Você está na página 1de 5
setembro de 2018 / 50 minutos Ficha de Avaliação Diagnóstica Nº 11ºA Professora Nome: Classificação
setembro de 2018 / 50 minutos Ficha de Avaliação Diagnóstica Nº 11ºA Professora Nome: Classificação

setembro de 2018 / 50 minutos

Ficha de Avaliação Diagnóstica

11ºA

Professora

Nome:

Classificação

GRUPO I

1. Assinale como verdadeiras ou falsas as afirmações que se seguem sobre a poesia trovadoresca.

A)- Nas cantigas de amor, o sujeito de enunciação é a donzela

B)- Em termos gerais, pode afirmar-se que as características da mulher são as mesmas quer nas cantigas de

amor quer nas de

C)- Uma das temáticas mais frequentes das cantigas de escárnio é a coita de

D)- Nas cantigas de escárnio e maldizer é recorrente a crítica de

2. Selecione a opção correta, baseando-se nos conhecimentos que possui sobre a Crónica de D. João I de Fernão

Lopes.

2.1. A Crónica de D. João I

(A)

surge como uma forma de legitimar o reinado de D. João I.

(B)

incide sobre os reinados da primeira dinastia e o início da dinastia de Avis.

(C)

centra-se nas medidas tomadas por D. João I para iniciar a expansão marítima.

(D)

tem como pano de fundo o século XV.

2.2. A figura principal da Crónica de D. João I é

(A) D. João, mestre de Avis, pelo facto de ser o que melhores condições reunia para assumir o trono

português.

(B)

D. João de Castela, na medida em que a batalha de Aljubarrota só acontece por este se querer apoderar

do reino de Portugal.

(C)

o povo, porque está disposto a sacrificar a própria vida em prol da pátria, e, sem ele, Portugal perderia

a

independência.

(D)

o

conde Andeiro, na medida em que é por causa da sua morte que todos os acontecimentos relatados

na crónica se desenrolam.

3. Preencha os espaços em branco, recuperando os seus conhecimentos sobre a Farsa de Inês Pereira.

Na Farsa de Inês Pereira são criticados, entre outros, as

que ansiavam a libertação através

do casamento; as

,

que tinham como ofício arranjar casamentos; os

gabarolas

e pobretanas; os

gananciosos e os membros do

que não cumpriam os votos

de castidade.

4.

Selecione a alternativa que melhor completa a definição respeitante ao estudo que efetuou das Rimas, de

Luís Vaz de Camões.

Na poesia lírica de Camões, por influência de Petrarca / Sá de Miranda, a mulher é apresentada como um ser fatal

/ divino, angélico, com o poder de transformar o Homem e a alma / Natureza. Esta surge como um espaço tranquilo,

mágico, conducente ao sofrimento / amor e ao desespero / encantamento tópicos associados ao conceito de locus

amoenus / locus horrendus , como espelho da alma do poeta ou ainda como opositora / testemunha da dor ou da

felicidade do eu lírico. Os temas do desconcerto / oportunismo e da mudança / amizade, a reflexão de caráter

impessoal / pessoal, a representação da amada e a experiência amorosa são algumas das temáticas / ideologias

desenvolvidas por este poeta renascentista.

5. Selecione a alternativa que completa adequadamente cada uma das afirmações seguintes respeitantes à epopeia Os Lusíadas.

5.1. N’ Os Lusíadas, a estrutura interna consiste na seguinte organização da obra:

(A)

Proposição, Invocação, Narração e Dedicatória.

(B)

Proposição, Dedicatória, Invocação e Narração.

(C)

Proposição, Invocação, Dedicatória e Narração.

(D)

Invocação, Proposição, Dedicatória e Narração.

5.2. O plano das reflexões do poeta é constituído por

(A) considerações sobre vários temas, normalmente em consequência dos relatos feitos anteriormente

pelo narrador.

(B)

considerações sobre as atitudes de Vasco da Gama e dos marinheiros no decurso da viagem.

