas na massa corpo-
ral, massa gorda, percentual de gordura corporal, níveis de triglicerídeos
no sangue e consumo calórico em comparação com o grupo de diretrizes
do USDA. Além disso, ambos os grupos completaram todas as sessões de
exercício sem efeitos adversos relatados por nenhum dos grupos (BROWN
et al, 2012).
Já o estudo de Zaiac, et al (2014) comparou os efeitos de uma dieta
cetogênica a longo prazo sobre o metabolismo do exercício e o desempenho
físico em oito ciclistas do sexo masculino em delineamento em Cross-over.
Para tal, em uma fase de teste de três dias que foi precedida por 4 semanas
de uma dieta cetogênica e na outra uma dieta ocidental padrão era con-
sumida. O desempenho foi medido através de um teste de cicloergômetro
para determinar o consumo máximo de oxigénio (VO2max) e o nível de
limiar de lactato (VO2L2) após cada protocolo de dieta. Os resultados

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


350 ANAIS X SIMPAC

mostraram uma mudança favorável na massa corporal, composição corpo-


ral e perfil lipídico e lipoproteico aumento significativo nos valores relati-
vos do VO2máx e do VO2L2 após a fase da dieta cetogênica. Além disso,
menor atividade de repouso e exercício de creatina quinase plasmática e
lactato desidrogenase foi observada durante a fase da dieta cetogênica, o
que pode contribuir para a redução do dano muscular pós-exercício.
Portanto, os autores sugeriram que dietas cetogênica de longa duração po-
dem ser favoráveis ​​para atletas de resistência aeróbia, com base na redu-
ção da massa corporal e do conteúdo de gordura, bem como na diminuição
do dano muscular pós-exercício (ZAIAC et al, 2014).
Segundo Paoli et al (2013), vários estudos analisaram os efeitos
físicos da dieta de baixo teor de carboidrato e alto teor de gordura no corpo,
a curto e a longo prazo, tanto durante o treinamento de resistência quanto
na ausência de qualquer treinamento. Como resultados destes Jabekk et
al (2010), revelou que após dez semanas de treinamento resistido hou-
ve redução da gordura corporal (-5,6 ± 2,9kg de gordura) sem diminuir o
LBM, enquanto o treinamento de resistência e uma dieta regular aumen-
taram o LBM (+ 1,6 ± 1,8kg de LBM) sem diminuir a gordura corporal em
mulheres com excesso de peso.
Helms et al (2014), afirma que os triglicérides intramusculares se
tornam uma fonte sustentável de combustível durante o treinamento, o
que atenua a oxidação de carboidratos e resulta em uma alteração meta-
bólica que gera a redução da glicogenólise muscular, da oxidação de car-
boidratos e aumenta a utilização de ácidos graxos livres durante o treina-
mento. Demonstrando-se assim que é um equívoco dizer que as dietas de
baixo teor de carboidrato sejam prejudiciais ao desempenho em esportes
de resistência.

Considerações Finais
A partir dos estudos apresentados, verificou-se que dietas de baixo
teor de carboidratos e alto teor de gorduras demostraram efeitos benéficos
como a mudança da composição corporal com redução de massa gorda e
manutenção ou aumento de massa magra, melhoria do perfil lipídico san-
guíneo com redução da concentração de triacilgliceróis e um aumento nos
valores relativos do VO2máx e do limiar de lactato.
Diante do exposto, considerando os efeitos benéficos apresentados
pelas dietas de baixo carboidrato, o presente trabalho sugere que as estra-
tégias nutricionais para o desempenho esportivo merecem reapreciação.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 351

Referências Bibliográficas

BARANAUSKAS, M.; STUKAS, R.; TUBELIS, L.; ZAGMINAS, K.; SUR-


KIENE, G.; SVEDAS, E.; ROLANDES, G. V. Nutritional habits among
high-performance endurance athletes. Medicina. 2012.

BROWN, G. A; SWENDENER, A. M.; SHAW, B. S.; SHAW, I. Compari-


son of anthropometric and metabolic responses to a short-term carbohy-
drate-restricted diet and exercise versus a traditional diet and exercise.
African Journal for Physical Health Education, Recreation &
Dance. 2010.

HELMS E. R; ARAGON, A. - A.; FITSCHEN, P. J.; Evidence-based recom-


mendations for natural bodybuilding contest preparation: Nutrition and
supplementation. Journal of the International Society of Sports Nu-
trition. 2014.

JABEKK, P. T; MOE, I. A.; MEEN, H. D.; TOMTEN, S. E.; HOSTMARK,


A. T. Resistance training in overweight women on a ketogenic diet con-
served lean body mass while reducing body fat. Nutrition & Metabolism
(Lond). 2010.

PHINNEY, S. D. Ketogenic diets and physical performance. Nutrition &


Metabolism. 2004.

ZAJAC, A; POPRZECKI S; MASZCZYK, A; CZUBA, M; MICHALCZYK,


M; ZYDECKZ, G. The effects of a ketogenic diet on exercise me-
tabolism and physical performance in off-road cyclists. Nutrients.
2014;6(7):2493–2508.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


352 ANAIS X SIMPAC

OPINIÃO DE DESPORTISTAS SOBRE O PADRÃO


ALIMENTAR LOW CARB E JEJUM INTERMITENTE

Ariana Mussulin Benedito1, Daniel Danilo Antunes Marques2,


Raquel Duarte Moreira Alves3

Resumo: Um padrão dietético em destaque hoje é o “Low Carb”, que


prioriza a restrição do consumo do carboidrato, e cujas evidências
mostram que levam a redução do hormônio insulina que apresenta
elevado efeito adipogênico. Objetivo deste estudo foi identificar a
opinião de desportistas sobre o padrão alimentar “Low Carb” e jejum
intermitente para redução de peso e de gordura corporal. Trata-se
de um estudo transversal cuja amostra se deu por conveniência em
duas academias de Viçosa (MG) e incluiu desportistas de ambos os
gêneros. Os voluntários responderam, de maneira auto aplicada, um
questionário semiestruturado. O estudo foi aprovado pelo Comitê de
Ética (2.193.782/2017-1). Foram incluídos 21 homens e 24 mulheres
com idade média de 30,7 ± 9,8 anos. A maioria julgou que uma dieta
hipolipídica fosse mais eficiente na redução do percentual de gordura
corporal do que a “Low Carb”, embora acreditassem que a “Low
Carb” também seja eficiente na promoção da perda e manutenção de
peso e que esse padrão alimentar também não é prejudicial à saúde.
Embora desportistas apresentaram receio quanto ao baixo consumo
de carboidrato e maior consumo de gordura, um bom número deles
teve preferência, em termos de sabor, por um desjejum, almoço/
jantar e lanche por uma combinação “Low Carb” e acreditavam que
um desjejum e almoço neste padrão possa trazer mais saciedade.
Conclui-se que grande parte dos desportistas desconhecem os
benefícios do padrão alimentar Low Carb e Jejum intermitente.

Palavras–chave: Atividade física, baixo carboidrato, composição


corporal, jejum intermitente, musculação.
1
Graduanda em Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: arianamussulin@gmaill.com;
2
Graduando em Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: danieldamarques@hotmail.com;
3
Orientadora do Curso de Nutrição – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: raqueldmalves@hotmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 353

Introdução

A crescente epidemia de obesidade mundial cria a


necessidade de novas estratégias nutricionais para seu combate.
Um padrão dietético que recebe hoje destaque na mídia social e em
comunidades científicas é o “Low Carb”, que prioriza a restrição
do consumo do carboidrato, e cujas evidências mostram que levam
a redução da concentração sanguínea do hormônio insulina que
apresenta elevado efeito adipogênico (MCKENZIE et al, 2017).
A Associação Americana de Diabetes (ADA), em diretrizes de
2013, descreve que existem evidências científicas de que o padrão
“Low Carb”, contendo no máximo 40% do VCT em carboidratos,
promove redução da glicemia, da insulinemia, bem como da
resistência à insulina e melhora no perfil lipídico sanguíneo, com
redução dos triglicerídeos e colesterol total e elevação do HDL. Tem
sido verificado que alguns praticantes da dieta “Low Carb” também
são adeptos a um outro padrão de alimentação denominado Jejum
Intermitente. Muitos profissionais de saúde julgam esta prática
como “absurdas” uma vez que é comum a recomendação de que se
ingira algum alimento a cada 3 horas, porém essa recomendação
não é baseada em evidência sendo infundada.
Por outro lado, ainda há o questionamento se “Low Carb” e
jejum intermitente promove redução de massa magra ao invés de
gordura corporal. Assim, alguns desportistas ficam receosos quanto
a prática deste tipo de dieta. Todavia, alguns trabalhos científicos
apresentam resultados positivos para a manutenção da massa
corporal magra (MEIRELLES E GOMES, 2016). Assim o objetivo
do presente estudo foi identificar a opinião de desportistas sobre o
padrão alimentar “Low “Carb” e jejum intermitente para redução
de peso e de gordura corporal.
.
Material e Métodos

Trata-se de um estudo transversal descritivo realizado com


desportistas que frequentavam duas academias na cidade de Viçosa,
MG. Todos os indivíduos matriculados foram convidados a participar

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


354 ANAIS X SIMPAC

do estudo, quando chegavam ou saiam de seus treinos. Assim, a


amostra do estudo se deu por conveniência sendo constituída por
homens e mulheres adultos, sem distinção de tipo de atividade
realizada. Não foram incluídas gestantes e nutrizes.
Os desportistas responderam, de maneira auto aplicada,
a um questionário semiestruturado sobre os conhecimentos dos
mesmos sobre padrões alimentares “Low Carb” e jejum intermitente
para emagrecimento e boa forma. A primeira parte do questionário
consistiu em imagens de refeições (desjejum, lanches, almoço/
jantar) com padrão “Low Carb” (hipoglicídico e hiperlipidico) e como
padrão tradicional (hipocalórico e hipolipídico), seguida de questões
referentes a preferência alimentar, a ser o padrão usualmente
adotado, a ser mais palatável e saudável e a promover maior perda
de peso e de gordura corporal. Já a segunda parte do questionário
abordou perguntas semi-estruturadas para avaliar o conhecimento
dos desportistas sobre o benefício e malefícios de realizar uma dieta
“Low Carb” ou uma dieta hipolipídica ou o jejum intermitente no
contexto da saúde e prática de exercício físico.
O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética (2.193.782/2017-
1) e os participantes assinaram o Temo de Consentimento. Para a
estatística aplicou-se teste T e seu respectivo teste não paramétrico.
O teste exato de Fisher foi aplicado para avaliar diferenças na
frequência entre classes. Adotou-se p<0,05 para significância
estatística.

