Você está na página 1de 3

Sensores Ópticos

São componentes de sinalização e comando que excutam detecção de qualquer material sem que haja contato mecânico entre eles.

O principio de funcionamento do sensor óptico baseia-se na existência de um emissor e de um

receptor. A luz gerada pelo emissor deve atingir o receptor com intensidade suficiente para

fazer com que o sensor comute sua saída.

O sinal de luz gerado pelo emissor do sensor óptico é modulado numa determinada frequência,

ou seja, o emissor gera um sinal com um certo numero de lampejos por segundo. O receptor do sinal do sensor é acoplado a um que somente considera sinais com a mesmo frequência do

emissor. Essa característica é empregada no sensor óptico para minimizar os efeitos de possíveis interferências causadas por outras fontes luminosas.

interferências causadas por outras fontes luminosas. Foto resistores Resistor dependente de luz ou simplesmente

Foto resistores

Resistor dependente de luz ou simplesmente foto resistor. É usado como sensor de luz numa infinidade de aplicações. Quando a luz incide em determinadas substancias cujas resistências são alteradas devido à quantidade de luz que recebem, ocorre a liberação de portadores de cargas que ajudam a condução da corrente elétrica. O material utilizado na construção dos LDR’s é o Sulfeto de Cádmio (fotocélulas de sulfeto de cádmio). Apresenta uma resistência extremamente elevada no escuro, da ordem de milhões de ohms. Essa resistência é diminuída para algumas centenas de milhares de ohms quando recebe iluminação direta, a luz forte, uma lâmpada próxima ou a luz direta do Sol. Os LDR’s não são componentes polarizados, o que significa que a corrente pode circular nos dois sentidos. As variações de resistência com a luz são iguais em qualquer sentido.

Fotodiodo

com a luz são iguais em qualquer sentido. Fotodiodo É um diodo semicondutor cuja função está

É um diodo semicondutor cuja função está exposta à luz. A energia desloca elétrons para a banda de condução, reduzindo a barreira de potencial pelo aumento do número de elétrons, que podem circular se aplicada polarização reserva. A corrente nos fotodiodos é da ordem de dezenas de mA com alta luminosidade e a resposta é rápida. Há fotodiodos para todas as faixas de comprimentos de onda, do infravermelho ao ultravioleta, dependendo do material que compõe a junção.

ultravioleta, dependendo do material que compõe a junção. Fototransistor É um transistor cuja função coletor-base

Fototransistor

do material que compõe a junção. Fototransistor É um transistor cuja função coletor-base fica exposta à

É um transistor cuja função coletor-base fica exposta à luz e atua como um fotodiodo. O transistor amplifica a corrente através do circuito eletrônico e fornece alguns mA com alta luminosidade. Sua taxa de comutação é menos que a do fotodiodo. Suas aplicações são as mesmas do fotodiodo, exceto em sistemas de fibra óptica pela operação em

que a do fotodiodo. Suas aplicações são as mesmas do fotodiodo, exceto em sistemas de fibra

alta frequência, contudo encontramos muitas outras aplicações dos foto transistores nos mais diversos tipos de grandezas a serem medidas, tais como: presença, velocidade, temperatura, pressão, vazão, posição, nível.

temperatura, pressão, vazão, posição, nível. CCD (Charge Couple Devices) O dispositivo de acoplamento

CCD (Charge Couple Devices)

O dispositivo de acoplamento de carga, ou CCD, tem papel importante como sensor de imagem. Os portadores minoritários são dispostos em uma estrutura de semicondutores de óxido metálico (MOS) e armazenados num potencial localizado numa junção Si-SiO₂. Aplicando as voltagens apropriadas aos eletrodos de metal, é possível variar o potencial no semicondutor de tal modo que as cargas são trocadas de uma célula para a próxima. Um CCD é assim um notável registrador de deslocamento analógico que consiste numa fila de capacitores MOS. Sua característica principal é o armazenamento e transporte executado por elementos separados sem uma camada de depleção. Num sensor de imagem CCD, os portadores minoritários são gerados pela luz absorvida durante o período de integração e avançados durante cada pulsação de estagio de leitura ate que eles apareçam com um sinal de imagem ao diodo de produção na forma de uma pulsação atual.

CMOS (Complementary Metal Oxide Semicondutor)

atual. CMOS (Complementary Metal Oxide Semicondutor) Os sensores de imagens CMOS detectam a luz da mesma

Os sensores de imagens CMOS detectam a luz da mesma maneira que os sensores CCD, porém, pelo ponto de vista da detecção, estão muito mais avançados que os CCD. Os sensores CMOS permitem a integração de todo o circuito de controle e no próprio chip. O consumo é menor nos modos trabalho e espera. Utilizam baixa tensão de alimentação e seu custo é menor devido ao seu processo

de fabricação. Existem dois tipos básicos de sensores de imagens CMOS: passivo e ativo. E eles podem ser descritos como:

o

Passivo (Passive-Pixel sensors - PPS): foram os primeiros sensores de imagens utilizados na década de 60. Nesse tipo de sensor, um sítio converte um fóton em uma carga. Essa carga é carregada para fora do sensor e então amplificada. O problema desses sensores é o ruído que aparece como fundo de uma imagem. Para eliminar o ruído normalmente são utilizados processos complementares de processamento.

o

Ativo (Active-pixel sensors - APS): apresentam redução do ruído associado com o sensor passivo. O circuito eletrônico de cada pixel determina o nível de ruído associado e o cancela na sua saída. A performance dessa tecnologia é comparável com muitos dispositivos de acoplamento de carga (CCD), permitindo imagens e resoluções maiores.

Fototiristores Uma chave controladora de silício (Silicon Controlled Rectifier – SCR) ativada pela luz (LASCR)

Fototiristores

Uma chave controladora de silício (Silicon Controlled Rectifier SCR) ativada pela luz (LASCR) é um SCR cujo estado é comutado pela luz incidente sobre uma camada semicondutor de silício do dispositivo. Há também um terminal de porta para permitir o disparo do dispositivo usando os métodos típicos do SCR. As áreas de aplicação do LASCR incluem controle óptico luminoso, relés, controle de fase, controle de motores e varias aplicações em microcomputadores. As capacidades de corrente e potencia máximas para os LASCR’s disponíveis comercialmente são em torno de 3A e 0,1W. Geralmente, um aumento na temperatura da junção resulta uma redução da energia luminosa necessária para ativar o dispositivo. Existem no mercado outros tipos de fototiristores: o LAPUT (Transistor de Unijunção Programável Ativada por Luz), o LASCS (Chave Controladora de Silício Ativada por Luz), etc

Válvulas de ultravioleta detectores de chamas

Dispositivos que indicam a presença de partículas sólidas, vapores e/ou gases que compões a fumaça de chamas. São utilizados em ambientes em que a chama é o primeiro indicio de fogo. O sensor de chama é sensível aos raios ultravioleta que se fazem presentes sempre que existe fogo. Por suas características de projeto esse detector discrimina outras formas de raio, sendo imune à luz natural. Características técnicas:

Ângulo de visão: 90° Tensão de operação: 12 a 24 VDC Corrente de operação: 25 mA sob 24 VDC

Corrente de repouso: 1 uA sob 24 VDC Temperatura de operação: - 10°C a 70°C Umidade relativa: 95% máxima