Você está na página 1de 38

Experimentação em Engenharia de Software

Cap 03 - Measurement + Cap 02 GQM

Isaac Rahel - 373721

1. Introdução

2. Conceitos Básicos
3. Tipos de escala

a. Nominal

b. Ordinal

c. Intervalo

d. Razão

4. Medidas objetivas e subjetivas

5.

6.

a. Objetivas

b. Subjetivas

Medidas diretas e indiretas

a. Diretas

b. Indiretas

Medidas em Engenharia de Software

a. Processo

b. Produto

c. Recursos

7. Medidas na prática

8. GQM

Sumário

Engenharia de Software a. Processo b. Produto c. Recursos 7. Medidas na prática 8. GQM Sumário

Tópicos do livro

1. Introdução

1. Introdução

A medição de software é crucial

Controle de projetos, produtos e processos

"Você não pode controlar o que você não pode medir"

DeMarco, T.: Controlling Software Projects. Yourdon Press, New York (1982)

Controlar o estudo e ver os efeitos

Medir as entradas e saídas

1. Introdução

O que é a medição ?

“Medição é o processo pelo qual números ou símbolos são atribuídos a atributos de entidades no mundo real, de modo a descrevê-los de acordo com regras claramente definidas.”

Em vez de julgar diretamente a entidade real, estudamos as medidas e faça o julgamento sobre eles.

2. Conceitos Básicos

2. Conceitos Básicos

Uma medida é um mapeamento do atributo de uma entidade para um valor de medição

Geralmente um valor numérico

Caracterizar

Manipular de maneira formal

Quando usamos uma medida, devemos ter certeza de que a medida é válida.

Não violar características do atributo

Caracterização matemática adequada do atributo.

2. Conceitos Básicos

Uma medição válida faz com que os objetos sejam diferenciados.

Limites de erro

Dois objetos não devem ter o mesmo valor de medição

que os objetos sejam diferenciados. ◆ Limites de erro ➔ Dois objetos não devem ter o
que os objetos sejam diferenciados. ◆ Limites de erro ➔ Dois objetos não devem ter o
que os objetos sejam diferenciados. ◆ Limites de erro ➔ Dois objetos não devem ter o

2. Conceitos Básicos

O tamanho do efeito é uma maneira “simples” de quantificar a diferença entre dois grupos.

Possível mostrar uma diferença estatística significativa entre dois grupos.

Cuidado

Pode ser que a diferença seja mínima.

Custo para explorar a diferença seja simplesmente alto demais.

2. Conceitos Básicos

O mapeamento de uma atributo pode ser feito de diversas maneiras. Escalas

Metros, centímetros, polegadas.

Converter entre escalas

Se preservar o relacionamento entre os objetos é chamada transformação admissível.

Com as medidas dos objetos é possível:

Afirmações sobre os objetos

Afirmações sobre o relacionamento entre objetos.

3. Tipos de escala

3. Tipos de escala

Os tipos mais comuns de escala são:

Nominal

Ordinal

Intervalo

Razão

3. Tipos de escala

Nominal

Escala mais fraca.

Mapeia o atributo da entidade em um nome ou símbolo.

Transformações Um-para-Um

Exemplos:

Classificação

Rotulagem

digitação de defeitos

3. Tipos de escala

Ordinal

Mais poderosa que a nominal.

Classifica as entidades após um critério de ordenação.

Maior que

Menor que

Mais complexo

Exemplo:

Complexidade de softwares

3. Tipos de escala

Intervalo

Mais poderosa que a ordinal

Usada quando a diferença entre duas medidas é significativa, mas não o valor em si.

Ordena os valores

Distância relativa

Exemplos:

Temperatura em Graus e Fahrenheit.

3. Tipos de escala

Razão

Se houver um valor zero significativo e a razão entre duas medidas for significativa.

Exemplo:

Comprimento

Temperatura em Kelvin

Duração de uma fase de desenvolvimento

3. Tipos de escala

As escalas podem ser divididas em quantitativas e qualitativas

Quantitativas

Intervalo

Razão

Qualitativas

Nominal

Ordinal

4. Medidas objetivas e subjetivas

4. Medidas objetivas e subjetivas

As vezes a medição de um atributo deve se considerar o ponto de vista de onde são retirados.