Resultados e Discussão

A amostra do estudo foi composta por 45 voluntários com


idade entre 21 e 59 anos, sendo 21 do sexo masculino e 24 do sexo
feminino, sem haver diferença entre os gêneros (p>0,05).
Observou-se que 48,9% (n=22) dos indivíduos respondeu que
o padrão “Low Carb” ajuda na perda e manutenção de peso, 35,5%
(n=16) não souberam responder e outros 4,5% (n=2) disseram este
padrão levaria ao ganho de peso. 11,1% (n=5) disseram que a perda
de peso promovida pela “Low Carb” é devido a redução da massa
magra. Subsequentemente, foram questionados se a realização da

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 355

“Low Carb” junto a musculação poderia ou não favorecer o ganho de


massa muscular e 60% (n=27) responderam que sim. É importante
ressaltar que 17,8% (n=8) no momento do estudo eram adeptos ao
padrão “Low Carb”, por isso, parte deles compreendiam que essa
dieta pode promover redução da gordura sem prejuízo da massa
muscular.
Quanto achar que a dieta “Low Carb” é prejudicial à saúde,
60% (n=28) acham que não e 37,8% (n=17) acham que sim. Quando
questionados se fariam a dieta, 48,9% (n=22) dissessem que sim
se tiverem certos de que não é prejudicial à saúde ao passo que
15,5% (n=7) não fariam pois não acreditam em benefícios desta
dieta e 17,8 (n=8) não fariam por não estarem dispostos a mudar
o hábito alimentar. Um estudo com duração de 3,6 anos e 2044
participantes, verificou que “Low Carb” esteve associada a redução
do risco de síndrome metabólica ao relacionar à redução do peso
corporal, da glicemia de jejum, de triglicerídeos e da pressão arterial
(MIRMIRAN et al, 2017).
Fotografias contendo imagens de refeições no padrão
hipolipídico e no padrão “Low Carb” foram apresentadas aos
desportistas para avaliar o que pensavam sobre aquelas refeições
nos aspectos relacionados ao sabor, saciedade, hábito alimentar e
saúde. Em relação a qual refeição agradava mais o paladar, para o
desjejum e o almoço/ jantar a maioria escolheu a refeição hipolipídica,
mas para o lanche pequeno foi à refeição “Low Carb”. Já a refeição
que deixaria-os mais tempo saciados, a maioria escolheu o desjejum
e almoço/ jantar hipolipídico e o lanche pequeno “Low Carb”. Quanto
o hábito alimentar e rotina dos participantes a maioria escolheram
o desjejum e almoço/ jantar hipolipídico e o lanche pequeno “Low
Carb”. Quanto a ser mais saudável, a maioria escolheu o desjejum
e o lanche pequeno “Low Carb” e o almoço/ jantar hipolipídico. A
refeição que os indivíduos achavam que melhoria o percentual de
gordura a maioria escolheu as três refeições hipolipídica.
Grande parte dos voluntários (86,6%; n=39) acreditava que
é saudável comer de 3 em 3 horas ao passo que somente 9% (n=4)
relatou que se deve comer somente quando a fome se apresenta e
4,4% (n=2) acreditava que se deve fazer jejum em algum horário do

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


356 ANAIS X SIMPAC

dia e nos demais horários comer somente quando a fome aparecer.


Assim, questionou-se se os mesmos praticavam o jejum intermitente
e 40% (n=18) não o faziam e nem mesmo tentariam essa estratégia
por não estarem dispostos a mudar o hábito alimentar, 26,6% (n=12)
não faziam e não o fariam mesmo que lhe dissessem que não é
prejudicial à saúde por não acreditarem que possa ter benéfico. Por
outro lado, 24,5% (n=11), embora não praticassem o jejum disseram
que o faria se lhe dissesse que não é prejudicial à saúde e 8,9% (n=
4) que já faziam o jejum há algum tempo. Estudo observacional em
praticantes do jejum de Ramadan foi relatado redução da glicemia,
insulinemia e da pressão arterial (SALEH et al., 2005).
Questionou-se sobre os hábitos de alimentar antes e após
o treino. Foi elevado o percentual de indivíduos que sempre se
alimentavam antes (68,9%; n=31) e também imediatamente
após (75,5%; n=34) os treinos. Estes elevados vão de encontro ao
elevado número de voluntários que achavam essencial comer antes
de praticar o exercício físico (84,5%; n=38) para ter energia para
executá-lo (71%; n=27) ou para evitar mal-estar (18%; n=7). Dentre
aqueles 15,5% (n=7) que disseram que não é necessário se alimentar
antes do treino, 42,8%(n=3) achavam que se deve comer quando
estiver com fome, 28,6% (n=2) que se alimentando eles sentem
descontos durante o treino. Quanto à questão se alimentar após
o treino, 86,7% (n=39) disseram ser uma prática essencial, sendo
que a maior parte (69,2%; n=27) acreditavam que essa prática é
importante para reposição energia e nutrientes e 17,9% (n=7)
acreditavam ser importante para a hipertrofia muscular. Dentre
aqueles que achavam que não se devem alimentar após o treino
(13,3%; n=6), 66,6% (n=4) disseram que se deve comer somente
quando sentimos fome.
A maioria (68,9%; n=31) dos voluntários possuíam a crença
de que realizar exercício em jejum pode até levar a redução de
peso com perda de massa muscular, ao passo que 31,1% (n=14)
responderam o exercício em jejum auxilia no emagrecimento
com redução da gordura corporal. Em relação ao ganho de massa
muscular, 71,1% (n=32) dos voluntários acreditavam que a prática
do jejum intermitente é incompatível com tal objetivo ao passo

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 357

que 15,6% (n=7) creem ser possível principalmente dependo da


dieta e do exercício realizado (13,3%; n=6). Trabalhos científicos
recentes apresentam evidências de que é possível realizar jejum de
algumas horas e apresentar manutenção da massa corporal magra
(MEIRELLES E GOMES, 2016). Ademais, as diretrizes especiais
para atletas e desportistas do American College of Sports Medicine
(2016), colocam em discussão o padrão alimentar “Low Carb” e
Jejum intermitente, e trazem informações de que já existem estudos
indicando que esses padrões não são prejudiciais à saúde e que
não parecem afetar negativamente o desempenho dos desportistas
(ACSM, 2016).

Considerações Finais

A maioria dos desportistas do presente estudo julgou que


uma dieta hipolipídica fosse mais eficiente na redução da gordura
corporal do que a “Low Carb”, embora acreditassem que a “Low
Carb” também seja eficiente na perda e manutenção de peso e que
esse padrão também não é prejudicial à saúde. Embora desportistas
apresentaram receio quanto ao baixo consumo de carboidrato e
maior consumo de gordura, um bom número deles teve preferência,
em termos de sabor, por um desjejum, almoço/jantar e lanche por
uma combinação “Low Carb” e acreditavam que um desjejum e
almoço neste padrão possa trazer mais saciedade. Grande parte dos
desportistas ainda não conheciam a “Low Carb” e jejum intermitente.
Os benefícios dos padrões Low Carb e Jejum Intermitente precisam
de mais difundidos pelos profissionais de saúde como estratégias
benéficas e viáveis.

Referências Bibliográficas

AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE et al. Academy


of Nutrition and Dietetics, Dietitians of Canada. Position stand.
Nutrition and athletic performance.  Medicine and Science in
Sports and Exercise. 2016.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


358 ANAIS X SIMPAC

AMERICAN DIABETES ASSCIATION. “Standards of Medical


Care in Diabetes.” Diabetes Care. 2013.

MCKENZIE, A. L. et al. A Novel Intervention Including


Individualized Nutritional Recommendations Reduces Hemoglobin
A1c Level, Medication Use, and Weight in Type 2 Diabetes. Journal
of Medical Internet Research. 2017.

MEIRELLES, C; GOMES, P. S. C. Effects of Short-Term


Carbohydrate Restrictive and Conventional Hypoenergetic Diets
and Resistance Training on Strength Gains and Muscle Thickness. 
Journal of Sports Science & Medicine. 2016.

MIRMIRAN, P. et al. Low carbohydrate diet is associated


with reduced risk of metabolic syndrome in Tehranian adults.
International Journal of Food Sciences and Nutrition.
2007. Vol. 68 , Iss. 3.

SALEH, S. A. et al. Effects of Ramadan fasting on waist


circumference, blood pressure, lipid profile, and blood sugar on a
sample of healthy Kuwaiti men and women. Malaysian Journal
Nutrition. 2005.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 359

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UM SOLO


RESIDUAL DE GNAISSE MADURO ESTABILIZADO COM
LAMA DE CAL

Danilo Segall Cesar1, Yann Freire Marques Costa2,


Eduardo Souza Candido3

Resumo: A estabilização de solos é o procedimento que visa a


melhoria e estabilidade das propriedades dos solos (resistência,
deformabilidade, permeabilidade, etc. A escolha por um tipo de
estabilização é influenciada pelo custo, sustentabilidade, finalidade
da obra, e em particular, pelas características dos materiais e
propriedades do solo que devem ser corrigidas. A presente pesquisa
experimental visou dar continuidade aos estudos recentemente
iniciados na UNIVIÇOSA, onde foi avaliada a aplicação dos resíduos
da indústria de papel e celulose na estabilização química de solos
da região de Viçosa. Foram realizados ensaios de granulometria,
limite de liquidez, limite de plasticidade e índice de plasticidade,
do solo em seu estado natural e estabilizado com diferentes teores de
lama de cal. O comportamento do solo se altera de acordo com o teor
de lama de cal adicionado a ele, porém, na determinação do limite
de plasticidade os valores pouco se alteraram na medida em que a
lama de cal foi adicionada. Na determinação dos limites de liquidez,
observou-se que o menor valor se deu para uma adição de 15%.
Portanto, neste ponto tem o menor valor do índice de plasticidade,
com isso, uma menor deformabilidade da mistura solo-lama de cal.

Palavras–chave: Caracterização geotécnica, celulose,


melhoramento, rejeito.

