Você está na página 1de 32
e Contra 0 Gera ds Pies das vezes partithada, em varios modos complicados, por dois sujei- {0s institucionais: © parlamento e 0 governo. [As diferentes descriges das diversas possiveis formas de relagio entre estes dois 6rgios ¢ os contrastantes argumentos para prefe- fir uma forma a outra sio os temas do debate e da polémica sem- pre renovada entre parlamentaristas € presidencialistas, nas quais se inserem também os defensores de certas variantes intermedis- rias, Considerando brevemente estes temas (sobre os quais teremos de retornat"2) dentro da perspectiva deste capitulo, € fécil ver que na forma de governo presidencialista 0 desenvolvimento do jogo democritico se apresenta de certo modo desdobrado: 0 ato de ele~ ‘ger tem dois objetos, aio apenas a assembléia representativa (os seus membros), mas também, e separadamente, o chefe do (assin denominado) executivo, Este tltimo, no entanto, ndo é um érgio representativo no sentido propriamente democrético do verbo representar (nenhum 6rgio monocratico pode sé-lo). Por isso, & medida que o poder do governo tende a se tornar o poder predo- iminante, como ocorre nos regimes presidencialistas, 0 jogo no seu todo se torna menos democratico. O regime parlamentar, a0 con- trio, conferindo o papel principal ao momento de deliberar, ou scja, A discussio colegiada entre todas as orientagSes politicas tepresentadas no parlamento, 6 a forma institucional que permite (ainda que em si nao garanta) 0 desenvolvimento mais linear e coe- rente de 1g0 democritico Parte I Complementos 4 Qual liberdade? 1. Promissa metodoligica Em um passado recente, alguns autores sustentaram que a nogio de liberdade, como outras nogies-chave do léxico politico, é por sua prdpria narureza controversa, uma vez. que aos usos do termo estio inevitavelmente associados contestaveisjuizos de valor.! Nao compartilho esta tese, que continua a ser retomada com certa fre- iitncia. Considero que tenkam razo aqneles que julgamn possivel € frutifero empenhar-se em uma analise da estrutura I6gica do ou dos significados de ““liberdade”, com a finalidade de reconstrut-los ‘em termos neutros e nio-valorativos2 Creio, pottanto, possivel e ‘oportuno propor redefinigées da nogiio de liberdade, a partir sim dos usos comuns, mas exatamente para depuré-los de ambigtida- des ¢ contradigies, ¢ discutir tais redefinigoes aquém de qualquer referéncia a controvérsias ¢ contestaveis opiniées normativas, ‘moras ou politicas. Para tentar desfazer a ambigitidade em tomo dos significados das palavras, ndo ha nada melhor do que tentar distinguie. Duas ordens de distingées parecem em geral oportunas. De um lado é preciso tentar distinguir um conceito dos conccitos afins, aqueles que ‘expressamos com termos que parecem sindnimos, ou que sio