Pode ser dividido em duas classe:

Objetivas Subjetivas.

4. Medidas objetivas e subjetivas

Medidas Objetivas

Não há julgamento no valor de medição.

Depende apenas do objeto.

Pode ser medido várias vezes e dará o mesmo resultado

Erro de medição

Exemplos:

Linhas de código

Data de entrega

4. Medidas objetivas e subjetivas

Medidas Subjetivas

A pessoa que faz a medição contribui fazendo algum tipo de julgamento.

A medida depende do objeto e do ponto de vista do qual eles são tirados

Pode ser diferente se o objeto for medido novamente

Geralmente Nominal ou Ordinal

Exemplos:

Habilidade pessoal

Usabilidade

5. Medidas diretas e indiretas

5. Medidas diretas e indiretas

Os atributos nos quais estamos interessados às vezes não são diretamente mensuráveis.

Essas medidas devem ser derivadas de outras medidas diretamente mensuráveis.

As medidas podem ser:

Diretas

Indiretas

5. Medidas diretas e indiretas

Medidas diretas

Diretamente mensurável e não envolve medidas em outros atributos.

Exemplos:

Linhas de código

Número de defeitos encontrados no teste.

5. Medidas diretas e indiretas

Medidas indiretas

Envolve a medição de outros atributos

Derivada das outras medidas

Exemplos:

Densidade de defeitos

Número de defeitos / número de linhas de código

Produtividade dos programadores

Linhas de código / Esforço do programador

6. Medidas em Engenharia de Software

6. Medidas em Engenharia de Software

Os objetos que estamos interessados podem ser divididos em 3 classes:

Processo

Quais atividades são necessárias para produzir o software.

Produto

O que resulta de uma atividade de processo.

Artefatos

Entregáveis

Documentos

Recurso

Os objetos necessários para uma atividade de processo.

Pessoal

Hardware

Software

6. Medidas em Engenharia de Software

Também distinguimos em internos e externos

Internos

Pode ser medido puramente em termos do objeto

Externos

Só podem ser medidos em relação a como o objeto se relaciona com outros objetos

6. Medidas em Engenharia de Software

Classe

Exemplo de obj

Atributo interno

Atributo Externo

Processo

Testar

Esforço

Custo

Produto

Código

Tamanho

Confiabilidade

Recurso

Pessoal

Idade

Produtividade

7. Medidas na prática

7. Medidas na prática

As métricas são definidas pelo pesquisador

Coletadas durante a fase de operação do estudo empírico

Quando se trata de como as métricas devem ser coletadas,

Não exigir muito esforço dos participantes do estudo.

A qualidade das métricas coletadas é importante para a análise continuada do estudo.

8. GQM

8. GQM

Goal/Question/Metric

Baseia-se no pressuposto de que, para uma organização medir de uma forma intencional, deve:

Especifique os objetivos para si e seus projetos,

Trace essas metas para os dados que pretendem definir esses objetivos operacionalmente

Fornecer uma estrutura para interpretar os dados em relação aos objetivos declarados.

Resultados

Especificação de um modelo de medição direcionado
Conjunto particular de questões

Conjunto de regras para a interpretação dos dados de medição.

8. GQM

8. GQM

8. GQM

Hierarquia

nível conceitual (Objetivo)

Um objetivo é definido para um objeto, por uma variedade de razões

modelos de qualidade

pontos de vista,

ambiente particular.

nível operacional (Questões)

Um conjunto de perguntas é usado para caracterizar a forma como a avaliação / realização de uma meta específica será realizada

modelo de caracterização

aspecto de qualidade

qualidade a partir do ponto de vista selecionado.

8. GQM

Hierarquia

nível quantitativo (Métrica)

Um conjunto de dados está associado a cada pergunta para respondê-la de maneira quantitativa (objetiva ou subjetivamente).

8. GQM

O processo de estabelecimento de objetivos é fundamental para o sucesso da aplicação do Método GQM.

Os objetivos são formulados com base em

políticas e estratégias da organização

descrições de processos e produtos

modelos de organização.

Quando objetivos são formulados, perguntas são desenvolvidas com base nesses objetivos.

Depois que as perguntas tiverem sido desenvolvidas, passamos a associar as perguntas a métricas apropriadas.

Obrigado