1
Graduado em Engenharia Civil –FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: danilosegall@hotmail.com;
2
Graduado em Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: yann-marques@hotmail.com;
3
Professor do curso de Engenharia Civil – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: eduardo.candido@outlook.
com.br.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


360 ANAIS X SIMPAC

Introdução

No campo, quando o profissional encontra um solo de má


qualidade para o tipo de empreendimento a ser estabelecido,
são necessários mecanismos para a melhoria deste material,
melhorando os seus aspectos físicos (aumento de resistência
mecânica, permeabilidade, coesão) e químicos (Correção de pH). O
melhoramento e a estabilização do solo são empregados em diversas
obras de engenharia, como em base e sub-bases para pavimentos,
aterros, taludes e fundações (GUIMARÃES, 2002).
Atualmente, vários estudos estão sendo realizados com o
objetivo de encontrar aplicações para os rejeitos industriais, a fim
de amenizar o impacto ambiental causado pelo o seu descarte e
reduzindo os custos de produção, uma vez que um descarte regular
demanda local e transporte adequado para sua deposição, por
consequência elevando os custos do processo industrial.
Classificando os solos, tem-se os solos finos, que normalmente
apresentam baixo valor de ângulo de atrito, elevada deformabilidade
e baixa permeabilidade. Uma das alternativas de estabilização
química deste tipo de solo é a utilização da lama de cal, subproduto
da indústria de papel e celulose, obtida normalmente pelo processo
kraft – ciclo de recuperação química em seu processo de fabricação.
Portanto, o crescente uso da lama de cal na construção civil
é visto com bons olhos por alguns ambientalistas e profissionais
da área, já que pode ser um material importante na estabilização
de solos a fim de melhorar suas propriedades. Sendo assim, as
indústrias de papel e celulose vêm incentivando pesquisas a fim do
reaproveitamento de seus resíduos gerados durante o seu processo
produtivo, tais como a lama de cal, dregs e grits.
Objetivou-se através do presente estudo, avaliar a variação
dos limites de Atterberg em um solo fino estabilizado com diferentes
teores de lama de cal, analisando a caracterização geotécnica
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 361

(granulometria, limite de liquidez, limite de plasticidade e índice de


plasticidade) do solo fino em seu estado natural e estabilizado com
a lama de cal.

Materiais e Métodos

Foi utilizado um solo fino localizado nas proximidades da


Estação de Tratamento de Água (ETA) da Universidade Federal
de Viçosa (UFV), solo conhecido popularmente com “solo ETA”. O
solo ETA foi escolhido por ser um solo muito estudado na região de
Viçosa e por apresentar características importantes para avaliar as
reações envolvendo a lama de cal e os argilominerais presentes no
solo.
O solo foi colocado em uma superfície limpa para secagem
ao ar, sendo homogeneizada periodicamente. Em seguida, o solo
foi destorroado e peneirado na peneira de malha 4,8 mm. Após a
secagem ao ar, as amostras foram novamente acondicionadas em
embalagens plásticas.
A lama de cal utilizada foi cedida pela FIBRIA, uma empresa
brasileira, líder mundial na produção de celulose branqueada de
eucalipto.
Os ensaios descritos a seguir foram realizados a partir da
mistura solo-lama de cal em diferentes dosagens, sendo: 0%, 5%,
10%, 15%, 20% e 30% de lama de cal em relação à massa seca do
ETA.
A caracterização geotécnica será composta pelos seguintes
ensaios:
• Ensaio de Granulometria, segundo a metodologia
descrita pela ABNT NBR 7181: 1984;
• Ensaio para Determinação dos Limites de Atterberg:
Limites de Liquidez (ABNT NBR 6459: 1984) e
Plasticidade (ABNT NBR 7180: 1984);
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
362 ANAIS X SIMPAC

Resultados e Discussão

A análise granulométrica do solo apresentou-se fração argila


elevada considerando-se as outras frações granulométricas, sendo
classificado de acordo com o Sistema Unificado de Classificação dos
Solos (SUCS), como um material do tipo CH (argila inorgânica de
alta compressibilidade) e a curva granulométrica do solo residual de
gnaisse maduro, composto por 61% de argila, 14,5% de silte e 24,5%
de areia.
Com a realização dos ensaios de Limites de Atterberg, foi obtido
uma série de resultados distintos, referente a cada teor de lama
de cal presente nas amostras analisadas. Como base nos valores
dos indicies encontrados foi possível montar gráficos referentes aos
ensaios realizados.
O Gráfico 1 apresenta a curva dos limites de liquidez para
as diferentes porcentagens de lama de cal na amostra de solo.
Analisando estes valores, observou-se que a adição do resíduo,
assim como a adição ou a elevação do teor de cal, conduzem a uma
diminuição do limite de liquidez, até certo ponto.
Como pode-se observar na curva, com a adição de teores do
rejeito, o solo passa a apresentar um menor teor de umidade, no
entanto, a partir de uma certa quantidade de lama de cal, isso já
não mais ocorre; pois passa a predominar apenas o comportamento
da lama de cal e não mais da mistura.
O teor ideal de lama de cal foi estimado como sendo o ponto mais
baixo da curva do gráfico na Figura 1(a), na qual a mistura de solo
com a lama de cal de 15% é a que mais se aproxima do menor teor
de umidade. Pode-se observar na Figura 1(b), que a adição de teor
de rejeito, o solo passa a apresentar uma pequena diminuição na
porcentagem do limite de plasticidade não tendo variações grande
na sua porcentagem a medida que o teor de lama de cal aumenta na
mistura da amostra.
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 363

(a) (b)
Figura 1 – (a) Gráfico da reação do Limite de Liquidez para
a variação do teor de lama de cal no solo. (b) Gráfico da reação do
Limite de Plasticidade para a variação do teor de lama de cal no
solo.

Como o índice de plasticidade é resultado da subtração entre


o limite de liquides e o limite de plasticidade, e mesmo com os
diferentes teores de lama de cal nas misturas das amostras de solo,
o limite de plasticidade não mostrou nenhuma grande variação com
isso o índice de plasticidade ficou em função do limite de liquidez.
Sendo assim os índices de plasticidades observados resultaram
em uma curva, com a adição dos teores do rejeito, o solo passou a
apresentar um menor índice, no entanto, a partir da mistura de
15% de lama de cal no solo o índice não diminui mais e a partir
desta porcentagem voltou a aumentar (Figura 2).
Entretanto mesmo com a diminuição do índice de plasticidade
quando acrescentado uma porcentagem entorno de 15% de lama de
cal ao solo, a característica da amostra se mantem sendo um solo
muito plástico.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


364 ANAIS X SIMPAC

Figura 2 – Gráfico da reação do Índice de Plasticidade para a


variação do teor de lama de cal no solo.

Considerações Finais

Algumas conclusões foram obtidas a partir dos resultados


alcançados nos ensaios realizados com amostras do solo natural e
com diferentes porcentagens de lama de cal acrescentadas.
Pode-se observar que o comportamento do solo altera de acordo
com o teor de lama de cal adicionado a ele. Isso torna-se evidente ao
observar os resultados dos ensaios de limite de liquidez e de limite
de plasticidade. Contudo, o solo passa a ter um comportamento
contrário a partir da porcentagem ótima de mistura de lama de cal,
sendo assim, as propriedades predominantes da mistura passam a
ser basicamente as da lama de cal.
Na determinação do limite de plasticidade observa-se que os
valores pouco se alteraram na medida em que a lama de cal foi
adicionada, no entanto, nos ensaios para determinar os limites de
liquidez, observou-se que o menor valor se deu para uma adição
de 15%. Portanto, neste ponto se tem o menor valor do índice de
plasticidade. Indicando assim, que para o teor de 15% tem-se uma
menor deformabilidade da mistura solo-lama de cal.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 365

Referências Bibliográficas

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT).


NBR 6459: Solo – Determinação do limite de liquidez. Rio de
Janeiro, 1984.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT).


NBR 7180: Solo – Determinação do limite de plasticidade.
Rio de Janeiro, 1984.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT).


NBR 7181: Análise Granulométrica de Solos. Rio de Janeiro,
1986.

GUIMARÃES, J. E. P. A Cal. Fundamentos e Aplicações na


Engenharia Civil. 2. Ed. São Paulo: Pini, 2002.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


366 ANAIS X SIMPAC

A LUDICIDADE NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA


COM SÍNDROME DE DOWN

David Martins Campos1, Maíla Rodrigues Teixeira2, Adriano de


Souza Alves3, Lidiana Pires4

Resumo: A Síndrome de Down (SD) é uma alteração genética do


cromossomo 21, tendo incidência de 1 caso a cada 750 nascidos vivos.
A educação de uma criança com SD pode vir a ser uma atividade
complexa, sendo necessário um trabalho diferenciado. Atividades
lúdicas permitem ao indivíduo aprender habilidades importantes do seu
cotidiano de maneira eficaz e divertida. Desta forma, foram realizados
nove encontros em uma turma da Associação de Pais e Amigos dos
Excepcionais (APAE) de Viçosa- MG, sendo colocado em foco neste
trabalho o desenvolvimento de um aluno com SD do sexo masculino, 10
anos de idade com dificuldade de comunicação e aprendizagem. Essas
atividades eram lúdicas e compostas por conhecimentos necessários
para o cotidiano, sendo utilizada a massinha de modelar composta por
seis tipos de cores diferentes (amarelo, vermelho, azul, verde, branco,
rosa) até a quarta semana e da quinta semana a nona foi focado com
os alunos o aprendizado da forma geométricas “circulo”. O individuo
com SD se destacou por seu desenvolvimento ao longo dos encontros,
demonstrando melhorias em sua comunicação e aprendizado. Conclui-
se que a ludicidade do trabalho e sua repetição como forma de aumentar
as chances de abstração do que era ensinado ao longo dos encontros
semanais contribuiu para o desenvolvimento da comunicação e
aprendizado do indivíduo com SD.

