Você está na página 1de 3

Caracterização da Exposição (P.P.R.A.

O assunto é P.P.R.A. (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), documento esse


embasado legalmente pela Portaria 3214/78, em sua Norma Regulamentadora – NR-09.
Quando falamos em NR-09, logo alguém pergunta – “quem é o responsável pelo seu
desenvolvimento?”
Como não há nenhuma outra legislação que indique esse responsável e como é do
conhecimento de TODOS (inclusive engenheiros) a NR-09 é bem clara em seu item 9.3.1.1,
o qual não específica esse ou aquele ÚNICO responsável.
Mais essa é uma discussão bem antiga e não é nossa pauta.
Na grande maioria dos casos o P.P.R.A. é desenvolvido pelas assessorias/consultorias em
segurança do trabalho, em alguns casos pelos técnicos, existe uma minoria que para baratear
esse valor desloca um estagiário para seu desenvolvimento, pois bem, seja quem for o
responsável pelo seu desenvolvimento, todos temos uma dúvida em comum, “como
caracterizar a exposição? – Eventual, Intermitente ou Contínua/Habitual?”
Todos sabemos que durante o desenvolvimento de todo e qualquer documento/treinamento
de segurança do trabalho nos baseamos em fundamentações legais, ou seja, não podemos
simplesmente fazer desse ou daquele jeito, temos que seguir padrões legais.
É claro também que a NR-09 precisa de uma reformulação, como por exemplo, a questão dos
riscos ambientais, em atendimento a norma não incluiríamos os riscos Ergonômicos e
Acidentes/Mecânicos, uma vez que os mesmos não são contemplados na legislação aqui em
questão.
O P.P.R.A. não é apenas um documento de segurança, é um PROGRAMA o qual deve ser
seguido, discutido em reuniões, apresentado aos funcionários e não menos importante
enviado a medicina ocupacional para que essa desenvolva o P.C.M.S.O. (Programa de
Controle Médico e Saúde Ocupacional), conforme determina a Portaria 3214/78 em sua
Norma Regulamentadora NR-07.
Diante disso ao desenvolvermos um P.P.R.A. conforme determina a Portaria 3.214/78, em
sua N.R.-09, precisamos de embasamento legal para sua perfeita conclusão, no entanto, nos
deparamos com a seguinte indagação (isso para aqueles que desenvolvem P.P.R.A., para
aqueles que apenas copiam, com certeza nunca pensaram nisso) "como devo caracterizar?".
Nas fichas de reconhecimento dos riscos ambientais precisamos informar qual o tipo de
exposição ao qual está exposto o trabalhador, cabe informarmos se a mesma é “Eventual,
Intermitente ou Contínuo/Habitual”.
Para tal informação no que nos baseamos?
Qual a nossa definição da forma de exposição?
Na verdade legalmente não existe nada de embasamento legal, usávamos uma informação
de Lei, no entanto, a mesma foi Revogada, trata-se da Portaria 3311/89 a qual definia tempo
de exposição, a saber:
“Do tempo de exposição ao risco: a análise do tempo de exposição traduz a quantidade de
exposições em tempo (horas, minutos, segundos) a determinado risco operacional sem
proteção, multiplicado pelo número de vezes que esta exposição ocorre ao longo da jornada
de trabalho. Assim, se o trabalhador ficar exposto durante 5 minutos, por exemplo, a vapores
de amônia, e esta exposição se repete por 5 ou 6 vezes durante a jornada de trabalho, então
seu tempo de exposição é de 25 a 30 minutos por dia, o que traduz a eventualidade do
fenômeno. Se, entretanto, ele se expõe ao mesmo agente durante 20 minutos e o ciclo se
repete por 15 a 20 vezes, passa a exposição total a contar com 300 a 400 minutos por dia de
trabalho, o que caracteriza uma situação de intermitência. Se, ainda, a exposição se processa
durante quase todo ou todo o dia de trabalho, sem interrupção, diz-se que a exposição é de
natureza continua.”

Portanto a tal Portaria aqui citada nos dava a seguinte informação:

Ø Máximo de 30 minutos/dia de exposição = EVENTUAL;


Ø Mínimo de 31 minutos e máximo de 400 minutos/dia de exposição (a grosso modo podemos
considerar 6h e 30m) = INTERMITENTE;
Ø Acima dos 400 minutos/dia de exposição = PERMANENTE, CONTÍNUO OU HABITUAL.

Se pensarmos em porcentagens para definição dessa informação, teremos a seguinte


informação (uma jornada diária de 8 horas de trabalho), temos:

08 horas/dia é equivalente a: 480 minutos e/ou 100%.

Ø Máximo de 6,25% (Aproximadamente) do dia exposto = EVENTUAL;


Ø Máximo de 83,33% (Aproximadamente) do dia exposto = INTERMITENTE;
Ø Exposição acima de 83,34% (Aproximadamente) do dia exposto = PERMANENTE,
CONTÍNUO OU HABITUAL.

Alguém pode estar se perguntando: “Qual a real importância dessa informação?”

Essa informação é importante devido a um futuro processo trabalhista, onde sabemos que a
eventualidade descaracteriza a Insalubridade e/ou Periculosidade diante a exposição de um
determinado agente nocivo a saúde do trabalhador ou mesmo a exposição a um determinado
risco de óbito.
CONCLUSÃO:
Devido as questões aqui colocadas fica bem claro que as respostas se baseiam no
subjetivismo do analisador, o que é complicado e quase sempre muito discutível, isto é,
devido o não embasamento Legal esse é um assunto o qual sempre dará muita......discussão.

Interesses relacionados