Você está na página 1de 3

PROCESSOS IDENTITÁRIOS

Esta UFCD teve a duração de 50 horas e foi leccionada pela formadora Rita
Correia.
Processos Identitários tiveram como objectivos conhecer melhor o que significa
a personalidade de cada um e como a constituímos. Todos temos uma entidade
e cada qual a definida melhor maneira ou não, como tudo na vida, existe
pessoas boas ou menos boas. Daí termos iniciadas estas aulas com um tema de
interiorização pessoal (quem sou eu). De forma a reflectirmos sobre a nossa
experiência de vida e identidade, de modo a que nos conseguíssemos definir da
melhor maneira através da caracterização pessoal e como cidadão, não
podendo esquecer que desde o dia em que se nasce, todos temos direito a um
nome a uma nacionalidade (cidadão).
Ser cidadão não é apenas direitos e deveres que a lei exige que sejam
cumpridas, mas é tudo aquilo que façamos e que possa contribuir para uma
melhor sociedade e para o bem-estar de todos os cidadãos.
Afinal o que define a identidade? A nossa identidade é algo que nos pertence e
nos diferencia Dos outros, como tal existem diversas maneiras de demonstrar a
nossa identidade, um dos pontos é de onde somos, que hábitos têm, quais são
as nossas origens. Este conjunto de pontos, podem muito bem definir a
identidade de uma pessoa, ou seja as nossas crenças, a nossa língua, a nossa
religião e identificamo-nos pelos laços afectivos.
Outro tema muito importante referido em sala de aula, foi a discriminação, de
diversas formas, em função da raça, da faixa etária, da língua, da deficiência.
As pessoas com deficiências devem ter os mesmos direitos que os restantes
cidadãos conforme o estabelecem o 1eartigo da declaração universal dos
direitos do homem. Sobre estes temas foi-nos pedido um trabalho e como todo
o módulo foi trabalhado em grupo, este também foi. (Trabalho em anexo).
Em sequência do tema anterior, abordamos sobre as ONG'S. Para entendermos
melhor o significado, realizamos uma visita de estudo ao Banco Alimentar. Este
é uma instituição de solidariedade social, organização não governamental, e
tem como objectivo, lutar contra o desperdício de alimentos e fazendo-os
chegar às pessoas que têm maiores necessidades.
Outra organização é a ONU, que foi fundada após a segunda guerra mundial
com o objectivo de cooperação na segurança internacional, desenvolvimento
económico, progresso social, direitos humanos e a realização da paz mundial.
Para podermos interiorizar melhor do quanto existe pobreza, visualizamos uma
pequena reportagem intitulada," Eu e os Meus Irmãos", esta reportagem foi
gravada em Moçambique e falava sobre três irmãos órfãos. Estas crianças
viviam sozinhas e não tinham qualquer tipo de conforto, normalmente tinham
uma refeição diária, felizmente existem as ONG S que ajudam estas pessoas,
que apesar de terem muitas dificuldades dizem que “ apesar de não terem uma
vida fácil, têm um grande amor entre eles".
Quase a finalizar o módulo, fizemos uma abordagem ao tema “Competências
Sociais", clarificando as vantagens de sermos assertivos e como cultivar a
assertividade e como tal, aprofundar quais as atitudes assertivas no local de
trabalho, durante estas aulas foi realizado uma pequena reflexão de grupo,
onde referimos as atitudes mais correctas a adoptar tanto como pessoa, como
trabalhador, (ver em anexo).
Os valores éticos e deontológicos, também fazem parte da assertividade, pois
existem códigos deontológicos a seguir e para o seguirmos correctamente
temos de possuir atitudes assertivas a fim de não nos comprometer nem
comprometer o próximo. Por tudo isto concluo que as normas estão connosco
desde que nascemos, durante a nossa vida até morrermos, cabe a cada um
adquirir as melhores ou piores para si, daí classificando-as.
Por fim foi leccionado o tema da imigração tal como os apoios existentes para
os mesmos.
“Até as anos 90 do séc. XX, a maioria da imigração em Portugal era oriunda de
país lusófonos, no entanto a partir de 1999, começou-se a moldar um tipo de
imigração diferente, em massa proveniente da Europa de Leste." Para dar apoio
a estes imigrantes começa a surgir as associações de apoio aos imigrantes, com
os objectivos de apoiar as comunidades de imigrantes na parte socioeconómico,
apoio á promoção da inserção socioprofissional, formação (cursos de línguas).
Com todas estas associações a apoiar os imigrantes, dá-nos uma boa
perspectiva da imigração em Portugal e riqueza do nosso país.
No final da UFCD de, Processos Identitários, posso dizer que foi muito útil este
módulo, desde a personalidade, o não fazer distinção de raças, ao estilo
assertivo para uma melhor produtividade e relacionamento.
Este foi um módulo muito interessante que acima de tudo contribuiu para
melhor conhecer o meu “EU".
Formadora: Rita Correia 19 - Dezembro - 2010

Você também pode gostar