Palavras–chave: Aprendizado, APAE, comunicação, massinha,


circulo
1
Graduando em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: davidmartinscampos@gmail.com
2
Graduanda em Psicologia – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: ma.ilarodrigues21@gmail.com
3
Psicólogo. Mestre em Biologia Animal pela Universidade Federal de Viçosa –MG. Docente no de curso
de psicologia da FAVIÇOSA/ UNIVIÇOSA. e-mail: adrianounivicosa@hotmail.com
4
Psicóloga. Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Inclusiva, Especial e Políticas de Inclusão.
e-mail:lidi22pires@hotmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 367

Introdução

A Síndrome de Down (SD) caracteriza-se pela ocorrência de


uma desordem cromossômica, associada à trissomia do cromossomo
21. Havendo também casos raros onde ela pode ser originada por
mosaicismo somático ou pela translocação deste cromossomo. É uma
das alterações genéticas cromossômicas mais conhecidas, sendo
observada pela primeira vez pelo médico britânico John Langdon
Haydon Down no ano de 1866. Tendo incidência em torno de 1 caso
a cada 750 nascidos vivos (FERRAZ et al, 2010).
A educação da criança com SD é uma atividade complexa,
porém as habilidades intelectuais e as sociais destas são
maximizadas quando elas são criadas em um ambiente de apoio,
com estimulação adequada, sendo o lúdico um ótimo mediador para
a conquista destas habilidades (DAMASCENO et al, 2017). Neste
contexto, discentes do curso de psicologia acompanharam uma
turma de alunos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais
(APAE), com o intuito de promover o desenvolvimento cognitivo das
crianças, o aspecto social e o interacional, utilizando-se do lúdico
como uma ferramenta de educação capaz de facilitar a motivação e
o aprender de qualquer criança sem exceção. O objetivo é relatar a
utilização de atividades lúdicas para um melhor desenvolvimento
de uma criança com SD do sexo masculino e com 10 anos de idade.

Material e Métodos

Trata-se de um relato de experiência, sobre as atividades


realizadas no Estagio Básico II, em que consistiu em visitas à
APAE, localizada no município de Viçosa- MG, durante o período
de agosto a outubro de 2017, havendo nove encontros. As atividades
foram realizadas com um grupo de seis crianças, com idade de 10
a 12 anos, sendo enfatizado o acompanhamento de uma destas que
tem a SD.
Essas atividades eram lúdicas e compostas por conhecimentos
necessários para o cotidiano, sendo utilizada a massinha de modelar
composta por seis tipos de cores diferentes (amarelo, vermelho,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


368 ANAIS X SIMPAC

azul, verde, branco, rosa) da primeira a quarta semana de encontro,


sendo dado apoio as crianças dizendo-lhes o que modelar em sua
massinha e levando imagens de animais e objetos para auxilia-los,
porém as crianças ficaram livres para imaginar e desenvolver o que
quisessem quando necessário.
Da quinta a nona semana de encontros foi focada com os alunos
o aprendizado da forma geométrica “circulo”. Para tal atividade
foi utilizado duas folhas por criança com um circulo grande e um
circulo pequeno em cada folha. Desta forma foi solicitado a cada
criança que colorisse os círculos com as cores que preferissem, sendo
fornecido a eles giz de cera das mais variadas cores, com o intuito
de ilustrar a elas de que o que estavam colorindo era uma forma
geométrica cujo o nome que a representa é “circulo”.
Buscou-se observar como eles iriam se portar em relação a
manipulação do giz de cera e da massinha (habilidades motoras),
observar suas habilidades finas, força, destreza, habilidades
cognitivas como, por exemplo, separar cores, reconhecer o circulo
e consequentemente o aprendizado das mais variadas questões
trabalhadas ao longo de todos os encontros.
Quando as atividades eram concluídas e o objetivo proposto
durante as atividades realizado com êxito, os estagiários forneciam
o reforço positivo através de atenção, elogios, dizendo-lhes
“parabéns”, “muito bem”, “continue assim”, entre outros com intuito
de dar reforços simples para demonstra-los que a compensação por
uma atividade bem sucedida pode ser dada de outras formas além
de brinquedos ou presentes. Foi observado o desenvolvimento do
individuo com SD em relação aos outros alunos e a ele próprio ao
começar as atividades e ao finalizá-la no fim do Estagio Básico II.

Resultados e Discussão

O indivíduo com SD em questão possui um transtorno


neurocognitivo maior concomitante com uma deficiência intelectual,
tendo afetado sua comunicação e aprendizagem (DSM V, 2014).
A escolha de relatar o desenvolvimento deste aluno partiu de seu
desempenho e desenvolvimento ao longo dos encontros realizados.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 369

Durante as atividades de modelar a massinha o indivíduo


moldou os mais diferentes animais (peixe, tubarão, leão, cachorro,
entre outros), objetos (carrinhos) e comidas (rosquinha, bolo e
sorvete). A cada encontro foram modelados mais e mais animais,
objetos e comidas diferentes, buscando sempre verbalizar aos
discentes de Psicologia o que estava fazendo com a massinha,
ajudando aos outros alunos e comunicando-se com todos, sendo
este último um grande desenvolvimento devido sua dificuldade de
comunicação e interação.
Já na atividade com as formas geométricas, o indivíduo
com SD demonstrou novamente ao colorir os círculos, um melhor
desempenho que os outros alunos ao longo dos encontros. O indivíduo
com SD apresentou compreender que o que estava colorindo era um
círculo e que havia um circulo maior e um circulo menor. Ou seja,
sua assimilação e discriminação de novos estímulos podem vir a
evoluir se bem conduzida e trabalhada de maneira lúdica com a
repetição do mesmo exercício até que se fixe o novo aprendizado,
medida necessária devida sua dificuldade no aprendizado citado
anteriormente (DAMASCENO et al, 2017).
Foi observado que com o decorrer dos encontros a criança
com SD apresentou crescente motivação e disponibilidade para
prestar atenção e participar das atividades propostas, ocorrendo
uma melhora significativa na eficácia da utilização de sua escuta,
da discriminação de estímulos, motricidade, fala e comportamentos
sociais, proporcionando o desenvolvimento de habilidades
cognitivo-comportamentais, ou seja, houve uma melhora em seu
desenvolvimento.

Conclusões

O trabalho lúdico ao ser realizado com qualquer indivíduo


proporciona em longo prazo um enorme desenvolvimento cognitivo
e motor, prova disto é a evolução não apenas do indivíduo com SD,
mas de todos os alunos trabalhados junto a ele ao longo do Estagio

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


370 ANAIS X SIMPAC

Básico II. Desta maneira espera-se que esse relato contribua como
base para novas pesquisas, estudos e aplicabilidade prática que
versem sobre o tema.

Referências Bibliográficas

American Psychiatric Association (USA). DSM-5. Porto Alegre:


Artmed, 2004.

FERRAZ, C. R. A; ARAÚJO, M. V; CARREIRO, L. R. R. Inclusão


de crianças com Síndrome de Down e paralisia cerebral no ensino
fundamental I: comparação dos relatos de mães e professores. Rev.
bras. educ. espec. [periódicos na Internet]. 2017 set-dez; [acesso
em 27 ago 2017]; 16(3):397-414. Disponível em: <http://www.scielo.
br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382010000300006>.

DAMASCENO, B. C. E; LEANDRO, V. S. B; FANTACINI, R. A. F.


A importância do brincar para o desenvolvimento da criança com
Síndrome Down. Rev. Research, Society and Development
[periódicos na Internet]. 2017 fev; [acesso em 27 ago 2017];
4(2):142-152. Disponível em:< https://dialnet.unirioja.es/servlet/
articulo?codigo=6070044>.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 371

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UM PROGRAMA


DE REABILITAÇÃO DO LCA EM ATLETAS DE ALTO
RENDIMENTO: REVISÃO DA LITERATURA

Déborah Gonzaga Duarte da Silva1, Andrês Valente Chiapeta2

Resumo: O presente artigo trata-se de um estudo sobre a eficácia


da intervenção fisioterapêutica em um programa de reabilitação
de ligamento cruzado anterior em atletas de alto rendimento, é
um tema importante no campo da Fisioterapia. Teve como objetivo
apresentar a eficácia da intervenção fisioterapêutica em um
programa de reabilitação de ligamento cruzado anterior em atletas
de alto rendimento. Para isso utilizou-se de uma pesquisa de revisão
bibliográfica valendo-se de artigos publicados entre 2006 e 2016.
Embora haja várias opiniões a respeito do protocolo de tratamento,
o protocolo mais acertado é aquele que considera as circunstâncias
de lesão e características do paciente, possibilitando uma rápida
recuperação de modo que o paciente volte às suas funções do mesmo
modo que exerciam antes da lesão ou até com desempenho superior,
conforme o desejo do atleta.

Palavras–chave: Atletas, Fisioterapia, Lesão, Ligamento cruzado


anterior

Introdução

Sabe-se que joelho por ser uma das maiores articulações do


corpo humano está sempre exposto a grandes cargas nos esportes
de alto rendimento. O joelho possui como formação as articulações
fêmorotibial e patelo-femoral, e têm ligamentos e meniscos que
auxiliam no processo de estabilização das articulações.
O ligamento cruzado anterior (LCA) é uma das mais
importantes estruturas do joelho, pois possui o papel de gerar
1
Acadêmica de Fisioterapia – FACISA/UNIVIÇOSA. e-mail: deborahgddsilva@gmail.com
2
Docente do Curso de Fisioterapia – FACISA/UNIVIÇOSA. e-mail: andrêschiapeta@gmail.com