(C)

desabafos do poeta sobre o sofrimento a que os navegadores estiveram sujeitos.

(D)

desabafos sobre o desprezo a que os poetas eram votados em Portugal.

6. Assinale as afirmações, relativas ao capítulo V da História Trágico-Marítima, como verdadeiras ou falsas.

A)- “As terríveis aventuras de Jorge de A. Coelho” é uma narrativa em que se juntam factos heroicos e apelos

de teor

B)- Na viagem são narrados acontecimentos como as lutas contra as adversidades da Natureza

C)- A história narrada situa-se no século XV, aquando da descoberta do caminho marítimo para a

Leia atentamente o texto.

GRUPO II

Há 30 anos, no Equador…

O Equador deve ser o país sul-americano de que menos se fala. Talvez pela relativa estabilidade

política e ausência de catástrofes naturais, coisas que abundam nos territórios vizinhos. Mas viajar neste

patchwork 1 de culturas há quase 30 anos, foi uma experiência que me deixou memórias excelentes.

5

10

15

20

25

30

35

Equador, um ilustre desconhecido

[…] Pequeno e diversificado, é um país que combina floresta amazónica, planalto andino onde despontam uns trinta vulcões, uns mais ativos que outros e costa marítima. Para não falar no tesouro que são as ilhas Galápagos, que não visitei. Na faixa costeira, de clima quente, concentram-se o comércio e a indústria, e cultiva-se a maior parte dos produtos exportáveis, como banana, café e cacau, escoados através do porto de Guayaquil. Aqui é o

território da maioria privilegiada, por oposição aos territórios mais pobres dos Andes, a admirável espinha dorsal da América do Sul, que se estende, interminável, da Venezuela à Terra do Fogo. Nas montanhas, os habitantes mantiveram-se adversos aos intrusos de outras culturas proeza memorável, só conseguida no Peru e na Bolívia. Mas por oposição ao bulício moderno da costa, a vida continua lenta, incluindo o desenvolvimento da economia local.

Para rematar esta manta geográfica, há que considerar a floresta tropical amazónica o Oriente, como aqui é chamado que faz fronteira com a Colômbia e o Peru, e que é em grande parte território bravio e inexplorado.

A capital, Quito, fica a 2650 metros de altitude, o que lhe garante o título de segunda capital mais

alta do mundo (depois de La Paz). Começou por ser um aldeamento fundado no século XV por incas

vindos do Peru, cujas marcas desaparecerem quase completamente, à exceção das quase insignificantes ruínas de Ingapirca, perto de Cuenca, no sul do país. […] Para chegar ao Oriente, que começa nas savanas tropicais de Puyo, a estrada serpenteia pelos contrafortes dos Andes e pode oferecer-nos o milagre de uma visão rápida sobre o cume nevado do Chimborazo, o monte mais alto do Equador, quase sempre escondido pela neblina. As estradas pioram,

e entramos num mundo verde onde algumas aldeias parecem ter ficado esquecidas à mercê dos tentáculos retorcidos da selva. É uma luxúria de verdes, cascatas de água castanha que acende arco-íris suspensos em desfiladeiros e, por fim, o horizonte compacto da selva. Em Misahuali iniciámos a descida do rio Napo, numa navegação precária que durou uma semana com uma canoa motorizada, que avançava condicionada por baixios e rápidos traiçoeiros até

Limoncocha, onde nadámos num lago com piranhas, e caimões que só apareciam de noite… Latacunga, Machachi, Otavalo e Zumbahua são nomes que para sempre conjuram na minha cabeça as imagens de ponchos coloridos, chapéus de abas estreitas, crianças levadas às costas dentro de panos com todas as cores do arco-íris, “comedores” de rua, instalados por uma manhã debaixo de um guarda- -sol, pilhas de legumes e batatas que se vendem no chão, nos “mercados índios”. […]

Um dia volto lá…

1 miscelânea, mistura

http://comedoresdepaisagem.com/equador/ (consultado em janeiro de 2016).

