Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

CENTRO DE TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA
ERGONOMIA

ERGONOMIA
ESTUDO DE CASO:

ALLINY LOPES PINHEIRO PINTO


391210

FORTALEZA/CE
2018
1. INTRODUÇÃO

Atualmente as empresas estão imersas em um mercado cada vez mais


competitivo, enfrentando muitos desafios para melhorias nos seus resultados,
crescimento organizacional e manutenção da sua competitividade. Diante
disso, é natural às empresas buscarem as melhores formas para se
adequarem ao mercado e melhorarem seus processos produtivos para isso
investem em tecnologia, qualidade e em mão de obra, com a expectativa de
atender as expectativas crescentes dos públicos de interesse internos e
externos. A busca sempre pelos melhores resultados as empresas precisam
produzir mais em menos tempo e com menos mão-de- obra, e devido a isso
tendem a negligenciar a qualidade de vida e a saúde do trabalhador, os
colocando em condições de trabalho com pressões constantes e em ritmos de
tarefas repetitivas, aceleradas, padronizados e em posições inadequadas por
causa do tipo de trabalho ou operações dos maquinários.
Segundo dados do Ministério do Trabalho tarefas repetitivas que exigem
força ou um ritmo de trabalho acelerado, somadas a posturas inadequadas e
ao estresse, são o ambiente propício para o surgimento dos problemas de
saúde conhecidos como LER/Dort - Lesão por Esforço Repetitivo e Distúrbio
Osteomuscular Relacionado ao Trabalho. Segundo dados preliminares do
Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), em 2017 foram concedidos
22.029 benefícios acidentários a trabalhadores que precisaram ficar mais de 15
dias afastados do trabalho por causa de algum tipo de doença relacionada à
LER/Dort. O número representa 11,19% de todos os benefícios concedidos.
Diante do exposto nas últimas décadas, as empresas começaram a dar
uma atenção maior a ergonomia, havendo uma preocupação com o conforto do
trabalhador as condições do trabalho e o ambiente em qual se encontram com
o objetivo de reduzir as exigências biomecânicas e consequentemente a
incidência de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT) e
lesões por esforço repetitivo (LER).

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
2.1. Questionário nórdico musculoesquelético (NMQ)

O Questionário Nórdico (Nordic Musculoskeletal


Questionnaire – NMQ) é uma das principais ferramentas utilizadas
para a análise de sintomas musculoesqueléticos em um contexto
de saúde ocupacional ou ergonômico.
Essa ferramenta é usada para identificar as possíveis
doenças ocupacionais decorrentes de postos de trabalhos
inadequados. A proposta do NMQ é unificar a mensuração de
relatos de sintomas osteomusculares e facilitar a comparação dos
resultados entre os estudos e assim usá-lo como um utensílio de
diagnóstico do ambiente ou do posto de trabalho. (Santos et all.,
2015)
O NMQ apresenta uma figura humana repartida em nove
regiões anatômicas. Compreende também, questões
relacionadas à presença de dores musculoesqueléticas anuais e
semanais e também se houve incapacidade funcional e procura
por algum profissional da área da saúde nos últimos 12 meses.
(Sanchez et all., 2013)
Em um artigo apresentado em 2015 no XXXV Encontro
Nacional de Engenharia de Produção apresentou a Aplicação do
questionário nórdico musculoesquelético para estimar a
prevalência de distúrbios osteomusculares relacionados ao
trabalho em operárias sob pressão temporal. O objetivo do artigo
era avaliar a situação e consequência dos riscos do ambiente de
trabalho de funcionários de uma indústria química instalada no
estado de Sergipe. A indústria é especializada na fabricação de
produtos de limpeza em geral e revenda de produtos químicos em
geral e foram coletados os dados para estudo no setor de
envasamento de produtos líquido devido o trabalho repetitivo e
por serem em maioria mulheres que em sua natureza possuem a
estrutura óssea mais frágeis.

2.2. Sistema OWAS


O sistema OWAS (Ovako Working Posture Analysing
System) é uma ferramenta ergonômica prática desenvolvida para
analisar as posturas de trabalho na indústria de aço. Nos anos 70
alguns pesquisados da Finlândia fizeram um trabalho de análise
fotográfica das posturas principais que podiam ser observadas
em indústrias pesadas e com as análises trouxeram a conclusão
que as posições se repetiam em um número diferente de
combinações de dorso, braços e pernas. (Vinicius et al., 2015)
O principal objetivo deste método é analisar as posturas de
trabalho que se apresentam inadequadas, identificar as posturas
mais prejudiciais e ainda identificar as regiões que são mais
atingidas. (RIBEIRO et al., 2004) No método OWAS a atividade é
subdividida para análise das posturas a partir de observações das
características de uma situação de trabalho, fotografias e/ou
vídeos. Para análise ser satisfatória é necessário muitas
observações com várias amostras em intervalos de tempo a cada
observação com o registro das costas, braços, pernas forças.
(LIMA et al, 2015)

2.3. NIOSH

O NIOSH (National Institute for Ocupational Safety and


Health), em 1980 nos Estados Unidos trabalhou no
desenvolvimento de um método para determinar a carga máxima
a ser manuseada e movimentada manualmente numa atividade
de trabalho – NIOSH – Work Practices Guide for Manual Lifting
(1981). (Pegatin, 2008)

3. ESTUDO DE CASO

4. CONCLUSÃO

5. BIBLIOGRAFIA
CRUZ, Vinicius Crespaumer. et al. Fortaleza, outubro. 2014. Disponível em:
<http://www.abepro.org.br/biblioteca/TN_STO_209_238_27002.pdf> Acesso
em: 28 setembro. 2018.