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


372 ANAIS X SIMPAC

estabilidade ao mesmo. Ele está localizado na área intercondilar


anterior da tíbia, e se atém à parte posterior da face medial do
côndilo lateral do fêmur.
Santos apud Arliani, et. al. (2012), afirmam que é muito
freqüente a ruptura do LCA, uma das lesões ligamentares mais
comuns do joelho, e é bem comum sua ocorrência entre atletas que
praticam esportes coletivos por conta da instabilidade gerada pelo
contato com os adversários.
De acordo com Saragiotto et. al. (2014) lesões
musculoesqueléticas ocorrem com frequência nos atletas de elite e
diferem de acordo com o esporte praticado, sendo difícil identificar o
mecanismo exato que ocasionou a lesão, visto que a grande maioria
das afecções ocorrem por inúmeros fatores.
Saragiotto et. al. (2014) afirma que normalmente, as lesões
musculoesqueléticas tendem a ocorrer no momento em que há uma
sobrecarga das estruturas musculoesqueléticas acima da capacidade
do organismo dos atletas e demais indivíduos, em se adaptar ou se
regenerar.
A eficácia da intervenção fisioterapêutica em um programa
de reabilitação de ligamento cruzado anterior em atletas de alto
rendimento é um tema importante no campo da Fisioterapia,
visto que Saragiotto et. al. (2014) aponta que estudos
epidemiológicos efetivados em competições internacionais e jogos
olímpicos apresentam que as lesões nos atletas variam entre 10% e
65%, ocorrendo, com maior frequência, nos membros inferiores.
De acordo com Santos apud Arliani, et. al. (2012), é papel do
fisioterapeuta avaliar e organizar o planejamento do tratamento dos
pacientes que se submeteram a cirurgia de reconstrução do LCA, seja
no pré, como também no pós operatório, pois é de suma importância,
nesses casos de reabilitação, os conhecimentos e práticas aplicadas
pela fisioterapia.
Parreira apud Negrão (2002), afirmam que a fisioterapia
esportiva faz parte da Medicina Esportiva, tendo suas práticas e
métodos utilizados para a recuperação, cura e prevenção de lesões.
Segundo Rodrigues (1996), o trabalho da fisioterapia
desportiva torna-se essencial para a recuperação de atletas de alto

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 373

rendimento, visto que a recuperação dos mesmos deverá ser feita de


forma rápida e funcionalmente mais efetiva, para que o atleta possa
retornar a sua prática desportiva, e reaver o seu nível mais alto de
potência e amplitude para execução correta de seus movimentos.
Sendo assim, o presente estudo possui o objetivo de apresentar
a eficácia da intervenção fisioterapêutica em um programa de
reabilitação de ligamento cruzado anterior em atletas de alto
rendimento.

Material e Métodos

Trata-se de uma pesquisa de revisão bibliográfica, realizada


no período de janeiro a abril de 2018, através de artigos acadêmicos
entre 2006 a 2016, buscados na base do Google Acadêmico, Scielo
e da biblioteca da FACISA/UNIVIÇOSA. Foram selecionados
artigos em língua portuguesa e inglesa que melhor respondessem
ao objetivo da pesquisa.

Resultados e Discussão

Segundo Pereira apud Pastre, et al. (2005), as lesões


desportivas são causadas por exercícios realizados de forma
exagerada, sem o devido preparo e desobedecendo a maneira correta
da atividade, subestimando-se os riscos para tais lesões.
Após lesionar o LCA, os cuidados iniciais devem ser
voltados para o sangramento que ocorre de forma inevitável dentro
da articulação, além de tentar conter o agravamento do processo
inflamatório comum a este tipo de lesão.
No passado, os médicos desportistas acreditavam que o
correto a se fazer após um atleta lesionar o LCA, era o manter em
completa imobilização, no entanto, nos dias atuais é sabido que a
mobilização precoce fornece benefícios para o atleta, promovendo
aumento de funcionalidade e qualidade de vida para o mesmo.
Entretanto, a movimentação precoce deve ser feita com
cautela e de maneira correta, visto que exercícios intensos podem
lesionar estruturas que estavam preservadas, ou mesmo, voltar a

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


374 ANAIS X SIMPAC

lesionar uma região que já havia sofrido o processo de reparação.


Para diversos autores, o uso do protocolo acelerado tem
sido mais frequente para reabilitar o ligamento cruzado anterior
em atletas de alto rendimento, visto que de acordo com Santos apud
Pereira, et. al. (2012), os protocolos comuns possuem tempo médio
de duração de até 9 meses para que ocorra a liberação do paciente
às suas atividades normais ou prática de esportes.
Para Santos apud Fukuda, et. al. (2013), o uso destes
protocolos possibilita que haja uma descarga de peso e um ganho de
amplitude de movimento (ADM) com menos tempo que os demais.
Segundo Santos (2016) apud Krich et. al. (2015), ao
contrário dos demais protocolos, a fase de reabilitação no protocolo
acelerado começa no primeiro dia após a realização da cirurgia,
tendo como objetivos, a redução do quadro álgico, podendo utilizar
recursos eletrofototerápicos para atingir esta finalidade, a redução
do edema com o uso da crioterapia, exercícios isométricos de
quadríceps e isquiostibiais, com o intuito de fortalecer estes grupos
musculares sem a necessidade de aplicação de tensão indevida
sobre a articulação.
Sendo assim, realizar a reabilitação fazendo uso do protocolo
acelerado, atende aos anseios dos atletas, que visam retornar às
suas atividades o mais rápido possível, com o desempenho que
possuía anteriormente a lesão, ou até mesmo superior.
Para Myer et. al. (2006) os programas de reabilitação
atuais, se comparados aos protocolos anteriores, são mais intensos
e possibilitam a rápida liberação dos atletas para as atividades
esportivas em até oito semanas após a realização da cirurgia.
Antes de dar continuidade aos avanços do tratamento
da lesão de LCA, deve-se realizar uma avaliação de cada área
envolvida, e então atinar se alguma região especifica necessita de
cuidados especiais para dar sequência à reabilitação.
Há variações de opinião entre as práticas fisioterápicas de
reabilitação referentes ao protocolo de reabilitação pós-operatório
do Ligamento Cruzado Anterior, porém os princípios comuns que
devem ser observados são: mobilização e apoio, técnicas de controle
de edema, precoces, preservar o enxerto de estresses, como, por

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 375

exemplo, não fazer exercícios em Cadeia Cinética Aberta (CCA),


reforçar, de modo precoce, através de exercícios, o grupo muscular
isquiostibiais para conduzir à estabilização dinâmica e reduzir a
tensão, inserir exercícios em Cadeia Cinética Fechada (CCF), de
modo precoce fortalecer o quadríceps e realizar treino proprioceptivo.

Considerações Finais

Baseado nos dados obtidos pode-se concluir que a


intervenção fisioterapêutica em um programa de reabilitação do
ligamento cruzado anterior exerce um efeito significativo para
atletas de alto rendimento, proporcionando a diminuição da dor,
a restauração da amplitude de movimento funcional, da força
muscular e propriocepção, reduzindo os espasmos, além da melhora
na cicatrização dos tecidos, tendo como um dos principais alvos o
trabalho preventivo, com o intuito de minimizar a probabilidade
das ocorrências das lesões, e logo, proporcionar uma melhoria da
performance atlética.

Referências Bibliográficas

MYER, G. D. et al. Rehabilitation after anterior cruciate ligament


reconstruction: criteria-based progression through the return-
to-sport phase. Journal of Orthopaedic & Sports Physical
Therapy, v. 36, n. 6, p. 385-402, 2006.

PARREIRA, C. A. Tratamento Fisioterápico e Prevenção das Lesões


Desportivas. I ENCONTRO DE EXTENSÃO DA UNIFIL, 29 A 31
DE OUTUBRO DE 2007.

PEREIRA, R. P. Lesões dos Esportes suas Causas e Mecanismos:


Uma Revisão Bibliográfica. Artigo apresentado como Trabalho de
Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento
Desportivo do Departamento de Educação Física da Universidade

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


376 ANAIS X SIMPAC

Federal do Paraná. Orientador Prof. Julimar Luiz Pereira, Curitiba,


2014.

RODRIGUES, A. Lesões músculo-esqueléticas nos e Esportes.


São José do Rio Preto: CEFESPAR, 1996.

SANTOS, T.H. M. Protocolos de Tratamento Fisioterapêutico no


Pós-Operatório de Reconstrução do Ligamento Cruzado Anterior
em Atletas Profissionais. Revista Científica FacMais, Volume. VII,
Número 3. Ano 2016/2º Semestre. ISSN 2238-8427. Artigo recebido
dia 13 de junho de 2016.

SARAGIOTTO, B. T.; DI PIERRO, C; LOPES, A.D. Fatores de


risco e prevenção de lesões em atletas de elite: estudo descritivo
da opinião de fisioterapeutas, médicos e treinadores. Revista
Brasileira de Fisioterapia, vol. 18, núm. 2, março-abril, 2014, pp.
137-143.Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em
Fisioterapia. São Carlos, Brasil.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 377

SEPARAÇÃO DE PODERES: UMA ANÁLISE CRÍTICA DO


EXCESSO DE EDIÇÃO DE MEDIDAS PROVISÓRIAS 
 
Diele Almeida Teixeira1, Renata Silva Gomes2
  
 
Resumo: Este trabalho possui como objetivo retratar de forma crítica
a separação das competências dos poderes, haja vista a usurpação
de uma função típica do poder legislativo. Destarte, avalia-se o
número de medidas provisórias expedidas em face da insuficiência
do ente legislativo. Comina-se, inclusive, a tripartição de poderes,
ora elencados na Constituição Constituinte Originária, e seus
precedentes históricos, com o fito de resgatar os conceitos e adornos
atribuídos a Excelentíssima ficção Estatal,  no  contexto sociológico
e filosófico da atribuição de poderes ao Estado. Demonstra-se o
ínfimo exercício da competência típica do poder legiferante, oriunda
do excesso na edição de Medidas Provisórias, a posteriore, expor a
inconstitucionalidade na usurpação de competências e a perda de
legitimidade na produção normativa feita pelo Poder Executivo, em
virtude da insegurança jurídica ora gerada. 
 
  Palavras–chave: Competência atípica, contrato social, função
típica, segurança jurídica, tripartição dos poderes.

