Você está na página 1de 1

6

Gestão de vítimas

Se perceber a presença de gás lacrimogêneo ou


receber um alerta:
> tente sair ou correr em direção contrária ao gás;
> use proteção, se disponível, minimizando a
exposição da pele e do rosto, cobrindo-se o
máximo possível;
> cubra o nariz e a boca com um lenço ou outro
pedaço de tecido fino úmido e bem apertado.
Observação:
A intervenção dos socorristas diante da presença
de gás lacrimogêneo deve ser limitada e, por
conseguinte, não requer o uso de máscaras de gás.
O uso deste equipamento expõe a equipe a vários
perigos: a tentação de permanecer em um lugar
perigoso; que sejam confundidos com membros das
forças de segurança ou com manifestantes; o risco
de sofrerem roubos; e o risco de asfixia, se a máscara
for utilizada de maneira incorreta ou enquanto se
realizam esforços físicos intensos.
As seguintes recomendações podem servir para
limitar as consequências de contaminação por gás
lacrimogêneo:
> fique calmo, respire lentamente e lembre-se de que
é apenas temporário;
> assoe o nariz, lave a boca, tussa ou cuspa; tente não
engolir;
> não esfregue a pele nem os olhos;
> tente não tocar os olhos nem o rosto, nem tocar
outras pessoas, equipamentos, mantimentos, etc.
para evitar contaminação.
Se uma vítima for seriamente contaminada:
> retire as roupas contaminadas com as mãos
protegidas (p. ex.: com um saco de plástico, luvas
descartáveis, etc.);
> lave a pele toda com água limpa e sabão;
> se possível, use a água fria;
> enxágue os olhos com água limpa, do canto
interno do olho para fora, com a cabeça da vítima
inclinada para trás e levemente inclinada para o
lado sendo lavado;
> instrua as vítimas menos seriamente afetadas para
que executem essas medidas em si mesmas.

107