Responda às questões. Nas respostas aos itens de escolha múltipla, selecione a opção correta.

1. A expressão “patchwork de culturas” (l. 3) significa que o Equador

(A)

é um país com tradições seculares.

(B)

é o país sul-americano cuja cultura é a menos conhecida.

(C)

é um país que valoriza o trabalho artesanal.

2.

Ao referir os Andes como a “espinha dorsal” (ll. 10/11), o autor

(A)

demonstra que os Andes atravessam toda a América do Sul.

(B)

dá ênfase à beleza dessa região.

(C)

considera os Andes como a região mais pobre da América do Sul.

(D)

salienta a dureza da travessia desse território.

3. O texto apresentado possui marcas características de

(A)

texto expositivo, porque demonstra de forma clara o tema da viagem.

(B)

relato de viagem, pois está presente uma dimensão narrativa, descritiva e um discurso pessoal.

(C)

texto de apreciação crítica, uma vez que apresenta uma opinião pessoal sobre uma viagem.

(D) artigo de divulgação científica, pois evidencia rigor e objetividade no vocabulário e na exposição da informação.

4. No segmento “uns mais ativos que outros” (l. 6), o “que” tem um valor

(A)

consecutivo.

(B)

comparativo.

(C)

causal.

(D)

completivo.

5. A função sintática desempenhada pela expressão “o comércio e a indústria”(l. 8) é

(A)

sujeito.

(B)

complemento direto.

(C)

predicativo do sujeito.

(D)

complemento indireto.

6. No segmento frásico “É uma luxúria de verdes, cascatas de água castanha que acende arco-íris suspensos em desfiladeiros” (ll. 26-27) está presente uma

(A)

metáfora.

(B)

personificação.

(C)

sinédoque.

(D)

comparação.

7. No contexto em que ocorre, “conjuram” (l. 31) é sinónimo de

(A)

esbatem.

(B)

debatem-se.

(C)

anulam.

(D)

reúnem em conspiração.

8. Identifique o processo de formação de palavras que deu origem ao vocábulo “completamente” (l. 20).

9. Classifique as orações subordinadas que integram o seguinte segmento frásico. “Para chegar ao Oriente, que começa nas savanas tropicais de Puyo, a estrada serpenteia pelos contrafortes dos Andes e pode oferecer-nos o milagre de uma visão rápida sobre o cume nevado do Chimborazo.”

10. Indique a função sintática desempenhada pelo pronome pessoal “nos”, na frase apresentada em 9.

CORREÇÃO DA FICHA DIAGNÓSTICA

GRUPO I

1.

b. F (Enquanto nas cantigas de amor, a mulher é um ser divinizado, quase inatingível, pertencente à aristocracia, a donzela das cantigas de amigo é um ser terrestre, de cariz essencialmente popular.);

c. F (Essa é uma das temáticas mais frequentes das cantigas de amor.);

d. V.

a. F (O sujeito de enunciação é o trovador enamorado.);

2.1. (A);

2.2. (C).

3. a. moças ;

b. alcoviteiras;

c. escudeiros;

d. judeus;

e. clero.

4. a. Petrarca;

b. divino; c. Natureza;

d. amor;

 

i.

mudança; j. pessoal; k. temáticas.

5.1.

(C).

5.2.

(A).

6.

a. V;

e. encantamento; f. locus amoenus;

g. testemunha; h. desconcerto;

b. V;

c. F (Situa-se na segunda metade do século XVI, aquando da colonização do Brasil e da implementação da Rota das

Especiarias.)

GRUPO II

1. (D);

2. (A);

3. (B);

4. (B);

5. (A);

6. (A);

7. (D).

8. Derivação por sufixação.

9. Oração subordinada adverbial final e oração subordinada adjetiva relativa explicativa.

10. Complemento indireto.

   

GRUPO I

 

GRUPO II

 

Questão

1

2

3

4

5

6

1 a 10

Total

Cotação

4x4 =16

2x7=14

5x4=20

11X2=22

2X8=16

3X4=12

10x10=100

200 pontos