Introdução

Das primeiras e insipientes relações sociais criaram-se a


necessidade de regularizar as relações entre os indivíduos. Neste
prisma, nota-se a que é antiga a intervenção estatal nas interações
dos seres humanos, cuja finalidade de cada ente encontra-se descrita
na Constituição Federal da República Federativa do Brasil de 1988.
1
Graduanda em Direito – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: dielealmeida97@hotmail.com  
2
Doutoranda e Mestre em Teoria do Direito pela PUC MINAS, Professora da  FAVIÇOSA/
UNIVIÇOSA. E-mail renatagomesegomes@gmail.com 

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


378 ANAIS X SIMPAC

Consoante a isto, há de se fazer menção ao desvio de competência do


poder executivo, haja vista a exacerbação de sua função excepcional
legiferante. No tocante a uma falha tentativa de suprir um déficit
do Poder Legislativo, cuja atribuição, primordial, é legislar.
O sistema de separação de poderes da República Federativa
do Brasil apresenta-se legalizado em sua constituição, bem como
nas delegações e avocações prescritas em leis, da qual discrimina
os poderes competentes a cada órgão e entidade, sendo estas da
administração direta ou indireta.  Diante do exposto, observa-se
a relevância da cordialidade existente entre os seres humanos,
refletindo a necessidade do desenvolvimento da racionalidade, a fim
de regulamentar a convivência entre os indivíduos.
Nota-se a falta de eficácia das normas, elencadas na legislação,
tendo em vista a desleal aplicação de uma teoria contemplada pela
utopia, pois o que lhe é apresentado na academia de direito não
vincula na prática. Assim, percebe-se a discrepância entre o real e
o formal. Destaca-se, assim, o desrespeito a direitos fundamentais
elencados na Constituição e na Declaração de Direitos do Homem e
do Cidadão.
Diante disso, tratou-se inicialmente da Evolução histórica da
separação dos poderes, seus principais expoentes e a sua influência
na organização institucional desses poderes nos dias atuais.
Posteriormente, fez-se uma análise da forma como esses poderes
se organizam no Brasil. Nesse caminhar, será feito o estudo de
campo que determinará a relação existente entre os governos e o
número de Medidas Provisórias expedidas por seus presidentes.
Posteriormente, se trabalhará a análise desses dados de forma
crítica estabelecendo a sua relação com a separação dos poderes
estabelecida nas democracias. 
Ante a análise, a posteriore, perceber-se-á que o poder
excêntrico do Executivo vem sendo utilizado de forma irracional,
infringindo a superioridade do texto legal, no tocante ao desrespeito
a atribuição das competências, especialmente em relação ao excesso
na edição de Medidas Provisórias pelo poder executivo. Em virtude

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 379

disto criou-se a emenda constitucional n° 32, a qual limitou a


matéria das medidas provisórias, haja vista o número excessivo de
criação de normas fruto do Poder Executivo.
Material e Métodos

A pesquisa dar-se de forma jurídico-sociológica, em virtude


da análise dos números de Medidas Provisórias editadas pós-
Constituição de 1988 e a abordagem é jurídico-compreensiva dado
que se utiliza uma análise histórica da separação de poderes para
embasar a crítica e o exame desses dados acerca das Medidas
Provisórias. Insta-se destacar, quanto ao procedimento utilizado
na coleta de dados a pesquisa será fruto da pesquisa documental,
pois se utiliza de fontes primárias e secundárias de intensificação
dos estudos, tais como: livros, artigos, publicações parlamentares,
publicações administrativas, documentos jurídicos. 
Resultados e Discussão

O ser humano é um integrante do seio social, para John


Locke, o “homem é o lobo do próprio homem” (DIAS, 2010, p.67).
Assim, frisa-se a essência do ser, cuja característica está pautada
em crueldade, consisti este em um indivíduo áspero, de cultura
individualista, incapacitado em viver de forma harmônica com os
demais seres humanos, sem a devida regularização. A situação
descrita caracteriza uma das causas das atribuições a um ser fictício
para a regulamentação da convivência social. Em “Do contrato
social” de Jean-Jacques Rousseau, destaca-se que o contrato retrata
acerca da submissão da sociedade perante a um soberano legitimado,
sendo que “cada um de nós põe em comum sua pessoa e toda a sua
autoridade, sob o supremo comando da vontade geral, e recebemos
em conjunto cada parte indivisível do todo” (ROUSSEAU, 2015,
p.22).
A Constituição Federal da República Federativa do Brasil
faz menção à função vinculada dos poderes Legislativo, Executivo

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


380 ANAIS X SIMPAC

e Judiciário, cuja atribuição de competência apresenta-se restrita


a previsão legal, da qual autoriza ou permite a realização de suas
determinadas matérias pertinentes ao seu cargo. O Poder Legislativo
possui como competência típica a produção de normas, com o fito de
regulamentar a lide da sociedade; a fiscalização, bem como controlar
o poder executivo. Contudo, o mesmo desempenha outras funções
atípicas, tais como: julgar crimes de responsabilidade e executar o
controle dos funcionários acerca das férias e licenças.
Em que pese à função primordial do executivo, a priore, esta está
pautada na execução das normas. Insta salientar as competências
subsidiárias, quais sejam: a elaboração de medidas provisórias de
caráter urgente, inclusive julgar processos disciplinares de cunho
administrativo. No tocante ao judiciário, este possui o adereço de
aplicar as normas ao coso concreto, a fim de proporcionar aos cidadãos
preservação de princípios fundamentais, como os norteadores do
processo legal, a dignidade da pessoa humana. Ademais, o mesmo
regulamenta o seu próprio regimento interno, caracterizando como
uma capacidade complementar.
Ante o exposto, pode-se verificar a anomalia existente, pois, é
necessário frisar, que há um desvio da competência dos denominados
acima, tendo em vista que compete ao legislativo uma função
natural, da qual está sendo exercida pelo poder executivo, com a
criação de medidas provisórias, em virtude da inércia do legislador.
O judiciário e o Congresso Nacional permaneceram inertes
defronte o irrefutável desvirtuamento do texto constitucional,
pois os Requisitos impostos pela Carta Magna freqüentemente
(sic) se mostravam ausentes, sendo descabida a adoção dessa
medida emergencial. (ARAÚJO, 2003, p.2)

Destaca-se a inércia do poder legislativo ao fazer menção a


inexistência de legislação específica, que regulamenta o direito
de greve dos agentes públicos, uma vez que é utilizada a lei dos
servidores privados para suprir uma inexistência da atuação
legiferante do poder legislativo.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 381

A legislação pátria, em seu art.84, da Constituição da


República, informa o múnus do Poder Executivo, cuja função
de legiferar encontra-se regulamentada no art.62 do referido
texto constitucional. Corrobora que tal iniciativa possui caráter
excepcional, uma vez que tal norma deve ser criada em caso
de relevância e urgência, pois tal adereço é subsidiaria a função
administrativa.  Assim, conforme o poder executivo avoca a típica
função do legislador, o mesmo estará compreendendo em sua figura
a majoração das atribuições ao seu ser. Concomitante, verifica-se
a ofensa à separação dos poderes, cuja tal atribuição está elencada
na Constituição Federal da República Federativa do Brasil, em sua
norma pétrea, bem como ao princípio estruturante do estado de
direito. Depreende-se o seguinte trecho:
A separação dos poderes, a exemplo dos demais princípios
estruturantes do Estado de direito, apresenta-se como
mecanismo imprescindível à garantia do exercício
moderado do poder à conseqüente (sic) contenção do
totalitarismo (grifo nosso). De modo semelhante às múltiplas
vertentes que pode assumir, todas de indiscutível importância
na organização do Estado, são igualmente múltiplas as
classificações que pode receber. (GARCIA, 2008, p.51)

Cientifica-se o número exacerbado de medidas provisórias


publicadas por governo: José Sarney de Araújo Costa 147; Fernando
Affonso Collor de Melo 160; Itamar Augusto Cautiero Franco 550;
Fernando Henrique Cardoso em primeiro mandato a quantia de
2.609, no segundo mandato 2.791; Luiz Inácio Lula da Silva em
primeiro mandato 240, no segundo 63.
Em face desses dados assustadores ressalta-se a importância
da criação da emenda constitucional n° 32, cuja disciplina esta
pautada em reduzir a autuação atípica do poder executivo. Ademais,
ressalta, que antes da criação da referida emenda, a atividade
legislativa do executivo não dependia de avaliação do poder
legislativo. Após a sua criação, em 2006, foram aprovadas cento e
setenta e oito leis, sendo que, somente, quarenta e duas eram de

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


382 ANAIS X SIMPAC

iniciativa dos deputados e senadores. (TAVARES FILHO, 2008). A


posteriore, em 2007, permanecia a soberania do poder executivo em
legislar em face dos senadores e Deputados, mesmo com a edição da
mencionada norma.
Considerações Finais

Contudo, reitera o fato de que a Constituição Federal de


1988 vem sendo alvo de dano, uma vez que as normas acerca da
regulamentação dos poderes são expressamente violadas, pois o
Poder Executivo está agindo como se fosse sua a função legiferante.
A permissividade está, dessa forma, engajada em uma instabilidade
jurídica, tendo em vista que a tripartição dos poderes é violada
ordinariamente por uma usurpação de poderes.
Ante o exposto, observa-se que o fato do executivo avocar de
forma substancial a competência legiferante incidirá em um pseudo
governo autoritário, tendo em vista a concentração majorada do
poder a um ente. Dessa maneira, haverá dois entes independentes
e harmônicos, o Poder Judiciário e o Poder Executivo. Ademais,
relata-se que essa situação gera uma insegurança jurídica, pois
tal medida deve ser aplicada para evitar o periculum in mora do
projeto de lei do Congresso Nacional. Inclusive o fumus bonis uiris,
caracterizando indícios de um suposto direito existente, no entanto,
o mesmo não está regulamentado em uma legislação própria, fruto
da inócua atuação veemente do Legislativo.
Perante o exposto, nota-se a insuficiência da norma vigente,
cuja finalidade estava direcionada a uma esdrúxula tentativa de
retardar o funcionalismo do poder executivo em legislar, haja vista
a inocorrência da atuação dos Deputados e Senadores, após emenda
constitucional n° 32.

Referências Bibliográficas
ARAÚJO, R. A. M.  A insegurança jurídica das medidas
provisórias. Migalhas, 2003. Disponível em: < http://www.
Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018
ANAIS X SIMPAC 383

migalhas.com.br/dePeso/16,MI2842,91041-A+inseguranca+juridica
+das+Medidas+Provisorias>. Acesso em: 26 de fev. de 2018.

DIAS, R. Ciência política. 1. Ed. 2. Reimp. São Paulo: Atlas, 2010,


272 p.

GARCIA, Emerson. PRINCIPIO DA SEPARAÇÃO DOS PODERES:


os órgãos jurisdicionais e a concreção dos direitos sócias. Revista
jurídica do Ministério Público do estado de Minas Gerais, Belo
Horizonte,10, 2008.

QUINTANEIRO, T; OLIVEIRA BARBOSA, M. L; OLIVEIRA, M.


G. M. Um toque de clássicos: Marx, Durkheim, Weber. 2. ed.
Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003, 152 p.

ROUSSEAU, J. J. Do Contrato Social. 2. ed. São Paulo: Edijur,


2015, 154 p.

TAVARES FILHO, N.  Excesso na edição de medidas


provisórias. Brasília: Biblioteca digital da Câmara, 2008, 19 p.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


384 ANAIS X SIMPAC

ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA E POR ATO


QUE IMPLIQUE INELEGIBILIDADE –CNCIAI 
 
Diele Almeida Teixeira , Douglas Luis de Oliveira2 
1

 
Resumo: Este artigo está pautado na eficácia da lei 8.429/92- Lei
de improbidade administrativa. Destaca-se os princípios basilares
da referida norma infraconstitucional, com nuances acerca da
exatidão de julgados em relação ao tema. Frisa-se o quantitativo
disponibilizado pelos órgãos governamentais em relação ao
percentual estimado por ano, tendo como termo inicial e ad
quem, respectivamente, o ano de 2008 e 2018. Ademais, informa-se
o equivalente anual do valor do ressarcimento integral do dano; do
valor monetário da perda de bens ou valores acrescidos ilicitamente
ao patrimônio; bem como ao pagamento de multa por ano. Observa-
se a evolução histórica, cuja finalidade está pautada em demonstrar
a ocorrência dos Tribunais Regionais e Tribunais de Justiça ente
em um lapso temporal do ano de 2008 até 2018, a fim de demonstrar
sua representação neste contexto. Neste caminhar, há de se fazer
menção as consequências do ato ímprobo, cujo meio coercitivo
implica na Inelegibilidade. 

Palavra-chave:
enriquecimento ilícito, improbidade, inelegibilidade, princípios da
administração pública 

 
Introdução 

Este trabalho se pauta em uma análise da lei de improbidade


administrativa, concomitante com a legislação eleitoral, uma
vez que expõe os casos de inelegibilidade por ato ímprobo. Far-
se-á menção a Constituição Federal da República Federativa do
1
Graduanda em Direito– FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: dielealmeida97@hotmail.com 
2
Mestre, Professor da FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA, disciplina Direito Administrativo.
E-mail douglas@univicosa.com.br 

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 385

Brasil de 1988, haja vista o caráter excepcional do meio coercitivo


da mesma. Neste caminhar, ao solidificar seus conceitos, relata-se
o quantitativo atualizado, compreendendo os Tribunais da esfera
estadual e federal. 
Destaca-se a relação surreal da  disparidade  da  ocorrência
registrada de atos de improbidade administrativa  das
esferas  judiciárias.  A posteriore,  analisa-se  no âmbito federal e
Estadual acerca dos quantitativos disponibilizados pelo Conselho
Nacional de Justiça. Ante o exposto, elucida-se a representação
gráfica dos referidos dados supramencionados. 
Elucida-se o valor monetário arrecado que são frutos da medida de
coibir atos incompatíveis com uma administração proba, uma vez que
a lei de improbidade administrativa faz menção a penalidades, quais
sejam: ressarcimento integral ao erário público, pagamento de multa,
e a perda de bens e valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio,
em um lapso temporal de 2008 até 2018.  Corrobora-se a questão
do animus do agente, isto é, o dolo ou a culpa na prática do ato de
encontro com os princípios administrativos, como um requisito para
a configuração de conduta tipificada pela referida norma.  
Relata-se o processo de improbidade administrativa, com suas
peculiaridades,  expõe-se  toda a análise feita para proferir uma
sentença perfeita, valida e eficaz, no âmbito administrativo. Faz-se
ressalva aos elementos objetivos e subjetivos da referida ação. No
que tange a ínfima possibilidade de recorrer ao Judiciário, salienta-
se o princípio da autoexecutadoriedade, bem como da jurisdição una,
denominado, também, como sistema inglês, cuja influência pauta-
se na inafastabilidade  da  avaliação do  Judiciário,  todavia,  faz-
se ressalva que este procedimento apresenta-se subsidiário a decisão
da autoridade. 
O trabalho busca descrever, inclusive, a eficácia da lei
9834/92, de improbidade administrativa, inclusive informa os
princípios basilares para a criação da norma infraconstitucional,
com nuances acerca da exatidão de julgados em relação ao tema,
dos quais implicaram a sua inelegibilidade. Frisa-se o quantitativo
disponibilizado pelos órgãos governamentais em relação ao
percentual estimado por ano, tendo como início a data da vigência

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


386 ANAIS X SIMPAC

do referido texto infralegal.  Observar-se-á a evolução histórica, cuja


finalidade estará pautada em elucidar a ocorrência de cada ente em
um lapso temporal de 2008 a 2018. 

Material e Métodos 

A pesquisa trata-se da forma jurídico-sociológica, em virtude


da análise dos quantitativos disponibilizados pelo Conselho
Nacional de Justiça (CNJ), da  Lei  Improbidade Administrativa.
A abordagem é jurídico-compreensiva dado que faz menção a uma
análise histórica do período compreendido de 2008 a 2018. Insta-
se destacar, quanto ao procedimento utilizado na coleta de dados
a pesquisa será fruto da pesquisa documental, pois se utilizará
de fontes primárias e secundárias de intensificação dos estudos,
tais como: livros, artigos, publicações parlamentares, publicações
administrativas, documentos jurídicos.

Resultados e Discussão

A legislação de improbidade administrativa rege-se pelos


princípios da moralidade,  probidade, legalidade  (Di Pietro, 2010,
p.879). No entanto, tais princípios tiveram maior vigor com a
criação da lei 8.429/92, Lei de Improbidade Administrativa, tendo
em vista o número alarmante de condutas de encontro com a boa
administração.  
A  improbidade administrativa, como ato ilícito, vem
sendo prevista no direito positivo brasileiro desde longa
data, para agentes políticos, enquadrando-se como crime de
responsabilidade. Para servidores públicos em geral, a legislação
não falava em improbidade, mas já denotava preocupação com
o combate à corrupção, ao falar em enriquecimento ilícito
no exercício do cargo ou função, que sujeitava o agente ao
sequestro e perda de bens em favor da Fazenda Pública. (Di
Pietro, 2010, p.879) 

Inclusive, assevera-se a função desses princípios está pautada

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 387

em frisar que os agentes públicos devem agir de maneira proba, agir


conforme aos atos a estes impostos por disposição legal, inclusive
sem utilizar da sua função ou cargo para acrescer a si ou a outrem.
Assim, observa-se que o conceito de moralidade não deve ser reduzido
a mero conceito empírico, conforme leciona Fernanda Marinela: 
O principio da moralidade não se confunde com a moralidade
comum. Enquanto a última preocupa-se coma distinção entre
o bem e o mal, a primeira é composta não só por correção
de atitudes, mas também por regras de boa administração,
pela ideia de função administrativa, interesse do povo (grifos
nossos), de bem comum. Moralidade administrativa está
interligada ao conceito de bom administrador. (MARINELA,
2016, p.78) 

Salienta-se que esta visão já fora parte de discursos de


Aristóteles, haja vista seu posicionamento nesta questão.  O
conhecimento aristotélico apresenta-se embasado no adorno
atribuído a um ente fictício, o Estado, o dever de regular as
condutas dos indivíduos, visando o bem comum  (Aristóteles).  Em
´´Do contrato social``, de Jean-Jacques Rousseau, este relata que
os seres humanos atribuíram a um ente o  dever de regular suas
condutas. 
Concomitante a isto, salienta-se o princípio da indisponibilidade
do interesse público. Assevera-se que os atos dos agentes públicos
devem ser regidos pela legalidade, impessoalidade, moralidade,
publicidade e eficiência, com fulcro na norma do art.37, da
Constituição Federal. Vale destacar  a definição de agente público
como todo aquele que exerce qualquer forma de investidura ou
vínculo, mandato, cargo, emprego ou função nas entidades da
administração  direta; bem como  de empresa incorporada ao
patrimônio público ou entidade, cuja criação ou custeio o erário haja
concorrido ou concorra com 50% do patrimônio ou receita federal,
para efeitos da lei nº 8429/92, com fulcro o art. 2° e caput do art.1°: 
Informa que a legislação é aplicável aquém induziu ou
concorreu para a prática do ato ímprobo, ainda que este não seja no
momento da ação um agente público, ou se o mesmo obteve beneficio,

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


388 ANAIS X SIMPAC

conforme a norma do art. 3° da referida lei. Dessa forma, destaca o


enunciativo n°558 da VI jornada de Direito civil. 
São solidariamente responsáveis pela reparação civil,
juntamente com os agentes públicos que praticaram atos de
improbidade administrativa, as pessoas, inclusive as jurídicas
que para eles concorreram ou deles se beneficiaram direta ou
indiretamente. 

A lei completar n°64/90, de inelegibilidade, estabelece em


seu art.1°, inciso I, alínea l (acrescentada pela Lei Complementar
n°135/10), a suspensão dos direitos políticos, no tocante ao fato do
ato doloso, de improbidade administrativa, lesionar o erário público,
bem como enriquecimento ilícito. Ademais, ressalta-se que compete à
Justiça Eleitoral: conhecer e decidir as arguições de inelegibilidade,
das quais podem ser feitas perante Superior Tribunal Eleitoral; os
Tribunais Regionais Eleitorais; e por fim, aos Juízes Eleitorais, com
suas peculiaridades. 
  Feita a ínfima análise da lei de improbidade, há de se
salientar os casos com trânsito em julgados da esfera  federal.
Percebe-se o aumento significativo dos casos relatados de
improbidade administrativa, dos quais  tiveram como resultado  a
inelegibilidade,  com nuances mais veementes para o Tribunal
Regional da 1° e 2° Região. Observa-se o gráfico abaixo, conforme os
dados anuais disponibilizados pelo Conselho Nacional de Justiça: 

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 389

Nota-se que entre 2008 a 2017, houve um aumento exorbitante


da incidência de demandas, cuja resolução do mérito ocasionou
a inelegibilidade, insta-se destacar a desconformidade o termo
inicial e final, expostas no gráfico em tela. Em 2008 o montante
era inexistente, em contrapartida em 2017 os valores chegam a
Trezentos e trinta e quatro, apenas no Tribunal Regional da 1°
região. 

Considerações Finais

Ante a sucinta explanação do caso em tela, nota-se a


autuação  veemente dos exorbitantes dados ora disponibilizados
pelo CNJ.  Ressalta-se  o número exacerbado de atos  viciados, em
virtude da ausência da boa fé, impessoalidade em cumprirem suas
obrigações com decoro e boa-fé, inclusive as sanções das quais são
aplicadas em vista dos atos de reprovabilidade. 
O que assevera a incógnita do poder legislativo em coibir os
atos, cujo adorno está pautado em afastar atos repudiados pela
esfera social. A piore, tem-se a idéia que a positivação dos princípios
acarretaria a diminuição das demandas referentes a conduta
incabível  na esfera da administração, no entanto, este ideal não se
evidencia no mundo concreto. 
Ante a esta expectativa ilusória, há de se analisar o seu teor,
cumulativamente, a subsunção da norma ao fato, em um ideal
hermenêutico, pois no contexto pelo qual a norma foi criada não lhe
é  surpreendente  sua falha. Inclusive as demais demonstrações
exatas de sua eficácia, em um sentido de coibir a pratica do ato
delituoso.  

Referências Bibliográficas

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA.  Cadastro Nacional de


Condenações Cíveis por Ato de Improbidade Administrativa
e Inelegibilidade Conselho Nacional de Justiça – CNJ.

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


390 ANAIS X SIMPAC

Disponível em:<.http://www.cnj.jus.br/improbidade_adm/
relatorioQuantitativoCondenacoes.php>. Acesso em: 31 de mar
2018. 

DI PIETRO, M. S. Direito administrativo. 25.  ed.  São Paulo:


Editora Atlas, 2012, p. 879-906. 

_____  Dolo ou culpa como requisitos essenciais para a


configuração da improbidade administrativa.  Migalhas,  18
de outubro de 2010.  Disponível  em:<http://www.migalhas.com.br/
Quentes/17,MI119287,51045-Dolo+ou+culpa+como+requisitos+ess
enciais+para+a+configuracao+da> Acesso em:31 de março 2018 

MARINELA, Fernanda. Direito administrativo. 10.  ed.  São


Paulo: Saraiva, 2016, p.63-82. 

ROUSSEAU, Jean Jacques. Do Contrato Social. 2. ed. São


Paulo: Edijur, 2015, 154 p. 

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Cadastro Nacional de


Condenações  Cíveis por Ato de Improbidade Administrativa
e Inelegibilidade Conselho Nacional de Justiça  – CNJ.
Disponível em:<.http://www.cnj.jus.br/improbidade_adm/
relatorioQuantitativoCondenacoes.php>. Acesso em: 31 de mar
2018. 

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 391

INFLUÊNCIA DO USO DO FLURALANER SOBRE


PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS E BIOQUÍMICOS
EM CÃES

Diógenes Gama Lacerda1, João Paulo Machado2

Resumo: O uso do fluralaner tem gerado debates pelo fato de


alguns proprietários e até Médicos Veterinários acusarem o fármaco
de supostamente causar efeitos adversos e intoxicações em seus cães
e, em alguns casos, até mesmo a morte. O objetivo deste trabalho
foi investigar possíveis alterações hematológicas e bioquímicas
séricas relacionadas ao uso do fluralaner em cães adultos e sem
raça definida. Foram utilizadas amostras sanguíneas de seis cães
provenientes do canil da Univiçosa. As coletas foram realizadas
antes do tratamento (dia 0) com fluralaner e aos 30, 60, 90 e 120
dias após a administração do medicamento. Apesar de alguns
parâmetros avaliados demonstrarem variações estatísticas, o
fluralaner não foi capaz de causar alterações graves e duradouras
em tais parâmetros. Estudos com um número maior de animais e
com avaliações periódicas ainda devem ser continuados.

Palavras–chave: Bravecto®, controle de ectoparasitos,


hematologia, reações adversas

Introdução

O controle de pulgas e carrapatos possui grande importância


na clínica médica de cães e gatos, uma vez que os distúrbios de pele
provocados pelas pulgas representam o problema mais frequente
na prática dermatológica veterinária (RAMSEY, 2010). A maior
importância dos carrapatos diz respeito ao grande número e à
variedade de doenças microbianas que eles transmitem aos animais
domésticos (BOWMAN, 2010).
1
Graduando em Medicina Veterinária – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: diogenes_gamalacerda@
yahoo.com
2
Professor do Curso de Medicina Veterinária – FAVIÇOSA/UNIVIÇOSA. e-mail: jp@univicosa.com.br

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


392 ANAIS X SIMPAC

Nas últimas décadas houve uma mudança drástica no controle


das pulgas devido à introdução no mercado de diversos produtos
formulados para administração mensal em cães e gatos (BOWMAN,
2010). Em 2014, a MSD Saúde Animal lançou no Brasil o fluralaner
(Bravecto®), primeiro comprimido mastigável com dupla ação
parasiticida (pulicida e carrapaticida) (MSD Saúde Animal,
2014). O fluralaner pertence a uma nova classe de compostos com
atividade antiparasitária, as isoxazolinas. Esses compostos têm
atividade contra o ácido γ-aminobutírico (GABA) e canais de cloro
ativados por glutamato com seletividade significativamente maior
pelos neurônios do inseto do que sobre os neurônios de mamíferos
(WALTHER et al., 2014).
Recentemente, o uso do fluralaner tem gerado debates pelo
fato de alguns proprietários e até Médicos Veterinários acusarem
o fármaco de supostamente causar efeitos adversos e intoxicações
em seus cães e, em alguns, até mesmo a morte. O fato de se tratar
de uma nova molécula e, portanto, não haver total conhecimento
sobre possíveis efeitos adversos e suas contraindicações, reforça as
suspeitas sobre a segurança do fluralaner, apesar de não haver até o
momento evidências concretas que possam comprovar a ocorrência
de toxicoses relacionadas ao uso desse medicamento.
O objetivo deste trabalho foi investigar possíveis alterações
hematológicas e bioquímicas séricas relacionadas ao uso do
fluralaner em cães adultos sem raça definida.

Material e Métodos

Este trabalho foi executado após avaliação e aprovação pelo


Comitê de Ética em Pesquisa com o Uso de Animais (CEPEUA)
da Faculdade de Ciências e Tecnologia de Viçosa – FAVIÇOSA/
UNIVIÇOSA (Protocolo Nº 007/2017-I).
Foram utilizadas amostras sanguíneas de seis cães,
provenientes do Canil do Hospital Veterinário da Univiçosa, sem
raça definida, adultos, de ambos os sexos e de diferentes faixas de
peso.
Foi realizada coleta sanguínea anteriormente à administração

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


ANAIS X SIMPAC 393

do fluralaner, caracterizando-se como dia zero (D0), seguida de


coletas aos 30 (D30), 60 (D60), 90 (D90) e 120 (D120) dias após a
administração. As coletas foram feitas por meio de punção venosa,
utilizando seringa de 5,0 mL e agulha hipodérmica 25x7 (25 mm de
comprimento x 0,7 mm de diâmetro). A veia de eleição para coleta
sanguínea variou entre veia cefálica, veia jugular externa e veia
safena lateral. O sangue coletado foi armazenado em tubos com
anticoagulante EDTA para realização de hemograma e em tubos
sem anticoagulante para realização do perfil bioquímico sérico. As
amostras foram imediatamente processadas após a coleta.
Imediatamente após ser realizada a primeira coleta sanguínea,
foi feita a administração de um comprimido de fluralaner, por via
oral, a cada um dos animais, seguindo as dosagens recomendadas
de acordo com o peso.
Os parâmetros hematológicos avaliados no hemograma foram
os seguintes: hematimetria, hemoglobina, hematócrito, proteína
plasmática total (parte do hemograma da rotina do Hospital
Veterinário da Univiçosa), VGM (volume globular médio), HGM
(hemoglobina globular média), CHGM (concentração hemoglobínica
globular média), plaquetas e leucócitos (contagem total e diferencial).
Os parâmetros bioquímicos avaliados foram os seguintes:
ureia, creatinina, colesterol total, triglicérides, AST (aspartato
aminotransferase), ALT (alanina aminotransferase), GGT (gama
glutamiltransferase), FA (fosfatase alcalina), bilirrubina total,
proteínas totais, albumina, cálcio, fósforo, globulina e relação A/G
(albumina/globulina).
Os resultados das análises bioquímicas e hemograma foram
analisados de forma pareada e submetidos à Análise de Variância
(ANOVA) para que as médias fossem comparadas por meio do teste
de Tukey, utilizando software SigmaPlot 12.0 (Systat Software Inc.,
San Jose, USA), ao nível de 5% de significância.

Resultados e Discussão

No hemograma foram observadas diferenças estatísticas entre


os dias de coleta em quatro dos oito parâmetros avaliados. Tais

Revista Científica Univiçosa - Volume 10 - n. 1 - Viçosa-MG - JAN/DEZ 2018


394 ANAIS X SIMPAC

diferenças se manifestaram no hematócrito; proteínas plasmáticas


totais; VGM e HGM. Já os valores de hematimetria, hemoglobina,
CHGM e plaquetas não se manifestaram estatisticamente diferentes
entre os diferentes dias de coleta ao longo do tempo.
O hematócrito apresentou-se em níveis mais elevados em
D0 se comparados com os níveis expressos em D90, não havendo
variação estatística nas demais coletas. Tal redução foi observada
em todos os seis animais testados.
A proteína total demonstrou valores maiores em D0 e,
posteriormente, sofreu queda em seus níveis até atingir os menores
valores em D90, elevando-se discretamente em D120 em relação à
coleta anterior.
O VGM apresentou-se em níveis superiores em D0 em relação
a D90, não havendo diferenças significativas nas demais coletas.
Não se observou variação nos valores de HGM durante D0, D30 e
D60, porém todas as três coletas apresentaram valores superiores
em relação a D90, quando foi constatado o valor mais baixo, e D120.
Em estudo realizado por Walther et al. (2014) observou-se
que animais tratados com doses de fluralaner cinco vezes maiores
que a dose máxima recomendada apresentaram valores menores
de hematócrito quando comparados aos animais do grupo controle.
Isso pode indicar que o fluralaner seja responsável por causar
tal redução. Porém, tal redução não foi considerada clinicamente
relevante pelos autores.
Os achados para VGM e HGM, quando associados aos do
hematócrito, permitem inferir que, aos 90 dias pós-administração,
tanto o volume das hemácias quanto a quantidade de hemoglobina
também diminuíram. Além disso, tais dados podem explicar a
redução do hematócrito também neste mesmo período (dados
apresentados acima), pois, uma vez que o t